Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:05025


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1843.
Sexta Feira If
de Agosto
Todo agora depende de nos mesmos; d. 0. prudencia, moderago, enero.. con
ftnuemo. comopr.nc.plamos, e ipoudos1'com .^ ^ |Efc,3
__________ ( Proclamago da Asscmbleia Geral do Bisil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES
":""' e r"kai "U e sextas feirae. Hio Grande do N trie, quinta, feri.
Bonito Garsnhuns, a 1i e >4. ^ ir.a.
Cabo -le.ni'.vn. Hio Formo Portt Calvo. Maieio. e Alaoas nnl'Jj 21
Boa-nslae llores i3e 2s. Santo Vulio quintas feiras Oliodi todos o diaj
das da semana.
7 Seg. s. Caetano. Aod. do J de D. da 2.
8 Terg, s Cvn.co M. Re. Aud. do J. de D. da 3 t.
S Quart jeJQia a. Itomio ud. do J. de 1). d 1 t.
40 Qoiol, [ s Lourongo .Vi
4' Sex. m. Tiburcio e .-uinia Mm Aud. do J. de D. da 2. Y.
42 Sab. i. Clara V. 1". Hel. And' do J. de D. di 1 T.
43 Uom. < llypolito e Ciisuno.
- inMapaw
<0 f kWH
'^**SiaaHM
Anno XfX. N. 172.
O Dubio publica-se todos os diaa que n.io forem Santificado*: o preog da saigotara he-
de trea mil rea por quartel pa?os adiantndos Os annnmios dos sssignan'es ao inserido
gratis eos dos que n.io forem i rasjo de ftUreie p.ir linh. As reclamagoea de- "
gidas a esta Tip., ra das Cruies N. 34, ou aprai-a da Independencia loja de Ht
levem serdiri-
ros N. Ce8.
cambiosN da 'J de Agosto. compra
Cambio obr. Londres 2 o a 25 i. Oimo-Moede da 6,t) V. 1<> 8 W
Paria 3.0 reispur franco.
Lisboa 110 por i 00 de premio.
a N. l.OUJ
d. 4,'JOO ,MI
FauTl-Patacea 1,8'
a 1'eioa C.ilumriarta l,ilZ0
ditos Hecanoa !,'J20
renda,
17 000
4ti,8UU
.400
i,40
i,'.'lo
i,y40
Moeda de cobre 2 por cento.
dem deletread, boas firmas 1 f a f.
PHASES DA LLANO HEZ DE AGOSTO.
Loa Cheia 10, lia 2 borato -5 m. da ui I La nota a 25. os ti minutos da trele:
Quart. ming. 18, s 4 horas. 20 m. da m. I guar. cr.se. 2, s U horas e 7 ni da tarde.
Preamar de huje.
a 5 horas 18 m. da manbaa, | J, a 5 hora, a 42 m da tarda.
Governo da Provincia.
EX PUDIENTE DE 5 DO CBRENTE.
OfflcioAo inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes, communicando terpermittido,
que a lobina concedida para a imprcsso das
memorias histricas desta provincia, organisa-
das pelo cidado Jos Bernardo Fernandos Ga-
ma seja dividida em duas mcias loteras de
32:500s000 res cada urna, conforme o plano ,
que por copia Ihe remelle, e que deve substi-
tuir o antecedente : scientilcando-o, de que o
importe dos bilhetes, que se haviao vendido ,
deve ser restituido aos compradores: e ordenan-
do que laca constar esta deliberacao ao thesou-
rei' o da mencionada lotera.
Dito Ao mesmo, determinando, que faca
recolheraos respectivos cofres aquantia de rs.
i4'260, que Ihe ser remetlida pelo comman-
dante eral do corpo de policia, proveniente de
deseo.itos, leitos em algumas companhias do
mesmo corpo, porobjectos de armamento, e
equipamento extraviados.Officiou-se ruspoi-
to ao commandante geral do corpo de policia.
Dito Ao jtiiz de direito interino da primei-
ra vara do crime, nnmeandoVo para presidir o
andamento das rodas da primeria parteada 14.
lotera do theatro publico.Communicou^So
respectivo escriva.
Dito Do secretario da provincia ao admi-
nistrador da mesa do consulado, aecusando re-
cepca do seu offlcio de 3 do corrente, que a-
companhou obalanco, tabellas, o mappas da-
quella reparticao, relativos ao anno financeiro
prximo passado, o a recopillacao do ponto dos
respectivos empreados.
Commaiido das Armas.
CONTIAl \(,A 1)0 EXPEDIENTE DO DA 24 DO P.
DitoAo commandante interino do 2. ba-
talhao d artilharia mancando addir as pracas
de pret reformadas Antonio Jos de Souza Tei-
xeira eJoaquim Jos do Santa Anna que
devia* lser parte do destacamento de Gaili do
l.'tle Agto em diante devendo por tanto
tal destacatrfSuto ser composto de 1 inferior e
'.' soldados.
DitoAo commandante do batalliao de in-
fantaria de G. N. destacado remettendo-lho
un olficio do obele de policia acerca do furto
feto pelo cabo Rebello para que procedendo a
urna escrupulosa indagayao informasse do re-
sultado devendo logo fascr recolher preso o
cabo por ter sido encontrado ebrio e tarde
da noite lora do quartel.
Portara Mandando excluir do 2. hatalhao
de artilliaria a no dia 2b' do corrente pa-
gas de sold, e elape at 25 34pracas do
l'ar e .Maraiihao cujos nomes iao discriplos
Da relacao que se Ihe remettia eque as 8
horas ila nianli a do referido dia 26 as fizesse
embarcar no vapor Paquete d'i Su! .Vlandava
mais que o restaste das pracas do Parae .Ma-
ranhao pansasseo ut;sta data a electivas do ba-
talhao, abonaado-se-lbes os vencimenlos a que
livesseol direito.
Dita.Mandando excluir no dia 2G do 2.
'li.iao de artilharia a p 11 pravas que devio
seguir para a curte na manhaa do dia 2 no va-
por Paquete do Sul, pagas de seos vencimen-
los al 2ii.
DitaCom data de 23 mandando excluir
a tres pracas do 2. o hatalhao de artilharia a p ,
e embarcal-as no dia 20 com outras no vapor
Paquete do Sul.
dem do da 26.
Oflicio--Ao Hxm. Presidente, informando
o requerimento do capito A. F. deS. Maga-
lhaes, que pedia mandasse lser eleclivo o
desparto de 6 de Outubro de 1841 organi-
sando-se a conta t.o que despender com o ex-
pediente do commandantedos engajados da for-
taleui :!; l'amandar e pussando-lhe pela ihe-
ii_na a compleme cautella.
DitoAo mesmo lis.mi. Sr. remettenilo-
llie o mappa da forca de linha e de G. N des-
tacada COm (ll'il.ir.u'w. rfa qrjo CStfSyn Pm
mito e da dispunivel para o servico da
guarnico da praca e extraordinarios con-
forme pedir.
DitoAo mesmo Exm. Sr., dizendo-lhe
que em observancia de suas determinacoes, ti-
sera nesta data passar para bordo do vapor Pa-
quete do Sul 49 pracas cujas guias enviava ,
sendo 35 do Para e Maranhao e 14 desta
provincia.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. remettendo-
Ihe a segunda via da informacao dada em 22 de
Junho ultimo, a respeito dos cavallos que forao
destinados a puchar o parque da companhia de
artfices.
DitoAo inspector da thesouraria requi-
sitando-lhe as fes de officio do capitao comman-
dante do forte de Gaib e alferes Francisco
Jos Gomes para em vista dolas se poder or-
ganisaras relacesde conducta dos officiaes do
estado maior 2." classe que vao ser remetti-
das a reparticao da guerra.
DitoAo commandante da fortaleza do Th-
mandarc disendo-lhe que o officio que Ihe
dirigir a 10 nao fora bem entendido e por
isso voltava o sargento para tomar conta do
commando do destacamento o por elle se re-
mettia os vencimentos do mez de Agosto.
,. Dito-Ao commandante do batalhao de arti-
lharia para faser voltar a Tamandar o sargen-
to que alicommandava o destacamento man-
dando por elle os vencimentos do mez de A-
gosto aserem entregues ao respectivo com-
mandante cumprindo que o sargento fosse
acompanhado de duas pracas que ficario no
destacamento regressando ao batalhao outros
ilous.
Dito Ao mesmo remettendo-Ihe o re-
querimento do soldado Ignacio Gomes, para
que ouvindo a respeito de seo conteudo ; zano Marciano Jos do Mello remettido pelo
delegado da cidade da Victoria, informasse com
o resultado do seo ezame.
DitoAo capitao Antonio Paz Cortez res-
tiluindo-lhe o seo requerimento no qual pe-
dia as vantagens de terca parte desold durante
o tempo que servio na guerra de Panellas por
ser tal pretencao contraria ao que est determi-
nado nos avisos de 8 e 11 de maio ultimo.
DitoAo desembargador ebefe de policia ,
aecusando recebidos os desertores Manoel The-
motio Felippe Nery de Souza e Joao Gon-
calves Ribeiro, mencionados no seo officio des-
ta data.
dem do da 27.
OfficioAo Exm. Presidente, ponderando-
Ule que melhor seria conservar as pracas de arti-
lharia nos fortins S. Pedro e Montenegro da
Cidade de linda mandando-se dar nos mes-
mos oleo e entregal-os a vigilancia de um
pequeo destacamento, pois que em casos ur-
gentes podioser com facilidado postos em es-
tado de defesa.
DitoAo mesmo Exm. Sr enviando-lhe,
para ser paga a conta da despesa fcita com a
condueco da peca de artilharia quescrchava
na ladeira do Varadouro da Cidade de Olinda
DitoAo mesmo Exm. Sr., informando o
requerimento do cirurgiao F. Sebastiao Jos
Gomes que pedia ser provisoriamente empre-
gado no batalhao de artilharia cujo plano de
organisaco alem do cirurgi3o-mr, dava
dois cirurgies ajudantes.
DitoAo Exm. Barao de Caxias e com-
mandante em chefe do exercito do Sul re-
mettendo-Ihe a guia do 1. cadete Jos Pereira
eixera que ia servir no 4.o batalhao de fu-
zileiros.
Dito Ao commandante do brigue escuna
de guerra Leopoldina acusando o recebimen-
lodc-quatro recruta que liverao conveniente
de'tino.
DitoAo commandante do 1. batalhao da
O. N. deste municipio, enviando-lbc o reque-
rimento de Anglica Francisca dos Prazeres,
que pedia a excluso de seo filho Tbeodoro do
Espirito Santo do batalhao destacado para
mi r,'vPo fcar-daJu Jt> iuuima. tvwra sua
pretencao.
DitoAo desembargador chefe de policia ,
sobre objecto do servico militar.
DitoAo delegado supplente de Podras de
f<>go, devolvendo-lhe a conta das desposas ,
que fez com o destacamento que ali existi a
fim de satisfaser as exigencias do commissario
fiscal do ministerio da guerra.
1EM do da 28.
Ofllcio Ao Ex. Presidente, communlcan-
do-lhe, que ao commandante do briguc-escuna
de guerra leopoldina se mandnu a presentar
um ollicial subalterno, para servir de vogal no
conselhode guerra do sargento Alexandre Jos
de Carvalho.
Dito Ao inspector da thesouraria, disen-
do-lhe que expedir ordcni ao commandante do
batalhao de artilharia, para so entender com o
commissario fiscal, sobre as duvidas encontra-
das as relacesde mostra do mez de junho de
1842, aflffi de seren taes relacoes reformadas ,
e que a respeito da ordem que quer o commis-
sario fiscal seja dada, para que oscommandan-
les de corpos, de fortalesas, e todos os oficiaes
que, recebem vencimentos pola reparticao da
guerra comparecao a seu convito sempro que
ncontrar duvidas Independento de novas or-
dens, nao era isto conveniente a regularidade
do servico, posto que facilitasse o expediente;
visto queoscommandantesdo corpos, de forta-
lesas, emesmo oficiaes, nao podioserdistra-
hidos do exercicio de suas funeces som deter-
minaca especial do commandante das armas ,
que devia tambem ter scioncia das faltas, oucr-
ros encontrados em os papis decontabilidade,
para os faser corrigir, ou emmendar.
j Dilo Ao tenente-coronel commandante da
Ilha de Fernando, pedindo eselarecimentos a
i cerca de uns barrisde plvora arruinada exis-
! tentes no paiol do forte do Brum, para se lhes
i poder dar destino.
Dito Aojuil do direito interino da primei-
ra vara, procurando saber se lora definitivamen-
te sentenciado, o soldado Luis Pedro de Mello
Seabra, alim de sor chamado para o servico do
batalhao.
Dito Ao delegado supplente da cidade da
Victoria, disendo-lhe, que Marianno Jos de
Mello eslava a dover ao soldado Ignacio Gomes
aquantia de4lgi80 rs., que nessa cidade Ihe
entregara, eque existindo jem seu poder ou-
tra quantia de 4:^920 pe.rtericente ao mesmo
soldado, houvosse do remetter ambas para
serem devidamente entregues, ficando desta sorto
desonerado o cx-soldado Francisco Borges de
Jezus que fora substituido pelo dito Ignacio
Gomes, mediante a quantia de 100# rs.
Dito Ao commandante interino do segun-
do batalhao de artilharia p, para que fosse a
reparticao do commissario fiscal do ministerio
da guerra, e com elle se entendesse sobro as
duvidas encontradas as relacoes de mostra do
mez de junho prximo passado, pertencentes
ao balalha terceiro, hojo do sou commando.
Dilo Ao commandante do deposito sobro as
duvidas apresentadas pelo commissario fiscal
na conta do lardamento.que se eslava a dever ao
sargento Sobreira.
Portara Mandando excluir do batalhao de
inlantaria do guardas nacionaes destacado o
guarua Manoel da Silva Cordeiro logo que se
apresentasso o competente substituto, confor-
me determinara a presidencia em olncio de 26.
IDKM DO DIA 29.
Olficio Ao Exm. Presidente, informando o
requerimento de Francisco I'elicianno Xavier de
Holanda, que pedia ser excluido do batalhao des-
tacado.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., informando o
requerimento de Jos lavares de Mello que
tambem supplicava ser excluido do batalhao de
inlantaria de guardas nacionaes destacado.
DitoAo tenente-coronel commandante do
batalhao destacado, para que exigisso do preso
rebelde do Rio Grande do Sul Antonio Pies da
Silva a patente de alferes de segunda linha, que
dice ter c procurar saber deilea rasad porque
nao reclamou na corte, o em tempo sobre a tro-
ca do nome porque tratado as relacoes e pa-
pis vindos da Ilha de Fernando, e o que vem
laucado na patente.
Dito Ae commandante interino do segun-
do batalhao de artilharia, disendo-lhe que cha-
masse pata o servico o soldado Luiz Podro de
Mello Seabra, que no dia 20 do corrente (julhoj
fura absolvido nos forados fasendo nos seus I
assentos a competente nota.
Dito Ao desembargador ebefe de policia, |
communioando-lhe o resultado das invostigaedes
sobre o furto feito pelo cabo Rebello do bata-
lhao destacado, a un vendelhao, o disendo-lhe,
que o mesmo cabo j endemnisara parte do furto
(bem que nogasse tc-lo commettido e que fu-
ra rehaixado do posto, e castigado com prisa,
nao so pelo furto, como por ter infringido as
regras disciplinares do batalhao.
dem do da 31.
Officio Ao inspector da thesouraria dan-
do-lbe o esclarecimento que pedia a rospoiti
dos vencimentos do sentenciado Jos Macario
Fres, e mesmo sobre a naturesa de sua sen-
tenca.
DitoAo tenonte-coronel commandante da
Ilha de Fernando de Noronha, mandando por
em liberdade o soldado Jos Macario Froes, por
lerjustamenlc linalisado a sentenca de trez ali-
os deprisao com trabalbo a que fora condem-
nado pela junta de justica do I'ar, fasendo-o
regressar a esta capital na primeira opportuna
occasiao.
Dito Ao commandante do batalhao desta-
cado, mandando levantar a nota de desercao do
cabo Manoel Corrtia de Albuqtierque, por ter
adoecidoem Goianna e feiloali sua apresen-
taea ao commandante do destacamento, antes
to praso marcado por ser considerado desertor.
Portara Mandando excluir depois da revis-
ta de mostra o primeiro sargento Felicianno
Francisco Xavier de Holanda por assim o de-
terminar o Exm. Sr. Presidente da provincia.
Thesouraria da Fazcnda.
EXPEDIENTE DE 2f> DO PASSADO.
Officio Ao Exm. Presidente da provincia,
enviando a conta dos supprimentos faltos por a
thesouraria s provincias do Para, Cear, Bio
Grande do Norte, e Parahiba, no exercicio do
1842 1843, em cumplimento das ordens do
tribunal do Ihasouro publico nacional, o dan-
do com ella todos os eselarecimentos que S.*
Ex. exigi por officio de 24 do corrente (julhoj.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., informando so-
bre o requerimento do cnsul Portuguez, em
quesequeixoudo sequestro feito no engaito
novo do Goianna deque se achava de posse a
Santa casa da Misericordia da cidade de Lisboa.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., enviando a ta-
bella das loterias, que se tem concedido di-
versos desta provincia, pelo poder geral e pe-
los provinciaes, com declaraca de quanlas se
tem oxtrahido, quantas faltavao a extrahir, e
quantas so tem oxtrahido animalmente termo
medio, como S. Ex. doterminou em seu olfi-
cio dolido corrente (julho;, para dar cumpri-
mento ao imperial aviso de 14 de junho pioxi-
mo passado.
Dito Ao engenheiro em chefe encarregado
da demarcaco dos terrenos de marinha, para
mandar proceder a medicad do terreno allagado,
que requereo, alem do que eslava medido, Joao
Dornelly, at a direceo do caes projectaao.
ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SKXUOKKS DKPLTADOS.
SeMsao em l." de julho
Entra em discusso o parecer de commisso
sobre a continuacao da administracao do Sr.
Baro da Boa-vista,
Despois do Sr. Carnero da Caoba oppor-se
ao parecer e esle ser sustentado pelo Sr. Gon-
salves Marti ds membro da commisso, lica a
discusso adiada.
Remotte-se a commisso respectiva urna n-
dicacodoSr. J. M Pereira da >ilva para que
a commisso especial do cdigo do commercio
nomeada por esta augusta cmara exponha
casa o resultado de suas fadigas e com ur-
gencia promova o andamento e satislacao de
urna necossidade to clamorosa como a de urna
lei mercantil, que fixe a legislacSo e defina os
crimes commerciaes que posso ser punidos pe-
los competentes tribunaes a fim de terminar
essa ternvel cabos de intelligencias, ir:lerpre-
taies e opinies sobre taes materias, e a conti-
nuaciiode repetidas banca-rotas que entre nos se
succedem com escndalo quasi todos os das.
Julgo se oliiecto de deliberaran o ,n -
* -v a
imprimir tres projectos do Sr. Nabuco de A,-
raujo sobre objectos judiciari"-


Contina a discusso das emendas ao orea-
monto da receita relativas ao imposto da con-
tribuic/io das lujas
E' potada a seguinte emen la substitutiva ao
artigo 5. :
O imposto estabelocido no artigo 2. do
aforra de 20de outuhro do 1812 e Iterado
pelo artigo9. t- da lei de 22 de outuhro do
18 16 boti oolirado n rasao do SOS rs soliro
toiljs as lojas vendas o casas mencionadas ern
o sobrediloalvar e lei existente as capitaes
do Hio de Janeiro Bahta, Pernambuco e Ma-
ranhao ; na de 208 rs. sobie as das outrasci-
dades e capitaes do imperio ; na de 108 ,s-
soliro as de todas as villas, na de 58'S. sobre
as das povoacoes arraiaz ca pollas, e aldeias.
S. a R. Henriques.
Torno parte na discusso os 5rs. Assis Rocha
e Souza Martins.
OSr. "ouza e Mello com consentimentoda
cmara retira a sua emenda e recuero en-
cerramiento da discusso que awim se vence.
E' approvada a emenda substitutiva da com-
misso em ambas as litas parles : todas as ou-
tras emendas ficao prejudicadas.
Entra em discusso o a ligo 6. A taxa, que
actualmente pagao os escravos das cidades o
tillas lo imperio, fien elevada a 2o> .fs. .compro-
hendidus os Africanos livres por quem res-
ponders os que os tiverem.
To:n;io liarte na diftU*aiO os Srs. Franco de
S llenri-iues de Rosendo GomtS do Car-
valho Roba Sm'.a e Mello Vianna, Im-
nistroda fazonda) Carneiro da Cunba e Pau-
la ( an I ido.
Sao a potada as seguintes emendas :
Suprima-se o artigo 6. ^fssis Ro-
cha.
A passar o artigo diga-se ''Ficao ex-
ccplU'tlos da taxa >s escravos menores de 8 an-
nos. S. a R. A$a* Bocha.
Sao anotadas outras emendas e a discusso
fica adiada por nao baver casa.
dem do dia 3.
Lp-soefi'-a adiado por se pedir patarra, o
parecer da oommissao do instrueco publica .
soliro o reqiieriuvnto do Francisco Xavier de
Oliveira Pereira licenciado em direito pela
universidade de Paris que ocle ser conside-
rado como formado as academias do imperio .
e apio par i os lugares de magistratura inde-
pen lente do exame das materias que as es-
colas de direito fran-eas se nao estudao ; sen-
do acom nissao de parecer que nao ha moli-
no alg'itn pira que e rev igue em proveito de
suplicante a disposico da lei de 30 de \gost<>
de 1831
Julgi-se o'ijecto do deliberaco o va a im-
premir o seguiote projeclo da contmiasao de
marinlia e auerra
O govorn aatortaado a tomar em con-
sideracao as represen tacos que Hie forem foi-
tas p -los offi ;taes do exercito o da armada em
eonsequoniia da exeeino da lei n. 200. '"O
1.d-sotemliroile I8V1 laosomen'e p .r es-
pa-o ile 0 mozos depois d'es'a antorisacao Paro
da cmara dos dopiitados. l.de lu!hodel843
Sehuslifo do R'go. ergio
Contina a discusso d i parecer de commis
sao sobre a licencia pan <|ue contine na admi-
nislrac o la provincia de Pornambucoo Batn
da Boa visla
Depois do Sr. Mendos da Cunha discor-
rer sobre a materia, lira a disoussiio adiada.
Contina a discusso do artigo 6 das emen-
da da commissaO sobre o orea ment da receita
com as emendas apoiadas.
E' mais apoiada a seguinte additiva ao 6.
artigo.
Os limi'os da arrecadaco roste imposto
serio os mesmos da -efunda decima urbana.
Justiniano Jos du Rocha
Toma parte na discusso d'esle artigo o Sr.
Fonseca e a final d-sc por discutido e pos-
to a Mitos approvado e todas as emendas sao
regeitadas.
Entra em discusso !
Art 7. O imoosto do sello ser de ora
em diantc de duas especies, um proporcional
e outro fivo.
SI. Ao primeiro ficar sujeitos todos
os papis de contratos do emprestimo de di-
nheiro bem como letras de cambio e da trra,
crditos eescripturas ou papis de venda, de
hvpotheca doaco, deposito ou de qualquer
oiitro modo de transferir a propriedade ou usu-
fructo : os recibos de pagamentos de dinheiro;
os formaes ne partdlias ou cerlidiios de qui-
. nbi'S de herdoiros ou legatarios ; osconheci-
rnontos das inorcidorias exportadas ou impor-
tadas; os d*paehos d alfandoga o mesas do .con-
miado ; alrctamentos arrendamenlos, das
propiedades de raz ; contratos de aluguel, e
as apolnea do seguro e das companhias an-
nimas.
O imposto proporcional sera equivalente
a um quinio yv rcr.ic .!< iMiOiea mprclivu* ,
nas nenhum escriptu poder pagara menos de
2. Ao imposto fixo (cao sugeitoscomo
at aqui os papis destinados aos actos civis
ejudiciarios e tambem os livros do commer-
cio das irmandades dos conventos o casas
decaridade, das cmaras municipaes das pa-
rochias dosescrives dos tabelliaes ; os do-
cumentos e requerimentos de qualquer espe-
cie os jornaes e quaesquer p iblicacoes peri-
dicas os papis de msica e em geral quaes-
ijuer ttulos ou papis que posso ter lem
juiso ou as repartices civis.
\ (jiiota d'esto imposto sobre jornaes sera
de 5 reis em cada folb i de qualquer tamanho ,
e sobre os mais objectos de 80 a 300 reis por
meta folha segundo a tabella que for forma-
da pelo governo.
O imposto do sello sobre titulos de nomea-
co expedidos polo governo por seus delega-
dos ou tribuimos ser de 1 por cont do valor
do ordenado ou da lotaco do offijio nao po-
diendo porem ser menos de 8 rs. ; e exten-
sivo aos diplomas dos deputados e senadores. Os
eleitores e vereadores das cmaras municipaes
pagar o sello fixo de 48 rs. pelo seu diploma.
Sr. Silva erraz prope o adiamento d'es-
le artigo at que que se imprima urna emenda
>|uc se acaba de apoiar para que os Srs.
deputados tenho tempo de meditar sobre ella.
0 adiamento apoiado e depois de discuti-
do regeitado.
Cont na a discusso do artigo.
1 '.lilao sobre a materia os Srs. Sonsa e Mello,
Rocha, que pronuncia-se contra o imposto
lo sol o sobre os jornaes e os Srs. Almeida e
Ibuquerque e Sousa Martins e a discusso
ica adiada pela hora.
PERNAMBUCO.
Sebastilo Lias do Araujo........
Vigario Francisco das Chagas Bi-
zerra e A veloz..............
Antonio Luiz Ordoniz.........
Serafim Gomes de Souza.......
Joo Pereira de Luce na........
Antonio Pereira da Costa.......
Jos Joaquim da Silva Crovello...
Manuel da Silva Crovello.......
Pedro Alexandrino dosPrazeres...
Francisco Goncalves Passos......
Joo Barboza Pello............
Francisco de Salles Pedroza.....
Amaro de Barros Silva..........
Christovo Ferreirade Moura.. ..
Cmalo Mendos de Moura......
Francisco Fcrreira Guimaraes...
Miguel Thomaz d'Araujo.......
Joo Ferreira Ncpomoceno......
Bernardo do Vahe e Oliveira....
Pedro Pereira Xavier..........
Jos Thomaz de Oliveira.......
Em 18 de mato, da commarca do
Brejo.
Francisco Alves da v i Iva........
Francisco AlvesCavalcantiCamboim
Jos Marta de Albuquerque.....
Francisco das Chagas Marinho..
Alexandre Ferreira doEspirito Santo
Amaro Fernandes Torres Galiodo.
Antonio Rotelho Ferreira.......
Capito FranciscoCordeiro LimaF.
Antonio Rodrigues Lima........
Manoel Simes Cavad anti.......
Francisco Jos Tiburtino.......
Joo Lopes Muniz............
Manoel da Costa..............
Manoel Francisco Freir.......
Jos Rodrigues Lima..........
20,000
20,000
12,800
10.000
10,000
10.000
10,000
10,000
10,000
8,000
6.000
5,000
5,000
5,000
5,000
5,000
5,000
5,000
5,000
4,000
4,000
30,000
20,000
10,000
10,000
10,000
4,000
4.000
4,000
4,000
4.000
1,000
1,000
1,000
1.000
1,000
. ..-
*l/V l '
CASA DE CORRECCO.
Relacio dos cidados que contribuirlo com as
suas subscripeoos para a factura da casa de
corroern nesta provincia cujas quantias me
foro entregues e recolhidas thosouraria
provincial por aulhorisacao do Exm. Sr. Pre-
sidente Baro da tioa-vista.
Em 2 de margo Bizerrot.
)s Sonhores :
renonte-coronel Francisco Xavier
de Lima.................. 20.000
Vi a noel d' Assumpoo de Azevedo. 10.000
t.mo Francisco Jos Correia..... 20,000
los Gomos da Silva........... 10.000
los Gomes da Silva Azevedo.... 10,000
Vloxandre Jos de Lira......... 10.000
loo Francisco Xavier.......... 10.000
loaquim Jos Bi-erra da Silva... 15.000
Ha noel Gomes da Silva......... 10,000
r. Francisco Filias do Reg Dan-
tas, jui/. de direito da commarca
do Naiareth................ 100,000
Em 20 de margo, da villa de
Iguarass.
Ilemcterio Jos da Silveira...... 20,000
Pedro Ivo Redivivo........... 32,000
Manoel d'AraujoCavalcanti d'Albu-
querque Lins.............. 32.000
Pedro Alexandre de Mattos...... 16,000
Antonio Pinto de Mallos........ 16,000
nlonio Fernando V. da Silveira.. 10,000
Manoel .loso Serpa............ 1O.O.0
Joaquim Ribeiro de Rrito....... 10,000
O Padre Jos Sebastio Carneiro da
Cunha.................. 10,000
Manoel Julio da Fonseca Pinho. 15,000
Joo Luiz Pereia da Fonseca.... 15,000
I.UZ Antonio da Silva.......... 8,000
Jos Pedro Carneiro da Cunha... 20,000
Henriqoe Pope Giro.......... 20,000
Rernardo de Barros Correia..... 6,000
Urbano Josde Rello........... 10,000
Antonio Barbo/a Cordeiro de G.. 10,000
Antero Jos de Mello.......... 10.000
ManoelThomaz RodriguesCampelo 20,000
Em 21 de marco da commarca de
Santo Anillo.
Estevo Rodrigues da Silva...... 50,000
Joo Lins Wanderley.......... 5,000
Commarca de Nazareth.
Jos Porfirio Lobo d'A mirado Lima 25,000
Antonio Miguel de Barros Lima .. 20,000
Francisco Gomes d'Araujo Lima.. 20,000
Domingos de Abren e Vasconcellos
Antonio Luiz Pereira.......... 20,000
Urbano da Silva e Vasconcellos... 10,000
Antonio Vicente da Costa....... 10,000
Em 2 de maio, da commarca do
/.imoeiro.
Ten.-coronel Christovo das Mer-
ces Goncalves Guerra........ 150.000
MajorJoslliginioGoncalvesGuerra 25.000
Christovo Olegario Goncalves G.. 25.000
I'v.r.. i.MU do Souza Barboza...... O.uu
Em 12 de maio, aa mesma cont'
*p,Qrca
SommaRs. 1:174,809
Pernambuco 5 de agosto de 1843.
Ferreira Bamos
Manoel
Com mullicado.
Ainda nao sahio a luz um so numero do pe-
ridico cuja prxima publicaco tem sido
annunciada com o programrna que inserimos
no />i'are do sexta-leira passada. Approvamn*
o programrna e por isso Ihe damos inserco
nesta folha declarando formalmente, que es-
tavamos esperando npplaudir ou combater o^
futuro jornal pelo desenvolvimenlo, que seos
redactles dessern ao programrna e pola di-
receo moral e poltica, que nesse desenvolvi-
mento descobrissemos.
A gente, que, julgando dos outros por si, em
tudo descobre intencoes traicoeiras, indignida-
des e vilezas, conm- loo em ihema de insultos
ao Ex.mo Baro um profjramina, que proscreveo
as personalidades, e declarando, que osinteresses
combalem actualmente sem fructo no campo
sanguinolento da politica qi>e ao espirito re-
volucionario devemoso atraso e a dosmoralisa-
co, ern que nos achamos, indica em seos auc-
tores vistas largas e pensamentos cstranbos ao
pgoismo, que dicta a maior parte das nossas fo-
Ihas. Sahe-se agoia o Diario novo di/.endo se-
riamente, que esta he a politica daopposico .
oque o K\."l Baro se va i chegando para as
suas doutrinas : risum tematts. Seria mpossi-
vel ao mais hbil analysla descubrir em todas as
publicaiesda opposico urna doutrina social,
um principio econmico ou poltico um ar-
tigo de applicacoadministrativa gcral. ou pro-
vincial, em urna palavra a mnima produeco ,
que honre urna penna a qualquer respeito. e em
qualquer sentido que seja. Se mentiras desas-
sisadas insultos sem graca, nem verdade e
astucias pueiis sao principios sociaes ; se vo-
cilorar. que o remedio para nossos males con-
sista em se decretar esta ou aquella lei que torne
mais desonlreada c corruptora a imprensa rega-
teiral, e parause ainda mais do que est a aeco
da justica e urna theoria politica ; se pregar a
insubordinadlo o santificar todas as revoluces
aplanar o caminho para a nossa industria; se
despertar odios entre os cidados de diversas
origens he dar forras ao governo para resistir as
prelences das potencias, que suspiro pela rui
na da nossa agricultura e do nosso commercio ;
se tudo quanto tende para desmoralisar o povo,
e fazer regressar os habitantes do Brasil ao mise
20.000J ro estado dos indgenas fossem doutrinas so-
ciaes essas sim essas abundo na imprensa
da praia, e sao os nicos pensamentos, que ella
tem manifestado ao publico at bo)e.
Se he verdade como assevera o autor do
communicado do Diario novo que os escrip-
tores da imprensa opposiconista tem as ideas ,
que nos fez conceber a leilura do programrna do
futuro jornal, se com efleito nao tem outro ob-
jecto mais do que contribuir para o bem com-
nium nao concehernos, para que recorrem a
meios to indirectos, que longede patenteiarem
gnntt8MBt0 u 110-
cessidades publicas mostro pelo contrario to-
tal inintelligencia das questes sociaes. e nem a
mnima aparencia tem de principios philosophi-
cos polticos, ou econmicos. Ninguemde
boa f e mediocre instructo negar que tudo
nos escriptos da opposico tem sido pessoal e
mesquinho que tudo parece at aqui egoismo
e politica de .Vaaareno, ou Indgena. Espera-
mos agora, que os escriptores da opposico se
desenvoUo e sahindo a> aecusaces vagas de
todos os aspirantes a empregos, nos memosoiem
com arligos de doutrina para reconhecer-
mos e proclmennos a indentidade dos princi-
pios da opposigo e das tendencias do futuro
jornal. Em vez de nos dar o primeiro exemplo de
um artigo profundo de loutrina na imprensa da
praia o autor do communicado largando o
veo de theorista obedecendo ao impulso pri-
mitivo da opposico, aconselha ao Ex.0 Baro,
que demitta empregados pblicos. e at que se
demitta a si proprio naturalmente para cortos
arranjos de gente faminta c pregui ;osa. que as
theorias e observaces moraes da opposico he a
gente mais honrada e mais habilitada para os
empregos e promette Ihe em recompensa re-
cebel-o com distineco no governo da sabia, mo-
ral, erica e noLre opposico praieira.
Ignoramos o que ser o futuro peridico,
mas se o autor do communicado he sincero ,
algum bem esperamos da sua puldicaco por
quanto o simples annuncio do seo programrna
Ihe faz dizer, que a opposico reprova os meios
revolucionarios por contrarios ao bem publico ,
ao desenvolvimenlo material e intelleciual do
Imperio, e que beamipo da conciliaeo; linuua-
gem esta, que approvamos admirados de a en-
contrar pela prirneira vez em escriptos da oppo-
ico. Esta conlisso contraria a tudo quanto a
ipposico tem publicado mostra que reoonhe-
cendo finalmente a sua impotencia para revolu-
cionar a Provincia e vendo que por f ra tudo
Ihe vai geralmente as avessas das suas esperan-
cas, hesita agora no caminho das intencoes cri-
minosas Ella quer certamente regressar para
ideas sociaes e aproveitar-se da publicac.-o do
programrna para inculcar com astucia de raposa
arteira, que o b'x.m0 Baro e nao ella muda
do systcrna e de bandeira e vai figurar glorio-
samente entro as altas personagens da praia.
Pessoas unidas to somonte pelonexodointe-
resse pessoal nao podem ter syslema, porque este
de continuo dilacerado pelas condiccoes da
unio : portanlo na opposico nao h nem
pode haver principios, e dahi vem a nnllidado
de seus escriptos, pois nao julgarnos, que todos
os opposicionistas sejo to ineptos como indi-
ca o que sahe da imprensa da praia.
Variedades.
DO CARAPUCE1RO.
Xecetiidade du restaktecimento das Milicias.
O espirito arremedador que tantos malos
nos tem causado, parece-me, le\e grande par-
le em a nossa instituico das Guardas Racio-
naos. A Franca as tem : lo-o ni'8 tamboril as
devemos ter. E os Estados Unidos d'America ,
que manlem as Milicias, Berilo lolos ,' ou que-
rer consonar urna insliluico inimiga das li-
berdades publicas ? Ctoe de mo havia em as
nossas Milicias para seren abolidas, e substitui-
das por osse monstro do Horacio chamado Guar-
da Nacional ? Pelo contrario ero aquellas to
bem organizadas e disciplinadas que rivali
savao com a molhor tropa de prirneira linha.
Corpos armados sem subordinarlo, e discipli-
na bem longede prestar sorvicos podem sor mui-
10 prejudiciaos: e se as nossas Guardas Nacio-
naes (justica Ihes seja feila) 1 o o (em sido
orriem publica mais he devidoao carador pa-
cifico dos individuos, do que mesma institu
ci ; porque na mesma le da sua creaco vejo
um artigo em virtudedo qnal o Guarda, an-
lesde marchar para qualquer servieo pode exi-
gir do seu lommandante, que Ihe diga para on-
de vai, cvc. Ser isto limito liberal; mas para
o servieo publico entendo ser um principio de
insubordinado, ededesordem. Com estes, e
outros engodos emhahio-se aciodulidade do po-
vo e se Ihe fez acreditar, que as Milicias ero
organisaces do despotismo e as Guardas Na
cionaes a verdadeira tropa em pai/es livros: mas
na realidade o que observo he o contrario. A
Guarda Nacional s he deliciosa para os ricos, e
protegidos. Estes nunca servem, e todo o pezo,
todo o atrpelo do servil o vem a recahir sobre o
pobre Artista sobre o triste jornaleiro que
ganho hoje o qu<> ho do comer manh.
No tempo das Milicias que era o to falla-
do tempo do despotismo o soldado que nao
queria, ou nao podia lazer o servieo, paga va-o
ao soldado pobre: qo o ia fa/er por elle. Ueste
modo o jornaleiro, o arlista nao sofrio privacao
de lucro anoo nos dias de servieo que por
escalla Ine locavo. Mas no librrimo systema
das Guardas Nacionaes nao succedo assim : os
ricos sao dispnsanos toila voz que pago o seu
servieo o qual he suprido polos ponres, sem
que wu paga reverla em beneficio Uestes ; por


m -
que ouco dizer, que esses dinheiros vao para a
axa do batalhio. Logo o rgimen Miliciano
era milito mus rasoavel, mais justo e mais
liberal.
Alm disto hoje nem os presidentes do pro-
vincia podem dar baixa a um soldado : mas os
commandiintes dos botalboes da G. N podem-
na dar ao Guarda, (|ue Ibes parecer. E ser is-
to conveniente aoservico^>uldieo ? Finalmen-
te um G. N. hoje, eni sendo pobre, c desvalido,
ho um bni de carro sempre com a canga no pes-
coco nao s fazendo o seu servico, como gra-
tuitamente o ilos abastados e protegidos ao
passoaue para o .Miliciano baviacomplcta igual-
dade de serpeo. E ainda haver qnem diga, que
s Guardas Nacionaes sao mais livres, do que ns
Milicias? Pela lei da creado das primeiras os
officiaes erao de elvicao do corpo de maneiraquo
este vivio na maior dependencia dos proprios
soldados o que nao podia deixar de produ/ir
urna completa relaxacao nesses eorpos : e tanto
se nonfaeco isto que a final delerminou se ,
que os oliciaes fossem de nomeacao do Go-
veino.
Para se conhecer a imperfeicao, com que
forao instituidas as nossis Guardas Nacionaes
basta atentar para ocalhamaco de Decretos,
Avisos, e Portaras, que tem sabido, amplian-
do reslringindo revogando e explicando
varios artigos da lei primitiva nao obstan-
te o que da Guarda Nacional pode-se dizer, que
he urna instiluinlo. ubi nullus ordo, sed sem-
piternus horror inhabitat.
A 30 ile septembro de 1837 oi appresentado
na cmara dos deputados, e apoiado o seguinlc
projecto de lei.
Art. 1. Fi'co restabelecidos os extinrtos cor-
pos de Milicias seus cheles o oliciaes. se-
gundo o estado em que se achavo antes da car-
ta de lei de 8 de agosto de 1831.
Art. 2. Os Milicianos ant gos, e os cidadiios,
que esti\erein as circunstancias de o seren, li-
tar o isenlos das N. uma \c/. que sojao re-
qui/ilados pelos ehefo* respectivos.
Art. 3. s G. N. (carao compostas d'aqucl
las clanes de individuos que anligamente se
alistavo as extinctas ordonancas.
Art. 4. O governo dar todos os postos ao*-
oliciaes, passando os capilaes mores denomi-
nacao de coronis.
tentar o seu proprio peso ahstraccao foita do
m. chinismo e carga. Dissemos porm que a
machina avancava com a parte anterior um pou-
co elevada ; e o elTeito desta disposicao e apre-
sentar a sua superficie inferior ao ar que alra-
vessa cuja resistencia, obrando como o vento so-
bre as velas de um moinho evita a descida da
machina. A suslentacao do lodo depende por-
lanto da rapidez da translacao e do seu ngulo .
e este exactamente o principio porque se sus-
tentan os passaros no ar com pouco o as vezes
sem nenhum movimento dasa?as.
Mas esto resultado, depoisdapartida.de-
pende inteirame.ite da conservadlo da rapidez ,
" antes disso da diliculdade ainda maior de ob-
ler essa rapidez. Todas as anteriores tentati-
vas desta especie falhrao, porque nao existia
machina alguma que reunisse ao mesmo lempo
a t:eeessaria forca c leveza para levantar o seu
proprio peso e mover-se no ar com a precisa
rapidez. 0 Sr. Henson venreu esta difficuldade
inventando urna machina de vapor do extrema
levo/a e efficiencia e lembrando-se de um
meio que requer particular meneo.
Todos os anligos inventores suppozero
COMMERCIO.
Art 5. Estes eorpos de terceira linha parti-
ciparan das atriliuicoes de Guardas Nacionaes ,
que forem compativeis com as antigs orde-
na ncas.
Art. 6. O governo propor ao corpo legisla-
tivo as allcraces, que fofem necessaiias a le-
gisla o destas duas linhas.
Art. 7 Fico revogadas &c.
Mu til me parece este projpcto : e se esta-
mos na quadra das relormas, por que se nao
cuida de relormar as Guardas Nacionaes ?
Carruagetn area de vapor.
OSr. Henson de Londres tem entre maos
um macbinismo com o qual pretende conseguir
viajar pelo ar e que parece oll'erocer alguma
proliabilidade de levar a elTeito um objecto tao
ardentemente desojado. O Jornal di Commer-
ct'o da algumas estampas ibste macbinismo, e
na impossibilidade de darnios este pra/er aos
nossos leitores aqu copiamos a discripcao. que
o mesmo Jorn.-I copia do Vluseo Universal, pe-
Ja qual se poder la/er urna id. a da obra do Sr.
Henson.
Imaginem os leilores um soalho ou plata-
forma de 150 p sdeconiprimcnlo e 30 de lar-
gura porque nao sabemos que nome dar a es-
ta parte principal da machina. Chamamos-Ihe
soalho ou plata-forma em consequeucia da sua
immensa ara, e com ludo eslS termos sao im-
proprios a menos que nao separemos delles
toda a idea ue peso ou estabilidaile pois que
esta superficie expandida que ntravesea osares
faz o ollicio de azas posto nada ten ha da sua
moco vibratoria ; nao tem juntas fortissi-
ma e tesa de um lado a nutro 0 com ludo de
extraordinaria leveza. Na sua translacao, atra-
vessa o ar com um dos parallelogrammos para
diante um pouco levantado. Urna cauda de
necessario leva na machina a forca precisa pa-
ra comecar e sustentar o vo. por isso que
uns falhrao em suas tentativas e que outros
nem se atreverao a fazcl-as. A nature/a e a ar-
te porm, mostro-nos que esta difficuldade
pode vencer-se eo^r. Henson seguindo o
que ambas indicao emprega o seguinte expo-
leme. A sua machina, prompta do ludo pa-
ra o vo parte do cimo de um plano inclina-
do descendo o qual attinge a necessaria velo-
'idade para snstentar-se no seu progresso. Essa
velocidade seria gradualmente destruida pela
resistencia do ar ; machina de vapor compre
pois reparar simplesmente a perda da velocida-
de e por isso tem apenas a forca e peso neces-
ario para esse pequeo efeito. este o prin-
cipal mas nao o nico mrito e originalidade
da invencao do *r Henson e a este feliz pon-
imiento deveremos provavelmente a primeira
'cntativa bem succedida para percorrer vonta-
de mais um dominio da na tu reza.
Seria fcil mostrar que este principio, ain-
da que disfarcado em apparenoia o que re-
almente oh a em toda a aoeao mecnica, e que
i for a que pe uma machina em movimento
deve ser considerada distincta daquella que con-
serva esse movimento Apontaremos porm s-
mente o exemplo lamiliar do relogio de parede,
que se trabalhar faz movendo a pndula para
um lado, e que se conserva a trabalhar por meio
do seu peso ou mola.
Assim o Sr. Henson pe a sua machina em
movimpnto pela descida do plano inclinado e
conserva esse movimento por meio da sua ma-
china de vapor
A questao pois se a s ja machina de va-
por (era a forca necessaria e esta questao re-
solve-se em outras duas, a saber: qual a for-
ca da sua machina o que tem ella a fazer? A
primeira a mais ujeil a responder. A sua for-
ca depende principalmente da quantidade de
vapor que a caldeira pode proluzir ; julgando-
a porcomparacao com as das machinas locomo-
tivas i-alcula-se que seja da forca de 20 caval-
los. Tanto a raldeira como o condensadoi sao
de construccao nova e engenhosa. Aquella
-omposta de 50 enes do cobre invertidos e
truncados, dispostos por cima e em redor do
fogo; podem conter 100 psquadradosdesuper-
ficie evaporada, da qual melado est exposta ; o
ca or radiante. O condensador consiste em um
numero de tubos pequeos ex oslos corrente
ib' ar i r ulu/ida pelo voo. O vapor trahalha-
ilo em dous cybndros. O peso da machina, com
20 gallos de agua de 600 libras.
A resistencia a encontrar nao se pode fa
cilmente estimar. A sciencia mecnica neste
ponto mui defeituosa. Julgando porm pelas
probabilidades que nos aprsenla a na'ureza,
parece que a forca da machina ser suffic ente.
A deciso desta nica duvida ser umdossuc-
cessos mais importantes que tem occorrido al
agora nos annaes da sciencia applicada. Oual-
quer que seja o primeiro resultado desta em-
preza temos que as principaes difficuldes es-
A lan dega.
Rendimento do dia 9.......... 2:6908136
Descarrego hoje 11.
Wm. Russell fazendas, forragens,
manteiga sabo carne salgada ,
louca, e macbinismo.
Brandywine farinba bolaxinba,
e barricas abatidas
Barca Naiane farinha, bolaxinhas, cb,
pimenta da India e cadeiras.
Barca
Briguo
He com o referido divertimento que o be-
neficiado convida aos Ilustres habitantes desta
cidade assim como tambem a s;us amigos, e
protectores do quem espera toda a proteceo o
concorrencia.
Principiar as 8 horas e meta.
IMPOUTACA.
Rrandyicine brigue americano vindo de
Philadelphia, entrado por franqua no corren-
te mez consignado a Matheos Austin & Com-
panhia, manifestou o seguinte: 5 fardos com
fazendasd'a godo trancado, 22 caixas ditas di-
to de cores 1 caixa calcados 480 barriqui-
nhas holaxinha 100 harris manteiga de por-
co 1,272 barricas e 175 ineias ditas larinha
de trigo 200 barricas abatidas com lampos e
arcos.
llovmento do Porto.
Navio entrado no dia 9.
Philadelphia ; 40 dias barca americana Na-
varre, de 2i2 toneladas, capitao Honz Cali,
equipagem 13 carga larinha.
Navios sahidos no mesmo dia.
Una ; hiato nacional Novo Destino, capitao Es-
tevao Ribciro carga varios gneros.
Lisboa; brifjuo portuguez I orujo, capitao
Manuel .1 ( Mi veira Faneco carga varios g-
neros.
Cabo Verde; barca hamburgueza Porothea
inihermina capiLo C. A. >\ ugrelle, em
lastro.
Avisos marilimos.
__ Segu para o Rio de Janeiro o brigue a
mencano Brandywine ; os pertendentes, diri-
jao-so aos seus consignatarios Malheus Austin
& Companhia, na ra do Trapixe novo n. 18.
Lcildes.
Ijlilac s.
Vicente Thomaz Pires de Figueiredo Camargo.
com'uendadnr na Ordem de Chrislo e ins-
pector d'alfandega, $c
ra saber, que no dia 11 do corrente ao meio
lia na porta da alfandoga se bao de arremar em
basta publica 1 caixa com 30 folbas de mo no
no valor de 158 reis 1 dita com 2i ditas d
Jacaranda no valoi de '22$ reis, 2 paos do mog-
no no valor de 308 r(-,|S. impugn dos polo guar-
da Thomaz do Aquino Carvalho no despacho
por factura de Wolfhopp enker & Companhia
sendo o ai rematante sugeilo ao pagamento dos
direilo e expodiente. Alfandega 9deayosto
de 1843.
V. T. P. de F. Camargo.
= A thezouraria de fazonda desta provincia,
tem de lazer algumas remessas em letras para
Londres, c por isso osSrs. negociantes, que
as quiserem dar hajo do comparecer na mes-
illa thesouraria no dia 12 do corrente mez. Se-
cretaria da thesouraria de faenda de Pernam-
buco 9 de agosto de 1843 Joaquim Fran-
cisco Bastos oflicial maior.
O corretor Oliveira far leilo de grand
porco do mobilia, consistindo im cadeiras no-
vas de Jacaranda e p >o d'oleo feitas com per-
feicSo no Porto, e outras na Ierra, sofs, mar-
quozas bercos, mezas de meio desala, e pa-
ra jogo carteiras, armarios, secretaria, com-
modas espelhos, &c. e um pianno maneiro
de lindo goslo algumas obras de prati relo-
gios, e allineitesde peito: segunda-lena 14 do
crreme as 10 horas da manha no armazeni
que foi doSr. Stewart, na ra da Cruz.
Avisos diversos.
sociEDADE PHILO-DRAM TICA.
(otr'ora NATALKNSE.)
Primeiro secretario aviMi aos Srs. socios
em geral que hoje [11) hasessoex-
traordmaria pelas seis horas e ineia da
pura se tratar de um objecto de grande
(I
Vi
ri
Declaracoes.
Por ordem do cnsul de Franca nesta ci-
dade e peranle o chancelleiro do mesmo con-
sulado noarmazem de Holli & Chavannes na
ra da Cruz n. 40 no dia 14 do corrente s 10
horas da manha. se ha de vender em hasta pu-
blica por conta de quem perleneer, uma cai-
xa do fazendas avariadas a saber 118 7/12 du-
sia'decassa lavrada vindos ult mmente pela
barca franceza Casimir de Lavigne.
50 ps de comprimen!" e de igual construccao I tao vencidas a um ponto tal, que se pode espe-
se acha unida ao centro da borda post. rior, e j rar com confianca o prompto e complet > suc-
por baixo desta cauda ha um leme. A Ira vez do resso do talentoso inventor especialmente por
centro corre uma tea vertical que corresponde estaiem ainda em reserva invences de origem
quilba de um navio isto evita a oscilla- recento que, pelo menos duplicaras a for-
ca >. Todas oslas diforentes partes da machina ca da machina de vapor.
sao construidas com o im especial de combinar j Aqui tem os leilores a doscripcao maiscom-
a forca com a leveza e estilo cobertas de sena, pleta que temos visto da estupenda invencao
As a/as. que acabamos de desi rever o logo por do Sr. Henson. Ancioso espera o mundo scien-
baixo dellas estao suspensos o carro e uma mui tfico pelo primeiro vo dessa ave de nova espe-
engen liosa e lorie machina de vapor, que faz ci que a lanas discusses tem dado lugar, e
mover duu< pur?, de vidas como as dos o oinhn* que mereceu a honra de ser presentada ao par
de vento de 20 ps de dimetro. lamento da Graa-Rretanba. O Atlas disse em
A principal feicao da invencao, al o pon- abril que uma experiencia se tinha feito, e que desempenhar aparto da Condeca disfarcada
So -ni que a nesetevemos a glande e\pan- a mchica se precipitara no canal da Mancha : em Cadete.
gao de seus planos sustentores que sao maiores no seu numero seguinte declarou porm que a I Ovarla e ultima parir
*,... |tivuiim> ao |ieso que tem de car regar do noticia fora uma pura ficeao armada por um seu Executar-se-: alinda jocosa, e empreapplau- a 3g'200 por bunil de 22canadas, ajusta-s
que o de inultos passaros ; ma ainda que fos- correspondente da Escocia. Esperemos pois. [ diJa pantomima intitulada o Sargento Marco safras inleiras e tambem assucar Lrijto de befi
seo;; tt:*9 ;yrcs, so pudcfi$o de jer ti na- j .. i Bomba, ou o revrutamento n ..Idea, Iqualidade,
THE ^TRO-PUBLICO.
Quinto divertimento para o dia do domingo
13 do correle de 1843. Em beneficio de Joo
Wanimiel.
Primeira parte.
Rafael Lucci com sua 111 ha Mademoizelle
Carmela executarao um novo duelo da opera
Ricriardo e Zoraide, do M. G. Rosini Ricciar-
do che veggo.
Segunda parte.
Mademoizelle Carmela Adelaida Lucci, exc-
cutar a linda cavatina da opera la Donna del
Lago, doM G. Rosini Ingrato o tu che io
adoro.
Terceira parte.
Rafael Lucci, com sua lilha Mademoizel-
le (.'rmela execul'rao o lindo e mui jocoso du-
O
larde ,
urgencia.
LOTERA 1>A M\TRIZ da
BOA-VteT*.
No dia J 7 do corrente mez
le Agosto, corre impreteri-
elment esta lotera, fquetn
u nao blietes por vender,
e o reslo acho-se nos luga-
res j ann nciados.
= Antonio Cardozo da Cunha Botelho, re-
tira-se para f6ra da provincia.
- Precisa-se oe 2008 r< is a premio com pe-
nhores de ouro por tempo e 2 mezes; quem os
quiser dar annuncie.
- Pergunta-se a irmandadede N.S.do Ro-
zario da Boa-vista qual o motivo de nao ha-
ver mis' a com assislencia nos dias Domingo o
-antos.
Iloga-se a cmara municipal, que haja
de lan' ar as suas vistas sobre os cabouqueiros ,
que existem tirando p<*dras nos lugares em que
a mesma cmara lem prohibido: este tiramento
de podras tem dado prejuiso aos propietarios
das Ierras em rasao do mar ter comido os ter-
renos : a cmara marcou, que se tirasse pedra
da Boa-viagcm para o sul e os cabouqueiros
e- t;"m as tirando da Boa-viagem para o norte at
o Pinna. Um dos prejudicados.
CJualquer Sr. de engenho, que se queira
utilisarde um homem que entende de pan-
taco de engenho comod'orta e pomar, ede
(railai esclavos iiuandodoentes, o qual d fiado-
res de re onhecida f sua capacidade; annun-
cie para ser procurado.
Quem annunciou querer saber aonde
mora a Sr. I). Angelica lilha da Sr- D.The-
reza Peroira Rabello Maya ; dirijase a ra da
Gloria n. 91 que se Ihe dir aondo mora.
Ai hou-se uma carteira no campo da praia
do Caldereiro com algumas letras e um meio b-
Ihe da loleria ; quem for seo dono dirija-se
a travessa do Pocinho venda n. 31, quedan-
do os signaos cortos Ihe ser entregue.
= 0 abaixo assignado v-se na precisSo de
declarar aos Srs credores do seu fallecido irmo
Manoel Pedro de Moraes Maycr que se devem
dipgir ao co-herdeiro Jos I'eij de Mello ao
qual so adjudicou as partilhas que se fi/erao,
o engenho Bamhurral com escravatura e gado ,
com a condico de repor aos outros herdeiros
parte de sua legitima em rujo numero entra o
dito fallecido herdeiro ; outro sim tambem o
abaixo assignado vende por proco commodo es-
ta parte de -ua legitima e de suas tres irmSs,
de quem he procurador na reposicao, que o di-
to Jos Feij de Vello tem de fazer, importan-
do na quantia de8:6WS530 rs. como consta
dos auto*, que esto no cartorio dos orlaos es
cto da opera // Posto abandnate du ^.-^."'.raes Mayer.
Mercadante : Non temer mi; bel t adelo r. qual
crivo Pereira. O mujur Jos Gabriel de A/o-
A riso para es Srs. de engenhos.
Na grande fabrica de distilaco no Apipucos,
compra-se constantemente, eem lempo, qual-
1-
iiviiw a na


""i
Ji____ L .
Seo escravo, que se annunciou no Diario
de 10 de Julho d corrente anno, que seacha na
cadeia do Ico tiver os signaes seguintes : de
nome Joaquim crioulo de 35 annos, de
boa altura cor bem preta secco do crpo ,
rosto comprido estoporado de urna banda do
ar de vento e fcou coixo da perna esquerda ,
e a vano do mcsmo lado nao a podo abrir e
orelhas Turadas qualquer pessoa, que o en-
tregar nesta praca a Vlanoel Francisco Guima-
res receber 100,000 rs. incluindo todas as
despe/as.
Quem precisar de urna parda para ama
do casa de portas dentro, dirija-so a ra de
Hortas sobrado n. 72.
= Da-se 2:000S000 rs. a premio de um e
meio por cento com hypotheca cm predios li-
yres nesta praca ; na ra do Cabug n. 4.
= Jos Valentim da Silva avisa a quem se
quizer utilisar de seu prestimo, que mudou
sua aula particular de grammatica latina para
a ra da Alegra casa de vidraeas n. 42 on-
de continua a ensinar empregando todoo meio,
que Ihe he possivel para o bom adiantamento de
seus alumnos; tambem recebe em sua aula
para ensinar gratis a qualquer moco que pro-
var que nao pode pagar.
Engomma-se liso com muita perfeicio ,
promptido, o preco commodo; no beco da
Mceda n. 35, primeiro andar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado n.
129 na ra Oireita por prego commodo a
bomem solteiro ; a tractar no primeiro andar
do mesmo.
( = Aluga se o segundo andar da casa n. 23
da ra larga do Ro/ario ; na botica de Bartho-
lomeo & Ramos estao as chaves para se ver.
Um Brasileiro casado e de bons costu-
mes com as habilitadles necessarias para ser
professor publicse propoe a ensinar primciras
lettras no matto ; quem de seu prestimo se
quizer utilisar dirija-se a ra ae S. Amaro
n. 8.
OSr. C. J. S. G. queira ir pagar uns c-
lices de vidro que comprou na ra das Cruzes
n. 40 a mais de 2 mezes do contrario vera
o seu nome por extenso.
O Snr. Jos Vieira de Oliveira Muciel
queira no praso de 8 dias apparccer as 5 pon-
tas sobrado n. 62 a negocio que nao igno-
ra do contrario ser publicado o negocio, pa-
ra se nao chamar a ignorancia.
Quem precisar de urna ama com muito
bom leite para criar dirija-se a Fora de Por-
tas beco do Teixeira n. 14.
= Manoel Jos dos Santos faz sciente ao res-
peitavel publico que oSr. Hemeterio Maciel
da Silva nao he mais seu caixeiro desde o dia 5
do corrente.
= Precisa-se de 500a rs. a premio a um
e meio por cento, com hypotheca em urna casa
terrea nesta praca livre e desembarazada, por
tempo de um anno; quem quizer dar anuncie.
= Um moco Brasileiro de 20 annos que
tem bastante conhecimento das lingoas atona.
ingleza e franceza se offerece para caixeiro
de qualquer estabelecimento estrangeiro para
o que dar fiador a sua conducta ; quem de seu
prestimo se quizer utilisar annuncie.
O coronel Manoel Thomaz Rodrigues
Campt-llo embarca para o Rio de Janeiro a sua
escrava de nome Urbana de naci Costa.
= Precisa-se de urna casa para pouca fami-
lia preferindo-se sobrado de um andar que
tenha os commodos necessarios, que o alucucl
seja de 108000 rs. mensaes no bairro de S.
Antonio como tambem paga-se 2 a 3 mezes
adiantados e com fiador: na ra Nova, lo-
ja n. 9
Cjuem tiver para alugar dous pretos, que
entendi de plantaces de sitio annuncie.
= CHierino Joaquim de Barros e Joao
CheldericodeCarvalho, Portuguezes, retirao-
6e para fora do Imperio.
Quem annunciou ter urna negra para
alugar dirija-se a ra do Caldereiro n. 56.
Precisa-se de urna inulhcr de mais de
meia idade paa estarn um sitio pari da pra-
ca para fa/.er a comida dos escravos; na ra
da Guia n. 5.
Precisa-sede um menino para caixeiro :
na ra do Cabug n. 6.
= Chiem precisar de um rapaz Brasileiro ,
*>lteiro\ e izempto de guarda nacional, que
d fiador a sua conducta para caixeiro de
cobranzas ou outro qualquer emprego di-
rija-se a ra dos Pires n 60/
= Arrenda-se um sitio na passagem da
Magdalena com excellente casa coxeira ,
estribara e casa para pretos: tracta-se na
ra Nova n. 44.
Se houver algum filho de porlugal an-
da que seja de naoc idade e casado que en-
tenda do tracto de parreiras t vinha e horta ,
queira ir para urna fazenda distante desta pra-
ca para tractar s destes objectos dirija-se a
nandes do Portugal, queira annunciar a sua
moradia ou dirigir-se a ra Imperial n. 64 a
negocio do seu interesso.
= Deseja-se saber quem he nesta praca o
correspondente do Sr de engonho Pirangi na
freguesia do Agoa-prcta que fot de Joao
Francisco Santos de Siqueira para se Ihe en-
viar urna carta e saber-se de seu nome; quem
o for quoira annunciar a sua morada.
- Roga-se ao Sr. E. de tal, que a 26 de
Marco de 1842 empenhou na ra atraz da Pe-
nha um alfinete de peito e urnas fivellas de
prata de suspensorios por 108 rs. que no
praso de K dias va tirar do contrario ser ven-
dido paraembolcoda quantia.
A senhora que passou a festa na Casa
Forte e mandou fazer um vestido para o dia
da festa de S. Pantaleao no Monteiro com
toda a preca faca o obsequio de o ir tirar
quanto antes, at o praso de 8 dias, alias ven-
der-se- dito vestido para pagamento do feitio,
pois que quemo fez tem esperado bastante tem-
po, e nao o quer para vestir.
Pcde-scaoSr. J. B. T. o favor de ir
pagar um papogaio que comprou a mais de
6 mezes para um capito francez na travessa
das Cruzes n. 21 do contrario ver o seu no-
me publicado.
Compras.
= Compra-se urna mulata de 16 annos ,
que seja de bonita figura e prendada que
he para fora da provincia ; quem a tiver an-
nuncie.
-a Comprao-se6cadeiras em meio uso de
palhinha ou mesmo de pao ; na ra do Ca-
bug n. 4.
Compra-se um Diccionario de Moraes da
quartaedicao que tenha pouco uso e nao
exceda de 16,000 rs. ; quem tiver annuncie.
Compra-se urna morada de casa terrea ,
que tenha 3 quartos cozinba fora quintal e
cacimba em chaos proprios ; sendo as ras
seguintes ; Direita Agoas verdes Hortas ,
Rangel S Thereza Trincheiras Laran-
geiras patios doCarmo S. Pedro e Matriz ,
que nao exceda a l:200g000 rs. ; quem tiver
annuncie.
Comprao-se vidros para espelhos mo-
fados, de todos os tam; nhos; na casa de ou-
rives francez no atierro da Boa-vista n. 17.
= Compra-se urna porcaode galo fino de
ouro ; na ra de Hortas n. 46.
Compro-sc hervilhas de Angola para
plantar : as 5 pontas n. 139.
Compra-se urna par de mallas, eosdous
tomos do Almocrcve de petas, tudo em meio
uso ; quem tiver annuncie.
Vende-se um preto de Angola de meia
idade proprio para todo o servico ; na ra
larga do Rozario venda n. 44.
- Vendem-se talheres finos a 3200 ditos
de cabo preto a 3600 a duza linhas de car-
retel de n. 16 a 100 a 360 a duzia colxetes a
800 e a caixa a 80 rs. thesouras douradas a
280 400 e 480 ditas lisas a 180 prati-
nhos lapidados para doce, papel de peso a 2600
e 3200 a resma e almaco a 2300 dito mui-
to bom em meias resmas agoa de Flor de la-
ranja a 700 rs. o frasco sabonete fino a 60 e
200 rs. cordao para vestido a 20 rs. a peca ,
suspensorios de burracha a 320 meias de laia
para homom a 800 estojos do navalhas finas ,
linha de marcar e mais miudezas baratas a
contento dos pretendentes ; na pracinha do Li-
vramento loja do barateiro n. 35.
> Manoel Joaquim Venancio de Souza
= No deposito de assucar refinado, esta-
belecido junto ao arco de S. Antonio, em fren-
te do caes do Collegio ha para vender assucar
refinado segundo o novo systema de fabrica-
cao pelo qual se extrae a potassa e cal, dei-
xando-se-o no seu estado de pureza ; sendo o
preco da libra do de primeira sorte e em pies
160 rs. e o de segunda e terecira -em p ,
a 120, rs.
= Vende-se um* mulata de 20 annos, en-
gomma, cose, e cozinha, he recolhida, e pti-
ma para mumbanda ; urna escrava do naco ,
cm as mesmas habilidades; um moleque de
naco que entende do plantaces ; na ra
Direita n. 3.
= Vendem-se 16 bestas gordas e novas, f-
Ihas do pasto e moito boas de roda ; na ra
Nova n. 67.
as Vende-se um bengala de unicorne ver-
vende em sua loja de alfaiate no atierro da Boa- | dadeiro est prompta e encastoada de prata ;
vista esquina do beco sobre-casacas do pannos na ra do Cabug loja de roiudeus junto da do
de cores bonitas a 30,000 casacas de ditos a Sr. Bandeira.
26000, sobre-casacas de merino superior a = Vende-se una porcio de queijos do ser-
22000 calcas de panno preto e de cores a tao muito frescaes por preco commodo o
12000, colletesdesetimlavradosdebomgos- tambem se vende a retalho ; na ra da 1 enha
to a 7000 jaquetas de panno de todas as co- venda n. 33. .... ,
res a 14000, e todas as obras se fazem por = \ endem-se bichas bas chegadas a pou-
commodos feitios sendo feitas com a maior co de Hamburgo, em grandes e pequeas por-
perfeicao possivel. coes e tambem se vo applicar; na ra da
x Vendem-se os seguintes livros : Orlando Cniz do Recife n. 43,defronte do beco do Por-
amoroso 3 v. ; a nobre Venezianna 1 v. ; das canoas.
urna pequea porcao de fumo para charutos = Vende-se um bom violo por preco
por preco commodo ; na ra estreita do Roza- commodo ; na ra do Queimado n. 29,
rio, loja de cera n. 3. S = Na loja de livros no arco da Conceieao
= Vende-se excellento rap de Lisboa, vindo dfl Recie ha Para vender collecco de traslados
pelo ultimo navio ; na ra Nova n. 6. Pa meninas que aln da moralidade do as-
= Vende-se nma preta de 26 annos co- sumpto, ser propria do sexo sao circulados
Vencas.
Vende-se panno de algodao da trra a
230 a vara em grandes e pequeas porcoes ;
na ra do Crespo n. 23 loja de Manoel Jos
de Souza & Companhia.
Vende-se panno de linho em pecas de
18 varas ; cm casa de H. Mehrtens ra da
Cruzu. 47.
= Vende-se um negro de Angola moco
e de bonita figura muito bom canoeiro re-
mador e mergulhador: cm Fora de Portas
n. 67.
Vendem-se 6 terrenos na Capunga cada
um com 300 palmos de frente e 500 de fundo,
sendo dous com frente para o rio : a tractar no
mesmo lugar no sitio do Doutor Antonio de
Araujo Ferreira Jacobina.
i Vende-se urna casa terrea na ra do Ca-
labouce ao p do quartel de policia n. 2 ; no
patio da Boa-vista venda da esquina n. 2 a
fallar com Manoel Rodrigues de Albuqucrque.
\ endem-se charutos da Havana de quali-
dade superior e farellosem sacas grandes ; na
ra do Trapiche n 19, casa d J. O. Elster.
Vendem-se 8 boi de carro bons e< lie-
gados agora ; na na de Agoas vcidcs n. 46 ,
casa de Joao 1 rederico de Abreu Reg.
A endem-se transclins de ouro proprios
para senhora chegados ltimamente do Por-
to duzias de marroquim de todas s cores e de
boa qualidade por preco commodo : na ra do
Crespo n. 12 loja de Jos Joaquim da Silva
Maia.
= Vende-se ou aluga-se urna canoa grande
para condu/ir agoa bem construida e ainda
nova ; na ra do Cabug, loja de miudezas
n. 5.
=Vendem-se alguns sitios a margem do rio
Capibaribe trras do engenho da Torre livres
e desembaracados; no atierro da Boa-vista
n. 22.
=Vendem-se bezerrosde lustro para calcado,
muito em conta galo fino de ouro e prata ,
,i.nnnnc nnvprnisados nara mtopm
= Oualquer pessoa, que seja herdeiro do'da Independencia, loja de Antonio Felippc
..fallecido Sargento-Morde artilheria Jos Fer-n. 21.
zinha engomma lava e cose sofTrivel; em
Olinda no sobrado da ra Nova deronte da
Conceieao das Freirs.
Vendem-se cordas de tripa e bordoes
para violo e rabeca ferros de tirar e limpar
(lentes, e caivetes de mola ; na ra Nova
n. 10.
Na loja de Hypolilo S. Martin & Com-
panhia tem para vender um sortimento de se-
lins elsticos com enchimento adianto, e com
seus accessorios ; na ra Nova n. 10.
= Vende-se a maior parte de urna casa de 2
andares em chaos proprios, e capaz de se le-
vantar outro andar com quintal e cacimba ,
com armazem para qualquer negocio sita na
ra e-.li' ita do Rozario, e as outras partes tam-
bem so vendem ; na ra da Cadeia velha a tal-
lar com Jos Antonio Basto.
= Vendem-se presuntos para fiambre, quei-
jos londrinos conservas mostarda frutas
para pastis, salmo em latas sardinhas, sa-
patos chegados ltimamente ; na praca do
Commercio armazem de Joao Carroll & Fi-
lho.
Vendem-se pedras de marmore, pro-
pr as para com modas, ou mezas de botequim,
de comprimentode seis palmos e 3 de largura ,
por preco commodo a fim de se liquidar contas:
na ra da Madre de Dos n. 36.
Vende-se taboado de pinho a 40 rs. o p
largas ede todos os comprimentos assim como
da Suecia de assualho forro e para fun-
dos de barricas e de outras grossuras at 3200
a duzia e o mais a vista dos compradores se
far o ajuste; atraz do theatro armazem de Joa-
quim Lopes de Almeida.
sa "Nende-se urna commoda de amarello
usada una geometra c Arithmetica de La-
crox urna flauta de bomba com variaces em
msica e tambem algumas msicas de Igreja
como missa officio tudo por preco commodo;
na ra do Cotovello n. 36 das 6 as 8 horas
da manha.
= Vendem-se botins de bezerro borze-
guins para homem senhora e meninas gas-
piados e de ponta de lustro sapatos de luda*
as qualidades para homem senhora e menino ,
e de urna e duas solas ; na ra da Madre de
Dos n. 28.
= Cadeiras americanas com assento de pa-
lhinha camas de vento com armacao con-
modasde angico, ditas de amarello marque-
zas de condur camas de vento de amarello
muito bem feitas a 4500, ditas de pinho a 3500
assim como outros muitos trastes ; pinho da
Suecia com 3 polegadas de grossura dito
serrado dito americano com differentes largu-
ras e comprimentos travs de pinho e bar-
rotes com differentes grossuras e comprimen-
tos ; tudo se vende mais em conta que outra
qualquer parte : na ra da Florentina, em
casa de J. Beranger n. 14
= Vendem-se esteiras finas da India para
forrar salas cha isson a 2240 ; na ra da Ca-
deia velha n. 31.
.= Vende se um mc-thodo de rebeca com
muito boas msicas ; na ra da Cruz n. 37,
segundo andar
= Vende-se urna morada de casa terrea por
'.nSOOOrs em chaos nronrins nn Afog-
dos sita na ra de S. Miguel n. 62, a tractar
na ra de S. Ritan. 67.
de molduras por ondeas meninas aprendem a
faier bordados lavarinto, e punto de marca.
Escravos fgidos.
No dia 6 do corrente dcsappareceo um
moleque de nome Pedro, de naco Angola,
de 14 annos estatura baixa com um srgnal
na parte direita do rosto muito negro e com
cabello levou vestido calcas e camisa de al-
godao branco ; quem o pegar leve a ra da
lingocta vendado Bernardo Roque, n. 5.
No dia 2 do corrente fugo a escrava The-
reza de naco Costa tendo ido vender fru-
tas e supoc-se ter i lo para longe da praca ,
por ja ter sido apprehendida urna vez em Gara-
nhuns, e outra em Iguarass e costuma a
trocar o nome de Thereza para Marianna c so
intitula forra esta escrava foi captiva da Se-
nhora D. Mara Monteira e boje escrava do
abaixo assignado a qual he alta secca do
corpo carancuda e feianxona, representa
ter de idade 50 annos tem varios cabellos
lira neos levou saia de chita escura, e cami-
sa de algodaozinho e um taboleiro em que
tinha do vender ; quem a pegar leve ao an-
nunciante, que gratificar.
Joao epomoceno Ferreira de Afelio.
Fugio no primeiro do corrente um mo-
leque de nome Joao de 18 annos de nacao
Angola, de estatura medianna ladino, pu-
cha pela perna direita quando.anda metendo
ojoclbopara dentro, levou vestido camisa e
ceroulas de algodao grosso, chapeo de palha ve-
Iho ; quem o pegar leve a ra de S. Miguel n.
38 que ser recompensado.
= Fugiro da casa do abaixo assignado 2
escravos de naco um de nome Bufino alto ,
rosto comprido grossura proporcional bas-
tante ladino representa ter 25 a 30 annos ,
com um dente falto na frente voz um pouco
pesada, foi escravo do Snr. Joao Xavier Car-
neiro da Cunha deste passou a ser do Sr. Joao
Mauricio W anderlei e ltimamente do fina-
do Francisco de Paula Murinbo caixeiro, que foi
de A. Schramm ha noticias que est em Un-
na ou em suas imnicdiaces por ter ali sido
visto. O outro de nome atlieus, alto, secco,
representa a mesma idade do outro rosto pe-
queo toma bastante tabaco, bebe e quando
bebe fica com os olhos apitombados nao ob-
stante serem pequeos boca pequea cons-
ta ter sido visto no ISrejo da Areia ou Madre
de Dos destricto da Barabiba e anda com
o nome trocado de Joao, ja daqui foi urna
precatoria para ser capturado remetlida pelo
Sr. Dr. Cbefe de Polica interino desta pro-
vincia remettida ao Chefe de Policia daquella
provincia e at ao presente nenhuma soluco
tem havido respeito a este escravo tambem foi
do finado Paula caixeiro de A. Schramm ;
roga-se a todas as aulboridades policiaes eca-
pitaes de campo apprehendao dos ditos escravos
e conduzo-o a esta capital ao abaixo assignado
na ra do Trapiche novo no edifficto da alfan-
dega velha que nao s recompensar genero-
samente como se pagar todas as despezas,
que com os mesmos se tiverem feito.
Jos Francisco Ribeiro da Silva.
Rbcjfp: naTyp. deM. F. hkFakia,=:1843.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EUVW1QYT1_GZBOIX INGEST_TIME 2013-04-13T02:06:45Z PACKAGE AA00011611_05025
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES