Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05228


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1844.
Ouarta Fcira 20
O I)uci0|>iiblie-M torio os din que n3o forem santificados : o prego da Siipiatura
fc-ds trun mil re. uor quurtel pagos adianlados. O annuuciosdos uiiRnunle .5o inaandos
/.lis eo.dni.aue nao forem rai.io de 80 rei por linh.. As reclam.ces deram .ar_dm- ^
5,dii a MU i)?., i-' .! Clruie. u. S ou oaya d independencia luj. I* IWO.fe. i o ^
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Golas*,., l'.r.hvba.sesundase kxim feraa.Rio Grande do Norle, chega 8 t Z par-
le i0 24.Cabo. Serinh.em. Rioi'ormoso, Macey, PortoCalso, t Alago..: no 1. ,
i\ a 3 da cada m. Garanhuna, e Bonito a 10 e 84 Je cada mei ioa-THta a r lor -
ei a 13 '.'3 dito. Cidade da Victoria, quintas feira. Olmd. lodos os das.
das da semana.- .
4S,Seg. Romao. Aud. do J. de D. la _>. t,
49 Tarca s. habel. Re. aud. doJ. da U.d.l.T.
O Quartas. l'eljs de Valoi. Aud. do J. de D. da 3 y.
21 Quintas Apresentscici de \ S Aud do J e D. da 2. .
(j Scita C.icilia. Aud. do J. do D. da i. v.
23 Sab. a Clemente. Re.
21 D>a s Julo da Cnu.
m
de Vovmbro.
Auno XX. 560.'
Tudo agora dspand. d. .,. .... d. ...... P^*.. JT".^3S *
tinuemos como principiamos,, seremos apuntado, cun sonnr.Sr"' ..
cultas. (troclam.Q.i da AssciaM. Geral o WMM.
C.MU10I no lili i'J I"! KOVKMBRO.
C.mbioa sobra Londres _5e f(2 BOaa,
Pars S80 re por i.,,,.-,,
Lisboa l'. por 1UU de premio
otdad. cobre ao par.
Idam da letras da boa frac., i poroso
Oura-Moadada 6,400
ii u w.
,. d. 4.U
Prittfat.o.1
u l*eo eolumranarea
u Dito, mexicanos
renda*
M .'100 17,500
17.100 47,300
9 500 9,700
,,90 4,9-0
1,920 4.9AO
1,900 4,920
PILASES DA LA NO MEZ DE OUTUBRO.
La cbaia a 26 as 2 horas e i i min. da m. I Luanura a 11 as 9 h. e 4 min. da tarda.
Minguante a 1 af _' horas a 9 min rj. tanle |Cric.ute a S oa 55 s tarda.
Preamar de hoje.
Ptima r. os 30 aa r. da tardi
'.-. -
| Segundo ais 'i nunuio. da larde
,'._.

, .
-tfir---
DIARIO
PERNAM
lfi.-Avn.^ggr .- .-- .-. v.-aia.
^szrasxwsH
EXTERIOR
se da sua pessoa. Na minha opiniao era preci- | vai encontrar com o Duque de Glucksbert, en-
satr.ent? desta maneira que elle devia desejar
que o tratassem : antes mal de inveja t|uo bam
de piedade.
Porm as bombas que tao indecentes de-
monstracoes de ciumeexcitavlo em Londres,
n3o erao senao o exordio do discurso. Depois
to bombardeamento de Tnger, insinuou o
Governador do Gibrallar oo Principe de Join-
ville que Ibe convinha esperar por ulteriores
instrueges do seu Governo antes do se resolver
a atravessar as columnas de Hercules, onde em
caracteres gigantes Ihe mostrava escriploNon
plus ultra; porm o rapa/, que lio Trance?,
as direitas nlo fez caso dos consclhos do Sr.
Apagou a primeira palavra da
CORRESPONDENCIA I0 JORN VI. DO C0MMEP.CI0.
Pars, 30 de AgoUo.
Dorme o lelo na cavernosa gruta ,
K nos ermos de Zara afouta passa
Chusma brutal de feras.
Desgraca aquella que intentasse ousada
O generoso bruto
Aos brandos laeos arrancar dosomno !
Acordou? J chameja a vista em fogo ;
Na garra o sanguetcm.na fauce a morle!
J. A. i>k Macedo.
Nao me enganava eu quando em 13 do cor-
rente Ibes escrevia que oto obstante todas os Governador.
disposices pacificas do Imperador dcMarrocos, legenda, de:xou fioar asoutrasduas, e oi a-
era pouco provavel que a questo marroquinase dando. Ei-lo em cima de Mogador as costas
terminasse sem sangue: nunca contei permque dos Occeano.
a min'ia prophecia se realisasse tao cedo. Tan- I O bombardeamento do Mogador oi mais
ger foi bombardeada no dia 0, Mogador no historiado que o do Tnger, porque custou as
dia 15; e emquanto o principe de Joinvillo fa- i Francezes 78 victimas, e entre ellas sete Ofli-
zia estas bravuras por mar recebia o Mare-jciaes; porm, depois da victoria, occupro os
chai Bugoaud a borda do //y (he o rio que I vencedores a ilha que domina o porto, o de-
separa o territorio argelino do de Marrocos ) Iclarrao este ultimo em estado de bloqueio.
a vista do filho do sultao que de bandeiras i Mogador, o mais importante de todos os
vermelhas despregadas o vinha comprimentar pontos do littoral marroquino he tambem a-
frente de 20 mil cavallos. j quelle que fica mais perto da rosidencia impe-
E a resposta Ihe dava tao crescida, I rial do Marrocos, donde dista 48 legoas. A ci-
Oue em mais que as bandeiras se suspeita dtde, que tere urnas 14 mil almas, he amis
Cjue a cor vermelha leva desta feita.
Cames.
commerciantede todo o imperio, e para este
din he que foi fundada em nCO. Por aqui be
Quem mandou a Abd-el-Rhaman ser cabe- que o Inglezes inundavao o paiz das suas ma-
cudo ? Quem Ihe traduzio por symptoma de ; nufacturas as quaes entravao em tanta abun-
medoou de (raque/a a inaccao do Principo de
Joinvillo, que nao era seno obsequio puro e
simples aos precitos da cordial intelligencia ?
CJuem Ihe mandou ir entender coin os France-
ses, que com toda a certeza se nao lembravao
de inquietal o ?
A poltica do Imperador do Marrocos tinha
dousiins: por um lado, ir entretendo o Prin-
cipe deJoinviile com negociacti fantsticas,
ato que a costa se tornasse impraticavel e a
esquadra se visse na necessidadede recolher-se;
dancia, que, sendo os direitos insignificantes,
renda a Alfandoga ao Imperador para cima de
um milhao de francos por anno.
Ouanto ilha em si nao he mais que um
rochedo estril o escalvado, onde al nem agoa
ba. He um navio de pedra, preso por anco-
ras naturaes ao fundo do Occeano ; porm
quem fr senhor deste navio de pedia, se-lo-
ha igualmente do porto.
Se o Principe de Joinviile fazia taes genti-
leza por mar, o General Bugeaud nada Ihe fi-
pelo outro, ir tendo mao nos movimentosdo cava devendo por trra. A botalha do Isly, que
General Bugeaud, at que o lilho do Sultao re- leve lugar no dia 14, be urna prova brilhante
cebesse os reforgos por que esperava, e podesse do que pode a disciplina contra o numero Os
cahir sobre elle com forjas superiores. Daqui Marroquinos ero 20 mil de cavallo, alm do
as tergiversares do pacha de Laracbe, e o mo nm corpo de Infantaria de 10 a 12 mil homens:
resultado da mediaiodo Cnsul de Inglaterra,
Desde que esto plano foi conhecido, era ine.
vitavel o rompimento das hostilidades. O Prin-
cipe do Joinviile, como mais independente, to-
mn, desde logo a iniciativa ; o Marechal
Bugeaud esperou que o alacassem.
Desdo as 5 horas da manhaa at s 4 da tar-
de do dia 6 sete mil projects entre balas,
bombas o foguetes de Congrevo cabirao den
tro de Tnger. O estampido foi grande, o re-
sultado foi pouca cousa: fiuro desmantelados
os fortes, mas a cidade nao soflreo muilo. O
fogo dos Mouros foi bem sustentado, o ainda
inelhor dirigido, (^uarenta o nove balas do-
rao no Su/fren em que estava o Principe de
Joinviile.
Fcilmente se pode suppAr como este ultimo
se porta.ia em occasao tfto importante. Mui-
tos motivos o animavao a f'a/.or como fez, a
sua obrigseaoi c nao era o menor delles o tor
por testemunhas d i sua coragem representan-
tes Jo quasi todas es marinbas da Europa. Esta
circumstancia dava ao conflicto um ar de so-
lemnidade que o tornava mais interessate. A
Assembla reunida as aguas do Tnger, na oc-
casao do combate,compunha-se: do urna nao ,
urna fragata e um vapor ingle/.es;duas fragatas,
urna corveta,dousbrigues e dous vapores hespa-
nhes ; urna Iragata americana ; urna fragata ,
duas corelas o um vapor dinamarqueses ; urna
corverta e um vapor suecos; urna corveta
tarda.
O bombardeamento de Tnger rendeo ao
Principe franco/, boa dose de injurias, tanto em
prosa como em verso, da parto das principaes
follias ministnriaos inglezas ; o para mim nao
he preciso nutra prova de quo a galbardia de
seu comportameuto foi tal como devia esperar-
os Francezes apenas conlavao urnas sete mil
baionctas e 1,200 espadas, primeiro cho-
que da cavallarie mourisca foi, segundo o seu
costumo, terrivel ; mas como os Francezes ,
formados em quadrado comartilharia nosangu-
los, os recebrao a p firme, immediatamen-
le comecou a desordem as suas lucirs, e com
ella a derrota, que urna carga da cavallaria
franceza tornou completa. Os Francozes com-
prarlo a victoria com urna perda do 200 ho-
mens ou mortos ou feridos mu gravemente;
os Marroquinos deixrlo no campo da bataiha
800 cadveres, 14 pecas,1,200 tendas e oguar-
da-sol do filho do Imperador insignia da su;:
dignidade. Este guarda-sol havia sido fabri-
cado em Pariz, onde custara 1,800 francos :
para c tornar a voltar agora, e por muito
menos preco do que sahio,
Temos portanto a guerra comecada muito
(leseras, e para tli/cr a verdade com mu
felizes principios. Corresponder-lhe-hao po-
rm os fins? Para di/er o quesinto, receio
muito que nao. Os interessesda Inglaterra j
estao feridos mui gravemente, opodemsl-o
ainha mais. A occupaglo de Mogador pude ser
seguida da de Tnger de Arzilla, de Laracbe
e de Tetuao ; e por mais que se diga que nao
sor senao temporaria, sabe Dos o que o lem-
po dar de si. De qualquor maneira que seja ,
a supremaca ingle/a no Mediterrneo est a-
meacada do grave perigo.
Daqui se pode inferir quao grandes bao de
seros esforgos que ha de iazer o Governo de
Inglaterra para que a cousa nao va mais longe.
Se nao poder ser por bem ha de ser por mal.
Aim do tentar a resolutao do problema por
meios pacficos, j l parti do Madrid para
Marrocos o Ministro inglez Bulwer, que laso
viado, j ha mais ternpo, pelo Governo fran
coz para poder usar de meios violentos, sendo
preciso; j l se esto fazemlo om todos os por-
tos de Inglaterra preparativos im mensos a
que nao vejo corresponder igual actividade em
Kranga.
E entretanto a diplomacia ingleza nem por
sso est ociosa : pelo contrario trabalha cons-
tantemente. A mesquinha quostao do Taiti,
elevada mui de proposito a proporcoes colos-
saes, he a base desta especio de guerra foita
por penna. O Goverrpjnglo/., depois de ter
consultado os jurisconsultos da cora, deo or-
dem a lord Cowley para que exigisse de urna
maneira decisiva e resoluta a destitualo do
Governador o sub-Govcrnador de Taiti, como
repararlo da injuria feita magestadebritanni-
ca na pessoa do seu agente ; e quo no caso de
a nao obter, pedisse os seus passaportes.
O fundamento das exigencias de Inglaterra
he que o privilegio da exterrilorialidaile foi
violado em consequencia da prisao do Cnsul
Pritchard, que, na sua qualidado do encarre-
gado de negocios, gozjva de todas as immu-
nidades diplomticas. He na verdade prin-
cipio do direito publico que os agentes diplo-
mticos residentes em qualquer paiz sao con-
siderados como residindo em territorio neutro,
sem a mnima sujeico s leis do paiz, anda
no caso de obrarem contra os interesses e stgu-
ranca do Governo junto do qual se acho acre-
ditados. Tudo quanto este ultimo pode fazer
he remette-los ao Governo que os acreditou, e
exigir a satisfacSo necessaria. He preciso po
rm advertir quo esto principio que ninguem
nega soffre urna excepcao importantissima em
caso de flagrante delicio : isto he quando o
agente diplomtico be colhido no acto dt coad-
yuvar ou dirigir urna insurreicao armada contra
o Govorno ; porque om taes circunstancias,
pode este ultimo repollir forga com forca, al
o ponto de punir de mortc oaggressor, qual-
quer que seja, por outra parte, a sua gradua-
cao ou carcter. Daqui o aphorismo do mos-
tr Grocio : Quod si vim armatam tentet le-
gulus, san o cidi polerit. E que o reveren-
dissimo diplmala, seguindo pona por ponto
o exemplo de Turnbull em Havana, se acbava
no caso de que se trata, be cousa que nao tem
duvida : do maneira que. se o Governador de
Taiti, quando colheo o Consul-Missionario a
frente da nsurreiclo dos indgenas, tivesse
fuzilado sua reverencia, nada teria feito com
isso para que nao estivesse aulorisado por bom
direito.
Porm a importancia que o gabinete de
Londres querdar a esta queslao he toda facti-
cia ; o interesse quo mostia lomar por ella he
aflectado. De que se trata he de exigir do Go
verno franeen urna indignidade impossivel sob
pena de um ameaco de guerra ; porque, de-
pois deo haverem levado a este apuro, far-se-
llie-ha entender que a Inglaterra nao tem du-
vida em ceder da sua parte na queslao do Taiti,
comanlo que a Franca ceda da sua na de Mar-
rocos, que he aonde so pretende ir por tabella.
No rrcio de tudo isto, continua-!? a faar
muilo da viagem de L. Filippe a Inglaterra, e
at j so marca o dia da sua chegada a VVindsor.
Pela minha parte, nlo creio em somelliantc
viagem.emquanto estivor pendente a queslao de
Marrocos, porque a acbo nlo smente impoli -
tica, seno ainda perigosa. De duas urna :
ou o Governo francez mette em Marrocos a for-
ca necessaria para sabir com honra do empe-
nho em que se acba, ou nlo. No primeiro
caso, desguarnece o reino do tropa, o que se
nao pode fazer as circumstancias presentes
som perigo da dynastia ; no segundo, (cara
enxovalhado em frica, c affrontado por In-
glaterra, o que pode Jar lunar a alguma ex-
ploslo de descontentamente de quo j appa-
recem symptomasem urna assignatura quo ues-
te momento se promove aqui em Pariz para
um protesto da Guarda Nacional contra os in-
sultos que o Goverdo inglez pretende fazer a
Franca. E ser na preienca de conjunctura
lio grave que o Re dos Francezes ir a Ingla-
terra beijar a mo que o esbofela, deixando
a capital e o reino entregue As machioa&es
dos seus inimigos .' Acredite-0 quem quizer,
eu nlo.
Se porm l for, j l esta esperando por
elle em Londres um cumprimento, com que
elle seguramente nao conta. Bichen-Ilillon,
que se diz Coronel, oque pretende ter com-
mandado e pego sua custa -2 regiment! que
fizerao grandes serviros durante a revoluclo de
Julho, presentla a autoridede competente
um requerimenlo.em que pede que se Ihe passe
mondado de prisao contra l.uiz Filippe, alim
de o poder melter na cadeia, se ello Ihe nao
pagar 6 mil lib. esterlinas que Ihe licou deven-
do por esta occasiSo. O Magistrado a quem o
requerimento foi apresentado em audiencia i-
cou to espantado da pretendi, que, sem sa-
ber oque havia de fazer, respondeoque em
tal questo se nao meltia.' Diversas pessoas
procrenlo fazer comprebonder ao pretenden-
te o despropsito de intentar accao de seme-
Ihanto naturea contra pessoa tao alta como o
Rei dos Francezes ; porm o bomem, que he
teimoso, respondeo-lbesem prosa pelo sentido
do queja Moore havia dito em verso :
That kings har neither rtghts or notes
A whit diviner than our t wn.
Que os reis nao tem direitos ou n-riz
Mais divinos que os nossosum so triz.
2 de Setembro.
A politica exterior aprsenla diflerentes factos
de importancia de qje he preciso dar conta.
De novo forao escalavradas no Caucaso as
tropas Russas ; e desta_vez de maneira ainda
mais seria que das passadas. Vinle vezes a
aguia moscovita tem levantado vo at os pin-
caros nevados da montanha, sem poder es-
tablecer o seu ninho : parece quo a fortuna
Ihe voltou inteiramenle as costas por este lado.
A cada desgraca que os Russos actualmente
sofTrem no Caucaso anda Hitado o ome do
Schmyl (ou de Scbamil, segundo a dierento
maneira de pronunciar e de escrever), cuja
fama, j europea, se vai fazendo universal.
J em outra correspondencia Ibes disse algu-
mas palavras do hroe circasso : porm a ga-
lbardia do quo tem feito o vai fazendo merece
que tomemos conhecimenlo com elle mais de
rai.
Schamil, em cujas vcias circula sangue real,
est hoje fazendo na Circassia, relativamente
aos Russos, o mesmissimo papel que represen-
tou em oulras tras na Albania, contra os
Turcos, aquelle famoso Scandemberg, mais
conhecido pelo nome de Castriolo. Os prin-
cipios forao os mesnios ; as obras vio sendo as
mfsmas; veremos se tambem o fim be o
mesmo.
Em 1829, com os denles ferrados na sua
immensa barba para poder devorar as dros
que padecia, expiava sobre um montao de ca-
dveres, depois de um combate em que os
montanhezes baviao sido esmagados pelos Rus-
sos, aquelle terrivel Kasi-Mula quo os filhos
da montanha ainda hoje pranteo em suas ne-
nias, inniy delle jazia om n>ancebo de 13
para 14 anuos que os Russos fizerao prisionei-
ro. Este mancebo era Schamil. Conduzido
a Pcteisburgo, foi eJucado pela munificen-
cia imperial na escola militar, o enviado,
quando foi lempo a fazer as suas primei-
ras armas no Caucaso contra os seus. A ex-
traordinaria coregem com que desde logo se
distingui excitou ciumo nos iguaes, nos su-
periores desconfianca. Estes ltimos nao po-
diao julgar sincera semelhante forca de zelo
em causa alheia ; e um delles al Ibe atirou
um dia acara com a palavra traidor. O man-
cebo ouvioecalou; porm no dia seguinlo
desappareceo. Com elle desappareceo tambem
das fileiras russas a fortuna que at abi os
guiava, e nunca mais voltou at hoje. Cada
dia fui, desde cnto, para os Russos urna der-
rota. Urnas vezes sorprendidos por partidos
superiores, quando menos o esperavlo, erlo
todos exterminados sem se Ibes conceder quar



tel ; oulras ve/es sobresaltados noutcs o noutcs
com rebates falsos, e extenuados de fadiga e de
cansaeo, ficavao sem poder resistir ao mmi-
co nue os atacava cota lorcas frescas; em al-
guns casos, finalmente, engaados por falsos
trnsfugas que I lies servido do guias, erao at-
traliidoi a passos difliccis e Dengosos, onde
ludo era passado ao fio da espida. Tudo alo
era obra de Scbamil, que. vendo do alto das
inaa montanhss todos o movimentos dos tus-
sos. sem podor ser yslo por ellos, e conhe-
cendo do mais a mais todos os recursos e par-
tes vulneraveis do inimigo, raras vezes o ataca
va sem levar ja quasi a certeza da victoria.
O desastre- ltimamente soflrido pelos llussos
he o maior que tem tido desde o principio da
guerra. Culcula-se a perda que softrero em
i!e/. mil homens; mas, ulm disto, parece que
toda a provincia de Dagheslan, deque he ca-
pitel Derbend, e que se estende ao longo da
costa occidental de Caspio se I lie robellou.
(Ju, nto a Scbamil, o seu crdito be boje extra-
ordinario, e tum attrabido para debaixo das suas
bandeiras homens de todas as nacoes. Servom
as suas fileiras Afghans da \sia, grande nu-
mero de Ture is, muitos Polacos, bastantes In-
gleses e al Kussos.
9
vel que os misionarios de Fernando P e Anno
Bom nao facao menos do que os mais.
P.S., t 3 horas da larde.Va um arligo
le Iludios mi descargo de cunsciencia. boa-
tos sao navidades ainda em ombriao que se
prepirao pira vir luz mas que ainda se a-
chiio oin perigo de abortar. Eis-aqui os que
actualmente correm na ordem de importan-
cia c da probabilidade que tem.
I. lia tres diasquo os bracos do telegrapho
Je Calais esto acenando c para Pariz com fu-
ria que mette modo. CJuo nos estaro elles di-
/.endo la de tao longc ? Dizem que o Governo
inglez cada vez mais inquieto com as even-
tualidades da guerra de IVlarrocos pozera mais
um sustenido na clave da antipbona de repara
gao que levanlou ao Governo francez eque
exige re-posta decisiva ao seu ultimtum sobre
Taiti j. e j. E que Ihe responde Guizot? Res-
ponde- Ibe que se nao sent com voz assaz larga
para poder cantar s Cmaras a dita antipbona
na toro em que Lord Aberdeen a enloou ; mas
que se Sua -enboria mudar em bemol o susti-
nido o que descer o tom um ponto inteiro ,
Ihe parece que poder.i sabir com honra do em-
barace em que se v e que poder merecer a
molhadufa pro missa lene cantata Por ou-
0 exemplo dos Circassoshe proprio para ani-jiras palavras : Que a destituicao ou remocao
mar todos os que oombatcm pela causa da pro-
pria ni dependencia contra inimigo mili Buperi
or ; mas desgracadamenlc destes milagrea s
apparecem em povos ainda barbaros, ou polo
imnos, pouco civilisado*, ricos de ignorancia ,
do (ioveri.ador Bruat be impossiyel ; mas que
se a Inglaterra se contentar, nao com a desti-
luico, mas com a remocao do sub-Covernador
dWuhigny que ser reprehendido nao pela
prisao e ex pulsan de Pri lebard, mas pela grosseria
llavera llovida em se Ibe conceder.
II. Ta.mhcm se levantou a dias na praca
outro boato de importancia que at agora
tem andado ora para baixo ora para cima ,
sem se poder destruir nom confirmar. Pre-
tende-so que o imperador de Marrocos ater-
rado com a batalha de Islv escrevra ao Ma-
recbal Bugeaud dizendo-lhe que acceitava o
ultimtum da Franca tal qual e que em
consequoncia disso bavia mandado 400 homens
da sua guarda negra prender Abd-ol-Kader ,
euja entrega o General Francez exiga. Os
optimistas ncereccnlavo a isto que esta ultima
ordem ja tinha lido execuco.
Noticia de semelbanto importancia que ro-
movia por uoia maneira tao inesperada como
feliz a maior de todas as d fficuldades da ques-
tiio bem mereca que eu me pozesse na ra
para examinar o fundamento que tinha. Eis
aqu o rebultado das minhas indagacoes.
A existencia da carta do Imperador parece
veriicar-se : mas todas as suas promessas nao
sao senao a continuacao da mesma poltica eva-
siva afim de ganhar o tempo necessario para
reparar as suas ultimas perdas : quanto or-
dem de captura contra o emir ou nao loi da-
da ou nao ter execucao.
de pobreza e de craneal religiosas, e sendo de com que se portou para com elle at aqui nao
fanatismo lant a melhor. A civilisaeao ea ins-
truccao augmentao, he fardado os commodos
da vida, e frzerii nascer grande numero de r.e-
cessidades, dando ao mesuro tempo os meios de
as salislazer ; mas a sua BCCjo sobre o espirito
nacional he desgranada. Km a civilisaeao oho-
gando acert ponto, o patriotismo esmoreceo ,
a religiao esfrtou. J ninguem combate pro
ari$ et focis, porque j ninguem tem fem al-
tares, nem amor a lares. Os grandes excmploS
de coragem e de valor jft nao apparecem senao
as guerras civis, em que os proletarios comba-
ten) contra os ricos, que icao seoipre vencidos.
Se nestas circunstancias se aprsenla urna guer-
ra exterior, pode talvcz u naoao j posta em
movimento, cabir sobre o inimigo externo e es
magal-o ; mas para sso he preciso quem sai ha
dar di recelo ao impulso das masas, e que o (in-
vern estabelecido ou se|a ou se tenha feilo ab-
soluto.
Falleceo finalmente a Princcza Alexandra ,
e expirarao tambein com ella as esperances que
a Kussia tinha concebido de se apoderar do
Sunda : nao foi historiador o Times, mas foi
piopbeta. Luiz Filippe, que pela familia do Im-
perador da Kussia loma pelo menos tanto inl-
resse como pea do Duque de Bordeo, tomou
luto por dito dias.
M.hemet-Ali nem abdicou, nem se retirou
para Meca : redusio-se tudo a urna exploso de
rno humor, nascida de representacoes que osJ
ulemas Ibe lizerao sobre a miseria do povo ,
esobre o descontentamente ge ral dando-Ibe
a entender ao mesmo tempo que alnaneira
mais gloriosa determinar a sua longa carreira
seria oceupar-sc exclusivamente dos seus into-
reases espirituaes e entregar o Governo a bra-
co que eslivesse em melbores circumstancias
de lutar com as dilliculdades do lempo. Pa-
rece (|ue estas verdades sorao mal aos'ouvidos
do velho Pacha que se deu por amuado de-
veras. Clainou traico e retirou-se para o
Cairo dizendo que nao se imp irtava mais com
o Egyplo ; mais dab a pouco; dias mudou
de reaolucio o voltou a Alexandria t man-
do do mesmo modo que d'antes a direccao
dos negocios.
Pouco haquedi/er de Inglaterra. Rcuni-
rao-se trazante-hontem os 12 Juizes do reino
para pronunciarenm a tentenca na causa de
O'Connell. Espcrava-se que boje fosse publi-
cada e em tal caso ah deve chegar, por este
paquete
Organisou-se em Londres urna aociedade pre-
sidida por um Inglez, e composta de membros,
parte Inglezes parte Hcspanhcs da Ilava-
na para prepararen! os meios nccess.irios para
a separaco e independencia da ilha de Cuba
He notavel o interesse que os Inghzes tem to-
mado a certo tempo pelas cousas da Hes-
panha. Durante a guerra do successao, man-
drao-lhe urna legio para combaler I). Cr-
los ; ha poucos mezes mandrao para as Ibas
de Fernando P e Anno Bom urna carregaclo
de armas e missionarios; agora trato de de-
clarar a independencia de Cuba.
Nota-so que actualmente as grandes opera-
cues da Inglaterra sao sempre preparadas por
missionarios. O missionario Gotzlaw pieparou
a guerra da China e em premio la est mi-
nistro da pocia em Hong-Kong ; o missiona-
rio Clarkc tambem prestou grandes serviros na
Nova Zelandia, onde beempregado do Go-
verno ; o nunca assaz louvado Pritcbard fez no
'I ai t as proesas que todas sabem : he prova-
FEftNAMBUCO.
Tribunal da SU'laco,
Julgamento do dia 19.
{Presidente da audiencia, o Sr. Detembargador
Villares.)
Na ar pellacao civcl em que sao appellantes
Manoel Ignacio de Albuquerque Maranhao e
appeilados Andr de Sousa e outros : manJ-
ro dar vista as parles.
Na appeilacao civel em que sao appeliante
Lenoir Pugct & C. e appellado F. Candi:
mandaran dar vista as partes.
Na app. liaran civel \ inda da Parabiba do
Norte, em que be appeliante Carlos de ... e
appeilados Francisco Proliro de Freitas o Joa-
quim da Silva Guimares : mandrao dar vista
as partes.
Na appeilacao civel, cm que sao appellan-
tes e repellados autor Francisco de Paula Wan-
derley e reos Antonio Candido de Miranda e
sua rnulhcr e outros : mandrao dar vista as
parles, sobre os embargos.
Na appeilacao civel em que he appeliante
Joo Francisco de Oliveira, eappellada D. Ma-
ra Francisca do Bego : mandrao dar vista as
parles.
Na appeilacao civcl em que he appeliante
Jos Coilho Noves, e appellado Manoel Pinto
de Larval lio : receberao em parto os embar-
go.
Na appeilacao civcl em quo be appeliante
Jos Francisco do Azevedo Lisboa, e appellado
Miguel Jos Rodrigues : mandrao dar vista as
partes.
Na appeilacao civel em que he appeliante I).
Maria de Jess Sisneiros, o appellado Joao
Sisneiros : conlirmro a senlenca.
Na appeilacao civel cm que he appeliante
Manoel Francisco Lemenha Lins e appellado
Feliciano Joaquim dos Santos: refririiirao a
ientenca em quanto a ac^a de libello, e con-
firmaran quanto a reconvencao.
Dia de apparecer da comarca do Aracaly, em
que he appeliante Manoel Antonio da Silva e
appeilados Luiz Corroa de Menezes e sua mu-
Iher: ulgro procedente o dia de apparecer,
e a appeilacao deserta e nao seguida.
Inventario dos bens que licrao por faleci-
mento de Anna Rita de Jess e seu marido Jos
do Amorim, e de que he inventariante a se-
gunda mulher deslo Joanna Maria de Santa
Anna: julgrao nullo lodo o processo de fl.
5 cm diante.
Na appeilacao civel, vinda do Juizo dos au-
sentes da comarca do Aracaty em que ba ap-
peliante o Juizo, o appellado Jos Joaquim da
Costa : mandrao com vista ao Curador Geral.
Na appeilacao civel vinda do Juo do Or-
ph5os e ausentes da cidado de Macei provin
ca das Alagoas, em que he appeliante o Juizo
e appellado Carlos de Amorim : mandrao
com vista ao Desembargador Procurador da Fa-
zenda.
Na appell8 Manoel Ribeiro da Silva e appellado Francis-
co Jos Pinheiro Medeiros : despresrao os
embargos
ELEICA PARA DEPUTVDOSGERAES.
ApurafBo final.
Os. Srs : Votos.
Barao da Boa-vista 823
Dr. Antonio Affonso Ferreira 793
Dr. Pedro Francisco de Paula Cavalcanti 774
Cons. Sebastiaodo Reg Barros 742
D.* Antonio Peregrino Macel Monteiro 728
Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello 713
Dr. Joaquim Nunes Machado 700
Dr. Alvaro Barbalho Ucha Cavalcanti Go8
Dr. Jos Thomaz Nabuco de A Jnior G36
Antonio Joaquim de Mello 624
Manoel Ignacio de Carvalbo Mendonca 606
Dr. Manoel Mendes da Cunha Azevedo 577
Dr. Joo Jos Ferreira de Aguiar 577
Des. Manoel Ignacio Cavalcanti Lacerda 569
Viscondo de Goianna 561
Eleigao do collegio da Roa-vista.
Os Srs. Votos.
Dr Alexandre Bernardino dos Res e Silva 91
91
80
80
70
62
62
51
51
51
50
43
42
'.0
40
40
36
30
30
30
27
20
20
S
1
1
1
Barao da Boa-vista
Dr. Pedro F. de P. Cavalcanti d'A.
Cons. A. P. Maciel Monteiro
Dr. Jos Bento da C. Figueiredo
Cons Sebasliao do Reg Barros
Dr. Jos Thomaz Nabuco de Araujo J
Des. Manoel Ignacio Cavalcanti Lacerda
Dr. J. J. Ferraira de Aguiar
Padre Venancio Henriquo de Rezende
Dr. Manoel Joaquim Carneiro da Cunha
Visconde de Goianna
Leonardo Bizerra de Siqueira Cavalcanti
V. T. P. de Figueiredo Camargo
Antonio Jos de Oliveira
Dr. Goncalves Lima
Dr. Francisco de Paula Baplista
Dr. Caetano Jos da Silva Santiago
Padre Miguel do S. Lopes Gama
Vigario Francisco Ferreira Brrelo
Dr. Francisco Joo Carneiro da Cunha
Des. G. da C. Lima Belmonto
Dr. Augusto F. de Oliveira
Dr. Felis Pexolo de Brito e Mello
Dr. Urbano S. P. de Mello
Dr. J. Nunes Machado
Dr. Antonio A [Tenso Ferreira
CORREIO DO REC1FE.
CORRESPONDENCIA DA C1DADB E PROVINCIA.
Chegou em fim a acta du eleicao da Boa-
Vista a despeto de todas as diligencias legues
da polica daquella comarca para que ella c
nao viesse. Sei que o portador foi registado em
muitos pontos da sua viagem e senao lorao
as cautelas que se havio tomado, por certo que
as taes llegues como os rapazes as apregoao te-
mo sido apprebendidas por contrabando e
passado por um auto de l.
Hontem a noute houve um principio de re-
(ruta ment tracas a Dos! A cousa era, nat-
a capital, de urna necessidade palpitante. O
modo da execucao foi bem achado a msico
do recolher passava pela frente do quartel ,
quando o rapazio entrpitos > licou bem dentro
da ra respectiva duas patrulhas quo estavao as
extremidades,lecharo-na, deixaro passar alm
os msicos o recolhero o peixe no viveiro ,
que depois de escolhido produzio setenta e tan-
tas caberas. Dizem que a praia est chispando
pela escolha do recrutador, e assevera que o
Exm. Presidente Ihe ha de pagar estaousadia.
Oque me fazachar lantu graca neste laclo ,
be que, nao ba agora um desses cidados de 25
annos em Outubro, que cont hoje mais do 16;
infelizmente para elles dizem-me que tambern
se recruia para a Marinha at os 12. Oue dia-
bo de quisilia tem estes patriotas ao servico da
patria mais distincto e glorioso! Pois nao tem
rallo ; que esses estrangeiristas se esquivem
tem desculpa ; mas os patriotas !
Fechou-se a semana passada a academia de
Olinda, e seus empregadosaproveit3o-se cornos
esludantes das ferias, em ocio podem passear
quatro mezes, por este Recife e por onde qui-
zerem, recebendo todos os mezes com que com-
pren! os meloes. Pelo que me contodos exa-
mes, como j tiveoccajio de Ibes dizer, nunca
andouisto ir ais de cahecj para baixo: nos primei-
ros dias havia urna lista alphabetica para a
chamada dos examinandos, mas depois era
a quem se sentasse primeiro levuntarao-se
tres mezas d'examinadores de todas as dis-
ciplinas, os exames azio-se por turmas de
3 e 4, de sorto quenao se admirem em 7
dias se lizerao 290 exames ; urn dia foi parti-
cularmente notavel por que em urna s meza
em 3 horas lorao aviados em philosopbia 27
examinandos! He muita caridade, porm feliz-
mente empregada com a mocidade que tanto
nos merece. Dizem me que poucos diasantes
do encerramento das aulas, um estudantc do
primero anno leo na sala dos exames coram )eo
ecoram populo urna bengalada em um cascabu-
Ibo comociiarno na academia aosestudantede
preparatoriose licou a cousa tissim, como se
nada fosse.
Nao sei que mo fado porsegue entre nos as
instiluices Iliterarias, o este anno foi pessimo
para todos egsesestabelecimenlos.O Collegio das
Artes d< Academia contina no mesmo abando-
no,com o ensino pri vado dos Professores;o Semi-
nario dos cstudos tbeolgicos todos sabem emque
intriga vai; o Lyco desta cidade, creado com
tantas esperanzas andou este anno como o indi-
gente sem abrigo ; pela ruina de casa que a la
zenda provincial arrendou para concertar dis-
solveo-se o Lyceo, passando as aulas para as
casas de cada um dos mestres at que afinal o
lancaro l para a alfandega como um fardo d
fazendas, e nao achou um negociante compav
sino que o despachasse antes da nova pauta!
O que vein o Correio agora referir nimbe
novidade, mas perversidade: e ninguem ha que
com seus botes assim o nao diga, ejulgue
quando sesenta mesa | ara matar o bixinho
do esomogo : falla o Correio d os corladores
quo vendem a carne nessas espeluncas, que
so cbama acou^ue.estabclecidas por loda a par-
te onde se rouba o povo. por todo o modo !
Para arremediar falta de gados ainda podemos
recorrer a Dos : contra os cortadores porm
quem se recorrer ? As justicas da trra sao
surdas, os Fiscaes cegos e mesmo a lei os nao
garanto; oquefazer pois? Nao comer, be
remedio pior que o mal, porque l diz aquella
avezinha verde -= Papagaio no comeo morreo ?
A chave desta charada be c-te problema vSe
era melhor um Ahwolac com o regiment da-
do pela velha ordenaco, ou tantos Fiscaee.
MAMO M 4BB1M
Pelo portador que condu/ioda Boa-vista a
aulhenlica da eleicao feita n quella comarca
pelos eleitores de Ouriruri recebemes urna lista
exacta dos votos, que all oblivero os candi-
datos Assemblea Geral, a qual transcreve-
mos, e lomos minuciosamente informados das
oceurrencias, que alli bouvero as eleicfies.
Os eleitores da populosa freguezia do Ouricuri
virao se toreados para evitarem o derrama-
ment de sangue. que o .luiz de Direrto Arru-
da, e o Delegado Manoel Lopes de Barros pro-
vocarao com a forra publica, a deixarem a
cabera de dislricto do collegio eleitoral, e
reunirem-sc em sua Ireguezia para procede-
rem em paz as eleicoes. Os eleitores do Ex,
e Salgueiro nao se reunirn na villa da Boa-
vista, que he a cabeca da comarca, e vierao
lormar collegio na freguezia de Cabrob, por-
que ubi melhor podio por em execucao os
influentes o seu plano de-obter unaninndade
para a maioria dos candidatos praieiros. O
Juiz de Paz, que presidio a eleicao da Mesa
foi o da Legislatura seguinte, eleito a 7 de
Setembro deste anno. Alm desta illegalida-
de, as eleicoes primarias do Ex, e Salguei-
ro sao nuiles. Em Ex nao ouve Subdelega-
do, nem substituto que concorresse para qua-
lificaco. nem esta so fez, Em Salgueiro que
formalidades so guardariao. como far-se-ia
qualificacao, se as eleicoes nem ao menos fo-
ro presididas por Juiz de Paz ? Todo o tra-
halho nestas freguezias foi o de escreverem 30
diplomas para urna que devia dar 10 eleitores,
e 40 para outra que apenas 8 ou 9 poderia
apresentar a vista dos poucos fogos que tem.
O Juiz de Direito.e o Delegado estavao em to
grande furor para tudo vencerem que al pre-
tendero roubar a acta da eleicao de Ouricuri,
pondo em todas as estradas gr.nde forca para
alcancar os portadores que deseio d'aquella
freguezia para esta cidade, os quaes viro-se
constrangidos a passarem por veredas pouco
trilbadas, o a trazerem as cartas, e olicio
muito oceultos. Sabem policiar bem as elei-
coes, e violar o segredo das cartas os agentes
da polica praieira.


s
fnMMMMMSX*
Correspondencia.
Srs. Redactores. No Diario-novo o.* 219
de quinta feira 14 do corronte Novembro li
coni inexplicavel prazer a patritica o edificante
allocuco que me parece ser decerto Sonhor
de Engenho anciao de 1817, dirigida aos elei-
tores daquelle collegio da heroica e intaxavel
Coianna e ne9sa allocuco o trecho de ouro ,
quo rogo a Vmcs., queiro apresentar aosseus
leitores, por jue nem todcs tero lido o Dia-
rio-n. Como tambem eu sou dos de 1817 e de
1824 cujo sanguo nos oulorgou a nossa actual
Constiluic,ao leio com delicias e gosto que
Jeio lodos aquillo, que nos traz a memoria o
herosmo daquelles lempos, e as immutabilida-
des de caracteres das pochas intermedias at
hoje. Eis o trecho, a que me redro =
Se.......procurardes desviar um s voto
daquelles que escoimados de vicios por seus
principios politicos, talentos, e virtudes, !ro
escolhidos por urna commissSo credora de nossa
inleiraconlianca, para o dardes a algum fardo
do trapiche ai de nos E ignoris vos quem
sojao os membros dcssa commissao para intre-
teidcs lalvez mesqunhos escrpulos ? Oh! nao,
nunca. E basle-vos saber, que della faz parte
squclle antigo empregado da Secretaria da pre-
sidencia, que por traidor e inconfidente foi del
a expulso pelo Presidente d'ento here que
tinha sido em 1817, e em 1824:faz parted commissao aquello Cabano, que era o passador
de certas cartas da corte, as quaes fro denun-
ciadas ante a competente autoridailu, e cujas rc-
velaces importantsimas decidiro ainal o mo-
vimento anti-Cabano do lempo da Presidencia
do Sr. Francisco de Paula Almeida Albuquer-
que. Baste-vos saber, que fazem p8rte dessa pa-
tritica commissao os puios que combatendo
os Sts. Reg Monteiro, e Joao Mauricio que
accusavao o Barao da Boa-vista, dsscrao no
queremos para Pernambuco um Presidente me-
lhor doqueesse. Aquel les que sustentando a
reforma do cdigo do processo pela qual vo-
tarao, disserao Se iso he regresso, ento so-
mos regressistas, e lamentamos, que tal regres-
so no chegasse mais cedo. Aquelles que
vendo os apuros do Ministro Jos Clemente Pe-
re ira pelo pagamento a Guilherme Young, obri-
grao a transigir, votando primeramente pelo
pagamento a Young, por quem se interessuva o
Ministro k pelo pagamento a Albino Gomes
Guerra, por quo se interessavo elles. = Baste-
vos saber Srs., quem sao os escoimados que
essa commissao desinteressada nos propem
sao elles mesmos, e se se nos prope tambero o
solapador desse sngue de 1824, que nos outor
gou a Consliluicao he isso por bumildade
christSa e scraphica resignacao.
Ora, Srs. Redactores, naoachao tao convin-
cente c edificante este trecho da sublime allo-
cuco do velho Sr. de Engenho ? Eu acho e
quizra que lodos os fiis chrislaos a lessem lo-
dos os dias ao levautar-se da cama. Mas, Srs.
Redactores, a par de tantas e tao deliciosas son-
sacos o coracSo se me parle no peito, e tras-
vasa todo o sangue que o susto a elle chama.
Que terrivel a meara A peste, a fome, a guer-
ra nao consternro tanto o Santo Bei David.
Aisete pragas do Egypto nao pulverisar3o tan-
to o endurecido coracao de Pbara As seccas
dos nossos serloes nao nos pouijuenlo tanto ,
como a horrivel dosgraca, que nos esperava ,
se os Eleilores de Goianna arredassem um voto
dos escoimados escolhidos pela commissao! Oh!
Tantee ne animis ccclestibus ira?! O anciao de
1817 e de 1824 negara, renegara sua patria,
a ingrata Goiauna abandonara a poltica, re-
colhcr-se-hia ao silencio do seu abrigo, e espe-
rara o termo de seus das! E se no expi-
rasse ? Oh! Dos doGoianna, Dos da poli-
tica apartai de nos tamanha calamidade O
que era da liberdade e da poltica se nosa-
bandona, se....., se....., oh meu Dos,
ajudai-me a dizer ; se..... se morro; nao, se
chega o termo desses dias preciosos.
O Castrioto.
Barros Jos Ignacio do Monto Agostinho
Herroe de S. Anna Marcelino Hypoiito da
Silva e Targino Jobo Cuvalcanle.
Avisos martimos.
s= Para Liverpool com escala pe Paiahiba
o superior brigue inglez Pomona de primeira
classe; quem quizer carregar no mesino um las-
tro de assucar de 50 toneladas pouco mais ou
menos, dirija-se aos consignatarios Me. Cal-
uma! & Companbia.
Lelao
2= O corretor liveira far lelao de diver-
sas fazendas inglezas francesas e suissas de
linho, la, seda, e d'algodao, inclusivo chapeos
de castor de ultima moda, algodoes azues&c.,
as quaes se rao vendidas para liquidantes de coo-
tas e por isso a qualquer preco : quinta feira
21 do corrento as 10 horas da manhaa, no pri-
meiro andar da sua casa ra da Cadeia. (8
2= Lelao de urna porcao de barricas com
farinha do reino na ra de Apollo no arma-
zem de Jos Velozo Soares quarta feira 20 de
Novembro do 1844 (4
xc.1 Jjjmijtiaimw.-i.iutnii.iiji. ... u i. "w .', .m
Avisos diversos.
mo sobre hipoteca em um predio livre e de-
sembarazado ; quurn quizer dar annuncie para
ler procurado.
feu pagamento.Manotl Joaquim Pinto Ma-
chado (ui maraes. (20
MMERCH
Alfandeg.
Rendimentododia 19...........3:097*498
Descarrego hoje 20.
Polaca sardaN. S. do Assumpto merca-
dorias.
Briguefobtmdem.
Movimento do Porto.
Navio sahido no dia 19.
Ass : brigue nacional Dos te Guarde de
138 V toneladas ranito Manoel Luiz dos
Santos, equipagem 11 carga lastro: pas-
sageiros Brasileiros, Jos Severino da Costa,
Francisco das Chagas Moura Jaao do Reg
1Aluga-se um andar com soto,cosnl:a e
excellentes commodos, da casa que foi de
Fox & Stodart: ra da Senzalla nova n. 42
a fallar na mesma casa. (4
Agencia de Passaportes.
l=Na ra do Bangel n. 3.j, correm-se
folhas, tirao-se passaportes para dentro, e
fora do imperio e despacho-se escravos ,
tudo con* muita brevidade, e prego milito
commodo : qnem pretender dirija-se a indi-
cada casa a qualquer hora. (7
1;= Precisa-se de alugar urna ama para todo
o servico de urna casa de pouca tamilia, que
seja forra: na Praca da Independencia loja
n. 21. (4
l Precisa-so de um caixeiro para tomar
corita do balco de urna padaria, que sejacapaz
e d fiador a sua conducta ; dirija-se a fallar
com Joaquim Lopes d'Almeida caixeiro do Sr.
Joo Matheos. (5
> Da se dinheiro a juros sobre penbores de
ouro e prata ; na ra do ltozario estrella n. 35,
se dir quem o da. (3
2= Previne-se ao Sr. Tbesoureiro da lote-
ra de S. Pedro Martyr de Olinda que nao pa-
gue, sem ser ouvido o annunciante, o que por
sorte Ibe sahir em dous meios bilhetes de n.
1169 visto terem tirado do dito, annunciante
urna sobre casaca da merino e o mcio bilbete
deste n. do botequim de delraz da Ribeira a on-
de existe empregado.
Ignacio Rodrigues Chaves. (9
2= Andr Jos Goncalves, retirase para fo-
ra da provincia. (2
2=Precisa-sede um caixeiro del4 a 16 para
ajudar a outro em urna padaria o qual deve
prestar conhecimento de sua conducta, quem
se ochar nestas circunstancias dirija-se a ra do
Hozario larga padaria o. 18. (5
2 No botequim Cova da onca ra do Roza-
rio larga n. 34, continua a1 ter a I mocos de su-
perior caf com leite e sem leite cha, jantares
solidos e lions refrescos, tudo com promptidao e
aceio. (5
2-0 Bacharel Affonso d'Albuqucrque e
Mello oflerece-se a quem convier para advogar
perante os auditorios desta cidade, para o que
pode ser procurado na ra Nova n. 5. primeiro
andar, olterece-se igualmente para ensinar pelo
tempo das feries, e depois dellas, arilhmetica e
geometra ; na mesma casa. (7
Mud u-se da casa da esqui-
na da rua da Cruz para oulra mais
adiante, na mesma rua, o deposito
do rape I'rincezr de Gasse, conser-
vando sempre o deposito com o
n. 38. [7
3 No principio da estrada do Poco ha para
alugar urn sitio com boa casa de vivenda, co-
cheira, cavalharica e quarto para pretos ; o
pretendentes dirijo-se ao seu proprielnrio
Francisco da Silva, na rua da Cadeia do Be-
cife. (6
3 Perdco-se no dia 2 do correte Novem-
bro um par de argolas de ouro cortadas de mol-
de antigo, e isto pela rua da Cadeia velha, bec-
co largo, e rua da Senzalla velba ; quem as ti-
ver adiado querendo receber o que ellas valem
leve-as a loja n.26,na esquina do becco largo. (6
2=Aluga-se urna loja com armaco de ven-
da, ou vende-sesa armagao, por preco com-
ino, assim como um palanquim ; na rua Di-
reila becco de S. Pedro n. 16 (4
2 Precisa-se de dous contos de ris a pre-
2= No Atterro da Boa-vista n 63,dao-se li-
ces do desenlio por preco commodo tambem
se tro retratos lanto a oleo como em miniatura
com tola a perfei<;ao. (4
1= Aluga se urna casa terrea no bairro da
Boa-vista rua lo Camaro n. 1, com commodos
para grande familia ; quem a pretender dirija
s ao Atierro da Boa vista n. 34- (4
= Mara da Penha faz scente ao respcitavel
publico que nenhuma pessoa faca negocio com
a casa n. 7, sita na rua do Sebo pois ella he
sua legitima dona e de tal negocio nao sabe
e sendo que appareca alguma procurado nao
tera valimento.
FABRICA DE FOSFOBOS.
Na rua Imperial do Atierro dos Afogados n.
165 existe urna fabrica de fsforos, u qual os
faz da melhor qualidade, e vende a preco com-
modo. (5
3Precisa-se alugar um preto para o servi-
co de padaria embora naoentenda do mesmo
servico ; quem tiver anuuncic. 13
3 Aluga se dous sobrados para se passar
a testa com boa vista, perto do banho, na
cidade de Olinda na rua de S. Bento, por pre-
co commodo ; a tratar na mesma cidade, na rua
do Amparo casa que principia na rua dos Ga-
tos ou na rua do Bom-sucesso casa do es-
crivao da collecta Joao Goncalves Rodrigues
Franca. (8
3 Na Iravossa do Carmo n. 1, segundo an-
dar, caseia-se toda obra de alfaiate, por preco
commodo. (9
3 Quem precisar alugar urna boa escrava ,
para andar com taboloirode fasendas na rua
ou outro qualquer negocio dirija-se a ruada
Cadeia do Becife n. 11, deposito de farinha. (i
3 O abaixo assignado tendo em Novem-
bro do anno p. p. vindo para esta capital tra-
tar de sua sade com brevidade pretende re-
gressar para o seu domicilio da povoacao do
Brejo do Fagundes e ulga nada dever fies-
ta praca; mas se alguma pessoa se julgar
sua credora, baja de Ihe apresentar suas contas
no praso de 8 dias, contados da data deste na
praca da Boa-vista n. 32, por cima da botica de
Victorino Ferreira de Carvalho; assim corno por
meio deste se despede de todas aquellas pessoas
de sua amisade por ihe ser dificil fazel-o pes-
soalmenle a cada urna de per si.
Joao Manoel do Souza Vianna.
3= Manoel Antonio de Jess embarca para
o Rio de Janeiro o seu escravo Antonio Joaquim
crioulo. (3
5 Aluga-se pelo tempo da festa urna casa
no Pco-da-panella na rua do Rio junto o
casa do sachristao da matriz, com quatro quar-
tos cosinha o quintal ; na rua do Queimado,
botica n. 15. (5
3OSr. quo por especula?ao tirou urna
carta vinda no vapor do Sul ltimamente
chegado, para Joaquim da Silva Mourao, quei-
ra entregal-a mesmo aberta na rua da Cadeia
do Recito loja de ferragens n. 63.
2 l'recisa-se alugar um sitio, inda que pe-
queo nos arrebaldes o mais perto possivel,
com tanto, que lenha encllente casa com as
commodidades para urna familia, sendo sobra-
do melhor e lenha boa agoa, e nao se poe
duvida em receber as chaves antes ou de-
pois do festa; quem tiver annuncie. [7
1Joaquim Binheiro Jacome embarca para
o Bio de Janeiro a sua escrava Miquelna, de
nacao Rengela. (3
1 = Aluga se o lerceiro andar do becco do
Abreu n. 2, por 78 rs. mensaes ; trata-se com
Manoel Jos Machado Malheiro, na rua da Ca-
deia do Becife n. 47 1 "andar. (4
1 = A meza regodra da irmandade de Santa
Cecilia lem de festejar a sua Padroeira no dia
22 do corrente me/. (como he dccoslume)e
para isto roga a todos os seus irmos, que dig-
nem-secomparecer no mencionado dia, afim de
tornar este acto mais solemne e pomposo. (6
= Cazaban & C. adverlem a quem ti-
ver algumas lettras, ou facturas vencidas, ou a
vencer pdem vir receber hoje em seu escripto-
rio na rua Nova n. 14, primeiro andar.
= B. Lansac adverte a quem tiver al-
l tinas ledras lecturas, ou tontas tencidas ,
ou a vencer, pode vir receber hoje em sua ca-
sa; na rua Nova o. 14 primeiro andar.
1= O abaixo assignado morador as Cinco-
pontas n. 4, declara que tem en. seu poder urnas
cadeas de relogio e um alfinete de peito, tu-
do com 6 oitavas e 34 grSos de ouro, perlen-
cenleaodefuntoCapiloFranciscode Assis Mon-
des Guimaraes, empenhado pela quantia de
338500ris; disto tinha o mesmo fallecido
em seu poder urna clare/a da qual consta ,
que desde o dia 10 do corrente, se acha o abai-
xo assignado autorisado pelo mesmo fallecido
para vender os dictos objectos para seu paga-
mento, porm como aconteceo fallecer faz o a-
baixo assignado o presente annuncio, para que
se alguma pessoa se julgar com dreito aos ditos
objectos, e os queira resgatar, o faca da data
deste a 8 dias passados, os quaes serao vendidos
para pagamento do abaixo assignado fisto
que o valor dos mesmos nao chega pura o
(l O abaixo assignado faz saber a lodas as pes-
soas que quizerem ulilisar-se do seu prestimo ,
que contina eslaiielecido na mesma sua loja do
pateo da Matriz, de Santo Antonio n. 2, e que
s ello be o nico dono da dita loja de hoje
em diante por ter liquidado todas as contas com
o Sr Carlos Hardy do qual foi nteressado na
dita loja. O abaito assignado faz todas as 0-
bras as mais dilliceisquo sejo tanto de ourves
como de lavrador abridor lavrante : e todas aso-
bras que sedignarem incumbi-lo serao entregues
no le upo promettido.como tambem nao faz obra
nenhuma que nao seja de ouro de le ; espera
0 mesmo que aqu (era a ami/ade c elogio do
lodas as pessoas que o m r.irein com as suas en-
commendas. Jote Luis de Gafdel.
1 -- Aluga se pura a (esta urna casa beira
dorio, com banho, e commodos para familia
por festa ou por anno, a preco muito emeon-
ta ; na rua de Agoas ver es n 21. (4
1^: Precisa-se de urna urna de neia idade ,
que saiba co/er bem, para urna casa de pouca
tamilia ; na rua Nova n, 38. (3
I UTerece-se um moco i'uilu^uez de 16 an-
nos para caixeiro de padaria ou mesmo do
rua, ou escripia do que tem alguma pralica;
quem de seu prestimo se quier utilisar, an-
nuncie. (>
1~ O abaixo assignado avisa aosseus fre-
guezes que recebeo um sortimento do fazendas
de seda, e pannos de dillerentes padres para
cobrirchapeos deso, e no mesmo se encontra
sorti'liento de chapeos de sol de todas asqual-
dades ; quem pretender dirija-se ao Passeio
publico o mesmo avia a quem tem em seu
|.oder chapeos para cobrir, e para concertar ba-
ja do os tirar no praso de oilo dia? que do con-
trario serao vendidos para pagamento do leitio
dos mesmos Jean Loubet (11
LOTE1UA DE S. PEDKO
MARTYR E OLINDA
As rodas desta lotera, corrern amanba im-
preterivelmento 21 do corrente no consistero
da igreja do Bozaiio, fiquem ou nao bilhetes,
o o pequeo numero do bilhetes, que resta se
acbao a venda nos lugares j annunciados. C8
Na loja de Hiplito S. Martin & C. rua
Nova n. 10, ha um novo sortimento de fazendas
chegadas ltimamente de Franca, como sejo ,
lindos cortes desetim, e de sarja preta ditos
de seda escoceza, e de seda de difieren tes cores
para vestidos, mantas e chales de seda, escomi-
ilia de lodas as cores para chapeos e vestidos ,
chapeos de seda, e de palha para senhoras o
meninas guarncoes de flores para vestidos ,
grnaldas, plumas, e outros enleites para cabe-
ca de senhora e para chapeos, fitas superiores ,
luvas de pellica com -nfeites, ditas de seda bor-
dadas, jegos de domin, e de loto aljofres ,
saceos, chumbeiros, e polvarinhos do padres
modernos eslojos riquissimos coin todos os
pertences para toileto de homem meias pret8S
do la, proprias para quem tem dores as per-
nas, calcado de todas es qualidades, saceos de
la para guardar roupa e para andar de via-
gem eslojos mathematicos de todos os tama-
nhos ferros para tirar e lirnpar denles, cai-
vetes de lirar a penna aparada, dilos grandea
de mola, oculos de punho de ver ao longe, cor-
das o bordoes para violo, rabeca e rabecSo ,
flautas, bengalas chapeos de sol, chicotes de
todas as qualidades e outras muitas fazendas.
2= Aluga-se pelo lempo que convier o sitio
perlencenlea D. Maria Firme Temporal, viu-
va do fallecido Joao Paulo Moreira Temporal
na estrada que vai para Belem passando a
ncmtezinha junto ao sitio do Ir. Maduro ,
tem boa casa para'moradia muitas arvores com
varias qualidades de fructas, o baixa para capim;
a trotar rom Sebasfifio Jos Gomes Penna na
rua do Collegio n. 12. (9
2Henrique Kraus Dr. em medicina
formado na universidade de Copenliagen.e ap-
provado pela Academia da Babia, acha-se re-
sidindo ii8 casa n. 16 da rua do Trapiche novo,
e olerece o seu prestimo a todas as pessoas ,
como medico, cirurgiao e oculista; e tendo
elle nesle ultimo ramo tido muita experiencia
noshospitaes da Europa, est prompto fazer
qualquer operacio precisa para curar as mo-
lestias d'olhos e particularmente Ithalitmo ;
defeito mui vulgar mas focillimo de reme-
diar. Dr. Kraus pode ser consultado na casa
de sua residencia cima declarada, lodos os
dias das sele horas j>l as dez da manhaa, e
ilas tres ot as cinco da tarde: aos indigentes
receita gratuitamente. (16
10O agrimensor, abaixo assignado, olerece
os seus serviros s pessoas que tiverem propie-
dades demarcar, e afanca a mais escrupulo-
sa exactido e o maior zelo no desempenho da
sua arto ; devendo todos os que do seu presti-
mo se quizerem utilisar,dirigirem-sc (porcarta)
ao mesmo abaixo assignado, na Bua-direita-
tereciro andar do sobrado n. 40. Joaquim da
Fonseca Soares de Figueiredo. (9


)
2 Precisa-sede um criado de H a 30 an-1 da Cadeia de S. Antonio, sobrado de unan-
nos que saiba bollar e tratar de carros ; na
ra das Flores coclieira de Jos. Maria. 3
j jjao-se 500/ri. a juros sobre penhores
de ouro ; na ra das Cinco-pontas n. 71.
2 Na refinagaoda ra da Senzalla-nova n.
4, precisa-so de um caixeiro que affiance a
iua conducta. (3
2Arrenda-sc um ptimo terreno plantado
e muito productivo para o qual deito os fun-
dos das casas das ras do S. Gongalo e Cotovc-
10 ; a tratir na ra Nova n. 41, segundo andar.
2Anda em praca do Sr. Juiz de Direito da
primeira vara do Civel, um terreno com alguna
arvoredos de fruto entre as duas pontes da
Magdalena com t'lo palmos na frente da es-
trada da parte do poente SS6 pouco mais, ou
menos de lundo ondetem 7 1 palmos de lar-
gura, o qual pertenceo outr'oia a Jos Joaquim
Bezerra Cavalcanti, e esteve alorado a Joao Tilo-
mas Pereira, o qual foro foi desfeito por sentenca
par ser arrematado a requerimento de seu pro-
pietario, a quem der mais de nove mil rs., pelo
palmo e no mes.no terreno existe urna peque-
a casa de taipa coberta de telhas. e urna ca-
cimba de lijlo e cal que se vendero a quem
arrematar o terreno pjr 200 rs., (cando o
arrematante obrigado a pagar a sisa de urna e
outra cousa. (14
1 O abaixo assignado ensina a liogoa lati-
na em sua casa, no pateo de N. S. do Terco n
11 onde pode ser procurado, tambem para
advogacia ; o mesmo ensina gratis a quem Ihe
provar impossibilidade de o Gratificar por seu
trabalbo. Ixturenco Avellino de Albuijuer-
que Mello. 1
1Quer-se arrendar um sitio pertu desta ci-
dade, que tenha terreno para se poder tur 5
ou C vaccas de leite ; annuncie ou procure
entender-se com o pretendente na ra das
Cinco-pontas n. 11. (a
1 Dao-se 40o'rs. a juros a dous porcen-
to sobre penhores ou hypotheca em algum
predio pequeo ; na ra Nova n. 63. (3
1 Aluga-se urna casa terrea no Cachang ,
muito grande e com bastante commodos para
grande familia e com estribara para 6 caval-
los ; na ra Nova n. 03. \
1Precisa-se de dous bons am8ssadores pa-
ra trabalharem em padaria sabendo um pelo
menos cortar massa, paga-se bem ; na ra Im-
perial n. 1-20 ou na ra das Cruzes n 34 se-
gundo andar. (5
1 Aluga-se um sotan na travessa do Mon-
teiro ; a tratar na venda por baixo do mesmo
soto. 3
1 Aluga-se urna casa muito boa, na clda-
dedolinda, por prego commodo ; a tratar
na ra da Cadeia-velha n. 16. (3
1Quem perdeo a quantia de 28/rs. diri-
ja-sea ra do Vigario venda de Joao Simao
de Almeida TljTje^dando os signaes Ihe ser
entregue. (4
1Quem precisar de urna criada Portugue-
za para todo o servigo do urna casa, annun-
cie. (3
Quem precisar de urna mulher para ama
de urna casa de homem solteiro casado ou
de pouca familia a qual engomma cosinha ,
e cose alguma cousa dirija-se as Cinco-pon-
tas, na carreira das casas do Peixoto, n. I ji ,
junto a padaria.
No dia 17 do correte antes dtvsahir a pro-
cissao de S. Jorge desappareceo do consisto-
rio da Conceigao dos Militares urna picadei-
ra de prata julga-se ser tirada por algum mo-
leque ou menino ; a pessoa a quem for offe-
recida haja de a tomar, e entregar ao arma-
dor da procisso na ra Direita n. 109, que
ser recompensado.
1 id rapaz Brasileiro que tem muito boa
conducta e sabe ler, escrever e contar se offo-
rece para caixeiro de loja de fasendas, ou mes-
mo para botica : quem precisar annuncie.
Arogo-se duas casas com sitios ns. 20 e
22, da Passagem da Magdalena passando a
ponte com muito bons commodos para grtn-
de familia ; a tratar na ra da Cadeia n 2.
Os Snrs. Antonio Baptista de Moraes Sar-
ment, Manocl Jos da Silva Ceara, e Joaquim
dos Heis Gomes, dirijo-se a ra de Crespo, lo-
ja de lasendas n. 2 A para receberem unas
cartas vindas de (ora.
dar de varandadepo n. 20.
1 Compra-se um guindaste de ferro, novo,
ou usado capaz de guindar urna pipa ; na ra
de S. Hita restilacao n. 85. i3
Vendas
1= Vende-se o muito coahecido Cham-
panhe de.Tuly, e outros chegados n'este ultimo
navio france/, em casa de Avrial Irmaos; na
ra da Cruz n. 20. (4
3 No deposito do farinha de mandioca na
ra da Cadeia de S. Antonio n. 19 vendem-
se saccas com bom milho a 4 rs. farinha de
S. Matheus e Grvelas a 1280 rs. o alqueireda
medida nova e da velha a 3200 rs. saccas com
farinha de primeira qualidado a 6/ rs., segun-
da dita ai^rs. edaterceira a 3200 rs. (7
3Vende-se um sitio na Passagem de Olin-
da com casa de pedra e cal baixa para 6 ou
8 vaccas de leite e muitos arvoredos de fruto;
na ra do Crespo, loja n. 10, da viuva Cunta
Guimarus. '5
3Vende-se um preto crioulo mogo, ex-
cellente cosinheiro ; e outro de nago de 20
annos proprio para o servico de campo ou
para embarcar; na ra doLivramento n. 22. (4
3 Vende-se superior vinho de caj engar-
rafado a 500 rs. agarrafa ; na travessa das Cru-
zes venda n. 8, de Domingos Garcia Paramio.
3 Vende-se, ou permuta-se por um negro,
ou negra um moleque de 12 annos de boni-
ta figura e muito esperto ; na ra Nova n. 9.
3 Vendem-se superiores chapeos de castor
branco preto e de bonitas formas; na ra do
Collegio n. 8. (3
3 Vende-se urna vacca ingleza de muilo
boa rafa e d 6 garrafas de leite por dia; no
.Manuuinho papa trra sitio murado de D. Ma-
rianna ou na ra da Cruz, armasem de cha-
peos n. 55. (5
2Vende-se lgica e melhaphisica por Ge-
nuense em portuguez curso de philosophia
por Adam pfisica e astronoma pelo mesmo ,
contendo varios problemas e objecces curiosas,
curso de philosophia por Lugdunenc-j, ethica
de Job em portuguez diccionario de Constan-
cio de francez para portuguez, Eutropio e
Cornclio ; em Fra-de-portas ra do Pillar
n. 74. 9
2Vende-se um preto moco, de nago Ca-
gange de boa figura; nabicadeS. Pedro, em
Olinda n. 46. (3
2Vendem-se os melhores chapeos de seda
e de castor inglez que teem vindo a este mer-
cado ricos cortes de setim e veludo de qua-
dros para collele casimiras e brins de quadros
dos melhores gostos, e um variado sortimento
de ou tras multas fazendas por prego commodo;
na ra da Cadeia-velha, loja n. 49. (7
2 Vende-se urna preta anda moga cosi-
nha lava, engomma, e be boa quitandeira; na
ra das Trincheiras n. 42, primeiro andar. 3
2 Vende-se algodao da trra a 200 rs. a va-
ra ; na ra do Crespo n. 16. (2
2 Vende-se a casa terrea n. 70, na ra de S.
Miguel dos Afogados de pedra e cal, em chaos
proprios oitoes meieiros quintal murado e
cacimba ; na na ra Nova n. 41 segundo an-
dar (g
2 Vendem-se travs de 40 a 42 palmos e
palmo e torno de face, ditas de 32 palmos e
palmo e coito, enchameis de 20 [e 22, muito
reforgados em grossura mos travessas de 30 ,
ecaibros tambem de 30; em Fra-de-poitas,
ra do Pillar n. 6. '6
2Vendem-se as admiraveis navalhas de ago
du China, que teem a vantage.n de cortar o ca-
bello sem offenga da pelle, deixando ficar o rosto
parecendo estar na sua primeira mocidade ; es-
te ago ha exclusivamente s na China, e so nel-
lo trabalhaodous dos mais habis cutileiros da
cidade de Pekim capital do imperio da China,
vendem-se nicamente na ra do Crespo n. 13.
2 Vende-se cal virgem em pedra, vinda de
Lisboa no ultimo navio propria para o fabri-
co de assucar; na ra de Apollo armasem n. 18.
2Vendem-se superiores couros de lustro e
bezerros rancezes chegados ltimamente, por
prego commodo; no Atierro Ja Boa-vista n. 34.
2 Vendem-se btlins francezes de couro
Precisa-se de um eitor, que entenda de Lustro e de bezerro para homem sapatos de
jardim.hortae pomar, para um sitio mui^^ia e duas palas, ditos inglezes para meni-
perto desta praga ; na ra da Conceigao do Re- no> de 8 a 12 annos ditos do lustro para ditos
cife n. ol, primeiro andar. de marroquim setim o de couro de lustro pa-
Quem precisar de um eitor homem ja ra senhora e meninas tud. ci.egado ultima-
de assenlo e inulto entendido de piantagoes mente por prego commodo; no Atierro da
dirija-se a ra de Hortas, venda confronte ao Boa-vista n. 24.
becco do Pcinho.
Quem annunciou querer comprar
venda em bom lugar dirija-se a ra da
n. 28.
urna
Cruz
Compras
2Compra-se urna arithmetiea de Bezout, e
urna geometra por Euclides tudo usado ; na
ra Direita loja n. 2.
2Compro-se dous escravos
pedreiro e outro tanoeiro que tenho regular
procedimiento ; na pracinha do Corpo Santo n.
00, a fallar com Gaudino Agostinhode Barros.
2 Compra se urna escrava, que tenha bom
leite para criar ; na ra das Larangeiras n. i s.
2Compr8o-se eflectivamente para (ora
v8
2 Vendem-se pedras de amolar do Rio de
S. Francisco da melhor qualidade, em porges
grandes e pequeas e a retalho por prego com-
modo ; sal de espuma fino e alvo proprio
para casas particulares, um canap de Jacaran-
da novo obra fcita no Porto ; na ra d
Praia armasem n. 18. ,i
2Vende-se um relogio de parede, muito
bom, por barato prego ; na ra Velha n. 65.
2 Vende-se urna bonita escrava de nago ,
(3: e com habilidades ; na ra estreita do Rosario
ofliciaes, um; n. 34, primeiro andar. (3
2Vende-se um negro da Costa de 22 an-
nos ; no forte do Bom Jess. (2
2Vendem-se saccas de farinha da trra, de
superior qualidade, por prego commodo; na
ra da Cruzn. 6. (3
IVende-se urna porgo de pedra vinda do
por
brigue Boa-ventura ancorado defronte do tra-
piche do algodao.
1 Na praca da Indnnendencia loja o. 6 e
8 vendem-se por prego'muito commodo os se-
guintes livros: Anquetil historia universal,
12 v. ; M.me Campan l'Education 3 grossos v.;
obras d'Helveeio 3 v. ; curso completo de
economa poltica por Joao Baptista Say 6 vo-
luntes.
Vendem-se duas grades, cepos, tanmba,
pesos, balangas, tudo pertencente a agouguo ,
e por prego commodo ; na roa Nova n. 6.
]_ Vende-se a posse e bemfeitorias de um
terreno na estrada velha da Capunga conten-
do 30 palmos de frentee 205 de fundo, com ca-
sa de taipa com duas salas e dous quartos ; a
fallar com Jos Francisco dos Santos, no mesmo
lugar. (6
1 Vendem-se duas pretas boas cosnheuas
e lavadeira; urna parda engommadeirae costu-
reira ; um preto proprio para todo o servigo ,
todos mogos e de boas figuras ; na ra do Cres-
po loja n. 9 A. (s
1Vende-se mingas de vldro com figuras
de varias qualidades ; para aceio de salas, por
prego mais commodo do que em outra qual-
quer parte; na ra das Cruzes, loja de pintor e
vidraceiro n. 28. &
1Vende-se muito boa bolaxa fina, tanto pa-
ra familia como para embarcagdes, por ser fei-
ta da melhor farinha por prego rasoavel, em
casa de J. Saporiti na ra Nova n. 65 pri-
meiro andar. '*>
1 Vende-se ums obra de Virgilio urna
Selecta por prego commodo; na ra do Quei-
mado n. 29 loja do Joao Antonio Martins No-
va es.
1_ Vende-se um grande siilo na estrada do
Arraial, confronte ao sitio da viuva do Burgos,
tendo plantago de mandioca macacheira e
capim de planta eexcellente agoa de beber ,
bastantes arvoredos de fruto de difTerentes qua-
lidades (erras proprias pasto para 4 vaccas
de leite casa de vivenda ; a tratar no mesmo
sitio. (8
1 Vende-se urna venda com poucos fun-
dos e sem alcaides, por ser moderna e li-
e desembaragada a praga tem commo-
dos para familia, quintal, cacimba de boa agoa
e cosinha fofa na travessa do Veras n. 14; a
tratar na mesma venda. (6
IVendc-se coilas para padre muito bem
feitas; na praga da Independencia ns. 11, 13 e
15. (3
1 Vende-se bezerro de lustro da melhor
qualidade a 4/ rs. apelle; na ra Nova, loja
n. 8, e na esquina da ra do Cabug loja jun-
to a botica de Joao Moreira. (4
1Vende-se urna escrava de 22 annos, cose
muito bem faz lavarinto, borda de susto en-
gomma bem o cosinha ; outra dita de nago ,
cosinha, lava, e engomma ; urna dita de nago,
com urna cria de dous mezes tem muito bom
leite ; um molequede nago, de 8 annos, mui-
to esperto ; duas escravas de meia idade boas
propria para costura e para ser educada ; na
ra das Cruzes o. 41, sogundo andar.
Vende-se um sellim (rancez quasi novo,
para montara de senhora, por prego commodo;
na ra de Agoas-verdes n. 15.
Vende-se urna linda preta com boas habi-
lidades; na ra da Conceigao da Boa-vista n. 9.
Vende-se sola de boa qualidade alva o
grande, couro de cabra escolhido e bezerro
tudo por prego commodo; na ra da Cruz n. 51
Vendem-se ptimos sellins elsticos in-
glezes ; na ruada Senzalla-nova armasem de
(errageos n. 42.
__Vende-se urna parda de 16 annos, cose com
perfeigoe engomma bem; urna dita de 13 an-
nos recolhida e ptima para mucama ; em
Fra-de-portas n. 79, casa do nicho.
Vendem-se saccas de feijo rajado mui-
tonovo, vindo do Bio de Janeiro; no arma-
sem de Antonio Annes no caes da Alfandega.
__Vende-se um sellim para montara de se-
nhora por prego commodo ; na ra de S. Ri.
ta n. 70
Vende-se urna mesa de jantar, usada ,
mas composta de novo urna marqueza de an-
gico, nova e muito bem feita imitando a sof,
um guarda-louga do amarello, tudo por bara-
to prego ; na ra estreita do Rosario n. 32.
Vende-se cal virgem superior, e mais ba-
rata do que em outra qualquer parte ; no tra-
piche da Alfandega-velha a tratar com Henri-
que Maria Pcreira de Magalhaes.
2Vende-se graxa do Rio Grande, da mais
fina e de melhor qualidade por mais commo-
do prego do que em outra qualquer parle ; na
ra da Praia armasem n. 18. (4
Escravos fgidos
l_ No dia 18 do corrente fugio o escravo
Francisco, de nago Mogambique, baixo egros-
so ceg de um olho ; barba feita, cabello cor-
tado ; levou camisa e caigas de algodao da tr-
ra lavadas, he caranguigeiro ; o abaixo assig-
nads roga a todas as autoridades policiaes, ca-
pitaes de campo e pessuas particulares de o
aprehenderem e levar a casa do annunciante ,
na ra da Cruz n. 90, que ser generosamente
recompensado. J0S0 Leite l'itaOrligueira (10
1 No dia 27 de Outubro p. p. lugio urna
preta de nome Benedicta de nago Angola ,
de 24 annos baixa, rosto redondo, ps e mos
pequeas com marca de fogo em um dosbra-
gos formando dous O unidos, levou panno da
Costa ja velho e saia, ou vestido desbotado no
dia em que fugio tioha levado um taboleiro pe-
queo de ambos para vender ; quem a pegar,
leve em S. Jos do Manguinho sitio defronte
da capella quoser gratificado. (9
I No dia.27 de Outubro p. p. desappare-
ceo um moleque de nome Paulo, de naga? Qui-
gam de 17 annos cor pouco regular, cora
principios de buco de barba ,- tem urna peque-
a esfoladura entre os dedos de um pe, de urna
queimadura que pouco s conhece levou
lavadeiras-e cosinheiras; um escravo de nago, camsa de algodo fino, e caigas de brim bran-
bomcanoeiro ; na ra Direita n. 3. ,9 Co he muito conhecido por vender doce de
iVende-se um preta crioula de 18 annos ij8|ejaem copos ; quem o pegar leve a seu se-
engomma, cose e cosinha soffrivelmente ; na ;nnor Antonio Jos Gongalves de Azevedo na
ra da Alfandega-velha armasem n. 3. (3 : rua da praa ( armasem de carne n. 19, que se-
I Vende-se a escuna nacional Diligencia ra recompensado. (10
de lote de 52 toneladas, forrada de cobre, cons- pug0 no anno de 1825 um moleque de
truego brasileira e prompta a emprehender \ nome Florencio doto a \ annos, tinha na-
qualquerviagem; a tratar a bordo da mesma ,! que||etempo a falla deseangada cabega meia
fundeada defronte da Lingota ou na rua da p0ntuda para traz olho grandes, pestaas
Cruz n. 63, segundo andar. 6 compridas nariz meio chato tem urna cos-
1 Vendem-se pautas novas muito bem im- tura ,je (erjda em urna das pernas logo a ci-
pressas alfabticamente em ptimo papel ma ,j0 tornozelo da parte de fra ; pede-se en-
j correctamente emendadas, em formato carecidamente as pessoas empregadas na poli-
porttil ; assimcomoos muitos celebres e ad-,cja t particulares ecapitaes de campo toda vl-
miraveis m isterios de Pariz, traduzido o melhor gj|ancia no dito escravo visto estarem seus se-
possivel e impressoem casa de J. Willeneuvo j nriores privados dos seus servigos por tantos
cCompanhia no Rio de Janeiro ; na rua da nnos os quaes gralificaro com 100# rs. a
Cruz n. 20, casa de Avrial Irmaos. (8 qUem 0 ievar na rua estreita do Rosario n. 41 ,
I ni ca-a de Domingos Jos \ieira, na primeiro andar,
praga do Commercio n. 6 continua-se a vrn- 3Desappareceo em 5 de Outubro p p. urna
der o precioso vinho do Porto de 1820, em cai-; preia de nome Filippa do nugo lula, secca
xotes de duas duzias de garrafas.
Vendem-se anzes feitos na trra, do to-
das as marcas e tamanhos mu bem trabalha-
dos, por prego muito commodo tanto a reta-
lho como em porgues ; na rua da Praia n. 60.
IVende-se, ou troca-se urna casa dtsobra-
do na rua do Arasao por outra terrea no bair-
ro da Boa-vista ; a tratar na rua da Gloria ao
p da fabrica de Gervasio.
do corpo estatura regular, tem nos dous den-
tes da frente da parte de cima um buraco tem
no meio da cabega urna falta de cabellos de car-
regar taboleiro tem urnas marcas as costas
de sua nago tem o costumo de fumar ca*
chimbo ; levou vestido do chita usado, de pal-
mas grandes e sem abainhado por baixo, saia
de ganga azul panno da Costa tambem usado,
com urna cruz branca no meio foi escrava de
Vende-se urna preta de 25 annos, com to- Joao Rodrigues Aracangel ; roga-so as auton-
das as habilidades que se procurar, urna ca-1 dades policiaes e com instancia aos capilcs de
da
provincia escravos de arnbosos sexos de 12 a Rio de Janeiro propria para calgar ras
deira dedous bragos rica e nova; na rua de
Agoas-verdes, sobrado n. 66.
Vende-se urna rabeca com muito boas vo-
zes urna clarineta mui bem afinada, porm
nao temboquilha ; na rua larga do Rosario,
confronte ao quartel de polica n. 15.
Vendem-se superiores sapatos de lustro
para homem a 3/ rs. ditos para senhora a 2^rs.,
borzeguins gaspeados a 6500 rs. ditos para
senhora pretos e de cores a 2500 rs. ; na rua
do Crespo loja n. 12, da viuva Cunha Gui-
mares.
Vendem-se uns coraes de brago engra-
sados com muitos enfeites, 5 enfeites de cin-
teiro dous anneloes tudo du ouro de le, na
praga da S. Cruz padaria n. 6.
Vende-se urna escrava de nago do 18
annos, cosinha, lava tem principios de en-
gommar, e vende na rua ; um moleque de na-
go de 18 annos, proprio para todo o servi-
go ; 3 escravas de nago, mogas, proprias pa-
20 annos, agradando pagao-se bem ; na rua j ser muito forte, ou para alterros ; a bordo do Ira todo o servigo ; urna negrinha de 11 annos
! campo, e mesmo as pessoas particulares para
I que a apprehendo caso a encontrem pois
j j foi vista por mais de urna vez no bairro da
Boa-visia, vendendo verduras frutas e 'c. ;
diz com quem fulla, que est fra de casa por-
que est pagando semana o que he falso;
portanto pede-se a qualquer pessoa que pof
ignorancia a tenha em sua casa que a leve a
seu senhor na ruada Cruz, sobrado n. 64,
que se promette guardar todo o silencio quo
for possivel a fim da pessoa nao ficar mal, e
tambem se gratificar com generosidade. (23
3= Fugio no dia 12 corrente o preto crioulo
de nome Miguel alto, secco, bechigoso, com
falta de dous denles na frente
cas das bechigas novas ; levou
camisa branca ; quem o pegar,
do Pelourinho no Recite, que
sendo as niur-
calgas azues e
leve ao trapicha
ser recompen-
sado por Antonio Coelho de Mello.
I'
PERN : TYP. HE M. F. PE FAR1A-
+m>
i i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EK6FIXBR2_4BKX2J INGEST_TIME 2013-04-13T02:16:19Z PACKAGE AA00011611_05228
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES