Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05198


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Aio de 1044. Segunda Feira i 4
i, i'i imwinpiiii i
O J>4RIOpublc*rfii lodos 01 das que au fur.-ni santificados : o prego da aulgnalura
he dv lr8S m'' Pr <|uarlel 'os adiantedos Ot annunciosdn* asaignantei lo inseridni
pratis, os dos que nao forera i raiao do 80 res por linha. Ai reclaraaoes deem sor diri-
gida 4 M.Iyp., roa das Grates: n. Ji ou a praga d Independencia loja de lirroen. ') c S.
;..:
PARTIDA DOS CORREROS TERRESTRES.
GoiArlNA,(] I'arabyba, secundase aexias feira.Rio Grande do Noria, obega a 8 22 e par-
te 440c'2i,Cabo, Scrinbaem, Hio l''orra*io, Macey, Pono Cairo, Alagoas: no 4. = ,
44 i 2 4 da fiada me:. Garenbuns e Bonito a 10 r -'4 '!e cada met aoa-Tsla e Flor
ea e I. : J uto. Cidade da Viatori, quintal fuiras. Olinda todos os dias.
DAS da semana.
14 Seg a. Callista Aud. do J. de D. da 2. t,
45 Terca, a. Tliereza de Jostii. Re. aud. do J. de D.da 3. t.
46 Quera s Martinian. Aud. do J. de D. da 3. r,
i 7 Quii* a. Hcduvirgcs Aud. do J. de D da 2. t
48 Sexla s Lucas. Aud. do J. de da 2. t.
4 -0 Dotn s Jo ni Caneio.
BCMMMnBlaWtC'SI Dad 2XB BUI anaaatl
de Outubro
Auno XX. N. 250,
1
ludo ajota ;. noS mesmos; da aoMi |
.'UOJ ,
crata i's
(I'r,, .al do Brar.il.)
' Cambio* obre Lograres '- i o J noui,
/' a ii i'arit *8 I r< p i |
a a I.isbi'i
U sobra1 ao par.
dem de letras Je bas (rail
r
8 US 01 compra yenda
Oare-M 47,7
ii ii N. 17.300 17,4011

Prata ->'; 1 '.'-.i
l'rsu* colun .',Mj0
h Ditos m.-a. i 98a
FHASES DA LIJA NO HEZ DE o Ti BRO.
La elisia a'ifias J I. ,ra^ r ti aui, da m Luanora a 44 a* 9 b. e 4 alio, da liria.
Itlingtiante a 1 al -' bofas e J rain .-.i tarda Crcvi-";.: i I ou 53 i. Urde.
Prtamur de hojje,
Prinultl ifl aorat e rain Si da maulia.i ISrgundo as 7 borai I 5 ? minuloi da larJ
imnmailf
DIARIO DE PERNAM
ERRATAS DO N. 228.
Na pagina primeiracolumna 4.* linha li.'cm
lugar de inferir deve lor-sc infer.
Na mesma columna linda 48 om lugar do a
tninha oraedo he procurar parteira Icia-se a
melhor oraco he procurar partoira.
Na pagina 2.a columna 2.a linha 81 om lu-
gar do vontade he acto externo: devo ler-se von-
tade he acto interno.
tvaaasaBBKSssaa snannnc. ^am _l:_
.- ..
|T......." ---"
f%l
L.
Bisparfo de Pernambuco.
CIRCLVR DIRIGIDA AOS REVERENDOS PA-
R0CU0S DESTA C1DAUE.
Comparecendo no dia d'hoje em nossa pro-
senca o Rev. Antonio Jos deSousa, para com
profundo respeito, humildade e sincero arre-
pendimento, reconhocer, como roconheceo, o
orro que havia commettido cm negar-nos a
obediencia que nos dove, o a Santa Igreja, e|a
retratar-se. como se retratou,[dos excossos per-
petrados, supplicando perdo a Dcs o a nos do
escndalo que occasionra, e protestando desdo
ingenuo creaca a todos os mystcrios da nos-
sa Santa Religiao, determinado a tributar-nus
d'ora em dianto legal obediencia, e a seguir
fielmente a doUtrina da musma Santa Igreja,
para que o absolvessemos do todas e quaesquer
irregularidades, em que tivesse incorrido ; nao
hesitamos e,m annuir benignamente ;i sua sup-
plica, absolvendo o das censuras, e dispensan-
do-o das irregularidades ja mencionadas, para
oxorcer licita e livremente o uso desuas ordens,
aoqual, por este'acto de nossa jurisdiccao, fi-
cou restituido. O quo participamos a Vmc. pa-
ra sua inteligencia, o plena satisfacao pola pra-
tica d'um faci, do qual julgamos resultar glo-
ria Dos, victoria e triumplio a nica verda-
deira Religiao, c honra ao Sacratissimo Sacer-
docio.
Dos guarde a Vm. Palacio da Solcdade, t.
de Outubro de 18 \\. Joao, Hispo Diocesano.
H*g.-'H,I,SWMM........ W.....>lMMUiaiyaaaMa>aaaaa1
'i
Temos recebidosuccessivamente jornaes fran-
cezes que nlcanco a 2 de Sotombro prximo
passado e inglezes ate 4.
A 9 de Agosto tinha sido adiada a sessao da
Cmara dos Lords para o dia 2 do Setembro ,
e a dos Communs para o dia 5, a on de so tra-
tar n'aquclle dia da causa de O' Conneil c ou-
tios contra a Rainha, na cosa dos Lords, cons-
tituida em supremo tribunal de appellagao pa
ra o reviso do processo: o que devia de ter lu-
gar antes que se cncerrasse o Parlamento.
Em consequencia, reuniro-se os Lords no
referido dia 2 de Setembro e tomando-sc em
consideracao a quustao do O' Conneil e seus
companheiros, depois de.lerem nove Juizes ex-
pendido as su as opinies sobre ella, mandrao-
se imprimir para serom discutidas rro dia 4 no
qual.tendo os Lords Chanceller e Brougham
sustentado o julgamcnto do tribunal inferior ,
e proposto que fosse confirmado, opinarao em
sentido contrario os Lords Donman.Cottenham,
e Campboll, concluindo esto que o julgamento
devia ser revogado, sob os fundamentos de ser
illoga! a organisncao do Jury que o tinha pro-
ferido, e de nao terem os reof'commettido cri-
mealgum, ou infraccao dejei, nem haverem
sido de tal convictos.
O Lord Chanceller po^Jitao votaco a e-
monda do Lord CAnmJ>'', e tondo o Lord
WharnclilTe (quo estavTsntado e coborto) re-
commendado que aquellos Pares que nao erao
locistas, 0 09 quo nao tiiihSo assisiido a toda a
discussfo, seabstivi'ssem de votar, foiestare-
commendacao apoiada pelos Lords Brougham e
mphell ; pelo que relirrBo-fc os Lords
os, r. posta mitra ve- v
mi por tanto
nell e
inhoiros no tribunal inferior.
NTRADO
O Kvening-Mail declara-so autorisado para
contradizor a seguinte asserco, quo tinha
apparecido as columnas do Morning-Post ,
quo se diz geralmento bem informado :
i-'oinos informados sob autoridade que nos
affirmrao ser boa, que he chegada urna crise
importante as relajos entre a Inglaterra o a
Franca.
Segundo a nossa informaeo, a recepcSo
da noticia do bombardeamento de Mogador foi
immediatamcnto seguida do despacho d'um
corroio especial a Pariz como portador de u-
ma communicacao de Lord Aberdeen a Mr.
Guizot. Diz-sc ter S. Ex. pedido a immo-
diata evacuaran da ilba de Mogador pelas
forcos commandadaspor S. A. R. o Principe
do Joinville, e haver intimado que, no caso de
negativa de se retirarem as tropas Francczas, se
tomariao logo as medidas dictadas pelo uso cs-
tabelccido om semelhantes circunstancias.
O profundo interesse envolvido n'osta as-
serco faz-nos lastimar quo no periodo em
quo escrevemos, nao nos seja possivcl, segun-
do a nossa noticia, affirmarou negar a veraci-
dade d'ella.
Havia razao para crr-se que,, logo depois do
encerramentodo Parlamento.e apenas a Rainha
se achasse assaz vigorosa e restubelecida para
poder supportar o incommodo d'uma vagem,
honrara outra vez os seus subditos Escccczes
com a sua presenca. Um jornal francez an-
nuncia tambem a ida da mesma Rainha Ir-
landa no mez de Setembro, comofim, dizia
elle, de mandar por om liberdadea' Conneil
e seus companheiros de prisao.
O Conde de Abordcen tinha convocado um
Concclho do Gabinete para o dia 2, afim de
tomar em consideradlo a resposta do Govorno
Francez ao ultimo ultraje feito ao Cnsul In-
glcz-em Taity.
Tinha chegudo Inglaterra o Principe Real
da Prussia, Guilhefme, e desembarcou no dia
13 de Agssto com todas as honras devidas a sua
alta calhegoria.
As noticias mais importantes da Franca, cujo
primeiro annuncio foi recebido em Pariza2.'i
do Agosto, relerem-se as que constao dos des-
pachos telegraphicos e documentos officiaes do
Principe de Joinville e do Marechal Bugeaud
sobre o bombardeamento de Mogador, depois
do de Tnger, a oceupacao da ilba quo domina
aquolla cidade e a batalba de Ysly, como verao
os nossos leitores nos referidos documentos que
transcrevemos em lugar competente e que an-
nunciao a conclusao da guerra da Franga com
Mar reos
No dia 29 ou 30 de Agosto tarde chegrao
a Pariz Hussein-Bey, 3.filhode Mehemet-Ali,
e Ahmet-Bcy, primognito de Ibrahim-Pach,
acompanhados por Stephar-Effendi, que exor-
cia no Cairo as luncoes de membro do Concelho
de Justica e ora est encarregadoda direevao su-
perior ilos estudos quo os Principes foro con-
tinuar em Franca. Elles sSo quasi da mesma
idade de 18 a 20. annos Hussein-Bey era no
Egypto discpulo da escola de cavallaria ; e
Ahmet-Bey destina-se artilharia. Dizia-se
que deviao demorar-se em Franca por espaeo
de 5 annos. Trnta mocos das primeiras fami-
lias do Egypto foro tambem com ellos para
servir-lhes do companheiros.
FRANCA.
DESPACriOS TELEGRAPHICOS.
Marselba, 22 d'Agosto do 18>4 as 5 horas
dcTtardeT
O Governador/General d'Jlgeria ao Sr.
Ministro da Guerra.
a. BivouacdeKoudiatAbderrahman, 14.
Tcndo marchado sobre o exercito marro-
quino que se lornava cria dia mais forte inaSo
ameaiador para Algeria encontroi-o a 14 ,
duas iegoas adiante do seu acampamento.
File tomou a offensiva'com 20,000 cacal-
ios no momento em que as nossas cabegas de
columnas passavao o Ysly. Fomos cercados por
todos os lados. Ficou-nos a mais completa vic-
toria. A nossa infantaria de urna extrema so-
| lidez, c um pouco mais tarde a nossa cavalla-
raria, fizerao prodigios de valor. Tomamos
successivamente todos os arraiaes quecubriao
um esparojde mais de urna legoa.
Onze pecas de artilharia, dezaseis bandei-
ras, 1,000 a 1,200 barracas, entro as quacs
as do filhodo Imperador o seu guarda-sol,in-
signia do governo, toda a sua bagagem pessoal,
urna grande quantidade do municoes de guerra
e um despojo immenso ficro cm nosso po-
der.
O inimigo deixou cerca do 800 morios no
campo da batalba.
As nossas pordas, ainda quosensiveis,
sao leves para um dia tao capital que chamare-
mos o da batalha d Ysly.
Bayonna, 2G do Agosto do 1844, as 2 ho-
ras e meia.
Mogador, a 17.
O Princepe dt Joinville ao Sr. Ministro da
RIarinha.
Alo atacamos Mogador.
Depois de termos esmagado acidado o suas
bateras, tomamos posse da ilba o do porto.
Setenta e oilo homensdos quaes sote Offi-
ciaes, forjo feridos ou morios. Occupo-mo
de instaurar a guarnicao da ilba. Puzoporto
em estado de bloqueio.
Por copia conformo :
O Vice-almirante Par de Franca, Ministro
da Marinha e das colonias, faro de Ma-
ckau.
A resistencia pareco ter sido mais viva em
Mogador do que em Tnger : tambem a victo-
ria ho por isso mesmo mais gloriosa I
Occupando-se um ponto que domina a Mo-
gador impedo-se que as fortificagOes d'esta
cidade sejo de novo levantadas, e conserva-se
urna brecha aberta para penetrar no interior do
imperio, caso que as lices quo os Marroqu-
nos recebrao, nao bostassem para trazel-os a
urna composico.
Por um despaeho telegraphico do Alhenas,
datado a 20 de Agosto e publicado pelo Gover-
no Francez a '28, constava que Mavrocordfttoe
seus collegas derao a sua dcmisso, e que foi
aeccita. O Rei havia encarregadoa Coletti de
organisar um Ministerio. Aseleicoes de A-
thenas forao suspensas por alguns dias. A ci-
dade eslava perleramente tranquilla.
Q Memorial Bordelais de 8 de Agosto diz
que o Gallineto Hespaubl seria tambo. muda-
do na volta da Uaiiiba a Madrid e quo com
toda a probabilidade constiluiriao a nova Ad-
ministracao as pessoas seguintcsMartnez de
la Rosa actual Embaixador em Pariz, Presi-
dente do Concelho e Ministro dos Negocios
Fstrangeiros. Mrquez de Cusa Irujo, Minis-
tro da Fazenda; Olivam, do Interior; Manes-
cnu, Presidente d'uma das Cmaras de Juslica
Superior, Ministro da Justiga. O General Du-
que de Ahumada; Ministro da Guerra ; eo
Almirante Filloa, Commandante das Coreas na
vaesdaHospanha cm Cuba, Ministro da Ma-
rinha.
O Heraldo, annunciava, segundo um des-
pacho official dirigido ao Gabinete de Madrid
pelo seu agente consular em Tetouar, quo as
difficuldades da Hcsponha com Marrocos esta-
vao completamente aplanadas.
Grapas a esto arranjo dizia o Globo, a
nossa bandeira he respeitada, e a honra nacio-
nal esta salva. A dominadlo hqspanhola estn-
de-se peia costa d'Africa a nossa fazenda ho
indemnisada das despezas da guerra e todas as
nossas pracas no littoral serao postas em estado
de boa defea.
O CommandanleGeral de Ceuta permiltioim-
niediatamento que continuassem as relaeoes
Lu:nmerciaes d'aqucllaprata com Tetouan.
Na noute de 20 para 21 d'Aosto as 3 horas
damanbaa, fizerao a Rainha D. babel e
Agusta mai a sua entrada em Madrid, e I
recebidas com acelama{6ei; os habitantes, li-
nhao Iluminado as suas casas. SS. MM. iao
n urna seg fechada, que a multii
com fochas desde o Prado at ; na
ndispo'icSo da Infanta tinha determinado a
ci'irte a deixr sbitamente Aranjuez .s onze
horas da noule.
Kesultava da reuniSo t! is parlicipagOei rece-
bidas das provincias hespanbolas pelo Gabine-
le de Madrid, que aaeleicSes apresenlavSo um
aspecto lavoravel. O Ministerio esperava oblcr
urna grande maioria.
Segundo correspondencias de Madrid ti
nha-se annunciodo, quo a Rainha de Hespa-
nhola dirigir nina carta com mu i la instancia a
Martnez de la Rosa para determinal o a occei-
lar a pasta dos negocios ostrangeiros. Esta
noticia era confirmada, e consta va que Mart-
nez do la Rosa eslava prestes a partir para Ma-
drid. Na sua ausencia seria o cavalleiro d'A-
guillera, primeiro Secretario da cmbaixada ,
quem dirigira os negocios da legarlo em Pa-
riz.
Noticias de Cintra em Portugal datadas
de 21 d'Agosto annunciavilo como um dos
grandes successos do dia a apresentaeao de pro-
testos feitos pelos ebefes das duas corporales
judiciarias mais augusts d'aquclle reino con-
tra o recento decreto dictatorial do Sr. Costa
Cabral, pelo qual os incmbros das Relaeoes o
outros tribunaes superiores de Lisboa e Porto
pdom ser embarcados por toda a vida para i-
rem administrar justica cm alguma ilba no meio
do Atlntico, sein so Ibes assignar outra causa,
ou allegar-so oulro pretexto mais do que a so-
berana vontade do prepotente Senhor Costa Ca-
bral.
Os Scnhores Silva Carvalho e Mello do Car-
valbo, Presidentes respectivos do Supremo
Tribunal do Justica c da Relacao de Lisboa, fo-
rao recebidos pela Rainha com notavel Irieza
por haverem dado esto passo importante.
O protesto do Supremo Tribunal de Justica
foi unnime. 0 da Relacao loi assignado por
dous tercos dos seus membros ; e o do Tribu-
nal de Commercio foi assignado pela maioria.
Dous dias depois que o Sr. Silva Carvalho a-
presentou o protesto referido foi demittido, por
decreto Real, do seu omprego do Presidente do
Supremo Tribunal de Justica. O Visconde de
Laborim que osubstituio no lugar do Presi-
dente deve a sua elevagao ao accidento de estar
fra da cidade quando todos os out'os membros
do tribunal assignar; o o protesto.
O Duque de Palmella se apresentou segunda
vez cm palacio protestando contra a illegalidade
do fatal decreto do .B de Agosto pelo qual se
dcslruio a independencia dos jornaes, Lentes,
c Officiaes do exercito e armada ; mas o Duquo
foi mui arrogantemente recebido pela Rainha ,
quo parece disposta a repellir todos os homens
eminentes do seu Reino por amor do virtuoso
Cabral. Dizio.qucoDuquc partira para Fran-
ca a 10 do prximo mez de Setembro.
Urna communicacao official de Mr. Calboun,
Secretario dos Negocias Fstrangeiros dos Esta-
dos Unidos, annunciava que as reclamaces do
Governo Portugus forao altendidos e que se-
gundo o artigo 3." do ultimo tratado, no pa-
ga rao os vinhos portugucv.es quer brancos, quer
tinelos, quer em cascos de madeira quer engar-
rafados maiores direitos do que os que pagfio
os vinbos do pai mais favorecido a saber ;
tinelo em casco de madeira, 0 por/, em gal
15o ; bronco em madeira, 7 '/i por > ; e tanto
um como oulro engarrafado 15 por /.
Relatnos de S. A. Ji. o Sr. Principe dt
Joinville ao Ministro da Marinha
e das Colonias.
Barco do vapor le Pluton,
10 do Agosto do 18,i.
Sr. Ministro.Nao tendo tido tempo de
dar pelo ultimo crrelo urna rclsco cir-
cunstanciada do estado dos nossos negocios,
assim como das nossas operaeoes diante de Tn-
ger, sproveito-me do primeiro momento do
para cumprireste dever.
Partici| 2 de Agosto, dia fixado
a resposta do ultimtum do nosso Cnsul
gcral, no>'


Eu aguardara colijo noticias do M. IIa>,
para comegur os ai los hostia.
A 4 oi-nosenvi ida urna carta de Sid-Bous-
e!m, Pacha de !.;raic-, ruis comedida,
mais conciliadora doquuas precdanles: re-
peta ella todava a insolente exigencia da pu-
nifio do Marechul. A carta de Sidi-Bousse-
lam nao i/izia urna palavra cerca da desloca-
cao do corpo de tropas reunido junto d'Ouclida.
En quanto a Abd-cl-Kader, assegurava Sidi-
Bousselam que elle nao eslava mus no territo-
rio marroquino, o que estavio djdus as ordens
para impcdila de entrar nelle.
Comtudo, na mosma occasilo em quo se
dizia ao Mareclial, quo Abd-el-Kadcr se tinha
internado, achava-se ello a dous dias de mar-
cha aira?, do campo marroquino. Estas cor-
respondencias nlo tinhao pois outro fim seno
o de nos entreter.
Inquieto e vexado por nada saber a respeito
de M. Hay enviei a Rabal un barco de vapor
(le Veloce) com a missao de informar-so
cerca d'elle o Ira/.er-me noticias suas. Le Ve-
loce voltou a 5 a Tnger, trazeniio-mo a noti-
cia de que -M. Hay eslava um seguranza cm
Mogador.
Finalmente o o i tarde, viudo o Etna d'O-
ran, trouxe-me o vosso despacho do '27 de Ju-
Iho, ordenando-me que cornecasso as hostili-
dades SO a resposta ao ultimtum nao losse sa-
tisfactoria. Trouxe-nos tambem noticias do
Mareclial, provando a falsidadcdas assercoes
marroquinas a respeito de Abdel-Kadcr.
au era possitel haver mais hcsitacGvs; illu-
diao-nos com noticias engaadoras, aos passo
que preparavo activamente a guerra ; nao ti-
nhamos oulro recurso seno o das armas.
A G de manilla ataquei as bateras de Tn-
ger.
As minhas instruceoes prescreviao me destruir
as fortificagoes exteriores; porcm respailara c-
dade.
Bem pudera cu conseguir fcilmente esse
fim, dando um desembarque ; mas prefer o-
brar, com o canillo, o por as baleras fra de
servico, resoeitando o quartel dos Cnsules,
onde apenas forao ter cinco ou seis balas des-
garradas. --------
Barco de vapor le Pluton.
Mogador, 17 de Agosto.
Cheguei adiante de Mogador a 11.
O tempo eslava muito mo, e durante mui-
tos dias eslivemos ancorados dianle oa ciliado
sem pdennos at cotnmunicar uns com oulros.
Apezu d,.s espias de 200 bracas de cadeia, as
nossas ancoras quebravlo como vidro.
l'inalmentc a lo, estando o tempo mais
limpo aproveitei-me d'ello para atacar a ci-
dade.
Os vasos /e Jttnmapes c le Tritn forao a-
marrar-se dianle das baleras do Oeste, com
ordem dehall-as, c de tomar por solavent as
bateras da marinha. Le Suffren e la Belle Pou
/evicrao pastar se no p: urna hora da tardo quando cmeccu o nosso
mov ment.
Logo quo os rabes virio os vasos dirigir-so
para a cidade comeerao o fogo de todas as
batorias. Esperamos,para responder-Ihc, que
cada qual livesso tomado o seu posto. A"s 4
horas e '/ comecou o fogo a a/rouxar; os bri
gues le Vasutrd, le Volage o l'Argus entrarn
entao no porto, e forao amarrar-so perlo das
baleras du i I ha com as quaes travrao urna
lucia assaz animada.
Por fim, as 5 horas e ',i, trazendo os lanos
de vapor 500 homens de desembarque, deriio
no passo, vierto postar-senas ameas da lnha
dos brgues c effecluou-se inmediatamente o
desembarque na ilha.
A ilha foi defendida com a coragem do des-
espero por 320 homens Mours e Kabylos que
fazilo a guarnicao della. Morreo um grande
numero; e 140 d'elles encerrados n'uma
mesquta, vierto a final a render-so.
A nossa perda n'esso dia monta a \\ morios
e %\ feridos.
Tomada a ilha, nao nos reslava mais do que
destruir as bateras da cidade que olhlo para a
barra Os nossos canbdes ja as tinhao arrui-
nado muito; cumpria inutilisal-as complcta-
iiienle.
Honlem pois desembarcarlo '00 homens
debaixo dos fogos encruzados de '.) barcos de
vaporo de 2 hrigues; etles nao encontrarlo
resistencia. Encravmos e lamamos ao mar
as pecas, levamos algumas ; os rmazens de
A oceupacao da ilha sem o bloqueiodo portojChagas Bodrigues Noya: dosprczrlo os em-
scria urna medida incompleta.
Conformo-me pois com as vossas ordens, fe-
chando o porto de Mogador.
A cidade est, no momento cm que vos es-
crevo, em chammas, saqueada o devastada pe-
los Kabyles do interior, que, depois de haverom
expellido a guarnilo imperial, apossrlo-se
derla.
Acabamos do roceber o Cnsul Inglez, sua
familia e alguna Europeos.
Nao quero concluir sem vos dizer quanto te-
nho de desvaneccr-me de lodos aquelles quo l-
ve debaixo do minhas ordens, na campanha
que acabamos de azer
Todos servirlo com um zelo que nlo so be-
be senao no ardente amor da patria, da honra,
dos nteresses, e n nma dedicarlo absoluta ao
servico do Rei.
Becebei, Sr. Ministro, os seguros do meu
respeito. (Assignado) Fr.d'Orleans.
P. $ No meio das oceupacoes quo me so-
brcpcslo, falta-me tempo para'vos enviar um
relatarlo minucioso. O Capillo Rouet, que vos
entregar esta caria, vos dar todas as informa-
coes desejaves.
Encarreguei-o de levar as bandeiras quo
flurluavDo na cidade c as baleras da ilha.
Fr. tTOrhant.
(Presse.)
Conseguimos este resultado com urna perda
di- 9 morios o 16 eridos : os navios recebrao
nlgumaa leves avarias.
O inimigo acousa urna perda de loO homens
6 'i00 feridos ; mas nao se pode saber ao corto
o numero dos morios, porque a 8 anda so ests-
va tratando de lirar cadveres de debaixo das
ruinas.
Durante a lucia, chegou M. Hay de Rahat,
onde se tinha demorado para ver o Imperador ;
recebi-o no dia soguinte
Disse mo ello que tinha achado o Imperador
muito abatido ; havia-lhe chegado a noticia da
retirada dos Cnsules. M. Hay agradeceo-me a
sollicludo quo linhamos mostrado seu res-
peito.
Agora vou Mogador, ha oulra cxlromidado
do Imperio. Mogador he a fortuna particular
do Imperador; alm das rendas publicas, a ci-
dade lie propriedade sua : ello aluga os terre-
nos e as casa.
He n'uma palavra urna das fontes mais puras
da sua renda. Tocar n'cssa cidade; arruinal-
a ou oceupar a ilha que fecha o porto at
que lenhamos obtido satisfaclo, he fazer a Mu-
ley-Abd er-Rahman e a todo o Sul do seu Im
perioum mal scnsivcl.
.imitar-me-hei por agora a eslas duas ope-
races : a saber; provar ao Imperador que ello
est desamparado de todo o mundo na sua cau-
sa (o successo de Tnger bem o provou); o que
temos meios de fazcr-lhe mal material: ( ho o
que vamos procurar) provar-lho em Mogador.
Alm disto, o nosso apparecimento as cos-
tas reconduzir muita gente da fronteira de-
feza dos seus lares e desembarazar tanto
mais o Mareclial
Podercmos entao advertir o Imperador de
que apezar do que se lem passado, queremos
anda a paz; prove-lhe o que temos feito em
Tnger e Mogador, que nao se devo brincar
comnofeo.
Se quizer a paz, apresse-se a conceder-nos o
que exigimos, o sigao-sc os actos s palavras.
Alias, senao estiver contente so continuarse
na fronteira a acojher, ea animar os nossos
inimigos cnllohc mislcr que se aguardo tudo
da nossa porte.
sara
SSSSB
Tribunal da Relaoo
IDIGAMENtO UO DA 12.
[Detemb. de semana o Sr. locha Bastos.)
Nos autos de exccuclo do srytcnca em que
be exequenle o Dr. Antonio Jos Pereira o exe-
cutad F. da Solidado : deriio provimenloao
aggravo do exequenle.
Na causa cm que he appellanle D. Mara de
l'inho Borges e appellado Francisco Brede-
rodod Andrade : negarlo provimento ao ag-
gravo.
Na appcllacio civcl em quo be appellanle
Malinas Joaqun) da Gama, e appellado Hor
tencio Jos Velho ; confirmaran a sentenca.
plvora forao arrasados ; finalmente conduzi- No appellacao civel em que he appellanle
rnos ou desfundamos todos os barcos que se Joiio Francisco d'Oliveira o appellado D.
achavao no porto.
Crcio que poderiamos n'este momento pene-
trar sem perigo no interior da cidade ; porm
nao fora isso mais do que um passeio sem fim e
sem outro rmnJtodo fnSo urna intiltl pilfia-
Abstvo-me pois de o fazer, o recondu-
tropas para a fiba, e as eqaipgens para
bordo dos seus navios.
Trato de instaurar na ilha una guarnicao de
500 homens.
ppe
\'aria Francisca do Reg : confirmrao a sen-
tenca.
Na appellacao civel vinda do Juizodos
Feitos da Fazenda da provincia da Parahiba ,
!o apper.lc 7oquini Jos de Farias,
eppeilad a fazenda publica : mandaraocom
vista ao Dr. Procurador da Corda.
Na appellaeo civel, vinda do Juizo da co-
marca do Ass em quo be appellanle Mara
Bodrigues Noya e appellada Francisca das
bargos.
Na appellaeo civel em que sao anpellantes
Manoel da Costa Guedelha, o appellados Fran-
cisco da Silva e sua mulher : mandarlo descer
os autos ao juizo inferior, para proceder ava-
liacjio, e averbar o imposto de dous por cento.
GARANHUNS.
Urna carta particular de do corrento diz o
seguinto :
Vai este portador a toda a pressa desmen-
tir a noticia qued'aqui parti, que o Vicente
de Paula tinha evadido a villa de Santa Mara
dasAlagoas. He o caso: all os partidos teem
estado em o ultimo apuro ; no dia 29 em quo
se deviao fazer as eleicoes para Juiz de Paz em
Santa Miria, mandou o Presidente Sousa Fran
co um destacamento de 40 soldados, e neste
mesmo dia forao demiltidos os empregados da
villa, o quo deo lugar ao povo todo do munici-
pio, quo he liso (contrario ao Presidente), a ir
armado para a villa, o all, entro a tropa eo
povo, houvenm liroleio, do quo sahrao foridos
mullos soldados o oCommandanto.o foi disfer-
50 o destacamento, com os partidarios cabellu-
dos. As di lie rentes partidas de gente armada,
que se encaminhavao para a villa, reunirao-se
para entraren) sob forma ; correo neste inle*-
rim urna noticia na villa, que a forca era de
Francisco de Mello, Tenente do Paula ; a con
fusao apoderou se dos timoratos cabelludos,
i|uo corrcro'cm grande numero a homisiar-se
no Correnle, contando a noticia, que dei;
porm que hoje se verficon ser inexacta. Por
ci estamos em paz ; se bem que os acontec -
mentos da vsinha faca suas aprehencSes aqu,
lodavia o espirito publico he muito dcil o pa-
cifico hoje.
ELEITORFS DE GARANHUNS.
Os Srs.:
Or. Joaqum Jos Rodrigues de Sousa.
Major Francisco Ignacio de Paivo.
Tenente Coronel Antonio Teixeira do Macedo.
Dr. Jos Francisco Pereira Vianna.
Francisco Teixeira do Macedo.
Luis Jos da Silva Burgos.
Jos de Barros Silva.
Dr. Francisco Machado Das.
Major Christovao Teixeira do Macedo.
Ignacio Alvcs da Costa.
Joaquim Leao Machado Dias.
Joao Baptista da Silva.
Joao Jos da Silva.
Antonio de Paiva Mello.
Joaqum Papai de Paiva.
Baymundo Fcrreira de Mello.
Joao Jos de Araujo.
Joao da Silva Mello.
Theolonio de Sania Cruz Oliveira.
Francisco Xavier Barreto das Nevos.
Jos Francisco Callado.
Joo Lourenco do Mello Teixeira.
Kogorio das Noves Brrelo.
Antonio Thomaz de Brilo.
Jos A Ivs da Costa.
Joaquim Basilio de Barros.
Jacinto Teixeira de Macedo,
Jos Clemente da Rocha.
Ll Francisco da Silva.
Joao do Reg Barros.
Alexandre de Barros Pinto.
Joaquim Leao Campello.
VEBEADORES DO MUNICIPIO DO CABO,
Os Srs.:
Tenente-Coronel Joaquim M.do Rogo Barreto.
Francisco Paes Barreto.
Estevao Jos Velho Barreto.
Capillo Francisco Antonio de S Barreto.
Jos Felis da Rocha Falcao. %
Sebastiao Antonio do Reg Barros.
Manoel do Carmo Cana d'Assucar.
merntrn
DIAIHO DE PBBNAIIBCO.
Sao (ao dignos de sinceros elogios e dos tcs-
temunhos da publica a fe i cao os cidodaos que
na porfiada lucia eleitoral, em que esta provin-
cia so debate, se teem esforcado pordebellar o
partido anarchista o desordeiro, que injuslica
fra manifesta nao recommendar ;i gralidao do
paiz todos quanlos na comarca do Rio Formo-
so, peto descoberto e denodadamente com-
batrao. o levarlo de rojo os audaciosos secta-
rios da praia, que all pretenderlo levantar o
eolio, e representar seus tumultuosos dramas do
coslume. Em poucos lugares, cm verdade, o
triumpbo da ordem foi mais assignalado e com -
pelo ; em poucos lugares a derroto d anar-
chia mais vergonhosa e patente; o seexeplu-
;ir se a parochia da Agoa-Prela, amule os ar-
dis e as fraudes tiverao infelizmente de preva-
i contra a legalidad* e o pudor, cm ne-
nhum outro ponto daquclle territorio pode a
praia baslear seu estandarte linio do sangue e
amearador do futuras desgracas. Urna victoria
tio ampia e tao honrada nao poda dcixar do
desconcertar todas as combinacoes tenebrosas
da ambicio revolucionara, e do ulcerar pro-
fundamente todos os aspirantes sem morito.qjjo
no collegio do Rio Formoso haviao depositado
suas mais caras esperancas eleitoraes.
D'ahi a averslo impetuosa, e mesmo feroz,
declarada pelos avenlureiros da praia aos ho-
mens benemritos do Rio Formoso : d'ahi as
inveclivas e ullrages prodigalisados contra esses
cidadlos respetaveis, que, tendo s em vista o
bem do Imperio e a prosperidad da provincia,
liverlo a coragem e o atilamento de se alliarom
eslroitamento para oppruma barreira insupe-
ravel I anarchia e desordem : d'ahi cm fim
a execracao que votao os turbulentos aos Srs.
M. Henrique Wanderley e J. Francisco Diniz.
He verdade que taes nomes, por isso mesmo
que despcrllo a confianza e o agradccimcnlo
dos bnns Pernambucanos, devem de inspirar
profundo horror aos adversarios implacaveis do
partido da ordem : he verdade que taes nomes,
pelas honrosas recordarles a que esto ligados,
nao podem dcixar de excitar a sanha dos am-
biciosos, cujos planos forlo frustrados. Feliz-
mente porm os dignos defensores da ordem na
comarca do Rio Formoso, e nomeadamento os
Srs. Wanderley e Diniz, nos agradecimentos
publicse as sympathias dos seus comprovin-
cianos enconlrlo sobeja indemnisacao para o
odio dos nossos adversarios: felizmente nos
sentimentos de geral estima que Ibes slo tribu-
tados elles achlo o galardao dos seus servicos e
a lemuneraeao dos seus esforcos em pr o da boa
causa.
Oxal o mesmo espirito de ordem, o mesmo
accerto prosida a oleicao que devo ler lugar no
dia 20 do corronte no collegio do Rio Formo-
so! Oxala o mesmo pensamento patritico, que
dirigi a eleiclo naquellas parochias, dirija
tambem'o voto do collegio, a fim de que os am-
biciosos, os aventureiros e os anarchislas, quo
pretenderlo ensopar de sangue o territorio do
Pao d'Albo, Iguarass, Afogados e oulros pon-
tos no repudio o mais formal, na recusa a mais
expressiva enconlrcm o escarment de suas
malfcilorias!
Comimmicado.
Sahirao a final luz do prclo no D. novo de
II do corrento os boatos que a pandilba da
praia espalhava contra as eleicoes de Taquari-
tinga. Ha muiloquea sucia praieira ievantava
pelas ras, pracas e boticas, a lebre de que em
Taquaritinga e Tjucupapo tinhao elevado os
Kleitores a 110, para assim peder o partido da
ordem contrabalancear o numero excessivo de
Kleitores que a pandilba arranjou nos collegios
do Limoeiro e Goianna;porque o coslume desla
gente ho dizer com antecedencia.que os amigos
da ordem praticrlo qualquer burla, que ella
tem projectado ; mas nlo se alreviao a fazer
pelo prelo censuras a esse imaginario augmento
de Eleilores, porque anda nlo sbulo da ma-
neira por quo o Sr. Arruda bavia na Uoa-visla
desempenhado a sua commissao do perturbar as
eleicoes em todas as freguezias, e coso nao po-
desse levar eleto em nenbuma esle plano,
elevar a do Ex, nica onde a praia di asear-
las, 110 Eleilores para cobrir o numere das
oulras quatro.
Agora que o Sr. Arruda deo parto de seus
altos feitos, de ter perturbado e einharagado a
eleiclo da freguozia da Boa-vista, edo estar es-
peranzado quo na freguezia de Cobrob o mes-
mo conseguisse o emissario, quo para all man-
dou (apezar de que estivesse pronunciado pelo
(rime nafiancjovel dasedicao do Ex), edoj
nlo carecer de elevar os Eleitores desta ultima
freguezia mais de 00, sahio ao prelo a histo-
ria do Taquaritinga, smente porque a de Ti-
jucupapo j est desmentida com a publicarlo
dos 19 Eleitores, loita pelo Diario de Pernam-
buco.
Saldamos que foi removido da comarca da
Boa-vista o honrado Juiz do Direilo Alexandre
Bernardino para ser all admiltdo o celebre
Arruda, digno companheiro do Sr. Nunes Ma-
chado desde os estudos at hoje, e que a com-
missao deste hroe era perturbar as eleicSes de
todas as freguezias da comarca, da Boa-vista, e
de, no caso de ser isso impossivel pela certeza
que bavia denellas influirem smente osamigos
da ordem, elevar-se o numero do 110 os Elei-
tores do Ex. Os praieiros mais indiscretos con-
fessavao, que nao sodevia contar nos clculos
dos votos com o collegio da Boa-vista, porque o
resultado deste nenhum seria.
Correo o Sr. Juiz de Direilo Arruda h toda
para a nova comarca, verso all achava-
se a lempo do fazer seus todos os Jues de Faz ;
mas a ex tencio docamnho nao Ihe deo lugar.
e ja achou al a eleiclo de Juiz de l'a/ do Ex
com luida cun iiuiis c< nto e tantos votantes ; o
n\ edil ia o plano do
nenio d Eleitores, foi i substituida
hririf
MELHOR rXEMPLAR Er



poroutra cm que figuravao novecenlos c tantos
cidadaos activos.
Nao advertio o Sr Arruda que a freguezia
do Ex foi dividida em tres com a creacao .das
do Salgueiro o Uuricuri, e que icou reduzida
a novecentos o tantos ogos, nSo podendo dar
mais de 9 ou 10 Eleitores, tendo a de Salguei-
ro 1.200 fogos, pelo que da 12 Eleitores, e o
do Uricuri 3,000 e tantos fogos, e 31 Eleito-
ros j o que ji excedo ao numero de 49,que da-
va o Ex antes das divises.
O Sr. Tenente Coronel Sevoro asseverou que
o Ex nao poda dar mais de 9 Eleitores; at
o Frade apostatado lado do diabo, que seas-
signa do lado de Christo.cheaou a confessar islo
mesmo antes de estar decidido a eoncorrer para
o projectado augmento.
Secoma sueca hodifficil aos cidadaos todos
concorrerem as eleicoes, de sorte que em Ouri-
curi, que be a maior das Ireguezias, apenas vo-
trao 400 e tantos, em Cabrob 200 e tantos,
c om Salgueiro 100 e tantos, como poderio
concorrer as eleicoes de Juiz do Paz do Ex,
que nao oncerra mais de mil almas, 900 o tan-
tos votantes t
Os meios do que servio-se o Sr. Juiz de Di-
reito Arruda foroo insuflar os Juizes do Paz
eleitos a 7 de Setembro para a legislatura que
ha de comecar om Janeiro prximo para dispu-
tarem a presidencia da Mesa Paroehial a 22 de
Setembro passado, e induzir o Delegado inti-
midar com forca os votantes. Assim, fez com
que Francisco Antonio Xavier, eleito por certas
espertezas Juiz de Paz a 7 do Setembro, se
apresentasse na igreja da Boa-vista a 22, alle-
gando auo a presidencia da Mesa Ihe competa,
pois ostava de posse do cargo, a qual Ihe liavio
dado quatro Vereadores, e elle mesmo, quo in-
teirava o numero de 5.
Esta pretenc5o foi logo sustentada pelo Sr.
Arruda, autor oceulto della, que em seus argu-
mentos envolveo a queslao de dever a Mesa Pa-
roehial admittir as reclamacOes, que forao in-
deferidas pela Junta qualificador, principal-
mente a sua, pois ello desde que foi nomeado
Juiz de Direito comecou a ter domicilio na co-
marca, embura nolla chegasse depoisdo feita a
qualiicaco.
Esta discussio foi apoiada peloSr. Delegado
Manoel Lopes de Barros, que, sendo domicilia-
rio da comarca do Floros, foi para al I i nomeado,
por influencia da praia, contra o que dispoe o
rogulamento n. 120, e contra a justica, pois
destituio-se um honrado e digno cidadao o
Sr. Tenente Coronel Manoel Nunes de Barros.
O Sr. Manoel Lopes de Barros teve a falta de
delicadeza de accoitarum emprego aeintemente
tirado a um seu prente por affinidade, e apoiou
os planos do Sr. Arruda nao com a palavra,
mas com a orga publica, pondo om cada por-
ta da igreja dous soldados do Polica munica-
dos, e aquartelando 30 guardas nacionac e
todo o mais destacamento de Polica com do-
brado cartuxame.
As parvoices com quo o Sr. Arruda susten-
tou a perturbacao aa eloico foro destruidas
com argumentospelos Srs. Alexandre Bernar-
dno, Juiz Municipal Amaro, e Promotor Sou-
za Res; pelo que o Juiz de Paz legitimo deca
rou que naa cedia ao ontruso a presidencia da
Mesa ; mas que para evitar a coaccao, em que a
lor^fl do Delegado punha os votantes, o qual-
nuor desaguisado, que so quizesse fazer, porque
a praia ondo nao vence, anarchisa, suspenda
a eleicio, e duva parte ao Exm. Presidente da
provincia. Era isto o que queria o Sr. Dr.
Arruda, e ficou satisfeto, diminuindo no par-
tido da ordem estes 20 eleitores ; e contando
com a perturbucSo de Cabrob, resolveo que
nao se elevassem os 10 eleitores do Ex. senfio
a 40, ou 6o, conforme o xito de Cabrob.
Decidido o procedimento que os praieiros hao
do ter no Ex, licou o D. novo orientado para
fallar de Taquaritinga. Ser bom que o publi-
co saina de alguns passos do Sr. Arruda, logo
que chegou comarca, para adquirir prosli-
to. Elle chamou Luiz deCarvalho Brando,
ue.ha muito.ostava pronunciado.para absolvel-
opor meio de recurso, o at quiz quo a audi-
encia entrasse pela noile para realisara absol-
vicao antes das eleicoes; ao quo seoppoz o Pro-
motor.
Mandou chamar para sua casa os criminosos
do Ex pronunciados por crime inaffiancavel,
odotorminmi que intentassem recurso para se-
ren absolvidos, tirando-so dos autos a contra-
rodade pela qual tnhao tcitamente renuncia-
do ao recurso para o Juiz do D.reito, e con-
sentido no jalgamento pelo Jury.
Vai tambero despronunciar o Daro Alencar,
que tentou assassnar o3." Commandantc de
Pliza Paula arroto. Vive cm continuada
suca com o^argeno do Pula* Eii oJui/ de Direito quo se mandou para
umaeonWWadowrU, onde a paz e a unmo
..... reinarlo, onde ee autborldadei jamis
deixraododar-tearcspeito, *i*r*m**'
ond nunca foro perturbada!. lan-
,m plano radical da praia perturbaras
i_____......i 'u______________".._;[ ______.~Zl' '
eleices na Boa-vista, que o Sr. Arruda man-
dou perguntar, se os seus amigos ingratos, e
traicoeiros nao o lovariao por osle servico na
cbapa de Deputados. A noticia era 13o boa,
que elle fez um proprio vr aqui em 11 dias tra-
zel-a sucia da praia, quo desde quarta feira vario emraaos no
passada guarda em segredo os permenores do S(Mn 75 d ,efa n
caso espalhando a furto, que vencerlo toda 430 tonelada., comineada
as eleicoes na Boa-vista. ....,. *:.. n
carga
Alfandega.
Rendimento do dia 12.........1:891tf055
Descarregan hoje 14.
BrgueCumberlandmercadorias.
BrigueBrandywineidem.
Brigue-escunaZ,awra--farinha.
SumacaSania Annacharutos.
BarcaNightingale mercadorias.
MPORTJQA.
Brandywine, brigue americano vindo de
Philedcrphia, entrado no corrente mez, consig-
natario a Mutleos Austin & C. manifestou ose-
guinte :
91 caixas com fazendas de algod5o, 173 far-
dos ditas de dito, 3 caixas ditas de seda 36
barricas potassa 1179 barricas de bolaxi-
nha 'i0 duzias do cadeiras, 8 caixas com
chapeos de palha, 1 cadeira de balanco : aos
consignatarios.
PRAGA. DO RECIPE, 12 DE OUTBRO DE 1844.
lUvista mercantil.
Cambios As transaccoes da semana foro li-
mitadas a 24 */V d. por 1,000 rs. e fo-
ro offerecidas letras a 00 dias a 2b* d.
Assucar Vendas muito limitadas d 850 a
900 rs. por arroba sobre o ferro.
Algodao Bom que as entradas continuassem
a ser limitadas, os precos teem bai-
xodo para 4,500 e 4,600 rs.. a ar-
roba.
Couros Os da Ierra sao oflerecidos a 120 rs.
a libra
Bacalho Anda naochegou nenhum.
Bolaxinha Vendeo se a 3,400 rs. a barrica.
Carno secca Existom jmente 500 arrobas,
e cst-se vendendo a 4,480 a arroba.
Dita salgada Vendeo se a 22,000 rs. o bar-
ril da de vacca.
Carva > do pedra dem a 8,000 rs. a tonol-
lada.
Cera dem a 900 rs. a libra da amarella, e
1,240 rs. da branca.
Cervejadem a 4,200 rs. a duzia de garrafas.
Farinha de trigo Chegrao quatro embarca-1
c5cs com 2,000 barrica!; um carre-
gamento de Richemond com 2,300
barricas, e seguio para a Babia : o
deposito he de 8,500 barricas.
Louca ingleza Vendeo-se a 240 por cenlo de
premia sobre a factura.
Pixe da Succia Nao ha.
Potassa americana Vcndco-se a 240 rs. a
libra.
Rap de Lisboa Nao ha.
Entrrao,'durante a semana, 11 embarca-
<;oes, esahiraoO; exstem no porto 50, das
quaes sao A americanas, 16 brasileiras, l hes-
panhola, 5 inglezas, 3 portuguezas o 1 sarda.
Um novo ramo de commercio apparece no
nosso mercado : acaba do desembarcar de um
navio inglez, vindo de Ichaboe, cerca de 50 lo-
nelladas de estrume (de passaro). denominado
Guano, que inda n&o foi vendido
tao Willam N'orville : com a mesma
que tronxo,
Aracaty ; sumaca brasleira Carlota caplo
Antonio dos Anjos Caldas, carga diversos g-
neros.
Navios entrados no dia 13.
gleza Ganges, de
.._anto Macolm Me.
Dormid, cquipagern 20, carga varios gene-
ro?. Passageiros.20 Inglezes.
Rio de Janeiro; 15 .dias, crvela nacional Ca-
rioca, commandante o Capilao de Fragata
Jos Mara Wadenkoolk.
Macei; 24 horas, vapor de guerra nacional
Guapiass, commandantooCapito Tenen-
te Guilhermc Ca'los Lananco Cunha. Pal-
sageiros Joaquim (ornes do Reg, Joaquim
Gomes Reg Jnior e Manoel Jos deCar-
valho.
Navio sahido no mesmo dia.
Maranhao; patacho nacional Neptuno, de 122
toneladas commandanto Jos Mendos do
Sousa, equpagem 9 carga varios gneros.
Passageiros o 1. Tenente d'armada Anto-
nio Ernesto l.assance c D. Maria Francisca
do Nascimento.
Movimiento do Porto
Navios entrados no dia 11.
Liverpool; 47 das, barca ingleza Nightingale,
de 264 toneladas, cupitao Thomas Hunter ,
equpagem 14, carga fazendas ; a James
Crabtreo & C.
Cutinguiba; 15 dias, hiato brasleiro Especu-
lador, de 38 toneladas capilao Jos Mau-
ricio da Silva, equipagem 6, carga couros :
ao Capilao.
Navios sahidos no mesmo da.
Aracaty; hiato brasleiro Nova (Minda capi-
tao Jos Rodrigues Pinbeiro carga diversos
gneros.
Buenos Ayros ; polaca sarda Gione capilao
Joao Baptista Chinzza ; carga assucar.
Babia e Rio de Janeiro; paquete inglez Crane,
capilao Luis.
Navio entrado no dia 2.
Richmond ; 45 dias, barca americana II. //.
Douglas, de 261 toneladas, capilao Wil-
lam Norvlle, equipagem 10, carga farinha
de trigo; L. G. Fercira&C.
'os sahidos no mesmo da.
teosas
zsr,
Declara cao.
1= O Administrador da Mesa da Recebedo-
ria deKendas Geraes Internas avisa aos dove-
dores dos bens de mo morta quo no dia 21
do corrente manda para Juizo a relacao dos de-
vedores fssim como da laxa de escravos de
1842 a 1843, e de 1843 a 1844, e para que
ebegue a noticia a todos mandou annunciar pe-
lo Diario. Francisco Xavier Cavalcanle
de Albuquerque. (8
Aviso; martimos.
2 Segu viagem para o Cear at o dia 28
do corrente mez de Outubro o bem conhecido
eveleiro patacho nacional Laurentina frasi
Isira, forrado e pregado do cobre ; quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem, di-
rija-se ao seu propietario Lourenco Jos das
Nevcs, na ra da Cruz n. 64-, ou a Manoel Jos
Salgado. (8
3=Para o As sahir no dia 15 do corrente
o brigue nacional Dos Te Guarde ; quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem, di-
rija-se a ra da cadeia do Recfo, armazem
n. 12 de Henrique Bernardes de Oliveira &C
= Para Macei o Rio de S Francisco a lan-
cha S. Joaquim, que pretendo seguir impreto-
rivelmente a 15 do corrento, anda recebo al-
guma carga e passageiros para o que tem exce-
lentes commodos.
S.,eit6es.
=s Joao Koller continuar, por intervencao
docorretor Oliveira, o seu leilao de magnifico
sortimento do fazendas franeczas, suissas, e al-
enlas de seda, laa, linho, e de algodo, as mais
proprias do mercado : terca Icira 15 do corren-
to as 40 horas da manhaa, no seu armazem da
ra da Cruz.
= O corretor Oliveira ara leilao de toda o
mobilia, e mais bens do Dr. P. Theberge, con-
sislndo em excellentes pianos, mesas de sala ,
dita de jantar, bancas, trems com pedra mar-
more, cadeiras, leitos, sofs, marquezas, relo-
gios, mangas de vidro, lanternas, lavatorios,
apparelhodeporcellana, estantes para livros, c
para musica.commodas.guarda-roupas, toiletes
com spclbos, um oratorio com altar e seus per-
tenecs, urna neta, loucas, copos garrafas ,
urna bomba de cobro ogao do ferro com cano
de cobro mappas geogrficos, urna explendida
collecc.8ode obras impressas de abaleados auto-
res e innumeraveis objectos da maior utilida-
de que seria enfadonho classificar em um an-
mumco : quarta cira 16 do corrente s 10 ho-
ras da manhaa na casa que foi do estabeleci-
mento do seu collegio, principio da ra do Hos-
pico. i ., j
4 Frederico Ebort far leilao na sua tenda
do marcineiro na travessa do Martins no atier-
ro da Boa-vista n. 7, de ricos movis, consis-
tindo em cadeiras de Jacaranda, sofs de dito,
mesas de meio de sala e de jantar. guarda-rou-
pas para senhoras c homens, commodas de boa
qualidade, ludo feito ao ultimo gosto, e igual-
mente vender toda a sua ferramenta e bancos
doofficio, tudo em bom estado, terca fe ral J
do correntes 10 horas da manhaa.
/Ivjsos diversos.
O PFRNAMBUCANO N.7
sabio luz, e acha-so h venda a 80 rs cada ex-
,VB.o, sabaos no mesmo au, emplar n. linaria da ra d. Cruz
Babia ; barca americana H. II. ougla,, cap- Rec.fo n. B^ e ""ho e
na da ra do Collegio n. 20 ; onde se aohio
igualmente os nmeros anteriores d
folln, avulsas ou cm collecco para os
na ni es.
IBesponde-so aquem perguntou de que
lie credora Maria Boza do Sr. Bazilo Alves do
MirandoVarejao, quena cartofiodoEcrivSo
Magalhaes saber cabalmente o que desoja
saber. (5
= Qualquer pessoa capaz, que queira mo-
rar em urna casa Ierren boa pagando Mmenlo
metido da dit.i. e tomando contado toda ella
exceto sala da (rento : dirSo-ie a ra Velha
casa terrea n. 102. adverle se que a pessoa
deve ter pouca familia.
Quem precisar do urna rnulhor capa: para
ama do urna casa, dirija-se a ra do Padro Flo-
rlano n. 5>.
= O abaixo assignado em sntisfacSo ao publi-
co (e nao em resposta a J. G. de S) declara
que be verdade existir em seu podor urna escra-
va de nomo Izabel com urna fi i lia de nomo
Kpiritu,v.'.r., compradas n Antonio Jos de R>>-
/as morador na villa do Aracaty ; o que
nunca pretendeo vender como iiitentou declarar
malignidade o mesmo S, ou alguem por elle .
assim como que sempro a posiuio de boa l ,
e por justo titulo, do qual se ha de prevalecer
para sustentar o seu direito contra o vendedor
sodecahird'accSo. =Jos Luiz Guaiaco.
2 Antonio Francisco de Moraes embarca
para o Rio de Janeiro a sin oacrava Thereza, do
nacfio Bacca. (3
\ Manoel Ignacio de Oliveira embarca pa-
ra o Rio de Janeiro o seu escravo crioulo, de
nome Manoel. (3
17M.c-Callum g Companhiarespeitosamen-
te aviso aos senhores de engenho e ao pu-
blico em gcrul que na nova ra do Brum, que
passa por delraz do Arsenal do Marinha teem
estabelecido urna ferrara ( sendo a ultima do
lado do poente da mesma ra), onde lazeir
cavilhes, atracadores, paral'uzog de aportar e
outras fertagens para engenho, eixos trilhos o
outras ferragens para carros paraluzos c por-
ras de todos os lamanhos ferragens para na-
vios, verandas, portaos, carros de rniio e todas-
as mais obras de ferreiro; e como os seus appa-
relhos recentemente chegados do Inglaterra sao
do primeira qualidade, promettem agradar aos
seus freguezes lano na qualidade da mao
d'obra como no precoc promptidao. (16
=Os Srs. Antonio Jos da Silva Magalhc!,
Lourenco Martins da Silva Borgtse Luiz No-
guoira ; queiio ir receber unas cartas vindas
de Portugal ; na praea da Boa-vista n. 13.
- Alaga se um sobrado do mu i tos comino-
dos para grande familia; na ra do Livramen-
to n. 5. f
= Precisa-se de alugar urna sala que fiquo
nouco distante da ra do l.ivramento, quem ti-
ver a dita sala dirija se defronte da turro do Li-
vramento loja n. 2.
BsQuem quiser alugar urna ama de leile pre-
ta o escrava, dirija-so a casa n. 13, na traves-
de S.. Jos que ahi a achara.
A pessoa a quem Ignacio Tolentino Al-
moxarife de Fernando,subestabeleceouma pro-
curado bastante de Joaquim Luiz Branco, e A-
maro Branco quoira annunciar sua morada
para ser procurada a negocio relativo ao mes-
mo.
l=No dia sabbado 12 do corrente das o ho-
ras da tarde as 7 da noute perdrao-se unsbotoea
de punho de ouro lavrado com o peso de duas
oitavas, desdo a Igreja do S. Thereza pateo
do Carmo ra das Trincheiras, dita do Cabuga
em direitura al a da Cadeia a botica do Senhor
Vicento Jos do Brito na volta om di recrio a
ra do Crespo loja do Sr. Bento Jos da Silva
Magalhaes, de l em direitura a ra do Quei-
mado, boceo do Padre, e travessa do Carmo at
o paleo do mesmo nome; quem os achou, quo-
rendo restituir, dirija-se ao mesmo pateo n.13,
que ser gratificado com 4*000. (13
Precisa-se d'alugar quatro prelos robustos
pera socarem assucar na ra do Vigario, arma-
cm n. 7 : no mesmo vendem-so rodas d'arcoi
para barricas, feixcsdo pinbo, e porcio de bar-
rico novas, promptas para socar.
Joo Stewart mudou a sua residencia para
a ra da Alfandega velha n. 5.
1 Jos Luiz de Gardel faz saber aos pas
que desejo fazer aprender o desenho a seus f-
Ibos, que vai abrir aula de desenho, das 7 al as
9 horas da noile, tres vezes por semana, promet-
iendo ensinar-lhescom todo o disvello; etnm-
bem ensitia os ornatos, cousa tao necessaria pa-
ra qualquer, seja de officio. principio de figura
e paizagem ; no pateo da Matriz de S. Anto-
nio. I<\ja n. 2. (9
3 Dao-so 300,000 rs. a juros sobre penbo-
res ou hvpotheca ; annuncie. (2
1 Pcrdeo-se de quinta para sexta feira,
Jtde a ra ic Collegio aa do Quvimado, um
embrulho com cento o setenta muris; quem
o liver .icbado e quizer restituir, dirija-se a ra
do Queimsdo loja n. 7, que ser generosamen-
te recompensado. (6
't Precsa-se de um'ama de leite,que seja
captiva, r

la n. 21. (2
NCONTRADO
aa


=-4
Procisi-sodo um rapa/. Portuguez de 1 1 a
16 annos pouco mais ou menos, para ser cal*
xciro de urna leja de lasendas lora desta praca ;
na ra da Cideia do Be'eio n. 30.
RAPE HNOVINAGBIN1IO.
Jernimo da Costa (ni mar os o Silva do-
2 Roga-so ao Sr. Assonco Gonfalves Fer-
reira o favor de comparecer na loja da esquina
la ra do Crespo, que volta para a ra da Cruz,'
que se Me desoja fallar a negocio de seu inte-
resse. (5
2 Na ra do Rango! n. 34, copio-se son-
dando levar o rap do sua fabrica no ultimo [>rore grodepcrieicao, mandou na Europacontra- *W con, mutto boalcttra brevidadc e por
tarcom um perito fabricante a (atura do rap I J0-
dosua fabrica oquallogo depois do sua che-
gada a esta cidade aproeutou o excellonto ra-
pe vinagrinho. Este rape n5o lio preto, be ver-
daderamente curdo rap tal he a sua prepa-
rado que urna oitava deslerapcspalhadoem
urna folha do papel conserva durante muitog
dias a pouca liumidade con) que he fabricado,
accommodado a todas as dilferentes naturesas;
elle faz o seu efteito sem que estimulo aos to-
mantes, e sem que estes sofro a repugnancia,
quocostumao a ter quando vario para dillo-
rentes qualidadcsde rap ; as bocetas e os do-
dos nao se sujio com esto rap; o seu bom
aroma etodas as mais qualidades o tornao
recommendavel aos apreciadores de urna boa
pitada ; o papel de ombrulho he azul o os
rtulos brancos. O proprietaiio de acardo com
o fabricante tendo cin vista mais o crdito
deste rap que os seus interesses, tem resol-
vido mandar vendel-o as libra a 140o rs., o a
preco mais commodo, do .3 libras para cima ,
no deposito da ra da Cadoia do Uecife n. 50.
Koga-so a pessoa, quo tem urna carta pa-
ra Joao Marques Dias Braga o favor de dirigir-
se as Cinco-pontas, defronto da forca pada-
ria n. 154.
No armasen! c deposito de vveres, na
ra da Praia boceo do Carioca por baixoda
sociedade Pliilo-Thalia, concertao-se toda a
qualidado de plumas lavao-so e dao-se cor;
tambem se concertao penachos militaros do to-
das as qualidades tanto do ofliciaes generaes
como de dina.
Silva $ Fragoso fazem scicnte ao publico,
que o Sr. Tieodoro do Almeida Cosa est pelos
inesmos autorisado para as cobrancas de sua
casa, cm cujo exercicio principia hoje 14 do
corrento Outubro.
Hoje, a porta do Sr. I)r. Juiz de Orphiios,
pelas 4 horas da tardo se ha do arrematar de
renda annual, a morada de casa de sobrado
n. 100 sita na ra Direita, on> a qual mora
Jos Bogerit Marcelino.
Quem precisar de urna mulher para ama
de casa de um homem solteiro ou de pouca
familia para o servico interno, dirija-so a ra
do Livramento n. 9, primeiro andar.
Precisa-se do um perito refinador de assu-
car ; no Alieno da Boa-vista n. 24.
Quem precisar do um rapaz Portugucz ,
de 16 annos quo sabe lor, oscrever e contar,
para qualquer arrumacao annuncio.
Precisa-se de 2 caixeiros Portuguezes de
12 a 14 annos que tenba alguma pratica de
fazendas ; as Cinco-pontas n. 56.
1Precisa-so de um Europeo para fcitor de
um engenho preferindo-se filho das linas; na
ra da Aurora n. 4-2, segundo andar, das 0 as
9 horas da manhaa o das 3 as 6 horas da tarde.
1Aluga-se urna casa para se passar a (es-
ta no Caxanga ; quem a pretender, dirija-se
a travesea do Carino n. 1, segundo andar.
1Na ra estreita do Rosario n. 31, segundo
andar, se acha advocando o Bachatel Jos Joa-
quim Geminiano do Moraes Navarro ; quem
qulzer servir-so de seu prestimo, ahi o devo
procurar. (5
1 Izidro Jos Caparica embarca para o Bio
de Janeiro o seu escravo de nomo Francisco ,
Mocambique. (3
1 Precis3-ce de urna ama de leste para
criar ; na ra do Collegio, cm casa de Manoel
Carneiro Lia I, teiceiro andar.
1 Miguel Jos do Almeida Pernambuco avi-
sa aos seus tonslituinlese a quem mais convier,
que mudou-so para a ra Nova n. 4(, primeiro
andar aondeo acharad sempre prompto. 4
1 M. S. Mavvson, cirurgiaodentista, adia-
se residindo no segundo andar do sobrado n. 2,
da ra Nova lado da matriz faz sciento quo
recebeo pelo ultimo navio Navarre chegado
prximamente dos Estados-Unidos, um soiti-
meutos do denles mineraes incluindo ouro e
prata para chumbar o os mais necessarios da
sua arte. (8
2 Aluga-sc o sobrado do um andar n. 49,
da ra Imperial do Atierro dos Afogados na
travessa do Lima o qual he proprio para ter
familia e oscriptorio as lojas, que cstao bem
arraujadas, tem quintal de bom tamanho e po-
co de boa agoa ; a tratar na mesma ra so-
brido n 3. (7
2 Dao-se Iicoes de musica e de instrumen-
tos bellicos segundo os melhodos do grande
conservatorio de Pariz ; copia-se c transporta-
se qualquer musica o apropria-sc para qual-
quer dos ditos instrumentos; no pateo do S.
Pedro n. 9 primeiro andar; na inesina casa
compra-so por preco commodo um baixodo ar-
mona e um cornetim a 3 pistos. [8
2 Continua-se a dar em pequeas quantias
dinheiro a premio sobre penhores de ouro ; no
pateo do S. Podro sobrado do um andar, com
varandas de pao pintadas de verde das 0 as
9 horas da m-inhaa e de urna as 'i da tarde;
tambmn logl-e urna Werava para diminuto
servico de casa e que Saiba vender na ra, li-
cando sen dono refponsavel. (8
2Aluga-se o segundo sobrado e solao jun-
to a ponte da Boa-vista e casas no sitio d
jueiro ;
2 Acha-so aqui o Professor da-lingoa ita-
liana quomorava nacidadedo Porto : quem
quizer aprender a mesma lingoa u dirija-so a
ra da Cruz n. 49. (4
No oitao do Livramento^ no terceiro an-
dar do sobrado aondo mora o Snr. Major Gus-
mao so ensina meninas a Icr, escrever, con-
tar, coser, bordar do ouro prata e de seda
Tromba fazor lovarinto e marcar do todas as
qualidades por proco mais cammodo, do que
em oulra qualquer parle.
200,.?1 a 300^ rs. ; no Mondego a tratar com
Francisco Soaros Cordoiro defronlc da casa do
Sr. Luiz Gomes Ferrcira. (4
1Vende-se urna preta do nacao, rln boa fi-
gura do 25 annos, parida do 20 dias.com
venda com poucos fun- muito bom leite e a cria est muito gorda ;
e tom commodos para na ra da Aurora n. 42, segundo andar, das
6 as 9 horas da manhaa e das 3 as 6 da tarde.
1 Vendem-se, arrenda-se o aforo-so ter-
renos, quo forao do engenho da Torre, tanto
na margom do rio Capibanbe como na estra-
2Vende-so o sobrado n. 7 na travesa da
Madre de Dos, de dous andares e solao, em
chaos proprios, proximamenlo rectificado, tam-
bem seda com alcuin praso emumodo ao com-
prador ; na ra da Cruz n. 50.
2 Vende-se urna
dos em bom lugar
familia, na ruado Noguoira ; a tratar as Cin-
co-pontas n. 152. (4
2Vendem-se fardos de algodo de Minas,
Compras
9Compra-sccfcctivumcnto nesta Typogra-
phia toda a qualidado do pannos cortados ou
velhos, sujos, ou limpos aparas de papel, pa-
pelSo e toda a qualidado do papis voltios. (4
3 Compra-sc urna caixa com as competen-
tes fixas para jogo do voltarcle; quem tiver
annunc'ie. (3
2 Compra-so a obra de Moral pelo Mon-
te, BispodoBiode Janeiro ; quem tiver an-
nuncie, (3
*2 Compra-se urna escrava quo saiba co-
sinhar oengommar bem ; no pateo da Penha
n. 4. (3
1 Comprao-so eflcctiva'mente para fra da
provincia mulatas negras, c moleques de 12 a
20 annos pagSo-se bem ; na ra Nova loja
de (erragens d. 16. (4
Compra-so um marco de meia libra com
todos os pertences o que estoja cm bom esta-
do ; quem tiver annuncie.
1 Compra-so um, ou dous tachos grandes
de cobro oalguns caixoes proprios para de-
posito do refinacao de assucar; quem tiver an-
nuncio. (a
Pendas
Na padaria do urna su porta na praca da San-
la Cruz, continua a vender efectivamente ex-
celente pao, bolaxa de lodosos tamanhos, bis-
couto dosse, e d'agoa e sal, bolaxinha, tudo
das melbores farinlias que ha no mercado; e
muito bom caf inoido, qualquer porgao, c
preco em conta.
= Vendom-se portados de podra da Ierra, do
rnuito boa qualidade, a 800 rs. o palmo, ou a
3.1,000 rs a portada ; d-se a escolha vonta-
de do comprador : no principio do Atierro dos
A Togados n. 03.
= Vendem-se 400 varas de panno d'algodo
da trra, do muito boa qualidade, a 240 rs. a
vara, na ra do Quoimado n.57 ; urna canoa do
loto de 600 tijolos d'alvenaYia, por preco com-
ou aluga-se por 6,000 rs. mensaes.
as Vendem-se 32 palmos de trra da casa
demolida no caes do Machado, inclusive todos
fasenda muito forte o muito barata ; no ar- --------D- -
masem do Braguez, ao p do arco da Concei- do nova ; os pretendentes dmjao-se ao mes-
lo, (4 mo engenho a tratar com um dos seus proprie-
2Vendo-se arroz branco e vermolho pas- torios. (6
sas muito boas em caixas e em libras supe- 1 Vendem-so barricas grandes c pequeas
rior tinta de escrever, afflanca-se a boa quali- de oxcellento cal virgem por proco mois com-
dade, boa farnha e todos os mais gneros, modo, do que em outra quatquenj. parto ; no
tudo por proco commodo em porco e a re- trapiche da Alfandega velha o tratar com Hen-
talho ; na ra da Praia, venda n. 39. (6 rlques Maria Pereira Guimaraes.
2Vendo-se saldo Maranhao em paneiros,
bem alvo egrosso ; na ra da Moeda arma-
som n. 9. (3
2 Vende-se o muito velleiro brigue escuna
americano Washington Barge, do primeira
-i_Vendem-se 100 couros surrados, e 33 pa-
res de sapatos para homem ; na ra Direita
n. 72. (3
1Vende-se merino do cores c prclo a 1000
rs. ocovado, dilodo duas larguras a 3400 rs.,
marcha, forradoe encavilhadode cobre, promp- cortes delanzinha a 3, 4, 4500 eO/rs., la du
to a seguir viagom para qualquer parto; aira- quadros e listras para calcas a 400 rs. o cova-
tar com os seus consignatarios Mathcus Auslin
_V Compartida na ra do Trapicho n. 36 (6
2 Vende-se um negro do nacao moco ,
proprio para todo o sorvico de campo e casa ;
urna prelado 18annos, cose engomma co-
sinha e he lavadeira ; na ra da Cadeia de
S. Antonioao p da guardan. 25 por cima da
loja de chapeos. (6
2Vende-so bolaxa a 2#
patacas para negocio e a
fina ; na ra do Bozario n. 2 junto a botica.
do luvas de pellica do edr pura homem a y
rs. a duzia e o par a 200 rs., peca do cam-
braia lisa a 4/rs. ditasdo cassa do babado ,
de listras e quadros a 2000, 2S00 e 3/000 rs. ,
cambraias adamascadas e de listras a 3200 rs.
a peca, chales de cambraia bordados a 640 rs.,
algodao americano com listras azues, proprio
pararoupa de escravos a 240 rs. bons castores
rs. a arroba a 11 para caifas a 240 rs., metim branco a 340 rs. o
12 patacas bolaxa covado pecas de bretanha do rolo com 10 va-
ras a 1900 rs. bicos e rendas de todas as lar-
2 Vende-se um preto bom marinheiro do guras, e outras muitas fa?cndas baratas; na
25 annos ; na ra da Cadeia do Becifo loja de ruado Crespo loja n. 15 do Antonio da Cu-
Joaquim Gonfalves Casco. (3 nha Soares Guimaraes.
17
2Vende-se um lindo moloque sadio sem
nenhum deleito proprio para qualquer oflicio,
por ser bstanle habilidoso ou mesmo para
pagem e do excellente conducta ao compra-
dor so dir o motivo da venda; na ra estrei-
ta do Bozario n. 34. (6
2Vende-se mantoiga inglcza a G40 e 720 rs.
francesa a 500 rs., cha hisson a 2100 rs. es-
permacete a 800 rs. carnauba a 320 rs., letria
a 2'iu rs., macarra o a 200 rs. bolaxinha in-
glesa a 240 rs., cevada do Porto a 80 rs. caf
do primeiro qualidado a 140 rs. dito moido a
300 rs., toucinhode Lisboa a 260 rs., queijos
flamengosnovos a 1440 ditos inglezes a 5(0
rs. a libra cevadinha de Franca a 240 rs. ,
graxa ingleza a 150 rs. batatas em gigo a 1800
rs. e a 50 rs. a libra farinha de trigo ptima
para pSo-de-l a 80 c 90 rs. e superior a 10o
rs., linguicasa 300rs., paios a 240 rs. e a
2720 rs. a duzia vinhoda Figueira a i60o a
caada e a garrafa a 220 rs. dito do Lisboa a
220 rs. o de Cele a 160 rs. vinagre PBK a ty
rs. a caada e a garrafa a 140 rs., vinho feito-
ria engarrafado a 480 rs. a garrafa, licores fran-
ceses a 320, 400, 560 e 640 rs. mantoiga do
porcoa 340 rs. farinha doMaranhao a 00 rs.,
esleirs de Angola a 320 rs paneiroscom sal
do Maranbao proprios para casas particulares
a 560 rs. chocolate a 320 rs. e todos os mais
gneros por preco commodo ; na esquina da
ra larga doBoaario n. 39. (24
3 Vende-se um sobrado de dous andares
e solo em chaos livres bom quintal quo
vaideruarua em um bom lugar no bairro
1-
os matenaes existentes, cosinlia o (rentes que
so acbao em p, por proco commodo ; na ra do ** Antonio, vende-se para se pagar urna hy-
do Quoimado n. 57. potheca do mesmo sobrado ; quem pretender
Vendem-se algumas pedras para portaos
dojanellas ; no Alieno da Boa-vista n. 42, se-
gundo andar.
2Vende-se um grando sitio na estrada de
S. Amaro para Bellem passando a ponto do
lado direilo o primeiro porliio denominado
o sitio do mirante, com casa para duas fami-
lias bastante ierra para plantar ou ter 10
oui2vaccasdo leite todo o anno, com bas-
tantes arvoredos de fruto de todas as qualidades,
o 3 viveiros ; a tratar no mesmo sitio, ou no
Atierro da Boa-vista loja do calcado n. 38.
2 Vendo-se urna prcta perfeita engomma-
deira e lavadeira o colorido do todo o servico
do casa ; na ra do Sebo n. 48. (3
2 Vendo-so vinho de Bordeaux da melhor
qualidado quo se podo aqui adiar tanto em
quarlolas como em caixas ; na ra da Cruz
n. 40, casa do Bvlli & Chavannes. (/i
2 -Vende-so urna oscrava de nacao Angola ,
de 25 annos, do bonita (igura (az todo o sor-
vic.ido urna casa e hequitandeira; na ra da
Cunceicao da Boo-visla n. 6. (4
2 Vende-se carne secca do scrlao e tam-
bem urna porgao de ossos seceos e costilhares ,
barris com sebo, couros miudos e palha do car-
nauba tudo chegado proximamenlo do Araca-
ty ; na ra da Cruz, venda n. 26, de S Arau-
jo # Irmao. (6
2 Vende-se um preto bom padeiro anda
moco muito robusto e sabe bem todo o ser-
vico de padaria, na ra da Cruz n. 64. (3
SVende-te urna negrinha do 8 annos, pti-
ma para so educar; um molequo da mesma ida-
dude; um dito do 14 annos, proprio paro qual-
quer oflicio ; unta escrava de 1S annos, engom-
ma ecosinha; um escravo bom canoeiro, to-
dos so dao a contento ; na ra Direita n. 3.' (6
2Vciiiiu-s por motivos do molestias ,'e
ssr preciso se fa?er urna viagem a Europa, urna
botica bastante acreditada com armacao e
vasos de vidro a moderna, em bom lugar, o
vara-seo aluguel da cusa ; a tratar na ra
quem pretender, dirija-sc ao dito sitio, j da Cruz n. 50. (0
annuncie.
Vende-se um preto ladino
( do 20 annos ,
proprio para todo o servifo ; na ra do Livra-
mento loja de fasendas n. 18.
Vendo-se, por diminuto prefo um repor-
timento pora escriptorio com sua competenle
porta ; no ra da Florentina armasem n. 14.
Vendem-se sapatos de bezerro de todas'as
qualidades sapotos do lustro para homem a
2560 rs ditos de senhora a 2/ rs. ditos de
marroquim borzeguins para senhora a 2560
rs. ditos a 1 rs., sapatinhos decrianfa, tan-
to do lustro como de marroquim, borzeguins
inglezes a oSOrs., ditos rancezes perfuma-
ras muito acreditadas graxa em caixinhas a
100 rs. ; na praca da Independencia n. 28.
Vendcm-se duas escravas urna do 13
annos o a outra de 14 annos com habilida-
des ; na ra Nova n. 50, lerceiro andar.
Vendem-so 5 escravas, sendo duas pro-
tas do 20 annos, quitandeiras o 3 negrinbas
de 12 annos proprias para todo o servico ; na
ra Velha n. 111. (4
Vende-se o Gabinete Histrico Portuguez,
desde a origem dos Luzitanos at 1775, 17
volumes por 16^ rs. ; na praca da Independen-
cia livrorians. 6 e8.
Vende-se a venda da esquina da ra Im-
perial n. 2, por preciso com os fundos que
quizerem, ou s a armacao ; uns biucos de ba-
tanea grandes e pequeos, com conchas o cr-
renlos do ferro, urna poifao do caixas vasias
do Poito; a tratar com Joaqun) Pinheiro Ja-
come na mesma venda.
Vendo-so urna mulata de 25 annos ; per-
feita engommadeira, cosinlioira o lio ptima
ama do urna casa ; 6escravas mocas, duas sao
boas enaommarleir! o cosinheira^ ; -unid dita
boa vendedeira de fasendas e miudesas ; 3 es-
cravos ptimos para o servico de campo; um
inulnlinlio de 16 annos, bonito pagem ; um
n.olequedo 12 annos do bonita figura ; na
ra do Crespo n. 10, primeiro andar.
1Vende-se urna venda com os fundos do
- Vende-se urna canoa do carroira ja usa-
da por muito commodo preco ; na ra das
Trincheiras n. 22. (3
1_ Vendem-so presuntos americanos a 280
rs. a libra e a retalho a 320 rs. ; na ra da S.
Cruz, venda nova n. 5. (5
1Vendem-se presuntos americanos a 280
rs. a libra e a retalho a 320 rs. ; na venda da
squina da ra do Aragao quo volta para a
S. Cruz n. 43. (4
Vende-se um piano anda novo, por
prega commodo; no largo Jo Torco n. 20 so-
brado de dous andares.
Escravos fgidos
No dia 11 do corrente fugio um moleque
Vicente, crioulo, de 12 annos, pequea fi-
gura, rosto redondo ps grandes; levou cal-
Cas de riscado azul, camisa de chila., e chapeo
de palha usado ; quem o pegar, leve a ra da
Madre de Dos n. 7 quesera recompensado.
1 No dia 5 do correle dcsappareceo urna
preta do nacao de nomo Filippa levando 1
taboleiro com eccos seceos a qual he magra ,
estatura regular, cor fula tem entre os dous
dentes da frente da parte superior um buraco ,
tem falta do cabellos no moio da caboca, de car-
regar taboleiro ; levou vestido de chita de pal-
mas grondes j desbotado e som estar embai-
nhado porbaixo saia de ganga azul, panno da
Costa, com urna cruz branca no moio e as
pontas urnas flores gesta muito de fumar ca-
ximbo e he muito conversadoira foi escrava
doSr. Joao Bdrigues Aracangel foi vista por
vezes por urna pessoa que nao sabia, que ella
eslava ausento vendendo arroz doce, na pra-
ca da Boa-vista e disso a pessoa que a vio,
que eslava morando cm urna casa na ra de S.
Goncalo ; quem a pegar, leve a ra da Cruz n.
64, que sci recompensado. (19
o. Dcsappareceo no dia 29 de Setembro do
p. p. urna cabra do nome Bita que representa
ter 45 annos, altura regular rosto descarna-
do, com um taco tirado om urna das orelhas ,
tendo em urna das fontes um signal do tama-
nho do um botao, desdentada na parte superior,
coslutna a embroagar-se a ponto de nao cahr,
mas d para (aliar muito; levou toda a sua fon-
pa ; costuma andar as vezes com panno da Cos-
ta ou chales ; a qual pertcnce a Manoel Fe-
lippo da Fonseca Cande; quem a pegar, love 00
dito Sr. morador na ra larga do Bozario,
botica n 42, quesera gratificado. (13
2 No dia 10 de Setembro do anno passado
fugio a preta Thcresa de nacao Bonguela de
38 annos, lem urna marca do logo no rosto e
um M no peito he de meia estatura bem pa-
recida dentes muito alvos, ps grandes eapa-
Ihctados, anda sembr do saia e cabecao ou
do vestido com as mangas cadas para baixo ,
ehe lavadeira ; quem a pegr, leve a ra Nova,
armasem do louca fina, que recebei 5# rs.
degratificacao. (io
2 No dia 18 de Setembro p. p. fugio a pre-
ta Mequilioa de nacao Costa baixa, secca ,
pernas grossas, ps algurn cousa apalhetados,
he alguma cousa dentuda, falta-lhe alguns den-
tos quoixaes, tem signaos do sua trra as fa-
ces e testa mas pouco se percobem he muito
bem fallante que por isso parece crioula do
40 annos, foi de Manoel loae ieivjiru Basto,
aondo venda fasendas o a um-anno quo venda
pao om um balaio grando do fra ; qom a po-
gjr, lovo a ra Imperial, padaria n. 43, que so-
f gratificado. (12
'ficiwm MTrp. os MF. diFaria.1844.
MEI '"^ ~vm~,pl


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPD0I9N0A_XGUZU7 INGEST_TIME 2013-04-12T22:07:57Z PACKAGE AA00011611_05198
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES