Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05243


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Ainode 1844.
Segunda Feira O
O l)lBUpubli;a-a l'iiius 01 das que nio forrm sjntifiradi> ; O prego da .aaignalura
fcj dt tren ail ra. por quartel pagos adianlados. Oa annuncioedos asaignantea sao inseridos
g. alia, a oa do* que nuo (orea :\ rato da 80 rea por linha. Aa reclamacee desea ar diri-
gida alta i yp., ra dai Cruies n. i ou k praga da Independiaos loja da lisrosn fl Ij
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GoiiHNi, j f a.-ahyha eegundaae eextaa feiras.Rio Grande do Norte, cbega 8 a 2; o pai
ta 10a 34.Galio, Sarinhaem Rio Forneo, Macey, Porto Calvo, a Alajoas: no i z
Ha Jldacedaaei. Garanhuna a Momio a 10 a -'Ida cala meiloa-run a Flor
eaal.Se >{ dito. Cidade da Victoria quintas feiras. Olinda todoa oa diaa.
DAS da semana.
9 Seg. s. Leocadia,. Aad. do J. de D. da 2. t,
10 Tarja Melehiadea. Kel. aud. doJ. da D.del..
ii Quarlaa Damato Aod do J. da da i w.
M Quinta- Jnstino \ud do J da D da 2. r.
43 Saxta.- Luiza V ud. do J. de D. da i. .
ll Seb. &. Agnello flal.
15 i'om a. Euxebio
kl I ln'llM I Is-r .BUJE*mXS^XJJVS SO!
DIARIO
de Dezembro.
Anno XX. *7fr

Tudo agora dapamla da na otasmos; da noaaa prudencia, aur <;.!< an igia: eoa
\?s. tinuemoa eoa priucipiaoa a aereaua apuntad! roa adioiratjo anua "jti aai
^0,J;, eultaa. (Pro<:laoae:i da Assemble Geral do Naall.
'f.\jV CiMilOi ,M Dl S l> B*iMano. *na
y,-' CaabioaeabreLendrea J5 1,S .a ,j i Our-Moeda da 6,400 17 000 17,-00
\Jj-Y Paria 380 rus por frinco I t*. io.oU 17,100
A,;)?/ Liaboa 150 por 100 de oreaio I de 4,000 ,0 0,00
\W> f jl'r.la-r.tacei 4,Sea) 19,0
t' Moedada cobre ao par. a Pesos coluramnarea 1,94o l.l'OO
Idea da latraa >!a boaa firaaa 1 por ojo a Ditos aeucanoa l.V.'O 1,940
PHASES DA LA NO IEZ L>E DBZEXBRO,
La ohaia a 26 aa 2 boras e 44 ain. din | La ora 1 \ ., u, !i. e 4 in. da tarda.
Minguaata a 4 U .' horas a Prtamar de hoje.
^^^ Primeira,-, i Iiora ain 43 da tarde | Sigundo as 4 ln-r.i <> minutos da larde
-"icg-^1"' n-.'T'jarjM^trTg-r..- ^-^rrfi>T7riarttasaassaWa'i' .- .1 ^.-^ aaasi r
PEBXAMBUCO.
'i.-: :->-,-.,-
..--i-,-, >. '. ~.a,-..:
.-j:3aiajAi>i.i
HaKiiiEtiL.i^^-^zj.Tra^cvj^vi^nvarsaYss^: xacja
Govemo da Provincia.
EXPEDIENTE DO DA 28 DO PASSADO.
Oficio Ao C otnm id ljnti; Supjrior da
Guarda NicionalJ'este municipio doterrni-
11.111 lo, que oxpoga su is ordens, puraque os 3
h il libo w J tsL i cidade .assim como us do Poco-
da-Panella o A Togados, marcbem om grando
parad no da "2 de Oo/.ewbro (presente) : pre-
vunindo-o, do (|ue a referida parada ser com-
posta d >s ditos li i(;il 3 s das coinpanhias de
Cav.illaria da 1 linha e Artfices, edosoorpos
de Polica e Guarda Nacional destacada, sob o
seu no'iiiii ni lo em Chefe ; scientificando-o ,
do que nesse dia ser dada a guarnicSo da praca
pelo 1. batalbo do Olinda e intelligenci-
anJo-o, de que o Cortejo ao lietrato de S. M.
o Imperador principiara una hora da tarde
Oficiou-so h respeito ao Commandante das
Armas e ao Commandante Geral do corpo do
Polica.
DitoAo Commandante das Armas orde-
nando, em cumprimento do Aviso de Secreta- { Beodas Provinciaes, ordenando, de conformi
' DitoAo Inspector da Tbesouraria da Fa-
zenda, autorisando-o fazer arrematar por
um anno, a renda do palacio dos antigos Go-
vornadores sito em Olinda e a da casa da
guarda do mesmo palacio.
DitoDo Secretario da provincia ao Bacha-
rel Antonio Joaqun) de Moraes e Silva di-
zendo, haja de mandar sollictar o titulo do lu-
gar do Promotor do Residuos e Capellas d esta
cidade, do cuja serventa vitalicia bouve S. M.
o Imperador por bem fazer-lbo merc.
DitoDo mesmo ao Inspector do Arsenal de
Mariiiha. para que faca constar a Joaqun) Jos
da Costa, que, tendo S. M o Imperador con-
firmado a mi/, nomeaco para o lugar de Mestre-
calafate daquelle Arsenal, dovo elle mandar
sollictar o respectivo ttulo.
Dito Do mesmo Manoel Poreira Maga-
Ihaes, scientificando-o de Ibc haver S. M. o
Imperador feito merce da serventa vitalicia
do officio da Sollicitador dos audiloaios d'esla
cidade, e de que deve mandar sollictar o com-
petente titulo.
DEM DO DIA 29.
OfficioAo Inspector da Thesouraria das
legado d'esla cidade que, em quanlose nao
i:oncluem osconcertos da cadoia, faca conservar
em boa guarda em
alguma das prisocs da 'or-
ria da Justica de 18 de Outubro ultimo, que
no Um d'este me/. (NovembroJ mande desacuar-
telar o 2 batalbo de Guarda Nacional d'esta
cidade. Communicou-se ao Commandante
Superior da Guarda Nacional, d'este municipio
e ao Commssario Pagador.
DitoAo Hachare I Anselmo Francisco Pe-
retti, aecusando recepcao do seu officio de 22
d'este me/. (Novembro), em que participa ha-
ver na mesina data entrado em exercicio do lu-
gar de Juiz de Direito do Crime da comarca de
Santo Anto.
DitoAo Inspector do Arsenal de Marmita,
remetiendo copia do Imperial Aviso d 3 de
Outubro ultimo, que da varias providencias,
tendentes evitar a continuagao dos damnos
cansados no littoral dos portos do imperio
Marinha de Guerra e mercante, por concessoes,
foitas particulares, de terrenos beira-mar,
para que tenha em vista as suas disposiedos ,
quando houver de informar requerimentos
cerca de prctencoes d'esta natureza.
a jimi.mii l ^LtKllTfl
o re. o
8.
AS flores. (ConinuaQo.)
A condessa de Lussan estremeceo ao ouvir o
juramento pronunciado pelo mancebo ; pare-
ceo-lho que senta apertarem-se mais os lacos
que a prendiao a Ricardo. Era terrivel para a po-
bre captiva ver com que segurarla os seus rap-
tores dispunhSo do seu destino, e que f-- tinhao
no seu poder. A conversacao que a moca aca-
bava de ouvir bavia-lbe abalado os ervos, re-
novado todos os seus terrores, e quando se vio
fechada no seu quarto, debulhou-se em la-
grimas. Mas de repente, no meio da sua dor,
os seus pensamentos tomaro outro curso ; ella
se oceupou de Ricardo ; vio com certa bran-
dura, que com quanto elle partilhasse os sen-
tmenlos democrticos de seu pai, naoadop-
tava as consequencias do revolta criminosa, e
s havia servido do instrumento obediente do
velho na sua feroz applicaco. .. Depois lem-
brou-se com alegra que elln soffria tanto como
ella desse extravagente e brbaro Jaco formado
entre elles. equo todos os dias a perda da es-
peranca de amor lite fara sentir os seus pe-
zares.
No da' seguinle Valentina desceo muito cedo
ao jardim.
Havia muitos dias que ella observava o desa-
brochamento de um bello jacintho branco jas-
poado de vermellio, o primeiro daquelle anno
nesse fro valle.
O Video >aro o. 274.
dude com informacao do Engenheiro em Chefe
das Obras Publicas, quemando entregar ao
Reverendo Prefeito do Hospicio de Nossa Se-
i)hora da Pooha, ou pessoa por ello autorisa-
la, mais a quaotia de 500> r. para coucluso
dos reparos do mesmo Hospicio.Communi-
cou-se ao Engenheiro em Chele.
DitoAo Commandante das Armas, decla-
rando, que o soldado Jos Bento da Fonseca
est com effeto comprehenddo as disposigoos
dos decretos de 6 de Agosto e 16 de Outubro
de 1840 ,e por isto deve gozar dos seus indul-
tos.
DitoAo Commandante Superior da Guar-
da Nacional do municipio de Goianna, com-
municando ter concedido reforma ao Capitn
do respectivo 3.* batalbo Joo Moreira de
Moraes, cujo requerimento foi por S. me. in-
formado em oficio de 21 d'este mez (Novem-
bro).
DitoAo Commandante das Armas orde-
nando, em consequencia de requiaicao do De-
taloza do Brum os presos na mesma cadfia
existentesl'articipou-se ao Delegado do 1.
districto do termo d'esta cidade.
DitoA' Cmara Municipal d'esta cidade,
remetiendo, em satisfago ao que por ella loi
requistado em 28 d'este me/. (Novembro/ as
authenticas dos collegios do Cabo, Cmbrese
Bonito; edizendo, quenao vai a de Iguarass,
por anda nao existir na Secretaria.
DitoAo Administrador da Mesa do Con-
sulado, declarando, de conformidade com o
parecer do Inspector da l'hesourara, que dei-
xa de providenciar cerca do augmento de
guardas, sobre que S. me. representa ; por
isso que cumpro esperar pela resoluco ,
que a cerca d'aquclla repa'ticao o da d'Al-
fandega bouverde tomar o Tribunal do Tite-
souro vista das infnrmaces, quelhe fo-
rero subministradas pela commisso, que pa
raaqui veio encarregado de examinar o esta-
llo u aquellas estacos ; e que no entretanto
o referido Inspector tomara as precisas me-j
didas para que all nao soflra o expedi-
ente.
Portara Nomeando o Major Gustavo A-
dolfo Kernandes Pinheiro da Cunba, para su-
bstituir o Coronel Trajano Cezar Burlama
que na commissao encarregada do ajuste
de coritas do corpo de Gnardas Nacionaes desta-
cado Communicou-se ao Commandante das
Armas ; ao outro membro da referida commis-
sao ; e ao Tenentc-Coronel Burlamaque.
.i. .a_ .i------iBggggwwa'FHwwim-i .i
Dar-se-ha caso que ella ame as llores ?
Dizia um da Ricardo,quea vio delonge atienta
ao p dessa pequea planta. Oh nAo, as
mulheres das cidades s devem gos-tar de flores
de panno pintado, que se desabrocbao na ath-
mosphera dos seussaloes, e servem para as co-
roas de baile ; assim como de payzagem s de-
vem admirar um canev tecido de verde em um
quadro dourado.
Todava elle tinlta tomado o trabalho de reu-
nir em caixes lodos os jacinthos que promet-
tio mais bella florescencia, e os cultivou por
alguns dias com o maior cuidado, pensando la-
ze-los condii/ir para o quarto da condessa,
quando as flores estivessem abertas. Nao sa-
bia tile porque Ihe tinha occorrido esta ideia,
mas como tambem gostava especialmente dessa
flor, parecia-lhe que consagrando-a a pobre
prisioneira, algum servico lite faria.
Nessa manha eslava Valei.tina abaixada
sobre um desses caixes, cujos jacinthos estavao
cnlao em todo o seu desenvolvimento, e toman-
do um delles, olhava para a suave enrolla, res-
pirando -Ibc o perfume com ar de admiracao e
ternura.
Ricardo que se achava alguns passos distan-
te, olhava para olla.
Elle se aproximou da condessa o alloutando-
se a dirigir-lhe a palavra, com quanto pela sua
mutua posiQao bastante Ihe custasse, Ibedisse
com voz muito alterada :
Se estas llores Ihe sao agradaveis, senho-
ra, fa-las-hei conduzir para o seu quarto.
Nalentina estremeceo, vendo Ricardo, que
nunca se tinha ai-liado tao perto della desde a
i-crimonia da capella ; e toda acommocaodo-
lorosa desse momento Ihe abalou a alma : ella
respondeo com azedume:
Tribunal da Rclat^Oa
Julgamento do dia 7.
Presidente da audiencia o Sr. Desembargador
Ramos.
Na appellago civel em que be appellante
Jos Antonio dos Santos e Silva, e appellado
Jos' Mara Ferreira : reformro a senlenra ,
julgando improcedente a babilitacao.
He com efleito o pensamento mais ex-
travagaire e mais ridicula acreditar, que al-
guma cousa pussa agradar-aie nesta horrivel
prisao.
E ditas estas palavras voltou tlesdenbosa a ca-
beca, e relirou-se para o seu quarto.
Ricardo olhou para ella at que desappare-
ceo ; e dissecom amargo sorriso :
0 primeiro colloquio que tenho com a
ininha bella esposa nada leve de melifluo. .. 0
meu pai meu pai !
E ficou por muito tempo absorvido nesta
triste meditado.
Entretanto depois desse dia Ricardo nao foi
mais ao trabalho do campo ; conservava se na
fabrica ou nos lugares mais desertos dos arredo-
res da aldeia, mas sempre a vista do pardieiro
Ouando elle eslava no jardim,a sua presencanao
impeda que Valentina ahi descesse;entSoambos
vagueavao do lado o mais opposto ; e cada um
delles pareca tnteiramente s e oceupado do
pimpolho de um arbusto, de um enchame de
abelhas passando em revista um ramo de rusas,
ou da rixa de dous tentilbessobre um caminbo
arado. Valentina precisava em suas tristezas,
do empregar os olhos nos mais encantadores
objectos, naquelles que sao fetos de harmona
e graga para os prazere da vista, como a mu
sica eos perfumes para outros sentidos. Quan-
do ella havia bem cointemplado o horizonte, o
co de azule de logo,para oqual como que tra-
ca va o um caminbo as verdejantes collinas. ou
tambem, a dous passos della, o bello casta-
nheiro floresrente, que aprsenla o que a ar-
voro tein do mais magestoso, e a flor de mais
suave, olhava para Ricardo, A veste cinzenta
do mancebo, meia aberta mostrava a mais alva
camiiia do inho abaixo de um busto admiravel-J
Na appellaco civel em que he appellante
Manoel J.uiz de Moura, e appellado Antonio
Francisco dos Santos Braga : despresrao os
embargos.
Na appellaco civel em que he appellante
Jos Antonio dos Santos e Silva e appellado
Antonio Rodrigues de Almeida : despresrao
os embargos.
Na appellaco civel em que be appellante
Henrique l.uiz da Costa Mello, e appellado An-
tonio de Sousa Moreira : inaadaro dar vista
as partes.
Na appellaco civel em que be appellante
Joao Jos.e appellado Antonio Xavier Ferreira:
confirmrao a sentenca,condemnando o appclla
dona 6.* parte das cusas.
Na appellaco em que he appellante o Jui/o.
e appellado Jos dos Santos Araujo: julgrao
procedente o recurso mandando submetler a
causa novo jury.
Na appellago em que be appellante Fran-
cisco Ferreira de Mello, e appellado oJuizo:
manda rao dar vista as parles.
Na appellaco civel em que sao appellantes
| Jos Gabriel de Moraes Maia e outros, e ap-
pellado Jos Feij de Mello : mandro dar
vista as partes.
Na appellaco civel em que sao appellan-
tes Joaquim Thomaz ddSilveira e sua mulher.e
appellados Joao Coellio d'Araujo e Jos Leal
de Lemos e sua mulher: mandro dar vista
as partes.
Na appellaco civel em que he appellante
JosRibeiro da Costa, e appellado Joaquim
Moreira I.ima: mandro dar vista as partes.
Na appellaco civel om que sao appellantes
Manoel Francisco da Silva e outros, e appella-
dos a viuva e filhos de Carlos Mara de Jess
Vieira o Costa: mandarlo dar vista as partes.
Na appellaco civel em que he appellante
Jos Pedro deOliveira, e appellado Jos Pinto:
vista as partes.
Na appellaco civel em que he appellante
Francisco Jos Dias da Costa, e appelladoCae-
tano Pereira Goncalves da Cunba: vista as par-
les.
Na appellaco civel em que sao appellantes
Bernardo Antonio de Miranda e sua mnlher, e
mente desenhado, entre um cinto vermelho.
e grvala da mesma1 cor. que negligentemente
atada deixava ver um eolio moldado segundo as
mais bellas formas da estatuaria ; o magnifico
preto dos cabellos e dos sobr'olhos fazia-lbe so-
bresahir o rosto ligeiramente moreno ; e as
mos, que alguns dias de ociosidade baviao
restituido sua natural elegancia brilhavaode
alvura no verde das arvoies, cujos ramos elle
como a descuido ageitava. E Valentina, re-
podando a vista sobre o que em redor de si
havia de mais bello, nao poda deixar de o
olhar por sua vez.
A solidan e silencio erao um peso para a lin-
da condessa, porque nos por natureza temos
necessidade de communicccao com os nossos
semelhantes, como de ar para respirar. Mas
o resentimento era anda muito vivo e muito
grande para que ella cedesse a ser a primeira a
dirigir a palavra, e Ricardo evitava tambem
toda a occasio de fallarIhe por orgulho e por
compaixo. A siluacao de ambos conservou-se
por tanto a mesma por muito tempo.
Um dia Volf, que havia lempos olhava de
longe para Valentina, e mostrava signaes d ale-
gra, quando a va descerao jardim. atraves-
sou umcanteiro de lulipos.e deitando-se diaote
da condessa, rocou-lhe nos seus movimentos de
caricias a i'uarnico do vestido.
PYaqui, Vtlfl disse Ricardo ; toma
sentido nos tulipos de Hollanda e as rendas da
Sen hora.
Como esta phrase nao poda dirigirse direc-
tamente a Folf, eapresentava com a instruc-
co este dada, una certa sollicitude pelos or-
natos da condessa,esta entendeo, que poda res-
ponder-lho semquecom razose Ibe imputasse
ter sido a primeira a fallar.
N


appellados Manoel Thcmaz esua mulher: con-
firmarlo a .entrica.
Na appellaco civel em que sao appellante.
Antonio Luiz Ribeiro de Brito e sua mulher ,
e appollada a Fizenda Nacional : vista ao Dez.
Procurador da Cora.
Na appellaco civel em que lie appellante
Luiz Candido Carneiro da Cunba e appellado
Joo Vioira Ja Cunba : vista as partes.
Na appellaco civel em que be appellante
de votos, e arlimanba. ape
oito/ Se sempre o que se d ao dizimo he o cordo com a do Coverno Geral em materias
Leior.o quese dir do dizimo dado pe. praia ? idnticas e nao como urna delermmacao ou
Assegura-se, que em urna das sessoes da C urna ordem que certa seria executada. se po
mar Municipal quando se disputava se Ouri- ventura, determ.nacao. ou ordem ra. Lm
curi se devia ou nao se apurar e o Orador' fim a Pre8idenc.a_.anccu.nou completamente.0
ar''Muicipal quandosedisputav.se Ouri- I ventura, determinado, ou ordem ra.
,urar e o Orador' fim a Presidencia saneen
da trempe eslava vomitanto bocadinhos | parecer da patritica ma.or.a da Cmara ,
nal e
Os maritafedes ou maritacacas da praia sem-
Jos Rodrigues de Oliveira Lima, e appellada pre sao sujeitinbos de olho muito vivo e pene-
D. lgnacia Mara Xavier: mandou se pagar
o imposto de 2 por cento.
Na appellaco civel em que be appellante
lenlo Jos Alves, e appellado Torquato llen-
riquesda Silva: vista as partes.
Na appellaco civel em que he recorrente
Joaquim Francisco de Paula e recorrido Pedro
Jos Carneiro Monteiro: reformarlo a sentenca
Na appellaglo civel em que be appellante
Antonio Jos Copes de Albuquerque como tu
tor deseo sobrmho o appellados Jos Antonio
Irante O grande Lord Rosse nao seria capaz
di-ver tanto com o telescopio de seu invento,
quanto v um praieiro Sim Senhores, at-
tendo ao que diz o Correio que nlo lio capaz
de aflirmar o que nao be capaz de demonstrar.
Lea-se a veriedade do D.-novo n. 207 e se
vera elles mesmosconlessarem o tamanbo, lar-
e cordura da cutatra de um Btspo n-
E como avallar isto sem ver? Pois
Lopes da Silveira eoutros: vista as partes.
Na appellaco civel em que sio appellantcs i atra !
Antonio Ribeiro da Silva Pereira eoutros, e
appellado Antonio Ribeiro de Paria : vista ao
Dr Curador (eral dos Orphlos.
Na appellaco civel em que be appellante
ManoL'l Tbomaz dus Santos como Administra
gura.
gtezl
praieiro mente ? agora o que ainda mais pas-
ma be nao s verem ; como ouvirem os esla-
linhoi da culatra que prorSo sabir da tal cu-
nasdeo ao diurno niao. que alia, poder, nao estar em perfeio ac- ra com mais rasSo rne vejo obrigado a pedir
- V. S. que baja de decidir sobre aquella m.nha
representadlo pois que com a execuclo do no-^
vo regulamento do sello ; e outros irnpostos se
torna de maior necessidade,poisq' concorrendo
muito maior numero de partes; nao podendo
ter as necessarias commodidades por ser a caa
muito pequea e acanbada para conler duas
repartieres nella, continuando as partes a seiem
incommodadas por nao terem lugar para sen-
tarem-se, e os empregados a tollrerem as priva-
ces que naquclle oflicio fiz ver a V. S. espe-
ro que V. S. tomando em consideradlo o ex-
pendido dO as providencias que peco. Dos
guarde a V. S. necebedoria de rendas Inter-
nas Geraes, 14de Dezembro de 1844. lllm.
Sr. Joao Goncalve. da Silva, Inspector da The-
souraria da provinciaFrancitco Xavier Ca~
vulcani de Albuquerque.
d'ouro; appareceo um oflicio doJuii Uun.ri-| com energa nao vulgar e bem accordada de-
xigin'lo se m.ndasse apromptar a forca liberacao procurou manler illcza ad.gn.dadec
prerogativa da Cmara altamente ( para nao di-
zer ignominiosamente ) comprometida pelo
Presidente da Cmara.
Conduio-se a apuracSo geral comprehen-
dendo-se nella as votacSes de Garanbuns e Ou-
ricuri como alias se bavia deliberado em urna
das vereacoes precedentes, e segundo o resulta-
do dola ro eleitos os seguintes Srs.:
A'onws. ylot-
1 r. Antonio AITonso Ferreira 794
2 Bario da Boa-vista 719
3 Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello 713
4 Dr. Joaquim Nunes Machado 704
5 Dr. Pedro Francisco de Paula C. 658
6 Cuns. Sebastian do Reg Barros 038
7 Cons. Antonio Perigrino Maciel M. 033
8 Antonio Joaquim de Mello 620
9 T.C. Manoel Ignacio doCarvalbo M. 000
flima-se que sexta leira prxima partem
desta (nao para irelhor vida porque o anno
nao be de fortuna alguns senho/.inhos quodi-
zi'in vio ja o ja para a corte tomar lugares
Exulta Patria dos Canecas Agora sim se
dor de seu filho, e appellado Antonio Joaquim vera a patria livre : repre/entantes de mo cheia
Gorreia de Baito: vista ao Curador Geral. corren, 8 (Arte a dar corte no despotismo A
Na appellaco civel em que be appellante
Francisco Ribeiro do Brito, e appellado Anto-
nio di >lva Pimental: reformrao a sentenca.
Na appellaco crime em que he appellante o : livre par todos cada um nacional poder a/er
Juizo Criminal e appellado Lopes da Sil la : lo que quizer porque cada um he senhor do seu
confirmarlo a decisio que mandou passar or naris. e quem he senhor do seu nariz pde-o
dem de soltura ao recorrido. I metter onde quizer Ora vivi os que vo ;
neo. tributos : adeos ancoragem : adeos laxa
de esrravos : adeos pautas d AIfandega : adeos
posturas ila Cmara Municipal / ludo sera
10 Dr. Manoel Mendes da Cunba Azevedo 579
U Antonio da Costa Reg Monteiro 507
12 Dr. Jeronymo Villela de Castro T. 559
13 Dr. Alvaro Barbalho Uchoa C. 555
Na appellacio civel em que he appellante
Manoel Francisco Lamenha Lins e appellado
Manoel Zeferino dos Santos : vista as partes.
Na appellaco civel em que he appellante
JosCoelho Neves. o appellado Manoel Pinto
deCarvalbo: vista as partes.
Na appellaco civel em que be appellante
M. F. Ua Solidado, e appellado Jernimo Joa-
quim de Ohveira: vista ao Curador Geral.
Na appellaco crime em he appellante o Jui
zo, e appellado Joaquim P. do Brito: julga-
rao procedente o recurso.
Na appellaco civel em que sao apellantes
Joo Francisco de Dos e outros e appellado
Joao da Cruz Cordeiro : mandarlo proceder
nova aval i." ao.
Na appellaco civel em quo he appellante
Manoel de Mello Monto Negro Pessoa e ap-
pellado Francisco Manoel dos Santos : vista ao
Curador Geral.
Na appellaco civel em que he appellante
Joo Mauricio de Barros Wanderley e appe -
lada a Cmara do Rio Formozo: confirmarlo a
sentenca.
Na appellaco civel em que lie apnellante
Bento Jos da Costa e appellado J J. Bizerra
Cavalcanti : desprezro os embargos.
CORREIO DO RECIFE.
CORBESPONMiNCIA DA CIDADB E PROVINCIA.
A praia apezar de suas caballas, engudelas
indo os amigos das que vao.
viagem.
Dos Ibes d boa
OSr. traz sempre com Figo para aqui
este feio animal disse ella a Ricardo que se bavia
aproximado, para me recordar que me acho
perdida no fundo dos bosques, e ainda mais
me amedrontar ; mas Vine, engana-se, eu nao
tenh medo de nada.
Peco-lhe perdo, Sr.1 este lobo que
apanhei pequenino, e que amancei, me ac m-
par.ua sem que eu presinta ; tao acostumado
estou a te-io ao lado, que nao repare na sua
presenca.
E poder-se-ha saber, porque escolhe o
Sr. tao extraordinario companheiro ?
Elle be d'uma raga que habita o interior
dasflorestis sem communicaco com os lujares
frequ^nlados e que vive do que rouha; devia
portanto ser o natural companheiro do pobre
villo. V aSr.\ o seu pello he da mesma
cor que meus vestidos: devpmos ser irmaos,
pois que trajamus as inesinas cores tristes e
escura-.
Sao bem escolhidas, visto qu be as
empre-as nocturnas que Vmc. as arvora.
Ricardo empallideceo, e com voz rpida e
roucarespondeo:
Peza-me que tonillo para a Sr.' recor-
daedes tao repulsivas como o seu aspecto.....
Mas a Sr. v porque se tem tornado este lobo
meu companheiro e meu amigo. Junto a Ri-
cardo, o homem de vida ru licava bem o animal igualmente selvagem e
rude : o mesmo cao seria para mim em dema-
sa civilisado. Ha algum lempo que Volf\e-
vou dous dias sem querer seguir-me. porque
eu o havia ropellido injustamente d'ao p de
mim, e isto fez que eu Ibe lomaste .inda mais
amizade. Ose. lindo cao d'cgoa nSo leria fei-
to outro tanto, que diz, minba Senhora ?
om mullicado.
Em fim dissolvero-se todas as duvidas que
na Cmara Municipal desta cidade embargarlo
o progresso e concluan da apuraclo dos votos
para os Deputailos Ceracs da futura legislatura:
o Etni.Presidente da provincia diriginlo-se por
motivos de madura reflexo, e segundos prin
cipos de urna sa administradlo p/ termo ao
estado de crise, em que se acbavaa Cmara Mu-
nicipal restahelerendo os direitos dos seus
Membros, desconhecidos e ultrajados pelo Pre-
sidente da mesma quando tomado de furor ,
o levado de tendencias oppressras o despticas,
recusou se otomanamente a acceitar e por em
di.CUS.0es o mui legitimo e innocente requeri-
mento do digno e Ilustrado Vereador o Sr.
Mello Cavalcanti O requerimento em questo,
e que dra origen, ao desconcert e mallogro
das combinacoes da praia de quem o Presi-
dente da Municipalidade se constituir orgo
apaixonado foi posto em debate por determi-
narao expressa da Presidencia que no seu acto
sabio, e bem calculado justificou plenamente a
maioria da Cmara quando professando seu
respeito habitual e nunca desmentido a Presi-
dencia entendeo todava aquelle documento
como o enunciado puro e simples do urna opi
532
524
512
490
471
407
400
Pobre Fanfitlucke L'stou certa de que
elle so ha de lembrar muito de mim !... assim
como meu bou. irmo, o o marque/ de >aver-
ny, que se aprazia, ainda ha tao pouco lempo,
em arranjar-me um magnifico futuro!... eo
visconde de Chabrol que s dangs bem com-
migo, e que no ultimo baile da Corte tantas vic-
torias contou !
Ricardo respondeo com toda a aspereza :
Eu concebo como da a Sra. o memo lu-
gar as suas saudades ao seu lindo cao, ao seu
cavalleiro dansante, e ao homem que havia oh-
tido a sua mo. Fanreluche tem um bello
pello, como esses Senhores tem bellos venidos ,
oias, pedrarius, e para a Senhora, o habito, as
alfaias as fitas. as rendas sao o ente todo in-
te i ro.
Valentina sorrio-se.
Nunca conheci senao isso, disse ella.
He pena ser a senhora obrigada a renun-
ciar tao bellas afeicoes.
Nao as renunciarei, nao Senhor : o de-
sapego daquillo que tamos conhecido e amado
exige muito tempo e eu nao o tere. A po-
bre cotovia, que cabo na rede rompe-a ou
morre
Fallando assm ellos havio ebegado extre-
in dade dojardim. Valentina encustou o coto-
vello no muro de apoo, e a caheca na mo:
olbou para o leito do rio seceo : dolado de
terraco a rihanceira eslava coberta dejacinthos
de tudas as cores, cercada de urna pequea ba-
laustrada ; o como esse terreno argiloso Ibes
convinlia, elles all haviao tomado um desenvol-
vimenta magnifico.
Como deslerrou o Senhor estas bellas flo-
res por aquelle lugar ? perguntou ella a Ri-
cardo.
Dr. JosThomaz Nabuco de Araujo J.
Francisco MunizTavares
Dr Flix Peixoto de Brito e .Mello
lenle Jos Pedro da Silva
Dr. Joo Jos Ferreira d'Aguiar
Dr. Jos Bento da Cunha Figueiredo
Dr. Filippe Lopes Neto
Desom. Manoel Ignacio Cavalcanti Lacerda -158
Visconde de Goianna 440
r. Manoel Joaquim Carneiro da Cunha 42
Dr. Aloxanlre Bernardino Reis e Silva 418
Coronel Leonardo Bizerra de Siqueira C. 353
Jos Ignacio de Abreu Lima 350
Louvoressejo dados aos benemritos Verea-
dores, que soubero manter o seu posto o de -
fender com denodo as prerogativas do seu curpo
contra a oppresso do partido infrene e temera-
rio, que perlendeo ultrajal-' s e intimidal-os !
Louvoressejo dados ao seu zelo patritico, e
Orine constancia, com que defenderlo a causa
da justca, da honra e da patria Louvoresem
lim ao prestante cidado o Sr. Francisco Anto-
nio de Oliveira, ao digno propietario,que gra-
vemente enfermo veio associar-se sorte dos
seus dignos collegas.
Publica^des a pedido.
lllm. 5r.Tendo por oflicio de 27dcJu-
nho p. pasjado pedido V. S. providencias a
respeito da estabelidado desta repartico, a fim
de V. S. fazendo ver ao Exm. Sr. Presidente
da provincia as circunstancias quo occorriao
para que se collocasse esta Mesa em lugsr dille-
rente e separada da outra Repartico Pro-
vincial, que exista reunida em a mesma casa,
e nao tendo tido al o presenta resposta, ago-
O "ir. Thesoureiro dos Ordenados fique na
intelligencia de quo, em conlormidade da or-
dem do Tribunal do Tbesouro Publico Nacional
de 24 de Oulubro uitimo n. 222, deve pagar-
se mezes vencidos as pensos, que at agora
erlo pagas a quarteis. Tbesouraria da Fazen-
da de Pernambuco, 4 de Dezembro de 1844 -
JoSo Gongalve da Silva.
Ilendimento das tsmolas dadas para a obra de
N. S. do Hozara do bairro de S. Antonio,
principiada no mez de ./yoslo a 25 de 1844.
Srs.
Nntonio Fieita Correia
Joaquim Jos da Costa
Joaquim Jos de Amida
Mana da Paz
a. l. p. a
Domingos Antonio de Tal
Joaquim deS
Manoel Antonio Gongalves
Francisco Martin, de Lemos
C. A. S.
J. D. R. S.
Boneditu do Carino
Jaque
Joaquim Francisco
A Or
Jozela Mara da Paixlo.
Bernarda lgnacia
Jlo Rodrigue. Bandera
Mara Luiza da Silva
Antonio Vieira Martin.
Benedito Jos de Lira
Joaquina Mara Pereira \ urna
Manoel Germano
Manoel Jos de Castro Guimare.
Manoel Florencio de Moura
Joaquim Antonio
Victorino Francisco de Souto
Jos Moreira da Silva
Jos Higino de Miranda
Ojiando abri a primoira, suppuz que a
senhora gostava dessas flores, e ajunle-as enlo
em caixoes pequeos que podessem fcilmen-
te ser levados para o seu quaito. Mas propo-
sico que disto Itie tu respondeo a senhora
com to amargo Jdesdem, que eu as traasplan-
tei para aqu, a lim de que ellas que eu
tinha ousado destinar para a senhora, nao feris
sem mais os seus olhos e de que vivendo nes-
to terreno avoravel, me recordassem por muito
tempo, mim a lembranca do seu desprezo.
A senhora v que ellas se tem perfeitamenle
conservado.
Valentina para se forrar a urna resposta a es-
ta tirada bavia tomado um ar de distraerlo e
passeiava avista pelo oiteiro visinho.
Qae pedra he aquella disse, coberta
de musgo, rodeada de cyprestes e com urna
cruz ?
A pedra e a cruz cobren, a sepultura de
urna don/ella
Um grande ramo de rosas brancas est
depositado em cima entrelazado de urna ser-
pente... aquelhs vivas e esta mora e secca..
que quer dizer aquelle symholo ?
Cefere-se a urna legenda moderna... por
que nos campos de boje anda existem essas ima-
ginHcoes ingenuas : a poesa s perdeo o ruine.
A donzella que essa trra cobro passava todos
os dias longas horas sentada sobre essa rocha ,
onde vinha pensar naquelle que de bald- ama-
va. Todos os dias pedia ella a Dos morrer
naquelle lugar. Urna noute acharo-na com
: elleito estendda sobre essa Ierra sem vida e o
seio rodeado de urna cobra, cuja dentada tinha
: sida mortal. Suas companheiras pensarlo quo
o Co havia deferido a suas supplicas; e para
conservar a lembranca desse magre duixarlo
10.000
5.000
2,000
4.000
040
4.000
1,000
5.000
2,000
1,000
500
1,000
1,000
1.000
2,000
0,000
320
1,000
500
2,000
620
15,000
1.000
' 1.000
2,000
1,000
1,000
1.000
2,000
A Ifandega.
mportou o rendimonto total no mez de No-
vembro prximo passado em rs. .264:396,111
sempre sobre a sua sepultura cavada nesse lu-
gar a serpete murta e enlatada em rosas
brancas.
E quem he esse que causou a morle dessa
pobre rapariga perguntou i Condessa, fixan-
do os olbos em Ricardo.
Nunca so soube, disse elle evitando mai.
directa resposta.
Pobre Marial di.se Valentina com os o-
Ihos pregados no tmulo.
Ricardo fez um movimento de surpreza.
Porque diz a senhora-Afara ?
Podas as rapariga, do campo disse Va-
lentina, deixando ver por sua vez que nao que-
ra responder claramente osto sob o patroci-
nio da \ irgem e devem con. outro qualquer
nome, ter o de Alaria.
O final desta conversaco havia renovado n'al-
ma de Ricardo profundas tristezas. Valentina
entregava-se a penosas reflexoes sobre a fatalida-
de hbil em crear de causas as mais difieren-
tes a mesma desgrana Ella aproxirnava a sua
sorte da dessa rapariga. A (Iba da aldeia mor-
rera de dr por nao ter podido pertencer a Ri-
cardo ; ella condessa ia talvez succombir ao
martyrio de estar unida a elle por urna allianca
barbara!...
O sino da fabrica roou o lint do da; nem Va-
lentina nem Ricardo o ouviro, to absorvidos
estavo na sua meditagio; mas um instante de-
pois Ambrozio appareceo no fundo de urna som-
bra abobada decarvalbos. A' vista desse vell.o.
cuja cabega to carregada de tristes pen-
samentos como de longos annos branque-
java na sombra Valentina pareceo-lhe sentir
j que o ar do repente se resfriava em redor della ,
e retirou-se precipitadamente.
(ConlinMar-M-a.!
S


= 5
Aifandega 7 de Dezembro de 1844. O
Escrivo ci'Alfandcga Jacom Gtrardo Ma-
ra Lumachi de Mello.
Rondimento do da 7. ;........13:066082
DescarregQo hoje 9
BrigaeAmericano Felizcharutos.
BarcaGlobemercaduras.
lUrcaWaldmargarrafoes vasios e queijos.
Galera Couiintaboado.
Barca/4capulcomercadorias.
B.irca'/Aliaidem.
BrigueFannybacalbo.
BrigueMaria Felizmercadorias.
BrigueIndianoidem.
PRACA 1)0 RECIPE, 7 OE DESEMBRO DE 1844.
/{ecisla semanal
Cambios No decurso da semana houvero
transacoes regulares a 2o 1/8 d p. 18
rs., e boje passrSo-se al jumas let-
tras a 25 %
Assucar As entradas frao regulares e o
preco aborto para o branco novo foi o
de ItflOO rs.,assim como para o mas-
cavado o de ltf rs. sobre o Ierro.
Algodo Contino limitadas as entradas, e
houvero vendas de 4$200 a 4j300
rs. a arroba.
Couros Sem alteraefio.
Alvaiade Esta de 5^800 a 6.) rs. a arroba-
nominal.
Aniagem Vendeo-se a 260 rs. a vara.
Bacalbo Nao chegou carregamento algum
e o deposito que anda por 5:500
quintaes se est retalhando de lO a
I0800rs.
Bizerros *- Vendro-se de 3o a 36*000 rs. a
duzia.
Bolaxinha dem a 3*800 rs. a barrica.
Carne secca Entrnu um carregamento do Rio
Grande com 6:500 arrobas oque
fe/ subir o depozto a 28:000 arro-
bas ; tendo-se vendido de 2*800 a
3*600 rs. aquella e a 2*800 rs. a
de Buenos Ayres.
Cha bysson Vendeo-se de lj900 a 1*980 rs.
a libra.
Farinha de trigo Chegou um carregamento
do 1:421 barricas de Phadelphia, o
qual fezchegar o depozito a 20:000
barricas.
Manteiga -- Vendeo-se a ingleza a 545 rs. a li
bra earance-a de 410 a 440 rs.
Massas surtidas Hem a 4*800 rs. a arroba.
Oleo de linhaca dem a 4*800 em cascos, e
18900 rs. em botijas.
Sabo do Mediterrneo dem a 170 rs. a
libra.
Entrnlo durante a semana 11 navios, sahi-
rao 7, e existem no porto 49 : dos quaes 2 sao
americanos, 20 brasileiros, 1 dinamarquez, 2
france/es, 7 ingle/es 1 lubekence 9 portu-
guezes 3 sardos e 4 suecos.
Moviraento do Porto.
Navio entrado no dia 7.
Parahiba;' 2 dias, biate nacional '. Joao Bap-
tiza meslre Florianno Jos Pereira, equi-
pagem .} carga lenha ; a Joao Francisco
Lima.
Navios sahidos no mesmodia.
Parahiba ; brigue ingl'ez Active capito Ro-
bert Crooks ; em lastro.
Rio de Janeiro ; brigue b.asileiro Mentor, ca-
pito Jos Francisco da Silva ; carga diver-
sos g-neros : passageiros o Dr. Flix Peixo-
to de Brito e Mello e 1 escravo, e o Cirurgio
d'Armada Manoel Domingues Barboza.
Parahiba ; hiate nacional Pureza de Maria ,
mestre Antonio Manoel Aflonso carga va-
rios gneros : passageiro o Brasileiro Cae-
tano da Silva Azevedo.
Una; hiate nacional Novo Destino, mestre Es-
tevo Ribeiro carga varios gneros : pas-
sageiros os Brasileiros Caetano Maria Co-
pes Gama. Dr. Bernardo Paz Mendonca e Ig-
nacio Jos da Silva.
Deca incoes.
cado para se recolber a prestacao de 6 n. c. lti-
mamente pedida que at o dia 15 do cor-
rente, lem elle de prestar contas a Administra-
cao ede apresentar-lhe a rclagao dos que se
acho em atraso fim de se por em execuco
o artigo 9 dos estatutos. Perde o direito de ac-
cionista aquello que em tempo nao realisir a
sua prestacao revertendo nesto cas) em bene-
ficio da Companhia as contribuyos, que ti ver
feito. Recie, 3 de Desembro de 184-. M.
G. di Silva. (4
2 THEATRO PHILO-DRAMATICO.
SABBADO 14 IE UhZEMBIlO DE 1844.
Primeiros debutes dos cantores
Margar ida Lemos, e Carlos ficco.
A direceo da sociedade Philo-dramatica se
dignou conceder a sala para a primoira repre-
sentadlo em beneficio da cantora Portugue/a
Margarida Lemos, quo confiada na protec?o do
Ilustre publico desta capital tem a honra de
apresentar-lbe oseguinte divertimento :
Primeira parte.
1. Ouvertura pela orchesta da opera Fi-
glia del regiment,msica do celebre Doni-
zetti.
2* Aria e introdueco Fatal Gol redo da
opera-Torquatro Tasso, pela beneficiada,
msica de Donizetti.
3." Aria da quel di da operaAnna Bolle-
na,por Carlos RiccoDonizetti.
4 o Concert de llauta com acompanhamen-
to da orebestra ; solo do professor o Sr. Diogo
Chaves.por obsequio a beneficiadaMayerberg.
5.e Grande scena e dueto Sgombra la Sacra
Selva da operaNorma, de Bellinipela be-
neficiada e Carlos Bicco.
Segunda parte.
6." Ouvertura pula orchestra da operaPes-
ia di Bronze,msica de Merendante.
7 Duelo Ecco il rivale da opera Elixir
de Amor, por Carlos Ricco e J. Toselli por
obsequio a beneficiadaDonizetti.
8 Aria Lelo dil dolce incanto da opera
Jullita o Borneo,pela beneficiada vestida de
homem em carcter de GuerreiroBellini.
9. Carlos Ricco, em carcter de Marinbei-
ro, cantar urna modinha hespanhola muito a-
colhida na Corte intitulada.O Charrn
10 O habilidoso joven Antonio Felii Chaves
ext cutara na sua corneta pistn urna linda Aria
da opera Belisario, acompanhada da orebestra.
Ttrceira e ultima parte.
11. Ouvertura pela orchestra da opera II
Gidfamento- -msica de Merendante.
12. A beneficiada e Carlos Ricco canlara a
scena completa daBurleta, o sapateiro o a
condesssa encantadamsica do celebre Mar-
cos Portugal.
Todas as pecas de cantoria serao executadas
com vestuario adequado ao carcter. A orches-
ta ser augmentada e regida pelo digno proles-
sor Mr Grodidier.
Os bilhetes vendem-se na casa da beneficia-
da, ra da Alandega velba no Holel Fran-
cisco, e no dia no thealro.
Preco de entrada.
Cadeira de galera da 1.a ordem para
homem.
dem da 2 para familia
dem da 3." ordem
Assentos do platea.
N. B. As lamilias que qui/erem estar reuni-
das oceupando um espaco da galera pdem a-
visar at o dia 12 do cerrente, advertindo po-
rm que devem comprar pelo menos 24 cadei-
ras.
O espetaculo principiar chegada do Exm.
Presidente da provincia. (67
PCBLICACES LITTERARIAS.
Armas das Familias Nobres de Portugal.
Jornal mensal contendo a descripcao das Fa-
milias Nobres desde o seu principio origem
dos appellidos sua ascendencia e descenden-
cia acompanhada dos escudos de armas Ilu-
minadas.
Archivo Theatral.
Jornal dramtico contendo mensalmente um
dos melhores dramas traduzidos do Fraocez.
Correio das Damas.
Jornal mensal de modas, contendo as de se-
nhora e bomem em figurinos Iluminados.
Recebem-se assignaturas para estes 3 jornaes
publicados em Lisboa, e conhecidos nesta pro-
vincia ; na ra do Queimado n. 25 e ra de
Apollo n. 6.
4__Sahio a luz o importante folbeto inti-
tulado Resumo da Vida, Paixo, Marte
e PesurreicSo d\ N. S. Jess Christo desde o
seu Xasnmenioat,'- a vinda do Espirito Santo;
ou Historia abreviada da RedempcHo do Gene-
ro 11 umano coligida dosquatro Envagelhos e
dos Aclos dos Apostlos para lico o exames das
ss martimos
2Para o Porto sahir.no dia 20 lo andan-
de me/, do Dezembro o rnuito voleiro brigue
por tugue/. Primavera copito Jos Cirios
Fcrreira Boa res por ter maor parto do sua
carga prompta, quem no tnesino quizer carre-
ar ou ir do passagom para o que tem bons
commodos, entenda-se com o mennioriado
capitao ou com seu consignatario Antonio Joa-
quin de Souza Ribeiro. (9
2Segu viagem, at 15 do correnle impre-
torivelmontc para o Bio Grande do Sul a es-
cuna brasik-ira amazonas, capito Fructuoso
JosFerreiraDutra;recei)i' somonte passageiro*,
e escravos: quem qui/.er mandar ou irdepassa-
gem dilija Se a ra da Cruz n. 10. ouaq,ca-
pito. (7
1 Para Lisboa, segu viagem com muila
brevidade, o patacho portuguez liestauracao ,
capitao Alexandre Jos Correa ; quem qui/.er
carregar, ou ir de passagem dirija-se aos seus
consignatarios Mondes & Oliveira na ra do
Vigario n. 21 ou ao referido capitao.
1Para o Aracaly seguo viauem r.odial
do correnle o hiato Nova Ultndi ; quem no
mesmo quizer carregar, dirija-te a ra da Cruz
n. 51, ou ao meslre Jos Rodrigues Pinheiro.(4
2,000
2,500
2,000
1,000
I-s D'ordem do Senbor Inspector d'este Ar-
senal laco publico, que n'esta secretaria existe
archivado um exemplar da descripcao e nomen-
clatura dos Fares accendidos no l.'deJuIho
do correte anno, as costas da Franca, o qual,
em virtude das ordens -> Exm. Sr. Presidente ,
ser franqueado para serlido porqualquer Nu-
tico, ou Ofilcial d'Armada que o queira con-
sultar Secretaria da Inspecco do Arsenal de oog poi nyn ----
Marinha de Pernambuco 7 de Desembro de esc0|as primarias e ollegios de educacao. Ven
18V4. O Secretario,Alexandre Rodrtguesdos ,)e_se na praca (|a Independencia loja ns. 6t
Anjos. (,2 8 8 320 cada folbeto.
4 COMPANHIA DEBEBIRIBE. Este Opsculo he de grande util'dade ; por-
OcfxadaCompa.avia deBebir.be avisa aoa'que aprsenla em um quadro resumido toda a
Srs. mcodmU, que se acha ando o praso mar- Historia da Redempcodo Genero Humano.f 13

Leilao.
__ Kalkmann & Rosemund faro leilao, por
intervencao do corretor Oliveira de variado
sortiuiento do lazondas do seda, la, linbo e de
algodo recentemenle despachadas, e as mais
proprias da estaco : torga leira. 10 do corren
te s 10 horas da manbaa no seu armazom
na ra da Cruz
avisos diversos,
3=: Precisa se de um caixeiro chegado de
pouco, ou pratico para urna venda no Mundo
novo: na ra de S. Francisco n. 68. (3
:= Oferece-so um rapaz portuguez de 20
annos do idado. para caixeiro de loja de fazen-
das, ou mesmo para armazom de assucar, ou
venda do quo tem pratica, ijuem precisar dir-
jase a ra do Amorim n. 41. (5
3 =s Deaappareeeo um moleque de nrrte
Paulo de naco (uisam de 17 annos. sem bar
ba, canella fina, tem em um p urna lerida ao
pedos dedos, de urna queimadura, breos de-
dos grandes um tanto para lora, cara larga, na-
riz chato olhos pequeos e vermelhos, tem
cora na cabeca de carregar tabuleiro.corpo re-
gular, be conhocido por sempre andar vendendo
doce de jaleia em copos: quem delle souber ou
der noticia a seu Senbor Antonio Jos Goncal-
ves Azevedo, na ra da Praia armazem de car-
no n. 19, sor gratificado. 112
J 0;; SOCIEDADE q
PHILO-DRANATICA
O 1.* Secrelario faz scionto aos Srs. socios ,
que a sesso adJiada continuar boje pelas G /
horas da tarde.
=r Deseja-se fallar ao Sr. Antonio Jos Cor-
rea chegado a esta cidade na barca Tentadora ,
em Novembro do anno passado ; na ra de
Apollo n. 6.
__ No da 12 do Corrente me?, estar expos-
to em casa de Luiz Gon/aga de \ iterbo, na ra
estreita do Rozario n. 39, para os Pernambu
canos artistas que quizerem assignar um re
querimenlo que se dirige a Sua Magostado e
Assembla Geral, em que e pedem promptas
providencias a fazercm pararas calamidades bra-
sileiras mostrando-se a causa dos males que
nos aflligem, e indicando o remedio por ter-
mo elles.
__ Aluga-so pelo tempo da (esta, e por pre-
CO com modo o sitio do Sr. Thomaz d'Aqui
no Fonseca no lugar do Caldereiro com boa
casa devivenda coxeira estribara, casa pa-
ra escravos bastantes larangeirase muitas oa-
iras fruteiras, com boa cacimba d'agoa para be
ber baixa de capim bastante plantada e ba-
nho muito perto da casa para o qual se pode
ir com tuda a liberdado por ter caminbo mui-
to particular por dentro do sitio ; quem o per-
tender, dirija-sea ra da Cadeia velha casa d-
cambio n. 34 ou ao Caldereiro no sitio do Sr.
Cintra que achara com quem tratar.
- Arrenda se urna grande olaria, na ra do
Cotuveo, com bastantes cornmodos, e casa na
frente da mesma ra ; quem a pertender di
rija-se as Barreiras a fallar com Jos Antonio
A Ivs da *~ ilva.
1- Isabel da Silveira e Miranda Seve, viuva
do finado Joo Maria Seve, faz publico todas
M pessoas, que lem transacoes com a sua casa,
que esla contina no mesmo giro de commer
ci, e com as mesmas relacoes, com a difleren-
ca smente, que as comrnunicacoes sero ella
innunciante dirigidas com a firma Viuva Sevo
& Filhoi. Recile, 7 de Desembro de l84l. (8
LOTERA DO THEATKO.
=: As rodas desta lotera andao iinpreten-
vclmente no dia 17 do crrante Ble, o talvez
antes desso da se continuar com actividade a
extracto dos bilhetes ; os quaes achao-se a
venda nal lo jas de cambio dos Srs. Manoel Go-
mes & Vieira no bairro do Becife, as boticas
.los Srs. Joao Moreira, e Cbagas no bairro do
Santo Antonio, e no da Boa-vista na loja do
ourives do Sr. Jacinllio. (lf)
2 SOCIEDADE THEATRAL P1IILO-
THALIA.
O 1." Secretario avisa aos Srs. socios que
hoje 9 do trrenle llavera reunio geral
da s.ciedade pelas 6 horas da tarde na casa du
mesma sociedade para eleigo da nova direc-
eo. (7
3_ O Coronel Manoel Cavalcanti de Albu-
querque Mello embarca para o Bio de Janeiro
a seu escravo Manoel crioulo. (3
2= A pessoa que precisar de um pequeo
Portuguez chegado ltimamente para loja de
lazenda, ou de miudeza ou para outro qual-
quer eslabelecimento, o qual escreve lii e
coota sollrivel ; diiija-so uo Forte do \laltos ,
prensa d'algodfto n. '20. ("
3=s Manoel Joaquina Soares embarca, para
lora da provincia a sua escrava por nomo
Catharina, de nac8o. ?
T)Joo Lopes do Lima va a seu negocio a
eidade do Ico, e levaein sua companhia um la-
mulo. ''
20 abaixo assignado faz sciente aos Srs.
que tem penhores no poder do annunciante ,
bajo de os resgatar no praso de seis dias, a :on-
tar da dala deste. ulis sero vendidos para em-
bolso do referido annunciante, licando os mes-
mos Srs. responsaveis pelo (|ue faltar.
j'oaquim de Queirot Monteiro. (7
1__Joo Toselli dar o seu concert de msi-
ca quarta-leira 10 do crrente no Hotel Fran-
cisco ondo espera merecer a proteceo dos habi-
tantes desta capital. O rosto dos bilhetes echa-
se venda no mesmo Hotel. (*
3=No botequim ao p do thealro, precisa-
se de um caixeiro, que d fiador a sua con-
ducta. (3
2=Sebastiana Maria da Conceico,declara a
eus credores, que, tendo-si; concluido a parti-
In.i dos bens do seu casal, eslao> disposicao
,los meamos seus credores os bens, que a ella
coubero para se pagarem, independente de
questes judiciaes, e augmento de custas; o
lidem ir ao carlorio do Sr. ^antos, ver a par-
tilha- ... ,-(8
2=Roga-se aos Srs. Fiscaes da cidade de Jim-
da, que lancemsuas vistas, por caridade, nairn-
mensidade de porcos sollos pelas ruas.que vivem
estragando nao s a estas como os quintaes e
sitios, que com isto cumprom com os seus die-
res, a vista das posturas da Cmara; e lembrem-
se que agora nao ha mais o trabalho de os con-
duzir para o Recife. (8
3 Lopes Jnior & Irmios participio ao
publico que tem aberto urna padaria na ra da
Solidade n. llevendem pao muito bom, e
comasseio; bolaxa muito boa, tanto de 20 rs.
como de 10 rs em porcoes e a retalho, roscas da
mesma massa muito boas, biscouto, e bolaxi-
nha doce muito bem trabalhada, pao torrado
muito bom proprio para sopa tudo por preco
mui commodo: os proprietarios obrigo-so a
mandar entregar em casa dos seus freguezes
(sem augmentar do preco) o pao que ibe for
encommendado e na mesma precisa-se de
um ou dous moleques, para venderem pao
com um homem, das o as 9 da manha. (14
3Tendo-so no dia 23 de Novembro p. p.
mandado do armazem de N. O. Bieber & C.
ao Sr. Manoel los Guedes de Magalhaes.
urna caixa pequea contendo 24 macos de mei-
as curtas ordinarias com a letra F. nos macos,
por um preto, que nao se sabe do nome, e se-
nbor, e este as nao entregasso a aquelle Sr., o
se suppondo as tenha entregado em outra parle,
sendo as queira restituir flinja-se ao arma-
zem, ou annuncie sua morada para ser pro-
curado. iH
r. = Hcnrique Kraus, Dr. em medicina for-
mado na universidade VCopenbagem, e ap-
provado pela Academia da Bahia. acha-se re-
sidindo na casa n. 16, da ra do Trapiche novo,
e oflerece o seu prestimo a todas as pessoas como
medico, cirurgio e oculista ; e tendo elle nes-
te ultimo ramo tido muita experiencia nos bos-
pitaes da Europa, est prompto a fazer qual-
quer operacSo precisa para curar as molestia
d olhos, e particularmente Strabismo, defeito
mui vulgar, mas facillimo de remediar. Doutor
Kraus pode ser consultado na casa de sua resi-
dencia cima declarada todos os dias das sete
horas at os 10 da manhSa e das tres at as
cinco da tarde: aos indigentes receita gratuita-
mente. US


4
3-Aluga-se pelo lempo da festa, ou por
qdo urna cusa muito fresca com bastante*
com modos para familia, no Poco da Panella ;
a tratar com seu proprietario Joo Ignacio do
Bego ; na na do Livramento n. 2 (5
2 Precisa-so fallar ao Sr. Francisco Cela-
no Porfirio morador na Varzea a negocio de.
seu interesse; na ra da Caddia-velha n. 30. 3
Alugo-s duas casas torreas na cidade de
Olinda urna sita na ra do Porlo-seguro e a
outra nos Arrumbados parase passar a lesta,
ou morar ; a tratar na ladeira do Varadouro ,
oa refinaco de assucai.
1Na ra da (iuia n. 17, se fas todo obra
de aUaiate, por prego coinmodo.
Preoita-se (aliar ao Sr Joaquim Leocadio
de Freitas; na ra do Livrameato, botica n. 22
Aluga-se para se passar a festa urna casa
na beira do rio Copibaribe delronte da casa
doSr. Francisco Antonio de Oliveira por pre-
co coinmodo ; na Nova n. 67.
Responde-se ao Sr. Joo Ricardo da Silva,
que as leltras iniciaos J. It. S., nao se entendem
com elle.
l)eseja-se fallar com os Srs. Joao Cordei-
ro Reg, Jos Alexandre dos Santos Jos Car-
los de Moura e Antonio Comes da Cuuha a
negocio de interesse; no pateo do Carmo n. 24
MUSEU PUTOBKSCO.
Este jornal publicado em Lisboa por urna so-
ciedade de Iliteratos portugueses contom as
seguintes materias : religio, historia antiga e
moderna, philosophia, geograpbia, viagens,sci-
encias,bellas arles, agricultura, novellus eseolhi-
das, estudos moraes ebiographicos ollerecendo
nesta classe a descripgo da vida e actes de to-
dos os Reis do Portugal, e dos hroes que mais
lorecro em cada um dos reinados dando-se
os seus respectivos retratos ) pensamentos ,
ancdotas, mximas moraes e miscelkinea. To-
dos estes objectos tratados cum o esmero de
que sao credoros fnrmo urna biblioteca va-
riada e instiuctiva um alimento para a refle-
xo um recreio depois dos trabadlos do da.
O primeiro volunte consta de 16 cadernos ,
ou nmeros em cada um dos quaes ha duas
iolhas de impressao de 17 pollegadas de com-
limid e 11 de largo ; duas magnificas eslam-
pas de formato igual ao da impressao para a
linalse encademar o volume) lythographadas
em papel velim ( de 40/rs. fortes cada resma j
com tal perfeigo, que, mettidas em quadros ,
pdem servir para ornamento das melhores sa-
las e finalmente em cada numero impar se
ve" urna exacta descripgo das modas sendo
esta accompauhada de Hgurinos e colleccoes
de lindissimos debuchos pura bordar de bronco
e de matiz, oque servir de multa uliiidade
para senlioras do bom tom.
As pessoas que quwerem subscrever para
esta excellente obra pdem dirlgir-se a Joa-
quim Baptista Moreira ageote da socieda-
e nesta provincia na ra de Apollo n. 6, em
casa do quem se aiho as colleccoes do primei-
ro volunte 1 at 16 e da primeira serie do
segundo volme at u. 21.
Primeiro volume do Museu.
1C nmeros 1 al 16 com 32 estampas,
frontispicio e ndice por 12/160 rs.
Stgundo volume do Museu
Primeira serio 8 nmeros 17 al 24
com estampas por 6^720 rs.
A segunda serie ter outros S nmeros, comc-
cande em n. 2 e terminando em 32. Dar-
se-ha com osle numero um novo frontispicio e
o ndice geral das materias trufadas ern os 16
nmeros das duas series 17 al 32 que
reunidas formao o segundo volume do Museu.
Na ra de S. Hita-nova, reside um tintu-
reiro perito que se propoo a tingir com toda a
perfeieao, de todas as cores, lando la, como
seda por preco comrnodo.
Participa-so a quem tem penhores no so-
brado n. 9 do largo de S. Pedro, e so achJo
j vencidos os prasos convencionados baja do
resgatal-os ou dirigir-se a dita casa impre-
terivolmente at odia 12 do correnta, pois des-
de tal data em va.nte passo a
dos ditos penhores para completo embolco do
annunciante, o qual tica desonerado derespon-
sabllidade de ditos penhores desdo principio
al finalisaco da venda do laes objectos. Na
mesma casa deseja-se Ciliar ou; os Srs. Anto-
nio Basilio da Trindade, eJoo Augusto B. do
M a negocio, que nao ignor&o at o dia ludo
crrente.
I -O abaixo assignado faz publico pelo pre-
sente annuncio que Florencia Margarida dos
Prazeres se acha ha muitos annos cega de
ambos os olbos e com 70 e tantos annos do
idade por cuja rssao incapaz do rsger sua
pessoa e bens tanto assim que para des-
bordara seus filhos e nao pagar o que o casal
de seu finado marido deve ao annunciante, tem
formado simulados dbitos activse passivos ,
a liin de benificiar a quem a domina, o o abaixo
assignado suspeita de que se tenho forja-
do obiigacoes nopassadas nem assignadas pe-
lo punbo da ditaSenhora que o nao pode fa
zer nem pessoa algum a rogodclla mas sim
por quem Ibe tenha feto essa caridade sem
ella disso ser sabedora a fim de as cobrar de-
pois de seu fallecimenlo. Ninguem pois a vista
do presente poder de boa f contratar negocio
de qualidade alguma com a dita Senhora leo
comprometter-se ao perdimento de seu valor
I Aluga-se o sobrado da ra d-> Queima-lem outra qualquer parto, 10 por cento ;
do n. 21 altos o baixos ; a tratar na mosma ra da Cruz n. 62.
ra n. 29. (3
1 Quem precisar de um homem Brasileiro,
rasado cun pouca familia para feitor de
1 Vende-se um sortimento de toalhas
linho adamascado, de qualidade superior, com
largura de duas varas e de comprimento do
formas modernas e
na massa franceza
9- .multas asendas por preco commodo.
de
sitio ou engenho o qual entende de carpina, j duas e meia al 5 varas com guardanapos e
dirija-se a Fra-de-portas n. 61. (4
1Antonio Bernardino dos Reis embarca pa-
ra o Bio Grande d Sul a sua escrava do nomo
l/ahel. de naco Angola. (3
IO Sr. J. R. S. tenha a bondade de mandar
pagar a conta que deve na venda da ra das La-
rangeiras ha 3 annos, at u fim doDezembro,
se nao quizer passar pelo desgosto de ver o seu
nomo por extenso o usar-sa dos meios judi-
eiacs. *6
I Tnna a andar em praca do Juizo da pri-
meira vara do Civr-I para ser arrematado a quem
pagar o palmo por 8/ rs. o terreno j an-
nunciado entre as duas pontes da estrada da
Magdalena, com alguns arvoredos de fruto,
que fui desmembrado do sitio de Jos Joaquim
Bezerra o estove a forado a Joo Thomas Pe-
reira e boje isenlo de loro que tem cem pal-
mos de frente na estrada 520 de fundo e nes-
te 75 de largura ; assim como so vende a quem
0 arrematar as bomfeitorias da casa e cacimba ,
que nelle oxistem por 200^ rs., Picando a ar-
rematante obrigado a siza do urna e outra cou-
sa. (|2
I Avisa-so ao Sr. Antonio Gongalves, mo-
rador no engenho das Freixeiras para as par-
les de S. Anlo, sondo que tenha um oscravo
hipido, dirija-se h ra do (Jueimado n. 39, pa-
ra s.: le dar noticias delle. 5
1 SERRARA hydhaulica DO PISA.
US propietarios avisoas pessoas, que teem
amarrello lmno ou sedro para serrar ,
que, estando de tudo prompto o seu estabele-
ctmento, propum se a lazor o dito trabalho
com perfeieao, serrando a madeira de qualquer
urossura queseja exigida e com toda a brevi-
dade p.ssivel ; para ser mais commodo as pes-
soas, que se quiserem servir da dita serrara,
os proprietarios tomaro o entregarn a ma-
deira em qualquer porto designado : e para is-
so trata-so com Bui >s.-r.l. na ra Nova n. 39 ,
ou rom lioulitreau no sitio do Pisa junto de
S Trerese em Olinda. (12
i Da -so dinheiro a premio com penhores
ile ouro, mesmo em pequeas quanlias ; na
ra Nova n. 57. (3
1 Aluga-se o acouguc do becco do Padre ,
com todos os seus pertences ; a tratar na praca
da Independencia n. 98, (3
litiipras
1 Comprao-se efectivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos de
12 a 20 annos sendo de b mitas figuras pa "
go-se bem ; na ra da Cadeia de S. Antonio .
sobrado de um andar do veranda de pao n. 20. 5
2 Compra-se ago'ardente do cor, do 20
graos, em pipas ; na ra da Cruz n. 63.
'2Compra-se urna mulatinha de 13 a 18 an-
nos ou troca-sepor urna escrava com habili-
dades : na ra Direita 11. 3.
Compra-se urna balancinha pequea de
pesar rap, com seu competente marco : quem
ti ver annuucie.
1 Compra-se um cordo grosso e um
transelim fino ludo de ouro de le, paga-se
bem, estando em bom estad*; na ra do Livra-
munto n. 32. 4
Compra-se urna duzia de cadeiras com
assento de palhinha duas bancas urna mar-
queza ainda sendo com uso com tanto que
seja tudo em conta ; quem tiver, annuncie.
Vendas
sem elles, urna mesa do jantar chegada de
IIainburgo e que serve para mais do 18 pes-
soas e alguns mochos para escripta ; na ra
da Cruz n. 46. (8
IVende-se urna escrava de 20 annos, boa
ongommadeira, lavadeira cosinheira e tem
principios do costura ; um moleque do 12 an-
nos por preco commodo ; na ra da Cruz
n. 51. (S
1 Vende-se o botequim do becco do Azeite-
do peixo com poucos fundos ; a tratar no mes-
mo botequim. (3
1 Veode-se por aratissimo preco urna
pulceira decoraes engrasados obra muito de-
licada urna cruze cuntas de ouro, um ves-
tido de merino cor de rap com gola de ve-
ludo proprio para montara urna sobre-ca-
saca e caigas de merino preto urna sobre-ca-
saca de panno azul urna boa manta de fil de
linho duas empannadas novas ; no largo de
S. Pedro sobrado n. 9, de varanda de pao ,
pintada de verde, das 6 as lo horas da manha,
e do ineio dia as 4 da tarde. lo
Vendem-se barricas com farellos vindas
ltimamente de Lisboa ; na ra daPraia n. 22.
Vende-se, por necessidade, urna escrava
moca de naco de elegante figura, sem vicios
nem achaques, engomma, cosinha, cose lava,
e he quitandeira ; na ribeira venda n. 1.
Fernando Jos Braguei tem para vender
muito bom fumo em folha chegado ltima-
mente da Babia no seu armasem ao p do ar-
co da Conceico.
Vende-se salca-parrilha eoleo decubab1"
ba do boa qualidade chegado ltimamente do
Para; no armasem de Fernando Jos Braguez
ao p do arco da Conceico.
C. Bourgard com toja na ra da Cadeia,
tem para vender por preco commodo, bom ra-
p do Lisboa chegado pelo ultimo navio.
Vende-se urna porco de estacas de boa
conlruccao proprias para atierros por terem
25 palmos de comprid." o outra porco de va-
sos para craveiros jarras potes e alguidares
tudo muilo bem feito ; na ra da Florentina
n. l.
Vendem-se 4 pretas mocas, engommo ,
cosinho e lavo ; um dita de 10 annos, reco-
Ihida com bons principios de habilidades ;
urna parda do 26 annos bastante alva pti-
ma para se acabar do educar ; 3 escravos para
o sei vico de campo ; duas cabras (bicho; boas
leiteiras ; na ra do Crespo n. 10 primeiro
andar.
Vende-se um dos mais ricos candieiros
de globo para urna sala pelo menos ignora-se
quemo tenha melhor nesta provincia, he de
metal dourado com ouro fino de sobido quilate,
a vista do bom gusto do comprador se dir o
preco ; na ra da Cadeia de S. Antonio n. 19.
3 Vende-so urna corrente de (erro gran-
de para qualquer embarcaco ; na ra da
Cruz n, 13, primeiro andar. {3
3 Vende-se urna propriedade de casa de li-
jlo o cal, para urna grande familia, aforan-
do-se terreno no lugar della para ter vaccas de
leite plantar capim e hortalica no lugar da
Piranga no cercado do engenho Giquia e no
mesmo lugar ha terrenos para se aforarem na
' beira da estrada para sitios e casas; a tratar
com o Coronel Manoel Cavalcanti do Albuquer-
que. (9
2 Vende-se urna casaca nova de panno fino
preto e urnas calcas do mesmo panno tam-
bem novas, por preco commodo ; no pateo do
Carmo, loja de charutos n. 3. 4
2 Vendem-se 5 caixes de ourives, com to-
jos os ferros necessarios
outras
(14
2Vendem-se as operas soguintes : Roberto
de Berux-de-Douizotti para tocar ao forte-pia-
no ; Lucrecia Borgia ; Esmeralda; Domino Ne-
gro ; os Dous Fgaros; os Cruzados e Egipto ;
Clona de Feltro ; la Cenerentola ; la Italiana
em Argol ; ronds fa otearas, variaces qua-
drilhas do contradanzas valsas, msica para
rabeca arte do violino, concertos de Bode, de
Creuzzer e de outros autores caprichos so-
natas dos, trios, variaces, quarletos sin-
fonas msica para cantar- com acompanha-
mento de forte piano modinhas; arias, dos ,
solo e a duas vozes, nova arte do cantar, pelo
celebre Vacai, collecco de 10 dos, que uso os
discpulos do conservatorio de Italia para for-
mar o gosto dos alumnos, que se dedicao a
cantona, tratado de armona pratica dos {con-
servatorios diccionario de msica em 2 volu-
uii's o mais moderno, 36 mappas geogra-
phicos do mundo antigo e moderno encader-
nados e outras muitas msicas para todo e
qualquer instrumentla ra Nova n. 5, segun-
do andar. (20
2 Vendem-se superiores charutos de rega-
la nonplusultra por preco commodo ; tam-
ben) se oncommendando so faz qualquer quali-
dade de charutos ; na ra Direita n. 89. (4
2Vende-se urna porco de saccas com mi-
Iho bom corn mais de alqueire da medida ve-
Iha por preco commodo ; na ra da Praia ,
armasem n. 20. (4
2Vende-se milho muito novo a 3/rs. a sac-
ca ; na ra das Grases n. 42, (2
2 Vendem-se chitas superfinas de novos
ebellissimos padres ; na ra do Cabug n.
10. defronto das lojas da ourives e cerieiro, (3
2 Vende-se um berco de Jacaranda obra
bem feita e moderna ; na ruaestreita do Rosa-
rlo n. 32. (3
2Vendem-se resmas de papel de meia hol-
landa dito almaco branco e azul, de primei-
ra e segunda qualidade caixas de phosphoros
americanos de boa qualidade o por preco bara-
to ; na praca da Independencia loja de miu-
desas n. (4. (0
2Vendem-se 4 escravos de bonitas figuras,
ptimos para todo o servieo ; urna negrinha do
lannos, engomrna e cosinha; urna mulati-
nha de 18 annos boa costureira engomma, e
ho recolhida : urna dita de 24 annos com as
rnesmas habilidades ; duas ditas cosinheiras ;
um escravocanoeiro por 350/rs. ; na ra Di-
reita n. 3. (8
2Vendem-se saccas com dous alqueires e
meio de farinha de muilo boa qualidade, che-
gada ltimamente do Rio de Janeiro e por
prego commodo ; na ra da Cadeia do Recifo ,
n. !2. (5
2 Vende-se urna porco de barricas com
muito bom sebo por preco commodo ; na ra
da Cadeia do Recife, armasem n 12. (3
2Vende-se urna porco de milho em saccas,
ou medido por preco commodo ; em Fra-de-
portas, ra do Pillar n. 135. (3
2Vende-se um piano e um relogio de cima
de mesa ; na ra Velba ,, sobrado n. 63.
4 Vende-se a rnais bem fabricada tinta de
escrever, excellente pelas suas qualidades de
se tornar mui preta, fina e de resistir aeco
de qualquer acido ; na ra do Livramento, Jo-
ja de miudesas n. 34. (5
Escravos fgidos.
e sem incorrer no crime de urna transaca*. do- Idoce copos e clices para vinho galheteiras
losa em prejuizo de terceiro. Francisco Jo-1 para aceite e vinagre, vasos para doce, ou fru-
t Dio da Cosa. (20 tas e outros mullos vidro por menos do que
, taz, martelos, forja ,
-Vende-se um preto da Costa peca bom | H tambem vendem-se separados pelo pre-
go que se oTerecer; na ra dos Pires casa de
Cyprianno Correia. (5
2Vendem-se os seguidles livros : dicciona-
rio inglez com pronuncia, historia de Inglater-
ra geugraphia de Gaultier as cartas googra-
phicas em formato grande a vida de S. Agos-
linho em francez 3 v. grammatica e arto
italiana, manual de philosophia tctica das
assemblas, manual do Jury, trafico da es-
cravatura taboa dos logaritbmos educagao
physica e moral dos meninos, economa poltica,
constiluigo poltica do imperiodo Brasil, ora-'
g5es de Cicero para analyse de rhetorica 3 v ,
tratado theorico e pratico sbreos tomos syn-
taxe de Dintas doutrina christa ern mna
de ligoes de pedade Terencio taboadas de
meninos a 40 rs. ; no pateo do Carmo, fabri-
ca de charutos n. 3; ondetambom se vendem
charutos feitos na trra a 720 rs. o cento e a
retalbo ai/e 1280 rs. (15
2Vendem-se na ra Nova, loja francesa n.
18 de Manoel do Amparo Caj chales de se-
da grandes e pequeos longos e mantas de
seda garga o de linho cortes de seda lavra-
da escocesa de quadros grandes e pequeos,
ditos de parisiense, ditos de la e seda, ditos de
cambraia branca e pintada setim de todas as
cores, liso e de Macu luvas e meias de seda,
algodo e de pellica sedas para collete ris-
cadinhos escoceses de la cassa e de algodo,
cafgado de todas as qualidades
canoero e trabalhador de pa sabe civar vi-
veirus e entende do ullicio do sapateiro nao
ser vendi- bebe ago'ardente e nem foge o que se afiian-
ga um piano com pouco uso e do txcellentes
roses ; um sobrado de um andar dous sotos,
feito a moderna, em chaos proprios, com quin-
tal e boa cacimba ; a collecgo das leis Brasi-
leras at o anno de 1831 ; um guarda-livros
moderno ; urna travedo boa qualidade muito
grossa com ,i4 palmos de comprido ; na ra
eatrotta do Rosario n. 10, terceiro andar. (10
Vende-se feij o mulatinho multo novo,
e saccas vindas do Aracaty ; na ra da Cruz
n. 62. (3
1 \ end-se um escravo mogo de bonita fi-
gura ; na ra das Larangeiras n. 22. (2
i Vende-se um forro completo para sala ,
de lindo e brilhante papel dourado; urna balan-
ga grande com pesos de bronze e ferro ; urna
purgo de Diariose outros impressos a peso;
2 bahus grandes com pouco uso ; na ra de
Apollo n. 6. (o
IVenderse a venda da ra do Collegio n.
21 muito bem alreguesada e com poucos
fundos a dinheiro, ou a praso com firmas a
contento do vendedor ; a tratar na mesma ven-
da.
IVendem-se apparelhos dourados
cha, com duas duzias, chicaras e pires doura-
dos as duzias mangas de vidro lapidadas,
garrafas de cristal lapidado compoleiras para chitas finas
(0
para
para homem esenhora, chapeos deso de se-
da para homem e senhora bengalas de cana ,
chapeos da castor brancos e pretos ditos de
2 Fugio a 20 e tantos do mez de Novem-
bro do corrente anno, um mulatinho de 14
annos de nome Jacob cabellos corridos, cor
acabocolada com um signal de um talho na
face do lado direito e com pannos ; levou ca-
misa de madapoloe caigas de brim branco;
quem o pegar, leve aos Afogados, a seu senhor
o lente Coronel Manoel Joaquim do Reg
Albuquerque, que ser bem recompensado. (10
2 Fugio na madrugada de 5 do corrente a
preta Euzebia crioula a qual levou urna
cria e varias pegas de roupa tanto da senhora
como sua o juntamente varias pegas de prata
do uso do casa julga-se que mandou cortar
um ferro que tinha no p por causa de ter
apparecido da antecedente (ugitia (no dia 4), he
fula, alta obela do corpo com marcas de be-
chigas pelo rosto ; quem a pegar, leve a praga
da Boa-vista em casa de Manoel Pacheco de
Quoiroga que gratificar generosamente, as-
sim como protesta contra quem a tiver occuita
com todo o rigor da le. ^j|
3 Fugio no dia 29 de Novembro p. p. urna
preta crioula de nome rsula, de 26nnnos,
bastante fula secca do corpo, cabello ralo e
avermelhado meia vesga rosto grosseiro e
com algumas espionas ; levou panno da Cesta ,
j desbotado, e urna trouia com-sua roupa;
quem a pegar leve ao Promotor do Nazareth ,
ou nesta praga a Francisco Antonio de Souza ,
morador na ra larga do Rosario n. 26, primei-
ro andar que ser recompensado. (16
2 No dia 5 do corrente fugio um negro de
nome Antonio de nago Cabinda de 40an-
nos, allura regular cheio do corpo, bem bar-
bado, bastante cabelludo dus peitos e com al-
guns cabellos brancos na cabega ; quem o pe-
gar, leve a casa de seus senhores Mesquita Du-
tra d Companhia na ra do Brum undi-
cao de Caldeireiro que ser gratificado. (8
PEA a
i TVP. E M. F. DEFAMAt844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUCAXX0BV_VPSAUK INGEST_TIME 2013-04-13T00:25:17Z PACKAGE AA00011611_05243
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES