Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05174


This item is only available as the following downloads:


Full Text
A mo de 1844.
Sexta Feira 10
O 11 AR1 o t ublica
k- -- ir. mil ra **
I.'.'.^"'.?* MV,"l foren aani-ficadoa : o preSo qu artel pago adiaatadoa O amiunciosdos assignanle* sao inseridos
gr.,,. a ,, o. que aio foren, a ,., He 80 rei, por l.nba. As recl.m.c.ie, derem K, ciiri-
gidaa M lyp na das Gru*e. n. ?4 ou pr.tj. d. Independencia lojt d. Ii,rosn. 6
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
G0U"1a %*"" 7^,!?,,ndl,,e *! feir.s. h.o Grande do Norle, cheg. 8 e2 ,,r
i*4 .^d.,.T rnh"f H'uFra"ui M.c,,, PortoCalro. Al.go.s no 1' c
o.alSt 8 dUo._Cd.de d. V.ctor... quinl., feir., Olind.todo. o.
DAS DA SEMAKA
iS Seg a. tara. Aud. do J. de D. da t.
). larca |. II,,,otilo. Re. .,,.1. doJ. de D.da 3. t
14 QuarU i. liuxebio. Aud do J. da U. di 3t t.
4.5 Quita + Attaapoao de Nossa *anbora
4(i Sexla Roque. 47 Sab s. Mane c. Re. aud do J. dt D.da 1. t.
45 oIi s. JoMfuim.
OiMHaaaBMi
de Agosto
Anno XX. N. 18fi.
-a SBJ ,..;-
i'udo
<) si';*
aeora -:<..n,! h. -- -~
linurmos como pfinoipiaaaoa a
i'ulias.
*.,> : con-
!.' roaneia, #o4arae>S<
serenas acontados rom edmiragap entre aajjdei mn
I roelaaaao, i. di V embica Garal do
su
til.)
Carabina ore Londres '.'5.
u Pars 370 res por franco
"< x Lisboa 112 por tU ilr prem
Moedsda cobre sopar.
Mar. da tonada bosa iiruss 1 a 1|4 U|()
C4JOI0I 10 DI 1 1 l.l aCl.....
Oure-Moedade 8,400 V.
.. N.
s > de 4,00'J
'raia I ataefei
Peaoi ooluaiianaras
Ditos Briiriiinl
compra
17,100
10.7(10
y,*oo
1 ,tf<">0
|,08u
i Vf.O
renda
17, i U
40,900
S.fil
I 080
.OUO
I,lte0
DIARIO DE PER
PIIASF.S DA LA KO HEZ DE VGOSTO.
Laaobaiaa44aoa 42aia damanhaa. iLuanora a 17 a lOh. e U .ia. da Urda
Miaguauleab as boras a 5 min da Banh. |Cr.s.enle a 2 Prtamar de hoje.
Primeira aa 6 horas a ti asn da natrita | Segunda is 6 horas s 30 minotoida larde
ustnBxVUBKrej s
"""' ~nTfnniriiati"
'- *smT3i
*f
AHTE OFF.CAL.
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE OO HIA 9 DO CORRENTE.
OfficioAd Inspector da Tbesouraria da Fa-
zenda, ordenando, que, sob responsabilidad!
da Presidencia, mande entregar de urna ve/ ai
Thnsoureirxlas Rendas Provinciaes a quota di
51 contosde res, rom que os colres geraes de
vein iltpprir os provineaes no exercicio cor-
rente
DitoAo mesmo, determinando, que expe-
ca suas ordens, para que de conformidade con
a sua informado de 8 deste mez a cerca da re-
quisito, que no oflficio, que Ihe envia faz o
Commamlante em Chofe do exercito do Rio
Grande do >ul, e contar do Io de Maio proxi
mopassado. se abone Antonio Jos do Santa
Anna, pai de um Alteres do mesmo nomo, do
g batalhao de Caladores, o por conta dos toldos
d'esto a quantia de 208 mensaes.
ito AnJuiz Relator da Junta de Justica,
remetiendo, para, depois de vistos, sorem pre-
sentes em sessao da inesina Junta, osdous pro-
cessos dos soldados do batalhao provisorio do
Cfara, Jos Antonio e Jos Francisco de Oli-
veira.
DitoAo Fngenhciroem Chele das Obras
Publicas, determinando, que, depois de avaha-
da a canoa d'aquella reparticao, cujos servicos
diz lerem indispensaveis, e cujos concertos fo-
rao oreados em 172j220rs.. fa^a vendel-a em
hasta publica quem inais der, e recolber o
producto da venda Thesouraria das Rendas
Provinciaes. Communicou-se ao Inspector-
fiscal das Ohsas Publicas e ao Inspector da The-
souraria das Rendas Provinciaes.
dem do da 12.
OTicioAo Juiz de Paz da rcguezia de S.
Antonio.Devendo lazer-so a eleicao de Juizes
de Paz para os districtos, em que foi ultima-
inenlo dividida esta Ireguezia, com toda a r#gu-
Jaridade o de maneira, que se garanta aos cida-
daos, em sua plenitude, a liberdade do votoT-
rriuito recommendo Vmc., como Presidente
da Mesa, faga manter nesto acto a necessaria or-
dem. lim do se desviar qualquer procedimen-
to irregular e abusivo, observando-se em tudo
a le, e o que dispem as respectivas instrueces
do Io de Dezombro de 1828, de que loe remet-
i um exemplar. E, para que se evite confuso
na entrega dassedulas, cumpre, que se faca o
recebimentod'ellas por districtos separadamen-
te eem urnas difierentes, mediante a chamada
dos cidados votantes, pela lista que no tempo
competento devra ter sido affixada as portas
da Igreja .Matriz, e que Vmc. ar ter sobre a
mesa, annotando-se nella os nomes d'aquelles,
que as forem entregando, conforme o disposlo
no artigo 11 das instructoes citadas; nao poden-
do terminar este acto, emquanto houver quem
so aprsente a votar, ainda queseja necessario
proseguir-se nelle nooutro dia, como determi-
na mui expressamente o artigo Io das mesmas
instructoes; nao se devendo igualmente admit-
tir na votacao a interferencia de pessoas estre-
nuas ao districto respectivo. O que tudo Vmc.
cumprira, sob sua responsabilidade. Iguaea
foro expedidos aos Juizes de Paz das freguesas
du S. Fr. Pedro Goncalvos. Roa-vista, Afloga-
dos, Poco-da-Pane!la e Santo Amaro Jaboatao.
Dito Ao Promotor Publico do termo do
Recita.Tomando em cofiderac8o a duvida,
m que Vmc se acba. e cuja soluijao pedio em
30 do prximo pawado mei cerca do Juiz,
corridos Jos Antonio e Francisco Jos de Ma-
;alhaes Rastos, visto screm nelle suspeitoso Jui/
le Direito Criminal da segunda vara, quedev
-a decidil-os, e o Municipal seu Supplente; te-
nho de declarar Vmc., de conformidade com
i parecer do Presidente da Relaco, que acban
lo seestabelecido na regra sexta combinada com
a primuir, do decreto de vinte e seis de Fo-
vereiro de l8V2(nesta parte sempre observa-
la por esto Presidencia) que os Juizes Munici-
ones, segundo a numerado das varas, sejao os
substitutos dos Juizes do Crimee Civel, no ca
so de suspeido, ainda que estejao substiluindi,
ou aecumulando outras varas, existindo, como
i'xistem aquellas suspeices, e sendo evidente,
'|uosna falta de todos os Juizes Municipaes
"(lectivos he que sao chamados os Supplentes,
pelo disposto no citado decreto e aviso de 28 de
Fulbo de 18i3, he tambem evidente, que ao
luiz Municipal da 1* vara compote o conheci
ment dos mencionados autos, que Ihe devem
ser remettidos com presteza, fim de I lies dar
andamento, como reclama a Justica oftandida,
e em cujo desaggravo toda a sociedade interessa.
Ditos=Ao Engenbeiro em Chefe das Obras
Publicas, concedendo urna quota de 500ji rs.
liara supprirem-se os pagamentos da obra do
passadioo do rio Jaboatao; e autorisando-o a
despender mais 40 ji rs. comas obras, que ac-
rrescerao aos concertos da ponte do Pirauira.
(Communicou-se ao Inspector da Thesouraria'
das Rendas Provinciaes e ao Inspector-fiscal
das Obras Publicas.
DitoA" Victorino Lopes de Barros, aecu-
sando recebido o seu officio de 30 do mez lindo,
em que participa ter, no lia antecedente, en-
trado em exercicio do lugar do Delegado do ter-
mo de Flores.
I'assucar da barcassa Voia Felicidade por
nao estar inteirado como devia das ordens a
respeito e mais porque convencido quo tjl
lesembnrque so nao dovia fuzer, nelle consen-
ira por insinuarles do um individuo traiedo
i paisano quo sodisso ser o Capitao Superioi
lo dia, estranho ello por nao ter comparec-
lo naquelle dia a parada.
DitoAo Chefo de Polica, transmittindo-
be unas notas de pracas do primeira linba, que
liaviao ltimamente desorlado.
PorlariaMandando dar baixa ao Sargento
particular Jos Goncalves da Silva, do batalhao
d'Artilharia abrindo-so praca ao substituto ,
paisano Joao Gomes Barbosa.
DEM I)D PA 30.
Officio Ao Exm. Presidente, envando-
llie a conta do enterro do soldado do corpo de
G. N. destacado Manoel Joaquim Corroa, na
importancia defi^fis-O, para quo S. Kx. tivesse
j hondade d'a mandar satsfazor pela Thesou
Commando das Armas.
EXPEDIENTE DO DIA 29 DO PASSADO.
OfficioAo Exm. Presidente, informando
vista do sou despacho de 27 do correnle, que
o preso Agostinho Fernandes Catanho de Vas-
concellos, se fosse recebido no calabouce das
Cinco-pontas, onde se recolhem os presos do
corpo de G. N. destacado, all aquurtelado, nao
podia ter o tratamento que convinha sua sa
de arruinada, e se fosse recebido na casa desti-
nada ao Official d'Estado.dtsappareceria a con-
dicao de seguranca imposta pelo Chele de Po-
lica em officio de 15 de Abril, que Ihe lora res-
pondido no dia immediato, e finalmente, que
s no Kstado- maior poderia ser recebido, so por
ventura prestasse fiador idneo.
DitoAo Inspector da Alandega, dizendo-
\hc em resposta ao seu officio de 27, que para a
gua ra da mesma se havia por escripto expe-
didd'.ordem, sobro o embarque e desembarque
dos g*,eneros pertencentes a sua repartiio, e a
do Consulado, estabelecendo a maneira de os
praticr.
l)itt?Ao Exm. General Commandanto das
Armas Xida corte, aecusando a recepcao dos seus
officios o1e26deFeveiciro, 2, 14e 17 de Abril.
4, 7. 12 e 22 de Junho, tudo do corrento anno.
fjjlo;\o Commandante do batalhao do Ar-
liIberia. p\rocurando saber quanto descontou
dos 60a rs. Ide gratificaco de voluntario o Sar-
gento AjudaVte Jos da Cruz dos Santos, at o
dia de sua dernissao, e se o batalhao Ihe firra
a dever algum cousa do fardamentos, e em que
importancia. V-No mesmo sentido se officiou ao
Capto Comma\pdante da companhia de^ Ca-
rallaria, sobi
res de Mello
rana.
DitoAo mesmo Exm. Sr., transmittindo
Ihe os requerirnentos de varios G. N. do corpo
destacado, que pediao exclusao para os batalhoc-
a que pertenriao, allegando seren penciona-
dos do familias, e terem servido por mais de
dous anuos, pretendo que julgava do toda a
justica, mas que prejudicava ao servico, se por
acaso nao fossem substituidos.
EXTERIOR-
Oio
vallara, sobre o joldado demittido Jos Tara-
Dito -Ao CommandarMe da companhia de
Artfices, mandando proceder oorcamento doa
concertos que necessitavoi gavetas das tarm-
bs,e quartel da companhia de seu commando,
para sobro tal orcamentos-e autorisarem os con-
certos.
Dito Ao mesmo, ordenando Ihe, que fi-
/esse reprehender ao Furriel Ernesto Jernimo
Connives dos Santos, pelo procodimento irre-
quem devem ir conclusos os autos .rimes do re- (guiar que apresentou Dtf guarda d'Alfandega no
curso entre partes recorreote o Proi re- Jdia tS, pronibindo o desembarque dos saceos
PORTUGAL.
Lisboa, 8 de Julhu.
(guando nos Estados-Lnidosda AmericaSep
tentronal, tendo decorrido quasi setenta annos
depois da sua independencia, anda durao an-
typathias o indisposicoes contra os Europeos,
especialmente da orgem Brtannica; nao deve
sorprehender, que no imperio do Rrasil, cuja
separado da mai-patria data apenas de um
quarto de seculo, subsistiio cortas rivalidades e
desconfianzas cerca dos Porlugue/es, postoque
liajaodesapparecido felizmente o rancor, e as
animosidades, que tantas victimas sacrificarao
nessa parte da America, durante as lucias de
1821, 1822 o 1823.
Os nossos compatriotas residentes no imperio
teem aprendido a conbecer as vantagens de cul-
tivar amigareis relacoeB com os naturaes do
Brasil; e para conseguirem a remodo do anti
gos, de inveterados preconceitos, nao ha con-
corrido em pequeo gro a perfeta neiitralida-
de, que de ordinario guardan as dissencos c-
vis, ou as controversias polilicas desso paiz
Dedicados em geral ao commercio ou a indus-
tria, os Portuguezos tratiio all de augmentar os
seus cabedaes por meo de especulaccs lucra-
tivas, fugindo de se ingerirem as macbinacoes
dos partidos, dse pronunciarem em favor dos-
tas oudaquellas doutrinas.
Esto proposito louvavel, que por vezes he um
tanlo diicil de observar n'um estado cujo idi-
oma, cujos habilos e tendencias sao tao anlo-
gos aos nosios; onde os Portuguezes polo sen
numero, pelos seus cabedaes e pelos latos do
parentesco se acbao em circunstancias de pros-
tar algum auxilio a qualquer parcialidade poli-
tica, deve ser ovaracimente seguido. I.ogo
quo os nossos compatriotas estabelecidos no Bra
sil se esquecrem do que sao estrangeiros nesse
territorio, eque nao teem js a intrometter-se
nos negocios pblicos dessa naco, perdero
bem depressa a seguranca que disfructao, o a
estima que Ibes consagrogoralmento os Bras-
leiros sensatos.
Anda ha mais.O Governo portuguez quetem
obrigado de proteger efficazmente os inters-
les dos subditos de S. M. Fidelissima, que se
acbao na America Meridional; e que nao se
poupa a esforcos para ihes proporcionar os
meios de tornar respeitados os seosdireitos, na-
da mais pou'era la/er em favor (lenes, desde O
momento em que tomarem parte nns contendas
polticas do imp rio, porque por esse lacto re-
nuncian qualidade de Portuguezes, sacrilicao
os seus foros de estrangeiros. > snexpSem a to-
das as contingencias dos bandos, a que se asso-
cao.
Os exemplos de Montevideo o de Philadel-
pha nao devem ser perdidos. Os 1 ranee/es re-
sidentes na primeira dessas duas cidades, sein
repararen as consequencias prova?ei do seu
rro, sem attenderem a que na pendencia entro
Drihe o Fructuoso Riotra nao ha sendo desas-
ires a esperar para os estrangeiros, que nella so
intrometlf rem,formarn um < legiSopara defen-
der os sitiantes contra os sitiados, largarlo os
seus affa/eres para entrar em combate. 0 re-
sultado deste arbitrio foi a per da da s,ua nacio-
nalidade, a falta de apoio das forres navaes
franrezas, e o risco de screm sacrificados ao odio
ios Buenosavranos, se estes triumpbaiem.
Nos Estados-Unidos a relegiio, ainda mais
do que a poltica, irrita os habitantes uns con-
tra os outros; e os estrangeiros que se oggregSo
s diversas seitas para promover as pretencoes
deltas, nao tardan em receber o premio da sua
inconsiderado. Em Pbiladelpbia, os Irlandezes
forao o alvo dos ataques dos Americanos, por
causa de rivalidades do preeminencia. Ilouvo
um combate regular as ras da cidade; e, como
era de suppor, foro os estrangeiros que suc-
cumbiro. Mais de sincoenta casas de habitado,
e duas igrejas calbolicas forosaqueadas e quei-
madas; houve quatorze morios e trinla e novo
leridos, tornando se mais (orle do que nunca o
retenimiento contra os Europeos.
Consta-nos que por occasio do se tratar de
eleces na provincia do Maranho, alguns Bra-
sileirosse lembriro de promover assignaturas
dos subditos portuguezes em favor de varias pes-
soas influentes. O nosso Cnsul daquella cida-
de apressou-se a cumprir o seu dever. Dirigi
urna exhortado aos Portuguezes, segundo o es-
pirito das ordens recebidas do Governo de S.
M Fidelissima, para que nao tomasseni parto
as questoes polticas do imperio; e parece quo
conseguio desengaar os incautos, evitando (les-
te modo inuleis compromotlimcntos.
Oxala que os nossos compatriotas residentes
no Brasil continen), corno ate aqui, eslranhos
as vicisitudes de umanadoondo elles nao teom
prerogaliva alguma poltica As sympathiaso o
respeito dos Brasileos recompensar o digna-
mente tao circumspccto proceder, estregando
mais os vnculos do .-anguo, da amizade, dos in-
teresses e da gratidao, que para sempre devem
unir dous povos irmos, que por largo espaco
vivrao debaixo das rnesmas leis, que se ufanao
de tantas victorias por ambos alcancadas, e quo
ainda hoje pronunciao com igual respeito os no-
mes i I lastres do muitos grandes homens,
11 de Julbo.
A abertura de algumascartas nocorreiotem si-
do um assumplo mu importante em Inglater-
ra provocando longos debales as Cmaras ,
extensos artigos nos Jornaes.
Dous refugiados polticos M. M. Satzberg
e Manini, um Polaco, eoulro Italiano, quei-
xaro-so da violado do segredo de suas corres-
pondencias; e tanlo na Cmara dos Lord como
na dos Communs exgiro-se explicares do
Governo britannco.
Na sesso de 24 do passado os dous Mem-
hros da Cmara dos Communs, Dimcamhe. e
liowring pediro urna comnusso de inquerito
a semelhantc respeito; mas, depois das observa-
coes de Sir James Graham Ministro do interi-
or a votacao nao foi favoravel a opposico.
A le eslava do lado do Ministerio. Desde
a poca da Rainha Anna o oxecutvo havia sido
autorisado para examinar o contexto das cartas
particulares, quando houvesse vehementes sus-
poitas de conspiraco contra os seus autores; e
Sit James Graham mostrou exemplos frisantes
em conveniencia desse arbitrio ao qual se de-
va a descuberla da conspiraco do Rispo de
Alit'bury e outros attentados igualmente
importantes, os quses nunca teriosido conhe-
cdos.se nao existase a faculdade para intercep-
tar as correspondencias.
Esta questio, suscitada do improviso n5o
tardou em attrabir a altencao de todo o publi-
ManifestrSo-sa appfvhensoes
MUTILADO


sobro'us abusos a que a ingerencia do Governo
as uonimunicacocs dos particulares poderia d.n
lugar; disse-se que a posic.ao especial dos emi-
grados polticos, lliosdava js o maior contem-
plado tornan lo- o exime das suas cartas .
de curto modo urna quebra das luis da hospi-
talidades
Na sesso ile 2 do correte o Governo ingle*
foi nova mente aggredido na Cmara dos Com-
muns. Tachou-ae de espionagem o expediente
adoptado. Kallou se no cuidado com que se
opresentavao as cartas Cecfa idas depoa de se a-
mullecer a obreia por ineio de vapor. ou de
restablecer o sello do lacre coin moldes de
chumbo expressamente preparados para a o-
perarao. Emprogou-sc abundantemente o sen-
timentalismo, avonhitcendo-se, nao obstante, a
legalidade do acto ; e intou-ee pela nomeaeflo
da rommissao de inquerito, Durcombe.Sheil,
TFakleij a Lord John Itussei distingUrSo so
na veliemoncia do ataque contra os Ministros.
A impressao q'ue no publico causaro os com-
ment trios a cerca da abertura das cartas ; e a
subsequente declaracio do Governo annuindu
a nomeacao dacommissao rom certas restriccoes,
produziro urna votacao do Parlamento contra-
ria anterior. Resolveo-se, o desta vei unni-
memente, que se formasse a commisso ; po-
rm, a despeito da opposicao, decidio-se que a
sua inveatigacta fosse secreta, Anda mais,
houve o aceordo singular de nao escollicr indi-
viduos-do foro para esse encargo com receio
de eitei.sas controversias ou de grande moro-
sidde no proeessO !
Parece-nos que a susceptibilidad!! desper-
tada em Inglaterra pela circunstancia que re-
ferimos justa e lundada em lempos ordinari-
os quando nao ha indicio al^um queameace
aseguranca do estado, nao seria talvez admis-
sivel em certos casos excepeionces n'um paiz ,
onde de um momento para o nutro se pdem
mover grandes massas ; onde a facilidado e ce-
leridadedas eommunioaedes permittem a coi-
cepcao prompta de vastos planos polticos e a
inmediata combinacao para o seu desenvolv-
ment. Parece-nos mais que a questaocol
locada no aspecto da conveniencia e da opportu -
nidade do arbitrio nao oflerece solucao alguma
prolicua e definitiva quando o executivo mos-
tra estar no seudireito fundado na legislado
antiga, e confirmada anda, niio ha muito, por
acto do Parlamento Rm 1837 ; quando prova ,
que desde J> Roberto Walpoh n desde Mr.,
Fox ate aos Ministros que boje figurao na op-
posigao se tem repetidas vezos usado desse meo
para descubrir tramas contra a soguranca do
estado.
So os Legisladores britannicos entendem que
o arbitrio oflerece mais prejuizo do que vanta-
gern para a sociedade ; se julgo que vonvm
sacrificar as excepcoes regra geral da inviola-
bilidade das correspondencias ; o meio elhVaz
para evitar o abuso consistira em derogar a lei
obnoxia o em collocar os Ministros inglezes
na posicao em que se achao os da Franca da
Blgica, Hespanha e Portugal cujos cdigos
fundamentaos expressamente prohibem a viola-
cao do segredo das cartas. Assim poriSo termo
a urna questao que pode amanha suscitar se
ainda outra vez e durante a gerencia da Ad-
ininistracode qualquer cor poltica ; pois nao
he raro ver os mais exaltados membros da op-
posii;ao desmentir no poder os seus protestos so-
lemnes aneando mao dos proprios recursos
que cstigmatisavo com mais ardor e animosi-
dade.
[Diario do Governo )
HESPANHA.
No dia 22 de Junho tinho chegado a Tarra
gona os Mmislros da Fazenda do Reino, da
Justiea e da Marinha, partindo pouco ilepois
em direccao a Barcelona, onde chegriio a 23;
c; achando-so reunido junto a Soherana todo o
Ministerio, linho-se celebrado varios conse-
Ihos para resolver as mais importantes quesles
em relaco aos inlcresses do paiz. Em resulta-
do d'eslaa conferencias publicou a Gaxta de
Madrid do da 5 com a data do lde Jullio o
decreto que exoneruva o Marque/, de Viluma do
cargo de Ministro dos Negocios Estrangeiros; e
outro nomeando interinamente para aquelle lu-
gar o actual Ministro da Guerra, D. llamn Ma-
ra Narvaez.
O correspondente do Heraldo em Barcelona
informa aquelle jornal em data de 3, de que
se havia desistido ja de conservar definitiva-
mente na pasta dos negocios estrangeiros o (le
neral Narvaez. Di/.ia-sc que para esse lugar se-
ria nomeado o Marque/ de Miradores.
Os Ministros da Fazenda Beino, Justiea e
Marinha deviao psrlirde Barcelona no dia 4,
e ebegario no dia 7 a Madrid. Pouco dopou
da sua chegada publicar-se-hia o decreto para
a convocacao de novas cortes, e o programma do
Governo.
Segundo participares oflkiaes de Barcelona
.___ C M n Bainli. BUS aiiunsl,. MSj
< liman, continuavo sem novidado em sua im-
lonanie sade.
Confirmava-se a noticia de ter sido acceita a
ni'iliaoaoda Inglaterra para terminara questao,
iue se suscitou enlre a Hespanha e Marrocos.
Knlretunto permaneca em frica a esquadri-
Iha hespanbola.
Constava ter chegado ao Cnsul de Hespanha
residente em Tnger a resposta do Imperador
io ultimtum do Governo de Madrid, na qual
parece que se negava a condescender com as
(ircteines dos Hespanhoes, deixande todava
entender que poderia haver um arranjo com al-
gumas modificacos.
Os Inglezes mostravao muita actividade em
apasiguar a discordia entre a Hespanha e Mar-
rocos, empreando muitos esforcos para evitar
um rompimento entre as duas potencias; e in-
sinuavao ao Imperador que se prestasse s exi-
gencias de Castella.
As ultimas participaces recebidas confirma-
vao tambem a noticia de terem sido capturados
e morios os cabecilhas Groe e Vizcarro, com o
que ficou finalmente pacificado de todo o Ma-
eztrazgo. Os cadveres d'aquelles bandidos ti-
nhao sido expostos curiosidade do publico por
algumas horas.
A tranquilldade publica nao tinha sido alte-
rada em ponto algum, porm era sabido que os
anarquistas empregavo agora os mais violentos
esforcos para transtornar as ordens as provin-
cias.
A audacia dos contrabandistas, mesmo em
Madrid, chegava a ponto de que urna partida
d'elles, que ltimamente foi sorprehendida s
portas da capital/atreveo-se a fazer fogo contra
os empregados-do lazenda e contra um piquete
de infantera que tinha aecudido aquelle sitio.
Depois de urna porfiada e temeraria resistencia,
e tendo chegado um reforjo de tropa, virao-se
obrigados a render-se.
PERNAMBUCO.
COMARCA DE PAJAL' DE FLORES.
Wappa dos baptisamentos, casamentas e ahitos hvidos na fre-
guezia de JV. da Conceiciio da Filia de Flores em a comarca
dt> Paja, no espaco de sete annos, e 7 mezes decoridos dos fina
de Maio de 183G at o ultimo de ezembro de i843.
O
30
r-
00
n
X)
h*
~5
30
00
00
00

nvI'TISAMF.NTOS.
CASAMENTO!.
Trimestres.
i" | 2o | 3 | *
Trimestres.
o
H
"o
ir-, i .* i &
- o c
! I i
i-
i-

iO i
00
r-
BITOS.
Trimestres.
V 2' 3
o
H
i h | e* |g

O I -N I O)
!M O SO
js \ o o
o
n i 7t *1
^ I *M
9* <
00
X
-M
h i I
l ^
5 5
!S
00 I I
-I r-

i S5 i o
1 s
I n
O
00
ao
en
in i n i oo
n o es

I 3^
<&
e*

a>
M I O I -* I O
ro r- -n \ ?\
! j -, I "
JO
ira
X
7*
ao
S I C5
(M
n i r-
<4 --
! S I 3
O
ja I o I o
CS|
n
-a
o
I OJ *
O IsO I tt
I -M
ira
co i o
51 *-
00
I o
ira -*

C5
irt
i i o i n
ot i o [a
r>
m
rt i "+
! S
! S

! S n
oc
f I ? # I *
S 0 M M A
3G01
o
s
I'
O
5S
C-5
ira
(N
s
'
I 00 I -N
S N
O
00
651
903

OBSERVAgES.
No mez de Maio de 1836 desmembrou-se de Flores a nova Freguezia de S Jos da Inga-
zeira, e em 1837 a de Nossa Senhora da Penha da Serra Talhada ; nao se tendo por isso re-
colhido Matriz todos os assentos dos Sacramentos, e mais actos administrados por fra,
que deverio elevara maior numero o declarado at entao ueste Mappa: assim como appa-
rece menor o dos actos de 18H por diante pea ommisso e irregularidade na remessa de
ceitidoes e assentos da parte de alguns administradores de Capellas filiaes.
Joio Evangelista Leal Periquito,
Vigario Collado em Flores do Paja.
Com mullicado.
Assim que esto prximas aseleices.um dos
rancorosos che fes da pandilha da praia des-
peitoso pela mingoa do votos que obtem no
eollegio eletoral da Boa-vista cujos dignos
membros dao sempre triumpho ao partido da
ordem apparece escrevendo em nomo do al-
liim habitante do Ex por ser este o nico
lugarejo da comarca da Boa-vista, aonde o es-
pirito de desordem que anima os praeiros ,
tem penetrado; e o seu Rm, he como ja se pode
prever insultar o l)r. Alexandre Bernardino
los Beis e Silva, e intrigal-o com algum de seus
imigos d aquella povoacao arguindo que elle
tem denunciado de todos, os que all habitu
pelas desordens que houverao nesse lugar.
To pouco acautellado he nesta intriga o au-
tor da carta inserta no D.-novo de 12 do cor-
rente, sobonome de um Exense que nSo
ulverti ter guardado para Agosto corrente
urna carta apocripba de Agosto do anno passa-
lo, e puldicada em Marco. Pois sao precisos
cinco mezes para dar-so a correspondencia re-
iproca desta cidade com a povoacao do Ex ?
Nao se esta vendo que he prevencao partas
elei' 5es, urdida aqu por estecaudllio despeito*
-:o da pandilha?
Quaessao porm os feitos com que 'x'-deo
correspondente denegrir a reputacohem firma-
da do Dr. Alexandre? Nenbum. Falln vaga-
mente em ter ello ofTendido a pessoas, .s quaes
dove favores. Aponte-as. se he capaz. Arguio
que tem a seu servico ladroes de cavnllos e as-
sassinos. He fcil dizer, porm diflicil provar
somelhantes mentiras. Diga o correspondente
do D.-novo quaes sao essos assassinos, esses la
dies de cavallos. Aprsente um s lacto espe-
cificado pelo qual o Sr. Alexandre Bernardi-
no tenha desmerecido da boa fama e estima,que
tem adquirido na comarca da Boa-vista e leito
do todos os homens probos do lugar seus nti-
mos amigos os quaes sao igualmente amigos
da ordem, e por isso negao seus votos sos cau-
dilhos e aos sectarios de urna pan lilha que a
tassalba a honra alh/eia, e mina todos os alicor-
ees do governo e da tranquilldade publica.
Morda-se a inveja, m88 nao crave o seu den-
te viperino nos homens de bem, Correspriiidenci:-!.
Sr$. Redactores. Eu me nao oceuparia
com a correspondencia do Sr. Bacbarel l)o-
sisges Lourscjo VflzCurado;nHji!ic*id8 no ),-
...... "?! J** L"" 'TSi.-iaK
noto de 23 de Julho.se elle se limitasse a dar
mosrasdesua eloquencia, com quem n>> tem
olho miope, e despido de prectilos philosophi-
cos, que devem constituir o nobre conhcnmtn-
to de hermenutica juridica. a fim de emtar ot
feios troperos, que a cada momento abysmao os
charlates como o mesmo Sr. se exprime ;
ou se ao menos tratasse elle smente d'insultar
aoSr. Dr. Francisco Xavier Paes Barrcto, que
tem sufficentos meba de defenler-se de lao
vis, e aleivosas arguices ; mas o Sr. Vat Cu-
rado envolveo em sua diatribe um meu amigo ,
que nunca pcrturhou a sua ambicio de gover-
nar, eforca he queeu mostr quanto foi injus-
to o Advogado da Sra. D. M->ria Joaquina Pes-
soa de Mello em suppor que o Tenenle Coro-
nel Jo3o Vieira da Cunha fosse capa de recor-
rer a suhorno para alcanzar promessa de sen-
teiios favoraveis e que o Sr. Paos Brrelo se
aviltasse a promettel-as. Tera o Sr. Vaz Cu-
rado todo o mrito, que poda emprestar a sua
correspondencia o nome da Sra. D. Mara Joa-
quina, quando se arvora em defensor do Sr.
Luiz Candido Carneiro da Cunha, aventuran-
do que elfo soffreo massacre, e foi .escandalosa-
mente aogredido por urna combinaedo, cujo
fim era atropellar, opprimir, e mais segura-
mente tornar indefesa a victimado furor. O
Sr. Luiz Candido nao foi, como alevosamente
aventura o Sr. Vaz Curado, despido de seus
bens: elle loi justamente, em una ac?8o sum-
maria do guarda e deposito, condemnado a en-
tregar os oscravos do Tenente Coronel Joao
Vieira, qno havia tomado om deposito parti-
cular, como consta do titulo abaixo transcrip-
to, livromente passado,depois de ter recebido a
quantia de 4:300,000 rs.
Nao podemos descobrir como he que a Sra.
D. Mara Joaquina poda ter tlominio e posso
em bens que erao do Tenenle Coronel
Joo Vieira, eseachavoem deposito em po-
der do Luiz Candido.scm haver alguma escrip-
tura simulada, ou qualquer outro titulo frau-
dulento, que o Sr. Luiz Candido lorjasse, pa-
ra Iludir 8ccao de JoSo Vvoira.
esejavamos saber quaes sSo esses Junes sen-
satos, tmparciaes, queteem decidido,que bou-
ve nesta Iide somma de ouro patronato escan-
dalosissimo, ou ba fe de ignorancia, que se
decide pelo massacre. Se os Jui/es do Sr Vaz
Curado ulgao os mais por si, sao faltos de cri-
tica Nao eremos,baja algum Juiz, que duv-
doda procedencia de urna acgo de deposito
fundada noescriplo, que abaixo se transcreve ,
em presenca da Ord. L. 3 T. 30;; 2., e Pe-
reira Sousa primeiras linhas, nota 950, e quo
os Juizes nao pdm,mo/u /j/-ot)rto.revogar n-
lerlocutorias a forma da Ord. L. 3. 1.65
em principio. Toma cortamente o Sr. Vaz
Curado grande responsabilidade com a defesa
do Sr. Luiz Candido neste leito. que boje se
acha no Tribunal da BelacSo, e no qual est
o came das falsificares leitas nos documentos,
e na propra sentenga depois que os autos loro
confiados ao Sr Luiz Candido por seu Advo-
gado Dr. Caldas, quo offerntido por aeco to
infame, requereo o exame judicial na lettra do
falsificador e largou o patrocinio da causa.
.Urna accao injusta, urna sentenca dada por
suborno, ou a peso de ouro conlra*uma victi-
ma indeleza, nao havia de ser falsificada por
essa victima, que alias devia esperar da Rela-
co alliviono gravameque sofliia.Quem tem por
si a razao o a justiea nao falsifica, depois de jul-
gada a causa, os documentos, e a senlenga ;
quem se enerrega de patrocinar victimas some-
lhantes nao podo atirar a podra sobre os que
"liass pugnao por seu direilo sobre os que
Iralao smente documprir seus devores. Sou
Inimigo da sandict.
Numero seis Meia siza Collectoria do
dislricto de Iguarsss Anno (inanceiro de
18il 18i2 A folhas 2do livro dereeeita fi-
ca lancada quantia de 2158000 rs. que pagou o Sr. Te-
nente Coronel Joao Vieira da Cunha em 30 de
Marco do dito anno de meia siza correspon-
dente a quantia de 4:300 rs ,ppr quecomprou
a Luiz Candido Caineiro da Cunha os escravos
Alexandre, Angola; Pedro, Angola; Ber-
nardo, Angico; Benedicto, Congo; Felis mu-
lato; Frederico, Angola ; Catharina, crioula;
Maria dita; e Ventura, molcque O Collec-
tor Maciel oEscri\ao,Woniei'ro Numero557-
Pagou 120 rs de sello. Goianna 21 de Fe-
vereirode 1843. Ailva ; Lei te ; Lobo J-
nior. E mais se nocontinha &c.
Ficao em meu poder os escravos seguintcs ;
Alexandre, Angola; Pedro, Angico; Ber-
nardo, dito; Benedito Congo; Felis, mu-
lato; Frederico, Angola; Paschoal. crioulo;
Joaquim Angola; Catharina, crioula; Ma-
ria, crioula; e Ventura, meleque; cujos es-
cravos pertenec ^o SenhorJoo Vieira da Cu-
nha por venda que Ibe liz insta data e me obri-
go a correr eu o risco a qualquer inconvenien-
te que appareca sbreos mesmos.da dala do pa-
pel do venda a onze mezes contados ; cujos es-
cravos remindo-oi su, ou dando o ww justos


valores, por que vendidos oro icar sem ef-
ie'o a dita venda sondo a rernissao dos mes-
Oos no fim dos onze m07.es contados da data
deste ; o nao os remindo ou l'arei fiel entrega
e todos ao dito Senlior Vieira sem o menor
obstculo ; e para clareza Iho passo o presente
pormim feito o assignado. Engenho Arar po
decimidezde vlarco de mil oitocentos e qua-
renta o dous ; Luiz Candida Carneiro da Cu-
nta Numoro quinhontos e cincoenta e cinco,
pagou cont o vinte ris de sollo. Goianna
vinte e um de Fevereiro de 1843. Si(vaLeite
Reconheco a lettra e firma retro propija da pos
soa nella conteda. Goianna sete de^^larco
1843Esta va osignal publicoEmf do verd9
de o Tabellio publico .ose Juaquim Leile.
E mais senao continlia &c.
Avisos martimos.
5 ,_ ______
Colhos a qual tem commodo para grande fa-
miiia, e o sitio tem capim, que sustenta ao mo-
nos seis cavallos no anno, tondo alm disso dous
1 O hiato Flor das Lar/m^ira* scgu va-I frtsso eum de|I|lg ,,., de |.nPr bastantes
gamparaoAracaty imprelorivelmento no d.a I .g dc coquPrns, pn|1(.ras, goiaheiras. man-
22 do corante com a carga que t.ver a seu gu/eiras cajUPros 0 oulras arvores ecam,.o
j*t*T#r?+?JBV,'MX.A JMM
Alfandega.
Rendimento do dia 11......... 8:072*843
Descarregao hoje 16.
Escuna Invencivel carvo.
Rrigue inglez Cecily idem.
Sumaca Pero/afumo.
Briguo .1. $ Marte vinhos e sabSo.
Escuna /Vi/e diversos generoi.
Brigue l'riumphante idem.
Hovimento do Porto.
Navios sahidos no dia 13.
Buenos Ayres ; brigue-escuna hespanhol Fo-
ment, capitao Dentuza Dertron, com a mes-
ma carga, que trouce.
Parahiba; brigue ingle/. Julie, capitao Thomas
Warland carga lastro.
Navios entrados no dia 1 4.
Alcobaca ; 11 das, garopeira brasileira Santa
Anna do Sacramento, do 30 toneladas ca-
pitao Miguel Joo de Medeiros Chaves, equi-
pagom 8 carga farinba de mandioca ; a
Amorim & Irmos.
Parahiba ; 4 dias, hiate brasileiro S. Cruz ,
equipagem 38. capitao N. Francisco da Cos-
ta equipagem 4, carga lenha : passageiro,
Francisco Soares de Mello Portuguez.
Navio sahido no mesmo da.
Aracaty; hiatio brasileiro Nova Ulinda capi-
tao Jos Rodrigues Pinheiro carga varios
gneros: passaeiros, A Francisco da Silva
Carrica, sua senhora e 1 escravo Manoel
Francisco Ribeiro e 2 criadas, J. de Sou/a
Leite o 1 criado. Mathias Jos da Costa .
e 1 egeravo Francisco Gonealves Linhares.
e I criado. Francisco Gonealves Leite 1 lilho
menor e 1 criado, Drasileiros.
Navios entrados no dia 15.
Buenos Ayres; 4a dias polaca garla Goyne ,
de 127 toneladas, capitao J. B Qi*awo ,
equipagem 9 carga carne.
Alifax ; 42 d as brigue inglez ftckaman, de
163 toneladas, capitao Thomas Robrete, car-
ga peixp.
Navio sahido no mesmo dia.
Porto Alegre ; brigue brasileiro Argos, capi-
tao Joao da Costa Pimenta carga varios g-
neros
Kditi.l.
3=0 IHm. Sr. inspector da thesouraria da
fazenda desta provincia, manda fazer publico,
quo o praso marcado de seis me/es para a subs-
tituto das notas de 5*000. 10,>000 e 20*000
ris da priineira estampa, finda-se em 10 de
Seteinbro prximo vindouro; e deste da em
diante (icaro ditas notas sujeitas ao descont
de dez por cento em cada me/., na forma do
artigo 5." da lei n 55 de 6 de Outubro de
1835, enolim dos dez mezes destes descontos
sem valor algum, como a so declarou no Edi
tal de 10 de Fevereiro desto anno. Secreta-
ria da thesouraria da fazenda do Pernambuco
30 de Julho do 184*. Joaquim Francisco
Bastos. OTicial maior. (5
Deciaracoes.
1__Pela Repartirlo da Policia se faz saber
aos estrangeiros residentes nesta cidado, que
pdum dirigir-se respectiva Secretaria para
receberem seus ttulos de residencia aquelles .
que ainda os nao teem. (5)
2_0 Thesoureiro da Thesouraria provincial
paga do dia 14 em diante aos Empregados
Publico! provincial os seus ordenados renci-
do at o lim de Marco do corrente anno. The-
souraria, 13.le Agosto de 1844. Joo Ma-
nuel Mendes da Cunha e Jzecedo Thesou-
reiro. >')
bordo ; quem quizer carregar ou ir de passa-
gem, dirija-so a ra da Cadeia do Recito loja
de fazenda* n. 37. (6)
O brigue brasileiro Feliz Destino, segu
para o Ass, no dia 21 do corrente infalivel
mente; quem nelle qui/er carregar ou ir do
passagem, dirija-sea bordo, que se acha an-
corado defronto do caes do Collegio, ou na loja
de livros de Antonio Jos Pinto defronte Je
palacio.
2 =Para Lisboa no dia 27 do corrento Agos
to, o brigue portuguez Triumphante capitao
Sil vi-rio Manoel dos Reis ; quem quizer carre-
gar, ou ir de passagem, cntenda-se com o re-
ferido capit3o ou com os consignatarios Men-
des* Oliveira, na ra do Vigario n. 21. (6)
3 Para Lisboa segu no dia 28 do corrento
o brigue portuguez Concsicdo de Marta para
carga e passageiros, para o que tem os mais
aceiados e melhores commodos trata se com o
seu Capitao na Praca do Commerrcio Manoel
da Costa Neves, ou com o consignatario Tho-
maz d'Aquino Fonseca na ra do Vigario n.
19. (8)
3= Para o Porto sahir com a brevidade pos-
tivol.por ter parte do seu carregamento promp-
to, o brigue portuguez Ventura Feliz Capi-
tao Antonio Francisco dos Santos ; quem no
mesmo quizer carregar ou ir de passagem di
rija-so ra da Cruz n. 45 em casa de Joaquim
Jos J Amorim. (7)
"....." niMMIi*JBI ""*"
Avisos diversos.
1 O abaixo assignado faz certo ao respeita-
vel publico o a quem convier quo, sendo, de
idade de 13 para 14 annos caixeiro na cidado
da Parahiba do Norte de Francisco Antonio
Fernandos, querondo sahir da casa do mesmo ,
dero halanco, o qual recebeo o dito o satisfei-
to no fim de duas semanas, quando o annun-
ciante foi para receber seus ordenados, ello Iho
apnsentou mitro halanco por elle feito difo
ronte do que se tinha dado, e o dito Sr. Fer-
nandos unto com seu caixeiro Morcira de
tal forma atacarlo ao annunciante para quo
iho assignasse duas lettras de 600*000 rs. cada
urna dizendo que os ganhos nao chogavao aos
30 p /, que ello sempro leve livre de despo-
sas e desta forma nao Ib- pagou seui ordena-
dos e recoboo as lettras assignadas a torca pa-
ra o annuncianto poder sahir! E como tal modo
do praticar he escandaloso e contra a lei ; por-
que o halanco devia estar presente aquelle pri-
mi'iro. o lindo ser pago de seus ordenados e
nao doixar passar as ditas duas semanas o vir
com tal faisidado para a frca se Ihe assignar
duas lettras o annunciante pAo o teme por
que tem provas de irais fados do mesmo Sr. e o
publico sabe que os menores nao fazem nego-
cio, o annunciante nao tove negocio para que
se enilebitasse, e como ludo islo foi passado em
1839 em principios de Setembro ; o faz logo
publico, para quo oditoSr. Fernandos as nao
wonha em nome de outra possoa o para o lulu
ro nao soja o annuncianto perseguido por ellas
sem nada dever. e p>>de provar, que antes se
Ihe deve seus tristes e amargosos ordenados, que
deixou de receber e para que chegue a not
cia a todos em geral o faz publico trez vezes por
esta mesma folha.
Joo Jos Pereira forges. (38)
1fa-sc dinheiroa premio com penhores de
ouro, mesmo em pequeas porcoes ; na ra
Nova n. 55 (3)
1 O Sr. Prudencio Luiz Cardozo queira
dirigir-seao soto do sobrado n. 9, na ra Au-
gusta, ou annuncie sua morada. (3)
1OSr. Francisco Nogueia Pinto, que ern
1836, ou 35 tevo venda as Cmco-pontase de-
pois na ra estroita do Ro/crio queira annun-
ciar sua morada que se lb< desejs fallar. (4)
1Aluga-se una casa terrea, sita na ra da
Estancia, com duas salas, quatro quarios. co-
zinha fra quintal de cem palmos e cacimba
com agoa do beber ; trata-se com Jos Raptista
Ribeiro do Faria no seu sitio da Estancia. (5)
1Aluga-sc o sobrado do dous andares, na
praca da Boa-vista n. 10 ; quem o pretender ,
entenda-se na ra da Cadeia, loja do Joaquim
w
Gonealves Cascao.
1Ofleroce se urna mulher para ama de ca-
sa, tanto para homem sortoiro.como casado,pa- EstevAo Gasse, sabendo que em algumas to-
para plantar verduras ; sendo todo o terreno
bi-m estercado e com desembarque no fundo
pertencente ao mesmo sitio; quem o pretender, I
dirija -se ao mesmo sitio, que achara com quem
tratar. (13)
1 Offerecc-se urna Portusuo/a para amado
qualqucr casa de pouca familia, para todo o j
servico, que se Ihe ofTerecer quo disto tem ,
muita pratici ; quem a pretender dirija-se a
ra do Rozario da Boa-vista n 2. 'i
1 SOCI'iDADE ETERPINA.
0 Director convoca de-novo a sociedado para
so reunir em sesso no dia 17 do corrente, pe-
las 6 horas da tardo, fim dc tratar-se de nego-
cios urgentes, e espera que os Srs. socios com-
pareci. (6)
1Da-se 500* rs. a premio sobre penhores
de ouro ou prata, em poquonas quantias ate
lOOs" rs. ; na ra da S. Cruz n 86. (86^
1 Aluga-se urna casa terrea, sita na ra do
Cotuvello n. 81 com 2 salas 2 quartos. co-
zinha fra quintal murado e com sua compe-
tente cacimba de boa agoa ; os prelondentes ,
dirijim-se a ra do Roza' o estreita n. 30 se-
gundo andar, que acharad com quem tratar.(61
1Roga-se ao Sr. Thesoureiro da 3.* 4."
parte da 2.* lotera, concedida a favor das obras
da Matriz da Boa-vista quo no caso de sahir
premiado o moio bilhete d*sta lotera n. 2075 .
nao pague senao a seu dono Firmino Moroira
da Costa que justificar sua posso completa-
mente. (7)
1l'recisa-se de um homom com familia, ou
sem ella, ainda mesmo sendo j de idade para
fcitor do um sitio ; quem disto tiver alguma
pratica o abono a sua conducta, podo dirigir-se
a ra do Rozario larga loja dc miudezas nu-
mero 20. (6)
- Quem precisar da obra moral de Pontos
em portuguez, o Minerva de Sanchos em latim
1 volume e da obra de Virgilio em latim 2e
3o tomos : como tamhem precisa- se de um me-
nino de 12 a 14 annos, para caixeiro do urna
venda ; na ra da Gloria n. 60.
Quem precisar de urna ama de leite; di-
rija-se a ra do Alccrim casa n. 1.
Urna pessoa habilitada e approvapa para
onsinar todas ns materias, que exige o ensino
publico para a instrueco primaria e quo tem
bastante pratica offorpce-se adarlicoes pelas
casas do familia eoutras quaesquer particula-
res nao somento no quo respeita a primei-
ras como tamhem de mu/ica : quem quizer
utilisar-se do seu preslimo drija-se a ra Direi-
ta na padaria n. 82, que ahi se dir quem se
propoe a isto.
= Aluga-se um grande sitio na campia da
Casa-Forto com casa recem-edificada com
um bello copiar na frente e ptimas acom
moda oes, cozinha fora, cox ira e estribara ,
muitosarvoredos de fruto, e campo para quaes-
quer plantaie* e para capim ; aluga-se men-
salmente ou annual na ra do Amorim nu-
mero 15 ou na estrada do Cordeiro. sitio de
Nuno Maria de Scixas.
Desoja se saber a residencia do um filho
do Senhor Joo Firmino da Costa Barrada o
qual he procurador de seu pa nesta praca e
desoja-se tratar de negocio tendente a seu pai :
annuncie sua morada, ou procure fallar com
Manoel Gomes Veigas na ra do Crospo
loja da esquina a qualquer hora do dia.
2Precisa-se do um caixeiro que entenda
alguma cousa de escrita, e um pequeo quersoi-
ba tamhem cscrever e contar; na ra do Amo-
rim n. 33 primeiro andar. (4)
2.:. Quem precisar de um rapaz Portuguez de
idade do 16 annos para caxeiro dc venda, do quo
tem bastante pratica, ou nutra qualquer arru-
inadlo, anda mesmo para fora da praca ; diri-
jase a ra do Vigario n. 27. (5)
2Tirou-se por engao urna carta do Cor-
reio n.809, para Antonio Jos dos Santos, vin-
da do Porto pela barca Liai; quem r seu do-
no, dirija-se a ra d'Agoas verdes venda nu-
mero 48. (5)
2Quem quizer comprar urna machina de
vapor de forca de seis cavallos,diversas machinas
de fiai/ao e tecidos ; procure na ra da Gloria
rmazem do fundao. (4)
PREVKNg.U) CONTRA OS FALSIFI-
CADORES.
EateviO Gasse nico inventor e propietario do
rap princozfoito no Brasil) tanto no Rio
de Janeiro Rabia, e em deposito no Har-
nbao, Para, assir.como om Pernambuco na
ra da Cruz do Recito"n. 38. 0(i)
2 Preciza-se alugar urna escrava para to-
do o servico de urna casa, tratar na ra da
Moeda n9.
3 = Na ra do Aragao n. 21, ha urna senho-
ra queso propoo a onsinar monil l ler, cs-
crever, contar, grammatica portuguesa, bor-
dar e fazer lavarinto quem do seu prestimo so
quizer utilisar, dirija-se j mesma casa. (5)
LOTERA da MATRIZ da
BOA-VIS A,
ra todo o servico dc casa, a qual he capaz e da
fiador ; quem a pretender, dirija-se a ra do
Queimado n. 24 que achara com quem tra-
tar. (6)
1Precisa-se do um feitor para umenge-
jas e vendas desta cidado se vendo um rap
feito nesta provincia com o titulo de princeza ,
e falca imitaco de botes rtulos de sua fabrica,
provine ao publico seu freguezei que a bem de
direito depropriedade sua,acressenta nos verda-
nho, que soja Portuguez ; quem estiver nestas I deiroi botes de sua fabrica um sello com sua fir-
circuoistancias dirija se ra do Crespo loja j ma e ensinuacan do nico deposito do legitimo
do Joaquim da Silva Castro. (4) rap princesa nesta provincia. A vista do ex-
1^= Arrenda-so o sitio e casa, que foi de An-
tonio Coelho da Silva, situado no Cortume dos
posto,qualquer outro rap inculcado com a de
nominacao assima he falcificacao as fabricas de
Tendo bavido rpida venda dos bilhotes desta
lotera,O andamento das rodas tora lugar no dia
22 lo corrente, ou talvez antes, como ja foi an-
nunciado : os bilhetes acliao se a venda as lo-
I in dos Srs. Vieira o Cunha cambista Luis
Antonio Pereira & Companliia ra do Quei-
mado ; Moroira Marques ra do Cabug o
no atierro da Boa-vista loja de ourives do Ja-
cintho. (12)
3 No principio da estrada do Poco ha para
alugar um sitio com boa casa de vivonda co-
xeira senzalla o boa agoa do beber ; os pre-
londentes ontendao-so com o sou proprielario
Francisco da Silva,morador na ra da Cadeia do
Recito. l 2_=. OITerece-se um bom official de alaiato
para tralialhar em alguma tonda ou loja ga-
nbando 040 rs diarios ; quem precisar do seu
prestimo annuncie. ,4'
O Sr. Domingos Francisco Arouca que
veo da cidado do Porto na barca Espirito San-
to, quoira annunciar sua morada para ser pro-
curado a negocio de seu otoresse. [i)
2 Desoja se fallar a algum dos parentes da
fallecida Sebastiana Caetana Pintado natural
lolguirass d'esli provincia a negocio do seu
interesse ; annuncie. (4)
3-Francisco Se\erianno Rabello avisa aos
Srs. seus assignantos do jornal Panorama, que
o moz de Meio se acha no seu esenpturio aonde
o pdem receber. (4)
2 Quem precisar de urna ama de leite, par-
da, do bons costuines; dirija se a ra do S. Ben-
to em Olinda casa n. 13. (3)
2=Afrenda-so urna morada decasa terraa
abarracada no lugar doManguinho pertencen-
te ao Exm. Sr. Baro de Itamaraca com 8
quartos, estribara son/.alla de pretos c mais
arranjos para grande familia o porum preco
bem mdico ; trata-se na ra do Hortas nu
mero 140. (7)
2=Alfredo de Mornay agrimensor e enge-
nbeiro civil estando para se demittir do empre-
go, que actualmente oceupa na Beparticao das
Obras Publicas oflerece-so aos senbores de
engonbos e outras pessoas que se quizerem
utilisar de seu prestimo na medicao de terre-
nos, melhorainenlo e construccao de engenho
d'agoa moderna oblendo-se a torca neces-
sana a-inda com a menor quantidade d'agoa pos-
sivol, cmhora a ferida nao seja maior, que um
palmo e tamhem no lovantamonto das plantas
de machinismo e qualquer obra da sua profis-
sao ; dirijao-se ao largo do Corpo Santo n. 4,
primeiro andar. (14)
.2Um homem cazado, morador nesta cida-
de, prope-se a ensinar a lr escrever e con-
tar s'.', sto'jm CRftcnbo distinta desta nrara ?
promete inuito disvello no adiantamento dos
seus alumnos ; algum senhor de engenho, que
do seu prestimo se qui/er utilisar dirija-se a
casa do Sr. Firmino Jos Felis da Roza, na ra
da Mo da ou na travessa da Matriz deS. Jos
n. 21 parase tratar do ajuste. (9)
3= Na casa de alfaiate de Jos Joaquim de
Novaes na ra do Queimado que faz (rente pa-
ra o largo do Collegio se contina ter obras
promptas pura ender, e asim como recebeo
um sortiment de cortes para coletos de supe-
rior qualidade tanto na qualidade da fazenda
como em gosto. (7)
3 Antonio Jos do Magalhacs Basto vai a
Europa com s>ua familia t fie31 com sua procu-
racao os Srs. Joaquim Teixoira Peixoto B.
I.aserre & Companhia, Thomaz de Aquino
Fonseca Commendador Manoel Gonealves da
Silva. (6)
2Urna moc.a propoe-se a ensinar meninas
prjmoiras lettras. contar doutrina christaa ,
cozer chao e bordar de todas as qualidades, tan-
to do seda, como de marca lazer lavarinto por
1j rs. sondo captiva, tambem so ensina lava-
rinto o renda por 640 rs., tomdO-se meninas
! para tnornrcm em casa por lOj rs. mensaes.en-
sino-se negras, ou molatns sendo j grandes a
corlarem vestidos o fa/.orcm da moda c engoma-
remporlSrs na mesma casa so engomma
' roupa tanto de homem como de senhora o
fa/em-so todas as qualidades de costuras tanto
de homem como de senhora, tudo com portoi-
( ao e por proco commodo ; no Recito ra do
Torres n. JO, primeiro andar. (15)
Mimi A00


h
Aluga-se um sobrado de um andar, com
4r las 5 quartos cosinlia e terrado para re-
erelo muito boa quintal e cacimba ; a tratar
na na Imperial n. 31.
No dia 17 do p. p. Jujho a noute, des-
a,j, receo da olaria de Jos de Amorim urna
c.inVi de carreira, meiu, e sen paneiro; quem
a adiar dirija-se a ra Imperial n. 2, que se-
r gratificado.
1 Aluga-so o primeiro andar da casa d
don* ditos por cima da segunda venda em Fra-
de porras ; a tratar na mesma venda. (3
Manoel Jos dos Santos embarca para o
KiO de Janeiro o seu escravo crioulo do 12 an-
uos iie nonie Zeferino.
i'recisa-se de umcaixeiro para tomar con-
ts de una venda por bataneo, dando fiador a
sua conducta ; as Cinco-pontas n. 32.
Os Srs. Antonio Jos Soares e Antonio
Jos Antunes queiro mandar recebor urnas
cartas vindas do Maranho na ra da Cruz
D. 37, segundo andar.
Quem annunciou querer saber da mora-
da de Francisco Jos Duarto dirija-se a ra
das Agoas-verdes n. 70.
O t'rofessor da lineoa ingleza no I.yc<>
destatidade avisa aos seus alumnos matricula-
dos no mesmo Lyco que contina a dar au-
la na casa do sua residencia, por autorisacao
superior, al segunda ordem na ra 'viva n.
5, primeiro andar.
Aluga-se um sobrado dj um andar com
quintal murado ; quem tiver annuncie.
Roga-se ao Sr. J. P. S. o favor de ir tirar
os seus penhores, que os teem empenhado pe-
la quantia 15f rs., do principal e juros em
poder de Nebastiao Fcrnandes na ra da Ma-
noel Coco n. f> e se o nao fuer no praso de 8
dias ser vendidos.
Perante o Sr. Juiz do Clvel, na ra do
Sol no dia 17 do crrente Agosto lera lugar
a ultima praca da casa penhorada puf accao de
liypotheca a Antonio Pinto du Azevedo sita na
ruada Praia n. 43 : o exequente abaixo assig-
nado oflerece ao arrematante pagar-lhc a meia
sisa e,meio laudemio ; por isso fica o arrema-
tante livre de toda a sisa e laudemio; o valor
acha-se no escripto em mao do porteiro Serra
Grande. Manoel da Costu Ferriira.
3 Engomma-se roupa de homem e de se-
nhora az-se toucas de setim e de cambraia
para menino chapeos para senbora marca-
se corn agulhas, faz-se lavarinto e vestidos de
sen hora e meninas ; assim como cose-se rou-
pa de toda a qualidade para homens e obras
de alfaiate tudo com muita perfeicao e aceio ,
por preco rommodo ; na praia do Caldereiro ,
armasem de ma leiras n. t. (9
2 Aluga-se duas candas abertas ; na ra
do Caldereiro n. 36. (2
2 Aluga-se por preco commodo o sotodo
sobrado n. 45, da ra da Roda ; a tratar na lo-
ja do mesmo sobrado. (3
2 Oflerece se para criado ou (oitor de si-
tio um pardo de 40 annos o qual d fiador
a sua conducta ; quem o precisar ; dirija-se a
praca da Independencia n. 12, (4
5 M.c-Callum Companhia respetosamen-
te aviso aos senhores de engenho e ao pu-
blico em geral que na nova ra do Brunv que
passa por detraz do Arsenal de Mannha teem
eslabelecido urna ferrara ( sendo a ultima do
lado do poenle da mesma ra) onde fazem
cavilhoes, atracadores, parafuzos de apertar e
outras ferragens para engenho, eixos trilhos e
outras ferragens para carros parafuzos e por-
cas de todos os taannos ferragens para na-
vios, verandas, portaes, carros de mao e todas
as mais obras de ferreiro; e como os seus appa-
relhos reren teniente chegados de Inglaterra sao
de primeira qualidade, promettem agradar aos
seus freguezes tanto na qualidade da mao
i'nhra como nn preco e prcmpdSe. !6
Gros-didier mestrede orrhes-
tra em varios theatros de Pariz ,
e de New-Orleans director da
presso tudo por preco commodo : na ra da
Made de Dos n. 5. (5j
Compras
4Compro-se ps de larangeiras, para mu-
darem-se, preter ndo>-se j exchertados de
embigo ou selecta ; na ra Nova n. 44, se-
gundo andar. (4
2 Compra-se, ou troca-se urna negra pa-
rida de prximo, e que sua cria nao tenha mais
de 3-mezes que seja limpa e lem vicios ; na
ra Nova n. 33. (4
2Compro-se burcardas que srjaoboas
para candas abertas ; na ra Nova n. 9. (2
2 Compro-se e (lectivamente para fra da
provincia mulatas, negras e moloques de 12
a 20 annos pago-se bem ; na ra Nova lo-
ja de ferragens n. 16. '4
Compra-se urna casa terrea com grande
quintal murado ; quem tiver annuncie.
Vendas
Ai

*
\ msica da capella de Versailles,
avisa que accedendu aos dese-
wfc-, / tv jos do respeitaveis pessoas destu
r--, 'Y--yVPf cidade, nacionaes eestrangciras
*=i*' tem resolvido flxar-se em Per-
nambuco, ondo se prope a dar lices de rabera,
rabeco ( violoncello ) o flauta por um me-
thodo. que tanto tem de prompto como de fcil;
tambem se olferece para afinar pianos com toda
a perfeicao ; a sua morada he na ra Nova n.
23, sobrado da travessa da Caiuboa-do-Carmo.
Aviso importante ao publico.
14 Acaba de cegar urna porco nova e
fresca d'aquellas invaluveis Pirulas da medecina
populare as pirulas vegetacs americanas, sendo
a composicao d'ellas inteiramente vegetal e ja
tao conhecidas nesla cidade as varias molesti-
as de figado febres rbeumatismo lombri-
gas ulceras, escrolulas, erysipelas, e he o me-
ihor remedio conhecido para o sangue; roga-se
aos infermos de provarem este aflamado reme-
dio. \ ende-sc eom seu competente receituario
em casa do nico agento Joo Keller ra da
Cruz n. 18, e para maior commodidade dos
compradores na ra da Caueia em casa de Joo
Cardoso Ayres, ra Nova Guerra Silva e Com-
panhia Atierro da Boa-vista, Salles e Chaves
ao preco de TlCOcada caixinha. (17)
oJuhnslon Pater fe C. teem constantemen-
te venda taixas de ferro batido e coado mo
endas de Torca de 4 a 6 cavados, baix e alta
3 Vende-se o hiate brasileiro Rom Jess
dos Salegantes de 40 toneladas, novo, todo
apparelhado e prompto a navegar chegado ,
ha dias, de S. Matheus ; a tratar 'com o capi-
tn Antonio Ferreira Marques a bordo do dito
hiate tundeado defronte do Trem ou com Gau-
dio Agostinho de Marros, na pracinha do Cor-
po Santo n. 66. (8
3Vende-se rotim superior, chegado prxi-
mamente por preco commodo ; na ra d
Florentina n. 14 em casa de J. Beranger. (4
2 Vende-se urna negra de naco Cacange,
de 24 annos proprla para o servico de urna'
casa ; na ra da Florentina n. 2. (3
2Vende-se couros miudos em porcoe aos
centos ; na ra da Cruz, venda de S Araujo S,
Irmo. (3
2Vende-se um preto crioulo sapateiro r
proprio para todo o servico ; um preto de na-
co bom trabalhador; e urna preta para qual-
ijuer servico ; na ra do Hospicio n. 4, todos os
dias ateas S horas da n ftthaa. (5
2 Vendem-se phnsphoros de pente ; em
casa de L. G. Ferreira & Companhia. 2
2Vende-se vinho da Figueira de muito boa
qualidade a 1760 rs. a caada e a garrafa a 240
rs. dito engarrafado do Porto feitoria a 5<0
rs., vinagre a 140 rs azeite doce a 3500 rs. a
caada e a garrafa a 480 rs. bolaxinha ingle-
za pequea a 320 rs. e da maior a 240 rs., es-
permacete a 88o rs. batatas a 80 rs. carnau-
ba a 3'2(i rs. letiia a 240 rs. cevada a 80 rs. ,
cevadinha a 240 rs. caf do Rio a 140 mol-
do a 220 rs. cha superior a 2400 rs. mantei-
ga ingleza a 720 rs. farinha de trigo, boa pa-
ra po-de-l a SO, 90 e 100 rs., licores finos
francezes de todas as quulidades por preco
commodo; na ra larga do Roarlo n. 39. (14
2Vende-se um sortimento de toalhas de li-
nho adamascadas de qualidade superior com
comprimentode vara e meia at 5 varas com
guadanapos panno de linho em pecas de 18
\aras velas de espermacete de 5 e 6 em libra,
em taixas de 2o libras, farellonovo em saccas
grandes chegado de Ilamburgo ; em casa de
H. Mehrtens, ra da Crui n. 46. 8
2 Vende-se um cordo de ouro com 39 oi-
tavas, uns corases de bracos para menino, um
cordo fino com 6 oitavas, um colar, e um par
de bolees de punho tudo sem feitio ; na ra
das Trincheiras n. 18. (5
2 Vendem-se 3 pesos de arroba cada um ,
de ferro e outros 3 de meia arroba cada um ,
debronze, um pote para agoa vindo da Ra-
bia tudo por preco commodo ; no laigo do
Paraso venda n. 14. (5
_ "imi-..c unid duu urga t|u 11 l llllt'l T8 C
lavadeira com leite para criar; na ra larga
doRozario, no primeiro andar do sobrado da
esquina que volta para a ra do Cabug. 4
2 Vendem-se ricas mantas de seda mati-
zadas e guarnecidas de franja de retro* chinga-
das ltimamente, o melhor, que tem aqui vin-
do ; na ra do Cabug lojasde fazendas fran-
ceias e inglezas de Pereira Guedes. 5
2 Venaem-se ricas mantas de seda esco-
cesa ditas escuras matizadas lindos cortes
de seda escoceza ditos de seda branca ricas
apellas e guarnices de flores para vestido, lu-
vas de pellica compridas enfeitadas, ditas com-
pridas e curtas sem enfeites para senhora, ditas
para homcm bengalas du caona chapeos de
castor branco da ultima moda ditos pretos
francezes cortes de cambraia e cassas de todas
as qualidades ricos cortes de collete da ulti-
ma moda e um completo so, lmenlo de cal-
cado de todas as qualidades ; nn ra Nova, loja
n. 8, de Amaral Pinheiro. (13
2 Vende-se m mulatinho de 15 annos ;
e um moleque da mesma idade ptimos para
pagem ; as Cinco-pontas n. 71. (,3
2Vende-se um carrmbodeduasrodas, mui
leve e elegante, com os competentes arreios
por preco commodo ; na cocheira da ra das
Flores, ou na ra do Queimado n. 29, segundo
andar. #5
Vende-se um sitio em Bebiribt com bas-
tantes trras o estas proprias e arvoredos de
fruto ; na ra do Mondego n. 29.
1Vende-se urna canoa de um s pao, gran-
de e boa para se abrir; no Forte-do-Malos, es-
taleiro de Jacinto Elesbo.
Vende-se um moleqne proprio para cam-
po por j estar acostumado a isso por pre-
co barato ; na rua larga do Rozario n. 46 pri-
meiro andar.
Vendem-se thesouras de Lisboa de pn-
moira sorte proprias para barbeiro navalhas
superiores j esperimentadas; um estojo com
cores a 160 rs ditas finas a 180 200 e 220
rs., riscadinhos francezes a 208 rs. chales de
merino a 2500 rs. ditos de la de ssento es-
curoepadroes novos a 2/rs. lencos de garca
a 1600 rs., ditos de cambraia a 400 rs., ditos
7ravalhas, cm um s cabo; na rua das Cru- de pannlnho de assento branco e pintados a
zes loja de barbeiro n. 46. 200 rs. la para calcas, de quadros e listras ,
Vende-se urna escrava crioula com algu- muito encorpada a 400 rs. casimiras elsticas
mas habilidades; na rua de Manoel Coco n. 54. de quadros a 144o is bnm de1 hstra branco a
1 Vende-se urna porco de telhas e lijo- 480 rs., dito de listras de cor a 000 rs. e bran-
los de ladrilho tapamento grelhas e alve- co superior a 1# rs., trancado de quadros e lis-
naria batida, por preco muito commodo por tras a 720 rs.. merino preto e azul de duas lar-
se querer despejar o armam e promette-se guras a 3^ rs., cassas de quadro e listras a 360
mandar botar na obra ; por detraz da rua do rs. morcolina a 400 rs. panninho de cordo
Caldereiro armasem do Amorim, confronte a proprio para lencos a 040 rs., cambraia ada-
Jos Antonio do Moraes. (7 mascada de listras e flores a 560 rs. ditas lar-
1 Vendem-se 9 escravos, sendo urna negra gas muito finas a 800 rs. ditas bordadas de
delSannos, perita engommadeira ; urna mu- cores a 480,600 e80<> rs., meias finas paia ni-
lala de 16 annos, recolhida, ede bonita figu- nios e meninas a T>00 rs., pretas e curtas a
ra ; duas negrinhas de 10 a 12 annos; um mo- 160 rs. luvas brancas muito finas a 200 rs. ,
leque de 12 annos, 3 pretas de bonitas figuras, ditas de selineta brancas ede cores a 160 rs. ,
de 18a 22 annos ; urna moleca de 14 annos, ditas de seda para meninas a 320 rs e para se-
compradeira de rua ediligenfe ; na rua Velha nhora a 800 rs. meias de seda pretas e de c-
n, U (8 res para homomaSOO rs.
mantas de linho a
\Vendem-se duas moradas de casas terreas
de pedra e cal, sitas na rua de S. Miguel dos
Affogados em chaos proprios, por preco com-
modo ; a tratar no mesmo lugar n. 21. ;4
IVende-se em casa de Augusto Corbett,
na rua da Cadeia do Recifen. 46 um completo
sortimento de vinhos engarrafados do Porto, Ma-
deira Xery ago'ardenfe de Franca e Shrub,
tudo das melhores qualidades, que (eem vindo
a este mercado e igualmente os afamados
i-harutos regala ; Caihoeira patriota e Sans-
pareil vindosda Baha na escuna Santa Cruz,
tudo por preco mais commodo, do que em 011-
tra qualquer parte. (10
Vende-se ou permuta-se por urna negra,
on moleone um ptimo negro ?*m defeito ,
de 26 annos proprio para todo o servico so-
bre a conducta se ullianca; urna preta de 18 an-
nos engomma, cose e trata bem de meninos ;
um mulatinho de 15 annos, proprio para pa-
gem ou officio ; um dito du 22 annos, offl-
cial de pedreirode toda obra, mesmo de te-
ma Iba ; um preto de todo o servico que se
afliancu a conducta ; urna bonita mulata de
20 annos engomma cose e faz renda tudo
com perfeicao ; na rua do Fogo ao p do Ro-
zario n. 8.
I Vende-se, ou permuta-se um sitio em
chaos proprios junto a villa do Rio-formoso ,
com muitas arvores de dilTerentes frutas urna
grandecasa terrea de pedra e cal com muita
Irente e grandes fundos muito bons com-
modos e soto com janellas envidiadas casa
separada para pretos e tem terreno para edi-
ficar 5, ou 6 moradas de casas, na frente da es-
trada e com muita facilidade, se pode fazer
entrar no mesmo sitio agoa corrente de urna
bica que fica mui pertoedo lado mais alto ,
cum embarque e desembarque para o rio que
fica muito perto do dito sitio ; o qual se vende,
ou permuta-se por escravos que entendo do
agricultura ou mesmo por um outro sitio ,
que fique perto da praca ; a tratar como Mano-
el Jos de Castro Araujo morador e proprieta-
rio do dito sitio ou com Joaquim Gonyalves
Vieira Guimares no Recife junto ao arco da
Conceic'O. (20
1Vende-se panno fino preto e azul a 220
rs. o covado merino preto e de cores de duas
larguras a 1120 rs. casimiras de quadros das
mais modernas a 1120 rs ditas a 800 rs. ,
meias casimiras a 560 rs., la de quadros pro-
pria para vestidos de senlu.ra a 40U e480 rs. ,
cortes de cassa pintada cum 9 covados emeio,
e com vara de largura a 1600 rs. riscadinhos
finos de bom gosto 220 rs., fusloes alcochua-
dos brancos e de cores a 400 e 56o rs. casto-
res de listras de cores a 220 rs., brim pardo
(raneado de linho a 440 rs., dito liso a 280 rs.,
mantas de seda de todas as cores a 5 e 7/ rs. ,
ditas matizadas a I o rs. ditas de fil de linho
branco e de cures a :i rs., ditas de fil de qua-
dros chinezes a 1600 rs. cassas matizadas de
listras de cures a 240 rs. o covado pecas de
bretanha com 10 varas a 1900 rs atualhado
de algodo com 8 palmos de largura a 500 rs. a
vara guardanapos de algodo a 2^ rs. a duzia,
algodo americano com 4 palmos e meio de lar-
gura, proprio para fabrica de escravos a 41 rs.,
e outras fasendas de bom gosto de linho e seda ;
na rua do Crespo loja n. 10 da viuva Cunha
Guimares. 25
1 Vende-se a escuna americana iVt'/, mui-
to veileira de primeira marcha forrada e en-
eaviiir.ni.i de cobre : a tratar com os seus con-
signatarios Henry Forster &. Companhia ua
rua do Trapiche n. 8. ;5
Vende-se a propriedade denominada Cas-
sote, a qual divide pelo engenho Giqui pas-
so do dito em trras da Ibura a qual tem
quasi meia legoa com maltas e goa ; no At-
ierro da Roa-vista n. 4, segundo andar, casa
de Domingos Pires Ferreira.
Domingos Pires Ferreira vende a parte ,
quelhe tocou por heranca de seu fallecido pal,
Manoel Pires Ferreira na divida da Fazenda
Publica do Rio de Janeiro a qual com os ju-
ros anda por mais de cinco contos de ris; quem
pretender, dirija-se ao Atierro da Boa-vistan.
4, segundo andar.
Vende-se um preto de bonita figura ; no
Atterro da Boa-vista n. 37.
Vende-se um cachorro atravessado muito
novo e da melhor raca ; na ua doCamaro n. 7
Vendem-se pecas de bretanha de rolo a
1900 rs. chitas a 140 rs. riscados e chitas de
3/, ditas de garca a 1^ rs. chapeos francezes
a 5^ rs. e 2500 rs. ditos pardos sem pello a
2500 rs. ditos de castor branco a 4/ rs. eou-
tras muitas fasendas por barato prtco ; na rua
do Crespo n. 14, loja de Jos francisco Hias.
1Vendem-se phosphoros em ca xa de flan-
dres com velas caivetes pennas de ac com
caetas tudo proprio para escriptorio ; meias
de la mui finas brancas e escuras, compridas
e curias; duas correles e um ancora de ferro
para qualquer embarcaco ; na rua da Cruz n.
13, primeiro andar. (7
Vende-se urna negra de 18 annos boni-
ta figura, sem vicios nem achaques, cose, en
gomma, cosinhae lava ; na rua du Queimado ,
loja n. 5.
Escravos fngidos
2 Fugio no dia 12 do corrente urna criou-
la de nomo Ledovina de 18 aonos, estatura
regular secca do corpo levou vestido de chi-
ta branca e mais outro de sobressalente esla
escrava veio, ha poucos dias, do Brejo, e foi
vendida aqui por Genuino Canolano Arciiide
Monteiro ; quema pegar leve a Manoel Jus
Vianna, na rua larga do Rozario n. 30, pri-
meiro andar, que ser gratificado. \ (9
Fugio no dia 19 do pa-sado um moleque
de nomeFrancisco, de naco Cambinda. de 14
annos levou calcas de riscadinho azul ca-
rnise de chita desbotada be um tanto plido ,
espigado do corpo, olhos grandes, beicos gros-
sos est com o cabello do lado direito encos-
tado a orclha todo corlado bracos compridos
e finos mos e ps tambem compridos e finos,
tem nos calcanhares cascas de bichos o dedo
grande do p esquerdo encolhido e meio torio,
que faz diflerenya do outro sahio de casa as
8 horas e meia da noute ; quem o pegar leve
a rua do Collegio fabrica de chapeos n. 9, ou
na rua da Roda n 19 que ser recompensa-
do com 50#rs. (15
Desappareceo da casa de Joo Jos Ribei-
ro dos Santos morador na praca da Boa-vista,
o moleque Domingos, crioulo pertencente a
Agostinho Fcrnandes Catanho de Vasconcellos,
e que foi por ordem da Delegada do primeiro
districto desta cidade depositado em mo do an-
nunciante; qualquer autoridade policial, ou
capito de campo que o pegar leve ao an-
nunciante, que est na responsabilidade do
dito meleque.
No da 9 do Julh do corrente anno fugio
da villa da Maioridade outr'oru serra do Mar-
tins um escravo de nome Joo pertencente a
Manoel Luiz Brrelo cojo escravo h" r.rinn'oe
foi comprado na villa do Limoeiro a cousa de
16 annos aoSi. Pedro Jos de Lima suppoe-se
que o dito escravo iusse para aquella villa por
ter all rniedizeraos parceiros da casa quo
havia de ir ver a mi, e tem os signaes seguin-
tes: de 30 annos, estatura ordinaria, nariz cha-
to e fuloe o mais corpo mais preto grosso do
corpo, quando falla as vezes custa a pronun-
ciar as palavras demonstrando ser meio gago;
quem o pegar leve ao Recife, rua do Amorim
n. 50, segundo andar, a Antonio da Costa Fer-
reira que gratificara.
1Roga-se a todas autoridades policiaes ,
capites deembarcace decampo, e pessoas
particulares a apprehenco de 1 moleque que
julga-se ter sido furtado, por nunca ter rugido
e nao hver motlfM de ausenta,-,, Ms ieo-
du ido a um mandado na tarde do dia 27 de
Juiho p. p. ao Mondego nao voltou mais e
tem os signaes seguintes; crioulo, de nomo Joa-
quim mas conhecido pelo nome de Capuc ,
por causa de nunca usar do primeiro de 8 pa-
ra 9 annos, baixo, bastante robusto, fulo, bem
parecido, com u duas presas de menos na par-
te superior por estar em principios demuda,
quando ri-so aprsenla urna cova na face direi-
ta he muito esperto e regrisla levou calcas
o camisa de estopa e bon de panno azul;
quem o pegar, levo a rua da Aurora n 24, ca-
sa de Augusto Corbett que gratifica corn 50/
rs. e oflerece a mesma gratiticaco, o guarda-
se segredo a pessoa que o tenha em seu poder
e for entregar; assim como a quem denun-
cie, o lugar em que elle he acha sendo des-
coberto em qualquer casa se proceder corn
todo o rigor da Iti. (24
Ruin niTyp. mi MF- dbFabu.1844


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES5VRLEGW_MY83B3 INGEST_TIME 2013-04-12T23:30:12Z PACKAGE AA00011611_05174
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES