Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05212


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1844.
Quinta Feira 51
iywsirnT'irgmnManr.fr, JMI
O UuBlOpublioi-M ludoa oa diai qua uo ioran aaatifiefioc o i.reco ,|. iinll,.
fa.ila mi un rt. porqu.rl! pigondiinl-do. O animncioi.loi aMtgaantei inieriH...
gtt; e os do que nao forera i raio He Su ,,or linhl. A nollBIOOei dr.ea Mr diri-
gid 11 irp., rui das Cruiei n. 4 ou a oraga di Independencia lja d litro**. 6 8
de Outubro
y de Ontubro
Auno XX. 44.
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GIA!!l "*yfcatd< leUU eirai. Kio (rande do Noria, obaga S e
le ulUet.4.Cho. Sennhaern. Kio Form-so, Maoey, Porto Cairo, Alaf-oaa:
i1 I 21 decads mn. Garanhuna e Bonito a 4o e -'4 de o i* m-, i..Tin.
ain l.ie .'". dilo. Cidada da Victoria, quinta* fetrai. Olinda lodoi o d
DAS DA SEMANA.
gS Sag A a. SunJoa Judas.
.1 ierca a.'Feliciaao. riel aud doj. da \).<. 3 ,
( (Juart. a. Serapio Aud do J. de D. da 3 .
SI Quinta a Quilttiao. Aud do J. de 1) da 2. t
1 ieatiH. .}< Festas de lodos os SanlOI.
2 Sao. Coaimcmornuto de todos os liis defuntos.
X Don 1. Malaquln.
2J e uar-
10 1. -
a Flor
MAM
BBaWlaBaSanaBiaBBStt "-
lmBW'l*i ***? a^raaaM^aaaaaaamm'a'aaMr^i-iii!!
PA3
.', w -!
.'
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DO DI \ 23 DO COMIENTE.
CilicioAo Presidente da Cmara Munici-
pal do Rio-Formoso declarando em rcsposta ao
seu officiodo l.do crlenle, que de con-
formdade com o artigo 7. das instruccoos do
1. de ezembro de 1828 o do ti."da lei pro-
vincial de 14 de Abril de 1836 que nao foi
nesla parte expressamente rovogada pela lei
geralde3doDezembto de 1841. as lisias dos
votantes para a eleicao dos Juizesde Taz deve-
r conter dous nomos.
Ditol)o Secretario da provincia ao Inspec-
tor da Thesourari.i da Fazenda Iransmittindo
a ordem do Tliesouro que participa terem-se
concedido Irez mezes de licenca oom os respec-
tivos vencimentos ao Stereometra d'Alandega
desta cidade Manoel Coelbo Cintra.
dem do da 24.
OlicioAo Juiz de Paz da capella curada
da Ronda ern Santo Anlao, declarando em
resposta ao seu olicio de 21 d este mez, que.
se, eorao S. me participa ainda se nao fez
aquella capella a eleicio para Juiz de Paz e
Vereadores, que teern de servir na nova legis-
latura deve a olla proceder-se no mesmo dia
3 de Novembro prximo luturo que pela res-
pectiva Cmara Municipal fra marcado para
igual eleicao na freguezia da cidaJe da Vic-
toria.
DitoAo Gommandante das Armas de-
terminando em cumprimenlo dos Avisos da
Secretaria da Guerra de 22 de J un lio e 7 do A-
goslo ltimos, que dissolva o corpo da Guarda
Nacional destacada; faca regressar a'os respecti-
vos batalboes os guardas que o compem ;
mande entregar no Arsenal de Guerra todo o
armamento e fardamento, que pela Fazenda ba
sido fornecido ao Hito corpo ; o, no caso de
nelle baverem fundos participo-o Presi-
dencia, a lim de ser nomeado um Olicial para
osir receber.Communicou-so ao Comman-
danto Superior da Guarda Nacional d'este mu-
nicipio e ao Commissario Pagador das Tropas.
DiloAo Professor de RbetoftCa do Lyco ,
nomeando-o para azor as vezns do respectivo
Director que participou achar-se molesto .
no concurso de primeiras lettras que se tem
de proceder no dia 25 do corren te.
PortaraAo Major Joao Paulo Ferreira ,
exonerando-o, em cumprimonto do Imperial
Aviso do 29 de Agosto ultimo do lugar de
Instructor Geral da Guarda Nacional do muni-
cipio do Olinda.Participou-se ao Inspector
da Thesouraria da Fazenda e ao Gbefe da le-
giao de Olinda.
I KM DO DIA 25.
OlicioAo Inspector da Thesouraria das
Rendas Provinciaes ordenando, que vista
das clausulas especiaes. que Ihe remelle, man-
do por em praca os reparos da ponte dos Alo-
gados^ que. segundo o orcamento organisado
pelo FnRenheiro em ('.hele e npprovado pela
Presidencia mportao em 3:500,000 rs.
Communicou-se ao Engenlieiro em Cbefe eao
Inspector-Fiscal das Obras Publicas.
Thesouraria da Fazenda.
FXPEoIKKTE DO DIA 16 DO CBRENTE.
OlicioAo Secretario da provincia, acca-
sandoa reeepcao do seu olicio, que acompa-
nhou os exemplares dos decretos de ns. 321 a
326 o do 343 a 354 bem como os das deci-
i6es do Governo tomo 7 cadernos 3o, 4', 5e
6* do corrente anno.
DitoAu Administrador da Mesa do Con-
sulado, participando ter nesla data ordenado
ao Cartorario da rbesouraria, enlregasse difer-
imos ti'aquella repartico a pessoa que
osse autorisada.
PortaraAo Colletor do Diversas Rendas
do municipio de Goianna para informar com
urgencia se as poVoacSes de Pitimb e Ta-
quara tem arrecadado algumas rendas, ou se ti-
OBffl
nba considerado sempre estes lugares como
pertencentes a provincia da Parabiba.
dem do ni \ 17.
OlicioAo Exm Presidente da provincia
rogando se dignasso transmittir ao Tribunal do
Tbesouro Publico Nacional o olicio que acom-
panbava n. 76.
PortaraAo Contador da Thosouraria para
mandar tomar nota da quantia que so eslava
devendo a Luiz do Franca di Costa como
Administrador de sua mulhcr D. Senliorinba
Xavier do Rers importancia do rn>!io sold
pertencente ao anno inancero (indo de 1812 a
1843.
dem do da 22.
OlicioAo Kxm. Presidente da provincia ,
informando o requeritncnto do Brigadeiro An-
tonio Borges Leal, em que pedio o pagamen-
to da gratilicaeao mensal de 120.000 rs. que
deixou do receber pela inspecefio da Guarda
Nacional dos municipios do Norte.
dem do da 23.
OlicioAo Fxm. Presidente informando
o requermentd do Jos 'Lavares de Sousa ,
Guarda (\o Alfandega, em que pedio a S. M.
o Imperador o lugar de Conerentc externo ,
que actualmente oceupa Jos Luiz Nelto de
Hendonca.
DitoAo Administrador da Mesa do Con-
sulado, remetiendo por copia, o aviso de 4 de
Mnio do corrento anno expedido pela Secre-
taria (FKstado dos Negocios da Fazenda, ao
Fxm. Presidente da provincia das Alagoas, do-
clarando a maneira pela qual podiSo ser cons-
tituidos os agentes da im-sma provincia <|uo
perante as autoridades e repartiedes das oulras,
su appresenlarem a desempenbar obrigacSes de
simples procuradores, a im de Ihe dar execu-
cao pela parte, que Ihe tocava ; tendo em vis-
ta as requisices d'aqueilo Fxm. Presidente ao
desta, nos oficios das copias, quetambema-
cornpanhavao.
DitoAo Commissario Pagador da Thesou-
raria Militar rornettondo por copia a ordem
do Tribanal do Tbesouro Publico Nacion.il de
3 do Julho do crranle anno a m do litar
na intelligencia da somma, que so podia dis-
pender por esta provincia no corrento anno
inancero, por cont do .Ministerio da Guerra,
e do mais que ella dispunha, tanto a respeito da
distribuirao da mesma somma, e seu suppri-
mento, como do que se devia pralicar, quando
em alguns artigos apparecess^o excosso de des-
pesa.
dem do da 21.
OlicioAo Exm. Presidente da provincia,
informando que da quantia do qualro cutos
de res, marcada para obras militares, nada
se tinha dispendido ; porm, (|uo conforme as
ordons do Tribunal do Tbesouro Poblico Na-
cional, s podia ser entregue a Thesouraria
Militar, aquern competa azer os pagamentos,
o cumprir directamente as ordens da Presiden-
cia pela duodcima parte em cada mez.
DitoAo mesmo Kxm. Sr. informando o
requerimenlo do Senador Jos Carlos Mairinck
da Silva Ferrao, em que pedio o titulo dea-
foramento do terreno de mariuba e alagado do
fundo da casa de tre/ andares, que possuia no
Atierro da Boa vista desta cidade, por compra
quo fizera a D. Francisca Escolatica Josefa da
Costa.
dem do ni \ 25.
OlicioAo Fxm. Presidente do Tribunal
do Tbesouro Publico Nacional informando o
requerimenlo de Octaviano do Sousa Franca
om que pedio o lugar do Foitor da Alfandoga,
que oceupa Jos Luiz Netto do Mendonea.
DitoAo Exm. Presidente da provincia ,
pedindo a trar;;;:iissno do icio, que acornpa
nhavaao Tbesouro Publico Nacional.
DitoAo mesmo Exm. Sr., enviando com
o oflicio do Administrador da .Mesa do Consu-
lado, os pontos dos respetivos omprogados,
relativos aos mezeide Aguato e Setembro des-
te anno.
!ii!.Ao Inspector da Alfandega, partici-
pando u licenca de trez mozos com os respec-
wx;?itw.fiar,j ......L.......- ^^- -j*...-. v _
tivos vencimentos, concedida pelo Tribunal do
Tbesouro Publico Nacional ao Stereomelra da
dita Alfandega Manoel Coelbo Cintra para
tratar da sua saude.
CaUtlOl .,, ,,. ,,i ,i | ,_ .nula.
.a.h,Mi.,r.LonLr.. .'-I,.,,,,,,,. il( ..;||(,
" [" ,. "','" ,,,neu I '"" '.w
" '-"'"" "l"" lj' d premio I.....a 4 ...,., 1,700
. !''"" "'*' i, o i 'ji
oedadaoobre ao Har. ., ; ., ,Jj(
* da latrai 4a boa finoai 1 ,oro,o | >Miauiieani |.yu
PHASES Da LA NO MEZ DK 01 H i;o.
LoaohaiaaC.aahvr.s r 4a -;n. daai LJan,,Ta if y ,..., M
Prmar &t he r,
-"" ........' -
. Banua
Miscellanea
CARTAS SOBKE A AMRICA DO Sl'L. !')
VII
O General Roiat. [Continuadlo e fin )
Para, porm, fazer-se respeitar na America
nao ha outro meio senao o de a2er-se temido.
Indios e crioulos sao por tola a parte os rnes-
mos, desde o Missouri at ao cabo do Ilorn.
Nenhuma forca humana conseguir reiJuzil-os,
a nao ser exercid.) com as exterioridades do des-
potismo e som as frmalas legaes. Para elles,
a lei na.) ho um Ireio. porque ella he urna pro.
venci; n5o soccorro mais victima, porque
ameaca ao culpado. O perdao nao he a seus
olhos senao um signal de fraque/a, e a clemen-
cia apenas servo do incentivo a revoltd. Um
adagio muito popular na America do Sul dar
ideia do modo |iorquo se devem governar esses
paizes :Quando ladrar o cao que guardan
casa, podis entrar stm receto ; porm, se es-
iirer ca'ado, cuidado que morde
Podo dizer-se que jamis urna sentcnca pre-
venio um crimo na America. Fsse povo nao
teme a morte, quando sabe que, ou, sobretu- ;
do, como vai uiorrer; porm lome, mais do
quo a morte, a mao invisivel queofero na som-
bra e no mysterio ; porque assim he que cas-
tiga a tistica divina Mas com essas imagi- '
naees ultra byporbolicas, que n'um grupo de
poucos soldados vom um exercito innumera-
vel, o proresso laz do salteador um liere, (jue
a evt-cu '5o publica transformar em martyr.
No Mxico, onde, para dar maior solemni- !
dade aceiio da justica, celebro-se asexecu-
C5es como festitidades, rouba-se todos .is das
com violoncia as cidades mais populosas, e,
nenhuma disputa se termina sem urna punha- i
lata. Fm Buenos Ayres, pelo contrario, j
nao ha boje nem um s assassinato, nem um
s roubo, precisameuto porque nunca se sabe
que existe algum delinquente, senao quando
por acaso se encontra um cadver, oxposto com
um carta/ que prova seu crime.
Presentemente p^jte alravessar-se os pampas,
repousar a sombra do omb, cujos ramos gi-
gantescos (ecm capacidade para abrigar urna
aldeia.e sao o nico relugio que encontra o via-
jante contra o sol e a chuva ; podemo-nos in-
ternar por tresentas leguas,at periodos Andes,
pedir aos estancieiros pousada as chacras (chou-
pauas)dispersas pela campanha, ao abrigo das
suas immensas fazendas; dormir em lim n'ellas,
ou viajar com seguranca.sem termos que receur
um s encontr desagradavel.
F qual o prestigio tao poderoso para cubrir-
nos cojo sua inviolabilidade n'um ospaco do
algumas mil leguas quadradas, onde inda ha
pouco nao so podia dar um |>asso sem temer
pela bolsa ou pela vida ? O lime de Rosas
nicamente.
Ha apenas 12 annosque Governo de Bue-
nos-Ayres tentara em vao fazer concessoes gra-
tuilas de terrenos para altrahir a populacao, !
e a cultura as costas do sul, desde o rio Oue-
quen, o Saco Grande, c as magnificas mar-
geos do Azul, at cordilbeira da Ventana.
Os terrenos, cuja propriedadeentao recusavao, I
se vendem boje a 35 mil pesos por 12 leguas
quadradas ; preco fabuloso cm toda a Ameri- '
ca. Essas praias pacificas e seguras eslao hojo !
cuberas de plantaco e gado ; porque o gaucho
est cerlo de que a marca de seu gado ser re-
;.,!;,. ;.!a e rcspeilada tudu a eiteiwiu da
lamparilla.
Em quanto.sob pretexto de liberdado. osou-
tros estados da America do Sul matao-se mutua-1
mente e anniquilio-se as discordias e na anar-
ebia, be nada ler restituido tao |irumptamen-
le a paz e a prosperidade um paiz que se acba-
(*) Vi de Diario n. 243.
fva irremediavelmente rnlregue i dettruicloe
ao saque ? Rosas o conseguio. sido violentos e mesmo oppressivos, concordo ;
mas tintas experiencias, fatalmente tentadas,
nao provSo me eio elles os uniros efficflzes?__
Dspota, tyranno, dictador,que importa o
ritime, com tanto que, qnanto ao essemial,
sejSo os resultados propicios.'
Rosas fundn nuloridodc, beneficio inapre-
ciavel deque go?3o aquelles propnosque des-
conhecem ou calumno a nova era que sumen -
te elle inaugurou na America do Sul. Ern
qumto oSr Le Blanc mandava arbitrariamen-*
te incendiar os navios mercantes de Buenos
Ayres, embargados n porto, quem, a nao
ser Rosas, teria podido salvar nossos compalrio-
, tas das miios de urna populaca furiosa, movida
polo instinclo de urna vinganca tao natural, e
ainda recentemenl.- os Ingkzes de Buenos-Av-
res, lao gravemente compromettidos pela i-
jdesculpavel conducta do Commodor Purvisem
i Montevideo .'
Se Rosas so lem opp ;sto enrgicamente a
todo o acto de represalias, be porque conbeceo
que recahiria sobre elle s toda a responiabili-
da le dos aconleciinentos ; e porque antes quer
deixar que se coropromettio seus inimigos, do
que dar-Ibis nenburn jiretexlo contra si. Na
posicao excepcional em que seacha, compre-
bende muito bem quo nada deve entregar ao
acaso, nem tentar senao com golpe seguro.
Desde odia em que o xito nao vitssecorar
alguma d suas empresas, o prestigio que o
cerca se dissiparia inmediatamente; desde o
dia em que elle nao fosse o nico que dirigisso
o movimento, a forca quo tivesse empregado
n'outras mSos quereria piovavelmenteentrarem
conta na pardilla.
Tem-sedito ltimamente que a falta de ca-
valhadas impeda a Oribe de dominar a campa-
nha ; mas, so fura esse o nico obstculo que
so oppuzesse tomada de Montevid o, Rosas
poderia removcl-j do um dia para oulro ;
porque ninguem na America ignora que Rosas
nao encontrara embarazos para reliar, naos
dez, mas ainda cen mil cavallos .' Poroutra
parte, se Rosas o tivesse permitlido, o exercito
federal poderia, inmediatamente depoia do sua
campanha do interior, apoderar se desaparee-
bidamente de Montevideo. He pnis evidente
que Rosas quiz demorar as cousas para tirar
disso um melbor partido : aoeita una positao
difficil, da qual tem seguranea de sabir com
vantagem, quando quizer, porque smenle o
far com um resultado completo c definitivo, e
quando souber com quem e com que pode e
deve contar. Contemporisando assim, Rosas
pora para sempre a Montevideo na impossbi-
lidade de Ihe ser perigoto ; e domis, como
detesta a Inglaterra, leve lempo para conven-
cer-se do jogo que o gabinete ingle/, fazia con-
tra elle, Irabalbando pela paz a sua diplomacia
em Buenos-Ayres. entretanto que a esquadra
hritannica Iraballiava pela guerra em Monte-
video. As ordens do Alrniranlado, que ize-
io tessai a ailude host do Commodur Pur-
vis, forao ja tarde para mudaren) cousa algu-
ma as disposicoes de Rosas. Elle conbece cla-
ramente a situadlo actual ; nada esquecer
o se aproveitar de ludo. E ou eu cu ribero
muito mal esse hornem resoluto e sagaz, ou a
Inglaterra tar cedo que arrepender se da du-
plicidade de sua [)olitica na America do Sul.
Rosas dirige todas as cousas, olha para tudo,
e sua aptidao para os negocios parece universal.
S elle possuc a chave de sua poltica, e todos
os agentes que emprega nao sao as mSos dol-
i senao doceis instrumenlos, que concorrem
isoladamente para um lim eommum e tnico.
Todo o systema, bom ou mao, he absoluto
em sua marcha. Rosas he exclusivo, nao ad-
mitte 6 roda de si nenhuma inlluenra que o
impilla ou o retenha, e nem est por observa-
Cao alguma \ arios de seus prenles quo qui-
lerio usar, no Governo, das prerogativas de
familia, e que coufiorao na alTeicao que Rosas
Ibes tuina, para coiiocarem-so acuna da lei
estabelecida.ello us prendeo ou desterrou: leu


proprio irmo era um dos refugiados em Mon-
tevideo.
Cousa estranha em um paiz onde as revo-
luces militares sao tao frequentes, Rosas tem
sabido tomar um tal ascendente sobre u ejerci-
to, que he impossivel citar-se um exemplo de
defeccio, <|uer da parte dos obeles, quer da
dos soldados. I", todavia llosas nao fez sua car
reir pelas armas, nunca commandou o exerci-
to, e nem cotila, a fallar a verdade, nenbuina
(acanita memoravel em sua \ i Ja.
Cousa tnail estranha anda Rosas ganhou a
tal ponto a afleico do povo, que lem muitas ve-
es impedido subscnpe,oes oacionaes, que vo-
luntariamente le oflerecem para ajuda do im-
posto normal as circunstancias dilliceis, ou em
occasies solemnes. E entretanto es golpes da-
dos por elle at aqui teem sido terriveis ; fre
de continuo e sem piedade. Porm a massas
sao levadas por inslinctos que nao podenao en-
ganal as. Oexercito, bem lardado e bem man-
tido, se tem disciplinado sem resistencia debai-
xo de urna bainleira at aqu victoriosa ; esof-
Iroa inlluencia secreta da disciplina da mesma
forma que o povo dorme, tranquillo o satislei-
to, sob o encanto reparador da ordem e segu-
ra nca.
Demais esse liomem verdadeiramente extra-
ordinario nao tem por modo algum sollicitado a
alleicao publica ; parece mesuio querer resistir-
llie, porque empresa contra esse amor impre-
visto as mesiiias precamoes que contra os odios
que sabe nao podem faltar-Hit*. N'essa estra-
da melindrosa, para ondeo puiasua convicc'io,
parece nao obedecer seno a voz interior que o
exhorta a ir por diante ; e, impassivel como o
destino, preenebe sua misso, que acredita ser
providencial, e que elle proprio reconbece de-
ver ser temporaria.
Todos os bomens que teem pretendido tomar
em serio o Governo na America, experimenta-
do que o syslema praticado pelo (eneral Rosas
he o nico conveniente a ess.ts jonns republli-
cas, tao abitadas em seu berco de independen-
cia. Porm uns, como Bolvar, l'aes, Dorro-
go &C., nao possuio a lorca moral, que lixa e
assenta a nacionalidade; outros, coiru S. Mar-
tim, cansarao de lutar sem tregoas contra a des-
confianza e apathia publica, e inuilo cedo de-
sesperarlo do futuro.
Todas as vezes que os partidos se veem amea-
cados em sua inlluencia anarebica pelo imperio
que um liomem possa ixercer sobre e contra el
les, nunca deixo declamar contra a tirannia e
ambicio. Foi diante de clamores semelbantes
que o General S. Martim demittio-se da dicta-
dura do Per ; e retirou-se a frente de seu ex
ercito victorioso. Hoje, nao obstaiite, be elle
nais popular ainda pelo que tencionou pralicar,
do que pelo que praticou, e tem-se levado em
conta os seus actos como autoridade, primeiro
do que as suas facanhas.
Se Rosas tivesse recuado diante da calumnia .
como fez S. Martim, o Prata ;emeria sob o ju
go da anarchia e das dissencoes intestinas que
devorao ainda o Per, assim como os outros Es-
tados da America do Sul. Porm Rosas tem
resistido e persistido : de/, onnos Ibe bastarn
para firmar a autoridade sem a qual nao se
conn-guern nem poderes duradouros nem fecun-
das nacionalidades.
Este severo e inlatigavel architeclo aspira ao
repouso,di?em. Ate aqui elle no tem tira-
do para si nenbum beneficio de seu despotismo;
nem guarda que o proteja, nem pompa que o
rodee, nem criminosas phantazias a satisfazer.
Trabalha regularmente 14 bi ras pordia. Esse
raro poder de trabo I bu deve maravilhar em un
povo tao indolente e pregunoso como o sao to-
das as povoacoes da America do Sul. Rosas
permanece muitas vezes encerrado a metade do
anno, e gasta metade das noutes a rever macos
de papis, para tomar conbecimento de todas ;is
queixas e reclamacoes. depositadas por ordem
as respectivas secretarias. Nao quer que se
passe cousa alguma na Repblica de que nao so-
la informado, para poder administrar j US tica a
todos, e satisfazer a tdo.
(^Uiito Rosas emprehendeo tem concluido ,
porque sua regra de conducta he n5o deix da apoz de si. Eis porque elle levar ao fim a
guerra actual esemduvida s gozara da paz
quando a houver definitivamente reslabelecido
na Conlederaco. Rosas ja prepara o seu reti-
ro em que at aqu nao tivera tempo de cui-
dar. 'Prsenlos obreiros francezes esto etn-
pregados n este momento na sua quinta (casa de
campo) de Palermo, que escolbeo para seu des-
canso, para ah viver em companluu de sua li-
lha, a quem ama sobre ludo. 1). Manuelita ,
pelo que dizem quantos teem lido a honra de
tratal-a, he o modelo de todas aaqualidadei e
de todas as virtudes que se requemn n'oma sc-
nhora. <> povo a denominao anjoda guar-
da da cidade e da caa.
Rosas tem i.'> anuos, be anda o mais deslo e
o mais bello cavalleiro do Prata. Sua r-staturi
be alta ; sua construirn lormidav |, [Ir luu
ro como um Dinamarqus ; e sua figura, que
50 caixas queijos, a Le Bretn Schramm &.
respira bondade e docura, estara longe de an-
nunciar o alto justiceiro da America, se oessa
tenuidade quasi feminil nao concorressem al -
guns traeos enrgicos e vigorosos. as r elacous
particulares, seu carcter he ebeio de bonho-
mia e de expanso. Suas recreares sao depois
de longos das de trabalho, e ento entrega-se a
ellas com o abandono o ardor de um estudanle.
Sempre que a necessidade publica nao puzer a
espada as mos de Rosas, ninguem saber ine-
Ibor do que elleperdoar e esquecer. Uina
simples intercesso da parte do Almirante Du-
potet bastou para restituir a liberdade e as suas
familias cerca do quatmeentos condemnados po-
lticos. Quando a sf 1 tta de Rosas, que he toda
o retrato do pai, passeia a cavallo pelas ras barris tintas, a AdolfSmitb.
muitas heneaos a aeompanbo. murtas vozes \ 230 gigos batatas, a J. .Saponli.
oro por ella; porque he pomha de reconcilia-
cao, que annuncia o fim da colera, e leva com-
sigo os penhores da clemencia.
liosas tem manifestado muitas vezes o desejo
de visitar a Franca, que considera como sua pa-
tria remola (seus antepassados sao de origem
franceza.)
He este o homem de quem se pode direr que,
querendo o fim, nunca recuou ante os meios.
Agora que o conheceis. julgai-o !
Ptttu de l'aris, de 21, 23, e 2* de Setem-
brodel843.)
Comp. .
11 volumes com urna machina de madeira,
aJ. B. Herberter.
1 caixa sementes, a Jos da Costa.
2 caixas pelucia de algodo, 130 barricas
manteiga, a N. O. Bieber dt C.
4 caixas fazendas de algodo, a S. lobler.
50 barris manteiga, 1 caixa livros, a Ferret-
ra & C.
4 caixas suspensorios, 2 ditas ezendas de se-
da, 2 ditas ditas d'algodo,a Kalkemann & Ro-
semund.
1 caixa pelucia de seda, 3 ditas ferragens, 4
ditas drogas, 4 ditas losforos e perfumara, 6
iost ser i p tu m.
ELE I CAO PARA DEPLTADOS GEB.AES.
liesullado dot collegioi do liectfe, Cabo, Pao
d 4lho, Iguarass, Goianna, ISazartt, S.
Antao, Rio Formoto, ierinkaem, Bonito,
Limotiro, (oranhuns, Brejo e Flores.
( s Srs. Votos.
1 Antonio Aflonso Eerreira 714
2 Urbano Sabino Pessoa de Mello 632
3 Joaquim Nunes Machado 67
4 Bariio da Boa-vista 583
5 Mnnoel Ignacio de C. Mendonra 558
(i P. Francisco de P. C d'Albuquerque 548
7 Antonio Joaquim de Mello 542
8 Sebastilo do Reg Barros 536
9 Jernimo Villela de Castro Tavares 511
10 Antonio Peregrino Maciel Monteiro 510
11 Alvaro Barbalho Uchoa Cavalcanti 504
12 Manoel Mendesda C. Azevedo. 4(J8
13 Jos Pedro da Silva 486
1 i Antonio da Costa Bego Monteiro 486
15 Felis Peixnto de Brito e Mello 452
16 Francisco Muniz Tavares 44"
17 Jos Thomaz Nabuco d'A. Jnior 436
18 Felippe Copes Netto Jnior 435
19 Jos Rento da Cunba Figueiredo 399
20 Joo Jos Ferreira de Aguiar .'583
1 Visconde de Goianna 575
> Manoel Ignacio Cavalcanti de Lacerda 375
23 Manoel Joaquim Carnciro da Cunha 371
com
IERCIO.
Alindogij.
Rendimentododia30.........23:6l6846
Desear reg&o hoje 31.
IlrigueFteldiversos gneros.
BrigueLuiza baca I bao.
BarcaM, (J. uf icotsdiversos gneros.
IlrigueCond'ca de lfrestmorelandcarvao.
BarcaEdtcard IJayesdiversos gneros,
liii.ue( omerlonidem.
BrigueImportadoridem.
Escuna- Turujo A/ Filhosidem.
BrigueTrifoliumidem.
rigueAdolpheidem.
IlrigueArmori(/ueidem.
1MPURTAC0.
Camerton, brigue inglez viudo de ltiverpool. moios de sal, 197 molhos de cebollas, 1 caix
entrado nocorrente mez, consignado a Diogo
Cocksbott & C., manifeslou o siguinle :
5 caixas la/endas de iinho, 28 ditas e 33 far-
dos ditas de algodo, 2 caixas lencos de seda.
1,1100 barricas farinba de trigo, a Me. Calmont
&C.
20 caixas conservas, 2 ditas fazendas d'algo-
do, 2 ditas esparran, 5 ditas ferragens, 3 di-
tas chapeos, 2 ditas calcado, 4 ditas instrumen-
tos de msica. 2 ditas fazendas de lin'-o, 1 dita
ditas de seda, 1 dita perlences para selins, 271
barricas manteiga, J. P. Adour & C.
5 caixas fazendas d'algodo, a Bolli & Cha-
va nnes. .
2 caixas miudezas, I dita selins, a H. Saint
Martin & C.
1 bah roupa, 1 caixa espingarda e pertences
para cafa, 11 embrulhos amostras, 1 dito gaze-
tas, 1 caixa lerramenta de carpina, 5 ditas ab-
sintbe, a ordem.
1 caixa livros, a Bez Peshayes& C.
3 fardos e 17 caixas fazendas de algodo, a
J. Keller.
1 caixa pelles, 1 dita obras de madeira, a
Bernel.
1 caixa agoa de flor, 85 barris manteiga, a
Easserre.
1 dita roupa e flores, 1 dita chapeos, a F.
Fremont.
25 cestos champanha, 5 caixas vidros, 5 ditas
papel de imprimir, 2 ditas panno, 2 ditas pa-
pel, 2 ditas pelles, 2 ditas chapeos, 2 ditas agoa
de colonia, 3 ditas chapeos de sol. 1 dita fs-
foros. 1 dita lirins. 2 ditas zorros, 2 ditas cal-
cado, 1 /dita louga, 1 dita miudeyas. 1 dita bo-
les, lldita cristaes, 2 ditas oleados, 2 barris
tinta, a Avrial Frcres.
1 caixa fazendas de seda, 1 dita chapeos de
sol, 1 dita fitas de seda. 16 ditas velos, 3 ditas
calcado, 5 ditas selins e perlences, 300 barris
manteiga, 500 gigos batatas, 4 caixas chapeos,
1 dita bonos e calcado, inditas fazendas de laa,
1 dita suspensorios, 4 ditas papel, 2 ditas couros
a L. Bruguiere.
1 caixa chapeos, 2 ditas selins, 1 dita fazen-
das de la e algodo, 3 ditas fazendas de Iinho,
6 ditas pelles. 1 dita livros em branco, 4 ditas
calcado, 1 dita bengalas, 1 dila bons, 2 ditas
chapeos de sol, 1 dita fazendas de seda e beju-
teria, i ditas fazendas d"algodao, 1 dita bejote-
ria, a Eenoir Puget& G.
Louisa, brigue inglez, vindode Halifax, en-
trado no corrente niez, consignado Me. Cal-
mont & C., manifeslou oseguinle :
1,604 barricas, 272 meias ditas bacalho,
390 saceos vasios, 6 enxs, 10 ps, 5 taboas,
aus consignatarios.
Espadarle, patacho portuguez, vindo de
Lisboa, entrado nocorrente mez, consigna-
do a Nascimento e Scbaefler, manifestou o se-
gu n tu- :
44 barris vinho, 3 ditos estanho. 2 caixas
palitos. 4 balas papel ; a Mendes & liveira.
20 barris vinho ; a Antonio Jos de Amo-
nm.
1 caixa madeiras para violas; a Victorino de
Castro .Voura.
55 pipas vinho, 10 meias ditas dito, 80
barris dito, 1 ancorla dito, 35 barris carnes.
55 caixas toucinho. 10 barris vinagre, 27
1 caixa impressos ; a Joaquim Baptista
Vloreira,
3 ditas chapeos ; a Ferreira & Cascao.
Fiel, brigue brasileiro, vindo do Porto, en-
trado no corrente mez, a consignacao de Firmi.
no Jos Flix da Roza, manifestou o seguin-
te:
125 cunheles de pinho abatidos; a Marceli.
no JosGalvao.
1 barril vinagre, 1 dito azeite ; a Manoel
Goncalves da Silva
4 fardos albos; a Luiz Ferreira da Cosa.
8 barricas e .3 caixas drogas, 1 dita palitos; a
Joaquim Jos da Costa Leito.^
7 lardos a'hos; a Ignacio Ferreira da Costa.
1 caixa massas para chapeos ; a Vicente Jo-
s Gongalves.
8 caixastferragens, 52 canastras albos, 2 cai-
xas linhas,' 3 ditas miudezas, 22 barris pregos,
5 ditos carnes, 3 caixas drogas, 4 ditas obras de
lato e miudezas, 100 cunheles de pinho abati.
dos, 2 caixas nozes e meias de Iinho ; a Anto-
nio Valenlim Silva Barroca.. .
1 caixa macella, retroz, e agulbas; a Jos
Joaquim Novaes.
4 caicas e 10 barris pregos; a Antonio Jos
Rodrigues de Souza.
26 canastras frutas; a Manoel de Azevedo
Maia.
1 cunhete obras de prata ; a Jos Vellozo da
Silveira.
3 fardos albos; a Jos Francisco Carneiro.
4 jarras; a Antonio Rodrigues Fernandes
Vieira.
538 resteas de cebollas ; a Antonio Jos de
Faria Machado.
2't moios de sal, 49 canastras alhos, e7
ditas rolbas de cortica ; ao consignatario.
2 caixas pedras de liar ; a Joaquim Jos de
Seixas.
15 canastras frutas,7 volumes flores, e 3 coe-
Ihos; a ordem.
27 canastias frutas ; a Joaquim Monteiro di
Cruz.
5 caixas linhas ; a Jos Goncalves Ferreiri
Costa.
20 caixas e 1 pote uvas, 4 canastras (rulas
a Francisco Vieira das Neves.
120 cadeiras, 2commodas, 1 marqueza ;
Jos dos Santos Nunes Lima.
20 canastras albos, 12 ditas frutas; a Joao
Bernardino Botelho.
20 temos condecas ; a Viclorino de Castro
Moura.
1 cunhete obras de prata ; a Jos Joaquim f
Freitas Guimares.
15 barris vinho, 2 caixas fazendas de linhoe
linhas, 150 canastras batatas, 575 resteas de ce-
bollas, 85 cestinhos, 170 rodas arcos de pao ;'a
Jcs Teixeiras Bastos. \
1 secretaria ; a Manoel Marciano Ferreira.
3 fardos alhos; a Lourenco Fernandes do
Carino.
3 fardos fazendas de algodo, 1 caixa meias
de Iinho ; a Francisco A Ivs da Cimba.
1480 resteas de cebollas, 22 canastras alhos
21 ditas frutas, 3 caixas rolbas de cortica; a
Joo Antonio dos Sanios Andrade.
6 fardos e 1 caixa o ; a Jos de Oliveira
d
10 barricas areia de
a Nascimento Scha-
a Manoel Ferreira
oce, 50 arrobas batatas
moldar, 50 ditas vastas ;
eTer.
60 barricas carnes;
Lima.
I caixa doce ; a Joo Jos da Cruz.
1 caixa sal, 2 chapeos, 1 embrulho semen-
tes ; a Thomaz de Carvalbo Soares Brando.
8 lardos com 1,000 saceos vasios, Ferreira 6 meias pipas vinagre. 10 barricas farellos ;
C. j a Antonio Joaquim de Souza Kibeiro.
1 caixa fazendas de algodo, Latbam & 2 caixas Linas; a ordem.
Ilibbert. 4 ditas uvas, 1 dila impressos ; a Antonio
16 fardos e 4 caixas fazendas de algodo, 1 i Maria Cortez.
caixas pertences para escriplorio, Rosas Bra- ', 150 molhos de cebollas ; a Joao Antonio
20 caixas e 62 fardos fazendas de dlgodo, a
caixas ditas de Iinho, Junes Patn & C.
8 I
ga & C
3 caixas fazendas de Iinho, Russell Mellors
&C.
3 ditas fazendas de algodo, Johnston Pa-
tercv C.
Bitancourt.
14 barricas carnes, 3 caixas toucinho, 3
barris azeile ; a Joo Paulo da Fonceca.
16 pipas vinho ; a F. Bohilliard.
1 braco para balanza ; a Antonio Francisco
8 caixas chapeos, 5 ditas fazendas d'algodo, Maia.
2 ditas ditas de Iinho, 1 barril ago'ardente, 1381 molhos de cebollas, 1 caita impressos,
ordem. e I barril vinho ; a Manuel Joaquim Ramos
Adolph'. brigue francez, vindo do Havre (le & Silva.
b, entrado no corrente mes, consignado a 3 caixas agoa ingleza, 3 di-tas com um ora-
1.. Bruguiere, manifestou o seguiote : torio e imagen; a Manoel Goncalves da Silva.

Movimento do Porto...
Navio saludo no da 29.
PorlosdoSul; vapor brasileiro S. Salvador,
Commandante Antonio Carlos de Azevedo
Coutinho.
Natos entrados no dia 30.
Cdiz; 31 das, barca ingleza Cito, de217
toneladas, capito George Sbiro equipa-
gem 12. caga sal: a Me. Calmont & C.
.\avio >ahido no mesmo da.
Bahia; brigue inglez // estmorelaml, capiU"
Robert Feilton : com a mesma carga qm
trouxe de Trieste.
Edita!.
A Cmara Municipal da ctdade de 0/*t'li
e seu termo, em virlude da lei, A/c.
Faz s&ber, que se ha de arrematar por qu
mais der, nos dias 29, 30 e 31 do corrente,
imposto das canoas d'agoa do Varadouro, e "
mesma occasio serao tamben) arrematados,!0
quem menos fizer, os concertos da casa do IM0*
guinho, e presente achar os pretenden!"0
remenlo do concert da mencionada cas* <
comparecendo os pretendentes habilitados pJf*
no dito imposto e casa poderem lancar. I r
quechegueao conbecimento de todos, mai)JJ*
mos publicar o presente pt-la imprensa.
Cidade de Olinda, 24 de utubro de l8l-
Jos Joaquim de Almeida Quedes, Presida'
te.Joo Paulo Ferreira, Secretario.
Declararn
3=Nao tendo concorrido hoje licitantes pa'


ra as arrematacoesdo 9.lanco da estrada de Pao
do Albo e reparos da caJeia da cidade de U-
linda, o Sr. Inspector d'esla Tbesouraria man-
da fazer publico que rao novamente a praca
ditas ernprezas no dia 31 do frrente ao ineio
dia. Secretaria da Tliesouraria das Rendas
Provincaesdo Pernambuco 25 de Uutubro de
1844. Secretario interino.Joao Valen-
tn Villela. (10
s publicaco litteraria.
galera
das
OIIDKNS RELIGIOSA! E MILITARES,
desde a mais remola antiguidade at os nossos
das.
Subscrevc so na praca da Independencia li-
vraria n. 6 e 8 a 8,500 rs.poranno, pagos adi-
antados, onde se recebera todos os nmeros do
l.'anno, e6do2.: cada numero conten 2
estampas coloridas, e 8 paginas de impressao
no formato de folha de papel de peso.
Os edictores desta obra teem em vista publi-
car resumidamente o que forao as ordens reli-
giosas de um e outro sexo, como se fundro,
divid rao e ramificaran, cuaesseus lundadores,
que vida tiverao, de que virtudes se adornarlo,
e o que fizerao a bem da religio e humanida-
de : nasordens militares nao resao esquecidos
os importantes servicos prestados pelos institui-
dores religioe civlisac,uo. Por esta inte-
ressante publicacao conbecera os leitores a
que ordem pertencem os que existen) entre ms
como os Carmelitas, Rentos e Franciscanos,
e as militares Christo e Aviz. (2
Avisos martimos.
3=0 brigue Jpiter segu viagem para o
Ass, por estes seis dias ; quein no mesmo qui-
tar carregar, dirija-se a Jos A'avier Vianna,
ra do Torres n. 18, ou a luja de cabos defron-
te do Corpo Santo. (5
Leilao,
3 J. P. Smith, estando prximo a reli
rar-se para Inglaterra, far leilao, por inter-
vengo do corretor Oliveira, do toda a excellen-
te mobilia, e mais objectos de sua casa, que no
acto se patentear, quinta eira 31 do corren-
te, as 10 h >ras da manhaa, na ra da Guia, ca-
sa que oi de Fox & Stodart. (7
Avisos diversos.
2 Como o Sr. Vautbier, postergando todas
as leis do justo, nao se envergonbando mesmo
de ser desmentido por mais de 40 pessoas que
-'assistirao ao concurso ultimo para Ajudante de
Engenbeiros, teve a ousadia de informar ao go-
verno da provincia, que o Sr. Sette, qu>; foi
discpulo doabaixoassignado, responder me-
Ibor que elle em aritbmelica e geometra, in-
juria esta que o abaixo assignado nao pode sof-
frer, est certo que ninguem Ib'a fara, a nao
ser o Sr. Vauthier, o qual, segundo se diz, para
servir a alguem, nao escrupulisou em engaar
o Presidente da Provincia, que por fatalidade
nao assistio ao concurso, nao obstante a opposi-
cao que fez o honrado Sr. Coronel Jos de Bar-
ros ; e querendo o abaixo assignado mostrar
Pernambuco, que em taes materias nao teme
ao Sr. Vautbier, pelo presente o desalia para
argumentar coni elle em ditas materias em um
lugar publico, e perante pessoas entendidas, e
espera que o Sr. Vauthier nao deixar de acei-
tar este desafio, pena de ser posta ern duvida a
sua sciencia em taes materias, e de ser conside-
rado como detractor do crdito alheio : o abai-
xo assignado espera que o Sr. Vauthier Ihe res-
ponda por esta folha, dentro de tres dias, con-
tados da publicacao deste.
Filppe Nery Colafo. (28
2 \a noite de 2o do correte ausenlaro-
se do engenho Suassuna os seis engajados se-
guintes, filhos da ilha de S Miguel : Fran-
cisco Cosme de Viveiros, Manoel Carvalho de
Sousa, sapalero Joao Jos, Joao Nunes, Fran-
cisco do Kego Alecrim, Manoel Muniz ; vin-
dos no patacho Alberto, e foro engajados nes-
te inez, por tempo de quatro aonog, segundo a
escriptura publica foit pur o Escriyao Gui-
Iherme Patricio ; em virtudo do que so previne
ao publico, para que ninguem se chame ig-
norancia, admittindo-os om seu servico ; pois
se proceder conforme a lei contra quem Ibes
der asilo, ou se ut'lisar do servico de ditos en-
gajados; assimcomo se recompensar;, i quem
os levar, ou delles der noticia no sitio do Pom-
bal, ou' na ra Larga do Rosario, luja do Sr.
Lody. I18
2OsSrs. Paulo Jo> Gomes, Joaquim
Pereira Pinto, Jos Anjo do Sacramento Pinto,
e Joaquina Theotonia da Silva Secla, dirjan-
se ioja n. 10, da Sra. viuva Cunba Guima-
raes, para Ibes serern entregues algumas cartas,
2 Roga-se encarecidamente a quem sou-
ber onde mora o Sr. Jos Botelho e Couto,
chegado, ha pouco, da ilha de S. Miguel, o f.ivor
de o declarar na ribeira da Boa-vista n I. pois
he para se receber do dito Sr. urnas encoui-
mendas viudas da mesrna ilha Francisco Jos
de Oliveira. (7
2 Quem annunciou na Huirlo de Raima-
do 26 docorrente querer comprar garrafas va-
stas, dirija-se a ra da Aurora n. 48, onde ha
urna porcao dellas, todas limpas e em bom es-
tado. (5
1 A pessoa que tirou urna carta do correio
para Jean Loubet, queira por favor entregal-a
na ra do Passeio, Ioja de chapeos de sol, que
se Ihe ficar obrigado. (5
I Aluga se urna casa na ra da Alegra,
com duas salas e quatro quartos, um sotao e
um gabinete, quintal e cacimba, por 12,000 rs.
mensaes ; a tratar na ra da Santa Cruz, venda
nova n. S. (o
I Precisa-se de um caixeiro para tomar
conta de urna venda por balauco, dando fiador
a sua conducta, se for de alguns que esto ar-
ruinados, e que nao estejao satisfeitos por qual-
quer motivo, melbor; na esquina da ra do
Alecrim n. 2, armazcm da casa do tallecido
Monteiro. (7
1 No largo do Terco n. 10 precisa-se alu-
gar urna prela, que saiba cosinbar e ensaboar,
e seja fiel : nao se olba ao aluguel ; quem a ti-
ver dirija-se casa cima, ou annuncie. (4
1 OTercce se unta mulber | ara coser do
allaiate ; na ra Uireila n. >. (2
Na ra de Apollo, armazem n. 32 de Ma-
noel Antonio da Silva Molla, o qual tem a
qualquer hora bom embarque, recolhe barricas
de farinha, a 60 rs.cada urna, e pode levar
mais de 6,000 barricas; assim tomo recebe to-
dos os mais gneros por preijo milito commodo:
Ii-iii tambem no mesmo lugar um bom terreno
que tambem se aluga para deposito de taixas e
moendas do ferro, e mesmo para carvao de pe-
dra.
A pessoa que annunciou querer alugar
um sobrado de urn andar, no bairro do Santo
Antonio, dirija se ao Forte do Mallos, na ra
da Moeda, venda do Joaquim Duarte de Aze-
vedo n. 25.
Um morjo de 20 annos, estudante, com
alguns preparatorios, oflerece-so a os pais de fa-
milias a ensinar particular primeiras letras c
lingoa nacional, tanto ao sexo masculino como
ao leminino, prometiendo leccionarcom todo o
esmero e delicadeza que esliverem aoseualcan-
ce ; os Srs. que se quizerem utilisar do seu
prestimo annunciem por esta lolba.
Aluga-se a luja do sobrado de dous anda-
res da ra Imperial, n. 169; a tratar na ra
do Crespo n. 12, com Jos Joaquim da Silva
Maia.
Quem precisar do um destilador de agoa
ardenie, que est acostumado a trabalhar se-
gundo o systema moderno, annuncie
Quem qui/er alugar um molecote, an-
nuncie, ou dirija-se ao sitio do fallecido Fran-
cisco Antunes Ferreira, em Santo Amaro.
Quem annunciou no Dtaiio de honlem
querer comprar urna porcao de garrafas vasias,
dirija-se a venda da esquina da ra larga do
Rosario n. 21.
O abaixo assignado, como procurador
bastante de l-uiz Santo Agostinho. residente na
provincia do Maranho, remette para Ihe se-
rern entregues os seusescravos Renovata, par-
da, com dous filhos menores, Manoel e'Prefi-
na, ambos pardos Manoel (ornes Viegas.
1Precisa-se arrendar um sitinos Afo-
gados, ou em qualquer (.utro arrebalde desta
cidade, que ten lia proponoes para planta* oes,
e pasto para quatro ou seis vaccas de leile : an-
nuncie, ou dirija se ao pateo de N, S. do Ter-
co, sobrado de um andar n. 11.
1__Terca fera 5 de Novembro prximo vin-
douro. as 4 horas da tarde, na porta do Sr. Dr.
Juiz da 1. vara docivel, se hade arrematar,
por sei a ultima prafj, urna parte da casa de
sobrado de tres andares n 10 da ra do Que-
mado, da quantia de 2:117,578 rs porexecu-
co contra los Antonio dos Santos o Silva,
sendo o dito sobrado avaliado em 18:000.000
ris. O*
1 Aluga-se urna casa, no lugar do Ca-
xang, com duas salas, cinco quartos, cosinha
fra, quintal, banho no fundo do mesmo, e do
lado da sombra, cuja casa est mobilhada ; a
tratar na pra(,a da Boa-vista botica n. 6. (5
1 Jos Antonio Borges, Brasileiro, ret-
n-te para a Babia, levando em suacompanhia
seu sobrinbo Anacido, de menor idade, e seu
escravo Jos, de nacao C osia.
1= Eduardo Augusto Pereira Brando, ge-
ral e bastante procurador de sua ar D Roa
Engracia de Santa Maria do A breo Brando.
mai eherdeira habilitada do fallecido Alipio
Justioiano Pereira, que nesta cidade era confio
cipo pelo nomo de Antonio Joaquim Pereira ,
pede encarecidamente todos os Senhores que
| sao devedores a dita sua constituinte como re- o engenho Bam'nurral, declara para intelligen-
I presentante de sou tallecido filho, queiro pagar ca de quem o comprar, que o dito engenho
seus dehitos com a possvol hrevidada, ou a el est sugeitn a reposiedes de outros herdeiros .
I le procurador no Hotel de Luiz Vctor oa.Lin- queo dito Feij anda nao cumprio ss quaes
goota, ou ao caixeiro de. cobranca Domingos reposiedes sao as seguales: 11:838.885 rs.
IdoSouza Rodrigues, que est autrisado para reposicjio que o dito Fej tem de fazer aoa-
I receber, o passar os competentes recibos. (t4 baixo assignado, e suas rindas, de quem oa-
| a pessoa que no Diario de Pernambuco baixo assignado he procurador: 7:500,000
lerca feiru 29 de Outubro, pertende alugar um rs. de rendas do mesmo engenho que Rcrio em
sobrado de um s andar, seja em que rus for do poder do dito Fcij pira sobrepartilha : o
b/iirro de Santo Antonio, querendo alugar um 2: i.">6,932 rs que tambem ficaro em seupo-
Isito na ra Augusta ao p de urna casa terrea der pertencentes ao tallecido herdeiro Manoel
que so ra Placido VlagalbSes morador na mesrna ra dividas deste. o que tudo consta dos autos do
ou procurar na ra do Padre Floriano, sobrado inventaro pelo cartono do Eccrvao Pereira.
n. 38, eom quem nodo deliberar sobre o objec- O Majar Jote Gabriel de Moratt Mayer 18
todoaluguei. [10 ^ s= A medicina popular americana, e as
1 = Furtaro no mez de Outubro de 1844 p||u|ag vegelaea que a rnuitos annos, esto em
do engonbo Forno da Cal na cidade do lin- U30 eiI1 i00 lK pazes tropicaes, tem se prova-
da, tres cavallos, dous castanbos, e um russo J0 como una im-dicina inesiimavel, sendo pre-
cardao, um grande magro,e outro pequeo com (iarill|a ,|,. proposito para cuma quente, e com-
uma ostrelinha na testa, e esta o ferido* nos posta de ingredientes que nem requercm dieta
peitos, e no quarto por serem d roda, quem os n0ll, iesguardo e pode ser administrada a cri-
;jr levar em o dito engenho, ou na praca an,. mal lenru<
peb
da1 Boa-vista botica do Sr. Victorino Ferreira
detiarvalho, ou na ra da Calcada n. 10, se-
gundo andar, que em qualquer das partes ser
generosamente recompensado, ou darem noti-
cias delles. (14
Sociedadt theatral melpomenence.
\ O Thesuureiro faz BCente aos Senhores
socios que fara a destribuicao dos bilhetes para
a recita de sabbado nos dias 31 de Oulubroc 1 e
2 de Novembro na ra da Cruz armazem do
molhados n.43, o mesmo previne que so rece-
hera as mensalidades do mez do Setembru. (7
Na noute de 23 perdrao so n > pateo do
Terco dous molbos de cabellos encasloados em
ouro, ambos lavrados, com dous diamantes era-
vados ; a pessoa que os achou, querendo entre-
gar, leve-os a ruadoBangel, casa n 46, 1."
andar, que se Ihe dar 6.000 rs. de adiado.
Uleiao-se chapeos do Chile a 1,200 rs ,
muito bem oleialos de preto, ou de outra
qualquer cor ; na ra do Rangel n. 50.
1 No armazem por delraz da Ioja n. 50
da ra da Cadeia, com entrada pelo liecco do
Monteiro, recolhem-se pipas, gigos do louca,
e outros gneros, por menor preco que em ou-
tra parte. 0>
1 Aluga se um sobrado de um andar, que
representa dous pelo lado de detraz, com escol-
ente vista, e muito Ircsco. tem quintal c ca
cimba, sito na ra Augusta n. 3 ; trata se com
Frederico Augusto de Lemos na ra do Rangel
n. 3 (0
1 __Aluga-se um bom sobrado de um andar
na ra do Hospicio, com 3 salas e 5 quartos, e
outros tantos cammodos no pavimento terreo ;
alratar na ra da Gloria n. 89. (4
i Aluga-se urna casa terrea, por preco
commodo, com duas salas, seis quartos, cosi-
nha fra, quintal murado, atraz da matriz da
Boa-vista ; trata-se na ra da Aurora casa
n. 58. (5
A pessoa que precisar de urna ama para o
servico de casa deporta para dentro cosinha
e engomma.e lazo mais cervino de casado pouca
familia ou homem solteiro ; dirija-se a ra
Direita n. 10.
1Os Srs. Marccllino Jos Galvao. e Igna-
cio Francisco dos Santos & C. queirao decla-
rar a sua morada, para se Ibes serem entregues
Cada caixinha leva o seu reccjtuario, cusa
i jOOO ris a medicina pupuiare americana de
30 pululas, e SOOrisaspillulas vegetaes do Dr.
Brandrelh de25 pululas
Avisa-se ao publico que 8 medicina popular
anda nao appareceo falsificada e para maior
seguranca das verdadeiras pululas vegetaes,
vende-se de boje em dianlecada caixinha em-
brulliada no seu receituario fechado cun a firma
dos nicos agentes para o Brasil no Rio Janeiro.
\ ende-se nesta praca em casa do nico agen-
tu Joao Keller ra da Cruz n. 18, e |ara maior
commodidade dos compradores na ruada Ca-
deia em casa ila N 'uva Cardoso Ayres, ra No-
va Guerra Silva eCompanha, Atierro da Boa-
vista, Salles e Chaves. 2 i
21M.e-Callum ACompanhla resDeltosamen<
te avisao aos senhores de engenho e ao pu-
blico em geral que na nova ra do Brum que
passa por (letra/, do Arsenal de Mantilla teem
estabelecido urna ferrarla sendo a ultima do
lado do poente la mesrna ra onde faiem
cavilhSes, atracadores, parafusoa de apertar e
outras erragena para eogenho, eisos trilhos e
outras ferragens para carros parafuzos e per-
cas de todos os lmannos lerragens para na-
vios, verandas, portaes, carros de rnao o todas
as mais obras de ferreiro; e como os seus appa-
rolhos recentementechegadosde Inglaterra sao
de primeira qualidade, promettem agradar aos
seus fregue/.es tanto na qualidade da rnao
d'obra enmono preco c promptidao. (16
FABRICA DE FSFOROS.
Na ra Imperial do Atierro dos Afogados n.
165 existe urna fabrica de losforos, a qual os
faz da melbor qualidade, e vende a preco com-
modo. Ia
4 O abaixo assignado, engenheiro civil,
leudo de passar algum lempo lora da cidade no
desempenbo do seu oflSclo, rogaa todas as pes-
soas que quiterem ulilisar-se do seu prestimo,
de dirgirem-se (por carta) ao mesmo abaixo
assignado na casa de Novaes & C, ra da Cruz
n# 37 Jljredode Mornay. (7
3 Quem tiver coritas contra a casa de Fox
& Stodart, queira apresental-as a J P. C.
Smith, na ra da Sen/alia nova n. 42, assim
como as cuntas particulares do annuncianleat
ao fim do corrente mez ; pois que, tendo de se
retirar para fura da provincia, nao se responsa-
umas cartas; ou dirijao-se ao largo do Corpo j bilisa por qualquer conta que possa apparecer
Santn. 17. (o I depois do mencionado pra/.o.
6VOU da Ioja do Guerra, i 1Arrenda-se um sitio na estrada dos Alli
A pessoa que
Silva &C na ra Nova, o livro de amostras
de bicos de blonda brancos, queira ter a bon-
dade de o tornar a entregar na mesrna Ioja,
visto do nada Ihe servir.
Sabe-se que o escravo Francisco, que se
acba fgido, est recolhido em certa casa, e por
meio deste se previne a quem com elle estiver,
que queira mandal-o entregar em Olinda, la-
deira do Varadouro n. 3, ao contrario se lan-
cara mo dos meios legaes, e ento nada se des-
culpar. O dito escravo tem os signaes segur-
les : nac.ao Cacange, baixo, cabeca corada de
carregar peso, tem urna belida no olbo direito,
tos o qual contem urna das melhores e decen-
lescasas de campo assobradada,com oilenta pal-
mos de frente, toda en vid regada, com grande
coebeirae cavallarice.combastantesarvoredos de
fruclos, deliciosojardim.com muitojboa agoa do
beber e arrenda-se por muito mdico preco
com coodelo de ser bem tratado: tambem
este predio se vende a dinheiro ou a praso gran-
de ou se permutta por predio dentro da cidade,
e a razio de se fazer este negocio se dir a pes-
soa que se pro pose a compral-o ou permu-
ta! o. (5
1No dia 27 do corrente furtaro da ruado
untas dos ps grossas e estalantes quando an- j Sol do sobrado do Sr. Tenente Coronel Arito-
da. levou caifa de estopa, e camisa de algodao-
zinho, ja remendadas.
I=Precisa-se do 2:000,000 rs a premio de
um por cento ao mez por tempo de um armo ,
nio l.ins Caldas urna corrente com pacador e
urna medalha pendente com o busto do Impe-
rador, tendo em roda urn circulo de esmalte de
forma redonda desconlia-so ter sido furlada
dando-se para garanta, por hypotheca, urn so-'pelos prelos que condu/iraft nesta occasrao a
brado de urn andar no bairro do Recife;a quem mobilha para o embarque; a pessoa a quem
for ollerecida a dita corrente com a me-
dalha (Tpoder tomar e entregar ao caixeiro
do mesmo annunciante.que receber 2o rs. de
gratificaco. ('*
1 O Coronel Francisco Jos Martins se
UC i"*,
ste p.!*io dasuciles doswui ami-
convier este negocio, queira annunciar. (5
|Precisa-se alugar dous pretos mocos, ro-
bustos dando-se IOS rs mensaes, sustento o in-
do durmir em casa d seu Sr. ; a quem con-
vier annuncie ou dirija-so a Praca da Indepen-
cia n. 2i. Na mesma isa tambem seveoaeiQvape
urna negra de naf;o que faz todo o servico de gos, de quem por falta de tempo nao pode pes-
uma CBSa. (7 soalmente la/el-o; e aos seus amigos em geral
1_0 Padre Antonio Joaquim da Conceicao ollerece seusservivos nos poucs dias que tem
e Silva Poitugue/, vai para Una a tratar de de demorar-se na Baha. (6
.euoegocio. (3 ID -se 400,000 rs. a juros do doos por
1 ^Constando ao abaixo assignado, que seu cento sobre hvpotheca ern predios ou penho-
nbado Jos Feii de Mello, pretende vender I res; naruiKoiaa 3, mrxk fWMm< ,3
cu


Aluga-se por 3, ou 4 mezes da fasta um
sobrado novu com muitos commodos, na es-
trada da Magdalena ; a tratar na ra Nova, loja
n. 43, ou no mesmo sobrado.
Comprou-se por ordem do Sr. Jos Maria
Eustaquio Vieira residente no Cear o bi-
lhe'e n. 1746, da segunda parte da segunda lo-
tera a favor da igreja de S. Pedro Martyr da ci-
dadede Olinda.
Precisa-se de 800,000 rs. at 2:000,000
de rs. a premio com hypotheca em um pre-
dio livree desembarazado ; na ra da Calcada
n. 2 i.
O Sr. que tomou um flautim para dei-
lar-lhe chave a mais de 8 mezes queira ter" a
bondade de o levar na fabrica de charutos n. 43,
no Atterro da Roa-vista, igualmente pagar urna
conta que deve na mesma fabrica seno ve-
r o seu nome publicado.
J. B. da Fonsecca Jnior comprou por or-
dem do Sr. Jos da Costa Nunes e conta dos
Srs. Antonio da Silv;. Pinto e Francisco Domin-
gos dos Santos, o bilhete n. 1747, da segun-
do parte da segunda lotera de S. Pedro Marivr,
o qual tica em poder do annunciante.
Na ra Imperial n. 137, precisa-sede
olliciaesde chapeleiro quesejao peritos emsua
arte etambeni se recebe algum menino que
queira aprender otnesmoofficio.
Perdeo-se um bilhete da segunda parte da
segunda lotera de S. Pedro Martyr, de n. 896,
com a firma as costas de Jos Joaquim Vieira
e JosGuilbermc Guimio por isso roga-se ao
Sr. Tbesoureiro da mesma lotera de nao pa-
gar o que por sorte ti ver de sabir em dito bi-
lhete. 7
2Na casa de alfaiate de Jos Joaquim de
Novaes na ra do Queimado se venden) f-
gurins chegados ltimamente ; assitn como
continua a ter obras promptas.
2 Aluga-se o segundo andar do sobrado n.
2, da ra do Queimado esquina do becco do
Peixe-lrito; a tratar na loja do mesmo sobra Jo.
2Os Srs. Caetano Forras Pinto e o Revm.
Doutor Abbado Luiz da freguesia deFerreira do
concelho de Couro queiro dirigir-sea ra do]
Queimado, loja n. JO a liin de recebcrem
urnas carias vindas de Portugal. (5
3 Jos da Silva Botelho mudou a sua re-
sidencia da ra do Fugo n. 8 para a ra Di-
reita n. 81. (3
3 Arrenda-se um grande sitio na estrada
do Arraial, com casa de pedra e cal com 6
quartos duas salas, estribara senzalla para
escravos cocheira rio dentro do mesmo sitio,
por proco commodo ; a tratar c<>m Josefa Joa-
quina do Livramento na ra da matriz da
Boa-vista n. 42. (7
3 Aluga-se urna casa para se passar a tes-
ta em S. Anna defronte do engenho da Tor-
ra pelo rio e por trra defronte da venda do
Nicolao a qual he muito fresca e perto do
rio Capibaribe ; a tratar na mesma. (5
87 ditos de urna libra
18 ditos de libra e meia
6 ditos de t oncas
120 garrafas vasias
2 ditas grandes
8 frascos de 4 libras
38 botijas vasias
3 garrafinhas vasias
por






13/940
2^160
#600
4/800
/210
I #930
1/449
/l 80
do Poito, urna mesa redonda para meio de sa-
la; a tratar com Joaquim Pinheiro Jacome ,
na mesma venda.
Vende-se por nccessidade urna preta
Compras
3 C.ompro-se3 voltasde transelim fino
um cordo grosso e urna medalha tudo de
ouro de le e sem leitio; quem ti ver annuncie. (3
2 Compra-se um transelim para relogio ,
que tenha 3 a 4 oitavas sem feitio ; e um an-
nellao que tenha 2 ou 3 oitavas tudo de ou-
ro de lei ; quem ttver annuncie. 4
1 Compra-se um ovo de ema ou mesmo
a casca ; na ra estreita do Rosario o. 21. (2
Compra-se um compendio de medicina
pratira, um formulario ou guia medica do
Brasil, pelo l)r. Cherno novos ou usados ;
quem tiver annuncie.
Vendas
SO libras de raspas de viado
'>0
28
9
9
7
9
24
23
8
2
8
4
18
,4
1
2
2
1
1
7
2

1/2








1/2


1/2



1/2

por
ponta do viado qq
arcenico branco
aquildo gommado
" antimoniaco cr
corat rubro pp
emplastro maior u
azibar
sandolo vermelho
u bordana
quina <
vern iz
quina lina
gomma de batata
coralina
quioa em p
pedra medicamentosa
quina ordinaria
gomma amonicosa
epequncuoha
" alcatifa
a epequacunba
linimento de sabao
5
7 garrafas de agoa de C. de 2 Ibs.
2 ditas de agoa inglesa, grandes
6 garrafes vasios
70 potes azuesdeduas lihras
>n n,f.l| 4*0 uauuKwa *hvS ~ numi '
21 panellas de 8 libras
4 ditas de 16 libras
28 redomas de vidro de 6 libras
7 vidros oitavados deduas libras
33 ditos redondos de 4 libras
54 ditos ditos deduas libras














1GyOOO
3^200
6^720
7^600
5>760
7/000
7/200
153U
31680
840
2.-000
3>200
4*000
960
2|60
moo
tf/260
1/600
/640
/640
7/000
2/500
2/400
j/600
1/000
3/fS40l
22^400J
Tudo se vende no sobrado n. 120 sito na ra
Direita desta cidade no prlmoiro andar das
6 as 8 horas da manha e das duas as o da
tarde. (46
3Vende-se farinha de trigo americana de
superior qualidade em porces grandes e pe-
quenas ; em casa de Me. Calmont i Compa-
nhia na praca do corpo Santo n. 11, ou na
ra de Apollo armasem o. 6. ($
2 Vendem-se grrulas com muito rolao
hamburguez chegado ltimamente ; na ra
Nova n. 6, luja de J. F. Mamedede Almeida
2Vendem-se queijos novos ebegados pelo na-
vio a 1200 rs., manteiga ingleza a 500 rs. e
francesa a 560 rs., paios a 280 rs., letria a280
rs. talharim a 200 rs., cha hisson a 1900 rs. ,
vtritio da Figueira a 1760 rs. a caada ea gar-
raa a 240 rs. presuntos para fiambre a 320
rs. batatas a 50 rs. carne de porco muito
nova para as boas feijoadas a 60 e 80 rs. e todos
os mais gneros de venda por preco commodo;
na venda da esquina da ra do AragSo n. 43. 'lo
2 Vende-se potassa americana e russiana ,
em Larris pequeos muito nova e chegada l-
timamente ; na ra da Cadeia-velha armasem
n. 12, de Henrique Bernardos de Oliveira &
Companhia. (5
2Vende-se um molequecrioulo de 14 an-
nos proprio para pagem ; as Cinco-pontas
d.71. (3
2 Vendem-se couros miudos em porcao,
seno em barris c palha de carnauba ; na ru a
da Cruz, venda de S Araujo $ Irmao. (3
2 Vendem-se gigos de .vi'nho de Champa-
nhe de primeira qualidade e caitas de marro-
quiui superior e muito bem sorlido ebegado
ltimamente de Franca ; na ra da Cruz n. 15,
- Vende-se bom milho novo, em saccas a
4000 rs., farinha de S. Matheus e Cravellas a
3200 rs. o alqueire da medida velha e da me-
dida nova a 1280 rs., gomma de mandioca a
10,000 rs. o alqueire da medida velha, saccas
com farinha de primeira qualidade a 5000 rs. ,
ditas de segunda a 4000 rs., ditas de terceira a
3200 rs. ; no deposito de farinha da ra da Ca-
deia de S. Antonio n. 19. a
2 Vendem-se 3 negrinhas de 12 a 14 an-
nos, de bonita figura e sao proprias para to-
do o servico ; um preto de 30 anuos canoeiro;
na ra do Rosario da Boa-vista n. 48. (4
2 Vende-se urna negrinba de 14 annos ,
muito linda com principios de varias habili-
dades ; urna mulatinha de 16 annos recolhi-
da de muito boa conducta e be ptima para
mucama e com varias habilidades ; um ni6-
lequede 13 annos com principios de cosinha;
um dito de 8 anuos; 4 escravos de naco, opti -
mos para o servico de campo ; 3 cscravas de
meia idade com muito boas habilidades; na
ra Direita n. 3. ; in
2 Vende-se farinha de trigo americana, de
boa qualidade chegada pelo ultimo navio ,
por preco commodo; em casa de Geo Kenworlhy
c Companhia na ra da Cruz n. 2. (4
2 Vende-se o gurda-Iivros moderno, eco-
nimia poltica liedes de direito publico, com-
pendio de geographia Labordage, aventuras
de um morgado diccionario portugus e fran-
cez, contracto social aphorismos polticos; na
praca da Boa-vista botica o. 6. (6
2Vende-se um piano quasi novo de boas
vozes e por preco commodo ; no largo do Terso,
sobrado n. 2o. ;;j
2 Vendem-se sacras com farinha de man-
dioca de superior qualidade, chegada lti-
mamente de S. Matheus a 2560 rs. ; na ra
t*
. no Becco-largo
do Bccife, a dinheiro, ou a praso, com os fun-
dos, que o comprador quizer tem commodos
para familia, e o aluguel he muito barato ; a
tratar na mesma venda.
2 Vende-se, por pre isao, urna escrava de
Angola, do "20 annos e he de bonita figura ;
na ra da Florentina n. 2. (3
2Vende-se ladrilho de marmore por pre-
so commodo ; na ra da Moeda n. 7, prlmelro
andar, ou a tratar com FirminoJos Felis da
Bosa. /
2 Vendem-se saccas com farinha de man-
dioca com um alqueire raso da medida velha a
2240 rs. elevando a sacca a 2/rs. de boa
qualidade ; na ruada Cadeia, armasem de Fer-
nando Jos Braguez ao p do arco da Concei-
So (6
Vende-se um sellim quasi novo para
montara de senhora ; urna taboleta de ourives,
em bom uso dous canteiros para pipas urna
serra grande para serrara dous spelhos de
parede tudo por preso commodo ; na ra de
Agoas-verdes n. 15.
Vende-se urna escrava cabra de 18 annos,
cosinha, cose, lava de sabo, engomma ,
renda e lavarinto ; na ra do Livramento u.
Vende-se um guaran < i_
OTV.WVWOT UU tj. .tIOWICIJS O O
da Cruz, armasem n. 54.
2 Vende-se a venda n. 7 ,
mosa de nasSo de elegante figura sem vi-
cios nem achaques engomma, cose, cosinha,
lavadeira quitandeira e he muito fiel f na ri-
beira n. 1.
Vende-se urna mulata mucama recolhida ,
de 18 annos bonita figura cose muito bem ;
duas cscravas para todj o servico, por 80# rs.;
urna dita de 16 annos boa engommadeira ; 2
pardinhos ptimos pagens ; um moleque de 20
annos ; um dito de 25 ; dous escravos para to-
do o serviso, por 700,000 rs.; um moleque de
12 annos ; na praca da Boa-vista n. 19.
Vendem-se, ou aluga-se bichas de Ham-
burgo por varios presos e tambom espa-
nholas; na ra do Trapiche, loja de barbeiro
n. 28.
Vende-se, ou aluga-se urna canda nova ,
muito bem contruida pega para cima de 800
lijlos de alvenaria; a tratar com Manoel A. da
Silva Mota na ra de Apollo n. 34; assim co-
mo vendem-se 30 paos de sicupira para cons-
truccao deembarcaces.
Vendem-se as seguintes obras: o Pano-
rama oncadernado de 1839; Quntino Duieard ,
ou o Bscocez na corte do Luiz XI por Sir Scutt
em 4 v.: o Descobrlmento do Brasil, obra mui-
to rica em 6 v. ; o Retiro Espiritual, um v. ;
ordenanca da marinha em francez 2 v. tudo
em bom uso ; na ra da Conceiso da Boa-vis-
ta n. 9.
Vendem-se charutos de regala nonplusul-
tra a 30 rs., ditos de Napoleo a W rs. tan-
to a retalho como por atacado; na ra |Direita ,
loja n. 89.
Vendem-se bichas de Hamburgo chega-
das ltimamente o tambom se alugo e vao-
se applicar ; assim como vendem-se thesouras
grandes e pequeas para alfaiate e chapeleiro ;
na ra Direita loja de barbeiro n. 123.
Vende-so urna negra de nasSo de 30 an-
nos cosinha e tem urna cria ; na ra do
Crespo n. 11.
Vende-se cera de carnauba ltimamente
chegada por preso commodo; na ra das Cru-
zes n. 22.
_ Vende-se urna porsSo de barris, que fo-
rodeazeito de carrapato; na ra da Praia,
armasem n. 66.
1Vende-se rap de Lisboa chegado ltima-
mente e da melhor qualidade tanto em libras
como as oitavas ; na loja de Thomaz de Aqui-
no Fonseca esquina da ra do Cabug que
vira para a ra larga do Bosario. (5
1Vendem-se 12 barris, que orSo de azeite
de carrapato ; re ra Nova o. 63. (2
1Vendem-se duas grades muito fortes, urna
tarimba pesos e bataneas tudo pertencente a
asougue, por barato preco ; na ra Nova n. 63
1Vende-se um relogio pequeo saboneto
de ouro, por preso commodo; na ra Nova
n. 63. (3
1Vende-se cal virgem superior, em barri-
cas grandes e pequeas e mais barato do que
em outra qualquer parte ; no trapiche da Al-
fandega-velha a Tallar com Henrique Mara
Pereira de Magalhaes, ou com Luiz Antonio
Barbosa de Brito. ,-q
1Vendem-se admiraveis navalhas de aso da
China, que teem avantagem de cortar o cbelo
sem offensa da pelle, delxando o ro'o parecendo
estar na sua brilhante mocidade ; este aso vern
elusivamente s da China eso nelle traba-
Ibo dous dos melhores e mais abusados cu-
tileiros da rica cidade de Pekim capital do
imperio da China ; vendem-se jmente na lo-
ja da viuva Cunha Guimaraes na ra do Cres-
po o. 12 (l0
1Vende-se
na ra da Cadeia n. 15, loja do Bi urgard. (3
IVendem-se barricas pequeas para assu.
car em grandes pequeas porsoes por pro.
(ocommodo; na ruada Moeda, armasem a. 1]
Escravos fgidos.
mais de metade do engenho
Arassu de agoa corrente, sito na ribeira de
Una a dinheiro ou por predios nesta cidade ;
na ra da Conceiso do Recife n. Sl.primeiro
andar. ,5
1 Vende-se urna preta Je bonita figura,
de 16 annos com principios de costura cosi-
nha eensaboa ; na ra da Conceicao do Reci-
fe n. 51, primeiro andar. (4
1Vende-se, ou aluga-se urna casa terrea
no corredor do Bispo quasi delronte do Pa-
lacio ; na ra da Conceiso da Boa-vista
masen) de sal n. 6.
1 Vende-se urna preta do gentio de Angola'
de 20 annos, do bonita figura e he
para todo o serviso de urna casa ; na
Florentina n. 2.
ar-
(4
ptima
ra da
(4
1 Vende-se na cavallarisa da ra de Apollo
queficadefrontedo theatrinho novo, um ca-
vallo alaio-cachito, proprio para senhora, por
ser muito manso, he passeiro, carregador baixo
ale meio e lio muito seguro das mos. (5
I Vendem-se e alugo-se bichas hambur-
guezas bastante grandes J na ra dasCruzes
O. oJ. *<*
1 Vende-se superior doce secco de Portu-
gal meias de linho abertas para senhora cha-
peos de castor da ultima moda, vinho engar-
rafad de Muscatel de Setubal, e urna rica cai-
faz I la de charao para voltareie; na ra da Cad
24
Ijmu fl'rno r\r,\-
pria para qualquer serviso ; na ra do~Ra"ij-
'/?440 gel, venda n. 50.
17 600
<72
1^680
13/2)
10#80
Vende-se a venda da esquina da ra Im-
perial n. 2, por preciso com os fundos que
quizerem, ou so a armaco ; uns biasos de ba-
lancj grandes e pequeos com conchas e cor-
velha n. 24.
4
dade
1 Cu-se ca virgeui
eia-
,6
ue superior quali-
por ser de pedra cabeca de carneiro, em
barris proprios para carga de um cavallo por
preso mais commodo do que em outra qual-
quer parte; na ra do Apollo, armasem
n. 10. ;6
Vende-se rap de Lisboa muito fresco
rentes de ferro, urna porcao de calas vastas | chegado pelo ultimo navio a 4080 rS a '
1 Fugio no dia 28 do corrente um preto de
nacao Angico de nome Joaquim bem preto
e bem feito do corpo tem os signaos de sua
trra no rosto devhoa-estatura tem os ps
alguma cousa apalhetados nos dedos, e signaes
de bichos o qual venda pao com um moso
Italiano nos Alegados di/em que o dito pre-
to seencaminhara para as bandas de Tigip
quem o pegar, leve a ra Imperial padaria n!
43, que ser bem recompensado. (|o
\ Desappareceo no dia 25 do corrente um
moleque do nome Francisco de 14 annos; le-
vou camisa de riscadinho do ataodo transado
com mangas de meio braco, calcas brancas bas-
tante sujas e arremendadas, tondo sabido de
casa a vender mel em um (landres ; quem o pe-
gar, leve a ra estreita do Rosario n. 41, que se-
r recompensado. (g
I Fugio no dia 27 do corrente urna preta
de na$ao Angico mas parece crioula do no.
me Joaquina, de 40 annos, faltado denles na
frente baia curta de dedos pertenee a Ma-
noel Pereira Nunes morador em Una; quem
a pegar, leve a Jos Gonsalves Torres no sitio
da Passagem ou na ruada Cadeia venda do
Pitumba. (6
1 Fugio no dia 27 do corrente urna preta
de Angola de 24 annos, baila, cara redonda,
ps e maos pequeas de nome Benedicta; le-
vou panno da Costa j desbotado, e saia de cbi-
ta bastante usada sabio corn um taboleiro pe-
queo de jambros paraos vender; quem a pe-
gar, leve ao sitio de portao de Ierro defronle
de S. Jos do Manguinho qu'e se gratificar. (8
1 Fugio desde 3 da Junho uV 1844 do en-
genho Forno da Cal, na cidade \> Olinda, um
cabra de nome Manoel, condecido |.'or Manoel
Mulatinho ou Manoel Padre por sel bastante
coroado foi ostravo do tallecido Capiljo-mor
Francisco^Xavier Cavalcanli o qual ten? os
signaes seguintes; baixo, calvo olhos grandes
e fundos, representa 40 annos andar miudo
e apressado muito caladoe altencioso tem os
denles da Irente do lado superior quebrados,
falla bem desembalado morou muito tempo
no lugar do Arraial em lempo do outro senhor
e mesmo a pouco tempo no sitio do Brejo do
Monteiro que boje mora o Sr. Niegas; quem
o pegar, leve a praca da Boa-visla botica de
Victorino Ferreira de Carvalbo ou na ra da
Calsada n. 10, segundo, andar, ou no mesmo
engenho, que eurtjuaiquer das prrtes ser bem
lefompensado.
Ainda est fgida a escravj do nome Ma-
ra de nasao Casange de 75 annos, um tan-
to secca do corpo estatura alta com um dos
ps enchados, em um dospeitostem dous bi-
cos e com um B em um dos bracos marca do
senhor que a trouxe; quem a pegar, leve a ra
do Rangeln. 50, quesera recompensado.
Da casa da viuva do Joao Sebastiao Peret-
ti, no pateo da S. Cruz ausentou-se quarta
leira, 23 do corrente um pardo acabocolado ,
de nome Jacintho de 18 unnos baixo cheio
do corpo sem barba cabellos corridos mas
crespts as extremidades, feises grssoiras,
mas bem parecido; levou roupa de luto an-
da calsado tem sido visto noCaldoireiro, Poco
e nesta tidade ; quem o levar a dita casa ser
recompensado.
No dia 21 do corrente fu|io o preto Luiz,
crioulo de 17 annos, de boa estatura rosto
secco, ps pequeos meio secco do corpo; le-
vou calcas de riscado escuro e outra do algo-
daozinho azul, e camisa de riscadinho azul;
quem o pegar, leve a ra da Madre de Dos n.
7, quesera recompensado.
DesBppareceo de bordo do vapor S. Salva-
dor, um moleque de 13 annos, crioulo bem
retinto, denles claros, cabello cortado rente,
e com gaforina alta de nome Domingos ; ro-
ga-so a pessea que o apprehender, ou delle
tiver noticias, de o participar ao Presidente da
Belaco ou ao Director do Arsenal de Guerra,
onde ser recompensado.
Fugio urna preta de nomo Marcelina ; le-
vou panno e saia preta e mais um panno da
Costa vestido de chita prota usado outro do
chitarouxa com babados por baixo, outro do
cassa com palmas encarnadas e outro de bre-
tanha som mangas, de vestir por baixo ; osla
preta tem os signaes seguintes; um denlo de
menos do lado esquerdo do queixo superior,
baixa e secca do corpo nariz afilado e grosso,
olhos vermelhos cara redonda, o dedo gran-
de de um dos ps torto, e e meia corcovada ;
quem a pegar, leve a ra da Alfandega-velha ,
armasem n. 3, que ser gratificado generosa-
mente. .
50^000 rs. de gratiflcasao.
3 Fugio no dia SdeOutubro de 1844, pe-
las 9 horas da manha um mulato acabocola-
do de nome Cosme, baixo c relorsado do cor-
po representa ter 17 at 19 annos de idade ,
pouco mais..11 opone ; .j.-jm camisa bracea c
calsas de algodozinho transado com riscas
azues quando falla inclina a cabesa para urna
banda e a bocea da mesmo forma desconfia-se
que estoja era algum lugar para o mallo a titu-
lo de forro : quem o pagflf leve ao largo do
Corpo Santo n. I .
P.Cii'i Na Tu.
ou F. vu Vala. 1844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFIM5MOZM_LLP2UY INGEST_TIME 2013-04-12T22:33:03Z PACKAGE AA00011611_05212
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES