Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04971


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino de 1843.
Terca Fera 30
m
Tirio agora dtpenda ,1a su msnos ; da nom ptoiliincii mode^ao, narria : oon-
linuemda como principiamos t remo apuntados cum admiraco'entre as Nacoes mais
Cnlu'- ___________t Proclama9ao da Assembla-Geral do BlAiIL.)
PARTIOAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Sanna Parabib* Riog'ande do Norte ganda- t antas feiraa.
lito u Garanhuna a 10 e 24.
Cabo Sirinhatm, Rio Formoso Porlo CsIto Macei Alagoaa no 4. 11 21
oe-siiMe Flores a 13 o 28. Sanio Antas, quintas feiras. Olinda todos os di'ae
DAS da SEMANA.
59 3g. a. Ma*iaa*o M. And. do J de D. da 2. t.
30 l'erc s. Fernando llsi. Re. And. do J. de D da 3. y.
Si QfcaVl f.Petronilla V. Aud do J. de D. da 1. t.
1 Ouini i. Firmo M. Aud. ddJ. de 1). da 3. r.
2 San a. Marcelino M Aud. do J. de D. da 2. y.
3 Sai), jejum s Paula V M Re. Aud. do J. de D. da 41 t.
A Do*. Pascua du espirito Sanio.
de Maio
Anno XIX. N. 118^
O Uiano publicase t,i,losus ilissqtw "lo forem .Santificdot: o prsco di assignatara ha
de tres mil res por quarlal pagua adiantadoa. Os annuncios dos ataignantes sao inserisoa
gratia, e oa doaqueo naoforem a raijo de 80 res porlinlia. Aa reclamacoea detem ei din
gulas a asta Trp., ra daeCruinN 34,oa a prara da Independencia loja da lTfOf N. 8*
c.siitui. No lia 27 de Maio.
Cambio sobra Londres 25 |. OKo-Moada da 0,400 V.
Paria300 res por franca.
Liabas 10U por 100 de premio.
Moeda de cob'ra 2 por cento.
Idaat de letrae da boas firmas 1 { a | .
N.
a da 4,000
PiATA-I'alaoaa
Peoa Colomnaraa
ditos Mexicanos
compra
1,400
l,k00
tf.oO
1,0U
1,000
1,900
Tanda.'
16.600
16,400
9 200
1,920
PHASES >A LOA NO MEZ OE'MaIO.
Lu Chais, i 1?, na S durase 15 m. da lard I La ora 29, ka 4 doras eSBm. da asanb.
Quart.ming. l, i lhora a .Sm. da m. | J.uan. erase, 7, sftnorai a 5 m. da maah,
P reamar de lio je
a (i aa. da manUa. | i. a 6 boraa a 30 m. da larda.
1." a 6 horas
110
PARTE OFFICIAL.
ni un
LE N." 109.
O Baraoda Boa-Vista, Presidente da provin-
cia de Pernambuco. Faco sabor a todos os seus
habitantes, que a asseinbla legislativa provin-
cial docretou, e eu sanecionei a lei seguinte:
Artigo 1. A forca policial de toda a provin-
cia para o anno flnanceiro de 1843 a 18H cons-
tar dc.quatro centas pracas de infantaria.
Art. 2." O Presidente da provincia distribui-
r e orgnhisara a referida Torca como entender
mais conveniente economa o disciplina do
corpo.
Art. 9. Ficao revogadas as lois numero no-
venta e seis o numero 78 e todas as disposi-
coesem contrario presento.
Mando por tanto a todas as autoridades a
quem o conhecimento e execucao da referida
lei portcncer, que a cumpro e faco cumprir
ta5 inteiramente como nolla socontem. O secre-
tario desta provincia a faca imprimir publicar
e correr. Cidade do Rocife de Pernambuco em
29 de abril de 1843 ; vigsimo segundo da inde-
pendencia edo imperio.
l>. S. Barao da Boa-Vista.
Carta de lei pela qual V. Exc. manda execu-
tar o decreto da assembla legislativa provinci-
al, que houve por bem sanecionar fixando a
forca policial du toda a provincia para o unno
flnanceiro do 1843 1844, como a cima se de-
clara. Para V. Ex. ver Jos Ignacio Soares de
Macdo a fez.
Sellada e publicada nesta secretaria da provin-
cia de Pernambuco em 5 de maio de 1843.Ca-
simiro de Sena Madureira. Registada as folhas
184 do livro primeiro do registo deleis provin-
ciaes. Secretaria da provincia de Pernambuco
11 de maio de 1843.Antonino Jos de Miran-
da Falcdo.
lem das que o mesmo tem do levar para a corte,
e o encarregado da escuna Lebre.
dem do da 23.
Portara O Presidente da provincia em ob-
servancia do aviso do 29 do abril deste anno, de
acord com os rogulamentos n. 120, art. 211,
10, en.0 12 art. 5. designa osjuizes mu-
nicipaes desta comarca quo hao de substituir
o juiz dos feitos da fasenda em suas fallas ou
impedimentos, dada a falta, o impodimento de
todos os juizes do direito do crimo e cival da
mesma comarca pela forma seguinte.O juiz
municipal Jos Nicolao Rigueira Costa ser cha-
mado em primeiro lugar; o juiz municipal Fran-
cisco Rodrigues Sette em segundo lugar; -o juiz
municipal Vicente Ferreira Gomes em tercoiro ;
o juiz municipal Antonio da Silva Neves em
quarto ; e o juiz municipal Luiz J)uarte Pereira
fiscal do ministerio da guerra nos Voncimen-
tos das pracas de pret reformadas empregadas
no activo servico.
DitoAo inspector da thesouraria, commu-
nicando-llio a deliberagao do govorno imperial ,
acerca das pracas do pret reformadas e disen-
do-lhe que etn pret sopara io mandaya tirar a
quantia de 6:H0, que individamento se dis-
contara as duas destacadas em Gaib quo de
novo era admittidas no servico do destaca-
mento despedindo-so dous dos guardas na-
cionaes.
Dito Ao alfores reformado Joaquim Podro
do Sonsa Magalhaes disendo-lhe que floava
scienlede haverentrjgueo commando da forta-
lesa ao teoento do estaJo-mai ir litigo M inteiro ,
conforme se Ihe determinara em ordem do da
do primeiro do corrente. elouvando-o pido bem
em quinto.-No caso do suspeica > do juiz mu- 1ue se comportou no commando interino que
Afelpa., que estiver em actual substituicao ,'lh(S Wra confiado, cumpnndo puntualmente to-
passar o feito ao que for por este rcgulamonto '(!,s as ordens que a bem do mesmo servico se
chamado em primeiro lugar, ainda que elle os-
{overno da Provincia.
EXPEDIENTE DE 20 DO CORRENTE.
Offlcio Ao agente da companhia das barcas de
vapor, disendo, que expeca suas ordens ao
commandanto do vapor S. Salvador para no ca-
so du haverem lugares vagos para passageiros
do estado, raceber a seu bordo o transportar
a provincia da Babia o primeiro tenentc da.ar-
uiada nacional, Joo ManoeldeMoraes e Valle.
Portarla Aocommandanto do briguc escu-
na Leopoldina ordenando que mande dar pas-
sagem para a cortedo Rio de Janeiro bordo do
briguo escuna Olinda ao ex-soldado decavalla-
ria desta provincia Ismael Jos da Costa.
Communicou-se ao commandante das armas.
Dila Convocando em virtude do 1. do
artigo 24 da lei de 12 de agosto de 1834, a nova
assembla legislativa provincial para se reunir
na prxima sessao ordinaria de 1844.
DEM DOMA 22.
Oflicio Ao agento'da companhia das barcas
le vapor disendo que, visto achar-se promp-
to o vapor 5. Salvador pode fazel-o sahir pa-
ra os portos do Sul na manhaa do dia 23 do cor-
rente.
Dito Ao inspector do arsenal de marinha ,
significando em resposta ao scu oflicio de 18 do
corrente que o commandante do brigue-escu-
na Olinda pode levar a seu bordo alem das 20
pracas da sua lofaco mais um carpinteiro e
11 pracas de marinhagem ; e bem assim o ca-
bo e fiel que estavSo encarregados do trem de
guerra da escuna Lebre afim de prestaren as
suas cuntas na corte.Communicou-se aocom-
m andan te do briguc-escuna Leopoldina.
ilo Ao mesmo declarando em resposta
ao seu oflicio de 18 deste' mez, que de ve fazer se-
guir no brigue-escuna Olinda os tres soldados
de artilheria de marinha pertencentes ao va-
por Guapias's, e que por doentes ncro no
hospital, o educando de marinha Francelino
Jos da Annunciacao e o ex-despenseiro da
escuna Lebre que se acha preso para respon-
der conseibo de guerra. Parlicipou-se ao
commandante do brigue-escuna leopoldina.
Portara Ao commandante do brigue-escu-
na Leopoldina, ordenando que faca scguii pa-
ra a corto bordo do brigue-escuna Olinda, o
ex-despenseiro do brigue-escuna Gararapes ,
Francisco Ignacio Pereira e o segundo lente
da armada Joao Lucio de Sousa Valente. #
Dita Ao mesmo determinando quo fa-
ca passar para seu bordo as pracas de marinha-
teja substituindo algum dos juizes de direito.
Oflicio Ao inspector da thesouraria da fa-
senda remetiendo copia do decreto n. 283 de
18 de abiil ultimo quo marca as gratificarnos,
que devem perceberos amanuenses do chefe de
polica desta provincia.Igual rernessa se fez ao
chefe de polica.
Ditos Ao mesmo, e ao commandante das
armas, participando que conforme o dispos-
to no artigo 5. das instrueces de 10 de Janeiro
deste anno, deve-se abonar aos oIRciaes refor-
mados que existem empregados no batalho
de infantaria de guardas nacionaos destacado o
sold da tabellado I. dodezembro de 184.1, que
corresponder aos postos elTectivos das patentes,
em que houverern sido reformados e as vanta-
gens que competen) aos ofliciaes do primeira
classedo exercito de iguaes patentos.
Dito Acamara municipal desta cidade, or-
denando que faca reunir o collegio ellcitoral
respectivo no dia 27 de agosto prximo futuro,
para so proceder eleico dos novos depu'ados
provinciaes, scientificando-a, do que esta elei-
i;ao dever ser feita pelos eleitores da actual le-
gislatura, e na conformidade das instrueces de
26 de marco de 1824 e decretos de 29 do julho
de 1828, 28, o 30 de junho de 1830, o 4 de
maio de 18i2
ceder ultima
Ihe transmittio.
DitoAotenento Jos Ignacio de Medeiros
Reg Monteiro, disendo-lh.; quo ficava certo de
haver assumido o commando da fortalosa de I-
tamarac e ordenando-I he quo fi/.esse reatesse
do inventario dos objeoto-. da musina fortalesa ,
queflearo a seu cargo, assignado tambem pe-
lo s?u antecessor.
DitoAo major commandante in'crino do
segundo batalho de artilheria a p remetlcn-
do-lhe o modello do mappa dos morios no hos-
pital rcgimental, quedeviaser enviado semes-
tralmente tendo principio a rernessa do dia I.
dejulho.
INTERIQJ..
'ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SRS. DEPUTA DOS.
Discussdo das forcas de trra : A banca-
rola, etc.
Progredia no 1. do corrente no senado, a
segunda discussao da proposta do governo que
flxaas forcas do trra de 1843 1844 ; o Snr.
Paula Sousa, em longo meditado discurso ,
procurou mostrar que o dficit que pesa sobre o
Brasil, todas as nossas dosgracas, em urna pa-
prevenindo-a, de quo deve pro- j lavia datao desde 1837 isto desde que dei-
e geral apuraca no dia 8 de xarao de influir immediamento na administra-
cao publica ou governarao o paiz as notabi-
lidades de S Paulo ; e quando o nobre senador
outubro deste mesmo anno e apuradas as lis-
tas remetterdUas copias authenticas, urna .
secretaria de estado dos negocios do imperio ej presuma tnumphjntos os sous argumentos, o
outra Presidencia ; determinando que faca Sr, Vasconcelos em um luminoso improviso,
publicar, com antecedencia, poreditaes o dia deslou a meada e pulverisou toda a methafiusi-
marcado para esta eloicao : o intelligonciando- | Ca social, os clculos estatisticos ,elc, do il-
a, de que os seus membros ficao responsaveis j lustrado senador por S. Paulo. Oucamos o Sr.
pela falta que houver na prompta execucao Vasconcellos.
destas ordens, esujeitos as penas, impostas pelo
decreto de 29 de julho de 1828.No mesmo sen-
tido oflciou-se s demais cmaras da provincia,
determinando-se-Ihes, que tambem enviassem
copia autlientica das respectivas actas cmara
municipal desta cidade.
Dito Ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes ordenando que dirija ao en-
genheiroem chefe participacoes de todas asar-
reinataces, que por aquella thesouraria se tem
effectuado de marco deste anno em diante ; e
quena mesma occasioIhe remeta copias au-
thenticas dos termos, afim deque possa elle
fascras necessarias communicacoes aos respec-
tivos arrema I tan tes. Participou-se ao enge-
nheiroem chefe.
Dito Do secretario da provincia ao com-
mandante das armas communicando que o
Exm. Sr. Presidente por despacho de 20 do
corrente concedeo licenca para ir a ilha de
Fernando, ao a I fe res reformado Joo Pi Perei-
ra Campos, cujo requerimeutoS. S." informou.
Commando das Armas.
EXPEDIENTE DE 9 DO CBRENTE.
OflicioAoExm. Prcsi lente, aecusando o
recebiment do scu oflicio de 8 do corrente pe-
lo qual de ordem do governo imperial se deter-
minava que de seis em seis meses se remelles-
se o mappa dos morios no hospital regimenal
ern cada mez com declaracao do numero me-
dio (ios doentes que existiro em cada da, con-
forme o modelo que acompanhou o dito ollicio.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., aecusando a
recepeodo seu oflicio de 8 do corrente, no qualJ
communicava a resolucao dada por S. M. I.,
Sr. Prosidente! Eu nao tencionava fallar
nesta discussao at para evitar algum motejo
de <\\o becas ecasacos querem tratar do nego-
cios da guerra ; mas, tendo um nobre senador
emittido hoje a sua opiniao sobro diversos ob-
jectos alguns dos quaes podem tocar-me, ou
realmente me tocao entend que me cumpria
tomar parte no debate! Tenho pois de fallar
sobreests objectos que se podem talvez con-
siderar como nao muipmprios da materia do ar-
tigo primeiro que se discute e direi tambem
alguma cousa sobie esto artigo.
Por veses eu tenho roprovado o methodo a-
doptado no corpo legislativo de fixaras forcas.
Douao 11 do artigo 15 da constituicao urna
intelligenciadiversa da que at o presente tem
dado o corpo legi dativo. O corpo legislativo
considera-se obrigado a fixar annualmente, so-
bre informaco do governo as forcas do mar e
trra ordinarias e extraordinarias, e sempre tem
cufloprido esse dever ,:omo o tem entendido. Eu
sou de opiniao que o corpo legislativo deve fixar
as forcas ordinarias no anno em que o paiz se
ache em seu estado ordinario e as forcas ex-
traordinarias na occasio era que o pait se ache
em circumslancius extraordinarias marcando
a reduccao que ncllas se deve fazer cessando a
necessidade. A opiniao contraria me parece in-
sustentavel, at por absurda...
O Sr. Hollando Cavalcanle:Apoiado.
OSr. Vasconcellos:Eu vou figurar urna hy-
pothosc : supponhamos que a guerra civil nad
llagellava o paiz como infelizmente acontece,
que o nosso estado era ordinario; quisera saber
como o corpo legislativo, em taes circumslan-
cius, havia de lixaras forcas extraordinarias so-
bre as noimacesdo governo. Estavamos em
ma receiavamos; que inforuiaces havia de dar
o governo para se fixarem as forcas extraordina-
rias? (3 corpo b>gi-lativo quera saber que for-
cas deveria ter o exorcito para circumstancias
extraordinarias ; o governo responda : Na<5
vos posso dar tal informaco porque nao sol
so teremos guerra com Montevideo com Bue-
nos-Ayres, com Bolivia, Franca, etc.Elle nao
tinha informaco alguma a este respeito e nao
se Ihe podo suppor o d un da providencia. Por-*
tanto, perdoe-se-mo dizer quo absurdo fixar.
a mesmo tempo a forca ordinaria e a extraor-
dinaria.
Ora a minha opiniao nao me parece sfirde
pouca monta nao me parece ser um simples
aperfeicoanrento na intelligencia d'este artigo
da constituicao ; conten malcra mui impor-
tante. Fixam-se as fon-as ordinarias, e tam-
bem as extraordinarias sem informaco do go-
verno ; porque na m.tior parte dos casos fi-
gurados, havemos de lixar as forcas extraordi-
narias sem ossa informaco por isso que o go-
verno muitas ve/.es, nao pode saber que in-
formacoos dova dar. Fixam-se as forcas ordi-
narias, e extraordinario; o governo considerase
em circumstancias extraordinarias : o que faz ?
Augmenta o exeicito.e faz despezasenormes! Eis
um dos deleito* desta intelligencia. Se nos
tivessemos adoptado a intelligencia que julgo
ser do artigo nao poderiam ter tanta forca
os argumentos que um nobre senador hoje pro-
duzio contra o projecto que se discute de-
du/idos da comparacao da populadlo e das for-
cas do lirasil com a populaco e forcas de ou-<
tras nares.
O nobre senador considerou o Brasil no es-
tado de paz essas outras naedes no mesmo es-
tado edisse : Comparai a populaco d'es
tas naedes e o exercito que ellas tem com a po-
pulaco c o exercito do Brasil e veris a gran-
(io dierenea que ha Si; nos considerassemos
o Brasil em e-tado extraordinario de certo
esto argumento nao prevalecera porque en-'-
to se diria quo se a Franca por exemplo ,
estivesse em estado tal que visse ameacada nao
so a sua Iranquillidade mas a integridade do
paiz feria una torca em porporco muito
mais consideravel do quo a forca que omprega
o Brasil.
Eu nao offereco emendas : ha tempos quo
tenho instado para que se adopte esto methodo d
fixar as forcas tanto de mar comode trra ;
mas nao tenho tido forca bastante para fazer
compre hender o mea pe usa ment nem ao
menos se tem mostrado que estou em erre quo
absurda a minha intelligencia e d0 a con-
traria.
Sr. Presidente eu nao posso bem conce-
ller o estado do paiz faltam-me os dados ne-
cessarios. Por isso nao posso emittir o mea
jui/.o sobre o numero de pracas que pede o go-
verno para as forcas do anno de 8143 a 44. Pa-
rece-me que o govorno actual pelo que te-
nho ouvido ao Sr. Ministro da Guerra, con-
tenta-so com menos do que a administracSo
que acabou : vou fazer a demonstraco. O
governo que acabou tinha 19 mil pracas, isto
, 16 mil pracas de pret, 1,000 ofliciaes
2,000 pracas fra da linha eentendeo que,
pelo decreto cuja data me- nao record que
o autorisou a destacar a G. N. tinha conse-
guido um accrescimo de forca e nao um sup-
plemento ; isto que era autorisado por este
decreto a destacar 6 mil Gs. Ns. nao pare
substituir 5 mil pracas de linha masque ere
urna forca addicional s 19 mil pracas,o que por
conseguinto eslava autorisado a empregar 34
mil.
OSr. Ministro pormdiz : Eu quero 2t>
mil [iracas de linha., porque pretendo dispen-
sar a G. N. do servico do exercito. Logo
Sr. Ministro quer considerar a forca da G. N.
que o decreto autorisou a destacar cono um
supplemento, e nao como urna forca addicional
torca de primeira linha. Sendo assim o
Sr. Ministro contenta-se com.20 mil pracas pa*
ra o .stado exlraordinai io, e o governo passad
quera 24 mil...
O Sr. Clemente Pereira : Mais da % mi
cm mifl Tiater. je fcr.guc escuna juv.m .- aerca ds aviuo aFic0Cuiua peio CvSs.uw.uu i paz com todas us nacoes o muno, de uenhu-1 Gs. Ns. ha hoje no Rio Grande.


"*i*m
"wr
O Sr. Vasconcellos: O governo deve ,
n'este caso substituir esses Gs. Ns. por tropa
de linha o eu desejo que ello se explique so-
bre esto objecto. Eu votei o anno passado por
essa lei mil pracasda guarda nacional; at me paroce
que faller a favor d'ella ; mas entend sempro
que essas 5 mil pravas da guarda nacional nao
erao urna Torca addicional, mas urna Torca
supplementar de linha: quizera portanto que o
Sr. Ministro da Guerra desse algumasexplica-
cdes a este respe i to.
Sendo assim como eu acabo de enunciar,
a Torca que se pode actualmente sem duvida
inferior que estava decretada ; mas eu nao
me considero habilitado a declarar se a Torca
ndispensavel a pedida pelo governo actual ,
ou se aquella que seautorisava a levantar a
administradlo passad i porque nao tcnho um
eonhecimento perTeito do estado do paiz. No
caso porm de ser necessario empregar a guar-
da nacional, ou de recrutar para a primeira
linha eu prefiro sempre o recrutamento por
que entendo que o prejuizo que d'ahi provem
aopaizmuito menor do que o prejuizoque
provem de se empregar a guarda nacional; e
escusado alargar-me em materia to evi-
dente.
Nao posso dizer cousa alguma sobre a orga-
nisaeo do exercito porque como disse ,
receio al^um motejo, entretanto pareco-me
que devia ter ao menos havido alguma reforma
no quadro relativamente aos cacadores ; qui/e-
ra que houvesse regimentosde infantaria mui-
to fortes no Bio Grande do Sul e nao peque-
ninos hatalhos que nao sei como podem for-
mar quadrados, com os quaes nao sympathisa
muito o nobresenador pelo Maranho {risadas).
Mas nao insistirei mais n'este objecto.
Eu quizera que a org.inisacao fosse diversa ,
e em outra occasiao durante o ministerio de
23 de julho emitti a minha opinio a este res-
peito. Nao se me quiz ento fazer a honra de
tornar urna s palavra satisfez-me, porque nao
linha direito a exixir em tal materia expli-
cacoes do governo.
Quanto ao quadro do exercito eu tenho s
ouvido lamentar a expulso de muilos ofliciaes ,
do que verdaderaniente quadro de exercito ;
mas alguns entendedores da materia ou conhe-
cedores do exercit > lamentam a comprehensao
de muitos no quadro ( risadas). Ora, n'este
estado eu nao estou muito habilitado a inter-
por o meu jui/o a tal respeito. O melhor, Sr.
Presidente, deixar as cousas no estado em que
se acho porque qualquer alteracao que se
Caca receio que transime anda mais___
O Sr. Costa Ferreira : Isso o contra-
rio theoria do regresso.
O Sr. Vasconcellos : A theoria do regres-
so consiste em interpor recursos contra os desa-
tinos. Ora essa autorisacao para o governo
continuara incluir e excluir do quadro, pode
apresentar em resultado algum des tino; tal
autorisacao nao cabe na esphera do regresso ;
portanto nao adopto como doutrina d'olle o
autorisaro governo para organisar de novo o
quadro. Eu nao sei qual tem mais razao pa-
ra se queixar se a nacao das compregensoes
se os particulares das cxcluses
-Ha razao para urna
para urna, nem
no quadro,
d'elle....
OSr. H. Cavalcanti:
e para outra cousa.
O Sr. C. Pereira: Nem
para outra.
OSr. Vasconcellos: As nossas circuns-
tancias obrigarao-nos a autorisar o governo pa-
ra formar o quadro d<> exercito ; o governo for-
raou o quadro e arrependeu-se depois se-
gundo j declarou o nobre ex-ministro da guer-
ra de ter aceitado esta tarefa ; mas tenha a-
gora paciencia com os resultados d'ella.
Sr. Presidente eu nao direi cousa alguma
sobre a parte da organisaco do exercito que
toca a recrutamento. Tem-se dito que pre-
ciso urna boa lei de recrutamento.... Eu me op-
puz conscripco. Em 1835 queriao adop-
tal-a para formar o nosso exercito mas feliz-
mente accusando eu a lei, j depois de redi-
gida de absurda o contradictoria nao pas-
sou mais essa francezia para as nossas cousas ,
econtinuou a lei do recrutamento actual co-
mo eu propuz. O nobre senador diz que essa
lei muito defeituosa ; mas nao se mostra co-
mo ella pode ser melhorada como pode dei-
xar de haver injusticas.
Est mos em iguaes circunstancias a respeito
d lei das eleices: o nobre senador clamou
tambcmcontra essa lei; mas eu entendo que nao
contra ella que devemos clamar e sim con-
tra a marcha das nossas cousas.
>' te houvesse verdadeiro espirito de patriotis-
mo se o paiz se empenhasse as eleices como
cumpria a lei nao apresentava esses incove-
nientes ; e tanto ellos sao nullos apparenles c
imaginarios,que seentende quetudoscreforma-
r
verdadciras vestaes do brasil
presidentes de provincia elegiveis nem os mi-
nistros de estado nem outras autoridades, nao
haver mais suborno nao hovera mais perigo
algum Eu estou persuadido que os
mnsmps ou piores males continuarlo porque
o mal nao est na lei ,' est em outra parte.
Nos receiosos de comprometter a nossa po-
pularidade accusamos um innocente e tica
impune o culpado I. ..
5ff, Presidente o nobre senador fez a com-
parado da Torca do nosso exercito com a Torca
do exercito de diversas nacSes em relacao sua
populacao e s achou que Ihe eram iguaes as
de dous estados isto da Bolivia e do Hai-
ty que nos com o nobre senador nSo
queremos de certo imitar. Mas eu quizera que
o nobre sead >r fizesse a comparaco das Torcas
que decreto os governos da Europa no lempo
de guerra e no de paz com as nossas Torcas
em lempo de guerra e em lempo do paz. Nos
estamos em tempo de guerra e de guerra a
mais calamitosa porque luamos comnosco
mesmos Compare-se a Torca que a Franca li-
nha em circunstancias extraordinarias com a
Torca do Brasil em circunstancias extraordina-
rias, e nao se achara essa desproporco accu-
sada. Eu quizera alem d'isto conhecer
qual a estatistica de que o nobre senador co-
Iheu os Tactos relativamente ao Brasil. O nobre
cenador calculou a populacao do Brasil em dous
milhes....
O Sr. Paula Sousa : A populacao 1-
vre.
O Sr. Vasconcellos: Ora, eu tenho cons-
tantemente ouvido dizer que ella sobe a quatro
milhoes. Na provincia de Minas geraesdizem
que lia um milho de habitantes e nao ha de
certo a quarta parte de escravos....
O Sr. P Sousa : Ha mais.
OSr. Vaiconcellos: Pode ser que tenho
augmentado ; mas, segundo as nformacocs
que tenho ouvido a esse respeito calcula-se as-
sim. Eu quizera, porem ver os Tactos a tal
respeito explicados circunstanciadamente para
que podessemos conhecer se ha tanta despro-
porcao como parece ao nobre senador. Mas
eu nao entro na qucstao se ha ou nao despro-
porcjio ; qusro suppor que ha a maior possivel;
mas pergunto eu em nossas circunstancias
podemos dipensar Torca e muita Torca ?. .. O
nobre senador at j mostrou que a nao de-
viamos dispensar. O nobre senador disse :
Urna pequea provincia o Rio Grande do Sul,
que lera 150,000 almas, esta provincia
poderia por tanto tempo ter resistido a
todos as Torcas do imperio se nao tivesse au-
xilio externo? Ora o nobre senador sabe
pcrTeitamentc que at est hoje em Algrete
urna Torca que se diz ser de Corrientes....
O Sr. H. Cavalcanti: Eu nao sei
d'isso.
O Sr. Vasconcellos : Eu o tenho lido nos
peridicos....
OSr. H. Cavalcanti: Eoque elles di-
zem verdade ? Eu desconfio muito d'elles.
. ___________fContinuar-se-h.)
Correspondencia.
PERNAMBUCO
POLICA.
Illm. e Exm. ir. Tcnho a honra de par-
ticipar V. Ex. que das communicacoes rece-
bidas d'algumas comarcas na semana passada
consta nao haver sido nellas alterada a tranquil-
lidade publica ( demonstrando seos habitantes,
liein como os de toda a provincia decidido es
[tirito d'ordem e firme adhesao ao governo.
Os criines contra a seguranea de pessoa e vi-
da do cidado sao anda perpetrados: em Goi-
anna no lugar denominado J.ameiro Toi
assassinada urna mulher por seo proprio marido,
que nao oi possivel capturar ; e em Ponta de
Pedras gravemente ferido um bomem cujo
aggressor se acha preso e seu processo em an-
damento.
Aproveito a occasiao para scientificar V.
Ex. que Jos Joaquim d'Ameida cujo assas-
sinato fora t5o apregoado pela voz publica, que
impeli sua mulher reclamar providencias da
polica; appariceo finalmente, e declarou
que urna grande invernada Ihe obstara de re-
gressar logo da viagem que lizera sendo es-
te o nico motivo que dera occasiao ser der-
ramada to triste c rcvollante noticia. Dos
guarde a V. Ex. Secretaria da polica 29 de
nmio de 1843. Illm. e Exm Sr. BarSoda
Boa-vista Presidente da provincia. O chefe
de polica Antonio Ignacio d'Azevedo.
Illm e Exm. Sr. Partecipo a V. Ex.*, qui-
jo se achao juramentados osseisjuizes munici-
paes supplentes; prestando o juramento o Dr.
Antonio Pereira Barroso de Vloraes, no dia 19
do correntc mez, e o coronel Jos Varia de Bar-
ros Brrelo no dia 22. Dos Guarde a V. Ex.'
felizmente. Na/a reth 26 de maio de 1843.
que as eleices sero as mais puras as Illm e Exm. Sr. Barao da Boa-vista Presidente
se os presidentes | ua Provincia. Jtse Bandeita de meti juiz
nao forem elegiveis! Ento, n&o sendo os municipal.
rs. Redactores.,
Em o D -n. de 18 do andante mez l-se um
communicado assignado pelo incgnito G... no
qual depois de se insultar, e calumniar diver-
sas pessoas, alias muito respeitaveis, se conclue,
descrovendo-se com as mais feias cores o estado
da comarca de Goianna attrbuindo-se-me
grande somtna dos inventados males que ella
soffre ; porque como delegado nao curo de
cumprir os meos deveres e antes dou visos de
empregar todo o meo tempo e cuidado em di
vertir-me. To grave he simlhante aecusaco,
quo falsa e calumniosa e he para demons-
trar a allciyosia, e m f d'esse gratuito inimi-
go que vou incommod-los pedndo-lheso
extremado favor de publicarem em seo estima-
vel jornal o que passo expender em minha de
fesa, asscgurando-lbes d'esdej, que para
responder a quem se cobre com a capa do an-
nimo para calumniar-me nao mais os encom-
modare.
Nao tendo ainda decorrido um mez que
exerco as funeces de delegado d'este termo e
intimamente convencido de haver empregado
todos os esforcos para bem desempenhar as defi-
ceis e complicadas obrigacSes inherentes ao
lugar que oceupo confesso que nao foi sem
grande surpresa que li a parte do communi-
cado G. que a mim se refere. Diz o inc-
gnito communicaddr que a Cidade de Goi-
anna lem-se tornado a morada do horror, e
que o crime a immoralidade e a impunida-
de se reprodusem com espantosa rapidez en-
tretanto que eu no meio de tantos males se-
guindo os passos do meo antecessor com nada
me importo e at dou visos de estar passando
a festa passeando, dansando &c. &c., e pa-
ra provar tao calumniosa assercio apona a
surra dada em a parda Rufina pelo msico do
1.a batalhSo de G. N. ; as pancadas queem
urna preta dera um soldado do destacamento, e
finalmente um sonhadodesacato feito urna mu-
lher casada em a noite de Scxta-feira de Passos,
e depois da narraco de to horrorosos e ne-
fandos attentados, exclama o G... E o que he
feito das providencias da polica, dos processos,
e punicoes de tantos criines ? Sua apparico
ainda esta na esfera dos possiveis. Pelos 3 do-
cumentos porm que suhmeto a considero
dos homens de bem claramente se ver que
0 G... faltou a verdade e que vilmente ca-
lumniou-me ; por quanto pelo documento n.
1 v-se que o msico do 1. balalhao Manoel da
Apresentaco por ter chicoteado a parda Bu-
fina foi por mim processado o pronunciado; e
pelo documento n. 2 se evidencia que csteve
elle preso na cadeia desta Gidade at que pres-
tou iianca. Pelo documento n. 3 em fim se
mostra evidentemente que o soldado Jos Bor-
gesacha-se processado pelo crime de olensas
tsicas feitas na pessoa da preta Manoella e que
ainda nao (o pronunciado po.- se achar o pro-
cesso em mo do Dr. promotor publico, quem
mandei dar vista na forma da lei. E vista de
to formal desmentido o que dir o G... ? di-
r como ./Edipo = Terre pour m'engloutir en-
trouvo tes ablmes ? Nao que muito corajoso ,
e desempennado he sua merc. Ainda me falta
tocar no desacato feito urna Sr.* casada em
a noite de Sexta-feira de Passos. Em primei-
ro lugar devo declarar que ignoro simlhante
acontecimento e depois respondo que alm
do mais, n'esse tempo ainda nao me achava in-
cumbido da polica tiesta comarca, e que por isso
espero que o incgnito communcadr nao
me querer faser responsavel por esse Tacto. Bem
podra aproveitar-mc do ensejo para dar cabal
resposta tudo riuanto n'essa catilinaria dice o
G.. mas, alm de que muito longa seria essa
tarefa acresse que seria isso, abrir as portas
para urna discussao de insultos, e calumnias
na qual conesso minha pouquidado ao passo
que reconheco a superioridade do meo adver-
sario ; contentando-me com o pouco queem
minha defesa apresentei e deixando aojuiso
do publico o decidir se o G.. pode ser tido em
conta de amigo da verdade e que peso mere-
cem as suas palavras. Finalisarci estas mal ira-
cadas linhas fasendoum reparo, e vem ser,que
muito me maravlha, que oG... inculcando-se
lao amigo, e defensor dos Goiannenses, os pro-
cure desacieditar perante o publico, fazendo-os
passar por immoraes, edesordeiros, sendo que
nngucm duvidar afirmar que os habitantes
d'esta comarca em regra geral sao nimiamen-
te moraes, e amigos da ordem. Sou, Srs. Re-
dactores com todo o respeito &c. &c.
Goianna 22 de maio de 1843.
Francisco Xavier Paes Barreto.
N.a 1.
Eu escrvao altaixo assignado certifico que
pelo meo cartorio foi processado o msico do
1. balalhao deguarda nacional desta Cidade
Manoel da Aprczentaco Farias pela denun-
cia que centra o mesmo dera o Dr. promotor
publico, pelos ferimentos e contuzes leilos em
a pessoa da parda Rufina Mara de Mattos; ten-
do lugar a dita denuncia em o dia 28 do prxi-
mo passado mez de abril do corronte anno ; o
assim como foi pronunciado pelo Dr. juiz mu-
nicipal supplente e delegado de policia o se-
nhor Francisco Xavier Paes Barreto por
ter sido o juiz processante : he o que tenho a
certificar vista dos proprios autos de denuncia
ao que me reporto; passei a prezente em obser-
vancia da portara retro. Goianna 22 de maio
de 1843. Em f do verdade o escrvao Mi^
guel Joaquim de Faria Braga.
N.2.
Certifico que revendo o livro da cadeia desta
Cidade a foi has 51 verso, consta ter sido Manoel
da Apresentacao msico do batalbo da guar-
da nacional deste municipio recolbido a mes-
ma cadeia por se achar pronunciado pelo juiz
municipal desta Cidade em virtudc dos feri-
mentos feitos na pessoa da parda Flurinda, cu-
jo recolhimento teve lugar no dia 2 do corren-
te mez, e smente Toi posto em liberdade no
dia 20 do mesmo mez por haver prestado a
devida Iianca perante o Sr. Dr. delegado e juiz
municipal Paes Barreto visto ser quem o pro-
cessou, o reTerido he verdade. Gojanna 22 de
maio de 1843. Luis Francisco da Concei-
co carcereiro actual da cadeia.
N.3.
Eu escrvao abaixo assignado certifico que
o soldado do destacamento desta Gidade Jos
Borges acha -se processado por o meo car-
torio, por crime de oTTensas izicas na pessoa da
crela cazada Manoella do Nascimento das Do-
res e isto d'esde o dia 29 de abril do corrento
anno, e foi o juiz processante em o mesmo pro-
cesso o Dr. Francisco Xavier Paes Barreto a-
chando-se o mencionado processo com vista
ao Dr. promotor publico. He o que tenho a
certificar a vista da portara retro e a pre-
sente passei em comprimenlo da mesma. Ci-
dade de Goianna 22 de maio de 1843. Em
( de verdade o escrvao Ignacio de Torre
Bandeira
Publicii^es a pedido.
foncluso da relaco das pessoas que dero es~
molas para o frontespicio da matris da Boa-
vista.
Os Senhores :
Nicolau Gadaut ,
Manoel de Souza Rapozo
Antonio Jos Lopes de Albuquerque
Joaquim Jos Lourenco da Gosta
Jos Antonio dos Santos
Antonio Martins Ribeiro
Dr. Jos N. Rigueira Costa
loao da Silva Santos
Gregorio Antunes d'Oliveira
Manoel ('aciano Soares CarneiroM.
Jos Marques da Costa Soares
Francisco Goncalvesdo Reg
Jos Jacintbo Silvcira
Joaquim Coelho Cintra
Agostinbo Tavares Rodovalho
Francisco Joaquim Pereira de Garvalho
D. Joana Francisca da Silva
Jos Alfonso Rigueira
Joo Kofino da Silva Ramos
D. Maria Jos da Concecao
Francisco Jos do Couto
D. Francisca de Souza Braga
Joo Baptista Pereira Lobo Jnior
Jos Ignacio d'Assuii peo
Custodio Manoel Goncalvcs
Manoel Jos da Silva Guimaraes
Jos da Silva Guimaraes
Engenheiro Wauthicr
Dr. Jos Eustaquio Gomes
Bispo D. Thomaz
Geraldo Antonio dos Santos
Francisco Luiz Larrefe
Francisco Maria Lumachi de Mello
Joo Moreira Marques
Francisco Severiano Rabello
Antonio Joo da Silva
Francisco Antonio Vieira da Silva
Antonio Jos Pires
Domingos Jos Martins Vieira
Antonio Jos Gomes
Vicente Jos de Brito
Manoel Goncalves da Silva
Bento Jos A Ivs
Antonio Dias Souto
Francisco da Silva
Dr. Henrique Jorge Ribeiro
Francisco Domingos da Rocha
Francisco Jos de Sampaio
Carlos Manoel d'Oliveira Campos
Bitnncourt
Antonio da Silva Guimaraes
Jos Bernardo da Rocha
N. Grongcr
Jos Maria Thomaz de Souza
Bernardino de Sena Itias
rancisco Sergio de Matos
$
220&
H
$
208
208
108
io8
28
20S
s
108
508
ios
&3
ios
ios
o8
208
.**
38
o8
208
58
28
58
48
88
208
18
108
808
ios
58
ios
108
408
28
208
ios
2$
48
6S
58
48
28
38
18
28
5S


Jos Joaquim Anastacio 5^
Jos Antonio Bastos 10i
Braulio Rodrigues Teixeira 58
Jos Francisco Ferreira Cato 208
D. Mara deCarvalho Paesd'Andrade 20g
Joo Teixeira de Souza 5
Joaquim Josd'Amorim 5
Caetano Pereira Goncalvos da Cunha 10,*
Joaquim Jos Ferreira 5
Manoel Pereira Caldas 4^
Miguel Archanjo Monteiro de Andrade i,,
. Manoel Jos de Souza Carneiro 20j
Paulo Jos i d'Almeida 10*
Manoel Neto de Souza Bandeira 5*
Luiz de Pinho Rorges 5
Joo Jos de Carvalho Momos 20*
Manoel Ribeiro da Cunha Oliveira 8s
Antonio GomesPessoa 20*
Joo Jos Ribeiro dos Santos g*
Antonio Joaquim de Souza Ribeiro 20*
Joao Jos de Medeiros 10*
Joo Francisco Regis Coelho 10*
Manoel Jos da Silva Braga 10*
Manoel de Souza Teixeira 20*
Gabriel Antonio 100
Joo Francisco Cbaby 20J
Luiz Gomes Ferreira 40
VigarioFelis Jos Marques Bacalhao 12*
Jernimo Jos Ferreira Guimares 10j
Manoel Jos Soares 3*
Padre Antonio de Andrade Luna 50*
Antonio Pedro de S Brrelo 20*
Jos da Silva Saraiva 10*
Manoel Pires Ferreira 20
Manoel Ferreira Ramos 10*
Manuel Ignacio d'Oliveira 6s
Francisco de Paula Lopes Reis 5s
Antonio Alves Barboza 5V
Jos Francisco de Azevedo Lisboa 20 i
Antonio Pedro das Nevcs 5>
Manoel Caetano da Silva 2*
Jos Rodrigues Ferreira 2s
Jos do? Santos Nevcs lOs
Jos Ignacio do Monte lOs
Antonio Dias da Silva Cardeal 10,s
Vicente Antonio do Espirito Santo 16j
Mr. Simplicio Antonio Mavignier 108
Jernimo da Costa Arruda e Mello 10*
Manoel Joaquim Ramos e Silva ?i-
Aatonio Pereira Teixeira 308
Angelo Francisco Carneiro 40*
Jos Ramos d'Oliveira 40$
Hispo D. Joo (3 dias de Chrisma 968920)
guinte : 6 pipas com vinagre 10 barrisazeite
doce 8 pipas e 10 barris vinho 6 ditos carne
ensacada, 25 caixas toucinho, 4caixotosfo-
guetes 4seir5es cominbos 9 molhos canis-
sos ; a Manoel Jos Ralto.
22 pipas e 30 barris vinho 38 ditos azeite
doco 20 ditos vinagre ; a Thoinaz d'Aquino
Fonceca.
5 pipas vinagre 10 barris vinho, 1 embru-
Iho panoramas; a Francisco evcriano Rahello.
38 pipas e 10 barris vinho 10 ditos azeite
doce 20 pipas vinagre, 16 barris carne en-
sacada, 15caixas toucinho 200 varas de la-
gdo ; a Mondes & Oliveira.
5 pipas com vinagre ; a Manoel dos Santos
Franco.
1 oaixote miudezas;
da Cunha.
5 fardos com sorias ;
vento de.S. Francisco.
5 barris azeite doce ;
a Albino Jos Ferreira
ao provincial do Con-
a Thomaz de Faria.
Jos Francisco da Silva Ribeiro
Joo Goncalves da Silva
Domingos Alfonso Nery Ferreira
1). Maria Jozefa da Motta
Manoel da Cunha Guimares Ferreira
Manoel Carneiro Leal
Pedro Ignacio Baptista
J). Maria Rita do Amparo Costa
Jos dos Santos Nunes d'Oliveira da
pessoa, que tirou o premio granJe
da ultima lotera, quando elle era
tbesoureiro
Irmandade das Almas
108
88
lOg
60j
108
108
208
1678
258
208
2:6538
ObservagSo.
Alcm das esmolas em dinheiro houvero as
segu rites :
500 tijolios do Sr. Jos Camello do Reg
Barros.
105 palmos de pedra do Sr. Jacintho Helio-
doro d'Oliveira.
3 serventes do Sr. Joo Rofino da Silva Ra-
mos por um mez pouco mais ou menos.
IditodoSr. Feliciano Augusto de Vascon-
celos pelo mesmo tempo.
1 dito do Sr. Policarpo Jos dAlbuquerque
pelo mesmo tempo.
1 dito do v. Jos Afonso.Ferroira por qua-
tro mezes pouco mais ou menos.
Jos Gabriel de Moraes Mayer.
Jos sfffbnso Ferreira.
COMMERCIO.
20 pipas vinagre 25 barris azeito doco 16
pipas vinho 30 barris dito 10 caixas touci-
nho 6 barris carnes ; a Manoel Jos Machado
Mal he i ros.
1 embrulho com crivos; a Joo Antonio da
Silva Braga.
1 barril paios; a Bernardo Antonio de Mi-
randa.
1 barril vinho, 10ditos azeito doce, 100
molhos cebollas; a Ordem.
Cumberlande escuna Americana, vindade
Phladelphia entrada no corrente mez con-
signada ao capito manifestouo seguinte: 96
barris manteiga 199 ditos dita do porco 33
caixas o'85 ditas lazendas de algodo tranca-
do e lizos 51 caixas folhas de (landres 300
harriquinhas bolaxinha 156 caixas de cha ,
857 barricas farinha do trigo, 1439 barricas a-
batidas; a Ordem.
lf ovimento do Porto.
Navio entrado no dia 28.
Terra Nova; 35 das barca ingleza Creamo-
re do 208 toneladas capito Tliomaz N.
Shappley equipagem 13, carga bacalhao ;
a James Crabtree & C*
Navio sahido no dia 29.
Havre de Grace ; barca franceza Zilia, capito
Boucker carga algodo e assucar.
Ditos no dia 29.
Ilha de Fernando ; patacho transporte brazilei-
ro Ptrapama commandante Balthnzar Jes
dos Reis : conduz o commandante da ilha, e
o destacamento.
Rio de Janeiro; vapor inglez Boyal Sovereign,
commandante Alred Rroumbss.
Guernsey ; brigue inglez Eleonore capito
Charles A. Malkenrot carga assucar.
Falmouth ; barca russiana Leopold, capito
John Cari Koltz carga assucar.
Canal; brigue inglez James Gibson capito
John M. ewman carga assucar.
Navios entrados no dia 29.
Aracaty ; 20 dias patacho brazileiro S. Jos
Vencedor de 90 toneladas, capito Mano-
el Jos Rabello equipagem 9, carga algo-
do couros e sola: a Manoel de Souza
Couto.
Lisboa ; brigue portuguez Feliz Destino de
234 toneladas, capito Jos Francisco Les-
sa equipagem 18, carga vinho, e mais g-
neros ; a Francisco Severiano Rabello.
Lotera do theatro. | ber em sua casa escravas d'aquellas pessoas co-
__O thesouieiro desta lotera cortifica ao pu- 'nhecidas prra as vender, sem que leve cous
blico que o andamento das rodas da 2.a parte | alguma do comedoras.
da 13.* lotora annunciada para o dia 20 de
junho prximo, ten seu impreterivel andamen-
to nesse dia liquem ou nao blhetos por ven-
der, queem tal casolkaro por conta do mes-
mo theatro os quaes blhetes acho se vonda
nos lugares j annunciados e na nova loja de
cambio nobairro do recie n. 38.
FUNCCO LYRICA,
Na casa da Natalente Quinta-feira 1.
de Junho
ly Arinangel. Lucci e sua fTha cantaro
seis pecas de msica com o seo anlogo
vestuario, havor tamhem duasdansasexecuta-
das por Wanimeil e sua mulher; esta ser a pri-
meira das 15 represen tacos prometidas. Prin-
cipiar as 8 horas em ponto.
As asignaturas e os hilhetcs acho-se na loja
de livros do Sr. Figueira na praca da indepen-
dencia ; na noite de representado se vendero
tambem unto da casa.
N. B. Se chover de 6 horas em dianto nao ba-
ver funeco.
Avisos martimos.
=Para o Rio de Janeiro o brigue brazileiro
S. JoSo Baptista para passageiros, e escra-
vos ; trata-se na ra da Cadeia do Recife n.
40 ou com o capito Joo Goncalvos da
Rocha.
Leilo.
O corretor Oliveira continuar o leilo por
conta, e risco de quem perlencer do grande
o variado sortirnerito de fazendas inglezas, fran-
cezas e suissas, d algodo, l e seda : terca
feira 30 do corrento s 10 horas da manb em
ponto no armazom quo foi do Sr. Stewart, na
ra da Cruz. %
Avisos diversos.
Precisa-so r'e dois conlos de reis a juros de
Declaracoes
= A administraco dosestabelecimentos de
caridade avisa a quem convier que no dia
2 do prximo futuro mez na salla de suas ses-
sdes as 4 horas da tarde tem de ser arremata-
das por 3 annos, as rendas das casas abaixo de-
claradas cuja arremataco ser contada do 1.
de jullio em diante.
Ra do Azeito de peixe n. 1 dita dos Bur-
gos n.2 dita do Encantamento n. 3 dita
do Amorim n. 18, dita Direita n. 33, dita do
Padre Floriano nmeros 43 e 45 dita de S.
Jos nmeros 5 e7, dita atraz da dita n. 11,
dita de Manoel coco nmeros 32, 36 e 38 ,
dita das 5 Pontas nmeros 98 116, ell8,
travessa da viraco nmeros 7 e 19 dita de
S. Pedro n. 2 ra de Orlas n. 33 dita de
S. Thereza nmeros 4 e 5, dita da Roda n-
meros 5, e 9 ( oito lojas ) travessa do Calabou-
ce n.2 ra Nova n. 48 aterro da Boa-vista
n.68. ra da Conceico n.5 dita da Glo-
rian. "65.
Os pertendentes deverao comparecer no lugar
e hora aprasada mnnidos de seos fiadores; o ad-
verte-se aos inquilinos cujo pagamento nao es-
tiver em dia que nao seraa recehidosseos l-
eos sem que tenho satsfeito seos dbitos.
Salla das sesses da administraco dos estabe-
t-cirr.er.tcs do caridade 29 de meio d 1843.
nado a Mendos & Oliveira maniestou o se- O escriturario F. A. Cavalcante Cousseiro.
Alfandega.
Rendimento do dia 27.......... 7:398g282
Descarregao hoje 30.
Brigue Cumberland manteiga, bolaxi-
nha farinha barricas abatidas, e
arcos.
Barca Creamore bacalhao.
Patacho Novo Congressovinho vinagre,
aceite, carnes, e miudezas.
Brigue Primavera fazendas, ferragens,
vinho v nagre, carnes, e &c.
Barca Columbas fazendas e erragens,
1MPORTACAO.
Novo Congresso brigue portuguez vindo
.1 T .M.A.
um e meio por cont ao mez pelo tempo de.
dez mezes, hypothecando-se urna morada do
csanosla praca, que rende annualmente 3008
reis : quem os quizer dar annuncie.
Aluga-se por lOgOOO reis mensaes o ar-
mazem do sobrado da ra do Amorim n. 29 ,
ou vende-se a parte que toca do mesmo sobrado
aoannunciante : na ra do Nogucira n. 13.
Joaquim Francisco d\i zevedo.
O abaixo assignado havendo concluido em
perfeita paz com o Sr. Ignacio Luiz de Brito
Taborda o negocio que (leo motivo ao an-
nuncio quo a respeito sahio no Diario de bo-
lo, isso mesmo aviza ao respetavel publico, pe-
dindo juntamente que tenha por nenbum ef-
feitoodito annuncio; sendo oannunciante o
primoiro a fazer justica boa f e lisura, com
que se houve o dito Sr. Jos Joaquim d'O-
liveira Goncalves.
Aluga-so o segundo andar do sobrado da
esquina da ra estreita do Rozario, que vira
para a ra das Larangeirns n. 16.
Oflerecc-seuma ama de leite na ra lar-
ga do Rozario primeiro andar do sobrado que
vira para a ra do Cabula.
Lotera de S. Pedro Martyr.
=0 thesoureiro da loteria de S. Pedro Mar-
tyr de Olinda faz publ co que as rodas desla
loteria an laro impreterivelmente no dia 13
dejulho e os bilhetes acho-se venda nos
lugares do coslume.
Aluga-se urna escrava que saiba fazer o
servico interno e externo de urna casa de pe-
quena familia e isto por pouco tempo ; quem
tiver annuncie ou dirija-se ra Direita casa
n. 131.
Alugo-se 3 pretos diariamente, ou men-
salmente ; a pessoa que os tiver, e quizer fazer
este negocio dirija-se ao beco do Veras n. 14 ,
ou annuncie.
A pessoa que annunciou querer comprar
um preto, que entenda de sitio dirija-se a
Boa-vista na ra da Conceico casa n. 20 que
ahi encontrar um o milhor possivel, que nao s
entende de plantario como de trepar em co-
que i ros.
Precisa-se alugar um sobrado de um s
andar ou urna casa terrea com quintal o ca-
cimba sendo em bom lugar ; no largo da R-
beira n. 19 : na mesma ha para se alugar um
grande soto, para urna senhora capaz com pou-
ca familia.
Jos da Fonceca Silva, faz saber s pessoas
que tem em seu poder escravtos e escravos para
o dito Sr. vender de commisso que se mudou
da ra de Santa Rita para a ra Direita n. 3,
primeiro andar; assim como se oerece a rece-
-Jos Pinto de Souza subdito portuguez.
rotira-so para fora da provincia.
=Deseja-se alugar urna casa terrea, ou um
primoiro andar quo soja no bairro de Santo
Antonio, e nao passando da praca do Livra-
mento, nom do lar o do Carmo para as Cinco
Pont s ; quem a tiver para alugar annuncio sua
morada, ou dirija-se ra das Trincbeiras
n.14.
A'ugao-sepretas fiis, que sai bao vender
azeite, dando-se a competente vendagem ; na
ra do Nogucira n. 13.
OITereco-se urna ama para todo o servico
do urna casa : na ra do Rangel n 75.
Loteria da matriz da Boa-vista.
=0 thesoureiro desta loteria principia a
pagar os bilhetes premiados, quarta feira 31
do expirante maio, no seuescriptorio da ruada
Cruz n. 16 e brevemente expor venda os
bilhetes da nova loteria, pois todos reconhecem
a nocessidado de dar impulso a urna obra, quo
tem tanto de pia como de magestoza.
O abaixu assignado roga ao Sr. Luiz
Francisco Correia Gomes que baja do levar-
Ihe o seu recibo, eirreceber ospinhores, que
Ihe pertencem at manh, e do contrario re
querer o abaixo assignado para os depozitar em
juizo o judicialmente exigir o seu recibo ,
porque nao quer estar correndo risco ao que
nao Ihe perlence. Manoel de Souza Pe-
reira.
Aluga-se o segundo andar de urna casa
junto ao theatro por cima do betequim com
commodossufflcientes para urna grande familia;
quem opertender, dirija-so a ra dosQuar-
teis n. 18.
Dezeja-so falar com a viuva de Joaquim
Caelano da Luz ou seus filhos moradora na
freguezia do N. Senhora da Paz dos Allogados;
a negocio de seo interesse.
= Oferece-se para ama de casa de hornera
solteiro ou do poma familia urna preta for-
ra a qual boa cozinheira engommadeira ,
e tambem p.ira todo o arranjo de casa ; quem
a pertender, dirija-se a travessa do sarapatel ca-
sa n. 9.
= Alugilo-se, ou vendem-so duas canoas
de amarello que pego em 500 tijolos cada
urna ptimas para aterro pois sao muito leves
de corrta, o preco he commodo tanto para o
aluguel como pela venJa ; na praca da Inde-
pendencia n. 39.
Anna Joaquina Pessoa de Mello, eA-
prigio Carlos Pessoa de Mello Saboia aviza5
que Ignacio Tolentino de Almeida deixou d
ser seo procurador por motivos.
Na quinta-feira 1. de junho no Vara-
douro de Olinda, estar a venda das 5 horas em
vante urna carga do muito afamado pao de fo-
Iba que por ser feito com o maior aceio e
com as melhores farinbas desto mercado tem a
maior aceitaco ; roga-se por isso aos habitan-
tes desta Cidade que o mandem comprar no
dito logar.
O abaixo assignado nao pudendo procu-
rar para despedir-se acaila urna das pessoas,
quo o visilaro espera que ellas desculpem
urna falta involuntaria, e aceitem por este meio
os seos agradecmentos e despedidas. A.
/'. Limpo de Abreo.*
Precisa-se mandar lavar a roupa de 18 ou
20 negros ; quem disto se quizer incumbir di-
rija-se ra Nova loja de caldeireiro n. 27.
- Preciza-se falar com o Sr. Manoel Jos
de Campos, portuguez da freguezia de Va-
gunte a negocio de seo interesso ; annuncie.
Aluga-se urna casalorrea na ra deS.sa
Goncalo na Boa-vista, lado da sombra com 3
quarlos, 2 sallas, cozinba fura, cacimba, e
quintal murado e a 12:000 rs. por mez;
quem a pretender, entenda-se com Jos Ber-
nardo Piniche, morador na mesma ra.
Alugao-se o armazem e terceiro andar do
obrado de 4 ditos na ra do Amorim, de-
ronte do ferreiro Caetano mui proprio para
estabelecimentocommcrcial; a tratar na ra
do V gario n. 13.
A pessoa que deo a lavar um lo de linhu oa
casa junto ao theatro, pode ir buscar ; pois
se acha prompto e Ihe ser entregue dando os
signaes e o importe da lavaje.
Troca-se urna negra de me a idade que
sabe cosinhar bem o diario de urna casa lava
desalan ; por urna negrinha de 8 a 12annos ,
voltando-se o que for justo: em lora de Por-
tas ii. )(i, ou na ra do Trapicho n. 18.
O abaixo assignado tem em seu poder um
pranchoque achou boiandono mar entre o for-
taleza do Brum e a Cruz doPatro; quem for
seu dono dirija-se por estes 8 dias ao Pilar casa
que fica defronte do farol, quo dando os
signaes Ihe ser entregue.
Jos Ribeiro de Moraes.
'Precisa-se fallar aoSr. Simplicio de Sou-
za Lins, a negocio do seu interesse; naCam-
boa do Carmo n. i3^
J


.

= Aluga-se o segundo andar e sotao da casa
n. 60, da roa da Cadeia do Recite propria
para urna familia ; a tractar na luja da mesma.
5= Jos Joaquim de Castro Moara subdi-
to da Sua Magestade Fidilissima, faz scietite ao
respeitavel publico, que retira-se para a Euro-
pa a tractar do sua saude.
=Bnto Per eir de Mendanha, subdito por-
tuguez ; retira-se paca (ora da Provincia.
=Joio Jos Pagelo ; retira-se para lora da
Provincia. '
=Dezeja-se talar cora o Sr. Antonio Pinto
de Mattos ou seu correspondente nesta praca,
e loao Simoes Ferreira a negocio de seu in-
tereste; oa loja de Novan & Basto, na ra do
Queimado n. 29.
=J. P. Adour & C.', con vid ao as pessoas
que tem psrhores na sua loja da ra Nova, de
os irem remir dentro de dez das, contados de
ioje, sob pena de os por em praca para 6eu pa-
gamento.
=Uraa pessoa que tem todos os eonheci-
meotos necessarios para ensinar primeiras letras,
latim francez, e geometra s para algara engenbo ou sertao que nao seja
muito diatante desta praca, para o indicado fin:
quem o pretender aununcie.
O ingle/- que Ibe faltar urna carteira n em
par de luvas, com bastantes assentos e algju
mas cartas dentro para a Baha e uma delias-o
aborta para George Brouvm ; quem Tor sen
rdono annuncie por esta folha, ou dirija-se a
ua larga do Rozario n. 52.
A pessoa que deixou lcar de pinhor no
sabbado de aliluia por dois pares de borzeguins
para sen hora um paliteirode prata na loja de
calcado na ra da Madre de Dos n. 28 baja
de mandar remir quanto antes se nao sern
vendidos para pagar os ditos borzeguins.
= Da-se 200:000 mil reis a juros, sobre pi-
nlioros de ouro e prata ou relogios modernos ,
na promoira venda do atterro da Boa-vista se
dir quem he.
= Aluga-se o primeiro andar do sobrado n.
43 sito na ra Direita com boas commodos;
quem o pretender dirija su ra do Nogueira
n. 8 que achara com quearatar.
= Aluga-se dois sitios na campia da Casa
Forte um com casa nobre ora edificada,
com ptimas acommodaces, coxeira estri-
bara grande cupiar na trente plantado com
muitos arvoredos de fmcfcos, e como assaz
estenso, tanto em largura como em fundos ,
proprio para plan taces, dtc. : e o outro com
ptima casa menos coixeira muitos arvo-
redos de fructos todo murado e com a me-
Ihor agoa de toda a circunvizinhanca ; a tratar
na ra do \ gario n. 13 ou com o proprieta-
rio na estrada do Cordeiro.
Quem precizar de uma mulher para ama
de casa, excepto andar na ra ; dirija-se a ra
de Hortas casa n. 59.
=s Aluga-se um sobrado que tenha quin-
tal e cacimba e com commodos para uma fa-
milia no atterro da Boa-vista ; a fallar no
niesmo aterro n. 6i.
Precisa-se de uma ama de leite, que
nao tenha ti lio ; annuncie.
Francisco Maia Cortes, subdito Brasi-
leiro retira-se para fora do Imperio.
Francisco Jos Leite participa ao res-
peitavel publico que deixou de ser caiseiro do
Sr. Sebastiao Jos Gomes Penna desde o dia
29 do corrente.
= Pedro Joze Rabello Carneiro Brasi-
lero retira-se para a cidade do Porto.
Preoisa-se fallar ao correspondente do
Sr. Tenente Coronel Antonio Jos Rodrigues
Chaves, negociante na cidade da Parahiba ;
annuncie.
A pessoa, que annunciou no Diario de
29 do corrente n. 117 querer fallar com Ma-
noej Jos de Campos, dirija-se a praca da In-
dependencia n. 1.
Compras.
__ Compra-seum Diccionario Medico Pra-
tico pelo Ur. Joao Lopes Cardozo Machado ;
annuncie.
= Compra-se um violao em bom estado ,
e de boas vozes, e uma escala jara o mesmo ;
quem tiver annuncie.
= Compra-se um negro de boa idade e
que entenJa de plantacoes de sitio ; quem ti-
ver annuncie.
Vendas.
Listas dos premios sabidos na Lotera no-
va da Matriz da Boa-vista ; na praca da In-
dependencia, loja de livros ns. 6 e 8.
__ Vende-se uma medalha de prata doura-
da, da que Torio dadas dos ofiiciaes que as-
sistrraoa conquista de Cayena: na praca da
Independen!* laja de Irnos ns. 6 e8.
- Vendem-se superiores vinhosengarrafaJos
de Madeira socca Malvara, e Bucellas de
1832 : na ra la Cadeia do Recife n. 37.
= No deposito de assucar refinado, esta-
blecido junto ao arco deS. Antonio, em fren-
te do caes do Collegio ha para vender assucar
refinado segundo o novo systema de fabrica-
eao pelo qual se extrae a potassa e cal, dei-
xando-se-o no sea estado de pureza ; sendo o
preceda libra do de primeira sorte e em pies
160 rs. e o de segunda e tercoira em p ,
a 120, e 80 rs.
= Vande-se 7 travs de qualidade de 32
palmos de comprido e um em quadro ; na
praca da Independencia,' n. 28.
= Vendem-se por preco commodo unu so-
brecasaca de panno azul, e um transelitt de
ouro ; na ra Nova n. 55.
- Vendera-se a dinheiro por menos preco
do que em outra qualquer parto, para se li-
quidar contas, os seguintes trastes de superior
qualidade cadeiras, sofs, bancas, mesas de
meio de sala, camas, commodas, canaps,
tocadores, tudo de Jacaranda cadeiras ban-
cas e sofs de oleo guardas roupa louca e
livros de amareilo eadeiras de bala neo com
assento e encost de palhinha do melhorgos-
to possivel, cmas de condur e do amareilo ,
ditas de vento relogios para cima de mesa ,
cadeiras para pianno e para meninas de es-
cola carteiras de uma face de amareilo e
moxos para as mesmas, armarios de pinho ,
marquozas, bandejas; cadeiras para alcova ,
commodas de amareilo e muitos mais trastes ,
que a vista dos compradores serio patentes: na
ra da Cruz, arraazem de trastes n. 63.
= Vendem-se saccas com feijio branco a
2000 : no caes da Alfandega, armazem de
Francisco Dias Ferreira.
= Vendem-se esteirinhas pintadas e estam-
padas mui lindas para cohrir mesas sofs e
proprias para as meninas nos collegios se senta-
rem guarda comer da aramo grandes e pe-
queos peeras de aramo com arco de flan-
dres mui finas e bem feitas, pergaminho para
caixas e zebumbas, carteiras de Jacaranda, de
viagem tocadoures ditos, caixinhas ditas com
estojse preparos para barba ditas para cos-
tura tudo de muito bom gosto sapatos de
burracha do Para forrados de couro mui-
to proprios para o invern estribos de metal
principe de lindo modello, grandes e fortes es-
poras para saltos e com correias do mesmo me-
tal relogios de parede que regulo ptima-
mente uns com corda para 8 dias e outros
para 21 horas instrumentos para msica ,
flautas de todas asqualidades por Gaud Froy ,
e outros muitos objectos tudo por preco com-
modo : na ra Nova, n. 35.
- Vendem-se duas casas terreas, mui boas
na ra dos Piros na Boa-vista ns. 23 o 28 :
tracta-se com Antonio da Silva Gusmao na ra
do Queimado.
Venderse farinha de trigo da marca SSSF
c SSF ebegada ltimamente de Venera ; na
ra da Cruz n. 55.
= Vende -sw marmelada superior e nova ,
feita no me/ de Abril p. p., por preco com-
modo ; na ra da Praia, armazens ns. 17 e 19.
Vende-se uma preta de naci, de 18
annos bonita figura nio tem vicio algum ,
faz todo o servil/o de casa boa raucamba en-
goma e cozinha ; na ra do Cabug laja de
miudezas junto do Sr. Bandeira.
Vende-se uma balanca com 13 arrobas
em pesos ; na ra da Cadeia do Recife, n. 37.
Vendem-se duas vacas sem crias .afeites ao
pasto proprias para se criarem por serem de
boa raca ou mesmo para assougue ; a tratar
na praca da Independencia loja ns. 38 c 40.
Veade-se no sitio da Tamarineira na es-
trada dos Afiitos quatro vacas de leite para
criar, e corte por preco mdico.
Vende-se toda qualidade de doce secco ,
e de calda por preco commodo e sendo em
quantidade para embarque anda mais em cou-
ta se dar ; na esquina da ra das Flores se-
gundo andar defronte do tanque d'agua.
Vendem-se duas moradas de cazas terreas,
mui boas na ra de S. Goncalo da Boa-vista,
logo no principio da ra, orna ao p da outra ;
e outra dita no beco do Veras, todas com chao
proprios: a tractar na ruada Senzallavelhan.70.
Vende-ee um negro bom canoeiro de
35 annos, crioulo e sem vicio algum : na ra
Augusta n. 1 segundo andar.
Vende-se uma porcao de lenha de boa
qualidade e propria para fornos no sitio do
Arraial denominado das Jaqueiras e tambem
se troca por tjolos: a tratar no mesmo sitio,
ou com Marcelino Jos Lopes.
3= Vende-se uma negra que cozinha, en
gomma cose faz renda e he bocoteira : na
ra larga do Rozario n. 23 segundo andar.
= Vende-se oilo bois mancos de carro ,
ja feitos ao pasto : na ra de Hortas n. 142 ,
junto a Igreja dos Martirios.
Vende-se uma partida de rotim para as-
sento de eadeiras por prora cominodo: em
casa de J. O. Elster, na ra do Trapiche ,
n. 19.
Vende-se uma rede toda de liho bor-
dada feita no Maranbio ; na ra do Colle-
gio loja do Sr. Jos de Menezes Jnior.
Vende-se uma negra de 1,3 annos com
principios do servico de uma casa : na camboa
do Carmo n. 13.
V Vendem-sedouscarrinhos de 4 rodas e
um de 2 com cavado ; farelos em saccas gran-
des charutos de superior qualidade; papel
para desenho ; um cofre de ferro lustres com
mangas bordadas tudo por preco commodo ;
na ra do Trapiche n. 19. casa de J. O. Elster.
Vendem-se dous livros intitulados Fon-
eeea Quintiliaao ; na camboa d Carmo n.
19 segundo andar.
Vendem-se bichas pretas de ptima qua-
lidade e chegadas prximamente; barriscom
arroba e meia de toucinho superior, ehegado
pelo ultimo navio ; no atterro da Boa-vista ,
venda n. 44- junto a travessa do Maitins.
Vende-se uma preta de Angola de 25
annos engomma, cozinha o lava de sabio ,
a vista do comprador se dir o motivo da ven-
da : na praca da Boa-vista n 18.
Vendem-se um braco e duas conchas de
balanca com dous pesos de duas arrobas, 1
dito de arroba e um dito do meia, proprios
para padaria ou armazem : na ra do Codor-
niz, n. 9.
Vendem-se laxas de ferro batido e coa-
do em bom sorti ment por preco barato ,
para saldar contas; na ra do \ gario n. 3.
Vendem-se travejamentos e linhas de
madeira superior de 36 a 50 palmos de com-
primen to e grossura de 7 a 10 polegadas: na
rus do Vigario n. 3.
Vende-se urna junta de boir de carro ,
erioulos mancos, gordos e novos; na po
voaco dos Affogados ao sabir da ponte casa n.
42; tambem se troci por quartaos novos ,
que sirvi para viagem.
Vende-se uma armacio e canteiros de
uma venda para continuar ou tirar para fora,
por preco commodo ; na ra da Guia n. 7 a
fallar com Jos Carvalho da Costa.
= Vendem-se superiores caivetes finos de
molla que metendo-se a penna sabe perfei-
tamente aparada ; na ra do. Cabug loja de
miudezas junto do Sr. Bandeira.
=Vende-se uma casa terrea na ra de Agoas
verdes defronte de S. Pedro n. 40 ; a tra-
tar na mesma.
" Vende-se arroz pilado branco, per pre-
co commodo ; na ra das Cruzes, venda n. 40.
Vende-se uma preta de meia idade, ce
zinheira lavadeira engommadeira e docei-
ra : na ra larga do Rozario venda n. 28.
Vende-se um ravallo preto com malhas
brancas muito lindo, carregador baixo, mui-
to passeiro novo e muito bem feito : na lo-
ja da viuva do Burgos.
Vndem-se bilhetes e meios ditos da lo-
tera do Theatro ; na loja da viuva do Burgos.
Vende-se cola fabricada em Pernambuco
a 200 rs. a libra o a 5800 a arroba ; na ra
do Rangel n. 52.
Vendem-se barris de 5 em pipa de vi-
nho branco de Lisboa muito boa fazenda; na
ra larga do Rozario n. 48
Vende-^e ou troca-se por uma casa um
terreno ja atterrado em S. Amaro ; na ra
do Amorim a fallar com Caetano Jos Coelho.
Vende-se por preco commodo, uma
cama de condur de armacio grande e em
bom hso ; quem pretender annuncie.
Vende-se ou troca-se por um bahu de
4 palmos e meio embora seja de pouco uso ,
um par de mallas de pregara -tambern de
pouco uso ; trata-se com JoiSo Dis Barbosa
Macudum na repartidlo do correio.
Vendem-se lindas cestinhas de cores a
moderna para enancas, finos lencos de cam-
braia de linho de cor e cercadura transelim
a semelhanca dos de ouro barretes de algodio
com renda para meninos eoutras muitas fa-
zendas a preco barato; no atterro da Boa-vista,
loja francesa junto a do cabellereiro.
Vendem-se um preto de 20 annos, de
boa figura perfeito olficial de pedreiro de to-
da obra ; um malatinho de 16 annos boa fi-
gura para pagem ; 4 pretas com hoas habili-
dades ; uma dita de 30 annos, por 300,000
rs. cozinha lava e trata mui bem de crian-
cas; um preto de meia idade por 220,000, for-
te e robusto para todo o trabalho ; na roa de
Agoas verdes n. 44.
Vendem-se garrafas brancas vasias novas,
do padrio das de Brdeos em duzia e em gro-
zas por preco commodo : no atterro da Boa-
vista loja de Salles & Chaves n. 26.
Vende-se um negro de naci Angola de
30 annos de idade para fora da provincia,
ou para outra qualquer parte ; quem pretender
dirija-se a ra do Rangel n. 34.
Vende-se na ra da Praia armazem de
carne n. 4 lingoas secas do Rio Grande, mui-
to frescas. d fusjeiro.
= Vende-se bom fumo em folha da Baha ,
proprio para charutos: no armazem do Bra-
guez junto ao arco da Conceicio.
Vende-se uma venda com poneos fun-
dos ; no atterro dos Aflbgados n. 48 de-
fronte do Silvestre.
Vende-se uma porcio de madeira en-
chameis e portadas ve I has, portas de ama-
rello ja ferradas e cabecas de travs tudo
por preco barato: na ra Nova n. 8.
Escravos fgidos.
Da-se 1508000 degratificacio
= No mez de Abril p. p. desappareceo do
sitio do ZongUB em Apipucos, um preto de
nomo Joaquim chamado dantos Jos, supde-
se ter sido sedusido porque nio se lhe deo
motivo nenhum para elle fugir o qual veio da
Baha aonde plantava caf be secco do cor-
po de naci falla atrapalhada be acrri-
mo tocador de marimba de 35 annos; quem
o pegar leve a seu senhor na Trompe sobra-
do n. 1, aonde est a tabrica de rap, que re-
cabera 150,000 rs. de gratificacio e tambem
da-se 20,OO'rs. de alvicaras a quem delle der
noticias com as quaes se realise a sua appre-
hencao.
= No dia 4 de Abril do corrente anno, des-
appareceo o molequinho Benedicto crioulo ,
de 6 annos e5 mezes, levouvestido camisa do
algodaozinbo branco a orellia esquerda fu-
rada nariz chato beicos grossos, cara re-
donda grosso do corpo, bem feito de mios e
ps este moleque andava vendendo limoesem
um balainho e da Boa-vista nio sabio, porser
s o lugar quo elle sabia, e por isso tem-se toda
a certeza de ter sido furtado ; quem delle der
noticia ou o apprehender ser generosamen-
te recompensado entregando-o na ra do Hos-
picio a seu Sr. Manoel Ferreira Chaves.
Fugirio as escravas; Mara e Mique-
lina ; a_ primeira no dia 25 do passado, levan-
do vestido de chita roxa e panno da costa azul
novo de estatura baixa naci Angola, mui
to ladina mal feita de pes tendo no dreito
uma cicatriz espadauda hombros muito le-
vantados e (alia muito manca; a segunda,
fugio a 27 do corrente he baixa naci cos-
to bastante ladina ps mal feitos falla bem
desembarazada levou vestido de cbita branca
com flores encarnadas e panno da costa azul
tambem novo ; a primeira tem sido vista por
diversas ras desta cidade e seus suburbios ; a
a segunda julga-se estar escondida pois tam-
bem tem sido vista ; quem as pegar leve a ra
de Agoas verdes n. 78 quesera recompen-
sado.
Manoel de naci Cabund alto fei(V
do rosto cara comprida, costuma embehedar-
se falla muito devagar he canoeiro costu-
ma atterrar viveiros e tendo tambem andado
com um mascte pelo mato com fazendas, po-
de muito bem por l estar pois dizem fora
visto em Rio do Peixe. Antonio da Costa ,
muito alto e magro olhos vermelhos e ineos
vesgos he embarcad isso por isso talvez an-
da embarcado. Stiro, cabra acabocolado de
30 annos feio do rosto e tristonho de esta-
tura baixa e be pescador do alto ; quem os
pegar leve a ra do Vigario n. 3, que ter de
cada um 100,000 rs. sendo pegados nesta
provincia cem qualquer outra do Imperio
120,000 rs.
No dia primeiro do corrente fugio da ra
da Conceicio da Boa-vista n. 18 a preta
Maria de 21 annos de naci Angola cor
meia fula estatura baixa grossa, tem bas-
tantes espinhos no rosto dentes limados, pei-
tos pequeos e seceos marcas de bechigas as
pernas levou saia de cbita cor de caf com flo-
res panno da costa ja velho e brincos de 3 es-
quinas amarellos com 3 pedras azues no meio,
quando sabio de casa levou um caneco de car-
regar agoa e supe-se estar oceulta ; quem a
levar a dita casa receber 25,000 de"gratifi-
cacio.
No dia 22 do corrente fugio um preto
crioulo de nome Roberto de 25 annos, bo-
nita figura ps chatos, cor fulla, olhos gran-
pes cara abocetada cabello grande oflici-
al de pedreiro levou vestido camisa de algodio
trancado calcas de estopa jaqueta de ho-
landa branca e chapeo de palba ; quem o
pegar leve a S. Amaro em casa de Francisco
Augusto da Costa Gimares ou na praca da
Boa-vista venda n. 8.
ERRATAS.
Noeditaldo Dr. Presidente dos Jurados;
em lugar de Matheus de Albuquerque Mello ,
lea-se Mathias de Albuquerque Mello ; dito
de Luiz Pureira de Faria leia-se Luiz '
Ferreira ; dito de Jos dos Santos Reis ,
se Jos dos Santos Neves.
Pires
lea
RscirE:
haTtp. deM. V. de Faria. =1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EAQNBDDS6_C55UDE INGEST_TIME 2013-04-12T21:50:35Z PACKAGE AA00011611_04971
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES