Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05033


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 18/13.
Terga Feira 22
1'!!?" T**.J-"'\mvim0'' i not" pn"lenci., modengao, .,^,
seremos acontarlos com dmiracuo caire ai Naqai mais
( I Wlamay.io da Aaiembleia Garal du Biasit.)
linueiuoi como priucipiamoi, e
cuhaa.
Coi
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES
e Parahyb
urna, sagitadas e sextas feral. Rio Grande do N )rle, quintil faifli.
-Do, erinhiem. Rio Formlo, Porto Cairo. MaceiA, e Msgoaa no 1 11 e 21
Boa-ma* Flores a. i3e 21. Sinto Aatio quintas ferai Oliada todoi o di
DAS DA SEMANA.
21 e. i. Uiabelina V. And. do J de D. da 2. t.
22 Tere, i Tiuolheo M Re. Aod.do J. de di3. t.
23 Quarl. jejum s. Felippe Henicio Aud. do J. de D. da 1. .
2 Qjpint, a Harlolneo Ap.
J5 Se*, a. Cenesco Aud do J. de D. da J. t.
56 v.ib. a. Zefcriao P. F. Re. And do J. de D. da i
27 Do. O adrado C-trago de SZarU Sanliaima,
?.
de Agosto
AnnoXX. N. l
O Duilo publiea-ae todoi o din quemlo forern Santificados: o preeo da aeiigaiKi W
de tres mil reii por quirtel pagos adianladoi Os anaunnios dos issigaiates sao iniertooa
gratis, eos doi que n io forem a raijo de >>0 reii p>>r linha. As reclamaqoei derem ser diri-
gida! a eita Tip., rna dai Cruiei N. 34, ou aprana da I me pendencia loja delirros iN. oeo.
cambios No dia 21 de Agosto, compra randa.
Cabio aobra Loadraa 25 a 25 i. Ooao-Moeda da 8,400 V. *6,8l>0
Pars 3<0 rea por franco,
Liaboall por 100 de premio.
N. 6.6JJ
a a da 4,000 *,*00
PBT-Patace. M<0
Moeda da cobre 2 por cerno. Patos Columnaras 1,'JiU
Idam de letras de boa. firma. 1 1 j I diloa Mexicano! 1,920
PHASES DA LA NO MEZ DE AGOSTO.
La Cbeia 10, ai 2 horas e 5 m. da m
Quart. miag. l.S, ai 4 horas a 20 m. da m
Preamar de hoje.
| Z.m a boma 31 rd-
i7 0OO
16,800
9.400
1,940
1,1'IU
1,940
I La ora 25, """utos li'da;
(Juari. craso, i 2, 9 norM e 7 m. da Urda,
a 2 boril a 6 m. di ania.
yte
A asignatura destp f0|ha a contar do j de
setemhro prximo uluro em danlo scrli a f_
sao de 38700 p;or trimestre para os Srs. subs-
criptores. qi;,e a recebem pelo correio, em con-
seqi'iencia de serem os portes pagos ad;anta03.
j.
MINISTERIO DA JUSTINA.
seccao.Tlhi. e Exm. Sr.Em respos-
t"i ao offlcio de V. Sx. n. 6. de 14 de Janeiro
deste armo, cabe-me communieara V. Ex., que
nessa provincia da mesma sorte, oua em to-
das as mais, competo aojuiz municipal da ca-
pital substituir ao juiz dos eitos da asenda na-
cional todas as vezes que estverem impedi-
dos todos os juizes de direito, quom compete
em primeiro lugar a subslituicao, visto quu o
artigo 4. da le n. 242 de 29 de novembro de
1841 nenhtima excepco faz das provincias, que
temum juiz privativo para ossobreditos feitos;
ebem.asssim queosjuizes, queistiverem ex-
ettendo essa subslituicao, nao deixa por isso
o exercck> das demais funccos, que por ventu-
ra nessa occasio Ibes pertenco. Dos guarde
a V. Ex. Palacio do Rio de Janeiro, em 28 de
julhci d.o 1843. llonorio Hermeto Carneiro
Ledo.Sr. presidente da provincia dePernam-
buctv
Governo da Provincia.
ESPBDIBKT2DS 16 DO CBRENTE.
OicioAo inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes, ordenando, que mande pagar
aos embregados pblicos o qUartel dos acus or-
denados vencido em o ultimo de junho prxi-
mo passado.
Dito Ao inspector da th*souraria da fasen-
da exigindo em consequencia de requisico do
commandante das armas, a guia aoalferesde
commissao do quarto batalha de fuzileiros,
em servico no Hio Grande do Sul, Joaquim Pe-
reira Xavier de Oliveira
Dito Ao promotor publico da comarca da
Boa-Vista, declarando em resposta ao seu od-
elo de 7 de julho ultimo, que, comquanto os
artigos22l, e222 do regulamenton. 120 de3l
de Janeiro de 1842, que retallad as al tribu roes
dos promotores pblicos, nao exijo a audien-
cia dos mesmos nos crimes em que a qucixa
Ibes nao compete, por nao se haver realisado o
caso do artigo 73 do cdigo do processo crimi-
nal todava o juiz processante nao est inhi-
bido de oifvir o promotor publico no caso em
queslo, quando assim ojulgar conveniente
boa administracoda justica.
Dito Ao commandante das armas deter-
minando em cumprimento de ordem imperial,
que mande dar baixa ao segundo sargento do
segundo batalha do arlilharia p, .Manuel
Gamillo de Amorim, que concluio o tempo ,
que era obrigado servir como voluntario; e as
pracas, constantes da relacao que por copia
Iho enva, e que fora julgadas incapases do
servico.
Dito Do secretario da provincia ao inspec-
tor da thesouraria da fasenda, transmiltindo a
ordem do tribunal do thesouro sob o n. 104.
nn.M uo da 17.
OflBcio Ao commandante do brigue-escuna
Leopoldina, recommendaudo, que empregue to-
do o cuidado em evitar, que se nao recrutem
marinheiros bordo dos navios mercantes na
occasio da visita como consta, que abusiva-
mente acontecer pordu 'S, ou trez vezes, quan-
do anda s. me. se nao achava encarregado do
cummaudo do porto.Ofllciou-se a associacao
commerclal.
Portaras Nomeando para servirem de sup-
plentesdo juiz municipal e do orlaos no termo
de Serinhaem; em primeiro lugar Joao Mano-
cl de Barros Wanderley; ern segundo a Antonio
Germano Rigueira Pinto de Sousa; em terceiro
Chris'ovao de Barros Wanderley; em quarto
Joao Baptista AccloH Lins; em quinto a Jos
Eugepo da Silva Ramos; e em sexto Vences-
lao Alfonso Rigueira Perelra de Bastos.Com-
municou-seacamara municipal de Serinhaem,
Com man do das Armas.
KXPHD1ESTK DE 7 DO CORRKNTE.
OfllcioAo Exm Presidente, communican-
do-lhe em satisfacao ao seu offifio de 29 de ju-
Iho ultimo, que os Fortins do oinda forao a-
bandonados em 1832, em virlude das disposi-
e$e do aviso ci.-cular de24 dedezombro do an-
no anterior, que nao tevo fiel execuco em to-
das as suas parles, corno fosse a de se nao ter
deixado nelles um pe jueno destacamento que
os guardasse; pelo que a exigencia leita em or-
llelo de 27 estava de acord com aquello a-
viso.
Dito Ao coronel commandanto da fortale-
sa do Brum, disendo-lhe, que o arsenai Je guer-
ra nao ora competente para fornecer a quantia
marcada para guisamento das capellas das for-
talesas e ;>or onseguinte o capeliao que fl-
zesse a dospesa eapresentasse a cjnta de sois em
seis mezes, conj ueta ment co:u a de transpor-
te, oliin de ser paga pela thesouraria, certo que
a despesa do guisameato em cada semestre nao
devfa exceder de 3g rs.
No mesmo sentido se ofllciou ao commandan-
te da fortalesa deltamarac.
Dito Ao inspector da thesouraria, commu-
nicando-lhe a expedicco da ordem cima com
o que icava prehenxida a exigencia eita em seu
olliciode5 do correte.
dem do da 8.
Ollicio Ao Exm. Presidente, enviando-lhe
em proprio original o officio que acabava de re-
ceber do inspector da thesouraria mostrando,
que tendo a lei doorcamento designado a quan-
tia de 3:?09S280reis paia o commando das ar-
mas desta provincia, nao podia continuar no
abono das vantagens do estado maiorda pri-
meira classe que pelo decreto de 10 de Janeiro
deste anno (carao competindo ao secretario mi-
litar visto nao vir inculida em dita quantia a
de taes vantagons e pedindo a expedccao de
suas ordens mesma thesouraria para similhan-
le abono dando-so delle parte ao governo im-
perial, no caso de que isto fesse mister.
Dito Ao inspector da thesouraria, communi-
cando-lhe, que mandara recolher ao hospital
regimental o soldado relormado Francisco, Xa-
vier cujos vencimentos seriao na forma da le
cobrados pelo batalha de arlilharia, emquanto
permanecesse em tractamento.
dem do da 9.
Officio Ao Exm. Presidente, transmittin-
do-lhe informado o requerimento do capitao do
estado maior DiogoGarcia Palha, que tendo vin-
di> do Para com destino a corte, supplicava oa-
bono de trez meses do sold j vencidos visto
ter-se demorado nesta provincia por falta de
transporte, e achar-se*em precisos para occor-
reras despesas de familia.
dem do da 11.
Officio AoExm. Presidente, communican-
do-lhe que havendo adoecido varias pracas da
companhia decavallaria.e nao cabendo no pos-
sivel dar-so para a polica nocturna oito patru-
Ihas, forao redusidas a quatro, fasendo-se a
necessaria participadlo ao chefe do polica no
dia 5.
DitoAo commandante do primeiro batalha
da guarda nacional do municipio doRccife,
communicando-lhe, que forao incorporados ao
batalha de infantaria de guardas nacionaes des-
tacado os soldados Clemente Rodrigues, o Jo-
s Francisco do Rozario Andrade, e devolvendo-
Ihe o de nome Braz Firmo da Silveira, por es-
tar gravemente informo, e incapaz do servico.
pria que facilitasseaos consignatarios do mesmo
brigue o competente despacho ; tendo em vista
quo esta remessa na forma do artigo 95 do
regula ment de 30 de maio de 1836 nao era su-
jeita a direitos de exportacao.
dem do da Io no torrente.
Offifio Ao Exm. Presidente da Provincia,
rogando se dignasse expedir as suas ordens ao
commandante do vapor Imperidor para no dia
eguinte receber na thesouraria a quantia de
7:978S78i reis para entregar na das Alagoas.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. aecusando a re-
cepcao do officio de 31 de julho que acompa-
nhou o aviso de 13 do mesmo mez no qual S.
VI. o Imperador ordenou a suspenso do que
at o presente se tem practicado pelo agente da
provincia das Alagoas com o fundamento de
que nenhuma assembla provincial tinha direi-
to de fazer, nom os seus presidentes de sanc-
ionar leis que passassem a ser executadas em
outra provincia competindo-lhes smenle o
direito de representar ao governo geral o mal,
que soffressem d'outra provincia para ser provi-
denciado pelo mesmo governo como bem Ihe pa-
recesse; e pedindo so dignasse communicar ,
que procedimento se devia ter para com o agen-
te da provincia da Parahiba, que aqui se acha-
va ; porque estando as mesmas circunstancias
d'aquelle, parecia, que tambem nao podia con-
tinuar a exercer nesta provincia as funeces de
que se achava encarregado.
Dito Ao administrador da meza do consu-
lado remettendo por copia oaviso.de que tracta
o precedente officio para sua inlelligencia e
execnco.
Dito Ao director do arsenal de guerra pe-
dindo mandasse comprar seiscentas saccas de fa-
rinha de mandioca, para serem remettidas para
a ilha de Fernando de Noronha pelo patacho
I* ira pama e que requisitasse as embarcaces
precisas ao inspector do arsenal de marinba para
a sua condueco.
Dito Ao inspector do arsenal de marinha,
para satisfazer a requisico do precedente of-
licio.
Dito Ao contador da thesouraria para fi-
car na intelligencia e por no respectivo assen-
t,miento as competentes verbas de ter sido reu-
nido ao termo da cidade de Olinda o da villa de
guarass por decreto de 2 de julho prximo
aojuz de direito do crimedo Rio Formoso
ao respectivo juiz municipal.
Thesouraria da Fazenda.
EXPEDIENTE DE 29 DO PASSADO.
Officio Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda da provincia do Para, com a conta cor-
rente do supprimenlo feito por esta quella
thesouraria no exercicio de 1842 a 1843.
Dilo Ao mesmo com o conhei imento da
quantia de S:000i000 reis, que o commandan -
te do vapor Pernambucana recebeo nesta the-
souraria para entregar n'aquella como de-
terminou a ordem do tribunal do thesouro pu-
blico nacional de.... do corrente moz para
ser applicada as despesas da .Marinha.
DEM DO DIA 31.
OfficioAo administrador da meza do con-
sulado participando que, tendo a thesouraria
lindo sob o n. 313 cessando por conseguinte
toda a jurisdiccao que tinha o bacharel Lui/.
Duarte Pereira como juiz municipal de orfaos
do meMiio termo.
Portara Mandando abonar ao thesoureiro
da Fazenda a quantia de 7:978S784 reis que
nesta data recebeo o commandante do vapor
Imperador, para entregar na thesouraria pro-
vincial das Alagoas.
dem do da 2.
Officio Ao Exm. Presidente da Provincia
participando, que, tendo recebido com o officio
do 1." do corrente os exemplares dos decretos
n.* 254 255 o 290 bem como copia do de
n303, todos relativos laxa dos portes que
as cartas c mais papis deviao pagar nos correios
do Imperio, e a maneira do recebimento da
mesma taxa a fim de se dar cumprimento ;
levava ao conhecimento de S. Ex. ; que nao se
acbando junto ao decreto n. 255 o modello, a
que se referia o artigo 5." para o papel sella-
do, nem mesmo sabia se este papel devia vir da
corte, ou ser aqui fabricado para evitar fal-
sificaces e como o devia ser por nao se dar
nos citados decretos esclarecimentos aesteres-
peito, impossivel Ihe era dar exacto cumprimen-
to ao que se ordenava sem que Ihe subminis-
trasse estes esclarecimentos.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. rogando expe-
disse as suas ordens ao chefe da legiao a fim de
ser d.spensado do servico do 2. batalha de
guardas nacionaes deste municipio Emilio Xa-
vier Sobreira de Mello, por se achar empregado
como amanuense da secretaria da thesouraria.
Dilo Ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes das Alagoas com o recibo da
para entregar n'aquella thesouraria saldo do
rendimentos provinciaes que existia no cofre
desta em 30 de junho prximo passado.
Dito Ao da thesouraria das rendas provin-
ciaes desta participando que pela ordem do
tribunal do thesouro publico nacional de 17 de
julho prximo lindo achava-sc a thesouraria
aulhorisada para supprir aquella, no corrente
auno financeiro com a quantia de 105:2008000
reis sendo este supprimento em pe estacos
mensacs.
DitoAo mesmo transmiltindo um offi-
cio do inspector da thesouria das rendas provin-
ciaes das Alagoas que por engao foi remetti-
do a esta thesouraria.
Dilo Ao director do arsenal de guerra, di-
zendo em resposta ao seu officio desta data em
que participou o que occorria a cerca da com-
pra da farinha quo se devia remoller para a
ilha de Fernando de Noronha, que, naoappa-
recendo deste genero oda melhor qualidade.de-
via com tudo cflectuar a compra, logo que o of-
ferecido venda eslivesse sao e perleilo e se
achasse em estado de assim conservar-se por al-
gum tempo.
dem no da 3.
Officio Aos agentes do Brasil em Londres ,
com o conhecimento de 880 saccas de algodao
embarcadas no brigue ingloz Lima, da cidade
da Parahiba para Liverpool; c participando que
por este mesmo brigue, prompto a sair, remet-
tiria a factura e relacao das ditas saccas.
Dito Ao inspector da alfandega para flear
na intelligencia, deque em cumprimento da or-
dem do tribunal do thesouro publico nacional
de 17 dejulho prximo lindo, sse podio fa-
zer por aquella alfandega no exercio de 1843
44 as despesas constantes da tabella que acom-
panhava, na conformidade de 9O:O0OS00(> de
reis; e quando a somma marcada para cada um
dos artigos de despesa nao fosse bastante, re-
presentasse a thesouraria com antecipacao, e
em tempo de se poder haver decisao do dito tri-
bunal, sem prejuiso do servico; demonstrando
circunstanciadamente a insulllcieocia delta, e
a necessidade de ser augmentada, e de quanto, e
sobrestando, quando esgolada, na continua-
do da despesa ou no pagamento delta debai-
xo da sua rosponsabilidade.
Dito Ao administrador da mesa do consu-
lado, idem 44:472^520 rs dem.
dem do da 4.
Oflcio Ao Exm. Presidente da provincia,
informando o requerimento de Jos Bernardo
Fernanacs Gama, em que pedio permissa pa-
ra dividir em duas loteras, cada una de reis
32:50^ a de 65:000? de reis, que Ihe loi con-
cedida pela assembla provincial.
iiilo Ao provedor da reparticao da Sade,
participando, que as despesas do expediente da-
quella reparticao deviao ser pagas no corren*
te anno financeiro por a thesouraria ficando a
mesa do consulado dispensada desta incumben-
cia ; e prevenindo-o ae que em conformidade
da ordem do tribunal do thesouro publico na-
cional de 17 de julho prximo lindo oslas des-
pesas no mesmo anno nao podia exceder de
100^000 rs.
Portara Ao thesoureiro da fasenda para
entregar Victorino Pereira Mala, pela caixa
do exercicio corrente a quantia de 28:584^235
rs., importancia de 880 saccas de algodao cons-
tantedaconta annexa mesma portara, que
vendeo na cidade da Parahiba, e lora remetti-
das para Lvupooi.
EXTERIOR.
de enviar para Liverpool no brigue inglez Fa/-1 quantia de 7:978j784 reis em notas que se
HESPANHA.
Manifest do regente ao poto hespanhol.
Hcspanhoes N una occasio, em que a mi-
nha conducta e as minhas intonces sao tao as-
siduamente ennegrecidas; em que o paiz est
ameacado de tantas desgracas pelas lalsidades
dos seus inimigos eu nao posso mais guardar
silencio. De\o erguer a voz e pppor tactos aos
prfidos ataques da calumnia. tarefa penosa,
ainda que grata seja, dirigir palavra aos meus
concidadios. Nao lici mister de recapitular os
successos, queme elevarao ao alto posto que oc-
cupo. Os debates do ambas escamaras, que
con urna por^o de saccas de algodao cum-1 entregou ao commandante do vapor Imperador \ precedern minha elewo, ainda estSo recen-.


*
w
p
tes. A Hespanha e a Europa admraro a calma,
com que as cortos proclamaro o meu nome;
e o juramento que eu prestei le govornar com
a constituico o pela constituico, anda soa em
meus ouvitlos. Eu jurei dedicar-mo manu-
tencao diis leis e prosperidade do paiz. Este
juramento que eu prestei com emoco peran-
te toda a Hespanha tem continuado a guiar os
meus passos Nunca violei este juramento, nem
sequer mu passou pela mente a id a d.i sua vio-
laco. Rodeei-me de um ministerio constitu-
cional e responsavel; c este ministerio nao pe-
dio outra forca senao a da lei contra aquelles ,
que provocarlo at os militares insurreco.
Eu nao empregui'i outra arma senao a do si-
lencio contra a calumnia e contra os mais a-
cerbos ataques pensse*. Em duas occasies, que
marchci oin pessoa contra os rebeldes pude es-
quecero regante no solilado. Muitissimas veres
ti o lia eu condu ido tropas a honra eaoperigo.
Se a minha presenca contribuiu a reprimir a
desorden) e aterrar os auarchistas, s os inimi-
gos do paiz podiao queixar-se disso. Recorreu-
se i leis excepcionaes nos dous casos: mas a his-
toiia de t-iilos os estallos antgos e modernos
nos iliz, que se deve nlgumas vezes lancarum veo
sobre a estatua da liberdado para pre'crvaeo
da mema liberdade. Essas naces livres teriHo
J perecido, ou decahido mais presto da sua gran-
deza seos conspiradores continuassem ama-
chinar impunemonte sol o manto protector das
leis escudados com a lenlidao dos processos.
Agora fcil de 8u/ar se essas leis excepcio-
n es foro resultado da necessidade ou do ca-
pricho. As c Jrtes approvaro o primeiro desses
casos, de medidas excepcionaes. Ellas discuti-
ro o segundo quando as paixoes estiverem
menos escandecidas. N'uma occasio aceitei a
resignaco d'um ministerio censurado pelas cor-
tes. N outras duas dissolvi as cflrtes e appellei
para o povo com a constituico na mao. Para
que me deu a lei fundamental este poder? Pa-
ra quando as cortes no estivessem em harmo-
nio com a naco, ou nao o estivesse urna cma-
ra com a outra ; ou para quando a paixao o
erro ou mitras causas pozessem em risco os
i nteresses do paiz. E pois inquestionavel o di-
reito de dssoluco. Invoca-se contra mim as
formulas parlamentares com um gabinete cu-
ja melado nao pertencia ao parlamento ? Exi-
girs as formulas parlamentares o que a razao
e a justica regeito? Foi dado ao regente
do paiz organisar um ministerio, depois que as
faecesda cmara baixa linho-sc mostrado ex-
haustas e impotentes. Hespanhoes Eu conhe-
co me hor a constituico do qje aquelles que
assim a invoco. Por ella sou regente; nella
esto os meus direilos eos mpus ttulos ; com
ella diante de mim jurei manter as lihcrdades
do meu paiz. Fra da constituico nao ha mais
do que um ahysmo para mim, e ruina para urna
grande monarchia, cuja independencia foi com-
prada cuta de tanto sangue. Responderei eu
ao nlorminavel atiuso de que sou olqecto? \-
baixar-me-hei arelutar a acciisaciio de procurar
eu prolongar a minha regencia ulem do sen ter-
mo legal ? Repillo a calumnia de que se lanca
mSu para amargurar os meus das. Nao bsta-
nlo para desacreditar taes asseredos, nem os
manifest* do meu ministerio, nem as minhas
proiirias assovera oes ; porque nada pdc im-
'por silencio a mentira que a inimizade e*soal
repelle. Como havia eu de desojar diflerir esse
dia uue ha de encerrar a minha carreira polti-
ca ? iu prefiro o exemplo daquelM que deixa-
ro o governo ao dos que violarlo as leis lia-
ra o conservaren!. Falta-me igualronte o ge-
nio e y aoiliiran de Nupoloao. Elle expiou as
suis UMirpacfn's sohro urna rocha no ocano.
Go/.em oulros. que no eu a >I ira que o seu
paiz pasa to cara, Baldomcro Espartero, des-
eando a urna condico particular ican satis-
feito com ter cumprdo os seus deveres o me-
recido as sympathias dos bons. Hespanhoes !
Eu fallo da coracio e mais sinceramente do
que aquelles (|ue procuro pr-vos em convul-
soes. Ellas etnpregao numerosos pretextos para
levantar o estandarte du rebeilio encobrindo
assim a sua propria ambicio particular. El les
pregan a un'o m is sameSo a discordia ; pre-
gan a amnista mas exercem a vinganca ; e
e proclamao a virlude das formulas parlamenta-
res tornando impossvel todo o governo. A
razao e a justica estao da minha parte. Nada te-
mo ; confio na constituico c estou acoberta-
do com ella Tenho a mesma confianca que ti-
ve em outras occasies, nos leaes nos bons ,
nos amigos da liberdade no exercito na ar-
mada na guarda nacional e nos hespanhoes
dignos deste nome. Riles me ajudarao a por
termo i estas divises. Ellos descerno arena
eleitoral e nomearo um congresso que esteja
em harmona com os nteresses do paiz.
s cortes a quem compolte decidir as gran-
des questes debatidas devo ou ontregar intac-
tos os sagrados lepositos da authoridade da rai-
nhae da minha. NSo hei dccntregi-las anar-
chia, ou licenca das paixoes. A sorte daquel-
Je que tantas vezes tem olerecido a vida sua
patria, de pouca consideraco. Porm a rai-
nha a constituico a monarchia impem-
mo deveres que hei de cumprir. como primeiro
magistrado da nacao, e que hei de defender
como sobiado. Madrid 17 de junho. Du-
que da Victoria {Morning Chronicle.)
INTERIOR.
Rll DE J4SEIR0.
ASSEMBLA GERAL.
CMARA DOS SENHORES OEPUTADOS.
S'*8o em 15 de julho
Remelt-se i mesa a indicaco asssnada pe-
los Srs. Sousa e Mello D. M A. ilascare-
nhas Machaco, e Pereir da Silva para que
no im de cada sesso se faca nova chamada.
O Sr. Magalhes e Castro depois de moti
var o seguinte projecto remotte-o mesa :
A assembla geral legislativa resolve :
Art. nico. as eleicoes primarias para
elcitores de parochia nao sao admittidas as
procuraces de qualquer modo que sejo.
FicSo revogadas todas as disposices em
contrario. Paco da earara 15 <.e julho de
I8V3.J. A. de MagaMes e Catiro
Julga-se ohjccto de deliberaco e vae a im-
primir.
O Sr. Henriques de Resende obfem a pa-
lavra pela orlem faz ligeiras observares so-
bre a importancia da materia do projecto que
su acaba de julgar ohjecto de deliberaco e
pede a dispensa da impressao do mesmo pro-
jecto e a urgencia para se discutir.
Consultada a cmara dispensa da impres-
sao o projecto. A urgencia proposta pelo fi-
lustre deputado apoiada e entra em dis-
cussao.
O Sr. Silva Ferraz pronuncia-so contra a ur-
gencia e o Sr. Henriques de Resende decla-
ra, que a urgencia,que pedir, eranopreterin-
do a discusso da lei do orcamento,
OSr. Pereirada Silva pronuncia-se a favor
da urgencia, e manda mesa a seguinte emen-
da que apoiada :
Que a urgencia do Sr. deputado Rezende
soentenda para se tratar da resoluco do Sr.
deputado Magalhes e Castro durante o tempo
reservado em todas as sesses aos requerimen
tos sem prejuiso da discusso do orcamento.
Pereira da Silva.'
I'allao a favor da urgencia os Srs. Magalhes
e Castro Henriques de Resende e Ramiro e
contra os Srs. Rarros Pimentel e Nebias.
' > ^enhor visconde de Raependy pede o en-
cerramento da discusso e assim se vence.
A u gencia proposta anprovada e betn
assim a emenda do Sr. Pereira da Silva.
O Sr. Rarros Pimentel. depois de discorrer
largamente sobre as oceurrencias, que tivern
lugar no theatro de S. Paulo e de censurar
a conducta do presidente d'aquella provincia
em tal occasio, manda mesa o seguinte
projeco :
A assembla geral legislativa resolve :
Art. nico. Asfaltas contadas aos estu-
dantcs (lo curso jurdico do S. Paulo, por oc-
casio da oceurrencia do iheatro na noite de
16 junho, nao prejudiro de forma alguma as
suas haliiltaces para os respectivos exames.
I ico revogadas as disposices em contra-
ro. Paco da cmara, 15 do |ulhode 1843.
Rarros Pimentel.
Nao se julga ohjecto de deliberaco temi-
se apenas evantado a favor orne Srs. deputa-
dos.
Contina a discusso do orcamento da re-
ceita,
Art. 1. Fico creadas as seguntes con-
Irbuices extraordinarias as quaes deverio
durar ate o fim do exercicio de 1845 a 18V6.
1. Todo o empregado, que accumular
mais de um vencimento por qualquer titulo
que s ja percebera por inteiro o maior d'el-
les, e de cada um dos oulros somente me-
lade.
as disposices deste paragrapho ico
comprehenilidos os ministros de estado que
forcm membros do corpo legislativo.
2. Os subsidios dos membros do corpo
legislativo (cao sugeitos a urna imposico de
10 por cento.
3. Os membros do corpo legislativo nao
podero accumular durante o tempo da sesso,
em quevencem subsidio, tenca, penso, a-
posentadoria ou reforma com o mesmo sub- tos pelo Sr. ministro da fasenda
Nafpalflvra vencimentos se comprehendem
os emolumentos quaesquer que se percebe-
rem.
5. A disposico do 4. nao compre-
hend* os vencimentos das pracas de pretde
terral de mar.
6. Os empregados aposentoos ou re-
formados que forem de novo empregados ,
nao tem direito a perceber o vencimento da a-
posentadoria ou reforma com o do lugar, em
que forem de novo empregados.
Art. 2. O governo cs'nbelecer o modo
de arrecadar se esta nova i rosigao*
a Paco da cmara dos deputados 6 de ju-
lho do 18W. /. P. Vianna.
Os medico?', cirurges e boticarios es-
trangeiros par;ara oela verificaco e seus ti-
iulos urna somma igual que pagarem os dis-
cpulos das escolas de medicina desdo a primei-
ra matricula at rrcepcao de seus diplomas.
Aquelles. que exerecrem suas profissSs sem te-
rem verificado os seus diplomas como ex-
presso na lei do 3 de nutuhro de 1832 sero
multados na quantia de 2008 "s. e esta quan-
tia 83 ir dunlicando as reincidencias.
As nessoas oue annunciarem evende-
rem remedios secretos sem que nara isso te-
nho obtido licenca previa do governo sero
multadas por cada vez que annirciarem ou
se provar a venda na quintia de 100 rs. a
qual se ir duplicando as reincidencias: o
governo fica aulorisado a conceder estas I cencas,
depois de mandar proceder a exame sobre os re-
medios por qualquer das escolas do medicina ,
e por taes licencas pagano os agraciados a
quantia de 50$ rs. Os que nao nederem satis-
fa/cr as multas sofrero a peni 6 ;is5o de 3
a 4 mer.es por cecave, duplicsntio tambem
estas as reincidencias.Luiz Carlos.
Ao 2. do artigo 1. addittivodoSr. Vi-
anna : Os subsidios dos membros do corpo
legislativo ficSo sugeitos a urna imposico de
25 por cento em vez de 10 por cento,Pereira
da Silva.
O sold e ordenados dos lentes das acade-
mias militar e de marinha sejo reputados
am s vencimento e nao accuniulaco.M.
F. de Souza e Mello.
Fica suspenso o pagamento de um terco
do subsidio dos deputados e senade>es de dez
por cento dos ordenados de todos os fnneciona-
rios pblicos do imperio que tiverem de um
cont de reis inclusive para cima e de cinco
por cento dos que tiverem menos d'esta quan-
tia.
Sao exceptuados d'esta medida os ofliciaes
do ejercito o armada reformados com o sold
antigo e as pracas de preLV. J. Lisboa.
O imposto sobre mineraco ser subs-
tituido por urna capitacio de 8 a 10? rs. sobre
cada urna pessoa de toda e Qualquer fabrica ou
estabelecimento de mincraco ou individuo
que n ella se applique, e mais urna patente,cu-
jo mnimo ser de 20* rs. sobre engenhos ou
machinas com que trabalhem e na raso de
sua importancia.
Essa imposico nao comprehende as com-
panhias numerosas o cncorporadas, que con-
tinuars a pagar a actual.Souza Franco.
Todos os empregados geraese provinciaes
de nomeaco do governo ou.de elcico popu-
lar que receherem dos, colrcs pblicos orde-
nados, subsidios, sidos e pensos, por qual-
quer titulo que seja pagar recebendo de
600S rs. at um cont 2 V* por cento de um
cont at 4 con tos 5 por cento c de 4 contos
para cima 10 por cento, em quanto durara
guerra do Rio Grande do ul e o tratado com
a Inglaterra. Esta somma ser applicada a-
rnorlisaco das notas.
Todas as corporaces de mo morta con-
frariase irmandades sao obrigadas no praso de
tres annos da data d'esta a converterem a
terca parte de seus fundos em a plices da divida
publica.Carneiro da Cunha.
Sao maisapoiadas as seguntes emendas :
Sub-emenda s do Sr. Sousa Franco.
Em lugar de 8 a 10$ rs. diga-se de 4 a
68000 rs. por pessoa. M. F. de Souza e
Mello
Emenda aos artgosdoSr. Vianna.
Art. 1. 1. depois das paluvrasmi-
nistro d'estadoacrescentc-see conselheiro
d estado.V. Raependy.
Emenda ao artigo 1. dos addilivos propos
sidio.
4. Todas as pessoas que receberem dos
cofres pblicos um s vencimento por qual-
quer titulo que seja fico sugeitas a urna
imposico, que ser regulada pela maneira se-
seguintc :
At 1:0008.. -2 por cento.
De, 1:0008 at 2:0008. ..3
De 2:0008 ate 3:000$. .. 4
De 3:0008 al 4:OOOS...5'
Os vencimentos
superiores a .... 4:0008.. 6
Em vez de exercicio de 18451846,
diga-se 18441845. '-ouza Martins.
Emenda ao artigo additivo do Sr. minis-
tro da fazenda.
A disposico d'este artigo nao compre-
hende os empregados, cujos ordenados j so-
Irem imposico por lei provincial: 15de julho
de 1842.Dantas.
Tomo parle na discusso os Srs. Sayo Lo-
bato Dantas, Sousa Franco Rarros Pimen-
tel Carneiro da Cunha e Pacheco.
O Sr. Pacheco nrope o adamento dVcfps
artigos additivos, para que voltem 6 com-
misso
O adamento apoiado.
Verifica-sc haver-se pronunciado tres discur-
sos pro, e tres contra o adamento, o Sr. Pe-
reira da Silva requer o encerr,ment da discus-
ao e assim se vence.
O adamento posto a votos e regeitado.
Contina a discusso dos artigos additivos ,
tondo a palavra o Sr. Pereira da Sil.a c a dis-
cusso fica adiada pela hora.
REPRESENTARES DIRIOIDAS A CMARA DOS.
SENHORES IMPUTADOS.
Augustos e dignissimos seiihores represen-
tantes da naco.
A commisso da Praca do commercio vem a-
visar-vos a lembranca de urna das mais vitaes
necessdades do naiz expressada na rebresen-
taco junta,que conten numerosas assignaturas,
e entre ellasas mais conspicuas do corpo do com-
mercio desta praca que a commisso tem a
honra de representar.
Qucndo nao bastasso a notoriedade de urna
falta que todos sentem, e mais que todos a cor-
poracone-c'ntil: ella se aeha suflicientemente
demonstrada as oreves C0isi.era?5es produzi-
das nadita representaco, assim como as que
anteriormente ja vosToro enderecadas. De-
mos a conriecto d que nao vos sao dcsco-
nbecidas as necessidades do paix e entre ellas
a que faz o obiecto da presenl-a supplica dis-
penso a commissto da i :::s do Commercio
de Rio de Janeiro da ardua e laboriosa trela
vo o commercio brazileiro e Ibe diOiculto
o desenvolvimento e prosperidade do que sus-
ceptvel. Entretanto o assumpto de tal mag-
nitude, que a commisso nao pode desusar so-
bre elle sem fazer echo ao clamor geral e quo-
tidiano contra o progesso da immoralidade o
gradual mingua de boa f e confianca que so
as molas reaes do trato mercantil.
Senhores 1 A existencia do brazi!, topo*
graphicamente martimo e essencialmcnte agr-
cola e commerciante conhecidamente pre-
caria com mingua de leis, ou com leis de-
fetuosas e incertas. Se a deficiencia de leis
um mal deploravel nao menor, assim o
recurso a leis estranhas e indeterminadas co-
mo o actual systema de processo a respeito da
causas mercantis, e esta talvez a principal
queixado litigante probo.
Quando nao ha regra certa de julgar, aa
questSes multiplico se e os julgamentostor-
nao-sc arbitrarios e contradictorios.
Paia prevenir grandes males e calamidades
de que por emquanto apenas temos tida
leves demonstrace*, cumpre suspender o no-
torio progresso da fraude c da immoralidade
dando protceco e favor honra e boa f. Des-
gracado o paiz onde o homem nao achar van-
tagem em ser honesto e probo Para remover
os males geralmente sentidos, e conjurar os
que seantolho, nenhum meo mais eflicaz se
pode apontar que a promulgato de um < odiga
adaptado s nossas circunstancias ecoslumes.
A complicaco e importancia das relacoes
commerciaes requer legislaco e foro espe-
cial. Esta necessidade tem sido reconhecida
por todas as naces bem reguladas e ellas j
gozo o benefic o que o Rrazil anciosanicnta
anhela e ousa esperar em breve dos seus dig-
nos representantes.
Senhores I Saesla*endo aos votos do paiz ,
e cum especialidade aos do corpo do commer-
cio, certamente digno da vossa contomplaco ,
daris urna brilhante pnm do vosso patriotis-
mo e adquiriris novo titulo gratidao na-
cional.
Sala da Praca do Commercio do Rio de Ja-
neiro aos 14 de julho de 1843.
Augustos e dignissimos sengores represen-
tantes da naco!
A' rossa sabedoria e patriotismo recorrem os
abaixo assignados negociantes da praca do
Rio de Janeiro pedindo-vos como graca es-
pecial remedio aos vexames e abusos que sof-
frem em suas relacoes commerciaes pola falta
de legislaco adequ da que reja nos numerosos
casos que as multiplicadas e importantes tran-
saeces do commercio brasileiro interno e ex-
terno azcm nascer e as quaes os juzese
trbunaes, por mais bem intencionados que
sejo nao podem decidir com promptido e
aceito, on porque sao obscuras as leis patrias,
e em muitas occasies disparatadas com o ac-
tual estado do commercio ou porque na falta
dellas recorrem s leglacocs de outras naces
donde necessariamente resulta confusa e de-
sorden! por nao havor regra certa de julgar.
Esse chaos em que actualmente existe a juris-
prudencia commercial brasleira o flagcllo
maior que vexa o commercio e seca em sua fon-
te essegaandecaudal da riqueza publica.
A desconfianca em contractos, quo devem
ser presididos pela boa f, e que nao podem em
todos os casos celebrar-se com as cautelas reque-
ridas as transaeces cvis a morosdade na


JT
decisao dos pleitos a (alta do disposicoes legis-i Antonio Setubal
lativas que punao promptamente a banca rota Antonio Joao Ramos
fraudulenta, a falsificacao e outros crimes que Antonio Jos Francisco Veiga
actualmente se perpetrao com a maior berdade
e franqueza sao os menor* s males que oppri-
mem o commercio no Brasil por falta de legis-
laco.
O corpo legislativo j reconheceu esta grande
- nocessidade de urna importante classo do estado,
e quiz satisfa/e-la nomeandocommissos doseu
seio e externas para dirigirem segundo a ph-
losopbia do diroito e a pratica e uso do com-
mercio um cdigo apropriado para to impor-
tante fm ; mas o estado do paiz nao permittio
anda que o corpo legislativo podesse examina
discutir e approvar o trahalho das commisses
qus nomeara. Entretanto o mal existe conti-
nua e recresce com detrimento dos commer-
oantes e prejui/o para a fortuna publica, a
Os bbaixo assignaJos, augustos e dignissi-
mos senhores, sahem que nao ha um s dos
representantes da naci que nao deplore com
ellesesta falta t;\o scnsivcl, que deixa a riqueza
commcrcia o o que 6 mais a moralidade
publica 6 merc do dolo e da fraude reconhe-
cem e sentem os gravissimos emharacos, com
quo luta o corpo legislativo, sem poder aitender
espacial munte a estes o a outros objectosde pu-
blica utilidade e que rectamao providencias
proprias ; por isso .nplorao de vessa sab/edona
que mandis pdr em ewcucao prov/soriamente
o cdigo comnierc'nl. fruto do '.rabal hn e esta-
do das vossas commisses. O supplcantos re-
conbecema iimossibilidade de approvar-se essa
comprlaoo epois de lar- menle discutida :
obras desta natureza em qtu se exige systema
e methodo nao se podn) cotti vantagem ser
tratadas em grandes ,. semblis legislativas, e
por isso que vos pedem a ewuco provisoria
desse codito. A experiencia ropo os ira corri-
gindo, nHJlZ qua na praticr. fr descobrn-
1 do seus deleitas.
Esporao os abaixo asignados quesuasupli-
ca ser attendida pelos augustos e dignissimos
enhores represen.Wies a nar-ao.
E R. M.
Seguem-ti as assignaturas dos principis ne-
gociantes da praca.
(Do Jornal do Commercio.)
!*U' -
14', ti
O.
,1W
ks?,(!en.
Rendimento do da 21......... 3:645g460
Nao ba descarga para boje.
12,000
2.000
2,000
Jos Domingues de Souza 2,000
Machado & Santos 4,000
( Continuar-se-.)
GABINETE LITTKRAR10,
O Vice-director convoca urna reunio dos
senhores socios para o dia 23 do correte pelas
4 horas da tarde na ra do Livramento n. 27 ,
1. andar a fm de se tratar da seguinte pro-
po.ta e pareceres :
Propotta.
Por emenda a proposta do Sr. Costa propo-
nho na conformidade do artigo 35 dos estados
a reforma total delles a fm de que a vista do
nenhum adianUmento qne tem o gabinete
2 annos para c sejao olferecidos os livros e
mais utencilios do mesmo gabinete para prin-
cipio da bibliotheca publica provincial coma
cond.co de nao poderem s8r alienados e de
liorem os socios gozarlo das mesmas regalas,
que tem pelo arV.jp, 23 dos estatutos cessando
qualquer rOntrbuco desde ja por passarem
todas c,s despezas a ser feitas por conta das ren-
do* provtnciaes logo que seja acceita a offerta.
Madureira.
Pareceres.
Convenho no parecer do Sr. Dr. Madureira
coma restriccaodeserem offerecidos os livros ,
e mais utencilios do gabinete ao governo para
a bibliotheca publica sem condicao alguma.
Dr FiguerSdo.
Convenho no parecer do Sr. Dr. Madureira
sem as restriccoes do Sr. Dr. Figucrdo.
Camargo.'
Convenho no efferecimento com a nica de-
claracao de cessar a contribuidlo dos socios.
Mello.
Espera o mesmo Vice-director, que os se-
nhores socios compareci para deca idi rmda
proposta cima e pareceres.
Jos Bernardo Ga'vSo Alcanforado ,
Vice-director.
TEHATBO P3LIC0.
IIoriniento Mo Portea
y avio tahido no dia 20.
Ass ; barca brazileira N. S. do ^occorro, ca-
pito Juaquim Jos Martins carga lastro.
Navios sahidos no dia 21.
Posea ; galera americana Electro, capitao John
Ward em lastro.
Maranho ; barca ingleza Orlando 'capitao
Win. >1. Cocheril em lastro.
Genova ; brigue sardo PHades $f Orestes ca-
pitao Antonio Ghwordllo, carga assucar.
Portas do Norte ; vapor bra/ileiro Bahiana ,
commandante Manoel dos Santos Ornellas.
lleelaraccs.
-~
Sendo o lanco, em concert, da ponte doRe-
cife de extrema extoncao torna-se necessario ,
que os carros nao passem por cima do passadico
at o dia 15 de seteinbro prximo futuro.Re-
partido das obras publicas, 19 do agosta de
1843. Oengenbeiro em ebefu interino
Boulireau.
O administrador da meza da recebedoria das
rendas genes internas avisa aos moradores do
bairro de S. Antonio, Recife, Boa-vista e
Aflogados que ate o fm do corrente mez es-
pera, que venhao satisa/.er o que devem da ta-
xa de mil res por escravo imposto do naneo ,
decanoas, ecaminhos; e lindo o tempo man-
dar para jui/.o a relacao dos llovedores, sem ex-
cepeo Je pessoa alguma. Recebedoria 19 de
agosto de 1813. francisco Xavier Caval-
cante d" Albuquerque.
Continuaco dos devedores da laxa dos escrotos
do bairro do Recife.
Manoel Jos Machado 2.000
Josefa liara de Mattos 0,000
Jos Curdozo dos Reis 6,000
Guilherme dos Santos Saizes 2.000
Antonio Jos Alves da Silva 1,000
Antonio Jos Pereira de S 22,000
Carlos Detri 2.000
Antonio Fernandes Vellozo 4,000
Marianna llonteira de Lima 4,000
Francisco da SilvaMederos 4.000
Jos da Costa 10,000,
Sexto e ultimo divertimento promettido pela
assignatura para o dia de quinta fe ira 24
de agosto de 1843 em beneficio de Rafael
Lucci.
Primeira parte.
O Beneficiado com sua (1 Uta Madamozelle
Garmella executaro um lindo dueto pela pri-
meira vez, da opera la Donna del Lago, do M.
G. Rossini. 'Le mi Babere Vicende.
Segunda parte
Madamozelle Manoela Caetana Lucci, pro-
encher esta segunda parta com urna linda Mo-
(linda Portugueza. L'u nao quero viver
longe.
Terceira parte.
Madamozelle Carmella Adelade Lucci, can-
tar urna linda Cavatina, da opera Torvaldo,
e Dorl sica, do M. G. Rossini. Tuto e vano.
Quarta parte.
O Beneficiado com sua filha Madamozelle
("armella executar um lindo e jocosodu
eto, da opera Lexir d'Amoredo M. Caotano
Donizetti. Quanto amore. Ed io spie-
tata l
Quinta parte.
Exocutar-se-ha um novo, e jocoso Panto-
mimo intitulado O A ajmenlo Militar ,
ou o Nuivo Logrado.
Sexta e ultima parte.
Para mais abrilhantar o divertimento dar
fm com urna mu linda e jocosa scena em
portuRiiez ,. oxecutada pela primeira vez pelo
Beneficiado juntamente rom sua joven filha Ma-
damozelle Manoela Caetana.
O Beneficiado procura todo* os meios do po-
der agradar ao respetavel publico do qual es-
pera a sua proteceo.
N. B. So o dia estiver muito chuvoso nao
liaver divertimento, transferindo-seodia an-
nunciado por outro annuncio.
Principiar as 8 horas e meia.
Aviaos martimos.
= Para o Havre sae no no dia lOdeSetem-
bro o briguo francez Bey capitao Juge ; quem
quzer carregar n este navio dirija-se ao con-
signatario Le Bretn Schramm & C.
Para o Havre ha de sahir
no dia 25 de agosto corrente a
bem conhecida barca franceza Ca-
simir Delavigne por j ter o seu
carregamento proinpto, porm ain-
da recebe passageiros para o que
tem excellentes commodos ; a trac-
tar com os seus consignatarios B.
na ra da
Lasserre & Companhia
>enzalla Velha n. i38.
Para o Ro de Janeiro segu com brevi-
dadeo patacho Josepkina para carga e passa-
geiros ; trata-se com G. A. de Barros, na pra-
cado Corpo Santo n. 66. ou ao capitao a bordo.
= Para o Maranho segu viagem em poucos
das por ter prompta a mor parte do seu carre-
gamento o Bergantm Dos te guarde, capi-
tao Joao Goncalves Reis ; quem nelle quizer
carrosar, ou rdepassagcm para oque tem
excellentes commodos, dirja-se ao mesmo ca-
pitao ou ao escriptorio do Manoel Joaquim
Ramos e Silva.
Le loes.
=James Crabtr^ & C* farao leilo, por in-
tervenco do corretoi* Oliveira de grande e
variado sortiment defasendas inglezasas mais
proprias desle mercado; quarta feira 23 do cor-
rento as 10 horas da manhaa em ponto, no seu
armazem da ra da Cruz.
Avisos elirersos.
LOTERA de n. s. do
LIVRAMENTO.
No da 30 do corrente mez
de Agosto, corre impreteri-
velraent-t esta lotera, fiquem
ou nao bilhetes por vender,
e o resto acha-se nos luga-
res annimciados.
= TirSo-se passaportes para dentro e fora
do Imperio e folhas corridas com presteza e
commodidade ; na ra do Bangel n. 34.
ss Por o Juizo de Orlaos se ha de arrema-
tar de renda trienal a quem mais der (indos os
das da lei urna morada de casa de 3 andares
n. 43 sita na ra da Gadeia do Recife ava-
llada em 800,000 rs. por anno sendo a renJa
paga a quarteis prestando o arrematante no
no acto da arrematacao fanca edonea.
=Perdeu-s desde o arco de Santo Antonio
at a igreja da Estancia um livro pequeo de
maziea ; quem o achar e o quizer entregar,
dirija-se a ra da Cadeia velha n. 50 que re-
ceoer os agradecimentos do dono.
Precisa-so de um rapaz para caixeiro, que
entenda alguma cousa de escripia e balcao ;
na ra do Pilar em Fra de Portas n. 122.
= Roga-se encarecidamente h pessoa, que ti-
rou do correio urna carta vnda pelo vapor Ha-
hianna que se v na lista com o n. 7877 e as
letras inniciaes M. J. S., caso quo seja para
Manoel Joaquim da Silva e que nao pertenca
a outro de igual nome que a tirarse, poder en
trega-la em casa do Sr. Francisco Antonio d'O-
liveira na ra d'Aurora n. 26.
=Uma pessoa djbe tem bastantes conheci-
menlos de latinidade seofferece adar licesnessn
disciplina, por muito commodo preco, accom-
modando-se as circunstancias dos aprendices,
a urna ou duas leoes por dia. Picando a bel-pra-
zer dos cstudantes; e promette que lara lodo o
esforro a fm de que seus discpulos tenho
muito adiantamento principalmente os prin-
cipiantes com os quaes os mestresde ordina-
rio pouco se esforc3o, entregando-os discri
.o de decuriTits; quem do seu prestmo se qui-
zer utilizar dirija-se travessa da Concordia
casa n. 5.
Roga-se co Sr., que tirou urna carta vin-
dadeMacei no vapor Bahianna entrado no
dia 19do corrente, sendo queira restitu-!a, di-
rigir-se ra da Cadeia \elha n. 5i ; e tam-
bem se roga ao mesmo Sr., que o dono da dita
carta nao precisa de agentes tao promplos, pois
j 1 nao he a primeira, e fique certa de que ellas
nao trazem quantia alguma dentro, que faca
interesse a quem as tira.
Offerece-se una mulher de boa conducta
para ser ama de casa de algum homem solteiro,
viuvo ou casado mas de pouca familia ; quem
precisar dirija-so ra do Caldeireiro n. 6.
Manoel Pereira da Silva pretende em-
barcar o seu escravo de nomo Sabino Angola ,
para o Ro de Janeiro.
Aluga se um arma7em grande,eoutro mais
piqueno proprios para socar assucar ou ou-
tro qualquer estabelecmento por ter embarque
a toda a hora na porta ; quem os pretender di-
rija-so ra fla Praia de Santa Rita n. 37, se-
gunt.o andar.
= Uma Scnhora de bons costumes seencar-
rega da criacao de meninos de pcito impedidos ,
e dcsimpedidos, e tambem recebe meninos des-
mamados para curar da sua educaeo no que
promette esmerar-se ; quem do seu prestmo se j
quizer utilizar dirija-se ao patio do Carmo.
24.
n.
Offerece-se um rapaz portagaez de dado
de 16 a 18 anuos para caixeir.) de ongenho ;
quem precisar annuncio.
Aluga-se o armazem n. 7 da ra de Apol-
lo e o primeiro e segundo andar da casa n.
21 na mesma ra ; a tratar nu ra da Guia
11. 36.
Aviso para os Srs. de engenhos.
Na grande fabrica de distilacao no Appucos,
compra-se constantemente, eem tempo, qual-
quer porcao de mel: paga-se dinbeiro a vista ,
a 35200 por barril do 22 caadas, ajusta-se
safras inteiras e tambem assucar 1 ruto de boa
qualidade.
= Aluga-se o 1. andar de um sobrado na
ra da Sen/.all com bastantes commodos
para familia com quintal cacimba: an-
nuncio.
Ouem quizer comprar urna escrava moca ,
debonita figura, ptima engomadeia cozi-
nha, cozecho, e lava de varrela e seda
a contenta outra tambem com habilidade ,
moca, e de bonita figura: na ra Velha
n. 66.
= Furtaro na notedo dia 18 do corrento
do sitio grande do Sr. llerculano na Solida Je,
dousquartos com os seguintes signaes um
castanho com todos os ps calcados, urna
estrella na testa naieo ; e o outro russo, ca-
pado ter-3 o S para 9 annos, acostumados a
trabalharem carraca ; e nao se ignora quem os
furtou por isso querendo os entregar melhor
Ihe ser do contrario se publ cara seu nomo
por exlenco e se usara dos meios que a lei
faculta.
Quem precisar de 2:0008000 rs. a juros
comhypotheca em um sobrado pagando os
juros todos os mezes dirija-se a ra da Praa
n. 19.
A pessoa que annunciou querer 2:500/ rs
sobre hypotheca ; dirija-se a ra de Santa Rita
Nova n." 3, que achara com quem tratar.
Quem precisar de um mestre tanoeiro a
distilador, annuncie.
= <)fferece-se um moco Brasileiro casa-
do para caixeiro de casa ingleza, ou de outra
qualquer casa portugueza; ou franceza an-
da que seja para cobrancas exceptuando ven-
da ; quemo precisar, dirja-se a ra do Pa-
dre Floriano n. 54.
Quem quizer concertar casa sita na ra
Nova n. 50, dando-se-lhe a mesma casa por al-
guns annos para pagamento das despesas se-
gundn orcamento; dirija-se a mesma casa, se-
gundo andar, que achara com quem tratar.
= Faz-se sciente ao respeitavel publico, que
ninguem contracto negocio algum com Joao de
>anta Monica sobre a armacao da loja onde o
mesmo teve outr'ora urna taberna, pois como
ao proprieta rio nao conven ha mais estabeleci-
mento algum em seu predio faz publico para
que ao depois os pretendentes se nao chamem
ao engao.
Roga-se ao Sr. (que nao ignora) haja por
obzequio mandar pagar a quantia de 5S2:754
noesp.ico de 6 dias o mais tardar, por saldo
quedevia de 2,040:000 e da 1. transaccao
(porque exista outra) devendo lembrar-se que
ha muito mais de anno, e quo o juro como de-
via pagar anda quasi tanto como o principal ,
e que nao ha mais sapatos para correr para a sua
porta, o queja se Ihe fez ver, que se nao man-
dava mais la e como a nada se tinha movido ,
sopublicava a natureza da divida a pessoa e
as evasivas de que a mesma se tem servido para
ao menos muitos nao cahirem, como cabio o
l'aciente.
Silvestre Joaquim do Nascimento faz pu-
blico a todas as aulboridades policiaes desta ci-
dade e lora dola que no da 18 do corrento
fugio ou furtaro um seu escravo de nome
Luiz qoe foi pegado occullo emeasadejo-
zu de Jess Jardim boa estatura cara re-
donda bem preto barbado idade 30 an-
nos ; e com elle um moleque de nome Anto-
nio cara meia redonda orelhas pequeas ,
denles largos nariz chata ps pequeos ,
idade 14annos, levou vestido ceroula dealgo-
do e camisa de chita e o preto a mesma rou-
pa bem ladinos ; quem os pegar poderi levar
ao annunciante que ser bem recompensado ,
c da me.-ma forma quem osdescobrir.
= Vendem-se saccascom farinha de mandio-
ca a 2:560 na ra da Cadeia velha n. 35.
Alugao-se quatro moradas de casa no sitio
do Cajueiro com grandes commodos ou por
anno ou para passar a festa e um sobrado
com muito bons commodos na Passagcm da
Magdalena; quem o pertender dirija-se ao mes-
mo sitio para ajustar.
Precisa-se de alguns amassadores para
padaria ; na travessa da Madre de Dos n. 11,
padaria de Manoel Ignacio da Silva Teixeira.
Deposito de farinha de mandioca na ra da
Cadeia de S. Antonio n. 19.
Os precos desta semana continuoa ser : fa-
rinha de 1/ qualidade 28240 rs de 2.'dita
18920rs., de 3.adita 18600 rs. cadaalqueire ;
o deposito conserva-se aberto das 6 horas da
manhaa s 6 da tarde sem recusa de dia,

#


A
-

=* Um ofTcial pharmaceutico com deploma
verificado pela academia de medicina do Rio
di Janeiro e registado na cmara municipal
desta cidade, nao tendo rucios para estable-
cer se deseja servir ou administrar urna botica
dando para isso fiador ; quem precisar pode
deixar seu nome e morada na livraria da praca
da Independencia ns. 6e 8.
Precisa-sc alugar urna canoa para con-
ducir agoa que seja grande e bem construi-
da pagando-se o aluguel mensalmente ; na
ra da Praia serrara de Silva Cardial, ns.
15el7.
= Ninguem faca negocio com algum dos ne-
gros que desapparecerao no dia 25 de junho
docorrente anno e suppoem-se terem sido
fur'ados os quaes andavao ganbando na ra ,
teem os signaes seguintes s Joao de naco
Urubauo ou Camund bonita figura alto ,
reorcado do corpo bem ladino cabello es-
cantiado pouca barba cara larga cor nao
preta, canoeiro, cozinheiro. intitula-secaia-
dor e risonho quando falla ; Miguel, de
nacao Mocambique, molecote de bonita figiva,
estatura regular cara bochechuda e redonda ,
olhos grandes e na flor da cara Roca pequea,
risonho quando falla tem peitos muito pontu-
dos como mulher ; ambos pareccm creoulos,
e o maior signal que teem terem marcas de
chicote as costas o nadegas ; quem os pegar
leve a seu senhor Jos Maria de Jess Munis na
ra do Crespo ou na toja de Cunha Guima-
res ou na botica de Antonio Pedro das Ne
ves no arco da Conceioo da ponte que ser
generosamente recompensado.
= Aluga-se o grande sitio denominado Ca-
pella da Casa Forte, na povoacao do mesmo no-
me, o qual tem proporcoes para ter 16 ou 20
vaccas alm d urna grande baixa para rapim,
muitas fructpiras casa do vivenda cstribaria,
e cacimba com muito boa agoa ; quem o pre-
tender annuncie.
=s Francisco Ferreira de Almeida embarca
para o Rio de Janeiro com o seu escravo Anto-
nio de nacao Rebollo.
Na loja de miudezas na praca da Inde-
pendencia aonde d antes era b'ja de livros e
encadernaco, recebe se todo e qualquer li-
tro para se encadernar; em consequencia de
ter-ne mudado aoflicina da dita para a ra das
Cruzes em o segundo andar e por ser rnais
comrnodo aos pretendentes entregaraG e rece-
berao seus livros na loja a cima mencionada
n. 36.
- Francisco Cordeiro Raposo comprou a
Senhora D Maria Catharina 'ovina uTia es-
crava de nome Getrudes, de nacao Costa, para
embarcar para o Rio de Janeiro.
Carlos Correia Men les Nmoes morador
em Olinda faz certo aos:nhor arrematanto do
capim de planta, que do primeiro de Janeiro
de 18i4em diante deixa de vender capim em
sua casa na ra de Baixo.
= a'iaixo assignado tem justo e contrata-
do a compra de um escravo de nome Antonio
Jos', pete, cente a Senhora Anna Placida;
se alguem se acha com direito a elle queira pu-
blira-o por'esta folha, ou dirigir-sea Fora de
Portas venda n. 88.
Manoel Jos Ferrara.
Na ra Nova n. 6-1 tem prepaios para ar-
macao de Igrcja para festa defuntos ; assim
como carros para condueo dos mesmos ves
tem anjos vivos c morios tudo com aceto ri*>
qtwza o promptido cera de aluguel e
tambem vende-se e pretos fardados; assim
como tambemvendem-se galoes, vobntes tri-
na renda de todas as larguras, rame de la-
tao para ornato de anjos velbute preto, flores
e tudo mais que so fas preciso para fes tas de
Igrejas, anjos e defuntos, por mais com-
rnodo proco do que em outra qualquer parte
e tambem caixoes para defuntos e anjos.
Aluga se a coxeira da ra das Flores n.
20 com a frente para a travessa do Carino, to-
da calcada de podra e admite 4 carros ; a fal-
lar com o commandante geral do corpo de po-
lica.
= Madame Tbeard previne ao respeitavel
publico e principalmente aos Snrs. logistas de
nao fiar nada em seu nome seja a quem for ,
nem a seu caixeiro, sem um escripto ou pe-
nhor.
OSr. Laurentino Antonio Moreira de
Carvalho queira dirigirse ao sitio dos Arcos na
povoacao dos Remedios ou as 5 Pontas a fim
de concluir o negocio que nao ignora.
Precisa-sede urna mulher de idade, parda
ou crioula para urna casa de pouca familia ;
no atierro dos Aflbgados n. 73.
Alugao-se dous pretos semanalmente
das 6 as 9 horas da manhaa e de urna as 4 da
tarde.
__ Na ra Nova n. 33 precisa-se de um ho-
mem para tomar conta de sitio e cultivar orta e plantacoes.
Compras.
Compra-se um ri&tf tourina : na ra
estreita do Rozario n. 17,
^= Compra-se a obra de Pope em ingle.,
nova ou usada ; na ra das Trincheras n. 18.
Compra-se um fiteiro de roda, e um
caixo de vender miudezas; quem tiver an-
nuncie.
Compra-se effectivamente para fora da
provincia escravos de ambos os sexos ; u 13 a
20anuos, pago-se bem seno bons?*; qa
ra larga do Rozario n. 3,0, primeiro E
= Vende-se a estimavel obra scencia do forrar salas cb isson a 2240 ; na ruada Ca^
Publicista do Frtot, emllv. em bom es- dla tena n. 31.
tado e por preco cmmodo ; em Olinda ra \ Vendem-se licores de d.versas qual.dade,
deMathias Ferreira .asa do distnbuidor do agoardentedore.no, an./, genebra, espirito
de finias i de vjnh(>f tudo de guperior quaul|ade e por
- Vendem-se dous cscravos de nacao com preco mais comrnodo do que em outra qualquer
honTta fiaura "">de 20 annos. coiinbeiro I P'e i na rest,lac5 da a de S' ,,ta n" 85\
a *.'..-------l. ._. Vende-se urna mcia-agoa sita ao prin-
l73das.
Vendem-se listas geraes da Lteria da
Matriz da Boa-vista ; na livraria da praca da
ludedeudencia ns. 6 e 8.
Manocl AI ves Guerra na na do Vigario
n. 3 vende taxas de ferro batido e coado de
todos os tamanhos por preco muito barato,
e travs de madeira superior de 36 a 50 pal-
mos e de 7 a 10 polegadas de grossura.
Vende-se um piano forte de excedentes
vozes e de muito acreditado author, por pre-
co comrnodo para liquidacao de contas; no
largo do Corpa Santo n. J7.
Vendem-se 4 escravas mocas com boas
habilidades ; duas ditas boas cozinheiras, e
engommadeira ; duas mulatas, urna de 30
anuos, perfeitaengommadeira coztnheira c
ptima para ama de urna casa e trata muito
bem de criancas ; 2 moleques de 12 a 16 an-
uos ; um preto bom para todo o servico : na
ra de Agoas verdes n. 44.
Vende-se a obra intitulada Lenortorio
do Theatro F t, composta de 55 volumes:
na ra do QueisiKo loja n. 3.
Vendc-sc um balcoe um caixao envi-
dracado proprios Dar venda ou podara :
na ra da Cadei. o ttecife n. 38.
Vende-se um relogio sal-, ete de prata:
na ra do Queimado loja n. .
Vende-se urna es' r de naco moca ,
cozinbeira : na ra do kozario ua Boa-vista n.
53, segundo andar
Vende-se c. corrfcme de lustro, e Ba
barretina para inferior de guarda nacional, tu-
do em bom uso por preco comrnodo : na ra
do Queimado loja n. 13.
Vende-se um par de adragonas nova pa-
ra capitao de infantaria cavallaria ou arti-
heria urna *>anda nova de malha ingle/a
e com borlas r'e ouro um relogio para cima
de meza com sua
,'
pianna e ret'oma obra de
muito bom goslo ; na ra do Crespo loja da
esquina que volta para a ra as Cruzes.
Vende-se urna cama de condur em bom
uso e para casal : na ruede S. Rita n. 6.
Vende-se manleiga ingleza da mais su-
perior o 0G0. c 800 rs. azeile doce a 480 a
garrafa dito de coco a 360, espermacete a 680
a libra pasas novas a 200 rs. cha superior
< 2fC0e 2240 far a do Maranhao a 120 .
siv a 360, amendor a280 anotes a 160 .
sal de Lisboa muitoalvo a 1600 pela medida
velha caf a 160 vinhoenga-rafado do Por-
to e Lisboa dito em pipa da uesma qualida-
dade da Figueira e do Cettc a 1280 a cana-
da, e a garrafa a 200 rs, e todos os mais gene-
ros de venda : na ra Nova venda n. 65.
Vende-se a quem mais olerecer urna
parte, ou todo o sobrado da ra do Amorin
n. 29 c o do Codorniz n. 10; na ra do No-
gueira n. 13.
Vende-se muito bom milho tanto a
retalbo como em porco a 1600 o alqueire: no
deposito de larinba de mandioca na ra da Ca-
deia n. 19.
Vendem-se os seguintes livros novos c
usados : Selecta latina comentada primeiro e
segundo volume Fbula Terencio Cice-
rn is de ofllciis Novo methodo Syntaxe de
llantas Colleccao de pedacos em prosa em
portuguez Iranceza Diccionario porttil, e
algumas grammaticas para se aprende francez:
na ra do Nogueira n. 13.
Vende-se papel de pezo de primeira qua-
lidade a 2800 a resma ea quem tomar de 4
resmas para cima da-se a 2700 dito almaco
de machina, colxetes a 800 a duzia linha de
carretel grossas e finas a 360 a doeia thesou-
sendoum canoeiro melhor ; quem os quizer rinhas lisas edouradasa 360, 400 e 480 e
alugardirija-scaoCoelho n. 11. a duzia da-se mais barato, agoa de colonia
Joao de Viveiro Patricio faz sciente ao, superior em frascos grandes e pequeos agu-
publico que por haver outro do igual nome ,' Ibas francezas a 320 a caixinlia talheres finos
dehoje em diante seassignar por Joao Novaes 1 a 3200e a 3600 botoes de cores para rolletes,
do Reg Costa. J peotes de tartaruga rapem libras e meias di
Aluga-se um moleque ptimo cozinheiro; j tas arcia preta e princeza da Rahia: na praci-
na ra de S. Francisco n. 16 seguudo andar, j nba do Livramento loja do barateiro n. 53.
e outro ptimo trabalbau'pr de fouce e macha-
do ; na ra Direita n. 3.
=Vende-se urna meia-agoa com dous quar-
tos o cacimba por preco comrnodo na ra de
Manool Coco venda da esquina n. 20.
= Vende-se um escravo de Loanda com
boa figura carniceiro o refinador de assucar ;
na ra do Queimado n. 29 terceiro andar.
Vende-se urna negra de nacao, de 20 an-
nos ; no forte do Rom Jess.
Vende-se rape de Lisboa a rotalho di-
to arcia preta de Meron $ Companhia tanto
a retalbo como por atacado pelo preco que se
*ende no deposito; u?. ra da Cruz., venda n.
26 por baixo do deposito do mesmo rap.
Firmino Jos Felis da Roza vende
muito boa farinhade trigo americana por com-
rnodo preco e tambem franceza vinda do Ha-
vre de Grace pelo ultimo navio ; e saccas com
farinhade mandioca a 2560, de qualidades re-
gulares ; na ra da Moeda n. 7.
Vende-se urna lancha por preco comrno-
do de contrueco ingleza de boas madeiras,
propria para carregar ou desagjar qualquer na-
vio ; existe na rampa entre os trapiches do al-
godao : na ra da Guia n. 28.
Vende-se urna cabra de leiteenri cabri-
to; no sitio da passagem do Arrombado o", na
ra do Rozario venda do peixe frito n. 9, na
mesma compra-se um oculo de ver ao Icnge.
Veodem-sa dous escravos da 2 annos,
pjopios para todo o servico sendo -"S acos-
tumado ao servico de campo e bo:: pagem ,
urna escrava :t>oca cozinha bem esgomma ;
e he lav?doira ; duas ditas de 20 annos para to-
do oservico; dous molaquosde 14a !5 anr.r.s,
para qua. uer servido ou oflicio ; urna v..a-
latinba ; c urna cacimba em mu:.o tvSuso,
por comrnodo preco : na ra do Fogo ao p do
K ozario n. 8.
Ven-la-ne um berco em muito boai uso:
na ra das Flores n. 17.
Vende-se r.m preto de naco da 18 an-
nos proprio paro todo o servico : na ra Di-
reita n. kQ,
*=s Vendem-se borzeguins e sapatos ingle-
zesnara bomem sapatos francezes de couro
de lustro por* senhora tudo de muito
boa qualidade: ua ra da Cadeia do Reci-
fe loja de fazendas n 37.
Vendem-se dous carros de 4 rodas de
bonito modello: em casa de J. O. Elster na ra
do Trapiche n. 19.
Ainda restad urnas saccas de farello, que
ce vendem por preco comrnodo; em casa de
. O. Elster na ra do Trapiche n. 19.
= Vendem-se 3 escravos de naco, 2 de
20 annos c /inhao esao ptimos para pagem
po> te.-?m bonitas figuras um dito carrticeiro
e entonde do ser :co de campo; duas escra>as
de nac5o, engorom'o, cosem, e cozinbSo, e
urna mulata recolhi Ji de 20 annos com as
mesmas habilidades ; na ra l'. ireila n. 3.
= Vendem-se barricas abatidas ditas com
farello dlas com farinha de milho, meias di-
tas com farinha e trigo ; na ra do Trapiche
novo n. 18 casa de Matheus Austin & Com-
panbia.
Vende-se i-msobiado de um amr ., si-
to na ra Direita dos A (logados esquina do
beco do Quiabo que d de renda animal
'200$ rs. por preco comrnodo; na ra das
Cruzes n. 30.
= No Recie ra da Cruz escriptorio de
Jos Antonio Gomes Jnior n. 23 se vende
por preco comrnodo saccas com alqueire: de fa-
rinha de mandioca muito lina c alva Jeita na
Muribeca.
Vende-ie um berco usado por preco
comrnodo ; na ra do Jardim n. 33 e aluga-
se metade da mesma casa.
^ = Vendem-se pecas de bretanha largas a
1600, ditas estreitas e finas a 2000, ganga
azul muito encorpad8 a 100 rs. o covado, cam-
bra ias adamacadas finas a 7000 o corte meias
para menino a 240 o par eoutras muitas fa-
zendas por preco comrnodo ; na ra. da Cadeia
do Recife o. 27.
= Vendem-se mil palbas de coco ainda ver
des por 10$ rs. ; as 5 pontas, sobrado n. 62.
= Vendem-se os livros seguintes : um Te-
lemaco em francez por 800 rs. ; um Atlas con-
tend) 47 cartas 36 modernas, e 11 antigs
por 7$ rs. outro contendo 10 por 3500; urna
grammatica italiana por um dos melhores au-
tores por 18 rs. todos estes livros em l>om es
tado ; na travessa das Cruzes n. 8.
= Vendem-se botoes de madreperola para
camisas ditos de oco preto para sobre-casacas;
no armazem de Joao Carroll & Filbo na praca
do Commercio.
bb Vendem-se esleirs finas da India para
cipio da ra da Paz 1: a tractor na mesma.
=Vendem-se superior Jacaranda; na ra da
Florentina em casa de J. Reranger n. 14.
s= Vende-se superiores pianos, e excellen-
tevinhodeChampanhe, edoRheno: m ra
do Vigario n. 4.
= No deposito de assucar rebnado, tsta-
belecido junto ao arco de S. Antonio, em fren-
te do caes do Collegio ha para vender assutar
refinado segundo o novo systema de fabrici-
c3 pelo qual se extrae a potassa e cal, dei-
xardo-se-o no eeu estado de pureza ; sendo
preco da libra do de primeira sorte e em pies
160 rs. e o de segunda e terceira em p,
a :20, rs.
vende-se um retojo orsontal, saboneta,,
caixa de ouro, repiticao voluntaria, trabalha so-
bre oito rubios, e um dito de parede muito bom
regulador. pera ajustar na travessa da ttadre
de Dos n. II, e para ver, na casa do relojoei-
ro ra estreita do Rozario n. 19.
Venoe-re urna porcao dedu2iasde vellas
de sebo foiU.s no racaty; no boceo da Lingue-
tac. .*.
Vendc-se -jma porcao de paos de mangue
de 25 39 palmos de cucr.. -"^nlo, enchameis
de 20, e de boa cuaKdade, caibros de 30, tam-
bem de boa aualita^e, tijolos c'alvenaria, la-
drilho, e te'ha, L o por mdico preco: tam-
bem se deitp. tr.:.:5.:aes em ojra ; na ra deS.
Amaron. 10.
.7,:,?/ ,7cs fartdos.
= No dia 15 do corrente fugio um pteto do
norr3 Jenedicto de noeao cesta representa
0 annos sem barba alto e magro bastan-
te pernas bastantes fins ps grandes o apa-
Ihetsdos e do p direito no joga o dedo
grande, he bastante ladino : quem o pegar
leve a ra da Cadeia do Recife a Joao Jos,-., do
Carvalho Moraes, que recompensar genero-
samente.
=s Desappareceo na noite de 16 do corren-
te o escravo Jacintho de naco Benguella, de
40 annos, alto, os joelhos metidos para den-
tro ps apalhe'odos com (alta de denles na.
frente e tem um lobinho em um dos cotovel-
los pouco barbado falla meio abestado, le-
vou chapeo de seda preta velbo, calcas de brim
e camisa de madapo:5o: quem o pegar leve a
ra da Senzala velha n. 136.
No dia 13 do corrente do engenho Con-
eoicSo em Bebiribe 'r.sappareceo um casal de
eseravos Andr de naco Rengela baixo ,
pernas um tanto encbadas representa 60 an-
nos carcunda sem denles na frente, falla
bem explicado levou vestido camisa e cerou-
lasdo algoda:v:nho e n>'is urna Irouxa de
roupa, Maria de nayo Rebolo alia bastante ,
de 35 annos bem preta cheia do corpo, cara
redonda pts grossose bastaata prendes, pei-
tos escorridos falla bvm explicado lexnu saia
de estopa e camisa de nl.>odozinho nova ,
consta que tornaran a estrada do Honilo para
i fa/enda das Pelladas ; <;-uem os pegar leve ao
dito engenbo ou na ra da Matriz da Boa-vis-
ta sobrado n. 26 segundo andar, que ser
recompensado.
Fugio no dia 17 do corrente um negro
de nome Domingos de naco Angola gros-
so do corpo sem barba boca pequea le-
vou calcas brancas camisa e bonet de panno
bem preto, desconfia se ter sabido para as par-
les do Manguind, ou passagem da Magdalena
por..tcrsido encontrado sexta feira na ponle da
Boa-vista ; quem o pegar leve a seu senbor
Joaqun Jos Rabello no beco da Lingoeta
n. 3, que ser gralificado.
No dia primeiro do Julho do corrente
anno fugio um escravo mulato de nome Vir-
ginio alio, c corpulento bem parecido ps
grandes cabellos pegados boa dentadura ,
falla manca pouca barba de 22 annos le-
vou um uniforme bramo e outro de algodao
trancado azul um bonet de panno fino com
gomos; quem o pegar leve a Villa de S. viguol
das Alagoas, a entregar a Jos da Rocha Wan-
derley que ser recompensado.
= No dia 2 de Junho do corrente anno fu-
gio um escravo de nome Antonio, de naco
Congo baixo secco feio nariz chato ,
pernas finas levou varias pecas de roupa ,
consistindoem calcas de algodao azul brancas
e de riscadinho branco e azul, jaqueta do mes-
mo e preta, camisas de riscado e brancas; q uem
o pegar leve a N. S do Terco n. 20 ou a '\ il-
la de Pcsjucira ao alferes Francisco Marques
da Silva que ser recompensado.
Recife: ka Typ. pkM. F.'db Fama. =1843.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E81S417PH_IWI3CY INGEST_TIME 2013-04-13T00:50:38Z PACKAGE AA00011611_05033
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES