Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04957


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino de 1843.
Sexta Feira 12
Tudo sor dependa da n aaeamoa ; di nossa prudencia moderacSo, t narria : con-
tinuemos bobo principiaaane aeremos apontadoe com admiraco entre a Nacdej mil
colla?. ( Proclamado da Ascateles Geral do BaAilX.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, Parahiba e Rio grande do Norte eegunda- t sextas feiris.
Bouo Garanhuns a 10 a 24
Cabo j Ssrinbaem, BioForaaoso Porto Clao Maceio e Alagoae no 1. 11 ,
Boa-viitac Florea a 13 e 28. Santo Ante, quintas feirai. Olinda lodoa oa diaa.
DAS DA SEMANA.
8 Seg. Appirigfo de Miguel Arcanjo. Aod. do J. de D. da J. t.
9 Itrc. Gregorio Nauianieno Re. Aad. do J. de D. da 3. T.
10 Qua'it a. Antonio Are. Aud do J. de 1). da 1. v.
11 Quint. i. Anaslacio M. Aad. do J. de D. da 3. t.
12 >ai Joanna Princesa Aud. doj. de D. da 2. y.
43 Sab. N. Senliora dos Marlyros Ral. And. do J. de D. da 1 T.
14 Dpro 1. Gil. a. Bonifacio.
de,5Maio
Armo XIX. N. 104:
O Diario publica-* todos oa dias qua n5o toreas Santicadoa: o prao da aaaigaatura n.
da uea nil reia por quartel pagos adiantadoa. Oa annuucioa dos aaeignantea sao meendoe
grstis, e os dos que o nao (oren i raio de 80 reis por linha. As reolamacoes derem ser diri-
gidas a esta Typ., roa daa Cnnas N. 34,o a praca da Independencia loja da lirros > .
cambios.Nodia 11 de Maio;
CambioaobraLondrea?6 d. por 1U Ooo-Moada da 8,400 V.
a Pars 360 /eis por {raneo,
a Lisboa 100 porlOOdepreeaio.
Moada da cobra 2 por cento.
Ideaa de latraa da boaa ratas 1 J i J .
a N.
.< a da 4,000
PiAT-Patacdea
a Peoa Coltmnarai
a ditos Mexicanos
coaspra
4,300
16,100
8,900
1,880
1,880
1,880
Tanda-
16,(00
16,300
9.100
1,900
1.90U
1,900
PHASESDALDANO MEZDEMAIO.
Lna Cheia 4 1?, i, S horasa 15 a. da tard. I La nova 4 29, as 4 botas e 55m. da auna.
Quart.ming. 4 21, Ihora ec5aa. dam. | Quarl. craso, 7, 4s Chora* s5. da manh.
Preamar de hoje
i. a 2 horas a 54 a. da aanhSa. | 2. a 3 horas s iS tu. da tarda:
i i i ssaaaaaasaaaenaaa aaasaaapaaaaaaaa. agaaaaBsasaBaaneasaraa-

4?
W>W,
D
PARTE OFFICIAL
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE > DO CORENTE.
Officio Ao commandante das armas, auto-
risando-o para mandar desligar do batalhao des-
tacado o soldado Joaquim Jos de Sant'Anna ,
depois que tiver sido substituido por outro do
batalhao da guarda nacional a que pertcnco.
Portara Mandando passar nomeaca ao
alteres de primoira linha reformado Jos Joa-
quim do Nascimento para o posto dequartel-
roestre do batalhao de infantaria de guardas na-
ci nacs destacado. Gommunicou-se ao com-
mandante das armas e ao inspector da thesou-
raria da fasenda.
OfficioDo secretario da provincia ao pri-
meiro da assembla legislativa provincial, di-
sendo, que o Exm. Sr. Presidente em satisfa-
go ao que a mesma assemblu exigi acerca
do requerimento do vigario da freguesia da Ta-
quara em que pede o pagamento de sua con-
grua que foi supprimida pela lei do orcamen-
to vigente, manda declarar-lhe, que o lio Abi
servio sempre de limite a esta provincia, o a da
Parahiba.e que a parochia do supplicante se acha
aquendodito rio; mas, que tendo a carta
regia de 1775, que creou o municipio d'AIhan-
dra pertencente provincia da Parahiba, dei-
xou grande duvida respeito dos limites dcstas
duas provincias, que so poder central a vis-
ta da dita carta regia pode decidir; que em
consequ-'iicia dessa uniao da freguesia mencio-
nada ao municipio d'Alhandra o respectivo vi-
gario apenas recebia a sua congrua por esta pro-
vincia entretanto que concorria com todos os
actos civis e politteos inherentes ao seu ernpre-
go como sejao eleices parocuiaes etc. para a
provincia da Parahiba do acord com as or-
dens das autoridades daquella provincia ; e que
nao parecendo o S. Ex. estas informaces satis-
fatorias, quanto aos limites em questao das
duas referidas provincias tem pedido aoExm.,
Presidente da Parahiba os esclarecimentos, que
elle poder ornecer esso respeito.
Dito Do mesmo ao dito significando que
o Exm. Sr. Presidente ha marcado o dia d'a-
manba (6) para 1 hora da tarde recebar no
palacio do sua residencia a deputaco, que tem
de apresentar-lhe os actos da referida assem-
bla.
DEM DO DIA 6.
Officio Ao inspector interino da thesoura-
ria das rendas provinciaes aecusando recebi-
do o seu officio de 5 do corrente em que par-
ticipa que sendo posto em arrematacao o cm-
pedramento dos dous Iancos das areias do Gi-
qui na estrada de Santo Antao, comparecero
como licitantes Jos Gandido de Barros para
o primeiro Francisco de Pinho Borges para o
segundo e Jos Bodrigues de Oliveir-a Lima
para ambos; e pondora que supposto seja
mais vantajosa em preco a proposta deste ulti-
mo he todava inferior s daquelles lendo-
se attencao maneira do pagamento ,. que ellos
propo, eao espaco de tempo, emquesecom-
promettem dar as obras feitas ; e significando
em resposta, quo deve diTectuar o contracto da
dita arrematacao com os duus primeiros licitan-
tes ltenlas as rases que apresenta e a
rrigularidadj dos offerecimentos do ultimo.
Dito Ao commandante das armas decla-
rando em resposta ao seu officio de 4 deste mez.
que visto haverem officiaes da terceira classe ,
pode chamal-os para faser o servico quo est
ncumbido alguns reformados.
DitoAo mesmo, approvando as nomea-
ces que fez do coronel da terceira classe Tra-
jano Gesar Burlamarque para o commando in-
terino da fortalesa do Brum do tenente do es-
tado-maiorde segunda classe Jos Ignacio de
Medeiros Rogo Moiiteinfpara o de Itamarac ,
e do major do dito estado-maior Jos Lucas
Soares Baposo para o do forte do Buraco.
Dito Do secretario da provincia ao primei-
ro da assembla legislativa provincial, remet-
iendo um otticio da administracao dos estabele-
cimentos de caridadt: em que cuinprindo o
que pelo Exm. Sr. Presidente Ihe foi ordena-
do em consequencia de requisicao da dita as-
Mun'uia forma que existem nesta cidade
duas casas legadas aos mendigos para asua ha-
bitado das quaes urna, pelo seu estado de
ruina acha-se abandonada e outra serve de
asilo alguns dos beneficiados.
Dito Do mesmo aojuir.de direito do civel
de Nazareth communicando que S. M. o Im-
perador concedeu-lhe tres meses de licenca com
os respectivos vencimentos. fficiou-se a res-
peito ao inspector da thesouraria da fasenda.
Com mando das Armas.
EXPEDIENTE DE 24 DO PASSADO.
Officio Ao Exm. Presidente disendo-lhe
para evitar duvidas no futuro quo o soldado
de artilhoria Manoel Fernandas dos Santos ,
que por aviso da reparticao da guerra de 27 de
marco ultimo se mandou dimittir chamava-se
Manoel Ferreira dos Santos nome com que re-
quereo, e foi mencionado na inforrrtacao.
DitoAo mesmo Exm. Sr., dando-lho as in-
formaces que pedir em despacho de 19 do
corrente acerca do desertor do briguo-oscuna
de guerra Gararapes Manoel Ignezda Boavia-
gem que se acha com praga no batalhao de
artilheria.
DitoAo mesmo Exm. Sr., dando-lhe os
esclarecimentos que pedir sobre os recrulas do
deposito.
DitoAo mesmo Exm. Sr., communicando-
Ihe que a sua ordem para a demisso do sol-
dado de artfices Domingos Barbosa quo finali-
sara o seu engajamento ficava cumprida.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., enviando-lhe
um mappa da forca de linha e da guarda na-
cional destacada com expecificaco do servido
em que estava actualmente empregada com
que julgava ter plenamente satisfeito a exigencia
feta em aviso da reparticao da guerra de 5 o
officio de 21 do corrente.
Dito Ao director do arsenal de guerra, pa-
ra que mandasse examinar na respectiva offici-
iki, o soldado de artilheria Joao da Gosta Lima,
que pretende passar para a companhia de art-
fices.
Dito Ao commandante geral interino do
corpo de polica, disendo-lhe, que ficavaa com
pra?a os recrutas Lourenco Bispu o Jos Ra-
mos da Silva.
INTERIOR
ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SUS. DEPDTADOS.
Sesso de 18 de Mar Discussao do crdito.
Contina a discussao do artigo 1. da resoiu-
?ao com as emendas apoiadas.
Tomao parte na discussao os Srs. Paula Can-
dido Souza Martins e Reboucas, e a discussao
ica adiada pela hora.
SessUo de 20 de marco.
Contina a discussao do crdito; fallao os Srs.
Carneiro da Cunha M. Felizardo e Albuquer-
que e ica a discussao adiada pela hora.
Sesso de 21 de-margo.
L-se e approvada sem debate a redaccao
das emendas a proposta do governo ixando as
forcas de trra.
Julga-se objecto de deliberacao e vai a im-
primir o seguinte projecto :
A assombli'a geral legislativa decreta :
Art. 1." Os empregados pblicos que pr-
ceberem vencimentos certos do thesouro publico
nacional, ou de qualquer outra reparticao pu-
blica, serao considerados contribuintes do mon-
te pi geral de economa dos servidores do esta-
do na proporcao necessaria para deixarem a suas
familias metade destes vencimentos.
Art. 2. A deducode 5 por cento ou dos
10 nos casos em que tem lugar, ser feta ex-
offcio no acto do pagamento, e recolhida ao co-
fre do monte pi geral dos servidores do estado.
Art. 3. O governo adiantar as quantias ex-
traordinarias com que tenhao de entrar os em-
pregados actuaes, doscontando-lhes dos res-
pectivos vencimentos 5 por cento at integral
embolco. Fallecend.o antes d'isso o empregado a
deducao ser feta da pensao do monte pi.
Art 4. Aquellos de cujas familias a lei ha
concedido o beneficio dos meios sidos, passa-
ro a ser contribuintes do monte pi geral dos
servidores do estado mas seus vencimentos nao
serao sugeitos ao descont do artigo antece-
dente.
Art. 5. O governo pagar porsuaconta ao
monte pi goral dos servidores do estado tudo
quanto or necessario para assegurar aos actuaes
contribuintes do monte pi militar suas pensos.
Art. 6. Da data desta lei em dianto o gover-
no nao pagar monte pi meios sidos pen-
ses novas, sobro qualquer denominacao, s fa-
milias dos empregados pblicos civis ou mili-
tares a titulo de remuneracao de servicos, ga-
rantindo o estado o pagamento das pensos do
monte pi geral do estado.
Art. 7. O plano do monte pi geral dos ser-
vidores do estado nao poder ser alterado se nao
por decreto do poder executivo sob proposta em
mesa plena ; porm o que respeite menor ou
maior extenso do circulo dos contribuintes,
quotas da contribuicao penses e emprego das
sobras nao podar ser alterado sem previa au-
to risacao do poder legislativo
Art. 8. Todos os pagamentos que o geverno
tiver do fazar ao monte pi geral dos servidores
do estado podero ser feitos em apolices da di-
vida publica fundada segundo o preco do mer-
cado.
Art. 9. Os actuaes contribuintes do monte
pi goral dos servidores do estado que quize-
rem nova entrada nos tormos desta le e como
se j nao fossem contribuintes podc-lo-ho
azer.
Art. 10. Ficao sem effeito as disposices em
contrario. Paco da cmara dos deputados, 21
de margo de 18W. /fnlonio Pereira Reboti-
cas.Francisco Antonio Rtbeiro. -J. J. Pa-
checo.
Continua a discussao do 1. artigo da reso-
luco sobre o crdito com as emendas apoiadas.
O Sr. Vianna (ministro da fazenda) faz um
longo discurso respondendo s observacoes de
alguns Srs. dcpulados.
O Sr. Paula Candido {pela ordem) requer o
encerramento da discussao c consultada a c-
mara decide offirmativamente.
O Sr. Peixoto de Brito havendo pedW a pa-
lavra e nao Iba tendo sido concedida porque
nao se admitte discussao quando se trata do en-
cerramento declara com tudo quo no crdito
havia um erro de noventa contos de reis.
Seguc-se a votacao do 1. artigo com a tabel-
la a que se refere e approvado segundo a
proposta do governo com pequeas alteraces,
A discussao dos outros artigos da resoluto
ica adiada pela hora.
SessSo de 22 de margo.
O ^r. presidente declara que sendo o dia 28
de marco dia de festividado nacional, por ser
o anniversario do juramento da constituicao do
imperio parece que deve mandar urna deputa-
eao felicitar a S. M. o Imperador por.tao fausto
motivo, (apoiados.) como do estilo em occa-
sioes scmilbantes : e quo a nao baver objeco so
vaiociar aoSr. ministro do imperio para se
saber a bora e logar em que S. M. baver por
bem receber a mesma deputacao. Nomeia por
tanto para ella os Srs. : Ramiro, Sebastian
do Reg, Coelho, Almeida Albuquerque, Be-
lisario, Souza e Mello, Costa Miranda, D. Ma-
noel de Assiz Mascarenbas, visconde de Baepen-
dy, D. Jos da Assiz Mascarenbas, Santos Aze-
vedo Pacca, Janson Pereira, Carneiro da Cu-
nha, Alvares de A ze ved o, Pon tes Visgueiro, Ro-
drigo Monteiro, Almeida Boto, Reboucas, An-
tunes Correia Carvalho.'Luiz Carlos da Fon-
ceca, Carneiro de Campos, e Peixoto de Brito.
O Sr. Carneiro de Campos tem a palavra pela
ordem, e faz algumas observacoes em que mos-
tra a necssidade que ha do corpo legislativo se
manifestar quanto antes acerca das medidas to-
madas pelo ministerio de 23 de marco para aca-
bar com a rebelliao de S. Paulo e Minas Geraes;
que cumprc que o corpo legislativo declare so
esse ministerio as medidas que tomou obrou
bem ou se nao obrou como convinba : quanto
a elle deputado est convencido de que obrou
como convinha. Apoiados.) O Ilustro orador
requer pois a urgencia, nao preterindo a discus-
sao do requerimento do seu nobre collega por S.
Paulo para se tratar na primeira parte da or-
dem do dia do parecer acerca dessas medidas.
O Sr presidente declara ao Ilustre deputado
que tomar em consideraco o seu requerimen-
to, sem que precisa consultar a cmara.
Ordem do dia.
Entra em discussao o seguinte artigo da reso-
lucao sobre a proposta do governo para o cr-
dito :
Art. 2.Additivo ficao suprimidas na di-
ta lei, e no ministerio da fazenda as quantias
constantes da tabella (B), e fixada a despesa ge-
ral deste exercicio em 2,857:939$000.
Tabella (B.)
SupressSes feitas na lei do orcamento doeier-
cicio de 184-2 a 1813 a que se refere o artigo
2. da lei.
Ministerio da fazenda.
Art. 7. 1. Amortisacao da divida externa,
e commissos respectivas ao cambio de 43 '/
553:la0g000.
dem. Na dilTerenfa do cambio dito e o de
30 Y calculado nesta artigo da lei relativamente
a quantia supra 230:3288000.
2. Amortisacao da divida externa e juros
das apolices amortisadas 637:8848000.
Sao apoiadas diversas emendas.
Tomao parte na discussao os Srs. Henriques
do Resende, Souza Martins e ministro da faien-
da, e ica adiada peb hora.
Sesillo de 23 de margo.
Contina a discussao do crdito: falli o Srs.
ministro da fazenda, Silva Ferraz e ministro da
marinha, o ica a discussao adiada.
ess/to de 24 de margo.
Discussao do mesmo objecto da sossio anteri-
or: fallao os Srs. Ferraz, Vianna, Torres e Sou-
za Martins; terminada a qual approva-se o se-
guinte :
O art. 2. exceptuado nicamente o quan-
titativo nelle mencionado.
A supprossao da amortizacao
da divida externa e commissos
respectivas ao cambio de 43'/. 553:1508000
Dita,amortizacodadivida in-
terna, e juros das apolices a-
mortizadus............... 637:8848000
Dita com a cmara dos sena-
dores e respectiva secretaria... 32:2008000
Dita com a cmara dos depu-
tados e secretaria........... 36:0008000
Dita com o monumento doY-
piranga................... 4:0008000
Dita com as relaces...... 38:0008000
Dita com bispos e relacao ec
clesiastica................ 6:0008000
Dita capella imperial...... 10:0008000
Dita municipaes permanen-
tes..................... 39:0008000
Total das redueces.....1,356:2348000
.. iiii
Entra em discussao o art. 3.
Fallao os Srs. Beboucas, Souza Martins, a
ica a discussao adiada.
Sesso de 27 de margo.
O Sr Ramiro {pelaordem) declara que a de-
putacao nomeada por esta cmara para felicitar
S. M. o Imperador nodia anniversario do ju-
ramento da constituicao poltica do imperio, se
dirigir ao paco da cidade hora designada, on-
de foi recebida com as formalidades do estilo ;
e elle deputado, eomo orador da mesma depu-
tacio, teve a honra de ler na presenca de S. M.
o Imperador um discurso [l.) Declara mais quo
S. M. I. se dignara responder nos seguintes
termos :
Muito agradavel me saber que a cmara dos
deputados se regosija commigo por este dia em
que sempre me ha de lembrar urna das duas
grandes obras do meu pai.
Entra em discussao a resolucao que diz :
Sao dispensados os clrigos deordens saerasde
exercerem o cargo de juizes de (acto.
Sao apoiadas d i lloren tes emendas, e a discus-
sao fira adiada r>**la hora,
Contina a discussao do crdito; 3.* artigo
da resolucao.
Tomo parte na discussao os Srs. Paula Can-
dido, ministro da fazenda, Souza Martins e Ri-


\
beiro e da-se a materia por discutida e ap-
provado o artigo 3. com a seguinte tabella :
TABELLA l C*)
augmento da receta ordinaria do exercicio
corrente a que se refere o artigo 3. da lei.
Importancia de producto de 1/2
porcento applicado caucho de um
semestre de juros e amortisacao em
Londres..................... 508:6858
dem de 2 1/4 porcento e mais
mpostos applicados queima do
papel moeda.................1,886:1818
O que podera produzir o em-
prestimo do cofre de orphos no
corrente exercicio, deduzidos os
pagamentos exigidos no anno... 200:0008
Augmento proveniente de algu-
mas rendas do municipioc das pro-
vincias em virtude dos novos re-
glamentos.................. 300:0008
2,894:856S
Entra em discussao :
Art. 4." AdditivoPara haver a somma
necessaria para as despezas autorisadas no arti-
go 1. d'esta lei e as mais que fr mister por
diliciencia da receita oreada fica o governo
autorisado a tancar mao de quaesquer opera-
ces e at a emittir papel moeda se for isso
ipdispensavel aos interesses do estado.
Sao apoiadas duas emendas urna do Sr.
Reboucas e outra do Sr. Ribeiro.
A discussao fica adiada peta hora.
Sessao de 28.
Continua a discussao do artigo 4. da resolu-
cao sobre o crdito : fallao os Srs. Manoel Fe-
lizardo Souza Martins e Reboucas e fica a
discussao adiada pela hora.
Sessdo de 29 de marco.
Nao ha mais expediente.
Julga-se objecto de deliberaco e vai a impri-
mir a seguinte resolucao da commiss3o de as-
semblas provincias.
Art. 1. nulloedenenhum efleito o artigo
1. da lei provincial n. i, da provincia do Espi-
rito Santo de 12deoulubro de 1842 que de-
termina que o subsidio dos membros da assem-
bla provincial se cont do dia marcado para a
instalaco anda que ella se n5o tenha verifi-
cado por falta de membros presentes.
Art. 2. tambem nulloe de nenhum efleito
a lei provincial n. 3 da mesma provincia e an-
no que manda aposentar um empregado pu-
blico.
Art. 3. Sao extensivas estas disposices s
leis perfeitamente idnticas de todas as outras
provincias.
Art. 4. Fica revogadas todas as leis e dispo-
6foes em contrario.
Paco da cmara dos deputados 22 de marco
de 1843.Sousa Franco-J. A. de Miranda
Contina a discussao do crdito, artigo 4. da
resoluco com as emendas apoiadas.
Tomao parte na discussao os Srs. Albuquer-
que Peixolo de Brito Carneiro de Campos ,
Paula Candidoe Sousa Franco, ea discussao
fica adiada pela hora.
Sessdo de 30 de margo.
Contina a discussao do crdito artigo 4. da
resclucao com as emendas apoiadas.
O Sr. Custodio Correia vota pela emissa do
papel apesardeconhecer os inconvenientes que
ha nessa emissa : entende que pode ser urna
medida muito vantaj. sa politicamente isto
para tirar o governo dos apuros em que se acha;
mas corno medida financeira a julga ruinosa.
O Sr. Henriques de Resende discorre sobre
a materia o vota pelo artigo 4. da resolucao ,
pronunciando-se a favor da emissa" de notas ,
e contra a emissa de apolices as mais emendas
sobre as operaces de crdito.
S. Ex. o Sr. ministro da fasenda declara que
sedeve tratar do crdito com os meios apresen-
tados no artigo em discussao e que o gover-
no est prompto a aceitar aquellas imposicoes,
que lorem justas ; mas que estas imposicoes
devem fasur parte da lei do orcamento. Nota que
o governo nao quer que a lei do orcamento pa-
ra o futuro anno (inanceiro passe nesta casa por
meio de urna resolucao como se tem dito : o
que sim quer o governo, que passe urna reso-
lucao que mande ficar em vigor a lei do orca-
mento vigente, emquanto nao se publicar a ou-
tra que s poder passar para agosto; e isto
porque de julho em diante nao se poderao co-
brar osimpostos sem lei do orcamento. S. *Ex.
discorre sobre a materia das emendas oflereci-
das a este artigo e pronuncia-se contra a e-
menda que autorisa o governo a contrahir um
emprestimo com as corporaces de ma-morta,
bem como contra a emenda do Sr. Reboucas ,
que cstabelece urna imposicao sobre a renda ,
porque nao descobre um meio de impor sobre a
renda. Contina emfim fasendo outras observa-
cees e respondendo aos argumentos de alguns
senhores deputados que tem fallado na mate-
ria.
O Sr. Paula Candido responde as observares
do Sr. ministro da lasenda.
apoiada a seguinte emenda :
Se passar a emendado nobre deputado por
S. Paulo, acrescente-se :
K 43 con tos de res que o thesouro geral de-
ve ao provincial do Para por emprestimo que
este lhe fez em 1839 e 1840. Paco da cmara, 30
de marco de 1843. Sousa Franco.
Fall8o mais nesta questao os Srs. Sousa Mar-
tins, ministro da fasenda e Reboucas e julga-
se discutida a materia.
O Sr. Reboucas (pelaordem) requerque a vo-
taca seja nominal e consultada acamara de-
cide afiirmativamente.
O Sr. Ramiro requerque o artigo soja posto
a votos por partes.
Pe-sc a votos o artigo at as palavras e a
laucar mao de quaesquer operaces de crdito
c approvado.
Segue-sea votaca sobre a ultima parte do ar-
tigo que dize at a emittir papel moeda se
fr isso indispensavel aos interesses do estado
e igualmente approvada.
Todas as emendas ao artigo sao rejeitadas,
excepto a do Sr. Carneiro de Campos, para o
governo haver os fundos para indemnisar im-
mediatamente cofre provincial de S. Paulo das
quantias pertencentes a esse cofre de que o go-
verno se utilisou por occasia da rebellia que
appareceu naquella provincia e bem assim
a emenda do Sr. Sousa Franco apresentada hoje.
A discussao flea adiada pela hora.
Sessdo de 31 de marco.
Entra em discussao o seguinte artigo da reso-
lucao sobre o crdito.
Art. 5. AdditivoDo primeiro de julho do
corrente anno em diante se cobrar 5 porcento
de todos os ordenados tencas, pensos apo-
sentadoras gratificares sidos militares ,
ou quaesquer vencimentos pagos pelo thesouro
publico que excedo a quantia de 600$ reis ;
oque se entender tambem naquelles indivi-
duos que por ttulos diversos recobao duas
ou mais quantias que sommadas excedo a ci-
ma ixada.
Esta contribuico considerada extraordina-
ria para as despesas da guerra do Rio Grande do
Sul, e dever durar at o flm do anno de 1844,
se antes nao terminar aquella guerra
apoiado um roquerimento do Sr. Carneiro
de Campos para que se trate e discuta o artigo
5. da lei do orcamento.
Pronuncia-se contra este adiamento os Srs.
Venancio Jos Lisboa o Reboucas e a favor o
Sr. Henriques de Resende e ministro da fasen-
da mostrando a urgencia que ha do governo
ser habilitado com o crdito.
Julga-se discutido o adiamento, e posto a vo-
tos approvado.
Entra em discussao o seguinte :
Art. 6.AdditivoO governo mandar ven-
der os escravos vindos das fasendas nacionaes
do Piauhy ou em porces ou por cabecas, co-
mo mais conveniente julgar aos interesses do
thesouro.
Sao apoiadas as seguintes emendas :
A passar o artigo acrescente-soque o gover-
no passar carta de liberdade com o abatimento
de 10 poi cento sobre o preco da avaliacao a-
quelles escravos que o requereremS. a R.
J. M. Wanderley.
Se passar adisposicaodo artigo 6., propo-
nho que seja o governo autorisado a vender tam-
bem as escravas c crias do arsenal de mariuha
da corteRodrigues Torres.
Fallao sobre este artigo os Srs. Henriques de
Resende, Pereira da Silva, Sousa Martins, Car-
neiro da Cunha, Reboucas e Sousa Franco, que
prope o adiamento deste artigo pelas mesmas
rases porque foi adiado o artigo 5.
O adiamento apoiado e depois de discuti-
do approvado.
Segue-se a discussao do seguinte :
Art. 7.AdditivoO governo far vender
todos os predios urbanos que possuirem no im-
perio as corporaces religiosas as confrarias e
casas de caridade, sendooseu producto empre-
gado em apolices da divida publica, cujos ju-
ros pertencer s mesmas corporaces que os
nao poderao alienar. Esta venda ser feita em
porces em hasta publica com a p pro varan
do governo e as pocas que elle julgar mais
conveniente.
igualmente apoiado o requerimento de adia-
mento do Sr. Carneiro do Campos para que se
trate e discuta este artigo na lei do orcamento.
OSr. Ramiro faz um enrgico discurso decla-
rando-scontra o adiamento, porque desejava
que a cmara regeitasse com profundo silencio
semelhanle artigo contra o qualo illuslre ora-
dor altamente se pronuncia.
O Sr. D. Manoel de Assiz Mascarenhas vota
pelas rases allegadas a respeito dos outros ar-
ligos porem declara-s contra a doutrina do
artigo 7., laxando essa emendado revoluciona-
ria e protestando demonstra-la quando ella se
discutir.
Fallao mais sobre esta materia de adiamen-
to os Srs. Nunes Machado, Sousa Martins, Pau-
la Candido, Sousa Franco, Barreto Pedroso,
Henriques de Resende e Carneiro de Campos.
Julga-so discutido o adiamento, e posto a
votse approvado.
Entia em discussao o seguinte :
Art. 8. O governo dar couta da despesa
autorisada por esta lei conjunctamente com a
auiorisada pela respectiva lei do orcamento.
apoiada a seguinte emenda do Sr. Henriques
de Resende. O governo dar contas do presente
crdito na sessao de 1844.
Tomao parte na discussao deste artigo os se-
nhores Henriques de Resende ministro da fa-
senda, Sousa Martins e Paula Candido.
Julga-se discutido o artigoS. e posto a votos
approvado, Meando prejudicadaa emenda.
Sao apoiados outros artigos additivos.
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
EXPEDIENTE DO DIA 4 HAIO.
N. 49.
A assembla legislativa provincial resolveo ,
que se pedisse ao Exm. Sr. Presidente da pro-
vincia houvesse de informar se existem n'esta
cidade alguns predios ou casas legadas a benefi-
cio dos pobres o destino que tem tido essas
doaces e o estado em que se acho os ditos
predios: queira pois V. S. levar ao.conheci-
mento do mesmo Exm. Sr. a fim do se dig-
nar dar as suas ordens a respeito. Ao secreta-
rio da provincia.
Dia 5. N. 50.
lllm. Sr. Tendo a assembla legislativa
provincial sob proposta da cmara municipal
da vila de Garanbuns, decretado as postulas
inclusas; manda-as enviar a V. S. para as fa-
zer presente ao Exm. Sr. Presidente da pro-
vincia a fim de dar a conveniente ordem para
serem remettidas a referida cmara. Ao Secre-
tario da provincia.
N. 51.
lllm. Sr. A assembla legislativa provin-
cial ordena-me participe a V. S. que ella tem
nomeado a deputacao para apresentar as leis que
tem de serem sanecionadas pelo Exm. Sr Pre-
sidente da provincia: sirva-so portantoV. S.
levar ao conhecimento do mesmo Exm. Sr. ,
a fim de designar dia e lugar para a sua apre-
sentacao. Ao secretario da provincia.
Da 6. N. 52.
lllm. Sr. Envi a V. S. o incluso aut-
grafo da lei do orcamento municipal para o an-
no inancoiro de 1843 1844 que foi decreta-
da pela assembla legislativa provincial para
ser presente ao Exm. S. Presidente da provin-
cia a fim de dar as competentes ordens para
ser publicada e remettida a cada urna das cama-
ras municipaes da provincia, um ou maise-
xemplares da mencionada lei. Ao secretario da
provincia.
N. 53.
^ lllm. Sr. A assembla legislativa provin-
cial tendo resolvido enviar a inclusa representa-
c8o a assembla geral legislativa, pedindo a
incorporadlo da comarca do Rio de S. Francis-
co que outr'ora pertencia a esta provincia a
qual por motivos polticos foi interinamente in-
corporada a provincia da Babia ; assim como o
da povoacao de Pedras de Fogo e da Taquara,
actualmentedisputapa pela provincia da Para-
hiba do Norte : manda envial-a a V. S. paja
a fazer presente ao Exm. Sr. Presidente da pro-
vincia a fim de lhe dar ocompetente destino.
Aa secretario da provincia.
N. 54.
///. Sr. Remello a V. S. a relacao dos
Srs. deputados da assembla legislativa provin-
cial que assistiro a prorogaco da s esso or-
dinaria ; para V. S. fazel-a presente a S. Ex.
o Sr. Presidente da provincia fim de dar a com-
petente ordem para ser enviada a thesouraria
respectiva. Ao secretario da provincia.
Relapso dos Srs. deputados da assembla legis-
lativa provincial de Pernambuco que o;
sistirSo a prorogaco da sessao ordinaria do
1. a 6 de mato de 1843.
Commandante superior Francisco de Paula
Cavalcanti d'Albuquerque Lacerda Dr. Fran-
cisco Joao Carneiro da Cunha Major Antonio
Jos d'Oliveira Dr. Francisco Domingues da
Silva Procurador fiscal Antonio Joaquim de
Mello, Coronel Lourenco Bizerra Cavalcanti
d'Albuquerque, Dr. Manoel Francisco de Pau-
la Cavalcanti d'Albuquerque Tenente Coro-
nel Pedro Alexandrino de Barros Cavalcanti,
Coronel Tiburtino Pinto de Almeida Dr. Fe-
ippe Lopes Neto Jnior Major Izidro Fran-
cisco de Paula Mesquita o Silva, Dr. Francisco
Xavier Pereira de Brito Dr. Jos Felippe de
Souza Leao Tenente Jos Pedro da Silva ,
Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello Reve-
rendo Miguel do Sacramento Lopes Gama, Dr.
Custodio Manoel da Silva Guimaraes Dr. Jos
Bento da Cunha Figueredo o Exm. Barao de
Suassuna Inspector provincial Joao Baptista
Pereita Lobo Dr. Francisco Elias do Reg
Dantas Dr. Antonio Baptista' Gitirana Dr.
Joaquim Francisco de Faria Tenente coronel
Antonio Gomes Leal, Dr. Joao Mauricio Ca-
valcanti da Rocha Wanderley, Delegado Lou-
renco Antonio Pereira de Carvalho Dr. Joao
Antonio de Souza Beltrao Joaquim Jos da
Costa Dr. Bernardo Rebelo da Silva Pereira ,
Tenente coronel Antonio Carneiro Machado
Ros, Dr. Antonio Alfonso Ferreira.
Paco da assembla legislativa provincial de
Pernambuco em6 de mato de 1843.
F. J. C. da Cunha.
1. Secretario.
N. 55.
lllm. Sr. Tendo a assembla legislativa
provincial resolvido que losse ouvido o Reve-
rendo Bispo Diocesano a cerca do incluso pro-
jocto de estatutos para o seminario episcopal da
cidade de Ulinila ; manda a mesma assembla
communicar a V. S. esta resolucao fim de
leval-a ao conhecimento de S. Ex. o Sr. Pre-
sidente da provincia para oBciar respeito ao
mencionado prelado. Ao secretario da pro-
vincia.
N. 56.
lllm. Sr. A assembla legislativa provin-
cial para poder deferir a representaco da cama-
re municipal da cidade de Goianna pedindo a
creaco de urna segunda cadeira de primeiras
letras na mesma cidade pela grande afluencia de
meninos ; resolveo que se pedisse a S. Ex. o
Sr. Presidente da provincia informaces a res-
peito visto a mesma assembla nao poder ava-
har a necessidade que inculca a mencionada
cmara: sirva-se V. S. fazer presente ao mes-
mo Exm. Sr. para se dignar dar as informa-
ces que julgar conveniente. Ao secretario da
provincia.
N. 57.
///. Sr. A assembla legislativa provin-
cial a quem foi presente o orTicio da cmara
municipal desta cidade de 25 do moz lindo ,
no qual, participava haver o Exm. Sr. Pre-
sidente da provincia julgado municipal a estra-
da que passa no engenho Soccorro e deter-
minado que a dita cmara mandasse quanta
antes concertar a ponte que existe na mesmo
estrada sobre o rio Jaboatao ; e pedia autori-
zado para estabelecer ali urna barreira e cobrar
urna taxa igual a que se cobra as estradas pro-
vinciaes: resolveo, que a autorizacao pedida
he desnecessaria por quanto pelo artigo 25 da
lei provincial n. 9 de 10 de junho de 1835 e
pelo artigo 23 do cap. 3. da lei do orcamento
municipal 'vigente estilo as cmaras munici-
paes autorizadas a fazer pontes e estradas onde
convier, e a estabelecer barreiras para a recep-
co de impstos a medida que se completar al-
guma nova estrada ou que se tenha concluido
o melhoramento das existentes de modo que of-
ferecao transito livre e desembaracado em todas
as estaees ; resolucao esta que laco presente
V. S. para levar ao conhecimento de S. Ex. o
Sr. Presidente da provincia fim de dar assuasa
ordens para se fazer a necessaria participadlo
referida cmara. Ao secretario da provincia.
Publcalo a pedido.
Procurar um prazer do qual nunca tem a
consciencia de que nos increpar, um prazer ,
que nao he susceptivel de modilicaccs proveni-
entes de circunstancias de lempo de lugar, e
de calculo, he para o homem um procedimento
de que se pode licitamente jactar porque be
um recreio que a virtude abraca como pro-
prio de fazel-a infatigavel. Felizmente sempre
temos procurado este prazer na senda poltica ,
e podemos jactar-nos de tel-o at o presento
desfructado.
Desdo 1828 que somos propietario de urna
Typograia e nella temos sido Editor constan-
te de varias publicaces t o presente. Foi a
primeira a Gazeta da Bahia. Publicamos depois
a aurora da Bahia. Seguio-se o Vtrdadeiro
Constitucional. Damos a luz depois o D. PE-
DRO SEGUNDO peridico este, em que se
propagava a doutrina da Maioridade do Impe-
rador anteriormente ao lempo em que ella
foi proclamada. Forao tambem do nossa cdicSo
os peridicos mensaes em folheto o brazileiro,
e o Portuguez ; e um outro folheto intitulado
-D. PE URO SEGUNDO, do qual fizemos
imprimir 4,000 exemplares com a EITigie do Sr.
D. PEDR" II. distribuindo-os gratuitamen-
te pelo Povo no austissimo Anniversario que
ento se celebrou de Sua Magestade Imperial ,
quando era Presidente desta Provincia o res-
peitavel varao o Exm. Conselbeiro 'Mioma/ Xa-
vier. Finalmente he como se sabe, de nossa
actual edieao a Gazeta Commercial da Bahia ,
este mesmo peridico em que agora cscreve-
mos. que prazer pois nos propuzemos desde
1828 pelo vehculo da mprensa? o da firme-
za de sentimentos polticos a bem da Constitui-
cao, da ordem social, do Throno, da ReligiOo,
e das Authoridades legitimas, fossem quaes fos
sem as crises porque passasse esta Provincia*,
quaesquer que fossem os perigos que corresse-
mos, fossem estes ou aquel les os clculos ou dos
ambiciosos, ou dos Iludidos.
At hoje graca ao Dos da Paz nos nos po-
demos bem intencionadamente gloriar de ter-
mos conservado o uso fructo deste cordial pra-
zer. Por quanto sendo tantas o em tao varias
pocas as nossas edices corno cima temos
enumerado em nenhumas deltas se tem emit-
tido ideas perigosas ou subversivas doutri-
nas inconstitucionaes ou seductoras ou ac
adoras contra os dogmas de que fizemos profis-
so de f poltica ; pelo contrario nossa voz
sempre se tem aleado em defeza da ordem as

. -_...*,*! UL ll ICIO
""ini/iflc r l I. 1.11 mu'
por entre riscos fielmente desempenhado a
poltica, a que consagramos os nossos das




')

Kcmpre exhortando sustentaco do Governo
Constitucional obediencia ao Imperador,
s leis quo nos regem ora nos cncarregando
voluntariamente de encomios aos vares bene-
mritos, honrados, escientificos, ora receben-
do com generoso acolhimento todos aquellos
panegyricos feitos ao cidado conspicuo, ao pa-
triota que triunfa peladefeza da Inlegridadc.
Finalmente nenhuma Authoridade lem pelas
nossas edices solrido algum desgosto de cen-
suras amargas de incrcpates atrozes ; nun-
ca trabalhamos por tirar a nenhuma a devida
forca moral; antes Ih'a inculcamos em todos os
tempos. Os sacrificios, de que podemos fazer
menco termos commettido nao sao menos pos-
soaes, que pecuniarios.
Sendo potfm notoria esta especie de servi-
cos que prestamos tantos annos ainda n;io
tiremos a mais pequea recompensa da parte do
Governo. Varias Typografias tem havido e ha,
mas nao vimos nellas seno inconstancias as
opinies : de algumas Typografias consto as
mais virulentas opposices ; outras quando nao
sejo perseguidoras implacaveis das Aulhorida-
des nenhuma parto defensiva tem tomado em
6eo abono mesmo pelo lado de principios ge-
raes de obediencia ao poder legitimo : ( salvo
as devidas e honrosas excepces. )
Mas quahtos de seus propietarios ; quantos
dosses guerreadores contra o poder nao esto
hoje com emprcgos pblicos, com vistosas con-
docoracoes como se fossem remuneraces de-
vidas constancia e fidelidade da deleza que
tomarao denodadamente peito; entretanto
que muitas vezes, quando assim era, preciso nos
he que nos achamos s em campo resistindo a
terriveis assaltos de habis, mas de sediciosas
penas ? Sic vos non vobis mellificaes apes.
Nao se nos impute estas nossas allcgaces a jac-
tancias do um homem interesseiro porque
commumente oshomens allego por qualquer
forma os servicos que prestao com louvor mes-
mo de obrigaco quanto mais de generosida-
de : esta sortede interesso nao he deleito ; he
ilho do singelo amor proprio do coraco hu-
mano conservado ainda no seu mais sao esta-
do de produzir as virtudes.
vista por conseguinte de nossa habitual
constancia em pugnar pela forca moral das Au-
thoridades quaesquer que sejo e defender a
probidade, e honradez dos homens de rcpresen-
taco nos he consequente prcstarmos tambem
nosso raco apoio administradlo presidencial
do Exm. Conselheiro o Sr. Dez. Pinheiro nosso
actual Presidente que por vezes tendo gover-
nado esta Provincia sua Patria tem sabido afas-
tar della a discordia civil, e reprimir os impetos
da anarchia; tem.sabido ministrar a justiga dis-
tributiva e equitativa com a mais escrupulosa
attenco com a mais heroica firmeza. >>endo
hoje em dia como que una conscquencia segu-
ra em materia poltica oscrem os Presidentes
eleitos deputados e senadores como se ob-
serva por todas as Provincias inda mesmo a-
quelles de quem nessas proprias occasics se
roferem publicamente factos de -urna irregular
adrninistraco, o Sr. Pinheiro he talvez o uni-
i quem os votos nao sao sufiiciontos. Po-
quc honra para o Sr. Pinheiro Votos
que nao sao pedidos votos somonte arranca-
dos a imperioso mando da recta consciencia ,
votos qnc vencem as sollicitaces cabalinas se-
ro de immoral recordacao no coraco Jo jus-
to ; elles tcstemunho oque deve ser o homem
social e nao o que elle he ; nelles repousa a
sensibilidadc de urna alma conscia do seus do
veres. Por todas as partes o imperio da cabala
som sujeitado de tal forma os nimos at depes-
toas desinteressadas que estas se nao sollici-
to para si trabalhao arteiramento para os ou-
tros. Entre as honrosas excepces que somos
obrigado a admittir nao vemos ninguem que
na posicao vantajosa do Sr. Pinheiro se tenha
portado com urna independencia de carcter e
um desinteresse como o de quo S. Ex*, tem dado
testemunho irrefragavel. Entrando mesmo em
resumida observaco de suas qualidades mis ,
politicas, emoraes, onde tem ajusta critica
que fazer? Quem descobro no Sr. Pinheiro
ideas adversas ao systemaConstitucional? Quem
Ihe irrogar opinies anti-religiosas ? Onde e
quando algum acto seo de menoscabo das ga-
rantas dos seos concidadaos ? Quando e com
quem algum spero e arrogante tracto com pes-
soa qualquer a quem < audiencia ? Onde um
aparato seo de ostentaco orgulhosa e impo-
nente? A simplicidade de seu tractamento pu-
blico a nenhuma imposicao devaidade, o re-
cato de um varo modesto e circunspecto, pa-
rece-nos que ninguem ousar negar no Sr.
Pinheiro. Nao tem um circulo de amigos ,
que delle conten favores provindos daoppor-
t.miHade e da satureza do lugar que occupa ;
mas tambem nao se ve em roda delle algum con,
seibo de influentes e fautores do favor illicito ,
dainjustica ao pobre, da oppressao ao innoccnte-
do arbitrio do predominio o da transaco
dissoluta: a iminoradadc e a irreguluimaue
nao bafejo seu prestifero hlito na atmosfera
co,
rom
que respira o Sr. Pinheiro. Diga alguem o
que (r de sua spontaneidade contra o actual
Presidente da Bahia: nao o dir a reflexo tran-
quilla nem o senso commum. Nem quere-
mos passar por fantico pregando silencio s
paixes dos outros: he urna latalidade na socio-
dade de individuos de difieren tes pensares, e
rolaces um governante nao poder agradar a to-
dos : muitas vezes at mesmo conveniente a
apparico de urna censura porque pela des-
mascaraco de sua malicia ou sincero erro ,
sobresahe entao a rectido do censurado e
delle se faz ainda melhor conceito que dantes.
Os jornaes ahi esto ; seos Illustres Redac-
tores sao pessoas capazos e mui dignas de fazer
enrgica opposicao a m administraco de um
governo provincial, se com efTcito fr justo fa-
zl-o. Mas S. Ex. nao a sofre.
Temos por conseguinte julgado estar na ra-
zo de reconhecer no Sr. Pinheiro um Presi-
dente mui recto, mui constitucional, mui pr-
vido e tractavel; um bom exemplar de mui-
tas virtudes seno de todas qu deve ter um
Presidente de urna Provincia em urna forma de
governo qual a que prezamos ter.
Ainda pois mesmo nestc acto proseguimos
na vereda uniforme do prazer a que nos consa-
gramos ; e praza a Dos, que terminemos,
quando a Providencia o fr servido, com a mes-
ma plenitude nossa vida publica, amando a Re-
ligiao do Estado a Constituidlo do Imperio ,
o Governo Monarchrco, a prosperidade da Pa-
tria o bem individual de todos os nossos con-
cidadaos a forca moral das authoridades le-
gitimas e da defeza publica do homem be-
nemrito e virtuoso. Manoel Antonio da
Silva Serva.
[Gazet Commercial da Bahia.)
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 10.......... 1:7608905
De$carregSo hoje 12.
Barca Nightingale ferro.
Barca Camelia fazendas.
Brigue Sophia o resto.
Brigue Jozephina vinhos, vinagre, e a-
zeite.
Brigue Constante Amzade fazendas, figos,
rap, amendoas, alpista, erva doce ,
fumo charutos, e barricas abati-
das.
Movimento do Porto.
Navio entrado no dia 10.
Londres por Ramsgot; 52 dias barca sarda
Felici de 201 toneladas, capito Antonio
Risso equipagem 14, carga carvo de po-
dra : a Luiz Bruguiere.
Sahido no dia 10.
Bahia ; escuna sarda Esperanza capito Do-
mingos Pirodi, com a carga, que trouce de
Genova.
Navio sahido no dia 11.
Falmouth; paquete inglez Swift, comman-
dante Donglas.
Edital.
Pela administradlo da meza do consula-
do se faz saber, que no din 15 do corrente mez
se hao d arrematar porta da mesma adminis-
tracoseis caixas deassucar, cinco de bran-
co e urna de mascavado aprehendidas pe-
los respectivos empregados do trapiche Novo
por inexactido das taras; sendo a arrema-
taco livre de despezas ao arrematante. Meza
do consulado de Pernambuco 10 de maio de
1843. O administrador interino ,
Antonio de Souza Reis.
O inspector do arsenal de marinha desta
provincia faz constar a quem convier que ,
em cumprimento da ordem da presidencia de
22 de abril lindo expedida em observancia do
imperial aviso de 27 de marco ultimo ser pos-
ta em arremataco a alienaco da escuna Lebre.
cncalhada em frente do mesmo arsenal com a
sua mastriafo e veame avahado ludo em
824j000 rs. e bem assim o cabo do aparelho
da mesma escuna, avahado em 4:000 rs. o
quintal ; tendo lugar a arremataco em tres
pravas consecutivas logo que lindnrcm os no-
ve dias da lei, contados de hoje. Inspecco do
arsenal de marinha de Pernambuco 11 de maio
de 1843. Manoel de >iqueira Compeli.

acors.
-,- Para a banda de muzica do 2.batalhao
de artilharia a p desta provincia contrata-se o
Muzicos que toquem clarinetas e de boa
conducta.........'* J
Dito para corneta de chave 1
Gerante-se aos mosmos o ordenado do 40ji a
45* mil rs. por mez.
Nao sendo obrigados a servirom fora desta
provincia.
Fardamcnto fino c mais vencimontos da ba-
talho.
A quem convier dito engajament.o pode com-
parecer na socretaria do mesmo batalho das
10 horas ao meio dia.
AdministracHo do patrimonio dos orftios,
Peranto a administraao do patrimonio dos
orlaos so hao de arrematar a quem mais der ,
por tempo de 3 annos quo hao de ter princi-r
pi do 1. do judio do corrente anno ao fim de
junho'do 1846 as rondas das seguintes casas.
1 no largo docollegio o Io andar somonte.
2 na ra do collegio.
5 das Larangeiras.
6 do Rangel.
8 Yelha da Boa-vista.
9 ce da Gloria dita.
10 e 11 ra de S. Goncalodita.
12 ra do Cebo dita.
13 atrs do acouguc dita.
14 do Rozario dita.
16 da Cadeia do Recife.
17
18
20
21
22 da Madre de Dos.
23
26
27
28
N.








ot




As pessas, que propozerem arrematar di-
tas rendas podero comparecer na casa das ses-
ses dadita administraco nos dias 12, 15c
16 do corrente mez as 4 horas da tarde com
seus fiadores ; e adverte-se aosinquelinos que
se acharem devendo rendas atrasadas que se
nao acceitaoseus leos, e nem por isso se Ihes
dar preferencia ao lanco que for olerecido.
Salla das scsses d'administradlo do patrimonio
dos orlaos 11 de maio de 1843.J. M. da
Cruz escripturario.
Consulado fritannico.
As pessoas que tiverem pretences contra
o falecldo Inglez George Angelin devem ap-
prezenta-las no mesmo Consulado at o dia Se-
gunda-feira 15 do corrento.
FUNCO LRICA E MMICA.
Domingo 14 o corrente,
HAVER UM LINDO DIVERTIMIENTO
A casa da ^ociedad natalense de-
baixo da direceo de Rafael Lucci, cons-
corrente as 10 horas da manha no seu ar-
mazem da ra do Trapiche n. 19.
Avisos diversos.
\
tando em novos e diversos DUETOS,
e ARIAS, ainda nao npresentados; execu-
tadospelo mencionado Lucci, e Mlle. Carmel
la, quo de corto muito agradaro ao respeita-
vel auditorio. Para rnaior brilhantismo deste
espectculo, torio lugar tambem dois PANTO-
MIMOS JOCOSERIOS, nosquaesdistinguir-
se-haooSr.-Joo Wanimeil, e sua Sr.'com
dilerentesdancas compostas do lindos passos ,
e mui diliccis pulos.
O director Rafael Lucci, bem persuadido que
um espectculo inteiramente novo muito agra-
dar espera que os benvolos, e honrados ha-
bitantes de Pernambuco se dignar protegel-o.
Os bilhetes continuao a vender-se na loja da
ra do Crespn.0 8; na de louca da ruado
Queimado ; e no botequim junto a casa, pelos
precos do 18500 reis os de primeira gallera e
18000 reis o do segunda terceira e tambem
os de pintea
Os III.mos Srs., que se apresentarem com suas
familias tero ingresso as segundas, c terceras
galleras nao acontecendo o mesmo a qualquer
outro ou Sra. que se apresontar individual-
mente.
Se chover continuadamente das 6 horas em
vnte nao haver divertimento, transferindo-se
o dia annunciado, por outro annuncio.
Avisos martimos
= Para o Rio de Janeiro o brigue brazilei-
ro 5. Joo Baptista ; para passageiros, e es-
cravos trata-se na ra da Cadeia do Recife n.
40 ou com o capito Joo Goncalves Rocha.
= Para o Rio de Janeiro o patacho nacional
Constante Amizade deve seguir at o da 18
do corrente; quem do mesmo quizer ir de pas-
sagem ou embarcar escravos a frete dirja-
se a Gaudino Agostinho de Barros atraz doCor-
poanton. 16.
Leilo.
__j, O. Elster continuar seu leilo de mo-
il ia prata, e escravos, sexta leira 12 do
= O Sr. Jos Joaquim de S Pegado que fi-
cou de fiador da casa na ra da Concordia, en
que moroua Sr.1 Joan na Felicia do Nascimento,
antes de se retirar para o mato mande resga-
tar a carta de lianca o pagar 12*660, que a-
inda resta a carta existe na loja n. 10 de-
fronte do oitao do Livramento.
Jos Bernardino de Sena d lices de lin-
gua Nacional e de Grammutica Latina das
3 horas da tarde at 7 na casa em que mora
no aterro da Boa-vista n. 37 em frente a tra^
vessa do Martins.
ociedade Ph ilo- Thalta.
O.0 Secretario aviza a todos os Srs. So-*
cios, quo hoje 12 do corrente havorn sesso
extraordinaria da Sociedado as 6 */ noras d*
tarde na casa da mesma.
Lotera de N. S. do Livramento.
As rodas desta lotera ando infalivelmeu
te no dia 30 do corrente, e os bilhetes acho-se
a venda nos lugares j annunciados.
O Sr. Henrique Joze Braines de Souza
Rangel dirija-so a Camboa do Carmo n.
13 a negocio de seu nteresse.
= Um rapaz brazileiro, que sabe 1er escre-
ver, contar e muito abil, dezeja-se arranjar de
caixeiro em um engenho ou qualquer outro
arranjo excepto balco, pois d fiador sua con-
ducta ; a pessoa que o pretender annuncie.
Desapareccu no dia 8 do corrente urna
cabra(bi*o)preta com bastantes malhasbrancas,
he moxa ; a pessoa que a tiver em seu poder
queira manda-la levar ao atierro da Boa-vista
loja do Salles A Chaves.
Precisa-so de duzentos mil rs. a juros e
da-se por fiador urna morada de casa na povoa-
ro da Casa Forte com as frentes do ti jlos ,
vinte cinco palmos de largo, e grande quintal;
a pessoa que Ihe convier um tal negocio annun-
cio para ser procurado.
Qualquer pessoa que quizer morar com ou-
tra em urna boa sal a na ra do Rozario diri-
ja-se a travessa do mesmo na padaria de bula-
eha n. 2 que achara com quem tratar.
OSr. HenriquesJosBrainer deSouzaBan-
gel.quciradirigir-sea ra Bella n.37 noprazode
tres dias tratar d eremir os >cus pinhores visto ja
estarem vencidos quando nao serao vendidos
para pagamento logo que se findem os ditos tres
dias, epara nao baver ignorancia facoo pre-
sente annuncio.
Cazabau & C. avizo ao respeitavel publi-
co que compraro e seacho de posse da loja de
fazendas farncezas sita na ra Nova n. 12 que
pertencia ao Sr. Joo Carlos "enior; assim
como que a dita lojn se acha surtida de gran-
de porco de fazendas do melhor gosto e ulti-
ma moda as quaes se vendero por preto mui-
to commodo.
= F. Coulon subdito francez, retira-se
para Fra da Provincia
No dia 11 do corrente o baixo assignado
perdeo urna carteira encarnada desde a ra do
Hortas at o patio do Carmo com 30:000 reis
dentro sendo urna encarnada de 10g rs., duas
verdes de 58 rs. e as outras de lg rs. e urnas
letras, e um meio bilhete da lotera de S. Pe-
dro n. 606 querendo entregar leve-a na ra
do Fogo beco da Bomba n. 32 que ser re-
compensado Joo Muniz de Souza.
O abaxo assignado fazscienteao respeita-,
vcl publico que Josj Francisco da Costa deixou
de serseu socio na venda nova n. 20 na Solidado
desde o dia 6 do corrente e nao tem mais in-
gerencia alguma com a dita venda.
Francisco Simes da Silva.
A pessoa que annunciou no Diario de 11
do corrente querer vender urna escrava com duas
crias, dirija-se atraz da matriz da Boa-vista
n. 22.
Aluga-se urna meia agoa na ra da Alegra
do bairro da Boa-vitia propria paracoxia;
quema pretender dirija-se a ruada Cadeia do
Recife n. 37.
= Precisa-se alugar urna preta para vender
fato e que disto tenha pratica : na ra Ve-
Iha n. 111.
Aluga-se o sitio da cascata aonde morou
o Exm. Sr. Bispu D. Thomaz de Noronha ,
com bom sobrado coxeira estribara jnrdim,
pumal de larangeiras, o outras diversas fru-
teiras : na ra do Hospicio n. 21.
Precisa-se al lugar urna casa terrea, ou
sobradinho de um andar com commodos para
urna pequea familia e que seja as ras se-
guintes : do Rosario larga ou estrella do Ca-
bug das Cruzes, e que seu alluguel nao ex-
ceda de 128 r-'? qn?m lvftr; annunr.fe.
Tira-se folbas corridas, e passaportes pa-
ra dentro e fra do Imperio; por preco muito
commodo na ra do Rangel n. 34.
= Paulo Poiqdenot, retira-se para fom
do Imperio,
.*-



- Quem annunciou querer comprar um
sitio err Apipucos, dirija-se a ra da Cruz,
n. 52.
= J. O. Elster avisa ao respeitavcl publi-
co que temi de se retirar para Hamburgo ,
deixa a sua casa no mesmo girocornmercial co-
mo dantes dehaixo da direcodo Sr. George
Henriquo Pasche que lica encarregado de to-
dos seus negocios como seu procurador bastante
para em tudo fazer suas vezes.
- Roga-se ao Sr. Delegado da comarca do
Cabo que tenha a bondade de examinar se
entre os escravos, que a sua disposicao se
achilo presos na cadeia dessa comarca se tem
algum de nome Jos que talvcz tenba muda-
do o nome para Joaquim de nagao Ginge ,
estatura ordinaria secco do corpo, de 35 a
40 annos com alguns cabellos brancos e al -
guma cousa calvo, falla muito depressa e atra-
palhado tem marcas de chicote fugio a 8
pya 9 de Marco deste anno ; sendo este algum
dos 3 pode por obsequio remette-lo a esta
praca para a ra da Cruz do Recifo n 26 ,
deposito de areia preta de Meuron & Compa-
nhia ou avisando que se pagar toda a des-
peza e se gratificar;'!.
Quem precisar de um menino para cai-
xejiro ; annuncie.
Precisa-se de 200,000 rs. a juros, dan-
do-se para seguranca penhores de prata, sen-
do facas garfos, colheres, salvas e mais dif-
ieren tes pegas: em Fora de Portas' venda n.
137 se dir quem precisa.
- Quem precisar de um menino de 14 an-
nos para qualquor arrumacao annuncie.
Esi para se alugar o armazem da ra do
Amorim junto ao ferreiro Caetano ; quera
o pretender dirija-se ao largo da Ribeira ,
n. 19.
Hoje 12 do corrente pelas 4 horas da
tarde porta do Dr. Juiz dos Feitos da Fa-
zenda interino no patio do Hospital, se ha
de arrematara quem mais deros hens seguin-
tes : um sitio de trras, com casa de vivenda
de taipa e arvores de fruto, em chaos foreiros
ao Eiras, o qual he situado no lugar da pas-
sagem da Magdalena e fra penborado por
execueao da Fazenda Nacional contra Anto-
nio de Souza Rangel, avahado em 2400,000
rs. ; um sobrado de um andar no atterro dos
Aflbgados, ra Imperial, penhorado porexe-
ciico da dita contra Antonio Luiz Ribeiro de
Brito avahado de renda annual em 800,000
rs. ; urna casa terrea na ra de S. Francisco,
n. 7, penhorada por execugo da dita contra
Manoel do Livramento Silva e Melfo avalia-
da de renda annual em 48,000 rs. ; urna ar-
maco de loja de sapateiro com balcoe gaveta,
pintada,, e envidracada penhorada por exe-
cugo da dita contra Elias Elseo avallada era
400,000 reis.
= Os Srs. M. J. C. e S. J. G. hajao de
dirigir-so ra Nova n. 9 remir os seus pi-
i]Lores da data deste a 8 dias, quando nao sero
vendidos e para nao haver ignorancia, faz-se
o presente annuncio.
Urna pessoa. que he bastante abil, e que
tem muito uzo de ensinar primeiras letras, oTe-
rece-se a dar.lices era casas particulares de
' roanba, e de Urde cuja capacidade deixa-se
experimentar, ese dentro de um mez nao agra-
dar o seu metbodo de ensinar, nao receber nc-
jihuma paga ; quem o quizer annuncie
Permutao-se por predios nesta praca dous
engenhos, moentes c corrente"?, com casas de
vivenda situadas na freguezia da Escada, Aripi-
bu e Rellomonte, os quaes moem com animaes,
porem o Aripib tem excellentes proporcoes
para agua os quaes tem famozas mattas e boas
vargens, e o terreno bastante productivo e bons
cercados possuindo cada um mais de meia le-
gua de trra em quadro, e distode um a outro
tres quartos de legua pouco mais ou menos e
arabos devidem um com outro, os quaes sem-
pre estiverao livres c desembargados dequal-
quer onus e tambera se vendem a moeda, era
razao de seu proprietario querer fixar sua resi-
dencia nesta praca ; quem pretender dirija-se a
esta iraca s casas, n. 50 na ra da Cadeia do
Recife, rua de Hortas n. 9, 1."andar, podem-
se dirigir aos mesmos engenhos, aos lugares
cima onde, se solicita a venda ou permuta.
== Dezcja-se fallar com a Sr." D. Anna Ma-
ra da Conceicao, fi I lia de Mara da Conceicao,
e de Sebastio Correia cazada com Francisco
ATvesFeitoza este residente no lugar de S.
Rita Provincia de Macei ou pessoa que suas
vezes faga para tratar-se de negocio de gran-
de nteresse ; dirija-se a Ra da Conceicao da
Boa-vistan- 43.
Preciza-se de um aprendiz de charuteiro;
quem se quiser sujeitardando o tempo que 6 de
costume, dirija-se a ra das 5 Pontas n. 23.
* Furtarao, ou estraviou-se da porta de u-
ma casa nos 4 cantos de Olinda onde estava
comendo roilho um cavallo russo, com algumas
pintas de pedrez capado e carnudo com 2
pequeas feridas no espinhago nafico e com o
iSSmi da iiiu ruchado ijucm o achar Jeve-o a
ra cima a Homembom de Fois Poreira Cezar,
que ser recompencado do seo. trabalho,
Compras.
= Comprao-so toda e qualquer porcao de
tartaruga, pentosvelhos, quebrados e intei-
co ; assim como conserta-se toda obra de tar-
taruga : na ra do Hortas casa de tartaruguei-
ro n. 36, deronte da torre de S. Pedro.
= Comprao-se para fora da provincia, mu-
latas negras e moleques de 12 a 20 annos :
na ra Nova loja de ferragens n. 16.
^ Cmpra-se geometra de Euclides: an-
nuncie
Compra-se urna cupa e pao para tipoia ,
em meio uso : na ra Nova n. 67.
Compra-so um mulatinho de 16 a 18
annos que sirva para pagem preferindo-se
ao que tenha officio de sapateiro : na ra das
Cruzes, n. 30.
Compra5-se effectivamente para fora da
provincia mulatinhas crioulas e mais escra-
vos de 13 a 20 annos, pago-$e bem sondo
bonitos; na ra larga do Rozario n. 3,0, pri-
meiro andar.
Vendas
Vende-su chocolate de superior qualidade
a 320 a Ib. ; na praca da Boa-vista venda
n. 18.
\ ende-se urna negra do gentio de An-
gola de 25 annos com urna cria de 10 me-
zes : na ra larga do Rozario n. 48
== Vendem-se duas canoas de amarello em
meio uso que carregao 500 tijolos de alvena-
ria ; urna dita nova que est no estalero ,
mui bem construida que serve paca carregar
para bordo dos navios a qual pega em 3000
tijolos de alvenaria : na praca da Independen-
cia n. 39.
Vende-se um hora terreno de plantaca ,
e cora excellente agoa de beber, muito perto
desta cidade ( pois he no corredor do Bispo ) ,
murado e com bastantes arvoredos de fruto ,
muito proprio para padaria forrara, ou qual-
quer outra oflicina ou simplesmente para se
edificar casas, pois tem commodidades para tu-
do contendo 2000 palmos de frente e 680de
undo tambera se divide e da-se ao compra-
dor o numero de palmos de frente que quizer,
e por preco commodo : a fallar com o Major
Mayer.
Vende-se urna meza redonda com ga-
vetas, para meio do sala, e be de Jacaranda: na
ra estreita do Rozario, loja de trastes n. 22.
= Vende-se urna boa casa terrea nos Affo-
os na ra de N. S. da Paz : n. 15 com
bons commodos : na ra da Gloria n. 24
Vendem-se talheres de cabo branco e
preto, muito finos a 3600 a duzia linba de
carretel a 360 a duzia cordao para vestido a
20 rs. a peca pomada franceza muito fina a
180 agoa de colonia a 1800 a duzia estojos
de navalhas, escovas para cabello ditas de
denles a 100 rs. thesouras finas a 180 e a
duzia a 1900, colxetes a 800 rs. a-duzia e a
80 rs. a caixa suspensorios a 320 fsforos
de pentes e de caixnha a 40 rs. inhas de
miada agulhas francozas em caixinhas a 320,
bicos largos de 4 dedos a 300 rs. a vara e
estreito a 200 rs. cartas francezas a 2400 o
masso fitas de eos a 280 a pega sabonetes
redondos a 200 rs. ditos de porcelana a 500
rs. meias muito finas para homem a 280 e
para senhora a 400 rs. papel de peso a 2600
a resma dito muito bom a 3200 luvas de
camurga a 320 o par e mais um completo
sortimento de miudezas : na pracinha do Li-
vramento loja amarella n. 53.
Vendem-se urna escrava de nagao de
25 annos, bonita figura, perita cozinbeira ,
edoceira, lava bera de varadla ; um dita de
16 annos, cozinha, e cose e ptima para
mucamba ; urna dita de meia idade lavadei-
ra com boa conducta e da-se a contento :
na ra de S. Rita n. 27.
= Vende-se para fora da provincia ou para
o matto um escravo de nagao bom trabalha-
dor e robusto : na ra do Nogueira sobra-
do de um andar n. 39.
= Vende-se vinho de madera legitimo de
superior qualidade ; as amostras achao-se em
casa de L. G. Ferreira & C.
= Antonio de Souza Rangel, vende o seu
sitio da Magdalena; quemo pretender dirja-
se ao mesmo sitio ou entenda-se com o escri-
vao Bandeira na ra estreita do Rozario.
Vende-se urna negra de 30 annos de idade,
propria para vender com taboleiro na ra, pos-
sante para servico de casa ; u troca-se por ou-
tra que saiba cosinhar bem ; a quero Ihe convi-
er dirija-se a ra Nova n. 5.
Vende-se 80 ps de coqueirospara plantar,
de muito boa qualidade por terem sido escolhi-1 cont de reis ; 3 portas e 6 janellas com fecha-
dos em tamanhos : na ra larga do Rozario j duras ja usadas por 30,000 rs. ; quem pre-
botica de B. Hamos. tender annuncie.
Vendem-se duas esemas de bonitas fi-
guras para Cora da provincia : na ra larga
do Rozario n, 33 segundo andar.
Vende-se no armazem de Fernando Jo-
s Braguez, ao p do arco da Conceicao do
Recifo, saccas com feijo, muito barato pa-
ra sevados; farinha de mandioca, e farellos ,
Vende-se um terreno atraz do Carmo ,
ra da Palma, com 102 palmos de frente para
duas ras e 120 de fundo ja attorrado, cora
o seu competente telheiro : a tratar na mesma
ra com Jos Antonio de Moraes; assim como
urna canoa aberta que carrega ral tijolos de
alvenaria.
Vendem-se duas osera vas crioulas, mo-
gas e de bonitas figuras, cozinbo, e engom-
mao : na ra JJireiti de Fora de Portas n.
127 sobrado de uro andar.
Vende-se urna rede toda de linbo, obra
mui superior bordada de cores, propria pa-
ra tipoia : no atterro da Boa-vista n. 48.
~ Vende-se ura terreno na ra Imperial no
atterro dos Affogados, com 34 palmos de fren-
te e fundo ato abaixa mar do rio Capibaribe,
cu jo terreno extrema com a casa principiada
por Simiao Correia Cavalcanti Macambira,: a
tractar no segundo andar da casa da ra Dirci-
ta, n. 40.
\ Vendem-se brim trangado escuro muito
encorpado de linbo a 800 a vara dito de
listras a 680 dito de algodo a 400 rs. pe-
gas de hretanha do 10 varas a 2000 bom pan-
no adamascado para toalba a 560, chitas de
cores a 5600 a pega e 160 o covado ditas
de raraagens para coberta a 240 o covado, cor-
tes de cambraia pintada de cores, com lindos
padres e roxa para luto a 4000, e outras
muitas fazendas por preco commodo ; na loja
da esquina do beco dopeixe frito n. 1 ou 2.
^ Vendem-se ricos chales de seda achama-
lotada, e de seda e l mantas o lencos de
seda lindas casemiras elsticas, cortes de
cambraias adamascadas, e pintadas, lindos ris-
cadinhos francezes, flores, grinaldas muito
finas para enfeite de cabeca lengos de cam-
braia muito fina para mao panno de 13 al-
godo, e casemira para cobertas de meza e pian-
nos, ricos suspensorios de seda ricas sedas e
setins lavrados para vestidos luvas de pellica
eufeitadas, ditas de seda brancas e p re tas, e
outros muitos objectos por muito commodo
preco : na ra Nova n. 35.
Vende-se urna moleca de 14 annos ; no
patio de S. Pedro loja do sobrado n. 3.
= Vende-se um mulato moco de bonita fi-
gura bom sapateiro ; entende de pedreiro e
ptimo para pagem : na ra do Crespo n. 4.
Vende-se urna porco de lenha do boa
qualidade propria para lomos de olara e
tambem se troca por tijolos de alvenaria : a
tractar com Marcelino Jos Lopes.
Vende-se urna venda com os fundos de
400,000 rs. bem afreguezada para a trra ,
livre de alcaides, e coro commodos para urna
pequea familia a dinhero, ou com deso-
brga praca : na ra das Cruzes, defronte
da Typografia.
Vcnde-se por precisSo o preco commo-
de urna escrava de naca o engommadeira e
cozinheira na ra velha n. 92.
Vende-se um terreno com 67 palmos do
frente e mais de 200 de fundo todo attor-
rado o ja prompto para edificar, atraz do
Carmo, enfrente a ra da Palma, e outro com
32 palmos de frente e fundo at abaixa mar e
(rente para a ra da Concordia, por prego com-
modo : na ra Nova, armazem n. 67.
Vendem-se caixas com charutos fabrica-
dos na trra da melhor qualidade possivel, e
aos centos a 720 as caixas sao mui bem acon-
dicionadas e contem 200 charutos cada urna ,
adverte-se aos reguezes aqu da praga, que se
torna a receber aquelles que Ihe forera regeita-
dos pelos consumidores e trocados por outros:
na i ua da Calgada de Manoel Coco n. 12.
Vende-se a venda da ra do Fogo, mui-
to boa para trra e nao tem outra naquella
ra que Ibe faca frente e pode andar bem
sortida com poucos fundos por ser pequea e
se aluga por 7000 e a armacao he muito em
conta; vende-se porque a pessoa que esta den-
tro se retira para o serto, e por isso tem-se dei-
xado de sortir, para cora mais facilidade se ven-
der: na ra da Calgada de Manoel Coco, n. 12.
Vendem-se abotuaduras de retroz para
casacas a 600 rs. papel de peso a 2800 e al-
mago a 2700 fitas de garca a 240 e 320 a va-
ra thesourinhas douradas a 480, e outras
muitas miudezas baratas, e um relogio para
cima de meza : na rua do Livramento. n. 10.
Vende-se urna canoa que pega 7 cai-
xas de assucar e em bom estado : na rua da
Cruz n. 52.
Vende-se para pagamento urna escrava
boa engommadeira costureira e criadeira ,
com duas crias filhas da mesma ; tudo por um
I
^ = Vendem-se cha isson de primeira sorte a
2560 a libra rap areia preta dito rolo
Hamburguez a 1920 a garrafa ricos botoes
dourados tanto para casacas como para Golle-
tes ditos com o letreiro de Pedro segundo ,
ditos de massa de differentes qualidades, ditos
de oco, grandes para sobrecasacas de campo ,
pretos e brancos superiores pilulas da fami-
lia em Irascos de 50 cora o competente fo-
Iheto, e bichas ltimamente ebegadas por
preco commodo : na praca da Independencia ,
iv39.
== Vendem-se agoa de colonia do superior
qualidade em garrafas grandes a 1920, e em
frascos pequeos a 480 superiores pentes de
tartaruga para marrafas a 1200 rs. o par, sa-
bonetes finos e ordinarios retroz de todas as
cores, excel Ion tes facas e garfos para meza ,
thesouras douradas para costura, pennas para
secretaria canutilbo branco galao amarello,
ilhozes para alfaiates e outros muitos objec-
tos por preco commodo : na rua do Queimado,
loja n. 3 confronte ao beco do Poixe frito.
= No deposito de assucar refinado, esta-
belecido junto ao arco de S. Antonio, em fren-
te do caes do Collegio ha para vender assucar
refinado segundo o novo systema de fabrica-
go pelo qual se extrae a potassa o cal, dei-
xando-se-o no seu estado do pureza ; sendo o
prego da libra do de primeira sorte e em pes
160 rs. e o de segunda e tercoira em p ,
a 120, e 80 rs.
Vende-se urna mulata de boa figura, co-
zinha lava, engomma, faz renda e pao do
l; na rua Direita padaria n. 22.
Escravos fgidos.
.No dia 8 do corente desappareceo o ne-
gro Francisco Angola de 50 annos ; pouca
barba altura regular em um dos ps nao
tem dedos, diz elle ser de urna caixa de assu-
car que Ihe cabio em cima levou camisa de
riscado de linbo grosso calcas pardas e ja-
queta de chita encarnada ja velha ; quem o
pegar leve a rua da Cadeia do Recife n. 13.
No dia 2 do mez passado fugio a preta
Mara Congo, alta, magra com o cabello
bastante grande e torcido, tem alguns dos
dedos das raaos tortos e as juntas do mesmos
enchadas, levou vestido de chita cor de ganga,
amarella com flores grandqs e encarnadas, ven-
da banha de manha em um caixo pintado de
verde em cuja tampa levava langoicas e do
tarde azeite de carrapato levando quando fu-
gio um /landres com urna caada de dito fu-
nil o as medidas adverte-se que podo ter cor-
tado o cabello e mudado de vestido para melhor
disla rear; quem a pegar leve a travessa de S.
Pedro casa terrea n 8, junto ao sobrado em
que mora o Padre Thom da Silva Guima-
raes que ser recompensado.
No dia 18 de Fevereiro deste anno, fu-
iodo engenho Boa-vista termo da Villa do
'illar da Parahiba o escravo Manoel de 23
annos, quasi cabra, mui ladino, de mediana
estatura grossura proporcional, sobranselhas
um tanto serradas nariz afilado, beicudo,
falla alguma cousa fanboza e tem principios
de carpina ; quem o pegar leve ao referido en-
genho que ser recompensado.
= Fugio a escrava Luzia de nacao Ango-
la baixa grossa den tes podrei na fente ,
mais pequeos ps proporcionados, e os
dedos volteados para" dentro ; quem a pegar
leva a rua da Cadeia do Recife escriptorio de
Manoel Gongalves da Silva ou a seu snr. em
Rio Formozo Francisco Rodrigues Villela.
= Fugio do engenho Conceicao freguesa
deSerinhaera o preto Venceslao alto, gros-
so pouca barba um olho mais fechado do
quo outro, denles alvos e abertos, cabeca gran-
de maos e ps grandes, dedos grossos urna
pequea marca de ferida era urna das per-
nas; quem'o pegar leve ao mesmo engenho a
sua proprietaria D. Anna Joaquina de Goveia ,
ou a Manoel Goncalves da Silva no seu escrip-
torio na rua da Cadeia do Recife que ser
recompensado.
No dia 23 de abril fusio de casa de Jos
Lucas Seuza Rangel na cidade da Parahiba um
seu escravo de nome Pedro com 25 annos de
idade pouco mais ou menos estatura mais que
ordinaria semblantes carregados com mar-
cas de bexigas na cara tem um signal no bra-
co esquerdo pouco abaixo do hombro, a testa he
estreita e cabellos bem negros ; quem o a-
prender poder entregal-o nesta cidade a Fran-
cisco Lucas Ferreira, que ser bem recompen-
sado.
= No dia 6 do corrente desappareceo da ca-
sa do abaixo assignado o moleque Agricio ,
de 18 annos alto, secco, fcicoes miudas le-
vou vestido camisa de algodao e calcas azues;
quem o pegar leve a rua Direita no beco do
Serig/ido a Francisco Xavier Cavalcanti.
Recife: naTyp. deM. F. dbFaria.=:1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EKU3HC7R4_OQOYAB INGEST_TIME 2013-04-13T03:12:59Z PACKAGE AA00011611_04957
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES