Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05103


This item is only available as the following downloads:


Full Text
V H
F "S'\J
A.
Anno de 1844.
Quinta Fera 20
O DlABfOouhlica-se lodosos das que nSo forem nantifinaHos : opreco da imgrlltarl
he s inniiiiriin lo. assiRnante* o inseridos
gratia, e os don que nao focem i raiao de 80 res por linba As reclamacoea derem eci liri-
gidaa ata lyu ra das Crutes n i mi praga da Independencia luja de lirruan fi e 8
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
GolANNa.c i'arahvba, segundas aextaa feras. Kio Grande do Norle. chega a S e2i c par
telOeJi Cabo, Serinliaem Rio t'ormvso Macer, Pono Cabo, e Alagoas: no 4 -
lie J I derada mci. Garanliuns e Bimilo a lU e J I le caria .....i Ma-TMU e Ploi
esa Lio >> Hilo. tJidade da Victoria quimas feiras. Olinda (odas os diaa
DAS da semana.
17 Sag *. '1 faceta. Aud. do J. de l). da '2. .
4S Terea ,. Leoncio Re. aud do.l. de I) da 3..
4'J Quarla i Juliana. Aud do J. de D. da i. r.
Jl. Ouintii. Slrerio Aud do J de II da 2. y
H Sella s Albano. Aud do J de 1) da'J. v.
il Sab a Paulino. Re. aud. do J. d D da i.t.
2 i l)oui s. Jlo sacerdote
i. >-' "aun .__ ijaBasm^xtrfEsaammmsaamsammmi9tmKaK!t''3v;i.
77
de Jim lio
Anno XX. LV. 138.
y Tildo a;ors dep.n,|e de nos rnesmo*: da natal prudencia, irnderarjif *neria: ooa-
y/ii t^ Unuemoi como principiamos r> aeremal apontadoa coia admira |o sntre as naques mus
-\' H. iiilias. (Proclamaba da Asaaaabla Oral di. iran.)
renda
r*"-T T^'taWlTanffliaaWlll

W/H impos so !>U V.l lip. Illll, rompra renda
l\K CaubioitobraLoBare 95. I Our.-Moedi de 0,400 V. 47,30(1 17,500
.'(*, Paria 870 re* por Crneo I i N. -.7.-1 oo 17,300
a Lisboa 112 por 100 de premio 1 de 4,00.> 9,400 9.6-0
| Prate--Paucdes .960 980
roedade cobre ao par PlOe coluanoeree 1,9*11 1 .' '"<'
Idam de letras da bou firo-aa la |i 0(0 I l'ifcie meair-moa l.'.fiO t,9l0
PHASES DA LA NO HEZ DEJITNHO.
La obela a SO as S boraa e Mi min da manhl. I Lunol a 15 as lOboraa efi min da t.nle
MiBRUinle a 7 as 6 boras e 8 min da lar.lp I desente a 23 as I h e Ti m da Urde.
Preamar de hoje.
I'rimeir >. S horas :0 min da manbtla. | SeKuii,!a as S horas e \ minutos da larde
\mJBKKBKBUKi3BBnSMfuat*-*- ------~-r- ,r -n Traiamnitiiiiiiina
DIARIO
i inm .tejatragaasaag
KBTT, PERHAM
'"-'c_:i- ._ -..:: .


IRTE aSTiCIAL.
DECRETO N. 357 DE 27 DE ABRIL
.. DE 1844,
ftgulando a extractan das loteras em lodo o
Imperio.
Attendendo aos inconvenientes e qneixas que
se tem manifestado contra a rnancira porque em
alguns pontos do Imperio se extrahem as lote-
ras concedidas pelas leis geraes e provinciaes,
ca necessidiide de regular por urna rnamira u-
n i forme a extraern das mesmas loteras em to
do o Imperio, alim de nao se desacreditar ene
moiO de favorecer os eslahelet itnentos olis com
augmento da renda pulilics: kui por liem, du-
poisde ter ouvido o conselho de estado, n.an-
darque se exenute o seguinte regulamento:
CAPITULO I.I tos enrarregados da exlrac-
pflo das loteras.
Artigo 1. A' exlracco das loterias presidir
a autoridade judiciaria ou policial que o gover-
no na corte, e os Presidentes as provincias de-
signarem; sendo seus substitutos, no caso de
impedimento, aquellesque legitimamenle o de
verein ser
Arl. 2. HaverumThesoureiroque ser pro-
posto pelo concessionario da lotera ou loteras,
na corte ao Ministroe Secretario de Estado dos
Negocios da Faxendo, e as provincias aos res-
pectivos Presidentes.
O Ihesoureiro vencertw por centos, ou a
quantia que convencionar como concessionario,
na inteligencia de que tem de tazar todas as
despezas com o material e pessoal da extraccao
da lotera.
Art 3. Haver pelo menos urn escrivao da
lotera e dous ajudanles, quatro pulilcadorcs,
dous enliadores. e dous meninos ou meninas
menores de \\ annos, cujas funecoes vao adian-
te declaradas.
Todos estes empregados, assim como os que
liouverem de suhsttuil-os nos seus impedimen-
tos, sio da livre nomeacao e demissao do Tlie-
ourero.
Art. 4. As loterias sero extrahidas em salas
espacosas e claras dos eslabeleciinentos pblicos
ou em casas particulares, onde melhor convier
para a rcgulardade e seguranca desta operaco,
escolha o sol a responsaliilidade do Thesou-
rero A casa nao ser habitada por pessoa al
guma durante o tempo da extraccao, e devora o
Presidente levar comsigo a chave delia todos os
das, at que se ultime, e providenciar a sua
guarda com sentinella durante a noute.
rt. 5. Havera dual rodas ou urnas, umi pa-
ra os nmeros e outra para os premios, as quaes
seriio as mais |ierleitas possivel e sem a menor
fenda, t|uando anda nao baja as de vidro, e le-
ra cada urna duas chaves dilTerentrs, de sorle
que nao possa ser aborta sem o concurso de am-
bas
Art. 6. Haver igualmente na sala da ex-
traccao un cofre forte, anda que seja de madei-
ra, no qual se guardar o as rodas com duas di
ferentea chaves, sem cojo concurso nao jiossa ser
borlo.
Art. 7. Ao Presidente compete:
1. Fiscalsar se na extraccao das loterias
be observado quanto neste regulamento vaidis-
poslo.
2 Fazer mantera nrdem na sala da ex-
tractad procedendo contra os que a transgred-
rem, na forma do % do artigo 46 do cdigo
do protesto crimino!.
L Ter em seu poder durante a extraccao
das loterias, urna das duas chaves de cana roda,
c outra dasduas do cofre em que ellas devem ser
guardadas de um para outro dia.
4. Decidir todas as questoes o duvidas que
S" SUSC'taraii *olir* a< lolirinc nn aotn ij ms
extraccao
5. Condemnarsummariamente, eno mes-
mo acto ao Ihesoureiro as mulls em quo in-
correr na forma deste regulamento, mandando
lavrar termo de sua deciso, assgnado por duas
testemunhas.
Desta deciso haver recurso saspensivo, naj
'orle para o Ministro e Secretario de Estado dos
Negocios da Faxenda, e as provincias para os
respectivos Presidentes
O Presidente da lotera remetiera certidao dn
termo aobredito, na corte ao thesouro publico,
nas provincias as respectivus lliesouranas (ge
raesou provinciaes segundo a lotera bV gertl
ou provincial), e a mandara passar a qtiem re
querer Por esta certidao se proceder a ce-
branca ibis mulls.
CAPITULO II. Peurtnda* dos bilheles d lote tai.
Art. S. O Ihesoureiro tas loterias nao po-
der annunciar a venda dosbilbetes antes de ser
competentemente approvado e de prestar (ianfa
idnea pelos dinbeiros que liouverem de parar
em 'cu poder, a contento do Ministro da Fazen
da na corte, e das respectivas Thesourarias nas
provincias; nem podera cometar a extraccao no-
tes de havor pago os impostos do sello, e de 8
por cento sobre o capital o premios, conforme
as leis de 11 de Outubro de 1837 c 21 de Ou-
tubro de 1843.
Art. 9 O Thesoureiro marcar o dia para a
extracc8o da lotera, communicando-o imme-
diatamente autoridade a quem competir a pre-
sidencia de sua extraccao, e nao o poden mu-
dar seno por motivo que este julgar extraordi-
nario e justo, pena de 8 por cento do que Ihe
pertencerou bou ver de pertencer pela sua res-
ponsabilidade, adminislrucao e despezas da lo-
tera, com tanto que nao excedao a 200 rs.
Art. 10. A extraccao da lotera principiar
impretervelmente s 8 horas da manha, e no
rnesmo dia seriio pelo menos extrahidos todos os
papclinhos dos premios e dos nmeros que Ibes
corresponderem.
Art. 11. Quando o Thesoureros nao adop
tem mitras precauces contra as falsilicacoes dos
bilhetes, dever. estes ser eslampados e assigna-
dos de chancella pelo Thesoureiro. sendo a nu-
meracao a ruis perleta possivel, de lrma que
nao possa haver a menor duvida em qualquer
dosalgarismo da dita numeracao.
Art. 12. s bilheles sero cncadernados em
lvros aos centos, e nestes livros ficar os taloes
competentes, donde sero cortados para se con-
ferir pelos cortes a exactido da numeracao 11-
cando no resto do lalo o numero igual ao do
bilhete para a conferencia. Os bilhetes premia
dos sero guardados para qualquer conferencia
quevenhaaser necessaria.
Art. i3 Se fr emitlido maisde um bobe-
ta do rnesmo numero, e este premiado, o The
soureiro ser abrigado a pagar todos que Ihe fo-
rem apresentados.
Qando saio brancos os nmeros de que se t-
ver emitlido mais de um bilhete, o Thesoureiro
ser obrigado a pagar ao portador urna quantia
cinco ve/es maior do que o menor premio, por
cada bilhete que Ihe for apresentado
CAPITULO lll />a extracto das oleras.
ArL 14. OThesoureiro. ou quem Idr prr
elle autorisado, ten ausento a es(|uenta do Pr-
ndente, e dirigir o trabalho da extraccao, fa
7endo cumprir (ior s(!us empregados as ordens
e exigencias do rnesmo que nao forem judicia-
rias ou policiaes.
*rt 15 No primeiro dia da extraccao, e an-
tes do principio dostn apresenlar-se-bo na me-
sa os papclinhos dos nmeros e dos premios que
tem de ser recolhidos as rodas, em urna grande
toalha, que dever estar abertasobre ella, inlro-
du/ndo-se primeiro aquelles e depois estes.
Art. It. Os papclinhos dos nmeros sero de
cAra/ul, enrolados, atados todos-com linha en-
carnada, e emmassados aos centos. O Presiden-
te poder fazer contar pelo escrivao das loterias
os pnpelinhos do um ou maisdesses massos, com
a maior publicidade possivel.
~- P*P..............- I........
enrolados e atados, pelo Escrivao, um a um,
na mesa, e o Presidente mandar cortara linha,
e desenrolar um ou dous dos papclinhos de ca-
da premio, o mostral-os ao publico.
Os dos premios de um cont de reis inclusi-
ve at o grande, se aprese-Mar; o na mesa ainda
(>or enrolar, e ah na presenca do Presidente
ser cada um delles mostrado pelo Escrivao ao
publico, de maneira que todos posso Ifl-os, e
depois de enrolados sero pelo rnesmo atados, e
misturados, sero laucados na roda, menos o
do premio grande, quesera porsi s.
Art. 18 O Thesoureiro podera assignar, ou
smente rubricar, todos ou a maior parto dos
papclinhos dos premios, como Ihe approuver.
Arl. l). Antes de langados nas rodas, sero
os pepelinhos dos nmeros, e depois destes os
dos premios, desembrulhados dos massos, ni's-
turados pelo Escrivao (na toalba que deve estar
sobre a mesa) por espaco de alguns minutos, e
nenhuma tirada principiar sem que a roda to-
nba sido movida pelos meninos por espaco de
dous ou tres minutos,
Art. 20. (guando cahir ta rnao de um dos
meninos algum papclinho de numero ou pre-
mio, ou qualquer delles tirar da roda maisde
um, sero outra ve/, lanzados na respectiva ro-
da, fchando-se ambas, e movendo-se por es-
paco de alguns minutos, para depois continuar
a extraccao.
Art. 21. Na urna dos premios nao baver
se nao os papclinhos que os conliverem, aboli-
do o eslylo de igualar com papclinhos brancos
os desta roda ao da roda dos nmeros, e serlo
todos extrahidos em um dia at o sol posto.
Art. 22. (guando nao posso ser extrahidos
lodosos papclinhos dos nmeros no rnesmo dia
em que o forem os dos premios, continuar sua
extraccao al se concluir nos (lias seguintes, nao
sendo Domingos, das santos de guarda e de
lestividade nacional, o a hora que o Presidente
marcar.
Art. 23. (guando a extraccao se nao con-
cluir em um dia, sero fechadas as rodas com as
duas chaves, das quaes tomar urna o Presiden-
te e outra o Thesoureiro ou quem for por este
autorisado, pondo-se na frente da (echadura
urna folha de papel com as h'rmasde ambos, la-
cradas nas quatro pontas com dous diHerentes
sineles, guardando-se immediatamente as rodas
n i cofre forte, do qual o Presidente tomar una
chave e outra o Thesoureiro ou quem por elle
r autorisado.
ArL 24. >e, concluida a extraccao dos n-
meros premiados, e antes de tirado o primeiro
papclinho dos nmeros a que se devera proceder
na forma do art. 22, se reconhecer a falta de
um ou mais premios, o Thesoureiro ser obri-
nor premio que podero ter cada um desses n-
meros.
Art. 29. O Escrivao lar em um quaderno
de pape] riscado o lancamento dos nmeros na
mesma ordein em que se frem extrahindo das
rodas: cada lauda doste quaderno ten cincoen-
la riscos, para que possa veriliear-se com rapi-
dez o numero de papclinhos que se tem exlrabi-
do. Modelo n. 1 .
Art. 30. Os dous ajudantes tero cada um
tuna lista feita em ordein numrica desde o nu-
mero um at o ultimo da lotera, com cifroes
adianto de cada numero, os quaes sero cheios
com os premios que sahirem aos nmeros res-
pectivos, ou quando brancos, cortados. Mode-
lo n. 2.
Art. 31. Tirado um numero de papclinhos,
que nunca exceder a qu a trocen tos, e sempru
acabar columna na lista do quaderno do Escri-
vao este com um dos ajudantes, interrompida
a extraccao, conlirir pela andadura dos nme-
ros a lista, lendo-a um dos ajudantes, e corr
gindo logo qualquer engao que se tivesse eotn-
meltido.
Linda essa conferencia o Escrivao tomar a
nliadura dos premios, ecom o outro ajudante
venlcar como tica dito se est exacto o lan-
camento dos meamos, corrigindo logo qual-
quer engao que se tivesse commettido no lan-
car dos premios. A conferencia dos premios
S tem lugar ernquanto se estiverem extrahindo:
Art. 32 Dos. quatro publicadores cstaro
dous juntos a cada urna das rodas, um immcdia-
lo ao menino ou menina que tirar os papcli-
nhos, e mitro unto ao cofiador, e lodos folla-
dos para o publico.
Aos signaes de martello, dados pelo Thesou-
reiro, os meninos exlrahiro da roda o entrega-
rao aos publicadores que Ibes (icio immediatos
aos papelinhos com os nmeros e premios: estes,
cortando as linhas com que devem estar atados ,
publicarais uns e outros em voz alta e bem in-
telligivel, passando-os logo aos outros dous,
que Ibes devem licor prximos, que praticarao
o rnesmo, moslrando-os ao publico sempreque
o premio passar de lOOj rs. e entregando-os
i ni mediata meo te aos enliadores, que depois do
os mostrarem ao Escrivao e ajudante, os enfia-
ro em urna linha grossa na mesma ordein em
que tiverem sabido.
Sendo os premios de 1:000,y rs., ou maioies,
os publicadores que os repetirem, so demorar
por mais dn um minuto em azer verao publico
o numero e premio, de rnaneira que este verifi-
que se houvc exactido no que foi publicado,
CAPITULO IV. Pisposfes diversas.
Art. 33. At vinte dias depois do em que se
llimar a exlracco das loterias principiar a
gado a entrar para o thesouro publico com o; pagar o thesoureiro os premios, pena de que ,
dobro do premio ou premios que assim tiverem
faltado na roda, nao excedendo de 200s rs. ca-
da um, e enrolados lant s papelinhos quantos
nao o fazentlo se preceder contra elle esens
fiadores corno depositarios que sao.
Art. 3i- Tres mezes depois de haver comc-
:orresponderem aos | remits aue se acharem de cado o pagamento, dos premios de cada lotera,
Arl c.^^i;-*l-. no .1AC nrwoAC curan nn
* "- r-i'"""..... .....I........"......
cor branca, e apresentados os dos menores pre-
mios j enrolados, atados com linha preta eem
massados aos ceios, a respeto dos quaes o Pre-
sidente podera proceder como est declarado no
artigo antecedente.
Os dos outros premios al um cont de ris
exclusive serao apresentados, do rnesmo modo
menos, continuar a tirada, perico endo o seu
valor ios nmeros que forem extrahidos. Sen-
tid verificada a falta no dia seguinte ou depois
de fecha las as urnas, o Thesoureirocntrar com
a importancia do premio ou premios para o the-
souro. e mais com o mximo da multa.
Art. 25 Se forem adiados na roda dos pre-
mios papelinhos que delles nao sejo ser o
Ihesoureiro multado por cada um nodobro do
valor do bilhete.
Art. 26 "e apparecerem na roda mais pre-
mios do que os que devercm nella estar, ser o
Thesou eiro ebrigadn a pagar aos portadores
dos nmeros respectivos todos os premios queli
verem sabido da roda.
Art. 27 Se, concluida a exlracco, se reco-
nhecer a falta de um ou mais nmeros o The-
cnnreir/i
}l,r jirarlo
-. .1,,'ip i.r. "^-Ia, 1 o^ <*|
iD-..... pwreauoi ou
portadores do bilhete ou bilheles desses nme-
ros que nao tiverem sabido da roda um premio
igual a seis tantos do menor dessa lotei ia.
Art. 28. Se concluida a extraccao, sobrar um
ou mais nmeros dos que dever ser emdidos,
o Thesoureiro entrara para o Thesouro publico
com una quantia tres vezes maior do que o me-
o thesoureiro recolher ao thesouro nacional na
corte e nas provincias s respectivas tbesoura-
rarias, a importancia dos premios nao reclama-
dos os bilhetes pagos e as listas e notas da
extraco respectiva.
Art. 35. Os oossuidores de bilhetes de lo-
terias nao potlero vender cada um delles em
fraego inferior vigsima parte ; dever as-
signar nas cautellas, ou recibos de inters-
ses o nome inleiro pelo seu proprio punho ,
prestar ianca idnea indemnisacSo de qual-
quer damno e s os podera vender nas pro-
firias casas.
A transgresso de quaiquer das disposiexies
deste artigo ser punida com a pena de desobe-
diencia e multa igual ao dobro do preco do
bilhete.
Art. 36. Nf.c he perraillda renda de ote
ria estrangeira debaixo de qualquer denomi-
nado que seja, Os infractores desta disposi-
co sero punidos com a multa de 200j000 ris
por bilhete que venderem e com a pena de
desobediencia.
Art. 37. As rifas sao concideradas loteras,
para o efleito de seren punidos com 10 rs. por
1
1
1


V
J

bilhcte os que de qualqucr maneira os distribui-
r m.
Art. 38. Os Tbesoureiros poder porpr al-
teraces no padro e forma dos bilheles e pa
pciinhos e quaesqucr outras precauQes con-
tra acto que os sujeitvtn a multas ou indemni-
sagio as quaes serlo postas am execucao ,
precidendo approvacao do Governo na corte e
dos Presidentes as provincia*.
Joso Carlos Pereira de Almeida Torres, do
Coacelbo de Estado, Ministro e Secretario de
Estado dos Negocios do Imperio, assitn o tenba
entendido e faca execular cun os despachos ne-
cessarios. Palacio do itiu de Janeiro em 27 de
Abril de 1844, vigsimo terne i ru da indepej-
dencia e do imperio Coma rubrica de S. M
o impendor.Jote Carlos Peri ra de Almeida
Torres.
MODELO N. t.
Cbderno da exlracco do escrivao da lotera
2.859 20j 3.855 40,
1,811 tos 1,793 20,
816 20j 80 100,
3.701 204 2.519 20,
529 jo, 8.0l" 20,
1.522 20, 4.931 20,
2,922 po< 208 1:000,
1.2*3 20.) 5.491 20,
5,995 lOOi 2,647 20,
5,607 20a 1.500 20,
3,643 20, 4.417 20,
10 20.) 5.339 20,
4 846 20; 1.070 20*
3,335 400 a 3,5i5 20,
5,80* 20, 5,236 20,
1,374 20, 4.001 20,
35 20, 4 16 40,
3,203 40, 5,111 40,
2,462 20, 4.253 20,
4,000 20, 2,143 200,
O temporal nao cabio sbitamente : havin
liguas dias que o lempo se tornara rncerto e
o barmetro cuja altura media he de 767 mi-
lmetros mantinha-se em 759 ; foi no dia g
as 10 horas da insnha que depois de urna
pequea chova seguida de calma mudou o
vento para o S O. e refrescou successi va men-
te no decurso do dia, mascoin todas as appa-
rencias de um pampeiro ordinario. Na noite
de 9 a lOaugmentuu a lorga do vento sobre-
Mido as 2 horas da madrugada : enlao as ago-
ii gradualmente accumuladas na baha le-
\antarao-se assustadoras e as lanchas comec-
rao a encalhar na praia. A batera Ramallo
foi colierta e em parte arrasada; os soldados per-
manecOro firmes at o ultimo momento, e sal
vario toda as tnunicoes; mas a sua ultima via-
gem foi das mais perigosas, lao violento se ti-
nli.i tornado o movimento das agoas. A's 8 ho-
ras da manhaa o barmetro, que estava anda
ern 757 milmetros, desceoem 2 horas a 753.
Foi este tambem o momento mais lorte da tem-
pestade; urna canhoneira e urna escuna da es-
quadrilba nacional, o casco do Courrier de S
Malo, o brigoe americano Susan, forao suc-
ccssivatnenle praia ieuni-se polaca Dout
Irmos, escuna Fiordo bul galera sarda Ca
rolina, brigue inglez George Henry, e outros
vacos, que all jaziao. O vapor inglez s/rdent
gnrrou, e abulroando o brigue de guerra francez
Uu Pe ti I kouar$, parti -Ihe o gurups. No
mesmo momento, outro vapor inglez de 320
cavados, o Gorgon, tinha perdido muitas amar-
ras, e accendia as fornalhas para suspender. A's
11 horas, apezar do vento e da correntc, conse-
gu ganbar para a pra eousa de urna milha, e
fun !eou no meio da haba rom dous ferros: es-
Consta aqui que o governoargentinosequei-
t.ra ao Governo Imperial por ter permittido o
Commandante das nossas forcas navaes que al-
guns dos nossos compatriotas pescasscm lora
deste porto soba bandeira hrazilcira. Dir-lhe-
hei pois o que ha a este respeito. Quando a-
qui rhegou o Sr. Grenfell em Janeiro p. p. ,
soube que os Inglezes e Americanos pescavSo
fra deste porto e que as suas bandeiras erao
respetadas pela esquadra argentina. Pouco
depois foro dous Bra/ileiros pedir-lhe licenga
para fa/.er o mesmo e elle Ih'a concedeo por
estar determinado a nao consentir qne se fizes-
se urna s excepco as regras do bloqueio em
favor de urna nacao qualquer que nao losse fei-
ta tambem e inmediatamente naci hrazilei-
ra. Isto mesmo consta que dissera o Sr Gren-
fell ao velho Brown e que este acceder logo,
echando justa a igualdade de favor que se re-
claman.
E como fallo neste acto do nosso Chefe das
forcas navaes dar-lhe hei tambem conta de
outro por elle praticado que bem moslra que
cmquanto a honra do nosso pavilhao Iheestiver
confiada nao soflrer a menor quebra. Quan-
do o Sr. Grenlell tomou o commando da es-
quadra vio que os barcos mercantes inglezes
e franetzes nao erao registados visitados ou
detidos pelas forcas bloqueadorns ao mesmo
lempo que todos os outros incluindo brasi-
leos enorl'americanos, erao registados. Nao
agradou isto ao nosso Chefe, o qual exigi lo-
go do Almirante Brown que os barcos mercan-
tes brasileiros lossem postos no p em que es-
tavr.o os inglezes e (rancezes, no que concor-
dou Brown dando-lhe o Sr. Grenfell a mes-
ura garanta que Ihe tinbo dado os cheles fran
Cada columna deven" conler 50 cres para
serem cnchidos rom 50 nmeros, e cada lauda
4 columnas contundo cada lauda 200 nme-
ros.
MODELO N. 2.
Lista geral da lotera (a cargo dos ajudantes do
Escrivao.
101
102
20,
20 .>
s
,
20,
I
20S
10,
S
100,
,
20,
1
1
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
301
302
303
304
305
306
307
308
309
310
311
312
313
314
315
316
317
318
319
320
Cada
cada lau
berto o
milbar.
103
104
105
106
107
108
109
110
111
112
113
114
115
1*6
117
118
119
120
40,
I
,
.>
,
20,
208
208
s
S
200S
s
8
20S
20,
J
I
40,
3
J
,
20,
3
3
3
3
20,
,
40,
201
202
203
201
jo 5
206
207
208
209
210
211
212
213
214
215
216
210
218
219
220
401
402
403
404
405
406
407
408
409
410
411
412
413
414
415
416
417
418
418
420
20,
f
3
3
20,
3
s
1:000,
,
5
40,
20,
3
20,
20,
3
3
3
20,
20j
,
S
s
s
40S
8
20S
8
40S
3
20s'
3
3
columna dever conter urna centena ,
da 5 columnas que prelazem 500, e a-
caderno asduas faces apresentara um
(J. do Comm.)

EXTERIOR-
REPLBI.ICA ORIENTAL.
HORRIVEI. TEMPORAL EM MONTEVIDEO.
Montevideo 18 de Mao de 1844.
O pampeiro do dia 10 do torrente ficara na
historia como um dia nelando. A violencia do
vento e o impulso teffivel que communicava ;-s
ondas sao espectculos que nao se esquecem ,
sobretudo quando se Ihes vem unir o pensamen-
to dos desastres causados por esta lula dos ele-
mentos desastres que leriao sido muilo mais
graves se no nosso porto como outras vezas
tem acontecido estivessem fundeados cente
nares de navio.
tes dous meios de resistencia nao servirao seno cez e inglez, isto he que nao permittiria a
para impedir que se lancasse violentamente so- j entrada de embarcarots brasileiras com objeclos
l.re a costa, e a ella chegousuavemente s 5 lio- | de contrabando de guerra. O nosso Chefe nao
ras da farde, no momento em que os ltimos hesitou em dar esta seguranca ao Almirante ar-
restos do brigue brasileiro Asylo da Yirtude de- t:entino Os esforcos do Sr. Grenfell tendem
sapparcio na ponte de S. Jos, onde tnha en- a fazer com que ambos os contendores neste rio
calbado s 3 horas, salvando-se a tripolaco com se habiluem a respeitar a bandeira Imperial,
a maior difliculdade, e gracas aos soccorros de i Contina ainda o sitio e de ambos os lados
alguns generosos marinheiros que loro em seu apparnce a mesma obstinacSo O general Bi-
auxilio. vera esteve deste lado do Rio Negro mas di-
No porto exterior a f.agata franceza Africa- zem que leve de retirar-so de novo
re perileo muitas amarras;! Atalante, fundeada (Carla particular.)
na parte mais forte da corrente, perdeo o gu- .Montevideo, 20 do Mao de 1844.
rups, teve um escaler arrancado dos turcos pe-
las ondas e embarcou muitos mares. O brigue
de guerra argentino Belgrano desapparecia qua-
si nteiramente, e va-se obrgado a conservar
cunha osseus mastros de gavia, para fazer-se de
vela no caso de correr risco de ir a pique sobre
os ferros.
Em trra nao era o aspecto menos deploravel
Lina parte do molhe do Sr. Doinel desmorona-
do, a ponte de S. Jos em ruinas, todo o molhe
coherto de madeira e mastros. O mesmo molhe
principal nao resista enSo por sua extrema so-
lide/; mas as ondas o fzioestremecer at sua
base.
No meio desta horrivel confusao, o Cabo do
Norte era ainda mais maltratado. Immensa
quantidadede postes emadeiros erao arrancados
e arrojados para o fundo da Babia. A barraca
do mar era arrasada em parte e urna enorme
pilha de carvao precipitada no mar.
O vento, pue tinha diminuido um pouco
s 2 horas da tarde recobrou toda a sua vio
lencia s 7 horas c a noite do dia 10 a 11 lo
lio terrivel como a precedente. As agoas aca-
barlo de arrasar ludo aquillo que Ihes oppunha
obstacul F.nliio comecou a cabir urna clima
forte que mudou um pouco o aspecto do co ;
mas foi smente na manhaa do dia 11 que o
vento amainou e foi gradualmente diminuindo:
a tarde foi quasi bella.
Nenhum dos barcos da esquadrilha nacional
que forao arrojados costa soflr< o averias gran-
des. O vapor Gorgon exige muitos trahalhos
para desencalhar porque ser mister desem-
barcar a machina.
Assegura-se que na costa do Buceo naufra-
grao 14 embarcarles. Ainda nao ha porme-
nores positivos sobre os desastres qne poderio
experimentar os navios Tundeados na Colonia e
em Maldonado, e os que se acbao no rio. (Pa-
triota.)
Montevideo 20 de Maio de 1844.
Estou certo que limito estimar a noticia que
Ihe dou de que a esquadra imperial nao sdico
a menor avaria no grande temporal dos dias 9,
10 e 11 do corrente. o que he devino em gran tao Gratiere, tenho a manifestar ao publico
de parte a excediente posicao em que estava fun que muito soflreru s Pajauenses e Piancoen-
Situac-ao dos exercitos belligei antes no terri-
torio da lie publica.
Todas as noticias da campanba estilo contes-
tes em que o exercito do General Rivera oc-
copa quasi na sua totalidade. O exercito de
Rosas sustenta gmente os pontos fortificados
do Sallo Paysandu Mercedes Maldonado
e Colonia, esoffre nelles hostilidades. Entre-
tanto Lrquiza e Ignacio Oribe em retirada
diante das forjas do General Rivera viro
apoiar-se as forcas sitiadoras desta capital ,
passando as suas cavalhadas para quem de
Santa Luza a fim de salval-as de um ataque
imprevisto. Assim as tropas do general Rive-
ra que os peridicos de Buenos-Ayres pinta-
vo como uns restos vencidos e fugitivo que
corrio a aslar-se no Rio Grande voltrao
sobre seus passos, e como urna torrente, ar-
rojrao as phalanges que se reputavo vencedo-
ras e que boje estao como entre um curral
formado pelo Santa Luzia pelo Rio da Prata
e pelos muros de Montevideo.
Montevideo a despeito das predieces de
seus inimigos. e dos coracSes fracos incapa-
zes de calcular a forca do um povo que arde em
amor da liberdade e se resigna a todo o sa-
crificio que nao seja o de sua independencia ,
sustenta-- se i nen trastau'l e a sua guarnido ,
sempre que o quer crusa o campo inimigo .
poe-se em communicaco com o exercito em
campanba ou lanca fogo ao Buceo declara-
do porto franco pelo General Rosas, e que po-
de considerar-se como a sua capital.
O exercito correntino s ordens do General
Madariaga torna a abrir operages, cornadas
sempre pela victoria sobre a provincia d'En-
tre-Bio ao mesmo lempo que a provincia de
Santa F he vivamente hostilisaJa pelos coro-
neis Salas e Orono. (Nacional.)
colherpor meio de um fmulo do Missionario-
visto ter elle Missionario recusado dar-me, em.
occasiao que tive de lr nao s esta, como ou-
trasdo dignissimoex Delegado de Flores, e d
seu irmao o Tenenle Coronel Simplicio, e de
muitas oulras pessoas;e pela leitura das quaes co-
Ihi em urna, nderecada pelo D. legado de Flo-
res no dia 20 de Setembro do anno p. passado,
que se expressava da seguinte maneira :
.. Tcndo noticia que V. B.,,u est da sahida
para o Recife, causa-me bastante sentimenlo ,
eu aconcelho a V. Rm" de nao sabir, que
eu escrevo ao Exm. Presidente, e logo appa-
reco n'esta Baixa Verde para communicar-me
depresenca. Tambem pude colber assegun-
tes expressoes de outra do Tenente Coionel
Simplicio, que com a maior ingenuidade se
declara do segrjinte modo: He mais fcil
Simplicio Pereira da Silva sair da comarca de
Flores que o seu intimo amigo Fr. Caetano de
Gratiere sair de Baixa Verde e logo escrevo
ao Governo. Eoutras muitas que li deVigarios,
Padres, e autoridades, que se expressaro quasi
do mesmo modo; h por isso o publico ajuize se
deve ser retirado um Missionario que tanto bern
tem feito aos Pajauenses e Piancenses por
meio das suas instrueces santas e continua a
fa/er; e he do dever do bomem recto defender o
innocente da calumnia que se Ihe i" puta, e
para que o publico fique certo das qualidades
daquelle ministro do santuario faco estas tos-
cas linhas, que rogo aos Srs Redactores quei-
rao dar publicdade com a carta junta ; que
muito Ihes ficar obrigado O Piancoense.
Illm.tHm.Sr. P.'Metlrt Fr. Caetano Gratiere.
Pianc, 24 de Marco de 1844
Recebi a presada carta de V. R.m', em que
me dava parte de sua retirada de Baixa Verde ,
e apesar de j a ter respondido, todava lendo
de partir nestesdias para a cidade da Parahiba,
e constando me,que algumas pessoas d'esse lu-
gar, ingratas aos relevantes servicos, que V,
El.M ten prestado de tao boa vontade a l)eos,
eaoshomens; que tanto socego tem trasido a
bumanidade; rebellaro-se contra V. R."' a
ponto de o aecusarem por fados, que na men-
te do bomem chritao sao digno de todo elo-
gio : n5o quero, antes de sair, deixar de part-
cipar-lbe tanto da minha viagetn, como do sen-
timento. e dr. que me causa a injusta guerra,
que Ihe fazem em remuneracao de tantos bens
leitos a todo osertao. Co,m elTeito parece in-
crivel. que estes individuos esquecidos deque
mais a V. R."1; do que as autoridades poli-
ciaes, e criminaos devemos o socego dcstes ser-
toes,Ihe paguem tao mal servigosde tanta mon-
ta. Esta he mesmo a sorte do bomem justo :
elle nao deve esperar outra recompensa, por-
que como diz um philosopho, elle so descansa
no tmulo, e a ingratido be a nica paga, que
deve esperar dos homens. Se V. R."* preci-
sar de fim, ou da Cmara Municipal daqui de
alguns documentos para mostrar sua innocen-
cia, p"de mandar diser, que coma maior sa-
lsfacao Ibe os prestare!; e se o bom povo de
Paja se unir como sabemos para defender a
sua (cada n'esse lugar; o povo de Pianc nao
he ingrato lembra se mu bem o que deve a
V. B."" e sabe tambem o que deve fazer;
devendo por isso mesmo V. Rm.""contar com
o nosso nouco prestmo pois com todo respeito
sou de V. B.mi amigo obrigado e criado
H y potito Pertira da Silva.
COMMERCIO.
Correspondencia.
Srs. Redactores.Como vaguea triste no-
ticia de ser retirado da misso de Baixa Verde
o benemrito Missionario Capucbinho Ir. Cal-
deada, lodos os navios da esquadra tinbo
tres e quatro ferros no fundo, maslaros e ver-
gas grandes arreados.
O vapor inglez Gorgon depois de perder
os ferros leutou sabir do porto ; mas era lai
a violencia da tormenta que com toda a forca
da sua machina nao pode seguir avante e en
calhou perto do Miguelete. Felizmente no
sofTreo avarias, c sem duvida poder ser desen-
ses, com a retirada deste digno Missionario que
tanto bem tem feito por estes certes, por meio
dassufcs misses. concillando a uns, apartando
da vida conconbinara a outros; em fim sao in-
nuiueateis os benehcios que os Pajauenses e
Piancenses leein recebido, sera eu enfado-
nlio se os manifestasse o que provarei, se pre-
ciso fof, com documentos d- todas as pessoas
de ambas as comarcas (exceptuando mui poucos
calbado na primeira mar alta. Forao mais 12 I que nao gostio de ver a paz resplandecer em um
embarcacoes a costa algumas das qu?es se li- lugar Um dos documentos be a carta abaixo
Mfio en pedajes. j trtflfteripU do Delegado de Pianc, que pude
Alfandega.
Rendimento do dia 19......... 9:122,737
Descarrega koje 20.
Brigue Aristides bacalhao.
BarcaLatrobediversos gneros.
Brigue Janetlt familia.
BrigueCumberland diversos gneros.
Brigue Robim idem.
Brigue Stwart idem.
Movimento do Porto
Navios entrados no dia 19.
Cotinguiba ; lidias, hiate brasileiro Espi'
lador, de 53 toneladas, Capito Jos Mau-
ricioda Silva equipagem7, carga varios
gneros Passageiros : iogo Migues *>
Florentina de Vasconcellos Brasileiros.
Nova Zelandia; 64 dias galera americana Tus-
calwsa de 283 toneladas, Capitao F. C. Pa-
ber, equipagem 26 carga azeite. Pasca-
geiro : Bogro, Americano.
Naviiittahidot no mesmo dia.
Porlo Alegre; brigue brasileo :\ovo Minora,
de 221 toneladas. Capillo Vicente Ferreira
de Almeida, equipagem 16. carga varios g-
neros. Passageiro: um esciavo doCapiio.
Aracaty ; hiate brasileiro Flor de Larangdra,
de o toneladas, Capito Bernadino de Sou-


V
-*-.:* \'
t
r
i
sa equipairem 8 carga vario? eneros. Corroa Fraca doCommrrco.
Passageiros: Joo Joaquim Pagis, Ham
burguez; Antonio Ferreira dos Santos, Ma
noelCavalcanti la Coala, Joaquim de Sousa
Rifeeiro com sua familia o urn escravo, An-
tonio Jos de Sousa. e Jos Francisco, Bra-
sileros.
Parahiba; hiato brasileiro V. J.0ao Raplista ,
Capilo Floriano Jos Pereda equipagem
5, carga varios eneros.
Macei; hiate brasileiro Bsftmna do Mari-
tdUb, do 29 toneladas, Capitao Manoel Jos
Soares. equipagem var ios eneros. Possa -
geiros: Joao Teixeira de Mallos. Porluguez,
o.Marcelino Garvalhf, Rapo/o, Bawleiro.
Portn ilo N .re; vapor brasileiro Imperador,
de 407 toneladas; Coromandunte Jos Ma-
na Falcan equ ipagem 30. Passageiros :
o Exm. Rispo d'.> Maranhao o 5 escravos ,
Fabncio de A| nnnila do Albuquerque, Bra-
ilairos. Guillermo Baucli, Alemao An-
tonio Franci'ico do Costa, Jos Justino c um
escravo, os Rodrigues Passio, Brasilei-
ros e og mesrn os que vierto na barca para o
Norte.
2 Para o Rio de Janeiro segu viagem no
dia 21 do eorrente o brizno leos te Guarde I
e tendo seu carregamento prompto, recebe s-
nii-nte escravos a Irete; os pretndanles dirjan-
se a ra da Cadeia armazcm n. 12. [5]
Le i i oes.
PAMATICA
os
\'8y| 2Precisa se alugar pretal ou molequesque
jsaibao vender afeite de carrapato, pagando-se
una pataca por cada caada ; quem liver diri-
ja-se a ra da Calcada outr'ora .Manuel Cuco,
'sobrado n. 1(). (5)
O' I.a Secretario, avisa aos Srs. socos, que 2Atraz da matriz do bairro de S. Antonio
:_ : .,,.par.a._are,c,,.a 'a2? c"rrenle- robredo n. 10, primeiro andar, fazem-M bo-
los de S.Jofto, ingle/. podiin.&c, ejunta-
mente bolinhosde todas as qualidades para ban-
dejas, aprompla-se almoco jantar, e ceia, la-
va-se, cote se, engomma se, marca-se e bor-
da se ludo cominuito aceio e inais barato,
sa exactidao e o maior zelo no desempenlio da que em outra qualquer parto (8^
sua arto; devendo todos os que do seu prest- 2-0 Sr Braz Antonio da Cunha qiicir
mo se |u./. rem utihsar,d.r.girem-se (porcarfa) dirigir-se a casa do Sr. Valentim Jos Correia
ao inesino aba 1X0 assignado na Kua-direita a negocio de seu interesse. (3]
121. Joaquim da Fotueea Saa 2 O annunciante participa a todos os seus
(9)
* O En genbeiro em Cbefe da provincia,
encarregado da medico dos terrenos du mari-
nlia, tendo de proceder ao reconhecimento dos
terrenos qr l0 deitao para o caes projeclado, atraz
do Atterr jJa Uoa-aista, ao lado do Sul, con-
vida as p' ssoas que requerero o alorainento dos
ditas ter/renos, ou que se julgo com direilo a
elles, ; j coinparecerem nesta Repailicao, no
da Lo, ,|o eorrente, as horas do meio dia, para
prest arein sobre as mas pretences os precisos
t,c' irecimentos; declarando-se que a lalla de
"'Aprmenlo a este convite, que he o segundo nbaa no seu arma/em na praga do Corpo
principian.-! seren destribuidos h.ije, em casa
uo Thesouroiro,
iO agrimensor, abaixoassgnado, offi-rere
1 Por ordem, e em presenca do Sr. Con -, os seus serviros s pessoas que tiverem proprie-
sul dos Estados Unidos d'Amorica, e por conta ^ dades demarcar e afianza a mais escrpulo
e risco de quem pertencer, so far leilao po>
intervenido do corretor Oliveira, de parte do
carregamento do brigue Wtlliam Thacher de-
clarado avariado pelos competentes avaliado-
res, oconsistindo em farinba de trigo, xarutos
de Ilavana, vinltos amargos, pbosphoros, sala-
me, queijos, presuntos, e outros mais artigos :
sabbado 22 do eorrente as 10 horas da manha,
no armazein do Sr. Manoel do Nasciniento
Pereira na ra de Apollo (12)
2O corretor Oliveira far leilao de grande
quantidade de fazeudas inglezas france/as e
suissas, consistindo em chitas, algodaosinhos ,
cassas panninhos, pannos meias, suspenso-
rios, brioa brancos eescuros de linho e d'algo-
dao sarjas setins, tafetas challes lapim ,
lsinha, &c.; e calcado inglez, e francez, tanto
(tira homem, e senhora como para menino ;
linhas e outras muitas miudezas; o que ludo se
vender sem limites para liquidacao decon-
tas: soxta-feira, 21 do eorrente, s 10 horas da
mu.ibaa no 1. andar da stia casa na rui da
Cadeia. (13)
2 Me. Calmont & C. Carao leilao por inter-
vencao do corretor Oliveira, de um sorlimento
eral de fa/endas inglesas inclusive umicaxa
de chapeos de Londres de castor superior :
quinta leira 20 do eorrente as 10 horas da ma-
q ae se fa/. para os mesmos terrenos pode
" ieinorar a mor parte das informages reque-
ridas. Repartico das Ohras Publicas 19 de
JunhodelSH. L L. Vauthttr (10)
. -.>__
ileelaracoes.
5 O Sr. Inspector do Arsenal de Hari-
nas manda lazer publico que no dia 20 do
eorrente contratar, pelas U horas da manla,
os fornecimenlos dos objectos abaixo declara
dos, para os navios da armada, pelo espaco de
seis me-es, contado.", do primeiro de Julho pr-
ximo ou por m%is ou menos lempo, conforme
os precos <|Ui-se, pedirem pelo fornecimento de
qualquer do?, mesmos objectos feijao, arroz,
caf moiJo assucar agurdenle vinagre .
toucinho azeite doce carne salgada baca-
Ih'O carne verde pao, e bolaxa : as pessoas
a 'jiiem conviei o contrato sao convida das
opresentarem as suas propostas n'esla Secreta-
ria e a comparecerem no referido dia e hora.
Secretaria ta Inspeccao do Arsenal de Mari-
nha de Pernambuco 12deJunhode I8ii
Alexnndre Hodriguetdox snjos,Secretario.(8)
* O Administrador da Mesada Recehedona
de Rendas Internas Geraes faz publico para
queinconvier, que do da 20 do eorrente prin-
cipia a ter execuco o regulamenlo de que tra-
ta o decreto de 21 de Abiil de 1814 a respeito
do novo metbodo de arrecadaco do sellode pa-
pel.
Frawitco Xavier Cavalcanti de Albuquerque.
2 Pelo Jui/. da 2.* vara do civel o Sr. Dr.
Neves se ha de arrematar urna casa terrea, sita
na ra Imperial do Aterro dos Afogados, cons-
truida de novo, ecm bom lugar par negocio,
e por pieQo commodo: a ultima praga heno
dia 22 do eorrente Junho, na ra Nova. (6)
2 THEATRO PUBLICO.
Segunda-feira 24 do corrtnle.
' "~ O artista ^yoinaslico Jos dos Reistema
honra de participar ao respeitavel publico desta
capital, que est preparando com lodo o esmero
possivel um novo e variado espelaculo para com
a maior satisfacao aprest-ntar aos seus amados
protectores e amigos a quem he to obrigado.
N. B. Us camarotes que resto acbo-sea
venda no bolequim junto ao theatro no poder
do encarregado dos mesmos o Sr. Zebedeo Ce-
zar
Para evitar incommodos por causa dos tro-
Santo.
Avisos diversos.
- Perdoo-se no dia 17 do eorrente, a tardo ,
rento e setenta e trez mil ris, em sedulas, em-
brulhadoem urna conta de venda de duas ca
xas, dada pelo Sr. Delfino Goncalves Pereira
Lima, quem liver adiado querendo entregar
leve ao mesmo Sr. Dellino na ra Nova n. 44 ,
que gratificar.
1 Precisase alugar urna ama forra ou ca-
tiva, que sai lia cosinhar bem; no pateo da Pe-
nha n. 4. (3)
1 Alua se o sobrade de dous andares da
ra do Collegio n 9, est.i todo pintado e a Sala
lorrada de papel ; a tratar rom Manoel Gomes
Viegas na ra do Crespo. (4)
1 Precisa-se dsele pontos de ris a juros
de um por rento ao mez om segursanca de hv
polbeca por lempo de tro/anuo; annuncie
por este Diario. (4)
1 ss Jos do Mendonca de Alarc3o Aijalla,
emharcn para o Rio de Janeiro o seu escravo de
nomo Adnanoo crilo. (3)
9 NA BOTICA. E ARM \ZEM DE DRO-
GAS, NA RA D\ MADRE DE DOS, NI
Vendem se as preparacoes teguintes por pro-
co muito coivmoio e de superior qualidade.
Gregorx/s l'owder.
Nao baver pessoa alguma que tenha frito
uso deste medicamento em qualquer parte do
Globo que nao tenha sentido seus beneficios.
Os seus rlleitns pnnripaes be ser um ptimo
purgante estomtico e muito til as doen-
ces do ligado, baco &c. c. as Indias, on
de tanto proridem e tantos estragos produzem
constantemente estas doencas, sao raras as pes-
soas que nao tem conhecimento dosbonsef-
feitos deste remedio. O menino o velbo de
crepito e finalmente o homem om qualquer
idade da vida pdem som receio algum fazer
uso deste medicamento cujos offcitos salula-
res nos fazem jnlgar urna inspiracao divina ao
enio sabio, e pbilantropico de seu autor. A
dose desle medicamento be urna ou duas colbe-
res de cha misturado com agua duas ou tres ve-
res por dia.
Na mesma casa tamben) so vendem tintas e
todos os outros objectos de pintura ; vernizes
de superior qualidade entre elles hum perfei-
tamcotc biauro e que se pode applicar sobre
a pintura mais delicada sem que produza al-
teraran alguma em sua cor primitiva. Arrow-
sohrado
res de Figuei edo.
/ioiso importante ao publico.
9 Acaba de chegar urna poico nova e
fresca d'aquellas invaluveis Pirulas da medecina
populare as pirulas veetaes americanas, sendo
i composicao d ellas inteiramente vegetal o ja
tao conhecidas nesta cidade as varias molesti-
as do figado febres rheumatismo lomliri-
gas ulceras, escrfulas, erysipelai, e he o me-
Ihor remedio conhecido para o sangue; roga-se
aos inlermos de provarem este alTamado reme-
dio. \ ende-se eom seu competente receituario
em casa do nico agento Joo Keller ra da
Cruz n, 18, e para maior commodidade dos
compradores na ra da Cadeia em casa de Joao
Cerdoso A y res, ra Nova (iuerra Silva eCom-
panhia Atierro da Boa-vista, Salle e Chaves
ao prefo de ljOOO cada caixinha. (17)
tAlua-se o armasem do sobrado junto
ao porto da Ordem terceira d Garmo ex-
cellenle para qualquer estabelecimento ; a ra-
lar na ra larga do lozario n. 18. -'i)
Recommenda-se ao sr. Sub Delegado
de Olinda que faga com que assuas patrulhas
encarregadas da Polica da cidade prolongelo
seus passos atea povoacao dos Arrombados a
fin de prevenir alguma catastrophe, que possa
ser occasionada por pessoas mal intencionados,
e vadias que costumao atirar pedras as vi-
dracas do Collegio dos Orphaos como por ve
zes teom feito anda mesmo no lempo do ex-
Director podendo muito bem acontecer algu-
ma fractura ou contuzo e at mesmo algu-
ma moriese acaso der em urna lonte, ou oulro
lugar perigoso alguma dessas pedras.
Ha oito dias pouco mais on monos, que j
estando o Collegio em silencio atirarao da ra
um chuveiro de pedras e como se abrase urna
janelia retir.rao-se indo a enfermara, on-
de atirarao urna pedra que quebrando a vi-
draca cahio no meio da rasa podendo fcil-
mente suceder dar em um doente, matal-o ou
pelo menos feril-o, no que nao pode baver a
menor impossibilidade.
Nao satisfeilo ainda esse mogo com liio br-
Ihsnte accao voltou a fazer oulro tanto na noite
de dessete do eorrente mez, alirando una pedra
que pe/a pouco mais ou menos duas libras a
qual quebrando a vidraca cahio no meio Ja sala
junto a um globo de vidro mu porto das pos
soas que nidia seachaviin fazrndo um gran
dissimo estrondo e assustando-as considera-
velmcnte, mxime conciderando qtianlo o mal
Ibes eslava eminente porque nose tinhao talvez
passado 10 minutos que tinho estado sobre
asjanellas.
Portanto prudentemente se avisa a esse moco
para que se cohiba e nao continu a praticar
somelbantes acues porque alm do dar in-
dicios de muito m educarao pode acarretai
resultados funestos pois nem sempre haver
tanta prudencia e pachorra que se possa so!
frer taes desvarios. As pedras, e os pedacos
de vidro estao guardados.
= A pessoa a quem for oflerecida urna s l-
vella de prata de suspensorios com una travessa
no meio, he lisa e tem unidos ladosja quebrado,
dirija-so aruados Martyrios, n. 18,quereceber
o mesmo valor da dita fivela.
= Quem quizer bandejas de bolos enfeila-
dos podios, pastis de nata tortas de leile
leite reme, pndelos, bolinhos de varas qua-
freguezes que mudou a sua fabrica de chapeos
da ra da Conceico da Roe vista para a ra
Direila n. 43. do que o Acrece a todos os seus
roguezes que percisarem de caixas para cha-
lien raseos de palliinba, e mesmo chapeos,
e toda o qualquer obra perlenconte aootcio, po-
derlo 0irigir-se a dita fabrica; pois prometie-
se loda a promplido ebemfeitoria. (9)
2 No Domingo 23 do eorrente se abre a
barca de banbos o para que ebegoe ao conhe-
cimento de todas as pessoas que a qui/.erem
frequentar se publico osseguintes.
Estatutos.
1. S poderao entrar na barca pessoas vesti-
das com trages decentes; e como ella he tam-
bem destinada para banbos de senhoras, he ab-
solutamente prohibido fa/er uso de expresses,
(jue possiio ollcnder a moral publica sob pe-
na de ser mandado sabir pelo guarda aquello ,
que se nao comportar como cavalbeiro.
2. O preco de cada banbo he 100 ris. Os
accionistas e as pessoas de suas familias paga-
rn su melado {ucrendo usar las lualbas da
arca pagarlo por cada urna 80 ris: advir-
I
lindo que sempre se darao lavadas e engom-
madas.
3. Por familias dos Accionistas se entend
>is pessoas nao assalariadas que com elles mo-
ra rem em casa.
4. A nenbum homem he permettido entrar
no lado da barca aonde csto os banheiros pa-
ra as senhoras ; bem como s homens poderao
hanhar se, nos banbeiros para elles destina-
dos.
N. B. No dia em que a barca ficar conclui-
da sero publicados os nomes dos accionistas,
para que o publico aprecie as pessoas, que se
d ignaran concner para a existencia de um es-
tabelecimento, que tao preciso se lazia em Per-
nambuco. (32)
1 POZ ANTI-EIMLEIICOS.
Preparados segundo Mr Le Cont Duplessix
l'anc.u : de todas as molestias que aflligem
a especie humana, a mais rebelde, he sem
ronlradicao a epilepzia( vulgarmente conheci-
iia por golta coral ) Esta enfennidade em todos
os lempos ha sido o esclito da medicina, que
ainda Ihe nao pdde adiar o menor Unitivo. Faz
pois grande servico a humanidade, aquello que
Ihe ofTerecer para combater molestia to cruel,
um remedio, que cunta j em seu abono n-
meros resultados lelizes nao s na Europa ,
como aqui em P rnambuco. Este medicamen-
to extraordinario acaba de chegar de novo de
Franca e o seu nico deposito he na ra lar-
gado Rozarlo, botica de Bartholomeo' Ra-
mos (i?)
Precisa-se alugar urna casa terrea que
nao exceda o seu aluguel de lo.i N. com quin-
tal e cacimba, sendo as ras Bella, Mund-i-ho-
to Roda Trincheiras, Larangeiras, pateos de
S. Pedro, e Paraso ; na praca da Indepen-
dencia II. -Vi.
1 Os Srs. Manoel Nunes de Mello e Jos
Euslapuio Maciel Monteiro queiro compare-
cer na ra da Cadeia-velha n. 35, pois se Ibe
deseja fallar. (4)
2 Urna mulher de bons costumes se
encarrega da criaego de meninos de peito, im-
pedidos e desimpedidos e tambem recebe
meninos desmamados para curar da sua educa-
cao ; no que prometi esmerar-se quem do
seu prestimo se quizer utilizar dirija-se ao
lidades arrs de leile, papos d'anjos bolos I'alio do cariim n. 24, na mesma casa aluga-
(rancezes bolos de maca doces de todas as
eos, os camarotes dos lados da 2 ordem sero
a 6.000 rs., e os outros os meamos procos da | Root de Bermuda ; Sag ; Sabonetes ; Sa iao
recita passada. (15)( de Windsor ; Agua de Seidlitz ; Limonada
gasoza ; Tinta superior para escrever ; Perfu-
Aviso*; fuaritimns.
inglezas
Fundas elsticas de patente ,
Escovas, r pos para denles ; Paslilbas de mu-
riaio oe morpbioa, e ipecacuanba ; vml li
1 Para Lisboa segu com toda a brevidade : nissimo proprio para ailar roupa Pos do sei-
portera maior parte da carga prompta o bri- I dlits e de soda ; Paslilbas de bi-carbonato
gueportuguez '>obim forrado e cavilbadode|de soda e gingibre ; As verdadeiras pirulas
cobre; que.n quizer carregar o j ir de passa- i vegetaes univer^aes do D. Brandrctb, vindas
geni, para o que tem os melhores com modos jeMU aaathor nos Estados Unidos, &c. &c. (36)
dirija-se ao seu consignatario Francisco Seve- 2 Miguel Antonio da Costa e Silva emba-
rianno Rabello, ou ao Capilo Alexandre Jos ( a para fra o seu escravo Guherme da Costa.
qualidades; dirija-se a Boa-vista na ra do
Camarao numero 3.
2Ainda se noefectou o arrendamentodo
delicioso sitio dos Afilelos, contendo urna das
melhores casas de Cuinpo, que se pode imaginar
por ter 80 palmos em quadro, forrada e pin-
tada elegantemente grande coxeira ocaval-
larice, famoso jardim, e muitas arvores, arren-
da-se por commodo pieco a familia que o ze-
le. e conserve cuidadosamente tambem se de-
s-jd permuta! pov casas terreas na cidade ou
vende-se; quem Ihe convier qualquer destes ne-
gocios dirjanse a ra nova de S. Amaro, casa
do Mosquita. \, (12)
2Precisa-se alugar" urna casa que tenha suf-
firienle commodo para aula, efamilia, nocen-
tro do bairro de Santo Antonio; quem a tiver
ar.nuucie. (4)
se amelado da dita a urna senhora capaz sem
familia quem a perlender dirija-se a mesma
casa. (10)
4A fabrica de caldeiraria, e mais officinas,
fundicao de sinos, e differentes obras de me-
tal du Mesquita & Dutra estahelecida at agora
na ra de Apollo ( Porto das Candas no Recife),
acha-se transferida para o fim da mesma no
edificio novamente construido na esquina da ra
do Brum onde seus freguezes se pdem diri-
gir, certos que sero servidos com o mesmo ze-
modidade de seus amigos, e freguezes, os mes-
mos Mesquita & Dutra eslabclecro na ra da
Cadeia do Recife junto ao arco da Conceico
n 50 um depozito no qual pdem ser pr-
vidos e darcm assuas ordens que Ibes convie-
rem certos que Belfo promptamente execu-
iadus. ^16)


/
' -sT^1

'i
1 D-se oO? rs. n premio sobro penhores
de ouro. 00 pralB ; na ru;i larga do Rotarlo n.
. 19, assim como a pseos que annunr-ioii pre-
cisar de 25! rs. Si bre um escravo pedreiro,
dirija-se i moma casa. o
Quem qui/er encajar urna mulher de ida-
de, e juntamente urna filha, obrigando-M a
pagar-ihe a passagem para Ihe seren discon
tados nos servicos da dila pelo lempo que se
convencionar, dirija-sea ra Nova n. I!>, se-
gundo andar.
1Alufta-se urna cusa terrea na ra do Sebo,
a segunda do lado osquerdo ao sabir da (iraca
da S. Cruz, com bom quintal e cacimba ; a
tratar com Joaquim Lopes de Almeida caixei-
ro do Joo Matheos. 5
D-se urna porco decalica e pedacos de
tijolos a auem for buscar na ra das I.aran-
geiras, na toja do sobrado n. 15.
Como consta ao abaixo assignado que
EduardoGadecke subdil Prussiano official
de carpina se acha trabalbando nesta cidade ,
fa: o presente annuncio para declarar, que el-
le se ada engajado pelo lempo de 4 anuos, e
que Ihe pagou a passagem de Hamburgo na
galiota Forlunu onde recebeodinheiro adan-
lado como consta por documentos que pos-
sue, ecomo elle se acha ausente da casa do an-
nunciante desde o dia 13 do correnle faz o
prrsente annuncio para qualquer pessoa em
casa de quim elle se achar, licar responsavcl
pelo prejuiso, que tein causado a ausencia dalle
ao annunciante, e ao ilepois nao se chamarem
a ignorancia. Joao Carroll.
Aluga-se urna casa terrea uu um pri-
meiro anpar em Fora-de-portas ; quem tiver
dirija-sea ra Nova n. 8.
Alugao-sc duas piarlas no beco das Bar-
reiras ; a tratar no Atierro-da-Boa-vista n. 37,
terceiro andar.
OlTerece-se um Portuguez para leitor de
engenho, o quatem bastante pratica da ms-
ala occupacSo ; quem o pretender annuncie.
Pela segunda vez se roga ao Sr. Joo Anas-
tacio da Cunha queira ter a bondade de aimun-
ciar a sua morada para se Ihe entregar urna
carta vinda do Par e que existe em Olinda ,
ladeira do V aradouro n. 1 onde a poder
procurar.
1Fazem-se bolos de S. Joao, multo bem
Coitos ; em Olinda nos Quatro-canlos sobra-
dinhon. 18. (3'
Precisa-se deum feitor que trabalbe, e
entenda de horta jardim, arvoredos, e vaccas,
para um sitio muilo pertoda praca; na ra No-
va luja n. 53.
A pessoa, que precisa de 600,1 rs. a juros
com hypolhcca em urna casa terrea tiesta praca ,
estando desembarazada dirija-se a prava da
Independencia n. 2.
Para evitar duvidas a aliaixo assignada
avisa a quem convier, que tem sentcnca e pe-
nhora no sobrado da ra da Penha pertencen-
lo a liazilio Alves de Miranda Varejo, e outros
cujos alugueis devem estar desuados para paga-
mento da execucao da annunciante e serem
recolhdos ao deposito, edissoj esto cortos
os inquilinos existentes previnem-se aos fu-
turos. Mara Rusa doCarmo.
1Aluga-se a loja da esquina da ra do
Hospicio propria para venda, ou outro qual-
quer estabelecimento ; a fallar no. sobrado da
iiiesma. (4,
Boga-se ao Sr. llerculano Olegario Rfbei-
to Castro o obsequio de declarar a sua residen*
cia ^ou dirigir-se a ra do Queimado loja
o. 10.
D-se 100# rs. a premio de dous por ren-
to ao mes sobre peohores de ouro, ou prala ;
no pateo do Carino n. 13; na mesura casa com-
pra-se um tonel que levo at 160 cariadas,
e que sirva para conter ago'ardentc.
1 Cara as portes de Bebiribc ha 8 dias ap
parecen urna vacca parida e como em todos
estes dias nao tenha spparecido quem a pro-
cure ; quem for seu dono dando todos os sig-
naes certos ser piocuiado para Ihe ser en-
tregue. 0)
.....-> .......- i rim Nova loia n H. de Braga 9 811-
i.ompra-se urna ranaca em meiu uu, sen- ^ i na roa .^ < .
do de boas voies ; quem tiver annuncie.
Compra
2 Compra-se um moleque de 12 annos para
cima e que seja bem parecido sendo sadio ,
faz-se todo o negocio ; na ra Nova, loja lian-
ceza n. 9, ^ (4
1 Compra-se a tragedia Ignei de Castro
( velhaj ; quem tiver annuncie. [9
2Compra-se um casal de cachorros atra-
vessados de 4 a 6 mezes de nascidos ; na ra
da Praia, armasem n. 2. (3)
2Compra-se urna carteira de urna s face ,
seja de que madeira for, com tanto que seja
por barato prego ; quem tiver annuncie. 3)
5__ Compra-se urna, ou duas redes do Par
ou Maranhao sendo superiores ; na ra do
Torres n 18. (;i)
Compra-so um arte Iranccza por Sevene ;
quem tiver annuncie
Comprao-se efTectivamente para lora da
provincia escravos de ambos os sesos de 12 a
20 annos agradando pago-se bem ; na ra
da Cadeia de S. Antonio, sobrado de um an-
dar de varandadepo n. 20.
Compra-se urna negra, ou mulata de meia
idade que cosinhe, engoinine, ensaboe, o
acostumada s noservico de casa e nao ex-
ceda o prego de 300/rs. ; na ra de S, There-
sa venda a. 25.
2Vende-se na praca da Independencia, 11-
vraria na, (' o 8
O Livro dos Destinos
Esta importante obra he o resumo de todas
as propheciasda Sibylla de Cumas sobre o es-
tado dos humanos. Para conhecer-se o meri-
i lo desta prophetlsa basta vermos que de seu
1 crdito se vale a sejuencia ; pois all se l
Sendo testemunhas David e aSibylla,
O que nella se contm he de urna verdade
tal que sei demonstrada pela experiencia de
iiicdn que a pessoa a quem a Sibylla pronosti-
car urna boa fortuna nao tem precalo de dar
passos para a obter. O que da maior realce a
ola grande obra, he ter a Senhora D. Sibylla
decado algum tamo daquella circumspecgo .
coin que (allou a Eneas, ea outros taes per-
guntadores econtar os nossoa usos e costu-
ini'S usando at dos termos patuscos ganchos,
forquilhai a nutras galanteras do nosso paiz,
como se ella tivesse aqui naseidoe vivido ; em
lim para a pioxima noule de S. Joao nao se
aduna melhor divertimento que consultar es-
te engranado livrinbo e isto pelo barato pre-
co de duas patacas (25',
2 Vendem-se 80 oitavas de ourn sem (ci-
lio sendo parle del le um cordo a j rs. a
oitava e 280 oilavas de prala a lO rs. a oi-
tava; quem pretender annuncie. (fi)
2 Continuarse a vender solas de oleo e de
Jacaranda bancas ditas marquezas, banqui-
nhas para costuras mesas de oleo e de Jaca-
randa para meiu do sala bancas de 4 ps de
amaiello carteiras de urna s face cadeiras
para alcova lavatorios de amarillo, camas de
armacao; ditas de vento, um armario de pi-
nho que serve para roupa ou louca tou-
cadores de oleo e de Jacaranda um espelho de
paiede mochos para piano e outros muitos
trastes por todo o preco para se acabar com o
estabelecimento ; na ra da Cruz n. 03 pri-
meiro andar. (13
2Vendem-se moinhos de Ierro fortes para
moer cal superiores vinhos engarrafados da
Madeira-secca Malvasia e Bucelas, por prer
go muito commodo : as completas obras de
Vnllaircem '7 volumes nova edicao em quar-
to com estampas pelo baixo preco de 15$ rs
cada obra ; as obras completas de Cames em
3 volumes nova edicao prlo commodo pre-
co defi'iOO is. cada obra ; na ra da Cadeia do
Re ife n 37. (10,
2Vendem-se 4 pipas de ago'ardente, pro-
piia para embarque ; e os seguinte passaros ;
I corij, I gallo de campia 1 papa-capim e
um bicudo todos por preco commodo; na ra
das Cruzes, loja de pintor e vidraceiro n. 25.()
2 a grande depositoatraz do theatro ve-
llio vende-se um completo sortimento de taboas
de pinlio chegadosda Suecia a melhor qua-
Iidade que a este mercado tem vindo sendo
pinho bianco e vermelho de 10 a 30 palmos de
comprido o de 9 a Upollegadas de largura,
serrado por vapor sem nos, proprio para um
lindo lorro e assualho por ser muito alvo pa-
ra obra de envemisar, assim como do que cos-
(uma a vir costado, costadinho assualho e
lorro para lundosde barricas ; e tambem ame-
ricano de 10 a 30 palmos de comprido, e 3 di-
tos de largo tudo por prego commodo a vis-
ta da porciio edo comprador ; a tratar no mes-
nui deposito com Joaquim Lopes de Almeida,
caiieiro de Joao Malheus. (10
2 Vendem-se ricos cortes de la a 6^000 e
O-'iOO rs. chales de la a 2200 e 3000 rs. pe-
Cas de madapolao de 20 varas a ', 3300. 4000,
4600, '1800, e500 rs. cortes de cassa de lin-
dos gostos a 4800 rs. pannos pretos a 3100,
'i0H0. 48;0, 6100 7000 8000 e 9000 rs. o
covado e de cores a 4000. 4N00, 6000, e 7000
ti e superiores a 6, 7, e MIDO rs. merino de
(Ores a I.M'O e 2$ rs. a enfestado muito fino a
'*.. e 'i400 rs. sarja de la muito encorpada a
l/rs. lila preta a 360 e 400 rs. chapeos de
massa pretos francezes a 64SO rs. ditos de
aba larga a 7000 e 7<>00 rs. e outras muitas
l.ivndas por preco barato ; na ra do Queima-
do, loja n. 20, de Joao Antonio Marlins No-
vaes. (16
2 Vende-se um sobrado na ruada Praia n.
13, bem construido, e acabadot ha pouco com
fundos at a mur, vende-se por precisao por
estar hvpoihecado a (luimaraes Ferreira, e que-
rer-se-he pagar dita hypotheca por isso se ven-
de barato ; a tralar no mesmo sobrado. 6)
2 Vende-se um porcBode sal do Ass a
bordo de um ltate fundeado defronte do Tra-
piche-novo; a tratar na ra .Nova com Manoel
Ferreira Lima. (4.
2 \ ende-se urna preta moca, robusta, sern
vicios nem achaques propria para o campo ;
na ra do Bangel n. 54. (3;
2 Vendem-seselliosIngleses e francezes,
cabecadas rolicas, ditas de couro de lustro,
brancas e pretas bridas de todas as qualida
des, estribos oe metai braoco esporas ue di-
to e de lato sapatosde bezerro francez com
palla para liomeni, sapatos de marroquim ,
couro de lustro pretos e decores e de setim ,
ditos de marroquim para meninas, talins, ca-
nanas, barretinas pura Odiciats e soldados, cor-
reames de couro de lustro, bandas de seda e
laa oleados pintados para capas de mesas ,
va.
2 Vende-se por prece muito commodo, com
algum dinheiro a vista, e o resto em pagamen-
tos annuaes e muito favoraveis, urna boa pro-
priedade em Apipucos com todas as comnio-
didades que se procuras a saber ; urna gran-
t'casa de vivenSa murada, urna grande ola- na mes, a lo.a c
ria toda de pilares, com boa baixa de capim, ra de meia ida
e bastante barro para trabalhar senzalla pa-
ra pretos sitio com fruteiras &c. ludo is-
to a margem do rio Capibaribe ; tambem se
vende por estar annexa a mesma propriedade)
a fabrica de Ermitagem com refinacao res-
tilaco e todos os utencilios necessarios e estes
em muito bom estado com todas as vantagens
que exige um estabelecimento e para mamr
commodidade do comparador se vende una
parte das maltas de Apipucos, que he de mul-
ta ulilidadepara a mesma propriedade; os pic-
sapatos de urna e duas palas, ditos de lustro,
marroquim, duiuque, tapete para seobora,
ditos de tapete e de marroquim para homem ,
ditos ingleses, borzeguins de ponta a 3# e 32H0
rs. e outras muitas qualidades de calgado,
por'preco commodo ; na ra da Cadeia do Re-
cite loja nova n. 35, defronte do cambio;
a loja compra-se urna preta cosinhe-
tendentes dirijao-se ao mesmo lugar a tratar
cem Joaquim do Reg Barros Pessoa. (20;
1 Vende-se um sellim inglez em meio uso,
Vende-se un>a porcao de areia cortida da
chuva. que est em duas tulhas ao correr do
raes do convento de 3. Francisco para a parte
do Norte, que serve para reboque como se
pode ver vende-se cada carrosa a 160 rs. .
a carga a .'00 rs. ; no pateo do Hospital do
Paraso n. 6. J
Vende-se urna negra de nacao cosinha.e
lava beoide sab5i> ; no pateo de N S. do Ter-
co n. 2, na travessa que ve Ha para os Marti-
rios.
Vende-se urna correnle de ouro sem feitio;
na ra do Sol n. 23.
Vendern-se 8 escravos de a>"nbos os sexos,
e bem
orocesso civil ou Pereira e Souza, em dous, de bonitas figuras ; e urna rotula nova, *
volumes; e tambem se aluga a loja de 1 sobrado; construida ; na ra Velha n. 111
na ra do Bangel n.>, de manhaa al , e de meio (lia ate as 3 horas. '5)
Vende-se o collecco de leis provinciaes do
torrente anno ; na praca da Independencia ,
livraria ns. 8, e 8.
as de
Hamburgo para alfaiate e chpele!) o e urna
para ourives ou latueiro ; na ru a Direita
n. 123. (*1
Vende-se ou aluga-se um negro canoel-
9 Vendem-se coifas para padres ; na pra- ro, com una canoa, quecarrega de 700 a SU
ca "da Independencia n. 30. j tijolos ; na ra fJaCru/n. 10
2 Vende-se urna pereo de papel impresso, I -Vende-se sal de Li-boa a bordo do bri^ue
a peso, ou como se convencionar, urna ba-
lanca com bravos e S libras de pezos de bron-
ze e Ierro una linda guarnicao de muito ex-
cellentee brilliante papel para forrar sala: na
ra de Apollo n.G. (6l
2 Vende-se laiinha de mandioca de boa
qualidade a bordo da sumaca Tres Irmdos ,
tundeada delronte da escadinha do Collegio ; e
em suecas nos armasens de Dias Ferreira An-
tonio Annes, c Cuimares na escadinha da
Allandega. (6)
2 Vende-se um piano-fotte, perpendicu-
lar de escolente autor, por prego commodo,
para se fechar contas ; no largp do Corpo San-
to n. 17.
2 Vende-se um pre'.o de meia idade pa-
deiro por prego commodo ; na ra larga do
Bozario n. 18. 3]
2 Vende-se farinha muito boa para bolaxa,
a iOfl rs. a barrica ; no armazem por detraz do
theatro. (3)
2Ainda se acho Blguns terrenos para se
venderem por prego commodo na ra Nova
por detraz da ra da Concordia, que dividem
com a travesa do fallecido Monteiro e pelo
Norte com a travuaM do Caldeireiro com os
palmos, que pretenderem os compradores; na
ra larga do Bozario n. 18, onde se aposenta-
r a planta dos mesmos. 8.
2-Vende-se chocolate novo a 320 a libra,
em pans a 80 rs., litria nova a 240. mata es-
trellmba boa para sopa 100 a libra,alpisla a 280
o quarleirao, bolaxinha americana chegada de
prximo a 240 a libra, cerveja branca e preta
de bocea do prata da melhor qualidade possivel
de novo autor a 480 a garrafa, tapeoca de Ma-
ranhao boa calva a ICO a libra, cevadinba de
ira i ta nova propria para sopa a 240 a libra,
manleiga Irance/a de diversas qualidades e pre-
tos de 320 400 480 e 560. dita ingiera a 640.
ditapara lempeiro a 240 a libra, cha hison a
2*400 a libra, cal muido e em grao e todos
mais gneros por preto mais possiveis: na ven-
da da esquina,da ra do Aragao que volta para
Santa Cru' n. 43
o
\ n,l~ ...___ M-..___-
. .. '. ai: Itjtc 'icuiuii a
(16)
Portuguez/roAi'wi; lrata-se com Francisco Se-
verianno Rabello, no Forte-do-Mattos.
1Vende-se muito boas bichas chegadas l-
timamente de Hamburgo tanto grandes como
pequeas tambem se alugo e se vo ap-
plicar para mais commodidade dos pretenden-
tes; na ra Direita, loja de barbeiro n. 123 5)
Vende-se um bom piano-(orto inglez, oe
0 oitavas do author Clemente por commodo
prego; na ra da Moeda n. 15, prlmeiro andar.
1Vendem-se sementes de hortaliga e ces-
tos para meninos aprenderem a andar, e tedias
de vidro ; na ra da Cruz n. 48. (3)
Vende-se urna cama feita no Rio de Ja-
neiro com o melhor gesto possivel por 40^
rs. e he de Jacaranda ; um lavatorio de ania-
reb'o i-i in urna gaveta o um armario com
bastantes commodos p r 9000 rs. ; na ra
estreita do Bozario n. 32.
Vende-se superior tinta de escrever por
prego commodo ; na ra deS. Bita Nova n. 88,
na ra da Cao'eia-velha loja de Joaquim da
Silva Mouno, n 63, na mesma loja vende-se
urna preta moga .v"m v'cio algum e com
principios de engomma '
Vendem-se ded8es medalhas, anneles
com diamantes alfinetes t" boloes para aber-
tura e punho urna gargantilla de bom ouro,
e gosto para senhora unscoraJ*es cnm riqui-
fes de ouro de lei e um par de i/astifaes mo-
dernos urna colher de tirar souj.'a uro B
prata debjn toque para obras; as Ci/,co"Pon"
las n. 45.
iVendem-se duas varandas de ferro, con."Pri-
das, umaporgaode pedras de marrnore en-
cllente para ladrilho f pedras de sacadas, e
(i a 7 duzias de taboas de louro para assoalho
j preparadas; na esquina da ra larga do Ro-
tarlo no sobrado que se est concertando. (6/
1 Vende-se o muito vellciro brigue-escu-
na americano Combland, forrado e enravl-
Ihado de cobre prompto a seguir viagem para
qualquer parte ; a tralar com os seus consigna-
tarios Malheus Austins Companhia na ra
do Trapiche-novo n. 30 (t;
Vendem-fe charutos de Napoleo, em cai-
xinhas de 200 urna peneira de rame e vi-
priuceza/a 1*000 a libra, cerveja branca boc-
ea de prata a 480 a garrafa,genebro de Hollan-
da a 400 rs. a botija, velas de sebo do Porto a
400 rs. a libra.sebo de Hollanda a 320 rs a li-
bra, m,lio de Lisboa muito bom a 200 rs. a
garrafa, letria lina a 240 rs a libra, azeite do-
ce muito superior a 560 rs. a garrafa, manlei-
ga franceza muito boa para bolos de S. Joao a
560 rs. a libra, dita mais ordinaria a 320 al-
pista a 320 o quarteiro.breo a 50 rs. a libra,
arrs de Maranhao a 56o a cuia, cha hison
muito bom a 2f560 a libra, toucinho de Lis-
boa muito bom a 280 a libra, caf em caroco
a 140 rs. a libra, graixa ingleza n. 97 a 160 o
boiao: na ra de Agoas verdes venda n 48 (16)
- 1 Vende-se urna preta perilima, tanto em
varrela como de ensalmar,e ptima quitandeira
por preco commodo: na ra estreita do Ro
sario l.u andar n. 34. (i)
- Vende-se na praca da Boa-vista muilo
lioa carne dosertao e muito nova linguigas por
preto commodo em casa de Joaquim de Paula
Lopes.
1Vende-se 1 pardo bom official e pedreiro,
de 22 annos de boa figura e de bom com-
prtamelo ; na ra estreita do Rozario n. 10.
terceiro andar, todos os dias das 10 horas da
manhaa em diante. (
veiioem-si'eiiiiiiM yicias Boas mu reta-
Iho a 160. e 120 o covado, lilas pretas finas
a 200 rs. dito ; na loja deGuilherme Selle na
ra do Queimado n. 2o.
Vende-se urna preta que cosinha bem e
he boa vendedeira dj ra ; na ra do Agoas-
verdes n 6.
Vendem-se borzeguins gaspeados para ho-

couro de luslro para sapatos por preco comuio-j mein e senhora botins e meios ditos francezes,
ra da Cruz n. 37.
Vendem-se diccionario grego e francez e
alguns clasicos grsgos : na praga da Indepen-
dencia, livraria ns. 0 e8.
Escravos fugiflt'.H
3 No dia 6 de Abril p. p. ugirao do enge-
nho Cuiambuca, fregu? i a de Serinhaem o es-
cravo Mathias de estarura regular rosto so-
bre o comprido, parece ter 24 annos, nao sen-
do muito preto levando em sua companhia
urna neura captiva do mesmo engenho ; quem
os pegar lera 50# rs. levndoos a casa de
Gaudino Agostinho de Barros na ra da CrS
n. 60, ou no mesmo engenho Cuiambuca. 9)
2 Fugioopardo Miguel, official de mar-
cineiro claro alto, corpo recular sern bar-
ba, de 27 annos tem o costume de apertar um
Ihoquando falla ou ollia falla-lhe denles
nfrenle do lado superior; tem costuras "<
pescogo provenientes de glndulas, ou alpor-
cas e um escroto crescido, ps grandes e cha-
to usa ligumas tese de sapatos ; quem o
pegar, leve a casa de Gongalo Jos da Costa e
S na ra da Madre de Dos n. I, por cima da
botica ingleza, que sera bem recompensado. (H)
No dia 17 do correnle fugio da casa de
Francisco Severiano Rabello, um esciavo de
nome Sinro de estatura alia bstanle ma-
gro eja velho tem o cabello e Dama biait*i
lovou um ferro no p ; o,uem o pegar leve a
dila casa ou ao engenho S. Cruz as trras de
Taboca a casa de seu verdadeiro senhor Luiz
Jos da Silva que ser recompensado.
Rkcikb M\ Ttp. ok M. F. dk Faca. I*
I
*i


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOCA3PXMY_UXBU5I INGEST_TIME 2013-04-13T01:34:17Z PACKAGE AA00011611_05103
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES