Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05091


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1844. Segunda Fcira 5
U Diahi oublici-ae Indos os diasque nao forero sinlificatios : o prego d -ssiRn
be de Te mil rs. por quarlel pi;os adianlados. Os annunciosdos assRnantes sao irise
pralis, 6 oa dos que auo forem ramo de80 reis por linha As reclamacoes devem ser
idas ata lyp., ra ilas Crur.es n >4 ou a. praca na Independencia loja de litro n
PARTIDA DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, c l'araliyba secundase arviaa feiras.ttio Grande do Norle che a 8 e2> e
" ''"'' Cabo, Sennhaem Hio 1'ormoso. Macey, l'orioCalvo, e Alagoas no I
11e l decida mei Garanliuns e riomto ilUe '.'4 de ca.i mei loa-visti e
en 13* -its dito. Cidade da Victoria quimas feiras. Olinda todas o din
DAS da skmana.
a Se; I aulo. Aud. do J. de I), da '-'. v.
4 lerea a. Querioo He!, aud. doJ. de D da 3. t.
!> Quarli I. Marciano. Aud. do J de D. da 3 v.
(i Quinta + Corpo de Dos. Aud do J de D di 2. t
7 f>exti s Robe.to. Aud do J. de D di'J. T.
N Sab s Salusiiano. Hel. aud doJ.de I), di i. y.
!t l)oina da -.s. I'rimo c Feliciano.
DIARIO
de Jiinlio
Anno XX. IV. I 20.
-.;~iam.j~3gt.*rzm. i_
Todo i
tinuemus
(lillas.
f^fifpfJ'^n t't.MiMBaiqDi
da nnss> prudencia, roderai: i- energa: eov,
[lonia ii>s com admira* lo entre as nagdei buii
gOt$ depende de nos mr-smos;
como principiamos a aerea.!
Proclamabas di Assemblca Geral du Braril.j
CAMBIOS NO Da 3 DX IS1I .
Cambio! obre Londre I Oura-Moeda da 6,400 V,
. ti n Par 870 rris por franco I N,
,i ii Lisiiua .'42 por 'Ol de premio
^oeda de cobre 10 par
Jdem de leiras .le bou firmas 1 a \\ H|n
.i .i .'e 4,1)0.1
Pi ita
PtfIO col unronarea
I) itOfl Bll KcaDOl
compra
|7..!.lii
17.100
y, ion
1,960
1,96
1,960
venda
47,500
1
9 600
i 98 i
,980
1, PHASES DA LIA NO MI-./ DE .11 MI.
La cheia a SO 11 horas e 50 min di manli. I Luinoii i 45 n l aorai ef> inin da larda
Minguante a 7 as 6 borai e 8 in ;'a tarde Cmaoente 'l' is I h e 5 m. di larda.
Preamar de hoje.
Primeira as 4 horas e .111 rain d. mauh n. | Segunda i> 4 lunas e al miuuuis datare'
y-mv.r'a.i> ra:u%: ?s>vria-ivj,-cr~1j,-v.-:-:nnm Ji.iu_li:^.
..... .'. -.-'--
1~.i. "...
PAUTE OFFICIAL
MINISTERIO DA MARINHA.
Querendo dar urna prova Jo alto conceito
*m que tenho os merecimentos c virtudes do
meu muilo amado e pre/ado primo e cunhado
D. Lal Carlos Mara principe das Duas Si-
cilias, Conde d'Aquila, hei por bem conferir-
llieo posto honorario de Almirante, com todas
as honras senecios, regalas e privilegios que
competem ao mencionado posto. O Cencelho
supremo militar assim o tenha entendido, e
expeca os despachos necessariov Palacio do
Rio ile Janeiro em 5 de Maio de 18H. Vi-
gsimo terceiroda independencia edo Imperio.
Com a rulirica de S. M. o Imperador. Je-
ronymo Francisco Coelho.
RelacSo dos despachos publicados na corte pe-
la Secretaria d'Estado dos Negocios do Im-
perio, por occasiao do Feliz Consorcio de S.
A. I a Sra. D. Januaria, com S. A. 1. o Iho de
Sr. D. Lu Carlos Mara, Prencpe dus Castro; Ladislao da Silva Brando; oComman-
Duas Sicilias, Conde d'Aquila.
ORDEM DE AVIZ.
Cavalleiros.
O Major Jos Pedro Duarte; oCapitao An-
tonio Riheiro de Escoltar; o Capitn .Manoel
Fernandes da Cruz; o Capito Jos Folia Ban-
deira; o Major Manoel Luiz Ozorio; oCapitao
Joao Antonio Lisbaa.
ORDEM BA ROZA.
(rundes Dignatarios.
O Revm. Bispo Capello-mr I). Manoel do
Monte Rodrigues de Araujo ; o encarregado de
negocias do aples, I). Genaro Merolla.
Dignatario.
O Concelheiro Eustaquio Adolfo de Mello e
Mattos.
Commendador.
Jos Antonio Moreira, negociante na praca
do Rio de Janeiro.
O/flciaes.
Manoel Moreira Lirio da Silva Carneiro; Vi-
cente Antonio de Miranda Jnior; Manoel Al-
ves Ribeiro; o Chefo de legio TorqualoCoe-
Sousa ; Joaquim .Marianno Alves de
CORTE E CASA IMPERIAL
dante Superior Diogo Gomes Prente, no Cea-
r; o flcial da Secretaria d'Estado dos Nego-
ACamareira-mrD. Marianna Carlota de;0,1,08 ?lran8e'roS Vce"le A,nlo"! dttL":ta;.
Yerna Magalhaes. Condeca de Belmente; Jos! "'"fro residente do Brasilera Vienna, Sergio
Carneiro da Silva, Barao de Araruama; Joa- .lo,?'ra fe Mace,do' o encarregado de negocios
quien Antonio Ferreira. Barao da Guaratiba; ,nter!no do ?? na RJussia; Jos Mana do A-
Francisco Jos da Rocha, Barao de Itamaraty; maral; A(,""nistrador do Corre.o geral da
JoaoCavalcanti de Albuquerque, Fidalgo Ca
valleiro; Joaquim Manoel Carneiro da Cunha,
Fidalgo Cavalleiro.
ORDEM IMPERIAL DO CRUZEIRO.
/Vijynatari'o.
O Commandante da fragata napolitana .1-
tnalia, I). Luigi Jauch.
i /cial.
Joo Gallo Acayaba Tabireea.
Cavalleiros.
O Capito Adollo Pedro da Silva Cannibal;
o Major Manoel Rodrigues \alenca; oTenenf
te Manoel Bizerra dn Valle.
ORDEM DE CHRISTO.
Commendadores.
corte Jo> Mara Lopes da Costa,o Capitao An-
tonio Jos uarte, em Curaba; o Inspector da
Thesouraria de Minas Gerats Manoel Teixeira
de Sousa; o Cftronel Manoel Antonio Ribeiro
de Castro, da cidade de Campos; o Official da
Secretaria d'Estado dos negocios estrangeiros,
Joaquim Themoteode Araujo.
Cavalleiros.
Antonio Jos de Sousa Guimares, da cida-
de de Marianna; Antonio Ferreira dos Santos
Leque, em Guyabi; Jos Gomes da Silva; o
Tenente oropel Francisco Lopes Freir no
Cear ; o ecretario da legacao do Brasilera
Roma, Jos Bernardo do Figueiredo; o Cn-
sul de aples Luiz Decostcrd; o Capitao Te-
O Sr. Turner, encarregado do negocios da
Inglaterra, foi recebido no dia 22 de Abril.
O Ministro de Franca em Iluenos-Ayres ti-
nha chegado a Montevideo, e dizia-so que se
relirava.
Da campanha nadase sabia ollicialmenle. O
Nacional, referindo-se a cartas particulares, d
o General Rivera as ramediaces de Paysan-
d, mas pelas noticias que temos do Rio Gran-
de, vemos que nao pode ser isso exacto,
Pelohriguc ingle/, llarriet recebemos jornaes
de Montevideo at \ do crrente (Maio). Nada
tinha occorrdo de novo.
Por decreto de tres de Maio determinou o
governo que o pao e bolacha fosse fabricado'
vendido, durante o sitio la praca, por contado
povo, representado nesiecaso por urna comrais-
sao nomeada pelo poder executivo.
V
|.
D. Caetano Ferro, Capellao e Contessor de n,'"le Lourenco da Silva Araujo e Amazonas ;
S. A. l.o Sr. D. Luiz Carlos; Francisco das o Ma|or Egydio deLorena; oCirorgiSo da fra-
gata napolitana Amalia francisco hpinr ; o
Commissarioda dita fragata, Baldessene'Capar-
done; o Capitao de artilbaria da Guarda Naci
nal, Joao Mara Jacobina Jnior; o Capitao
(-hagas do Andrade, proprietario era Minas Ge-
raes.
Cavalleiros.
O Cirurgio mor Jos Joaquim Pereira de
Moraes; O r. Pedro Classen; Manoel Fer-
Antonio Correa Vianna; o 1.Tenente Official
reir Guillarte; O Padre Zefirino Jo Correia; | J ne,a',,e o Capitao Zefirino Jos de Abreo; o Major Mi- Mau0 J alrelle-
guel Xavier Henrique de Uliveira; o Vigario
Jos da Costa Barros, do Coar; Antonio Bal-
bino Nogueira de Carvalho, de Minas Geraes;
Pedro Francisco da Silva, negociante!) proprie
torio em Santa Calharina; o Padre Francisco
Manoel de Barros, Vigario da freguesia de S.
Lourencoda Malta em Pernambuco; Antonio
de Sou/.a Ferreira, Cnsul no Per; Joaquim
Maria Nascentes de Azambuja, Official da Se-
cretaria de Estado dos Negocios Estrangeiros; o
Capellao da fragata napolitana Amalia, Doni-
co Valdenoto; o Padre Manoel Vasques da Cu-
nha e Pin lio, Vigario da fregue/ia da SS. Trin-
dade na capital do Para ; o Contador da Mari-
nha Domingos Rodrigues de Moura ; Fran-
cisco Adolfo Varnhagen ; o Dr. Ezequiel das
Noves, provincia da Bahia; o Sargento-mr
LucasJos de Alvarenga, na cidade de Campos;
o Capito de cavallaria da Guarna Nacional da
corte, Francisco Pereira de Aguiar; oCapitao
mandante do 1. batalhao de inlantaria da mes-
'na guarda, Luiz Ignacio da Silva; o Major do
A. batalhao du mesma guarda, Manoel da Cruz
Rangel ; o Major do 7.. batalhao da mesma
guarda, Joaquim Barbosa de S; o Major do
8.o batalhao da mesma guarda, Francisco Luiz
Villa Forte; o Capito do 0 baUlho ta mes-
ma guarda Miguel Ribeiro do Ainaral; o Ca-
pito do \ o batalhao ila mesma guarda, Jos
Antonio de Freitaa Guimares; o Padre Jos
lavares de M-ndonca Sarment, Vigario da
Ireguezia de Santa Maria Magdalena, as Ala-
goas.
Secretaria d'Estado dos negocios do imperio,
em -J de Maio de 18M. Antonio Jos de Paira
Guedes de Andrade.
[Jornal do Commercio.)
EXTERIO

RIO DA PRATA.
Sos Jornaes do Commercio ltimamente re-
cbidos Ieeif?-se os seguinles artigos:
Pela paquete inglez pider, recebemos Jo-.
Ibas de Montevideo at 25 do mez passado.
No dia 24 fez a gurnicao da praca urna sorti-
ja era frca. Na parte exterior transcrevemos o
boletim do General Paz.
A legio franceza dissolveo-se no dia 11, se
gundo exigir o Almirante Lain. Reunida na
praca de Cagancha, depOl as armas, e o gover-
no oriental communicou ao Almiranteque a le-
gio de Voluntarios tinha cessado de existir. O
Almirante deo-se por satisleito.
No dia 12 reuniro-se novamento os dissol-
vidos, e declarando que renunciavao a proteo
cao da Franca, pedirn carta de naturalisacao
de cidados orientaes, e oTcrecrao-se para pe-
gar era armas como taes. O governo concedeo-
llies a naturalisaco, e armou-os de novo, or-
ganisaodo-os em urna legio denominada .Se-
gunda legio da Guarda Nacional de tn/unta-
ra Foi nomeado Commandante delta nova
legiSo, com o posto de Coronel da Guarda Na-
cional, o Sr. Thiebaut, que tinha sido Chele
dos Voluntarios.
RIO DE JANEIRO.
ASSEMBLA GERAL LEGISLATIVA
Sesillo Imperial da abertura em 3 de Maio
de 184r.
Presidencia do Sr. V isconde de Mont'Alegre.
Reunidos os Srs. Deputados e Senadores, pe-
las 11 ioras da inanha, no Paco do Senado,
sao nomeados para a deputacao que deve rece-
ber a S. M. o Imperador os Srs. deputados:
Henriques de Rezende Ramiro Jacinto da
Voiga Pereira da Silva Souza e Mello ,
Carvalho, Reboucas. Carvalho de Mendonca,
Silva \ ianna Sergio, Lemos, Franco de S,
Janeen, Miranda, Alves ile Azevedo Mon-
des da Cunha Venancio Lisboa Mattoso ,
Magalhaes Castro Wanderley Simoes da
Si^va Machado Nunes e Santos Azevedo ; e
os Srs. Senadores Brito Guerra, Alencar, Ver-
gueiro, Lopes Gama, Oliveira, Coutinbo, Car-
neiro Leao, Dantas, visconde de Congonha Sa-
turnino, Clemente Pereira, Baro doPontal,
Cunha Vasconcellos, Oliveira, e Lima e Silva.
Para a deputacao que tem de receber a S.
M. a lmpcratriz e SS. AA. II. sao nomeados
os Srs. Deputados Visconde de Baependy D.
Manoel D. Jos Lima e Silva Miranda
Ribeiro Siqueira e Silva Paulino e Paula
Candido; e os Srs. Senadores: Araujo Vian-
na, Conde de Lages, Visconde de branles e
Mrquez do Baependy.
A' meia hora donois do meio dia ahio a dft-
putaco a receber a SS. AA. II. ; e a urna ho-
ra da larde annunciando-se a chegada de S.
M. M. o Imperador e de S. M. a lmpcratriz ,
sao recebidos pelas respectivas deputacoes por-
ta do edificio.
Tendo S. M. a Iraperatriz e SS. AA. II.
oceupado a tribuna foi S. M. o Imperador
recebido na sala das sessots pelo Sr. presiden-
te e secretarios os quaes, unindo se depu-
tacao acnmpanho o mesmo augusto senhor ,
at o throno, que depois de tomar nelle assento.
manda sentarem se os augustos e dignissimos
senhores representantes da nacao e pronun-
cia a seguinte falla :
Augustos o dignissimos senhores represen-
tantes da nacao.
Venbo com o maior contentamento abrir
a tercoira sessao da actual legislatura annun-
ciando-vos o consorcio da ininha muilo presa-
da irma a prnceza imperial com sua alteza im-
perial o princi pedas Duas Sicilias, conde d'A-
quila: allianca feliz, que d maia um p.-nhor
perpetuidado da minha imperial dynastica e
preencboosrnais ardentes votos domeucoracao.
O imperio acha-se em paz com todas as
nacoes estrangeiras e para conserval-a jamis
deixarei de empregar todos os meios compati-
veis com a dignidade nacional
Sinto communicar vos que ainda se nao
acha de todo extincta a guerra civil na provin-
cia de S. Pedro do Rio Grande do Sul. as
outras reina a ordem ; e para mais firmal-a as
de S. Paulo e Minas Geraes houve por bem
amnistiar a todos os comprometidos nos movi-
mentos que alli tiverao lugar.
Nossas financas reclamo ainda mui serios
cuidados e nao menos importa attender ao es-
lado da nossa agricultura e commercio.
Os meus Ministrse Secretarios de estado
vos dar conta dos negocios conecruentes s
suas reparlicoes.
i Augustos o dignissimos senhores represen-
tantes da ii.H o, a felicidade dos brasileirns e o
engrandeciment" o prosperidade do imperio sao
o constante objecto dos meus desvelos, e cont
com a mais franca e leal cooperarlo da vossa
parte.
Est a berta a sessao.
Terminado este acto retirn-se S M. o
Imperador, S. VI. a lmpcratriz e SS. AA.
II. com o mesmo ceremonial com que havio
sido recebidos ; e immediatamente oSr. pre-
sidente levanta a sessao.
OCAZAMEN.K) DESS. AA. II.
Antes do hontem, 28 do torrente (Maio), te-
ve lugar a solemne ceremonia do consorcio da
Princeza Imperial a Sra. I). Januaria como Sr.
Conde d'Aquila, irmao de S. M. a lmpcratriz,
Ao amanhecer urna salva geral das fortale-
zas e navios de guerra surtos neste porto an-
nunciou que era chegado este dia to dezejado
por todosos Brasileiros.
As 9 horas S. A. o Sr. Conde d'Aquila par-
ti do paco da cidade onde loi hospedado, para
o do S. Christovo a reunir-so a Imperial fa-
milia, para d'alli virem juntos para a cidade.
As 10 1|2 partiro SS. M.M. e AA. do paco
da Boa-vista em grande prestito formado da
maneira seguinte :
Rompa o prestito um piquete de cavallaria
commandado por um subalterno.
Seguia-se o coche que conduzia os Exms.
Porteiro da Imperial Cmara, Bispo Esmoler-
mr, o Guarda-roupa o Medico de semana.
Depois deste, ura piquete de 12 mocos da es-
tribeira.
Segua se um coche com tres damas.
Outro com asduas Exras. Damas Camarei-
ras- mores.
No quarto vinho os viadores de S. M. a Im-
peratriz eo Ajudante de Campo de S. A.
No quinto o Euro. Camarista de semana o
vedor.
No sexto o Exm. Mrquez estribeiro-mr.
O stimo era de estado.
No oitavo vinba S. M. a Iraperatriz e S. A.
L, guardadas por quatre motjos cmara
cava"
aguardadas or ntiairn
,
o.
No ultimo, chamado o Monte de Prata por
por ser todo guarnecido (leste metal, vinba S.
M. o Imperador e S. A. o Condo d'Aquila,
precedidos pelo Tenente da guarda de archei-
ros, guardado por seis mocos da cmara ca-
vallo, indo na portinhola do lado dreito o Ca-
pito da guarda de archeiros o Exm. Sr. Jos
Maria Velbo da Silva, e na do lado esquerdo o
Estribeiro-mr,
Fecbava o prestito o regiment de cavallaria
do linha commandado pelo Exm. Coronel Gus-
mao.
Tanto o estado como e sobredito regiment
rvalisavo era aceo e riqueza. A muzica de
cavallaria produzia mui bello effeito.
As 11 horas e um quarto chegrao SS. MM.
e AA. casa da Cmara Mnnicipal, onde se a-
chava formada a imperial guarda de archeiros,
que s ordens do seu Exm. Commandante,
guarnece os coches em que vinba a imperial
familia; e desta forma continuou o prestito pe-
las ras de S. Pedro e Direita at o pac,o por
entro alas da (ropa nacional e de linha.
As ras por onde passou o cortejo estavo ri-
camente ornadas de brilhantc tapecaria, e so-
bre tudo de um luzidissmo concurso dos habi-
tantes desta capital, que seapinhavao para ve-
rem passar os objectos que Iho sao tao charos.
Grande numero de pesoas gradas, convidadas
assistirem ao casamento, oceupava as salas dos
paros, aguardando o desejado momento de par-
tirem para a celebracode ura consorcio to de-
sojado quo approvado pela nacao.
A meia bora depois do meio dia, mandou S,

i


*'. o [(operador que seguase o prestito para a
capullo.
ous dolos da cmaro para este lini nomea-
dos como sub mestros salas marchavio odiante.
Seguiio -se as pessoas convidadas para assis-
tirem no corpo do capello.
Iinmediatamente a estes, os porteiros da ca-
raira e da maca.
Vinhio depois os mocos da cmara, os offi-
ciaesdacasa, mocos lidalgos coin exeroicio e
titulares sem grandeza.
Segua se o Exm. Sr. Commandaote Taro,
6crvindo de porteiro da imperial cmara, temi
ao lado direito o moco lidalgo o Sr. Ignacio Di-
as Pees Lome, levando urna rica taca de ouro
em al mofada de veludo bordada do mismo me-
tal, a qual continua uin lislau de todas as or-
Jens lirasileiras o um collar de ouro e esmalte
da ordem da Roza.
Do lodo esquordo ia o moco da cmara o Sr.
Costa Aguiar, com outra taca de igual riqueza,
contendo os dous anneis nupciaes, o dous ricos
cartoes, em que se achavioescripias as pelavras
canonicasque SS AA. deveriio repetir no acto
oo casamento, feitas com todo o primor pelo
mostr de calligraphia da familia imperial L.
A. Bou lo rigor.
A usquorda deste ia o moro da cmara o Sr.
Commendador Francisco Jos do Rocha, levan-
do em outra igual ta(a urna pasta contendo o
a.cto do casamento.
Seguio-se a corte, e nella se viiio o Exm.
Dignatario Afarola, e o Dfm. Sr. Jaoch, Aju-
dante de campo de S. A., que So servir de tes-
temunhas napolitanas.
Ia por ultimo, na curte, o Exm. Mordomo,
vervindo de mostr -sala, nomeado ad hoc.
Vinha entio S. A o Sr. Conde d'Aquila
Jando a direita a S. A. I., e logo depois S. M.
o Imperadora direita de S M. o [mperatriz.
S A. o Sr. Conde d'Aquila Irajava faida e
insignias de Capitio de mar e guerra da armada
napolitana, com a divisa de Ajudantc de campo
de S. M. o Rei das Duas Sicilias. 1 razia as or-
dena de S. Fernando, de S. Januario e do Cru-
zeiro.
S. A. [. trajava vestido de renda branca, com
veo o cauda da mesma cor. Trazia as ordena do
imperio, de Iza bel a catbolica, c a do Cruz. Es-
trellada, lodos os olhos procuravo ver este anjo
de candura e de f-ondade, todos faziao votos pa-
ra que o Todo Po leroso concedesse longos dias
de ventura adorada Princeza Imperial.
Segua-seo Exm. Estribeiro-mr, servindo
de .Moniorno-mor, e os Exms. Camaristas de
semana Joao Jos de Andrade, CapitSo da guar-
da de areboiros, Commandante do regiment
de cavallaria, damas carnareiras-mres e de ser-
vico, guarda-roupa Jernimo Martina de Al-
meida, Medico Freir, Alloman.
Aochegara imperial capella, torio SS. MM,
e AA aspergidos pelo Exm. Sr. Rispo Capel-
lao-mr, e dirigindo-se depois em corte eccle-
siastica capella do Santissimo Sacramento,
leita a oracio, seguiroo para a capella-mor. O
Exm e Revm, Sr. Bispo diocesano oceupou o
solio, e SS. MM. e AA o tlirono. dando S. M.
o Imperador o primeiro lugar a S. M. a Empe-
ratriz, no lausto dio em que se augmcnta'va o
parentesco que o liga a real familia de aples.
Era oceupada a quadratura pelos Monsenho-
reseConegos, o o centro della pelos Exms.
Marquezes, Ministros e secretarios de e,slado,ca-
maristas de semana, Capitn da guarda, Com-
mandante de cavallaria, os Exms Viadores, o
iie semana a S. M. a mperatriz, remando Dios
PaesLemo; o Sr. Cordeiro da Silva Torres ao
servicodoS. A. I a Sra. i>. Jonua.ia, o o Sr.
raz Carneiro Beiens a S. A. o Sr. Conde d A-
quila; as Exms damas, porteiro da cmara,
guarda-roupa o Medico de semana, os porta-in-
signias j nomeados, e dous mocos da cmara
servindo de guarda tapecariase naanti-quadra-
tura, cima dos cancellos, a ollicialidado napo-
litana.
O corpo diplotico j a este lempo oceupuva
as tribunas competentes.
Na du S. SebaatiSo estava o Sr. D. Caetano,
Confessor o capellio de s\ A. o Sr. Conde d'A-
quila.
asdoaguarda-roupas, estes, os mdicos e
oliciaes da casa.
as do corpo da groja, do lado da epstola,
osSras. damas e as de tratamento de exceden-
cia convidadas.
as duas primeiras, lo lado do Evangelho, se
viao os representantes da nacoo, e na terceira os
estrangeiros de distinecao.
Logo que SS. MM. o A A. oceuprao o tbro-
no,
O Exm. Ministro da juatica expediosoas-or-
dena para que enlrassem para a capella todas as
pessoas decentemente vestidas que o dezejassem. j
A capacidadeda capella pi correspondi af- '
Ouenci
Tendo o mcstredccoremonii lia par-
i Exm. mestre-sala que tu I" estava
prompto, este, fazendo urna profunda reveren- .
cid a S. M. o Imperador, obteve ordem para co-1
meoara ceremonia, e tozendo outra a SS. AA.
como para os pn venir da ordem imperial, S.
A. oSr Conde d Aquila, dando a dexlra
Princeza, descero o ambos oa dogrosdo tbrono:
do pavimento, o Ironteirasa SS. MM., Ibes (i-
zerao urna profunda reverencia: d'alli subirao
ao pre-bytero como mestre-sala, as testemu-
nhaa, dama desorvico, \ adores, osdoui guar-
da-lapecarias eo porta anneis.
Approximadosos augustos conjuges ao Exm
e Revm. diocesano Capellao-mr. esto Ihes di-
rigi as perguntas cannicas.e tanto o Sr. Con-
de d'Aquila como a Princeza nao responderao
sem obterum, por urna reverencia toita a S. M
o Imperador, seu consenlimento, o que loi
Postas as mosdireitas dos augustos conjuges
sobre a estolla do Exm, celebrante, os Exms.
N adores apresontrao diante do SS. AA. os
carteles de que cima fallemos, para ropelirem
as palavras cannicas, sendo o de S. A. o Sr.
Conde d'Aquila em franrez o o de S. A. I. a
Sra. I). Januaria em portuguez.
S. Ex. lima, benzeo os anneis nupciaes quo
llie foro apresenlados pelo Monscnbor dico-
no, e onlregou ao Sr. Conde d'Aquilaoda Sra.
1). Januaria, o (pial o collocou no dedo an-
nellarda mesma Augusta Sra. e recebeo depois
O seu.
Depois desta ceremonia, os guarda-topeca-
rias estendro no estrado do altar-mr urna
rica colcha de sda com franja de ouro, e offere-
cendo nos Exms. Viadoresaa almoladus, estes
as collocrio convenientemente, ajoelhando-se
o principo direito da princeza, como estive-
ra no acto da rccepcoo.alli recebrao as heneos.
"indas estas, levantaro-se SS. AA e o
Principe, dandoa dextra Princeza, descro o
prcsbjtero, e fronteiros a SS. MM., Mies fizo-
rao urna profunda reverencia, que foi pelos
meamos AugustosSrs. correspondida.
S A. a Princeza Imperial subi primeiro, e
toi re ehida por S. M. a Imperatriz, que se
digriou lancar-lbe ao col um rico retrato do
Sr. Conde d'Aquila, guarnecido de grossos bri-
llantes; e depois de se obracarem, S. A. I to-
mou osuacadeira no throno.
S. A. 1. o Principe, que no pavimento ti-
nlia esperado que (indasse esta ceremonia, su-
bi entao fronteiro a S M. o Imperador, entre
os Exms. Mrquez Mordomo-mr e o mostr-
la acompanhado pelo moco (dalgo que lovava
a taca com as insignias.
(".bogando o Principo ao penltimo degro
do thronoo Exm. Mordomo-mr oflerecendo a
S. M. o Imperador o lislao de todas as ordens
brasileiras, do qual penda o medalhao da or-
dem da Roza (porque o Principe j era Grao-
cruz do Cruzeiro, cuja insignia lovava), o rnes-
mo augusto Sr. porsuas proprias maos Ih'olan
coa, e logo depois, recebendo do mesmo Mor-
domo-mr o collar de Grao-cruz da ordem da
Roza, Ih'o lancou lambem, contilo chamando-
o a seus bracos, llie deo um sculo na testa. O
Principe, ebeio do reconhecimento, procurou
beijar a mo do S. M. o Imperador, quo Ih'o
nao consentid, apertando-lhe a mao com ma-
nciras mui graciosas.
O Sr. Conde d'Aquila procurou tambem bei-
jar a mao de S. M. a Imperatriz, que lez o mes-
mo quo seu augusto esposo. O principo tomou
entao o sen lugar.
O Exm Ministro e Secretario de estado dos
negocios do imperio, enllocando se fronteiro a
S. M. o Imperador, leo em alta voz o seguinlc
auto:
Aos vinte e oito (lias do mez de Abril do
anuo do nascimonlo de Nosso Senbor Jess
Cbristo de mil oitocentose quarenta oquatro,
n'csla calbedral e imperial capella da muito he
roica o leal cidade de S. Scbaslinhao do Rio de
Janeiro oceupando o solio o Exm. o Revm
Bispo Cappellao mor e diocesano D. Manoel do
Monte Rodrigues de Araujo, o o throno o mui-
to alto o muito poderoso senbor D. Pedro II ,
Imperador constitucional e defensor prepetuo
do Brasil e sua augusta esposa a Imperatriz
Sen hora Dona Thereza Cbnstina Maria, es-
tando presentes os Ministros e Secretarios de es-
tado, Conselheirosde estado, grandes do Impe-
rio, officiaes mores, officieese mais pessoas da cor- '
teecasalmperial. muitosSenadorcsoDopulados, (
corpo diplomtico estrangeiro, membros dos tri-.
bunaos da corte, e muilas outras pessoas de|
distinecao expressamonte convidadas se casa- j
rao com as solemnidades cannicas e por pa-'
larras de presente, sua Alteza Imperial aSenho-!
ra Dona Januaria Maria Joanna Carlota Leo-]
poldina Candida Francisca Xavier de Paula
Micbaela Gabriella Raphaella Gonzaga filha
legitima do fallecido Senbor Dom Pedro de
Braganca o Bourbon primeiro Imperador
constitucional e defensor perpetuo do Brasil ,
e de sua augusta esposa lambem fallecida, a
senbora Dona Moria Leopoldina Josepha Caro-
lina. Archiduquesa d'Aus.tria, irmo germona
do Sua Masgestade o Imperador; nascida in-
fanta porugueza a onze de Marco de mil oito-
centos o vinte e dous, baplisada nesta impe-
rial capella a dezoilo do sobredito mez e armo ,
declarada Princeza brasileira pelo acto da inde
pendencia do Brasil, reconhecida Princeza
imperial e berdeira presumptiva do throno
e corda do Brasil pela loi do 30 de Outubro de
mil oitocentos e trinta e cinco, e pela Assem-
bla Coral por acto solemne na (orma da so-
bredita lei, aos trinta e um de Maio do mil oi
tcenlos e trinta eseis: com sua Alteza Real o
Sonhor Dom Luiz Carlos Maria de Bourbon,
Principe das Duas Sicilias. Conde d'Aquila,
irmao germano de Sua Magostado o muito alto
e muito poderoso Senbor Dom Fernando Se-
gundo, Rei do reino das Duas Sicilias, nasci-
do em aplos aos dezenovo de Julho do mil
oitocentose vinte oquatro', flb legitimo do
fallecido senbor Dom Francisco Primeiro Rei
do reino das Duas "cilios e de sua magesta-
dea Rainhaasenhora Dona Mara Isabel, nas-
cida infanta de Hespan'ua ; sendo testemunhas
para este fim nomoadas por Sua Magestade o
Imperador o Illustrissimoe Exm. Sr. Jos Car
los Pereira de Almcida Torres, do Concolbo de
estado, Sonador do Imperio Desembargador
da RelaQo da corte, Commendador da ordem
de Cbristo, Ministro o Secretario do estado dos
negocios do imperio; o o Illustrissimo o Excel-
lentissimo Mrquez de llanhaem, do Concolbo
de Sua Magestade o Imperador, seu Rslribeiro
mor, gentil bomem da sua imperial cmara,
o grao cruz da ordem do Cbristo : o por sua
alteza real, Dom Genaro Merolla, cncarrega-
do de negocio de sua Magestade o zei do reino
das Duas Sicilias nesta corte enviado extraor-
dinario e ministro plenipotenciario nomeado
para ossistir a este solemn'j acto dignilario da
ordem imperial do Cruzeiro commendador da
de Christo e cavalleiro das Conslantiniana e
do S. Gregorio Magno ; e Dom l.uigi Jaucb ,
capitao de fragata de sua dita Magestade o rei
do reino das Duas Secilias commandante da
fragata Amalia, Oficial da ordem imperial
do Cruzeiro. E de assim so ter felizmento ce-
lebrado este casamento se lavrrao tres autos
em ludo idnticos subscriptos pelo illustrissi-
mo o oxeeilentissiino ministro o secretario de
estado dos negocios do imperio o assignados
pelo excellenlissimo e reverendissimo bispo ca-
pellao mor e pelas releridas testemunhas ; de
vendo um dellesscr remedido para o reino das
Duas Sicilias conservar-se outro no archivo
da secretaria de estado dos negocios cstrangei
ros desto imperio o archivar-se o terceira no
archivo publico delle E eu Jos Carlos Pereira
de Almcida Torres o subscrivi e assignei I).
Manoel, bispo cappellao-mr. -- Como mi-
nistro do imperio e testemunha Jos Carlos
Pereira de Almeida Torres.Como testimu-
nha, Mrquez de llanhaem. Como testimo-
nio Genaro Merolla Como testimonio, Lui-
giJauh.
Finda a leitura, urna salva de artilharia pos-
tada no largo do campo annunciou aos habi-
tantes derla populosa capital que se achavaosa-
lisfcitososseus anbelos.
O Exm. Revm. celebrante entoou o hymno
Tt-Deum Laudamus do Sr. Masciotti, o can-
tado pola primeira vez pela sagracao de S. M.
o Imperador.
Esta composicao auxiliada pela poderosa
voz do Sr. Fioritto, produzio bello efloito.
O templo se acbava ricamente adornado.
Depois do Tt-Deum regressou o prestito ao
paco na mesma ordem em que delle sahira.
SS. MM. O AA. II. se dign;'ir0'lar hpijg-niSf;
cite na sala do throno.
lmiiicdiatamcnte depois, em outra sala pri-
vada, recebrao as senboras do Corpo Diplo-
mtico, e depois deslas as senboras que tinhao
oceupado as tribunas, e quo nao sao damas.
Depois disto, recebrao o Corpo Diploma-
tico, e MonsenborCampodonico, internuncio
apostlico, cerno decano do Corpo Diplomti-
co, dirigi a S. M. a seguinte (elieitacSo.
Le jeunePrince, Sire, qui dj tait uni
a Votre Majest Impriale par des liona si inti-
mes, vient aujourd'hui avee la bndiction
du Trs-Haut.de doubler seslitres votre bien-
veillonce fraternelle. Son Altosse, en en-
trantdons votre augusto tomillo par son heureux
mariage avec la Princesse Impriale votre sceur
bien aimc, ne peut tre que toueb de la plus
tendr motion puisqu'il y apporte tou-
tes les vertusqu'il adja le honheur d'y trou-
ver. Voila certaincment un sujet bien digne
des folicitations de toul lo pcuplc bresilion,
aux quelles le corps diplomatiquo plus que ja-
mis s'empresse de s'associer dans le moment
o, par mon organe, il a l'honncur d'offrir
VotreMajest Impriale ct son augustofamille
sos hommages les plusrespectueux..
O jovem Principe, Sonhor que j eslava
unido a Vossa Magestade Imperial porlacos tao
ntimos.acaba hoje.com a benc&O do Altissimo
du> duplicar os seus ttulos vossa paternal bono
volencia. Sua Alteza,entrando na vossa augusta
familia por seu feliz cansorcio com a Princeza
Imperial, vossa muito amada irmaa, nao pde
deixar de sentir-se tocado da mais lerna emo-
co, pois quo o acompanbao tedas as virtudes
que olio tom j a ventura de abi adiar. Eis
cortamente um objecto bem digno das felicita
coes do todo o povo brasileiro, as quaos o Corpo
Diplomtico mais quo nunca se apressa de asso-
car-so no momento em quo, por meo orgao ,
tom a honra de oflerecer a Vossa Magestade Im -
perial e sua Augusta Familia as suas home-
nagens as mais respeitosas
Les va'ux que vous m'exprimes au nom du
corps diplomatiquo pour le bonbeur de ma bi-
en aime Smur et deSon Altesse Impriale mon
tres eber frre me seronl oujours agrables.
Os votos que acabis de exprimir-me em
nomo do Corpo Diplomtico pela felicidado de
minha muito amada irm5a e de S. A. Impo-"
rial meu mui ti querido irmao, meseraosem-
pre agradaveis.
Depois desta* redopelo, SS. MM. e AA II.
assislro s continencias da parada, que toi
commandada pelo Ex m. Sr. Lzaro Jos Gon-
calves; e depois que >s tropas desfilariio, os
mesmosAugustosSenbo.-es recebrao en. acto
de beija mao todos os cr>laos e lfiribcs mi-
litares que concorrr3o pora obrilhrntisnio des-
te dia, tendo tido precedencia a lllm. Cmara
Municipal.
As 4 boras c meia SS. MM. fi AA IL so di-
rigiro aos aposentos dos auguslc s conjuges;
seguidos pelas pessoas mais familiar*.'*'' e che-
gando ao quarlo do leito, onde eslava Lxm.
Bispo Capello-mr, all se (oz a core monia
da bencoo do leito nupcial.
A's 5 horas, servio-sc um oxplendido jani."""
de 04 lalberes, SS. MM. oceuprao o topo da
meza, fronteiros ao retrato do Sr. D. Joao ^ I,
Picando a direita da Imperatriz. a Princeza Im-
perial, c a esquerda do Imperador o Principe.
Assistrao ao jantar o Exm. Mordomo-mr, os
Ministrse Secretorios d'Estado, Concelbeiros
d'Estado, Ministros plenipotenciarios e resi-
dentes das nacoes estrangeiros, Commandantos
da parada, da guarda do a<*cheiros, da guarda
de cavallaria, Ajudante de Campo de S. A. ,
Oliciaes do fragata napolitana Amalia, Cama-
ristas e Viadores de semana, \ odor, Guarda-
roupa e Medico, Confessor do Principe, Mes-
tre-sala, Porteiro da Imperial Cmara, damas,
c outras pessoas dislinctas que tivorao do exer-
cer funeces nesta solemnidade.
<> jantar toi servido com muito bom goslo o
munificencia. Brilhavo na meso trez ricos
plateaux guarnecidos com estatuas douradas,
magnifica porcelana crystacs de Bohemia, o
urna sumptuosa baixella de prata c ouro. A
combinando, arranjo e servico da mesa excediao
a toda expressSo, o faziao honra ao talento do
Olh'dal da caza encarregada das imperiaes co-
zinhas, Marianno Jos Pinto
S. M. o Imperador deo por (indo o jantar
s t horas da larde, bebendo a saude de SS.
AA. II. os Augustos desposados.
SS. MM. e AA. se retirrao aos aposentos
dos Principes onde (oro servidos, de caf e
os convidados aos oulros sales do paco.
A's 8 horas, illuminou-se a cidade, e s 8
1/2 SS. MM. se letuario para a paco de S.
Lhrislovao.
Nao terminaremos sem accresconlar que, du-
rante toda esta solemnidade, reinou constante-
mente a melbor ordem,sem que sepodessenotar
amis pequea talla (orna! do ComMtrcio.)
RIO GRANDE DO SUL.
Chegrao noticies do escrcilo ci data Js
18dopassado: segundo ellas, tao continuan-
do no bom andamento nossos negocios polti-
cos : cada dia so vcm mais aportados os tuga-
ses rebeldes ecada dia mais vidos pela com-
pleta pacilicacao da provincia os nossos sem pro
firmes guerreiros: louvores Ihes sojo dados.
S. Exc. o Sr. general em choto inda estava
as barrancasdo Uruguay na especlaliva se seria
com odeito desarmado ocaudilho Joao Antonio
pelo govorno de Corrientes.
O Uruguay foi por S. Ex. mandado guar-
necer com Ires lanchoi'8 armados sendo o im-
portante fim d'osta guarnico nao s obstar a
passagem o repussagom do rebeldes como lam-
bem vedar os mudos contrabandos, os quaes le-
sivos causa, pexjudiciaos Fazenda Nacional, e
favoraveis aos anarchistasso o pi ineipal negocio
de individuos que nada so importando com
o bem geral nao dando valor algum ao bem re-
al, qual a estabilidade da ordem nada duvidao
praticar urna vez real, que do um qualqucr il-
licito commercio juljiuem pod. r tirar algum lu-
cro pecuniario : maldita avsreza.
Contra osles mais nocivos, que os rebeldes ,
por isso que aos rebeldes prestao ellos os possi-
veis soccorros desejariamoa n< s ver por em
oxecucoo ludo o mais lorte, que conten nossas
Iracas lois j que sem se aberrar da lei nada
mais se pode fazer : n'estes pora exen.plo de
oulros, que animar se poaaio a em prebendar
lio lucilo quanto perjudicial commercio ,
quereriamos nos ver cabir a odiado espado da
juslica.
Diza-se no exercito, que os rebeldes tencio-


>^
naviio mandar umemissario a tratar da paz: da- em casa do Capilao Pereira ; a conferencia leve
mos crdito a noticia por ser em tudo digna a por ohjeclo o tratarem de gnlvar-se emqnanto
pessoa que nol-a-refere ; mas nad < damos por bes restava um bocadinho de tempo, depondo
tal pr/i e muito menos pelo desojo sincero, que as armase dando a guerra por (Inda; o resulla-
d'ella tenhiio os rebeldes be de mais condecen- do de tal donferencia loi assignarcm todos os
do nos, como de todos, be conbecida a vivesa cheles rebeldes um pipcl eni que autorisavao I).
e experiencia militar do Sr. Barao de Casias, | Frucloa tratar com o Sr. Bario de Cotias, ou
estamos mais.que certos, que nem S. Ex., caso com o governo imperial a respeito da paz : em
elles tivessem tal desejo annuiria a urna s suas proposii,oes urna spalavra nao sed\ isa tcn-
condiedo vergon liosa ao imperio, e prejudicial
a sua propria dignidade e que nem mesmo se
deixara illudir com palavriados ja conbecidos.
Tempo e descanco he o que boje so torna
mistar aos rebeldes, tempo, e descanso, e nlo
paz, he o que ellos a nosso ver ambicionao, po-
rm guerra e guerra continua be o que tiles
encontraras no distinelo general pois com
guerra e continua guerra he que ello os tem
redusido a tao triste estado o com guerra e
continua guerra he que S Ex. os ha de com-
pletamente extinguir.
Os rebeldes conlinaoa estar no Estado Ori
ental d'alli nao ousao sahir e assim dSo el-
les a entender, que nem ao menos ja \iojecon-
fio as patas de seus cava los tao destros em
correr, porm elles teem ra/ao pois que a ex-
periencia Ihes tem mostrado, que os cavallosda
iegalidado nao cancho hoje como antigamente
se ouvia diariamente diser; mesmo sem nadase
terfeito e parece mesmo ter havido espantosa
prodcelo delles, pois quecm oulros lempos a-
pesar de numerosa somma de contos de ris em
pregada em sua compra semprea falta delles era
apregoada como impedimento para nao se lev-
rem avante planos gigantescos quo impossivel
mesmo julgamos que sendo de grandeza tal
podessem ter sahido de calecas de individuos,
cujos trabalbos e serviros bem exprimidos so re-
duzem a ero : estes males gratas providen
cia e louvores vontade patritica do Sr Ba-
rio de Caxias teem sido curados pela energa, e
actividade do inclyto general que, ha ruis de
anno e meio, tem operado constantemente pon-
do de parte o principio geralmcntoseguido. No
invern nlo se opera. ( O Commercio.)
Porto Alegre, 13 de Abril.
Em minhas ultimas, cartas disse-lhe que
corriao noticias d paz : ellas boje se veriiclo ,
porque o Bario o. di/, em urna carta escripia ao
seu secretario, de Pamarotim, prximo a Bag
Diz o Bariio de Caxias que os rebeldes assig-
nro um papel em que autoriso a D. Fructo a
tratar com elle Barao sobre os meios de lermi
nar a guerra ; e que ello Ihe indicara quo se
apresentasse em Bag no Quartel-general para
este fim.
O Lui/ boticario tamhem escreveo ao Barn
pedindo-lhe um salvo conducto para viraoseu
(^uartel general com o fim de por termo guer-
ra civil.
O Barao est tao consejo dos bons resultados
que devo obter, que diz ao seu secretario o Sr
Magalhles que at 20 de Maio aqui estar ,
tendo lindo a sua missao.
Os Cos protejan ao Barao para que traga a
paz a provincia e aos pobres lega!istas que
tem sacrificado seus bens e vida eestaohoje
pobres, tendo andado cxposlos ao furor do seus
mais figadaes inimigos.
Ouco dizer que quatro mil covadosde panno
que o arsenal coinprou ltimamente eslo to
dos podres, e que as autoridades tratao agora
de ver se obstao ao seu pagamento ; mas, se-
gunuo corre, |* nepu&sfuo as ieuras sobre o
Tb es o uro.
A morte do Onofre he verdadeira; e ella tra-
ra lalvez a de Bento Goncalves Um ilho deste,
o Bentico morreo no encontr de Francisco
Pedro com o Antonio Manoel do Amaral.
No dia 8 marcharo daqui 200 homens de
cavallana do corpo de Francisco Pedro o a
companhia dos Allemacs a fazer junedo com o
niesmo em Carnaquan e vio com designio de
bater ao dito Amara!. (Caria particular.) ,
(Jornal do Commercio )
Porto Alegre, 17 de Abril.
Pelo correio ebegado do cxerciio na quinta
feira p." p., recebemos noticias com data de 31
de Marco, e sao as seguintes:
Joo Antonio tentando por tres vozes re-
passar o l'ruguay para voltar a esta proviucia.foi
em todas as tres ve/es impedido a rechacado por
toreas nossas; om consequencia do que foi obri-
gado a enlranbar-se pelo estado de Corrientes,
,onde grande parte de seus satiletes, completa-
mente esmorecidos do tantos trabalbos, sem o
mnimo proveito, e sem as mais pequeas es-
perances delle, o abandonarlo: e entre estes,
diversos oiciaes que pensando bem em sua
triste posicAo, viero apresentar-se ao Exm. Ge
neral Baro de Caxias.
As foreas rebeldes ao mando de Canavarro,
denle federad", nom l'azem el'es essas gran-
des exigencias que outrora se lisia ser8o as
nicas em virtude das quaes deporiao as armas.
Parece que os homens com tudo se contenido,
e apenas querem escapar N furia dos bravos le-
galistas que constantemente os teem perseguido,
e haviao de perseguir al ge findar o ultimo
grupo, e salvar assim suas vidas.
D. Fructo mandou dous emissarios ao Sr
Bario de Caxias, e este respondeo que se D.
Fructo pretenda tratar com elle, o proeurasse
no seu acampamento ; c por elle ah se eslava
esperando. I). Fructo mostra todo o interesse no
feliz resultado de sua comisslo.
esta a terceira vez que os rebeldes pedem
paz ao Sr. Barao de Caxias, tendo em cada urna
das vezes abatido o altivo de suas exigencias.
S. Ex. o Sr. General marcha para Bag ; as
Corvas rebeldes esto acampadas sobre a frontei-
ra; Fructo reuni suas funjas sobre Pirahy O-
riental, e Bento Manoel, com 2,000 homens ,
est em S. Digo de observado fronteira de
Quaraim onde eslao os reneldes.
A morle de Onofre, no duelo, como j dis-
semos vem confirmada, e leve ella lugar sen-
do presenciada pelo mesmo David Canavarro.
Taessao as famossimas noticias, que temos
a satisfago de dar aos nosjos leitores, pois que
lo ellas de interesse summo para a provincia ,
de utiliddado para o Brasil e do gloria para o
exerclo legal, e sou mu digno chefe. A nosso
ver os rebeldes lomarlo jui/o escolbrlo o
mais vantajoso, lancarao mo do nico meio de
salvaco; e como nenbumas exigencias elles fa-
?em, que aviltem as armas imperiaes, o que se
jlo deshonrosas as governo nlo podemos dei-
xar de dizer qne assaz nos regozijamos com este
passo, o qual julgamos ser olhado com boa vis-
ta e mesmo attendido pelo governo.
(Commercio.)
O n.* do Jornal do Commercio, donde exlra-
himos este ultimo artigo diz o seguinte :
Pelos barcos entrados hontern doBio Gran-
de com sote dias deviagem, consta que o Sr.
Barao do Caxias chegra aquella cidade e se di-
rigir a Porto Alegre.
Consta mais que logo depois da sua partida
para a capital, chegra ao Bit Grandu um pro-
prio do exercito com officios para S. Ex., an-
nunciando-lheestarem ja no acampamento im-
perial os emissarios enviados pelo General Ri-
vera para tratarem da submissao dos rebeldes. O
proprio seguio immediatamente para Porto A-
legro.
* >"' "' '..... Wl" "y,""j|".111' _. i". _
to Deputado pela sua provincia (Santa Catbari-
na) por 90 votos de 100 votantes, sendo o im-
mediato na votado o Sr. Desembargador Si- \
queira.
O Sr. Bario da Boa vista e seus companhei- i
ros de viagem haviao chegado ao Bio no dia 18
'le Maio.
Vimos jornaes da Babia at 25 do passado :
dalles daremos alguos extractos no seguinte nu- \
mero.
Nodia3l a noutoentrou do Norte o vapor
Pernambucana. quo deixou as provincias, por i
ondo passou em tranquillidade. No Mar I
nhao havia chegado o Exm. Presidente a 10
de Maio, e tomado pnsse a 17. Foi alsolvidp
pelo Conceibo de Guerra o Capitao Antonio de
Sampaio, aecusado pelo Sr. Manoel Jansen Pe-
reira por aboso de autoridade, como Ajudante
d'ordens da Presidencia.
Ilonlem celebrou-se a ceremonia da sagra-
do do Exm. e Bm. Sr. Bispo do Maranhao D.
Fr. Carlos de S. Jos, na igreja do Carino.
Foi sagrante o Exm. o Bm. Sr Bispo Dioce-
sana, o assistentes S. Ex. o Sr. Bispo resigna
tario, o o Padre Provincial dos Carmelitas.
He a primeira vez que aqui tem lugar este
acto religioso o o concurso loi numerosis-
simo.
O vapor Haitiana recebe as malas para os
portos do Norte boje (3) as 3 horas da tarde.
3 O lllm.Sr. Inspector do Arsenal de Ma-
rinba manda fazer publico quo no dia 3 do
prximo me/. deJuuho contratar o servico da
cscra va Josefa do Sr Jos" dos Santos Noves a exlracdo. nos arreciles desto porto, nos pon-
Sabbado.l.0 do corrente, o jury exlraordina
rio, para isso convocado, julgou oprocessod-
mandante Manoel dos Santos Ornellas: pas ~
sageiros, o Exm. Presidente desta provincia
Joaquim Marcelino de Brito sua familia, e
lOescravos, Dr. Manoel Maria do Amaral, o
1 escravo Antonio Jos de Brito, Dr. Ber-
nardo Machado da Costa Dori/. com 1 es-
cravo Brasileros ; Jos" dos Res Emi-
lia Amante Joaquim Jos de Carvalbo
Portugueses; Jlo Tosoly italiano.
liamburgn ; ;!) dias brigue hamburgus. Po*
litluro de 200 toneladas, capilao E. C.
Christiano equipagem 12 carga varios
gneros.
Bio Grande do Sul ; 25 dias, brigue brasilei-
ro Santa Marn lloa-snrte de 222 tonela-
das capitao Jos Joaquim Dias equipa-
gem 10 carga carne.
Navio sahidos no mesmo dia.
Barcelona ; polaca hespanhola Lince capitao
Francisco Maimhany carga algodao.
Falmoulh ; barca inglesa Ilute capitao John
Griel carga assucar.
Lisboa; brigue portuguez Josepkina, capitao
Paulo Antonio da Bocha,carga varios gneros.
Mir.KriKMSXlXSSr'C .-
Declara s.
quo foi condemnada a 500 acoutes o tra/er.
um ferro no pescouco durante dous inezes :
forloadvogados do autor o Sr. Dr. Neto, oda
reo Sr. Dr. Feitoza : om outro numero coine-
caremos a publicarlo dos respectivos debales.
Hoje ha de ter lugar o julgamento do escra-
vo sapateiro do Sr. Bastos, pelo mesmo jury.
COMMERCIO,
Alfandega.
Rendimento do dia 1."......... 7:295*014
Descarrega hoje 3.
Brigue inglez Elisabette Reynon diversos
gneros.
Brigue portuguez S. Domingos lagdo.
IIHHIII BE rTOAMBim
Sabhado l., do corrente, chegou a este porto
o vapor fahiana que sahira Ho Rio no dia
19 do passado trazendo a seu bordo o Exm.
Sr. Joaquim Marcelino de Brito Presidente
desta provincia S. Exc. desemharcou pelas 3
horas da tarde no ca>'a do collegio onda foi
recebido pelo Exm. *r. Vico Presidente e
lirigio-se para palacio com sua familia com-
posta do sua senhora e cinco filbos; enodia 4
tomar posse da Presidencia com as formalida-
des do estilo. O vapor tambem conduz o Exm. e
Rm. Sr. Bispo do Para.
Tivemos jornaes do Bio al 18 de Maio. Em
oulro lugar dcixamos copiada a descripdo da
ceremonia do casamento da Serenissima Se-
nhora Princeza I. a Senhora D. Januaria com
o Sr. Conde d'Aquila assim como a relado
dos despachos publicados na Corte poroccasilo
desse" feliz consorcio falla do throno, impor-
tantes noticias do Rio Grande 9fc. i(c.
O Ministerio ainda nlo eslava completo ,
e nao con lava anda urna manira as Cmaras
a seu favor nem havia tambem perdido essa
esperanca. Na seslo da Cmara ellectva oe
17 de Maio S. Ex. o Sr Ministro da Guer-
ra e Marinha declarou ( slo palavras do Jornal
do Commercio ) quo o Governo fazia do voto
de gratas urna questao de gabinete, e que se
pasasse o projeclo de Commisslo ou o gabi-
nete havia de retirar-se ou a Cmara seria
dissolvida
Nos seguintes nmeros daremos um resumo
dos trabalbos dos primeiros 15 dias de sesses
das Cmaras.
Por cartas Imperiaes de 9 de Maio Qro no-r
meados Presidentes da provincia de S. Paulo o
Neto, Bento Goncalves e mais concomitancia, Sr. Brigadeiio Manoel da Fonceca Lima, da
tinho passado d novo para esta provincia, i de Matlo-Grosso o Sr. Bicardn Jos Gomes
pela fronteira de Quaraim, e aqui tiverio urna Jardim, que pedir demisslo de Presidente da
larga conlercncia de 3 lias c 3 noitcs com I). primeira.
Fructo, que j abi se achava esperando por elles I S. Ex. o Sr. Ministro da Marinha foi reelei-
PRAgA DO RECIPE l.8 DE JITNIIO DE 1844.
Revista mercantil.
Cambios Houverao consideraveis tranzacoes
a 25 d. p. 1 rs
Algodao As entradas frao pequeas e as
vendas de 4900 a 'i j rs.
Assucar Fdrlo diminutas as entradas e nlo
leve alterado no preco.
Bacalho O depozito he smente de 200 bar-
ricas que se esto retalbando all
rs. barrica.
B i zorros francezes \'endrao-se a 30 rs. a
duzia.
Cabos de linho dem a 24,* rs o quintal.
Carne secca Existem no porto 18,0v>0 arro-
bas a bordo do seis embarcacoes ,
tendo o consumo sido regular e as
vendas de 1^800 a 2s\00"rs. a do Rio
Grande, e 1 700 a 1*800 rs. a de
Buenos Ayres.
Cerveja Vcr.deo-se de 3^800 a 4*000 rs. a
duzia.
Chumbo em barra dem a \\a rs. o quintal.
Farinha de trigo Nao houverao entradas,
nem tranzacoes de nota.
Folha de Flandres dem de 15* a 19*500 rs.
a caixa.
I.ouga inglesa ordinaria dem a 240 rs. pe.
de premio sobre a factura.
Passas Nlo ha.
Pimenta da India Vendeo-se a 170 risa
libra.
Salitie Vendeo-se a 235 rs. a libra.
Contina a falta de navios; existmdo no porto 1
americano, 21 brasileiros 1 belga,
1 hambuigucz 1 inglez 2 portu-
gueses : total 27.
Movimento do Porto
Navio entrado no dia 1.
Norte; 10 dias, e 14 horas vapor brasileiro
Pernambucana de 210 toneladas com-
mandante Jlo Militlo Honriques equipa-
gem 31 : passageiros, Antonio Ferreira dos
Santos e 1 escrava a entregar Capitao de
Mar de Guerra d'Armada Luiz Antonio da
Silva Beltrlo e 1 creado Major Ernesto
Emiliano de Medeiros e 1 escravo, Capilao
do Estado-maior Jos Maria da Costa Arau-
jo 120 pracas do pret 3 ditas para o cor-
po de imperaes marinheiros o escravo The-
odoro a entregar Jost; l.uiz Pereira Jnior,
e Manoel Dias Brasileiros.
Sul; 13 dias, vapor brasileiro Dahiana, cona-
tos que forem designados, da quantidade de pe-
dras abaixo declaradas para a obra do caes
projeclado no fundeadouro desla cidade ; ou
sua compra se isso fr de mais vanlagem o
as ledras frem de boa qualidade o tiradas do
qualquer outro lugar.
1,700 palmos correntcs de pedras de G, 7, 8,
e9 pollegadasdecomprimento,12 para 15 pol-
legadas de largura, e do 10 pollegadas de gros-
sura.
252 pedras de 3 a 4 palmos de comprimen-
to 2 palmos de largura e 12 pollegadas do
grossura..
150 pedras de 0 palmos de comprimento, 18
pollegadas de largura, o 12 pollegadas do gros-
sura.
126 ditas do \ palmos do comprimento 2
palmos de largura, e 12 pollegadas de grossura.
73 bracas cubicas de pedras brutas.
As pessoas, que se propozerem a esse servi-
co, ou quizerem fazer a venda das referidas pe-
dras, sao convidadas pelo mesmo Illm. Sr. Ins-
pectora comparecer! n esta secretaria no in-
dicado dia, pelas 11 horas da manhaa, muni-
das de suas propostas. Secretaria da Inspecdo
do Arsenal de Marinha de Pernambuco 30 de
Maio de 1844. O Secretario, Jlexandre Ro-
drigues dos Anjos. f32)
'-" '' "' ..... J .'-'.B
Leiles.
2 Lenoir Puget & Companhia nao poden-
do acabar o seu leilo no dia 30 de Maio tem
resolvido a pedido de alguns seus freguezes fa-
zer um novo leilo por intervenclo do corretor
Oveira ; segunda-feira 3 do corrente pelas 10
horas da manha ; as fazendas sao as | annun-
ciadas nos leiloes precedentes, com pouca alte-
rado havendo mais um completo sortimento
de calcado e mais miudezas de que ha grande
falta taes como fitas de retroz, e brincos, pro-
prios para o malo, bem conbecidos por brincos
do duas pedras. (12)
Avisos diversos.
FREMONT FABRICANTE DE PIANNOS
1 DE PARIZ.
RA NOVA N. 2.
Frederico Fremont, morador na ra Nova n.
2, sobrado cuja entrada he pela travessa dos
Expostos, avisa ao respeitavel publico desta ci-
dade, que ello nlo s afina piannos por preco
muito commodo, as casas, onde o chamaren),
e a hora que mais convicr aos seus fregueses ,
senao que como fabricante destes instrumentos,
os concerta de tudo o Ihes remedeia qualquer
defeito, ou em casa de seus proprios donos, ou
na sua : os Senhores que se quizerem utilisar
do seu prestimo, podem dirigir-se ao referido
sobrado qualquer hora do dia, e espera o an-
uunciante nlo desmerecer nesta cidade do con-
ceito, dequegozou por alguns annos em Pa-
rs, onde aprendeo e exerceo o seu officio. (18
A pessoa que annunciou ter um sitio perto
la prara com commodos para trez vaccas de
leite dirija-se ao Passeio Publico no bote-
quim da estrella.
A pessoa que annunciou no Diario de
quarta feira, 29 de Maio, ter para vender 30 a
40 oitavasdo ouro velbo, anuncie a sua mora-
dia, ou entao dirija-se a Solidade, indo pela
trompe ladodircitoja perlo da Igreja casa n. 7.
que se quer comprar os cordes.



aaqn<.u*ia*!
Aluga s' mu sitio na Pssagem da Mag- tarde a pu
i
dalona o margern do rio com minio boa casa
de vivonda, cocheira, estribara, casada pre-
los, c baxa com capm o algumas fruteiras ;
trata se n i ra Nova n. i rom Dolfino Gon-
c es Pereira Lima. <
Aluga se um sitio na Poiite do l cha ,
com i deronle do caes cocheira, es-
tribara, fruteiras e muito boa agoa de ca-
cimba ; tratn-se na ra ova n. 44 com Del-
fioo Goncalves Percira Luna. i
2 Precisa-se de urna una de leite for r;i .
ou cativa, porm que nao tenba liihos ; na ra
da Cruz armazem n. 40. (5)
=a O Sr. Manoel Jaeomo Bizerra Cavalcan-
ti tenba a bomladc de dirigir-so a ra dolan.
gil n. Vo para se he entregar utn documento
>rta do Sr.Dr. Naves, na ra Nova, I crioulo o o oulro de Angola ; na ra Nova n
ha de arrematar por ser a ultima praca urna 44, segundo aodar.
o .ie bastante lama na ra do 3 Veudein-se
d
de
, boa casa terrea bastante larga na ra
Amorimo. 58 a qual serve de armas.-ai
, reoolher azendas ; quem a pretender, compa-
I reca no dia e hora a cima designado. (7)
Quem annuacloa querer comprar duas
modalhase um traose'im dirija-se as Cinco-
pontas n.''>.
Quem annunciou precisar de um cont de
reis com hypotheca em duas casas terreas em
S. Antonio ."sendo que ainda queira dirija-se sobrad
a ra estrella do (tocarlo n. 30, segundo andar
()llerece-se para Ia>er companhia a algu-
ma senhora solteira urna parda idosa de
muito hons costumes ; quem a pretender, di-
rlja-se a ra atraz da matriz da Boa-vista lo-
ja do sobrado n. 33.
do seu intereste, o qual lora adiado pelo an-
nuneiante. Jos Fernanda Golfas.' (o)
L2 Aluga-se bum bom moleque perito co-
sinheiro, quem o pretender para o referido oli-
cio, dirija-se ao sitio grande do Mondego,
ao pe do Commendador Luri Gomes Fer-
reira. (5)
3O agrimensor, abaixoassignado, oferece
os seus servicos s pessoas que tiverem proprie-
dades demarcar, e afanca a mais escrpulo
sa cxactidao e o maior zclo no dcsompenl.o da
sua arte ; devendo tolos os que do seu prest -
mu se quizerem ullisar,dirigirem-se (porcarta]
aomesmo abaixo assignado, na Rua-direita ,
sobrado n 121. Joaquim da Fonsaca Sua -
res de Figuei/edo. !
OITercce-se um rapaz brazileiro branco
razado com pouca famillia paraensinar primei-
ras lettras, gramtica, pnrtugueza, franco/., j
tem servido ueste mesmo lugar, qualquerSr.
de engenho quequzer se utilizar de seu prest -
inodiriia-searuadollangcln.fi, que achara
com quem tratar e da conbecimento da sua boa
conducta.
2 Fugio por detraz da ra larga do Roza-
rio para as partes da ruadas Trincbeiras, um
papagaio com um pedaco de correte no p ;
quem o pegar cjuerendo restituir pude levar
n praca da Independencia livraria ns. ti e8 ,
que ser gratificad >. (6
3 Antonio Matheus Hangel embarca para
o Rio de Janeiro o seu escravo Ventura, criou-
lo de 4o annos. (3)
2Precisa-se de um pardinho, ou crioulinlio
forro de 12 a 14 nnos para ser criado, dan-
do conheciinento de sua conducta ; na ra Vo-
lita indo por detraz da matriz do lado direito
n. 26. (5
2 Alaga-Sfl um sitio na estrada da Piran-
pa porto da povoaeSo dos Afogados com bs-
tanles commodos para urna grande familia ;
quemo pretender, dirija-se a ra da Cadeia-
vclba n. 59. (5
2 Franaisco de Paula Cavalcanti de Albu-
querque Lacerda embarca para lora da provin-
cia a sua escrava parda Januaria. (3)
3Fernando Jos Braguez embarca para o
Maranhao a sua escrava Izabel de nacao An-
gola. (3)
1 O Sr. que por engao lirou do correio
una carta pertenecido ao Sr. Antonio Luii Gon-
zaga entrada no mez de Fevereiro do correte
anno, de n. 276*, faca o favor de entregal-a
na travessa de S. Jos;, que se Ihe pagar.i o
porte da mesma carta adtertindo-se que o
dono da mesma carta ainda nao acliou no-
me igual ao seu.
Compras
2 Compro-se as noticias verdicas dos
acontecimentos que tivero lugar no cerco do
Porto no anno de 32 e 33 e vida trabalhos, e
accOes de 1). Pedro durante este memoravel
sitio ; quem tiver annunde. (o.1
2 Comprad-se duas medalhas e vara e
ineia de transelim nao muito fino; quem li-
vor annuncie.
Compra-seuma junta de bois mancos ,
que sejaobonse novos; quem livor annuncie.
Comprao-se elTuctivainente para fra da
provincia mulatinlias crioulas, e mais escra-
vos, de 13 a 20 annos pagao-se bem sendo
bonitos; na ra larga do Kozario n. 30 pri-
meiro andar.
Vendas
7)
1Precisa-se d; duas pretas, ou muleques.
pora se alunar e venderein na ra ; na ra
da Praia n. 66. (3)
Precisa-se alugar urna casa no bairro de
S. \ntnnio cilio nluauel nao exceda fie 10/W.
sendo as seguintes ras
mensaes sendo as seguimos ras : Augusta ,
Martirios Caldeireiro llortas, Aguas-verdes,
e S. Theresa ; quem tiver dirija-so a ra da
Conceico da Boa-vista n. 17.
Aluga-se urna preta para todo o servico
de urna casa ; na ra do Sebo n. 22, na mes-
ma casa vende-se urna commoda anliga.
t Quem tiver para alugar urna casa no
Atterro-da-Boa-vista, que tenba mar por de-
traz annuncie. (3)
] AVISO IMPORTANTE.
O proprielario do microscopio solar achro-
inatico exposto no segundo andar do torreo oc-
cupado pela associacao commercial tem a
honra de dar parte ao respeltavel publico que
as'experiencias com o dito instrumento ter
infallivelmente seu fim na quarta feira 12
docorrenle; elle convida perianto a todos os
possuido.es do bidieles de entrada para estas
experiencias se a approveitarem destes poucos
dias.pois que passado este termo,elles ficaosem
nenl.um e lcito, ou valor. Bccife primeiro
deJunho de 1844. 13
__ \ pessfia quo precisar diariamenta de
rapimpara umcavallo nesta praca annuncie ,
que se lhe manda levar em casa pelo preco, que
diario correr
Na ruada Gadoia de S. Antonio n. ID,
dsela-se ra.flaraoSr. Manoel das Nevos Jordfio,
quelrabalhou noTrem pefooolncio de ser-
ralbe! ro a negocio desea interesso.
__ O Sr. que na casa do Sr. Commandan-
is Armas por engao carregou um chapeo
. o jeu mais velho qu'.-ira
mandar entregar na rua do Gamoro n. 2, e
receber o seu.
\ No da o do correntc pelas 4 horas da
2Vendom-se dous moleques o urna ne-
grinha ; na ra do Crespo n. l. 2
2Vendem-se lijlos de marmore da marca
grande e bom vinbo do Porto em barris de 10
em pipa : na ruado Vigarion. 19. (3)
2Vende-se urna canoa nova de carregar
agua ; quem pretender annuncie. (2)
2 Vende-se cha hisson de superior qua-
li lade a 2000 rs. a libra e de 8 ditas para ci-
ma a 1900 rs. ; na ra do Rangel n. 45. (3'
3 Vende-se panno preto a 3200, 3000, tiff
4800, 5'100, (000, 0400, 7000, 801)0. e 9000 rs.
o covado, dilo azul superior 6400, 7000. 8000,
e 9000 rs. o covado ditos de cores a 3000 -i#
5000, 6000, e 7000 ricos chales de seda e de
norgurao ditos de laa pequeos o grandes a
21006 3O0O rs. ricos cortes de laa de padroes
mu lindos com 13covadose meio chapeos
francezes de formas modernas ditos brancos
de castor, e aba grande chegados do Rio de
Janeiro e outras muitus fasendas por preco
muito barato ; na ra do Queiinado n. 29, loja
de Joao Antonio Martins Novaes. ;13
2 Vende-so um moleque de lo annos, bo-
nita figura sem vicio algurn e he ptimo pa-
ra todo o servico ; um rnulatinbo de 6 annos,
mudo bonito o experto ptimo para aprender
qualquor ollicii), o parao luturoum bonito pa-
gem ; um pardo de boa figura muito bom
trabalhador de enxada e machado, tambem
enlende de carrear e ho oplimo jangadeiro e
muito bom pescador; na ra da Cadeia de S.
Antonio n. 25. (10
2Vende-se por preco commodo um engra-
damento de boa madeira envernisado, e pro-
prio para escriptorio querem sobrado, quer
em lujas ; em casa de Antonio Jos de Maga-
Ihaes Baslos na ra do Queimado, casa ama-
relia primeiro andar das 9 al 4 horas da
tarde. (7)
2Vendom-se as obras de Theologia Moral ,
do Bispo do Bio de Janeiro, e de Theologia
Dogmtica porGazaniga por 2G' rs., ou em
separado ; tambem se vende urna parte do si-
lio de Bebiribe que foi do Capilao Souto, por
menos demolade de seu valor ; quera preten-
der annuncie. (7
2 -Vende-se por preco muito em ennta um
cavado de estribara em boas carnes o que ser-
ve para carroca por ter-se j experimentado ;
na ra da Alegra n. 34. (4)
2 Vende-se um sitio perto da praca, com
casa de pedra e cal excedentes arvoredos e
as melhorcs trras para plantacoes, grande bai-
xaparacapirn, e pasto para vaccas"; quemo
pretender annuncie. (5
2 Vendem-se apparelhos para cha, de por-
celana dourada e pintada ditos azues e de
mais cures, edebomgosto, ditos esmaltados,
pratos azues e de mais cores em duzias, ap
parelhos para cha de brinquedo de meninos,
apparelhos para mesa de jantar, azues e de ou-
tras militas cores e de muito bom gosto, gar-
rafas de cristal para vinbo compoteiras para
doce copos para agua clices para vinbo ,
ditos para Champando tudo de cristal .man-
gas do vidro lapidadas e outras mudas fasen-
das por prjeo commodo ; na ra do I.ivramen-
to n. C. (13)
2 Vendem-se taixas de ferro batido e coa-
do e travejamentos de 32 a 45 palmos, por
preco barato ; na ra do Vigario n. 3. (3. .i>.i cugumuia, uus
2Vende-se a parte de um ptimo titio no ga do Bozario n. 48.
lugar da Vanea por preco muito commodo;
quem pretender annuncie.
2 Vendem-se 12 pipas com agu'ardente
branca de 21 graos, mudo alva por preco
commodo; na ra do Livramento armasemde
louca e molhados n. 20. (5)
3 Vendem-se dous moleques sendo um n
coecsapara vestido de s"hora.e,cah9a?.Srsde
hornero a 4500 rs., ditos de lanzmha a 2240 rs ,
dBos de dita de superior qualidade e de gosto
mu o moderno a 6? rs.. cortes de dda com ..-
Jas de seda a 10# parisiense para ,tido
de senhora a 320 rs. o covado cortes de di-
to de padres muito modernos a 6400 rs., ditos
de cambraia de listras e quadros de cOres pelo
barato preco de 3800 e 4000 rs. ditos de tar-
n ana a 6000 rs. ditos de cassa-chitas a ..200
1 amSs adamascadas de lindos p.dre.
para cortinado, de cama Fg;^
na ra do Crespo l0Ja ,-' ^
'"i-VVenMde um. porcao de prata de le sen-
do umaduziade facas, urna dda dejar S
urna faca euro garlo ^Xb^Ao
tambem telhas, lijlos de la.*1,h?e J^V-
e ripas tudo da melhor quall J Jj Jg se P'
de encontrar; em 01 inda ra u aiae c"
terrea n. 24. V
1 Vendem-se ptimos sapatos de couro a
lustro para homem, a 3^rs.o par; na. ua
Crespn. 15. }J
Vende-se urna porcao de azeite de can. *
pato; na ra da Praia n. 60.
Na ra Nova, loja n. 17, de F. Regord 6
Companhia ha um grande sorllmento de ca-
misas, tanto brancas como de cores, que as
vende muito em conta.
Vende-se um lindo habito de Christo, pro-
prio para ecclesiastico, por ser grande; na Boa-
vista loja deourixes n. 14, do Jacinto.
Vende-so gomma de araruta a 320 rs. a li-
bra carne do sertao muito gorda e nova e
(3)
- Vendem-se dous cavados um rodado ,
uasseiro e carregador baixo at meto eo ou-
ro aio. calcado de branco dos 4 ps. e com
urna treda na anca tambem passe.ro e
"ador baixo estao ordos e sac.mudo, o-
vos mancos, proprios para senhora sendo
o .1 ao mais'poqueno. tambem ****
meninos vendem-se por se ter o seu dono re-
Tral para esta praca; no prime.ro andar do
wbrado junto aotheatro n. 13. .,,:!
3 Vende-se urna negra moca, de bonua a
ura tendo algumas habilidades com urna
So de 2 annos, muito linda e experta vende-ge
na ra Direita botica de lgna-
por precisao ; na iu. ^.. ---
i0!rVendefn-se lindos cortes de asenda es-
1 Vendcm-seduas pipas com agu'ardente
de canna e 11 saceas com farinha ; na ra
largado Bozario venda da esquina n. 39. ;,
Vendem-se 10 apolices da Companhia du
Bebiribe. cujo donoenlrou com 5lhj rs. por
menor preco do seu valor ; na ra larga do Ro-
sario loja de miudesas n. 35.
1_ Vende-se um quarto bom passeiro e
um cavado de estribara mellado born car-
regador ; defrordede S. Jos do Manguinbo ,
sitio que tem portao de ferro. (/,,
1_ Vende-se lagedo chegado agora do Lis-
boa; no escriptorio de Francisco Severianno Ra-
bello, no largo da casa da Assembla Provin-
cial. (4)
__ Vende-se sal de Lisboa a bordo do bri-
gue portuguez S. Domingos; a tratar com Leo-
poldo Jos da Costa Aranjo. (jj)
Vende-se urna casa terrea na ra Velba do
bairro da Boa-vista, com dous quartos, cosi-
nha fra quintal murado e cacimba; na ra
Direita n. 24, segundo andar.
Vendem-se superiores lampreias de esca-
beche em latas, urna secretaria o urna com-
moda de Jacaranda por preco commodo ; na
ra do Queimado loja o. 6.
Ocapito do brigue escuna Laura tem a
bordo 3 escravos para vender por preco com-
modo ; quem os pretender, dirija-se a bordo
do mesmo brigue-escuna.
Vende-se urna corrente e sinete obra an-
tiga de ourode le, com o peso de 32 oitavus
e meia ; na ra dasTrincheiras n. 1S ; na mes-
ma casa deseja-se fallar aos Snrs. Estevo dos
Anjos da Porciuncula, Jos Lucio de Oliveira ,
Firmo Jos de Mallos Aflonso Luiz Goncalves
Ferreira Manoel Ignacio da Conceico Jos
Carneiro do Moraes e a Senhora D. Catharina
Clara de Mendonca
Vende-se tintas de cores em (landres; em
I casa de Bidgnay Jamison ^ Companhia nu ra
da Cruzn. 13.
2 Vende-se urna negrinha de nacao, muito
linda, de 16 annos, e.ngomma muito bom ,
t z lavarnto, e cose ; dous moleques de na-
jj0 de 15 annos com bonitas figuras; na
ra )|.eita n- 3- l
Escritos fgidos
linguicas ; na prava da Boa-vista, venda n. 18.
1 Vende-se um sobrado de 3 andares e so-
tao na ra da Praia n. 37 com duas frentes,
e he mu bem construido tem cada andar 8
quartos duas salas e cozinha ao lado por
preco commodo ; na ra da Cadeia-velha lo-
ja n. 00. fO (6)
1Vendem-se-peoras de amolar do rio de
S. Francisco emiporces grandes c pequeas ,
por preco commodo assim como rebollos de
barbeiro ; na ruu da Praia, armasem n. 18. [4]
Vendern-se 3 vaccas com 3 lidias. 3 novi-
Ihas prenhes e um boi de carro, vindos a pou-
co de fra juntos, ou separados por preco
commodo ; na estrada de Bollen. sitio de Jos
Joaquim Bezerra Cavalcanti, onde mura o Sr.
Duperron e para ajustar, na praca da Boa-
vista, casa ama relia.
1Ainda se acha alguns terrenos para se ven-
derem por preco commodo na ra Nova por
detraz da ra da Concordia que dividem com
a travassa do fallecido Monteiro e pelo Norte
com a travessa do Caldeireiro com lO palmos
de fundo e na frente os palmos que os com-
pradores quizerem ; na ra larga do Bozario
n. 18. (8)
1Vendp-se um preto de meio idade pa-
deiro por preco commodo ; na ra larga do
Bozario n. 18. (3)
1Vende se csccBenle aiinba para uoiaxa ,
por proco commodo ; na ra larga ^|o Bota-
rlo n. 18. (3)
Vendem-se ptimos licores de diversas
qualidades um porc'o a 160 rs. a garrafa e
a rotalho a 200 rs. agu'ardente do reino, su-
perior com 20 graos a 900 rs. a caada dita de
aniz a melhor possivel a 760 rs. genebra a
800 rs. a caada e sendo embotijada a 200
rs. espirito de vinbo a '200 rs. a garrafa na
ra da Boda n. 23.
1 Vendem-se paos para tipoia grandes e
pequeos ; no sitio grande do Mondego junto
ao Commendador Luiz Gomes Ferreira. (3)
No armasem de deposito de vveres na
ruada Praia, beco do Carioca por baixo da
sociedade Philo-'lhalia n. 1 se vende milho,
arroz pilado branco e vermelho dito de cas-
ca boa larinha de mandioca por atacado e a
retaiho por preco commodo.
Vendem-se 3 escravas mocas urna he
de muito boa figura,engomma, cosinha, clava ,
fd tudo com perfei(ao;uma molecadc 18 annos,
boa para se acabar de educar ; uina preta com
urna fiiha de 8 annos urna dita por I5u.?' rs. ,
boa para o trabalho de campo, 3 escravos bons
para todo o servido de campo, um dito de meia
idade por 300^ rs., bom canoeiro esabe tratar
de sitio ; urna mulata muito boa ama de urna
casa engomma, cose, e cosinha ; na ra lar-
Vendem-se duas pretas quitandeiras ; um
preto de elegante figura ; um mulatinho de
14 annos, proprio para aprender olficio ; na
ra Velha n. II I.
Vendem-S6 luvas de pellica de cores para
homem a 1600 rs. ; na loja deGuilhermeSette,
na ra do Queimado o. 28.
2 No dia 27 do cor."ente fu810 uma Pr"ta
de nacao Benguella de Ib a -16 annos "bel-
lo cortado bem rente cor ba.stante ret'nta. Ps
apalhetados e com bichos, sal. mdo-lhe agora
os peitos ; levou vestido de chita h ova escura ,
e panno da Costa ; quema pegar, lev'e,a rua da
Praia, armasem n. 60, quesera gratihJu(,l>
Ainda est fgida ou furtada a esv'Tava
Joanna, de nacao Angola cor lula, que '**'
doCapito Nicolao Tolentino de Vasconcelos,
e outr'ora doMajor Manoel Bodriguesde Paiva,
ambos da Parahiba do Norte enjo signal evi-
dente da mesma escrava be ter um dedo aleija-
do ; quem a pegar, leve a ruado Sebo n. 12,
que ser gratificado.
No dia 30 do p. p. desappareco um es-
cravo de nome Francisco de nacao, alio per-
nas cambaleando quando anda com falta de
denles na Irente he do matto mas mudo la-
dino levou calcas brancas e jaqueta preta ;
quem o pegar, leve a rua da Cadeia do Becile ,
loja n. 20 que ser recompensado.
1 Desapparecoo na noute do dia 20 de Abril
do crrante anno um preto de nome Pedro ,
de nacao Quicam, baixo, reforcado do corpo ,
rosto redondo e bonito falla muito descan-
do, lem um sinal muilo visivel as cos. I, que
parece ser uma cutilada assim como uma dita
no braco direito sobre a curva do cotovello le-
vou calcas de ataodo .vj! sem suspensorias -
camisa de algodaozinho branco chapeo de pa-
Iha; este preto ainda naofala desembarazado,por
ser novato e desuonfi -se ter sido sedusido ;
qualquerpessoa, qued noticia dellu ou o
prenda lera de gratificado 6t rs. na rua da
Cadeia do Becife, armasem n. 12. (14)
Fugio ao Sr. Luiz Jos de Barros Leite, no
dia 17 do p. p da povoaco de Jaragu da ci-
dade de Mauoi uma esurava parda de nome
Genoveva, de 20 annos baixa rosto redon-
do, nariz grosso, orelhas e olhos grandes; quem
pegar, leve a rua da Guia n. 31, segundo an-
dar a entregar a Francisco Bezerra do Vascon-
celos que faz este aununcio por ordem do
dito sur. a cima.
1No dia 7 do p. p. fugio do engenho Pri-
mavera da comarca de S. Anto um escravo
de nome Jos Gregorio, crioulo, fulo que pa-
rece cabra alto, secco do corpo, com falta de
denles adiante mostra as inaos ter calor de
ligado, be bastante amigo de beber agu'arden-
te, fugio montado em um cavado rugo, e oi
encontrado at o p de S. Anto ; quem delle
tiver noticia ou o possa prender pode man-
dal-o conduzir para aquelle engenho ou nesla
ta prai^a em casa deCaetano Pereira Goncalves
da Cunta na rua da Cruz que em ambas as
partes ser bem recompensado. [H]
ERRATA
No Diario u 24 de Maio, na Pastoral deS ElC
Revm. columna 4.*, lin. 15 en. lugar de di-
versas promossas leia-sedivinas promessas.
Kbcifb n*Typ. 08 II. F. dbFaku.1844.
1LEGIVEI


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EV8EPIKSV_8E3AQI INGEST_TIME 2013-04-12T22:30:21Z PACKAGE AA00011611_05091
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES