Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05104


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V
,-ar
i
'A mo de 1844.
Sexta Feira 21
de Jinilio
O Diabii
f'ulilira-se
mi!
t.-diia os diasque nao forera santificados ; o iireco
rs. iior miarleI pa.i>9 taimudol O uiiuiiOo .!,-,---;-
p-atis, e os dos que njo forem "raijo de 80
gidas ta I y> ra das Crutes n. <4
da assijnatura
mes sju luBtiiuui
res por linda As reclamacoea derein ser iHri-
, ou a praga da Independencia luja de lTroin. r e 8
I'ARllDA DOS CORRKIOS TERRESTRES.
oANNt,o lihyhi,esund.i. sextas ferasliio (rande do Norle cheg. a S e2i e ,...i
!T.' ,r."4 T '"Se"nil",n ll' l,''. M.c-ev.1, I'orioCaWo, e Alaeoasdo 1 ~
1J e .Ider.ua.et. G.r.nhuns e BoaitO a lU e J de oada o.-tsI. e Ft*
esa Ue -- dilo._Cida.le da Viciona qu.nl., fei,.,. Olinda lodos 01 das
i(?0. ,Xy^-
,ft '*/ Cambios sobre Londres -5.
1 arn <0 rei por franco
Lisboa US por lUU de (ircmii
17 Ti l)IAS ,)A SEMANA.
17 Se? s. Lheeia. Aud. do J. de 1). da '.'. .
1S lerea .-. Leoncio Re, aud doJ.de I) da 3.
'J Quarla Juliana Aud do J. de 1). da .. v
Jli Quimas, 'iberio Aud do J de l> d 2 y
1\ Sextas A'b.no. Aol lo J de D da _>.".
li Sab s faulino. "el. aud. do J. d'e D. da \. y.
13 l>oui# s. Joao sacerdole.
i : .... ^..
Sorda de cubre ao par
Id.ib de letras Je b..as Urinas 1 a ti l)|(|
aaaVlBaaHBBnaaaaaagBtBna; IMIMISIIia
Anno XX. H. 159.
la no!9 |irnV-cia, iroderaqio- e energa: rnn-
* srietius apoatauos uun admira..*'- en're ";,
(Proolamago da AtsembUa Oral do arai.il.)
CAMBIOS IIO IHA 9 DI alkll,
lOwo-Noadada 6,400 V.
.1 >!e 1,00
rratarataeSes
i PeiOl .'oltiinmnarr*
.i Uiios aiexioaBOi
rompra
7,800
I7.I(K)
0,400
J.96Q
i,il?J
J.'.O
senda
17,500
17,300
y fi.o
i uso
l.yso
*,90
PETASES DA LA X) mi;/ OEJUNHO.
!'."' *' *? !.'""-1s ",'"n"1 lli. | Luanr. a 15 a, ID dura, fi mn. da tarde
a urda iCraaoentc a i aai b e5a. da tarde.
'reamar de hnje.
I'ri.naira as 9 lloras e JS ,. d.rn,lu.. | Segunda I |,.,ra. e 4.' minutos da larde
. ___a
...:

.
. \x;:i:x
PARTE OFFJCfAL.
fiov'ino da Provincia.
F.XPEOIEKTE DO LIA 12 UO CORRENTE.
Ollieio Ao Inspector da Thesouraria da
-Venda determinando, (|uo expeca suas
ordens, para que emquanto o (ioverno Impe-
rial nao decidir as duvidas do Commissario lis-
cal do Ministerio da Guerra sobre o forneci-
mento d'agoa e luz aos t|uarteis, guardas, for-
talezas e hospital, siga-se naquele forneci-
mentoa mesma pratica at aqui adoptada.
Communicou-se ao Commandable das Armas ,
que havia representado respeito.
Circular Ao Chele de Policia ao Inspec-
tor da 'I hesouraria da Fazenda e ao to Arsenal
de Marmita intelligenciando-os de ter man-
dado cumprir a carta p.-tente de 26 de Abril do
corrente anno pela qual S. VI. o Imperador
houve por beffl confirmar a nomeacao que o
Presidente da repblica da Solivia fez,do cida.lao
Antonioda Costa Reg Nlonteiro paraConsul da
mesma repblica -.testa provincia.
Oficio Ao Juiz Municipal do termo de
Olinda remetiendo urna copia do regulamen-
to expedido pe|a Presidencia em 26 de Marvo
do corre,0{e ann0 t qUC g mc requisilou em
oflicio de boje.
Portara Concedendo licenca para con-
tinuar nos estudos preparatorios ao 1.Cade-
vis, que em viriude da lei houver de excrcer. I tralo; e dellarefebera melatle.logoque aCom-
DiloAo Inspoctorda Thesouraria da I'a I minBo de quu trata O art. 2. tenba dado o seu
zenda declarando procedente a duvida posta
pelo Commissario-liscal do Ministerio da Guer-
ra na lolba dos vencimenlos dos OITiciaes da
rompanliia do Artfices, do me/, de Maio pr-
ximo pastado; e prevenindo o de que vai remet-
iera dita lolba ao Cammandanto das Armas
para para que a mande reformar, determinan-
do, que pelo Segundo Tenente da mesma com-
panhia, Joao Matinbo Paes Brrelo, que sea
cha rom parte de doente, assigneo respectivo
Commaodaote.Ofllciou-sc respeito ao Com-
mandante das Armas.
O Rarao da Roa Vila,Presidente da provin
cia de Pernambuco, em virtutle da lei provin-
cial n. 101 do 9 de iiaio de 18V2, lem con-
tratado com Augusto Sommier, subdito I'ran-
cez, fabricante d assucar, residente nesta ci-
dade o se uinte :
Artigo 1." Augusto Sommier obriga-se por
lempo de 1 anno,a contar da data deste contrato,
a ensillar nos engenhos, que pida Presidencia
I he forem indicados, o methodo da defecai.iodo
caldo de cana por meio da cal, da liltracao do
mesmo pelo carvo animal, do fabrico do mes-
mo carvo, e todos os demais processos da l'a-
bricacao do assucar, segundo qualquer dos tres
systemasconbecidos, de fogo n, vapor ao ar
hvre ou vacuo, a arbitrio do propietario de ca-
te da 3.* companbia do '2.a batalbao d'arlilln- da engenbo; assim conioos melboramentos pos-
ria p Francisco de Salle Uutra com obri- siveis no syslema actualmente seguido, se ni t|ue
gacSo de comparecer as revistas de mostra e por isso receba gratificacao alguma dos proprie-
grandes paradas e de apresentar no fim de ca- j tarios.
da trimestre attestados de seus Prolessores, dos i Art. 2. Logo que o contrahente Sommier
quaes conste haver anroveitado. Na mesma tiver obtido osprimeiros productos do suasope
conformidadee para esluuar particularmente o racoes, sera nomeada pela Presidencia urna
curso de sua arma concedeo-se licenca ao 2. Cominissao de senhores u'engenho, para julgar
Cadete da 1 companbia do referido batalbao se ha vanlagem no methodo por ello empregado
l.ourenco Justiniano Jorge Goncalves e re- [ sobre o rctualmenle seguido,
inettrao-se essas portaras ao Commandanto ; Art. 3 Se a decsao for favoravel ao fabri-
das rmas para cumpril-as. cante, continuar esto nosseus trabalhos; e no
iEM do da 17. caso contrario ficara invalido o presente conlra-
OflicioAo Inspector da Thesouraria da to em todas as suas condicoes.
Fazenda, determinando, que espeta suas or- Art. 4." Os senhores d'engenho que se qui-
dens, para que, na lrma do regulamnlo de zerem utilizar dos servicos do contrahente Som-
30 de Maio de 1836, seja feito pela Mesa do mier, serao obrig&dos a prestar-lbe todos os u-
Consulado o servico, que se fazia na InspeccSo tensilios e (Iqectos necessarios pora a execucao
do assucar e Igodao, eitincta pela lei provin- dos melboramentos, alleraces, ou institiiiees,
cial n 130de 2 de Maio prximo passado. que desojare! effectuar nosseus engenhos.
DitoAoJuiz municipalsuppl'enle do termo,' Art. 5." Fica estipulada a gratifieaeo de
parecer lavoravel, e neste caso continuara a re-
reber o resto da gralilitaco por quotas mensaes
aleo irn do anno do contrato.
Art 6." A Commssao devora dar o seu pa
reeer no praso de 15 diasdepois da apresenta-
t-aodos productos.
E de como assim convencionarao de urna e
outra parte mandaran pastar 0 prsenlo em du-
plcala em que ambos asaignrao. Nesta cidade
do lioeife de Pernamliuro aos 28 de Novembro
dt 184-3. llardo Ja Roa-Vista. Auautlin
'iiunier.
- lllm. e Fxm. Sr.Tendo eu presente-
mente de deixar e*la provincia, e havendo sido
quem nao s como Presidente dola,em virtud*
da lei provincial n. 101 do 0 de maio do 184-2
contratei o fabricante d'assucar Sommier para
ensinar os melboramentos desse fabrico nos en
genbos cujos propietarios se quizerem apro-
\eitar dos proficuo! effeilos d aquella lei, como
tambem preslei o engenbo Trapiche de que sou
'ftidoSomnier no engenbo Trapiche do Cabo;
o tendo nos examinado o assucar fabricado pe-
lo mesmo Sommier, e nos informado do pro-
cesso por ello seguido, tomos a levar ao coiibe-
cimentodoV. ixe. o seguinte: 1." O assucar
assim fabricado he sem duvida de melbor qua-
Itdade de que o que ordinariamente se frabica
nesta provincia, alm do augmento da quanli-
dade do mesmo, e anda que pela pequea por
cao que se fez nao se possa calcular justamen-
te esse augmento, piulo so com ludo assegurar
que elle be de urna arroba por forma ordinaria.
2. O procesan empregado he de aecordo com
os principios boje adoptados para o fabrico do
assucar nos pai/es onde esta industria se tem a-
pcrfeieoado. e anda que processos mais perfei-
tos bojoexislao (e estes nao sao desconbecidos
ao fabricante Somnier) parece-nos nao seren
estes os mais adoptaveis para o momento. 3.
Km fim o coi, tratante tem preparado e fabricado
o carvo animal de que be necessaro usar no
fabrico do assucar. A vista pois do quo fica
exposto, e de informacoes mais detalladas quo
propietario, para nelle se fazerem os primeiros! temos obtido, parece-nos ser vantajoso ; pro-
ensaos exigidos pelo aitigo %* do contrato I vincia que se generaliscm os melboramentos
celebrado com aquello fabricante; julgo do meu que se obrigou a ensinar o referido Somnier.
dever informar a V. Kxc., que todas as opera- Dos guarde a V. Exc. engenbo Santo Cos-
coesque elle all executou forao plenamenteJ me-Damiao 23 do maio de 18U. Illm e
satisfactorias, tanto na defecacao do caldo, fil- | Exm. Sr. Izidro Francisco de Paula Uesqui-
tracao pdlo carvo animal e concentracao, co- tae Silva.Manoel Francisco de Paula Ca-
1 valcanli d'Albuquerque.Ignacio de Rarros
Cavalcanli.Manoel Cavalcanti d'Albuquer-
que Mello.
COMMISSARIADO FISCAL
lllm. Sr.Para que V. S. se sirva, a bem da
arrecadacao da Fazenda, na parte relativa s
despozas do Ministerio da Guerra, pedir ao
de Olinda, autorisando o a empregar o renec- austro costos de r
tivo Escrivao do crime e orphaos nos actos c- to Sommier pelo ani
r..,_: ..
IUUI I' (1 11 i>
no que deve durar este con-
FL[h3Iffl
MARGARIDA.f)
V.
OS MONTANHKZES.
historiadores, essas abelhas laboriosas que inces
santementi se apoderao das datase dos lacios,
longos lempos anda os romancistas, esses ex-
ploradores da historia e do coraco humano,
irao procurar no fim do seculo dcimo oitavo,
aquellos licoes para o porvr, e estes occuiren-
cias, typos e hroes.
Para abreviamos estas reflexes e d'ellas lor-
narmos a alguma cousa para os nossos lettores
Mal ulgados teem sido os homens da revolu- j mais interessante, continuemos a scena desde o
rao, e bao de continuar a sl-o emquanlo res- j lugar onde a havemos interrumpido uaodo
lar sobre a Ierra um derradeiro membro da so- i aquella desabrida exclamaco interrompeoo scr-
ciedatle do; seculo dcimo oitavo. Estamos ain- ino do padre contumaz, um sobresalto geral e
da demasiado chegados homens para hern qualifcal-us, para descrimi- dre tremeo, empallideceo, e posto que quizesse
nar o justo do mal, e apartar os lacios dos erros continuar o seu discurso, o orgo da falla recu-
motivados pela fatal exigencia das circumstan- j sou servil o. Por conseguinte cillou-se, e en-
cas. (Jsolbos precisao de ar e de espa-,0 para tao nuvio-se um sussurro universa! no qual se
verem o todo de um edificio. Anda ao vulgo podao distinguir estas palavras:
mo em toda a marcha do methodo por elle se-
guido, e na mancira de preparar e fabricar o
carvo animal, obtendo resultados laes, que
nao me resta duvida de ser elle capaz de desem-
penhar, quantoa intelligencia e conhecimen-
tos especiaos, tudo o que se obrigou a fa/erpelo
referido contrato ; devendo-se esperar as mais
vanlajosasconsequencias de se divulgaren! es-
sos conhecimentos, de que tanto necessita este Exm. Sr. Presidente da Provincia suas ordens
ramo de industria do nosso paiz. para que se me faciliten) os meios de verificar
Approvcito esta occasiao para tcsteinunhar a osdescontos designados na nova ola dos mes-
V. Exc. os meus sinceros votos pela tranquil- mos. em consequencia das quanlias ndevida-
lidado, e bom andamento delta provincia, ora mente recebidas pelas pessoas. que nella sao
sol a adminislrarao de V. Exc. Dos guarde nomeadas ; passo s maos de V. S. por copia
a V. Exc. liedlo 2 de maio de 1841. Illm. a citada nota, que com o relatorio das irregu-
e Exm. Sr. Izidro Francisco de Paula Mes- laridades das despezas militares desta provincia,
quita e Silva, Vice-Presidente da provincia, pagas em Janeiro de 1843. observadas pela
Harao da Roa-vista. Contadura Geral da Guerra (inuitas das quaes
Illm e Exm. Sr. Nomeados pela Pre- urnas eslao respondidas, outras corrgidas, e
sidencia desta provincia para examnarmos, na algumas em triplcala); V. S. me remetteo
lorma do artigo 2." do contrato leito com Au- com seu oflicio de 14 do mez passado em cum-
tiusto Somnier em viriude da lei provincial n. primento do oflicio do Exm V ice-Presidente
10! de 9 de .maio de Maso de 1342, os resulta- dn Provincia de 10 do mesmo mez. o do que
dos dos primeiros ensaiosa que procedeo o re- determina o Imperial Aviso de 10 de Abril ul-
v
drijo, edeixai os homens obrar como devem.
O padre nao obrigou a Jorge a repetir-Ihe es-
te preceito, esem mesmo demorar-se o lempo
preciso para recitar-se o lia missa esl, fez a to-
parece aquella poca urna nodoa de sangue e
nada mais, e ainda a publica opinio nao esta
inicuamente disposta para a grande obra da re-
babilitacao Poim cada dia, cada anno traz
Estamos trabidos! Estamos perdidos !
Os montan beses esto comnosco s tol-
las!
Por onde havemos de lugir ? Por onde
comsigo o seu contingente de ideias;a revoluco passaremos?
he qual unidos monumentos agigantados sobre! Nao havia por cerlo oulro caminho nara se
os quaes cada seculo, ca ia geraco lita os olhos retiraren! senao aquello mesmo por onde havio
ao passar e grava a sua ideia no atrio como o entrado; porm a voz desconhecida viera justa-
soldado que grava o seu nome as pirmides, mente dessa parle. Poucas pessoas se terioque-
Nio obstante as grandes obras que correm im- rido aventurar no escuro corredor, recelosas de
pressasa este respeito, longos lempos ainda os alguma silada. S Jorge sabia da outra sabida;
rosos,nao se leriao limitado em assustal-os, na1
sim seterio approveitado daimpossibilidadeem
que estavo os suas victimas de sahirem das rui-
nas para ellectuarem a sua pristo. Asss justo
pareca este raciocinio; preferio.purtanto.guar- da n pressa um embrulho de todos os objectos
dar o seu segredo para urna occasiao mais im- sagrados, e rnettendo-os na sua sobrepeli/. com
penosa, e disse chegando-se ao fazrndeiro : tao pouca compunecao quanto tern urna velha
Sr., p.are'ce-me prudente encurtar a nos- t.m us;ir ,|0 seu avental para transportar os seus
sa estada neste si t o, e nao esperar que um han- (rapos de um para oulro lugar, deixou o altar
do de patifes nos venha aqui sorprehender. De esquerendo u genuflexao do costume, e sabio da
todas as maneiras he preciso sabir d'estas ruinas, capella com passos muito menos magestosos do
e. se possivel for, pr a bom recado o indiscreto qUC quando entrara.
que descubri este retiro.
O que vos dizeis be muito rasoavel, eeu A ugi la do padre foi um signaldado peloes-
ja teria tomado esse partido se toda essa gente l"ril n>al".'>0.C"d'a um poz o leu chapeo na ca-
llao e.stivesse a apertar-se uns contra os outros heca sem respeito santidade do lugar, e o reli-
como um rebanho decarneiros assustados pela g'"So silencio foi substituido pelo sussurro alto
tempetade. e confuso de quasi todas as vozes. Os assisten-
Estou persuadido, tornou Jorge surrin- ,es dividirao-so em grupos e consultro entre
do-se, que o seu temor desappareceria logo que si so,)re as m,,didas 1ue se deveriao tomar para
oSr. padre quizesse tomar o seu n.issal e ca- "hirem d'alli. O fazendeiro e seus dous filhos
minhar sua frente para tiral-os d'este perigo. esto^(> conversando rom o barao de Tingris,
Sr.disse o padre, picado por ver paten- '" quanto a menina, paluda e mal podendo sal-
teada a sua pusilanimidade.Sr. as cousas tem- tentar-se do pe. seconservava por detraz driles
poraes nao sao da minha aleada Eu sou ho- encostada 5 parede. Jorge approveitou a preo-
mem de orar,oes e n5u de sangue... E demais c,|[>cao gerai para se ciiegar a ea.e, igiudu-
d'isso, se o lobo nao se bouvesse introduzido por ,ue a Pa,avra :
entreovelhas.aeeresoenlou elle com inten- Margarida. disse-lhe elle, traaquillisai
rao vmgativa, nao tena sobrevindo loda esta vossa mente, nrl.um receio lenhais: eu cuida-
desordem.
ri'i em vossa seguranra com la la sollicitude
fl vi n- .las io .-.o .o, P.or,m|ulgu.depo,s de un, instante de relie- Esta bom, est bom, Sr. padre, raspn- quanto um irmao pede Ur p.ra c.m sua irma.
i y v ide Vtarto n." 124, 12b, 128 e 133. I xao, que se os monianhezes fossem ass.is nume- deo Jorge, toinai o uietter-vos no vosso escon- a menina deo um Boradecil enlo. pofem
4_


/
\
-','\'
timo, a fim de sercm satisfeitas Rl exigencias
coBSlauten Jo mesmo rclatorio, c se obtenha a
reposico das quantias na referida nota mencio-
nada-;, oque nao se pode conseguir, sein que
V Exc. te digne ordenar o que para este lim
red uno, porquanto a falta do descont ao Sar
genteAjudnnte Jos ,ia Cru/ dos Santos, do Ba-
tilhao de Artilharia o, 2, comprobendiJo em
duas anteriores notas (romo o est nesta,) que o
Exin. Presidente da Provincia Bario da Boa-
Vista mandou cumprir em seu olficio de 29 do
Fevereiro ultimo, tendo alias curnprido as
duas Companbiat de Artifeces, e Gavaliaria
para cujo lim, pela ordem do diado 27 de Mar-
co ultimo, foraoos Quarteis-Xlestrl inteirados,
bem como o tem curnprido ja alguns ofliciars ;
alalia, digo, d'aquellc descont, por mim re-
clamado; faz que contine a reproducido desa
irregularidade, o que eu nao possa continuar
com a execucao dos que trata a citada neta in
clusa por copia, para nao motivar novas corres-
pondencias por intermedios sobre represnta-
teles, como aconteceo com aquello descont,
e portanto necessario se (a/., que me sejao in-
dicados os ineios de cumplir as citadas ordens.
evo prevenir a \ S. que na nota men-
cionada seacbao pessoas contempladas nasduas
anteriores, asquaes vao designadas com lapes,
e que o Major Gustavo Adolfo Fernandcs l'i-
nbeiro, comquanto tenba ja reposto oque Ihe
alna na nota anterior de 20 de "etembro de
1812 ; todava i nesta vem designado coco a
reposicao de rs. 2,000. Dos Guarde a V. S.
Tbesouraria de Pernambuco 12 de Junho do
greaado a somma de direitos reducidos seria de
387,060 !i!;s. por ;;n;. Hestsvs-!he tmente
dizeralguoia cousa sobre os direitos da assucar,
osquaes teria do pmpdr uin pouco mais para
dia ule n'esta sesso. U tratado existente
com o Brasil expirara em Novembro. Elle
tencionava quando entrassem em discu-tao
estes direitos, recommendar que a Inglaterra
admittisse com um direito diflerencial de 10 s.
por quintal o assucar d'aquclles estados que
nao fabricassem este genero com o trabalho
escravo ; franqueando-se assim o commercio
com as vastas regies a leste do Cabo, c conse-
guindo-seaugmentodesupprimentosem infrac-
to do principio.
Sir K. Peel disse que eslava certo de que se
o Governo nao se approveitasse da prxima oc-
casio offerecida pela expiraco do tratado com
o Brasil para admittir o assucar labricado por
trabalho livre, seria aecusado de tentar indi-
rectamente conservar o monopolio da India Oc-
cidental.
dem, 30 de Abril.
Direitos do asiucar.
Mr. Barclay disse que bavia urna dvida
cerca dos direitos do assucar, e vnhaaser,
se se pretenda por o assurar fabricado em Java
na mesilla base, em qud se propunha por os as-
sucare de Mauilha e Siam.e tainbem.se se exi-
gira dosimportadores do assucar produzido por
trabalho in re, que trouxessem comsigo um cer-
ificado ua orgem d elle, como so praticou no
caso ('o assucar e agurdente da india Oriental,
quando leve lugar a reduccao dos direitos em
844. Sr. Joo Gonfalves da Silva, Inspec- 18:58.
lor desta Tbesouraria.Jos de firttto /- U Presidente do Thesouro disse, que os il-
glez, Conimissario Fiscal do Ministerio da lustres membros devino vfir que elle teria sum-
Guerrn.
. >
INGLATERRA.
Casados Commwu, 29 da Abril.
Commiss&ode ineiosBudget.
Mr.Goulburn levantou-se para encelara dis-
cus.-ao sobre o budget. Elle felicilou a casa
pela realisacao d'ai|uellas esperances de niclho-
ramento geral que enlrelivvra na sua proposta
financeira do auno patsado.
ma difTiruldadc em responder a tamanha varic-
dade de nterpellacoet que Ihe ero feitas ; que
approveitaria a primeira occasiio opporluna de
Iraser casa a proposta dos direitos do assucar,
o que no entretanto conava em que a casa o
dispensara de responder a qucsles de natureza
particular, s quaes mais prejudicava, do que
convinha responder separadamente,
dem, 2 de Maio.
Mr. Humedesejava saber do Presidente do
Thesonro, se eslava habilitado para dizer ca-
sa, antes que apresentasse a sua proposta para
a reducido dos direitos sobre o assucar, que
pal/ I na Inglaterra) ? Esta informaran seria
necessaria, a fim de se dar ao publico alguma
ideia do allivio que provavelmente se Ihe dara
Elle li/era enlo
u8 seu calculo, de renda tem prevencao apaixo- j ,,uantidade de assucar cultivado por bracos'li
nala ou exagerada; o resultado tinha-os so- vres esperava elle que se importasse n'aquelle
brepujado limito, o no passo que por urna par-
te SO obtivera um salde a favor da receita,por
oulra tinha a despoza sido inferiora oreada. O
1 hesouro leria pois um crdito de cercado
'1.000.000 liba. Tendo este sido quasi geral-
mente previsto, recehra elle do lodos oslados
insinuadles de redu?ir toda a sorte de impostes
De milito bom grado o houvea feito, se nao
visse que a renda permanente decrescia; entre
lanto que a fon te do saldo nao era permanente.
Jlllgava elle ser uielhor poltica applicar-tc-o
accrescimn do correte auno para augmento do
sold no Tiiesouro, do que buscar um allivio
temporario da diminuico das imposicoe*. Taes
erSo as razos que tinba para resistir ;is glandes
redcenos que se exiguo dille. Mas havia al
guns gneros sobre osquaes se poderia dar
reduccao com grande probabilidade de supprir
de um dos bracos, por efTeilo de urna queda :
mss is s melnor.
Fazio-se preparativos para a partida da
Bainha, e do Principe Alberto, acompanhados
da Beal Familia infantil do Palacio de
Buckingbam para a ilha de Wight, no decur-
so da semana que havia de comecar a 13 de
Maio.
Na remullo dos accionistas da Imperial As-
sociaeao de Mineracao Brasileira, que leve lu-
gar no dia 3 de Maio, declarou-se um divi-
dendo de 5 s. por accao. Parece que segundo
o rclatorio, que se leo, teem meihorado os
trabalhos ; e juntamente os prospectos da
empreza considero-se melhorcs do que d'n-
les. Os directores procurSo gradualmente di-
minuir o trabalho escravo pelo emprego do
urna crescida I o rea de mineiros de Corn.
Havia chegado no mesmo dia 3 de Maio do
11 o de Janeiro a Falmoutb, o paquete Ingle/
Pengum, levando de frete em ouro, cerca de
20 mil libras cuja principal porcao era da Im-
perial Corcpan'uia de MineraQo Brasileira, de
S. Joo d'EI Re, e da Companhia Brasileira.
As folhas de Par* em data de 30 de Abril
annunciavao duas derrotas do Governo Francez
pela Opposico A primeira pela Cmara dos
Deputados annullando a 29 a lerceira eleicao
de M. ("-liarles Laffite por Louviers, sobo fon*
damento de haver elle commetido (segundo as
palavras de M. Dupin) collectiva corrupeo ,
prometiendo aos eleilores construir sem d-
vida cusa da Companhia de estradas de Ier-
ro de lumen ( da qual he caixa ) um ramo da
estrada principal para a sua cidade (Louviers.)
O segundo revez sofTrdo pe|o Governo foi na
eleicao de M. Selliver como Deputado por
Cherburgor em lugar do fallecido Coronel
de Bricqueville. O Candidato Ministerial o
General Meslin perdeo a eleicao por um vo-
to mais do que a metade dos eleilores que vo-
lro, elraeleito, diz o Journal des Debis,
se livesse condescendido em fa/er urna falla
eleitoral a cerca do direito de busca.
Osjornaes francezes de mais recente data,
que era de 4 de Maio, nao continho cousa de
grande importancia, relativamente 8o interior.
O debate sobre o projeclo da Instrucco Secun-
daria na Cmara dos Pares comegava a attrahir
alguma ottencao, por causa do lavor que o Rei
entao mostravaa Universidades do lirado que os
jornaes de quasi todos os partidos procuravo le-
vantar contra a Igreja. (Jprojcctode disciplina
das prisoes anda eslava perante a Cmara dos
Deputados. No dia 3 declarou-se sera opinio
se a receita
pelo augmento
de consumo nao
Os artigos
SO il esses como de oulros gneros
que propunha i escolha para tal reduccao ero
o vidro, o vinagre, as pactas de (.orintho, o
caf, o seguro martimo, e a laa, de cujoag-
t'io libio, too fraquinho, que nehuma pulavra
foi dislinctaii ente proferida.
pela medida que eslava para se propor. Ao Pre- da casa contraria a ampliar-se a duas horas o
lempo (de urna hora por dia) que o projeclo
prope conceder-se aos presos para receberem
are fazerem exercicio.
Immcdiatamente adoptou a Cmara os pri-
men os 12 artigos do projeclo. Os presos (assim
aecusados como convictos ) deviao de es-
tar dahi em diante separados, quer de dia, quer
de noute Cada preso teria urna celia espacosa,
adac bem a.cjada.
Osjornaes o a correspondencia de Madrid em
data de 28 de Abril annunciavao que anda
continuavao os boatos de mudanca ou modifi-
cacodo Ministerio; porm anda nada se tinha
decidido. Uns affirmavo que s se retirario os
Ministros da Marinha e Interior, e que seno
substituidos pelos Srs. Olivam e Primo Rivera;
ao pa so que outros sustentavao que nao podia,
nein devia haver mudenca alguma. Os Depu-
tados presos, como indiciados de conspiraco ,
sitente do Thesouro entendeo-se dizer que
dara a iriloruiftco.
Mr. Gibson desejava saber, se o Presidente
do Thesouro tencionava fazer alguma dislin-
iao entre aquelles paizes onde se inporlavao
escravos e aquelles onde elles ero croa-
dos ?
Nao chegou galera a resposta do Presiden
te do Thesouro. (Times.)
Temos recebido o Times at6 de maio, o
qual por conseguinte alguma cousa adianta s
noticias ltimamente publicadas.
A Raiiiha Mi leve um lorie ataquo de ery-
sipcla no braco esquerdo; em consequencia de
urna lesao na junta da mo : porm achava-se
quasi restabelecida, pelo que se havia suspen-
dido a publicacio dos boletins.
A Duque/a de Gloucester lambem padeca
-,
Depois de haver pronuciado este enrgico
aviso, o fa/endeiro eseus filhos, fizero urna
todos livres d este perigo... van os pera Ingla-
terra, a viagem be breve__
Como assim .' iris comnosco? interrompeo
ella com um secreto senilmente de prazer
Sim salvo se prefers ver-me agarrado e
arrastado para o cada falso?
Oh! isso que diris be espantoso!... Se-
nhor Jorge, vos obrareis assim comnosco?
Fu disse mal; porm j que fazeit um
juiso favoravel a meu respeito, tendea bondade
de conservar esla opiniio e nao acreditar as
insinuai,es que contra mim possa aventurar o
senhor padre; oflendi, sem querer, a este santo
bomem. E... dos, animo! Eu nao posso
prolongrosla entrevista. .. mas... Al imite!
No mesmo instante, o Bario chegou-se
sua llia, e, pegando-Ibena mo, saudou
graciosamente a assembla, emfiurrou a porta
movedia, e dJMpparecco. Logo, o senhor
Carlos pedio um momento de silencio e le-
vantando a voz o mais que pode :
Se ha alguem n este lugar que me est
ouvindo sem eu o ver, exciamou eiie corn voz
ormidavel, saiba que temos armas escondidas,
que nao perdoaremos a ninguem se nos procurar
cortar o passo, e que seja elle o dial o ou o pro-
- Esta iioite, profieguiu Joige, flcaremos meia volla. Seguidos de Jorge, do Bode do
\ alie e dos mus afloutos da multido abrirn
a marcha com o passo firme e regular de gente
que nao tem medo. Quer fosse por motivo
d estas medidas prudentes, quer lossu porque
na realidade ja nao havia ninguem as ruina* ,
nada se oppoz a sua patetgem e nentium ruido
inlerrompeo o piolundo silencio que, marchan-
do, guardavo. Logo que sahiro d> mosteiro,
pararn para conversar um pouco antes de se
separaren! ; mas de repente unta gargalhada
de riso alto e mofador, provindo do meio das
ruinas veio ferir-lhesos ouvidos. Os campo
nios fugiro espvoridos uns para um lado ,
outros para o outro quaes bandos de laparos
cercados pelos catadores. O fanzendeiro scus
lilbos Jorge e o Bode do valle foro os un
eos que permanecro firmes no seu posto para
saber d'onde exactamente partir o ruido ; po-
rm esta tentativa foi intil : as ruinas havio
tornado a sepultar-se no seu silencio costumado
epois de alguns instantes de espera o bom
fazendeiro irritado por se nao poder vingar ,
proieno urna praga soiemne mostrando seu pu
nho enorme e vigoroso as ruinas de um modo
|Ue havia de ter parecido significativo a quem
Chegando casa, o primeiro cuidado foi de
examinar si o falso mscate inda estava encerra-
do na granja. Mas em breve se esclareceo a
duvida ; acbou se a porta aberta e a fechadura
arrombada. Era evidente que este bomem
tinha cmplices vigilantes e atrevidos, pois
que a poila nao pudera ser anombada seno
pela parto de fra. Tinbo-su approveildo da
ausencia de lodos os habitantes da lasenda para
fazer tudo e a duraco da missa Ihes fornecra
lempo de tobejo. Estu dcscuberta assustadora
despertou os espirites e todos conhecrao cla-
ramente que a vo/ que se li/era ouvir as ruinas
durante o serrno, bavia de ser a do fingido
mscate.
De hora em bora lomnvo os accontccimen-
tos urna face cada vez maisanieacadora ; o por-
vr anda mais se escurecia e posto qne pouco
tempo reslasse antes da poca litada para a
fuga do Baro, podio mil circunstancias impe
diro feliz xito d'ella. Por conseguinte era
mister vigiar as ruinas para que nao chegassem
alguns intrusos a descubrir o coito dos proscript
os. Para este fim mandou o fazendeiro mpitos
homens para as visinhancas do mosteiro recom-
mendando-lbes que examinassem escrupulo-
samente e sem se deixarem ver, ludo quanto
se passasse eque ao por dosolviessem trzer-lhe
tinhSo sido sollos sob flanea. A Gazeta puhli.
enn nn decreto real, ordenando um recruta-
mento de mais de 50,000 conscriptos.
Despacho Tkelegraphico, recebido por Ex pres-
to exraordinairo de Pariz
Madrid, 2 de Maio de 1844.
k O Embaixador Francez ao Ministro dos
Negocios Estrangeiros.
Demiltio-se todo o Ministerio (Hespan-
hol) A Bainha acceitou-lhe a demisso, een-
carregou o General Parvaez da formaco de ou-
tro Ministerio, de que deve de fazer parto Mi-
radores.
Bravo e seus collegas annunci.rao Bai-
nha, que prestario o seu apoio aos seus succes-
sores.
ce Madrid estava tranquilla.
(Idtm )
COMMERCIO.
Alfa n dega.
Bendimento do dia 20......... 9:780^.016
Desearreya hoje 21.
Barca Lalrobe farinha e mais mercado-
dorias.
Brigue Stwarl diversos gneros.
Brigue Jeatielte familia,
Brigue Robtm pedra.
Elexcarts; brigue inglez, vinclo do Liverpo-
ol, entrado no correte mez, a consignado de
Deane Youle & C. manifeslou o seguinte :
8 fardos lazenda de linho, 35 ditos e 24 cai-
xas ditas de algodo ; a Jones Patn & C.
6 pipas agoa raz, 1 caixa ferragem, 5 ditas
e 6 fardos fazendas de algodo, 4 caixas cha-
peos, 1 barril ago'ardenlc, 5 caixas cha, 800
barris plvora, lOquintaes de mialhar, 15 di-
tos cabo de cairo, 35 presuntos, 35 queijos ,
2saceos e um gigo, 1 barrica mostarda, 36 la-
tas e 24 garrafas conservas ; a crdem.
30 barris chumbo, 1 fardo e ti caixas fazen-
das de algodo ; a Bozas Braga & C.
26 fardos e 1 caixa fazenda de algodo, 100
gigos louga; a J. Crablrre & C.
7caixas e 10 fardos fazenda de algodo; a
Lalham & Hebbert.
2 caixas ferragens, 13 folhas de ferro; a D.
W. Beumam.
10 caixas chapeos de sol de algodo, 27 far-
dos e 4 caixas fazendas de algodo, 13 aixas
linhas, 4 ditas relogios de parede 17 barri-
cas ferragens ; a Geo Kenworttby & C
59 caixas e 20 fardos fazendas de algodo ,
1500 caixas sabo, 3 barricas ferragens, 105
duzias de pas de ferro; a Johnston Paler & C.
8 lardos fazendas de algodo e de linho ; a
Bussell MellorscV C.
28 fardos e 12 caixas fazendas de algodo ;
a Deane Youle & C.
1 barrica drogas; a V. Bravo & C.
14 lardos fatendas de algodo ; a II. Gib-
son.
4 caixas folhas de cobre 1 dita fazendas de
linho ; a Me. Calmont & C.
2 fardos fa/endas de linho, 1 dito dita de
la, 5 caixas ditas de algodo; a R. Jamerson
&C.
11 caixas o 12 fardos fazendas de algodo,
23 fardos e 13 caixas ditas de linho ; ? Adam-
son i C,
pno Jos Lebon em psssoa, Ibe torceremos o
pescougo como a um franguinho... A caminho, I seguido por seus companheiros, alravez dos
0nigoi! j urzesqueconduzioaocanjinhodeCbateaunne.
n ellas se conservava oceulo e via ludo sem I o resultado dassuas ohservacoes.
ser viste. Ao depois adiantou-se rpidamente. Tomadas que lossem estas preeaccoes.o senhor
Carlos deitou-se no seu leito para gosar de um
instante de desea neo psrin nao pude pregar
olbos, e nunca dia Igum da sua vida aos seus
desejos parecer to comprido e lento em decor-
rer. Era a estaco dos dias mais compridos do
anno portanto leve elle de supportar atea
noite todas as fadigas da anciedade. Pouco an-
tes da noite ouvio a gaita de lole do Bode do
Vallo e precipitando-se ao seu encontr.
- Ento Perguntou-lhe elle, assim que o
avistou que novas me trazes? Augmenta seo
perigo ? Sera possivel lazer evadir o Baro ? O
que viste? O que ouviste ?
Sao multas perguntas a um lempo res-
pondeo o pastor, entretanto vou responder-vos
da melhor forma que puder posto que seja a
minha natureza mais inclinada a obrar do que
a fallar...
Ha perigo ? exciamou o fazendeiro im-
paciente.
Quanto a haver perigo nao se pode negar
que o ha, se bem que com tudo algumas vezes
asapparencias dizemmaisdo que na realidade
existo. O mostr escola de (remares! que he
urna lingoa de prata chama a isto urna eompli~
cacao e elle vos poderia demonstrar melhor do
que eu....
Mas dizo-me o que sabes maldito !
\s me interrompeis sempre! um bomem
nao pode dizer rnais do que urna s cousa de
cada vez !
Estou-te ouvindo respondeo o fazen-
deiro persuadido de que era este o molhor


t
V
*
T
5
400 barris de plvora; a Jos Jernimo Mon-
te i ro.
c-1"-' "' l''i-'^lll''rr.'Bl;-l.ll-l^'-^gJ^'^r>rT^^^l*^^;^^^^*
Staclaracdcs
O brigue-efcuna Fidelidide recebe a ma-
ma para o Kio de Janeiro hoje (21) as 4 horas
da tarde
Pola Secretaria de Polica desta provincia
te (ai publico, para conliecimento de quem
pertencer, que no calabouco do corpo de poli-
ca existe o preto Trajano, escravo, o qual foi
preso pela patrulha rondante do Atierro da Boa
vista por ser encontrado hoje a urna hora, e ter-
se taendo o rio logo que avistou a mesma pa-
trulna, o al egora nio tem querido diser com
certesa i quem prtenle.
Brevemente so bao de affixar editaes de
concurso s reguesias vagas desta diocese. Re-
cife 19 de Junho de 1844. O Padre Francisco
Jos Tavares da Gama* Secretario de S. Ex.
Jl.-
THEATRO PUBLICO.
Descripcao do variado e novo espectculo
gymnastico e msica que ha de ler lugar se-
gunda-leira 24 do coi rente no Theatro Publico
desta cidade, debaixo da direegao do ui lisia Jo
s do Reis.
Principiar pela excellentc ovcrlura a Za-
neta depois seguir-se-ha a oxeeuciio do amo
so duelo de yfrsacce e Assur bella immago de
glt dei na Semirames do immortal Bossini ,
cantado com toda a sua scena e vestuario pro-
prio : a parle de Assur ser desonpcnhad.i pe-
lo Sr. Joo Toselli eoArsarcepor Madama
Emilia Amanli para cujo eTto se aprsenla-
re vestida de Gladiador romano
Concluida queseja tao bella peca de msica,
o artista Jos dos Beis e o Joven Elstico se a-
presentario a executarem variadas sortes e evo-
luccs de extraordinaria difficuldade sendo
muitas inleiramente novas neste Theatro en
tre ellas o brilhante equilibrio do Pavi/ho im-
perial e as novas agilidades do Turbclino enla-
jado e a figuraco da Cobra.
I lepen-. Madama Emilia e oSr. Toselli can-
tara o delicado e jocoso duelo de Elixir de
amor msica do mestre Caelano Donizclti.
E'.n seguida se apresentar o Joven Elstico,
que. com toda a agilidade subir ao Brandechu
veanle a desempenbar dillerenles sortes evo-
lucoes c exercicios do mais dillicil desempe-
nho valor e intrepidez os quaes admirarlo
por seren exocutados por um joven de pouca i-
dade, distinguindo se em particular com a imi
tago do Sudador, a grande espada, a sereia ,
a cabida rpida o mundo asavegas, a lorca
incomprehenMvel subida herclea e os dif
ficis arrojos do prisioneiro sortes estas que
inulto devem inleressar vendo-se a graga c
.galantes maneiras com que esle joven se ahalan-
ca a urnas evolucoes tao Gustosas e diflireis e as
desempenha com una pericia bem pouco espe-
rada da sua idade.
Em cuntinuacio tere lugar o precioso ejo-
cosissimo duelo de baixo e soprano Per piaccer
a la seniora na opera do Turco em Italia ,
do grande Bossini cantado pela mencionada
Madama Emilia, e Jos dos Beis.
Concluido que seja o Joven Elstico em-
prehender o temivel equilibrio piramidal en-
tre logo artificial sorte estaque merecer a
dfiprovacau do respeiiavel auditorio tanlo
pela grande perspectiva que aprsenla como
pelo valor e presenta de espirito que se neressi
ta para a su; ;;f:;:. oxecuro
{Principiar s 8 horas da noito )
N. B. Os camarotes que reslao acho-se
venda no botequim junto ao Theatro sendo o
encarregado o Sr. Zebedeo Cezar e para e-
vitar incommodospor causa de trucos os camaro-
tes da segunda ordem dos lados seo a jOOO
ris
O director e artista Jos dos Res tendo so
em vista manifestara aprciacao que sabe fa/er
a concorrencia e applausos com que os ilflslres
habitantes desta capital o honrriio e distingui-
r o e a sua companhia na noito de 16 nao
descansa um momento em preparar diverti-
mentos do espotaculo que o recreiem nao omit-
tindo fadigas e desuezas para sustentar o lusi-
mento edignidade das variacoes que devem
ser apresentadas a um Publico tao benemrito
a quem se devem consagrar o maior respeito e
venerado.
N. B. O Theatro estar decentemente or-
nado e Iluminado.
PHILO-BRAMATICA
Avisos martimos.
1A bem conhecida barcaga Flor do Recife,
le lote de 2400, a trez mil arrobas, e com ex-
cedentes commodns para passageiros, carrega
para os portos do Sul. desde Porto Calvo at
o Rio do S Francisco ; e tamhem se reta ,
tanto para os postos do Sol e para os do Norte,
ataoCear; os pro ten den tes dirijao-se aloja
n. 2 na ra do Crespo, ou a bordo da mesma
barcada fundiada deronto do caes do Sr. Jos
Barrios de Oliveira (10)
1 Para o Rio de Janeiro seguir breve a velei-
ra sumaca Perola por ja ler parte do seu carre-
gamento prompto ; quem na mesma qui/cr
(arrogar, ou ir embarcar escravos. pode enton-
der-se com Amorim Irmao na ra da Cadeia
n 45 ^ (6)
I-Para o Cear cAcarar subir com brevidade
o velleiro hiate Telleria, e recebe frete e alj-uns
passageiros para qualquer dos sobreditos portos;
os pretendenles pdem-se entender com Henrv
Forster & C. na ra do Trapiche n. 8. (5)
manbaa no 1. andar da sua casa na nuda
Cadeia (i;j)
1 -=Por ordem, e em presenca do Sr. Cnsul
da lelga, e por conta e risco de quem perten-
cer, se far leilao, por intervenco do corrector
Oliveira do casco, mastreagao, volume, cordoa- O 1." Secretario avisa aosSrs. socios, que
Iha. amarras, ancoras e todos os mais perten- boje pelas (choras da tarde, ha sesso da
ees do brigue belga-/e/is, capilao \V A. Commissfio Administrativa,para approvacao de
ile Ryk. arribado a este porto, ondo foi legal- convidados
mente conilemnado, na sua viagem que fazia j 2 -Ollcrcre-se um rapaz de 14 annos bran-
de batava com destino a Anvers; quarta-feira c. Braslleiro pira qualquer arrumadlo de
26 do correte as 10 horas da manhaa, no lar- qualquer estabelecimento e para ra, excepto
godo Forte-do-Maltos, e junto a prenga do Sr. i venda o qual tem hom lallro de letra e iri'.ii-
Mendonca; podendo os pretendenles dirigir- to abil para um lado, quem pretender annun-
se anticipadamente a bordo do dilo drigiie "ie "'' -a -" a ra do Rosario da Boa-vis-
para seu exame no ancoradouro onde se n- *3. (7)
acha. flo^i Aluga-e o 2 andar da casa na ra lar-
ga do Rozara n. 35, com sufficientes cornmo-
dos : a lallar na loja de miudezas por baixo do
mesmo.
Quem desoja lallar a Manoel Francisco
Rodrigues, dirija-se a l'raca da Boa-vista ven-
da n 18.
- CJuem tver para vender una lerragem quo
m carrogas ,
Avisos diversos.
1= Constando ao abaixo assignado que sua
mai, a Sra. I) Maria Francisca Benedicta Tor-
res, quer bvpotbecar a parte do sitio da Var
zea
Be
a, pertcncente ao fallecido padre Joaquim seja usada, para carregar pipas e
into do Rozario Torres; o abaixo assignado, annuncie.
Lees.
m
partido que linda q tomarn'estacircumstancia.
Fnto, para irmosdireito ao que impor-
ta tornou o Bode do Valle vou contar-vos
tudo quanto ba passado desde a minba partida.
Chegando ao campo escondi-me por entre uns
arbustos deixando pastar os carneiros n'uina
var/ea cercada dearvores. Eu nao liriha mui
ta vontade do ser visto por aquello malvado
mscale a quem a minha presenca leria causado
suspeitas. O arvoredo onde eu me esconder
achava-se n'uma altura de cujo cume dominava
eu os urzes que c rcoo as. tuinas. Eu queria
conhecer o homem cuja voz ouviramos durante
o sermo. .. A proposito que tal achasles o
sermo senhor Cailos ?
\luito dom, meu amigo, muito bom....
continua o que ias dizendo.
Assim me pareceo lambem a mim. Ora,
eslava eu recordando o sermio do senhor pa-
dre quando de repente vi sabir das ruinas...,
Advinhai aposto que nao advinhais. ... Fi-
gurai-vosa minba sorpresa : era ainda quellc
malvado mscate Se para c vieres dizia eu
c com migo, se vieres maldito p-direitodo
inferno sh vieres; para ende so estou veril
com quem te meites E Dudis ficar cerlo, se
nhor Carlos tae certo como de me eu chamar
Hirn por alcunba o Bode do Valle para vos
servir que eu llie houvera mostrado due me-
Ihor sei obrar do que lallar tal e qual como
inda ba pouc> eu a tendo a honra de vol-o di-
2Por ordem, e em presenca do Sr. Cn-
sul dos Estados Unidos d'Amenca, c por conta
e risco de quem pertencer, se far leilao por
intervenco do c.orrelor Oliveira, de parte do
carregamento do briue William Thacher de-
clarado avariado pelos competentes avaliadores,
e parteemboiiMjstado.consistindo em farinba de
trino, xarutos de Havana,vinhosimargos,phos-
phoros, salame, queijos, presuntos, manteiga
de vacca, dita ce norco, e assucar refinado &c.
Tcrca-eira 25 do correnle ,'is 10 horas da ma-
nha.noarmazem do Sr. Manoel doNascimento
Pereira na ra de Apollo (12)
3O corretor Oliveira far leilao de grande
quantidade de fazendas ingle/as france/as e
suissas, consislindo em chitas, algodaosinhos ,
cassas panninbos, pannos meias, suspenso -
rios brins drancos e escuros de linho e d'algo-
dao sarjas setins, lafetas challes lapim ,
lasinha, &c.; e cligado inglez, e franco/, tanlo
pira homem. e senhora como para menino ;
linbas o outras muitas miudezas; o que tudo se
vender sem limites para liquidaco decon-
(as: sexla-feira, 21 do correnle, s 10 horas da
zer quando Perdoai estou vos impaci-
entando ; Mas vamos ao que importa !
O meu sugeitinho deoalguns passos com caute-
la dando com os olhos para todos os lados co-
mo um matreiro ; ao depois como nao visse
cousa alguma de que podesse ter receio ca-
minhou apressado e desappareceo pelo trilho
fundo e escuro que vai sabir a estiada. Fnto ,
quando julguei que ja eslava bem arredado ,
peguei na minha gaita de folio e toquei para fa-
zer sciente s ruinas que eu cstava sempre no
meu posto.
Foi s o que viste ? perguntou o fa/en-
deiro respirando com satisfaeo.
N8o senhor, nao foi isto s : muilo vos
resta ainda a saber Vamos agora ao melhor
do caso : eu passei a mor parte do dia sem ver
cousa alguma. Eolio pensei que eslivessemos
de lodo desembarrados. la o sol desappare-
cendoa poucoepoucopordelra/ do monte Sainl-
Eti'cnnc J.i eu eslava assobiando pidos
meus caes Black e Blaireau e dispondo-me
para voltar para casa quando de repente... 'J'or-
no a apostar que nao advinhais.. .. De repen-
te tornando oihar para o mosieiro ve|o
uns trinla homens engrupados nos urzes Ca
luda Black vem ca Blaireau disse eu.
E melti-me no meu arvoredo. Nao gastei pa-
ra tudo isto mais lempo do que em dizer Dotni-
nus lecum a urna pessoa que est espirando ,
o tempo de (ochar os olbos... Mas no entan-
previne que pessoa alguma faga negocio com a
dita parte do dito sitio, sem que primeiro seja
ouvido o abaixo assignado; pois que tem de
cobrar a quanlia de 200 a 300 mil ris, que o
fallecido padre deve a um Sr. negociante desta
cidade, e como al ao prsenle nao se tem fei-
lo o inventario dos bens do fallecido padre,
donde cabe a juslificagSo d.is dividas do mes-
mo, por ssr> o abaixo assignado la/, o presente
annuncio, para em qualquer lempo nao se < da
marem a ignorancia a tal respeito. Francisco
k'uzel/io de Faria. (17)
1 Do correio desta cidade foi lirada urna
carta vinda da Babia no vapor Imperador para
Domingos Alves Maldeos, a 111.. I se acha na
lista do correio com o n. 116, suppoe-se que
a pessoa que a tirn do correio foi por engao
por isso roga-se-lhe a reslilua mesmo aberta,
BOescriptorio de Manoel Joaquim Bamos e
Silva, na ra da Cruz. (8)
1 Na padaria da ra Imperial defronte do
viveirodo Muniz, precisa-sc de um forneiro;
sendo bom nao se olba a prego. (3)
1 Roga-se a Cmara Municipal da villa
do Limoeiro, que visto pagarse 200 de se-
pos, e curral queira tambem mandar concertar
o dito curral, e por em limpesa o mesmo a-
gougue, e igualmente concertar os se pos, que
so acha a maior parte detheorado. (6)
1 Aluga-se urna casa terrea na ra Bella,
n. 40 corn bons commodos para urna familia
sendo 2 salas, 4 quartos, urna dispensa, cosi
nha, quintal e carimba, a fallar na ra do Col-
legio no lerceiro andar da casa, n. 15. (5)
Quem precisar de urna ama de leilo, di-
rija-se a ra do Rangel n. 60.
Ouem annunciou querer vender 80 oitavas
de ouro, inclusive um cordao a 3,000 rs. e
180 ditas de prala a 160 rs. ; apparega as
Cinco Pona n. 45.
2 = Da-so dinheiroa premio sobre pinho
res de ouros e prala e boas firmas, os preten-
denles diri|5o-se a na Eslreita do Rozario se-
gundo andar n. 30, da casa onde mora o Sr.
Baptisla. (5)
Na ra do Pilar em Fra de Portas n. 122,
precisa-se do dous homens para trabalharem em
padaria.
Para cosinhar a bordo de qualquer navio
se olTerece um l'orluguez de 20 annos; quem
precisar annnncie por ota folba.
Frcmont, labricanle de pianos de Pariz,
roa Nova numero 2, sobrado, cuja entrada lio
pela travissa dos exposlos avisa ao respuitavcl
publico desla cidade que elle nao su afina pia-
nos poi proco muito commodo as casas onde o
bonrarem a dora que mais convieraos seus Ire-
guer.es senao que como labricanle destes ins-
trumenlos os concerta de tudo e Ibes reniedoia
qualquer defeito cu em casa de seus proprios
ilonos ou na sua ; os senhores que se quizerem
utilisar de seu prestimo pdern dirigir-se ao re-
ferido sndradoa qualquer hora do dia e espera
o annuncianle nao desmerecer nesla cidade do
conceito de que gosou por algn annos em Pa-
riz onde aprendeo e exerceo o seu ofllcio.
Adverte-se a cerla pessoa que no dia 18 do
correnle oceultou dentro de sua casa urna cabra
(bixo) com urna cria pequea, e oulra ditaj
prenhe, que as ditas cabras teeni dono, o por
isso queira lazer o ob/equio do as soltar para
bem das cabras, eprocurarem a casa de seu le-
gitimo dono e quando assim o nao laca, nao
pense que so ignora a sua morada, e ver o
seu nome por extenso e as cabras liradas por
direilo, de sua casa.
Presisa se do urna mulher capaz para ad-
ministrar o servigo de urna casa de familia e
servir de companhia, dando se-lbe o sustento ,
e roupa : quem estiver nesla circunstancia ,
procure na ra da Cadeia de Santo Antonio
n. 19.
O abaixo assignado, lendo no Diario do
hontem (19 de Junho) oannuncio para venda
de um sobrado na ra da Praia n. 43. com
quintal at a mar; o abaixo assignado declara
que Min]iianlo a venda da dita casa e seu quin-
tal al a cacimba nada lem oppor-se mas
dous alicerces, um lelheiro, urna porgo de po-
dra para o caes, e o terreno at a baixamar ;
urolesla ir havera quanlia por quanto Ihesesto
hypolliecadoseconsta da escriptura passada em
16 de Fcvereieo do correte anno de quem
quer os comprar, is'o no caso que quando
o vendedor, ou proprietario nao em bolee ao
annunciante da quanlia antesde elecluar dita
venda visto que usou de ma fcom seu credor.
Manoel Pereira Lima.
- :-\m II iip
(o os meus conservo-os bem abertos c vi os
taes trinla ou quarenta salteadores vestidos de
carmagnoles e Irazendo as suas cabeces de ca-
chorro damnado o barrete verrnelbo dos mon-
tanhezes. Juro-vos senhor ("arlos que cu
leria dado Blaireau com umita satisfarn pos-
to que Blaireau seja um cao bem honrado.. .
.Mas nem porisso Black deixa de ser um bom
bom cao.. Oh este cao lem um focinho !. .
Pois sim senhor eu creio que os leria dado
ambos desde o focinho at o rabo para po-
der sem mudar de lugar, informar-vos de
quanto eu eslava vendo. Mas eu nao posso fa
zer como S. Druon que se achava em dous
lugares difTerentes ao mesmo tempo: se eu dei-
xasse o meu redanho nao viria serafim ne-
nbum guardal-o. E de mais il isso eu que-
ria conhecer os movimentos dos iHes meus se-
nbores. He esta a vez segunda queelles pe-
netran no paiz. Elles n8o lizerao cousa boa da
primeira ve e eu por esta ainda mais receio
lenho... Tinho sua frente um homem feio,
vestido como elles de carmagnole com
pistolas cinta e urna espada nua na mao. To-
dos os outros pareciao traiai-o com respciio e
elle eslava ouvindo com ar de vivo nteresse ou- reau
J entendo rerpondeo o fazendeiro. E
ao depois que fi/ero elles ?
Puzero-se a fallar a lallar como mu-
Ibercs em vez de obrar como verdadeiros ho-
mens. I lempos a lempos, apontavo para
as ruinas finalmente como se houvessem re-
cejado serem vistos retiraro-se para o bosque
visinho do mosteiro ; (ni sem duvida para deli-
beraren mais a seu gosto. Enllo, como mui-
to nem haveis de pensar, retirei-me sem toque
de tambor nem de gaita de fole e vim contar-
vos o caso. He noite, e be tempo que o Bario
faga os seus preparativos de viagem o bomern
que os ha de vir buscar nao pode tardar em che-
gar no l.iane no seu bote, portanto... .
Pois bem, disse o fazendeiro entrando
no seu aposento.
Jorge exclamou elle, he lempo de irmos s
ruinas : o mensageiro est a chegar. Pedro !
Joao Pegai nos vossos cejados meus flhos,
acresenlou elle dirigindo-so aos seus dous li-
llios. Tu, Hirn, tambem me basdeacompanbar;
conduzirs os fugitivos al o Lianc.
Bem respondeo o Bode do Valle; tam-
bem levo iiiai !> a Blaireau.... Biatk iai-
Blaireau !
tro velhaco que Ibe eslava ao lado. Podis
advinhar ?. .. Esse nutro velhaco, digo-osem
querer oflender a vossa honrada presenga, era...
ainda sempie esse scclerado esseamaldi-
goado mscate Heim ?
Vamos adianto
eentou o fazendeiro.
noite.... A's ruinas !
, meus l I hos! acres-
Bom passo que j he
e silencio !
(Continuar-ic-ka,)
>c
^l


J
J
~
" >.

3Anda so nao offoctou 0 arrendamenlo Jo
delicioso Sttio dos Alftirtnt, costeado una das
inelhores casas de campo, que se pode imaginar
por ter 80 palmos em quadro, forrada e pin-
ta da elegantemente grande coxeira ecaval-
larice, famoso jardim, e muitasarvorcs, arren-
da-so por commodo pieco a familia que o te-
le. 8 conservo cuidadosamente, lamberme de-
soja permutar por casas terreas na cidade ou
vende-se; quein Ihe convier qualquer destes ne-
gocios dirija-se a ra nova de S. Amaro, casa
do Mesquita. (12)
3O Sr. Uraz Antonio da ("unha queira
dirigir-so a casa do Sr. Valentim Jos Corris
a negocio de seu interesse. :!
3 No Domingo 23 do correte se abre a
barca do hanhos e para que chegue ao coohe-
cimento de todas n< pessoas ,* que a quizcrem
frequentar se publicio 01 seguidles.
Estatuios.
1. S poderao entrar na barca pessoas vesti-
das com tragos decentes; e como ella bo tam-
bom destinada para banhos de senhoras, be ab-
solutamente prohibido faxor uso de oxpressoes
que possio ofbjnder a moral publica sob pe-
na iie ser mandado sabir pelo guar la aquello ,
que se nao comportar como cavalbeiro.
2 O proco de cada banlio be 10 ris. Os
accionistas e as pessoas de suas lamilias paga-
rao s melado Oucrendo usar .las lualbas da
barca pagarSo por cada urna 80 ris: advir-
tindo(|uo sempre se darao lavadas e engoin-
madas.
3. Por familias dos Accionistas se entende
as pessoas nao assalariadns que com el les mo-
rarem em casa.
4. A nenhum bomem be permetlido entrar
no lado da barca aonde esto os banlieiros pa-
ra as senhora> ; bem como su homens poderao
banbar se, nosbanbeiros para ellos destina-
dos.
N. 15. No dia em que a barca (car conclui-
da serio publicados os oomes dos accionistas,
para que o publico aprecio as pesoas que se
(lignario concorrer para a existencia de um es-
tabelecimento, que tao preciso se la/.ia ein Per
nambuco. (32)
2 POZ ANTI-EPILE'IICOS.
Preparados segundo Mr Le Cont Duplessix
Paricau : de todas as molestias que allligem
a especie humana a mala rebelde be sem
conlradicao a cpilepzia vulgarmente conheci-
os lempos lia sido o esclito da m.dicina, que
anda Ibe nao podo adiar o menor unitivo. Faz
pois runde servico a bumanidade, aquello que
lile otTereoer para combater molestia tao cruel,
um remedio, queconta ja em seu abono n-
meros resultados lelizes nao B a Europa ,
como aqui em I* rnambuco. Este medicamen-
to extraordinario acaba de ebegar de novo de
Franca e o seu nico deposito be na ra lar-
ga do Horario botica do artbolomeo^' Ha-
mos. (iT)
2 Da-te 50/rs. a premio sobre penhores
do ouro, ou praia ; na ra larga do Hozario n.
19, assim como a pessoa, que annunciou pre-
cisar de &ti/f rs. sobre um escravo pedreiro,
dirija-se a mesilla casa. (5
2-Aluga-se urna casa terrea na ra do Sebo,
a segunda do lado osquerdo ao sabir da praca
da S. Cruz, com bom quintal e cacimba ; a
tratar com Joaquim Lopes de Almeida caixei-
rodo Joo Matbeos. (5)
2 Fazem-se bolos de S. Joao multo bem
eito? ; en; Ollnda nos QuBtro cantos sobra
dinho n. 18. (3)
2 Aluga-se a loja da esquina da ra do
Hospicio propria para venda, ou outro qual-
quer estabelecimento ; a fallar no sobrado da
iiiesma. [\
2 Para as partes de Iebiribe lia > dias ap-
pareceo urna vacca parida o como em todos
osles dias nao tenba apparecido quem a pro-
cure ; quem for seu dono dando todos os sig-
naes curtos ser procurado para Ihe ser en-
tregue, (fi)
A pessoa, que annunciou ter uns cordes
de ouro para vender dirija-se a esta Typo-
graphia.
Anda em praca pelo Juizo da segunda va-
ra do Civel escrivio Magalhacs, urna morada
de casa terrea depedra e cal, quintal murado,
com cacimba de boa agoa na ra dea. Miguel
n. 94, nos Affogados, por execuyao de.Manoel
Antonio da Silva Molla, contra Joanna lian-
deira viuva de Paulo Ventura I inheiro.
Aluga-se, ou vende-se urna canoa de 1200
lijlos do alvenaria grossa com pouco uso ,
e muilu bem fabricada tambem se vendo a
troco de lijlos do alvenaria ; a tratar com Ma-
ri oe I Firmirio Ferreira.
1 IfaOOOl Valentirn da Silva avisa a quem
convier que contina a recibir alumnos para
a sua aula de lalim, na ra da Alegra na Hoa-
vista casa envidrucada n. 49, e que preferi-
do (afiar s du o! para o bsirrn nio logo que livor um sobrado a seu commo-
do. 6)
ISaimundo Carlos Leite comprou por con-
l.i do Sr. Francisco Jos da Costa do Ico, 2
nieios buhlos da lerceira e quarla parte da se-
gunda lotera da matriz da Boa-visla de ns.
20l,el85.
t-Jos Joaquim Esteres Pereira nao he I Rio de Janoiro pedras de marmore redondo,
m*l i I .___I I.. ...niLi Iwvrn mais caixeiro do botequim da Estrella, desde
0 dia 15 do corronle. (3
1-- No botequim da Estrella ainda se preci-
sa de um bom cosinheiro. (2
Os procuradores da festa de S. Joao da
1 reja de N. S. do Terco fazein sciento a lodos
<>s Sis. que coadjuvao com suas esmolas para
B mesma festa que por cortos incovenienles
nao pode ser a (osla em seu da proprio e por
.so flea transferida para o dia 30 do crrente.
Roga-se ao Sr. Manoel Antonio de Figuci-
redo, que queira annunciar a sua morada pa-
ra negocio de seu interesse.
IParlarlo no dia 18 do co.rente um relo-
aio Imrisonlal, com caixa de prata um lanto
arnarrotada e com um transelim de retroi ;
roga-se a quem for offorecido o favor de o to-
mar e levar a ra da Cadeia do Hecifo n. 5 ,
primeiro andar que ser generosamente re-
compensado. (7
Francisco Sevorianno Habello avisa aos
Srs. seus assiiznantes do jornal Panorama, quo
os mezes de Fevereiro Marco e Abril se acho
no seu escriptorio.
4 \luga-se um grande sitio na campia
da Casa-fortfl com casa recem-edlflcada com
um bello copiar na frente ptimo comino-
dos, cosinba fra, cocheira, e estribara, mui-
tos arvoredos de fruto e campo para qual-
quer plantaco o para capirn aluga-se men-
al ou animalmente ; na ra do Aniorirn n.
15, ou na estrada do Cordeiro silio do Nuno
Mara do Saltas. 9
I Na padaria do largo das Cinco-pontas ,
precisa-se de urna pessoa que venda pao fra,
eque tenba freguezia d-sebom ordenado. 3]
I Precisase de urna Portugueza de idaie,
para o servico de una casa de pouca (amilia ;
na ra eslreita do Hozario loja do sobrado
n. 32. '*)
1 Na ra Direita sobrado de um andar n.
33 ao p de dous de varandas douradas se
faiern bolos, de di rieren tes massas e feltioi ,
mui bem leitos e enfullados com capella de
alfnim econfeitos.com a maior perfeica; e
tambem se fazem bolinhos para cha com ban-
deijns enleitadas com ramos, flores de alllnim
e figuras ludo por preco commodo. 8;
1_ Os Srs. Francisco Jos da Silva Pereira ,
Antonio Ignacio Cavalcanti de Albuqmrque ,
Hernardo Jos da Costa, Francisco Jorge da Cu-
nhaMascarenhas Josda Silva Monteiro, V-
renle Ferreira de Harros Joao Duarte Nunes
Jnior Francisco Goncalve de Araujo Fran-
cisco Pereia de Mello Manoel Jos de Barros,
Marmol ila Costa Pereira queiro dirigir-se a
ra do Cabug loja* do Pereira uedos a
negocio, que Ibes diz respeilo. [\0
Quem annunciou querer vender SO oita-
vasdeouro e280ditas de prata, dirija-se a
ra do Torres n. 18, das 7 horas da manha
ao mein dia
I Furtraoum marco de 4 libras incom-
pleto fultando-lhe a libia e as duas oncas, le-
vando os mais pesos ; roga-se a pessoa a quem
for (Trocido de o lomar, e levara ra eslreita
do Hozario botica de Joo Pereira da Silveira ,
esejo tiver comprado, querendo restituir,
se Ihe dar o valor por quanto o comprou, e se
Iheficar agiadecido visto a falta que o nies-
mo faz. (9
Constando aoabaixo assignado, que Ha-
noel do Nascimento dos Santos so intitula seu
caixeiro em qualquer casa quo vai ver es-
clavos o abaixo assignado faz ver, que esse
moco foi seu caixeiro um s mez, e islo ha mais
de uminni), por isso que se nao responsubilisa
por nada a respoito. Manoel Jos Vianna.
m < .. > n ,
G Compra-se eflectivamente nesla Typogra
f lila loda a qualidade de pannos cortados ou
velaos, de linho e algodao toda a especie
de fibra linhe/.a, algodao, de refugo em ra-
ma, papel e papelac velho. (5)
6 Compra-se urna, ou duas redes do Para
ou Maranhao sendo superiores ; na ra do
Torres n 18. i3)
1_ Compra-se um cavallo de eiti baria, que
soja solrivel e por preco commodo ; no largo
do Liviamennto, armasen) do louca e molha-
dos n. '20 (?)
Compro-s olToctivamenle para fra da
provincia inulalinbas crioulas, c mais escra-
vos, de 13 a 20 annos pago-se bem sendo
bonitos; na ra larga do Hozario n. 30 pri-
meiro andar.
leudas
Vendem-se acasos da fortuna ou livro de
sortes divertidas, em que, por virtude de dous
dados, vern cada um noconhecimeoto do es-
tado riquezas herancas, amisades, fortunas,
&C que ter o oufras muitas, egalantes sor-
tes annunciadas no piincipio da mesma obra.
liiiimM impresslo expurgada dos muilos erros.
e deferios das precedentes. Augmentada com
um noto niethodo de fazer mais de mil dcimas
nicamente com o Irabalbo de lancar os dous
dados. Um tratado das sinas ou dosefTeitos,
c prognostico dos d ize signos do anno : na pra-
ca da Independencia, livraria ns. 0 c 8.
k Vende se Jacaranda superior chegado do
para mezas de meio de sala, de muito bom gos-
to ditas para commodas caderras america-
nas com assento de palbinha camas de vento
com armacao, marquezas so fas mezas de
jantar camas de vento mui bem feitas a 4500,
ditas de pinho a 3500, assim como outros miji-
tos trastes ; pinho da Suecia com 3 pollegadas
de grossura dito serrado f dito americano de
diflerentes larguras e comprimentos ; assim
como travs de pinho, e barrotes ; na ra de
Florentina em casa de J. Heranger. (13)
r> Vendem-se sellins inglezes e (rancezes,
cabecadas rolicas, ditas de couro de lustro,
brancas e pretas bridas de todas as qualida
des estribos de metal branco esporas de di-
to e de latSo sapatos de bezerro francez com
palla para homern, sapatos de marroquim .
couro de lustro pretos e decores e de setim ,
ditos de marroquim para meninas, tallos, ca-
nanas, barretinas para Offlciaes e soldados, cor-
reames de couro de lustro, baodas de seda e
laa oleados pintados para capas de mesas ,
couro de luslro para sapatos por prpen commo-
do ; na ra Nova loja n. 5 do Braga Sil-
va. ')
3_ Vende-se farinha de mandioca de boa
qualidade a bordo da sumaca Tres IrmSos .
Tundeada defronte da escadinha do Collegio ', e
em suecas nos rmaseos de Dias Ferreira An-
tonio Annes, e Guimarles na escadinha da
Alfandega. .(c)
2Vende-se 1 pardo bom official e pedreiro,
de 22 annos de boa figura o de bom com-
porlamento ; na ra eslreita do Rozario n. 10,
lerceiro andar, todos os dias das 10 horas da
manha em diante. ()
2 Vendem-se muito boas (hesouras de
Hamburgopara alfaiale e chapeleiro e urna
para ourives ou latueiro ; na ra Direita
n. 123. '*
2Vende-se muito boas bichas chegadas l-
timamente de Hamburgo tanto grandes como
pequeas, tambem se altmao e se v8o ap-
plicar para mais commodidade dos pretenden-
tes; na run Direita, loja de barbeiro n. 123 (5)
2Vendem-se sementes do hortalica e ces-
tos para meninos aprenderem a andar, e telhas
de vidro ; na ra da Cruz n. 68. '3)
2Vendem-se duas varandas de ferro, comprl-
das, urna porcao do pedras de marmore, ex-
cellente para ladrilho h pedras do sacadas e
Ia7 duzias de taboas de louro para assoalho ,
j preparadas ; na esquina da ra larga do Ho-
zario no sobrado que se est concertando. (6;
2 Vende-se o muito velleiro brigue-escu-
na americano Combland forrado e encavi-
Ihado de cobre promptn a segok vlagem para
qualquer parte ; a tratar cornos seus consigna-
tai ios Malheus Austins $(' Companhia na ra
do Trapiche-novo n. 3G.' (fi.
Vende-se um cavallo mellado carregador
baixo e passeiro proprio para senhora ou
menino por ser muito manco ; na ra larga
do Hozario venda n. 50.
IVende-se urna propriedade de dous an-
dares e dous grandes sotSos, o mui bem
construida e feita a moderna sita na ra da
Moeda n. 0 ; a tratar na ra da Cadeia do Ho-
cifo n. Si, primeiro andar .'5;
Contina-so a vender todas as qualidades
de perfumarlas no novo deposito da praca da
Independencia n. 35 bem como as sublimes
agoas de Colonia com os aromas rosa ambre,
alrniscar, flor de laranja pelo barato preco de
l.iiio rs. a garrafa da de rosa dita almisca-
rda e de flor de laranja a 1800 rs. dita de am-
bre a 2000 rs. e em frascos lisos e lavrados
das me.siiias qualidades a 240, 520, 400 e 480
rs. dila da rainha das flores, e princes 400 ,
580, 6'iQ SO", 11100 rs. nsseno.ia de Portugal
com o aroma muito activo para perfumar roupa
e aceiar os cbelos a 800 rs. o Irasco, vidri-
nhos com espiritos de rosa, ambre, vilete, bau-
nili'a, laranja e mil flores a 1f>0 rs. agoa da
China paru tirar toda a qualidade de nodoas, e
sebo do golas a 480 rs. agoa de Lavande a
430 rs a garralinha e meias garrafas a 000 rs. ,
dita superior com ambre a 800 rs. o frasco,
macass perola a 320 rs. banha franceza para
o cabello a 200 rs. o boiao, dita superior a 480
rs. dita em rico- vasos de porcelana a 1280 rs.,
sabonetes a 100 e 160 rs. e superiores a 320
rs. pomada virginal para extinguiros piolhos
a 400 rs. bandolim de Venus para estirar ca-
bello encarapinhado, a 480 rs, o Irasco, pos
para denles u 200 rs. a caixa .paos de poma-
da para ocabeiiocom os aromas de ambre,
flor de laranja violeto rosa, mil flores ver-
gamota e junquilha a 160is. graxa de lus-
tro ingleza de n 97 a 140 rs. e oulras mui-
tas perfumaras,deque ns consumidores adiarn
sempre um completo sortimenlo por preco mais
barato, duque em todas as mais partes.
Vendem-se dous tal los, que vendom todos
os dias dous bots, na ra larga do Hozario ; a
fallar na ra Nova n. 63
1 Vende-se um melecote de Angola ; na
ra Nova n. 44, segundo andar. (2,
1 Vendem-se dous cavallos bons ; na ra
larga do Hozario, botequim n. 27. 2
1 Vende-so o resto das Vo-rdadeiras e supe-
riores pornlas da India muito iguaes tanto
no tamanho, como na cor e mullo em conla
por ter de retirar-se para a Europa o dono; na
ra da Cadeia do Hecife loja de cambio d<>
Vieira n. 24. (6
Vende-se urna grande porcao decalungas,
brinquedos de meninos, e enfeiles para cima de
mesas de sala, tudo por preco muito commo-
do ; na ra das Cruzcs, loja do pintor e vi-
4rftt*/>lrfl
__Vende-se urna canoa de am.irello nova ,
mui bern construida que carrega 2200 a 3000
lijlos de alvenaria grossa ou aluga-se fa-
zendose todo o negocio ; na ruada Praia, ven-
da n. 27.
Vende-se um bonito escravo acostumado
ao campo sabe tratar de toda a qualidade de
anirnaes ; um lindo mulatinho do 14 annos ;
dous moloques e duas escravas para todo o
servico ; urna parda de 30 annos, boa cosinhei-
ra, engommadeira, e costureira; urna dita mu-
cama recolhida ; na praca da Boa-vista n. 19.
1Vende-se urna barretina um bon ,e
urna espada para guarda nacional do esqua-
d'o tudo ern bom uso ; na ra da Cadeia-
velha, loja n. 60. ')
Vende-se urna negra de naco de 18 an-
nos engomma cose, e nao tern vicios ; na
ra do Fagundes n. 24.
lVendem-se 3 escravos de naci com bo-
nitas figuras bons trabajadores de enxada -T
dous moloques de naco de 10 annos ; duas
escravas boas lavadeiras e de bonitas figuras;
urna dila boa quitandeira por preco commo-
do ; um mulato ptimo para sitio, ou enge-
nho por ter bastante pratica ; na ra Direita
n. 3. 8)
-- Vende-se urna commoda antiga em bom
uso ; na ra do Sebo n. 22.
Vende-se urna canoa nova de carga de
mil lijlos ; na ra da Palma, do lado esquer-
do primeira casa.
Vende-se um negro pescador de rede ,
muito sodio, e sem vicios vende-se porpre-
cisao ; nu ra Direita n. 84.
Vendem-se 3 apolices da divida publica ,
por metade de seu valor ; na loja da esquina da
ra do Crespo que vira para o Queimado ; as
apolices sao de iuos rs. cada urna
Vende-se um cavallo atarlo, carregador
baixo, proprio para senhora por preco com-
modo ; na ra larga do Hozario n. 50.
1_ Vendem-se algumas casas terreas, cada
urna com quintal em chaos propiios, defron-
to de S.Jos do Manguind ; a tratar no sitio
junto as mesmas casas, que tem portao de ferro.
Vende-se urn terreno com 30 palmos de
frente o duzentosde fundo na ra da Praia
atraz de S. Hita o qual j est estaqueado o
enlabondo com grande porcao de alte ro por
isso quo se est atterrando ; na ra do Quei-
mado n. 43.
Vende-se urna escrava crioula de 25 an-
nos, bonita figura, engomma,cose, faz lava-
rinto cosinba, e lava ; urna dita do 18 armo.",
engomma, cose, cosinha, e lava ; urna dita de
naco Angola, com as mesmas habilidades;
um mulatinho de (5 annos, proprio pffra se
educar ; na ra das Cruzcs n. 41, segundo an-
dar.
1_ Vende-se grande sortimenlo do ricos cha-
les de laa e seda bamburguezes e inglezes a>
3, 4, e 6 rs. cada um cortes de cambraia ft
do cassa suissas com flores e de chadroz ; es-
tas a 4/rs. e aquellas a 5500 rs. ; na ra do-
Cabug; lojas do Pereira # Guedes. .'6)
Vondem-se 3 escravos bons para todo o
trabalho ; um molequodo 18 annos, bom para
todo o servico ; 2 ditos de 12 annos muito la-
dinos ; urna preta lavadeira e vendedeira de
ra com urna filhade 8 annos, muito linda
crioulinba ; duas ditas quccosinba lava
e fazem todo o servico de urna casa ; um preto
demeaidade, por 250,000 rs. bou) canoei-
ro e trata bem de urn sitio vacuas, t; tira
leilc ; um pequeo sitio na Varst a com uai
de vivenda estribarla para 2 cavallos, o arv-
res do fruto ou hypotheca-se por 300,000 rs. ;
na ra larga do Ro/ario n. 48.
Vendem-se diccionario grego e fraricez e
alguns clasicos gregos ; na praca da Indepen-
dencia, livraria ns. 5 e 8.
Escravos fgidos
3 Fugioopardo Miguel, official de mar-
cineiro claro alto, corpo regular som bar-
ba, de 27 annos tem o costumo de apertar um
olho quatido falla ou olha falla Ihe denles
nfrenle do lado superior; tem costuras no
pescoco provenientes de glndulas, ou alpor-
cas e um escroto crescido, ps grandes e cha-
lo usa algumas vezes de sapatos ; quem o
pegar, leve a casa de Goncalo Jos da Costa e
Si na ra da Madre de Dos n. I, por cima da
botica ingleza, quo sera bem recompensado. (1 i)
Desapparecoo no dia primeiro de Maio ,
vindo de Bebiribe para esta cidade um moleque
do norne Antonio de naco Cacange do t
annos, lovou camisa e calcas do algodao tran-
cado azul costurna andar com urna concia
amarrada na cintura tem urna pequea co-
ra na cabeca em rasaode carrejar canecos de
agoa nlhos alomara.los rosto redondo o
beico inferior grosso, ps seceos, tern por todo
corpo hu tue jas que parecem sainas, mullo
ladino no fallar ; roga-so as autoridades poli-
ciaes, capites de campo o pessoas particu-
lares que delle liverem noticias de o appre-
henderem elaval-nno Hecifo. loia de louca
aira' do Corpo Sanio de Antonio Dias Souto ,
ou no Atterro-da-Boa-vista loja do louca o.
I, que sei generosamente gratificado.
ItRCira tf\ Ttp. r M. F. nn Fa:su. 18V*
i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EN5TJQMTF_BLE9F9 INGEST_TIME 2013-04-12T23:32:40Z PACKAGE AA00011611_05104
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES