Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05237


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino de 1844.
Segunda Feira 2
O Dl.tf l>>t>ublaa-M todoaoa da ijoe nao foreai santificados : o prago da assignatuia
billa traa mil, por quartal pagos adianlados. Os an nuncios dos assignanlaa sao nMridoi
j alis, a dos ijue nao forera < raiao de 80 reia por linha. Aa reclimacoc dcraa ser diri-
gidaa i ala frp.j rua das Crazes n. 34 ou > praga da Independencia Ioja da lirrosn 6 a 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GouHfi, Parahjrba segunda* sextas feiras.Rio Grande do Norte, chega a 8 a
le AlUa'iiCabo, Serinhaern, RioFormjio, Macey, Fono Cairo, a Alagoas:
H a 24 ttauadc raei. Garanhuns a Bonito a 40 e 24 da cada met aoa-Tsta
aa a l.'a -.'8 dilo. Cidade da Victoria, quintas feiras. Olinda todos o d
DAS da semana.
2 Seg. f, Bibians. And. do J.lde D. da 'i. y,
3 Tarca a. Francisco Xavier Re. and. do J. da D.d 4. t.
4 Quailal Barbara, And do J. da O. da 3 t.
5 Quinta f Geraldo Aud do J. da l) da 2. t
6' Sellas Nicolao Aud. do J. de D. da i. y.
7 Sab l Ambrosio Bel.
Dom a Conc.i aojdc N-S.
usa .--' .......itti----- najMli ni i naaaaalil
DIARIO
de l)e/,embro.
AnnoXX.
lajililW'a! JafciHU'Ji-MSa8.M
ludo agora .iapendo da na raasao,; da nosaa andancia. aaodaragio- an 'fia: coa-
como principiamos a aereis apostados cora idffliraQio anlra a", n*:;nas ai
nnueino
rullas.
(ProclamagSa da AfiaaaMea Garal do liaail.
ti e par
no 4. 5
a Flor
C'aaabioa sabr !x>ndr(f 5t || n0nl
a u Pan SsO raa por (raaoo
u Lisboa 110 por 400 da praaio
Noeda da cobre ao par.
Idasa da letras da buaa firaas i y ,<
cimioj Bo nii I ur. DI cKal
Oura-Moadada 6,400
H W .
a da 4,000
I'r:t--I*alac6ej
m hesui columanaret
a Hilos aeiicanus
17 100
47.400
y 600
l.tfJO
1,9*0
4,00
renda
17,600
47,:0O
\ 020
i 940
\ ,990
phases da LA NO M Y.', l)F. dezfmbro.
La ehaia a 26 aa _'horas ,44 rain. d. m aLuaaora a f< ., 9 I, e 4 .aj da larda.
Minguanla aja.' Horas a Pr/rmnr de hoje.
Prmairs s lio a 10 ain 6 da mm'.n | Segund ai 40 hora j minlos da Urde
1
aalllllllllll ajllll ;
PERNAMBU
i^aja^uavvisi i _; ,

. a i
isui-iat^. ... .., tjpv _i.::.'.':.

:-.st.isSBi
PARTE OFFJC
Commandodas Armas.
Ouarteldo (ominando das Armas de Pernam-
buco 29 t/r Novembro de 1844.
artigo da okdbm do da n. 32.
Convido em nmade S. Ex. o Sr. Presi-
dente aos Srs. ITiciaes das quatro classes do
exercito, residentes na capital, comparecerem
no palacio do Govorno por urna hora da tarde
do referido da ( 2 de De/embro), a fim de as-
sistirem ao cortejo que se tem.de fazor a Efigie
do Nosso Augusto Soborano.
Iltnrtque Marques de Oliveira Lisboa.
Recebemos jornaes do Porto que alcancao
al 19 de Oulubro :
Continuavo as sesses das Cmaras em Lis-
boa ; j na doj Deputados tinha comecado a
discussao do parecer da commisso que approva
os fados praticados pelo Governo durante o
interregno parlamentar ; tinbao fallado pro
e contra alguns oradores e j seconhecia,
quo o Governo leria naquella votaco u
des : os bomens j o n3o podio possuir por
nao merecl-o.
To rpida como o raio baixou a morle, e
Iho lirouavida, e con sigo levou seu virtuoso
espirito a entregal-o ao Eterno no dial 4 de
Novembro pelas 7 e meia horas da manha. Se-
reno como a innocencia, ouvio do Eterno a
sentenca final ; sereno como a innocencia aca-
bou urna existencia sem remorsos e por todos
sensivelmentc pranteada
Apenas foi annunciada a sua morte, toda a
cidade exnerimcntou a mais pungente dor.
Seus numerosos amigos, o desvalido operario,
os cidados de todas as classes voo pela ultima
vez a contemplar a imagem do bomem virtuoso
o christo, e sobre os estragos da morte sacu-
dir-lhe urna gotta da agoa da redempeao. J
nao existe o nosso pai, diziao os operarios das
diversas oflicinas ; j nao existe o nosso pro-
tector, dizia o rude marujo; nao existe o ho-
rneen honrado, di/iao os cidados ; nao tenbo
mais meu pai, dizia o filho amargurado ; nao
existe o meu nico amigo e protector, dizia a
amada esposa inconsolavel. Que fatal calami-
dade Todos chorao por um s homem !
Sun. Este homem foj virtuoso e christo.
A habitaco da morte foi por todo o dia oc
ni i
De novo recommenda a igreja o christo ao rtria.'.No Senhorcs.o Correio, jt que nio co
Dos dos vivos e dos morios. Kinda esta so-lcurreia, pelo menos com a medicina, que nio
lemnidade o Sr. Dr. (".amargo recitou um clo-
quele discurso, pri'cedondo-lho outro nosso,
que em memoria do Sr. Bibiano Iho tribu-
amos.
Toda a tropa, em quanlo esto ceremonial
se passava, salvou com as honras do costume
Os artfices, gratos memoria do pai e hom-
feilor, lile mandro tirar o retrato, e colloc-
ro no arsenal.
M..rreo pobre !
Tudo findou A trra I he seja eternamen-
te levo !
Estes sao os mortaes que os deoses amo,
Oue apezur do sepulcbro o mundo chora.
( Mercantil. )
ha as boticas, Ihes acode : paciencia ; lenhao
paciencia ; nao ileitem tudo para o peior, de
hora em hora Dos melhora, tenhSo f, espe-
ranca;pois a cari unte Ibes fez j r \ni aritix; \.
lT!?*S
DIARIO M PEttiiSIBim
ima
maioria de 30 votos ao mais Na Cmara dos j cupada por innmeros amigos e operarios ; at
Pares, continua a opposico a procurar, por! que pelas 8 horas da tarde do mesmo dia 14, o
moio de estrategias parlamentares,dar um cho- bronze visinho dum templo de Christo annun-
que no Governo ; o que ainda nao Ihe tem sido ciou a hora do snbimento d'um rhrislr pars
possivel conseguir,por tcralli aquello urna maio-| o descanso eterno ; chego os coches, recebem
ria de quatro, ou cinco votos ; mas como o justo, e
falto muitos Pares, ainda nao se pode for-
mar juizo seguro a respeito do carcter da
Cmara.
J longe o levao......
Mais que religijso foi este sahimento : c
j pela longa rua por onde passavo os despojos
l,o se no Peridico dos Pobres o seguintc. da morte, s se vio os semblantes abatidos.
Segundo noticias do Franca, anda pelo Pas-de- i J urna numerosa brigada de guardas nacio-
Calais urna epidemia quo tem o nomo de Foy naes, commandada pelo erudito Coronel Igna-
de S. Antonio a qual senhora epedimia causa ', ci Accioli de Cerqueira e Silva, postada em
grandes estragos : comoca a brincadeira por se j duas alas na praca do mosteiro da Piedade, he
cobrirem aos doentes as niaos e os ps le graos, {despertada pelo fnebre som do gemedro cla-
Tribunai da Ue!ac3o.
Julgamento do dia 29.
Presidente da audiencia, o Sr. Dcsembargador
Siqueira.)
Na appellaco civel em que.be appellante D.
Mara Theresa de Jess Siqueira, e appellado
Francisco Itiheiro de Brito Escrvo Bandeira:
mandarao dar vista as partes.
Na appellacio cive!, em que he appellante 'Jer enviada pelo Sr. Dr. Madurcira ao Sr. Dr.
Joo Germano, como tutor da menor Josefa Alex8ndre, na qual se di/ que se imprimir oc-
O D.-novo de sexta feira vem recheado do
artigos sobre as eleices de Ouricuri, e Taqua-
ritinga; mas em vez de exhibir, tinda guarda
osseust/CMJierios irrefragaveise tnconttstaveis
da fulsi icaco das eleicoes, o das authenti-
cas. Na argumenta'.o feta contra o numero
dos 98 Eleitores de Ouricuri ugro sempre
os praieiros de fallar nos seus 70 do Ex ; ja-
mis quizero estabelecer a comparato. Se
Ouricuri tem, como nao nega o I)-novo,
maior populaco do que as duas freguezias reu-
nidas deSalgueiro e Ex. he claro que os 98
Eleitores da primeira nao pdern dexar de ser
admittidos, concedendo-se que votem os 70
I destas duas insignificantes freguezias. Para
provarquu em Ouricuri nao bouve eleico.o
que a authontica be resultado de um plano
desla praca, transcreveo I). -novo quatro pa-
lavrasde urna carta quo diz tem ern seu po-
assim comocarocos, e he tao forte a forca do
mal que mata no curto espaco de 24 horas .l!
Diz-se que Crfadame Medicina ainda nao des-
cubrir remedio a este mal quo pela brevidade
nao he til aos boticarios.
rim que annuncia,
BAHA.
quo em breve
............ passa
O insensivel objecto dessa pompa,
por entre as alas enfuneradus, um atailo
, negro, como a imagem da dor que a todos
I dilacera.
Eis que chega o cofre precioso, o homem,
1 o christo, o pai dos pobres, emfim o huma-
nissimo Bibiano.
No principio do cortejo unoreo, os mais
grados ofTiciaes tomo pela miio o fretro, e se
dirigem com descahidos semblantes, por entre
as alas dos sentidos filhos de Bellona, que p s-
, los igualmente com as faces sobre as armas, fa-
| zio com o ca rao dos brandos a vista a mais
tocante! No entanto segu o atade caminho
do mosteiro, levando adiante o signal do chris-
| to; eaos lados do fretro grande numero decria-
! dos vestidos de costoso do ; ao depois seguem-
i Ihe junto os protegidos do homem insensivel,
os ii tilias, os escravos da naco, os marujos
: nacionaes e estrangeiros, com lao mysterioso
O homem justo nao rece i a encarar ao gclauo respeilo ao homem innanimado, quo a furto
semblante da morte, porque desconhece a ima- se divulgava urna lagrima no parecer de todos.
Deicripco do enterramenlo do fallecido Sr-
Francisco Hibiano de Castro, Che fe de Di-
visdo e Intendente da Marinha da ci-
dide da Rahia na noute do dia t de
Xovembrode 1844.
Eil-o vai entre as tacitas phalanges
Do enfileirados ossos caminhando
......; ao cabo extremo
D'esse arraial de morios, d c'os olbos
No cortejo de d que hospede novo
Traz a morada eterna...... G.
geni uo modo. Sua conscioncia, pura como al-
ma de virgem, nao terne a eternidad como o
malvado carregado de crimes e maldicoes. A-
quello, se ama a vida, he para amar aseusseme-
Ihantes, o por isso, no termo ultimo, vem a sin
cera mo da caridade cerrar-lhe os olbos, bor-
rifando-lbe o rosto de hmido pranto. Este
ao contrario nem una curia lagrima, r.em um
ai por elle se d.
O justo nao precisa da outra vida para rece-
ber o premio do suas virtudes ; porque o Eter-
no neste mundo principia mostrar se a elle
nos sentimentos dos bomens
No Sr. Francisco Bibiano de Castro tivemos
manifesla esta evidente verdade. Durante o
espaco de55annos queviveo, foi um modelo
do virtudes sociaes ; soubc mais que ninguem
amar os bomens, edu.ra.nte a sua vida era por
todos amado e respeitado.
Amorte, por decreto do Eterno Arbitro do
Universo, nos veio tirar o Sr. Hibiano, por-
que j era o mundo pequeo para suas virln-i
A medida que tudo passava. segua a biiga-
da marchando ao som fnebre da msica mili-
tar ; e grande numero de convidados na porta
principal do templo se dcspeJem do homom
benemrito.
A Igreja da Piedado estava atopetada de ci-
dados de todas a; classes, muitas senhoras, e
povo iniudo. Findo o psalmear que canta a
igreja, he conduzido em procisso o cadver
do virtuoso militar para o jazigo, e quando
depositado, o mais galardoaro olicial, o Exm.
Sr. Brigadoiro f-uiz da Franca Pinto Garcez,
pucha de urna chave que a dissolada esposa do
niorto Ihe confiou, d-lhe volta e abre a urna,
esse cofre precioso, no qual
Pela vez derradeira olbos de vivos
Vero a face lvida do morlo
Oue ao fina! poiso deseo. Despedida
Solemne E que exprsso ah na Ierra
Emlingoas dehomens, que traslade no vivo
Todo esse accumular de sentimentos
(,'ue em si de tal instante o adeos encerra!
e appellada D, M. do Livramento Nery, Escr-
vo Eerreira : mandro dar vista ao Dr. Cu-
rador Geral.
Na appellaco civel em que he appellante
Domingos Pires Terreira, e appellado Francis-
co F. do Abreo Bego, Escrivo Bandeira : re-
formara!) a sentenca.
Na appellaco crime em que he appellante o
Jui/o o appellado Francisco Bodrigues de Mo-
res, Escrivo Bangcl: julgro procedento o
recurso.
Na appellaco crimo em quo bo appellante
Agostinho Ferreira Catanho de Vasconcellos,
c appellado o Juizo, Escrivo Posthumo : jul-
gro procedente o recurso.
Na appellaco civel em que he appellante
Francisco de Brederodo e Andrade, e appellada
D. IVIaria da Cunha Borges, Escrivo Ferreira:
mandro dar vista s partes.
Na appellaco civel em que sao appellantes
Jos Antonio Ferreira e outros e appellados
Joaquim Jo;e do Espirito Santo, sua mulher c
outros escrivo Bandeira : mandro dar
vista as partes.
.Na appellaco crime em que ho appellanlo o
Dr. Promotor Publico, c appellado Manoel Eo-
lios Ferreira (reo preso): Escrivo Bandeira :
julgro millo o processo.
Na appellaco civel em que he appellante
Joo Ferreira da Cunha, e appellado o Coro
nel Francisco Jos da Costa : mandro dar
vista s partes.
CORBEIO DO RECIFE.
CORRESPONDENCIA DA CIDADE B PROVINCIA.
Os andadores da irmandado de S, Luxia que
todos sabern, ando espalhados por ti'da parte ,
pregando, anarebisando, c desmoralisando, re- j brob, vindfpelo mesmo correio aqui chegado
cultamente una rotaco elevando os candidatos
da ordem para modificar na corle a sensaco,
que causara a noticia da derrota de nossos
amigos; accescentando o D.-novo que essa
votaco foi impressa a 7 do corrente, o depois
disso mandado a Boa-vista o soldado do polica
Lucas Evangelista com instrces ao Dr. Ale-
xandre para arranjar urna acta, que contivessn
essa votaco. Repetimos que os redactores do
D.-novo esto loucos, ou suppem estpidos os
seus leitores.
Pois o soldado do polica Lucas he gigante
do servico da alampada rnaravilhosa, ou al
gum destes genios fabulosos, que voavo e
transpunhao em poucas horas espado immenso,
para que (ossse depois de 7 do corrente Boa-
vista, fim se arranjarem actas, e voltasso a
18 ? CJual he o homem que vai d aqui a Boa-
vista em 11 das? (Juem ser capaz de ir
all, fazer ludo isso, o aqui chegar no curio
espaco de 11 dias ?
I m soldado do corpo de polica nao podo
faltar nclle sem que os mais o saibao. He pu-
blico que Lucas aqui chegou a ltf do corrente,
assim como sabe-se que ello parti para Boa-
vista a 9 de Oulubro poucas horas antes da
posse do Exm. Sr l'bonia/. Xavier e s l
chegou a 20 desse mez: d'alli voltoua 30,eaqui
cheguu a 1S sem objecto algum pertencente a
eleicao. Como be que a partida de Leas loi
depois de condecida a derrota que nos deo o O.
novo de 7 do corrente com a eleicao do Ex ?
A votaco do que falla o D.-novo foi im-
pressa no Diario de 11 do corrente em mysic-
rio :alli fallamos da eleicao fcila pelos 98 Elei-
tores Je Ouricuri ; e at contamos aos nossos
candidatos 98 votos, porque urna carta de Ca-
ciosos de que Ibes saia goro o ovo das eleicoes,
perqu a la da apuraco nao ho muilo boa, es-
to como se costuma dizer, com o denle no a-
co ; e o caso he que tem razo s carradas. A
Cmara Municipal nao se move, quem elles que-
rern quo mande, e dizem que pode nao quer
mandar, porque s manda, o que a lei Iho fa-
culta e a lei s diz. que a Cmara Municipal
coxte os votos dos Eleitores, e nao, que ji r.-
Ge das eleicoes ; o aviso... nao chega; nao ap-
parece j e ja___ o quo fazer neste aporto ? S.
l.uzxa nao Ihes acode,porque se nao ir.trometle
as attribuicoes de S. Margarida ; recorrer a
S. Rumba, nao pode ser porque eiiei faltarlo
tantas promessus; nao dero cousa alguma..
a mesmo nao fazem boje caso de tal irmandade
o que me di/em a ido ? Dar so lid
caso que nao baja quem acuda aos esteios da pa-
a do corrente, que trouxe a lista dos votos do
Ex, nos dava noticia de terem os nossos candi-
datos obtido quasi unanimidade em Ouricuri.
Nao houvo porm lempo de vir entao nem a
authenlica do Ex, nem a de Ouricuri : esta
chegou a 19 e aquella a 21 do corrento.
Os redactores do D.-novo nao se esquecCro
smente das ce nio e selenta e cinco legoas do
distancia d aqui u Boa-vista, o de que lano a
sabida como a ebegada de Lucas nao podia ser
oceulta, sendo elle soldado de polica ; esque-
cero-se lambem das cartas datadasda Boa-vista
do '.\ I de Oulubro, quCyCopiaio no D.-novo
de 20 do presente, as quacs se fallava quo
esse alelado lso achava.
Essas cartas ainda pem O redactores do
D novo em outra contradicho : nollas o Sr.
Arruda altiibue t lexandrc e Amaro.


e a o Tstente Coronel Pacifico a eleicao do Ou-
ricuri, entretanto que o I) novo sexta foira
nega tu lo isso, e suppoj a acta feita nesta ca-
pital, o tudo falsificado.
A mesma lgica se descobro na argumenta-
dlo a cerca de Taqnaritinga : ora foi essa elei-
clo feita por Joo Mauricio lmente para ob-
ter vola jo dos Eleilores do Barboza ; ora be
oita pe > Dr. Nabuco para entrar como De-
putado, ou modificar a impresslu da noticia
to porm csses documentos irrelragaveis de
falsiticncao e que nao appareccm ? Serio as
cartas que blazona o Sr. Nuncs Ma liado ter
subtraido das mfios de varios portadores, e
aborto innocentemente, por ser Juiz de Dire-
to do Crimea Appareclo ellas. Pelo Sr. Dr.
Madureira soino* autorisados a d< clarar que o
Sr. Nuncs Machado, ou qualquer dos redacto
res do I).-novo, que se diz tomara as que elle
enviara para Flores pelo correio de 13 do cor-
rente e dentro ilellas urna para o Dr. Alelan-
Os abaixo assignados, habitantes desta paro-
cbia do S. Jos dos Bizerros, sontindo offendi-
Jos seus dueitos polticos, no processo da elc-
cao para Eleilores da mesma freguezia,apresen-
lrao fllbsa Parochal o protesto junto, mos-
trando a nullidade da dita eleicao,o sendo apre-
sentado pe i cidada Manoel 'l'eixeira do Car-
valho.logo que se apurarlo os votos, e nao que-
rondo a Mesa acceitar, o Presidente poz a vota-
Qao;votro dous para que nlo lo.-se aceeit >o pro-
testo, e votarlo os outros dous que fo*se acceito:
o Presdenteapprovou.e disso que acceitava para
copiar logo depois da acta, com esta dccislo d'a
lii a pouco dorio principio a escrever a acta da
eleuuo dos Eleilores, e, depois que acabarlo,
praia,protestarlo contra urna eleiclo to osean- ] presentes das quaes algunas assignao o mes-
ilaiosa como se ve do scu protesto. Como se j mo protesto e sendo requerido a Mesa pelo
ttrevo a praia com Eleilores do jaez dos de Bi- cidado supia, para que a mosma procedesse ao
zorros, porque taes fdrio os do S. Caetano ; recebinenlo das cartas, dos volantes, que nao
sustentar a validado do collegio do Bonito, e comparecrlo pessoal, os quaes forao a maior
argir o do Cabo e o de Garanhuns ? parte, e que competa I mesma Mesa tomar co-
-------------- I nhecimento.so as cartas, ns quaes vinbao a ce-
dulas estavao reconhecidas, na lorma das
instruccoes respectivas, o nlo pratierio, e pas
sirlo a receber ludo ; e desta lorma ten a Me-
sa nesta presente eleiclo commettido todo o a-
buso e escndalo a sua satisfacio. profanando
assim a loi lundamcntal. E outro sim por nlo
se ter lavrado a acta da eleiclo da Mesa como de-
termina o artigo 16 do decreto supracilado de
4 de Maio de 1812, e, sendo dissolvida a com-
inissio, se retirarlo, faltando esta so
e tomarlo posse os mesarios sem esta
risados por termo, e continuarlo
receber as cdulas sem as mesmas serem nume-
radas como determina a lei; c.apparecendo fa 1 -
silicadaa lista dos votantes qualilicados, deix-
rao muitos de votar, por a Mesa nao querer re-
ceber os seus votos para o fim de lerem o trium
o Juiz de
ra
dre, pode depositar essa, ou todas, que bou- lomarlo resoluiaodo nao copiar mais o proles-
verem, na Cmara Municipal de que be l'resi- j lo; e sendo procurada a decislo pelo cidadlo
denlo o Sr. Sousa Teixeira, para que esle Sr., jsuppra declarou o Presidente que a Mesa to- pho da eleiclo; o accrcsceo mais que o Juiz
.: outras pessoas igualmente probas as vejio, mou nova resoluclo, e que quoria se acorn- Paz todas as noutes tem conduzulo a urna pe
u so convenci pela data, e pelo contexto lliar primeiro na capital para saber o que dovia sua casa, sem ter a urna lechadura por ser urna
(se nSoestiver falsificado") se vllaaconselba actas i seguir, tomando-se assim o servico publico ir- gaveta aborta ; por todos estes motivos expos-
falsas, ou se apenas pede urna segunda via da | risorio; de modo que todo o servico da Mesa foi tos, os infra assignados, proteslande.como pro-
aullientica, para occorrer ao caso provisto de
ter sido a primeira tomada I lor^a no portador.
Slo os que andao roubando as cartas albeias,
tesllo contra a cabala praticada pelo Subdelega-
do dilo Pessoa do Mello, e contra os abus violando as obreas, e o segredo dolas, adul- i lismo
terando as para publcalas, os uiesmos que j sa Parochial: e para prova ver V. Ex. dous of-
insultao a seus contrarios, e com a mais infame (icios qoo dirigi o Presidente da Mesa aos cida-
daos que forao sorteados para formaco da Mesa
depois que a mesma j tinha recebido todas as
desptico, pisando a le com os pos: e a vista do
oxposto recorran o infra assignados a V. Ex.
nara delirir com justica todos os abusos o despo- pralicados pela Mesa, tudo denunciado o prova-
s, violencias c fraudes, paticados pela Me- do por ter a prova sufficiente e estu a nlo querer
cobarda grillo a populara que se alire, que
esmague, que extermine, o acabe para sein-
pre aquellos que fazem somLra aos redactores
do D.-novo; porque, tendo meio honesto de
vida, nlo carecen) do votos, nem vivem de
tralicancius.
Com mullicados.
M'LLIDAUE DA KLENJAO DA FIIBCCRZIA liK
UI/.KI'.KOS,
Quando a traa tem u ousadia de alcunber do
nullos os collegiol de Uuricuri.o Taquarilinga,
encapando as nullidades, o os oxcessos pralica-
dos cm Salguoiro o Ex, no Bom Jardn e Li-
iiioeiro; quando ella, fiada na protocolo que
alardea prestar-lite o.Ministerio, com a maio-
ria que espera na ('amara futura tem o ardi-
mento de blasonar, que os collegios de Gara-
nhuns e 'lo Caho serio nullificadus a fim de que
os Srs. P. regrino Alvaro o Nabuco pas-
sem para a casa dos su p pen les esubo \ il
cdulas, quando ja eslava en apurarlo dos
votos : o como estes e outros j tinbio assigna-
do o protesto nao podilo jamis assignar a acta:
os abaixo assignados esto proinptos a justifi-
car quanto baste no Juizo competente, sendo ne-
cessario.
Us supplicantes.Kxm. Sr. .confiados na inde-
loctivel justica de V. Ex. esperio.que, tomando
na devida consideracio, se digne acolher benig-
namente essa nova o humilde representacao.doli-
rndo acom a justica o imparcialidado que ca-
racterisio un Delegado do paternal Governo de
sua Magestade O ImperaporE B. M.
(Segualo se 17 asignaturas dt cidadot res-
ptitavtii.
lllm. Sr.Faz-se preciso, que Vm. quanto
antes venha assignar a acta que tr-ta o regula-
menlo de 4 de Maio de 12, visto ter sido Vm.
un dos sorteados para criacij dos mosarios, cu-
ja acta nao so lavrou inimediatamenle por so a-
lela o outros I Represen tacao Nacional ; seja- I char o Escribi de meu Juizo bstanlo incom-
nos licito romper o silencio desprezador, com
que tratamos as eleicoes de liizerros e oulras
poroebias onde a praia a lrca do esprtelas
triumpliou da maioria dos cid^dlos. Na fre-
guezia de Hi/erros eslava em tao grande maio-
ria o partido da oidem i|uc na qualifica^o
baviao <|uatro ceios e tantos votantes do nosso
lado, e os praieiros naoexcediao a tresenlos, a
pe/nr da boa l, com que o V igario interino, o
honrado Misionario Francisco Jos Correa ,
amigo decidido da ordem acc. dia sempre ao
parecer do Sr Subdelegado Francisco Xavier de
Lima, nosso inimigo tenaz. Os agentes do Sr.
Xavier Lima conhecerao pela lista que se nfli-
xou na porta da Matriz que a praia perda a
eleicao, arrancarlo na, e fi/erao umn nova lis-
ta para a chamada, na qual soppfimirao os no-
mes de cento e tantos edadas qualicados do
distrcto de Grvala e de 130 de Primavera
todos Guardas Nacionaes com o rendimento da
loi o desta sorte poz-se u praia em maioria.
No acto de se entregaren! as cdulas lorao rc-
goitadas as dostes duzentos c tantos cidadns ,
que (cario sorprebendidos por contarem que,
sendo seus nome* publicados na lisia geral, nao
aeria possivel semelbanlo exclusao. O proprid
Ca'pitao do Guardas Nacionaes do distrietodc
Primavera,Joaquim Jos da Silva \ icira.nao foi
admiltido a votar e perguntandj ao ir. Xa-
vier Lima se elle, c lodos aquellos c dadlos nao
forao qualilicados o seus nomos incluidos na
Iist', r-te Sr. responda que sim : e replicando
se qual era o motivo de se regeitarem as cdu-
las responda urn dos agenles mais impu-
dentes que a lista levara lm e o Sr. Lima
envergonhado ebaixava os.olhos mas nao ad-
inittia a entrega das lisias que derrotario a
praia nem elle, nem a Mesa que nomeou ,
pois nlo liouvo sorteamento nem acta dse
ter praticado somelhante acto ; o lembrando-se
o Sr. Lttiz Joso do \ esoooccllos que osla cir-
cumstancia era neeessaria para validado da Me-
sa mandou-a escrever no dia seguala elei-
cao e andou convidando quem viisse assignar
como consta de seus officios. Nao bouve urna,
nem escrutinio ; lancro-se as listas, queser-
viao i' praia n'uma gaveta ftberU o qual as-
sim inesmaseiii fecho ia guardar-so nacasadum
do- da Mi
Oa c laclaos, que nao perlenciio a cabala da
modado de molestia e como j boje se acha
prompta ealguns destes Sonhores assignados,
fallando algttns que sem lormalidade abandona-
rlo o collegio: e a falta que houver de sua parle
ser Yin. mesmo responsavel. Dos Guarde
muitos annos &. Bizerros 23 de Selembro de
1844. lllni. Sr. Capillo Manoel Bernardo
l-'erroira.LuiiJotr de / asconcellos, Juiz do
Paz.
lllm. r.Faz-so preciso que Vm. quanto
antes venba assignar a acta que trata o regula-
menlo do qualro de Maio de 42, visto ter sido
\ m. um dos sorteados para crc.ao dos mesa-
rios, cuja acta nlo so lavrou immodiatamento
por so adiar o Lscnvlo do meu Juizo bastante
iiicommodado do molestia o como j boje se
acba prompta e algn dos sorteados ja assigna-
dos, tallando ilguns dostes Senhores que sem
lormalidade alguma abandonarlo o collegio : e
a lalta que houver do sua parte ser Y ni. mesmo
responsavel. Dtvs o Guarde &o, Bizerros 23
do Selembro do 1814. Illm. Sr. Lourenc,o
Justinanu de Urito. LuizJosc de Vusconcct-
l'js, Juiz de Paz.
Os abaixo assignados, habitantes d'esla paro-
cha de S. Jos dos Bizerros, sontindo offendi-
dos seus diroilos polticos, no processo da elei-
cao para Eleilures da nesina fregueiia pola
inobservancia das instruccoes respectivas, e
decreto de 4 do Maio de 184, pela Mesa Paro-
chial a quem incumba ludocumprir na lor-
i a da le, pioU--lao contra a nullidade da dita
eleiclo e contra a mosma Mesa por apoiar,
e nao infligir a pena da loi a Antonio Corroa
Pessoa de Mello, e outros convictos, do escan-
daloso suborno dolo, e violencias praticadas
por oslo aos habitantes de bravata, pessoas ig-j
norantes que os mandando notificar pelos
Inspectores Antonio Bibeiro do Monte, e Luiz
Antonio de Franca para todos os votantes i-
rem votar na casa dos mesmos, a lim de reca-
iir a votacao popular em cortas e determinadas
pessoas e por outros em si mesmo como tu-
do foi denunciado pelo cidadlo Manoel Teixei-
ra deCarvalbo e requerendo este Mesa para
que osla procedesse a exame verbal e publico so-
bre a mesma denuncia foi de eccordo a 3 esa
ulo acceitar a prova, estando as teslemunhas
acceitar; mas os abaixo assignados esto promp-
toso provar no Juizo competente c a vista do
exposto lcvlo os mesmos bbaixo assignados I
presencade V. Ex. a nullidado recontada de tal
eleiclo fim do que fe sirva providenciar co-
mo adiar justo, cm ordem a evitar as dosordens
que pdetn resultar da intima convicelo em que
osla o povo de nlo sabirem Elcitores em confor-
midadudos seus votos os que podilo sabir elei-
tos. Ossupplicantos.Exm. Sr.,confiados na in-
defectivel justica de V. Ex, esperflo ePedem a
V. Ex. se digno acolher benignamente a sua hu-
milde representado, e deleri-a com a justica e
imparcialidade, que caracterislo um Delegado
do paternal Governo de Sua Magestade O Im-
perador. E. B. M.
[Seguido te 95 asignaturas competente-
mente reconhecidas )
Rio GRANDE DO NORTE.
Fiel ao meu proposito de trazer ao publico
as bellezas escolhidas da eleiclo da minba pro-
vincia, que nlo obstante as cabalas o alicanti-
nas dos ardentes Sulistas, veio a produzir um
Populado Nortitla.e que cinco Nortinas sahi-
rilo, se cinco Deputados dsse o Bio Grande
do Norte, visto que d mais de 60 Ele lores ,
e mais Eleilores dar, se levamos a provincia
ao pararello d'algumas freguezas d outras; tu
me transporto j relatar as proezas dePapary.
C^uerendo o Vigario Jos Manoel dos Santos
Brigido, (oh 1 sempre os taes Srs. Viga-
ros ?? Slo dos que nos temos en mor abun-
dancia; estes naocrdem omito, que o seu rei-
no nao be deste mundo!; Quercndo pos o U.
Colado colaras cleitoes da freguezia, poz em
combustlo o povo de Papary; dando se de
moto proprio, e vontade sua, por candidato
Assembla provincial, lomou em capricho por
meio das maiores indignidades e intrigas ser
elle o regulador o arbitro dos votos dos seus
parochianos, de fazer elle s, do sua livroesco-
Ihaesciencia certa, a Mesa Parochial. lazendo
com que lossem approvados os individuos que
elle propoz, negando ao Juiz de Paz o direitc
do o fazer; e porque este repellissc semelhau-
to invaso de suas attnbuieots, o Vigario, que
nlo ho de zombarias quiz suspender o Juiz
de Paz, eo Juiz do Paz suspendeu a eleicao.
Ora, quem mais vive mais v! Vejlo se poden
pegar do novo taes exemplos do poder espiri-
tual involver-se, o querer dominaras funeces
das autoridades civis : boa sede Iho linha o
Sr. Vigario ; mas o Governo da provincia, ut-
tendendo a paite do Juiz. mandou continuar o
acto.rocommondando a observancia, cm todo o
rigor, das formas legaes, e de camr.bo estra-
uhando sobre maneira o arrojo do Vigario; es-
le, que nasceo mais apto para o ministerio da
cabala do que para o ministerio do paz, res-
pondeo, quando o Juiz leo Iho o ofJlcio, que
nao acceitava a corrtcc&o. V arreo essa !
Malreiro como a raposa finge pazes com o
Juiz, e dts'arte consegue impin^ir na lista dos
votantes dusentos e tantos nones, quo s elle
condeca de porto, e obtem cncaixar na mesma
dous membros do seu credo, fazendo quo nlo
fosso proposto o digno cidadadao Urbano Egi-
dio da Silva Costa. Com quanto oJuizcedes-
se, declerando-lue que a eleiclo soso ultimara
em cortformidade com a lei, esta declaraclo
ia de encontr com as intencoes do bom pas-
tor, eis que o Juiz se apart, propala o Yiga-
eujo Chefe, tendo posto suas esperances na Des-
umbnrgatoria que lite havia do ser a recom-
pensa de sua coadjuvaclo as eloicfieS j se
sabe, que elle, eos Vigarios de Papary, Goi-
jiiinlia e S. Jos, ero rnuitas almas n'uoi so
corpo; tratou o V igario, que se julgava autori-
sado para dar impulso a eleiclo de oficiar
quanto antes ao Juiz supplente, quo repugnou ,
deo-so por doenlc, e por fim disse que nao ti-
nha trajos para presidir Mesa; o Cbefe de Po-
lica tinha marcado urna sesso de jury e a-
chava-se enllo na villa, nlo sei porm (outros
o saben ) quem mcia noule deo na casa do
liomem supplente da vara, e con ameacas, e
tamben con o offerta de 30* para o uniforme,
fizerlo-no officiar quo se achava slo como um
joiennidade, pero para presidir a Mesa : U foi, e l conveio
staremauto- em tudo quanto quiz, quanto fez o Vigario e
olrabalhode seus amigos.Nada mais escandaloso Tro-
carlo se cdulas, regeitrlo-se as suspeilas, o
Vigario emittio 20, um seu amigo 40, troca-
rlo -se os nones, o davlo so os votos a quem
se queria Finalmente, fecharao-se dentro da
igreja o muiloa seu gosto substituirlo, jor
oulras, as cdulas entregues por pessoas serias,
que nao ouvirio nunca pronunciar os Romes
dos seus votados! Nlo se podo ir mais a vantc.
Na eleiclo para Eleilores, nlo obstante as cau-
telas da lei de i de Maio de 4'2, apenas se fin-
ib u a qualificaclo lodos os Irabalbos da jun-
ta forlo para casa do Vigario, que Iho addicio-
nou ludo quanlo quiz, e depois sabio em com-
panbia do Ecritao de Paz, o Commandante
interino da bol I i ao de Guardas Narionais o
recrutadur du mesna freguezia e vilipendi-
ando, atlerrando, c conslrangendo o povo as-
signar procuraces a favor dos seus candidatos,
recolhio asignaturas de nort s e nuselltes ,
e oro qualicaos; e dest'arle votarlo 180
pessoas en oto procurac5 s. ISon plusultiaV.l
O sonso, o lirio, adignidade, a virtude, corri
foiagidas;anniquilem-se todas ts noyes de mo-
re I; a lei desappareca, e f a torr esa fija com-
panbeira do Vigario Brigido as elcices da
freguezia de Papary.
(^>ue de mais nulavel se pode accresrentar aos
fados expendidos, htm que muitos outros li-
rio omitlidos;' Dizer-fe que as cdulas dos
nones do paitido do Vigario que baviao ser
chamados para formar a Mesa do jury eleitoral,
erlo apenas nal dobradas, quando as dos no-
nes erao dobradase tresdobladas, para que a-
quellas flulucassem na urna em quanto estas
ilo ao fundo quando sedava o balanco, e por
consequencia (cavo 88 mais leves mais expos-
tas ao laclo; seria do apenas insinuar por aqu
a liabilidado do Vigario Brigido e companhia:
dizer que elle ofliciou ao Governo, com o seu
venal Juiz supplente requsilando loria ar-
mada, dzendo que o querio ssassinar.eque o
Exm. Presidente, pondo a forca equisilac'a
sob o commando de pessoa do partico Nortista,
he dizer quo islo se deve nicamente o nao
ler corrido sangue derramado pelos asseelas
desses infames coripbeos da cabala da partido
do Sul.
A dio-me na villa de S. Jos. Aqui houve
quasi o mesmo para debi da Cmara, e Juiz
de Paz : para a de Eleilores, o Beveiendo Vi-
gario (j se sube \) doixando ts Irabalbos da
junta em borrao sabio a percorrer toda a fre-
guezia cabalando descaradamente, o dzendo
ao povo que quem nao votasse na sua chapo ello
o escommungaria, e nlo Ihc administrara o sa-
cramento nem na horada nioite Tudo se
proeedeo illegalmento nao s nos actos prepa-
ratorios, como na votacao, o apurarlo. A fi-
nal (zerlo-sc com estes auspicios as eleicoes
na minba provincia: seeu quzosto enumerar
os lacios que no mesmo Natal se passarlo, lon-
go o fastidioso seria, porque nada mais enjoa-
livo do quo urna relacao montona de indigni-
dades que envergonhlo, e que de longo tao
descobrindo um luluto de luto e do abnegacoo
em todo o Brasil, para theorias para quo nao
clavamos educados, e que no meio da iinmo-
ralidade em quo e.ssa cu-a nos tem laucado,
cada v*7 nos arbnnios mais dstsnl;sdo ponto
do contacto para ollas. Quasi melade dos cida-
dlos activos nao votarlo as Ireguezias que le-
alto notado, o mesmo loi pouco mais ou menos
na Capital, e em toda a parte: fez-se tudo
quanlo quiz, e ordenou o partido mando, a
fim do tornar irrisorio, nullo, o desprezivel o
partido verdaderamente constitucional e nio-
narchico. Se as cousas nlo pararon darnos-
blo na cabeca. Dos salve o Brasil, o honra
seja feita do partido Sortitta doBioGrando
do Nurte Cm Hio-Grandenst.
Correspondencia*
*J.j Srs. (eductores. Tendo apparecdo em o
seu/'i'ario, de 5 do presente mez, um annun-
cio do Major Mayor em que provino a qual-
rio quo aquelle Ihe pedir perdi, deixando tu- Iquer pessoa, que se propon ha a comprar os n-
do ao seu dispr; foi desmentido, mas nunca IgenbosBanibnrrul o Maravilba.quo me pw'e n
ocendo como tinha costas da Polica cem, de que licar sugeto a reposkes, qneua-
i
esmorecen.


*

-.timf "'
.*3iaAi.' *.. hiji
jcvo fazer a elle e suas irmaas forgoso mo he '
aiet sentir ao publico que ossa declaracao do
Major Mayer precisa de esclarecimentos, sem os
quaes pode perigar o meu crdito quando
alias, nonhuma m f nenhuma remisso a
respeito do pagamento ha da min!ia parte.
Pela parttlha. quoselez dos bem deixados
por fallecitnenlo de meu sogro Joaquim Apol-
Imario Mayor e do minha sogra I). Catbanna
Maiia do Sena do Moraes Mayer, tocou-me o
engenho Bamburral, ficando eu sugeito a> pa-
gamento das dividas do cazal, e reposicao do
Ht293817rs. aos demais herdeiros.
Fdr > po" miau pagas essas divida! e tona
tambeiu satisfeito as repositoes, so nao fra ter-
mo sido dado aquello engenho como livro do
todo onus ao passo que o mos.no so acha su -
oeito ao Tenente-Coronel Jos Rodrigues de
lena o a seus herdeiros pela quantia do mais
de selle contos do ris (sobre o qual existo liti
gio omJuiso desdo 1807) quo deve anda o
cazal de principal e juros de resto da compra ,
quo fizerao ditos mous sogros do mesmo enge-
nho Bamburral como se vera da oscriptura ,
que vai sob u." l. Somclbantemcnto licro
pura sohre-partilhas a importancia de 7:500*
rs., que o dito Ma|or pretende, que esteja en-
crasada no supramencionadoengenho Bambur-
ral ; mas, preciso he quo se saiba, quo ou te-
nho um libollo em Juizo, em que exijo a quan
tia do 6:927*120 rs proveniente do escravos
que morrrao e obras por mim feitas ni decur-
so de 12 annos; exigencia esta que j f.>i at-
tendida pelo poder competente como se ver
da cortidosob n.2., de cuja sentonca appel-
lou o dito Major. Dosta maneira vera o publi-
co que eu nao mo tenho eximido do cumpnr
urna obrigacSo mais fraca senao por virlude
de urna obrigaco mais lorie, e o Major Mayer
bem conhece. que. se eu for obrigado a pagar a
renda doengenho desde 1836 at 18W nin-
guem mo privar do direito do havor os juros de
todas assommas, que tenho despendido com o
pagamento das dividas do cazal, o que unido a
parte da renda, quo tiverem proJusido os pre-
dios desta praca quetocarao aos demais her-
deiros, sem duvida contrabalacar o ped Jo em
que cu houvessedeserconJomnado. Assim he
vidente.que nunca foi de minlias intencoesillu
dir a qualquer possoa, que houvesse de comprar
os meus engenhos, o nem prejudicar a quem se
julgasse meu credor e tanto assim que esta
mosma declarado fia aos Srs. Manoel Aives da
Silva e Manol Francisco do Siqueira e outros,
com quom tenho tido occasio e necessidade de
conversar este respeito. Srs Redactores, como
o meu fim nao foi responder ao Major Mayer ,
porque nao pretendo entrar em polmica mas
somonte acobertar o meu crdito do juizos des-
favoraveis e injustos limito-me ao quo tenho
dito, e a produccao dos documentos que j men
cionei('). rogando-lhoa insereno destas linhas.
Reeife, 24 de Novembro do SS4i.
Seu constante leitor,
Jos Fej de Mello
tomm
& a \S
,).
is-Ki'Stie-zvazszt ."... :..> I ..lili' m i
Publicago a pedido.
~r"- T~
lllm. Sr.Bem informada esta Adminis-
trado, e mesmo ao facto dos servicos presta-
dos por V. S. no armazn, em que se quali-
liea o algodao desde o 1." to Julho prximo,
tanto sobre a vorilicac.o da qualidade como
sobre a ordeui, e pulida interna daquella i-s-
taco, quo se achava quasi entroguo a discri-
cao ; nao pJo deixar Je prestar-lhe os devidos
louvores s actividade, zolo, o inlelligencia, que
V. S. sabe reunir ao seu sompre louvavel por
te, conciliando co:no cumpre os intereses da
Fazonda Publica com os da agricultura, e
cominercio ; porni como muito penetrada
esli esta Adm mis traca o detas verdades, tam-
bom ost convencida que nao pe dispensara
Y. S do continuar a prestar-lhe to prove -
tosos servicos, e muito apreciadora dequanto
V. S. be exacto em o cumprimenLo de heus
deveres, ella nao hesitar em crer que V. S.
cumprir o preceito desta Administrado ,
que exige do V. S., bem dopublico trrico, a
coulinuaco u elles naquella esta^ao, nao de-
vendo dcimaneira alguma chocar o melindro de
V. S. osse libello famoso inserido, no /). novo,
porque longo do o abocanbar elle he aos olhos
do publico sonsato mais um titulo ao sou mere-
cimento.
Dos Guardo a V. S. Mesa do Consulado
de Pcrnumbuco 27 de Novembro de i84i.
lllm. Sr. Jos Afonso Ferreira, Feitor Con-
ferento do algodao.
O Administrador,
Joio Xavier Carneiro UaCnaha.
(") Os documentos, ;. .jue se refere o corres-
ponden^ ; sao os que em um avulso acompa-
nho o Diario d'hoje. $ Hit.
Alfande^ j.
Rendimento do da 29 do p. p.....3:110j30o
Deecarrego hoje 2
GaleraCoutinbacalho.
BrigueSeveamercaduras
BrigueJaneSf Estercarvo.
BrigueFannybacalho.
BarcaPriscillame rea Jo ras.
IMPORTAgAO.
Helena, brigue sueco, vindo de Lisb, en-
trado no crrenlo mez ; a consignacao de Tho-
maz de Aquino Fonseca.manifestou u seguinte:
317 */ moios de sal ; ao consignatario
4 guarnicoes de molas pura carruagein 8
ditas de eixos e 200 molhos de cebollas ; a
ordem.
Sevea, brigue sueco, vindo do Gothembourg
entrado no corrento mez a consignacao de N.
. Bieber manilestou o seguinte:
4'/> duzias de taboas de pinho 52 barricas
d'alcatro, 934 barras de ferro 400 barricas
eneja, 600 ditas vazias, 500 medidas de sal,
9 garrafes oleo de linhaca 50 queijos 45
barricas batatas, 2 paos de pinho; a ordem.
Fanny, brigue inglez, vindo de Terra nova,
entrado nocorrente me/, a consigntco do M.c
Calmont. manifestou oseguinlo :
2:600 barricas de bacalho ; a ordem.
PRAQ \ DO RKCIFK, 30 lE NOVEMBRO DE 1844.
Heoista semanal.
CambiosNao houverao Iransacoes durante a
semana por falta de navios a sahrem;
havendocom ludo lettras oflerecidas a
25 1/8 d. p. I i rs.
AssucarAs entradas em caixas continuo mo-
deradas, bavendo j um dopo/.ito de
650-para as quaes ainda naohapreco
aberto : em cargas as entradas leen
sido regularos; e as vendas do em-
barricado de 2.300 a 2.800rs. doen-
saccado de 2.500a 2,800 rs.;a arroba
do branco, e de 1,650 a 1,700 rs. do
mascavado.
AlgodaoContinu5o as entradas ser mode-
radas e os procos regular de
4,200 a 4,300 rs. arroba.
CourosTeem-se foito vendas do 120a 125 r<,
a libra.
BacalhoChograo 5 carregamontos, dous
dos quaes a parto d J terceiro segui-
ro para o sul o deposito do pai he
de 8,500 barricas:as vendas teein sido
regulares de 11 i a lls'500rs aciixa,
a retalho, tendo-se vendido por me-
nos o de qualidade inferior.
arno eccaBntrart dous carregaTmcntos ,
um do Rio Grande, eoutrodeBuo-
nos-Ayres os quaes elevrao o
depozito a 27:000 arrobas o as
vendas de 2.800 a 3,360 rs. a arroba
do Rio-Grande.e 2,800 rs. a de Bue-
nos A y res.
KstanhoVendeo-se a 550 rs. a libra.
Farinha de trigo Nao chegou carregamenlo
algum: as vendas teem sido modera
das de 14 a 16 rs.-a barrica da ame-
ricana nova;sendo o consummo mui-
to limitado.
Oleo de linhaca -Vendeo-se a 1,850rs., o galo
em cascos.
Futraran durante a semana 15 embarcacoes ,
e sahirao 10 : existen no porto 45 ; sendo 17
brasileiras.l franceza.ll inglezas, 1 lubekense,
8 portuguezas 3 sardas e 4 suecas.
jjn.tiiv.:rc9
do 61 toneladas capilao Jos Goncalves Si- e de grande sort.mento de calcio para bomens,
,as equipagem 8. carga diversos gneros; senhoros o meninos: f^ta-fe.ra Socorren,
iocapitao :' p"..geroi. os Brasiieiros l.u- te as 10 horas Ja manl.aa, n> >a armaiem ,
cianno l'ereira de Lira Miguel Rodrigues na ra da Cruz,
los Santos. Joiepha Henriquela da Silva con
6 filbos menores, e 3 escravos a entregar.
\'avios sahidos no mesmo da.
Babia; sumaca brasileira S. Anua, capitao Joao
Antonio da Silva carga diversos gneros:
passigoiros o 2 "Tenento d'Armada Pam-
pbilo Franco Velasco o 1 escravo Jos dos
Anjos Vieira Antonio Nobro Jo Almeida,
MU Barboza Acyoli de Brito. Jos Antonio
Borges e 1 escravo, Vicente Navarro do An-
drajo eThoiiiuz Goncalves Monteiro de Bnto.
Rio Grande do Sul ; brigue brasileiro Victo-
ria capitao Beato Jos de Almeida car-
ga diversos gneros: passageiros o Por
tuguezes Domingos Goncalves de Oliveira
Maia Fernando Affonso de Andrade e 23
escravos a entregar.
Babia; brigue inglez Madona, capitao J.Cand j
well com a mesma carga que UottM de ,
Terra-Novn.
Parahiba ; hiato nacional S. Joao Buplista ,
mestre Florianno Jos Pereira carga vanos
gneros. .
Una; Rate nacional Conceico Brantvra, mes-
tre Jos A Ivs Pereira, carga varios gneros.
Navio entrado no dia 30.
Macei ; 4 dias barca iogleza Xightingaie ,
de 264 toneladas capitao Tbomas Hunler.
equipagem 14, carga algo lio e couros ; a
James Crabtreo & Companbia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Rio de Janeiro; briguo americano Izabel, ca-
pitao Franas ubert, com 0 resto da carga
que Uouco de Terra Nova.
dem; barca americana Guil/ord, capitao Ja
meiG. Smitb carga lastro.
dem; brigue bfaailero Filis capitao .Ma-
noel Jos Ribeiro carga diversos gneros.
Liverpool; barca ingleza Nightwgale, capitao
Tbomas lluntcr com a mesma carga que
trouce de Macei.
A visas diversos.
taIgaoj.aj--jtaM
nmgw
^Itfeiarago
lio viniente do Porl<
>
3=0 1. Escriplurario, servindode Fscnvo
e Administrador da Mesa de Rendas Internas
Provinciaes desta cidade; abaixo assignado hi
constar a todos os Srs. proprietarios dos quatro
bairros desta cidade c da poioaciodoa Aloga-
dos sugeitos ao pagamento da dcima urbana ,
quo d'uonteiu se principiou a contal os 30 das
uleis para a co-branca a bocea do cofre da rclo-
rida dcima dos predi I urbanos do 1. semestre
do anuo linanceiro de l84< a 1845, eos que
nao pagaren dentro do dito praso mcorreao na
mulla de 3 p.c. do valor da decima devda, en
conformidade do l.'.arligo 21,cap.tulo b." do
reglamelo de 16 de Abril de 1842, mandado
observar pela lei provincial n. 130 de Muio des
teanno; e assim tamben os juros do 1 p.c. da
dala em que oi estabelecido at a em que pela
Assembla Legislativa Provincial foi derogado.
E para que ebegue a noticia do todos mandei a-
(ixar o presente o publical-o pelos Diario* dosta
cidade. Recile. 28 de Novembro de iMfc
Jos Quedes Salgueiro. V-
Avisos martimos.
=Para Lisboa no dia-24 do correte sahir o
briguo portuguez Rubim; quem no mesmo qui-
/er carregar, ou ir de passagem, trate com o Ca-
pitao na praca, ou com o consignatario 1 boina
de Aquino Fonccca, na ra do Nigano n. 1J
ss Para o Porlo sahira o brigue porluguez
Primavera,Capitao Jos Carlos Fcrreira Stares,
forrado o encavilbado de cobre, e te primeira
marcha; quem no mesmo quizer carregar ou
ir de passagem, para o quo lem lindos comino-
dos, trato con o dito Capitao, ou com o con-
signatario Antonio Joaqun de Souza Ribeiro,
no seu escriptorio da ra da Cadeia n. 18.
mam sesa -
liciies.
lei-
l=Tendo-se deaenoaininbado "do poder do
abaixo assignado urna lellra da quantia do
quatro ceios mil res, saccada a seu fuvor por
Victorino Pereira Maia, da cidaJe da Parabilia,
contra a casa dos Srs. Me Calmont Ov. C., des-
ta, o acceita j por estes jara ser paga a 5 ou 6
do presente mez de Uenembro : acba)-se j
prevenidos os acteitanles |>ra a nao pagaron
a outra pessoa que nao teja ao mesmo abaixo
assignado. o que laz publico para evitar algu-
ma transacc) fraudulenta.
Judo ''aiares CorJeiro. (12
Um homem de 50 aun s se ullerece jara en-
sillar meninos a ler, escrever, contar, e mesmo
paia feitor; prelere ser jiara o serlaol quem pre-
cisar aoouocie.
2=Fngommao-se com lodo aceio prorop-
tidao, o por |irec;o comin.ido, calca de homem
a 80 rs., carnizas a U> rs. aquetas de breta-
nlia a 80 rs., carnizas de senbora a rs ves-
tidos lisos a ICO r>. ditos de babados a 200 rs.,
o toda qualquer ropa engomla se con loda
preste/a; na rua de Cotovello n. l8. (7
LOTERA do thatro.
As rodas desta lotera deixrao de ter anda-
mento no da 27 do pastado mez, como se ha-
va anounciado,por se liielereai antepotto as de
S. Pedro Maitvr, e por isso o The/.oureiro da
mesma lotera Jo Thealro laz publico que
as mencionadas rodas andars imprelerivel
mente no da 17 do crrente por assim o
lia ver determinado o Lxm. Sr. Presi-
dente da provincia. Os respectivos bilhetes
acbiio so a venda nos lugares do costume. (11
2 = Da-se a juros 300>000 mil rs. sobre po-
nhores do prata ou ouro, ou firmas que agra-
dem ; na rua do Livramento n. 32.
2Precisa 68 de urna ama de leito, prefe-
rindo-se sendo cativa : no atteiro da Boa-vista
n. 08.
2 Aluga-se urna casa de quatro andares, o
mirante, sita na rua da Cadeia do Recifo
n. 38 : na rua do Encantamento n. .8 A (3
2Furtarao do quintal da rua da Conceico
da Boa-vista n. 9, um laxo usado de constru-
yo lina ; provino-se a todas as pessoas a quem
for ollerecido que o baja do apprehender, e le-
var a casa cima mencionada, que ser gra-
tilicada generosamente. (6
l=Aluga-se um primeiro andar de um so-
brado con suflicicnles commodos para urna
grande familia, a qual he muito fresca o tein
muito bonita vista para o niai :a tratar na rua da
Praia de Santa Rita n. 36. (5
l = Rcspondo-se ao annuncio feito no /Vio-
rio de l'emambuco 29 de Novembro que esla-
va justo e contratado c.nprar-se urna casa
meia agoa sita na povoacao dos Afogados na
esnuina.ou no beco do V intem,declarando o seu
proprielario, que a nao vende, e nem a tratou
vender, porque nao precisa, e a tomu judici-
almente em pagamento, pelo cartorio do Escri
vo Magalbes, e quem quiscr saber melhor
desla verdado, dirija-se ao atierro dos Afoga-
dos sobrado n 47, logo no principio. (11
3JoaquinaFranciscode MelloCavalcauti tem
obtido na Belacao do districloaccordo a seu fa-
vor na causa que move a Joaquina Francisco
Cavalcanti de Albuquerquo o seus Ribos, pela
quantia do 46 contos de ris que Ihe devem
de principal e juros da venda do engenbo A-
breu sito na Iregue/ia do Tracunhaem cuja
propriedade com escravos, bos e beatas e lo-
da a fabrica est bypothecada ao annunciante,
esugeita ao julgado e como Ihe consta que
os vencidos pretenden alienar, e extraviar estes
bens | revino ao publico para que ninguem
laea contrato algum sobre elles, pois o annun-
ciante protesta ir bavcl os onde por qualquer
modo frem ler. (15
No dia 30dop. p. pelas duas horas da
tarde desappareceo da rua do Livramento um
cavallo com cangalba o eassuaes dentro dos
nc5o docorretor Oliveira, do qUaes estava um sacco com roupa que ia la-
Jo gosto, proprias da lesta ejvar.SJ) e dando-se logo falta e seguindo-seo
Cao : hoje 2 de Dezembro \ ladrao quo j ia muito a diante (oi deixar
Navios entrados no dia 29 do p. p.
Bolivia ; 82 dias. barca ingle/a lary Nieon ,
do 391 toneladas, capitao Randell M.c Do-
nald equipagem 19, carga guana; ao ca-
pitao.
T0rta Nova ; 3G dias briguo ingle* madoitu ,
de 213 toneladas, capitn J. Candwell, equi-
pagem 13, carga bacalho; g James Crabtree
i Companbia.
Lisboa; 40 dias, brigue sueco Helena, de 249
toneladas capitao John O. Knoll equipa-
gem 11 carga sal ; a Tuoinaz do Aquino
Fonseca.
Porto ; 33 dias brigue porluguez Mana Fe-
liz, de 296 toneladas, capitao Antonio Luiz
Gomes equipagem 23, carga trastes, Iruc--I
tas o mais gneros; a Antonio Joaquim de
Souza Ribeiro : passageiros, os Portugueses
Jos Fernandas Ferreira Manoel, Jos de
Paiva, Jos da Cunba, Joaquim Lopes l'er
reir, Jos do Valle, Jos da Cruz Anto-
nio Fernandos da Silva Antonio Marques
Serano Jos Joaquim Antonio de MacJo,
Antoni Jos do< Santos ejos Fernande3
Guimara esplei.dido sortimento clu lazenas ue secia, laa, vico ; quem pretender precuro na ruu Ua I'raia
Aracaiy ; s'dias, sumaca brasileira Cr/ofa lioho, e de algodao, de miudezas, e wragens, n. 66.
2=Russell Mellors & Companbia laro
lao por intervencao do corretor Uliveira, do
muitas fa/enJas de
da presento cstac.au uuje < u. ^~...-.- ,UUiau n*v j < %
s 10 horas da manhaa, no seuarma2em, na o cavallo na rua do Sol, pordelrazda casado
rua da Cadeia. 6Sr. Elias Baplista onde pegou-se o cavallo ,
Joao Keler tendo de dispr de muitas porm sem a roupa e com ha indicios de ter-
fuzendas remanecentes de facturas, lara ainda o dado a guardar em urna casa ; roga-se a pes-
luzeiicid '-' a ,. ,._'soa que a guardou ou a quem for oflereci-
seu ultimo le.lao no correte ""..a'"'' da ;d a rJlluir ao ^ &Mmo dono que
vendel-as por qualquer preco; l,r lsSesPe" gratificar e guardar segredo ; assim como
ra aconcorrencia de seus freguezes, na terca- S(, [}ri)te;.taemprogartodos os meios judiciaes ,
leira 3 de Dezembro s 10 horas da manhaa em Sl, |lilc) ||1(, (or entrcgUM em lempo e para isso
ponto, no seu arma em, na rua da Cruz. j sa aclia preso o ladro ; no Alterro da Boa-
\__Lcnoir Puget &C conlinuaro. poi in- \ista n. 5.
tervencao docorretor Uliveira, o seu tilao de l=Alugo sedouspretOS para qualquer ser-
esplei.dido sortimentodo lazendas de seda, la, vi(0 ; quem pretender procure na ruu da l'rai
i- i_ ._ _i,.,,,lr. ilu miiiHit7As e li'rraiens. n lili t


4
2Aluga-so una grande casa no principio
ta uia to Sebo : quem a prender dirija se a
rua da Alegra n. 34. (5
2=0 lintureiro que, mora na rua de S.
Rita ti. 74, continua a fingir todas as qualida-
des de lazenda o de todas as cores, por proco
commodo [A
2Est justa para se comprar i, caa moia
Ogoan. I, sita na quina lo lieco do Vintem
nos A logadas ; quem a dita casa livor direito
por hyitothaca, embargo, pin hora, ou por
qualquer oulro motivo ; queira declarar por
esta lolha no prazo de V das ; lindos os quaes,
o comprador nao se responsabelisa, quando
apparera. (8
FABRICA DE FSFOROS.
Ka rua Imperial do Atterro dos Afogados n.
lliii existe urna fabrica de osforos, a qual OS
la/ da melliot qualidade, e vende a preco com-
modo. (5
O Rap fino Vinagrinho.
Jernimo da Costa Guimarcs e Silva, deso-
jando elevar o rap de sua lalirira ao ultimo
grao de perlcigao mandn fi Europa contrnc-
tarcom um perito fabricante a factura do rap
de sua labrica, o qual, logo dep is de sua che*
gnda esta cidade, aprescntou o excedente rap
vinagrinho.
Este rape nao he prelo be verdaderamente
cor de rap: lal be a sua proparatao, que urna
oitava d'este rap espalbada sobre um papel con-
serva por muitos dias a pouca humidadc com que
he fabricado;accommodado a todas as diferentes
nalurczas elle luz o seu eTeito sem que esti-
mule aos tomantes e sem que estes soflro a
repugnancia que costumao a sentir quando
variao para dillerentes qualidades de rap ; as
bacetas, e os dedos nao se sujo com este rap ;
o seu bom aroma, e ludas as mais qualidades o
tornao recommendavel aos apreciadores de urna
boa pitada: o papel deembrulbo be azul, o os
rtulos brancos. O proprietario.tendo cm vis-
ta mais o crdito d'este rap, que os seus inte-
rcsses.tem resolvido mandar vendel-o as libras a
1400 ris, e a prego mais commodo de 5 libras
para cima : no deposito da rua da Cadeia do
Recifen. 30. (20
3Tendo-se fechado no dia 14 do corrente
o primeiro auno lectivo do curso theologico,
aberto com approvaco do Exm. Sr. Hispo Dio-
cesano no convento do Carmo do Recita, com
os exames pblicos dos Religiosos Collegiaes
que o froquentro, e a cujos exames so dig-
nou assistir S. Ex. Revraa., se adverle para in-
telligeneia dos Revs. Clrigos por qualquer mo-
do impossibilitados de (requentar o Seminario,
que no futuro Janeiro se abrir novamente o
dito curso para o onsino de Tlicologia Dogmti-
ca, Moral,Historia Ecclesiaslica,<>. Hermenutica
Sagrada, e por isso todos aquelles quequizc-
ren matricular-se, o devorad faier com antici-
padlo, apresentando-se no palacio da Solidad;
80 Rovm. Padre Mestre I). Francisco do G. de
Mara Cardlo e (lastro, o qual dar tambem
liccs theorico-praticas d'Oratoria Sagrada a
todos os alumnos, que se matricularen) no
mencionado curso. (20
2 O abaixo assignado continua a ensinar
n lingoa latina, cm sua casa, no pateo do
Terco o. II,ondep6Je ser tambom procurado
para advogacia, Lourenco Avellino de Al-
buquerqut Mello. (5
2 Quer-se arrendar um sitio perto desla ci-
dade que tenha commodo para 5 ou <*> vaccas
deleite, e desembarque perto ; no paleo do
Terco n. 11. 4
2Precisa-se de urna ama para casa de una
pequea familia ; no pateo do Terco n. 51. (2
2 Alu^a-se o segundo sobrado junto a pon-
te da Boa-vista ; a tratar na loja do Villaca ,
junto ao Ticsmo sobrado; tambero anda ha
casas para se alugarem no sitio do Cajueiro para
se passar a lesta coi bons commodos e ba-
nho perto ; a tratar no mesmo sitio. 6
1 Aluga-se urna pretapara vender lasendas,
corn urna pessoa ; na rua da Gloria ao p da
fabrica do fallecido Gervasio ; na mesma casa
dio-se -200? rs. sobro'penhores de ouro, ou pra-
ta. (5
Jos Ployon, morador no Atierro da Boa-
vista n. 17, tem a honra de annunciar ao res- '
peitavel publico, que se acha prompto para j
estanhar qualquer vidro de espelho que se Ihe
confiar com toda a perfeico ; igualmente i
compra vidros mofados a pessoas que nao qui-
7crem laier a despesa do ac
Precisa-se de urna pessoa forra, ou capti-
va que saiba,cosinhar eengommar, preeiin-
do-se pessoa* fosra ; na rua Nova n. 20.
mt Alug8-se a loja n. 22 da rua do Quei-
mado com uma b a armaejio para qualquer
estabelecimento ; assim como alugao-se o pri-
meiro e segundo andares da mesma casa; a
tratar na mesma rua n. 29.
__D-se dinbeiro a premio com penbores de
ouro, relogios, ou prata, mesmo em peque-
nas quantias ; na rua ta Praia n. 22.
__ AlufB-se o sobrado de dous andares, com
bastantes commodos para grande [amida na
rua do Aragao n. 12 ; a tratar r.a rua do Tra-
picbe-novo i). 6, das 9 boros da maobSa al as ,
t\ da tarde.
O Sr. lente de geometra, que orerece, hl
10 | rs. pelo Geo-ciclyque em metal .
Beodo que anda queira poder procurar no At- |
Ierro da RoA-yUfa fabrica do licores n 26.
I Ofl'erece-se um homem casado com pou-
ca lamilla para administrar engenho ou si-
tio para o que tem bastante pratica por sor
afeito a este servico e d fiador a sua conduc-
a ; o annuncianle possuo escravos os quaos
em pregar no servico do contratante sem que
por isso nada venca ; quem de seu prestimo se
quizer ulilisar, dilijase a ruada Senzalla-vo-
Hia n. .16, segundo andar. (8
I Precisa-se alugar urna escrava que sai-
ba tender pelas ras o mesmo sendo forra ,
que a isto queira" assugeitar ; naruadaSen-
?alla-velha sobrado n. 36 (4
1 Fazem-se obras de alfaiato vindo j corta-
das, com todo aceio promptido c por pre-
co commodo, e tambem se engaja com qual-
quer mestre deste ollcio ; na rua da Senzalla-
vellia, sobrado n. 30. (5
I Precisa-se de amas de Icito para a casa
dos expostos; as pessoas que quizercm criar,
dirijao-se a mesma casa. (3
1Arrenda-se um ptimo terreno plantado o
milito productivo para o qual deito os fun-
dos das casas das ras do S. Gnncalo e Cotovcl-
lo ; a tratar na rua Nova n. 41, segundo an-
dar. (5
I Precisa-se alugar urna escrava ; em F-
ra de-portas n. 5:2; na mesma casa existe urna
carta para o Sr. Francisco Jos dos Santos, lin-
da da liba de Fernando. '3
I A arremalaco da casa e olaria com seus
pertences sila na rua do Cotovello do bair-
ro da Boa-vista, n. 35 com chaos proprios ,
peranle o Juisodo Civel da segunda vara, lira
transferida para os dias 2 e 3 do corrente, quan-
do ti.ii de c incluir-so por ser a ullima praca ,
as 4 horas da tarde. (7
Quem precisar alugar uma canoa de con-
duzir agoa, dirija-so a rua larga do ilosario n.
21, segundo andar.
Precisa-sede um caixeiro que enlenda
de venda paro tomar conta do uma por balan-
do, o que d fiador a sua conducta ; quem 6s-
livernestas circunstancias dirija -se a rua lar-
ga do Rosario n. 37, das 9 horas da manha em
(liante.
Aluga-se um sotao, proprio para bomem
solteiro ; na rua do Livramento n. 3.
Precisa-se do alguns serventes p3ra pe-
dreiro ; no paleo do Carmo, na obra junto a
loja de sapaleiro.
OTerccc-se um moco Portuguez do 11
annos para caixeiro de engenho ou mesmo
(tara leitor de qualquer engenho perto da praca;
quem de seu presinti se quizer utiiisar an-
nuocie.
Precisa-sede um caixeiro de 14 annos pa-
ra uma venda sendo que tenha pratica ; na
rua do Collegio n. li.
Aluga se a casa n. 9, da rua do Sol com
ptimos commodos para grande familia; a tra-
tar na rua de S. Amaro n. 10.
Precisa-sede um caixtiro, que tenha bs-
tanle pratica para tomar conta do uma venda;
no Mundo-novo, rua du S. Francisco n. 08.
O abaixo assignado declara, quo por oc-
casio de ter sido preso, ha annos, dera a seu
urna o Jos Felis de Sousa duas assigna-
turasen) branco para sobre ellas se lancarem
apudactas a fim de tratar de seu livramento ;
romo porm nao fossem necessarias ditas apu-
dactas, o nao Ihe forao restituidas as assignatu-
rus podendo acontecer que so ellas deseo-
caminhassem e quo alguum dellas se preva-
cca para laucar ttulos de dbitos ; o abaixo
assignado quo sabe Ier e screver protesta
ci.itra b falsidade de taes papis, um vez que
nao lorem passados de seu proprio punho
Domingos Valeriano Alies de Soma.
Compras
3 Compra-se uma escrava de 16 a 2o an-
nos sadia e propria para o servico interno do
uma casa ; na rua da S. Cruz n. 84. 3
2 Compra-so um cordao grosso de ouro ,
proprio para uma medalha ou um transelim
lino ; na rua do Livramento n. 32. (3
ComprSo-sc algumas obras de ouro sem
leilio sendo corddes annelocs brincos ludo
da moda e de punco valor ; na rua do Collegio,
lija de bahus n. 19.
1 Comprao-sc escravos de ambos os sexos,
mocos n fortes para o servico do engenho com
Dulcios ou sem ellos anda sendo viciosos ;
no Atterro da Boa-vista sobrado de um andar
n. 16. (5
1 Compra-sea historia de Carlos o Fanny;
quem Iffer annuncie. l-
Compra-se um preto e uma preta de 20
annos ; na rua da Penha n. 1, primeiro andar.
Compro-s eflectivamente para ora da
provincia escravos do ambos bi seog de 12 a
20 annos, sendo do bonitas figuras, pago-se
bem; na rua da Cadeia do S Antonio, sobrado
de um andarde varanda de pao n. 20.
e de ouadros. luvas, rneias de todas as qualida-
des chapeos de sol para homem e senhora ,
lencos de seda para senhora ditos para cha-
peo, chales e mantas de seda inuito ricas, pan-
nos fios, merino de superior qualidade, lin-
das caixas do prata dourada relogios paten-
tes, bons reguladores du ouro e outros mui-
tos objectos para homem e senhora tudo por
pre^o commodo ; na rua Nova n. 12
Diogo Jos da costa. (I l
1Vende-so uma escrava de naco de 40
annos, perita engommadeira cosinheira, la-
vadeira faz doces o vende na rua tambem
so troca por u:n moleque de naco ; na rua do
Livramento loja de fazendas n. 18. (5
I Vende-se um telheiro que servio de
estribara com um milheiro de telhas e mais
madeiras ; na rua da Alegra n. 34. (3
1Vende-se um talim e canana obra nova,
de muito bom gosto pelo modelo dos Olfici-
ciaes da guarda nacional do batalhao da Boa-
vista ; no Atterro da Boa-vista, loja de seleiro;
na mesma loja se dir quem d 500/ rs a pre-
mio. (6
^ Vende-se, ou permuta-se, por um preto,
ou preta um moleque de 12 annos muito es-
perto e ptimo para qualquer oflicio ; na rua
Nova n. 9. o
t Vende-se o direito e aeco a uma divi-
da de mais de 20:000# de res, j liquidada ju-
dicialmente um rxrcuco, e com penhora nos
rendimentos de 3 predios urbanos; quem pre-
tender annuncie. (5
1Vende-se a casa terrea n. 70, da rua de
S Miguel nos Afogads de pedra e cal clos
proprios oitos meieiros quintal murado e
cacimba; na tua Nova n. 41, segundo andar.
1 Vende-se urna escrava de 16 annos, de
naco Cayange, cosinha o vende na rua o mo-
desas muito em conta ; na rua larga do Rosa-
rio n. 85. [\-
2 Vende-se uma parda do 26 annos, com
uma filha de mais de dous annos a parda he
de 23 annos cose, engomma, cosinha e faz la-
varinto ; na rua da Praia n. 22. \\
2 Vende-se um rico o novo chapeo arma-
do para ulcial superior da guarda nacional
loja do na rua do Cabug, loja de cera. 3
2 Vendem-se dous escravos para todo o ser-
vico ; um moleque de nacao de 8 annos; urna
negrinha de naco de lis annos com princi-
pios de costura ; duas escravas de nacao, co-
sinho e engommo ; uma dita do meia idade ,
boa quilandeira ; na rua rua Direita n. 3. ,
2Vende-se urna linda preta de 20 annos,
muito robusta e com boas habilidades, vende-
se pelo motivo della nao querer continuar a es-
tar na mesma casa ; na rua da Conccicao da
Boa-vista n. 9. 15
2 Vende-se uma casa lerrea na rua do S.
Rita n. 74 ; a tratar na rua das Flores n. 23 ,
do meio dia at as 3 horas da tarde. (3
2Vondom-se e lazom-se tamancos e chan-
cas muito boa obra leitas por um mestre
Porluguez. aqu no paiz por muito commodo
preco tanto a retalho como atacado ; na rua
do Encantamento n. i. (5
2Vendem-se em casa de Frederico Fremont,
na rua Nova n. 2, primeiro andar, superiores
chapeos para senhora flores para cubeta a en-
feites de vestidos luvas de pellica enlejiadas
para senhora cordes de aljofares tudo da
ultima moda de Pariz vindo pelo ultimo na-
vio de Franca, e do melhorgosto que tem appa-
recido nesta praca. (8
2Vende-se na padaria da rua larga do Ro-
sario junto ao quartel do polica n. 16, fari-
nha de differentes qualidades para bolaza e pa
livo da venda se dir ao comprador; na rua No- ra fabricas de chapeos, pelo commodo preco
va 11. 16. (4
IVende-se uma casa nova de taipa aca-
bada ltimamente com bons commodos para
grande familia bom quintal, com 150 palmes
do fundo sita no Barro-vermelho; a tratar no
mesmo lugar com o professorde primeiras let-
tras Jos Benicio. (6
Vende-se um Magnum Lexicn elemento8
do algebra por Lacroix, e compendio de arithme-
tica por 640 rs. ; na rua estreila do Rosario
11. 3.
Vendem-se alguns quadros com pinturas
a oleo da escola Lombarda ; na rua da Cruz
n. 49.
Vende-se um relogio do parede, muito re-
gulador proprio para sala ou repartico; na
praca da Independencia, loja de reloj >eiro de
Justino Meroz.
Vendem-se 3 moradas de casas de taipa
por preco commodo na rua Imperial; a tratar
na mesma rua n 178.
Vende-se ou aluga-se a padaria da rua
da Gloria n. 55 com seus pertences, prompta
a traba I liar ; a tratar na praca da S Cruz, ou
na travessa da Madre de Dos com Manoel Igna-
cio da Silva Teixeira.
Vende-se bolaxa a 2# 2500 e 3680 rs. a
arroba o a de2^rs. propria para escravos ;
em Olinda, na padaria dos Quatro-cantos n. 20
Vende-se urna liteira nova fallando-lhe
smente pintar; na rua do Queimao n. 25.
Vende-se uma rabeca com muito boas
vozes uma clarineta com boquilha, tudo por
preco commodo ; na rua larga do Rosario n. 15
Vende-se uma escravo moco, bastante ro-
busto para todo o servico decampo ; na ruado
Crespo n. 23.
Vende-se uma burra de Ierro por preco
commodo ; na rua do Queimado n. 29.
Vende-se um piano inglez com muito boas
vozes e com pouco uso ; na rua do Crespo n.
12 loja de Jos Joaquim da Cosa Maia.
Vende-se uma escrava crioula de 22 annos,
com habilidades nao tem vicios e he mult
ladina vende-se por preciso ; no corredor do
Bispo n. 6.
Vende-se um preto moco
do de bonita figura de 22 annos e de todo
o servico ; uma parda recolhida do bonita fi-
gura do 16 a 18 annos, pereita engomma-
deira
de 6 a9/rs. a barrica ; bolaxa de muita com-
mndidade para eseravos a 1920 rs. a arroba e a
libra a 70 rs. dita miuda propria para ven-
da que so vendo por monos 160 rs. em arro-
ba que em outra qualquer parte se vender. (8
2Vende-se uma canoa abertade muito no-
va e boa coila truecan que pega em 3000 tijolos
do alvenari grossa, que corresponde a 170 bar-
ricas ; na rua larga do Rosario n. 18, (4
3Vendem-se velas de carnauba de 6, 7e 8
em libra, muito bem fritas e por preco commo-
do ; e cera de carnauba em porcoes grandes e
pequeas ; na rua da Conccicao da Boa-vista
n. 58. (5
3Vende-se um preto de nacao, de 20 an-
nos proprio para todo o servico ; na rua No-
va n. 39. (4
2 Vendem-se palhas de coqueiro, verdes o
seccas a 1600 rs. o cento, em porco d-se mais
em conta ; na libado Nogueira. (5
Escravos fgidos.
Vendas.
3= Vende-se o muito conhecido Cham-
panhe de July, e outros chegados n'esle ultimo
navio france.', em casa de Avrial Irmos ; na
rua da Ou/ n. 20. (4
1 Vrndem-se lindos cortes de seda escoce-
sa cassas de seda de bonitos pdroes sedas
ricas para vestidos riscadinhos de bom gosto
de 16 a 18
costureira e he muito carlnhosa par
criancas duas prctasde todo o servico e mui-
to boas quitandeiras o lavadeiras ; na rua Di-
reita n. 81.
3Vendem-se, em casa do Madama Theard ,
modista na rua Nova n. 32, chegados pelo ul-
timo navio de Franc chapeos[para senhora ,
do inelhor gosto possivel flores paracabeca ,
chapeos o para enfeites de vestidos formas to-
das promptas, e feitas a ultima moda de Pariz ,
proprias para so fazerem chapeos de senhora
enfeites riquissimos o mimosos para armar ac-
beca, ricas flores, fitas e sedas de lindos padres
para azer chapeos o outras muitas galanteras
para senhora. j()
2 Vende-so uma negrinha crioula, de 9 an-
nos cosco faz alguma renda ; na rua Imtie-
rial n. 67. (3
2 Vendem-se algalias ltimamente chega-
das, para curar fistolas, carnosidades, e dor de
pedra, suspensorios de burracha, brincos dou-
rados de bonitos gostos, caixas de massa de lar-
taruga e de baleia para rap pentes finos de
marfim para alisar cabellos caivetes de ca-
bo de viado de duas lolhas para aparar pru-
nas os melhoies que teett vindo thesouras
muito linas para uuha, facas egarr'os de cabo
de marfim eosso meias de linho cr para ho-
mem ditas de algodo linas para senhora
transelim de burracha e outras multas miu-
2No dia 26 do corrente, as 6 horas da tarde
fugio um moleque crioulo de nomo Miguel, do
7 annos magro, olhos grandes ; levou cal-
Cas de algodo arul, jaquela branca j muito
suja e sem camisa ; este moleque dosappa-
receo na occasio de levar cm um caixo urnas
aparas do sola da loja de sapateiro aondo es-
ta v? aprendendo este officio, para lancar fra ;
a verte -se a pessoa, que o seduzo (so por este
meio cm raso do dito moleque ser muito tolo ,
e nao saber anda todas as ras) que so ha de
proceder com todo o rigor da lei contra tal at-
tentado ; quem o pegar, leve a rua dos Quar-
leis n. 6. que ser recompensado. (12
I No dia 26 do corrente fugio do sitio de
Bem-fica junto a pontosinha dos Remedios ,
e olaria de Manoel Antonio de Jess, um prelo
de nome Luiz por alcunha doulor de 50 an-
nos, estatura ordinaria bem barbado, rendi-
do de ambas as verilhas. toma tabaco e he bas-
tante regrista ; levou camisa e ceroulas de al-
! godo sujo ; este escravo Coi da liba de Itama-
muto reforca- | rac do administrador do engenho do Exm.
Sr. Maciel Montcir ; quem o pegar leve ao
dito sitio ou na rua larga do Rosario, pada-
ria junto ao quartel de polica n. 18, que ser
gratificado. u
Fugio, ou furtro o moleque Julio, em
l' do Agosto de 1813 bem conhecido por ven-
der cangica de naco Benguella secco do
corpo meio lulo, do 1' annos tem o embi-
go muito grande com um taquinho tirado na
ponta de uma orelha; quem o pegar, leve a rua
da Guia a seu senhor Manoel Anlero de Souza
Beis, quo ser gratilicado.
Anda anda fgido, ou furtdo o escravo
Jacinto, do naco Beboio de 22 annos, bo-
nita figura bem preto com uma marca no
peilo esquerda a innlaco de uma ancora, fal-
la meia descantada loma bastante tabaco, fu-
gio a 2 do Maio do 1841 ; quem o pegar leve
a rua da Guia rasa de 3 andares n. 53, que
receber 100/rs. de gratilicaco, de seu senhor
Manoel Antoro de Souza Res
Fugio no dia 27 do corrento pelas 7 ho-
ras da tarde um preto do nome Manoel de na-
Co Cacange do 30 annos baixo corpo sec-
co, ps largas e seccas ; levou smento cerou-
las amarradas com um podaco de panno gros-
so. he quebrado e pode sor multo conhecido
pelas mos em raso de ser animador de pa-
daria ; quem o pegar, leve ao Atterro da Boa-
vista padaria franceza n. 50, que ser grati-
ficado.
F'II'.n: 7 VI-. DE M. 1. DEFAMA18/| |
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E9BQJHSWC_2M5401 INGEST_TIME 2013-04-12T23:17:32Z PACKAGE AA00011611_05237
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES