Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05127


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anuo de 1844.
Sabbado 20
0 l'l I".> .iiMics-ae todos ot da* rtn ni.o R-SB) saafica dfiS i 0 '^*S" '- >M!gBstura
he de trus dtil re. por qartol pagos adianladoi Os anniinr.ios dos asaignames sao inseridos
gratii, e BS li i |iir ra forem raijo de ,S0 res por liaba. A roelaaaacei devem ser diri-
gidas > U i ;p rna dss Cruies n. 'l ou a prsi.a Ha Independencia luja de lirrisn fi e 8
(PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GoiiNrU," fatabyba aejrandaie sextas fairM. Rio Cramlr. do Norte, cbeg a 8 e22 e par
te 10134Cabo, Seiinhaem Uiol'ormoso, Macer, I'orio Caito, e Ala^oas: no i -
41o '4 dcada mea. Garantan e'lloiiito a lOe ''4 de otila metBoa-rista e l'loi
ea43c -^ dito. Cida-le 4* Victoria nuinias feiras __Olind iodes os dias.
DAS DA SEMANA.
15 ^t. s. Canillo. Aud. do J. de D. da S. tj
lf) Ten- N. v do Caroso Re. aud. doJ. de D.da 3.
I? Qustta Alezo. Aud do J del), da 3. r.
4> Quinta a. Marinli* Aud. do J de I), da 2.
it iexla s. Aiseiii. Ad do J de U_ c!a'_'. T.
2U Sah Eins. Bel. aud do .1 de I da i. t.
'JI llnw O iijo usto lio do luipo'io.
BeBMBMnaHK7aD^^HaafzziisMmitBMMnKneBeR.E
de tiulio
Anuo IX i. !*
Btwnii r
* ener'ia.
'(.'/ Xi^. Af tinuemos como principamos,! ererom aportados eom adtairag.io "
W/VjL* i eultif. (Proel., i fil am>J
eoaap'ra
| Oora-Moeda de 6,400* V. 17.00-1 ]"'_/">
.....es. i'1"-"1 "; ,.
. i ti 4,11 y > o
CMI05 HO BU 19 DI HJIUO
Cambioaaobie Londres 6,
/ ,i l'ans S/0 reil por franco
Lisboa M2 por 1U de premio I :' V' 4-1
'loeda de cobre ao par. I Pesoseolumninare* !.*
dem de letras Je boas lincas 4 1|4 0j(J f Dito exiCaM J.-1'"
PHASRS DA LA RO HEZ DE JLHO.
La cheiaaly os \l min da lar.le. i La i. >va a |=i os- aria, da tarde
Minpianle a 7 as S horas e 88 aiin :e manli. (rascante a : a. ii I. 51 d larde
Preamar de hoje.
Prisaars si H horaa* 50 a. da minliis | Segunda as.8 horaii 5> esinotoa de ti
DIARIO
i^Sawasasawsurr.
PEBNAM
saasu: usa *. r jem

TV-1'
. 3 .
~

TC

ciedade em perigo. Paracmbaracal-os do nas-
ccr, seria preciso que os ccrnvos, anles de se-
rern livres, tivessem adquirido o bahilo da eco-
noma, o amor ao (ralialho, e sobretudo a n
elinugao ao cazaiTicnto, eo espirito de tmilia,
que sao precisamente as qualidades que actu-
almente Ibes lallao. A Venus vaga fa/. as suas
delicias; economia be para olles virtude sem ob-
overno da Provincia
EXPBDIKNTB DO IUA 17 1)0 COIU1RME.
CilicioA Cainara Municipal d'sta cidade.
Acertadamente delibero., essa Cmara, quan
do, em cuinprimcnto ta le provincial n* I3i
de de Maio to torrente anno, dividi as lie jecto; amorao tralialho he cousa quedellesnao
guezioH do aeu municipio em tantos dittrictos, | pJeosperar-se. Logo que urna le os declaras-
quantos entendeo necessnrios para o hom anda- se livres,immediatamenteaspovoavoes apparecc-
ment do juslica e coiiimodidade publica; en- ; liao incalas de filbos sem pas, de mulberes sem
tendemlo mitro sim, que os Jui/es de Paz ao-I maridos, de velboa sem abrigo, todos os quaes
tuaes devero eiercer suas funecoes nos distric- I agora teem existencia segura, c salvo o (erre-
tos, em que morao, at que se linde o lempo, te da escravidao) urna c mil vezes pielerivel
para que ionio eleitos. mandando nicamente de tantos desgranados que na Europa, para te-
rem que comer, se veem na dura precisiio de
commeer crimes que Ibes procurem as pri
iroceder a eleicao de Jui/es de Paz para aquel-
Ics districtos, que presentemente nao os teem;
os quaes durarads 0 lempo, que falta para sties publicas o abrigo deque precisao.
completar-se oquotriennio da actual Camina
Municipal, conforme he expresso nos artigos
13 do coiligo do processo, e 10 das nstrueeoes
do governo provincial, de 2(i de Abril de 1836:
o que Ibe communico em resposta ao seu ofi-
ci tle VA do corrente.
DitoAo Director do Arsenal de Guerra,
npprovar,do a nomeacao de Francisco Nuncs
Vian-.ia pura mestre de>s ofiicinas da S1 classo da-
qi'.elle Arsenal com o jornal de 2j400 rs.
DitoAoThosoureiro da loteria das Memorias
Histricas, determinando em attencaodo que
pondera em olicio d'eta data, que se marque
o da 25 do corrente para o imprelerivel an-
damento das rodas da mesma loteria.
DitoAo Inspector da Thesouraria da Fa
yenda, ordenando, que mande pagar ao Capel -
lao da fortale/a de Itamarac o sold de 22c
rs., que tem direito vista da lei n. 16ide
26de Ntemhro de 1840, e do que informa o
Commandanta dus Armas; e declarando-lbe ,
que vai dar parte d'isto ao Governo Imperial.
Communicou-so ao Coinmandante das Ar-
mas.
PortariaNoineando Relegado do l.dis-
Irictodo termo d'esta cidade no Kacharel Can-
dido Autran da Malta e Albuquerquc.Par-
ticipou-se ao Cbcfe de Polica.
lacao manifestada liberdade da consciencia, o .clara, Wojudiciosa e ISO complela, por que a
|ue lio altamente inquisitorio; absurda, porque
be certamente couia ridicula que se exija dos
Directores de Coliegios a declaracSo do que nSo
perlencem a onlens religiosas, e quose ibes nao
exija a declarafao de que nao ao at'ieos, mate-
rialistas, sansimonianos, communistas, mora-
veis republicanos, n'uma palavra, membro de
olguma destnsseitas sem numerode que a Fran-
ca se acba meada, igualmente proscriptas pelas
leis. e que tao perigosas sao nao smente as ins-
titui'esdo pail, mais, de mais mais mesma
sociedade e aos principios O Conde de Montalembert foi o causador
deste deploravel resultado, quoello sem duvida
nao desejava; mas aconteceo-lbo o mesmo que
quelles de quem diz o proverbio bespanbol:
Qaian lodo lo quitre, todo lo pierde Desvane-
t
A estes inconvenientes tao dignos de consi-
dera! ao accresce o transtorno quo o systema do
trabalho sofreria no mesmo momento em que
individuos, as circunstancias queficao expos-
tas, tivessem, em virtude da lei, o direito de re-
cusar se a trabalhar. Actualmente nao faltan
bracos ao proprietario que os precisa, porque o
trabalho he obrisado; maso primeiro uso que
osescravos, no pessimo estado de educacao em
que se achao, fariao da liberdade quo se Ibes
dsse, seria arrojar de si urna carga queconside-
rao como a maier de todas as desgracas da es-
cravidao. Fumar, dangare dormir, seria a sua
vida toda inteira, esobre ludo em paizes em
que os meios indispensaveis para subsistir sao
Lio facis de obter, Aquel le que reputarcm es-
te receto exagerado, nao teem mais do que lan-
car urna vista d'olhos sobre o estado actual da
Jamaica e das outras colonias ingle/.as, e ver as
lagrimas de sangue com que ellas esto gritando
para a metropole que Ihes accudSo.
Em consequencia de todos estes motivos, de-
clarou o governo que o momento para comecar
B operar a emancipaco dos escravos por qual-
quer tos meios propostos pela commissiio de
que foi relator o anno passado o Duque de Hro-
lie nao tinha ainda chegado; e que ludo o i regioes mais altas da poltica, em um discurso
cido com os triumphos passados. entendeo que lema penitenciario bem entendido. I'.sta ulti-
tudo poderia ousar. e loi issolque o perdeo. O
que deveria ter feito era combater 0 artigo do
projecto com os argumento* irrespondives que
o seu talento Ibe leria suggeiido a montes, e a
que o absurdo artigo de certo nao poderia re-
sistir: o que fe/, foi deslocar a questao para ou-
tro terreno, e comecar a lazer a apologa das
ordens religiosas, e especialmente dos jesutas,
enumeran, o os grandes se rv i eos quetinbao feito
eos que podan ainda fazer, como se a materia
em discussao fosse u admissao ou a proscripcao
das dita ordens.
Em semelhante terreno nescessariamenle ha-
va de ser batido, como foi: os seus adversarios
deixirao-o estabeleccr-so ; sua vontade na in-
sustentavel posigao que escolhra; o quando vi
rao, queja Ihe era impossivel a retirada, cahi-
ro sobre elle e esmagrao-o O Conde Porta-
lis disse que, proscrevendo as actuaes leis fran
cezas todas as congregacoes religiosas em Fran
ca (os conventos que actualmente existem sao
apenas tolerados, mas por nenhum modo auto
risados), quaesquer argumentos tendentes a fa
zer obrar a Cmara em sentido opposto ao da
legislacio existente, nao poderiao m recer a
mnima consideracao. Guizot, clevando-se s
questSo tem sido tratada por tantos bomense-
minentes. De fado, se o projecto tem deleito--.
nao so os da demasiada indulgencia ou do
rigor demasiado (qoe toda estas objeccoes con-
tradictorias se Ibe leem feito) do systema peni-
tenciario que propoo : os dous que eu Ihe co-
nbeco sioosseguintes, os quaes provavelmente
tiesapparecerO daqui at quetenha lugar a ul-
tima votacao. O primeiro he quo nao faz ov
cepcSo alguna relativamente 80S crimes polti-
cos, que por nenhum modo pu rados com os utros: 2., be que nenhum usu
faz da pena de dep .rtacao, a qual lie, com lu-
do, a mais til para os Estados que teem colo-
nias, e a que com mais certeza pode produzir
a ntimidaeflo e a moralisacio doscondnmna-
dos, que sao os dous grandes lins de lodo o sys-
COBBESPONOGN'CIA DO JORNAL DO COMMERCIO.
Parix, 12 de Malo.
A questao ta emaneipacao dos escravos foi
discutida pela Cmara tos Reputados na seso
do da 4. Ja disseque o que deo origem a esta
questao foi umo petic,ao dos operarios de Pars
Sabe se agora que a dita pelicao loi prmovida
por aKentes que aqui mesmo vierto celebrar as-
semideas abolicionistas, e mettro agulhas por
allineles para agitar o povo no sentido que Ihes
corninba.
A deci io da Cmara foi aquella que devia
esperar se e desojar se. O governo, pelo orgo
do .Ministro da Matinha. expoz as suas ideias e
intencoes sobre o assumplo, e obtevo a adbe-ao
da immensa maioria da Cmara, sem exiepco
do proprio Tracy, um dos mais issanhados abo-
licionistas, e apezar das alga/arras de Agenor
de Gasparin e Ledru Rollin, que fallarn longo
lempo sem dzer nada.
Todo o mundo deseja a abolicao da escravi-
dao, o nao pope deixar de desejal-a; mas, para
que este rande acto de juslica eja um bem, be
preciso que elle nao accarrele maiores males a-
quelles a quem elle for applicado. o a sociedade
de quem etles devem li-ar lazendo parte Os
dous grandes cancros tas actoaes sociedades eu-
ropeas, aquellos que as miuoe que as roem;
aquellos que as ameacao de perigos mais im
mnenles, e de que depende latea o seu futuro,
sao o proletariado e o pauperismo. Estes dous
Cancros nao existem actualmente as colonias
francezas; mas, no mesmo momento em que a
eii.mripiern, tivesse lugar estando a educacao
I is negms tan pouco Bdianlada como est i, nes
se mesmo o pauperismo e o proletariado nasce-
' y du uuia aliena 'doo-e., c pOlaO S S0"
queaboa poltica, inspirada pelo verdadeiro
espirito de caridade. por ora permittia a favor
da populadlo escrava, consista em proparal-a
para poder aproveilar-se do beneficio da liber-
dade. promovendo, por meio de medidas legis-
lativas, a educacao primaria, especialmente mo-
ral e religiosa, e determinando do tal modo os
direitoseobrigacoesdos senhores, que o peso
da escravidao ficasse sendo o mais suave possi-
veL Para obter estes lins, e sobre tudo para
tao notavel pela sua brevidade como pela sua
belleza e so.idez, completou a derrota comecada
pelo orador antecedente. Disse que, sendo a
missao da revolugao de Julho conciliar o prin-
cipio da autoridade suprema do estado com o
das liberdades individuaos, era impossivel ad-
millir entre os individuos e o estado estes cor-
pos collectivos ou corporaees do antgo rgi-
men que escapavo acfo do estado, o quo
nao ero individuos; que so os jesutas ou
na observscao ja foi feita por Lamartine, que.
entro oulros argumentos, ctou ti exemplode
Inglaterra, que. tendo deportado em 1780 pa-
ra Nova Galles 592 misernveis, possuia boje na-
quelle pail um eslabelecimento lao importante,
queja alguem bavia dito no Parlamento que,
sea Grto-Bretanha viesse a perder um da as
suas preciosas colonias da India no pai/da
Nova (.alies poderia lundar um imperio tanto
ou ainda mais rico o importante do que o que
actualmente possue no Oriente. A este exem-
plo accrescentou o orador o dos Estados-Uni-
dos, que forao fundar na Costa d* A fra asna
colonia de Liberia, e oulros que lizerao grande
impressao na Cmara; mas para nos os que
entendemos portuguez, nenbuma necessidado
ha nem da eloquencia nein dos argumentos do
Illustre Deputado de Macn, para nos conven-
cerinos da necessidado do lazer da pona de de-
portacao (degredo dzemos nos) um dos ele-
mentos essenciaos de qualquer systema peniten-
ciario queso proponha ; porque ja em lio boa
linKoagem como a de Lamartine o de urna
in
constituir familia entre os negros, e para lorti- [ quaesquer oulros religiosos queriao entrar em
(car a autoridade dos Magistrados que os de- Franca como cidados. isto be como individuos,
vem proteger, declaren Guizot que em breve o estado eslava prompto a recebl-os; mas que
viria pedir ao corpo legislativo os meios noces- emt|uanto nao abdicassem a pretencao de orga-
raros I nisar-se em forma de corporacao, ou de corpo
Estas sao na realidade as nicas ideias admis- collectivo, era absolutamente impossivel admit-
sives; porque tudo quanto os philantropos, ins-| til-os. Foi debaixo da impressao produzida no
pirada por Inglaterra, acarretlo para que e auditorio por otes dous discursos, cheios
decrete a immodia abolicao da escravidSo o de solido/, be verdade, masque nada tinbSo
que nicamente prova he que a escravidao he
una injustica que cumpre fnzer cessiir, no que
todos estemos conforma, com tanto que islo
lenha rugar sem pe orar a condico daquelles
que desojamos f. zer felzes.
Voltemos agora folha As esperanzas que por
um momento se bavio concebido de que o pro-
jecto sobre a inslrucco secundara sahisseessen-
,ial...ente melhorado da Cmara dos Piros es- lctica parlamentar. As victorias nesle gene -
com a questao, que a volacao levo lugar; e,
em consequencia disso cuidando a Cma-
ra que votava contra a rehabilitadlo das cor-
poraedes religiosas o que fez loi consa-
grar urna medida injusta e absurda, que com
toda a certeza nao leria consagrado, se o Conde
de Montalembert nao tivesse dirigido tao mal a
discussao. Aprendao daqui os estudantes de
tao completamente desvanecidas. A Cmara a-
iaba doconsagrar com urna immensa maioria o
mais tyrannico de todos os artigos do dito pro-
jecto, que exige dos aspirantes a fundadlo de
estabelecimentos de instruccio secundaria a de- I
clareci por cscriplo de que n8o perlencem a
nenbuma das ordens religiosas prohibidas pe-
las leis do paiz. Ja em outra correspondencia
exprim sufficientemenlea minha opiniao a es-
te respeito, para que me nao seja preciso entrar
agora t,m novos desenvolvimientos. Disse que a
dita disposicao era ao mesmo lempo lyrannica
surda. Isto repito agora, o isto ropitire
ro decombates dependem mais vozesda direc-
(io que se imprime as discUSSoer, que da bel-
leza, importancia e solidez dos discursosque se
pronunciao.
Mclhor successo vai tentlo na ('amara dos
Reputados a discussao, quo ainda dura e dura
ra, sobre a reforma das prisoes. A maioria da
Cmara, sem nxccpdio dos mais Ilustres mein-
bros da opposiffio como Lamartine, Odilon-
l'arml e uutros, parece actualmente persuadi-
da que, se o projecto do governo nao be o me-
llmr possivcl, he, pelo menos, aquella a que
menos objeccoes pdem feter-se : nem p <-
aneira mais completa, esta questao foi trata-
da peloeleganlissimo autor da Arle de Furiar
no capitulo em que tratar/as tesouras com que
se devem cortar as unhas aos ladres.
Urna questao importante foi decidida um
dia (lestes. Nao sendo os aecusados, nem de-
vendo reputar-se culpados, al quo por senlenca
sejo julgados taes perguntava so se tambem a
estes devia ser :;r.,iosU> o rgimen cc..sr, qu~
seria a mesma cousa que lazer Ibes sollrcr urna
pena em que ella ainda nao tinbao incurrido ,
vislo que at o momento da condeinnacao de-
vio ser julgados innocentes. Esta questao foi
decidida pola Cmara em sentido aflirmativo ,
e assim devia ser. Di/iao os adversarios do pro-
jecto que os aecusados ou suspeitos de elimo
erao um verdadeiro deposito de que a autori-
dade se apoderava momentanoamenlo, mas para
restituil o tal qual o recebera no caso de a
suspeita do crime se nao verificar. Assim be ;
o por isso mesmo be que he nec< ssario nao ex-
pr este deposito a urna deploravel alteracao ,
pondo-o em contacto com todas islas escorias
da sociedade reunidas as pristes ordinarias ;
contacto, associadio e mistura que todas as pes-
soas bem educadas nao pdem deixar de consi-
derar como um castigo anticipado, e mil ve/es
mais insupportavel do que todos os incommo-
dos de reciusau em separado. U casu be que,
assim como o vaso nao be o remedio que nelle
so conlm, assim a cellula nao he a pena, mas
o lugar da applicagao da pena, ou o instrumen-
to dola. So o preso he simplcsmente aecu-
BSndo, permitlem se-llic todos os allivios e li-
berdades compatives com a seguranca da sua
pessoa : se he condemnado, augrava-se-lho a
pena .li onde sejulga necessario.oa tornando-
o absolutamente ncommunicavel, ou accres-
centando a obscuridade reclussao, ou privan-
do-odo exercicioe passeio concedido aos oulros
presos, t&o., &c.
Os mais encurqieados inimigos da lei teem si-
do o legitimistase os republicanos Ao ver a
desesperadlo com queuns e outros acombalem.

_.. |vr;inl nnrmie iiiiiinle a nina vio- (lia ser ontm o r.Kijllado ilennis rja m?n.,ir2 0 pereCC i}UC sigUUia COU38 !h*! d 80


es!e respeito. ou que rvceiao que ella em bre-
e Ibes possa ser applicada.
1:3 do Maio
Sio graviasimas as ultimas noticia^ recebidas
do Hailv. Traa si- de nada menos que de nina
guerra de eUor nin.iean entre as duas races, ne-
jara c mulata. Tondo partido de Porto-Prin-
Cpe o Presidente llrard com toda a tropa
que pode reunir, para ver se poda comprimir
a revolucao, de qu foi resultado a creadlo da
Repblica Dominicana, aproveit ;rao os negros
a oecasiao, cahro sobre os mulatos, e ero
urna carnicera horrivel. Acudi inmediata-
mente a Guarda Nacional de Cayes; mas a
matar parte fez causa com os negros, e, vol-
tando a Cayes, degollaro ludo quanto era mu-
lato, sem distinego de se\o nem de idade.
I'sta visto que o Governo da Inglaterra tetn
med e mais. que modo de proferirsenlenca
contra Connell. Ja na cotrespondencia pas-
sada Ihes disse que a causa deste ultimo liavia
sido prorogada de 15 de Abril para o 1.de
Maio, e quu oeste ultimo dia nada se lizera :
agora eis que o Presidente do Banco da Ilainha
acal.a de declarar que antes de tre/ me/es nao
I he lie possivel oceupar-se com este neg'io !
A proporcao que o Governo mostr flaqueza,
vio os Irlandeses tomando animo, o fa/endo-
se iiiis atrevidos. Na rcunio de 5 deste me;, lczas.
produ/iro systemas cos, dexando-se ir tOa
de urna imaginadlo em reio neln* and,urrieei
daschimeras, tivero mui curta vida. Hippo-
crates viveo 105 annos; Galeno mais de !>0 ;
Hhnemunn 89 Mesmer 89; Aubry 88; pelo
contrario Bruussais nao passou(so bem me lem-
ma diminuicSo na principalproduceodas colo-
nias da India Occidental a tal poni que iein
causado serio e ern alguna casos ruinoso .
damno aos propietarios do fazendas naquellas
colonias e lem feito com que mui tas fazendas
outro'ora prosperas e productivas tenhao sido
seu elixir Le longa vida, morreo com 48 an-
nos do idade; Brown nao chegou l. Podcra
a extensao da vida dos Mdicos, e o grao de
saude de que gozaro. servir de pedra de toque
para por ella se poderem avaliar os quilates da
sciencia que tiveri ? Nosei; mas parece-me
que se o Letrado he hbil, deve ganhar todas
aquellas demandas em que fr parte; eque se
o Medico he bom deve gozar de boa sade e
viver muito.
INGLATERRA.
Direitos do assucar caf e cacao.
Meeting dos Proprietarios da India Occidental.
Hontem (21 de Maio) houve um meeling
mui numeroso de noble* e cavalheiros em Wil-
lis-Rooms Hing-street James para re-
presentar ao Parlamento contra qualquer re-
duccao dos direitos do assucar cal e cacao,
que tt3o comprehenda semclhanle reduego so-
bre os gneros importados das possessoes In
en Conciltation-Hali, dedaVou O'Brcn com
toda a sem ceremonia possivcl que, se o Parla-
mento de Inglaterra nao atlendesse as justas
exigencias da Irlanda concedendo-lhe uin
Parlamento inilepenilente, em tal' caso nao va
outro recurso possivel seno a proclamacio im-
medita da absoluta separaco das duas coritas.
Este grito de separac'. absoluta he a primeira
vez que so prolere; ecemtudo aquello mesmo
que o proferio acaba do ser despachado pelo
Governo de Inglaterra para um einpregOCOni
ordenado. Lord Clarincarde dirigi por este
motivo severas inlerpellaces ao Governo.
Foi convidado para a cadeira da presidencia
o ^ isconde Combermcre o qual depois de
manifestar a seu sentimento Je que nao se con-
vidasse para presidir algum outro mais versado
na materia observou que era chegada urna
crise em que cnnvinha que aquellos que ti-
nho rolacoes com as colonias da India Occi-
dental, tomassom urna posieao defensiva. Qu'<
era talvez a ultima oecasiao que ellos terio de
lalr um esforco para salvar as colonias de to-
tal ruina. Nao era provavcl que se adianlasse
mais passo algum a ros pe i to da medida do Go-
verno antes dos das santos, de modo que o pu-
Comecn-se a por ern druida a visita tantas | l.licoc especialmente os membros do Corpo Le
ezesabnunciada.de LuaFilippeRaiBhaVic-i gislativo tero espaco para relectirem madu-
tona por cuja oecasiao se dovoria encontrar ramente sobre os ofTeitos do projoctado regula-
emLondres com 11 Imperador da Russia. Qaan i monto Multas possoas interessadas n lo a esto ultimo, A lodos concordo cm que n2o nas tambem possuio propriedades na Inglater-
apparecera em Inglaterra: pelo que diz respeito ra, e anda que nao ficassom absolutamente ar-
aoprimeiro, anidaba muitoquem penseque ruinadas. solTrcriao perdas mui consideraveis ;
ceilo preparativos que se esli facen do em
RrostsSo relativos h viagom da familia real de
Franca,, t)ue lera lugar iom grande apparuto e
ostontaclio.
Corrido bontememcircuios*bem informados,
da capital noticias da ultima gravidado a res-
uelto dos progressos da revolucao em Italia
L'izia-so que em aples havia chegado as
cousas a ponto, que a Calabria havia proclama-
do a sua independencia. Est visto que esta
noticia precisa do confirmarlo.
Igualmente se disia que a repblica negra
lo S. Domingos havia oTerecido l'ranga o
protectorado da i i ha ; mas que o Governo ba-
ta recusado o oflerecimento. Houve' mesmo
quem accroscfiitas.se que j linba ido ordem
pelo telerapho para Toulon, mandando sabir
para Porto-Principe una corveta que deve
transmitlir estadeciso ao Governo do paiz. O
mais provavcl be que os dous gabinetes de I.on
dres o de Pariz estSo de intelligencio sobre o
luturo deslino do llaity.
Morreo o l)r. Aubry una das glorias me-
dicas !> Franea ; se com efcito he cousa glo-
riosa ter empregado urna vida toda inteira em
adiar meios de alliviar as miserias da hnmani-
dos os discpulos do lamoso Mesmer, descubri-
dor das applicaces medicas do mesmerismo,
boje denominado magnetismo animal : scen-
eiii diiem os enten lidos em que ha alguma
cousa do sublime e do divino, mas de que o
charlatanismo se apoderou com tal alineo, que,
depois de a lar emporcalbado a seu talante, a
reduzio a lal estado, que nao he para aqu lies
que aqui vem de longos torras para vorem Pa
riz a rold'uiseiu ou para estudarem pelos ca-
fs e pela Chaumihe desenterrar as pcrolas
sepultadas em ioinellianto monte de estreo.
Nao bouve no enlerno do virtuoso dolunlo urna
longa lileira de carruagens do Pares de Franca;
mas bouve 230 pobres que elle havia curado do
difieren tes molestias, e que o aeompanbrSo
00 Pere-Lachaise, em testemunho dos hendi-
dos que Ibe devino. Nao houvo um membro
do Instituto que foase recitar, no momento do
bro)do33; arvin 52; Paracelso apezar do nesles dous ou Iros annos ltimos cultivadas
com perda consiJeravel e outras abandonnadas.
E demaisquo as principaes causas d'esla dimi-
nuida produeco e consequento miseria sao
a grando diflleuldade que leem os plantadores
experimentado em ohter trabalho firme e conli
no e o alto preco da romuneraeo que dao ,
ao trabalho interrumpido o indiflerente que p-
dem grangear,
Que a mesma' commissao accrescenlou-
mais que o mcio mais obvio e o mais deseja-
vel de procurar-so compensar este diminuido
supprimento de trabalho consiste em promover-
se a emigrado d'uma nova populacolaboriosa
tal ponto, que creasse a competencia no tra
halho.
Que de conformdado com esta recommen-
dacao deo subscquentemenle o Secretario de
Estado respectivo as orden* neresarias oara as
colonias obterem Irahalhadoros livres d'um dos
estahelecimpnlos Brilannicos da costa d frica;
mas em consequencia das reslfiCSes impostas.
assim como por outras causas tem sido mui
diminuto o numero realmente obtido.
Que todava se leria podido em qualquer
tompo ohter um ampio supprimento de apro-
piados trabalhadnres livres da superabundante
populacao da India Ingleza e que de facise
tem lirado daquella fonle desdo a poca da
omancipaco, mui grande addirco ao eflcclivo
trabalho das Mauricias em preservaejio o com
grande progresso daquella colonia, assim como
com proveito dos Irabalhadores que alli leem
adiado emprego; mas as colonias da India Oc-
cidental, posto que, soflrendo manifestamenteas
maiores nccossiilades por falta de trabalho ,
qnoirao supprir essa deficiencia A sua propria
custa nunca se Ihes permittio recorrer India
para esso lim
Que em materia de solo clima o todas as
vantagens naturaes as colonias Inglo/as da In-
dia Occidental oslan em circunstancias taofavo-
ravois para a cultura do assucar e de toda a
produeco tropical como quaesquer outros
pa/es do mundo ; o se forom sequer conveni-
entemente providas de trabalho nao ha rallo
para duvidar-se deque sejao logo restituidas
sua antiga fertilidade.
Que a conservaeo dVstas colonias he um
ohjecto do mais prolundo intoresse nacional ,
envolvo obom xito da grande medidada oman-
cipaco a civilisaco e a felecidade da popula-
cao emancipada; e segundo o carcter verda-
deiramento Inglez d'estas colonias segundo a
natureza particular das suas rdacoes com a me-
tropole e a sua constante e firme procura de
todos os artigos de manufactura Ingleza seria
a todos os respeitos altamente impoltica qual-
quer mudanca para o commercio incerto de
dependencias eetrangeiras.
Que a medida proposta polo Governo
de S. M. B. nao he suggerida por algum re-
cejo bem fundado de insuficiencia no sup-
primento geral do assucar para consumo in-
terno.
Que, como quer que as colonias da India
Occidental as suas actuaes circumstancias se
jo manifestamente incapazes do sustentar a
competencia com os paizes estrangeiros onde a-
bunda muito o trabalho e por haxo prego, este
meeting protesta solemnemente contraqualquer
medida que exponha as colonias da India Occi-
dental (Ao desigual competencia.
Quo.se todava se insistir na proposlareduc
cao dos direitos sobre a produeco estrangeira
he essencial mesma existencia das colonias da
India Occidental que os direitos sobre a sua
produeco sejao simultneamente reduzidos.
com o que se poderia abaixar o preco ao consu-
midor sem perda da renda.
Assentou-se enlo om que ossem apresenta,-
das peticoos. contendo as resolucos supramen-
noiiadas. Casados Lords polo Visconde de S.
Vicente, e Casa dos Communs por Mr. P.
Miles.
\ oirao-se a gradecimontosa Lo'rd Comber-
mere pola sua conducta na cadeira presidencial,
e dissolveo-so o meeting. {Times.)
mas era do seu dever como membros da com-
missao da India Occidental attonder ao efleito
que leria a medida proposta sobro a sorte das
viuvas, dos orphos, e dos credores hypolheca-
rios, com direilo propriodado colonial os
quaos todos ficrio arruinados se a medida
fosse levada efleito. Havia outra considera-
cao que mereca ser attendida. A nar,ao tinha
pagado urna grande somma pela abolirn da es
cravara, mais a medida, ora proposta pelo Go-
verno de S. M R., era eminentemente calcu-
lada animar o trafico dos eseravos ; pois que
nocessariamentc daria vantagem aos gneros
produzido.; por trabalho escravo. Dlzia-seem
justificaoo da medida que em todo o paiz se
oxperimentava a necessidade de assucar barato :
ao que nao se oppunba a corporaco da India
Occidental; mas enlondia quo, se houvesse qual
quer redueco de direitos, devia de estender-se
s colonias Britannicas e que nao se devia li-
mitar a van tagem quclles pai/es onde exis-
tia escravatura. Tudo quanto ella exiga era
que se protegessem os colonos contra urna frau-
uuieuia e injusta competencia.
Em seguida tomro-se as seguintes resolu-
cos :
Que este meeting suube com a maior sor-
preza e desanimo que o Governo de S. M. B.
tenciona propor urna grande reduccoo nos di-
reitos do assucar caf e cacao de proeduco
estrangeira sem ser acompanhada do reduccao
alguma nos direitos de iguaes productos de cul-
tura Ingleza
Que as colonias da India Occidental, alm
de possuirem em commum com todas as outras
colonias Britannicas um justo titulo benigna
protocolo, teem actualmente particulares di
reilos favoravol consideraco em consequen-
cia da posieao om que foro collocadas pela me-
tropole.
Que o valor total da propriedade das In
dias Occiilentaes, directamente aflectada pelo
Acto da Emancipacao. segundo a calculo mais
moderado exceda muito 100:000,000 de
libras, ao passo que a propongo da compensa-
cao dada as colonias da India Occidental era
ill-o sepultura, discursos eheios de elogios inferior 17:000,000, de libras.
ofliciaes; mas houve urna ora^o fnebre de la -
grimas o de gemidos, genero de cloqueoeia <|ue
, O Dr. Aubrv morreoeom 88 annos de idade;
o, a proposito de lo longa. vida vern-me de
repente .1 ideia urna roffexo, com que ter-
minarei esta correspondencia. Noto que a maior
parle daquelles quem a arto do curar deve
legtimos < verdadeiros servicos recebrio da
I', ; ,, dom da longevidade, como se
deiiar sobre a Ierra o lempo
necessario, para poderom levar bom camuiliu
k sua obra ; e que pelo contrario aquelles que
Que o estado intermedio de tirocinio, que
se julgou essencial para preparar a populacao
emancipada para a condigo de absoluta li-
herdade foi materialmente abreviado com
grande perda e prejuizo das colonias, como
que se aggravno lortemenle as difficuldades
inseparaveis de urna lao grande mudanca soci-
al e retardou-se a coordinaQAo das novas rela-
c5es entre emprezarios e trabalbadores.
Oue o resultado da final omancipaco as-
sim precipitada foi, como declarou o rotatorio,
d'uma rommis3o da Casa dos Communs, da
tado de 25 de Julbo de 1842 urna crandissi-
Variedade-,
pessoas, nao passa de meio milbao o numero.
da(|iiees que na Blgica se oceupo com a le
tura dos peridicos.
Dos t'i'-i peridicos do que .-.o trata, 31 sao
quolidianos, 39saheem duasou tres vezes por
semana, 57 sao semanaes. Das foihas quotdi-
annas. 17 perlencem capital. Como na Bl-
gica ha anda muita gente que nao entendo
francez. especialmente no Barbante, todas as
foihas publicadas nesta provincia, u algumas
das quese publicoern outras parles, sabtem .
luzem ilamcngo, que he a lingoa indgena. Sao
22 por todas as que apparccem neate idioma.
Um entregaaor de carias.Talvez nao haja
boje no mundo homein que mais tenha andado
uasua vida do quoaquelle a que allude a epi-
grapbedesle artigo. Chama-se Duncan, o he-
fiel do correio, ou entregador de cartas na ci-
dade de Skye em Inglaterra. Duncan anda re-
gularmente dez milhas nglezas por dia. no ex-
ercicio da sua ohrigaco. o que !./. 120 milhas
por semana (vislo quo no Domingo nao anda),
e 6,210 milhas por anno. Ha 28 annos quo
Duncan temandado do mesmo modo; e por lan-
o o espaco 'orrido por este infaligavel cami
nhante desde que he fiel do correio sobe a
174,720 milhas. O espaco corrido por Duncan
em quatro annos he igual a circunferencia da
torra, o como ha 28 annos que corre, segu se
que desde que seencartou no cilicio tem dado
solo vollas ao mundo. Quando deixar Duncan
de andar? Quando deixar de existir. Duncarr
he velho, e ainda nao cessou do correr.
Um da de Pariz. Pariz lio urna grande e-
dado Ho tal o movimento desta immensa capi-
tal, que s os acontecimontos notaves de um
nico dia da vida parisiense oquivalem.sem con-
sideravcl diflerenga, aos de um reino intoiro.
Ha em Pariz duas quebras de negociantes
por dia, fazem-so 3,315 depsitos no monte do
soccorro, executo-se 50 vendas judiciaes d-
beos penborados pela justica, occorrem 13 mor
tes violentas em cinco dias, ou 2 3|5 por dia,
morreen de rnorle natural 91 individuos, entran.
470 doentes nos hospitaos, fazem se tres mil ci-
tacoes para pagamento de dividas, commeltom-
se 78crimes, despendem se quatro n.ilhes de
francos em alimentos, morrem esmagadas pelas
carruagens 13 pessoas em dez dias, ou 1 3|i0
por dia Quanlos sero os listadosfoheranos na
Europa que apresenlein dentro de um anno
igual numero de acontecimentos notaveis?
.4 marmha de Hollando Continuamos a
offerecor aos leitores a eslatistica das forcas ma-
rilimas das difieren tes potencias europeas, refe-
rindo-nossempre a documentos ofliciaes, se-
gundo fizemos a respeito de Franca e Ingla-
terra.
A Marinha de Guerra holladera foi em ou-
tras heras urna das primeiras, e talvez a primei-
ra do mundo. Passada esta primeira poca da
sua grandeza cabio, como a portuyueza e hes-
panhla, em deploravel decadencia. Hoje vai
sahindode novo 1I0 nada a que ms influeocias
a reduziro. e consta dos vasos seguintes:
Naos de linha de 7\ a 8i pegas, oito; fraga-
tas de 32 a 60, qualorze; corvetas de 20 pecas
e dahi para baixo. dezenove, briguos de 14
pecas e menos, trinta e cinco; vapores, onze.
Por tudo87 navios de todas as grandezas. Ad-
virta-se porrn que n'este nun comprebendidos tambem os navios actualmente
em construeco, que sao 14, a saber: 3 naos. 2
fragatas, 3 corvetas, 4 briaues o dous vapores,
A lorca da maruja sobe 6 5 mil homens.
(Diario do (averno.)
O jornal ismo na Blgica.Possuindo o rei-
no da Blgica menos de quatro milhes de ha-
bitantes, conta comtudo 133 foihas peridicas,
proporco muito maior do queem qualquer ou-
tro paiz que seja da Europa; porrn o que ha
de oxcessivo no numero dos jornaes he compen-
sado pela pequeo numero dos leitores elles.
Nonhuma das ditas foihas conta mais do dous
mil assijinnntes, c a tirada de todas juntas he de
43,225 nmeros por anno. Suppondo queca-
da numero que labe s lu be litio por qaia
commEmio.
Alfandega.
Bendinienlo do dia 19......... 4:688*137
f'escarreyo hoje 20.
Patacho Novo Congrenso diversos gneros.
Rarca Pritcilla idem,
Brigue --lloze Amelie idem.
Irrigue si rugo idem.
Arago, brigue francez vindo de Cello, en-
trado 110 correnle nioz, a consignado deLuix
Rruguire & Companhia manifeslou o se-
guinto :
210 pipas, 40 meias ditas 80quartolase
30 barris com vinho, 20 lardos garrafas vasias,
71 caixas licores 3i- litas papel de embrulho,
65 ditas papel machina, 100 caixas velas do
espermacele, 50 barris o 50 caixas aceite de oli-
veira 50 caixas enxolre 38 fardos alfazcma,
48 caixas chumbo de municSo '2 ditas perfu-
maras 10 fardos rlhas 4 caixas (atondasde
seda; aos consignatarios.
Editaos,
O lllm Sr Inspector !:! Tbcsouraria >!i- Fa-
/onila desta provincia manda faxer publica a
oidem do Tribunal do i esouro Publico Na-


_.
csoRs! BA127, (re 98 de Jonho proumo nudo Usar urna preslacao tle i p. g/0 sobre o valor das
aVa
adianto transcripta. Secretaria da Thesouraria
fuas accoes, dentro do pravo improrogavobde
orio
da Companhia 16 de Julho de 8i4.= Se-
cretario //. J. Fernunde liarros. (8)
RelBvaodasappillaiocsi>eis, do Orlo-
no do Fsorivao Randeira que, rendo sido jul-
gadas, anda nao tranzit. rao pela Chancellara
Appellai ao de Joaquim Lopes do Abreu. do
Cear com os Imlios de Arronche.
Dita de Rento Jos Lemenha Lins do (la-
de Fazenda de Pernambuco 16 de Julho de, 30 das contados da data deste, Escript
1844. Joaquim F'rancuco Bastos ((filial
Maior.
Ordem n. 127,Manoel AlvesBranco, Presi-
dente do Tribunal do Tbesouro Pnblico Nacio-
nal, cni additamentu ao reuuiamcnto de 26 de
Abril dusle anno n. 355. declara l.'que o sillo
dos fretamentos d embarcaces deve sor pago
por urna s voz pelo consignatario ou mcstre, a
vista de urna nota por elle assignada em que
declare o norne naci, e tonellagem da ern-
barcaco, e total do frete, a qual ihe sera resti-
tuida com a verba da taxa que pagou, ficando
assim dispensada a appresootecoo dos conheci-
mentos, a qual s sera exigida ern cajo de duvi
da, mas de modo que por tal motivo se nao de-
more o desembarazo da embarcaco; 2." que se
poder applicar as procuraces fetas judicial
mente passaportes liceocas e outros papis
scmelhantes as disposices do art. 4. do regu
lamento, de se poder sellar em brancoo papel
para taes actos; 3." que pode dispensar-se a de-
claradlo dos nomos das pessoas no lancamenlo ,
como se havia exemplific ido no modelo sob n.
16 a 28. O que o Mr. Inspector da Thesoura-
ria da provincia de Pernambuco far executar.
Tbesouro Publico Nacional em 28 de Junho de
1844. Manoel Aires Bronco.
bo com os heimos de Manoel de Barros sinar ejensinou em um dos collegios desta
mente conhecido por =molela= ; os preten-
denles, queirao ahi comparecer para oITcrcce-
rem osseus respectivos lanos.
tenderutilisar-se de seu prestimo dirija-se a ra
Rireita; 1. andar,n. 64.
OSr Braz Antonio da Cimba e Albu-
ver, contar, dutrina chrisla com explicar.oes,
cozrcbd'i, bordados, e lavarintos, pelo mdi-
co pre.ode lj600rs. por mez.tambem aceita-
Se meninos de 5 a6 annos, e algurnas meni-
nas pensionistas a l(b rs. mensaes; a senhora
que a isto se propoe tern bstanle pr tica de en
Miguel Archanjo Monteiro de. Andrade, Ofi-
cial da Imperta' Urdem da Boza, Caval-
leiro da de Chrislo e Inspector d'Al funde-
ga. #c.
Faco saber, que no di-4 26 do corrente se bao
de arrematar em ba,ta publica ao meio dia
na porta d'Alfandea 8S mercadorias ahaixo
descriptas com os v a|ores ,|a pauia ( e aUgmento
de 5
Hego.
Dita de Joo Baptista dos Santos desta ci-
dade com Gertruite's Mnria da Cruz.
Dita de Manoel Francisco Cardozo,'desta ci-
dade com Joaquim Francisco Pascoal.
Dita de D Maria de Jess Cordeiro desta
cidade com D. Ma'ria Thereza de Jess Si-
queira.
Dita de Antonio Lino deSouza, do Rio Gran-
de do Norte com Felis Manoel de Moraes
Hego.
Dita de Antonio Francisco dos Sanios, desta
cidade com Manoel do Carrno Inojo/a.
Dita de Francisco Ferreira de Mello desta
cidade com Joao Baptista Ribeiro.
Dita do Dr. Francisco Lu Ferreira Tava-
res, ila villa Federal das Cabaceiras, com a par-
da Nicacia e seus lilhos.
Dita de Manoel Felis Rodrigues da Costa ,
do Pao d'Alho com Amaro Fernandes Gama,
e outros.
1 Na ra do Rotarlo estreita. 1. andar do! querque queira ir fallar com Valentim Jos
obrado n 21, ensina-se meninas a lT. escre- i Correia, a negocio do seu inleresse; pois o mes-
mo Sr. esta para so retirar para cidade do Porto.
No deposilo de viveros, na ra da Praia,
becco do Carioca n I, por baixo da sociedade
Philo-Talia, se vende milho de boa qualidade
e mais barato que em outra quulquer parte, ar-
roz de casca, dilo branco pillado, boa fariiihn do
mandioca; e no mesmodeposita (ambem se ven-
dern 70 a 80 saceos va/ios ja usados.
Arremataco Barata ?
2Porexecucaode Francisco Jos Rarboza, e
parante o Sr. Dr. Juiz do Civel Nabu-
co Jnior na ra do sol lera lugar a pri-
rneira praca ^liscrivao Magalhaes ) no dia 20
de Julho correnle da casa de tres andares na
ra Nova d'esta cidade n. 23 e com frente para
o beco da camboa do Carmo pinhorad? a Jo-
ao Eduardo Chardon etan mulher para pa-
gamento de 14:160.>000 rs. a que est;i sujeit.i
por escriptura publica as notas do TabelliSo
Ferreira os pertendentes a este to excellento
como rendoso prediopodero haverinforrnacoes
de urna escriptura publica as olas do Tabclliu
Coelho, pela quali ohrigaro-sc as partes sua
construccao com os inclhores materiaes, dndo-
se s duas frentes para os alicorees oilo palmos
de fundo solire oilo de largura e para o lado
lo beco a mesnia prnfundidade sobre de/ le
as T'.aes se acho nos armazvns da
mesina, alm do lempo permiltido pelo regu-
lamento : i saber. Valor
Um maca',0 de pao em inso estado 20)000
Um cu. ctete com 23 machados 128075
Um d.do pregos com 2 quinlaes 21j000
C'i'.ia barrica com dito 5 arrobas 21, 000
'Jma dita com dito 3 ditas 7j875
Urna caixa velha vasia 320
Urna dita com olhas de (landres em
mao estado 9^000
Dous encostos de sof 2j000
Trez barris com 42 medidas de vinho 15j(73
Cinco barricas com 45 alqueiresde cal 37^800
Um moldo de louro com 53 libras 11 130
Alfandega. 18 de Julho de 1844.
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade.
i A (Jamara Municipal da cidade de linda e
seu termo em virlude da lei 'c.
Faz saber que em virlude da lei provincial
ti. 135 de 2de.Mai>> do corrente anno, esta
Cmara, com o Fxm.Sr. Presidente da Provin-
cia contratar com algum individuo ou com
panhia o desecarnento do pantano de (Rinda :
us pessoas quequizerem cunt alar, remellosuas
propostas a mesma Cmara para screm presen-
tes ao Exm. Sr. Presidenle da Provincia. K pa-
ra que chegue ao conheciment de lodos man -
dou a Cmara publicar o presente pela impren-
sa. Cidade de linda. 16 de Julho de 1844
Jos Joaquim de /t/meula Guedes, Presidenle
Joo Paulo Ferreira Secretario. (15)
Avisos marilimos.
l = ParaoRiode Janeiro sahir com muila
brevidade a polaca brasileira Providencia, an-
da recebe algurna carga miuda e escravos a Ire-
te; a quem convier dirija se a Gaudino Agosti
nho de Barros na ra da Cruz n. 66. (5)
1= Freta-se para qualquer porto o brigue
Irancez Bote Amlie Capitao (irosos, de 11
toneladas france/as, levando 150 ditas, novo,
de boa marcha, comcamarotes^e boas acoinmo-
daces para 12 ou 15 passageiros; falla se com
o mesmo Capitao ou com os consignatarios Bol-
li & Cbavannes. (7)
>- -.-~.
Leiies.

ieciaracoes.
=r O vapor de guerra Thelis tira a mala para
o Ceara e Maranho hoje (20) a urna hora da
tarde.
O Administrador da Mesa da Reccbedoria
de Rendas Geraes Internas la* saber que em
virlude do artigo 53 do regulamento de 26 de
Abril de 18 44 se acha autorisado vender cartas
de jogar no municipio desta cidade nos bairros
do Recife Santo Antonio, e Roa-vista o Sr.
Antonio da Silva Gusrnao no corrente anno fi-
nanceiro, nao podendo outr.i qualquer pessoa
mais vender desde 18 lo crreme em diante ,
liendo sujeitos o que o contrario praticarem ,
s disposices dos artigos 56 e 6 i do citado re-
glamento. Recebcdoria 19 de Julho de 18H.
Francisco Xavirr Cacalcantt de Albuquerque.
= O Administiador da Mesa da Recebedo
ria das Rendas Internas Geraes tendo por
muitas vezes chamado pelos Diarios aosdeve-
dores dos bairros do Recife, S. Antonio, Boa-
vista e Allogados. para pagarem o impos-
to do banco taxa de escravos seges, ecarri-
nhos de botes canoas e mo-morta ;
ninguem tem comparecido para pagarem os
releridos imposlos e por isso onnuncia pe
la ultima ve/ que se al o fim do crlen-
le mez n8o vierem pagar remetiera para
jui/.o relaedes para serem exe ulados sem ex-
cepcio de pessoa alguoia. Reccbedoria. 18 de
Julho de 1844. Francisco Xavier Cacalcanli
de Albuquerque. (1J
COWPAKHIA DOBEB1RIBF
3 O correlor Oliveira far leilo, por or-
dem e em presenca do Sr. Cnsul da Blgica ,
o por conta c risco de quem pertoncer de cer-
ca de 600 saccas de arroz. desembarcadas de
bordo do brigue hubens, capitao W. A. Rjk,
arribado e legalmenle condemnado n'esle por-
to na sua recente viagem que fazia da Batavia
com destino a Anvers; segunda-feira 22 do
corrente. s 11 horas da manha noarmazem
do Sr. Balthar, na ra de Apollo. (10)
1 = Antonio Jos de Magalhaes Bastos l leilo por inlervencao do correlor Oliveira ,
de toda a rica, quanto valiosa mobilia e mais
utensilios da casa decampo de sua actual resi-
dencia de alguns escravos d'ambos os sexos
com habilidades e sem ellas, e dous cavallosen
sinados para carro e montana, &c. ; quinla-
feira 25 do corrente, as 10 horas da manha,
no Mnijinh<. i I ir ncrlpnrt>nlp 0 F*m B-
" r ......
cidade. (10)
l = Pelo Juiso de Orphos desta cidade se ha
de arrematar no dia 22 do corrente, pelas 4 ho-
ras da tarde, no lugar das Cinco-pontas.na casa
n. 98 a mobilia pcrlencene aos herleiros li-
lhos do Jinado Manoel Alves da Cru/, a reque-
rimentodo tulor dos mesmos Manoel Felis Al-
ves da Cruz. (7)
1A pessoa, que annunciou no Diario de
lena e quarta-leira 16 e 17 do corrente, que
rercomprar urna venda quereudo una na
Boa-vista na travessa do Veras n. 14, com pou-
cos fundos, e sem alcaides, com commodos pa-
ra familia, cozinhafra, quintal, cacimba com
boa agoa e porla ; a tratar na mesma. (7;
1 = Madama Haulefeuille parleira approvada
pela faculdade de medicina do Pariz, propoe ifi
a exercitar a sua profisso, e tamhem se odere-
ce assislir e prestar os soccorros da sua arte a
qualquer senhora que se ai he coin algum in
commodo antecipado ao seu parlo: adverte que
rao de llamarac.
(10;
1 visos diversos.
1 = Constando ao ahaixo assignado que
tem de ser levado praca um sitio na Boa-
viagem e urna parte deum sobrado na pra-
ca da Rda vista pertencenle ao casal de Ignacio
Francisco Pereira Dutra por execuco de An-
tonio Pinto de A/evedo avisa para que nin-
guem allegue ignorancia que tem feito ares- ma das 6 as 8 horas da manha e a tarde de
to mui anterior nos ditos predios pela acgo ,
que encaminha no Juizo de rphos contra o
dilo casal pelo que veio com embargos a dita
execuvo os quaes pendem em auto apartado,
e protesta haver ditos predios de quem quer que
os arrematar naconcurrenle quanlia de sua exe-
rucio. Bento Jos Bernardes. (14)
l=Precisa-se alugar urna ama, que seja de-
sempedida ; no atierro da Boa-vista n. 42, se-
gundo andar. \*i
l = Aluga-se o sobrado n. 15 da ra do Vj-
gaiio de tre/ andares lodo preparado de no-
vo com muitos commodos para urna grande
familia proprio para a residencia de qualquer
negociante, por ser pioximo da prac.a dos
trapixes e d'Alfandega e pofpreco mdico ,
adv rte-sc que se alu.ara todo, ou cada andar;
no alterroda Boa-vista n. 42, 2. andar, (8)
3 Antonio Carlos Andorfer, retira se para
lora da provincia. (2)
1Segunda-feira, 22 do corrente, tarde,
largura ; obra esta oxeculada n'esles ltimos
tambem sangra e vaccina ; as pessoas que do qualro annos debaixo da direcco dos melho
seu prestimo se quizerem utilisar dirijo-se a
ra Novan. 14. (9)
1 Dcsappareceo no dia 14 do corrente, do
sitio denominado Sobradinho confronte o si-
tio da Tacaruna da estrada de Bellem um
quarto com os signaos soguintes : russo j bus-
cando a peilrez com o cabo e dinas aparados
ja de lempos tem os cascos das mos e ps mu
bem feitos tirando a especie de burro magro ,
e eslava com um olho bastante doenle julga-
se (urtado ; quem delle soubere queira deseo-
brir dirija-se ao mesmo sitio ou na ra
d'llortas n. 58 das 6 horas da manha as 7 e
meia, que se gralilicar generosamente, e guar-
dar-se-h.i silencio no caso de ser preciso. (13)
1A viuva, ahaixo assignada,avisa ao respei-
tavel publico que ninguem contrato negocio
algum respeilo de urna casa terrea em Olin
da, ra do Jogo da Bola pertencenle mesma
ahaixo assignada pois que esta a ninguem au-
torisou para semelhante contrato. Antonia
Mana l'ereira. (7)
Hoje, pelas 4 horas da tarde na ra do
Sol na porta do Sr Juiz do Civel da 2.* vara ,
tem de se proceder arremalacao de um escravo,
por execucao de Lenoir Besuchel & Puget em
iiquidaco.
Antonio Jos de Magalhaes Bastos, estan-
do prximo a retirar-sc para fnra desta provin-
cia roga a todos quanto se consideren! seus
credore-, hajo de fazer suas reclamaces al
o lim do correnle mez de Julho na certeza de
que depois deste praso, nao annuir a qual-
quer exigencia, que se Ihe far^a, por julgar na-
da dever.
Fazem-se carnizas de homem vestidos
de senhoras, e todas as mais costuras, ludo por
ntpon commodo e da ultima moda : na rn Jj
Gloria n. 84.
Sociedade Thealral Campezina.
O 1. Secretario avisa aos Srs. socios, que
no domingo (21) baver sesso da sociedade pa-
ra concluso dos trabalhos da antecedente s
3 horas da tarde na casa da mesma corlo de
que nao baver falta porque se torna muito
necessaiia a dita sesso.
Na Camboa do Carmo, casa n.27, tiro-
se passaportes, e lollu s corridas com toda a
promptido ; quem precisar dirija-se i mes-
res meslres que emprogarao o seu saber tanto na
elegancia o dislribuico como na seguranca do
dito edificio. (24)
3=0 Director da sociedade = Apollinca
previne aos Srs. socios em geral da mesma so-
ciedade que nao Ibes he licito levar as parti-
das as pessoas comprehendidas no 5., art.
4." do Cap. 2.1' dos Estatutos sem que pre-
viamente hajo oblido delle Director por es-
cripta a permiss&O exigida no dito e isto
para evitarern-se alguns abusos. (81
3=0 Ciruruio Joaquim Jos Alves de Al-
buquerque mudou a sua residencia para o Re-
cife, ra da Cruz n. 57 ; roga portanlo as pes-
soas de sua ami/ade e quem de seu prestimo
se queira utilizar, tenbao a bondade de o pro-
curar ern dita casa. (6)
3 Perdeo-se urna ordem da quantia do
cem mil res passada polo Sr. Antonio Ferreira
da Costa Br*'ga contra o Sr. Manoel Contal-
ves Pereira Lima, e a avorde Mosquita & Du-
tra e por isso se previne aodito Sr. Lima de
nao pagar dita ordem, (6)
3= Precisa-so de urna lavadeira desabiioe
varrella ; na casa n. 60 da ra da Cruz,segun-
do andar. (3)
4 O abaixo assignado vendo o annun-
cio feito oeste Diario de 11 do corrente para
ser arrematada, em praga, parle do sobrado de
dous andares e um solo, na ra hiieita n.
100, pertencenle ao Senbor Jos Rogerio
Marcelino faz publico para constar que tem
pago o aluguel do segundo andar em que mo-
ra da mesma cosa at o mez do Fevereiro
do anno de 1845.
Bento Joao Cardoto. (10)
3 Precisa-so alugar urna casa de sobrado do
para
-, -i 11 ....... i i ii ,
1 ..s 3
Precisa-sc de um menino Porluguez de
12 a 16 annos do idade para caixeiro de una
luja de fa/endas na cidade da Vicloria ( S An-
lo ); a tratar na Rija de ferragens da ra do
(Jueiiiiilo n. 10.
Oadvogado, que vai ao Rio Formozo, e
ofTerece prestimo ; dirija-se a ra do Queima-
do loia de lerragens n. 10
Desencaminhou-se um barril de mantei-
ga ingleza marca coraco de tinta com o peso
de duas arrobas e desenove libras bruto, marca-
do com aiz branco cujo barril foi entregue a
um preto para carregar no dia 17 do correnle ;
qoom delle souber. dirija se a venda da ra do
Rosario estreita, que volta para o Carmo, que
recebera alvic,aras.
f = Maria Joaquina de S. Thom, professora
substitua das cadeirag de primeiras lellras de
um 3ndr ^orn sutil!
sendo em boa ra, e que seu aluguer nao ex-
ceda de 300j000 rs. aunuaes; quem a tiver
pode dirigir-se a ra doCaldereiro n. 12. (5)
= Hoje he a ultima praca, perante oSr. Dr.
Juiz de Direilo da segunda vara docivel.de
3:095^919 rs. que Jos Rogero Marcellino
tem na casa de dous andares e 6oto n. 100 na
ra de Direila desta cidade.
Tendo-se justo a compra de urna casa ter-
rea na ra dos Copiares n. 16, pertencente ao
cazal doSr. Joao Izidoro Alves da Fonseca a-
visa-so por este annuncio para que quem a el-
la ten ha direito baja de Ihe por os embargos
at 8 dias depois da publicaco deste.
viviso importante ao publico.
12 Acaba de cliegar urna porco nova e
fresca d'aquellas invaluveis Pirulas da medecina
populare as pirulas vegelaes americanas, sendo
a composico d'ellas inteiramentc vegetal e j
lo conbecidas nesta cidade as varias molesti-
as de figado febres rbeumatismo lombri-
gas ulceras, escrfulas, erysipelas, e he o me-
Ihor remedio conhecido para o sangue; roga-se
aos inlermos de provarem este adamado reme-
dio. Vende-sc eom seu competente receiluario
em casa do nico agento Joao Keller ra da
Cruz n. 18, e para maior commodidade dos
compradores na ra da Cadeia cm casa de Joao
Cantoso Ayres, ra Nova (iuerra Silva e Com-
panhia Atierro da Roa-vista, Salles e Chaves
ao precode 1*000 cada caixinha. (17)
.2 Na ra do Rangol o. 34 copia5-se senten-
inennias desta praca, ensina particularmente
lr. escrever contar, arilhmetica. o di\ersas| sas procesaos, e lodo qualquer papel judicial,
tera lugar porta do Sr. Dr. Juiz dos Orphaos quididades de coritas; tambem recel e em sua i assim como la/.-se outra qualquer escripturae;o
r arreodamentode nove sa sigamos meninas de pessoas que morao com muito boa letra, < maior perfeicio,sendo
idministracio da Compaohia do Bebiribe sitasen, lora de Portas porteocentes ao casal lo,a da colado ou que. morando oa (idade.as tudo isto feito com bastante brevidade, o por
convida aos Srs accionistas para q bajaode rea- do aecido Antonio Joaquim Pereira, vulgar- queirao encarregar da sua educacao; quem pre- pre^o muito commodo. (6;


<]-<-.< dtdter mestrede orehes-
iadodo poento da mesma rua ; onde fazem 2Vende-se por preco oiuito commodo urna
eavilhes atracadores, parafuzosde apertar e farda eum bone para cadete do aitilharia tu-
--*- *--" j novo r.a rua !srna do Roorin r !js de
- miudezas n. 35.
2 Vende-se urna lancha com todos os per-
.....I 1 I .' ......i J.J [ i- I Vi l I | <. .....
'Ultras ferre"er!s para engenho eixos irhos,
o outras ferragens para carros, parafu?ns e por-
ras de todos os lmannos ferragens para na-
[jos de respeilaveis pessoas desta
cidade, na< ionaes ecstrangeiras
tem resolvido ftxar-se em Per-
oambuco, onde se propon a dar lices de rabeca,
rabeci i violonccllo c flauta por un me-
thodo. que tanto lem de prompto como de fcil;
tambem se oflerecti par-a atinar pianos com toda
a pericici .; a sua morada he na rua Nova n.
23, sobrado da travessa da Cimboa-do Carino.
1 Di'sejii-se lallai Gomo Si. Manoel Fran-
cisco dos Simios a negocio de sea interesse; quei-
ra annunciar a sua morada ;3
1 Precisa-so do um padeiro e forneiro pa-
ra nina padaria dictante Jeita praca 4'leguas;
quem es ti ver oestes rircui;slancias dirija-sea
rua do Raogel d. -H a halar com Victoiino
Francisco dos Santos. (5
tQoalquer pesssoa, que esteja Das circums-
tancias para ser inestre de assuca de una en-
genbo na provincia do Maranhau b queira en-
gaar-se dirija-se a ruada Cadela do llecilen.
4, segundo andar, das (I as ;> horas da monhaa,
e das duas as 4 da tarde. (<>
1 Alugao-se o pnmeiro e terceiro anclares
do sobrado da rua do Crespo u. S a fallar na
mesma rua com Josa Joaq un da Silva Mala, 3
l Alugao-se o segundo e tercetro andares
do sobrado da rua dos Tar.oeiros no hairro do
Refcife, com commodos sullicientes para urna
grande familia ; quem os pretender dirija-se
no primeiru andar do mesmo sobrado, que al)i
achara as chaves para serem vistos, e paran
ajuste dirjio-se a rua do Pillar em Pora-de-
portas n. 108, da (i as 10 h iras da uianhaa, e
as doas as f, da larde. >
O Sur. J. F. I), queia quaotO antes satis-
fazer o resto da divida que em lins do 4-2 e
principios de 43 contrahio na venda de Jos
Joaquim Alfonso em (linda seno (era o
desgasto de ver o-seu nome por extenso publi-
cado.
i Aluga-sea luja do sobrado de Fra-do-
portas o ..3 com muito bons commodos ,
mu i lo fresca com quintal e cacimba lem sa-
Elida para a praia grande ; ar.sim como urna pe-
quena casa no luudo .lo mesmo sobrado por
preco comino.lo ; a fallar com Joaquim Lopes
deAlmeida, oaixeiro do Sr. Joio Matheus. (7
Aluga se o sitio do fallecido Machado no
Atterro-dus-Affogados o qual lem boa casa
de viveoda com commodos .suficientes para
grande familia lem grande parreiral diter-
sas ai vores de fruto e capim animalmente ; a
ti atar na rua Direita n. 12, primeiru andar.
iOflcrece-se um mocoPorluguez para fei-
lor de engenho ou mesmo pata sitio, sendo
que seja perto desta praca; quem de seu p es-
limo se quizer ulilisar, duija-se a rua estreila
du Itoaario venda n. 8.
i Correm-se lolhas e tirao-so passaporles
para dentro e lora do imperio, por prego mui-
to comr.iodu e bstanle bret idade; na rua da
Raop.eln.3i. (4
I Aluga-sc o segundo andar do sobrado da
Tua estreila do Rotarlo o. 43, con bastantes
commodos para umu familia ; a fallar na mes-
na rua, sobrado junto ao liiesuio n. 45 pri-
rneiro andar. (5
1 A botica da rua do Rosario n. 3( em
que erao socios Bartholomeo \ Ramos Qcou
pertencendo ao ek-socio Barlbolomeo Francis-
co de Souza assim tomo o activo e passivo da
mesma conforme o contrato de dissolucao
ftito no cartorio de Gilherme Patricio. (6
iCaetano Lins .Machado e Silva, Porlu-
guez relira-se para o Rio ele Janeiro. (2
I prteisa-se de um inesliesurr8dor, ou de
um ofcial para lomar coala de um novo es-
tabelccimonlu, paga-se bem ; na rua Direita
n. i (i. (4
Aluga-se o segundo andar e sola doso-
bradt da rua Direita n. 24; a Iratar na padaua
do mesmo sobrado.
O Sr. Padie Antonio Jos de Souza lem
Ulna caita na rua do Crespo lo ja n. <.
IPrecia-se de i aprendizes de charuteiros;
em Fura de-portas n 100. (8
Quem precisar de um rapaz Portusuez
para caixeiro de qualquer oceupacao dirija-se
a ruado Lmumcnlo armasen de mutilados
n -20.
_Quem precisar de um feiloi para sitio, ou
engenha qual Irabalha de cuchada dirija-
se a rua das Trincheiras n. 13.
2|)j-se dmheiro a premio nn pequeas
quantias, sobra penh re deouro, ou pruta ;
ia mu larga doRozario n. l!>. >
2__ precisa-se alugar um moleque do 13 a
i j annos, pata O servido de urna casa de pe-
quena lan.ilia que seiba comprar e seja ful ,
i.i-se-ieo sustento e B rs. mensaes; na
Solidade, indo pela Tiempe lado tsquerdo
n 12. i(i
2__ |). Maiia Severina da Rocha Lins avisa as
s>c88oaS que seacbao devendo loro de terre-
: ,. rje Fra de portas < vio pagar n^ praso de
10 das, apresentBndu nesseactoos ltimos re-
bos que liverem diiiuindo-se para este lun
b rua do Torres, c ja deironle do Sr. Joo Pinto]
de!Lemos. ''
3__ y Gallun Jj Compaohia respeitosa-
mente avisan aoaeohorea de engenho. e ao pu-j
pcoeu geral que na nova rua do Rrum, que '
pussa por delidJ! lio Al seal de naluna ..m
eslabelccido urna lerraria (sendo a ultimado
vios
[OCIOS OS liiiiwiiiuis ICIiagcIIS pala lia- i cimc- ui.-o iiiik mu ..... v^-- r
verandas, portees carros de mao e lo- tences e um escaler em bom estado, perten-
-i____l.. I.mI. .. .-------. .. ,., ,. .,..!.. m. um nn t'i.t i mitI. i < i mu i : 111 V :i tf i)(1 fl A T 11 n
.-^-.. v. ,- ^^ (-. J ........ ------
'lasas obras delerfeiro ; como os seus appa
lll.'U.' UUIU.-" un.- ...... w ,m ii "11 *,-.*- w w-> "-----------
relhos recntemonte chegados de Inglaterra sao da Lingola n. 2.
i. .____i;j_ J. ________ii._____j-- ... r i: .._.i., r.. .
.. ...--_-----. .- ------,_--------- c-----'--------
la p-iincia (jualidade ; protnetto agradar aos
seus reguezes tanto na qualidade do m5o cosinheira ; um lindo moleque para pagem
d'obra como no pre?o e promplidao.
3 Se nesta prar;a ou em outra qualquc
... ._:..! D_ -ei.,....... c... i. tu.,,.-,.,.
uw ...'.--i iiiii i i ii v.... .... w ...w.^., ,------ r .,
16 dous cavallos de sella; na rua de Apollo n. 9. (3
2 Vende-se excedente carnauba ; na rua
parte existir o Sr. Thomaz Soares de Alberga- da Cruz, armasem de assucar n. 33.
ria nalural da Illia de S. Miguel se servir 2 Vende-se urna porcao de taboas pro-
le dirigir-Re a rua do Vigario a fallar com Joo prias para se fazer caixoes para assucar, por
l'avares Cordeiro, para Ihe communicar urna preco commodo ; na rua da Cadeia do Recife,
____:..:____r... ..:_j. j__________iil. iC. l-t. j i ...,,,,!.,,- n 1 .4
'articipaQo vinda da mesma liba.
15 NA BOTICA, E ARMAZEM DE DRO-
GAS, NA RUADA MADRE DE DOS. N. 1
Vendem se as prparacOes seguintcs por pre-
co muito commodo e de superior qualidade,
Colirio anli 'Ophi'halmico.
Esle medicamento tem as mais enrgicas
ludes para destruir com os bons e elizes vir-
sultados que a longa experiencia tem mos re-
do tuilo quanto sao nevoas helidns inlra-
macdei e outras doeriias d'olhos, em quefla-
hc preciso paraseu curativo radical usar-se niio
meioa operatorios que a Arte em taescasos in-
lica ca quo o doente necessariamente recor-
re. I.Tm sem-numero de pessoas podem at-
teslar com verdadu os Slutares efleitos da ap-
plieai;fio Jeste remedio prodigioso ; lano em
iliflereotes partes do Imperio donde tem sido
procurado, como em algumas partes da Eu-
ropa onde seu uso he mais tem conliecido do.
Na mesma casa tambem se vendem tintas, e
todos os outros ofijectos de pintura ; verni/es
le superior qualidade entre ellas hum perfe-
tamente branco e que se pode appliear sobre
a pintura mais delicada sem que produza al-
leracSo alguma em sua cc'r primitiva. Arrow-
Root de Mermuda ; Sag ; Sbemeles ; Saoao
le Windsor ; Agua de Seidlitz ; Limonada
sasoza ; Tinta superior para escrever ; Perfu-
rnarias ingletS ; Fundas elsticas de patente,
Escotas r pda para denles ; Pastilhasdc mu-
ralo de morphina e ipecacuanha ; Azul li-
nissimo proprin para ailar roupa Psele sei-
dlits e de soda ; Pastilhas do bi-carbonalo
le soda e gingilue ; As verdadeiras pirulas
wgetaes universees do D. Brandrelb, vindas
de seu aulhor nos Estados Unidos, &c. &c. (36)
Compras
Compro-se diarios velhis e novos a 2560
rs. a arroba ; na rua estreila do Rosario n. 34.
__ Comprao-se os livrns intitulados Comba-
te espiritual ea escada mstica de Jacob, anda
mesmo usados ; quem tiverannuncie.
Compra-so pos da verdedoira rosadeAle-
xandria e jasmineiros de bom tamanhopara se
plantaren); quem liver ai.nuncte.
Vendas
quem a pietender pode ir eaminal-a delronte
do caooo Collcgio aonde se acha undeada ,
ea Iratai na rua da Cruz n. 37, segundo an-
dar. (c
2 Vendeni-se lijlos de alvenana grossa ,
da maior marca que ha presentemente e de boa
quaiidade ; na primeria loja de fazrndas ao p
do aico da Conceico indo da ponte do lado
direilo. (5
dVcndc-se panno fino preto de boa quali-
de a 3 covado merino decores os melbo-
res em qualidade a 1$ rs., mcias casimiras de
quadros e de listras para calcas a 440 rs. o cc-
vado corles de lanzinha modernos a 300! ,
4500 e 6000 rs. luvas de pellica de cores para
homem, a 3000 rs. aduzia e 3?0 rs. o par,
riscadlnho tecidos para vestidos a .' 20 220 e
280 rs. batilha de listras para coeiros a 200
rs. o covado, chitas deassenlo branco a 120 rs.,
e escuras linas a 140, 160, 200, e 2'i0 rs., eha-
centeaum navio ingle'z que naufragou; na rua
L*
2 Vende-se urna negra ptima lavadeirao
[0 loja de fasendas n. 37.
2 Vende-se um refe com toreado entor-
nisado d em bom estado ; ha rua de Agoas-ver-
des n. 32 (3
2 Vende-se um negro moco, sem defeito ,
por preco commodo ao comprador se dir o
motivo da venda ; na rua do Collegio n. 11. ^3
2Vende-se um palanquim com pouco uso,
e pintado de novo por preco commodo ; na
rua da matriz da Boa-vista n. 35, segundo an-
dar. Ml (4
__ Vendem-se ptimos licores de diversas
qualidades, em porcao a 160 is. a garrafa, e
a rctalho a 200 rs. genebra embotijada a 200
rs. a botija e em caada a 800 rs. agurden-
te do reino a 1)00 rs. a caada, superior ago ar-
dentede aniza700 rs. a ranada, espirilo de
vinho a 200 rs. a garrafa; na rua da Roda n. 33
i Vende-se urna propriedade livre c des-
embarazada na ruada Moeda n. 9 com dous
ndales lavados e dous grandes sotaos com
vista para ornar ; na rua da Cadeia do Rceife
n. 31 prinreiro andar. <
1 Vende-se urna canoa nova de carga de mil
lijlos de alvenaria ou troca se pelos ditos,
ou por um esrravo ou escrava ; na rua da
Palma na primeira casa. (4
Vende-se um colher de prata de tirar sou-
pa urna gargatilha de bom gosto anneies e
medalhas deouro de lei dedaes do ouro de
bom gosto pares de brincos de ouro de lei, e
diamantes ditos de differentes modelos urna
cassoleta urna salva cara 4 copos, urna dita
para um ; um copo, um coco urna brida, um
arrelicario para pesclo um par de esporas de
bonito molde, tudode prata, um relogio inglcz,
sabonete de prata e um cordSo grosso paia o
dito ; nasCinco-pontas n. 45.
]__ Vcnricm-se velas de carnauba e do sebo,
por pre?o commodo ; na rua de S. Rita-nova
n. i\ (3
Vendem-se foges proprios para casas par-
ticulares ecom todas as commodidades bem
corri remontes de superior couro de be/erro ,
ludo por preco commodo ; na rua do Vigario
n. 21 casadeMendes& Oliveira.
Vende-se urna escrava moca perita cosi-
nheira lavadeira e engoitimadeira ao com-
prador se dir o motivo da venda ; na ruada
Cruz n. 37, segundo andar.
Vende-se cha hisson de superior qualida-
de por ser de caixas grandes, a 2000 rs. a li-
bra e de S libras para cima a 1900 rs. ; na
rua do Rangel n. M>.
Vende-se urna prosodia da decima edicao;
nova historia completa das enquisices orna-
das com 8 estampas ; a Riblia do Padre^ Anto-
nio Pereira em latim e portuguez em 7 v. ; a
f_ Vende-se um preto de ircia idde .para
todo o servico principalmente para Irabalhar
Ao ..nflisdi por ter urna arande pralla des!;;
servico ; na rua larga do Rotarlo n 18. 'i
1_ Vende-se um cilindro de imprimir es-
tampas para bentinhos feilo no Porto ; na rua
de Dorias n. 00. 3
Vende-se um piano de muito boas vozos ,
pox preco commodo para liqodacao de coti-
las, o um terreno junto a ponte do Manguind,
do qual se vende a posse com 1 alicercej fei-
lo de um lado ; na rua da Praia de S. Rita ,
casado Vianna ou no Atterro-da-Boa-vsia
n. 2.
Vendem-se por preco commodo meiassac-
cas de eieellente larinha feila na Moribeca ; e
urna negrinha emula com piincipios de cos-
tura ; na rua do Collegio n. 13.
__Vende-se o primelro u quarto tomo da
Campo neta exaltada o sexto tomo da hitftoria
do Brasil; grammatlca porlugueza e Iranceza
porG. Hamnnierc; na Camboa-do-Canno n. 27
Vende-se um relogio, patente Suisso, cal-
a de ouro e irabalha sobre 4 diamantes e
he ptimo regulador; na rua Nova n 5.
Vende-se urna armacao de loja muito boa
e por pre?o commodo, e cede-se a chavo da casa,
que tem commodos para familia ; as Linco-
pontas n. 08.
Vndese um bonito escravo pardo de 22
anuos perfeilo pedieiro de toda obra ; um di-
to muito bonito pagem ; urna mulata de 7tl aii-
nos, engommadeira e costureira ; urna negri-
nha de 12 anuos sabendoj coser muito bem e
faz lavarinto; na rua do Fogo ao p do Rozario
ii. 8.
scravos
fiitl
IS
3- Vcmie-se a sumaca nacional Tres Irmaos Theulogi. mora, ^^j %?ZT
de lote de 73 toneladas, construeco da Bahia, malica da l.ngoa bunda na rua das Cruzes ,
.__:__, a.I__..... nlil II' '! Cl'lKI Ii. 14.
<>ja de latoeiro n. 14.
Vendem-se brelanhas de rolo com 10 va-
ras e com 4 palmos de largura muito fina a
2000 rs. fasenda de laa para calcas a 400 rs o
covado risrados entrancBdos muito largos a
240 rs. brins de listras a 480 rs. ditos de
linho a 1000 rs. dilo escuro de listras e qua-
dro a 720 rs {lustes para collele a 320 rs.,
di (o muito fino a 640 rs. dilo branco lavrado
a bOO rs. cassa lisa a 320 rs. dita de lislrase
quadros a 320 360 rs., pannos encarnados
para mesa a 1000 rs. toalhas de linho ada-
mascadas a 1000 rs. chitas finas a 140, 160 e
180 rs. riscados muito finos de padrees novos
a 200 rs. chitas muito finas a 220. rs. ganya
azul Iranceza a 100 rs. cassa-chilas muito li-
nas a 240 rs., cambraia de listras e flores a 580
rs. e adamascadas muito finas e largas a 800
rs. lencos de linho brancos e de cores a 1/rs. ,
mcias de laia para senhoia a S0O rs. ditas de
e escuras unas a rio, ido, vv, k mu- .ni..a u .. Ku.. .......-- -- -
les de cambraia da India com boidado passado seda luvas de seda e de algodan a 20 tt. ,
. ,. i t _____J ... J. ..^ __.!> fl.. nnmtnne A (ti > 11 f I '.\ li '' ( ) I I S
pelo barato piteo de 040 rs. lencos de seda pa-
la senhora a 12M) rs., ditos de laa o seda a i/
meiai finas para meninos e meninas a 201) rs. ,
chapeos pardos sem pelo de superior qualidade
rs algodao americano com listras azues a 240 a 2500 rs. de castor a 4000 rs. ditos pretos
rs castores de listras e quadros a 240 rs. o co- a 25O0 ditos de superior qualidade a og rs.,
vad brins esculos de puro linho a 440 rs. a | merino pretoe azul de duas larguras a 3000 rs. ,
vara, a superior a 800 rs. brelanha de rolo! casimiras de cores para coeiros a 1000 rs., e ou-
com 10 taras a 1920 rs. e outras muitas la- tras muilas fasendas por barato preco ; na rua
zendas ; na rua do Crespo n. 15
1 \cnde-se, ou iroca-se por lijlos de alve-
naria ou mesmo se aluga urna OMQC grande ,
que carrega i400 lijlos de alvenaria ; na rua
de Apollo armasem n. 3'i, a fallar com Mano-
el Antonio da Silva Molla.
Vende-se nina tacca muito boa o bas-
tante gorda com um gallote de muito boa
race, duas cabras bicho) boas deleite, e pr-
ximas a parir; ira estrada de Bellem no sitio
do Sr. Coronel J..aquim Rurnardo de Figueire-
do. (
o_ Vende-se para fura da provincia urna es-
i co.ula asgomma, caainha lata e co-
-Uiii mua na i o? I raa uc 5. ..'..a ,
senaria D. 23.
do Crespo loja n. Ii, de Jos Francisco Das
Vende-se fei.jo branco muito novo e bom,
e milho novo, ludo por preco commodo, e pela
medida velha; na rua da Senzalla-velha n. 120.
Vendem-se dous escra vos de bonitas figu-
ras ; no largo do Corpo Santo a Iratar com
Antonio Rodrigues Lima ; o mesmo tem para
vender cera de carnauba, em saccas, por preco
commodo.
Vende-se um preto de idade bom carreiro
c trabalhador de campo : na rua da Cadeia-ve-
Iba n. 20.
Vendem-se 15 libras de prata velha ; na
rua do Livramento botica D. 22,
\ ende-se a
a tratar na mesma.
.i.] ; (Ja ija do I!
.i '.
... ,
2 Fugio no dia lo do corrente um escra-
voerioulode Dome Gregorio de 22 annos ,
alto e cheio do corpo cara grossa andar re-
mando he quebrado de ambas as venlhas,
j fol escravo do Sr. Henrique Jorge; levo 'al-
cas de panno pardo tao somemle ; quem o pe-
gar leve a praca da Independencia, loja de
Justino Meroz ns. 18 e 20, que sei bem ip-
compensado. .
2 Desappareceo no dia 16 de Selembro do
auno prximo passado urna preta de nome Flo-
rencia do nacao Angola do |3 para 14 an-
nos estatura regular segundo a idade ca-
beca mal leita, nariz chato e grosso, bocea gran-
de, belfos grossos, pea meioa upalhetado,
falla desembarcada e ao mesmo lempo com
quem a nao conhece muito sonsa ; roga-sea to-
das as autoridades policiaes toda a vigilancia so-
bre a dita escrava para evitar que a nao em-
barquem ; pois j lol vista no poite-do-Malos .
e sabe-se que est oceulta e no caso de nao
apparecer se obrar com o rigor da lei aonde se
adiar ; tambem se promelte todo o silencio a
pe^soa que a levar em Fora-de-portas venda
n. 90, como ser gratificada. fio
Fugio no dia 17 do corrente o moleque
Miguel, de nacao Cacante de 12 a 1 i annos.
levou calcase camisa do algodo da trra tem
dous dentesda frente ucanguludo:,' ; quem o pe-
gar leve a rua da Moeda armasen do assu-
car n. 15, a seu senhor Jos Antonio ria Silva
Vianna que sei recompensado.
Fugio no da 13 do corrente urna negri-
nha de nacao Cabinda do nome Maria de 13
minos, pucha pela perna direita, rosto c.om-
1 prido olhos pequeos meia gaga ; quem a
j pegar leve a Fra-de-portas n. 4a que ser;\
I recompensado.
I No da 8 do corrente fugio urna prelado
nacao Angola de nome Luzia de 30 annos,
alta, secta do corpo com Taita de dous denles
nfrenle, levou vestido de chita de assento
' branco com llores encarnadas, camisa de bre-
| tiinha e panno da Costa velho he ladina mas
1 falla muito atrapalhada ; quem a pegar, leve a
rua da Praia n. 3-i, que ser gratificado. (8
1 No dia primeira do corrente fugio o mu-
; latoGerimias de 20 annos, sem barba ou
1 muilo pouca estatura mediana secco do cor-
po, cor embassada, cabello comido, cabeca pe-
quena olhos amortecidos e um tanto fundos,
nariz -ross<. e arret.itado bocea grande, bat-
eos grossos denles perfeitos ps chatos e
quando anda rahe coin o corpo um pouco para
adianle ; esle mulato tinliade coslume tender
leite de maiiha o quasi sempre a tarde Babia
com madeiras, ou leoba, carregaclas em burro
a tender pela CapUDgae Solidade ; quem o pe-
gar, leve a seu senhor Paulino Augusto da Silva
Freiie na havessa do Arraial para Casa-lorte,
que sei gratificado. i'*
50^000 rs.de gratiflcacSo.
Fugio na larde de 27 de.Maio dele anuo
um molequecrioule de 12 anuos, bem preto,
com uina das Pacta amassada levou Ierro no
peseoeo, calcase camisa da mangas curias de
algodao da trra d pelo nome de Jos Cazuza
pelo qual he bem conliecido no Fofte-do-Malo,
aonde lem sido pegado por te/.es ; quem o pe-
gar, leve, a rua da Senzalla-velha OU no For-
te-do-M,.U.)S venda de Alejandre Jos Lopes ,
quo recebera a gratiflcacSo a cima e s paga-
ras Indas as despezas.
Fugio no me/, do Maio um crioulo de no-
me Felis uihclal de arpia alto cheio do
corpo, algum tanto carcunda audava calca-
do e Irabalha va na tenda do meslre Bernardo,
na ruada Senzalla-velha ; quem o pegar, leve a
rua do Collegio o. 13._____________
llRCtf-B Nt Ttp "h v- ,,; ; A-
\Q\.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E5ELCZJ9K_CJ5USK INGEST_TIME 2013-04-13T01:41:29Z PACKAGE AA00011611_05127
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES