Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05206


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino de i&M.
Quarta Fcra 25
0 Pu uto mhi'ri- t< do4 na diliquenlo forera aritiBoidoi*; o prego do aisignaturi
1, .' rea mi' es. % Osinoanfeioidoi laaignantes i.'io iniaridoi
e ti-', -" '''* I'"" "''' '>*> 4*80 reil por linha. As redim;'*. di-vem *>r
gi lyp'l "" c truin n, 14 on i' praga da IndependedciaToja de IWroin d 8
PARTIDA DOS COR REOS TERRESTRES.
GourUf. > EariHjrlj*. sr,'iui. [ij< HKal eini .vi liranle do -\orle, clieg 8 ?i : j'ii
le *il Ji -'!ah i 'rn'i.';'ii L.pFiraiu. MaasrJ, PorloCalvo, e Alagoaa: no i. "
i i i I lanada mii. G&ranliuna e llnnilo 10 a le cala n-ii coa-rUti e Pfo.'

et U I ''i'. Cid'ia d i'* feirn
DAS i>\ SEMAN*.
21 Stg lisnU. Aud dqj.de O da 2 v.
2J crea a Mari* Salom Re aud. doJ. de I),da 3 r
2 i Qaaft s. J uio (.'apistreno Aud do J. le D. da 1 t.
.'i Quintil Rifiel Arcmjo Aud do j del) da 2. t
25 Seata 3 Chriepin Crispiaiand. Aud do J de ("a 2. t.
't(i Sab. s. Erariso. .'el. *u j7 i)o.i; .TE i:.1m Imperad i
.
Ondi lorian os diaa
de Outubro
Anno XX. H. 238a
S| / Ju.iu a>r* pende da a meamos j da.rn.Mk .roJaue.*, coderas^' energa: cor.
, :.,-,,.. ,, ..,-. timbal* *">-
|dtU!
i-i i
Prodimi di Un abl* (ral M iran.)
eoapra
con.-
j
cansos ro nu 9 i""- ounrano.
ienda

.obra Lon.'-re* .5 e I; ,,,, .Otin.-M-.fda .i. ti.100 V. 47 .ao) 17,70
a i'ar-s W i trino t ** i'm
, l.isbo. C.UOI iv depraffij.....I **(. 9.50 flfiO
sedad* ci bre ao par
Idaui da lelnj -!s bui (ir.-ai I > roo J Ditos mei.ciuui
Peaoacoluamnire* 4.1M) f*U
l.lfn) 4 fs0
IMI VSKS DA LA NO HEZ DE Ol LL'BRO.
La obeta146 a> {h/ral e 4i .a:i. da [.<*ova 41 m 9 i r 4 mi d iar4.
ni ni J ;.as e ran || Ijr I a 8 OH >5 ''d*.
Vr't\u\<\r de kqe.
frimeri 2 boia 6 alia da I re } S'jruniL ai'- liorn .1 minuio ila tardo
' I
:* v -,
w
1.
'

:
..... v-v>.
. _jfsratv.uuHBiii
EXTERIOR
NOTICIAS IHVKKSAS.
/I ini.'enf&,4 O Capitio W.irncr dirigi ao jornal inglo/.,
o Times, a carta segunte :
a A' face do mundo, porquo o que su publi-
ca na imprensa ingle/. be lido por todo o mun-
do, e pura que nao possa rhflia liaver erro, ed o i
voc, num faIsa inlerprelacao este respuito,
renov aqu a proposta que pedi a Sif Cu. Na
pier, om tennis ditddos por elle mesmo, que
sul>metlcsso ao G iverno de S M. B.; a saber:
que se este quizer mandar ancorar um navio de
linha ntraz das areias de Godw'in, fra do rumo
dos navios, para que n5o possa acontecer mal
alguin aosque passarem, eu vou destruir do ci-
ma do convez d'outro navio, aquello que esti-
ver ancorado n'iiuia distancia de 5 milnas.
Coinpromelto-mo a levar cotnmigo para bordo
do navio, ein que ou houver de obrar, o Gene-
ral \1urray, o CapitSo Lord Ingestro, o Capi-
tio Dickenton, eoCapilao Henderson, <|ue
terao toda a amplidao para examinaren) o mea
modo de accao, e para se convencerein de quo
nesta occasiao sirvo -me d'uc projectil A gene-
rosa liberalidade dos meus amigos permitte-me
fazer esta experiencia sem pedir um sliilling ao
Governo. Se cu nao me subir bem, nao exijo
outra recompensa senao o ridiculo, do que j.i
tenbo recebido quinto basta pnra satisaz'ir um
homem racionavel. Porm, antes disso, exijo
do Governo de S. M. B. urna garanta de 300
mil libras esterlinas pela compra do meu Si'gre-
do, no caso que eu deslrua o navio, e satisfaga
OS4 Offlciaos cima mencionados, demonslran-
d i-lbus a exccLlencia dos meus planos, o a frici-
lidade de o* |ir em exocucao. i inalmente con-
vido a SirHouward Douglas, Sir Dyan Martin,
ir George Cockbnrn. ao Coronel Chalmcrs, e
ao Com manda rite Coffln fiar.i assistirem s ope-
ragoes bordo de oulro navio.
Londres, 0 de Agosto de 18U.
FFarner.
Asscvera-se, diz o Morning Posl, que o
Governo IngleZ arcitou a proposta do Capitio
Warner, e que se ancorara um navio de linha
as areLis de Go.iwn, para que elle possa des
trul-a com o seu projectil na distancia do 5
millias. Lscolbcr se-ba para a experiencia urna
das velbs carcassas de navios,que jazem no Mo-
dw.iy, iouleispara o serviyo. KrTa'ser ppl-
relbada e conducida por um vapor ao lugar
convncionado. Para arredar toda a sombra de
suspeita sobro a fidelidade desta experiencia,
quiz o Capitio Warner lazel-a na presenga de
Officiacs distinctos, que elle mesmo escolheo;
ocbaudo-se estes com elle a bordo do mesmo
navio, ler3o necessari;imento occasiao de reco-
nhflOOT a ellicacia ou a impotencia do projectil.
l'or oulro lado o Governo lomar medulas para
que o Capitio Wa'riir nao possa antes da expe-
riencia com.'itunicar com o navio votado des-
liuicao.
O segredo do Capitio Warner revelado, M.
Jobard do BruxclUs que se tom oceupado
muito rom a pyrolccbnia c com armas de fugo,
nos communica o segredo, pelo qual o Ca-
pitio Warner pede 300,000 libras esterlinas,
(7,500,000 fr.j ao Governo Ingle*. M. Jobard
faz presente do seu ao Governo Fiancez. To-
das as descripces dos jornaes di/, elle sao
fantsticas ou falsas a respoito dos meios empre-
gados pelo Capilao Warner, p os navios pelos ares. Lile serve se apenas d'um
foguete la congrve construido da maneira
seginte.
A cabeca d'este foguete compe se d'um cne
ouco de ferro forte queconlem um kilogram-
mo de fulminato de mercurio sobre o qual se
apoia a carga commum do logete, cujo corpo
be duas vetea mais comprido do que o dos fo-
guetes coimriuoi d* guerra. Klie lanca o seu
projectil cont um tubo director. por urna por-
tnhola do navio e ao lume d'ugoa. de ni do
que correndo o seu projectil por cima das on-
das que sustentao parte do seu peso, vai en-
cravar-se no costado do navio inimigo onde
arrebenta quando o fogn chega ao fulminato ,
abrindo-lbo um inmenso rombo, que faz im-
mediatamenlo sossobrar o navio. U alcance
proprio d'este foguete be apenas do 3 a \ mi-
Ihas; mas o Capilao Warner ulga poder lvalo
a 5 ou milbas alirando-o com urna peca d'ar-
lilbaria. Lile nao diz la > pouco, que nesta
distancia alcanoaro fim do primeiro tiro; po-
rm repotil-os -ha at que o consiga. '
Bom ser que todas as nacoes s ti lia ni ao mes -
tito tempo d'um instrumento quo seria lio pon"
gOSO, se ficasse as litaos d'uma s. Nao ha
engenheire de pyrotechnia, que nio possa exc-
CUtal-0, segundo esta simples descripiao.
Not5o-se as seguintes linhas no Morning-
Post.
Por occasiao da consagracn da capella, ca-
tholica Bomana de Wollingham, houve urna
reuniao em que o l)r. Wisetnan tracou a histo-
ria dos progressos da roligiao catholica na In-
glaterra Elle presta homenaetu aos traba-
Ihos do M. Pugin, que tom edificado 31 igrejas
novas; outros architeclos j i construirao 20 de
sorle quo ha 6 annos, possuimos naquello pa-
iz 54 igrejas calholicas novas. Isto hesignifi-
cativo ; estas igrejas forao erectas em Londres ,
Liverpool, Birmingham. Manchestcr Derby ,
Noltingham, New Caslle, llewarl, Coventry ,
&c. Graeas sejio dadas Providencia que nes-
tos importantes trabalhos ajudou o zelo do M.
Pugin ; 19 communidddes religiosas novas
achilo-so estabelecidas na Inglaterra. A im-
prensa de Derby, ha alguns annos, tem dado
luz milhGes de voluntes du publicaces catho-
licas. As obras catholicas silo muito procuradas.
O povo tem-se habituado a ver os ecclesiasticos
transitaren) Itvremenle, revestidos de seus h-
bitos religios s. Nunca a tolerancia fo mai ir,
nem mais feliz. Fuero-se brindes a.> Papa
Gregorio XVI, c ao Principe Pomphili Doria.
(Presse )
L-se no peridico dos Pobres do Porto de
27 do Agoalo o seguidle : A Infanta I). Auna
do Jess Mara (Marquesa de Loul) acha-se
em perigo de vida : o Mrquez sou marido
est inconsolavel O que nao admira, anu-
xo-se muito, ero unha com carne.
Dinheiro nSo ha por om quinto dao-so ce-
dulas aos empregados, Mdame Coalisao, est
trubalbando com summa aclividade, e ha fro-
(|uentes reunioes as cbafaricas.
O Governo aceitou a deinissiio do Procura
dor Geral da ConVa Jos Cupcrtino de Aguiar
tholini ; e o substituio pelo Dezembargador
Lacerda irino do padre Lacerda redactor do
Correio : tambem aceitou a demissao do Pre-
sidente da Belacao de Lisboa, Antonio do Ase-
vodo Mello e Carvalho, e oi para o lugnr
delle o vice-Presidento Antonio lote de Mi-
randa.
O Galvao Palma Conego da S do Lisboa,
que foi Deputado das cOrles das Necessida-
des e que so disso ter morrido pobre, deixou
em seu testamento a unta aflilhada st'is mil
crusadus, em aeces Jj banco, o 2:400 rs.
diarios tambem em aeces a um afllhado : o
padre nao s era muito liberal mas muito
bom padrtnho.
Um capitio Americano, trouxe dous phai-
soes do presente a Bainha \ doria, estilo lio
domesticados, que ella e o Principe Alberto
Ibes do de comer na inao, mandou os ir para
o viveiro real, com ordem de se Ihes dar todos
os das leite fresco, pao e Iructas.
Que regalo n3o he ser passaro da Ilainha
Victoria. O phaisao tem tamaita forca as
patas que salta sem a ajuda de asas, a distan-
cia do 9 palmos ; tem corista, e asas negras,
peito malhado do branco, e pata de cardeal.
C^ue formusura !
A decantada visita de Luis Filippe est fila-
da para o primeiro de Uutubro.
Variz 16 de Agosto.
Esta manha entre as 11 horas e meio dia,
ouvio-so una salva no Hotel dos Invlidos,
o espjlhou se depois a noticia de quo a Prin-
cesa de Joi.tvill.t den a lut umi ilhi a is II
minutos depois da meia noute, e por ordem do
ll-llei lio foro post is os nomos du Eran-
citoa Mara Amelia Princesa do)0fie.ms. Ai
5 it iris da tarda o Sr. Arcebispo do Pariz foi
ao palacio deN'euilly pira administrara cerimo-
nia do baplismo. Por urna coincidencia mu
notavcl lio este dia o anniversario do nasci-
rnonto do Principo que nasceo a li do Agos-
to de 1818, e conta ossous 26 annos; sita
esposa a Princesa fillta do Imperador Pedro,
Du.'jue de Braganca, tinln 20 annos, quando
em Maiode 43 casou no Rio de Janeiro.
No m -sino peridico de 28 do referido mo/.
diz se : acha seem praca, para se arromatar a
<|uinta do Ramalhae. propriudade favorita ,
habitacao da Kainha D. Carlota Joaquina, e
isto para pagamento do dividas:por or*t os lici-
tantes nio cobroin os limSes da quinta. NSo
m nos nada neslo mundo.
Diz-so que vio ser collocadosno eJificii das
Necessidades os dous sinos quo havia mandado
fazer no Arcenal do Exercito a sobrodita Rai-
nha Carlota. Tambem se diz que S. M. El-
Rei loina o Commando em Chele do Exercito,
o que o Duque da Tercoira passara a Cuefe
do Estado Maior, deixando a pasta da guerra
ao Con lo da Villa Real ; e accressenta-se tam-
bem que em breve se publicar i um decreto que
entrega a imprensa as mos dos Juizes do Di-
reto, dispensando os do fado. Parece-me
quo a cxpurgico dos magistrados preceder ao
decreto da imprensa.
No mesmo peridico do 29 do mencionado
mez l-so:
pTenr porm que nao temos cortos, ao me-
aos um amigo meu hontein me perguntou to-
remos cortea ? Eu lite respond que sim, e
no dia 1. de Outubro ello deo umagarga-
lltada, e foi se di/endo cortes t cortes !
isso ac bou.
O Duque de Pulmclla deseslio da sua viagem
D Bruxellas, vai smenle a Duquesa, e parto
de sua familia..
Appareccrio o* embargos da fillta do Mano-
el dos Contos ; nos quae allega que seu pai
nSo est apto para o casamento; olhem qued
te") a menina >!o seu sexo,
Po Diario do Governo de 28 estrada o Ve-
riodico des Pobres a seginte noticioAcaba
de chegnr a esta corte o Monsenbor I). Pielro,
be successor do inter-ntincio de S Sanlidade
tiesta corle, Monsenhor Capacini vem a bordo
do vapor inglt'i do norlc.
..---._ :
Pgfaggy^
Caetanolos da Silva Santiago 8
|.i.Kitiim Peix ira l'dixot de Abrcu Lima 8
Ido Jo- Pinto 6
Francisco Xavier Pus Parrlo 4
\ntonio Jos de OLveira 4
Antonio Cortlhojde S e Albui|iter.|uo 3
j-Urbano Sabino PeSJOa de Mello 3
Appollinario F-. do Albiiquerque]Maranhao 2
Manool Mondes da Cuflha A/evedo '2
Antonio AlTinso l'i-rreira 2
V gario Francisco Ferreira Brrelo 2
Jos Pedro da Silva 2
Manoel hnnciode Carvalho Mendonca 1
loaquim Nunes Machado l
Jos dos Sanios Nunes de OliveirJ
Antonio Joaquim do Moli *
Tibuttino Piulo de Almeida l
1/idro Francisco de Paula Mosquita e Silva 1
Domingos Malaquias do Aguiar *
Collegio do Pao do Alho.
Os Srs: Votos.
Dr. Pedro Francisco de Paula Cavalcanti 49
larao da Boa-vista 48
Sebaato do Reg Barros 47
Alvaro Barbalhho L'cha Cavaleanti 4ft
Jos Tbomaz Nabuco de Araujo Jnior 44
Joao Jos Ferreira do Aguiar 41
Joaquim Manod Viera de Mello 38
Jos Be nio da Cunha Figueredo 35
Felis Peixoto de Brilo o Mello 31
Antonio Peregrino Maciel Montciro 31
Domingos de Sousa Lcao 26
Jos dos Santos Nunes de Oliveira 25
Visconde de Goianna 21
Francisco Joio Carnero da Cunha 2L
Des. Manoel IgnacioCarnlcanli de Lacerda 20
Augusto F. do Oliveira 20
Gregorio da Costa L. IJelmonto 15
Manoel Mendesda Cunha Azevcdo 14
Joaquim Marccllino do Brilo 9
Joo Jos Pinto 8
Vicente Tbomaz Pires de F. Camargo 7
Luiz do Carvalho Paes do Andrado 4
Antonio Joaquim de Mello $
Joaquim MattoelViert do Mello 3
Joao Mauricio da Bocha Wanderley $
Padre Joao '-'onoel da Costa 3
Manoel Ignacio de Carvalho Mondonga 2
yigario Francisco Ferreira Brrelo 2
Urbano Sabino Pessoa do Mello 2
General Abrcu o Lima 2
Caetano Jos da Silva Santiago 1
Jos Pedro da Silva 1
A lexandre Bernardino do Res e Silva L
Manoel Francisco de Paula Cavalcanti 1
k ... i -wUi
ELEICES PARA DKPUTADOS
GERAES.
Collegio do Cabo.
Os Srs. Votos.
Antonio Peregrino Maciel Montciro 98
Bario da Boa vista 95
Sobastiaodo liego Parres 92
Jos Tbomaz Nabuco do Araujo Jnior 9^
Joao Jos Ferreira de Aguiar 83
Munoei gnacio Cavaicanli Lacerda 80
Luiz do Calvalho Paes de Andrade 77
Alvaro Barbalho Ccha Cavalcanti 66
A lexandre Bernardino do Res e Silva 62
Pedro Francisco de Paula Cavalcanti 59
Leonardo Bizerra do Siqueira Cavalcanti 56
Domingos de Sousa Leao 50
Manoel Joaquim Carneiro da Cunha 47
Augusto Fredirico do Oliveira 45
/os Bento da Cunha Figueredo 34
Alfonso Artltur de Almeida Albuquerque 33
Vicente Tbomaz Pires do F. Camargo 32
Joaquim Marcollino de Brilo 3t
Padre Miguel dn S. Lopes Gama 27
Francisco Joo Carneiro da Cunha 25
Pudre Venancio Henrique do Bezende 21
Joaquim Jos da Costa 18
Visconde de Goianna 16
Gregorio da Costa L. Bel monte 15
Jos Joaquim Coelho 15
l'elis Peixolo de Brito e Mello 9
Os Srs.
Collegio de Nazarelh,
Sebaato do Reg Barros
Pedio Francisco do Paula Cavalcanti
Jos Pedro da Silva
Alvaro Barbalho Ucboa Cavalcanti
Bario da ISoavista
Joaquim Nunes Machado
Manoel Joaquim Carneiro da Cunha
Joaquim Marccllino de Brito
Urbano Sabino Pessoa de Mello
Antonio A fio uso Frerreira
Joao Jos Pinto
Antonio Joaquim de Mello
Antonio da Costa Bogo Monteiro
Filippe Lopes Nelto Jnior
Manoel Mondes da Cunha A/evedo
Jos |{i uto da Cunha Figueredo
Jos Tbomaz Nabuco de Araujo Jnior
Francisco Joao Carneiro da Cunha
Jernimo Viiiela do Castro 'Lavares
Luiz Ignacio Ribeiro Boma
Antonio Peregrino Maciel Monteiro
Felis Pcixo'.o de Brito e Mello
Visconde de Goianna
Manoel Ignacio do Carvalho Mendonca
Leonardo Bizerra de Siqueira Cavalcanti
Padre Franc seo Muniz lavares
Vicente Thomaz Pires de F Camargo
Joio Mauricio da Rocha Wanderley
Gregorio da Costa L, Belmonte
Votos.
39
39
37
37
57
37
37
35
35
34
34
53
32
32
50
28
29
27
25
25
23
23
21
20
19
18
17
16
12



Des. Manoel Ignacio Cavalcanli de Lacerda 12
Domingos doSousa Leao ll
Affonso Arlhur de Almeida Albuquerniie 9
Caetauo Jos da Silva Santiago 8
Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama 8
Padre Lu/. Ign.icio de Andrade Lima 6
lidro Francisco de Paula Mesquita c Silva 6
Joao Jos Fcrrcira do Aguiar 0
Joaquim Villela do Castro 'Lavares. 4
Joaquim Jos da Costa. 4
Antonio Carneiro .Mutilado Rios 4
Vigario Francisco Ferreira Brrelo 3
LuizdeCarvalbo Paes de An Irado 3
Appollinario F de Albuqucrque Maranho 2
Augusto F. deOliveira 1
Dr. Joaquim Francisco de Farias 1
Joaquim Manoel Vieira de Mello 1
Dr. Caldas 1
Antonio Baplista Gitirana 1
Alejandre Bernardino do Reise Silva 1
Coilegio de Iguarass.
OsSrs.
Manoel Joaquim Carneiro da Cunha
lia rao da Boa vista
Sebastio do Reg > Barros
Pedro Fraciscolle Paula Cavalcanli
Antonio Peregrino Maciel Monleiro
Alvaro Barbalho Uchfia Cavalcanli
Francisco Jlo Carneiro da Cunha
Jos Bento da Cunha Figuciredo
Manoel Ignacio Cavalcanli de Lacerda
Alfonso Arthur de Alnteida Albuqucrque
Jos Tliomaz Nabuco de Araujo Jnior
Augusto F. de Uliveira
Joao Jos Ferreira de Aguiar
Alexandre Beruardino do Re s e Silva
Joaquim Marcellino do Brito
I.uiz de Carvaltio Pnes de Andredu
Izidro Francisco de Peula Mesquita c Silva
Vistoudc de Goianna
Domingos de Soina Leao
Padre Miguel do Sacramento Lopes Gama
Joo Jos Pinto
Caetano Jos da Silva Santiago
Leonardo Bi/.erra de Siqueira Cavalcanli
Vicente Thomaz Pires de F. Camargo
Antonio Coelho de Si e Albuquerque
Padre Francisco Muniz Tovarcs
Jos Pedro da Silva
Joaquim Nunes Machado
Lourenco Francisco do Almeida Calando
Manoel Mendes da Cunha Azevcdo
Antonio da (.'osla Reg Monleiro
Joaquim Jos da Costa
Felis Peixotod' Brito e Mello
Vicario Joao Manoel
Antonio Carneiro Machado Rios
Antonio Jos de Oliveira
Jos Joaquim Coelho
Jernimo Villela de (lastroTavares
Des. Joaquim Teixeira l'cixolo de A. Lima
Dr. Jo5o Ferreira da Silva
Joaquim Manoel Vieira de Mello
Pedro Rales
Dr. Sonsa Reis
Vigario Francisco Frerreira Brrelo
Domingos Malaquias d'A. P. Ferreira
Francisco Xavier P. Brrelo
A'. It. Supponho que o Dcsemhargador Bel-
monte teve 4 ou o votos os quaes por enga-
o nao lorao na reiaco.
Esta ola le da pessoa que nos transmillio
a presente lista. Os lili.
Votos.
97
88
83
83
83
80
69
08
GS
g:>
58
58
57
60
48
40
40
19
16
15
13
13
1-2
10
7
4
4
5
3
3
2
2
2
2
2
1
1
1
I
1
1
1
1
1
1
1
Tribuna! da II ca gao.
JILGAMENTO DO DA 22.
(Petemb. de semana o Sr. Hamo.)
Confirmro a sentenca proferido na appel-
lacao eivel, cm que he appellante Elias Coe-
lho Cintra, e appellado Jos Rodrigues de A-
raujo Porto.
Mandrao dar vista ar. parles na appellacao
civel,em que he appellantel/abel Maria da Con-
ceicSo, o appellado o Dr. Procurador Gcral, o
Jos Francisco do Nascimento.
Mandrao dar vista as partes na appcllacao
Ctel, cm que s5o appi-liaiilcs Januario Caval
.'3nti de Albuquerque Melle e sua muiber e
appedados o Fxm. Mrquez do Recie c sua
mulher.
Mandrao dar vista asparles, na appella-
cao civel em que he appollante D. Maria
Varroquina de Jess Nazarcth, por si, c como
lutora de seus filhos menores, e appellado
Francisco (i. Bastos.
Mandto dar vista as partes na appellacao,
em que sao appellantes Francisca Correia c ou-
Ira o appellado Francisco Ferreira de Santa
Anna.
Conlirmaro a sentenca proferida em a pri-
meira instancia, e de que (ex objeeto a appel-
ai/o civei em que he appeiianle A leu* nd re
S. Martins, e appellado (arlos Luiz Ricardo.
Mandrao reinettcr i novo jury para novo
(ligamento a causa de ;<| | cllacao un que he
appellBOt Estevfo Jos CavaLanti e i.ulros.
Na appellacao civel, em que he appellante
Jou Baptista de Sousa Lentos, c appellante
D. Anna Felicia de Moura : confirmrSo a
sentenca.
Na tppeacio civel, em qi boappeUantc
Tliomaz Antonio Guimar*te,1 e appellados A n-
tunioG Pinto de ;rauju e sua mulher : con-
firmrao a sentenca.
Na appellacao civel om que ho appellante F.
Jos da Costa, e appellado Francisco do Carva-
IIo Pues de Andrade : confirmrao a 'entonga.
Ni appcllacao civel, em que ho appellante
Russell Mellon & C a appellado o Cnsul in
g'ez Angelo Au.usto Couper : dccidiro, nao
tomar conhecimonto da appcllacao, por nSo
competirem os recursos interpostos, dos despa-
cltoi ; icando por consequencia subsistente a
sentenca recorrida.
Na appellacao civel em que he appellante a
santa casa da Misericordia de Lisboa e appel-
lado o Juiso. Desprezarao os embargos op-
poslos ao accordo.
Na appcll icao civel, em que ho appellante
Antonio Jos Lopes d'Alhuquerquo, como lu-
lor dos orphaosde Antonio Lopes, e appellados
J. A. Lopes daSiiveira e outros : conlirmaro
a sentenca.
Naappellacaocivel.cmquesaoappelanlesJoiSo
Leite Pilla rtigueira o Jos Antonio Pinto
como administradores de urna casa lallida, e ap
pellado Paulo Camalior : confirmarn a sen-
tenca.
Na appellacao civel, em que he appellante
Florenca Mnrgarida dos Prazeres, o appellado
Francisco Jos Dias da. Costa : Despresaro
ambos os embargos, que esto na causa a fo-
Iha 526 e fallas 530.
Na appellacao civel, om que heappellanto a
viuva e mais herdeiros ile Malinas da Gama e
\ asconcel os c appellado Luiz da Gama Maia :
(iospreaario os embargos.
Na app llaco civel, cm que sao appellantes
Jos Ignacio Poreira o sua mulher e appellados
F. Vasconcellos e sua mulher: conlirmaro a
sentenca.
Na appellaco civel em que ho appellante
Manoel Joaquim Moni/., c appellado Feliz
Francisco da '
ra instancia
*a ; descero os autos a prunei-
para avaliar, e pagar a isima
II iscellanea.
R ELIG AO.
A CaRIOAUB 2." Amo\ do prximo.
[V.ontinuaco do n. 22G.)
I ni Doutor Judeo (ez mu dia esta pergunta
Jess para o tentar:Meslre, o que he necoi-
sario fazer para alcanzar a vida eterna ?Jess
Me respondeo : o que diz a lei ? Que ledesvs
nella ?Amareis o Senhor vosso Dos de todo
o corago de todalma e de todas es lorcas ; e
ao vosso prximo como a vos mesmo.Respon
(lestes mu bem ; fazei isso, o viviris. Mas o
joven Fariseu, que se inquictava menos de ser,
do que de parecer, nao se con ten lava contesta
breve, e sabia resposta; porque, o seu firn era
menos instruirse, do quo azer ostentacao de
suas Loas obres. Elle quera passar por justo ,
diz o F.vangelho ; c persuadido de que a cada
pr-rceito de Jess poderia responder : Mestre ,
eu faco isso sollicitou a explicaco da 2.' par-
le do Texto sagrado, perguntando : quem he
meu prximo ? Esta pergunta que seria es
tranha na bocea de um sectario de Christo, nao
o era de modo algum em um discipulo da Syna-
goga. A caridade sendo enlre o Hebreos
urna virtude puramente local nao tinha limi-
tes bem determinados. Uns enlendiao pela pa-
lavra prximo sua familia e seus senos ; ou-
tros, alargando um pouco este circulo eslreito.
(etilo entrar nolle a sua povoaco sua cidade
natal, urna parte de sua tribu, e nada mais.
Nunca o roci de urna csmola judia refrescava o
F.strangeiro. Para illudire n i este respeito o
preceito form I da lei oo Moiss, sostentavo ,
que csa palavra e.ilrangeiro so era applicavel
aos proselyt08.Se as Nacocs visinhasda Juda na-
da tinhao a esperar da sua caridade, haviu urna
principalmente que possuia todo o seu odio ,
ca a Smariisna. L'ma maldita* como ju-
mis povo algum recebeo deoutio pezava so-
bre a sism.itica Sicbem: todo o commercio era
prohibido entre os dous povos toda a commu-
nioacip vedada ; ludo o que pertencia acs Sa-
maritanos, mesmo seus rebanhos, seus fructos, e
sois tontas,era immundo.coinooporco.NSocon-
tenlesdelliesprohibirem para sempreaesperanca
deentrarcm no seio daSynagoga.levarao o fana-
tismo al a expellil os anticipadamente do Co ,
e a declaral-os malditos. Foi com estas ideas
mesquinhas, c prejuizes nacionaes que o
Doutor da lei esperou a resposta do Salvador dos
bonicos n sua pergunta insidiosa: quem he mcu
prximo O Soberano Meslre das afecroos hu-
manas respondeo com una das mais sublimes
parabobis da lei m va. Um hon.cm, que vinha
de Jerusalem para Jerich, diz elle, cahio ras
maosdos ludroes que o dcjp< jarao, cobrirao-
no de cnagas e fugirAo deixando-o meio-
morto. Succedeo depois que um Sacerdote
viesse pelo mesmo caminho o qual vendo-o ,
passou alm. Um Levita que veio tamhem
pelo .-sesmo lugar tendo o considerado, oi-
se. Porm um Samarilaoo viajante, ebegan-
do ao lugar, em que estava este hoiiiom e len-
do-o visto lcou tocado decompaixo; chegou-
so a elle, verteoo'oo, evinhoemsuas leridas.
e as pensou; depois pondo-o no seu cavallo o
conduzio urna estalagem, tomando cuidado
delle. No diaseguinte tirou dous dinheiros ,
e os dco ao Estalajadeiro, dizendo-lhe Ten
de bem cuidado leste hornero ; e quanto des-
pender des de mais, vos restituirei na volta. ==
Terminado este tocante aplogo, disseo Filho
de Dos ao joven Fariseu : qual destes tres ho
mens vos parece ter sido prximo do autro ?=
Aquelle que exercitou a misericordia com el-
le. Idepois, eobrai do mesmo modo.
Que divina licSo .' Que santa, e pungente
irona Como bateo Jess o laxo egoismo que
separa o homent feliz do homem que foffre o
homem a quem nada (alta daquelle a quem
falla ludo / Bondade divina um filho de
ArAo, um Sacerdote do Altissimo um ho-
mem que ensina ao povo a moral, e a hu-
manidade, porque ninguem o ve; porqu
ninguem estava l para Iho dar um simples
aperto de mo E vede qne admiravel co-
nhecimenlo do coracao neslc aplogo sagrado :
o Aronila conlina o seu caminho sem ouzar
lancar urna vista para o desgracad ), que solici-
ta a sua piedade ; a vergonha Iho subira a cara
so ello i Ihasse para o pobre chagado que dei-
xava lutando com a agona. Para ter a triste
coragem de abandonal-o sozinbo o n na
beira da estrada foi obrigado a volver os olhos
para outra parte. Este homem era tnlvez um
dos Principes da Synagoga a quem a lizonja ,
o amor do ouro, ou o servilismo dos seus syco-
pltanlas tinhao apodrecido. Nao falta ao retra-
to de um homem tal sem compaixSo mais do
que unta pincelada para o tornar odioso; Nosso
Senhor a d com o levita, que chegou depois.
Esto para, e olha. N5o r.assa rapidamcute. co-
mo o Sacerdote quo parece desconfiar poder-lhe
acodir algum movimento humano : conta, o
examina as (cridas; d piedade lompo para
ac rdar em sua alma ; ve a imminencia do pe-
rigo ; peza todas as probabilidades da morle ,
quo ameaco este homem, e prosegue o seu ca-
minho sem oflerecer-lho oo menos urna golta
d'agoa da sua cabaca sem dar-lho urna s pa
lavra deesperanca Quo querois ? Este infeliz
pareca ler to pouco lempo de vida, que lovan-
do-o para ser tratado em urna hospedarla, erSo
gastos perdidos Alm dislo sera porvenlura
conveniente, quo um Ministro inferior do tem-
plo desse ares do ser mais humam, do que o
seu superior ? o mais seguro era abandonar es-
te homem de nada a sua m sorto. ... E o Le-
vita foi-se.
Ah! foi sem esperanca de soccorro.que o via-
jante vio apparecer o cavalleiro de Samara.
Que esperar do hereditario inimigo do Israel ,
do reprobo da lei? Mas este inimigo tinha
entranhas de homem e um coraco de carne,
o sangue. O excommungado da Synagoga poz
o desamparado filho da Synagoga em seu caval
lo ; o maldito derramou oleo, o vinhos as fe
ridas do verdadeiro crente. O Sacerdote, o o
Levita sabiilo de cor a lei do Moyss, mas era o
filho de Belal, quem a praticava. E > saqui,
Senhor, o que vos tendes contado aos filhos dos
litricos duendo-ll.es fazei o mesmo Oh !
quantos si ntos esta magnifica parbola (ez na
Igreja de Reos! Que rios de leito, ede mel tem
emanado desla lo ule sagrada! Que actos de ab-
negaco.de ustica, de humanidad*, edebene
volencia universal a leem pororigent! Osprimei-
ros cltrislaos tinliao-na encastoada no coracao ,
como a esmeralda no ouro; por isso a sua santa
piedade jamis (ez excepeo le pessoas, e a sua
esmola cubia, como urna suave chuva, sobro
o Judeo, e o Idolatra, bem como sobre os seus
irmaos indigentes, Que caridade terna, e
perseverante, que bondade corajosa, quode-
sinteresse sem limites nos cuidados, que os
Christos perseguidos se prestavao mutuamente!
Os Grandes, que ItaviSo obiacado a F, ero
para os pequeos, como cedros do Libano,
que abrigao os passaros debaixo de seus robus-
tos ramos; os Pastores erao severos para com -
sigo mesmos, porm bons para as ovelhas per-
didas. C da Sacerdote de Jess Chrislo, oti-
lando 0 exemplo odioso do Sacerdote de Moyss,
poda dizer a Dos com Job : a Tenho defen-
dido o pobre contra a oppressSo dos poden sos;
tenho protegido o orphao sem apoio, e a viu-
va mo ha deitado mil heneaos Se soldados
christos prisioneiros no campo de batalha ero
conduzidos cativos para os vastos bosques ger-
mnicos, um Dicono ia de pressa atrazdelles
com os resgates, para os quaes vendi3o-se al
os vasos sagrados de urna igreja ainda indigen-
te, Se os soldados le Cesar atravessav5o com
suas aguias urna regao, onde cada familia Ibes
ofTerecia os mais bellos cachos da sua vinha,
paes brancos, vinho furo, e agoa fresca, ero
aldeas christes. Quem he esse, queajunta
nos degros demaimoro do lemplo de Marte*
ou de Jpiter, o escravo moribundo, a quem
eu senhor por urna srdida economa abando-
nava morte cruel da fomc ? lo um Chrig-
to, escapj talvez na vespera aos cvateles, e
torturas do paganismo Quem he esse, quo
recolhe o recemnascido, que urna matrona Ro-
mana mandou de noile lancar aos caes das bor-
das do Tibre ? He um pobre servo de Jess
Christo!
Os idolatras estav8o movidos com estas vir-
tudes novas, que a sua sociedade sem cren<*a,
dessecada mortalmente pelo egoismo, nao po-
da comprehender Luciano, quo entre es
Gregos degenerados professava um duplo athe-
ismo, nao crendo a Providencia, nem a virlu-
do, conta com urna admracSo zombeteira, s
& elle injuriosa, quo o Legislador dos Christos
Ibes metiera na'caheca, que ellos ero todos
irmos ; e depois refere os prodigios de gene-
rosidade, viagens longinquas, e sacrificios sem
conta, que elles havio feilo para o soccorro
daquelle, que cai na desgrana. Este tocan-
tes exemplos de uniao, fidelidade, e dedicacao
aperavo no mundo romano, como tepidos
cliuveiros sobre os gelos do um longo invern ;
o estoicismo mesmo essa pelrificanle philo-
sophia, que tratava a carne, e o sangue, como
so (ossetn marmore, amolleca ao brando calor
do astro do Chrislianismo ; e comecava a sen-
tir alguma cousa, que se asscmelbava com-
paixo mutua ; a secreta influenci da carida-
do preceda o (riumplto do dogma sobre os rr-
ros do polytheismo, e o mundo piado, duro,
e corrupto, era insensivelmenle convertido
humanidade, antes de o ser Iteligio. 0
bom Imperador Antonio, diz o Chancelcr de
l'Hpilal, praticou cm toda a sua longa vida,
posto que fosse pago, os dous preceitos do
Evangelho, quo sao amar a Dos de loto o
coracao, e ao prximo, como, a si mcfmo ; e
ha toda a probabilidade, que elle possuia esta
instrueco dos Christos. A mesma cor crhis-
l caracteriza a plrilosophia de Marco Aurelio;
ello nao procura a virtude no crgulho, e na in-
sensibilitlade, como fa/ia o estoicismo, mas
sim na folicidadc dos outros. Tu amal-os-
has, diz elle, se pensares, |uo s seu irmo ;
que he por ignorancia, e i' seu pozar, que
elles caltem em faltas; e que emfin todos em
puuco lempo morrereis. Que longitude des-
la benvola indulgencia estas duras palavras
de Thrascas: Quem odeia os vicios, odeia os
homtns Mas Thrascas viva no tempo Je e-
ro ; e no tempo de ero a Moral christa es-
tava misteriosamente fechada as catacum-
bas.
Quem ajuda a seu irmo, ser honorificado,
diz o Espirito Santo. Fsta mxima era a re-
gra de conducta dos primeiros fiis ; cada um
lazia volver em proveit) do lodos os bens, ou
talentos, que recebra da Providencia. Le-
vantava-se urna perseguico? Os grandes Ofi-
ciaes do imperio cscondio mesmo no palacio
dos Cesares os seus irrt acs perseguidos ; os
Commandantesdasgaleras punhoenlrc oChris-
to peiseguido, c o machado do Lictor as on-
das tempestuosas do MediU naneo ; o Centu-
rio o abrigava debaixo da sua barraca, entre-
tanto que Justino, orador (orinado cm elo-
quencia pelas celebres escolas de Alhenas, de
fendia enrgicamente os Christos das absurdas
aecusates, (porcm sempre falaes; de alheis-
mo e de sedico.
(Continuar-te -h.)
Alfandega.
Rendmenlododia 22......... A:395,108
Descarregav hoje 23.
Briguc Importadortrastes.
BarcaEdward fayesmcrcadorias.
Brigue Elizabelh idem.
BarcaNighlingale- Ierro*
Briguc Trifolium queijos e garrafes va-
sios.
MPORTAgAO.
Leo, escuna oldemburgueza, vinda de Bre-
men e Hamburgo, entrada no corrente me/,
consgn8f;o de Kalkmann & Rosemund, ma-
nfcstou o seguinto :
De Bromen ; 45 harnees e 4 caixas facas, 5
caixas (aces, 10 ditas espedios, 1 dita cordas
para violas, 1 dita miudezas, 2 ditas boectas,
3 ditas brinquedos, 1 emluulho thesouras e
caivetes, 4 ditas diversos objectos,. 1 dita li-
vros ; aos consignatarios
De Hamhurgo ; 10 caixas espingardas, 50
barricas, 100gig>s e 100 garrafes de gene-
bra, 2 caixas livn.s em branco, 14 caixas lico-
res. 97 ditas tecidos de algodo, 3 ditas panos,
3 lilas boles, 3 ditas pao para velas, 2 ditas
ultapw de palha, 4 ditas bons, 6 ditas panos,
3 ditas obras de pao, 28 ditas cadarco d'algo-
do, 4 ditas fazendas de la e algodo, 46



o
barra alcatrao, 10 ditas pixo, 137 ditos po-
tassa, 60 ditas vidros, 276 voluntes papel,
100 barras de ferro, l ombrulho lo de por-
retc, 5 caias chapeos. 23 ditas ospollios, 3
ditas brinquodos, 21 ditas facoos, 6 ditas lacas,
5 ditas violos, 4 ditas rasqueiras, 100 botijas
hervilb, '200 ditas lavas 171 volumes cabos,
1 caixa fa ondas de soda. 1 dita agulbas, 5 di-
t.sbozerros, l dita espadas, 1 dita thesouras,
2 ditas hcelas, 1 dita eordas do rame, 30 gi-
Ros garrafas vasias, 600 garraloes dito, 2 om-
brulhos amostras; aos mosiros.
jLinjgTiir irn::rr:~~"*~^^^
MoviieiUo do Porto__
Vatios entrados no da 22.
Prestan; 55 dios, brigue ingloz Jane Eslhtr,
de 177 toneladas, capitao Roberto Wballey,
equipagem 10 carga farinha e carvo de
pedra: a Me. Calmont&.C.
Lisboa; 40 dias; escuna portugueza Tarujos $
Filhos, do 132 toneladas, capilao Francis-
co Antonio do Almeida, equipagem 9, car
ea vinho,&c: a Mondes & Oliveira.
New-Castcl ; 60 dias, briguo inglez Countess
of JFeslmoreland, de] 96 toneladas,capitSo
Thomaz Clark equipagem 10, carga carvao
do pedra : a F. Roblliard.
Sctubal. 47 dias, brigue inglez Elisa $ /tnn,
de 173 toneladas, capitao William Birnoi,
equipagem II, carga sal : ao capitao.
Declararn
.'i briosa nacao Brasiloira, c, contando com a
indulgencia publica, espera sor to feliz nesla,
como as outras composicoos.
Principiar o especiacuio pula cantora, s 8
horas e mcia, mpretorvclrncnte.
Comquanlo a companhia %n ade reforeada
com tres actores dos theatro particulares, com
ludo o Sr. Gamboa e sua sentara larao na peca
dou interessantes papis, por sorem indispon-
saveis no drama dez actores c cinto damas.
Avisos martimos.
tll!
2 = 0 Arsenal de Guerra compra em partidas
grandes sola, caihros para espeques, chumbo
em barras, cobre velho, carv5o de pedra, Ierro
inglez da Suocia, e em lencoe-, azeilo de car-
rapato, cadinhos do Norte, suvellas e agulbas
sortidas, sapatos para os aprendizes menores,
taboas de pinho ditas de amarello de assoalho
e de forro ; e em pequeas partidas bro has pa-
ra pintura, collada Babia, fio de algodo, oca,
alvaiade, pos pretos farinha de trigo, gom-
ma de mandioca, sabao, zarco, pratafina.es-
topa para sacos arcos de forro, martellos, tro-
quezes, compacos, thesouras, vazadores facas
finas costas d'osso, e cravadores; as pessoas
a quem convier poderao comparecer nos dias
23 e 24 no meSmo Arsenal as horas do seo expe-
diente. Arsenal de Guer'a 21 de Ouluhro de
1844. No impedimento do escriturario. Jo-
to Ricardo da Silva. (19
PUBLICACO LITERARIA.
Memoria Histricas da provincia de Pernam
buco, precididns dum l'nsaio Topographco-
historico, co'upostas pelo Tenenle da pri-
meira Ciaste do Estado tllator do Exercito
Jos Bernardo Fernandes Gama.
O rosurno Testa obra se acha inserido n'este
Diario em o numero 170 de 31 de Jullo
do corren te anno e no IX novo numero 173
de 12 de Agosto do mesmo corrente auno. Pro-
co de cada um tomo de 300 paginas, com urna
estampa fina lilnographada, em 8 frnncez 2,),
rs. pagos na eeasiao da entreg8 do livro. A
subscripcao feicha-se no ultimo dcOutubro do
cirrenleanno, e quem nao for subscriptor s
oblera a obra por 4#000 rs. por tomo.
Suhscrevc se na prac,a da Boa vista botica
n. CdoSj. Jos do Couto ; em S. Antonio
praca da Independencia livraria n. 6. e 8,
ra Nova loja n. 32 o Sr. Caj ra do Cabuga
lojadoSr. Bandeira Jnior c na esbuina da
pracinhado Livramcnlo loja da Sra. Viuva
Burgos ; e no Bscife praca do Comercio sala
Associaco Commercial. (23)
THEATRO 1'BLICO. .
Doze afinos da vida de um Deputado,
drama em 4 actos e 4 pocas, dedicado briosa
nacao Brasileira, pelo autor dos Tres vicioso*,
Batalha dos (iuararapes, Morte de Teles Jor-
dao, Santa Engracia, o outras, se representara
uubao 20, domingo 27 e segunda feira 28,
por ser dia santo.
1.' poca Cabalas e elcicoes do tnatto.
2.'pocaProjectos, discussoos, cmaros
municipaes, tratado com os Inglezes, reforma
de leis, bom geral do povo
3. poca Ttulos, cendecoracoes e em-
pregos.
4.1 poca Maldico, desgraca e morte.
Para mais abrilhantar o espectculo, no do-
mingo se cantar urna aria de Rossini, da upe
Tancredo ; e na segunda feira, um duelo da
pera a Italiana em Argel.
2 Para o Maranhiio o muito veleiro bri-
gue escuna nacional laura sahir, o mais bre-
ve possivel, por ter ja parte do seu carregamen-
to prompto, para carga e passageiros, para o
que tcm excellentes commodos ; trala-se com
o Capitao Antonio Ferroira e Silva Santos, ou
com os consignatarios Novaes o* C., na ruj da
Cruz n 37. (8
2 Para a Babia sahir com muila brev-
dade a sumaca nacional Santa Anna ; para
carga e pessageiros, trata-so com os consignata-
rios Novaes & C., na ra da Cruz n. 37. (4
3 = Soguero viage para os portos do Sul, e
Norte, com toda a brev>dade duas barcacas
notase bem construidas por nomo (anota Mu-
rante e Novo Destino, ;e quem as mesmas
quizer carregar, fretar ou ir de passagem, di-
nja-so a seu dono na ra da Cadeia Velha leja
de fazendasde Joaquim Ribeiro Pontos ou a
bordo ao p das escadinhas ou (orle do Matto; e
(ambem se vendem as mesmas. (9
3Parj o Rio de Janeiro seguir breve o ve-
leiro patacho Oliveira Capilao LuizdaPena; por
ler urna parte do seu carregarnento prompto ;
quem no mesmo quizer carregar, ou embarcar
escravos.pde entender-sc com os consignatari-
os Amorim Irmos, na ra da Cadeia n. 45 (6
Le loes.
wts
2 Me. Calmonlc C. faro leilo, por in-
lervencao do correlor Oliveira, do mais com-
pleto sortimento de fazendas inglezas, asmis
iiroprias deste mercado, quinta feira 24 do cor-
rente, s 10 horas da manhaa, no seu arn.a-
zom, largo do Corpo Santo. (6
3= Por ordom do Cnsul de Portugal n'esta
provincia c para pagamento do froto, e mais
despezas da barca portugueza Firmeza confor-
me as com iones do contracto de frota ment ce-
lebrado pelo Capitao Joaquim de Freitas Fal-
c8o se bao de vender orn leilo publico por
inlervencao do corrotor Oliveira, quarla feira
23 do correntc polas 10 horas da manhaa, do
carregarnento de vinhos que a mesma barca
condu/io da cidade do Porto, e so acha deposi-
tado n'alfandega d'esta cidade, no armazem da
ra d'Apollo n. 6, a requisioao do mencionado
Cnsul, 65 pipas do vinho do Porto o mais es-
pecial, quo a este mercado (em vindo, eos lo
tes serio de 1 2 pipas, ou a vontade dos lici-
tantes. (16
2 Quarla feira 23 do correnle, Bolli &
Chvennos mandarn fazer leilo de urna por-
ciio de arroz, recebida ltimamente do Mar -
nbao, poita do armozcm do Bacellar, s 10
horas da manhaa. (5
A vjsos diversos.
Aluga-scuma ama de leite parda ou bran-
ca, para acabar do criar um menino de onz
mozos, e, se quizer, continuar a criar outrr.
que nascer para Janeiro, exige-se bom leite.
o que soja bem carinhosa ; quem estiver nesta?
circunstancias, dirija se ao Atierro da Roa-
vista n. 78.
Chegando a noticia alaixo assigneda,
que oscompanheirosde musir de seu fallecido
marido Basilio Rodrigues Seixas teem dito a
varias pessoas que lhe haviao perdoado ludo
quanto o referido marido da annuncianto Ibes
ficra devendo por occasiao de sua morte repen-
tina ; ai publico, c declara, como pode com-
provarcom os competentes recibos que tem em
seta poder, ter pago as quantiasseguinles, aos
Srs.
Leandro Martins da Filgueira
Joaquim Thcofilo da Boa-Morte
Andr A Ivs da Fonceca
Manoel Pereira da Silva
Francisco de Paula e Silva
AgostinhoGlasner
Andr Feliciano Tavares
Manoel Innocencio Candoso
Ermogencs Norberto da Fonceca
Alexandrino Franca
Personaqens do drama.
O Soberano Ele i lores, Vigario do malo, I Jos Coeiiio da diiva Arau|0 Jnior
nronrietaro. um carpinleiro de carros povo de | Rov. Joaquim Pereira Freir
ambos os sexos, Fidalgos. Ministros Senhoras oso Mximo
da curte, criados de ricas libres, tres Deputados Hiplito Jos de Lima
de dXrntes credos polticos, soldados. Joao Marcell.no R.be.ro por 2.410
O auor dedicou esta sua humilde prodcelo r, .receben, e se deo por pago com
16,440
11.000
18.080
13.000
5.440
25.660
71.760
26,-280
6,720
2.700
4.220
2,000
1.000
7,960
1,000
Alexandro Ribeiro de Miranda, por
13,540 rs,, receben, esc deo por
pago com 7,000
estos dos Huimos agradece a BODUOGiante
sua atloncao e gencrosidade ; e muilo patlicu-
larmento agradte, e protesta seu eterno roco-
nlucinunlo e gralidio para com aquellos Srs.,
rjue sendo lamben, comnanheiros de msica de
seu (nado marido, leruio-em contempLcao as
desgravadas rcumslancias da annuncianto ;io
sou esla.'o de viuve/., com 9 filhos, lodos mono
res, para sustentar, o inteiramente destituida
>la n.oios, houverao por bom do lhe nerd >ar as
ijuantias a diantc declaradas:
Bev. Primo Feliciano 1 13,620
Jos Marccllino da Costa 21,500
Marcellinoda Costa Jnior 6,900
Antonio Francisco de Santiago 1.7'0
Ezequiel 1,980
Pedro olasco Baplista 12,160
Boque 2,340
Reg 7.300
Jos Joaquim Gosleira 980
Podendo ficar corlo o respeilavel publico quo
s com is Srs. cima nomcados, tanto os quo
cobrjfao comoosque perdorao, era com quem
tinha contas, relativamente msicas, o sobre-
dito fallecido marido da annuncianto.
Jounna Paptitta Xeves Seixas.
1 O Sr. que tem urna carta vinda da pro
vincia das Alagoss, com una quanlia do di-
nheiio Dito pequea, e quo procurou, ha pou-
cos dias, no Convento do S. Antonio desla ci
dado a quem a entregar, quoira dingir-so
ra das Cru/es n. k\, que achara a possoa a
quem dte ser entregue a dita car'a. (7
4 Qual quer Reverendo Sr. Sacerdole qoe
qui/.er ser Coadjuctor da freguezia do N. S da
Paz dos Afogados annuncio por esta folha, pois
tem duas capellanas, urna nos domingos, e di-
as Santos, dentro da Matriz, e oulra as quintas
feiras, tambero dentro da Matriz ; alm dalo
lero 200 rs. de gratificado pagos da forma qu-
seco.nvencionar; a quem convier dirija-se ao>
Alogados na ra de Motocolomb n. 28. (9
2= Joaquim Paulo dos Santos annuncia ao
respeitavel publico quo est em negocio para
comprar a >enda cita noiltorro dos Afog8dos ,
pertencentea Antonio Jorge do Brito, bavondo
quem nclla tenha a propor algum conveniente
queira annunciar por esta folha para o depois
no se chamar a ignorancia, ficando assim sem
rosponsabilulade nlguma ao comprador. (8
2 Precsa-se de um caixeiro para se lhe dar
sociedadeem urna venda entrando com algum
dinheiro ; na ribeira da ISoa-vista venda n 1
1 Carlos Hardey $ Companhia estabelcci
dos no palco da matriz do S. Antonio n. 2, com
loja do ourives Bcab3o do receber um lindo
sortimento de obras do nuro do ultimo goslo ,
como sejao ; transelins para homem adereces
para senhora brincos, anneis, alfinetes cai-
xas do prala para rap maracaes para moni
nos ; na mesma loja se fazem encommendas de
qualquer qualidade que ellas sejao tanto de
ourives como de cravador. e compromettem-sc
a fazer qualquer obra do brilhautede goslo mo-
derno e fazem tambero qualquer concert do
ourives. (*3
2=Alugi-sc por prcoo commodo urna casa
confronte a entrada do becco do Pombal, na
Solidado, com todos os utensilios para venda :
a tratar na mesma casa, ou sitio. (5
2Eduardo Augusto Pereira Brandao, geral
e bstanle procurador do sua av D. Rosa En-
gracia de Santa Mara d'Abreu Brandio, mSi
o herdeira do fallecido Alipio Justiniano Perei-
ra, que nesta cidade ora vulgarmente conheci-
do pelo nome de Antonio Joaquim Pereira,
tem resolvido vender um magnifico sobrado de
dous andares e sotao, anda por acabar, na ra
do Apollo, e novo moradas do casas sitas cni
Fra de Portas ; quom as pretender pode diri-
gir-se ao hotel de Luii Pislor, na Lingocta. a
tratar com o mesmo. (12
6= A medicina popular americana e as
pululas vegetaes que a rouitos annos, estao em
uso ero todos os paizes tropicaes, tem so prova-
do como urna medicina ineslimavel, sendo pre-
parada de proposito para clima quenlo, o com-
posta de ingredientes que nem requerem d
nem resguardo e pode ser administrada a cri-
an^a mais tenra.
Cada caixinha leva o seu receituano, cusa
IjOOO risa medicina pupularo americana do
30 pululas, e 800 ris as pululas vegetaes do Dr.
Brandretb de25 pululas.
'Avisa-se ao publico que a medicina popular
anda nao appareceo falsificada e para maior
seguranca das verdadeiras pululas vegetaes,
vende-se de hoje ero diante cada caixinha em-
brulhada no seu receituario fechado com a firma
dos nicos agentes paro o Brasil uo Rio Janeiro.
Vende-se nesta praca em casa do nico agen-
to Joao Keltoc ra da Cruz n. !8, e per* maior
commodidade dos compradores na ra da Ca-
lioia em casa da Vuva Cuidoso Ayres, ra No-
va Guerra Silva e Companhia, Atierro da Boa-
vista, Salle* o Chaves. (24
2 Aluga-se urna casa terrea na ra da Con-
ce.'cao da Boa-vista com bastantes commodos;
o o armascm do sobrado n. $S, da ra larga do
Rosario proprio para algum cstabelccimen-
ln : o la O! bem urna casa a margom do rio Ca-
pibaribo ; a tratar no Atierro da Ooa-vista com
Ailrianno Xavier l'eroia e Brito. (7
3 R. C. Dlon retira-se psra o Rio Gran-
de do Sul. (2
3 Aluga-se o sobrado do um andar n. 49,
da rua Imperial do Atierro dos Afogados na
Iravessa '.lo Cima o qual lio proprio para ter
(amilia e escrlptorlu as tojas, quo esli bom
arranjadbs, tem quintal de boro taroanho e po-
co de boa goa ; a tratar na mesma rua so-
brido n. 39. (7
3_ Antonio Alvos Vianna embarra para o
Rio Grande do Sul a sua osorava Quitarla.
criedla 20.M.-Calliim g Companhia respeilosamen-
te avisSo aos senhores de engenho e ao pu-
blico em goial que na noia rua do llruin quo
paasfl por delrai do Arsenal de Marinha teem
estabelecido urna ferrara ( sendo a ultima do
lado do poente da mesma rua) onde Bzcm
oavill.es, atracadores, peraltaos de apertar o
outras frrragens para ehgenho, etwa trilhos o
outras fcrngens para carros. parafuros e por-
ras de lodos os tamaitos lerrageni para na-
vios, varandas, portaos, carros de .nao todas
us mais obras de ferreiro; o cuino os teui appa-
rolhos recentomoiitecliogadosdo Inglaterra sao
do primeira qualidade, promettem agradar aos
sous freguezos lanto na qualidade da roBo
d'obra como no procoe proroptidao. fW
2 lia p fino Vinagitiilto.
Jernimo da Costa Guimaraos e Silva, deso-
jando elevar o rap de sua fabrica ao ultimo
-rao de perlcic,ao mandn 6 Europa contrac-
lar com um perito fabricante a fdura do rap
do sua labfica, o qual, logo dep.is de sua che-
gada esta cidade, apresentou o excellentc rap
vinagrinho.
Esto rap nao he prcto he verdadeiramento
cor de rap: tal bo a sua preparaio, quo urna
oitava d'osle rap enalbada sobre um papel con-
serva por mullos dias a pouca humidade com que
he fbric;do;accommodailo a todas as diflerenles
naturozas, ello faz o seu oloilo sem que esti-
mulo aos tomantes e sem quo estos soflrao a
repugunaiicia que custumiio a sentir quando
variao para diflorenlos qalidades do rap ; as
hcelas, o es dedos nao se sujao coro esle rap ;
0 seu bom aioma, e loda ss mais qalidades o
torno rocommendavel aos apreciadores de urna
boa pitada: o papel de einbrulho bo azul, o os
rotlos hrancos. O proprielario.lendo em vis-
ta mais o crdito d'este rap, que os sous inte-
reces.tem resolvido mandar vendel-o as libras a
1400 ris, e a prego mais commodo do 5 libras
para cima : no deposito da rua da Cadeia do
Becife n. 50. (26
2=Aluga se a motado de urna casa a urna
Senhora capaz com pouca familia, no palio tio
Carino n. i\. na mesma casa vende so urna lua-
Iha da bretanha fina ida aberta de lavarinlo e
um berco ero bom uso com scus cortinados. (5
2__Tirn-se por engao urna carta do cor-
reio vinda do Porto ou Lisboa com o nom; de
Joaquim Jos Pinho quom for seu dono dirija-se
n rua da Cadeia no Rccife loja do fazendas n.
53. (5
3=Lim homem de meia dado e do boa con-
ducta se offerece a dar lices, em casas particu-
1 ires.de primeiraslettras.contar.grammalica por-
tugus, e francez, con. todo o melindre, por
preco commodo na rua Nova n. 67. (5
Extracto da Gazela dos Jribunaes da Helaco
do liio de Janeiro nurntro 168 de 9 de Se*
tembro de 1844.
Rerorrenles D Marianna Thereza de Jess
Siqoeira routros. recorrido Antonio Perrei-
ra:' foi relator o Ulm. S. escmbargador Si-
mos; julgou-sc havir por subsistente a posse
tomada pelo recorrido em toda a casa da ques-
tfio o tor o mesmo recorrido dircilo a totalida-
de das cusas: este jolganicnto foi em 6 de So-
tembro prximo passado. (10
LOTERA DE S. PEDRO
MARTYR DE OLINDA,
Nao pode tr lugar o andamento das rodas
desta lotera no diu O do corronto, em conse-
quencia de existir grande quantidado de bilhe-
tes anda por vender; porrn tora agora inal-
liveluiente no dia 6 do mez de Novcmbro vin-
douro por assim ler delerminadoo Exm. Sr.
Presidente da provincia, ou antes disto se se
venderem o restante dos buhlos. Os ditos bi-
ll.etes acho-so a venda na rua do Cabuga tojas
dos Srs. Pereira & Guedes o nos mais luga-
res annunciados. (15
3 Os abaixo assignados lazem publico, que
a venda das casinhas da ribeira da Boa-vista,
quo peitencia a Jos Soares Pinto Corroa Oca
de ora em diante girandj sobre a firma social de
Soares Pinto \ Teiterra. !5
o Olloreco-se um homem casado para lei-
tor de algum sitio, olaiiu ou para administra-
dor de alguma obra do quo tem conhecimen-
ts, e presta fiador a sua conducta ; quem o
precisar annuncio. (5


4
= OfTcrrce-se um rapaz Portuguezdo !8an-!2 Casa de cominiado de aeraros.
nos, para caixeiro do venda do que tom bas-! Na ra Direita sobrado de 2 aDdarcs n. 3 ,
tante pratica ou para outra qualquer arruma- d fronte do becco do S. Pedro conlinua-se a
cao o qual da fiador a sua conducta ; quem roeeber escravos para se venderis de cornrr.is-
de sen presumo se quCi uiiiisar, dfrij.-sea sao sem se levar por este trabalbo mais do
ra do Queimado n. 29 luja do Novaes. 2 por cont oftorecendo-se para isto toda a
Arrenda-se um arn.asem na ra de Apol- soguranca nocossaria. (7
lo, muito grande todo travejado e cstivadoj 2 Procisa-se le urna ama que tenha bas-
de talioas cujo pateo est prompto a receber| t.intc leito eaindanova, sendo agrade, paga-
maisdo 4000 barricas com muito bom ombar- so generosamente ; na ruado Gollegio n. 21 ,
terceiro andar. (4
2 Quem quiser tomar lettra sobro o Rio de
Do-so 300^ rs. a juros sobre penho'res Je Janeiro pela quantia de 400# rs. paramis,
que ; a tratar com Manoel Antonio da Silva
Motta na mesma ra de Apollo n. 31, u 27.
ouro ou prata ; na ra do Mundo novo n. .'>8
Precisa-se de um caixeiro para padaria ,
de U a 20 annos ; na ra Diieita n. 09.
O Sr. A. K G. queira ir pagar a quantia
de 12^ rs., que pedio a Valentim Jos Corroa ,
do contrarise proceder judicialmente.
Aluga-se o sifio*du Joaquim Coelho Cin-
tra no Caldeireiro por preco com modo ; na
ra do Queimado loja de ferrageni n. 4. (4
Tirou-se por engao urna carta do cor-
reio para Manoel Ferreira Barbosa ; quem or
seu dono dirija-se ao pateo do Carmo n. 17 ,
que lhe ser entregue.
Em Fra-do-portas n. DI lava-se o en-
gomma-se roupa por proco commodo.
I'rocisa-se de um cosinheiro ; no bote-
quim da Estrella.
I)o-se 400^ rs. a premio sobro liypo-
theca em alguma negra que saiba cosinhar o
engommar flcando os juros pelo servico da
dita negra ; a quem convier, dirija-se a ra do
Rosario da Boa-vista n. 44 a fallar com Cus-
todio Jos da Silva.
Nodia 2.) do corrento, as 4 boros da
tarde na porta do Sr. I)r. Juiz do Civel da se-
gunda vara se ha do arrematar um escravo
penhorado a Antonio Jos Pinto por execu-
co que contra elle move Elias Emiliano Ramos,
I)-se sociedado na padaria da ra da Glo-
ria n. 55 a quem tenha algum conliecimonlo
da arte do padeiro e que abone sua capacida-
de; quem estiver nestas circumstanctos diri-
ja-so a travessa da Madre de Dos, padaria n.
1t, a fallar com Manoel Ignacio da Silva Tei-
xeira.
Quem se quizer cncarregar de altcrrar um
terreno, dirija-se a ra ostreita do liosario
botica n. 4).
1 Venda em hasta publica.
Sab".ado, 26 do torrente diez de Outubro,
pelas 4 horas da tardo i m preter cimento a'
porta doSr. I)r. Juiz de Dinito Nabuco da
segunda vara rto Civel se bao de arrematar
em basta publica, 7 1 saccas do larinha de man-
dioca mofada entrando duas avahadas por
tonta o risco do quem pertencor vindas da ci-
dade da Rabia no patacho Cuncei{-do do queJ
he capitao Joaquim Jos Antonio cujas saccas
orao avahadas por l\ff rs. c so acho no ar-
masem de Femando Jos Braguez para os
pretendesites a verem na ra da Cudeia junto
ao aico da Conceicao n. 04. (14
1 Aluga-se na cidade deOlinda, na ra
deS. Bonto um s.,brado com bastantes com-
modos para so passar a lista por preco rasoa-
vel ; a tratar na mosma cidade na ra do Am-
paro na primeiracasa que principia a ra
dos Gatos ou na ra do BomSucesso, casa do
KCrtvaoda colecta Joao Goncalvos Rodrigues
Franca. (S
1Gaspar da Silva Fres embarca para o Rio
de Janeiro o seu escravo pardo do nomo Do-
mingos .;
1~ Precisa-sede dous meninos, de 10 a 12
annos, dando-se o sustento e roupa para
trabalhode olaria, at quando cstiverem amos-
trados de galibar; as Cinco-pontas a fallar
ou minos, dirija-se a ra da Cadeia-velha'
n. 16. (4
2Aluga-so por preco commodo urna casa
terrea atraz da matriz da Boa-vista com duas
salas, (i quartos, cosinha fora quintal mura
do ; a tratar na ra da Aurora n. 58. (4
2 Precisa-so alugar urna preta moca pa-
ra o servico do urna casa de pouca familia ; e
toma-so um moleque, ou mulatinho para
aprender o oflicio do soleiro ; na ra Nova n. 5
2 Aluga-seo terceiro andar do faqueiro ,
na ra Jo Amorim ; a tratar no ra do Quoima-
do loja n. 9. :3
2 Ezequield licSesde dansa na traves-
sa dos Etpostos n. 18, segundas, quarlas o
sextas feiras das 7 horas da nouto at as 9 ; e
lambom a toda e qualquer hura do dia que
convier uos discpulos. .5
3 Na padaria do arcal das Cinco-pontas,
d-sc pao do vendagoin e paga-so bem pago ,
tanto o pessoas captivas como forras. (3
3 Manoel Jos<> Machado Malheiro embar-
ra para o Itio de Janeiro a sua escrava Thoresa,
do naci Baca.
3 Rufino Jos Corroa de Almoida embar-
ca para o Rio Grande do Sul os sous escravos
Francisco oJoanna ambos crioulos. (3
3 Aluga-se urna boa casa para so passar a
festu capaz de conter grande familia], no P-
Co-da-paneila defronte da casa do Snr. Pedro
Jos Carneiro Monleiro ; quem a pretender, di-
rija-so a follar a Manoel da Silva Nevos em
i'Y>ra-de-portas. |G
2 Precisa-so de un ofileial de cliaruteiro ;
em Fora-de-portas, ra do Pillar n. 118 (2
2- Vende-so bichas grandes o pequeas ,! Vilete, graxa inglesa mullo boa; na ra do Rn.
chegadas ultimamonte e despachadas no dia 1 8 sario vindo pelo pateo do Collegio a primeira
do correte, muto boas e troco-seas que na o loja n. 18. .
.., nr nrory, commodo; na ra da Cru s Vend"-se manida inglesa a 610 e 720 rs.
i. 62 e'na ra d Vigario n. 20. ti e francesa a 000 rs., cha de caxa grande a 2# e
2-Vende-se rap princesa meiogrosso e gros- 2400 rs., biscouto franco/, o mais lino possivel ,
so de Gasse em botes e a retalho ; na pra?a da em massinhos de duza a 20 rs. uvas a 5?o
Independencia, loja do Arantes. (3 rs a libra pacas a 280 rs. amendoas con.
2 -Vende-se, por muitj co:nmodo preco urna casca a 280/s., bolaxa ingleza a 240 rs. lotrfa
casa na ra de 9. Francisco emOlinia, com a 260 rs. n
commodos, o propria para so passar a testa ,
e tomar-se banhos salgados ; e melado de ou-
tra nesta cidade, na travessa do Dique, que
rendo mensalmento 10^ rs. ; a tratar no Atier-
ro dos Afogados n. 30. (7
2 Vende-se a fabrica de charutos da ra
eslreitado Rosaran. 2o armaco e todos os des a 280, ditas a 80 o 120 rs batatas a 50 rs.,
mais perlences ; na ra larga do Rosario n. 32 graxa a 150 rs. ceneja a 5/ rs. a duza o
2 Vendem-se superiores charutos de re- 440 rs. a garrafa, paneiros com sal do Maru-
galia, em caixinhas de 100 e chegados da Ba- nho esleirs de Angola a 320 re. vinbo de
bia pelo ulti.no vapor; na ra da Cruz n. 37, Lisboa a 220 rs. agarrafa o a caada a 160
casa de Novaos & Companhia. (4 rs. vinagro muito forto a \g rs. a caada e
2 Vendem-se, ou troc5o-se duas vaccas 140 rs. a garrafa azeite doce a 400 rs. fari-
prenhes estando urna prxima a parir, por nha de trigo a 80, 00 o 100 rs. e todos os mais
urna junta de bois mancos j costeados em car- gneros por proco commodo ; na ra larga do
ro voltando-sede parte a parteo queso con- Rozarlo venda da esquina n. 39.
vencionar; na ra largado Rozario n. 18. (5 Vende-se urna canda grande, que servo
2 Vende-se bolaxa de 6 a 1 i palacas a ar- para familia nova ; atrat do Corpo Santo, lo-
roba cde70rs. al20 a libra, sondo a pri- ja de louca n. 08.
meira muito commoda para casas do familia; Vendc-se o novo c velho testamento em-23
na padaria junio ao quartel de Polica n. 1S. (4 volumes as ordenaces do reino em 3 v. o
2Vendem-se cadoiras americanas com as- diccionario de Moraes da quurla edicao pri-
rs.
Lisboa a 280 rs. espermaceti a 800 e 880 rs. ,
larinha do Maranho a 60 rs. covada a 80 rs.,
covadlnha de Franca a 210 rs. carnauba a 320
rs., caf em grao a 140 rs o moido a 200 rs. ,
toucinhode Santos o 180 rs. lnguicas a 360
rs. paios a 2500 rs. a duza, quartinhas gran-
sentode palhinha ditas com assento de pao ,
camas do vento com armacfu marquesas', com-
modas mesas do janlar, camas do vonto a
4>00 rs. ditas de pinho a 3500 rs. pedras de
meiras lindas do Pereira e Sousa em 2 v. ca-
lipino em 2 v. e a recreato philosophica em
10 v. ; na ra das Cruces n. 14.
1Vendem-so barricas grandes e pequeas
Compras
3 Compra-se papel para embrulho a 2720
rs. a arroba ; na ra da Sonzalla-velha n. 90 ,
e em Olinda na ra do Amparo, venda n. 7. (3
2Compro-so efTectivamenlo para fra da
provincia escravos de ambos os sexos de 12 a
20 annos agradando pago-se bom ; na ra
da Cadetada 8. Antonio, sobrado de um an-
dar de varanda de pao n. 20.
2 Compra-se uih chronnmctro ; quem ti-
ver annuncie. (2
Compra-ss um missal e ornamentos para
inissa anda nao sondo completos; na ra do
Gollegio, venda n. 12.
Compro-so plumas brancas ordinarias ;
no theatro a fallar com o empresario Gamboa.
marmoro redondas o quadradas, rotim superior, do escolenlo cal virgom por mais barato pre-
taboado de pinho da Suocia e americano ludo c doqueom outra qualquer parlo ; no Ira pi-
se vende mais em corita do queem outra qual- che da Alfandega-velha a tratar com Henriquo
tom Ignacio Ferreira da Costa.
1
Vendas
lo
Aluga-se urna casa torrna ptima para
se passar a fasta; em Olinda, na ladeira do
\aradouro, da parte Ja sombra, com bom
quintal com aiguns arvoredos ; a tratar com
Joaquim Lopes do Almeida caixeiro de Joao
Malheus. /6
1 U abaixo assignado az publico, que tem
traspassado desdo o dia 17 do corrento o de-
posito do atracar que (Irma na ra estreita do
Rosario n. 34, a Jos Olas da Silva Cardea!, a
quem competem todas as dividas pertcncentes ao
n/esmo estaneleciincnto ; nao podondo deixar
do declarar em abono da verdade, que doran-
te o periodo de 3 annos o meio, que o dilo Car-
deal foi seu caixeiro sompre mostrou zelo e
aclividedo no desompenho dos seus deveres c
toda a fidolidado em suas tontas. Bernardo
Jos da Cosa. 12
I Manoel Antonio da Alcntara faz soieii-
te ao respeitavel publico que pretende com-
prar a armaco da venda da ra Direita n. 8, ao
Sr. Vicente Ferreira Gomos, cuja armaco o
dito Sr. a recebeoem pagamento dos alugueis
da casa em que eslava establecido o Sr. Jo8o
Jos de Moura. '7
Precisa-.se alugar um preto para serven-
te de pintores que seja fiel ; na ra das Cru-
xes n. 28, loja de pintor e vidraceiro. 3
9 Aluga-se o armasen) n. 10, sito na ra
do Torres, no Recito, pertencento a Ordern
terceira de S. Francisco desla cidade; quem o
pretender, requeira a mesa regedora da mes-
ma ordem entregando o requerimento ao se-
cretario para o nnri'<<>nir a mesa. (
2- Antonio Jos de Souza com loja do louc-i
na ra do Queimado n. 32, faz sfente ao res-
peitavel publico, que por ha ver mus pessoas
do mesmo nomo de hoje em diante so assig-
5Vende-so um bom cavado bastante gor-
do, muito novo, ruco-pedrez carregador bai-
xoat meio muito passeiro e sem achaques ;
nos Afogados ra do Motocolomb n. 28. (4
4 Vende-se cobre para forrar navios do
18. 22e24oncas em porcoes grandes e pe-
queas por proco commodo ; em casa de Me,
Calmont Companhia na praca do Corpo
Sanio n. 1 (5
3 Vende-se superior vinho do caj en-
garrafado, por preco commodo; na ra do
Queimado casa amarelia n. 29. (3
3Vendem-so sacas com muito boa larinha
de mandioca por preco commodo ditas com
millio o arroz do ^sea ; no armasem do Bra-
guez ao p do arco da C-mceico junto a bo-
tica. (5
3 Vende-se vinho do Bordeaux do muito
boa qualldado, em coixas do duzia ; na ra
da Senzalla-vi Iba n. 1.18. (,{
3 Vende-se um sobrado do um andar o 2
solaos na ra do Fogo n. 17 em chaos pro-
prios ; a tratar na ra estreita do Rosario o.
10, terceiro andar das 10 horas da manhaa
em diante. 15
3 Vende-se um cavado pequeo bom car-
regador baixo o qnyl serve pura menino na
ra da S. Cruz n 78. 3
2 Vende-so urna cadeirinha um piano de
muto boas vozes macacos do estivar algodo
e botijes de oleo de linhaca ; na ra do Amo-
rim n. 15. (y,
2Vende-se, ou troca-se urna casado sobra-
do na ra do Arago por outra terrea no
bairro da Boa-vista ; na ra da Gloria casa ao
p da fabiiea do Gervasio. 14,
2 Vendc-se com alguma espera dando-se
bom fiador, as drogas medicamentos e ludo o
mais que pertencia a botica quo existia as
tojas do sobrado sito na ra Direila n. 120, que
quer parte ; na ruada Florentina n. 14. (9
2 Vende-se muile bom fio para sapateiro ,
em miadas a 400 rs. a libra ; na ra estreita
do Rosario n. 13. ,3
2 Vende-se urna escrava do 24 annos de
bonita figura cose muito bom cosinha en-
gomma faz lavarinto e h muito boa quilan-
deira s so vende para lora da provincia, o
motivo so dir ao comprador; na ra do Agoas-
verdes n. 23. 6
2 Vende-so urna ptima thesoura francesa
para alfaalo, ouseleiro; na ra Novan. 28.
2 Vende-se um escravo cosinheiro, proprio
para casa francesa ; na ra de S. Rita n. 85. (2
Vende-se muito boa bolaxa ouca tura-
da de todos os tamanhos e muito em corita para
vendas, para o matto, e para casas particu-
lares excedente biscouto doce eso com sal,
e bolaxinha doco ; na praca da S. Cruz, pada-
lia de urna s porta junto ao sobrado.
Vende-se um terreno a margem do rioCa-
pibaribo com 240 palmos do frente e 100 do
fundo; tambem se divide em pequeos terre-
nos, por pieco commodo, 00 alinhamonto do
Sr. Nicolao, com (rente para o oito do thea-
tro publico ; a tratar na ra da Cadeia do Re-
cito n. 51 punidlo andar.
Vendc-se um obra publicada no Rio de
Janeiro no anno de 1843, intitulada Dicciona-
rio de medicina popular, pelo Dr. Chernoriz ,
em queso descrevem segundo a ordem alpha-
betica eem lingoagem vulgar, ossymptornas,
as causas eo trata ment das molestias os soc-
corros que se devem prestar nos accidentes s-
bitos os contra venenos de lodosos venenos
conhecidos, os preceitos para a conservaco da
aude as plantas ; a preparafo dos remedios
caseiros ; dous volumes em qusrlo contendo
0o0 paginas preco lOi' rs. ; na ra da Cadeia
do Recito loja de Joao Cardoso Aires.
Vende-se um arado novo e de ptima in-
vencSo por preco muito emconla ; na ra da
Cruz n. 26.
Vendem-se, arrendo-se e albrao-se terre-
nos que foro do engenho da Torre na snar-
gem do rio Capibaribe como na estrada nova ;
a tratar no mesmo engenho com um dos seus
propriclarios. /,
Vendem-se pennas de eme ; na ra do
Sebo n. 37.
Vende-se urna mulata do 16 annos, en-
gomma e cosinha ; um moleque de 10 annos ,
bom pagem, e serve muito bem a urna casa;
urna negrinha de 10 annos, propria para mu-
cama de alguma menina ; um preto de 24 an-
nos olficial de pedroiro ; dous prctos pro-
prios para o servico do campo ; na ra do Fo-
go ao p do Rosario n 8.
Vende-se urna porcao de arrobas de
chumbo de manta j usado, urna porcao do
frascos do vid.ro do bocea larga proprios para
botica ou outra qualquer cousa ; na ra No-
va, venda n. 65.
Vende-se mel de furo a 160 rs. a caada,
da medida velba oleo de linhaca a 320 rs. a
libra ; no pateu do Terco, venda n. 7.
Vendcni-si- 5 escravos sendo duas mu-
latas do bonitas figuras e com habilidades ,
urna de 1 annos e a oulra do 20 ; duas negri-
o
Mara Pereira (uimaraes.
I Vendem-se passas novas e grandes a 32o
rs. a libra chocolate do Lisboa a 320 rs. a li-
bra o 80 rs. o pao choun'cos novos a 300 rs.
de urna libra para cima loucinho de Lisboa
mu alvo a 280 rs. e de Santos a 200- rs. o
verdadeiro espermacete amoricano de 6 em li-
bra a 880 rs. dilo de composico a 720 rs. ,
velas de carnauba de t o 8 em libra a 320 is. ,
hervidlas novas a 160 rs. caixas com 2) cha-
rutos de Napoleo a 1500 rs. e o masso a 200
rs. esleirs de Angola a 280 e 320 rs.; na ra
das Larangeiras 11. le.
1Veiide-se setin preto do Macu do boa
qualidade, e damasco de soda da India, pro-
prio para grojas ; na ra da Cruz n. 2. 3
1Vendem-se, sem feitio 157 oitnvas do
ourodelei em um par de dragonas urna
cora velha urna guamieao do florete dous
pares de casticaes, um prato e the.-.jura do pra-
ta da moda os mais modernos e delicadas,
quo pdem existir; na ra das Trincheiras
n. 18. i7
IVende-se urna preta do meiaidade, boa
quitandeira cosinheira e lavadoira; na ruadas
Gruzes no primeiro andar do sobrado da es-
quina defronte da praca da Independencia.
1Vendem-se dous escravos de boas figuras
o moeps, proprios para todo o servico; na ra
da Cadeia de S. Antonio por ci.nn da loja do
chapeos n. 2o. (4
1Vende-se urna casa torrea com quintal e
chaos proprios, na ra Velha n. 1)4 ; a tratar
na mesma easa. (3
1Vendem-se, para liquidar cmtas, apparo-
Ihos para cli de porcelana dourada du/ias
de chicaras e pires dourados para cl. mangas
lapidadas campoteiras grrulas, copos c-
lices lapidados para vlnlio p uta-licores ga-
iheteiras pura a tos, vidros por menos do quo em outra qualquer
parto na ra da Cruz n. 62. (8
I Vende-se um venda com poucos (undos ,
e l.uiis commodos para familia na ra do Pa-
dre Floriano n. 72; a tratar na mesma. (3
I Vende-se potassa americana e russiana ,
cru barris pequeos muito nova, chegada l-
timamente ; na ra da Cadeia-velha armasem
n. 12, de Henrique Bernardos de Olivoira
Companhia. (5
1 Vendem-se barricas com farcllo muito
ervo chegado ltimamente do Lisboa pelo
ultimo navio por preco commodo ; na ra da
Cruz n. o2. (4
1Vende-se una meia-;goa na travessa do
Dique, por proco commodo; as Cinco-pontas,
venda pintada de amarello n. 39. (3

W.

unas de 10 a 1 annos, proprias para lodo
servico, e um preto canooiro de 30 annos ; na
ra do Rosario da Boa-vista n. 48.
Vende-se cha hisson da melhor qualida-
foi penhorada ,0 arrematada em praca publi- A? a 250 rs. a libra, chapeos de palha do Chile
nar Antonio Jos Vieirade Souza.
[6
ca por divida nao lendo j a armaco ; a Ira-
lar no primeiro andar do mesmo sobrado. (7
2 Venderse urna missa em orchestra de-
nominada a Formiga exactamente copia-
dj em parles completas vinda ltimamente d
(enformadosa 3800 rs. e por enfermar a 3400 rs.;
superiores charutos de todas as qualidades, bem
como os verdadeiros regada nonplus-ultra a
'200 rs. a caixinha do 100 ditos meto re-
llla a 1200, 1500 o 2 rs. ditos da Caclmeira,
cidade do Porto ; na ra larga do Rosario, lo- inania, flavina, amburgo e Manilha rap Vi
ja de miudesas n. 22. (5 nagrinho Areia preta, princesa do Gasse e
2 No dia 18 do correte fuglo um preto de
nomo Jos de naco da Costa mas nao tem
lalhos baixo, sebeo, ps pequeos, levou ca-
misa do algodao, com mangas curtas, calcas
brancas, tem urna belida pequea ro olho es-
querdo faeearnicelro trabalhava no acougue
do pateo de S. Pedro; quem o pegar, levo a ra
das Larangoiras n. 20, que ser bem rocoiripou-
sado. (9
t 2 Fuglo nodia 16 do corrente do sitio
Cajueiio urna cabra de nonio Luzia quasi ne-
gra. Ainda est sumida a crioulinha de nomo
Maria da Conceicao do 11 annos quesdjul-
ga ter sido tortada desde Janeiro ueste auno ,
ho bal xa pouco fula, grossa do corpo ; e tam-
bem o moleque Lona-neo, que se acha fgido a
lempos; qoom os pegar, leve ao mesmo sitio,
quesera gratificado.
Roan wTvp. oe ai F. m: Fauia.- 8H.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EC1P0PXY5_843ERS INGEST_TIME 2013-04-13T00:31:02Z PACKAGE AA00011611_05206
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES