Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05132


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V
Anno de 1844.
Sabbado 27
O l'lABlu publica-af hulosos das que nio forera santificados: o preqo da aasienatura
i.,- je Itsnl mr rs. por quartel | irialis, :'" "o* ridaa a' l'yp "' '**' frutes n. >4 ou a praga ila Independencia Icija de lirroan fi e S
PARTIDA DOS CQRREIOS TERRESTRES.
GoiaNK,- l'araiiyba segundas aexta letrasr!io (irande do Norte chejr a 8 e 2 e pai
le A 10c'4 Cabo Serinhaem Rio t'ormuso Mace j. Pono Cali, e Alagoas no 1 c
II a JJ decada met, Garanliuns e Honilo a lile .M de ca-la mea Boa-isia e Flor
ea i tJ Jodii. Cidate da Victoria quintas feiras. Olmda lodos oa dial.
DAS DA SEMANA.
2 Se? i. Monel- o. lud. do J de da 2. t.
i3 lerc s Ap inario Re aud. doJ. de II.da 3. .
'i Quarta i Christina Aud do J. de U. da 3 T.
5 Quinti .) .-. Santiago Aud. do J. de M.da _'. t
6 SeiW f. Valete. rtu-l do J de D_ da 2. t.
'.? Sah a 'antalc.lo t-el. aud do .1 .Ir I) da d.T.
28 I iiiui S. Anna .Vi da Mi de Ecos,
EJSSEasa
de tlulho
Anno XX. W. IW
lirn J r 11 p n i i r ,1 n
como prinni|> araos
me,r.o,: da no... r!e ,,',., rft>nflNa en.rg.a: "-
. .e..a-s monlad.....un admira ,.W u 15*1
(Proclama; 1 1 da Alaeaibl Gerl 'o 'r*'
il.)
Cambios aobre l.ondrra 26,
> Paria ~it) res por franco
h Lisboa 14 2 por Oil dr premio
Mcela de
dem de
cobre o par.
letras -le boas Arreas I a I |(,
casinos o uu .7 nr jtiiHo.
Onrv-Moedid* 6,400 V.
o N.
,. .. de i,0O0
Trata-1 'ata-ves
u Pesos mlumniiiarea
DitOi meilcanoa
compra
17,000
9,100
1 960
1,081
1,1)60
tfnda
17. O
16,000
9 Si 0
1 UNO
2 000
1,0l
PliASKS DA I.UA NO HEZ DE JLHO.
1. datarle. 1 l.uanora a 15 ans m-n da tarde
Minguante a 7 as S huras e '_'8 min da naiili. | Cram-ente a 22 aa 6 I. (i! da larde,
Pleamar de hoje,
Piimetta M '- bniiirli min. di manh.ia I segun-la s J horas r ,ll minutos da laide
KUSWBMvrli
:a.-*A fl.i.'-a'r'.' m.

DIARIO
PERNAM
BtrflBr-ta' '^ta.ag.-^aattia .i.m-Lv---j-x:^ ^;t-.-: *imilP1"i",M"'11- "^/mmbo^^w
. .i-<=y,WM
ffflTE OFFiCIAL,
iov^rno da Provincia.
EXPEDIENTE 1)0 UU 22 1)0 COR RENTE.
OITico Ao Inspector da Tbesouraria da Fa-
zenda.lllin. Sr. Sendo claro e expresso, pelo
artigo Io do regulamento de 30 de Maio de
1830, que as Admnistracoes d-ts Diversas Ren-
das Nacionaes das cidades do Rio de Janeiro.
Babia e Pernambuco subsisten! com a denomi-
nadlo de Mesa do Consulado; e nao sendo
menos claro e expresso, pelo artigo 2*, que so
foro extinctas as Mesas de Diversas Rendas das
cidades do Maranhiio e Para, nao se podo duvi-
dar de que a Reparticao, de quo traa o artigo
25 do citado regulamento, parase regular a an-
tiguidade dos empringados be a mesina deDi-
versas Rendas, que nao pudo ser considerada
no sentido de qualquer outra Fundado,
pois, as disposic,oes d'estes artigos, e no pare-
cer, incluso por copia, do Desemhargador Pro-
curador da Cora, Fa/enda e Soberana Nacio-
nal, julguei procedente o recurso, que esta
Presidencia interpo* o2 Escrip'.urano Joaquitn
Kibeiro de Brito, da deciso d'essa Tbesouraria,
que considerou a Mesa de hoje Reparticao dis-
tlncta da Mesa anterior, prejudicando assim a
antiguidade do relerido 2 l-scripturario Rrito,
que certamente prefere a do 2o Escriturario
Joo Francisco regs Quintella. O que comniu-
nico V. S.1 para sna iulelligencia e execucao.
DitoAo Juiz de Paz Supplente da Iregue-
zia de Santo Antonio.Tendo presente o_ seu
officio de 19 do correte cerca das duvidas,
em que Vine, seacha quanto a formacao da Me-
sa da Asseinbla Parochial na eleico de Juiz
Paz para a nova freguezia de S. Jos do Reci-
e, cufiipre-me signilicar-lbe, que vista das
razos, que Vine, expe, e de oulras, que me
occorrerio, tenho retolvido, que fiquem sem
efleito as decisoes, toinadas por esta Presidencia
em officios de 15 e 18 d'este mez, entendendo,
que se deve proceder a dita eleico pela lrma e
maneira estabelecida na lei do Io de Oulubro
de 1828 e instruccoes do Io do Dezembro do
mesino anno, as quaes nao oro revogadas: de-
vendo-se organisar a mencionada Mesa nos ter-
mos das instruegoes de 2b' de Marco de 1824 e
FQLKIITD
THERESA.
VILDMA TKAigAO.
O Duque de Medina Sidonia ebegava acom-
panhadopor alguus fidalgos da sua casa. D A-
lonzodeo um paco para traz, e licou trmulo,
aterrado diante da terrivel ira de seu pai. The-
lesa Hcou de oelhos nos degros do altar; sua
pallidei eimmobilidade semelliavo aa urna es-
tatua H>uve um momento e silencio; depois
o Duque, dirigindo-so para seu lilho, disse-
Ibe:
__ D, Alonzo, ordeno-vos que me acompa-
nheis.
Senhor.exclamouellodobrando os joe-
Ihos, dignai-vos ouvir-me: careco do vosso per-
do...
__ Ouvir-vos-hei quando estivermos fora
daqui; saiamos, repito.
>enbor, disse fracamente D. Alon/o,
posso eu abandonar esta moca .' Robei-a a sua
familia, a seu DOVo; recebeo do mim urna pro-
meisa lie cyainorit-> -
Por S. T iiig I atalhou o Duque com
desprez..; a cabera rievia lootear-lha com a lem-
branga de tanto subir! E deixaate-rhe acredi-
tar na possil.ili.laiio desse calamento -Mas ts-
quecetes vos de que ha leh que salva., a hon-
ra das grandes lamillas, e que nao Lt as vos-
O Yide Warwu.- 103,104. 165e 166.
mais ordens em vigor, as quaessoffrerao semen-
t as alteracoes constantes do decreto de 4 de
Maio de 1812, na parte relativa s eleicesdos
Deputados. No mesmo sentido seofitiou ao
Juiz de Paz da freguezia de S. Podro Marlyr
do ((linda, em resposta ao seu ofTicio de 19 des-
te mez.
Dito Ao Exm. o Rm. Rispo Diocesano, re-
mettendo copia do aviso da Secr'taiia da Justi-
ca de 5 do torrente, to qual consta ler bavidoS
M. o Imperador por bem annuir < que se de-
preque licenca ou consentimento do respectivo
Prelado para os Clrigos de ordens sacras depo-
rem nos Juizosseculares, quando os seus jura-
mentos forem necossarios, com a declaraco,
porm, de que nem ser precisa tal deprecacao,
quando a competente autoridade ecclesiastira,
i quem deveria ser dirigida, nao residir no lu-
gar do Juizo. nem as ditas autoridades ser li-
cito denegar a licenca, ou consentimento em
taes casos pedidos. Igual remessa se fez aos Jui-
zes de Direito do Crime desta cidade e aos Jui-
zes Municipaes do Recile e Ohnda.
PortaraNomeando Subd- legado do l'dis-
trictoda fregue/ia do Bom-Jardim, termo do
Limoeiro, ao Major Christovao Olegario (ion-
calves Guerra Nomeou-se para Subdelegado
da mesma freguezia o Major Bernardino liar-
Losa da Silva; e communicou-so ao Chele de
Polica.
rhesonraria da Fazcnda.
EXPEDIENTE DO DA 9 DO CORKKNTB.
OfficioA o Exm. Presidente do Tribunal
do Tbesouro Publico Nacional, participando o
pagamento de dous mezes de sold guarnicao
do brigue-escuna Leopoldina, por ordem do
Exm. Presidente da provincia, na conformidade
do decreto de 7 de Maio de 1842. Igual par-
ticipado se fez ao Exm. Ministro e Secretario
d'Estado dos Negocios da Marinea.
DitoAo Exm. Presidente da provincia, ro-
bndose dignasse transmittir os precedentes of-
ficios.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., informando o
requerimento de Daniel Rodrigues de Santa
Anna, destacado na ilha tle Fernando de Noro-
nba, em que pedio fosse elevada 320 rs. a dia-
sas maos aviar a nos paleridade ? Somos ue
raca que se confunde com ragas de res: urna
mulber de meu nome e de meu sangue est no
lliri.no do Portugal; evos, meu til to. meu
lilho nico, darieisessas honras, esses ttulos,
que foro de v^sa ma, urna mulher sem
nome :
Entao D. Theresa levantou-se trmula, mas
com o olhar animado pela soberba ollendida.
Senhor, disse ella, meu pai morreo, nao
tenbo irmao, ninguein que possa lomar minba
delesa e dizer-vos de que sangue descend). Son
a filba de um bomem que loi nohre como vos,
Sr. Duque, e vos me insultastes! Mas nao
posso vingar esse ultraje; sou Iraca, sem apoio,
e pois a)oelho-me para pedir Iho mais do que a
vida... a honra.
E lancou se aos ps do Duque, llecuou este
fazendo-lbesignal que se erguesse, e dizendo
I he com desdenhosa compaxao:
Senhora, pagarei o vosso dote no con-
vento em que qui/erdes entrar; acallemos po-
rm inuteis contestaces... D. Alonzo, ouvis-
tes minhas ordens; ucompanhai-me
E chegou-se para seu filho. D. Theresa ti-
nha-se levantado e foi por-se entre elles.
- D. Alonzo, disse ella com altivez, ainda
agora dizieis: Um lidalgo hespanhol he escra-
vo de sua palavra...
Alonzo desviou os olbos ecalou-so. Esse a-
mor ardente, essa enrgica resoluto. tinbao ja
cedido a outra influenc a Tinha esse moco pai-
lOOS vi .lentas, imperiosas vonlades; mas era o
seu cor-.^ao vil e egosta. Ainda um momento
hesitou; depois eobrio o rosto com as duas
maos. e disse com \o/ suflocada:
Adeos, Theresa !...
ra de 160 rs., que percebia pelo trabalbo de
ensinar as primeiras lettras na dita ilha.
DitoAo mesmo Exm. Sr., dem tic D. Eu-
genia Joiefa Benedita do Siqueira, em que pe-
dio o pagamento ta pensilo, que deixou venci-
da sua fallecida irmaa, D. Sebastiana Alosan
drina Mag de Siqueira.
DitoAo Inspector do Arsenal de Marinha.
rogando desse todos os esrlarecimenlo* sobre o
contedo do requerimento de Mara Boza No-
hre, acompanhado d'outro, em que pedia a S.
M. o Imperador, o pagamento tos venrimentos,
que so ficrao devendo a seu filho Marianno Jo-
s Nohre, Piloto que foi dacanhoeira, deno-
minada Jarago.
DitoAo Administrador do ("orreio desta
cidade, para mandar tomar conta de 6.S00O
sellos de divesos valores, pora o expediente dos
Correios da provincia.
PortaraAo Thesoureiro da Fazcnda, para
entregar os sellos de quo trata o precedente ol-
ficio.
DitaMandando debitar ao Thesoureiro da
Fazenda, no livro caixa de diversos valores, por
15.000 sellos do 30 rs.. 4.O00 de 60 rs. e
9,000 de 90 rs., que conformo a ordem do
Tribunal do Thesouro Publico Nacional de 3
de Junho prximo lindo, entregou o Comman-
dante do vapor Rahiana dentro do um caixote
lacrado com as Armas Imperiaes, paraserem ap-
plicadosao expediente dos Comios desta ci-
dade.
DitaAo Thesoureiro dos ordenados, para
ficar naintellgenciade que na conformidade das
ordens existentes, os vencimentos das pratas de
pret reformadas, s devao ser pagos a vista das
relacoes meosacs, mandadas extrahr pelo Com-
missario-fiscal do Ministerio da Guerra, passan-
do-se no lim de cada mez certido na respectiva
relaioda quantia eflectivamente despendida,
para Ihe ser abonada, depois de obter ocor-
rente do mesmo Commissario-fiscal.
DEM DO DA 10.
OfficioAo C.ommandante das Armas, par-
ticipando ter o soldado Antonio Jos do Sacra-
mento recebido a gratificacao de 8j000 rs. pela
prisao do soldado J. M. Rodrigues Costa, de-
sertor do balalhao n.2 de Artilheria a pe", a
_---------------------------
ffim de mandarprocederaos necessariosdescont
no sold tiesto.
DitoAo Commissario-fiscal do Ministerio
da Guorra, participando o contedo no prece-
dente officio.
DitoAo mesmo, dizendo, que era exacta a
intellligencia que dio a partioipaci de 8 do
correte a cerca do Alferes reformado Allonso
' do Almeitla e Alliuquerque.
Dilo\0 Inspector do Arsenal de Marinha,
dando os esclurecimentoi que pedio sobre a exe-
cucao dos regulamentos de 20 e 26 de Abril do
correte anno.
dem do da 1!.
OllicioAo Exm. Presidente da Provincia,
informando o ofTicio do Inspector do Arsenal de
Marinha, em que pedio o pagamento do toldo
rio mez de Junho. que se devta 0 guarni;ao dn
brigue-escuna Calliope.
DitoAo Administrador da Mesa do Consu-
lado dizendo, que podia ajustar com o Mcslre
! da barca Flor da Autora, que se destinava pa-
! ra o Rio Grando do Norte, a conducho dos 25
barriada plvora, queso acbavfio no deposito
para serem remeltidos dita provincia pelo fro-
te de 600 ris. previnindo-o de que nesta data
so faziao as necessarias participacoes ao Inspec-
tor da Alfandega para se effectuar o embarque
1 no dia quo por elle fosso a este indicado.
Dito Ao Inspector da Alfandega pura man-
j dar por a bordo a plvora de que ti acia o prece-
dente officio requisitando para este lim, na
forma da pratica observada em casos semelhan-
i tes o transporte necessario.
DiloAo Inspector da Tbesouraria de Fa-
zenda da Provincia do Rio Grande do Norte ,
participando a remessa da plvora de que 1ra-
I to os dous precedentes officios; e que o frete
devia ser alli pago na razao de 600 rs. por
barril.
O Duque iomou entao o brac_o uo 3SS linio
e arrastou o. A moca cahio de joelhos diante
do alt r, e levantando os olhos para o Christo,
exclaniou:
iVIeu Dos, jusliga .' vingano,a meu
Dos !
Ouvioella ainda o rumor dos passos que se
perdio na nave: tudo estava concluido; licava
ella sozinha, abandonada de quem tanto a ama-
ra. Ouandonada mais ouvio, quando percebeo
que ninguein mais estava ao p dclla senao o
frade, que havia sidoimpassivel testemunha des-
ta scenu, sentio gclar-se-lbe o coraco; pare-
ceo-lhe que einpalletlecia a luz das velas, t|ue
se agitavao as bsndeiras suspensas da abobada
daonpella; quiz fugir, dobrrSo-se-lhe os joe-
lhos, e cahio immovcl, mora as lages da gran-
de nave.
(guando re uperou os sentidos, o frade eos
dous mendigos estavo ao p dclla; tinhao-a
sentado ao p de um pilar, e todos mostrvao-
sc milito embarazados com a sua presenca.
Minha filha, disse o frade, cumpre sub-
metter vos vontade de Dos, e voltar quanto
antes para o scio de vossa familia.
Nunca! exclamouelia com insuperavel e-
nergia:j nao tenho familia,cstou s no mundo...
Para onde entao queris ir ?
Nao sei. Foresta noute, meu padre, dai-
me asylo; consent que fique aqui rezando...
I.evantou-se vacillante, e foi ajoelhar-se na
capella mortuaria, perto do delunto. Seu olhar
fixo e sem lagrimas nao se desviou desse li-
vido cadver, como se na ima^em do eteroo
descanco qoiieaae achar a forea precisa contra as
angustias da vida.
AMERICA SEPTENTRIONAL.
Newyork. 15 de Maio
Os jornaes pblicos dao ampios detalhes de
una revolta mu sanguinolenta e destruidora
que leve lugar na cidade do Philadelphia, a so-
mana passada. Diremos algunia cousa a respei-
O frade havia cntiiiuado as suas oracGes: os
dous mendigos tinhao-se alastado.
Se titate sabido qual era o leu projecto,
disse Paco Rosales tu nao o terias cumprido :
0 casamento esta hora estara feto.
Por Dos! exclamou Tovalito, vingan-
do-nie salvei esta moca. I). Alonzo teria acha-
doalgum Itioio de annullar o seu casamento ;
nao teria ella sido sua mulher mas sim sua
amazia umaamazia que elle teria abandona-
tlo mal larlasse o seu amor. Miseravel e co-
barde! O que bastou para separal-o della? Urna
ordem urna palavra !
S vejo um meio de reparar um pouco
essa desgrava disse Paco Rosales: ho ir dizer
a D. Beatriz que adiamos sua filha. l*so nos fa-
ra dar boa recompensa e depois as cousas tai-
vez se arranjem.
Nao vejo que possa tudo isto ter bom tm:
quando mesmo denunciasse I). Theresa quem
a nMiln.li nao obteria justica. cima de um
grande de Uespanha s ha o Rei e salvo o cri-
me de lesa Magestade. .. Mas no dia em quo
os Medina Sidonia forem uisso convencidos,
perderO titulos, riquezas, e talvez suas ca-
becas ...
Sim disse Paco em tom meio serio,
meio escarnecedor; agora que \t te nao tem el-
les para os ajudar em suas convpiracSes podo
El-Rei nosso Senhor dormir socegado.
Despohtava a aurora ; erao malinas : os fra-
des lo dosier para o coro. O padre Cyrillo or-
denou a Theresa que se levantasse, e para sub-
tiabil-a todos os olbos escondeo-a emum con-
fessionario. A desgranada moca pareca ter per-
iir nnnSciencia da sua BtuacSo : sua rca ,
sua yontade, ba intelligenc6 estavao aiqui-


*
to da sua origeni. Temos referido muitas vetes
o lorie o crescente prejuiso dos Americanos Jn-
glezes contra os Papistas Irlandeses. O partida
Loco'oco oliieve votos doctos, lixongeandu-os e
acaricindoos, c dco-lhes una importancia que
lies nao mereci&o, na iua propria estimado.
Isto tornou-os insolentes. A grande messa dos
Irlandesasqueveem para este paizsSo lio ig-
norantes como as bestaa do campo Km tolos
os dotes do espirita estSo alies muito abaixo dos
escravos do Sul. N'estas circunstancias era f-
cil de prever um violento rompimento, e nao
menos fcil era de predi/er a conduso de un
tal rompimento.
N'esta cidade organisou-se no me/de Abril
em partido urna grande porcao dos Americanos
natos, corn o fim de derribar politicamente os
homens do poder que se tinhao unido corn os
Irlandezes. Muitas pessoas enlretinhao grande
apprchensao de que a eleieao fosso seguida de
derramamento dosangue, eosnacionaes prpa-
ravao-se para um tal acontocimento. He prova-
vel que os Irlandezes nao tivessem noticia do
facto de se fazerera as disposiefies convenientes
para resistir-se a toda aeventualidade. Todava,
a eleicAo loi dirigida corn ordem e decoro; e o
resultado della foi um triumplio completo do
partido nacional Americano.
Em rbiladelphia convocarlo os nacionaes
urri moi-ting publico que foi interrompido pelos
Irlandezes a quem elles naoestavao preparados
para resistir. Liles nao pretiri um assallo bru-
tal com armas de fogo TiterSo por certo que
podiio reunir-se pacificamente na sua tena na-
tal sem perigo de inlcrrupcao da parte d'urn
bando do assassinos c.Urangeiros; mas engan-
rao-se. O comeen e o desfecho est vista nos
jornaes pblicos. No principio levrao os Pa
pistas a vantagem no combate, porque estavao
preparados com armas, mas aliinal tira rao os
nacionaes urna desforra sanguinolenta e des-
truidora. Tao grande be agorao terror dos Ca-
tbolicos Romanos em Philadelphia, que o seu
Rispo ordenou que se leehassem aquellas gro-
jas d elles, queescaprao a destruicao, al que
se acalmarse a irritacao dos nimos. Ainda nao
esta averiguado o numero de vidas perdidas;
mashaduas grojas, um convento de (reirs,
urna casa de educacao, o 40 a SO casas de vi-
venda, que nao ao mais do que um montao de
furneganles ruinas, amargo fruclo d'esta lie-
legal revolla.
A estes monumentos de desolacio pde-se
ajuntar os padecimenlos o a miseria de 500 a
1000 rnulberes e enancas desamparadas, va-
gando n um estado de extrema penuria pelos
bosques, poucas milhas distante da cidade de
Pbrladelpbia, da qual fugiraoos seus protecto-
res naturaes tomados de terror, sem saberem de
suas rnulberes e de seus ilbinbos. Os pormeno
res sao revoltantes; mas os Romanizas o accar-
ret rao sobre si,
O bil que modifica a pauta existente, tinha
sido fin Representantes por urna votacao de 105 contra
99; e por tanto esta* disposto para o resto da
sesslo. A sua derrota nao produzio efleito al-
gum sbreos negocios mercanls, pela pretisao
de que ainda que elle pastaste na Casa nao pas-
eara no Senado.
O Tratado de Texas ainda estava perante o
Senado O correspondente de Washington ao
Xeiryork Journal af Commerce emitte a per-
suasiio de que a Cornmissao dos Negocios Es-
trangeros linha recambiado o tratado com a
recommendaciode que fosso adiado indefinida-
nenio ou posto sobre a mesa, ou regeitado. O
mesmo esiiptor diz. fundado na maior autori-
dade que o General Cass (o qual publicara bre-
vemente suas ideias sobre a questao da anne-
xaeo) approva a medida so se oblivesse o assen-
so do Mxico, e sem isso recusara elle admit-
tir quaesquer condicoes.
Ainda nao ha noticias quanto ao progresso
da negociacao do Oregon.
A 13, assentou a Casa dos Representantes
por 11 i votos contra 88 em encerrar a sua ses-
sao a 17 de Junho p., e esperava-se que o Se-
nado ennviria n'isso.
A Casa tnha com efleito tomado em eonsi-
deracao um bil abolindo a priso por dividas
nodistricto da Columbia. Era duvidosa a sua
sorte.
Tinhao sido apresentados ao 5enado pelo
sen Presidente mais dous tratados, um com o
Rei de Wurtemborg, coutro com o Grao Du-
cado de Hesse.
Brevemente se decidir a questao se baver
dousou tres candidatos nomeados pelasconven-
coes para a Presidencia dos Estados-Unidos.
Mr. CJayj est nomendo. Mr. Van Burn sel-
o-ba a 27. O aspecto poltico indica, que .Mr.
'v'er sera o candidato do partido da annexo de
Texas. A 27 devem de reunirse em Raltimore
duas 1'onvenc.oes, una Tyler e outra Van Ru-
ren. Cada urna deltas obrar som relerencia a
outra.
Nao se tinha aventurado opinio alguma a
respeito da prxima lucta Presidencial; mas a-.
gora afirma-so que nao lia duvida a cprca da
eleieao de Mr. CUyem Novembro de 1844; o
considera-se quasi tao certo que elle ser o fu-
turo Presidente dos Estados Unidos como o be,
que elle existe. (Times )
Com mnmeado.
O />. novo em seu n.* 158. faz as mais acer-
bas censuras ao Exm Presidente da provincia,
usa de alluses as mais insultantes, pondo-o de
imbcil, raco e incapaz de governar; protesta
contra a sua indolencia, e ameoca-o Je tomar-
Ibea frente no governo da provincia a fim de
nao ser sacrificado o partido dospraieirosna eri-
ge eleitoral, em que podem apenas triumpbar
se tivercm a forca publica em mos de seus com-
parces
A pezar de que S. Ex. dsse no dia 2i as de-
misses exigidas dos Subdelegados do Cabo, e
promeltesse dar breve as dos de outra comarca
prxima capital, nao se contentou o club exi-
gente, e a maneira do hydropico, que quanto
mais bebe maior sede lem; torna a censurar for-
temento a Presidencia no seu numero 160 de
26 do carente, gritando que o governo dorme,
porque nao dimitle j os Srs. Pinbo Bnrges e
Nery Ferreira, para que o- Subdelegeos no-
vos, tirados da sucia fa^ao a seu geito a quali-
licacao, e com a fore,a dominem as eleicoes; e
conclue com outro artigo sobre o resultado das
ladas e.nem mais senta sua existencia sen8o
por una dr nstinctiva que Ihe arrancava si-
lenciosas lagrimas.
Tova lito entrn na igreja.e perguntou o que
era leito della ; procurou-a algumtempo, antes
de descobril-a ajoelhada em urna especie de ni
cbo no fundo de urna capella obscura : sen
tio-se ao vl-a dominado pela compaixo.
Desde entao surgi no seu espirito um remorso
que veiodar incremento ao seu odio contra U
Alonzo. Nao attendeo sua fraqueza a sua
miseria, mas s necessidade da sua vinganca,
e ajoelbou devotamente pira pedir Dos e eos
Santos Ihe inspirassem rucios de mais seguro
alcancal-a.
Paco Rosales pz-se em caminbo para a casa
do D. Beatriz de Vasconcellos. Nao se fallava
desde a vespera em todo o seu bairro senao da
fuga de D. Theresa. 'J odas as pesquizas tinbo
sido baldadas : ignorava-se o nome do raptor -)
e estava-se geral.nentc convencido de que ella
fugira com o seu amante.
Era muito cedo. Paco Rosales sentou-se em
um canto defronte da casa esperando que ap-
parecesse algum criado. Rem que nao livesse
elle de se ver acanbado, ainda quando livesse de
fallar ao Rei nao se attrevco a bater a porta :
e nacientemente e.-perou urna hora inteira. Em-
(m abri se a porta, c appareceo a propria D
Beatriz acompanbada por um velho cscudeiro
nue levava as suas lloras e sua almofada du se-
tim : ia ouvir missa.
Trajava lulo fechado, como se bouvesse mor-
rido a sua lilba. Depois do triste acontecimen-
t,, (inha lia despedido tolas st pessoas que
la e vil e na
1 Vufa La-
via nessa mesma noule voltado para o exercto-
Senhora disse Paco apresentando o seu
chapeo pela (rea do habito trago-vos urna
boa noticia : vi passar pela alameda a D. The-
resa : entrou na 'greja dos dominicanos, sem
duvida para ahi fazer as suas devocoes.
A misera mai mudou de cor.
Theresa! minha (Iba exclamou:vamos!
Para logo porm reprimi esse primeiro im-
pulso, e tornou com vos menos commovida :
Estava ella s, Paco ?
Szinha, senhora.
Rasta : volts para onde a deixastes, nem
a percas de vista. \ ai, Paco, depressa.
MU. A PENITENCIA.
D. Reatriz entrou para casa e mandou cha-
mar inmediatamente um velho Conego pr-
ximo prente de seu marido e em quem tinha
perfeita confianea Nao era desses beneficiados
.alegres c folgazoes que vao digerindo de vagsr-
zinho o bem da groja, e cuja fcil devocao des-
culpa sem custo o peccado e nao he por do-
mis severa quanto penitencia. D. Ignacio
de Vasconcellos linha lido sua mocidado e
della secontavno algumas faltas que o teriao
mandado direitinho para o inferno se nao se
bouvesse elle arrependido : eia um desses ge-
nios que nada fazem incompleto. Rornpcndo
po: com toda a sua vida anterior, tinha entra-
do as ordens sacras. Desde entao comportou-
se como um santo ; o exemplo de suas austeri-
dades edlicava a cidade de Valencia : tinha do-
mado todas as suas paixoes afora o orgulbo ,
que viva ainda nelle tenaz e inteiro sob a
Bpparencia de piedosa bumildade
bomnm s quem D. Beatriz pedio
acerca da sorte du sua biba. Na vespe-
eleicoes, queixando-se de que S. Ex seja a
causa riese perder a eleieao, que Ihe vai ser ar-
rancada com ignominia,que se lie dos agentes do
Bario da Roa-Vista, e assegura que estes jamis
se curvara" ao prestigio presidencial.
De ludo quanto diz o D. novo s se descobre
verdade na ultima proposicao, porque certa -
mente os correligionarios do Barao da Boa-Vis-
ta, os homens do partiJo da ordern s se curvao
loi.
Merpcem algumas reflexSes estes arligos do
D. novo.
Em primeiro lugar notaremos a contradiccao
em que cahem estes inimigos de todo o gover-
no regular, avancando, que desde 1831 at
1837 andou o imperio n'um vai vem da fortu
na, no fluxoe refluxode nteressosoppostossem
assento. nem espirito publico, elles que que-
rem rehabilitar as influenciasdecihidas de 1837
pura c, elles que julgao urna calamidade nao
ter continuado o partido a estar as mitos des-
ses influentes queerao Vergueiros, Pau.a-Sou-
sas, Gustavos, Limpos, Alves Rrancos.
O partido da ordem, queem 1S37 tornou
conta do governo do imperio, que al entao
fluctuava entre oppostos nteresses, o governo
de um estado, qui nao tinha assento, nem es
pirito publico, o partido digo, que fez eslorcos
para que o carro da revolucao parasse, he dig-
no na verdade das hendaos da patria.
Outra contradiccao adiamos, emdizerem que
0 Ministerio actual, comecou coiu individuos
1 i vres cedente, aquellos mesmos, que aecusao a polti-
ca de 19 de Sete..ibro de 1837 de poltica de
transaccoes. de inmoralidades e inlamias.e nao
podem negar, que os Srs Alves Branco, Almei-
da Torres e Ernesto seguirao sempre essa politi
ca. bojecondemnada: ol'atlSW, eos ou-
tro? at 2 de Feverero deste anno.
'Como porm nao ha de ser assim so os prin-
cpaes Redactores do D.-novo seguirlo na C-
mara temporaria (el e humildemente todos os
Ministros dessa poltica al o fim do anno de
1841. o boje infamaoessa mesma poltica des-
de 1837, eso fazem excepeo em suas argui-
ces da poltica de 23 de Julho de 1840, que
entao guerrearlo abertamente?
Tamhem nao percebemos, precisamos, que
nos expliquem qual he esse triumpbo, que o
D.-novo consega'io ao mesmo lempo que julg
os seus inimigos nao estarem desarmados. Pois
d-se triumpbo antes de acabar a lucta.
Nao queremos (aliar na contradJQo ja muito
anliga desses praieiros que alardeavo ter por si
a manira dos votos livres da provincia, que pa-
ra vencerem dizi-io Ihes basta va tirarse a Pre-
sidencia ao Sr. Barao da Roa vista, e agora
do-se por perdidos s porque nao tem toda a
forca as m8os dos seus sequazes.
Pois nao vos bastava a liberdade de voto, co
mo agora quereisodominio na votacao? Se-
remos tao asnos que acreditemos que s haja
liberdade de voto, estando a forca publica em
poder de vossa pandilha ? Os actuaes Subde-
legados da provincia tem correctivo no Exm.
Presidente, que n5o protege de sorte alguma o
partido de 19 de Setembro. Se elles busarem
ua qualilicacao, usai do recurso que nao vos
ha de faltar provimento, se tiverdes justica.
ra havia elle visto a affliccao dessa familia so-
bre quem resaltava a deshonra de D. Theresa :
tinha sido um dos mais ardenles em procurar
meios de reparacao o de vinganca
Quando D. Beatriz Ihe declarou, chorando,
que tinha echado sua (Iba, teve elle grande ale
gra ao ver que podia essa pobre alma com aus-
tera penitencia resgatar sej erro e ao reco-
nhecer que sua vinganca ia ser infallivel, des-
cobrindo a moc,a quem a rouhara. Bem que lu-
do moslrr.sse que linha ella acompanhado vo-
luntariamente ao seu amante bastante inllu-
enca tinha a familia dos Vasconcellos para la
zer proleiir contra elle urna condemnago dia-
mante. Conego encarregou-se dearranjar
todo o negocio e loi buscar a D. Theresa.
Era ento cerca de oito horas da manir a '
ruidosa eoceupada multidao pereorria o povo-
ado bairro em que estava a casa dos Vasconcel-
los Mas debaixo das arvores da alameda s es-
tava Paco Rosales de vigia. Quando vio chegar
o Conego, comecou por ped^-lho esinola; de-
pois tcompanhou-o greja.
O offcio da manbaa estava acabado: duas ou
troz devotas repetan ainda os seus Padre Nossos
diante da grade do coro. Tovalito ajoelhado
detraz de um pilar observava com triste at-
tenciio a misera moca : ainda estava ella no
conlessionario com os bracos cabidos desa-
lados os cabellos, o o olliar fixo ; havia alguma
cousa de borrivel na immobilidade de sua phy-
sionomia que s exprima a dr inerle e a
prostraciio. O Conego fez umn breve oraco
entrando na groja ; depois foi direilo para a
moca que pareca nao vl-o.
Theresa, dissu-ibe, Uvantai-vot !
Em 1812 dizeisquea qualilicacao foi op-
pressiva, e violadora do vossos direitos, entre-
tanto nem o vosso imaginario Dendato recor-
reo a S- Ex por nao sit qualilicado, Nada
tivesle* qu erguir nos termo* da loi. Se que-
ris dizer que nada requeiestes lemendo indi-
(erimento (evasao miseravel) agora ahi est
um Presidente, que nao desaltender as vossas
justas reclamaces. Assim he que se pode en-
tender a liberdade de vol que proclamis.
Nada vos contena : s as denil8s5es de lodos
os Subdelegados, 8 Delegados, o 9 Subdelega-
dos demiltiuossem culpa sso ainda vos nao
satisfaz. Ignoris por ventura, que o Exm. Sr.
Marcelino de Rrito nao devia sugeitar-so a vir
sercommissario da eleigao dos Srs. Urbano e
Nunes Machado elle que aecusou o Sr. Pa-
checo de ir para Sergype ser cornmissario da
eleieao de um Senador do Imperio. Se a pezar
da altura em que estava este candidato o Sr.
Brito julgou indigno de um Presidente seme-
Ihante cornmissao como be pois, que havia de
servaos Srs. Urbano, e Nunes Machado, e
mais ao Sr. Antonio ARonso, assignando ludas
as suas propostrs?
Concluimos r^pellindo com toda a indigna-
cao a ameaca, que os praieiros lazem a S. Exc.
de nao consenlirem quidos que o seu partido
seja sacrificado, e asegurando a S Exc. que
j passou o lempo em que um punhadoae
snarebistas fa/ia e desfazia Presidentes, de-
cida do destino da provincia e da vida dos
cidadaos.
< 1 Presidente que (izer respeitado o Nome
do Imperador, governando coi.(orine o seu jui-
zo e repellindo quaesquer exigencias ou
mesmo nsinuaces hade ter sempre oapoio
dosPernambucanns amigos da ordem, os quaes-
sao bastantes para supplantarem esses anarchis-
tas queso se dizem govemistas para doiiu-
narem o Delegado de S. M. o I e o avillarem
a ponto de pertenderem que elle seja o ins-
trumento de suas vinganoas e comnnssaro da
sua eleieao, a qual a maioria da provincia re-
pellir ainda, que ella venba a ser dictada pe-
lo poder.
anu 1
Correspondencia.
Srt. Redactores.Muitas vezes suslenla-se
urna nterminavel polmica sem razio sudici-
ente: tal me parece a que involvem os annun-
cios de um dus cinco mil, e os de que se cobre
com o nome ao Sr. Antonio Carneiro para
persuadir ao publico da continuaco de sua re-
sidencia na ra Velba; porquanto, bem infor-
mado do caso, sei que desde sabbado 20 do
correte comecou o Sr Juiz de Paz da Boa-vista
a dar audiencia na casa de seu cunhado oSr.
Evaristo Mendos, e a ter fechada a em que resi-
da corn sua familia na ra da Santa Cruz o
a hospedar-so, quando vem a esta cidade em
casa do Escrivao do Jui/o de Paz em conse-
quenca deachar-se j a mais lempo residindo
em seu s;tio de S. Pedro no Manguind aon-
de vai sempre pernoilar. Este sitio lies pre-
sentemente no 3'dislriclO, que be o nico ,
para o qual nao se tornara necessaria a eleieao
segundo as decisoes dadas a este respeito pe-
A mor;a eslremeceo e levantou-se sem dizer
urna si) palavra.
Abaixai o vosso veo.
Ella o fez
Acompanbai-me.
Ella fez esonjos para andar ; dobrirao-
se-lhe porm os joelhos, e um movimento 08-
linctivo Ihe fez chegar a mao para apoiar se no
braco do Conego ; elle porm a ropellio, ole-
ra a misera cabido se Tovalito nao se livesse
chegado para segural-a.
g
Vamos, disse o Conego ; adorai a Deo
a vinde comigc.
Ella obedeceo. O Conego foi adianto ella
otraz arraslando se: em alguma distancia acom-
panhavao-a os dous mendigos A desgracada
assim airavessou parte dicid.de sem que nella
reparassem; mas nos arredores do bairio em que
morava foi reconbecida. Ento reunio-se o po-
vo e acompanhou-a com assuada com pala-
vras desapiedadas c infames esciirno is. Cerca-
vo-a com cruel curiosidade, e toda essa gente,
que desde a vespera seenlrotinba com o seu de-
sapparecimento aza em voz alia seus com-
mentarios sobre a sua volla ; solTroo ella esses
vilipendios sem mostitr-se commovida. O
Conego a havia de projiosilo exposto a essa es-
peoie de pelourinbo : alravessou os-a i>ceoa com
a orgulbosa bumildade de um devoto quo
eumpre um dever difficil de coragem adere*
signacao. Cbogando ao lumior da porta, The-
resa cabio de joelbos com os bracos cstondidos ,
e excUmou :
Minha 11.ai !
1 1
zeiido reinar V, Beatriz com gesto iinpeioso,


ras
las autoridades, porque all reside o Juiz de Paz
da reguzia.
Um dos que So gosla de polmica.
Publicacilo a pedido
Illtn. Sr. Temi n'esta data deixado o
exercicio de Ch^fo interino de Polica d'esta
provincia, lio J meu dever commuiiical-o a V.
S. p-ra sua intelligencia.
Aproveito esta occasio para agradecer V.
S. seus bonsservicos e a coadjuvaco que no
servico publico mu prestou durante meu inte-
tno oxercicjo. Pode V. S. contar con minha
estima e meoflere.o para aquillo. que vir Ibe
posto prestar na cida le de Goianna para onde
devo seguir. Deo Guarde a V. S. Secretaria
da Polica de Pernamliiiao 13 de Julho de
1844. Illm. Sr. Sebastio Antonio do Reg
B irros, Delegado do termo lo Cabo. O Che-
fe interino de Polica Caetan Jos da Silva
Santiago.
~j'MBEPCO.""""
Alfandega.
Rendimento do dia 26......... 5:572*551
HescarreySo hoje 27.
Escuna Archimedes baoalho.
Barca l'riscilla diversos gneros.
Brigue --sfrago idem.
ovimento do Por lo
Navio entrado no dia 2o.
Sidney ; 81 das galera ingle/a Sulana de
de 374 toneladas capito Alexandre Llyell.
equipagem 15 carga la e azeite ; ao ca-
pilo.
Navios sahidos no mesmo dia.
Montevideo o Buenos Ayres; hrigue sardo Ma-
rta Therea capito Bernardo Valaritn ,
carga assucar.
Aracaly; sumaca brasileira Felicidade, capito
Ignacio Marques, carga diversos gneros.
Liverpool; galera inglea Sulana, capito Ale-
xamlre Llyell com a mesma carga que
troucc de Sidney.
Vario sahido no dia 26.
Maranho ; briguo-escuna brasileiro Laura ,
capito Antonio Fui reir da Silva Santos ,
carga diversos gneros.
Cdtaes
Miguel Arcan jo Monteiro d'Andrade, Oficia
da Impenul rdem da Hoza, Cavalleirodu
de Lkriito; e Inspector da Alfandega por
.", M. I. o Senhor Pedro Segundo,
que Dos Guarde.&
Fat saber, que oo da 29 do corrente, se ha
de arrematara porta da Alfandega ao meio dia
urna e ineia duzia de chapeos de seda, no valor
de 180 rs. impugnado pelo Guarda Joo Can
ci Gomes da iilva, no despacho por laclura de
Cls Jnior, sondo a arremataco sjeita ao pa-
gamento dos direitos ao arrematante. Alfan-
doga 26 de Julho de 1844.
Miguel Arcan\o Monteiro de Andrade
a A Cmara Municipal dacidadede Ulinda c
teu termo em virtude da lei 'c.
Faz saber que em virtude da lei provincial
n 135 de 2doMaio do corrente anuo, esta
Cmara, como Exm Sr. Presidente da Provin-
cia contratar com algum individuo ou com-
panhiao desecamento do pantano deOlinda :
s pessoas quequizerem contratar, remelto suas
propostas a mesma Cmara para sorom presen-
tes ao Exm. Sr. Presidente da Provincia, l pa-
ra quechegueao conhecimento de todos man-
dou a Cmara publicar o presente pela impren-
ta. Cidade de Olinda. 16 de Julho de 1844
Jos Joaquim de 4/meida Guedes, Presidente.
Joo Paulo Ferreira Secretario. (15)
ileclaracors.
2 O Sr. Inspector do Arsenal de Ma-
rinha manda fazer pudlico que no dia 29 do
corrente pelas 11 horas da manha contra-
tara a compra de 43 milheiros de lijlos de cri-
vo lifin cosidos, battidos e moldados, da
melbor qualidade com as dimensoes seguin-
e13 polegadas de com|irimento 6'/' di
tas de largura e 2 e / ditas do grossura. As
pessoas a quem possa convir a venda,sao convi-
dadas pelo mesmo Sr. Inspector a compa-
recer com as suas propostas em dito dia e ho-
ra. Secretaria da Inspeccao do Arsenal de
Marinha de Pernarnbuco 24 de Jullio de 1844.
O Secretario Alexandre Rodrigues dos An-
gn. (15)
O Fscrivo o Administrador da Mesa de
Rends Internas Provinciaes desla cidade, abai-
xo assignado, faz constar a todos os proprieta-
rios do prodios urbanos dos trez bairrosdesta
cidade o povoacao dosn\Rogados, que,temi-
se lindo o pra/o inarcado para o pagamento a
bocea do cofre da respectiva decima do semes-
tre ltimamente lindo vai proceder execu-
tivamente contra todos os devedores nao s do
semestre p. p corno dos annos anteriores
K para quo ebegue ao conhecimento de todos ,
mondei alixar o presente e publica! o pela im-
prenta. Recife 20 de Julho de 1844.
I.uiz Francisco de Mello Cavalcanti.
Pela Secreraria de Polica d'esta provincia
se faz saber que na mesma se continua a passar
ttulos do residencia aos estrangairos que che-
garem a esta cidado e aos que ja se acbo aqu
residindo:pois que devero comparecer muni-
dos de suas respectivas hahililacocs.
m
A viso-* M.i guir em poucos das, por ter a mor parte da
carga prompta : quem no mesmo quizer carre-
gar,dirija-se a Giudino Agostinho de Barros
na ra dn Cruz n. G6. (6)
2 Para o Rio grando e Port'aleure segu
no dia 28 do prsenle Diez o patacho Saudade ;
quem quizer carregar escravos a frote dirja-
se a Gaudino Agostinho de Rarros na ra da
Cruzn. 66 (5)
Avisos diversos.
Ij nao tendes familia: o mundo vos condem-
nou : orai a Dos que vos pprde.
Levou-a para o qu arto de que sahira dous
das inlcs to bella tiio enleitada para o baile
de SU88bodas Ento tambem a acompanhara
a multido mas era com emboras c heneaos.
Corn essa lembranca a misera cborou emfim ,
e veio-lhe subitamento a consciencia de sua
triste situaciio.
Theresa disse o Conego apresentando-
Ihe um crucilixo, rezai um acto de eontricAo
aos ps dessa divina imagem e preparai-vos
para solfrer vossa sorte. Oeveis niorrer para
vossa familia para quantos vos conherrao
Vossa penitencia muito durar porque sois
moca e Dos s chaina si aquelles a quem
ama.
De mim se ha de elle compadecer disse
Theresa ; terei soflrido nesle inundo penas da
eternidade: minha culpa he grande. ...
Diris isso em confisso atalhou o Co-
nego : para mim s<". quero urna palarva o
nomo de qo*m vos desbonrou.
Theresa nao respondeo.
Seu nomo ? repeli o Conego ; a justi
ca humana deve urna vinganca. .
Minha vinganca atalnou Theresa com
exaHacao. sude Dos a devo esperar : esse no-
me nunca lab ira de minha boca juio-o pelo
Christu e por minha salvaran eterna !
Ao ouvr es-e solemne juramei to o Conego
levantou as mfioi para o co a exclamou com
voz cheia di colera :
- Nao queris entregar o vosso seductor .
|uereis que sobre vos gmente caio o crime aa
inU -''"
igoeo vosso,
4- Para o Aracaly eslo partir o hiate No-
v) Olinda, e a linda somaca Estrella lio Cabo ,
devendo o 1. sabir no dia 6 do Agosto, e a 2
25 ; para carga e passageiros, trata-se com o
propietario dos mesmos Msnoel Joaquim Pe-
dro da C<>sla, na ra da Cruz n. 51 (6)
2Para Buenos Ayres o patacho Suecco ri-
on oi-o, foi rado de cobre e de boa marcha, se-
Sahio immediatamente doquarto e echou
com chave todas as portas ; ento vollou The-
resa prostraco de que a havia tirado um mo-
mento o abala que soffrra. Suas a< uldades
estavo exhaustas, nen j tinha torcas para pa-
decer. Udia assim passou. A' noute voltou .
Ignacio : achou a moca sentada no chao no
canto mais escuro do quarto, com a cabeca co-
berta como se tivesse querido fugir at da luz
do dia.
L vanlai-vos, disse Ibe, despi esses Ira
jes de festa paia vestir estes.
Ento mostrou-lhe urna especio de vestido
tecido de la e de dina, e atirou-o diante del-
ta, accrescentando :
E' o cilicio que vos ha de cobrir al ;
morte.
Sabio para deixar-lhc o tempo de vestir-se.
Ellaobdeceo machnalmente. Esse triste ves-
tuario mal a cobria mas seus cabellos cahio
como um veo sobre suas espnduaseao correr dos
bracos descobertos.
- Vamos, disse o Conego tornando a abrir
a porta.
Tberesa acompanhou-o e o Conego lovou-
a para una grande sala quo s servia nos dias
de solemne recebirnento. Ao ebegar porta ,
moca recuou espavorida, e disse com voz que-
brada :
Nao, nao, nao entrarei !
Toda a familia dos Nasconcellos ah estava
nessa sala, que. por urna especie de supersti-l
(o, D. Beatriz nao tinha querido que fosse a- [
berta para o casamento de sua lilha. (guando |
morreo o tunde de Vasconcelios, luaviuval
. ala havia r......bdo u visitas e o peza
mes; desde ento uunca mais entrara nessa [
2 = D-so dinheiro a premio com penhores de
Miro mesmo em pequeas porces ; na rua i
Nova n. 55. (31
2=Aluga so o segundo andar e sotao da ca j
s.i n. 45 da ra da Boda ; a tratar na na do
Rangel n. 36, segundo andar. (3;
Oereco-se um liomem Portugurv. de!
muito boa conducta, habel para todo o servico,.
para leiter de Engenho, adminisirador oucii-l
xeiro do mesmo, ou mesmo para administrar
qualqucr sitio; quem do seu prestimo so quizer
utilizar annuncie por esta folha para ser procu-
rado.
1 Dasse dinheiro a premio de dous por
| cento ao mez com pinhores de ouro ou prata e-
quivalcntes; na rua do Livramento primeiro
andar n.27, se dir quem d.
Quem tiver urna preta, que saiba cozi-
nhar, engommar, e a queira allugar para uma
caa de familia; annuncie por este Diario pa-
ra ser procurarla.
" Arrenda-se um sitio com boa casa, muito
perto da praca ; quem o pretender dirija se a
esta Typographva.
2 casa da verdadeira residencia do Sr. An-
tonio Carnpiro Machado Bios he na rua da S.
Cruz n.70 onde foi visto e applaudido na
noute das luminarias por todos inclusive
Um dos cinco mil. (51
1 D se ddenlo e cincopnta mil ris a juros
a dous por cento ao mez sobre penhores de
onro ou prata : na rua estreita do Rozario n.
21, se dir quem d. (4)
Ainda se alus?a a casa de um andar o sotao
sita na rua por detraz do quartel da polica com
commodos suficientes pira uma familia ; quem
pretender dirija-se.a Praca da independencia
ns 24e26.
as Aluaa-se a casa terrea com soto corrido
nobeco do Serigado : na rua da Gadeia do Re-
cife n. 25.
= Antonio Francisco da Silva Carrito em-
barca para o Rio de Janeiro a sua escrava cri-
oula rio nnme Rsymunda.
= Arrenda-se um sitio que tenha pasto no
vero capaz de sustentar dez a doze vaccas e que
seja perto da praca ; quem o tiver annuncie.
Precisa-se do um caixeiro que d fiador a
sua conducta ; na rua da Senzalla nova na re
finacon. 4.
= Aluga-se urna ama forra ou captiva para
o servico de uma casa de pouca familia, e que
saiba cosinhar e engommar ; na Boa-vista rua
da Matriz n. 35, segundo andar.
= Roga-se a um Sr. Francez residente nes-
ta praca que nao continu a perturbar o soreg
dos habitantes da rua das Trincheiras com
fortes pancadas as portas dos mesmos: pena de
se levar o seu pessimo procedimento ao conhe-
cimento da Polica para ser punido na lorma da
lei ; licandoo mesmo Sr. certo de quo os seus
bigndes nao intimidan.
Uvt dos moradores di mema rua.
=r Ouem tiver acb'ado urna bolsa verde que
conten um flautim preto com o nome na bolsa,
de Innocenrio Vctor, querendo ter a bondade
dea en regar ao seu dono que mora na rua
Novan. 5, segundo andar, receben alvisarsi
e juntamente os agradecmentos : perdeo-se ao
sabir da Philo-Dramaticaat a ruado Cabug,
na quarta-feira aoamanhecer da iiuinta-feira.
Para ensinar fra da praca primeiraslettras,
contar,e ludo o mais com perfeico,mesmo para
engenho com oceupacao, seollerecu umPortu-
guez solteiro ; quem o pretender annuncie ou
dirija se a trac do quartel da polica, travessa
dos quarteis n. 28.
1 LOTERA DA MATRIZ DA ROA-
VISTA
As rodas dota lotera nao pndem ter seu an-
damento no dia 30 do corrente que para oss
lim foi destinado, em consequencia ra impre-
vista mudancaque houve no das Memorias His-
trica: breve porm ser novamente annuncia-
do o dia em que as rodas devem correr. 81
-s OITerece-se um Porluguez fiel para leitor
oucaixeiroou para criado, para lora ou den-
sro da praca. sabe ler escrever l>cm : quem
pretender annuncie ou dirija-se a travessa dos
quarlois n. 28
1_Rosa Maria Monteiro. mulber de l'elis Es-
teves Vianna,declara que lem OppOSto embar-
cos de terceira senhora possuidora prejudicada
para excluir di execino que encaminba ao
marido da annunciante, Juliao da Silva Portel-
la, a casa do sobraJo na rua da Sonzalla-nova,
0 que essacass nao pude ser penborada por OU-
trassemelliantes execucCes como tambem de-
claro, que os pretos Jos Caetano e o mua-
tinbo Agostinho nao pdem ser penborados,
por isso que o primeiro marido da annuncian-
te os deixou libertos em seu testamento com a
condieo smente de a acompanbareiti e a
mesma annunciante esta firme em sustentar o
seu direito. (15)
1 = Januario Ferreira Cadaval faz sciente a
todas as pessoas que tem pianos que se acha
morando na ruada Concordia n. 3: est promp-
topara fazer qualquer concert em ditos pianos,
a afina-os por preco commodo, e tambem se a-
usta mensalmente ; quem quizer ulilisar se
de seu prestimo drja-sa a dita casa. (7)
as Roga-sc ao Sr. Thcsoureiro da lotera das
Memorias Histricas que nao pague o meio
bilbete n. 1524, se por acaso sabir premiado, se-
an aos abaixo assignados osquaes se acbo
assignados no mesmo Jos Goncalves Sal-
gado Manoel Juiz Ferreira.
|a commissaoadministrativa dasocieda-
do Apollinea convoca a assembla geral dos
socios, na conformidarle do art. 25 dos esta-
tutos para o dia 30 do corrente s 4 horas
da tardo afim de se tratar dos interesaos da so-
eiedade. (6)
1 = As pessoas que tiverem do embarcar es-
cravos para o Rio de Janeiro no brigue Euge-
nia, queiro leval-os a bordo no domingo pela
manha. (4)'
BB
P
sala, e a porta havia ficado constantemente le-
chada.
Algumas miilheres rodeavio a D. Beatriz,
que pedia a Dos nerdo por sua filha com
pranlo e queixas sulTocadas : estavo todos co-
mo mudos, e todos os olhos sedirigio para
essa porta abrrta em que acabava de appare-
cer o rosto livido e hallucinado de I). Theresa.
O grito que ella soltou havia echoado doloroso
em todas as almas. Houve um momento de
cruel espectativa Mas D. Ignacio puxoucom
forca a triste victima, e a teve em pdiante da
assembla.
Tberesa de Vasconcelios, disse elle em
vo/ olla, antes de deixar para sempre o mun-
do, irles dar publica salisfaco pelo escndalo
de que foste causa.
Ella njoelhou, e disse com voz fraca :
Peco perdo a Dos e a minha mi....
Ento I). Beatriz levantou se e quiz di/er
o ultimo adeos a sua filha : o Conego porm
rcpellio-a, porque ella chorava e deixava ver
sua frauueza.
\ amos, disso elle fazendo signal a Tbe-
resa para levantar-se, cumprc partir : podis
ainda edificar o mundo, o assegurar vossa sal-
vaco com longa expiaco ; o co se abre para
as almas penitentes como para as que nao dei-
xro a tnica de innocencia. Tberesa, levan-
tai vos, e camrnbai na dolorosa estrada que
vos deve levar a eternidade.
Mas essas pHlavras fervorosas nao echorao
no coraco da mofa ; nao pode ella assim des-
ligarse das terrestres paixoes; lentio palpitar
Ibe no peito o amor, o odio, um arrente de-
sua sorte,
" B
Onde me queris levar ? exclamou ella
procurando relugiar-se perto de sua mi ; se
devo sofircr sempre assim antes matai-mc !
Mas a energa da sua dr promptamente se
achou exhausta, e em breve s se manifeslou
pelos seus gemidos. O Conego tomou-a pelo
braco, o levou-a sem opposicio. Tinha ello
nessa casa a autoridade de parir e a de prxi-
mo prente ; era como ochefe da familia, e
ninguem teria ousado erguer-se contra o acto
de rigor que praticava ; ninguem perguntou o
que pretenda fazer dessa desgragada nem a
mi se animou a interrogal-o. Theresa en-
controu, ao retirar-se, cheios de consternaco
lodosos velbns criados da sua casa, A velha
aia, que ainda ha pouco a acompanbra igre-
ja. langou-lbe aos hombros a sua manlilha ,
pois mal estava vestida, como uma r que ca-
minba para o supplicio. Urna carruagem pu-
xada a quatro esperava na rua. O Conego fez
nella entrar a moca, o sentou-se diante delta.
No momento em que se fechava a portinbola ,
alguem chegou-se com vivacidade e esten-
dendo a mo, gritou :
Urna esmolinha, meu bom senhor e mi-
nha nobredama ; l.vre vos Dos de mos en-
conlros na vossa viagero !
Ao ouvir essa voz Tberesa estremeceo, e
inclinando se para a portinhola, mostrou a ca-
ber: a.
O coche parti a galope, o mendigo ficou
apoiado a pan-de : Tovalilo estava ao p
delle.
Depila' exclamou persignando-se;quem
sabe para ondea levfio !
[Con(inmr-$e-ha.)


/* -
%
(iros-didtor, mestrede orches-
Ira em varios tbeatros do Pari*,
e de New-Orlcans director da
H msica da es pella de Verstiles,
Aav'sa'lUt' K'cedendu aos dose-
"Ns/josdo respeitavcis pessoas desla
cidado, nacionaes eeslrangeiras
tem resolvido flxar-se ein Per-
nambuco, onde se propde a dar lices de rabera,
rabecio viotoncello o Dauta por um me-
thodo. que tanto tein de prompto como de fcil;
tambem se olTerece para aliar pianoscotn toda
a perfeico ; a sua inorada lie na ra .N iva n.
23, sobiadoda tiavessada Caiiiboa-do-Carmo
Quem quizer alugar urna casa terrea na
ra da Alegra n. 10 com 4 cainannhas e co-
6inha fura ; clirija-se a ra da S. Cruz, venda
n. 5, de Antonio Pereira Silva Martins (5
2D-se dinbeim a premio sobre penhores
de ouro e piala ; na ra do l.ivramento n. 2-2 ,
segundo andar das 6 as lo horas da manlia ,
e das duas as 4 da tarde. (4
2 Precisa-so do urna pessoa que tenha
amisades nesta praca e fura dalla para se la-
ser sociodade em um armasem de mulliaJos ,
pelo tempo que so con f endonar entrndose
com partes uaes; a quem convier aununcie. 5
2 Propdc-se um rapaz Biasileiro casado
e com pequea familia a onsinar primeiras
ettras, principios de grammatica latina e
musir; o sua senhora, a coser e faser lavann-
to fura desta cidado em qualquor engenho ,
ou serlo ; quem o pretender, dinja-se a ra
Nova n. 8. (7
SOGIBDADE THEATRAL MELPOMENENGE
30 thesoureiro avisa aos Snrs. socios ,
que os billietes para a recita de sabbado dis-
tribjuem-se nos dias 24, 26 o 21 na ra da Ca-
doia velha loja n. (i. (5
3 Precisa-se de una ama de leite forra, ou
escrava que seja mu acetada e sadia, paga-se
rnui bem ; na ra estreita do Rosario n. .0 ,
tereeiro andar. t4
3 M. M. D-cker. subdito dos Estados Uni-
pos da America do Norte, retira-se para fra
do imperio. (3
Na ra de Hurtas n. 47, engomma-se com
todo aeeio promptidao e preco com modo.
3 Alugo-seas casas ns. 29,33 e 35 da
ra da Solidado com muito bons commodos,
iioM2#rs. mensaes ; urna dita na ra do Se-
bo n. 52, por8# rs. ; o segundo e tereeiro an-
dares da casa n. 4, do Alterro-da-Boa-vista ; a
tratar com Francisco Antonio de Oliveira ou
como seucaixeiro Manoel Joaquim da Silva ,
na ra da Aurora n. 2(1. (8
3 Aluga-se o tereeiro andar do sobrado do
Atierro da-Boa-vista n. 42, o a loja do sobra-
do dos Qualro-cantos n. 1; a fallar com M. C S.
Garneiro Monleiro. (4
Aviso importante ao publico.
12 Acaba de chegar urna porcao nova e
fresca d'aquellas invaluveis Pirulas da medecina
populare as pirulas vegelaes americanas, sendo
acomposicSo d'ellas inteiramente vegetal e ja
lo conhecidas nesla cidade as varias molesti-
as de figado lebres rheumatismo lomiiri-
gas ulceras, oscrolulas, ervsipelas, e he o mee
llior remedio condecido para o sangue; roga-s-
&08 interinos de pro va re m este aflamado reme-
dio. \ ende-se eom seu competente receituario
em casa do nico agento Joo Keller ra da
Gruz n. 18, e para maior commodidade dos
compradores na ra da Cadeia em casa de Joao
Cardoso Ayres, ra Nova Guerra Silva eCom-
panhia Atierro da Uoa-vista, Salles e Chaves
2 Existen) duas cartas viudas do MaranbAo
para os Senbores Angelo Custodio Hodrigues
Franca Jos do Sacramento e Silva no ar-
ma/em de louci n. A. na ra da Cadeia vo-
H'a. (5)
2 = Pelo presente e diariamente carne de
carneiros capados de muita g< rdura e barata, \
como sebo de rim para fazer mei/inhas; no acou-
guede Joo Uuhois ra dos Quarleis. (4)
2 = 0 abaixo assignado faz saber ao publico
que desde odia 23 deixuu de ser caixeiro do Se-
nbor J. O Elster.
Manoel AlexanArino de (astro. (A)
2 Furlrao do dia 20 para 21 do correnle
mez cinco quartos do sitio Helero porto desta
praca, sendo um melado dinas e caudas pre-
tas, com urna marca de pisadura velha noespi-
nbaco e outra ruis para a sarnelha ; outro
castaulio de cabello gro^o com tres pea bran -
eos, silva na testa costas limpas ; outro laziio
pequeo, seliador comprido com marca de
cangalha as costas j pintadas de cabellos
brancos ; outro russo apedrejando, venta bran
ca lodos magreiroes com o ferro formando
um C) e um II da parte direita e um C.
cortado da parte esquerda todos ferrados de
novo, e mais outro cavallo russo bastante sella
do e comprido com um Ierro j.i velho da parte
direita formando dus ganchos. Roga-se a
todas autoridades policiaes o mais pessoas que
01 descubriremos manden) ou avisar para se pro
curar.no Reciferuada Cadeia, Mano IGoncal-
ves da Silva e na ra do Queimado luja n.
1(1, que se pagaro todas as despezas, e se dar
bou gratifii aco.
Irrenda-se urna diaria,, ou vende-se; quem
a pretender armo
Precisa-se de urna imagem de S. Luzia ,
de um palmo a palmo o meio que seja perfei-
(a ; na ra da Cadeia do Kecifo n. 55.
1O Sr. Manoel Coelho tenha a bondade de
dirigir-sea ra da Senzalla-velha n 100, para
recebar urna carta que foi tirada do correio
por engao.
Precisa-se de um feitor Portugus para
engenho; na ra do Collegio n. 13.
Arrenda-se o primeiro andar da casa n.
18 da ra do Fogo ; a tratar na ra do Queima-
do sobrado n. 44.
(Juem annunciou querer dar urna erianca
le dous me/es para criar com leito dando-s
asa para morar, sustento e o mais preciso para
a erianca, dirija-se ao pateo do Carmo o. 24.
Compras
Compra-se ouro e prata velha mesmo
em pequeas porcoes no acougue defronte do
quartel de polica.
1 Compra-se urna professia da escriptura
sagrada ; quem liver annuncie. (2
Vendas
DEPOSITO GERAL
DE MAItUOQUIAS
Dt S U I E Rl 0 R Q U A L I D A D E.
Vende se a i.s'55o ris a pelle,
seni)o escolliida, e iSsooo rs. en
utiztas ; na
loi
'Ja
de Dedier Hoberl
&C, ra Nova n i3.
2 Vendem-se sellins inglezes elsticos ,
forrados de couro do porco cabecadas rolicas,
Chicotes inglezes de balen para carro ditos di-
reitos para mo; na ra Nova loja n. 2S, de
Antonio Feneira da Costa Braga. 5
2Vende-se panno azul fino proprio para
faldamento de tropa a retalbo a 1600 rs. o
covado e em porcao faz-te lodo o negocio ;
no Atlerro-da-Boa-vista loja n. 14. 4
2 Vende-se farinha do mandioca de supe-
rior qualidade, pela medida velha a 28S0 rs.
ede 10 ulqueires para cima a 2720 rs. ; na ra
da Cruz armasem n. 54. (4
2 Vendem-se moinhos de ferro para caf,
ou milho superiores vinlios engarrafados da
Madeira-secca malvasia e Bucellas de 1832,
per preco commodo ; as obras completas do
Voltaire, em 7 volumes em quarto nova edi-
cao com estampas pelobaixo preco do 15/
rs. ; e as obras completas de Camoes, em 3
v. nova edicao pelo preco de 6400 rs. cada
obra ; na ra da Cadeia do lenle n. 37. (0
2 Vende-se capil de liman e de dillerentes
frutas pelo barato preco de 480 rs. a garrafa ;
tambem se fasem cncommendas em grandes e
pequeas porcoes; este refresco tem toda a pre-
ferencia a todas as outras bebidas por unica-
camente ser feito de frutas frescas e sern espi-
rito de qualidadealguma ; na ra Nova n. 31.
2 Vende-se assucar refinado branco e
rnascavado caf ern grao e muido cha hisson
e charutos, ludo borne por preco commodo;
na praca da Boa-vista n. 7. [i
2Vendem-se duas escravas de nago Mo-
cambique cosem, engomma, ecosinho ; na
ra do Viga rio armasem n. 24. (3
2 Vende-se muito bom rap de Lisboa ,
chegado ltimamente por preco commodo; na
ra da Cadeia doBecile loja de Joo da Cu-
nta Magalhes. (4
2 Vendem-se diversos terrenos corn casas
principiadas materiaes e cacimba no lugar
do Coelho; como tambem urna casa meia-agoa,
bom quintal e cacimba e propria para parlara
por ser perto do embarque ; e igualmente veu-
de-se o rendimento de 50/rs. aonaos pi r afo-
rament.) perpetuo no mesmo lugar ; a tratar
na ra Nova n. 10. (8
2Vende-se um methodo completo para vio-
lo por um dos mdbores autores, e anda nao
servido por proco commodo ; na ra Direita
n. 129, segundo andar. (4
3 Vende-se a loja da ra do Queimado n.
43, com 3 portas, e poucos fundos em fazen-
das; a tratar na mesma. (3
2Vendem-se fustoes do melhor gosto que
ha pannos de todas as qualidades e cores, ca-
simiras francezas e inglezas, setins e sedas para
colletes e vestidos sarja preta hespanhola ,
palatilhas de linbo e de algodo bretanhas de
indio com 6 varas o de algudao de rolo de 10
varas los de linbo brancos e pretos bicos
ditos, Iranja de todas as larguras para armaco,
meiasde seda brancas e prelas, luvasde seda,
algodo e de pellica de todas as cores cortes
de chita franceza e ingleza de todas as qualida-
des bramante de linho de superior qualidade ,
mantas de garca para senhora, ditas de gorgu
u para bomem brins trancados ranceze
e de todas as qualidades damascos de la de
todas as cures chapeos de massa francezes, da
moda, lencos prelos de setim ede 3 ponas de
toquim ditos de cambraia para mo mada-
poloes entestados muito finos cambraia lisa
i' adamascada do ultimo gosto chapeos de sol,
de seda camisas de meia de algodo do todas
ns quaiidades ; no arto de S. Antonio io|a n.
1, de Manoel Jos oticalves B'aga & Compa-
ltli.. (23
Vendem-se os bom conhecido ocuios de
armaco de metal e de asso bicos largos pro-
prios para roquete de padre, ditos pretos e
brancos de dilTerentes larguras luvas de pelli-
ca para senhora a 320 rs., ditas para homem
a tfioo rs. ditas compridas de seda para se-
nhora a 140! rs. ditas sem dedos a 80!) rs. ,
e com dedos a 480 ditas sem dedos de cores a
1000 rs., ditas com palmas a 400 rs. ditas
oretas a 320 rs., meias pretas de seda para se-
nhora a 1000 rs. e lavradas a 2^ rs., ditas de
algodo a 560 rs. ditas para padre a 640 rs. ,
ditas curtas, luvas brancas de linho da Esco-
cia, proprias para montara a 500 rs. papel
almaco a 2000 rs^e de peso a 2500 rs. dito
de cores de folhas pequeas, collecces em
quadros do Gilbras D. Quixole e de Gulherrne
Telles, em fumo e coloridas a 21 rs. a coUecco,
quadros com 00 estampas em ponto pequeo a
180 rs., proprio para menino thesouras dou-
radas e prateadas agulhas francezas em cai-
xinha ditas de fundo dourado ditas cur-
tas para nlfaiatea 80 rs. o papel, tinta preta
em garrafas a 480 rs. dla verde, encarnada e
azul a 160 rs. o pote, pescocinhos de linho para
meninas a 120 rs. e para senhora a 640 rs. len-
cos de garca a 240 rs. cerouias pata banho ,
sapatos para meninos a 210 e 500 rs. papel segura-seo a
meia hollandaem resmas rap Meuron, Gas-
se e meio grosso, pentes de tartaruga para mar-
rafas ditos de marfim de tirar piolho facas
de marfim para fechar cartas a 040 rs., facas de proprios
mesa com cabo Imitando a marfim a 5^000 rs. ,
grvalas da moda a IG00 rs. ligas de seda a
a 320 rs. e do burracha milito elsticas a 200
rs. o par botfies de Pedro 2., de marinha e
para casacas, ditos brancos e dourados, lisos e
lavrados para colletes ditoide seda para en-
leites de vestidos, tranca de la para ditos,
gargantilhase brincos de vidro ditos doura-
dos botes de massa e de duraque de todos !
os tamaitos a 480, 560. 640 e 720 rs., agoa de
Colonia rainha das flores, macass oleo e pero-
la, banha eat potes pommada franceza, fras-
quinhos de espirito a 120, massa para aliar na-
vHlhas pos para denles, sabonotes tinos a 400
e 800 rs. e ditos de 20 rs. esporas do latn
para salto compassos e lira linhas, caixas de
balota massa e tartaruga bandejas finas ,
mangas de vidro para candi iros casticaes de
casquinha a 640 rs. o par papel dourado e
prateado ditos para encadernaco de livros,
e outras minias miudesas por barato pirco ; na
ra doCabug loja n. 1 C de Francisco Joa-
quim Ruarte.
Vende-se azeite de coco a2f a caada e a
2Sd a garrafa dito de dend a 480 rs. a garra-
fa ; na ra da Penha venda da esquina n. 83;
na mesma venda compra-se um torno de pesos
de bronze de 8 libras al meia quarta.
Vendem-se chitas escuras e claras de
tintas (xas a 120 140 160 e 180 rs. dilas
francezas muito largas a 280 ts. o covado, gan-
a azul latga e estreita a 80 e 100 rs. ; na ra
do Queimado, loja n. 29, de Novaes.
Acba-se sempre a venda na ra do Livra-
menlo, loja n. 11, o mui afamado e superior
charope de lingoa de vacca proprio para ex-
tinguir os humores, que pelos bons effeitos, que
tem produzidopara as molestias venreas,muito
tem sido a sua extraeco e continua a ter ; o
seu uso he ventajoso, por nao ser preciso dieta
alguma e pelo commodo preco de 640 rs. a
garrafa; assim como de tamarindos e mara-
cuj.
Vendem-se queijos, presuntos, conservas
frutas para podim de todas as qualidades e
chegadas no ultimo navio escovas de cabello
para vairer rasas, vinho de todas as qualidades,
hervilhas francezas e inglezas em latas, sardi-
nhas em latas grandes e pequeas superiores
charutos da Havana e Manilba sapatos ingle-
zes abotinados e de oulros seidlitz em latas
do folha e as afamadas pillas vegelaes do l)r.
Morison ; na ra do Trapiche, armasem no-
vo n. 40.
1 Vende-se rap de Lisboa do mais novo e
de superior qualidade dito de Meuron Vi-
lete e Gasse superior cha hisson ; adverte-se
que em esta loja efTectivamente se encontrarn
estes objectos da melhor qualidade, que houver
no mercado; na ra da Cadeia loja n. 50. 6
Vende-se um sellim em bom uso ; na ra
Imperial n 9.
1 V'endem-se saccas com lenlilha vinda
da Europa muito nova e propria para sim-
pa e tambem se vende a retalbo at meia
quarta por preco commodo ; no armazem de
Fernando Jos Braguez, ao p do arco da Con-
cedan. 6
Vendem-se estribos de ac do mola mui-
to grandes, ede bonito modelo ebegados l-
timamente; na ra do Queimado n. 4.
Vende-se um negro de 25 annose urna ne-
gra crioula de 26 anuos que se vendem para
pagamento ; na ra larga do Rosario n. 21); na
mesma casa compra-se urna negra de idade ,
que engomme ecosinhe.
Vende-se urna escrava de naco, de 18 an-
nos bonita figura perfeita engommaddra ,
cosinlieira, costureira e lavadeira e be ptima
mucama por ser recolhida ; urna dita crioula
de 25 annos, bonita figura com as mesmas
habilidades ; urna dita de naco de 28 annos,
engomma cosinha, lava o he ptima quitan-
deira ; duas ditas de naco mofas proprias
para todo oservico ; na ra das Cruzos n. 41
segundo andar.
Vende-se urna moleca de 12 a 14 afinos,
por commodo preco na ra velban. ili,
--=_Yendem-se os livros physica c chimicn di."
vertida ; na ra das Cruzes loja de pintor e
vidraceiro.
__ Vendem-se duas finissima redes feitas
no Maranlto sendo urna azul propria para
tipoia o outra branca tedia em 3 II >s ; na
ra da cadeia do Recile n. 37 primeiro andar.
__ Vendem-se pecas do algodozinho com
quasi vara de largura a 3S00 rs ditas d ma-
dapoln fino a 2800 rs. ; na ra do Queimado ,
lojasdeGuilhermeSette, ns. IJ e25.
Vendem-se 4 ramos para caixio do angi-
nho e dous ditos para jarros do porcelana;
atrazdo Corpo loja de louca n. 68 do Anto-
nio Dias .Sonto.
l_Vende-se urna escrava de 18 annos.cose e
tem principios deengommado ; urna dita de 14
annos com principios do costura e be reco-
lhida ; urna dita boa cosinheira e engomma sol-
frivel ; urna dita de naco, quitandeira e co-
sinheira por 300# rs. ; dous escravos para to-
do o servico do campo porj torem pratica, to-
dos estes escravos se do a contento ; na ra
Direita n. 3.
1_ Vende-se por motivos do molestia e ser
preciso se fa/er um viagom>a Europa urna bo-
tica bastante acreditada ; e em bom lugar,, as-
u:uel da casa ; na ra da Cruz
n. 50 se indicar o lugar. 5
1Vende-seo sobrado n. 7 da ra da Ma-
dre de Dos, de dous andares e solo, em cMos
tambem se d com algum praso com-
modo ao comprador; na roa da Cruz n. 50.
JVende-se urna canoa bem construida o com
pouco uso de carga de mil lijlos de abona-
ra ; na ra da Aora n. 44, ou na ra de Apol-
lo n. 10. (*
lVende-so o descobrimento da America
em dous volumes por proco commodo ; na
ra do Rangel n. 45.
Vende-se um sobrado de dous andaros ,
na ra do Nogueira n. 10 mu bem construido,
em chaos proprios quintal murado; a tralar
no Atteno da Boa-vista n. 60.
Vende-Sfiuma rica mesa redonda de meio
de sala por baralo preco ; as Cinco-pontas
n. 160.
Vende-se um escrava dp 20 annos com
bonita figura perfeita engommadeira cosi-
nha e lava bem, um moleque de 16 anuos, bom
cosinheiro ; na ra Nova n. 50, tereeiro andar.
Vendem-se dous molecotes de bonitas figu-
ras ; na ra da Cadeia-velha n. 00.
Vende-se urna inorada de casa de um an-
dar esoto quintal grande, e dous terrenos a
p edilicada em Olinda defronte do Ampa-
ro com bastantes commodos ; na ra da Ca-
deia-velha n 60.
1 Vende-se potassa da Russia, chegada de
prximo; no armasem n. 17; deJos Toueiru
Basto na ra do Trapiche. (i>
Escravos fgcli>s
3Fugioao amanhecer dodia 3 do correnle
opretoJoo, de naco Angola, baixo, beicos-
grossos, pernas um pouco cambadas ps gran-
des quasi sem barba e falla bem ; quem o
pegar, leve a ra da Aurora n. 30 quo ser
gratificado. Ja
Ainda contina andar fgido o negro M -
euel de naco Cabinda desde o dia 18 do
Outubro p. p. tem ohcio decanoeiro; quem
o pegar, levo a ra da Paz n. 40, que ter 50,^
rs. do gratiflcaco.
Fugio ha 15 dias, o prelo Manoel, do na-
co Cacange, alto, magro, fulo; tem urna mar-
ca de forida em urna peina, e urna marca de
talho no pescoco ; quem o pegar, leve ao ar-
masem de Joo Carroll # Filho no Corpo San-
to quesera recompensado.
1 Fugio na noute de 24 do correte um es-
cravo cabra, de nome Rufino de 22 annos,
ectatura baila, secco, com alguns denles quoi-
xaes podres as mos alguma cousa gretadase
calejadas, multo regrista no fallar mas mul-
to amedrentado cara de muito mofino anda
sempre de cara alegre; levou calcas e camisa do
algodo da trra, chapeo preto, urna tiou-
cha com umascalcas de casimira escura e usado,
costuma quando foge a trocar o nome e do Sr.,
tem marcas de urna surra que levou ha urna an-
no timben levou um fetro com correte no
p ; quem o pegar, leve a fabrica de rap de
vapor, no Atterro-dos-Affogadns n. 20'J, que
ser gratificado. [H
1 Fugio no dia 22 do correte do lugar
da Venda-grande freguezia da Muriheoa um
moleque de naco de 13 a 15 annos, cheio do
corpo, pernas grossas ollios um tanto ama*
rollos e aliiruacailos a lingoa muito branca,
con algumas marcas de bichos de nome Mi-
guel ; levou camisa de madapolo j velha e
muito grande calcas de biim pardo tamben)
grande ecom presidias atraz, chapeo de patita;
quem o pegar, leveao dito lugar a Miguel Ar-
canjo Lopes da Fonseca ou tiesta praca no At-
terro da Boa-vista casado Padre Meslre Mi-
guel do Sacramento Lopes Cama que ser
recompensado. M*
ERRATA.
Na lista dos bilheles da lotera das memorias
histricas publicada ao Diario do liontem ern
lugar uo ii. 2741, leia-SC -742.
UlfCira N4Tf. OH MI' DBl'Ai'li. li*.
-ana


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFYFUIS7C_KXB15G INGEST_TIME 2013-04-13T00:51:13Z PACKAGE AA00011611_05132
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES