Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04993


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Segunda Fera 3
Tmln e'T depende de nos meamos; da n"el* prodenfi, minl-rar'n, e enrrei.: ron
(inueinus como | riiii-ijn..nios, e (.eremos tiHin ailoa rom dmir* n rnlre n Naqi'es mis
cn)lf. ( l'ioulamay.u da Aaseinlilcia Geral do brUML,)
PAJTIaS DOS COI'.HKIO.S ikhkkstkes
toisn, Parahvba, *"> Grande ilo N re, segundas e tena, feiraf.
Itunito* Garanhuna, a "_'' e '*
Cabo -e ni!; .p u lliu t'ornioso >* rto Calvo Martn e >laons no i H ejl.
lloa-rijt.e Moreiit e 2 '. ulo \m ... quintas fers Olmda ludo os das.
DAS l)V .>LMA.\.\.
3 Se*. Jacintho M. Mm *tt.l do J .Ir I. .1* t .
4 lera, Itabel r inha. Ittl. Aud do J de I, da 2
5 Quarl. a *mansio ud f, Qiiial. a Dominas V" M Aud do J. de D. da T,
7 Sea. a. l"ul'|ueria V, Aud oo J.
K Sab. a l'rocopio Kel. Aud do i, da I), na 1 .
9 Do*, a. Cynllo H. M_
de Jullio
n
Anno XIX. N. 140.
n ,> da assin-tnra
O Dir.lo pul.lira-se todos os dias <|-ie n'io forera *< n'i-alos: op
detn-a Mil reta awaHfil t ..I,.,....dos Ot aBa-M -loa .simante. "''",_
;r.,. e,., do.., f *' >- h -1..* *! fSLTrS.
g.da. a d.t. To ra Jm (.rutea N^ .. ., apr. d. i n 1P|,enJenei loj de ll0 K. u
renda- '
l
nt!OiNo da j de Julho
C.aaBioaoBr. l.ondr. ID i. O^ao-Mo.da d. ft,l)U V
,. a l'aris.i.u re n pul (raneo B.
, a Luboa Uo uoi lUU de premio I d a.DUU
Paala-fat.Oi.
M cu e o 8 2 |or cent | Pet... < .luon.ara
i e.de r.u Boa r.- I | d"" *' '"
I BAMLS DA LA 1VO (HEZ Dbl Ji UO.
l.u. Chm. H, '. 3 horase -ti H. tarde I Lu. nota i7, a *J m "
compra
lli. u->
i 80J
I tfJJ
b.CoO*
tt 4U
yo
i SKI)
Pleamar ile Iwje.
1. a 9 Dora. 1' ra. da aanb la i H ora. 42
da tarda.

15 ?81f .41
PAUTE 0FPIC1&L.
DECRETO N 296, DE 19 I>E MAIO DE 183.
!) diversas providencias para o completo cutn-
priment da d'sposicdes dos regitlamentos ns.
251 r 253, de 29 de novembro de 18(2.
Para co-npleto cumprimentn das disposicSes
dos ru,r!il,iin -ntos mi moros diucmos o cincuenta
e qaatro, c diuentos u cincoenta e cinco, de 29
.le niivivnbro de mil oitocentos e quarenta u
dus : hei por bum so obsoivein as instruccoo
qtio co:n este baia ); aso'^nailas por Jos Anto-
nio da Silva Mai i, do met conselho de esta lo,
min's*ro o secretario ile estado dos nox icios do
imperio, que assim o tenha entendido e faca
exei-titarcdiii ns despathos necessarins. i'alacio
do Rio de Janeiro em 19tle maio ue I8i3 vi-
gsimo secundo da independencia o do imperio.
Oom a rubrica de Sua Magostado o Impera-
dor. Jos Antonio da Mica Maia.
Jnstruccdesaque se refere o decreto desta data
Artigo 1 Tendo sido revogado pelo artigo 8.
da lei de 29 de novembro de I42 n. 25i, o ar-
tigo 5. di decreto le 7 de junho do 1831 flea
por consegumte prohibida nos lugares em que
houvereui correios regulai ment estabolecidos,
e f ra dos casos exceptuados no ai ti; o 82 do ic-
giilamento de 5 de marco de 1829, toda equal-
quer remessa de carias sem ser pela malas dos
inesmos coi reos; sendo as pessnas que cmn.l-
las forom achadas sujeitas as multas estabeleci-
d:ts no artigo 81 do regulamentode 5 de margo,
as quaes se Iho farao elTectivas por acees inten-
tadas pera> te osjuizesde paz ou ii.unicip.es,
na forma do mesmo artixo.
Art. "I." Em todas as allandegas, mezas do
consulado e de rendas, agencias, registos, bar-
reiras, e quaesquer outras repartices flseaes ,
se flsealisar a obseivancia desta prohibir.io ;
apprehendendo-se as cartas extraviadas o fa-
zendo-se conduzir os extraviadores presenca
do juiz municipal uu de paz (|ue licar irais pr-
ximo, para a imp sicio oas multas, cuja mo-
tado pertencer aos appreh ndedores.
Art. 3." Todas as car'as o mui1* papis queso
nao acharen, comprehendidos as exc pees do
artigo 13 do re^ulainento n. 254 edo artigo 3
do r-gulamento n. 255, de 29 do novembr.t .le
1842 devetd pagar adianlad^s os portes desig-
nados na tab lia junta.
Art. 4. as casas das adminislravoes e agen-
cias dos correios nos huaros mais commo.os
e mais ao alcance do publie i, se allxar.i as ta-
bellas conformes as de que trata o artigo an-
tecedente; o quandose d itoriorarem, se.ao subs-
tituidas por outras notas.
Art. 5. as mesmas casas, o somonte nellas.
se vendern os sollos designativosdossobreditos
portes, tanto pelo miud e singularmente, co-
mo em porcoes; tendo-se em attenyao, neste
segundo caso, que a venda dos sellos dos dilfe-
renles valores se regule do maneira que o com-
prador os leve s irti los. como mais convier.
Art. 6. as admini. tragos do crrelo da
corteo das provincias, serio os respetivos lh-
souroiros enea rogados da venda dos sellos; e
as agencias serao vendedores os proprius a-
Kontos. ,
Art. 7." Para este fim o thesoureiro da admi-
nistracao geral do correio na corte, por si ou
norseuliel reeebora do thesmroiro geral do
thesouro publico nacional do seis em seis me-
zo-, ouquandooccorrcr a necessidade, a quau-
tidade dos sellos precisos para o espediente e
dellesfar distribuido pelas adminislrjc .es e
ngon.iasdo municipio da corto o provincia do
Rio do Janeiro. as provincias ser leita a dis-
tribuyan aos administradores e agentes do cor-
reio dolas, pelas ihesourarias das.mesmas pro-
vincias. .
.> director geral d-s co ros propora a ap-
provaca do ministro e secretario de estado do
neg ios do imperio o melhor methudo does-
cripturat esta operaca.
Art 8 S hente gozarao do benelicio da ison-
ca),lopa;a1..ento do pone das cartas, outor-
Ldo aoscioaos polo artigo 12 S o reg'ila-
.i.i,i\ .ti I -
< .,..'1 .>!-, ai
lucillo n. 234, de 2) .::
quellesestrange.rosque lizere.n parte de atgu-
iiiacouipi.....ia ou estabolecimento, autonsalo
pjiogovcrnoetilulodeclo.ia; .... a taescoai-
pmn.ase ,sta.,-lecimentos, sacharen, adslnc-
los e subordina los
Art, 9." lara se ibes lazer ellectivo este be-
noflRio serao as cartas que fnrem lavadas ao cor-
reio do lugar da resido icia dos colon.)*, mir-
eadasco n mfi carim')i) privativo da co npanhia
n i estabelecimsnto o qual antisriormeiite se ha
de ter feito conhecer s a IministracOjs e agen-
cias respectivas.
Art. 10. 0< administradores o agen le < dos
correios publicarn pjrcdttaese por meio dos
peridicos, oideoshouveros diasem que ha
eomecar o pa^amonto dos novos portes e a
execucao das disposieos do artigo 7. do regu-
'amento n. 254. o dos artigo 1, 2o3dorega-
lamento n. 255.
\rt. 11 l)j mesma maneira publicaran os li-
mites que forem designados as cidades villas
e povoac -s para a entrega das cartas. Esta de-
signaban s.tr fcita na norte pelo director geral
dos correios, co n approvacao do ministro e se-
cretario de estado dos negocios do Imperio ; nas
capitaes das provincias pidos administradores
eom approvagao do chelo do polica e seus dele-
gados.
Al. 12. Os carteiros sera destingui los por
um:i chapa de metal amireltocom as amias im-
periacs ema legenda que indique a adminis-
traran do correio a que portoncem posta sobre
a banda decourodo quedovo estar ponJeate a
bolsa das cartas.
Art. 13. O servico destes carteiros para a en-
trega ordinaria e extraordinaria das carias, o
para o mais trabalho de que podei ser eucar-
regalos, nacoiformidale do artigo 19 do regu-
lan) to de 5 de mareo de 1823 ser d istribui-
do pdos a l.ninistra 1 uros o agentes como m.iis
i-onvi ir ; o estes empegados igualmjnto desig-
naran as ttesh iras do dia em que dovein sabir
os carteiros efaser a entrega ordinaria das car-
tas, o quo so far publico na forma dos artigos
10 e II.
Art. 14. Enquantosc nao apromptarem os
carimbos espaciaos do quo trata o artigo 9 do
decreto num-ro 255, 03 carimbos do que ora
uso as administracoes e agencias dos rorreios
servirn tambem para inut.lisar os sollos dos
portes da maneira orden ida no dito artigo. Os
administradores gerac- dos correios das provin-
cias flca autorisados a mandar lazer os carim-
bos indicativos das administracoes e agencias
donde partcm as cartas para aquellas que os
nao tiverom e Ihes forem subordinadas.
Art. 13. Em todas as admin'stracoos e agen-
cias do correio so ilxar urna h ira certa e nva-
riavel para o lechamento d ts malas c sahi la
dolas; seporem antes di venfioar-se a sahi-
da quo, pirordem supirior, ou por qualquer
outro msto m .tivo so retarde chegarom al-
gumas curtas a tempo de poderem ser renietli-
das sora recebidas e r colhidas s r spectivas
malas, laciiitando-se a remjssa quanto fr pos-
sivel.
Palacio do Rio do Janeiro, em19do inaiode
1841.-Jos inlonioda Uva Maia.
lanto o juizo, e appcllm .o o ex del -ga o Fran-
cisco Carlos Brandan; fo i a sentcnca confirma-
da escrivio Reg Rang W,
Rendmnfo total d'a ,randega em ju-
nho de 181 '-3.
Rendimento total........... 101:956,962
ChiSO p. ? odi-
nheiro ........ 7,560
Dito 50 p. % em
assignados..... 1:79*,300
Plvora 50 p. % a
dinheiro....... 1:110,279
Dita 50 p. % m
assignados.....
1:801,860
366.187 1:482,466
Vinhos, e lquidos
espirituosos a sa-
ber :
48 V.p. /o a din.1
48 '/a dito em as-
signados....... 21:122,281
."> 1:789,199
25:901,480
TABELLA (ios portes que devem pagarnos corr ios do
Imperio as cartas *- oais papis n i eonformidade do
dtcreto n. 25, de '29 de novembro de l8*2.
Diversas outras mer-
cadorias, a saber :
15 p. /o a dinli/ 10:399,562
15 dito em assig-
nados......... 39:993.9W> 50:395,502
w
I
s
p
o
E
Pi
Vtt'- oitoras
l)r 4 at 6 .
I).- G at 8 .
De 8 al- 11.
10 at 12
12 at I-i
I i at 16
l(i at 18
18 at 20
20 at 22
22 af'- H
14 it 26
26 at 28
28 tt 30
De .'.I at 32
De 32 ate* 34
M -u 38
38 at 38
3S at 41)
4J at-'- 42
Do 42 at 44
De 44 at 415
I).- 43 at 4S
De 48 al 50
CORREIOS DE
TERRA.
iii
00
!H)
120
150
180
210
240
270
300
3'tt
380
390
420
4,yj
480
510
540
570
600
6$)
660
69J
72: l
750
3 -StO
5 %
;'- =
30
3
30
60
60
63
G0
90
00
00
00
120
120
120
120
15 J
151
150
150
180
180
180
181)
210
CORREIOS DE MAR.
a
-
i
r.
6
O - n
o ^ e.
u &
e/) 5 re
r -
Vi
3 7! 71 0

> ^ 5-3
ti ..
- V)
S| r. - O aW 3 <
120
180
240
30 i
380
420
4-iO
540
600
68J
720
780
Sil
!)0)
!i.;;)
1^1)20
ls'()8,l
1/140
lf200
1^2)0
lf$20
1^380
I #440
1/500
150
210
270
31)
300
4.".)
510
570
633
Gil)
75
811)
870
03)
990
1#050
16*110
lf'70
lf23J
1^200
lf'l)0
1/410
1/470
1>530
G0
00
120
150
180
210
24J
270
300
310
38)
300
420
45)
4.S0
510
540
570
G:i0
63J
660
890
720
750
5 3
30
G0
60
90
yo
120
120
150
150
180
180
210
210
240
240
2;,i
270
.{.111
3 10
330
.(SI
3.I)
380
390
OS DOL'S CORREIOS E
MAR E TERRA.
n
ISO
270
38)
450
540
630
720
810
903
990
1^0 <0
1^170
1/20)
I s.'.V)
1^440
1/530
1^620
1/710
1^800
1/890
1/980
2frt)70
2/160
2/250
./i
c. .
. ?
2 3
3
rj
2 i 6
> o _
ais
ni
120
150
210
240
270
3.10
3J0
393
420
450
510
540
570
600
660
690
720
750
810
840
870
100
mo
60
yo
yo
120
J5)
180
ISO
210
240
270
270
300
33J
36)
3J i
390
42.)
450
450
480
510
:>u
540
750
Joias 5 p. %...............
! Ariiia/.enagem adicional 3 V*p. 7o
Reexportadlo 2 p. /o.........
Expediente de I '/ P- %......
Gneros nacionaes', p. "I.....
Premios dos assignados ',! p. "o.
Arnia/enagein do '/* p. %.....
Multas....................
Emolumentos de certidoes.....
67.000
13.967.191
79,112
6:452 814
50.195
1:491.209
114.378
151,235
2.520
Rs...... 101:956.962
Renda geral,...
Dita applicada..
70:752 106
3l:2V.9J2
101:956,962
F assim nrogressivamente de duas em duas oitavas ato ao infinito.
Sor cada sepilo las leisou reg la mentes, cada caderno dos actos min.ster.aos, erada
folhJ vulsademil)licaT>es peridicas, 10 reis; i un numero snmentc a exportar pagara
Jres dous 30 res, cinco 60 reis, sette 90 res, c assim por (liante.
Secretaria de estado dos negocios do imperio, em 19 de ma.o le 18*3. Antonio
Jos de Paiva Quedes de Andrade.
PERNAMBUCO
Tribunal da Nelavn.
SESSA nE 1. OE JUI.HO lE 1843.
i :....! .1., :.. ta iara One-
Na appellacao ci.ct ^ j... a ---,
la Cidaile apnellante Jos Rodrigues P.nlioi-
r0| appeilade Antonio da Stltl & Oon.panl.ia .
scrivao liego Rallgel : se mandou descer ao
,, ;iml() para se proceder na a>al.acao da
causa.
A appellaco cvel do juizo dos orfos des'a
(tla.le ap|iellaiilc Uml.elina Joaquina do Al-
buquerque, appellado Antonio Joa|uim do
.Mello Pacheco OScriySu l>aiidtiia; >>e uiarnlou
descer para ser avahada ao juizo aqu.
Na appollaciio civcl desta Cidade appellan-
tes os.i|.pelldos roiijunclainonle Florencia .Mar-
ganda ti is l'raz res, e Francia Diasda Cos-
ta escrivao Fcrreira ; se mandou ouvir o cu-
rador geral los "rliios.
fta appeilavao enmo desta Cidado appel-l
O escriyjio d'alfandega Jronte Gerardo
i Varia l.umachi de Mello.
"DHHRI BE f B\AI8tm
A'-ti liinl i pela honra dos antheoiatizados, a
que se un,.1.1.1 a infraciao da consUtuicao coin
a lei da inlerprulacao, o totlos os males, ( tris -
tissi.ii.isco..>ei|Ui'iic.as, |uo segundo o Indge-
na del la le.n resultado ) nao litaremos em Inzer
sobresal.r a puonlidale de quaulo escreveo
, o poltico das brenbas.
A iiiterprelaci'o do acto add. foi urna necessida-
1 de sentida por todos i.nineJiatainente a sua
execucao; vo-se, queera impossnel, que con-
tinuassemossendo todas as nossas inshtuices
bandeira de retallio pelas modicacijes, que
cada asscmbla de provincia Ihes fazia na mais
completa desharmonia c choque entre os pode-
ros geraes do osado e os provintiaes nas suas
diversas (unce-oes em consequencia da err-
nea inteligencia, a que se prestarao alguns ar-
tigos d'esse acto que baslavao, assim entendi-
dos, para por tudo em conlusao e luta ante
os quaes devia ceder mais ou menos prxima-
mente a integridade do imperio. O governo es
forcou-sopor con ter asassemblas provinciaes
na justa esibera do suas altribuices e por man-
ter a indispensavelunidadcgovcrnativanaadmi-
iiistraco geral,e aos seus delegados forao dadas
as iristrucroosdeO'lc dczen.bro del835 debaixo
daassignatura dn i.n.ii.-lro Liii.po d'Abreo.e au-
torisadas polo decreto da n.esuia data assignado
liatlcira intelligcncia le varios artigos do >cto
add. : osduvidosos dearcoido coni o svslema
constitucional, abracado e en. harmona con. os
correspondentes artigos da const. em face da I..
Je 12 de outubro do 1832, que designou os que
i
*
vm


deviaoser reformados,nao sendosufficientesessas
nstruccoes, por pouco atlendidas, a salvacao da
integridade do imperio e da monarchia no Bra-
sil requera urna loi.pela qual fosse estabelecida
geral e lisamente a intelligeneia do acto add. ,
para a qual eslava por ello autorisado o poder
legislativo segundo sabiamente acautcllra.o
artigo 25. Esta lei discutiJn longa o madura-
mente por mais de urna sessao d'assembla ge-
ral, passou emt839,e foi promulgada em 12
de maio de 1840. Ella nao mais do que
transumpto dos artigos 2. at o nc.no das insl.
lo Sr. Limpod Abroo confeccionadas dehai-
xo da mais seria meditoo sobre nossas Icis fun-
damentes e da experiencia dos graves e fu-
nestos erros, a que eslava sujeito o acto add.
na sua aplicaco. Quem qui/er pode compa-
rar essas instr. e a lei da interpretado as col-
lecces respectivas, o ver que so a m 16 e
una ridicula renegacaodas propriasidase con-
viccoes, e inloira recusa ao bom sensr pode
riao levar a comhatera ultima os que ndherirao
aos principios dos autores das primeiras. E
por certo quecustari acreditar que um regente
eseu ministro podessem por um dncr. e instr.
interpretar o acto add., e que o poder legislativo
nao podesse convertor em lei as mesmas deci-
ses interpretativas ; e que o systema consti-
tucional fosse falseado com a lei feita pelos re-
presentantes do povo, nao o tendo sido pela
dictadura com as nstruccoes em que reco-
mendava-se aos presidentes que nao desces-
sem de sua dignidade cedendo suas atlr-
buicoes as assembias provinciacs.
Masnad ser de ailmirar nos que deplorao,
que a monarchia constitucional fosse assim sal-
va do abvsmo, que I he cavavao as dilacerncoes
producidas pelos poderes provinciaes, e que a
poltica triumphante em 19 de selembro roubes
se agloiiaeboasorteihsustental a. nretiral-a da
borda do v ulco.em que a ilei xara fugitivo e i mbe-
cil o systema poltico precedente. Ellos tom
sempro dado as mais plen;is mostrns da flexhili-
dadede suas opinies de sua disposicao i em-
pregar tudo, que o'r necessario p ira reassuutir
o poder. Ningu m espere a verdade em seus la-
bios, nema justica em seus actos. Todos os prin-
cipios, todasasconvenionciaspublicas sern cal-
cadas com Unto quosoja de mistorpana sua ele-
vaeao. CJnein vio o chefe do gabinete de 23 do
julho, o Icimoso orancoroso doputado do
1837 para satisfazer a amhicode sor um din
ministro, aceitar urna pasta c levar sou mio a
aceitar outra com o ministro a quem nunca dei-
xara ( lal\ez injustamente ) de attribuir at' en-
to que influir para seren quebradas as vidra-
tasda casa do outro seu fallecido irmao, e no-
mear depois para presidente d Cear esse ce-
nador a quem havio coherto de tantos im-
properios por tan repetidos discursos noseio dn
representado nacional, nada teiiiqueadmremai*
no proceder de taes homens.
Os beneficios da lei da interpretado sao
milito patentes; ella foi antemural iontra a
torrente dos males da desorganisacao.que amea
cava o Brasil, dando solidez c estabilidade as
nossas instilan os que nao podem mais ser
fcilmente esboroadas.
Descancetn os que lilao somonte seus intc-
resses. sem atlenco ao bom publico os que
pretendem a perturbacao geral como caminbo
para seo engrandecimento, que os que tivorao
brea para sulfurar as ro\olucoes, quedeixarao
em germen os planos oceultos dos republiquei-
ros de minarchia barata e as incoherencias
dos republicanos de coracao e monarihistas de
cabera, os que souberoapoiar a ordem publi-
ca com as leis da interpretado do conselho
d'estado das reformas do cdigo do processo,
bao de, f>rtcs pelo poder da grande manira da
nacao, que os sustenta,abracados coma monar-
chia e aconstituirn man'eruma e outra por
seretn nao centralisadores mais sim sustentcu-
los da integridade do imperio; assogurar a
tranquillidade publica u auxiliar no meio
d'ella o desenvolvimiento da nossa liquesa e
da civilisacao, a despeito dos que mandaran
Bento Goncalvcs para a Babia, dahi o enviarao
como lugido ao Rio Grande do Sul dos que
perdoarao o assassino Sabino em 1836 dos
que protegerao Vinagre e cus ferozes compa-
nbeiros dos que aconte!ho no povo a resis-
tencia a essas leis e as legitimas autoridades .
oxcito-no as armas e a revolta por urna so-
ndada libcrdade, de que so elles possuom osc-
gredo e depois robrom a cabera tillegao, que
nunca lotnaro parle em somolbanles excessos
por elles reprovados E o povo, desengaado
acerca dos lins dos que lao desapiadadamente
temanlas ve'es abusado de seo onthusinsmo
e credulidade.cntregar inaldi-fio todos os seus
embuidores; ea posteridade pedir-lbos-a conm
do sangue, qi e derramaro.
Desde a publicacio da lei da interpreta-
dlo ao acto addicional, tom a o posieo no
Brasil clamado contra os que a fi erto pas-
car conxertendo a em um meio de guerra
coi tra os que lem olutiu no poder. A op-
ten), cessado de fallar nessa intcprelaco e o
seu Indigen i n. 7 Ihe consagrou um artigo es-
pecial em que se preambula com a vantagem
da analyse regular de um systema e de a-
pontar seus perniciosos elTeitos na pratica
passando-se ao systema de 19 de setembro de
regresso ecentralisacao cujos elementos an-
da nao vimos apontados pelo Indgena
quanto mais analysados, com os seus maos
e Jeitos.
Aps esse grandioso introito com ares de pe-
ca d'architectura com muita metalora de o-
hrciroseap endites de edificio social empea-
do base de podras nao Brasileras e Ameri-
canas desentulhada cav dados cheies de limo
de centralisaeo, por onde andou o homem
anti-social chega-se 6 materia. Moslra o cs-
criptor o espirito de um governo local na cons-
tituicao desenvolvido no acto add, porque
cada provincia ficou na posse perenne de um
corpo legislativo incumbido do seu melhora
ment material, e moral; devendo fazer as divi-
sos civis jud ciaras e ecclesiasticas mais
convenientes, cuidar na instruceo publica ,
usar de suas financas engrosads por oontr-
huices por elle estabelecidas e lisoalisadas,
crear suprimir empregos, e prover sobre a
nomeacao para os empregos municipaes e pro-
vinciaes, lixar a forca policial, velar na guarda
da constituidlo edas leis podendo para isto
decidir, se o presidente pronunciado dove ser
suspen o, e decretar a suspendi e demissao do
magistrado responsavel.
Os beneficios resultan'es do acto add.,com
me e removeo das provincias o conductor
infallivel das oxpressoes anarebicas.a njustva
segundo o refutador apresentn-se na conslruoeo das nossas es-
tradase pontes na niultiplieacao dasescho-
<( las primarias na facilidad' da adminislra-
e'o la ustica pela diminuieao de dclonga*
de viagens ( scilieef. dividimlo-se os distric-
t is jiidiciarios ) eapoio da forca armada pe-
culiar.1 no incremento do culto religiofopa-
ra diviso das paroebias e soeeorros das ma-
Iri7cs deterioradasalnn da satsfacao
que voio ao povo com esse acto.que acabou a
sua efTervoseenoia acalentando-se os auto-
res los disturbios.
Copiamos quasi formalmente o que disco
Indgena acerca das faruUados das asson.bl 'as
provinciaes concedidas polo acto add e das
vanlogei s. que com elle colhomos, ( squaes
no seu entender nos pwero milito longo do
municipio neutro.que beoda dirtedoRiodcJa-
neiro onde nada lem prngredido por nao ter
elle assembla provincial ) para molhor apre-
ciarmos as suas concluses. Ellas sao contra
o systema dos homens de 19 de setembro que
nrodusiriio a de dorar el lei (de 12 de maio
1810 ) que nterpretou artigos constitucionacs
do acto add. sem o poder Inzer e falsificou os
principios do svstema constitucional c contra
os homens de 23 de julho, que a derao por aclo
consumado, a^s quaes vem nplicado o dito epi-
rnmnatico do grande imperador aue
ninguem sao do ministerio sem deixar a sua pu-
reza
Ah se ja bouvess; o indgena saido da obs-
eiiridade dos bosques e dado-nos as suas li-
edes, saborio os ministros de 23 de julho que
se o aclo add. era fado consumado e abracado
pola nacao nao obstante ser confeccionado
por um so dos ramos do poder legislativo, a sua
interprelacao legislativa nunca podia-o ser, e
nem aquello art'go do mesmo acto, que ao po-
der legislativo encumbie inlerprela-lo. Tam-
bem os revobosos de Sorocaba e Barbacena sa-
berio, que era muilo patritico derrogara fer-
ro e fogo o aclo interpretativo e nao se limi-
taran A exigir a nao execuoao das leis do conse-
lho d'estado edas reformas do cdigo do pro-
cesso
Agora quem nao v que esta moxinifada do
Indgena muito parecida ao monslro lloraciano
nao e mais que nuca declamacao? E certamen-
te que descarnados os diversos periodos do ar-
tigo de fundo ( passe ) do Indgena como osa-
presentamos n^o se descobre outia eouza senao
o pendor para as salvas que o domina as
quaes quer levar-nos csteemissario do Gro-
chaco
Quaes asallribuicoes das assembias provin-
ciaes expostas poli indgena, que ellas nao as
conserem ainda ? Quaes os bens, que fisero
antes da inlerpretaivo qneeslejo hojo inhi
bidasde continuar? Nao lhe pertenec legislar
sobre poniese estradas o nutras obras publi-
cas, inslrucco primaria figuran de forca po-
licial, socorros pblicos diviso de enmare, s
o frenuesias ereacao do empreados fixaoo
das sua* despesas e-lal>olociinenlo fisialisa-
PO e empro2o lambcrn v lar na suarda
legtimos, e que os povos ten hao de experi-
mentar os niales da descontinuaran de cornaca-
dos beneficios.
Variedade.
DO CARAPUCEIRO.
Copia fiel d ama carta de certo padre a ufo te-
nente coronel de G. IV.
Illm. Sr. tenento coronel in Chrtslo Domno.
I.ombrado eu, que noestudei para burro, que
ha no co um Ente Supremo a quem respei-
to, adoro, csgo na forma do direito cannico,
e por elle instituido os dogmas da minba reli-
gio desde o padre nosso at a salve rainha, e os
mandamentos da le de Dos, e os novissimos do
homem e os peccados mortaes, a elle coloque
os meus olhos levavi oculos meos in montem e
o coracSo cheio de ternura cor contritum et
kumiliatum Deus non despides ; a cujo entre-
go a simplicidade, eo amor, que tenho a meu
prximo at a d*ta desta : in manus tuas co-
mendo spirilum meum para que me a: rande
os in petos, e furores de piedade e passe a d'-
zer a V. S. Dos de perda. justica Dos de
misericordia justica Dos de justica ustica.
J i nao posso ter na m3o a pena Manus tuie
fecerunt me e estou pasmado neste circuito Ft
plasmarerunt me totum in circuilu como diz
0 officio de de fundos; e nem vejo o papel com
a sombra das lagrimas, que verlo, que parecem
maxixes : et lacrimes ejus in maxilis cjus: mas
Deus su per omnia.
Peco a palavra. e digo Sr. tenente coronel,
meu pai oSr. F. .homem de dadede68annos,e
filbo d'umahoa mulher, homo natus demuVeri,
b m conhecido por esta provincia de Pernam-
huco, acreditado pelos homens de maior grado
leste Parnaso gradas ad Parnasum e seus
suburbios, re-peitndor da sua relisriao cnlholi-
ca he constitucional representativo, enmante
apoiado da sua patria, e tem feito sacrificios pe-
los seus patricios em todos os ataques polticos .
e li caes observador da lei que o governo
impo tune imponet nuper altare tuum v-
tulos ; pois tudo, que respeila a lei de nada a-
Ini-a. Nao he homem intrigante nem concu-
mitaiite pois tem esta idade o nunca se ea-
racterisou as intrigas : be amigo do seu amigo
amicus est alter ego ; trncta muilo mavioso.
e muito serio la I la com machos, e femeas eon>
sinceridade apostlica ; nao be horneo de pri-
meiras informaces, nem tem o olho na roa
oculusruorom como diz o Evnngdbo : cuida
liem na obra e tem mural publica.
Sr. tenente coronel,um filhoo padre J. V.G.
P. de idade Dos louvado de 38 annos lem
lodosos predicados quanto seu pai tem j rel,
ridos no novo methodo. He capaz de morrer poi
obediente n'uma rru : obedens usque ad mor-
tem mortem autem crucis : aceita- Ihe os hons
concelhos, rospeita. > si-u rstutiiino dil gente,
e cuidadoso no seu ministerio, baptizando, eon-
fossando, di/.endo missas, e fazendo nutras de-
vococs semelhantes proprias, e apellativas do
vigario Tambem he constitucional, e garan
tido; tem feito sacrificios pelos seus patricios
desne a revoluco de 17, e com mais adividade
de 24 at o presente : nunca foi coherente em
consa alguma : tem um animo simples temo.
melgo, alfabtico, e cheio deaflettos tsicos
1 que he o mesmo que etlicos) para com os seus
amigos tanto no foro civil, romo no criminal,
lanto n'ausenca como na presenca.
Sr. tenente coronel, be so no quandoap-
parece agora a noticia cafeicao tao heroica, e
de grande generosidade, quetendo meu pai um
poldro russo cardao sem muda alguma como
V. S. sabe, e andando elle de seu peado no
Bom Jess propriedade anexa com os seus se-
melhantes similis cumsimilis dosvizinhos; e
rhegando outro de fora o ennduzira o referido
cujo animal eiiueslre extrema do sitio do 'r.
J. M. P : este snpplicante sem que nem para
que sine ut, negu ut o mandara pegar e de-
pois de faz r a injuia tanto ao animal, como a
meu pai de Ihe corlar o rabo (fallando com pou-
co ensino), e depois de muita pancada que
pozerSo o pobre poldro um miserere mei Deus ,
o conduzira no estado de I.azaro para o sou en-
genho onde o cr. tenente coronel sem nenhn-
ma caridado o mandara meter assim mesmo na
n anjarra e la o tem aodilo animal leudo e
manteudo como se fora propriedade sua. sen-
do elle poldro hem conhecido peloSr. J. M. J.,
e algumas | essoas, que nao sabem nicas de
mentir mentita est iniquitas sibi. Por lano >r.
lente coronel osla hem boa esla : estes sao
os amigos de V. F. G. enlum ternpo do P.e
J. V. seu filbo : he bom amigo pretrito, pre-
sente, c no futuro, futurum essrou fui>t ;
quandoeu nao esporava sernelhante Intrncismn
e algnmas palavras, se achar m* *M>fi e vi-
oladas pelo diabo : tu maledictei Ufle nn-
quam audeas violare, meu pai hadechegar
boje o meu pai he que agnde- futer meus
aqricola est.
Sua comadre Janoca naoandab oa. O licen-
ciado diz, que ella est com print ipios d'uma
doctoral na pia mater das mentnasih > poliearpo,
complicada com hiperdolia do co i >eao ; o eu
creio, que assim be; por que vive-a ie choran-
do, c deplorando de da, e do noit e I lorans
ploravit in nocte e nao ha na casa cara algu-
ma que a consol : non est qui consol elur eam
ex mnibus caris ejus. Sua alunada I. uluzmha
.;. est muito adultera, be mulher fcnV>. e est,
como urna varea de gorda. ou-le pal te. aqu
para nos, que ha 3 inezes nasceo-nos un meni-
no : puer natus est nobis: e ha de se chamar
Manoel et vocabitur nomen ejus Emanu el se
bem que a mai quer, que o seu notne seja Joao:
Joanesest nomen ejus: mas ou Joao, au .Ma-
noel. Pedro. Paulo, Sancho, ou Martinho. lem
V. S. mais este servo dos seus servos, que nao
ha ue ficar pagao ; por que niio be h ere ge :
servus servorum pagmorum tt hertico-
ruin. (c.
nem meo pai julgava ter semelbante evenio em
da constiluieao e das leis ? Se pois no ha nutras sua vida ; quia rentus est rila mea como di/
nllriliuici's e vnntagons das assembias prnvin- Sanio Agostinhn.
cines na rabera ('o Indgena eque truhn del (y)ueira por fivor ter em seu engenbo esse
sair em oulro artigo pelo que ello escre*ro no pobre ni|o poldr'nho como disse : pulredni
seo n 7. uo se conclue. une leiiliaosniiri(o as ilixi, em quanto meu pai ah \ai radudPa-
dosicao do Diario novo, e seus satelliles naoj assembias provinciaes quebra em seus poderes i trtm. Adcos; queira perdoar ser lao prolifico,
COMWIERCIO.
Alfandrga.
endimento do dia Io.......... 1:09*8882
Descarregdo hojt 3.
Brgue Triunfante dilTerentei mercadu-
ras.
Brigue Indiano fumo e diva os gene-
ros.
Patacho Cassador batatas, ceblas, e pas-
sas.
Polaca 'tar farinba de Irigo,
Brgue Cecily fa/endas louca o man-
toiga. e ferragens
Brgue Advlpho vinho, o papel.
PRACA 1)0 REC1FE 1." PE Jl'LHO DE 18^3.
Revista mercantil.
Cambios Houverao poucas tranzacesa 25 Va
d. por 18.
Algodo As entradas forao lemtadas e
vendeo-se de 4.0 a 4:800 a @.
Assucar Est firme a 1200 rs. por arroba
sobre o ferro e a safra est quaze
concluida.
Couros Contmuaode 130 a 135 rs. a ib,
Alpista >enden-se 13< a barrica.
Bacalho Existem em ser 2:710 e as
vendas a rotaiho lemsiuolcmitadas de
10$500 a10S000.
Batatas \endero-sea 1200 a @.
Caf dem de 38 rs. a 3:050 @.
Carne secca Entrarao dous-pequeos carre-
gament'is com os quues o deposito
6 de 27 mil arrobas tendo-se ven-
dido de 1800 a 2000 a do Rio-gran-
de t e do 1600 a Ir00 a de Buenos
Ajres nao haiendo no mercado da
de Montevideo.
Ceneja Nendeo-se de 3:800 a duzia.
Erva doce dem a 5:500 a @.
I arinba de trigo Nao houverao entradas, e o
depo/.ito esU reduzido a 200 barri-
cas sem alteraco nos procos.
Dita de mandioca \ endeo-se de 2:400 a
2:800 a sacca.
Ferro da Suecia dem de 9:500 a 108 o
quintal.
Mantega dem de 560 a 600 a ingleza.
Milbo dem de 3:200 a 3:520 a sacca.
Passas dem a 2000 a caixa.
Polassa da Russia dem de 240 a 260 a
libra
Toucinho de Lisboa dem a 5:500 a (a>.
\ inbo de ( elte dem a 828 a P'P"-
Dito da Sicilia dem a 7 ',..> d ta.
Vinho de champagne Nendeo-se de 178a
238 a du/ia.
Terminou no ultimo de unho o imposto do
40 res por caada de bebidas espirituo/as, que
tantos males trouce ao cominercio da provin-
cia.
Chegarao n'esta semana dous carregamentos
do Mediterrneo dos ouacs um foi vendido e
o oulro segu para o sul.
Emban aoes existentes no porto.
Austraca..........
Brnzileims..........27
Dinamnrquczas.........2
Despalillla..........1
Francesa..... ... 1
lliiile/ns........... 6
Portnguezas .....7
Sardas..........3
48


Slovmenlo do Porlo.
Navios sahidos no dia 1.
de o bngue brazileiro Indiano capitSo Anto-
nio A Ivs Martha inda recobo olguma carga ,
passngeiros, e escravos; e tracta-se rom' o dito
capitao, ou com seu consignatario Manoel |g-
Uania ; barca austraca Caledonia, capiCo Jos! naci d'Oliveira na praca Jo Commercio n -
An'omo Ranna carga re to da que Irouxe Para o Porto saliin brevemente o bri^ue
de Trieste portagiie? 7,rwro, cap.bio Jos Carlos
Falmouth; br.gue .nglez Hero, cap.laoJan.es I errtira Suarc; quemnomes.no quizercar-
Sdgley com a carga que trouxo. I regar, ou ir de passaem, para o que tom bons
tfahia; h.ate nacional bspeculador mestre commodos, pode tractor co.n o dito .-apila.,na
Jos Mauricio da Silva carga varios gene-
ros. Passageiro, Doininiquo Boavcntura,
Irn ce/.
jRio de Janeiro ; polaca sarda Y. S da Guar-
da capitao Joo Baptista Concelheiro, car-
ga varios gneros.
Observando.
Fezerao so de vela do lameiro a galora balieira
americana 0ej>A o, e abarca austraca Cale-
doma.
<
Edtaos.
Pela admnistraco da meza do consulado
desta cidade se la/, saber que por avizo impe-
rial expedido pola secretaria de estado dos ne
gocios da f.izenda ao Exm. Sr. Barao presidente
desia provi ,cia, e por elle transmitido ao lllm.
Sr. inspector da tltcsouraria da Ta zonda por
cuja ordem se vai por em execucao ; lico d'ura
m diante sendo nicamente pontos de eonfe-
Tencia de embarques no bairro piches existentes do lado do Mosquciro e sua*
mmcdiardcs no l.airro do Santo Antonio o
novo Caes a < lado da ponte, e na Boa-vista <>
caes da ra da Aurora, em cii|os pontos perma-
necer um guarda desle consulado para a/eras
devidas conferencias ; podendo todava cont-
nu ir o cmbirque em oulras localidades com a
obrigaco de irein osgneros ao pezo econferen-
cia a qualquer dos indicados trapiches dolado
do VIosqueiro. Me a do consulado de Pernam-
buco 30 Je unho de 18 W. No impedimento
do administrador, Justiniano Antonio da Fon-
Ceca.
O fiscal da freguezia de S. Pedro Martyr ,
da cidade de linda pela lei &c. Faz saber ti
todos os seus comparochianos, a quem i onvier,
que em observancia das posturas municipaes ,
ponhao emexecu'ao a revista da aericao do cor-
rente anno com o praso do 30 das da data
deste ; e para que nao se cliamem < ignorancia
jnandou publicar por esta folha. Olinda l.de
julhode 1843. Antonio Manoel lobo.
O Dr. Vicente Ferreira Gomes, juiz de
direito intorino da 1.* vara do crime, presiden-
te do tribunal dos jurados na tercera sessao or-
dinaria no termo do Recita, porS. M. I que
Dos guarde &c. Faco saber, que lenbo mar-
cado para o juramento dos reos alTi.meados ,
cujos processos forao preparados e aprsenla
dos pelo respectivo juiz municipal os das se-
guintes rio corrente mez : Antonio Luiz \ ieira.
c Muran da Conccicao no dia i : Alexandrc
Joaqui ii Barbo/a c l.uiz Pedro do Mello Se-
abra a5: Jos Andr Ulimpio Baptista, e Fran
cisco Joauuim de Mene/es no dia 7 : Telis Gu-
ies de Andrade e Luiz eseravo de Jos Bu-
arque de .Mello Macedo no dia 8.
E para que chegue noticia dos mesmos reos,
mandei passar o presente que ser publicado
pela imprensa. Dado, c passado neala cidade
do Becifesob meu signal e sello ou dmosle
valha ex causa ao 1 de julho de 18 W. Eu Jos
Alfonso Guedes Alcanforailo cscrivao privativo
do jury escrevi. Vicente Ferreira Gom-s.
praca do Commercio ou com sen consignata-
rio Antonio Joaquim de Souza Ribeiro, na ra
da Cadeia n. 28.
Para o Aracatv segu com nrevidade, porter
parte de seu cargamento prompto o patacho
nacional f.aurentina lirazil ira, forrado e pre-
gado de cobre ; quem no ines.no quizer carre-
jar, ou ir de passagem dirija-.se ao seu proprie-
lario Lourenco Jos das \eves, na rua da Cruz
n. ti ou ao capito do mesmo Antonio
Germano das Nevos.
Avisos diversos.
ao qual se aljudicou as partilhas, que so I-' da craclo de meninos de peito impedidos e
zerao o eogenho Bamburral com escravatura, desempedidos, e tambem rcebe meninos des-
hSSLTJ r^f d,. *&* ao* outros mamados para curar da sua educacao noque
berdeiros parte i c-ua eptima, em cu o nu- i *
meroentraoditol'al!e,Mdoberaeiro:ou"r sim l'netto?m.rar-je; quem do seu prest,mose
tamlwm. abaixo assignado vendo por preco oo- 1wjjf ut,l,zar '' J"'Ja-S0 Pat, Jo Carmo
modo esta parte da legitima, edesuas tres ir- Mb **m
inas. do quem he pro orador na reposicarj ~ Precza-so da urna ama forra para di-
que o dito jse Feij le Moli tem 11 fazer, im- r,S'r son ico do una casa de pequea familia,
portando na quantia de 8:613^530, como coas- efaieralguina compras na ra dando se- Ihe
lados autos, que estad no cartorio dos orlaos o sustento e o salario ouese conveocionar;
cscrivao Pereira. na ,ua Direita *. FU
-Continua-sea tirar p aportes Pa a den-
as rom
ra du
A luucn. '""l'l""f il lilil U >SINOrifS Ir
A pessoa que annunciou querer comprar: a,,, r ..
urna barretina com pe.,n en. nelo uso, Jara fi? ,0M,h '"PT? "
(i. N.J dirjase a ruada Calcada n. 8. .. '' a,JJMM e preste/a ; na
Jos Mara Pereira Bamos. pertende cm-
liarcar o seo oserao creoulo de nomo Roberto,
tara o Bio de Jane ro.
lioga-seao r. Manoel Jos d'Amorim ,
jue tanda a brindarle dedirigir-se rua do Cres-
po n. H re tituir a caria, (pie da mesina ca-
sa levou pertencente a Manuel Jos d'A-evcdo
Amorim.
No botequim junto ao theatro preciza-se
do um caixeiro que seja diligente e que d
liador A sua conduca.
Quem precisar de una criada branca, de
|uarenta anuos de idade para lodo o sorsicn
le norias a dentro dirija-se casa, que fica
lefronle do Nixo do muro da Penha, e que tem
una taboleta re tintoreiro.
~Aluga-se o prmeiro andar do sobrado da
rua do Queimado n. 32 ; a Iractar na loja do
mesmo.
Manoel Jos' Viana comprou para embar-
ar para o Biode Jjneiro i S.a. Olimpia Se- |
Calcada
lote) ia As rodas da lotera concedida a favoi das o-
bras da i-reja de N. S. do Guad'lupe de i Hinda.
correm iiiipicleihelincnlo n dia ido prximo
mez de julho liquen, ou nao bilhete's.
Preciaa-se allugur urna casa terrea ou um
sobradinbo de um andar para pouca familia .
que nao excoda de de/, mil res mensaes sendo
no bairro de \ Antonio : annuncie por esta
folha
Urna mulher cxlrangeira se propoc a en-
gommarroupacom ail esein elle, maisen-
eonta do que em qualquer parte, com promp-
tidao e aceio ; as *j Punas n. 59.
= No dia \ do crrenlo pida 1.a vara do ci-
Kang
ve
ter lu^ar a 2.a praca da olana no lu}{ar do
Hai balito, defronte do Monteiro com casa pa-
ra feitor e escravos com bom barro e baixa
para cnpim avahada em 2:000 000 de res ,
e no dia 7 do correte ser a ultima praca
Aluga-se urna casa, do lado da sombra,
rom commodos, o grande quintal na rua de
S. Goncafu ; a tratar com o Sr. Jos l'ernar-
do Pinicho junto a mesma casa ou com Mar-
cellino Jos Lopes,
= Preci/a-se de um caixeiro de idade de l.'J
a 1 i anuos nortuguez ehegado prximamen-
te pela barca l'rimnrra, para un.a venda;quem
stivcr nestas circunstancias dirija-so a praca
ua Independencia n. 21.
Preciza-se lomar a quantia de 20,000
n.
O Sr. Jos Tawires Pastos, q.ieira quan-
to antes ir concluir o negocio que nao ignora ,
para o qual i foi avisado por este Diario a se-
mana panada ; na rua .Nova loja n.u58, ou 71. '
O Sr. que annunciou no Diario de 30 do
unho passado precisar de urna ama para casa,
querendo urna mulher parda j de idade que
bem desempenhara ludo que fr preciso a urna
casa; dirija-se a rua d Agoas-verdes n.42.
Preciza se de urna ama para casa de pou-
do engommar. cvzinbar. lavar. e todo mais
servico de urna casa de po las a dentro ; na rua *
da Cadeia de S. Antonio n. 19.
M)r. Bandeirade Mello mudou"asua
residencia e escriplorio de advoraca para a
rua da Cadeia do bairro de S.- Aotonio casa
n. >>.
0 abaixo assignado munido nicamente
do amor da veidade, nao pode rleixar de fazer
patente s falsidades tu mal alinhavadas, do
annuncio instrto no Diario n. 132 ; sim os
cautelozos annuncios do abaixo assignado, ten-
deles a Florencia Margarida dos Pra/eres, nao
sfloagradave.s porgue deilaro a verd.de o
leseobrcm os feitos da mus refinada malaado
orinha de Souza una escrava de Angola de re's por lempo du o mezes dando-se no lin.
nomo Marcalina de 22 anuos de idade, e [do lempo 25,000 res, por m nao sed,', penbo-
>ra. Anna Joaquina deJezus urna crioula de res s sim unta (anca ou letra ; quem quiser
18 annos de nomo Bozaria.
Antonio 'ias "outo faz publico, que An-
tonio Pedro da Cunha e Manoel Jos Coi rea
Braga, deixarSo do ser seus caixeiros desde o
lia 28 do mez dejunho ultimo.
dar, annuncie.
Deposito do fsrinha de mandioca na rua
da Cadeia deS, Antonio n." 19, os procos des-
ta semana continuar) a ser da primeira quali-
dade2,2i0, da segunda dita 1,920, datar
Joo'fliorna Pereira fa' scientc ao res- coira 1,280 res, o deposito se conserva aborto
peilavel publico, que Jos Juli.io Camello l-ins,: desdo as 6 horas da nianhaa as 6 da tarde sem
'eixou de ser seu caixeiro desdo o ultimo de ju- recusa de dia.
Ooclaracoivs.
= O consulado de Franca ica transferid,
da rua do Palacete para a rua da Cruz do lie-
cife casa n. I
Con-tulado de Portugal.
Os oradores do ausente Manoel Jos* Ro-
drigues de Andrade subdito de .*>ua Magosta-
do Fidclissima, sao convidados para apre>enta-
rem na chancellara do Consulado as suas ton-
tas justificad.is dentro no prazo de 30 dias pa-
ra seren pagas, p loque se liquidar do espo-
lio do mencionado ausente. O Cnsul, Joa-
quim Baptista AIo. eir.
Avisos mu limos.
I
i
i
Para o Bio de Janeiro sabir < com hrevda-
de o velciro patacho Affonco 1.; quem no mes-
mo ipii/er carregar ou embarcar escravos ,
podeentender-se com Amorim & Inuos, na
rua da Cadeia n. io.
Para o Aracatv o bem conbecido hiato
Olinda forrado epresado deco re sai
cm
nho deste corrente nno.
Precisa-so de urna casa no bairro da Bo.i-
vista (pie o seu aluguel nfo exceda de GS000
i 88 reis ; quem tiver annuncie OU dirija-se
io atierro da Boa-vista loja n 53.
A peoa, que pretende fallar com D. Iza-
piincipio do atierro dos AlTogados casa n. 8.
Os pretendentes da neurinha recolhida do
nacao Benvuella podem dirigir-so rua do
I ogo n. 26.
Victorino Jos Corroa relira-se para To-
ra da provincia.
(I botequim junto ao theatro precisa de um
'ozinheiro forro ou captivo.
No dia l.'do corrente As 10 horas da noi-
ta ataoro a propriedade do Pina do abaixo
assignado, c roul, rao i escravos de nacao. de
Domes seguintes: Luiz, idade re 30 annos. bem
barbado, o roforcaao do corpo Fi lippe, idade
le 20 annos, figura regular; Jos, idade de
18 annos. bem fulo, e cara redonda ; Manoel.
idade de 1 \ annos. doenie, c bstanle magro :
osquaos depois de serem roul.ados forao meti-
los em urna barraca e esta fez-se de vela o
como o vento eslivesse bastante sul he de pre-
sumir que seiiis.se para o norlc, por isso pre-
vine-se a qudquor pessoa o autoridades poli-
ciaca, para que faca o capturar os malvados.
Silrutre Joaquim do Noseimento.
Na rua do passcio, loja Iranceza. fazem-so
chapeos de sol de seda, bordados, para homo.n
esenhora da mais superior qualidade do soda,
e com a mesma (azonda cobrom-se armacoes, e
eoneortao se com toda a promptidao e brovi-
dade todose quaesquer chapeos deso; na mes-
ma achao se ricos cobertores de cama por preco
imito commodo cco.nprao-so armacos ve-
Ihas de chapeos deso.
Precisa-se de urna crioula forra que se
sujeite a engomar eco/inhar em urna rasa de
homem casado sem ilbos cm Fora de Portas
no segundo andar do sobrado n. 03 (U> manha
at s 8 lloras, e rio tarde das 5 om dianle.
Boga-se ao Sr. Fiscal do Red fe lance
suas vistas sobre a Gasa n 70 en. Fora de Por-
tas
;...... que esta coiiiprenenilnla no K 5 do titulo
> de julho, tem parte do carregan.enio 7 das posturas i.-19 de fovereiro de 1833.
prompio; os pretendentes para carga, < passa-
O abaixo assianado v-so na precisan do
A mulher, que mandn fazer na rua das
Agoas-verdes casa n 32 tres coeirosde lava-
rinto e que ja levou dous promptos ; queir.i
lera bondade de ir buscar o que falta levan-
do o importe de lodos, pois que quem os fe
muilo preciso ver o ruclo do seu trabalho e
tem de retirar se paia o sitio por toda a sema-
na que entra.
O administrador da illuminaeao publica
desta (.dado abaixo assignado declara ai Si
do annuncio do Diario de Sex'a feira n. 139 '
que da sua paite cuipa neiiliiiina tem de ser in-
Iransitavcl a chamada rua da l'raia de Santa Ri-
la porque em dita rua nao ha lampies o
nem consta haverorde.il para na mesma seren
collorarlos OS mesmos podendo-so a rescenlar
aodito Sr. que se desoja o bem publico eseo
n. mesmo lempo deve-se dirigir OS autorida-
des para tal objoclo competente. l.uiz Gon-
zuga da /{ocha.
Boga-se encarecidamente a mesa da r-
mandadedo Sr. BomJezUB das llores exponba
o motivo de nao darem posse a mesa nova ,
equeirao tirar algiimas suspeitasque se tenr se
lor assim. nao hi'justo nao quero levantar falso,
comotonhoamor a mesa novapoi ter alguna-
possoas dignas, c dezejando o augmento do tem-
ido que nao me esquivare i do dar a miiiha es-
niolinba j promeltirja pura o badallo o
amigo do direito.
= Terca-foira \ do corrente vai a praca pa-
ra sern, arrematados os bei.s penhorados por
execucao do capilao Manoel Fernandes daCru/,
i seus devedoros Joaquim da Fonsoea Soares de
Figueiredo, o sua mulher. osquaos silo, una
casa nova bem construida na estrada do Mon-
teiro com sitio e sabida para o rio ; outra
grande casa om respaldo no lugar doCaldcrei-
ro com um grande terreno para um sitio o
aluda para o rio e varias olarias no mesmo
lugar do Monteiio com fornos do eozi r lijo-
Ios lolhas urna son-alla e estribara ; as
possoas que quizerem arrematar, dirijao-se ao
norieiro dos auditorios para vereni a avalia-
co, e para veroiu nos bous aos lugares cima a
puntados.
Precisa-so aiugar um sobradinbo de um
em proj ./o yU i ita -r."; do abaixo assignado,
e do mais herdoiros em geral assim maiores
como menores, ser o abaixo assignado que va-
lendo-se do estado em que se acha a dita Sr.*
com 70 e tantos annos de idade cesa de ambos
os olhos por esto laclo incapaz de reger sua
pessoa e bous, quem a domina sen quem a se-
duz ser quem seduzio essa filha o a lirou do
casa para melhormeiile se poder la/er as velha-
cadas a que ella se oppunha, seri quem deu prin-
cipio aos lelgios ser quem tem concorrido
para o estado miseravel de sua necessidade, se-
ra quem tem formado simulados dbitos activos
e passivos afim de nceulti r o apurado o de lu-
do dar conta ser quem Ihe comeo a grande
sonima emdinhe.ro bens de raz movis,
joias preciosas escravos e mais ohjectos per-
centes ao casal de seu finado marido alm da
grandesomrna emdinheiro pertencente a casa
do finado l.uiz Francisco do Bego, por ella ad-
ministrada, ser quem dosencaminhou esta in-
ventario, que diz outr'ora tor-se leito para se
nodorem seguir parte das volhacadas nao foi
de corlo o abaixo assignado porque se o lusse
nao leria fcilo annum ios e mais annuncios a
tal respeito, sera o abaixo assignado o la Iso de-
voto, (ue outr'ora se inru|rava protector das vi-
uvas edeoutros, (jue de noite andava des-
ealso, o ue dia com cbinellos rolos, e jaquela de
coliivel!o rasgados, sem vergonha passeando
desenibaraeadamente pelas ras de corla < .idade
inculcando indigencia e lingindo santidade a-
im de Iludir o publico o fazer sua fortuna,
por corto que no Toi o al; ixo assignado. Os
(>0),000 reis forao confe-sados e pagos a dita
Sr em dous de maio do 1838 mas nao con-
vencida de que j se achava paga veio ajuizo in-
justamenlo rom dolo e malicia preparaco de
hbello contra o ab.-ixo assignado nedindo-lbe a
lita quantia, deque ba muilo lempo anlecipa-
damenle se achava j i paga com grande exceso
queilevia eainda boje deve repor ao abaixo
assignado o que prnva o se tem em ju/o com
documentos superabundantes unidos a dita cau-
sa, e ou lias en l ro as q naos se conta a de prodi-
galidade o abaixo assignado por si e como
bastante procurador de mais herdoiros seopoz
rom embargos de lozo e nullidade no inventa-
rio leito. Francisco Jote Dias da Costa.
l'urlarao da loja do Gomes & Carvalbo ,
no dia 30 de junho passado um carto pequeo
de papoio com dosanove mai.tas de il.i de li-
nho ; roga-se portanlo a quem ditas mantas fo-
rem ollorecidas aprebendel-as, assim como (po-
dendo)ao roubador,elval-asa dita lojaiuntoao
arco de S. Antonio, na esquina que vira para a
Cadeia ou annum iar por este I iaro.
= .Madame Huelle ; retira-se para Franca.
= No deposito de ds.su.ear refinado, esia-
bclecirb junto ao arco de S. Antonio, em fren-
te do caes do Coliegio ha para vender assucar
refinado segundo o novo systema de Tabrica-
ge.rosd.rijao.se aManoolJoaqui.il Pedro da declarar aos senhores .-redores do seu fallecido
Losla na rua da t.ailea n. rb. ; irmao M.in.wl Pedro rb Moraes Mayor que Se
Para o Bio de Janeiro segu com brevida-j devem dirigir ao coherdeiro Jos Fcijo de MelIo
andar, OU um segundo andar, sendo as prin-cao pelo qual se extrae a polassa ocal, dei-
oipacs ras deste l.airro deSanto Antonio; quem xando-se-o no sen estado de pureza ; seido o
tiver annuncie, ou dirija-se ao pateo de S. Po- 1 preco da libra do de primeira sorte e em paes
,,rn n !fi- SO rs. cod e^umia v mwtm, vu, F,
- Urna Sr.a de bons coslumes so encarrega j a 120, e 80 rs.
ILFGIVFI


0


= *
Thomaz Teixeira Leite da Silva, retir -se
para Lisboa.
Ahigase urna ptimo moleque o qua'
prio para se recolhor madcira; quem os perten-
der dirija-so ih> i. andar do sobrado supra ,
pura se tractor do ajuste.
servo tanto para o servio,. de easa c mo para Quem precisar de roupa Invada o en-
ra: na ra das rriocheiras n. 46, primuiro
andar.
= Precisa-sede um caixeiro para venda,
que enlenda bom dostn negocio e qe d fia-
dor a sua conducta : no atierro da Moa-vista
A. 4*.
jtt'ria da Milrh da Roa-vitta.
= O lia impreterivel do andamento da* ro-
is ter* lugar ein 15 de Agosto prximo futuro,
aoja qua I for o numero de bilhetes nessa eporha
existentes, e o thesourcim desta lotera roa aos
Srs. agentes cncarregados das vendas dos'biltte-
fces que faci por evitar o monopolio, que se
obsorvoa na latera passada relativo aos moio<
bilhetes pois he justo que elles sejio vendidos
ao publico pelo seu valor intrnseco, o nao
coto excesso d'interesse.
= Aluga-se urna das casas defronte do
theatro novo; na ra da Cadeia do Recife n. \0
= Oflerece-se um moco portuguez de 16
annos para i aixeiro de qualquer arrumaco
excepto venda oqualjatem algmi ortica
deven ler no balcao ; quem de seu prestiin? se
qui/er utilisar annuneie.
=Johnston Patr & Companhia avisoaos
Srs. de ongenhosecorrospondentesdos mesinos
nesta praca que so acha completo o seu esta-
belecimonlo de mauhinismo para cngonh'ts,
constando de moondas de diversos taminhos,
machinas de vapor, de condesacao o de alta
pressao da forca dequatro ede seiscavallos in-
gleses e tatas lutidis ecoa las e prnnettee
agradar aos seus frnguezes tanto ein preco como
em qualidade, visto serem lodos estes ohjoctos
feitos n urna das principacs fundicoesde Ingla-
terra : roa da Madre le Dos n. 5.
- Muto se tem fallado do sistema Momeo -
pinico do sistema de Rroussais e de outros
muitos mil ditrenles ; pouco portanto se tem
dito do ran essenrial os evacumantes, que
ninguein pode negar ser -i nos climas calidos
absoluta'lente necossnrio*, e sobretub quandn
existo a difli mldada de fa/.er observaran! mi do-
tes a dieta necessaria rigoroza que pode a
Homeopithica e protica regular dtc. Somos
geralinenloacostumaiJos a comer muito mais
do que he noeessario para o nosso sustento ; o
resultado he flatos, indigestos, e inflamar
coosnos ligados, cVc. Para remover imped-
estes incommodos, nada he mais prompto. que
um purgante saudavol que no constipa os
intestinos, c que augmenta as diTerontes sec-
cre 'oes.
O publico achara as Pilulas vegetaes do Dr.
Brandreth e na Medicina Popular Americana ,
estas propriedades, que produzem seu efleito ,
sen dores e incoinmodo algutn nao hu ne-
ssario dieta alguma o pode-so tractar dos
seus negocios no mesmo dia em que se tomar.
Aqu vende-se somente em casa do nico a-
j gente JoaoKeller, ra da Cruz do Recfe n
?8, e para maior commodidade dos compra-
dores, na ra da Cadeia do Recife, em casa de
Joao Cardozo Ayres, na ra Nova nade Guerra
Silva C.', e atterro da Boa-vista, na deSal-
les & Chaves.
ss Tiro-se pasaportes para f'>ra c dentro
do Imperio, despaxa-s escravos, ludo rom
brevidaile ; no atterro da Boa vista loja n. id.
oui, onde se achara con iiicm tractar.
- Um rapaz brazileiro. casado e l>em ro-
nhecido nesta praca se olTcrece pan caixeiro
de qualquer estalteleciniento com tanto que
seja para eobrancM ; quem o pertender n-
nuucie, oudinja-seao atierro dos AIogados
n. 7. ,. ...
= Urna mulher branca livre c desempedida
seoferecc para ama de casa, sabe ler, escrever,
cozer engommar co/inhar, ensalmar, ed.
fiador a sua conducta ; quem a pertender, an-
nuncie. ,
^Continua-se a dar dmhciro a premio so-
bre penbores de ouro em pequeas pon oes ;
no patio do Paraizo sobrado n. 8 2."andar :
assiin como dezeja-se fallar .'. todos osSrs qui-
no mesmo tem deixado penhores.
=Seiiuo o ahaixo asignado avisado pelo
Sr. Antonio da Costa Rogo Monteiro. por ar-
ta de 11 do corrente, recebida a 23, |or vn do
Sr. Paulo Borges Alvos, que o seu atiancado
Antonio Joa|uim de Almeida, ajustara e rwe-
bcra em sea teja fasendas no valor de 22IS0O0
rcis, e licandn o abaixo assigna.lo MffpMMi -mi
esta noticia porque nunca vio. c nem onhe-
cea esse individuo ; f tavel puldico e muito princip/ttiwnte ao< Srs
1.i*las pafa n5o cjibireiu em simtibante logro ,
urdido por es*; eavalheiro de mlo querqne clleejo. Cnlade da Virtoria 2
juph.. de 1*W. Tiburitno
meida
Pinto de Al-
__A|,iS5o-se os dotis armarens, qne iiio ,
Um debaixo losobra-to n. 15 la roa la Cadeia
e S. Antonio e outro no fumlo do dito so-
brado seado o primeiro muito grande e pro-
gomm da tanto do homein como de senhora,
co ii todo asseio perfeico e preco commodo ,
dirija-se a ru de Hurtas, n 36.
_Thoin,z Jos le Silva Gusmao Jnior oer-
teaile embarcar o s?u escravo por nome Joa-
quim para o Rio de Janeiro.
Precisa sd'um rapaz solteiro paracaixetro
de escripia por isso se exige tenba boa d;tra ,
escreva certo e desembaracado ; no Recife ra
da Cadeia loja n. 57.
= Policarpo Nunos Correia novamente
pa-ticipa ao publico que a sua aula de prt
meiras letias acha-se alierta na ra da Con-
reico da Boa-vista no sobrado n. 8 con-
forme a fe/, publico pelos Diarios ns. 26, 29 ,
e 59 deste anno. O annumiante declara inaii
que tem proposto abrir ao dia 3 do Julho pr-
ximo fue turo urna outra aula tambom de pri-
noiras letras para meninos na mesma com de
sua residonjia: esta nova aula seri dirigida
:om toda a perfeico e metkodo tomando elle
lebaixo de sua ingerencia o ensino de escripia,
licao e contabilidade e o ma9 que lor con-
sernmte a costura *c. ser dirigido por sua
Senhora e urna filha, que po cimentos necessarios a um tal estabidecimenlo.
Em consequencia pois o annunoinnte pode des-
o j asseverar aos Srs. pais do familias, que
ns suas futuras a'umnas sahirao promptas
le sua aula em menos tempe e com mais per-
feicoo do que em outra onde ao manos s nio
olTerecao iguaes vantagens.
Da-so 3008 rs. a juros de 2 por cento ao
mez sobre penhores le miro ou prata: na
ra da Cadeia do Recife loja n. 57.
Aluga-se urna canoa nova que pega
1300 lijlos de alienara ; na ra do (Racima-
do n. 57.
A pessoa quo no dia 23 do passado no
convento le S. Antonio perdi um anel di-
rija-se a rua do Mundo novo n. 17, que dan-
do os signaos Ihe sera entregue.
= Urna pessoa muito hbil e que tem
bastante uso de ensinar primeiras letras ofle-
rece-se a dar 1< des em casas particulares, e
lamben rerebe alumnos em sua rasa, prome
tendo fazer todo o possivel pelo adiantamento
los alumnos; quem qnizerannuncie ou d-
rija-sn a ru>; do Brum n. 4 por traz da Igre-
ja do Pillar.
= Precisa-se alagar um moleqne para ven-
der areite na iua; quem ttvr annuncie.
Oflerece-se um homem Portuguez, mo-
co parafeitordo engenho ; quemo precisar
dirija- e a roa da Guia casa de pasto.
Perdeo-se21c rs. sendo 4 sedlas d-
.vi rs. c urna de 1000 rs. sendo peni las des-
le a rua Direita patio do l.ivramento dito
lo Collegio rua da Cadeia, e da Cruz; quem
achou qiK'rentlo restituir, dirija-se a rua do
l.ivrHinenlo n. 13 quereteber 10,000 rs.
de gratificacao.
= O Sr. qne se Ihe deo um livro de Le
loy enradernadi.de novo, para guardar a
2 annos rom o nome do dono na primeira fo-
lln querendo restituir he favor dar o nu-
mero de sua casa para ser procurado que o
dono Ihe ficen assas obrigado.
Aluga-se urna rasa terrea na travessa do
Marisco, ira be-o do Poiimto rom 2 quor
tos', duas salas, colinda e quintal com a
cimba ciliada e pintada de ovo ; quem pre-
tenler dirija-se a loja da viuva de Burgos, na
esquinado Lixramento.
Pretende-se permutar ama parte da casa
de 3 andares e tres lojas sita na roa do Crespo.
.pie vira para a rua do Collegio do valor de
800,000 rs. por nina asa terrea de igual va-
lor nobairrodeS. Antonio ou Bia-vista ;
a quem convier dirija-se a rua das 5 pontas
n 72.
Arrenda-se o sitio do etao d agoa no
bigarda pussagem da Cidadc de linda com
mu t> boa casa, com 3janellas c duas porta-
de frente, urna grande sala rom gabinete e
.H quartos difTerenies arvoredos de fruto ter
reno para planlaces laixa para capim e
pasto para vaucas tamliem se arremla rom al-
gumas vareas; a tratar noatU;rro ia Boa vista
cobrado n. W.
hj* Os abaixo assignados administradores
Companhia tendo convidado por rartas cir-
rubrres e pelo Diario aos Snrs. redres pora
no dia rO de Junbo p. p. se reunirem em dita
asa e como alguns nao romparereriio fa-
zem suImt que os reunidos arrert-arao a pro-
pnsta que Ibes mandn farer aqtielre Snr.
Guimarjh-s de Ibe perdoar a ameade do que
actualmente bes leve recebendo a outra a
ametaile em 3 pagamento ignaes : o primeiro
a venen em 30 de Sctetnbro de I8. e os dous
no mesmo da, e nos dos annos seguinles de
18o e 18V6, acceitando e garantindo as
ieiras ; esias com o onus de u por wuU> du
mez do vencimento em diante para seguran- !
?a elle, sua sogra e os nenfeiros desta
offerecem hypothecar o ngenho Aralanzil, es-
cravos : sobre o que so fez a concordata que
se acha em poder de Joiio Leite Pita Ortigueira,
morador na rua da Cruz n. 12; para a reme-
ter no dia 10 lo andante mez fim le se lan-
v ar dita escriptnra as notas da Comarca do Rio
Formoso; o que participio a quem convii-r
para en tempo se no queixarem. Se algum
dosSrs. credoresainda niioassignalos na con-
cordata o quuerem fazer, podem diriirir-se ao
lito Leite com o queserao declarados na es-
iriptura de hypothoca; outro simdeclarao mais
que na reuniao dita se dimirflo do cargo de
dministradores. e que a casa so acha entre-
gue ao dito Sr. GirimarSes com quem se deve
entender no qne Ihe diz relativo Joao Lei-
te Pita Ortigueira o Jos Antonio Pinto.
Compras.
Compra-se efleetivameute para fora da
provincia mulatinhas crioulas e m lis escra-
vos de 13 a 20 annos, e para urna encomen-
la um moleque de Angola do 13 a 20 annos ,
oziiiheiro; e urna mulalinhade 12 a 13 an-
nos, om principios de costura; pagio-se bem
sendo bonitos; na rua larga do Rozario n. 30,
primeiro andar.
Cnmprao-se barris de 4 em pipa que
niovasein : quem ti ver annuncie.
Vendas.
Manoel Al ves Guerra na roa do Viga-
rio n. 3 vende laxas de ferro batido e coado
em bom sortimento por preco barato o tra-
vs de madeira superior de 36 a 50 palmos .
e de 7 a 10 polegadas de grossura.
Vendem-se espelhos de gaveta e pre-
,'os de todas as hitlas: em casa de J. P. Adour
& Companh a, na rua da Cruz
NenUe-se farinha de milho de superior
qualidade por preco commodo : na rua da
5 pontas n. 23.
Vende-se urna negra crioulo de 18 an
nos bonita figura engomma rose rozi-
iilia e lava : na rua dasCruzcs n. 41 segundo
andar.
Vende-se um sobrado de um andar e so-
tao, em cilios proprios na rua de S. Ritu
n. 14 ; a tratar na Camboa do Catino n. 12.
Vende-se una prota de Angola boa
cozinheira la^adeira o engommadeira: no
atterro da Boa-vista loja de alfaiate na esqui-
na do liceo.
A endem-semeios bilhetes da lotera de
Gaudelupe, a 4500: na rua do tjvraincnlo
n. 22.
Vendem-so meios bilhetes da nterin de
GuaiMupe : na atterro da Boa-vista loja de
sa patos.
Vendem-se duas moradas de casas na
rua dos Pir^s, ns. 23 e 25; a tratar rom Fran-
cisco Gooral\esdo< alio na rua Augusta.
Vendem-se 1200 paneirosdesal m gran-
des e pequeas poredes assim como barris de
tinho do Porto de superior qualidade; salea
parnlba novamente chegada ; em casa de Ma-
noel Duarto Rudrigues na rua do Trapiche
n. 26.
Vendom-sc rarrinhos de duas e de 4 ro"
das eom cidiertas e sem (das por todos os
precos; em rasa le Me. Calmont di Compa-
nhia na praca do<'.orpo Santo n. 11.
\endem-secaivetes finos com molla,
que ttteteiido-so a [>enna snhe aparada : na rua
do Cbug1 h>ja junto da do Sr. Bandeira.
\ ende-se um quarto tuni para carga ;
no largo da Malri' casa terrea n. 10.
Vende-se um escravo de naci eptimo
pera palanqun boro trahalhudor e de 22
anfios ; na rua da Cadeia de S. Antunio n. 25,
segundo andar.
Vendem-se piannos fortes e fortes pi-
itnnesdos x'lelirudos autdores Broa wood &
Sons de landres recen teniente rhegados de
diviTsos modellos e por todos os prefos ; em
asa de Me. <'.almonl 6i Companhia praca do
Corpe Santo n. (I.
= Vendem-se 12 t aves gross;s com 33
oalmos de comprido e 4 ntos irau-ssas de 30,
que estao no porto da rua Nova: na rua do
rogo n 27.
\ endem-se um casal de escravos proprios
para oservieo decampo ; um moleque de na-
ci Baca d-13 annos; urna monea de 11
mnos rom boas habilidades : ma escrava pe-
rita cozinheiea ; 4 diia- para iodo o -servi-o ;
um escravo bom official de ourives de 23 on-
m : na rua ie Agoas erdis n. 46.
Xemleni-sc 40 travs rom Hms grossu-
rase cwmprimentos, de 30 e 35 palmos, de
qualidadeca acari de lauto ; por truz da ribei-
ra ns. 16 e 17 serraria do Cardial.
VMuof*>c ihi ;ic uiiiii,u c jirinicu
ra e segunda sorte e de peso muito emeonta,
agoa de Colonia em frascos |iiadradis a 880 ,
botos para guardas da alfa dega sabonetes
finos, pennas do secretaria papel do coros
para cnleites de bandeijas. o lvrps em bramos:
na praca da Independencia, loja do miudozas e
encailernai-ao n. 36.
y- Na loja de Guilberme Augusto Rodrigues
Selle rua do Queimado n. 25 vendem-se
um completo sortimento do fazendas finas e do
mato ao mais mdico preco ; bem como pan-
nos finos de todas as ores e qualidades me-
rinos setins sarjas casimiras de cores mui-
to finas, franquelins, duraque o lijas superio-
res camhraia do Inirn tom cassas lisas fin-
simas e de todas as mais qualidades brins
lisos e trancados meias de seda do todas as co-
res chales de merino laa, e mais qualidades,
suspensorios de seda e de hur acha superiores
loncos de seda preta e de cores de novos pa-
drees platilhas e brelanhas finas de linho pu-
ro chitas do ultimo gosto chapeos de sol de
seda e de panno cora baleia ditos de massa
Irancezes, de castor o mais qualidades.
= Vendem-se urna escrava de naci com
bonita figura perita cozinheira e engomma ;
urna mulatinha de 16 annos com algumas ha-
bilidades ; na rua Direita n 3.
= Vende-se urna canoa de amarel'o que
rarrega 600 tijolos de abonara ; na rua de \
Goncaflo na casa cm que mora Manoel Elias
de .Moura.
= Vendem-se saccas com milho ebegadas
ltimamente do Rio de Janeiro, muito novo,
a 4000 rs. a sacra ; no armazem defronte da
escadinhada Alfandega.
=sr Vendem-se queijos londrinos, o de pi-
nha presuntos ingle/es, conservas de todas
as qualidades frutas cm conservas para pas-
tis, ervilhas em latas carnes c soupas pre-
paradas em ditas Champanhe vinhos de to-
las as qualidades, e outros muitos objectos l-
timamente chegados : na rua da Allandega ,
armazem n. 4i.
as \ ende-se um grande sitio na estrada do
Arraial com urna giande casa de pedra e cal,
com 3 grandes salas 6 quartos, urna grande
sen ala para mais de 30 escravos toxeira para
carro e cavallos muitos arvoredos de fruto
plantados a dous annos ; senado para 4 vareas,
com rio dentro do mesmo sitio, que deste so
pode fazer um grande viveiro vende-se com
prasodedous annos, dando nicamente me-
tade a vista ; a tratar no mesmo sitio na esqui-
na que vai para a Casa Forte, Monteiro c,
Api|Micos.
Escravos Infidos.
No da 11 deNovembro do anno passado
desappareceo da llh do Nogueira um moleque
crioulo de nome Gallo baixo, cheio do corpo-
de 15 annos, roslo redondo dentes bem alo
os, bem preto espertoe muito regrista, e
para n.elhorsignal tem as nadigas 5 (albos da
navalbas sendo 3 da parte esquerda e 2 na
direita, e neoutia surra que levuu fez-se-lhe
de urna banda um quadro: quem o pegar leve
a mesma 11 ha que seifi gratificado.
No dia 18 do corrente fugio a escrava
Delfina ('abunda, rosto redondo grossa do
corno, psgrossos, levou camisa de algxlao-
zinbo vestido rom o rou|iinho de rhita des-
botado e a saia encarnada com Imitados 3 vol-
tfls det-ontns brancas no pescoco e uns soli-
tarios as orelbas inm podras tem em cima
de um peito um signal da sua trra lie do
b.a estatura; queni o pegar leve a Fora de Por-
tas n. 127, que ser/i recompensado.
Fugio do cngenlto Carile em 12 do p.
p. a mulata Damiana n qual veio munida do
urna carta de alforria Ilegal be clara, estatu-
ra e corpo regular cabello cortado do incio
para traz e mais crescido adiante pes e bracos
grossos, quando olha fecha mais um olho do
40 annos, esta escrava tem urna irma escrava
do T. Padre Inglez, que mora na passagem da
Masdalena onde talvcz ten lia simio ; quem
a pegar leve ao dito engenho ou nesta pra-
ca em casa do Manoel Ignacio de Oliveira na
[iraca do Commercio n. 4, que sera recom-
pensado.
150.000 de gratificacao
Fugio no dia 30 de Janeiro do corrente
anno o mulato arabocolado, claro do no-
me Cosme baixo e reforcado do corpo, de 15
anno levou vestido camisa le riscado ja des-
botada c calcas da mesma fa/enda quando
falla inclina a caltcca pura a banda e a boca da
mesma forma desconlia-se que eslea em al-
gum lug:;r para o malo a titulo de forro; quem
O pegar leve ao largo do Corpo Santo o, IA.
= Fugio no dia 27 do p p. o moleque Ja-
cintbo crioulo de 16 annos rom urna bc-
i.i. ...
.. t les!' vestido
Cas dealodaowdhaseja s jas ; qmiii o pegar
leve ao Forte do Mallos na prensa de Jos Ri-
beiro de Rrilo que ser recompensado.
Usare: ha ip. na R hbJ:'aria.=143


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZI0RT8HV_I3FKSM INGEST_TIME 2013-04-13T02:59:16Z PACKAGE AA00011611_04993
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES