Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05250


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode 1344.
Tcr^a Petra 17
i \ r>'DiatOpublica-aa todos di*, que nao foKm s.ni.icar.o. : 0 prego 1f aa^ffara
bre res mil rs. portiii.rtol pago, adi.nt.dos O annnnciosdo. MiRiiante. to ineeridoi
a;, alie, o dos t;ue no foieai rferio d 80 reia por liana. Ai reelaBacoae data ar diri-
t..a n alia T/p,, ra daa Crute n. ..'i ou a prega da Independencia toja da lirro.n ri 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
G')inn,a tarahrba.aaruBdaac eextae (airas.Hio Grande do Norte, cbega 8 t 2 e par
le l0e.4.C.l.o, Strin'hkCTD ilio r/onoaeo, Meceyo, PortoCairo, a Aiagoas: no i. -
lia Ideoeda Biet. Garanliuna e Bonito a le l de dada met Boa-risla a Flor
i, (Ji 8 dito. Cidadn. da Vifttoria ijuintai feira. Olinda todo os diaa
DAS da semana.
16 Se. ai, Ananiaa, Ataras e Mitad. Aud. do J. de D. da 2. r,
17 Tarea a. Barihulameo Bel aud. .lo J. daD.dtl.i.
18 Ousrf.a A. S. do O'. And. do J. da D. da 3 t.
19 Quinta a. Fausta. Aad. do J da D da 2. t
JO Sattan. Domingos Aud. do J. de"D. da i. .
21 Sab. j v Tbom *
2'-' Uons ; Honor-to.
DIARIO
tfCJ
PARTE

* e |f* H
rsnma
HU
de Dezembro.
AimoXJL 82.
... dap^d. da .. r <.; d. no... prodaoeia. *** .* fe >.
UnntaaM uo.au principiamos, reremut apuntado. miinr-^-*<> a
, ...=,.;,. i* AaaacebWa Garal l0 "-*"
* Cambio, jal'. Lsjnirc 38 l|l a .'5.14
a Pari. 380 rea por Ir.nco
11 a tfaboa U .. Itl .1. pfS
..' ."-da da m.bre .0 par
Idas, da loras se boa. fir.it 1 pOr O|0
(IKJIOJ b uu i llK Ul.KMBO.
Oara-Moed. de P,4U
h.
1. 4,00-
i'raiatassi-'wi
Pasos oolumnislaret
v Dito, aaaucaaa.
17 00
16.800
'J,0
Lwo
1 ,fio
1,40
renda
17,-OU
17,000
1,1*00
1 ffju
l.SKi
PIIASES DA LA NO HEZ DE DEZE?ftRO.
La al.aia a JO a. 2 hjraS 44 m da m : Luaaora a 11 a. 9 h. e 4 iain da tarda.
Minjuaate itlli boraa a i taio ,'t tarde i CnasWlla 8 uss j j je larda.
Prcatnar de hoje.
Prissars is 'ti hora ain 54 da mauli.ia | Sagundil as lt l.ora 18 uiinuiosda larda
r,y>-. r.ijSH^fBgsaawMBM *itf^MPa'alBfli,r,MTffff^^wpr-'g^Jt-' ** *i:-*'.a-:|Amm-/,b-masas.aataym ...afla^sr.'
.f^USf'H
MINISTERIO DA JSTigA.
Urgindo a bem do servido publico t|ueos Jui-
zes de' Direito e Municipios sigao quanto antes
e vo exercer os lugares para que forao numea -
dos ou removidos, recebi ordem de S. M. olm
perador para declarar a V. Ex. a lim de fa-
zer constar aos que por ventura se acbem nessa
provincia, que sero considerados vagos os lu-
gares daquelles que nao tirarem as suas cartas
dentro de seis mezes contados do dia do recebi-
mento da noticia do despacho, e naoseguirem
logo depois para o seu destino sendo tambem
considerados vagos os lugares dos que, tundo
tirado as respectivas cartas, nio partirem para
exercerem os seus lugares dentro de trez me/es
contados do dia en) que receberem a notillcacao
que V. Ex. Ibes mandara fa/er em virtude desta
ordem. O que communico a V. Ex. para sua
inteligencia e exeeuca t, e para que d parte do
quaes foro os individuos notifcados e quando.
Dos guarde a V. Ex. Palacio do Rio do Ja-
neiro, em 26 deNovembiode t8H.Manoe
Antonio Calva.Sr. Presidente da provincia
da Baha.
Na mesma conformidade aos Presidentes das
dentis provincias do imperio, com as devidas
modificacoes.
EXTERIOR
MONTBviob'oVerifica-so a noticia da desin-
telligencia occorrida entre o Chele das (oreas na-
vaes brasileiras eo Commandante da esquadra
oriental.
O Coronel D. Melchor Pacheco y Obez, len-
do sido de opiniao contraria a seus coliogas,
quanto ao bom accordo em que vjero aquello
respeito. deo sua demissao tos cargosde Minis-
tro da Guerra e Commandante das Armas ; sen-
do substituido n'aquelle pelo Brigadeiro Gene-
ral D. Bufno Bausa, e n'este pelo Coronel gra-
duado D. Venancio Flores
D. Santiago Vasque/. pedio tamhem demis-
sao do Ministro do interiore relacoes exteriores;
mas o Presidenteda Bepublica julgou nao dever
conceder-lhe.
As Cmaras legislativas sanccionro em
sessodcl2do Novembro o projecto de lei
que approva, em todas as suas partes, o con-
trato para alien cao da tonda da Alfandega no
annode 1846.
Falleoeo no dia 18 o General Rondeau, pri-
meiro Governador da Repblica depois da sua
independencia.
dem, 20 de Novembro.Supponho queja
estar nessa, a esta hora o Pacheco y Obez ;
e lera Vmc. concebido grandes esperancas com
a ida de tal borneo). Dos o tenha em lugar
donde n5o possa fazer derramar mais lagrimas,
nem arruinar mais familias: desejo-lho arre-
pendimento e perdao do Dos, e que perca tam-
ben, para sempre a lembranca de Montevideo.
Os Italianos e Franoezes estao muito desa-
nimados, e tudoannuncia um promplo termo a
tantos males.
dem, dito.Pozlo, Barros e outros sahi-
rao para o Rio Grando ; encarregado o primei-
ro de ver o estado de Rivera, e se se pode es-
perar alguma cousa d'elle : entretanto se ne-
gocia.
O incidente com os Americanos terminou se
amigavel, honrosa e satisfactoriamente.
Bubnos-Atbes 15 de Novembro de 1844.
Cbegou hoje de Montevideo o Eclair e seu
Commandante deo ao Capitao do Porto, como
certas, aseguintes noticias :
Pacheco y Obez ficava a bordo do um vaso
da esquadra franceza; Estivao e outros cheles ,
em barcos de guerra brasileiros. Santiago Vas-
quez pedio a sua demissao, que ainda nio (ora
admittida, e tinha fretado um navio america-
no, pagando 25 paiaue de estada. A guaini-
cjo ostava dividida em partidos; o Thesouro fe-
chado desde odia o. dia II e ludo em desas-
soce^o.
Diz-so tamhem que estavSo em ncgociac,ocs
com o Presidente Oribe
dem, dito. De Paz s sabemos de
certo que haviu chegado ao Rio Grande.
Fazem-seos maiures elugios da disciplina e
moralisaco em que se acha a divisao do Gene-
ral Garzn, que alguns calculan cm mais de
i,500 homens, e o que menos Ihed, em
3,000: acha-so com elle o Coronel Lagos.
Uuvidamos que Paz se possa movcr( se ousar
permanecer) de Corrientes.
( Sentinetla da M. )
! laaaiininiji i1'! i na
F@LMIT0
O REL(')
14.
LEMBRANCAS OD REMORAOS.
Alguns das se passaro, durante os quaes
augmentou com fatal rapidez o mal de Valen-
tina. Urna noute vio-se Ricardo constante-
mente atormentado pela sua imagem : ora a
via paluda, com cabellos deigrenhados, olhos
espantados, entregue a loucura que depois de
tirar Ihe o espirito, acabara por desleiar-lhe as
(eicesseui deixar-lhe mais nada do que d'antes
era ; ora via que a levavo amortalbada, e a
depoiitavao em urna cova no seio de trra in-
cgnita e miseravcl, cujo caminho ninguem
mais poderia descobrir para ir abi chorar sobre
a sua sepultura. Ao primeiro arrebol da au-
rora Ricardo poz-sede p armado de urna fir-
me resolucao Nao se tratava mais de un
roubo, de um rapto, de urna ladrt eir, a cou-
sa reduzia sea commetter um assassinio, e Ri-
cardo nao quera perpetral-o. Era n xessa
rio a todo o custo restituir desventurada asocie-
dade, cuja separado a matava, 6 elle o ia pedir
a seu pai. Elle senta que neste momento sua
O VttftoDfefto D. 281.
FR\NCA.
Logo depois da chegada do Sr. Principo de
Joinville a Pariz, foi ello em direitura as Tu-
Iherias e ao Ministerio da Marinba. Ao pas-
sarnojardim das Tullierias, encontrando S.
A. R a M. Guerard, professor da escola
Polytechnica, o qual foi seu meslre de matho-
maticas, bateo-lhe no hombro pordetrat. Vol-
'W
ardente piedade Ibe daria Torga para uctar con-
tra o velho, por mais que se este armasse das
suas implacavei razOes, ou do seu exaltado
fanatismo.
Desceo pois rpidamente a sala terrea, abri
resoluto a porta ; mas nao havi abi ninguem :
a cama ja estava vasia, o quarto 'espejado. Di-
rigio-se com passo firme para a fabrica ; mas
Ambrozio ainda aiii nao havia apparecuo.
Voltou ao jardim ; mas nao achou la ente vivo,
nada ouvio, eos mesmos passaros estavao ain
da adormecidos sob as foi lias Impaciente como
estava, Ricardo sabio a percorrer os arredores
do pardieiro, mas l tamhem nao achou seu
pai.
O velbo aldeao estava assentado no meioda
ladeira do outeiro prximo, e repousava sobre
a raz levantada de um carvalho oco : na cabe-
ra recebia a pallada luz da aurora nascente, ti-
nha os ps arrimados a um cabero de pedra
ainda hmido e sombro, estava envolto no
seu capote cinzento que o abrigava do fresco
penetrante da manbaa, e ao lado tinba o bas-
tan de pontera de ferro. Ainda que se cha-
va to fraco que nao poderia manejar urna ar-
ma, todava tinha ello machinalmente medido
na cinta a faca de caca o urna pistola, por ter
de sahir muito cedo em um lugar infestado pe-
los lobo.
Ambro/io acabava de conheccr por sympto-
maS Cfl'tnSi niip o srii fim i; anroximava ; utic-
tando-se de repente M. Guerard ficou muito
admirado dever o Principe que rio-se muito
da sorpresa do seu antigo professor. Forao
ambos juntos conversando de bracodado para
o Ministerio da Marinha. O Almirantu de
Mackau estava no conselho dos .Ministros em
Saint-Cloud.
O Principo parti para esta residencia pelo
com bolo do caminho do ferro das 4 horas e '/
Enlrou sbitamente na sala onde estavao reu-
nidos os Ministros sob a presidencia do Re.
S. M. recob 'O nos seus bracos o joven ven-
cedor de Marrocos, e apertou-a com transpor-
te. O Rei levou -a Rainha e Senhora
Princez de Joinville. O Principe conversn
depois por alguns instantes com M. M. Guizot
e de Mackau. O Rei ordenou inmediatamen-
te quo so demorassem os preparativos da sua
partida para Eu, querendo ouvir da bucea
do Vice-Almirante os pormenores do combate
o da victoria ganha pelos seus bravos marinhei-
ros. Dizerr. que o Principe estava levemente
indisposto.
L-se no Journal du Havre de 2 do Outu
bro oseguinte:=
Ao tempo que se dispunha tudo em Tou-
lon para festejar-se a volta do vencedor de Mo-
gador, Irente da sua esquadra victoriosa, sa-
iiia silenciosamente de Cdiz a corveta de va-
por le Plulon, eseguia para o Havro, trazen-
do a seu bordo o joven Almirante, desejoso de
esquivar-se ao apparato de urna rocopeo
triumphal.
Depois de urna viagem deoitodias, sur-
gi le Piuton esta noite no nosso porto; on-
de immodiatamente desembarcro n'um es-
caler o Prncipe de Joinville, e o seu Ajudan-
te de campo M. Touchard, Tenente do Mari-
nha; e passando o Principe na escada do Gran-
de Caes pela moia hora depois da meia noite to-
cava pela l.'ve*. depois da sua partida para a
frica, esta trra de Franca que elle acabava
do dotar com mais um louro. Depois de ha
ver tomado algus instantes de repouso no lio
tel do Almirantado, mandou pedir'cavallosda
posta, o poz-so logo a caminho para Rouen,
com a inteneo de aproveitar-se do caminho
do ferro, cujo 1. comboio devo tcl-o posto
em Pariz esta manbfia mesmo, sde/. horas.
Nao ttmao sido alguem avisado da sua
ebegada, a cidade naosoube, seno ao acordar,
da Ilustro visita quo recebeo. Tamhem de
todas as parles ouvia-se um s rito de pe/ar
na nossa populaco que quizera saudar primei-
ro a volt i do joven general que to dignamen-
ria ver seu irmao antes de morrer, confiar I lie
os sogrodos que Ihe pesavao na conscicncia,
ser julgado por esse homem inspirado por Dos,
e alcancar a sua approvaco ou o seu perdao,
para sua tranquilizado entre os umbraes da
morte ; por quanto se a sua religiao para com
Dos havia falbado nos mais difliceis momentos
de sua existencia, a quo elle cultivava por seu
irmao, nunca ihe baviu desamparado < luis.
Elle havia por portanlo mandado chamar por
um pastor o cura de Cerny, e viudo ao seu en-
contr at meo caminho.
Depois que all havia chegado, attonuado
polos esforcos que fuera por o conseguir, senti-
r adormocerem-se-lbe mais os membros, ge-
larem-se os ps, o sangue parar as veas, dif-
cultar-se-ihea respnacao, e reconhecera ties-
tas alteracoes os pi i me iros toques da morte.
Permittio o acaso que desse lugar pudess-oelle
doscobrir o bosque onde pola prmeira vez des-
pojara o viandante. O cume s off'erecia urna
massa uniforme de foibugem, mas de um lado
urna quebrada que I azia essa linha verde e um
ponto mais escuro indicavo o lugar do muitos
ciprestos. de verde mais fechado o menos eleva-
dos do que as arvorrs, e era alli quo havia sido
commettido o attentado.
Ambrozio tinha ainda sobro si as armas, do
que se servir nessa noute, e um capoto igual
ao que ento trazia; senlio-se transportado a
i'.sf rnomonlf, ni.ir um impulso estranljr, I|a-
tesustontou nas costas de Marrocos a gloria da
bandeira france/.a. ,
Soii o titulo : Urna Aoentura do Prin-
cipe dt Joinville publica o mesmo jornal o
seguinte.',
(f As rpidas apparicoos do Prnicipe de Join-
ville, quando menos o esperao, oxpem-no a
tantas aventuras jocosas quantas outr'ora suc
cederao ao Califa Aaroun-al-Raschid, de ma-
ravilhosa memoria, ou nos nossos das ao Im-
perador Nicolao. Roferimo-nos ao equivoco
original de que ello foi objeclo no tempo da
sua nltima excursao ao Havre. Um novo
episodio distingui n esta noite o seu transito.
Era meia-noite ea la encuberta lancnva
um clarao duvidoso sobre os nossos caes deser
tos, quando o escaler do Principe atracou
escuda do Grand-CJuai. Com pressa do de-
sembarcar saltou om Ierra M. Touchard, e
sem olhar cm turno do si parti como um raio
para o hotel, a lim de mandar preparar alli um
aposento. 0 Principe dispunha-se a seguil-o
com um passo mais pausado, e ja punhu o p
ain trra, miando de repente levantou-se a
dianle d'elle um corpo at entao invisivel, e
urna v z, cujo tom do meio-geringonca, o
meio-severa, mas clara como lat, dizia : a A-
gora oapanho, apostrophou-o com um de-
vagar, devagar, onde vai todepressa!
a. Era a Alfandega, a Alfandega do cem
olhos, que na pessoa de um dos seus Argos
velava na integridado do$dtreitos do llei. O
vigilante preposlo observando urna embarca
cao atracar de noite, um homem subir d olla
i: safar-se a toda u pressa, tinha suspeitado que
iiavia ah aigum mysierio: iem tinha eiie-
dito l com sigo, escapou-me o primeiro, mus
o outro nao me ha de encapar. Figurai-
vos aqu o honrado guarda d'Alfandega culcu-
lando a sua manobra, com aquella sagacidade
que distingue aadministiaco do quo faz par-
le, comiiihdiido de msnsinho para o supposto
contrabandista, e agarrando.... a ouem i1 ao
vencedor de Mogador.Como se os loiiros fos-
som contrabando em Franca.
lomado de improviso e nao sabendo de
que se tratava o Principe sorpreio fez repetir
a porguntu ao guarda que Ih'a reiterou bem e
bellamente com um ar fuiorio e convidou-o a
deixar-se correr. Esta agradavel exigencia fez
em lim conhecer ao Principe o que aquelle era.
c fiel observante da ordem: Eu nao trago
commigo seno isto.udisse elle, tirando da algi-
beira urna rica carteira atacada de papis. A
vista desta joia metamorphoseou-se o pobre pre-
via mais de viole anuos que o caso succedera,
e cointudo a scona se Ihe figurava aos olhos
com eslranha lucidez.
Sim, disse elle ; era um administrador,
que havia ido Sait-Germain receber o seu
ordenado, e voltava para sua casa meio beba-
do. Com o salto quo deo o cavallo, quaudo
Ihe agarrei as icJeas, elle rolou em torra ;
iaiittn-iuo vuiM vi0| i|ue uu u.uku um bote
de espada, que mo tocou no peito ; quebrei
a punta da espada e ulirei-u ao longe. Depois
puz-lhe um joelho sobre o venlre, < qui/ des-
poja-lo ; mai nao sabia como o lizesse, e as
mos metremio; ievei muito tempo a despren-
der-1 lie a Cdeia d'ouro ; arcava-me o peitc, es-
tava qutsi prestes a abandonar a tarefa ; loi
ello que tremendo pela sua vida me mostrou a
alyibeira, dizendo-meaqui Airanquei-lhe
a Hulea, o fugi entranbuodo-me no inatlo.
nao delle, mas da minba lea uceo... Exa-
minci -me entao, e vendo tjue o sangue quo
havia sobre meus vestidos era so o meu, respi-
re !. .. Entretranto, se esse homem nao es-
tivesse bebado, se elle se houvesse defendido ;
eu ainda inhbil no horrivei officio, te-lo-hia
morto para o roubar ; porqne o filhode Mari-
anna necessitava de pao... E lioje 1 agora que
a morto me resfria os ps, quo pens ainda,
que vejo esse lugar, que sentira !. .
No mesmo instante Ambrozio sempre com
o olhos hos no bosque fatal leve urna turba-


posto qoe passando sbitamente das mais ne-
gras suspeitas h mais nteira confianca pz sem
transicao o dedo sobre a verdade e saudu pelo
seu nome lo Prsncipo de Joinville.
Se he ficilo tirar se alguma moralidad*
d'esta anedocta que nio he fbula, poder se-ha
concluir d'ella, que no espirito da Alfandcga
nio ha n.eio termo entre um contrabandista e
um Principe. (Preise.)
MIMBBaHBBM^MMHWaUlMSMltti
INTERIOR
CONTINUAgAO DAS NOTICIAS DO
VAPOR.
RIO DE JANEIRO.
Rtiacdo dos despachos publicados p;la Secre-
taria de Estado dos Negocios do Imperio no
faustissimo dia 2 de Dezembro di 184 ,
anniversario natalicio de S. M. o Impera-
dor.
Casa Imperial.
Guarda-Ropa Honorario
OTonente Coronel da Guarda Nacional Fran-
cisco Jos da Bocha lilno.
Mogo da Cmara.
O Bacharel Lu? da Malta Leito de Araujo.
Tratamtnto de Senhoriti.
O Tenente da Imperial guarda de Archeiros
Manoel Moreira da Lirio da Silva Carnero.
Ordem Imperial do Cruzeiro.
Cavatleiros.
O Coronel Feliciano Jos Neves Gonzaga o
Cnsul do Brasil em Bunenos-Ayres Clomente
Jos de Moura Magalhes, Dr. Jos Francis-
co Sigaud e Dr. Loit V cente D. Simoni o
Major de Fuzleirog Joaquim Jos de S Al-
meida Lobo, porservicos prestados na provin-
cia das Alagas, o Capitlo de Fuzileiros Ma-
noel da Gama Lobo d'Kca, por servicos presta-
dos na referida provincia.
Ordem de Christo.
Commendadores.
J080 Baptista da Silva Pereira, da provincia
de S. Pedro do Rio Grande do Sul, Manoel da
Carqueira Lima Encarregado de Negocios do
Brasil as repblicas de Nova Granada e Equa-
dor, o Des. Manoel Messias de Lelo, o Ins-
pector da Alfandega da cidade da Babia Joa-
qun) Torquato Carneiro de Campos.
Caralleiros.
O Padre Ignacio Soares Vianna, Vigario
Collado da fregue/ia do Rosario, na cidade de
Porio-Alegre, o Padre Jos Goncaives Ouri-
que de Vasconcellos, Vigario da fregue/ia de
Catle, na provincia da Parahiba.o Padre An-
tonio das Neves, Vigario da freguezia da Villa
Nova, na provincia de Sergipe, o Padre Fran-
cisco de Mello Azevedo, Vigario da freguezia
de Alagda Nova, na provincia da Parahiba ,
o Padre Justino Furtado do Mendonca Viga
rio da freguezia do Santa Quiteria, na provin-
cia do Cear, o Padre Luiz Antonio dos San-
tos, Vigario da freguezia do ^r. do Bomfim
da Malta uoS. Jo5o na provincia da Bahia ,
o Official-Maior daThesouraria da provincia de
Santa Catharina Francisco Jos de Oliveira ,
Carlos Jos de Almeida o I)r. Francisco Joa-
quim das Chagas, Dlo da cathedral de (Jlin-
da, o Dr. Jacinto Rodrigues Pereira Reis, o
Dr. Jlo Mauricio Faivre o Capitao Joao
Ferreira da Silva Lima, o Bacharel Joaquim
Jos da Cruz Secca o Bacharel Domingos
Martins de Ferias, o Bacharel JoSo Fernandos
Barros, o Major Antonio Alves Guirnaries, o
o Major Manoel Goncaives Pereira Duarte, o
Q3o da vista, e pareceo-lhe que todas essas ar-
dores se moviio e andavio a roda ; encostou-
se ao tronoo do carvalho; e sempre olhando para
o bosque, afligurava-se-lhe ver no centro delle
mil fogos errantes o azuladosque illuminavao
trevas.. Estremece o espirito se Iho per-
turba a inda mais. No meio dessas luzes livi-
daa, os troncos das arvon-s torno-se carran-
cudas figuras, despreg\-se da torra, a-ilo-se
em lodos os sentidos, aprsenlo o aspecto
horrendo que se auribue aos espritus infer-
naes ; rstes demonios o encarao com olhos de
fogo, e com riso horrendo movein-diante delle
milhares e milhares de pecas do ouro, de joias,
de brilbantes, fazendo-lhe negacas e gestos de
ameasa ou dironia. Elle tem tambem
em suas propnm mos moedas do ouro, de
um peso enorme, que Ih'as quemao at os
ossos. Serra-se-lhe o peito, a fronte se cobra
de luor. Mas sempre forte, e senbor de
sous sentidos, julga tranquillamente que todas
estas imagen sin as hallucinacoesde um cere-
bro enfermo, eslremecendo comtudo dos pen-
samenios qoe ellas Ibe suscitao.
Esses fantamas vern dizer-me que o rou-
bo tambem he um crime, pensava ell*. E
com efleito, sou eu por ventura innocente por-
que nunca derramei o sangue humano, quan-
do tantas outras violencias commetti, quando
espolie com mi armada e ala quem so tinha
a culpa de possur demasiada riqueza ? E se
Capitlo Candido Jos Brrelo, por servaos
prestados na provincia das Alagas, o Alferes
Cbristovaodo Abreo Carvalho Contreira, por
servicos prestados na dita provincia, o Capitao
da Guarda Nacional Francisco Ignacio Correia
de Araujo, por servicos prestados na mesrna
provincia, Jos Gomes da Rocha, por servaos
prestados n* mesma provincia o Capitao Jos
Martins, por servicos prestados na mesma pro-
vincia o Capillo Jos Mara Jovita, por ser-
visos prestados na mesma provincia.
Ordem de S. BentodeAviz.
Commendador
O Coronel Jos Joaquim Machado de Olivei
ra, o Bario de Caja iba.
Cavalleiros.
O Major Antonio Joaquim de Magalhes
Castro, o Capitlo Bernardo Jos Teiieira Ras,
o Capitao Joaquim Marcellino dcCamargo, o
Capitao Tenente Jos Mara Nogueira.
Ordem da Rosa.
Dignitario.
O Ministro Plenipotenciario em Londres,
Jos Marques Lisboa.
Officiaes.
O Encarregado de Negocios do Brasil no Pa-
raguay Jos Antonio Pimonta Bueno, o Offi-
cial-Maior da Secretara de Estado dos Nego-
cios da Guerra. Francisco de Paula Vieirade
A/ovodo, o Offical da mesma Secretaria Jos
Antonio da Fonseca l.essa, o Thesoureiro da
Thosouraria da provincia de S. Pedro do Rio
Grande do Sul Rodrigo Jos de Figueiredo
Moreira, o Official-Maior da Secretaria do Go-
verno da provincia da Baha Manoel da Silva
Barana, o Inspector da Thcsourara da pro-
vincia do Santa Catliarina Agostinho Leitio
de Almeida o Vice-Presidente da provincia
do Cear Francisco de Paula Pessoa, o Vice-
Presidente da provincia do Par Antonio Jos
de Miranda, o Cirurgiio-Mr Thomaz Silvei-
ra de Sousa. da provincia de Santa Cat'uarina,
o Capitao de fragata Augusto Laverge, o Ma-
jor Gustavo Antonio da Costa Ferreira, da
provincia do Maranbio o Tenente Coronel
da Guarda Nacional Sebasliio Lins Wanderlei
Padrnho, por servicos prestados na provincia
das Alagas.
Cavalleiros.
O Dr. Manoel de Veladlo Pimentol.o Tbe-ou
reiro da Recebedoria da provincia do Para Jos
Joaquim Rodrigues Martins. o Capillo Cesario
Jos da Silva Conrado, da provincia do Piauby,
Francisco Jos da Silva Conrado, da mesma
provincia, o Mejor Antonio Vicente Danem-
berg, Jos Maria do Valle, da provincia de S.
Catharina, o CirurgiioMor Antonio Jos de
Mello, o Secretario do Governo da provincia
de Mato-Grosso Ayres Augusto de Araujo o
Procurador Fiscal da Thesouraria da provincia
do Para Jos da Fonseca Cerdoso, Manoel An
tomo da Silva Serva,o Capitao Thomai Jos Mo-
niz. da comarca de Coritiba na provincia de
S.Paulo, o Major Francisco Antonio de Oli-
veira. da mesma provincia, o Alferes de com-
miasio Jos Correia Varella da Franca, porser-
vicos prestados na provincia das Alagas, o Al-
feres do Guarda Nacional \!anoel Tbomat de
Miranda, porservicos prestados na mesma pro-
vincia, Augusto Cesar Duarte Nunes, por ser-
viros prestados na mesma provincia, o primeiro
lente de ruinara Jos Antonio de Araujo
Silva, porservicos prestados na mesma provin-
cia, o primeiro Tenente de Engenheiros Juven-
cio Manoel Cabral de Menezes por servicos
prestados na mesma provincia, o Alferes Aju-
dante Jos Rodrigues Soares, por servicos pres-
tado na mosma provincia, w Cadete de F/lci-
ros Antonio Carlos FiedericoSera, porservi-
cos prestados na mesma provincia, Joaquim Jo-
s de Araujo Lima Rocha por servicos presta-
dos na mesma provincia. Secretaria de estado
dos Negocios do Imperio, em 2 de Dezembro
de 18H.Antonio Jos de Paiva Guedes de
Andrade. (J do Commercio.)
Chegou a esta Corte, no dia 30 de No-
tembro, a bordo do brigue de guerra V Assas,
o Coronel D' Melchior Pacheco y Obez, ei-Mi-
nistro da Guerra e Marinha e Commandante das
Armas da Repblica Oriental. Este cavallei
ro retirou-sedoservifo da sua patria por haver
o seu Governo accedido exigencia do Com man
danteda estacio imperial.. No oflicio de renun-
cia, nio su d'aquelles cargos como da sua pa-
tente militar disse o Sr. Obez : Como cicla-
dlo e como soldado, tinha ido para bordo da es-
quadrilba, a fim de sustentar o decoro da rep-
blica, atropellado torpemente por urna fatco
da esquadra brasileira, sem que pudesse justi-
fica r-se lio inslita provocaco.Muilo extra-
nhamosque, enxovalhando d'est'arte o bro da
bandeira brasileira, viesse o Sr. Obez viver no
Brasil, sombra do proprio Governo que nio
pode deixar de opprovar plenamente o acto que
S. S. classifica como o rr.ais sujo que :onhecem
os annaes da repblica !.. Accio tal nio he
de cavalheiro, ou enlo he muito confiar do
bom humor dos Brasileiros que de certo nao
podero olhar com sympathia aquello que tio
odiosamente maltratara a nossa nacionahdade.
[Senlinella da Monarchia.)
Dizem que o Capitlo de mar e guerrra Jos
Joaquim Baposo, que est no Rio Grande, ser
nomeado para o lugar de Inspector do Arsenal
da Bahia. vago pela morte do Sr. I'rancisco Bi -
biano de Castro. (Jornal do Commercio.)
Consta oficialmente que o Sr. Dr. Jos
Antonio Pimenta Bueno, Encarregado de Neg
cios do Brasil no Estado do Paraguay, fura 'e-
cehido polo Presidente d aquella repblica com
as provas da maior considerado.
Foi preso pela Policia.no dia 25do corrcnle,
(NovembroJ Luis Gomes do Soccorro, por sus-
peita de haver subtrahido os direitos nacionaes
n'usndospachode cera,feito.hadias.na Alfandega
d'esta Corte, noqual forao falsificadas as firmas
do Sr. Thesoureiro e mais oulros duus empre-
gados d'aquella repartilo. Ainda mais esta
nos faltava .
(Senlinella da Monarehia.)
para o oflicio que a diante se publica i pedido.
Com mullicado.
ApuracSo da eleico ie Creadores para a Ca~
mar de r)linda.
Aprsenlario-se por fim as actas da eleicio
de Vereadores da cidade de Olinda. O resul-
tado o mais espantoso que se pode imaginar *
sahiri os eleitos com 5,800 votos! A fregue-
zia de S. Pedro Martyr que, pela lista feita pe-
lo Juit de Paz, tinha 514 votantes, como se pu-
blicou pela irnprensa, deo 1604 votos A S
que com Beberibe tinha 630 votantes pela lista
publicada pelo Juiz de Paz, oTereceo um con-
tingente de 4,265 listas, para o triumpbo cele-
brado ; declarando-se na acta da eleicio que
3,200 listas erao de reclamantes na oacasilo !
Deve-se notar que nio entrio em coota as lis-
tas da capella de Beberibe que icrlo inutili-
sadas, porque *m lugar de lerem sido apura-
das na mesma capella forao remedidas .i C-
mara; e que da cidade muita gente nao votou,
por nio ter garantas da realidade de seus votos.
com as mezas, que se formarlo para vencer
eleicio por fas, ou por nefas. Tendo dado a
cidade de Olinda 5,869 volantes, nio sendo
exaggerado calcular por cada votante 5 pessoas,
ter a praa, cujos chefesem Olinda vencerlo
a eleicio, entre pas de familias, filbos, adhe-
rentes, mulheres, e gente de p no chao, e
escravos, 30,000 correligionarios! D-seum
terso para o partido vencido, e teremos em
Olinda urna populacio de 40,000 almas 1 As-
sim cresceo a populacio at da decrepita cidade
de Olinda com a fecunda polica do Sr. Anto-
nio Alfonso .' Agora digno estes tranpolneiros
que nio teem pejo de contrariaren! a qualifica-
cio feita pelos seus Juizes de Paz, o publicada
pela imprensa por ef les mesmos, que nio se
correm de apresentar um numero de recla-
mantes ficticios que conlm urnas poucas de
ve/es essas listas, o que querem que d'elles sup-
ponba o publico Ah nio ha smente desca-
ramento para vencer urna eleicio com falsifcs-
Soes d'esta natureza ; os seus precedentes dio
mais que esperar. A municipalidade de Olin-
da, nico patrimonio de certos espertalbSe,
breve locar inanicao.
CORREIO DO RECIFE.
CORRESPONDENCIA DA CIDADE E PROVINCIA.
Tenho boje tantos arranjos do meu particu-
lar nteresse sobre o tapete que nao posso por
mais que queira acudir a minha tarefa de
correio.como devera; e fica-me disto grande pe-
zar, porque ja hontem nao fallei, por pregui-
Sa. confessoa minha inopia emeerto objecto,
sobre o qual tinha meus 8pontamentos fe i tos e
hoje por fatalidade fica ainda o negocio no t n-
teiro. Paciencia, e Vms. tenho na tambem,
que he boa para a vista.
DIARIO HE PER.\.0.
ludo o que eu suppuz justica e humanidade
nao fosso senao orgulho e inveja ? Se nio
fosseoacaso, ou fatalidade. mas sim urna lei
irnprescrutavol do proprio Dos, que reparte
assim os bens desto mundo, oqueeu, ceg e
insensato viesse de meu arbitrio contrariar os
seus decretos I...
Muitas vezes me tem borbulbado n alma es-
tas duvidas------ Mas devia eu por causa dellas
renunciar a soccorrer meus irruios, abjurar os
meios atrevidos que podio salval-os, resignar-
me como os outros lei commum, por-me na
obediencia passiva, para nio ser responsavel
pela revolta, para conseguir o repouso da mi-
nha alma! Ja estou bem telho, velho como
esta rocha que neste momento mesupporta, e
desde que me entendo s tenho em torno' de
mim miseria e solTrimento ; e devi*. eu tambem
ser a isto insensivel como esta rocha ?
Fallando assim bateo na pedra com o bordio
ferrado, e uma-faisca sabio dola.
Chamamos a attensio dos nossos leitores
E se minha audacia fosse conbecida
disse elle horrorizado ; se esta vida de rapia i
viesse a servir do exemplo, eat^ar o ardor da i
vinganca ; se assim como este forro batendo
sobre a pedra, eu houvesse feito arrecentar do
sofo urna faisca, que produzindo um incendio
v.essoaabrazal-ol... Oh! quantas duvidas, \
quantas agonas !... Quem me dir oque te
nho feito
Como elle pronunciava estas palavras, acbou-
se reclinado sobre seu irmao.
Oh 1 dize-me tu, homem de Dos, di-
ze-m'o !
O cura hava apressado os paisos, ao ver seu
irmio prostrado ao p da arvore, e achando o
tio abatido, tinba-se ajoelhado junto elle e
o ergua em seus bracos: tem comprehender
as palavras incoherentes de Ambrozio. enten-
deo todava que elle padeca, e o apertava tor-
na mente contra o cora cao.
Os dous velhos conservario-se assim abrasa-
dos, paludos, abatidos, trmulos de dr e sus-
to, em quanto os bellos raios do sol, que se
ergua do horizonte vivificavio a athmosphera
em redor delles, e a viracio da manhaa pareca
vir varrer os cuidados da Ierra.
O pastor em p em frente delles, com seus
longos cabellos louros o grandes olhos azues,
cbeos de odiTerenca e serenidade oceupava-
se em sacudir as florinbas amarellas do bano ,
que o vento desprenda dos ramos, e Ihe semea-
va sobre a cabeca ; elle nao pensava pobre
camponio que era por amor delle que esset
dous velbos o padro e o salteador, linhao passa-
do urna longa vida de esforcos de sacrificios ,
de terriveis labores. para uar-lbe um o pao do
corpo o ulro od'alma.
Ambrosio sustido por seu irmio e pelo pas
tor deseen vagarosamente a coloa. Ao tLe-
gar ao poyoado quu entrar na fabrica para dar
Correspondencia.
Sr*. Redactores.Lendo no seu Diario o.
276 urna pergunla relativa a substiluicodos Ju-
izes doCivel.paieceo-meter todoo fundamento,
e vendo que ella tinha sido feita a quem quize-
se responder, o que ninguem o tinha feito ape-
sar da sua importancia, pois que da falta de
competencia dos Juizes pode resultar nullida-
de nos processos e graves prejuizos as partes, as-
sente emittir o meu juizo. Sendo pelo art. 10
$ da reforma constitucional a Assembla
Provincial competente para legislar sobre a di-
visio civil ejudiciaria, tendo a le provincial
n. 134 art. 2 limitado a jurisdicio dos Juizes do
Civel ao municipio do Recite, de accordo com
o art. 13 da disposicio provisoria passaro
os Juizes Municipaes de Olinda e Iguarass
excrcer toda a jurisdido civil nos seus termos,
e-nao pdem sor substitutos dos Juizes do Civel
do municipio do Becife, que nio tem mais ju-
nsdico nos municipios do Olinda e Iguarass .
porque sendo aquelles Juizes Municipaes, Jui-
zes do Civel nos seus termos nio sio substitu-
tos de outros Juizes do Civel no outre termo, e
ordem aos trabalhos dos das seguintes, e algu-
mas determ.naces que podessem regulal-a an-
da depo.s delle. Apenas all enlrou esen-
tou-e sentio urna sbita fraqueza, fechou os
olhos o recostou a cabeca sobre o s,io do irmio.
I odos os teares parario de repento e os ope-
rarios correrlo em chusma a soccorrel-o : todas
quer.io ter a consolado de se aproximar do
bom patriarcha do valle M muiheres envol-
iao-lbeos psentiriyados nos seus avenlaes, os
meninos be.javio-lbe as mies gatadas um Ihe
olJerec.a o v.nho outro.o fruclo todos dese-
javao ardentcmente fazor alguma cousa pelo seu
bemleitor dar urna vez alguma cousa a quem
tanto havia dado,
Mas nem urna golta de bebida podo o velho
tomar porque tinha os labios contrahidos al-
guna movimentos convulsivos que Ihe havio
apparec.do no rosto em breve se espalhario
por todo o crpo. O padre, debulhado em la-
grimas mas com voz ainda firme annun-
cia aos aldeir s qUe ludo est acabado e que
aquelle que Ibes lora pai ia deial-os para
sempre.
Os desgracados empallidecem sentindo-se
feridos de um golpe mortal ; a morte do Am-
brozio com M ideias que elles baviao feito
desse velho mysterioso parecla-lhes impossi-
vel, e em todos os rostos como que havin a ex-
pressao do arrependimento misturado de dflr.
Ambrosio tomo abrir os ollios e reco-


>
T>
nf>m cao que tem como attribuiglo propria, no mu
termo: e o 6 do art. i do regulamento de, 15
de Mir^o do 18-2 s pe ser applteTei -eos
Jui/.os Municipios que eflactivamente nao exer-
cem jurisdico civil. Ponso nao estar engaa-
do, mas peco que tenho a b >nd ule de publicar
ests lindas para ao man o dar lugar a discusso
deste ponto. X
Publicacoes a pedido.
llttc.arr0nn Ani 17
Barca//capulcoferro.
BrigueAttreaferro e taboado.
Galera Cquiintaboado
BarcaTentadoramercad ori as.
Barca inglczaO y ton iJein.
Barca Waldmaridem.
9
1 40 cestos vinho engarrafado, 40 ditos garra- o quartei do corpo Je Polica a compsrecerem
las v.isi.is; a l{. Brooking. fc na Secretaria do mesmo corpo no dia 19 do
9 caixas meias d'algodo; a Geo Kenhorthy, correnle pelas lOJioras da manha. (4
-Aviso-* martimos.
&C.
4 ditas ditas ; a Hussell Mellors & C.
I caixa merinos, 2 ditas guitarras caixas
para as ditas, instrumentos de musida e pa- !
pelao, l dita instrumentos de msica e seus I 1Pao Porto est sahira barca portugueza
porlences e corda para violo 1 caixa be*er- i pirito Santo,(\aevmid mesmaquiser carregai
ros 2 ditas carneiras invernizadas lditabe-|ou ir! de Pas8aSem >ara o que tem excellentes
Waldmar barca dinamarquesa viuda do I zerro de lustro, 1 dita folhas de lato 1 dit a e ceiados commodo? dirija-se a ra do os-
IVIPORTAgAO.
Illm. Sr. Participamos V. S. que esta
noute pretendomo em obsequio posse do
Illm. e Exin Sr. Presidente da Provincia, Joa-
quim Maroellino de Uritu, la/.i-r correr us ras
por bandos de msica, com aooinpanhamento do
povo, dando assim urna demonstrar publica
do rigozijo, que sentimos com a nova Adminis-
tracio, Meando V. !>. certo que de nossa parte
invidaromos todos os esforcos para evitar qual-
quer excesso. DeosGuarde a V.S.,Recife 4 de
Junbodel844.Illm.Sr.Dr. Delegado Joaquim
Jos da Fonseca. Joaquim ,\unti Machado
Dr. Jernimo Villela de Catiro TavaretDr.
Joaquim Villela de CastroTavares fntonio
Affonso Ftrreira-Francisco Joaquim Pereira
Lobo Rodal jo Jo&o Barata de Almeida
Antonio Ferreira 'Annunciaco Manoel
Camello PessoaJos Egidio Ferreira.
Hamburgo entrada nocorrente mez a consig-
nadlo de N. O. Bieber & C. manifestou o se-
guidlo :
6 caixas com espedios dn gaveta 6 ditas bo
cetas pintadas, 4 ditas linteiros e arieiros de ni-
dio 1 dita cordas para piano 12 ditas agu-
Ihas 10 ditas lonas 3 fardos papelo 8 cai-
xas bezerros de lustro, 5 ditas tesouras, 2 ditas
pelucia 4 tinas bixas 100 barricas genebra,
6 caixas copos 20 lasls carvo de podra 145
caixas queijos 3 ditas couro enverni/ado, 54
barris pregos 25 caixas (azendas d'algodo ,
99 ditas vidros para caixilhos 1 dita brinque-
dos de menino i embrulho com um corte de
calca 1 dito amostras, 4 ditos colberes de la-
ti 700 garrafes vosios ; aos consignatarios.
1 barrica cordes d'algodo 1 caixa tintas.
inho, l dita pan-Datar' ^""cisco Alves da Cunha,
no de linbo. 2 ditas fazendas de so'da e algodAo, | capito RoJngo Joaquim Correia, n
I volme chales d'algodo e la I pacote a-
e 7 fardos fazendas d'alg>do. 1 caixa agulhas, i,reita d Ro/ar'(l ,:}- a lfor com o consig-
2 ditas fazendas d'algodo e linbo, l dita pan- natrio Francisco Alves da Cunha, ou ao o
a praga ou
a bordo. (8
1Pura Lisboa sogue viagem com toda a bre-
vidade o brigue portuguez S. Domingos da
quo he capitn Manoel Goncalves V'ianna ; tem
ptimos commodos pura passageiros : quem no
mesmo quiser carrogar ou transpor(ar-se diri-
ja se aos consignatarios Mendes & liveira,
ra do V gario n. 21, ou ao referido capi-
mostras I dito ignora-so ; a J. Keller.
10 caixas e 1 cesto drogas 1 caixa miudc-
zas 43 caixas espolhoi, oculos, cordas para
guitarras e violos botfles, grampis dedaes ,
sovellas conloes d'algodo, meias, agulhas ,
annis de vidro, fitas, pennas d'aco, copos, pre-
gas, polvarinbas caixinbas &c, 1 pacote igno-
ra-se ; a Cezar Kruger.
2 caixas botos, papel, rolhas, fecbaduras ,
agulheirosde motal e ouiros objeclos; a F. lio-
billiard.
2 caixas bonecos, 1 dita espelhos de gaveta.
1 dita faces, 1 dita chapeos de palha 1 dita
to.
(8
l dita ditas e panno de linbo e estampas, 1 dita carleiras, 1 dita com caixas para barba, figuras
guarda-luzes 1 dita velas 10 ditas diversas! de louga perfumara, livros om branco, casti-
gaes de casquinba, e loques ; 1 dita coiberos .
Illm. Exm. Sr. Diz Francisco de Paula
Gouveia, morador na freguezia de Sao Jos, que
elle supplcante se laz preciso que o Reve-
rendo Pa rocho da mesma freguezia Ihe atteste ,
o que se passou as elecoes na igreja de S. Jo-
s, o que requer e pede a V. Ex. se digne de
fazer Recebera merc Francisco de Paula
GouvtiaPude attestar. Palacio de Peroambu-
4 de-Agosto de 181JliritoAttesto, que no
dia 4 docorrente mez presid Mesa Parochial
da freguezia deS. Jos para as elecoes de Juiz
de Paz eSuppleate da dita freguezia, e na oc-
casio de principiar o acto (oi to grande o tu-
multo e barulbo do povo, que as cdulas se nao
podoro receber com a devida e necessaria or-
dem ; mas indistinctamente dos que allluiode
todas as partes ao mesmo tempo sem preceder
chamada por meio de lista geral. tem que de-
pois que se deo lim ao recebimento, que dura-
ra meia hora, segundo a minha lembrangs ap
parerro rr.uitos Paroehianoscom suas lisias re-
clamando nao Ibes ter sido possivel entregal-as
antes por causa do grande tumulto, oque nao
obstante, Ibes nao foro mais acceitas por j
estar lechada a urna ; concluindo se todo o se-
to das elecoes peas trez horas da tarde. Nada
mais se me o florece attestar a tal respeito e o
referido afirmo em do Parocho. S. Jos do
Recife 5 de Agosto de 1844. Joaquim Jote de
Menezes, Vigario encommendado Reconheco
verdadeira a lettra eassignatura suppra ser
propria do Reverendo Vigario encommendado
da freguezia de S Jos do Recle. Cidade do
Recife 7 de Agosto de 1844. Eslava o sign, I
publico, lim teslemunbo de verdade o Tabel-
liopublico interino Thomaz Correia Perit.
D
n
ut.
Alfandega.
Rendimenlo do dia 16..........8:532*389
brou alguma fdr^a. En to toda essa gente pros-
trou-se diante delle de jolhos com as mAos
juntas e os olbos rasos de lagrimas ; e um
murmurio lastimoso e unisonse levantou :
Perdoui-not Perdoai-nvt !
Eu vos abeneoo, maus lilbos, disse Am-
brollo com rosto sereno e nobre ; eu vos aben-
coo, mas nao posso perdoar-vos, porque nunca
me oflendestes.
Com trmulas vozesento lizero essas po-
bres creaturas urna cnnfisso que nao podio
maisconter, c que Ibes aliviava assiiu osco-
racoes.
Oh.' nos temos sido bem culpados. Al-
gumas ve/.es, nos mos das, nos acieditamos. .
( isto era muito mao mas nos somos to igno-
rantes!) acreditamos queesse dinheiro que
\ mu. prodigalizava para socorrer-nos o bavia
de um poder mgico sobre o espirito das tro-
vas a quem Vmc. obrigava a trazer-lbe ;
acreditamos que a sua pallidez a sua triste-
za e silencio procedio de frequentar os mos
genios, que em troco da alma que se Ibes en-
trega do a fortuna, e seculos de existencia.
Nsnos desviavamos com terror das ruinas,
onde Vmc. viva solitario. Mas muitas voies
us arrependemos destes mos pensamentos, e o
veneravamos no fundo da alma; e boje pedimos
perdo a Vmc. que he pai dos desgranados !
Um ligeiro sorriso appareceo nos labios de
Ambrozio no meio da alteraco doseu ros-
to ; mas retomo logo a sua gravidade pa-
ternal.
fazendas frutas caximbos, meias &c., 1 di-
ta fumo 5 pacotes papelo 2 caixas massas
taboinhas, pennas e papel, 1 dita goma-laque ,
1 dita chapeos do sol de seda, 1 dita massas pa-
ra chapeos e palhinba 1 fardo papel 1 cai-
xa couros de lustro, 1 dita pelucia, fitas, per-
tences para chapeos fio de linbo escovas d'a-
rame e fivolas I dita escovas, 1 dita pregos ,
1 dita botoesdemadre-perola.l dita frascos d'a-
zeite 5 ditas podras para escrever, 5 ditas bo
toes d'osso, e de pao, pentes, e caixinbas com
lamparinas; a ordem.
1 caixa botos d'osso : a A. Willero.
1 dita livros impressos ; a San ter & G.
49 barris pregos 38 caixas espingardas ; a
G. A. Brander Brandis.
8 caixas espelhos 1 dita ditos e bocetas 1
caixa couros do lustro 1 dita fazendas d'algo-
do 1 dita tesouras 1 dita ferragens 1 dita
agulhas; I pacote ignora-se; a Kalbman &
Bosemund.
5 caixas e 28 barricas drogas, 43 caixas miu-
dezas diversas fazendas bezerros de lustro ,
meias, fitas e outros objectos ; a T. kubl-
meyer.
21 folhas de azom 4 fardos drogas, 20 pe-
cas estnupa S caixa bonecos 3 caixas ces-
tos 2 ditas espelhos de gaveta 2 ditas espe-
lhos 1 pacote ignora-se ; a H. Mehrtens.
1 caixa copos 1 bahu roupa usada, 6 volu-
ntes drogas, 1 pacote ignora-se ; a F. II Lut-
tkens.
1 caixa meias d'algodo 18 ditas papelo ,
charutos, reluca, palhnha, massas para cha-
peos pertences para osmesmos, 5,000 fun-
dos de papel para os mesmos fitas, e papel ; a
II. Zimmer.
1 pacote msica ; a W. Gurlett.
1 dito ignora-se ; a H. Holzinger.
2 caixas ferragens ; a Le Bretn Schramm.
25 barricas cimento 1 pacote livros ; a A.
H. Willmer.
100 barricas cimento ; a Companhia de Be-
beribe.
facas, garfos, caixas para navalbas, tesouras, bo-
tos cartes com objectos para escrever. agu-
lhas e suspensorios ; a M c Calmont & C.
N. B. No manilesto da barca franreza Zilia
aonde se l 1 sacca com farelos a B. I.asserrc &
C., lea-se 100 saccas.
T-n-nrr- --.- i-ar-
oviiiento do Porlo
Navios entrados no dta 16.
Ro de Janeiro ; 20 das, brigue brasileiro Sa-
gitario, de 125 toneladas, capito Jos Joa-
quim Gome!. Vianna equipagem 12 car-
ga diversos gneros; a Antonio Francisco dos
Sanios Braga.
Mar Pacifico,tendo sabido de Nawtuckett.ba 37
mezes, galera americana Chrittianno M-
chell de 378 toneladas, capito William
Keen equipagem 22 carga azeite de pei-
xe ; ao capito.
.Vai'io sahido no mesmo dia.
Portos do norte ; vapor nacional Imperatriz ,
cornmandante o Capito-Tenente Jezuino
I.aniego Costa: passageiros, o Exm. Sr.Pre-
sidente da Parahba.oTenente Coronel Fre
derico Carneiro de Gampose sua familia o
Reverendo Antonio Alves de Garvalho e An-
tonio Goncalves Mues.
1 No dia 19 do correnle sahira imprcteri-
velmente para o Rio de Janeiro o brigue escuna
Bonito Porto ; recebe nicamente escravos a
frete para o quo njusta-se com Gaudir.o Agosli-
nho de Barros ; na pracnn^do Corpo Santo
n. 6 (6
aBMBBMBWMI
ILeiles.
3=Manoel Joaquim Ramos e Silva far lei-
lo por ntorvcnr.u do corretor liveira de
grande port;o dos mais deliciosos, e j conhe-
c;dos vinbos do Porto tinto e branco em pi-
pas, meias ditas, e barr/. vindos pela bar-
ca portugueza Firmeza : boje 17 do cor-
rente as 10 horas da manha noarmazem al-
fandegado na ra de Apollo n. 6. Adverte-
se que estes vinbos sendo d'avultado custo pela
sua germina quanto superior qualidade e
bem merecido conceito sero vendidos em lo-
tes de I a _' pipas para commodidade dos pre-
tendentes particulares ou em maiores porces
vontade dos compradores quur para consumo,
quer para reexportacao. (15
1 ----(.asahar & C. faro leilo, a todo o prego
epara liquidacao.do restuntedas la/ondas de sua
loja, assim como do resto das fazendas e miude-
zas pertencentes ao Sr. Lctellier : quinla-feira
19 do correnle as 0 horas da manha, na sua
casa ra Nova n. 14 primeiro andar. (6
1 Osadminislradoics da extincta casa dej.
O. Elstcr faro o seu leilo transferido de fa-
"'!.".!: r
C-Jj
a guara fcira 18 do correnle os
,,_.._.
Deca racoes.
; a Compa
Nao foi por mim que procurei fazer-vos
bem, disse elle, nao foi para que me fosieis re-
conhecidos, nem mesmo para obter o vosso
amor, porque eu s pensava em vos. Vos es-
tais salvos, sois felizcf, morreo contento ; mas
pois que assim o queris eu vos perdoo e nos-
te momento supremo ouso anda orar por vos!
Feliz o pobre Ambrozio se houvesse morrillo
naquella occasio ; mas a vida to curta en-
to para elle Ihe reservava anda urna grande
prova.
Elle estendia as trmulas mos sobre essa po-
bre chusma ajoolbada, que ha pouco com a ca-
beca baixa, pelo arrependimento o ora a ergua
2Faz-se saber aos subditos Britannicos,resi-
dentes em Pernambuco, que no dia sexta feira
20 do corrente pelo meio dia tera lugar no Con-
sulado de Sua Magostado Bntannica, ra da
Gruz, o ajuntamentu dos subscriptores para os
lins designados no acto Geo. IV. Cap. 87. Con-
sulado Britannico em Pernambuco 13 do Do-
zembro de 1844. Jos: Goring. (8
l=Pela presente convida-so s pessoas que
quizerom contratar o fornecimento d'agoa para
horas da manha, em o armazem de Joio Kel -
ler ra da Cruz. (5
1=N. O. Bieber & C faro leilo, por ioter-
venco do corretorOlveira, de \() barricas de
farinba de trigo em bom estado ; quinta-feira
19 do correnle as 10 horas da manha no arma-
zem do Sr. Mendonca, Forte do Mallo. (S
Avisos diversos.
ladas. e prodigali/ou Ihe toda a sua ternura do
filbo e todo o pranto de um coraco arre-
pendido.
O cura, e Ricardo reconduziro Ambrozio i
sua cabana, e o doitaro na cama. O padre,
de continu chamado a estes actos fnebres,
eslava to amestrado em conhecer a aproxima-
dlo da morte, que nao poda deixar de seguir
os progressos da destruico e marcar-lbe o ul-
timo periodo ; e por isso assegurou a Ricardo
nne aitunll* dia era o ultimo Jui seu pi tinhn
de passar sobre a trra, e ambos o levaran jun
to ao leilo do moribundo, sustendo-lhe a cabe-
ga, lmpando-lhe o suor do rosto, ageitando-
=Jos Thomaz Naboco de Araujo Jnior,
nao se podendo, despedir pessoulmente dos seus
amigos pela brevidade de sua partido por este
mo despede-se dellcs, oflerecendo-lbes, seu
preslimo e servidos na corte do Rio de Ja-
neiro.
com transporte para rendor grabas; elle lia nes-1 Ihe os travesseiros para lovantar-lhe o peito, cu-
sas grosseiras feices agora aformoseadas por ja respirarlo ja se exhalava smente por suspi-
uma santa impresso os sentimentos de amor
e de eterno reconhecimento.
Nesse torno adeos entre elle e seus filhos, re -
cebia o premio de suas lutas e padecimentos.
Neste momento entrou Ricardo. Vinha elle
todo resoluto, com o coraco cheio de urna sur-
da colera pedir contas a seu pai da vida de Va-
lentina da sua, dessas duas existencias to no-
vas, e j perdidas por sua culpa... Masquan-
do o vio moribundo com a cabeca recostada
no seio do augusto Sacerdote cuja santidade
radiosa pareca fazer Ihe urna aureola, rodeado
de urna populacointeira quo o bomdizia como
um Dos de bondade que o chorava como a
um pai e juntava aeges de gracas s suas la-
grimas attonilo lanoou-se tambero ao< n
do velbo encostou a cabeca em suas maoi ge-
ros interrompidos ; ambos procurando com es-
tes cuidados, deque niodistrahiao os olhos e
o ponsamento, urna triste e ultima consolacao.
Pela tarde Ambrozio senlio algum alivio ;
essa passagera visita da saude que precede o
ultimo momento acabava de reanimar-lhe os
espirito. Necessitando rocolher as suas ulti-
mas forcas para a confisso que quera fazer a
seu irmo.'elle disse a Ricardo que seachava
melhor, que esperava dormir um pouco, e li-
caria s com o cura ; prometiendo ao filho a-
zi-l -o chamar logo que despertasse, e recom-
mendando-lhe que nao voltasse antes desse temr-
P-
mancebo dirigio-se para ojardim, espe-
ran. Iq sh refrescar a cabeca e rccolhcr os sjs
pensamentos.
Tomado d'improviso, atterrado pelo golpe
que acabava do feril o, e que nuuca livera co-
ragem de prever, apezar dos sj mptomas revela-
dores, elle tinha at all sentido smenle ooo-
racao abatido o espedacado; e nao se achara
com forca para reflectir.
Passeandoapassos lenlos a sombra das arvo-
res dessa casa onde bavia nascido pastado a
vida, elle va a mudanca que ia sobrevir no seu
destino com urna prolunda uielanco ia, que ex-
clua todo o movimento de violencia.' a psi
xo. Do fundo desse jardim descobria elles as
alt.s cantigas ogivas da sala torrea, onda seu
pai moma, e |5or cima nos das beras a jauella
do quartoonde Valentina esperava a deciso da
sua sorte, e nao necossitou de se consultar por
muilo lempo, para saber oa pura equidad* de
sua alma o comportamento que devia'ler.
Lancando por acaso os olbos, para urna on-
costa visinba, elle descobrio no meio de seu
speros caminhos. urn desconbecido a p, mas
coberto de um chapeo de franjas de prata o um
rico capoteagnloado. Esta vista, *dmiravel oeste
logar, ter-lhe-hiaeu qualquer outra circums-
tancia causado, um espanto incommodo, e
vivas apprehences, mas nesse momento absor-
vido em interesses palpitantes deo-lhe urna l-
geira atiendo.
Sua resolugo eslava irrevocavelmente toma-
da, e subi aoquerto de Valentina.
(Continuar-te-ka.)


/I
12O agrimensor, abaixo assignado, offerece
os seus serviros as pessoas que tivercm proprie-
dades a demarcar e a llanca a mais escrupulo-
sa exactido e o maior zelo no desempenho de
sua arte ; devendo todos os crue do seu presti-
mose quizerem utilisar,dirigirem-se (porcarta)
ao mesmo abaixo assignado, na Rua-direita,
terceiro andar do sobrado n 40. Joaquim da
Fonteca Suares de Fiaueiredo. (9
2=Alug3-se um primeiro andar com com-
modos suficientes para grande familia multo
fresco e com muito bou vista para o mar; quem
o pretender dirija-so a ra da Praia de Santa
Bita n. 37. [5
2=A pessoa que Ihe convier dar 150. rs. .
para completar alforria d'uma escrava. Pican-
do esta sugeita a lei do engajumento al pagar
dita quantia com seu trabalbo que se ajusta-
r na occasiao do trato a qual sabe cosinhai ,
lavar engommar* faz toda a quilidade de pao
da-l e bolinhos; na ra da Cadeia de S. An
tonion. 19. (8
3= Jos Antonio Rarges retira-se para o
Cear levando em sua companhia seu fmulo
Joo Antonio Pereira e seu escravo cabra tic
nome Francisco, e nao podendo pessoalmcntc
despedir-sedas pessoas que o visitarlo (taranta
a sua estada nesta provincia em consequencia
da molestia que o obrigou aqui vir tratar-se.por
meio deste Ibes agradeco seus obsequios, e se
offerece para o que Ibes poder prestar. (9
3 Aluga-se o ?>.* andar do sobrado n. 9
da ra do C^ueimado ; a tratar na loja do mes
dio sobrado. (3
2-Roga-se a um Senhor Guarda da Al/ande
ga baja de pagar urna diminuta djuantia pois a
um annoque Ihe tomou para se curar, e nada
do novo pois se tem esperado com prudencia e
tem-se escripto e nada de resposta, pois quem
tem por mez 33,000 e tantos ris pode pagar
4,000 ris se nao vera seu nome por inteiro
publicado. (8
2Na ruada Florentina, casa n 16, acha-
se montada urna fabrica de fazer botijas vidra-.
das, em ludo ignal as da Hollanda, de que pode
resultar grande vantagem aos exportadores de
espiritas fabricados na provincia e que quei-
rSo ajudar o seu andamento promettendo-se
que a fabrica s trabalhars para aquella pessoa,
que a isto se propozer: nesta fabrica existo grana
de porcao de obra feita, aonde se pode vi r-
melhor imitacao na fabrico das botijas. Na
mesma casa hn para vender, urna porgao do bo-
nitos vasos para floras alguidares e nutras
obras ejecutadas por um hbil mestre. (13
4A. Piloux, relojoeiro e machinista fran-
cc chegado ltimamente a esta cidade mora-
dor no Atierro da Boa-vista n. 3 so propoe a
concertar relogios de sala de parede, de torre
o toda a qualidade demachinismos, como sejo
candieiros caixas de msica e mesmo s-
propoe a concertar e dar corda a relogios, mene
sal oo annunalmente por preco commodo. (S
3 Arrenda-se um sitio na estrada de Be-
lein com casa de sobrado para grande familia,
o urna terrea militse diversos arvoredos de
(ruto baixa e Ierras para planta toes pasto
para vaccas de leite maltas para factura de
cercado e para uso de casa ; na ra da Gloria,
sobrado n. 59 (7
3 Quem quizer dar 600$ rs. a premio com
as seguranzas, que exigirrm dirija-se a ra
da Conceicjo da Boa-vista a fallar com Rufino
Gomes. (4
2 Nicolao Hartery embarca para o Rio G.
do Sul o sou escravo de nome Antonio de na-
co Angola (3
a O Sr. Antonio Corroa Cabral queira ap-
parecer na ra Nova n. 8, para se Ibe entregar
urna carta vinda da Parahiba. 3
2 Na padaria da ra da Solidado n. II ,
precisa-se de dous homens trabalhadorcs de
masseira. (3
A senbora Mara da Conceicao morado-
ra na ra de Hortas defronte do Snr. Caetano
Pinto, queira ir, ou mandar alguma pessoa por
si ao Crrelo para receber urna carta vinda
de Loanda pelo o Bio de Janeiro.
Pela segunda vez Jos Ployon avisa ao Sr
Augusto Carlos dn Lemos Pacheco uue se no
praso de oito das nao for buscar a flauta, que
mandou concertar, ha tanto lempo a vender
para indemnisacodo mesmo concert.
__ Perdeo-se um meio bilheile n. 1182 da
presente lotera do theatro assignado no verso
por Jorge M lasso e Mara das Neves Tasso ;
pede-se ao Sr thesoureiro da mesma lotera de
nao pagar o premio, que por sorte Ihe sahir,
seno ao dito Tasso.
__ Urna mulher branca de boa conducta se
offerece para ama de urna casa de homem sol-
teiro ou de pouca familia para o servico ex-
terno ; quem de seu prestimo se quier utilisar,
dirija-se atrs da igreja de S. Jos n. 10.
U abaixo assignado,lendo o Diario n. "74,
deparou com um annuncio doSr. Jos Ployon,
no qual avisa ao Sr. Augusta Carlos du Lemos
Pacheco, que se no praso de 8 das no for bus-
car a flauta, que mandou concertar, a ven-
der para indemnisacao do concert ; e comoj
esSfi flauta nao pertence a esse Augusto e sim
ao 8baixo assignado que a perto de um an- j
u i ih'a mpreslou por isso protesta havel a j
d quen a comprai. Marcelino Jos Lipes. \
Perle-sepor obsequio a qualquer pessoa ,
que Ihe for olTerocida urna, moeda de 6400 rs.
encastoada e com o encasto^ quebrado de a
tomar o levar ao becco da Lingoeta n. 8, que se-
r recompensada. .......
Teslemunhvde gratido.
Os abaixo assignados, passageiros da barca
Tentadora recentemente chegada a esta cida-
de seriao muito ingratos se deixassem de
testemunliar de qualquer modo no digno Ca-
pillo Commant. da mea na o Sr. Emgidlo Jos
do liveira, o seu justo agradeeimento.pelo bom
tratamento, afabilidade.polidas e delicadas ma-
neiras com que o mesmo Snr. os tratou duran-
te a viagem do Porta para esta cidade sendo
incansavel em procurar toda sorte de commo-
didades anda ao mais desvalido ; tornndo-
se portanto digno da eterna gratido de todos
os passageiros que jamis esquecerd to dis-
tincto tratamento O Padre Joo Bento da
Bocha. Padre Joao Luiz Ribeiro, Antonio Fran-
cisco da Costa Braga, Antonio Jos Pimenta da
Conceic Jos Joaquim Borges de "Castro ,
AntonioMonteiro Pereira, Damio da Costa Ro-
za Antonio Jos Lima. Jos dos Reis Saraiva,
Jos Paulo Gires de Mello, Uado Pereira do
Valle; Manuel Joaquim da Cunha Carino .Jos
Antonio Teixeira Jos Joaquim Pinta Das de
Magalhaes Manoel Antonio Ferreira Lanhoso
Jnior. Jos Guilhorme Malhciro Gulberme
Pinto enriques, Joao Alves da Silva, Jos An-
tonio da Costa Braga Joaquim Pereira Motta,
Joaquim Justinianno Pinto Dias de Magalhaes,
Manoel Marcelino de Olivcira Braga Jos Dias
C. da Silva, Joao Quirino de Aguilar, Antonio
Pereira do Valle Bernardo Pereira do Valle,
Serafim Pereira da Fonseca Bastos.
Joao Procopio Lopes Monteiro advoga-
do na corta do Bio de Janeiro morador na
ruado Hospicio n. 185. Este advogado enear-
rega-so de defender todas as causas civeis ou
criminaes, que forem remettidas, ou por ap-
pellacao ou por outro qualquer recurso pa-
ra serem decididas na corte do Bio de Janeiro;
as procurares, cartas de aviso, ordens, docu-
mentos e outros quaesquer papis dever
ser-lhe directamente dirigidas pelo Correio.
Dos passos que forem dando as causas, o
das decisdes, que forem tendo ser as partes
informadas exactamente por todos os Corroios.
Sobre os recursos pecuniarios para as despe-
zas as partes providenciars, como melhor
Ibes convier, ficand certas deque as causas
seri tratadas com zelo, diligencia e actividade.
Quem se quizer associarem urna socieda-
de queja se acha bastante adiantada e que
pode dar bastante interesse, annuncie.
Precisa-sede urna ama para casa de pou-
ca familia, quesaiba cosinhar eengommar bem;
na ra larga do Rosario loja de miudezas
n. 35.
Quem annunciou querer vender urna cor-
renh; de ouro com 10, ou 25 oitavas dirija-
se a ra da Senzalla-velha o. 04.
Aluga-se urna casa terrea no bairro da
Boa-vista na ra do Camaro com commo-
dos para qualquer familia por preco commo-
do ; no Atierro da Boa-vista n. 34.
O abaixo assignado declara, que Ihe des-
appareceo no Mala do correte o seu apren-
diz Manoel de S. Bosa que Ihe tinha sido en-
tregue pelo Sr. Dr. Fonseca ex Delegado de po-
lica ; a vista dista nao est resignado a que
elle se transporte para outra parte, sem que
nao seja por meios legaes ; ba noticias de ter
sido encontrado no Atierro do Affogados, con-
duzido por um cargueiro ; quem o tiver reco-
Ihido ou o pegar leve a seu mestre na ra
ds Cruzes n. 39. Goncalo /ilves lavares.
t Quem annunciou querer comprar um re-
logio de ouro patenta, de ouro inglez : v na
ra atraz da matriz da Boa-visla n. 34. (3
Aluga-se urn sobrado de um andar com
soto quintal e cacimba na ra do Padre
Florianno n. 7 ; a tratar na ra larga do Rosa-
rio n. 52 Ui
1 Victorino Morcira de Souza vai a Portu-
gal. (2
1Joo rcenlo Freir retira-se para fra do
imperio. (2
D-se dinheiroa premio sobre penbores
de ouro mesmo em pequeas quantias ; na
ra da Praia n. 22. (3
(0 abaixo assignado avisa ao respeilavel
publico que alaguen contrate compra ou
negocio slgumCOra Francisco Chabrillac sobre
o sitio de Agoa-fria de Beberib debaixo por
quanto para a sociedade da compra do mesmo
sitio, elle se acha alcancado com o abaixo as-
signado na quantia de '2:597/ rs. com que
at esta data nao entrou como devia tendo de-
sistido da parte que Ibe tocara para pagamento
do abaixo assignado o quo se avisa para nao
se chamarem a ignorancia. Jernimo Svasie.
\ Quem precisar de urna ama estraugeira
para casa de um homem solteiro, dirija-se a ra
da Roda n. 20. (3
achaques ainda mesmo nao tendo habilida-
des e que seu preco nao exceda de 300/a 320jf
rs.; quem tiver annuncie. (4
1 Compra-se urna escrava de mela idade ,
que nao tenha vicios nem achaques e que seu
preco nao exceda a 200^ rs. ; quem a tiver an-
nuncie. 3
Vendas.
3 \'ende-sc um sobrado na ra do Balde em
Olinda muito fresco e com bons commodos
para familia com grande quintal banho de
agoa dote ou troca-se por escravos ; um re-
logio saboneta de prata, e patente inglez. por
commodo preco ; na ra da Senzalla-velha o.
142, segundo andar. '7
3Vende-se um ptimo cavallo carregador
baixo bom passeiro muito novo e sem acha-
ques vende-se por ser ardigo ; nos Afogados,
ra do Motocolomb n. 28. (^
2Vende-se urna casa na cidade de Olinda ,
na ra de S. Bento ; a tratar na ra da Senzal-
la-velha n. 86.
Vendem-se chapeos de castor branco e
de abas largas muito Unos ; na ra Nova o.
6 loja de J. F. Mamede de Almeida. (3
2 Vende-se superior vinhoda Madeirasec-
ca Malvasia e Bucellas de 1834 engarrafado,
por preco commodo ; na ra da Cadeia do Re-
cite n. 37. (4
2 Na padaria da ra Imperial n. 120, ven-
de-se bolaxa de superior qualidade a 3520 rs. e
mais ordinaria a '2560, 2880 e 3200 rs. ; e tam-
ben) se aprompta com brevidade qualqueren-
commenda ; na mesma padaria se precisa de
um bom amansador, paga-se bem, agradan-
do o seu trabalbo. (7
i -Vendem-se ricos chales de seda, lindas
mantas escocesas chapeos de seda para senbo-
ra ditas de carnbraia a imitacao de seda de
muito bom gosto ditos de palha para senho-
ra e meninas, chapeos pretos franceses da me-
lhor qualidade para homem ditos brancos de
castor, luvas de pellica compridas e enfeitadas,
ditas curtas para hmeme senbora borzeguins
gaspeados para homem e senhora um com-
peto sortimento de calcado ; na ra Nova n. 8,
e na esquina da do Cabug que vira para a
das Trincheiras, loja de Amaral & Pinheiro (10
2Vendem-se terrenos para se edificar casas'
na ra da Tiempo ; na mesma ra sobrado
o. 1. (3
2Vende-se macolla e fel da trra prxi-
mamente ebegado em porcao, e a retalho ,
erva-cidreira, musgo islndico, bardarlo egratn-
ma ; vinho muscatei engarrafado ; na ra do
Cabug o. 16. (5
2 Vendem-se chapeos de castor do lacre ,
sem pello da ultima moda cambraias de to-
das as qualidades edo melhor gosto, cassa-chi-
tas coi tes de chita usioes de quadros, muas
de seda de todas as cores setins e sedas para
vestidos de senhora e para collete damascos
de todas as cores casimiras, pannos, luvas de
seda ede algodo, chales de 3 ponas de toquim
preto-, chapeos de massa franceses, chitas de
(odas as qualidades los de linho ; na ra de
Crespo junto ao arco de S. Antonio, loja n. 12
Vende-se, por preciso, e por preco com-
modo urna preta de naco de 24 annos,
muito boa quitaodeira, que d 480 rs. por da,
cosinha alguma cousa, he lavadeira e muito
diligente para todo o servico ; na ra do Colie-
Compras
1 Comprio-seefleclivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos de
12 a 20 annos sendo de bonitas figuras pa-
go-se bem ; na ra da Cadeia de S. Antonio ,
sobrado de um andar de varanda de pao n. 20. 5
Compra-su o terceiro volume do reperto-
rio da legislarlo militar, do Brigadeiro Cunha
Me i tos ; na ra Direita n. 119.
1(lon.pra-se urna escrava sem vicios e nem
gio loja debabus n. 7.
Vende-se superior carne do serto ; na
praca do Commercio armasem de J. F. Car-
valho.
Vende-se urna escrava de nacao, cosi-
nheira lavadeira e engommadeira; na ra da
Praia de S. Rita ns. 9 e 11.
Vendem-se 4 prelas mocas, engomm|ole co-
sinho ; urna dita de 16 annos, recolhida, com
bons principios de habilidades ; urna dita de 12
annos; 4 escravos bons para o trabalbo de cam-
po ; na ra do Crespo n. 10, primeiro andar.
Vende-se um escravo por preco comino
do; no Atierro da Boa-vista n. 34.
-Vende-se urna porcao de saccas de bom
milho, por preco commodo ; na ra da Praia
n. 20.
1 Vendem se 3 escravas mocas e de boas fi-
guras com habilidades que se dirioao com-
prador ; na ra da Cadeia de S. Antonio por
cima da loja de chapeos n. 25. 14
Vende-se urna casaca de panno fino preto,
urnas calcas de dita novas por preco commo-
do : no paleo do Carino, loja de alfaate n. 3.
Vendem-se dous caixdes de ourives, com
todos os utencilios taz, martelo, forja, bigor-
na, #c. tambem se vende separado, pelo pre-
co que se ofTcrccer ; na ra dos Pires casa de
Cyprianno Correia.
Vendem-se os seguintes livros ; a collec-
co do Car8puceiro desde 1837 at 1842, enea-
domados, 2 v. diccionario Inglez com pro-
nuncia historia de Inglaterra cartas geogra-
phicas em; formato grande, tratado theorico so-
bre os tambos, geographia de Gaultier ma-
nual da philosophia tatica das assemblas
manual do Jury trafico da escravatura, taboas
dos logrithmos educacao physica e moral dos
meninos, secretario portuguez bom lavrador,
ouo amigo da lavoura novo e velho lestamen'-
to economa poltica constituicao poltica do
imperio do Brasil; oracoes de Cieero para ana-
lysede rethorica 3 v. ; syntaxe de Dantas,
doutrina cbrisla em forma do lices de pie-
dade, Terencio laboadas para meninos a 4o
reis cada urna no pateo do Carmo loja do
charutos o. 3; onde tambem se vendein charu-
tos feitos na trra a 720 rs o cento e a reta-
lho a I#el280rs.
Vende-se um molecao peca de 22 annos ,
de todo o servi?o ganhador e carregador d
cadeira ; urna bonita parda de 16 annos re-
colhida, costureira e engommadeira; duas pre-
tas lavadeirase quitandeiras ; um preto de 24
annos, proprio para o servico de campo ; na
ra Direita n. 81.
Vende-se um moleque crioulo de 10 an-
nos e de bonita figura ; na ra do Crespo n
12 de Jos Joaquim da Silva Maa.
I Vende-se farinha de mandioca de supe-
rior qualidade chegada prximamente de S.
Mitbeuse Grvelas a mais nova que ha na
Ierra cm saccas, ou a retalho a vontade do
comprador e par preco mais barato do que
outra qualquer pessoa possa vender; na loja do
Manoel Jfts toncalves Braga, junto ao arco do
S. Antonio ou na ra das Cruzes n. 28 se-
gundo andar. (9
Vende-se urna parda de 20 annos, engom-
ma. cose e faz lavarinto ludo com perfeicao ,
e com urna cria demuis de dous annos, ao com-
prador se dir o motivo da venda ; na ra da
Praia n. 22. d (5
I Vende-se, muito barato, ou troca-se,
porum preto, um moleque de bonita figru \
muito esperto c proprio para todo o servico; na'
ra Nova loja n. 15. (4
1 Vende-se um bote bem construido, o
prompto com vcllas; em Fra-de-portas n. 135
IVende-se superior panno de algodo da
trra em rolos, proprio para roupa de pretos,
por preco commodo ; na ra do Viga rio casa
deMendes $ Oliveira n. 21. (4
1Vende-se, por cessa$a.do negocio, e com
20 por cento de pn-juiso relogios patentes ,
de ouro o prata ingleses o franceses ditos, de
mesa e de parede ; na loja de relojoeiro jun-
ta ao arco de S. Antonio. (5
iVende-se a terca parte do sitio Agoa-fria
de Bebiribe debaixo com 3 casas novas, de
telha e lijlo e todas as mais bemfeitorias que
aili existen), vende-se tambem com desobliga,
e por menos de melado de seu valor ; na ra
Nova n. 60. (g
1Vendem-se saccas com (arellos pelo
commodo preco de 3/600 rs. a sacca ; na ra da
Senzalla-velha n. 138. (3
I Vende-se urna linda escrava da Costa de
bonita figura ptima para todo o servico; urna
canoa aberta de carga d 700 lijlos de alve.
naria ; tambem se aluga a mesma canda; na
ra da Cadeia de S. Antonio n. 10. (K
Escravos fgidos
2 Pede-se com instancia a todas as autori-
dades policiaes e especialmente aos capitaesde
campo a captura d preta Catharina ,' de na-
cao Angola, ladina, alta, bastante secca do cor-
po seio pequeo cor muito preta, bem feita
de rosto olhos grandes o vermelhos com to-
dos os denles na frente ps grandes e metti-
dos para dentro, muito conversadera e riso-
nha ter22 annos do idade ; ha toda descon-
fianca deestaroceulta em urna certa casa o
que se uxprelta ; a qual pertence a Manoel
Francisco da Silva morador na ruaestreita do
Bosario n. 10, terceiro andar, ou em seu sitio
em S. Amaro. (12
2 No da 13 do correte fugio a Nasci-
menlo Schaeffer $ Companhia na occasiao em
que ia embarcar para o Rio de Janeiro, um
preto crioulo, de nome Joaquim, vindo do Cea-
r a 39 dias, de 26 annos, alguma cousa cheio
docorpo com o visivol sgnal do urna belida
no olho direita da qual ho ceg ; levou caifas
e camisa do algodo da torra bastantes sujas ;
quem o pegar, leve a ra da Cruz n. 45 casa
de Nascimento Schaeffer $ Companhia. (10
1= Desappareceo o moleque Paulo de na-
cao Quicam do 17 annos sem barba ca-
nellas finas os dedos grandes dos ps abrem
um tanto para fra tem urna ferida ao p dos
dedos do um p, procedida de urna queima-
dura cara larga nariz chato olhos peque-
nos e vermelhos, corfla na cabeca do carregar
taboleiro ; levou calcas brancas de brim e ca-
misa de algodo fino he muito conheeido por
sempre andar vendendo doce {de jaleia em co-
pos; quem o pegar, leve a seu senhor Antonio
(ioncalves de Azevedo na ra da Praia arma-
sem de carne n. 10 quo ser gratificado. (10
I No da 15 do crrante fugio um pr^to de
40 annos barbado quebrado, nao falla por-
tuguez claro, de nome Antonio; levou cami-
sa dechild e calcas de ganga azul ; quem o
pegar, leve a ra Direita n 14. 5
1 No da 10 do correte desappareo um
esenvode nome Joo de naco Cacange de
30 annos alto, o magro he alguma cousa
gago, e he serrador; quem o pegar leve a
seu senhor Antonio Vaz de liveira na ra do
Amorim n. 36 que ser gratificado. ;6
No dia 14 do crreme, as 7 horas da nou-
te tunta da casa de Barreilior morador no
Atierro da Boa-vista n 50, o seu escravo Joo,
de naco Angico, alto, bem feito, cor bem pre-
ta,-olhos grandes, com lodos os denles da fren-
te as laces ta'.hadas ; levou calcas brancas e
camisa encarnada de bata ; este escravo foi
do Sr. Luiz Mendos Carnoiroda Cunha mora-
dor no Arraial ; quem o pagar levo ao A Horro
da Boa-vi PERN; TYP. DE E FARIA18$4'


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EU47N42QP_ULI5U0 INGEST_TIME 2013-04-13T03:19:53Z PACKAGE AA00011611_05250
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES