Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05148


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno XXVII
Qua. ta-feira 15
DIARIO DE
de Outiil.ro N. 233
PERXiMBICO.
FB.IQ3 DA.OBCU.Il'glO.
Psauarirro Adurtado.
Hit UiMtttrt............
Por Mmeitre.............
t'or *no* ......
Pioo dentio miimmi.
Po, qw ^,;.-o-1.-BI-0;
p.ra .... 18 deSelbr. Min... 31 de
S,rrha-o SO de di.o S. Paulo. 3 de
i"..r... Sdedllo. R. de I.. 3o de
r.r.hib.. 10 .eOotub. Baha. 7 de
4/POO
8/000
11/000
4/500
Agosto
>elbr.
dito
Olltub.
DI DA SEMINA
AUDIENCIAS.
13 Scg. S. Eduardo re i Jaiinde Orphoi
11 Tcrj. S. Calillo p. jl2.e5.as lOhorai
15 Qnarl. S. Thcrcia
de Jeiutv. c. ;
1(1 Quii. S. Maninlano
n. t. Gallo ab. ;
17 Sen. S. Eduvlges.
18 Sab. S. Lucas b.
lOJDoiu. S.Pedro de Al
caulara f.
1. varadoeivel.
3. i-i;, ao meio-dla.
Faunia.
3. e6. s 10 hora.
2* rara do civtl.
1. c sbados ao mclo-d.
Relacao.
Tercas e sabndos.
inmaiiii,
Crescentei 2, ios 10 minutes da man.
(liria a 10, as 4 horas e 13 minutos da m.
Hlngoante i 17, as 9 horas e 53 minutos da t.
Not* 24, aos 50 minutos da tarde.
PBZAMAD DI HOJE
Primelra 9 hora e 18 minutos da manhaa.
Segunda 9 horas e 4? minutos da tarde.
FABTIDA.l DO COBBIIOI.
Goianna e Parahiba, i segunda e seitai-
felras.
RIo-rande-do-Norte, todas as quintas-felras
aomelo da.
Garanhuns e Bonito, i 8 e 23.
Roa-Vista, e Flores, a 13 e28.
Victoria, s quintas-felras.
Olinda, todos os das.
NOTICIAS HTnANOEIBA.
Portugal.
Hespaoha.
Franca ...
Blgica...
Italia____
Mrni.inl .1.
Prussia ...
Dinamarca
Rusila...
Turqua.
13 de Si-iin
8 de dito
8 de dito
5 de dito
2 de Aguato
I de Srbr.
3 de dito.
I de dito
2cde Agosto
30 de dito.
lustri...
Suissa. ..
Suecla...
Inglaterra
F..-l)nldoi
Mxico...
California
Chlll.
Kuenoa-A
Montevide
3l de Agosto
3 de Setbr.
28 de Agosto
8 de Setbr.
25 de Agosto
2 de dito.
15 Ar Julho
26 de Abril.
2 e Setb.
o (i de dito.
CAMBIO DE 13 DE OUTUaUaO.
Sobre Londres, a d. p. lfOOO rs. Firme.
Pars, 337 por O.
Lisboa, sem transaccSes.
TUS.
Ouro.Oncas hespanhola..... a i&lbon
Uoedas de 6#i0o relhas. IB/rtOO a 18200
de 61400 oras. 16/0(>0 a 16/200
de 4/000...... 9/000 a 9/100
Prata.Patacfles brasileiros.. 1J90 a 1/920
Pesos columnarios... 1/920 a 1/920
Ditos mejicanos..... 1/750 a 1/760
JARTE QFFICIAL.
MINISTERIO DA JUSTI^X.
DECRETO N. 817.
tto motivo obligar a demora de algutn, des-
sa circunstancia se far eipressa inrn(o no
olclo qne Bser a enuineracao dos pretn-
deme.
J2. Os rcqucrlmentos, que forem aprsen-
os depols dopraso, nem por Isso delsarao de
ser acceltos e rcinellidos na primelra occasiao,
Uranias modo porga, nos imptdimtnloi tmpora- como additamenlo remes dos apreseulados
rio oVsw" *""luti't'doi o rwnaurio do cm lempo.
uMc'iot deJuiUc* 'oulroi empregadoi della, o di- g 3, nj0 lera lugar a reprodcelo de editaes,
termina como H lia de proceder, noi cuot de ya- quandoa vaga occorrer as capilaca das pro-
sa, para o proraisnto definitivo dina o/fici vlnclas, e nem nieimo us prlinelros scro alfi-
tmpnaoi. jados, se a vaga occorrer na corte.
Hei por bem, usando da allrlbulcao que me 4, Antea do provlmrnlo serao publicados
coulere o art. 102 i2 da constiluieao, decretar na corlc n0 jornal offlclal os nomes de todos os
oirgulnte: pretendentes, cujos requerimcnlos houverem
Ariigo 1. O secretario do supremo tribunal ido lemettidos ao governo pelos preslaentes de
do justica ser substituido, durante seus Im- provincia, e bem asiun o daqueiles, ctijos rc-
pedlmentos temporarios, pelo offlclal da res- querlnientos nao tiverem sido remettldos em
pecliva secretarla ;e na falta deste por um dos leip0, com declaraco das causas que relar-
escrlrie. de apprllaci.es, que for designado pe- daram a rcmessa.
lo prealdcnte do tribunal. I Art. 14. As pelicOes em que se requereiem
O theaoureiro e porteiro serio substituidos rnelos ou empregos de justica, mencionados
pelos continuos, e estes um peln outro, na fr- neste regulaincnto, devem ser datadas, asslg-
11a do cap. 3, da le de 18 de seteinbro de nadas pelo pretndeme ou seu procurador, e
,828. 'acompanhada de folha corrida e mai docu-
Ar. 2. O secretarios das relceles serio subs- ment, que cnlenderem convenientes, sendo
liluidos por um dos escrivae de sppclla- todos devldldaniente sellados. .
toe, que for designado pelo respectivo presl- Os pretendentes aos lugares de "''"*":
ente" belliea e mal offlcios e empregos de justica
Os escrivae de appellacde. serao substitu- devero juoctar, alen, ,,es"^f"""'e''1,0 "
do. un, pelo, outro., por de.ign.cao Yo presi- *g^*gggg%S. W
T O promotor publico ser ^.tl- ra. do meu con.elho ministro e.ecc.j
luido porque.,, o juia de direito nouiear, estado do. negocios dajusLca. asaii...o lenha
conforme o artigo 22Jda le de 3 de de.en.bro entendido e faca n^1g***?
d, i^ii Janeiro, em 30 de ago.todc I8jl, trigsimo da
rt. 4. O curador geral dosorphao. e o do. Independencia e do imperio. Com a rubrica
Africano, llvres serio sub.llluldo. por advo- 'de S,M. o Imperador.tiiiiio de Unciros Gou-
gado, que o juii de orpbio. luterlaameute de- tinho Hatloio Cmara
uer offi-
Ireito do
signar.
q porteiro dos auditorios por qualq
cial de ju.tica ..orneado pelo jni/, de di
civel: cm falta do. juie. do clvel pelos cri-
mioae. 1 e as villas em que elles nio residl-
rem pelo. Jui.c. municipaes. Eotre os juues
da me.ina cla.se preferen. pela prloridade ua
nuii.er.cao das varas.
Art. 5. O tabelliao do registro geral de hypo-
thecas ser substituido na corte por quera o
governo dc.lgnar, c na. cu.narca. por um dos
ubelliae.de nota., e em falta de.le. pelo, do
judicial, de.ignado pelo juli compleme na fr-
uia do artigo antecedente.
0 inclino ic ob.ervar com o. labelllaes de
nota, que oiao forem do judicial.
Art. 0. Os escrivae. do. julte. do. feilos da
fizenda crio .ubstituldo. por um escrivao de
appellacdes, designado pelo presidente da re-
lacio, conde nao bouver relaco porum.e.cri-
vio do judicial, designado pelo juiz dos feito.
da faienda.
'. 1. i)> cscrivues da provedoria de capella c
residuos, pelo escrlvio do judicial designado
pelo provedor.
2. O. escrivae. c tabelliaes do judicial,
os privativas de orphoi, serio substituido, un.
pelos outros, sendo designados pelos respecti-
vos juites.
Art. 7. O. promotores c sollicltadores de
capella. e residuo, .erao .ubsliluido. por
quem o respectivo provedor nou.ear 1 sendo
o- piune,rus e.colhido. ilentie os advogados,
c preferiodo-.e o. formados, c us segundo,
deotre os procuradores dos respectivo audi-
torios.
Art. 8. O. contadores c deslribuidorcs serio
aub.tituido. por quem o juiz competente no-
mcar.na forma do art. 4.
Art. >. A. graliiicaces concedidas a qual-
Suer do. omcio. ou emprego. cima menciona,
os.erio percebidas, noca.adc impedimento
oi proprlelario., por aquclles que cflecllva-
lurote o. evercerem.
Art. 10. No provlmento da. vagas dos empre-
gos e offlcios de justica, menqpuado. nos arll-
gos antecedentes, proceder-se-bapela seguinlc
manelra:
I. Apena, vagarem, serao prvido tem-
porariamente pelos magistrados ou autoridades
car o paiz om emliaracos que tra'iam coro talisllcos fueram iaicha, e a raerecem de.cul- mullas veze. para aprender al que ponto p- nireopathica nio licarlo elle, reduzfdos, se a*
muilo miiscertoza a annetacSo ? !pa,elc porque escreveu ainda soba, fadigas de cltrgar o delirio di. pai>de. poltica.. ; folha. publicaren, nao a. palavras, mas as
lio 111 ti's oro VI re I ao nOSSO Vdr que OS ,^* "pera, embriagado de pr.zcr e de so,uno, Mas limitar-nos-ltc.no. para todo o .einpre a ideias do. oradores? Quanta. vete, nio dlrao
. ... -1,1,1 I!.. ,,,...i,.., nn Innt ln .....-i IV
vinta dous milhOes devidis
Caii'.utia, snro tirados, parta
particular do Nizam a qual he eiLvianumv- Janln.abe descrever em toda a auamigniuceu- cipe magnnimo que prelerio a corda de um mieurio po ou contra tita paiavra. qu_ .
mente grande parte dos Dighirs OU feudos cia e grandeza as festa. da reales*. imperio nascente de um reino onde na.cra,, blinho licariam atereotvpada. para a.algnalar
sonhoris, que absorvem toda a riqueza do He urna vlle.a, dizla um d-. oradores do clr- de um reino enllocado no mappa do. Estados; a eloquencla gllianica, e poupariam ao pobre
Deccao, e qllosSo a causa principal da falta culo palestrico, orear um baile de tanto fauno, europeus, chcio de gloriosa, tradicoe., nio me-1 leitor oa elTeitor de podero.os narcotios, c
lie eauilibrio no orcameoto. :c a que concorreram seguramente mil e qui- recer do Urazil aenao o. louvores ephemeros, inuila. horas consumida, .em fructo.
ni iim,.nin,wnr,lorie.* iu'Ii','.; e.iiif,--sam nlici.to convidado, em duzenln. contos do rcis, dos discursos recitado, nnidia eu que tecoin- Eolio he que as nos.a. camira. rivalisariaiu
,V v r P 1 i L^fnVr .a U.mm quando a despeaa deste e a dos augusto hos. mamario .eu grandes feito. c um uOragiol com a do. commun. e a dos lord, em laconis-
queoiiizam nao PQUe.raesc.paraouDaiiioiii- pedc, iio podia ficar aballo de quairocento: religio.o no anniver.jrio de >ua moite? I 11110 e brevldade ; em vez de palara. terlamo
Dramento gradual de seu territorio, visto trc,entos pelos meno., accrescenlava outro. Quaudo vemos toda, as nacOes perpetuarem; Ideias, em vez de diacur.o. far-.e-hiam pro-
que o for{am a ejecutar a clausula ,1o Ira- guando a. camelia, venderam-.e pelo preco con. magr.toso. monumento, nao s a memo- jectos, aa prorogaedea seriara rara, o. quatro
lado que p) em granlo numero de tropas fabuloso de oitenla mil ris, cada violeta por ra do. seu. grandes be.nfeitore, do. .rus sa-,
iogleial a seu sold,e que com um fardo tJo'cento e vlntercae. ; tendo-.ccagolado o. sup- bioicinu.ei.ics, mas al as dos .eu inais dis-
pesad
pen
port.oto sonBo ad.ada.
iglezas a seu soldo.e que com uro lamo tao cenlo e vinte rcae. ; lenuo-.c csgoiauo os sup- pos cinu.ei.ics, mas ale as dos aeu mai
asado llio ha inapossival coanler sua inde-iprlinenlo.de sedis, renda, e tita, chegadas do tinelo, artistas, n continuaremos inser
andancia AouuUoda annexacSo nao est ("avre c de Souiharapto-i neste ultimo, don a pecha de .ngratos, de indiUcrenle >
eiiuiiiiiia "'utl*"",m"M meie, etando os joallieiros.e lodosos Indus- es gloriosa da patria, nJo erigindo un
uie/ps legislativo, chegariam de sobra. Nao
se vera um orador resistir dcsatleocao geral
do seus ouvintes, fallar multo al.u da hora
Os boatos que haviam corr lo de uma in-
urreicno em Cachemira, nsurreicao na
qual tinharo morrido quatro olliciaes ingle-
zus, sao desmentidos pelo correio de hO|e o
qual explica sua origcm do modo seguate-
Como quer que algunas tribus de oon-
tanhezes (Ingissom desconh'cer a autiriJa-
de do Maharailja, este, altivo com as perro-
gativa de que a companhia dignase de dei-
xar-lbeaiuda as aparencias, enviou para as
monlatili.s rebclJes alguns destacatnenlo-
muito Tacos que l'oraoi facilmite batti-
dos. Alguns olliiaos inglezesacompanlia-
sen.tve.i
tradi-'clasaica do teijo-s. clamar no uni de urna
. .rigindo um mo-sata deserta, a sos com o iufeliz presidente e.
trio.o.a quem a fesla poderia ser utll_atifei- nuu.eotoein honra do paiz. era te.temunho da^o exteuuado tachygrapbo, e no da .eguiulc
ConimandO das armas. ToJavia.Coulab-Sing, nausejulgava ba-
0,1.11 -id general na enfade dj ecife, 13 de 011/u- j lido, e tinaa ja reunido urna nova expodcSo,
oro d. 1851. ja qual ilevia por-so em marcha a 20 doju-
Iho.e submetter nfalivelmoale as tribus ro-
cal citianles. Um despacho datado do Cal-
culta, de 15 do |uiii ,, annucia a descoberta
de uma coospiracHo que linlia por objecto
a soltura de Oewan Moulraly, prezo, como
,11.111:" 00 DA N. 9.
Determina o Sr. maree hal de campo gradua-
do, Antonio Corra Srra com.nandante das ar-
mas da provincia, em e\ecucao as orden do
governo imperial com.nunicada. cm amelo do
i.voi Sr. pre.idenle da racsina provincia, era
dala de 11 do corrente, que fique eaonerado
do emprego de icgundo cirurgjo de contracto
que exeree no quarlu balall.1.0 de arlilhana a
p o Sr. doutor en. medicina Jos Joaqun,
do Sanio. Corra, que foi noraeado alfere. se-
gundo cirurglao do corpo de saude do ejerci-
to, c deve seguir para a corlc na primelra op-
poriunidade, para oque deve estar preparado.
O Alferes Candido Leal Ferreira, ajudanlc d e
orden, e encarregado do delalhe.
EXTERIOR.
INDIAS OMIvNTAES.
A maior parte dos peridicos inglczes.que
tem publica lo as noticias que so receberam
pelo paquete de Bomhaim do 26 de julho,
d3o como cerla a oceupacilo militar di- umi
parle do Deccan porque sus corresponden-
cias 180 de uma dala compaiaiivamonte an-
tlga porem encont'amos no Telegraph and
Courier um. carta MCrlpU de llai ler^bad a
19 de julho, ru qual annuncia-se como posi-
(iva uma n c mciliacio entro o Nizarn ea
companhia d mais imporlanto destacarla.
Vn, .saliera creio que com prazor a feziz
conclusao dos ajustes que se dcscutiam dos-
de o mez de junlio, sobro o pagamento da
grande divida contrahila pelo .Nezam pira
como governo supremo. I'or um momento
julgou-se tudo sen.efTeiloporcausa da obsli-
nacao do Nezam.o qual emprenou lodn a sor-
_ te de obslaculos a acc3o conciliadora do
perante quem houverem de servir, como di- Sourady-Oul-Moulk, a quem fircrrilo no a
lislraos dos lucro que cotheram; nao leudo gratidao nacional memoria do here da iit-
cl.egadoa. seges, traquitana, calcchcs,carrua- dependencia, do doador do no.so pacto funda
gen. do dominio publico e particular, de corte mental ? '
que foi preciso recorrer ao lilburys, ao cab Ah que principe inais generoso, mai inag-
e andorlnha.. e servir o mesu.o vehculo a nanimo era n.eio da grandeza comonas Lo-
mis de um convidado: como he possivel que ras solemnes do Infortunio la apparcceu no
o baile nao puse.se cingyro peito de u,i. mi- lempos modernos ?
bao! | O nohre senador o Sr. Montezuma, ao despe-
0 estatiltica industrial, do valor monetario dir-se da sesao legislativa dcle anuo, aventou
da fela, pa..a-.c rpidamente para os seus at- uma idea de que ja live occasiao de fallar, c
traclivos.Nao pude ver esta beldade, aquella cuja ulilidadc, cada vez que nella pens ...ais
apenas avistei ao longe, e andel por toda a avulla en. miaba mente. O Ilustre parlan.en-
parlc e eitlve at que ahisse o ultimo convi- larpirecc nao estar .atisfeito com o syttcma
dado, isto he, quasi ao loque da alvorada. lia- aclual depublicacdcs dos trabalho legislativos,
rain esti desastrada expetcSo, c foram fe- viam diver.os rumo., re.poudla outro, para ir c iniciou uma reforma, cuja adopcao depende
nal feliz
mico, c
parlaincn-
que procuravainvcr-se. lar.
Eu u.oviinento iucca.antc das bellas (dizia o1 Ccssando o contracto que ora existe entre o
autor das carta, do Correio Ja Tarde, que he o senado e a folha que publica as suas discus-
perrcxil dessas palestra), c de seus elegantes sc, poupa o thesouro unta boa deiena de cou-
pare, ora para a sala amarella, ora para a sala tos de res primelra vantagein, e uinguem
verde, ora para a sala azul; azul, verde c ama- dir que pequea, porque pouco maior era a
relia,as core do eco c do pavilliao nacional; despea do novo collegiodc instruccao secunda-
a agradavcl confuo que dahi rcsullou, a ria que o governo leu. de estabclcccr nesta ca-
aclividadc e vigilancia que por Isso reinaran! uo pital.
circulo das sjlpui.lcs c seus pares Urna das molestia que cnlern.ao o systcn.a
Caraclerisada a physiouoinia geral do baile, representativo no/Jrazil,paralysando o seu tno-
nolado os .cus inais inicrea.aulcs accidente,' vlmcnlo, e.lcrili.ando a m* ccao, he o prurido
da syiiili.. >. passava-se aualysc, c esta mais e de fallar, a ostemacao do longos discursos, a
esleudia aobre o prii.ior de graea e loucania, de j vaidade da brilhaturas. Seos discurs?a nao
bou. gusto c riquea cora que se apre.entou o fre.u publicado integralmente, e apenas de-
bello .exo, sendo cada uma de suas estrellas rem as fulhas diarias a sua substancia, as dts-
a ,,, i -, 1 o 1 ~ 1 1 ii 1'i 1 \ i,'i yi ,, w ..,..... .u. .----------- ------------- -1------------------------------- *- -- -. .. ..... ,. ,, iiij, ...j i .i^|H', i.
tos prisioneiros ; pore-n poucos dias depoli Pr'n,e,, ,a|a de dama, a amarella, al ao da mesa do senado, e rae parece a mal
pilos iMiooaram aBna < s.lvus ao Pan lii.li Ultimo .alo que confina cora a capella inine- poiaivcl, sob o ponto de villa ecouou
m SS^S^xmSS mlO irtl- ;UlM^^iftcll4 (UC qUt 2nleceu'' > ******* ao crdito doipiciiu par
Sein lorem SOnfUO neniiuin omo ir*ii desencontrarcm-c os que nrocuravainver-se. Ur,
se sabo, no porte Williatn, des le a lomada de
.Moultan. Alguns ministro da conspirac.lo
deviam Tor Togo ao arsenal em quanto que
outros so aproveitariam la desorden cau-
sada pelo inceudio para arrumbar as por-
tas da pri/o e tirar aviva ot<\ o exv-
wan. Governo de Calcutla aprohendi;m.
dizem, documentosque coinprojieUen. um
grande numero de pessoas naturaes do paiz
.s 'in iluvi ii, pois ainda oto seouviu dizer
apparocer esse discurso coberlo de apoladoa c
relIciNces, cheio de eiclainacdes dirigidas,
ulo aos dous nicos indrfrsos ouvintes. mas
a um auditorio numeroso deque o orador se
rodeou em sua imaginacao Perder-se-bia.
he verdad e, esla parte cmica das operafe
parlamentares, mas em larga coin pe o *<;>. o os
negocio* pblicos aniariain mais correniei.
teamos tnelhnres leis, o estudo e a alta coti-
cepc;lu sobresahiriam loquacidade e decla-
mico.
Mas quem dos garante que appareccriaui
cases extractos subtuncial e fielmente tirado '
He a onjeccao mais forte que se poder oppor
nedida iniciada pelo Sr. Alonlezuma.Kssa
garaotla est no inlcresse e crdito de todas
as l'ulhas de maiur circula^o, porque nenhu-
ma dcllas quereria dcixar j outia o exclusivo
dessa publicavau e os liabilssiinos sieuogra-
pho< que hoje exiitcm. chegariam para oa ex-
tractos que devenam dar as folhas diarias.
Como este melhoramento, propusto pelo II-
lustrado senador, o Sr. Moutezuma, he pam
mim urna grande medida, e, na acerpeao qut
dou .i paiavra, se pode considerar como um
des&es mclhoramciitos materiaes de que mu
tenho couftrssado sectario decidido, nao o
perderci de vista, c pouca a pouco irei expen-
deudo miuhas rellexcs a tal rcspelto; por ago-
raponto .inil.
J est demarcado o terreno sobre que deve
levaniar-sc o tlieatro provisorio, isto he, um
thealro destinado a dura tres annos, ou antes,
o lempo ncccssaiio para a ediHcaco de um per-
cousidciada por sua vc, c na ordem de suas ] cussoes das cmaras se reduiraiu na lmprensa| manente. A emumissao directora do ex tinelo
grandezas. Termiuavam essas doces recorda- a proporedes inititimenae inais pequea* do
ces ciiio comecavam, com a mais viva exprs- que as actuaes, c serao por isso mais lijas c co-
lid de allecto pela allabilidadc len igual, pela nhecidas.
alegra sjrmpalhica de que os augustos hospe- O mal da garrulicc parlamentar nao he de
descomo uuiica se mostraram po^audos, alia- boje, crelo que heirmao gemeo desse systema
queos Inglzs se tenham jamis ejinpro- billdadec alegra que eram iguaes para todos ] de impertinente publicidade que o Sr. Monte-
meltidoem favor dos Indios, por mais justa sc,u ncnbumaexcepcao de partido, de classej suma, com toda a rao deseja ver substituido,
uue sia su'i causa p ou **c ***M*dte0 (guando volver uma Dola K quem he que se nao lembra aluda com hor-
co m o a de III de setembro, que para ludo reu- : ror das macantes c narcticas protUsdes de fe
nir de agradavel foi a mesma em que se rece- com que nao ha mui tos anuos os depulados no-
a bOram as ultimas lisongeiras nolicias do Kio da < vcii costumavao < streiar o seu curso parla-
l'i.iii Alguus prophetas j responden! do ; mentar Todos os que por dislracfo e ne-
' inodo o mais Hongero a esie voto de todos us cessidade !" u os drbates das nossas cmaras
m que goxaram a honra eos pra/.crrs do baile im- uno se tero esquecido dess?s discursos cheios
'reste )
INTERIOR.
perial. E eu que audo muilo prevenido contra
03 prophetas, ncli.o-u.e lodavia a cicr que
aquellcs eslo bciu inspirados
O dia de quarla-feira, 'i do corrente, foi um
Esta semana houve como que um armisticio ,lia do seria rccordaccs histricas, penal
na can,paul.a dos bailes; foi uraa .emana con- dessele anno. sao deconidus desde a .norte
.agrada a restaurarao da abatida torcas; du- do fundador do imperio, c viole desde que
rante ella vivcu-c mai. de recordaede. do que trepaaado de angustia dcixoii-uos para .cm-
RIO DE JANEIRO.
*0 AMIGO AUSENTE.
Corle, 17 de iettmbro de 1851.
pie o decreto do 1.* de julho de IKJO
Se nao apparecerem a requerer c.se provl-
mento pe.aoa. idneas, drverao servir os subs-
tituto, marcado, para o. impedimento..
i. O. magi.lrado. ou antoridades, a quem
incumbe provee a .ub.iiiuicao temporaria dos
ditos ollicios eemprego, logo que vague qual-
quer driles, daro parte ua corle ao governo
pela secretaria de e.iado do. negocio, da ju.li-
ca, c na. provincia, aos preilaeole, da vaga
eiislenle, c da manelra porque ctliver Interina-
mente preenebida.
rt. ll. Nameamaoccaalao.nandaraoaniiar
,-dilaca nos tugare.doa ollicios,11.11 os presiden-
tes faro reproduzir nascap.laes das provincias,
annunclando a vaga e convidndoos pretenden-
le. a apre.enlarem seusrequerimento. no pra-
.0 de .e..enla dia..
Art. 1S. rlodo o pra.o, o magistrado ou au-
torldade, que tlver ...andado amiar o. editae.,
rcmciiei ao pre.idenle da provincia oa reque -
rlmento. que, durante o. .e..enta das, Ibe ti-
verem .Ido apre.entados, acompanhando-o. de
InformacOcs .obre a habilllacde. e inerecimen-
lo de cada un. driles, declaraddo eipllcita-
ineute c e.lao no ca.o de merecer o provi.uju-
lo. S, nao tiverem apparecido pretendcnle.,
dio ine.u.o dar cotila ao pre.idenle.
Art. |3 O pre.idenle da provincia, logo que
e.ti'Jam concluido, os .cenia dias marcados
na capital, e depol que ti ver recibido o. re-
querimento., de que traa o artigo anteceden-
te, o. remetiera, com o. que Ibe tiverem ido
apreaenlado. directamente, a secretaria de es-
tado do. negocios da |u.lica, acompanbado
de utna infor.uacao .obre a idoneidad.- de
cada um do. preteudente., declarando eipli-
cltainente te e.lao no ca.o de merecer o provi-
mento.
1. O. requerimenlos apre.entado. dentro
do pra.o devera er reincltldo. conjunctamco-
te, e se a uecei.idadc de obter inforina^de,, a
falta de alguna documentos, ou qualquer ou-
FOLIIEmi.
m NOITE EM BARCO DE VAPOR. (*)
(roa len GvsniN.)
111.
(ConlinuacSo.)
F, llppc que re.idia na cidadlnha viiinba e
apena, va a mai de olio em olio dia, nao pen-
ava que a esperanca de um beljo do fllho era
a nica consolacao, o nico sustentculo de.ta
velba durante a longa semana que pas.ava a
'pera-io. Ne.te dia elle eslava ..1.1,1 dia.o vi-
vainonte preoecupado, e foi com uma especie
de con.tranglmcnloque abracou a mai. A boa
uulber nao deu mo.lra. de que le apercebia
uis.o, ou no >c apercebeu com efTelto. Oque
nao e.copou a .eu coracao mate, nal, foi a prcoc-
eupajao de Fellppe.
01-culM. ?"!?-* '"""' r'ellppe, que me
Mocru. ? cna'"'""uaFril.u,que elle
i.,, gU"" cou,a AndaB.eu fllho.
de ,>"L',U ""' nio '< constranja. dlante
re 1 ppe conhecia a madama Frliau elle sa-
lomar outra vez para primciro ministro
Nomesmodia 15 de julho, tisnno falal
fizado polo governador geral pira a oceu-
pa(!Io militar do paiz, sn o pagamento da
divida no fossaelleituiilo, o Nizam recusou
obstinatlsmento dar os vinte milhOos de ru-
pias que faltavam para completar a somma
dos quarenta o seto pedidos para primeiro
pagamento; porem no dia seguinle muilo
cedo Sourdy-oul-Moulk dirijiu-se prossa
a caza do general Kraser, e Iho trausmoliu
stn authograplio roal pelo qual o Nizam
obrigava-se a pagar immedialaaientn os
,|uar -i, rias para o pagamento integral de sua divi-
da antes do lim de outubro
Iteleva que o ministro imposto pelo resi-
dente tonli uma influencia mui gran-
de sobre o Nizam para le-lo decelido a un
sacrificio que pode bem retardar sua que Ja
por u n oud ous anuos,mis quo nilo a impe-
dir caitamente em um futuro prximo.
Dl/lMll que .Snuraily inil -.Minilk mus 'gnill
fazer adoptar sua conbinacao incarregan-
do-se pessoalmente do certos distnclos
os quaes foroecem uma renda an-
oual de trint. e seis milhOes de rupias, mo
pudendo o Nizam receber nada delles em
quanto nflo for amortisada a somma do em-
prestnno que vai ser pago Inglaterra.
Cremos que autores desta verseo estflo
mal informa Jos, porque epresontnidoo or-
namento a 111 Ss 11 11 do N iza ni, les lo muilo La" ni 1
po, em difcil annuil de quarenta milhfie-
de rupias nOo be possivel quo o ministro
sopare da receita gerel do reino urna somma
perneo mais ou menos deste valor, sem aug-
mentar o desarraijo das linaiiQas e sem ln-
jectos, obrava como se tivetse tldo un.a defe-
rencia sincera por seus consethos.
A comadre de sua parle, nao se deslgnava de
tomar conselbo com o mancebo, quando en-
trevia nisso, bem entendido, a venda da ierra
de Auvray, to mal defendida de proposito por
aquelle que teria devldo protege-la por amor
de sua mal, c de .i mei.no.
Sin., he verdade, ni.n Auvray, que e.se
pobre mon.leur Felippc tem na cabeca algu-
na con.a que o atormenta.
A boa mai salmu de praicr ao ouvir mada-
ma Fritau carregar sobre e.le enorme mon-
sieur plantado pela pritneira ves e.n.ua pre-
senta di une do iiome de Felippc. Era reconbe-
cimento ella teria linraedialaincnte cortado e
dado por nada os inaia bello carvalbos da mal-
la Itrulard.
Ora pols, visto que Ihe pedem, monsieur
Auvray. Era um crcndo! o monsieur unido
a Auvray, rea.oou ainda mal. melodiosamente
obre o lympano da velba.) Ora pois, vlato que
Ihe pedem, monsieur Auvray, accrescenlou
madama Fritau, conle-uos suas penas; bem sa-
n- que entre pessoas de bou. coracao lia reme-
dio para ludo.
Nao para o que ainto, madama Fritau.'
respondeu Felippe, abanando tristemente com
a cabeca.
lu i..ediai 1 mente .lilas grossas lagrima, cor-
rerain ao longo das face, da pobre rai. a qual
poz-se a pensar que era esta a primelra vez que
hiannV.ll. ..... i.u.iua rrnau ene aa- ; poz-se n pensar que erae.ta aprm.eira vez que
rico.. .. !rau,n omadre a.lucloja e pe-:o filho tinha no coracao um mal que ella nao
.no?,,' m m n* 'B"0"1" 1ue Vr "" poda curar.
matero*. .".!! r.' '" U*V *mor proprio o cbore, mal Anvr.y, contlnuou avi-
nateroal em .eu favor, e ajudara .eu. pro-;,inba, quando elle llrer contado tudo, ver
do alimento iusacljvel das suas antecessoras
As recordares comecirain alegremente, ede-
pois, no dia 24, segulram outro curso, torna-
raiii'SC serlas e dolorosas.
i) -vil /, ;.[ t t|. p.ii.-itia diaria, o saliio po-
ltico mais (requemado durante o dia be o de
M. Ocsmarais, a preferencia oi-lhe dada por
um consenso tcito dos uossos elefantes e pai-
lanientares: sem debate nem votacao, em lin-
guagem poltica, dir-se-hia por um facto con-
summado. M. Desolarais he um dos Frauccics
iii-ats delicados e amareis que povnam o q*inr-
tter das modas do Un de Janeiro ; em nenhuma
outra estancia commeicial ac cucontra, com
urna atmosphera saturada de mil perfumes la
nocentes e ate saudavels, cm torno de um pa-
norama variadissimo uas cores, as frma, c
na niiiirc i dos seas uteis lindos c preciosis
ohjec'.o, lam numerosas c estofadla cadeiras
Nellas se repimpam os nossos elegantes c poli
ticos, e, como asdvindades do Olympo. cerca-
dos de lmpidas nuvens que se despreudem dos
seus vaporosos havanis, ati anaiysio o passado,
preduem o futuro, dissertain cm cominisso
geral sobre o .baile ca politio, ageito o ap-
petltc edilatam o espirito.
He pena que todas ou a maior parte dessas
notabilidades es teja ni em vesperas de partida,
para irem refoseilar e remnear-sc; uus as
aguas cristalinas da Tijuca, de Pelropolis, de
Nova-Friburno, ou n&s aguas virtuosas de Mi-
nas ; outros no cli i a temperado de S. P-iulo e
do Kio Grande, branda bria do seu Capibe-
rbe, a sombra de suas palmeiras, no alto de
suascollinas, ou belra de seus mares, lagoas,
rios, ribeiroie arroios ; variedades estas que su
se encontiain ua trra que nos vio nascer. He
pena, dizia eu, essa auscucla de uma parte tam
dilecta e seguramente a mais elegante da so-
ciedade poltica: porque II. Destilarais, com es-
ae bomgusloe tino que o diitingue, mandn
preparar utna aala ao mesmo lempo confortable
e parlamentar, com tribuna, cadejras c divaos,
oode fura das vistas d: abelhudos'inaldiientea,
poderatn 01 dignas representantes do bom
gosto, do grande toin c daopinio poltica boje
corrente, celebrar auas sesses diarias. O lu-
gir he o mais aproprlado possivel; porque ahi
doininain o boin gostoeo Inxo atravez das vi-
dracas de M. Desmarals, e defroute impera a
scieocia uas estantea e oas tradiedes vivas de M
Moogie.
At quarta-felra a ordem do dia foi o baile
imperial. Todas aa descrlpcdes icaram multo
i'pu'm do objecto; historiadores, poetas e es-
que nSo he couaa de grande monta. Vamos,
monsieur Auvray, n*o nos deixe langulr, ve(a,
que Isso nos entristece, falle !
Falle Para Vine, que he rica, he fcil
diter isto ; mas pela inlnha parte, tal qual me
v, estlinaiia inais que me nao Uveise.il nunc
eosinado a 1er nem a escrever : isso d ideias,
a gente sent o que poderla ser, e nao tem com
que se-lo.
Esta exprobaco de educaco dilaccrava o
coracao de uraa mal ; pouco faltava-lbe para
igualar a exprobacao mais cruel aloda de tc-lo
dado i luz. Era sobre este tormento profundo
e irreparavel de uraa mii que Felippe tiuha
especulado ; mas era verdade nao era preciso
tomar tanto trabalho para tirar o ultimo pe-
nhor de seguranca a uma inulhci que teria sa-
crificado por si mesma felicidade do flho e
sera esta miseravel astucia, seu ultimo pedaco
de pao, sua ultima gotta de sangue.
Tudo o que possuo he teu, se o poupo
I-.- e j tod* l:i' lazem justica, sua figura a-
vulta na nos^a imaginacao como se uao l'ora-
mos conicnporaiieos.como se entre elle e u*c
ioterpuzesse tssa augmentativa nevoa dos lem-
pos, qual somente devem militas persona-
gens histricas a figura gigantesca com que se
apresentiio aos olhos da posteridade .' o "
mesmo lugar dessas reumcscom que ha pou-
co me entrelive, c n'um pequeo circulo dos
que assiduamente a frequeuiao, qic se me cx-
cltaram todas as emo^es de herosmo c infor-
tunio que esse dia dcspcrli a duas nacOo
iguaes no beneficio que receberam do magn-
nimo duque de tiraganca, c quasi iguaes na
ingratldao com que lite corictpondcram ; uma
durante a sua vida, outra depoll da sua moite.
Nao he lii'c.io, c menos lisonja, o di/.cr-sc que
nunca a magoa que csse da despena se mani-
festou como esle anuo. Dcu-se tregoasdis-
cusses divertidas da quadra aurfera cm que
estamos, o seiilimento c o peu^ameiito de to-
dos conecntraram-se no passado. Nao he li-
sonja nem lieco n.oii.rchica, porque, amigo
da monarchia, sei que nada he mais fatal aos
monarchas do qucaillus.ia com que alguns
piocuro scr-lhes agr.idaveis.
No capelh de Nosa Senhora da Gloria do Al-
to do Morro eclebrou-se uma missa cm sull'ra-
gio da alma dnquellc que tilo devoto fura da
mesiniSantissima Virgcm. A essa ceremonia
assistiram alguns meubros da rmandade, e
varios outros cldadaos. SS. MU. 11. ouviram
missa nesse dia ua capella do seu palacio da
Voa-Vista, sendo acompanhados nesseacto de
religio c de piedade por umitas pessoas da sua
corte e casa. De quarenta c lautos cidadaos
que como ministros servirn, ao prime.ro im-
perador do Brazil, sO resino cinco, os &rs. vis-
conde de Abrautcs, Josc Clemente Pcreira,
Hollanda Cav.ilcante, visconde de Olinda e mar-
ques de Valeuca ; des les su os doui uliimos
nao pudr mi comparecer missa do anurcr-
saiio da morlc do maguauimo fundador du im-
perio.
iao houve este anuo nenbuma ceremouia
extraordinaria que mais vvameute recordasse
a perda que no dia 24 de setembro de l83 sol-
freram o tfrazil e Portugal. Somente a dor da
saudade cm uns, da saudade e do arrepeudi-
mento era outros, foi mais expresiva; talve..
porque, &Iem de ir o tempo descobrindo cada
vez inais os errse as iujusticas do passado, a
guerra do Sul despertasse a lembranca inteira
de um dos mais tristes captulos da nossa his-
toria contempornea, que devenios Icr ereler
u -n \ .i:.^":-------------ir-
de palavrdes sonorosos e vasios de ideas rea
c positivas, deque ainda hoje apparecem de
quando cm quaudo algumas cupial; mas nSo
posso furlar-mc ao desejo de reproduzir o lypo
3ue desses oradores campauudos e vaporosos
escreve coni penna de me>(rc o insigue vis-
conde d'Almcida na sua recente produccao.
Ahi, como em louvor, diz um de seus crticos,
o zum-zum das phrases acadmicas martell* o
peusameuto de tal arte, que nem o auditorio
podeaitiugr o que o orador querer., dizer, nem
elle mesmo sabe oque du ; a gargalhada se
escapa ao leitor anida antes de lembrar-se que
vai rir.... gargalhada citrondosa, esparralhada
com uma cauda maior que a do cometa
de Ifjijo !
(iliaiies he o nomc do orador que tem a pa-
iavra c sobe tribuna universal. Calcm-se to-
dos, e alientos eseulem.
> im t -H nem pretendo, honrados ju/.es
e meus bous comniuuaes, nito prciendo oem
iheatro de S, Pedro de Alcantaro, e a nomeada
pcli associaco do dito tbeatro provisorio, pro*
cedaram hoje a esse acto preparatorio. O lo-
cal escolhido he o campo da .tcclainaco, gra-
cas a uma vontade superior. O novo edifticio
licara no alinhaucnto do lado da ra dos Siga-
nus, liontciro ao meseo, c distante do lado
oriental do campo 200 palmos. Ter quatro
urdetis de camarotes e uma platea inais vasta
que a do extincto thealro dever licar promp
lo a t ao carnaval, ou, o in.i tardar, ale ll
de marco do anno provinio.
Apreseutaiam-se, em virludc do coucurso
para esse lm anuunciado, sete deseabos. O
f|iic mais agiadou foi o de um archtecto alle-
uiao ; mas como elle nao se prestarse seuao a
dirigir a sua execucao, no a quereodo tomar
por empresa, e nem racimo precisando as con-
diedes de lempo e de despeza, foi preferido o
desenlio do cuustructor pratico, Viceute Ro-
drigue?, que contratou a sua execucao por
i' i> i le li"i.......,-iiiin e com a brevidade exigi-
da. Por cada da que exceder do pilo da cm-
pirilada pagar uma mu! i de 100/000.
J nao resta duvida que teremos thealro
provisorio: mas o que lie mullo de recelar he
que o provisorio venha a tornar-se permanen-
te. Em torno do edificio projecta-sc a factura
de ligero passeio que o torne mais aprasivel -i
vista e attraia por esse mel a concurrencia a
Sue, segundo algumas pessoas, se oppdc a
istaneia e>u que tica o local da parte da
populacao que mais frcquenlava o tbeatro da
praea da Coot(ltlll(9o,
Teve lugar no dia 25 do corrente a prova oral
dellc, nao conlesto a scicncia de mestre llcur-
teloup, bem longe disso ? disse Felippe cora
seguudc. i-iii .ni mas aqu entre nos, o patro
nao tem feito grandes estudos ; esc cu livcs-
sc quem me desse a conhecer, certamente que
Ihe lavarla vantagem. Por ventura ere, ma-
dama Fritau, que serla to diicil faicr jurar
por inestre Felippe Auvray como se jura por
mestre Pantaleo Heurteloup ?
_ A' le, .Sr. Auviay, que nao digo isso !
De veras ?.-exclainou arregataodo os olhos
mai Auvray, para quem os Heurteloup llnham
seinpresidoo nec plus titira do genio ; de veras,
elle levara vautagein aos Heurteloup ? Nao he
possivel! I. Vine, nao val, contra isso, nao
madama Fritau ?
Que est duendo, mai \im.i> ? Ir con-
tra isso McuDeos! Depois da creacao, o dc-
luvio ; os Heurieloup vierain depois dos (.ci-
ten.in ; depois dos Heurteloup, os Auvray !
0 que a Sra. dli, madama Fritau, pode
posso, nem tenho inteneo ou possibli lade dos candidatos avaga detente substituto da
de negar c de por em duvida que a proposla seccao cirurgtca da escola de medicina desta
ou pruposico do benemrito orador que acaba corte. Primeiro houve a prova escripia, que
detallar seria d'aquellas que, dadas as condi- be secreta, no dia 20. A aprrienta^o e sus-
Vucs, c admiltida a possihilidade e coiivcnien- tcntacao das theses, que consltuc a terceira
cia das circumstaiicas, era talvez, c porven- ;e ultima prova, verilicar-se-ba d'aqui a doaa
tura se apresentaria de um modo, c por tal nieies.
dedueco de causas e eUeilos, c|uc eu poderia, | Os dous candidatos que se disputara provi-
c todos us de co'iimuui accordo citaramos ment do lugar vago, sao os Srs. Drs. Frau-
disposlos e iuelinados a que, admitlidus os cisco Ferreira de Abreu, natural do Kio ran-
piinuipios que sao a base e fundamcuto essen-'de, e Francisco Hoiiifacio de Abreu, ualural
cial de toda a dotitriua, consultada smeute a da Uahia. Ambos sahlrain brilbanlemenle na
suprema e supiua coi>siderac.io das rasoes abi- prova oral. O pouio sobre que versou a lico
iractas, c taes que o cniendiuicnlo, a norma, I'j o seguinle:Os accidentes que acotupa-
a lei geral das mnis elementares regras da boa nham as operaces ciruigicas c os ineos de
adminisirar.i c da recta congruencia dos ele. remcdia-los.O primeiro dos dous candidatos
ineulos mais vilaesuu antes d'aquelles que cima Horneados espraiou-se mais pelos cam-
progridem por certa e Invariavcl marcha des- pos da scieocia ; o secundo examiiiou mala
de o seu ponto de partida at o inais ciihni- minuciosamente a questao. Ambos foram ca
nanle; e bem assim firmados n'aquelles dados rose concisos, ambos mostraran.-se dignos do
estalisticos por mim colhidos e que foram ca- lugar a que aspirara.
horados pela confrontado dos factoi,a os fac-' Acham-secxpostoi na galena da ra do u-
losso tudo na sciencia!Sciencia que eu pos- vidor, pertencenle ao Sr. Ruqu, dous mag-
so dizer com algiuua vaidade, que peco me ni/icos esbocos sepia, dos quaes um repre-
seja pcrmitlida, tcoho levado desde o "cabos nenia a tomada de Villcgaignon por Eslacio de
em que a acbei, ate outro cahos.....quero di- S.i, e o outro a batalha dos Guararapes, ura
zer, ate onde sao os limites cou fina ntes dar- dos mais memoraveis feitos da nossa historia,
cioiahdade bem entendida ; pois se no pude Sao ambos obra de um dos uossos mais dis-
negar que entre os dous mximos perigos do tiuctos patricios. Nao su trabadlos acabados
ser e do nao ser,como disse um graud poeta sao apeuas a primelra ideia coucebida pelo
iugtez: Te he, or not lo be, que Significa tra- artista e depois lanrada sobre o papel como
du/ido cm romance: para no esquecc-la. He pena que tao babil
i Ou ser capftao-mor, ou nao ser nada..... artista tenha sido obrlgado a desviarse da sua
Neste tora, gosto e sublimidade conlinuou carreira professional, nao obstante o mrito
o Dcmostheiies (iilianes, cnncluindo n:io me com que nesses desvos se leui distiuguido.
lembra se a favor da liberdade c contra a op- Terminara com a noticia da Testa de Nossa
prsalo, ou se contra a liberdade e a favor da Senhora das Dores na igreja da imperial truiap-
oppressio. Ora, se entre nos reappaieccrem dade da Santa Cruz dos militares, se com raao
csses discursos iliancs, que, a crer-sc no de mestre no o houvessc antes fclto o chro-
fresca data, inimi- insta diario do Corroo a Jurar.
que diz o nosso viscoudc de
go dos bares. at revolucao do ^aldanha,
ja se recluvun no sceulo IV, a que doiesho-
'------------------------------------ -'
(Jornal do Commcrcio.
otivindo dizer-me j o diuheiro que he preciso
para isso '
Heurteloup, nao satislazia mais ao amor pro-
prio de Filippc, voltaudo cato para um mais
be para ti, por ventura nao sabes disso, meubem acontecer, dlsse rcllppe ; mas para Isso
Fellppe? perguntou ella cora uraa voz na-leu sel o raeio.
goada. I Qual be, racu filho? perguntou a rai.
Nao preciso de ludo, c nada quizera se- Primeramente, nao ha mais notario sam
guramente agora, seno livesse a certeza dejsciencia de direito, e nao he era toda a parle
achar-iuc brevemente cm estado de restituir o que se pode aprender o direito.
decuplo. I O que be Isso de direito? iuterrogou a
Isso heque helilho! exelamou madama I boa raulber.
Fritau, eis-aqui ura tiilio que teinamora seusl Dlrello.he oconheclmento,oprocesso, mai
ais! Elle o far como diz, mai Auvray ; ellej Auvray, respondeu madama Fritau em ves de
he restituir o decuplo do que voss Ihe der. {Felippe ;e sera conheciinento do processo nao
Mai Auvrav, seu lilho he um mancebo si- vaslo bonsoote.
udoineapai de racus consclhoa ; rllemio Ihe O primeiro escriplurano dedtgnava-se de u
pedir mais do que aquillo que Ihe for estre-, aos banquetes onde ha pouco sua presenca iu-
tamenle necessariu : oque tcm-lhe pedido at vejada era o objecto de lod.s as alleucoes, das
hoje tem sido leinnrc para o bera delle e para gran Jes consideraccs das mais c dos cuidaoos
o seu ; vosse nao tem mais que ajuda-lo ainda das lilhas ; a estes banquetes diflendos mullas
um pouco. Quando digo-lhe que elle he ludo vezes cxpressamenle para possui-lo, nos quaes
o que quer!... constderava-sc como ura dever deixar esfnai
Isso he verdade ainda, madama Fritau : as iguarias para esperar sua viuda depois do
quando elle qui* ser segundo escriturario cm acto imprevisto que o dctnha noweiodapa-
casaac mestre Heurteloup, elle o fui, e pri- pellada sccllada; nesies bauqucies eiuhiu onde
mello tambera. ua ainavel e serapre jovial copla, sollicita de-
He como Ihe digo, mai Auvray, tao ccrlo pola do assado, embriagava lodos os ouvidos
que nao Ihe dou cinco annos que elle nao seja dos espcclelros, dos fabrlcaoles de pannos, dos
ootario real, e mesmo depuiado bem sabe, de- chapellelros, entre a piraenta c o quejo da so-
putado cm Pars para faicr a le. I bre-mesa ; iuexprlmlvel copla depois da qual
Sim, real I repulido em Pars para fazer a'cada um faiia circular ao ouvido do visiulio
lei Eat.euo espero um da, madama Fri- Oh! Como he gentil monsieur il.ppe, como
Uo.MCn de nosso municipio, ainda mesmo he sabio I A* f que Mr, Heurteloup n-o se
que fosse somente para raorlilicar a Pedro Uli- constrange por sabir, c deixa-io su o wiiw*
vet, o adjunto, aquelle que dizia serapre que o torio, o qual dirige mullo bera. uir-sc-oia
dcfuuto Auvray nao era eipaz da muoicipali- que he elle que he ,a o notario ____
dad(, J 4 Oh/ accresceutava um outro, sera uraa
Filppc escutava loda esla balburda de elo-'honra soberba paraaquelles que o t.vcrerae.n
gioa com uma compaixao interior que os mov- aua familia .-ih.ui i^
ment, de seus labios reveiava mullas vezes O faci he que todas as mai* **^>*"*""
sem voz. Estes elogios bum.liavam-no, como ^itm*^r^^^^^^iS^
vindo de espirito.- nimiamente grossei.us par ftW F.ltppe de Auvraj, *J**t2E*Z
poderem apreciar *-s merecimento, .m orrUin. 4-^
, anno depois o conleoUmenlo que a povoafao levinia- uc|(u., ^ V;"-; ;"' ""
Obi he grande ganho. Nao ha ura Heurteloup se fai nada : bera v que para ser notario be | mercante da cidade visinha onde elle resida, neira a inienva no mundo que tenha direito a mais prosperi- preciso seradrogado. mostrara, como faz um botSo de ro,a aos ralos por^uef**^!^ Cn.di uu
dade, he vedade. | Como! mea filho seria notario !...E de- do sol,ao aspecto serapre esperado como ura hoje c J""1^";? *^
- Olhe, madama Frilau, vlato que falla i pois ainda advogado.' Mas parecc-mc eiia-lo ralo celeste, do primeiro escrlpiorio de racslrc I seus passos no prado escorregadto, gargantean.
f


PERNAMBUCO
Repartido da Polica.
PAHTK 90 DA li DE OUTL'UKO.
Kuram presos: ordena, do cbelc de polica
interino, Sevcriuo Jos da Silva, pata averl-,*-"<",'
I M : -- Cbtmava-ie Mara.
late: Fllha de quem ?
Reo : De Mara do Co.
Jus : Quaodo morrea ?
Mo : Nio sel dlter. porque eslava no incu
eervlco.
Jii : llorara coin ctia mulber alaria do
Jira : Siin, icnlior.
Jui'i : A' que lempo ?
tro : Paila oito me/.es.
Jim : Rodil em que cssa menina morreu
nao Ihe den coin una inolcla :'
Reo : Nao, senhor.
lu: : Sabe que nesse incsino dia Maria do
K'iacAee pollciars; i ordem da delegado do
rrimriro dlatrlctu, Pedro Justino da Fonceca
"'in declaradlo do motivo ; ordem do sub-
delegado da fregueila de San fre Pedro Goa-
calvct, os marojos Primo Joaquim, e Antonio
Rodrigues, por briga, a prela Rita, para ave-
riguarles policiaca, c Manuel Joaquim, por .
correlo ; a ordem do subdelegado da fregu- ceo, esbordoara cssa menina .
lia de Santo Antonio, o porlugu Manoel de .Mo Haotel, porque eslava no meu ser
I rrias, por crime de I. rmenlo ; e do sub-
delegado da fregue/.ia de San Jos, o preto An-
tonio., eacravo do convento de Ipojuca, por
andar fgido.
Ihl.M DO DIA 7
Fortn presos : ordem do juii municipal
da priinelra vara, Joao dos Santos Eerreira,
vico.
Jus: -- Sabe se essa menina era doenle
Rio : Ella viva docnte de multa trra que
coma.
I Jmi : Porm andava de pe .
' INo : Ella eslva de cama c quasi a mor-
r- J .' 'i1 1. 1 Aotei (|ue e |a morresse nesie mes-
Joaquim Alves Mala, para averiguaeds poli'
claa ; i ordem do subdelegado da fregueiia
de San fre Pedro Goncaives do liedle, o ame-
ricano Joieph P- Rolpb, a requisicio do seu
cnsul, Manoel Silvestre, por briga; ordem
do subdelegado da freguciia de Santo Antonio,
Jos Francisco, tambein por briga ; e do
aubdelegado da freguciia de San Jos, a prela
Hita, por ebria.
DEM DO DIA 8.
Nao occorreu nenbuma novidadc.
1DF.M EO DIA 9.
1 oram presos : ordem do subdelegado da
Irrguesia de Santo Antonio, o prclo Jos, ea-
cravo, por crime de furlo ; c a do subdelega-
do da freguciia da boa-Vista, Jos Francisco,
pelo mesmo inolivo, e o prclo Joao, cscravo
de Miguel Jos da Cosa, por andar fgido.
DEM DO DIA 10.
Foratn presos ; a ordem do juiz municipal da
primelra vara desic termo Coocalo Felia de
Sous c Manoel \ crissimo de Jess, para cum-
prir senlenca ; a nrdem do delegado do pri-
ineiro dislricto dcsle termo, Afaitoel Antonio
dos Santos, sem declararlo do motivo, Antonia
Francisco, para rccrula, Hcuriquela Maria do
Sacramento, para averiguares policlaes c Bar-
tholotneu Gomes da Silva, para correceo: a
nrdem do subdelegado da freguezia de San Fr.
Pedro Goncaives Antonio Pcisolo, por insultos;
e a do subdelegado da freguezia de Santo An-
touioa pela Luna, cscrava, por furto.
JURY 1)0 RECIPE,
4." SKSbACT ORDINARIA KM 'J L)E OLTL-
BRO K l-l
iV M'hcm iio Sr. I ti \eiva.
Promol>r, o Sr. l)r. Abillio Jos Tavarcs da
Silva.
Advoqatia, o Sr. acadmico Rufino Augusto
de Almeida.
A's on/.e li 1 i- da inanliaa, fcftl a chamada,
11I1 iii-m- presenil': :iH Sis. jurados
O Sr. Presidate abre a scssio.
Proceric-sc ao lorelo do consclho que tem
ilcjulgar aos reos Htria do Ceo c Harthelomcu
dos liis, este aceusado como cumplicc c a-
quella como autora do crime de assasinato per-
petrado na pessoa de sua lilha de idade de 7
aouoi,
s.iIicmi sortead s os brs. : Marcolino Jcrony
mu (ii)ii< iIm *, Clirstuv-ijii Santiago de Otiveira,
1 ibrlel Alionan Rigucir... ;.,i>i in! 1 Jos Lisboa,
Francisco de Paula c Silva, Jos de Marros Cor-
rer Selle, Uario de L'antbaribfi I boma/, de
Aquino Fonscca Jnior, ose f.ourenfo Bastos,
Autoiio Per reir da Auuunciicao, Jauuario
Alcxandrino ftabcllo Caneca e Manoel Aulonio
Vi ega*.
Prestado o juramento do citlo,
0 Sr, !''- / Ir/ au r o ruuinlc
INTKRROGATOIUO.
Suit : -- Como se chama f
fe : -- Mana do Co, ana sua cscrava.
Juir: -- Saba porque est ;.n : l
fe : Saber V. S. i]iic nao
Ju; : Sabe porque oi prcia ?
fe : l\ao. senhor.
Jii:: Nunca Ihe disseram, uciu indagou o
motivo porque eslava presad
fe :-- Nao, senhor.
Jmi : --Tinha una (illia de nonic Maria ?
fe : Sien, senhor.
Juz :- Acha-se ella viva ou mora '
Re : Morta.
Jmij : (guando morreu ?
R : Nao me lembro.
Jmi ; -- Que lempo la/, sabe .'
f'' ,-- fc.11 nao sei dlter a V. S. so sei que
tstoupresa ha un atino e tres semanas.
Jui ; De que morreu ?
R Dita morreu de vicio.
Ju: : -_ be que vicio?
fi : le comer (erra ccarvuo.
Jais : No dia cm que ella moricu YOftt nao
Ihfl dru ba&uuies bordoadas ?
fr : -- Nao, senhor ell 1 tilia um me/ que
eslava docnte, ncui andava nem coui'a, nem
nada, c nesse dia al cu inandci buscar a valla
na casa do homem que le avcbtoria estiva
cuchada que pareca una pipa.
.lu; ; -- N.10 a sacudi por diversas seta, no
cb;o ?
ft ; -- Nao, senhor.
Jmi : Km que lugar he moradora ?
fr : Dentro do Arraial.
Jux : Morava com Harthomcu dos Res ?
fe : -- Morava, sim, senhor.
Jmi : No dia em que sua lilln morreu, nao
ue cncootrou na estrada com urna pessoa que
Ihe pedir, 11.10 mallratassc tanto sua lilha?
fe : Nao, senhor cu uo sei disto.
Juix : -- Foi psesa no mcino dia em que sua
iilh.i morreu .'
fr : Sim. senhor.
Jais : E uo Ihe disseram porque '
Re : Nao me disseram su sim, que tinha
Sido eu que tinha matado minha lilha, mas fe-
1C velloria, niio se achou roxa nem nada,
Jus : Que idade tinha cssa sua lilha ?
fe : para 7 annos.
Ju/s ; Gonhecca Feliciana Maria}*
fe : Nao, senhor.
Jmi: -- Nunca vio cssa mulher''
fe : Noaconhccia.
Jui : Sabecscrcvcr .'
fe : Nao, senhor.
He inirodu/idn o reo Bartholomcu dos Res,
a quein
U Sr. Presidente Tai o seguinie
INTKRROGArORI.
Juz : Como se chama '
Reo : Harlholomeu dos Rcis.
Jus : Sabe porque esta proeessado ?
Hfo : Nao, senhor, V. S. dlri,
Jii; : -- Sabe porque fi prcro?
Uro : -- fc'ui preso por tura impulacao que
me iiii|iiiiiiiii de baver assassinado urna me-
nina, mas eu noa assassiuci i ella iiioucu cu-
chada de comer ierra e ate quaodo ella morreu
cu rstava no SCfVico.
.l'n: : Como se chamava cssa meniua ?
Ji:! --Ka que boras fol para o servico ues-
se dia ?
11. : A's6 horas
Jmi : Kssa Maria do Co era sua amasia
Reo (exltaodo J: Nao senhor,
Jus : Sabe cscrever ?
IWo : -- Nao. senhor.
Maria do Co, branca e nertholomcu dos
Rcis creoulo, que dizcm ser amancebado com
a mesma, sao aecusados por havercm assassi-
nado a menor Maris, este dando-Ihe urna pan-
cada com urna moleta ( traste de uso por ser
.-ilrij.nl c aquella esbordoando-a fortemcnlc c
tendoasaccudldopor diversas vetea no terreiro
de sua casa, sendo que depois desse esbordoa-
mento a menor morresselinmediatamente he
o que consta do depolmcnto da* teslcinuuhas,
sendo que o auto de corpo de delicio, fello por
curiosos, naoasslgna com certeza a causa de
tallccimeuio' dlzeudo apenas que exista um
encbac'i as costas da fallecida.
Dcpoisd as allegacoes proe contra.
O Sr. Prndenle fa/. o relalorlo da causa c
entrega ao coaselho os seguales
QUESITU.
(Juanto a r Marta doCo.
i. A r Maria do Co fecin sua lilha a me-
nor Maria as oll'enses ph) sicas mencionadas no
hbello a folhasl?
2.* A menor Maria com rssas ollcnsas soll'reu
grave iucommodo de saude ?
Xo O mal soffrido pela dita menor com casas
oUcusas ful mortal '
1.' Das referidas oeusas Ihe rcsullou a
norte ?
b. l'oi applicada dita menor a necessaria
diligencia para remuver-se o referido mal ?
'i,' I la viada parte da re supcrinridadceinfor-
cas de maueira'iue aoUudida nao podiadefen-
der-sc com prubabihdade dercpellira otl'eusa
?." ICxisiem circumstaucias atteuuantcsa fa-
ur do reo ?
O un/ responden quanto aos I" e -." quesi-
tos sim, por oiue votos quantu ao 3. sim por
de* votos ; quanto au sim por orne votos;
>.u nao por uuauimidadc ; quanto ao ." e 7."
sim'por uuauimidadc cxislc a circumstancia
attenuante a (avur d.i vV: de nao ter havido ple-
no conhccimcnto do mal c directa inleuca e
o praticar.
Quinto ao tro Uartholomen d > Wtit,
i. Orco liariholomcufcz namcuor Maria a
oitensa phisica mencionada 110 libcllo a fo-
lh3;i?
2. A menor Mara com cssa oltcusa soflren
grave cueomiiiodo de saude ?
3. O reo com csa ollcusa concorreu direc-
tamente para a mnrtc da referida menor?
4." Uavia da parte do reo superiaridade em
sexo, de mudo que a oltendida nao podia defen
der-se com probabilidadc de repcllr a ol-
fensa ?
5. Uavia da parte do reo superioridade cm
turen, de moJo que a oR'eudida nao pidia dc-
fender-se com probabilidade de rcpellir a of-
fensa ?
(>." Uavia da parte do reo superioridade cm
armas, de modo que a olfeudida nao pudia de-
fender se com probabilidade de repcllir a of-
fensa ?
7. Kxistcm aiLnnhUii.il- attenuaotes cm
favor do reo f
O Jury respondeu quanto aos !, 2. 3., A n,
>. c ." quesitos sim por seis votos c nao por
ti votos ; c quanto ao 7.tf nao por oito volos.
O Ju/ vista da decisao do referidojurj
contleinna a r Maria,do Co a sete anuos de
prisao simples, pena correspuudcutc ao grao
minimodo art. I3 do Cod, t'eu.: de coufor*
inidade com o art- 4'J do uicsino Cod. s c ab-
solveuaorco Harlholomeu dos Rcis, c Icvan-
tou a aatalo sendo 5 li-1 horas da tirdc.
geiroa algnus techos os que inostram que
vivertm na obtcurldade, e que entre nos, nao
vieramrecebar elogios, como alguns artistas
que nada valcm, e so o enteresae he que Ihes
prodlgalea encomios; felizmente com madama
l labaitoni e Sr, Klnarl isto nao succede, co-
mo ae ve dos segu Inles jornaes.
O jornal Inglet The Dai ly Pteaymne de I de
dciembro dlx o seguidle:
b Nunca nos caucaremos de repetir, que a
Sra. Trabattonl c Sr. Finare sio dous excel-
entes dancarinos, e os espectculos em que
apparecem sao dignos do (Ilustrado publico,
pelo mrito iudesputavel de que sao dotados.-
Outro Jornal ingles de 12 de uovembro de
1845 da :
4 Sr. Finarte Sra. Auna Trabattonl, tem fei-
to grande cQelto no theatro real de Urury La-
e cmLondres. a
O jornai espaahol Eccodel CommerriV. de 8 de
Janeiro de 1843:
Fallaremos em prlmeiro lugar aoSr. Finart
c da Sra. Anna Trabattoui; aua cxcellente dan-
ca, aeu bom gosto, e aua delicadez!, menecc-
rcam frenticos applauxos, pelos seus intelli-
gentese consenciosos estudos; c coin raxao se
pode dixer que tlverain um verdadclro trium-
pbo. 0 Sr. Finart he digno de todos elogios: no
passo do i" acto, que be inulto de licll e multo
gracioso, se reconiece um couhecliucnto pro-
fundo das mais dcficels posicOes, c um esludo
perfeito de lodosos pasaos que estio mals em
voga nos bailes; o posso a dous que execulon
oomaSra Trabatoni. do moment) de elevaco
da sua bailarina he do mais bello effeito e de
grande deliculdade. 4
O Espectador de Madrid de 0 de Janeiro de
1813, fallada maneirasegutoie ;
Os milhores arlistaa que temos visto cm
scena, sao semduvida Srs. Finarte Trabattonl,
Su i destre/.a c grava ciccssiva, faxcm que a
execuco da danca existe a jusuadmiraca; de
um publico conhecedor. a
NaReoilodoj Thealros de Madrid l-se o se-
guintc:
o O passo a dous do I* acto, executado pela
bcliac seductora Auna Trabattoui, que sobe
por tanto de elegamla e de bom goslo cm seus
passos c movimciitos, lem sido admirada do pu-
blico.
Muitos outros jornaes, podamos citar, maa
como tem sido muito longo o artigo, por iaso
deixamos de fater.
estes artistas que lano nos tem agradado, c
que tem una rcpuiajo slidamente eslabelc-
cida na fcluropj c em varia* cidades da America,
bem mcrecem a proteco do publico d'esia cida-
il c estamos ccilosque coucorrer por despe-
dir-sede tan dignos artistas e premiar o mrito
de que sao dotados. Rccife i4 de outubro de
18J1. Um Pernambucaoo.
Movimento do portoi
Navios entrado* no dia 14.
ra comCiBelle : o repudiado amanto retira-
se prometiendo vingar-se.
Apenas termine, a companhia nacional
l.h.d.Sa.r^dU.aro.Ug!". .Tovvnef Liverpool, de 33U tODeladas, capillo Flood, aous ,5ll0,
equlpagem 15, carga sal aJ.Paler & C. Es- Quem porlia lll.lta caca.
ta barca chegou lionlem e segulo hoje para No Inlervtlodo primeiro ao segundo acto
?r,QuP.0erl0' "" """" """" "'** qUC 8r Kin,rl 8 senhort Camella Luei can-
ldem-21 das, barca loglesa -Iroue-, de 320 \"* magoiBco duelo da opera do maes-
toneladaa. capllo John M. Donald, equipa- ,r0 Uonillll. __
getn 15, carga sal; a Me. Calmonl h C. DON PASQUALG.
Naviot $aMdos no misma dia. < O Sr. Finart cantando este duoto nao tem
filo de Janeiro-- barca americana Francs outra pretentjfio mais do que procurar em
Watts, capltao F. Bernsce em lastro tudo agradar O publico a quem ae confessa
Rio Grande do sul pelo Aes patacho brasl- assaz grato pelos favores que Iba tem pro-
lelro a Flor de Lima, capltao Ignacio Goocal- djgalisado.
ves Lima, em lastro. Terminar o espectculo com o novo pas-
tmsmmmKi^^^nmmtt^^^&B!^~~*es O resto dos bilhelos acha-se a venda no
Deciaracoes.
escriplorio do tbeatro.
Theatro de Apollo.
o lllm. Sr. oMcial tumor, servindo de
inspector da thesouraria da faenda pro- QUARTA FEIRA, 15 HE OUTUBRO DE 1851.
vincial, em cumprimento da ordem do Exm. ia,. recita da astignatura.
Sr. presidente da provincia de 13 do cor- Dapois de una nova ouverlura, subir* pe-
renle, manda faier publico, que noa dias *, |a segunda vez scena com todo o brillun-
5 e 6 de novembro prximo vmdouro, ir a tismoo multo applaudido e aparatoso dra-
praca para ser arrematado parante o tribu- ma je j|r, Vctor Hugo,
nal administrativo da mesma tbesouraria, a Ma.rU TmiIa*
quem por menos (izar, a obra de 650 bracas tu-aria tuuor.
oorrentes de impedramento na estrada da! A parte deJoanna Talbot ser desta vez
escada, avaliada em 5:005,000 re. executado pela actriz Joanna Januaria.
A arrematicSo ser feita na forma dosar- Depois do drama seguir-se-ha um bello
tigos 21 o 27 da lei n. 286 de 17 de maio do l81^0" poituguez, cantado pela aenhora
correte anno. D- Carolina, Costa e Talles.
As pessoaa que se propozerem a estaar-, Kindar o diverlimento com o jecosiasi-
remalaco, comperceam tu sala das sessos mo duelo
do mesmo tribunal, nos dias cima mencio- j O uiestre da muzica.
nados pelo meio dia, competentemente ha- Cantado om caricato pelo Sr. GuimarSes e
uilitadas. 'd. Carolina da Costa.
E para constar se mandou aflixar o pre- Os bilhctes acham-se desde ji a disposi-
Publicacoa pedido.
mi N ii. *
F.ac
as Irre-
sento e publicar pelo Diario.
Secretaria da thesouraria da lazenda pro-
vincial du l'i'i i iiilmru, 14 de outubro de
1851. O secretario, Antonio Ferroira da
AnnunciacSo.
Clausulas especiaes da urremalacSo.
1.' O iinpodratnenlo do primeiro lanco da
estrada da Escada, far-se-ha de conCormida-
de com o orcamcnlo approvado peladirec-
loria em conselho, e apresentado ao Exm.
presidente, pelo proro de 5:005,000 ra.
2.' Os trabalbos principtarSo no prasode
I mez, e serSo acabados no de 8 mezes, am-
bos contados da ontrega do termo da orre-
DjaUcBo.
3.' A pedra ser previamento examinada
pelo ungcnbeiro encarragado da obra.
4." O arrematante Dffo poder por a segun-
da carnada de podras, antes que oengenhei-
ro tonha examinado a primeira e adiado
(So do publico no theatro.
r.onii iinicad.
lllm. e Exm. Sr.=Posto que ds
cocs. que acoinpanharain o ollicio de V
Se 2U do mez, sob n. 03, ce cuuhccam ai
gularidades e injuslitas pralicadas no alJra-
sa? tssssa t^tmti* 00,^:^^x7;^^
se Ihe havtr conferido uui titulo legal d^ dito teille.
aforainenio, nao se pode sem notoria violencia! 5." O pagamento far-se-ha cm tros pres-
l 11- cuiiiprimcuio portara expedida pelo an-1 lacOes, sendo qualro decimas partes depois
lecessor de v. Eic, em 18 de Janeiro deste de rocobida a primeira carnada; oulras qua-
anno, que a priva da parle do terreno aforado,
sem que ella conheca as argidas irregulari-
dades, ou seja dellas convencida pelos mcios
competentes: cuuiprc, paranlo, que aoja con-
servada na posse do referido terreno, cinquan-
to ainieavclmcnic nao rcconhccer a improce-
dencia do aloraincnlo no todo, ou em parle
li a isso nfio for obrigada pelos nietos ]udi-
iae. (J.1UC V. lixe. lar obiervar.
Dos euirde a V. tc. Palacio Jo R o de
Janeiro, cm 80 de aKoslo de 18.to.-*fioncl (.al-
mon da Pin I 4lmei.li.Sr. presidente da pro-
viuuia do Espirito-Santo.
COMMERCID.
l'cla ultima vs temos de apreciar o elevado
i: reconliecido mrito dos piiineiros dancari-
nos absolutos, iiiadaiuc Trabaltoni Finan e Sr.
II. Finart, no dia quarta-feira 15 do corrente
no thealro de S. Isabrl, cm que elics se dcspe-
deni do illustre publico d'csti capital. Finali-
sados os seus contractos, e nao pertcncendo
mais ao theatro, como se demorassem aqui al-
guns dias, nao quizeram ritiiar-sc para Euro*
pa, sem fazerem suas despedidas.
O progranima da recita cxtraordinria an-
nunclado, em que lem parteo Sr. Finart c nia-
damc 'J'rahatloni, ollerccc una bella noitc aos
delectantas c amigos da dan;a.
hiles verao pela ultima vet no bello bailo a
Gicllc c no passo a dous La capa de toreador,
os artistas inclhorcs que tem pisado no nosso
theatro, pela agilidade, perfeicao c goslo em
seus passos: e a indi mals agraca com que eia-
eutam as mais deliceis parles, c facitidade em
suas exccllenles posices.
Aladamc Trabaltoni possuc todos as qualida-
des exigidas por urna perfeita c insigne danca-
rina ; belleza, graca, ligeiresa, forca i iiiinlo
agradavel c expressiva, elegante e delicada,
liciu feita de corpo, he artista de cujo mrito
uo ha duvida seus ps apenas tocam no chao
para uiostiarein a rapidez dos seus moriinentos
ea deliculdade de seus passos : sua maueira de
! ni, ii he nobre c deslinta; seu olhar e seus
gestos allraeui sympalhias: c cm seu todo rei-
na,urna decencia admiravel c digna de elogios,
nos a admiramos como a una devindade. Sr.
Finart, he una excctlenle artista, danca coin
destreza, perfeicao, c executa com facilidade
os mais derieeis passos c posiedes. hiles tem
mustrailo, tudo quanlo hemos dito, nos dille-
rentes dansadas, na Silpbide, na fada das roas,
no Delirio de Pyguialion, no passo Styricn, na
Manola que muito nos admlrou c suVprehcn-
deu-oose aempre reccbcramcslrondozos aplau-
sos do publico.
Alini de se conhecer que madainc Trabalto-
ni Fiuarl, c Sr. Finart, autes de Virein para nos-
so paiz, gosavain de multa reputado na Euro-
pa; nos eslrahimos de ditfcmitcs joroaeseslran
ALFANDKGA.
Rendimento do dia IV. 21739,091
Descarregam hoje 15 de oulubro.
Uarca ioglcza -- Serafina morcadorias.
Ilrigue inglcz A'jrilire idem.
lirigui inglcz -- Glaucas bacalho.
Brigue porluguoz -- S. Manoel I. morca-
doiias.
Patacho brasilciro -- S. Jos Americano
fumo, sabo e touciuho.
llll|>llU(,U(>.
Ilrigue inglcz eGlaucua*, vindo de Terra
v'ova, consignado a Lo Bretn Schramm C.
manifestou oseguioic ;
2600 barricas bacilho ; aos consigna-
tarios.
CONSULADO CEISAL.
Itcndimcnto do dial a 13. .3:930,018
licmdodia IV........1:009,995
4:9*0,013
Avisos martimos.
PARA 0 ARACATY
Sahe empreterivelmento al o dia 15 do
corrento, o hiato \ngelica : quom nelle qui
zer carregar, ou hir depassagem, deriva-s
a ra da Cadoa do Recife n. 49, a Iniciar
com Antonio Joaquim Seve.
Para o Rio do Janeiro.
Sahir at o dia 25 do corrente, o patacho
nacional S. Jos Americano, por ter a maior
parte de seu carregameolo prompto, para o
resto e passageiros, trata-secom o seu con-
signatario Manool Alves Guerra Jnior : na
ra da Cruz n. 40, ou com o capitSo Tho-
maz Poreira Lagos, na praca do Commercio.
Para a Faraliyba
Sahe em poucos dias o veleiro biate brasi-
leiroi Espadarte, por ter a maior parto da
carga prompta, para o restante trata-se na
tro depoida Vtroga"provisVria~,~eioPresto iru da Cadeia do Recife n. 23, com Antonio
depois da cntroga delinitiva. |a c- Ferreira Estrella, ou com o mestre a
6." Para o que n3o esta determinado as bordo,
presentes clausulas, seguii-sc-ha o que dis-
pe o regulamento da lei provincial n. 28a.
Conforme. O secretario, Antonio l'orreirfi
da AnnunciacSo.
BtAL C01IPAMIIA DE PAQUETES INCLEZEs
A VAPOR.
No dia 21 do corrente mez,
espera-se o vapor Severn dos
portos do sul. e seguir depois
da demora do costume, para
Portugal e Inglaterra; para passagem diri-
ja-?cem casa da agencia, no trapiche novo
n, 42.
Foram aprobendidos pela subdelegada
da freguezia deS. Fr. Pedro Goncaives, dous
retratos da machina do Guerro-Typo : a
quem os mesmos pertencer apresente-so mis-
ta .subdelegada, que dando os signaes se Ihe
enlregar&o.
- Pela stibd .'lo acia de S. Jos do Rocifo,
s faz publico, que Ora aprchendiloa um
proto forro, nm adereco de ouro. um par Je
brincos, eum alAnete de paito, que tinba
Indo empenhar na ra das Cinco Ppntas a
Doininiioedo Azevcdo Coutinho ; o como se
dcsconliasse serem tues objeclos furtados,
por isso que sendo os mesmos de ouro, e
podras, estas se achavSo arrancaJas, e quo
alem disto, o mosmo preto nSo offerecia ga-
Aviso m iriliinn.
Para o Assu' segu por estes dias a galiota
S.S. Triodade : as pessoas que quizeren
carregar ou ir de passagem, dinjam-sea ra
do Vigisrlo, no cscriptorio do-Francisco Alves
da Cuuha Si Companhia, ou ao capitao a
bordo.
-- Frota-so para os portos do norlc, Ara-
caty, du Acarac pelo Cear o patacho bra-
sileiro Mariii Carolina, de loto 4000 arro-
bas ou recebe-se lrnl s para qualquerdestes
portos: a tratar na ra do Vigario, terceiro
andar, ou com o propriotario Jos Francisco
Tbomaz do Nasciment.
--Para Lisboa segu com brevidadeo bri-
gue portuguoz Conceicode Hara, para car-
ga e passageiros trata-se com Thomaz d'A-
q u mo Fonseca e filho, : na ra do Vigario n.
19 primeiro andar ou com o capitSo, no pra-
ca do commercio.
Cear, Maranliao e l'ar
0 novo brigue oscuna Brasileira Graciosa,
destma-sc a aquellos portos, quem no mes-
mo quizer carregar, ou ir de passagem, di-
rija-se ao consignatario Jos Baptista da
Fonseca Jnior : ra do Vigario n. 23 segun-
do andar, ou ao capilSo na praca
Para a Babia sai at o (im da presente
semana, a sumaca nacional l'lor do Knrjclim,
LeiUio.
- Richard Roylafar loilgo, por iuterve,,
Bodocorrelor mira, de variado A "
manto de fazendat inglezss, todas proori.
do mercado: quarU-Teira, 15 do corren .
as 10 horas da manhas, no aou armao n'
rila da Cadpla. n"
do a famosa aria: lie mnifperijtiio tscorreyr so-
bre a rtlva ou* sobre o gelo hile nao Ihes dis-
peosava mals suas grasas aaniu oaino iJalg*,,
c se a pal ivra banjuetas nao Ihe alaba bocea,
exislia certaineute em sen espirito. .Nao era
com ellas que elle projeelava ailiar-se, c escre-
vendo os eontiactos de casamento dos altos
clientes de incslre llcurteloup, inuitas vezes
dizia comsigo mesmo, como perfeito notario,
que a principal clausula era que fosse uin ne-
gocio.
Ora, replicou rlle.eu disse que para ser no -
tario, conviiiha presentemente cstudar direito,
e concluoque sem isso nao se pude ser cxcellen-
te notarlo : be a seguraoca das familias, a ga-
ranta da validade das escripluras.
Se seu lilho falla, o procurador do ral nao
.., 11 ii ii uicibor
.Vio, nao; disse rai Auvray apertando
com etTusao a linio da viiinha, o Sr. procura-
dor do rei nao fallaria uirlhor ; c mcslrc ttailly, I noa
advogado nao me teria mais dcsarvorado na de- ] rain
manda de Antonio Outrcquim coin a concubi- "
na de Jos utliol. Voltando ao que Impirta,
he verdade que Filippc quer ser notario e ad-
vogado 1 Notario c advogado: Aii temo que
isso me tome gloriosa de mais, miaba cbara
Sra. Fritan.
Essa be boa! cssa he boa! deiiv gritar aos
- invcjoios 1 Va, v scinpre para diantc, mal An-
s.> l
Sim, mas de qu.nto precisas para iaso, Fi-
lippe? poz-se a rellecllr boa mulher, les
sabio: reporto-me ao leu disccrnimenio; sa-
bes que nao somos ricos, depois que perdemos
o mollino.
IMo diga isso, ni.o Auvray, vosse nada per-
deu. O inoinho est sua disposico e quan-
do seu lilho o quizer. dou-lhc minha palavra
que nosou mulher para causar um prejuizo a
ni' ii alilbado: para prava, nao quero senao
isso : elle que declare de quanto precisa para
viver cm Parla, e voste vea o que sei fazer pelo
lilho do mcllior amigo do defuoto Fritan An-
de, nao se aeanhe, monsicur Auvray, falle, o
Sr. nao lem. mais que abrir a bocea.
lia aqui. um lar.o contra minha mai, pois
in.ii Fritan he incapaz de euiprestar-uie ue-
nhuina soiuiua gratuitamente, disse Filippc
comsigo iucsido mas uo importa o modo pelo
qual isso me veuha s inos, coin tanto que cu
o tcnlia !....
Pois bem, madama Fritau, visto que ins-
taiu tanto coinigo, disse elle em voz alia, nao
se pdc viver em Pars com meaos de dous
mil francos por anno e isso durante qualro an-
Joaquim Chauchal, que Vinca, eonheec-
no gastou, nem menos diubeiro, nem
icaos lempo para chegar onde sabem que che-
gou. Eu farei como elle.
Dous mil francos por auno duraalc qualro
annos, sao doua, qualro, aels, oito mil francos,
Oito mil francos! be multo dinheiro, mousicur
Auvray, pareccu responder hesitando a viuva
do avaliador.
_ Sim, he multo dinheiro! murinurou uio
grado seu a pobre velha que tinha J vendido
o inoinho Auvray.
Tenho rcBcctido inulto nislo, com menos
DIVERSAS PROVINCIAS
Rendimoiilo do dia 1 a 13 .
dem do dia IV.......
384.6V7
6,370
391,017
Exportar* o.
Rio de Janeiro, barca americana llon-
glasa, du 302 lotiellajas, conduzh o seguin
te: 372 lnrris breu, 20 lonellalas de
arco.
Parabba, late brasileiro FiordoBra-
sil, conduzo o seguinte: 44volumes fa-
jen las, 7 pecas estopa, 25 canaslras balatis,
2l)garraf5S vasios, 3 caixas espermaceti-,
I dilr agoi dccolonia, I dita linhas, 2 duzias
lats do graxa, 1 pacote couros de lustro, 1
fardo chapeos do sol, 8 lj-2 pipas e9barns
vinlio, meia pipa e 7 bar, is vinagre, 4 bar-
ris azeito doce, 1 gigo louca, 15 quintaes
chumbo dcoiuniciio, 10 barns e 10 mcios
ditos manteiga, 8 libras crv doc-), 8 ditas
cravo, 8ditascanclla,2 barricas bolachinha,
10 i ..ii is papel, 5 barncis cervejs, 1 caixa
cha, 4 ditis 4 arrobas volas de carnauba, 1
dii i can lieiros e mais objeclos, 5 linas ba-
calho, 55 caias to arrooas sabo, 200 di-
tas 200 eh nulo-, 1 enibrulbo e 2 esleirs
com 160 arrobas do carne, 8 saccas com 40
arrobas do caf.
RECEBEDORIA DE RENDAS INTERNAS GE
RAES E PERNAMBUCO.
Rendimento do dia 14...... 531,542
CONSULADO PROVINCIAL.
Rendimento do da 14..... 597,049
Mai Auvray por cinco annos a partir de 15
deste mez a he semprc urna supposicao, es-
tamos racciocinando sobre bypolbeses.
Sim, sobre hypothcses, coleado, continu,
intcrrouipeu mai Auvray.
-- Por esp i;o de cinco annos pois seus pra-
dos Glaudions, ea malla Brulard me pertence-
i,i >. ou antes liic perlcocero; mas cu goza-
re! dcllcs ao caso de venda deflniliva. No lira
dos cinco anuos, eu Ihe retribuir! os prados
Glaudions, a malta llrulard e voss me restitui-
r meu dinheiro, inclusive asdespezas da ven-
da, as reparaedes de urgencia ; linalincnle tu-
do o que cu llver emprelieadido para fazer
prosperarsua propriedade. Noacha isso justo?
Mas os prados Glaudions smente, mada-
ma Fritau, desculpc-iuc se Ihe fallo, rcndciii
mais de duzealos e vinte cinco libras por anno.
Sim, e isio nao faz mal a voss nem a tnioi,
mal Auvray pois nao rellecle que no lim de
cinco annos tudo isso Ihe torna a entrar as
inos, que he absolutamente como se eu Ihe
desse oito mil francos smente coiuomde
servir a vosi e a meu aQlhsdo? disse sem ae
turbar a viuva Fritau. animada pelo silencio de
Filippe, que uo esperava seno o resultado li-
quido c immedlato dcsle negocio.
Concordo, madama Fritau, reapondeuain-
da a pobre mal Auvray, cujo bom senso, posto
que grosseiro, oao terla lido necessidade seno
de una palavra, de um sigoal do Ribo para es-
clarecer-se ; mas se no lim dos cinco annos cu
nao llver os oito mil francos, a quem pertenec-
a os prados Glaudioaa c a ratita Brulard P
Ah se vots vai assiin procurar cousas on-
eni"Pars" ques'e 'aprende a tratar os negociosiarranjo-lhe os oito mil francos, e dlgo-lhe:1 de as nio ha!.... Por veutura nao acaba de ou-
cm ponto grande; verris o que a gente de l
chaina negocios cm ponto granoc.Que ni que-
rer nbtt de mim em Paria, contiuunu elle,
com vestidos como esles, porcxcinplo ?
Mi Auvray arrcgalou mais que nunc os
olhos.
-- O que ests dizendo, Filippe? Nao se que-
rcr saber de ti com vestidos como estes r O
defunto Auvray nao le teria vistojamais com
vestidos scuielliantci sem se auTigir, caro ho-
mem, de quem trocastes o reloglo grande de
ouro por outra to pequeo que quasi nao se
va. O leu peor vestido, Filippe, serla o que elle
(rajaria no Domingo de Paschoa !
Voss nao lem raso, mal Auvray, repli-
cou madama Fritau; Mr. Filippe de Auvray
que aqui est c seu defunto homem nao sao a
uicsma cousa. Oh! Isso nao he fazer pouco
cato do p.u mas se elle resussitasse, nao dira
como eu.
-- Assim o creio, madama Fritau, mas oito
mil francos nao se acham dcbaixo doaps de
urna mua.
-- Mai Auvray, disse madama Fritau suspen-
dendo o folego como se desse dar luz una
ideia immensa, vein-mc um pensameoto que
Ibc provirse amo ou nao ao meu alilbado, e
se lie ou nao sua fclicidadc que quero. Olbe,
otTere(o-lhe um retro; e els-aqui o que he um
retro. Mousieur Filippe ahi est para dlaer-
Ibe se ha engao; sou incapaz disto. -- Urna
supposicao : voss lem necessidade de oito mil
francos para completar a felieldade de sen 8-
Francisco Baptista de Almeida.
TBEATRO DR S.IZABEL-
RECITA EXTRAORDINARIA LIVREDE
ASSIGNATURA.
Qaarla feira, l.'i de outubro de 1851.
Liado e viado espectculo no qual pela
ultima vez os senhoros Finart jo Trabaltoni
apresenlanlo ao respeitavcl publico dcsla
capital os seos trtbalhus.
Depois do urna escolhida overtura pela
orchestra, a senhora Carmela Lurci execu-
tar a excelloute cavatina da opera
SEMIRAMYDES
doTiaeslro Rossiui.
Emseguida os senhores Fi nart e Trabalto-
ni cxccularSo lindas scenas de mmica a
danca do magnilico baile intitulado
G i s e I 1 e .
Pertonageni.
Gisello Sr." Trabaltoni.
Loys Sr. Finart.
Hilarin, guarda-bosque.
. ARGUMENTO.
Hilarin, guarda-bosque, acha-se perdido
de amores pela Joven Gisello, que Ihe nSo
oceulta a preferencia quo d ao seu rival
Loys : cheio de ciume, elle os pilha em um
ncntro amoroso, o a v lancar-so nos bra-
cos de seu amante !
Hilarin, nSo podendo conler-se, dirge-
se a ella, e lanfa-lhe em rosto a sua con-
ducta; Gisellc, porm, escarnece-o e volta-
Ihe as costas, em quanto que Loys o repelle
e ameaca-o cheio de colera, se nSo pozesse
um termo as suassolicila(es amorosas pa-
P
lanii i alguina, tondo por osle motivo lugar
a apreheucSo: seu legitimo dono compare-, P"r'er ?su earregamento quasi completo,
ca que provado Ihes serao entregues ''D PJ^ "f^"' algum* car8a.e paS8?-
Subdelegada de S.Jos do Recife. 13 do Be,r.* [" lral"-s8 com o mestre Bernardo
oulubro de 1851. O subdelegado, ,de Sous, ou com Lutz Josc deba Araujo na
ra da Cruz n. 33.
l'ara a Baha; sahe em pou-
cos dias, por ter a maior parte da
carga prompta, o liiate nacional
Amelia : quem no mesmo quizer
carregar, ou ir de passagem, diri-
fa-se ao mestre a h rilo, ou a tra-
tar com INovaes & Companhia, na
ma do Trapiche n. 34-
L'ara o lio de Janeiro, sahe
com a maior brevidade .possivel ,
por j ter parte da carga prompta,
o brigue nacional Vencedor, ci-
pilao Cirio Marcolino Gomes da
Silva: quem no mesmo quizer car-
rcgar,enibarcar escravos a rete ,
ou ir de passagem, dirija-seao ca-
pitio na praca do Commercio, on
a LNovaes & Companhia, na ra do
Trapiche n. 54,
Para a ahia,
segu breve a voleira o bemeonhecida escu-
na nicioual ./ forrada de cobro, por ter grande parte do
aeu carregamento contratado; quem o res-
tante quizer carregar, ou ir de passagem,
queira dirigir-se a ra da Cadeia do Reci-
fe n. 23,venda do Sr. Antonio da Costa Eer-
reira,
Avisos diversos.
Desappareceu na lardo do dia O do cor
rente um eacravo por nome Joaqun, tem os
signaes seguintes: boa estatura, representa
ter 35 annos de idade, falla deaembaracadg
pos grandes, tem todos os dentea da fente'
nariz chato, qutndo anda slala asjuntts do
joelhos, levou camisa do algodSosinbo brin-
eo, calca do dito azul, este eacravo foi d
mato: quem o pegar leve-o a typograpbi
i mparcial a fallar com a viuva Roma que se-
ra recompeoaado.
O procurador da cmara municipal da
Olinda autor isado pala ditt,ltimamente avi-
sa aosforeiroa dos terrenos do aeu patrimo-
nio, como aquellas que compraram is possej
de terrenos a outros em epocaa passadas nU
voiiliam pagar, oa foros que ae acham venc-
doa, e laudemiosdaa ditas compras, o reca-
nhecerem-se foreiros a mesma cmara, qU
do contrario o dito procurador bree passari
a cobrar judicialmente, visto que no qur>
rem vir satisfazerem oa seus dbitos, o para
melhor intelligencia declara oa lugares dos
terrenos; os quaes principian da povoacao de
Bebeiibe de urna e outra banda do rio, os si-
tios doa terrenos alegados ebegam al o Va-
radouro de Olinda, como consta dos afora-
meotoa antigoa nos competentes livros di
cmara, e mais trrenos em varias ras de
Olinda, e outros muitos na freguezia deS
Fr. Pedro Goncaives do Roclfe, outros ditos
dita de Santo Antonio dito, oulroa ditos dita
de Atogados, c varios sitios na freguezia da
villa do Cabo, Curcuranaa, ponte dos Carva-
Ihos, Muribeca, e ponte de Muguaipe.e quao-
do quizerem entenderom-se com o dito pro-
curador podem o procurar em Olinda, na ra
da Senzalla do Desterro, defronto do Colle-
gio dos orphSos, na casa quo tom muro ni
esquina, o no Recife na ra do Passeio Pu-
blico, loja de fazendaa do Sr. Virissimo, que
na occasiSo nao o adiando podero deizar
seus nomes e lugares para se os procutarar.
Olinda, 13 de outubro de 1851.
Jos de Mello Cezar Andrado.
Desappareceu no dia domingo, Udo
corrente, um preto quo representa ter 45 a
50 annos de idade, de nacSo cacange, baizo,
cheio do corpo, sem defeito algum no corpo,
levou vestido, calca de casemira azul clara
do quadros e ja velha, coleto de setim preto
velho, jaquela de brim pardo.camisa de ma-
dapolao, chapeo de seda preto ; presume-se
que anda pelos arrebaldes desta cidade, pois
apezar de ser do aerUo no sejulga que te-
lilla rollado : roga-se portento as autorida.
dea policiaca e capiSes de campo, a captura
do mesmo, lerando-o a ra do Vigario n. li
terceiro andar, que se recompensar.
Roga-se ao Sr. Joaquim Esteves de Pau-
la Clemente, que haja de dingtr-se ao pateo
da Santa Cruz, padtria n. 6, ou pessoa de sua
familia que por elle responda, para negocio
que nao deve ignorar.
-- No pateo da Santa Cruz, padaria n.
doseja-se fallar com o Sr. Francisco Simos
Mafra, a negocio quo Ihe diz respeito.
~ Precisa-sede um bom araacador equs
queira entregar pSo com um preto na ra em
urna pequea freguezia, a vista ae explicar!
melhor.
Alug-se o primeiro andar do sobrido
n. 51 da ra da ConceicSo do Recife, melada
do barraeSo da ferrara n. 7 da ma do llrum,
e a casa terrea grande da ra do Ser do bair-
ro da Boa-Visla.
Os credores do fallido Francisco An-
tonio Mesquila, doverOo apresenlirom as
suas contas e letras aos administradores para
serem conferidos, e depoiB receberem o que
tocar em rateio.
Aluga-se por anno, um sitio na traves-
sa de Cruz de Almas, com casa da vlvenda,
estribarla, muitos arvoredos de fructo, bai-
x a para capim e ezcellenteagoa para beber:
a tralar na ra do Rangel n. 56.
Da-se azeite de carrapato de vendagem,
a pretos, com responsabilidade de seus se-
nhores : na ra estrella do Rozario n. 13.
Ordem terceira do Carmo.
For ilelibcracao do reverendis-
simo padre provincial, como cons-
ta do termo de visita, ficou trans-
ferida a eleico para o dia 16 do
corrente mez ; avisa-se pois aos
irmSos, para que comparecen no
referido dia as 8 horas cm nossa
ordem.
A sociedade que gira va nesta praca sob
a firma de Elias & Tarrozo, acba-se dissol-
vida por ter lindado o lempo de aeu contra-
to; a liquidacao da eztincta firma relativa-
mente ao seu activo Rea a oargo de nova fir-
ma Tarrozo & Companhia ; a Arma cus-
lente, nada deve nesta praca, se porm al-
guem tiver a receber da mesma abruma
i'onla, ou letra, haja deapresentar nopraso
de8 dias, para ser [aga sendo legal. Re-
cife, U do outubro de 1851.
Manoel deSouza Gordelro simos, pm-
fessor de primeiras letras, muzica e gram-
malica portugneza, faz scienle aos paes de
seus alumnos e ao respoilavel publico, que
mudoua sua residencia da ra estrella do
Rozario, para a de detrae da matriz desta
mesmo bairro de S. Antonio, denominada
travessa dos Ezpoatos, casa n. 16, esperan-
do continuar a gozat>o mesmo bom concei-
to do publico, que al o presente tem tido a
satisfcelo de merecer.
Quem annunciou precisar deum ior-
neiro, para o Rio Grande do Norte : dirja-
se a ra da Guia, venda n. 9.
-- Precisa-se de urna ama para servico de
casa e ra : na ra do Agoaa Verdea n. 86,
sogundo andar. __________________
nao se fa/. nada, sol) pena de vegetar e de nio : Ibo aqu presente, c que aceita com procura-
conseguir cousa alguma. Demals he smente (fo sua para receber, nao be preciso dizer; eu
vir, alada ha pouco, mestre Filippc Auvray
assegurar-loe que dcolro de qualro anuos
qutndo inulto, seus negocios irao ptimamen-
te? li,-ni v que elle tei aioda pelo meaos do-
ze meses comprldos diaule de si, equcdaqul
at l ter recuperado os prados Glaudioaa, a
malla Brulard, e ate se nisso tiver empenho, o
uoinbo Auvray, com ruelhorcs coodiedea an-
da, bem que este moinho Auvray seja de gran-
de proveito.
Filippe, o que dizei t de tudo Isto, meu
rapaz? perguntou a boa mulher.
Micha mal, acbo que o que madama dlr.
he mui sensato, e que o negocio oao he Balo,
pola be evidente que quanto meaos ae tiver re-
cebldo, menos terel que restituir.
-- E mesmo eu nio poderla dar um liard de
nais, paraarraojtr esla quantla he preciso que
fique tem dinbeiro ncniuun.
meu cofre ct
vaelo, accretceniou a viuva Fritau, como que-
n-mi dar .i enteuderque farla um favor.
Visto que este he o teu parecer, repeli
mal Auvray, denota de urna pausa duraole a
qual laocava alada um ultimo olhar de consul-
ta e de appello .obre o rosto Inaltciado do li-
lho: visto qua este he o teu parecer, t lens a
minha procuraco: passa a escriptura de re-
tro com teu vagar.
Se nao Ihe causa nenhum desarranjo, ma-
dama Fritan, disse iiiiniedialaiurnle Filippe,
visto que as convencdeaesto ajustadas, pasta-
remos a escriptura a manha.
A' man ha]! Por ventura quero deixar-ine
lio cedo, meu Filippe? Perguntou toda palpi-
tante e chela de lagrimas a pobre mi, cuja tes
eslava queimada pelos soes sem lim que liona
V
apanhado em fecundar sua trra na esperaufa
eugauadora de lega-la ao filho. Ali.' meu Fi-
lippe, quando eu oao llver mais minha pobre
propriedade, a propriedade que o defuoto Au-
vray amava tanto, terei alada mals necessidade
de abracar-te. Kntrelanto t estars mu Ion-
ge, e eu no poderel mais inirar-me em ti. Eu
fazla Invejotaa, nao aa farei mais. Oh! quem
dera que eu as lizesse ainda T sers rico, Id
sers bello! dize que viras ver-me pelo menos
urna vez ao anuo, Um anno! ah Isso sera
mu) longo Eu que oie sinlo murrer, somente
com etperar-te urna semana! Se algara da ca-
blrea doeate, nao delxet de me mandares dl-
ter tempre ; entre ot nao hija ceremonia, eu
vendciei o resto que tenho e Irel ver-la.
Filippe proweueu rollar todos os toaos, elle
proinctlea tudo, e delxou a mil com os olbos
seceos: viole e qualro horas depois deiiou
ttinbem os campos que o tinbam visto nascer
sem vollar a cabeca para dar um suspiro. En-
trettolo cooheco algumas peasoas que oao
ululante aerem mals contrariadas que elle em
suat iuelinaedes melhores e sobre tudo menos
avidat! oao obstante serem tratadas com me-
not favor pelo lugar de seu nasclmento, nao
voltaui todava a cl|c, por mais rido que sej'
teu atpeclo, tem que te Ihes desuse pelos la-
bios, um sorriso coberto de lagrimas Involun-
tarias.
(Conltniser-M-*.,
f i MMitm*


3
AO PUBLICO.
o abaixo issignado, cuido cono D. Alt ni
odm di Silva, fllhi do fillecido Jos Anto-
fflw* Silva.esobrlnhha do lenle
??onel Heriquo Poppe GirSo, ve-so ni r.go-
, necossidade de fazer publico, que no
latido correnle amanbecn,
*', esidenci. na fregueai. d. Boi-VisU
Ht cidide, cercada por utni numero"
UM do corpo do polica e o competente
Religado Perante quem MlHll; J
Francisco JoSo Cirneiro da Cunhi,.casado
coro a outra irmSi de minha mulher, e re
fluerer para ser corrida aOm do aeaprehen-
dao i eacn" Joo Jos de que tr.cl. o mes-
mo Dr em seus anouncioa publicados no
%rio4e Prnambuco ...,227 de8 do corren-
ta a lmprensa do iiiesmo da, ingindoser o
8,cravo aeu quando polo nomo e sign.es,
he elle portenoenle aos bena do floado Gi-
rSo dos quies he minha mulber herdeira
; raetade, e por isso tamben aenhon d ea-
"*cravo, o qoal nSo foi iprebenndo i pe-
,ir di rlgorosi busca em que muito se
distingu01 ordenanza do Sr. commaodin-
lo do corpo de polica, o o pardo Joaquim.
pisem e escrito do dito Dr. que timbera
accompanhou a diligencia trepado no muro
do meu quintal, dingindo insultos i minhi
mulher; nSo foi encontrado o dito eacravo.
Heai sabia este Dr. queisso assim suce-
dcria : bem sabia elle que ease escravo nSo
estn em meu poder. pormellenSo tiuha
tanto a peito a sui iprehengfo como o fazcr-
ineun enchovalho publico, eO seu IIm foi
prebencuido. Este acto assintoso, esta per-
neguicao que o Dr. Francisco JoSo esta fa-
endoa mim e mioha familia, lem por II m
iiilimidar-me : he para fazer a partilba dos
bens de GirSo conforme seus desejos; be
porque tendo de dar coota dos dinheiros,
que recebeo e molleo em si pertencentes ao
tinado pai de miaa mulhor; he porque lem
de se fazer o inventario de Jos Carneiro de
Csrvalho da Cunlia, de que timbeni he her-
deira minha mulher, o qual fallencendo i
13 annos anda se nSo fezesse inventario es-
tando na posse dos bens esse Dr. Sendo este
Dr. invenlarianle dos bens de GirSo, tem
por suas chcanos estado perto de 4
anuos de posse d'elles sem ter animo de en-
tregar o que deve portencer a minha mu-
lher, porque s do engenbo d'Agoa de que
alia be dona da melade, lem ease Dr. de dar
conta de cinco safras que tem colhido e isto
he um pouco espinhoso : de todas essas sa-
fras tem minha mulber recebido tBo rad-
cula parte que faz vergonha mencionar.mas
que he preciso dizer para que o publico
avahe bem esse bomem nobre, esse porten-
to de honradas e probidade, essa reputacSo
illibada. Eis pois o que ella tem recebido,
una panelinha com mel, deze oarinhas de
assucar, duas cargas de familia e um gar-
rafSocooi agoa-ardente.
Anda aqu nSo param as rasos de todos
osses assintes, anda sSo nutras os motivos
para cssa persiguicSo. Maodando-me esso
Dr.citar poucosdias para prosseguir nos
termos do inventario e parlilhas dos bens
de GirSo que se ha de proceder no juizo de
Iguarass em lugar da que foi annullada,
pelo respeitavel tribuaal da relaclo, por le-
sJo enorme contra minti mulher, quer elle
preparar-me urna armadilha com a historia
desse escravo e ver se me desvia de eu ir
pessoalmcnte assistir essi pirtilha vindo
desliformia licar tudo iseu contentoe
medida dos seus desejos.
Engana-se, porm, o Dr. este seu estrata-
gema de nada llio aproveitar, pude man-
dar, quandoIbcsprover, rondare espreitar
a minha casa e vigia-la por seus ospoletas ;
pode manda-la coi rere varejar, sobresaltar
o mettor cm sustos sua cunliada que por
tantos ttulos Ibe credora de respeito e con-
siderac3o ; pode conimcttor quanta iodig-
nidade e torpesa Ibevier imaginacSo, mas
fique cerlo que o liei de acompanhar o se-
guir passo a pisso na questSo da partilba
dos bns pertenceutes a minha mulher, que
nlo hei do cedor nem um apsi de tudo iquil-
lo a que ella tver justo direito.
Se o escravo JoSo Jos, de que tarobom
sou co-senhor, comelteo esses crmes que
Um quer imputar esse Dr. porque sendo de-
legado de polica, e juiz municipal da villa
de Iguarass, teodo ah tanto poder e au-
Iboridade, o nSo fez recolher cadeia e
processar?... Porque o nSo mandou casti-
gar mesmo no nosso eogenho d'Agoa que
dista apenas d'ahi a legoas ?.... Porque o
remeltcu, accompanhado por dois soldados
de polica, para o eogenho de seu mano no
Suida provincia o daqu distante quasi 20
legoas?... Sena para mandar dar-lhe urna
novena de assoutes, para o castigar.. NSo,
porque o poda fazer nos lugares cima
mencionados! logo pin que foi ? 'responda
Dr.' Serii pan commelter mais um acto de
sua illibada conducta ?'.'.'. Diga o que devo
eu pencar deste procedimento com um es-
cravo cuj melada me pertence?. Os fic-
tos que deram motivo i prlsSo do escravo
nao silo os que declara o Dr. Francisco JoSo
om seus anuuncios ; a verdade consta pu-
blicamente na villa de Iguarass, e eu por
pojo nSo publico o que se me tem contado
a ate respello, e que eu muito acredito por
ser nuii virosimel e mais conconlaneo com
o proceder desae Dr. he isto muito provavel;
porque um escrivo que lenta contra a vid
e propriedade de seu co-senhor nSo se man-
da para um engenho d'um irmSo, iotrega-
se i iccSo di justica publica para ser puni-
do conforme a lei.
Agora vai o respeitavel publico ouvr s
miisiigncada de todas as historias, ou
para melbor dizer a picarda mais vergonho-
sa que um liomem pode comelter, a provo
cacan mais directa que se pode imaginar, i
que he capaz de fazer sahir fura do seu es-
tado babitual o bomem mais neumtico.
O tal Dr. tem aqu urna patrulbi, ou dois
ordenancaade polica que trouxe do desta-
eamenlo de Igumas, a qual todas as mi-
les acompanbado do pardo Joaquim escravo
pagem do cujo, percorre as ruis da Boa-Va
ti e especialmente aquella em que moro es-
preitandoo quese passa em minha casa, e
embalando osmeusescravos : no da II do
'orrentc.nesse mesmo dia da malograda bus
ca om minha casa, logo ao aooltecer essa
pairulba prendeu di ra da Sania Cruz, o
roeu escravo crioulo, de nome Nicolao e al
"o presente anda se nSo sabe para onde o
'ovaram pois nSoest recolbido h neiihuma
oas prisoes desU cidade, nSo obstante ler-
:* ellectuado a prisSo peranto muila gente,*
i ler"'oo testemnnhde pessoas que al sa-
"em os nonies dos laes ordenancas, ou es-
poletas.
Imforiuando-me immediatamente do Sr.
subdelegado, se havia dado ordem pira essa
prisao, respondeu-me que nSo. Sou por
consoqueocia levado a crer que illa se ef-
lectuou por ordem do til Dr. Franciaco JoSo
rr.,.,.tuiJD*' 1ue conserva occullo sof-
lher estara, sem duvda reduzida a mende- Em 8 do crrante mez de outubro, de-
cidade e na ultima penuria, se eu nSo pos- sappareceu do aitio da Trempe n. I,o preto
suisse alguna meios de subsistencia o nSo JoSo, de naci Beoguella,de i lado 20 annos,
fosso tBo dado ao trabalho pira os adquerir, altura regulir, bocea grande, denles bem
isto porque?... Porque o Dr. Francisco claros,bracos e dedos das mSosgrandes,tom
JoSo C. da Cunta, reteodo em seu poder urna costura em um dos bracos de um gaoxo
porto de 4 onnos, os bens de seu puede de ferro que llie cabio em sima, perna lina,n
seu to, os nfio quer dividir com aquella psgraudes, melando os dedos pira dentro,
igualdade e rectdSo com que o costumSo levou vestido calca de algodSo trancado, ca-
fazeros homens probse honestos. Ser, misa de panno izul desbotado, sempreanda
ou nflo islo urna vrdado que nSo tem re- com ocolarinho desabotoido,oscilcanhares
plica ?! 1!... dos ps puxados pan traz e rachados doa bi-
Fique pois, certo o Dr. Francisco JoSo que chos, foi vender varias (nielas do sitio, por
toda esta persoguicSo, que todos esses as- isso nSo levou chapeo, tem-se visto pelo
sintesnSome iulimidSo. Anles quero sor bairro da Doa-Viata, e tres notes successi-
agredidoqueagressor. Dotado isso que tem vas lem dado assaltos ao sitio de donde si-
praticado de nada me admiro, conheco bem hio, onde lem levado gilinhis, abolirs, gi-
de perto i pequinhs do seu concSo ; e rimuns eoutris fruclss; por isso se roga ao
tudo quanto flzer nadi ser bstanlo pira Sr. subdelegado deste bairro e maisauton-
fazorme sabir da rbita dos meus deveres, dades de polica, o recommendem as rondas
Conheco bem que essis denuncias, esses deste districto, priocipalmeote as que gy-
varejos dgdos em mioha casa, e esses au- ram ni rui do Sebo, onde se tem visto sig-
nunciossSo feitos emadupleees malignida- naes da entrada para o sitio; da mesma fr-
de de offerecer-me surrateiramente ao pu- ma se pede aos capitSes de campo e eom-
blicocomo pessoa mal intencionada, e in- mandantos de rondas que ooncontrarapren-
dispor-nle, talvez, com asauthoridades pe- dam e conduzam ao mesmo sitio que serSo
rante quem leligamos. NSo arrepie a car- generosamente recompensados: da mesma
reir que tem enceta lo, se tudo isto he em forma se recommenda urna outra escrava de
antecipada justficscSo de atguiu sinislro' nome Hara Coqueira, deaapparecida do
projecto quo tenia por em execucSo no ujo- mesmo sitio em agosto deste auno, lambem
ment da pertilha em Iguarass, cont des- jsahio a vender fructas; he baixa, magra,
de j com a minha presenta pois l me hei- tem mais de 50 anuos, lem a bocci meia en-
de acbar sendo o meu intento smente dcf-|colhida, bracos e pernis meios foveiros, ca-
fender o direito quo me assiste como tanho
feito anleriormoote.
Sirva o presenta annuncio d'um solemne
protesto contra qualquer preteocSo offen-
civa da parte do Dr. Francisco JoSo Carneiro
da Cunba. Recito 12 do outubro do 1851.
Harculmo Jos Lopes,
N. B He preciso declarar em abono da
verdade que o lllm Sr. Rufino Jos Corroa
de Almoida portou-secom lolaa dignidade
na occasiSo de dar-so a busca em minha
casa, e soube porfeitamenlo conciliar os de-
veres de seu cargo com a civilidade propria
do homem bem educado.
Aluga-se um escravo, propro para sr-
venlo de ilgumi obra: quem precisar, di-
rija-se a ra estreita do Itozano n. 43, se-
gundo andar, das 6 as 9 horas da mantisa.
Arrenda-se um sitio pan passar a tes-
ta, denominado Hangaboira em Olnda ,
com arvores de fructos e muitas comniodi-
dades : quemquizer, dirija-so ao mesmo
sitio que achara com quem tratar.
Deseja-se fallar comoSr. Antonio Pe-;
drn, que haver
bailo rolo, muito falladeira, e indi sempre
do csxmbo ni bocci e he mariscadeira:
quem conduzir 10 mesmo silo ser bom
recompensado.
-- Sabbado II do corrente, desipparocou
urna ovolha pintada de prelo con brauco,
lando na orelha esquerda um rasgo desde a
beira, at o centro onde forma um buraco
redondo, levou um pedaco de corda ao pes-
co?o : quem tver noticia ou acliado-a, di-
rija-seas Cinco Ponas n. 71, que ser re-
compencado.
Aluga-se o torceiro andar, e grande
sotSo, da caaa o. 15 da ra da Collegio pro-
pria para grande familia, tem 3 grandes sal-
las, 8 quartos muito frescos, e excellonte
vistas, nSo s de mar, como tambera Oln-
da, Santo Amaro &, para verse no segundo
andar da mesma casa.
0 Sr. Feliciano Bernardino da Silva,
queira procurar urna carta, vinda do sua fa-
milia, em mSo de lanoel Jos Comes Bra-
gra : na ra da Somalia Velha, n. 98.
. 6 annos, pouco mais, ou I Atle!l<"aO.
menos, veio para esti cidade, e se arrumou Offorecc-so um moco pan caixeiro do qual-
em um armazem de assucar, a negocio do quer arrumacSo, o mesmo par cobrar div-
sou interesse : na ra da Scnzalla Velha n.! das, o quo tem bastante pralica : quem de
68, ou 94. I seu presumo so quizer utilisar annuncio pa
Aluga-se uro sitio em S. Amaro de A- 'a ser procurado.
goa-fri, com terna bastantes para penlas : Aluga-se um mulato mu del e sollrivel
o muitas arvores de fruto, bom rio de agoa ; cozmheiro, excellonte para compras o oulros
doce e boa casa do morada : quem preten- | servaos de casi : na ra Imperial, em fren-
deralugar, dirija-se a cidade doOlinda, na teao viveirodo Muniz n. 49.
ladeira do Varadouro, venda n. 13. "" "eseja-so saber, se existo nesta provin-
O Sr. Manoel Jos de Campos : dirija- ca algum descendente dos Pcdra Palacio Vo-
so a ra da Praia n. 20, a nogocio quelite 'asco Cibeca do MouroFora, natural da cida-
diz rospeito de sua ramilla em Portugal. dade de Vianna em Portugal, o se existir, ro-
Aluga-se o armazem do sobrado da Ra-so o favor do indicar a sua residencia
ra d
curem no sog_...
brado. a Pessoa que llie deseja fallar sobre bens.que
tintes comino los, com um sobradinho por
sima da cocheir, estribarla para 6 cavallos,
quartos pin escrivos, com grande cacim-
ba, com dous tanques, e com cubera de 4
agoas, no Prarameirim passandoa ponte de
Uclioa, assim como aluga-se para passamon-
to de les1 a urna boa casa Ierres, na povoa-
C3o do Honteiro, com boas salas, 4 quartos,
cosinha fon, quartos pin escrivos, cacim-
ba, estribarla para dous cavallos, aquiulaesr
mundos com portSo e sahid para o rio;
quem pretender dirija se a travessa do Ve-
ras, n. 15.
Adeverte-se aoSr. Bernardo de Albu-
querque Fernando Gama, quo o seu corres-
pondente nesti pnca nSo tem pigo a subs-
si'ripcSo do Diario.
Jos de Alinciihi Soares de
Lima e Bastos, formado em mede-
rin.i, e cirtirgia pela academia do
porto, e por ella premiado em to-
dos os annos da sua frequencia in-
cluindo os de operac5ese partos,
estdbeleccu a sua rcsidencianOo
largo do Corpo Santo n. i3, i
andar da casa, em que mora o Sr.
coronel Mamede, onde pode ser
procurado a todas as horas do dia
corapativeis com as suas oceupa-
ccies clnicas. Presta-se a ope-
rar, reccilar gratis para os po-
bres, e igualmeute hir visita-Ios
cm seus domicilios.
Na ra do Hospicio n. 52, procisa-se do
urna ama que cosa o engomme bem ; e de
um moloque esperlo i paga-se bem.
Precisa-se do urna ama de leitc, forra
ou captiva : ni ra do Passcio, luja n. 13.
itecebe-so do commissSo, compra-se,
e vende-se escravos tanto para dentro como
para lora da provincia, e so adianta dinhei-
ro sobre os de commissao : na ra das La-
rageirus n. 14 no segnudo andar.
Tavares de Helio, morador em Maricota, ehe
lavrador do engenbo Inhaman, oujo escravo
foi all pedir que o comprasse, o que se Ihe
prometteu para se poder participar ao dito
Sr. Helio, que quanto autos u vonba buscir,
na certeza de que, se ello retirar-so deati
casi nenhomi responstbilidade pesara sobre
Arcenio Fortunato da silva.
Rogi-se a pessoa que leve i lembrinc
de tirar do crrelo, um maco de gizelas que
vinba para a viuva Itoma, pelo ultimo va-
por chehado do Hio : que as v entregar as-
sim como carta qna vioha dentro, pois j
so sabe quem leve esta habilidade.
Aluga-se um preto, para todo o serv -
co : na ra da Praia, typographia impirciil.
No dia 3 do coirente, furtaram uro ci-
vallo melado claro, ou marflm, de dinas e
cauda branca aparada, capado, de frente
berta at o beico superior novo.cirregador
baixo e ardigo : das-se 20,000 res i quem o
iprehender: dirigim-se ao sitio do Sr. Jos
Pelixda Cruz, em beberibe, onde foi fur-
tado.
Jos Luiz Pereira, est resolvido a ven-
der ja a sua loja de ferragens, da ra Nov i
n. 16, a prazo com lirmis e contento, eem-
quanto nSo realisar, continua a vender a di-
nlieiro, qualquer porcSo de farrages, ou
miudcsas, pelo quo Ibe custaram. Aprovei-
to a occasiSo para rogara seusdevedores,
queiram saplisfazor seus dbitos aleo Om
do correnle moz : o que espera da bondade
dos incsmos sanhores.
B L'ra sacerdote que tem pratica do a>
A eiisino de primeiras letras, grimma-
tici latina e franceza, geometra, mi-
zica vocal ede alguns instrumentos,
inclusivimente de piano icceita a
capellana do algum engenho prxi-
mo a osla praca subjeitando-se a fi-
zor sui residencia aonde tver de
exorcer o onsino das referidas mate-
Si ras: a pessoa que com o mesmo qui-
zer contratar, dirija-se a ra Nova n.
? 8, onde ser informado.
???*>Jf4 O ?'??>(> ajf/^,
-- Fugio no dia 10 de setembro p. p. de en-
genho Para, da fregosla de Ipojca, um es-
?
Precisa-se de urna ama de mcia idado cravo crooulo de nomo Eustaquio, cor fula,
para todo o servico e urna casa : na ra do estatura madiano, o com um carosso no pes-
Hortas, casa terrea pintada do novo, n. 64 coco sobro o cabello louro, o qual he bero
Aluga-se u armazem ao suurauu ua "- -----. ........
Jo Collegio, n. 8 : os pretendentes pro- la cidade na ra da Cadeia Velha, armaze.n
m no segundo andar do mesmo so- 1-', alim do se avisar para o Rio de Jmciro
Um padro habilitado para ensinar la- a mesmj familia possue em Portugal,
lim, francaz, philosophia o rhetorica, o at -- riecisa-se de una ama
mesmo cm falta disto, primeiras letras, e
lambem habilitado para exercer qualquer
acto do seu ministerio, quer de ordem, quer
de jurisdiccSo, acceita urna capellana para
para
o servico de casa crin, paga-sc
bem na ra da Assumpco n 16.
Anda so preciza para alugar, urna pre-
qualquer engenho, desde agora aldepois la escrava, sem vicios, para fazer o servico
da Paschoa; Ihe sondo indifl'erenlc a longi- interno de urna casa de pouca familia :
lude, caso alguem convenham os seus quem a livor, dirija-se so porteJO da.al-
prestirnos indepondente de ensino, eso fandega desta cidade, na mesma reparado,
pin as missas da festa de natal, anda assim Uesanpaicccu no dia 11 do
acceita: na ruado Collegio n. 18, no tercei- -i
ro andir acharso com quem tratar. .corrente, um moleque cnoule, de
Precisa-sede um caixeiro para ven la, nome Ivo, O qual be bem conlie-
sendodc idade de 12 a 16 annos, brasileiro .j. __ rrantlp rameo ou
ou portuguez, dos chegados ltimamente.- cl> Por r m granue caroco, ou
dirija-se a Iravessa do Serigadu, venda n 1. lobinho ao pe de lima das orelhas,
O cnsul geral da frica, a !e dcsconla-se que fosse para o
que se refere um annuncio publi-
cado no Diario de i3 do corrente,
scientilica aos seus subditos, que
para seu chinceler, acba-se no-
meiado pelo governo compente, o
Sr. Tabouco de Souvo, e para ar-
chivista o Sr. Jos dos Astros ,
sendo este Sr. a nica pes?oa en-
ou no pateo do Carmo, n. 14.
l'eitor.
Anida se precisa do urna pessoa que en-
tenda de planlagOos de sito pan Irabalhar
em um no lugar do Remedio : quem estivor
in'.-Us circumstancias, dando pessoa que
abone a sua boa conducta, entenda-so com
o porteiro da alfandega dcsta cidade; ni
mesma roperlicSo das 8 as 4 lloras da larde.
-- Manoel de Almeida Lopes, com casi
visivi.'l : as pessoas o apprebenderom levem-
no ao mesmo eugenho.ou ao engenho S. Vi-
cente, freguesia de Sirinhaem, que serSo
bem recompensados, c nesta praca podem
dirigir-se aoSr. JoSo Pinto dcl.omos Jnior.
Abracem a moderna.
Na antiga fabrica de chapeos de sol, sa
onconlrarS um novo o moderno sorlimeiit'o
de chapeos tanto para meninos como para
homens, o juntamente alliancamos a boa
------------------------------------ ----i-----r -------- ------ nii'ii i luiiioiiHiitb aiii>iiiuiiivj a uva
deconsignacSo para comprar o vender es- qualdlde egosto por serem os pnuieiros
cravos, tanto para esta piovincia, como pa
ra fura dalla, mudo i a sua residoncia da
ra da Cadeia do Hecifc, n.5l, para a ra
da Cacimba, n. II, aonde morou o finado
Exm. vigario. Brrelo, onde continua, olle-
recendo-se toda a seguranca precisi para os
inesmos e bom tratamento.
INDIGDUR DOS AOOHDUS
PARA #.
7IOLA
Turni-se este methodo, tanto ;mais reco-
mendav.-l, quanto ello he til, pois que foi
publicado ora proveilo daquellas pessoas e|
que desejSo saber as rogras de acompanha- da consultas gratis aos po-
mento sem que tenham o trabalho de apren- m l,r tnrlns o-s iliai rla 8 aa m
der a msica: vende-se na ruado Livra- S .. Qas as B
viudo a este mercado; cmquautoo prc(o
he o mais commouo possivel.
No Fasseio l'ublicon. 5.
Na mesma fabrica cuncertam-se e cobr-
se qnalqucr armaeflo servida tanto de panno
como de seda, c tudo isso com o manir
asseioe prompldSu; desejamos que os 0.0-
lires habitantes cuucorram para este esta-
bolecimento.
^ Consultorio hoiueo- S
g pathico.
mlluu do Colegio n. 25prt*S
metro andar. S
O Dr. I. A.Lobo Moscoso, 8
r
mento loja de calcado, n. 27, a 5 mil res
reouo alguns castigos para declarar se sabe
^escnvoJoao Jos, eUlvez por despeito
|- recentiment, o remella pan algum lu-
, r se"fo e o conserve em rafeas al ipi-
rnii?Ul.ro'!Por sePfSOidirque est sob
2 J",otecca- s lo se vcrilicar como
/m-.u B",orrb'l"iridido que te pJe
llefifo ln,^ U.' ,conteca na cidade do
tenre, equeopr,uquellmno ue .
nU'.^P"l,Sio "1,bd E"" PO'Un-
m.nTr Q "' s,rv'i'P<'hilitado de
mandaros meus escr.vo. ru. recei.udo
quesedeem outros fictos lern.lhintes. o
? 0NF/,',enderaf;zer(?elQ,ior- d0 cra-
o Nicolao, que be minha propriedade, e 18o
smente mioh ?.... Veremos. Mioha mu
Jrejo da Madre de Dcih, ou Ca-
ruaru': roga-se as autoridades po-
liciaca, ou a qualquer pessoa que o
encontr o inandem aprebender e
leva-lo a ra do Crespn io, que
ser recompensado.
Na praca da Independencia
n. 13 e 15, loja decalcado do A-
carregada de passar as papeletas e .rantes, e na ra da Cadeia do Re-
lialiilitarL's necessaria em folhas cie .i. 4G, loja de miudezas, foram
de flandres no respectivo consula- vendidos osseguinles nmeros em
do defronte da Conceicao.
Ppd'Alho, Cnsul.
-- Os senhores abaixo declirados drljSo-
se i rui do Crespo n. 15 a negocio do seus
iniercsses, Francisco Xavier de Lima, Anto-
nio Xavier do Almeida, Manoel Domingues
Moreira, Antonio Manuel deSouza, Jos No-
berto Cazado Lima, Antonio Manoel da Silva.
Francisco Ignacio Alves Lima, Ricardo das .
einco-Pontas, Pedro Jorge da Silva, Manoel i
Thomiz dos Santos, Januario Alexandrino-
Rebello da Silva Canec, Libirdo, Alfaiale;
Joaquim Francisco Pereira di Cunhi, Vcira
Maiel, Joz di Silv Olivein, Candido Su-
dr GuimarSes, Honorato Jos de narros
Santiol, da ra da Pnia, Bolexird, Jos
Francisco da Costa CuimarSes, Manuel Ro-
berto da Paz, llenrique Julio Cezar Souzi
Peres, Anlonio do Reg Barros, Jos Antonio
de Jezus, Manoel Ferrcira Escovir, Fran-
cicco Jos de Piula Jnior, Jernimo di Cos-
ta GuimarSes e Silva, JoSo Fnncisco de
Souzi Lima, Luiz Concslves Franco, Fran-
cisco de Barros, Joaquim Jos Tavares, Ma-
noel Dias de Toledo, Jos Goocalves Braga.
A revista,
Peridico literario e recreativo.
Sahio boje o 5.' n. e icha-se a venda na
praca di Independencia loja deencadorni-
CSo n. 12 o na Livrario do Sr. Dourado.
Precisa-se de ums ama para casa da
muito pequea familia, queja seja de idade:
ni ra do llospicio-n. 34.
PublicafOes Mitraras.
Acaba de sabir luz o interessante cate-
cismo das verdades calholicas, obra utilissi-
uia pira todo o fiel christSo que deseja nis-
truir-se as verdades mais solidas de sua
santa religiSo, acrescenlado com um resumo
Ja doutrina cbristSa, methodo para fazer a
oraco mental.exame de conscioncia, visitas
ao Sintissimo e nutras oxplic icies e oraedes
desumma Importancia, I volume de 290 pa-
ginas nctiJameut', encidernado pelo dimi-
nuto preco do 1,000 rs. : vende-se ni ra
estreita do Rozario, loja de enciilernacSo
ii. 15.
Aluga-se urna mulata para o servico in-
terno de casi a saber; cozer, engommar,
andar com pequeos: quem precisar dirija-
se a ra do Colegio n. 16.
Vii praca de vend, depois da au-
dirnea do juiz da prlmelra vari do civel,
por 3 pricis, um sitio no lugar de Santo
Amaro, penhorido a Elias Coelho Cintra,
por execucSo di viuvi e (litios de Agostinho
llenriqueadi Silv : seodu a ultima praca
no dia 21 do corrente.
Precisa-se de urna ama para o servico io-
teino de urna casa, de muito pouca familia i
na Ponte Velha n. 14.
Precisa-se do um fornoiro, que seja
desembarcado : na pidaria di ra di Sen-
wdla Velha o. 9.
i
m
i-i
laboras du manliaa.
l'ratica qualquer operacao
de cirurgia, ou tic partos.
Recebe escravos doentes
cautelas : 2667, 4:000,00o ; 44^3,
4oo,ooo ; 3ia3) 4oo,(100; 344a ,
1:000,000. Ocautelista, Salus-
tiano de Aquino Ferrcira.
Aluga-se um sobrado de dous andares,
na rua dus Burgos n. 7. por preco comino-
do : uo aterro da Boa Vista n. 63 segundo
andar,
Precisa-se comprar, ou alu-
gar urna boa casa terrea com boos
commodos e quintal, ou um sitio
pequeo perto da praca : a tratar
na rua da Cruz n. 3.
Precisa-se alugar para urna
familia estrangeira um primeiro ou
segundo andar de urna casa que
seja fresca e em bom lugar, em
qualquer dos bairros, nao se olha
a preco : na loja de miudezas da
praca da Independencia n. 4 se
dir quem he,
Aluga-se um sitio no principio ds es-
trada do Arraiil, com muitas fruteras, boa
baixa com caplm, banho doce no fundo, e
excellonte casa de vivenda, pintada de no-
vo, casa para pretos, estribara para dous
cavallos e outros commodos : quem o pre-
touder, dirija-se a rua da Cadaii do Reci-
te n. 34.
OSr. Fiancisco Augusto da Cosa Gui-
marSes Jnior, queira ter a hondada de ap-
parecer na rua Nova, para cumprir a pro-
messa, que linha feito de vir al boje pagar
o restante da letra quo passou. .
OITereca-se urna mulher de meia ida-
de, oque sabe todo o trafico de urna casa,
pira ama de portas a dentro, 1 qual Um
boa conducta e nSo se poupa ao trabalho :
quem do seu prestimo se quizer utilisar, di-
- OSr. JoSo Luiz Vianua, queira dirigir-
se a praca da Independencia, livraria n. 60
8, a negocio de seu interesse. aj para tratar de suas enfermi-
Joaqun, da Silva Lopes, na r^ dades,ou ,zer qualquerope-
rua da Mudre Deus, armazem n. _-_.?- ------------.. -----------1.
20, vende farinba SSS I c dita
Fontana, dita galega, saceos com
fjrcllo, oleo de linbaca, cha impe-
rial c barris com breu : tudo a
vontde dos compradores.
Precisa-se para a cidade doRioGran-
1-.;. racao, por preco commodo.
Compras.
Compram-se moleque,nngrinhas, mu-
latinhas, o negras com habilidades, uu sem
ellas, para eiicoinmondas na rua larga do
dadoNorle, do um l'orueiro, que seja pe- Rozario loja n. 35.
rilo no seu ollicio ra certeza de que a-1 Compram-se escravos e veudem-so de
gradando se Ihe far vantajoso ordenado, o commissSo, para dentro o fura da provin-
qual son garantido polo lompo quo se Ira- ca: na rua da Cacimba, sobrado u. II, on-
lar : trala-se na cidade deUliuda, padaria de morou o Sr. vigario do Recite,
do Varadouro. Compram-se couros de veado cipoc i a
Hoga-se aoSr., que talvez por enga- pagam-se bem os verdadeiros: na lojan
no, tirou do correiu urna ou mais cartas, 14 da rua da Cruz du Rccife.
viudas do Sui para Autonio Joaquim piche- | -- Compram-se algumas vaccas quo se-
co Bastos, o Livor do as mandar entregar jam bas leituiras: quem as tver annuncie
na rua do Hospicio n. II. ou dirija-se a ruada Senzalla Velha, le ce 1-
Fre Jos do S. Mara Cleofas, propOe ro andar, da casa n. 112.
sea ensinar relhorica e philosophia, na ca- { -- Compra-se urna negra de boa conJu el
sa de sua residencia, as Cinco PonttsJ.u que lave engomo o cosiulioo diar o de um
25: quom carecer do seu presumo, pode casi na praca da independencia an. 17.
procura-lona mesma casa. Compram-se duas rotulas modernas,
Na Iravessa da Senzalla (vulgo beco da sendo uovas, ou em bom uso : na rua do
ma ) caza n. 12 cose-se mu'ilo bem e por
preco commoJo, carnizas de humeni, de to-
das as qualidades; cobertas, frouhas,lcncus,
o muitas nutras costuras.
O cautelista Salustiano de Aquino
l'crreira.
Fazscicnteao respeitavel publico, que no
dia21 do concille mez, deve chogar o va-
por Ingluz Sovorna, condulorda lista da ter-
ceira lotera a beuelicio do asilu dus aliena-
dos, e paga sem descuntu algum todo o
qualquor premio quu sabir nos bilhelcs,
moios ecautellas da mesma lotera, vendi-
dos na praca da Independencia, n. 13 o 15
loja de calcado do Arantes, o na rua da Ca-
deia do Rucife n. 46, loja de miudesas, an-
da existe por vender um resto do caulellas,
a ellas que se eslSu acabando.
Meios bilbetes 11,000.
Quai tos, 5,500.
Oitavos, 2,800.
Vigosnios, 1,300.
Sonhorinba 1.111/1 da ConceicSo, viuva
de llorculano Jos do Fre tas, moradora na
rua do ostieita do Rozario no segunde an-
dar da casi n. 31 avisa as pessoas, que tem
ponbores em sou pudor, quo os devom vir
tirar no prazo do 15 dias, alias serSo compe-
lieiileiiienlo vendidos, para o pagamento,
oSna conformidade das leis, e mesmo ser
seus mimes declarados por esta folba,
OSr. doengenhu que precisar do um
caxoiro, de meia idade, sulleiro, e que lem
bstanle pratica, de lodo e qualquer servico
rija-se a rua do Rangel," loja do sobradojdo engenho: dirija-se a rua do Trapiche,
n.57. I armazem do assucar do Sr. Velloso, que
Precisa-se de um homem pira ciixei- ini achara com quem tratar.
ro, que d conhecimento de sua coodula
no engenho novo da Moriboca.
Deseja-se saber a residencia do Sr. Joa-
quim Rodrigues Ferreira Vianm, lillio di
Pirahibi, a negocio de seu inleresse: ni rua
do Crespo, loja o. 13.
Aluga-se para pissir a festi, ou por
todo o inno, umi excellente cisi no Poco
da Panelli, perto di igreja, com bastantes
commodos, quintal o estribara : a tratar
na rua do Cullegio o. 15, primeiro andar.
Arrenda-se um sitio oa Cruz de Almas,
com boi casa e muitos commodos : ni rua
O Sr. Barata, guarda da alfandeg, te-
uha a bondade de hir 1 rua da Cadoia do S.
Antonio, 11 25/ segundo andar, a negocio
de seu interesse.
Precisi-sa de um foitor portuguez pira
um sitio pouco distante desta praca, quo
trabalho de encluda, e saiba tratar de ai m-
rodos,doverdurss e de llores: quem esli-
ver neslas circumstancias apparoca no prin-
cipio da estrada dos Afilelos, primetra casa
do lado direito, 1 qualquer hura do da, que
se Ihe dir quem precisa.
-- Em 10 do corralo 1 noite foi ter a cisa
de Arcenio Fortunito di Silv, mondor ni
da Aurora o. 44.
--Aluga-se para passar a festi, ou por ruado Hospicio, um preto que diz cha mar-se
aono, um sitio com grande casi o con bis-1 Francisco, e que Ue escravo do Sr. 1 bomaz
'Queimado, loja u. 37 A.
Compra-se um sitio feito ou terris pro-
prias para levanla-lo, o qual porm soja a
margem do Capibaribe, tenha baixa para
capim, eoutrasvantagens: na rua do An-
gSo n. 12, segundo andar.
Compra-so urna ovolha parida 1 pou-
co : na rua do Hospicio n. 52.
Vendas.
Ricos espelhos.
Vande-se em casa de Av. al Frere & Com
panhia, na rua da Cruz n. 20, espelbos de
vidro francezas, com ricas molduras doura-
das c sem ellas, do 3 at 5 ps de altura, por
precos muito em cunta.
LIVRARIA.
Na rua.da Cruz do bilrro do Recite, casa
n. 58, primeiro andar, existo grande quanti-
dade de ptimos hvros, quacompunliam urna
rica livraria da cidade da Baha. Kilos serSo
vendidos com muila brevidade. o por isso
lo lo o preco; visto que o seu producto he
destinado para liquidicSo de contas. Osa-
madores de boas obras poderSo consultar o
cathalogo de taes livros na livraria da mes-
ma rua da Cruz n. 56.
Cabos de linlio
a 27,000 rs. o quintal.
Na rua da Cruz no Recife, armazem n. 13,
continua-se vender cilios de I111I10 de todas
as grossuras, sendo a 27,000 rs. o quintal em
pessa, e a 28,000 rs. a retalho.
~ Vende-se urna parda escura, de 24 a 25
annos de idade, engomla, cozo, e cuzuba o
diario de urna casa, 11S0 lem vicios nem a-
chaques, vende-so para pagamento de urna
divida: na rua da Concordia quem vera du
ponte da Bua-Vista a esquerda, segunda casa
lorrea, se dirquem vende.
Vende-se urna cabrinha de 11 112 an-
nos do idade, um mulatinhu de U a 10 anuos,
e umi preti: ni rua de S. Fnncisco, cisa
o. 10
-- Vende-se um sobrado de um indar, ni
rui di Clisada, com chSos proprios, e que
rende 20,000 rs. mensaes: tratar na rua
das Liraugeiris n. 18.
Vende-se um moleque, ptimo pira 1-
prender qualquer ollicio, ou pin pagem;
na rua dis Flores o. 11.
Fazendas baratissitnas.
ptimas rede* do Pira com cores.de 20, a
30,000 rs., chitas bonitas com coros seguras,
pecas do 38 COVldos por 4,500 n., pacas do
riscados do quadros com 38 covados por s#
rs., ditis de chitas ruchas |flores encarnadas
de cores fixis por 6 400 rs., corles de case mi-
ras do bonitos gustos 1 3,000 rs., ditos de
ditas muilo linas 1 5,500 rs., castores pira
calca de bonitos padrOes 180 e 200 rs. o ca-
vado, chales de tarlalana de muito boos gos-
losa 1,200 rs., ditos pretos de ISa muito
grandes e encorpados a 3,200 rs.,ditos de ISa
de gustos muilo bonitos, hienda nova a 2/
rs., algodSu azul liga com 4 \\-> palmos de
largura a 200 rs. o covado, pannos pretos fi-
iios da uieilior qualidade, prova de limSo.
pelos precos de 2,800, 3,500, 4,500, al 10,000
n., dito azul de 1,800, 2,800 3,600,4,500rs.
o covado, dito verde muilo lioo a 4,600 rs. o
covado, leucos de selim de cores pin griva-
ti a 1,280 ra., ditos de chita pretos para luto,
muito grandes e finos 1 160 rs., ditos de co-
res de bonitos padrees i3e4,000rs. adu-
zia, ditos de cus com barr de cores a
2,400 rs. a duzii, platilhis de liatns de I111I10
e algodSo, muito proprias para camisasecal-
cas de escravos a 200 rs. o covado, algodSo
azul e brinco, muito propria pin roupis do
escravos e outris muitas fazendas, proprias
para negocio e pan gasto, por precos muito
barato: 00 armazem de fazendis deCouveia
& Leite, na rua do Queiraidon. 27.
('Iicgaram os volumes lie
12 dos Mysterios do Povo e se
vendem no pateo do Collegio, ca-
sa do livro azul.
-- Veode-se urna mulata de bonita figu-
ra e moca, sabe engommar, coziahar eco-
ser chSo.com algumas habilidades, avista
do comprador so dir o motivo porque se
vende : na rua ireili n. 27.
Na rua das Cruzes n. 22, segundo an-
dar, vende-se urna escrava parda de 24 an-
nos, de elegante figura, com algumas habi-
lidades; una dita de 22 annos, com um hile
do 16 mezes, mulatinho, a escrava engom-
la, cose, cozmlia e lava ; duis pretis de
meia idade, quitaodeiras.e um moleque cri-
oulo de 14 anuos, proprio para o campo.
Venderu-se caixcs con) 4 libras de do-
ce, de .11 ,i,-.i o goiaba, muito boa) i na rua
Direita 11. 16, venda da esquina do S Pedrp,
quo tem lampean, por preco commodo.
Vende-so urna loja de funileiro, com
todo fundo, que tiver e femmenta, lauto
de funileiro, como de latoeiro, faz-so todo
negocio, a dinheiro 1 vista : na rua do Viga-
rio n. 17, a fallar com JoSo Francisco do Ro-
zario.
Vende-se a casa lerrea n. 7, da rua dos
Copiares, para paganif nlo de urna hypolhe-
ei. a que esta sugeita a dita casa: a tratar
na rua da Polilla D. 19.
Vende-se um terreno, proprio pmodi-
licac.oi, com duas frentes, urna para a rua
do CamarSo e outra para o becco do forrei-
ro : a tratar na rua do Crespo, luja n. 16.
ML'ITA ATTE.NCAO !
Noalcrro da Boa-Vista, loja de qualro por-
tas n 60,
vendem-se cortes de cassis, de lindos pi-
dres, de 7 varas a 2,000, o 2,500 ris ; paoo
preto fino proprio para cazaca a 4,500, 5,500
e 7,0011 ris o e .1,1.1 1 ; dito azul para farda-
ment a 5,01)0 ris, chitas linas de cores se-
guras, e modernas a 120, 160, 200, 240 o
280 ris ; e a peca a 6,000, 7,000, 8,500 e
10,000 ris ; eainbraias do barra a 5,000 o
o corte, meia!, casemiras dealgodo, muito
fortes a 1,000 o corte, castores de bonitos
padrOes para calca a 800 ris o corte al-
godSosinho amoricaiio a 1,440, 1,600, o
2,000 ris a peca, lencos orticos a 160 ris,
dito de bicoa 240 ris, chiles de I3i e seda
a 2.500 e 3,000 ris, ditos de 13a a 2,000 rs.,
lencos de ISa e seda para pescoco a 500
res, ditos de sed,i grandes, e muilo lindos
a 1410 res, madspoLlo a 2,500, 3,000, 3,500
o 4,000 ris ; linos brins brancos para cal-
Cas, delinhopuro a 1,280 ris a vara, dilo
misturado a 610 ris a vara, e outras inui-
Us fazendas por preco commodo.
Vende-se um bonito muleque de 18 an-
uos do idade, bom alfaiale o coziohoiro,seui
vicio, de boa conducta e diligente, um dito
du 12 anuos, um mulatinho de 8 annos, bom
para ollicio, oito pretus bons para todo o
servico, o alguns muito bons ganhadores de
rua, um dito de meia idade, urna parda per
feila cozinheira e engoiiimadeira com dous
lilhos, um de 4 annos, c urna mulatinua de
tres anuos, urna nngrinba de 14 anuos do
idade cum algumas habilidades, cinco pro-
tas, algumas das quaes engomam e coz-
nham muilo bem e vendem na rua : oa
rua di Cacimba n. II, onde morou o tinado
vigario do Recife.
Para cliapeleiros e livreiros.
familia do trigo a 1,500 rs. arroba, o as
libras a 50 rs.: oa rua larga do Rozario, pa-
daria n. 18.
Vedc-se um selim, ainda em muito bom
estado, e proprio para viagem, por preco
commodo: na rua Uireita n. 17.
Vende-se um moleque crioulo, de 12 a
14 a::;::-, boa figura, e proprio lie todo O
servico de casa, e rua, sem vicios nem acba-
pues : na rua da Cadaia do bairro de S. An-
tonio n. 25, segundo andar.
Vende-se urna prela nacSo Cosa, idade
23 annos, muito pocante, sadia, e sem achi-
que-. : na rua do Vigario n. 14.
Cal virgem, a mais adequada para
o fabrico de assucar.
Na rua da Cruz do Recife, armazem de
assucir n. 23. In cal virgem muito nova cbo-
gada ultimamooto : e a preco muilo ra
soavel.
Leiam e vejam.
Km Santo Amarioho, no sitio do fatecido
Veiga, vendem-se terrenos em chSos pro-
prios, promptos para odificacSo, e alguns
ja com viveirosde poixeem producto, ven-
de-se igualmente a casa de sobrado do sitio,
tudo pur precos muito baratos, para liqui-
daeSn do coatas, e vende-se ou arrenda-se
padana no mesmo lugar, com lodosos seus
perlences : a traa, com Manoel Luiz da
Veiga, quo mora no mesmo sobrado do sitio.
Vonde-se por 4,800 cada arroba de grasa
do Rio Grande do Sui : ni rua da Praia o. 4.
Vonde-se umi carioca aova, com um
boi grande, e gorde, acostumado a trba-
Ihar nesta praca : quem precisar diriji-se a
rua da S. Cruz, vendan. 2.
Novos gostos !!!
Na rua do Crespo n. i4. loja de
Jos Francisco Dias,
vendem-se finissimas cassasfrincazisde f-
quissimos gostos o noves pidrdos pelo bi-
rito preco de 700 rs. a vira, corte de Cam-
braia liza fazenda muilo fina 2,240 rs., o cor-
te ( metado do seu valor 1 ditas com salpi-
co* a 640 rs, a vara, corte de cambraia
pintado de cor,io gosios modernos 2,200 rs,
o corte, superiores chitas fraacezas cures
muito fixasode novos padrOec a 210 e 260
rs., o covado, ditas eslreilis cores de vinho
e de cilT e do ganga a 200 rs., o covado.
Fill de lioho braoco e de cor propria para
mosqueteiro 640rs,avin,brins trancados es-
curo o cor de ganga com listas miudinhas a
1,000rs.. o corte, assim como outns mui-
tas fazendas por baratos precos.
Vende-so um terreoo com duas olariis,
casa, senzalla, estribara, 3 barro para toda
a qualdlde de obras ; a margem do Rio,
perto da praca, com toda a maro so embar-
ca oa rua da Aurora n. 44.
'


Arados de ferro.
Veude-seum casal de escravos, ou tro-
Bellan. 16.
t ,. ca por-se uma casa : na rua Bella n. 16. \m Na rua do Crespo n. 10, loja de J. L
Vendem-se arados de diversos |*_;_|IQ ,\0 w i \, thnt in-i de B. Taborda.vende-ae corlea de ca
modelos, assim como americanos ra'in',a .ae f ,Jtllnmy\com ^T^^'J'T/^
A bordo do pataxO DoitS limaos $ chales de seda a 4,000,5,000, e 6,000
y.nde-ae farinhade mandioca su- -^VcaT.X'
ri-
co m cambo de sicupira e bracos
da ferro .* na f undicSo da ra do
Brum ns. 6, 8 e io.
Vendem-se amarras de ferro: na roa
ra Senzalla nova n. 42.
Moinbos de vento
eom bombas de repuebo para regar borlas
d bailas decapim : vendem-se na fundicSo
menina
, a 1,000 ra., riscado largo a 120 ra. o
perior qualidade e resentemente covndo, e sarjao par,e*fr*voi
que cm outra qualquer pane : a m .
tratar a bordo do mesmo, ou com ratas que so vendorSo a dinheiro
Antonio de Paula Fernaudes Ei- !*f>#$ $f>f>9Cff##
j Vende-se muilo superior cal
de Lisboa, vinda pela barca Alar-
garida, entrada oeste porto em 28
do mez prximo passado, he a
mais nova e moderna que ha no
rec 0 1 zend. muito r,. de 240 at 320 rs., 6, mercado, por preco commodo : na
chegada por mais oarato preco no m jjjjjde 01,dipo|flo a 2200 r,#| a9. 9 rua do Vigario n. 9 armazem de
que em outra qualquer parte : a g simcomooutras nimias fazendaaba- 9'Carneiro Se Ramos.
mmmmmmmm wwmm
Vellas de espermacele.
m Vendem-se caixas de esper- Sj
W mcete: em easa de i\ cardo W
3| Hoyle, rua da Cadeia Velha, I
m a.37. m
^mmmwmmmm mwwm w w wv
Na loja pernambucana de Antonio
Luiz dos Santos rua do Cres-
po n. 11.
Vendem-se ptimos brina trancados de
listras de cores, o mais proprio para oigas,
jaquetas. palitos dohomens e meninos, a
200 rs. o covado.
Hicos e bonitos pentes de tartaruga
para prender cabello.
Vendem-se muito superiores pentes de
tartaruga para prender cabello pelo baralis-
simo prego do 4,500 rs.: na rua do Queima-
de Bowman & He. Catlum, na rua do Brum ras, no caes d Allandega
ns. 6, SelO. I -- Conlinua-se a vondera admiravel ago
Farinha, Par razer os cabello e suiscas prctos : na
de mandioca i)e sup-rior qualidade e proco rua do Queimado n. 31.
commodo.a bordo dopatacfto Nova Luz-- lil|) fuodeado em frente do caes do Ramos e re- ven(je.sfl na |0ja de Cunha & Amorim, na do n.'t6,'loja do miudezas.
teutemente chegada de Santa Catharma: da c,dei, d0 Becife,n. 30, este euporlor Lindos anneis de cornalina.
"Solio"110 U n r" P,C 'P V bOt0%ronmn0m9;.n0Cenlemente Vend" se lindos anneis de cornalina ver-
scr.ptor.o. heg.do, por preco commomdo. TCrd.deir.a 1,0(K> rs.: na rua do Queimado
Alarroquins | JJepoSlto (le cal e MOtaSSa. 16, loja de miudezas.
de superiorqualidado.comso tmenlo c pre- ____-.~^_^.~
qo commodo : na rua do Trapiche escripto- lio arma!
rio n. 5. do Hecife
Farinha de mandioca. ror ca| de _
l'ircs, nocaesai Aiianaena, roiiu- --------------- i----------------o---------------, a ,' q P.il.a.;., V
ubi do mandioca em saccas, sendo de opn- niente, a precos minio rasoaveis. mandeoca ae o. uaiudnna, ^
rmcr,cdodeep0rpre n,<"sc<"nin0d Deposito da fabrica de Todos os que ha no mercado, chega- 0
ao mercaao. _.,._:, jc ou. santos na Uahia. da a este porto em 6 do cor- O
Vendem-se relogios UC OU vende-se, em casa deN. O. Bieber&C, .. J Sr* rnmnra-
ro e prata, patente inglez : na rua rua da Cruz n. 4, algodflo transado da- & "" n,ez ;. os ars- comPra o
da SenzalUNova n.,fc. gSSSOS,
souras, o navalhas de barba: tudo da me- mo preoo de 8 patecas e 12vinten,..
Ihorqualidade possivel, na rua dosQuarteia pessa. '*niensc)dt Qn,t
n.24,lojideJosl)iasSim0ei. MARMELADA PEITORAL
Ricas franjase trancas para n- .,ru.a e8,rit" do Rozarlo, n. i\
1 1 Adverte-se a rapaziala immi.j. '
te,elM- >el.da, que este lio reg.lHo Lito ""l'
Veodem-se as mais ricis franjas, e tran- sO fortiQca os ervos suavisa vista
gas para manteletes, pretaa, e de coros, bem corrobora os intestinos, e breve fin r'010
como frocos de diversas cores, tapetes para por isso devem aproveitarem, e muitrf n *
candieiros de meio do salla, o lamentas as cipalmente por causa do precinhn aI iSI n
mais bom feitas possivel, e por preco mais lata. """"0
mdico do que em outra qualquer parte : He 0 ja^ harat0 nos,:.i ,
na rua pos Quartels, n. 24 loja de Jos Das ... ~' Possivel !
SimOes.
Vende-se poj preco muito commodo 1
propriedade, denominada Trempe con
legoa 1'
guesia
moso,
sido a
levantar 1
do gados, com bastantes pos de ca, laran- ,l P.uS n>? promo Pr o-
geiras, limeiras.e coqueiros: quem a pre- 5S.,1^bi.,,M qUller diriJ-"a
tender comprar dirija-se ao engenbo Sebir v.A. "*";,?
Grande, na fregnezia da Kscada, qne achara '" "n.T,*."f5 ? SS C0.nU a PM9 de un.
com quem tratar, ou nesta praca, com Joa- ^""d \ ctVJ 9JtloDdenomi'"do C.m-
quimCorreiadeWnde Reg, na rua do K^'J**" *J&L "do*
Livramento n. 20. diveraas pessoaa^ ns rua dos Pires n. 19.
Vende-se urna escrava de mela idade,' C Hlenlo
boa cosinheira, costureira, e engommadei- |mnm-n .L.-.j
rae para todo sorvico d um esa: na "It'marnentC chegado, vendeu-
naru.doC.bugloj.n.l2daFrancl.coAtt
ido uma '?'oSimfles.vende.se papel de peao a i.gt
Uocudas superiores
Na fundicSo de C. Starr & Companhla,
em S.-Amaro, acham-se i venda moendas
de canna, todas de ferro, de um modelo e
construcc.30 muito superior
Tulxa para eugenlio.
Na fnndicjo de ferro da rua do Brum,
acaba-se de receber um completo sortlmen-
to de taixas de 3 a 8 palmos de bocea, as
quaes acham-se a venda por pre^o com-
modo, e com promptido embarcam-se, ou
rarrogam-.su em carros sem despezas ao
comprador.
Arados de ferro.
Na fundicSo da Aurora, em S. Amaro,
vendem-se arados de ferro de diversos mo-
delos.
Deposito de cal virgem.
No armazem de DisFcrrcira, no caes da
alfandega, vendem-se barris com cal vir-
gem, por preco commodo, vindosde Lisboa
no briguo Concedi de Mara, entrado em
12 do correle : tiala-se no mosma arma-
zem, ou com Novaes & Compauhia, na rua
do Trapiche n. 31.
Batatas novas irancezas.
Vendem-se gigos com 16 a 1S libras de
batatas novas e de superior qualidade a
640 rs.: no caes da alfandega, defronte das
escadinhas, armazem deGoveia & Hias
\inlio de Champagne,
e superior qualidade: vende-sc no arma-
em Kalkmauu IrmSos Rua da Cruz, n. 10
deposito de le a
Santos na Uahia.
Vende-se, em cas. de ^.Bieber^C^ g ^ -. QS Sf8.
10 proprio para saceos de q dores derijam-sc a bordo
pa de escravos. por preco com-Q da escuna Mara Frutina
Para as escolas. fondd" defronle do .caes '.lo
Vende-se no pateo do Collegio, loja do Collegio, ou ao escriptono
livro azul a synopsis do general AbrcueLi- q de Machado & Pinheiro, na
ma, ltimamente adoptada pelo Kxm. prest- ,.-_, .-
dente da provincia como compendio de Ifci q rua do V igario,
tura e historia do Krasil as escolas prima-
rias da provincia.
Preco em brochura 2,560
Encadernada 3,200
AGELNCIA
da fundicao Low-Moor.
KL'A DA 8ENZALLA NOVA N. 42.
ENcsie estabeleeimento
'i 1 tazeu las uui
; nua a liaver um completo sort- (;reSp0 _S-
! ment de moendas o meias moen- -- Vende-se um moinho com todos os seus
i das para engenho, machinas de erUnces: na rua d. matriz da Boa-Vista
vapor, e taixas de ferro batido e venJem-se os seguintes livros: 1 dic-
ciiiiiln itc liiilns i-i-; i-mi mlu.s na. cionario latino, 1 dito de coaposicao, I Tito
coaao, ae todos os lmannos, pa- Livio>2ubrisa'eHoi.lci0f 2 ditas de Virgilio,
2 conidios, ciceros, 3 fbulas, 1 salustio,
1 arithmelica, e 1 algebra de Lacrois, o um
O
O

n 19, V g
q andar. O
Inda continua a vender-se barato.
Corles do casemira preta por 5,000 rs., di-
tos de brim osen, os de listras a 2,000 rs e
1,600 rs ditos do castor 1,120 rs meados
de algodSo.a 180, e 200 rs., riscadinhos
conli francezes a 120 rs. o covado, e multas mais
fazenJai por barallssimo proco na rua do
Antigo
virgem.
ra dito.
-- Vendem-se cera em velas ,
fabricadas em Lisboa c no Rio de
Janeiro, em caixas de 100 libras
sortidas, de 1 a 16 em libra, e tam-
bem de um s tamanho, por mc-
compendio de philosopliia por Coruzcrna
rua da matriz da Boa-Vista n. 22.
Dinheiro a vista.
Cssa chita muito larga edobomgos-
to, a 2i)0 is. o cova lo.
Na rua dj Crespo, loja da esquina, que
Na rua dos Torres, armazem n.
,*, ha muito superior cal nova em AngO deP0SI, de caI
pedras chegada, ltimamente de Virgem.
Lkhoa. I Na rua do Trapiche, n. I7, ha
DEVERES DOS BOMENS, mu,to superior cal nova em pedia,
a 5oo rs. chegada ltimamente de Lisboa
Vende-se este compendio aprovado para
as aulas, em meia eocadernacJo, a 500 rs.p
cada um: na livrana n. 6 cS, da praca n,
Independencia.
-- Vende-se 11 mor parte de um grande
predio de tres andares, o solocom trapei-
ras, comduas frentes guarnecidas de varan-
nos preco do que em outra qual- volt para a Cadeia, acaba de chegarum sor
nnpr narlp h-il 1 se nn psrrinln- timonto de lindas eaisai chitas, quo como
ouer parte trata-se no escripto duheiro$ vj.ia> se v(.n)ca 200rs 0covado.
rio de Machado & l'inneiro, na 0 outras muitas fazendas, por precocom-
rua do Vigario
ndar.
Gharope do bosque.
O nico de/ios continua a ser na botica de
Jos Marta Gancalvts Hamos, na rua qi Pr,a BOa-Vista n. 32; na ra-snia preci- se por menos do que em 1 iilra
Quarteisn. 12,ao p do quartel de polica, "V88 < aondesevindem as garra/as a 5,500, e mei'a c. 8 que d fiador a sua conducta. ^ ^ cl t ar c "" rui aa C Tliz,
3,000 rs., delxando de sern agentes nesta "" Vendem-se 12 nscravos, sendo dous n. 10.
provincia os Srj. fovaes & Companhia. moleeotes de idade de 15 a 16 annos; 3 es- Snhradr mu \*A* ...
Importante para o publico. cravas de lodo o servito,e de bonitas figu- c OlaIIHa.
Do todas as molestias que por heranca li- rss>' Pardo quo cntende de sapateiro, 1 ca-^ Vende-SC, muito em conla
camaocorpohumano.nenhumahaquemais "rinha de idade de 14 a 15 annos, muitolin- |inr,itn s,,l,,ln oti '
destruitiva tenha sido ouque tenlia zomba- <>a, e 4 escravos de servico de campo, e 1 u,n "onll sooraao sito ni rua
do dos esfurcos dos homens mais eminentes ajo'ata moca, que engomma, cose, e cosi- do Alelo, n. 58, avaliado em
em medicina do que aquella que he geral-,n"f : na ""a Direilan. 3. 2:0008*000 etilo aiMltom .
mente conhecida por molestia no bofe.Km Lotera do Kio de Janeiro, aos ri 1" u ".,. P^rtc
varias pocas do seculo passado tem-se offc- nnn nnn > uraua BUna das Virgens e sua
recido ao publico differentcs remedios com ; N. ,ni, rf "?? "' ,, irmaa Joaquina Alves de Paiiri ,
attestados das extraordinarias curas que el- Na'oja de miudezas, da praa da Inde- ..,""; i, o '"
les tem foito, porm nuasi que em todos os pencia veodem-se bilbeles inteiros, importancia de 107,473 rs. quem
casos a illusSo tem sido apunas passageira, mr0'01^?U"^t0?., ollvos, e vesesimos da ter- pretender dirija se a can dcKal
eodoentetornaarecahir emneinrenladndo Clr* lolcrla a beneficio do Santa osa da Mi- / u<- I^a,m
wSTSEZSASZ1W m8 ^"**^"!*."" 'nSos, rua da Cruz,
to recommendado : outro tauto nSo acn- r*6*DB"*a Dbetea primiados do Rio de Ja- n. 10.
teco com este eztraordinario-xarope do i!"0'l0,.L'Zl!n0n[0'em, -T" dos..?',8l ~ No armazem de taboados defronta ,1
bosque. '8 a venda, nesta mesma loja foi vendido o c Kranel rh n..^. ,,Vi .
O propietario ao principio foi induzido a jjJW t^flff. f?' lolarihdo W??fg?ta MlSffi
?nte.e4V,X,rop-8 PW.co.dopolsde o^Sio'df'lSM Shl carnauba, eum grande portSo dX o
ter ellcctuado em si mesmo urna cura per- Prta" de .000,000. com toda a sua ferragem.
manente, o depois de ter a opiniSo dos pri- A 1 .'10 o covado. VA I! _i
meiros mdicos da ICuropa de que sen estado Na rua do Queimado loja n. 3 defronte do ~" Vendem-se seltns inglezes
jilno dava esperancas de melhoras, e era becco do l'eixe Frito, venJem-se riscadi-,elsticos, ditos Co R borranhas esi
COmO SegUO. No anuo 1I0 IS1T :uiaiilii'i nm;i II lu-. 11 .1 nooy .'. ,l.\ 1. 11 ......, I... .. ..r.il.nli II..
grando const
comosegue. No auno de 1837 apanhel urna nhos francezes do dilferentos e agradaveis |k/l. *m m..;. 1
pacao quo mo atacou o peilo, e dosenhos, pelo baratissimo preco da 140 ,,,oes \>*** montarla ae senliora :
'9.
secundo modo.
8 ~ Vendcm-se 4 bonitas escravas de idade
24 anuos, quo cozem, engommam o coz-
nliam, 1 linda negrinha de 14 annos de ida-
de, 2 muleques de 12 anuos, 1 bonito mulo-
coto de 18 annos, 6 pretos de 25 annos; en-
tro estes ha ptimos para aervirom cm algu-
ina casa por ter boa conducta, 3 pretos de
meia idade por preco muilo em conla: na
rua das Laranjeiras ti. 14, segundo andar.
Vendo-so urna parelha de cavallosga
. .--, ------r, --.--------........ preco _
louos ossymptomas de phlisica pulmonar cis o covado; bom cono outras fazendas,.
logo se seguiram. Ku tinha urna losse con- ludo por pouco dinheiro, e a troco de cedu-
tiuuada com dor 00 peito, salivava umafleu- lasa que so turn9o muito recomendaveis,
madura e algumas vezes misturada com aossouhoroschefes do familia que gbstao
sangue, urna febre tica, suores de noilo, da oconomia.
emagreci rpidamente, e em pouco lempo 1 .. ,,- ,
liquei reduzido a extrema debilidade. L Os meus mdicos jiinctamento com meus ; ris, na casa feliz
amigos, perderam toda a esperan;a de men jma.i. ,. ., ,, .
mellioramento, e esperavam que eu brevi- ^osQua'ro dantos da rua doQueimado, loja
mente suecumbiria "' 20' vendem-se os muito felizes bilhetes,
Neste oslado do molestia por casualidade 2RUJW,8!ffi vigsimos da ter-
oncontcei com urna antiga receita ios In- ^'"'"'eriada Muencord.a, e coostruccJo
dios,eresolvi-me con,,. nsentimenlo dos \t&%g&&$!* *3lS
saiRarar*'visto osudo dc" w^^^v^sr
eiras lodat de ferro
P 29, vende-se. toalh.s.d. panno de li- i ^fi^"; ^"Jlf,"^ de. b
Chegada recentemente de Lisboa, em anco- Farinha de mandioca,
ras muilo bem accondicionadase por preco A mais nova mais iriU farn,ia de
commodo; no armazem do Silva Barroca, mandiocaqueh, ll0 mercado, vende-so na
ua rua do Trapiche n. 19. rua da Cruz do Rocife, armazem n. 13, de
Lasa oe commisso de escravos. ijoao Carlos Augusto da Silva.
Vendem-se escravos e receben-1 Principios geraes dc economa pu-
se dc commisso, tanto para a pro-1 biiea e industrial,
vincia como para fra delta, paral Wnde-se este compendio, approvado para
n nnn p nll'ororr milita* rraranlias!as >ulas de Primeir,s le,ras> a 80 rs. : na
oque se oiterece multas garantas. praa di indepeniloncjat ivraria n. 6e8.
a seus donos : na rua da Cacimba
11. 11, primeiro andar.
Padaria
Veude-se urna padaria com todos ns in-
(MWiliOS prompta a raba!!:;.-; com farinhas
ou sem ellas, como melhor convier ao com-
Erador: vende-se a dinheiro ou prazos com
oaa firmas : a tratar com J. J. TassosJuoior.
Rui do Amorim, n. 35.
Silencio e muila attenco !
Francisco Antonio Si ir Cas, establecido
com loja de miudezas, na rua do Cahug n.
1 -', confronte a rua das Laranjeiras, tendo de
entregar as chaves da loja, al o lim do cor-
rente mez, por exigencia de seu proprieta-
rio, tem resolvido vender as fazendas por
quaoto Jhe cuslaram, ou ainda mais barato,
a saber ; vendem-se espoias do ac muito
liuaa da moda com correias a 2,000 rs. o
par, cartas frBncezas muito finas para volt-
rete a 7,200 rs. a duzia, fraujas de hellas
brancas e dc ores dc muito rico goslo para
cortinados com 15 varas a 4000 rs a peca,
luvasdc pelica para senliora muito novas a
muito frescas com belotas e rcquillfes a i/1,
ea 2,000 rs. o par, ditas prctas para homrm
a 1,440 rs. o par, meias de linho do Porto a
3,400 rs. a duzia, bababos de panno de li-
nho bordados a 160 rs. a vara, tinta ingle-
za a 1,280 rs. a duzia, linhas em carntel de
100 jardas a 320 rs c 200 jardas a 880 rs. a
duzia do melhor aulur, linhas uovellosde
todas as cores a 1,200 rs, a libra linhas
brancas de todos os nmeros muilo baratas,
bicos de varias larguras e de palmo, sendo
muito lino, proprio para lalhos de vistido de
senliora e roquetes de padre a 800 rs. a va-
ra, rendas de um dedo reforcado a 800 rs. a
pefa de 10 varas, meiaa muilo finas para ae-
nhora a 400 rs., e para homem a 140 rs. o
par, caixas de colxetesa 70 rs, suspensorios
a 140 rs. n par, ditos de esciolos a 320 rs.,
luvasbrancar e pardas muilo encorpadas,
proprias para montar a 240 rs. o par, caixas
canuilhoa 1,280 rs requififes para vesti-
do a 160 ra. a vara, botOes de calca a 200 ra.
h groaa, agullias francezes a 280 rs. a caixa
e o papel de 11. 1 a 7 a 30 rs., facas e garfos
a 2,000 rs. a duzia, o muilo linas e cravadas
2,700, o 3,000 rs. a duzia, pentes de baleia
de alisar a 240, e 320 rs., caixas de pennas
de i>o,o muito linas a 800 rs., pares de brin-
cos, rozarioa, rendas douradas, gales, fitas
tinas e de diversas larguras, botOes de aber-
tura; tudo o mais barato, pois nao se olba a
lucroa,
Ven lem-se velas de espermacele, em
caixas.de superior qualidade em casa de
J. Keller & Companhia: na rua da Cruz nu-
mero 55.
iiombas de Ierro.
Vendem-se bombas de repuxo,
pndulas e picota para cacimba :
na rua do Brum ns. 6, 8 e 10,
fundicao de ierro.
Eiu casa dc .1. Keller &. Com-
panhia, na ruada Cruz n. 55, acha-se a ven-
da o xcellento e superior ri 11 lio ite Un
celia, om barris de 5.*, he muilo recom-
mendavel as casas cstrangeiras, como ex-
excellenle vinho para pasto.
-- Vende-se urna artnioBo que foi de bo-
tica, com as siias competentes (gavetas, ar-
marios e balcao, tudo por preco commodo :
Irata-sc na rua da Cruz do Recifc n. 24.
Mercurio.
Vende-se mercurio de primei-
ra sorte, a preco commodo : em
casade A. C. Abru, na rua da
Cadeia-Velha, n. 48.
Velas de espermacete.
Vendem-se velas de esperma-
cele de primeira qualidade e por
preco commodo: em casa de A.
C. de Abreu, na rua da Cadeia-
Velha, n. 48.
Vende se Muluzinas faz<*nda inuder- #
9 na, para vestidos a 8C0 ris : na rua
43 do Crespo 11. 10. #
??*W** ??^^?**' ?***>?<,
Cheguem freguezes a fazendas
baratas.
ItMMHHHMMWti
Vendo-se urna parda moca e com habi-
lidades, engomma, cosinb.a,e coze, reunin-
do a tudo islo boa conduela, o que se allian-
Ca : na rua larga do Hozario n. 35, loja.
Vendem-se charutos muilo bous, viudos
pouco da Babia a 4,000 rs. a caixa: na rua
do Crespc n. 10.
pilcar : suavisa e acalma a incnmmoda losse,
amadurece o abeesso, facilita a salivar-ao cm
pouco toinpo, hvra os boles da materia que
so rene nos lubos de ar. itegula s rur,c-
COes usuaes sem necessidade de outra qual-
quer medicina, forlilica osyslema e purifica
o sangue. .Nao conten, uem morcurlo, opio,
ou outro qualquer ingrediente venenoso, e
COnSULTOBIO CENTRAL HOMCCOFITHICO *'
> DE l'l.i.v Mini.l.v. ?
i Dcrigiaopelo Dr. Sabino Olegario I.ml- #
% yero Pinho. *
^ Rua do Trapiche Novo n. 15. #
f Todos os diasuleis se darao consultas *
\% e remedios de graca aos pohres.desde
.,._. .cc r,in 11 '"?u,,".ca""J"tederaizeseervas. Tem- B" manliil, at as duas horas da lar-
- \endem-ae burros WM aJ"*"i(!a? "* -nais de 9 anuos, o he univor- f na rua do Quemado, l-'J de lerragens salmele considerado como grande e uni.o s poder.lo ser dirigidas verbal- i
"'*, ........,.m,i'reu"!,!!'.l'jri1 esla horrorosa molestia. Os 9 mente, ou por escripto, devendo o
- \endc-se ua r ua A"J^""", aeuselloiioss3o em todos os lugares o mes- '* lenle indicar primeiro: o nome, a
Manoel Josc Correa Jnior, coenlio muilo U10, admiraveise triuinplianies!" "dade, estado, prolissao, e constitu- *
novo a 200 rs. a garrafa. Como medicamento preventivo o antidoto # So ; segundo: aa moleslias, quo tem #
l'apel de peso a l ,90o rs. a resma. |contra as tendencias do clima para a phtisi- llJ. os remedios tomados; ercei- #
- Vcnde-se muilo superior papel de peso 1 "1 "o grande valor, e no da, segundo faz '" ;.a poca do apparecimento la mo- t
a 1.900 rs. a resma : na rua do Queimado n. | 7"a!fu^r_lneJ'co ou conhecodor de drogas, | lestia actual, e descripcSo minucios
16, loja de miudezas.
*'*'?* ..
? ALCODAOI'ARVSACCOS
* Vcnde-se muilo bom algo Lio para
% saceos de assucar, por proco cem-
modo : cm casa de Ricardo ttuyle, na
rua da Cadeia n. 3"
f.
Malos nunca s3o daniuosus. Nao he opitica
w*#*Mt** iao "e l0"'ca, nao he un mero expectoran-
.uiuui em quaulo se est paliando com ellas # dos signaes ou symptmas que soffrer %>
engaosas misturas, o doenlo vai rpida- :<>*a*'***#4#Adi- A
ment implorando, e cada da mais e mais 1 VI?\nPVIr
colloca o seu caso fra do alcance de espo- ULiU-oL,
J^SSiV-fl*0 *coad io> com esta precio- cobre para forro e caldereiro, zin-
"' ^CL"'- lle ?B,"Pre 3ulular, e seus el- m 'frt||., f.. jjui.
na rua da Cruz n. a cm casa de
Geo Renworth fk Companhia.
Vende-se superior panno de
algodo para saceos : em casa dc
Geo Kenworth & Companhia, 111
rua da Cruz n. 1.
Vendem-se relogios de ou-
ro c prata, de vidro e sabonete, pa-
tente inglez: cm casa de Geo en-
worthy & Companhia : na rua da
Cruz n. a.
-- Vende-se 110 armazem de Kalkmaun&
Irmilos, na rua da Cruz n. 10. um grande
sortimenlo de copos e calix de todas as cua-
lidades, apparelhos completos de vidro, ap-
parelhos para poucho, fruteiras, compotei-
ras e garrafas linas.
Vende-se urna caza terria nova no prin*
cipio do rua do Palacio do Bispo, tem III
palmos de terreno no oitSo da caza,vende-sa
junto com a caza, ou separado, he para de-
obriga de urna Ipoteca, a tratar na mesan
casa que tem venda.
-- Vendem-se om bom estado, os segua-
tes livros: Prosodia latina, por Benedicto
l'ereira, Arte potica,por Horacio Flaco, His-
toria Eclesistica, em 6 voluntes, Reportorio
lo thealro francez, por Vollaire, Bacina, La
llarpe, Cartas de urna m3i a seu lillin, por
Francisco Rousado, Historia do Brazil, Os
annaes de Cornelio Tcito por Freir Car-
valho; a tratar na rua Direita n. 69.
Vende-se muito boa e nova sement de
cebolinhos, at por preco commodo; no prin-
cipio da dos a llliolo.s, no primeiro aitio do la-
do direilo.
Charutos de ilavana
De superior qualidade: vendem-se noar-
mazom de Kalkmaun Irmaos, na ruada
Cruz n. 10.
Pessas de cambraia|com listras de coros
com 8 varas, por 3,200 rs., cortes de dita
com salpicos a 2,800 rs., ditas de cassa pin-
tada com 5 varas a 1,600 rs., cassas dc cor
escura por 240 rs o covado, ditas prelas a
100 rs. o covado, dem para babados e corti-
nados a 2,400 rs. a pcasa, cortes de chita
om 12 covados a 1,800 e 1,920 rs. : na rua
do Crespo n. 6.
Novidade.
Vndese marmelada de Lisboa, a mais
superior possivel, em latas de I e 1|2, 2e 4
libras: na venda da rua da Cadeia do Heci-
fe n. 25, defronle do becco largo.
Veodem-se 8 muleques de 14 a 20 annos
de idade, 1 mulatinho de 15 annos de idade,
proprio para pagem, e 3 negros de meia ida-
de : na rua larga do lio/ano n. 22, segundo
ndar.
co em foi ha para forro, alvaiade,
alcalrao da Suecia, folha de flan-
- Vende-se orna carroca para\%lmXltf$^!W^&! ,,res> cab e lonas ^ Kussia, fer-
cavallo, nova e muito bem leita :! medio, uma graude composicao curativa, o Ir0 em barra, sortido vinho de Bor-
na cocheara Jo Sr. Antonio, ao |> :cKor;men!o0mrcot^^^:oreipr"duz,- deM|J?'*> *"*> Matn, en-
da cadeia. Mo para o tratamouto desta molestia at lio-!Barralau", cm caixas de ilu/,1.1, .-
HWaWWWaWra^ ,. emeasa de C. J. Aslley & Com-
-Gantois Pailhet & Copl..s|L"^^^^^^ na rua do Trapiche n. 3.
.' Continua-sa a vender no deposito !nage|io da familia humana aera iusiaDara si Ait^..rt ~I
gcral di. rua da Cruz n 52. o excel- 1 66us Z^TS^CSJSSSXL A,te"9ft baraliiro
fi Ionio a linm rniiooi nmli rano are a I....... -k,. ...... -____...-.. r nu_ IVT. t\
_ lintee bem conceiluado rap arel
: preta da fabrica de Cantois Pailhet &
Companhia da Baha, om grandes e
tg pequelas porcOes pelo preco cslabe-
II lecido. 9
-"-? '-"t- :'' -' ~-r-"W";x
rs, e as 3 partes 110 valor de
3'Qoo.sooo rs.: quem o pretender
dirijase a Fora-de-Portas, n.3\,
rua dos Guararapes, todos os dias
das duas horas em di 1 nte.
Na rua do C'respo n. ao.
Vcndem-se chapeos do chile peiuenos 'a)
a 4, 6 e 8,00o rs., brins de algodSo ?
> escuros a 800 rs. o corle, chita larga a)
para coberla a 160 rs. o covado, dita A
'.. para vestido a 120, e 4,500 rs. a peca. 4
- Na rua do Crespo n. 16, loja de Maga-
IhSes da Silva Irmo, vende-ae cambrai
franceza de cor, com vara de largura, pro-
pria para ves'.idos de senhora, pelo barato
preco dc 280 rs. o covado, e outra mais es-
trella a 240 rs., assim como chita franceza
fina a 280 rs. o covado,
Deposito dc el virgem.
Cunha & Amorim, vendem barris com cal
empadra, chega la ltimamente de Lisboa,
na barca Margarida, por menos preco do
que em outra qualquer parte: na rua di Ca-
deia do Recife 11. 50.
r suasquaiidadesvirtuosas. Uma 'Na rua Nava n. 8loja de Jos Joa-
quim Morara & Companhia,
Vendem-se fortes e flecxives chico
(semalleslar
11 nica garra
* produzr uma considoravel mudenca no es-
altado de qualquer doenca seja ella qual fr.
I Tem curado casos quo se suppunhamsu-
(penores ao poder medico. Tem levantado
doenles como que da sepultura. Tem curado
depois queja lodos os outros systema. ino -
dicamuutos o methudos da tralamanto lem
lalhado. Em uma palavra, des:obrio-S3 -so
gredo, a phtisica cura-se,
A antiga opiniSo de que phtisica n3o po-
da curar-se tem desapparecido desde a io-
troducc3o de3la milagrosa medicina. A phti-
sica pela dcscoberta deste medicamento a-
cha-se despida de metade dos horrores que
causava. Em lugar de se entregarem ao de-
sespero quando estavam seguros de que a
phtisica Ibe tinha lancado as garras, milita-
res de pessoaa tem recorrido a este infalli-
vel remedio, e com prazor e regosijo o. mu -
nuam desfructandii saude neslo seculo que
produzio tal beneficio raca humana.
Leinbrem-se lo ios aquelles que ae acham
locados de molestia pulmonar, quer por los-
se, constipacoes, aslhma, bronchites, pleu-
riz, escarros dc saugue, dor do coalado e no
peito, palpitadlo no corag.lo, drde gargan-
ta, c todas as mais molestias dos orglos pul -
Sonares quo o nico remedio seguro be o
xaropedo bosque.
Facas e garfos.
Vendem-se talheres para mesa, e soure
mesa, com cabos de raarfim, e a imitacSo de
trinchantes, de muito superior quali lado,
colheresde metal principe, caivetes, the-
icotes
para carro, pelo baratissimo preco dc 1,500
ris, caixas de muito boa madeira, feitas
com muito lr.1h.1ii1 > o gosto. destinada ni-
camente para preparos do barbas, pelo de-
minuto preco do 4,000 ris, chicotes do bor-
racha para cavallo, forti de tal, que s i vista os compradores pode-
r3o avaliar, mesmo por serem os primeiros
que ueste genero aqu tem viudo : o preco
dir-se-ha om segredo a quem pretonder
He baratissimo.
Vende-sena rua Nova n. 8, loja doI. Joa-
quimMoreira & Cooipinhia, lindas romei-
rs ile Iil6dn linho, muito bem guarnecidas
de bico e lita, pelo baratisaimo preco de
4,000 rs.; manguinhas docambraia, lam-
boai guarnecidas de bico e lita, por 1,500 is.
o par; camizinhas muito bem bordadas, a
2,000 rs.,e algumas fazendaa mais, por di-
minutos precos.
Vonde-si o brigue brasileiro Vence-
dor chegado reccnlemcnte do Rio de Ja-
neiro, do lote de 9000 arrobas, forrado e pre-
gado de cobre, prompto de ludo para fazer
qualquer viagem : quem o pretender pode
ov.ii 1 .na-lo no ancoradouro no Forte do Ha-
tos, e para tratar com os consignatarios No-
vaos & Companhia, na rua do Trapiche n.3t
A a,800cada uma.
Defronte do becco do Peixe Ir i
vendem-se madapoles, com um
que de arara, agua fresca pelo bara
Escravos fgidos.
- Desappareceu no da 21 de setembro
deste anno, presumi-se que por Pernambu-
co, e por Ierra al a villa da Jacoca, aonda
foi encontrada urca escrava creoula, da
nome Manoolla que algumaa vezes substi-
tu' por Anna.da caaa de Antonio Rufino Ara-
nha, da Par-iba do Norte, cujos signaes sao
os segnintes : estatura regular, cor exrer-
diada, idade 23 annoa, corpo delgado, rosio
comprido, bem fallante, e do muito ardil,
denles alguma cousa separados entre si,
bocea proporcional, e um tanto abarla ai-
tualmente, bracos e pernas flnaa ps bem
fetos, duas cicatrizes pequeas, uma na
testa, eoutra no peito do p esquerdo, tem
bastantes habilidades, cose, cosinha, lava,,
engomma, e he excellenle poleira : oto
tem vicio, e nem molestia alguma contra-
da, levou diversas roupasem uma Irouxa,
entre ellas um chales de sada e 13a, e aapa-
tos de bezerro de lustro. Hoga-so a sua cap-
tura, assim s authoridas policiaes, con
capitSes de campos, e promelte-se por *"
uma generosa recomoensa.
Da-se 80,000.
A quem trouxer na praca da Indepedenc
n. 17, a preti Mara Joaquina, de Idade de
30 a 40 annos, de naci congo, baixa, gor-
da, cor retinta, bexigosa, seio grande, tem
um signal de carne sobre o beico superior,
e he bastante ardilosa ; ja foi escrava de
engenho. e ltimamente ora quilaodeira a
miudezas, desconlia-se que ande para as
partes do aul, por estar acostumada a andar
poi l vendendo, conmina croula da no.no
Felicldade, de quem foi escrava, e consta
ter sida viata, na povoacSo de S. Amaro Ja-
Iiatao : esta preta fugia no da II de abril
de 1850.
100,000 rs. de gralificaco.
Roga-se as autoridadea policiaes, qoe
capturem o escravo Manoel, pertoocentoa
Sebaalfo Marques do Nascimento, fgido
desde odia 8 do correte mez de setembro.
Foi elle escravo do Sr. Gabriel Aflbnso Ri-
goeira, a quem fui comprado ltimamente:
tem 28 annos de idade pouco atis ou menos,
cor fula, com falta do dous dentes na frente,
e de cabellos do lado esquerdo da cabeca,
que ae torna bem yisivel por parecer uma
cora, tem olboa pequeos, beicos grossos,
sem barba, baixo, corpo regalar, heollici
de fiiiiileirn. Trajava jaquela de riscado
aaul, calca branca, camisa de madapolSo, a
levou uma Irouxa, contendo calcas e jaque-
tas : quem aprehender e levar 4 rua da Au-
rora n. 62, roceber a gratillcac8o promel-
lida. Suspeita-ae que foaaa seduzido, e por
isso desde j protesta-se contra quom o con-
servar em seu poder.
J^Uli^VAlllIlliliaft^alJaiHSB


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAU7KL4TO_9RJ43O INGEST_TIME 2013-04-13T02:43:53Z PACKAGE AA00011611_05148
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES