Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05191


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Aiiode 1844.
Sabbado 5
i
O l'URIO |>ubiC-f Indllt O M fM n.1.1 f,.rm ......KC.J. Sf*JIO lis Ullgnatura
(,,,!, tres mii rs. por quarlel pagos ilnnlid.it. Os innuncios dos .asignantes sao inseridos
pratis, < I"' *<. fufe,'' riiaoMe8U res por linhi. As reclamacea drvrm ser firi-
giiUs* MU l'yp rui das Cruzei n. 34 ou i prigi da Indepeodencia luja dt lirroan. c 8.
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goufitu,. l'arahyba,srgund.se iexi, feir.s.Rio Grande do Norte, che 8 < 2J e par-
te 10eS4.Ubo, Seunbiem. RioFormoao, Macey, l'oriCairo, Alazoas no i. ~
11 'al l ""- ,'"nhju Bomilo 10 e -'1 d. ,l. m I0,.Ti. Flor
,iiiie^l|lio.-L1(il( di Victoria i,uintis feiris. OUndi todos o. din
das da semana.
,'jU Seg a. Jernimo Autl. do J. de I), di _'. t,
J Terca es Virissimo, Mxima e.lulia. Re, and. do J. da D.di 3.
i Quarla s. I.eode^ario, Aud do J. de D. da 3 y.
a Quintas Candido. Aud do J. del) da'2. t,
4 Sexta B. Francisco d'Assis. And. do J. d I) da2.T.
5 Sab liacido.t Bel. aud do J. de 1). da d.T.
6 Dc.m N. S. do Rourio.
c. .
de O itubro
Anno XX. K. 225,
a-. ^^f nmnr i i
Podo OM .lepen le .!* r. meamos; .) m.ssa prnla-cia. ....' lo' a anerria: -
seremos anonte.ln. Mi """ ""J"" "'"
'%'/\ i" ,nii como principiamos seremos apnntadol > .i1""1
y^S '"" l'r..'la.,ia..i.. da AsarniM.'-a Cal .1
k
io iran.)
C1MIIOS so un 3(1 DR OITIHIKO,
compra
enda
Cambio! aohrt Londres .'-i e l| nom.
n Psiril SU rea por franco
u Lisboa .10 poi lUl. ilr premu
Our.-Modi .!r .400 V. 17.500 ,7,(l0
, N. 17.300 17.600
...... 1,00 9.500 i),7U0
Pr. i-iiaco., 000 -'OJO
PesOioolummnirM '-',000 '0.0
Diuxa.uo.Doi .WQ 8.000
HoMI de BOOM ao par
Id.nt da latra Je boas m.s 1 piroo
PHASES DA LA NO HEZ DE 01 11 BRO.
La c.baia a .0 as '.' lloras e 44 min. di m La mira a 1 i as i) li.
ianta I i al l.oraa 'J min ia Urde ( Crescenlr a S os 55
Preamar de hoje.
Puntura 10 horas ca n ii ia manilas. ISaeuuda as I' luira 18 ,. iniuulos da tai.l
4 min. da tarde.
at. da tarde.
DIARIO DE PERNAMBU
'ajnmirg fcinwM
BJrt^ffa-i.TJi^-*sEi.i.i;arii:,^tia..ijKirat
ni mmn j~ ir, u Aaa-i.g;. a^^i- ._ _
...
.

RESPOSTA.
A Alfandega rendeoo me
passado 269:676.^7 VI rs.,
nao obstante os primeiros
ensaios do bata I bao do Sr.
Nunes Machado, osboatos
continuos de desordem
a | nenedicto Lourenco, natural da provincia de
por Clle espa InadOS, e OS !S. Paulo, por ter sido recrutado som a dado
escriptos incendiarios (ie!marcadanasinstruc^es,iU rt'8ula recru-
* i tamento.
sua prodisccao; porque,' idkm do du 19.
tendo d'aqui a um mez de
municando-lhe om resposta ao sou oficio de?-
ta data, que liavia expedido a competente or-
den, para se proceder ao descont da quantia de
5j040rs., proveniente das diariai queinde-
vidamente se abonrao por sete dias a trez re-
crutasde Garanhuns, quo assentro praga no
batalhao d'Artilharia om 8 de Man duste
anno.
dem do da 18.
PortaraMandando cm cumprimento do Im-
perial Aviso de 2(5 d'Agosto ultimo, e do ofli-
cio do Exm. Sr. Presidente de 13 desto me ,
(Seteml)ro), dar baixa ao soldado d'Artilharia
tamento.
IDKM DO DU
Offic.oAo Exm Presidente, ponderando-
II el UIII Illi/Z CIC^ ^ li-e, sobre representacao do Commandante da
ser po.sla em execueao a comf>anniad ^ava"ar'a a necessi(ia nova tarifa, convem aos
negociantes despacharen)
as suas fazendas antes des-
ea poca. Ou os rabisca-
dores do D.~HOVO Sao eStil- Guerra.
A-, ~ dem no da 20.
piOS, OU peilSaO qiie nOS CmcioAo Exm. Presidente, fazendo-lhe
temOS OS olllOS fechados. relatorio da revista -'peccao que pro-
ceder nos corpos e companhias de linuaeda
guarda nacional destacada indicando e pe-
ser derogada a ordem que manda fornecer ao
Engenbeiro em Chele, um soldado montido pa-
ra o acompanhar as visitas das estradas.
DitoAo mesiiio Exm.Sr. .aecusando a rece-
pcao do seuollicio de 14 do corrente(Setcmbro)
acompanhado dos modellos dos mappas, que
trimensalmente se devem enviar a reparticao da
ms
' / R

> ...
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DO DA 1. DO CORRERTE.
OlicioAo Inspector da Tliesouraria das
Rendas Provinciaes ordenando, que vista
das clausulas especiaes, quo Ihe enva faca
por em arrematacao os reparos da cadeia da
eidad. d. ni.d. i- """'" u do, nao poda curar dos meios de subsistencia.
cidaue de Ohnda.Lommunicou se ao hnge- i-.-. o- _______:.._.
nheiro em Cbefe c ao Inspecto
dindo algumas providencias que ;i bem da dis-
ciplica e arranjo dos corpos convem mais de
[ promptodar.
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando o
: requerimento do soldado d'Artilharia relor-
mado Dionisio Nicolao, que implora a S. M.
o Imperador a graca de Ihe conceder, alem do
sold, o fardamento, visto que, estando aleja-
pcdindo-llie csclare-
inuncando-lhe que. a or.lein dada para o des-| sado, por isso que, alm de azer servido nos
cont das diarias que indovidamente se abon-
ro por sete das a trez recrutus do Garanhuns,
que assentrao praca no batalhSo d'Artilharia ,
* podia ser verificada quanto ao recruta Do-
mingos Ramos da Costa, por terem embarcado
para a Curte os oulros dous.
DitoAo Commandante da companhiade
'.avallara, exigindo a fe d'officio do soldado
Manoel Felis da Hoza, que ia responder con-
cel o de guerra.
DitoA o mesmo scientificando-o queem
attencao aos motivos ponderados no seu ofllcio
)r Fiscal das Obras
Publicas.
DitoAo Presidente da Kelagao, scientifi-
cando-o d'haver S. M. o imperad,r concedi-
do seis mezes de licenca sem ordenado ao Juiz
de Direito do Civel da comarca da Boa-vista,
Antonio Luiz Dantas de Barros Leite.
PortaraConcedendo licenca para conti-
nuar noLvceo os estudos preparatorios, com
. J. K que, estando doentc pedia trez mezes de li-
obrigacao de comparecer as revistas de mos- f ,_,' ,1.. .... ...vj.
cence de favor para tratar de sua saude.
DitoAo mesmo Exm. Sr. enviando-lhe
para que tiese a bondadede transmiltir Se-
cretaria dEstado dos Negocios da Guerra.os map-
DitoAo mesmo Exm. Sr., para que tives-
se a bondade de requisitar ao Exm. Presidente
da provincia no Maranbao a guia do 2.a Sar-
gento Felis Pereira Jnior que, vindo d'alli
com deestino Corle ficou pertencendo ao
batalbao d'Artilharia d'esta provincia.
DitoAo mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento doTenente Coronel da 2 clas-
sedo Estado maior J. .M. I. J. da V. Pessoa,
tra e grandes paradas, ao soldado do 2 bata-
ihao d Artilharia Hermenegildo Coelho.
Participou-se ao Commandante das Armas.
Officio-Do Secretario da provincia a Joa- ., n e4 ,0-cenies a forca d qu.m Pereira Bastos, .ntell.genc.ando-o de da naciona| deslacada no mez d'Agosto
havCl-oS. M. o Imperador nomeado Amanu-
. ,.;,. i. ultimo,
ense da Pagador.a Militar d esta provincia com D,to_A0 Exm. Sr. Tenante General Com-
o ordenado de 2W.> rs. por anno; e prevenin- mandante das Armas da Corte rogando-
do o de que deve fazer sollintar o respectivo ti- |he Q ess0 do so|dado do 2. bata-
tulo na Secretariad Kst.dodos Negocios da Guer- |h-o j^rtilharia a p / ntonio Jos de Brito ,
ra. Tambera se participou a Joaquim Jos em Junho de ,842 para all seguio em
1-erreiradeCarvalho e a Francisco de Paula c anha do t Tenenle Joao NIarinho C.
Noberto de Andrade tor S. M. o Imperador d-AmuquerqUe f ou declaraco de qualquer
concedido-lhe serventa, este do of-, destino que |)or ventura tivesse tido para qual-
ficio d'Escrivao de Orphao, o Ausentes do ter- dos corpcs do exerct0-
mo de Goianna, com o onus de dar a 3. par- >ito=Ao Tenante Coronel Comm. do 2 ba-
te do respectivo rondimento Jos Colho da ta||iaod,f\rtilharia a p.dando algumas dsposi-
Silva Araujo que se acha impossibilitado ?es n cercada esCripturacaodos livros sobeidia-
d'exercer o dito ofllcio, de que he serventiiario rjosao |jvr0 mestrei e das caixas administrativas
vitalicio; e aquelllo do do Escnvao do Juizo de fardau,nt0i rancho e hospital a fim de se
do Conservatoria dos Inglezes nesta provincia. po(Jer conc|uir a in8peccao j encelada.
-------------- PortaraMandando dar baixa ao soldado
COI!. I lian! daS Amia*:. !do 2 batalhaod'Auilharia Mximo Pereira Ba-
fxped.ente do di v 17 do passado. ralbo assentando praca em seu lugar aopai-
Oflir,o-Ao Exm Pres>dete informando sano Jos Pereira da Mlva, por elle ofTerec.do
o requerimento do Major G. A. F. P. da Cu- como substituto,
nha nue tendo deseuuir em commissao a llha dem do da.
Se, 3-e fossem abonados os Cfflcio-Ao Exm. Presidente informando o
sidos doste mez, e do d'Outubro vencer. requerimento do 2.. Sargento d Ar
itilbaria A.
So!: ;,:iSr rogando-lhe a J. de Freitas que pedia dous mezes de ..cenca
Mdicclo desuasordens. para que fosse for de favor, para ir a comarca do Brejo agenciar
Sao Maior Pmheiro da Cunha u... com- documentos, e cobrar um legado na cidade da
exped
Herido ao Maj
passo de calibrar, e urna rgoa graduada.
l)t0__Ao Iaspector da Thesouraria ,
Victoria.
ni- DitoAo Inspector da Thesouraria
com-
de 19, que foi levado ao conhecimento do Lxm.
Sr. Presidente da provincia ficava de ora a
vante sem vigor a ordem que inandava fornecer
ao Engonlieiro em Cbefe um sollado montado
para o acompanhar as visitas das estradas.
DitoAo Major graduado Sergio T. Castel-
lohranco, enviamlo-lhe a portara de nomea-
Cao e mais papis que servem de base ao con-
celho de guerra a que vao responder o 2.Sar
gentoTelles de Menezes e soldado Sant'An-
na, ambos d'Artilharia, para que, convocando
o concelho.houvesse de dar-lhe prompto anda-
mento.
Portara--Nomeando o concelbo de guerra
mencionado no oflicio a cima.
DitaMandando dar baixa ao soldado de
Cavallaria Joao Patricio Leal, e abrir assento
ile praca ao soldado substituto Jos Candido da
Cunha.
dem do da 24.
f'fllcio- Ao Exm. Presidente, rrmetlendo-
Ihe a conta do quo se est a dever de farJamen-
to ao ex cabo d'esquadra de Cavallaria de linha
Serafim Jos dos Santos para que tivesse a
bondade da mandar satisfazer depois decora -
petentemente analysada.
DitoAo mesmo Exm. Sr. dovolveodo-
Ihe o requerimento do soldad j d'Artilharia re-
formado Alexandre Pedro que pedia o paga-
mento do fardamento que se Ihe devia e in-
formando que o considerava no caso de ser
deferido da dta da sua exclusao do asilo dos
invlidos, visto que pelo artigo 3." do decre-
ta n. 244 do 30 de Novembro de 18H devia
ter-so-lbe tirado por aquelle asilo o quantita-
tivo marcado para fardamento.
l)ito--Ao Major Commandante do corpo
d'Infantaria de Guarda Nacional estaccionado
na povoacio dos Afogados ordenando-lhe
que se recolhefceao seu respectivo quartel com
a forca, e bem assin. os ordenanzas de Caval-
laria, devendo deixar nicamente o destaca-
mento que anteriormente all existia
Dito--AoCapitao Antonio Dornellas Cma-
ra, transmittindo Ihe a portara de nomeacao e
mais documentos que fazem a base do conce-
Iho de guerra do soldado de Cavallaria Manoel
Felis da Boza, a fim de ser convocado o conce
Iho e ter o devdo andamento.
Portaria--Nomean.ro* o concelbo de guerra
de que trata o oflicio cima.
dem do da 25.
OfllcioAo Tenente Coronel Commandan-
te da llha de Fernando, dizendo-lhe que o Ca-
pitao da barca Emelinda Antonio Francisco de
Jess, condusia a ser-ihe sntregue a quant.a
de 2:991,120 rs., sendo 2:958,220 rs. dos
encmenlos at o ultimo de Agosto daspracas
d'Artilharia e 32,300 da de Cavallaria, para
que mandasse realisar o pagamento segundo
as relaces remetlidas pelos respectivos Com-
inandantes.
dem do da 26.
OflicioAo Exm. Presidente restituindo
Ihe informada a petic8o do Reverendo Joao
dos Santos Fragoso que peda ser prvido na
capellana da fortazoza de Itamaraca, que va-
gara por morte do Padre Pedro \l8rinho Fal-
ao.
DitoAo mesmo Exm. Sr. enlregando-
Iho competentemente informada a petcao do
Cirurgiao Ajudanle de Artilharia S. J. Cro-
mes, que supplica o abono da gratificar;") de
8 rs. mensaes.na f ma decretada no art. 32
diflerentes corpos, tamben, exercia suasfunc-
coes no Hospital Reg mental desde 5 de Outu-
bro de 18*3.
DitoAo mesmo Sr.
cimento acercada entrega dos cal. etas exis-
tentes no Brum e Hospital Regimental, raqui-
sitada pelo Engenheiro em chele, e rogando a
S. Ex. que no caso de autorisar essa entre-
ga, fizerae excloso dos dous que estavfio era-
pregados noservicoda limpesa da mesma for
talesa, e no do Hospital, por seren de abso-
luta necessidade.
Thesouraria drt Fazenda.
expediente de 27 do passado.
Ofllcio Ao Exm. Presidente da Provincia,
informando o requerimento de Antonio Fran-
cisco, pedindo o pagtmento do que se Ihe devia
constante da nota, que acompanhava.
Dito = Ao Delegado do termo de Goianna,
eommunicando, em resposta ao seu oflicio, que
(ica\ao rccolhidos aos arma/ens da Fazenda os
cento e oito quintaes de p io-brasil, que condu-
mio Francisco Antonio da Silva Jurema, e que
este'anda tnha de entregar, para concluir o
contrato que fez com o Thesoureiro, de 700 a
800 quintaos do dito pao. e que era necessaro
se Ihe facililasso a conduccSo com as cautellas
precisas; eommunicando finalmente, que,
alm do contrato feitocom o referido Jurema,
nenhum outro existia com a Thesouraria.
dem no da 28.
Oflicio Ao Exm. Presidente da Provincia,
informando >hre o plano para a extraccao das
loteras concedidas beneficio das obras da ma-
triz da Boa-vista.
dem do da 30.
Oflicio Ao mesmo Exm. Sr., informando
novamente o requerimento do Antonio Alves
Barbosa, que, vendo a impossbilidade de con-
sentir se que o seu armazem do largo do Corpo
Santo fosse considerado ponto de embarque e
desembarque, nohavendojguardas suficien-
tes para os que existiao, julgava poder susten-
tar a sua pretancSo, olerecendo-se voluntaria-
mente a pagar o ordenado do Guarda que se
houvesse de nomoar para o dito armazem, sem
que nesta nomeacao e oscollia tivesse a menor
ingerencia, e nein direito de reclamaco.
Portara Ao Thesoureiro da Faienda, pa-
ra acreitar e pagar no dia de seu venciraento,
pela caixa do exercico do 1844 a 45, conforme
a ordem do Tribunal do Tbesouro Publico Na-
cional de 14 do correte (Setembro) a letra in-
clusa de 0:878,802 rs., que a 15 dias precisos
sacou o respectivo Thesoureiro Geral, ordem
de Manoel Ignacio de Oliveira. Iguaes portaras
se passrao para o acceite e pagamento de mais
cinco letras ; sendo a 1.*, de -2:779,092 rs.,
ordem de Jos Joaquim Dias Fernandes ; a 2.a,
de 1:883,145 rs., dito de Joao Alvares de Car-
vallio Porto ; a 3 *, de 4:000,000 rs., dito de
Jos Francisco de Azevedo Lisboa ; a 4.*, de
4:495,194 rs., dito de Mondes & Oliveira ; e
a 5.a, de 10:000,000 rs., dito de Gabriel An-
tonio, e 20 dias precisos.
______ *__________t_______^--------------------
Comin nicado.
Desesperada a gente do ligeiro cora a derro-
ta quasi geral, o completa, que tem soffrido em
todos os ngulos desta provincia por toda a
parte, onde o espirito da desordem que ella
proclama, eaconselha, nao tem podido pene-
trar, e corromper, onde em summa o sangui-
nario club Jut invisiveis nao tem podido fazer
calar as suas '.deias do morte, e de exterminio ,
desanaue, edepilhagem, tem uestes ltimos
dias tocado meta do seu atrevimento !
O D.-novo, echo inlernal dessa pandilha de
miseraveis aventureiros de pescadores d'em-
pregos pblicos e o Guarda Sacional esso
papeluxo infame, e incendiario, ja a ninguem
^uardo decoro ; ja a ninguem respeitao! Lan -
I do convicios o das
i/ados no immundo lainat;
das nstruccoes de 10 de Janeiro do antio pas-1 calumnias, des descomposturas e das mentiras,
***M
-. *-
\
P


a
a ludo atacao, a ludo ferem As reputaces
mais bein cstabelecidas, os homcns mais hon-
rados e pacficos, e al a muito respeitavel e
veneranda familia Cavalcanti, tudo, ludo tem
sido victima de suas torpezas do canibalismo
dessa gentalha infame da praia O D.-novo,
he por assim dizer a cascavel que, pisada pe-
lo viandante, nos acessos de sua furia vai tor-
io ea direito vingando o seu furor sobre tudo
que ao encontr se Ihe ollerece; e o Guarda
Nacional he o cao damnado da praia, que em
sua cega raiva deita correr e morde a quantos
eDcontra !
E que outra linguagem em verdade se pode-
rla esperar de urna duzia do hoinens to ambi-
ciosos e immoraes quando dominados pelo
desespero de urna completa derrota ? D'bomens
to nimiamente infames, de sevandijas, que
para obterem um lugar em a representacao na-
cional teem, como he publico, vendido a justica
at aos seus proprios inimigos?! D'bomens
cmlim to baixos e despresiveis, que, sendo
Magistrados, nao se envergonhro d'entrar
por esta cidade cmmandjndoo batalhao ligei-
ro dos cacetistas dos Afogados, o que autoris-
rao corn suas presenca as pancadas, os insultos
e os gritos sediciosos de morras, e quanta pat-
faria quiz fazer essa gente desenfreada que el-
le! dirigio ? Que se deve esperar de Magis-
trados tio desnaturalisados, que de noite se reu-
nem em clubs, e que, julgando se arbitros da
sorte de todos aquelles que nao compirtilhao as
suas ideias de anarchia e de sanjjuc, os votao
moste nesses covis infernaes? .' Que decre-
to at o exterminio, por todos os meios possi-
veis da familia Cavalcanti, de urna familia
a quem todos ellos devem, mais em menos a
sua elevaco E isto s porque ssa familia
se n5o quiz encarregar da candidatura de
monstros tao abominaveis ?!.'.. Que se deve
em summa esperar de homens tao vil, e cobar-
des, que s'hurnilho, que rojao-sc aos ps do
Senhor Antonio Borgesda Fonseca para que
este os ajude em seus planos d'ambicao, e ego-
smo; quo dos rogos e das bumilhaces passo
at as promessas de o inscrever em sua chapa co-
mo candidato representacao nacional ; mas
que, sendo com dignidade repellidos por esse
honrado, se bem que austero demcrata, e ven-
do que era em vao que tentavao sedusil-o ,
decretlo em seu club d'invisiveis a morte desse
honesto cidado d'envolta com o destruicHo da
iuatypographiaV.il E, para executar esto de-
creto infernal,fazem d'esta cidade partir sicarios
'recrutados polo ,/mz de Paz caano, e compe-
tentemente autorisados pelo magistral triun
viralo da praia ? Que horror! J'ernambuca-
nos / attentai seriamente para esso fado, hor
roso sim, porm verdadeiro, e daqui conclu
de quanto he capaz essa pandilha da praia ; a
quanto ella se atreve para chegar aos seus fins !
De quanto be nada para ella a vida, e a pro-
priedade de seus semelhantes Oh Jamis
appareceo em Pernamhuco hum partido que
como o da praia, fosse tao desleal, e brbaro,
tao cruel e deshumano Um partido que
assim a sangue fri autorisasse a morte de
um cid,idao, de um pai de familia, s por nao
ter este querido trabalhar de commum com elle
em seus projoctos libertecidas Nao admira
poisa vistadisso.a vista de fados tao horrorosos
de que a praia jamis poden! juslificar-se a
linguagem virulenta descomedida o brutal
que essa cahilda iifame diariamente ostenta em
suasfolhas, ou para melhor dizer em seus pas-
quins ; porquanto ao que se nao abalanzara
essa pandilha; diante do que meio ainda o mais
criminoso, abominavol, e vil recuera essa gen-
talha da praia depois de ter cummellido os i-ri-
mes e as indignidades cima apuntadas ? !
De que finalmente nao serao capazos, o que nao
ousar homens perdidos de reputaco,quando,
tendo consciencia de si proprios, sahem queso
podera ser alguma cousa na sociedade que s
conseguiro elevar-se quando fr tal a corrup-
to, e a dosmoralisaco do povo, que as ideias
de honra e deshonra se acbem confundidas,
quando a probidade nada valha, quando final-
mente o mrito, e demerito sejao sinnimos?.'
Sim, e he por isso que a praia em suas imundas
folhas trata de deprimir os homens mais honra-
dos desta provincia,e he tambem por isso que ella
aberlamenle conspira contra a familia Gavalcan
ti;pois bem v.e senteque, omquantoexistiressa
familia veneranda,impossivel Ibes ser a realisa-
c3o de seus planos infernaes; o he ainda por
isso que a praia declarou guerra aborta a tudo o
que be honra, e probidade, em summa a todas
as qualidades, a todos os sentimentos, e affei-
ces mais nobrese charas ao coraeo do homem!
E haver alguem, que a vista do que temos
dito concordo ou diga, quedo tal gente he que
devem sahir os representantes da provincia de
Pernambuco Pensamos, que nao. E na ver-
dade s quem estiver inteiramente fascinado
pelo espirito de partido, s quem tiver feito
abstracto do tudo quanto he honesto e rene-
gado todos os principios de honra, e virtudc,
poder, sendo Eleitor, prestar o seu sufragio L
tao indignos praieiros! Qual o homem de sen-
so. que concorrer para ser exaltado a dignida
de de Deputado, quergeral, quer provincial ,
um Juiz de Paz cabano por exemplo ? Esse
homem que quando ompregado na Secretaria
do goYcrno abusando da confianza, que como
tal gosava communicava aos chefes ca-
lanos todas as ordens, medidas, e resolucoes
que contra as mesmos tomava a Presidencia?
Quem dar seu voto a um trahidor scmolhante,
a um ente lo prfido, que as: im venda a tran-
quillidade de sua patria Que so devora espe-
rar de um ente tal na representacao nacional ,
si'nao que adinheiro de contado venda a sorte da
nossa Patria'. Que Brasileiro digno d'esse nome
votar nesse magistral triunvirato da praia, nes-
sei cbefei ostencivoa do batalhao ligeiro nes-
ses homens, que, armando as massas, as con-
citrio a anarchia nos dias 7 e 8 do passado, e
poseroesta cidade, durante esses dias, em
completo susto, e agona? Ser capaz de ser
Deputado, de representar na corte urna provin-
cia, c mo a de Pernamhuco, um Juiz do Direi-
to, que commanda a canalha no meio do nossas
ras?!'.!!.' Quo as pracas se msela com ella,
chamando-lhe ora meus filhos, ora meus loos.'
Elle que tem tao pouca dignidade de si proprio,
que de porta em porte anda pedindo, e mea-
oando para que fhe assignem chapas!' Esse
homem que de rapte as portas das igrejas,
toma chorope, -e canta modinbas, misturado
com a gento da mais infame plebe / Ser
tambem digno de representar l'ernambuco,
ter mesmo as habclitar.es para isso necessa-
rias um padre Jesuta, bypocrita, c refalsado;
tm sanguinario, sempre autor d'indicaces de
morte no club dos invisiveii, que, sendo minis-
tre de um Dos de paz, se degrada tanto de
sua dignidade que presta em clubs juramentos
sacrilegos! Como cumprir elle o juramentos
que der de deffonderos nossos inteiesses, Per-
nambucanos, se ja perjurou daqui lie que no
altar sagrado prestou aoscu proprio Dos / !
Ah e se para ser Deputado elle s'esquece do
seu Dos, como se nao esquecera de nos, e dos
nossos direitos quando houverde promoveros
seus commodos pessoaes! Pernambucanos!
compenetrai-vos do vosso dever; nao vos deixeis
.liliquear polas harpas da praia; evedeque.se
taes sao as notabilidades desse partido anar-
chico, edesordoiro; se deste jaez sao os seus
principaes, os seus chefes, os que, por mais
entre elle avultarem, figuro na sua chapa,
os outros, os menos iufluentes, estes que, quaes
belinguins da cahilda, como creados os acom-
panhao, nao pdem deixar de ser os mais vis,
os mais abjedos, os mais desprcziveis dos
homens. PernamLucanos nao subscrevais
a vossa vergonha, concorrendo com os vossos
sufragios, para que seja elevada a impuden-
cia, a fraude, a traica, a infamia cmlim.
Assim o espera.
O verdadeiro libera/.
Correspondencia.
Por mais, Senhores. Redactores, que eu nao
quizesse lanc-ar mo da penna para responder
as calumnias, e censuras feitas pela = caoa-
M) i cracia praolra pessoas, que pela hon-
radez, e amor da oidem que as caracterizao
sao por nos conhet'idas como cidados prestan-
tes, por persuadir-iiie quo sendo ellas parto
de tal gentinha jamis pdem manchar a hon-
ra de possoa alguma ; vejo-mo com tudo boje
obrigado pela amizado a pedir um cantinho
em sua bom conoeituada folha, afim de que,
defendondo o Sr. Souza Leo, meu digno
amigo, da calumnia que desapiedadamente Ihe
f i irrogada no />. novo n. 210, possa desmas-
carar tao despejada pandilha. Depois do f>.
novo referido, em um estirado artigo, prenhe
de inepcias, descnmpr sem rebuco, como he
seu costume, o partidoOrdeiro .prosegue,
no mesmo artigo, dizendo ter o Sr. Souza
Leo pretendido assaltar 8 cidado d'linda &c.
Autos de mostrar a falsidado dessa asserco,
e o despejo de to infame calumniador; permit-
a-me o Sr. Nunes Machado, que Ihe interro-
gue, como he quo se dizendo amigo do Sr.
Souza Leao, e sendo, como se nao ignora, di-
rector i!o prelo praieiro, consente que se pu-
liliquem, contra seu amigo, calumnias, que a
nao ser o extremo descrdito em que se uclia
tao infamo pr lo, por cerlo o manchario? !
E nao me diga que Ihe he impossivel obstar a
puhlicacao de taes calumnias, porquanto sa-
be-se quo outros f> lizero em idnticas cir-
cunstancias. Onde ? Sr. Nunes Machado.
Onde esto aquellas tao doces expn sses de
amizado |>or \. S. prodigalizadas na vespera
da.....a respeito de.....? bem me en-
tende. De duas urna, ou S. S nao consa-
gra essa amizade que di? ao Sr. Souza Leo,
ou nao Ihe compete a direcao de tao lenebro-
zaiinprensa; mas he corto, competir-lhe essa
honra, logo he V. S. um verdadeiro.....
deixo a seu bel prazor a consequencia. Sim o
Sr. Nunes Machado nao he amio do Sr. Sou-
za Leao, e nem de pessoa alguma, o que que
ra era, que o nosso amigo continuasse a ali-
mentar a intriga contra o seu honrado prente
o Sr. Coronel Joaquim Cavalcanti, e desta
arte faltasse, e nao accedesse ao pedido de seu
tao velho quanto carinhoso pai. Conbeea
pois o Sr. Souza Leao o amigo que possue na
pessoa do Sr. N. M.
Muita geni' sabe, e a praia nao ignora,
que o Sr. >^ouza Leao chegando a Olinda no
da 18 do mez passado, ahi se demorou ateo
dia da eleico, do que sao testemunhas os Srs.
Drs. Souza Gomes,Bandeira, (praieiro), Ca-
pito Passos, Salgueiro, e outros que a referil
os seria enfodonho, dia em que se retirou por
ter cessado o motivo que o fez demorar n aquel-
la cidade : ora se assim he. o que nao se pode
contestar, como poderia o Sr. Souza Leo, es
tando em Olinda, assaltal-a S muito des-
pejo obrigaiia esse infame calumniador a di
/.o I-o. De mais, quaes foro os actos, pralica-
dos pelo Sr Souza Leao nesses dias, que posso
provar ter premeditado semclhanto assalto ?
reunira por acaso gente? patenteam a al-
guem essa ntenrflo P nao logo, como afir
mais ter elle pretendido semelhante corsa ? ln
fames! Nao vos cobristes de pudor quando
publicastes to vizivel calumnia ? Esuppon-
des, que, quando a intencao do meu amigo
fosse a que Ihe attribuis, que elle recuaria de
sua pretendi pela presenca de qualro galos
pingados, quatro amigos da Misericordia,
Cmara, e de quanta Irmandade ha ? Essa
pandilha, Srs. Redactores, est persuadida
do contrario, mas ho preciso calumniar, be
preciso enxuvalbar quem com ella se nao une
Porque nao fallo esses infames do armamen-
to condusido para Olinda, e recolhido as
casas de seus correligionarios ? o que foi bas-
tantemente publico. Seria acaso o Sr. Souza
Leao quem limpra um clavinote em sua [va-
randa, na vespera da eleico, ou esse torpe ca-
misola ? Accabnrci. Srs. Redactores, estas
linhas qno hei tracado em defesa do meu ami-
go asseverando que o Sr. Souza Leao nenhum
caso faz das calumnias a elle irrogadas por tan
miseravel canalha, porque nao sao estas o nu-
tras que Ihe pdem raser descrdito, e esta
bem convencido que s o parentesco que o une
a familia Cavalcanti obrigara essa infame ca-
hilda a semelhante arrojo, por nao Ihe ser des-
conhecida a guerra de morte quo ella faz aquel
la familia.
O amigo da Sr. Souza Leo.
_________NECROLOGA.
Beatus vtr qui non abiit tn
consilio impiorum.
Acaba de fallecer no meio de amigos since-
ros, que o pranto, entre os solucos de pessoas
dignas queoamavao, na villa de Garanhuns, a
25 de Setembro lindo, o Bacbarel Joaquim Jo-
s Rodrigues de Sousa, Juiz Municipal e de Or-
phaos daquella villa.
Este digno Pernambucano, que sempre en-
tretevo relaces com as pessoas as mais dignas e
de mais sa moral dos lugares onde residi, me-
recendo o elogio que. dictado pelo Espirito San-
to, proferia o Re Proleta Beatus vir qui non
abiit in consilio impiorum, d o ultimo sus
piro ao Creador no verdor dos annos Urna
morte repentina e prematura corta o fio da vida
de um joven que enchia de orgulho sua familia,
que honrava um pai extremoso e urna n.iii ca i -
nhosa ; a cruel parca submerge no pranto e co-
bre de luto, nao s os autores da existencia de
um cidadao estimavel, mas tambem a seus ir-
mos, e aos muilos amigos que o idolatravo.
Joaquim Jos Rodrigues de Sousa, filho le-
gitimo de Antonio Jos Rodrigues, nasceo.nesta
cidade do Recife, a 17 de Agosto de 1817.
Recebendo de seu honrado pai a educado,
que era compalivel com a mdica abastanca,
que este procurou sempre por meios honestos
guardar, dco logo musirs da piodade, que
herda\a de pas to religiosos, amando-os, e
respeitando-os em extremo, e comportndo-
se as aulas com moderaco pouco vulgar nos
jovens ue sua dade.
Frequontou o Curso de ^ciencias Socaes
e Jurdicas na cidade de Olinda, e ahi mais
notaveis se tornro sua brandura o docilida
de, sua condescendencia; e tolerancia para
com as faltas de seus collegas e amigos : seu
respeito e ven.Taco para os seus Preceptores.
Obtendo o grao de Bacbarel formado, foi
nomeado, sem que para isso lize.-se instancias,
Procurador Fiscal interino da Thesouraria de
Rendas Provinciaes, desempenhando esse car-
go melindroso, sem qucixa das partes, nem
prejuizo da Fazenda.
Picando desempregado, logo que o proprie-
tario teve de voltar ao seu empiego, o Dr. Ro-
drigues continuou a viver honestamente no
tirocinio da Advocacia : elle nao se foi aggre-
gar a essa roda de descontentos aspirantes de
emprego, que fazem guerra a todo o Governo,
que nao satisfaz a sua exigencia.
Quando se'noz pm exeCQ(8o, em 1842 a je:
da reforma, quejolerecia aos Bachareis variso
empregos, foi que se reconheceo o desentores-
se e a moderaco do Dr. Bodrigues: elle
apenas dirigi Presidencia da provincia um
requerimento com documentos das babilita-
ges, que tnha para ser empregado na Magis
tratura ; nao indicou, nao sollicitou empre-
go algum.
O lugar de Juiz Municipal n de Orphaos da
villa de Garanhuns, que elle exercia quando
seu triste fado o roubou a seus honrados pais,
a seus prenles e amigos foi-Ihe ter casa]
esorprehendel-o, quando talvez menos o es-
perava. A sua nomeacao foi apenas devida
ao apreco que a Presidencia fazia de seu com-
portamento tao singular, e tao louvavel n'uma
poca de tantas pretences.
No exercicio deste emprego a sua imparcia-
lidade moderaco e prudencia o azio to
sobrancoiro s exigencias e ao furor dos par-
tidos que todos os habitantes do sertio de
Garanhuns respeitavo suas decises e nem so
attrevia a murmurar contra ellas. Sua ten-
dencia para o partido da ordem quando se
tratava de eleices populares, era respeitada
pelos poucos cidados, que naquella villa teem
opiniao diTerente. No dia em que foi accom-
mettido do mal. que tiroulbo a vida em me-
nos de 24horas, acabava elle de servir de Se-
cretario da Mesa parochial.e de ter urna grande
maioria de votos para Eleitor.
Os cidados da freguezia de Garanhuns nos
ltimos instantes do amigo, cuja morte lamen-
tamos, dero-lhe as mais decididas provas de
estima e consideracao, e fizerao por supprir
(se isso fosse possvel) a falta de seus carinho-
sos pais.
O funeral do Dr. Rodrigues foi verdadera-
mente pomposo ; pois seus restos mortaes lora5
levados campa entre os Salmos da Religia
Catholica de que elle era um filho obediente,
por amigos sinceros e generosos e acompa-
nhado por um concurso as-as numeroso de ci-
dados respeitaveis, Acompanhemos pois em
tao digna acca os habitantes de Garanhuns ,
derramando urna lagrima de saudade sobre o
tmulo do amigo extincto.e clamemos naamar-
guradei.ossa dor: Pernambucanos Chore-
mos a morte precoce de um Magistrado que
nunca deshonrou o santuario da justica; de um
filho que sempre amou, e reverenciou seus di-
gnos pais; de um cidadao de pode ufanar.
Chrisles .' Roguomos a Dos pelo descanso
eterno dessa alma que sempre dasempenhou
os devores de piedade!
COMMEBCfCi,
Aifandegu.
Rendimento do dia 4..........7:209*247
Descarregao koje 5.
Brigue inglezalioyal Sovereignec&r\lo.
Alovimento do Porlo.
Navios entrados no dia 4.
Buenos Ayres; 30 dias, barca americana Ca-
roline, de 192 toneladas, capitn Oliver G.
Lae, equipagem 10, carga lia e couros: a
Henry Forster & C.
Maralo; 30 dias, potacbo brasileiro Caroli-
na, de 122 toneladas, capito Francisco
Bernardo de Mattos, equipagem 10 carga
diversos geneos : a Manoel Duarte Rodri-
gues.
Santos; 32 dias, hi^ue brasileiro Saudades de
Santos, de 260 toneladas, capitao Antonio
Cuimares, equipagem 1 i, carga diversos
gneros* a Jos G ncalces Casco.
Calhau de Lima; 53 dias, galera ingleza Ban-
gelore, de 889 toneladas, capito Christ
Nelson, equipagem 18, carga guana: ao
capito.
Puenta Arena; 130 dias, barca ingleza Peke-
nham, de 174 toneladas, capito Jams iMor-
rian, equipagem 15, carga pao brasil, cou-
ros e caf: aocapilo.
Navios sahidos no mesmo dia.
Boston; barca americana Coroline, capitao 0-
livers G. Lae : com a mesma carga que
trouxe de Buenos Ayres.
Pesca; galera americana Elizabeth, capito
Charles S. Tolier: com petreixos para pes-
cara.
IMPORTJCjO.
foyal Soverting, escuna ingleza, vinda de
Lcilh e Cockenzie, entrada no torrente mez, a?
consignaco de Jones Paln & C., manilestou
oseguinte:
De Leith ; 18 caixas com queijos e 375 bar-
ricas com cerveja ; aos consignatarios.
DeCockenzie ; 15 barris com manteiga, 16
barricas o 31 saccas com aveia, 200 barris com
plvora, 100 tonulladas de carvo de pedra ; aos
mesmos.


nni m. m.. IM,
i**
Ilecia ra^ao
1=0 Arsenal de Guerra compra, e paga
vista, seiscent >scovadosde panno azul ordina-
rio, sctecentas varas da madapolo, duzentas
no setecentas o cincoenta barretinas de pello
com fundo de sola, setenta o cinco mantas de
alaodo, setenta e cinco penachos para cavalla-
ria, e igual numero do cordoes de barretinas,
quatro bandas de laa para inferiores, setenta e
cinco botins, e cento e cincoenta pares do sa-
pa tos.
As pessoas que os qui/erem vender compa-
ra,' ,'ui, com as amostras e procos, nos dias 5 e 6
Juste mw.. >elo roeio itia ou a 1 hora
Arsenal do Guerra, 4 de Outubro de 1844.
O Escripturano --Francisco Serfico de slssis
Carvalho. ("
PUBLICACO LITERARIA.
Memoria Histricas da provincia de Pernam-
buco, precididas dura Ensaio Topugraphco-
historico, compostas pelo lenle da pr%-
metra Classe do Estado Maior do Exerdto
Jos Bernardo Fernandes Gama.
O resumo d'esta obra se acha inserido n'este
Diario em o numero 170 de 31 de Jullio
do correte anno e no D. novo numero 173
de 12 de Agosto do mesmo corrente anno. Pre-
co de cada um tomo de 300 paginas, com urna
estampa fina litnographada, em 8 francez 2j,
rs pagos na oceasio da entrega do livro. A
subscripcao feicha-se no ultimo de Outubro do
correntoanno, e quem nao for subscriptor so
obter a obra por 4*000 rs. por tomo.
Subscreve se na praca da Boa-vista botica
o. 6 do Sj. Jos, do Couto ; em S. Antonio
praca da Independencia livrana n. 6. e 8,
ra Nova loja n. 32 o Sr. Caj ,rua do Cabuga
loja do Sr. Bandeira Jnior e/na esbuma da
pracinhadoLivramenlo loja da Sra._Viu.va
Burgos;. e no Rscife praca da temercio sala
Associacio Commercial. ('-3|
Avisos martimos*
1 = Segu para o Rio de Janeiro o patacho
Iberio no dia 8 do corrente, recebo carga e
passageiros; trata-se com Germano Serrao
na praca do Commercio. C+
2 Para o Aracaty sai no dia 10 do corren-
te o hyate Nova Olinda, tendo parte do car-
regamento prompto, e s recebe carga miuda ;
os pretendentes dirijao-se ao frotador na ra da
Cruz, venda n. 51. I"
Leiiao.
= Bull & Chatannes faro leilao, por 10-
tervenco do corretor Oliveira, de grande sorti-
mento de fazendas francezas, suissas e allemaes,
de seda, linho e algodao, ltimamente despa-
chadas, segunda leira 7 do corrente, s 10 ho-
ras da manhaa, no seu armazem da ra da
Cruz.
BP -i2S2!
AMOS diVUSiH
GALEBIA DAS ORENS RELIGIOSAS
E MILITA BES.
l_Os Senhores assignantes desta galera
queirao mandar receber os nmeros que Ihes
faltao na praga da Independencia livrana n. 6
8. ondeconlinua-seasul.screver, para esta
interessante publicacio, e havendo ja alguns
nmeros da segunda serie. ("
O PEBNAMBUCANO N.6
sa. a luz hoja at o meio da, e achar-se-ha
venda a 80 rs. cada exemplar nos lugares ja an-
nunciados. onde Umbom se subscreve para esta
folha, recebendo os Srs. assignantes a coJec-
co completa desde ol.'n. em quanto nao se
preeneber a 1.' serie
V O NAZARENO N. 67
est venda nos lugares da costume a 60 rs. ca-
da exemplar. Traz urna reftfacao plena a> 0 -
noto de 3 do corrento, art.go mura.tlhas da
Tandiihocracta Subscreve-so para o Naza-
uhia, a 2,000 rs. por tnmestie, 3.500 rs. por
semestre, e 6.000 rs. por anno.
\0 VEBDABE1BO REGENEBADOR N. 5
esta a venda nos lugares do costume
1 AluRa-se o primeiro andar do sobrado
n\u'i.r5 ^a: trata-se no segundo andar,
4 e0mS;.J.J. Vieira da Silva tenha a bon-
dad! de annunciar sua moradia, ou de dlflgr-
,a ra Bella n.57, primeiro andar, que se Ihe
^ImpracimdeamrapwPo.iuguw'
~~i2de 22 a 2. annos, para tomar conta
raualuuer venda por balanco. do que ten.
lrP'4aUca, ou mismo para outra qualquer
occupaQo, annuncie ; ad verte se que o mesmo
sabe bem ler, escrever e contar,
1 =: Francisco Xavier Pardelhat embarca pa-
ra o Rio de Janeiro urna escrava do nome Mi
ria, de naco Bacca. (:{
=s OITerece-se um rapa/, de 16 annos, chega
do prximamente da liba, para criado de qual
quercasa, ou mesmo para lora da praca ; a tra-
tar no atierro da Boa-vista n. 2 V
1 Deseja -se fallar com algum dos paren-
tes da fallecida Sebastiana Caetana Furlado
natural da villa do Iguarass desta provincia, a
negocio que mnito Ihes interessa : annuncie. (4
l = OSr. Manoel Joaquim Antunes Cor-
r<'i,i Gomes queira vir, ou mandar ra do
(Crespo, loja da esquina que volta para a ra das
Cruzas, para se Ihe entregar urna encommenda,
o que ja se nao tein feito por se ignorar sua mo-
rada. (6
1 = Precisa-so fallar ao Sr. Jos 'lavares
Correia, para se Ihe entregar urnas cartas que
se tirou do correio por engao,na ra do Quei
mado, loja de miudezas n. 11. (4
1 =Quein precisar de urna ama de leite, que
o tem em abundancia, dirija-so a ra do Fogo
n. 23. (3
Precisa-so de um feitor para engenho,
que seja moco, robusto e casado ; trata-se com
Adriano Xavier Pereira de Brito, no atierro da
Boa-vista.
Previne-so que ninguem fac,a negocio com
urna letra de rs. 250,000, acceita por Jo5o Ma-
ri nbo da Cunha Cavalcanti, a lavor do Galdi-
do Alves Praganga, morador em Gurabira, por
se estar aunulando a validade da mesma letra
em J ii i mi.
1 ss Aluga-se urna padaria na ra Imperial
com os principaes utensilios e todas as commo-
didades precisas a urna padaria, ou a qualquer
estabolecimenlo, por ter, alm de outras vanta-
gens, urna camboa, pela qual chegao canoas ao
p da casa : trata se na ra Direita n. 82 pri-
meiro andar. (7
1 = Aluga-se urna boa casa terrea na povoa-
gao do Monteiro.para passar so a festa.com qua-
tro quartos, cosinha fura, quartos para negros,
com sua cacimba, dous quintaes murados, com
porto, sabida para o rio, eduas estribaras;
quem a pretender drja-se Boa vista, travessa
do Veras, sobrado novo. (7
1 = Januario Ferreira Cadaval faz sciente a
todas as pessoas que leem pianos, que est
prompto a fazer todo e qualquer concert que
for preciso, por precocommodo, na sua casa ou
em casa de seus donos, e tambem affina por
mez, conforme ajustar; trata-se na ra da
Concordia n. 3. (7
1Arrendao-se annualmente, ou pelo lempo
que se houver de contratar, o sitio ecasa do
.Manguinho, o qual tem os melhores commodos
e arranjos para urna grande familia : a sua lo-
calidade e preco de certo convida aos preten-
dentes; previne se que o sitio tem dous viveiros,
e, vista dos arvoredos e plantacSes, he de al-
gum rendimento; trata-se na ra de Hortas
n. 140. (9
1 ss Qu<'m precisar de um rapaz Portuguez,
que sabe bem ler, escrever e contar, com todos
os conhecmentos de negocio, para qualquer
occupao,o commercial. em que se deseja arran-
jar, pode procurar na tiavessa do Bosario loja
de bolaxa que abi se dir quem be o pretenden-
te, que tambem tem alguma pratica de arma-
zem de assucar. (8
1 = OBacbarel formado Vicente Pereira do
Reg mudou a sua residencia para a ra das
Trinchetas casan. 19, do Sr. Escrivo Bego,
onde pode ser procurado. (4
1 r= Precisa-se de um mulatinho, forro ou
captivo, que queira entregar um pouco de pao
nos arredores desta praga em um cavallo: quem
estiver nestas circunstancias, drja-se a ra dos
Charlis, boje do Bosario larga, padaria n. 18
V 1 = Precisa-se de meninos de 13 annos de
idade, que nao tenhao em que se empregar, pa-
ra urna olaria junto desta praca, dando-se Ihes
de comer e vestir proprio desta oceupacao, sen-
do seu primeiro emprego rapar e encoxiar tijolo,
e assm se Ibes ensinar at ebegarem a perce-
ber um jornal siiflciente ; os que quizerem d-
rijo-se ra dos Quarteis, boje do Rosario
larga, n. 18. (p
Na padaria de urna so porta da praca da
Santa Cruz contina-se a fabricar encllente
pao de todos os tamanhos e dflerentes eitios,
e muito boa bolaxa, para casas particulares e
para vendas, para oque tem as melhores fari-
nhas que ha no mercado, usa marcar a bolaxa
com a legenda em roda = Boa vista, praca da
Santa Cruz = eno centro as letras iniciaes
M. I. S. T.
= Na ra do Bosario larga n. 29 tem cartas
vindas da Iha de S. Miguel para entregar aos
Srs. Jos .Machado Soares, Duarte Borges da
Silva, Francisco Jos Mochado, Antonio Lucio
de Mallos, .Manoel Jos de Franca e Manoel
Jos Soares de Moura.
No dia 5 do corrente desappareceo da por-
ta io sobrado da ra Livramento n. 38 um ca-
vallo com os signaes seguintes: castanho, gran- ma da lei ; assm como todas as pessoas que ti-
de, (rente aberta, ps arrejacados, capado, verem pinhoresna mo do abaixo assignado os
magro, com urna cangalha aparelhada de novo, \enhao resgatar no praso de oito das do con-
e cambitos de pao para earregar oapim ; n&o se I trario serio vendidos para scu pagamento,
sabe se fugio o-i so loi furlado, por isso pede-se Jan Ganlambirt. (II
2=0 adminislradoics da casa de J. P.
Elster annunciSo ao publico que ninguem faca
negociocoui Martiniaono Jos Paseoal a res-
peto ile una sua escrav.i, n"in de outro qual-
a quem o tiver, ou delle t nha noticia, dirija- i ^ :
se ra do Crespo, loja do Sr. Manoel Joaquim
(lomes, que ser recompensado.
Quem quizer comprar um negro de naci
Angola, idade do22. anms procure na ra
do Encantamento sobrado n. 13, primeiro an-
dar.
Oabaxo assignado, procurador bastante
de Jnao Jos do Moura faz certo ao publico
que elle va entregar hoje a armacao da taver-
iio no oitao do Livramento n. 8, ao Senhor N i-
cente Ferreira Gomes, em pagamento do alu-
guel que se ests devendo por ser preeruel es-
ie pagamento a outro qualquer credor e mes-
mo porque, a dita taberna nada uiais tem e o
que ha de seus utensilios nao chega para a ren-
da dos novos impostos.
Antonio Francisco da Costa Praga.
= Oabaxo asignado declara ao encarregado
de vender a armac.a u poucos pertenees da
venda deJoa Jos de Moura. queo meSmo
Moura Ihe he ilevedorda quantia de 99,120 rs,
de gneros que Ihe vendeo para a mesma ven-
da da ra Direita do que deve licar do inte-
ligencia. Manoel Luis Viraes.
2 = Aluga-se urna casa sita nu ra da Estan-
cia, com os commodos seguintes: duas salas,
dous quartos e cosinha fra, quintal murado,
com cacimba e ps de larangeiras de embigo ;
trata-se na ra do Crespo n. 11. (5
3 Precisa se de um caixe ro de 16 a 18
annos para tomar urna venda por balando ,
que d (ador a sua conducta e que tenlia bas-
tante pratica; no atierro da iioa vista n 54. (
3= Faz-se sciente aos senhores que compra
vao o superior cha hisson na ra do Bangel n.
45, que elle se acha agora na ra Imperial,
n. 115. (4
2A officina deencadernacao que o Padre
Francisco Coelho de Lomos o Silva dirige na
ra I5ella n. 45, acha-so provida de ricos (erros
de dourar magnificas placas de relevo ex-
celientes couros e marroquins de todas as cores,
com o que pode executar as mais elegantes en-
cadernaces, que so exigirem quer inteiras ,
quer carlonadas, e o novo processo que emprega
no applicar e bruir o ouro torna o seu dou-
rado de urna permanencia infallivel ; a mesma
otlicina se encarrega tambem de brochar quaes-
quer obras impressas, com a perleico jaconhe-
cida do respeitavel publico, ea DO), prego mo-
derado. (13
\ Alugao-se casas no sitio do C8ueiro ,
para se passar a festa com glandes commodos
e banho perto ; a tratar no mesmo sitio. [1
3Aluga-se um sobrado de um andar e
soto, na travessa dos Quarteis ; quem pre-
cisar drja-se ao pateo do Matriz de S. An-
tonio n. 11. (4
2= O abaixo assignado vendo no Diario de
hontem quarta feira2do corrente,um annuncio
que se pretende comprar a armacao e seus ute.i
cilios e diminutos efleitos da taberna deJoo
Jos de Moura defronte do oito do Livramen-
to n. 8, a pessoa que se achar com direito al-
gum sobre a dita taberna queira annunciar ou
dirigr-se a ra Imperial n. 43, dentro em 3
dias para puJer ultimar a compra e passados
os mencionados 3 dias nao ser valiosa qualquer
exigencia que possa apparecer declara o mesmo
abaixo assignado queJoo Jos de Moura Ihe
lie devedor de 5jo20 de gneros que Ihe ven-
deo para a dita taberna declara para seno cha-
mar o comprador a ignorancia.
Joo Alves de Carvalho Porto. (16
}_Arrenda-se o arma/em da casa de tres
andares da ra de S. Francisco n. 5. defronte
da cadeia ; e mesmo toda casa altos c baixos
havendo quem queira alugar ludo junto ;
quem pretender, dirija-se ao segundo andar
da mesma. (6
PREVENCO CONTRA OS FALSIFI-
CADORES.
Eslevao Gasse, sabendo que em algumas lo-
e vendas desta cidade se vende um rap
|as
feito nesta provincia com o titulo de princeza ,
e falca imitacao de botes rtulos de sua fabrica,
previne ao publico seus degue/es que a bem de
direito de propriedadesua, acressenta nos ver-
daderos botes de sua fabrica um sello com sua
firma e insinuacaodo nico deposito do legiti-
mo rap princesa nesta provincia. A vista do
exposto, qualquer outro rap inculcado com a
denominadlo assima be falsificacao as fabricas
de EstevaoCasse nico inventor e proprictario
do rap princesa (leito no Brasil), tanto no Rio
de Janeiro, Babia, e em deposito no Mara-
nhao Para, assm como em Pernambuco na
ra da Cruz do Becilo n 38. (16)
2= O abaixo assignado com loja de fapatos
na ra do Livramento avisa ao Senhor que Ibe
hipotecou um escravo por nome Antero de na-
ci Angola pela quantia de quatrocentos mil
ris hoja de no praso doquinze dias o resgatar
e na lalta o abaixo assignado proceder na lor-
querbem, que o mesmo pertenca, porque ja
foi condemnado por sentenca a pagar o que de-
ve a dita casa fallecida, e para subtrair-se a
esse pagamento tem ocultado o dinbeiro quo
recebeo de Joio Leito Pilarligueira, ea es-
crava que Ihe tocou no inventario amigavel
que le com seu cunbado Jos-1 Caetano Farges
da Cruz, que Ihe tocara por fallecimento do
sua sogra. (*')
3Carlos Hardev & C. estabflecidoi no da-
tio da Matriz de Santo Antonio n. 2, com loja
de ourives, acabaS de receber um lindo sort-
menlo de obras de ouro do ultimo gosto, tran-
selins pora bomein adereeos para tenhoras ,
brincos, anneis, alfinetes, caixas deprata para
rap, maracaes para meninos; na mesin.i loj. se
recebe em comoiendas de qualquer qualidade,
seja de ourives como de cravador, compromet-
iendo a fazer qualquer obra de brilbante do
gosto moderno e concert ; qualquer obra t
mais delicada e difcil que seja. ( 12
2 : Km casa de 1 ornando Lucca na ra do
Trapiche n. 34. ha sempre urna grande orti-
mento de todos os melhores viudos tanto em
quartolas, como em caixas, tambem superio-
res conservas de (rutas da Europa, e outras
conservas de todas as qualidades, presuntos,
queijos &c acaba tambem de receber pelo ul-
timo navio cbegalo da Babia um grande sorti-
mento de charutos da afamada marca dallega-
lia, estes eoiitros muitos gneros se vendem por
precoc ommodo, (H
oBoga-so a quem por engao tirou do cor-
reio una carta viuda dos portos do sul n. 1 278
dirigida a Joiio Jos Gonzaga Pereira, a bon-
dade de a ir entregar em casa dos Srs. Mosqui-
ta & Dutra por cujo obsequio se mostrar gra-
tdao. (6
2= Acha-se novamenle aberta a padaria da
ra dos Burgos, que loi de Carlos Deters, sem-
pre com muito bom pao e bolaxa de superior
farinha, e leito com o maior asseio possivel,
assim como promelte-so servir bem a lodos os
fregueres, tanto os que mandarem mesma pa-
daria como os que quizerem que se mande a
suas casas. (*>
M S0CEDADE ^f$~
PHIL-DRAMATICA
O 1. Secretario avisa aos Srs. socios, que
boje pelas 6 horas da tarde lia scssc
1 Precisa-se para caixeiro no Bio orando
do Norlo um rapa; Portuguez, de Id annos ;
na ra doCabug n. 10. (S
1 Precisa-se alugar urna escrava para o
servico de urna casa, que saiba comprar cosi-
nhar, ensaboar e engommar dando-se-lhe o
sustento e \jj rs. mensaes ; na Solidado indo
pela Trompe, casa novan. 4"2. 5
1 Aluga-se urna loja muito boa para qual-
quer estabelecimento, e com commodos para
morada ; no Atterro da Boa-vistan. 21; a tra-
tar na mesma casa. (
3ssD. l/abel dAustria Souza Prado Masca-.
renbas e Pera nha e sua Prima l>. Aurelia
l mnima Bibeiro de Carvalho acho-se estabe-
lecidas com casa de educacao de meninas
na ra do Hospicio n. 9. e ah recebem alum-
nas internas e meias pensionistas com as seguin-
tes condc.es.
Cada alumna interna paga mensalmente, em
trimestre adientado 2s000.
Cada meia pensionista paga mensalmente em
trimestre adientado ljOOO.
As materias de ensino sao ; ler escrever e
contar, gramtica porlugue/a historia e geo-
graphia, e em quanto s prendas, cozer, mar-
car, bordar de todas as qualidades, e t&lhar.
As aulas de recreio, como msica, desenbo ,
danca, e linguas estrangeiras sero pagas em
separado sendo msica vocal e piano por
mez OjOOO desenlio StfOOO danca 4j000.
2=OITerece-se una mulher para ama do
urna casa de pouca familia, ou casa de hornero
soltciro com boas qualicades, nao para sabir
a ra o quem do seu prestalo se quizer utili-
zar dirija-so a ra de Hortas n. 2i debaixo
do sobrado. (6
1 Aluga-se o p.imeiro andar da casa n. 33
da ra do Amonio ; a tratar no mesmo sobra-
do com Antonio Jos Francisco Veiga. (3
.lo Marques da Costa Soares embarca
para o Bio de Janeiro o seu escravo Jos de
nagao S. Tbom (3
2ac Aluga-se umprimeiro andar com com-
modos para pequea lamilia ; na ra da Cadeia
velha n. 17 : a tratar na mesma. (5
= Oflerece-se um portuguez moco para fornei-
ro do padaria, deque tem pratica, quem pre-
cisar annuncie.
^mm


O Sr. que mandou lazer urna marque-
sa '!e angico, na ra estreita do Rozario e
quedeo Q n. de tfgnal faca o favor de a
mandar buscar no praso de 6, ou 8 dias ; pois
est prompta.ha uin moz, do conntrario o an- Ido n.
nuncianle a vender Meando de nenhum elel- lisar
to u slgoal; dverte-se por causa de (lucidas.
O Brasileiro adoptivo, do 50 annos, que
annunciou querer ser feitor deengenho ou de
otaria, dirija-se a ra Direita n. 40 terceiro
andar.
Manoel de Souza Guimaracs, morador na
ra da Praia n. 22, avisa ao Sr. Jos Francisco
de tal,morador na ra Ve I ha, Ollicial da fasenda
encarregado de receber os novos itnpostos ou
outro qualquer Ollicial cncarregado do mesnio,
que hajo de virrecebero novo imposto; pois
o annunciante j^fjrfi em casa desses (Xlciaes
para pagar e ests Ihe dissero, que virio rece-
ber em casa do annunciante e para que nao
acressa custas e nao hajo espertesas assim
como tem (eito a outn s o annunciante faz o
presente.
Quem precisar de um rapaz lirasileiro
para caixeiro de cobrangas, e mesmo para es-
cripta, dando fiador a sua conducta, annuncie.
1 Jos Antonio de Souza Grillo mudou sua
residencia da ra de Apollo para a ra da Cadeia
aonde continua a conceitar e lazer instrumen-
tos nuticos e de engenharia, e tambem a traba-
Itiarem demarcagoesde teiras como agrimensor
1 Continua-sea tirar passaportes para den-
tro e lora doimperio; correm se Mhas e despa-
chao-se escravos, ludo com a maior brevidade e
por prego commodo ; na ra do Rangel n. 34.
1 Na ruado Rangel n. 31, copiao-se sen-
tencas, processos etodoe qualquer papel judi-
cial com n.uito boa lettra preco commodo ,
e brevidade : assim como na mesma casa se alu-
gocanoas de todos os tamanhos para con-
duiir trastes de pessoas que tenho de passar
a esla por preco cemmodo. (7
2 PretenJe-se comprar a armaco e seus
utensilios e diminutos effeitos ,da taberna de
Joo Jos de Moura defronte do oito do Li-
vramenton. 8, a pessoa que se achar com di-
reito algum sobre a dita taberna, queira an-
nunciar, ou dirigir-se a ra Imperial n. 43 ,
e lazer ver qual o motivo d sua exigencia e
caso nao appareca quem se opponba a tal com-
pra no espago de tres dias para o annuncian-
te poder ultimar a compra da dita taberna ,
sobre o prc testo depois da dita compra, nao sede
valiosa qualquer exigencia, que possa ap-
e nao sechamarem ignorancia. (13
2 Manoel Francisco Coelho faz sciente ao
publico'i que mudou a sua aula de gramma-
Mca atina o poriugueza, uaia .i iud de S. Ama-
ro entrando pela ra Nova primeiro sobr-
is ; quem de seu prestimo se quiser uti-
dirija-sea mesma Aula, o casa de
residencia a cima declarada. (7
2 Roga-se ao Sr. Jos Paulina de Almel-
da o favor de dirigir-se a ra da Madre de Dos
n. 4, que su Ihe deseja fallar a certo negocio. (3
LOTERA de s. pedku
MARTYR DAGIDADE
E OLINDA
Correm infalivolmente as rodas, no dia 10
corrente e os hilhetes acho-so a venda
do
na ra Caliuga lojas dos Srs. Pereira & Guedes,
i'nos lugares j annunciados. (8
casa terrea com um solao
na ra Augusta n. 17 ;
l=Aluga so urna
cacimba e quintal
a tratar na rua do [{osario larga n. 50. 3
1 Dese|a-se fallar com o Sr. Vericimo
Antonio de .Mallos, a negocio que Ihe inte
ressa : na rua do Livramcnlo n. 6. (3
1Vcnde-se, ou aluga-se a padaria da rua da
Gloria n. 55 sem i'arinhas, com os preci-
sos para trabalhar ou se d sociedade a quem
abone a sua capacidade ; tratar com Manoel
Ignacio da Silva Teixeira na travesea da Ma-
l dre de Dos n. 11, at as 9 horas da manha 6
V Vendem-se superiores sapatos de couro d e
lustro marroquim e cordavo para senhora ,
ditos e botinzinhos para meninos borzeguins
pata senhora sapatos debezerro com pala pa-
ra homcm a 3200 rs. ricas fitas de seda lisas e
lavradas para chapeos de senhora, luvas cur-
tas e compridas meias de seda para senhora,
ditas de algodao brancas para meninas a 280 e
320 rs., bons do palha pintados a 240 rs. ,
ditos de veludo para meninos a 1200 rs. cai-
xinhas do rnadeira com espelho e um sortimen-
to de perlumarias proprias para senhora a U.V
rs. thesouias finas douradas llnha de car-
retel branca a 280 rs. a duzia dita superior de
'00 jardas a 9(0 rs. a duzia botes de dura-
que ditos de metal brancos e pretos para cal-
cas um completo sortimento de quadros de
papelo grandes e pequeos, muito barato ,
papel de
1
U2*jpn*s
1 Vende-se manteiga ingleza a 040 e 720
. e francesa a 560 rs. cha hisson a 2400
rs. espermacele a 800 rs., carnauba a 520 rs. ,
letria a 260 rs., macarro a 220rs. bolaxinha'
inglesa a 240 rs. queijos flamengos novos a
1440 rs. ditos ingle/es do prato a 560 rs. vadinia do Franca a 240 rs. cevada a 80 rs. ,
caf de primeira qualidade a 140 rs., dito mui-
do a 200 rs., toucinho de Lisboa a 260 rs. ,
graxa n. 97, 83 150 rs. batatas em gigos, a*
1800 rs. ea50rs. a libra farinha do trino
ptima para po-de-l a So e 90 rs. e dita
mais fina a 100 rs. linguicas a 360 rs. paios
a 1240 e 2720, vinho da Figueira a 220 rs. a
garrafa e a caada a IfiOO rs. dito de Lisboa a
160e240rs. a garrafa, vinagre muito forte
PKR a 1^ a caada e a garrafa 140 rs. vinho
do Porto engarrafado a 4S0 rs. licores france-
ses finos a 320, 400, 560e 640 rs. e todi? os-
mais gneros por preco commodo ; na rua lar-
ga do Rozario venda da esquina n. 39. 20
IVende-se um elegante forro para sala, do
papel pintado e dourado o mais rico possivel,
urna balanca com pesos de ferro e bronze pa-
pel de embrulho ; na rua de Apollo arma-
9 Compra-se effectivamente nesta Typogra-
pbia toda a qualidade de pannos cortados ou
velhos, sujos, ou limpos aparas de papel, pa-
pelo e toda a qualidade de papis velhos. 4
2Compro-se effectivamente para lora da
provincia escravos de ambos os sexos de 12 a
20 annos agradando pago-se bem ; na rua
da Cadeia de S. Antonio, sobrado de um an-
dar de \aramia de pao n. 20.
Compra-se papel de embrulho de toda a
qualidade ; na travessa das Cruzes n. 8.
1 Compra-se um par de fivelas de prata
s.m feitio ; na rua do Queimado n. 11. (2
5 Compra-se urna morada de casa terrea
no bairro de S. Antonio um colar grosso de
ouro e sem feitio; na rua Direita sobrado
de um andar n. 56. (4
peso dito meia hollanda macass
oleo a 1600 rs. a du/.ia, dito perola a 3840 rs. gem n. 6.
superior banha em potes de louca a 2400 rs. a Vende-se um preto do gento de \ngola
duzia, agoa de Colonia em frascos quadrados a de 29 annos, bom canoeiro e pescador- n
SOrs. dita mais ordinaria a 240, 400 e 480 rua do Queimado loja n. 43. (3.
rs. sabonetes para barba e outras umitas
perfumaras casticaes de casquinha a 2640,
2880 e 3200 rs. caixinhas com agulhas fran-
cezas a 320 rs. eum completo sortimento de
miudezas por preco muito barato ; na rua do
Queimado loja do bom barateiro n. 67, de
Ferreira & oliveira.
Vende-se urna venda com poucos fundos ,
na rua da Guia n. 50 ; a tratar em Fra-de-
para ba-
rua No-
parecer ,
CARROS DE
Vendas
Adolphe Bourgeois abri um estabelecimento
de carros de aluguel, no principio da rua da
Aurora por baixo do sobrado do Snr. Morao.,
no qual achar as pessoas que precisaren) ,
carros aceiados epoi preco commodo.
2 Aluga-se pelo lempo de Testa e confor-
me a vontade do pretendente; um pequeo si-
tio no lugar da Capunga com casa decente,
perto do banho o qual he o que foi do finado
Antonio Francisco de Castro; a fallar com Luiz
Gonzapa da Rocha na rua Formosa n. 5. (6
15M.e-Callum Companhia respetosamen-
te avisao aos senhores de engenho e ao pu-
blico em geral que na nova rua do Brum que
passa por detraz do Arsenal de Mannha teem
estabelecido urna ferrara ( sendo a ultima do
lado do poente da mesma rua), onde lazem
cavilhes, atracadores, parafuzos de apertar e
outras lerragens para engenho, eixos trilhos e
outras lerragens para carros parafuzos e por-
cas de todos os tamanhos lerragens para na-
vios, verandas, portaos, carros de mo e todas
as mais obras de ferreiro; e como os seus appa-
relhos recentementechegados de Inglaterra sao
de primeira qualidade, Dromettem agradar aos
seus freguezes tanto na qualidade da mo
d obra como no precoe promptido. (|6
2 Manoel dos Santos Lima faz sciente ao
publico quedeixou de ser caixeiro de cobran-
cas de Antonio Jos Pereira da rua do Cabu-
g desde o dia 15dop p. me? de Setcmbro.
2 Aluga-se um sobrado de dous andares,
na rua do Amorim n. 20, o qual et todo limpd
e pintado de novo, todos os andares, ou se-
parados ; a tratar na rua do Vigario n. 23, se-
gundo andar. ,
2 A pessoa queannunciou querer alugar
umaescrava, que nao seja velha e que saiba
cosinhar, dirija-se a ruada Calgada n. 24. (:}
2 Aluga-se urna escrava moca, e que sai-
ba lazer o servico de urna casa; na rua da Cal-
cada n. 24. /
2 Os Srs. Jos de Souza Teixeira mora-
dor em Pao d'Alho e Jos de Medeiros Bitan-
court morador emS Joo da Anadia, queirao
ir ou mandar a rua da Senzalla-velha no Re<
cie, n. 1 \, terceiro andar, receber urnas cartas
vindas da liba de S. Miguel. (6
2 Precisa-se alugar um moleque para o
servico de urna casa ou compra-se um mole-
que ou negrinha de 10 a lo annos ; defronte
da matriz da Boa-vista n. 86.
2 Madama Hauttleuille parleira Irance-
za, tem a honrado participar ao respeitavel pu-
blico e as suas freguezas que ten mudado a
sua morada para a rua da matriz da Boa-vista
n. 19, aonde a acharad sempreprompta. ,.,
2 Precisa-sede um menino Portuguez de
0 a 12 annos chegado ha pouco das libas,
ou Porto para caixeiro de urna casa de nego-
cio ; e que d algum lempo para aprender ; no
pateo do Cumio a, lo. ^
2Vendem-se cavallos para sella, bons e in-
feriores e tambem se compro ; assim como
dous sellins usados ; na rua da Conceicao da
Loa-vista n. 60 ; na mesma casa sangrao-se e
ALuG L hL. curao-se cavallos.
2Vende-se azelte de carrapato emporcos
por preco commodo ; em Fra-de-portas, rua
do Pillar, venda n. 137. ;3
2Vendem-se moinhos de pedra de moer
milbo por preco commodo ; na rua do Liga-
mento armasem de louca e mulhados-n. 20[3
2 Vende-se urna escrava com urna cria de
9 mezes cosinha engomma cose e Uva, do
bonita figura e de 20 annos; um mulato do 28
annos, carreiro ; na da Cruz n. 51. (4
2Vendem-se dous moleques da Cosa da
Mina ptimos para aprenderem offc|0 ; om
negro de 26 annos ptimo para 0 servico
decampo ou para outro qualquer servico;
na rua do Livramento n. 36, terceiro andar. (5
2Vendem-se pentes de tartaruga de toda a
moda abertos o lisos ; tambem se concerta
toda obra de tartaruga ; no pateo do Carmo ,
na loja do sobrado da esquina, que volta para
a rua dasirincheiras n. 2. (o
2 Vende-se um cavallo mellado em boas
carnes; na rua da Cadeia de S Antonio n. 14 ,
segundo andar. (3
2 Vende-se o legitimo e bem acreditado
rap Ama preta de Meuron # Companhia ,a
\ rs. a libra assim como todos os gneros da
melhor qualidade, e licores franceses sortidos,
por preco commodo ; nos Afogados rua de
Motocolomb n. 42 /g
2-\ endem-se bules caleteiras do metal de
difiranlas gostos, e apparelhos separados,
chocados de prximo por preco commodo: na
rua Nova loja n. 41. (4
^ Vende-se a
Abreo e Lima
portas n. 9o.
Vende-se mel de furo a 160 rs. a caada
no pateo do Terco, venda n 7.
Vende-se urna baca de rame ,
nho que leva 6 canecos do agoa ; na
va n. 63.
Vende-se urna mulata moca que faz to-
do o servico de urna casa ; na rua estreita do
Kozano n. 2, segundo andar.
Vende-se a venda da esquina da rua Im-
perial n. 2 ; uns bracos de balanca grandes e
pequeos com conchas e correntos de ferro ,
urna mesa de meio de sala urna porco de
caixas vasias do Porto ; a tratar com Joaqun)
Pinheiro Jacome, na mesma venda.
historia do Brasil pelo General
e 4 volumes da historiado pio-
Iho viajante ; na rua do Collegio, loja de livros
n. 13.
Vende-se a arte potica de Horacio tradu-
zida na margem elementos de algebra por La-
croix Klossariodas palavras e frases da lin-
B (era n.
LO JA DA ESTRELLA )
Rua do Queimado P? 2 5
ETTE
Vendem-se chales de seda de ricos padroos,
hegados no ultimo navio de Franca ditos de
laa e seda bonitos padroes.
Vcndem-se bichas o cento a 30# rs. e a
retalho a 00o rs. ; sao do mesmo tamanho das
que se vendern a .S00 rs. e fazem igual san-
ana ; na rua das Cruzes n. 39.
^ende-se um escravo robusto, proprio pa-
ra todo o servico decampo ou para armasem
de assucar; na rua da Cadeia do Recie, loja
n. 20.
Vende-se um bonilo moleque de -16 annos,
proprio para pagem o para todo o servico; um
dito de 22 annos, per le to canoeiro ; um dito
perfeito ferreiro proprio para engenho ; urna
mulalinha de 16 annos, engomma cosinha e
cose muito bem corta e faz um vestido ; urna
negrinha de 12 annos ; urna preta que cosinha
o fa po-de-lu com toda a perfeico ; na rua
do Fogo ao p do Rozario n. 8.
Vendem-se os livros seguintes ; historia
ecclesiastica por autor acreditado ll|v., dita da
revoluco francesa em 2 v. grammatica portu-
guesa syntaxe de Dantas eloecodo Sr. Bar-
reto epstola em verso S. Clair Month 3 v. ,
0. Sebastio o encoberto, poema por preco
commodo e em bom estado ; no Atierro da
Boa-vista n. 34.
1Vende-se um negro de nacao Mocambi-
quo de 2o annos, para fra da provincia, ou
para o mallo ; na rua da Cruz n. 37. ;3
1Vendem-se meadas de muito bom fio pa-
ra sapateiro a 400 rs. ; na rua estreita do Ro-
izarion. 13. (3
1 Vende-se potassa russiana, prximamen-
te chegada por prego commodo; na rua da
Cadeia do Recife n. 17. (3
1 Vendem-se batatas novas chegadas l-
timamente a 50 rs. a libra, cha hisson a 2 rs.,
manteiga franceza a 480 rs. dita de porco a
320 cal muido a 200 rs. dito de cevada a
180 rs. hervilbas novas a 100 rs. letria a
280 talhaiim a 200 rs. bolaxa ingleza de 9
em libra a i20 rs. azeite doce a 480 rs. a gar-
rafa vinagre forte a 100 rs. a garrafa assim
como urna cama nova de condur por barato
preco por se ter recebido em una divida ; na
ruadoArago, venda da esquina n. 43. (U
1Vende-se a parte do sitio, que foi do fi-
nado Soutoem Bebiribe, faz-se todo o negocio ;
dousbarrs que forao de azeite de carrapato e
um peso de meia arroba ; na rua Direita sobra-
do de um andar n. 56.
>1Na rua Nova ns. 12 e 29 acaba de che-
garum completo sortimento de fasendas fran-
cesas de bom gosto, bem como ricos setins la-
vrados brancos e de cores dilos lisos sarjas
brancas o pretas luvas de seda curtas e com-
pridas para homem o senhora cortes do la e
seda ditos de la, chita, e de cambraia com
llores do cores sedas escocesas chapeos de
sol, de seda cambraia adamascada e lisa, len-
cos e mantas de seda, chales de soda, los bran-
cos e pretos de linho meias de seda brancas e
pretas para homem e seuhora, sapatos de couro
de lustro e marroquim para senhora, borzeguins
gaspeados de couro de lustro para homem ca-
simiras elsticas dos mais modernos padroes e
de muito bom gosto ditas lisas portuguezas,
merino preto e verde pannos finos enfestados,
chitas de cubera esguio muito fino plati-
llas lona superior, chitas de asseoto coberto,
sellins inglezes do patente ditos de outras
qualidades, silbos com assento do veludo e de
couro do porco lencos de setim Maco para
grvala ditos escoceses ricos cortes decolle-
te de setim Maco, e outras muitas fasendas que
i>e Yuueuj por preco cuuimodu. ^24
1 Vende-se urna escrava crioula, de 30 an-
nos lavadeira edo servico decampo; na rua
da Cadeia do Recife n. 26 (3
1Vende-se urna (arda de guarda nacional,
por preco commodo ; na rua da Viracao lado
de S. Pedro loja de alfaiate. 3
1 Vende-se farinha a 7e 13/rs. a barrica,
propria para bolaxa e tambem boa para fabri-
ca de chapeos ; na rua largado Rozario n. 18.
JVende-se bolaxa de 7 a 12 patacas a ar-
roba, sendo a de 7 patacas, propria para casa
de familia, e farinha de boa qualidade em bar-
ricas e meias ditas ; na rua larga do Rozario ,
padaria n. 18. c,
1 Vndem-se 7 a 8 mil telhas bem cozidas ,
de muito bom barro e por preco commodo; na
rua larga do Rozario n. 18. (3
I Vendem-se 3 pedias que orao de um
moinho proprias para qualquer obra por
barato preco ; na rua do Collegio n. 9. (3
1 Vendem-se ricas espadas prateadas, che-
gadas ltimamente, por preco commodo ; na
rua Nova, loja do lerragens n. 25 de Teixeira #
Andrade. ;4
IVende-se urna banda de seda, em bom es-
tado ; urna rotula ; dous corijs bons cantado-
res em gaiolas de rame por preco commo-
do ; na rua do Arago, venda da esquina que
volta para o pateo da S Cruz n. 43. (5
1 Vende-se superior Champanhe da marca
Cometa o mais preferivel de todos os au-
tores pela sua bella qualidade; na rua da
Cruzn. 10. (4-
Vende-se urna corrente fina com 5" oita-
vas por 25/ um annel com 3 oitavase com
diamante, por 13^ rs. tudo de ourodelei; no
pateo do Carmo n. 1.
Escravos fgidos
1Fugio no dia 16 do p. p. um moleque
de nomo Joao, de naco Uenguella de lan-
nos, estatura regular, meio secco do corpo um.
tanto lula, rosto redondo, beicos um tanto gros-
sos, nariz chato olhos vermelhos e amorte-
cidos como quem bebo ps grandes e muito
enchados de muitos bichos que se Ihe tem tira-
do eainda tem ; levou caigas de brim trancado
pardo desbotado com um remend no assento ,
de algodozinho sem camisa ecom chapeo de
castor branco e voltio, o qual anda sempre ton-
to de bebida e por isso se suppe que este-
ja amoitado em ulguma parte ; quom o pegar ,
leve a Solidado n. 30 que ser gratificado. (13
1Fugio no dia 30 de Setembro urna preta
de nome Mara de naco Benguella alta e
bonita, ps e rnosgrossas e urna marca as
costas, levou urna Iruxa de roupa, assim
como um bocado de ouro, que consta de un
transcliui um pardo brincos defilagra e unta
medalha ; quem a pegar, leve a rua da Guia n.
31, segundo andar quesera recompensado. 8
2 Fugio no dia 2 do corrente a preta Hen-
riqueta de Angola baixa, grossa do corpo ,
cara comprida beicos grossos ps grandes o
grossos representa 28 annos ; levou vestida
de chita branca e panno da Costa ; quem a
pegar, leve a rua da Aurora casa do Jos da
Silva Neves.
7
3 Desappareceo no dia 26 do p. p. um pre-
to do nago Congo estatura regular, cara re-
donda olho grandes, barbado, tem no alto
da cabega um callo na mo osquerda (alta-lhe
parte do dedo minimo e dous dedos no p di-
reito de nomo Jacob he anda bucal; (oi vis-
tido com cainisa de algodao trancado, a qual
tem as costas una emenda que paiece un
grando remend e caigas de estopa ; esto pre-
to andava vendendo hortaliga e frutas foi visto
no mesmo dia 26 no Porto-das-canas a fallar
com um individuo cujos crditos sao de ladro
de escravos pelo que protesta-so proceder
contra elle, caso nao apparega o preto ; quom o
pegar, leve ao Manguinho cas,a de Porto-car-
reiro ou a rua do Terco casa do Tenente de
polica Joo Pacheco Alves
mente recompensado.
que sergenerosa-
(18
RCIBM HL TlP. DB M'. DK t'AUlA. 1844.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EHYZC7J56_Y081UX INGEST_TIME 2013-04-12T21:53:51Z PACKAGE AA00011611_05191
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES