Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05047


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1843.

Sabbado 9
de Setembro
Anno XfX. N". 194.'
' 'o eora depende de nos mes.nos; di
li^mo, como principian,.,,, e seZ. pruuencu, m0llfr.Sao, MW|ia: con
jfcto. 5ere^'0, I""''1'" com .dnir..,,,, en.re ..Nngk...,
_. ________( f roclamagao da Aisembleia Ger.l do Bbaii.)
fiouoj,. P.KP1AI',Tr,fS D0S CORREIOS TERRESTRES.
o. r,..e More. ,, >y s.n.o Ul* qait*. fair*. OliB.l. todos o. di.,
.o OAS DA SEMANA.
* *g. .. Ko de Vilerbo V. F. Aud. do J D. d. 2.,,
5 'o;;, s. Antonio M hel. Aud do J. ne 1), d,3. r.
7 Y-.Ot, jejam Joao P M Aud do .1. do D. da S. T.
O Oc i s. Aat.vidade de No'a Senhora.
an T.^ V *? P- "*' u- ,l0 J- ,lf *' T,
.40 O S.utissiuv, \ me do uan.,
!)<
^a^ /' f- ",**1" Pablic-e ",,", "' da que nao forem S.-ntiii-adov o preoo da ai.igaalore be
jl/yW '"" mi1 r'"" l",r 1'Jrlel PSU adi.ni.do O nnonoioi doi fligfkMtti o in.erido
, 'i '!V!*!' S'ali' '" din ii ir n.m (.
A reclamacea dereni aerdiri-
' 6eS.
. 'i >"v -.. => ...... Hu<: n.iu i.irein rusa de r linlu A raclamaqea Cereal t
r/r> ; g"'* U Tip., raadaCru7.es N. 3^, ou apra^-a da Independencia toja delirro N.
f iT/ CiMHos.No dia 7 de S-trinliro. compra "
bio.obra l.ondre. 26.
a Fan>3<5/eiepor franco.
Liiboa 41l) por 101) da premio
compra
Ooio-Moeda da ,400 V. 16.HUU
N. 16.6UJ
,00
*,920
1,9*1
renda,
17.UUD
MU
M
I,40
I.V40
1,1*40
" a da 4,000
Moe.1.... cob.. 2 por tolo. ;;,.!u,,nm.
Ida da letra. Ja boa. nr.a, 1 f .,, -,,,
PHA.SES DALUANOMEZ DE SEPTEMBRO.
i... Cei._,.S,, aa 4 boraae v7*. Preainat de hojt.
'ubi.. j i." a 4 cora, a 5i a. da tarda.
^^*
Govprno da Provincia.
EXPEDENTE DE 2 DO COMENTE.
Ullicio Ao commandante sural do corno
depohca .autorisando-odemittir 3
ao commandante d,IS armas, para .ssenjpw.
ja, cajo e.te,a em c rcanatonciaa disto 0 S-
formoulernpresentado ro conducta.
ito Ao Ju.z da irmandado do Santissi-
mo Sacramento da B,a-V,ia rom,tlel
p.a do novo plano para a l.qua, taparle dalo-
lena da respectiva Matriz Juo ac npanhou o
seu offico de 26 do mez de Agosto ultimo! *
mereceo a appr>)vacao da. Presidencia.
ito A ,, Presidente interino da ReacSo
eao Inspector da thesouraria da fasenda.
en .ficando.os de haver S. M. o Imperador a-
powoiad.0 oa Deaembargadores da dita Relaco
Jr'egono da Costa Lima iielmont, c Joze I i-
ia"iAm-nAn0USa; T "cimento annual de
1-200LOOO rs. (cada onfi) : licandoa a posen-
dona nesta parte desdent u'approvacfio da
Assemhla geral legislativa.
c Mlt0Si~ AS mes,nos cornmunicando ler
5. M. o Imperador, por decreto de 5 de Agos-
to pretrito nomeado ao Bacharel Antonio
Joaquim de Siqueira para esemttargador da
Kelaijao desta provincia, e ordenado, que
passcsse ter nella exercio o Desembargador
Pa do Maranhao Antonio Ignacio de A/evedo ,
desdocosturne, dirigi a S. M., que se acha-
va em p no throno, o seguinte discurso :
Senh >r. O Imperador do Brasil me enva
em ombafxada extraordinaria junto a V. 81.
para pedir em seu nomo a mao de S. A R a
Princesa D. Theresa Chrstina Mara, Ilustre
iniiaadeV. Sf. As eminentes qualidades desta
I nncesa e a illustracao da sua familia conror-
rem para desenvolver o ardente desejodo meu
m.:iisto amo, deestreitar por essa allianea os
lacosqueounem ja a V. M. ea familial real.
<( A nacao Brasileira applaude a escolha do
seu Soberano; osscus votos acompanharao no
throno a r'nncesa que o Brasil, com ufana, ve-
ra sentada ao lado do seu Imperador.
Sonhor, ao depositar uas maos do V. M. as
minhas credenolaes, desempenlio urna muito
honrosa missSo quo me deixar nobres recor-
docdes, pois que me permltteentrever a felic-
dadeea lona de urna dynasta e de nm povo.
Possa ea camprinesta mssao de modo a adqui-
rir aos olliosde V. M. un titulo a sua real be-
iic.-.ilencia.
s. M. responden nos seguintes termos :
Sr. Bmbafxador.A honrosamiasaS deque
(ostes oncarregado pelo vnsso augusto Soberano,
depedir-meem seirnome a mao da minha a-
mada irmaa Theresa nao poda ser mais rata
aomeucoracao. Concodendo-lh'a como maior
contentamento, estou certo que a minha dilec-
iissima real irmaa prestara com igual salisfa-
cadosea consentimento a este b m asmurado
n, que servir para estreitar os antigos lacos
de parentesco e de amisade entre as duas lami-
llas. Tenho a esperance de que minha cara irmaa
poder faser a feliefdade de seu augusto Esposo,
6 que procurar merecer o seu amor ea estima
(nmfnlnvnnnr^wi i i u c J ...' u 1UC I,nfiurara merecer o seu amor e a estima
J j (io W Cb.efe de polica da nacao Brasileira. Vi, pois. com o maior pra-
que aqui exeroe. .nlelliaenciou-se o De-
sembargador Azevedo da parte d'esteoficio,
que Ihediz respeito.
Ditos Aos mesmos, participando ter S.
M. o Imperador determinado. que Rquem sjm
effeito os decretos de 10 c 11 de Abril d'este an-
no, pidos quaes foi mandado ter exercicio na
Kel.icao destfl provincia e nomeado Presiden-
te della o Desemnargador da Babia Adriano
Joze Leal.
Dito Ao commandante das armas exi-
gindo as informacSes de conducta dos Oliciaos
do estado maior de 1." e classe e dosffi-
ciaes, e Cadetes dos corpos da guarnicao des-
ta provincia pertencentes ao 2. semestre do
anno prximo passado.
Dito Do Secretario da provincia ao Ins-
pector da thesouraria da les inda transmittm-
126.
-RK
RIO DE JANEIRO.
O CASAMENTO DA I'Itl.NCtZA II. THEREZA COM O
nii'KitADOR un :asii..
aples, '27 Se maio de 1843.
Para o ajustado consorcio do S. M. 0 Impera-
dor do Brasil I). Pedro II com S. A. R. a Prin-
ceza I). Theresa Chrstina Mara, augusta ir-
maa de S M. EI-reiN. S., veio a esta corte, na
esquadra imperial ora ancorada em nosso porto.
S. Ex. oSr. commendadorJos Alexandre Car-
neiro Leo, na qualidade de embaixador de S
M. I.
O dia de boje foi'marcadopara o solemne pe-
dido da mao de S. A. R., eesta manhSa leve
lujara augusta ceremonia que passamos a des-
creyer.
As 10 horas da manhaa o introductor dos
embaixadores e um camarista de semana em
giande uniformesahirad do real palacio em um
coche puxado a 6 cavallos, com batedores em
giandegala, e diriglra5-se a habitacafl de S. Ex.
o embaixador cio Scaletta, co outro igual cocheyuxado tambema 6.
J para o meamo palacio da embaixada os
ministros de estado o corpo diplomtico os
otliciaes mores da crt) e personagens da real
cmara tinhao mandado os seos coches de ga-
la para lazerem cortejo a ?. Ex. o embaixador.
A poz o ceremonial do cosi\nie na casa da em-
baixada sabio o cortejo para placi, onde, sen-
ser, Sr. embaixador, que (ostesescolhido para
representar o Imperador nesta fausta occasia.
Condusidodepois o embaixador aos aposen-
tos das Rainbas, consorte o m dirigi-Ibes
os discursos do eslylo, aos quae" responders
SS. MM. com a maior benevolencia.
O embaixador pedio depois a S. M. a Rainha
ml que Ihe permiltisse apresentar a Real i'rin-
cesa o retrato do Imperador seu noivo, ao que
annniu S. M. com o inais vivo praser : e man-
dando vir a sua preseoca a Real Princesa din
gio-lhe o embaixador o seguinte discurso:
SenhoraO Imperador do Brasil incumb >-
me de apresentar em seu nome a V A. R. aot-
l'titaque Ihe (az do seu coracao e de parlilharo
seu throno.
Tocado de vossas virtudes, aprecia altamen-
te em V*. A. B. os dns de um feliz oascimen-
toe os (rudos de admiravel oducaca, sustenta-
da pelos mala temos exemplos. o seu amor e
os seus cuidados asseguraa felicidadede V. A.
B., a quem S. M. dover urna nova garanta
da alfeicao dos seus subditos, da qual sao pe-
nhoras racaseamabilidade que dustinguem a
V. A R.
Todos os mi us votos, Senhora, chaman urna
resposta afflnnatfva de vussa boca. Possa eu u-
fanar-me toda a minha vida da parte que me
couber ueste feliz successo, devida a esta res-
posta e confia uva do Imperador meu augusto
amo.
Ao terminar o seu discurso, S. Ex. recebeu
das maos do secretario da embaixada o dito re-
trato e apresentou-o a S. A. R., a qual, an-
tes ile acceital-o, fez urna profunda reverencia a
8. .M. no acto de pedir-lhe pennissao, e ten-
do-a oblido, recebeu das maos do embaixador a
efBgiedoseu augusto noivo, quo pela dama de
honor Ihe loi posta ao peito. S. A. R. respondeu
ao embaixador nos seguintes termos:
o Sr. Embaixador.Se em todos os momen-
tos da minha vida recebi provas da bondade da
Rainha minha augusta m c de El-Bei meu ii-
mu5, reconheco nesta occasia a sua terna soli-
citude, por terem acceitado o pedido feito por
roa, Sr. embaixador, de unir-me a vosso au-
gusto amo o Imperador do Brasil. Com praser
confirmo o seu consentimento e empenhar-me-
hei por merecer a honra que me fa>. S. M. cor-
rejpondendo boa opinao que teni de mim, e
toruando-medigna do amor dos seus subditos.
Rogo-vos, Sr. embaixador, que sejais o inter-
prete dos mena sentknentoa, a que acreditis no
meu reconhecim rilo.
aples, 31 de maio.
Odia 30de maio, que volta seinprc bem a-
gouradu e fausto para os Napolitanos, foi hon-
temdobradamente (estivo, porque (esta de s
se uni felizmente a dos esponsaos de sua au-
gusta irmaa a Senhora D. Theresa Chrstina Ma-
ra com S. M. o Imperador do Brasil. A arti-
Iharia do castalio dospertou aos habitantes des-
ta cidade com o grato anuncio desta festividade,
e esta salva foi repetida ao meloda ea noite.
As 10 horas da manhaa, S. A. R. a Princesa
D. Theresa Chrstina Mara e S. A. R. o Conde
deSyracusa. como procurador de S. M. o Im-
perador do Brasil, em presenca de SS. MM. o
Rei, a Rainha, e a Rainha mai, assignara o
acto civil do casamento redigido pelo sindico
de aples, duque de Ragnole, que teve a hon-
ra de apresental-o a SS. AA. RR.
Concluido assimo contracto civil do casamen-
to, procedeu-se celebracao dos sagrados es-
ponsaes na real capella Palatina, emcujo pres-
byterioestavao" levantados direita um throno
para SS. MM e a esquerda urna tribuna para
o resto da real familia.
SS. EEc. os ministros da justica o ostrangei-
ros collocarao-se direita do celebrante, e o
embaixador do Brasil direita do throno. como
testemiinhasdo casamento. Depois da adoraco
ao Santissimo Sacramento, oMonaeohor capel-
lad-rnr. dirigi a seguinte pergunta ao Princi-
pe Real : Principe Real das Duas-Sicilias ,
D. Leopoldo de Rourbon, Conde d: Syracusa,
como procurador de S. M. o Imperador do Bra-
sil, I). Pedro II de Braganca, queris tomar
por sua legitima mulher a Princesa Real das Du-
as-Sicilias, I). Theresa Chrstina Mariade Rour-
bon aqu presente segundo o rito da San-
ta Madre Igreja ? S. A P. respondeu
Quero. l)o_piesmo modo pergunlou o cele-
brante Real Esposa: Princesa Real das
Dn.is-Sicilias, D. Theresa Christina Miria de
Rourbon, queris tornar por vosso legitimo es-
poso S. M. o Imperador do Brasil I). Pedro II
de Braganca por si mesmo ausente, mas pre-
sente na pessoa do seu procurador o Principe
V No dia destinado ao desembarque do S.
M. a Emperatriz todas as galeotas e escaleres
do arsenal e dos vasos de guerra nacionaes de-
ver.io estar promptos no Caes da Imperatriz ,
is ) horas da manbSa para receberem as pes-
soas do corto que bao de ir esperar S. M. Im-
perial ao norte da liba das Cobras.
5. S. M. o Imperador eS. A. Imperial se
dignars embarcar s 8 horas c meia na galeo-
ta, que ha de dirigir-seao ponto da espera dos
ditos escaleres.
6. O escaler do porteiro da imperial cma-
ra procedido por douscom bandas do msica,
romper adianto no centro dos rnais escaleres ,
formados em duas alas, que serao seguidos
por duas galeotas, conduzindo a da direita
os ministros secretarios do estado, cada es-
querda o vedor esmoler-mr, guarda-roupa
o medico e com pequeo intervallo seguir a
imperial galeota.
7. Chegado o cortejo ao lugar, em que esti-
ver a frag.ta Constiluictio os dous escaleres,
que levarera a msica, se terio sobro remos o
da ala esquerda proa e o da direita popa,
e tocar-se-ba o hymno nacional.
8. Os outros escaleres, que formarem as alas
dever-se-ho lamben, conservar sobro remos ,
em boa ordem para dar franca passagein
imperial galeota
9. Quando S. M. Imperial e S. A. Im-
perial subirem (ragata lerao a honra de a-
eompanhar suas augustas pessoas os ministros
secretarios de estado camarista vedor por-
teiro da imperial cmara e o guarda-roupa.
10. Logo quoS. M. o Imperador ordenar
pie desfile o cortejo o porteiro da imperial
,, 7.---------- '-----......... .......l'" ......" ""j" >' ('un-n ii i trnpenal
iseal o. i.oopolrlo, Londede Syracusa, segundo cmara ir lomar o seu respectivo lugar pre-
cinto da Santa Madre Igreja ? ,,-A esta respos- cedido pelos escaleres da msica e far'seguir
as. A. B. voltando-so primeiro para o thro- '
noe depois para a tribuna abaixou a cabeca
a S. U. o Rei o sua augusta mai para implo-
rar) seu consentimento; e tendo recebido, res-
pondeu: Quero.
Seguiram-se as oraces do costume, e a ben-
rSo do anncl.
VoltandoSS. AA. B.R, tribuna entoou-
os rnais, quando SS. M.M. Imperiues eS. A.
Imperial tiverem embarcado na galeota na
mesma forma da ida.
II. Terio a honra de acompanhar a SS.
MM, Imperiaes e S. A. Imperial, na ida o
mordomo-mr, o gentil-homem, e vedor quo
isliverem de serviYo a camareira-mr de S.
e o 7e-Deum laudamus, cantado pelas pri- i )' 'mPcri'*' '' a sua J-"13 ; e na volta alm
dos referidos, o embaixador. o camarista
servindo de mordomo-mr de S. M. a Impera-
triz o vedoi a dama servindo de camartira-
mr e adama do S M. a Imperatriz a
leiris vo/es da capital, com acompanbamento
da eacolhida orchestra. Todos os castellos da
cidade e tod w os navios de guerra tundeados no
porto lalvaram nesta occasia.
Terminando o Te-lhum passou a Familia
Real palacio, onde S. .M. a Imperatriz do
Brasil recebeu as olicitaees de sua augusta Fa-
milia do corpo diplomtico dos grandes da
corte &c.
A' noite a Fami'ia Real eS. M a Impera-
triz do Brasil honraran) o real theatro de S Car
los com sua augusta presenea. Os espectado-
res que encbiain este vastissimo theatro re-
ceberam SS. MM. com vivas atroadores.
(Sentinella da Monarchia.)
acaata da mesma senhora eo commandante
da diviso.
PBGBAMMA
Para o recebimento desembarque e acompa-
nhamento de Sua Magestade a
Imperatriz
PAUTE PHIMKIKA.
i. Apenas apontar barra a fragata que
conduz a Sua Magestade a Imperatriz do Bra -
zil partirs as galeotas do arsenal da marinba
para S. Christovao afim de conduzirem Sua
Magestade o Imperador e Sua Alteza Imperial a
visitar a mesma augusta Senhora e esta visita
se dirigir de nudo que tenha lugar urna hora
depois de haver a Iragata l.in.;ado ancoras.
2 Terfo a honra de acompanhar a S. M.
o Imperador e a S. A. Imperial nesta visita
os ministros secretarios de estado o camaris-
ta vedor, guarda-roupa e medico, quecsti-
verem em actual servico e o porteiro da im-
perial cmara.
3. Na manhaa do dia subsequente ao da en-
fraila no porto ou daquelle que S. M. Im-
perial bouver por bem designar e pelas 11
horas, se efectuar o desembarque de S. M.
i i a linneratriz no rftoc A~-'~ i ,....._*_
I o introrlnsiiin n oml.iivnJni. X... f.. ijj I ., ',.*, ..... l ... -- >"" .iuuuo ueUUIIIillUUO
-------------.^aa lui.inu.ua-, reinauuo, nome d>. M. El-Bei Nosso Senhor,! da Imperatriz.
\
12. Chegado o cortejo ao lugar do desem-
barque as pessoas da corte, que nao tiverem
servico marcado para este da, iro entrando
em suas carruagens e estas se irao eolio. anJo
nos lugares, quo Ibes forem designado! pela po-
lica.
13. Do ponto do desembarque so forma-
ra e proseguir o cortejo pela maneira se-
guinte :
11. Um piquete de cavallaria commandado
por alferes.
lo. A msica das imperiaes cavallarias.
1 17. Seis porteiros da massa e seis da canna.
18. Os jui/.es de paz e subdelegados da po-
lica da cidade. que quuerem ter esta honra.
19. Todos osjuizesdedireito do civel e do
crime e municipes da cidade.
20. As pessoas que tendo recebido convi-
te pela secretaria do estado dos negocios do
imperio, nao tiverem de exercer lunecoes no
cortejo sem precedencia.
21. A cmara municipal.
22. Dous reposteiros a .avallo.
23. O coche que conduzir o medico de se-
mana e o que vem com S M. a Impera-
triz. o conego capellao da cmara e o con-
fessor.
2'.. O coche que conduzir o porteirq da c-
mara imperial, csmoler-mur e guarda-roupa
de semana.
26. Us mocos da estribeira a cavado.
26. O coche que conduzir o camarista *r_
vindo de mordomo-mor de S. M. a Imperatriz
o vedor da mesma Augusta Senhora o do


S. A. Imperial e o commandante da di-
visa o.
27. O coche que conducir a dama que
vem com S, M. a Imporatiz ,a dama de S. A.
Imperial, c actala que vem com a mesma Au-
gusta Sen dora.
28. O cocho que condu/.ir o camarista de
semana e o vedor.
29. O coche do estribeiro-mr com um
ferrador a cavallo ao lado dircito. ,
30. Dous coches conduzindo osministros se-
crctii.rios de estado o o embaixador.
31. Um coche de respeito do S. M. a Im-
peratriz guardado por dous mocos da cmara a
cavallo.
32. O coche queconduzir S. M. a Impe-
ratriz S. A. Imperial a dama que serve de
camareira-mr de S. M. a Imperatriz e a ca-
mareira-mr de S. A. Imperial guardado
por quatro mocos da cmara a cavallo.
33. O coche de respeito do S. M. o Impe-
rador guardado por dous mocos da cmara a
cavallo.
3i. O tenente da imperial guarda do ar-
cheiros.
35. O coche que condu/.ir a S, M. o Im-
perador, indoao ladodireito o capitSo da guar-
da de arch^iros o ao csquerdo o estribciro
menor.
36. Doze mocos da cmara a cavallo, for-
mando alas de um c outro lado do coche por
ira docapito da guarda e eslrilte:,ro menor.
37. A imperial guarda de archeiros lor
mando alas exteriores as dos mocos da cmara.
e marchando a p descobertos.
38. Os mocos da estribeira formando ala
por fura de todos os sobreditos tambem a pe
e descobertos.
39. O general commandante das armas da
corte com seu estado maior seguindo o co-
che de 8. M. o Imperador, entre este ea
guarda de cavallaria.
40. A guarda de cavallaria.
41. O cortejo seguir pelas ras da Impera-
triz e Larga de S. Joaquim campo da Ac-
clamacao o ras de S. Pedro e Direita at a
Capella Imperial, onde se apear SS. M.M.
Imperiaes e S- A. Imperial, e as possoasque
formiio o prestito.
42. SS. .VI vi e S. A Imperiaes aeran re-
cebidos pelo Hispo capellSo-mor e cabido i
porta da Capella Imperial, com as ceremonia
o oracoi proprias de Ib es acto; eimmedia-
tamente so proceder a solemnidade das sagra-
das heneaos.
43. J.ogo que se fflrem suceessivamente a
pe.mdoas pessoas do ecompanhamento deve-
noas respectivas carruagens seguir pela ru
da Misericordia e vo-llar pela da praia de I).
Manoel para receberer i as pessoas a quem per
tencerem.
44. Terminada a ceremonia religiosa SS
MM. Imperiaes e S. A. Imperial acompa-
nhadas pelas pessoas da corte se dirigirs
polo interior do paco a sala do throno ondi
SS .M VI. Imperiaes se dignarn receber o cor-
tejo de seus subditos ao quuj^r admittidu
todas as pessoas qu s? aprofentarem vestidas
com a decencia propria de similbantes actos.
Neslc cortejo nao lera lugar discurso algum de
qualquer natureza que seja.
45. Findoesto acto se formar o cortejo no
sahida do pacoe desfilar pela ra Direita ci-
ma at a de S. Pedro e por esta at a impe-
rial quinta da Roa-vista na mesma ordein su-
pramencionada, com a nica dilercncu de ser
entoS. M. a Imperatriz conduzida no coche
emquofrS. VI. o Imperador.
46 No acompaamiento da vinda e da
volta smente serO admittidas carruagens de
vidros.
47. As ras desde o Caes da Imperatriz at
a Capella Imperial, na vinda, e desta al
ao Roci Pequeo ha volta ser bordadas
pelas tropas de linha c das guardas nacio-
naes.
PARTE SEGUNDA.
48. No oitavo dia depois do casamento de
SS. MM. Imperiaes, se celebrar a missa de
accao de gracas na Capella Imperial s dez ho-
ras da manha com a assistencia de todas as
pessoas da corte.
49. Depois doste acto SS. MM. Imperiaes
se dognar reoeber no paco da cidade ho-
ra costumadn todas as pessoas que na for-
ma do n. \% procurarem ter a honra de os
felicitar.
50. Na noite desso mesmo dia S*\ MM.
Imperiaes honrars com sua augusta presenea
o theatro nacional : na noite do dia imm dia-
to da SS. MM. Imperiaes aos moradores
desta cidade o prazer dos ver a visitar as I-
lumiafCSes ; e na noite do dia seguinte ter
e theatro francez a honra de receber a SS. MM.
Imperiaes.
Secretaria de estado dos negocios do imperio
em 7 de agosto de 1843, Antonio Jos de
Paira Gutdei de A ndrade.
Jornal do Cotnmercio.
RIO GRANDE DO SUL.
! Iha daquelle lado : apezar de tudo segui minha
: marcha at que deixando aquella propricade
Parlt oficial do heroico combate do Ponche- retaguar(ja me achei om um campo raso ,
Verde dada pelo Rrigadtiro Rento Manoel jescoherlo e capaz de manobrar um sem nume-
-----i ,, ucMiiLiciu'i. vapaz'
Ribeiro Commandantr da segunda diviio, f0 Je tropas 0 an r0 qUCt mas adiantada do
do exercito imperial, ao General em Chefe eu ^ se acnou formada toda a forca inimi-
ga, commandada por Bento Goncalves, Netto,
Joao Antonio Onofre &c. Nestas circuns-
x., marchado no dia 20 de abril p. p.. s I tancias ordenei ao capitao decavallana de linha,
[|2 horas da noite da Tapora do Trilha servindo de major de divisao,
o Exm. Rardo de Caxias.
Illm. e Exm Sr. Tendo por ordem de
V. E
8 e 1[2 horas da noite da l'ap
com a divisao de que V. Ex. me coniou o com-
mando composta dos corpos de cacadores 6.*
e 9., e do 3.* de fuzileiros, de cavallaria de
G. N. 3., 8., 9. e 12., e um esquadrao do
11, e da gente de Demetrio Ribeiro, compon-
do-se a forra de inlantaria de 1,317 pracas e
a de cavallaria 1,171 fazendo o total de toda
a divisSo 2,48S dirig minha marcha ao Pas-
so do Rozario aonde a inlantaria passou com
o equipamiento e armamento caheca ; ediri-
gindo minha digressao estancia de Santo An-
tonio (do Ribas), all juntei-me com a forca do
coronel Jos Ribeiro capito Guterres e te-
nenie Hippolyto osquaes oncarregados por
V. Ex. de condu.'ir cavallos seguirao estos
dous ltimos para o exercito levando os que
havio comprado, cscoltando-os at alli o capi-
to Mbernaz : e entao, destacando eu urna
Ion. a de 290 homens para Algrete a fim de
chamar a alleneo de Canavarro para aquelle
lado em quanto eu pola aba da serrB do Ga-
vera oper.va depositando a bagagem como
pratiquei, deixando em sua guarda o bravo ba-
talhao 9. de cacadores e 8.* corpo de caval-
laria tudo debaixo do immediato commando
do valente coronel Arruda ( o occorrido a res
peilo V. Ex. ao facto est pela parte dada pe-
lo mencionado coronel) ; segui com o resto da
divisao em perseguido de Canavarro. por entre
escabrosas serranias faltas de todo o recurso ,
e at da propria lenha e agoa trilhando por
cima de espessa nev. Nossa digressao andei
12 dias emendados com a maior parte da noi
te at que vim fazer junecao com a forca a
cuja proteccaoconlramarchei visto que Ca-
navarro fazendo imperceptivel fgida carre-
gou sobre ella quando de todo se desentranou
ue nao mais poda custodiaras 5 bocas de fogo,
que iiito mili puuia cutu'iuarHK u iiuutt iic lugw, --------- ------1 i i : >
a grande porco de armamento o trem de rosos ferviao no peito de todos os bravos da le-
Pedro Maria Xa-
vier de Oliveira Meireles que se formasse a
forca sob meu mando da forma que antecipa-
damente Ihe havia indicado, entendendo-se pa -
ra isso com o venerando anciao e veterano de
nossos guerreiros, o honrado coronel honorario,
commandante geral das cavallarias, Antonio de
Medeiros Costa e bem assim com os sisudos e
denodados commandantes do 9.# batalhao de
cacadores, o tenente coronel Luiz Manoel de Li-
ma e Silva, e do 3. de fuzileiros, o major Fran-
cisco de Lima e Silva; em consequencia do que
tudo se preparou par'o combate: a cavalhadaem
columna flanqueava os batalhes, os quaes mar-
chavo em columna de echelon a quarta distan-
cia direitos ao centro do inimigo acompa-
nhando no meio da cavallaria junto dos caca-
dores as carretas de municao a cargo do alferes
assistentedo quartel-mestre-general, Jos An
tonio Dias ea bagagem. fazendo a guarda da
retaguarda urna companhia do bravo batalhao
9o: mandei fazer alto eestendendo-seatira-
dores na frente a tiro de fuzil diante das 74 fi-
las do africanos rebeldes que em linha de ae-
radores assentados como por acinte co-
biiao a sua frente ..reconheci ent5o a forca que
tinhamos de combater a qual, vista de son
apparato de seu numero reputei sem mo-
do de errar ser toda da intitulada repblica ,
rujo numero avaliei em 2,500 de cavallaria e
300 a 400 do infantaria.
O inimigo formado em diTerentes colum-
nas c liabas tendo a sua infantaria no centro,
na mesma ordem, dobrou sua linha de atirado
res clavineiros de cavallaria : assim nos conser-
vamos de parte a parle por muito lempo sem
romper o fogo; um silencio precursor da vic-
toria corn que contavamos, demonstra va ao
mesmo tempo que pensamentos graves e dolo
guerra boticas, e tudo mais, que Rento
Goncalves havia deixado as ponas do Pai-Pas
so, quando fugindo de Algrete; custando
ousadia de Caavero nesta marcha a com lela
derrota de suas partidas capitaneadas por F-
gueirda e as dos malvados Hippolyto e capi-
tao Palacio das extinctas guerrilhas, as dua*
rirneiras pelo valente emprehendedor major de
G. N. Joao Antonio Severo e a ultima que
era de mais de 60 homens pelo valente De-
metrio Ribeiro o qual conbecendo ha muito
que trilhava na carreira do crimn ahandonou,
o ha, como aquello prestado j relevantes ser
vicos causa do imperio. Gontinuei a seguir
as pisadas do Canavarro em todas as direcces .
sem que amis o podesse alcancar, vista da
inobiidade de sua lona.
Tendo-me V. Ex. ordenado a ida do coronel
Arruda para Algrete, ar-ompanhado do 6. ba-
talhao que eu havia requisitado o liz seguir
no dia 21 do cornntc, reforcando-o com 120
bayonetas dos batalhes 9.e 3., edoesqua-
drSo do 11. eorpo do G. N. ; restando-me por
consegunte 665 bayonetas que a tanto mon-
tavao os dous corpos e 759 sabres disponiveis
de cavallaria em consequencia de partidas que
andavao por fra e avultado numero de solda-
dos empregados as cavalhadas e bagagens ; o
total da forca combatente montava em 1,424
pracas. No dia 25 do corrente tive noticia ,
nao de crdito e j a noito que Netto in-
clinando-se para este lado vinha fazer a todo
o custo juncc.o com Canavarro a fim de car-
regarem sobre esta forca como cu suspeitei ,
e assim o disse a V. Ex. em officio de 17 do
corrente ; accrescentando na mesma occasiao
que naquelle caso nao temia bater-me com toda
a forr;a que podessem reunir como de lacto
aconteceo. Urna vanguarda sempre conser-
vei cuja forca sob o mando do valente ma|or
dad. N. Agostinho Gomes Jardim, a qual dia-
riamente mantinba um vivo tiroteio com a re-
taguarda do Canavarro onde este todos os dias
mais ou menos perda com o terreno que pi-
sava a sua forca moral c alguns africanos.
No dia 26 ao romper da aurora divisando
em todos os semblantes (lestes guerreiros aquel-
le valor marcial, que desposarlo com sua cons-
tancia e fidelidade deixei o campo da vuva
Carolina tendo meu coracao chcio de um pre-
sentimento feliz e marchando em direccao
estancia de Manoel Vicira da Cunha no Ponche-
Verde pelas 9 horas do dia vista ja da casa
desta fazenda a minha vanguarda descobrio ,
sobre o flanco direlo pequeas lorcas que nos
llanqueaviio ; augmentando isto a ponto de se
engajarcm em fogo cada vez mais vivo cm
proporeSo do terreno que nvancavao : pouco
alidado fortificando seus coraces a razao da
causa por que fio pelejar ; um si', nao houvc
dos que mais se distinguirao que se lembrasse
ser alli, talvez, sem duvida seu derradeiro dia,
consumando-se para esses as desgracas de suas
familias. O silencio porm a inaccao pe-
remptoria que quando formados moslravao
osieoeldes, bem fra de seu costume usual,
attestavao que negros remorsos c eterna vergo-
nha os ia cobrir para sempre de opprobrio.
Eis seno quando de repente grandes mas-
sas do cavallaria se desligavao da retaguarda do
ininigo para oceupar o nosso flanco esquerdo :
entao a toda a luz descobri seu intento de nos
tornear por todos os lados para com 8S cava-
lhadas e bagagens baralharem contra esta divi-
san e darem orincipio ao combate : no mo-
mento em que sobre nossa retaguarda afluido
taes forcas, mandei desprezar a cavalhada de
reserva eengrossar as fileiras com seus guar-
das : en lio o inimigo aproveitando-se d'esta
circunstancia apoderando-so d'aquellas que
um sargento nao podo salvar fugindo paia o
departamento de Algrete encora|ou-se e
tocou a carga por todos os pontos. N'osta oc-
casio o mesmo Major de divisao Meirelles na
Irente da columna junto ao meu lado onde
se achavo acmnpanhando-me o prestante e
honrado Tenente Coronel de meliciasjos An-
tonio Maitins o bravo .Major da G. N. Ma-
rianno Alvos, eosvalentes Capitaes das mes-
mas guardas Vasco Jos de Abreu e o Sar-
gento Modesto do Canto o segundo d'esles
na qualidade de meu ajudantede ordens e o
terceiro na de ajudante de campo correndo
para a frente de um e outro flanco rompeu
vivas a S. M. I., integridade do imperio e
pacificacao da provincia os quaes forao re-
petidos geralmcnte acompanhados do hym-
no nacional tocado pela briosa msica do 3.
batalhao de fuzileiros.
A maior coragem animava nossos valcntes
chefes, officiaes e soldados, e tanto mais se
divisava esta coragem, quanto via a disposi-
cao sodenta de combater mesmo com forcas
to desiguaes. O fogo rompeu em todas as
direcces co inimigo despregava seus avulta-
dos e numerosos esquadres sobre nos tanto
que foi mister a infantaria formar em quadrado
para receber suas guardas ; manobra estaque
(oiexeculada debaixo do fogo com a mesma
pericia sangue fri e bravura que caracterisa
aos commandantes d'estes batalhes e da mes
ina lorma com que instantes antes da carga se
baviaoensaiado.a pedidodoei rcunspecto Tenen-
te Coronel Luii Manuel de Lima e Silva. Sua
infantaria diriga o mais vivo fogo sobre nossas
inassas apezar da nova linha com quesetor
9. Grandes massas de cavallaria er5o dirigidas
sobre as nossas acompanhadas sempre de
grandes protecces, cujas cargas er5o repelli-
das por nossos cavalleiros mxime pelo 3."
corpo de Gs. Ns., commandado pelo Tenente
Coronel honorario Joao Propicio Menna Bar-
reto e a mais ala direita sempre dirigida
pelo Coronel Medeiros. N'estas cargas muitas
vftes forao derrotados seus esquadres, que
logo recuarSo em face do valor de nossos dimi-
nutos bravos chogando a ponto de quo um
soldado do 12. corpo de Gs. Ns. lacou no meio
desta confusao a um lanceiro africano do corpo
do perverso Valenca Os nossos batalhes di-
rigiro ao inimigo em renhido fogo nao s
sobro sua infantaria, como tambem contra suas
columnas de cavallaria.
A infantaria rebelde muitas vezes recuou
vista da valenta da nossa. Durante 4 horas do
mais renhido combate, em um campo aberto,
sem nenhum apoio um s palmo de terreno
nao perdemos; grande morlandade sofreu o
inimigo o seu numero de lendos foi muito
avultado podendo ou avaliar seu numero ,
posto por nos lora do combate em mais de
300 pracas. A nossa perda foi diminuta em
relacao s cargas que solTremos pois que das
duas armas s cont 34 morios 38 gravemen-
te feridos 24 levemente, e 1 contuso do bala,
que ficou prisioneiro como V. Ex. vera da
parte junta.
O inimigo vendo nossa denodada resigna-
do nossa nenhuma perda suas.continuadas
derrotas sem que nada pudesse conseguir;
que seu numero era insufliciente para nossa
forca moral perdendo as esperancas de ven-
cer-nos Vfndo continuadamente cahirem nu-
merosas filas de seus esquadres, successiva-
mente nos carregavao poi todos os nossos flan-
cos frente e retaguarda ; todas as suas ten-
lativas erao baldadas porque todos os ataques
ero tenazmente repellidos ; resolveu entao
deixar-nos o campo com a maior vergonba sua,
e se retirou entregando-nos sua primeira po-
sicao. Por espato de urna e meia hora nos
conservamos em nosso posto a fim de mostrar
ao inimigo que nao perdendo nos um palmo
de terreno s nos retiravamos quando bem
queramos.
Para mais aproveitar este tempo juntan-
do-me aos meus companheiros de glorias de
nlortunios e de feridas servindo-me de es-
timulo sua coragem tomei algum alimento,
sem como o1 les, qucixar-me nem curar-
me : depois d'islo fiz muito de vagar marchar
a divisao pelo terreno que oceupou o inimigo ,
e ful acampar junto ao mato da parU- da estan-
cia do Pedruca vista do inimigo pouco
mais de meia legua onde estive at o dia 28 ,
em que elle mais ousasse apparecer: ahi, por
um prisioneiro e ontro passado da forca do
Carvalhinho soube que urna nao pequea
porco de Orientaes, commandados pelo a-
ventureiro e malvado Santander tambem se
achavo reunidos aos rebeldes no campo do
combato: esta noticia ainda boje que mar-
chei para este acampamento me foi transmit-
tida por pessoa capaz a qual tambem me diz
que na dila casa do Cunha se acho 95 feridos ,
contando entre estes 5 que se dizem offi-
ciaes.
Soldados, cuja constancia o valor inexpli-
cavel soldados, que ha um mez e de* dias se
achavao quasi reduzidos a simples carne sem
sal esem um grao de farinha carregados de
trabalhos fazendo fortes marchas suppor-
tando todo o rigor da estacao 6 impossivel ,
Exm. Sr. haverem melbores e mais'valentes
soldados no mundo : taes soldados sao dignos
dos cheles que possuem I Os batalhes 3.* e
9." forao o baluarte de toda a divisao.
Finalisando a narrado fiel dos valorosos tai-
tos do memoravel dia de 28 de maio, nao posso
deixar em olvido que necessitando eu man-
dar urna pessoa expr vivamente a V. Ex. todo
o occorrido e mais algumas importantes me-1-
didasque eu tencionava tomar, encarreguei
10 (JUO nvancavao. muuiu------------- -r------ ,
denois tive aviso nuegr-Hes massas de ca- nou preciso reforcar os at.radores partmdo
vallara trotavao encubertas pela grande cocbi- para .sso duas companh.as dosbatalboes.). e
disto ao mesmo Capitao Meirelles, o qual,
partindo no mesmo dia do combate noito ,
com urna escolta de 5 homens foi ter com
V. Ex. a 8 leguas de distancia em terreno
nao conhecido c ignorado por mim e toda a
divisao e a travez dos maiores perigos chegou
ao exercito pelas 4 horas d'essa mesma noite.
Este official, que a meu gosto cumpriu tal
commissao foi o mesmo que no campo do
combate, encarregado das bagagens aos fe-
ridos e aos que alli se recolhio com ca-
vallos caneados, persuada arrumar-so at ao
capellaoaddidoao batalhao 9."de catadores,
trazendo com este para as filei'as alguns solda-
dos qne guaidavo a bagagem ; sendo o mesmo
que depois regressou por ordem de V. Ex.,
condu/indo-me o seu oficio de 28 do corrente,
e outrascommunicaccs particulares.
Sendo esta a occa especial menco e muitorecommendar a V.
Ex o denodado comportamento e valor dos
chefes, officiau, officiaes inferiores e sida-


los que ma.\s se dislinguirao n'estc combate I r.< ^ _
ontento annoxo a este as partes juntas dos RjA I KO PL BLiCO.
respectivos commandantcs.rcfcrindo-ine ao quo
dizoCoronel Medeiros, commandante da 4
brigada pelo que toca a arma de cavallaria .
DireccHo de Rafael Lucci.
Snbbado 16 de Setembro de 18 W havcr u
ma escolhida Funccao Lyrica em Beneficio do
te meu (4fiwo V. Ex. em sua alta sabedoria ,
conhecera bem quem rnaisso^dislinguo e fa-|
r a justica que costuma Deus guarde a V.
Ex. Quertel general da divisSo ligeira na
costa do Santa Mara Chico 29 de maio de
1843.Illm, o Exm. Sr. Bario do Caxias ,
Presidente e General Commandante em Chufo
do Exercito.
Bbexto Manoel Ribeiro ,
Brigadero Commandante.
< Est conforme. \ asco Jos de Abreu Ca-
pitao Ajudante de Campo.
(Seniinclla da Afonarchia.)
Primeira parle.
A Beneficiada Manoela Caetana Lucci pe-
Ifrgrimeira vez cantar a linda Cavatina, Di
piacer mi balza il cor da Opera Gazza Ladra do
M. G. Ilossini.
Segunda parte
A Beneficiada Carmela Adelaida, juntamen-
te com seu Pai Bafael Lucci executarao um
novo c Lindo Duelo da Opera Belisario do M.
G. Donizett; a qual desempenhar a parte do
Joven Alamiro : Quando di sangue tinto.
Terceira parte.
A Beneficiada Manoela Caetana Lucci pela
primeira vez cantar a Cavatina I.e ragaz-
ze d oggigiorno composico de Bafael Lucci.
Quarta parte.
A Heneficiada Carmela Adelaido junta-
mente com seu Pai Rafael Luoci executarao
um bovo o mu diffi.il aplaudido Dueto da 0-
pea Torquata Tam: do u. G. Donizetti;
Colei Sofrunia Olindo eglisi apella.
Quinta parte.
A Beneficiada Manoela Caetana Lucci pela
primeira vez cantar urna nova Modinha ex-
trabida da Opera Norma No universo o Peos
rendado, arranjada por Rafael Lucci.
Sexta e ultima parle.
A Beneficiada Carmela Adelaide, juntamen-
te com seu Pai executarao pela primeira vez
um jocoso Duelo, da Opera La fintasciocca do
M. Luigi Mosca. (Farcalzetlel che impostura])
As Beneficiadas espero a proieccSo dos seus
prolectores e respeitavel Publico.
N. B. Se o dia esliver muito chuvoso nao
havcr divertimento transferindo-so o dia
aununciado por outro annuncio.
Principiar as 8 horas e meia.
Correspondencia.
Srs. R-.dactores.y-d falta de diverlimentos
pblicos nesta cidade que esto redu/idos a
algumas lunecocs lincas do Sr. Lucci que as
tem variado com dancas executadas pelo Sr.
"Wanimel e seus discpulos agora que o mes-
moSr. Lucci tomou a si a direcejo do thoatro
desta cidade e me consta procurar montar
urna companhia de artistas de difieren tes clas-
siicacoes, parece-me a proposito lembrar a esse
Sr. quo no Rio de Janeiro se acba actualmente
um artista gymnaslico de nome Mathevet que
que tem feto prodigios naquella corte, eque
como esse artisto deve em rev deixar o Rio .
podia o Sr. Lucci convida-lo a vir aqui dar-nos
algumas noites, com oque elle ganharia em
seus interesses e o publico desla cidade em
divertir-so. Eu vi esso hornera trabalbar, e
posso affirmar quo deixa muito aps de si os
Valli, Ghiarinni, Reis .coutros, que aqui es-
tiverao e que lana attenco merecero dos
habitantes do -Recita e ulgo que o Sr. Luc-
ci nao ser indifTerente lembranca de
Um viajante.
do miudezas, e fugio em fins de Janeiro deste' constando de moendas de diversos tamanhos ,
correle anno e quando fugio levou o dito ta- machinas de vapor, de condesacao o de alta
bolciro com miudezas, algumas fazendas e I pressao da forca de quatro e de seis cavallos in-
sapatos francesas, tendo em cima do mesmo la- gleies e taxas batidas e coadas o promettem
bolciro doiis Itandres envernizados de azul; se! agradar aos seus froguezes tanto em preco como
for a mesma pode dirigir-se ra do Amorim em qualidade visto serem todos estes objectos
n. i8 ou ra do Crespo n. 23 que ser
bem recompensada.
LOTERA do theatro.
No dia 12 do corrente mez
de setembro, corre impreteri-
velmente esta lotera, e o resto
dos bilhetes acha-se ven-
da nos lugares j annunci-
ados.
fcitos n'uma das principaes fundicoesde IngIa-"
trra : ra da Madre de Dos n. 5.
LOIEim DE N. SI AHO-
RA DE GAD'LUPE.
2708237
Alfaudcga.
Bendimento do dia 6..........
Nao ha descarga para boje.
IIovmetilo do Porto.
Navios sahidos no dia 7.
Havre ; polaca l'ranceza Bey, eaplt&O Juge, car-
ita algodao.
Portos do Norte; vapor brarileiro Imperador ,
commandante Jos Vlaria Falco. Passa-
geiros, lr. Andr Bastos d Oliveira e um es-
cravo Jos da Costa Marros c mu dito An-
tonio Pinto de Mcndonca o um dito f)r. Joa
quim Lopes Lobfio, Dr. Angelo Custodio
Corroa e um dito, Joa |iiim Jos de Freitas
e um criado, Leopoldino Jos Joaquim, Ger-
mano Francisco d'nliveira, mejor Joaquim
Alves d'A breo Guimaraes Pitalugo al L. res An-
tonio Candido de Souza, brazileiros ; Fr. Luiz
Harta de Helfcrt, Fr. Porflro de Cosserino,
italianos; Simao Peroira d'Alineida, lirazilei-
ro ; Fr. Joo de Jezus Maria.portuguez.
Marios entrados no dia 7.
S. Malheus ; 10 das, patacho brazilerof/or de\
Maroim de i-2H toneladas, capitSo Joa
Jos da Silva equipagem 9 capta farinha.
Rio de Janeiro ; 13 (lias, brigue-scuna brazi-
leiro Bonito Porto de 138 toneladas capi-
tSo Anselmo .Marques Vieira, equipagem 12,
carga carne secca.
Aviso* martimos
= Pira o Aracaly a sumaca Estrella do Ca-
bo mostr Jos Joaquim Alves, sai no dia 21
docorrenle; quem quizar carregar dirija-se
ao mostr ou a Manoel Joaquim Pedro da
Costa na ra da Cadeia n. 46.
Avisos diversos.
ANNUNCIO.
Amanha sair o segundo numero do Catho
ligo : contina a subscrever-se a 200 por me.
o a G00 por quartel na Prac,a da Independencia
livraria n. ti e 8.
_ Os abaiio assignados avizao ao publico .
que em 30 de junho prximo passado finalizou
a sociedade que tinho no armazem d'assucar
da ra d'Appolo n. '20 a qual girava debaixo
da firma de Machado & Bastos, cando a cargo
do ex socio Jos Teixeira Hastos a liquidarao
ila ex ti neta firma; rsto, no que toca aore-
cebimento do que a mesma devem pois que
ella nada devia na pocha de sua dissolucao.
Jos Antonio de Souza Machado. Jos Tei-
xeira Bastos.
O Sr. Francisco de Salles queira decla-
rar sua moradia para se proi urarem urnas en-
commendas que Ibes forao entregues pelo Sr.
\ cente l'erreira de Jezus, morador na Pipa ,
provincia do Rio Grande do Norte.
=Gregorio Jos Goncalves, vindo do Rio
de Janeiro no brigue-escuna Liberacao, pre-
tende retirar se para o Rio de Janeiro.
= Acaba-se d receber do Franca o vinbo de
salea parrilba, xarope peitoral de naff as
paslilbas de ino de v, ditas de noff, capsulas
de cupaiba, o xarope de salea parrilba ; na ra
Noya n. .'i.').
=Precsa-se de um caixeiro de idade de 13
a 14 anuos pouco mais ou menos, para urna
venda ; no beeo do Peixe Frito n. 5.
s= No da 4 do corrente apparecco um meni-
no que diz ser forro e que sua mai mora-
dora no Manguinbo; quem tiver direito a elle,
dirija-se a ra do Rozarlo estreita n. 27 para
ser entregue. .
E para que ebegue a noticia de todos man- = O abaixo assignado tem no lugar do Cor-
dou o mesmo illustrissimo senhor inspector deiro duas moradas de casas para alugar an-
| nual ou pelo lempo que convencional sendo
j ambas de mui boa conslruccao grandes rom-
modos esalas cozinba fra casa para es-
cravos, estribaras e coxcira sao indepen-
dentes e dominio o rio Capibaribc ; a quem
= Da-se I:OOS rs. a juros de 2 por cent)
ao mez. sobre penhores de ouro preta ou
com hypotheca ero predios livrea nesta praca :
na ra Direila n. B9.
()flerece-se urna mulher parda para ama
de homem casado sem familia ; quem a pre-
tender dirija-se ao becoda ViracSo n. 5.
= : IVecisa-se de um Sacerdote para Coad-
juctor da Freguesia de S. Loorehco da Malta ,
5legoasdistante desta praca, da-se-lbe me-
tade do rend ment da Freguesia, 200$ rs de
urna capella distante urna legoa eterna con-
grua de 00S rs. pode fazer msto (500$ rs
lora as missas diarias e p de altnr; a tractar
com o Vigario na mesma Freguesia ou na ra
do \ ragiio sobrado n. 20.
^ == Os Srs.accionistas da Companbia de Be-
biribe sao pelo pre/ente avisados .'i entrarem
com seis por cento, por < onta da segunda pres-
lacao desuas respectivas acedes, no prefxo pra-
so de 40 (lias a contar desla data. Kscrptorio
da Companbia 2 de Setembro de 1843. D
secretario t. J. Fernandei Horros.
= A loga-se na estrada do Arraial, um cer-
cado com bastante pasto, qtfo admitte 4a6
vaccas de invern e verao, por proco com mo-
do ; quem o pertender, dirija-se ra do Hos-
picio casa n. 30.
LOTERA DA MATRIZ DA
BOi-VlSTA.
Esla loleria vai dora em diante succeder
sempre i do tbeairo pois que o importante da
obra a que vizivelmente se anplca o beneficio
requerque baja na sua acqnisicBo a maior sol-
lcitude ; por lano as rodas da prxima lole-
ria corrers impreterivelmente debaixo do
plano inlra no dia 22 do andante setembro,
iquem ou nao bilhetes por vender Ditos blbe-
tes acbao-se venda nos lugares do coslume.
PLANO.
3128 bilhetes a 8,000......... 23:000,000
I premio................ 0:000,000
1 dito.................. 2:500.000
1 dito.................. 1:000,000
2 ditos 300,000......... 1:000,000
S ditos 200,000......... 1:000,000
8 ditos 100,000......... 800,000
10 ditos 50.000......... 800,000
32 ditos 25,000......... 800,000
64 ditos 20,000......... 1:280,000
910 ditos 10,000......... 9:100,000
2 ditos 300,000 leult. b. 720,000
Editaos.
O Illm. Sr. inspector da tbezoiiraria das
rendas provinciaes em cumprimento do officio
do Exm. Presidente da Provincia de 25 do
passado manda fa/cr publico que segundo o
regulamento de 11 de julbo do presente auno,
sol) at clausulas especiaos publicadas no Diario
n. 189 de 2 do corrente mez, se arrematarao no
dia 22ao meiodia perantca mesma tbezouraria
os reparos da ponte de Goianna oreados na
quantia de 6:050,S9G4 reis.
de todos man-
ibor inspe
affixar o presente e publicar pela imprensa.
1042
2083
3125
25:000,000
fifclaracors.
O juil municipal da segunda vara d'ora convier, dirija-se ao patio do ('armo sobrado
em (liante dan audiencia na casa publica, as n. 17. Gabriel Antonio.
quartas feiras esabbados as nove horas da ma-i A pessoa que quer saber dossignaes de
nba visto que nos outros das ha o inconveni- una negra que desappareceu a tempos da casa
ente de se se encontraren] as audiencias dos de de seu senhor faca o favor de ver se sao os se-
mais jui/os. Oescrivao, Francisco Ignacio guintes: cbama-se Roza, naci Rebollo idade
de Alhahyde. de40anoos, secca do corpo, estatura regular,
Descontando da (otalidade cima 20 p. "/.
e mais do Io e ultimo branco o valor de
4,250 slos vem a (car esles 2 premios con-
vertidos em 118,000 reis cada um.
=r Jos Joaquim de Faria Machado caixei-
ro da Sr.a viuva Cunha Guimaraes na sua loja
da ra do Crespo n. 10 tem soffrido falla de
cartas nocorreio, por serem tiradas poralguem
do mesmo nome; roga por tanto a esse Sr., que
se digne restituirl-as ao annunciante a quem sn
podem interessar.
=. A fabrica de machinismo da ra Aurora
acha-se sorlida de moendas de cana dos niodel-
los mais approvados ; machinas do vapor de
lorca verdaderamente de 0 cavallos tendo os
cilindros 16 pollogadas de dimetro interior;
ditas de (orea de 4 ditos com dimetro de 14
pollogadas, dito de alto pressao com dimetro
de8 ditas, e forca de 0 cavallos a boa exe-
cucio do todas be garantida ; taxa^ de ferro
em uso crivos e mais ferragens para assen-
tainento tudo feilo na mesma fabrica onde
lamhem se recobo oncomendas de toda a qua-
lidade de machinismo.
=^ Johnston Paler & Companhia avisiio aos
Srs. de engenhosccorrespondonesdos mesmos
oesta praca que se acba completo o seu esta-
ieui uina coroa na caneca de carregar taboleiro helecimento de machinismo para engenhos ,
Tendo-so annunciado o andamento das rodas
desla lotera para o dia 27 do corrente, licando
ou nao bilhetes, ecomo | se tenha vendido e
apartado bastantes bilhetes tem a irmandade
da mesma Sen hora re/olvido eflectuar ditoan-
damento no dia 20 do corrente mez visto ter
bavido grande influencia as compras dos bilhe-
tes por nao baver descont nos premios confor-
me o plano j publicado, a irmandade da Sr.'es-
pera, que os amantes deste jogo concorrao
comprarem o restante dos bilhetes que se achilo
a venda nos lugares do costume e na praca da
Independencia loja de miudezas do Sr. Fortu-
nato, na ra do Cabuga botica do Sr. Joao Mo-
re ira Marques o na cidade de Olinda loja do
fazendas do Sr. Domingos OOsQuatro Cantos.
Piecisa-se de um (eitor Portuguez, sendo
das lili is inilhor, para ir trabalbar no sitio das
tucas do Monteiro; quem esliver nestas circums-
tancias, dirija-se a Lufz Gonsaga da Rocha,
na Boa-vista ra Formse n. 5.
Dase seiscontos mil reis a juros de dous
por cont ao mez, com hypotheca em casas: an-
nuncio.
Precisa-sede um feitor, que trabalhee en-
tonda de arvoredos, orlas, e vaccas, para um
sitio na Magdalena; na ra d'Aguas -verdes, so-
brado n. 66.
IVeisa-se de um, on dous mocos para
trabalharem em masselra,e vender pao com pre-
tos, assim como aiguns pretos ou moloques pa-
ra o mesmo ser\co, aos quaes se pagar dose
mil reis meiisaese o sustento nao tendo estes
costume de embriagar-se, enem sendo velhacos;
na travessa da Madre de Dos casa n. 11 na
padaria de Manoel Ignacio da Silva Teixeira.
Aluga-se o sitio Olho-d'Agoa, na passa-
gemde Olinda, com (iande casa, tendo esta
duas salas duas portas e lies janellas de fren-
te; cinco quartns cosinha lora, e no me mo
sitioalguns arvoredos de (rudo, baixa para
capim o pasto para vaccas; quem 0 pretender,
dirija-se ao atierro da Boa-vista, sobrado nu-
mero' I.
Aluga-se motado de urna casa por proco
commodo; quem precisar diiija-oe a iua do Fo-
ro, loja que fica por baixo do sobrado de um
andar n. 35.
Francisco Manoel da Silva Tavares por seu
bastante procurador faz publico, que leudo
Leonardo Bizerra de Siqueira Cavacanti, c sua
mulher porescriptura em data de 30 de agosto
de 1837, folla pelo privativo escriva, hypolhe-
i ando osen sitio da Torre na estrada de liellem,
depuis desta hypollicca vendeo o mesmo sitio
Jos Joaquim Bizerra Gavaleanti, o qual agora
o hypotheca ao coronel Francisco Antonio de
Souza Lefio,como se v annunciado no Diario de
l'crnambuco n. 191 de terca-feira 5 do corrente.
Para quemgucm se chame a ignorancia doqne
ha a respeito se Taz o presente annuncio.
Roga-se a pessoa, que anunciou ter em seu
poder urna osera va que se acha fgida, queira
ter a bondade ver se olla tem os signaos
soguinlos: Joanna, crioula, fugio em 1838, es-
tatura regular, tem um dos bracos quo nao po-
de levar a mao a boca, mas faz todo o servico;
sendo que a (lila escrava tenha esles signaes po-
de a mandar levar ra da Praia n. 70, que se
gratificar ao portador.
= Aluga-se um moleque de 18 annos ,
ptimo coinbeiro tracta bem de urna sala ,
serve com promptido a una mesa assim co-
mo faz todo o servico e nao tern vicio algum;
quem o pretender dirija-se a ra de S. Fran-
cisco ao segundo andar do sobrado n. 16.
Fm consequencia do annuncio inserto no
Diario de Pernambuco n. 190 de 4 docorrenle,
que declara a quem Ihe faltar urna escrava,
dando ossignaes, e quando desaparecer Ihe
ser entregue, pede-se a mesma pessoa, que
examinse a escrava tem os seguintes signaes :
cor preta idade pouco mais ou menos de 22
a 25 annos, denaefioangola do nome Anna
( pode tel-o mudado ) bonita estatura regu-
lar meia grossa do corpo, rosto puchado, olhos
grandes, beicos grossos e vermellios nariz fi-
no mos pe]nenas, tem ornas letras de ango-
la em um dos bracos inuitos talhinhos de sar-
jada as costas tem um pequeo signal mais
preto que a cor do rosto, que pouco se devulga
abaixo do olho esquerdo pez grossos fugio a
10 de outubro de 1839, lem mi nesta cida-
de, foi escrava do piloto Camillo Telles da Fon-
seca ; sendo a propria mande-a entregar na
fortaleza do Brum ao coronel Burlamaque, que
se gratificara bem ao portador, e igualmente se
pagar as mais despezas.
Precisase de urna escrava crioula reco-
Ihida, que saiba engommar bem e cozer com
perfeion navo-fm hem no ro Ho nnra>l-- ^u
comprador; na ra da Cadeia velha n, 31,


-m-9i*t*:mir<*"*** -T-*-
4
VEITC0, BRAVO&C.
Vendan na tua botica e armazem de drogas ,
na ra da 11'adre de Dos, n 1.
A prepanxao seguinte por prcco milito com
modo e de superior qualidade.
(rcgnry's Powder.
N5o baveri pessoa alguma que tenha eito
uso tf* medicamento c m qu il juer parte do
Globo que nao tenha senti I ous beneficio*
Os seus effeitos principies he ser tim ptimo
purgante estomtico emuito ut1 as do-
encasdo figado, bajo, fcc. .'.. Jas india, on-
de tanto progridem c tantos estrado* produ/.cm
constantemente estas doencas, sao raras as pes-
soas, que nao lem conhecimentos dos !>ons ef-
feitos deste remedio. O menino o vellio de-
crepito c finalmente o hornern em qualiuer
idade da vida pode sem receio algum fa/.er
uso des'.e medicamento cujos effeitos salula-
res nos fazem julgar urna intpiracSo divina ao
genio sabio c philantrooico de seu author.
A dose deste medicamento be urna ou duas co-
lheres''o clri misturado com agoa, duas, ou
trez vezes por da.
Na mosma casa tambem se vendem tintas ,
1 e todos os outros objectos de pintura ; vermzcs
de superior qualidade entre elles um perfei-
tamente branco e que se pode applicar so-
bre a pintura mais delicaila sem que produ-
za alteracao alguma em sua cor primitiva. Ar-
row-Root de Bermoda,Sag, Sabonetes, -
Sabao de Windsor,Agua de SeidlUz, Agua
de Soda,Agua deSeltz,Limonada gasoza ,
Tinta superior para escrever,Tinta para
marcar roupa,Perfumaras inglczas,Fun-
das elsticas de patente,Escovas e pos para
dentes ,Pastilbas de muriato de morphina ,
e ipecacuanba, Pastilbas finissimas do hor-
tel-pimenta Pastilbas de b-carbonato de
soda egingibre. As verdadeiras pilulasvc-
getes universacs do D.r Urandrlh vindas
de seu author nos Estados-Unidos, &c &c.
Procisa-se de uma negra das t horas da
manhaa as 2 da tarde, que seja fio!, e activa;
no largo do S. Pedro n. 30 ou nos Afibga-
dos n. 75.
A pessoa que annunciou em o Diario
de segunda feira 4 do corrente existir em seu
poder urna escrava fgida e que a vista dos
signaes seria entregue roga-se o obsequio de
conferil-os com osseguintes : Benedicta, com
uui ramo na testa tem as pernas barriga e
pulpos dos bracos foveiros olbos grandes e
como fugisse no da 6 de Marco prenhe, igno-
ra-se tor, ou nao cria, e be de nacao Rebollo;
assim como outra de nome Clemencia de na-
cao Angola, olhos pequeos, eor bastante pre-
ta desdentada lem o dedo mnimo da mao
direita um tanto alejado ps peqnenos e
altura regular; sendo que em algumas destas
confirao os signaos, far o favor de mandaren-
tregal-a a ra da Praia armazem n. 49 que
ser gratificado
O bilhete n. 3377 da segunda parte da
decima-quarta lotera a favordas obras do thca-
tro publico pertence a .los Felis da ('amara
Pimentel do engenlio Gaipi etica em poder
de F. da Silva Lisboa.
Perdeo-se no dia 5 do corrente um meio
bilhete da segunda parte da H.a lotera do
theatro desta cidade, den. 1052 pertoncente
a Padim Rim moco do fogo da barca da B8-
cavacao o qual bilhete te n as costas per-
tence a Padim, feilo com tinta encarnada
e mais tres nomes feitos com tinta preta ; roga-
se a pessoa, que o achou de o entregar ao mes-
mo visto de nada Ihc servir; assim como ro-
ga-se ao tbesoureiro da mesma loteria o obse-
quio de no caso do mencionado bilhete sabir
premiado baja de o nao pagar se nao ao seu
proprio dono.
Manoel .los da Silva faz sciente no res-
peitavel publico que mudou se do Pato do
Hospital, sobrado n. 8 para a ruado Quoima-
do sobrado n. 2, primeiro andar que tem
a entrada pelo beco do Pixo-frito ; onde ven-
de-se um cavallo lino rodado apatacado ,
com muito bons andares; quem o pretender
drija-se da uma hora as 3 da tarde.
Pede se ao Sr. que annunciou no Dia-
rio n 190 de ver se a preta, que tem em seu
' poder ter os seguintes signaos ; Mariana de
naco Benguella de 26 annos bastante al-
ta e grossa rosto um tanto comprido per-
nas regulares e sem afinaren! para os torno-
/elos ps regulares, era bastante bucal quan-
do frigio do engenho Meguahipe de cima em
companhia deum preto velho de nome Lu/. ,
em Sctombro de 1841 ; no caso de ser pode
a mandar entregar na ra da Praia de S. Hita ,
sobrado de 3 andares ao Major Jos darlos Tci-
xeira que gratificar.
A pessoa que pelo Diario de 4 do cor-
rente declarou saber de uma preta fgida a
tmpora podera entregar na loja da viuva Cu-
nha (iuimaraes ou na ra estreita doRozario
n. 32 sendo que tenha os signaes seguintes :
de 40 annos, estatura regular muito ladina,
dentes podres marcas de bechigas e talvcz
falta de cabellos na coroa da cabeca com uma
nao pequea cicatriz n frente dos paitos pro-
veniente de marca de fogo fugio no mez de
Si'tembro de 1832 com um tabJleiro de fazen-
das, que andava vcnlendo.
Roga-seao hroirosdo fallecido Ma-
noel Estayes, que no prasode8oito dias ha-
cal tijolos madeira e telhas na ra de S.
JooemOlnda ; na ra da Sonzalla velha do
llecife n. 46
Vende-se uma estante muito boa e com
pouco uso ; na praca da Independencia ns.
Il,el8.
= Vende-se muitobom milho tanto a re-
8o do tirar os penhores que se achao.na pa- talhocomoem porco a 1600 cada alqueire ;
laria de Carlos Deters, do contrario sero ven-I no deposito de farinha de mandioca, na ra
que se jul-
diilos por conta da mesma divida
ga importar em mais.
0 Tenante Coronel Ignacio Antonio de
Barros Falcao eomprou por conta do Reveren-
do Conego Joan Rodrigue de Arau|o, o bilhe-
te inteiro de n. 1264 da segunda parte da de-
ima-quarta Loteria do theatro publico do Re-
cife.
Perdeo-se um brinco deouro do filagraa
desde a ra da Cruz at a ra do Livramento ,
quem o achar e qui/.er restituir, dirija-so a
ra do Livramento n. 20, primeiro andar, que
sera recompensado.
A arrematadlo da escrava e par de es-
poras do prata penhoradas por execucao dos
henleiros do finado Manoel Antonio Alves de
lrilo contra a viuva e herdeiros de Jos
Joaquim dos" Santos do engenho Fragozo nao
leve lugar na dia 6 por motivos, que occorreo
ao Sr. Juiz interino da segunda vara do Civel ,
por conseguinto fieou transferida para hoje 9.
PERGUNTA-SEadireccaoda Socioda-
dc Philo-Thalia se tem deliberado que o
camarote das Authoridades pertence de hoje
em diante as familias dos socios.
Um Socio da mesma.
asBraz Lopes de Mascarenhas, retira-se pa-
ra o Rio de Janeiro.
= M. S. Mauson c rurgiSo dentista mudou
sua residencia para a :rua do Queimado n. 29 ,
casa amarella, do Sr. Magalhaes Bastos.
Compras.
= Comprao-se eectivamente para fora da
Provincia mulatinhas molecas moleques,
e negros de oicio de 12 a 20 annos, sendo
de bonitas figuras pago-se bem ; na ra da
Cadeia de S. Antonio sobrado de vatanda de
pao n. 20.
Compra-se um negro moco com oflicio
ou sem elle ; na ra Nova n. 9.
as Comprao-se jarros de louca de plantar
craveiros novos ou usados ; na ra da de
S. Antonio, no deposito de farinha n. 19.
Compra-se uma cadeirinba de rebuco
feita na Rabia ainda mesmo sendo servida ,
porem em bom uso : na ra da Cadeia velha
n. 13.
^=Compra-re o Elogio da loucura por Eras-
me : na ra da Cruz n. 26.
= Compra-se uma vacca que d 4 garra-
fas de leite diariamente : na ra estreita do
Rosario n. 10 terceiro andar.
Vencas
Vendem-se colleccoes do CARAPC-
CKIRO rio 1837 at o presente : na praca
da Independencia livraria n>. 6 e 8.
Vende-se uma trave com 54 palmos de
ompri lo grossa e de boa qualidade ; na ra
estreita do Rozario n. 10 ,' terceiro andar.
- Vcndem-se meios bilbetes da segunda
parte da decima-quarta Loteria do theatro, que
orre no dia 12 do corrente a 4300 ; na ra
la Cadeia do Recife loja de fazendas n. 37.
= \ enrlern-se meios bilhetes da loteria rio
theatro, que corre no dia 12 do corrente a
1320 : na ra do Collegio loja de chapeos
n. 8
= Vendem-se espelhos de varios tamanhos ,
em quadrosdourados carteiras proprias para
viagem carnudas com tinta para marcar rou-
pa caivetes de aparar pennas por machinis-
mo suspensorios finos e ordinarios para ho-
mem e meninos agoa do colonia de todas as
ualidades agoa de lavande almiscarada su-
perior sabao para barba em vasos de porcelana,
grande sortirnento de bicos finse ordinarios,
e ostras militas miudezas por procos baratos ;
na ra dos Quarteis n. 20. defronte da travessa
das Cruzes.
\ Onde-se oleo de linhaca a 300 a libra ,
amendoas a 280 farinha do Maraado a 100
rs. cevada a 100 rs. Ietriaa280, esperma-
cetc a 680 cha isson a 2100 banha de por-
coa 360 graixa n. 97 a 140 bolaxinha n-
gle/.a a 280, milbo alpista a 400 o quarteirao.
painco a280 papel almaco azul e de peso ,
e todos os mais gneros por prcco commodo; no
patio do Terco venda ns. 1, e 7.
Vende-se a casa n. 4o na ra das 5 Pon-
tas com venda o 3 portas na frente traveja-
da e assoalhada para sobrado : a tractar com
o procurador Arruda.
= Vende-se uma casa por acabar em chaos
proprios, corn todos os materiaes, a saber :
da Cadeia de S. Antonio n. 19
= Vcndem-se todas s bemfeitorias de um
terreno foreiro perpetuamente com 6- palmos
de frente e 500 de fundo, entre as duas pon-
tes da Magdalena, com casa nova de taipa bem
arranjada e pintada n. 12; na ra estreita
doRozario, botica de Jo >o Pe ira da Silveira.
=s Vendem-se uns alicerces no atierro dos
V(Togados dividido pelo meio para duas casas,
ou arma'ens para algum ostabeleciment >; na
Praia do Fagundos serrara n. 23.
Vendem-se os livros seguintes ; Assentos
da Suplicacao, tratado sobre as les martimas,
a grandeza da espada historia universal, con-
ducta do Dr. obrantes commercio do Brasil ;
na ra estreita do Rozario botica de Joao Pe-
reira da Silveira.
Vende-se uma negra de naco cozinha,
engomma e lava ; na ra das Larangeiras,
sobrado n 15.
= No armazem de Fernando Jos Braguez,
ao p do arco da Conceicao vende-se supe-
rior toucinho de Minas, muito frescal em
grandes e pequeas porc5es por preco com-
modo.
= Vende-se uma escrava de nacao Benguel-
la de 18 annos, cozinha e tem principios
de ensommar ; uma dita de 28 annos per-
feila cozinheira e com outras habilidades ;
e um escravo de nacao com bonita figura: na
ra Direita n 3.
= Vende-se gomma de matarana de supe-
rior qualidade a 800 rs. a libra ; na praca da
Boa-vista, venda n. 5.
Vende-se um moinho de moer milho ,
ou outroqualquer ligume, e trabalha por ma-
china ; na esquina do beco do Peixe-frito, que
volta para a ra do Rozario.
= Vende-se por muito commodo preco os
seguintes objectos; chales de seda de varias
aualidades e procos, ditos de seda e 15a ditos
de laa admascados ricas mantas desetim e de
sarja bordadas de matiz lencos de seda para
senhora e homem mantelotesde fil de seda
pretos e brancos ultima moda ricos cortes
de vestidos de seda escoceza (urta-cores luvas
de pellica enfeitadase lisas para senhora cor-
tes de cambraia adamascada ditos de chita
muito fina ditos de cassa de seda mantas
desetim lavrado para homem e um comple-
to sortirnento de calcado de todas as qualidades
para homem e senhora ; na ra Nova n. 35.
= Vende-se um sobrado de um andar e
doussotaos n. 27 recom-redificado na ra do
Fogo : a tratar na ra estreita do Rozario n.
1 3.o andar.
= Vende-se 3-955S99 rs. que tem dif-
ferentes interessados na rasa que oi do fina-
do Antonio Jos-1 Quaresma na ra do Coto-
vello a qual al n de grandes oroporeoes ,
commodos, e quintal com arvoredos cacim-
bas de boa agoa tanques, fc. offerece um
vo na frente parase ediflicarem casas estan-
do os mesmos interossados de acord a faze rem
aquello ahate que for compativel ; a tractar
na pracinha do Livramento n. 50 primeiro
andar.
= Vende-se um cavallo castanho escuro ,
novo e gordo muito bom de carro oor ser
bem ensinado ; na ra Formosa perto da Igre-
ja dos inglezes.
= Vende/ii-se charutos da Havana muito
bons ditos regalos ditos da Cachoeira ra
p Morn dito prince/a do Rio de Janeiro o
resto dos folhetes <'a aria do desposorio de S.
M I. a obra de Ouintino Duwrd 4 v. por
5000 rs.; edita de Etelvina 3 v. ; na ruado
Cabugi lo|a do Bandeira.
= Vende-se excellente bolaxa de farinha de
trigo de 10 at 13 patacas a arroba de todos
os tamanhos: na ra dos Quarteis padaria
n. 18.
= Vende-so um berco de condur, por
preco cmodo ; na loja de marcineiro da esqui-
na da ra do Fogo n. 10.
ss Vendem-se taboos de pinho a 40 e 50 rs
o pe*, muito largas at 3 palmos, e dedilTe-
rentes comprimontos e uma porco a menor
preco dito da Suecia assealho, forro c pa-
ra fundos de harneas at 3200 a duzia ; atraz
do theatro armazem de Joaquim Lopes de Al-
meida ; assim como um batcllo que anda a
vara e a remo.
= Vendem-se chapeos francezes de seda a
7000 borzeguins gaspiados para homem e
meninos de todos os nmeros sapatosde cou-
ro de lustro para ditos botins e meios ditos
de bezerro francez e de Lisboa sapatos de
couro de lustro para senhora e meninas, bor-
la para homem e meninos, sapatos abotina-
dos, ditos de entrada baixa inglezes, botins
de lustro para homem, borzeguins de seda para
senhora luvasdoseda para homem e senhora ,
ditas de pellica para homem, ditas enfeitadas
para senhora, espartilhos para senhora a 1800,
meias de seda para homem* senhora ditas do
algodao muito finas para meninas lencos do
seda para gravata ; tudoj)or preco commodo :
napracada Independencia ns. 11, 13, o 15.
a No deposito de assucar refinado osta-
belecido junto ao arco de S. Antonio, em fren-
te do caes do Collegio ha para vender assucar
refinado segn do o novo systema de fabrica-
cao pelo qual se extrae a potassa e cal, dei-
xando-se-o no seu estado de pureza ; sendo o
proco da libra do de prime ira sorte e em pes
160 rs. e o de segunda e terceira em p ,
a 120, rs.
as Cadeiras americanas com assento de "pa-
Ihinha camas de vento com armacao com-
modas de angico ditas de amarello marque-
zas de condur camas de vento de amarello
muito bem feitas a 4500, ditas de pinbo a 3500
assim como outros muitos trastes ; pinho da
Suecia, com 3 polegadas de grossura dito
serrado dito americano com dilTerentes largu-
ras ecomprimentos travs de pinho e bar-
rotes com dilTerentes grossuras e comprimen-
tos ; tudo se vende mais em conta que outra
qualquer parte: na ra da Florentina em
casa de J Beranger n. 14
= Vendem-se chapeos francezes de bonitas
formas a 7000 e luvas de pellica a 1000 rs. o
par ; na ra do Queimado, loja n. 11 do
Vianna.
Escravos fgidos.
= No dia terca feira 29 de Agosto fugio do
sitio do Medico Pcreira de Brito um escravo
crioulo de nome Luiz o qual nasceoem a
Villa de lguarass, e residi por muito tempo
em o engenho Inhaman sendo escravo de Ma-
nel Caetano de Almeida, a quem o mesmo
Medico comprouem Marco de 1834; he alto,
secco, tem cabellos brancos na cabeca anda
sempre a passos he canhoto tem oflicio de
sapateiro porem a 2 annos, que trabalha de
enchada no dito sitio : fugio com calcas de ris-
cado azul com listras brancas camisa de bac-
a encarnada e mais roupa cobertura de
hafita da mesma cor ; da-se 40ji rs. de grati-
licacao a quem o pegar o levar ao atierro da
Boa-vista n. 43.
= 'Fugio'nodia primeiro do corrente a pre-
ta escrava de nome Libania com falta de den-
les na frente o beico de cima um tanto cresci-
do estatura regular pernas finas, levou ves-
tido de ganga azul panno da costa o um ta-
boleiro ; quem a pegar leve a ra do Fagundes
n. 22, que sera gratificado.
^= No dia 30 do p. p. fugio da Cidade de
Olinda urna negra de nome Mara escrava
de Jos Dantas Correia de Goes, de boa altu-
ra chcia do corpo bem preta e bem pa-
recida de nacao Angola com uma grande
cicatriz de lerida de fogo em nm dos hombros,
que apparece fra do vestido ; quem a pegar
leve a misma Cidade a casa do Reverendissimo
Conego Palmeira ou no Recife na loja de
Jos Gomes Lial quesera recompensado de
seu traba I ho
= Desappareceo no Domingo 4 do corren-
to um negrinha de nome Maria, de nacao Son-
go estatura ordinaria rosto comprido o
corpo descarnado levou vestido e panno da
costa ( que talvez ja o tenhao furtado ) ; *up-
poe-se ( por nao ser a primeira vez ) estar acoi-
tada em alguma casa particular ou as de la-
dros de escravos; adverte-se a quem este tao
criminoso quanto prejudicial procedimento t-
ver proceder-se na forma da lei contra tal
malvadesa ; quem a pegar leve a ra do Falcao
n. 18, que se gratificar.
Na manhaa do do dia 7 do corrente des-
appareceo uma escrava do gento de Angola ,
do 15 annos, secca do corpo, bem preta,
com muitos carossinbos na cara e tem as
costas signaes de sua naco; levou panno da
costa usado vestido de chita cinzenta ca-
misa de algodaozinho e um taboleiro do chi-
caras e pires com arroz doce ; quem a pegar le-
ve a ra Direita n. 55 casa de Joao Rodrigues
Bandeira que gratificar.
No dia 8 de Julh > do corrente anno fu-
gio um escravo de nome Jos baixo grosso ,
nsapalhetados he crioulo, de 25 a 28 an-
nos, tem urnas marcas de relho as costas e
urna cicatriz em uma das orelhas ; quem o
pegar leve a ra do Oueimado esquina do beco
do Peixe-frito n. 2 ou a seu senhor Jos Ale-
xandredo Sobral, morador em Caruar de
onde o dito escravo fugio que em qualquer
urna das partes ser recompensado.
zeguins gaspiados para ditas, sapatos com pal-
Rbcifr: na Ttp. dr M. F. m? Fi 1843
I


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENUI6J021_4BJEM4 INGEST_TIME 2013-04-13T01:14:43Z PACKAGE AA00011611_05047
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES