Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05109


This item is only available as the following downloads:


Full Text
O i>UPl>l'"bl'c*",r '"dos os das que nao forem santificados : o prego di assignaturi
he de ircs unir, fr quirlel pagos adianlados Os annuncios dos assignsmes sao inseridos
,. ,i= dosfll"0 fo10 r"y JeSu ,c' Ff l'n'n. A.s reclamace ,lereni se. lu
gulas i '* lyf ,". d" Crute n. >4 ou a praga da Independencia foja de liYroan. eH
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Coul"*-0 !''hTbaEund.se sextas feiras.hio Grande do Norte, chega 8e22c par
,e ,', di)c'4 Cabo, Serinhaem Rtotormaso. Macey, Pono Cairo, e Alegoas-no 1 "
U '.ldecidm met.Gsranbuns e Honito a 1e '24 de cana met aoa-rnta e Flor
tic 13: 8 dilo. Cidade da Victoria quimas feiras. Olinda lodos OS diaa
das da semana.
24 Seg J'*10 "("isla. Aud. do J. de 1). da '_'. r.
5 Tarja s Goillie'me llel. aud. doJ. de I).da 3. y.
'J Quart < Virgilio Aud do J. de D. da 3. t.
J7 Quinlts. Lais ao Aud do J de D da 2. Y
"S Sesli" A1'1". Aud do J de 1) da i. y.
I) Sab >) I edro. Hel. aud. do J. de D. da i. v.
30 Uon> A Purera de N. Sra.
t : sraf1
T.:-^.sarcx/ss3BB!.
DIARIO
de Junfi
y
Aun XX. n. latir
l'udo agora
liniif-miis como
ulln.
depende de mu mesmos; da nona prudencia, iroderagao" energa: BOt).
principiamos aere>n apontido* com ijmr04o eulre as na^oee mai.i
(Proclama lia <1i Assembla Oral do iran.)
CAMIIOS MI Dlt ~1 DE BUL.
Cambiof sbr Londres 26. ; I Oary.Moeda de 6,400 V.
n Paria S/U rcis por franco >| i. N.
>i ii Lisboa 112 por 40tl.de premio ( > de 4,00-'
I I'rita--I"nncoei
Mord lie cobre ao par. I v i toa coluramnares
lata de letra .le bou firmas 1 a1|4 0|Q I ilos
Id
meticinoa
compra
17,3(10
17.100
y.aoo
1,9fi0
l,9 1,1)60
renda
17,500
17,.|.-l>
9 (i 0
i a*>
l,yH0
,9a0
PHASES DA LA KO HEZ
ua chata a ,'0 as :f lunas e 5inin da manlia, | Luanor
Minguante a 7 as 6 horai e S min da larde
Priroeira i huras e 54 min
DE II MI.
a 15 ai 1(1 horas 6 min. da tarde
Ciescente a 23 as 1 h. 5 a larde. ?
/'reamar de hnje. 9
minhii. | Segunda as .'i horas e1S minutos data.
PERN
jn,T-iM*^:
"-"-:- ....______
..._.:_..
IIIJIMI I C'C02U:35ZSH
PASTE OFFiCIAL,
Coniuanflo das \raas.
ContinnacSo do expediente do da \0 do
crvente.
OficioAo mestno Exm. Sr.. submeltendo
a despacho urna requesic.io d'alguns oblectOS
necessarios ao Hospital Rcgimentul
DitoAo mesmo Edil. Sr. podindo solu-
cao do contedo no offido que dirigir em 17
de Maio ultimo, acerca da quantia < | 11 anda
te fasia do mister para a coiafilusBo da obra da
coberta da casa de residencia do Coininandante
da Fortalca de Itarnarac, e que se digoasse
ter attencao ao que se expender etn dito ofli-
cio, sobre a ruina da capella, e outros edifi-
cios internos da mesma Fort le/a.
DitoAo Dr. Presidente da Junta de ^atde/
para que convocando a mesma Junta extraordi-
fi'ament, inspecionasse ao 2.Tonente Joao
Mantillo Paes Brrelo, di companliia de Art-
fices, e ao soldado de Artilbaria, Jernimo Jos
da Rocha, cujos requerimentos Ihe onviava
DitoAo Commandanle do Forte do Bura-
co, ordenando-lhe que isessea requisico dos
7 reparos a Onofre necessarios para montar
igual n. de pecas e ter em batera o n. de 21 ;
assim como a quantidade de tinta, e leo, pre-
cisa para a pintura, reparos, e hallas.
Dilo Ao Commandanle interino da Forta-
leza de Itarnarac, devolvendo-lhe a olha dos
vencimenlos do mez p. passado, para a relor-
mar de conormidade com o disposto na ordem
do dia 27 de Marco, devendo assignar na folha
pelo Ajudanto, que estava nesta praca com li-
cenga para se tratar, e finalmente que poda re-
quisilar os objectos indispensaveis para o con-
cert da pipa, o jarras de rnadeira, mandando
pessoa autorisada recebar, nao so os ij rs. por
que foi justo o concert, como os \-\{)$ rs. pre-
cisos para a concias io da obra da coberta.
Portara Mandando dar baixa ao Anspeca-
da Baymundo Nonato, por ter finalisado o lem-
po de servico como recrutado e nao querer
continuar.
Miiiniamaiami
FCMTO
MARGA RI DA. (-*)
VI.
CHA ARIA AI.Uf.RE DB GAITA DE FOLLES.
Os fugitivos achrao o mensageiro no lu^ar
assiynilado, o a barea auxiliada pela frrente
nao tardn a desusar silenciosamente poio Lia -
ne. Urnas ve/.es ella passava por debaixo das
sombras abobodaa das arvores, que entrelaca-
vao seus ramos de urna a outra tn irgem, e ou-
tros ve7.es o ro achando-se descoherto reflectia,
c imo um vasto espelho. os argnteos raios da
la. Nossos viajantes passavfio assim da mais
profimda obscundade a urna bnlhanto lu/.. Fi-
nalmente ludo estava silencioso, e tanto pela
prudencia, como pelas reflexes que Ihes inspi-
rava sua posico, ninguem fallava. Jorge pare-
ca mais preoecupado que os outros,urna expres-
sao de sombra tristeia seespalhava sobre seu
bello rosto, quando estas palavras do Barao fo-
raoacordal-o do lethargo de seus pensamenlos
dolorosos.
Sr. Jorge, nos vos devenios um grande
favor I
E um reconhecimento que nada no inun-
de pode pagar, ajuntou Margarida.
Jorge deo um profundo suspiro.
. ^uanto a islo he verdade, conlinuou o
Bode do Valle, he um honrado mogo, c seo
Pobre do >r. P Jre aqui estivesse seria obrigado
a convir n'isto .. Sr. Jorge perdoai-nos .iossas
OrftiisS, foi Dos (jiii'in o disse... e se vos que-
ris apertar a mao dum triste pastor como cu,
julgar-me-bei 18o |eti/ como su tivesse aportado
a inaodonosso defunto Rei !
(' V.de Diario n. 124, 125, 128, 133,
139, e 143.
DitaMandando dar Inixa ao 1." Sargento
Felicianno Jos Joaquitn, o Soldado Joao da
Suva; assim como ao Cabo de Ksquadra Jos';
Simplicio de Castro, o Soldado Zacaras Anto-
nio Bastos todos dArtilharia os dous pri-
meiros por leretn acabado o tompo na quada-
do do voluntarios, c os dous ltimos como re-
crutado, o nao quererem continuar.
DitaMandando em deferimento a supplica
lia viuva alaria da Concep,8o Lira, dar baixa a
seu lilho Manoel Ferreira da Fonseca Lira, Sol-
dado do 2. balalhao de Artilbaria a p, a
brindo assento de praca em seu lugar para
servir o resto do lempo que Ihe faltava, o pai-
sano oferecido Joao da Silva que acabava de
ser detnittido por ter sera nota, e com boa con-
ducta terminado o seu engajamenlo.
Dita -Mandando etn deferimento a supplica
do Soldado de Artilharia Amaro Jos dos San-
tos, dar-lhe baixa, e abrir assento de praca pa-
ra servir em seu lugar o lempo que Ihe faltava,
o paisano oferecido Manoel doNascimento de
Sousa.
Dita Mandando que fosse excluido do ba-
Ihao de Artilharia com una para o deposito o
Anspecada Manoel da Hora Machado.
Dita Mandando que fosse recebido no de-
posito, o Anspecada mencionado na precedente
portaria. iokm do da 11.
Officio Ao Chefe de Policia significando-
Ihe, que em consequencia de sua exigencia foi -
ta em officio desta data expedir ordem para
ser conservado preso as Cinco Pontas o Escri-
vao Deputado aposentado da Provincia do Para
Joao Anaslacio da Cunha, a fim de cumprir a
sentenca quo Ihe fra imposta pido crime de
calumnia.
DitoAo Commandanle do corpo de Guar-
da Nacional destacado ordenando-lhe que
recebesse preso no respectivo quartel por -15
dias. a Joao Anaslacio da Cunha, que Ihe se-
ria mandado apresentar pelo Chefe de Po-
licia.
PortariaMandando em deferimento a suo-
plica do mnsico de Artilharia Thomaz de A-
quino Pessoa, dar-lhe baixa do servico, abrin-
do-se assento de praca na companhia de Art-
fices ao paisano Francisco Marcellino, que o flo-
recer como substituto.
Dita Mandando dar baixa ao Soldado de
Artilharia Francisco Marcellino, por ter sern
nota completado o seu engajamenlo.
Dita=Mandando em deferimento a supplica
do 2. Sargento Joao Luiz dos Santos, dai-lhe
baixa, abrindo se assento de praca ao paisano
Zacaras Antonio Barbosa, que oflerecera como
substituto.
dem do da 12.
PoitaraMandando dar baixa, por ter fi-
nalisado o seu engajamenlo, e nao querer con
tinuar ao Cadete de Artilharia Jos AlTonso dos
Santos Bastos
DitaMandando passar da companhia de
Cavallara, para o hatalbfio de Artilharia, o
Soldado Finiiino M-nto das Dores.
DidaAutorisando o recebimenlo do Sol-
dado cima mencionado no balalhao de Arti-
lharia
DitaMandando passar do batalhlo de Ar-
tilharia, para a companhia dedo Artfices, o
Anspecada (official de corrieiro) Luiz de Fran-
ca Castro, e Soldado Marcelino dos Santos
Pereira, official de carpina.
Dila=Autorisandoo recebimentodestas duas
praca na companhia de Artfices.
IDBH DO DIA 14.
Portaria^=Mandando demittir ao Soldado de
Artilharia Manoel Jos Muniz por ter (inali-
sado i5 lempo do servico como recrutado o nao
querer continan-^
iMMU'H1.1"!11 ". "
Jorge estendeo a mao ao honrado homem, o
apertou aflecluosamente na sua a mao dura e
callosa do pa-.tor;um instantedepois elleseincli-
nou ao ouvido de Margarida.
- E vosso juramento, sentir-vos-heis com
forca para conserval o? Consagrarteis ros vos-
sa vida tnteira ao lilho do assassino Maillard:
Margarida estremeceo involuntariamente ,
mas tornando a si inmediatamente:
Sr. Jorge, respondeo ella com vo/ branda
e grave, Dees nao fara pezar na balanca os cri-
mes do pai com os do filbo
Admiravel zombaria para engodar a to-
los exclamou Jorge amargamente.
Os soflrimentos tomao o homem injusto,
Que me importa exclamou Jorge com
urna voz rouca, se eu qui/.esse exigir vossa pes-
soa como recompensa do servico que vos fiz...
Oh! nosconhecemos bem vossa genero-
sidade, presentemente... Nenbum mal teme-
mos de vos.
Enganais-vos, lornou Jorge com um ter-
rivel sorriso; acabemos com islo. Eu poderia
n'um acesso de febre pedir em altas vozes o que
vos nao podis conceder. Sera rnelhor que eu
me va ajuntou elle inclinando-se sobre a agoa
d'uma maneira atterradora. Este rio he rpido
e profundo.
(fuereis pois faier-me morrer ? disse
Margarida agarrando Ihe pelo braco no mo-
mento em que elle ia perder o equilibrio
Oh nao, Margarida, vossa vida e vossa feli-
cida me sao mais charas que todo o mundo !
Vivei pois, murmurou tmidamente a
moca.
Para vos? pergunlou Jorge bolbuciando
de esperancu.
Mas... balbuciou ella.
Para vos ? respondi Margarida.
Pois bem, seja, disse ellacoraudo; vos noj
_ EXTERIOR.
IIESPAMIA.
Cartas de Madrid de 29 de Abril diziao que
a discordia que havia reinado por alguns dias
entre os tnembros do Gabinete Hespanhol, ti-
nba causado urna confusao extraordinaria n'a-
quallacapital e a determinacao dos Ministros
de resignarem em rnasta a qual foi levada a
cTi'ito n'aquelle dia contribuir a augmenla-
sereis com isto mais feliz, neni eu to pouco.
Nos nao fazemos mais que semear no futuro
dias de desgraca, que recolheremos mais tarde.
Bem sabis, Jorge, que isto be urna loucura !
Ha urna barreira insuperavel o sagrada entre nos
ambos.. Nao tornis a tomar vosso amargo
sorriso, Sr vos tendes vossa vaidade, nos temos
anossa, eeu respeito os pre onceitos de um
pai.
E os partilhais sern duvida ?
Nao, Sr., e vos o sabis tambem como
eu... Finalmente, ajuntou ella mais b8xo, nao
procuremos dores pelo nico prazerde discutir;
ta i ver o futuro nos reserva bastantes. Todava
esta resolucao temuma immensa comprehensao,
bastantes distancias sero aecumuladas. o fu-
turo nos dir o resto de tudo isto.
.Veste instante a barca parou, o homem que
a conduzia saltou a praia, c amarrou-a a urna
arvorepara facilitarodesembarquedos viajantes.
Agora, disse o Bode do Valle, estis livres
de perigo. seris conduzidos por este pequeo a-
talho, e desceris o penedio onde urna barca
vos espera para vos conduzir ao cter. Adeos!
o co vos proteja; misdeixamoso Sr. Carlos e
oSr. Padre n'uma complicacas critica; he lem-
po que eu vfle em seu soccorro.
Os tres fugitivos se virarao para dizer um af-
fectuoso adeos ao honrado homem, que os se-
guio algum lempo com os olbos, e a barba en-
costada ao seu cajado, e deixando escapar um
sorriso e urna lagrima vendo Margarida cami-
h liar apoiada ao braco de Jorge.
\ amos, Hirn. diz elle pegando em dous
remos curios, eis aqui tres horas de perigo, a-
gora aos outros.
E desprendendo a barca subi o curso do Lia
ne tao rpidamente quando pcrmiltia o empre-
go de ludas as suas torcas. *
Durante este tempo as cousas tiohao muda-
la. Accrescia a isto que vogava o boato que o .
Governo estava tratante) com o Papa a respeito
de reconeiliaeo, e que havia expedido ordens
particulares para suspender-se a venda da pro-
priedade do clero secular.
Madrid, 4deMaio.Novo Ministerio. O
General Narvaez, Presidente do Conselho c
Ministro da Guerra.
O Marque/, de Villuma, Ministro dos Nego-
cios Estrangeiros.
OSr. ftlon Ministro da Fazonda.
O Sr. Pidal, Ministro do Interior.
O Sr. Mayan, Ministro da Justina.
E o General Armero Ministro da Mari-
nha.
O Heraldo annunciava que o Sr. Gonz-
lez Bravo eslava nomeado Embaixadorda Hes-
panha Corte de Lisboa querendo a Rainba
tornar aproveitaveis os talentos e patriotismo
do joven Ministro que prestara tao eminentes
servicos sua caus i e das leis.
Madrid, 5 de Maio. A Gazeta publicou
um decreto abolindo o estado de cerco em todo
o reino. Todos os actos do novo Ministerio
provavao urna disposico da sua parte para
voltar ao regime da legalidade. Os Srs. Joa-
quim Maria Lopes o Fernando Madoz, contra
quem se haviao expedido ordens de prisSo por
supposta cumplicidade na conspiracao do Ali-
cante e que desde ento se conservavaooc-
cultos, tinhao-se apresentado ao Chele Po-
ltico, o qual Ibes disse que nada havia contra
ellos, e que podio considerar-se em liherda-
de. Esperava-se que apparecesse brevemente
um decieto para a dissolugao das Curtes e con-
vocado d'uma nova Assembla em Agosto p.
f. Fallava-se outra vez na jornada da jovon Rai-
nlia aos banhos de Caldas na Catalunha.
Madrid, 8 de Maio.Parece que o contra-
bando era entiio feilo em grande escala na An-
daluzia. I na carta de Armera em data de 3
dizia que se tinha dado urna hatalha regular
n'aquella ve/inhanca entre um bando de 300
contrabandistas, e um destacamento desolda-
dos c empresados do fazonda. Aquellos tinbao-
so intrincheirado na Sierra o o Brigadeiro
do de face as ruinas, e o pastor nao obstante
sua actividade dovia ebegar muito tarde. Para
nao deixar lacunas n'esta narracao, he neces-
sario que demos conta dos acontecimentos que
tiverao lugar no convento durante a fuga pelo
Liana,
O homem que primeiro so precipitou na ro-
tunda era o mesmo descripto ao Sr. Carlos pelo
Bde do \ alie. Estava vestido como um ho-
mem da plebe, trazia alm d'isto pistolas na sua
cintura o urna espada nua na mao. Vendo os
tres rcndeirosoppr-se sua marcha, levantou
sua arma, mais urna paulada rpida como um
relmpago, o fez voar a dez passos de distancia.
Insultado por esta destreza audaz, o desconhe-
cido pegou n'uma pistola, mas antes que a ti-
vesse engatilhado outra vigorosa paulada Ibeca-
hio sobre a mao. A dr Ihe fez largar a arma, e
mudando um grito de soflrimento em grito de
desesperaco:
Sabe, patife exclamou elle, sabe que
sou Jos Lebon !
JosLehon exclamou o Padre cabindo
com a faco em trra, Sr. Carlos estamos perdi-
dos !Oh meu Dos! salvai me I
Sr. Padre, respondeo o rendeiro decidi-
damente, se vos vos mellis assim entre minhas
pernas, far-me-heis cahir e seremos presos...
Comportai-voscomo homem!
Ouviste o meu noir.e, replicou o monta-
nhez com um tom ameac,ador. Eu sou Jos Le-
bon, representante...
Que sejas Jos Lebon, respondeo o fa-
zc.ideiro que nao procurava seno ganhar tem-
po, cu nssoconvenbo; postoque seguramente
ter-to-his antes devido chamar-te Jos le Mau-
vais; mas ouve, anda quando fosse Jos le Dia-
ble, nao passarias.
Insolente zombas com o perigo ? Feli-
cita-te porque minha mao... mas he o mesmo;
\

i
i
v S


2T

..

Orna, Commandantc da tropas da Ranh, de-
sesperando de poder detalojal-os da suaposi-
cao. sem experimentar grave perda, fingi u-
ma retirada. Tundo os contrabandistas sabi-
do ein sea segui ment Tordo batidos e destroca*
dos, deixando no campo 20 morios 10 feri-
vincia de lluelva, ttnho os habitantes feito fo-
go sobre os empregados de fa/en la, e tinho-
nos obrigado a pedir relorco a Sevilha.
A Reforme (jornal France.) noticiou o im-
mcnjio grito de actividade que rcinava na cor
respondencia ntreos Embaixa lores de Hespa-
nha aples, e Inglaterra. Cartas patticnla-
res atlnbuio este Tacto a negociace para o
casamento do Principe deTrapponi (irmao do
Rei de aplos)*'com a Rainha D. Isabel de
Hespauha as quaes promettiao ter born xito, se
bem que em'-opposico as vistas do Kei dos
Francezes, '
Madrid, 10 de Maio O Ministro da Guer-
ra tinha reintegrado cm seus postos mu i tos Qf-
ficiaes incluidos na convocarn de Bergara. U
novo Gabinete anda nao tinltn publicado pro-
gramla algum. As noticias do 11 ui/io
que a jornada da Rainhal-i a Barcelona era o
4 nico tpico do conversado, c que as Cortes
nao seriao provavctmentc convocadas antes lia
volla do .-. M. d'aquella xcurcao. A Rai-
nba Mi linba passado revista no (lia 10 ao
regiment c l Reina (Gobernadora, do qual
elle be Coronel, e conferio com suas proprias
inaos muitas condecorarnos a OTiciacs e Sol-
dados d'aquclle corpo
Madrid, 13 de Maio.Tinha rhegado a-
quella capital o Sr. Armero, novo Ministro da
Marinha. O General Narvaez devia partir a
18 para Barcelona, a fazer os orranjos neces-
sarios para a jorna la de SS. MM. Os Kniai-
xadores de Inglaterra e Franca deviao de acom-
panbar a Rainlia cuja partida eslava lixada
para o dia 20. O Duque de Glucksherg voltou
para Madrid a 13, e devia dirigir os negocios
da embalsada Franceza durante a auseucta do
Conde de Bresson, Dizia-seem Madrid e em
Parizquea Rainha Mi voltaria do Barcelona
Franca. Us fundos continuavo a declinar.
Despacho Telegraphico.
Rayonna 14 de Maio.
Noticia da llespanba annuncia que as duas
Rsinhas e a Infanta, sua rmSa sahiriio a 20
de .Madrid para os banhos de (Jaldas, na Cata-
lunba. Eslas personagens passarS por \ alen
cia ; e o Gonoral Narvae/, dizem, que be o
nico Ministro que acompanhar SS. MM.
(Times.)
Publica^ao a pedido
REPRESENTACAO
SENHOR.
Os ahaixo asignados, CidadSos Brasilei-
ros, domiciliados nesta Provincia onde obtive-
rSo maioria de votos para membros da assem-
hlea legislativa provincial, dos eleilores que se
reuniro nos resnectivos collegios em os dias 6
c 7 do Janeiro do crtente SOOO, ora vendo-sc
esbulhados do bonorifico ei cargo que Ihes con-
ferio o voto livre e espontaneo de seus concida-
daos, a efleito das mais escandalosas trapaces,
e criminosas lalsidades, sanecionadas pelo vi-
ce-presdente da Provincia, o Desembargador
Manoel Rernardinode Souza c Figueiredo, que
nada obstante Iho terem sido presentes todos
esses abusos, provados com documentos irre-
Iragaveis, mandou na apuragao geral a que se
procedeo no dia 10 de Abril correte, que por
elle fura designado, contar asadas por taes a-
busos viciada! < nullificadas; dando assim cau-
sa a que se proclamassem como eleitos da pro-
vincia, individuos que havio fieado cm gran-
de minora relativa, vem anteo Augusto Thro-
no representar contra urna tal-deliberacao.
Senhor, a faeco que pelo emprego de meios
reprovados e Ilcitos, tem nestes ltimos tem-
pos vexado c opprimido esta provincia com do-
minio exclusivo, repartido entre duas ou tres
lamilias e os da sua parcialidade, pode-se di/er
que est na posse de decretar as eleices, aju-
dando-scora das fraudes, ora da violencia a-
berta, e quasisempre de ambos os meios cu-
mulativamente ; por maneira queja os povos,
escarmentados por urna diuturna experiencia,
e sem defesa eflicaz contra a oppressao, cada
vez que tem a exercer o importante direito de
eleger os seus representantes, contio ver sufo-
cada a livre cxprcsso da sua ronsciencia, e
postos em lugar dos seus escolhidos, a indivi-
duos que elles aliaz repellem, e que no exer-
cicio dos encargos usurpados, procuro por to-
dos os meios aygravar de mais em mais a sita
'ao excepcional e violenta em que so acha esta
provincia. Mas os ahaixo assgnados nao par-
ticipao anda do desalent que infelizmente se
vai generabsando; clics confino que as leis
aimla lero forca, e que ajudados do braco po-
deroso de V M. Imperial, ponho brevemen-
te termo a essa serie de inmoralidades pelas
qoaes a corrupeo, a falsidade, e a violencia
s.io os nicos motores que regulao as eleices
do Maranho. Essa esperance, Senhor, alen
ta os abaixo assgnados, para passarem a expor
alta consideracao de V. M. Imperial minu-
ciosa e detalladamente, os abusos de que se
queixo.
No Collegio da Capital innumeraveis espec-
tadores, j; prevenidos da fraude que se projec-
lava, contarao no da 7 de Janeiro cincoenta e
quatro eleilores tao smente, quer na occasio
cm que assignaro a acta da sesso antecedente,
quer na da entrega das cdulas, porcm a mesa
com singular imprudencia extrahio setenta e
seto cdulas, figurando como presentes vinte e
tres eleilores do mais, que all se nao achavo.
Esta escandalosa frau representaco que varias testemunhas presen
ciaes dirigrao ao Presidente da Provincia ; 2.*
com o resultado da busca que se deu no dia 8
na arca das urnas do collegio, em que se achou
de menos o livro das actas, que na forma da
lei devra all estar fechado, c que fdra levado
para casa deum dos mesarios, sem duvida pa-
eis-aqui minha pistola engatilhada, eu te espero
agora.
Sr. Sr. exclamou o Padre, pelo amor
de Dos, poupai-nos Dizem que Costes Padre
em outro lempo,..
O Padre ac be va de locar sem duvida n'uma
corda sensivel e pergosa, que o fa/endeiro aca-
bou de vibrar dizendo sem m intencao.
Oh! isto so v anda om seu rosto,
Oh meu irmio poupai-nos accrescen-
lou o Padre.
Eis-aqui minha resposta exclamou Jos
Lebon lurioso, descarregando sua pistola.
Mas a colera obstou a exactido da pontaria,
o a bala levou smente urna madexa dos cabel-
los do fa/endeiro, que sacudi a caliera rindo.
Para um homem que est mais acostuma-
do a fazer rodar urna guilhotina que urna arma
de Togo, o liro nao foi mal dirigido. Vejamos
agora o que o meu cajado responde a este ar-
gumento.
A estas palavras elle levantou o braco para of-
fendel-o. mas antes que o tivesse ahaxado uns
trinia homens collocados atrs porque nao a-
chavo entrada precipitrao-se na rotunda.
A mim cantaradas exclamou Jos Le--
hon, segurai-me estes tres homens e este Pa-
dre!
A esta maliciosa graca os montanhezes se pre-
cipitarn para diante a lim de executarcm asr-
deos dos seus cheles, mas Toriodetidos por um
obstculo asss dilBcil de se superar. O Sr. Car-
los c seus dous (ilhos encostados ao muro faziao
mn sarilho tao regular e rpido que teria cau-
sado inveja a jogadoresde pao de profisso. A'
vista d'csta respctavel manobra todos recuro
mais rpidamente do que se tmhio approsimado;
porque ncnlium d'elles desejava ter quebrado
osqueixos, como urna casca de noz, com um ca-
jadode freuo armado d'uma grossa ponta de ferro
macisso. Porm mu tos d'enlre elles estavao ar-
mados de pistolas, engatilhrao-as e dirigirn
as bocas para o pcilo do fazendeiro
Entregas-te agora ? perguntou Jos Le-
D00.
Anda nao; porque se a destresa d'elles
se assemelha a toa, ficarei s com alguns anneis
de cabellos de menos.
Eu cont tres vezes o mando fazer fogo.
Toma cuidado em ti... Urna vez!...
Continua!, diz o fazendeiro.
- Duas vezes!
Urna observacao se vos apraz !
Nada de observacocs... Tres vezes en-
tregas-te... f...
Delende-vos exclamou o fazendeiro jul
gando que tinha ganbo bstanle lempo, e vendo
que era in possivel ir mais longe sgtirt arris-
car seus dias n'uma lula desigual.
Enlao larga o leu cojado
Espera canalha exclamou o fazendeiro.
Depois lembrando-sedo tempo de crianca,
urna idoia estravagantc ihe veio lembranea.
Mas ao menos, continuou, saltai por Luiz
XVI. !
A estas palavras elle Ihesatirou vigorosamen-
te scu pao pelas pernas. Todos saltarn eflecli-
vamente na esperanza de evitar a pancada, e Jo-
s Echn, contra o qual ella era particularmen-
te dirigida, executou esta cstravaganle evolu-
geral Iguma cousa de lao cmico, que nao obs-
tante a posicio critica em que elle se achava, o
fazendeiro nao pode susterumo estrondosa gar-
billada que retii alegremente sob as abobo-
das pouco acoitumadas a semelhante rumor.
Depois dexou-se prender sem resistencia, c
seus dous lilbos que o imitavo em ludo, o o
pobre Padre que o temor fizera mais morlo do
ra se fabricarem nelle as assignaturas dos sp-
1IU91U9 ,111**. C I.*.-. BiOiiOl */ ww... w r."""'
a que se prpcedeu as assignaturas das cdulas
o livro das actas, e no da matricula, donde se
evidenciou a falsidade de muitas das assignatu-
ras, falsidade que ficou lora de loda a duvida
com a deelaracao que lizerao tres eleitores do
Iguar, Joaquina Jos do Eago, Jos Raimun-
do do Lago, e Raimundo Joaquim Cantanbe-
desde que n5o er5o suas nem as cdulas,
nem as assignaturas dos livros das actas que ap-
parecio no collegio da Capital : 4 finalmen-
te com o fado de haverem cfleclivamento vola-
do no Collegio de S. Bernardo do Brejo, a
que pertencio, varios eleitores que se figura-
rao, volando no da capital, como tudo se de-
monstra no documento sob n. 1, e da compa-
racao das respectivas actas que foro enviadas
ao Governo de V. M. Imperial pelo Presidente
da Provincia.
Em Guimares reunio-se o Collegio Eleito-
ral no dia marcado, 6 de Janeiro sob a
presidencia de um Juiz do Paz incompetente ;
porm a votagao foi sendo successivamenle es
parada at o dia 11, sob os frivolos pretextos de
doenca de um ou outro eleitor ou mesarlo, mas
na verdade porque estavao 5 espera de oulros
eleitores que tinhao ido em commissao violen-
lar outros collegios. E com efleito alguns e-
letores de Santa Hellena chegados no da 9,
foro admittidos sem apresentarcm diplomas!
e a apurarn fez-se, nao na forma das respec-
tivas nstrueges, mas a esmo, imputando-se
a cada um dos vinte e oito nomes da chapa la-
vorecida tantos votos quantos erao os eleitores
que se liguravao presentes. Para remate de
tantos desatinos levantarSo-se os mesarios
com as cdulas e livro das actas, recusando
remette-los a Cmara municipal, como ella
representou ao Presidente da Provinia ; sendo
o lim que nisso levavao augmentar o numero
dos eleitores segundo mais tarde Ihes convies
se, depois de inteiradosdo numero dos votos
que Ihes fossem adversos ( Documento n. 2 )
As ti til 11 I. ules do Collegio de Alcntara nao
s3o menos monstruosas. Os eleitores Joao
Raimundo da Fonseca Monteiro, Anselmo An-
tonio Pinheiro Anlonio Raimundo Pavo ,
JosFellicianoda Silva I.eite, Manoel Antonio
Correia Manoel Possidonio da Silva e Ma-
noel Francisco de Aroucha participaro ao
Collegiede Guimares villa em que se adia-
rn em 10 de Janeiro que iao votar ao col-
legio de Alcntara; as operacocs desle se encer-
rarao no da 7 ; no entretanto nelle se figurao
votando aquelles sete eleitores que anda no dia
10 se acliavo em Guimares! (Documento
" 3)
No Mearim o Juiz de Paz presidente do CoJ-
legio FJeitoral deu como matriculados cinco-
enta eleitores sendo anda assim preciso para
altingir esse numero figurar seis de Santa
Rita do Codo ; tres de S. Vicente Ferrer, um
ce Moncio e outro do Mearim que nao
comparecero. No entretanto da acta da elei-
co apparecem votanto 71 eleitores, sendo
dezoito da Chapada quandos um Milito
que vivo, eslendeo em pessoa as mos para que
Ibas amarrassem.
Assim que elles (icario* firmemente presos,
Jos Lebon (Ico ordem de sabir das ruinas e de
riiiiiM-i para uOionua. A tropa oncuccco,
abandonou o convento e approximou-se do ca-
ni i ti ti < > que conduzia estrada. Elles marcharan
perto de meia hora sem seren inquietados; mas
passando por urna daquellas mattas semeadas de
montas de azevinho, e do zimbro tao commum
no Bas-Bollonais, dous ou tres tiros de espin-
garda partirao sbitamente de difientes lados, e
as balas sibilro nosouvidos dos montanhezes.
Alto gritou Jos Lebon.
Batiremos nos as moutas! perguntou
um homem da tropa.
Nnguem st mova; se nos nos separarmos
far-nos-he-mos mattar parcialmente, e nem
um escapar.
Urna segunda descarga veio interrompel o, e
ouviro-so alguns sons lirados d'uma gaita de
folies.
Hto Bode do Vallo, murmurou o Sr.
Carlos a seus lilbos.
Infame tu injurias a tua causa, disse Jo-
s Lebon ao fazendeiro.
Que vos importa ? Isto me diz respeito;
minha caheca s por isso responde, e visto eu
ler s una sem duvida nao me cortarn duas ?
Rebelde insolente! tu naozombarssem
pro assim de mim Carneradas dobremos o
passo, so nos demoramos mais tempo n'este val-
le, aqui deixaremos os nssos. Nos batemo-nos
com inimigos invisiveis.
Mas aponto bem ao menos; ajuntou o
fazendeiro no momento em que um novo tiro
de spingarda arabava de derrubar um dos mon-
tanhezes que caminhava perto d'cle.
Animo! disse Jos Lebon, e saiamos
d'estes lugares! Eu vejo a torre de BeMe-Brune!
_____ | .___w*-
Bandeira Barros, havia sido matriculado, ,.
qnando os mesmos eleitores da Chanada ann9_
recem volando no collegio a que pertencio ,
como lambem consta da respectiva acia o do
protesto que a tal respeito fi/cro ( Documentos
n. 4- e 5 ). O de n. 6 prova que o l)r. Joao
Caetano Lisboa, Juiz Municipal do Codo se
achava no dia 8 de Janeiro no Coroal villa
annexa quelle termo apparecendo no entre-
tanto a votar pelo mesmo lempo no collegio do
Mearim a iminensas leguas de distancia.
Na Tutoya np se reuni collegio nem os
eleilores daquelle circulo votaru em algum
outro. Forjou-seno entretanto una acia falsa;
e para prova!-o sobra o auto que mandou la-
vrar o Sub-delegado de policia de como tal reu-
nio nao Uvera lugar. (Citado Documenton. 4).
Do documento sob n. 2 mostra-se anda que
n5o votaro em parto algyma varios eleitores
de Santa Hellena e Pinheiro que se figuro
prsenles nos collegios de Alcntara o Guima-
res.
Estas fraudes Senhor aqu mencionadas
e provadas em detalhe, ainda se tornan mais pa-
tentes do resultado geral das eleices. O mime
ro total do eleilores da provincia he de 563 e
tendo deixado de votar quatorze ( Documento
7 ) ( numero consignado as actas porque o
verdadeiro foi muilo maior ) segue-se que o
numero de eleitores que devera tomar parte na
ultima eleico he de 548 ; no entreunto pelo
resultado das eleices constante da certidio
sob n. 8 mostra-se que se figuraro volando
560 eleitores, isto he sete mais do que o nu-
mero tolal e 20 mais do que os que podeno
comparecer as ultimas eleices vista a ausen-
cia confessada de 13 !
Accresce ainda que as actas dos difieren tes
collegios de cujas operacocs se tem tratado ,
excepeo da da capital o da falsa da Tuloya,
bem como as dos collegios de Vianna e S. Hen-
to foro escandalosamente retardadas, deso-
bedecendo tanto os collegios Eleitoraes como
as cmaras dos respectivos circuios s mul-
tiplicadas ordens que para a sua prompta re-
messa expedir a Presidencia; por rnaneira
que ainda em 28 de M a rijo nao se achavo ellas
na Secretaria do Governo, tendo sido aliaz o
dia 25 de Fevereiroo designado pela I.* vez
para a apuraran geral ( Documento n. 9 1. E
o fim nao era outro Senhor seno inteirar-so
a faeco dominante do numero do votos con-
teudo as actas dos collegios em que predo-
minavo os seus adversarios, a fim de que aug-
ntentassem os seus na conveniente propo.rf.ao
para constituirem maioria corno de facto acon-
teceu no monstruoso augmento do collegio do
Mearim urdido desde que o vice-presidente
da provincia remetteu Cmara Municipal,
da Capital que pertence a parcialidade da faccAo
as actas dos collegios do Cururup Itapu-
cur S. Bernardo Caxias, Pastos Bons .o
Chapada que nao havio praticado laes fraud-
es e na melhor boa l e obediencia s ordens
superiores havio incontinenle remedido as
sobreditas actas.
Eisaqui, Senhor o como se consumou
ai^P
v
>'
n'um instante estamos na estrada; all o pergo
cessaia de existir.
Hirne exclamou o fazendeiro antes de
nos abandonar ainda um tiro, meu velho, e sal-
.1.,.,,.;.- i
Se tu continuas a fallar, eu mando acal-
mar exclamou Jos Lebon com luror.
Bem atirado Anda um por bailo! pro-
segua o incorregivel fa/endeiro islo he una
compensac-io que he preciso acabar com ella.
O' la camaradas direita eis-aqui
a estrada ; estamos em fin salvos.
EITectivamente depois de ler percorrdo algu-
mas centenas de passos os montanhezes che-
gro estrada e podero continuar seu caini-
nho com toda a seguranca at Bolnnha. Os
presos foro langados n'uma priso infeca es-
perando a hora em que virio d'alli tiral-os pa-
ra conduzil-os aocadafalso.
Estedia fatal devia estar tanto ritis perto
quanto Jos Lehou estava furioso de Ihe ter f-
gido sua principal preza.
Entretanto as horas e os dias se passaro sem
que viessem tirar os presos de sua horrenda ha-
hitaco para condemna-los morle. O Sr.
Carlos sempre resoluto e tranquillo nao con-
ceba d'esta demora nenhuma esperance por-
que sabia que o perdo nao estava na ordem do
dia Alm d'isso elle tinha mui pessoalmcnle
oflendido o tyranno para entrever o menor
presagio favoravel ; seus dous lilbos o imitado
respetosamente : s 0 padre pedia e chort* .
elle que devia dar o exi-mplo aos outros, d riles
recebia exorlaces. Enilim perto de dous me-
zes depois do dia de sua encarccraco ouvtno
um rumor estranho nn prisao. quasi no mesmo
instante a porta se abri, e o Bode do Valle en-
trou com a alegra pintada no rosto
Abencoaoseja s. Druon exclamou el-
le atirando scu chapeo para o er.
v_
K


\
a obra da tPa?a e da vio,cncia J 3IU
.-^individuos, oulros que os oscolhiJos da
nrovnca forao quit ilicados e proclamados
embrol da assembb-a legislativa do Maranhao.
M V M. Imperial nao soffrer por corto que
manobras to fraudulentas posso apr.veitar
aseus autores o cumpliera; nao he possivel <|ue
nossa .prevalecer urna a.ouraco de actas falsas,
ou manchadas de lanos; vicios, e que ein re-
sultado definitivo da urn numero de eleitores ,
maior que o da provincia.
f|e por estas consideracoes Senhor que
os abaixo assignadps ouam implorar a V. M.
Imperial que se digno mandar que se proceda
a urna nova apurarlo smente das actas nao
viciadas apurando-se ein separado aquellas
cujas monstruosidades tem o supplicantes con-
cludentemente provado, a fim de ser o seu re-
sultado submettido.4 Aasembla Provincial,
para a tal respeilo deliberar convenientemente,
Por esta forma se evitar a repugnante ano _
malia de seren os abusos commettidos ao ev.a-
me e juramento daquelles mesmos que n j||es
interessao ; e ser depois de tantos ar,nos ,
pela primeira vez eficazmente reprimid a a a-
narchia eleitoral que deshonra e assusta 0 Ma-
ranho suffocando-se dest'arte os gr/rmens do
futuras e mais serias perturbacoes.
Por esse acto de alta juslica e potica 0s Ma-
ranhenses bem diro elernumenl t 0 Xome de
V. M. Imperial, cuja augusta ,o os abaixo
assignados bejo reverentemente,
P, a V, Imperial Se Digr ie je assim o Ha-
ver por bem.
E. R. Me.
(Seguem se a assignaturas )
(A Hernia.)

larac
;ot\s.
-O Engenheiro em Cbefe da provincia a
visa as pessoas a quom convier, que o diado
comparec flenlo nesta repartieao em eonformi-
dade do annuncio de 19 do corrente me/., pu-
blicado nete Diario, (lea transferido para o
dia 1. do Julho. Repartieao das Obras Publi-
cas 26 de Junho do 18H. /, L. Vaulhier.
2 TIIEATRO PUBLICO.
O espectculo annunciado para domingo 30
do cjrrente em beneficio do cantorJoo To-
se.li por justos motivos, Boa transferido para
qu:,nta-feira4deJulho. (i)
AlTandcga.
Rendime nt0 do dia 27......... 8:823^369
Descarreya hoje 28.
Brigue inglezDelphimhacolbo.
V>arca inglezamercadorias.
Polaca sarda = S. Joti = 32 volumos com
sebo.
Patacho brasileiro Aurora Veliz mercado-
ras.
Delphim; brigue ingle/, viudo de Jersey en-
trado no corronte me/, consignado a Me. Cal-
mont & C manilestou o seguinle--
1626 tinas cooi bacalhao 162 barricas
dito.
**ovimento co Porto
Navio entrado no dia 27.
Rio do Janeiro; 9 dias brigue brasileiro Ar-
g de 187 toneladas, Gapito Jo- da
Costa Pimenta equipagem 12, carga car-
ne.
Ah es t meu velho amigo ? disse o
fazendeiro. Como vo os negocios na herdade?
minha mulher ? em fim lodos?
Tudo vai excedentemente e viva o. .. .
auero di/.er a repblica; assim regosijai-vos
Que novas pois nos trazes?
A liberdade meu amo Jos le Diable
teve hontem a cabera de menos em < ambrai.
O infame nao o roubou.
Deo gruiia*! / exclamou o Padre.
E quamlosahimosd'esla cloaca? pergun-
tou o Sr. Carlos.
Ainanb meu amo amanha dema-
nha !. .. Mas eu me ausento. Adeos vou
annunciaresla nova na herdade, e mandar ma-
tar o bezerro o mais gordo para o jantar da che-
gada.
E he a ti meu amigo que devo os passos
que me vo pflr em liberdade ?
Nao he isto bem just > ?
Hirn o que tu fi/este est bem eito.
Jamis o esquecerei. Tu sabes que nao me lal-
to bens. Eu possuo mais de urna elegante
casinha com urna horta por detraz e um po-
mar diante... .
Comprehendo mas nao fallis n isto ,
Sr. cada um no seu oficio ; o meu ho o de
guardar os carneiros e epero guardar os vos-
sosseni quanlo viver... He a nica gra-
fa que vos peco porque o que seria Hirn ,
y. fio conduzisse mais seu rebanho ? E que
seria dos pobres animaes se eu nao os le-
vaste mais a pastar aos campos tocando a minha
giiti do folie ? Eu sei melhor obrar que fallar,
est contiendo. He o motivo poique me van-
gloriarji mas julgo que nao ha n'este vade um
pastor melhor que eu____
E (panto ao tocar gaita no dia de natal....
inlerromp-o o fazendeiro. ...
Euvoi vou dar urna provaajuntou o pastor.
rlvisos martimos.
1 Para o Rio de Janeiro segu no dia 4 de
Julho o muitu velleiro brigue americano Jatft.
e tem superiores com modos para passageiros;
quem pretender trate com os consignalarios L.
t. Ferreira o C. (8)
2 Freta-se para qualquer porto do Mide-
terraneo o brigue hespanhol Esperanza de
lote de 230 toneladas; quem o pretender diri-
ja se a ra da Cruz n. 45 em casa Jj Nasci-
mento Schaeffer & C. (5)
lvisos diversos.
l = Uma pessoa de boa conducta propoe-se a
ensinar primeiras lettras com perfeiCAO, e pro-
mette esforrar-se o quanto llie fr possivel para
que os alumnos confiados a sua direccao a Iqui-
ro em breve as nares precisas da loitura-, es
i ripia grammatica nacional arilhmetica ,
geometra linear e platina e doutrina chris-
laa, pela mdica gratificarlo delaCOOmen-
saes : quem do seo preslimo se quitar utilizar
dirija-se a run de llortas n. 16, segundo andar
que se dir quem pertende. (11)
2=. Constando ao abaixo assignado que sua
mil, a Sra. I). Maria Francisca Benedicta Tor-
res, que hypothecar a parte do sitio da Var
zea, pertencenle ao fallecido PadreJoaquim
Bento do RozarioTorres; o abaixo assignado,
previne que pessoa alguina faca negocio com a
dita parte do dito sitio, sem que primeiro seja
ouvido o abaixo assignado; pois que tem de
cobrar a quantia de 200 a 300 mil r6is, que o
fallecido Padre devo a um Sr. negociante desta
cidade, e como at ao prsenle nao se tem fei-
to o inventario dos bens do fallecido Padre,
donde cabo a justificarlo das dividas do mes-
mo, por isso o abaixo assignado la/, o presente
annuncio, para em qualquer lempo nao se cha-
maren! a ignorancia a tal respeilo. Francisco
Euzebiode ['aria. (17)
2 Lava-s roupa tanto de homem como de
mulher, com promptidao eaceio, e por proco
i'ommodo ; na ra do Queimado, o. 30, no
segundoe terceiro andar. (4)
A estas palavras elle apanhou seu chapeo ,
enterrou-o resolutamente na cabeca chamou
por Rlack e Blaireau e foi-se fa/endo resoar
os sons alegres de sua guita sob os muros espan-
tados da priso
Vinle e cinco annos depois da secna que nos
acabamos de descrever n'uma magnifica tar-
de tres viajantes seguido lentamente ocami-
nho que parle da estrada de Rolonha e que
desee para o valle do Blas-Roulonnais. O pri-
meiro era um sugeitode boa cara oreando pelos
cincuenta ai.nos Urna mulher um pouco mais
moca e d'uma belleza notavel ainda apoiava-
se sobre seu lirac.0, e um bello moco d'uns vin-
le annos, aue pareca ser seu filho os segua
a alguns passos. Os tres camnlianlis marcha
vo lentamente como pessoas que procuran lem-
brar-se de lugares outr'ora conbecidot. Elles
guardavao emfim o mais prolundo silencio,
e pareciio inleiramente abysmados em suas re-
llexoe-'. Chegando a urna pequea plataforma
superior a urna mala entrecortada de sorriha-
mentos rcenles pararn correrao com os
olhos aquelles sitios, e fixando-os em um lu.rar
pedregoso coberto do anlLos alicorees disse
a dama :
Se as minhas recordarles sao fiis era
all
Sm, masj nada existe.... Tanto me-
lhor eslavista me opprime o coraco !
Tu me linli,i> promettido de nao pensa-
res muis n'isto ; iiniro iiiou ella com ternura.
Eu leceava esta raptara.
r Que quereslu? He mais forte que a mi-
nha raso !. mas que vejo !. eu nao me
engao II na realidade um pastor Cami-
nhemos depressa !
Em poucos instantes elles chogrojunto de
um velbo pastor de cabellos brancos: deitado
2Francisco Dias Ferreira* C fazem publico
quo desde o dia 16 de Abril de 1844 fica o Sr.
Antonio Teixera Bacellar girando no arma-
rem de recolher em seu nome, o responsavel
por todo o activo e passivo que houver em dito
estabelecimento. ("/
2 Quem quitar alugar um moleque para ser -
vi ra diria-se ao sitio do fallecido Francisco
Antonio Ferreira em Santo Amaro. (4)
2 Da-se dinbeiro a premio com penbores de
uro mesmo em pequeas quantias : na ra
Nova n. 5b\ (3)
2 = Em casa de Augusto S. Corbett, na ra
da Cadeia do Recife n. 46 b:i sempre um
grando sorlimento de vinlios emgarrafados .
Porto. Madeira, \eiov. agoardente de Franca,
eSbrub; ludo das molhores qualidades que
teem viudo a esto mercado ; as amostras estSo
patentes aos compradores. Igualmente uin bom
sorlimento dos afamados charutos Regalas ,
Caxoeira'. e S. Feli; ludo por prego inais
cmodo do que em outra qualquer parte. ( 10 )
2 Preci/a-se do um cosinheiro ou cosinboi-
ra na Botica do Sr. Victorino na Pra<;a da
Boa-Vista. ( 3 )
2= l)o-se 600* rs. a premio : na ra de
llortas n. 94 sobrado de um andar. ( 2 )
SOCIEADE THEATRAl.
PHILO-THALIA.
O Io Secretario avi/a aos Srs. Socios que
a distribucaodos bilbetes para a recita de 29
do corrente comssa a ser feta hojo 27 at
o mesmo dia 29 em -asa do respectivo Thezou-
reiro na ra do Collegio n. 5. v 7 1
2 Por execueaode Jos Joaquim Pereira.
e Jos Pereira Vianna encaminhada pelo
Juizoda segunda vara Escrivio Santos temdoser
arrematada urna casa de sobrado de tres anda-
res com seu mirante sita na ra da Cruz do
bairro do Recife confronte o becco da Lingeota,
penhorada a Lu/. Pereira Vianna ; ecomoes-
tao (indos os dias de lei os pretendentes se diri-
jao se a ra do Sol a porta do juiz de Civel d..
segunda vara o Dr Jos Thomas Nacuco de
Araujo. C11^
2 Aluga-se um segundo andar com um
grande soto por prego bastante commodo na
ra da Ca lea do Rec;le; na mesma ra loja de
chapeos n. 46 : na mesma precisa-se alugar
um moleque ou negra, saliendo esta cosinhar e
engommar. (o,
LOTERA DAS MEMORIAS HISTRICAS
Premio grande 8:000j000.
Dito immediato 4:OO0SO00.
4 =Nao tendo tido lugar o andamento das
rodas desta lotera no dia designado pelos mo-
tivos j ponderados; do novo faz certo o res-
pectivo thesoureiro, que as rodas da mesma te-
rao seu infallivel andamento no dia 2dejnlho
prximo futuro por assim haver annuido o
Kxm. Presidente da Provincia: eo restante dos
bilbetes acbio-ae a venda nos lugares ja an-
nunciailos. i^'^j
As pessoas que quserem, pdem assignai
por trez mezes mediante a somma de dez mil
ris, podendo durante este praro banhar-se
quantas vezes Ihes agradar: para isto se en-
tendi com o guarda da mesma barca. (9)
sol re seu cajado pareca considerar o por do sol
que nao linha ainda desapparecido por detraz
de um monte remoto,
Pastor porgunlou o viajante poderlas
tu indicar-me o camnho queconduz a Chato-
ilUIM'u ?
Conforme, respondeo o pastor chaman-
do seus caes, he longe e pode-se l ir por
diversos eaminhos.
Eu le recompensarei largamente amigo.
O velho Hirn nunca recebeo recompensa
por um beneficio. Por S. Druon eu nao me
engao, ajuntou elle levantando a cabeca; es-
le moco... esta dama.... vos mesmo. .
Jorxe !. .. IMaigarida !. ..
A com moca o I lio embargou a voz ; e urna
lagrima de alegra rolou subitau.ente sobre sua
face enrugrda
Somos nos mesmos meu velho amigo.
Abenroado seja Dos !. E o Sr. Ba-
rio ? ... Perdo Sra. eu vos causo pena. He
lei commum !.. Finalmente quando se tem
vivido.. ..
E Black e Blaireau ? perguntou Jorge
que quera aflastar a tristeza da conversaco.
Elles soffrerao a sorte commum------ Es-
tes dous caes sao da mesma familia mas nao
os igualo. Vedo Sr. Jorge o mundo vai
se acabando... Nos tivemos por c os Cossa-
tos e por muito lempo os lembrarei com des-
gosto apesar de ser realista. A poltica vai se
enferrujando como o resto Sr. Jorge... O
sol he menos quente que no lempo em que eu
vos levava de comer as ruinas, Sra ... Mi-
nha gaita mesmo j nao soa tao forte....
- Ao menos espero que o honrado Sr.
Carios...
Elle vive ainda, gneas a Dtos Mas pa-
rece-me.. nos nao lardaiemos a partir am-
bos.. ocarvalho coi como as outrasarvores...
2 Aluga seo terceiro andar do sobrado da
ra do Qojimado, conlronte o beco da Congre-
gar o n. 32: a tratar na loja do mesmo. (3)
2 Precisa-se de trez tontos ders.corn o
praso ile dous annos, com lettras de boas firmas,
a 6 12 18 e 24 meei recebendo em
quarteis de alugueis de casas seguras nesta pra*
ca a quatrocentos mil ris o qusrtel o oito-
centos por semestre, sendo esta diflerenca a fa-
vor do sanador com o premio de um por cento
ao mez sobre o capital ; quem qui/er eflectuar
este negocio queira annunciar. (9)
2 Os bilbetes da barca de.^anhos achao-se a
venda no Recife na loj^o>Sr. Jos Gomes
Leal, c em Santo Antonio, na do Sr. Manoel
Joaquim (ornes.
= No dia primeiro de Julho se ha de arrema-
tar em praia, do Sr. Dr Juiz de Orphos a
requerimento do tulor Francisco Joaquim da
Costa, una venda que fui do fallecido Manoel
Francisco Laga no Atierro da Bou-vista n. 68,
as trez horas da tarde.
Aluga-se um sotao a famillia capaz na ra
do Sebo, n. 22 : na mesma cosa compra-se
penas deema.
ss CJuem ti ver um piano que queira alugar
annuncie, ou dirija-sc a ra iWa n. 11.
Aluga-se una prelu cativa para ama do
criacio, a qual tem muito bom leite ; na ra
largado Rozorio n. 3, 2. andar.
=r Precisa-so de um feitor que trabalbe c en-
lendade plantaeoes e de vaccas para um s-
lio na Magdalena ; na aua Nova loja n. 52.
l=Oflerece-se um rapai brasileiro de 17 an-
nos de idade para eaiieiro do casa estrangeira
ou mesmo arma/em o qual subo ler. escrever
e contar; quem do seu preslimo s> quiser u-
lisarannunoie, ()
"1= Offerece-se um rapaz brasileiro de 16
annos de idade para caixeiro de escriptorio ou
de ra, o qual sabe lr e escrever; quem do
,eu preslimo se quiser utilisar annuncio. (4)
1Aluga-se o primeiro andar do sobrado n.
28 atraz da matriz da Bo-vista, com suflici-
enles commodos para lamillia ; os pretendentes
pdem dirigir80 ao segundo andar da mesma
casa. (5)
l=Aluga-scuma boa casa terrea na ra Bel-
la, com duas sals, quatro quartos, dispensa,
cotinha fura, quintal, cacimba, estribara para
um cavado, e porlao que sai em um grande at-
ierro que fica pegado ao mesmo ; a fallar na
ra do Collegio no terceiro andar da casa
n. 15. (7)
l = OSr William Lydtre queira procurar urna
carta vinda de Baltimore em casa de L. G. Fer-
reira &C (3)
1Precisa-sede urna ama forra parda ou preta
ja do idade,que saibacosinhar e engommar,para
urna casa de pouca famillia ; quem estiver nes-
ta circunstancia dirija-se a ra da Cadeia na
primeira loja de fazenda ao p do arco da Con-
ceico. (6)
he necessario deixar lugar aos que vcm. Final-
menle porque entristecer-se? os descedentea
esto vigorosos.. Vosso filho he um bello mo-
go. Parece-meque vosestouvendo como quando
vos encontrei a primeira ve/. .. Porm taga-
relocomn urna nf">a 8 nm homem deve antes
obrar que fallar. Vamos a herdade Black !
Bluireau para diante meus filbos.'
A estas palavras o velho pastor pegou em sua
gaita e tocou urna aria dos lempos passados.
Elle pareceo ento reanimar-so c seguio com
passo firme ainda o caminho de Chateauneuf.
Os viajantes acharao o vencravel fazend?irp
sentado a sua porta na sua poltrona junte (fe
imagem de madeira. Elle se aquentava aos l-
timos raios do sol. Nada poderia pintar o res-
peito quo inspirava sua bella cahoga calva don-
de cahio ainda alguns anneis de cabellos pra-
teados. Desde que os viajantes se dero a co-
nheccr ao veiho ello os apertou atlectuosa-
mente em seu> bracos depois tomando a pa-
lavra com urna voz trmula e solemne:
=9i Vos chegais a lempo meus filbos a
lampada nao deve tardar a extinguir-se. .. mas
eu abenco o Senhor que me deu a satisfaco de
vos ver ainda urna vez antes de partir para a
grande viagem !.. Alm dissso eu j fiz o
meu papel j nao sirvo para nada ; meus fi-
Ihos esto casados ; minha mulher (oi sem du-
nda para ondo est o vSr. Baro .. Vamos !
nada de ideias tristes! Entrai na herdade, meus
charas amigos____ cu tenbo ainda em minha
adega vinhodos lempos passados: Jorge. Nos
beberemos urna garrafa como faziamos outr'-
ora. esquenta o corpo ea alma e reno-
va as velbas lembrancas do passado ... En-
trai ; meus filhos entrai! o tecto de Cbale-
auneuf ainda nao perdeo o custume da hospi-
talidade.
FIM,

/


<\
/
fc-V-T

11 -NA BOTICA. KARM'ZKM DEDRO-I
Vendem- se as preparacoesseguintes por pro-
co muito coromo lo e de superior qualidado.
Magnesia Calcinada ptima
Os salutares efTeitus dcslo medicamento como
purgante m^i suave o capa* de se applicar a In-
das as pessoas de qualquer sexo ou dado a(>-
sorvondo o rnesiiio lempo todos os cidos exis-
tentes cm nosso estomago e quo tanto per-
turban! nnssas unccoes digestivas torntil seu
uso recommendavel e mnito necessario. A
experiencia tein mostrado a hurn scm numero
de Mdicos sabios, e verdadeiros observado-
res do etleito thernpeutico dos medicamentos,
que tanto maior he a sua acrao purgativa ,
quanto maior be a quantidadcde cidos que a
maior parte das ve?es desenvolvem nossas docn-
cas d'ostomago. Urna ou duas colbercs de so-
Francisco Luiz Coelho deixou de ser cai-
6AS, NA RUADA MADRE DE DOS.N. 1 '.eiro dosSrs. Mesquita S Dutra desde o da
20 do cnrrente.
a> Custodio Loix Reis mudou-se para a ra
do Hncantamcnto n. 13.
i Precisa-sede un fornoiro .sendo bom,
paga-se bom salario; na ra Imperial D. 43. 2,
1_ [).Se dinheiro a premio sobro ponho-
resdeouro ou prata em grandes o peque-
as porgos ; na botica do Brando se dir
quem d. (*'
Precisa-so de capim para se vender em
um armasem ; na ra da Conceicao da Boa-vis-
ta n. fi
Na Roa-vista na ra dos Coelhos n. 11,
aluga-se urna negra que saiba alguma cousa
d:cosinlia, comprar na ra, dando-se-lhe o
sustento e 10,001 rs. mensaes; tambecn se alu-
ga um preto sendo fiel e inteligente para todo
o servico dando-se-lhe tambcm comida e 12
mil rs. mensaes.
1 Manoel Jos da Guerra Tas sciente ao res-
peitavcl publico que le hojeem diante se as-
signar Manoel Jos dcMoraes Guerra. (3)
Aluga-se um sitio a dianto do Hospicio ,
com urna boa casa com commodos para urna
grande familia casa para eitor cocheira e
estribara para 4 cavallos com um grande vi-
veiro e o sitio plantado de novo ; a tratar na
ra das Cruzes, venda da esquina n. 2.
1 Jos de Rarros Pimentel embarca para o
Rio dcJanciro o seu escravo pardo, de nome Ma-
nofcl. O)
1 Joaquim Jos Ferreira Guimaraes vai ao
Rio do Janeiro a tratar de sous negocios.
Precisa-se para urna casa do pouca fami-
lia distante de-la prava 25 legoas, um homem
ou mulher que saibao porfeitamente cozinhar;
quem estiver nestas circumstancias annuncic.
Puglo no dia 25 do crrante as 6 horas da
manilla um papagaio bastante grande, com
urna argola de ferro no p ; quem o pegar, fi-
r o favor de levara ra da Florentina n 14,
que ser gratificado com 6# rs.
]>a misturado com agut* durante o dia he
quantidado sullicieute para produzir bom el -
feito.
Na mesma casa lainhem se vendem tintas, e
todos os outros olijectus de pintura ; verni/es
de superior qualidade entre elles humperfei-
tamento branco e que se pode applicar sobro
a pintura mais delicada soro que produza al-
leracSo alguma em sua cor primitiva. Arrow-
Root de Rermuda ; Sag ; Sahoneles ; Sa lao
do Windsor ; Agua do Seidlitz ; Limonada
gasoza ; Tinta superior pura ese-rever ; Perfu-
maras inglezas ; Fundas elsticas de patente ,
Eseovas, r pos para den tos ; PaiUlhai do mu-
riato do morphinn e ipecacunnha ; Azul -
iiissimo proprio para ailar roupa Pos de sei-
dlits o de soda ; Pastilhas de bi-carbonalo
do soda c gingihro ; As verdudeiras pirulas
vegetacs universaes do Rrandreth, vindti
de seu aulhor nos listados-Unidos, d'c. &c. (36)
2 No dia 11 de corrente desappareceo da^.,
casado Antonio Jos de Oliveini na ra do \
Collegio, um Alricanolivrc cujos servicos ha-
va arrematado, do nome Antonio representa
ter lio annos estatura regular, clieio do cof-
po barbado e lie bem parecido ; quem o pe-
gar, leve a dita casa, quo sera gratificad. (7)
3 Lasserre Colombiez 6 Companhia fazem
publico que no dia sabbado, 22 do corrente ,
se Ibes desencaminhrao duas leltras do Sr. An-
tonio Jos Pinto da Silva j vencidas, urna de
32'2# rs. e a outra de 054^900 rs. e por isso
aquella pessoa quo as adiar pedo-se o favor
de as restituir na ra da Cruz n. 15, o prevno-
se que ninguein faca Irania ci, ou negocio
algum com ellas porque o acceitante j se
acha prevenido para as nao pagar sent aos
anuunciantes. (II;
4 As rodas da lotera da matriz da Roa-
vista corrum no dia 2 do Julho o os bilhetes
estao a venda nos seJuintcs lugares ; no Reci-
te i loja dos Srs Manoel (Jomes da Cunta e
Silva c Vieira cambista ; em S Antonio ,
Luiz Antonio Pereira i Companhia e Moieira
Marques ; na Boa-vista Jacinto genro do Sr.
Oliveira. (8
2 Manoel Soares Bolelho retira-se para f-
ra da provincia indo ao Maranho o Para a
tratar de seus negocios levando em sua com-
panhia um lilho menor de nomo Antonio o 3
cscravos Manoel, Joao e Manoel de nacao
Angola. (f.
2Pelo Juizo de Orphaos da cidade de Olio-
da ha de correr praca nos dias 0, 12, o 1(5 de
Julho conforme o edital que foi publicado ,
um sitio com casa de vivenda e coqueiros na
praia da mesma cidado denominado Rio-tapa-
do para pagamento dos cicdores do casal do
fallecido Cosme Jos Guedes Alcanforado, no
7i!or de dous costos de r-is e tambe::: Giro
sitio visinho ao mesrno com o nome de Eosea-
da avallado un 200# rs. (10
2Para evitar duvidas a abaixo assignada
avifa a quem COnvier que tem sentcnca e
penhora no sobrado da roa da Penha perten-
centea Berilio Alvos de Miranda Varejo, cu-
jos alugueis devem por ostarom destinados para
pagamento da execuco da annunciante e ou-
tros, ser recolhidos ao deposito e disto j es-
tao cortos os iuquilinos existentes, c previnem-
se os futuros. Maria Hoza do (.'armo. 19;,
1 Aluga-sc metade de urna casa a urna le-
nhora capaz sem familia; quema pretender,
dirija se ao pateo do Carino n. 2i ; na mesma
tasa vendem-se 4 versado bico largo de ra-
magein para vestido de senhora. (5)
2 Pegou-se na nouto do S. Joao, pelas
41 horas no sitio da passagem dos Arromba-
dos um preto ; quem for seu dono, dirija-se
ao mesrno sitio que dando os signaos llie se-
r entregue ; advirlindo-so quo se temi fica
responsalvel pela fuga, que o dito preto fizer. C)
Aluga-se o primeiro andar do sobiado do
Atterro-da-Roa-vista n. 3 ; a tralar no mesrno
sobrado.
Precisa-se alugar una casa no bairro da
Roa-vista at a Solidado, em qualquer das ras,
sendo pequea que he para pouca familia ;
quem tiver annuncie^
iPrecisa-se alugar urna escrava para o
servico de urna casa de pouca familia, que sai-
ba comprar, cosinhar e ensaboar, dando-so
Ihe o sustento e 10/ rs. mensaes ; na Solida-
dade iodo pela Trompe, do lado esqcerdo,
(61
Compras
Comprao-se efectivamente para fra da
provincia escravos de ambos os sexos de 12 a
20 annos agradando pagao-se bem ; na ra
da Cadcia de S. Antonio sobrado de um an-
dar do varanda de pao n. 20.
Compra-se urna prota de meia idade scm
vicios uem achaques, que entenda alguma cou-
sa do cosinha e que engomme ; na ra larga
do Kozario venda n. 25.
Vendas

1Vende-so o Regulamento para cobranca
do sello, com os artigos da lei que o crcou : na
Praca da Independencia, livraria n. 6 o 8
U Vende-se o melhor
Champanhe, que se acha no
mercado ; em caza de Avnal
Irmos na ra da Cruz n.
.20. (8)
1Vendem-se urna cadeirinha moderna e
juntamente um relogio ; na ra dasTrinchei-
ras n. 42, no primeiro andar. (3)
3Vende-se por precocommodo um terreno
com loO palmos de frente, no lugar dos Reme-
dios pegado ao terreno da casa do Sr. Major
Assis ; defronte do Corpo Santo armasem de
.. r n .... n 4 t I*\
....... I ||. ,V. ^Uy
2Vende-se farinha de mandioca de supe-
rior qualidado, a bordo da sumaca Tres Irmos
tundeada defronle da ccadinha do Collegio, a
3* rs. o alqueire. (4)
2Vendem-se vaccas de leite, garrotes e
novilhas; no sitio defronte do Reverendo Vi-
gario de S. Antonio do Recife na estrada de
Itellem por ler de arrendar-se o mesrno sitio.
Vendem-se pecas do bretanha de rolo com
10 varas a 1600 rs. e em vara a 100 rs., pan-
nos finos do superior qualidade a 4000 rs. di-
to mais ordinario a 2000 rs. muas de linho
grandes a .'OO rs. chapeos sem pello a 3000
rs. ditos de castor branco a 4()0 rs. ditos
de massa mui finos a 5000 rs., ditos a 2800 rs.,
ditos de seda a 1000 rs. cassa-chitas mui fi-
na a 160, 200, 220 e 240 rs. cortes de cam-
braia adamascada a 5000 rs. e outras nimias
f.isendas por precocommodo ; na ra do Cres-
po n. 14, loja de Jos Francisco Dias.
Vendein-sefoptimos licores de diversas qua-
lidades em porco a 100 rs. a garrala e a re-
talfao 200 rs. genebra embotijada a 200 rs
e em caada a 800 rs. ago'ardente do reino
com 26 graos a 900 rs. a caada, superior agoa
ardente deaniz a 700 rs. a caada e espirito
do vinho a 200 rs. a garrafa ; na ra da Roda
n. 23.
1 Vendem-se duas moradas de casas ns. \
c3, ao peda ponte dos Remedios sendo urna
de taipa, e a outra de podra e cal, rendem am-
bas ^ rs. mensaes ; a tratar com Miguel Cor-
reia de Miranda no sobrado que faz esquina
para a travessa dos Remedios. (6/
)Vende-se urna ptima prela com habi-
casa nova n. 42.
Quem precisar de urna ama de leite, par- j lidades, porpreco commodo ; na ra estreita
da forra e sem filbo, dirija-se a Solidade 0. 13. do Rozario n. 34. (3)
2 Vende-se um s0rtimento de toalhas de
linho adamascadas, de qualidade superior a
maior parte de 3 al o varas de comprmanlo ,
e duas varas de largura, e se vendem com guai -
danapos ou sem elles ; panno de linho em
pecas de 1S varas ; volas de espormacete de 5 ,
e6em libra oomcaixas de 25 libras ; farello
novoem saccas grandes, chegadas de Ham-
burgo; em casa de II. Mehrtens ra da Crur
n. 46. (10)
2Vendem-se ricas mantas de setim matiza-
das, chales do soda e de gros de naples cor-
tes de setim branco lavrado para vestido dito-
de sarja escocoza de mui lindos padroes cam-
braias adamascadas, cortes de vestidos de
cambraia com flores de seda ditos de cassa
pintada com listras assitinadas meados esco-
ceses do laa para vestidas, ditos de chitas mui
finas, meias e luvas de seda brancas e pretas
para homem e senhora sapatos de marroquira
e de couro de lustjo para senhora boneguins
gaspeados para homem pannos finos de todas
as qualidades e precos casimiras portuguesas
superiores e de diversas cores para calcas, les
de quadros, brins ditos, ditos trancados e
rouxos, merino preto e verde dito mais or-
dinario livros em branco, chapeos do Chilof
ditos protos france/.e8, sellins elsticos inglezes
ditos para montara de senhora loncos do se-
da prcta ede cflrca para grvala ditos de se-
tim matizados, mantas ditas, thesouras finas
domadas, Le-Roy opodeldoc, alm de outras
fazendas francezas tambcm se acha um gran-
de o completo sm lmenlo de (asendas inglezas,
do madapoloes muito tinos o enfestados chitas
de diversos padroes, algodozinhos, lila tran-
cada tudo por precocommodo; na ra Nova,
loja n. 2'J de iogoJosda Costa. (28.'
2 Vende-se a melhor venda da praca da
Boa-vista n. 14 com grandes commodos para
morar familia por ler um grande quintal e
sitio ; a fallar com Gregorio Anlunus de Oli-
veira na ra da Cadeia do Recifo.
"4V
2Anda se contina a vender trastes p'>r
muito commodo proco ede superior qualida-
de ; na ra da Cruz n. 63, primeiro andar. (15)
2Vende-so urna negra crioula de 23 annos,
com duas crias mulatinhas urna do 14 mezes,
e a outra de 4 annos por preco commodo; na
ra Nova loja franceza n. 0. (9)
2 Vende-se urna linda moleca de 14 an-
nos, crioula, com algumas habilida les, e mui
propria para embarque ; na praca da Boa-vis-
ta n. 7. (7;
2 Vende-se um escravo moco ptimo pa-
ra parelhade palanquim, sem vicios nem acha-
ques ; na ra Imperial, sobrado n. 47
Vendem-se conservas inglezas e francezas
de hervidlas e sardinhas quoijos londrinos ,
e Suicos vinhos do Porto particular, dito vo-
ltio Madeira, Malvasia Muscatel de Setubal,
Bucellas, licores finos presuntos para fiam-
bre americanos e inglezes assucar de Pille o
mais cristalino que tem apparecido carnau-
ba om rama tudo por proco commodo; na
ra da Cadeia-velha n. 2, venda de Jos Gua-
cal ves da Fonte.
1Vendc-S6 farinha de muito boa qualidade
chgada prximamente da Rahia e saccas com
arroz de casca tudo por preco commodo e
barricas e saccas com farello ; no armazem
do Braguez ao p do arco da Conceicao. (4)
Vende-se urna porco de pedra marmore
para ladrilho ecaixascom lousas para telha-
dos ; a tratar na ra da Cruz n. i, com L. Bru-
guicre.
Vendem-se laranjasda China, tangerina
e da trra ; no sitio grande envidracado na
estrada do Monteiro do dia primeiro de Julho,
at o dia 6 de mesrno mez.
1 Vende-se arroz de casca a 2400 rs. o al-
queire ; na ra do Bangel, venda n. 4. (2)
rs. sendo urna sacca, o levando 5, a 3500 n
e maior porco mais barato ser o preco ; .J
deposito de farinha de ro andioca na ra Hfl
Cadeia n. 19 ; no armasen, do Braguez unto
ao arco da Conceicao; no'armasjtn defronte da
escadinha de Das Ferreira ; na ra do Ara-
ggo deposito de farinha n. 37 ; no pmuo d|
ribeira armasem de farinha n. 7. MJ'
Vendo-se um sobrado sito na ra de S. i\.
ta-nova com commodos para urna grande f.
milia, pintado de novo com quintal o c|m.
ba e a loja repartida ; nn ra do Cabug, le-
ja de miudezas n. i 1).
1 Vende-se, ou aluga-se urna canoa de
carregar agoa ; na ra estreita do Rozario n.
41; na mesma casa alutfa-se o segundo andar e
solo do sobrado no lar(z,o do N. S. .do Terco ,
por precocommodo. *5
Vende-se um negro de nacao da Costa, de
boa figura e he bom cosinheiro ; um rnolc-
quecanociro, que sabe tratar de gado, e tirar
leite bom trabalhador de onxada e he bom
tarreiro, por preco commodo: na ra du Agoas-
verdes sobrado n. 70.
1Vende-se urna porco de cera dn cama'-'
ba ; noescriptorioda viuva C'jnhu Guimaraes.
Vende-se um sobrado na ra da Praia u.
fio, ber construido e acabado a pouco ooiq
grandes fundos at amar, vende-se por pro-
cisao pr estar hypothecado o sobrado a Gui-
maraes Fereira e os lundos com frente para a
mar a Manoel Pereira Lemos e so quer pa-
gar ditas hypnlhecas ; por isso so vendo bara-
to ; a tratar no mesrno sobrado.
Vende-so, ou aluga-se um preto canoeirn ,
e urna canoa qu carrega de 700 a S00 lijles-
na ra da Cruz n. \0.
V 1... .i i. ...
v 111 111 m
para tipoia ; na ra das Cinco-pontas, sobra-
do da esquina n. 100.
Vende-se urna escrava mofa de 22 annos,
de boa conducta sabe bem engommar cosi-
nhar coser, e lavar ; urna mulata moca mu-
cama recolhida do 18 annos com boas ha-
bilidades ; urna dita de 23 annos boa ami de
urna casa ; urna pardinha de 15 annos CosM
bem ; um bonito escravo de 25 annos ptimo
para hgenho ; mu dito para o servico da pra-
ca ; um lindo mulatinhode 14 annos; na pra-
va da Boa-vistan. 19.
1 Vende-se assucar refinado e de outras
qualidades chhisson, caf moidoeem grao,
cevada muida, e charulus, tudo por preco com-
modo; no deposito da prava da Boa-visla n. 7.
1 Vende-se urna escrava de nacao do bo-
nita figura boa cosinheira e lavadora e he
muito diligente para todo o servico de urna ca-
sa ; na ra da Cruz n. 43. (4)
1Vendem-se ricos cortes de la e seda com
13 covados c meio a 10, ll e 12# rs. ditos de
cassa de lindos padroes a 68 c 6400 rs. chu-
ls de laa a 2200 e 3,^ rs. cortes do cambraia
lisa muito fina a 5, 6 e 6400 rs. e outras mili-
ta! fasendas por preco barato ; na ra do Quei-
mado n. 29 loja de Novaes. (7)
Vende-se um negro bom bolieiro moco, e
de bonita figura, e um terreno com 45 palmos,
de Ierras proprias, no lugar dos Remedios ; na
ra Velha n. 111.
Vende-se urna carrosa propria para boi ,
oucavallo; na olaria de Marianno Jos deCoulo
1Vcndcm-se duas escrasas mocas habis
para todo o servico urna d) gento e a outra
crioula; na ra do Rozario da Roa-vista n. 2. :3^
Vendem-se saccas de btim milbo a 400
Escravos fugi-ios
2Fugio do sitio da Passagem-da-Magdalena
defronte do Cajueiro a negrinha do nome Joa-
quina de 10 a 1S annos ; levou vestido do
rh'ta e panno da Costa, parece crioula mas
he du Costa suppoe-se ter fgido para o lado
do Poco ou deOlinda ; quem a pegar, leve a
seu senhoi',oS* Lazary no mesrno sitio, o>j
no escriptoriu <>a ra da Cruz, que ser recom-
pensado. 1 ,. ,, .
2- Aindase aci/a fgido desde o da 20 de
Abril to corrente ann^ moleque Joaqun.,
de nacao Cambund d* 15. a"nos ,levu ce-
roulase camisa de algodo C* lerlr"l Jaqu"ta de
riscado he secco, alto, muito vigilante, o bem
parecido ; quem o pegar, leve a rua Nva, de-
fronte da matriz, ou na mesma rua 8 > 1ue
ser bem recompensado. )
2Fugio em fins de Novembro o Klu*al
Joao, de .'8 a 22 annos muito capadoc.'0
parece sor muito sonso este mulato pertencb
ao Dr. Benedicto, da Parahiba he claro, e gor-
do; quem o pegar, leve a seu senhor na rua
da Cruz n. 9, que ter 50/ rs. de gratificavo ;
advertindoqueo dito mualo he do serto, e
foi vendido pelo Sr. Santos Neves. (8j
Fugiro no dia 8 do corrente do engenho
Mundo-novo na comarca de Goianna dous
escravos do gento de Angola um de nome Jo-
s eoutro Pedro, este de altura ordinaria,
bem cheio do corpo feio de cara ventas cha-
tas pouca barba corn pequeas suissas e o
fallar he rindo-se ; e aquello alto bem cholo
do corpo foio de cara, ao ver-se parece genio
so p ir estar sempre com a cara feia intimando
respeito tem pouca barba ou nenhuma, am-
bos representad 35 a 40 annos ; quem os pegar,
leve ao dito engenho, ou na rua da Cadeia,
em casa de Jos Antonio Basto que ser bem
recompensado.
i Fugio no dia 24 do correnle um escra-
vo de nome Joao do naco Angola, de 2'i an-
nos altura rsglvr iem du menos o dedo poi-
legar da mao esquerda, cujo signal ainda o tem
de fresco por tel-o perdido a perto de 3 me-
zes na occasio de desea; regar um bacamarte
no campo oqual na vespera de sua fuga ti-
nha pedido a seu senhor para o vender, pedin-
do-lhebilhete para esse fin e o qual Ihe foi
dado, declarando smenlocusta o negro Joao
(iOO/0000 rs. tendo antes poucos dias podido
tu 111 bem para ser vendido para o Aracaiy ou
Ico por isso que a desconfianvas, que o dito
escravo seguisso para os dous mencionados lu-
gares do serto ; roga prtanlo o abaixo assig-
nado e legitimo snr. do dijo escravo a qual-
quer pessoa ou capito de campo que o
uiosino escravo encontraren! ou tiverem no-
ticias o prendad e facao conduzil-o a rua da
Cadeia do bairro de S. de Antonio ao p da
guarda por cima da loja do chapeos, quese-
ra generosamente gratificado.
Francisco Joaquim Cardozo. ('23)
= Fugio no dia 25 do corrente mez deJu-
nlio um negro de nome Jos, de naco Rebol-
lo ecom os segurte! signaos : idade 2U an-
nos pouco maisuu monos, ultura regular, cheio
do corpo, cor um tanto lula, beicos grossos,
com alguns signaes de barba, levou calcas de
lirim branco, e camisa do algodo da trra,
chapeo do palha era ganhador o ultimante
csteve a bordo da polaca brasileira l'rtvidenciai
cujo negro foi escravo do Amaro Corroa Ffa*
co e ho|c de Joao da Silva Moreira; queno
aprender, love-o ruada Praia arma/ei'"
l, que sera generosamente recompnsalo.
iticum MA.Tvp. 01 sn f\ de Ham*MU*
Jm
}k


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E3G83M2LZ_2GDI7U INGEST_TIME 2013-04-12T22:48:24Z PACKAGE AA00011611_05109
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES