Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04960


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1843.
Ter$a Feira 16
Tuilo gora depende Je nis miamos ; da nossa prudencia, moderaran a ansrpia con
(inuemos como principiamos t seremos apontados com admiraro enlre > Nacea a
culta-. ( Proclamaco da Aesembla Geral do Bbaiil )
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Galanos Parabiba Rio grande do Norte aeganda a antas (airas
Bonito o Garanhons a 40 e t4
Cabe Serinbem, RioFormoao Porto Calvo _, Macaio e Alagoas no i. *. 11 a 14
Boa-vatac Florea a 13 e 28. Santo Anto, quintas (eiraa. Olinda todos oa das
DUSDASEVIANA.
45 Seg. a Iiidoro Lavrador. Aud. do J de D. da 2. t.
16 iarc a. 3oit Nepomuceao Re. Aud. do J. de D da 3. v.
47 Quart a. Paaooal iiaylo F. Aud do J. de D. da 1. .
48 'juini Venancio M. Aud. do J. da D. da 3. v.
49 8n< a Pedro Celestino P. Aud. do J. de D. da 2. t.
30 5>i). t. Bernardiuo de SenaF Ral. Aud. do J. de D. da 1 j.
fl Doa. Manos B. M.
de Maio
\nno XI*. N. 1W.
O Diario publica-e todoeoe di ae que n Jo forem S.ntifioadoa o prafo da aeeignatura t*
de trea mil reia por quarlel uagos adiantados. Oa annuncioa doa aaaignantea ao inseridas
gratia.e oa doa que o nao forem a raso de 80 reia porKaha. Aa reclamacoea dereaa aei din-
gidaa a asta Tjp., ra daaCmi. N M.nu a pra.-a .la Independencia lojadelrvro N Oa .
canatos. No dia 44 de Alaio. ouanra vanas
CamhioaobreLondreaGd. por 413 Oono-Moada de 0,0 V 4,0t< l,SO0
ParU360 rea pur (raneo N. 46/0J '.Mi
a Liaba400 porlOOdepreaaio .. da 4,000 8,900 fi"'
PBAli-Patacoea l,88u W0
Moeda da cobre 2 por cento Petoa Culnanaroi 1,8% > "Ob
dem de letraa de boaa rmaa 4 | a | ditoa Mencanoa l,o8U 1.900
PHASEsOALUANO MEZ DE MAlO.
La Cheia i 1 i, a S hurase 15 na. da tard I La nova ;9, ka 4 horas a 15aj. da manb.
Quart.aing. i 24, i 4 hora a *5a. da m. | uart. creao. 7, efinoraa a 5 a, da aaanh
/'reamar de hoje
4. a 6 horas a 6 as. da manhia I a 6 Horas a 30 a. da larda.
PARTE OFFICIAL
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 11 DO CBRENTE.
Oflicio Ao inspector da thesouraria 'da fa-
senda, significando emresposta aoseu ofllcio de
7 de marco ultimo que atientas as rases ex-
pendidas pelo commissario fiscal do ministerio
da guerra procede a sua du vida acerca do pa-
gamento que pede o delegado do Rio Formo-
so de luz e quartel, que forneceo ao comman-
dante do destacamento e de 9j$280 reis que
despendeo com o fornecimento da luz desde 12
de agosto al 25 de novembro do anno prximo
passado.
Dito A cmara municipal destacidade, in-
telligenciando-a de ter a assembla legislativa
provincial resolvido, que nao era necessaria a
autorisacao que pedirao para estabelecer ti-
ma barreira na estrada que passa no engenho
Soccorro e cobrar urna taxa igual a que se co-
bra as estradas provinciaes ; porquanto pelo
artigo 25 da lei provincial n. 9 de 10 de junho
de 1835, e pelo 33 do capitulo tercoiro da lei
do orcamento municipal vigente eslao as cma-
ras municipaes autorisadasa faser pontes e es-
tradas onde convier e estabelecer barreiras
para a recepeo de impostos medida que se
completar alguma nova estrada ou que se te-
nha concluido o melhoramento das existente ,
de modo que ofTerecao transito livre e dosum-
baracado em todas as estacoes.
Dito Ao engenheiro em chefe das obras pu-
blicas approvando o augmento da despesa,
quu houve as obras do alargamento do Vara-
douru de Olinda.Gommunicou-se ao inspec-
tor da thesouraria das rendas provinciaes e ao
inspector fiscal das obras publicas.
Dito Ao commandante das armas deter-
minando em cumprimento doordein imperial ,
que remella no fim de lodos os meses um map-
pa dos remitas que se apurarem ; e que faca
aproveitar o lempo, que se demorarem nosta
provincia em se lites administrar a vaccina ,
caso della tenhao nccessidatle, ou em se Ihes
que sao destinados.
Dito Ao inspector da thesouraria da fasen-
da ordenando que mando restituir ao arsenal
de guerra aquantia de 1:717^809 reis que re-
cebeo em Janeiro desto anno do arsenal do mari-
nha, por diversos objectos, que ao mosmo for-
neceo e que foi recolhida aos cofres daquella
thesouraria.Communicou-seao director do ar-
senal de guerra.
Ditos Do secretario da provincia 6s cama-
ras municipaes de Goianna, u Garanhuns, re-
metiendo as respectivas posturas approvadas
pela ossembla legislativa provincial, afim de
que as mandem publicar para terem o devido
cumprimento.*
EXTERIOR.
co do mar ; e vu-se todas as cazas cahirem em
ruinas. A trra abriu-se om difieren tes luga-
res, e lancou manga* d'agua a mais de cem ps
d'altura que tragarao os habitantes quando
estes sorvedoros se cerraro. Os vinte segundos,
que seseguirao a esta revoluc3o da natureza,
permittiro aos espiritos aterrados acalmar-se ;
mas, ah a obra da destruicao nao estava com-
pleta. Sou de todas as partes o grito de fago!
o incendio ia acabar o desastre que o tremor de
torra e as aguas tinhao comecado. Aquelles
que sobrevivoro desgraca achao-se agora
som pao sem vestidos sem cazas. Enviou-
so immediatamente barcas as ilhas vizinhas pa-
ra trazerem de la o necessario. Durante o in-
cendio o calor era tal que se acharo burras
de ierro, em que se guardava ouro e prata, der-
retidas e ligadas com os outros metaes. O sa-
que comecou pelos negros; e dizem que mui-
tos oriio fuzillatlos. Suppoo-rse que o fogo
principiou por ornalhas derribadas ainda que
diversas pessoas asseguro que sahiu das cham-
mas da trra. Avalia-se em 6,000 o numero
dos mortos. Na Dominica sentiu-se um a-
halo mui violento sem quo tenha causado es-
tragos. Em Santa Lucia houve um pequeo
tremor. Na Bcrbica o mesmo; eno Porto Ri-
co nada.
Em S. Thomaz sentu-so o abalo de 8 de
fevereiro 8 10 horas o 30 minutos da manha;
porm nao ha desgracas a lastimar. Em Tr-
tola o choque foi muito mais forte. Ello co-
mecou as 10 horas o 30 minutos e durou qua-
tro minutos; mas nao houve estragos a reparar.
Em S. Kitts o choque durou trez minutos ; to-
das as cazas ficarao abaladas. Em Netis o dam-
no causado pelo abalo foi muito grande; as per-
das nao montao a menos de 50,000 libras es-
terlinas : a alfandega os hanhos, os tribu-
naos e todos os moinhos da ilha ( excepto dous)
forSo derribados assim como os engenhos. Per-
derlo a vida seis pessoas. Todas as cazas fica-
rao rachadas d'alto a baixo Abrirao-se largas
fendas nosladosdosouteiroscircumvisinhos. Em
Antigua os desastres sao ainda maiores. To-
das as igrojas o moinhos eslao destruidos. A
Doca ( Dock-yard ) e todas as cazas da ilha a-
chao-se grandemente damnificadas. A gran-
de cisterna quecontinha cerca de 11,000 to-
neis d'agua abriu-se com um estampido hor-
rivel. O abalo durou quatro minutos. Foro
mortas quatro pessoas.
Racebomos a semana passada jornaes Fran-
cezes que alcancao de 16 de fevereiro a 6 de
abril p. p os quaes pouco adianto na parle po-
ltica as folhas portuguezas anteriormente rece-
bidas do que ja publicamos alguns extractos ;
pelo que e pela afluencia de materias que te-
mos tido agora que nos permiti o ospaeo
da nossa folha a transcrever o que n'aquellos
jomaos tomos encontrado de mais notavel.
Os tpicos principaes, que oceupao os mes-
mos jornaes sao os terramotos e desastres oc-
corridos as Antilhas a 8 de fevereiro a favor
de cujas infelizes victimas sobrevivontes se tem
subscripto avultadas contribuices voluntarias
em diferentes partes ; e aapparicSo do cometa
na Europa no meiado do mez de marco. Os
ltimos pormenores d'aquellos acontecimentos
sao osseguintes:
Por um navio chegado a Dublinba noticias
das Antilhas at 10 de feveroro. Achamos as
correspondencias Inglezas as soguintes particu-
laridades sobre os estragos causados pelo tremor
de trra : A Pona de pedra ( Pointe-a-
Pitro ) j nao existe. A 8 de fevereiro s 10
horas e trinta minutos da manhfia, fez-se ouvir
um rumor horrivel, que nao se pode dcscrever.
eniiu-o um moYiiuciitu wieiusatc so ^s.an-
Eis-aqui alguns novos pormenores sobre o
cometa dados hontem ( 4 de abril) por M. A-
rago a Academia das Scienciasde Pariz; M. A-
rago querendo primeramente justificar-so da
descoberta um pouco tarda d'este cometa, disse
que se elle foi descoherto por curiosos antes de
ter sido assignalado no Observatorio de Pariz ,
pelo menos em nenhuma parte foi estudado e
observado com maior cuidado e exactidq ;' ora,
assaz insignificante ver um cmela um pouco
mais cedo ou um pouco mais tarde ; a vanta-
gem de v-Io primeiro e de dar-lhe o proprio
nome nao mais do quo urna pura satisfacap
do amor proprio ; o mais importante estudur
a sua marcha e observa-lo eeis o que se
fez com urna grande superioridade ; os clcu-
los xecutados pelos discpulos astrnomos do
Observatorio de Pariz e em particular os de
M. M. Laugier e Mauvais sao d'uina tal proci-
saoqueserviriio para reformar os resultados in-
correctos deduzidos por M. Enck sobre este as-
tro errante.
Segundo os novos clculos j est demons-
trado que o cometa nao penetrou na almosphe-
ra do sol, como dizia M. Plantamour; na ver-
dade, elleapproximou-se muito porto d'aquel-
le astro u tal ponto que a 27 de fevereiro n3o
estava afastado d'ello mais do que cinco mille-
simas da distancia da trra ao mesmo sol; mas
a rapidez do seu curso era ao mesmo tempo ta-
munlia, que pode resistir poderosa attracro do
sol e vencer esta perigosa passagem sem ir
confundir-se c perder-se no astro luminoso. A
velocidade da SUS march? nao era menor do aue
104 leguas por segundo ou sete vozes maior
do que a do nosso globo.
A distancia dj cometa aterra 6 de perto de
32 milhoes de leguas; mas em razao da prodi-
giosa extenso ta cauda os astrnomos tflem
questionado entre si se por ventura estiv-
mos ou nao envoltos por algum tempo n'esso
prolongamento immenso da materia cometa-
ria ; esta circunstancia ter-se-hia apresentado ,
diz M. Arago se a cauda fosse so quer dobra-
da em largura ; ella passava pelo seu cumpri-
mento muito alm do ponto oceupado pela tr-
ra mas drigia-se obliquamente a par de nos
som nos tocar. Sabe-se que diversos astrno-
mos, em particular VI. Herschell, protendom
que Dos serviu-so para consummar o diluvio ,
do espantoso choque do cometa antediluviano
que toruou a apparecer em 1080 e cuja volta
elles leem jugado roconhecer na apparicao do
novo meteoro. V-so que a nao ser a promos-
sa solemne, cujo omblema animador o nrco
iris, nos teramossido com muita probabilida-
de visitados por um segundo diluvio.
Estados-Unidos.
As ultimas noticias d'ostes Estados pdem dar
urna idea da manoira porque a Constituirao A-
mcricana entende a prerogativa do govorno
executivo. O presidente anresentou trozvezes
o Senado M. \Vise para a legaeao da uniiio em
Franca o o Sonado rejeitou trez vezes asna
nomeacao. M. Cushing nomeado secretario
do thezouro. loi igualmente ropollido.
Tinha-se fallado da nomeacao de M.*Cus-
hing para as lunces de principal secretario de
Eslado em lugar do VI. Webster cuja de-
missao prxima tinha sido annunciada ; mas
cr-se agora que M. Webster ficar no seu
posto. ,
A campanha para a presidencia estava aher-
ta. Os dous concorront.es principaes siio M,
Van Duren e 1. Calhoun. O general Cass
nao parece ter probabilidades. M. Tyler ( ac-
tual presidente ) tambem so apresenta e cr-
se que no meio das contestaedes dos Amigos do
M. M. Van Burn e Calhoun, bem podera sor-
tir eleito a sua candidatura.
Parece que se espalda n'este momento urna
grande agitaeo religiosa nos Estados Unidos.
Um fantico por nomo Millcr annunciou o fim
do mundo para este anno e o seu prognostico
encontrou muitos proselytos. Dizem que to-
das as congregacoes religiosas tem redobrado
de ardor na predica e que os methodistas os
prcsbyterianos &c. tem tido numerosos mee-
tings. Acroscentao que se faz um numero mui-
to consideravel do converses entre os infieis
que se considerao inextremis.
Inglaterra.
V-se pelas noticias de Londres que se tra-
vara a discussio as duas Cmaras do Parlamcn
to sobre o tratado de Washington e sobre a ul-
tima mensagem do presidente dos Estados-U-
nidos. O Mrquez de Lansdowne quo na au-
sencia de Lord Melbourno retido'em sua caza
ha muitos mezes pelo estado da sua saude faz
n'csta sessao o papel de chefe da opposicao na
Cmara alta exigiu o deposito de toda a cor-
respondencia trocada a este respeito entre os
dous governos. Lord John Russell fez a mes-
ma mocao na cmara dos communs. Lord A-
berdeen o Sir Robert Pecl concedero sem he-
sitaco o deposito dos papis exigidos, e com
eleito nao vemos que esto negocio possa ser pa
raelles do menor embaraco. Julgamos intil
volcar a questao; so faremos notar que nem
Lord Aberdeen nem >ir R. Peel consideiiio a
mensagem do presidente como devendo produ-
zir urna nova complicacSo as relaces recipro-
cas dos dous governos. A questao do direito
de visita e do direito de busca permanece tal
qual era ; Lord Ashhurton que negociou e
cuncluiu o tratado de Washington nao tinha
piissoo deentabolar negociaces sobre o direi-
to de visita. Os dous governos reservaro, ca-
da um da sua parte o seu direito absoluto e o
losnacho de Lord Aberdeen assim como a
mensagem do presidente n5o sao mais do que
urna satisfacaodada as reclamacSes das Cmaras.
Rnceboii-se em Londres noticias de Lisboa
de 27 do Marco. Parece quo o governo por-
tuguez rejeita o ultimtum apresentado por
Lord Aberdeen para o regulamento tas dos dous paizes. O Duque de Palmella re-
reheu fanuMade de fazor novas propositos ao
govorno Ingloz mas duvidoso que ellas sur-
tao eleito algum. ( Journal des Debats. )
Com parte de um artigo do correspondencia
do Times de 20 do passado publicamos em o
nosso antecedente numero urna justa reclama-
cao contra as absurdas falsidades e calumniosas
insinuaces, qucalli secncontrao em menos-
cabo da verlade manifesta.e do carcter do no-
bre duque de Palmella. Um motivo mais gra-
ve nos obriga boje a dirigir-nos directamente ao
editor do mesmo jornal para ropellir urna ag-
gressao altamente aleivosa que elle ousa fazer
ao governo portuguez.
Ja digno de severa censura que o Times pu-
blique com tanta falta de critica todas as men-
tiras e indicaees evidentemente apaixonadas,
quo Ihe transmittem os seus correspondentes ;
porque um jornal que possue tantos e to ex-
tensos meios, devera ter informadores mais li-
is e seguros, ou pelo menosachar-se habili-
tado para os moderar e corrigir em seus indes->
culpaveis desvos; mas pudo ainda suppr-se de
algum modo quo Ihe nao cabe toda a responsa-
bilidadede asseredes quo nao sao propriamenta
suas ; .; porm imperdoavel, sobre maneira
desairoso no escriptor que pretende ter a re-
putacao desisudo o de orgao de um partido
respeitavel e poderoso d'uma grande naci ,
tomar por base de seus raciocinios e conjec-
turas falsidades odiosas em detrimento de a-
I lie i o crdito.
No segundo artigo que segu ao principal do
seu n." de 3 do corrente para fins que pouco
nos importa agora explanar pretende o Times
incu car a difllculdade de fazer tractados com
as outras nacoes e para provar o que affirma
naoduvida taxar os estadistas de diferentes na-
coes como a Russia e Franca de ignorantes,
ou de incapazes de se oppocem aos prejuizos na-
cionaes da sua patria ; porm fallando do Por-
tugal a sua escandalosa injustica vai muito a-
lm, fazendo-nos duasaecusacoes, a qual mais
ofTcnsiva. Diz ojornalista inglez suhstancial-
mente o seguinte : Que em commum com o
Biasil rejeitmos as oflertas da Inglaterra pe-
lo ressentimento de se haver posto termo ao tra-
fico da escravatura e que no ministerio ha um
individuo influente que manda fazer na Es-
cocia pannos ordinarios com marcas portugue-
zas,para tirar o proveito de os vender como ma-
nufacturas nacionaes.e ter ao mesmo tempo um
argumento com que se possa impugnara admis-
so de taes productos de industria estrangeira.
Polo que tem de vaga pode ainda desprerar-
se a primeira destas aecusaedes e principal-
mente quando sabido de sobejo, que desde al-
guns annos nio ha neste paiz capitaes emprega-
dos naquelle reprovado trafico.
A segunda porm d'uma natureza ineom
paravolmente mais grave porque positiva ,
e em summo grao injuriosa. Nao ha se nao
um meio de a combater. Emprazamos re-
dactor do Times para quo declare quem o mi-
nistro a quem se refere e quaes sao as pravas
em que se funda; e quando nao o faca, Corcovo
que para suhtrahir-se a imputacao de calum-
niador carregue com a merecida censura de
leviano o quo em escriptor do to abalisida
reputaco do certo nao pequeo dezar.
(Otario do Governo.)
INTERIOR.
m
-w*
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS SUS. DEPUTADOS.
Sessao do dia 3 de abril.
Ordcro do dia.
Continua a discussao dos dois artiaos additi-



Vos o 1. mandando por em vigor o orcamen-
to vigente em quanto se nao publicar o que de-
ve reger no anno financeiro de 1813 a 1844 e
) 2." autorisando o governo a reformar as pau-
tas das alfandcgas.
Falla sobre a materia o Sr. Carneiro de Cam-
pos oo Sr. Peixoto de Brito manda mesa
uin requerimento para que se separe o artigo ad-
itivo que manda vigorar a lei vigente do orca-
mento e seja considerado como urna resolu-
cao e discutida com urgencia.
.' B apoiado e entra em discussao.
E igualmente apoiado um additamento doSr.
Wandoiley para que se destaque o artigo addi-
tivo e volte commissao para que o converta
em proj 3cto do resolucao.
Tomao parte nesta discussao de ordem os Srs.
Wanderley, Honriques de Rezende Peixoto
de Brito Reboucas Souza Martins, Carnei-
ro da Cunha, Rios Pereira da Silva.
_ O Sr. Peixoto de Brito pede licenca a cmara
para retirar o seu requerimento e -lha conce-
dida. O additamento do Sr. Wanderley consi-*
dera-se igualmente retirado.
Contina a discussao dos artigos additivos.
Fallao sobre os artigos os Srs. Wanderley ,
Cansansao do Sinimb Fernandes Chaves e
D. Manuel de Assiz Mascarenhas, e fica a dis-
cussao adiada pela hora.
Sessao dodia 4 de abril.
Ordem do dia.
Cotiti la a discussao dos artigos additivos
lei c-crdito com a emenda apoiada.
I Qiiiao parte na discusso os Srs. Carneiro da
Cunha u Barros Pimentel ; e o Sr. Albu-
querque requer o encerramento da discussao e
assim su vence.
Os artigos additivos sao approvados e regeita-
da a emenda.
A resolucao sobre o crdito com os artigos
additivos adoptada e remettidtf commissao de
reduca o.
Contina a discussao adiada da resolucao de-
liberando que so dispensados os clrigos de or-
dens sacras de exercer o cargo de juizes de facto
com as Do Sr. Mendos dos Santos que declara, que
os clrigos de ordens sacras ficao isentos doscar-
gos de | jizes de facto, do servico da guarda na-
cional de juizes de paz e municipaes..
l)o Sr. Julio de Miranda, declarando que os
clrigos de ordens sacras sao isentos dos cargos
de jurados delegados, subdelegados, juizes
municipaes, de paz, e do servico da guarda na-
cional
Fai 5o sobre a materia os Srs. D. Manoel de
Assiz Mascarenhas, Mendes dos Santos, Paula
CandiJo, Pereira de Vasconcellos e Barreto Pe-
droso.
! apoiado um requerimento de adiamento
proposto pelo Sr. Barreto Pedroso para que a
resol u;o volte h commissao (.'eclesistica para
brganisar um projecto sobre o melhoramento do
clero.
A discussao do adiamento fica adiada pela
hora.
Sessao de 5 de abril.
O Sr. presidente : Creio que a cmara nao
fio icr deixar de convir em que se deve mandar
Uiiia deputaco comprimentar 8. M. no dia 7
'' abril, como anniversario daquelle em que se
devolveu a coroa ao mesmo Augusto Senhor.
Ncsle presupposto pois, nomeio para a mes-
ma deputaco os seguintes Srs.Almeida Tor-
res. Lima e Silva, Souza Martins, Pacheco ,
Pereira de Vasconcellos, Costa Barros, Simes
da Silva Pinto de Mendonca, Ferreir Penna,
Nunes Machado, Rodrigo Monteiro, Pessoa de
Mello, Luiz Carlos da Fonceca, D. Jos de As-
siz Mascarenhas, Garca de Almeida, Queiroz
Coitinho Pereira Jorge, visconde de Baepen-
dy D. Manoel de Assiz Mascarenhas, Miranda
beiro, Paula Candido Julio de Miranda ,
'enido e A. J. Monteiro de Barros.
. Entra em discussao o orcamento.
. Art. 2. O ministro e secretario de estado dos
negocios do imperio autorisado para despender
om os objectos designados nos seguintes para-
graphosa quantia de 3,182:964! reis, a saber:
1, DotacodeS. M. o Imperador 800:000*
12. Dito de S. M. a futura impe-
ratriz...................,.. 96:000.
3. Alimentos de suas altezas impe-
riaes...................... 42:000*
. 4. Dotaco de S. M. I. a duqueza
de Braganca................. 50:000*
5. Ordenados,gratificares dos mes-
.. tres da imperial familia........ 10:400*
6. Secretaria de estado.......... 50:000*
7. Conselhode estado.......... 28:800*
8. Presidentes de provincia......168:600*
9. Cmara dos senadores e secre-
taria......................220:400*
jO. Dita dos deputados idem......283:729*
Cursos jurdicos............ 78:580*
Escola de medicina......... 90:435*
Academia de bellas artes...... 13:416*
SKse ... -.........'. 10:850*
Junta do coramercio......... 18:270*
H.
12.
13.
1.
16. Archivo publico............ 6:220*
17. Empregados de visita de saude
nos portos martimos.......... 19:541*
18. Correo geral a paquetes de va-
por.......................684:000*
19. Canaes, pontes e estradas ge-
raes....................... 80:000*
20. ConstruccSo do monumento le-
vantado independencia do Ypi-
ranga...................... 4:000*
21. Exploraco de minas de carvao. 6:000*
22. Cathequesee civilisaefio dos in-
dios....................... 6:000*
23. Colonisacao............... 20:000*
24. Eventuaes................. 40:000*
No municipio da corte.
25. Escolas menores de i ns trueca o
publica.................... 52:317*
26. Bibliotheca publica.......... 8:998*
27. Jardim botnico da l.agoa de
Freitas..................... 11:939*
28. Dito do Passeio Publico...... 5:029*
29. Vaccina.................. 3:220*
30. Instituto histrico.......... 2:000*
31. Imperial academia de medicina. 1:600*
32. Ifluminacao............... 119:522*
33. Obras publicas.............. 151:098*
34. Exercicios findos........... *
Emendas da commissBo.
6. Em lugar de 50:000*000 diga-se
35:000*000.
8. Em lugar de 168:000*000 diga-se
115:600^000, acrescentando-sesendo os
ordenados dos presidentes fixados da maneira se-
guinte : as provincias do Rio de Janeiro ,
Babia, Pernambuco, Maranhao e Para a 6:000*
reis; Minas, S. Paulo, Rio Grande do Sul, A-
lagoas, Parahiba e Cear a 5:000s' reis; Goyaz,
Matto Grosso, Santa Catharina Espirito San-
to, Sergipe e Rio Grande do Norte a 4:000* rs.
9. Em ugar de 220:000*000 diga-so
202:4008000.
10. Em lugar do 283-729*000 diga-se
259:729*000.
12. Em lugar do 9:435i'000 diga-se
86-352 0 000.
13. Em lugar de 13:416 0000 diga-se
11:2210 000.
14. Em lugar de 10:850 0 000diga-se
7:252 0 000.
S 18. Em lugar de684:000 0000diga-se
a= 654:000 0 000.
19. Em lugar de 80:000 0000 diga-se
20:000 0 000.
20. Suprima-$e.
23. Em lugar de 20:000 0000diga-se
10:000 0 000.
25. Em lugar de 52:417 0 000 diga-se
33:834 0 000.
28. Em lugar de 5:029 0 000 diga-se
3400 0 000.
32 e 33. Em lugar de 270:000 0 000
diga-se 159:8110 600.
Total pedido pelo governo.. 3,182:964 0 000
Total proposto pela commis-
sao..................2,828:167 0 600
Reduccao feita........... 354-796 0 400
Sao apoiadas outras emendas de alguns Srs.
deputados.
Tomao parte na discussao os Srs. Paula Can-
dido, Ferreira Penna, ministro do-imperio,
Custodio Correia, Luiz Carlos e Justiniano Jo-
s da Rocha.
A discussao fica adiada pela hora.
Sessdo em 6 de abril.
Contina a discussao do orcamento relativo
ao ministerio do imperio com as emendas apoia-
das, havendoem o grande numero deltas, u-
ma do Sr. deputado Boto, que diz assim :
emenda ao 1.Dotacao de S. M. o Impera-
dor mil contos etc.
Tomao parte na discussao os Srs. Sousa Mar-
tins Barros Pimentel, ministro do imperio e
Henriques de Resende.
A discussao fica adiada pela hora.
Sessdo de 8 de abril.
OSr. Almeida Torres:Como orador da de-
putaco que esta augusta cmara enviou a S.
M. I. para o cumprirnentar pelo anniversario de
sua exaltacao ao throno tive a honra de diri-
gir a S. M. I. o seguinte discurso:
Senhor.Entre os dias com que aprouve
Divina Providencia assignalar os fados do Bra-
sil odia 7 de abril nao cede a nenbum dosou-
tros, que trouxerao ao paiz o meiode sua salva-
caG e prosperidade.
Quandoo immortal fundador do imperio, o
augusto pai de V. M. I., comum desinteresse,
que era s delle depois de haver renunciado a
coroa que adornara a fionte de urna longa se-
rie de seus avs, abdicou a coroa do mesmo im-
perio a demagogia parecia ameacar de destrui-
dlo toda a sociedade braseira certa de ao de-
pois devorar a seu salvo a presa que contava por
sua.
Mas V. M. I. foi a Iris da paz e da concor-
dia, que com a sua clevacao ao throno dissipou
crencas monarchicas de um povo generoso aca-
barlo de flrmar-se e quando S. M. I. chegou
a tempo de reger por si mesmo os destinos do
imperio, certo nao havia nelle um peito nobre
que nao ulmejasse a estabilidade do throno bra-
sileiro.
Agora que as virtudes de V. M. I. fasem ca-
da dia sentir mais a seus subditos fleis os bene-
ficios de urna instituidlo que tem um nao sel
quede Divino o Brasil descansa seguro som-
bra da monarchia constitucional convencido
de que a independencia e intugridade do impe-
rio nao corran mais perigo e de que o pacifi-
co povo que habita o solo o mais favorecido pe-
la naturesa tera tempo de sobra para desenvol
ver seus immensos recursos, e para cumprir os
designios da Providencia, que o destina para
ser urna nacaotao grande e poderosa como
grande e rico o sen territorio.
Acamara dos deputados, senhor, aprecian-
do como Ihe cumpre os resultados que nes-
ta parte attribue a este dia entende que bem
exprime'os sentimentosdelealdadeda naca.que
representa quando por esta occasiao nos man-
da em solemne deputaco para protestarmos em
seu nomo a mais inhabalavel e a mais sincera
adheso sagrada pessoa de V. M. I., cuja vi-
da o co prospere por dilatados annos.
S. M. I. se dignou responder : Que agrade-
ca cmara os seus sentimentos.
Contina a discussao do orcamento com as
emendas apoiadas.
Sao mais apoiadas as seguintes emendas.
Ao artigo 2. Emendas substitutivas.
$ 8. Presidente, incluindo reis
2:270$ para aluguer de casas..... 66:2708000
12. Escolas de medicina su'p-
primidas na do Rio de Janeiro, 1
fiel do bibliotecario, 1 dito do con-
servador e 2 serventes, e na da Ba-
bia um ajudante do bibliotecario.. 85:8568760
$ 15. Junta do commercio dedu-
sidos os vencimentos dos empre-
gados que de menos existem..... 15:980^000
S 24. Eventuaes............. 30:000^000
S 33. Obras publicas incluidos
os reparos de palacio........... 60:000^00 0 i
A. J. Henriques.
Aos directores das academias de
medicina de gratificaces a cada um
*00 Rezende.
Asdsepesasdo expediente da secretaria do im-
perio seja feitas por conta da caixa do emolu-
mentos.Resende.
Fallao sobre a materia os Srs. Luiz Carlos ,
Cansansao e Barros Pimentel, fleando a dis-
cussao adiada pula hora.
Sessdes de 10, 11 e 12 de abril.
Contina a discussao do orcamento na qual
tomao parto os Srs. Pacheco Rocha, Sousa Fran-
co Manoel Filisardo, Resende, Angelo Custo-
dio ministro do imperio, Vascancellos
O Sr. Nabuco : Sr. presidente antes de
explicar o meu voto a respeito do orcamento
que se discute permita V. Ex. que me a-
proveitando da presenta do nobre ministro do
imperio, Ihe dirija algumas interpellacoes.
Ha poucos dias um nobre deputado pela naj-
aba provincia que tem guerreado desabrida-
mente ao nobre Barao da Boa-vista e procu-
rado a sua demisso interpellou ao honrado
ministro da marinha cerca da conservacao do
nobre Barao na presidencia de Pernambuco;
o nobre deputado exigi que o ministerio, dan-
do urna prova de sua franqueza declarasse,
se estava resolvido definitivamente a demittir ao
nobre Barao ou se ainda deposilava nelle a
sua confianca ; o nobre deputado vio nesta de-
claradlo urna necessidade, e eu estou de accor-
do com elle nesle ponto: desde que subi ao
poder o ministerio que por noticias que daqui
foro creio que enviadas adrede as folhas da
opposicao tem assoalhado que o ministerio est
resolvido definitivamente a demittir ao nobre
Barao mas que s hesita na escolha do suc-
cessor ; ora se esta noticia inexacta ella
carece de um desmentido solemne da parte do
ministerio por que correntio sem contradic-
cao pode serrecebida, e sondo recebida deve
de emprestar um carcter provisorio admi-
nistracao provincial, e o provisorio nao com-
pativel com a forca moral da autoridade ou
diminue muito a forca moral da autoridade ; o
honrado ministro da marinha nao respondeu
satisfactoriamente interpellacao; o honrado mi-
nistro, permitta-mea expresso, tergiversou.nao
fallou com aquella Iranqueza que o caracterisa e
que tanto nos tem lisongeado ; o honrado mi-
nistro apenas ratificou algumas expressoes de
quesetinha servido em urna das sessoes ante-
riores espressoes que nao excluem a verosimi-
lhanca dessas noticias que se assoalhrao ex-
pressoes nao obstante as quaes essas noticias
correrlo ; a resposta do nobre ministro foi lan-
o menos satisfactoria quano o nobre deputado
quando o interpellou disse que erao os mesmos
ministros que aecusavo nesta casa ao seu dele-
gado ; que o nobre ministro da fazenda otinha
anuvemque ta carregada se mostrara sobre aecusado pelo decresciment das rendas da al-
esta parte a mais bella do universo. Ainda en- fandega, que o nobre ministro da guerra o ti-
tilo se pode impunemente faser ensaios de pura nha aecusado, porque os assassinios ero per-
dcrr.GcraCia mas oi isio uicS..g ssS ventua, i peirados na provincia com a ajuda da orca po-
porque desengaos taes se colhera, que as j licial, que o mesmo ministro da marinha o
tinha aecusado por haver excedido os fundos
consignados para a reparticlo da marinha ; por
consecuencia eu conjuro ao nobre ministro do
imperio para que se digne do responder mes-
ma interpellacao e dizer-nosqual o coacei-
to do ministerio a respeito da conservacao do
presidente de Pernambuco se sao exactas es-
sas noticias que tem corrido ou se o minis-
terio ainda deposita naquelle presidente a con-
fianca que de mister para que um delegado do
governo possa preencher as suas attribuicocs -
o ministerio tem feito da franqueza um dever
e por consequencia eu creio que o nobre minis-
tro se nao escusar de fazeruma declaraco que
e exegida por todos os representantes de Per-
nambuco.
Eu quizera tambem que o nobre ministro me
declarasse se o ministerio actual est resolvido a
respeitar o acto addicianal ou se entende co-
mo entenderao as, administracoes passadas que
o governo pode suspender as leis provinciaes ; o
em quese funda esse direitoque absolutamen-
te contrario ao acto addicional ?
O Sr. ministro do imperio quando fallou
pela primeira vez nesla casa reconheceu que os
secretarios dos governos das provincias e os em-
pregados das respectivas secretarias ero empre-
gados de nomeacao imperial; esta a minha
opiniao mas o nobre deputado de Minas quo
me precedeu em fallar contstou esta idea fun-
dado no 7. do art. 10 do acto addicional ;
o argumento do nobre deputado deduzido a
contrario senso desse artigo e paragrapho, pre-
valeca antesda lei da interpretadlo; mase inad-
missivel depois della que considerou de nomea-
c3o imperial os empregados creados por leis ge-
raes para objectos geraes sobre os quaes nao
podem legislar as assemblas provinciaes: eu
Icio os actos dessa lei (l ). A' vista (lestes ac-
tos poder-se-ha contestar que os secretarios
das provincias e os empregados das secretaras
esto comprehendidos na sua letra ?
O Sr. Vasconcellos: Nao apoiado.
O Sr. Nabuco : Senbores o qne nos
nos falta! que depois da interpretacao ainda
continu a controversia a que dava lugar a letra
absurda do art. 10 $ 7. e 11 do acto addicio-
nal ( apoiados).
Se o nobre ministro reconbece que esses em-
pregados sao de nomeacao imperial, eu qui-
zera que me dissesse em primeiro lugar se o mi-
nisterio que tem esta conviccSo est no animo
de exercer odireito de nomear a esses empre-
gados direito do qual o goveino imperial tem
sido constantemente despojado pelos presiden-
tes das provincias, que mesmo depois da in-
terpretacao continuo a nomear os secretarios
e empregados das secretarias: eu entendo que
o governo deve reconquistar esse direito que Ihe
tem sido usurpado : deixando o governo de
exercer esse direito d um argumento de que
se podem prevalecer as assemblas provinciaes,
nao s a respeito desses empregados senao de
todos que se acho em idnticas circumstancras,
e assim a interpretacao nao prestar aquella uti-
lidade que todos antolhavamos; a duvida e a
incerteza continuar mesmo sobre as attribui-
coes que a interpretacao delinio e extremou.
Dir-se-ha quo sendo os secretarios da im-
mediata confianca dos presidentes, devem ser
por elles nomeados. Senhores a proposito ,
eu me pronuncio contra a mobilidade de cortos
empregos que se intitulao de confianca : a a-
mobilidade at certo ponto vantojosa mas
em outras relacoes muito prejudicial. Ha al-
guns empregos, como os de secretarios das pro-
vincias e officiaes maiores das secretarias de es-
tado quo nao podem deixar de ser permanen-
tes para compensar o inconveniente da inex-
periencia que resulta da amobilidade constitu-
cional dos ministros de estado e presidentes das
provincias ; por isso que na Inglaterra cerlos
empregados secundarios, como os officiaes maio-
res das secretarias nao sao su jeitos s vicissi-
tudes ministeriaes : na verdade um presiden-
te novo com um secretario novo devem an-
dar por muito tempo s apalpadellas; entre nos,
desde que se inventou a palavra confianca que
todos os empregos sao amoviveis : dahi vem que
os nossosempregados nao tem garanta nao
tem futuro e sao muito virtuosos quando nao
sao ladros ; que os empregos que esto em
contacto com a forca publica enfluem sobre a
ordem sejao amoviveis, eu com prebendo que
essencial mas que o magistrado deva pensar
como o ministro que o empregado da alfan-
dega deva pensar como o ministerio nao en-
tendo isto.
O Sr. N. Machado : O Barp da Boa-
vista pedio a demisso de empregados que nao
pensavo como elle.
O Sr. Nabuco : Nao sei disto.
O Sr. N. Machado : Sabe bem.
O Sr. Nabuco: Quando mesmo naja con-
veniencia em que os secretarios das provincias
sejao da confianca dos presidentes isto se ob-
tem mesmo sendo a nomearo imperial, por-
que o governo, que confia ou deve confiar no
seu delegado, nao deixar de nomear aquello


s
que elle indicar e baja ou nao baja conve-
niencia trata-se de um direito que 6 expres-
so e do qual o governo imperial nao pdcde-
mittir-se. Eu quizera em segundo lugar ,
perguntar ao nobre ministro se elle aceita urna
emenda que eu oflereci, e da qual S, Ex. nao
fez mencio quando hoje fallou urna emenda
que e consequencia dos principios postos e re-
conhecidos por S. Ex. : so os secretarios e em-
pregados das secretarias sao de nomeaco impe-
rial ellos devem de ser pagos pelos cofres ge-
raes, como j sao os juizcs de direito osquaes
seachioem idnticas circumstancias: dir-se-ha
que os cofres geraes dio um supprimento an-
imal aos provinciaes e que com esse suppri-
menlo podem ser pagos os ordenados desses em
pregados. Senhores eu creio que as provin-
cias, ao menos a minha provincia renuncia-
rlo de bom grado esses supprimentos com-
tanto que ellas fossem alliviadas de pagar a es-
ses empregados que pela interpretacao sao
de nomeaco imperial v. g. os parochos o
cabido da s secretarios e empregados das se-
cretarias etc. Eu entendo pois que devenios
retirar os supprimentos ealliviar s provincias
do onus indevido de pagarem esses ordenados ,
para os quaes os supprimentos nao chegio : as-
sim entregues as provincias aos seus proprios
recursos, serio mais parcas em decretar as des-
pezas : e a assembla geral poderia fixando
esses ordenados, ccrcear alguns delles muito
excessivos e exorbitantes.
O nobre ministro quando pela primeira vez
fallou nesta casa e o seu antecessor no relato-
rio desteanno, reconhecerao que a junta do
commercio nao presta utilidade alguma ao paiz,
que as suas atti ibuicSes que sio poucas po-
dem ser devolvidas a outras autoridades que as
exercercom menos dispendio o mais satisfac-
toriamente ; as poucas attrbuices deste tribu-
nal se reduzem hoje a annunciar aos viajantes
que se accendeu um pharol em tal lugar e a
matricular os negociantes ; portante-, este tri-
bunal um sinecura: ora seo nobre ministro
tem esta conviccao para que quer difTerir para
mais longe a extinecao desse tribunal ocioso?
O nobre ministro nos disse que era mais oppor-
tuna e cabivel que a extinecao tivesse lugar
quando se tratasse do cdigo do commercio :
mas eu que desespero de que tenhamos cdigo
do commercio nesteanno, attendendo ao rumo
que le vio as nossas discussdes attendendo ao
torpor geral que reina por toda a parte e por
que vejo que o ministerio nao quer dirigir a c-
mara e vaicomo quetrazdclla quando alias
me parece que nao ha meio termo ; ou o gover-
no tem maioria na cmara e deve dirigi-Ia on
na5 tem edevedeixar o posto ; como eu deses-
pero de que tenhamos cdigo do commercio,
nao hesito em propr desde ja a extinecao da
junta do commercio. Se este tribunal intil,
c pode ser substituido satisfactoriamente, para
que conserva-lo com tiio grande dispendio das
rendas publicas ? Extinguindo desde j esse tri-
bunal nos poupamos o alfhguel da casa que
importa em urn cont e duzentos mil res, pou-
pamos a quantia que se despende com o expe-
diente, que sio seiscentos mil res, poupamos
as gratifleaces e ajuda de cusi com os empre-
gados porque certamente ningucm contestar
que, sendo essas gratifleaces eajudas docus-
to inherentes ao exercicio devem cessar como
lie : ora estas redueces com aquellas que
o nobre ministro indicou nesta verba fasem
que a despesa, que so consistir nos ordenados-
fique reduzida a siscentos contos do reis : te,
mos por consequencia urna economa de dose
contos de reis : a qual nao podo deixar de ser
acolhida pela cmara e pelo nobre ministro que
se mostro tao animados doespirito de econo-
ma.
Senhores a extinecao deste tribunal neces-
saria nao s pelo que disse senao porque as
matriculas dos negociantes tem cahido em de-
suso e isto devido difficuldadc de se produ-
sirem as justifleaces e impetrar-se a matricula
aqui na corle : ao menos por esta rasao na
minha provincia sao muito poucos os negoci-
antes matriculados; dahi vem que os negocian-
tes nio se destinguem ; todo aquello que com-
pra e vende um negocianto gosa de todas as
vantagens corno tal, gosa le inducas credito-
ras mas quando se trata de banca-rota elles
se prevalecen! da faltada matricula e esta ex-
epcao lhes tem valido nos tribunaes superiores:
desenvolvidas paraos juizcs territoiiaes ou
para as autoridades locaes que o governo indi-
car essas attribuicoes da junta, ellas serio
nais satisfactoriamente precnchidas teremos
i economa das despesas que fasemos com esse
tribunal intil, e a lenda proveniente da matri-
cula ha-de crescer incomparavelmente: dahi vi-
i \~> muitas vantagens para o commercio van-
tagens que por conhecidas deixarei de enu-
merar : se nao podemos faser esteanno o bem
que o commercio tem o direito de esperar de
nos ao menos tacamos o bem que for pos-
SVil
',iimo as atlribuicdcs desse tribunal nao sao
uigentese diarias, nao ha inconveniente em
oue elle seja abolido mesmo antes do o gover-
no dar o regulamento que deve dar conforme
a minha emenda.
Sr presidente a hora j deu se o nobre
mini-to em outra sesso se dignar de res-
nonde; s minhas interpellacocs, ou rorem com-
batidas as minhas emendas, eu tomarei de no-
vo a palavra e entao terei accasiao do explicar
o meu voto.
A discussio tica adiada peladora.
Sesso de 19 de abril.
Contina a discussio do orcamento da parte
relativa s despesas com o ministerio do impe-
rio e emendas apoiadas.
Tomao parte na discussa os Srs. visconde de
Baependi, Carvalho, RioseCoelho, e a discus-
sa tica adiada pela hora.
PERNAMBUCO*!
III e Exm. Sr.-Participo V. Ex., que
nesta data acabo de receber um oITicio do 1.
commandante Josa Rabello Padilha em qne
commnnica haver chegado no dia 8 do cor rente
polas 4 horas da tarde a villa do Nazareth sem
que tivesse occorrido novidade alguma e ter
adiado a dita villa em perleito estado de tran-
quillidade. Dos G. aV. Ex. Quartel do
commando geral do corpo de polica 12 de maio
de 1813.Illm. eExm. Sr. Bario da Boa-vis-
ta Presidente da provincia.Pedro Alejan-
drino de Barros Cavalcanti commandante
geral.
Illm. e Exm. Sr. Apresso-mo levar ao
conhecimento do V. Ex. que agora acaba de
participar-me o subdelegado do Alogado que
elTcctuara a diligencia de que o tinha encar-
regado no lugar denominado Alto na Boa-
viagem na qual conseguio capturar Antonio
Pereira Barbosa do Albuquerque branco ,
solteiro Manoel Vieira pardo casado e
Benedicto, crioulo escravo de Alfonso d'Al-
buquerque Maranhao mencionados na repre-
sentacio assignada por Ignacio Jos de Mel-
lo. Dos G. a V. Ex. Socretaria da provin-
cia de Pernambuco 13 de maio de 1843.Illm.
eExm. Sr. Bario da Boa-vista Presidente da
provincia. O desembargador Domingos Nunes
Ramos Ferreira chele interiuo de polica.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendmento do dia 15.......... 6:8808416
DescarregSo hoje 16.
Brigue Sophia carvao de pedra.
Brigue Jozephinavinho vinagre, e a-
zeite.
Brigue Thomaz Bathersey fazendas, ma-
qumismo (resto/
Hiate Especulador ferro, o cobre (uza-
do) e barricas abatidas.
Brigue Sagitario barricas abatidas.
[.Barca Veneziafarinha, sabio, vellas o
feijao.
Barca Felice batatas.
1MP0RTACA0.
Thomaz Battersly brigue inglez, vindo de
Liverpool entrado nocorrente mez con-
signadlo de Johnston Pater & C. ; manifestou
oseguinte :
23 fardos e 9 caixas com fazendas d'algo-
dio el caixa livros; L. G. Ferreira
& C.
185 barricas serveja engarrafada ; Latbam
&Hibert. .
17 caixas (azendas d'algodao ; a Geo : Ken-
worthy & C.
5 fardos ditas de linho ; a M. Calmont
&C.
55 gigos e 90 meios ditos louca; 1 caixa
prensa de copiar, 11 fardos fazendas d algodao;
a J. Crablreo & C.
17 barricas soda 20 barris carne salgada ,
2 caixas fazendas de seda e algodao 1 barrica
agoa-arguardente de franca ; a Ordem.
1 embrulho livros mpressos; a Furbey.
1 dito ditos ; a Brilish Lebray.
9 3/4 tonelladas de ferro ; a Silva Barroca &
Andrade.
1 fardo cobertase drogas ; Dirigido.
2 caixas fazendas d'algodio ; a Deane Youle
&C.
55 tonelladas de carvao de pedra 37 caixas
com maquinismo 93 taixas 2 caldeiras ; aos
consignatarios.
1 saco., e 1 enbrulho com amostras; a Di-
versos.
20 queijos, e 20 prezuntos ; ao capitao.
llovimento do Porto.
Navio entrado no dia 13.
Costa do Cbili ; 60 dias, galera americana
Congress de 339 toneladas capitio John
Pitnau cquipagem 25, carga azeitede pei-
xe ; ao capitn.
Navios entrados no dia 14.
Maroim ; 9 dias hiate brazileiro Especula-
dor, de 38 toneladas, capitio Jos Mauri-
cio cquipagem 6 carga couros; ao ca-
pitio*
Macei ; 3 dias, galera ingleza Ironside, de
264 toneladas capitio George Brown e-
quipageml7, cargaassucar, e algodao; a
Me. Calmont & C.
Rio Grande do Sul; 31 dias brigue escuna
brazileiro Izabel, de 173 toneladas, capitio
Joaquim Antonio Gadr, equipagem 9, carga
carne secca ; ao capitio.
Rio Grande do Sul;, 31 dias, brigue brazileiro
Sagitario de 250 toneladas capitio Jos
Joaquim Gomes Vianna equipagem 13 ,
carga carne; a Antonio Francisao dos Santos
Braga.
Navios sahidos no mesmo dia.
Londres ; barca ingleza Eagle capitao John
Bucley ; com a mesma carga, que trouce de
Londres.
Liverpool; galera ingleza Aronside capitio
George Brown ; com a mesma carga que
trouce de Macai.
Antuerpia ; brigue belga Adeli, capitio Luiz
Mussech ; carga assucar.
A barca sueca Superb capitio J. Riberg, fun-
diou no lameirio para acabar de carregar.
xinhas, chegados ressentemente da Baha n<>
patacho Constante A mizade; quarta feira l7po
corrente s 10 horas da manh defroote das
escadinbasd'alfandega no armazem de DiasFer-
reira &C.a, por conta e risco de quera per-
te ncer.
Avisos diversos.
lleclaracoes.
Administraco do patrimonio dos orftios,
"erante a administraeio do patrimonio dos
orlaos se :iao de-arrematara quem maisder,
por lempo de 3 annos que bao de ter princi-
pi do 1.= do jullio do corrente anno ao fin de
junho de ISVG as rendas das seguintes casas.
N. 1 io 1; rgo do collegio o 1 andar somente.
2 raa ra do collegio.
5 das Larangeiras.
6 do Rangul.
'( 8 ^ clha da Boa-vista.
9 da Gloria dita.
101 11 ra de S. Goncalodita.
12 ra do Cebo dita.
13 atrs do aeougue dita.
14 doRozario dita.
16 da Cadeia do Recife.
17
18
20
21
22
23 da Madre de Dos.
26
27
28
29
30 |
31
32
33
34
35
36
37 do Torres.
As pessdas que propozerem arrematar di-
tas rendas poderio comparecer na casa das ses-
sos da dita administraeio noftdias 15, 17 e
19 do corrente mez as 4 horas da tarde com
seus fiadores ; e adverte-se aosinquelinos que
se acharem devendo rendas atrasadas que se
nio acceitioseus leos, e nom por isso se lhes
dar preferencia ao lanco que or olTerecido.
Salla das sessoes d'administracio do patrimonio
dos orlaos 13 de maio de 1843.J. M. da
Cruz escripturario.
= O administrador da mesa da recebedoria
das rendas geraes iuternas avisa pela ultima
vez aos moradores do bairro do Recife eS.
Antonio, que devem o imposto de escravos,
seges e mao morta que venhio pagar o que
estio a dever at o dia 25 do corrente pena
de se proceder a executivo cujos mandados se
principiar a tirar impreterivelmente no dia 26.
Recebedoria 15 de maio de 1843. Francisco
Chavier Cavalcanti de Albuquerque.
Consulado Britnico.
Faz-se saber aos subditos britnicos resi-
dentes em Pernambuco que no dia terca feira
23 do corrente mez de maio ter lugar no
consulado de Sua Magestade a Rainha deGram-
Bretanha ra da Cruz, o ajuntamento dos di-
tos subditos para os fins designados no acto
Geo : IV. cap. 87 a urna hora daquelle dia.
Consulado Britnico 15 de maio de 1843.
PUBLICACO LITERARIA.
Achase no prelo a traducco do Curso de
Historia da Philosophia do Sr. V. Cousin.
Avisos martimos
= Parado Rio de Janeiro o palacho naciona
ConstanteAmizade deve seguir at odia 18
do corrente; quem no mesmo quizer ir de pas-
sagem ou embarcar escravos a frete dirja-
se a Gaudino Agstnho de Barros atraz doCor-
po Santo n. 16.
Leilo.
Leilo de urna porcao de charutos em cai-
Na loja de couro da ra do Livramento
n. 11 preciza-se de oficiaes de sapateiro, pre-
fere-se escravos, afianzados por seos senhores.
Aluga-se urna molata, que at todo o ser-
vico de urna casa com asceio e pretesa fax
compras e muito intelligente, pelo preco do
dez mil reis por mez ; quem pretender diri-
a-sc a venda de Joa Jacintho Moreira na ra
das Cruzes que dir quem aluga.
Declaro que o annuncio feito no Diario
n. 103 de 11 do corrente nao se enteode cora
o Sr. capitio Luiz de Pinho Borges.
Um rapaz portuguez que j foi frade do
Carmo offerece-se para caixeiro de ra, do
armasemde assucar, ou para o matto para en-
sinar meninos, ou mesmo para capitio de cam-
po para tudo se offerece ; quem de seu pres-
tirno se quiser utilisar dirija-se a ra do Ro-
sario cstreita, venda ao p da botica do Sr. Pa-
ranhos n. 11.
O abaixo assignado annuncia denovo a
venda do seu engenho Natuba moente e corrento
de agoa com boa destilacio de agua-ardente ,
trras muito feriis e boas obras, com alguns
escravos bois mancos e dous carros com ou-
tros aparamenlos para fabrica de assucar a
fallar com o Sr. Joaquim da Silvu Castro, e co-
mo o annunciante precise relirar-se para o mat-
to sem ter podido ajustar todas as suas contas
avisa aos seus credores para quo se entenda
com o mesmo Sr. Castro a esse respeito.
Jodo Mauricio Cavalcanti da Rocha Vanderley.
l)a-se dinheiro a premio em pequeas
porcoes sendo de cem mil reis para cima so-
bre pinhores deouro ou prata na ra do Ca-
bug loja de miudesas n. 5.
Dcseja-se fallar ao Sr. Augusto Xavier de
Souza da Fonceca.
Precisa-se alugar urna casa terrea ou um
sobrado de um andar para grande familia quo
seu aluguel nio exceda de 16:000 rs. mensaes ;
quem tiver annuncie.
Quem annunciou no Diario de bontem que-
rer follar com Joio Lubet, dirija-se a raa do
passeio n. 5.
Da-so dinheiro a juros sobre penhoresde
relogios novos, e modernos : na ra das Cru-
zes n. 35.
A pessoa qno annunciou por este Diario,
querer comprar um sitio distante desta praca at
duas legoas, com as proporces declaradas em
seu annuncio querendo um no lugar do Bar-
balho que tem as proporces exigidas, dirja-
se ao sitio do Hospicio do Exm. conselheiro
Maciel Monteiro que ah achara com quem
(notar.
Aluga-se o segundo andar do sobrado de 4
andares da ra do Rozario larga que tem botica:
no 3. andar do mesmo.
Precisa-se de urna pessoa capaz quo
saiba coser, e engommar para tomar conta do
nina casa de pouca familia para o matto, isto
he distante desta praca duas legoas fazen-
do-se um partido favoravel, com tanto que a
pessoa seja fiel, e capaz : na ra do Codorniz,
no Forte do Mattos, n. 9 ou annuncie sua
morada.
= Laurentino Gomes da Cunba snr. do
engenho Santos Mondes, declara que de hoje
em diante se assignar Laurentino Gomes da
Cunha Pereira Beltrio.
Lotera da matriz da Boa-vista.
As rodas desta loteria correm impreteri-
velmente no dia 23 do corrente e os bilhete
achio-se nos lugares do costume.
Mr. Joze' Evans ARTISTA NO DA-
GUEEREOTYPO respetosamente annuncia
ao publico que pode ser procurado todos os dias
das 9 horas da manhi as 4 da tarde na ra No-
va n. 14 onde continua anda a tirar retratos
admirareis e perfeitos do mesmo modo que at
aqui os quaes tem sido tao applaudidos e com
tio geral satisfacao.
Mr. Evans adverte aquellos senhores que de
sejarem oliter d'elle urna copia fiel de si mumoi,
ou por oii tras palavras a sua propria sombra ,
ou urna segunda imagem esemilhanca sua, que
devero procura lo quanto antes pois queja
se tem demorado em Pernambuco mais do que
pretenda quando aqui chegou e nessaria-
mente se ha de retirar com muita brevidade.
- A pessoa que quizer hypothecar urna casa
por metade de seu valor dirija-se a ra de S.
Pedro casa n. 40.
Marques & Veiga vendem em sua casa,
ra do Amorim n 50 os seguintes gene-
ros charutos meios regalos ditos finos e de
todas as mais qualidades e precos fumo de
primeira e segunda qualidade, ceblas aos
centos e molhos alhos em mauncas e ter
nosdealguidares.
> Precisa-se de um moleque, ou urna ne-
gra para vender azeite;. na ra Direita n. 30,


4
I '
EPOSITO de farinha de mandioca na
ra da Cadeia do Bairro de S. Anto-
nio casa n. 9; este novo estabolccimento
he de prinjeira utilidadc nesta provincia nao
s para evitar as faltas dcste genero du primeira
necessidade, que do vez em quando nos atacad,
como tambem para por termo ao escandalozo
monopolio que a tal respeito exercem indivi-
duos que nao tem prolisso alguma. O ad-
ministrador do deposito ampregar todo o dis
vello para que os freguczos se consorvom satis-
feitos encontrando ali furioha sempre da me-
Ibor que aqu apparecer e o mais barato
"que poder ser; sendo de admirar, que ha-
vendo em outras provincias depsitos desta na-
tureza, cuja nocessidade tem sido reconhecida,
s nesta irovincia se depare com osta tao sensi-
vel falta. Convidao-se portanto aos compra-
dores para que ali se dirijo, e assegura-se,
que os precos serao constantes, sendo annun-
ciados todas as semanas pelas folhas o que
tcnde a impedir as fraudes dos portadores.
N. B. =Oi precos desta semana sao os se-
guintes: farinha de primeira qual idade a 22i0
ao alqueire e de segunda dita a 1920.
f = i4luga-se urna boa sala com alcova ,
propria para escriptorio ou para homem sol-
tyjiro, na ra da Cruz do Recife; o? preten-
dentes dirijio-so a botica n. 27 da mesma ra.
= Furtarao no fim da passada semana em
o bairro do Recie um boto de ouro com dia-
mante um anel com firroi dous pares de fi-
vellas de prata 8 resplandores de ouro e um
quadro com o retrato do Imperador com fita
verda e amarelfa ; quem soubcr de qualquor
dcstes objectos e participar na ra do Encan-
tamento n. 4 se ficar em agradecimento e
sendo ofTerecido por venda roga-se appre-
h en cao.
= Precisa-se um caixeiro para urna venda,
que entenda doste negocio : na praca da Boa-
vista n. 7.
= Joao Antunes Guimares, roudou sua
residencia da ra do Torres, para a da Senzalla j
Velha sobrado novo n. 22.
= Aiuga-se urna pela cozinbeira; na ra
da Gloria casa n. 77.
= Alugao-se dous sitios, na campia da
Casa Forte um delles com casa nobre re-
centemente edificada estribara cocheira ,
cozinba lora 4 quartos, eduas salas, e um
vasto terreno para plantaces e pasto povo-
ado de arvoredos de fruto e o outro com os
inesmos commodos mas nao ,tem coxeira : a
tractar na ra do Vigario n. 18 ou no si-
tio do proprietario na estrada do Cordoiro
Aluga-se o armazem que fica junto a
mar, por traz do sobrado n. 1S da ruada Ca-
deia de i. Antonio, o qual armazem tem gran-
de utilidade nao s pelos seus commodos ,
como para recolhimento do lenha madeira ,
taboas, &c. ; quem o pretender dirija-seao
segundo andar do sobrado a cima das 9 ho-
ras da manlia as 4 da tarde.
=0 abaixo assigoado faz sciente ao publico
que o annuncio inserido no Diario novo de 12
do correte sobre o acrescimo do seu nome ,
he falso, e nem se entende com elle outro
sim declara que o seu nome he como abaxo e
sem nenhum outro appellido.
Vlanoel Joaquim Eernardes.
Em um dos dias da semana Santa p. p. a-
chou-se u urna das ras do bairro do Recife u-
ma obrado ouro, quem so achar com direito
ella dirija-so a ra Augusta n. 50 que dando
os signaes certos Ihe ser entregue.
= Aluga-se o terceiro andar, e armazem
da casa de 4 andares da ra da Moeda ; aquello
muito fresco c este proprio para estabeleci-
mentocommercial; quem os pretender dirija-
fe ra do Vigario n. 13.
= Aluga-se urna casa terrea na ra do Co-
tuvello, da Boa-vista; quem a pretender dirja-
se ra do Vigario n. 13.
Perdeu-se um relogio patente Suico de ou-
ro e Sabonete desde a groja de S Jos at
o meio do arial das cinco Pontas; quem o achar
entregue na ra do Crespo loja n. 8. que ser
generosamente recompensado.
= Traspassa-se o arrendamento do sitio da
Capetla do Bozarinho com o consentimento
doSr. coronel Cazado Lima, com boa caza pa-
Ta moradia, senzalla para escravos e feitor, es-
tribara para 5 cavallos cercado para 8 vaccas,
curral coberto de tellia terreno para plantacao,
aondo tem roca e capim hortalice e urna
boa plantacao de mendobim bastantes aore-
dos e boa agoa para lavar roupa ; a tratar no
mesmo sitio.
tet O Sr. Joaquim Francisco de Paula Este-
ves Clemente, queira dirigirse rua'n.rad oo
da Boa-vista, no primeiro andar do d satrizMa
26 que se Ihe dezeja fallar.
J. B. C. Tresso avisa ao respeitavel pu-
bh'co e partfcclarmente aos Srs. Tbesoureiros.
manhos para lgreja com trombeta clarim ,
cromorno, voz humana o rouxinol ; dito
orgo ( que sondo ouvido nao tem apare-
cido aqu ) duas finas a clavier e a chave
de realejo, para falta de organista, ou por
falta de saber toca-Ios, entao se toca com a
chave como se fosse um realejo obtendo a
mesma voz de um orgo de lgreja contendo
nos cilindros, a missa os hymnos para todas
asfestas, e dias sanot03 do anno tudo reu-
nido na mesma obra; orgo para rocreio de
casas com machina tocando s a clavier e a ci-
lindro tudo reunido na mesma obra; realejos
com tambor e trombeta para recreio de casas,
com quadrilhas para dancar, pantaln ett ,
pon les, trenis finales, o valsas, outro realejo de
todas dimencoes para lgreja', com a missa, e os
hymnos com a mesma voz de um orgo de
lgreja ; as possoas que o quizaren honrar com
a sua -presenca acharad ja em sua casa algumas
obras promptas; tambem conserta os ditos
instrumentos, e poe marchas novas ; assim
como compra orgaos o realejos ja usados: no
atterro da Boa-vista n. 3.
= Jos Tavaros da Gama, subdito Brasilei-
ro retira-se para o Rio de Janeiro.
Quemannunciou querer comprar urna
venda com poucos fundos e com commodos
para familia dirija-se ao patio doCarmo, es-
quina da ra do Hortas n. 1.
Precisa-se de um caixeiro p<(rtuguez de
16 annosannos, para urna loja de fazendas,
e que tenha deste negocio grande pratica; quem
estivcr ncstas circunstancia annuncio.
Precisa-se de um homem que entenda
de plantacoos, para ser feitor de um sitio perto
da praca : na ra Nova n. 33.
= Na ra do Collegio casa n. 16, exista
umacrioula para ulugar-se para ama de casa
de pouca familia e sendo de homem solteiro
molhor.
Precisa-se de alugar urna escrava para o
servico de urna casa de familia que sobro ser
fiel, e diligente, nao tenha o vicio de ebria ;
quem a tiver e quizor alugar annuncie ou di-
rija-se ao patio do Carmo na venda por baixo
do sobrado do finado Dr. Bernardo.
Lotera a favor das memorias histricas.
Nao tendo podido eectuar-se o anda-
mento das rodas desta lotera hoje 16 do corren-
te como se havia annunciado por se Ihe terem
anteposto outras loterias, forcoso he marcar um
novodia, oeste he designado para 30deju-
nho prximo futuro inallivelmente ; achando-
se os respectivos bilhetes venda nos lugares
ja annunciados.
A commisso administrativa dasociedade
Terpsichore aviza aos Srs. socios, que tem
marcado o dia 20 do correte para a partida, e
convida aos mesmos para se reunirem em sessao
no dia 17 para a approvacao de convidados.
Quem precisar do urna ama de leite, di-
rija-se ra das Trinchoiras sobrado n. 18.
A pessoa que annunciou querer comprar
um sitio em Apipucos, pode procurar na ra
das Trincheiras n. 22.
Quem annunciou no Diario de 27 do mez
prximo passado, querer comprar um enge-
nho d'agua perto da praca procure nesta ty-
pographia que se Ihe dir quem tem um para
vender.
" A pessoa que no Diario de 15 do corren-
te annunciou querer sabor a morada d'aquelle
que se propoe ir Parahiba cobrar dividas, di-
rija-se ao Recie ra da Cadeia n. 57.
Roga-so ao Sr. da ra do Queimado, au-
thor do annuncio que sahio no Diario n. 105
com as quatro letras J. A. S. V. queira de-
clarar se he com o abaixo assignado Joaquim
d Annunciactto Siqueira Varejao.
Quem precisar de um bom cozinheiro
paraum botequim do que tem bastante pra-
tica ou para qualquer casa particular mes
mo para tomar conta das compras, dirija-se a
ra estreita do Rozario, n. 2 primeiro andar.
Compras.
^ Compra-se um compendio d.e pbiloso-
phia de Geruze em Francoz, annuncie.
Compra-se um mulatinho de 12 a 16
annos, e um preto e urna preta de iuea idade:
na ra de Agoas verdes, n. 44.
Compra-se um violaoem segunda m3o ,
que tenha boas vozes e urna escala para o
mesmo tudo em bom estado ; quem tiver
annuncie.
Vendas
Vende-se um moleque crioulo de 20 as-
nos bom oficial de sapateiro, e trabalha
sofrivel de pedrciro: no atterro da Boa-vista ,
loja de seleiro.
= Vendem-se 2 casas pequeas novas de
pedra e cal no aterro dos A (Togados, por prego mazem n
Vendo-se plvora superior, do todas as
qualidados em porces grandes, e pequeas;
na casa de Me. Calmont & C.*, na praca do Cor-
po Santo.
Vende-se urna morada de casa de sobra-
do na ra de S Bento em Olinda, com chaos
proprios, bastantes commodos, o quintal ;
os pretendentes dirijo-sea mesma casa, que
he o penltimo sobrado por traz da Matriz de
S. Pedro Mrtir.
= Vendem-se outroco-se duas negrinhas
de 7 a 8 annos, urna linda mucamba de 18 an-
nos de nacao Baca cose veste urna senho-
ra, tratado meninos e do arranjo interior de
urna casa tem principio de engommar, e
oozinha ptimamente o ordinario e tora bom
comportamento ; quem p .etender annuncie.
= Vende-se um mulato peca de 19 an-
nos oficial de sapateiro : na ra da Cadeia
de S. Antonio n. 15, segundo andar, das
9 horas da maoh as 5 da tarde.
Vendem-se piannos fortes ou fortes pian-
nos dos celebrados autores Broadwod & Filhos,
de diversos precos e modelos, recentemente
ebegados de Londres; e urna nova e linda ca-
deira di Bahia : na paca do Corpo Santo em
casa de Me. Calmont & Companhia n. 11.
Vonde-se rap areia preta de boa quali-
dade a 800 res a libra e em porces de 10 li-
Iwas para eima a 700 reis; no atterro da Boa-
vista loja de alaiato na esquina do beco.
Vende-so um negro crioulo para fra da
provincia de boa figura com principio de sa-
pateiro e tambem dealfaiate; a tratar atraz
da Matriz da Roa-vista n. 22, este preto adia-
se preso no calabouce.
= Vende-so um oscravo do gentio de An-
gola com 22 annos de idade com os olcios
de carniceiro caiador, e he bom refinador de
asiucar sem vicio, e nem achaque ; na ra
das Trinxei ras n. 34.
Vende-se urna venda em Fora de Portas,
n. 74 com poucos fundos tem mu i tos com-
modos para morada de familia sendo o alu-
guel barato : a tractar na mesma venda.
Vende-se urna negrnha de nacao, de
18 annos engomma bem cose o cozinha ;
o outra dita boa cozinbeira, e doceira ; na ra
de S. Rita, n. 27.
Vende-se a muito aplaudida aria dedica-
da ao feliz despozorio de S. M. I. e s restad
15, e as excellentes modinhas, que tem por t-
tulos = Modernos cupidnhos ; os amantes de
Nezazinha ; pega na lira sonora ; foge de mi-
nha cabana ; os melindres de sinh ; amor de
um bixinho ; vejo teos olhos ; estas pecas ven-
dem-se alguma cousa mais em conta : na ra
do Cabug loja de Bandeira e Mello onde
somonte as ha.
= Na ra Nova loja n. 35 acaba de rece-
ber-se da Franca, pelo navio Camelia, 1 com-
pleto instrumental para msica militar oen-
sistndo em trombSes haixos de harmona ,
trompas, pistons, cornetas de chaves, clarins,
pelo autor Alary pares de pratos, e por G od
Troy os seguintes instrumentos de pao; clari-
netes requintas, flautins flautas de bano,
e de bucho com bomba e 4 chaves e ordina-
rias de urna chave tudo se vende por muito
commodo preco.
Vendem-se papel de peso, sag fino, bar-
ris com breu 2 temos d medida do folha ,
potes com graixa tudo por preco. commodo :
na ra das Cruzes n. 30.
= Vendem-se chapeos de sol de seda o mais
modernos, com cabos mui delicados ditos de
castor branco tanto para homem como para
meninos, ditos pretos france7es com bonitas
formas, casemiras de todas as cores, merino
preto e azul, tapetes grandes para sala pan-
nos de coros de diversos precos, cambraias do
bom tom para vestidos madapolao finissimo ,
um completo sortimento de chitas de todas as
quadades e precos e outras muitas fazendas
tudo por preco muito ventajoso aos comprado-
res : na ra do Queimado loja n. 11 de A.
L. G. Vianna.
Vendem-se um par de adragonas ama-
relias para capitao e urna banda muito rica
aogosto moderno : na praca da Independencia
loja de livros n. 6 o 8.
Vende-se por precisSo um preto de na-
cao Cassange com officio de carniceiro: no
atterro da Boa-vista loja de miudezas, n. 48
Vende-se por barato preco um roquete
muito rico pela bordadura ainda em (olha :
na casa dentro do portao da ordem terceiro de
S. Francisco.
Vende-se potassa da Russia primeira
sorte, em barris de 4 arrobas : em rasa de
Hermano Mehrtens, ra da Cruz n. 47.
= Vende-se urna boa mulata muito mo-
fa de bonita figura cose, ongomma e co-
zinha e muito diligente para o servico de urna
casa de familia avista do comprador se dir
o motivo porque se vende ; na ra Nova ar-
67.
hoas ha-
zinha ; um preto bom canoeiro ; um dito que
cozinha o ordinario ; umdito bom comprador,
o servente de urna casa : na ra de Agoas ver-
des n. 41.
=Vonde-se farinha superior da marca SSSF
eSSF, chegada agora de Veneza : na ra da
Cruz, n. 55.
= Vende-so Colla fabricada em Pernam-
buco, a 200 rs. a libra, e a 5800 a arroba :
na ra do Rangel, u. 52.
Vende-se urna boa venda para negocio ,
com poucos fundos a dinheiro ou a praso eom
boas firmas, a qual tem commodos para fa-
milia : no Manguinho, n. 37.
Vendem-se relogios patentes, de ouro,
e prata e tambem orisontaes e de parede
com despertador : na ra das Cruzes, casa de
relojoeiro francez n. 35.
Vende-se um completo sortimento de
louca vidrada vindo de fora consistndo em
cacarolas ealguidaresde diversos tamanhos ,
que se vende por preco commodo : na ra larga
do Rozario n. 46.
Vende-se urna escrava de nacBo Angola,
de 25 annos com urna cria de 11 mezes; na
ra larga do Rozario n. 48.
Vende-se urna casa em chios proprios
pertencentes ao casal do finado Joaquim Lopes
Machado situada no atterro dos Aflgados ,
e presentemente oceupada por um estabeleci-
mento do padeiro : a tractar com os adminis-
tradoresdo sobredito casal A. Scbramm na ra
da Cruz, ou com Henry Forster <& Companhia
na ra do Trapiche n. 8.
= No deposito de assucar refinado esta-
belecido junto ao arco de S. Antonio, em fren-
te do caos do Collegio ha para vender assucar
refinado segundo o novo systema de fabrica-
cao pelo qual se extrae a potassa e cal, dei-
xando-se-o no seu estado de pureza ; sendo o
preco da libra do de primeira sorte e em pes
160 rs. o o de segunda e te roo ira em p,
a 120, e80 rs.
Vende-se urna escrava moca, muito boa
engommadeira e lavadeira cozinha e faz ren-
da : na ra Nova n. 15.
= Antonia de Souza Rangel, vende o seu
sitio da Magdalena; quemo pretender dirija-
se ao mesmo sitio ou entenda-se com o escri-
vao Bandeira na ra estreita do Rozario.
Vendem-se thesouras de Guimares pa-
ra barbeiro e alfaiate por preco commodo :
na ra Direita travessa de S. Pedro n. 16 ,
na mesma compra-se urna corrente para relo-
gio do ouro sem (eitio.
= Vende-se urna casa torrea feita a moder-
na e travejada sala forrada com 3 portas
de frente: na ra da Conceicao da Boa-vista ,
n. 22.
= Vendem-se um preto de nacao de 26
annos possante, o proprio para qualquer ap-
plicacao mormente para embarcadisso por
ja ter dado muitas viagens do marinheiro he
alem disto canoeiro cozinba o ordinario, e
tem bastante pratica de servico de campo e
de alfandega ; e outro de 17 annos cozinha ,
tem bastante adiantamento no officio de pedrei-
ro e he canoeiro, esabe lidar com carros,
e carrocas: na ra da Cruz do Recife n. 51.
= Lima Jnior & Companhia tem para
vender excellcnte vinho do Porto de feitoria ,
em pipas o barris no armazem de Manoel Jo-
s Martins, na ra da Cadeia do Recife che-
gado ltimamente ; assim como cola da Bahia,
no armazem de Dias Ferreira & Companhia ,
no caes da Alfandega.
Vende-se um Horacio em latim com
pouco uso ; na ra atraz da Matriz da Boa-
vista ; n. 26 primeiro andar.
Escravos fgidos.
Fugio urna cabra de nome Mara zaro-
Iha as meninas dos olhos branquecentas ,
denles podres espadauda hombros grossos ,
gorda, esquiada barriga, poitos pequeos, os
calcanharcs comidos de gomma os dedos dos
ps abertos, pintada de urnas marcas que pa-
recem sarampo, levou dous vestidos de chita
um azul com flores c outro branco com flores
roxas; quem a pegar leve a ra da Madre de
Dos n. 7, que ser recompensado.
Fugio no dia 20 de Fevero de 1835 o
escravo Antonio Mocambique, baxo, e gros-
so com a marca C na fonte cor fula olhos
grandes, cara bem bexigosa dous den tes de
cima podres e os mais limados, nariz chato,
um dente tirado a ferro, mal feito de ps e per-
nas, cadoiras grandes de idade de 30 a 40
annos pouca barba atravessado na falla, he
canoeiro e bem conhecido. As authoridades
policiaes, ou capitcs de campo que o pe-
garem levem-o ao atterro dos Allogados em
casa de Francisco Xavier das Cbagas, arma-
zem de sal, quedar40,000 rs. de gratifica-
cao.
p "esseas enwmgadas das Igreias que abrm I commodo: trata-se defrnnte Hn vivoiro do Mu-1 Vendem- 4 nretas mocB rom
urna tenda onde fabrica orgaos de todos os ta-1 niz n^85. bilidades urna delias engomma cose, e co- j Recife: ka Ttp. de M. F. de Fama. =1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EPMBY8NVA_824GM5 INGEST_TIME 2013-04-13T01:34:52Z PACKAGE AA00011611_04960
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES