Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05230


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode 18414.
Sexta Feira 22
O l)i*P!cpoblice-ee influ im diasque nao fbrea aantificatlna : opraijo da aaaigaatura
h; de Iroe H re, por quirltl pagos adianladi. Os annunciosdos aaaignanles sao inseridos A
g.alia. oa doa que uo forern raio d. 80 rea por hnha. Aa reclamaces derem Mr diri-
gidas i <' he-i "" < Cruiea o. 34 ou i '*Q" da Independencia luja da lirroan. fl 8
PARTIDA DOS CORJ1EIOS TERRESTRES.
GotiWl,a Parahyba, secundase aexias feiraa^Rio Grande do Norle, chega S t 11 e par-
le le24.Cabo, Serinhaera. BioFormoso, Macer, Porto Cairo, Alagoae: no 4. ,
11 Si da cada mea. Garanbuna e lioniloa 10 4 ;_> da cada mex ioa-iela flor -
aa 13 23 dito. Cidade da Victoria, quinlaa feiraa. Olinda lodos oa diaa
DAS da semana.
41 Seg. a, Romiio. Aud. do J. de D. da 2..> -
i0 larca a. Isabel. Ral. aud. do J. da D.d 1. "
80 Quaru s. Palia de Valois Aud. do J. da I^la J t.
21 Quinlaa Apresentacao de N S Aud .lo I. de D da 2. y
11 SeiU*. Cicilia Aod. do J de D. da
i'J Sab; a. Clmenle Del.
21 l)onj# s J,;io da Crm.
efKxIaentrAssxair.iia!
doj.d
de VovmbroJ
r
Anuo XX. 262.
/ Tudo agora dap
- V, culUf.
apanda da ne mesaaos; da noesa prudaneia, wodaitcjo- a en -gis: apa,;
priacipiamoa a aeramua apuntaros sota eilrairayo anira a: n ;e> ruis
(Proclama.,-.!, da AlMBtblca Geral do tlaUal.
W / ~~ '
a Cambios aoira Loarirea ?5e l|.: ni.,n,
ii Pars JiSU res por (raneo
Idaaa da lelaas Ja boaa firaaat 1 p'Jri^o
ciamos no Du '.'< ndvkmbbo. renda
Our-Moada da 0,400 47 .-j00 17,500
N. 17.100 17,3o
.. da 4.U0U y..'0 tf,7U0
Prala-raleroea 1,900 1 If.
o Pesos i-iiliiininnar'i l.'.l. 1 1M0
, Ditos encano. 1 ,>0 1 .'J'.'U
Lisboa i:0 por 100 ile premio
PIIASES DA LA NO IIEZ DE OUTUBRO.
La chai. 36 as > luras e 4, d. ,n i La no,, a 11 rlinguanle a 4 ai J horae a V rain a tarde | Croaconte a S Prtamar de hoje.
_____ ___________ Prima n i lio n '_' min <> ,1 lanlr
*nm*rTH*"r-Trr2t'.-;:-s- v,.-y-
PER
Sagundi. ai S bou 31 minutos ila larde
jjaaJJSaaaaaMi.^. i*.,...-
PARTE OFF3CIAL,
Goveruo da Provincia.
EXPEDIENTE DO lil A 18 l>0 CORRENTE.
OicioAo Com.nanJanto Superior da G.
Nacional do Santo Antao. declarando em res-
posta aosou olTci) do 13 dente mez que por
ora nao lie possivel dispensar a Guirda Nacio-
nal da eidade da Victoria do servio ta guarda
da cadeia o rondas nocturnas, por haver mar-
chado pura as Alagoas quasi tola a tropj do li-
nha ; e que aos Guardas Nacionaos, que veem
escoltando os racrutas d'aquolle terno so abona
pela Pagadoria das trop.is os competentes ven-
cimentjsdesde odia em quesahem, dos seus
districtos at o em que so rec dhom, na conor-
midjdedonrt- 8."das instruceoes de G de A-
bril do 18- I; e dovolvendo o roquerimento e
documentos do Tenenle Coronel Jos Cavalcan-
te Ferrazdo Azevedo, que S. me. informa ter
desistido do sua pretonco.
DitoAomesmo sciontificando-o d'haver
approvaJo a propoHa de reforma do A le res da
.Vcompanhia Jo 2. batalho da Guarda Na-
cional do seu cornmando, Antonio de Hollanda
Cavalcanti de Andade.
DitaAo Delegado do termo do Bonito,do-
terminando que quanlo antes cumpra a ordem,
pola qual fro mandados recolher esta capi-
tal o Cabo e os 6 soldados do corpo de Guardas
Nacionaes destacado, que all existern.
Portarla Nomeando ao Escripturario da
Thesouraria das Rendas Provinciaes.Jos Mara
da Cru, para na commissao encarregada do
ajuste de cuntas do corpo destacado, substi-
tuir o Contador daquella Thesouraria Manuel
Carnoiro de Sousa Lacerda, que, por molestia,
da mesma commissao se escusou: e recommen-
dando-lbo quo >e entenda comoComman-
dinte das Armas para dar principio aos seus
trabalhos. Oficiou-se a respeito ao i'om-
mandanto das Armas.
omm^udodas Armas.
Continuivao do expediente do da ido
corren fe.
O/Ticio -Ao lxm. Presidente, participando
Iba que a senlinella do porlao d"Allandega,logo
depoisde recebidaa guarda.no dia3,isera cuns-
taraoCommandante da mesma,que algunsgigos
de louca se acbavo abortos e eum grande fal-
ta que so attribuliia a pouc8 vigilancia da
guarda anterior, composla de pracas do corpo
de Polica.
DitoAo Commandante do corpo de Guar-
das Nacionaes destacado, exigindo urna relaco
das pracas que oxtraviarao pegas d'armamcnto,
fardamento e eejuipamento, com declarago das
dos objectos extraviados e deseontos feitos.
DitoAo Capilao Commandante do desta-
camento do quarto uatalhao de Artilharia a p,
remouondo Ihea guia que por o quarto de l-'u-
zileiros foi passada ao Particular Sargento Aju-
uanlo Francisco A'avier Rodrigues de Miranda,
addido ao mesmo tleslacamento
Dito Ao Commandante interino do se-
gundo batalbao d'Artilbaria a p expodicciona
noas Alagas, sobre objectos de fardamento
do mesmo batalbao
DitoAo Commandante da fortaleza de I-
tamarac, autorisando o azer a requisigao
do um novo missal. e dizendo-lbe, que por a-
gora n5o podia mondar o Inferior, que requi-
sitava para tomar o cornmando do destaca-
mento.
DitoAo CommanJante da forlaloza de Ta-
mandar, communicando-lhe, que por ora nao
podia ser mandudo outro Inferior para com-
mandar o destacamento, o por isso regressava
0 que tinha vindo por doente levando os re-
medios precisos para seu curativo ; e dizendo-
Ibe que a requisito da bandeira imperial eou-
tros objectos, lora rubricada, e submettida a
1 residencia para despacho.
DitoAo Chcfe de Polica, aecusando o re-
tebimento do seu ufico de 2 do corrente, e do

desertor .1. P. da Siva que tivera destino.
Dito--Ao Bacbarel Francisco Rodrigues Set-
te, discndo-lbe que ficava sciente de se adiar
unecionando interinamente na 1.a vara do pri-
me*) no Auditorio de Guerra.
DitoAo Subdelegado da freguezia de S.
Jos, communicando-lhe que o Guarda desta-
cado liloy Jos dos Passos, afiancado por crime
de armas defesas, fra mandado excluir nesta
data do respectivo corpo, com guia para o que
d"antes pertencia.
Portara Manuando abrir assenlo de praca
voluntaria no segundo batalho de Artilharia ao
paisano Pedro Soares da Fonseca.
Dita.Mandando excluir, com guia para o
batalho a que portencia, o Guarda Nacional
Kloy Jos dos Pssos, do corpo destacado de-
vendo ajustar-se-lhe contas, e apresental-o ao
Subdelegado da reguezia de S. Jos.
H'.OM DO DA 5.
OicioAo Commissario Pegador scienti-
icando-o.que e Quartel-Mestre Manoel Lopes
Maciel, na ausencia do segundo batalho de
Artilharia p, eslava incumbido do hospital
regimental e cornmando do destacamento
composto das pracas do dito batalho que nesta
provincia (cario, e bem assim d'organisar os
oapeis de contabilidado do hospital e do desta-
camento.
DitoAo Commandante interino da forta-
leza do I ruin, autorisando o a (azer a requi-
sico para o concert do lampiao da praca de
armas, e a pedir a corrente que devia suster o
mesmo lampiio.
Dito Ao Commandante da fortaleza de Ta-
mandar, ordenando-lhe, que logo que all se
apresentasse um destacamento de pracas do
quarto batalbao de Artilharia a p, izesse mar-
char para a capital o do segundo da mesma ar-
mo que faza a guarnicao.
DitoAo Commandante do orte de Gaib,
devolvendo-lhe as iolhas de vencimentos do
mez de Outubro, para sereno reformadas segun-
do o novo modello dado pela Pagadoria Mili-
tar, e dizendo-lbe que, quando tivesse inspec-
cionado o mesmo forte, resolvera sobre o pedi-
do do primeiro 'Ponente Romanu de Carva-
Ibo.
PortaraMandando, em virtudc d'autorisa-
cao dada pela Pjesidencia em o (Tu-o de 17 do
mez prximo passado abonar pelo Deposito
urna ragaode elapoao ex-soldado Jos de Sou-
sa Brrelo, at que fosse transportado provin-
cia do Par.
Dita- Mandando,excluir do corpodestacado,
com guia para os batalhoei a que d'antes per
tencio, o Furriel Belarmino Barbalbo Luiz
Ucha, Cabos d Esquadra Joao Pereira Caldas ,
Pedro Rodrigues d'Araujo Lima e soldados Ma-
noel Seraim, Proiro Rodrigues da Costa, Joa-
quim do Nascimento Mulung. Antonio Ber-
nardinode Sena, Francisco de Sousa Piris e
Domingos Jos Fidels.
dem do da 6.
Oicio Ao Exm. Presidente, requistando-
Ibe o concert do lampiao da praca d armas da
fortale?a do Brum, nu sentido da requisicio
que Ihe enviava.
DitoAo mesmo Exm. Sr., ponderndo-
le a necessidade de fardar a companhia do
Artfices para a grande parada do prximo an-
iversario natalicio de S. M. o I.; por isso
que o fardamento abonado j est vencido.
Enviando-lbe para semelhante im a compe-
tente requisicao lembrava, que quando em
Janeiro do anno prximo passado por occa-
sao da reduegao desta companhia ao seu es-
tado completo, forao remettidas com passagem
as excedentes para o segundo batalho de Arti-
lharia a p, levarao estas pracas fardas e barre-
tina do uniforme da companhia,as quaes nio
podendo ttr uso all, a menos que sejao concer-
tadas, convnha quo fosse recolhidas ao Arse-
nal de Guerra, que nosle caso deixaria de ma-
nufacturar as fardas e comprar as barritinas
contidas na requisicio.corp o que baveria uti-
lidade e economa para a Fazenda Nacio-
nal.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. enviando-lbe fsidente da provincia o bavia nomeodo, e o
umoiHciado Major Commandante do corpo de Contador Manoel Carne.ro de Sousa Lacerda.
Inlantaria de Guardas Nacionaes destacado, pe- para em cominiss.lo procedertn o ajuste de
dindo que se nomeasse urna commissao para
proceder o ajusto de tontas entro ello Comman-
dante, o a Fazenda Nacional, elle eos Com-
mandantes de compendias o mais pracas do
coreo; deia que apoava, e quo nao fazia lugo
realisar nomeando a commissao, por nao saber
se S. Ex. a appruvaria visto ter, quando or-
denuu a dissolucao do corpo, dito, que,no caso
de haver fundos Ihe dara parte para se no-
mesr um Ollicial que delles lomasse cunta
DituAu Exm. Commandante das Armas
da corte, requisitando-lhe, a bem do servic.ns
iliacoes e mas assenlamentos das pracas i|ue
contas de fardamento armamento equipa-
monto e ulensis.ornerdos pelo Arsenal deGuer-
ra ao corpo de (nfantaria de Guardas Nacionaes
destacado, e remetiendo-Ihe para seu governo
neste Irabalho as tabellas tos valores de farda-
mentagrande e pequeo feitos pelo Arsenal ;
a das petas da fardamento que vence cada urna
praca das difieren tos armas do exercito. e tem-
po de Sua duragio; a dos valores das petas de
armamento ; e a dos pegas de armamento e-
quipamento e utensis quo sao nrnecidas as
trupas Conclua assegurando quo a commis-
sao podia exigir do Commandante do corpo
| "----- | i'uuiu ...ai.,., IMF I r I ( .1 ,! I J I t \I'* H I I I
compem o destacamento do quarto batalho de j todos os esclarecimientos, eque.sen.ro necessj-
Artilhariaa p que sob ocommmdo do Ca- I rios alguns que por elle nao podessemser dados,
pilao Isidro Jos Rocha do Brasil fra manda-devia requi>ital-os ao Commandante das Ar-
do a esta provincia | mas que procurara satislazel-os.
Dito Ao 'lente Coronel Jos Vicente de | DitoAo Commandante do forte do Bura-
Amorim Bizerra Comm. do quarto batalbao j co. para que, vista da representarlo junta do
de Artilharia, aecusando recebido o seu ofli-| Director do Arsenal de Guerra, dsse o motivo
ci do 26 de Setembro ultimo acompanliaco i de nao ter entregue ao Almoxarie do mesmo
do mappa da forca do destacamento, que se-1 Arsenal a chave do paiol onde est recolhida a
guio piira esta provincia, e disendo Ihe que, plvora vinda da corte na su naca Perola, para
sendo necessarios para se poder dar com preci- j della tomarconta.
sao as parles aecusatorias das pragas que hou- Dito-Ao Comimndanto do corpo de In-
vessem de desertar, e passar-se as fes de oi- j fantara de Guarda Nacional destacado.commu-
co das que tivessem de ser por este eoutros nicando-lbe que o Exm. Sr Presidente no-
mines militares julgadas em conselho deguer-| meara a commissao que pedir para proceder o
ra, as filiacas e mais assenlamentos das pra- ajuste de contas ao corpo du seu cornmando, e
gas do mesmo destacamento, havia nesta data ordenando Ihe que prestasse a commissao todos
requisitado ao Exm. Commandante das Armas os esclarecimentos quo ella houvesse i'o exigir
da corle taes assenlamentos, que cortamente
teriao de ser exigidos de S. S.
DitoAo Commandante da fortaleza de I-
tamarac, ordenarfdo Ihe que fizesse recolher
ao corpo o soldado d'Artilbaria Manoel Go-
mes Pessoa que fazia parle do destacamento.
Portara Mandando excluir do corpo de
Infantera de Guardas Nacionaes destacado o
Guarda Antonio Jus Ramaiho, e a
em deseinpcnho do seu dever.
Tiiesourariu da Fa/xnda.
EXPKDIENTE DO DA lnO COltRENTK.
OicioAo Inspector da Alfandega.Repre-
sentando o Administrador da Mesu do Consu-
r lado, que esta nao tem numero de Guardas suf-
presontal-Oi",'c'en'3 \,ar* o seu expediente: cumpre que
hiu do Ar- ^mc- Pona a disposigodo mesmo Adminis-
ao Commandante do segundo batalho do Ar-
tilharia a p Manoel Lopes Maccl, para Ihe a-
brir pr&ca voluntaria no mesmo batalho.
DitaAo primeiro Tenente (Juartel-Mestre
Mmoel Lopes Maciel, ordenando-lhe quere-
cebesse como praca voluntaria do segundo ba-
talbao de Aitilbaria a p a Antonio Jos Ra-
maiho, quo Ihe seria mandado apresentar polo DitoAo Administrador
Commandante do corpo do Inantaria do Guir- "u'adoEm quanto nao hou
i '. _........ .i. r-____i........ i
ponha a disposic
trador os Guardas dessa Alandega, que diaria-
mente Ihe lorern rcquisitados.e poder dispensar
do servico. enviando Ihe ja trez, visto nao de-
ver causar transtorno a sua falto, tendo anda
essa repartigo oslo numero, alm do que Ib es-
t lixado.
Dito--Ao Administrador a Mesa do Con
ver deciso sobre o
das Nacionaes destacado. ""'""o de Guardas, que deve ter essa Mesa ,
DitaAo Commandante du corpo de Inan-: l,ara expediento a seu cargo, lenlio, em
laria do Guardas Nacionaes destacado,mandan- vista das suas represeniacoes, recomniendado
etler ao Commandante do ; "eila dataao Inspector da Alfandega,quo ponha
1 a sua disposco.e a prupurco das suas requhi-
L ILEGVEL
du excluir e ruin
Deposito, para terem praca na primeira linha ,
os Guardas Domingos Soriano Forreira, Ma-
nuel Alendes e Joao Pereira da Silva.
DitaAo Commandante de Deposito pa-
ra que recebesso o assenlasso praca rocrutados
aos trez Guardas mencionados na portara a-
cima.
dem do da 7.
OfTieio Ao Exm. Presidente, informando
o roquerimento do soldado da companhia de
Artiices Manuel Ignacio da Coala Monteiro ,
que.tendo linalisado o seu segundo engajamen-
io, pedia a S. M. o I. a sua demissio.
DitoAo mesmo Exm. enviando-lhe a
conla da despeza do ornecimento d'agoa feto
aos destacamentos da cidade da Victoria e du
Breju, para que S. Ex. buuvesse d'a mandar
satisfazer.
DitoAo Commissario Pagador, remettendo-
Ihe a relaco das pracas que marchario para as
Alagoasem 28 de Outubro, e 3 do corrente ,
para que Ibes mandasse passar as competen-
tes guias de vencimentos.
dem do da 8.
OfBcio Ao Inspector du Arsenal de Mari-
coes os Guardas da mesma, que diariamente
poder dispensar do servico, uinviando-lheja
u numero de trez. quo anda tem a mesma Al-
andega, alm do quelli'est lixado.
AMERICA MERIDIONAL.
nundacao em San temando
ra Venezuela; quantos males nao temos soflri-
do e quanlos mais havemos anda de soffrer ,
anles que esto anno fatal se|a sepultado no abvs-
mo dos lempos. Tomos do apresentar agora aos
nossos concidadftos una relaco de nova e tre-
menda cataslropbo ; se he que com efleito po-
demos atlrahir por um momento a considera-
cao e commiscrago do \ enezuela para as mise-
ras d esta infeliz provincia quo a frrea mo do
destino parece querer riscal do mappa da re-
pblica : mas quo diflicil ser-nos-ha chamar
a estes desastres a atlenco dos nossos irmos
que tem de chorar tambem as suas proprias ca-
nha, duendo-lhe em resposta ao seu oficio j lamidades i A ninguem se ouveporora, meu
desta dala que no da 9 pela 7 horas da ma- amigo fallar em crises falla de dmheiro ( e
nha Ihe seria apresentado o soldado Antonio esta falta do absoluta ) haixa dos nossos pro-
Modesto, que segua para o Rio Grande do duelos, queixas contra oCungresso c autorida-
des publicas. De quo importancia sao para nos
Norto na barcaga Flor do Poco.
DitoAo Coronel Trajano Cezar Burlama-
que, communicando-lhe que o Exm. Sr. Pre-
bojo todos estes tpicos polticos:' Estao todos
absorvidos na recento desgraga quenosprestrou.
1 1


r

o novo diluvio que submergio c devastou San
Fernando. San Fernando pde-se dizer que ]
nao existe. Corne^ou o rio a crescer em Maio
passado e continuou a subir atquecobrio
toda a superficie da torra e a despeito dos
mais effioazes, activos e constantes es forros para
salvarmo-nos, oppondo barreiras e diques
froa das agoas o Apuro clieaou por ultimo
altura de duas bracas a cima do nivel commum
da trra e lem innundado toda a provincia.
Al as casas tOem sido alagadas em todas as par-
tes, e nao obstanto os eslorcos individuaes que
empregamos, para impedir o progresso das
aguas por novos entrincheiramentos enche-
rao-se at;'; a altura e dous, quatro e seis pos ;
algumss arruinarao-so ecahiro, em quanto
que as que resta o se bem que resisti anda ao
embate da* agoas, devem efectivamente de sub-
metter-sc ao seu poder. e sucumbir. As ras
sao outros rios em que a correnle rpida vai
cada vez escavando e penetrando mais profun-
damente; ja esto formados profundos pocos
e fossos, os quaes depois que as agoas se tiverem
retirado para o leito do rio exigirs mulla tor-
ra, muito lempo, e mu i tos milhares de patacoes
para entulhal-os e nivelal-os. Algumas fami-
lias baviaoformadodebuixo dosseus tectos gran-
des micas ras (|uacs julgavao licar em sogu-
ranea durante esta violenta tempestade ; outras
ajuntar.io- se nos lugares mais altos que firavio
cima d'agna pensando que o diluvio duraste
Cons.Manoel Ignacio Cavalcanti Lcenla S6'J
Visconde de Goianna 561
apenas pnucos dias. Com ludo, a clevaco das
agous conlinuou, e ludo esleve cederlo por al-
gumas semanas, excepto smenle poucas casas,
que lorio delendidas por alt< s diques c para-
pcitos ; por ultimo a populaciio em massa ro-
signou a cidade a sua sorte, e resolveo-se a emi-
grar. OGonsoIbo .Municipal rcunio-se conjunc-
lamenle com os principaes habitantes s 8 hfl-
rasdauoule do dia 10 de Jullio o enlo de-
lerminou remover as familias pora San Juan de
Payara ; requisitorio todas as lambas o barcos
pequeos, e no dia seguinte comecou o movi-
mento.San Juan e Carmaguan leem-se enebido
de emigrados da nossa descra cidade c a mu
restao mui poucas familias que experimentar)
mil MilTrimentos e privacoes ; algumas d'ellas
tem-se refugiado em lanchas ancboradas. He
horrivel ver as poucas (|ue anda persisten) em
suas casas cercadas como um sito ; ellas che-
gao s janelLs para contemplar, comoasagnas
do rio rolao impetuosamente na altura de mais
d urna braca a cuna da salurada Ierra em que
costuniavo pisar. .Mas que vejo ? Nao lia boje
rio como o Apuro ; elle abraca no seu curso o
Portuguesa, o Guarico, o Payara, eo Arauca.
Estende-sc por 24 'egoas de largura (llegan-
do desde Bauco-largo na provincia de Carac-
cas, at alm do Cunavichn lio Apuro; o n'cs-
te ocano de novo agoa s se vem algunas pe-
queas i i fias s bre as q unes atropcllao-sc a-
pertadamenle homense animnes, gados e caes,
leras e replis fugindo ao fatal elemento quj
ameaca de devoral-os. IWesmo no centro da
populacho apandamos dous tigres e tambem
matamos muilas obras. Encontrou-sc um cai-
mao (jacar/, e foi morlo n'uma ra que era
outr'ora das principaes da cidade. J nao ha
mais casas, fazendas ncm sementeiras ; tt'do
temsido arrasado e destruido pelo furor da inun-
dar ; nem mesmo temos um lugar onde se-
pultar os morios ; se a iuundacio continuar
mais um niez teremos de ver cadveres de bo-
mens mulheres e enancas boiando sobre as
devastadoras agoas jontaunnte com os das f-
ras mnteles e dos anmaos domsticos. Os ha-
bitantes d'esta provincia tem recorrido ao po-
der execulivo a pedir soccorro para alliviar as
suas necessidades. Esperamos que o Governo
Ibes acuda prompta e generosamente. Ten os
EOfrdo mais do que Marinas e Maturin que -
rao ambas soccorridas pelo Congresso. Hari-
nas e Malurin soflrcrfio por causa de incendio ,
e perdeiio suas casas ; mas ns temos perdido
casas campos grande numero de animaos, e
o que be ainila peior lim atino ir:teiro de tra-
balbo. colbeitas e esperances. Gazeta de Ph
ladelpbia. (Times. J
Meios, de que servirao o Che fe de Policio, t t
outros membros dotriumviralu da iran pa-
ra vencer as eleicoes.
No momento em que o povo vai exercer o
mais sagrado direito, no aclo solemne de de-
sempenbar a mais augusta funegio da soberana
nacional, be do dever de todo bomem honesto,
probo e patriota lomar a peito a parte que Ihe
cabe como membro da grande familia brasi-
leira, e declarar publicamente o seu ponsamen-
to accica dos principios polticos, que julga
mais convenientes para a boa direccao dos ne-
gocios pblicos.
Nesta crise melindrosa em que dous parti-
dos se apresento em campo para disputaren)
entre si os meios de fazerem prevalecer a sua
poltica, seria urna traicio patria o negar- Ihe
o contingente dos nossos eslorcos confiados
nicamente na justQS da nossa causa : grande
e sagrada he ella porm nao basta que o diga-
mos he mister provar cada um e todos ,
que no pa-so tue vamos dar nao nos move
interesse mesquinho e ignobil, nem miras pes-
soaea (|ue as nao temos senao apartar das
urnas eleitoraes a lodos quantos por urna do-
lorosa experiencia, tenhio ibusadocom inaudi-
to escndalo da confanos popular tantas ve/es
indignamente illudida poi estes lemenlidos [ ro-
curadores.
Para darrnos urna prova da nossa sincerida-
de e da nossa boa l incluimos nesta carta
frumento do Bario da Boa-vista, d'esse Alo-
xa ndre que quando est entre vos s vos adu-
la e incensa e quando so acha no Recife vos
trata por estupidos, e assassinos vos sacrifi-
careis vossa fazenda vossa liberdade e a cara
Patria.
Detestai os ladros pblicos amaldicoai ma-
gistrados ignorantes,e corruptos,riscai, riscai de
vossas listas os nomos dos infames, que forjSo
os'erros, com que vos querem manielar. Da
escolbas de nossos representantes depende a sal-
vacio do Brasil, eia pois nao exhiteis um mo-
mento em votar na chapa do partido da praia,
d'esse partido que he ainda o que sustenta os
direitos dos agricultores, e fazendeiros e o
de todos aquellos que lem sido brbaramente
pisados pela prepotencia infernal do Barao do
Boa-vista. Reparai bem no que fizerdes : os
praieiros sao livres, e zelosos dos vossos direitoi;
os baronistas sao escravos e viven de furtar
vossos negros vossos cavados vossos bens em
lim Viva o povo de Itoa-visla.
PEttNAMBUCO.
ELF.ICA PAIl \ DISPUTADOS 6ERABS
Apuraco final.
OsSrs. :
Mao da Bou -vista
Dr. Antonio Alfonso Ferreira
Dr. Pedro Franciso do Caula Cavalcanti
Cons. Sebastian do Rogo Barros
D.' Antonio Peregrino Maciel Monteiro
r. Urbano Sabino Pessoa de Mello
Dr. Joaquini Nunes Machado
Dr. Alvaro Barball.o Uchn Cavalcanti
Dr. Jos Thomaz Nabuco de A. Jnior
Antonio Joaqun; de Mullo
Manctil Ignacio de Carvaiho .Mondonga
Dr. Joao Jote Kerreira de Aguiar
Dr. Manoel Mondes da Cunha A-cvedo
Vote*
823
79.>
77i
742
78
713
700
658
636
624
606
677
577
urna exposicao(')dos principios polticos,que nos
devem guiar agora 6 no futuro a fim de que
V. S. se convenga da justica da nossa causa, que
he igualmente sua e de toda a provincia por-
que nada queremos nada anhelamos tanto co-
mo salvar o Brasil e a Realeza da voragem da a-
narchia dar cstabelidade i constituico e ao
acto addicional e alliviar o povo dos pesados
tributos que um partido audaz o insaciavci
de mando e de liquezas lancou sobre toda a
foituna particular augmentando dest arto a
miseria publica.
Para conseguirmos estes fins necessitamos da
coe.peracio de todos os cidadaos sem distinc-
cao de elasses ou de con iicGcs, porque todos
inlercssa o ganho da nossa causa que he toda
popular ; neste conceilo reunimos nossos ami-
gos, e de commum accordo conviemos em o flo-
recer consideracao dos Eleitores desia provin-
cia as duas inclusas chapas para Deputados ge-
raes e provinciaes contendo os nomos das pos
soas, que julgamos mais habilitadas para sus-
tentaren! os interesaos do imperio o da nossa
provincia. Porem se em seu juizo piudentc V.
S. assentar depois de um maduro exame, que
convem fa/er alguma alterarao em ambas es-
peramos que ella ser feita segundo o espirito
da mencionada exposicao na qual vo exara-
dos todos os principios da nossa poltica, c os
motivos que lem diiigido at boje o nosso par-
tido ; esperando que V. S. preste este pro-
gramis t da a attencao a fim de que se per-
suada quccni nossa conducta nao temos ou-
Ira mira senao a de sustentar a honra e
a de promover a prosperidade e o engrandeci-
inenlo da nossa patria protest,ndo a V. S. que
nenbum iuteresse pessoal nos guia nesse passo
que s a ci iilianca no seu patriotismo nos uni-
maria a dar.
Confiamos por lano que as nossas chapas
serie benignamente acolhidas por V. S., e que
nao s Ibes prestar o seu voto como o seu a-
poio e poderosa influencia nesse collegio a
lim de que cbtenbo a inaior volaco possivel.
Contando desde j com este acto de patriotismo,
e com a generosa e Iranca coadjuvacao de V. S.,
II.e rendemos mil agradecimentos, esperando
anciosos que se digne empregar-nos no seu ser-
vico, como e quando fr do seu agrado.
Cntrolanto sirva se V.S. acceitar os mais sin-
ceros protestos de estima e consideraco que
Ihe consagro os abaixo assignados. Urbano
Sabino l'essoa de Mello Antonio A/fonso
Ferreira- Joaquim Nunet Machado.
BOA-VIS! ANOS!
He chegada a poca do dardos ao mundo n-
teiro um loslemunho nutbenlico de que nao
sois escravos, o que o infamo Alexandro Ber-
nardino este trapicheiro que tem pelo Re-
cile se inculcado como vosso dominador, nao
seri capaz de cerrar vossos ouvidos a voz da pa-
tria que aflicta e magoada pelas fondas da o
ligarehta vos chama em son soccorro.
Boa-vstanos! dous partidos se apresento
boje om campo o do Governo actual, que quer
sustentar o Sr. D.Pedro Segundo, e asinsti-
luicoes livres do paiz.e o do Honorio, que quer
galgar o poder para astear o pendo do despo-
tismo. Se ologerdes homens, que promovi
COBREIO DO RECIFE.
CORBESPONDENCIA A CIDADB E PROVINCIA.
Principiarei hoje a minha (arela pola recti-
licacao de algumas inexactiddes a cerca das cir-
cunstancias do assassinalo do senhor do engo-
lillo Ponanduba, para o qu julgo conveni-
ente transcrover aqui um rotatorio minucio-
so que me enviou da Muribeca pessoa circuns-
pecta, que dovo ter melhores informa^oos do
que nos por c.e como que alm de prcencher o
iiiou Drincipal intento, dou tambem ao seus
leitores algumas noticias mais, o salislaeo ao
rneu correspondente. Eis o que me refere o
amigo Muribecano.
A desgranada vctima foi assassinada s7 ho-
ras da uoute, quando sem companhia voltava
de um passeio, que dera engenho Soccorro. J
quasi ao avistar a sua casa recebeo o tiro fu-
nesto, que Ihe roubou lio promptamenle a
existencia, que nem ao menos Ihe deo tempo
para receher os cuidados c consolacoes de sua
desditeza familia. Os parentes do morto ea
polica, dando ao fado a devida consideracao,
desdobraro (oda a aclividade e solicitudc pos
sivel para a captura do assassino, e comcffeilo
parece que a Providencia quiz que elles nao
(ossem em tudo inlelires. Foi preso no domin-
go s 6 horas da lardo um individuo, que se
tornou suspeito ; trajava de preto e eslava ar-
mado de bacmartee faca, sendo para notar-
se que alguem houve, que vio o assassino,
quando fugo depois de perpetrado o delicio, e
afirmou que tinha jaqueta e caiga preta ; he
desconhecido no lugar, escondia-so de todos
osolhos, andando smente pelos matos, o fi-
nalmento nao mencionando outras muitas cir-
cunstancias, sendo interrogado, nada respon-
deoqueppssa, senao justifica-lo, ao menos
explicar a sua prezenca naquellas paragens
Investigarles e exames muilo minuciosos lem
sido foitcs, e tudo conspira para convencer de
que fora esse o autor da desgrnca de urna fami-
lia inteira : esta e a polica do lugar procurao
con: igilancia e empenho investigar perfcila-
menle o fado, e obler as informacoes e conhe-
cimentos necessarios para chegarem a origem
do acontecimento. Louvores polica de
Moribeca, que pode capturar esse mmgoda
sociedade !
Ante honl< m Ihes fallei de passagem no I.y-
coo dcsta cidade ; e por isso \olto hoje a malo-
ra, vislo como me sobra algum tempo para o
fazer. Um dos das da semana alra/ada, indo
allandega, tive a tencao de fa/er urna visita
quelle estahelecimento ongeitado. Subi
um dos lorrces, onde deparei com os Profes-
sores examinadores, eos examinandos ; paro
cerao-me os primeiros mui amarellos, e eu
suppuz, que isto provinha de torom sobido
muitas escadas, como me liavia acontecido.
Nao ; (disse um dos circustantes) nquillo he
Tomo ; pois que ainda nio receberao um vintein
no correnle anno finanecro. Como nada per
cebosse dos exames,por causa da gritara dos pro-
tos d'alandega, cuja celeuma chegava aos
cos, procuroi travar conversacao com um su-
jeito que all cstava, e que me paree eo porlei-
ro, bedel ou cousa semolhanlc. Como diado
dissc-lhe eu, se aqui collora um Lvceo ? O
bomem eslava sequioso pela Irela, o respondeo-
me : Nao Senhor; o Lyceo estava colin-
do na mclhor posicao possivel, no convento do
Carmo, onde compareciao sem alan os alum-
nos dos dous bairros contiguos. Mas o ex-
Prior do Carino quo loi esbulbado do seu em-
prego nao sei porque, fez um requerirnento a
nossa Assembla Provincial, em que depois de
cneher de improperios ao Presidente da Pro-
vincia, acabou por dizer. quo o despota havia
tomado o convento com o Lyceo ; do sor-
vossos rnteresses que garanti vossos direitos, i te que ello, o a sua communidade, (quatro Ira-
nos todos seremos salvos ese ao contraio se- des) eslavao morando no seculo entro as cor-
guirdes os eunselbos desse Alexandre, vil ins- rupias filhas de Jerusalem, sem poderem vver
vida claustral, e nem rezar no coro pela felici
dade do imperio, eeinfimsem poderem cum-
(") A exposivo he urn trtigo do I). novo de
19deOutubro.
prir a le, que Ibes mandava augmentar o ro-
bando do monte Carmelo. A Assembla de-
ferio o requerirnento pola sua rcligiosidade,
anesar de conhecer que aquella communi-
dade nao poda mais continuar, porque nao
podendo pedir csmolas, como a Franciscana,
ofendo devorado o seu primordial patrimonio,
estava de fado e de dircilo abolida, /.con-
teceo entrar na Presidencia da provincia um
Pai-senhor, que desojando reedificar a casa de
urna viuva mandou em urna tarde despejar
o Lyceo, nao obstante ponderar-se-lhe, quo
urna legifio d'almas do purgatorio, apossando-
so da dita casa, para fazerem penitencia, linba
demolido o edificio, afim do l ninguem en-
trar Jjjclrou o Lyceo ; e eis se nao quando
bambalvo palacete, o a rapnziadn voa pelas
janellas at a Solidado O Lyceo foi conver-
tido em fardo do fazendas ; entretanto, que a
communidade dos cinco frsdes venda as celias
do Carmo por 600^000 mil rs. rapazes pela
maior parlo vadios sem Iretras o sem vocacao,
o que querem subsistir sem grande trahalbo.
E a communidade dos cinco religiosos vollou
para a vida claustral, o para o coro ? Nao sei.
Em quanto o tal homem me passuva a sua his-
toria, acabarao-se os exames, e cu desci con-
vencido quo aquillo ser ludo, menos um
Lyceo.
l)izem-mo quo n'un desles dias um hornera
de Bebirbe encontrando um crioulo, que mora
va ah por essas mallas da Mirueira, na la-
deira chamada do Durnellas, entre as 10 e 12
horas do dia depois de urna breve disputa dos-
carregou sobro elle o bacamarle, de que ficon
o crioulo gravemente ferdo : da-se por moti-
vo ueste allentado lerem recahido(sobre o criou-
lo as suspeitas de repetidos furtos de cavados
riaquelhr povoaeao, e consta que esta especula-
rlo est agora om grande voga por todos os lu-
gares prximos da capital, porque a iesta esta
porta e otrabalho nao (om sido froquontado.eas
eleicoes nao produziro nada para os volantes.
Apesar da hora em que o crimo foi perpetra-
do, da repetirn dos lurtos, &c. &c. a polica
de Bebiribo dizem que nao da na actualidade
signal de vida Ora na verdado ella tem
rasao.
Parece que vai renovar se a moda dos receios
hypocritas de assassinatos entro os praieiros.
Ha dias andava por ahi o Nunes a dizer que o
queriao asssassinar ; mas a cousa nao pegou ;
porque os mesmos praieiros cometario a dizer
quo o Nunes nio sabendo onde d comsigo
para tapar cortos buracos, queria agora dar-s
por perseguido, como oslrategiu poltica. Um
malulo porm do termo de Iguarass veio quei-
xar-se ao Exm Presidento de que um seu dis-
trdano, senhor de engenho como o queixoso,
o queria mandar malar ; mas todos conbecem
o ultimo por um homem tranquillo o de vida,
que ja nao he curta, escoimada do crJmcs, o
particularmenle deste. Ser tambem estrate-
gia ? verdado lio que a deste genero est minia
sdica, mas quando o Nunes ainda traja tanto
pela antiga, que se podo esperar do um malulo
que nunca sabio d'aqui ? Como quer que seja
o que eu enlendo be que quando i ses rapazos
comeco a espaldar estes boatos do tentativas
do crimes, he signal corto de quo algum ha por
ahi na forja.
Ilontem correo o boato de um novo choque
entre as lorias dos dous partidos das Alagoas;
mas nao tonho sabido al esto momento nada
de corlo. O Governo (em hoje all mil e lau-
tas baionetas de tropa do linha sua disposicao,
o pareca que esta forca era sulliciente para lia-
ter matulos bisonhos na arle de guerra ; assoi
nio Ih'u ensincm, como Ibes vio cnsinando
a fuzilar prisioneiros.
Ilontem a noute marchou para o interior.
dizem uns que par; o Po do Albo, e cutral
quo para o Lrr.ociro a companhia do cavallari
do linha : da-se por motivo desta marcha urna
lomada de ro rutas dosta ultima comarca por
um senhor de engenho da primeira, contra
quem o Delegado do Limoeiro disse cobras o
ligarlos ; mas nunca tanlo quanto se con tem
na sua Ilustre biographia (do Delegado).
Nao tonda ninguem de si para si, que o
Correio quer ser carreta do mundo o Corren
diz o que ouvo, o o que v ; c nao havendo as-
signado termo do ver, ouvir, c calar, pareen
estar no seu direito quando conta sem cerimo-
nia o qu : este, ou acuelle sem vcrgonlm Di'os e do inundo pratioa, diz, e cscreve. 8
Senderes met, esculem o Correio,o se elle nao
tiver rasao, nao Iba dem. O Correio ve es-
cripto e ouve dizer ahi em qualquor loja, c"0
qualquer esquina, o rnesmo em muitas entra-
das de casas, ouve dizer, O Governo dte man
dar e determinar com forca e energa a Camat*
Municipal tal Collegio ^c. $c. : olbi o Correio para
quem isto pro/ere, ve, o conbeco ser aquella
mismo que as oleicrs passadas gritava, c O*
erevja contra o Gr vemo por so intrometter era
eleicoes Ora isto aborrece e causa fast'0
a vonta le mais gulosa, c de mais a mais obng*
a que o Correio diga que os Esganarellot poli"
i /


r
ticos no querem senao confundir, nao lem
outra le senao a sua vontade, sao inconsoquen-
tes, sao brigantes e finalmente sao ( e mal* que
sao) pedantes, porque ou desconhem e ignorao
alai, ou querem que ella so tenha oxecucao
piando Ihes for favoravel. Em que pois of-
fendcr o Correio quinde diz o quenin-
guem ha por ahi quo o ignore ? So algum cri-
ine tem consiste em dizeroquej se sabe, e
erito basta Hit! apena de nao gunhar asalvice-
ras. O Correio ler.i occasiao de voltar a ma-
teria : basta de massada.
O Diaria de Ptrnambuco d'ontem nos an-
nuncia a modada conservatoria ingle/a. Con-
tavn poneos mozos de npparieo e vida nesta c-
dade, b deixou Je existir : ineibor I be (ora nao
ter aqui apparecido liste aconiecimento serve
a mois aiirmur a crenca de i|Uepragas pe-
gdo.--Tantos escrives que querio eserever nao
podio dosejar longa vida a quom Ibe tirava a
rasa !
Publicado a pedido.
lllm Sr. Diz Florencio Domingues da Sil-
va arrematante do contrato de '500 rs por
cabeca de gado vaceum da comarca da Boa-vis-
ta, que necessita, quo V. S., a bem de seu di-
reito esclarece por seu despacho se por ventu-
ra est sugoilo a este onus todo o gado, que (r
morto para o consumo e nao smenle o que
he posto nos talhos pblicos; pois'osupplicante
<|uer evitar duvidas, que a este respeito se pos-
so suscitar. P. ao Illin.Sr. Inspector da Tho-
souraria Provincial se digne de dar tal eiclare-
cimento para seu intuir conbecimento o (loa
pessoas, quo esto sugeitas a este pagamento ,
ii. R. M.(e Florencio Domingues da Silva.=
ilaja vista o Sr. Ur. Procurador Fiscal. I'he-
souraria das Rendas Provinciaesdc Pernambu-
c, 21 de Novembro do 1&44. Lobo.
Sendo o imposto estabelecido sobre o consu-
mo, compvehende o do que falla o supplicante ,
< isto mesino j i foi decidido pela Assembla
Provincial em parecer do I." de Abril IS-l e
o tem sido constantemente por esta Thesoura-
ria. Recilo, 21 de Novembro 1844. alcan-
forado. =to(orido com o parecer Fiscal. The
souraria das Rendas Provinciaes de Pernambu-
co, 21 de Novembro de 1844..o.
do corrento anno financeiro de 1844, a 1845 ,
pena dse proceder ejecutivamente, e sugeitos
a pagarem 3"/ona parte do dito imposto do ban-
co na coolurmidade do reglamento art. 32
a respeito. Recebedoria 20 de Novembro do
1844. Francisco Xavier Cavalcunli de Albu
querque. (12
= O brigue Victoria recebe a mala para o
Rio Grande do Sul no dia 26 do corrente
a Tem-se de proceder a arrematoco dos
gneros abaixo mencionados por 30 dias, para
lornecimento do hospital regimental ; os pre-
(endentes que ostiverem nestas circunstancias
deverao comparecer no quartei do Hospicio no
d'.a 23 do corrente pelas ll horas do dia de-
vendo preferir-se aquelle que por menos iizer:
para o que devom trazer as suas propostas em
Carta fechada, para seren submetlidas a esco-
Iba u approvacao do lllm. Sr. Commandante
das ArmasCarne verde daprimeira qualidade,
toucinho, cha, leite, doce de goiaba, assucar
refinado, farinha da Muribeca, dita de trigo,
pans, arrs lutria, manteiga ingle/a (ran-
gos, galinhas, vinagre, sal, lenha de mangue ,
bolaxas ovos.e caf moido.Quartei no Hospi-
cio, 21 de Novembro de 1844. Manuel Lopes
Maciel 1.a Tenente Quartei Mestre.
para descont : quem pretender dirija-se a ra Corpo Santo como seu pai na ora da moriese
Uireita n. 87. 9 casou, segunda vez, com Mara de am e
Precisa-se de dous serventes de pedreio della nunca Uvera lhos est persuadido quo
boje mesmo al 7 horas do d la ; na rLa Bella por todas as les tanto divinas como humanas
n, 40. 1 nunca ha de ser berdeira dos bens do primeiro
2-A oflicina d'encadernaco que o Padre caza I BOJO] berdeira dos bens que seu pai
F, C. de I.emos e Silva dirige na ra Bella n. deixou apontados em seu testamento para dita
45. acha-se provida de ricos lerros de dourar, Sra. sua segunda inulher: pergunta Agoslinbo
magnificas placas de relevo, e excellontes cou-i Jos Franco segunda vez como no Diario de
ros, e mariDjuins do todas as cores, com o que 11 deste mez n. 252, a Sra. U. Mara Candi-
pde etecutar as mais elegantes oncadurnages'da da Silva,viuva do primeiro marido Joaquim
que so exicirem quer intuirs quer carlona- j Machado Freir primeiro testamenteiro e tu-
das ; e o novo processo quo emprega noappli-'lor n.eu ou a al;um fiador da tutela dos bens
car, e bruir o uro torna o seu douiado do j mutis na morte do primeiro u segundo marido
urna permanencia infallivcl; a mesma oflicina sel Joo Ferreira da Cunha se o sobrado na ra
encarrega lambem de brochar quaesquer obras! Dtreia n. 43, pela numeraciio nova, e um
impressas, com a perfeiciio ja conhecida do pu- i sitio no Arraial se he meu. Como tambem Ibe
(13
COMMEfClQ,
&lfandeg;i.
Rendimentododia2l...........1:774*756
Descarregdo hoje 22.
BrigueHobim diversos gneros.
Polaca sardaN. S. do Assumptolijlos de
marmore.
BrigueFannybacal ho.
BarcaGuilford farinha.
^ovimento do Porto.
7 publicacao litteraria.
galera
das
ORDENS RELIG10SVS K MILITARES,
des): x mais remota antiguidade at os nossos
dias.
Subscreve-so na praca da Independencia li-
vraria n. 6 e 8 a 8,500 rs por anno, pagos adi -
antados, onde se recebero todos os nmeros do
l.anno, e6do2.: cada numero conten 2
estampas coloridas, e 8 paginas de impressao
no formato de folha de papel de peso.
Osedictorcs desta obrateein em vista publi-
car resumidamente o que foro as ordens reli-
giosas de um e oulro sexo, como so fundrao,
dividirlo e ramificara o, cuacs suus fundadores,
qu co que fizero a bem da religiao e humanida-
dc : as ordens militares nao sero esquecidos
os importantes ser vicos prestados pelos institui-
dores religiAo e civilisaco. Por esta inte-
ressante publicaran conhecerd os leitores a
que ordern perlencein os que existom entre ns
como os Carmelitas, Bentos e Franciscanos,
e as militares Christo e Aviz. (25
Navio entrado no dia 21.
Richmond ; 4-> dias barca americana Guil-
ford, de 232 toneladas capitao James G.
Smith equipagum 9, carga farinha de tri-
go ; a Henry Forster & Companhia.
Navios sahidos no mesmo dia.
Ass ; sumaca brasiluira Estrella do Cabo ca-
pitao Antonio Jos Vianna carga lastro.
Havre de Grace ; brigue francez Adolphe, ca-
pitao Lacroix, carga assucar.
Rio de Janeiro ; brigue portuguez Trindade ,
capitao Joaquim dos Martyrcs com a mes-
ma carga que trouce.
& visos martimos.
2=Para u Rio Grande do Sul segu em pou-
cos dias o veleiro brigue Victoria, capitao Ren-
to Jos de Almeida recebe passageiros assim
como cscravos; para o que se podo tratar com
Amorim & Irmaos, na ra da Cadeia n. 45. (5
3 Vende-se a escuna nacional Diligencia,
de loto de 52 toneladas, forrada de cobre, cons-
truccao brasiluira e prompta a emprehender
qualquer viagem ; a tratar a bordo da mesma ,
tundeada defronte da Lingota ou na ra da
Cruz n. 63, secundo andar. 6
1=. para o Rio de Janeiro partir impreteri-
velmente at o dia 25 do corrente o brigue Fe-
liz : quem quizer carregar on ir de passagern
para o que tem excelentes commodos, trate
com Firmino Jos Felis da Roza na ra la
Moeda n. 7. ,ou com o Capito Vlanoel Jos Ri-
lieiro. (7
*:.::"".*"**'**
iacs. '
Leiloes.
2 Do ordern do lllm. Sr. Inspector da
Tliesouraria da Fa/enda d'esla provincia se faz
publico, que so vai pruencher a vaga de um ,
terceiro Escripturnrio da Contadoria. eque no cilios de cozinha.e muitosoutros objectos uleis:
d.a 9 de ezernbro prximo vindoufo se ha de segunda leira. 25 do corrento, as 10 horas da
2O Corretor Oliveira far loilao do grande
porcao de mobilia &c. a maior parle nova ,
consistindo em cadeiras, solas, marquezas, me-
sa redonda para meio de sala bancas para jo-
go mesas de jantar, commodas, camas, tou-
cadores guarda-roupa estante para i i v ros ,
quadros. um esplendido relogio de bronzeeom
igura para cima de mesa obras de ouro e pr-
ta loucas finas < entrefinas cristacs uten-
proceder, na forma da lei, ao < .ocurso dos
que se proposorem a entrar neste lugar.
Os pretendentes dovero apresentar os seus
requerimentos documentados com folha corri-
da, cerlidao de idade e estado os mai< docu-
mentos, que julgarem precisos a bem de sua
pretendi. Secretaria da Fa/enda de Per-
namhuco 20 de Noveml.ro de 1844.
Joaquim Francisco Bastos.
ffciat Maior. (15
flcctaracoes.
2-0 Administrador da Mesa da Recobedo-
ria de rendas internas geraes, avisa aos colecta-
dos do bairro do Beoife Santo Antonio ,
Boa-vista, a Afogados, para quo venhao pagar
os impostos do banco escravos, mo mora ,
manha na ra do Collegio n. 18, segundo
andar. (13
= Joao Koller far leilo, por intervencio
do corretor Oliveira de um esplendido sorti-
mento do fazendas sendo a mor parte ultima
monte despachadas : hoje 22 do corrente pelas
10 horas da manha no seu armazem ma dn
Cruz.
Avisos JI versos.
2 Aluga-se urna casa terrea sita na
ra dos Acouguinbos n. 8. por 10 mil ruis
mensaes, com duus salas, dous quarlos, cozi-
nha fra bom quinUl com alguos arvoredos
de fructo cacimba e portan ; a qual sealuga
com a condico do inquilino fazer o concert
que a mesma precisa, pois se d alguns mere*
blico e a um Bffco moderado,
3-0 abaixo asstgnado avisa aos seus 1ro-
guezes que recebeo um sorlimento de fazendas
de seda, e pannos de difluruntes padroes para
cobri: chapeos deso, e no mesmo se encontra
sortimento de chapos de sol de todas as quali-
dades ; quem pretender dirjase ao Passuio
publico : o mesmo avisa a quem tem em seu
poder chapeos para cobrir, o para concertar ha
ja de os tirar no praso de oito dias que do con-
trario sero vendidos para pagamento do leitio
dos mesmos. Jeon ^ouiet (11
3=Joaquim Pinheiro Jacome embarca para
o Rio de Janeiro a sua escrava Miquelina, de
nacao Rengela. (
2r=Alugo-se 4 canoas urna carrega 1200
tijolos.outra 900,outra 700 e a outra he proprie
para familia, e tamben se vende alguma deltas;
na ra do Caldereiro n. 56. (4
1=Jos JacomoTasso retira-so para a Eu-
ropa, a fin de tratar de sua saude. (-
*= Precisa-se de 3o0j a 400 rs. com o
premio quo se c ntratar dndose hypotheca
em um bom escravo, o qual fieai em poder de
quem der esti dinheiro ; ;i quem cODtier este
negocio annuncie para ser procurado.
= A mulher Portugueza, que annunciou no
Diario de Pernambuco. de20 do corrente, que-
rer ser criada de urna casa ; dirija-se a ra do
Colho casa n. 2, segunda loja.
= Precisa-se de um caixeiro para vender
pao, que tenha alguma freguezia, lambem se
admite algum preto ou preta para vender pao
com vendagem: na ra Direita padaria n 129.
confronte a torre do Terco.
= O Juiz da irmandade do S. Sacramento da
freguezia de S. Jos avisa a todos os irmaos d
mesma que hajao de se reunirem domingo 24
do corronte as 9 horas da manha, na groja
do Terco para tratar dos negocios da mesma
irmandade.
Boga-sc oo Sr. I. R. P. baja de compa-
recer no praso de 8 dias, para pagar a quantia,
que nSo ignora ou par ajustar suas oontat
do contrario ter o dissabor de ver seu nome
publicado por estenso ; na ra Nova venda nu-
mero 65.
5Aluga-se um andar com sotSo.cosinlia e
excellentes commodos. da casa que foi de
Fox & Stodart : ra da Senzalla nova n. 42
a fallar na mesma casa. (4
7 = Quem quizer aprender grammatical-
mente a lingoa franceza com um professor h-
bil e exacto; dirija-se ao Atterro da Boa-vista .
sobrado n. 3. >&f&& d
3 Precisa-se de dous contos de ris a pre-
mio sobre hipotheca ern um predio livre.e des-
embarazado ; quem quizer dar annuncio para
ser procurado. (4
3= No Atterro da Roa-vista n 63,do-se li-
dies de desenho por proco commodo lambem
se lirao retratos tanto a oleo como cm miniatura
com toda a perfcicjlo. (4
3 = D se dinheiro a juros sobre penhores de
ouroe prala ; na ra do Rozario estrella n. 35.
se dir quem o d. CJ
2 AVISO IMPORTANTE.
Luiz Antonio Vesquita Fa'co participa ao
publico que tem estabelecido urna padaria n
ra Imperial n. 120, a qual comecar a vender
no dia 24 do Torrente mez o aonJe se fabrica
pao li.o pelo methodo de Lisboa com toda
a perfeifo e aceio. Ali se apromptao com bre-
vidade enrommendas tsnto para a cidade como
para fra advertindo que o pao o bolaxa ser
marcado com um single do proprietario, para no
caso,i|uoscus freguezesnogostem da qualidade,
se Ibe restituir o seu dinheiro;quem quizer cer-
tificar-se do que se affrma experimente: o pro
prietarin obriga-se a mandar entregar em casa
de seus fregueses ,'sem augmento do preco) o
pao que Ibe for uikoiiiinundado. (16
2=Qualquer pessoa estrangeira quesejul-
gar habilitada para vidrar louca o quizer por
isto entrar de socio em urna fabrica cuja es-
peculado prometi interesse ; dirija-se a ra
da Florentina n. 1(1, paraomesmo fim: na mes-
ma casa se vendem vasos para craveiros. (6
= Agostinho Jos Franco, filho legitimo do
casal de Agostinho Jos Franco e sua primei-
ra mulher I). Mara do Ro/.ario como ha de
constar nos livros dos batismos na matriz do
he mais lembradn em seu prognostico pelos sig-
naes mostrados do fallecido seu pai duas h-
celas de papelo cheias de ouro em obras, e po-
dras finas. Lina imagem do menino Dos ;
ludo tsto orlos mtut riaerum. no seu guarda
roupa, he lempo, resgate estes bens a suu dono
o a Mara des Praz res lambem como berdei-
ra do cazal.
1 = Quem quizer dar 50 ris a juros,pagan-
do-se quatro por tent, nao sobre penhores,
porm sim por flanea de urna pessoa rnuito
capaz pelo lempo de qualro mezes ou com
embargo a um ordenado de 16j ris munsaes
al que se pague da dita quantia pedida e do
competente juro que se oflerece. (7
= Precisase de um cont e duzentos mil
ris a premio com hipotheca cm urna boa cusa
as Cinco-pontas ; quem quizer fazer este ne-
gocio, dirija-se ao relojooro da ra Kstreita do
Kozario n. 19.
Precisa-se de um caixeiro de 16 a 1S
iiikis de idnde para tomar corita de urna lo|a
no lugar dos Baneiros ; quem quizer, dirija-se
a ra do Queimado loja de ferragens n. 10.
Quem annunciou querer comprar um ter-
no de medidas de pao, e 5 de folha ; dirija-se
as Cinco-ponta.wi. 1G0, que achar com quem
tratar.
Joo Copes de Lima deixou de ter taber-
na na ra Imperial n. 2, e entregou as chaves
da casa a seu proprietario Jos Mara de Je-
ss Muniz, no dia 19 do corrente mez.
Pergunla-se a quem Hvcr a hondade de
responder seo chefe de urna repartico publi-
ca, anda sendo ministerialista, pode mandar
conduzir os movis da sala do expediente da re-
partido a seu cargo para moblhar a sua casa,
e, se no caso contrario, o encarregados que
um ohrigacio de nada dei\arem sabir sem as
formalidades lepr.es incorrem na falta de su-
bordinarlo, c devem ser suspensos, por se op-
porcm a scmelbantes sabidas.
Quem anunciou precisar de urna pessoa
para sociar n'um estabelecimento ja prompto ,
e em giro, entrando com fundos, nao menores
de um cont de ris dirija-so a ra da Cruz
do Recife n. 49, primeiro andar.
.Oflerece-se urna parda de idade para ama
de casa do familia, .ozinha e faz o mais servic
de casa, menos comprar e engommar : quem
pretender dirija-se ao beco da Carvalha, n.
3= A luga se para a (esta urna rasa beir
lorio, (om banho, e commodos para tamil i
a
por festa ou por anno, a preco muito em con"
ta ; na ra de Agoas veriles n. 21. ("
1 = A pessoS que tem annunciado por este
Diario, precisar de urna ama de casa ; sendo
a inda queira, dirija-se a ra do Fagundes
n. 16. (4
1Na ra de S. Rita, assiste um tinturei-
ro na casa n. 74, que se propoe a tingir toda a
qualidade de fazendas, tanto do 10a, como de
seda, por preco commedo. [4
2=0 abaixo assignado morador as Cinco-
pontas n. 4, declara q'je tem en. seu poder urnas
cadeias do relogio e um alfineto de peilo, lu-
do com 6 oitavas e 3 i graos de ouro, perten-
eenle ao defunto Capitao Francisco de Assis Mon-
des GoimarSes, empenha 33S50O ris; disto linda o mesmo fallecido
em seu poder urna clarisa da qual consta ,
que desde o dia 10 do corrente, se icha o abai-
xo assignado autorisado pelo mismo fallecido
para vender os ditos objectos para seu paga-
mente, porm como acontecco fallecer faz o a-
baixo assignado o presente annuncio, para quo
se alguma pessoa sojulgnrcom direito aos ditos
objectos, e os queira resgalar, o faca da data
deste a 8 dias passados, os-^uacs sero vendidos
para pagamento do abaixo assignado visto
que o valor dos mesmos nao chega para o
seu pagamento.Manoil Joaquim Pinto Ma-
chado GuimarHes. (20
Agencia de Passaportes.
2=Na ra do Rangel n. 3-, correm-se
folhas. tiio-se passaportes para dentro, e
fora do imperio e despacbao-se escravos ,
ludo com umita brevidade, e preco muito
commodo : quem pretender dirija-se a indi-
cada casa a qualquer hora. (7


r
alfaialo,
ofliciaes
2= Aluga-se urna cas3 terrea para se passar
a festa no lugar do Giqui, defronte do enge-
nho do Sr. Manoel Cavalcanti, a qual tem bom
quintal cacimba e arvoros de fruto ; quem a
pretender, dirija-se a ra da Guia n. 9. (o
2 Aluga-se uma casa (rrea por prego
commodo atraz. da matriz, da Boa-vista coni
6quartos, duas salas cosinha (ora e quintal
murado ; a tratar na ra da Aurora n. 58. ['i
2 Offorece-se uma ama crioula para todo o
6ervicodo interior de uma casa do que tem
muita pratica; quem de seu prettimo se quizer
utilisar, dirija-se a ra Direita loja de barhei-
ro n. 128; na mesma loja vendem-se muito
boas bichas de Harriburgo, e tambein se alugfio.
2 Aluga-se o sobradinho amarrello a mar-
gen do rio Manguinho papa trra com ex-
cellentes com modos para se passar a festa ; a!u-
gao-te mais o primeiro e segundo andares da
casa ii. terroda Boa-vista ; uma casa terrea nova na
ra Formosa com muito bons commodos ,
uma dita na ra da Solidado, por 12.' rs. men-
saes ; una dita por (j rs. ; a tratar com Sr
Francisco Antonio de Oliveira ou com seu
caixeiro Manuel Joaquim da Silva na ruada
Aurora n. 26. (11
2 Quem precisar de uma criada Portucue-
2a, de 18 annos que sabe bem coser engom
mar, e fazer o mais servigo do uma casa, di-
rija-se a ra da Aurora n. jt, que se contrata-
r pela passagem que nao he muito cara. 5
2 Precisa-se alujar uma casa terrea, ou
sobrado para urna pnq lena lamilla cujo atu-
Vgucl nao exceda de 10 a I'!,00!; rs. do-se 3
mezes adiantadns sendo rms >f^uirites ras :
Hortas, Trincheiras, Aguas-verdes, Laraogei-
ras estreita do Bosario e pateo do Carmo ;
quem tiver annuncie. 7
2Francisco Pinto da Costa Lima ,
na ra larga do Rosario precisa de
do mesmo offcio.
3Quer-se arrendar um sitio porto desta ci-
dade que tonha terreno para se poder ter 5
ou fi vaccas de leite : annuncie ou procure
entender-so com o pretenderle, na ra das
Cinco-pnritas n. 1 I. (5
3Precisa-se de dous bons amassadores pa-
ra trabalharem em padaria sabendo um pelo
menos cortar massa, paga-se bern ; na ra Im-
perial n. I2 ou na ra das Cruzos n
.mido andar.
3 Aluga-se urna casa muito boa ,
de de Olinda por preco commodo ;
na ra da Cadeia-velha n tfi.
4Anda em prac do Sr. Juiz de Direito da
primeira vara do Givel, um terreno com alguns
ai vor.dos de fruto entre as duas pontos da
Magdalena com 10o palmos na fronte da es-
trada da parle do poente 520 pouco mais, ou
menos de fundo onde tem 71 palmos de lar-
gura, o qual perlcnceo outr'oia a Jos Joaquim
Bezerra Cavalcanti, e esleve alorado a Joao Tho-
mai Pereira, o qual furo foi desfeito por senlenca
par ser arrematado a requerimento do seu pro-
pietario, a quem der mais de nove mil rs. pelo
palmo e no mes.no terreno existe urna peque-
a casa de taipa coberta de telhas, e uma ca
cimba de lijlo e cal que se vcnderao a quem
arrematar o terreno por 800/ rs. ficando o
arrematante obrigado a pagar a sisa de uma o
outra cousa. (14
3 abaixo assignado ensina a lin^.a lati-
na em sua casa, no pateo de N. S. do Terco n.
11 onde pode ser procurado, tambom para
advogacia ; o niesmo ensina gratis a quem Ihe
provar impossibilidade de o gratificar por seu
trabalho. J.uurenco Arellino de Albui/uer-
(jue Mello. (7
2M.c-Cailum ^Companhia respeitosamen-
te avisao aos senho'res de engenho e ao pu-
blico em gcral que na nova ra do Brum, que
passa por detraz do Arsenal de Marinha teem
estabelecido uma ferrara ( sendo a ultima do
lado do poente da mesma ra) onde lazcm
cavilhes atracadores, parafuzos de apertar e
outras ferragens para engenho, eixos trilitos e
outras ferragens para carros parafuzos e por-
cas de todos os tamanhos erragens para na-
vios, varandas, portaos, carros de mao a todas
as mais obras de ferrciro; e como os seus appa-
relhos recentemente chegados de Inglaterra sao
re primeira qualidade, promettem agradar aos
seui freguezes tanto na qualidade da mi
d'obra como no precoe promptidao. (id
2=0 proprietano do engenho I-Orno da Cal,
sito nos suburbios da cidade .o Olinda osla
resolvidoarrendar o dito seuengonlio pelos an-
uos que convier
34, se-
18 na cida-a tratar (3
ripia ou de cobranga de algumacasa de nego-
cio dando fiador a sui conducta annurcie. i*
Precisare de uma mulher de meia Idade
para casa de uoiiieni soeiio ; na ra do Rosa-
rio n. 21, ou na esquina do becco da Polo.
0 Sr. Joaquim Fernandes de Azevedo quei-
ra dirigir-se a rus deS. Tiieresa n. 2i a nego-
cio de seu interesse.
D-S dinheiro a juros sobro relogios de
ouro, que sejo modernos ; em casa do relo-
joeiro junto ao arco de S. Antonio.
Precisa-te alugar uma preta para o ser-
vico interno de uma casa de pequea familia ,
iu mesmo um moleque que entenda alguma
cousa de cosinli3 ; na ra de Hortas venda
jue faz frente para o becco do Pcinho.
No dia 19 do corrento ao romper do d ia ,
urtrao do sitio Agoa-lria de S. Amaro, um
avallo alazao, calcada de ambos os ps e mos,
com uns cabellos brancos na testa capado ,
com o (erro M ; quem delle souber dirija-se a
ladeira do Varadouro venda n. 3 que ser
ratificado.
= Na ra do Apollo n. 3'2, recolhem-sc bar-
ucas de (arinlia a O rs. assim como todos os
mais gneros por prego commodo ; tambom
Joixao-so embarcar ejdesembarcar barricas de as-
suear a 20 rs. e saceos a 10 rs. e antros gene-
ros por barato preco assim como se aluga o
mesmo armascm que he muito grande, e que
pode reeomer mais de 4000 barricas e tem um
grande sotao, que pude recolher muito gneros.
Precisa-se arrendar urn sitio perto da
praga que toaba proporcoes para ter 8 a 10
vacias de leite, casa de vivenda arvoredos
le fruto ; na ra do Crespo n. 10 primeiro
andar.
Aluga-se um pequeo sitio com vlvei-
ro oxcellentc casa de vivenda a margen) do
rio. no lugar dos Remedios ; os pretendenles,
lirijo-se a ra do II spicio casa da viuva de
Jos de Pinho Burgos.
Continua-se a dar ligos do msica e
acha-se apto para entino organisacao, ou di-
reoca >de qualquer banda de msica particular,
ou militar, um artista hbil e dosompedido e
com modernas e excellentes msicas alm das
quti so Ihe aprescnlem de quaesquer operas
para apropriar para as ditas bandas ; a tra-
tar no largo do S. Pedro n. 9, das 6 as l) horas
da manilla ede uma as 4 da tarde.
Alagad-te duas casas no lugar dos Reme-
dios acabadas de novo com bons commodos,
muito (rescas para se passar a festa ou por
anno, com terreno, ou sem elle; a fallar na
ra do Colh-gio n. 6, ou nos Remedios na casa
dos arcos.
A criada Portugueza que se offerece no
Diaria de 20 do corrente dirija-se a ra Nova
u. 54, primeiro andar de maiiha at as Cho-
ras e de tarde depois das 5.
Quem annunciou querer associar em urn
estabelccimento prompto em giro, dirija-se
atraz da matriz da Boa-vista n. -2'.
1 Aluga-se o sitio n. 39 da ra de S. Mi-
guel nos Aogados ; quemo pretender .dirija-
so a ra da Conceicao da Boa-vista n. 58. (3
10 abaixo assignado, secretario da irrnan-
dadedo N. S. da Conceigao dos Militares, em
observancia do titulo quinto ai ligo 18 do com-
promisso convida a todos os irmaos militares
c paisanos, para se reunirom em mesa geral,
no consistorio da mesma irmandade Domin-
go, 21 da corrente pelas 8 horas da manha,
a fim do se proceder a eleicao de novo presi-
dente que tem de regor a mencionada irman-
dade no futuro auno de 1845.
Anlonio Joguim liodriguet. (10
1 Aluga-se uma casa terrea na ra da Con-
cordia n. 3 ; quem a pretender, dirija-se a
ra Augusta n. 22. (3
lO abaixo Bssignado, offtcial que foi do Sr.
Antonio Francisco Lima Goimaraes acha-se
estabelecido com loja de barbeiro na ra es-
treita do Bosario n. 25 e est prompto a ser-
vir aos seus freguezes, nao s na loja, co-
mo em suas casas. Manoel Pereira Lopes Ri-
beiro. (7
I Quem precisar do um rapaz Porluguez,
de 16 annos para caixeiro do qualquer arru-
maclo excepto venda mesmo para fra da
praca annuncie. (4
20 anno s, pagao-se bem ; na ra Nova loja
de ferragens o. 16. 1*
Vendas
1 Vendem-se duas sobre-casacas uma
de panno azul e a outra de merino preto um
par de calcas do dito duas empannadas uma
cama de vento, de amarello tudo quasi novo ,
e por preco commodo ; no largo de S. Pedro
n. 9, das 0 as 9 horas e meia da manha, o
de uma as 4 da tardo (7
1Vende-se uma marquesa de amarello ,
bom feita por preco commodo ; na ra de
Agoas-verdes n. 38. (3
1_ Vende-se cera de carnauba de muito boa
qualidade em poxcoes grandes e pequeas; na
ra da Conceicao da Boa-vista n. 58. (3
1 Vende-se potassa americana e russianna,
em barris pequeos de muito boa qualidade
por ser nova ; na ra da Cadeia do Recita ar
masem n. 120. (3
I Vende-se farinha de mandioca de boa
qualidade, em saccas de dous alqueires e mel,
ha pouco tempo chegada do Rio de Janeiro, por
3200 rs. a sacca ; na ra da Cadeia do P.ecife ,
rmaselo n. 12. 5
I No armaseio de deposito de vveres, na
Henrlon, historia do papado edigo nova fran-
ceza ; Eca e Leiva, memorias theoricas e prati-
casde direito orphanologico, obra publicada em
Portugal em 42 ; primoias linias de physio-
logia por J. J. de Mello, lente do Coimbra ,
obra do 1839 ; Mignet historia da revolugao
francesa, em porluguez 3 v. ; Michelet, obras
de lilleratura e historia, sobarba; edigo de
40 em 3 v. grandes ; na livraria da esquina
da ra do Collegio.
Vendem-se duas pretas de nac8o, uma he
boa quitandeira cosinha, lava bem tem uma
cria c tem m uito bom leite o a outra cosinha e
lava ; no Atierro dan Cinco-pontas n. 154.
Vende-se vinho de Bordeaux, engarrafado,
chegado no navio Armorique ; no Atierro da
Boa-visla n. 11 loja de F. Dubarry.
3 fia praga da Independencia loja n. 6 e
8 vendem-se por prego muito commodo os se-
guintes iivros: Anquetil historia universal,
12 v. ; M.* Campan f Education 3 grossos v.;
obras d'Helveeio 3 v. ; curso completo de
economa poltica por Joo Baplista Say 6 vo-
lumes. '.'
3 Vende-se um preta crioula de 18 annos ,
engomma, cose e cosinha soffrivclmente ; na
ruada Allandega-velha armasen) n. 3. (3
3Vendem-se paulas novas muito bom im-
pressas alfabticamente cm ptimo papel ,
j correctamente emendadas em formato
porttil ; assim como os muitos celebres o ad-
rua da Praia, becco do Carioca por baixo da
sociedade Philo-Thalia conlinua-se a vender m7raVeV misterios "do Pari"traduiaoo"inerhor
arroz pilado branco o vermeiho dito comeas- possive| 0 jmpressoem casa de J. Willeneuve
ca farinha de mandioca saccas com muito & Companh,B no rj0 do Janeiro; na ra da
bom muito bom milho novo a 500 rs. no Cruz n. 20, casa de Avrial Irmaos. (8
mesmo armasem se recompensara a quem levar o-Vende-se um cavallinho pequeo ulaso
3 chaves pequeas eumponteiro de ferro, tudo escuro f banla flguil, e com bons andaros.
em|uma corrente de latuo ^uo se perdeo da e he op(imo para sennorai ou mejno ; em ca-
sa do ticardo da plvora ou na cavallaricc de
Joao Kremmc, na ra da Guia.
ra da Praia at a casa do Sr. Ramos
IVende-se superior vinho da Figueira a
1760 rs. a caada e a garrafa a 240 rs. cevadi-
nha de Franca a 200 rs. gomma de matarana
u 20 rs. manteiga francesa a 330 e 600 rs. ,
cha hisson a t920e 2240 rs. bolaxinha ame-
ricana a 240 rs. toucinho com carne bom pa-
ra feijoadas a 80 rs. o todos os mais gneros
de venda ; na ra do Aragao esquina da S.
Cruz n. 43. ;9
1 Vendem-se uns solos de Ierras na ra da
Casa-forte onde varias pessoas teem casas ; e
por meio dcste avisa-scas ditas pessoas que es-
tilo a preferir cujos solos tem frente na ra da
Casa-lbite dividindo pelo poente as casas da
viuva de Felis Marinho Falco e pelo nascen-
te, com as casas de Ignacio Francisco dos San-
tos ; a tratar na Camboa-do-Carmo n. 13. (8
1 Vende-so, ou pormula-se, por um ne-
gro ou negra um moleque de 12 annos de
bonita figura e muito esperto ; na ra Nova
n. 9. 4
1 Vende-se um relogio patente inglez,
muito bom regulador, por prego commodo; na
2 Vende-se um pouco de algodao sujo para
loja dcselciro ou para outra qualquer cousa;
quem o prelender annuncie. (3
2 Vonde-se uma parda de 3o annos, com
uma cria de dous meses tem abundante leite,,
engomma, cosinha ensaboa, cose e lax doces,
nao tem vicios nem achaques o que se aflian-
ga ao comprador, bem com declara-se o moti-
vo da venda ; na ra do Vigario n. 22 segun-
do andar. (7
i Vende-se papel de machina cm gran-
des e pequeas porgues anulos com lenti-
Iha muito nova e 3 pares do quartinhas dou-
radas muito graves pela delicadeza com que
se achao feitas tudo por prego commodo ; na
ra da Cruz n. 52.
2Vende-se umcavallo bastante grande, ru-
go muito bom carregador baixo al meio e
gordo ; na ra do Vigario n. 17. (3
2Vende-se uma escrava de nagao de meia
idade cosinha, engomma e lava tudo com
muita perfeigo ; na ra do Livramento loja
ra daSenzalla-velha n. 142, segundo andar. d(J fasonda8 ,8. (4
2 Vendem-se argalias ltimamente che-
Jompras
Compra -se um torno de posos de bronze
de 8 libras al meia q-iara ; na ra da Pnha>
o qual be de famosa produc- venda n. ..'i; na mesma venda precisa-se de um
gao de canas, e de mais lavouras tem lomos
de cal e olarias que igualmente dao bstanlo in-
teresse ; quorn o pretender, dirija-se ao mesmo
engenho a fallar com o seu proprietario .Manoel
Joao de Miranda. (9
3= Aluga-se uma casa torrea no bairro da
Boa-visla ra doCamaro n. J, com commodos
para grande familia ; quem a prelender dirija
se ao Atierro da Hoa vista n. 34. 4
2=OfIerece-se um homem de idade para
fe,tur de qualquer obra, ou para caixeiro de
cobrancaa, ou escritorio por proco commo-
do ; quem precisar annuncie para sor procu-
rado. (5
O 8 Oh*erece-se um rapaz brasileiro do idade
de 19 annos, sabendo bem ler, escrever, e con-
tar, isento de G. ti., para ensinar primoiras
lettras, fura desta praca ou para caixeiro dees-
cixelro de 19a K> annos, para uma venda em
S. Antonio.
Compra-se uma prela moga com habi-
lidades ; na ra Nova loja n. 58.
Compra-se um mulatinho de 16 annos ,
que nao seja vicioso c tenha boa cor ; um
moleque de Donita figura e que sirva para pa-
pem ; dousescravos para sitio pagao-se bem;
na praga da Boa-vista n. 19.
1 Compra-se uma mulatinha do 12 a 18
annos sendo rocolhida e que seja capaz de se
Ihe entregar uma casa paga-se bem ; na ra
Direita n. 3. (4
i Comprao-se garrafas vasias ainda mes-
mo quatenho servido de tinta; assim como francezas de lilleratura e de moral, edigaoY"de
vendo se superior tinta de escrever que j he, 1841 ; Mackeldy ; Direito romano, edigo do
bem conhecida pela sua boa qualidade ; na ra 4,1; Gouvea Pinto tratado de testamentos, edi-
ueS. Bita-novan. 88. (i gao de 1844; Rogron cdigo de cominercio ,
i Comprao-se efectivamente para (ora da edigo de 42; Dros Say, economa polilica ,com-
provincia mulatas negras, emolequesde 12 a pendios) Vollaire, thealro, nova edicao, 6 v
1 Vende-se um alicerce de pedra o cal ,
com 70 palmos do fundo o "3 de frente, j
com solciras assentadas em estado de se levan-
lar um sobrado de dous andaros e lem uma
meia-agoa logo no principio do Atierro dos
Afogados n. 109 vende-se para pagamento de
uma divida ; no mesmo Atierro, armasem
n. 218. (g
1 Vende-se uma porgo de barricas com
muito bom sebo por prego commodo ; na ra
da Cadeia do Recile armasem n. 12. (3
1Vende-se um moleque crioulo sem def-
(eitoalgum para (ora da provincia ; na ra
da Cadeia-velha n. 24. [3
1 Vendem-se cortes de chitas com 13 co-
vados e meio a 2/rs. chapeos de caslor a pro-11''';"'^ rwvisi
va d'agoa, e outras muitas lasenda por prego da Sta D" '"
commodo ; na ra da Cadeia-velha n. 24. (4
1Vonde-se superior farinha de mandioca ,
em saccas, por prego commodo ; na ra da
Cruzn. 51 no trapiche novo. (3
Vende-se urn escravo de 20 annos bom
carreiro ; 3 ditos para o trabalho de campo ;
4 pretas para todo o servigode uma casa ; duas
pardas de 20 annos cosem engommo e (a-
zem lodo o servigo de uma casa ; na ra do
Crespn. 10, primeiro andar.
Vende-se uma cama de Jacaranda nova ,
uma commoda de angico um par de lanternas
do vidro dousprresdo mangas de vidro la-
vradas dous pares de castigaes dedito urna
porgao do louga fina ; na roa Direita defron-
te do becco da Penha, n. 8, segundo andar.
Vendem-se dous pretos de bonitas figuras;
duas molecas do 17 annos ; urna preta de 20 ;
o urna iiegrinha de 10 ; na ra do Rosario da
iioa-vi.sia n. 4>.
Vende-se uma bonita parda de 16 annos,
engomma, ensaboa, e he muilo boa costureira;
urn escravo do '22 annos, proprio para todo o
sarvigo e mesmo para o de campo ; uma preta
de todo o servigo por 380? rs. na ra Direita
0.8I
Na ra Nova, loja n. 58, vendem-se e tam-
ben) so fazem de encommenda sapatos de cou-
ro de lustro, ou de outro qualquer couro e
marroquim para bomom, senhora o meninos,
tudo por prego commodo e tambem se lazeir
os concertos pussiveis.
Vende-so Rauter, direilo criminal edigo
de Pariz, 2 v. ; Flores Estrada .economa poli-
tica ; Bossi, idem; Noel et de la Place ligOes
gadas para curar fstulas, carnosidades e dor
de pedra caixas de massa de tartaruga e de
baleia pontos do marfim para alisar cabello ,
caivetes do cabo de viado de duas folhas ,
para aparar ponnas, os molhores que teem vin-
do thosouras linas para uuhas, sabonetes
para barba e outras muitas cousas muito em>
corita ; na ra larga do Rosario loja de miu-
desas n. 3o. ilO
2 Vendom-se figos muito novos de coma-
dre quartinhas da Baha carne do toucinho ,
manteiga muito boa, cerveja preta e branca a
440 rs. a garrafa dous volumes da historia de
Gilbras. eoutros de dilTorentes ttulos ; na ri-
Escravos fgidos
1 No dia 20 do corrente, para amanhecerno
dia 21, (ugio a escrava Ku/ebia a qual he mul-
lo conhecida nestapraga, de boa altura,Sgrossa do
corpo rosto redondo e muito marcado de be-
chiga nariz chato cor lula ; levou vestido
branco, saia preta por cima e panno preto he
muito regrista; quem a pegar, leve a praga da
Boa-vista n. 24, que ser gratificado. 1
Fugio no auno de 1825 um moleque de
nome Florencio de 10 a 12 annos, tinha a
falla deseangada, cabega meia puntuda para Iraz,
olhos grandes pestaas compridas uma cos-
tura de lerida em uma das pomas, logo a cima
do tornozelo da parto de fura tem sido vis-
to e consta ""tar no Rio Frmate; ioga-se en-
carecidamente a todas as pessoas empregadas
na polica particulares e ca pitaes decampo a
a pprehongo do dito escravo visto ostarem "S
seus sonhores privados dos seus servigos tantos
annos, os quaes gratificars com 100/ rs. a
quem o levara ra estreita do Bosario n 43
primeiro andar.
2No dia 27 de Outubro p. p. desappare-
ceo um moleque de nomo Paulo, de nagaj Qui-
gam do 17 annos cor pouco regular, corn
principios do buyo do barba tem uma pequo-
na esloladura entro os dedos de urn p*, do uma
queimadura que pouco so conhece levou
camisa de algodao lino, e caigas de brim bran-
co he muito conhocido por vender doce de
jlela em cupos ; quem o pegar levo a seu se-
ulior Antonio Jote Gongaivcs de Ascvedo na
ra da Praia armasem do carne n. 19, que se-
r recompensado. (10
l'i.KN J TYP. DK al. 1 di: BARIA1844-
1 I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EDPX6Q7DM_Q2M4PY INGEST_TIME 2013-04-13T02:59:08Z PACKAGE AA00011611_05230
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES