Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05067


This item is only available as the following downloads:


Full Text
r
P Anuo de lM.
Tcr$a Feira o
... ir., mil it-M-MMfc. ,, ,, ssicnalllr,
a.....e' ,.!:;;';':"s 0v" <**.,,.........eri.....
1 "- '"" n -/) u ,,,., ,. In,|C|,fn,icn,.,1 |, Ja (|f |itr< tn 6r}.
r PARTIDA DOS CORREIOS TEBRES'J
'"/.......,tlN l!"' l-rmoso, Pono Calvo, Macer c Al.
," ''" V""1 '"";h""" "'""> Oe -ti ,1c c.i,-e, _
_s ,i, -Cdala da Victoria, fluin... feir... _Ojuda lodoi
a ^ ,. DAS l)\ SEM \\ a
ii Seg .. Csinim Aud.do J. de D. d. 'WAB*'
'? 1'lieoMo Re. .ud dode I) ,1. 3
> Olejr., o. Aud ,...]. del) ,1. |V
' Qu.nla ,. lbomdeAqnino, Aud.do J. de D ,1." r
8 basta, s. Quimillo Aud. do .1. de 11. da 2. r.
'J *ab. Caia.iuadaiolonha. Re. aud. do J.'da D d. I t
' "..... nutrrsra. > il 1,...
"VJ~*"---------"-----'---------MI....... Ileaaleaa _
de Marco
Anuo XX. N. 55.
RES.
Norle, quin
gois : no t.
lioa-tKn e
US lilis.
DIARIO
tus feira.s
0 H a 24
I' luces .. d;
Pr.i.--i*n 1,9 U
! 1 imainarrj Vi
Diio m m 1,9-20
I
i:il ISI i ,i \ l.i \ \ l., ,'.,,.1 i[.fl I, rii,!mi da urdo iLuniura 18 9 hora, e 5? min di
Miasuaale.il al II huras Ja manh.l i-. i J7 ae 2 b 'i! m. d. manbaa
Preamat '
pk
l'r.nier. :i Imts is ,, manlws ISe?uu.l 11 5 hora, e 2 minuto, da larda
, II llIfcaH l'll ".I
st^CK^MI^&ghtl^ -:sv rT,itiHiijaPBWft.
PEBMAM

.
i A
.'
fl c
.

IA
iovcrno ca Provincia.
EXPEDIENTE 1.0 DA 26 l.....AS8AD0
OiTicio Ao Exm. :'.{.< is,o diocesano
eommun.capdo, que no da I. = de marco orc-
:!"l2hl.ride1Srrlabert WSO ordinaria da
assembla legislativa dosta provincia; e dsen-
00, que haja S. Ex. do ir no referido dio cele-
brar a mlni v..tiva ao Espirito Santo na groja
"*& ^ Mro Goncalves, o prehencher
tenttis formalidades, que a lei Ihe incumbe.
~uiiiciou-.se a cmara municipal d'est., cidade
para que mandassc preparar a mencionada igre-
|a, eu mais que preciso fosse para que o acto da
abertura se fliessa com a deconcia, exigida na
le; eao commandante superior da guarda na-
cional desto municipio, para ordenar, qoe una
""da de honra, lirada Ib respectivo primeira
oatamao loase asaislir ao dito acto.
DitoAo commandante das armas, devol ven-
do, coin oseompetentes preces A margem, arbi-
trados pelo Iwtcario Joo Moreira Marques. 0
lonnularlo do hospital regimental, queacompa-
nliou o.seu aflicto de l do noveuibro do anuo
prximo passado.
DitoAo inspector da thesour&rja das rendas
provinciaes, remetiendo, approvadas as clausu-
las especiaos para a arremalacaddos reparos da
ponto de Piraula.Communicou-se ao enge-
nheiro emcliefe das obras publicas.
Portara Nnmeando ao bacharel Antonio
Coelbodu S oAlbuquerque para servir o lunar
de procurador-riscal da tbesouraria das rendas
provincial (Jurante o impedimento do pruprfe-
tarin.l'arlicipou-se a nouieado, ao inspector
da tbesouraria das rendas provinciaos,e ao pro-
cuudor-liscal iiupeoido.
DitaDispensando, em ciinsuquencia dere-
presentaca de cliefe de polica interino, o ci-
dudo- Antonio Pereira da tiesta do quinto suj-
plenlo do delegado do tormo do Lim'oeiro. No-
eou-se para piimeirn supplentedo dito delo-
iiado uo lenenle-coroncl Jos Load Pereira de
Mello, para quinto aomajor Antonio (.mes da
Silva Cumar, e para sexto ao cidadad Antonio
llego Fras; e oommunicou-seaocnefo de po-
1 la interine
)ilicio Do secretario da provincia ao pri-
meiro da assembla legislativa provincial, re-
metiendo, p ra seiem presentes inesma as-
seinbla, os orcamentos, o contas das cmaras
municipaes das cidades do Uocife, Olinda, (ioi-
unna, e Victoria, c beni assim os das villas da
a-vista, Cimbres, Bonito, Limoer, Flores,
l'ao-d'alho, Iguarass, Natareth, (iaranhuns,
'< i<>, 6 nio-funiuSu, o declarando, que nao
va os do Cabo, e Serinliaem, por nao terem a-
lo o presente viudo para a secretaria.
DitoDo inesino cmara municipal da ci-
liado da Victoria, aecusando requpejid de doos
ios seus de 13 do correle, que acompa-
nlira uns artigos addicionass s respectivas
,J!>.?7', commuu,ia,n['; sul)0ri(,r'" ,*""I Hclpando.quenestadaln tinhadadocumprimen-
acuna domunic.p. de Goianna, intelligenci- to, como p'r olllclo de 8 do crrante fP orelr |
i mlo-o de liaver concedido reorma ao coronel1, '

chefeda primeira legiaoda mesma guarda na-
cional, em attencao aos servigos, que elle lia
prestado, c s molestias, que o impossibilito
de contiauar servir.
PortarlasNomeando o cldadSo Sebastian
Antonio do Reg-Barros delegado do termo do
Cabo, eseu prlmeirosupplento ocidadio Jos
riiomaide Auiar Pires Ferreira.Communi-
cou-se ao chefe de polica interino.
DitaAo inspector do arsenal de marinha,
ordenando, que forneca ao commandante do
brigue-escuna Caliope um pratico da costa des-
la provincia, para que possa elle melhor l'j/er o
cruzeiro da mesma costa. Participou-se ao
commandante do brlgue-escuna Caliope.
OfllcioDo secretario da provincia ao pri-
meiro da assembla legislativa provincial, re-
moliendo um ollicio da cmara municipal do
Itio-formoso, em que expoe a duvida, em que
se ai lia, acerca da arreeadacao do disimo de
miiincas.Communicou-se cmara munici-
pal do Ro-formoso.
Outro do secretario da provincia com dala
por oulcio d,- 8 do crreme [fevoreiro) Ido i \ dejunho de isl:. remetiendo a informa-
'>' recommendado, ordein do tribunal do th-j- I cao dada polo Etm. bispo dio, osan,, cerca dos
.euro pubhco nacional sob numero 11, que mar- osla'utos para os estudos thoolosicos do semina-
O'lll O Hr.Ki. i>;in ,! I, i J~- _.ft.A ,1.1-: .. ...... i i..
Commando das Armas
cou o praso para a substituiQ.i das notas di
Sg, H): e20 inirs. da primeira estampa en-
viando acuda um doscolloctores desta provin-
cia is exemplares do edital, em que designou o
dia 10 do marco para principiar o praso de seis
meies estabelccido em tlitaordcm, a flm do se-
rern alixados por tres ve/es, e coin intervallo de
Jodias, em todas as villas e lugares nota veis, e
no referido dia 10 da marco seren inseridos nos
jornaes pblicos desta cidade.
DitoAo director do arsenal do guerra, par-
ticipando, qoo tendeo Etm, presidente da pro-
vincia, por ollicio de 9 do correte, mandado
entregar ao encarroado do brigue-escuna Ga-
rarapeadusentas libras do plvora, que o res-
pectivo commandante fornceo por omprestimo
ao commandante da lina de Fernando do-No-
ronha, bouvesse de mandar ndoinnisar dita
quantidade de plvora, da que existia em depo-
sito no dito arsenal.
DitoAo inspector do arsenal de marinha,
participando o contedo no precedente ofllcio.
DitoAo provedor da sade, participando
tero Exm. presidente da provincia mandado
por ofllcio de 8do crrante (favereiro), em ob-
servancia do imperial aviso de 22 de aneiro pr-
ximo lindo expedido pola secretaria de oslado
dos negocios do imperio, que o oscaller daquel-
la reparticao losse substituido por outro de
malor porte, comohavia requisitado, a que po-
da desdi ja proceder esta substiluicao, de in-
teligencia com oinspectoi da marinha, aflm do
que indo seflxesse com o maior acert econve-
niencia, nao espendendo porm mais da quan-
lia de 400/rs., conformo oorcamento, que se
posturas, e copia da acta da ultima eleicao,
que no collegio d'aquella cidade se procedeo po-
ra deputados provnuiaes.Ambos esses oflicios
lorafi remeltidos para a assembla provincial.
i'iloDo inesnio cmara municipal de fla-
rinliuns, aecusando recebido o seu ollicio de 19
de Janeiro ultimo, em que expoe as necessida-
des do respectiva municipio, que mais salientes
I parecers.Remetteo-sc esto olcio para a
assembla provincial; odoo-so igual destino ao
'-' V icario da fregud u'aqueiia villa, em que
di mesma assembla reclamava diversas provi-
ncias bem da sua provincia.
DEM DO OTA 27.
OllicioAo commandante das armas, decla-
i ni lo. que os calcetas, ao que Irata em ollicio
de 2i> Ueste mez, nao devem ser alimentados
II la n-parlico das obras publicas, por isso que
iioactl&o empreados em servicos, ella
pertenoentOS; mas siui pela quota marcada pa-
ra as desposas dos estabeieciinentos, em que
trabalhAo.
Di loAo juiz municipal cd'orpliaos dos (or-
- de Olinda e Iguarass, en rarreg mdo-o da
* inda vara do oivel, einquanlo estiver na as-
seinbla provincial o proprtetario Jos Thomat
N'abucu da Araujo Jnior Bncarregou-se da
'""" d sfeitos da fa-en la o uii de di eitn da
i i iie; o particip u so a > ui do
'''."iineociona lo, ao presidente da rela-
'"iispectorda Ihesouraria da faseoda, e
rendas pro>
KXPKDIEHTE DE 23 1)0 PASSAIiO.
OTicio AoJxin. presidonle, enviando-llie
a requisicao de um livro pautado para o rece i-
'iiario do hospital regimental por se ter iina-
lisadoo que servia para este mister.
DitoAo inesmo Exm Sur., transmittin lo-
llie o pro'-esso verbal feito aos rr implicados
na fuga dos presos da fortaleza do Brum a fin
le que fosse presente a juncia dejustica, e
nella obtivesse final sentenca.
DitoAo mesmo Exm. Snr informando o havla enviado, e que remettesse aconta para
requerimento A^ solfl ido addidu ao balalhSo do Sl'r la-a; e que nesta d ita pedia ao mosmo ins-
arlilliaria Antonio Thomaz de Luna no qual '" ''"uvesse de fornecer-lhe um oscaller por
pedia demissao do servico -. M o. por "'.'"i'"'^"'"", at que se effeituasse dita subs-
ser casado com filhos, e impropriamente recru- ,, ,
tado na provincia do Ceara. '.' "' ', lnpertor do arsenal da marinha,
Oilo-Ao mesmo Ex..,. Snr., informando JH "l'X::;^ "! "" PY 'timl ?mj4?-
... iii unoao oirecloi intoraiodo curso-iundicu
osreq.ier.menlos dos guardas de eorpo dosta- de Olinda. participando, que a execuco do ar-
cadoJoaoda Malta Guerra, e Vicente Fer-jligo l da le do 21 deoutubrodo anuo passa-
reira de l.ima que pediao exclusa,,, por terem do, numero .117, que ejevouao diuloa laxa das
servido por mais do dous anuos, o serom ca-, matriculas do curso jurdico, devia contar-se
sados com familia e significando a S. Ex c<)l" declarava a ordem do tribunal do (heneo-
que, existindo muitos nutras guardas em ideo- r" P"^1'00 nacional num-ro 2 do corrento anno,
tidatfe de circumslancias bom seria promover do *' doJn8'ru proilmo lindo em diante,
a substiluicao por outros que estivessem no r( '~; il"'"nistra'l"r (f recbedoria de
caso do servir rondasgeraes Internas, participando para sua
Vv, ce -i i ,,,|li*-nc'a. ecumprimeiilj na parte, que Ihe
DitoAo mesmo Exm. >nr. informando tocava.o contedo da ordem. de que trata o pro-
o requerimenio de Josefa Mara da Concenao ceden le ollicio.
que pedia osso excluido do corpo de guarda DitoAo administrador da mesa doconsula-
nacional destacado, seu maridiuPedro Barbosa do, communicando em cumprimenlo do ollicio
dedarvalho. ,',) Exm. presidente da provincia de S do cor-
Dito -Ao commandante interino do 2. lia- rM,te'{"fc?ertfro)l que8. M. o Imperador deter-
talhao de artilliaria a p dando algumas dis mlnou P"f aviso de L'7dedesomloo ,io anno fin-
posieoes a cerca das pracas implicadas na fuga do..pedido pela secretaria de estado dos ne-
rio episcopal de Olinda: i oommissaS de neg.
cios ccclesiasticos.
Tos (i,i- secretarios das assemblas provin-
ciaes do Santa Galharina, Porahiba, e Par, ti*'
diversas dalas, enviando as leis provinciaes do
anno de ls:i; remeltidos para o archivo.
Cinco los secretarios dos collogios eleitoraes
da illa de Flores, Tacaral, Olinda, Naza-
reth.e Brejo, de diversas datas, I izendo remes-
sa das copias autbenticas das actas da oleicaS
dus Sis. deputados provinciaes para a presente
legislatura: i commissa de poderes.
Doze do secretario da provincia, de diversas
dalas, desde 12 de setembro de 1843 al 27 de
fevoreiro do corronte anno.
0*4. : Enviando o olcio da cmara munici-
pal da villa da Boa-vista, em que pedo a appro-
vac.id da ratilieacao de l:.'i) r-., que dora ao
leu advogado: commissa de negoejos das
cmaras.
0 2. Bometlendo a postura addicional da c,t-
mara municipal da villa do Bonito: commis-
sa de postlas das i.miaras.
O :j. c Enviando o olcio da cmara munici-
pal da cidade do Recite, no qual pede a appro-
vacao de uma contadoria para a mesma: com-
missa do negocios das cmaras.
0 Fazendo remessa do um ofllcio da c-
mara municipal do Bonito, informando a re-
presentaos dos habitantes da povoacad de Pa-
noli as, em que pedem urna cadeiraue prmeiras
lettraspaia o sexo masculino: commissa de
inslruccao pblica,
O 5. a Enviando um artigo addicional as pos-
turas da (amara municipal do onito: com-
missa de posturas das cmaras.
Jos presos do riiui em vista da deciso do
conselho de guerra a que respondrSo.
gocios da marinha, que a barca inglesa I.un-
cathir-witch fretada pelo governn britnico pa-
ra condusir Africanos livres a lllia-da-Trinda-
. i ii 'i.u"u"-'MrtNnciiii,> nvies a iiu.i-ua-1 riua-
.'oAo commandante da compaiibia do de, fossereconhecida como transporte, e isenta
cavallaria pedinJo-llie informaces a respei- da observancia dos regulainentos, a que"estad
to do emprostimo de V.OO rs. que fez o de- sujeitos os navios mercantes, em quanto a mes-
logado de Caranhuns ao soldado Antonio \a- ma barca eslivusse ueste servico.
vier do Almeida, quando alli foi a servico, em
Aducida, quando all
dezembro do anno poximo (indo.
!)i!o Ao conarinto interino da fortale-
za do Brum, procurando saber a ra/iio. jorque
deixou de corresponder salva dada pelo Itrigue
Capibarihc,nj tarde de 21 do correle.
Dito Ao delegado da cidade da \ icloria ,
rospondendo o seu olcio de 17 do correte ,
sobre a prisao do sargento commandante do
l.a i la
PEn^lAMBUCO.
0. Remetiendo um ollicio da cmara mu-
nicipal de IguaraSS, dando diversos esclaroei-
mentos cerca da passagem da barra da llha-
de-Itamaraca, sobro cujo in estado represen-
ta o juiz de paz no ofllcio, que acompanha: re-
mettido para o archivo.
O 7. = Enviando o ofllcio da cmara munici-
pal de Flores, expendendo a sua opiniafl a cer-
ca da ropresentacao. que acompanha dos habi-
entes da paiocln j de Tacaral, em que pedem
que oaquellejulgado se estabeleci um lugar
de juiz municipal, e de orlaos: commissa"de
cstatistiea.
0 8. Enviando a copiada acta da eleicao
dos Srs. depulados provinciaes, que se proce-
deo no collegio da cidade da Victoria; assim co-
mo a proposla de uns artigos adlicionaos s
postulas da cmara municipal da inesma cida-
de: commissa de poderes, e posturas.
09. Fasendo remessa do ofllcio da cmara
municipal de Caranhuns, em queexpee as ne-
cessidttdesdo respectivo municipio: acommfs-
safi de negocios das cmaras,
O 10. = Enviando o ollicio d vigario da fre-
sia de Caranhuns, no qual ro lama diversas
providencias bem de sua parochia: commis-
sa de estatistica.
'II. Enviando as contas das cmaras mu-
nicipaes da cidade de Recite, Olinda, Coianna
\ icloria, a das villas da Boa-vislu, tambres Bo-
nito, Limoeiro, Flores, Pao-Unalbo, Iguarass
Naiarelh, Caranhuns, Bnjo, e Rio-formoso!
VlStfll
ASSEMBLA PROVINCIAL.
ACTA DA l.'SESSAO Ol'.DINARIA .VOS 2 DE M W-
go 1)E 1844.
Presidencia do Sr. Ptdm Cavaleanti.
As 10 horas da manhaa, reunidos os Srs. de-
^...wwv w ">,< in" vv/.H.rrwiiu.imv uv .- -w .- w ^ va U HIUIIIKIII, ICUIIIUU3 US OS, tlC-
destacamento, e soldado Joao Soaros dos San- Rutados em numero legal, o Sr. presidente de-
Ios Marinbo como tamhcm a respeito da mu- c,ara ab(,rta a sessao; I Ida a acta da anteceden-
danea do mesmo destacamento. ta approv ada.
PortaraMandando excluir com guia para n c EXPEDIENTE. ^
J bataftlIO a que de antes perlencia o guarda pedien.Vf Sos'^Ss ^^1^ "'^ "e%-
do corno destacado \ cente Rodrigues Seixas (l|lk.io0 swrt.,ari d<1 ,nda co| ,.
por ordem do Exm. Snr. presidente, em at- (8 de t de malo do 1843. enviando a informacaS
i.-neaoa ter servido por tempo de 21 inezcs, e dado pela admlniStracab dos estabelecimentos
-er casado com Ribos. de caridado. sobre duas casas legadas aos incn-
------------------------ digos para sua habitacafi: quem fez a requf-
r'tK'souiaria da Fazenda. s%mri e ... ..,..
Julro do secretario da assembla legislativa
expediente do ni a 10 do passado, provincial do Cear, cntland i iegisla-
OiiicioAo Exm. presidente da provincia.par- tivos do annade I8< : para o archivo
deixando de S%r enviadas as do Cabo, e Seri-
nbaoin por nao terem sido al o presente romet-
lidas.
li. o Remetiendo o ofllcio da cmara mu-
nicipal do liio-ormoso, expoudo a dvida em
(ue se acha, cerca da arrecadayo do dizimo
de miuncas noscu municipio.
ORDEM 1)0 DIA.
Passando-se a nomeacao de commissoes
forao eleitos para a de contlituico e podrres os
snrs. Nabuc com 22 votos Baptista com l
e Taques com 12; para a de fasendu e or-
camentootm. Reg Barros cornal Mano!
I iavalcanti com 20, e Lobo com 20 ; para a de
contas f despesas provinciaes os srs. Barros
Brrelo com 19 Francisco Joo com 19,
M a noel Joaquina com 19 ; para de commer-
no agricultura, e arles os srs Barros Brre-
lo com 20 Francisco .loa., com 18, Peiioto
' m 18; para a de redaccHo dt leis os srs. Fi-
gueredo com 21 Lopes Gama com 19,
1 loripe con, i',. ; |iara a je instruceiopblica'
icomSO Reg Barros com


M.m "/awannnnmii -w.jm mu rwummWjhmm*'
10 Taqnes com 1: para a Je estatistica
os srs Lacerda aom 18 I) imingues com lo ,
Floripi's ."in (6; para a de justtQacivil, e
crimnalos srs. Xahuco com 19 Baptista com
1S Aguiar com 18 : para a de negocios er-
cleci islit o os >r>. Rabello com "21 Lopes <>a-
nn com l'.< Pcixotocom 13 : para a'le pos-
turas negoeiot da cmaras os >r. Medeiros
c i'n 17, IVIli's com I( Aguiar rom ll!; pa-
ra a de rendas municipaei e conta* os srs Lobo
Dita de 10 rs.......... 210,107 18:257,188
117,560
civis desta cidade : commissao do justica ci- Ditade30rs.......... 1:286,39
vil e criminal.
Do mesmo, enviando o relatorio da receita e
despe/a da provincia o do eslado das respecti-
vas repartidles de arrecadacao. commissao de
orea ment provincial.
Do mesino enviando,um ofTicio datado do 1.*
dcjalho do anno pastado, cm que acamara
municipal desta cidade expz ao Exm. Sr. pre-
sidente da provincia a dvida, om que se acha-
com 21, Guimaraes com 19, L'choa com 16; va, respeito das propostas,que acompanhavao,
para .i desande pblica os srs. Giliranacomidos licitantes ao contrato do fornecimento de
ls Bab lio com Barr Cavalcanti com carne verde aos habitantes do respectivo muni-
1 !; para a de pstices os srs. Guimarescom I cipio ; e bem assim urna copia do oflicio, com
ll Keis coml9, Lacerda com 17 ; para a que o mesmo Exm. Sr. presidente respondeo ao
de legislacBo os srs. Manee! Joaquim com 20,
Alcanforado com 10 Medeiros com 18 ; para
a de ordenado os sis. Alvaro com 21 Tellcs
om 21 Vlanod Cavalcanti com 21 ; para a
de commso especial para a p.i.aco de fdrea
da cmara cima mencionado: commissao de
constituicao, c poderes.
Urna representadlo da cmara municipal de
Garanhuns, pedindo a instaurado da cadeira
le alim, que, tendo vagado por ter sido trans-
policial os trs, Alexandre IWnadinocom 21 j f,.rdoo seu prolcssor para a villa do Cabo nao
Manoel Cavalcanti com 10, Paula Lacerda com | f0 mais posta a concurso, por entender o Exm.
*->t presidente da provincia que o devia assim fa-
Nao havendo mais nada a tratar: o snr. pre- 7Cr segundo o artigo 12 da lei provincial de7
sidente deo para ordem do di i 2.* discussao do Je margo de 184-2: commissao de instruCQo
projecton. 7 do anno de 1843 l.'do pro- pblica.
jecto n. ; do anno de 1812 :j discussao das E' :,| ejulgado objecto de delibcraco o
posturas da cmara do Hio-formoso 3. das i eguinte prnjocto do snr. Medeiros.
posturas da camra do Limoeiro, 2 dosartigos| A assembla legislativa provincial de Per-
addicionaes la mesma, 2. das posturas da I nambuco decreta:
cmara da Boa-vista e Bonito c2dosar- Artigo 1. Fica erecta em matriz a capella
tigos addicionaes da cmara do Becifo. curada de N. S. da Conceicao do Caruar.
Levantou-s- a sessio as duas horas da Artigo 2. A nova fregue/ia que deve con-
'de. servar a mesma nvocaeo comprehender o
Pedro Francisco de Paula Cavalcanti de Al- territorio pela maneira seguinte : princi-
buquerque, presidente. Jos Bernarda Calmo p8ra a lista do riacho Angelim com 10 leguas
faZiZd };0*^'".-FncwJoio 9OOe8t0 at pOCo-comprido e ad'abi divi-
larnetro da i.unka, 2. -secretario.
SESSA l'K i DE MARCO RE \%\\.
Presidencia do Snr. Pedro Cavalcanti.
As 10 horas e meia da manhaa, faz-se a cha-
\ dindo para o norte com a freguezia do Brejo da
Madre de Dos pelas aguas do no Ipojuca La-
coa-nova Lageiro-do cedro Serra-da-ca-
Icimhinba Silgadinbo ao Alto do- Ala.ado at
iliegar ao mesmo riacho do Angelim c pelo
nula, e, reunidos os snrs deputados em nu- ulcom a freguezia do Altinho.
mero legal, abre-so a sessio: le" se e appro-l Artigo 3. Ao parodio da nova freguezia i-
va-se a acta da antecedente.
Adiando-se na ante-sala tres snrs. depula-
tados, e estando presente gmente um dos
meiiibros da commissao de constituicao e po-
deres o snr. presidente notneou para a pre-
hencher o snr. Medeiros.
Comparecen o snr. Nabuco e nrestou ju-
ra mrito.
cao pertencendo os mesmos vencimentos do
parodio da matriz, dos Beerros.
Artigo I." O parocho da freguezia dos Be-
zerros lem opcao ;'( urna das duas fregue-
zias.
Artigo 5.a Ficiio revogadas todas as leis .
disposiedes em contrario.
Passo da assemhle'a legislativa provincial de
E nolumentosdecertidoes
Depsitos, que excedrao
d'annode7 por 0 o. 27,971
Ditos, quo excederafl de
anno de 1,2 por o/o.. 2,506
30+4""
837,786 70,023 ,400 750,000 907,809 78.590,436
Papel de passaportcs___
Sita de 8 porecnto.....
Sello de 1 10 por o/o...
Dito de 1 20 por o/o...
Diversas provincias.
Disimo do assucar das
Alagdas.............. 2:774,750
Dito do algoda dita...
Dito do algodo da Para-
hlbo...............
Dito do dito do Bio-gran-
de-do-norte.........
Provincial
Dizimo do assucar desta
jiuv iuuia...........21:556,996
Dito do algoda dita____ 2:583,112
23,251
4,800
1,780
111,715
5,821 2:894,066
Dito do caf dita.....
Dito do lumo dita.....
Taxa de 40 rs. por sacca
dealgodo.......... 87,480
Dita de 160 rs. porcaixa
de assucar.......... 643,200
Dita de 40 rs. por fecho
de dito............. 1,600
Dita de 20 rs. por barrica
e sacca dito......... 791,680 25:692,119
Bs. 107.176,621
Mesa do consulado do Pcrnambuco 1. c
marco de 1844.
Pelo Administrador
Francisco de Paula lapes Reis.
(le
CoiDminiicado.
\ oltando a commissfiode poderes, npresentou p(.rnambuco em i de marco de 18i4.
o seu parecer declarando conformes os diplo- Mandou-se imprimir.
mas dos snrs. Paula Cavalcanti, Aflonso e ordem no nu.
Sotlza, e, depois de approvado o parecer, forao o discussao do seguinte projeclo n. 17 de
introducidos os referidos snrs que presta rao \9,\% offerecido em 10 de abril pelo snr. I.o-
juramento, e tomrio assento. nCS Gama.
EXPEDIENTE.
Le se um oflicio do snr. depulado Tellcs,
participando estar doente : sciente.
Art. nico. Os dous armazens quees-
to porbaixo do consistorio da igreja da Ma-
ilre L m oflicio do secretario da provincia, remet- i nj0 (|ns nrplpos eo eu rendimento paraos
lendo de ordem do Exm. presidente um of- i mP<;mo> orpbos.
ficio da cmara m. desta cidade pedindo, que Fico revogadas todas as disposifes em con-
em um dos ngulos d campo do palacio da trario.
presidencia ou em oulro qualquer lugar ade- Q Sr. NabttC:Peco a palavra para pro-
quado se Ihe deem 180 palmos de um torre- j p,-,r 0 adiamento deste projecto at que se a-
no em que pqssa ser edificada lima casa para (.ne na rnsa 0 gen autor. Com elfeito temos
suassessoes com as precisas propon Oes para [ necessidado de que elle nos esclareca respe i to
ao mesmo tempo servir para o tribunal do jury, i',.sia materia ao menos eu nao sei. em que
e audiencias do jui/o municipal : remcltido poder se achao estes armazens se em poder
commissao de negocios de cmaras. | rf(, (orceiros ; e mesmo, se a assembla tem di-
Do mesmo secretario remetiendo um ofTi | ro to de os tirar, sern formula alguma en-
ri da cmara m. de (^imiircs em que pede (orporando-os ao patrimonodos orphaos. Julgo
a extinecao da inspeccSo do algodSo : a com- 'conveniente non o autor do projecto nnos-
missao de orea ment provincia!. cianea ou o nobre secretario, se pela serre-
Do mesmo, remetiendo o rdalorio, que de j (arn poder obter algumas informacoes, sobre
sua viagem ao interior fez ao Exm. presidente ; j,s qnas f0j bascado o projecto.
da provincia o engenbeiro cm chefe das obras ( "apoiado, e entra em discussao o reque
publicas : ."i commissao de estatistica.
Do mesmo, remetiendo um oflicio do chele
de polica int rio, dirigido ao Exm. presidente
da provincia, que acompanho os do juiz mu-
nicipal supplenle e delegado do termo do
Po-do albo em que pondrao a necessida-
de de ser quanto antes concertada a respectiva
rimento do snr. Nabuco pedindo o adiamen-
to do projecto at achar-se presente o seu au-
tor.
O snr. i.* secretario: Tomei conta da
secretaria, ha 2 ilias, e por isso, nao estando ao
laclo do que havia cerca desta materia man-
dei chamar ao oflicial-maior, que me in-
cadeia : a commissao de negocios de cmaras. formou, que nada existia all este respeito.
Do mesmo, remetiendo as posturas da cma-
ra municipal da Boa-vista : a commis>ao dos
neg i< ios das cmara
Eu tambem cntendo quo nao se pode dei-
xar de approvar o adiamento porque ne-
Icessario votar-se com conhecimento de causa ,
e eu pela nnr.lia porto estou ;nL.'i- i.-ido de
poder dar o mea voto sobre o projecto por falta
de esdarecimentos.
O tnr. presidente : Supoe que na casa
ha alguma rousa a este respeito presume exis-
tir um oflicio, em que se informa que o
Do mesmo enviando um oflicio da c-
mara municipal do Pio-do-alho, ponderando, a
precislo que n aquella villa se faz sentir.deurna
cadeia. em que coma devida seguranca sejao
guardados os presos;e a urgencia de ser recons
truida a casa que alli servia de hospital :
mesma commissao.
Do mesmo, remetiendo alguns officios das
amaras munieipaes das eidades do Becile ,
linda, Goianna e Victoria o oes villas de
Iguarass Ne iretb ITio-do-albo Brejo ,
Ciiim .. !'. .r. Boa-vista em que dio
diversas informarnos a cerca do estado dos res-
pectivos municipios : i eoh.nmsSo de contas
ij.is cmaras.
Do mesmo, remetiendo um olfirio do ihele
de polica, ii rio dii residente
,)a provinci i em que d i un,a i ircumstancia-
nformacao a cerca do estado das prisci ti- j Ancoragera de 50 rs.... 16:754,688
Finalmente est concluida a questao do In-
dgena o do seu testa de ferro, Francisco de
Paula Carneiro Leo E, segundo afirma o
Diario-n., foi elle conduzido da prizao com to-
das as honras, devidas sua catholica pessoa, e
e em toda cssa marcha triumpbal s houve urna
j falta, que o jury se nao perdour toda sua vida,
mais que o sr. Joaquim Claudio protesta que
ser corregida na primeira oppoftunidade: des
cuidou se o jury de ajoelhar e halcr nos pai-
tos no momento em que ent.ou o reo hroe ,
para darassim um solemne quin Ouro-preto que 8penas se levantou. quando
enlrou o Jos Pedro Das de Carvallio porque
dizem os laes, que nestas cousas os Pernambu-
canos,descendentes dos Henriques Dias.Vieiras,
Camarcs, devem scmpre levar a diflnteira. Em
fim, feitas as devidas continencias do jogo da es-
pada prota c consequentes destrezas de p ,
odomaos, foi o reo unanimente absolvido
Hava elle confessado ser elle o autor (eu c sei,
que outro, e quem elle e a seu lempo dil-
o-hei ) dessas palavras injuriosas ao Impe-
rador ; porm os moralistas do jury deci-
dirao de peito limpo, com todo o desvergonha-
inenio que taes injurias nao erao injuriosas
ao Imperador, talvez por acharem que ainda
era Mineo,o para mais mostrarern sua impavidez
declarrao que nao havia circunstancias at-
tenuantes. Parece, que elles haviao ouvido hu-
mildpmonto ns ditames enrolecp rnoracs de
cortos filhos do Serfico Patriarca, que se a-
cbavo as galerias, e corredores. O hom Joa-
quim Vllela de Castro Tavares pertendeo, que
essas asserces podio ser provadas. e o sr. pre-
sidente pouco se mportou com ese desaforo ;
mas quando o hom do rapaz talvez para cap-
tar a sua benevolencia, allegou. queum com
municado do Diario de Pernambuco dissera ,
que no da tal omerclissimo juiz havia offereci-
do escusa quantos Ib'a nao pediao a inviola
vel pessoa do sr. I Ir. nao se pode conter, e, es-
quecendo-se do lugar, que oceupava, hradou
nao fallenisso que esse artigo de algum la-
dro de cavallosEsabeosr. Dr., se o autor
dessse artigo se tem em peior conta do que
elle ?
Adiou porm o jury comodisse, que essas
injurias nao ero injuriosas ao Imperador e
que contra asesinaras legislativas estava prova-
do ludo, quanto dissera o autor do artigo de-
nunciado, e o mais que para tao iniqua dc-
rendimento destes armazens arrecadado pela dsSoandrao trabajando alguns empregados,
thesouraria da fazenda. ealguns magistrados cuja posicao na socio
Julga-se a materia discutida e approva-se dade ecujodever trahalbar na morali o adiamento proposto.
Continuar-se-ha)
Rendimento tolal da meza do consulado desta
cidade, no mes de fevereiro findo a saber :
Diroitos do 7 por cont. .58:521,832
Dtos do 2 por rento----- ,r,ii
Ditos de t 2 por ci nto... 56 58:5^7,002
do povo e na roda administradlo da justica.
Felizmente norm at dorisos SMC !rihuia! Ue-
nhumuulro valor Ificm, alm do que Ihequiz-
ro dar essas leis de sangue contra que tanto
declamao islo odcsublrair i espadada
iistica os maiores facionorosos: quanto a mais o
proto fica sempre preto o o branro bran
co, Verdade que no moio desses jurados
algumas provus vivas bxisliao desses meios de
corrupcao,empregados pelo governo para escra-
; visar as cmaras legislativas, o sr. Joaquim
Claudio porexemplo, cavalleiro da Hoza ,
nao pelos seus relevantes servicos, que ninguem
sabe mas por intercessao dos sis. Nunes Ma-
chado c Urbano que sustentrao essa lei de
sangue, a reforma do cdigo, com a sua palavra
poderosa,e com o seu valiosovoto:csoguramente
esses dous srs. devem estar muito obrigados ao
Indgena, aos advogados, e aos juizes.c elles nao
pdem escapar essas injurias essas petu-
lancias, essas afTrontas, tao insolentemente lau-
cadas sobre a cmara dos representantes do Bra-
sil, que ellas pertcncio e que seguramente
honrrao. Mas quando paixoes rancorosas fa-
7cm perder a tramontana.................
NAo sei, como esses srs tero ajustado suas con-
tas com os seus collcgas da opposico, que elles
crerSo, que dirigem, e que os insulta. Veni-
sc nesle mundo cousas bem extraordinarias!
Como se esquece essa gente, de que um cla-
mor geral se havia levantado em todos os can-
tos do Brasil contra a debilidade dos cdigos, o
que as cmaras, que os reformarlo nada mais
lizrao do que obtemperar obedecer aos cla-
mores da opinio pblica ? J se esquecem dos
relatnos do padre Feij quando ministro da
justica, e do sr. Limpo de Abroo quando mi-
nistro do regente Feij ? J se esquecem das
ameacas, que esse padre fez. s cmaras, se Ihe
nodessem mais lorca mais arbitrio o mais
dinheiro ? J se esquecem dessas leis poliches,
por elle propostas, e obtidas das cameras? Lcm-
lirao se c mais que se lembrao porm a op-
posico nao se embanca com essas leas deaia-
nha com tanto que hajao alguns papalvos,
queacreiao, ludo, o que ihe importa. E
que leis de sangue sao essas ? Neo foi absolv-
do o responsavel do Indgena e tantos crimi-
nosos de toda catbegoria nao lem sido hinca-
dos impunes no meio da popularan? Dirao ,
que isso devido o carcter independenle dos
cidadaos livres : bem ; mas quem metteo as
maos desses cidadaos o julgamento dos crin es?
Nao frtro essas mesmas leis, que Ih'os podio
arrancar com a mesma lacilidade c com o
mesmo direito com que acabaran com o 1."
jurv ? E dizei-me, homens de ma fe porque
clamis hoje tanto,attribuindo aogovornoa mul-
tiplicidadcdoscrimes ea impunidade delles,
vos, que insultis o mesmo governo por haver
excitado o ministerio pblico para que pro-
movesse a punicao de lao revoltantes abusos da
imprensa assassina; dizei-mesim, de que meios
qnorerieis, que o coverno usas>e para prevenir
os crimes ou fazol-os punir quando perpe-
trados ? O que quererieis que cl!e fizesse aos
juizes, quando julgassem contra a lei expressa,
e clara ? Declarai-vos e entraremos nessa
queslo.
O jury do sr. Dr., e do sr. Joaquim Claudio
dtsse, que estavlo provadas as impulacoes feitas
polo Indgena '.s cmaras devenaos, corrom-
pidas e escravisadas ao governo o una das
provas, segundo elles o terem dado mtiilo
dinheiro muila tropa, o sobrecarregado a na
cBo com muitos inipostos Se as revoliicocs, ex-
citadas pola opposico no Para no Maranho.
na Baha, e em S. Paulo, em Minas, e no Rio-
grande, c tudo simultneamente, nao obrigas-
sem o governo a despezas extraordinarias, as
cmaras de corto nao votariao sommas lo ron-
sideraveis e essas sommas onde as iria o llie-
souro haver ? as operacocs de crdito ? Essas
leein necessariamente um termo e com efleilo
o tivrSo e a!m disto essas operacOes nao ia-
zem senao augmentar o mal porque deixao
um capital, e juros ;i pagar. Emissao de mn-
da papel? E tambem am mal porque influc
maltonas fortunas pblicas, c particular, e
por fim ser preciso um dia retiral a. Cunhar
metaes preciosos ? Onde estao ? Devia ha-
ver nos cofres pblicos um fundo de reserva ,
diris Vf's, para essas oceurrencias Masqual
anadio, que tem equedeva ter rendas de
sobra dinheiro em caixa para acodir todas
essas necessidades? O governo rtessa naco se-
ria ociosamente caprixoso, e tirano : as rendas
em urna nacao.bem administrada.devm chegar
a justa para as suas despezas ordinarias, e quan-
do limito poder excitar alguma sobrarte reser-
va paia alguma emergencia do momento ; nas
para os casos extraordinarios de guerras encar-
nizadas o longas. sempe urgente croar ren-
das extraordinarias, imposices extraordinarias.
Ora quem nao t, que o Brasil est a muitos
annos nestas cireumsti ncas extrnordipanas ,
que reclamado teem.reclainao grandissimos ex-
l'">rcos grandissinios sacrificios de sangue, e
de dinheiro. e niio com palavras de salvo- rai-
nh.n que tantas sedicOes tantas rebelhes,
q- a Gppsita Uin nuscitado pdem sei up
plantadas ? Devia o governo deixar correr tu-
do n revi lia! Devao as cmaras negar ao go-
verno OS meios do manter a inlegridadc do im-
perio e a estabilidad do tlironn, tdas insti-
Uiiooes (oe hatito jurado sustentar! /'> ><"''
sso juerieis vos vos autores, s promotores,
vos fautores, vos instigadores de tantas pertur-
baces, de tantas rebellioos! Vssim. vos que-



infw(ta..-.. >zi**a* mw - AniMimiavani
-
,.. -jMV -*M.| ai-j^smtJiwa w wrwn
reries, que as cmara i quebranl issem o seu ju-
ramonto, como representantes do paiz o o seu
dovrr, como Brasileiros, negando ao governo os
meios do vos conter om respeito. Nao, asca-
Timras eiimpriro, e continuarlo cumprir esse
dcvor sagrado ; mal quo isso pose va e i
vossos contrares om quanlo o governamere-
cer a sua confianza e fizer desses meios o uso ,
para que Ido forcm concedidos. K i|uando tao
ponderosas razo" is exstom, para quo ollas assim
obrem nao a maior das porversidades librar
insultos, e improperios sobro os supremos po-
deres (fo estado? Masvi itirais queogo-
vorno nao vos merece confanos : bom negai-
Ide o vosso voto, 0 o V0980 apoio. Nao moro-
co a ronfanca da naeiio diris ; isso mais
serio equoin vos molleo om cabera, que vos
sois os mais interpretes do voto nacional vos
pugilo insignificante de despeitosos ? Ouo ga-
ranta prestis vos di con fia no a ipio larca
queris inspirar, pura quo as cmaras so So por
vos dirigidas o govornadas do preferencia ?
No governo ao menos vom ellas*Mm elemento
de ordem um dos poderes constitucionaes do
estado e.ostabelecidn pela constituieao para
administrar o paiz, e velar na sua seauranca in-
terna eexterna, o tratar de promover osmo-
Iborainontos intelecluaes dos cidadaos, o ma-
teriaes do estado Km vos porem.o que veem
ellas? Urna sucia de agitadores, quenodei-
xais lempo, nom vagar para curar daquelles im-
portantes objectos di missSo do governo o das
cmaras porque primeiro quo ludo esta o se
gurar a vida o existencia do oslado.
E agora vos pergunto eu o so nao sabis,
perguntai aos vossos advogndos, ossa imputa-
co de venalidade, que dizeis provada con-
tra as cmaras legislativas nao romprehender
alguns deputados, e ox-deputadoe, periencen-
tes vossa communho ? Porque alguns eo
nheeo eu que podiriio, e obliveriio para seus
prenles, o amigos, c mesmo para si ompro-
gos, e honrarlas: e essa* moscas apanhno-se
com mcl, ou com vinagre? ()u tenrics-vos vos
om conta de nicos entes privilegiados para
prestardvs apoio ao governo sem ioteresse,
ou pana del lo recbenles favores, sem vos
sentird,;s agradecidos, nem correspondentes de
vos-.a parto com o vosso voto o com o vosso
at'yoio? Concodoi aos outros algum quinho
t.ambem dessa Independencia de carcter, o dos-
sa pureza de intensos, com que queris, quo
creamos haverdes procedido. .Mas isso jala
vai, e boje fazomos guerra diris vos a es-
se governo monslr, o nos nSo, antes o con-
tinuamos sustntalo. Sun, vos li tendes
vossos motivos om nao ha ver o governo podido,
ou querido eneher as medidas de vossos dese-
jos: as cmaras porni toem outro motivo, que
sao as necessidail :s da paz e do soeogo, que
vos nio queris conceda ao paiz : vos tinheis
motivos para querer a mudancj do liara > da
Boa-vista, as cmaras nao vio essa necessida-
tal lioiivessem do retirar a sua confia neo do go-
verno : as cmaras pnls n se qulzerio jilnglr
ao vosso carro, e toem preferido prestar seus
bracos para sustentar om movimento regular a
machina di estado.
.Mas, dizeis, que est provado, quo as cama-
ras asteo scravlsadas ao governo porque asta
jnierveio as (hoyos o empregou meios ruina,
e deslenoslos para as ganbar. Quena lubtea-
so sustentar quo o governo tem o direito de
inleivir nascleices, para obter eloitos, que a-
judum, e nao que estorvem a marcha admi-
nistrativa, e poltica do paiz adiara para is-
so mui boas autoridades, e anda molhores ra-
zos: o todava nao sero eu, que approve o em-
prego de meios indignos, e violentos so taos
meios se enipregarein. Mas pergunta a minlia
curiosidades nao havera no meta do vos al-
guem, que sollictasso com ardor a-iiiterroncao
do governo para a sua elcicao ? Ora. nao se
riao, fallom sorio quo o caso nao para (ha-
lagas e eu c sei.....E so por esse moio hou-
vessem oblido a eleicio sou capaz de jurar ,
que tudo saria adiado bom o regular nessas
cmaras tao atrozmente insultadas porque en-
tendern, quo o interesso oleitoral do taos ou
taes individuos era de urna cousidoraeo mui
subalterna, para quo por isso houvcsscm de
negar o seu apoio uo governo.
Finalmente osadvogados, qno foro tres el
tria, suraocarnizas por sua prppria conta, c
por mera brilhatura, porque, estando all o
sr. Joaquim Claudio o tendo elle, com n maior
talento leito a escolha dos jurados ludo es-
lava dito e leito, e ludo corra i medidas dos
desejos. Preciso pornt recouhcccr, quo bom
lastimoso e ein paral vav,.\ t ,|Ue fa/em < s ad-
yugados! Sophisniis falsas argumentarnos, !
Iraiistoino dos lacios, escu relmenlo da verde-1
de anda a mais clara ; o o elogio dos crimes,
o vilipendio da moral, a falsilicaco de todas as
ideias 0 aniquillamento do todos os principios '
do ordem, o descrdito das lela, o sua errnea
inteligencia ludo, iodo e com a maior sean- '
ceremonia einpregalo para arrancar das m.los '
da juslica um reo.por mais faetnoroao que seja.
A honra mesma, o repulacao d'onlros nao llies
seivem de obstculos, se, para terein a falsa
gloria de liavor salvado um roo lor preciso
destruir ludo. A lilienlade da imprensa a
ouvil-ofi. nao senfto o direil ', n io contraria lo,
de nao respeitar nada, por mais sagrado, e
mais rospeitavel, qua seja, o di.eitode aviltar,
com a maior impunidado, aquitlo, quo a
constituieao, e'as leis querem, que seja invio-
lavel para bem do paiz o pira respeito e es-
tabilidudo das instituiooos.. As luis, que re-
gulan a liberdado da iinprensa e presta) ga-
ranta aos individuos, o ao estado contra essa
espada de dous gumes, contra esse punhal as-
sassino da honra o da reputar allieia de
vem aciedital-os, ser letlra marta nao dei-
xando contra os abusos da liberdade da impren-
sa outro recurso seno na liberdade de. munhe-
va, segundo a espirituosa oxprossao do velh >
senador Joao Evangelista. finalmente di?na
do eternas lagrimas a exclamado do snr. i)r.
Lopes Netto, quandodisse, que ora consola-
dor, quo niio houvosse um i'ernambuco, que
hostilir.asse a liberdade da imprensa O sur.
Lopes Netlo, para ferir o melindre do snr. pro-
motor pblico, natural na Haba, nao duvi-
dou plantar um principio, o mais immoral, a
falta de cumprimento de dover da parto do mi-
nisterio pblico! E que idoia faz em tal caso
dos Pornambucanos o snr. Lopes Netto? por-
que o snr. brigadeiro Jos Joaquim Cuelho nao
natural do Pernambuco que elle aecusou o
vil calumniador, que pela imprensa pretondeo
macular a sua honra, como particular, eco-
mo administradord'uma provincia? Oh! que
vilania, e servilismo dos juizes defacto, que
condemnr.io o reo! Oh! sur. I)r. Lopes Net-
to, nom (anta elocuencia !
Em fim por osas, e nutras taes e queijan-
das, cntendeo o jury do snr. Joaquim Claudio ,
quo as rxpresses injuriosas estampadas contra
o Imperador, e denunciadas palo promotor,
nao ero injuriosas ao Imperador !!!!!
Tenhao snrs. Redactores,*a condescenden-
cia do dar publicidades estas ligeiras consido-
ragoes.
: 'I:,. CIO.
.aiSfa^ic^a,
'endiment do da 4........... 8:436jiK6I
Descarrego hoje 5.
Barca Elisa Johnilon diversos gneros
Brigue /IVana Clara diversos gneros.
Briguo /{olla cannos de ferro.
Brigue Cicehj carvfto,
Briguo sueco JuIJe lijlos.
Barca Espirito-Santo diversos gneros.
Secretaria da inspeeeJo do arsenal do nmari-
nda do Pernambuco em V de mareo de 18U.
Alexandre Rodrit/uu dos Anjot,
Secretario.
O arsenal de marinha contrata a compra
de2 mil alquuires deca, de Itamarac, loi) ini-
beiros de lijlos de alvenaria grossa 8 es-
telos do 20 palmos do coinprido e7 polleg
dasdogrosso 50 luilns de 20 '-' palmos de
vpfriiprimcnlo, e palmo o moio do grosso, o ll*>*
taboas de costado de amarello dequahdade infe-
rior O illm.sr.inspector do mesmo arsenal con-
fda portanto as pessoas ri quem venda d osses
objectos(da melhor qualidade) possaconvir, que
queifaO comparecer com >s sitas propostas, com
a possivel brovidade n'esta secretaria a fim do
so proceder o contrato com quem por monos
vendel-os.
.Secretaria da inspecco do arsenal do mari-
nda de Pernambuco l.'do marco do ISi--.
yJlexandre Rodrigue! dos Anjot,
Secretario.
COMPANHU DO EBIBIBE.
O caixa da companhio do Bebiribe faz scicn-
te a is lenbores accionistas, i|uo no da G de
mareo prximo vindouro se liada o praso mar-
cado para so recolder a prcstaeao do 4 por o o
ltimamente exigida.
PUBLICACA litteraria.
Acalia de sor publicada urna breve e bem
resumida insIruct'So dada por um prolessor de
latim a seus discpulos ; a qual tem por fim
preparal-os-para entrarcm na coroposicSodo
discurso, ou seja compondo-o em latim ou
Iraduzindo-o om portugus.
A brevidade, o ca rosa bem se doixa vfi
nesle follielo ; bem como ;\ utilidad" qu
d'elle resultar para os quo quizerem bem com-
prehender as linguas latina o portugue/a,
Ksle interessanto folheto so echa venda na
loja, do livros da Praca da independencia n.
10,x e II pelo mdico proco de urna pa
taca.
#.VIW.*
.
ISovimento do S*or!ti
Navio entrado no dia 3.
Bcngmdla ; 22 das. brigue brasileiro Ar.na e
('onslanca, de 163 toneladas capitao Ma-
tdias Ferretra Braga equipagem 22 car-
ga lastro de areia.
.. Navio sakido no mesmo lia.
Palerm ; brigue napolitano Gabriel!*, capitao
Birtliolo carga as;i;car.
Observaco.
Acha so no hmeirao para acabar decarregar
a barca sueca Napoleao.
Edita I.
= O Ulm. Snr. Antonio Podro do Si R ir
reto, lenle -coronel do oslado-maior do oxer-
cito c coininandante dasarmas desta provin-
cia, manda lazer pblico, quo no dia 7 do
marco prximo vindouro polas 10 dora* da
manhaa na secretaria militar, tora lugar po-
ranle o consolbo pxlraordioario desiaoado no
artigo 22 do regulamento do 17 do fevereiro
do 1832 a arromatacao dos medicamentos
precisos aos doentos do hospital rgimen la i no
anno correte, segundo o formulario compe-
tentemente organisado ; e manda oulro sim
convidar aos senbores pharinaceuticos,estabelo-
cdos nesta capital a comparecerem no indi
cado dia hora e lugar para o lim de olTo
racerem os seus leos. Becifo 27 de fevereiro
do,18'5. O secretario militar ,
Francisco Camello l'essoa de Laetrda.
viso** snarilimns.
Frota-so para qualqo**r porto do Medeter-
raneo o muitn superior e veWro brigue sardo
Colomho Capitao Vicente Oumbardo de lote
do 110 toneladas, os pretndanles dirija-se
a Mondes V Oliveira, ra do Viga rio n. 21.
= Para o Bio-de-j inoro salnr com a maior
brevidade possivel 0 patacho /.nurenlin til tira. capitn Antonio Germano das Noves :
anda recebe alguma carga escravos a Ireto ,
o iiassageiros : tra'.a-Sfl com Nascinienlo Scba-
idTer* i)., ou com Joaquim Jos do Amorm
na ra da Cruz n. l'i.
I^'loas.
Declaradles.
<) brigue nacional Albanez recebo a mala
para Loanda boje (o do correlo ) ao n.eio
dia.
O'ordem do illutrissimo snr inspector
do arsenal do marinha sola/ pblico.que se con-
tratara a comprados seguintes objoctos da me-
llmr qualidade 13 enchams de 36 palmos de
comprimento 12 ditos do 30 ditos, 13 ditos
de 20 ditos, HOcaibros do 30ditos, 40 du-
7;.,c de ri-s, dnln n mmi* do tabns de lo-
ro refugdo .' 3000 tlbas, 23 pregos de 6
7polegalas do enmprido 300 pregos cai-
b'aes 800 (utos de dito pequeos o 4000
ditos ripaes.
As pessoas que qui/erem vender essesob-
ectOi i i Dovi la I is pelo iilm. snr inspector i
a comparecerem n'esta secretaria comas suas
propostas com toda a brevidade.
Russel! Mollors & Companhia larao lei-
lo. por intervonco do co/relor Oliveira de
grande variodade de fa/endas ingle/.as, do la ,
lindo algodao o seda as mais proprias do
mercado o aigumas das quaes serio vendidas
por baixoS procos; unard feira. 6 do corren te
s JO horas da manhaa om ponto, n > seu arma
zem da ra da Cadeia.
Jodnston Patera Companhia, lr.io lei-
lao. por intervonciin do rorrolnr Oliveira de
grande diversidade de fazendas ingle/as mu
proprias deste mercado; quinta feira, 7 do cor
rente, s 10 doras de manhaa, noseuarma-
/em na ra da .Madre do Dos.
Caetano da Silva A/ovedo faz leilao de 50
caixas com queijos flimengos a 24 cada nina,
viudas de Hambiirgo ltimamente : hoje terca-
feira 5 do corrento nos caos da alfandega :s
II horas da manhSa por conta de quem per-
tcncor.
avisos diversos.
LOTE IIIA
DAS
Memorias Historias.
premio OAAUDE 8:000s000 r.s. !
As rodas desla lotera an-
eldo impretirivelmente no dia
12 de marco p. f. e os bi-
Hieles acho-se a venda nos!
ni sm.is lojas, em tjue sao
vendidos os da lotera do
lliealro.
Km casa de Domingos Jo,na Pracs-ilo
commorcio, continua se a vender O magnifico
vsnho do Porto de 1820 em caixotes do duas
du'.ias de garrafas.
Antonio Bacon retira-so da provincia.
Jos Francisco de Azevedo Lisboa vai ao
Bio-de-janeiro.
Nt BOTICA, EARMAZEM DE DROGAS,
:ti v n.\ M w>nr. DE DROS >. I
<( Magna ett veritat c/ prevalebtl. <
Se vendeni as preparacOes seguinjes [
preco muilo comniodo de superior qualidade
Colirio anti-ophthalmico.
Eslc medicamento lem as mais enrgicas vir-
luiies para destruir com os bons, e felizos r i
Hilados que .i foivga exporienci i lem ni >slra-
do ludo quanto sao nevoas belidas. inlom-
maeoes o outras doenfas d odos, em que nao
preciso para seu curativo radical usar-se dos
meios operatorios que a arle em laes casos in-
dica o a quo o doenle necessariamente recor-
ro. I m sem numero de pessoas pdeui altes-
lar COm verdade os salutares efieitos d'applica-
\ (\io desle reme lio prodigioso ; tanto em ti i ti**
reios p irlos do imperio d onde lem sido pro-
curado como em aigumas parles da Europa .
onde seu uso mais lempo conhecido.
Na mesma casa t mi bem se vendem tintas, n
\ lodos os outros objectos de pintura ; veroizes de
superior qualidade entre (dios um porloita-
\ mente branco o que se pdeapplicar sobro a
pintura mais delicada sem que produ/.a alto-
racSo alguma em sua cor primitiva. Arrow-
Boot do bermuda ; sag sabonetes ; sabio de
Windsor ; agua de Seidlitz; limonada gatosa;
tinta superior para escrever; perfumaras in-
gle/as ; fundas elsticas de ptente; escovas,
o pos para denles; pastilhas de muriato de
morpbina ; t; bipecacuanlia ; pastilhas de bi-
carbonato de soda e gingbre ; as verdaderas
pillas veg taes universaes do Dr. Brandreth .
Minias deseo autor nos I'.- tados-L nid'-s ; azul
liuissimo proprio para annilar roupa; psde
Scidltz o de soda
= Trecisa-so de urna ama para casa de pe-
quena familia que saida lavar roziuhar o
cugommar sondo de boa conducta: na ra da
Cadeia do Santo Antonio n. 19, deposito do
larinha.
Na ra Je Hortas, n. 130, fa/cm-se odas as
qualidades de engommados, com multo acceio,
o perfeicio sendo ascamizaade homem anni-
ladas a 100 rs. e sem annil a 80 rs. ees
calcas a 80 rs.
Advcrto-se ao snr. J. L. B. S. ou a se-
ndora sua mai que quanto antes manden)
pagar a quanlia que nao ignoran na nada-
ra da Bua-direita n. 69 e no pra/o do tres
dias. visto que os pondoros mi valem mais do
23,000 rs. estes-meamos sero vendidos e
o resto, o liaver dos documentos, que mostra-
r a seu lempo tendo o gostode ver seu nomo
publicado o juntamente a quanlia de seu de-
bito.
Quem Ido fallar um cadritindo preto quo
anda mama dirij i->o a Bua-ailgUSta D. 11 .
quo,dando outros signaos que o mesmo tem,
ser entregue.
Precisa-sede ajugar urna negra para ven-
der na ra ; na loja de cora da ra estreita do
Bozario n. 3.
OfTerecem-se duas canoas de areia diaria-
mente aos senbores dono.? de obras ou quem
precisar para enlulho por proco commodo :
na ra estieila do Bozario n. 10, terceiro an-
dar ou na botica di)sur, Parandos em dita
ra.
Ilcnriquo Jorge Bebcllo, devendo, quan-
to antes seguir para o seu destino na provin -
ca do Maranbo e nao pudendo por (lente,
o pola brevidade da partida, despedir-se das
pessoas do sua amizade o faz por meio deste,
rogando dignem-se do o desculpar ededs-
pOrdo seu pequeo presumo naquella provin-
cia.
i I. ma pessoa qno lem bastante pratica do
agricultura por ter sido sempro no que tem
lidado so o (le rece para administrar, algum en-
vendo la/.enda ou sitio ; assim como se
dispoo a cobrar dividas fura da praca : quem
pretender, annuncie para sor procurado.
Precisa-so alugar urna negra que sirva
para vender na ra o de um portuguez de
dadade 16 20annos que sirva para cria:!;;,
e de um dito para feitof de um ongenbo distan-
to dosta praca 8 leguas: no Attetro-da-Boa-vista
n. 2\.
Na loja de cera aborta ltimamente na ra
larga do Bo/ario n. 32 tem para vender bixas
hamburguesas e lambem se alugao bixas de
Lisboa muito ligeiras no seu pegar a 320 e
a 100 rs.
Precisa-se do um bom COZnbeiro ; quem
esliver nesta circumstancia dirija-se a ra da
Cadcia-vlU ii. 32.
D-se dinheiro a premio com penbores de
ouro mesmo em pequeas porcics : na Ba-
nova n 53
Arrenda-S0 um grande sitio com casa o
arvoredos e com bastante pasto para urna
duzia do vaccas do leito ; na Bua-|ic||a so-
brado novo prximo a mar ou nos Bemedios
a fallar com Joao Anaslacio.


h
rom wmmma -.*
- Oiii'in ochar um meio blbete da loicria
'leN v de Guadclupc de n. 2050, leve-o
a isa do Jos Cactano, na ra Ja Cruz n. 01.
Quem precisar de urna ama para o ser-
vigo de mu rasa, dirija-se ao principio dos
AHogado* n, 7 segundo andar.
Jk A luga-se um grande sitio oa campia da
Casa-forte com casa nova leudo um excel-
lente copiar na frente e ptimas accommoda-
( r inha lora cocheira e cavallarice,
com muitos arvoredos de fruto, trra para plan
i ic es e mesmo para capim aluga-se nen-
sa i mente ou annuafmentiP; na ra'do Amo-
rim n. l.'i oy m> sitio do proprietaro do mes-
mo Nuno Mario de Seixas, na estrada do Cor-
de i ro.
- Precisa-se a lugar urna prela captiva, ou
forra pata ama decusa que saina co/inhar ,
ivar, eengommar; na Rua-direia n. 22.
Precisa-se de urna ama de leite; na ra
de Moras n. 15.
= Recolhem-se voluntes por preeo com mo-
do no armazem da ra de Apollo n. 20 e
com prefereneia qualquer carregamonto de a-
rinba de trigo com tanto que a estada da
mercadora nao exceda a 13 de Agosto do tr-
renle atino.
= Franquea-so a pessoa CBp8Z urna casa
< um sitio muito grande na campia da Casa-
forte nicamente para tomar conta delle, fa-
/er p tomar sentido na certa do mesmo evi
lando os roubos e destruic&o que diaria-
mente nclle se faz ; a tratar na ra do Amorim
n, 15.
- Precisa-se alagar por lempo de urna 2
..unos unta hartara que carregue de 13 a 20
caixas prompta para viajar ; quem a tiver,
|ui/er fa/er este- negocio .dirija-se a luja di1
Vntonio Rodrigues da Cruz na ra doCabu-
ga ou Je Lui/. Antonio de Siqueira na ni..
da Cadeia que se Ihe dir quem pretende.
= Mu noel do Amparo Caj avisa aquella
| essoas que leem cuntas em sua loja que
J.ino Pereira da Ponceca deixou de ser seu cai
xeiro desde o dia 3 do trrenle pelo que
nao lem mais ingerencia em sita tasa.
Aluga-se o torceiro andar da casa da ra
do Cjueimodo n. S ; a tratar no mesmo.
O secretario da irmandade de S. Jos de
Agona erecta no Hospicio de N. S. da IV-
nha convida a todas os rotos la inesma para
comparecerem na respectiva igreja no dia 10 do
corrate, pela^6Tasda manhaa a im de
se proceder a- eleicaoda meza regcdora do an-
uo futuro ; outro sim feneciente aos meamos
irmSos, e devotos, que a meza lem delibera
do nao festejar oS. Patriarca em o presente an
no, por se acbar possuida de grande desgosto.
por causa lo injusto"; esbulho que tivero do
nsistorio da irmandadd leilo pelos religioso
Capuxinbos. ^
= Cesar Kruger avisa ao commercio desta
praca que pretendendo retirar-se para a Eu-
poralgum lempo lem constituido como
seu procurador bastante aosnr Adolpbo Sch-
inidt, guarda-livros da casa dos srs Le Bretn
iramm & Companhia o na ausencia delle
aosnr. Juiao Tegolmor.
Jos Goncalvcs Ramos mestrc estuca-
dor. com officiaes para estuque, o para ludo
quatito portencea pintura e odlciaes de pe-
dreiro cegados do Porto ofTereco o seu
prestimo para quem precisar dealgumas das
ras a cima dirigir-sc a ra Nova do Iirum ,
em Fra-de-portas casa nova de Francisco
A Ivs da t.unha.
= Ollerete se um moco Rrasileiro para cn-
ir primeirai ledras com toda aperfeicSo, por
ter para isso os conhecimeutos nccossarios, em
algum engenbo ou em oulra qualquer parte
(|u. ni de seu prestimo se quizer utilisar, an-
nuncie
Of fe rece se um rapaz Portugus para
-'irode alguma venda, e chegado pro-
v i mmente do Porto o qual d fiador a sua
conducta; quem delle precisar, dirjase ao
dj S. Cruz n 6.
Acba-seo trapiche novo.lo Engenho-ve
Ibe do Cabo prompto a receber caixas, ou qual-
quer carga pois para seu desempenho (em um
lamoso guindaste de ferro.
Aluga se urna casa terrea no Corredor-
de hispo com commodos para familia ; a fal-
lar na tasa contigua.
cao da Bou-vista precisa-sede dous meninos
parase ensinar o olTicio de cliapeletro, e de una
pessoa que entenda do mesmo ollicio.
VA officina de encader-
deanaeo que o padre Francisco Coellio de
Lomos e Silva dirige na Rua-bella numero
45, ocha-se provida de ricos ferros de dou-
rar magnificas placas de relevo e exced-
ientes cottros e marroquins de todas a cores,
com o que pude executar as mais elegantes en-
cadernacSe* que se exigirem quer inteirus,
qufif cartonadas e o novo processo, que em-
prega no applicar v. bruir o ouro torna o
seu dourado do urna permanencia infallivel. A
mesma ollicina se encarrega tambem de bro-
char quaesquer obras impressas, com a perfei-
cao que conhecida do publico, o a um pro-
co moperado.
I'recisa-se de um menino de idade de 12
a 10 annos para estar em urna casa de um ho-
mein solleiro, somente para alguns mandados,
dando-se o sustento e vestuario; quem estiver
tiestas circunstancias annuncie.
Na ra do Mondego casa n. 85 ha
urna escola de primeiras leras para meninas,
onde com o tnaior esmero e perfeco ensina-
se grammatica portugueza fazer llores bor-
dar de linda ouro froco, e malizes, e mar-
rar de difieren tes modos ; os pais de lamilias ,
que anhelao o adiantamenlo de suas Odas p-
dem dirigir-se a casa a cima mencionada
= AlexandreS. Martin vai para a Franca.
Na tasa de pasto da ra do Forres n.
'20 precisa-se de um hbil cozinbeiro ; quem
estiver tiestas circunstancias dirija-se a mes
tna caa que achara com quem tratar.
= Precisa-se de um padeiro que entenda
ltrahalbar em masseira tanto em pao com
em holaxa e que seja bom forneiro ; quem
estiver tiestas circunstancias, e quizer ir para
iacei, dirija-so o cscriptorio de L. (i
Ferreira & Companhia para tratar doiq'uste.
= Precisa-sede um rapaz Portuguei de
15 a 10 annos, para caixeiro de urna venda,
preferndo-sedostbegadosprximamente, ^uetn
estiver nestas circunstancias^ annuncie.
= L tita inulher parda de bons costumes se
ofterece a ser ama de urna casa de hottiem sol-
leiro ou estr ngeiro ; quem de seu prestimo
precisar, dirija-se ao pateo do Carino, sobra
lo de um andar, que faz esquina para a tra-
vessa do Sarapatel, n 3.
COLLEGIO-S -ANTONIO.
= As matriculas para os cursos de geome-
tra philosophia rhetorica geographia e
historia comecao noste collegio no dia 11 do
e sem vicio algum querendo o vender diri-
ja-se Praga-da-independencia loja n. 21 :
na mestna precisa-se do urna ama para casa de
pouca familia que nao seja mota.
Compras
= Compran-so elTcctivamente para fura da
provincia mulatas, negras, o moloques de 12
a 20 annos pag.io-se bem ; na Rua-nova ,
loja de ferragens n. 10.
Cotnprao-se diccionarios, tanto latinos
como porluguezes por Constancio, estando an-
da em mo oslado com tanto, que'lhe nao
faltem folhas ; na Rua-bella n. 45.
Vendas
sapatoes ingle/es de-duas e 3 solas, ludo para
bomem e meninos borzeguins gaspeados pa-
ja senhora e meninas, ditos de duraque a 1600
rs. sapalos de duraque com fitas a 900, e para
meninos a 800 rs. sapatinhos com franja a
roda e clchete para meninos, de marroqum
e couro de lustro sapalos de cordavao e dura-
que atamancados c outras mutas qualiJades
de calcado por prego mais em conta do que
em oulra qualquer parte ; no Alterro-da-Boa-
vista loja decalcado n. 24, de Joaqun) Jos
Pereira.
Vendem-se cassas pintadas finas c de co-
res fixas por baralo prego ricos c modernos
cortes de vestidos de lan/.inha lila fina bran-
ca propria para habito de tereciro do ('armo,
superior panno prelo sarja de seda larga u
selim de maco de superior qualidade meias
curtas de seda prela bicos pretos e
(trancos de
&> VENDE-SE a linda fazenda Rainha farsas larguras e qualidudes e at com bor-
i India nunca vista em Perna.nb.ien. o k ^,P?ti Prl'r.o pnra vestir an,os es-
comilhade saja, setins, e filo brancos e de
que pode ser, e lem mais de urna vara' .
de largura ,endo toda de listras, e todas esco-1 TZZ.VZ i l r' S T?
ras, do seda, o tambem algums pecas claras; \f. "lm Pdra st!.nhra los branense pretos de
tsla nova fazenda torna se muito c'ommodaem ''" f, ; ."Y"3 d .CreP ,0Ja "' lO.daWU-
consequenci-a de ter urna largura extraordinaria, I "Lu ,!!"": 1 .
e por isto serem precisos s seis covados para 1' ."" 1?** T1?8 *'e ,a"Zlnlu>s P *-
vestido, sendo o prego muito diminuto, que ''^ "^ 'T 8S' ^ohMa-
anmar os compradores; na ra do Cabuga l f? ,272 ^ Cada COr,e. D8,,m, T'
loja de fazendas inglezas, e francezas kV&\W*m*^*BSm&l mm' Pe' l,a"
ra & Ge'des ns. 4 e 6.
Vendem-se chapeos pretos francezes, fi-
nos, a 0000 rs. e mais superior chegados
agora a 7000 rs. ; na loja de Guilhcrme Selle ,
na ra do Ouemado n. 25.
Vende-se urna rica colleccao de roman-
ces do Visconde de Arlincourt Iraduzdos em
linguagem classica porlugueza e o dicciona-
rio grande de Vieira em dous volutnes este
por 18,000 rs. ; na ra do Collecio livra-
n. 20.
Vende-se veludo preto de superior qua-
lidade a 3200 rs, o covado ; na loja de Gui-
Ihenne Selle na ra do Oueimado n. 25.
= Vende-se um moloque de 14 nu,^.' !ETi' ?S
ptimo para qualquer offico; dous escravosde '"^r-nho-goral de Ohnda.
proprios para o servigo do campo,
A pessoa que annunciou no Diario de
dous do corrente querer una arrumarao, di-
rija se a ra daConceicfio, em casa de Rufi-
no Gomes da Fonceca.
Brrente marco eestao abortas al o dia 15 .
:m que principiar o exercicio das aulas de
rada urna destas disciplinas. O director. Rer-
nardmo Freir de Figueirido Atireo e Cairo.
= Tendo-se perdido urtia carteira sexta
fe ira primeirodo corrente ondealmde mais
papis que existiao dentro tinha 4 lettras
saetadas por Antonio Muniz Pereira e acced-
as por Domingos AlTonso Ferreira da quan-
t.o de 705.250 rs. cada urna, duas vencidas em
\0 de Janeiro de 18V4 o duas a vencer-sc tm
0 de Janeiro de 1845 e todas estao assig
nadas pelo dito Muni/. Pereira visto tel-os
traspassado em negocio que fez ; e echando
se prevenido o acceitante a nenhuma pessoa
podem servir ditas lettras por isso roga-se a
quem as tiver ochado de as entregar na Pra
pa-da independencia rs. 13 e 15 que ser
recompensado.
= Perdeo-seum cachorro inglez cor de
ralo, e raspado, corpo comprido, e pomas cur-
tas; quem o achar, leve a ra da Cadeia do Re-
cite n. 39, em casa de Russoll Mellors& Com
panhia quesera recompensado.
Da-se dinheiro a premio sobre penhores
de ouro c prata e mesmo sobre firmas, da-
se (odaa quantia,queospretendenlesqu/.erem;
na ra eslreta do Rosario, segundo andar do
sobrado onde mora o doutor Baptista.
l/w./o importante aos doentes a medicina po-
pular americana.
= Acaba de chegar urna grande quantida-
de destas pilulas ( remedio composto ir.eira-
nienle de vegetaes ) conhecidas na America e
na Europa desde o anno de 1790 ., e das quaes
se lem vendido ja no Brasil ( aonde conheci-
do apenas 3 annos) mais de quaronta mil cai-
linhai, em que tcem provado sua superiorida-
de de todos os remedios em numerosas curas
as molestias do ligado febres rheumatis-
tno lombrigas ( particularmente a solitaria )
. ----- -.......p* v i.....vuraimtiire .. Miniara i
z= Aluga-seooi pnme.ro andar de um so- thisica ulceras, innammagocs nos olhos es-
brado, com sulflcientes commodos para urna Jcrofulas, ersipellas, de.
grande familia ; ossirn como um grande rma Rogs-seaos padecenies' para provarem este
em por baixo do mesmo sobrado proprio pa-1 infalivel remedio. Vende-se com seu com-
ra qualquer esta belocimento por ter embar- ptente rrcoNoarioem eaaa do seo nico jente
'I''" :| !ii" ]'"f" na r|,|!" l"ir I""''1" commo JoSo Keller ra da Cruz n. 11 e para maior
do ; a iratar na ra da Praia de S Bita n 37 commodidade dos compradores-na ra daCa-
Offerece-se urna .una de Inte para qual 'dciaemrasa de JoSo Cardozo Ajres, Rua-nova
1 '-' 'I'"'"' ;| prelendei dirija-so ao Guerra Silva v C., Alterro-da-Boa-vista Salles
n iro ii. .'i. |
Na fabrica de cbapeos da rm r^ifl livor um eteraro, que (eje bom
nacao, piopnospara o servigo o campo, por
lerem bastante pratica ; urna escrava de natao ,
de 20 annos. engomma, cozinha, o lava; duas
ditas da Costa boas lavadeiras tanto de sa-
lmo como de varrella e sao quitandeiras, todas
se dao a contento ; na Rua-direita n. 3.
=s Vendo-se cera de carnauba em pipa e
barricas, por prego commodo ; na ra da Ca-
deia do Recile n. 43.
Vendem-se 4 escravos pecas, do 20 an-
nos ptimos [ara lodo o servigo ; um pardo
do 20 annos, boa figura para pgm ; utHca-
zal de escravos bons para o trabalho de cam-
po por serem a isto acoslumados; 4 pretas
mogas com boas habilidades, engommao, c co-
zindao ; duas ditas boas quitandeiras ; na ra
larga do Rozario sobrado n. 48.
>endem-se dedaes modernos de ouro de
le, pares de brincos anneles, transelim pa-
ra relogio e correntinba ditas para senho-
ra cordSo colar, rozario de ouro um re-
logio sabonete inglez bom regulador bo-
les eaifnetes para abertura (velas moder-
nas de prata para sapalos, arrelicario de dita
para pescogo um par de caslicaes modernos
de dita urna collicr de prata de tirar soupa ,
prata em barra para obras, armacoes de dita
[tara oculos, non le ros para meninos dsas
voltasdecordo grosso urna gargantilha, una
corrente de ouro feita no Porto; as Cinco-
pontas n. 45.
- Vndese urna fbula e um Cometi ,
com algum uso por preco commodo na ra
do Cabuga loja n. 10.
Vende-se urna venda com poucos fundos ,
na Rua-direita dos AfTogados n. 20; a tratar
na mesma.
VenJe-sc um oratorio com 0 magens
dentro do mesmo, com muita prala e ouro;
unta imagem do Snhr Cruxificado em urna
cruz de Jacaranda embutida urna dita de N.
S. da Conccicao com corda de outo, brincos
de diamantes ecordao no pescoeo ; urna di-
lu de S. Jos com re landor de prala, urna di-
ta do Menino Dos com corea de ouro ; urna
dita de N. S. dos Prazcres com cora de prata,
um Menino Dos' com resplandor de prata ,
cruz e cordao de ouro urna dita de S Anto-
nio com resplandor de prala urna dita de S.
Rila com resplandor de ouro ,.tudo por preco
commodo; na ra atraz da matriz da Boa-vis-
la n. 13.
Vende-se urna escrava de 15 annos mui-
to boa enffomrr.sdcira vim oziuua h faz
todo o mais artico de urna casa e muito sa -
dia; na Solidado indo pela Trempe, lado di
reito quasi aop da igreja., n. 7.
= Vendem-se bors"guns gaspeados. ditos
de ponta de urna e duas solas pretos a de co
res, hotins e meios ditos de be/ero franco/ ,
inglez ede Lisboa patos de couro de lis-
tro ditos de becerro de entrada haixa de
rato preco de 1000 1200 e 1600 re, ; meias
de seda pretas para liomem a 1000 rs. o par,
srrja.de superior qualidade, ede duaa larguras
a 1000 rs o covado ; na ra do Crespo loja
n. 12, de Jos Joaquim daSilva Maia.
Vendem-se 22 milhoiros de lijlos e
travos de pinbo ebegadasde Goltcmburgo em
casa do .Me. Calmont & Companhia na prai'a
do Corpo-Santo n. 11.
Vende-se urna casa de pedra e cal em
Olinda na ra do Amparo, do lado, que
vai para a Misericordia, muito fresca, com duas
salas 3 quartos, e quintal cercado ; a tratar
na ra da Guia com Manoel Anlero de Souza
Beis e Dar ver entendao-se com Felippe ,
Vende se maca.rao a 120 rs a libra (a-
Ibarim a 120 rs., vinho do Estreilo a 180 rs. a
garrafa, dito de Lisboa a 220 rs. ; dito da F-
gueira a 240 rs. amendoas a 160 rs. letria
superior a 240 rs. e lodos os mais efeilos por
preco muito commodo ; na venda de Francisco
Simoes da Silva.
=Vende-se urna negrinha crioula de 12 an-
nos muilo propria para casa de familia para
ser educada em ludo que so qnizer ; tamben
so troca por urna negra de Angola sem ha
bilidades porque para ir para o mallo ; na
ra do l.iviamento venda n. 24.
~ Vende-se leite sem mi-tura das Gas 7
horas a meio tusto ; no silio que tica por
detraz do sobrado do finado Montero aonde
ten. canoas d agua.
= Vende-se unta obra nova de Gazaniga ,
pelo proco de 12,000 rs ; na ra de Oueima-
do n. 37 prme.ro andar.
Vcndem se garrafas vasias a 5000 rs. o
cento ; erva-doce nova a 2-0 cada libra e de
8 hbras para cima a 7090 rs a arroba o urna
por.;ao de barricas vasias que foro do fari-
uha de trigo ; na ra do Rangel n 81.
= Vende-se um moloque de nacao Cabun-
d de 14 annos pouco mais,
Cinco-pontas n. 71.
ou menos ; as
Escravos fgidos
- Ainda anda fgido ou birlado o escra-
vo Jacinto de nacao Rebollo de 22 annos ,
bonita figura bem preto lem urna marca no
peito esquerdo a imitatao de urna ancora lat-
a, meio descaneada toma bastante tabaco ,
dcsapparecco em 20 de Maio de 1841; quem o
pegar levo a ra da Guia casa de 3 andares n.
53, que tora 100,000 rs. de gratificagao de
seu snr. Manoel Anlero dn Souza Res.
- Ainda est fgido o moteque Julio, que
venda oangica seCco do corpo mcio fulo ,
de 14 annos, tem o embigo muito grande,
tem um laquinho tirado na pona de urna ore-
Iha lem sido visto Om Olinda; quemo pe-
gar, lave a ra da Guia a Manoel Anlero de
Souza Reis
- Aanda se acha fgida a escrava Joaqui-
na crioula oor veos Anunciada a qual tem
os signaos seguintes ; estatura regular, secca do
corpo, rosto comprido, cabeca puchada para
traz com dous dedos da mao direita alejados,
e um marea de U!ho .... testa vuin no co-
tovello direito; muito bem fallante represen-
ta 21 annos ; quem a pegar, lera 20.000 rs
do gratificacio driginJo separa estr |m ao
abaixo assignado na estrada de Joo de Barros,
sitio do inspector de quartoirao defronte do
.'-xiit. viscomle de Gniannt,
Joao Nepomuceno Ferreira de Mello.
uma e duas solas, ditos do urna e duas pajas, I \kC.m na Tit. m U. V db Faia-
m


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1P8UBH0A_5ORDMR INGEST_TIME 2013-04-13T00:31:30Z PACKAGE AA00011611_05067
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES