Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05249


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1844. Segunda Felra 16
- TT------------'
O UtaBl'l |>ulilici-ia todoaoa dieefjoe nao forcea aejUificaoo* : o irgo da aaaiRnatura
ha de INI iil re. por quartel pagua adiantadoa. Oa aunuacioadoa aaaignanita li tnee'ridot
. alia, gida! A ala ijf.t roa daa Cruiet n. 4 ou a praga da Indepenenoia luja da liaain. 6 a 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GoilMtla,e Parahjba eeirunda ar\taa (eiras.Rio ('rande do Norte, cheja a 8 a 2 e par
la i 10a 24.Cabo, Serinhaem RtoPormoao, Macer, Pono Cairo, a Alagoaa: no :
11 e ii daada mei. Garanhana a Bonito a 10 e -!4 de ee.la ariBoa-vilta a Flor-
aa a l3e 28 dito. Cidadn da Victoria quintal fairaa. Olinda todoi oa diaa.
DAS da semana.
1G Seg ai, An,nBs, Azariis e Mizael. Aud.do .1. de D. da 2. ,
47 Tarea a. Banholameo Ral. and-do J. .la D da 1. i.
18 guara s N. S. do O'. And. do J. da D. da 3. T.
iy Quinta a Fatuta Aud. do J. da D da 2. t
"0 Sella a. Domingos And. do J. de D. da 1. y.
21 Safa, i Thom
22 Usan a: Hnuoi..to.
de Dezembro.
Ano Xf. 81.
f Tudo agora dependa de gol moa; dr nona pindeacia. aioaeragao- a en1*b: ooe,
krf- tinueraoa como principiamos, a eerenva aponladoa fui adr.ira<.\o entre n.^.aa anai
K)-s cultae. (Proclamag. da AlalaMea GeraJ do HIBU.
V f 1__________________________________________________________________ i
o...
If Caaifcioe a" Lonilr.a V5 l|t*'S8 8|4
Paria 580 rea por banco
a Liibo 510 por 10U de preaio
'l"'i!a da o i'rr ao par.
Idean di latrai lie bnai firaaai 1 por ojo
CallIOl no Da f> !>> DKRMDhO.
Oui -Moeda de 6,400
fl.
de 4,000
t'ralaatacOri
u Petoa coluraaiaarea
. Diloi eiicanoi
reada
17 U00 17,200
16.60 17,t0
9 400 ,a.)i<
1,9*0 l.tJ
1,901 l.kt
,40 1,90
PHASES DA LA NO ME7. DE DEZEXBr.
La ebeie a 26 ai _'bores e 41 min. da ra i La ora a U ai 9 h. a 4 aia data
tioguanta a 4 al -' hora i m>n la tarde ICreacjnie a S ou 55 ai. da larde.
Prtamar de hoje.
msssm
Primilla as f<) dora alia f. da marinan | eunu<, < 10 horaSO minuioada tarde
r jaanm--ja.-1] i nuil nHniiiiajil ii l l i '
DIARIO DE PERNAMBU
KaStHEtb
:r--?-". ,^'.;.:.^
BUB* WBbr__MOK:- .: ./_.- ;-.:
PARTE OFFJCIAL.
DECRETO N. 389 DE 15 DE NOVEMBRO DE 184L
Altera o reglame ntu de 20 de Junko do mes -
mo anno.rtlatioo ao imposto de ancoragem,
Hei por por bem revogar a ultima parte do
artigo 2" do regulamento de 20 de Juiho do cor-
rente anno. relativa aos navios que entro e sa-
nen eni lastro, assim como o artigo torceiro e
a referencia a elle eita no artigo 5o. do niesmo
regulamento ; o ordenar que se observen) os
quecom este baixo assignados por Manoel
lves Branco. do mou Conseibo de Estado ,
Sead ir do Imperio, Ministro e Secretario de
Estado dos Negocios da Fazenda e Presidente
do Tribunal do Thesouro Puolico Nacional,que
assim o tora entendido e (ara executar. Palacio
do Rio de Janeiro, em 16 de Novembro do
181, vigessmo terceiro da independencia e do
imperio
Cum a rubrica de S. M. o Imperador.
Manoel Ahti franco.
Regulamento alterando o de 20 de Juiho
de 1844.
Art. 1. Fico sontas de todos o imposto de
ancoragem :
1. As embarcaedea que entraren) em lastro e
sabirem da mesma maneira, embora teubo da-
do entrada regular.
2. As que dentro de um anuo- li/erem trez
ou mais viagens, lendo pago as duas priu.fi-
ras a ancoragem eslabelecida no decreto de 20
de Juiho do crrante anno.
.Art. 2. As embarcacas que entrarem por
franqua ou por escala para reconhecerem or-
dens ou espreitarem o mercado, nao carregan-
do nem desean egando gneros de uommercio ,
pagar por t nelada, em cada da de sua de-
mora, o mesino que pagao por virtude das
h'is de 15 do Novembro de 1831, 31 de Outu-
l.ro de 1835. de 22 de Outubro de 1836.
Ait. 3. l'icdo revogadas todas as disposicoes
em contra1 io.
Bi de Janeiro, 15 de Novembro 1844.
Manoel AI ves trunco.
( Jornal do C )
Commando das Armas.
Quartel do Commando das Armas de Pernam-
buco, Vi de Dezembro de 1844.
oidejI do da n. 39.
Havendo sido nomeado por deeieto de 16de
Novembro prximo passado para commanilar as
Armas desla provincia, o Kxm. Sr. Brigadeiro
Antonio Correia Seara, a quem vou su:ceder
na provincia das Alagas em oemprego de
Commandante das (oreas em operagdes om con -
inquuncia de outro decreto da mesma data, to-
nbo t'onsequentemente entregado o Commando
das Armasdesta provincia ao referido Sr. Bri-
gadeiro Seara u dou os parabens s tropas que
guarnecen) esta provincia por passarem a ser
dirigidas o commandadas por este dentincto Ge-
neral, que n5o poucas vezes tem merecido a
escolba do Govcrno de Sua Magestade o Impe-
rador para honrosas Barriscadas jcomnissoes.
Os Srs. Gommandantes de corpos e compa-
nhias que servirao sob o mou commando, quer
del.*linba, quer da Guarda Nacional destaca-
da eaquartelada, e os Srs. Commandantes das
lortalezas, muito me coadjuvaro no cumpri-
ment de minhas obrigacSes, e eu por isso I lies
dirijo os meus sinceros agradecimentos e bem
merecidos louvores, aos quaes tem igualmente
direilooSr Capito Francisco Ca nello Pessoa
de Lacerda, por ter, como ba muito costuma ,
nreenebido as suas nbrigaces de Secretario Mi-
I itar com grande acert o intelligencia.
Se satisleito marcho para o posto de honra
que me foi destinado, nao posso deixar de sen-
tir urna viva saudade ao apartar me de meus
companheiros d'arinas, e em geral dos habitan-
tes denta provincia por quem fui bem recehido
< agazalhado : eu Ihes dezejo a ennservacao do
-oce.t) publico, e com este ogoso de todas as
felicitacoes.
Btnrique Marques de Oliveira Lisboa.
Quartel General em Pernambuco, 13 de De-
zembro de 8H.
OHliKM DO da ty. 1.
O Brigadeiro Antonio Correia Seara veio u-
nir-se a seus carneradas de Armas em qualidade
de Commandante das Armas desla provincia,
mediante o decreto de 16 de Novembro proxi
mo passado.
'I cnilo o mesmo Brigadeiro assumido nesla
data o referido commando preenche um dover.
declarando que no exercicio de suas lunccoes
marchar pela vereda trilbadu pelo seu ante-
cessor o Exm. Sr. Henrique Marques de Oli-
veira Lisboa, em quem o Brigadeiro Comman-
dante reconhece um dos ornamentos da clos-
se militar.
O Brigadeiro Commandante exi;e dossolda-
r los cega obediencia o respeito aos Sis. Ofluiacs.
Antonio Correia Seara.
rjeanascntcaasBr-!
fc ,m Mi Jl^ ^H'.'^TtqB-JM^M'^MTy^^^
INTERIOR
fLf3ITQ
O BEL O
13.
DODA I
Desde a noute notavel pela estada do mar-
quez de Saverny na cabana e pelas violentas
emocOos de esperanca, de terror, e desespero
que a sua presciica havia excitado, tinlia a coo-
dessa de Lussan apresentado urna sbita mu-
danza, acompanhada de symptomas assusta-
dores Suacoragem, sua conlianga no futuro
que podia procurur-lue to agradaveis sorpro-
zas, seu goslo secreto pelos successos extraor
dinarios, que sem ella o saber a consola de
seu extravagante cativeiro, tudo dos ipparoceo
ao mesmo lempo ; todas essas gratas iufluen-
cias forao de repente destruidas por um sopro
cruel ; e sua alma nova, e to desenvolvida se
ecliou como a corolla de urna flor que murena.
Valentina conservava-se muito mais lempo
encerrada no seu quarto ; deixou de conver-
sar com Ricardo, eviUva mesmo a sua presen-
ca e nem procurava oceultar sua intenco
este respeito. K quando Kicardo a via aba-
tida e silenciosa pastear n'uma alameda oppos-
l,i a em .mi clin schsfa, notava em seu ros-
( ) T la u VH'tO u. iw.
MBT'
NOTICIAS DO VAPOR.
RIO DE JANEIRO.
Consta-nos que o Sr. Halmilton Ministro
Plenipotenciario da Gran-Bretanha apresen
lra ao Gabinete Imperial credenciaes do seu
governo que o autorisao a negociar um tratado
do commercio com o Rrasil, o que o Gabinete
Imperial trata de nomear Plenipotenciarios pa-
ra ver se he possivol chegar a um accordo sobre
as bases de um tal tratado. (Jornal do C.)
O Sr. Senador Francisco de Paula Sou/e
foi nomeado peloGoverno Imperial um dos Pie
nipotenciarios que devem conferenciar com o
Sr II Hamilton a respeito das bases do tratado
com a Inglaterra. Desde que constou esta noli
ca tem-se notado maior assiduidade as visitas
doSr. Paulo Barboza ao nobre Senador, e por
isso ba quem soja de opiniao que o Exm. Mor-
domo ser o outro PlenipotenciarioO Diario
do Rio de Janeiro de 2 do corrente diz, cena
d'esta negociadlo diplomtica, o seguinte :
Ha dias publicou o Jornal do Commercio
que o Sr. Hamiltou apresentara credenciaes,
autorisando-o para fazer um tratado de commer-
cio com o Brasil; h je annuncia que o Governo
Imperial nomeia o Sr. Paula Sou/a para tra-
tar, como Plenipotenciario, com o Ministro In-
glez. He de esperar que o honrado Senador at-
ienda aos i n le restes do Brasil, to gravemente
comprometidos nos 17 annos do tratado que
terminou a 10 de Novembro. Sao conhecidas
as nossas opinioes a respeito de tratados do com-
mercio, nao s com a Inglaterra, mas com todo
o mundo. O que vale p rm a nossa opiniao
em quesloe8 to importantes ? S pedimos a
Dos que illumine o nosso Plenipotenciario, e
Un: d a necessaria forrea e energa para defender
a nossa industria pobre e mesquinha contra a
concorrencio d'essa nacao taoadiantada, tSo in-
leres>eira. fl sobre tudo lo foi le Parece-nos
i|uc o honrado Senador nao consentir que n'es
se tratodo se estipule o assassinato d'essa peque-
a industria que temos.
(Sentinella da Monarchia.)
RIO GRANDE DO Sil.
Mais um triumphoalcancado pelas armas
irnporii.es; mas um golpe dado na rebelliio do
lo una desusada pallidez.um doloroso anniqui-
lamento, e os signaes de urna tristeza, que
Ibe pareca di lie rente da de que a condessa
mostrava estar possuida nos primeiros das da
sua reclusao
Ella passava dits inteiros sem descer ao jar -
dm ; diriga apenas a palavra mulber que
a servia, e a despeda o mais breve possivel,
para ficar s. Ricardo inquieto por esto triste
retiro que ella a si mesma impunba, passava
esses mesmos dias a observal-a, sem que ella o
pensasse. Lina janella do quarto da condessa
dava para o lado em queovelho castcllo en-
costava collina, os vid ros estavao cobertos de
ramos d'bera, e Ricardo escondido nos mattos
podia observar o que se passava no quailo
discrieo do vento,conforme esto erguia ou dei-
xava cabidos aquelies ramos diante da janella,
descobrindo Ibe ou occultando-lbo a vista de
Valentina.
D'alli a via elleboras inteiras orar e chorar ;
depois sentar-so na completa immobilidade da
relloxo com o dedo sobro a testa como quem
procura recordar-so de lembrancris que difficil-
mente se apresento ; d'abi levantar-se espa-
vorida, correr com desvairada rapidez, ecomo
se fugisso de si propria ; e d'alli a pouco pa-
rar sbitamente, levar as mos s fontes, la-
tear o pulso, conlar-lhe as pancadas, de cuja
rapidez pareca borrorisada. tornar-se verme-
Iba e paluda no mesmo minuto, lancar-se de
nnvn -I,
larlhoa nn
mi ,i.. ii ... .,
QViiullUAV
v, ciivun ,
tara cabera nos livros santos all abortos, ou
motilando um ramo n'agoa bcnla, espargil -a
em redor como para repellir as potencias ma-
lficas.
Ricardo, sem comprehender essa estranha
dor, tinha o peito rasgado de pezares e remor-
sos. Quando Valentina deitava a cabera lora
da janella para tomar algum fresco, e tranquil-
lisar-se* um pouco, elle a via melhor, e licava
consternado da rpida mudanca que se lia na-
quelle resto encantador : parecia-lho a tesla
muito maior, porque ella voltava 'os cabellos
para traz; os olhos brilbavo com luz febril,
circulados do urna cinta azulada, e encovados,
os labios tinho a mesma pallidez do rosto; e a
miigrem couiecava a munifestar-se, fazendo-a
inclinar-se abatida de extrema fraqueza.
Quando Ricardo nao podia mais supportar
esta vista mortiicadora, arrancava d'alli e ia
vagar nos campos. Elle conhecia que fosse qual
osseo mal que consuma Valentina, o seu rapto
era a sua primeira causa, r por isso se aecusava
do quanto ella padecia. Esse crime a que se
deixra arraslar pelo ascendente irresistivel de
seu pai, Ibe pareca de urna cobarda, de urna
barbaria, que elle ento nem mais podia com-
prehender. As ideias philantropicas do velho
camponez, suas ardenles sympalbias pelos des-
gracados, sua vasta ambicio por urna classe
inteirn mu ciii quera rehabilitar no direitn
individual, tudo isto t Ibe inspirava agora
uau ieio, Le iuiurrogava-se a si pro -
I Rio Grande. No da 1 i do corrente o bravo u
I incancavel Francisco Pedro de Abren atacou
i a Torca de Canabarro nns Porongos, ea derro-
tou completamente. O inimigo perdeo cento
o lanos morios, 300 prisioneiros, toda a baga-
gem, &c., &c como consta de urna carta do
bravo Coronel Francisco P#dro, quo aqui trans-
erevemos.
Campo nos Prorongos 1 \ de Novembro.
Prente e amigo. Hoje no romper do dio
alaquei ao Canabarro com o seu intitulado exor-
dio de 1,000 e tantos homens : oi derrotado
completamente, leudo cento e tantos morios t*
300 prisioneiros, e julgo exceder muito dos
300, porque ainda tenho gente por fra, e eslao
chegando aos 5 e aos 6 : emim, poderiao-so
escapar como 200 e tantos a cavallo, extravia-
dos, isto mesmo por o campo ser muito monta-
nboso, o a cavalhada estar muito puxada pelas
muitas marchas do noute, e de dia emboscada:
no numero dos prisioneiros sao 31 Odiciaes ,
sendo um delles o Ministro da fazenda alheia.
Deixrao toda a bagsgcm (e alguns atete
escaprao em mangas de cami/.a; e perto do
1,000 cavados, etc. Com mais vagar Ihe parti -
ciparei o mais que occorrer.
Disponba, Ac.
Francisco Pedro de Abreo.
[Jornal do Commercio.)
Alm da brilhante victoria alcancada pe-
lo valente Tenenle Coronel Francisco Pedro so
bre o rebelde Canabarro, deque demos noticia
em o n. anterior, teve o Governo participadles
Officiaes de ter sido completamente derrotada ,
na margem esquerda do Quarahym, pelo Te-
nenle Coronel Antonio Fernandos Lima, quo
para esse fim se destacara da diviso do Briga-
deiro lenlo (Manoel, urna partida do 150 rebel-
des commandados pelo caudilho Bernardino ,
dos quaes licaiao morios no campo 20 homens,
e 19 prisioneiros.
O Coronel Jo2o Propicio Mnna Brrelo sor-
prebendeo edestrocou igualmente, no dia 7 de
Novembro ao rebelde Jacintbo Guedcs, que a
frente de 300 /arrapos vagava pelas ponas
do Sarandy. Toda a sua bagagem e cavalhada
cabio em poder da nossa forra; bem como 2,000
cavallos que se achavao do outro lado da fron-
leira, pertencentes aos rebeldes.
(Sentinella da Monarchia.)
BAHA.
Em consequencia das noticias receidas do

[iiin, se um homem podia com efleito lomar
assim o papel da Providencia, e aventurar urna
reaceao violenta do pobre contra o rico, que
Dos pareca nao querer ainda consagrar. O
successo mesmo nao Ihe pareca mais justificar
essa ompre/a arbitraria ; via com cruel indif-
ferenca a propriedade da aldeia ; era-Ihe pe-
nosa a vista da fabrica ; a bulha dos toares Ihu
martclava a cabeoa com insupportavel dor, por-
quo tudo Iho recordava a triste imagem de Va-
lentina enferma. .
Lma vez occorreo-lho urna i Jeta que o fez
estremecer e Iho cubri a fronte de suor (ro.
Se o mal viesse ainda a augmentar Se essa
fraca creatura succumlmse aos seus desgostos.
Se um lumulo se erguesse sobre essa trra odio-
samente feliz e llorescente !.. Parecia-lho,
que no seu desesporo casas o homens, tudo der-
ribara ao p dessa lastimosa tumba, dessa
urna de dores !
Quando Ricardo nensava assim, forntava
novos projectos de livramento para a pobre pri-
sionera. Quizora elle proprio conduzil-a ato
as portas de Versailles, e la deitando-se-loo aos
ps, pedir-lhe segredo para o que se hva'pas-
sado, e perdao para sou pai. .. Ma rembfSVa'-
se do desespero do velho, que assim o verla per-
der a sua causa, e faltar ao juramento. Qoi-
zera Jcnuricsr ao re o lUgTuioSc aeiava Va-
lentina, cceitando todas as consequencia
desta declaraeo, qn eYndtiWd'tfJrt hoT-


interior da provincia S Ex. oSr. Presidente
mamlou o Sr. Galvao Majorda Polica,com
40 homens n lim <1 prevenir maiores desta-
cas ; (alla-se cin urna morte na pessoa de um
dos Klhos do fallecido Ten.nto Coronel Silva
Castr >doCurrlinbo, e que urna sen hora paru
evitar o brutal dezejo deseus perseguidores, se I
precipitara do urna jenella...!! Odios antigos,
dizom, suffocados pelo medo <|ue tiubao do
fallecido Tenente Coronel occa/ion .rao taes
catastrophes. Temos toda o confianza na ener-
ga do Sr. Major Galvao, elle por ceito conse-
guir acalmar aquellos nimos esquontados ;
nem motivo ha para que se receiom scenas
iguaes a de Pilo Arcado.
Sibbado(7docorrente)foi grande o clamor
nocommercio por causadas cdulas de 20el00.>
r.; divergem as opinioes dos conbecedores;
querem uns que as taes cdulas sejioem vordade
falsificadas,dizern outros,q nSo sao verdaderas,
com quanto baj'i urna tal ou qual differenca nu
cor dopapel, mais brando, &s. &c., mas o boa
to de girar na prac4 a nao pequea somma de
100 contos de tal maneira intimida aos rece
hedores, que nio he possvel que este emba
raen continu.
Um nosso a migo,negociante enntou-n os qui
recusara receber 20 contos de r-is porque da-
vio-lhe Inda a qnantia em papis de 100.) rs
e o pagador nao se responsahisava pelos nume
ro.
Esperamos da energa do Exm. Sr. Andr
urna inmediata providencia n um to grande
mal, ou mandando, quanto antes, recolher as
ce lulas em quest^o, ou proujen :iand i como
ulgar conteniente.
(Cvrreo HfcHcuntil.)
i mi i .!- ii ii p i. ......./ ....
PE
BUCO.
GOtREK) DO RECIPE.
CORRESPOJDENClA DA CIDAllK E PROVINCIA.
A eictao deque i es ale na minha ulti-
ma v qne leve hontem luirar, me exctnu mi
reflexSes mais ou menos melanclicas, por al-
gumascircurnstancias que occorrrio ; esini
nao as poder cominunicar, nao s porque mili-
to epac*o levano, como tamhern porque cou
sai ha que he melhor guardal-as caita um en.
si. Nn fallare pois nu que mais influirona
minha imagtnacin ; os que se regozijo com os
males que vo fazendo suciedado a pretexta
de guerrear os seus adversarios bao de chorar
sobre as deploraveis consequencias, como eu c
como os outros, por mais e mais que ora rio,
e se applaudao : contar-lbes-hei porm que o
condemnado marchou ao patbulo com cora-
gem, naosei, mas quasi com esgares. sim :
de vez em quando como que Ihe passava pelos
labios um sorriso, e nenhum preparativo, nem
o momento fatal mesmo Ihe alterou o animo :
havia-se dito que se pretenda tentar tudo par
o salvar, e o carrasco, que ja eonta afumas
execueoes, tao mal Iheapplieou o apparelho,
tanta pressa se tfeo a descer o paciente da forca
que ell quera depositar logo no esquife, que
o facultativo que o digno Jui/ Municipal da 1.a
vara fi/.era vir para examinar o executada, por
causa tlesse boato, decarou que se poderia res-
tituil-o vida com bem poucos soccorros e at
com urna sangra lmente. Em consequencia
destadeclaracao.fez o Juiz que levassem o corpo
de novo i forca, e passasse por outra operario
riveis, masque nao dario ao velho Amhrozo
a certeza de haver sido trahido por seu filho.
Depois deassim haver krmado mil projectos
insensatos, recolhia-se a passos lentos para casa,
onde encontrava Ambrozio to calmo, gracas a
f que tinha n juramento e honra de seu ilbo,
to velho, tao abatido hoje, e pedindo tao
pouco lempo para morrerem paz. Outra pe-
dade mais santa, mais pura talvez do que a pri-
meira Ihe occopava a alma ; e nao sabia como
pensava um instante em projectos, que podiao
conduzr rsse anciio, seu pai, um processo
infamante, prsio. talvez morte !
Urna noute em fin veio arrancal-o estas
borriveis perplexidades.
Ricardo, Ihe disse seu pai no momento
em que ia deitar-se na cama ao escurecer, cui-
da em f. ch A fraqueza nao medeixa agora tomar estecui
dado, e elle he mais importante do que nunca.
Eu creio t. r visto a noute passada e ja muito
tarde o vestido branco da nossa prisioneira va-
gar na sombra da estrada ; e he provavel que
o lim destas sabidas seja para examinar.se des-
cobre algum meio de vasar*.
Ricardo enraminhou se para o fundo do jar-
dn., a lim de fechar, conlorme as nrdens de
seu pai. 8 grade do prtalo do muro em que ler-
minava a lAbitacio e que da va sobre o leito ser-
r do rio. Era all que elle pel primeira vez
bavil follado a Valentina, era nesse muro que
-e ella havia encuitado, olhando, sobre a mar-
Diz-se que os meirinhos sio gente dsapiededa,
pois, nao Srs sao gente que sympalhizio
tanto cornos condemnadoi a morte, que nem
a sua sentcnca querem publicar. Tambem
muito custou a alcanzar o facultivo ; mas l
se prestou um. Tantos estros nos meirinhos,
e tanta sern cerimonia em certo empregado
cuja presenca so exiga all Voltemos esti
negra pagina que comeca a incommodar-mo.
Tenbo-lhes fallado em urna loja da praga da
Independencia, onde se fazem certas esprte-
las ; agora tei que nao he suma, e de trez
me dio toda a certeza : desgravado do pobre
mattuto que atravessa os humbraes de um des
ses covis, se elle he accessivel a paixSo do jogo ;
porque sai depenado Nao bastAo tantas lo-
teras, tantas casas de tabolagem, deve haver
mais,para que ludo se reduza a jogo.essas espe-
uncas equivalentes as de salteadores, desorle
iue jo. a se em nossa trra para matero lempo,
que tanto sobra a uns como falta a outros; jo-
ja-i>' para edificar igrejas e augmentar o culto.
|oga-se finalmente com fitas ededaes em lugar
de bacamartes e facas de pontas.
Sabem Vrncs. que ha hoje mais decencia nos
arredores da cadeia, do que nos do convento
dos franciscanos? pois se o ignorao, iquem
agora sabendo-o. Ja de muito tempo que se
di/.iao chulas das jancllas desse convento para
os viandantes ; mas tudo era Lineado em con-
la a urn celebre fr. cadete, distincto na verda
de por seu descaramenlo ; mas agora que elle
nao esta na trra, alguem o ha de ter substitui-
lo. Um destes dias certo Pernamb.cano si/u-
do passava por all, e taes cousai Ihe disserio
os 1'r.nles que o hornero perdeo a paciencia, <
luasi que lauca pedradas aos biltres reos de
Duhcia, que d'ali o insultavio. Nao toma
i ao vergonha aquelles frades !
Dizern-me do Cabo, que o Corrrmandante do
*2.' batalhao de G. N. daquelle municipio he
de urna activid ole diana de todo encomio, e
'U nao pouparei os meus. O homem quei
que o batalho tenha msica ; ora isto he sen*
mnlradiccio muito louvavel : que az elle ?
obriga os pobres Guardas a darem urna pataca
por me/ cada proca, sob pena de enchovia
Um facto po/m muito recente praticou elle,
que mlico no escuro a tudo o mais. Quali-
licou um aleijado um destes dias, mandou-o
avisar inmediatamente e dous dias depois deo-
1 he em casa com urna tropa de 30 homens, por
alta nnule, varejou-lbe a essa mesma hora a
casa, e foi o liomem conduzido para a encho-
via, nioobstai.te haver na cadeia urna prisa..
superior. A ordem delta prsio.em 'vez lo no-
li, e do Guarda, diziao irmao do Bringuel
desorle que o digno Commandante nao sabia
a quem havia qualificado, ou no registro do
seu batalhao os Guardas conhecern-se pelos pa
rentes. Haveria ah algum desforro i*!..
Esrevem-me da Parahiba que o Franco
continua nos seus batuques (bailes\ ; visto que
os Parahibano* o nao izero bailar como os
Abigoanos ao seu charapim por muito menos
o homem vai escarnecendo delles, e tan eneas
quetado est dos taes batuques que pretende
dal os a bordo da escuna, que'dizern o trans
linda a qual (oi descido reduzido realmente a' portar com os jeputados para o Rio de Janei-
um cadver. Para prehencher a lormalidade ro, e para que nada Ihe? falte tem ja tres da
lo pregfto exigida pela le, leve oJuizomaior mis prompas, que o acompanharS; e como
trabalho deste mundo: o primeiro meirnbo elle ainda eit de lato, serio lias protas, para
nomeado quiz antes ir para a enchovia, outro i nio so faltar a esta etiqueta. O lelizardo
havia ferdido os oculos, aquella tirara-lhe a I tem dado goslos descendo i ultimas vingsneas
voz urna coustipacio, e a final foi um a lorca. contra algum eleitor que passou pelas malhas
da rede, e nao votou nelle.
O D. novo de 11 deste mez em suppleinento
s noticias que revela ao publico diz que a au-
thentica do Ourcun veio com'trinta votos de
meoosdos quo pdio os Eleitores reunidos dar
ao Sr.Nabuco, 'e que este Sr. se obtivesse esses
trinta votos (icaria no numero do* Deputadoi :
estimo seta noticia dada 'pelo D.-novo figu
rando de supplente do Correio porque ella des
mente completamente outros nmeros do mes-
mo joma! em que se levanta o aleive de ser a
authentica falsificada, ou inventada nesta cida-
depor consolbos do Dr.Nabuco.o qual nao seria
to nescio que consentisse n'uma falsificedlo
em seu prejuizo, e d,> outros canditadosdo
partido da ordem mais devotados, como o
Cavalcanti de Lacerda e o Aguiar.
Foi de retirada para o Bonito o Juiz de Di-
reito interino, e ex Delegado ; dizem que
alraz de I le foro urnas diizias do clavinotos ;
nSo sei para que. Tambem dizem que
est decretado o assasiinio do Dr. Medeiros, e
e do Secretario da Cmara Candido, te j nSo
estilo em melhor vida. Se escapou o Dr.
omingues, estes nao escaparaO.
Barca (rancezaZiliamercadorias
BarcaJcapulcodem.
B;rcaUysn -dem.
Brigue Attreataboado e ferro.
Briguufrasi liambaca I bao.
larcaTentadoramercadorias.
Barca Waldmargenebra.
gem da antiga torrente, para essas pobres flo-
res, que Ricardo para ella cultivara, e que ella
nao quizera. Esse poito e o muro que o sos-
tinha, derribados pelo raio, havio sido repa-
rados no dia seguinte.
Ao por a rnao na chave dessa grade para a
fechar, Ricardo sentio urna repugnancia inven
civel, lembrando-se que fa/ia o papel decarce-
reiro. Elle tinha visto Valentina naqoelle dia
mais mudada, mais iraca e abatida do que nos
oulrrs. Pareceo-lhe que a via encaminbar-ie
com passo vacillante para essa grade, levar ao
c<> os olbos supplicantes, pedindo a Dos a li
herdade, e acbarido-se retida por esses varoes
de ferro, cahir moribunda sobre o seu t-
mulo..
Mas de repente julgou ter descoberlo um
meio de se forrar um encargo, para o qual
se nao achava com forcas, e de evitar as agon-
as, ern que de continuo se vie por dous entes
igualmente dignos de sua dedicacao, e um do*
quacs soflria por culpa delle. Deixoupoisa
rade liberta ao acaso, a Providencia, que po-
da condu/ir Valentina a esse lunar ou retel-a
em seu quarto, o cuidado de. decidir da sorte
de tolos. A alia virlude de Ricardo deveria
ler-se retoltado contra esta traicao negativa ;
mas elle nao p dia supporlar a ideia de se ver
nssiio reduzido a Irme impassivel verdugo, ma-
tando lentamente essa terna e nobre creetura.
vctima designada fela mais estranha (aleudado.
reiit,va ali dalo que se ella eicapaue da pri-
DIARIO DE PEtMAMBUC).
Cumpre-nos declarar que as opinioes do
nosso correspondente do Corrtio do feetft nao
estilo de sorle alguma identificadas com o par-
tido da ordem, nem tambem com a redaccao
do Otario.
Nada temos portanto com a opiniao solada,
e segundo o nosso parecer infundada, do dito
correspondente, quando a par dos merecidos
elogios, que fez 6 noineaeao do Sr. esembar-
gftdor Siqueira para Chefede Polica, avenlu-
rou que era pena que nao foise mais activo; por
quanto nao deicobrimosum s motivo, que jus-
tifique esta supposicio do nosso correspondente,
e antes nos persuadimos, que o Sr.Desembarga-
dor Siqueira era quem na actual idade poda pre-
heneber todas ai condiedes requeridas para urna
nomeacao satisfactoria. Pela nossa parte con-
uratularno-nos com a provincia por to acerta-
da nomea< ao.
O vepor Paraense, que chegou ante-hontem
lo Norte deixou as provincias om scelo : os
lomees nada teem que nos parece de interesse
para os nossos leitores.
Dos jornaes que recebemos pelo vapor \mpe-
ralriz deixemos extrahido o que nos parece de
maior interesse : no seguinte numero copiare-
mos odemais. O jornaes do Rio chego a 4
lo corrente.
'JWnUJUILl-.'VU.LUllXJ .9BBS" "9'5A'-iUati*-l'.-.
Alfandega.
Rendimento do dia 14.........13:815*982
etcarrego hoje 16.
GaleraCouiintaboado.
sao, teria a generosldade de conceder-1 bu a
araca de seu pai. Por si, entregava-se elle
alegremente em expiacao dos tormentos por
que ella havia passado.
Tomado este partido deixou com efleito a
porta aberta e escondeo-se nos mallos que
prximos Ibe licuvao. *
Anda enlao no quarto de Valentina appare-
cia urna luz que mudava de continuo como
se com ella andassem de um para outro lado ;
mas logo depois apagou-se. Ricardo assentou
que Valentina acabava de deitar se e que por-
tento era escusado demorar-se all mais tempo.
la j retirar-se quando vio branquejar algu
ma cousa no fundo da alameda sombra e ei
condeo-se de novo a esperar o que apparecesse.
Era Valentina que pare all se enceminhava
com pasto vagaroso a cabeca inclinada e o
bracos cabidos ; as pregas ligeiras e fluctuanles
do seu vestido simples de de nouto desenha-
v5o-lhe as lrmas agora adelgazadas e to de-
licadas como puras. Ao vl-a assim muda e
gil com o nico movimento do andar, dis-
ereis urna rapariga que, em somno magntico,
deix o leito e anda adormecida vai por onde
a guia a vista interior, sem o soccorro dos olbos
nem do pensamento. Nada nella revelava um
projeclo de fgida ; nem o gesto inquieto, nem
ludo t!
oolhar agitado se Ihe divulgavSo
se resuma em tristeza calma em languidez
mortal.
I.MPORTACAO.
A capul co barca ingleza, vinda de Liver-
pool, entrada no corrente mez, a consignadlo
de Me. Calmont & C. manilestou o seguinte :
28caixas e 1 fardo (azendas de algodao 1
caixa ditas de lia, 1 dita ignora-se; a J. Cra-
btree & C.
51 Larris mantega 2 Caixas chapeos ; a
R. Brooking.
2 fardos e 5 caixas fazendas de algodao, 2
caixas ditas de linho, 1 barril lingoas, 1 caixa
queijos; a Adamisson & C.
1 cmhrulho livros ; a livraria ingleza.
20 caixas queijos ; a Brander a Brandis.
3 volumes botes deosso, carrafas de tintas,
pennas lacre e papel; a R. Royle&C.
22 barricas e 9 toneladas de Ierro; a Star
&C.
12 (ardos e 2 caixas fazendas de algodao ; a
Bidgway & C.
2 podras de amolar, 6 caixas chapeos, 17 g-
gos e 20 meios ditos louca,5 formase 16 quin-
taes de ferro, I barrica ignora-se ; a Jonston
Pater 46 formas de Ierro cundo, e batido 16 1/2
toneladas, 14 ditas dito, 4 toneladas e 1 quarto,
8 caixas e 2 lardos fazendas de algodao o 1_>
du/ias de toalhas; a ordem.
1 fardo fazendas ignora-se, 2 caixas chapeos;
a Deane Youle & C.
83 gigos, 83 meios ditose 2 caixas louca ; a
Fox Brothers.
6 lardos lazendas de algodao; a H. Gibson.
25 fardos e 12 caixas lazendas de algodao,
15 barricas oleo de linhace, 1500 caixas sabio,
500 barricas iarinha de trigo ; a Me Calmont
&C.
50 pecas de cabos, 50 queijos, 36 presuntos,
164 gigos batatas, 1 barrica conservas, 1 fardo
saceos de lona; ao Caprtio.
1 barril ago'ardente, 12 barricas cerveja, pa-
ra gasto do navio.
Fanny, brigue ingle/, vindo de Terra Nova,
entrado por'franqua em 29 do passado me/ ,
consignacio de Me Calmont & C, deo entra-
da redonda, tendo manifestado o seguinte:
2600 barricas de bacalbao ; aos consignata-
rios.
Dt/son; barca ingleza, vinda de Liverpool ,
entrada no corrente mez a consignacio de
Ridgway Jeuiisson & C.manifestou o seguinte;
8 fardos e 5 caixas fazendas de algodao ; a
Boli & C.
2 caixas fazendas de algodao; a Jobnston Pa-
ter & C.
50 barricas manteiga, 6 ditas oleo de linda-
ra, 1 caixa fazendas.de algodao' ; a N. O. Bie-
ber & C
1 caixa ferragens; a J..P. de Lomos & filho.
24 eiiibrulhos pas, nao declara a especie ; a
J. A. de S. Andrade.
70 toneladas carao de pedra. 64 barril
manteiga, 6 lardos e 8 caixas fazendas de algo-
dao, 4 ditas chales de lia ealgodio; eos con-
sgnatenos.
30 presuntos, 50 aueijos, 370 g'gos bata-
tas, 2 caixas conservas ; aocapitio.
Entretanto ella encaminhou-se para o lugar
do portao e olbou para fura.
Abaixofieavao-lbeos fragrants ramos dos ja-
cinlhos semeados sobre a margem do rio ;
direita a pequea ponte rustica de ramos d'ar-
vore lancados em arcada sobre o lveo pr. fundo
e secco ; em (rente a cruz de pedra no cume da
musgosa rocha que protega o tmulo de Ma-
ria ; sobre todos estes objectos reinarse um si-
lencio que nio era perturbado pelo movimen-
to de urna s folha e os (reos raios das es-
trellas que os moslravao apenas aos olbos, e pa-
recido clareal-os lmente para a alma.
Valentina inclinou se sobre a margem da
torrente pondo urna mi sobro o muro e ou-
tra sobre o coracao ; respirou o perfume das
flores tio penetrante quando ho nouto, e que
ella pareca aspirar como delicias.
Ricardo a contemplava com emoco pro-
funda.
Pobre rapariga 1 dina elle que encan-
tos podes tu achar em ao simples ventura ...
E sendo nobre, rica, poderosa wnhora de to-
dos invejada, estas reduzida a satisazer-te do
porfume de urna planta selvagem !
E lagrimas do coracio Ihe virio aosolhos:
entio nao pensava elle mais nos projectos de
evasao de que havia suspeilado a Valentina; e
lastimando a repeta.:
Pobre rapariga
Mas nesse momento so aperceheo a coudessa
que a grade eslava aberta e dando um grito


7 fardo* e 3 caixis fazondas de aigodio, 60
barris chumbo da municio, I dito azo ren-
te do Franca 12 canas liabas da aigodio, 2
barrios ferragens, 3 eaixas miude/.M. t dita
Tatuada* da la, 1 dita seibos e bolees de osso,
1 barril lingoas 1 caixa 10 libras de queijo ,
1 embrulho pertences para eseriptorio, 1 oaixa
coraes de seda; a Geo:Kanworthy & C.
100 barr9 chumbo de manicio 6 caitas
fazendas de algodo, 6 ditas ditas dalia, t
fardo ditas de lia e aigodio, 2 caixas folhas de
cobre ; a ordem.
4 caixas la/endas de linho; a B. Lasserre
&c. rV;
400 barris chumbo de municio ; a J. J.
Monteiio.
. 2 caixas boloes de chilre; a R. Royle <& C.
3 barricas ago'ardento de Franca; sobresa-
lente do navio.
3 caixas fazendas de linho, 17 ditas e 10
fardos ditas de aigodio; a Me. Cal-mont & C.
61 caixas fazendas de aigodio, 5 ditas e 1
embrulho fazendas de seda elencos de lia e ai-
godio; a Russell Melbors &C.
4 cana e 3 fardos laxendas de aigodio ; a
H. Gibson.
7 caixas e I embrulho fazendas de aigodio;
a Latham & Hibbert.
N. B. No manifest do brigue portuguez
Marta Felis, aonde se le B caixas com estiibos.
esporas, pentes de cbifre e ootros objeclos a M.
J. deSousa Ribeiro, lea-seM. J. Vas de Mi
randa.
PRACA DO BECIFB, 14 DE DESKMBRO Di: 1844
fevista semanal
CambiosDurante a semana fuerio-se tran-
saeces limitadas a 25 V* d. p. 1 t ris.
e hoja oflercerao-se lettras a 25 A
d. p. 1 c ris.
Assucar- Knlradas reguladas e vendas a 1000
ris por @ obre o Ierro do branco
900 rs o mancavado.encaixado; e di
2200 a 2600 ris branco embarrice
do.de 1500 a i550 ris o masca vado
AigodioForio limitadas as entra Jas e o.*
os procos nio teem soflrido alteragao
(jouros__Pouco procurados, e sem alteracio de
preco.
AlvaiadeVendeo-ce de 6700 a 5800 lia a ar-
roba.
BacalboCom um carregamento de 2H6
barncas.entradn de Tena Nova o
deposito hoje lie 4500 tendo sido
acuelle carregamento vendido a
10,650 ris.
CarneNio bouverao entradas, e o deposito
est reduzdo a 15:000 a arroba .
teiido-s vendido du 3200 a 3800
ris a arroba da do Rio Grande, ede
2800a 2880 ris e de Buenos-Ayres
CerwqaVendeo-se de 4000 a 6000 ris odu-
zia
Farinha de trigoSem alteracio, tendo sido
mu i limitadas a> vendas.
Ferro da SueciaVendeo se de 9500 a 10a
ris o quintal.
Oleo de linbacadem a 1900 ris o galio em
botijas.
Queijos flamengos = ldem de 800 a 950 ris
um.
Sal estrangeiro dem de 750 a 800 ris o al-
queire.
Velas de sebodem a 300 ris a libra.
Acha-se prohibido o despachoda polvora.chum
de alegra correo para ella... abrio-a branda-
mente. .. o coracio de Ricardo battia a arre
bentar-lbe o peito. Valentina sabio.
__ Meu Dos I meu Heos La se vai ludo.
dn.se ofilhod'Ambro/io meo pai agora est
perdido esou eu que omatei .. Nio, nio.
Valentina tcm alma nobre compassiva tora
pidade de nos salvar meu pai; ... mas po
del-o-ha ella ? ... Que supplicio! quanto sof-
fro !...
A rapariga estava entio ao p da ponte ; al-
guns passos mais podiao leval-a aldeia e es-
tava salva.
Ricardo senta mil settas agudas penetrarem-
Ibe o peito.
Dos poderoso, exclamou elle, tende pie
dade de mim.
A esta oracio lanzada do intimo d'alma elle
olhou de novo e vio que Valentina nao segua
o lado da ponte : ella havia turnado n direila .
e tmida descia a margem escarpada eingre.ue
do no agarrando-Be as pedras o aos ramos
Chegando ao leito de areia inclrnou-se para
as flores olhou para ellas por muito lempo ;
depoi* ajoelhando-se colheo um grande rama
Ihste dellas, beijou-o, apertou-o contra o pe
to Sua posicio seus movimentos tinho a
graga, a ingenuidade da infancia; mas ao mes-
mo lempo o figo que Ihe arda no* olhos o
traosporte dos beijos dads n.Hs flores deno
tavao urna paixao devoradra no ultimo grao.
Valentina tornou a subir a margem e deo
bo de municio e espingardas, em
consequencia do movimentu da pro-
vincia das Alagos.
Entrara o durante a semana 9 .cmbarcacn,
sabiro 9 e ex9tem no porto 49 : sendo 1
americana, 20 brasileiros. 1 dinamarquesa, 2
franceas, 8 ingle/as 1 lubekence 7 portu-
auezas, 4 sardos, 4 suecas o 1 siciliana.
8 __________
C VNBIOS.
Rio de Janeiro 4 de Dezembro.
Precos da ultima hora da praca.
Cambios sobre Londres 25
>i Pars 375
Hamburgo 700 a 705
Metaes. DobrQes hespanhes 31.900 a 32,000
da patria
Pesos hespanhes
da patria
Pecas de 6.400, v.
' de n.
Moedas de 4,000
Prata
Apolicts de 6 por cento
31.800 a 31.850
2 030 a 2.040
1,905
18,450 a 18,500
17.000 a 17.100
9.500 a 9,550
102 V a 103
73
(Jornal do Commercio.)
Movimeiito do Porto.
Navios iahidos no mesmo dia. I do corrente mez se principiado a cantar os 30 di -
Trieste ; brigue sueco Skelleftea, Capitio i as uteis para a cobranza, a bocea do cofre, da
Wm. Flutevood ; ccrga assucar. i decima dos ditos predios do pnme.ro semestre do
Porlos do Norte; vapor de uerra naci-1 corrente anno financeiro do 184*a 13+0, eos
nal Thelis, Commandante o Capitio de ira-, que nao pagaren) dentro do rofenap praso, in-
,--: correrao na multa de 3 por cenlo difval
Navios entrados no da 14.
Porto, 28 dias, barca portugueza Tentadora,
de 400 toneladas Capitio Emydio Jos de O-
liveira, equipagem 32, carga vinho, sal, c
mais gneros : Manoel Joaquim Ramos &
Silva. Passageiros 4 brasileiros e 93 portu-
guezes, inclusivo 7 senboras, e 5 menores.
Portos do Norte; 16 dias, vapor brasileiro
Paraense, de 200 toneladas Commandante
Joaquim Peixolo Cuimaries, equipagum 24.
carga lastro: a Joaquim Baptista Moreira.
Passageiros, O Exm. Brigadeiro Jos Ma-
ra da Silva Bitencourt, sua senhora, 5 filhos
e 8 osera vos, Ignacio Vieir? Lima. Dr. Jo
s Tbomaz Feneira d'Almeida, e 1 ecravo.
Manoel Benicio Fontanailles, Dr. J >s Too
maz dos Santos Almeida. Higino Pires Go-
mes, e 2 escravos, Justiniano Duarte e Oli-
veira, Dr. Miguel Fe-mandes Vieira, o 1
criado, Dr. Andr Bastos de Oliveira, e 2
escravos, Dr. Raimundo Ferreira d'Araujo
Lima, e i escravo, Dr. Antonio Jos Ma
cbado, e 1 escravo, Francisco Mar tos Du
arte, Victoriano Augusto Borges, o 1 es-
cravo, 1 praca de pret, e 11 ricrutas par
a marinha.
Parahyba 2 dias biale nacional Pur
xa de Alaria, Meslre Antonio Manoel Aflon
so, vquipagem 3, carga lenha ao Mestre.
Rio de Janeiro. 22 dias, barca portu
gueza Espirito Santo de 428 toneladas .
Capitio Rodrigo Joaquim Correa, equipa-
gem 18, carga lastro, a Francisco Alvesd*
Cunba. Passageiros, o Mejor Aflonso de
Albuquerque Mello, Joio Gomes da Slva,
Brasileiros; e Carlos do Mallos Moreira .
Portuguez.
Falmouth pola Madeira e Teneriie, 55 dias.
' paquete inglez Pelerel, Commandante ,
Creser, Traz 4 passageiros para esta pro-
vincia, e 4 para o Rio de Janeiro
Santa Helena, 11 dias, barca ingleza Sunftoi
mer, de 341 toneladas, Capitio James Foros
ter, equipagem 11, carga lastro : a Russell
Mellors&C.
alguns passos na direccio da ponte. Ricardi
admirava-se de que em sua fgida ella se oc-
cupssseassim emcolber lloros e lrmar rama-
Ihetes : neste momento se duplieriu suas an-
gustias. Valentina paroa de novo no meio da
ponte, encostou-se ao corrimao, olhou pr-
meirocom indiflerenea para o acanhado hori-
/onto que a noite Ihedeixava ver, depoisseus
olhos se fxrio na cruz de pedra, junto qual
Alaria repousava, e que u aiu uui yuunv uiouua
se descobria. Os melanclicos movimentos da
cabeca annunciavio que ella olhava alternada
mente para aquelle lugar e para o ramalhete
que tinba na mi. e que ambos os objectos Ihe
produzio a mesma sensacio ; como se entr
elies houvess" intma harmona, como se o per-
fume dessas flores losse a lingoagem, cujo pen-
samento era aquelle tmulo.
Ricardo observava essa atttude impassivel e
pensativa.
Ella nao ousa talvez, disse elle, aventu-
rar-se sorinha. a esta hora, no campo solita-
rio. Mas, Dos meu 1 cs nui soccorro que
eco Ihe enva.
Nesse momento com efleito, duas raparigas
da aldeia passavo pela alameda de carvalhos
que ficavao ao longo do rio : ellas se recolhiio
a casa, de brago dado, cantando urna inonolo -
na toada rustica, o io-se de distancia em dis-
tancia pelos intervalos dos ramos.
__Aora vsi 'Ha dirieir-se s aldeias. pen-
gata Ricardo Haydem ; passageiros. o Capi-
tn do Mar e Guerra Commandante da Esta-
cio naval do Norte, Joio Francisco Regs,
Capitao Tente Antonio Francisco Perei-
ra lenle Ajudantn Leocadio da Costa
Woyne, 2 OIBciaes de Fazenda, o Encarre-
gado dos Negocio* da Nova Granada Manoel
de Siqueira Lima esua familia, e 13 pracas
que forao do exercito.
Macei : vapor de guerra nacional Gua-
piass, Commandante o Capitao Tenante
Guilherme Carlos Lassance ; passageiros o
Capitio de Iragata Commandante da Divsao
. do centro Joaquim Marques Lisboa, o Coro
nel Honrique Marques d'Oliveira Lisboa. 2
soldado*, 1 criado,' 1 criada o 1 escravo,
Joio Gomes Ribeiro, e 1 escravo, Ricardo
Peroira da Rocha Lima, e l escravo, Jos
de Barro* Pimonlel. Joio Antonio dos San-
ios Pacheco, Antonio Leal de Bai ros, Maxi-
miano Henriques da Silva, Jos Angelo, o
Despenseiro Joo Pereira da Paz.
Parahyba ; hiate nacional '. Cruz, Mes-
cima devida em conformidad*; do 1 artigo
21. capitulo 16 do regulamenlo de 16 de Abril
de 18V2. mandado observar pela le provincial
n. 130 de Maio deste anno. E para que che-
gue ao conheuimento de todos os interessados o
nao possao allegar ignorancia, mandei afixar o
presente o publical-o pela imprensa. Recife 13
do Dezembro do ISit Josr (hiedes Sal-
gueiro. C**
Leudes.
3. 6, e 9 caadas : hojj 1(3 do corrente as
tre Nicolao Francisco da Cosa, equipagem ti horas da manbaa, no scu armazem ; ra
do Vigario n. 21. I11
2= No arma/em da ra do Trapiche n. 40,
far se-lia leiliode vinte caixas com uvas muilo
frescas chegadas no ultimo navio de Lisboa :
4, carga varios gneros.
Navio entrado no dia 15.
Rio de Janeiro e portos intermedios; vapor
Imperatriz, com 9 dias, 18 horas e 1
minutos do ultimo porto, Commandante o ho|e 16 do corrente as 10 horas
Capitio Tenente Jesuino Lamego Cosa
Passageiros; para esta provincia D.Thereza de
Jess, e 1 escrava, Coronel Francisco Jos
Marlins, e 1 escrava, Frei JosdeSanta Leo
cadia.e lescravo. Frei Joo Capistrano de
Mendonga e 1 escravo, Frei Joaquim da Pu-
rificao, Frei Manoel de S. Filippe. e 1 escra
vo.P. B. Olive. Franco/., P. Appert, dito
AndrComber Inglez. 2 filhos, e l escravo,
Joseph W. Verbulur Americano, e 2 escra-
vos a entregar; para a Parahyba. o respec-
tivo Presidente nomeado o Exrn. Sr. Te-
neate Coronel Frederico Carneiro de
Campos, sua senhora, e mais familia ; e
para o Par 1 Despemeiro.
SP
Declaracoes.
= O vapor Imperatriz rpcebe as malas par
>s portos do Norte boje (I6j as 5 horas da
tarde.
O vapor Paraenie, recebe as malas para os
aortos doSul, hoj (16) as 4 horas da tarde.
O paquete inglez recebe as malas para o
Rio, e Baha amanhaa (17) as 8 horas da ma
nhaa.
IFaz-se saber aos subditos Britannicos, resi-
tentet em Pernambuco, que no dia sexta le ira
-20 do corrente pelo meio dia lera lugar no Con
sulado de Sua Magistade Britannica, ra dt<
Cruz, o ajuntament'dos subscriptores para o^
lias designados no acto Geo. IV. Cap. 87. Con
sulado Britannico em Pernambuco 13 de Do
/.embro de 184. J os Goring (8
1=0 primeiro Escripiurario.scrvindo de Es
crivio e Administrador da Mesa de Rendas In-
ternas Provinciaes, abaixo assignado, laz cons-
tar a todos os Senhores propnetarios de predios
urbanos dos quat.o. bairros desta cidade, e da
povoacodos Alogados que do dia primeiro
sou Ricardo, implorar-Ibes soccorro, e fazer
que a conduzo a lugar de seguranca.
E o coracio do desgranado mancebo se Ihe
apertava cada vez mais.
Agora sim, continuou elle, com amarga
dor, ella est salva... E eu nio a verei mais!
Valentina olhou alguns minutos para as vi-
andantes, com a mesma i mi i lio ronca, que Ihe
haviio merecido os outros objectos do campo ;
Afjnftia tflltQ&'W n2rs o out'o lado e "final re-
oclbeo-se, lendo o cuidado de fechar a grade sem
a/or bulba, e de a por no mesmo estado em que
a havia adiado.
Ricardo nio poda acreditar om seus olbos ;
e tal era a sua sorpresa, a alegra e nutras mil
sensacoes que se Ihe accumulavio na alma, que
ostava lodo trmulo, e mal poda suster-se.
A condessa passou lio perto doli, que o seu
vestido rocou as folhas dos malos, em que es-
tava oceulto. Ella elbava sempre para o rama-
lhete com urna ternura infinita, passando-lbe
a delicada mi, como quem o acariciava. Su-
bi a alameda que ia ter ao poial.com o mesmo
passo lento e distrahido com que viera, e o seu
vestido branco desappareceo na sombra, onde
ao principio se mostrara.
Ricardo, sentindo um allivio inexprmivel,
exclamou com inefavel alegra :
Dos do ceo I nunca eu acreditara que
ella quizesse escapar-se da sua prisio, s para
colher um ramaibeio de ti res.
P'alli a pouco vio elle apparecer urna luxi-
3=Mendes & Oliveira farSo foilio, por n-
tervencio do corretor Oliveira dos mais espe-
cficos vinbos madeira tinto, e branco. dito la-
vradio arintho, muscatel e carcavellos ma-
deira os quaos sao justamente apreciados pe-
los entendedores e proprios para presentes
do festa por lambem virem em caixas do duas
luzas do garrafas, e em ancoretas de cerca de
9 caadas : hoja 16 do corrente
nhia.
da ma-
(5
.Ki
Avisos diversos.
O NAZARENO.
__ Est venda o Nazareno n. 70, as duas
horas na loja do SrrTbemotheo na praca da In
dependencia, e na respectiva typographia a60rs.
cada exemplar. Contm varios arlgos, com as
seguintesepigrapbesViva o Ministerio I
0 Guaycar na opposicio. Umaexecucio,
um enlorcado. O recrulamento. A depor-
tacioda Prince/a. Alagoas. Eleicao para
Senador por esta provincia. Um excellente
artigo do Guaycur contra o Ministerio com a
epigrapheMinisteriaes de boa f, attendei.
Recommendamos a leitura d'esto importante
artigo, no qual 6e mostra o que a Cmara,
ltimamente nomeada pela Polica.
= Em resposta ao Sr J. I. A. S. declara-se
Ihe que nnguem aulorisou a lazer obras em
flautas nein so sabia que sua inoro juntava s
muilas habilidades que lem mais aquella e
bem deve saber, que quem faz obras, om trastes
alheios perde-lhe o foitio ; e por tanto faz mui-
to bem em deixar-se do polomicaso a en-
tregar a seu dono a misera flauta quo natu-
ralmente nao ha de estar muito bem tratada, es-
tando a tanto lempo em suas mios, devendofi-
car persuadido, que, se o nio fizer por vontade,
ser coagido a fa/el-o por outra forma
No dia 19 do corr#nte mez se ha de arrema-
lar em praca publica do Sr. Dr. Juiz de Or-
phios a renda de toda a propriedade de sobrado
de dous andares da ra estreta do Rosario
n. 22 a requermento de um consenhor.
2 Prccisa-se de quatro pretos para servi-
rem a prdreiro e paga-se pelo seu jornal 400 rs.
por cada um; quem os tiver dirija-se a ra Di-
reila n. 16. (*
nha as vidracas do quarto de Valentina ; essa
luz approximou-se do lugar onde estava o leito
c apagou-se ; o que annunciava que a candes-
sa acabava de deitar-se.
Ello fechou a grade, dizendo :
Pos que nio quizeste a tua liberdade,
pobre menina, ficars de novo presa.
Quando passou pelo quarto de Valentina pa-
ra recolher-se au seu, encostou o ouvido por-
ta ; anda me a respirac,ao da moca losse fraca
e rpida, poda-se julgar pelo seu movimenlo
regular quo ella eslava adormecida. Assim
mesmo Ricardo passou a noute na mais violenta
agitaban : nada mais entenda da tristeza de
Valentina, da sua pallidez, du sua fraqueza
extrema, juntas vontade positiva de nio dei-
xar a sua prisao, como to claramente acabava
de manifestar : alormentava a sua imaginario
para adevinhar este mystero, e al por um mo-
mento se peisuadio, que a reclusao e todas as
tristezas de urna extraordinaria desgraca havi-
io perturbado a rasao da desventurosa Valenti-
na. Outro pensamento Ihe occorreo lambem,
e o fez. estremecer na cama ; mas nesse nio
quiz elle parar, e o arredou sempre de si, co-
mo repellimos a louca esperanca de urna fe-
licidado muito grande, lembrando-nos de quan-
to padeceramos quando ella viesse a desva-
necer-so.
^1/un'iir-n-i.ll, )


LOTERA DO THEATRO. *
i ro de rovereiro
As rodas tiesta lote.* a
ettra sacada no prime!- Frs-dC'porias
p. p. por Florencio do Reg
I Costa e acceita por Jernimo Ignacio Caval-
canli de Iguarass ; quem (or sea dono a
llll) llini'Ott-'ri YC'ltllClltO Pde procurar no sitio dos Aftlictos, de Anto-
.. nio Manoel de Moraes da Misquita Pimentel.
llO (lia 17 ClOCOrrente Hil!, Nanoutedel3docorrenteperdeo-seuma
/\ iu.ut.intn A'smu K;ili insignia de um irmo de S. Pedro, na mesma
t O llM,llll O. OS O I leles jgrpj, gendo a dita insignia de pratacom urna
aehao-se venda nos 1 ti ira- ""<*. BMto Mrwpiirmao;
. *"(!*" j roga-se a quero a achou de levara Camboa
I^S aiinnneadoS. (7 \ Ao Carmo n. 13. que receber ovalor dola.
^ O Corono! Henrique Marqoes de Olivel-
Hap fino Vmagrtnho. ; ra Lisboa, em obediencia as ordena que rece-
Jcronimo da Costa Guimares e Silva, deso- beo segu para a provincia das Alagoas e nao
jando elevar o rap de sua labrica ao ultimo permitlindo a brevidade com que parte despi-
gro de perfciQao mandou a Kuropa contrae-1 dir"8e de todas 8S P""*. com a sua amisade ou estima roga-lhes por
este meio que Ihes dirijan os seus praceitos
para fielmente cumprl-os.
A pessoa que annunci de esporas de 50 oitavas, por 60 oitavas de pra-
ta sendo que a prata, seja boa dirija-so a
praca da Boa-vista botica de Victorino Ferrei-
tar com um perito fabricante a factura do rap
de sua fabrica, o qual, logo depois de sua che* I
gada esta cidade, apresentou o excedente rap!
vinagrinho.
Este rap nao he preto lie verdaderamente
cor dn rap: tal he a sua preparado, quo urna
oitava d'este rap espalhada sobre um papel con-' ra de Carvalho.
serva por muitos dias a pouca humidade com que
he fabricado;accommodado a todas as dilTorentes
naturezas elle fuz o seu efleito sem que esti-
mulo aos tomantes e sem quo estes soflro a
repugnancia que coslumao a sentir quando
variao para dillerentes qualidades de tap ; as
hcelas, e os dedos nao se sujo com este rap ;
o seu hom aroma, e todas as mais qualidades o
torno recommendavel aos apreciadores de urna
boa pitada: o papel de embrulho be azul, c os
rtulos brancos. O proprictario.tendo em vis-
ta mais o crdito d'este rap, que os seus nte-
resses.tem resolvido mandar vendel-o as libras a
1400 ris, e a prego muis commodo de 5 libras
para cima : no deposito da ra da Cadeia do
Recife n. 50. (26
16= A medicina popular americana, e as
pilulas vegetaes que,ha muitos annos, esto em
uso em todos os paizes tropicaes, tern se prova-
do como urna medicina inesiimavel, sendo pre-
parada de proposito para clima quente, e com-
posta de ingredientes que nem requerem dieta
nem resguardo e pode ser administrada a cri-
anza mais tenra.
Cada caixinha leva o seu receituano, custa
iOOO ris a medicina pupuiar e americana de
30 pilulas, e 800 ris as pilulas vegetaes do Or
Rrandretb do25 pilulas,
A'isa-se ao publico que a medicina popular
iida nao appareceo lalsiiicada para maior
seguranca das verdadeiras pilulas vegetaes,
vende-se de hoje em diante cada caixinha em-
brulhada no seu receituario fechado com a firma
dos nicos agentes para o lirasil no Rio Janeiro.
Vende-se nesta praca em casa do nico agen-
to Joo Keller ra da Cruz n. 18, e para maior
commodidade dos compradores na ra da Ca-
deia em casa da Y uva Cerdoso Ayres, ra No-
va (Guerra Silva e Companhia, Atierro da lioa-
vista, Salles e Chaves. (24
2Na ruada Florentina, casa n 16, arha
se montada unta fabrica de fazer botijas cidra-
das, em tudo ignal as da llollanda, de que pode
resultar grando vantagem aos exportadores de
espiritos fabricados na provincia e que quei-
ro ajudar o seu andamento promelteudo-se
que a fabrica s trabalhur para aquello petsoa,
que a isto se pmpo/err nesta fabrica existe grana
de porco de obra feta, aonde se pode v r -
melhor imitacio na fabrico das botijas. Na
mesma casa ha para vender, urna porteo de bo-
nitos vasos para flores alguidares e nutras
obras, executadas por um hbil mestre. (13
2 Arrenda-so um sitio na estrada de lo
lem, com casa de sobrado para grande familia,
e ama terrea muitos e diversos arvoredos de
(ruto, baixa e Ierras para plantacdes pasto
para vaccas de leite maltas para factura de
cercado e para uso de casa ; na ra da Gloria,
sobrado o. 5'J (7
2 Para liquidaco de contas negocio-se
com rebate considoravel 14 lettras importando
todas na quantia de (76/427 rs., accoitas por
Francisco Antonio Puntual, outc'ora com loja
Quem annunciou querer vender urna cor-
rente de ouro com 20 oitavas dirija-se as Cin-
co-pontas n. i5 ou na ra do Calabouco, ca-
sa do ourives Ignacio de Mendonca.
A labrica de sabo da ra Imperial n. 116,
contina regularmente nos seus trabadlos e
tom grande porco de sabio escuro e amarello,
pulo prcc> do costme de 110 rs. a libra.
O Sr. que he correspondente do enge-
rido Campestre queira annunciara sua morada,
quo se desoja tratar de certo negocio.
A Portuguesa que annunciou querer ir
para urna casa com pequeo interesse diri-
ja-so a ra Nova, loja n 52, ou a ra de
Agoas-verdes sobrado n. 66. Em qualquer
dessas duas parles se vende urna cadeirinha de
dous bracos nova e rica.
Precisa-se fallar com o Sr. Jos Mara Ra?
bolo, natuial da freguesia do Minho filhode
Pedro Jos Kabelo e de Ignacia Teresa Gon-
calves ; no pateo do Carmo, botica n 5, a ne-
g> ejo de sen interesse.
i Nicolao Hartery embarca para o Rio G.
do Sul o seu esclavo de nomo Antonio de na-
va Angola (3
1 O Sr Antonio Crrela Cabral queira ap-
pareccr na ra Nova n. 8, pura se Ihe entregar
urna carta vinda da Parahiba. 3;
1 Na padaria da ra da Solidado n. 11 ,
precisa-se de dous homens trabalhadores de
masseira. (3
deronte do hospital de mr!-
nha ; a tratar na mesma ra n. 141.
3Vendem-se relogios patentes de ouro e
prata ingleses e trancazos ditos de mesa e de
pared tudo por preco commodo ; na loja de
relojoeiro junto ao arco de S. Antonio.
Livraria da esquina da ra do Collegio.
Bibliothect Phitosophiea.
Ac seguintes do Profesor J. Tissot; Curso
elementar de philosophia edico de 40 1 v.
em oitavo ; Elhica ou ciencia dos costumes,
1 v. em oitavo, 1840 ; Aolhropologia especu-
lativa geral 2r. em oitavo, 1843 ; Da mana
do suicidio e do espirito de revolta de suas
causas seus elTeitos e remedios t v. em oi-
_Vendem-S|fle.irenos para se edificar ?'
na ra da TrenipfP; na mesma ra sobrado
n. 1. V (3
1Vende-se rrnfcella e fol da trra prxi-
mamente chegado'.'rjm porco, e a rotalho ,
(4 erva-cidreira, musgo islndico, bardano egram-
mi ; vinho muscatel engarrafado ; na ra do
; Cabug n. i6. (5
1 Vendem-se chapeos de castor do lacre ,
sem pello da ultima moda cambraias de to-
das as qualidades edo melhor gosto, cassa-chi-
tas cortes de chita fustSes de quadros, meias
de seda de todas as cores setins e sedas para
vestidos de senhora e para collete damascos
de todas as cores, casimiras, pannos, lavas de
seda edealgodo, chales de 3 pontasde toquim
,aVO,sl84/,.,entre88t8USa8deSt M8Dd0 "i1* preto chapeos de massa franceses, chitas de
figurao aStheonas sociaes oque conduz o au- <'y" *'""' "D "c
tor a eiposico e apreoiaco criticadas doutri- 'oda8 <*" ,dflde8 '"f ''"f"' nf,'u' ^o
na. semsimonianas\ e do sy.tema societario de Crespa, junto ao arco de Si. Antonio, loja n. 1 >
Fourier; Critica da raso pura de Kant trad.
Escravos fgidos
i v. em oitavo ; Principios oietsphysicos do
direilo I v. em oitava ; as seguintes de Th.
Jouffioy ctjrso de direito natural 3 v. em oi-
tavo 184.2 rrittlscellaneas philosophicas, nova 2 Fuglo no di* 5 docorrente do engerido
edicSo dea^commais um fragmento ; novas Guararapes um escraro de nome Felippe, de 3
miscellaneas philosophicas ( posthumasj publi- annos baixo rosto bexigoso e torio de um
cadas por Ph Damiron t v. em oitavo, 1842 ; oiho ; quem o pegar, leve ao dito engenho, que
Fragmentos philosophicos de Uamilton trad. ser gratificado. (o
dL. Peisse, 1 v. em oitavo, 1840, coniem 2 Desappareceo no dia 9 do crrante um
entro nutras materias a exposico e aprecia- moleque de nome Ricardo, do 20 annos, dona-
cao critica da doutrina pblosophica de Cousin; rao Haca levou camisa o ceroulas de algodo ,
obras philosophicas de Racon 1 v. em oitavo, jaqueta de panno preto velha ; quem o pegar,
1830 ; manual da historia da philosophia de leve ao sitio grande do Mondego juato do Sr.
Tennemann trad. de V. Cousin, nova edico Luit Gomes Ferreira que ser heiu recorapen-
dc 31), 2 v. em oitavo ; a mesma obra edico sado ; e desde ja se protesta contra quem o ti-
de Rruxellas; obras de V. Cousin, 3 v. em o- ver acoutado por isso que consta andar pas-
(avo grande, rica edico de Rruxellas de 40; siando at as nove horas da noule, pela ribeira
as seguintes do mesmo Cousin, publicares re- de S. Antonio. (10
cenes ; liedes de philosophia sobre Kant, 1 v. 2 Fugiro no da 7 de Julho as 7 horas da
em oitavo 1844; introducto ao curso histori noule um preto o urna preta ambos parceiros
Compras
1Compraseuma escrava de meia idade ,
que nao tenha vicios nem achaques e que seu
preco nao exceda a 200^ rs. ; quem a tiver an-
nuncie. 3
Compra-se um braco de balanca grande
com alguns pesos, tudo usado; as Cinco-pon-
tas n. 71.
Vendas.
2Vendem-se 3 queraos bons para todo o
servieo fortes e aioda novos ; no paleo do Pa-
raso n. 4. (3
2Vendem se as seguintes novellas ; Joan-
ninha ou a engaitada generosa 2 por
1440 rs. ; Alberto ou o desertor de Slralhna-
vern, 3 v. 2400 rs. ; a mulber feliz ; inde-
pondenU" do mundo e da fortuna v. 2400
rs. ; Adriana ou historia da Marqueza de
Brianville 3 v. 2400 rs. -, historia do AlTon-
so e Idalina 2v., 1600 rs. : Orlando amo-
roso 3 v. 2400 rs rnou visinho Ravmundo ,
1
de fazendas nesta praca, por ora acampado
no seu engenho nacomaio des. Antao; quem
este negocio quizer fazer annuncie. (7
2 Precisa-sede urna ama que tenha bom
leile para criaco inteira o seja livro e des-
embarazada ; na ra das Trincbeiras n. 42, se-
gando andar. (4
2 Aluga-se urna casa terrea na ra Bella ,
com duas salas 3 quarlos, cosinba fura, quin-
tal o cacimba ; na ra do Collegio n, i o ter-
eeiro andar. (4
3 Mara da ConceQo parteira examina-
da ofTereceao respeitavel publico o seu pres-
umo ; quem delle precisar dirija-se a ra do
Caldeireiro n. 76. (4
2 No dia 16 do corrente pelas 4 horas da
larde se ha de arrematar perante a Snr Dr
Juizdos Ausentes na ra larga do Rosario n.
30, primeiro andar a mobilia escravose di-
versos outros objectos deixados pelo fallecido
Manoel Jos Vianna. 6
2 Quem quizer dar 600^ rs. a premio com
as seguranzas, que exigirom dirija-se a ra
de Cnnceico da Roa-vista a fallar com RuGno
Gomas.
4 v. 3# rs., na ra do Queimado loja n. 59.
2 Vende-se urna correute de muito bom
ouro e se,n feitio, com 20 oitavas; quem a pre-
tender annuncie. (3
2Vende-se um sobrado na ra do Ralde em
Olinda, muito fresco o com bons commodos
para familia, com grande quintal banho de
agoa doee ou troca-se por escravos ; um re-
logio sabonete de prata, e palete inglez, por
commodo preco ; na ra da Senzalla-velha o.
142, segundo andar. ,7
2 Vende-se um ptimo cavallo carrexador
baixo bom pasieiro muito novo e sem acha-
ques veode-se porserardigo ; nos Afogados,
ra do Motocolomb n. 28. (i
i Vendem-se duas molecas de 16 annos,
proprias para mucamas ; 3 pretas de20 annos,'
boasquitandeiras ; um moleque de 13 annos -
urna negrinha de 13 ; duas pretas de 25 ; na'
ra do Rosario da Boa-vista n. 48 (5
2Vende-se urna mulatinba de 18 annos
reculhida cose e engomara; urna escrava d
nacao de 18 annos cose, eogomroa e cosinba;
duas ditas boas cosinheiras ; urna mulatioba
de 12 annos ; um moleque de8 ; 3 escravos de
bonitas figuras; urna escrava de nacao, com
muito bom leite ; na ra bireita 11. 3. (7
2Vende-se um sitio na estrada de S. Ama-
ro para Belem passando a ponte o lerceiro si-
tio ao lado direito com boa casa de vivenda
bastantes arvoredos de fruto de varias qualida-
des Ierra para plantaces ou ter 3 a 4 vac-
cas de leite ; a tratar no sitio da mesma estra-
da passando a ponte o primeiro porto (7
2 Vende-se un* tenda em muito bom lu
co de philosophia moral publicada pelo Pro-
fessor Vacherot, 1 v. em oitavo, 1841; frag-
mentos philosophicos ( philosophia antiga ) se-
gunda edico de 40; a primeira appareceo com
o titulo de Novos fragmentos philosophicos
esta segunda he augmenta de 150 pag. ; frag-
mentos philosophicos philosophia soholastica ,
nova edico de 40 com appeodice 1 v. em oi-
tavo ; Pagamentos philosophicos ( philosophia
moderna] publicada em 41 I v. em oitavo;
fragmentos philosophicos nova edico de 38 ,
2 v. em oitavo ; direito natural privado por
Ahrens, e Zeiller traduedes portuguezas, 1 v.
em oitavo ; recreaco philosophica pelo P.
Theodoro de Almeida 10 t. em 12, os seis
prirneiros contem a philosophia natural o*
restantes a philosophia racional e moral.
Veode-se urna escrava de naci de 24 an-
nos engommadeira cosinheira lavadeira ,
e cose ; urna dita crioula de 22 annos, cosinba,
cose e lava ; duas ditas de nacao, proprias
para todo o servieo de urna casa e mesmo para
ra; na rus dasCruzes n 4i, segundo andar.
Vende-se um par de casticaes de prata
contrastada urna duzia de culheres urna di-
ta de tirar soupa urna gargantilha, medalhas,
annelles e dedaes de ouro de lei alllnetes de
bom gosto para bomem botos de abertura e
punbo bonitas correles modernas de ouro
de iei para relogio pares de brincos transe-
lins e cordoes de ouro de differentes gfossuras;
as Cinco-pontas n 45.
Vende-se um sitio com casa de pedra e cal,
com bastantes arvoredos de fruto, encllente
agoa de beber ao p da Solidado ; duas casas
rectificadas da novo na ra do Padre Florian-
no ; a tratar na ra da Cadeia do Recife n. 25.
Vendem-se 125 meios de sola 105 pollos
e algumas vaquetas ; as Cinco-pontas n. 71.
iVende-se urna casa na cidade de Olinda ,
na ra de S. Rento ; a tratar na ra da Senzal-
la-velha n. 86.
Vende-se um bonito molequede 18 annos,
ptimo pora pagem por &*r amito diligente ; na
ra Nova, armasem n. 67.
Vende-se um negro do gento de Angola
canoeiro ,
para fura da
o motivo da
sem molestia algurna
provincia ao comprador se dir
venda ; na ra da Cruz n. 62.
Vendem-se redes pintadas proprias para
tipoia muito em conta ; na ra das Cruzo
venda n. 40.
1 Vendem-se chapeos de castor branco e
de abas largas muito finos ; na ra Nova n.
loja de J. F. Mamede de Almeida. (3
da mesrna casa sendo o preto de nome Rene-
dicto e a preta de nome Maria levaran urna
caixa pequea de madeira oleada de verde, ja
a tinta usada e um assafate pequeo do Por-
to, com porco de roupa de seu uso ; o preto
lem os signaos seguintes; de nacao Camundon-
go, estatura baixa corpogrosso, olhos gran-
des, caneca a proporco cabello cortado se-
ment atraz poscoco grosso costas largas,
ps grossos e largos urna orelha furada em
que costumava trazer urna rosetinha tem Da
frente da cabeca deum lado ao p da testa e
junto ao cabello urna costura cor preta' nSo
retnela maos grossas e cheias de calos de to-
car canda, oflicial do cascavel, quo trabalbava
no trapiche do assucar tem barba smente na
ponta do queixo e buco.de 25 annos,muito ladi-
no A preta tem os signaes seguintes; de nacao
Beuguela estatura regular cjrpo secco e es-
pigado, olhos amortecidos principalmente quan-
do falla ; as fallas muito baixas, petos peque-
nos rosto descarnado macaos altas ps sec-
eos e nervosos mos regulares, cor preta no
retnela mu bem fallante denles aparados ,
levou um panno da Costa vestido de chita en-
carnado com ramagens pretas e berta peia
frenle com abotuadura do clcheles, de 25 an-
nos em algum lempo vendeo inseridas ; quem
os pegar, leve a ra da Palma por detrae do
Carino em casa de Antonio dos Santos Ferrei-
ra que ser gratificado com 20*'# rs. ['o
i Pede-secom instancia a todas as autori-
dades policiaes e especialmente aos capitacs de-
campo a captura da preta Catharina de na-
cao Angola, ladina, alta, bastante secca do cor-
po seio pequeo cor muito preta, bem feta
de rosto olhos grandes e vermellios com to-
dos os denles nfrente, ps grandes e metti-
dos para dentro, muito conversadera e riso-
nha lera 22 anuos de idade ; ha toda descon-
fa oca doestaroceulta em urna certa oasa o
que se expreita ; a qual perience a Manoel
Francisco da Silva morador na ruaestreita do
Rosario n. 10, lerceiro andar, ou em seu sitio
em S. Amaro. (ja
Fugio no anno de 1825 um moleque de
nomo Florencio, de lOpara 12 annos, falla des-
cancada, cabeca meia postuda para traz, olhos
grandes, pestaascompridas, urna costura de
ferida na perna direila, logo cima do tornoie-
lo da parte de fura sigual este que nao pode
foi visto e constava oslar no Rio For-
mudar
1 Vende-se superior vicho da
.. UUC! w AC-
(4 gar, por ser no principio da ra do Pillar, em
ca Maivasia e Rucellas de 1834 engarrafado,
por preco commodo ; na ra da Cadeia do Re-
cife n. 37. |4
1 Na padaria da ra Imperial n. 120, ven-
de-se bolaxa de superior qualidadea 3520 rs. e
mais ordinaria a 2560, 2880 e 3200 rs. ; e tum-
ben) se aprompta com brevidade qualquer on-
commenda ; na mesma padaria se precisa de
um bom amassador, pagase bem, agradan-
do o seu trabalho. -7
1Vendem-se ricos chales de seda, lindas
mantas escocesas chapeos de seda para senho-
ra ditos de cambraia a mitaco de seda de
muito bom gosto ditos de palha para senho-
ra e meninas chapeos pretos franceses da me-
lhor qualidade para hqmem ditos brancos de
castor, luvas de pellica compridas e enfeitadas
ditas curtas para bomem e senhora borzeguins
gaspeados para homem e senhora um com-
puto sortimento de calcado ; na ra Nova n. 8
e na esquina da do Cabug que vira para a
das Trincbeiras, loja de Amaral & Pinheiro ,10
- Veoda-sa cera par limas d ciero, de
cor a 1200 rs. a libra ; na ra do Rangol n. 63
do Rosario
no
moso ; roga-se as pessoas empregidas na po-
lica capites do campo e pessoas particulares,
a apprehensododito escravo visto estnres
seus seuhares privados de seus servlfos psr tan-
tos annos os quaes do 100/rs. de gratiflea-
co a quem o levar na ra estreita
u. 43 primeiro andar.
No dia 14 do correute, as 7 horas da oou
te fugio da cassa de Rarrellier morador
Atierro da Boa-vista u 50, o seu escravo Jos,
de nacao Angico, alto, bem feito. cor bem pro-
ta, olhos grandes, com todos os dentes da fren-
te as faces talhadas ; levou calcas brancas e
camisa encarnada de bata ; este escravo foi
do 8r. Lu Mondos Carneiroda Cunha mora-
dor no Arraial ; qusm o pegar leve ao Atierro
da Boa-vista, em dita casa, que ser gratificado
Fugio do dbaixoassiguaio, no da 10 do
corrente, a escrava Eulrasia, de nacao Cauun-
d, cheia do corpo estatura regular paitos
grandes, de 35 annos, com um sfgoal no ros-
to ao pedo naris, e urna costura no cotovello
do braco esquerdo; quem a pegar, leve ao sitio
do inspector na estrada de Jt,o de Barros,
(pie ser/i k-ratifleado. Judo \tpomuceno Fer-
reira de Mello.
PEHN ; TYP. DE M. F. DE VM-.IX
s4i
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDH7X1OOC_YMEMKT INGEST_TIME 2013-04-13T02:43:25Z PACKAGE AA00011611_05249
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES