Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05177


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1844.
oTer^a Feira 20
0 l'i ario |iublio-ie lodoso dias que nao forem nti6adoi : o prego da aaiignatura
he de irts mil 11. por quarlel pagos adiantadoa. O annuncioados assignantea sao inseridos
gratis, c os dos que nao forem i raiao de SO reis por linha. As reclamacdes derem gidle 6 1 TP '" as trmes n. (4 ou a praga da Independencia loja de lirrosn. 6 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GouNN,0 faralirba. seg. daau sextas (airas.Rio Grande do Norte, che 8 e 2.! e par
te ii 10c 4 Cabo, Serinhaem, KioFormeso, Macej, Porto Cairo, e Alagoaa: do1.:
ii e H dcada mez. Garanhuna e Bonito a lUe 'Hit cada mez loa-vista e Flor
es<3 dito. Cidade da Victoria quintas feira*. Olindu todos os dial.
DAS da semana.
i<) Seg a. Lui'. Aud. do J. de I), da .' r.
20 Tere* s Bernardo Re aud. do J. de U.da 3. t.
i- QutrU ,. luibelina. Aud do J. de D. da3;r.
2 Quinta s Tbiruoteo. Aud do J de D da 2. T,
.'< Sella a Liberato.' Aud do J de J) a '.!. \.
24 Sah. } g b rlho'omeo.
25 Doto O 'agrado Co acfio <'e ."aria,
t
y de Agosto
Anno XX. M. i-33
'ludo agora .depende de nos IHHlj da nosss prudercis. a-oderagao- nargia: con-
tinuemos como principiamos aeremua aponalos r, ulunratj.io entre as BfgMt mai
cultas. (Pfoolatnag da Asscmkla Grral do trUl.)
Cambios sobre Londres -5.
a u Pars SNU reis por franco
u Lisboa 117 por 10 de prem
Moedade cobre ao par.
Idan de letras da boa firmas 1 a l|t 0q
cajteos so Ma 19 DB ":o"ro.
OuM-Miedade fi.AOO V.
ii ,i N.
ii de 4,00.1
PralatataoSti
a I'eMis colummnare
ii DitOl menganos
compra
17.(00
lli.700
i ,960
I.M
1.S60
renda
17,200
*,900
GOu
!
PHASES DA LA NO MEZ DE U3QSTO.
La cheia a '4 aoa I2 min da Monda. Luanora a 7 a* fO h. 12
Minguanteafi ai I horas e 5 min da nauli. |Cr*sccnta a 0 a* 11 b e gli
'ii. da larde
u. da tarde.
Priiuaira al 0 hora* e 1S min
Preamar de hoje.
d manbSa, ( Segunda

lioraa a -12 niiiuitusila lar.!*
DIARIO DE PERNAMB
BaBafaaaMBaaKISamBMeMBBSsaBB^^
. .-:-_'
PARTE OFF
RELACO
dos despachos, que emattenco a servicos pres-
tados no exercilo do Rio Grande do ul,
se publierSo na corle, prfa Secretaria de
Estado dos Negocios do Imperio, no faustis-
mo dia ''A de Julho de 18W. anniversario da
ftliz acclamaco da mutoridade de S. M. o
Imperador.
ORDEM IMPERIAL 1)0 CRUZEIRO.
Cavalleiros.
O Coronel Demedio Jos Itibeiro.
O Coronel Jos Joaquim de Andrade Jueves.
Coronel Jos Ignacio da Silva urives.
O Tenente-Coroncl Manuel Adolfo Cbaro.
O Mejor Lu/ Jos dos Reis > on le-Negro.
O Capilo do lcorpo de Gavallaria Hilario
Pereira Fortes.
. O Capilodo 12corpo deCavallaria Joaquim
Rodrigues Jacques.
O Capitao do 9 corpo de Cavallariada Guar-
da Nacional Zeferino Jos do Freitas.
O Capitao do 9 corpo deCavallaria da Guar-
da Nacional Serafini Eloy da Silva Cmara.
O Capitao Zeferino Teixeira de Carvalbo.
O Capitao Antonio I .eme de Sampaio.
O Capitao M,-inoel Jos Alberns
O Capitao Pedro Maria Xavier deOliveira
Me i re 11 es.
O Cirurgiao-mr Ignacio Manoel Domin-
gues.
O Soldado do 3 corpo do Gavallaria da Guar-
da Nacional Joao Rayinundo.
O Soldado do3 corpo deCavallaria da Guar-
da Nacional Eduardo Albano.
ORDEM DA ROSA.
Commendudor.
O Coronel Joao Propicio Menna Brrelo.
(Jfficiaes.
O Coronel Lui/. Manoel de Lima.
O Coronel Francisco de Arruda Cmara.
O Tenente-GoronelMigueldtFriase Vuscon-
cellos.
Cavalleiros.
O Capilo Carlos Miguel de Lima e SHva.
O Capitao Joaquim Martinsde Almcida.
O Tenente Agostinho Maria Piquet.
OTencntedo 12 corpo de Gavallaria Fran-
;,~ An Dai.u r,;ir.,0iito
O Alfcres Antonio Caetano Travassos.
O Alferes Manoel Pereira Souza Burily.
O Alleres-Ajudante Jos Joaquim do Souza.
Alferes do 12 corpo du Gavallaria Honorio
Jos Silveira.
O Sargento Antonio Gomes da Rocba.
O Sargento Gabriel Jos da Rosa.
Q Sargento do 9o corpo de Gavallaria da
Guarda Nacional Antonio Ignacio da Silva.
O Sanenlo do 9o corpo de Gavallaria da G.
Nacional Manoel Antonio wevcro.
Secretaria de Estado dos Negocios do Impe-
rio, em 23 de Julho de 1844 Antonio Jos
de Paita Gnedes de Andrade.
-
RELAGAO DOS OFFICIAES PROMOVI-
DOS POR DECRETO DESTADATA.
FORCA DE OPERACOES NA PROVINCIA 1)0 RIO
GRANDE O BUL.
Para Brigadeiro graduado: O Coronel de In-
fantera Jos Fcrnandes dos Santos Pereira.
2 batalhao de Fuzileiros.
Para Tenente-Coronel Commandant*: O l e-
nente-Coronel graduado Josdos Santos Pe-
reic*
Para Major:O Majbr graduado Joao Nepo-
muceno da Silva Portella.
Para Alfcrcs-njudante: O Sargeno-ajndante
Gabriel de SouzGuedes.
Para Alleres quartel-mestre : O Sargento
quartel mostr Joo Baptista Porto.
Para Major graduado:O Capito Antonio \ a,
de Almeida. n _
Para Capitao da 1" companhia: -O lenente-
aiudante Joaquim l.uiz de Aieved
Par Capillo da 5a companbia:-0 lente
i. vaio.
Para Capitao da"' companbia:-0 Tenente
Jos Antonio da Silva.
Para Capitao du 8'1 companbia:O Tenente
Manoel Pedro da Silva.
Para'Ponentes:Os Altores Amcrico Antonio
Cnrdoso, Francisco Itibeiro da Cunha Grave,
Felis Jos da Silva c Jos Caetano Rodrigues
Harta.
Para Alferes:O Alferes de commisso The-
molio Pires de Albuquerque Maranbao; os
primeiros Sargentos Manuel Jos Custodio e
Pedro Joao Refugio; o 2* Cadete Manoel
Baptista Ribeirode Faria, to 2* de Cacado-
res; o priaieiro Sargento Joaquim Jos de
Santa Auna, do G" de Fuzileiros; o 2o Cade-
te Joao Rodrigues de Oliveira, eol Cadete
Luiz Antonio de Oliveira.
"A" batalhao de Futileiros.
Para Tenente-Coronel effeclivo Commandante
desle hatalhSo:O Major Antonio Joaquim
Bacallar.
Para Major:O Major graduado Jos Maria Pe-
reira Caldas.
Para Alleres-ajudante:O Alferes do commis-
so Antonio Candido de Araujo Macedo.
Para Alferes quartel-mestre: O Alferes de
commisso Constantino Gabriel Ferreira Pa
checo.
Para Capitao da 7* companhia:0 Tenente
Ladislao dos SantosTitara.
Para Capitao da 8a companhia:O Tenento
Fernando Antonio Cardoso.
Para Tenentes: O Tenente graduado Fran-
cisco Baymundo do Souza; os Alferes Jos
Maria Gaviao Peixotoe Joaquim Barroso do
Carvalho.
Para Alferes:Os Alferes de commisso Pedro
Carlos da Gama Lobo Pita e JoSo Antonio
dos Santos, Francisco Joaquim de Souza Bo-
telbo, Jesuino Martina dos Santos Vianna,
Francisco Ignacio Quartim, o IoCadete Can-
dido Baptista de Oliveira Bello, e os Sargen-
tos-ajudantes Candido Jos Correia da Silva
e JoSo Pereira Maltoso.
6o batalhao de Fuzileiros.
Para Tenente-Coronel graduado: O Major
Francisco Antonio Tourinbo.
Para Alferes quartel-mestre : 0 Sargento
quartel-mestre Tito Jos do Aguiar.
Para Capitao da 7 companhia: O Capitao
rS-jM...Jrt InfA Hnmpm Cumies PorlilllO.
Para Capitao da f companhia:O Tenente de
3" de Cacadores Luiz Antonio Dial de An-
drade.
Para Capitao da 2a companhia: O Tenento
do 2o de Caeadores Antonio Torquato de
Ouciroz Lima.
Para Tenentes: Os Alferes Joao Carlos Pere
ra Pinto, Bernardo Jos da Graga do quinto
de Catadores, e Ignacio Marinbo da Silva do
tereciro de Caeadores.
Para Alferes:-Os Aleresde commisso Ga-
briel Joaquim da Luz, Carlos Olivio Danck-
wardt, Justianno Baptista Teixeira, Jos Be-
nedicto do Hozario, Joaquim Alvos Soguei
-.> Sv. Jooytm Ferreira de Paiva; o
primeiro Sargento Jos Lopes de Oliveira, o
Sargento-ajudanle Claudino Jos Alvos; o
primeiro Cadete Francisco de Almeida Fur-
tado, e o particular primeiro Sargento Fran-
cisco de Assis Brrelo.
7o batalhao de Fuzileiros.
Para Capitao da 4a companhia:O Tenente do
testo de Caeadores Jos Antonio Tavaros.
Para Tenentes:-Os Alferes Francisco Antonio
de Carvalho eJustinianno Lui/do Araujo do
stimo de Caladores.
Para Alleres: Os Alferes de commisso Jos
Cosme Damiao, Fernando Carlos Franco,
Felisberto Codito dos Santos; o Sargento
quartel-mestre Jos Anselmo Rodrigue; o
primeiro Sargento Jos Atoes Teiieira; "se-
gundo Cadete Joaquim Cyrode Nery do sex
l,i de Fuzileiros; os segundos Cadetes Anto-
nio Baptista Teixeira o Jos Joaquim Gon-
calvea eves.
8o batalhao de Fuzileiros.
r*flP. rr,.ni.i minduado ct>ntiniiondo no eom-
mando dosto batalhao:O Tehontc-Coronel
'rancisco Felis da Fonseca Pereira Pinto.
Para Major:O Major graduado Carlos llesin.
Para Alferes ajudante: O Sargento ajudante
Antonio Rodrigues do Nascimento.
Para Capitao da 1* companhia:O Tenente-
ajudante Jos Auto da Silva Guimarles.
Para Capitao da 2a companhia:O Tenento
Prudencio Mximo dos ReisCarneiro.
Para Capitao da 3a companhia:O Tenente
Venceslao de Oliveira Rollo.
Para ( apilao da 4a companh'a: 0 Tenente
Luiz Domngues de Araujo.
Para Capitao da 8a companhia:O Tononte J-
lo Manoel da Silva.
Para Tenentes:Os Alferes Antonio Jos da
Silva, Jos Antonio Dias da Silva o Manool
Bi'larmino I ibt'iro do oitavo de Catadores,
JosCyriaco Ferreira, Luiz Ferreira Pesta-
a, Antonio Cabral de Mello Leoncio do so-
timo de Caeadores
Para Alleres:Os Alferes de commiss5o Fran-
cisco Pinheiro Guimaraes Dourado, Tran-
quilino Augusto Velloso; o particular Sar-
gento quartel -mostr, Joo Antonio Cirne; o
primeiro Cadete Amelio Carneiro da Silva
Borges; o segundo Cadete Sargento-ajudan-
to Camilo Xavier de Mello; o Sargento quar-
tel-mestre, do terceiro de Fuzileiros Jos
Bernardos de Oliveira; os primeiros Cadetes
Joaquim Martins Potitos Jnior o Francisco
Eugenio Tt ixoira.
1 batalhao de Caeadores.
Para Major:O Major graduado do oitavo de
Fu'ilciros Antonio Jacintho da Costa Freir.
ParaTenente-Ajudante: O Alleres-ajudante
Joaquim Jos Moroira de Almeida.
Para Capitao da 4* companhia:O Tenente do
terceiro de Caeadores Joaquim Cardoso do
Brito.
Para Capitao da 6a companhia:O Tenente do
dito terceiro Guilhermino Jos da Silva.
Para Tenentes:- Os Alferes Joao (ioncaives Ne-
to, Candido Francisco do Carpes, Francisco
Pereira Bastos, Manoel Luciano da Cmara
Guaran, do sexto de Cegadores e Alexandre
Jos da Rocha, do segundo de Catadores.
Para Alferes:O Alferes Secretario Jos dos
Santos; os Alferes de commisso Domingos
AlvesRranco Moniz Brrelo, Luiz Euzobio
da Siiveira, Amonio Pedro Foire.ra Compel-
i, Jos Antonio de Lima e Manoel Joaquim
Gomes Brito.
2o batalhao de Caeadores.
Para Major:O Major graduado Francisco Vc-
tor e Mello e Albuquerque.
Para Capitao da 1* companhia: O 'Ponente
l'crnando Antonio Bozauro.
Para Capilo da 2a companhia:O Tenente
Carlos Augusto Rozauro.
Para Tenentes:Os Alferes Manoel de^Campos
quinto tle Cacadoros; Antonio Jos Dias
uos, do segualo de Caeadores.
Para Alferei:Os Alferes do commisso Mano-
el Antonio So a res da Gama, Manoel .1 < > > de
Menozes; o primeiro Cadete do terceiro de
Fuzileiros Luiz Gomes Forreira; o segundo
Cadete Samuel Ksteves Soares; o primeiro
Cadete do 8odo Caeadores Francisco Pin-
to de Aloraos Castro; os segundos Cadetes
Mnoel Joaquim da Costa o Nicacio Alvos do
Souza.
0 I) titlha ib {'aradores.
Para Tenente-Coronel Commandante:0'Po-
nente-Coronel graduado Marlinho Baptista
Ferreira Tamarindo.
Para Major:O Capitao do segundo de Fuzi-
leiros Francisco do Almeida Varella
Para Tabete quartel mestre:O Alleres quar-
lel-mesire Francisco de Paula S Peixoto.
Para Major graduado:O Capitao Luiz Anto-
nio Forra/.
Para Alferes:Os Alferes do commisso Jos
Maria do Carvalho, Augusto Lopes Villas
Boas, Francisco Caldoso da Costa, do pri-
meiro do Caeadores, Podro de Alcntara
Monteiro, do terceiro de Fuzileiros.
6 batalhao de ('aradores..
Para Coronel, continuando no commando do
batalhao: O Coronel graduado Francisco
de Arruda Cmara.
Para Major:O Major graduado Francisco Ma-
noel Aeoioli.
Para Pnente: O Alferes Roberto Moroira
Cardoso de Oliveira Pantoja.
Para Alferes:Os Alferes do commisso Ma-
noel Cavalcanti I.ins Valcasser, Carlos Fre-
derico Avellos Ges de Brito, Jos Carlos
Galdino de Souza, do primeiro do Catadores;
Augusto Pereira Ramalho; o Sargonto-aju-
danto Bolarmino Corroa da Silva; o particu-
lar segundo Sargento Antonio Generoso da
Silva.
(Conlinuar-se-ha.)
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE00 DIA 13 DO CORRERTE.
OITicioAoEngenbeiroem Chufo das Obras
Publicas, determinando, queorganiso as clau-
sulas especiaos para a arrematarn dai obras
azer as pontos o mais partes das estradas do
'niI i- uu de 4. acompanbro o seu officio de 17 de Ju-
lho ultimo, e loro approvados pela Presiden-
cia; e concedendo-lhe a quota de 450 rs. para
a consolidaco da ponte da Magdalena, que, ae-
gundo a sua proposta, dove ser foita por admi-
nstraco.Intelligoticiio-se d'esta concossSo
o Inspector da Thesouraria das Rendas Provin-
caes e o Inspector-fiscal das Obras Publicas.
DiloAo Inspector da Thesouraria da Fa-
zonda, determinando, em consequencia do re-
i.cite
Ponteado, Jow Ferreira da Costa, Jo- quisoo do Commandante das Armas, que do
s Antonio Cardoso, do quinto de Cagado-
tts, Antonio tVfanol de Oliveira Botas, do
terceiro de Caeadores.
Para Alleres:Os Alferes de commisso Aleixo
Firmo ta Silva, Arconio Santa Arma l.eilo;
o Sargenlo-ajudantn Silvestre Gongalves das
Noves: o segundo Cadete Antonio Janeen
Ferreira; o segundo Sargento do quinto de
Caeadores Antonio Joaquim Ferreira Pinto;
o particular primeiro Sargento do oitavo de
Caeadores Eugenio Luiz Franco; o segundo
Sargento do segundo de Caeadores Serafim
Pereira Barbosa.
3 batalhao de Caeadores.
Para Major: O Major graduado do stimo de
< lacadores Joaquim Manoel d'Assumpco Vi-
anna.
Para Alferes-Ajudanle: O Sargento-ajudante
Jos Antonio Uve*.
Para Alleres quartel-mestre : O Sargento
quartel-mestre Jos VJarcellino de Aragao.
Pora Capitao da I' companbia:O Teen te Jo-
Ignacio Teixeira da Fonse
i nentes: Os Alleres Feliz de Souza
l"d'osto me/, em diante facacessar o pagamento
da prvstacto de 503 n. mensaaa, que por aquel-
la Thesouraria se abonava mulhcr do Tenen-
te-Coroncl Luiz Antonio Favilla; e bem assim,
que mande possar guia este Olicial, que, na
qualidade do Commandante do Vo batalhao de
Caeadores, tem do seguir para o Para. Offici-
ouse ao Agento da companhia das barcasde va-
por, para que fi/esse transportar para aquella
provincia no primeirovapor que do Sul chegas-
so, o Tenente Coronel supracitado comsua fa-
milia; o purlicipou-se ao Commandantedas Ar-
mas.
DitoAo Engenheiro em Che fe das Obras
Publicas, approvandoa conta, que, na impor-
tancia de583i500 rs formulou por causa da
lemocao de un dos orcos da Ia parte do (5o lanco
ila estrada do Pao d'Alho. Communicou-se ao
Inspector da Thesouraria das Rendas Provin-
caes o ao Inspector-fiscal das Obras Publicas.
IIH.M DO DA H.
OfficioAo Engenheiro em Cbefe das Obras
Publicas coeedendo Ihe a quola flb res
12: 107*823 para ulliniaro pagamento das
Aniom na estrada de Olinda pelo val


mm- I
S
ua Tacaruna. Cornmunicou-se ao Inspector
da Tosouraria tias frondas Provinciaes o ao
Inspector-fiscal das Obras Publicas.
DitoDo Secretario da provincia ao Inspec-
tor da Thosouraria da Fazenda, transmittindo,
para ter estucan, a ordem do Tribunal do
Tliosoro sob n- 48.
n -:i;.:f^mwammwav-
SOS
l0!Tl'Sp(iHl0HC i.
Srs. Redactores. Nao pensci oceupar-me
nunca de Joa(|uiin Correia do Araujo; mas ten-
do sido atrozmeute calumniado em urna eorfea-
pondenoia inserta no D. -novo a" 164 din'31 do
mez ultimo, que por acaso me veio 88 roaos, as-
signida por esto ISr., na qual me nttribuo pro-
oedimentos deairosos minba conducta na
qualidado de Juiz Municipal desla comarca a
cerca de urna oxecugao ou penbora leita no cn-
genho Dous-bracos, e que os considera classi-
ticados no artigo t9^4v do cdigo criminal,
forca be, que ou do alguma sorle satisfar ao
respeitavel publico, cujo jui/o mais (uo muito
aprecio, para que nao parece a alguem, que
fui monos prudente, ou mal avisado om negocio
do bastante ponderacSo, e tanto mais por ver,
que a par de mui exactos e verdndoiros docu-
mentos, que tenbo, alleeem ao incu graluitoca-
lumuiador, ou ao seu consellieiro, os necessa-
Xios fundamentos para justificar as nrguices,
que alli se me fi/eriio. Consiste a primeira, Srs.
Redactores, em baver cu nomcado para a re-
criJ.. ponhora o Escrivao Juaquim Ignacio dos
Santos preterindo assim a Manoel Antonio
Coelho de Oliveira Jnior, Escrivao do crime ,
civel e execueiks do termo de Sorinhaom a
quem essa diligencia competa visto ter o di-
to EUcrivio Colho estado nesta villa c sem im-
pedimento algum. Mas o documento sob o n.
1." me autorisa a di/er que este celebre Joa-
quim Correia ou alguem por elle oendeo
abertamente a vordade quando proferio urna se-
nielbanto propoziciio: be o dito documento es-
triplo e firma lo pelo proprio Escrivao Colho ,
queaflirma nao estar nesta villa desde o dia 4
6 do referido mez do Julbo ultimo poca
em que teve lugar a nomeacao que de oulro
Escrivao li/. requer ment doexequente Albi
no Jos Ferreira da Cunda, nomeacao que ro-
cabio na pessoa do dito Santos nicamente por
morar este no termo de Serinbaem, onde se ti-
rilla de elloctuar a requerida diligencia e nun-
ca pela inesquinha considerado de ser elle ini-
migo do dito Correia ( o que at enlo as-
sim como anda agora ignoro ) c que corno tal
fsse capaz de prestar-so a todas as exigencias
de Albino com quem alias nao tenbo n me-
nor intimidada, para que se me possa tachar de
connivente ou nteressado em seus negocios
E seo Escri\3o Colho ja se acbava nesta villa
no dia 8 do manilo mez em que levo lugar a
referida penbora como so v do anle-dito do-
comento culpa nao he minha e sim das par-
tes, a quem competa allegar e representar-me
o nao impedimento deste escriviio se nssim o
entondessem conveniente, o que de ceito se nao
ez. Consisto a segunda aruuieao em ter eu doi
xado do responsabilisar o mencionado Escrivao
Santos, por haver-me apresentado um auto de
resistencia que chama falso, em consequencia
de ser elle desmentido por as tcstemunhas, qre
jururo no processo que inslrue contra o mes-
mo Corroa sendo que duas dellas fro as
mesmas, que assignrio aquello auto. Com
oneit como preteoder-se responsabilisar o
Escrivao em casos taes Como dislinguir-so
d entre as duas asseredes a mais verdadeira? Nao
seria antes de presumir, que estas testemunhas.
ou pola odierenca com que de ordinario se
olha para os atareases pblicos, ou pela impu-
nidado, que gras'.a por esta comarca qui/ossem
cm Jui/o criminar o Sr. Correia embora sa-
crilicasscm suas consciencias e religiio sua
seguranca individual que em fim he nada ,
quando ao $r Correia e outros de SUS laiaspraz
nnniquilar ? Alm de que nao poda o lscri-
vo consideiar o Sr. Corroa ocurso no crmie
previsto pelo artigo 117 do dito cdigo penal ,
a vista da maneira e expressoet, com que ao
principio o rec::bra em sua casa, c dos seis ho-
inens, que della nao sahirao senSo quando
chegou a forga publica ? E se o Sr Correia se
julga lo olundido em seus direitos a esso res-
pe to que motivo ha, que o ten at agora
obstado a intentar a sua queixa contra esto Ks-
crivao perante a autoridad competente se-
gundo Ihe faculta o ortigo 11 do referido cdi-
go do processo criminal? Aprsente a sua quei-
xa fundada em provas irrefragaveis que me
achara sempre prompto i promover a responsa-
bilidado deste c de oulro qualquer empregado ,
que me fr subordinado; e se se considera na
classo das pessoas mizeraveis recorra ao Dr.
Promotor que nao deixnr.i do intentar a sua
queixa, nos termos do artigo 1~> do i lado cdi-
go druprocesso criminal.
Ainda sou argido, Srs. Redactores, por nSo
(jr posto em execur-o, senao no dia 16 d"
mo mez de Julbo, a iei provincial de 2 de Maio
do corrento anuo que regula a administracao
da jostir.a nos termos, e pela qual tinha de pas-
sar esta execucao para o de* Serinbaem, haven-
do-a eu recebido no da 5 do dito mez dia
em que fura ella aqu recebida pelo Dr. Juiz de
Uireilo do crime, segundo assevcrou o Sr Cor-
roa, Ksta calumnia he anda mais frivola, que
as procedentes, se mais frivola podesso ser He
sabido, Srs. Redactores, quo n'agencia do Cor-
rcio desta villa sao retardados quasi sempre os
ofllcos, que da capital sao dirigidos aos l^m pre-
gados Pblicos desta comarca ; pelo menos isto
a iiiiin me acontece, e creio que a mais alguem;
o que se veriicou com os de que se trata, e que
se diz'havercm oqui chegado no'referido dia 8;
pois que, se foi justamente este o dia, em que
aqui chegou o correio (o que nao ouzarei duvi-
dar ) posso todava asseverar sm receio de ser
desmentido que somonte no dia lOseguinte ,
foi que mo vieran s nulos, em consequencia de
os ter mandado all sollicitar por um de meus
oscravos, como sempre o faro; e que por tanto
se eu nao poder sor accredilado nesta parlado
minba assorciio julgoser bastante para minha
justificacao. o poder mostrar com testemunhas
nao suspeitas, e con os documentos sob os n-
meros 2 e 3, que nao foi verdadeiro o meu ca-
lumniador quando temerariamente avangou ,
que eu rceebra a Iei no referido dia 5 : he o
primoiroa resposla, queme foi dada pelo dig-
no Juiz do Direilo desta mesma comarca r.
Juaquim Ayres de Alrneida Freitas na qual me
arma, que no sabe se foi. ou nao no dia 5 ,
que elle recehra a referida Iei; e he o segundo
urna outra resposla que tamhein me foi dada
pelo agente do Correio desla villa, o qual nao
podendosuhtrahir-se aos deveres de sua cons-
ciencia e honra afirma a mosma cousa che-
gando o embuste do meu dito calumniador ao
ponto do ter acreditado onxergar por esso fado
alguma divergencia entre mim e aquello hon-
rado Magistrado, com quem muito me prezo de
ler lido sempre amigaveis relaees desde que
chegou a esta comarca e isto nao so antes, co-
mo depois desta tao fallada penbora, e cuja cor-
respondencia para commgo foi a quo Ihe in-
cumbe fazer o artigo 35o do dilo cdigo do pro-
cesso criminal, por ter elle enlo do tomar co-
nhecimonlo de urna petico de habeas-corput,
que por parte do dito Correio Ihe (ora aprosen-
lada ; policio que indeferio vista de minha
informarlo : laltou portanto a verdade o Sr.
Correia nesta parlo do sua arenga o laltou anda
na cm quo declara ter sido a Iei posta em execu
gao no dia 16 do referido mez. vista dos docu-
mentos sob os nmeros 4 e 5.*, sendo o pri-
meiro um meu officio dirigido em data do 13 de
Julbo ao Juiz Municipal supplento do Seri-
nbaem pelo que Ihe entregava as funegesci-
veis respectivas c sendo o segundo a resposla
do mesmo Jui/. de 17 do dito mez.em a qual me
participva, que passava a exercer as ditas func-
t-es, resposla, quo havendo recebido no dia se-
guinte (18), foi nesso dia que entend dever
doixar de oiTiciar nos nogocios daquelle termo.
V-se pois do que expendido fica que a de-
mora, que de minha parte houve na execucao
desta Iei foi a que decorro do dia 10 a 13 de
Julbo, e que nem essa mesma loria havido
nao morar distante o referido Juiz Municipal c
a nao ser falta de Correios tma Hn ordinario
ha uestes lugares.
E pois que, Srs. Redactores, de envolta
com outras calumnias, sou tachado, ao que pa-
rece, do usurpador de atlrihuiedes alboias, jui-
go necessario nao deixar passar em silencio um
facto.que assis me justificara a semelhante res-
paito, e veni a ser : que quando regressei ; es
ta comarca em principios do Marco ultimo, vin-
do da capital onde estivo com liconga, enten-
d, que a marcha da administr-cao da Justica
civil nesta comarca devia ser regulada duran-
te a amencia do Juiz do civel segundo o sys-
tema ostabelecido no decreto n. 276 de 24 do
Mareo ;!:; 1843 e por isso asseotei de iuilar-
mo nicamente aos feitos civeis e de nrpbaos
deste termo deixando ao supplento de Seri-
nbaem as allribuicSos, que Ihodava o referido
decreto, nao obstante ter aqui encontrudo op-
poslas opiniocs partilii-das por pessoas entendi-
das na materia e cujo voto muito respeito en-
tendendo os divergentes, que, emquanto nao
fsse exlincto o lugar de Jui/. do civel desta co-
marca, eu mo devoria considerar seu substitu-
to nos termos do artigo 116 da Iei do 3 de De-
zemhrodelBil e como tal assumir devia as
respectivas funegoes em toda comarca com ex-
de 10 de Abril seguinte, foi que, em obedien-
cia a esta determinacao assumi todas as altri-
cSes civeis da comarca com oicluso do referido
supplente de Seiinbaom.
A' vista disto, como seT possivel que eu s
para poder ofliciar nos negocios de Albino, co-
mojulgasse de minha vontade, segundo afir-
ma o Sr. Correia, foss.o capaz de deixar de
dar cumprimento urna ordem superior, que
costumo sempre respoitar e obedecer ? Ignora
por venlura o Sr. Correia ou o seu mentor,
que a mesma Iei provincial de 2 de Maio nSo
tem forca bstanlo para despojar-me das atri
buices que me forao conferidas pela Carta Im-
perial de minha nomeacao nao smente a cerca
dos feitos deste como dos do termo de Seri-
nbaem ? Ignora ainda que nao obstante achar-
me ausente do termo de SerinhSem he por
mim quo tern descrem decididas as principaes
qucslSes, que pdem oferecer a sua oxecugao
nos termos do artLo 7 do referido decreto de
2ide Marco ? Oxal que Sua Merc disto me
aliviasse so menos Iludido, e mais bem acn
selhado trtasso de pagar ao seu credor, contra
quem hojo tanto se conspira, sem so lombrar,
de quo foi elle, sogundo be voz publica que
poderosamente concorreo para quo fosse S. Me
encaixado na administraco ou tutella do seu
desaforlunado filho, da qual tao sabia como
justamente, o havia excluido em testamento
seu proprio sogro e avd o finado Luiz Jos de
Araujo pelos motivos, que lodos sao paten-
tes!! C^uanto 2.' penbora Ihe diroi, que
se ella existe, a si devo imputar pelo fado de
baver occullado o reslo da ja di ninula fabrica
doengenho Uous Bragos, que administra, 01-
pedindo assim, quo os Officioes a fizessem na
mesma occasiao em quo a fizero no casco do
engnho, e pelo que nao perdeo o exequente o
diroito de a fazer proceder em oulros quaesquer
bens do mesmo ca/.al ondequerque encontrados
forem. Deixo finalmente de responder Ihe sobre
o seu acompanhamento para esta villa a toques
de cornet t porque isso se crimo he, correr
devo porcontade quem pertencer, cumprindo
me entretanto declarar-lhe que tio provenido
me aehava contra S. Me, que no obstante tor
a vista urna corlidao da resistencia por S. Me.
feita quando livede requisitar e enviar a for-
ga publica para auxiliar a dita penbora, e sen-
do natural a toda autoridade ndignar-se con-
tra aquellos, que se oppem aos seus justos
mandados eu pelo contrario cheio de pru-
dencia recommendei aoCommandante da es-
colla por occasiao de me vir pedir ordens, o
instrueces sobre esta diligencia que observasse,
e fizesso observar toda a moderarlo possivel ,
lazendo-lhe conhecer que smente ia fazer
rospeitar a ordem desle juizo e nada mais, como
ludo poder altostar este Oflicial, quo ainda
aqui existe ; e que para me julgur a coberto
de qualquer suspeita de conivencia com Albino
para csse seu pretendido massacre, be-me bas-
tante a sua propria confisso exarada na sua es-
farrapada correspondencia relativamente ins-
truego e resultado do seu processo, nico
ponto em que fallou a verdade, corto de quo
muito me desvaneco por saber que encontrou
em mim aquella independencia e reclido.que
tanto ennoblece o carcter do Juiz ; pois que
nada mais fcil me seria, para poder exercer
,....------......, r. ,
*^u nv.ua i

eu dello me oceupasse, o fosse costumado a em-
pregar contra ulguem a influencia do meu cm-
prego, do que essa mesma inslrucgo do seu
processo, sendo do admirar, que tao depressa
seolvidassoo Sr. Correia da solicitude, e in-
teresse, quo tomei como Juiz para fazer termi-
nar os seus incommodos, livrando-oda voragem
dos ratos, do quo diz abundar o Po-a-pique,
quo serve de prisao nesta villa, onde nao con-
sent, que permanecesse nem mesmo os 8 das
que a meu arbitrio poz o artigo 148 do citado
cdigo do processo criminal. Heabilitando-
me assim, Srs. Redactores, para com as pes-
soas, que me nao conhecem, pois que os ou-
tros sornpro me li/.erao a devida justica. ten
esta resposla o duplicado lim : de justificar-
me, eindigitar o Sr. Correia como aquello,
quo se nao pejou do atassalhar pola imprensa a
honra o probidade do um homom que nao s o
nao offendeo, como que o benchciou. Rogo-
Ibes, Srs Redactores, queirao dar lugar em
sua acreditada foi ha a estas linhas em defesa do
seu constante le i to r e obrigado
Fernando j4ffonso de Mello.
Rio Furmoso 19 de Agosto de 1844.
N. 1. O Sr. Escrivao Manoel Antonio
clusfio do supplente no termo de Serinbaem. Coelho de Oliveira Jnior me informo ao p
Instado porm urna o mnis vezes por algumas
pessoas centre ellas o meu amigo l)r. Nibas-
liao Antonio Accioles. que se me mostrava re-
cio/o de nullidades em umacauza, quo pre-
tendia mover por o referido termo de Sori-
dcsta, se se acbava nesta villa nos das 4. 5e 6
do mez do Julbo prximo lindo : nssim o cum-
pra. Rio-Formoso5do Agosto 1844Mello.
liiin. Sr. Dr. Juiz Uunicipal e do Civel pela
Iei.Em observan) ia ao respeitavel despeho
nbacm consuiloi enlao ao Exm. Piesidente de V. S.cumpre me informar que'no da qoatrn
da Provincia sobre este objecto como se v do do mez de Julbo me diiigi de>ta villa para O en-
Hieu oficio sob a copia n. 6, o smenlo depois genbo Ouitinduba do termo de Sirinhfiem .
re cebido urna decizSo contraria aque fimdelavraru iptura que me requori
entenda e praticava.manfliestada emo oficio i cujo aelonor
lugar no dia seguinte larde; de maneira que
rnente no da sois loi que pude regressar a es-
ta villa o no dia sette a nouto me aprosentoi a
V. S.; sendo que por isso fica claro quo nao mo
ichei nosta villa nos dias do que faz mencao a
portara supra. Rio Formoso Sdejulho do
I8H O Tabellio Publico, Manoel /mo-
mo Coelho de Oliveira Jnior.
N. 2 Illm. Sr. Dr. Joaquim Ayres de A|-
neida Freitas.Rogo a V. S. que por bem da
verdade e da justica se sirva do rosponder-me
ao pfyjes.ta sobre os quesitos seguintes:primeiro,
em que da recebeo a Iei provincial de 2 de
Maio, que com outras do corrento anno forao
a V. S. transmittidas em officio do Sr. Secre- ">
tario desta provincia e quo se diz haverem a-
qui chegado no dia 5 do mez de Julho prximo,
segundo, qual a maneira por que Ihe foi entre-
gue o dilo officio contendo as referidas leis ,
se por alguma pessoa da agencia do correio des-
ta villa e ")or algum criado de V. S. oii se
V. S. mesmo quando casualmente por alli
passou de passeio declarando-me mais neste
ullimocaso a quo horas teve lugar esso recebi-
mento o se nessa occasiao vio que ficavioalli
varioj officios para mim vindos da capital ; o
tercoiro finalmente, so he costume receber V. S
os ollicios do Governo positivamente enviados
por esta dita agencia ou se so verific3o quasi
sempre a tal respeito as duas ultimas hypolhezcs
mencionadas no segundo quesito supra. S.
C. om Rio Formoso 8 do Agosto do 1844. Sou
com particular estima, econsideragao de V. S.
Collega o amigo ohrigadissimo e respoilador.
Fernando .-///"onso de Mello.
Illm. S.. Dr. Fernando Alfonso de Moli.
Satisfa/endo ao que me pede, respondo quanlo
ao primeiro quesito quo a Iei provincial de
2 de Maio do correle me foi remetlida em
oficio do Secretario da provincia com dala de
15 de Julho prximo passado que dito oficio
foi entregue no correio de Pernambuco em 21*
do dito mez ; porm nao tenbo certeza do dia
em que me foi entregue, supponho quo no dia
5 ou 6 de Julbo prximo passado Quanto ao
ao segundo quesito que, indo eu do passeio
na larde do referido dia 5 ou 6 de Julho e pas-
sando pela porta da loja do Agente do correio ,
o caixeirodcssa loja disse me quo tinba um offi-
cio para enlrog:.r-mo, enlrei, recebi, o vi que
tamhein tinha dous para V. S. por elle rn'os
mostrar consultando me a quem deviao ser en-
tregues; visto ru um vinha com subscripta pa-
ra o Juiz do Civel e o oulro Ao .Sr. do Rio
Formoso tendo ao p da obreia quo dizia
paro o Juiz Municipaldise Ihe quo ambos de-
viao ser entregues a V. S, e retirei-me ficando
ditos officios em poder do referido caixeiro:oque
ludo leve lugar as cinco boros da tardo pouco
mais ou menos. Quanto ao lerceiro o ultimo,
que he verdade ser costume receber eu os ofi-
cioa quando por la passo ou por via de meu par-
do quando por la passa ; mas parece-me quoj
recebi um officio por via de portador do Agento
do correio.
He quanlo se me oferece dizer em abono da
verdade. S. C. 8 do-Agosto de 1844 Preso
ser do V. S.Collega e amigo obrigadis-
N. 3. Illm. Sr. Jos do Fonseca Guimtriies
Jnior.Rogo a V. S. quo a bem da verdade
e s ustiga hsja de dcc!arar-:r.c as pi dtfsts, se
os officios quo se diz haverem aqui chegado no
correio de 5 do mez ultimo, e 6 mim dirigidos,
forao ou nao entregues a um meu portador al-
guns dias depois da referida poca o se essa
entrega levo ou nao lugar posteriormente quo
se fez ao Doutor Juiz do Direilo do Cj'ime desla
comarca ; o rogo a V. S. queira dar-me a fa-
culdade de publicar o sua resposla se assim
mo approuver. S. C om Rio Formoso 5 do
Agosto de 1844. Dos Guardo a V. S. muitos
annos e sou de V S. muito atiento e respei-
tador. Ftrnando Aff'onso de Mello
Illm. Sr. Dr. Fernando AIIonso.de Mello.
Salislazendo ao quo de imm exige tenbo a
UMfgrw n V S em com'?, tsSuS-C sido preci-
so sabir a meus negocios nao mo aehava om
casa na occasiao da chegada do correio do que
laz mencao o pedindo esi larer.imcnlos a res-
peito do quo exige a pessoa que deixei encar-
regada da agencia do correio;esta me disse,que
nao tern oxatalcmhranga so os'dfficios dirigid os ao
Jui/. do Direilo do Crime e a V. S. forao en-
tregues em a data mencionada o nem mesmo
sabe se o correio chegou em o referido dia; pois
que as vezes acontece virem depois, ou por mo-
lestia ou por causa do mo lempo que soffrem
em caminho Nao leudo tamben leiubranca
se os ollicios de V. S. forao entregues no mes-
mu dia OU dep.iis da entregados do Doutor
luiz de Direilo do Crime. O que levo dilo ho
veniade o podera publicar osla minha reposta,
o mesmo aprsenla! a em Juizo so preciso Ihe
lor. DeOS (.uar.le a V S. maisannos, o sou
di- V. S. muito ltenlo e respeitador.Jote da
Fonteca GuimarHe%, Agente docorreio,
N. 4. Illm. Sr. (bando se limitada a
IUMUV V f U"
.i,. r;...i


interino ao termo gmente desta viiia na forma i Navio entrado no dia 19.
dodisposto no artigo 2. da lei novissima pro- Ass ; 15das, patarho brasileiro Aurora Fe-
vincial de 2 deMaio do corrente anno assim, liz de 141 toneladas, capitn Manoel Bal-
o participo a V. S. para que nesta intelligencia bino de Freitas cquipagem 12 carga sal;
possa exerrer as funccoes c i veis desse termo que a Manoel Joaquim Pedro da 'osla.
Hie saoconferidaa pelo decreto numero 2G7 de: .Navio $ahido no mttmo dm.
24 de Marco do anno prximo passado. Ou- Portos do norte ; vapor brasileiro Hahiana
tro sim participo a V. S. quo nesta mesma data
tenlio ordenado ao Esc.rivao Coclho que no
mais brev.. espasso possivel trate de fixar nessa
villa a ua residencia a fim do poder melhor-
mento cumprir os despachos e ordene de V S.
com proveito das partes.eos Guarde a V.'S.
Rio-Formoso 13 de Julbo de 1844.-Illm. Sr.
J,,ao Manoel de Murros WanderleyJuiz Muni-
cipal Supplentede Serinhem.Fernando Af-
onso de Mello Est conforme. A/e//
N. o. Illm. Sr. Accusando a recepcao do
oficio deV.S. de 13 do crrenlo passo a entrar
as funccoes da vara do civel d'esto termo.
Dos Guarde a V. S Coelhas 17 de Julbo do
1844 Illm Sr. Doutor Fernando Aflonso
de Mello, Juiz Municipal o Orphaos da comar-
ca do Rio-FormosoJoao Manoel de RarrS
Wanderley Lins Juiz Municipal Supperiie 0
termo de Serinbaim.Est conforme.- A/e/to.
N. 6 Illm. o Em. Sr. Haven^o sido abo-
lidos os Juies do Civel pelo artigo H5 ,|a lei
numero 261 de 3 de De/einljf0 de.18.it pa-
rece-me, que, nao obstante se n5o j,avcr decla-
rado extinelo odesta co'inirca p0r acto especial,
ao Juiz Municipal ce;m|)(qe 0 exercicio das func-
ces civeis, nao ^omo substituto d'aquelle, mas
mu por diiei' 0 proprio na conlormidade do
primeiro r> rt 8rligo 114 da referida lei de 3 de
Deeni'liro f e decreto numero 267 de 24 de
MTiCo de 1843 em aditamento e declaradlo
jos regulamentos numero 120, e numero 143
de 31 de Janeiro e 15 de Marco de 1842 e
nesta intelligencia tenho-me limitado.quanto ao
municipio de Serinhem a proferir sentencas
inaes. e a exercer os demais actos, que sao ye-
dados ao rospectivo Juiz Supplente. permittin-
do-lho as diligencias preparatorias dos leitos na
forma do artigo 7.o do mencionado decreto de
24 de Marco, por persuadirme que a |urisdiyo
conferida ao Juiz do Civel pelo artigo 5." da lei
provincial numero 13 de 14 de Abril de 1836,
em toda esta comarca bo to smente privati-
va inherente pessoa do mesmo Juiz quando
estiver em exercicio e nao aoscu lugar, que,
como dito tica se echa abolido. Este meu
procedimento tem porem suscitado duvidas ,
provenientes do disposlo no 6 artigo 2. ca-
pitulo 2. do supracitado regulamento numero
143 de 15 de Marco que determina quo aos
Juizes Municipaes compete substituir os Juues
do Civei nos seus impedimentos, por entende-
r m alguns que a vista desla disposico o
Juiz Municipal, funencionando como substituto
do do Civel, emquanto esta vara nao fr exlinc
t o f..z da mesma maneta e com a mesma
amplitude estabelecida. no predito artigo 5 da
citada lei provincial para deixar de. ter luc,ar
o exercicio dos >upplenles nos termos na orme.
que dispoe o artigo 7 do j citad decreto Is
to posto e porque pode acontecer que esta
mmha intelligencia naoseja a mais conformeao
.espirito das leis decreto e regula mritos cita-
dos vou rogar a V. Exc qne te digne decla-
rar me com a possivel brevidade se devo con-
tinuar a proceder da maneta por que o tenbo
feito o se como substituto do Juiz do Civel
devo ter a juns iit o civel em toda a comarca ,
comoxcluso dos Supplentes no dito termo de
Serinhem as liiigencias tendentes ao pre-
paro e aos feitos eos Guarde V.hxc.Rio-
F..rmo8o20 de Marco de 1844 Illm. e Exm.
Sr. BaiMda loa-vista dignissimo Presidente
desta Provincia-Fernamto Aflonso de Mello ,
Juiz Municipal e de Orphaos dos termos de Se-
rinhem e Rio-Formoso. Est conforme
Mello.
i i i ir
' > .' J- USB

con mandante M. dos Sanios Ornellas : pas-
88geiros, o Tenente-Coronel Luiz Antonio
Favilla com sua lamilia e 5 escravos, l.'Te
nente Nunu A'lves Pereira de Mello Rrusi-
le i ros.
Deca racoes.
Existem no Correio as cartas seguras abaixo.
Urna para o Reverendo Sr.Christovo de Holan-
da Cavalcantijumi paraoSr.Sebastiio Antonio
do Mello Reg; urna paraoSr. Miguel da Fon-
seca Soares e Silva ; urna para o Sr. Manoel
Jos Machado Malheiro; urna para o Sr. Ber-
nardino Jos6 Monteiro; urna para o Reveren
do Fr. Jos de S. LuizRoza; urna para o Sr.
J. J. R. Lofller; urna para oSr. Joaquim Ro-
drigues de Almeida; urna para o Sr. Dr. Jos
Tliomaz Nabuco de Araujo Jnior; urna para
o Sr. Jos Antonio Alves da -*-ilva.
1=A mala para Falmut pelo paquete de S.
M. liiit nnica Pelerb ser fechada as 8 horas
da mimhaa de quarta feira 21 do corrento no
ConsuladoRritannico, ra da Cruz. i
Alfaiidega.
Rendimento do dia 19......... 7:589*050
DetcarreyUo hoje 20.
Briguo inglezReliante
KJi-itn-?***.
rlvisos inversos.
louca, farinha e
ferro
Brigue inglez W m Huuell diversos g-
neros.
Brigue inglez -Hichemond- taboado baca-
Ibao ecb.
Sumaca Verola taxas de Ierro.
Barca portugue/a -Firmeza vinhos.
SI o viajen lo do Porto
Navio entrado no da 18.
Rio de Janeiro ; 14 diai, paquete ingles Pete-
ret co......andante oTenente Crescr.
Navio saludo no mesmo din
pbih.del.ibia ; brigue-escuna americano HF.
Loper cap.tao WV" North carga sssucar.
l=sRoberto Felippe Wood,subdito Rritanni-
co, retira so para lora do Imperio. (2)
"r Aluga-se o primeiro andar da grande e
elegante propriedade n 1 sita na la Augus-
ta desta cidade, com muilos commodos, quin-
tal, porto e estribara; quom o pretender, di-
rija-se aoseu proprietario Jos Mara Placido
de Magalhes no segundo andar da mesma pro-
priedade.
= OlTercce-se um homem bom serrador;
quem o pretender dirija-se a ra do Rozario
larga n. 15.
1 =s Manoel Francisco da Silva avisa a quem
interessar, quoum moleque menor crioulo de
nome Bartbolomeo.appareceo no sou sitio em S.
Amaro, terca-feira as 8 boras da noute da se-
mana passada para que ocomprasse, ou apa-
drinhasse, manifestando serescravo do Sr. Ma-
noel Jos da Costa Guimares, vulgarmente co-
nhecido por Mandum, morador no engenho S.
Paulo, a quem o annnnciante so dirigi por car-
ta no inmediato diado apparecimenlo,para que
viesse pelo dito escravo; como porm al a pre-
sente data o dito Sr.Guimares nao Ihe appare-
cessee neinmandasse, oannuncianledeliberou-
se a entregar o dito escravo em o dia 18 do cor-
rente ao Sr. Delegado do Recite o Dr. Autran ,
a quem manifestou todo o acontecido pedindo
ao dito Sr. Delegado houvesse por bem mandal-
o rccolher ao calabouce al que o referido Sr.
cima ou a quem na verdade haja de perico -
cer, appar ca para o receber (20)
= Precisa-se de dous, ou trez rapa/es, que
tenbo pralica de vender pao dando se-lbes
negros para carregarem ; na ra Imperial pa-
daria n. 37.
Algu-b'e urna casa nuvu na ga-
rio n. 4, com mijitos commodos por preco
mdico; a lallar com o Brigadeiro A la.eida
na praca da Boa-vista : igualmente na mesma
casa lia para vender um moleque de 18 annos,
jnuito bom para bolieiro,por saber bem andar a
oavallo, inuilo esperto e tem urna bonita fi-
gura.
Tirou-se do Correio por engao urna
carta viuda do Porto para Jos Antonio da Sil-
va ; quem se julgar com direilo a ella, pode
mndala buscar na ra da Cruz n. 37.
Precisa-se de um caixeiro que entenda de
ferragens e escreva soflrivelmenle ; na ra da
Cadeia do Recife n. 44.
Aiufta-so ilumina pfco u lrrar casa e
caixo do defuntc* o deanjo ; em linda na
ra de S. Joo, casa do sacristo do Amparo.
O bilbele da 3.' 4.1 parle da 2.' nova lo-
tera a favor das obras da matriz da Boa-vista,
n. 2202 e 4.' parte de um dito n. 7G6, per-
tencem ao Sr. Francisco Joaquim Fiuza da
Cunha do Para.
Quem precisar de urna ama de leite, par-
da, a^qual d fiador a sua condula, dirija-se
a ra do Alecrim casa n. I.
Des trez pranxes de amarello annunciados
no dia 17 por este Diario, que foro furtados,
se achou um amarrado dentro dos mangues
junio do forte do Brum; e os dous consta que
se acbSo acuitados em mi decerto freguez,
que tem costunie anligo de comprar madeiras
furladaspara supprimenlo de seu estabeleci-
menlo; pois se os nao entregar, \o tirar-so
judicialmente aonde elles esto
1 Joanna Daplsta Nevcs Sexas viuva que
icou por falleciuiento de seu marido Bazilio
Rodrigues Seixas, tem de vender o terreno na
Passagem da Magdalena ,( logo depois da dita
ponte indo desta praca); que foi do cazal e
boje designado no inventario para pagamento
das dividas que ficro por fallecimento do so-
bredito marido da annuncianto e do qual
terreno leacha esla autorisada pelo mesmo in-
venlario para dispor para o referido lim; tem
; 32 palmos de Irente e 170 de fundo, com cerca
! de maileira e toda a armaco de urna casa de-
molida, contendo mais dous mil e seiscentos
lijlos, e mil e tre/.entas telhas, tudo novo a
fura a telba que cobre o telheiro que ainda exis-
te, tem cacimba, e as seguintes fruteiras: 2 ps
de cajueiros, 2 limetas, 2 larangeiras do ein-
bigo 5 ps de pinheiras 1 de jarnbeiro, 1
de jabutict/ba, 1 de saputy, 1 |le ahacale, 1
de ligueira, 1 decoraco da India, 1 de limo-
doce ldirlimaode molbo, diversos ps de
hana netas, 2 ps de goiabeiras el de pitan-
gueira ; quem o qui/er comprar, pode diri-
gir se a ra da Gloria n. 94 a fallar com a
annunciante. (28)
1 LOTERA DES. PEDRO MARTVR DA
CIDADE DE ULINDA.
Corre impreterivelmente no da 12 do Se-
tembro do mez prximo vindouro; os bilbetes
acbo-sea venda no Recife lojas de cambio dos
Srs. : Vieira e Cunha e Silva; em Santo An-
tonio, ra do Cabuga botica do Sr. Joo Mo-
reira e lojas de lazendas dos Srs. Pereira A
Quedes. (9)
1Quem precisar arrondar um sitio com
urna boa casa pura urna grande familia na La-
punga arrenda-so por annoou para passar a
esta conforme convier os partes; dirija-se a
ao becco da Lingoeta por cima da venda do Sr.
Ayres ou na ra dos Quarteis sobrado n.
19. (?)
l_OSr. Braz Antonio da Cunha de Albu-
querquo tenha a bondade de ir fallar com "^ a-
lentim Jos Correa a negocio que bem
sabe. (4)
1Aluga-se ou vende-se um sobrado em O-
linda narua de S. Bento, defronte da ladeira
do Varadouro bastante fresco o agradavel ao
comprador ; quem o pretender pode procurar
na mesma cidade ladeira da Mizericordia
n. 3. (6)
l=Tirou-se por engao una carta do Cor-
reio den 894 para Joaquim Jos de Pinho ;
quem or seu dono, dirija-se a ra da Cadeia
do Recife l> ja do aiendas n. 51, quo se Ihe
entregar. (5)
1(juem precisar de urna ama parida de trez
semanas, sem ilho, com muilo bom e bastante
leite para acabar de dar de mamar a alguma
crianca isso so por cinco a seis mezes pois
que se tem comprometalo a amemcnlar o ilho
de urna Sra.que.achando-sepresentemenlegra-
vida.ha de della precizar no periodo estipulado;
dirija-se a ra Augusta casa n. 10, para tratar
respeito, podendo mesmo encarregar-so de
tomar conta do menino no caso do seconven-
cionar. (11)
1 O arma/em de seceos do pateo do Hospi-
tal do Paraizo n. 18 deixou de ter negocio a
venda, do dia 18 do corrente em diante; oque
annuncia-se para intelligencia dos Srs. Collec-
lores do novo imposto. (5)
1__Aluga-se o 2 "andar da cosa n. 42 na ra
da Aurora ; na mesma ra n. 44. (2)
1__Uni Sra. do boas costume encarre-
ga da criacao de meninos de peito, impedidos
e desimpedidos, e tamliem recebe meninos
desmamados para curar da sua educaco, no
que prometle esmerar-se ; quem do seu pres-
umo so quizer utilisar dirija-se ao pateo
do Carino n. 24: na mesma casa vende-se um
berco ainda em bom uzo com seus cortina-
dos.' (9)
Oflerece-se um homem do boa conducta
para criado de alguma casa ou para oulro qual-
quer servico ; quem o pretender, dirija-se a
Praca da Independencia loja de alfaiale n. 12.
=Foro entregues sabbado passado de tarde a
um negro ganbador que desappareceono cami-
nk/j "uatro livros franceses com o nome do
l.abaulire. assentadona primeira folha; quem
souber d*elles dirija-se por favor ao dito
Lahautiere na ra Augusta n. 1.
1 Na ra larga dRozario tem urna porco
deentulho proprio para atierro ; quem del le
precisar, pode rnandal o conduzir. (3)
Quom precisar de um perito cozinbeiro,
dirija-se a Fra de Portas no becco de J os Te i-
leira n. 1.
Tirou-se no dia 17 do corrente mez urna
caria por engao, vinda de Montevideo com <>
nome de Manoel Jos Feneira ; quem forseti
dono, dirija-so a Fra ile Portas defronte do
becco Largo na venda do Manoel Jos 1' erreirn,
que ser entregue.
Precisa-se de um caixeiro que tenha pra-
lica de venda, de 15 16 annos pouco mais ou
menos dando fiador a sua conducta ; quem
pretender dirija-se a ra da Senzalla-nova, ven-
da n. 4.
l=srNo dia 31 de Julbo prximo passado, ap-
ptreceo tima prota na venda doiooi-it Wi-
cliado na passagem da Magdalena, pedindo-lbe
troco para urna sedula de 1 ,> rs. o pegando nel-
la vendo ser do muilo avultado valor, perguntei
a preta de quem era c quem Ihe tinba dado a -
quello dinheiro disso ser de Manoel Antonio
de Jezus c o dinheiro ser do leitor, appr'obfi..!
e disse-lbe, que mandassec o (' ilor, cmodo
laclo veio dizendo ser o dinheiro da preta, (|ti
o tinba adiado entrcguei-lhe passando-mo
elle um recibo ; quem se julgar com direito a
elle dando os signaes Ihe entregarei o dito reci-
bo para o leitor o entregar (14)
l=Roga--se ao Sr Fernando Murales na-
tural de Lisboa que a 10 annos pouco mais,
ou menos velo para esta cidade mandado.ou em
companbia de um Padre liespanhol de diri-
gir se a ra do Vigario n. 19 a lim de se Ihe
noticiar de urna beranca vantajo/a, que Ihe diz
respeito e no caso de ler fallecido se bouver al-
guem que tenha conhecirnento do mesmo ta-
ra o lavor de dar alguma inlormacao.
(!/.
2Contina-se a dar dinheiro a premio
mesmo em pequeas poicos; na ra 0a
n. 55. (3)
2Jos dos Roa, Emilia Amante sua espo-
za e Joaquim Antonio de Carvalbo retirao-se
para fra do Imperio, (3)
2=Antonio Jos do Oliveira declara,que ha-
vendo mais nomos iguaes de hoje em diante lica
sondo Antonio Jos -Jo Oliveira Ramos. (3)
2=A pessoa quo tirou por engao do Cor-
reio urna carta vinda do Porto no navio Ven-
tura Feliz, para Joo Antonio Gomes Guima-
res, queira entregar na ra do Crespo n. 9 de
Domingos Guimares quo alm doagradeci-
mento se pagara o porte. (6)
2=.Correm-se lolhase tir3o-so passaportes
para dentro e fura do imperio, por preco milito
commodo clamis possivel brevidade; na ra do
Rangel n. 3*. (*)
3 llenrique Carlos Augusto retira-se para
fra do imperio. (2)
3Maria dos Santos e Silva retira-so para
fra do imperio. (2)
3=Amelia Carolina Duarte retira-se para
fra do imperio. (2)
3=A commisso administrativa da socieda-
de Apollinea tem marcado o dia 7 de Setemhro
prximo, para a sua partida, podendo os Srs.
socios, que liverern de apresentar propostas pa-
ra convidados, as dirigir a casa da mesma so-
ciedade no dia terca feira 20 do corrente, pelas
6 horas da tarde. (7)
3z= Aluga-so urna canoa para conduzir agoa;
quem a tiver, annuncie. (2)
3 Pede-so ao Sr.Thesoureiro da loteria da
matriz da Boa-vista, quo nao pague (caso saia
premiado) o meio bilheto n.3062, seno ao
sen dono Ignacio Jos da Silva. (4)
LOTERA da MATRIZ da
BOA-VISTA.
Tendo bavido rpida venda dos bilbetes desta
loteria, o andamento das rodas ter lugar no dia
22do corrente, ou talvez antes, como j foi an-
nunciado : os bilheles acliose a venda as lo-
jas dos Srs. Vieira e Cunha cambista Luiz
Antonio Pereira & Companbia ra do Quei-
miido ; Moreira Marques ra do Cabug o
no atierro da Roa-vista loja de ourives do Ja-
cinlho. (12)
3 Acaba de chegar do tranca una excel-
lente phantasmagnria com todos os seus per-
tences, contendo urn grande numero de figuras
o muilas destas de movimento do melhor gosto ;
na ra Novan. .'1, loja do bom barateiro de
Curra Silva & Companhia. (6
2=Por descuido desencaminhou-se urna pe-
quena bolea de lazenda de la, do boleo da ca-
zaca de Joo Francisco de Souza Peixe na oc-
casio das eleicoes na matriz de Santo Antonio,
com urna pequea quantia em sedulas a qual
o mesmo Pei\e offerece a quem a achou, tendo
a bondade de botar a mesma bolea na escada do
sobrado n. 18 do pateo do Carmo, com 2 chavi-
nhas, que na mesma so achaviu (9)
') AlncTA-se mu i cesa Ierren na rna da Aln-
o-
gria, com commodos sufiicienles para qualquer
familia eoseu preco o mais commodo possi-
vel; a tratar~a ra Dircita arma/em n. 9. (4)
2=Jos de Ritancurt Amarante agente do
arrematante do sello das cartas de jogar na fre-
guezia da Boa-vista, previne quo a nica parto
destinada para as vender lie na venda n. 88, de-
(ronto da Matriz e por este mesmo annuncio
faz scicnte as pessoas da dita freguezia que as
possuirem para vender que elle annuncianto
compra as pelo seu justo valor isto no praso
de 3 ilias depois do presente annuncio. > (9)
2Precisa-se de 200 rs. a juros, com by-
potheca em urna escrava ; trata-so no pateo do
Terco sobrado de 2 andares, no segundo andar
n. 139. (4)
2 = Precisase para um sitio perlo da praca do
urna prota de meia idide para vender frutas a
verduras; quem tiver e quizer alugar dirija-
se em casa do Meros na praca da Independen-
cia, (o)

.-


-y*
h
Descja-se fallar a algum dos prenles da
iaecida Stbsiaiua Caetana Furtado natu-
ral de kuarassii a negocio do seu interesse.
Precisa -so alugar uui sitio, que fique por-
to da praga, que tenha banho ; na ra Direi-
ta, sobrado de um andar n. 5(1; na mesma ca-
sa engomma-se toda a qualidade de roupa por
p refoco tn infido.
l'ma senhora solleira propoe-se a ensinar
a lcr, cscrever, contar, grammatica portugue-
za coser, fazer lavarinto. bordar o marcar; os
pais de familia qued se prestitno se qui-
zerem utilisar dhifio-se ao principio da ra
Imperial n. 9.
DSo-se I 10 rs. a uros sobre penhores de
ouro ou prata por lempo de um anno ;
quem pretender, dirija-so a ra Imperial n. ).
Oabaixu assignado Joaquim Militao do Amarul se intitula seu cai-
xeiro por isso previne que se nao rcsponsa-
bilisa por qualquer transacao que o rnosmo
possa fazer em nome do abaixo assignado.
Diogo Jos da Cosa.
Existo, ha dias, no sitio da Passagem da
Magdalena confronte o viveiro junto no do
Sr. Moraes um cavallo caslanho umarello ,
que alii fui ter ; quem for seu dono dando os
Bignaes loe ser entregue ; > fallar no dito
sitio, ou na ra da Cadeia meiro andar.
Aluga-se o terceiro andar da casa n. 51 da
ra da Cadeia do Becife, com o janellas de
frente, BOtao corrido com duas trapeirns e mi-
rante d'onde se desfruta 8 oulhor vista tem
commodos para numerosa familia ; a tratar no
primeir.) andar do mcsmo sobrado.
1'recisa-se de una pessoa capaz para fa-
zer urna cobrauga crescida na cidade do Ara-
caty ; na ra do Vigario, cscriptorio de Manoel
AI ves Guerra.
Aluga-se um sobrado de um andar, com
grande soto o baslantes commodos para grande
familia ; com bom quintal murado e cacimba ,
na r,na atraz da matrizda Boa-vista ; a tratar na
casa terrea immediata n. 22.
los da sua fabrica, fazem cente aos seus Ir-i serva dn carnes e salmos, cha preto e hisson
guezes e ao publico, que em resguardo da sua I lanternas de vista vassouras de cabello para
propriedade, e dos sousdiroitos accrescento varrer casa, escovas para espanar e escovar sa-
irma ao sello do nico deposito do legitimo ra-
p arta preta, que permanece no mesmo lugar,
ra da Cruz n. 26.
Portanto qualquer outro rap que se incul-
que dobaixo desta denominaco lio urna falsi-
ficaco dos productos da fabrica de Meuron 6
C. inventores e nicos proprietarios das
fabricas do rap aria prela, tanto na Babia ,
no Rio de Janeiro c Maranhao, como ei Per-
nambuco, e rogo aos Srs. compradores dea-
cautellarcm-se contra as fraudes sendo as
maiores no jap, que se vende a retalho. (21)
Compras
A casa dopasto da r.ia das Cruzes n. 33 ,
atlia-se de novpabc ta, e munida de um exeel-
lente cosinheiro na qual alin da comida dia-
ria se far com toda a promptidao o aceio bons
peliscos ; assim como tambem se encarrega do
mandar comida lora: nos domingos e dias San-
tos baver mSo do vacca com toda a perfeicao ;
na mesma casa recebe-se um escravo para se
ensinar a cosinheiro.
Qualquer pessoa que quizer cauca e pe-
dacos de lijlos, que se acho no pateo do Hos-
pital do Parsiso dirija-so ao mosmo lugar,
que sedar gratuito.
A pessoa quo annunciou querer saber
novas do Sr. Tencntc-Coronel Manoel i ereira do
Araujo dirija-seao Atierro da Boa-vista n. 6o.
O Sr. Jos Antonio de Carvalho queira
dirigir-se ao armasem deronte do Corpo Santo
i), 10, para se Ibe entregar una carta vinda da
Bahia pelo vapor Buhiana.
Precisa-so de um rapaz Portuguez de 12
a l'i annos, para caixeiro (ora da praga ; no at-
ierro da Boa-vista n. 14.
Quem annuncion querer iallar com Fran-
cisco Nogueira Pinto dirija-se a ra da Calca-
da n. 12 ao p da matriz de S. Jos.
Na la do Pillar em Fra-dc-portas n.
122, precisa-se de um liomem', quo enlen-
da perfcitamenlo de padaria.
Aluga-se o sonrado n. 10, no largo da
Boa-vista ; a tratar na ra da Cadeia (o Becife
n. 40 com Joaquim Goncalves Casc3o.
2 -Quem precisar de um destilador de ago'ar-
dcnle que est acoslumado a trabalhar se-
gundo o sistema moderno ; annuncie.
2 Aluga-se o terceiro andar do sobrado do
Atierro da Boa-vista n. 34, e a loja do sobrado
dosQuatro-cantosn. 1 ; a fallar com M. C. S.
C. Monteiro (4
Casa de commistSo de escracos.
2Xa ra Direila sobrado n. 3 defronte
do bic de S. Pedro recebe-se cscravos p8ia
so venderem do commissao, nao se levando por
este trabalho mais do que dous por cento o-
ferecondo-so toda seguranca precisa para os di-
tos escravos assim como nao se levar cousa
alguma decomedoiias. (g
2 .Manoel Caetano Soarcs Carneiro Montei-
ro embarca para o Bio de Janeiro uta escravo
de ni.me Joaquim pertencbte a Jos Thomaz do
Aquino Pereira.
G Madama Mara modista Franceza mo-
radora na ra do Rozario-estreta n. 19, ten-
do de retirar-so para ora do imperio avisa
por isso a seus fre^ie/es que .Madama Laves-
sier desde o dia 8 do crreme ica substiluindo
seu lugar de modista ; e espera por is.-o que
seus freguezes Ihe continenla dar acuelle acol-
Ihimento que at aqui davao a dita Madama
Maria e vifto dita Medama I.avessier ser
muito boa modista como poder mostrar em
qualquer obra de que soja incumbida. (II)
5Jolinslon P..lor & C. tcem constantemen-
te a venda laixas de ferro balido e coado mo-
radas de forca de 4 a 6 cavallos, baix e alta
presso ludo por prego com modo : na ra da
Made de Dos n. 5. (gj
2 CATELLA CONTRA AS FALSIl I-
CACES.
Constando a Meuron C., que em algumei
vendas e lojas dt 6ts cidade, se vende un i
com a falsa denominaco de rap aria preta ,
com astuciosa imita^o dos botes, rtulos e sel-
1 Comprao-se travs de boa qualidade, de
palmo e palmo e coito em quadro e 30 palmos
de comprido ; na ra da Cadeia do Bocifo, lo-
ja do Joaquim Goncalves CascOo. (4
1 Compra-se urna escravasem vicios, que
seja perfeita engommadeira e cosinhoira pelo
quo se pagar bem; no pateo da Penha n. 4. (3
Comprao-se-efTectivamonte para fra da
provincia escravos de ambos os sexos de 12 ,
20 annos agradando pagao-se bom ; na ra
da Cadeia do S. Antonio, sobrado de um an-
dar de varandadepo n. 20.
1Compra-so a folhinlia de 1827 ; na praca
da Independencia livraria ns C o 8. (2
1 Compran se em-ctivamente escravas o ne-
grinhas de 12 a .'0 annos pagao-so bem ; na
ra Direita n. 3, primeiro andar. (3
Compro-se dous anneloes e um pontei-
ro para menino sendo de ouro de lei e sem fei-
lio; na ra Direita, sobrado do um andar n. >6.
Vendas
4 Vende-se urna porgo de telhas e lij-
los de ladrilho lapamento, grelhas e alve-
naria balida por preco muito commodo por
se querer despejar o armasem e p'romette-so
mandar botar na obra ; por detraz da ra do
Calderciro armasem do Amorim, confronte a
Jos Antonio de Moraes. (7
4Vendo-se em casa de Augusto Corbett ,
na ra da Cadeia do Becife n. 46 um completo
sortimento de vinhos engarrafados do Porto, Ma-
deira Xery ago'ardento de Franca e Shrub,
ludo das melhoresqualidades, que teem vindo
a esto mercado e igualmente os afamados
charutos regala ; Carhoeira patriota e Sans-
pareil viudos da Bahia na escuna Santa Cruz,
ludo por prego mais commodo, do que om ou-
tra qualquer parte. \q
3 Vende-se um mulato escuro do 25 an-
nos com ollicio de carreiro, e principios de sa-
pateiro ; na ra da Cadeia de S. Antonio n. 15,
segundo andar. 4
3Vendo-se boa larinba para bolaxa de 8 a
14# rs. a barrica ; na padaria junto ao quartel
do polica n. 1 \
4 Vende-so a escuna americana Nile, mui-
to veilcira de primeira marcha forrada e en-
cavilhada de cobre ; a tratar com os seus con-
signatarios Hcnry Forster & Companliia na
ra do Trapiche n. 8. (5
3Vende-so bolaxa de 8 -a 12 patacas a ar-
roba muito boa para commodo de familia; na
ra larga do Bozario n. 18.
Vende-se urna banda de seda nova, com
borlas de ouro para qualquer Official militar,
por 6^ rs. ; as Cinco-pontas n. 82. (3
3Vendo-se a armarao o drogas da botica si-
ta as lojas do.sobrado da ra Direita n. 120 ,
por preco rasoavel ; a tratar no primeiro andar
do mesmo sobrado. (4
Vende-se urna canoa aborta : urna mula-
ta que cosinha, engomma e veste urna senho-
ra ; mergulhos de paireira muscalel ; na ra
do Caldeireiro n. a(.
2 \ ende-sc um completo sortimento de ca-
sacas sobre-casacas de panno merino, o de
varias qualidades, calcas, jaqueles, fardas,
casimiras de quadros para calcas setins dedi-
veisas qualidades para colletes ludo por preco
commodo ; e assim como se fazem todas as
obras por medida com a maior promptidao ,
do que em oulra qualquer parte tudo Vito na
ultima moda ; na ra Nova loja do alfaiato n.
25. de Braga # Gomes. 110
2 Vende-so urna escrava ; na ra da Cadeia
do Becife n. 1, venda de Francisco Jos Alvos
Pitomba. y
2 Vende-se por nao tor pasto sufficiente
diias vacias mancas e boas leiteiras com os
lu/crros ; na praga da Indtpendencia loja do
Meros. 14
2Vende-so um moleque pega de nacSo ,
de bonita figura muito esperto sem vicio ,
ao comprador se dir o motivo da venda; na
ra da Florentina n. 9. (4
2 Vendo-se um cavallo bom carregador e es-
quipador oplimo lanto para carro, como pa-
ra montara por preco commodo ; na ra do
Sebo para Trempe, poMao n, 3.
2 Vendem-so queijos londrinos presun-
tos conservas, mustaida frutas para fazer
podios, Champanhe vinho do Porto, Madei-
ra, Sherry, Constancia, Clarete, vinho do rei-
no atio'ardente de Franca, frasqyeiras com
12 a lo fiascos degenebra superiores licores ,
latas grandes e pequeas de sardinha ditas
de htrvilhas frantezas e ingieras, ditas de con-
patos, superiores charutos da Hnvana e Mani-
Iha e as afamadas pilulas do l)r. MaurUon ;
na ra do Trapiche armasem novo n. 40. (14
2Vendem-se os seguintes livros; geome-
tra por Lacroix em Irancez, lgica por Condilac,
historia do piolho viajante em portuguez Te-
rencio ofllcios de Cicero oraces de Cicero ,
epistulas do dito Ovidio, e Eutropioem latim,
tudo por preco commodo ; na ra Imperial
n. 112. (7
2 Vondem-se 3 cordes de ouro sem feitio;
na ra Nova n. 55. (2
Vende-se urna armacao de venda com to-
dos os pertences no Atierro da Boa-vista ; a
tratar na braca da dita n. 12.
Vonde-so urna por^ao de portadas de po-
dra do muito boa qualidade e sacadas de po-
dra mulatinba; na ra Imperial o. 63.
1Vende-so urna escrava crioula de 16 an-
nos sem vicio, muito fiel engomma o cosi-
nha vende-so por precisao ; na ra Volha
n. 100. (4
Vende-so manteiga ingleza a 800 rs. e ran-
ceza a 56o rs. azeitodocea 3400 rs. a cana-
da o a garrafa a 45>Ors. dito do coco a 2210
rs. ea garrafa a 32o rs., chocolate de Lisboa ,
muito novo doce de goiaba bolaxinha pe-
quea fina presuntos proprios para fiambre e
para tompoiro a 320 rs. paios o linguigas, sa-
lame de Genova charutos da Bahia cha su-
perior a 2240 o 256o rs. dito em caixasde duas
libras, perola o hisson, sag fino, farinha do
Maranhao Champanhe de primeira sorte, cor-
veja branca e preta vinhos do Cidra Porto ,
Lisboa, Figuoira, da liba de S. Migelo Cele
a 12S0 rs. a cariada o a garrafa a 160 rs. ; na
ra Nova venda n. 6 ao p da poate.
Vende-so para algum engenho ou fra
da provincia um negro de naci ptimo tra-
balhador de enxada e de outro qualquer ser-
vico no Atierro da Boa-vista loja de seleiro.
Vende-se um negro refinador de assucar
na ra da Sonzalla-nova n. 4.
1Vende-se um escravo de nacao Angola
para o servico decampo ou outro qualquer '
um banheiro de amarcllo com ps de roda, um
Salustio o primeiro tomo do Virgilio urna
grammatica ingleza, Pockt Library, 3 v lgica.
Job, Metaphisica ; na ra do Baogel n. 17. (
1Vende-se milho em saccas a 3200 rs. fa-
rinha do mandioca deS. Matheus e Cravllas
a 2800 rs. o alqueire da medida velha, gomme
de ongommar a 10# rs. o alqueire, tudo se ven-
de da mesma forma a retalho ; no deposito da
ra da Cadeia de S. Antonio n. 19 no pateo da
Penha, armasem 11. 7, 'na Boa-vista, ra do
Aragao n. 37 o a bordo da lancha Flor do
Mar. (9
Vende-se o botequim atraz da matriz, o
qual tem bilhar ; a tratar no mosmo botequim.
1Vendem-se terrenos parase edificar, j
alterrados o por alterrar em qualquer das
ras sendo primeira ra da Aurora o ultima
do Hospicio, no largo da Ilha confronte ao
mesmo Hospicio o palacio velho ; na ra da Ca-
deia do Recifen 51, primeiro andar. (6
Vende-se salga-parrilha muito nova, che-
gada ltimamente, por prego commodo; no
armasem de Fernando Jos Braguez.
Vende-se urna bomba e um tacho tudo
de cobre e por prego commodo na ra da Cal-
gada alta n. 12.
Vonde-se urna elegante escrava de 20 an-
nos engommadeira, cosinheira e lavadeira ;
urna dita de 18 annos recolhida de bonita
figura, engomma, en aboa o trata de meninos ;
um mulalinho de i/i annos proprio para pa-
gem, ou officio ; urna negrinha do 12 annos ,
muito bonita ; urna mulata do 20 annos, d
bonita figura cosinheira, engommadeira 'cos-
tureira faz lavarinto, e he recolhida sem
vicios neni achaques ; duas prelas mogas,' qui-
tandeiras e de todo o mais servigo ; na ra do
Fogo ao p do Bozio n. 8.
Vende-se una esclava crioula de 21 annos,
perita lavarinleira rendeira ecose sem vi-
cios nem achaques ; na ra do Agoas-verdes ,
por cima do escrivao Posthumo.
Vende-se excellente carnauba mesmo em
porgo de arroba por prego commodo ; na
ruada Cruz armasem de assucar n. 33.
Vende-se FlosSantorum em2 v., thoologia
moral do Padre Monte em 3 v. orna prosodia
da nonaedgo, um bicudo muito cantador e
duas patativas por prego commodo; na ra
das Cruzes n. 16, na loja.
Vendem-se ricos cortes de seda escocea ,
ditos de soda branca o de cores, mantas esco-
cezas edo seda bordadas chales de laa a 4000
rs. ditos de seda matizados luvas de pellica
comguarnlg5o ditas curtas, ditas de cores e
brancas para homem bengalas decanna, cha-
peos do sol para homem e senhora um com-
pleto sortimento de calgado para senhora e me-
ninas e outras muitas fazendas de gosto por
prego commod ; na ra Nova n. 6, loja de J.
F. M. doAlmoida.
Vende-se um moleque de 16 annos, com
principio de carpina o de bonita figura ; na
ra dasTrincheiras n 8, de manhaa al as8 ho-
ras e do tardo das duas as 3 horas.
Vendem-se superiores navalhas de barba ,
com cabode marfiH vendidas a contento, ca-
pachos de todas as qualidades luvas de pe 11
ca para homem eenfeiladas para senhora bl-
cos e fitas de todas as qualidades, superior'
delaranja Irancca suueriorsabSo in
cas mantas de seda loques de penua casli-
gaes e paliteiros de casquinha thesouras pura
costura pentes de tartaruga para marrafa o
do prender cabello de massa lavrados; na ra
dos Quarteis n. 24
iVende-so um sorlimento de caixinhas para
obras de ourives de todos os lmannos como
tambem se lazem para aqueirode prata e oslo-
jos do navalhas, ou outras quaesquur obras
ricas, com aceio o promptidao; assim como fol-
ies de ferroiro e para outra qualquer olficina
na ra da Guia n. 17, o para as eneommendas
na ra da Cruz, venda do Joao Jos Bodrigucs
Lofiler, n. 36. $
1 Vendem-so bichas de Hamburgo mui-
to boas thesouras grandes do aro largo para
alfaiato ou chapeleiro, o urna grande para
ourives, ou latoeiro ; na ra Direita loja do
barbeiro n. 123. 5
1 Vendo-se am molequo de 12 a 14 annns,
de bonita figura ; na praga da Boa-vista n. 30
segundo andar. 3
1 Vendem-se por 1:600^rs. dous escravos,
um mulato o urna mulata mogos e de boni-
tas figuras aquello bom oflicial de sapateiro e
pedreiro, proprio para pagem e todo o mais
servigo e esta perfeita costureira de toda a
qualidade engommadeira lavadeira sabu
bordar cosinhar o he propria para todo o
mais servigo de urna casa assim como para
mucama ; na ra da Cadeia do bairro de S. An-
tonio por cima da loja de chapeos n. 25. (10
I Na*ruado Amorim n. 36 eonlina-sea
vender caf moido superior, om pequeas o
grandes porgoes por prego commodo, assim
como vende-so um grande torrador do cal. (4
Vende-se um terrene proprio, na estrada
quo segu da Magdalena paraos ATogados, com
700 palmos de fenle e 900 a IODO de fundo ,
pelo qual passa o rio Capibanbe ; os preten-
dentes, dinjao-se ao sobrado quo faz esquina
para a travessados Remedios.
Vende-se urna escrava do nagao Angola
do 18 annos, perita engommadeira cose, co-
sinha e he ptima mucama por ser recolhida;
urna negrinha de nago do olegante figura .
de 16annos, propria para todo o servigo do
urna casa; urna mulata de j26 annos, engom-
ma, coso, cosinha e lava; dous negrosde nago,
um de 28 annos oplimo canoeiro e o ou-
tro de 22 annos ganhador de ra ; na ra das
Cruzes n. 4 seguidlo andar.
Escravos fgidos
3No dia 9do Julho do corrente anno fugio
da villa da Maioridade outr'oru serra do Mar-
tins, um escravo da nome Joao pertenzento a
Manoel Luiz Brrelo cujo escravo hecriouloe
foi comprado na villa do Limoeiro a cousa do
16 annos ao Sr. Pedro Jos do Lira, suppo-su
que o dilo escravo fosse para aquella villa por
ter alli maiedizer aos parceiros da casa quo
havia de ir ver a mal, e tem os signaes seguin-
tes: de 30 annos, estatura ordinaria, nariz cha-
to e fuloe o mais corpo mais preto grosso do
corpo, quando falla as vezes cusa a prenun-
ciar as palavras demonstrando ser mel gago;
quem o pegar levo ao Becife, ra do Amorim
n. 50, segundo andar, a Antonio da Costa Fer-
reira que gratificar. k
3 No dia 15 do corrente pelas 8 horas da
noute fugio urna negra crioula de nomo Marga-
rida de boa estatura peilos grandes beigos
grossos ps curtos levouem sua companhia
urna cria mulalinha de 6 mezes muito gor-
da com pouco cabello urna trouxa de roupa
de seu uso com a qual pode mudar tanto ella
como a cria; quem a pegar, levo as Cinco-pon-
tas venda 11. 32 quesera gratificado. (9
2 Ausentou-so da casa de sou senhor o os-
cravo Jos Bahia do nagao Congo parece
crioulo, alto, magro, cara pequea, olhos gran-
des bons denles e pernas grossas ; he bem
conbecido nesta praga por carregadordo cadai-
ra tinha urna corrente no p em consequen-
cia de oulra fgida quo ello havia feito; quem
o apprehonder ou fuer com que elle seja pre-
so receber 50# rs. de gralificagao do Luiz Go-
mes Ferreira. (9
Manool Antero de Sousa Bois ha de proce-
der com todo o rigor da lei contra a pessoa, quo
tivoroceulta a sua escrava do nomo Poluqueria,
que fugio no dia 9 do corrente levando urna
bandeja com fasendas o em cima urna caixa do
folha do trez palmos de comprido o 4 dedos do
allura atacada com una correia de sola ; he
alta, espigada do corpo olhos esbugalhados ,
beigos pretos um tanlo fula levou vestido
de riscado azul com listras amarellas saia de
panno preto andava calgada parece crioula,
o algum lempo foi escrava do Tavares, que mo-
ra no pateo do Carino ; quem a pegar, leve a
ra da Guia sobrado de 3 andares n. 53 quo
ser gratificado.
1 Km o dia segunda feira do Espirito San-
to destoanno, fugio a escrava preta Calhari-
na, de Angola ladina, alta, bastante secva
do corpo. seio pequeo, cor muito prela bem
fcita de rosto olhos grandes e vermelhos, com
todos os denles na frente ps baslantes gran-
des e mullidos para dentro, muito con versa-
deira e risonha de 20 annos ; perteoce dita
escrava a Manoel Francisco da Silva morador
na ra estreta do Rozarlo n. 10, terceiro an-
dar por cima da botica do Prannos. 1
1,1,
isn
SI
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUAF0YLHT_ZPT0WH INGEST_TIME 2013-04-13T03:35:29Z PACKAGE AA00011611_05177
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES