Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04986


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo de 1843.
Qnarta Feira 21
Tudo sgora dependa i. D>. MB0<. dt prDa>BC ,, .
sreono pr,nc,p,",ri' ~-f v^ r Ssaa. ss:..
________________( Proclamado da Awbla G.r.l do Bli'ia.)
r p ^ARXIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES
fiautiDL P.r.h,b. R.o5r.nd. do Norte .egund. mUU :".
Cwr SiriDhaem, RioFomoeo Porto Ciro Maceid.
,0'-,"",t *'<'" -3 28- S.n.o Antiio, quinta, fci,.,
a* -', DAS DA SEMANA
W 3tg. t. Jnlimi de Filonieri. Aud. do J de D da 3 *
20 larc a, vSiWerio P. Kel. Aud. do J. de I) da 3. T' '
21 Qbi i. Luii Gonzaga. Aud. do J. de D. da 1 t.
22 uim jejun s Paulino t Aud. do J. de da 3. r.
23 ti + jejuia si Corarlo de Jezua
24 i>. *. aacimeatodo a. Joao bautista,
15 ""' A jiura de Nossa Seuliora
Alagoaa no 1. 11
Olinda todoa oa diaa.
de Jrnilio
Anno XIX. N. 133.
pr.oo da aaeigaetara a*
aaaignanlea e5o inferido*
O Diario publica-aa todoa oa diaa o>oa n'io (oreaa Sanlifieadoa:
Aj./1 de Irea mil rea por quartel pagoa adianladoa. Oa aonuncioa doi-----0------------
Xtf/ pratie, e oa doa que o nao foreni raz.'io ile 80 rea por linlia. Aa reclamacCee dereaa aer drn"
Y^-X/j) R r
camiu.No da
Cambio aobra Londree 2 4.
Pan 3. o /tu por franco.
a Liaba 110 por 100 de premio.
20 de Junho oompf Tanda.
Ooao-Moada da 6,400 V. t,*u 16,600
a N. 16,-OJ 6 400
da 4,000 ,000 S*200
PiiTA-P.c6 1,800 020
PezoeColuaaarai 1,000 !**>
a diloa Maaicanoa 4,liM> Mf
Moada da cobra 2 por cenlo
dem de lalraa da boaa Brmae 1 { a { .
fHAoEbUA LAN MEZ DE JNHO.
Loa Cheia 4 12, i, 4 horaae 50 m. da m. I La ora 27, aa 5 horaa da larde.
Quart.ming. i'i, a Cboraa a 10 m. da i. | Ouari. craao. 5, o 15 minutoa da Urda,
Preamar de hoje
a 0 horaa 30 m. da oanbia. | a 0 horas a 54 m. da larda.
MItl
f ARTE OFFIC1AL,
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 7 DO COMIENTE.
Omcio Ao delegado do termo do Cabo, ac-
cusando rccepco do seu officio de 29 de maio
fiado em que pde (brea para satisfaser as di-
ligencias policiaca, por constar nicamente de
10 soldados e umeabo o destacamento, existen-
te naquella villa, o nao ter sido at hoje com-
pletado, como informa o respectivo comman-
dante ; e significando em resposta que ne occasio reitera as ordens para o complemento
do contingente, que deve prestar a lugio da
uarda nacional da dita villa ao corpo destaca-
do; eque, emquanto se nao completa o des-
tacamento, e todas as vesos, que a urgencia do
ervico o exigir, requisito aos commanclantcs
dos batalhdes da guarda nacional a forca indis-
pensavel para as diligencias, visto que este ser-
vico nunca podendo exceder de trez dias por
cada vez torna-se pouco penoso a guarda na-
cional, que he ern taes casos obligada a auxiliar
prompta e gratuitamente a polica na forma da
lei.OfTIciou-se respeito aos commandantes
dos batalhoesde guarass, e Cabo, e ao chele
da respectiva legiao.
Dito Ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes revertendo o conhecimento e
factura do fio d'arame que se encommeudou
Jos Lucio Corroa, do Paris, para a ponte sus-
pensa do Caxang ; afirn ao que o mande des-
cachar.fficiou-se a respeito ao inspector da
fllfaodegj.
DitosAo engenheiro em chele das obras pu-
blicas autorisando-o a mandar lavrar termos
de recebimento dos reparos do 4 lanco da es-
trada de Santo Anta >, e das obras da ponte do
Arijo sobro o rio Merinhilem.
Dito Ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes, approvando a arrematado das
obras do 7." lanco da estrada do Santo Antiio ,
para qual, participa havor apparecido un uni-
4o licitante, queese comprometi a fazer ditas
obras por monos fuSOOO reis da quantia, em
que foro oreadas.
dem po da 8.
OfTicioAo desembargador chefe de polica ,
Temettendo o despacho, proferido pela Presiden-
cia no requerimen'.o do testamenteiro e fiador
do arremattante da illuminuco desta cidade ,
para que o facaexecutar polo delegado do pri-
meiro termo deste municipio, visto comprehen-
dcrajurisdicvo doS. S." toda a provincia, e
nao limitar-se a comarca, para que Ihe posso
ser incumbidos os encargos, que as leis provin-
Iciaes derao ao prefeito dtsta ; e ter S. S.' de
Dccupar-sede objectos importantes seguranza,
23 Iranquillidade publica c a polica em geral.
Dito Do secretario da provincia ao primei-
j*o da assembla legislativa provincial, scien-
.tificando-o do ter o Exm. Sr. Presidente desig-
nado a casa das sesses da mesma asamblea pa-
,ra nella se reunir o collegio elcitoral desta cida-
de ; para que mande-a pi a disposico da c-
mara 'municipal respectiva. Participou-se
cmara municipal desta cidade.
Dito Do niesmo ao inspector da 'hesoura-
ria das rendas provinciaes, intclligenciando-o
dehaveroExm. Sr. Presidente concedido de-
inissiU) do lugar deescriplurario das obras pu-
blicas Anselmo Jos Pinto deSousa Jnior.
Communicou-se ao engenheiro em chefe, e ao
inspector fiscal das obras publicas.
DEM 110 DA 9.
Oflfcio Ao juiz do civel da comarca do Bo-
nito ''remetiendo copia do parecer do desem-
bargador presidente interino da rela^ao a res-
peito das du vidas que em ollicios de 25 de fe-
vereiro c 4 de abril propoz S. me. quanto a
. partilpa dos bans do vinculo da Raposa, extinc-
,to na forma da lei pela morte do ultimo admi-
nistrador : e declarando-lne em conformidade
do mesmo parecer, que nenhum conflicto de
jurisdicc3o ha, e que as partes, que se sentirem
*_____ __j;____i ...___:- j .. __________i_____ .i ___
recrutas, quelheforem remottidas pelo Exm.
presidente da referida provincia.
dem do da 10.
Offlcio Ao presidente interino da rolacao,
exigindoo scu parecer acerca das duvidas, apre-
sentadas pelo juiz de direito do crime da comar-
ca de (aranhuns no officio, quo Ihe'enva.
CircularDo secretario da provincia todas
as cmaras municipaes, remettendo laminas do
puz vaccinieo recentemente colhido afirn de
que us respectivos municipios tenho a conve-
niente applicacao.
OfllcioDo mesmo ao delogado do Cabo,
aecusando a remessa dos naiboa do comman-
danle do destacamento daquella comarca que
acompanhariio ooflicio da luella dologatura de
18 de maio ultimo ; e disondo, que a conta do
fornecimento d'agua luz dove s t organisada
em firma para ser paga pela thesouraria da
fasenda.
Dito Do mesmo ao director do collegio dos
orlaos, scientificando-odohavero director do
lyco participado, que o substituto dascadeiras
de primeiras letras de dinda tem para ali par-
tido afirn de ir roger a cadeira daquclle colle-
gio emquanto durar o impodiinento do res-
pectivo professor.
CommaiicSo das Armas.
EXPEDIENTE DE 30 DO PASSADO.
Officio Ao Exm. Presidente, enviando-lhe
informado o requerimento do soldado Jos Ig-
nacio de Araujo, que a S. M. o Imperador sup-
plicava demissao, por ter sido impropriamente
recrutado.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., enviando-lhe a
requisicao dos instrumentos necessirios para a
msica do batalho segundo d6 artilheria a p,
indo na mesma incluidos os que outr'ora orao
(orneados acompanhiado artfices.
DitoAo coronel chefe de legiao de Gara-
nhuns acerca do Anspecada Jos Correia dos
Santos Araujo o do soldado Manoel Ferroira
de Mello.
Dito Ao commandante interino da fortalc-
sa do Brum communicando-llie que o desf-
menlo da mesma fortalesa faria exerciciodo ba-
ter as quintas-leiras, c que nesses dias se Ihe
a presentarla o otlicial instiuctor.
Dito Ao commandante interino do segundo
batalho do artilheria, communicand )-lhe o ex-
posto no precedente officio, com o quo ficava
respondido o seu de 2'J datado.
DitoAo mesmo, discndo-lhe quehavia of-
ficiado ao coronel chefe de legiao de (aranhuns,
para faser recolher ao batalho, o anspecada
Jos Correia dos Santos.
Dito Ao mcs.no, remettendo-lhe a guia g-
ral das pracas queforao desligadas do batalho
provisorio por occasiao do seu embarque, afirn
de extrahir copia dos assentos das qne hoje poi-
tencem ao batalho do seu commando.
"prejqjlicadas respeito da competencia do juiz,
recorrers aos meios ordinarios para que pelo
tribunal competente seja decidida a queslao.
No Hiesino sentido offiiiou-se ao juiz municipal,
teid/orlaos do termo do Bonito,
Portara Ao commandante do brigue-escu-
n Leopoldina, ordenando, que se facadevel-
la para a provincia do Rio-Gran ledo Norte, a-
Jim de condusir para esta as pracas do linlia c
DEM DO DA 31.
Ofilcio Ao Exm. Presidente, informando
o requerimento de Joao Folis do Carino, que ao
soberano empetrava a graca do llio conceder re-
forma, emallencao a ter servido 28 annos, sen-
do 19 na primeira linha e 9 na segunda a-
chando-seem idade muto avancada, doente, e
incapaz de promover os meios de sua subsis-
tencia.
DitoAo mesmo Exm. Sr., informando o
requerimento do cirurgiao mor reformado Jos
Vieira de Mello, quo ao governo imperial sup-
plicava o pagamento da quantia de 1:375^000
reis de vencimentos que deixara do receber, em
consequencia dos aconlecimentos polticos de
1824.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., remettendo-lhe
para ser paga a conta do fardamento que se
eslava a dever ao primeiro cadete do segundo
bo:allio de artilheria a p Pedro de Assis Cam-
pos Cosdem, visto ter servido em corpos onde
nao havia conselho administrativo de farda-
mento.
DEM DO i.' DO COMIENTE.
Officio Ao Exm Presidente informando
o requerimento do doutor em medicina Ignacio
Vi y da Foncecu, que n S. M. n Imperador re-
quciera cirurgiao mor para o batalho de arti-
lheria desta provincia.
DitoAo mesmo Exm. Sr., pcdindo-Ihe o-
clarecimcntos acerca do abono de luzes, o u'a-
goaaosempiogadosdas fortalesas, por.isso que
a provisSo (ie 27 de agosto de 1828, se nao oi-
punha a similhante fornecimento posto em
pratica muto antes daquella poca at o pre-
sento.
Dito Ao juiz municipal da primeira vara ,
mandando-lhe apresentar o cabo de osquadra
Jos Felis da Silva Lobato pura fazer eil'ecti-
va a sentenca de dous annos de desterro 'para
fra da comarca imposta polo jury desta cida-
de conforme purticipava em seu officio desta
data.
DitoAo commandante dacompanhia deca-
vallaija, ordenando-Ihoque mandasse apreson-
tar ao juiz municipal Vicente Pereira do Rogo,
o cabo Jos Felis da Silva Lobato que fra
condemnado polo crime de estupro a dous an-
nos do desterro para fra da comarca e disen-
do-lho, quo este cabo duianto a sentenca, nen-
hum voncimentodevia perceber, c perda o lem-
po de servico na forma da imperial provisao
do 16 de oiitubro de !8il.
Portara Ao commandante do deposito ,
mandando excluir o sargento qiiarte'-mestre
Miguel Joajuun do llego Monteiro, e primeiro
sargento Joaquim Anselmo Rabello de Mello ,
destacados no Rio Grande do Norte; por que o
primeiro era hoje alferes do exercito, e o segun-
do so achavadeordomdo gov;rno imperial per-
lencendo a compauhia provisoria da dita pro-
vincia.
dem no da 2.
OfficioAo Exm. Presidente propondo ao
governo imperial para demissao por incapazes do
sei vico em con..equencia de inspecca que sof-
frerao no dia 30 de maio ultimo os soldados
Antonio Jos de Lima, do cavalhria ; Antmio
Joaquim de Sant'Anna, de artilheria ; Joaquim
Ralael da Silva, do artfices; e Jos Ignnocen-
cio Pereira, o Leocadio Pereira Pina do depo-
sito.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., acarea dos in-
vlidos permanentes Alvaro de Luna Freir o
Francisco Xavier de Fre tas.
DitoAo mesmo Exm. Sr., satisfasendo a
exigencia do ministerio da guerra acerca da
idade com que assenlara praca o sargento Ma-
noel Cimillo do Amorim.
Dito Ao commandante interino do segun-
do balalhao de artilheria.exigindo esclarimentos
sobre os assentos de praca, o occurrcncias mili-
tares do soldado Nicolao Ferreira da Silva, quo
hojo partencia ao deposito do Rio de Janeiro ,
c requera passagem para o dito batalho se-
gundo.
Dito Ao desembargador chefe de polica ,
comrnunicando-lho o procedimento que tivera
o sota-carcereiro da cadera, com o commandan-
te da guarda da mesma no dia 1."acerca do um-
a desordem praticadana prisao das mulheres,
para que providenciasse como entendesse acor-
tado.
Portara Mandando excluir, e passar guias
a vintuuma pracas que so achavao as Alagoas
pertencentesao batalho segundo de artilheria
a p, visto que das nformacoes recebidas do
Exm. presidente daquella provincia, se depre-
hendia, quequatro fellecerao tiez desertarao,
duas embarcaiao para a corte, e as 12 existen-
tes erao do absoluta necessidade ali.
quantidalo, e qualidado de luzes, que aos mes-
mos o'ficiaes ficava competindo ; por isso que
nenhuma lei existo, que disto trete.
DitoAo mesmo Exm. Sr significando-lho
em satisfacao a exigencia do ministerio da guer-
ra feita em aviso de 8 do maio ultimo que o
fornecimento d'agoa feito a toda a guarnicao
na rasao de um caneco para cinco pracas, e a 40)
reis cada um, menos no batalho segundo de
artilheria a p qujocanoco abonado a 20
reis, em consequencia do ter carroca com pipa,
eboi, para condusir agoa do deposito ao res-
pectivo quartel.
rhtsourara da Fazenda,
dem do da 3.
Officio AoExm. Presidente, informando o
requerimento do primeiro tenenle do segundo
batalho de artilheria a p, Pedro Alfonso Fer-
reira que ao governo imperial supplicava Ihe
mandasso contar a antiguidade do seu posto de
18doJulhode 1841, conforme praticara com
oulros oficiaes despachados posteriormente.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., apresentado-
lhe para ser julgado em ultima instancia na
junta dejustica o processo verbal (cito ao reo
soldado Antonio Francisco Correia, do batalho
de inlantana de guardas nacionaes destacado,
pela culpa ae haver-se evadido um preso que
eslava entregue a sua guarda, e vigilancia.
DitoAo mesmo Exm. Sr., signiicando-lhe
que avista da declaraco feita em seu officio
de hontem datado mandara suspender o for-
necimento d'agoa c luz, quo secostumava fa-
zer aos officiaesemprcgados as Litalesas e
que estando anda na*onvicco que a provi-
sao de27 de agosto de 1828. e ordens posterio-
res sobre a mesma fundadas se nao oppf.o a
similhante forneciment, que foisempre frito
msla provincia, anda depois da publicado da
Citada provs2o que SO se devia entender com
os ofliCiaesdoa corpos do exercito ; rogava a S
Ex. houu'ssedc solicitar do governo imperial
o preciso esclarecimento a similhante respeito
marcando-so no cuso de continuar o abono
EXPEDIENTE DE 13 DO PASSADO.
Officio Ao Exm. presidente do tribunal do
thesouro publico nacional enviando a proposta
dosempregados notucados para os lugares vagos
da thesouraria.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. sobre o lugar
de amanuense da secretaria da thesouraria.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. informando so-
bre o disconto inensal, que se az do supprimen-
i toa thesouraria provincial djs ordenados dos
juizes de direito como he expresso na disposi-
cao do artigo da lei deoDde novombro de 184-1,
e 2. da ordem circular do la de Janeiro de
1842.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. com diversos ba-
lances da reccita e despeza geral desta provincia,
das rendas applicadasao resgato do papel edo
rendimonto de um por cento de armazenagem.
addicional.
' Dito Ao Exm. presidente da provincia n-
formando o requerimento do Jos.' Joaquim Fer-
reir de Carvalho em que pedio o lugar de por-
teo da recebedoiia do rendas geraes internas.
Dito A o mesmo Exm. Sr. idem o de An-
gelo Custodio Rodrigues Franca idem.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. idem o do Jos
Chrispim dAssumpco idem.
i'ito Ao mesmo Exm. Sr. idem o de Jos
Romualdo da Silva idem.
Dito Ao contador da thosouraria expondo,
quo nao tendo anda dado cumprimento as or-
dens do tribunal do thesouro publico nacional
do lo de |aneiro o 16 do agosto do anno passa-
do e remettido ti meza da thesouraria a copia
dos livros de assentamentodetodos os emprega-
dos que as mesmas ordens exigio cumpria
que immediatamente o fizesse dando o motivo
da demora, a lim de ser levado ao conhecimen-
to do dito tribunal.
Dito Ao mesmo remettendo por copia tres
officios do Exm. presidente da provincia : o 1.
sobre a prorogacao da I conca concedida ao de-
zembargador clj^fe de polica Antonio Ignacio
de Azevcdo o 2. relativo fi remoco do juiz de
direito o bacharel Anselmo Francisco Peretti; e
' o 3.a respeito da demissao concedida ao escrip-
turario d'alfandega Joo Carlos Pereira Ibia-
pina.
Dito Ao commissario fiscal do ministerio
da guerra participando o abono por esta provin-
cia, da prestaco do 208000 reis mensaes a m&i
do cirurgiao mor Manoel Monteiro de Aze-
vcdo.
dem do da 15.
Officio Ao Exm. presidente do tribunal do
thesouro publico nacional, sobre a despeza doa
protestos das lettras abonadas dos devedores da
fazenda quando nao pagarem em seu vonci-
mcnlo.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. idem das certi-
does extrabidas do carlorio do escrivao das ap-
pellacoes e aggravos para documentar o libello,
que por parte da fazenda propoz o procurador
(jacal contra a casa da Misericordia de Lisboa pa-
ra reivindicacao do engenho novo de Goi-
anna.
dem do da 16.
Officio Ao mesmo Exm. Sr. particnando
as remessas que se tem leito para o Para, em
cumprimento da ordem do dito tribunal do the-
souro de 8 de abril prximo passado.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. enviando aa re-
Inffioe mo ai">k... .1- ______:..:_
-/-! i, ucjibiniuir o procuro


-vr-
dor fiscal da thosonraria das causas, que por I desgranada porque essas influencias da poca le-
parte da fa7cnda tem sido intentadas perante o I vavo de rojo o Brasil de tropcco em tropeco ,
juiz dos feitos desde o seu restabelecimento ncs
ta provincia em 14 de marco de 18i2 e da
naturezu dellus ; com declara* ao dos nomes dos
secutados, e do estado, em que tacs causas se
acbavao.
Dito Ao Exm. presidente da provincia com
a informadlo do administrador do correio na
qual dava todos os esclarecimentos exigidos cm
ofliciode 15 de fevereiro deste anno para sa-
tisfa/er aoque determinou o imperial aviso de
18 de Janeiro antecedente.
DEM DO DA 18.
Oflicio Ao mesmo Exm. Sr. rogando hou-
\csse de expedir snas ordens para que o coni-
mandante do brigue escuna ltnda viesse a
thesouraria recei era quantia de 20:0408 reis
em notas inutilizadas para entregar no thesou-
ro publico do Rio do Janeiro para onde se-
gua.
PERNAMBUCO
Tribunal da Helaran.
SESSAO DE 20 DE JCNHO DE 1843.
Na appellaco crime desta cidade, appellan- reprodjzindo-se, como era de esperar de um
ieD. Mana Francisca Bandeira 1 orros ap-
e de abysmo cm abysmo ultima ruina.
Ape/ar de todas asdesgracas que a Divina
Providencia cm sua ira descarregou sobre nos ,
no foro os primeiros lempos desfavoraveis aos
revolucionarios cujas vistas limitadas nao lo
alem dos seus immediatos interesses. Urna
maioria da cmara dos deputados armada de to-
da a forcn para subjugar a loi e invadir os po-
deres que ella reduzira a simulacros linha con-
seguido derramar o terror entre os amantes da
orderfi, sem poder fazer-se respeitada dos per-
turbadores de qualquer credo, que clles fossem.
A falta de tropa que garantisse o governo, por-
que os mesmos que governavo lbe havio des-
truido a disciplina e a destruico desta havia
tornado necessaria a dissolucao daquella ti-
rilla produzido um tal dosenfreio que a segu-
ranza publica discrico do primeiro aventurei-
ro vacilava a todo o momento e si o Brasil nao
desapparereo da lista das nacScs isto Coi so
devido ao espirito d'ordem e obediencia, qu'um
governo sofrivelmente forte inoculara na popu-
ladlo desde 1825 at 1831. A proporcSo qu'os
frutos desse trbalbo de seis annos se lorao des-
truindo, as perturbar-oes lorao augmentando e
pellado Manoel da Cunha GuimarSes Ferreira ,
escrivao Jacomo ; nao tomaro conhecimento
do recurco.
Na causa de dia de aparecer desta cidade, da
viuva e berdeiro de Jos Luiz Goncalves con-
tra Rita Maria escrivao Bandeira ; se man-
dn ouvir o curador gcral.
Na appellaco civel da comarca do Limoeiro,
appellante Maria Francisca da Appresentacao ,
appellado Thomaz Gomes de Araujo escri-
vao Reg llangel ; so mandou ouvir o curador
geral.
Na appellaco civel desta cidade appellan-
tos os administradores do patrimonio dos orfos
desta cidade appellados D. Maria Candida
Pena e seos filhos, escrivao Jacomo; se
mandou ouvir o curador geral.
Na appellaco civel da comarca do Rio For-
mo/o appellantcs os libertos, Joanna A-
thanazio e outros appellado Jos Francisco
Diniz Machado ; escrivao Ferreira ; se man
dou ouvir o curador geral.
Na appellaco civel da comarca do Penedo ,
appellante Joao Gomes Ribciro appellado An-
tonio Jos da -Iva Reis escrivao Postbumo ;
se mandou ouvir o Dr. curador geral.
Na appellaco crimo da comarca do Pianc
da provincia da Parahiba do no.'te, appellante
Fellippe Gomes Coelho appellado o juizo ,
escrivao Reg Rangel ; foi julgado improce-
dente o recurco.
Na appellaco crime da cidade de Macei ,
(ppellante o jui'O appellado Antonio dos Ao-
jos Caldas, escrivao Reg Rangel; so man-
dou descer os autos ao juizo aqu.
COPIAMOS DO ARTILHEIRO OS SE-
GUINTESARTIGOS:
O MINISTERIO DE 19 DE SETEMBRO.
QuandoS. M. o Sr. D. Pedro 1., que Dos
tem em Gloria na presenta de urna revolta ,
que com quanto nao houvosse tomado o verda-
deiro carcter de revoluc", eia com tudo filba
das doutrinas revolucionarias d'anlemo insinu-
adas populaco emjornaes cujo fim oceulto
e ostensivo era derribaren! oThrono Imperial .
e nada menos exiga do que a desauthoracao de
urna das prerogativas da Cora, consagradas na
Constituicao por um assomo de justo despeito
e indignaco abdicou contra toda a espectativa
essa Cora que elle antes quiz dep-la inc-
lume, do que conserva-la polluid; nesse mes-
mo dia de infeliz e melanclica recordacao o
partido liberal, em parto opposicionista econs-
titucional em parte revolucionario e desorga-
nisador dividio-se e fraccionou-se, nao so pe-
lo Tacto dessa mesma revolta como pelos seus
resultados immediatos, e ate porque como
sempre succede nesses momentos sinistros mil
illuses desupparecem e muito carcter se pe
a descoberto.
Essas fraccoes que desde logo anthipatisa-
ro podio-se classificar assim : de um lado
ossatisfeitos os que tomarao parte na gover-
nanca por qualquer modo os que destes de-
pendio ou podiao pretender os amigos da no-
vidade os que pensavo que a auzencia do
Fundador do Imperio que comnosco se ha
via identificado era bastante para nos fazer fe-
lfea e finalmente aquelles, que nspiravo le-
var a revoluco ai a meta de seus insanos de-
sejog o contavao obter assim esse resultado ,
formavo o partido da revoluco que tomn
diversas denominadles : do outro lado reun-
rlo-se os que erao meramente opposicionistas ,
que queriao ver no governo homens de sua
confiante ; os desgostosos os amigos do Im-
perador ; e a tinai os que toro conhecendo o
erro, em que havio cabido, e vendo a maneira
paiz vasto sem nexos naturaes dirigido por
poderes sem homogeneidade sem forca e
sem prestigio e quo erao os primeiros a dar o
exemplo de discordia e desordem.
A primeira Regencia por sua natureza por
sua organisaco e pela loi do n" fars
fraca e mal composta via todos os dias esca-
par-lhe a obediencia dos subditos d'aquelle ,
*m cujo nomo governava; actos de rebelda mal
comprimidos se repetio em todos os pontos do
Imperio; os laeos de unio aqu rotos ac!
froxos recohio lodos os das do proprio poder
legislativo golpes sobre golpes ; os que manda-
vo, contentavo-secom isso a despeito da mi-
serio e desordem, fructos do cu governo ; ea
opposicao constitucional, que podia por barrei-
ras tantos desmandos, via-se ainda fraca e
pouco homognea ; seus clamores perdiao-se
romo a voz no deserto e seus esforcos balda-
vSo-se cont a a torrente furiosa, deixando-lhe
s a gloria da bizarra e coragem.
Mudarao-se as lormas da regencia o termo
da pri neira eslava lindo ; mas a transieran era
nfada perigosa: os receios da opposicao desgra-
eadamente se realisaro recahindo a eleieo
do Regente em um individuo sem capacidade ,
e as miserias foro em progresso. Urna triste
circunstancia havia occorrido para aggravar os
nossos males. Os demagogos, que at entao se
havio contido um pouco com o receio da volta
do Augusto Fundador do Imperio, que em
ultimo apuro nao deixaria abysmar-se urna na-
ci, que elle havia criado, e deitnr por trra o
trono, que em vida legara seu Filho: o Gran-
de liomem havia fallecido longo de seus filhos
adoptivos, victima das ingratides dellcs ed'ou
Iros, e ento nada mais houve que pozesso maos
aos peitos dos revolucionarios o a demagogia
affouta alcou o eolio e mostrou toda a sua e-
normidade pondo em aporto aquelles, que a
havio saudado e retrocedido ao aspecto de
sua hediondez.
Foi ahi que se comecou a manifestar clara-
mente a inhabilidade do regente oue chepou
ao extremo de nao achar quem com elle servisse,
e os revolucionarios, que nada linho a temer,
levantaro o grito funesto naquelles mesmos
pontos cm que pareca que o espirito vertigi-
noso da sed ico c anarchia menos brexa havia
leito durante o reinado do Sr. D. Pedro 1. A-
bandonado o regente por seus proprios amigos e
partidarios, a opposicao constitucional, queja
com as eleices havia ganho alguma cousa, tor-
nou-sc maioria e conseguio a victoria obri-
gando a esse homem inhbil a deixarpor mao as
redeas do governo, que to mal e indignamen-
ie manejava no momento em que tudo an-
nunciava inevitavel ruina quando a bandeira
sanguinolenta da guerra civil tremulava no nor-
te no sul, e no centro do Imperio, e quando
tudo se bi via tornado difficil ainda s mais ha-
bis capacidades da naco.
Mas emfim vencer essa generosa opposicao
sem empregar um meio que nao (osse honesto e
legitimo, e do seu seio surgi esse Ministerio
salvador de 19 desetembro, como amanha se-
rena depona depois de escura e borrascosa
noite. Muitos crfio os cuidados, que esse ga-
binete tinha de entregar-se ; o mais esseneial
porm era reslabclecer a ordem, e ci disto que
elle primeiro tratou. O norte foi pacificado ,
o centro tambem o foi e o sul o teria do, se
a sua dissolucao extempornea nao viesse des-
truir medidas sabiamente tomada e tornar a
por no mesmo p, em que elle a Mar,essa de-
sastrosa lucta, que tantos annos e .ntos sacrifi-
cios tem custado. Ncsse mesmo curto espaco
de sua administradlo bracos com tantas difli-
culdadcscemharacos, queos seus predecessoros
iiiu iiuviu iegado o Nisimo uu 19 de so-
tica lbe posso ser altribuidos cicatrizou mul-
tas feridas que o Brasil tinha recebido desviou
muitos golpes, que estavo suspensos e inmi-
nentes sanou muitos e inveterarlos males que
parecio incuravois, e mimoseou-nos mil bens,
cuja grande parte tem resistido ao, combate fu-
rioso quo successores mal avisados lhes cero
sem piedade. Elle reorganisou o exercito, re-
plantou os principios de ordem fez as econo-
mas que pode e no seu lempo o Brasil vio
despontar um horisonte de esperanca que at
entao sempre estivera encoberto por densos e
negros nevoeiros.
Nao citaremos cxemplos qne a maior parto de
nossos leitores nao posso examinar com seus
proprios olhos : apuntaremos a nossa provin-
cia ; porque os seus factos nos csto fallando ,
e toco es nossos coraces. Esta provincia que
luctara por assim dizer, continuamente des-
de a abdicaco at a Inauguradlo do Ministerio
do 19 de setembro com a anarchia e guerra ci-
vil que nao tivera nem descanco nem pra-
zer desde que ficara como o Brasil todo orfa
do seu Adoravel Chefe durante a administra
co desse gabinete enxugou o pranto rehabi-
lou-se de todas as suas desgracas, floreceo, for-
tificou-se, e pode ate" soccorrer aquellas de suas
irms que afflictas lhe estenderSo bracos sup-
plicantes
Dissolveo-se o Ministerio que a inveja e a
raiva chaman ominoso mas que a verdado o a
gratido sempre o chamaras salvador; sustou o
progresso to invejado desio formosa porco do
Imperio Brasileiro ea reaeco teria ainda si
do mais fatal se nao fra a duraco das dou-
trinas e o resultado das salutares medidas des-
se abencoado Ministerio. Gracas lhe sejo da-
das por tantos bens gratido eterna pelos seus
bons desejos e pelo balsamo consolador, que
derramou em nossos angustiados coraces.
No estado social se deve buscar o triumpho da
razan sohre o imperio das paixes
Que bellas theorias nao enconlro os espiri-
tossuperficiaes e ambiciosos para illudirem
um povo inexperto, o inconsiderado ? Deixan-
do de mo as verdades, que mais intercsso
humanidade e s podem ser colhidas pela me-
ditadlo e raciocinio nao tratando de com-
binaren! os principios da scicncia do governo ,
elles se conteiito com um jogo de palavras v5s,
mas seductoras quo lisonjeo as tendencias do
coraco humano e dest'arle procuro destruir
os saudaveis elementos de seguranca o felici-
dade, para destruil-os por erros, e lalsas ideas,
que urna vez recebidas s a custo podem ser
desterradas.
O homem tem em si mesmo o germen de sua
infelicidade : o dever sempre lhe suggere a
idea de um sacrificio de suas inclinaces na-
turaes a palavra libcdade disperta nel-
le um pensamento seductor, que desafia seu en-
thusiasmo e amor proprio. Mas o quo he es-
ta liberdado quando nao est subordinada a
razo e ao jugo dos deveres? urna desenfreada
licenca que tudo destroe e aniquila e que
na sua impetuosa carreira despedaca todas as
cadeias que ligo e fazem os encantos e delicias
da vida social: urna funesta origem de cala-
midades que sempre termina sua existencia
na mais pesada escrovido. O selvagem que
vivesse sem Icis, e sem governo divagando
as espessuras das montanbas s entregue aos
seus primitivos o incultos sentimentos seria
emapparencia um ente livre apparencia, que
moveo Locke a dizer que a prerogativa do ho-
mem no seu estado primitivo ora ser livre; mas
em realidade elle seria um escravo do suas ne-
cessidades miserias e crassa ignorancia :
seria urna victima inmolada sua fraqueza ,
sem ver em torno de si outro apoio e seguran-
ca mais que suas pequeas c solitarias forras,
e sem mcios de repellir as aggressoes das feras :
estas verdades foro concebidas pelos mesmos
escriptores liheraes. Devemos pois convir ,
oue a liberdade nunca foi, e monos pode ser
hoje o fim das associaces politicas mas a
seguranca, eaps desta a fe cidade. O ho-
mem qu'er preencher seu de>.io, quer con-
serva j-se: para isto he mister ter seguranca ,
quo s pode achar no estado social e s tendo
seguranca de seus direitos he que elle pode ser
livre e feliz, Oque importa que se restrinja
sua liberdade se elle recebe em retorno maior
seguranca e garantas de cslabilidaJe nos ele-
mentos de sua felicidade ? Sobre estes princi-
pios to consenteneos razo se devem ba-
scar os clculos e medidas do governo de mo-
do que sempre se promova a seguranca esta-
belerendo-se a obediencia as leis ocumpri-
mento dos deveres e pratica das virtudes so-
ciaes para isto regulando-se o liberdade se-
gundo a civilisaco conhecimentos ecos-
turnes do povo, e s depois de satisfeito este
empenho he que se podo seguir os progressos
da mesma liberdade. Si a scienria dft rectido
ao espirito, e a" virtuded forca vontade he
ncontesiavel que o nuincm ccrr.o o |uvu ,
tembro, apezar de todos os erros, que comjus- revestido destes dotes e ornamentos, senle cm
SS===SS==S5=S=3SSSSBgtt
si influencias mu diversas das que sent o falto
do cultura e immoralisado. Montesquiou no
seu espirito das leis reconheco que a vida das
repblicas he a virtude sem a qual cortamente
ellas perecem sobre suas ruinas.
Os nossos opposicionistas porm ao passo
que reconhecem que nos achomos immoralisa-
dos grito contra os que seguem principios:
de regresso exalto as paixes e sentimt ntos
do povo, concito-no para revoluces, opre-
gpto a desobediencia s leis recriminan ao
governo porque empregou medidas vehemen-
tes enrgicas e vigorosas para reagir e
supplantar as conflagrares. O que querem
estes publicistas de nota? sem duvida augmen-
tar a lista de nossas desgracas, cavar a ruina da
patria para saciar reus ignobeis resentimen-
tos. .
O homem pensador que reflectindo sobre o
nosso estado, v o vasto territorio do Brasil com
urna populaco pouco condensada onde he
difficil se nao mpossivel a aeco prompta
eimmeJiata da polica, para prevenco dos
crimes, e para captara e punico dos culpa-
dos que v impuros costumes, e prejuizos ar-
raigados de longo lempo em certas classes, que
s a custo podem perdel-os, para se lomaren
doceissinsinuacoesda verdade.que v os espan-
tosos progressos, com que a rreligiosidade vai
estendendo seu funesto dominio apoderndo-
se dos verdes nimos da mocidado que v a
facilidado com qnc se acommette e assassina a
honra do cidado prestante probo e hones-
to cuja reputaco se sacrifica a torpes paixes
como se move a intriga calumnia o insu-
bordinaco contra o governo a bypocrisia ,
embusto e traico contra o povo a inveja ,
a ambico e o egosmo assolando tudo os
crimes e inmoralidades se reproduzindo : o
homem reflectdo, que se lembrar da epeca em
que o elemento democrtico sobresahio e tes-
temunbamos tantos desmanchos tumultos,
e sedices que tanto estragaro nosso estado
moral inanceiro e poltico mals que tan-
tos obstculos tem trazido administraco pu-
blica o tornado mais ardua e espinhosaa ta-
refa daquelles que dirigen) o timo do Estado
sem duvida comprchende bem quo sao necessa-
rias sabias medidas que lendo a cstabelecer a
imperio da razo e dos deveres sobre as paixes.
o a immoraldade que he necessario orientar-
se o povo fazer lhe sentir seus verda leiros in-
teresses e a conveniencia dos meos que ten-
dem a despiesar meras exterioridades e asse-
gurar-lhe o gozo de vantagens reaes que he
necessario acabar-se com este espirito de revol-
las e sedices com que se nutrem tantos inimi-
gos do bem publico ter-se confianca no go-
verno e nos representantes da naco manter-
se a paz e socego.
Muitos opposicionistas esto penetrados des-
tas verdades; mas sua ruinosa poltica, lundada
em conveniencias pessoacs filha do paixes
que elles suppem poderem ser avorecidas com
o abalo das revoluces-, e ruina do edificio so-
cial be quem os arrasto a publicaren! doutri-
nas subversivas e perigosas e quando o gover-
no solicito na manulenco da ordem sup-
planta as commoces e restabelece a paz em
vez de se cobrirem de oprobrio e sentirem os
remorsos de seus crimes contentes com os es-
tragos de seus fraudulentos tramas remissos
o leazos de novo apparecem, acensando os quo
salvaro o paz de Jallos d'cconomia na appli-
caco das rendas publicas, e com engenho ma-
ligno imputo-lhes o enfraquecimento da in-
dustria e todas as calamidades produzdos por
seus damnosos planos. Mas quanto vos enga-
is I os homens morigerados que julgais
inertes s porque nao podendo conviver como
voso plano de hostibilidodes vos deixo cor-
rer sem freio no campo das pretences, estes
homens, a quem nao podis Iludir, justos e
imparciaes vos considero reos de crimes e ini-
quidades he sobre vossas cabecas que pesa a
responsabildade das desgracas causadas polas
revoluces de Minas e S. Paulo, sois vos a cau-
sa do pranto de tantas viuvas que rodeadas
de seus innocentes filhos, expostos misera
orfandade vivem carpindo a perda de seus
consortes cujas vidas Ibes roubasleis com vos-
sas prfidas sedueces Este quadro to sensi-
vel para o homem moralisado parece nao to-
car os coraces dos opposicionistas desta pro-
vincia que faltos de decencia o ocatamento as
leis instigo o povo para abhcrrar do trilho do
seus deveres ; lo deploravcis cxemplos nao
desperlo suas consciencias do lelhargo, em que
jazem porque seus peitos abrazados em am-
bico so so abrem ao seu interesse c egois-
mo. E sao estes os homens quo se inculcao
zelosos do bem publico e possuidos do desojo
de salvar o paiz? sao estes os defensores dos
direitos do povo contra os supposlos ulaques do
poder, attaques que ainda sendo reaes na
monarchia representativa tem o seu correctivo
na lei ? sao estas as notabilidades de grandes
piano utiiiiiti i ioC ; S VOSS pCiwCS : mu
desconcertada; alelicidade, queso lie obra


*m
o homem nao se pode acbar nos desvarios da
xa/o, e no predominio das paixoes a razao
aconselha o cumprimento dos devores, a obe-
diencia as lois a paz e a harmona ; as pai-
*5es, sem o freio diquella s dicto odios,
vingangas e destruigs : a razio quer a con-
6ervnc8o o as rovolucSes s produzem morios,
latrocinios, prostituico de costumes des-
truicSo de convicces religiosas estragos, e
ruina ; a vossa poltica pois he a poltica de il-
ludir os espiritas para fazer victimas, he om
fina a poltico do Inferno.
Varicela de.
O Diario novo seos correspondentes L e
Intrpido e o mesmo Indgena clama > contra
ogoverno ; porque nao tem ja acabado com a
guerra do Rio Grande do Sul ; porque nao tem
posto todo o seu cuidado ern chamar ordem a-
quulla estrella da esfera brazileira ; tem mesmo
chegado a alcivo/.ia de imputar aos gabinetes da
poltica do 19 de setembro todas as consequen -
cias desta guerra desastrosa e assoladora, esque
cidos de que ella comecou e foi como que ali-
mentada pela acquiescencia ou indolencia dos
Ministerios, que dominaro at setembro de
837.
Entre estes gritos da opposigo desta provin-
cia se ouvem as v07.es da baioneta do Intr-
pido do mesmo Indgena, e do Guarda Na-
cional em fim do proprio circulo que cons-
tituo a opposicao da imprensa do D.-n. tor-
nando odioso o recrutamento, procurando per-
suadir aos incantos, que o governo assola a po-
pulado faz orfos e viuvas recrutnndo os
brasileros, e mandando-os ao matadouro do
Rio Grande do Sul!
Estes llsos e traidores amigos da patria ,
* do Throno, querem que se perca a Provincia
de 5. Pedro envenenando as intencoesdo go-
verno c persuadindo o povo para oppor-sc ao
recrutamento, que indispensavel para termos
um excrcito que combata o chama ordem
os rebeldes de Piralinim.
S pode salvar-se a contradiceao dos opposi-
cionistas com o sistema do Presidente para ali
mandarao os Srs. Andradas, e Limpo de Abroo,
que era chamar os rebeldes a uniao do Imperio
com vinho e marmelada.
Do desgracado deslccho deste triste sistema j
tivemos dolorosa experiencia e devenios con-
vencer-nos que o fim destes polticos o dosor-
ganisar o Imperio da Santa Cruz com a disso-
licao do exercito em presenca do qual na-
da podem os ralhadores sdenlos de empregos
rendosos.
COMMERCIO.
AI Tan riega.
Reudimento do dia 20......... 11:4118227
DescarregSo hoje 21.
Rrigue Josefina Emilia o resto.
Brigue Eredano diflerentes gneros.
Rrigue JUaypo bacalho.
Polaca tar farinha de Irigo.
Brigue Tarujo i." podra.
Rarca Bette forro.
Rriguo Janes S Elster carvao de po-
dra.
Aloviinento do Porto.
Navio entrado no dia 19.
Rio Grande do Norte; 4 das brigue escuna
de guerra brazileiro Leopoldina comman-
dante Joao Custodio d'Hodim. Tras 47 re-
crutas.
Dito no dia 20.
Rabia; lOdias, brigue inglezl7e//en, de 256
toneladas capitao John Nicoll, equipagem
12 carga lastro : ao capitao.
Navio sahido no mesmo dia.
Ceara ; sumaca brazileira Felicidade, capitao
Jos Rodrigues Pinheiro, carga diversos g-
neros,
Edita es.
ji cmara mnnicipal da cidade de Olinda e
seu termo em virtude da le $c.
Faz saber, que, havendo de proceder-se
elcicao dos novos deputados provinciaes desta
provincia, ten. S. Ex." o Sr. presidente da pro-
vincia designado o dia vinte e sete de agosto pr-
ximo futuro para a reuuio do collegio eleito-
ral desta cidade segundo o oflicio do mesmo
Exm. Sr. quo foi dirigido a esta cmara cm
uuia de vinte e ires de maio indo. E para que
chegue noticia de todos os senbores eleitores
deste municipio mandamos fazer o presente, quo
'ser publicado nos lagar* do costume e pela
imprensa, -Cidade de Olinda 20 dejunho do
18 W. Jos Joaquim de Almeida Guedes ,
presidente. Joo Paulo Ferreira secre-
tario.
Vicente Trnmaz Pires de Figueiredo Ca-
margo, Commendador da Ordem de Ghristo
e Inspector da Affandega do Pernambuco &c.
Faz saber quo hoje 21 do corrento ao meio dia
na porta da alfandega se hao de arrematar em
hasta publica 20 caxas com fog> artificial de
diversas qualidados no valor de 1208 reis, im-
pugnadas pelo amanuense Gonealo Jos da Cos-
ta e Si Jnior, no despacho por factura do Ma-
theus Auslin & Companbia sendo o arrema-
tante sujeito adireitos e expediento.
Alindola 20 de junho de 1813. V. T. P.
de Figuueiredo Camargo.
Oeclaraces.
O arsenal de guerra contracta com algum
fabricante de vellas de carnauba ousebo, o
fornecimento destes gneros aos estabelecimen-
tos militares ; a quem convier baja de compa-
recer hoje 21 do corrente moz s 10 horas
da manha na sala de sua directora, a fim do se
contractar com quem mais cm conta o fizer.
=0administrador da meza da recebedoria
de rendas geraos internas marca o praso de 30
dias, contados desta data aos moradores do
bairro da Roa-vista para satsfazerem a laxa de
seus escravos; assim como aos dos bairros do
Recie, e Santo Antonio, quo drao relacoes
para o adeionamento da matricula relativa ao
corrente anno financeiro. Recife 19 do junho
de 1843. Francisco Xavier Cavalcanti de
Albuquerque.
=Pelo juizo da 2.* vara cscrivo Santos,
se ha de arrematar na tarde do dia 21 do cor-
rente mez por serem lindos os dias, e termos
da le, a olaria de Manoel de Albuquerque Bar-
ros Jnior e seu irmSo Jos Rizerra de Barros
Cavalcanti, situada no lugar do Monteiro
margem doRioCapharibe, avaluada em 1:200S
reis na execucao quo contra os proprietarios
encaminha Jos da Silva Hraga.
PUBLICACA UTTERARIA.
Sahio a luz o n. 3. do peridico da socie-
dad de medicina Annaes da Medicina Per-
nambucana.
Contem as materias seguintes :
1. Constituico medica, ou molestias reinan-
tes. Pelo L'r. Mavignier, redactor om chele.
2. Hela torio dos Ira hal los dasocidadede me-
dicina no anno de 1841 a 1842 lido na sessao
solemne do anniversario de sua installacao, pelo
Sr. r. J. J. do Moraes Sarment secretario
perpetuo
3. Representacao, que a socidade doMedi i-
na dirigi ao Exm Sr. presidente da provincia,
em maio de 1842 acerca das molestias que entao
reinavao, e estado da capital da provincia. Re-
digida pela commissiio do ygiena publica ,
sendo Relator o Sr. Dr. Mavignier.
4. Resposta da sociedade a cmara munici-
pal do Recife acerca dos lugares para on e de-
vem ser removidos os eslahelecimentos, ora ex-
istentes dentro da cidade, que emprego fogos
activos. Redigida pela romn.isso de llygiena
publica, sendo Relator o Sr. Dr. Ferreira.
5. Memoria acerca do jardim Botnico que
tem de ser fundado as vesinhancas da cidade
do Recife. Pelo Sr. Mena Callado da Fonceca.
6. Vegelaes quo ser.em para o uzo careiro
dos habitantes desta provincia.
7. Observaces meteonologicas. Pelo Sr. Dr.
J. Loudan.
8. Programma dos premios para os annos de
1844 e 1845.
Subscreve-se para este peridico na livraria
do arco de N. S. da Conceicao la ponte do Re-
cife em Pernambuco. Prego 800 reis cada nu-
mero.
Avisos martimos.
Para Lisboa, vaisahir com a maior bre-
vidade o brigue portuguez Tarujo 1. de pri-
meira marcha ecom as melhorcscommodida-
des para passageiros ; quem no mesmo quizer
carregar ou ir de passagem pode dirigr-se ao
capitao do mesmo brigue Manoel d'Oliveira Fa-
neco ou a Mendos & Oliveira na ra do Vi-
gario n. 21.
Para Lisboa sahir em muito poucos dias,
por se acbar muito adjuntado em carga o pa-
tacho portuguez Novo Congresso .de que he
capitao Manoel Jos Ratto; quem no mesmo
quizer carregar, ou ir de passagem para o que
tem bons commodos pode dirigir-se ao mes-
mo capitao, ou a Menes & Oliveira na ra do
Vigario n. 21.
don a qual ser vendida por todo o prego na
casa que foi da sua residencia no atierro da
Roa-vista comprehondondo-se um carrinbo
de duas rodas com os competentes arreios o
um cavallo do montana &.
=As 10 horas do da 22 do corrento mez ,
haver. leilao de urna pequea partida de bata-
tas no armazem do Guimaraes, ao p da pon-
te do Recife.
=0 corrector Oliveira far leilao por con-
ta e risco de quem per encer do casco mas-
tros emais utencilios da galera Brasil, per-
tenccnlp mpanhia brasileira de paquetes de
vapor, sendo o casco da melbor onstruccao
Sueca com o forro de cobre qua-i novo tem
governadura de lome &c. ; os mastros sio de
pinho de FLndres o mais superior, e as cr-
lenles e ancoras de lote do fragata: tudo se
vende em separado, impreterivelmcnte quarta
feira 21 do corrente as 10 horas da manha, no
escriptorio da companhia de vapores, ra d'A-
pollo ondo tambem te far a venda publica
dos salvados do navio naufragado no Rio Gran-
de do Norte consistindo cm carilbas de fer-
ro curvas, pessas de hollnete escovens,
cano do fogao e dois barris de cobre e pre-
gos de ferro &c. Para exame da galera di-
rijao-se ao lugar onde se acha ancorada porto
da Barreta do Recife c para o dos mais objec-
tos salvados, na prenca do Sr. Mendonca no
Forte do Matto.
Avisos diversos.
Leiles.
s=0 corrector Oliveira far leilao sexta-
feira 23 do crrante s inhnrne ln manliS
de toda a mobilia da cofa do finado Dr, Lou-
O sangrador Jos Filippe de Mello, que
morou om casa de Jos Margal, faz sciente ao
respeitavel publico, que mudou a sua residen-
cia para a ra de Hortas n. 21. As pessoas, que
do seu prestimo precisaron, dirijo-se a men-
cionada casa, que serio promptamento sei vida s.
Deseja-se saber, se em Pernambuco existe
a Sr.* I). Candida Roza da Ressurreico, a ne-
gocio de seu interesse; na ra do Crespo sobra-
do n. 10.
Aluga-se urna escrava para ama a qual
tem muito bom leite, e bem sadia; os proteo-
denles drijao-se ra de Santa Rila Nova nu-
mero 57.
=Um pharmaceutico porluguez com carta
de approvacSo desoja arrumar-so em alguma
botica desta cidade; quem precisar annuncie
para ser procurado.
= Oflerece-seum homem Portuguez oflleial
de pedreiro e bom pintor paru qualquer enge-
nho fra desta praca, ou para feitordo mesmo ;
quem do seu prestimo se quizer utilisar dirija-
so ra da Guia, casa de paslo.
= Oflfurece-se urna preta forra para ama de
casa de portas a dentro, a qual cozinha, engom-
ma o faz todo o mais servico ; quem do seu
prestimo se quizer utilisar dirija-se ra da
Cruz, botica n. 47.
Na ra Direit, sobrado de um andar n.
33, ao pedo dous de varandas douradas, fa-
zem bolos de S. Joo de dilTerentes massas e en-
lejiados com eapellas de alfinins. ramos e o mes-
mo S. Joo, tudo de alfinim ; e tambem se l'a-
zem bolinhos para cha e bandejas, enlejiadas do
inelhor goslo possivel.
= Preusa-sc de sete contos de ris a premio
de um o meio por cento ao mez, dando-se por
seguranza urna ptima propriedade de casa, Pi-
cando o reudimento da dita paia pagamento
dos juros, cujo rendimento he de 1:10007 rs.
at a satisfarn do debito, o qual ser solvido
em tres annos e antes se possivel fr, poden-
do a pessoa que der este dinheiro morar em
dita propriedade, ou alu-ia-la como melhor Ihe
.onvier: quem este negocio quizer fazer annun-
cie para ser procurado, etratar-se.
Lotei ia de N. S. do Guadalupe.
TENDO-SE annunciado o andamento das
ludas desta lotera concedida a favor das
obras da igreja de N. S. do Guadelupe pa-
ra o dia 12 do presente mez, nao pode ter
lugar em consequencia do grande numero de
l)i Hieles, que anula existen), e como o estado
actual da irmandadeeslar em obras comocon-
certo da sua igieja nao pode asseverar para
este dia ( fiquem os bilhetes que ficar) como
fizero as outras loteras: por esta razao muda
o andamento das mesmas rodas para o dia 4 do
prximo mez de julho impreterivelmcnte, a fim
de nao prejudicar o andamento das rodas da lo-
tera concedida a favor das obras do theatro.
A irmandade roga aos amadores deste jogo con-
corro compra do restante dos bilhetes, que se
acbao venda nos lugares do costume
Troca-se urna cadeiiinha de bracos por
urna tipoia ou vende-se ; na loja de funileiro
do patio da Santa Cruz.
Precisa-se de urna ama ja idosa para casa
de um homem solteiro que saiba cozinhar ,
pois he somente o seu servico, e o cozinhado he
para duas pessoas; quem estiver nestascircuns-
tancias dirija-se ra da Cruz armazem de tras-
les ii. oo.
Precisa-se de 1:5008 reis a juros hypo-
thecando-se urna boa morada de casas; an-
nuncie.
Tira-co folhss corridas c passoperte
para dentro e lora do imperio, por preco mui-
to commodo ; quem pretender dirija-se a ra
do Rangel n. 34 que achara com quem tra-
tar.
= Precisa-so alugar urna casa terrea no
bairro de Santo Antonio ; quem tiver dirija-se
a ra da Cruz n. 55 primeiro andar das no-
vo horas da manh at as quatro da tarde.
= Precisa-se de um caixeiro chegado prxi-
mamente na barca Primavera, para urna vouda,
dando alguns m/es para aprender ; quem es-
tiver nestas circunstancias dirija-se na praca da
Unio n. 21.
= ma mulher branca viuva esem filbos ,
se offerece para ser ama de urna casa; sabe bem
cosinhar cnsaboar engomar cozer e fazer
todo o qualquer obra : he honesta e capaz
d fiador a sua conduta ; quem do seo presti-
mo i recisar annuncie.
- Manoel Jos Vianna comprou em 19 do
corrente ao Sr. Manoel Luiz Gonca ves esta-
belecido na ra da Cadeia do Recife urna
ne^ra quo Ihe foi remetida de Maria Farinba ,
de nomo Florinda crioula de 25 annos de
idade : para embarcar para o Rio de Janeiro.
- Achou-se no lugar do Riacho dos Passa-
rinhos, um escravo por nome Antonio de
nago Congo cornos signaos seguintes : alto,
grosso olhos apitombados, com idade de 46
annos poucq mais ou menos camba-
do das pernas diz*que ho do senhor Antonio
do Monte do engenho do Boto ; quem per-
tencer dirija-se a Passarinhos, casa de Joaquim
Correia Lima.
- Terca feira 20 do junho corrente e sex-
ta feira 30 do mesmo v5o a praca para serem
arrematados, os bens penhorados Joaquim da
Fonceca Soares de Figueiredo, e sua mulher,
por execucao do capitao Manoel Fernandos da
Cruz as quaes sao urna grande casa nova e
bem construida na povo;-cfio do Monteiro com
sitio o sabida para o rio outra grande casa
em respaldo no lugar do Caldereiro com um
grande terreno o saluda tambem para o rio o
varias olaras com fornos de cozer telhas e ti|0-
los urna sanzalla e estribara ; as pessoas.
que quizerem arrematar podero dirigir-se ao
porteiro dos i udilorios para ver ni a avaliacSo ,
e para verem os predios aos referidos lugares do
Monteiro, o Caldereiro.
= Na ra Drcita sobrtdo de um andar n.
33 ao p de dois de varandas de ferro, se faz
bolo de S. Joao de diflerentes quulidades ,
tanto em leitio como cm gosto enfeitados com
eapellas de alfenins, e ramos com o mesmo S.
Joao, tudodo allenin ; como tambem boli-
nhos para cha o bandeijas enfeitadas do me-
lhor gosto.
- Jos Pinto de Souza subdito portuguez ,
rctira-se p. ra fora da provincia.
- A pessoa que annunciou querer dar um con-
t de reis a juros de dois por cento ao mez com
hypotheca em urna morada de casa dirija-se
a loja de funileiro do patio da Santa Cruz.
- Quem tiver um sitio ou mesmo casa sondo
boa cm Santo Amarinbo, Solidado ou
Rombal; dirija-se a ra da Praia armazem do
Antonio Pinto de Araujo n. 43.
- Quem quizer passaportes para dentro e
fora do Imperio c tambem folhas corridas
para pessoas livres e captivas, o qualquer des-
p cho que pertcnca ao consulado procure
ao despachante que tem banca aonde traba-
Iha o porteiro do mesmo consulado quando
ella estiver aborta e depois de fechada na
ra de S. Thereza n. 2 quem alem de maior
hrevidado como tem dado prova a todos a
quem servo (ara por menos prego que outro
qualquer.
- Urna pessoa muito hbil. se offerece a
dar leoes em casas particulares; quem quizer
annuncie.
- Manoel Jos Mascaronhas da Cunba,
subdito Brasileiro retira-se paia o Rio de Ja-
neiro levando em sua companhia os escravos
soguintes ; Lino crioulo Jos, Angola am-
bos comprados a Joaquim Jos Torres; Jose-
fa crioula comprada a Francisco das Cha-
gas.
Antonio d'Oliveira Mello previne ao Sr.
thezoureiro da lotera do Livramento ( ou ou-
tra qualquer pessoa que Ibe for oferecido para
cambiar) que nao pague o premio que hourer
sahido no bilhete n. 12 por isso que foi
perdido.
- No Consulado dos Paizes-Raixos na ra
da Cruz n. 7 existe urna carta para a Sr.1 D.
Martiniana Francisca Harris viuva do Sr.
Ambrosio Harris.
- Offerece-se um mogo de idade de 22 an~
nos, para ensinar primeiras letras, latim, fran-
co/ e mais alguns preparatorios para fra
desta Cidade preferindo o sertSo ; quem do>
seo prestimo se quizer utilizar annuncie.
= Aluna-se a luja do sobrado da esquina,
dos quatro cantos da Cidade de Olila cujo
local muito proprio para venda, ou outro
qualquer estabelecimento ; dentro da mesma
tem urna armacao e sobre a qual se far toda
e qualquer negocio : na loja do Sr. Domingos
Jos Alvos, defronte da mesma.
V


y

== Terca felra 27 fio corrente, pslas quatro
horas da tarde, aporta do Dr. juiz do ciyel in-
terino da primeira vara, na ra Nova, a re-
querimento do depositario A. da Silva Gusmo,
80 ha de arrematar de renda annual a casa do so-
brado, e sitio do Atterro dos Aflojados, perton-
cente a Antonio Luiz Ribeiro de Brito, cuja
avaliacSo he de quinhuntos e scenla mil ris
annuaes: ocscript) se acna em mo do res-
pectivo porteiro, onde osto declaradas as con-
dices.
=. Jos Maria Gonsalves Ramos, retira-se
para o Rio de Janeiro.
=Raimundo Nonato de Oliveira retira-se
para o Aracaty a tratar de sua saude.
=Aluga-se o armazem e o 3. e \. andar ,
do sobrado de 4 ditos da ra do Amorim de-
fronte do Ferreiro Caetano ; a tractar na ra
do Vigario n 13.
Oabaixo assignado vende a parte, que Ihe
tooou por heranca de seu fallecido pai Manoel
Pires Ferreira, na divida da fuzenda publica do
Rio de Janeiro a qual com os juros anda por
mais de cinco contos de reis ; quem pretender
dirija-se a traz da matriz da Boa-Vista casa
n. 24. Domingus Pires Ferreira.
=Jos Baptista Braga, faz sciente ao respei-
tayel publico, eprincipalmente aos Srs. de en-
genho que so quizerem utilizar do seu presti-
mo ja annunciado noste mesmo Diario n. 114 a
117 do corrente anno que o devem procurar
na ra larga do Rozario n. 10 junto ao quar-
tel da polica.
= Na padaria da ra Nova bem conhefaie ,
e acreditada pelas boas qualidades, se aco-
pio, bolaxinha bolaxa e biscoito ludo cha
to das melhores farinhas que ha no mercada a,
tralialhado com a delicadeza que he devididu
urna oceupacao tlo digna d'asseio; o mesmo
proprietario ollerece o forno, e o seu prestimo n
todos os seus Irogue'.es gratuitamente para ssar
qualquer <|ualidadc d'assado. pois dezeja sor-
vil-os com aquella promptidao que Ihe he de-
vida.
= Francisco da Cunha Machado mudou-se
para o seu engonho Piabas de Cima na
comarcado Rio Formozo ; quem com elle ti-
ver algum negocio dirija-so n'esta praca a seo
genro no segundo andar do sobrado n. 15 da
ra da Cadeia de S Antonio.
= Precisa-sc um menino Portuguez do 10
a IGannos, que saiba ler e escrever para ri
para um engenho promette-sc bom tratamen-
lo : na ra da Cadeia de S. Antonio, n. 15,
das 10 horas da manh as 4 da tarde.
= Da-se 600.000 rs. a juros de dous por con-
t ao me/, sobre hypothcca em casa livre e des
embarassada ; quem quizer dirija-se a ra do
CJucimado luja n. 18 de Guohmenle Pe-
reira deMollo & C. que dir quem os da.
= P. Aubertin retira-se para lora da pro-
vincia com sua amilia.
= Joao Luiz Goncalves Vianna, subdito por-
tuguez com sua familia retira-se para fora
desta provincia levando em sua companhia
Manoel Ignacio da Costa Jnior tambem
subdito portuguez.
= A pessoa que annunciou no Diario de
16 corrento, precisar de um caixeiro para ru
g
se a Olinda ra de S. Bento n. 22 derronto
do palacio arruinado.
Compras,
= Compro-se psdo saputis, friita pao.,
e limoeiros que tenhao mais de 3 pafm os; quem
tiver annuncio com o preco de cada c ento.
== Compra se um moleque que soja do boa
figura o que entenda decoiinha, urna pre-
ta que saiba cozinhar coser e engommar;
na ruado Cabug loja de Antonio Rodrigues
da Cruz.
= Compra-se um escravo que soja moco ,
e sadio com officio ou em elle para o ser-
vico interno de urna casa : na ra Nova loja
n. 4.
=Quem tivor e quizer vender urna escrava
ou escravo que saiba cozinhar, q ueira annun-
ciar para so procurar, ou trai al-a a casa de
Gaudino Agostinho de Barros na praca do
Commercio n. 66.
Em casa de Francisco Antonio do Olivei-
ra na ra da Aurora n. 26 compra-se urna
cabra bicho que tenha bastante leite.
Vendas.
o loja e que saiba escrever, annuncie sua
morada.
ss Aurelio Ferreira Antunes, subdito Por-
tuguez rctira-se para o Rio de Janeiro.
- Aindaest por alugar o armazem ou
toda a morada de sobrado na ra iJo Amorim;
quem o pretender, dirija-se ao largo da ri-
beira n. 19.
Precisa-se alugar um sobrado com qun-
tale cacimba as ras seguintcs; Direita ,
Praia Rangel Nova S. Bita, ou urna boa
casa terrea ateo procode 14000 rs. e se da
seguranca ; no largo da Ribeira n. 19.
Quem orecisar urna ama para cozinhare
engommar, dirija-se a ra de Hortas, n. SO.
Oflerece-se um rapaz Portuguez de 21
annos para caixeiro de loj de miudezas ou
para a ra do que tem bastante pratica e
da fiador a sua conducta ; quem o precisar an-
nuncie.
= Precisa-se fallar com o procurador de Dio-
go Thomaz official militar do tempo do ge-
neral Lu/, do Reg Brrelo ou com pessoa
por elle nesta cidade para objectode intores-
se ; quem nestas circunstancias estiver dirija-se
a casa de Joaquim Gonsalves Vieira Guimares,
junto ao arco da Conceico n. 63 segundo
andar.
Hoje pelas 4 horas da tarde se ha de ar-
rematar o preto Joaquim escravo cujo snr.
se ignora quem seja os pretendentcs dirjao-
se a ruada Praia om casa do Sr. Dr. Luiz Du- piladas de Portugal a 120 pacas a 240; ceva-
arte Pereira Juiz do Civel da segunda vara. da a 80 t. painco a 210 o quarteiro es-
= Na ruada Sen/ala velha n. 98 conti-' permacetc a 720 ; na esquina da ra do Ara-
nua-se a fabricar o afamado pao do folba e| gao que volta para a S. Cruz,
bolaxa e primeira qualidade. | Vondc-sc um moleque de 14 annos, do
Precisa-se de um caixeiro que entenda naco Angola : na ra Nova venda n. 65,
de venda c de um pequono ; no atterro da I \ endem-se charutos da Havana do su-
Boa-vsta n. 72. (perior qualidade e farello em saccas gran-
A pessoa, que annunciou ter urna carta des; na ra do Trapiche, n. 19 em casado J.
pa D, Fraucisva Je u! "avigiiier dirija- u. Eisler,
Na praca da Independencia loja de I i v ros
n. 6 e8 vendem-se livros desortes de 4 qua-
lidades di floren tes, para o divert'monto da imi-
te de S. Joao.
- Vende-se um preto para todo o servico :
em Olinda na ra de S. Bento n. 14 loja de
couros.
= Vende-so um terreno na ra Augusta ,
com fundos para a do Alecrim comalicerces,
paredes al ao respaldo, com 41 palmos de
vao ; na ra larga do Hozario n. 48.
= Vende-se urna negrinha de 14 annos,
en omma ecose.; um escravo moco de na-
cao com bonita figura bom canooiro ; na
ra Direita n. 3.
= Vende-so arroz da trra pilado em sac-
cas do alqueiro muito barato ; assim como
caixas com pacas ; na ra das Cruzes, n. 40.
"** = Vonde-se um par de livollas de prata para
sapatos ; annuncic.
^ Vende-se livros do sortcs para 9 noite de
S. Joao: em Olinda ra de Mathias Fer-
reira n. 40.
= No deposito de assucar refinado csta-
belecido junto ao arco deS. Antonio, em fren-
te do caes do Collegio ha para vender assucar
refinado segundo o novo systema de fabrica-
co pelo qual se extrae a potassa e cal, dei-
xando-sc-o no seu estado do pureza ; sendo o
proco da libra do de primeira sorte e em paes
160 rs. e o de segunda e tercoira em p ,
a 120, e80 rs.
Vendcm-so sementes de couve, a 2i0
ao cento de ps : no patio do Carino n. 6,
advertindo que quem as pretonder devo dei-
xar urna nota dos centos com o importe, para
n'oulro da receber.
= Vende-se um escravo de 22 annos de
nacao Benguella ; no patio do Terco sobra-
do'n. 18.
Vendem-se taxas de ferro batido e coado,
em sortimunto por proco barato para sal-
dar contas ; na ra do Vigario n. 3 a fal-
lar com Manoel Alves Guerra.
Vendem-se travejamentos e linhas de
madeira superior de 36 a 50 oalmos de com-
irimento e grossura do 7 a 10 polegadas, na
ra do Vigario n. 3,
Vende-se panno de linho em pecas de 18
varas; cm casi de Hermano Mehrtpns, na ra
da Cruz n. 47.
Vendem-se 2 caixilhos em bom estado ,
para janollas ; na praca da Independencia lo-
ja n. 21.
Vende-se urna venda no bairro do Reci-
fe na esquina do beco do Campello n. 4 bem
afregue/ada para a trra o vende-se pelo do-
no retirar-sc para fora a qual se podo presen-
ciar o negocio que faz ; a tratar na mesma.
Vendem-se castanhas piladas com mofo ,
proprias para animaos por proco commodo ;
no caes da Alfandcga armazem defronte da
escadinha da Alfandega.
= Vende-se um moleque crioulo de 11 an-
nos proprio para pagem ou aprender qual-
quer officio ; na ruada Cadeia do Recifo lo-
ja n. 20.
= Vendem-se milho alpista a 320 o quar-
teiro cha isson superior a 2200 castanhas
Vende-se urna casa terrea construida
de novo Iravejada salla forrada na Boa-
vista ra da Conceico n. 26; a tratar na mes-
ma ra n. 20.
= Vendem-se 6 moradas de casas na Ca-
punga, um terreno ao p com muro estriba-
ra portao o quarto para pretos; um sitio na
Cruz do Almas ludo portencente ao Major
Jos Carlos Teixeira e hoje aos seus credores;
trata-so com o Coronel Cbaby, ou com Antonio
Felis, na ra do Cabug, e tambem se alugaS
om quanto nao se venderem.
^ Vendem-se oculos de armaeo brancos
e de cores de rauito boa graduaco, bcos lar
gos e estreitos pretos o brancos. botoes de seda
proprios para enfeitar vestidos de senhora de
esquisitas cores, thesouras finas para unhas e
de costura, caixinhas de fsforos a 30 rs. sa-
bonete de Barba a 40 rs. linha de carretel a
360 a duzia caixinhas de agulhas a 320 lu-
vas de seda a 400 rs. papel almaco a 2800 e
de peso a 3000'; na ra do Cabug, loja de
miudezas n. 3.
Vonde-se farinha de tapioca do Mara-
nho muito boa a 80 rs. a libra ; no largo do
Carmo n. 1.
Vendem-se 3 correntes de ferro sendo
urna grande de 150 bracas e bastante grossa ,
propria para grando embarcaco o duas mais
pequeas, com 30 bracas, assim como um
Ierro de ancorar ; na ra da Madre de Dos ,
loja de Jos Antonio da Cunha.
- Vendem-se taboas de pinho a 40 rs. o p,
largas e de todos os comprimontos, para fechar
contas ; ntraz do theatro armazem de Joa-
quim Lopes do Almeida caixeiro do Sr. Joao
Matheus ; assim como da Suecia.
= Vende-so o hiato americano Plutareh ,
forrado e encavilhado de cobre prompto a
seguir viagem de urna marcha admiravel .
chegado de Philadelphia ; a tratar com Ma-
theus Austins & Companhia ; na ra do Trapi-
che n. 12.
Vende-se excellento farinha de milho ,
muito nova e furelos em barricas tudo por
proco rommodo ; em casa de Matheos Austin
& Companhia ra do Trapiche n. 12.
X Vendem-se brins trancados de listras ,
com lindas cores e de puro linho a 1280 a va-
ra ditos trancados escuros muito encorpados
a 440 800, e 900 rs. ditos brancos finos a
1000 rs. merino preto, azul e verde a 900 rs.
o covado, casemiras de listras muito encorpa-
dasa 1440 o covado casinetas de lindos pa-
dres para calcas a 480 chitas de boa quali-
dade de assento escuro a 160, ditas para cober-
ta muito finas a 240 panno de linho a 480,
hretanha de rolo com 10 varas a 2000 rs. len-
cos finos bordados a 400 rs. proprios para ma
de senhora e de outras qualidades assim
como um completo sortimento de fazendas tan-
to finas como ordinaria? ; na ra do Queimado
esquina do peixe frito loja de fazendas n. 2.
Vende-se para fora da provincia urna
mulata de 14 annos com habilidades que ao
comprador so dira : no largo de S. Pedro ,
n. 9 das 6 as 9 horas da manha o das 3 as
6 da tarde.
Vendem-se duas voltas de contas do
Rio de Janeiro, urna caixa do msica um
cascavel para menino com 116 oitavas de prata ,
um ponteiro de dita pares do brincos lavrados
de ouro de lei com diamantes urna faca apa-
relliada de boa prata um par de estribos 1
dito de esporas modernas, ludo de prata, 2
selins usados para pagem taboas de louro de
diflerentes tamanhos temos de pesos e me
Jidasdc folha bataneas com corrente para bal-
cao urna pouca de prata c de ouro para des
manchar ; as 5 pontas n 45.
Vende-se urna escrava do gentio de An-
gola de 25 annos, cozinha lava o vende na
ra ; na ra Direita venda n. 72.
Vendem-se urna casa terrea ti. 38 na
ra da Aurora e outra n. 6 na do Rozario ,
ambas na Boa-vista ; a tratar na ra da Cadeia
elha casa de cambio n. 34.
= Vendem-se foguetes do ar de 4 bombas a
1400 de 6 a 1800 de 9 a 2000 rs a du-
zia ditos de carretilhas a 80 rs. cada um ,
buscaps para meninos a 80 rs. bombas a 20
rs. : na ra Nova loja de ferrag ns n. 41.
Vendem-se frascos com duas libras de
polpa de tamarindos proprio para limonadas,
e levar para o Rio de Janeiro; na ra estreita
do Rozario, botica com a frente pintada de
amarello.
= Vende-se urna negra de naco de 20 an-
nos parida de 10 mezes ; na ra da Praia ,
serrana do ConstantinoJos Raposo.
Vende-se por proco commodo um excel-
lento can .rio de imporio : no patio do Carmo ,
venda por baixo do sobrado no finado Dr. Ber-
nardo.
= Vende-se um negro ganhador que d
560 pordia sem delTeito algum ; na ra No-
va n. 57; assim como um peso de ferro de
dues arrobas, um de arroba um de 16 libras
e outro de 8 ditas,
Vendem-se duas mezas de jantar, to-
das envernisadas, obra mu bem feita quu
servem para 24 pessoas jantarom e ao mesmo
tempo que se quorendo so oceupa oito pessoas ,
por 60,000 rs. cada urna : no atterro da Boa-
vista loja da esquina do beco.
= Vendem-se os pertences de urna venda ,
tendo armacao pipas, Larris, caixoes com vi-
dracas um grande numero de garrafas, ba-
taneas posse medidas, tudo por 100,000 rs. ;
na ra estreita do Rozario confronte a ra
das Larangeiras, n. 21
= Vende-se muito boa farinha de mandio-
ca a 1000 o alqueire da medida nova ; a borda
da lancha Bom Jess dos Navegantes que es-
t fundeada defronte da escadinha do caes do
Collegio, aonde podero chamar o bote a qual-
quer hora.
= Vendem-se 8 a 10 duzias de vinho do
Champanho de excellento qualidade, por 12
mil rs. a duzia para fechar contas : na ra da
Cadeia do Rccife armazem n. 55.
Vendem-se queijos do sertao com 9 li-
bras cada um a 2240 muito frescaes carne
muito gorda a 200 rs a libra cha hisson de
caixas grandes a 2240 a libra matSes seccas a
640 manteiga ingleza a 880 vinho da F-
gueira a 1*00 a caada e de Lisboa a 1760,
e engarrafado de 7 annos a 640 a garrafa e
dito brancoa 450 otodososmais gneros do
venda por preco commodo ; na praca da Boa-
vista n. 14.
= Vendem-se no armazem da esquina de-
fronte do guindaste da Alfandega do Sr. Das
Ferreira caixes com vellos de espermaceto
americano sendo de 6 em libra a 600 rs. e do
4 a 560.
Vendem-se azeitede carrapato em ca-
ada a 1200, e em garrafa a 200 rs. Tenha
aos centos de muito boa qualidade, um bahu
pequeo ; no largo da Bibeira n. 19, na
mesma ainda tem para alugar um grande sotao
com cozinha e seus repartimentos, sendo
para urna pequea familia.
= Na lo|a nova de calcado da ra do Quei-
mado n. 22 recebeo-se um novo sortimen-
to de perfumaras francezas, assim como agoa
de colonia ordinaria a 140, e superior a 400 rs.
c 1600 a garrafa dita com o sublime aroma
de ambre em f rasquinhos lavrados a 240 e 320
cem garra la a 2240 agoa mineral para fazer
cahir o cabello ou penuje do rosto ou do qual-
qualqucr parte do corpo dentro em 5 minutos
sem oflender cousa algum ( como se poder
mostrar aos pretendentes) a 2000 rs. o frasco ,
agoa da China para tirar nodoas c cebo das go-
las sem deixar mancha alguma a 1000 il-s ,
bambolim de Venus para estirar o cabello, tor-
nando por continuacao de seu uso o cabello
corrido a 1440 dito pomada de olambar para
amaciar e lustrar o cabello a 640 o hoio dita
virginal para extinguir totalmente os piolhos ,
sem nunca mais apareccrem e limpar a caspa a
1600 dita para fazer o cabello pret^ a 1200 ,
dita de Adonis para conservar o cabello gar-
rafas de tinta de escreversuperior a 320, boioes
de graixa muito boa caixas do pos para den-
tes a 120 rs. vendondo-se nesta loja mais ba-
rato todas as perfun.arias do que em outra qual-
quer parto.
Vendem-se 3 escravos do boas figuras,
sondo uns (lestes bom official desapateiro : as
5 pontas n. 11.
Escravos fgidos.
= Fugio no dia 13 do corrente a preta Jo-
anna do nacao altura regular, bstanlo
gorda e bem preta de 32 annos, levou saia
de chita, e panno da costa, tudo usado, a
qual continua a andar pelo Cordeiro at o en-
genhodo Brum, por ter sido vista; quem a
pegar leve a casa de seu senhor Joaquim Alves
da Silva residente com Joaquim Goncalves
Vieira Guimares ao p do arco da Conceico ,
n. 63 segundo andar.
O abaixo assignado roga a todas as au-
t bondades policiaes o capitcs de campo, nao
s desta praca como do matto queiro fazer
a apprchenco de urna sua escrava de nomo
Luiza crioula de,36 annos estatura alta ,
grossa dentes limados muito fallante, com
3 cicatrizes no rosto sendo duas debaixo do
queixo e a ultima junto a orelha direita, tem
o beico inferior um tanto caido e vermclho,
tem algumas marcas de hechigas no rosto cor
nao muito preta intitula-se forra, a qual es-
crava tendo sido pelo mesmo abaixo assignado
pegada nesta praca no dia 7 para 8 do mez do
Julho do anno passado fugira no dia 9 do
mesmo, e a dita escrava costuma a negociar
com miudezas para o matto ; os aprehendedo-
res pndcr entregar nesta praca a Antonio Joa-
quim deFreitas morador no atterro da Boa-
vista loja do Sr. Francisco Domingos da Bo-
cha que ser gratificado. Francisco Ro-
drigues Ramos.
Rkcife: naTvp. de M. F. dkFaru.=1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EJB5MRLT1_KVRA16 INGEST_TIME 2013-04-13T03:08:13Z PACKAGE AA00011611_04986
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES