Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04943


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Auno de 1843, Segunda Fera 21
ludo agora depende de nos nesnos; de noasa prudencie odero5o, energa : con-
tinuamos coo prinoipiaaos e eeremoe apon ledos com admireco entre as Necoes mais
ctt"* __________( Proclamacao de Aeaembl Gerel do BlAtlL.)
PARTIDAS DOS CORRE10S TERRESTRES.
Gniannu j Peiehibe e Riogrande do Norte segunde e aeiles feiras.
Bacilo O Gsrsnhuns a 10 e 24.
tabfc. S-rinhem, RioForawjio Porto Cairo Maceio, e Alegoee m.9, II e S
Boa-vir.4t Flores a 13 e 28. Santo Antao, quintas feiras. Olinda todos oe diae
DAS D\ SEMANA.
34 Seg. N fenhoradot Praieres. Re. And. do J. de D de 3. t.
56 Uro. s. Mreos ETogeliste. Aud. do J. de D. de 2. w.
36 QuaVt. s. Pedro de lisies. Re. And. do J. de O. da 1. T.
27 >nl. t. Tertulian 11. Aud. do J. de D. da 3. T.
38 > 39 *. Pedro M Aod do J. de D. da 1 t.
30 llorr, do boro psstor. Fgida de.N. S.
de Abril
Anno XIX. N. 90.

O Diario poblica-ee todoi oe diae que nSo forern Senticanos: o preoo da aseignahrrsib*
detrae nilrais por qnartel pegos adiantadoe. Os annuncios dos assignamtes e5o inseridos
gratis, e os dos que o n3o forem rato de 80 reie por liuha. As rrclsmaeea derem ser din.
gulas a esta Typ., ra das Ornes N. 34.ou a prara da Independencia loja de lirros N. O 8^
camos.No da 23 de Abril. compra
Cambio sobre Londres!" .Nominal. i Omo-Moeda de 6,400 V. *5,'J0O
a Pris350reis por franco. i N. 15,7t)d
Liaba 100 por 100 de premio. I a de 4,000 8,800
IPBATa-Fatace *,*3<
a Peros Columnares 1,H30
a ditos Mexicanos 1,30
PHASESDALANOMEZ DE MlP.II..
La Cheia i 14, As 9 m. da lard. I I.ua ora 29, a I I >ra e 59m. ds tsrd.
Ou.rt.nuag. 21, slUboras a 5 a. da m. Juan, cresc. 4 7, s 8 horas e 46 a. da lard.
Preamar de hoje
1. a 0 horas a 30 as. da manlr.a. 2. a \, horas a 54 m. da larde.
venda.
16.100
b,lJW
9,000
1,850
1.S51I
1,850
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 10 DO CORRENNE.
Oflcio Ao inspector da thesouraria da fa-
lencia disendo em resposta uo seu olTicio do 6
do presente, que as despesas com a companhia
de arlilces forao tambe) autorisadas pela or-
dem da presidencia, que mandou continuar
com as despesas da Torga de lmlia, e guarda na-
cional destacada.
Dito Ao commandnte das armas, orde-
nando que recommende aos olTiciaes do cor-
po destacado da guarda nacional, que csto no
commandode destacamentos, engajados da po-
lica de difTerentes termos dcsta provincia a
observancia do regulamento dado ao corpo de
polica na parte em que obriga os comman-
dantes de destacamentos darem parte mensal
dos aconterimentos que occorrem para ser
presente a Presidencia por intermedio do com-
mandante geral do corpo de polica.
Portara Concedendo demissao de primefro
supplente do juiz municipal do termo de Olinda
ao doutor Zacaras de Goes e Vasconcellos.
Participou-se ao. mencionado doutor; nomeou-
se para o referido lugar ao bacbarel Luiz Pauli-
no Cavnlcanti Vellez de Guivara; e communi-
cou-se ao presidente interino da relacao e ao
juiz municipal supplente do termo de Olinda.
Dita Demittindo Jos Soares de Azevedo
do em prego de prolessor de francez do lyco
desta cidade. Communicou-se ao demittido ,
ao director interino do lyco, e ao inspector in-
terino da thesouraria das rendas provinciaes.
Ollcio Do socretario da provincia ao pri-
meiroda assemblea legislativa provincial, re-
mePcndo o requer ment de Manuel Inopes V-
anna acompanhadoda informacao, que em
virtude de resolucao da mesma assemblea se
exigi da tliesouraria das rendas provinciaes.
Dito Do mesmo ao inspector interino da
thesouraria das rendas provinciaes, participan-
do que o Exm. Sr. Presidente nomeou nesta
data (10) para director do lyco desta cidade ao
proessor do mesmo lyco Fr. Garlos de S. Jos.
dem do da 11.
Ollcio Ao inspector interino da thesoura-
ria das rendas provinciaes ordenando que
mande satisfaser as diarias, que tiverem ven-
cido os membros da assemblea legislativa dcsta
provincia doutores Pedro Francisco de Paula
Gavalcanti de Albuquerque Alvaro Barbalho
Uchoa Cavalcanti e Manoel Mendos da Cunha
Azevedo que segucni hoje (II) para a corte ,
e ao padre Miguel do Sacramento Lopes Gama.
Dito Ao delegado supplente do tormo do
Rio Formoso significando que forao recebi-
dos etivera destino os recrutas deque fez
acompauhar o seu ollcio de 8 do corrente, me-
nos o de tiome Jos Vicente que por padecer
de epilepsia e estar por conseguinte impossi-
biitado de servir na 1.a linha Ihe devolve.
Ora pois tudo naufragou definitivamente.
Sao ag musinas Col has de Londres que o annun-
ciain. A esta hora nao ha mais tratado com
Portugal. Lord Aberdeen ancioso por chegnr
ao cabo havia exigido por fim um ultimtum da
parte do gabinete de Lisboa o qual pareca
tergiversar cada vez mais ao passo que se appro-
ximava do desenlace. Este ultimtum acaba
de ser transmitido a sua senhoria mas muito
diverso do que elle quera ou do que elle es-
perara receber. E' urna repulsa tao formal
Iuauto possivcl; porque poo-se assignatu-
ra do tratado d'csse tralaJo concluido a prin-
cipio ha mais de seis me/es condicoos que se
sabia de antemo nao o podercm ser em caso al-
gn aceitas pelo gabinete i nglcz.
Assim se realisa o que tinhamos previsto.
Portugal est ci-ncado do amanho a que o li-
nham submettido ha tantos anuos. Ello nao
quiz renovar a sua escriptura de escravidao
cornmercial. Felicitamo lo por essa resolucao,
porque ella prova que elle comprehendeu final-
mente o mal que Ihe fizeram todos os tratados
concluidos em seu nomo com a Inglaterra desde
o de 1703.
A iniciativa da resistencia oi tomada polo
conselhode estado. Pomo a pouco se propa-
gou esta resistencia: os interesses esclareceram-
se o obraram sobre o governo que nao pode re-
sistir por mais tempo ao pendor geral. Com-
elTeito notavel que esta resolucao do gabi-
nete portuguez tenha sido tomada precisamen-
te no momento em que as ultimas eleiedes aca-
ba de dar-lho as cortes urna immensa mai-
partida para a China era annunciada como mui-
to prxima. ( La Preste. )
oria.
Seguir a Hespanha o exomplo de Portugal ?
A conducta do seu vizinho para ella mais una
orca na situacao em que a collocaram as cogas
tendencias do seu governo.
EXTERIOR.
Sobre o tratado entre a Inglaterra e Portu-
gal l-se na Presse o seguinte :
Haode leinhrar-se os leitores que todas as
vezes que lem entrado em questo'o tratado de
commercio entabolado entro a Inglaterra e Por-
tugal, hemos dito e repetido que o tal tratado (i-
caria em nada. A Inglaterra fazia o maior em-
penho.por conclui-lo porque achava n*esse
arranjo um meio de constranger depois a Hes-
panha a entrar em negociacoes com ella e no
entretanto inunda-la com os sous productos por
contrabando, seu representante em Lisboa ,
Lord Howard de Walden nada poupou para
consegui-lo. Da parte do governo portuguez
nao oram menos favoraveis as dsposices. O
Dnquede Pamella tinha j assignado a con-
venco. Nao faltava mais do que regular as pau-
tas, isto applicar os principios estabelecidos
n'essa convenci. Era pouco na apparencia :
tambera as folhas de Londres annunciavam-nos
todos os das que o negocio estava definitiva-
mente concluido que o teredo eslava entre-
gue aos copistas e que chegaria MU, falta pe-
lo primeiro paquete um exemplar em forma ao
Fureign office [ secretaria dos negocios estran-1
geiros).
0maphore de M/arseille d a conhecerum
novo expediente empregado pela Inglaterra pa-
ra grangear trabalhadores negros por meio do
que el les chamam empregaedo dos trabalhado-
res africanos. Na verdade nao tem isso lu-
gar sem o consentimento dos escravos captura-
dos ; mas eis-aqui os termos em que expres-
sado esse consentimento por elles segundo a
verta do S'maphore. Os negros escravos ou
cngajados'sao transportados para bordo dos na-
vios quedevem conduzi-los s colonias Ingle-
zas. Um negro perfeitamente ensaiado no pa-
pel que Ihe ensinaram apresonta-se na frente
d'clles quando estam alionados no con vs do
navio esuppoc-se transmittir-lhcs na sua lin-
gua esta pergunta. Queris ir trabalhar por
cinco, seis, ou dez annos n'um paiz distante
do V05SO ?
A esta pergunta os negros uiovem as cahecas,
ou do gritos muito pouco intelligiveis. O in-
terprete negro volta-se para os oflciaes de bor-
do e diz-lhe. Esta gente nao quer outra
cousasenao ir trabalhar n'um paiz distante.
Ora est bem visto que o interprete falla-lhes
d'uraa cousa muito differente do que irem tra-
balhar a mil leguas distante do seu paiz na-
tal.
Depois de prcenchida burlescamente esta for-
malidade distribuem-lhes urna racaod'aguar-
dente o que tem por efleito infalivel por estes
trabalhadores livres n'um estado de grande ale-
gra ; e. os oliciaes inglozos attestam no proces-
so verbal que o annuncio d'irem trabalhar
n'uma trra remota causou a estes africanos.u-
ma alegra que elles manifestam com dancas ,
saltos e cantigas nacior acs.
Segundo cartas escriptas de Roma, tinha-
se recebido n'esta capital da christandade cartas
authenticas dos missionarios calholicos da CM-
na annunciado que o imperador do imperio ce-
leste permiti d ora em diante aos missionarios
a liberdade de entrarom e cireularem sem obst-
culo nos scua estados ; que nao contente com
esta concossao o mesmo imperador havia sollici-
tadoa remessa de novos e mais numerosos mis-
sionarios. O que parece Eiu que a pi opa-
ganda j designara quarenta religiosos, cuja
ASSEMBLEA GERAL
CMARA DOS SRS. DEPL'TADOS.
Sesso de i de margo.
L-se o seguinte parecer :
Foi presente s commissoos deconstituico
e de assemblas provinciaes a indicacao do Sr.
doputado Diogo Poreira do \ asc.oncollos para
que as referidas commissoos tondo em vista
o relatorio do ministerio do imperio interpo-
nhao seu parecer sobro as duas seguintes quos-
toes : Io, se a dissolucao da cmara dos deno-
tados importa a das assemblas legislativas pro-
vinciaes ; 2o, se. quando o pedir o bem publi-
co poder ser dissolvidaalguma das referidas
assemblas.
As commissoos depois de um profundo
exame que objecto de tanta gravidade exige .
tem a honrj desubmottor consideracao desta
augusta cmara o seguinte parecer :
O artigo 178 da constituico declara cons-
titucional tudo quanto diz rospoito aos limites
e altribuices respectivas dos poderes polticos ,
devendo cortamente dosignar-se muito positiva
e expressamento na mesma constituico a accao
que um podor possa tor sobre outro. At a pu-
blicado do acto addicional o poder legislativo
exista exclusivamente na assombla eral com a
Senecio imperial ; porm depois daquella pu-
blicacio o podar legislativo foi fraccionado ,
creando-seassemblas legislativas provinciaes,
i-s quaos dentro dos limites que Ibes forao mar-
cados constituem um podor legislativo separa-
do. Nao havendo portanto artigo algum ou
na constituico ou no acto addicional que
consigne a doutrina de ser a dissolucao das as-
semblas provinciaes a consequencia da disso-
lucao da cmara dos deputados entondem as
commissOesque razo teve o Exm. ex-ministro
do imperio quando no seu relatorio disse
reflectindo porm o governo em quo nem a
constituico, nem a lei das reformas autorisa
expressamente esse acto ( da dissolucao ) resol-
ven que ellas ( assemblas provinciaes ) progre-
dissom nos seus trabalhos. Alguns tem que-
rido doduzir a doutrina contraria da disposicao
do artigo i do acto addicional quando orde-
na que as assemblas provinciaes sejo Hornea-
das pelos mesmos eleilores que nomcao a cma-
ra dos deputados ; porm as commissoos entcn-
dem que semelhante corolario nao pedo ser ti-
rado do citado artigo e que, urna vez satisfei-
to o preceito da le no acto da cleiYao succes-
sos posteriores nao a podem prejudicar.
h Entrando as commissoos no exame da se-
gunda questo nao encontrro igualmente
disposicao alguma constitucional pela qual po-
dessem rcsolv-la affirmativamente sem que
cntrem com tudo na sua conveniencia. O acto
addicional, creando este novo poder legislativo,
adoptou urna parte smente da doutrina do
5 do artigo 101 da constituico conferindo
aos presidentes no 2o do artigo 2i a attribui-
cao de prorogar e adiar as assemblas provinci-
aes quando assim o exigir o bem publico; nao
mencionando igualmente a outra parte do cita-
do o", que falla na dissolucao da cmara dos
deputados ; e nao conferindo semelhante attri-
buicio aos referidos presidentes nao a confe-
rio igualmente a outra autoridade ou poder.
Talvez. fosse conveniente que o poder mode-
rador a quem estao confiadas tao grandes at-
tribuicoes. e o velar na guarda da independen-
cia equilibrio e harmona dos poderes nao
fosse privado desta importante tarefa de velar
sobre a marcha poltica das assemblas provin-
ciaes parecendo haver perdido parte le suas
regabas com a creaco dostoscorpos doixando
de tor sobre ellos, quando destacados do poder
legislativo geral os mesmos dreitos que tinhn
sobre seu todo reunido ; porm a soluco de se-
mt'iiiuiiio quesiao i niuio importante para ser
objecto de um parecer, contcntando-se as com-
missoes com a declaraco que dolas se exi-
gi de nao existir expressainentc definido na
constituico o direito de dissolver alguma das
assemblas provinciaes, quando o exija o bem
publico.
Sala das commissoos, '.i de marco de 1843.
Goncuhrs Martin, Souza Franco./.
A. de Mirando. Queirox. l) M. A. Mat~
carenhus. F. S. Pessoa de Mello.
Podo-se a palavra, eo Sr. presidente decla-
ra adiado o parecer.
OSr. Reboticas: Senhores depois quo
se promulgou o cdigo do proresso ficou es-
tabelecido que as juslicas ecclosiasticas nao po-
dio tomar conhecimento senSo de negocios es-
pirituaos ; mas, nao obstante ellas continu-
rao ajulgar das causas da separacao tempora-
ria e perpetua dos casados, n'um caso sem di
viso da communidade de bens, e no outro ca-
so com separacao delles. Sobre isto versou al-
guma duvida ; por-'-m um aviso do ministro da
justka declarou que oro do dominio espiritual
as causas de que ti/, meneo, o que me pareceu
extraordinario! Cotutudo passou, ecreioque
as refrmas do cdigo do processo senao di-
rocla, iiidiroctamonto o sniieeionro. Como,
porm legislaees asssim anmalas e arbitra-
rias nao podem destruir as condicoos que sao
essenciaes cousa sempre ficou subsislindo a
verdade de que julgar de coviciascorporaes no
julgar de cousa iienbuma espiritual ; julgar do
adulterio intra aa extra aomum nao julgar
de cousa espiritual ; a dissolucao da socedade
dos conjugos a respeito da propriedade dos bens
respectivos, a dissolucao da reciproca commu-
nidade dos bens com as consoquencias da pro-
priedade onmniiim (.ellos ficou sempre dei-
xando de ser espiritual. Por consequencia im-
porta a este respeito desde muito haver urna le-
gislaeo que vonha a sor a guarda dosdireitos
naturaes ou dos do civil aeommodado s cir-
cumstanciasdo paiz e do manoira que o esta-
do conjugal soja garantido nesla parte impor-
tante da existencia e consorvaco das familias ,
e de todos os interesses da primeira o segunda
ordem que convergen) para o bem do estado
em geral.
D-se mesmo nessa pratica repugnante urna
nimia desigualdade ; porquanto, se por ventu-
ra anda se dessem ( apezar da anomala ) os re-
cursos que se do as materias civis poder-
se-hia tolerar. Mas nao ; acontece que um
dos negocios mais importantes, o da harmo-
na das familias, do principio mantedor da
educaco dos fillios de lodos os interesses quo
comporto a socedade civil ico dependendo da
deciso anuente de duas instancias julgando o
vgario geral, e confirmando ou revogando a
relacao metropolitana: faltando por conseguin-
te o recurso para o tribunal supremo, edahi
para urna relacao revisora de maneira que ,
por exemplo urna questo em quo baja di-
vergencia entre os dousconjuges sobre a alie-
naban dequalquor propriedade de raiz tem
por garanta o julgado de primeira e segunda
instancia do tribunal supremo e de urna re-
lacao revisora ; e pelo contrario o fundamen-
to da communidade conjugal, o principio cons-
titutivo dossa propriedade reciproca dos conju-
res e ( o que mais ) a procreacao dos filhos
legtimos sua educaco sua moralidade o
exemplo da moralidade dos pas a manuten
co physica e civil delles todo o complexo d
raides que se identifco com a existencia da so-
cedade e o bem geral do estado deixo-se de-
pendendo do juizo do v gario geral e da relacao
metropolitana onde contra dous juizesdeci
dem! A justica ci\ I recebe urna sentenca des-
tas como absolutamente definitiva; e nSo tem
outra cousa fazer senfo a partilha dos bens
conjgaos entre os ecclesiasticamente separados.
Ora isto principalmente no tempo de boje ,
em quo ninguom pode duvidar que os interes-
es matonees vo sobrepujando a todos os prin-
cipios moraes um estimulo para as desgra-
nas dos conjuges que alguns cabedaes possuem:
porque, se tem um prente ou falso protector,
quer na razao do marido se elle que traz a


^
I
communho grande patrimonio soja na razao
da mulher,ei-lo que promovc o frigusculo con-
secutiva nu.-n le i acco de divorcio e tudo 6
ganho Vence-so dividem-se os bens e
aquello que lomentou uina semelliante dcsor-
dein n uina familia vem a ser de facto partiario
delles o o menor mal para os (Mitos a privaco
do caliedal materno oupaterno que teria de Mies
pertencer em legitima.
Creio que no que tenho exposto a esta as-
semhl a imposta de pais e maridos, irmaos
iilhos, todos encarregados do hem geral ha
de sobcjo para que se possa comprehender na
maior extenso i>ssivel qual o met intuito sen-
do-lhe aceita a indicacao que olTereoo ( lea se-
guale indicacao ) :
Proponlio <|ue as commissoes dos negocios
eccles>asticos e de justica civel scjo encarrega-
das de iniciar um projecto de lu (|uc providen-
cie sobre os inconvenientes de se continuarem a
julgar, como sejulgao as causas de separa-
cao temporaria e perpetua dos casados sem e
com separado de bens. Paco da cmara dos
deputados, \ de marco de 183. O deputa-
do Rrboucas.
Contina a discussao da rcsolurao do sena-
do annullando a lei provincial deSorgipede
9 de marco de 18M sobre a qual falla o Sr.
P. Manoel, e lica a discussao adiada pela hora.
Contina a iliscussao do art. 2" da proposta
do governo que lixa as orcas de torra com as
emendas apoiadas.
Tomo parlo na discussao os Srs. Ferraz ,
Penna Paula Candido o lie/ende.
O Si. iV. Machado cede a palavra o ao
mesmo lempo aprsenla o reqiieriiiionto de uina
mullierque pede baixa para seu ilbo.
O Sr. Presidente Isto nao tom lugar
nenhum....
<> Sr. TFanderley : A'em como emenda ?
(Risadas. )
E approvadoo artigo com a emenda additiva.
U-se por linda a segunda discussao e de-
cide-se que o projecto pa'sse torceira.
Contina a discussao do projecto annullan-
do a lei provincial deSergipe.
O Sr. Magalliiles e Castro : Eu cedera
da palavra para volar ; mas occorre um incon-
veniente ; olTonveu-se boje uina indicacao que
me niove a pedir o adiamento para naocabir-
Rtoa no inconveniente de tomarmos urna deli-
beraco boje e pastar depois urna rcsolucao
que p )le complicar-secom o que passar boje.
Na indicacao que sepropoz boje se diz que as
assemblas provinciaes nao podem conceder
pensese aposentadoras; se ella passar, a con-
MJquoncifl sen revogarem-sc todas as pensos e
aposencadorias que as assemblas provinciaes
tem concedido ; |>or consequencia entendo que
da deciso desta indicacao dependo a questao
que est em discussao ; e 6 por isso que peco o
adiamento
O Sr. Presidente : Mas o ad'amonto, na
forma do regiment nao pode ser indeferdo.
O Sr. Magtlhes c Castro : At que a
commissao d o seo parecer.
) Sr. I'resiilenle : Isto inuito indeter-
minado, porque ninguem pode obrigar a com-
missao a dar seu parecer dentro do um limita-
do esparo de lempo
O Sr. l/agalhiies e Castro : Por l.'J dias.
Indo-so sujeitaro .diainenloao apoiamento,
verifica-se nao baver casa.
Sesso de 6 de marro.
Terceira discussao do projecto de fixacao de
lorcas navaes. Fallios rs. Ilezendes, lie-
hou.-as, Torres, o Peixoto de Unto : julga-sea
materia discutida be o projecto adoptado.
Contina a discussao da rcsolucao n. 17 do
senado relativa.nenie revogacao da lei pro-
vincial de Scrgipe que concede penso a urna
viuva.
E'apoiado o adiamento proposto por 15 dias
pelo Sr. Magalhes o ( astro.
O Sr. II. de Rezente vota contra o adiamen-
to nao so como intil ocioso e superficial ,
mas tambom porque vai empalar urna questao
que deve ser decidida quanto antes ; porque se
o adiamento proposto fr adoptado nunca a pro-
posta do sonado ser approvada.
U Sr. 4guiar : Sr. presidente alguem
se admirar de que encarando eu a questao
que ha tantos dias se discute como de um ca-
rcter mui serio como de urna importanc a
mui transcendente i porque, qualquer que so-
ja a deliberadlo que lenbamos de tomar, ir
poderosamente influir nao s a respeito de
nnssas decisoes ulteriores sobre casos idnticos ,
mas anda a respeito das deliberarnos de/todas as
assemblas provinciaes do imperio, se admira-
r repito que me levante para impugnar o
adiamento proposto pido nobre dcpulado pola
Babia ; mas vista das razos com que me
proponbo sustentar a recusa de minha acquies-
cenra mohecer asta augusta cmara que nao
ha contradic(;o entre o meu pensar e mou pro-
cedimento.
Se bom me record Sr. presidente o no-
bre deputado fundou o seu requerimento de a-
diamento em que achando-se sobre a mesa u-
ma indicacao feita pulo nobre deputado por
Matto Grosso, alim de que a Ilustre commis-
sao de constituidme poderes d o seu parecer
a respeito da competencia ou incompetencia das
assemblasprovinciaespara coucederem penses,
convinba que se esperasse por esse parecer, para
que nao succedesse tomarmos medidas desen-
contradas e mesmo para que esse resultado
nos servisse de norma na deciso do projecto ,
vindo da cmara vitalicia e que se acha em
discussao. Permitta-me o meu honrado colle-
ga que eu nao julgue tao robusta esta razao para
que, por sis, possa justificar o adiamento
requerido.
(guando para a ajustada deciso de urna
questao qualquer ou para molhor esclarcci-
mento de urna discussao importante se torna
necessaria a presenca de alguns documentos que
digao respeito a mesma questao nada mais ra*
/oavel, nada mais justo do que um adiamento
ueste caso : nada mesmo mais curial do que um
apso de lempo concedido aquellos que o exi-
gem quando, nao tendo examinado bem urna
picstao so vem a ponto de dar os sous votos
sem haverem formado conscientemente o seu
uizo ; mas quando estas razos nao militan ,
piando alguma neeessidade de outra especie
nao reclama esse lapso de tempo ou pens que
elle nao deve sor concedido, porque nenhum
outio resultado producira mais do que o atra/o
de trabalhoe prolelaco sem utilidade ; e taes
sao as circumstancias em que supponho achar-se
o adiamento om discussao.
Sonbores eu nao comprehendo qual soja a
influencia que devera ter a parecer da commis-
sao de constituicao e poderes dado sobre a
indicacao do nobre deputado por Matto Grosso,
u respeito da adopcaoou rejeicaodo projecto que
anntilla a lei provincial de .wergipe. A Ilustre
commissao apenas convidada paraemittira
sua opini&O relativamente competencia ou in-
competencia las assemblas provinciaes para
concederem pensos; e que destino tora um
lal parecer ? Creio que depois de discutido ,
ser approvado ou rojeitado ; e isto lindo esta
lambom linda a discussao do projecto? Nin-
zueitl dir que sim : logo que dependencia tem
este daquelle ?.... So se quer eslabeleceruina
regra lixa c invariavel tara que neste ponto ,
soja seguida e observada polas assemblas pro-
vinciaes nao cortamente por meio de uina
indicacao que isto se pide conseguir ; ao con-
trario interpretando o acto uddicional na par-
le que investio essas assemblas do diroilo de
distribuirem as suas rendas ; e bem convencido
estou de que o nobre deputado nao pretendo
obtor semelhante lim pelo meio que propz ;
uina vez que nao tendo um parecer de com
inisso o carcter de lei, nao pode obrigar a
alguem a que proceda antes desta do que da-
qtiella n.ancira. Ora se isto urna verdado
incontestavel, se por um semelhante caminho
nos nao possivel tocar o ponto que nos di-
rigimos p evidente que o adiamento torna-se
intil e at pernicioso porque tem afinal de
produzir novas discussocs e, por consequen-
cia consumir mais tempo sem proveilo algum.
Alm disto, j se tendo bastantemente dis-
cutido a questao e levado a ella toda a luz
possivel e necessaria para a sua ajuizada decisao,
nao ser certamenle o parecer da nobre com-
missao que vira mudar as ideas queja temos
expendido a este respeito ; porque seja qual for
esse parecer c le estar subordinado aos ines-
inos principios que alguns oradores tem susten-
tado e outros impugnado ; isto seja qual for
o fundamento em que se base a nobre commis
s.'io esse fundamento ha de ser infalivelmenlc
cnumum ao perecer e ao projecto ; com una
dilleronca porm que a decisao deste ter do
produzir a conlirmacao ou nulliicacaS da lei
provincial do >ergipe e a daquelle nada abso-
lutamente produzir; porque he faltar a pre-
cisa Corea para obrigar.
Ainda quando em lugar da indicacao o
honrado deputado por Mallo Grosso tivesse of-
ferecido um projecto de lei que regulasse o pro-
cedimonto das assemblas provinciaes ; nestu
parte mesmo assim eu negara o meu voto
ao adiamento, nao s norque elle tera de pro-
duzir a perda do lempo que ja se tem gasto em
discutir a materia mas ainda porque estou
milito convencido de que um artigo constituci-
onal nao pode nem deve ser revogado por una
lei ordinaria urna voz que essa disposico de-
ver alia I lazor parte da constituicao ou do
acto addicional que tambom he constituicao.
Srs., ou pens que a nossa misso no que diz
respeito as leis provinciaes est bem designa-
da bom definida no art. 20 das reformas cons-
titucional! ; pens que nenhum meio temos de
riimnri-la orino revocando cssas leis quan-
do um serio exame nos levar a conviccao de que
as ou offendem os tratados, ou a constitui-
cao ou os direitos das outras provincias ; e
como ossas revoleos devio ser fritas por ac-
tos especiaes minha opiniao que na questao
vertente approvemos ou reprovemos o projecto
do senado sem dependencia desse parecer que ,
a meu ver nem poder ser tomado como base
de nosso procedimento ulterior nem poder
influir sobre o acto que presentemente trata-
mos de confeccionar.
Sr. presidente, eu poderia produzir algu-
mas outras razos que sem duv ida convido a
rejeitar o adiamento ; porm nao sendo esta
questao de vital interosse, nao importando ella
a approvacao ou rejeico da lei provincial que
se acha sujeita ao nosso exame contentar-me-
hei com o que expend, e votarei contra o mes-
mo adiamento.
(Conlinar-se-ha.)
PERNAMBUCO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
Acta da 33." sesso ordinaria da Assembla Le-
gislativa Provincial de Pernambuco em 20
k abril deiHS.
Presidencia do Sr. Paula Lacerda.
Feita a chamada acharo-se presentes 21 Srs.
deputados, faltando com participaras o Scnhor
Lourenco Bizerra e sem ella os Srs. Machado
Ros Caroolro da Cunha Manoel Cavalcanti.
padre Faria, Baro de Suassuna Tiburtino c
Isidro. O Snr. presidente declarou aberta a
sessSo.
EXPEDIENTE.
TUm requerimento do oiTicial-maior da secreta-
ria desta assembla em que pedo os emolu-
mentos das certides, que passa ; a commis-
sao de U'ttislara.
Foi lido apoiado, e julgado objectode de-
liberarlo o seguinte projecto do Sr. Domines:
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco resolte.
Art. nico. A fropucsia do Bonito d'ora a-
vante principiar na Barra do Biacho e se-
guir at a barra da Janeada inclusive; c dahi
voltar pela margem.direita do Rio Pirangi, pas-
sar o Bio de Una e ir a' o engenhn da liba
de Flores inclusive o dahi voltar at a Cova
daDolunta onde voltar procurando a Sorra
dos Mocos, seguindo pelo cume da mesma,
descera om rumo as nasoencas do Riacbo, e
seguir pelo mesmo rio at a sua barra.
FicSo revogadas todas as disposicoes e leis em
contrario. Sala das sesses da assembla legis-
lativa provincial de Pernambuco de abril de
1843.Domingues.
Foi lida e approvada a redacfa do projec-
to n. 3 deste anno.
Um offlcio da Presidencia participando ter
supprimido a cadeira de primeiras lettras do
Ex pelas rases nello expostas s dente.
Um requerimento da cmara de Iguarass ,
participando baver concedido ao seu secretario
a gratificarao de 100.S reis sobre o seu ordenado,
e pedindo a approvacad desta assembla.
Um officio da presidencia acompanhado do
requerimento de Manoel Lopes Vianna com a
informara, que obteveda Ihesouraria das ren-
das provinciaes em virtude da resolura desta
assembla ; commissao de ordenados Urna
repiesentaca da cmara de Garanhuns, pedin-
do loquerimenlo dos povos de Papacara a
crearas de aulas de primeiras lettras; rom-
missa de instrucca publica.
Foi lido o parecer adiado da commissao de
ordenados sobre o requerimento dos guardas
marcadores da inspeccaS do algodaS pedin-
do auuinenlo dos seus ordenados ; foi approva-
do. Foi lido o parecer adiado da commissao do
commercio e agricultura sobre o requerimen-
to do bacharel Barros FalcaS ; e naS foi ap-
provado.
Foi lido o parecer adiado da commissaS de
ordenados sobre o requerimenlodo cidadaS Pro-
firo da Cunha Morcira e foi approvado. O Sr.
Mello mandou o seguinte requerimento: re-
queiro que sed com urgencia para a ordem
do da na primeira sessaS o projecto n. 22 de
1840 cerca do ordenado do director do colle-
gio dos orlaos ; approvado.
OSr. Neto fez o seguinte requerimento
Tendo-se retirado para o Rio de Janeiro os Srs.
deputados Mendes, Alvaro e Pedro Cavalcanti ,
roqueiro que pelos tramites legaes se chamem
com urgencia os tres supplentes inmediatos ,
e foi regeitado com a emenda do senhor Rebel-
loque se chamem os supplentes necessarios
para pieencher todas as vagas.
OIIDEM DO DA.
Continuou a discussaS ad liada do projecto n.
17,e foi approvadoem primeira discussaS, man-
dando o senhor Oliveiraa seguinte declararas
declaro, que votei contra o projecto n. 17 do
senhor Lopes Gama em primeira discussaS.
I-"i.tr --ii em segunda discussaS o projecto nu-
mero 12 deste anno. O artigo primeira loi ap-
provado.
Entrando em discussaS o artigo segundo o se-
nhor Veto ez o seguinte requerimentorequu-
roo addiamento da discussaS deste artigo at
que seja appresentada esta assembla o orra-
mento da cmara municipal do Recie, apoia-
do e depois rejeitado, continuando a discussao
com as sesuintes emendas:lo senhor Oomin-
guesao 1. do artigo 2. eleve-sc a 1.200$
reis o ordenado do secretado apoiada, e ap-
jirovada. Do senhor Araujo Pereira% substi-
tutivo ao o do artigo2.com os quatio lisiaos
200$ reis 2:400g reis, apoiada" e approvada;
ficando prejudicada a seguinte do-senhor Lau-
rentinocom os quatro fiscaes das freguesias a
saber de S.' Antonio 8008 reis, da Boa-Vista
7008000 reis do Recife 60l>8 is. e dos Abo-
gados 3008 reis ; e tambom a seguinte dj se~
nhorJos Pedrova lugar de 800g diga-se
6008e em lugar de 500g diga-se 400g. O se-
nhor Jos Pedro mandou a seguinte emenda su-
piessiva ao 6.supprima-so o $ 6. .apoia-
da e depois rejeitada com a do senhor Do-
mingues supprimao-se as palavrasengaja-
do exclusivamente para o servico S. R.
Foiappoiada, e approvada a seguinte dd- se-
nhor Sousa LeaScom o advogado da cmara,
4008 reis.
Foi apoiada e depois rejeitada a seguinte
do senhor Jos Pedrosupprima-se os $ 22, e>
23 e no 20em Jugar de 6:000g reis diga-
se 3:0008 leis. Foi apoiada e apprjvada a
seguinte emenda ao 1. do aitigo 2 do senhor
Netoem lugar da palavra secretaria diga-se
secretaiio, sendo a final approvado o artigo 2
com as emendas j declaradas em segunda dis-
cussaS.
O senhor presidente nomeou o senfior Uhvei-
ra para receber a quota marcada para as despe-
sas da casa e por ser dada a hora levantou
a sessa dando para a ordem do dia a conti-
nuacaS da de hoje, terceira discussao do pro-
jecto n. 22 de 1840, segunda do numero 7
deste anno, dita do n. 15 deste anno, dita do
n. 13 deste anno, dita do n. 9 desto anno, e
primeira do n. 10 deste anno.
Francisco de Paula Cavalcanti de Albuguer-
que Lacerda, vicepresidenteAntonio Jos de>
Oliieira, 1. secretario interinoFrancisco Do-,
mingues da Silva, 2."secretario interino.
Acta da 34.* sesso ordinaria da Assembla Le-
gislativa Provincial de Pernambuco em 21 de.
abril de 1843.
Presidencia do Sr. Pau.'a Lacerda.
Feita a chamada acharao-se presentes 22
Srs. deputados, faltando os Srs. lJello, Macha-
do Ros, Manoel Cavalcanti Faria, Barao de
Suassuna Paula Mesquita e Pinto de .Mmeida.
O Sr. vice-presidente declarou aberta a sesso;
foi lida e approvada a acia da antecedente.
EXPEDIENTE.
Foi lido, e enlrou em discussaS o parecer a-
diado da commissaS de constituicaS. e p >deres
acercado projecto de estatutos do semenario e-
piscopal de Olinda. O senhor Pereira de Brito
mandou a mesa o requerimento seguinte :re-
queiro o adiamento da discussaS por tos dias
somonte: apoiado e depois letiradoa pedi-
do do seu autor. Findaahora do expediente,
o senhor Neto mandou o seguinte requerimen-
to :requeiro a urgencia para se descutir o pa-
recer da commissaS de constituicaS acerca do
seminal io de Olinda:approvado.
Ciiitinuoua discussao. Foi appoiada a se-
guinte emenda do senhor Neto ao parecer:que
se subinetta a discussaS o projecto de estatutos
para o seminario de Olinda.
Dada a hora ficou adiada a discussaS e o
senhor vice-presidente dando para a ordem do
dia a continuacaS da de hoje, levantou a sessa.
Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquer-
que Lacerda, vice-presidente Franciseo Joio
Carneiro da Cunha, 1. secretarioBernardo
Rebello da Silva Pereira, 2. secretario interino.
i\ 't.
r'"g6is sendo o ordenado do do m
Aiiloniodo8008 reis dos das do Recife eBoa-
Vista de 7008 reis edo dados Amigados de
EXPEDIENTE DA ASSEMM.EA.
Dia 20 de abril.V. 31.
Um. Sr.Envi a V. S." para ser presente
ao Exm. Sr. Presidente da provincia as postu-
ras da cmara municipal du cidade de Goianna,
que sebsua proposta foraS pela assembla le-
gislativa provincial decretadas; afim do mes-
mo Exm. Sr. dar a necessaria ordem para ser
as ditas posturas rcmetlidas a mencionada c-
mara.Ao secretario da Presidencia.
N.32.
lllm. Sr.Participo a V. S.1 para levar ao
conhecimento do Exm. Sr. Presidente da pro-
vincia que a assembla legislativa provincial
tem nnmeado ao infra assignado para receber a
quantia de oitocentos mil res quota marcada
para as despesas da secretaria e casa da assem-
bla ; afim do mesmo Exm. Sr. dar as suas or-
dens para se faser a nocessaria participacaS a
respectiva thesouraria.-Ao secretarlo da Pre-
sidencia.
Parecer de Commissao.
A commissao de estatistica pensando com
maduresa sobre o objecto da indicacao do senhor
deputado Pcssoa de Mello e tanto mais quan-
to ella tem por fim extremar e decidir ques-
tes de lano inleresse para esta provincia, o
que s se pode obter por urna representaca 4
assembla geral, nica competente para termi-
nar por urna vez que provincia deve perten-
cer toda a povoara de Pedras do Fogo he de
parerer, que esla assembla dirija geral urna
reprcscnlara na qual se pessa a incorporaca
de toda a mencionada povoaraS esta provincia;
o isso naS s porque esta assembla est rigoro-
samente obrigada a pugnar pelos interesses dol-
a como porque he mais natural que aquel-
la povoaca seja toda ligada a Pernambuco, com
quem entreten todas as suas relares commer-
ciaes desde longo tempo. Sala das commissoes
om 11 de abril de 1843. Bernardo Jebclio
LacerdaAraujo Pereira.



COMMERCiO.
Alfandega. -
Rendimento do dia 22......... 12:335^391
Descarregao hoje 25.
Brigue Progress carvao.
Patacho s/perade Palket vinhos.
Brigue Conceico Flor de l isboa lages.
Brigue Margaridi vinho, azeite pedra
marmore, drogas, e miudezas.
Briguo Feliz Aurora fazenda, rap, cha-
rutos e junco.
Barca Emily fazcndas sabao, e louca.
Brigue Droma ferro.
Brigue Rival bacalho.
Iteclaracoes,
O administrador da moza da recebedoria
de rendas internas geraes faz sebera todas as
Leudes.
Leilao, que faz J. O. Elster de um com-
pleto surt ment do ferragens c miudezas, no
Algodao
PRAGA DO RKCIFE 22 DE ABRIL IE 1843.
Revista mercantil.
Cambios Nao houverao transaccoes na serra-
na, e nominal o preco de $7 d. p>
18. por falta de sacadores, dando
causa a esta parali/acSo grande por-
cao de dinheiro vindo pelo ultimo va-
por.
A entrada da semana foi mui demi-
nuta por causa dos dias santos e chu-
vas, as vendas forao mui pequeas aos
pfecos colados, e foi pouco procu-
rado.
Assucar A entrada foi regular, e as vendas
do branco a 18000 reis e do mas-
cavado a 900 reis por (u) sobre o fer-
ro.
Couros Existem em ser diversas partidas, h
quaes nao tem aparecido comprado-
res, sendo oITcrecidos a 130 reis a li-
bra.
Carne secca Cbegrao seis embarcacocs na
semana com as quaes o deposito
de 65,000 (), sendo o preco de
2g200 a 28600 rs. nominal, por nao
se tercm feito vendas depois destas en-
tradas.
Bacalho O carregamento entrado a semana
passada seguio para a Babia, e o exis-
tente no mercado monta a 1,800 liar
ricas, que se vende a retalho a 98500
com pouca procura.
Farinha de trigoA americana continua a ven-
der-se de 168000 a 188000 reis a bar-
rica e a franceza a este ultimo pre-
co.
Potassa da Russia Vendeu-se a 240 reis a li-
bra.
Passas Cbegrao GOOcaixas do Rio de Janei-
ro que ainda nao desemharcro ,
mas ja estao vendidas a 4S000 reis a
c tixa se sahirem de boa qualidade.
Sabao amarcllo Vendeu-se a 101 reis a li-
bra.
Existem no porto 50 embarcaces a saber:
Americana..................... 1
Austracas...................... 3
Brazileiras......................23
Belga......................... 1
Dinamarquesa...........-...... 1
Francezas...................... 2
Hamhurgueza................... 1
luglezas........................ 10
Prussiana...................... 1
Portuguezas ...,................ 5
Sarda......................... 1
Sueca......................... 1
pessoas que estao a devero imposto de lanchas, j da quarta foira 26 do corrento pelas 10 horas
botes c canoas assim como o de seges e car- da manila na ra do Trapiche.
rnhos, que at o im do corrente mez ainda
recebe-se daquelles que quizerom pagar, eque
no primeiro do mez prximo futuro ser remet-
I.EILAO
A beneficio d'uma orfa menor.
O corrector Oliveira far leilo terca feira 25
tida para juizo a relacao de todos os dovedores, do corrente s 10 horas da manha, na ra Nova
afim de serem executados judicialmente. Re- loja do relojoero Faltn, do espolio do finado \|a manha nocscriptorio do Sr. \V. C.
Francisco' Perret, consistindo em um variadosortimento na ra do Trapiche n. 15 para tractar-se de
cebedoria 19 de abril de 1843.
para dentro e fora do Imperio por preco mui-
to commodo o com promptido: na ra do
Rngel n. 34.
. =; J. Hope retira-sc para fora da provln-
cia.
= G. F. Fox, subdito Inglez, retira-se pa-
ra fora do Imperio.
= Os administradores da extincta casa de
Roberto Pelly & Companhia convido aos Srs.
credores da mesma casa para se reunirem no
dia quinta feira 27 do corrente as 10 horas
"mith ,
Xavier Cavalcanti de Albuquerque.
= O administrador da meza da recebedoria
de rendas internas geraes avisa a todas as pes-
sods do hairro do Recife que matriculrao es-
cravos, que do dia 24 do corrente em diante
principia a cobranca da taxade 18000 reis pe-
lQ3 mesmos. Recebedoria 22 de abril de 1843.
Francisco Xavier Cavalcanti d'Albuquer-
que.
O brigue Veloz de que he capi-
to Jos M. da Conceico parte para o Rio de
Janeiro a 24 do corrente.
Na cadeia desta comarca achao-se reco-
Ihidos (res pretos escravos quem or os scus
competentes senhores, poderlo annunciar, a-
presentando os signaes carccteristicos ou di-
rijao-se a esla dolegatura ; um ja se acha re-
colhido dez mezes, e dois ha um mez pouco
maisou menos. Dolegatura de polica da co
marca do Cabo 7 de abril de 1843. O dele-
gado Manoel do llego Barros.
O sub-dolegado da fieguezia de S. Frci
Podro Goncalves, faz scienle, que mandou re-
colhor a cadoia o molequo Joaquim natural
de Angola menor de 14 annos e diz ser es-
cravo de Patricio de Mello, lavrador do engenho
de joias para senhora de pedrarias, &c. &c. ; ultimara finaliquidagao da mesma casa,
diversos objectos de ouro eprata, bous relojos, Aluga-so urna casa terrea sita na Cidade
patentes, inglezes, cvlindros o repitiodes, de ou- de Olinda ruado Malinas Ferreira feita a
ro, e de prata ; pndulas para cima de mesa moderna, com 0 quartos 4 sallas, cozinha
urna porcao de relojosd'algibeira; diversos tras- fora t grande quintal, que vai alao possode-
tes ; caixas grandes c pequeas com msica; as nominado conselho : na ra larga do Rozario ,
obras de lord Byron ; cartas de Miraboau ; cou- botica de Manoel Felippe da Fonseca Cande ,
sin; coursde philosopbie; e diversas, obras, de- i n. 42.
zenhos, e instrumentos de olicial de rclojoeiro, | Quem precisar de um rapaz Portugus
&c &c. e muitas outras cousas ; advertindo- para Gaixeir<> de loja du lerragens venda, ou
se queiludo se ha de vender polo maior preco of-; padaria e que tem pratica ile >enda, dirija
ferecido, c como seja em favor de urna orf me-
nor espera se concorrencia de compradores.
Avisos diversos.
= Oagente da provincia das Alagoas mudou
a sua residencia para a ra da Guia, 2. andar
da casa n. 31.
Urna mulher, boa engomadeira e cozinhei-
ra se oorcce para qualquer servico de ho-
mem solteiro; na ra das Larangeiras casa n. 26.
Quem precisar de um caixeiro para loja ,
armazem ou cobrancas dirija-se ra Impe-
rial defronte do viveiro casan. 59, ouannun-
cie sua morada.
Taquara prximo a Nazarelh ; assim como foi j A viuva do fallescido Antonio da Cunba
entregue por um homem morador em Fora de Soares Guimaraes fa'. certo pelo presente an-
Portas, umsosto com qualro galos e duas pi-
njas que foi aprehendido a um moleque, por
constar serem furtados a um maluto ainda ra-
paz, que no se aehou para Ihe serem entregues.
Recife 20 de abril de 1843. Francisco Ma-
mede de Almeida.
Fico transferidas para os dias quartas fei-
ras e sbados, as audiencias do juiz munici-
pal da 3.* vara em eonsequencia de haver nos
dias em que d'antes as dava, occorrcncia de ou-
tras de diversos juizes.
Companhia do Pebiribe.
= Os Srs. Accionistas sao pelo presente con-
vidados para rcalisarem 4 p. c. sobre o valor de
suas aeces e assim completarem a primeira
prestacao. A vista dos competentes recibos se-
rao entregues as A plices no escriptorio da
Companhir na ra Nova n. 7 devendo Rea-
remos mesmos Srs. Accionistas na integen-
50
fovmento do l'orlo.
Navio sahido no dia 21.
Suspendeo do lameiro para Falmouth, abar-
ca ingleza James btxmrts capitap John La-
rid carga a mesma que trouce de Macei.
Dito no dia 22.
Para, pelo Maranbo, e Cear ; vapor brazi-
Iciro S. SebaUao, commandanle Joo Me-
lito Henriqucs.
" Eclital.
OIII.0 Sr. inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes, manda fazer publico, que em
cumprimento do olicio do Exm. Sr. Presidente
da provincia de 15 de marco, perante a mes-
m.. thesouraria so contraclar sob ascondiccoes
transcriptas no u. 67, desta folha no dia 25
do corrente. o alcatroamento da madeira da
ponle da Boa-vista oreado na quantia de
1:1898H3 reis.
Os licitantes Jevidamente habelitados de fia-
dores idneos deverao com antecedencia apre-
sonl.ir ns suas propostas em caria feixada as quaes
sero abortas em presenca de todos no dia apra-
sado, pelas 11 horas da manha.
Secretaria da thesouraria das rendas provin-
ciaes de Pernarnbuco 11 de Ahril de 1843.
ia de que nao podem tranferir suas accoes an-
tes de serem averbadasnos livrosda Companhia.
= Sendo necessario exigir parte da 2.a pres-
tacao, afim de se remetter para Londres a im-
portancia da encomenda dos canos de ferro e
nao se podendo fazer esta exigencia antes de ser
realisada a 1.* prestacao : s5o advertidos os Srs.
accionistas, que ainda nao completrao as suas
entradas hijo de o fazer impreterivelmente at
o dia 10 de maio prximo ; soh pena de perde-
rem as quantias que tiverem realisado na for-
ma dos estatutos art. 17O accionista que dei-
xar de pagar alguma, ou algumas prestaedes de-
pois do praso marcado (30 dias) no art. 17,
perder as entradas que tiver feito em beneficio
da massa social, e a sua inscripcao ficar de ne-
nhum eeito. Escriptorio da Companhia do Be-
biribe 10 de abril do 1843. BentoJos Fer-
nandes Barros.
Avisos martimos.
= Para a Granja com escala por Acarac ,
segu viagem com toda brevidade o patacho
Emulaciio por tor prompto o seu carregamen-
to recebendo nicamente passageiros e algu-
ma carga miuda ; quem pretender dirija-se a
fallar com Manoel Goncalves da Silva na ra
da Cadeia do Recife ou com o Capito a
bordo do mesmo patacho.
Frcta-se para qualquer porto da Europa,
o novo e superior brigue inglez Progress de
primeira clas-e e de lote de 199 toneladas ;
os pretendentesdirijao-se aos consignatarios.
= Para Buenos Ayres, segu em 30 do cor-
rente em eonsequencia d<:s dias santos, o pa-
tacho nacional Especulador ainda tem lugar
para alguma carga e muito bons commodos
para passageiros ; trata-sc com o capito na ra
da Cadeia do Becifc n. 24 loja de cambio.
Para Lisboa com toda a brevidade por ter
narte da carga prompta o muito veleiro e bem
acreditado brigue portuguoz Conreicao de Ma-
ra de que capitn Manoel da Costa Neves ;
para carga ou passageiros para oque tem ex I lentos e acoiados commodos; trata-se com o seu
O Secretario, consignatario Francisco Severiano Babello ou
Luiz da Costa Porlo-Carretro. i com o capito na praca do Commercio.
nuncio, que, na ropartito dos negocios de sua
casa os que compelen! s lojas de fazondas na
ra do Crespo n." 10, e 15, continuo da mes-
rna forma sob a gosto immcdiafa doSr. Jos
Joaquim de Freilas Guimaraes mictorisados o
sobrescriptos com a firma de Viuva Cunha
tiitimares e com quem d'ora em vanle se
deverao entender todos os Srs que poressa re-
partico tiverem negocios. Pernarnbuco 22 de
abril de 1843.
Precisa-se de urna ama de leite c urna
preta captiva para o servico de casa ; na fabrica
de chapeos de sol, na ra do Passeio n. 5.
Olferece-se urna mulher para ama de casa
de portas a dentro ; na ruada Roda n. 30.
A viuva Cunha Guimaraes aluga a casa
confronte ordem 3.a de S. Francisco com os
commodos os mais proprios para urna numerosa
familia ou ainda pan qualquer collegio ; os
protendenles dirijo-se a qualquer hora, a tra-
tar na sua loja na ra do Crespo n 15.
OITerccc-se um homem particular para
ensinar a ler, escrever, e contar a meninos e a
algumas pessoas que queiro-soappicar, faz-so
por proco commodo ; quem portender dirija-se
ra cstrcia do Rozario n. 16.
Aluga-sc urna preta para todo o servico
de urna casa cozinha lava, e engoma por
preco commodo ; na praca da Independencia
loja n. 3.
= Precisa-se de urna ama que seja forra ,
e que tenha bom leite ; na praca da Indepen-
dencia loja n. 21, de Antonio Felippe da Silva.
Roga-se encarecidamente ao Sr. Luiz Cc-
zar Pinto de Farias, haja de responder aos an-
nuncios que so tem feito, exigindo saber aonde
deve ser procurado.
= O >r. Joaquim Jos de Pinho que teve
venda no A (Togado, queira declarar por esta fo-
lha sua morada ou dirija-se ra da Concat-
eno da Boa-Vista n. 43 afim de se (aliar ne-
gocio de seu interesse, ou pessoa que suas vezes
faca.
Na ra da cadeia n. 46 segundo andar,
compra-so saccas vasias em bom estado.
Fin rapaz brazileiro que he bstanle ver-
sado em primeiras letras, e que tem muito uso
de ensinar meninos ofierece-se para ensinar
em qualquer matto ( excepto o certao ) ou
mesmo para lazer qualquer escrituracao tanto
no matto como nesta praca, o qual tambem
se offerece para caxeim de escritorio, e casa de
inglez. e da fiador a conducta, prometiendo fa-
zer tudo eom muito zelo ; quem do seo presti-
mo se ijuizer utilisar, annuncie sua morada.
s: Na ra da Scnzalla nova n. 7 precisa-se
se a ra da S Cruz n. 50.
Deseja-se lalhfr ao Sr. Jacintho Joze Ca-
bra! da Cunha, que leve loja na pracinha d(
Livramento : na ra da Cadeia do Recife a.
54 loja do canto.
= Arrenda-se ou vende-so a praso
tambem troca-so por predios nesta praca, urna
olaria no Monleiro a margein do rio Capibari-
be com barro para toda obra terreno para
capim e ter vaccas do leite e outros muitos
commodos : na ra Nova segundo sobrado ao
poda ponte do lado do norte.
(v)uem preciar de um rapaz brazileiro,
para caixeiro de ra ou qualquer oceupacao ,
excepto venda o qual d liador sua conduc-
ta dirija-se ra do liangol n. 34.
= Precisa-se alugar prelas para venderem
na ra sendo liis e deligonlos, paga-se bem:
no palio da liiboira de s. Antonio n. 19.
Da-se 400,000 rs. a juros, sobre pe-
nhores do prala ou ouro ; e tambem com-
pra-se um crrenle de ouro sem leitio : na ra
do Collegio, botica n. 5.
Precisa-se de um bom amassador, e que
entenda de cortar rnassas: na tra\essa da Ma-
dre de Dos n. 11 padaria de Manoel Igna-
cio da Silva Teixeira.
Precisa-se de urna mulher portugueza de
meia idade quo saiba cosinbar c engomar, para
ama de urna casa de pouca familia : na ra No-
va n. 38.
Lma pessa se proponhea tirar pas-
saporles, e igualmente a correr folhas com
a maior prstela o por proco commodo sendo
que queiro servir-se de seo prestimo dirijao
se ao pa'eo de S. Pedro casa n. 16 das 8 da
manha as 6 da tarde.
A pessoa que tenha dividas para cobrar
fora dosta praca e as queira por a exeemao, an-
nuncie parase tratar do ajuste, pois promete
dar (ador e advertc-se que a cobranca ser fei-
ta com a maior presteza pois para isso*em bas-
tante conhecimento.
:= Tira-se folhas corridas o passaportes ,
para dentro e lora do imperio com prompti-
dao ; assim como se copeia qualquer papel,
autos, sentcncas dispachos &c. tudo por
preco muito commodo ; quem pretender diri-
ja-sea ra do Rangel n. 34 que achara com
quem iiaiar.
No dia 28 do corrente vai em praca por
ser a ultima, urna casa terrea de pedrae cal
com xos proprios, cita na ra de Malinas Fer-
reira n. 44 a requerimento de D. Dionizia
Melania de Barros Guedes inventariante dos
bens de seo marido o Tenente coTonel Francisco
Guedes de Quinhes : os licitantes compare-
Cao no juizo municipal dos orlaos de Olinda.
(Quinta feira27do corrente hatera um lin-
do divertimento na casa da Sociedade Nalalente,
debaixoda direceo de Balael Lucci,consistindo
em novas i antoras a ropeticao da pantomima,
os tres Principes de Salermo terminando com
urna nova pantomima jocosa. Osbilhetcs ven-
dem-se na ra do Crespo loja n. 8 na ra do
(^ueimado loja de louca n. 32 e no botequim
unto da casa : pelos precos seguintes, 1* gal-
lara 1500, 2* e 3a ditas 1000 e platea 1000.
N. B. A segunda e terceira galh rias sendo
propiamente para as familias nenhum ho-
mem apozar de muuido do seu competenle bi-
lhete podor nellas ter entrada salvo se se a-
prezentar junto com a sua familia: o mesmo
de um menino portuguoz de 11 12 annos de j tora lugar para com qi alquer senhora que apre-
dade para caxeiro de venda: e na mesma ofTc-
rcce_Se um porluguez de 20 annos, para caxei-
ro do qualquer oecupaco, nesla praca, ou fo-
ra della ; quem o pertender, annuncie por esta
folha.
ss O artista Jos dos Reis, retira-se para
sentar individualmente. Scchu\er continua-
damente das 6 horas em vante nao haver di-
vertimento transferindo-se o dia annunciado
por oulro annuncio.
Aluga-so a segundo andar do sobrado de
4 andares na ruado nuzario 'larga que tem
fora da prov'ncia levando em sua companhia botica : no mesmo sobrado no tercero andar.
sua senhora Emilia Amanti seu afilbado Joa-
quim Antonio de Carvalho o Manoel Anto-
nio da Silva.
Quem dezeija fallar aJoao Francisco de
Mello procure no torcoiro andar do sobrado
de 4 andares na iuu to nu/anu <"K<* M"*-: 'l'm

= Tirao-se folhas corridas, e passaportes \ botica, Jos Claudino Leite que dar noticia.


4
Joo Baptista Correira de Menezes, sub-
dito Portuguez, retira-se para fora do Imperio.
No din 28 do passado e a 10 do cr-
lente fugiro da ra do Costa n. 10 pri-
meiro andar dous papagaios bonitos o falla-
dores levando cada urna sua corrente de ferro;
quem os pegar querendo restitui-los dirijs-se
a mesma casa.
= Aluga-se urna boa casa terrea no cami-
nho da Solidadc dividida com a casa em que
reside o Sr. Vicira Cambista, com bastantes
commodos para grande familia, quintal de 500
palmos de fundo com duas cacimbas de ex-
cellente agoa cercado o tudo muito bem
tractado : a fallar com Gabriel Antonio em
sua casa no patio do Carmo.
Joze Rodrigues Guimaraes avisa ao res-
peitavcl publico, que desde a data de boje se
assigna por Joze Rodrigues dos >antos Tavures.
Na sexta feira da Paixao cabio da mao
bunas da Igreja de S. Francisco um Manual de
missa em formulo muito pequeo e com capa
escura ; quem o achou e quizer restituir ( no
que far.'i o maior obsequio ) cntrega-lo-ha na
praca da Independencia laja de livros n. 6 e 8.
= Urna mulbcr de bons costumes, se en-
carrega da criacao de um menino de peilo ,
impedido ou desimpedido no que promete
esmerar-se no scuzelo : na ra da Conceicao
da Boa-vista n. 10 ; na mesma casa vende-se
um excellente berco quasi novo com arma-
cao assim como urna cama grande de angico ,
que ainda nao foiservida.
A abaixoassignada, faz sciente ao res-
peitavel publico e a todos osc;pitaes de cam-
po que a recomendacao feita no Diario de um
rnoleque de nome Canuto ; he apparecido com
pad i ni id e como nao fique por uso ou cos-
tume de tornar lugir jaotenbo vendido para
fora do Imperio.
Hita Maria da Conceigao.
= Aluga se urna casa na ra do Cotovello ,
com boa sala 4 quartos cozinha fora, quin-
tal murado e cacimba s por commodo pre-
co : na ra Nova n. 54.
Cjue.n annunciou querer saber a mora-
da de Joo Francisco de Mello, dirija-se a
ra larga do llozario no terceiro andar do so-
brado de i ditos, que lem botica.
Koga-sea pessoa, que temo nome igual
de Joze de Almeida liarreto Bastos queira fa-
zer o favor de dirigir-se a ra do Livramento ,
n. 3 ou annuncic.
I're isa-se de um official de pedreiro pa-
ra fazer una pequea obra : na ra da Senza-
Ja vellia, arinazem n. 114.
Aluga-se um grande armazcm na ra
estreita do Rozario junto ao sobrado que se est
levantando: na ruado Livramento n. 14.
Aluga-se o sobrado da ra do Livramen-
to n. 3 com muilos commodos: a tractar
na toja do mesmo,
U ni rapaz portuguez pretende arrumar-
se em loja de azendas ferragens ou miu-
dezes o que tem alguma pratica : na ra do
Livramento n. 3.
Desappareceo do porto de palacio novo
urna canoa aborta com dous chapres cahi-
dos estando amarrada no morao tendo 3
letras na poupa ; quem a achar dirija-se atraz
dos Martirios a fallar rom Francisco do Re
go Barros.
A pessoa que por engao tirou urna
carta do correio p ra Manoel Joaquim Lamas,
fiada do Rio de Janeiro pelo ultimo vapor ,
baja por obsequio manda-la entregar na praca
da 5. Cruz n. 6 que se Ibe pagar o porte
e se a.radecer.
Quem quiser ser feilor de um engenho
perto da praca dirija-se a ra do Hospicio ,
n. 12 de rrianh at as 9 horas, u das duas as
5 da tarde.
Urna portugueza, branca se propoe a
ser ama de casa de homem solteiro, ou de pou-
ca familia ; quem a precisar dirija-se a ra do
Nicho do Noia n. 02 primeiro andar.
Alirio-se no dia 21 do corrente no at-
terro da Boa-vista urna loja decabelerciro na
qual se achara um sortimentode cbelos posti-
cos, para homem e senhora, um sortimento de
perfumarlas, cscovas de todas as qualidades ,
para fato denles c cbelo navalhas afia-
dores, pinceis para barba cspelhos de todos
os tamanhos, e flores ; as pessoas que pre-
cisaron deseu prestimo, parapentcar foraqual-
quersenhora ou cortar cbelo; assim como
se acha em sua loja urna sala para cortar cbe-
lo de qualquer pessoa.
Maria Joaquina de S. Thom professora
substitua das cadeiras de primeiras letras de
meninas desta praca ensina particularmente
a ler, escrever contar arithmetica c diwr-
sas qu.sdadesde costuras; c tamhem recebe
em sua casa algumas mininas e meninos de
pessoas, que moro fora da Cidade ou que
nella morando as queirao confiar a sua edu-
= Joze de Bastos Ferreira subdito Por-
tuguez retira-se para o Rio de Janeiro.
cacao ; quem pretender u ti I isar de seu presti-
mo dirija-se a ra Direita, n. 64, primeiro
andar.
LOTERA DOTHEATRO.
As rodas desta Loteria andao impretcrivel-
mentc no dia 25 do corrente flqucm ou nao
bilhetes por vender. Os quo restao acho-se
nos lugares j annunciados.
= Precisa-se de urna ama de leite, ou seja
forra ou captiva, com tanto que tenha bom lei-
te, e se for captiva ser milhor ; na ra do A-
ragao loja de barbeiro n. 30.
Sebastio Jos da Costa subdito
portuguez faz publico quo deixou de ser cai-
xeiro dos Srs. Ferreira & Braga desde o dia 16
do corrente mez e que se retira para fora
desta provincia e julga nada devera esta pra-
ca por isso quem tiver alguma conta com o
mesmo baja de apresentar dentro em tres dias
na ra Nova loja n. 41.
= Precisa-se alugar urna cscrava para o
servia) do nina casa de pouca familia que
saiba comprar, cozinhar, ensaboar e en-
gommar dando-se-lhe o sustento e 10,000
re. mensaes : na Solidado iodo pela Trempe ,
segn ila casa nova n. 42.
= Roga-sc ao senhor que no anno de
1830 pedio informaces do Snr. Oliver G.
Adamson ( ltimamente socio na casa de James
Grabtrce & Companhia ) a respeito do fallecido
Henrique Koster desta cidade que far o fa-
vor de apparecer ou mandar ao Consulado Bri-
tnico nesta cidade, em razo de algumas per-
guntas recebidas de Inglaterra.
Compras.
= J. O. Elster compra duas ou 3 cabras
bichos, que sejao de boa raca e que deem
pelo menos duas at 3 garrafas de leite: na
ra do Trapiche n. 19.
Compra-seum molatinho de idade at
16 annos preferindo-se com officio de sapa-
teiro ; na ra das Cruses n. 30.
Vendas
Vendem-sc 3 pipas com agoardente bran-
ca cabeca com 21 graos na ra de S. Ri-
la nova n. 91 de manha at as 9 horas e
das duas as oda tarde.
= Vende-se duas escravas de bonitas figuras,
com bstanles habilidades, as quacs se diro aos
compradores : na ra de Sania Rita n. 50.
Vende-se bahusde marroquim para cos-
tura de senhora com gaveta e som gaveta ;
quem precizar dirija-ee a ra do Collegio n 9,
loja de chapeos.
Yende-se 30 travs de louro do palmo
c torno de 30 a 32 palmos de comprimento :
quem precisar dirija-se a ra do Vigario arma-
zem n. 5
'^ ende-se urna venda com os fundos que
convier ao comprador ou s a armoco e per-
tences sita na ra da Guia n. 7 e trata-se na
mesma.
Yeade-se marroquins a 12:000 rs. a du-
zia na ra Nova n. 18.
Vende-se urna legou de trra de frente ,
no lugar do Canhoto pelo Rio das Inhumas a-
cima da parte do Sul junto a Cachoeira e pe-
la parte do Norte at o Reacho do Meio e Rio
d'Areia : quem a pretender dirija-se a ra da
Madre de Leos n. 32.
ex A bordo do brige Restaraselo fundiado
defronte do largo da assombl 4a se vende fari-
nha de mandioca de superior qualidade a38520
reis o alqueire velho e ern porcoes ; trata-se
com Manoel Joaquim Pedro da Costa na ra
da Cada n. 46.
\ ende-sc urna escrava moca, cozinha o
diario de urna casa engomma lava roupa e
cose cha ; na ra do Rngel casa n. 1.
= Yende-se um rnoleque de idade 14 an-
nos urna negra fula de idade 18 annos p-
tima lavadeira, couros do cabra oscolhidos ,
grandes, ditos mais pequeos sola do muito
boa qualidade tudc por preco commodo ; na
ra da Cruz n. 51.
= ^ ende-se urna negra de nacao de 18 an-
nos sabeconzinhar lavar, eengommar e
um negro ganhador que da 480 reis por dia ;
na Camboa do Carmo n. 20, junto ao estanque.
\ ende-se um escravo moco canociro ,
e urna casa de pedra e cal no Poco da panella,
perlo do rio ,' tem agoa boa de beber em bom
poco ; na ra do Rozario larga no 3. andar do
sobrado de 4 andares quo tem botica.
- 3= Vende-se ptimas bixas chegadas prxi-
mamente de Lisboa na barca Conceicao Flor de
l.mbfta aos centos e cada urna depersi a 320
reis; na ra do Rozario estreita botica n. 10.
= \ ando go urna sege prompa, ou osseus
cavallos : a fallar com o segeiro Miguel.
Nos armazens de Manoel Antonio de Je-
zus& Filho por traz do theatro n. 18 e 19 ,
vende-se e\ceHni<_ farinha
SSF, por preco commodo.
de trigo de S55F
J. O. Elster tem para veDder em sua ca-
sa na ra do Trapiche n. 19 mantelotes de
setim lavrados, ditos de blonde, lencos do
garca de diversas qualidades indispensaveis
de veludo golas de fil e de blonde pulcei-
ras de veludo de cores para senhora gargan -
tilhas tambem de veludo merino preto supe-
rior sarja preta e outros objeotos de gosto
Vende-se um presepio de Menino Dos
na ra do Hortas, n. 40.
Vendem-se duas pipas vasias que for3o
de vinho de Lisboa e 4 barris de de 5 em
pipa que tambem foro de vinho, por preco
commodo : na ra de S. Rita n. 93.
Yende-se urna casa no Poco da panella ,
perto do rio, com agoa de beber no quintal em
boa cacimba por preco commodo: na ra
larga do Rozario no terceiro andar do sobra-
do de 4 ditos, por cima da botica.
Vendem-se 6 caixilhos novos proprios
para fiteiros de loja, um balean muito bem ei-
to, proprio para botica ou armazem de assucar,
urna canoa nova que carrega 350 lijlos de
alvenaria urna carioca de conduco de pipas,
dous pares de rodas para carroca e um cano
de ferro para fu gao de refinacao ou padaria: na
ra do Apollo n. 32.
- \ endem-se azeite doce a 3640 a caada,
e a garrafa a 460 milho alpista a 500 rs. o
quarteirSo painco a 280 farinha do Mara-
ranhao a 100 rs. graixa n. 97 a 140 o pote ,
langoiscas a 400 rs. a libra, espermacete a 720,
nevada a 100 rs. banha de porco a 400 rs. ,
manteiga de tempero a 320 bolaxinha in-
gleza a 280 toucinho a 120, 160, e 200 re. ,
e todos os mais gneros por preco commodo :
no patio do Terco venda n. 7.
Ainda restao para se venderem 2 fugoes
de registo com bom forno de ferro repartido
e todos os machinismospertcncentes os quaes
tem a vantagem de com um s fogo aquentar
orno e fogSo admettindo este 6 panellas e
a lem disso sao de immenso descanco para o co-
zinbeiro o que tem concorrido muito para a
sua extracoao : na ra Nova loja de ferragens
n. 25 de Teixeira & Andrade.
Vendem-se bichas pretas de Lisboa ,
mui ligeiras, a 320 480, e 640 : na ra das
Cruzesde S. Antonio n. 39.
Vende-se para fora da provincia urna
escra de 25 annos, ptima para todo o servico,
principalmente para vender no ma no que es-
t muito pratica : na ra das Flores n. 29.
Vende-se um escravo moco carreiro ,
que nao quer trabalhar no engenho : na ra
larga do Rozario no terceiro andar do sobra-
do de 4 ditos que tem botica.
= Acaba de chegar urna nova poccao de
pomada antimorrodial, o melhor remedio
at boje apparecido contra a hemorridias do
qual os bons effeitos ja tem sido esperimenta-
dos por militas pessoas desta cidnde acha-se a
venda na botica da ra Direita defrontc do
Terco n. 131 pelo preco de 1000 rs. cada
latinha junto com a qual se dar um impres-
so que explica a maneira de usar della.
Vendem-se azeite doce a 4000 a caada,
o a garrafa a 500 rs. dito de coco a 2720 e a
garrafa 360 dito de espermacete a 2720 e a
garrafa a 360 dito de carrapato em porcSo e
a reta I ho a 1920 ea garrafa a 240, sal de
Lisboa muito alvo a 1440 cha isson superior
a 2240 a 2400 espermacete a 680 farinha
do Maranhao a 120el60, amendoas novas a
280 caf do Rio a 5000 a arroba e a 160 a
libra caf de cevada a 200 rs. dito em grao
a 80 rs. toucinho de Santos a 4500 a arroba
e a 160 a libra e todos os mais gneros de
venda na ra Nova n. 65, ao p da ponte.
Vendem-se um bonito escravo de nacao,
perfeito carreiro e bom trabalhador de en-
chada ; urna escrava lavadeira ; um rnoleque ,
e urna negrinbade 12 annos: na ra do Fo-
go ao p do Rozario n. 8.
\ endem-se batatas novas a 60 rs. a li-
bra painco a 240 o quarteirao alpista a 400
rs. dito, tapioca a 160 a libra, manteiga fran-
ceza a 640 eingleza a 480 toucinho de dan-
tos novo a 160, carne e lombos de dito,
proprios para feijuadas a 80 rs. a libra azeite
doce de Lisboa a 3840 a caada e a garrafa a
500 rs e de carrapato a 240 dita e todos
os mais gneros por preco commodo : na es-
quina da ra do Arago que volta para a S.
Cruz n. 43.
Vendem-se 4 escravas mocas com boas
habilidades, duas dellas coscm engommo ,
ecozinhao; urna negrinha peca recolhida ,
boa mucamha ; urna mulatinha de 6 annos ;
3 pretos ; um bom canoeiro um dito bom
serrador e nutro bom servente de urna casa ;
urna loja com fazendas em urna das boas mas
dobairrodeS. Antonio, a dinheiro ou com
desobriga a praca ; urna propriedade distante
desta praca legoa e meia com porto de em-
barque tem de estenco trez quartos de legoa,
mui bom cercado que pode admittir 60 vac-
s cite boas ierras de pianiaye e com
proporces de se levantar um dos melhores en-
genho do reconcavo desta praca muita matta,
de madeira de construccao um grande so-
brado com trapiche para embarpue o senza
la para escravos: na ra de Agoas verdes n. 44.
Vende-se essencia de aniz superfina a
7500 a garrafa : na ra da Cadeia do Recife ,
loja n. 48.
Vendem-se barricas com farellos lti-
mamente chegadas de Lisboa ; caixas com ta-
mancos e barris de cal virgem : em casa de
Mendos & Oliveira na ra do Vigario, n. 19.
Vende-se urna armacao de urna venda.,
comalgunsobjectospertencentesa mesmaa : na
ra de Apollo, n. 2!, defronte da fabrica de
Mesquita i Dutra.
= Vendem se os bilhetes de camarotes e
platea para Domingo 23 do corrente do ulti-
mo divertimento do circo olmpico pedido por
varios Srs. : na praca da Independencia n.
39 pelo preco do costume.
= Vende-se urna parda de 12 annos com
algumas habilidades: na casa de Antonio da
Silva Gusmo na raa do Queimado.
= Vendem-se a retalho por preco rasoavel,
cal preta dita de caiar fijlos de ladrilho .
dito de alvenaria, ripas, e urna porcSo de
garrafas, frascos, e botijas vasias : em Olinda
no Varadouro venda da esquina n. 18.
= FirminoJoze Felis da Roza tem para
vender farinha de trigo de superior qualidade ,
da marca Galego e Rochemend c farinha
de mandioca em saccas a 3200, no armazcm de
Francisco Dias Ferreira & Companhia, defron-
te da escadinha da Alian (lega.
= Na ra da Praia armazem n. 80 vnde-
se a obra intitulada a Libcrdade dos Mares mi
o Govcrno Inglez descoberto.
~"........ "- m^.. ^
Escravos fgidos.
Fugio no dia 16 do crtente o escravo.
Americo cbelo feicoes e cor de cabocolo de
20 annos, estatura regular n5o muito secco
do corpo pernas grossas e zambas imberbe ,
c com urna cicatriz ao pe do nariz buscando
o labio superior, levou camisa e calcas de al-
godaozinho trancado e chapeo de palhinha
ordinaria ; quem o pegar leve ao sitio de Pau-
lino Augusto da Silva Freir na travessa do
Arraial para Casa Forte que ser recompen-
sado.
= Fugio a Viscondeca de Cama resi-
dente na Corte o escravo Cleto natural da
Babia, cabra moco alguma cousa alto, e
espigado com pouca barba e bastante gago ,.
bolieiro e tambem trabalha de alfaiate ; em
uma lugida, que fez ha annos andava embar-
cado na carreira de Pernambuco para a Baha ;
por isso talvez agora tornassea embarcar sen-
do possivel at que intitulando-se lorro ande
em algum navio de guerra all ( Pernambuco )
estacionado ou dos que precorrem os portos ve-
sinhos ; gratifica-se com lOOg rs. ao appre-
hendedor alm das despezas. que se fizerem
com o seu transporte para a corte, ou quaes-
quer oulras, que occorrerem.
F'ugio no dia 19 do corrente da Villa do
Cabo um preto crioulo de 20 annos es-
tatura regular cbelo grande com um ta-
Iho em urn dos lados da testa olhos na fiordo
rosto boca regular dentes compridos, quei-
xo redondo rosto comprido sem barba nem
buco com muitas espinhas no rosto secco
de corpo, sempre balancando qu ndo anda,
tem as nadigas signaes antigo de castigo, com
calcas velhas de casemira verde, e uma cor-
rente no p ; quem o pegar leve na ra Direi-
ta n. 8, ou na Villa do Cabo, a casa do
Dr. Galdno Ferreira Gomes, que ser gene-*
rosamente recompensado.
= No dia 9 do corrente mandei o meu es-
cravo ao Recfcemum cavallo russo comprar
mantimentos para a casa, e'no regresso dahi
a 5 dias chegando ao engenho Larangeira de
Pedro velbo de Mello descarregou o cavallo
em casa de Miguel Antonio filho do propie-
tario do mesmo engenho e fugio montado
no mesmo cavallo deixando a carga, o escra-
vo he de nacao Angola de nomo Antonio, de
38 annos, secco do corpo, os ps cheios de
cravos ; e o cavallo he russo tem em um p
uma esfoladura que nao em cbelo ; quem o
pegar leve a casa do Padre Joabuim Joze de
Oliveira morador no engenho Arando fre-
grezia de S. Anto que ser recompensado.
= Fugio no dia 17 do corrente o escravo
Cosme crioulo de 23 annos altura regu-
lar cor fula cara redonda olhos peque-
nos dentes limados, com uma queimadura
de baixo do braco levou vestido camisa e cal-
cas de algodaozinho I trancado o chapeo de
palha; quem o pegar leve a casa do Padre Joa-
quim Antonio Marques, no Recife no forte do
Mattos, que ser generosamente recompen-
sado.
Recipe: na Ttp. de M. F. deFaria. = 184


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EY784HYU2_UA6YRA INGEST_TIME 2013-04-12T22:13:21Z PACKAGE AA00011611_04943
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES