Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05210


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Aiinode 1844.
Ter^a Feira 29
O DlAMOpublica-se lodoioi din que nao forem santificados : 0 pfiO 1. asignatura
lida Ires mil". |>ir qurlel pagos adiantados Os annuncioedoe mifnnnlti slo inecridos
j .lia, e os do que nao forem raio de 80 rea por linha. A a reclamacoee derem sr diri-
,i,l m asta i'y|>., rua das Crur.es n. J4 ou a praga de Independencia loja da liTroen. 6*8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GOUar
le 10e .'i Cabo. Serinhaem RioFornwao, Mauey, PonoCalso, Alagoea: no |. -
H a Ida nada inri. Garanhuna e K"n:to a 10 e U de cada mes Boa-tiela t Fio;
ta 43 2*j dilo Cidale da Vietori quinlaa feiraa. Olinda todos oa diaa
DAS da semana.
28 S i Simio Judas.
21 lauca a Feliciano. Re. and. do J. &* D.d3. t.
;i Quacla s Seiapio Aud do J. de D. da 3 T.
Si Quinlaa Quntino Aud do) del) di 2. Y
i Sellan. pealas de lodoi os Snntos.
2 Sab. i. Comineinoravo de lodos os liis defiintos.
J II.'.m s. Malaquies
de Outubro
Auno XX. 81. M*.
Tudo agora dapends da a,.e nreemoe; da rmi.a prudencia, odaragjo f**'- e-
nuemoa corno principiamos, erems apuntados coa edrairagio entre jots eif
cuitas.
y
i'iiiHi; i iia AMeaU
iib'.rs GsWtJ W
Cambio* sobre l.oodaea ,5e l|-'no_,
Prn HO rrn pol franro
> Lisboa i 0 |>,ir 100 dr prtaiio
.Xordada c>hie ao par
lila da Jairas boae firaea>e 1 piropo
ciamos o un '-'' ouiuaHO
Our.-Moeda da i,400
i .\
da 4,000
l'rala -.'aia.-fj
Pesos culuaamnarri
N Ditos meiiraniia
iruda.
I / .00 I7,MM
i/.I JO 47..-JUO
J 300 1 700
l..0 i i*i0
i oo < y-,o
I ,VO0 1 U'_0
PHASKS DA LA NO MKZ DE 01 TI MU).
Le 'iin a 26 aa '.' h jras vil ma. da m i La nota r I ,< I \, > 4 ai n ,1 Urde.
Minguante lili 2 horas a J ain lt lana I Cresoenle a .S un 55 aa da larde.
Prtamar de hoje.
I'rimela li Lora ain '4 da manli.ia. | Secundo as 7 hora l8 iiiinuliis da larda
SaSSi^ JtSti*atCsmvaH&3XMi i-.-- ri-wmaS3X^ ..,.:.......
l^ULSU.-NaldJ.*XJ>AuL.:
DIARIO DE PERNAMBUGO.
yamnlil
"7T iTlIfii, TT'aMMT"
INGLATERRA.
O Timet do 6 de Sotembro.de que nos ocha-
mos de posse habilita-nos a rectificar um o-
quivoco, que Inuve as noticias da Inglaterra
que publicamos a semana passada por extracto
de ns. posteriores d'aquello jornal quo havia-
mos recebido at a data do 17 do predito mez ,
tendo-nosfalhado orecebimentodos doprincipio
d'elle at 11 os quaes ltimamente recebe-
mos ; o vm a ser a referida rectifieaco quo
o Parlamento oi adiado, e nao encerrado, no
dia 5 de Setembro para 10 de Outubro por
urna commisso nomeada e aut irisada pela
Rainha, e nao por esta em Pessoa.
No dia 6 leve lugar na capella privada do
Caslello de Windsor o baptismo do Principe
Real recom-nascido segundo lilbo da Rainha
Victoria edo Principo Alberto. Toro padri-
nhos o Duque de Cambridge por procuraco
do Principe Jorge ; e a Duqucza de lent por
procuraco da Dut|ueza de Saxe-Coburgo e
Golha. O Real inlanle loi apresentado ao Ar-
cobispode Conterbury, que era o baptizante ,
pela Viuva Lady Lyttelton ; dondo-lhe o Du-
que deCambridgo o nome de Alfredo Ernesto
Alberto.
Prorogaco do Parlamento.
Casa dos Lords S de Setembro.
Encerrou-se hoje a scsso prorogada alm do
termo ordinario pelos trabalhos dosta casa no
seu carcter judiciano. Sendo j i sabido que
S. M. a Rainha nao adiara o Parlamento em
pessoa, nao appareceo acostumada agtaco
dentro nem lora da casa.
Os Srs. Lords reuniro-se as 10 horas, e oc-
cuparo se em proferir as suus decisos sobre
varios casos dappellacao at 1 hora quo era a
designada para o adiamento. na qual os pares
que forao nomeados em commisso, apparece-
ro cornos scus mantos. A este tempo csta-
vo presentes mui poucos pares.
Lord Campbell propoz que se imprimissem
as razos apresentadas pelos Lords hontem (4)
as s:uas respectivas decises sobre o erro do ver-
dict do O'Connell versus a Rainha.
0 Conde Delawarr appareceo na mesacom a
vara e chave (insignias do seu emprego) como
Camareiro-mr (Lord lligh Chamberlain) e
leo a resposta do S. M. mensagem desta casa,
approvada a 6de Agosto felicitando a S. M.
pelo nascimento de um Principe A resposta
le S. M.era concebida nos seguntes termos:
Recebi com grande satislacao a vossa leal
mensagem; agradeco-vos as vossas felicitacoes ,
c aceito esta mensagem como urna prova addi-
cional da vossa edheso
ODuquode Wellington propz, queseim-
prirnisse & benigna resposta de S. VL o assim
se ordenou.
Lord Canning apresentou copiasdos Untados
concluidos com Mecklenburgo Scliwcrin.
Pouco depois de 1 hora, tendo o Lord Chan-
celler tomado primeramente o seu vestido de
Cdtf. pntiiu-Re, oom os oulros Lords Com-
missarios aos pos do throno; erSo elles o Lord
Presidente do concelho (Lord Wharnclifl) o
Lord do Sello Privado (o Duque de Buccleuch),
o Duque de Wellinglon.o Conde Delawarr e
o Conde de Dalhousio.
EntaooLord Chanceller ordenou ao Gen-
tilhomem Porleiro da Vara Negra(Sir A. Clil-
f, rd) que requeresse assistencia dos Com-
mun.
Em poucos minutos appareceo barra o
Presidente da Casa dos Communs, acompanba-
do pelo membros d'olla.
O Lord Chanceller disse- Mylords e Senho-
rcs. notondoS. M. a Rainha julgado conve-
niente achar-se presente em pessoa nesta oc-
casiao, mandou lavrar urna commisso debai-
xo do Grande Sello para dar a suaRealsanc-
c,ao aos diversos actos que tiverem sido appro-
vados por ambas as Casas do Pal lamento a qu.l
commisso ouvireis lr.
f Eiitiio foi lida a commisso segundo o costu-
me pelo Secretario mais raojo da casa.
O Lord Chanceller. Em obediencia ;s or-
dens de S. M., e em virtude da commisso de-
claro que S. M.dcu a sua Real Sanccao aos bilis
n ella nomeados.
Depois recilou ; por parte dos Lords Com-
missatios a seguinte falla: =
Mylords e Senhores,
S.M. a Rainha, disponsando-vos de ulto-
rior assistencia no Parlamento, nos ordena que
vos manifestemos os seus cordiaes a^radecimen
tos pelo /elo c assiduidade com que vos tendes
dedicado ao descinpenuo dos vossos deveres p-
blicos durante urna scsso laboriosa e prolon-
gada.
0 resultado foi o complemento de minias
medidas legislativas destinadas a mclhorar a ad
ministradlo da juslica, o a promover a felicida-
de publica.
S.M. prestou de boamente a saa Real sane-
cao ao bil que Ihe apresentastes, regulando a
emissao das notas do Banco, o conferindo cor-
tos privilegios ao Banco da Inglaterra por um
perioJo limitado.
u S. U. confia que estas medidas tender.'o a
por as traiisairocs pecuniarias do paiz sobre
urna base mais solida, sem impdr restricijo al-
guma inopportuna ao crdito ou emprezas com-
merciaes.
Pernos ordem decommunicar-vos que S.
M. contina a receber de seus alliados, e de to-
das as potencias estrangeiras seguros da sua ami-
gavel disposico
S. l\l. empenhou-se ha pouco em discus-
ses com o Governo do Rei dos Francez.es sobre
successos que tendiao a interromper a boa inlel
ligencia e as relegos amigaveis, que existem en
tre esto paiz e a Tranca ; folgareis de saber ,
que este perigo oi felizmente removido pelo es-
pinto do justiga e moderago que tem ammudo
os dous Covernos.
Senliores da Casa dos Communs,,
S. M. nos ordena de agradecer-vos u
promptido, com que votastes os supprimentos
precisos para o servido do anno.
S.M. observou com a maior satisfaco que
pelo procedunento que haveis firmenente adop-
tado em manter inwolavel a f publica, e inspi-
lar urna justa confianca na estabilidade dos re-
cursos nacionacs tendes->os habilitado a fazer
urna consideravel reduegao rfa despeta annual
por causa do juro da divida pub'ica.
Mylords e Senhores,
S. M. nos manda felicitar vos pelo melho-
ramenlo que tem tido lugar na condigao das
nossas manufacturas e do nosso commercio o
pela perspectiva de que pela liberalidade da Di-
vina providencia, gozaremos o dom doma a-I
hndanle colheila.
S. AL se compraz na confianca de que ao
voltardes para os vossos diversos dislrictos veris j
predominar geralmente em lodo o pai/. um es- I
pirito de lealdade e do alegre obediencia lei.
S M. confia em quo estas disposicoes, lao j
importantes para o pacifico desenvolvimento dos
nossos recursos, e para a nossa forga nacional ,
sero confirmadas e alentadas pela vossa presen i
ga, e pelo vosso exemplo.
a S.M. nos manda assegurar-vos, que quan-,
do fordes chamados a reassumir o exercicio das
vossas funegoes Parlamentaies, podereis deposi-
lar inteira confianca na coi dial coopcracPo de S.
M. nos vossos esfjrgos para melhorar a condico
'social, e promover a felicidade e o contenta-
' ment do seu povo.
Leo-se enlao a commisso para o adiamento
do Parlamento.
Depois do que disse o Lord Chanceller:
Mylords e Senhores,
Em virtude da commiso de S. M. sob o,
grande Sello, a n? e a outros Lords dirigid
e ha pouco lida, em nome do S. M. eobedien- I
cia s suas ordens, adiamos esto Palamento pa- ,
ra quinta leira, 10 de Outubro prximo uluro, |
para ento se reunir aqu ; e conseguintemento |
|ca esle Parlamento adiado para quinta feira .
10 de Outubro prximo futuro.
Retiiaro-se enlo os Communs, e separa -
ro-seosSrs Lords.
Poucas Senhoras estavao assenladas nos lian
eos posteriores do lado da opposiclo da Casa.
Junto do throno eslava S. A R. o Duque de
Cambridge e (segundo nos consta) o Principe
Real da Prussia.
Casa dos Communs, 5 de Setembro.
O Presidente loniou a cadeira meia hora
dopois do meio-dia.
Passou se um novo decrelo para a eleico de
um membro que sirva no Parlamento por
i\orth Lancashire, em lugar de Lord Stanley ,
que aceilou a mordomia dos Chillern Ilaft-
dreds.
Em resposta a urna interpellagao eita por
Air l\ Duncombe,
Sir. R. Peel disse que a expedieco do novo
decreto nao affectava de modo algum a posigo
do seu nobre amigo como Secretario Colonial ,
cujo emprego elle ainda continujva a exercer.
Em resposla a urna interpellagao feita por
Sir C. Napier. a cerca das relatos da Inglater-
ra com a Franca.
Sir R. Peel fez a seguinte importante decla-
raco :
O Governo de S Al. nao (em razo aiguma
para duvidar de que os seguros, que tem rece-
bido, quanto aos passos quo os Francezes teem
dado ero Argel, Marrocos.e nos paizes visinhos,
serao restrictamente cumpridos. A' respeito de
oulros successos, a que se referi o bravo Ofli-
cial, tenho a dizer que teem havido discussoes
entro esle Governo o o Rei dos Francezes rela-
tivamente a esses successos. Tenho a satisfaco
de declarar que essas discussoes teem sido Ira-
zidas a urna concluso amigavel e satisfactoria
(Estrondososapoladosde ambos os lad< s da ca-
sa). As communicatoes que teem occorrido,
sero conseguinternente apresentadas perante
esta c8sa n'um periodo futuro, mas por agora
espero que nao serei instado a fazor mais de-
clarago aiguma tal respeito. (epoiados).
Mr. Hindley desejava obter do mui honrado
Baronele aiguma declaraco respeito da con-
ducta de Mr. Prilchard, mas
>r Robert Peel smente repetio, que as dis-
cussoes que teem occorrido, ha algum lempo,
entre os dous Covernos. hao chegado a urna
concluso amigatel esatisfactoria, satisfac-
toria para ambos os paizes, accresccntando, e
espero que nao serei instado a fazer mais aigu-
ma declarata presentemente CJuando eu dis-
se urna concluso satisfactoria quero por
conseguinte significar urna concluso tal que
he perfeilamente compalivel tanto com os inte-
resses, como com a honra desle paiz. (Eslron-
dosos apiados).
I.evantou se a sesso. [Times).
O patacho portuguez Espadarte entrado a
27, trouce noticias de Lisboa, at 16 de Se
tembro.
O Diario do G. de 12 dando por falsa a
noticia de se nao abrirem as cortes no dia 30 de
Setembro. ossevera queessa abertura ter efec-
tivamente lugar: e convida os Deputados a com-
parecerem no Parlamento, porque so trata de
completar agrande obra da reorganisacaj do
paiz, e de sanecionar medidas da primeira ne-
cessidades para o bem publico.
O mesmo jornal annuncia a chegada do Im-
lernuncio. Delegado Apostlico, enviado ex-
traordinario e Ministro Plenipotenciario de
S. Santidade naquella corte no dia 27 do mez
passado, e a audiencia que Ihe dera S. AL T.
no dia 10 do correnle no palacio de Belem,
qual assisliroos grandes da corle: n'essaoccasi-
o S. Ex. dirigi a S. M. a seguinte allo-
cuco.
SenhoraSao estas as carias pelas quaes
S. Santidade, honrando-mo com urna misso
extraordinaria junto a V. AL se Digna acre-
ditar-me na qualidade de seu Internuncio, e
Delegado Apostlico.
A minha primeira honrosa commisso he
significar os seus paternaes sentimentos de be-
. illllllM i 1
nevoleneia para V, M. o para a vossa Augusta
familia. Nuda poda ser para mim mais
agradavel, nem mais lisongeiro do que expres-
str taes sentimenlos do soberano Pontfice, a
urna Rainha que se glora do titulo de Fidel-
sima igreja.
Posso os desejos da Santa S adiar um
apoio cada vez mais forte, na piedude, e no
zelo bem notorio de V. M. ; e do Tejo se mos-
trar a lodo o mundo que pela virtude de urna
Joven Rainha. todos is poderes do estado se
empenhSo em concorrer para o bem da le-
ligio.
A Rainha respondeo :
Son muilo scnsivel aps senlimentos de be-
nevolencia paternal de que o S. Padre est
animado para commigo, para com meu esposo
o toda a minha leal familia e tenho por um
dever corresponder a estes senlimentos com a
veneraeao que professo a S. Sanlidade, e com
a religiosa dedicaco que me liga S. S.
Approveito ao mesmo tempo, com praser
esta occasiao para vos declarar que me he mul-
to agradavel receber-vos na minl.a corte como
represetante de S. Santidade.
Falleceo naquella capital o Bispo de N iseo,
pouco lempo depois da seu regresso da Italia.
O corpo embalsamado devia ser transportado
para a cathedral de Viseo.
As noticias de llespanha por Lisboa so an-
teriores as que ja publicamos.
Tambom recebemos jornues do Porto at 10
de Setembro, quenada adianlo.
PENAP/SBUCO.
Tribunal da liclao.io,
JULGAMENTO 110 DIA 20.
[Presidente da audiencia o Sr. Desembarga-
dor /tamos.)
Na appellacaocivel, em que he appellante a
Cmara Municipal desti cidade e appullada a
Farenda Nacional : roceher e julg-'-rao pro-
vados os embargos.
Na ai>pellagSo civel nin que lie appellante
Jos Joaquim Baptisla e appellado Manoel
Laurentino do Barros : reformrao em parte
a sentenca recorrida, condemnando o appella-
do no importe dos objectos mencionados nos do-
cumentos que so acln rao nos autos, levando
em conta ao appellado a quanlia designada a fi.
41 dos mi-sni'is autos.
Na appellago civel em que he appellante
Jos Rodrigues do Olive ra Lima,e appellada D
Ignacia Mara Xavier: confirmarao a sentenca.
Na appellago civel, em que he appellante
Delinque Luiz da Cunha Mello, o appellado
Antonio de ousa Moroira : conlirmaro a sen-
tenca.
Na appellaco crime, em quo he appellante
o Juzo e appellado Ignacio Jos Borracho (reo
preso1 : julgaro improcedente o recurso in-
terpostoex-officio. por nao so terem preterido
as formulas essenciaes do processo.o por conse-
quencias nose haverem verificado algunsdos
quesitos do artigo 301 do cdigo do procesan
crimiual.
Na appellaco civel em que he appellante
Jos de Oliveira, e appellado Ignacio Bento de
Loiola: confirmarao a sentenca.
Na appellaco crime, em que he appellante
Joo de Jess Cavalcanti ( reo affiangado), e
appellado o Jui/o : julgaro procedente o re-
curso : rii.niil.ir.~io submetter o processo a noo
julgamento
Na appellaco civel em quo lie appellante
Francisco de Sousa Sotero c appellados Jos
Bernardo Ponlual c Mara Joaquina dos Pra-
zeres : confirmarao a sen tenga.
Na appellaean civel, em que be appellante
Carlos Colmes, e appellados Francisco Profiri
de Freitas, c Joaquim da Silva Guimaraes :
conlirmaro a sentenca.
Na appellaco civel, em que sao appellante
os herdeiros do Joaquim Pedro de Brito, e
appellados os herdeiros de Bernardo Sisneiro :


despresrao os embargos oppostos ao accordo
Na appellacao civel, em que sao appellantes
Jos Francisco IVreir da Silva c sua mulher ,
e appeadoj jos Ignacio da Cunta e outros :
conhrmaro a sentenca.
Resultado dos collegios da llecife, Cabo,
Pao d' 4lko, Iguarass, Goianna, Nazaret,
S. Antdo. Rio Formoso, Serinhaem, Boni-
to, Limotiro, Garanhuns, Rrtjo.
Antonio Alfonso Ferreira. 668
Urbano Sabino Pesssoa de Mello. 583
Joaquim Nunes Macbado. 574
lia rao da Boa vista. 560
.Manoel Ignacio de C. Mendonea 539
Antonio Joaquim de Mello. 518
Sebastian do Reg Baros. 515
Pedro Francisco de P Cavaleanti. 511
Alvaro Barbalho Uohoa. 489
Antonio P. M. Monleiro, 488
Jos Pedro da Silva. 472
Jernimo Villela de C. Tavares. 470
Manoel Mendes da C. Azevedo.*' 469
Antonio da C. R. Monleiro. 4i6
Felippe Lopes Neto. 426
Jos Thomaz Nabuco de Araujo. 419
Francisco Munz Tavaret 405
Foliz Peixoto de B. e Mello. 403
Jos Ment da C. Figueredo. 399
Joao Jos Ferreira de Aguiar. 377
Visconde de Goianna. 360
Manoel Joaquim C da Cunha. 358
ELEIC PARA DISPUTADOS.
Collegio do Rio Formoso
Os. Srs :
Alvaro Rarbaio cha Cavaleanti
Manoel Ignacio do Carvalho Mendonea
Antonio Atlonso Ferreira
Pedro Francisco de Paula Cavaleanti
Barao da Roa-vista
Des. Joaquim Marcellino de Brito
Dr. Joaquim Nunes Macbado
Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello
Dr. Sebaslio do Reg Barros
Antonio da Costa Reg Monleiro
Visconde de Goianua
Dr. Antonio Peregrino Maciel Monleiro
Dr Jos Tbomaz Nabuco de Araujo
Antonio Carneiro Machado Rios
Dr Jos Rento da Cunba Figueiredo
Dr. Manoel Mendes da Cunba Azevedo
Dr. Jernimo Villela de Castro Tavares
Dr. Felippe Lopes Netto Jnior
Joaquim Jos da Costa
Padre Francisco Munz Tavares
Des. Gregorio da Costa Lima Belmonte
Antonio Joaquim de Mello
Dr. Felis Peiioto de Brito e Mello
Dr. Cactano da Silva Santiago
r. Francisco Joao Carneiro da Cunba
Tenente Jos Pedro da Silva
Dr. Manoel Joaquim Carneiro da Cunba
Des. Joaquim Teixcira Peixoto de A. L.
Dr. Luiz de Carvalho Paes de Andrade
Augusto Federico de liveira
General Jos Ignacio de Abreu Lima
Vicente Thoma/ Pires de Figueiredo C.
Padre Venancio Henrique de Resende
Dr. Joao Jos Ferreira de Aguiar
Izidro Francisco de Paula Mesquita e Silva
Dr. Joaquim Manoel Vicirade Mello
Dr Manoel Ignacio Cavaleanti de Laccrda
Dr. AlTonso Arthur de A. e Alhuquerque
Dr. Joaquim Villela de Castro Tavares
Dr. Joao Jos Pinto
Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama
Dr. Alexandre Bemardino do Reis e Silva
Dr. Jos Francisco de Arruda Cmara
Dr. Joao Mauricio da Rocha Wanderley
Dr. Jos Antonio Pereira Ibiapina
Dr. Francisco Xavier Pa/ Brrelo
Dr. Hcrculano Goncalves da Rucha
Jos Joaquim Coelho
Lioardo Bezerra deSiqueira Cavaleanti
Dr. Jos Nicolao Rigueira Costa
Apolini rio Florentino de A. Maranhao
Antonio Jos de liveira
Dr. \ ictoriano de S e Alhuquerque
\'ii>rio Francisco Ferreira Brrelo
Votos.
ti
62
61
55
51
51
49
49
48
46
45
42
42
42
41
37
37
37
57
36
38
3 i
32
32
28
27
24
21
19
17
15
lo
14
12
11
9
7
7
7
7
6
5
i
i
4
3
3
2
1
1
1
1
1
i
Os Srs.:
Colltgio de Serinhaem.
Votos.
Dr. Alvaro Barbalho l.'choa Cavaleanti 27
Barao da Roa vista 22
Dr. Joao Jos Ferreira Aguiar 21
Dr. SebastiSo do Reg Barros 19
Dr. Antonio Peregrino Maciel Monteiro 18
Dr. Pedro Francisco de Paula Cavaleanti 18
Dr. Caetano Jos da Silva Santiago 18
Dr. Joao Jos Pinto 18
Dr. Antonio AlTonso Ferreira 17
Des. Manoel Ignacio Cavaleanti do Lacerda 16
Cenerai Jos Ignacio de Abreu Lima 16
Dr. Alexandre Bernadino do Reis o Silva 15
Des. Gregorio da Costa Lima Belmonte 13
Pr. Jos Thomaz Nabuco de Araujo 12
Dr. Filippe Lopes Netto Jnior 11
Antonio Jos de liveira 10
Antonio da Costa Reg Monleiro 9
Vicente Thomaz Pires de F. Carilargo 9
Visconde de Goianna 9
Padre Venancio Henrique de Rezende 7
Antonio Joaquim de Mello 7
Manoel Ignacio de Carvalho Mandoni.a 6
Joaquim Jos da Costa 6
Dr. Urbano Sabino Pessoa de Mello 6
Des. Joaquim Marcellino de Brito 5
Jos Pedro da Silva 5
Dr. .1.Tomiiio Villela de Castro Tavares 5
Dr. Manoel Joaquim Carneiro da Cunha 4
Dr. Manoel Mendes da Cunha Azevedo 4
Dr. Joaquim Nunes Machado 4
les. Joaquim Teixeira Peixoto de A. L. 3
Padre Francisco Muniz Tavares 3
Dr. Lui/. do Carvalho Pais de Andrade 2
Dr. Jos Bento da Cunha FigueireJo 2
Augusto Federico de liveira 2
Dr. Bernardo Rabello da Silva Pereira 2
Dr. Felis Peixoto de Rrito e Moli 2
Dr Domingos de Sousa Leo 1
Vigario Francisco Ferreira Brrelo 1
Dr. Joao de B Falcao do A. Maranhao 1
Jos dos Santos Nunes de liveira 1
Dr. Ilerculano Goncalves da Rocha 1
DIARIO BE PMMIBl'CO. ,
O vapor 5. Salvador, vindo do Norte, e en-
trado hontcm neste porto, deixou as provincias
por onde passou, soin novidade : no Maranhao
o Kxm. Presidente, om consequencia de mo-
lestia gravissima.da qual esteve em perigode vi-
da, passou a adminislracao ao 3 Vicepresi-
dente o Sr. Angelo Car lo Muniz.por se escusar
o l.e estar ausente o 2.
L'ma carta particular do Ceara d o seguinte
resultado das eleiccs geraes nos collegios co-
nhecidos :
Miguel Fernandos \ ieira 561
Antonio Jos Machado 542
Andr Bastos de diveira 511
Kxm. Presidente Bitancourl 501
Francisco de Sousa Martins 464
Jos Pereira da Grac> Jnior 434
Jernimo Martiniano Figucira de Mello 42t
Raymundo Ferreira de Araujo Lima______408
Commniiicado.
Enumerando o Sr. Rernardo de Sou/a Fran-
co na portara, pela qual suspendeo o Chele de
Polica, os inconvenientes de se acharem va
gos diversos lugares de Delegados, e sub-De-
legados por falla de proposta di/ estas mui no
lavis paiavras : D'ahi o desufrouxamenlo
dos lacos de obediencia, que tao inteiramente
ligavo o povo da provincia s autoridades,
e esses, embora poucos, exemplos de desobe-
diencia formal, que appresentao alguns indi-
viduos contra orden*, que he sua obrigacao
respeitar, e obedecer. Eis como o Sr Sou-
za Franco agitado de remors s si mesm des-
mascara Assim he que o Sr. Franco forma
culpa sua administradlo, capitulando si
proprio de perturbador K na verdade se lacos
de obediencia intimamente ligavao o povo as
autoridades, loi o Sr. Franco quem demitlin-
do estas, afrouxou aquelles: loi portanto o
Sr. Franco quem provocou esses exemplos de
A'esta causa de desgosto seguio-se outra,
a do recrutamento feroz, e violento, encarre-
ann tesse-as dos mais horriveis precedonles,
eque tinhSo vingancas. que exercer.
Mas o quo verdaderamente exacerbou os
nimos foro os processos, que o Sr. Franco
mandou intentar, afim do tirar toda a vanta-
gem, quo iniquos intentos podem offerecer
as inslrucce do 4 de Maio de 1842, sendj-
Ibe assim fcil dictar em toda a provincia os
cidadSos elegiveis, e, feitoi os Eleilores seu
^sabr, alcanear urna deputaeao toda sua
As eleices do Cmaras, e Juizes de Paz fo-
rao bitas forca d'armas, e d'uma maneira
lio escndalos!, quo excedo toda a credibili-
dade, ponto de que apenas pode acreditar os
desvarios n"ellas apparecidos quem os presen -
ciou. Os homens de bem provocados, insul-
tados, o ameacados condusirao se em quasi
todos os ponlos com prudencia consummada,
e os mesmos disturbios occorridos na villa de
Santa Maria da Imperatriz, seguidos da der-
rota das forcas, que a presidencia por um cal-
culo ncomprehensivel enviou para o centro
deixando a capital desprevineda, nao terio
produsido o culposo procedimonto da invaso
de Macei, se nao osse a cegueira, com que
oSr. Franco persisti em sua conducta an-
terior.
Desesperados todos os homens de bem da
provincia por verom que s Ihes restava esco-
Iher entre a enxovia, onde j* se achavo o Co-
ronel Manoel de Farias Cabral, o advogado
Gracindo, e outros muitos, e as brenhas,
onde tamhcm estavo acoitadas innmeras ps-
soas de distinccSo, marchrSo para Macei ;
e o Sr. Franco nao achando guarida segura
senSo borJo do patacho Catador, leve, pou-
co dopois de embarcar-se, o desgosto de saber
que o mnvimento. que o expellira de seu pa-
lacio, havia sido geral, sendo este o motivo,
pelo qual S. Ex. que sempro andava a vela,
nao pode desembarcar em ponto algum da
costa.
Os sublevados, pela maior parle, bomens
honeslos, e por isso mesmo incapazes de imitar
os Malchers, Vinagres, e Sabinos, respeta-
rlo as propriedades particulares, nSo tocarlo
nosdinheins pblicos, que tiverao sua ds-
posicSo, antes os guardaro com todo o cuida-
do, e nem se vingarao de seus maiores inimi-
gos, que tiverao entro mos, como fossom os
Ajudantes da Presidencia, o Promotor Publi-
co Silverio. e o Commandanle Superior Ferro,
innu do Cansansao.
Vendo ellos entretanto a provincia acfala
convidaran o Sr. Franco desembarcar, com-
anlo que S. El esquecesse o passado, desse
de mao as perseguices, deixasso para o futuro
do communicar influencia aos Sinimbs, e
soltasse os presos Barauna, e Faria detentos
sem processo no poro do Catador. O Sr.
Franco mandou por em liherdade a estes dous,
compromettendo-se al m d'isso, em urna pro
clamacao, a implorars, M. o. o perdao
dos sediciosos, eenlo instancias do Chefe
de Polica interino Jos Telles de Menzes, a
tropa invasnra evacuou a capital, embora a
Presidencia nao a tivesse satisfeito em varias
requisices.
Depois de sabida a tropa, inda assim o Sr.
Franco nao quiz desembarcar, e s deixou o
s pode convir muita prudencia, moderarlo, e
destreza, dualidades, quo andao mui afastadaa
da pessoa do Sr. Soua Franco.
O Alagoano imparcial.
desobediencia formal, de que se qneixa, o esse bordo do Catador, depois que vio seu lado
espirito de indocilidude, e resistencia, quo ja
exista em 17 de Selcmbro prximo passado,
e que foi como o preludio do fatal rompimen
to, que mais tarde se manifestou. A conse-
quencia be rigorosa, e de duas urna, ou o Sr.
Presidente das Alagoas ha de aceital-a, ou se
vera obiigudo desmentir suas paiavras.
Com quanto adopte eu por mui exacto o pen-
samento do Sr. Franco n'esta parto, eaclha
como mu verdadeiras todas as consequencias,
que d ello emanarem, devo comtudo dizer,
para prevenir cerlos juizos, que as demissoes
dadas s autoridades, se tivossem sido desa-
companhadas de afumas circumstancias irri-
tantes, nao terio produsido a menor impres
sao, nao terio causado o menor abalo no ani-
mo da po|iuv2 ulugoana, porque se o Sr.
I raneo consderava taes dispensas como nieio
de fa/er Deputados os Srs. CansansSo, e Ca-
jueiro, nao suppunh3o as autoridades demit-
tidas que o trumpho de seus candidatos depen-
desse de sua conservado nos emprogos, pois
antes de os oceuparem, havia o partido, que,
como particulares, estavao ellas unidas, ven-,
cido a eleicao de Senador, e repellido da lista
triplico o candidato dos Srs. Cansansao, e
Maranhao.
As demissoes dcsagradrfio, porque forao
tillas por expressau da vontade dos Sinimbs dese-
josos de abaterem seus adversarios,dos Sinimbs
odiados por toda n provincia, e de quem o
Sr. Sou/a Franco lew realmente sido instru-
mento cgo, e porque tambem os demittdos
conhecero a semrazao, com que erao exone
rados de seus cargos, pois tinhao consciencia
de os estarem bem desempenbando.
as cento e quarenta pracas, que d'aqui forao
primeiramente, quecomascem. que ao depois
foro-lhe enviadas, prefazem duzentas e qua-
renta, sendo esta toda a forca com que pode
contar S. Ex
De ludo quanto vimos conhece-se :
L* Que foi o Sr. Bernardo de Souza Fran-
co quem procurou a sedicao das Alagoas, seno
com as demissoes, quedeo, ao menos com pro
cessos, c perseguices inauditas.
2 Que a forca moral de S. Ki est sum-
mamente debilitada, por isso que um Presi-
dente, que teve a infelicidade de fugir, deixa
de inspirar respeito, loda vez que nao esta cer-
cado de baiontas.
3v* Que o odio, que S. Ex. consagro
seus governados, he geral, pois que ninguem
se apprese^tou seu favnr.
4.' Que ho nulla a influencia dos Sinimbs,
em que tanto confava S. Ex. pois quo nem
mesmo em S. Miguel poderlo elles proporcio-
nar desembarque ao Sr. Franco !
5.' Quo se S. Ex distrahir para o centro
toda, ou parte da forra, que guarnece a capi-
tal, expn-se esta ser novamente oceupada
P"l s povos de Piuca, barita Luzia, e cidade
das Alagoas.
6.' Que estando quasi todo o centro em ar-
mas, ser mui dflicil sem grandes (oreas re-
dusir as immediaces de maltas mui dena;
os sediciosos submissAo.
7. Finalmente que como u sedicSo s se
entenda com o Sr. Franco, deve S. Ex., de
duasuma, ou arripiar a carreira. que tem se-
guido, o deelarar-se inhabilitado para goter- '
nar is Alagoas onde agora mais que nunca ,
Alfandego.
Rondimenlododia2....... ...22:004#85l
Descarrego hoje 23.
BateaEduard /Jayetfarinha e sabio.
Polaca Ado I fumercadorias.
PatachoMenanger idem.
RrigueElizabethidem.
RrigueCond'.ssa de JVesImoreland idem.
Escuna- Tarujo tf Fi/hos\'mho9 esebolas.
RarcaM. Q of Scotsfarinba e sabSc
BrigueTrifoliummercadorias.
Brigue Jane Esller carvao.
IMPORTADO.
Trifolium, brigue lubequence vindo de
Hamburgo, entrado no correle mez, a consig-
nagaodoN. Bieber&C, manifestou o se-
guinte.
5 caixas e 3 barricas ferragens, 7 caixas fa-
zendas de algodao, 5 ditas vidros, 2 lardos pa-
pel 1 caixa escotas 1 dita botes, 6 ditas
drogas 3 ditas ilas de algodao, 2 caixas L-
celas, I embrulho amostras ; a Koblmeyer.
7 caixas armas, 20 barris pregos ; a G. A.
Brander a Rrandis.
11 caixas couros,4 volumes dito de lustro, 1
barricu carneiras,2 caixas cola,37 ditas fazendas
de algodao, 1 dita lucos dito, 8 caixas fazendas
de hubo, 1 dita caicado, 1 fardo sacos vazios,
1 dito estopa, 6 caixas vinho, 1 dita botes ,
17 ditase 1 barrica ferragens, 4 embrulhos a-
mostras ; a J Keller.
3 lardos lonas 1:600 garrafes vazios 2
caixas la/endas de seda, 6 tinas bixas, 1 caixa
drogas, 106 barris potassa, 18 barris ferragens,
1 caixa fazendas de algodSo, 4 ditas prelucia, 3
ditas fitas, 12 fardos papelao, 2 caixas taboi-
nhas, 3 ditas perlenccs p. ra chapeos, 3 fardos
bros, 6 caixas couros de lustro, 484 barras de
ferro, 2 barris arenques. 1 embrulho carne, 1
caixa livros e papel, 22 barris pregos, 80 cai-
xas queijos, 160 volumes cabos 9 caixas mei-
as, 1 dita botes, 4 ditas couros, 1 dita tezou-
ras, 100 barricas genebra, 1 fardo livros 1
embrulho amostras; aos consignatarios.
2 caixas agulhas, 3 dilas vidros, 9 ditas per-
fumarias, 1 dita ferragens e calcado, 12 volu-
mes mezas; a F. H. Luttkins.
3 caixas mcias, 1 dita fitas 1 dita suspen-
sorios 1 dita meias e carnizas; a Geo : Ke-
nworlhy & C.
2 caixas Lcelas, 2 ditas Titas, 1 dita agulhas,
8 pipas vinagre ; a H. Mehrlens.
1 caixa miudezas ; a A. H. Wilmer.
2 caixas agulhas, 3 ditas pertences para cha-
peos. 25 barritas smenlo, 2 caixas relogios ,
2 ditas agoa de colonia, 4 dilas miudezas, 1 di-
ta cordas de guitarra e chapeos, 1 dila trastes,
23 ditas o 1 barrica ferragens, 10 barris pre-
gos, 1 caixa fa/endas de laa, 5 dilas fitas, 1
dita botes, I dita pennas, 1 bahu fa/endas de
algodao, 1 caixa didaes, 4 dilas lezouras 14
barricas peixe, 9 dilas drogas, 5 raixas meias ,
1 dita bocetas, 2 ditas pistolas, 2 ditas bone-
cros, 4 ditas espelbos, 3 ditas couros, 1 dita
bengalas, 1 dita missangas, 1 dita charutos, 1
dita quadros, 1 dita livros. 1 embrulho amos-
tras, 1 espingarda; a Ordem.
1 caixa frutas, 1 dita rap, 1 dita caximbos,
I dita miudezas; a J. Resembr ck.
56 barricas potana ; a Le Bretn Schramm
&C.
100 ditas smenlo ; a Compendia de Bebi-
ribe.
3 caixas ago'ardentc ; a J. Tegelmeier.
1 cesto ementes, 1 embrulho ferragens, 1
caixa ditas e sementes; a F. C. Elsler.
19 caixas vidros, 2 ditas amostras; a F. Ro-
billiard.
10 caixas meias, 1 embrulho amostras; a
Rus-ell Mellors & C.
1 caixa miudezas ; a J. C. Gomes.
2 barricas oleo de Imhaca 4 gigos garrafas,
l caixa drogas ; a \ e i te h Rravo & C.
5 caixaa pertences para chapeos, 1 fardo pa-
pelao, 1 dito papel; a M\ Calmont A C.
1 caixa cordas de guitarra, 3 ditas fazendas
de Algodao I embrulho amostras 2 caixas
lencos ; a Kalkmann & liosemund.
10 barris oleo de linhaca, 3 lardos drogas ,
558 resmas de papel de embrulho ; a A. Wil-
lers.
47 barricas sevadinha ; a J. (i. Lr.fller.
17 caixas e 3 barricas ferragens ; a Wol-
fhopp Dentker & C.
i>6 barricas,22 caixas, 11 fardos e 25latasdro-
gas. 7 caixas pertences para chapeos, 2 eaix!
papel, 1 dila brinquedos, I dila trasles, 1 far-
do pannos, 2 caixas o 1 saco ferragens, 1 caixa


miudezas, 1 dita espelhos, 1 embrulbo livros,
10:000 botijas vazias ; a Cesar Kruger.
i caixs xarcpes; a F. di Tueca.
] caixa miudezas ; a E. Schaeler.
4 fardos papelo, 2 caixas pertences para
chapeos 5 fardos papel, 1 caixa oleados ; a
Zimmer.
PRAGA DO RECIPE, 26 DE OUTUBRO DB 1844.
Htviita mercantil.
Cambios Pequeas transadles a 25 d. por
1,000 rs.
Assucar__VenJas limitadas a 800 rs. sobre o
ferro do velho.
Alxodao Knlradas limita las, tendo-se ven-
dido de 4,600 a 4.700 rs. a arrobu.
Couros Vendro-su a 120 rs. a libra.
Azeile doce portuguez IJein a 1,750 is. o
galio.
Bacalho Nao ha nenhum.
Batatas Vendrio se a 880 rs. a arroba.
Bizerros dem a 35,000 rs. a duzia.
Cabos de linho dem a 25,000 rs. o quintal
offerecido.
Carne secca O resto do carregamento do pa-
tacho E>peranca venJeo-so de 3,300
a 5,400 rs. a arroba, por ser de m
qualidade. Entrou um carregamento
do Rio rande pela Haba, que anda
nao abri venda, e he o nico que
existe no porto.
Cerveja Vendeo-so de 4,400 a 4,800 rs. a
duzia.
Chumbo de municao dem a 21,000 rs. o
quintal.
Cobre para forro e pregos dem a 750 rs. a
libra.
Farinha de trigo Chegro de Liverpool
2,300 barricas, e de Trieste 2,150,
tendo seguido para a Babia um car-
regamento de 1.350: o deposito
em primeira mo, que existe em ter
ra, sobe a 7,000 barricas, e mais
5,000 as maos dos especuladores.
Ferro da Suecia Vendee-se a 10,000 rs. o
quintal.
Genebra em botijas dem a 3,240 a duzia.
Manteiga dem de 50 a 600 rs. a ingle/a,
e 380 a 390 a franceza.
Oleo do linhaca dem a 1,900 rs. o galao,
em cascos de madeira.
Parnabibas dem a 620 rs. urna
Pixe da Secia dem a 14.000 o barril.
Queijos dem a 1,100, e de qualidade infe-
rior a 950 rs.
Rap de Lisboa dem a 4,000 rs. a libra.
Sal Um carregamento chegado de Selubal
vendeu-se a 1,100 rs o alqueire no-
vo, com condicao de ser entregue no
Rio Grande do Sul.
Entrrao 15embarcacoes, esahirao 4 ; exis-
tem no porto 39, sendo 15 brasileiras. 2 Iran-
cezas, 2 bespanholas, 12 inglezas, 1 lubekense,
6 portuguezas e 1 sarda
Mercado de Lisboa no dia 13 de Setembro.
Arroz Falta de boa qualidade.
Algodo Nao ha com oradores ; o de Per-
nambuco est nominal a 100 e a 105 rs. a libra.
Assucar Sem vendas, acha-se frouxo, em
consequencia de ter augmentado o deposito,
principalmente do mascavado ; o de Pernam-
buco brando venda se de 1,350 a 1,500 a ar-
roba, e o mascavado de 900 a 1,000 rs. por ar
roba.
Cal Do bom ha falta ; do ordinario nao
ha sabida.
Cera Vendeo-se a 280 rs. a de Angola ;
a da trra amarella nao acba compradores.
Cha Esta por bom preco, porque nao ha
esperance de que chegue mais este nno.
Couros Vendrao-se es de Pernambuco e
Cear de 73 a 75 rs. a libra, tendo o couro de
28 a 32 libras de peso.
N. B. O sal para embarque eslava a 1,400 e
1,500 rs. o rnoio, ou sesseula alqueires, medida
igual ao novo padro desta praca.
Movimcnto do Porto.
mais gneros: a Nassimonto Schaeffer & C.
Londres; 46 dias, briguo inglcz Pomona, de
198, ton. capitao Kinon,epuipagcm9,cai gafa -
zendas e plvora: a Me. almonl & C.
Ilalifax; brigue inglez Lowisa, de 131 tonela-
das, capitSo John M. Nwoman, equipagem
9, carga bacalho : a Me .Calmonl & C
Porto; 38 dias, briguo brasiloiro zvYe/,de200
toneladas, capito Manoel Marciano Fcrici-
ra equipagem 11. carga vinho e mais g-
neros : a Firmino Jos Felis da Rosa.
Liverpool ; 42 dias, brigue inglez Catn
rerlon de 220 toneladas, capito Grant,
equipagem 12, carg la/.ondas: a James Co-
ckshonlt Navio saludo no metmo dia.
1'ar.ibiba; biate nacional Pureza de Maria ,
Mostr Antonio Manoel Alfonso, carga va-
rios gneros. Passageiro Antonio Thoinaz
da Silva.
Navio entrado no dia 28.
Para, Maranho, Cear, Rio Grande do Norte
eParahiba; 14 dias, vapor brasileiro5. Sal-
vador, de 300 toneladas, commandanU An-
tonio Carlos de Azovedo Coutinho, equi-
pagem 33: a Joaqun) Baptista Moreira.
Navio tahido no metmo dia.
H<*rnhurgo; brigue inglez Conntos of Eglin-
ton, capitao James Sim, carga assucar: con-
signatario Bieber&C.
%m
Editaos.
1O Sr. Inspector d'esla Thesouraria em
cumprimento do officio lo Kxm. Sr, Presiden-
te da Provincia, dactad de hontem, manda fa-
zer publico, que no dia 15 do prximo futuro
mez de Novembro, ao meio dia, irao a praca
conforme o regulamento das arrematacoes de
II dejulho de 1843. os reparos da ponto dos
Afogados com as clausulas especiaes abaixo
transcriptas.
L*
Joto Joaquim de Almeida Guedet, Presiden-
te.Joo Paulo Ferreira, Secretario.
O'-cltracovs
|=Nao lendo concorrid. boje licitantes pa-
ra asarrematac6esdo9.lanco da estrada de Pao
do Albo e reparos da cadeia da cidado de O- I
lin la, o Sr. Inspector d'esla Thesouraria man- j
da (azor publico que irao novamente a praca
ditas emprezas no dia 31 do correte ao meio
da, Secretaria da Thesouraria das Rendas
Provinciaesde Pernambuco 25 de Outubro de
1844 O Secretario interino. Joo Fa/en-j
timVillela. (|0'
1 Administrador da Mesa da Rece loria
de Rendas internas geraes laz saber a lodos os
collectados pelo imposto do banco, cuja colineta
exceda 12,800 rs., que o mez de Dezembro he
o marcado pera a arrecadaeo do que trata o (
art. 31 do regulamento de 15 de Junho de
18H, e para os que nAo excedem a 12.800 rs.
sao os mezes de Novembro e Dezembro proxi-j
mos, e quo todos os que assim deixari'in de o i
lazer incorrerao n multa de 1 por tent, de
que trata o art. 32\lb-'mesmo regulamento.
Recebedoria, 26 de Outubro do 1844. (13
Francuco Xavier Cavalcanti d'Albuquerque.
O vapor S. Salvador recebe as malas para
os portos do Sul boje (29) as 4 horas da tarde.
Avisos martimos.
Parte com brevidade para Lisboa a barca
portugueza Firmeza, do que he CapitSo Joa-
quim de Freitas Falco ; quein nella quizer
carr-gar ou ir de passagem, para o que tem
muilo bons commodos, dirijafto ao mesmo Ca-
pitao, ou a Francisco Severiano Rabello.
1 = O brigue Jpiter segu viagem para o
Ass, por estes seis dias; quem-no mesmo qui-
zer carregar, dirija-so Jos Xavier Vianna,
As obras dos ditos reparos far-ie-iiao de con- ra d. Torres n. 18, ou luja de cabos defron
zYavior entrado* no dia 26.
Trieste por Gibrnltar; 67 dias, trasendo do
ultimo porto 37 o brigue inglez // timo
reland, de 195 toneladas, capito Roberto
Fullon equipagem 8 carga farinha de
trigo: a Latbam & Hibbert
llha da Madeira; 32 dias barca sarda Feltce ,
de 196 toneladas capitao Antonio Bisso,
equipagem 12 carga lastro : a Luis Bru-
guiere.
Navios entrados no dia 27.
Liverpool; 57 dias, brigue inglez Stvart, de
215 toneladas, capilojohh Fisher, equi-
pagemll, carga fazendas: a Deane & Youlej
&c.
Lisboa ; 38 dias patacho portuguez Espa-
darte, de 123 toneladas, capitao Joao da
Costa Neves, equipagem 9, carga vinho o
formulado com o ornamento approvado em 21
do Outubro pelo Kxm Sr. Presidente da Pro-
vincia pelo preco de tres contos e quinhentos
mil ris.
2.
O arrematante comecar as obras no praso de
um mez e as concluir no praso de oito me-
zes, ambos contados, em conlormidede do ar-
tigo 10 do regulamento para as arrematacoes.
3.
Ilurante o lempo da execucao das obras nao
poder ser enlerrompido o transito das gentes
de p, cavallos, e carros, (cando o arrematan-
te obrigando a se conformar ao que determinar
o Engenheiro da obra a cerca da forma e
solidez dos meios que se houverem de empregar
para puder subsistir lacilmente o transito pu-
blico.
*.'
O pagamento do importe d'arrematacao rea-
lizar-se-ha na forma do artigo 15 do regula-
mento respectivo sendo de oito mezes o praso
da responsabilidade.
5.
Para ludo o mais que nfto est determinado
pelas presentes clausulas seguir se-ha intei-
ramente, o que dispSe o regulamento das i-rre-
iii.itu oes de 11 de Julho d 1843.
Os licitantes devidamente habilitados, com-
pareci no moncionado dio na mesma Thesou-
raria.
Secretaria da Thesouraria das Tiendas Pro
vinciacs de Pernambuco 26 de Outubro de
1844. O Secretario interino. JoUo Vallen-
lim Villela. (46
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade, Ofi-
cial da Imperial Urdem da Rosa, Caralleiro
da de Christo, e Intpector d'Alfandega, i(c.
Faz saber que no dia 29 do corrente, a
meio da, na porta da mesma se ha de arrema-
tar, em praga publica, duas ceixas con 850
grozas de botes de duraquo para casacas, no
walnr de 800.000 ri impugnadas pelo Ama-
nuense Domingos da Silva Guimarcs. no des-
pacho por factura de Ricard Royle & C. n. 1587,
sendo a arrematado sujeita a direilos.
Alfandega, 18 de Outubro de 1844. Mi-
guel Archanjo Monteiro de Andrade
A Cmara Municipal da cidade de Olinda
e teu termo, em virtude da lei, $c.
Faz saber, quo se ha do arrematar por quem
mais der, nos dias 29, 30 e 31 do corrente, o
imposto das canoas d'agoa do Varadouro, e na
mesma occasio sero tambem arrematados, por
quem menos fizer, os concertosda casa do Man
guinho, c presente schsro os pretenderles n
remenlo do concert da mencionada casa ;
comparecendo os pretendentes habilitados para
te do Corpo Santo. (5
2 Segu para o Rio de Janeiro o briguo
Maria 1, forrado de cobre, de boa marcha,
quem no mesmo quizer carregar, ou ir do pas-
sagem, dirija-se a Gaudino Agost nho de Bar-
ros, na ra da Cruz n. 66, ou ao Capitlo Jos
Luiz da Fonceca, bordo. (6
glWJP
Le loes.
1 Darsley Prytz & C faro leilao, por in-
teivcncao do corretor Oliveira, de cerca de 40
tonelladas de guana (estrumej para reexporta-
cao, vindo de Ichaboe, pelo brigue ingle/. Acti
ve, arribado a este porto com agoa aberta, na
sua recente viagem, que fazia para Glas-gow :
quarta feira 30 do corrente, s 11 horas da ma-
nilas, no armazem do Sr. Jos da Cunha, no
Forte do Mattos. (9
1 J. P. Smith, estando prximo a ret
rar-se para Inglaterra, faia leilao, por inter-
venejio do corretor Oliveira, de toda a excellen-
te mohilia, e mais objeclos de sua casa, que no
acto se patentear, quinta leira 31 do corren-
te, s 10 h ras da manha, na ra da Guia, ca-
sa que oi de Fox & Stodarl. (7
2= Joao Keller continuar, por intervenido
do corretor Oliveira, o seu loilao de variado
sortimento de fa endas france/as. alemes e su-
issas, de seda, la, linho e algodSo. as mais pro-
prias deste mercado, terca feira 29 do corrente,
s 10 horas da manha, no seu armazem da ra
da Cruz. ''
O corretor Oliveira tranferio para segun-
da feira 28 do corrente. s 10 horas da manha
o leilao da mobilia do I)r. I hberge, consis-
tindoem exccllentes pianos, mesa de meio de
sala, bancas, Iremos com pedramormore, cadei-
ras, sof, relogio de repel/ao para cima de me-
sa, lavatorios, loui.as, um rico oratorio de Jaca-
randa com linda imagem e pinturas, urna sinela,
bomba de cobre, fogao de ferro com cano de
cobre, c muilos outros object s da mor ulilida
ue; v asimi !' h'uuo mu..... BB*a uv..... ..-.
cineiro que se retira, e por Uso acra vendija por
todo o preco ; na casa quo foi do collegio de
meninas, piincipio da ra do H spicio.
2 Terca feira 9 do corrente, haver lei-
lao de urna porcao de caixas com quejos, che-
gados de Liverpool ltimamente por conta c
risco de quem pertencer ; no Caisda Alfande-
ga, na porta do armazem de Francisco Dias
Fcrreira. ("
Avisos diversos.
1_ Como o Sr. Vauthier, postergando todas
as leis do iusto. na i se envergonbando mesmo
coiiiuiireceiiuu u wiciciiuGii"; "......--"- r------ as n u. jui, s
no dito imposto e casa poderem lancar. K para de ser d.sment.do por ma.s de40 pessoas que
que chegue ao conhecimento de todos, manda- BSlisJjfla ao concurso ultimo para Andante de
mos publicar o prsenle pela imprensa. Kngenheiros. leve a ousadia de informar ao go- ,
Cidade de Olinda, 24 de Outubro de 1844. Yerno da provincia, que o Sr. Selle, queoi.
discpulo do abaixo assignado, responder me-
Ihor que elle em arithmetca e^seometria, in-
juiiu esta que u abaixo ussignadoria" pode lof-
frer, e est cerlo quo ningucm Ih'a far a no
ser o Sr. Vauthier, o qual, segundo so diz, para
servir a alguem, nao escrjpulisou em engaar
o Presidente da Provincia, que por fulalidade
nao assistio a > concurso, nao obstante a opposi-
co que fez o honrado Sr. Coronel Jos de Bar-
ros ; e querendo 0 abaixo assignado mostrar
Pernambuco, que em taes materias nao teme
ao Sr. Vauthier, pelo presente o desafia para
argumentar com elle em ditas materias em um
lugar publico, e perante pessoas entendidas, e
espera que o Sr. Vauthier nao deixar de acei-
tar este desafio, pena de ser posta em duvida a
sua sciencia em taes materias, e de ser conside-
rado c uio detractor do crdito alheio : o abai-
xo assignado espera que o Sr. \ aulhier llie res-
ponda por esta follia. dentro de tres diss, con-
tados da publicedlo deste.
Filippe .\erij Coluro.(2%
O Padre Antonio Joaquim da Concedan
e Silva, Portuguez, val para Una, a tratar de
seus negocios.
1 Na noite de 2.' do corrente ausentarlo -
se do engenbo Suassuna os seis engajados sc-
guintes, lilhos da ilba de S Miguel : Fran-
cisco Cosme de N iveiros, Manuel Carvalho de
Sousa, sapaleiro Joao Jos, Joo Nunes, Fran-
cisco do Reg Alecrini, Manoel Muniz ; vin-
dos no patacho Alberto, e l'orao engajados nes-
te mez, por lempo de qualro anni s, segundo a
esenptura publica foi11 por o Escrivo Gui-
Iberme Patricio ; em virtude do que se previne
ao publico, para quo r,:nguem SO chame j ig-
norancia, admitlindo-os em seu serviio ; pois
se proceder conlorme a lei contra quem Ihes
der asilo, ou se ut'lisar do servido de ditos en-
gajados. (15
A. Peloux. relojoeiro e macbinista fran-
cez, chegado ltimamente esta cidade, mora-
dor n > Atierro da Boa-vista n 3, se prope n
concertar relogios de sala, do parede e de torre,
e toda a qualidade de machinas, como sejo
cand eires, caixas de msica ; o mesmo so pro-
pe a concertar o dar corda relogios mensal
ou annualmenle, por um preco muilo commo-
do ; quem pretender dirija-se a mesma casa :
tambem se aluga urna sala que da para a parte
do mar, e be muito fresca.
Permuta-so por outra mais pequea, sen-
do no bairro da Boa vista ou Santo Antonio,
ou vende-se urna casa na ra \ elha.leita mo-
derna, com quatro quartos. tosinha fra,quin-
tal com seus arvoredos, e cacimba; a casa acha-
se toda (ravejada, para se levantar um soto,
tendo | a sala e corredorforrados ; na ra ve-
Iha n !)i.
Quem prefisar do um rapaz, filho das
libas, para feitor, ou outro qualquer servico de
campo, que de ludo tem inuta pratica ; dir-
ja-se Sa"t Amaro, venda do Sr Manoel
Soares.
1 Os Srs. Paulo Jos Gomes, Joaquim
Pereira Pinto, Jos Anjo do Sacramento Pinto,
e Joaquina Theoftmia da Silva Secla, dirijo-
se "ja n. 10, d\ Sra. viuva Cunha Guima-
res, para Ibes seris entregues algumas cartas.
=s Offerece-se unkrapaz Portuguez de idade
de 16 a 17 annos paraCAeiro de armazem de
molhados, ou para outro qualquer ; quem pre-
cisar annuncie su.i morada.
Aluga se urna pessea branca capaz de to-
mar conta de um menino de quatorze mezes,
que se est desmamando ; quem estiver nestas
circunstancias dirija-se ao Alterco da Boa-vis-
ta n. 65.
= Aluga se um sobrado do um s andar, se-
ja em quu ra for do bariro de Santo Antonio;
quem o tiver disponivcl, annuncie por este
Diario.
2 D. Cellos Calvo, natural de Buenos-
Ayres, relira se para o Rio de Janeiro no pr-
ximo vapor a chegardo Norte, levando em sua
companhiaseu criado Feliciano Perilla. (4
2 Precisa-se de dous meninos, de 10 a 12
annos. dando-so o sustento o roupa para
irabKio de oiaria, aie quando esiivciem ames-
tiados de galibar ; as Cinco-pontas a fallar
com Ignacio Ferceira da Costa. (5
1Cecilia Maria Aucta do Quintal, avisa
que tem vendido o seu escravo Francisco, de
naco Benguella, para lora da provincia, ao
Sr. Manoel Luiz dos Santos. (5
1O abaixo assignado como procurador
bastante de Luiz SantAgostinho residente na
provincia do Maranho remelle para Ihe se-
ren entregues os seus escravos Renovata parda
cun dous lilhos menores Manael, e Terfina.
Manoel Gomes Viegat.
1 = Desappareceo de dentro de um chapeo na
escada de um sobrado na ra da Cadeia o 3.' to-
mo da novella a Camponeza txa'laila e como Pi-
casso a obra truncada alm de se estar lendo
de emprestimo, roa-se apessoa que tiver acha-
do o d.to livio queira eslituir na ra Nova
n. 7, que se lbe dar o adiado, (7


-r
Quem annunciou querer comprar um
cornetim de 3 pistes dirijn-se ao Atierro da
Boa-vista n. 17.
Deseja-se fallar ao Sr. Francisco Jos Ei-
ras a negocio de seu interesse ; na ruada Praia
n. 20.
vembro ; na praca da Independencia livraria
ns. 6e 8 por 1600 rs. (4
2Vendem-se as bemfeilorias e possede 61-2
bracas quadradas de um terreno com frente pa-
ra 3 ras, sendo a principal a da Aurora; idem
de 400 bracas de oulro terreno com Irente para
Quem precisar de um homem para qual- duas ras sendo a principal a do Hospicio
e quer estabelecimento, ou mesmo para eitor de para Olinda e junto a ponte ; idem de 800 bra-
escravos dirija-seao largo da ribeira n. I gas igualmente quadradas de outro terreno na
na esquina da ra deS. Rita. |continuaco da mesma ra do Hospicio, em
Aluga-se urna grande canda que pega que desfecho duas ras trar.sversaes ; aforo-
em mil lijlos de alvenaria e que com um so varios terrenas dos alagados e sublocio-se
pequeo concert pude ser ompregada em toda
qualquer conducho, e tambem para areia de
atierro ; a tratar na olaria da ra da Florentina
1 Jos da Silva Botclho mudou a sua re-
sidencia da ruu do Fogo n. 8 para a ra Di-
relta n. 8t.
i Arrenda-se um grande sitio na
do Arraial, com casa de pedra e cal com 0
quartos duas salas, estribara senzalla para
escravos cocheira rio dentro do mesmo sitio,
por prego commodo ; a tratar com Josefa Joa-
quina do Livramento na ra da matriz da
Boa-vista n. 42. (7
t Precisa-se de um homem para refinar
urna porgao de assucar pagando-sopor arro-
ba ; na Solidade, venda da esquina que volta
para Bellem n. 28. 4
1 Precisa-se alugar mensalmente urna
barcassa de 12 a INcaixas e prompta a via-
jar ; na ra do Collegio, venda n. 17. (3
I Aluga-se urna casa parase passara (es-
ta, emS. Anna defronto do engenho da Tor-
ra pelo rio e por trra defronte da venda do
Nicolao a qual he muito fresca e perto do
rio Capibariho ; a tratar na mesma. (S
1Aluga-se urna boa casa na cidade de Olin-
da ; a tratar na ra da Cadeia-velha n. 16. (2
1 Comprou-sepor ordem do Sr. J laquim
Avclino lavares residente na cidade de Lisboa,
o bi I hele n. 1321 da segunda parte da segun-
da lotera a favor da igreja de S. Pedro Martyr
da cidadede Olinda. '>
agencia de pasaportes.
iNa ra do Kangel tiro-se passaporles
para dentro e fra do imperio, correm-se lo-
llias e despachau-se escravos, tudo com mul-
ta brevidadee preco commodo. ,4
1 Gopio-se sentencas, processos e todo
papel judia I, ou outra qualquer escripturac >o ,
com muito boa ledra brevidade e por preco
commodo ; na ra do Kangel n. 34. 4
1 O abaixo assignado constando-lhe, que
muitos devedores porconta de livro da extincta
firma de Novaes & Basto so persuadem, que
o mesmo abaixo assignado tem ingeroncii na
liquidago dolas ; pela segunda vez faz ver aos
mesmos devedores que as quantias de seus
dbitos (carao perfencendoao Sr. Joo Antonio
Martins Novaes com autoriagao nica do
mesmo Novaes poder usar no foro judiciario da
firma de Novaes \ Basto em liquidago e
para claresa de quem perlencer Taco o presente
annuncio. Manoel Jos da Magalhaes Bas-
to. '.13
3 Aluga-se urna oxcellenle casa de 4 an-
dares n. 38, na ra da Cadeia do Recie com
cacimba e ptimo mirante ; a tratar na mes-
ma ra n. 35. 4
'diante.
3 Vende-se'uma
mi iros j.i bennficados o todos ellos com frente
do ra, segundo a planta do novo bairro de S.
Amaro existente na Cmara deste municipio, e
em conformidade da mesma se dar ttulos aos
escriphiteutas ; os pretendenles pdem fallar
(3 I com Manoel Luiz da Veiga em sua casa at as
estrada 8 horas da manha e das duas da tarde em
(18
negra crioula moca e
he prnpiia para o matto ; na ra larga do Ro-
sario n. 30, segundo andar. (3
3 Vonde-se superior rap de Lisboa vin-
do no Tarujo A/ Filhos em botes e oitavas; na
ra da Cadeia'do llecife loja n. 50, de Anto-
nio Gomes da Cunha e Silva. (4
2Vende-se um urub rei; chapeos do Chi-
le superiores ; tabaco simone da Cachoeira
da Baha ; na loja da ra do Crespo, ao pedo
arco de S. Antonio, que vira para a cadeia.
2 Vendern-se superiores livros de medici-
na o cirurgia, em franco? dos melhores au-
tores e muito barato; na praca da Indepen-
dencia, loja n. 5, a saber; diccionario de scien-
cias medicas, 60 v. ; J. Cloquot anatomie des-
criptivo, 3 v. com estampas ; diccionario de
francez para portuguez 2 v. Nouvcaux, ele-
ments de bolanique, I v. ; Szerlecki, diction-
nairo de therapeutique, 1 v.: dictionaire de
medicine, I v.; Andral, pathologie, 1 v. ; Capu-
ron, maladiesdes femrnes, 2 v. ; Velpeau, me-
dicine oporatoire, 3 v. com estampas; F. Bor-
ges medicina forense 1 v ; Alibert Clinique
do l'hopital Saint-Louis, 1 v ; Berzelius, trai-
te de chimie, 8 v.; Jornal dassciencias medicas
7 v. ; Uuchatefet, higiene publique 2 v.; Cu-
vier, quadro dos animaes, i v. ; Le regne ani-
mal, 3 v. ; Lassaigne, dictionaire des ractifs ,
Vavasseor maliro medcale 1 v. ; Mello ,
lisijlogia I v. Ricberaot, phisiologie
3o e de couro de lustro para senhora bone- Fogo n. 27; a tratar na ra estreita do Rosario
guins pretose de coros para dita, bolinzlnhos n. 10, erceiro andar (5
sapatos debezerrode 1- Vendern-se bicos de diversas larguras ,
de casquinha a brancos e pretos fitas do setim, sarja o garga
e sapatos para meninos
pala para homem ; casticaes
"s. o par, papoi u
meias deseda pretase brancas ditas compridas com palmas, ligas de burra-
homem a cha a 200 rs. o par, oculos de armagao, bran-
2600,' 2800 e /f rs. o par, papel de peso I uvas de seda com dedos e sem elles a !
meia hollanda
para senhora a 22'i0 n. ditas para homem a cha a 200 rs.
ItiOOrs. luvas de seda curtas para senhora a eos e de cores ditos ordinarios, caucas redon-
600 rs. ditas compridas com dejos e sem el- das de tartaruga, papel
les a 1600, 1800 e 2# rs. agulhas francesas
em caixinhas a 320 rs., escovas para lato ca-
bellos e para dentes, caixas de baleia a 400 ,
480 e 640 rs. thesouras douradas a 320 rs. ,
caivetes finos a muito acreditada linha de
carretel branca de 200 jardas, de n. 12 a 130 ,
gargantilhas de missanga preta, transelins dou-
rados para relogiosa 12S0 rs., macass oleo a
1500 rs. a duzia dito perola a 3840 rs. ba- cisco Joaquim Duurte.
nha em potes de louca a 1440 e 2400 rs. a dusia, 1Vende-se lar-
sabonetes para barba a 720 e 950 rs. dita, ditos superior qualidade
e de
2500 ate 3200 rs. a resma caivetes finos ,
thesouras finas e ordinarias cartas francesas
o portuguesas abotuaduras amarellas setim,
du.aque, veludo e de massa missanga bran-
ca para rosarios e de outras cores fil do l-
nholavradoa 1100 rs. avara dito liso a 50o
tv. o outras muitas miudesas, por preco com-
modo ; na ruado Cabug loja n. 1, de Fran-
16
1Vende-se farinha de trigo ameiicana do
em poicos grandes e pe-
Calmont dj Compa-
finos a 240, 320 e 400 rs. cada um agoa de quenas; em casa de Me
caixinhas de nhia na praca do uorpo Santo n. li.ou na
de criar gado .
320 400 e 800 rs. caixinnas ae nnia na prava uo wi|iuoum
espelho, e um completo soiti- ra de Apollo, armasem o. 6.
fumarias, botes de duraque a 1 Vende-se urna lasenda
Colonia a 2'j0, 320 400 e 800 rs.
madeira com
ment de perfu...
640 rs., abotuadura e um completo sortimen- tanto de verao como de invern, tem bom pas-
to de miudesas por preco commodo ; na ra to tanto mimoso como agreste sita na co-
do Queimado n 67. marca de Garanhuns, denominadarasenda-
- Vendem-se cortes de cassa-cuitas de cores nova, tem 3 quaitos de legoa quadrados.casa
(xas a 2fi00rs. chitas escuras a 140 e 160 rs. nova coberla de telha e curral principiado ;
o covado e a peca a rs. riscados e chitas na ma do Livramento, loja n. 8.
finas a 200 e 220 rs. cassa de quadros aleo- I- Vende-se um transelim de ouro um al-
chuadosa400rs avara, dita lisa muito lar- finete de peilo urna volta de contas para se-
ga a 400 rs. cambraias de llores e listras de nhora 2botes do aberturas, dous pares ditos
cores a 040 rs. ditas adamascadas, corles de para punho dous cordoes urna rica meda-
6 varase meia a 4500 rs. ditas lisas transpa- Iha urna cruz, urna moeda oncastoada um
rentes a kj rs, pecas de bretanha de relo a 1900 relogio de prata dourada tudo obra
rs. ditas de linho de 6 varas a 3200 rs. fa- e por prego commodo ;
Compras
3 -Compra-se um escravo de 15 a 26 annos,
que saiba cosinhar, e nao tenha defeitos pa-
ga-so bem ; na ra da Cadeia do llocfo loja
n. 26, na esquina do Becco-largo. |
3 Compro-se os Panoramas de 1840 e
1841 ; no Atierro da Boa-visla n 3, segundo
andar. (3
2 Na praca da Boa-vista n 13 comprao-
se, anda mesmo sendo usadas as seguinles
obras : Pereira e Souza Govela Cinto, Doulri-
nas dasaeges, lestamento e appellagoes, Di-
gesto portuguoz Pereira deCarvalho Tratado
das obrigages por Pothier Borges Carm.iro ,
Fernandes Thomaz Iteperlorio das extrava-
gancias, diccionario de Moraes, legislago bra-
sileira. (0
2l'.ompra5-so garrafas vasias de todas as
qualidades excepto de Champanhe ; quem
tiverannuncie. ,3
2 Compra-se um moleque do 3 a 5 annos ,
que seja sadio e de bonita figura paga-so bem
na ra Nova n. 9. (3
Compra-se um oratorio que nao seja
muito grande, e tenha pelos menos 3 imagen,
endo urna de Chrlsto, outra da Cur.ceigao o
outra de S. Anna tendo mais alguma tambem
serve estando tudo perfeito; na praga da Boa-
vista botica de Vitorino Ferreira deCarvalho.
Compra-se um baixo do armona em Do ,
um cornetim a 3 pistos, emais instrumentos
de msica militar, estando em bom estado; no
pateo de S. Pedro sobrado n. 9.
1 Comprao-se 3 voltas de transelim fino,
um cordao grosso e urna medalha tudo de
ouro de lei e sem feitio; quem tiver annuncio. (3
1 Compra-se urna Constituigo Diocesana
em bom uso, ou velha, capaz do se encadernar;
na ra da Cadeia do Kecife loja de Jos Gomes
Leal. (4
Vendas
2 Vende-se a nova pauta das Alfundegas
nue deve ser posta em execugo no da 11 de No-
I v.;
Niston, dictionaire do medicine 1 v. ; L. F.
Gaste, abrege do medicine I v. ; Chimica ele-
mentar, i v. ; Dupolet, magno animal i v.;
Formacogi do cdigo I v.; Cdigo farmacuti-
co I v. ; Archivo Theatral 1 v.; Elemento de
anatoma 2 v. ; Manuel des maladies vnrien-
nes 1 v. ; Manuel des aspiransen medicine, 5 v.;
Petit manuel de anatomie descriptivo I v. ;
Baudelocque principes de accouchement, 1
v. ; Cours elementaire de agriculture 1 v. ;
Manuel de homa'opathie 2 v. ; Ricardo for-
mulaire 1 v. ; Formulario, I v. ; Cerise, sys
tome phrenologiquo, 1 v.; Clineque cirurgicale,
1 v. ; Combe phrenologie I v. ; Pathologie ,
I v. ; Pathologie general, 1 v.; Tavarea, phar-
macia cologia, I v.; Roct.e et Sansn, patholo-
gie, 5 v., compendio de Botnica, 2 v.; dictio-
naire frangais-portugais 2 v. (36
2 Vende-se um bonito quaito muito no-
vo e possanie, bom carregador e serve para se-
la e cangalha ; na ra Augusta n. 33, casa de
Antonio Heir. 4
2 Vende-se um brago de balanga de ferro
ingle/., com conchas, proprio para armasem de
assucar, ou oulro qualquer servigo e um tor-
no de pesos de ferro ludo por prego commo-
do ; na ra da Crut armasem de assucar n.
18, do Pinto Compauhia. (6
2 Vendcm se, ou troeo-se duas vaccas
prenhes, estando urna prxima a parir por
dous bois mancos, ja costeados em carro vol-
lando-se de parte a parte o que se convencionar;
na ra largado Rosario n. 18. (5
2 Vende-se bolaxa de 6 a 11 patacas a ar-
roba e a 70 e 12o rs. a libra sendo a primei-
ra muito commodapara casa do familia ; fari-
nha de 6 a \) a banica muito boa para lula-
xa e tambem para fabrica de chapeos ; na
ra larga do Rozario n. 18. (6
2Vendem-se 7 a 8 mil lelhas de exccllente
barro o bem cosidas ; na ra larga do Rosario
n. 18. r (3
2 Vende-se urna grande canoa aberta que
carrega 3 mil lijlos de alvenaria grossa o he
muito bem construida ; na ra larga do Rosa-
rio n 18. (4
2Vendem-se meias barricas de farinha
mullo nova, e de excedente qualidade, por pre-
go commodo ; na ra larga do Rosario n. 15. 3
2 vende-se, por preg<> commodo, urna por-
gao decorado carnauba ; no Recile becco do
Capim n. (0. (3
2Vende-se um rica violo de chavo de
madeira de Jacaranda e de excedente vozes ;
umacaiteira doamarello do urna Tace, tudo com
pouco uso e por prego commodo; na ra da Cruz
n. 54. 's
Vende-se a venda da esquina da ra Im-
perial n. 2, por precisSo com os fundos que
quizerem, ou so a armagao ; uns bragos de ba-
langa grandes e pequeos com conchas e cor-
reles de ferro, urna porgao d*. caixas vatias
do Poito, urna mesa redonda para meio de sa-
la; a tratar com Joaquim Pinheiro Jacome ,
na mesma venda.
Vendem-se ricas fitas de seda lisas o la-
vradas para chapeos de senhora ramos de flo-
res para chapeos e cabega, bonos de veludo
senda de laa muito encorpada para caigas a
360 rs., brim transado de listras a 48' dito
de linho superior a 1^ rs. casimira propria
para coeiros a f/rs dita para caigas a 1280
rs. longos de cambraia bordados de cores a
3-O rs. meias finas para meninos a 200 rs.,
luvas brancas de aigodo a 200 rs. e outras
muitas fasendas por barato prego ; na ra do
Crespo loja n. 14 de Jos Francisco Das.
Vende-se um riquissimo e completo jogo
doclarinetas contendo urna igual requinta,
obra nova edo maior perfeigo, que tem appa-
rocido polo commodo prego de 200? rs. ; um
trombono quasi novo o diversos instrumentos;
no pateo de S. Pedro sobrado pintado de ver-
de n. 9.
Vendem-se pares de brincos de di lloren tes
mldese da moda, urna bonita gargantilha de
contas de ouro de lei um par de castigaos de
prata contrastada urna duzia de colheres de
soupa anneldes, medalhas rosetas de dia-
mantes argolinhas lisas, Fspirilo'Santo S.
Itraz Conceiges vasadas, cordoes e transe-
lins de diversas grossuras, lindos dedaes de re-
levo de ouro de lei; as Cinco-pontas n. 45.
Vende-se um preto perfeito cosinheiro de
um tudo e he bom copeiro ; 3 escravos pti-
mos para o servigo de campo ; 6 prelas mogas,
de boas figuras com boas habilidades duas
engommo cosem e cosirrho ; urna dita re-
colhida de 16 annos cose e engomma ; duas
negrinhas de 10 annos; duas mulatas de 20
annos engommo, cosem ecosinho ; na ra
do Crespo n. 10, primeiro andar.
Vende-se cal virgem de Lisboa em cai-
xas e barris ; no escriptorio do Francisco Seve-
rianno Rabello.
Vende-se urna bonita mulata de 16 annos,
engomma, cose e fat lodo o mais seivigo de
urna casa ; um lindo moleque de 16 annos, bom
pagem e serve bem a urna casa ; una uegrinha
do 10 annos propria para mucama de alguma
menina ; na ra Direita n. 81.
Vende-se urna arle potica de Horicio
commodo ; na ra Nova n. 55. (8
1 Vendem-se pelles de marroquim de to-
das as cores a I/, 1200 e 1400 rs., e sendo em
porgao eem duia da-se msis barato ; na ra
Nova loja de ferragens n 25 de Teixeira i[
Andrade. (5
Vende-se sal de espuma muito fino o
alvo proprio para casas particulares ; na ra
da l'raia armasem n. 18.
Escravos fgidos
2 Fugio no dia 22 do correte, pelas 7 ho-
ras da noute um preto de nome Antonio, ofl-
cial de marcineiro do nagao Rebollo do 2o
annos, alto magro, meio zambio das pomas,
mise ps grandes ; quem o pegar, leve a ra
do Queimado, loja n. 29 que ser generosa-
mente recompensado. (7
2No da 12 do frrente drsappareceo da ca-
sa do abaixo assignado urna escrava de nome
Romana, do gento de Angola, de 30 annos ,
estatura ordinaria cheia do corpo, feiges
regulares, rosto redondo, dentes da frente abor-
tos quando falla parece ler a falla presa, mos-
trando-a pona da lingoa entre os dentes an-
dar vagaroso, lugio com um taboleiro peque-
no em que venda roscas de massa ; lovou
vestido de riscado de quadros grandes oscuros,
panno da Costa voltio e toda a mais roupa do
seu uso, constando de um vestido de cassa de
listras um de panninho branco um de chita
azul j velho 3 camisas de algodao, um pan-
no da Costa novo um espelho um par de sa-
patos urna boecta e alguns pratos, tendo le-
vado tudo isto em urna trouxa ; pede-se por-
tento a todas as autoridades policiaca, o a quem
tiver noticias da dila escrava faga apprehen-
dere remeter ao abaixo assigado que ficarn
muito agradecido bom como a outra qualquer
pessoa se gratificar com gonerosidado. Ma-
noel Antonio Viegas. (22
3 Na noute de sexta foira 18 do corrente ,
( do lugar do engenho Desterro lugio urna pre-
traduzida em portuguez, glossario das palavras ila de nome '*osa ainda bugal baixa, grossa
o frases da lingoa francesa, elementos de alge- i do corP com 3 s'ges feitos um na testa,
tra por Lacroix; na ra estrella do Rosario n. 3 iJunl ao "ariz e os dous, um em cada fonle ,
Vende-se um diccionario Magnum Lexi-1 u,na cicalr'z de fogo em urna das barrigas das
con, urna obra de lgica por Ponelle ; na ra Pernas > qu! vinha do engenho do Sur. Te-
Imperial padaria n. 43.
Vende-se rap de Lisboa, em libras e oita-
vas chegado ltimamente; na ra do Queima-
do n. 39 loja de Antonio da Silva Gusmo.
Vendem-se palhas de coqueiro para banhei-
ro ; no sitio do Cajueiro, ao p de Francisco Ri-
beirode Brito ou na loja de tartaruguciro n.
2, que volta para a ra das Trincheiras.
Vende-se urna escrava ladina cosinha ,
vende n Florentina n. 3.
Vende-se um canind e urna arara am-
bos os passaros mangos falladurcs c bonito,
na ra da Cadeia do Rocife loja de Joo da
Cunha Magalhaes.
1\ endem-so saccas com farinha de supe-
rior qualidade, vindasdoS. Matheus, a rela-
Iho a 25'30 rs., e em porgao a 2400 rs. ; na ra
da Cruz armasem n. 54. (4
1Vende-se um cabra muito robusto pro-
prio para todo o servigo ; na ra da Cadeia do
Recile, loja de Joo da Cunha Magalhaes. (3
1 Vendem-se duas lindas escravas reco-
Ihidas, prcpiias para mucama urna deltas
be mulata coso, cosinha e engomma com per-
feigo o a outra he preta com algumas ha-
bilidades ; na la estreita do Rosaiio n. 34, pri-
meiro andar. ;c
1Vende-se urna linda escrava cosinlicira,
engommadeirae costureira ; na ra estreita do
Rosario n. 34, primeiro andar. (3
IVende-se um sobrado de um andar e dou.
luiSoi a pouco tempo acabado, em chaos pro-
para meninos, sapatos de marroquim corda- I prios com quintal e boa cacimba ; na ra do
nente-coronel Joao Vieira a sor entregue ao
Sr. Francisco Bringel deAlmeida Guedes; quecn
a pegar, leve ao dito engenho ou nesla pra-
ga ao Major Nascimcnto na ra da Gloria, que
ser gratificado generosamente. (12
50^000 rs. de gratificagao.
3 Fugionodia 5deOutubro de 1 S'i4 pe-
las 9 horas da manhaa um mulato acabocola-
do do nome Cosme, baixo o relorgado do cor-
po representa ter 17 at 19 annos do idado ,
pouco mais ou menos ; levou camisa branca e
caigas de algodozinho Irangado rom rlwai
azues quando falla inclina a cabega para urna
banda e a bocea da mesma forma desconlia-se
que estoja em algum lugar para o matto a titu-
lo de forro ; quem o pegar, leve ao largo do
Corpo Santo n. I i.
2 Pedo-se com instancia a todas as auto-
ridades policiaes e especialmente aos capi-
tes de campo, a captura da preta escrava Ca-
tharina do nagao Angola ladina, alta bas-
tante socca do corpo scio pequeo cor mui-
to preta bem feita do rosto olhos grandes e
vermelhos, com todos os dentes da frente, ps
grandes o metidos para dentro muito conver-
sadera e risonha de 22 annos ; ha toda des-
conflanga de estar oceulta em urna corta casa ;
cuja escrava pertence a Manoel Francisco da
Silva, morador na la estreita do Rosario n.
10, terceiro andar, ou em seu sitio em S. Ama-
(14
Kcibfb kuTvr. os M K. dh Fama. 18*4.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EYNG11I44_BUBQC4 INGEST_TIME 2013-04-12T23:04:04Z PACKAGE AA00011611_05210
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES