Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05175


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1844.
Sabbado 17
O Diario publica-.e mdoi os diasque nao forem aantificalos : o preco .1. saif^etnra
,r ,e tre mi'rt. por ,,uil.i o.jjos adianlados. O annunciosdoeassipnntea sao inseridos
' >reti,eof doi>que njo forem mo de 80 res por linha. As reelamaces deten ser diri-
gidas le iyp., rus das Croies n. 34 ou a Draga da Independencia loja delirrosn. f e 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GoiBlA,i'rahyba,secundase sextas feiras.Rio Grande do Norte, chega a 8 e2 e par
. a a TG,bo'S"rint,"m. Rio FormBio, Macer, PortoCalro, e Alagoas: no 1. =
Jl Ifecada mn.~ Garanlmns e Bonito a le 24 de cada mer. !oa-Tti, e Flor
M,,3: d,t-Gidade daViclori. qumtas feiras. Olinda lodos os das.
das da semana.
i I.'j ier? s. HypoUlO. Bel, aod. do J. 4* D.da 3. r.
U Quarlas, Eaiebio. Aud do J. da D, da iT.
45 Quinta + A.-sumpcao i!e Nossa enhora
46 Sexta ? Roque. Aud do 3 de D da t. t.
47 Sab. a. .Yinmei'e. Bel. aod. do J.'da .da 4. v.
4S Iloui^ s. Joaqulm.
">'": .....
DIARIO DE
" im""*MMi mumammmmaaimirmvwK^tt'rir-^-zzjz-- -
ERRATA.
No oflieio da Presidencia aos Juizes de Paz
deste municipio, publicado no Otario de hon-
tem, l-sequasi no fimexpressamente o ar-
tigo Io das mesmas instrucedes etc.(|ue deve-
r lr-seexpressamente o ARTIGO 10 etc.
d Agosto
Anno XX. N. 185.
Mll\ //SM% / iUd" *Kre ,!tf", -..."O"'- "eren : con-
=~s/rfilMi** \it ''"""no como prinoipiaatos aere*- aponudoa coa admirafiao en,re 'nS'* ",,li
'tsBtf/Zs n\ AV' CaU^, (ProcUsjanJ, d Asesrfr* Gerl O iran.)
/, I---------------------------------------------------------------------
/ Cambios sobre landres -5.
u Par S7U rea p:>r tranco
u Lisboa 14? jior 4U de premio
Moedada cobre ao par.
Idaai de letras le boas liriass 4 l|i U|0
cansos io Da 40 nr mu compra renda
Cur.-Morda de 6,400 V. 47,100 47.-0
., N. 4(5.700 6.00
a de tf,40 9.600
f'rata--i'ala<-< -. 1,960 '""*
PMOsooluBisBBares 4,981) 8,000
Ditos Bescanos 4,'.00 9,9'U
PHASBS DA LA NO HEZ DE AGOSTO.
La cbeiaa *4 aos 4?min da manls. i Luanova a i7 as 10 li. > I_' nvn. da larde
< Mingeme a 6 ai I boras e 5 min ua nanli. | Crescsnte a 10 al 44 b a 56 m. da urde.
Preamar de hoje.
l'rissein 6 boras 54 aiin da r.u.hia. IS'^unda ai 7 bofll 1S niiiiiilnsda lar,!
vs xurm
f i*fm -mxtfpmMiHmiJmiiUKasmiztmsttsmsi1
r
RTE
J-L9LA JMLL-U!
OrFJC
Commando das Armas.
BXPEOIENTE DO DA 31 DO PASSADO.
OTioioAo Kxm. Presidente, rcmettnndo-
ibe de conformdado com os artigos 4 o 5 do
regulamento de 8 do Maio do anno p. p. as
informaces do conductas dosOflciacs Inlerio-
res e Cadetes da guarnicao da provincia, per-
tencontes ao primairo semestre deste anno ,
vindo accompanhadasdas respectivas relacoes de
anliguidade ; os mappas de ns 1 2, 3 e 8
mencionados no citado artigo 6 menos o de
n. 4, por nao haver na provincia escollas de
sciencias militares.
Portaria Mandando, em cumprimento do
Imperial Aviso de 15 deste mez, excluir do ba-
talbao d'Artilharia a p o soldado Theotonio
Joaquim d'Almeida Fortuna, que na qualida-
de de 2. Cadete lez passagem para o deposito
de recrutas da Corte.
DEM DO DA 2 DO COURENTE.
OflieioAo Chele de Polica, acensando re-
celado o sou olicio do hontem datado, e bem
assim o desertor Antonio Joaquim deSunta
Atina, do redusido batalbao d'lnfantaria de G.
N. destacado.
DitoAo Inspector da Thosouraria, com-
municando-lhe que no (lia l-.o desto mez fal-
lecer o Tenentc reformado Joaquim Rodri-
gues da Silva.
DEM DO DA 5.
OfficioAo Kxm. Presidente enviando-
llie a relacao nominal dos individuos, que no
mez p. p., assuntrao praca nos corpos de li-
nha, voluntariamente e recrutados.
[)toAo lnpector da Thesouraria, commu-
nicando-lhe. que no dia 4docorrcnte, falle-
cer o Padre Capellao Jos Pereira du Silva que
se acheva addido ao deposito.
DitoAo mesrno communicando-lbe, que
n5o obstante pela ordem do dia 20 do mez pas-
sado ter-se determinado que o Alferes Aju-
dente Francisco .losA(om nmisse o intn-
rino commando da lortaleza de Itamarac sen
do delle exonerado o Alferes reformado Joa-
quim Pedro de Sousa Masalhes, officialmen-
te resolver depois, que o commando fosso en-
tregue no dia 1. do andante mez.
dem do da 6.
OfficioAo Exm. Presidonte.enviando-lbeo
parecer da Junta de Sade que em inspeccao de
30deJulho ultimo considerou incapazes do
sorvico I cabo e 3 soldados do batalhao d'Arti-
lharia a p, 1 soldado da companhia de Caval-
laria e outro do deposito, a fim de que fossem
por S Ex. propostos para demissao ao Governo
de S. M. o I.
DitoAo mesmo Ex. Sr. requisitando a
entrega do soldado Bartholomeo Ferreira de
Moura, desertor do Deposito que constava a-
char-se preso a bordo de um dos vasos de guer-
ra surtos no porto, como desertor de marinba.
Dito~Aomesmo Exm. Sr., transmilindo-lbe
o orcamonto do concert do que necessitavao as
tarimbas, e o quartel da companhia d'Artifices,
com o que (cava satisfeito o seu officio do 27
de Julho ultimo.
DitoAo Inspector da Thesouraria, com-
municando Ibe, d'Artilharia a p Francisco da Coila Reg Mon-
teiro Ihe teria aprcsenta-lo a certidao que pela
Pagadoria das tropas da Corte foi passada, a
adoiven imento que por alli percebra, e
u vista da fiial se organisftro pelo dito bata-
IhSoosfolhasdo que se Ihe dee, de Feereiro
ilho deste anno, as quaes Ibe lerdo presen-
toi para serrn satisfeit.is
DitoAo Delegado J<> 1"'"" '- >'are''.
no seu officio de 4 deste mez, 6 significando-lhe
que todos assentiao praca.
DitoAo Delegado Supplente do termo do
Bonito, dizendo-lhe, que licava entregue do de-
sertor Jos Vicente da Silva, mencionado no
seu officio de 28 do mez pretrito.
DitoAo Commnndante do batalhao de Ar-
tillera a p, exigindo por copia os assentamen-
los do praQa e idade do soldado natural da pro-
vincia de S Paulo, vindo da Corte na fragata
l'araguast/i, Benedicto Lourenco, quo azia o
objecto do seu officio marcado com o n" 32.
PortariaMandando dar boina, por incapa-
cidade physica, ao soldado do segundo batalhao
do Artilheria a p, Jernimo Jos da Rocha, em
cumprimento do Imperial Aviso de 11 do Ju-
lho deste anno, ed'officio do Exm. Sr. Presi-
dente datado de 5 do corrente.
Thesouraria da Fazcuda.
EXPEDIENTE DO DIA Io DO COMIENTE.
OfficioAo Procurador fiscal da Fazenda,
remetiendo por copia, para sua in'.elligcncis e
execucao na parte que Ibe tocava, a ordem do
Tribunal do Thesouro Publico Nacional n 141
'iigo 6 para osconiribuintes, que residom nos
provincias, deve ter comceo no Io do Janeiro
de 1845, fechando-so e ajustando-so a todos as
conlas at o fim de Dezembro do corrento anno,
linda mesmo aquellos quo pago as suas inen-
salidades em diversas pocas, de forma que li-
quen? todos igualados em seus pagamentos at
o ultimo do mesmo mez de Dezembro, a lim de
que de Janeiro de 1845 em dianto fiquein pa-
gando a quarleis cortos e adiantados, c assim
se facilite, o isclareeao as contas de todos os
contribuinles.
dem do pi* 2.
OfficioAo Inspector da Thesouraria das
Rendas Provinciaes, participando ficar exped
da a necessaria ordem ao Tliesoureiro desta pa-
ra entregar ao daquella a quanlia de 8:500.
rs., relativa a prestaeo do mez de Julho pr-
ximo (indo, e a do corrento mez, por conta do
supprimento determinado pela ordem n131 do
Taibunal do Thesouro Publico Nacional de 3 do
dito mez de Julho.
PortariaAo Collector do Diversas Rendas
Geraes do municipio de OlindaO Inspector
da Thesouraria da Fazenda remelle ao Sr
Collector de Diversas Rendas do municipio de
do 13 de Julho prximo fiodo, que indefeno o -,-,. ., ., ,;, ,
,' ., t n Ulinda os oito exemnlares inclusos uu euilal
renuerimento do Manoe rereira duimaraes, ,rl A ,a r
1 .. desta fbesouraria de 30 de Julho prximo lin-
etn que pedia pagar,em tres prestaeues annuacs,
a quanlia de 2:140. rs., que ficou devendo o
fallecido Jos Maria de Vosconcellos Rourbon.
DitoAo Secretario do Governo da provin-
cia, participando para seu conhecimento, que
pela ordem do Tribunal do Thesouro Publico
Nacional n 140 de 13 de Julho prximo passa-
do eslava dispensado de entrar na Thesouraria
com a importancia do sello e emolumentos po-
la sua nomeacSo para o lugar de Administra
dor da Mesa do Consulado desta provincia, vis-
to o no ter acceilado.
DitoAo Thesoureiro da lotera concedida
favor da impressao das Memorias Histricas
desta provinciaEm resposta ao seu officio de
27 de Julho prximo lindo, em que pede escla-
recimontos sobre a execucao do artigo 22 da
lei n" 317 de 21 de Outubro do 1843, que man
da arrecadar.de imposto para o Estado, oito por
cento dos bilbetes de loteras, cujo premio lor
de 1:000, rs., ed'abi para cima, por entrar em
duvida se estes premios lio os declarados nos bi-
lbetes, ou os que se pago aos portadores, visto
dar-so em urnas loteras, secundo os seus planos,
ou organisato o premio liquido, c em oulras o
ilquido para se dedusir no actodo pagamento o
beneficio, itnposicSes e despe/as, como succede
na que se acaba de extrabir a favor da impres-
sao das Memorias Histricas desta provincia;
tenbo a dizer-lhe de conformidade com o pare-
cer do Procurador -fiscal desta Thesouraria, que
por taes premios deve enlender-se as quantius
recebidas pelos portadores dos bilbetes premia-
dos; porque, dando se em algumas loteras o
premio liquido, e nao podendoos contribuinles
sor obrigados a pagarem a imposicao senao
deste liquido, para haver igualdade na arreca-
daeao be necessaro, quo isto sempre se veri-
fique.
DitoAo Corr.missario fiscal do Ministerio
da Guerra, satisfazendo ao seu officio de 24 de
Julho prximo findo, em que, para satisfazer
urna das exigencias da Contadura Geral du
Guerra, notada no relatorio das irregularidades
encontradas na conta dasdespezas militares pa-
gas por esta Thesouraria no mez de Selembro
do 1842, procurava saber, que destino se deo
ao produelo da arrematadlo de 7 cavallos da
companhia de Cavallaria, que em dito mez se
vendrao em hasta publica.
PortaraAo Thesoureiro dos ordenados
O Inspector da Thesouraria da Fazenda, remet-
iendo ao Sr. Thesoureiro dos ordenados o e\-
emplar incluso do decreto de 13 de Marco do
corrente anno, e alleracfles eJias ao plano do
Monte Pi Geral de economa dos Servid..ns
.lo Estado, previne ao mesmo Sr. Fhosoureiro
em conformidade do oflieio do Secretario do di-
do; prevenindo o de que o praso marcado para a
substituico das notas, que se mandarao tirar
da circuladlo, de valor por valor igual, linda em
10deSet.mbro prximo vindouro.a fim de que
sem demora os mando aflixar em todos os luga-
res pblicos do mesmo municipio, Iguaes por-
taras foriodirigidas a todos os mais Collectores
da provincia.
DitaAo Collector de Inversas Rendas do
municipio do Cabo, declarando em resposta ao
seu oflieio de 24 de Julho prximo findo, em
que porticipou achar-se no exerciciodo seu em-
prego; propondo a Jos Paulo do Reg para
EscritSo da mesma Collecloiiae pedindo csela-
recimentos para a arrecadagao dos impostos a
seu cargo: que (cava inteirado de se aehar no
seu exercicio, quo approvava a sua proposta,
cumprindo,quc o nomeado sollicitasse o respec-
tivo ttulo pela Secretara da Thesouraria; e que
devia exigir do seu antecessor todas as ordens e
regulnmenlos, que Ibe forau entregues para a
dita arrecadago.
DitaAo Thesoureiro da Fazenda, para pa-
gar ao Dr. Manocl Mendos da Cunha Azevedo,
como mandovSo as ordens do Tribunal do The-
souro Publico Nacional de 27 do Junho e 13
de Julho prximo pasados, nmeros lio e 138,
a quantia de 1:800 rs. das ajudas de cusi de
ida e volta como Deputado Cmara ltima-
mente dissolvida.
dem do da 3.
OfficioAo Inspector do Arsenal de Mari-
nba, expondo, que tendoo Exm. Sr. Presiden-
teda provincia remedido o seu officio do 2 do
corrente, dando parte da avaria feita pelo bri-
gue nacional Feliz ao hiato de guerra ('acador,
a lim de promover a indemnisayao da Fazenda,
cumpria prevcr.il-o de que, estando a seu cargo
que ditos despachos, anda mesmo os que ja
pagrSo sello proporcional, dovem pagar sello
fixo, logo quopasvarem a servir como docu-
mentos para legalisar qualquer pretencao, titu-
lo ou conla.
DitoAo luspeclor da Allandega,remetien-
do quatro exemplares dos regulamenlos n. 302
de 16 do Junho de 1844 sobre patentes dos
despachantes das Alfandegas, u. 363 de 20 ,
sobre contrallando de pao-brasil e n. ;I64 de
30 alterando as disposieoes do artigo 141 do
regulamento de 22 de Junho de 1836, a fim
de Ibes dar execueao pela parle, que ibe to-
cava.
DiloAo Administrador da Mesa do Con-
sulado, idem dous exemplares do rcuulamento
n. 361 de 15 de Junho de 1844 sobro o lan-
camento e arreradaeao dos impostos a quees-
lavfio sujeitas as lojas e casas do coinmorcio, e
nutras de diversas classes e denominacoes as
do lei lo e modas, as seges e barcos de navega-
co interior, e os mais de que traa o prece-
dente officio, idem.
DiloAo Administrador dr llecebedoria de
Rendas Geraes Internas dem quatro exempla-
res do regulamento n. 361 de 15 de Junho do
1844 deque trata o precedente oflieio, idem.
PortariaAo Collector de Diversas Rendas
Geraes do municipio de Onda, dem um e-
xemplar do regulamento n. 361 de 15 de Ju-
nho do 1844 do que trata o precedente officio,
idem. Iguaes portaras forao dirigidas u todos
os mais Collectores da provincia.
CommMiicado.
A INFORMABAS DO SENI10K JOAQUIM BERNARDO
SOBRE A EI.KICAO DE S. JOS'.
Cusa a crr que o Sr. Joaquim Bernardo ti-
vessea soragem de chamar calumniosa a repre-
sentaran, quo alguns dos Parochianos de S. Jo-
s levarlo ao Exm. Presidente; mas esta escrip-
lo em ledra redonda no D.-novo de 14 desto
mez /
A primeira folla de verdade do Juiz do Paz
informante, ocha-se logo no principio de sua
exposieao, assegurando que entrara em exerci-
cio na tarde de 3 do corrente; pois he publico,
que a meia noute de sabbado, loi que oSr. Joa-
quim Bernardo accordou instado poruma tran-
sadlo de naosei que,e foi no diaseguinle servir
de Juiz.
O mesmo D.-noro disse, que na tarde de 3
do corrente foi o Sf. Nery, que enlrou em exer-
cicio, e como enlendrao que erB para impedir
que o Sr. Niegas dispulasso a Presidencia da
Mesa Parochial de S. Josao Vereador da C-
mara, apresentou-se na manha de 4 o Sr.
Joaquim Bernar.'o, para aplanar as difficulda-
des. Parece que nem com o l).-novo pode o Sr,
Joaquim Bernaido demonstrar que foi na tarde
de 3 de Agosto, que retomou a vara, de que se
havia demillido.
He preciso terse dispostoa rcpcllir tudo, quo
ten ha vislumbre de verdade para dizeran Exm.
Presidente que a Mesa nao foi rodeada de pes-
esta indemnisaeao pela maneira que indcava I soas eslranbas freguezia, pois todos os Parn-
loestabelecimenlo do 16 de Julho prximo fin-
".iido recohidM e'ie" rwrutas, nwociooadoa ] do, que c qu*rt* udiontado de que traa u 1-
em dito officio, s poria em pratica o <|ue por
Smc. Ibe fosse requisitado.
DEM 1)0 DA 5.
OfficioAo Engengeiro em Chofe encarre-
gado du medic.ao dos terrenos de marinba, para
mandar proceder novam ule a medicao do
fundo o avaliaeao de terreno, que requerrao
por aforamento perpetuo Jos Goncalves Fer-
reira e Si va e outros.
Dito Ao Administrador da Mesa do Con-
suladoEm resposta ao seu officio de !> de Ju-
lho prximo findo, em que pede esclarec mu-
ios sobre o sello, que devem pagar os despachos
dos c arroga meo los, que serven para as confe-
rencias, e p ssSo a ser unidos ao ultimo drs-
einbaraco das einbarcaces para conlinnar a
produsr elleito no porto a que se destinao,
por julgar que taes despachos,nao tendo pago o
sello proporcional, esto sujeitos no sello fixo ;
tenli -Ibe, de conformidade com o pa-
ivcer u F'rocurador- unira ,
cliiunos de S. Jos cslo ah para allestar quo
os Srs. Carneirose Clorindo Clao, escoltados
por sujeitos, que levrao da Boa-vista, os Srs.
Coslinha c Nunes Machado, muita gente do
Fra-de-Porlas e al o Urelhas, com todos os
praieiros rodearlo o Sr. Joaquim Bernardo, t,
a Mesa na occasiao de se acclamarem os Secre-
tarios c Escrutadores, e se abrir a urna para re-
eeber em dez minulos montes de lisias, e fe-
char-se.
Nao estao ah os cidadaos imparciaes, ou in-
dillerenles,para alloslarem, que nao houve lista
sobre a Mesa, nem votacao individual, para com
ella conferir- se ? Y o sera mais >alioioo tes-
temunbodo Vignrio, o honrado Saeeidote .\'e-
rrezos, do que dez iofortnacdes do Sr. Juiz de
Paz, que para fazer a caballa, retomou as func-
. que havia abdicado? Onde se vio recebo
rem se individualmente mais de o i tocen tas ce-
dulas em hora meia, tendo de ser ellas confe-
ridas com i lisia geral dos volantes, anda a


3
querer-se crer, que al depois do meio dia du-l Urna Cruz de fabrica, de madeira
tinA* i...: i___l .... A,
.......; tlUllUUIIUU yj MV \^%
aflirmo muitos cidadaos da reguena. qus as
odio horas j achiao a urna fechada? Se po-
rm oSr. Joaquim Bernardo noga quo se de-
mittisse do cargo de JaixdePaz, como nao ha
negsr ooBl bocea dura tado o mais ? Quem leo
carta que ello em Muio, enviou ao Escrivo (lo
Va/., participando, que se linha demiltido, e que
por elle pedase perdi ios oficiaesdo Juizo, o
entregasso ao 1 Supplente e a Cmara os offi-
eiosde demisso, emcujo sobrescripto se de-
clarava ex-Juiz di' Paz, e l agora a sua infor-
mado, em nada mais pode crer do que disea
os bomens.
Reforc o Sf. Juiz do Pai a sua informacao
com o que diz o Subdelegado Sr. Pessoa, o que
bem prova que elle nao tinba lista. Po lia lam-
bem apadrinhar-secom o Kscrutadores e Se-
cretarios da Mesa, sendo todos da mesina pan-
dilha. Que cusa ao Sr, Pessoa diser, quo os
individuos assigoatarios da queisa niio sao do
sou distrii to, e que at um he mendigo ? Quem
fez a eleic&o de S. Jos pela maneira (|U0 se vio,
tcm arrojo para negar tudo quanto os seus con-
trarios ullegao. O Sr. Joaquim Bernardo jacta-
be que apenas dra amostra do panno, quanJo
nos parece que tocou o zenit.
HWWWPlUBllMlimill mmil'MW
IMiblicago a pedido.
Lista dos parochianos da fregueiia de S Jos
do Recife, qne contribuirao com suas es-
molas abatxQ declaradas para ai primita
despezas do mais indispensavil ao Ministe-
rio da nova matriz.
Os Srs. :
Jos doOlivcira
Antonio Nobre de AI muida Jnior
Des. Joaquim Francisco Goncalves
Ponce de Lefio
Opitfio Jos Habello da Silva Padilha
Manuel Ferreira Diniz
Manoel de Almeida Lima
Monoel Jos Theixeira Bastos
Manoel Zeferino dos Santos
D. Maria da Conoeicao Pereira
Antonio Ignacio da Hoza
Joaquina Mara de Carvalho
Duas mangas do damasco para a
dita, roxa o branca 12,000 rs.
I n sacco de panno roxo forrado
de briiri para a conduccao da dita
cruz
Um ritual
Urna hacia do louca por 960 rs., o
um pequeo jarro por 320 rs. para a
administrado do Baplismo at haver
pia baptismal
Trez vasos do vidro a 160 rs. ca-
da um para deposito dos santos leos,
em quanto os nao pode haverde pra-
la; urna caixinha de folha enverni-
zada por 2,000 rs para guardar os
ditos ; e um cadeiadinho do lato
por 20 rs. para foixar a dita
Um dito mais pequeo tambem
em sua caixinha pendente d'um tran-
selm para o Ministerio da Unccao ,
importando ludo
Quatro livros de cincoenta lolhas
cada um para assentos de baptizados,
cazamentos, bitos o fabrica da fre-
guezia 1.920 rs.
Sello dos trez primeiros
Rubrica dos ditos
Pagamentos de canoas por duas
vezes Olinda para a rubrica dos di-
tos livros e conduccao dos santos leos
(nadase dando a quem andou neste
servico) e alguns carretos, quo tam-
bem se pagarao
| > A
2.000
4,600
1,600
1,280
2,720
1r\OA
,OU
7,680
11,360
3,800
les de provincia ? Domis os Juizes, que outra fpaz dos extremos. At certo lempo o Poder Le-
____.. _._ .._._._ J ~J-- -_..,,f'. ... i.livn lmli:i inaitifln t mlr O 9XeC!lt!V0 USO
era senao um submisso cumpridor de seus
Andr do Vedeiros Couto
Antonio Jos de Sousa
Antonio Manoel do Reg Barros
Dionisio Hilario Lupos
Francisco Antonio da Silva Tenorio
Francisco Rptista do Almeida
Francisco Martin s de Leinos
Francisco Jos do Araujo
Francisco Serfico de Assis Carvalho
Jacinto Jos de Mello
Jos Pinto de Magullies
Manoel Antonio de Sousa Mattos
Manoel Ignacio Fialho
Manoel Jos de Bastos Mello
D. Maria Veneranda da Silva Coelho
Pedro Alvares da Costa
AlexandreFerreira dos Santos
Bento Jos Bernardos
Bernardino Antonio da Silva Lisboa
Bernardo Jos de Barros
Bruno Antonio de Serpa Brandao
Domingos Yalerauo do Sousa
Francisco Goncalves do Cabo
Francisco Marlins Ferreira
Gemrniano Hilario do Oliveira Mello
Henrique Jos de Carvalho
Jos "iidiio de Mendonca Castro
Jos Martina Pedra
1). Lui/.i da Encarnacto 'l'avares
Manoel Antonio Torres
Monoel Jos de A/evedo Moyer
Miguel da Costa ourado
Patricio de Albuquerque Silva
Pedro Tavare* Catanho
Francisco do Barros Rogo
Jos Lopes do Amaral
Manoel Gomes de Asevedo
Oj moradores du Cabanga
10,000
5,000
5,000
5.000
5,000
5.000
5,000
5.000
5,000
4.000
4.000
2,000
2,000
2,000
2.000
2,000
2,000
2,000
2,000
2,000
2,000
2,000
2.000
2,000
2,000
2,000
2,000
1,000
1,000
1,000
1,000
1,000
1.000
1,000
i ,000
1,000
1,000
1,000
1,000
1,000
1.000
1,000
1,000
1.000
1,000
640
500
500
2,800
2.580
Somma-113,280
O Padre Joaquim Jos de Meneas.
?:.>!.USJK*
l'^L'JlU-f
Variedade.
OCARAPUCK1RO.
AS ELEigoES.
Que assumpto espinhoso Que materia me-
Somma 112,500
Algum Sr. contribuintc que nao houvcr
sido contemplado nosta lista queira declarar
nesta mesma folha seu nome, e residencia, pa-
ra se Ihe restituir a sua estrila, quo tambem
evo declarar
Applicicuo das ditas esmolas.
Um relicario de prata com trinta e
ineia oitavas 200 rs.
Feitio do dito
Duas alanternas de folha enverni-
zads* paia o acompanhamcoto doSS.
Viatico emquanto us nao pode ha-
verde prata, 3,000 rs.
Trez sobrepellizi's para uso dad-
iBinislracSo, 2,240 rs., incluido o
feitio
I re/ estolas de damasco duas
brancas e urna Oia, 7,000 rs.
6,100
8,000
6,000
6,720
lindrosa! E ser possivel tratal-a. sem offender
ao prximo ? Creio, que sim, urna vez quo me
limite a principios que trate de cousas e nao
de pessoas, asquaes sempro respeitaroi sejau
alias quaes frein as suas opinies.
Houve aqui antigamente um grande magano,
que todos os desastres, que aconteciao attri-
huia a faltas do dinheiro. Talvez que com mais
lundamento so possao laucar i conta das ele-
ccs a mor parto dos males que presentemen-
te sollremos : polo quo bem so pdedi/er, que
entro nos urna oloco he urna calamidade pu-
blica e urna grande escola polythecnica de todas
as artes de corrupeo e immoralidade, dosd a
haixa adulago at a mais hedionda perfidia : e
por isso ja houve quem dissesse, que na quadra
das eloic,es (cao suspensas todas as garantas da
honra e da probidade !
Quantas desavenas quantas inimisades ,
quantos odios implacaveis, quantos homicidios
mesmo nSo tem proviodo entre nos seniio das
eieices! Bem sei. que em Inglaterra, por exem-
plo estas raramente ddixao de ser tempestuo-
sas; porque os paitidos inflammao-se, arcao uns
com os outros e ferve a murtada com grave pre-
juizo de ventas be iros e denles : concluidas
porm as eieices, venceo quom Woeeo o to'los
(cao amigos, como d'antes Por ca nao succe-
deassim: as intrigas vao por diante os odios
formen (So horriveis vingancas. que tarde ou
cedo pjp/foaccompanhadasdeinnumerasdes
eracas. K he poss'ivel que se torne morigera-
do um povo que se vai habituando a taes pai
xes? luvido muito : mas podo ser, que me
engae o que teja esto o melbor meio de o ci-
vilisar o polir.
A nossa constituicSo abstratamente conside-
rada he excedente: mas parece-fle, que o Bra-
sil no estava muito azado para a receber tal e
qual, morinenle em alguns do seus artigos. A
constituico assim como inhibi de poderem ser
eieitos Depulados a certos individuos pelos in-
convenientes, que d'ahi se seguiriao, parece, que
o mesmo quiz a respeito dos Juizes de Direito ,
quando dispo no artigo 153 do titulo 6. da
maneira seguinlo = Os Juizes de Direito serao
perpetuos, o que todava se nao cntende que
nao possao ser mudados de uns para outros lu-
gares pelo lempo, e maneira quo a lei determi-
s Naoentendo poi, que aqui c vocabulo
vo as sentencas, que proferem ? E como p-
dem convenientemente oceupar ao mesmo passo
um lugar no poder legislativo ?
Qumales nao resultao sociedade de-tal
confuzSo Conher;o, he verdade, Juizes de Di-
reito mui capazes mu probos o intelligentes;
mas estes mesmos hao do ter a bondado e mag-
nanimidade de convir commigo, que o desviar
um Juiz das suas funeces. o arredal-o da vida
de Magistrado traz gravissimos inconvenientes
aos povos. Do ordinario o imporlanto cargo de
Jui do Direito torna-se urna sine-cura para
aquello, que se dedica a vida do poltico. Esta
rouba-lhe todo o lempo que mal Ihe pode
chegar para estudar as infinitas materias da or-
dem do dia e para entranhar-se bem na tctica
e as estrategias da sua cmara, para defender;
ou profligar o Gabinete. Nos intervallos das
sessoos, se volta para a sua vara acha-a oceu-
pada por um Juiz interino ; nao sabe dos plei-
tos nao conheco as pessoas o parece que en-
tra sempre de novo no officio. Seu espirito ,
que todo se devora oceupar no estudo do direi-
to criminal, no estudo das lois e no mais im-
portante de todos, que he o ostudo do coraco
humano osla saturado, por assm dizor de
concepcoes, de projectos, de planos polticos, de
programmas governamentacs &c. &c.
Extrema fortaleza de animo grande virtude
cabo que tenha o Juiz candidato pira que re-
sista a quantos poderosos Ihe pdom ser favora-
veis as oleigos. Elle niio so deixar comprar
por dinheiro : mas quanto Ihe nao custar a
pronunciar aos reos por quem pedo e se inle-
ressa aquello que Ihe podo dar ou tirar boa
porfo de votos 1 Como appellar da sentcnca
dos jurados, que escandalosamente absolverem
um facnoroso quando este fr protegido por
potestades eleitoraes ? Como finalmente admi-
nistrar justiea no meio do um povo de quem
est dependente om negocio para elle to vital ,
como he a sua eleieSo do Depulado ? Em sum-
ma Juiz de Direito e Deputado direi com Mira
beau ( se bem que a outro proposito) hurlent
de se trouver insembls. Por estas e outras con-
sideragoes he, que no estado de New-Yoik, pe-
lo artigo 11 da sua constituicao.nenhum Magis-
trado empregado geral poder ter assento nem
n Senado,nem na Cmara dos Representantes.
Do que serve, que a nossa constiluico esta-
heleca um poder chamado judicial e indepen-
dente so os mesmos Juizes ( salvas sempre as
honrosas oxcepcoes) se leem escravisado ao po-
der executivo ? Onde est em verdade a pleni-
tude dessa independencia? Urna deltas he a
meu ver a inamovibilidade dos Juizes. A cons-
tiluico quer, que elles sejo perpetuos, isto
bo ; fixos e colados nos seus lugares, s poden-
do ser mudados de uns para outros pelo lempo
o maneira que a lei determinar. Logo em-
quanto nao existir essa lei parece-me, que o
Govorno nao podo remover qualqucr desses Jui-
zes sob pena de commetter nao um simples a-
buso mas urna invaso de poder. Nem se di-
ga, que essa lei existe consignada no artigo 45
capitulo 4. do cdigo do processo, quando dis -
poe quo os Juizes de Direito nao serao tirados
de urna para outra comarca, seno quando a
utilidado publica assim o exigir ; porque ovo
cabulo utilidade denota o fim das rcinocScs: mas
nao pode servir para que se prescinda dos meios
marcados na iei undamentai, que sao ; o tem-
po e a forma de taes remoces : nem o cdigo
podia revogar um artigo expresso desta e em um
artigo constitucional, por dizer respeito a direi
los individuaes do cidadaos. IIi vinte annos ,
que temos constiluico : as Cmaras Legislati-
vas esto cheias de Magistrados de Jui-es de
Direito: e por quo fatalidide ainda senao fez
essa lei garantidora do poder judicial i' E os
povos na occasio das eieices nao po-
der dizer a taes candidatos = Se vos Se-
nhores, nao tendos curado dos mais essenciaes
interesses da vossa classe como cuidareis dos
notaos ?
Mas os Senhores Juizes de Direito querem
tambem ser Estadistas, querem sor Magistra-
dos, Legisladores, querem ser tudo. e para isso
poe-se discripcao do Governo. Talvez nao
isse muito difliculloso o mostrar varias leis ,
que oflendcm mais, ou menos a conslituiciio
do estado, principiando do acto addicional, em
quo nao interwio o Senado. as Cmaras Le-
gislativas tem sempre havido uina grande maio-
ria de Juizes de Magistrados, de Juristas ; e
nar
perpetuos teja synonimo de vitalicio smente ;) o que teein elles fe i to? Com bom poucas excep-
porin sim, que se|ao como collados no empro- coes uns teem consentido c outros teem ajudado
go dt; Juizes, cinbora possao ser mudados des- a apunhalar a lei fundamental do Brasil Fi-
les para aquellos lugares. Logo parece-me, que| nalmento, fallando em geral, os Empreados
a conslitui:ao nao quer, que taes Jui/es sejo I'ublicos sSo os cidadaos monos proprios para
distrahidos para outras qunesquer funeces, que j seren eieitos Depulados pela sua grande depen-
no sejao as de Jui/es. Que assim deve.ser bem dencia do Governo. Estou persuadido que
se v ; porque onde osla a divisao dos poderes se no Corpo Legislativo houvesse sempre urna
cousa to essencial ao syslema representativo maioria de cidadaos capitalistas coriimereian-
cosjuizflf pertencem ao mesmo lempo aole-.tes, agricultores, c. &c., os negocios do Bra-
Kislativo fo judicial o umitas vezes ao execu- sil andariao d'outra maneira.
mandados. Ao depois entendeo-se que lu-
lo se dovia por as roaos do executivo: mas
iue\ n'um, quer n'outro caso temos falseado o
rgimen representativo, o o elemento democr-
tico est de tal maneira enfraquocido, que ape-
nas figura como um simulacro por nao di-
er urna burla. Quem n3o sabe o quo se tem
praticado a respeito do certas eieices ? "-o va-
.ja, poroxomplo. um lugar de Senador logo
um Ministro da Corda o ambiciona :' o as cou-
sas estao arranjadas do tal geito que l vao
para a pobre provincia as ordens secretas e os
eleitores feitos ad-hoc que nao virao tal ho-
mem, quo nao teem com elle a menor relacao ,
incluem-no na lista dos eieitos com mais dous
pigas, que nestes casos teem a mesma serven-
ta quo toslemunhas do marco. E taes csco-
Ihidos pdem-se dizer em boa consciencia Re-
presentantes da Nacao?
Passa por mxima incontroversa e comezi-
nhc.que as caballas as eieices s3o infalliveis-
e inevitaveis em o Governos representativos.
Se assim ho como affirmao muitos, dos duas
urna, ou o regimem representativo ho essencial,
mente immoral ou sao occiosos inuteis e
rediculos os artigos 101 el 02 titulo 3." do nos-
so cdigo criminal. Mas eu enlendo, que ne-
nbuma nem outra cousa e quo mui possivel
ho haverem eieices sem essas velhacarias, sem
essas intrigas essas artimanhas a quo do o
nome de caballas. Enlre nos mesmos, noco-
meco da nossa organisacao poltica, j so lizerao
eieices por muito espontanea escolha dos po-
vos sem que ncllas interviesse nenhum dos
poderes polticos do Estado.
Apezar pois de todos os sophismas das paixes
eu contino a entender que o procurar votos
as eieices por meio de promessas ou de a-
meassas, he um crime, a quo estao cominadas
as penas de prisao de trez a nove ruezes e de-
multa correspondente a metade do lempo. E
o que ser se taes manejos lorem platicados
pelos proprios agentes, e delegados do Gover-
no por um Magistrado &c. ? Que morali-
dade pode ter um povo que v zombar das
leis, illudil-as, e porlorgal-as aquellei mesmos,
a quem corre toda a obrigacao de as fazer exe-
cutar, e respeilar? A livre escolha do povo a
respeito de seus representantes, e de certos
funecionarios electivos be o nico elemento de-
mocrtico da nossa organisaco poltica : c se
este mesmo se Ihe tira lazendo-o intervir as
eloic.es como mero instrumento dos interes-
ses ou caprichos do poder que lica sendo em
realidade t nossa forma de Govorno i* Onde es-
t a lao preconsada vontade nacional ? E nio
ser isto urna bulla? A prevalecer tal rgimen,
antes nao existir melhor lora acabar com es-
sas formulas, quo alias nos saem to caras, e
dizer-se francamente. Deixcmos hypocrozi-
as, passemos Monarcbia absoluta em que
todos os poderes estao na m3o do Governo.
Pobre povo a quem os malroiros esperta-
Ihes embalo com doces e sonoras palavras;
mas que sempro fosto, es, e sers besta de car-
ga. Diz por ah muita gente ladina que t
so soberano. Mas em quo ho qne codsiste
essa tua soberana so he, quo a tens ou podes
ter ? Em pagares tributos, e mais tributos de
sanguc o do dinheiro \ em te a/erem assignar
de cruz a eleicao do leus representantes; e nem
querem quo te quexes sob pena do seres a-
trozmente perseguido! Assim oHespanhol, quo
estrangulava na prisao a D. Carlos por ordem
do seu pai dizia-lheCalla, calla, seor I).
Carlos : todo lo que se liaze es por su bem.
So houvesse de dirigir a palavra aos illustres
eleitores do meu paiz eu Ihes diraSenhores
lodos os cidadaos activas sao idneos para repre-
sentantes da naco : mas dcnlre estes cscolhei
aquelles que foronl primeramente amigos
sinceros o constantes da Monarchia e da
constiluico ; quo a queirao, que a defendo,
osustonlem, como urna realidade. Depois dis-
to que ollerei^o garantas de affeico ordem ,
ao socego o ao incremento material, o morai
do Brasil sem todava comprometter a elici-
dade da provincia que os vio nasccr. Esco-
Ibei Depulados capazes de resistir s vontades do
poder quando esto por ventura so queira des-
carrear dos caininbos do justo e do honesto .
da constiluico o das leis. Procurai o saber,
os servicos o mrito onde quer quo eslejo .
e votai sempre segundo vos dilar a vossa cons-
ciencia' e nao por suggcstes de partidos que
costumo ser injustos.
As clicas dos Empregados Vublicos.
No lempo do Rei velho o numero dos Em-
pregados Pblicos era infinitamente menor, do
que boje ; e nao sei se com isso andava mais
mal servido o Estado: a verdade porm he, que
<'sscs [nicos empregos que havia ero in-
comparavelmcnte mais fixos e seguros, de ma-
neira que rarissima vez era alguem demiltido,
sempre por falta consideravel c o que era fiel
21,000 iiO| quando Ministro da CorOi ou Presiden-i Entretanto parece, qus do pat euic cutio no cumplimento dos seu devores '*'


nha certa a sua conservado. Mas depois que
nos regaramos.deoois nun dn serav^s finarnos
sollos e livres tem crescido prodigiosamente
a tabella dos empregos ; porm estes tornarao-
se 15o instaveis e movedicos como os basti-
dores dos theatros.
Ouco dizer a varios Doulores, que isso mes-
mu he da inlole do rgimen representativo ,
do maneira que a ser exacti o principio ra-
zao de sobra tem os carcundas pala dizer que
he esta a peior e mais abominavel de todas as
formas de Governo ; porque no procedo se-
gundo as rugrus da juslica ou da equidade ;
porm sim a seu bel pra/.er, por afTeicoes, por
caprichoso. &c. O Governo (dizum respei-
tavol pulilicisl.il foi instituido para promover, e
garantir a folicidadc publica ; e os homens re-
vestidos de outoridade devem sompre usar della
em favor do povo e nunca dos seus intercsses
particulares : por isso Aristteles d por base
de todos os Governos regulares a moral; e Ci-
cero acrescenta ser falso qno a repblica nao
possa sor governada sem os socconos da injusti-
ca : ao contrario he de eterna verdade que
ella nao pode ser governada sem a mais rigoro-
sa justica.
sto posto entendo com o dovido respeito, que
toda e qualquer dcmisso que so no (unda
na utilidade publica isto he; que nao recabe
sobro a incapacidade, incuria, ou crime do Em-
pregado Publico he urna injustica que re-
volta a todo o homein honesto ; por que o que
deve querer o Governo he, que as funecoes pu-
blicas sejao bem dosempenhadas; e so o sao por
este, ou aquelle individuo em o seu emprego ,
por que motivo ha de ser elle demittido ? Ainda
nos Empregos de mera commissai o sujeito ,
que bem desempenha o seu cargo parece ter
direito a ser conservado ; e at isto serve de es-
timulo ao serventurario publico para sor escru-
puloso no desempenho desuas obrigacoos: pelo
contrario vogando o principio de que elle est
sujeito a ser despedido a cada hora quer sirva
bem, quer sirva mal, nunca tomar interesso
polo bem publico;e sepoder.cuidara do encher-
se, emquanto o nao tiro do lugar.
Com o systema dedemisscs arbitrarias vivem
os pobres Empregados em continuos suslos.Em
ouvindu dizerla foi mudado o Ministerio: ahi
ehegou o vapor do Sulestao todos de clicas,
vendo prximo o latal momento de ficarem sem
nao para si e para suas familias. Os mesmos
Juizes de Direito, cujo emprego a constituido
quer, que soja colado, nao esto isentos das c-
licas; porque remoces ha, que equivalem a de-
missdos. Em verdude um Juiz de Direito des-
ta capitul por cxemplo removido para Para-
nagua pdo-se dizer, que est eliminado da
carreira da Magistratura Essa comarca de Pa-
ranagu he a lincha Tarpeia com que se tem
amoacado a muitos Ju'ucs de Direito. No tem-
po do Hei vellio os Empregados Pblicos mor-
riao hydropicos, tliisicos, c. &c. : depois do
sjstema que felizmente no* rege parece que
quasi todos morrem de tubrculos, ou de bilio-
sas, provenientes dos grandes sustos, em que
vivem.
E ainda ha mocos, que, podendo dedicar-se
agricultura, ao commercio, ou a qualquer in-
dustria manual, procuren) subsistir d empregos
pblicos'.' (uanto he ditoso aquelle que para
manter-se nao carece de favores do Governo I
Ninguem o pode demiltir do seu emprego; e t
ui|>0i lti i iiu obiieui, c desculen. OS niiDiStenoi
comu pode ver indiflerento escerem e sobi-
rem os alcatruzos d'uma ora. Que cheguem
vapores do Sul, ou do Norte, que triumphe o
bando do alecrim ou o bando da mangerona,
para elle be ludo a mesma cousa com tinto
quo haja paz e seguranca ; e polo dizer com
Horacio na sua Ode deciina do livro segundo.
Aquella quo s ama e apetece
urea mediocridade,
De tocto humilde e srdido carece ;
Nem habita com tmida vaidade
Palacio d'invejada magostado.
Aureatn quisqus tnediocritatem
Diligit, tututearet obsoleti
Sordibus tidi, carel iv.videnda
Sbriut aula.
-.jg*r'grr-r.-.'
COMERCIO.
Aifandega.
Rendimento do dia 16......... 7:449*660
DescarregUo hojt 18.
Escuna Nile diversos gneros.
Rriguc inglez Cecily carvo.
Briguo lieliunse diversos gneros.
Sumaca Perola dem.
Barca W'." Hutsell dem.
IM'UHT Q!('> ,
ir. fuuetl; barca Ingiera wodi de Li-
V.,,01, enlrd.noeefreteiBe.-acoDsjgnj-
5aodeKuMellMeUor&C, nfanifestou o se-
mi inte :
SO gigos e SO meios ditos com louca, 1 cai-
xa amostras da dita 1 embrulho ignora se ;
a Fox Brothers.
39 barricas vidros, 2 ditas ferragens, 2 lar-
dos fa/endas de laia e algodao, 10 ditos ditas
d'algodao, 1 embrulho ignorase; a J. Crab-
trec & C.
14 caixas fozend as d'algodao ; a Me Cal-
mont.
100 barri mantoiga; a J. Cockshott & C.
83 caixas e 6 fardos fazendas d'algodao 14
caixas ditas de linho, 50 barris manteiga, 32
barricas cerveja, 2 caixas papel e amostras, 6
prezuntos ; aos consignatarios.
6 caixas cobre 2 barricas estanto ; a or-
dem.
10 caixas queijos 12 ditas conservas, 32
ditas cha; a R. Brooking.
1 barrica ferragens 2 barricas mantoiga, 1
dita cerveja, 1 caixa queijos, 10 ditas linhas
d'algodao, 1 embrulho amostras; a G. Ken-
worthy & C.
11 fardos e 6 caixas fa/endas d'algodao, 2
ditos meias de dito. 2 fardos azendas de linho,
27 gigos louca, 2caixas telescopios 50 barris
manteiga, 1 embrulho ignora se; ajohnston
&C. '
2 caixas e 1 fardo azendas d'algodao, 1 em-
brulho ignora-so ; a Dean Youle & C.
3 caixas queijos, 2 ditas conservas 1 bar-
ril prezuntos, 1 embrulho ignora-se; a \V. E.
Smith.
23 fardos e 2 caixas fazendas d'algodao, 30
caixas linhas dito; a Jones & C.
4 caixas azendas de laa, 6 ditas chapeos de
sol, 1 dita cazimiras 2 fardos chamelote, 1
embrulho calcado 2 ditos ignora-se ; a J.
Stewart.
16 fardos o 10 caixas fazendas d'algodao 1
dita chapeos, 1 embrulho ignora-se; a Latham
&C.
1 embrulho livros; a G. Patckstt.
15 caixas e 1 fardo fazendas d'algodao, 1
barril 1 caixa e 2 embrulhos ignora-se; a Royle
&C.
30 fardos a 4 caixas fazendas d'algodao, 3
fardos ditas de la, 3 caixas ditas de linho, 3
embrulhos ignora se ; a Adamson & C.
16 fardos fazendas d'algodao, 1 embrulho
ignora se; a H. Gibson.
6 fardos fazendas de algodo, 1 embrulho ig-
nora-se; a J. J. Monteiro.
100 barris manteiga; a Rerbrrs & C*
1 barii obras de casquinha, 1 dito vidros; a
Rozas Braga & C.
3 embrulhos ignora-se, 1 lata queijo; a J.
Patn & C*
16 presuntos, 1 caixa mustarda; a J. Ha-
liday.
1 embrulho ignora-se; a A. S. Corbett.
1 caixa ignora-se; e \Vm. Stawer.
1 gigo ignora-se; a Austen.
1 dito dito; a C Roope.
2 barris ago'ardente, 67 prezuntos, 46 quei-
jos, 1 barril e um sacco roldas, 1 barril conser-
vas, 1 dito mustarda, 10 jarros passas, 3 fardos
loucinho; oo Capito.
1 embrulho ignora se; a J. W. Edwards.
Firmeza, barca portugueza, viuda do Porto,
entrada no corrente mez, a consignaco do Ca-
pitn, manifestou o seguinte:
20 pipas com vinho, 1 caixa com estampas;
a Bernardino Ambrozis.
mi ..:...... en meiasditasfl ^ barris vinho.
2 pipas, 6 meias ditas e89 barris jeropia; a
orden.
Giove. patacho ssrdo, vindo de Buenos Ay-
rescom escala pelo Rio de Janeiro, entrado no
corrente mez, a consignado de Gaudino Agos-
tinho de Barros, manifestou o seguinte:
1800 quintaes de carne charque; ao Consig-
natario. "",'.
N. B. No manifest do brigue Triumphanle
la-se mais.
1 caixa ianora-se; a Bernardino de Senna.
1 dita dito; a Dom Francisco.
1 dita dito; ao Inspector d'Alfandega.
1 lata dito; a Jos Joaquim Das dos Pra-
zeres.
1 dita dito; a Bernardo deOliveira Mello.
1 embrulho dito! a Adelinho Paula Tei-
xeira. .
1 dito dito; a J. F. B. de Chabi.
1 dito dito; a T. de Senua Carvalho Brandao.
1 dito dito; a Manoel da Costa Noves.
1 dito dito, a Jos Lazari:eem lugar de 50
pipas com vinho a Silverio Manoel do Res, lea
se 40 pipas com vinho e 10 ditas de vinagre.^
jiiwm iiiiihki irrim.....*"** M*"^''1 *>aul
Movimenlo do Porto ^
Navio entrado no dia 16.
Camaragibe; I dia, hiate brasileiro Aovo Des-
tino de 21 toneladas capitn hstevao Rl-
beiro equiparen. 4 carga variogneros:
passageiros, Jacinlho Paesde Mendoma e
.1 e-cravos Jos Ribeiro Simos Brasiloi-
ros ; Antonio Jos Marques Antonio Jos
Carneiro, Portuguezes.
Navio sahido no mesmo dia.
5aho para cruzar o hiate do guerra nacional
Cattador, commandante o l.9 Teen te Jos
Manoel da Costa. i
Weclaracoes.
2Pela Repartigao da Polica se faz saber
aos estrangeiros residentes nesta cidade, que
pi'iilem diri^ir-se respectiva Socretaria para
receberein seus titulos de residencia aquellos ,
quo ainda os nao leem. (5)
3O Thesoureiro da Thesouraria provincial
paga do dia 14 em diante aoi Empregados
Pblicos provincipes os seus ordena'los ven i-
dos at o fin de Marco do corrente auno. The-
souraria, 13 de Agosto de I84V. Joo I/a-
no/ Hiendes da Cunha e .4secedo Thesou-
reiro. (?)
Avisos martimos.
20 hiate Flor das Larangsiras segu via -
gem para o Aracaty impreterivolmonte no dia
22 do corrento com a carga que tiver a seu
bordo; quem quicr carrogar ou irdepassa-
gem, dirija-se a ra da Cadeia do lenle luja
de fazendas n. 37. (6)
Avisos diversos.
ON. 4 do GUAftARAPES.
Peridico ordeiro c tjover-
nista.
Sabio hoje e aclia-sc
venda na Praca da Indepen-
dencia n. G c 8, a 80 rs. cada
exemplar, ass'.hi como os ns.
1, 2e 3. (11)
1Henrique Carlos Augusto retira-so para
fra do imperio. (2)
1Maria dos Santos e Silva retira-so para
fra do imperio. (2)
1= Amelia Carolina Duarte retira-se para
fra do imperio. (2)
1=A commisso administrativa da socieda-
de Apollinea tem marcado o dia 7 de Setembro
prximo, para a sua partida, podendo osSrs.
socios, que tiverem de aprosentar propostas pa-
ra convidados, as dirigir a casa da mesma so-
ciedade no dia terca feira 20 do corrente, pelas
6 horas da tarde. (7)
" l = Aluga-se urna canoa para conduzir ugoa;
quem a pretender, annuncie. (21
1 Pede-so ao Sr.Thesoureiro da lotera da
matriz da Boa-vista, que nao pague (caso saia
premiado) o meio bilhoto n.306, seno ao
seu dono Ignacio Jos da Silva. (4)
se Existo em poder do Inspector do 22.
quarteirao da Subdelegada do polica da re-
gu^zia da Roa-vista, urna ovelha que foi en-
contrada honlem (15) pelas 6 e meia horas da
noute vagando pelo seu quarteirao ; quem fr
dono della, dirija-so ao mosmo Inspector, na
Passagem[n. 1.
3 A pessoa a quem fflrem ofTerecidas para
comprar irez facas de cabo de prsts por alguui
Imocreve ou qualquer oulra pessoa no lugar da
Kstrada-nova, perto do engenho Secupira, at
esta praca; querendo aprendel-as e denunciar
o ladrao, peder dirigir-se aos A (logados a
Antonio Joaquim de Almeida, que ser gene-
rosamente gratificada. (8)
2=Frnando de Lucca acaba do roceber um
sortimento de vinhos cognac de diflerenlcs
qualidades, em quartolas, barris e caixas, cha-
rutos da mili estimada marca regala conser-
vas nglozas c franeczas, agoa mineral, &c. &c.,
ludo por proco mais em conta, do que em ou-
lra qualquer paite ; no seu armazem na ra do
Trapixe n. 54. (8)
LOTERA da matriz
DA
BOA-VISTA.
Tendo havido rpida venda dos bilhetes desta
lotera, o andamento das rodas ter lugar no dia
22do corrente, ou talvez antes, como j foi an-
nunciado : os bilhetes achSo-se a venda as to-
jas dos Srs. Viera e Cunha cambista Luiz
Antonio Pereira & Compenhia ra do Cjuei-
uiado ; Morcra Marques ra do Cabug e
no atterro da Boa-vista toja de ourives do Ja-
cinlho. (12)
2Da se 500> rs. a premio sobre penbores
de ouio ou prala, em pequeas quantiaa ati
1004' rs. ; na ra da S. Cruz n. 86. (3)
2Roga-se ao Sr, Thesoureiro da 3.' V."
parte da 2.* loteria, concedida a lavor das obras
da Matriz da Boa-vista que no caso de sabir
premiado o meio lidete desta loteria n. 2075 ,
nao pague senao a teu dono Firmino Moreira
da Costa que justificar sua posse completa-
mente. 7'
20 abaixo assignado faz certo ao respeita-
vel publico ea queiconvicr, que, sendo, do
idade de 13 para 14 annos caixeiro na cidado
da Parahiba do Norte de Francisco Antonio
Fernandos, querendo sabir da casa do mesmo ,
derao balance o qual receboo o dito e satisfei-
lo no fim de duas semanas, quando o annun-
ciante foi para rereber seus ordenados elle Ihe
aprosentou outro balanco por elle falto diffe -
rento do que se linha dado, e o dito Sr. Fer-
nandos junto com seu caixeiro Moreira de
tal forma atacarlo ao nnnunciante para que
Ihoassignasse duas letlras de 600*000 rs. cada
urna di/.endo que os ganbos nfio cheg&vio aos
30 p. */ quo elle sempro levo livre de despe-
sas e desta forma nao Ib" pegO seus ordena-
dos e recebeo as letlras asignadas a frca pa-
ra o annunciante poder sabir! E como tal modo
do praticar he escandaloso e contra a lei ; por-
que o balanco deva estar presente aquello pri-
meiro, e linio ser pago de seus ordenados, e
alo deitar passar as ditas duas semanas o vir
com tal faisidado para a forca se Ihe assignar
duas letlras o'annunciante nao o teme por
que tem provas de ma'S faetos do mesmo Sr. e o
publico sabe que os menores nao fazem nego-
cio, o annunciante nao leve Degooio para que
16 endebitusso, c como tudo isto foi passado em
1839 em principios de Setembro ; o faz logo
publico, para que oditoSr. Forn.andes as nao
ponha em nomo de oulra pessoa e para o lutu-
ro nao seja o annunciante perseguido por ellas
som nada dever. e pode provar, que antes se
Ihe deve seus tristes o amargosos ordenados, que
deixou de roceber e para que chegue a noti-
cia a todos em geral o la* publico trez vezes por
cita mesma folha.
JoaoJos Pereira Rorges. (38j
2Aluga-sc urna casa terrea, sita na ra da
Estancia, com duas salas, quatro quarlos, co-
zinha lora quintal de cem pilmos e cacimba
com agoa de beber ; trata-se com Jos Raptistu
Ribeiro de Faria no seu sitio da Kstancia. (5)
o__Da se dinheiroa premio com penbores do
ouro, mesmo em pequeas porces ; na ra
Nova n. 55. (3)
2 O Sr. Prudeocio Lu/. Cardozo queira
dirigir-ie o soto do sobrado n. 9, ua ra Au-
gusta, ou annuncie sua morada. (3)
1precisa-se de um homem com familia, ou
sem ella, ainda mesmo sendo j do idade para
feitor de um sitio ; quem disto tiver alguma
pratica e abono a sua conducta, podo dirigir-su
a ra do Rozario larga loja de miudezas nu-
mero 20. (6)
2OfTcrece se urna mulher para ama de ca-
sa, tanto para homem sorteiro,como casado,pa-
ra todo o servico de csa, a qual he capaz e d
fiador ; quem a pretender dirija-se a ra do
(^ueimado n. 2V que achara com quem tra-
tar. (6)
2Prccisa-se de um feitor para um enge-
rido, que seja Portuguez ; quem estiver nestae
circunstancias dirija-so ra do Crespo loja
de Joaquim da Silva Castro. (4)
2 ^Arrenda-se o sitio e casa, que foi de An-
tonio Cofilho da Silva, situado no Cortume dos
Colhos a qual tem com modo para grande fa-
milia, c o sitio tem capim, que sustenta ao me-
nos sois cavallos no anno, tendo alm disso dous
fssos e um delles d'agoa de beber bastantes
ps de coqueiros, pinheiras, goiabeiras, uian-
gueiras cajueiros e oulras arvores e campo
para plantar verduras ; sendo todo o terreno
bem estercado e com desembarque no fundo
pertcncente ao mesmo sitio; quem o pretender,
dirija-se ao mesmo sitio, que achara com quem
tratar. (13)
2Offerece-se urna Portugueza para amada
qualquer cusa do pouca familia, para todo o
servido, que se Ihe offerecer que disto tem
muita pratioi ; quem a pretender dirija-se a
ra do Rozario da Roa-vista 2. (5)
2 SOCIEDADE ETERPINA.
O Director convoca de novo a socisdade para
se reunir em sessar no dia 17 do corrente, pe-
las 6 horas da tarde, a fim de tratar-se do nego-
cios urgentes, c espera que os Srs. socios com-
pareci. 1.6)
PRKVF.NCOi:ONTRA OS FALSIFI-
CADORES.
Estevo Gasse, sabendo que em algumas to-
jas e vendas desta cidade se vende um rap
feto nesta provincia com o titulo de prnceza ,
e falca imitarlo de botos rtulos de sua fabrica,
previno ao publico seus freguezes que a bem de
direito de propriedade sua.acressenta nos verda-
deros botos de sua fabrica um sello com sua fir-
ma c ensinuacSe do nico deposito do legitimo
rap princesa nesta provincia. A vista do ei-
posto,qualquer outro rap inculcado com a de
nominal ao assima he faleifica/.o as fabricas de
EsteviSo Gasse nico inventor e propietario do
rap princeza (feto no Brasil!, tanto no Rio
de Janeiro, Babia, e em deposite no Mara-
nbao, Par*:, tssim como cm Pcrnambuco na
ra da Cruz do Recife n. 38. (16)


-**
h
Quem annunciou querer fallar com o cor-
re spndenle de Antonio Crrela Pessoa de Mello,
suhor do ongenb Veiientoom Bonito-, dirja-
se ra Velha onde tem aula o Padre Mes-
tre Hffooel Tbomaz. *
Os Srs. Consignatarios ou capitaes de
mbarcacOea que tenhao do faior vagom da
qui para Lisboa ou Porto e precisarcm do
un cosinheiroe bom padeiro queiro annun-
ciar ; pois so ofTerece um Portugus, o mesmo
para trabalhar de todo o ser vico do convs, nao
querooda paga mais, do quj a passagem gra-
tis.
O Sr. Manoel Vicente dirija-so ao pa-
teo do Paraso n. 2, a negocio de seu interesse.
Na ra da Cadoia do Berilo loja do fa-
scndas n. 37 exista urna carta linda do Ara-
caly para Manoel Antonio do Figuoredo.
Casa dr commissSo de esclavos.
1 Xa ra Direita sobrado n. 3 de fronte
do bec > de S. Pedro recebe-se escravos para
se vonderooi de commissao, nao se levando por
este trabadlo mais do que dous por canto of-
ferecendo-se toda eguranca precisa para os di-
tos escravos, assim como no se levar cousa
alguma decomedorias. (8
i .Manoel Coetano Soares CarnoiroMontej-
ro embarca para o llio de Janeiro om eseravo
de nome Joaquim pertencente a JosThoma/do
Aqui-no Pereira. 4
1 Aluga-seo tercoiro andar do sbralo do
Atierro da Boa-vista u, 31, e a loja do sobrado
dos Quatro-canlos n. 1 ; a fallar com M. C. S.
C. Monleiro. (4
i Aluga-se o segundo andar do sobrado n.
4b" da ra das'Irincbeiras; a tratar no primeiro
andar do mesino sobrado. (3
1 Alugao-so o primeiro e segundo andares
do sobrado da ra da Praia de S. Hila n. 37,
cora .Btui tos com modos para gando familia,
e por proco commodo ; a tratar no mesmo so-
brado. (5
Furliao do dentro d'agoa no fondo da
ribeira 3 pranchoes, na noutede 1o para 16
do crlenle os quaes estavao amarrados, e
eslao com urna falca feita do novo unto dos
furos, para serem conbecldos ; quem os deseo-
brir, participe na serrara junto a ribeira n. 21,
que ser gratificado.
Manoel Francisco Arruda mestre cosi-
nheiro do proissao casado e sera liilios olTo-
rece o seu prestlmo de cosinha a qualquer Sor.
nacional, ou estrangeiro ; quem de seu presli-
nio precisar dirija-se ao largo do Corpo San-
to em casa de Me. Calmonl ^ Companbia.
Tendo vindo do Rio de Janeiro a bordo da
sumaca Parola, entrada neste porlo no da 4 do
crlente o eseravo Leopoldo crioulo, de 20
anuos canooiro, preso e renietlido pela poli-
ca daquella Corle a polica desta cidade fu-
gio de bordo da mesina sumaca ; roga-so a
quam doli souber de o prender, para ser en-
tregue a polica ou na cadeia que o carce-
rciro gratificar o trabalbo.
Padre Venancio Henriquc de Kesendc ,
tem desde o da primeiro do correte Agosto,
aborto a sua aula de lalim, francez e inglez, na
ra Direita n. 24, segundo andar.
Fazem-se atierros o venden-se lijlos de
todas as qualidades, ludo por preco cooimodo;
a tratar na ra Imperial n. 67 casa de Vicente
Tbomaz dos Santos ou com Jos Francisco da
Silva Penna.
1 Quem acbou u.n oculode prataem urna
calza de papel escuro na tarde do dia li do
correte no convento do Carrao na ocasiao
da procssaoda Senhora querendo restituir
ser gratificado lar o favor de mandar entre-
gar na Solidad' n. 21. (0
1 Abac do chegar do Franca urna oxcel-
lente pbanlas-magoria com lodos os seus per-
teoces,contendo uragrando numero de figuras
e inuitas destas de movimento do melbor gosto ;
na ra Novan. 'I, loja do bom barateiro de
Guerra Silva & Companhia. (G
Alttga-sc um eseravo para lodo o servico;
na ra lara do Bozario n. 99, primeiro andar.
Francisco Ferreira Bailar comprou por
conta de Jos Joaquim Soares do Maranbao o
bilhete n. "llida lerceira quarta parte da se-
gunda nova olera a favor das obras da matriz
da Boa-vista o qual brinete lita em poder do
anoonoiante.
Lembra-se a Cmara Municipal de Olio-
da digne-se hincar suas vistas sobro os tirado-
res de areia as canoas que em lugar de tirar
do rio eslao '.ir,indo docamolio c Istlimo do-
liente do-S. iberesa.
PreciSa-se de um homem quo enlenda
perfeilamooto de otaria para administrador de
urna distante dosla praca 3 quarlos de legoa ;
quem se adiar nestas circujastancias dando
fiador a sua conducta dirija-se a ra largado
lo/ario n. 20.
Aluga-se um segundo andar da casa n.
147, em Fora-de-portas, junto ao quarlel do
Arsenal de Marinba com commodos sulTicien-
tes para grande familia ; a tratar na venda por
baixo do mesmo sobrado.
Oabaixo assignado declara, que em seu
poderse acba um eseravo do nacao Angula ,
que diz ser de um scnbor, que mora na ra de
S. Hila, de nome ibunio de tal, que nego-
cia para o Sul; o fibaixo assignado nao so res*
ponsabilisa per qualquer fu a u nuIro qual-
quer motivo por isso que antes de ser appre-
beodido dito j eseravo quiz suicidar-se no Rio-
doce. Raimundo J>,s Pereira Bello.
O abaixo ?ssignado'faz cenle ao respe)-
tavcl publico, que assignou a representacao
contra a eleieao de Juii de Paz de S. Jos quej flea muito porto do dito sitio ; o qual se vende,
se procodeo no da 4 de Agosto, e declara nm-1 on permuta-se por escravos, que entodSa do
j bem,;que se achava nesta cidade nesso dia o que
J pode provar;portanto o Sr. Subdelegado de S. i.*
1 foi mat informado.Jernimo Cezar de Helio.
2 Aluga-se o primeiro andar da casa de
jdous ditos por cima da segunda venda em Fra-
1 de-portas; a tratar na mesioa venda. (3
2 1ABRICA DE RAPE' VILETE.
A superior qualidade do rap Vilete, f-
bricado ao estilo de Franca que tem merocidoa(
estima publica, por ter, alm de um bom aro-
iiia.um ospecilicojademuitaspessoasroconheci-
do contra as dores de caboga. feridas do nari-
/es e toda a qualidade do defluxes e possue
o m.iior gr.iode duragao do que lio capaz es-
te genero para lecxportacao. O fabricante se
obliga a satislazerqualquer reclamacao como
oxpressamente o declara nos botes do mesmo
rap. 0$ depsitos sao no Atierro da Boa-vis-
la n. 36; ra Imperial n. 209; ra do Quei-
mado n. I4;e ra da Cadeia do Recife.n.31(14
5Johnston Pater & C. leem constantemen-
te venda taixas de ferro balido e coado mo-
flidas de forca de 4 a 6 cavallos, baix e alta
pressao ludo por preco commodo : na ra da
Madc de Oeos n. 5. (5)
2 CATELLA CONTRA AS FALSIFI-
CACI.S.
Constando a Mearon & C, que em algumas
vendas e lojas dista cidade, se vende um rap ,
com a falsa denominacao do rap araprela ,
com astuciosa imitaco dos botes, rotulse sel-
los da sua fabrica, lazem sciento aos seus fre-
guezos e ao publico, que em resguardo da sua
propriedade, e dos seus direitos accrescentao
firma ao sello do nico deposito do legitimo ra-
p arca prcta, que permanece no mesmo lugar,
ra da Cruz n. 26.
Portanlo qualquer outro rap que se incul-
que debaixo desta denominacao he urna falsi-
licacao dos productos da fabrica de Meuron '
C. inventores e nicos propietarios das
fabricas do rap aria prela, tanto na Babia ,
no Bio de Janeiro c Maranbao, como em Per
nambuco, e rogao aos Srs. compradores dea
caulcllarem-se contra as fraudes sondo as
maiores no rap, que se vendo a relallio. (21)
Compras
3 Compra-se, ou troca-se urna negra pa-
rida de prximo, o quo sua cria no lenha mais
de 3 metes que seja limpa e sem vicios ; na
ra Nova n. 33. (4
Compra-so um oratorio novo, ou usado ,
com imagens ou sem ellas ; na Camboa-do-
Carmo a (aliar com o Padre Mestre Manoel Tbo-
maz.
Comprao-se diarios velhos a 2720 rs. a
arroba; na rua daSenzalla-velha padara n.
98 e em Olinda as vendas da ra da bica de
S. Pedro.
-- Compra-se urna negrinba de 6 a S annos;
na ra do Queimado loja n. 5.
Vendas
Vendem-se as leis e instituicocs de 1S28 ,
sobre eleicesdo Juizes do Paz por 100 rs. ;
na praca da Independencia, livraria ns 6 e 8.
2Vende-so urna canoa de um s pao, gran-
de e boa para fe abrir; no Forte-do-Matos, es-
laleiro de Jacinto Elesbao.
2 Vende-seuma porcaode telbas, e lij-
los de ladrilho tbpamento grelhas e alve-
noriabalida, por preco muito commodo por
se querer despejar o armasem o promette-se
mandar botar na obra ; por detraz da ra do
Caldereiio armasem do Amorim, conronte a
Jos Antonio de Moracs. (7
8 Vendem-se 9 escravos, sendo urna negra
dolannos perita engommadeira ; una mu-
lata de 10 annos, recolhida e de bonita figu-
ra ; duas negrnhas de 10 a 12 annos; um mo-
leque do 12 annos, 3 prelas de bonitas figuras,
de 18 a 22 annos ; urna inoleca de 14 annos ,
coinpradeia de ra e diligente ; na ra Velha
n. 111 (8
2Vendcm-so duas moradas de casas terreas
de pedra e cal sitas na ra de S. Miguel dos
Aflogados em chaos proprios, por preco com-
modo : a tratar no mesmo lugar n. 21. 4
2Vende-so em casa de Augusto Corbett ,
na ra da Cadeia do Itecien. 46 urn completo
sortimenlo de vinbos engarrafados do Porlo, Ma-
deira Xery ago'ardonto de Franca e Shrub,
ludo das melhorcs qualidades, que tcem viudo
a este mercado e igualmente os afamados
charutos regala ; Cathoeira patriota, e Sans-
pareil viudos da Haba na escuna Sania Cruz,
ludo por preco mais commodo, do que em ou-
tra qualquer parte. mq
2Vende-se.ou permuta-se um sitio em
chaos proprios junto a villa do Bio-ormoso
com muilas arveres de dilTerentes frutas urna
randocasa terrea do pedra o cal, com muita
Irente, e grandes fundos, muito bons com-
modos e solo com janellas envidrac,adas casa
separada para prolos e tem Ierren. para edi-
licar 6, ou 6 moradas de casas, na frente da es-
trada o com muita facilidade su pode lazer
iilrai no mesmo sitio agoj crrenlo, do una
bica que fifia mu perloedo lado mais alto,
com embarque e desembarque para o rio. au
agricultura-} ou mesmo por um outro sitio,
que fique porto da praca ; a tratar como Mano-
el Jos de Castro Araujo morador e propieta-
rio do dilo sitio ou com Joaquim Goncalvos
Vioira (iuimaraes no Roe i fe junto ao arco da
Coiicoicio. (20
2Vende-so panno fino prelo e azul a 2200
rs. o covado merino prelo e de cores de duas
larguras a 1120 rs. casimiras de quadros das
mais modernas a 112(1 rs., ditas a 800 rs. ,
meias casimiras a 560 rs., laa de quadros pro-
pria para vestidos de senhora a 400 e 480 rs. ,
cortes de cassa pintada com 9 covados e meio,
e com vara de largura a 1600 rs. riscadinhos
finos de bom gosto a 220 rs., fusloos alcochua-
dos brancos e de coros a 400 e 5f)0 rs. casto-
res de iislras de cores a 220 rs., brim pardo
trancado de linho a 440 rs. dito liso a 280 rs.,
mantas de seda de todas as coros a 5 e 7/ rs. ,
ditas matizadas a 10^ rs. ditas de fil de linho
brancoeMe cores a 3^ rs. ditas de fil de qua-
dros chinezes a 1600 rs. cassas matizadas de
Iislras de cores a 240 rs. o covado pecas de
brotanha com 10 varas a 1900 rs. atualhado
de algodSo com 8 palmos de largura a 500 rs. a
vara guardanapos dealgodSo a 2f rs. a duzia,
algodao americano com 4 palmos e meio do lar-
gura, proprio para fabrica do escravos a 4/ rs.,
e outras fasendas de bom gosto de linho o seda ;
na ra do Crespo ,'loja n. 10 da viuva Cunha
Guimaraes. :25
2 Vende-se a escuna americana Nile, mui-
lo vellcra de primeira marcha forrada e en-
cavilhada do cobre ; a tratar com os seus con-
signatarios Honry Forster & Companhia na
ra do Trapiche n. 8. (5
2Vendem-se phosphoros em caixa de /lan-
dres com velas caivetes pennas de ayo com
caetas, ludo proprio para escriptorio; meias
de laa mui finas brancas e escuras, compridas
e curtas; duas correntes e urna ancora de (erro
para qualquer embarraran ; na ra da Cruz n.
13, primeiro andar. (7
Vendem-se duas escravas de bonitas figu"
ras sem vicios nem achaques, urna dellas he
perita vendedeira ; na ra da Cadeia-velha, em
casa de Joaoda Cunha Magalhes.
Vende-se um mulatinhode bonita figura,
de II annos sem vicios nem achaques ; no
Atierro da Boa-vista n. 25.
1 Vende-seum novo sorlimento de calca-
do sapatos de urna e duas palas meios bo-
lins inglezes c francezes, botins e sapatos de
panno e de lustro, sapatos para meninos de 6 a
12 annos, sapatos d lustro, marroquim e du-
raque para senhora e outras muitas qualda-
das d calcados por preco commodo; no Atier-
ro da Boa-vista n. 24. (8
Vende-se um braco de balanco grande com
conchas, que pesa rnais de 100 arrobas, e tam-
bera se vendem os pesos ; e urna rica mesa ,
faz-se todo o negocio ; na ra Imperial n. 2.
Vende-se urna canoa nova de amarello ,
mu bem construida quecarrga 2400 lijlos
de alvenaria grossa ; urna prela de nacao An-
gola bonita figura sem vicios nem achaques,
de 28 annos cosinha perfeitamente e he la-
vadeira ; na roa da Praia, venda por baixo do
sobrado amarello n. 27.
Vende-se merino proto e verde de superior
qualidade; na ra do Queimado, lojas ns. 11
o 25. deGuilhermeSette.
1Vende-se arroz de casca, e urna porc5o de
travs ; na ra da Praia n. 6(i. (2
1 Vende-se um mulato escuro de 25 an-
nos com ollicio de carreiro, e principios de sa-
pateiro ; na ra da Cadeia deS. Antonion. 1 5
segundo andar. 14
Vende-se boa larinha para bolaxa de 8 a
14# rs. a barrica ; na padaria junto ao quartcl
de polica o. 18.
Vende-se bolaxa de 8 a 12 patacas a ar-
roba muito boa para commodo de familia; na
ra larga do Bozario n. 18.
1 Vende-se urna banda de seda, nova, com
borlas de ouro para qualquer Offlcial militar,
por kj rs. ; as Cinco-pontas n. 82. (3
1Vende-seum moleque do nacao, do 16
annos de bonita figura, ptimo para todo o
servico ; um dito do 8 annos crioulo, muito
ladino; um eseravo com bastante pratica do ser-
vico de campo ; urna escrava de nacSo de 30
annos quitandeira o lavadeira por preco
commodo todos dao-se a contento ; na ra
Direita n. 3. ($
iVcndo-se a armagao e drogas da botica si-
ta as lojas do sobrado da ra Direita n. 120 ,
por preco rasoavel ; a tratar no primeiro andar
do mesmo sobrado. 14
Vendem-se muito bons sapatos do lustro
para homem a 2;i60 rs. o par, pecas do baba-
dos de linho do Porto com 30 varas a 3# e
.'5500 rs. ; na ra do Crespo loja n. l-> da
viuva Cunha Guimaraes.
1 Vende-se urna casa de sobrado de um
andar, em chaos proprios, com paleo, porto
ao lado da mesma e quintal, na cidade de Olin-
da em cima da ladeira da Misericordia ao vol-
tar paia ocovenlo da Gloria com um ponto
de vista agr vid tanto para o sul como para o
norte ; a tratar no Atierro da Boa-vista o. 21,
segundo andar. ig
Vende-se a dinheiro ou a praso com boas
firmas urna barraca de 21 callas nova e bom
construida, com todos os seus utcncilios, promp-
la a navegar para qualquer parte ; a tratar na
ra do Crespo n. II.
Vende-se Jacaranda superior, ama por-
cao do trras na Capunga, ludo'por proco com-
modo ; na rus Imperial n. 87.
1Vende-se urna preta de 18 annos, cosi-
nha lava de sabao laz ronda o he sadia; n o
paleo do Carmo n. 22 das 0 as 9 horas da m a-
nha o das 3 as 5 da tarde. (4
1Vendo-se urna mobila em bom uso por
preco commodo na rua das Larangciras n. 23
Escravos fgidos
5 Fugio no dia 12 do correte urna criou-
lade nome Ledovina de 18 anos, estatura
regular secca do corpo levou vestido de chi-
ta branca e mais outro de sobressalente ; esta
escrava veio, ha poneos das, do Brojo e foi
vendida aqui por Genuino Cnriolano Arciiido
Monleiro ; quem a pegar leve a Manoel Jos
Vianna na rua larga do Bozario n. 30, pri-
meiro andar, que ser gratificado. (o,
2Fugio no dia 19 do pausado um molequo
de nome Francisco, de nacao Cambinda, do U
annos, levou calcas do riscadinho azul, ca-
mise de chita desbotada lio um tanto plido ,
espigado do corpo, olhos grandes beicos gros-
sos, est com o cabello do lado drefto encos-
tado a orelha todo cortado bracos compridos
e finos, maoso ps tambera compridos e finos,
tem nos calcanharcs cascas de bichos o dedo
grande do pe esquerdo encolhido o meio torio,
que faz diflerenr^a do outro, sahio de casa as
8 horas e moia da nouto ; quem o pegar levo
a rua do Collegio fabrica de chapeos n. 9, ou
na rua da Hoda n 19 que ser recompensa-
do com O^rs. (15
2Boga-sea todas autoidados policiaos .
capitaes de embarcaces do campo, e pessoas
particulares a apprehencao de 1 moleque que
julga-se ter sido furtado, por nunca ter fgido
e nao haver motivos de ausentnr-se ; pois ten-
do ido a um mandado na tardo do dia 27 de
Julho p. p. ao Mondego nao voltou mais e
toip os signaes seguintos ; crioulo, do nomo Joa-
quim ma>> conhecido pelo nome de Capue ,
por causa do nunca usar do primeiro de 8 pa-
ra'.) annos, baixo, bastante robusto, fulo, bem
parecido, com a duas presas do menos na par-
le superior, por estar em principios demuda,
quando ri-soaprsenla urna cova na face direi-
ta he muito esperto e regrisja levou calcas
o camisa de estopa, e bon de panno azul;
quem o pegar, leve a rua da Aurora n 24, ca-
sa de Augusto Corbett, quo gratifica cora 5(1/
rs. e ofierece a mesma gralificacao, e guarda-
se segredo a pessoa que o tenha em seu poder
e for entregar; assim como a quem denun-
cie, o lugar em que elle se acba ;sendo des-
coborlo em qualquer casa so proceder com
todo o rigor da lei. (24
Manoel Anterode Souza Beis ha de proce-
der com todo o rigor da loi contra a pessoa ,
que ti ter oculta a sua escrava de nomo Polu-
queria que fugio no dia 9 do corrento rnez ,
levando urna bandeja com (azendas o em cima
urna caixa de folha do 3 palmos de comprido e
4 dedos de altura, atacada com urna corrcia
de sola ; he alta, espigada do corpo olhos es-
bugalhados, beicos pretos um tanto lula, le-
vou vestido do riscadinho azulcmlistras ama-
relias saia e panno prcto, andava calcada ,
parece crioula, foi escrava do Tavares, que mo-
ra no pateo do Carmo ; quem a pegar leve a
rua da Guia, sobrado de 3 andaros n. 53, qu*
ser gratificado
1No dia 9 de Julho do crrente anno fugio
da villa da Maioridado outr'oru seria do Mar-
lins um eseravo de nome Joo pertencente a
Manoel Luiz Brrelo cujo eseravo he crioulo e
foi comprado na villa do Limoeiro a cousa de
16 annos aoSr. Pedro Jos de Lira, suppe-se
que o dito eseravo fosse para aquella villa por
ter all maiedizer aos parceiros da casa que
havia de ir ver a mai, e tem os signaes segua-
les: de 30 noos, estatura ordinaria, nariz cha-
lo e fuloe o mais corpo mais preto grosso do
corpo, quando falla as vezes custa a prenun-
ciar as palavtas demonstrando ser meio gago;
quem o pegar levo ao Uecie, rua do Amorim
n. 50, segundo andar, a Antonio da Costa Fer-
reira que gratifcala. uq
1 Ausentou-se da casa de seu senhor o es-
eravo Jos Baha do nacao Congo pareco
crioulo, alto, magro, cara poquena, olhos gran-
des bons denles, e pernas grossas ; ho bem
conbecdo nesta praca por carregador do cadai-
ra tinba urna crrenle no p em oonsequen-
cia do oulru fgida que elle havia feito; quem
o apprehender, ou fzcr cora quo elle seja pre-
so cebera 50/ rs. do gralificacao do Luiz Go-
mes Ferreira. iq
Fugio, ha dous dias, urna negra de nomo
Felicia, de 48 annos, levou panno da Costa,
saia prela suppoc-sa andar pela Boa-vista ,
principalmente pelos Quatro-canlos, bebendo;
quem a pegar, leve a rua do llangel quj ser
recompensado.
1 No dia 15docorrente pelas 8 horas da
nouto fugio urna negra crioula do nome Vlarga-
rida do boa estatura peitos grandes, beicos
grossos pea cuites levou em sua companhia
urna cria molatlnha, do 6 me/es, muito gor-
da com pouco cabello urna trouxa de roupa
deseuuso, com a qual pode mudar lano ella
como arria; quema pegar, leve as Cinco-pun-
tas venda n. 32 que ser gratifica lo. (9
Rkiw n Typ. os MF- dbFaiha.18*4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKG4LX7G3_QYG34C INGEST_TIME 2013-04-12T23:11:19Z PACKAGE AA00011611_05175
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES