Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04951


This item is only available as the following downloads:


Full Text
- ...*- 1
Armo de 1843.
Sexta Feira 5
Cutio JRor d.pcnikdt nai moa da noaaa prudencia auxl.rarao, nargia : Cun-
i.nuomus cobo principamela .eremos apontailoa cum admirarao enlre a NacS.a maia
cuitar. ( Proclamafao da Aaaembla Geral do BkAUL.)
PARTIDAS DOS CORHE1US TERRESTRES.
Gaiann*. Parahiba Bio grande doNorle aegunda aeiia Caira*.
Bonito o Garanhooa a 1U e 24
Cabe Jmnbi.m, Rio Forajoao Porto CaWo Maceifl e AlaRoai ol.,,
Ba ia:i Florea a 3 e 28 Sania Anta, qnialai Cira*. Olinda todo* o* dia*.
DlASDAAEUAMA.
* i Felippa Hag-App.
a Malfada V. Bel. Au.l do J de D da 3. T.
i i Inven :o de t C"ii.
M-nica. Aad do J de D da 3 .
Con ers.i. dea Agoalinho Aud doJ. de D. da 2. t.
a J.iuo Kel. Aad .iu J de da i T.
A Maternidad de N. >.
* eg
J i ere
3 ;i.>
4
5 $M
0 3li.
7 iteu
de Maio
Anno XIX. W. 9.
<->
O Ulano publica-* todo, oa da. qu. nao for.m Santificado. ; o pr.00 d. ""*"' *
de.r...lr.,.porqu.rlelp.o. .di.n.ado.. O, .nuncio.,loa ,^'".'* '^"Jrl.
rr.ua,. oad... que o nofor. 6 runo de SO re., por liaba. A. reclamace. derem ae. a^r
f\iu a.t. l>p., ra. aaCmt W U.oo P>" venda.
Cambiosto da 4 de M.io.
f Cambio *obr*Londr.a 2C d. por 1U
,, Pana .tbO re pur tranco.
Liaba 1UU por lOU de praamio
Ooao-Moda d* 0,400 V.
a N.
d. 4,000
Pa*\T*-Pataca
a Pero. Columnara*
diana M.iieaoo*
compra
.JIM
10 '%)
8,900
l,h8J
t,HW
l,c.8J
16.6OO
16.300
y -.O
i 900
l.'.oo
1,000
Moada da cobr* 2 por cenlo
dem de Ltrai da boa. araos 1 J a } .
PHA&K& UA LDA NO MF.Z DE M vIO
Lna Cbeia i 1?, a, S horas* 15 m. da lard I La or. > 9, <" Sm^amanb.
Qdart.auag. i 21, 1 Boia a 5 m. d. m | Juart oraac. a 7, 6 uora t>
Preamar de hofe
i. a 6 hora* Ia a. da manh la. | t. a Hora 4?
da manh.
' m da tarda.
PAUTE QFrieifrl.
Ciovnrno da Provincia.
CONTINUABAS DO EXPED NTE DO DA 26 DO
PASSADO.
Porto ra Declarando de ncnhum affitp as
demissoes, dadas no primeiro de Janeiro deste
anno aos cidadaos Jos Joaquim Biserra de M. I-
|o, e Jos Vloreira Alves da Silva o primeiro
o 1. supplonte do del -jado e o secundo de
2. supplentc do delega lo', e do juiz moni pal
do Bonito; por se fun lar 'tn ditas demicos na
iiicorap.'itinili'lade destes lugares com o om.ire-
go de sub-del ?gado declarada por avis de 8
dejulh < do anno passado e achar-se osle revo-
' gado pelo do primeiro de five.eiro do prsenle
anno.Pela misma rasao Torio declaradas sem
cffeitoas demissoes dudas, no b chaiei Antonio
Jos de Sonsa lio.nes do tugar de 3. suptenle
do uiz municipal o., do delagalo do termo
de Olinda ; aos cidadaos Joaquim da Garita Ro-
go Barros, e Francisco de Albuquerqiio Mara-
nha Cavalcanti dos de primeiro o secundo sup-
plentes do delegado do Goiaona ; Agostinlio
Nogueira de Carvalhodo de supplentc d dele-
gado, edojiii- municipal de Flores; Leonar-
do Bizerra de Siqueira Cavalcanti, Francisco
Alvos Cavalcanti Camboini Francisco Xavier
de Lima Francisco do Rejo o Albuquorque e
Jos de Albuipierque Cavalcanti de supplentes
do juiz municipal e do delegado os dous pri-
meiros do Brejo, o segundo do Bonito, oter.ei-
rodo Pito do Alno e i quarto do Caranhiins ;
Commando das trnias.
EXPEDIENTE DE 19 DO PASSADO.
OOIcio Ao E\m Presidente, communi<-an-
do-lhoauedo sna ordem Tra mandado om I!)
r|n ianelrode I8il oara oordoda i scuna do auor-
ra Nlcthrroy, com o lm de encarrear-so do
ftpm d'artilneria o seteundo sargento Manoel
Noberto do Moura do ba'alhao teiceiro de ar-
tilheria a pe hoj segundo )., e constando que
dito sargento j nao so acha a bordo do tal es-
cuna sem s saber ao certo d seu dosMno ;
rogava a S. Exc. de pedir a respei'.o os necesa-
rios eselarecimentos ao Fxm. Sr. ministro da
marinha. para ser recolhido ao batalhao ou
dello excluido.
Dito A mesmo Exm. Sr., pnpondo para
reforma o cabo de esquadra de cacadoros Ju-
venaMinalnerto e sold dos de artillieria Bu-
zebio Joaquim de Santa-Anna o Antonio da
Cruz este valetudinario o aquellos inulilisa-
dospor feri.iientos recebi los na campjnlia do
Maranhao.
Hito Ao inspector da (besoiiraria, enyian-
do-lhe a guia que pelo batalhao de artillieria fu-
ra passada ao soldado reformado J s do Car-
ro > de Olivt ira a visla da qual poda mandar
proceder o disconto dos vencimentos que domis
receben por nao ter-se em tempo publicado a
sua reforma. Finalisava Iractandode outros re-
formados cujas guias Ibe seriao apresentadas.
|))o Ao desembargado!-ebefe de polica,
participando-lhe em solucao ao seu olno des-
ta dala que o reeruta Francisco de Macedo Pi-
menlel. assentara pra?a.
Hito Ao delegado do termo de Nasareth ,
disendo-lhfl que a conta da despesa loita com
uuu a no raaaa >- -^,...,.., ..- -.-------.......... (| l>l'llllll-l ll<: >|uu
a Agoslinbo Bizorra da Silva Cavalcanti do sup- 0 de-lacamenlo aceica d'agua, luz. c quailel.
pente do juiz municipal do Cabo; 6 Jos Frau- jf|(.va sor por elle directamente encaminliada oo
cisco do Novae- do supplenUf do delegado de No-1 pxm_ Sr. Presidenle afim fle sei paga, oque
res; e a Jos Caetano Poreira doOueirozd.sup- I a respeho da gratillcaco que solicitava para o
pente do delegado di Limojiro : participando- commandanto do mesmo destacamento estava
se esta rcsoluciio aos reintegrados eas cama-. revolvida no decreto o instruccoes de 10 de ja-
las municipao respectivas; o rcmeltendo-se ao n,,,ro ,i,,sto anno oquodella seria pago polo
chefe de polica interino a relafjo dos (|ue em j babilhao a que partencia.
consequencia dola reassumirao as funeyos de
supplentes do delegados.
DEM do da '27.
OfficioAo chele da primeira legioda guar-
da nacional deste municipio inlelligenciando-
o de IVr dispensado a mesma guarda nacional do
dar por 3 dias na semana a guarnicao da prava,
que lai simiente nos dominaos.Ofliciou-so i
respei'o aocoiiimandanlo dasarmas, o ao com- j !"0'^a7ado janero o fevereiro docrrente. na
mandante superior da telenda guarda naci- ,' '-tancia 'dc 2:6748 W0 >,,'is R m;,is os )a-
nal. ___. .1_____. ata.m.r..,> ni rio OQn^d uuo de-
Dito Ao commandantedo batalh.lo de ar-
tillieria remet'ondo-lbo a guia do soldado Jos
Francisco, que 11.6 fra apresentada com oITlcio
doajndantcdeordeasde semana no dia 15 do
crrante.
Dito Ao mesmo, enviando-lhe os papis de
contabilidado lelativos as pracasdn batalhao do
seu commando destacadas em Tamandar nos
meses de novernbro e desembro do anno proxi-
Dito Ao mesmo remoliendo approvadas
Portarla Ao commandantc do deposito ,
d approvadas man(|inf|opass;ir com RUia para o segnd ba-
as novas condi<\oes que para as obras da ts- (1,nri0(ie arlilhcrin, os sol ad -s Fileno de S ni-
trada que segu dista-oda lo de Olinda pelo Antnnes Antmio Js do Atahidc, e Anto-
valdaTacaruna, forao oiganisadas pelo cnge-i' Jn^ Q' Amaranli.
nheiro em clii fe, para que torno a (...rom arre-1 nta Ao comman(ia
matacao asditasobrus, (asando publicar Por> ..ph.r(.om Dassagem .
mais um hem nssgnalado favor do Omnipoten-
te que assim como nos nncadeu que "slejamos
vendo a V. M. I. sobre o Ihrono He sen augus-
to pae tambem nns garanti a perpetuidade
da dynastia imn -rial ; ena henleira presump-
tiva di corAa detl ao imperio da Santa Cruz
ma prince'.a cujo no ne anda associado com as
ideas de todas as virtudes.
O dia 11 'le marco Senhor para a nacao
brasilcira certamente (estival apenas lembrfdo,
eisoponsamenloqne logo nos sugera e urna
verdade grandemente consoladora O throno
imperial acha-se oceupado pela virtude o o ta-
lento c a mocidade no seu mais perfeito vi-
gor e estas mesm is qaalidades adorno as au-
gustas prin'-cas q-ie o roleiao garantindo a
perpetuidade da dvnastia imperante.
Senhor por tao immenso beneficio cujo
goso tal "OS nos recorda a enmara dos depu-
rados rende ao c o as devidas graras c Ihf sup-
pliea fervorosamenta que conceda largo, annos
de vida a V. M. I. rom a gloria de ver subir
progress;vamenle ao mais elevado grao de pros-
peridade a venturosa nado que tam a V. M. I.
por chele supremo e seu primeiro representante.
Pens guarde a V. M. I. por muitos annos
como nos mister etc.
S. M. I. se dignou responder n'estes (er-
mos. A gradeen cmara dos depulados mais
esta prova (la sua dedicacao i minha pos^oa.
Contina a 3.a discussao da proposta do go-
verno sobro a fixacao das forcas de trra com
as emendas apo:adas.
Tendo Tallado sobre a mn'.oria os Srs. Tebias
e Reboticas o Sr. presidente declamo a dis-
eussSo adiada pdn hora para se passar a se-
gunda parte da ordem do dia.
O Sr. Ferreira Pcnna requor que se conti-
nuo com a discussao das forcas de Ierra ese
ade a do eredito at amanha em consequen-
cia de nao t ministro da fa/enda. '
O adiamento apoiado e entra em discus-
sao.
Fallan na quesl^ do adiamento osSrs.^ Pan-
la i andido. Silva Ferraz. Carneiro da Cunda,
Heboucas e Rodrigues 'Forres e o adiamento
approvado.
Contina por conseguinte a 3.* discussao
.la nroposta sobre a fixacao das Torcas de torra.
E' apoiada a seguinte emenda de redaccao ao
S l.odoart 1.
Suprimo-se as pahvras finaos d'estn pa-
ragranlio fra da linha. Coelho. Lima
n Siha. .
Tomo parte na disrussiio os Srs. Ribeiro,
Pe nandes Chavos Lima o Silva Magalli.ies
Castro, o Coelho, e a discussao fica adiada pela
hora.
...tacao 88 ditas obras, lasenno publicar po
dias c .nseculivos as releridasc.ondices o con-
cluindo no fim doll.s a ariemalncio.
PortaraMandando passar nomeacSo pro-
\boiia aCiUilheirne daSilveira Barros para o
luuarde escrivao privativid jury do termo da
Boa-vista.Participou-se aojuiz dodiroito da
respectiva comarca.
ikm no da 28.
Officio Ao inspector da thesouraria da fa-
senda detenninam.lo que nao obstant! o que
po-idora em seu olli. io de -24 deste moz [abril]
mande sob respo. sabilidado da l'rssiilencia, fa-
ser repartidlo do arsenal de marlnha o suppn-
mento ordenado; visto nao poder baver demora
as suas despesas actuaos o com es^ecialidade
as do briguo-escuna Olinda.
Dito Ao coinman ante das armas, orde-
nando que com urgencia informo odia mez
e anno e;n (pie assentarao praca nesta provin-
cia os 12 Allomaos Me forao da compinliia de
operari is, o hoja perteucem ao primei.o bata-
lhao do fu/ileiros asa m como .porque teaip
se engajarao p .ra servir no exercito.
Dito \o director do Ivco determinando ,
que Informe, se no mesmo lyco ha os fomiil-
dos nccossai ios. para so tereui em boa guar la Os
livros, ao que trata em seu oilicio do 26 do cor-
rente (abril).
__nte de a lilhcria, para
receb"rcom passagom as pracas deque trata
u precedente portara.
IMTERIOa.
ASSEMBLA GERAL
CMARA DOS SUS. DEPUTA DOS.
Sesmo de 13 de Marco.
O Sr. Miranda Ribeiro lem a palavra pela
ordem e declara que a deputacao cnc.irre-
g.da de ir comprimentar S. M. I. pe'> W
natalic.ode S. A. I. dirigiu-se no dia II au
paco de S. Christovao e sendo introducida
pirante a coroa com as formalidades do estillo .
levo a honra do dirigir a >. M. I. como ora-
dor da mesma deputacao o discurso que le.
enhor.Admirados deputados pos-
suida do jubilo nacional vein por intermedio
asta deputacao como orgao de seus semi-
mentos congratular a V. M. 1. pelo natal cid
I S. A. I. aseronissima princeza ra. p. Ja
nuaria.
Onascimcnto, Senhor, hoje coir memra-
lo como justo motivo de geral contentamen-
to, acamara dos depulados reconhece que lo,
SmOodf\\ de Wargo.
E' litio o seguinte parecer da commissao es-
pecial sobre a indicacao do Sr. Rebou-as co-
mo o voto separado de um de seus menibros.
A rommiss5o especial nomcada por osla au-
grnsta o; mar parr examinar o projectode loi ol-
ri-reeida pelo digno deputado pela Babia o Sr.
Roboticas concernente nao s is disposicoes
los artigos 26 27 28 da constituido do im -
(rio. senao tambem a algumas novas Irmita-
coes proposlas cerca da elogibilidade dos mem
'.ros da casa tom a h nra de submelter l con-
ddoracSodt mesma o resultado das suas medi-
la-des sobre tao imoortante c melindroso a<-
iiimplo. Antes porm de entrar na averigua-
cao da materia tom a commissao de ponderar
que nao se dando inteira connox.io entre os
iniis artigos de que se compe o projeclo om
queslo, visto que um se refere 5 irr.munida-
Ics e4abelecidas na constituicao do estado em
favor dosmembros da .nsscnbla geral legislati-
B, e o nutro so respaila nosd;reilos oleitorae^
los'mcmbros da camal temporaria mais re-
rtilarfdn por certo, e mais melbodico ex-
,nn;nr rotis:-nar em projectos d!St!PC!OS B-
naterias cont das nos dous artigos mencina-
los ; o que facilitarla singularmente seu e-
xame*
Niio entrando todava as vistas da commis"
lo recommondar discussao da cmara o pro-
jarlo de que se traa ,* tal qual se adl redigido
polos fundamonlos que passa a oxpoT dosoltri-
gada so considera ella de prnpdr a separa-o in-
ilicnda esperando do autor do projecto o de-
sompenho tiesta terofa caso entenda elle con-
veniente sujeila-lo aos termos (Ion artigos 174,
17o 176 e 177 da consliluicao do estado ,
ou se resolva adar-lheuna frma mais ajus-
tada e mais accorde com as necessidades parti-
culares do nosso paiz no que toca a habilid-
do dos cidadaos braziloiros para bem represen-
taron) a nacao, segundo as diversas classes de
que se compoe nossa jerurchia social.
Como porm quer que soja a disposicao do
primeiro artigo do projecto no entender da
cominissao coinprebende dous principios de
doiitrina mui diversa ; 1., a intelhgencia dos
artigos 21) 27 o 28 da consliluicao quanto ao
valor o nature/a dos privilegios conferidos aos
depiitados durante a deputacao ; 2, do sub-
sistencia de laes privilegios em favor dos mem-
liros do nina cmara disolvida at o reconheci-
mento ti installacao da tam. ra successora.
Pelo que toca ao primeiro ponto a commis-
sao jiilga desnecessaria e at perigosa a dcclara-
..aocontida ; porquanto ou lal doutrina est
consignada na consliluicao ou nao ; no pri-
meiro caso para que declara-la em urna lei
ordinaria que poda ser revogada em qualquer
occasiao tornando-se assim vacillantcs um
privilegio importante urna garanlia vital ? No
segundo caso, como oslaboloc er um direito no-
vo urna immunidatlo de lan.-anha magnitude,
alropell ndo se as salutares e respeilaveis re-
gras dos artigos 17- o seguinles da co.istituico
to imperio? Pelo que respoila ao segundo pon-
to Jo artigo primeiro a commissao tliscorda
intoiramenlo da doutrina que elle consaera ;
l., ponpiea considera f. ra da constituicao
do imperio ; 2." porque nao comprehende
iivpothesealguma om que dissolvitla que soja
urna cmara, poasa ella, sem embargo con-
siderar-so subsistente para efleito algum ; 3. ,
porque julga um tal principio singularmente
propiio pata adulterar osystema ronstilucionul,
falseando a representaciio nacional.
Quanto ao artigo segundo do projeclo isto
quanto s prohibios fulminadas contra
rerlos funcionarios publico- para o effeito de os
tornar inelegiveis nos lugares das suas respecti-
vas jurisdices a commissao ontende que esta
doutrina cnvolvc materia constitucional se-
cundo a definiciio do artigo 178 da tonstituico
do imperio ; visto que, circuinscrevendo ella
notavelmente o circtilodaelegibilidadedos refe-
ridos funce onarios evidentemente coartta e li-
mita os seus dirciliis polticos ; e isto em urna
esphera tanto mais ampia quanto n ais vasto faz
o territorio de taos jurisdic oes como pore-
xoinplo succede^iara com os chefes de ptilicia e
presidentes que licariao int givei em urna pro-
vincia inteira e man anda para com os de-
sombargadores e os bisp.os que perderlo o
direito de representar o paiz em urnas poucas
de provincias, segundo.a tomprehensao da sua
respectiva airada ou diocese
Considerando pois ola nica rolaco o ar-
tigo segundo do projeclo em questao, e abslen-
oo-se de oulros quaeM|uer tlesenvol montos
crea da materia om si mesma a commissao
julga ter exposto quanto basta pora mostrar que
a doutrina de tal artigo nao pode ser considera-
da objoclo de tlebboracao sem que a seu respei-
'o se observen as formalidades marcadas na lei
fundamental do c>t.ido para lotlas as proposi-
.Gesque envolvem reforma constitucional.
liesumindo pois quanto cima lica ex posto ,
e reservando para discOsso do presente parecer
exposicao de algnns oulros principios a qual
por corlo transcendera as raas proscripta! em
rabaihos desta ordem a conimisso entonta
que o projeclo tal qual se acha, noseest nos
''neos de sor tomado em rnnsidernro iriuito
embora reconhoca tila os pntrolitos motivos
quedirigirao o seu autor na concepcSomme-
mo projecto.


I
Sata lia enmara i 3 de marro de 18 W. 4
P. M vM Muntetro.J. L. V. Cunsusao do
Situmb.
Voto separado.
Na polen lo eu d.ir o mcu assontimento
a todas as reflexesque fazeut ineiis Ilustres col-
logas sobro o projecto otare-mlt pul Ilustre
deputado o Sr. ReJjou -as, julgo de meu dover
a declara ai que fuco le meu voto.
0 1 .iri.g i Jispj que IOS senadores ,
durante sua existo acia e aos deputa los, otn-
quantoos seus pojara* nao frein efectivamen-
te conferidos a ojtros se guanlara I i tte ra-
mente os artigo, 2i 27 e 23 da constituico ,
ern toda a occasio e em quaesquer circums-
tancias.
O 2. artigo declara incompstivel com
exercicio de cortos e determinados cargos p-
blicos ( que especifica ) o"s&cein os funociona-
rios votado; para deputados'-pelos eleitores Jos
lugates com.irehendidos em suas jurisdicees
ou dependencias.
O i", artigo cstabclcce o prazo de seis me
zes para dura :ao da mesina incouipatibilidade.
ainda depois que cesse o exerciciodetaes cinpre-
( gos ou dependencia.
Comefarei as minhas observac5es acqui-
scendo que fuero meus illustres collegas ,
enlendendo que a materia do 1. artigo nao
parece lao relacionada com a dos artgossuh-
sequentes que nao possa formar um projecto
distincto ; ecomo dos incovenienlcs (|ue nas-
cem da accumulaco de materias estranhas en
ama lei, nao o menor o embaraeo que se
pe saiicjao imperial inclino-me separa-
do do olijecto d 1. artigo para o lim de for
nir outro projecto.
Quanto .i dou'.rina que nelle se contem .
observare que comprobendendo ella tanto o-
senadoras, como os deputados isto 6 repre-
sentantes de ndole diversa pode admitir con-
sideracestambem diversos em relacao a uns c
huiros.
Pelo que respeita aos senadores parece-
meseni uliiidaile repetir em nova lei una dis-
poscio da lei fundamental nao sendo para
d.rsenvol.C la ou regular a sua exeeuco. Ora .
os privilegio*que tem os senadores pelos arti-
go* 26 27 e 28 da con*tituicao parece-m,
estabelecidos com clareza ; e o mesmo Ilustre
autor do projecto esta bem longe de p Jr em du-
vida a intelligencia delles quando Ihes nao
propoo interpretacao alguma mas recommen-
da a sua literal observancia. Ncm me pa-
rece que as pala.ras em toda a occasio e em
quaesquer circumstancias que se acho nol.
artigo do projecto possao justih'ca-lo nesta
parte; pois que nao tendo a constituico li-
mitarlo a oceasies nem circumstancias o
privilegios ipie de aos senadores em razo de
seus cargos pblicos e por utilidade tambem
publica nao de mister declaracao alguma.
tomo pois o artigo nao leude a esclarecer, nem
a desenvolver a doulrina dos privilegios que tem
os senadores nem ofl'erece correctivo algum
para o caso de violadlo pareceme intil nesta
parte.
(v)uanto porm aos depurados outras
reflexes ociorreut para que a doutnna do 1.
artigo possa ser objecto de urna lei. () privi-
legio que a constituico no artigo 27 concede
aos depulados subsistedurante a sua depu-
tacao. Ora no caso de preemhera cma-
ra dos deputados o <|u itriennio porque loi elei-
ta manifest o espa-o por que se entende
durar a doputaco, e com ella os respectivo*
privilegios, e ninguem besita em que terminan
com a installaco da nova enmara : na hypo-
these porm de urna dissolu'o pide mo-
ver se e de farto se move nLiimn duvida. En-
tretanto nada obsta a que o poder legislativo
estabeleea como interpreta, o do artigo 27-quo
ern ne hnma hypothese se entenda quecesso
os privilegios dos deputados sem que os pode-
res tenhfio sido conferidos efectivamente a ou-
tros. Persuadido de que tal disposirao nao
transpoe os limites de urna inlerpretaeo nao
a considero reforma constitucional ; c crendo
que poder contribuir pira maior segurnnea e
in lependencia dos mern! ros da (amaraelectiva ,
condieao essenrial do systema representativo ,
pens que pede a declaracao ser approvada.
Se alguma advertencia aqu bem cabida ,
que rump-c evitar na redaeciio (leste artigo a
inteil'geneia de que a individualidade dos depu-
tados \x las opinies que proferirem como tacs
( privilegio do a ttgo 36) se..'a guardada nica-
mente emipianto os poderes nao (orem elTe< ti-
vameiite conferidos a outros pois que tal pri-
vilegio nao crasa em tempo algum.
Considerando que o sgundo artigo do pro-
jecto vai coartar aos cidados o direito que tem
de ser volados cin inda aistrii to eleitoral, en-
tendero meus Ilustres collejas que nao dado
4 cantara deliberar sobredio sena' pela forma
dos artigos 171 ese uinles quelunvav i os escrpulo- em que assenta esti
2
para os cidadiios simplesmcnte taesdts empre-
a los pblicos : os pri n 'iros, sen I tittuaes en-
tre si dovem lera mosm habiltale para se-
ren votarlos em tolos os disiriets; os segund-s,
sendo taes desiguaes p > lem nao gosar da mes-
illa Imbuida le : 09 pruneiros sem fa to scu,
pode nina lei restiiqrjr direito* que a constitu*
cao Ihes d; os segundos. pelo laclo de terem
aceitado as ventajeis o o pler Inherente au-
toridade, polo a lei suppr que ten renuncia-
do no oireito que tinho simples cidalos. I ios
urimeiros pois entendo que a constituico tra-
tou ; nao dos segundos aos pjj is tenho que
a lei, por utilidade publica, pode offerecor uina
condieao onerosa a par de tantas vantagons qu
Ihesd.
Pedera anda sustentar quo o artigo nao
fereaconntueo pelo principio deque ella u-
licamente estabeleee regras e theses em eral;
mas cabe as leis o desenvolve-las, prescrever
nodo de sua applijacio e fasdr as necessarias
xcepces. qillonge de destrurem as regras,
ervem de confirma-las para maior v ntagem so-
cial. Po leria mesmo appoiar com cxemplos es-
te pensamento ; mas a primera das rases pa-
rece dispensar quaesquer outras.
Persuadido de que o artigo respeitou a cons-
itueao examinarc se a utilidade publica o
iconselhou. O punsamenlo nel e dominante pa-
eceque se dirige a pomover a rnaior puresa e
liberdadeeleitoral, a maiorexactidao no servi-
o, e dillcultar de alguma sorte que outros in-
eresses que nao os nacionaes prep mderem
ia cmara tem[)oraria, representados por gran-
Ic numero de en prega los pblicos. O pncipio
obviamente inrale poltico; a aplicaco, po-
oin, me parece demasiado extensa em relacao
is nossas pecul ares circumstancias. Em um
aiz que nao abunda em luses na infancia de
.m yslema cuja theoria e prati-a nao pode am-
ia ter habilitado a tao grande numero de intel-
i :encias pode nao ser conveniente difflcultar
i lanas candidaturas.
imi-- irr.
questao como esta que nao deve importara mi-
nha sahida delle: Devo sustentar a opinio que
sustenta o gabinete a qual devo declarar .
cmara, nao adopta a doutnna dessa emenda;
mis, devendo ser leal, devo di/ero que se pas-
sou .ia conrnisso. (*) 'frutando-se de aug-
mentar a renda i ublica eu disse illustre
coinmisso entre nutras cousas, em urna das
conferencias que tinentos, e mesmo em presen-
C i de alguns hobres deputados que em 18J9,
sendo eu membro da com nissSo doorcamento
conjuntamente com o nobre deputado o Se-
nlnir (iarneiro de Ca nipos haviarnos apresen-
lado essa idea e que essa idea me pareca a-
doptavel hoje e vantajosa posto que deva eu
tambem declarar a cmara que nao lemhrei a
idea tao extensa como a apresentou a illustre
commissao no seu trabalho porquo o artigo
que offcrece.'iios nessa occasio era relativo tao
somente venda de bens de corporales religi-
liosas e ao mesmo tempo Ihe dissesse que, a-
inda quando quizessem adoptar a idea a nao
consignassem neste lugar porque o resultado
que eu esperavada medida era lento c nao ser-
via para o momento e eu receiava que sem
vantagern se demorasse a disrussao.
Devo di/er as razes que tinha para ainda
entosuppr que loase esta medida convenien-
te. Km primeiio lugar as corporacoes religio-
sas nao icavao privadas de seus bens porque
nao havia senao urna conversao delles em apo-
lices: e antes lucravao porque convertia-se em
apoliecs um capital que poda dar o juro de 8
por cento que nao dao os alngueis das casas.
[Kirque as ordens religiosas trazem os seflis pre-
dios alunados muito baratos e por falta de
meios nao os melliorao c nem mesmo os re-
parao ; 2., paasando taes predios a pertence-
rem a particulares e deixando de estar amor-
Seria parai des.jar que os magistrados nao tizados por vendas repetidas c pelo nasamrn-
1SiSSl Pi,ra d,.'p,,ti,dos no rir('ul de todo imposto se augmentara a renda publie, ;
uasjunsdiecao; e ass.m seevtario relacoes 3., aumentar-se-bia com a medula o or-
me por ventura em .arguem aquella indepen- (iIln ,. a i*;.. "\\ L 1?.m mW"f pro
enca e imparcialidade que sao o primero a- d ""P^to da decna urbana, quee ren-
lornodosjuises: as eunsderaces porem, que i fnra mun,c,P10 I "**. porque esta
mscem da infancia do systema, e mesmo do i '"pacent, cobrados ud niforem dos abi-
ta iz, se tornan actualmente aprovetaveis ex- j 8ue's. Muc ''e necessidade havio de augmentar,
tenencia de outros empregados pblicos mi- pagando taes predios as mos de partcula es ,
itao com mais lorie resto para que nao se rtif- pon|ue haviao de ser alugados por niaisdinbeiro;
Iralte pm agora a eleicto dos mag-trados, co-4., que esla medida era um grandeapoioqui-
no oa mais instruidos no effelto das leis sobre a se dava a divida publica, lato loi o que se pas-
ociedade. !\em sempre se po lern evitar incon-
venientes em produsir outros.
No entanto. empregados ha que o artigo mu
udieiosame.ite inhibe daelei^ paradeputaoos
lentro dos limites de sua autor! tade.Taesme pa-
ecem os presidentes de provincia cominandan-
es de armas ebefesde pon" ia e inspectores de
'hesouraria : aexlcncao e Torcas dos molos de
influencia de que p'.dem dispor laca unicona
ros na lula eleitoral, o desservlco que pode re-
sultar ao paix do emprego daquellea meios a-
Sonao de sobejo o pensamento do artigo neste
ponto que me parece adoptavel.
0 3. artigo eont:m mal ra em que nao
posto concordar. Just ticando-se o artigo antec-
edente pelo pn'ncipiodequenao restringe o di-
reito aos cidados simplismente taes, porem
ios empregados publi os seria contradictorio
-estringi-lo a individuos que, tendo deixado o
xerenio de lunccdes publicas, revertem a con-
li'cao de simples cidados. A lern de quo a con-
licao privada nxclue todos os motivos do recelo
pie pone inspirar oexercieio do poder.
*Em resumo pois meu parecer que pode
>er approvada no prinieiro artigo a parte relati-
va aos privil gios dos d putidos. No artigo se-
cundo a disposieo que inhibe de serem vola-
Ios dentro dos limites de sua autoiidadeos pre-
identes de po vietas os commandantes de
armas, cheles de polica e inspectores de (hesou-
raria ; c a suppresso do (erceiro artigo.
Paco da cmara dos deputados em 13 de
mateo de 1813.F. Hamiro de Assis Coelho.
A cmara deci e que se imprima o parecer
o voto aenarado.
Conlinua a discuaaaoda proposta dogoverno,
quefixa as forcasde Ierra com as emendas ap-
poiadas. Tonino parte na discussao ossenhores
Cavalho, e Lima e Silva. He lija e appoiada a
seguinte emenda do Sr. Peixoto de Brito.
Acrescente-seao artigo segundo :Mas nao
obter su>sescusas quando lindarem o seu
Cmpo, acbando-su o paizcm estado de guerra
inleina, ou ext rna percebendo os vencimen-
los que Ihes competirem por lei. S. R.
Peixoto de /rilo.
A discussao flea adiada pela hora. Conlinua
a discussao do primero artigo da proposta do
governo sobre o crediio. Fallan os Srs. Carnei-
ro de ('ampos Vianna I ministro da fasenda ).
liste senhor entre outras cousas disse :
bu devo tambem casa umnexplicacao que
comecava a dar nasessao anterior, mas que nao
pude continuar a dar, porque o Sr. presidente,
rigoroso con e, disse que uaquellu occasio
nao consenta que cu fallarse porque a occa-
sio nao era propria. Kra sobre a emenda que
autorisava as corporacoes de man unirla a ten-
deren) os bens de miz rom assislencia do gover-
no ou rom npprovacfio do governo. Jenhores,
a esle respeto cu lenboiomo ministro boje una
pa ecer, nao poderao inover-me da opinio que "I1'"' diversa da que tinba ; ponjue sendo
tenho na materia. i membro de um ministerio solidario devo su-
o Parece-meque urna profunda distinecao se- Jjcilar ruin ha opinio do ministerio em urna
puimca. islo loi o que se pas
sou com a illustre commissao ; mas devo tornar
. repetir que ao im sino tempo pedi que, quan-
do quizesse adoptar essa idea que eu tinha con-
signado no projecto apreaentado em 18:t9, nao
se aprsenlaw nesta occasio porque disse
eu que tendo sido muito impugnada esta id a
em I8-I9. mesmo antes de entrar em discus-
sao receiava tambem que fosse impedir pas
sagem do crdito que o governo tinha necessi-
dade que passasse quanlo antes e sem vanta-
gern pe s ra/es ue ja dei; mas a Ilustre
commissao nao se importou com isto ; e alern
disso fez extensiva a medida as corporacoes de
mo mora o que nao lembrei, e nem esta
mirilla opinio particular, tendo em con^idera-
ao que umitas pessoasdeixavao bens a estas cor-
pora, oes com condieao de seiem conservados
tiesta especie e que o nao fario se tivessem
certeza de que serio convertidos em apolices .
porque erao pessoas antigua e pouco acostuma-
llas a estes crditos modernos e neo acredita-
vo em a pul ices
Tambem toma parte na discussao o Sr. Ri-
beiro e lindo o seo discurso ica a discussao a-
diada.
rublic.icao a pedido.
PAR AIIIBA DO NORTE.
InstrurgOes para o recrulamenlo na provincia
da l'amhibu, em confnmidade das tnslruc-
Qoes do goi-erno imperial annexas ao decreto
de 6 de abril de 18il com referencia as de
10 de julho de 1822.
Art 1. Esto sugeitos ao recrutamento, to-
dos os horriens tirrteos ,'solteiros, e ainda o?
pardos e crioulos ingenuos ou libertos, de
idade de 18 a 35 annos pouco mais ou menos,
sem excepeo dos caixeiros de lujas de bebidas i
tabernas, nem dos guardas nacionaes inipropri
ament alistados ou qualilicados e que nao
estimen fardados ou nao subsislirem de ho-
nesta e legal industria ou trabalho. Relativa-
mente a estes, sero reerulados com preferencia
aquellos, que, nos corpos ou companhias
que per(encerem se liouverern mostrado rela-
xados no cuinpriiiiento dos seus deveros; e s na
(*) Nos chamamos a attenco dos nossos lei-
tores sobreest declaracao do Exm. Ministro da
lazenda: por ella se ven a raso e verdadecom
que os eseriptores da oppoaico de Pornainhdco.
o at um licputado ta Assemhla Provincial,
imputando ao Governo Imperial a exigenci;
dessa medida o aecu^aro com a maior acri-
monia de querer exlorquir os bens dos Reli-
giosos. (jt ,pv
falta delles os outros as circunstancias de po-
derem set recrutados.
Art 2." Sao izentosdo recrutamento os ho-
mens casados que viverem inaritalmenle o
iruio de orfaos, que livor efleetivainetile a seu
cargo a subsistencia, e educaco delles; o lilho
nico de lavrador, ou um i sua escolha, quan-
do boiiver mais do um, cultivando trras ou pro-
prias, ou aforadas, ou arrendadas.
(i artigo cima ae estende do mesmo modo ao
lilho un ico de viuvas tendo a cargo sua ini ,
ou v vendo em sua companhia, e ainda ao lilho
nico de pai em avancada ida e. Os sachristaes
das freguezias, e capellas. nao sao zontos iIq
recrutamento, quando nao tenho outro moti-
vo de escuza.
Art. 3." Sao tambem zentoa o fet'tor, ou ad-
ministrador de engenlto, ou fa/enda com mais
de seis escravoa quer aeja de plantaco quer
de ereaco, ou de olaria.
Arl. 4.' tem, oa tropeiros, conductores de
hoiadaa, ou relian los, os meatres de oflieios com
'oja aberta c efleclivo trabalho ; os pedreiroa,
carpinteiros, canleiroa, pescadores dequalquer
eapecie trahalhadorea de estalielecitiietilos in-
dustriaos, ou fabricas grandes o pequeas, urna
vez que lodos exercitem os seus oflieios cflect-
mente e tenho bom comportaiueiito.
Art. 5. Os marinheiros grumetes, e mo-
cos que se acharem embrcanos ou matri-
culados ; os arraes, e pairos eectvos de bar-^
eos barcacaa, e jangadaa de condu/ir inanli-
mentos. ou outros gneros, sao igualmente ex-
ceptuados.
Art. 6 o Ft'cao tambem zentos do recrula-
menlo as casas decommercio de grosso trato
trez caiieiros as de segunda ordem dous, as
de pequea um.
A zenco aeimaser igualmente applicada em
'oda a ana extenco is casas de commereio es-
trangeiras.
Art. 7. tem, os esludantes de todas as clas-
ses que apresenlarom alterados dos respecli-
os proffessores que certiliquom a sua appta-
co e aproveitaiiienlo.
Art. 8. Igualmente ern cada corheira pu-
Idica, aue exisla, ou venha a existir na provin-
eia nao poder haver senao at oito holieiros
conforme o numero das seges de aluguel que t-
verem ; dous as casas dos particulares, que
possuirem mais de duas seges; e um nas dos que
t i verem de urna at duas ; e alini de que nao
baja n'isso abuzo o chele de polica mandara
'"azor um alistamentogerai dos bol tetros dea co-
'heiraa puhlicaa, dando aos que lorcm compre-
benddos neste numero mu certilicado, que va-
'ei em quaiito estivercn no servico das ditas,
eocheiras.
Os mocos, ou serventes das eocheiras de ca-
vados de aluguel nao sao comprehendidos na
presente fanelo.
Art. 9. Todas aa nutbondades policiaes fico
desde j encarregadas at nova uelerminaco
i-nt contrario, de fa/er prender nos seus deslrx-
tos, p.r-. rocruta, a todo individuo, que conste
nao achar-se no caso das excopeos acuna dei ta-
radas; e mui principalmente aos a vetados a do-
'ictos policiaes, notoriamente roconliei idos, que
tenho escapado a aeco regular da justa a, ou,
que reincidem depois decorrigidos ; e hein as-
sim aosdesordeiros,vadios,ede maos'eoslumes;
sendo porem responsaveis pelos abu os que pos-
sao pratirar a este respeito. As mesmas authori-
dades reerular para o servjico da companhia
le aprendizes da marinha em vittude das r-
lenselo governo imperial, os meninos maiores
de 10 a 11 annos, que nao forem izentos pelo
art. 7., nem I verem principios de oflicio, ou
'mprego, e principalmente aquelles que eos-
tumo vagar, ou mendigar nas ras por nao po-
dereni seus pais educal-os, ncm soccorrel-os
por desleixo ou pobreza.
Os subdelegados rao remetiendo os remits
aos delegados dos respectivos termos ou dilec-
tamente ao da cabe'a da comarca segundo a
harem mais conveniente ; e lodiS os dele; dos
enviar tanlo os reerulas que fi/en-rn prende',
orno os que reeeberern dos subdelegados, escol-
tados com seguranca ao chele de polica, ou a
ella das ordens do presidente, a( empatillados de>
retacos por ellos assignadas," nas (|uaes se de-
elare os nomos idades. naturalidades, e profis-
Cea, ou circunstancias dos recrutas. (a que
alega rom peranle a presidencia eteepcao fundada
nas diaposices cima i ar em eustodL por
us ate tres das para darem a sua prova e
tu attendidos ; mas se non huma apresenla-
i no relerido praso se Ihes assenlara praca
mediatamente. Os delegados nao poderao sol-
tar em caso algum, suh pena de responsaheli-
dade, nenbun dos re rutas, que Ihes forem di-
rigidos pi los suh delegados; sendo-lhes porom
licito representar motiv admenle, na tnesma oe-
Riao ao presidente a favor de quu!qucr indi-
no, quejulguem mal recrutado por algum
subdelegado.
Arl. 10." Os enmmandantes dos corpos e
companhias da cuarda nacional, odororpe de
polica, e os oficiaes de i.' linha, poderao, se-


gundo as circunstancias, scroncarre ndoBtcm-
porariamente do recrulamcntn por ordrm ex-
prcssa ilo presidente cumulativamente com os
delegados, e subdelegados de polica ; deven-
do eiilflo uns e utios, evitaren) conflictos en-
tre si, procurando ao contrario coadjuvarem-se
mutuamente a Ih.mii do liom xito das diligen-
cias
Art. 11. Todas as autoridades civis. c mi-
litares, seriio nhrigadas a prestar o auxilio a fa-
vor do recriitamenfo que llms for roqu titulo
pelo chelo de polica, delegado*, e suh dclaga-
dos, e as inforuiaoes, e quaes quer documen-
tos que exigirem, dchaixo da pena de um a tres
me/es de prisfio, e multa ile cem a du/entos mil
reis, na tonformidade da lei n. 5i de 6 de ou-
tubro de 18:$S 'decreto de 6 de abril de 1811).
Art. 12 "Todos os que oceultarem ulgum in-
dividuo su jeito ao recrutamento ou protege-
rem a sua fuga, ou impedirein poralguma for-
ma (|iie sejao reeditados, ou forem causa de que
depois de recrutados sejao tirados do poder dos
conductores seriio punidos rom priso de um
a tres mozos e multa de cem a duzentos mil
reis, alein de outras penas criminaes a que pos-
sao estar sugeitos (Decreto de 6 de Abril de
1841).
Art. 13. Os delegados ficaoaulborisados pa-
ra adiantar a todos os rcerutas que mardarem
para a capital da provincia quer tenha* > sido
por ellos presos, quer pelos subdelegados, a
gratilicaco diaria do 210 reis paraseu su:tent.
e vestuario pelos dias prnvaveis de viagem at
serem entregues ao presidente ; e a importan
ca desta gratificaeo sera satisfeila ao conductor
dos reerutas a vista da competente guia, que
deve tra 'er, o da declamlo dos remitas, na sun
presenc-a do liavorem sido pagos em dinbeiro.
ou dovidanionto fornecidos durante a viagem :
as-im como abonar-so-ha pela ti e-mirara as
escol'as de guardas nac'onaes (na r izo de tres
homens para dous ron utas*) os v ene i montos, do
sold e etapc correspondentes as suas pracas ,
como se fossem do 1.* linha, desdo odia em que
sah'rom dos seus di slr'clos alo aquello om que
devem rogressar a elles segundo as distancias .
contando-so nunca monos dequatroa cinco le-
goas pon a.
Palacio do governo da Parabiba em 10 de
abril de 18W. firardo Jos Gomes Jardim
Torres oiulcocia.
B riguc escuna -7?. F. loper- Pendas, sper- da mesma cid.de os pretos Manocl, e Lt.iz I Aluga-sc a motado do urna casa romi coro-
macelo pilulas cb. caixas com que di/em sor esclavos de Joo Vas A'UUteJn ,! modos par., peque..;, familia ; na ra do L.vra-
pentes farinba bolaxinlia o fa-1 morador no Recife os quaes forao pro/os em ment loja de couros n. 1.3.
1 ii .. -i ___r...:...... __ X ni. un'.lar em f,i

rollos.
Rrigue Jreasurerdi\ersos gneros.
II oviiieiilo do Poiio.
Vfffies sabido* no dia 2.
Pandilla; brigue escuna de guerra hrazilciro
Gararape comrnaiidante o 1. tenfinte Jos
Segundino Gomensoro.
Ccar ; hiato bra/ileiro Vingador, capito Do-
mingos Antonio d'Azevedo carga diversos
gneros.
Novios entrados no diaZ.
Maeei ; 2 dias hiato bra/ileiro S. Jns Flor
do Mar capiliio Antonio Jos Correia e-
quipagem 5 carga lastro ; ao capitao.
Genova por Gibraltar; 63 dias, escuna sania
Etperanca de 88 toneladas capito Do-
mingos Parodi, equ:pagem9 carga vinlio,
e mais gneros : Manocl Joaquim Rumos e
Silva.
Sahidos no dia 4.
Trieste ; barca austraca Perastina, capito
Gagrizza carga assncar.
Entrado no mesmo dia.
Liverpool; 42dias, barca ingleza \ightingale.
de 264 toneladas capilo Thomaz ffiter,
enuipagom 15, carga lazendas ; a James
Crabtree & Companhia.
rs. Redactores.
Muito mal iria o nosso mundo se no meio
da devorante intriga e repiehensivel perrarsi-
dade que em todos os sentidos atrepella a jus
tica e ollusca a raziio nao apparecesseni aind
homens judicio os, capases de Irilmlar sincero-
encomios ao verdadeiro mrito: islas Iracas re-
flexrVes me suscitou o pouco acolhimenlo qtu
vi prestar o respcitavel publico desta cidade .
ultima recita que leve lugar na goCIBOADt
naTalknse o iiiez passado e que se deve allri-
buir antes ao maldiio espirito de parllo <|u<
tanto transtorna O mundo ; do que a lalla d<
gosto dcsta (Ilustrada populac.io ; por que na
posso persuadir me. sem escandalosa injuslica.
quese menopreze a bella, extensa e argentina
voz de Mlle. Carmela Adelaide Lu C, que sen
do manejada com bstanle goslo cagilidadc .
toca os comeos dos amadores, e que tanto mai-
realca, quanto inogavtl que Mlle. Luce
rene a um porte grave e honesto os encana
da belleza eexcollento gosto no trajar qua
lidades que, unidas a circunstancias importan-
lissimasdospoucos annos que conla acollo-
cao indubitavelmonto a par das milliores canto-
ras que lem pisado a Siena Pcrnamhiicana.
Alen do expendido outra razao subsiste para
a minha mlmiracSo o vem a ser, que a nata
de que trato Ib i ornada de um bello baile de-
semponhado com toda a pericia I
Console-se, pois. Mi le. Lucci com a est rrja,
que necesariamente Ihe prestarn asp. ssoas en-
tendidas da materia, e imparciaes; e continuo
desassombrada a sua empresta que em ultimo
resultado o seu mrito resplandecer qual sol
dissipando o maisespesso nevoe.ro: e receba es-
te tributo de estima e gralidao de um estran-
geiro que teve a ventura de a ouvir com pra-
zerpelaprim/ira vez.
Srs. Redactores com a publicacao destas ti
nhas muito obrigaraoao
O Phtlo-harmonico.
COMWERCIO.
i
8:943deyS3
AlfaiulfffA.
Rendimento do dia 4......
lltscarregfio boje 5.
Barca Vetoneafo (alendes.
Brigue Venador-' ewho, rassas. muide-
Bebiribo por finidos. Na ru. .10 P.larem fura de Portas n. 122.
__ O administrador da meza da rceebpdoria preciza-se de um forneiro.
____. !.>.._.. ...,:.. ...i> ..i;.....; >..._ .-.. ,...< vi;,.
das rendas nenies internas, aviza pela ultima
vez aos moradores do buirro do Recif o Santo
Antonio, que venhao pairar a Uta dos escravos,
o o imposto de sopese canoas at o dia I, pen
de se proceder a executivo contra O omasos.
Heoebed'Tia \ do maio de I8t:i. Francisco
Xavier (acalcan ti de Mbut/uerque.
Avisos martimos.
Editaos.
Para Lisboa segu viagem o brigue Portu"
guezS. Domingos no dia 15 de maio; quem
quizer carregar o ir de passagem Iratc com o
capito na praca, ou com o consignatario Tho-
maz do Aquino Fonsera na ra Nova n. 41.
Para o Cear sahir com toda a brevida
de por tor parte de squ carregamento prompto a
sumaca Felictdade mostr Jos Rodrigues Pi-
nheiro ; quem na mesma quizer carregar ou
ir de passagem entenda so com o dito mostr ,
ou com Antonio Joaquim de Son/a Ribeiro.
= Para Lisboa com milita brevidado segu
viege o briguem portuguoz ConceicOo Flor de
Lisboa, com excellentes commodos para passa-
rciros ; quem quizer carregar ou hir de nassa-
je dirija-se ao rapjt'o na praca dn commorcio ,
ou ao consignatario Thomaz d'Aquino Fon-
coca.
. l>p-i1ao.
, aUios cominh.is
alfuzema, eazeite.
erva doce .
Porante a tbesouraria da fazenda destr
Provincia se ha de por em hasta publica pan
serom arrematadas a quem maioros precnsof-
'oreror por lempo dos 3 annos financo;ros d>
84'L a 18V6 as rendas.das 2 casas terreas sita'
na na de "anta Tlieresa desla Cii'i le n/' 19 i
I ; dos 3 arma7ens do forte do Matto; da for
ilesa o qua riel do Rom Jess das Portas e di
Miarle! denominado d S. foo que foi oceu-
lado pelo oxtinclo regiment de nrtilberia.
As pessoas. que se proposerema licitar omdi-
"n rendas, deverocntuparecer competonlemen-
te habilitadas, na sala dassossesda mesma tbo
-onraria nos dias 29 o 31 do crrante o 2 d<
lunho prximo vindonro. "ocrelaria da the-
onraria do fazenda do Pornnnibuoo-2 de mai
\p. IR',3 Joaquim Francisco Bastos offi-
cifll ma;or
Pela thesonraria das rondas provinciac
emcumprimenlo do diversas ordons do Rxm
.hras,"devendo os licitantes competentemenh
habilitados apresentarcom antecedencia na mes-
ma lhcsourara as suas propostas em cartas fe
chadas oue sera abortas em presenca de to
'os. no dia aprasado. As descripcoes e orea-,
lientos podero ser consultadas na reparticiii
las obras publicas.
No dia 8 do corronto e sob as condicoos pu-,
'dicadas no Diario n. 95. a estrada desta oidan!
para a de Otinda pelo val i'a Tacaruna, oread;
na miantia de 42:fifiO000 reis. |
No mesmo dia e sob as condicoos publica-
das no Diario n. 71 as obras da reodiicaca.
rVnroa parle da estrada da Boa-Vi'-la para a ci-
dade d'Minda oreada em 7715172 reis.; e o
apamenfo d'um rombo prndusldo pelas -chela?
em um atierro nocaminho da Conceicaozinha ,
no lujiar da camboa de S. Joiio oreada em
>97*391 reis.
Pela thesouraria das rendas provinoiaes
em cumprimento d'ordem superior se arrema-
tar nos dias 8. 9. c 10 do crrante a quem por
menos fi/or, a Iluminaran do raes do Collegio,
eadequalro lampios, que guarnecern osla-
dos do palacio do governo, por lempo de tres
annos, > contar d-. I. de jnlho do corrente an-
uo ; (Jevendo a lluminacao do palacio do go-
verno.comprtbender mais os dias, qnedecor-
rer m desde o, em que fr approvada a arre-
matacSo pelo Exm. Sr. Presidente da Pro-
vincia.
= J.eil oque faz.1. O. Klster por interven-
ao do coi rotor Olivoira 6.* feira 5 do cr-
enle polas 10 horas da manha do lerragens e
niude7as ; na ru do Trapiche n 19.
= Ter-'a-feira 9 do corrente as 10 horas da
nanha.a porta do RraL'ue/anp- do areodaCon-
oiiSodo Recife. haver leil.o do urna | onao
le saceos com lojao mulatinho que se vonde-
i milito em tonta por conla e fisco do quem
icrtencor.
I.E1LA.
J beneficio de urna orpa Pernambucana.
O corrolor Olivoira continuar sabbado 6
lo corrente na rua Nova loja de rclnjoeiro Fat-
n o leilodeespol;o da finado Perret con-
istindo em urna grande* raridado de jo:as para
gmeme parasenliora ricos relogios de n'ari-
eiraode cala trastes, |vp>s *e. dre, ad-
.erlindo -se que tudo se ha do vender pelo maior
roco ofTerecido e como soja em favor d'uma
,rfaa menor espera-se concorrencia de com-
radores.
Avisos diversos.
lioclaracors
Companhia do Brbirihe.
= Sondo necessario exigir parte i'a 2.a pres-
tacao. afim de se remoller para Londres a im-
portancia da encomend dos canos do ferro e
nao se podendo fa/er esta exigencia antes de ser
realisada a 1.a prostacio : sao advertidos os Srs.
accionistas que ainda nao completarao as shas
entradas hjlo do o fazer impretorivelmente at
o dia 10 de maio prximo ; sob pona de perde-
r m asquantias que tiverem reabsado na for-
ma dos estatutos art 170 accionista que dei-
xar de pagar alguma. ou algumas prestaeoes de-
pois do praso marcado (30d] no art. 17,
perdert as entradas que tiver feilo em beneficio
la massa socia!, e a sua insoripcao fieara do ne
= R. Tielc, subdito Brmense; retira-se
iara fra do Imperio.
= Roberto Jamicson retira-se para In-
latcrra.
/ oteria da Matriz da Boa-vista.
= As rodas desta Lotera correm infalivel-
nente nodia 10 do corrente me/, do Maio, e
is bilhelcs se achao a venda nos lugares ja an-
unciados.
= A pessoa que tirou do corredor da porta
la rua do sobrado da rua da Matriz da Boa-
ista n. 26 urna cama de vento queira bn-
a-la no mesmo lugar do contrario se publi-
ara seu nomo por extonco.
=r O r. Francisco Goraldo Moroira Tem-
poral, queira dirigir-se rua da Matriz da Roa-
vista no primeiro andar do sobrado n. 26 ,
quo se Ihe dezeja fallar.
= Quem annunciou querer fallar a Clara
Mara da Conceicao, dirija-se ao Forte do Ma-
*o rua do A mor m n. 33.
j= Jos Maya, subdito Britannico, retira-
se para Maeei.
Na fabrica de chapeos de sol na praca
da Boa-vista n. 26 tcm chapeos de sol de
seilfl para homem o sen hora ; lanibem (roclo
se chapeos de sol ralbo* eonsertao-se e co-
hrem-se de novo com muito boa seda tudo
muito barato.
Aluga-so urna casa na rua dos Assogui-
nhos; a tratar lia rua doCollegio botica de Ci-
priano Luiz da Paz.
__No dia 6 do corrento polas i horas da tar-
doa porta doSr. Dr. l)uartePorcina juiz da 2.'
vara do civol na rua da l'raia, lem do sor ar-
rematada em praca publica urna morada d
__llega-se ao Sr. Miguel Poreira de Carva-
Iho queira aparecer na rua dos ^uarteis so-
brado n 19 a negocio que niio ignora.
A pessoa que quizer contratar com um
homem para cobrar dividas na Parahiba Rre-
jodo laiiuieins, e todas as Villas perlenren-
tes a Parahiba ; annuncie para sor procurado.
Qualquer Sr. propriotario du I6ra que
quizer contratar com um cirurgio para hir pa-
ra o Matto ou mesmo para fra da Provincia,
obrigando-se a fazer um ordenado certo ; an-
nuncie para ser procurado.
= Quem precisar de um homem para diri-
gir qualquer servico nesla praca o qual d fia-
dor a sua conducta ; irija-se a Jos Goncalves
Ferreira Costa ou a rua da Cadcia do Kccife
loja de Joaquim Goncalves Casero.
A pessoa que precisar de una creada pa-
ra o servico interior de una casa ; dirija-se ao
atterro da Boa-vista n. 26 l. andar.
as Prciza-se um oflicial de charuteiro para
urna fabrica de charutos em Olinda ; quem es-
tiver notas circunstan as dirija-se a mesma
Olinda lugar do Xaradouro a fular com Joae
Joaquim Allomo ou no Recife no heco das
iniudinhas na venda de Manoel JosAlvesVi-
anna.
= Preciza-se de um caxeiro para tomar con-
la de urna loja de fa ondas e venda, fi ra des-
la praca ; quem se adiar nestas circunstancias ,
dirija-se a rua da Cruz n 36 para se Ihe d-
zer com quem deve tratar.
Francisco Chavier da Cunha, caxeiro da
Sr.* D. Maria Roza da Assumpcao faz saber
a quem comier, que de boje em diante se as-
signar Francisco Jos.- N enna da Cunha por
isso que ha oulro de igual nonie.
Os abaixo assignados fa/om siente por es-
ta, que ninguem faca negocio com urna letrado
1908 reis, sacada por Sr.* Ro/a de MtorboGui-
maraes e aceita pelos abaixo assignados a
vencer no dia 22 do crtente Maio por haver
i-ontas a encontrar. loretra $ Duarle.
Quem precizar de dous ornamentos com
as 4 cores, e todos os seus pertences, um mis-
sal da edicao de 1820 de I jsnAa., e um jogo de
breviarios ludo excellenle e novo ; p6de diri-
^ir-se a rua da Gloria n. 73.
Quem por engao tirou do corroio desta
Cidade urna carta com sobrescrito Antonio de
Paula Souza Liao, viuda do Rio. p do manda-
la entregar na rua da Gloria n 73 ainda mes-
mo que tenha sido aborta ese Ihe icara obri-
gado, ou mesmo se loi algum amigo do annuo-
ciantecom o iim de Ihe enviar
= De/eja-se fallar com a Sr.* D. Luiza Ma-
ria Cabrul para Ihe sor entregue urna carta
vinda de Lisboa de umst-u mano.
Aluga-seuma preta ido/a, para o ser-
vico de una casa e comprar na rua, pelo pre
oo do 8000 reis mensaes ; na rua das Flores
n. 11.
Furtarao um par de esporas de prata com
cor. entes e carrancas o caxorro das esporas he
siinelhanto a orna cobra e no poscoco lem urna
serrillia ; roga-se a quem for oflerecidas as ap-
prendao e se alguma pessoa as tiver c niprado
so pede que a restilua, que se Ihe dar a quan-
lia quo tiver dado, pois o maior enpenbo he
descubrir o ladro.
Roga se ao Sr. delegado do Cabo, que
em virtude do seu annuncio relativo a 3 escra-
vos que se achao prezos, he favor examinar
entre ellos se lera um por nome Jos com os
signaos seguintes: ladino, alto seto do cor-
po cor fula, pes bastantes ,palhelados care
redonda tientes acangulados e lem um do*
(lentes de cima quebrado; cosa seja algum
desles fac o favor do o remeter para esta a seu
Sr Jos Foi nandes Eiras na rua Bella sobrado-
novo prximo a maro.
Do sobrado de um andar al az da Matriz
da Boa vista fuitarao, haalgunsdias um bo-
ti.de ouro do abertura de carniza com urna pe-
dra achatada no centro do mesmo botad ; e mai
nodia 3 do torrente maio duas colheres de sflpa,
do prata, rom as letras iniciaes no cabo das
me*na*D. B.: a quem lorem oflerecidas
estas pessas querendoentregal-as se recom-
pensara genorozamente e se guardar segredo
no caso de que o exija .
__Aluga-so urna casa no citio de S. Amaro,
com conimo-
reiiitii.i'in um |""\ |.......-.., -..............i' -- c"
caza de sobrado de um andar na rua do Ro/ario ao |6 dascasasdo r. < araozo ,
larga desta Cidade, avaliada dita casaom 3:0008 dos para grande familia, e o cilio com arvorei
de reis ; os licitantes deverao comparecer nosso de fruto : trata se na rua Novo n. 3.
Precisa-so alugar 2 prelas para vendas d*
rua sondo lioas vondodeiras paga-se bo.fl ;
e lambern pretas para venderem azeite de t*rde :
dia por ser a ultima praca penhorada por exe-
cuco do Dior Roberto & C*
. Ah.ga-seoarma'em, e V'andardo so-,.
nhtm. efleilo Kscrintorio da ( moanhia do Re- brndo da rua do V.gar.o n. .31 ; quem o por- no largo da Rlbeira n. 19.
nhum ell. ito;^ V ,|iriin-so ao abaixo assignado na estra- Prec.sa-so de um homem portug-ez, para
lonbelOdeabr.ldolSU-r/en/oJ^fcr ^"^ < (1(lfront(. do F.xm. Vis- feitor de um sitio porto da praca ; a pessoa que
^ PelTdoLlura .lo tormo de Olinda se conde, ou a rua da Gl >ra n. 62- JoSo Ae- .estira. n.sciraunstanei..Jeu rvj'"^
faZ7ublico ; que se achao recolhidos a Cadeia i pomuceno Ferreira de Mello. | patio do Husp.lal do Parado, Tcna o. 14,


1
4.
I
OMINGO 7 do corrcnte baver um
lindo divertimento na casa da Sooieda-
dc Natalense de baixo da direcc o de Ralael
Lucci ( por pedido de alguns Srs. ) dari prin-
cipio o divert.i.ento com o hvmno gratulatorio
dedicado aos hibitantes de Pernamburo no-
vas cantor as, dancj, o dando fim con urna nova
pantomima; os bi I hotos se acha no botequim
junto da casa.
N. IV == A segunda e terceira galeras sendo
p opriamente pira as familias, nenhum ho-
me'm a pisar de munido do seu co.npetente bi-
Ihete puder ncllas ter entradas salvo se se
aprescntarjuntocom a sua familia ; o mesmo
ter^ lugar para con i|u.il(|uer senhora que se
apresentar individualmente. Se chuvcr conti-
noadaoif nt s das 6 horas om vente nao havo-
ra divertimento. transferndo-se o da annun-
cado por outro aviso .
= Aluga-se pur prec-o rommodo o primeiro
andar da casa da ra do \ gario n. 4. proprio
para escriptorio : a tractar na mesma.
= Joao Chrisostomo Pires Brasileiro, re-
tira-se para fora da provincia.
= No dia 25 do passado sendo mandado a
Olnda por ser: senbor levar urnas cartas, en-
tregou-as, de nlgumas recebeo respostas e
desappareccu rom ellas o um livro um mulato
do cor alaranjada de nonin Antonio de 18
annas cabellos corrillos e ruivos, panos miudos
pelo queixo sem barba um dente falto na
rente cabs de brim, jaijucta de franquelim
verdee dcshotada, chapeo de castor branco \e-
Iho ; ha noticias e presumpc^es de que anda
pelaSoldade acostado a urna senhora que foi
dcllc e com queni veio de Olnda ha qualro
das e que a dous dias foi visto em Olinda ,
onde tem na ra do Boin fim urna irmt casada
com jim Portugucz servente do Seminario ; e
que dahi passeia no Monte onde tem condeci-
dos, finalmente que anda dizendo que o
mandona o Goianna e a Ignarass ( onde el-
le tem conhecidose foi criado ) ; rogase pois
as authordades desses lugares, e particulares,
que a islo se dao. hajiio de dar-lhe garra, e
conduzi-lo ao Becifo bairro de S Antonio,
travessa da Concordia, n. 5, que ser recom-
pensado.
Preciza-sede urna ama para urna casa de
pouca lamilla que saiba coser e engommar:
quem estiver nslas circunstancias a.innncie.
- O propriotario da olaria da ra da Flo-
rentina arrenda esta olaria, que por ser den-
tro da Cida.le o(T roce grande vantagem para
tralialliar urna falirica de est lacao tendo o
mellior porto para dezembarqiie de madeiras. e
grande commodo para man ar urna fabrica do
qiialqunr genero ; a quern convier dirija-so a
mesma olaria para ,so tratar do ajuste.
- Muilo se tem fallado do sistema Homeo-
patbico do sistema de Broussais e de outros
muitosmil dilTerenles ; pouco portanto se tem
dito do mais essoncial os evamantes, que
ning'iem pode negar ser nos climas calidos
absolutamente necessario e sobretodo (piando
existe a difli-uldade de fazer observar aosdoen-
tesa dieta necessaria e rigornza que pede a
Honeopithica e protira regular, dro. Somos
geralinente acoslumados a comer milito mais
do que be necesario para o nnsso sustento ; o
resultado he ditos, indigestos, e inflama-
cin nf>s ligados Aro. Para remover e impedir
este-i incommo los n.da be oais prompto que
un purgante sandavel que nao constipa os
intestinos, e que augmenta as dilTerentes sc-
cu'ro-oes.
O publico achara as Pillas vegetaes do Pr.
Brandrelh e na Medicina Popular Americana ,
estas propriedules que produzcm seu effito ,
sem dores o mcommodo algum nao he ne-
cessario dieta alguma e po le-se tratar dos
seus negocios nr> mesmo dia em que se tomar.
Aqui vende-se somonte em casa do nico a-
gente Joao Keller, ra da Cruz do Recife n.
18, e para maior commodidade dos compra-
dores, na ra da Cadeia do Recife, em casa de
Joao Cardozo Vyres, na ra Nova na de Guerra
Silva &<], e atierro da Boa-vista, na deSal-
les & Chaves.
OSr. que se ofTerecoo para ensinar
primetras letras c servir de oaixeiro tora ties-
ta praca dirija-se a ra das Trincheiras, so-
brado de andares n. S-8.
Alnga-se urna cscraya cozinhcra : na
ra das Flores n. 77.
Precisa-se de 11 m cozinheiro o para
servir, dando se 10.000 rs mensaes eagra-
dando nao llavera duvida em pagar-so 12,000 ;
na ra do Oueimadn n. 32 segundo andar.
x. Precisa-se alugar no bairro de S. Ante-
Vio urna cusa terrea com quntale carimba o
ek lugar fresco ou um sobrado de um andar,
qucN) seu aluguel nao exreda a 12.000 rs.
mensaes : no patio da ribeira de S. Antonio ,
n. 19 ; assm como tambem precisa-se alugar
pretas por dia ou tardes.
ss Um homem casado e de boa codCs
propoe-se a dar lc5es do primeiras letras em
asas particulares, por menos preco de que ou-
tro qualqucr ;' quem de seu prostimo precisar
annuncie.
r Quem precisar de um homem que en-
tende de padaria dirija-so ao beco da Pol ,
n. 10.
= Henry Taylor, subdito inglez retra-
se para fora do Imperio.
Procisa-se alugar um escravo para leve
sorvico: na ra de Agoas verdes, sobrado n. 66
O Sr. Augusto Kavier de Souzu Fonccca
queira annunciar a sua morada, que se Iho do-
seja fallar a seu interesse.
Thereza de Jess Maria moradora no
Manguinho faz publico, que ninguem faca
nezocio algum do compra ou embarque sobre
os oseravos da mesma pois que s sao seus
scravos em quanto vivr o Talloocndo todos
sao libertos como consta das mesmas cartas.
Mudou-seo depositodo rap prnce/a da
fabrica de Gasse da casa n. 31 da ra di Cruz
do Recife para a casa n. 38 na mesma ra.
Precisa-se para um engenho perto desta
praca um perito destilador : na ra do Mon-
dogo n. 1V7.
= Arrenda-se um sitio junto ao riacho de
Vgoa Fria estrada de Bebiribe com boa casa
le vivenda padaria, o tribaria boas plantas
decapim, e 011 tras muitas proporces que com
a vista seconhecero : na ra do Calderciro ,
casa n. 2.
- f)uem annuncou querer comprara obra
Uanifestacao dos i-rimes dos Jesutas d rija-so
a ra do Crespo, loja n 8.
Comnra-sc um preto de meia idade .
embnra tonha algum dofloito : na ra do Col-
legio armazom n. 19.
Compras.
Compra-so urna casa terrea no bairm
deS. Antonio, 011 Boa-vista, anda mesmo
precisando de algum conserto preferindo-se
em lugar proprio para negocio de venda ;
quom tiver annuncie.
Compriio-sc vdros de agoa do colonia ,
vasios, de todas as qualid-jdes: na ra das
Cruzes, n. 33 por cima do bofequim.
Compran-se o Drimeiro segundo volu-
me do novo e velho testamento com as licoes
dos S Padres; annuncie.
= Compra-se um negro, com habilidades,
ou sem ellas : na ra Nova luja n. 9.
Cnmpnlo-se escrotos de ambos os sexos,
de 12a 20 anuos com oflloio ou sem ello e
mesmo mulalinhas: na ra do-Fogo ao p do
Roza rio n 8.
Comprao-se hervilhas de Angola para
nlantar ; e una boa cabra bixo com bastante
leite ; na ra da Cruz, n. 7 primeiro andar ,
011 na passagem da Magdalena, segundo so-
brado a esquerda passando a ponte.
Comprao se dous quartos de carga, que
sejao nOvo-.. e bem possantos; na ra do Rangol
n. 38 segundo andar.
Vendem-se bichas de superior qualidade ,
chegadas prximamente de Hamburgo ; na ra
do Cubuga n. 11.
Vendem-se alguns efTeitos por menos
preco, que em outra qualquer parte, azeite
a 1920 bacalho a 80 rs. a libra feijo ,
fumo, arroz milho, familia em saccas e
modas de angico, ditas de amarel|o marque-
zas de condur.,, camas de vento de amarello
muito bem feits a 4500, ditas de pinbo a 3300
assim como outros muitos trastes ; pnho da
Suecia com 3 polegadas de grossura dito
serrado dito americano com difieren tes largu-
ras. ecomprimentos travs de pnho e bar-
Vciulas
No deposito de assucar refinado, esta-
bclecidu junto an arco de S. Antonio, om fren-
te do caes do Cojiegio ha para vender assucar
refinado segundi o novo systema de fabrica-
cao pelo qual se extrae a potassa e cal, doi-
\ando-se-o no seu estado de pureza; sendo o
preco da libra do de primera sorte e em paos
160 rs. eo dv-segunda o terceira em DO.
a 120, e80rs '
Aclia-se de novo a venda as lojas do.1
Srs. Bourgard ra da Cadeia vellia e Hen-
riqueJorge, na [iraca da Independencia, o
afamado chocolate de baunilha c igualmente
o chocolate frreo c o do saudo a grande es-
traccao que ora tem esta deliciosa substancia
lempenhocorn que he procurada e o seu
mdico preco sao urna prova do que o choco-
late Pernamhurano em nada he inferior, ao
que nos vem da Europa ; o fabricante espera ,
que o publico continu a favorecer urna indus-
tria puramente brasileira.
^ endem-se urna negra de nacao moca ,
boa cozinheira e capaz do mais arranjo de
urna casa de familia ; e um negro moco, hbil
para o servil o de padaria por ter bastante pra-
lica : na ra dos Burgos, padaria de Carlos
Deten.
Vendem-se saccas com farnha da trra
de boa qualidade a 4000 cera amarella a 320
e urna sala por 10.000 rs. hom para tenda.
Vende-se urna escrava da costa ; na ra
dos Martirios n. 36.
Vende-se urna canoa com 30 palmos de
comprido boa para abrir para carreira : na
ra da Praia serrara do Cardial, n. 15 e 17;
na mesma desapparecero no dia 30 dp p. p. de
dentro d'agoa 2 travs de 30 o tanlos palmos ,
com a marca M ; e em Marco passado tambem
desapparecero 10 praochoes com a marca M.
O C. eoutras com N, e urna corrcnte de
ferro com 70 a 80 palmos de comprido a cor-
rente ulsa-se ser furtada por estar segurando
32 pranchoes dos quaps faltao os a cima ditos;
quom der noticias sera beyi recompensado.
Vendem-se linhas de carretel a 360 a
duzia papel de peso a 2600, 2800 e 3200 a
resma dito almaco a 2W0 hanha de porce-
lonia muito fina sabonetesde birha emcaixa.
de bola a 320 2\Q e 60 rs. susponsoaios
d<> borracha a 320. pomada franceza a 160 e
200 rs. taIberos finos de caho branco c preto.
colxetes a 80 rs. e a duzia a 800 rs caixi-
nba de agulbas franepas a 320 meias de al-
?od3o para senhora a 100 rs o par filas lisas
e lavradas linhas de rolis a 3000 rs. e a
2600 o masso pennas do escrevi r a 140 o
qnareirao tesourinhas douradas a 500 car-
tas franecas a 2000 o masso navalbas finas a
2000 o estojo, e16f)0, agoa de colonia em
frnsros grandes o pequeos macass1 de oleo a
?V0 escons nara chapeo barba ecom es-
nelho para barba a 900 rs. meias de laa para
bomem a 900 rs. o par luvas de algodo a
320, ditas de seda para senhora a 600 rs. o
ar e mnifas mais miudezas baratas a conten-
i dos protendentes: na pracinba do Livra-
monto. n 53.
Vende-se urna negra de naco Angola,
de22annos, bonita figura, enzinha lava
e he boa quitandeira na na estreita do Ro-
zario n. 32 primeiro andar.
Vendem-se presuntos inglezes pro-rios
"ara fiaml re a 320 a libra carne de porro da
Ha america do norte, muilo nova propria
iara tempero ou leonada 8 120, pacas supe-
riores a 200 rs. talharima 200 rs. : na ra
do A ras-a o n. 43. esquina da S. Cruz.
Vendem-se duas apolices da divida pu-
blica desta provincia que vencem juros por
melado de seu valor; na ra do Livraniento ,
n. 2\.
- Vende-se por 300.000 rs. um pianno
inglez de acreditado antbor: na ra da Cruz
armazem de ferragens n. 2.
- Vendem-se unta mesa de jnnfar por nito
mil rs. e urna redoma com imagem por 4000
rs. ; detraz da Matriz n. 7.
^ endem-se um hnmto escravo perfeilo
carreiro : urna preta de 18 annos ; urna ne-
-rrinhade 12 annos. propria para mucamba
de alguma men-na ; e um moleone de 1V an-
i'os : na ra do Fogo ao p do Rozario n. 8.
^ endem-se um banco urna plania : e
outros ohjoctos. ludo pertencente an ofTicio de
rnnoeiro, pe'o mnd'co preen de 168000 rs. :
na Iravessa do Porinbo p. 6.
Vende-o urna boa escrava de 18 annos,
enffomma, co inha e lava : na ra Nova, ar-
mazem n. 6"*.
Vendem-se um apnarelho completo p
nrrems para o esquadraode suarda nacional:
no principio do atierro dos Anegados, n. 6.3.
Ven'e-se espirito de vnho de 36 graos
a '980 a caada : na ra estreita do Rozario ,
botica nova n. 4'.
Vende-se orna parelba de cavallos, man-
'ns p.-ra carro estn bastante gordos : na ra
de S. r.onenlo n. 20
Vende-'e arroz braceo em saccas, por
proco commodo: na ra da Cruz, venda n. 9
Vende-se urna pon-o de cera de cama-
buba por preco commodo : na ra do Roza-
rio n 27.
= Vende-se ou troca-s por lijlos de alve-
nann um ferrpno com 90 palmos de frente ,
e 1S0 de fundo na ra da Palma por fraz da
ordem terceira do Carmo : na ra da Cruz do
Recfp n. 52.
= Vende-se a molhnr venda da cidade de O-
sabilo a 140 a libra ; no patio da rihera de S. rotes com dilTerentes grossuras e comprimen-
Antonio o. 19, na mesma aluga-se um quarto tos; tudo se vende mais em conta que outra
qualquer parte: na ra da Florentina, em
casa de .1 Beranger, n. 14
ss Antonia de Souza Rangel, vende o seu
sitio da Magdalena; quemo pretender dirija-
se ao mesmo sitio ou en ten da-se com o eseri-
vo B.mdeira na ra estreita do Bozario.
= Ven lem-se bilbetes d.i representacao de
Rafael Lucci para Domingo 7 do corrcnte ; na
ra do Crespo loja de Santos Nevos n. 17.
Pomada antemorroidal o melhor remedio
at hoje appaiecido contra as hemorrodias da
qnal os bons efTeitos sao assis condecidos pur
militaspessoas desta cidade conlinua-se a \en-
der-se na ftica da ra Direita defronte do
Terco, n. 131 pelo mdico proco de IgOOO
rs cada latinha junto com quul se dar um
impresso que explica a mancira de usar della.
\ endem-se mil chifres do boi por pre-
co e imrnodo : na ra da Sen zal velho venda
n. 126, defronte do beco do dnipello.
= Vendern-se urna flauta de buxo e urna
rabeca tudo em muito hom uso e por proco
commodo ; na ra Direita n. 82.
ss Vende-se urna casa terrea na ra Y cita
n. 40 com comrnodos; a tratar na ra da Or-
dem 3 de S. Francisco sobrado n. 10.
Vendem-se 150 arrobas de capim por
preco commodo: no sitio da passagem dos Ar-
rombados.
= ^ende-scuma marqueza do condur ,
de palhinha larga no assento por preco com-
modo : na praca da Independencia n. 21.
Vendem-se ptimas bichas a 320 cada
urna, chegadas de Lisboa no brigue Flor do
Lisboa : na ra do Rozario batica n. 10,
deronleda padaria.
Vendem-se duas negras o um moleque
proprios para todo o servico ; e urna canoa de
agoa : no atierro dos A Rogados armazem de
sal de Francisco Xavier das ( bagas.
Vende-se um terreno na Capunga aon-.
de a grande cheia do armo passado na5 c.hegju,
com 50 palmos do frente e 300 de fundo '
com alicoree para urna asa do 30 palmos d
frsnte e 60 de lundo e com varios arvore-
dos de fruto : na praca da Independencia n.
23, e36
Vende-se urna escrava de 20 annos, bo-
nita figura ; na ra da Roda n. 31.
Escravos fgidos.
, I ','!----''C *I III' 'NW| lf|lf.I 11(1 I 111,1111- |||- \ F
libra passas novas muscate sa 160 caf em Pnda, no h.-jar dos Q"aro Cantos, es0uina do
rao a 160, o cevada nova a 100 rs. : no na norte, a qual cbpBa a vPnder a refalho 18 a
AVto T' eSqU")a fUa de HrlaS ,adoj20;'rcispnrd,a, contendo poucos fundos;
, n" Ia tratar na mesma venda e tambem se vender
por oa contendo p
, a tratar na mesma venda e tambem se vender
v enile-se urnas insignias de cavaleiro roza a praso.
iso. Iros malhetos de unicomc, ^ Colla fabricada em Pernamhiiro a 20o
reis a libra o a arroba a 5S800 ; na ra do
Rangol n. 52.
= Cadeiras americanas com assento de na-
ohrado I oanda proprios pata L. M, ; u.10
relogio de prala anligo de patente : na roa
e>treita do Rozario, loja de encademador,
== No dia 2 do mez passado fugio a preta
Mana Congo, alta magra com o 1 ablo
bstanle grande e torcido lem alguns dos de-
dos das mfios torios e as juntas dos niosnms en-
filadas levou vestido de chita coi do ganga
amarella com flores grandes encornadas, venda
banha do manha em um eaixo pintado de ver-
de cm cuja lampa levava langoicas c de lar-
de azoile de rarrapalo levando quando fugio
um (landrescom urna caada "o ,|t0 fun| 0
as medidas ; adverte-seque pode ter cortado o
cabello e mudado de vestido para melhor dis-
ta rea r-se ; quem apegarles a Iravessa de S.
Pedro casa terrea n. 8 junto ao sobrado em
que mora o Padre Thom da Silva Cuimaraes ,
que sera gratificado.
- De Camaragibe fugio 1 escravo do Sr: Ca-
pitaoJofioMarinhoFaliao Ncupira crioulo,
donme A nlonio e a 22 de Marco p. p. foi
vislo ni-sta praca ; he bem prelo grosso ,
pouca barba testa grande rom um lobinho
pequeo no alto da mesma : quom o pegar le-
ve a ra da Cuia n. 31, que ser recompen-
sado por Francisco Bezcrra de Vasconcellos ,
que para isloesla aulhori ado.
-- Fugio no dia primeiro do corrente o
moleque I uiz ( onso do 14 annos, nao
assenta bem o p osqnerdo por tor um cravo
por baixo. Ionoii camisa de hila azul ja velha,
o calcas de eslopa tambem velha altura de 6
palmos, olhos grandes; quom o pegar leve a
ruadoCahug, loja do miudezas de Joaquim
Joze da Costa que ser recompensado.
- Emodia 19 de Fevoroiro do frrenlo
annofugioopreloescraxo do tcnento coronel
*al con.rnandante da Fortaleza do Brum ,
d$ nomo Joaquim o qoal lem os signaos s-
KUinlos; he baixo, grosso do corpo. lem mar-
cas de bexigas no rosto os ps bastantes lar-
gos, nacoongo, representa ter 40 annos
de idade he vagarozo no andar, e o passo he
miudo; sabio com camisa de esiooa grossa, cal-
fas de ris-eado que ja osla branca, e 'levou
urna haeta verde ; quem o pegar poder levara
seusenhor, quesera bem recompensado.
lina, camas de. vento com armacao com-j Recife: naTtp. dbM. F. deFaria. = 1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E983QYWZ2_UX6FYM INGEST_TIME 2013-04-13T00:29:51Z PACKAGE AA00011611_04951
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES