Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05110


This item is only available as the following downloads:


Full Text

V
4nnode 1844.
Segunda Fera i.
O |>lHI > |iublice-er tollosos das que nao forviu snl'fi(' is ; o BfMQ el UMgBMarl
he A'. "r" '"I1. Pf quurlel pagos adiantadn. Os annuncio. dos aatlgnaaiel eO inserido
ralifl e :,fc do* Que nao forem ratita de K(l res or linha A reclanacdei de.eiu ser .lri-
jU|a TP i daa Cruiei n 4 ou a pfaga da Independencia luja de lirrnen fitS
PARTIHA DOS CORREIOS TERRESTRES.
fiou'.OA.c farahyba,tgoodH sexta feiraa. Hiu Grande do Norte abafa a 8 e22 e ,.a
K i 40e *4 Cali, Serinliaem HioForitiuso Macey, l'ono Calvo, Magnas un.'
H c lder.ad ncf. Garanlum e Homio i (De 2 de caa mei loa-vitta e Plo<
M, 13 2* dito Cida.le a Viclorn quimas feira,. Olinda todos dial
'< das da semana.
I Ses*'"e. Thcodorico. Aud. doj de I) da y.
2 Tena 0 lion Re. aud doj. de I) da 3..
3 IjuaiU Jaeintho Aud do J de I), da i. y.
4 Quinta (. Iz bel Aud do .1 de 11 da 2. t
5 .'eil' Alliai.ar.io. Aud do J de U_ da 2. y.
ti Sab s Domingas. Re. aud. doJ.de 1) da 1. y.
? lloui_ t, r'uli|iiera
de Julho
Auno XX. LV. 14i>.
!o acor deseada de n MfaMaj dt Meee pradeoeU, "oderar3o" e energa: OOn-
nurinos romo principiamos e seremm apontailo* com edairaijdo entre e najoee man
lamao i i di Uiembla Geral A aran!.;
. roclaata^j i (11111(15 SO pa I llK II III*.
Cambio! aolire I.ondre -5. I Oure-Moeda de 6,4U0 V.
a Paria o~(J r,-i por franco I > N,
ii Lisboa 112por lOU de premio! ''r 4,0011
i frita i ataetVa
Moeda de cobre topar Pe >t aduano arel
dem de leira !r boai lincas 1 a |i'i(| I Dllol uir\:< anos
rompra
renda
17,300 7.500
17,100 I-. '00
y 400
I ,9<
: .'.ni
i .-M
y uto
i ;isii
: ,'.>o
i ,960
PHASES lv LA NO MI./. DE III.lio.
La abela a 39 aos Itaaia datarle. La ora a 15 ese i aia da tarde
Mutuante a 7 as S boraa r ;S min dt B>anli. ICreaoenle a 22 i- Ti h e 51 m da tarde.
Prramar de hojt. *
l'rimeira aa 1 huras e 64 mm da manh.ia. I Segunde It3 bortf eiH miiiiito i lar. e
^--.iJv-iTip>3jarea-w*iTH^..v...-M.'a^^
s,stfsssnrcBwraarx3T^^
C Y'XFR||A5 Outros 9 (le diflerenles dreas preenchem
mitades hydrographicas. 9
.
^ !irr.,--r,*.y-j?Tmpx-
HI3Eff\SCWCiiQ
A NOTA DO PRINCIPE DE JOINVILLE.
O escriptodoSr. Principe de Joinvillesobre
a marinha franceza causou urna sensacio pro-
funda em ludo o Pariz e o inesmo acontece-
ra em luda a Franta Mrmente nos porlos
inaritimos onde ha inais do que em parto al-
guma dados para ppreciar a exactidao dos cl-
culos, e a veracidad; dos lacios exposlos n'eso
scripto : excitara elle u maior grao de alten-
cao. Em seguimento da notk acha-sc um ap-
pendice chnio de esclareciinenlo1 curioso' solire
o estado material dos nossos barcos de vapor, e
que sentimos ser olirigados analvsar. Ah se
, que o numero dos nossos barcos de vapor ,
elevado a 10- nos mappas ol.'iciaes redu/ se
na realidade a 43 navios, que constituem oque
b chama pare militar da csqu.dra de vapor.
O'esses 43 navios 16 a 18 nidio em requisi-
co permanente para o servia da frica ; ou-
tros. 9 mili (Vacos para figurarcm como barcos
de guerra esto alientos a ser.icos locaes.
Hestao pois 16 a 17 navios disponiveis para
missi's eventuaes e est.noes no eslrangeiro ;
nesle numero conliio-se 3 de a() cavallos, 1 de
320. 6 de '220, e o resto de litiO e dabi par
Laixo.
Tal he a parada, que na eslra d'uma guer-
ra t.-ria a IVanca de lazer ao a A' par d'este quadro ponha >c o dos recursos
da Inglaterra ; o'esta simples |comparacao (diz
o Principe ) poderao surgir uteis esclareci-
mentos.
Urna publicacao o(Tic-ial nos informa deque
0 numero total das armagoes era em Mano ul -
timo de 77
'este numero oceupa a estarlo do Mediter-
rneo 10 navios : de 450 4 de 3i0 4 de
228 e 1 de forca de menor. 10
A da Costa occidental da frica oceupa 9:
1 de 700 cavallos a Penelope 4 de
320 I de 22*1 e 3 de 80 a- $0 cavallos .9
A da Irlanda 12. do quaes 8 sao de 20
3*20 cavallos e 4 de menor lona. 12
A da America do Norte Canad Hcr-
mudes e Antilhas 3 de 220ca\allos. 3
A das Indias e China 3 de 320 3
Em ti in a estaco do mar do >ul *2 de
320 a 220. 2
f&m&nm.
O COM MANDANTE.
POn EUG GCINOT.
Havia muita gente certa nouto em casa da
Baronets de Sainl-Phar Nolires e mecnicos
haviao sido convidados para urna wlCTnntaade
composia dos quitro elementos em que se ba
eao todas as reunios, todas as le>lividades do
invern: a danca, a msica, o jogo e a ceia.
Estes mente distribuidos nos saraos da Iteroneza, que
oceupava um vasto apozento no primeiro andar,
roa de Hanover. Os dous saines mai* bellos e-
rao reservados para as mezas de jogo; 0 baile
devia aranjar-se n'uma sala estreita e mediocre -
mete allumiada. Esta distribuioao se achava
conforme com as exigeneias da sociedade: de
um lado, muitos bomens que pareciio arden
tiasimos em manejar a* carias; dooutro o"1" ^u
zia e mulberes, indi Aeren tes aos convites ila
Janea.que paretiSo ma attentas sosom uo
ouro rolando sobre as meias de jogo do que it
melodiosas harmonas da contradanza e da
valsa
l'.rao singulares as manaras que renavao
n'esta sociedade As pesseas que entrava
t IDtvntaf& COm ftZer dona Aotodo 48 navios empregados no servi-
co das esti.coes. 48
Nos dedicamos apenas 8 ao mesmo serviio !
A diflerenca lestes dous nmeros bastara para
I i/er appreciara parte dada mannha de vapor
nos dous paizes e que grao de importancia Ihe
be attnhuido no en prego das forjas navaes.
Os oulros barcos que comnlelao o numero
ile 77 ou esto disponiveis nos porlos para as
misses eventuaes, e o servieo local ou em
pregados como transportes entre os difleFentes
pontos do litoral.
No numero de77 nao se eomprehenilrao os
navios construidos nos lagos do Canad nem
os que as colonias se achao allecios serviros
de localidade nem os du companhia das In
das.
Nem lo pouco se romprehendciao os barcos,
que em numero de 11 eslao em estado dedo-
sarmamento nos portos ; situacao desconheci-
da e que ate aqu em marinha de vapor nao
tem equivalente entre nos onde o numero es-
t longe de bastar para as precisos ; mas que
he boni assignalar porque ella tem esla signi-
licacao que na Inglaterra a armada de vapor
e%< ede as exigencias do servico ordinario, e que
esta armada tonta hojo urna reserva sobre agoa!
Depoisdu haver assignalado o mal o Prin-
cipe indica o remedio. Elle d.senvolve um
plano novo deorgani/acao martima, que resti-
tuira aos navios de vapor o lugar que Ibes com-
pele, e examina qual seria a despeza d'uma ar-
mada composta segundo as ideias emitidas na
Vola comparativamente ao numero dado pa-
ra a organizaran actual no budget de 184S.
Segundo este projecto a despeza dos bar-
cos armados seria de 11,2,19,107 fr. para os de
vela, ede 9,916.565 fr. para os de
vapor. ---------------
Somma 24.135.672 fr.
A despeza dos barcos, lineada no budget de
1845 he de 18,553.616 fr. para os devela ,
e de 5.517,00i- Ir. para os de vapor.
ro mas produ/iria resultados de summa im- dos javalis que infestavao o paiz. Tinha-so
portancia. mandado ir do ('airo para alli tres regimentos
AdiscussSo dos crditos supplementares, que para aquella fim, Ari Rey que orcupra, havia
deve de encelar-se mui brevomente na Cmara alguns annos, urna posico eminente na Corte do
dos Deputados nos permittir vollar as partes Pacha, tnba sido sentenciado a gales pelas ex-
daquelle appendice, que por agora somos ohri- torsdes, deque se havia tornado reo, etinua
gados a deixar de parle.
[I'resse.) chegado ao arsenal de Mexandria carregado do
Somma 24,070.620 fr.
Diflerenca para'mais no projecto 65.052 fr.
Bata diflerenca he bem diminuta emdinbei-
tesia mui leve; algumas at nao tomavao esse
traballio; outrassechegavao u ella com urna la-
miliaridade inteiramente livre, dbBrf-lhe um
upertode mao, ingleza.
A IJarone/aera urna mulher de 48 annos,
pouco mais ou menos. *ejn ser dotada de mui
ta perspicacia, podia qualquerdescobrir-lhe no
rosto e ern toda a sua pessoa os vestigios de urna
belleza que florecer durante o imperio, e que
linean se i ultimo hrilho durante a restauraran.
Mas o lempo traba extinguiJo, apagado e mur
chado todas estas vant.igens; e na poca em que
se passa a nossa historia. Fevereiro de 1834. j
os encantos da Baroneza na.i vivan senao na
lembranca, erio tao smente celebrados pela
gralidao. Cumpre dizer em louvor seuque, en
velhucendo, ella linha heroicamente tomado o
seu partido: suas pretencoes nao tinliao sobre-
vivido a leus al'.ractivos, eella renunciara a a-
gradar para se lancar as especuiacoes mais so-
fidas da idade madura: lodos os seus cuidados
se linhiio voltado para a sua sobrinha Cesarina,
moca de nolavei belleza.
Nunca urna mi mostrou por sua filha mais
i,avelos, mais altencao e mais vigilancia activa
ezelosa. A Banmeza, vestida singelamente, le*
...va pelossalfiesCesarina enfeitada com gracio-
so esmero; mostfoVI a com oigulho. pareca di-
.r a todos:Vede como ella be formse id-
mirai seu taihfl elegite, seus hombros alvos,
seu p pequenino, seus bellos caballos pretoi.
lustrosos, seus nlhiiS mimosos e teios, seu Bor-
r,g0 ancanUdor I Vede, admirai, porm de lon-
Os indiscretos, os lizongeiros. os corteses
lecouservem em distancia respmtosa c se con-
ferros.
A brochura do Principe de Joinville preoc- ---------------
cupa vivamente todos os espesaos : perguntava- I ma correspondencia particular de Alhenas,
se a principio so a publicacao d'esse irnpor- em data de 30 de Abril, annuncia, que, leudo
tante trabalho fora approvada pelo Rei; massa os nembros do Santo Synodo recusado, a ins-
bemos por va di Inglaterra que nao : bem lamias da Russia, prestar juramento consti-
longe d'isso. Apresenlamos todava aos nossos lucSo, Maxrocordalo deo-lhe '24 tioras para
leilores asestranbas r'flex5es do Standard as refleectirem nisso, ameacando-os de que.no ca-
quaes provard claramente', que o efleito pro- so de negativa, dissolveris a sua co.-poraco, e
du/ido na Inglaterra pela Nota do Principe nometria oulros em seu lugar. A firme/a mani-
ri.lo be menor do que o'produ/ido em l-'rantja. (estada pelo Ministro teve o efleito de remover
Citamos textualmente. os escrpulos dos Rispos, e depois de fazerem a
Sabemos que o Re l.uiz Felippe fez inu- apologa da sua resistencia, cumprirao a exgi-
teis eslorcos para persuadir o Principe de Join- da formalidade.
villea nao publicar n sen trabalbo sobre a ma- Noticias de Argel cuntidas no Srmaphort de
rinha de Franca. O Principe informa-nos pe- Mavvillei de 13 de Maio, alcancavao ate 10.
la primeira ve/ na sua broi hura, de que o poder A 24 de Abril uvera lugar um combale entre os
martimo d'um pas deve de calcular se muito Ka I \ bes e a columna commandada pelo Duque
mais pelos meos que elle tem de construir d'Aumale em pessoa. I m denso nevoeiro, que
vasos do que pela precisao que pudesse ter renava na occalSo, causou um terror pnico
d'elles Se o Coverno lY-hcez augmedtffSseo entre os soldados do Goum, os quaes marcha-
numero dos seus vasos em lempo de paz, uni- vao no flanco do grosso do exercito, o a sua
esmerile pata poder di/er, que a Franca linha precipitada retirada occasionou alguma conlu-
a mais bella marinha do universo apressar se- sao as (letras. Os rabes forao rechacados,
hia a Inglaterra a seguir o seu exemplo at mas parece que com grave perda da parte dos
que a diflerenca entre as duas marinhas fosso France/es. Lina noticia calcula em 21 o iiume
sempre a mesma, que era. Se pois os clculos ro dos seus morios, inclusive o Tenente Coronel
do Principe de Joinville fssem adoptados pelo Gallias. ao passo queoutias di/em (|ue ellas ti-
Governo Francs, nSo so estimulari elle i ma- verao 13 0liciaes c para mais de 100 homeus
levolencia e indispozicao que ha para com a postos fora de combale. Retomarlo duas pecas
Inglaterra; porm de mais amis desperdi- de artilharia apprehendidas pelos rabes. Du-
cana os seus the/ouros e obrigarit as outras rantc a contenda o Duque d Aumale, perseguido
nacoos a imital-l. (Patrie.) de perlo pelos assaltantantes, lora salvo por um
F.slafette ) Oflicial de campo. O seu cavallo bavia recebido
----------------------- 3 bailas, e o de um Oflicial, que ia junto delle,
NOTICIAS Dl\ ERSAS. receben 5. A marcha da expediceao debaixo
Cartas de Alexandria de 25 de Abril dizem o das ordens do Marechal Rugeaud continuou a
seguinle : ser impedida pelo mao tempo, o os dous vapores
OPachlinba mandado enforcar no Cairo o expedidos para encontral-o em Dellis, tinhao
Schab Solimn Beddreddin por oceultar muitos voltado Argel com grande numero de doentes.
fe'luhi, aos quaes se havia ordenado que vollas-
seio as suas aldeias natalicias. Mehemet Ali es- :
tava eolio em Minetilgamh, no Raixo Egyplo,
oceupado em descobrir meios para a deslrui(9o
Fatal accidente no caminho de ferro entre
fruxellas e Antuerpia.
18 de Maio. Succedeo um melanclico ac-
Ella renava e elle governava.
Se as daticarinas ero em pequeo numero
tenlem com passaros olhos por esto thesouro (
reservado para altos deslinos. |
()uando a Baroneza era obrigada a au/entar- em casa da Baroneza de Saint Phar, ainda mais
se por um momento da sala de danca, levava raros erao os danearinos. A cada instante falha-
comsigo Cesarina, dequem se afastava rnenos va a contradanea por falta de cavalleiros En-
possivel. Dcmais pouco a oceupava o cuidado trelanto como dissemos. era ffesso da um sarao
delatoras honras da casa, e amor parte do mais pomposo que de ordinario, urna verdadei-
tempo, quando Ihe vinba algum criado pedir or- ra solemnidade: Era o dia dos anuos de Ce-
dens. ella responda: sarina.
x Dirig -vos ao Ccmmandante. Os convidados pareciao ignorar esta particu-
Heceber numerosa sociedade, dar tres vetes UrWide> hlbrtoadoi, OS amigos da casa, se
por s. mana ,oo, d..nci e ceia, em urna palavra, ,inhao wm duvda eMiwcido dalla, pois que
occupargrar.de casa, he urna tirela mullas ve- SO!lll,nle (lous persona(,t.ns se 8ch),rao conbece-
zes superior s torcas de urna mulher. Para I-
liviaro peso dcste penoso fardo, tnba a Baro-
neza tomado, nao um marido, mais um cola-
borador.
Era o Comrnandanle Flamber.
Imaginai um bomem de 50 annos, alto, gor-
do, constituido lortemente. urna cabeca admi-
rare! de militar veterano, as feices de um leo
rom uma enorme juba branca. Lm pintor nao
tena podido encontrar inclhor lypo militar, rc-
presenlanle mais completo d'esta raca forjada
para as fadigas da guerra e para o conflicto das
batalhai, poderosa familia que 8 repblica co
imperioaehirAo lio i proposito ao alcance de
sua mao bellicosa
Mulher de engenho e de tacto, a Haroneza ti-
i.b i escolhido o bomem mais pfOprio para di-
rigir ama casa como a sua, efazer reinar n'el-
la a hoa ordem. Con. sua estatura de Hercules,
suas'maneras militares, a sua voz sonora, sua
falla alta o a ociosa, o Commandante era escol-
ente para infundir respeito.
personage
dores da circumstancia, e oflcrerrao um rama-
Ibete a sobrinha da Baroneza. Esses dous per-
sonagenserao os nicos por quem Madame de
Saint Phar se relaxava de sua activa vigilancia,
os nicos que tinhao a permisso de se appro-
ximar de Cesarina, conversar com ella em voz
baixa, dar-lhe o braco, pegar-he no leque e no
lenco quando ella dancava com ocavalleiro gra-
ve, maduro e silencioso que Ihe tnba escolhido
a Baroneza.
I in d'essesdous privilegiados era um bomem
moco e do parecer assas agradavel, que dirigi
a Cesarina um comprimentosofrivelmente tor-
neado, e que muito se assemclhava a uma de-
claracao.
Vois um pouco vivo em voseas expressois,
meu charo Maucroix, disse-lhe a Baroneza; po-
rm saLeia que ludo se vos perdoa !
Sim, responded Maucroix; eu sou um ho-
inem sem coosequencia, nao he assim ? S*>i !
he um papel de que ucceito os beneficios,
-^v.
v. f
!- r
I
.
4
I
/

i


dente neste caininho do ferro no sitio Vieux-
Dieux do squito que partir de Bruxctlai para
Antuerpia, tontera s i horas o mua da tarde.
Sendo este hum sequilo veloz, nao tencin a-
va quo pamsse no sitio Vieux-Dieux, masao
passar por aquello |UXar" temi estalado o eixo
da segunda carrungem, lanvou fura dos trilhos
as que as sequilo ; e tendo estas um violento
contado com una car roca chcia de aren que
vinlia pela linha parallcla do trilho, produziro
um choque quo fe cm podaros quatro ilas do
sequilo.
O Governador de Antuerpia, o Procurador
do Rei, eos principaes funccionarios do cami-
n de ferro, ochro-se higrj na scena do de-
sastre, e fizo rio lodas as rjisposicoea necessarias
para alliviar o estado Jos pacientes.
Entre ospassageiros haraumcirurgilo Fran-
cs, oqual posto uue tambem molestado, pres
tou mui efficaz auxilio aos seus companheiros
dedrsgraca, a|udado pelos mdicos que tinbao
Vndo das villas prximas.
.Morreo urna mulhei no rnesmo sitio, e nutra
expirou no decurso da noute, das fracturas quo
tnhio receb do. Achou-se mui gravemente
maltratado um paMngeiro d'Arras, acompanha-
do por um sen filfao. Morreo a noute pastada
no hospital ouiro passageiro, fornciro de Ilobo-
ken. Forlo carregadas para o hospital outras
quatro pessoas. O numero das pessoas cujas vi-
das s diz estarem cm perigo he de 8oul0;
destas urnas fe-rao levadas para suas propnas
casas, outras par. varios hospitaes de Antuerpia.
A! ni d.is quatro carruagens que se despeda-
cro, as restantes do squito fie rio mais ou
menos damnificadas pelo choque ; outras cinco
carruagens fie rao muito arruinadas, e quasi
todos os passageiros (eridos ou na cabrea, ou
no corpo ; porm as mais graves rontusdes fo
rSo nos membros, tendo-os muitas pesso. s tido
parcialmente esmagados. Das quatro carrua-
gens niio resta se nao o assoalho, tendo sido o
mais reduzido lascas.
A causa do accidente anda nao tem sido bem
averiguada ; uns allrihuem-nn ao queliramento
do eixo de urna carruagem de Carandas das do
sequilo ; ontros assigno como causa o estado
defeiluoso dos trilhos no sitio Vieux-Dieux, em
conaaquencia de algumasalteracoes recenlemen-
te operadas. [Tunes).
m *
-
^
pernambuco.
Tribunal da i&clagfio.
rsdo do din 28.
Dea. de semana Sr. Villares.
Na execucao de san tonca, em que sao exe-
quentcs Jos Pedio \elloso da Silveira e sua
inijlher, e exerutados o lente-Coronel Joan
V ieira da Cunha esua mulher: de rao provi-
mento aoangravo interposto.
Na appellaco vinda do Juizo dos orphlos
desta cidade, am que he appellanle I), liaran-
na Maroqaina de Jcius Lisboa, e appellado Gas-
par da Silva Fres como Administrador de sua
mulher, esemao Ferreira de Carvalbo: man-
darSo dar vista s partes.
Na anpellacli civel, vinda da Comarca de
Goianna, em que he appeMante Francisco Jos
de Mello, e appellados o Procurador e irritaos
da .'-anta Casa da Misericordia dauueila cidade,
p?
**
E dizendo estas palavras, beijou a mo de Ce-
zarina.
De ambas as partes, hara segunda tenje
n'estas palavras pronunciadas em ton leranp e
acompanhadas de amavel sorriso. A Baroneza
era guiada em suas attences por motivos le al'
ta poltica, e Maucroix seco.iservava em limites
hbilmente calculados.
Conceder me ha urna onlradanca a vos-
sa sobrnha ? perguntou o mancebo, quo qui/.
por esta sollicitacao indirecta render liomena-
gem a autoridadede Madame de Saint-Phar.
N eremos sso mais taroe. respondeoa Ha
roneza ; <-IIh ja tem varios prometimientos.
Comprehendo tornou Maucioix, que-
ris reservar os direilos de -M. Burtley, que ain
da nBo chegou ?
P-de ser disso seccamenlea Baroneza...
Olha, l vos esta chamando M. Flambert; pre-
ci>o de vos no "jogo.
Fu me sacrilico por um momento, e j
vollo.
Maucroix era d'aquelles homens que nao re-
sisteui s tentacoes da fortuna, be algum poder
no mundo podia desvi.d-o deseos pr>|e:tos na-
morados, era um < pete verde, semeado tteoar-
tas e de nioedas de ouro O mais doce oliiar de
< sa/ioa nao lera nesse momento podido lular
om a voz do < iommandante.
Fis um roeio que nunca roe lia de (aihar
para arredar perigo, disso baixinbo a Barone-
,< zi, ven roix precpiti i
do jogo.
adivinhais que ooutro privilegiado
H. llurlley, cu|osdircitosrescrvava a 0a-
eserivlo Ferreira de Carvalbo: mandou -so dar
vista s par.tes.
No authuamento detreslado de autos de de-
nuncia, em que contende Jos da Si-va Neves,
contra sua mi Lourenca Correia: nefario pro-
vi ment ao aggravo.
Na appellaco civel, vinda da segunda vara
desta cidade, em quo he appellante l) Mara
I hereza de Je/us Siqueira, e appellado Fran-
cisco Bibeiro Barrlo, escrivo: Bandeira man-
darlo dar vista s partes.
Na appellaco civel vinda do Juizo do D. da
2a vara desta cidade, em que hoappellanto lien-
to Jos da Silva, appellado Torquato Henriques
da Silva, escrivo Jacomo: mandarlo proceder
a habilitarlo dos successores, promovendo quem
mais interesse tiver na causa.
Na appellaco crime, vinda da cidade da Pa-
rahiba, em que he appellante a Justiea e ap-
pellada Francisca do Pe do amor re preza),
Escrivo Bandeira: mandaro reinetteros au-
tos ao Juizo que appellou, para observar o dis
posto nos artigos 8i e 180 da lei de 3 de Dem-
hrode 41 e reglamento n. 120 de 31 do Ja-
neiro proferindo sua sentenca.
Na appellaco civel, vinda da comarcado Be-
cife e;n i|ue he appellanto Joaquina Mara
Pereira, appellado Antonio da Silva Pessoa.es
crvSo Bangel: despresrao os embargos, com a
declaraefiode condomnacio de servicos da es-
crava, contados desdo a contestarlo da lide om
diante.
Na appellaco crime viuda doJuizo deDireito
drst, comarca, e cm quo he appellanle o Pro-
motor publico, appellado-- Goncalo Jos Rodri-
gues, Angelo Gomes Coutinho e Mara Thcre-
/.i, Fscrivlo Ferreira: Julgiro procedente o
recurso interposto a mandaran romelter os au-
tos ao Juizo respectivo; para que reunindo o Ju
ry, continua na aecusaco por parto da Justiea.
Na appellaco civel, vinda do Juizo de Direi-
to da primeira vara desta cidade em quo sao ap-
pellentes Manoel Jos do Sou/a e outros, ap-
pellado Joao Keller, escrivo Jacomo: manda-
ran averhar o imposto de dous porcento.
Com m nirado.
Trazern todos os dias os peridicos da Impar-
cial o cstribilho do progamma do Sr Paula e
oti/a que a Administrarlo actual deve do-
mittir desde o primeiro funecionario publico
at o ultimo Sargento da Guarda Nacional, e
Inspector do Policia, para poder sustentar-so
e dizem que esta provincia so deve applicar
com mais rigor a proposito estahelecidaacerca
de todo o Imperio ; por quo aqui forlo injusta-
mente demiltidos todos empre-gadus para se en
caixarem os servos da ligarchia, e que asyim
nao ha reacio antes reparago das persegui-
cfies, que o Sr. Baro da Boa-vista fez em de-
senvolvimento da poltica Honorio- Vaiconcelli
na: que o Exm. Sr. Marcelino de Brito para
sustonlar-se para nao trahir o Governo e
para dar-lhe 13 Depuladosdo leit-lo deve de
mittir lodos os Empregados ; alias serlo nova
mente eleitos 12 erros do Sr. Baro. Ninguem
irais ilo quo nos precia um Governo do leal
conciliar/lo e justa repararlo ; ninguem desoja
mais que o Exm. Sr. Marcellino de Briio obro
rom toda a imparcialidadn e repare qualquer
in justiea que por ventura l^nhn (eito seus
antecessores, assim como ninguem mais do que
nos detesta qualquer acto de reaQo proprio s-
mente da ahominavol paixao da vinganga e
indigno de urna Administracao Ilustrada As-
sim como u Governo nao pode som manchar-so
demittir um Empregado que nlo deo causas
para isso anda que soja de mera confanca ,
da uiesma surte he urna nova Administracao o
brigada a reparar as injustica d'aquellas, que
vem succede.
Nlo tendo o Exm Sr. Presidente actual re-
sidido nesta Provincia precisa de ser publica ,
e lealmente informado das demissOes, que de-
rlo seus antecessores para restituir a seus
empregos os indevidamente privados d-lies ,
e demittir os que injustamente vierlo tomar o
lugar alheio ; he por tanto mai ventajosa urna
clara e positiva discussao este respeito. Os
peridicos da imparcial nlotcm cumprido esto
dever ; ellos Callao sempre em goral ; mas nlo
he assim, quoum Magistrado imparcial, co-
mo tem sido na judicaturao Sr. Marcellino de
Brito ha de ser guiado para proceder na Ad-
ministracao do urna provincia na criso das elei-
Ces, (Js peridicos da un parcial que tem
tomado a trela de riscar a linha que S. Exc.
deve seguir tem obrigagao de discutir facto
[i >r Tacto para que um homom lio sisudo os
d por provados Principiemos por esta cidade;
imlica como lorio injustamente demiltidos es-
tos ou aquellos individuos, que servilo na qua-
lidade de authoridades policiae6 para serem Fu-
lo o Fulo introducidos em seus lugares ; mos-
trai um ou outro leilo especificado destes em-
pregados, quo os exponha demissao atlcslai
as virtudes ( especialisando-as ) dos anterior-
mente demiltidos, que os habiliten* a reintegra-
dlo. Passemos a comarca do l.imoeiro e
vejamos quaes forao as autoridades policiaca alli
injustamente demittidas para se tncaixarem os
servos da oligarchia: mostrai as virtudes dos
demiltidos, e os mines dosnomeados: d'abi
segu ao Rio Formoso, a Santo Antao. Cabo,
Iguarass, e mais villas o comarcas. He desla
surte que se informara com Icaldade, e puhli-
cidade ao Exm. Presidente, e se justificar essa
preterirlo de demissoes para reparaedo.
Parece-nos quo nlo haveis de achar cousas,
nem pessi-as especificadas para nellas fundar
vossas pretences; que estaris sempre em pu-
ra declamarlo. Encontrareis apenas as demis-
soes dos Delegados de Flores e Garanhuns sem
motivo, sem nformacoes, por mero arbitrio;
e as dos subdelegados dos Affogados e Maran-
guape com pretextos pouco plausveis; mases-
tes aclos nlo forao do Sr. Bario da Boa-vista,
assim como nlo lorio por elle dadas ai demis-
soes dos Jui/es Municipaes Supplcntes de Santo
Anto; todos el les pertencem ao sr. Isidro
Francisco de Paula Mosquita e Silva, quenada
tem com a poltica do paiz.
Das autoridades policiaes volvei para osofli-
ciaes do corpo de Polica, que tanto vos incom-
moda ; ah acharis desde o Commandanto Ce-
ra! at os subalternos, muitos officiaes reforma-
dos, e outros individuos da conlianca constan-
te dos Presidentes desta provincia que se tem
succedido desde 1836. Esquadrinhai os demil-
tidos, e veris ah smente alguns individuos
que foi o mesmo Sr. Bario que'm os admitto no
corpo, tendoaehado at alguns fura delle, quan-
do outra poltica dominava. Beconhecercis;
HM!MaBBBBaaaJa>i
roneza que com esle obrava francamente: con-
ceda-Ihe urna proticciio sincera, urna benevo-
lencia Ilimitada e sem dislane. M. Buril- v me
recia esto favor por sua posico o seu carador.
1. ni Americano inmensamente rico devia ser
tratado com outra consideraco quo um joven
fatuo sem consistencia e sem fortuna. A ta sa-
bia contar, e a sobrnha, de seu lado, nlo era
Uiamisnrel as esplendidas homenagens domillio-
nario, que tinba a arte de fazer valler suas van-
tagens e de compensar por sua generosidade as
gracas que Ihe negara a na tu reza e as que Ihe
rouh-ra o tcnipo.
CJusndo M. Burtlev entrou, a Baroneza foi
recebel ocom graciosasollcitude;reprehendeo-o
com brandura do so ter feto esperare o condu-
mio para junto de sua sobnnha. O Americano
ipresentou o seu ramaihete, e comecou urna
gratularlo que estura com cuidado; mas sua
nemoria o traliio, e ello parou de sbito no
mero de sua pbrase.
He delicioso disso caldosamente a Ba-
roneza; abracai minha sobrnha.
M. Burtlev nlo podia achar modo mais a-
gradavel de -bir do ombafteo Obedccco, c
Maucroix, que um rovoz de lortuna acubava de
ferir na meza do jogo, chegou precisamente pa-
ra iSMslir ao tri'iiupho loseu rival.
Mas nao era ludo: o Americano sabia muito
bem viverenlo so contenlava com oflerecer um
-imples rama helo de flores; a magnificencia en-
trava no numero >'* direitosque Ihe reservava
a Baroneza.
i'oriiuttir-uie-neii, disse eiie, quojuuiei
que destes algumas faltas forao toleradas. I n,
sahio-se mal na priso de um grande assassino,
outro malogrou a importante diligencia quo
Ihe foi confiada de salvar a vida do Sr. do engo-
nho Genipapo, tendo tempo, e forca suflicien-
te para isso, e anda assim nao forlo logo de-
miltidos, e foi necessario quo a lei do oryamen
to arrastasse a dissoluco de duas companbias,
para que a dernissao reahisse nestei officiaes e
n outros que monos mereciao a conlianca da
Governo. Apontai outros officiaes com faltas
maiores do que ossas: mostrai como taes demis-
soes forlo antes para admiltir outros do que pa-
ra oxecutar a lei do oreamento.
Passai a Guarda Nacional, eesclarecei como
se dero demissoes injustas para se arvorarem
outros chefes. Veris apenas a demissao de um
chefe de Legilo de Flores, que acorogoava os
sediciosos do Ex, eabusava do seu posto e for-
ca publica para soltar da erislo estes sediciosos,
o tornar outros presos das legitimas autoridades
polos quaes crimes est pronunciado. Veris a
demissao de um chefe, de Esquadro, que alm
de crear conflictos continuados, c prender como-
seus Guardas >s Officiaes dos outros corpos, pe-
netrando para essas prisoes as casas dos cidadaos,.
desobedeceo, e faltou ao devido respeito a pri-
meira autoridado da provincia ; demisslo que
vos applaudistes nesso lampo. Estes actos forao
approvados pelo Governo imperial. Acharis
uma ou outra reforma de chefes que tinho a
muitos annos por um ou por outro pretexto
abandonado seus corpos. Tambem nao desco-
bareis ubi a vontado delirar uns para por ou-
tros individuos, poiai veris por chefes dos cor-
pos os mesmos, que os commandavo interina-
mente a muitos annos.
Esclarecei o Exm Presidente da maneira,
que um Magistrado recto nno pude despensar ,
juslificai, como deves, as nomeacoes, que al-
mejaes, mostrai como he quo ellas pedem ser
consideradas repararles dos empregos injusta-
mente tirados. So assim podereis dosculpar as
pretendes do novo chefe do Polica, quo he um
Jos Chefes da vossapandilha, eum dos princi-
paes autores de voisosanarebicos escriptos, co-
mo dissestes no D. novo de 20 de Junho lindo.
"~COMMRCO.
Allj'andega.
Rendmento do da 28......... 8:12l 530
Detcarreqa hoj 1.
Brigue inglezliclphimbacalho.
Patacho brileirp= sfurora Feliz = fumo e
charutos.
piug* no recipe 28 dbjonho de 1844.
Ilevisla mertanlil.
Cambios Pelo paquete inglez houverlo tron-
zaioes regularos a 25 d. p. \ rs
Algodlo As enlrndas frao pequeas e as
vendas diminutas nao tendo soTri-
do alteracao.
Assucar Fdrio mui limitadas as entradas ,
e houverlo .vendas de 800 a S50 rs.
por (g sobre o ferro.
Couros Sao pouco procurados.
Bacalho Entrou um carregainento coro
um modesto presente a estas flores, menos vino-
sas que vs ?
Desta vez M. Burtley achava toda a sua me-
moria e ocumprimento chegava abom fim; mas
o madrigal de que elle esperava grande efeilo
foi coberto pelo duplo grito do admirarlo que
soltarlo a Baroneza e Cesarna aoabrirem um
caixa em que se achava um alfincte do urna
grande esmeralda cercada de hrilhantes. A elo-
quencia do Americano nlo podia ser comparada
com o brilho das podras preciosas.
Dcos como he bello .' exclamou a Ba-
roneza; como be rico e como esto engastadas
com gosto estas podras !
Acbais? disse M. Burtley.
Tenho dito muitas vezes: tendes um ta-
lento maravilhoso para escolher joias !
Sim, noentendo mal da materia.
Sois um homem nico neste genero !
Muito feliz, se esta bagatella tiver o mcre-
cmento do agradar a Mademoisella Cesarina.
- Estou encantada respondeo Cesarina.
Com menos so icaria por certo, conlinu-
ou a Baronet*; que pensaes M. Maucroix ?
__. Sim ri'snondeo Maucroix; este beverda-
doiramente um d'aquelles alfineti'S que podem
tomar por divisa. Fu pico, porm prendo...
Pi o pela ponta, prendo pela caboca.
O mao humor do mancebo se disfarcou mal
n esto gracejo, que linha a pretrnro inleliz de
ser angenhoso o at- maligno
__ Cesarina eslava a vossa capera para cn-
taro tocar, lisso a Baroneza M. Burtley.
fcu julgava que jI*uviTi0.3v...u lavara tu-
co nmoi'ada.e que nao cantara hoje,disse Mau-
croix.
Sinto-mc melhor. respondeo Cesarina,
pregando o albricie no peito.
Esta pobre menina quasi nlo tem dan-
cado aecnscentou a Baroneza,
>etc()ntradan,as, disse Maucroix.
C0..10 o snbes, se vos nao tirasles do jo-
go ?
Desgracndamente !
Perdestes?
Muito.
Pois ido tornar a desforra.
Mais tarde; por ora tenho outra cousa
que fazer.
Durante este colloquio Cesarina se linha
sentado t-o piano ; V. Burtley puxou urna ca-
deira para junto dola. Maucroix puxou i-utra
e so poz do lado opposto: os dous rivaes -slavlo
ern presenca. A baroneza foi collocar-se da-
fronte de sua sohiinha.
Cantareis italiano ? perguntou Mau-
croix.
Si isso vos pode ser agradavel....
Fu preferira um romance francez, disse
Burtley.
Soja respondeo Cesarina ; cantare! um
romance e um fragmento da Cinerentola ou do
Rarbeiro : ha de bayer pora todos os gostos.
__Que bello elTeito faz esse alunte visto
d'aqui exclamou a Baroneza para lembrar
i sua sobrnha que nao devia tratar os dous ri-
vaes com o mesmo tom de igualdado.
Mas Cesarina julgava ter frito bstanlo por
[(Jecendo-lb
naoacnava r. u,


1,800 barricas de boa qualidade, que
se vendeo a 9300 rs. sendo o de-
pozilo de 4.000 barricas
.Carnesecca O depozti, (que consiste sde
carne do Rio-grande ) anda por
50.000 arrobas,fe as vendas teem sido
regulares, som jlteraco de precos.
I.ouca ingleza Vendeo-se de 235 a 240 p /
de premio sobre a factura.
Manteiga Chegarao 100 barris da nova .
os quaes diz-se fro vendidos a 500
rs. a libra.
Paios de Lisboa Vendero-se 2a300 rs. a
duzia.
Rap dito Mem a 2500 rs. a libra.
Sabao do Mediterrneo dem a 140 rs. a
libra.
Existen) no porto 32 embarcaces, das quaes
3 sao americanas 18 brasileras, 1 franceza, 1
bespanhola 4 inglezas 3 portugue/.as, 1
sarda e 1 sueca ; entrarlo durante a semana
7 e sal i rao outras tantas.
ttovim^nlo do Porto.
pee TfI^TIVy na Ie'tZr pH0SrPS- ~ A!uglo-,.doo, officiac, decalafate Por
sendo amSL 1? ""j"/dminwtraco; preco commndo trez canoas de carregar ti o
de desperas ao arre- lo urna de 2-200, urna de 1:500. e urna de
1:000 sendo com ca.oeiro ; a tratar em casa
malaca o
mtame. Mesa do Consulalodc Pcrnambuco,
27 de Junho de 18H. O Administrador in-
terino, Francisco Manoel de Alme.ida Catanho
de N rente Thomaz dos Santos na ra Impe-
rial n. 67.
=A luga seoprimeiro, e segundo andar do
sobrado da ra da Praia le S. Hita n. 37 com
com modos suf!i ientes para grande familia e
por preco corninodo assun como un grande
rma/em por baixo do inosmo sobrado proprio
.uern para qualquer estabeleciment por ter embar
na mesma qu.zer carregar. ou ir de paiaagem, .,ue a toda a hora na porta ; a tratar ludo na
dirija-se a Gaudino Agostinbo de Barros. Pra- '
Avisos marititisos.
1 ^ara R' do Janeiro secue com bre-
vidado a polaca nacional Providencia;
einha do Corp Santo n 66. ou ao
Benedicto Martins, a bordo.
mesma casa acuna.
Capitao 1 Correm se ol
()
ias, e lirao-se passapor-
Lciles.
Navios sahidos no da 28.
Falmoulh ; paquete ingle* Exprest, capitao
ferie.
Triestre; brigue bamburguez Polidora ca-
pitao Cbristiansen carga assucar.
\avtos entrados no da 29.
Philadelphia ; 40dias, barca arp,t.ricana Clo-
be, de 260 toneladas, capitao Enling, equi-
pagem 12 carga arinhu.
Rio Grande do Sul ; 20 dias brigue brasilei-1
ro Feliz Deslino de 208 toneladas capi-
tao Manoel Percira do S; equipagem 10 ,
caiga carne.
Nucios sahidos no mesmo dia.
Gotliemburg ; brigue sueco Godlemon ,
to G. Godlenson equipagem 13 ,
assucnr.
Rio de Janeiro ; brigue hrasileiro AIbano, ca-
pillo J F Pereira equipagem 15 carg
varios gneros
tes para dentro e Cora do imperio despa-
chao-seestravos, ludo por preco muitocommo-
do e bstanle brevidade ; na ra do Ransel
n. 34. (5)
1Precisa-sede um sobrado deum.ou dous
andares, que tenba com modos sulliciontes pa-
ra urna grande familia.que seja as ras prin-
cipaes Precisa-se de urna porco de estacas de
emberiba para um curral ; a pessoa que tiver.
annuncie, ou dinja-se a prega da Boa-vista
n. 2 \.
1l'in rapaz Hrasileiro oqual escreve mui-
capi-
carga
1 Kalkamann & Roscmund faro leilo ,
por intervenco do correlor Oliveira de gran-
de sortimento de lazendas francesas suissas
allemaes. &c de seda, laa, linho, ed'algodio
oropnas d'esle cercado : teroa-feira, 2 de Ja
loo, as 10 horas da manhaa noseu armazem,
na ra da Cruz. (7]
1 Ocorretor Oliveira far leilo de fazen-
dus ingleza e france/a, consistindo em chi-
tas, algodaosinbos, riicados, merinos gangas lo hem- l,',", l,asU,,le Pra,,ca de eacrever pro-
azues, lizas eentrancadas, pannos finos, meias cessof se 11 tencas e todo qualquer papel ja -
brins de lindo, e d'algodo brancos, e escuros'idlcl!'' se ",,r,!Ce Para d,to ''' cscrevendu
eassas, chillas, sedas pretas e de cores lafc- m'smo <''n sua casa, assim como copiar toda e
las, baetas, e outras fazendas inclusive cal-
cado inglez que sero vendidas por todo o
preco, parte a dinheiro, e parte a praso; qtiar-
ta-leira. 3 de Julho, s 10 horas da manha ,
no primoiro andar da sua casa na ra da Ca-
deia. (12)
Edtaes.
Miguel Jrchanjo Monteiro k Andrade, Offi
vial da Imperta' rdem do Roza, Cavalletro
do, de Christo, e lnspeclord'il/nndega de Per-
nambuco porS. M. I., o Senhor D. Pedr<>
Segnm, que Dos guarde 6(c.
Faz saliar que 110 da 2 de Julho do corrente
anuo ao meio dia na porta da mesma se hao
arrematar quatrocornmodas di Jacaranda no va-
lor de 130,> rs.. impugnadas re I o Guarda Ma
noel da Fonseca de Araujo Lima, no despa-
cho por lactura de Jos Ancelmo da Costa,
sendo dita arrematarlo sujeilaa direitos. e er
pediente. Alandega. 28 de Junho de 1844
Miguel Archanjo Monteo de Andrade.
11 Lsos diversos.
1 = Quem precisar do u>na ama forra que
-ailia cosinhar o engo ninaa. e fazur todo o ar
mujo de una cosa; dirijas na ra estrella do
i'o/.ario no segundo andar do sobrado n 12 (4j
caixeiro que annunciou no Diario de
honlem sendo que queira ir para urna pada-
ria dando fiador a sua conducta dirija-se a
ra larga do Rozario n 18.
Mcclaracas
= Pela Administrarlo da Mesa doConsula
do se faz saber, que no dia 2 da corrente me/,
so ha de arrematar na pona da mesma 20 caixas
com assucar branco pesando 9'i6 arrobas e
30 barricas de dito, pesando 231 arrobas e!3
libras, aprehendidas porcontnbando abordo
aJfincle que ja Ihe pertcncia ende um quait.
de hora motivo sufficienle para nffligir Mau-
croix. Km boa joslica nao ilevia'o mancebo
ser punido por possuir o homerr maduro e gri-
salho os meioi de se mostrar minifico em seus
presentes. Cada qual fazia o qte podia n'esla
uta : um ostentava brilhantes, o outro um
tal he esbelto e olhos prclos ; este linha enge-
nho para acabar suas phraes, aquelle tinha
joias : para com urna donzella t^rna e frivola ,
re quasi eombater corn armas iguaes. Qual
ios dous vencer ? Aml os talvez ; tai-
vez ta ni liem nem um nem outro ; a me-
nos comtudo que a victoria se niiotenha ja de-
clarado secretamente.... Segrcdos sao estes
que a continuacao revelar
Depois de ler Cesarina satisfeilo aos seus ou
vinlesexhaurindo para eiles o repertorio italia-
no e francez Maucroix Ihe disse :
D veras um talento como o ynsso he
urna lortuna se quizerdes. TenJfS cincoenia
mil libras de renda na garganta !
Oh! oh!... disse Burtley que de
bea.mente fallava por monosvllalios.
Duvidarieis do tlenlo dacnhora? -
clamou Maucroix.
Nao ; eu sou pelo contrario um de
seus admiradores os ruis. osfais. ...
Osmais que? perguntou Maucroix. que
nao desgosta.a de \eT o seu rival alrapalhar-se
yiiA SOCIEDADES1
PflILO-DRAMATICA
0 1 Secretario lembra aos Srs socios, que
hoje ha sesso ordinaria pelas 6 e meia horas
da tarde.
1 Precisa se de una Portuguesa para servir
em urna casa de pouca familia distante tiesta
praca ; na ra das Tnncheiras n. 42, prirnei-
ro andar. (4)
1 = 0>*. Jos da Silva queira ir na praca
da Roa-vista n. 20. oara se Ihe entregar urna
carta que se tirou do Correio por encano. (3)
l=Joaqilin Lopes Das relira-se para a ci-
dade do Porto a tratar de sua saiide (2)
1 ss Joao Joaquim do l.ago, subdito Hespa-
nbol relira-se para o Porto. (2;
= Na ra da Senzalla-nova n. 36, ha urna
crioula de bonscostumes que se offerece para
ama de casa de pouca lamilia ou hoiuern sol-
te i ro.
emsui admiracSo,
Os
immn Bnrtlev
.des coutinuou oortl
com urna limpliciade americana
Parecoisentretantonegarovalordesuavoz.'
Nao he o preco que discuto he a possi-
bilidade de realisal-o
Nada he mais fcil Nos vivemos I) um
tempo em quo es talentos alo procurados, ani-
mados, enriquecidos; as nossas primeirassee
as lyricas se dario por felizes em offerecer um
contrato magnifico a urna cantora como a se-
nbora.
Cantar n'um theatro ?... oh!...
Que inconveniente verieis nisso ?
__ A sobrinha de urna Barone/a ? que idea!
__ Que vos tendes semelhantes precon-
ceitos vos, cidadao dos Estados-Unidos! vos
que fostes educado que envelhecestes no seio
de urna repblica Nos outros temos hoje ideas
mais liberaes A verdadeira aristocracia a do
talento est bem collocada em toda a parte
onde brha e a sobrinha de urna Baroneza
nao ser nem menos venerada nem menos ve-
nrate! por ir buscar no theatro^ fama a glo-
ria o a fortuna que a esperao. Nao ha carrein
mais bella que essa quando n'ella se pode oc-
cupar a primeira ordem. Tnumphos todos os
dias urna riqueza que he grato nao dever se-,
quo a si mesmo urna independencia que he o
primeiro dos hens para um coracao nobre I
E nao faliaes do verso da medalha?. .
as difficuldades da primeira representaeo as
cabala os obstculos e os bii.argores que se
encmlrfio n'esBB bella eslrada. .
E qu pdeill os obstculos e as cabalas
contra um' tlenlo tao perleito to puro lio
rt^juaiiutvvuiv .
qualquer escnpturaciio qu Ihe seja conliada ,
0 que ludo la/ por preco muito commodo e
bstanle brevidade; na ra do Rangel n. 34. (8^
1 COLLEGIU DO ESPIRITO SANTO
Este eslabelecimenlo acaba de ser transferi-
do da ra do Coelhopaa a casa do fallecido
Sr. Francisco Pedro Hrandao no principio da
ra do Hospicio. A Directora contina aadmit-
lir pencionislas. para as quaes a casa tem ex-
cedentes cnmrnodos; e em ra'o da sua proxi-
midade da praca resolv o-se a admiltir tamben)
meias pencionMas com as condicoes seguinle-
que 1 forao estipuladas nos estatuios da casa :
As meias pendonistas entrarao soito horas
da manila,1 e sahir as seis da tarde; nao to
maiau no estabelecimento outra comida do que
o jan lar, e recbenlo a moma eilu acao que se
ministra as internas pelo lempo quo cstiverem
no Collegio. Os pais pagarao por mz a quan
tia de 15f000 res adianlados e sugeitar-;e-h aos requesitos estipulados nos estatutos.
A Directora convida os pais e mais de fami-
lia a virem visitar o estabelecimento na tarde
das quintas feiras de cada semana, afm de po-
ilerem constitar por si a boa ordem que reina
nene, A sua situacao n'urn lugar sadio, a es
Iricta disciplina quealli se observa, os dovellu-
de lodos os empreados e o hom tratamenlo <|ue
se d a lodos, sao para as familias um garante
da saude e bem estar de suas filhas; emlim a
superioridade das senhoras Mestras que mada-
ma Chelargu mandou vir de lora para coadjuva-
la nos seus trabadlos, as suas bellas prendas,
grande inslruccao e boa educacao devm ani-
mar os pais e mais a conliar-lhes a educacao de
suas filhas 1 odos os empregados da casa con-
tinuars a fazer seus esforcos para merecer o
non. concedo que se faz deste estabelecimento.
O Director P. Theberge olerece o seu pres-
tidlo na qualidade de Medico e operador a to-
das as pessoas que o quizerem procurar na en -

trida da ra do Hospicio todos n, dias das 6 ali-
as dez horas da manhaa; edasduasat as seis
da tarde. (41)
Jos Antunes Guimares laz scienle ao
publico que a sociedade | particular' que exista
no armatem de socar assucar na ra do Vigar io
n. 23 debaixo da firma de Antunes & Vianna,
te?6 fim no dia 28 de Junho p. p. : e portaanto
he do seu dever avisar ao mesmo publico que
Jesde esse dia em diante nao se responsabilisa
por qualquer negocio que possa haver debaixo
da mesma firma de Antunes & Yianna.
Precisa-ce de urna criada, (|ue seja forra
para urna casa de pouca familia quem cstiver
n'esas circumstancias dirija-se defronte ao pas-
seio Pahlico tenda de marcineiro.
I Na ra da Cruz, escritorio do Sr. Manoel
Joaquim Ramos e Silva, deseja-se fallar com o
Sr Antonio Menezes de Vasconcellos, natural
da Ilha Terceira. (4)
O arrematante do imposto de40rs por
anada de bebidas esperiluosas estrangeiras cjue
se consumirem na provincia ; (az publco para que
ninguem se possa chamar a ignorancia, os se-
guintesartigos do mesmo contracto
Art. 2 ',>ii'' o arrematante tera igualmente
Ilcito a arrecadar o mencionado imposto de
todas as bebidas espirituosas que existirem no
l.de Judio prximo futuro em todos os bote-
quins. tojas e tabernas Ye
Arl. 7.' Que o arrematante podera aprehen-
der como extraviada aos direitos nacionaes, to-
da a bellida espirituosa que como tal nao for
manifestada, Stc.
Art. 11. Que o arrematante e os socios que
tiver, go/ariio de todos os privilegios e i/encoes
que as leis e regu lamen tos em vigor, conce-
Icm aos rendeirosdas rendas publicas.
1 O abaixo assjgnado socio e caixa do con-
tracto do imposto de dous mil e quinhentos rs.
em cada cabeca de gado vaceum, quo for con-
sumido no municipio da cidade do Recife,
usando da faculdadc. que Ihe concede o art. 43
da Ici provincial de 2 de Maio de 1838, faz
publico, por meio deste annuncio para conhe-
cimento daquellus, a quem competir a sua exe-
cucSo, que toda a carne das rezes, que forem
mortas nos matadouros pblicos deste munici-
pio, e forem donduzidas para os acougues, ca-
sas particulares, ou embarque dever ir acom-
panhada de urna guia impressa, que ser passa-
da pelo administrador do contracto, que exis-
tir no matadouro respectivo, a qual s valer
no dia de sua data; e as carnes, que forem
adiadas sem a competente guia, quer na conduc-
C0 para os acoogaes, quer nos mesmos ser3o
appreliendida por qualquer empregado do con-
tracto, ou pessoa do povo e levadas .i presenca
lo Sr. Dr. Juir. de Direito do Crime mais pr-
ximo, para proceder na forma determinada no
arl. 8 do regulamento de 23 de Setembro de
1833: o mesmo se praticar com as rezes vivas
que lorem para os ranchos das embarcantes e
com a carne daquellas quo houverem sido mor-
tas clandestinamente lora dos matadouros pbli-
cos; e, depois que lorem julgadas boa appreben-
sao, o apprehensor pagar o imposto estabele-
cido e ficar com a carne ou rez apprcbendi-
da. Manoel Alves Guerra. (31)
1 Deseja-se saber, se ha outra pessoa com
o iioine de Domingos Alves Matheus, na ra da
Cruz escritorio doSr. Manoel Joaquim Ramos
e Silva. (4)
O enthusiasmo he um conselheiro impru-
dente !. ..
He a duvida c a (rie/a que aconsclho
mal e tolhem un vo brilhante !. ..
A discusso ia-se animando cada um dos
ntei lecutores advogava a sua causa : um que-
na urna emancipado gloriosa e productiva, que
permittissea Cesarina nao escutar sino a pro-
penso de seu coracao e nao duvidava que a
preferencia fosse a seu favor; o outro comba
tia estas ideas de independencia que terio tido
em resudado roubar-lhe todas as vantagens de
sua fortuna todo o prestigio de sua generosi-
dade De parte a parte era o to vivas as repli-
cas que madame de Saint-Phar nao tinha po-
dido intervir nem tomar vulto no debate; tinha
mordido os beigos ao ouvir argumentar
cerca de sua qualidade de Baroneza. Seu em-
banco redoblara vendo esarina approvar por
movimentos de cabeca signifi ativos, e por 0-
Iharescheios de fogo a iheoria que Maucroix
sustentava com urna superioridade de elocucao
esmagadora para seu adversario O comrnan-
dante veio a proposito interromper os dous ora-
dores.
Senhores disse-ihes, furtae-vos por um
instante ao encanto da conversacao ; o jogo vai,
esfoicando e reclama o vosso soccuiro.
= Sim sini apressou se a acrescentar a
Baroneza ; nos vos damos a vossa liberdade at
Doras da cea.
Maucroix n0 se fez rogar e Burtlev o se-
guio meio por vontade meio a forca. Al.
Kbimberl linli!>-!i : ->it, nplo braCO B elle
obedecia a urna superioridade irresistivel.
A sala de danca eslava vasia eos rao j nao
vivia seno as mezas de jogo posto lossem a-
peoas dez horas. A baroneza e Cesarina forao
ter com duas ou tres senhoras que se tinhao en-
volvido n una partida. As cartas absorvio
por tal modo a attcnco geral que ninguem
'se voltou para a porta quando se abri para
dar entrada a um recem-chegado que pela
primeira vez apparecia na sociedade da Baro-
neza.
Era no en tanto um mancebo que valia a pe-
na ser notado : vinte e tres annos porte dis-
tincto cabeca loura e encantadora feices
que teria invejailo urna inulher rosto claro e
rosado cuja vivacidade conlrastava com a palli-
dez de todos esses homens murchados pelas vi-
gilias pelo jogo, pelo tumulto das ms pai-
xoes c pela anxiedade de urna lortuna procel-
losa.
Elle se adiantou tmidamente to emban-
cado de nao ser visto, como teria Picado se n'el-
le se tivesscm litado todos os olhos.
Passaro-se alguns minutos e emlim vol-
tou por acaso o commandanle a cara para o la-
do do mancebo.
Ah sois vos! disse elle.
E depois de Ihe ter aiTectuosamente aporta-
do a mao conduzio-o dona da casa
Senhora Baroneza, disse o commandan-
le permilii-me que vos aprsente o senhor
conde Fredericodu Valberg cuja visita eston-
teadamenle esqueci-me de vos annunciar.
1

i



pectivo ttmsoufi-iro, uue as ruiids rio seu inlullivel andamento no dia 2 de jnlli
3 == Por execucSo de Jos Joaquim Pereira
e Jos IVreira Viaitna encaminhada peh
Ja./.o ..i segunda vara EscrivSo Santos tem de se
arrematada ama casa de sobrado le tres anda-
re- com sou mirante sita na ra da Cruz de
bairro .o Recifo confronte o Limo da Lingeola,
penhorada a !.ui/. Pereira Vianna; ecooto es-
tn (indos os das de le os protendentes se din-
ja. su a ra do bol a [.orla dojuizde Civel d
segunda vara o Dr. Jos Tboiuas Nacuco d<
Aranjo. (ti
LUTEUIV 1)\S MEMORUS HiSTOKlL.v.
Pnmio grande 8:000.000.
Dito inmediato 4:0008000.
) au toado tido lugar o andamento da>
rodas desli lotera no .lia designado pelos nio
tivo* ja ponderados; de novo Tai certo o r--
, uuc as
imamen
corrate por assim ha ver annuid o'kx;
Presidente da Provincia : e o restante do>
bilhetes acbSo-sa a venda nos lugares ja an
nunciailos. 12"i
o Os bilhetes da barca de banhoi achao-se .
venda no Reoile na luja do Sr. Jos Gomes
1 ''! e em Santo Antonio, na do Sr. .Manuel
Joaqui'ii Gomes.
Ai pessoa* que quiserem, pJem assignai
por trez mezes mediante a SQinma de dez mil
ri> podendu durante este pra/o banhar-se
quantas vezes Ibes agradar: para istoseen-
lendSo com o gurda da niesma barca. (9.
2 -Oileiece-se um r. pa/ brasileirode 17an
nos de id ade para caixeiro decusa estrangeira
ou mesmo arma;m o quaJ sabe lr. esere.ei
e contar; quem do scu presumo se quisor uti
lisar annuuoie, (g)
2 lerece-se um rapa/, brasileiro de 16
annos de idade para caixeiro de escriptorio ou
de ra, o qual >abe lr e oscrever ; quem do
seu prest i mu se quiscr utilisar annuncie. [4"
'2Aluga-se o primeiro andar do sobrado n.
38, otra* da matriz da lo-vista, com suBcis
entes commodos para lamillia ; os pretendente,
podem dirigir-se ao segundo andar da mesoia
ca8a- ... (5)
2 Sr \\ illiam Lvdtre queira procurar urna
arta viuda de Ballimoreem casa de L. G Fer-
reira&C. r\
-Precisa-sede urna ama forraparda ou preta
ja de tfjade.quesaibacosinliar e engommar,para
urna casa de pouca famillia ; quem estiver nes-
ta circumstancia dirija-se a ra da Cadeia n*
primeira loja de faienja ao pedo arco da Con-
ceicao. (6)
4 As rodas da lotera da matriz da Roa-
vista correal no dia 2 de Julbo e os bilhetes
estao a venda nos seguidles lunares ; no Reci-
te laja dos Srs Mainel Gomes da Gunha e
Silva e Vieira cambista ; em S Antonio ,
f.u Antonio Pe'eira j( Companhia e Moreira
Marques ; na Boa-vista Jacint > genro do Sr.
Oliveira. t$-
2 Manoel Soares Botelho retira-se para Co-
rada provincia indo ao Maranho e Para a
tratar de seus negocios, levando em sua com-
panliia um filho menor de Dome Antonio e 3
escravos, Manuel, Joo e Manoel, de naca-
Angola. (6
3Pelo Julio de Orphaos da cidade de Olin-
da lia de e >rr r praca nos dial 9, 12. e 10 de
Julho conforme o edita I que fot publicado ,
um sitio com cosa de vivenda ecoqueirog na
praia da mesma (idade denominado Rio-lapa -
do pura pagamento dos (redores do casai do
frtllecido Cosme Jos Cue.les Alcanforado no
va'oi dedousconlos de reis e tambein outro
sitio vislnlio ao mesmo com onome deEosea-
da aballado em 2oo.i' rs. jo
2 Precisa-se alugar urna escrava para o
ser ico de urna casa de pouca familia, que sal-i
ba comprar, coslnhar, e eosaboar, dando-se-
llie o sustento e 10/rs. mensaes ; na Solida-
dade indo pela Trompe, do lado esquerdo.
casa nova n. 42. (gi
2 Precisa-sede um forneiro sendo bom,
paga-se bom salario; na ra Imperial n. 43. 1-2
2 |)-so rfinheiro a premio sobre penho-
res de Boro ou prata m grandes e peque-
as porces ; na botica do Brando se dir
quem da. f4
2 Manoel Jos da Guerra fas siente ao res-
pciluvel publico que le boje ern diante se ns-
signara Manoel Jote de Muraos Guerra. '3)
"2 Jus de barros l'imentel embarca para o
Rio deJaneiro o seu escravo pardo, de Dome Ma-
noel. 3)
Joaquim Jos Ferreir Guimarjles val ao

para um sitio na
ra Nova loja
de 10$ rs. ; no botequio
ntenda de plantacoo vaccas ,
assagein-da-Magdalena ; na
n. 52.
Precisa-se alugar urna casa no bairro da
Hoa-vista at a Solidado, em qualquer das roas,
endo pequea que be para pouca familia ;
juem ti ver annuncie.
I Precisa-se alujar urna casa terrea as
eguiotes ras ; pateo da ribeira eS. Kila, cujo
luguel au exceda
la Estrella.
1Precisa-se d" 4escravos, que sejo ma-
inheiros para bordo de um navio que est
"ozendo obra, e pretende depols de prompto
-arregar pa a o serto paga-se por mezes, ou
por viagens ; ao lado do Corpo Santo n. 25.
Precisao-sede200? rs. a.juros dando-se
oor seguranca um escravo pardo livre e des-
embarcado ; quem quitar dar annuncie. (3)
A viuva deS Araujo faz trente ao Snr.
Colletor d'Ago'ardente que deuou de vender
ste genero em sua taberna sita na ra da
Cruz n. 60.
Compras
Cnmpra-se um oratorio ou maqunela ,
jue tenha dous palmos e meio de altura e um
lito de largo ; na ra dos Quarteis n. 15.
I Comprao-se diarios velhos em porco e
i retnlh i ; na ra Direita n. 10 rclinacao de-
frontedo eilao do Livramento. (3
IC>mpru-se um sobrado queseja novo e
om ra publica; na ra da Praia, armasen) n. 14
Comprao-sc ell'eetivainente para fra da
provincia mulatmbas crioulas, e mais escra-
vos de 13 a 20 annos pagao-se bem sendo
bonitos; na ra larga do Hozario n. 3o pri-
meiro andar.
Compra-ge caf em rao da Ierra, qual-
quer porcao ; na travessa da Madre de Dos ,
padarie n. 11, de Manoel Ignacio da Silva Tei-
u'ia.
Compra-se prata de le contrastada em
bras ]ue se possao usar a 220 rs. a oitava : e
copos para agua ditos para cerveja ditos pa-
ra Champanbe clices para vinho ditos para
licor galheteiros para azeite e vinagre e nu-
tras muitas cousas por preco mals commodo ,
do que em outra qualquer parte; na ra do
Livramento n. 6. (ti;
I Vendo-se por barato preco a armacao da
loja da praca da Independencia n. 36, onde es-
t o novo estabelecimenlo de perfumaras, pin
tada e ar/anjada de novo e propria para qual-
quer estabelecimento e muilo principalmente
para chapeleiro por ser om bom lugar pois
se vende porque o depositse muda para a ra
do Queimado n. 61. (8)
Vendem-se pecas de bretanha de rolo com
10 varas a 1600 rs. e em vara a 160 rs., par>-
nos finos de superior qualidade a 4000 rs. di-
to mais ordinario a 2000 rs. mantas de linho
grandes a 300 rs. chapeos sein pello a 3000
rs. ditos de castor branco a 4500 rs. ditos
de massa mui finos a 5000 rs., ditos a 2800 rs.,
ditos-de seda a 1000 rs. cassa-chitas mui fi-
na a 160, 200, 220 e 24o rs., cortes de cam-
braia adamascada a 5000 rs. e outras muitas
fasondas por preco commodo ; na ra do Cres-
po n. H, loja de Jos Francisco Dias.
Vendem-se'optimos licores da diversas qua-
lidades em porco a 160 rs. a garra fe e a ro-
talho 200 rs. genebra embotijada 200 rs
e em caada a 800 rs. ago'ardente do r?i"o
com '26 graos a 900 rs. a caada, superior ago
rdante doaniz a 708 rs. a caada e espirito
de vinho a 200 rs. a garrafa ; na ra da Roda
do
de
su-
Vendo-se um escravo moco de naco, co
sinba e nao tem vicios nem achaques ; na
pracinha do Livramento sobrado n. 50.
Vndese urna escrava de 18 anns
bonita figura ; o um escravo de 18 annos
elegante figura ; na ruadas Cruzes n. 41
gundo andar.
Vende-se urna saccada de Lisboa com 10
palmos de comprimenlo um membrete duas
bombreirasde pedra da trra ludo por preco
commodo ; na ra da Praia de S. Rita n. 37.
Vende-se urna porcao de areia no caes
de S. Francisco, que serve para rebocar obra .
por estar cortida de aga doce de chuva. a 1:20
rs a crnica e a carga a 50 rs. ; a tratar na
obra da fio va CunhaGuimaraes.
IVende-ge Jacaranda, e Gonpalves Alves ,
superior; tijolos de alvenaria ladrilho, tapa-
mento e telhas ludo muilo em conta ; n ra
Imperial n. 67 on a fallar com Jos Francisc <>
da Silva Penna ; o mesmo forneco canoas de
areia para qualquer terreno por preco com-
modo. (7j
Escravos fgidos
n. 23.
dita em obras velhas a 200 rs. dita
forres n. 18,
na ra do
Vendas.
(8)
2 Vende-se o Hegulamento para cobranca
do sello, com os artigos da le que o creou : a
Praca da Independencia, livraria n. 6 e 8
U VenJe-se o melhor
Champanhe, que seachano
mercado; em caza de Avrial
limaos, na ra da Cruz n.
20.
'2Vendem-se urna cadeirinha moderna e
juntamente um relogio ; na ra das Trinchei-
ras n. 42, no primeiro andar. (3)
2 Vendem-se duas moradas de casas ns. I
e 3, ao peda ponte dos Remedios sendo urna
de taipa, e a outra de pedra e cal, rendem am-
bas 8# rs. mensaes ; a tratar com Miguel Cor-
reia de Miranda no sobrado que laz esquina
para a travessa dos Remedios. g,
2 Vende-se urna ptima preta com habi
lidades por preco commodo ; na ra estreila
do Rozarlo n. 3i. ($
3 Vende-se um esrravo moco ptimo pa-
ra parelbade palanqun), sem vicios nem acha-
ques ; na ra Imperial sobrado n. 47
2Vende-s<^ farinha de muito boa qualidade
rbpgada prximamente da Rahia e sacras com
arroz de casca tudo por preco commodo e
barricas, e saccas com farello ; no armazn
do Rraaorz ao p do arco da Conreco. ;4
Rio de Janeiro a ti alar de seus negocios.
Aluga-se a asa ae sobrado da praca da
Roa-vista n. ; a lallar no botica da mesma
tasa com Ignacio Jos de Couto.
1Prexedes da Fonseca Coulinbo embarca
jara o Rio Grande doSul o seu e-cravo Anto-
tonio de nacao Costa
Anacm praca pela primeira vara do Ci-
vel escrivlo Magalhies, urna morada de casa i
tern a de pedra o cal, quintal murado ecacim- '
i a de boa agua na roa de s. Miguel dos Affo-
s por execuco de Manuel Antonio da
Silva .i !(; contra Joanna Bandeira, viuva de
Paulo Ventura Pmheiro sendo a ultima pra-
ca no oia '1 do torrente.
Precisa-se de um eilor que trabalhe el
2 \ ende-se arroz de casca a 2400 rs. o al-
qeeire ; na ra do Rangel, venda n. 4. 2)
2 Vende-se assucar refinado e de outras
qualidatles cha bisson, caf moido e em grao,
cevada muida, e chai utos, tudo por pre?o com-
modo; no deposito da praca da Boa-vista n. 7.
2 Vende-se urna escrava de naco de bo-
nita, figura, boa cosinheira e lavadeira e he
muilo diligente para ludo o servico de urna ca-
sa : na ra da Cruz n. 43. (4)
2Vendem-se ricos cortes de la e seda com
13 covados e meio a 10, H e 12# rs. ditos de
cassa de lindos padroes a 6 e 6400 rs. cha-
les de laa a 2200 o 3^ rs. corles de cambraia
lisa muito fina a 5, 6 e 6400 rs. e outras mui-
tas fasendas por preco barato ; na ra do Quei-
mado n. 29, loja de Novaes. (7j
2 Vendem-se duas escravas mocas habis
para lodo o servico urna d gento e a outra
crioula; na ra duRozarioda Roa-vista n. 2. (3
2 Vende-se, ou aluga-se urna canoa de
carregar agoa ; na ra estreita do Rozarlo n.
H; na ri.csma casa aluga-se o segundo andar e
foto do sobrado no largo de N. S. do Terco ,
por pre?o commodo. '5\
Vende-se, ou aluga-se um pretsicanoero ,
e urna canOa que carrega de 700 a 800 lijlos;
na ra da Cruz n 10.
1 Vende-se urna mesa grande propria para
meio de loja de fasendas ou mesmo de miu-
desas por ter 5 gavetas pequeas; no arma-
se) de taboado defronte da Ordem terceira de
S Francisco. (g\
Vende-so um par de casticaes de prata ,
modernos ; na ra doS. Rita-nova n. 87.
1 Vende-se urna grande porcao de papel
impresso a peso, ou como convencionar; urna
balanca e braco e 8 arrobas de pesos de bron-
te e de ierro urna linda guarnido de mui bri-
Ihante e rico papel para forrar sala ; na ra
de Apollo, armasem n. 0. (fj,
IVende-se arroz de casca a 2880 rs. o al-
quoire e a retalho a 3200 rs ccvadinha de
rranfa a 280 rs. a libra farinha de tapioca a
120 rs. sebo do Porto a imitacao de esper-
macete a 400 rs. esleirs de pirpiry grandes
e pequeas, azeite de coco a 2240 rs. a cana-
da e a garrafa a 320 rs. manteiga ingleza a
7-0 e /20rs.; na ra do Rangel, venda n. 50.(8
1 Vende-se urna venda em muito boa ra ,
bastante afreguezada e com pouros fundos ,
que por isso offeresse mais vantagem ; na ru
Novan. 36. fi\
Vende-se um ptimo escravo crioulo de
24 annos muito possante e sem vicios ou
deleitos ; na ra Nova n. 41 segundo andar.
Vendem-se taboas de costado de pao d'oleo,
e portas leitas de amarello novas e de cos-
tadinho e mais 5 tostados de 4o palmos de
comprido de amarello muito bons ; por de-
traz deS. Rita-nova serrara n. 21.
1 Vende-se urna armacao demiudezas ou
com as mesmas iniudezas ; na ra do Queima-
do n. 11. (3.
i Vende-se azeite de carrapato sem mis-
tura pelo barato preco de cinco patacas a ca-
ada da medida velha ; no Beco-largo ar-
masem n. 33 das 9 horas da maphaa as 3 da
tarde. (5
1Vende-se um preto de nacao moco, de
bonita figura entend- de trabalhar em massei-
ra ; na ra Direita, padaria n. 24. (3)
Vende-se urna cadeira de bracos de ar-
ruar em bom uso e por preco commodo; na
ra do Livramtnto n. 34.
Vendem-se So palmos de varanda de fer-
ro de leitio bonito, qu8si nova e urna por-
co de caibros, e escadas de andames muito
em conta ; no Atterro-da-Boa-vista loja de
trastes.
' Vende-se urna escrava de naco com bo-
nita figura, cosinhae engomma urna dita de
naco Angica boa quintandeira e lavadeira ;
3 molequesde naco de 1G annos optime*
para pagem de muito boa conducta, o que
se afilanca ; 3 escravos de naco com bonitas
figurag nptimog para o servico de campo ; um
dito bom pescador do alto; todus sedo a con-
tento ; na ra Direita n. 3. !*))
Vende-se excellente caf moido, muito em
conta para se vender a retalho ; na Boa-vista ,
praca da S. Cruz, padaria de umasrj porta e
no Recife travessa da Madre de Dos n. II .
padaria de Manoel Ignacio da Silva Teixeira.
2 Fugio no dia 2 do corrente, um escra-
vo de nome Joo de naco Angola, de 24 an-
nos, altura regular, tem de menos o dedo pol-
legar da moesquerda, cujo signal anda o leu
de fresco por le|-o perdido a perto de 3 me-
zes na orcasio de descarregar um hacamari
no ei5P *nal "a vespera de sua fuga ti-
nha pedoo a seu senhor para o vender, pedin-
do-lhebilhele jl>r esse fim e o qual Ihe fof
--------- r -----
ddo declarando soinente-custa o negro Joo
(iOO/OOOo rs. tend antes poucos dias pedido
tumbem para ser venda.'' para o Aracaiy ou
Ico por isso que a descor.'fiancas, que o dito,
escravo seguisse para os dous mencionados lu-
gares do serto ; roga prtanlo o abaixo assig-
nado e legitimo snr. do dito escryvo a qual-
quer pessoa ou capito de campo, que o.
mesmo escravo encontraren) ( ou tiverem no-
ticias o prenrto efacao conduzil-o a ra da.
Cadeia do bairro de S. de Antonio ao p da
guarda por cima da loja de chapeos quese-
ra generosamente gratificado.
Francisco Joaquim Cardozo. (23)
1 No dia 6 de Mak p p. desappareceo um
moleque crioulo de nome Cornelio do 20
annos estatura reguiar, olhos vermelhos, na-
riz um tanto grande, detitaa alvos, oorpolen-
to ps pequeos ; loi esclavo de Alfonso de
AlbuquerqueM. .moradof na Boa-viagem, sitio
alio ; quem o pegar, leve ao dito luKar no sili,)
deD. Alaria de Barro, que ser gratificado. (8)
En> a noutede22de Junliov' p- .d,,saP-
pareceodos A Rogad js, vindo para o Rei'ife urna
negra crioula de nome Germana velha- ">
denles baixa e secca do corpo pf Otiuenos,
olhos rasos rosto j com rugas ; levo,' sai
de chita rouxa e panno da Costa azul mas
suppe-se ter mudado do roupa costuma '""
culcar-se forra, e he bem fallante ; quem a pt -
gr, leve ao beco da Congregarlo n. 41, que se-
r recompensado.
i Desappareceo na da tarde de 21) do pas-
sado da casa do abati assignado um escra-
vo de nome Jos, de nacao Cacange altura ,
regular, secco do corpo pouca barba lulo,,
ainda bucal temem cima do peito a marca P,
levou camisa ecal lo urnas calcas zoes j velhas e chapeo de pa-
Ihaj usado, con; copa oleada de encarnado;
este pretosuppoe se estar perdido, ou occulto
em algutna casa, pois elle nao sabe as ras por
ser do mallo; rogase a todas as autoridades
poiiciaes, que hajo de janear suas vistas so-
bre o dito escravo, e tambein aoscommandan-
tes de embarcacoa> para nao receberem o men-
cionado.escravo ; o mesmo abaixo assignado ,
protesla'eoptra qualquer pessoa que u tiver
occulto 6 Ihe pagar 640 rs. por dia ; quera
o pegar, leve ra deS. Rita-nova o. 91, que
ser gratificado. Joaquim Antonio S. Tiag
Lessa. ^0)
i Em o dia segunda feira do Espirito San-
to do corrente auno fugio urna preta de no-
me Catharina de Angola ladina, alta, secca,
serio pequeo, cor bastante preta bem feita de
rosto olhos grandes e vermelhos com to-
dos os denles na frente ps grandes meltidog
para dentro he escrava de Alanoel Francisco
da Silva morador na ra estreila do Roiario
'. 10, terceiro andar, por cima da botica do
Snr Paranhos. (lo)
1 No dia 20de Alaio p. p. fugio urna negra
crioula, que representa ter 20 annos, altura
mais que ordinaria bem preta secca, feices
regulares olhos fundos e pequeos orolhas
pequeas edobradas. tem entre os denles da
,, :------- )'<-tiucno e (iiiunas. ten) entre os uenies ua
2 Vende-se urna porcao de cera de carnau-
ba ; no escriptorio da viuva Cunta Guimares.
Vende-se u na parte de urna casa Ierra ,
comsotao, na ruado'Arago ; a Iralar no At-
lerro-da-Boa-vista n. 7.
I Vendem-se apparelhos para cha, de por
qualidades muito boas clarinetas de C. o B.
por preco commodo ; assim como a pessoa ,
que annunciou querer comprar uina rabeca em
bom estado, dirija-se ao pateo de S. Pedro
n. 18.
Vende-se duas bancas de angico para meio
de sala duas de encost por preyo commo-
do ; na ra Imperial n. 84.
1Vende-se um apparelho de prata para
cha o cal quasi novo ; na ra do Hospicio
n. 40. (3
Vende-se a propriedade n. 0 da ra da
celana doorada pintados ditos de mesa de'Moeda, com dous andares lavados e dous en-
jaular, ditos para cha, atoes e de outras c0res,jcobertos bem constiuida. e feita a moderna
mangas de vidro lapidadas, garrafas de cris- livre e desembarcada ; na ra da Cadeia do
tal ditas lapidadas compoteiras para doce I Recifo n. 51. primeiro andar
palhetados he carinla fe muito Carela, tem
sido encontrada em diversos lugares; quem a
pegar leve ao Manguinho onde mora o Snr.
Porto-carreiro, ou na ra do Livramento n.
17, que ser gratificado. (i \J
Fugio no dia 23 do pssadouma escrava
de nome Izabel de naco Cacange de 15 a
i(> annos cabrea aoatfrteirada falla fina, bai-
xa se,va olboS fundos o maior signal que
tem he a falta de um dedo no p Rsqnerdo ; le-
vou vestido de chita preta e panno da Costa ;
quem a pegar, leve a ra Direita sobrado de
um andar n. 94, que ser generosamente re-
compensado.
Kacim m os M F P'-'i 18i4


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EL9QUZJJC_CSZJCE INGEST_TIME 2013-04-13T00:13:01Z PACKAGE AA00011611_05110
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES