Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05231


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1844.
Sabbado 25
0 DUBIOpuMica-M lodosos dias que n3o forein santificados : o prego ,i. aaai|Mlafi j
lie da tres mil ra. porquartcl pagos adianlados. O annuncios dos assignantes sao inseridos ktf,
'.tu, e oa dos que nao foren raan de MI res por cha. Ao reciamaoues drrciB ear diri.
idas esta lyp., ra d, Cruiea n. un i pr.g. da Independencia luja da lirroan f> e 8
~~~~------------- .... ,, .
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GoiARRA, ratahrba, sc^ondase aexiaa feiraj.Rio Grr.nde do Norle, chega 8 a 21 c per
" *, """Cabo, Se-inhaem. Rio Formato, Macey, Porto Cairo, a Alagoas: no i. c ,
41 a ii dcada mu. Garaohuna e onilo 1) r l'i de ca.'.i me Boa-Tta a Flot -
eea 13e .':'. dito.Cidade da Victori, quintas feiras. Olinda lodos oa diaa
DAS DA SEMANA.
41 *g. Itomao. Aud. do J. de D. da i. T,
di) Taifa a. Isabel. Bel. ud. do J. da D.da J. .
i' Qu.rtaa. Felis de Valois Aud do J. de I), da 3 T.
21 QuBlt a. Apresentacao de N S Aud do J. da D da 2. y
.;_> Seila. Cicilia Aud. do J de D. da 1. y.
';'>' Sab; s. Clemente Hel.
3t llom a J. .i.i da Crnz.
ViaBSaBHinaHBEEIBiHBXHnBgBlsaaaaaaaaBaaaaaaaaaaaaaalH
-a*i
DA
BKtTg^g-:airT-,
P4JITE OFF2CIAL.
de Vovembro.
I
Auno XX. 265.
fuci., ora dapaadt da nos aamoaj Botas pradanoia. odaragSi' rjia: eta-
'liCics aoatO |..-n'!piaraoi a seicuvs apouia.ios'com adiuirs'j.i.' ent'a o %as mait
culy"- CProolaoiaaia. da A.einbla (.eral o aiaail.
Camb
i tasn Laa&aa 85a l|2 aom,
Pars 180 re por >,',,.
Liaboai:0pOf 100 de premio
cauaioi K Ul o_ lk huvmoho.
*.oedade cobre ao par.
Ideas da letras J boaa firmas 1 pOroo
Our.-Moada da ,400
a.
- de 4.UU
Cuta&tt
"esos cohiban.res
Ditos esesicanus
17 JO
17,100
y. 500
1,930
1,0 u
i.yoo
renda*
17,501)
17..U0
rf.700
1 0.0
i 040
1.9J
PHASES DA LA NO HEZ DE N0YEXBRO.
UaafcauaaaaShra e 41 .n. d. m .La. or., i I ., g h 4 mB ....
i reamar de koje.

overno da Provincia.
EXPEDIENTE 1)0 DA 19 1)0 CBRENTE.
O/lcioAo Inspector da Thosouraria das
Rendas Provinciaes approvando a arremata-
cao do 9. lanco da estrada do Po-d'Albo ,
fe.ta por Silvestre Dantas Lima pelo proco de
18:183.796 rs., o comas condiceoes cons-
tantes do termo, que acompanhou o seu offi-
cio de 4 d'esle mez
DitoAo Inspector do Arsenal de Mantilla.
Tendo ha vida nesta cidade, no liairro de
Santo Antonio, urn incendio na noute de 10
do correte, tive de notar.por uccasiao de ciri-
gir-mcao lugar do dito incendio, a fulla do
comparecimento da me,tran<;a d'esso Arsenal ,
que, com a bomba e mais instrumentos pro-
prioi do apagar e atalhar o ogo, deveria ter
sido inmediatamente para all mandada por
Vince. e cumprindo saber o motivo de Ufo
estranba falta, para sobro ella providenciar ,
exijo, que Vmco. me informe respeito ; de-
vendo ordenar todos os trabajadores d'essc
Arsenal, que dora em diante comparecao no
mesuro, quando liouveralgum incendio, 6 fm
desedirigirem ao lugar do mestro e ajuda-
rom apagal-o.
DitoAo Delegado do termo do L.moei'ro ,
declarando em resposta ao seu officio de 12
d'osto mez, que pela conservacao dos recrutas
em custodia na sala livre da cadeia d'aquelle
termo nenhum emolumento deve ter o Caree-
Jreiro. iph do da 20.
OfficioAo Jui/. de Paz de Maranguape ,
ordenando, em consequencia do representa-
efio da Cmara Municipal de Olinda. que com
urgencia remella tesina Cmara as actas da
oleicSo a que alli so procedeo no dia 7 de
Setambro d'este anno, para Vcreadorcs d'a-
quelle municipio ; o que de parte a Presiden-
cia do cumprimento d'osta rdem
Portara--Concedondo Joaquim I.ins do
Albuquorque a demissio que pedio, do lugar
de Subdelegado da freguezia de Taquaritin
ga.Nomeou-se para este lugar o cidado
Joaquim Josi': Cumello Pessoa, e para primeiro
Nupplento do Subdelegado da r,-gue/.ia do Li-
Oioeiro a Joaquim Theodoro de Vasconcellos
Aragao : participou-se ao Chefe do Polica
as nomeagoes o demissao.
roiimando das Arma
('oflinuafo da expediente do dia 8 do
correnle.
Officio AoCommandante docorpode In-
fanturia de GuardasNacionaes destacado.comu-
nicando-lbe que as contas que acompanbarao 0
seu officio de 6 do correnle, relativas ao for-
necimento da cidade da Victoria e Brejo, forao
remettidas ao Exm. Sr. Presidente que as
mandou satisfazer pela Pagadoria das Tropas.
DitoAo Commandante da companhia de
Artfices, participando-lbe que a requisico de
fardamento incluido no seu officio de 31 do
do mez p. p., fra mandada satisfazer pelo Ar-
senal de Guerra.
Dlo-Ao Comraandanle do destacamento
'lo quarto bataibao de Artilharia a p, respon-
dendo 0 seu officio de 28, edisendo-lho que
tendo-se dado urna busca as embarcacoes
existentes no porto nao forao encontrados como
se presumir os trez desertores do mesuro des-
tacamento, edisendolbe qu para a corto ba-
via pedido as filiacoes, e mais assentamentos
das pracas sob seu commando.
PortaraMandando desligar, eapresentar
as 7 horas da manbaa do dia 9 ao Inspector do
Arsenal de Marinha o soldado Antonio Modesto
que devia partir para a provincia do Ro Gran-
de do Norle na barcaca Flor do Poco.
Dita Ao Quartel-Mestre do segundo bata-
ibao de Artilharia mandando recolherao Ar-
senal de Guerra as fardas e barretinas do uni-
forme da companhia d'Artifices, quo acompa-
tinarlo as pracas da dita companhia, quepas-
sarao em 14 de Janeiro do anno passado para o
dito bataibao, devendo enviar urna relacao de
taes fardas e barretinas Secretaria Militar.
DitaAo Commandanle da companhia de
(-avallara, para mandar por a dsposcao do
Cliefe do Polica urna ordenanca que o devia a-
companhar em urna diligencia do servico.
iDtiM do da 9.
OfficioAo Exm. Presidente communi-
cando-lhe a vinda do Quartel-Mestre do sexto
batalhao de Capadores Lot Jernimo Ignacio
K-,.. Jr. xf ei.pcrli,n!ao'I os^abos do OuMro qwndo os rebeldes inveslrao sobre a
n,' "'0r v ,,n,unl,a- ,k'rnard capital das Alagas.o Commissario Pagadordu-
uiu Cabral e Felis de Vallots; ass.m como os vida levar omconla os venomoolos adiantados
da *Z rt,m"deV,,!;eiraa,MTel Be.al qu" Oserto ao dito Capito. sen, ordem ex-
tal!llSlJf^l^^^uAVa,A^ PrMMd toniolanoel da S.lva e Jos Nwolo do as- nao su porque o (inicial ata pobre e tinha a
amento, todos do corpo de Infanlar.a de Guar- seu cargo duas lilhas menores como por quo
da* lNac.oti.es destacado. SuCri.icou a sua existencia combatendo po-
iit li>BMD<> DfA. II, |o restabelecimento d'ordem publica, oircums-
uilic.o-.\o l'.xm. Psestdento, enr.ando-lho lancia que muito devia pesar na deliberaefio
je conlorm.dade com od.sposlo no artigo 5. quo a este respeito convnha tomar-se.
do regulamento de8 de Maio do anno patsado, D,to-.\o tnesmo Eim. Sr., rogando-lhe a
osmappjis dens. 1, 2.3 e 5 pernenles a expedicfio de suas ordens para aue fossem con-
guarn.yao des (a provincia o ao trimestre de- cariadas no Arsenal Je Guerra, 10 espingardas
corrido de Jullio a Selembro do correnle anno, do adarme 17 v 4 espadas perlencentes-a,
menosomappan. 4, por nao baverem escol- forte do Buraco, que se achao em mao es-
las militaras, oprevenindo que iguaes mappas ludo.
remetiera Secretaria d'Estado dos Negocios Dito-Ao Commissario Pagador, enviando-
da (.uerra c que do de n. 5 fisera excluiros I he as guias do Venci montos quo por o segun-
art.gos bellicos existentes nos arma/ens do Ar- do l.atalho d Artilharia a p expedicconario
Banal de Guerra; por isso que sobre represen- as Alagdus forao passadas ao primeiro Cadoto
tacao do respectivo Director, se julgou nao as- Francisco Fumino Cavalcant do Albuquemue
larem taes armazens comprehondidos no n. soldados de (.avallara Jos Domingues d
daquelles de que ht menpo o mesmo mappa. Sampaio a Joaquim Jos Lourenco, -uo re-
O REI.C)
l.s
BOBO E UAPTO.
No meo da nute, quando to profundo si-
lencio roinava na floresta do Monllhry, que
dissersie nao existir alli um s vvente, porque
"t o grillse havia enterrado no chao, no mais
fechado da urna malta de carvalhos e junto ao
ngulo das duas estrudas de Fontuinebleau e
Par/, estavao dous homens be.n armados e
cobertos de ampios capotes cinzentos que Ibes
oocultavo urna parte do rosto. Mas era um
uiovimento, nem um hafejo os denunciava,
das suas armas nao pariia o menor reilexo que
intorromposso a oscuridao do bosque ; porquo
aquolles dous l.oiiens estavao prximos d'um
momento decisvo.e nessa esperance muda e im
novel, a vid como que se suspende e reserva
odasassuas lorcas para esse momonto.
O valhu Ambro/.io, por um estmulo mira-
nlosO bata recobrado por instantes todas as
orc.s musculares da mocilado, porquo elle
|uena nao s proteger como coadjuvar seu fi-
(*) Video Diario n. 25G.
mentos. que pela caixn militar do exercilo do
Rio Grande do Sul Ihe oi (ornecida, a fm de
que S. Ex., houvesse de mandar proceder ao
seu ajuste de contas pela Pagadoria das Tro-
pas.
Portara Mandando desligar com guia pa-
u.toao Jiiin. Commandanle das Armas da gressarao com o Urigadeiro Jos Joaouim Coe-
provincia doPar, commnnicando Ihea parli- lllo.
da do primeiro Cadete Jos Pereira Teixeira DitoAo Director do Arsenal de Guerra
tjue so ia incorporar ao quarto batalhao de communicando Ihe em resposta ao seu officio'
Cae-adores, e remetiendo-Ihe um officio que de 8, que acahava de passar ordem ao Com-
acompanhou o referido Cadete quando veio da mandante do forte do Buraco para transferir
rvi rv algunsobjcclos pertcncenles ao mesmo forte,
DitoAo Director do Arsenal do Guerra do paiol onde existe a plvora vinda da corte
deprecando-llio ( sobro exigencia da commis- na sumaca Peroh, para outro lugar enlre-
sao encarregada de ajusfar as contas do corpo de gando a chave ao Almoxarife do Arsenal para
inlantana de Guardas Nacionaes deslacadojuma tomar cotila dssa, e d'outra qualquer polvo-
relarao dos gneros que pelo mesmo Arsenal se ra da Fazenda Nacional, que all fosso guar-
ttvesso I..mecido ao dito orpo; bem cmodos dada.
que este lisera recolher ao Arsenal em conse- DitoAo Commandante do forte do Buraco
quencia da ordem para a sua dissolucao. dando-lhe as ordens no sentido que fica expost
IDEM l)l} DIA ,2- no officio a cima.
Officio-Ao Exm. Presidente, participando- DitoAo mesmo. ordenando-llie ( eni re-
ine que o Gapilaods qunrta classe do exerci- sultado di inspeceo que passara no mesmo
to Ignacio I-rancisco Pereira Dutra quando forte) que Ihe enviasse um relatorio dos con-
marchou para a provincia das AlagOas com o certos mais precisos a conservacao dos edificios-
segundo batalhao d'Artilharia a p, levara a- copias dos pedidos que houvesse feito ao \lSe'.
diantado (como os de mais Commandantes de nal Je Guerra com mencao de (eren sido ou
i c i a i ........w1W1iiUUS uc hi.ii* v.onimanuanies de na Je buerra com mencao de leiem sdiv mi
Innt 'erftT !", 8 f0,ade!fneJ- ^'P8"l.ias) os sidos o gratificares, addicio- nao satiseitos. vindo u 1 res
mentos. que pela caixa militar do excreto do nal e de rnmmnnrln ,i mMj r......._______.:-i...... e C"' res_
KBMtajl
w 9 WHW.W.V .. ..na,w.^v, a ni. nal e de commando dos muzes do utuhro o. peclivo livro de lancamentos para sercm confe-
Nove.nbro do corrento anno, deixanJo em po- ridas na Secretaria Militar ; e finalmente urna
ler do (uarlel-Meslre os recibos dos suidos, requisico dos gneros constantes da relacao
emquanlo que as gralificacoes seriao incluidas que Ihe enviava para ter conveniente des-
as folhas nos respectivos mezes; porm sueco- tino,
deudo falecer no ataque do dia 21 do mesmo Porlaria-Mandando dar baixa por ncapa*
^^^^'i^^m^^S^mSSBS!f^^^S^W?^^r'-^ ji_ii mu 37-mm
M modnra com Seniora da Lussa um re- ba i, ter ,aslo palacio, numerosa criad.sem
d.Jo namora.lo. urocurava Jeeonlinuo cecaii- aalai do da real babUaco do Fontainebioa, ~ Ur itWSX ''"" ^ *"" "" S,"** "^ """" ^ '" !
magnan.mo Soberano, e pela bondado mesmo i Tamben, lera ludo sso A Senhora ca-
co, que elle se digna de tratar-me, devemos rece igualmente de urna quinla nos anedores
esperar que por occas.ao da nossa uno oslen de Pariz. porque as terr de ambos Z lio
urna escolta de gente da corte,cojo numero Ibes
era desconhecido.
A' noute urna elegante carroagem havia par
cadas de turca I de prata e fitas azues. No fun
do dessa carruagem o cstendidos sobre os coxins
de veludo branco ao a Condsssa Valentina de
Lussan e o Mrquez de Saverny ; adianle v-
nha o Barao Vaubccourt, irmo da Senhora
de Lussan.
O Mrquez pensava na rara fortuna que ha-
via tido mudando-se-lbe pela caprichosa bon-
dado de LuizXIV. a punicao que tanto me-
recer em um dos mais brilhantcs casamentos,
que a sua ambico podera imaginar. A Con-
dessa Valentina considerava :.o mesmo casa-
mento, mas com urna satisfacao muito mais in-
curia, e com algumas serias re/oxes, m ode-
le atnesma pompa, que apresenlou no casa-
mento dos Principes de sangue
a^a.-u ii '1,1 aa\j
mu distantes da corle, para la irmos com fre-
quenc.a. Compraremos, so lor do seu agrado,
pnfi0 .. ,. ., mi. '-un. jkiiciiius. so ior o seu agrad
- Iodeser. mas nesse da. Mrquez, go- esse rsonho sei.horio de Montgiron cuio
zaremosnos mu.lo menos dalla j porque para jardins se estendem as "ge?. d Sen
os conv.dados de urna boda, os prazeres sao o i Madama dNoailles quer vended para i ncu'r
objecto pnnc.pj. 0 a ceremonia sania so mos- ao Re. que os seus feudos dim nuem
ira somonte como um auadro mai. .a. ue lar assim a generosa compaixao real
deve fazero contraste; mas para aquelles a quem
diz respeito a solomnidade do casamento, ella
absorve-lhes de tal sorto o pegamento em sua
Oh meu Dos, do quo se lastima ella ?
Tem anda mais cuidas de principes do que
cabellos protos para as suUenlar,
)

1


r
T
es do servieo, e em virtude de ordem do Go-
verno Imperial, communicada em aviso de 30
de Setembro, ao segundo Sargento Manocl
Pedro Netto, e soldado Antonio Xavier de Al -
meida, ambos da companbia de Cavallaria de
linhs.
DitaNo mesmo sentido mandando dar
baixa ao soldado do segundo batalhao de Arti-
Iharia a p llanoel da Assumptao dos San-
tos.
DitaMandando abrir assentamento do pra-
ca voluntara no 2. batalhao de Artilha-
ria a pe estando prompto seguir para
88 Alagoasna primeira ocrasiao de transporte
conforme o seu olerecimento ao paisano
Manoel Joaquim de Castro Madeira que
tendo j sido reconhecido no mesmo batalhao
primeiro Cadete e como tal servido durante o
seu primeiro engajamento, devia ser 8gora as-
sim consideraao.
Thesouraria da Fazenclu.
EXPEDIENTE DO DIA 1 1 nO CORRENTE.
OflicioAo Inspector da 1 hesouraria da pro
vincia da Paiahvba remetiendo pelo paquete
de vapor=/'aranse, = um caixote lacrado cotn
as Armas Impenaes, conlendo a quantia de vin
te contosde ris em notas novas, resto dos triri-
ta conlos, que requisitou em oflicio de 30 de
Agosto antecedente, para a substituido a cargo
d'aquella thesouraria.
DitoAo Inspector da thesouraria da pro-
vincia do Rio Grande do Norte, remetiendo pe-
la adminislracao do correio desla cidade, 0 pela
mala do dito paquete, como requisituu em of-
ticio de "29 de Outubro prximo findo, em um
caixote lacrado com as \inias Imponaos a
quanlia de dez contos de ris em notos novas,
idem
DitoAo administrador do correio desta ci-
dade, para rcceber do Thesourciro da Fazenda,
e incluir na mala do dilo vapor a quantia (le
que tracta o precedente officio.
DitoAo Inspector da Thesouraria da pro-
vincia do Ceara remetiendo pela dita barca de
vapor Paraen$e,~um cmbrulbo lacrado com
as Armas Imperiars, a quantia de nove contos
tresentos e oitenta mil ris, por conta do sup-
primento no corrente exercicio de I8H=45,
Jas prestacoes dos mc/es dcOutuluo prximo
findo, e do presente
DitoAo mesmo, idem douscaixotes com a
quantia devinto coito contos tresentos e dez
mil ris em notas novas para subslituico o car-
go d'aquella Thesouraria.
Portarias-Mandando creditar ao Thesourci-
ro da Fazenda nos litros caixa da receita ge-
ral e das no as applicadas a subslituico, pela
quanlia de sessenla e seto contos seiscentos o
noventa mil ris, deque tralo os quatro of-
licios precedentes.
Dita--Ao Thesourciro da Fazenda para acei-
tar, pagar no"dia de sen vencimenlo como
determinava a ordem do tribunal do thesouro
publico nacional de 11 de Outubro prximo lin-
do a leltra que acompanhava, dequin/econ
tos de ris que na mesma dala sacou o respec-
tivo thesoureiro a vinte (lias precisos a ordem
de Gaudino Agostinho de Barros.
DitaAo mesmo, idem de 18 do dito mez ,
a leltra que rcompanhava do dous contos e
oitocentos mil ris, a quinze dias precisos, idem
de Thomaz de Aquino Fonseca
Dita-Ao Contador da Thesouraria, remet- I profanas. Entretanto o rendo, apezar do de-
tendo per copia ooficio do Exm. Presidente sc'o de certa autondade de polica uo augmen-
da Presidente de 8 do corrente em que par- -tar-iht a molestia, no segundo da andava pas-
, | 1 ^___-*- .._ ..IJ.Ja ,1o r*Ali/iia urna
licipou a nomeaco do Bacharel Antonio Joa-
quim Avres do Nascimento para o lugar de
Joiz Municipal, e de orpbos do termo de Ga-
ranhuns.
FLEICA PAR\ DEPCTADOSGERAKS.
A-puraco final.
Os Srs.:
liaro da Boa -vista
Dr. Antonio Aflonso Ferreira
l)r. Pedro Francisco de Paula Cavalcanti
Cons. Sebastiao do Reg Barros
D Antonio Peregrino Maciel Monteiro
Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello
Dr Joaquim Nunes Machado
Dr. Alvaro BarbaU'O L'cliGa Cavalcanti
Dr. Jos Thomaz Nabuco de A. Jnior
Antonio Joaquim de Mello
Manoel Ignacio de Carvaiho Mendonca
Dr. Joo Jos Ferreira de Aguiar
Dr Manoel Mendcsda Cunha A?evedo
Votos.
823
795
774
742
728
715
700
658
636
624
606
577
577
Cons. Manoel Ignacio Cavalcanti Lacerda
Visconde de Goianna
CORREIO DO RECIFE.
569
561
Wr:*f'
Se a quinta deMontgiren llie convem,
te-la-hemos por duzentos mil cruzados.
Nao ; quizera antes algum velho castello,
cujo aspecto me recordasse a minha provincia de
Prigord, onde ainda se fazem construccocs
como as dos ltimos feculos; desejr va urna resi-
dencia cuja lundaco fesse urna legenda,e onde
ainda existisse alguma tradicao horrivel. por-
que gosto de arrostar o perigo ; ncm mesmo
recoiaria habitar o mais mal assombrado pala-
cio, como o desse pobre Duque de Rsban,
que o vendeo por no-nada por causa de sua re-
putaco de ser frequentado pelos maos espi-
ritos.
Se assim he, creio que lenbo o que pro-
cura. O Mrquez do Puysgeur esse galante
octogenario, quo sobre a sua pessoa do seculo
passado carrega sempre as modas do dia me
tem dito umitas vezes quo quer desfazer-so do
seu castello deGivry quo data do 14.* seculo,
porque Iheacha os ornatos muilo antigos. .. .
As esculpturas muilo antigs, bom Dos!
Entao he o seu retrato o ornato das paredes.
Provavelmente : julgo perianto que isso
poder satisfazel-a a respeito de antiguidado.
Faremos a acquisicao, seo castello I he agradar
e habita-lo-hemos alguns mezes de verao. A
senhera ter a esperanza de alli ver urna visita
dos demonios, e eu estarei sempre certo d'ahi
achar um anjo.
A nouto avancava e a carruagem, eslava no
meio do bosque. A' primeira bulla das rodas no
fundo da estrada, dissereis que este Iraco movi -
CORRESPONDENCIA DA CIDADE E PROVINCIA.
He preciso ser bom falto de senso ou como
di* o Promotor intruso nao estar no seu per -
jeito estado de senso commum, ou ser muito in-
justo para negar as vantagens que nos tronce
o svstema deconciliacao e roparaco Paula e
Sou7a Vejao os incrdulos s no artigo mo-
ralidade e polica o espantoso progresso que
tem feito esta provincia e dir-me-hao se ainda
tem bocea para lallarem. Para Ihes facilitar a
ohservacao alm dos fados criminosos de que
tenho !- fio noticia em outras occasioes aqui
Ihes reerirei mais alguns de que tenho sido in
formado.
L'm amigo do c rlo me diz que no termo
de Gnranhuns alm dos assassinios do septua-
genario \ gario da Palmeira edescu sohrinho
ex-Tenente Coronel Bastos, em Taquari, hou-
ve em dous me/es vinto e tantos homicidios: na
povoacao de S. Bento em razao da morto de um
cao (orSo assassinados quatro bomens cujas
viuvas e prenles pagrSo do mais as cusas do
processo que se seguio em que ficou a culpa
as costas dos morios !
No dia 21 do correute no lugar dos Meles,
le iiio de Olinda, derao dous tiros em Antonio
Jos do Espirito Santo Barata, que felizmen-
te ao que me dizem nao foi ferido em par-
te mortal.
Se bem me record, o seu Diario fallou no
Icrimenlo feito por um soldado de polica em
sua defesa em um sugeito, que era nao sei que
da gente de polica praieira. Isto foi, creio
eu, no dia 18 do passtdo : pois o soldado ain-
da nao foi pronunciado, nao obstante, esta-
rem as testemunhas inquiridas ha muitos dias,
e ler-se feito esta diligencia com todas as do-
longas : o fim desta immoralidade he fazer ra-
lar o soldado na prisao, por haver commeltido
um acto de insubordinarlo contra um siccarioda
praia, e de mais a mais ousado pr-lbc maos
seando. Cometa um soldado da polica urna
falta de disciplina, seja insubordinado, rela-
xado, e ter toda a proteceo dos coripbeos da
praia, como seu correligionario que fica
sendo.
No dia 13 do corrente a noute um soldado
de polica em diligencia na barreira da Magda-
lena apresentou ao olcial d'eslado urna frica
na que nao sabia dizer urna pslavra portuguo-
za, eque elle prendera a ordem do Chele de
Polica ; pela manhaa quando ainda a parte
diaria se nao havia expedido, o Delegado re-
quisitou urna escrava de nome Roza, e respon-
dendo-se-lhe que alli nao estava, porque se
nao poda entender que fosse a Africana, cujo
senhor. se o Cnha, nao sabia annunciar,
exigi o Delegado que fosse a Africana a sua
presenca, o que foi cumprido, e do l...foi-
se. Querer o Joaquim Bernardo perder o
conceito dos seus amigos da praia, os quaes
tem aversao profunda a estas negociacoes de
cscravos, em quo ellos n3o banjo ? Tenhao
nosso (dalgo cuidado, que os rapazes da praia
sao de urna austeridade .'...
Dizem que o Nunes Machado, em desforgo
da forquilha que levou na eleicao dos Veroado-
res, acaba do absolver, d'entrc os taverneros
da Boa-vista, que ltigao com a Cmara sobre
a afericSo, todos os que baviao sido ja condem-
nados na 1.* instancia o para elle recorrido.
Parece, que este foi um dos motivos, pelos
quaesV) homem reassumio a vara, e adiou a sua
viagcm ; pois que havia sobrestado nesles jul-
gamentos depois das eloicocs, e passado lti-
mamente os autos ao seu subtituto. Dizem
mais, que os absolvidos andao muito ulanos e
ousados, jactando-se do que ainda tem dous
ou tres contos de res para obterem, que da
corte venha ordem annullando a eleicao da
mesma Cmara, eque' o Nunes he o repre-
sentante dos jactanciosos. Grande sympathia
tem a praia com essa gente! !...
O boato que corre de que se vai proceder a
um rigorozo recrutamento tem posto tudo na
carreira. Os mesmos doutores de borla e capel -
lo que se achao desarranjados, dizem, esto
com o coraco as maos sem saber como esca-
par do fugte,v ocaso he queteem razao,por que
o Mafoma da praia foi da opiniao de Pedro
Chaves quando na Cmara sustentouque nSo
fia lei que itentatte aot Bochareis do recru-
tamento !! Eu porm sempre amigo da rapa-
ziada aconselho aos timoratos, se vao melter
de Frades no Carmo pois passa, nao passa o
anno do noviciado, be desuppor desappareca o
pega-pega, e entao Ihes be livre dizer a quem
osadmittir, oquedisse o constituinte do on-
tremez de Manoel Mendos. babao.
datos da ordem, e essa curiosidado dos praiei-
ros nao era va sonso com o fim, de sobrepuja-
rem a esses votes os votos das fregue/ias da
praca : a curiosidade que os dovorava cuda-
vao elles que nos a linhamos, e desconfiados
de nos e nos delles cada qual temia a publi-
cidade como derrota: as couzas nao podiao ficar
alii a anciedade publica creca espera do re-
sultado e o partido da ordem resolveo quebrar
por si: as mc?as de S. Lourenco e do Poco
remetterao os livros das actas, que chegarab
antes que fosse prezente o livrode S. Jos : es-
ses livros desde que ha eleices, sempre vie-
ro abertos o acompanhados de oflicio ; nao
ba lei nao ha estilo que prescrevao a obr-
gacao deserem elles encapados, e sobrescriptos
pelas mezas ; como viessem abertos, e sendo
assim entregues, o Vereador Luiz Francisco ,
vendo que ainda nao eslava recolbido o livro de
S. Jos providente ello mesmo encapou os
livros, e Ibes poz sobrescripto ou rotlo : por
descuido, porm escreveo em 8mbos o mesmo
sobrescripto que dizia=S. Loureneo:=: ora esse
descuido do Sr. Vereador Luiz Francisco he a
prova provatla, na fraze dos doutores praieiros,
de que as actas dessas duas freguezas Ionio fal-
sificadas rra que esta conclusao he do ar-
romha que tem o sobrescripto com a acta!! O
livro vinha encapado, e sobrescripto pela meza?
por cu pela cidade romperao o sobrescripto? e
para que ? para substituir a acta e lalsifical-
a : entao o livro est viciado tem 'olhas ar-
rancadas ou substituidas i1 nao, o livro est
perfoito ; as fui has dello numeradas e rubrica-
das ; as assignaturas sao dos mesarios pessoas
conhocidas: o que he quo foi pois em quo
consisti a falsificacSo ? As mesas das duas Ire-
guozias assignaro em l.ranco para que as actas
fossem cheias en na ciclad^ ? nao, as actas estao
escripias por lettia dos respectivos secretarios:
o que he mais ? As mc/as dessas freguezas es-
creverao as actas so depois de conhecida a vota-
cao dos candidatos praieiros? Vede que a alir-
mativa he urna calumnia lanzada sobre dous
ecclesiaslicos respeitaveis, sobro mais olo cida-
dao que por sua probidade por sua condi-
cao social eslosobrancoiros a vossa maledicen-
cia e todos ellos s8o cmplices da infamia que
attribuis essas mesas paroebiacs: mas quando
foi conhecida a volacao dos candidatos praieiros?
Se a ultima acta remoltida cmara foi a de
urna fregue/.ia dominada pola praia foi a da
Ireguezia de S. Jos ? Km qualquer dessas liy-
pothezes o que importa o sobrescripto ou rotlo
do Sr. Luiz Francisco ?
Causa estranbeza o numero de votos que de-
rao as freguezas de S. Lourenco e Poco mu
o que he que estranbais ? Se a Boa-vista dea
2000 votos, se S. Jos deo 1100 por que ad-
miris que S. Lourenco desse 1800, e o Poco
1500? Comparai........
Comm; micado.
Attribuis a victoria do partido da ordem so-
mente votacao dessas duas freguezas que-
ris inculcar que os votos dessas duas faegucii-
as sobrepujarao nos votos das outras freguezias
, do municipio que sao 7 alem das duas sto he
Nao podemos ver sem indignago o arrojo j nexactidao tonto mentira: o mappa que
ment havia produzio um effeito magntico ou
interior da malta dos carvalhos porque a fo-
lliagem por toda a parle immovel havia estre-
mecido nesto lugar. Como a carruagem se a-
proiimasse urna voz bem baixa pronunciou den-
tro da matla :
Avancemos.
Nat disse oulra voz as forjas sao de-
siguaes c s devemos m strar-nos na occasio
ds> atacar.
No momento do voltar da estrada de For.tai-
nebleau para a de Pariz, a carruagem parou de
reMcnte. O cocheiro disse Condessa :
Senhora, ostou certo que ba lobos nesta
estrada : o gaido do Fanfreluche nol-o-adver-
te ello nao quer quo se passo adianto.
Na verdade disse o Mrquez o bos-
que he bem lechado deste lado e podo ser
que hajiio nelh nao s lobos como mallei-
tores.
Quem falla em maleitores ? disse saecu-
dindo a enorme cabellen o Baro deVaube-
court, a quem esta palavra havia despertado.
Ser melhor, continuou Savernv re-
troceder e lomar a grande lameda do meio.
NSo, nao. disso Mma. de Lussan nao
estou para passear toda a nouto neste bosque.
Tenho tente coia, e lio preciso que chegue a
lempo de reparar o mou ponteado.
Senhora, por seu respeito he que cu lal-
lava. respondeo o Mrquez, quera poupar-lhe
um momenlo de terror.
Por corto, minha irma, disse o futuro
com quo os praieiros assoalhSo que a victoria
conseguida pelo partido da ordem na eleicao
municipal foi devida aos meios de que elles u-
tao, e tem por facis: ningucm ba ah que igno-
re que porfa houve em saber-se qual numero
de votos davao as freguezias de lora aoscandi-
conselhciro nao vejo razao de vos obslinardes
; seguir este caminho onde nos pode aconte
cor alguma desgraca.
Seria urna boa fortuna para vos. meu ca-
ro magistrado respondeo ella Vos s vedes
os salteadores no tribunal, e quando elles estao
mliricados o como morios sobre o banco dos
aecusados aqui vel-cs-beis bem vivos e sobre
o seu terreno. Na verdade seria urna bella oc-
casio de exercerdes o vosso ministerio; vosos
julgareis ao som dos mosquetes, condemnal-os-
heis, Sr, c ncelheiro a se retira rom saudan-
do-vos. .. Cocheiro, toca para diante.
A carruagem parti: estava em frente da em
boscada.
Volf salta ao frein dos cavados, que se levan-
tao ; de outro salto agarra o cocheiro e o deita
do assonto Bbaixo. O cavallo do criado monta-
do parte com o freio nos dentes espantado pela
presenca do lobo. A o mesmo lempo Ricardo
toma a dianteira ao Mrquez de Savernv que
tinha saltado da sege, e Ambrosio, armado de
duas pistolas e um faco nos dentes contem em
respeito o magistrado que se ha a iancado ao
chao pelo outro lado. A Condessa paluda do
; terror, mas oppondo ainda ao perigo a sua co-
i ragem conserva-so no undo dacarroagem. A
queda do cocheiro lo violenta havia sido que
1 o poz fra de combate e incapaz do soccorrer a
seus amos. A noute estava serena, a la mui-
to clara ; o p.ofundo silencio do bosque ape-
nas havia sido interrompido no lugar da scona ;
porque depois dos primeros gritos de susto lan-
segue prova, que todas as freguezas e mesmo
essas em que dominastes concorrerao mais
ou menos para a victoria do partido da ordem,
quo dominuu completamente nao s em S. Lou-
renco e Pogo seno tambem no Afogados, Ja-
boa la o.
cados pelos viajores, a perturbaco, o espanto,
a ignorancia em que anda se achao da extensa
do perigo osconservo estupefactos.
Saverny quiz puchar a espada, mas o alordfr
amento e p modo Ihe tirarao a rca.
Ah meu senhor, Ihe diz Ricardo carre-
jando com a mao esquerda sobro o hombro d>
Mrquez e co n a direita pondo-Ihe urna pito*
aos paitos est bem admirado de quo baja u
canto da Ierra onde nao domine ; tanto des-
prezou os bicho do matto que elles procura
rao reivindicar a estima de sua senhora da'
do-lhe urna amostra do quo sabem fazer.
Saverny, um dos cavalleiros mais valentesi
Franca, moslra-se todava sem frca contra ^
ataque lo brutal o selvagem que ello supf*
dirigido contra a sua vida. Nao o abandona p'
nm de todo a sua coragom ; decide-se em
dessas reflexes mais rpidas do que o rsio '
ferircom a espada o ladro no braco que ^
a pistola ; se elle acertar o golpe o seu nimi-
go esta desarmado; se o falbar, a arma do f?
dispara-sc e elle morro Tenia este esfuf
extremo ; alravess<* com offoto o braco a R'car'
do a espada quebra-so ea ponta fica-H>e
crpo ; mas Ricardo larga a pistola da inoJ1'
reita, pega-a com a outra e ia desparal-a"
cabera do seu adversario. No mesmo insta*
sola a Condessa um grito agudo vendles"
tar-so a arma; e esse grito, ess-e gemido que
das entranhas de urna mullier, e vai echoar o*
de Ricardo, o faz estremecer, da-lbc um i
a mao o o tiro que parta nesse instante
1


i
I
5
V5
j* oJuoino'] *g
aO
O
O
o
3d
OBJBOqBf
~- iua8BiA-eoa
SO
<-------
es
o
o5
H
c-2
o
V
I-
sopoSojy
Bisi.\-roq
"OSOf 0?
,'iayo}uss
5*1 ;0r.H,-(SO^HSOSOS03Of0
00
(So
O
;ooo-cC5so-i>>*eo
lM00(M>*5O(MO3lr-00a3OS
c-. xoocacoor-r- t-
r- cc> i c> *< ""*"" t"* o
logo inferido alguom que ou toma va parto na
Ma redacco.como ha das o pretemleo insinuar
urna fofha dosta cidade, sirvfio-se Vincos, de-
clarar, sob sua palavra, se com cfleito cu con
tribuo ou tenho contribuido directa ou indi-
rectamente para similhanto pulilcacflo Favor
com que muito deixarao pcnhorado o seu at-
iento leitore sertro
./i Soares de A zevedo.
S. C. 21 deNovembrodelSH.
Respoita.
A pessoa que est encarregada do artigo que
neslo Diario se publica sob o tituloGorrcio
do liecife -nao lio o Sr. Jos Soares de Aze-
vedo, u que alirmamos como nos cutnpre.
0$ lili.
oj3a
?i o o o o o o
e^o*(?sn
CO CC CI !N OJ 5^ e- n
-r.
5 cS^.2
d -S

9
B
D
-3
= O a
o Ir 2 -: o Jr a c m
Alfandeg.
Rendimentododia 22...........3:273*351
Desearraja hoje 23.
BarcaGuilford farinha.
iiU!l___imP=SSShlll -i i '' ......... "" '! '-'
cido al o em que pela Assembla Legislativa! 2= Quemquizordar SO ris a juros.pagan-
Provincial fui derrogado : porlanlo os mesmos, do-se quatro por cento, nao sobre penhores,
Srs. devedores venhao realizar seus dbitos, com porm sim por ianca de urna pessoa muito
a possivel brevidade. Mesa de Rendas Internas capaz pelo lempo de quatro mezes ou com
Provinciaes, 22 de Nuvembro do 18i4.-- O !. embargo a um ordenado de 16. ris mensaes
Escriplurario servindo de Fscrivao e Adminia-i al que se pague da dita quanlia pedida o do
trador, Jos ('vedes Salgueiro.
(18
SaKS&MSaaEMKSaBHMMKi
Avisos martimos.

io iw-aOiBOooo
oo o.)uajno7 s -,, 33 g ^ i, ^ r>
SO
O
O
C5
o5oj
OBjeoqef
co n
*+ UI32B|A-B0fl
ao
so
a
o |
o-
csf2
23
o
sopBSojy
8]SIA-B0g
asof ob|
riuyoiuBg
ajpafl
09"13000CO'-<0~ tOsOsO~5|--sO00-
Mj i-, h o n o ia -rm H < rt W l" T }1
>00*l'sOiOCa'1"aO
O^- cc^or-^cJ^so^
-okco^r'*oi -+

S2ovmento do Porto.
Navio entrado no dia 22.
Ass ; 9 dias hiato nacional Nova Olinda ,
de 8(3 toneladas mostr Jos Rodrigues P-
nheiro equipagein 8 carga sal e algodo;
a Manoel Joaquim Pedro da Costa : passa-
geiros Candido Jos da Silva Filipe Jos
da Silva e 1 escravo a entregar.
Navio tahido no mesmo dia.
Cork ; a galera ingl za Orivell capitn John
Colbburn, com a mesma carga que trouce de
Ichaboe.
E ti raes.
a
O C
= c
SE
HJn-*o 3 Q a
j
c E a as C s ~ - o 0 E 0 B te B 0> CS U o
9 r. C : a ra = ^ -
Correspondencia.
Srs. Redactores do Diario de Pernambuc:
Tendo se por vezes oceupado o seu Corteio
com o Lyco de Pernambuco, e havendo d'abi
3= De ordern do Illin. Sr. Inspector da
Tliesouraria da Fazendj d'esta provincia se faz
publico, que se vai preencher a vaga de um
terceiro Escripturarioda Contadoria, e que no
dia 9 de Dezembro prximo vindouro se ha de
proceder, na forma da lei, ao concurso dos
queso proposerem a entrar neste lugar.
Os pretendenlos devorad apresentar os scus
requerimentos documentados com folba corri-
da, ccrlido de idade e estado e os mais docu-
mentos, que julgarem precisos a bem de sua
pretenio Secretaria da Fazenda de Per-
nambuco 20 de NovemLro de 1844.
Joaquim Francisco Bastos.
fficial Maior. (15
velmenle at o dia 2a do corrente o brigue Fe-
liz : quem quizer carregar on ir do passagem
p.nra o que tem excellenles enmmodos, trate
com Firmino Jos Feli (la Roza na ra da
Moedi! n. 7. ,ou com o Cnpilo Manoel Jos Ri-
heiro ('
1=P.ira o As'- sai mprolerivelmenle no dia
15 de Hezembro, o hiato Nova Olinda, e tam-
bem recober carga para o Aracaty, no caso que
convenha e va Iba n pena ; (rata-se com o pro-
pietario. Manoel Joaquim Pedro da Costa na
ra da Cruz n.Sl. (6
Leiles.
3O Corretor Oliveira far leilao de grande
porfo de mobilia *c a maior parte nova ,
consistindo em cadeiras, solas, marquezas, me-
sa redonda para meio do sala bancas para jo-
go mesas dojantar, commodas. camas, tou-
cadores guarda-roupa estante para livros ,
quadros, um esplendido relogio de bronze com
igura para cima de mesa obras de ouro e pra-
ta loucas finas e entrefinas crislacs uten-
ciliosdecozinlia. e muitos oulros objectos uleis:
segunda eira, 2o do corrente, s 10 horas da
manhaa na ra do Collegio n. 18, segundo
andar. (13
& visos diversos.
Declaracoes.
ia certo a rabera arranbou gmente a testa de
Saverny. Levemente lerido, mas atordoado pe-
lo golpe o com o rosto banhado em sangue, ca
por Ierra e Ricardo o subjuga pondo-lhe um
jolho sobre o peito.
Do outro lado da sege eis o que se passa no
mesmo momento. Ambrosio que lia va agar-
rado o Magistrado pelo col.'arinho, disse-lhe
com voz imperiosa.
Renda-se, e entreguo a bolsa, relogio ,
joias, &c. que podera retirar-se livremente.
Vaubecourt nao obedeueo promptamente"
esta ordern e indignado de sentir a mo do la-
drSo sobre si, quiz lutar com o seu terrivel ini-
migo ; mas ao primeiro arrocho do robusto ve-
Ibo deo um grito agudo e comecou a atirar
aos ps do salteador o que este havia exigido.
Dejolhosl gritou Ambrozio, e ao mes-
mo temposegurando-lbe os punhos com vio-
lencia e torcendo os o loz prostrar-so-lhe
aos ps.
D dojolhos o seu ouro, Sr. Juiz, ajun-
tou elle, porque o roubou em indignas concus-
soes ; arrancou-o aos desgracados que io pe
dir-lhe justica, o erao obrigados a comprar-Ib'a.
O Magistrado com a mo que o seu vencedor
Ihe deixra livre deita por trra quanta pro-
ciosidade traz sobre si. O ladro de profissao
olha attentamente para o que se Ihe entrega ,
em quanto o baro tira dos dedos os ltimos
anneis.
He s isto ? perguntou Ambrozio.
Vaubecourt,trmulo deraiva.quiz aproveitar-
1 =0 abaixo assignado faz publico, para que
ebegue a noticia de todos os devedores de deci-
ma de predios urbanos desta Jdade e da po-
voacao dos Afogados que em conforrnidade do
1.', artigo 21, titulo 6." do regulamento de
16 de Abril de 1842 mandado observar pela
lei provincial n. 130 de Maio deste armo os
devedores da decima urbana que nao pagarem
no termo marcado por lei sero multados em
3 p.c. sobre o valor do debito; e assim tamhem
os juros d 1 p c. da data em que foi estabele-
competente juro que so oflerece. (7
2=Jos Jacomo Tasso relira-se para a Eu-
ropa, a liin de tratar do sua saude. (2
1O Sr. 1. R. P. morador na Boa-vista quer-
r comparecer no praso de 8 dias, para pagar a
2= Para-o Rio de Janeiro partir impreleri" quantia, que nao ignora ou vir ajustar suas
contas do contrario lera odisgosto de ver seu
nomo publicado por eslonso ; na ra Nova ven-
da n. 05. G
3 A oflicina d'encadernacao que o Padre
F. C. de l.cmos e Silva dirige na ra Bella n.
45, acba-so provida de ricos lorros de dourar,
magnificas placas de relevo, e excedentes cou-
ros, e marroiiuins de todas as cores, com o que
pode executar 8S mais elefantes encadcrnac,oes
que se exigircm quer inlciras quer cajona-
das; e o novo processo que emprega no appli-
car, e bruir o ouro loma o seu dourado de
urna permanencia infailivel; a mesma ollicina se
encarrega tambem de brochar quaesquor obras
impressas, com a perfeico ja conhecida do pu-
blico e a um preco moderado. (13
1=i Urna pessoa moca de boa conducta dese-
ja-se arranjar como criada n urna casa de pou-
ca familia ou tomar conta da casa de um ho-
mem solteiro ; quem precisar procure em
Fra de Portas defronte da casa de Mr. Por-
ter. (6
= A criada Portugueza que se ollereceo no
Diario de 20 do corrente dirija-se a Tra-
vesa do Ouvidor sobrado por cima do bote-
quim, 1.' andar.
= Roga-se a quem annunciou que R. P.
Ihe v pagar ou ajustar suas contas na venda da
ra Nova n. 63, declare-se se entende com Joa-
quim Ribeiro Pontos, ou Jos Ribeiro Ponles.
4 Jip fino Vinagrinho.
Jernimo da Costa Guimaraes e Silva, deso-
jando elevar o rap de sua fabrica ao ultimo
grao de perfei^ao mandou Furopa contrac-
lar com um perito fabricante a factura do rap
de sua fabrica, o qual, logo depois de sua che-
gada esta cidade, apresentou o excedente rap
vinagrinho.
Ksto rap nao he prelo he verdadeiramente
cor de rap: tal he a sua preparacao, que urna
oilava deste rap espalbada sobre um papel con-
serva por muitos dias a pouca humidade com que
he fabricado;accommodado a todas as differentes
nalurezas, elle faz o seu effeito sem que esti-
mule aos tomantes esem que estes soffro a
repugnancia que costumo a sentir quando
variao para differentes qualidades de rap ; as
boettas, e os dedos nao se sujao com esle rap :
o seu bom aroma, e todas as mais qualidades o
lornao recommendavel aos apreciadores de urna
boa pitada: o papel de embrulho he azul, e os
rtulos brancos. O proprielario.tendo em vis-
ta mais o crdito d'este rap, que os seus inte-
resses.tem resolvido mandar vcndel-o as libras a
1400 ris, ea preco mais commodo de 5 libras
para cima : no deposito da ra da Cadeia do
Recife n. 50. (26
FABRICA Dt FSFOROS.
Na ra Imperial do Atterro dos Afogados n.
165 existe urna fabrica de fsforos, a qual os
faz da melhor qualidade, e vende a preco com-
modo. (5
2 Precisa-se do alugar urna ama para lodo
oservico de urna casa de pouca familia, que
soja forra : na Praca dj Independencia toja
n. 21. (4
2= Precisa-s de um caixeiro para tomar
conta do balco de urna padaria,quc soja capaz
e d fiador a sua conducta ; dirija-se a fallar
com Joaquim Lopes d'Almeida caixeiro do Sr.
.lefio Madieos. (a
3=0 abaixo assignado morador as Cinco-
pontas n. 4, declara que tem en, seu poder unas
cadeias do relogio e um alnete de peito, lu-
do com 6 oitavas e 34 graos de ouro, perlen-
cente aodofuntoCapito Francisco de Assis Mon-
des Guimaraes empenhado pela quantia de
338300 ris; disto tinha o mesmo fallecido
em seu poder urna clareza da qual consta ,
que desde o dia 10 do corrente se acha o abai-
xo assignado autorisado pelo mesmo fallecido
para vender os ditos objectos para seu paga-
mento, porm como acontecco fallecer laz o a-
baixo assignado o presente annuncio, para que
se alguma pessoa se julger com direito aos ditos
objectos, e os queira resgatar, o faca da data
deste a 8 dias passados, os quaes serao vendidos
para pagamento do abaixo assignado visto
que o valor dos mesmos nao ciega para o
seu pagamento.Manoel Joaquim Pinto Ma-
chado Guimares. (20
so da posicao humilhanle em que se achava: at
terrado em presenca do salteador cujo talhe
colossal o domina finge tirar a espada cujo
punho bo cravado de pedras, para entregar-lh'a
como o mais ; porm tira-a da bainha e fere
o seu inimigo ; dizendo :
Ainda tenho islo para ti.
Com urna mao to rpida como (orle o velho
desvia a espada no momento em que ella Ihe lo-
cava na pello e com a outra pdem a pona do
faco ao peito do fidalgo ; e diz-lhe :
Conselheiro Vaubecoujt, se queres con-
tinuar a julgar e condemnar os bomens no teu
tribunal em wz de seres neste mesmo instante
julgado condomnado e eiecutado, entrga-
me essa espada pe-na a meus ps como a
teu vencedor que te fez pedir misericordia.
. O bario depoz a espada.
Os dous camponezes estavio vencedores. As
grandes arvores que rodeiavic*aquella profunda
clareira occultavo de toda a parte o horizon-
te. Se viris tmenle este ponto da trra es-
sos dous hornens de capa ,. rom um lobo ao lado
e com esses fidalgos prostrados a seus ps urna
sege de corte em redor do grupo o ouro e
diamantes espalhados sobre a poeira dissereis
que o reinado de urna justica selvagem e cruel
havia apparecido no mundo.
Entretanto a condessa apt zar do seu terror,
examinara quanto se passara; borroriza-se
com a ideia de que os ladros podoro por-lho
asmaos: apressa-se a dospojar-se dos seus or-| bracos as mais crueis agonas. Ambrozio a
natos: o tremor das mios nao Iho permitte fa- j encara com urna expresso mplacavol, terrivel,
Hffl
zel-o tao de pressa como quizera ; lanca pa-
ra lonjje de si collares pulseiras, diadema;
estas joias caben aqui e all e scinlillao pelo
chao. Ambrozio odia para ellas com prazer, e
se dispe a apanbal-as.
Vaubecourt fazum movimento para levan-
tar se e 8proveitar-se da preoecupaco do sal-
teador para feril -o ; mas esto prev a intenciio ,
com mao de ferro estende o fidalgo ao com-
prido; e fazendo cerlo signal a Volf, o animal,
pondo urna pata sobre o peito do homem deila-
do ecom a outra erguida o recurvada com
os odios lixos c chammejantes, na atlitude de
um cao que vigia a sua presa conserva o fidal-
go immovel.
Emquanto a condessa se conserva rescostada e
quasi dosmaiada sobre os cochinsda carruagem,
Ricardo tem o marques pregado em trra com o
peso do joelho, e Volf responde pelo conselhei-
ro Ambrozio ajunta urna por urna todas as ri-
quezas que acaba do conquistar meltc-as cui-
dadosamente em um sacco de couro sem Iho
escapar o mais pequeo brilhante. Depois ,
para que nada Ihe esquecesso sobo carroa-
gern arranca ao cadello que se havia escond- sivel cuidar em perseguir os roubadores ; eo
do todo trmulo entre as almoadas, a rica | que os desgracados viajantes julgarao melhor foi
colleira de rubins e juntando esta as outras montaren) na sege, eseguirem a estrada de Pa-
joias prendo o sac;o a cintura. ; riz, durante a qual forao sempro lastimando a si
A senbora de Lussan atemorizada no ultimo; e condessa, ameacando e juran lo vingar-se de
ponto pela aproximado do salteador agita os quem COfB tanta dureza os havia tralado.
(Continuar-te-ka.)
e onde todavia se divisao algons raios de admi-
rarlo e alegra
Nos nada mais temos exclamou a con-
dessa estendendo-lhe supplicantes ss maos: ju-
ro-lhe jjue mais nada Pelo amor de Dos dei-
xc-nos partir.
Falta-nos o mais precioso diz Ambro-
zio.
E ao mesmo tempo tomu-a em seus braQos,
e carrega-a apezar dos grilos que ella solta, e
que em breve se callao pelo efeito do um lenco,
que Ihe metteo na bocea.
Quando | elle eslava longe, Ricardo e Voif,
deixando por Ierra os seus vencidos, seguem-
Ihe os passos, e desapparecem todos trez no in-
terior do bosque.
S restao na estrada os dous fidalgos e o co-
cheiro todos trez aturdidos e fatigados da vio-
lencia do choque que baviao recebido.
O marque/, est ferido levemente, mas ainda
assim incapaz do obrar. O conselheiro custa-lhe
a ter-se sobre as posadas pernas por mais pra-
gas quo rogue. O cocheiro s linba algumas
unhadasde Volf mas a queda que levara,
nao Ihe permettia andar. Era portanto impos-


T
|UK(i>ll*Ult'>
3 Precisa-se alugar urna casa torrea, ou
sobrado para uma pequeo (amilia cujo alu-
gael nao exceda do 10 a 13.00G rs. do-se 3
mezes adiantados, sondo as tegofntes ras :
Hortas, Trincheiras, Agoas-vcrdes. Larangei-
ras estrella do Rosario e pateo do Carmo ;
quem tivcr annuncie. (7
2 Aluga-se o sitio n. 39. da ra de S. Mi-
Na padaria do arsl das Cinco-poetas,
precisa-sede quem venda pao de,vcndagem o
paga-se bem a vendagem.
- A pessoa que annunciou precisar de
um sitio ainda que pequeo roa* que con-
bnha muito boa casa para grande familia po-
rtera rjirigir-ie a ra Nova de S. Amaro casa
nova do dous andaras e soto u. 6 que ahi
guel nos Afogados ; quemo pretender .dirija- echar com quem tratar sobre o arrendamento
se a ra da Concei?ao da Boa-vista n. 5S. (3
20 abaixo assignado, secretario da irman-
dadedoN. S. da Conceicao dos Militares, em
observancia do titulo quinto ai ligo 1S docom-
promisso convida a todos os irmaos militares
e paisanos, para se reunirem em mesa eral,
no consistorio da mesma irmandade Domin-
go, 24 d corrento pelas 8 horas da manha,
a tiro de se proceder a eleicao de novo presi-
dente que tem de reger a mencionada irman-
dade no futuro auno de 1845.
Antonio Joquim Rodriguet. (10
2 Aloga-se urna casa terrea na ra da Con-
cordia n. 3; quem u pretender, dirija-se a
ra Augusta n. 2?. (3
20 abaixo assignado, offlcial que foi do Sr.
Antonio Francisco Lima Guimaraes acha-se
estabelecido com loja de barbeiro na ra es-
trellado Rosario n. 25, e est prompto a ser-
vir aos seus freguezes, nao so na luja, co-
mo em suas casas. Manuel Pereira Lopes Ri-
beiro. (7
2A. Piloux, rclojoeiro e machinista fran-
cez chegado ltimamente a esta cidade mora-
dor no Atierro da Boa-vista n. 3 so propo a
concertar relogios de sala de parede. de torre
e toda a qualidade demachinismos, como sejao
candieiros caixas de msica e mesmo se
prope a concertar e dar corda a relogios, men-
sal ou annunalmente por preco commodo. (8
3= Aluga-se urna casa terrea sita na
ra dos Acouguinhos n. 8. por 10 mil ris
meBsaes, com duas salas, dous quartos, co/.i-
nba lora born quintal com alguns arvoredos
de ructo cacimba e portao ; a qual sealuga
com a condico do inquilino lazer o concert
quo a mesma precisa, pois se d alguns me/es
para descont : quem pretender dirija-se a ra
ircita n. 87. 9
13= A medicina popular americana, o as
[ululas vegetaes que,ha muitos annos, esto em
uso em todos os paizes tropicaes, tem se prova-
do como urna medicina inestimavel, sendo pro-
partida de proposito para clima quenlo, o com-
posta de ingredientes que nem requerem dieta
nem resguardo e pode ser administrada a en-
anca mais tenra.
Cada caixinha leva o scu receituano, custa
i 000 ris a medicina pupuiaro americana de
30 piluias, e 300 rcisaspilulas vegetaes do Df
Urandretb de2o piluias.
Avisa-se ao publico que a medicina popular
ainda nao appareceo alsilicada e para maioi
seguranza das verdadeiras piluias vegetaes,
vende-se de boje em diante cada caixinha em-
brulhada no seu receituario fechado com a firma
dos nicos agentes para o Brasil no Rio Janeiro.
Vende-se nesta praca em casa do nico agen-
te Joao Keller ra da Cruz n. 18, e para maioa
commodidade dos compradores na ra da Ca-
fan em casa da Y uva Cardoso Ayres, ra No-
va Guerra Silva eCompanhia, Atierro da Boa-
vista, Salles e Chaves. (24
D-se dinheiro a uros com penhores de
ouro ou prata mesmo em pequeas quan-
tias ; na ra da Praia n. 22.
A pessoa que annunciou precisar do oOO^f
rs. a juros dirija-se a ra da Praia n. 22.
Quon annuuciou precisar de 350/ a 400
rs. a juros sobre hypolheca em um escravo, sen-
do que dC mais outra seguranca dirija se a
ra da Praia n. 22.
Quem precisar de um homem capaz para
cobrar dividas aqu na praca, bem como divi-
das de lojas de fazendas, ou outras quaesquer,
dando dador a sua conducta, dirija-se a ra da
Roda d. 23-
Arrenda-se urna otaria com barro para
toda qualidade de obra por preco commodo ;
a tratar na Magdalena com Francisco das Cha-
gas Cavalcanti Pessoa.
Costa & Onofre alugo o terceiro andar
da casa que oceupo na ra da Cadeia do Ro-
cife n. lo o qual tem muito booj commodos
para familia.
Precisa-se do urna criada ; na ra itiai da
matriz da Boa-vistan. 26
Offerece-se um Padre para ir celebraras
missasdefesta atedia de Reis lora da cidade,
ou emqualquer parle; quem de seu prestidlo
sequizer utllisar, dlrija-se a ruado Queimado
n 19 em casa deManoel Buarque de Macedo.
No annuncio da arremataco do sitio de-
nominado- Laga do Conselho-, publicado no
dia 21 docorrente, em lugar de 150/rs. co-
mo por engao sabio entenda-se 170..;.' rs, an-
nuaes.
O primeiro secretario da sociedade Aini-
sade nos One previne aos Srs. Socios, que
Domingo 24 do corrento pelas 4 r;oras da lar-
de ha sessao da menina sociedade no Reci-
te ra do Torres o. 16, segundo andar.
AVISO IMPORTANTE.
Luiz Antonio Mosquita Falcao declara
Vendas
de um sitio as circumstancias que se pretende
Precisa -se um eitor para um sitio perto
da praca ; quem o pretender dirija-se a ra
do Encantamento o. 5.
Joao Copes de Lima deizou de ter taber-
na na ra Imperial n. 2 eontregou as chavos da
casa a seu propriotario Jos Maria de Jess
Muniz no dia l'J do torrente mez.
Quem annunciou querer comprar um tor-
no de medidas de pao o ditos de lolha diri-
ja-se as Cinco-pontas n. ICO.
Precisa-se de um caixeiro de 18 a 20, pa-
ra tomar conta de urna venda por bataneo ;
na ra Nova, venda n. 65.
Tomou-sc da mao do um moleque que
andava offerecendo um relogio pequeo de
praia e ordinario que pedia 8 patacas duen-
do que um parceiro llie tinha dado para vender;
quem for seu dono, dirija soaruado Encanta-
mento n. 2, que, dando os signaes, lheser en-
tregue.
Roga-se ao Sr. M. J. A., de no praso de
S dias contados da data desto ir pagar a quan-
tia do 46? rs. .deque he devedor a mais de 11
annos de que passou urna lettra mencionando
cor.er juros, pois a contar com isto, anda j
o debito em mais de 100/rs., e o que nao se
exigir e ssim o principal se no praso a
cima for pagar ; alias se empregaro todos os
meios judiciarios para se exigir nao s o prin-
cipal, como os juros; assimeomose publica-
rs todas as circumstancias, quedero motivo a
centrahir tal debito o que Iho nao he mUilo
airoso pois quo (icar tilo no conceito de to-
dos, pelo mais ingrato de todos os homens.
1 Eduardo Jones chegado do Rio do Janei-
ro avisa ao publico queestabeleo'a sua loja e
ofliciiia de ourives na ra do Atierro da Boa-
vista n. 16 aondo vende e fabrica ludo quo diz
respeito a sua arle com a melhor pcreiQo e
gosto pois possue os instrumentos o modelos
mais delicados que se teem visto ; na mesma
loja precisa se de 3 olliciaes, que trabalhem
pirfeilamenteem obras do ouro poli jo e ila-
gra assim como do dous aprendizes,fque te-
nhao alguns principios. (10
1 .Quem quizer mandar engommar roupa
dt homem dirija-se a ra do Rangel n. 37 ,
primeiro andar. (3
I l'recisa-se de um escravo, que saiba
cosinhar paga-se bem ; na ra da Cadeia-ve-
Iha n. IG. o. (3
iAluga-se urna casa para se passar a fes-
la com commodos paru familia, quintal e
hai ho no fundo na Passagom da Magdalena,
psssando a primeira pont? n. 14, junto a tenda
do ferreiro ; quem pretender dirija-se a mes-
ma casa. (6
1 Nao so tendo realisado no dia 19 do cor-
rete a venda do sitio o casa quo lora do fal-
lecido Jos Francisco Xavier Lima etn'Aptpu-
cos em trras arrendadas o qual se ada
avaliado em 380$rs. ; tem de efleituar-se a ul-
tima praca Sexla (eir 29 do correte; os
pretendentes dirijao-ee a porta do Sr. Dr. Juiz
do Civel, da primeira vara as 4 horas da tarde,
na ra do Queimado. 9
lPrecisa-sede um caixeiro para ajudara
nutro em urna papara o qual dove dar fiador
a sua conducta ; na ra larga do Rosario pa-
daria n. 18 junto ao quartet de polica. (4
1 -Offerece-se urna ama de leite com seu li-
Iho para criar ; quem a pretender dirija-se
ao viveiro do Muniz. 2
1 A pessoa que foi no pateo da matriz de
S. Antonio n. 2, loja de ourives e abridor ,
para mandar fazer dous timbres caso ainda
queira podo dirigir-se a mesma loja que s
Ihe far urna diminuico no preco. 5
1_ Vende-se urna loja de sapalos o armaco
envidracadacontendo muito boas obras demar-
roquim e bezerro com poucos fundos tudo
pelo preco da entrada est' muito afreguesa-
da o faz-se todo o negocio com as obras e ar-
maco ainda mesmo com alguns por ceios
de abate no balanco que orear os fundos, pa-
ra se liquidrosla venda por seu dono que-
rer ir ao Rio de Janeiro, com brevidade e se
faz todo o negocio queconvier ao comprador,
tanto a dinheiro como a praso em lim ajvista
tudo se arranja ; a tratar na mesma loja na ra
do Livramenton. 19. (19
1 Vende-se, por nao su precisar urna ca-
noa grande, quecarrega 1200 lijlos de a I vena-
ra com pouco uso por preco commodo; na
ruada Cadeia-volha, loja de(azendas n. til. (4
1 Vendem-se vasos vidrados de p elegan-
tes para guarnecer jardins ; no largo do Corpo
Santo n. 4. 3
1Vende-se muito boa bolaxa nova feita da
melhor farii.ha chegada, ha pouco, da Euro-
pa propria para arranjo de familia e embar-
carles por preco commodo ; no Forto-do-
Mattos no primeiro andar por cima da ven-
da do Alern ou a fallar com J. Saporiti, na
Alfandoga. (7
1 Vendem-se superiores lijlos de marmo-
re de 10 a 12 pollegadas em quadros azucs
e brancos com os seus competentes cantos, e
pedras marmore para mesas do ineio de sala e
tremes; afollar com Jos Saporiti, na ra
Nova n. C5, primeiro andar. '6
1Vende-se urna bonita preta de 20 annos ,
com habilidades, vende-se por ella nao querer
rnais servir a seus senhores ; na ra da Con-
ceicao da Boa-vista n. 6. (4
1Vende-se manteiga ingleta a 560 610 e
80U rs., e franceza a 720 rs., cb de caixa gran-
de a 2^ e '2300 rs. biscoutos finos francezes
em massinhos de 12 fatias a 2i0 rs. esperma-
ceti; Irancez a 760 rs. e americano a 880 rs. ,
velas de carnauba de 7 o 8 em libra a 320 rs. ,
farinha do Maranho muito alva a 120 rs. ca-
f a Ido rs. v moldo a 200 rs., toucinho do San-
tos a 180 rs. e do Lisboa a 280 rs. figos no-
vos u 180 rs., superior doce de goiaba a 560
rs cevadinha do Franca a 240 rs. letria a
2(0 rs. lalharim novo a 240 rs. amendoas
de casca mole a 280 rs., qneijos a 1280 rs. sal
em paneirosa 560 rs. esleirs de Angola a 320
rs vjnho do Lisboa a 1600 rs. dito do Cele
a 1280 rs., dito engarrafado a 480 rs. lin-
guicas a 400 rs. cervoja a 480 o a duzia a
5/rs. quartinhas a 120 o 240 rs. una por-
cao de louca vidrada tudo por junto a 22o rs.
a peca eoutros muito gneros por barato pre-
quina por baixo do sobrado do 3 andares
n. 39. (21
as Cinco-
na
travessas todo o negocio se far
ponas n. 160.
Vende-se um cavallo bom andador
ra da i,adeia de S. Antonio n. 26.
Vendem-se 3 moradas de casas terreas da
taipa por preco commodo na ra Imperial;
a tratar na mesma ra n. 178.
Vende-se vinbo de BorJeaux, engarrafado
chegado no navio Armorique ; no Atierro da
Boa-vista n. II loja de F. pubarry.
2 Vendem-se duas sobre-casacas, uma
de panno azul e a outra de merino prcto um
par decalcas do dito duas empalmadas urna
cama de vento, de amarello ludo quasi novo ,
e por preco commodo ; no largo de S. Pedro
n. 9,das 0 as 9 horas e meia da manha e
de urna as i da tarde (7
2Vende-se urna marquesa de amarello ,
bem feita por preco commodo ; na ra do
Agoas-verdcs n. 38. (3
2 Vende-se cera de carnauba de muito boa
qualidade em porces grandes e pequeas; a
ra da Conceicao da Boa-vista n. 58. (3
2Vende-se potassa americana e russianna,
em barris pequeos de muito boa qualidade
por ser nova ; na ra da Cadeia do Rccife ar-
masen) n. 120. (3
2 Veude-se farinha do mandioca de boa
qualidade, em sacras do dous alqueires e meio,
ha pouco lempo chegada do Rio do Janeiro, por
3200 rs. a sacca ; na ra da Cadeia do Recia;,
arma, em n. 12. .'5
2 Noarmasem de deposito de viveres, na
ra da Praia, becco do Carioca por baixo da
sociedade Philo-Thalia continua-se a vender
arroz pilado bronco o vermelho dito com cas-
ca Carios de mandioca saccas com muito
bom multo bom milho novo a 3500 rs. : no
mesmo armasem se recompensar a quem levar
3 chaves pequeas e um ponteiro do ierro ludo
em[umu correlo de lalo que se perdeo da
rua da Praia t a casa do Sr. Ramos*
2Vende-se superior vioho da Figueira a
1700 rs. a caada e a garrafa a 240 rs. cevadi-
nha de Franca a 200 rs gomma de matarana
o 320 rs. manteiga francesa a 320'o 600 rs.,
cha hisson a 1920o 2210 rs. bolaxioha ame-
ricana a 240 rs. toucinho com carne bom pa-
ra feijoadas a 80 rs. e todos os mais gneros
de venda ; na ra do Arago, esquina da S.
Cruz n. 43. ;9
2 Vendem-se uns solos de Ierras na ra da
Casa-forte onde varias pessoas teem casas ; o
por meio deste avisu-sejas ditas pessoas que es-
tilo a preferir, cujos solos tem frente na ra da
Casa-forte dividindo pelo poento as casas da
viuva de Felis Marinho Falcao e pelo scen-
te, com as casas de Ignacio Francisco dos San-
tos ; a Iratar na Camboa-do-Carmo n. 13. (8
2 Vende-se ou permula-se por um ne-
gro ou negra um moleque do 12 annos de
bonita figura e muito esperto ; na ra Nova
n. 9. (4
2 Vonde-se um relogio patente inglez,
muito bom regulador, por precu commodo; na
IAindaseuchao alguns terrenos para se
*e_n_d.r.e,mJ "a .r"aJ?(!a_por *eln\ da rua da ra da~Seza]a"-Velha'n.,V427Wundo andar.
2 Vende-se um alicerce do pedra e cal
Concordia, quedividem com as travessas do
fallecido Monteiro e Caldeireico, com 150 palmos
de fundo o 30 ditos de frente, por proco com-
modo ; a tratar na rua larga do Rosario n. 18
IVende-so bolaxa a 1920 e 3520 rs. a arro-
ba e a 70 e 120 rs. a libra sendo a primeira
muito commoda para arranjo do escravos ; o
farinha para bolaxa e para fabricas de chapeos,
a 6/e 9/rs. a barrica ; na rua larga do Rosario,
padaria n. 18. ,'
1 Vende-so uma grande canoa aberla.de
muito boa e nova construccao pega em 3000
lijlos de alvenaria grossa correspondente a
170 barricas de acucar ; na rua larga do Ro-
sario padaria n. 18, ao p do quartel de poli-
Compras
Compra-seeffectivamento nesta Typogra-
phia toda a qualidade do pannos cortados ou
velos, sujos, ou limpos aparas de papel, pa-
pelfio e toda a qualidade de papis vellios. '4
2 Compra-se urna mulatinha de 12 a 18
anuos sendo recolhida eque soja capaz de se
Iho entregar uma casa paga-se bem; na rua
Direita n. 3. 4
2 Compro-so garrafas vasias, ainda mes-
mo que tenhao servido de tinta; assim como
vende se superior tinta de escrever que j he
bem coohecida pela sua boa qualidade ; na rua
deS. Rita-nova o, 88. (5
2 Compro-se effectivamento para lora da
provincia mulatas negras, omolequesde 12 a
20 annos pagao-se bem ; na rua Nova loja
de ferragensn. 16. ,4
Compra-se um rnoinho grande do moer
caf sendo bom paga-se bem ; no Atierro
da Boa-vista deposito de assucar refinado
n. 76.
Comprao-se escravos do ambos os sexos ,
de 12 a 20 annos, pagao-se bem agradando ;
na rua Direita n. 81.
1 Comprao-se 2 Titos Livios e2 Horacios;
quoamanha comeca a vender na sua padaria, na rua Nova n. 63. (2
na rua Imperial n/ 120; nao prometi cou>a 1 Compro-^e paro (ora da provincia e pa-
penal
alguma roga apenas a quem quizer
bom pi, quo experimente uma ve/.
comer gao se bem escravos de ambos os sexos; na
, botica de Antonio Pedro das Noves.
ca,
1 Vendem-se, ou trocao-se ,
prenhes prximas a parir por
mancos e j costeados ao carro, dando-se de
parte a parte o que se couvencionur; na ruu
larga do Rosario n. 18. 5
IVendem-se duas pretas de oaco, uma he
boa quitandeira cosinba, lava bem tem urna
cria e tem muito bom leite o a outra cosinha o
Uva ; no Atierro das Cinco-pontas n. 154. (4
1Vende-se um cavallinho pequeo, de bo-
nita figura e com bons andaros e he ptimo
para senhora ou menino ou troca-se por la-
sendas; quem o pretender annuncie. (4
1 Vende-se, para liquidar uma conta, bom
setim cor de rosa a 700 rs o covadu velbuti-
na de cores a 320 rs. fustoes para collete a
400 rs., meias de Ilnho mirlas 2500 rs. a du-
zia incias de seda a 1000 rs o par; na rua
da Madre de Dos n. 2o. (<
1 Vende-se sal do Ass a bordo hiato
.Vora Olinda, Tundeado defronle do trapiche
novo a fallar com o mestre ; ou com o pro-
pietario Manool Joaqulm Pedro da Costa rw
rua da Cruz n. 51. (5
Vendem-sochapeos para senhora flores
finas para enfeites de cabeca e vestidos cintos
de aljofares luvas coiopridas de pellica, en-
feitadas para senhora tudo do melhor gosto
que tem apparecido nesta praca o chegado pe-
lo ultimo navio de Franca ; na rua Nova n. 2
segundo andar.
Vende-se uma escrava do gontio do Ango-
la ; nu rua do Llvramento n. jfl,
Vendem-se os pertences de urna venda
como medidas do uovo padro que ho de
ser aferid/s uns bracos de bataneas grandos o
pequeos, com conchas ou sem ollas, urna
mesa de meio de sala urnas pipas vasias, uma
porco de caixas vasiasdoPorlo e urnas mos
com 70 palmos de fundo e 23 de frente, j
com soleiras assentadas em estado do so levan-
tar um sobrado do dous andares o tem uma
meia-agoa logo no principio do Atierro dos
Afogados n. 109 vende-se para pagamento de
uma divida; no mesmo Atierro, armasem
n. 218. (
2 Vende-so uma porco de barricas com
muito bom sebo por proco commodo ; na rua
da Cadeia do Recie armasem n. 12. (3
2 Vende-se um moleque crioulo sem def-
(eitoalgum para lora da provincia ; na rua
da Cadeia-volha n. 24. [3
2 Vendem-so cortes de chitas com 13 co-
'6' vados e meio a 2/ rs. chapeos de castor a pro-
duas vaC8S | va d'agoa, e outras muitas asenda por preco
i commodo ; na rua da Cadeia-velha n. 24. (4
2Vende-se superior farinha de mandioca ,
em saccas, por preco commodo ; na rua da
Cruzo. 5i no trapiche novo. (3
3Vende-se um cavallinho pequeo Mazao
escuro bonita figura o com bons andares,
e he ptimo para senhora, ou menino ; em ca-
sa do Ricardo da plvora ou na cuvallarice de
Joao Krcmme, oa rua da uia.
Escravos fgidos.
No dia 19 do correnle fugio, ou furt-
rSo um moleque v guaci Rento de Loyole ,
com os signaos seguales: de 15 annos, do na-
cSo Angola ej bem ladino, com urna ore-
Iha (urada de nome Augusto ; levou camisa e
calcas broncas velhas e sujas ha inulta pro-
babilidade do que fra roubado assim como
se suspeita quem loi que o seduzio; quem o ap-
prohunder, ou delie dor noticias ser bem re-
compensado.
No dia 18 do correnle fugio o oscravo
Francisco, do naco Mocambique, baixo egros-
so ceg de um olho ; barba feita, cabello cor-
tado ; levou camisa e calcas do algodao da tr-
ra lavadas, hocaranguigeiro ; o abaixo assig-
nado roga a todas as autoridades policiaes, ca-
pitOes de campo e pessoas particulares de o
aprehenderem o levarem a casa doganunciante,
na rua da Cruz n. 90. que soro generosamente
recompensados. Jodo Leite l'ita Orliqueira.
PERNj TYP. DEM. F. 1U. I A 1.1 ,\ l844"
r
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EEB2ACE1X_F98BDG INGEST_TIME 2013-04-13T03:03:04Z PACKAGE AA00011611_05231
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES