Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04937


This item is only available as the following downloads:


Full Text
M
Armo de 1843.
Quinta Fera 13
l'uno .Ror. dap-.d.* no. saeamoa | d. .o... prurt.nc. .d.r.yo. ,,-,, eet.
muars como prinoi|.iaa.oi e .eremos aponladoa cm admira, a en.re .> lN.c6es ..i.
CM'1'*__________________( Proclsmaya.. r). A.sembli Garal do Batan,..,
IPARTIOAS DOSORREJOS TERRESTRES.
Goianac Paraliiba Rio grande do Norte segunda a sextas ferss
BooVl e Saranhuna a 1U e 24
CarH, 5 rinhiera, Rio Formo.o Porto Ciro Maoein AlaKoas no 1. 11 }|
Bus i e Flore. 3 e 28. Sanio Ant.i, quinta* feiras. Olinda lodos a diat
UUSDAaEUAMA.
40 cg. Exea;uel Profeta.
l ltrc. t Le.io Pipa Doulorda groja.
l (M.r. de Irom a Vicior Al
13 Oiiioi de endnen^as a. Hermenegildo M.
4 I >tai da ''xjo ss libar o e Valen.no Mm.
46 SaU d Allelu a a taiilissa e AaasUC. Mm.
4ff Hou de Paseos, a Engracia,
..... ________
de Abril
Anno XTX. N. 8#:
O Diario publicase lorio, os rlias qua n lo fnrem Santificados : o preo da aiairaarar b*>
de ires mil re por qusrlel per os adianladna. Oj annuncios dos assignanles sao inserido'
gratis, e os dos que o n.io forero i raijo de SO reis por liaba. As rerl.mscdes ilevem sel diri-
gidas a esta Irp., ra das C'orea N 14.on a |.rs-S la IniUpaaSeDcia loja de lisroa N. Ol &
CaMBios.iNo da l.i de Abril compra Tenda.
Cambio sobra Londres 57 t| J7. Ouao-Moeda da 6,400 V. 15 8J0 16 00O
k Pars J5U res por frsneo. a N. 15 6jJ 15 HOO
a Lisboa IdU por! ilude premio. I da 4,000 8.KO0 9 oOi)
j pEaTa-Pstaca. i,M>tf 1.80
Moeda de cobre 2 por rento. I Petos Columnarea 1.S00 1820
dem de letras de bo.s tirinas { \ por 2 ditos Vfeiiranoa 1,600 1,820
PHAEa UA LA NO MEZ DE \ vTttL.
La Cneie i 14, Qum.ming. i, a lOboras a m. li m. j Juan, cresc. a 7, .is i boraa a 41) m. da tard
Prcamar de hoje
1 a 3 horas a 4! a. da m.nh i.. | J. a 4 horas e 6 m. da tarda.
3*
ti
"*i
PARTE OFFICIAL.
Gov EXPEDIENTE DE 4 DO CORRENNR.
OiTleio An inspector interino da thesoura-
ria das rendas provinciaos ordenando ein con-
sequencia de representacao do engenheiro em
chefe das obras publicas, que Taca suspender
arremafcno da factura da carnada d'areia que
dove cubrir o* empedramientos dos 7., 8., e !).
lanpos da estrada do S. Antan omrjuanto nao
forero reparados os estrados produsidos na da
estrada pela cheia do rio Jaboatdo no dia 30 de
marco ultimo.Goininunicou-so ao engenheiro
em chefe das obras publicas e ao respectivo
inspector (Iscal.
Dito Ao engenheiro em chefe das obras pu-
blicas aotorisandn-o a despender,por cunta da
quota consignada para a obra da ponle suspen-
sa do Caxang a quantia del: 00$ reis com
os reparos dos estragos feitos pela cheia de 30
do mez prximo passado nos 7.. 8., e). lan-
dos da estrada de Santo Anta.Partieipou-sc
ao inspector interino da thesouraria das rendas
provincioes e ao inspector fiscal das obras pu-
blicas.
DEM DO DIA 5.
Officio A cmara municipal desta cidade .
ordenando em ennsequencia de requisicao de
engenheiro em chefe das obras publicas que
mande estabelecer provisoriamente una passa-
gem no lugar em (pie era construida a ponte
doengenho \occorrtt em Jahontn, por haver
sido levado pela cheia de 30 do passado o est-
vame da mesipu ponte. Conimunicou-se ao en-
genheiro em cholo.
Dito Ao chele da legilo de Olinda acen-
sando recepcao do sen ollicio "de 9 de marco ulti-
mo em que d parte de ter una parulha da
guarda nacional da legiaode Iguarass procura-
do prender no districto da legiao do seu coin-
inando o guarda Manoel Ferreira Coimbra, que
pertencendo a dita legiao de Iguarass muda-
ra seo domicilio para o termo de Olinda ; e sig-
nificando em resposta, que o mencionado guar-
da est sujeito aoservico da legiaode Iguaras-
s a ser puni.lo pelas faltas deservico em
quetiver incurrido; visto, segn lo informa o
chele da ultima das referidas legiocs, ter passa-
do para outro corpo antes de obter a guia daquel-
le em que servia : o que Ihe he expressamen-
te prohibido pelo decreto de i de deseuibro de
1841.
Lito Ao inspector da thesouraria da fasen-
da intelligenciando-o de que deve cumplir a
ordem de 31) de marco findo acerca da nonti-
nuacao do pagamento das despesas militares ,
sub responsabilidade da Presidencia.
Dito Ao engenheiro em chele das obras pu-
blicas approvando a intelligencia que deo a
segunda condiccaoda arreinataco das obras da
cadoia do Umoeiro que manda receber aquel-
las obras urna vez concluidas no seu tufado perfeicao excepto no que respeita pintura ,
quando indeferioa requisicao do respectivo ar-
re.nattante em que lirmundo-se na dita con-
dieco exiga que se Ihe fornecesse o verme-
Ihio necessurio para o ungido da cornija, por
haver entendido, que a citada excepcSo rnen-
te se refere t pintura do interior e nao do ex-
terior, o por considerar o mencionado Ungido,
reboque ecaiaco e nao pintura propriamente
dita.
fendodad) destino ao preso Manoel da Cita
ainda conservava retido e sua disposic.lo *
Francisco ornes Jardim : que a seguirla igual-
mente conservara a sua dispnsica o preso Ma-
noel \nseloda <>uz ooescravo Francisco, p
que o d'lexailodo I. termo dista cidade ainda
nao havia da lo destino a Joi5 Francisco de Son-
sa Peixc, cao escravo Jos.
sata
EXTERIOR.
PORTUGAL
Artigo nddirionnl nn trnclado concluido un Ti.
boa nos .$ de Julko de 1842 entre Portugal
e a Grs- hrelanht para a supphsso do tra-
fico ta escrurntura
Visto que o regulamento a Vespeito do trata-
menfo do negros libertos, contlo no annexo
C. ilo tractailo entre S. M. a Rainha de Portu-
gal e Alg.irves, e S. W. a Rainha do Reino-U-
nido da Gra-Rretanha e Irla da, assignado em
Lisboa aos .1 de Jolln de 18M <:st declarado
pele artigo 10. do dito tractado. haver sido es-
labelecido para o (im de garantir a liberdade de
lacs negros:
K visto que as Colonias Rrifannicas as
nomear oulra : mas nada disto teve elTnlto pe-
'as enrgicas providencias das autoridades ad-
ninistrativa e militar que se apresentarao na-
(in'lle sitio e li'.erao-no cercar pelos corpas da
nnrniciio : depoi* doqucinlimara os grupos
i\ra serelirarem : porein nao sent obedec-
las, fisivao avancar a caviillarin gobfa O* amo-
tinados que ento ( dispersaran e diriiiio-
an oara ac leia cuja uuarrla tinha silo refor-
jada pelo que nada eniwjuira aihando-se
p-lo flm da tarde completamente resta'belecUa
a ordem. louve fol.i-va nlxumas mortes e Ic-
rimentos na populaca ; e attri'iuia-sc aquello
nnlim ao lancamento da dcima subre a in-
d nstria.
Pelas 11 horas da noite de 15 para 10 de fe-
vereiro principiou a reseer o rio Honro no Pin-
to, e.continuou successivamente a apresenlar
nina endiente se nao igual a que teve lugaf
em 1823 a rnaior deque ha noticia' (altando
a (leste anno somenle 3 palmos para chegar ,to
nivel daqui'lla pelo menos a sua corro te era
136 Violenta como a,de 18-21 ; e havia causado
ostraffDs consideraveis a Donro como ^s embarcacoes surtas no porto ,
durando ainda aleo dia 38 ern que o rio ti-
rilla abaixado 4 para 5 palmos depois do meio
dia
As grossas chovas (pie reinavaoem Portu-
quaes em execucAo do dito tractado se (em gal linhao produsldo cholas siinilhantes do
estabelecido commissoes mixtas j.i exisleni em | Dnir > nn rios Tejo o Mondego as quaes haviao
V causando grandes penlas, lasendo multas vic-
timas e ate iinpedindo o transito dos crrelos
PORTAKIA.
O Presidente da provincia marca para as au-
diencias dos jui/es dedireito do crime, docivel.
dos Jeitos aa fasenda, c dos juises municipaes
do termo desta cidade a salla do collegio em
que esteve a secretaria da Presidencia. Palacio
de Pernambuco II de abril de I8i3.Delermi-
nou-se ao director do arsenal de guerra, que
li/esse remover para a mencionada sala todos os
objectos, que se achavao na antiga casa das au-
diencias, recouiinendanJo-st-lhe, que mandasse
preparar um banco mais decente paia os advo-
cados : e coininunicoii-se aos referidos juizes.
POLI Gl A.
Constada parte do commandante geral inte-
rino di inrpu policial, (Lilaila de .'i do crvente,
queforao presos a ordem do chele interinode
polica e para rccrula o paisano Francisco
Quirlno, edosubdelegado de S. Antonio o
escravo Manoel por estar espancanrio um cida-
d0 : jC o psssssM das vitadss
I .. I.,. ,,
lea, ou regulamenlos com lona de lei mais
bem adoptados ao sohredito proposito ; e que a
eonservacaode taes leis ou regulamenlos seria
por isso mais conforme ao fim saluiar que as
iluas alias partes contactantes teem ern vista :
Fica porfanfo apisfado que as Colonias Rri-
tannicas aonde taes commissoes mixtas eslo
esfabelecidas e aonde as les ou regulamen-
los com orca de lei existentes sobre o objecto
do tractamenlo dos negros libertos, j sao mais
bem adaptados (loque o regulamenlo cuntido
no Annexo G para garantir a liberdade dos
negros libertos em virlude do dito tractado ;
ilevcrao as commissoes mixtas considerar taes
leis ou regulamenlos, como substituido o re-
gulamenlo especial do Annexo C, em tanto
quanto possiio ser no todo ou em parte mais
proficuos aos filos negros libertos.
Fica igualmente ajustado que as commissoes
mixtas estahelecidas nos dominios colonines de
qunlquer das diias alias parles conlracl.inles. em
virlude do sobredilo tractado. scrao plenamen-
te auloris idas pnraadmitlir de fnluro similhan-
tes substituioes no caso de serem para o di-
an e promulgadas as Colonias de S. M. I'ide-
lissima ou as Colonias de S !>I. Rritannica,
(|uaesquer leis ou rcgulimentos com forca de
lei, mais bem adaptados a jaranlira liberdade, e
fissegurar o bem-estar dos negros libertos as
ditas Colonias.
Onaesquer leis ou regulamentns com forca
de lei pidos quaes alguuia das disposicoes do
Annexo C for substituida na conormidade
tiesto artigo, sern devidamonlecommunicadot,
como o caso o pedir por una alta parte conlrac-
tante outra.
O presente artigo adilicional ter.1 a mesma
forca o va'idade como se estivesse inserto, pa-
lavra por palavra no sobredilo tractado de '.i
de .luIm do 1842.
Ser> ratifi ado e as ral i fice cues delle serlio
trocadas em Lisboa no termo le seis semanas a
datar da sua assignatura ou mais cedo se for
possivel.
Km tesfemunlio do que os respectivos Ple-
irpotencanos o assgnarao e firmaro com o
sello das suas armas.
Feito em Lisboa nos vinte e dous das rio mez
de Outubro do anno do Nascimento de Nosso
Senbor Jess < hrisfo de mil oilocentos e qua-
renta e dous. =(L. ^.) Duque de PalmclU.
terrestres.
H ESP ANUA.
As noticias da lie-panda alcancavo a 25 de
feveieiro. A conlenda eleforal prxima a.) seu
alcance absorvia principalmente as attencoes.
Asdesintelligeni las entre o aoverno francs e o
bespanliol estavao definitivamente terminadas
de um modo salislatorio. O capitSo gener.il de
Catalunha havia feito acabar por um bando o
estado excepcional em que se achava a capital
do principado desdeas desastrosas oceurren-
ctas que ali alleraiao a tranquil I idade e ordem
publica. ( Diario do Goccrno. )
RETROSPKGTO POLTICO.
Os ingleses tirarSo a maior parte das suas tro-
pas da China, deixamlo apenas pequeas guar-
nicocs, em( liusan, Ainoye e llorg-Korge. Os
chinas Iratao de apromplar a segunda indemni-
sacao. Esperava-se a chegada do tractado de
commenio com grande anciedade. O conimcr-
CO de (Calcuta eslava parausado.
0 Aflghanislan foi completamente evacuado
pelos inglozes, que soflrerao omito de molestias
e (arnaco na sua retirada. A chegada das tropas
a l'cshnwur foi olqecto de grandes lestas Al-
POIUY).
\odia 2defeverelro houve na Praca Nova da
cid.i'ie ffo Porto una revolta do baixn povo (i'.:!"
ali se reiiniu em irruposdando vivase morras,un-
an loabaixo os tributos. arrojando pedradas.
e exigindo do presidente da cmara municipal a
(inmediala reunan della para que lomasse as
prOtiuCCis iccailiuS, .u,is ijiS passdlia u
guias tribus indianas ainda se mostravao hostis
aos ingleses.
As noticia! dos Fst.'dos-Unidos annunciao a
tcnlalita de assassinio contra ,Mr.('lay,candida-
to a presidencia contra quem deparariio um
tiro de pistola, que u nao olTendeo O matador
foi preso. Foi reeitadaumn iiiOcSo do represen-
tante Iritis, para aecusar o presidente dos cri-
mes de corrupeflo alta traicao etc.
No Mxico para que se nao discutase o novn
conslituicao fot O congresso dssolvdo forca
de armas, occupando o edificio do congresso as
tropas comuiandadas por njitn Anna.
Km Monte-Video tratava-se de eleicoes. 0
presidente Rivera tinha balido os d'ssidentes.
\o llra/il festejou-se com pompa oanniver-
sario do Imperador. A imprensa atacava viru-
lentamente a luglaena. |>or i ausaihlrai ladode
commercio. A corveta portuguesa />. Juo 1.
cliegou ao Rio de Janeiro e devia partir para
o Rio da Prala a fin do proteger es portugue-
ses all resi lentes.
Na Turqua foidemittidoO ministro da guer-
ra c oceupavao-se com as festas do Rairao.
A qesto da "-ervia permanecia no inesnio
astado. Parece que a Rossia nao promove
com tanla energa a destituicSo do novo gover-
no, tpieixando-se de ter sido Iludida pelo prin-
cipe Miguel e seos ministros.
A Bulgaria traa (le.....ancipar se e sesper.i
um momento lavoravl pura isso. Na \ alacbia
irOiniuu-3i-- u DOTO Uuillivfi0i6 iia jiutuuvta UsJ- i
niittio-seo principo Stouttha, e deve procedor-
se elecAo de novo hospodar.
\a Prussia foi rejeitada a lei do divorcio pelo
conseibo destallo para o que inlluio muito o
principe real.
Na lungria, n urna assembla geral do con-
dado de Neiitim', elamou um deputailo contra
as maquinal o s da Russia ,? por opprimira Po-
lonia oque pflo em perigo a futura sorte da
Hungra >> mesmo orador fe/, nina inocAo para
se dirigir ao Imperador d'Austria, rei da Hun-
gra unta represen!ai ao a lim de solicitara
liberd.iib e inlcgridaile da Polonia, que foi ap-
provnda unnimemente.
O archiduque Frederico de Austria chegou a
Trieste a 22 de Janeiro.
Os Kslados de Nassau deviao rcunir-se a 20
de Fevereiro.
Na S ixona tem sido os membros da segunda
cmara do-. Estados, obiecto do felcitacoos, o
vivas manifestaces pelas suas tendencias e
resolucoos mu lo liberis.
Na Raviera rejeilou-se nos Estados urna mo-
< ao que tenda a tornar hereditarios os cargos
e dignidades.
Na Hollando approvou-se as cmaras o trac-
lado de commercio coma Relgica tendo-se ja
trocado as ratifica Oes. Di/ein,que lunera es-
to verlo grandes manobras militares ao p de
Humburgo.
Na Suissa o vorort ordenou que o poverno do
Argovia revogasfte o decr.-to que confiscou os
bens dos convenios e mandn estabelecer urna
escola no convenio de Murv.
Km Inglaterra rratou a cmara dos lords de
diversos nssumptos entre ellos do tractado com
os EstadoS-l nidos lei dos cereaes a respeito
da qual o governo declarou eslar disposlo a sus-
tenlar a v gente tal qual tinha sido votada
e desordena dos dstriclos fahris. K na dos com-
muns oceuparao-se tlsscssoes com a lei dos pe-
ines negocios da Iridia e \vriatractado do
dircito de visita e traclados de commercio.
Sobre 0 direito de visita disse Sir Roberto Peel,
que a Inglaterra nao diminuira os seus crusei-
ros, como dissera .Mr. Guizol ; eajnntou; que
se tinha conseguido dos Kslados-l nidos a abo-
licao do trafico da escravatura. Em quanto aos
traclados de commercio com a Franca e Portu-
gal, disse que havia negocia, oes pendentes ; as
quaes em breve se ultiinariao, OU romperiSo. O
'/ orning-Chronicle diz que das declaracoes do
ministro acerca do tractado com Portugal deve
iiiciir-se, que esse projecto se aianuonar in-
leirainente, e que foi sempre essa a opinio dos
hoinens entendidos na materia.
Km Franca oceupava-se a cmara dos pares
com a discussiio do projecto do concelho de
estado.
Na cmara dos depuladosultimou-seadiscus-
siio do projecto de rnaposla ao discurso do ihro-
no. que fui apprmada por urna grande inaioria,
e esla resposta loi iinmcili.il.iinente apresentada
ao rei, que respoinleu, segundo o eos tu me, e do
qual asexpressOes i lorio recebidas com vivas
cheiosde cnthusiasiiio.
A questao do direito de visita suscitou vehe-
mentes increpacoes da opposii ao ao gabinete ,
e a cmara que por essa occasiSo se tornou con-
fusa e tumultuosa, nao deixOU que Mr. Guizot
fie explicassa, eobrigou a dous dos seus collegas
Mrs. Soull e Duchadd a adoptaren o da com-
inssfio.e a responsablisar-sc pida sua execuco.
Esta especie de derrota parlamentar, cas exprs
Mies de sir Roberto Peel no parlamento inglez ,
quando se Iratou do direito de visita, desmentin-
(o o que Mr. Guizol dissera, sobre a Inglaterra
se obrigar a diminuiros seos cruzeiros. lornavSo
duvidosa a duracio do gabinete Soul-Guizot.
Em Pars venceo a opposco na eleicode
Mr. Taillander um candidato para depulado
de 11 membros que se sento na cmara pe-
lo departamento do Sena, 12 sao da opnnsicao.
Dizem que o duque de Monipensicr, filho de
l.uiz Filippe, far.'i na prxima primaveta urna
ragema Inglaterra onde se demorar seis se-
manas.
Tinha chegado a Faris o almiranto Lusasse.

1



11





"?
commandanto da estaco naval franceza no Lo-
vante.
Corra em Pariz o rumor mas sem funda-
mento algum que o gabinete britannico che-
gara a convencer Luiz Filippo em communi-
cacesconi.lenoiaes que no caso de se appro-
var urna emenda enrgica contra os tractados
relativo; ao ilireito de visita a Inglaterra, em
declarar a guerra Franca faria urna demons-
tradlo decisiva contra ella c reeoiva-se que
esta demonstraco consista na occunaco d is
lhas Baleares, que a Hespanha teria por Corea
que tolerar as actuaes circunstancias, e que ex-
poria Argel aos ataques da Inglaterra, sem a li-
conea da qual ho sairia do Toulon nenhum
navio francez. E certo que no arsenal da ma-
Tnha francesa se notava um movimento ex-
traordinario.
As noticias de Argel dzem que Abdel-Ka-
der tom reparado as derrotas que tem solfrido ,
e apresenla-secada vez mais audacioso.
Parece quedepois de varas notas enviadas
pelo governo francez ao hespanliol exigndo
leste uma reparaca) dos seus aggravos o g >-
ver.io de Madrid dirigir ao soo encarregado de
negocios em Pariz. u na especie de ultimtum ,
recusamlo-se a toda a satisfacao o qual sendo
mostrado por elle a lord Cowley embaixador
de Inglaterra junto da corto das Tul heras ,
que na qualidade de medaneiro va todos os
despachos, este achando a nota pouco concilia-
dora, aeonselhou o encarregado hospnnliol, que
a nao entregasse ; porm passados diasappiO-
vou-se na cmara dos deputudos o paragrapho
relativo aodireto de visita edespeitado se-
gundo dzem, o emhaixador inglez por o go-
verno francez adoptar o dito paragrapho disse
ao encarregado hespanhol que entregasse a dita
nota qual Mr. Guizot respondeo, que vis-
ta de tal declaradlo devia lor sabido de Madrid
o encarregado francez. e olTereceo os passaportes
ao cavalhcro Hernndez.
Ao mesmo temno que isto occorra cm Pari,
o governo hespanhol, mellior aconselliado, dava
naauafolha offi;ial plena satisfacao Franca
pelo que anteriormente dssera e puhlicava
urna participaciio dirigida pelo presidente do
conselho ao ministro do reino, manifestando
nao ter fundamento algum a asscrco do ex-
chefe poltico do Barcelona Gutirerez, deque
o cnsul francez quizera fazer desembarcar a
junta revolucionaria, durante os ltimos acon-
tecimontos daquella cidade.
Esta reparacSo ainda nao era sabida em Pa-
riz, onde permaneca o encarregado hespanhol ,
esperando o ultimi'um do seu governo ; mas 6
natural que o governo francez se deporsatis-
feito e nao tenha logar o rompimento que
se temia.
O manifest do regente foi por algum tempo
o assumpto da imprensa peridica e parece
que tanto na corte, como as provincias, nao
fra bem acolhido. A imprensa opposicionista
ceasurou-o acremente, e, segundo um jornal
deste partido deu-se ordem para se aceusarem
todos os artigos que cominentassem o referido
manifest.
As eiecdes parlamentares era o assumpto de
que se oceupavo todos que tem a peito a po-
ltica. Os jornaes transcrevem continuamente
os programmas, as lisias de candidatos, as al-
locucoes, e outros trabalhos preparatorios das
comiuissOeseleitoraes, cdeoulras corporaedes
populares. Este negocio que em todos os pai-
tes onde rege o governo representativo, causa
grande movimento nao o motiva monos em
Hespanha ; pois que mesmo em Barcelona, es-
sa cidade que soTreu ha pouco um bombardea -
ment, e bastantes actos de arbilrariadade e
oppresso ; nessa cidade, dsemos, trabalha-se
activamente para as eloiees.
tecom o povo, e destribuirao-se As familias
dos olciaes que fallecero em consequenda
dos ltimos ai;oitecim;;ntos daquella cidade ,
quantias de dinheiro segundo as gradu.ico.js
dos fallecidas, da importancia \u se recebeu
da contribuicao dos VI milhes. Entretanto
ainda se minlou ltimamente sahir de B.irco-
lona cm 3 lias, e da Catalirnha em 8, o admi-
nistrador das airandejas d i qujlla cida lo; e cor-
reu o ruin >r de ter occorridu ali um i nova su-
blevaco em consequencia do desembarque dos
generaes Pastors, A tero e Lasanea disenio-
soquoeroos membros da junta revoluciona-
ria, cujo rumor foi oiualmsntj desmentido.
Diz-se que a guarnioo de Barcelona ser
augmentada com de/, hatalhoes, cujo comman-
dose dar a Zurbano. Este general ebegou ul-
lirn imente a Gerona, fazendo a sua marcha
com tanta celeridade que arrebentou dois ca-
vallos. Na ntesmi cid ule tinha-so dado ordem
para que ao menor sign.il de alboroto as tro-
pas o xupassem os pontos principaes, com ar-
mas carrega las. Fdziam se mil commentaros
sobre esta ordem e rpida marcha de Zur-
bano.
Em Valoncia houvo uma desavenga entre o
chefe poltico eum commandantede um cor-
po o que ia causando a perturbaeao do ordem
publica.
O governo de Madrid puhlicou o decreto de
organisaciiodo conselho de estado. A imprensa
da opposico mostra-se quasi toda hostil a esta
medida.
Em Portugal continuam os ministros na sua
marcha arbitraria ede infraecodas leis. Na
cmara dos pares tem sido virulentamente im-
pugnado o bil de indemnidade por aquclfes
mesmos pares que tinham prestado serviros a
salvacao. Na cmara dos deputadns julgou-
se legal a eligibilidade do Sr. Celestino dipu-
tado pela India uue a commissao de poderes
proposcra que se annulasse. Trata-se de uma
anlicipacao de 9)!)contos, sobre as mezadas
ilo contracto do Tabaco, e o governo s res-
ponde aos argumentos da opposicftj, para que
regalaste a fazenda que preciza dinheiro .
eo quer deprassa, e prompto.
( O Patriota. J
ASSEMBLEA PBOVINClAL.
Acta da 31.a sessao ordinaria da Assernbla Le-
gislativa Provincial de Pcrnambuco cm 10 de
abril de I8i3.
Presidencia do Sr. Paula Lcenla.
Feita a chamada acharo-se presentes 26
Srs. deputados, faltando os Srs. Pedro Caval-
canti Mendos, AITonso Ferreira, Faria, Bariio
de Suassuna e Dantas. O Sr. vice-presidente
declarou aborta a sessao; foi lida e approvada
a acia da antecedente.
EXPEOIENTE.
Foilido, e approvado oseguinte parecer da
commissao de posturas o negocios das rama-
ras :A commissao de posturas, e negocios das
'amaras para poder emittir o seu juizo acerca
dos dous requerimentos de varios propietarios
depadarias e outros estabelecimentos situa-
dos dentro dcsta cidade representando enntra
a postura, que os obriga a passarem as dita'
padarias e estabelecimentos para certos luga
res no praso de dous meses ; he de parecer, qui-
se exija informaco da cmara municipal decla-
rando as tasos que leve para determinar que
continuassem a permanecer dentro da cidade al-
gnmas das referidas padarias : mandando-se
suspen 'cr qnalquer procedimento contra os pe-
ticionarios at a deciso final dcsta assernbla.
Paco da assernbla legislativa provincial do
Apesar de todo Pcrnambuco cm 10 de abril de 1843. Oliveira
este afn dos partidos parece que em algons Sousa LefioP. Mosquita.
pontos ainda nao teem podido concordar na
candidatura sendo um destes a capital. O go-
PERNAMBUCO.
Robello da Silva PereiraJ. A. Sousa Beltro
Araujo Pereira.
Foi tan^mjulgadoobjecto ds deliberado,
e dispsnsado da impresso a requarimsnto do
Sr. Lopes Gama para ser dadoem pnmeiro lu-
gar para ordem do dia d'amanha o seguinte
projecto do mesmo senhor :
A assernbla legislativa provincial de Pernam
buco resolte..
Art. nico. Os dous armasens, que esto
por baixo do consistorio da igreja da Madre de
Dos sero incorporados ao patrimonio d s or-
fos, e o seu rendimento para os mesmos or-
fos. Fico revow las to las as disposicoas em
contrario.. Sala das sesses da assernbla legis-
lativa provincial do Pernambuco 10 de abril de
183. Lopes Gama.
Foi lido discutido e retirado a pedido do
seu autor o seguinte requorimento do senhor
Oliveira.requeiro que a commissao de poli-
ca seja autorisada a apresentar desde j o ta-
chigrafo que seacha nesta cidade para publi-
caros trabalhos dcsta assernbla durante o res-
to da sessao mediante uma gratificacao que
Ihe ser arbitrada no lm da mesma sessao: um
roquerimonto de Manoel Jos dos Santos, offi-
cial de justica da comarca de Santo Anto pe-
dindo um ordenado, por ter servido o lugar do
porteiro dos auditorios desde 1837: commis-
sao de petices.
ORDEM DO DIA.
Entrou cm discusso o parecer da commissao
de polica. (*)
Fora appoiadas as seguintes emendas: do se-
nhor Neto :Tondo o cidadao Luiz Ignacio Ki-
beiro Boma feito nova e mais vantajosa pro-
posta acerca das condicSes com que se deve for-
mar o contracto relativo publicacao dos tra-
balhos da assernbla por tachigrafos requeiro
quo se devolva o parecer em discusso com-
missao de polica uara tomar na devida conside-
rado a referida proposta :do senhor Mello :
se nao passaro requerimentn do senhor Neto .
quo se imprima o parecer e a ultima proposta:
do Sr. Jos Podro, additiva, e substituitiva
as condices do contracto .prestando flanea a
quantia lecebida por antecipaco e as multas
que se sujeitar ; e seja o contracto feito por
um anno.
Encerrada a discusso foi rejeitado o reque-
rimentn do senhor Neto approvado o parecer
da commissao, rojeitada a primeira parte da
emenda do senhor Mello c prejudicada a se-
gunda assim como approvada a primeira par-
te da emenda do senhor Jos Pedro e rojeita-
da asegunda.
Foi approvado em primeira discusso o pro-
jecto n. 13 deste anno. O senhor vice-presiden-
te nomeou o senhor Beltro para menbro da
commissao de rcdaccocm lugardo senhor Fi-
gueiredo quo fdra dispensado deste encargo.
Entrando em primeira discusso o projecto
numero 14 deste anno, o senhor Pereira de Car-
valho mandou a mesa oseguinte requerimento,
iue foi appoiado :requeiro o addiamento dn
parecer da commissao n. 14 por 8 dias at que
se ache presente o aulor do parecer.
Enrerrada a discus'so, foi rejeitado o reque-
rimento assim como o projecto.
Foi approvado em segwnda discusso o projec-
to n. 7 deste anno, assim como o numero 9.
Entrou om segunda discusso o projecto n. 4
le 1840. O artigo I. flcou addiado por nao
haver casa. O Sr. vice-presidente deo para or-
len) do dia continuaco da de hoje e parece-
res addiados,e levantou a sessao antes das duas
horas.
Francisco de Paula Caralcantide Albuquer-
fjtu Ijicerda, vice-pnsidente Francisco Jodn
Carnciro daCunha, i." secretarioAntonio
Jos de Oliveira, 2. secretario.
Foi tambem lido.e approvado o seminte parecer
da commissao deordenados:A'commissao de
verno da sua parte nao dorme neste assumpto: I ordenados foi presente o requerimento de Fran-
tem enviado para as diversas provincias do rei-
no os seus coinmissarios eleitoracs senuo um
delli.s D. Antonio Gonzalos que parti para
a Estremadura onde tom influencia; e em vis-
ta da divergencia, que se nota i.os partidos op-
posionislas e dos ineios de que podo dispor ,
o governo tonta garihar as eleicdes.
Entretanto allinna-se que o governo toman-
do o aspecto da coaliso est decidido a dissol-
ver as cortes se estas Ihe sahirom coa trallas.
S em Barcelena que o governo nao se tem
involvido neste assumpto tal vez persuadido de
cisco Pereira Algarve carcendro da cadeia da ci-
dade do Olinda eni que pede a esta assernbla
augmento do ordenado ; sem se lembrar que o
carcereiros sao empregados geraese por conse-
guinte pagos polos cofres geracs ; por isso he
a commissao de parecer que se indifflra ao sup-
plieanle. Sala das rommisscstO de abril de
1843.Ptuvira de BritoLeal.
Foi ulgado objecto de deliberaeo, o seguin-
te parecerda con mssaodo estatistica:Foi pre-
sento commissao de estatistica o requerimento
dos habitantes das duas povoacoes de Fasenda
quenada ali poder alcancar cm seu favor | Grande eTacarat da comarca de Flores, em
em consequoiu ia do rigor com que tratou lti-
mamente aquella povoaco.
As noticias que se recobio agora de Barce-
que pedem seja erecta em villa a referida po-
voaco de Fasenda Grande, e a commissao,
attendendo as rasos por ellos allegadas, as
lona oro mais satisfatoras. Nao s se linha quaos nao Ihe sao desconhocdas e ainda mais
suspendido por ordem do governo a cobranca | por estar convencida da necessidade da ereaco
da contribuicao dos 12 milhes; mas levantou- dessa villa he de parecer que se deflra favo-
se o estado de sitio para se verificaren) as eloi- nm-lmentc e por isso ofTerecc consideracao
ges municipaes e este nao tornara a reger desfa assernbla o seguinte projecto de rosoluc.
s se tivesse logar alguma oceurrenoia dosagra- .4 assernbla legislatira provincial decreta.
davol. Foro soltos todos os redactores e ou-1 Artigo unieo. rica erecta em villa a pomacao
tros empregados dos jornaes que se achavo de Fasenda Grande da comarca de Flores cono a
presos, e estes tornavao a publicarle, fallan- denominaro de villa da Floresta, formando
do com toda a liberdade.
fe poltico enovo gove
SOUnnJA O Hit Oe HH,. .. -Kim ;:::;-" j um. i i m ^X^ii por causa das desoidens, que ha conlinuamen-j nambuco em 10 de abril de 1843.Bernardo
uo.i |juiH.ii-su, iaii.ni- (jcnominarao de villa da Floresta, formando
ide. Nomeou-se novo che- parte do novo municipio a ieguesia de Tacara-
ernador militar. Tratase t, o revogadas todas as leis e disposifos em
radar a ftuar!?2e ::!!i!"r:-(nfr;,ro ^ assernbla !.xi,!uiva de Per
Resumo dos debates da sessao do dia 10
de abril.
Foi approvada a acta da sessao antecedente ,
e mencionado o expediente.
Lero-so e approvaro-se alguns pareceres do
ommisso. Julgou-se materia de deliberaeo
foi dispensado da impresso sendo approvado
um requerimento do Sr. Lopes Gama o pro-
jecto que este olTereceo e que na acta se v.
O Sr. Oliveira fez o requerimento, quo
consta da mesma acta.
O Sr. Lobo Juuor vota contra porque nao
acha vantagem ou proveito nesse requeri-
mento.
O Sr. Dr. Jos Bento vota favor. Julgn
que muto necesario que o tachigrafo, qui-
lla na cidade seja chamado para tomar os traba-
lhos da assernbla. O A. do requerimento o
sustenta. Diz que ha osse tachigrafo choga-
ilo de fora bastante habilitado que se com-
promete a dar os trabalhos da mesma assernbla,
mediante uma paga a qual ser arbitrada por
olla cm altcnco ao que elle fizer.
Sr. Moli vota contra o requerimento.
mostra inconvenientes que delle procedem :
que nao ha sono mui poucos dias de sessao,
e nao podondo os trabalhos lo tachigrafo andar
em dia, nao pedo assemhla avaliar do soo m-
rito para Ihe pagar. Acrescenta ou tras razos.
O Sr. Lopes Gama d oseo voto favor do
requerimento, mas quizera que mndasse de
forma. Dczeja que se exprirnente logo o
tachigrafo mas nao que se pague no fim por
que succede sempre que neste temoo se pa-
ga mais caro ; pelo que se deve ajustar primei-
ramento com o dito tachigrafo.
O Sr. Dr. Neto vota igualmente favor do
requer monto. Diz que necessnrio approvei-
tar o talento e habilidade desse individuo, e
mostrar que a empreza dos tachigrafos nao
impossivel como se tem dito. Responde as
razoes contrarias.
O Sr. Oliveira pede licenca, que Ihe foi
concedida para retirar o seo requerimento.
Entrou em discusso o parececer da commissao-
de polica em satisfacao ao que na sessao an-
tecedente tinha decidido a assembloa, app.ro*
vando um requerimento do Sr. Dr. Jos Ben-
to. Veja-so a acta da sessao do dia 8 do cor-
rente.
O Sr. Dr. Brito declara votar pelo pare-
cer ; mas entonde que a assembloa nao podo
contrariar respoito do tachigrafos, por 4 an-
uos porque ella nao pode votar por despezas
a lo ni de un anno.
O Sr. Dr. Neto requereo que se adiasse
a discusso e que a commissao de polica cha-
masse si o parecer dado afm de organizar ou-
tro tendo em vista a nova proposta feita pelo ci-
dadao Roma. Jnstilca o seo requerimento.
dizendo que o parecer ltimamente lido ( da-
do em consequencia do requerimento do Sr.
Dr. Jos Bento ) a primeira vez que oceu-
pa a attenco da casa e por isso deve seguir a
marcha que seguem todos os outros parece-
res que ficarem adiados quando ulguin Sr.
deputado pode a palavra na primeira Jeitura
Acrescenta quo o cidado Roma oflereceo nova
nroposta mais favoravcl assernbla quo a
primeira e que a do Figucroa ; pelo que a
commissao deve dar outro parecer com attenco
a dita proposta. O Sr. Mello vota pelo roquo-
rimento. Analisa o parecer da commissao.
Entonde que se nao deve contractar a cerca do
tachigrafos por k annos, visto que nio ha dis-
to necessidade ; entretanto que sendo o con-
tracto porum anno pode a assernbla melho-
rar, pela concorrencia. Mostra, que as con-
dices da proposta que o Roma agora ofle-
receo, sao mais lavoraveis que as piimciras,
que as do Figucroa ; e por isto que o reque-
rimento deve passar.
O sr. Jos Pedro mandou a emenda que
da acta se v.
O Sr. Dr. Brito nao concorda qne se ad-
mita novas propostas. Diz que feitos os an-
nuncioj polas folhas publicas, c recebidasas.
propostas., devem ficar feixadas as portas para
novas propostas ; alias seria um nunca acular
e o servico publico perigaria. Vola por tanto,
contra o requerimento de adiamento.
O Sr. Mello mandou uma emenda. Finda
a discusso foi regeitado o requerimento do Sr,
Dr. Neto e tambem a emenda do Sr. Mello.
Foi approvado o parerer o a primeira par-
te da emenda do Sr. Jos Pedro.
Depois sem debate fii approvado o projectoi
n. 13 deste anno. Entrou em discusso o pro-
|octo n. 14.
OSr. Dr. Jos Bento vota contra : entende-
que nao caso de inlerpretaco como diz a
parecer da commissao a dispozico da lei do
orcamento do 184-1 no ponto de que fulla o
mesmo parecer art. 39.
O Sr. Dr. Custodio justifica o dito parecer ;
entende que o ponto de que elle trata proprio
para uma interpretarlo. Mostra que a cma-
ra municipal da cidade de Olinda esteve sempre
na posse de cobrar o imposto sobie as balancas
de pozar assucar &c.
OSr. Laurenlina requer adiamento por 8
dias.
O Sr. Dr. Neto combate o parecer; nega a
posse de que falln seo collega Mostra que a
cobranca do dito imposto que determinava a
cmara municipal de Olinda contra a cons-
tituico do impecio c acto addicional e
demonstra.
OSr. Laurentino vota pelo parecer. Mos-
tra que a dita cmara sempre robrou o referi-
do imposto ; tem direito cobra-lo &c. Dir
que um seo collega ( meinhro do commissao ,
que deo o parecer em discusso) tem documen-
tos que provo o quo leva dito pelo que
como elle nao est presente pede adiamento.
Finda a discusso, foi regeitado o requeri-
mento do Sr. Lan.entino assim como o pa-
recer.
Sem debate passou o projecto n. 7 deste an-
no : (primeira discusso). Tambem cda mes-
ma forma o de n. 9 ( Ia discusso ). En-
trou em discusso ( segunda ) o piojecso n.
4 de 1840.
OSr. Dr. Domingues vota fuvor : mostra
a conveniencia de sor elle approvado : diz que
a capolla de Santo Antonio erecta em o lugar
denominadoSalgueiro, conta o necessnrio
pare ser elevada a parochia.
Ficou a discusso adiada pela hora: e levan-
iou-se a sessao.
(') Vide Diario de Pernambuco de hontem.


COMPANHIA DE BEBIRIBE.
CONTA do que se ha despendido cotn a empresa do encanamento da, aguas
comeco ale o ultimo de fevereiro prximo/indo: a saber
1839. No>b." 20. Pela importancia de livros, papel, *c. a Car-
1840. Marco 14. iZ t^' ^e^ V Vecibos a0"""11-0 "'* *
Santos &C."......
Majo 18. dem despendida com'j.Boyer..........
* ~e>-r 28. dem de aditamento para a encomenda de
15,000 apolices...... A
18 ti. Marco 31. dem de passagem, cavalgadurasi 'e mais ds-
Pczas com engenheiros. k
1842. Abnl 16. dem de compra das nascenc*asdo PratV, siza,
escriptura, &c.. R -
Julho 23. dem de feria de operarios'.".'.'............ 1
24. dem de livros e mais objectos para o expedi-
ente a Cardozo Ayres..... q
Wem de ferramenta a Antonio da"'Ferreira 10
26 dem de correnlc, agulha, &c. H. Voss.. n
dem de bussola e nivel a J. O. Elster...... >, 12
JO. dem de taimado efeitio de portas a J.Berenger 13
dem de feria de operarios das otras do acude. >, U
Agosta 6. dem de dita de ditos.... jk
13. Womdedita de ditos <*
20. dem de dita de ditos. *........... 7
27. dem de dita de ditos......'.*.'.'*"...... Jg
dem de empreitada do feitio da casa a Anto-
nio Elias............. lq
29. dem de 2 200 telhas a JoaoSeveri'no doR.' B.* 20
30. dem do 1,600 .. tas a D. Maria V. de A. L. ,, 21
dem de vencimentos ao mestre Wmer, 2me7es 22
31. dem de carretos, utencilios c despezas niiudas
ao administrador..............;..... 23
dem de grutifioacaoao director fisca, 2 mzes i\
Llem de vencimentos aoapontadorJ.T. Peixoto 25
-**.W o ,1 k 5otb. 3 dem do feria de operarios.......... 27
dem de 110 alqueires de cal a J. Siverio'' 28
IdemdelOO.litosaJo^deBrilo e Mello.. 29
10. dem de 101 ditos ao dito.............. Jo
dem de feria de operarios.......... 31
dem de 1.600 lijlos al.B. de Barros.''.'..' 32
12. tdem de 12 cadeiras, e 2 mezas para a casa a
J. Beranger............,'............. )} 33
14. dem de laboado para andamos, &c. ao mesmo 34
dem de feitio do tinas, &c. a J. F. Teixcira. 35
16 dem de 103 alqueires de cal a Jos de Brito
e Mello ...................... jj og
dem de 12,000 lijlos a'jse' Cetario deM.' 37
dem de 4,000 ditos a J. SeverinodoR. B. 38
c dem de 4,4 3 dilosa J. F. do R. Maia.... 39
17. dem de leria de operarios............. 40
2\. dem de feria de operarios............. 42
dem de 102 alqueires de cal a J. de B. e M. 43
dem de 400 telhas a Maria ^ cenca de A.
I.. Baslos........................... )( u
28. dem de 4,791 lijlos a J. S. doR*. Barros. \ 45
30. dem de 1 pedrae lamina gravada a A. Wilmer 46
Outb. 1. dem ce venciinentos do apontador J. T. Pei-
*o................................ >, 47
dem de madeiras para a casa a Joo Francis-
co Marques.......................... 43
dem de vencimentos do mez desetembroao
mestre Wilmr........................ )} 49
I dem de empreitada aocontramestreLourenco 51
3. dem de 102 alqueires de cal a J. de B. e M. 52
dem de xencimentos do administrador M. de
S1 e Sou/a.......................... >, 53
to da Silva........................... j, 54
dem de taboado a J. Beranger........... 55
5. dem de 21 carros datiao a J. Pater & C.\ 56
8. dem de gratificacao,ao director fiscal...... 57
dem de 10.056 lijlos a Carlos Martins de
Almeida............................. 53
dem de 6,000 ditos a Jos Cezario de Mello. 59
dem de eria de operarios.............. 60
11. dem de 2 jangadas de cedro a Joaquim Cor-
reia da Silva.......................... 61
12. dem de 3,550 tijolo a Joao S. do R. Barros. > 62
15. dem de eria de operarios............... 63
22. dem de dita......................... 6i
dem de 5.216 tiiolos a J. S. do B. Barros.. 65
dem do 10,000 ditos a F. Cezario de Mello. 66
25. dem de 49 alqueires de cal a F. Monteiro.. 67
dem de 100 ditos a Manoel Firmo........ 68
dem de 45 ditos a Francisco Antonio...... 69
29. dem de 50 'A 'tos a M. A. d'Almeida..... 70
dem de 102 ditos a Jos de Brito e Mello... 71
dem de impresso de documentos a Manoel
Figueirfla do Faria.................... 72
dem de feria de operarios.............. 73
Novb.ro 3. dem de 29 alqueires de cal a Francisco das
Cbagas............................ 7i
dem de82 V ditosa J. de Brito e Mello___ 75
dem de vencimentos do administrador M. de
S.'i e Sonza........................... 70
dem de ditos do apontador J. T. Peixoto... 77
4. dem de carretos, e objectos miudos ao admi-
nistrador........................ 78
5. dem dfl feria de operarios............... 79
Mem de 102 alqueires de cal a J. de B.e Mello 80
12. dem de feria de operarios............... # 81
16. dem dpO.ialqusir :!;^! 2 J. d:-B. cMeo >; S2
a a dem de resto de imprcitada ao contramestre
desde o seu
62S940
438000
500S000
750S000
923S800
5:5508000
39S020
208900
1 MiSoGO
37S920
2158000
77S9G0
378000
6180W
618000
738 WO
778230
908000
998000
608800
200S000
1898210
100SOOO
868666
1668666
1118760
528 00
488000
48,8 80
1308940
28S800









1843. Jan/
708000
358180
16S160
418200
3368000
1128000
79H:U
1868160
408800
1988800
40S800
158200
1318H8
588 W0
41S666
259S580
1008000
2308-190
608000
408800
838333
1108000
328000
1688000
508000
I.ourenco...........................
t 19. dem de feria de operarios...............
dem re 816 tijolos a I). Maria V. d'A. L. B.
dem de 6.608 ditos a F. C. de Mello......
dem de 5-2 dito a J. S. do H. Barros.....
23. dem de erragens a H. Voss.............
26. Llem de feria de operarios...............
Dozb.r 1." dem do vencimen'os do apontador.1. T P.
dem de ditos do administrador M. de S:'i e S.
3. dem de feria de operarios...............
dem de vencimentos do dezenhista 1*. J. A.
Schramback..........................
dem de ditos do mestre Wilmer, 2 hijzcs. ..
10. Llem de feria de operarios...............
dem de vencimentos do engenheiro Kersting
2 mezes e 20 (lias......................
17. dem de feria de operarios..............
22. Mem de despezas com a escripturacao......
2t. dem de fena do operarios..............
31. dem de dita de ditos...................
2. dem de vencimentos do administrador M. de
S e Snnza......................................
dem de ditos do apontador J. T. Peixoto. ..
7. dem de feria do operarios..............
Mem de vencimentos do dezenhistaSchramba1 k
U. dem de 12 carros de m5o a Joaquim Theo-
doro Corrrein...."...................
14. dem de fi ria de operaros.............
16. dem de 6 carros de mao a C. Starr........
21. dem de feria de operarios..............
26. dem de ferragom para a santa a II Voss...
dem de naos para bandeiras&c. a J. Bouman
28. dem de feria de operarios..............
31. Mem de vencimentos- do apontador J. T. P.
dem de ditos e gratificacao ao administrador
M. de Sa e Soti^a.......................
4. dem de feria de operarios...............
10. dem de vencimentos do dezenli'sta, de Janeiro
11. dem do ditos do mestre Wilmer, do dezembro
dem de iPto dito de Janeiro............
dem do37 barricas de simen lo &c. a A. Wilmer
dem de feria de operarios...............
J>lem de dita de ditos...................
dem de dita de ditos...................











Fev.ro
































83
s.
85
86
87
88
8!)
90
91
92
93
9t
93
96
97
98
99
100
101
102
103
104
105
,106
107
108
109
110
111
112
113
114
115
116
117
118
119
120
121
96800O
2838380
2238 W
1838020
15^170
12-.320
231^160
41666
83#333
200;020
106^666
200^000
214^160
533j320
257*400
400jOOO
2I1j140
72j240
83333
41*666
222^760
80*000
168*000
260^700
120,000
28i*500
200)320
57*760
303*920
100*000
200000
275^60
80^000
100*000
IOOjOOO
455)000
298*540
326^210
2il*360
R.' 23:282*186
2818560
1688000
2888320
328000
9980O
309S03O
3298860
1 tflWiO
280S000
17860
348000
158300
188180
36S720
41000
2298340
98280
288030
838333
41S666
213 258R710
3V8680
3'r-68300
.J.J10U
A contaque precede he extrahida dos livros da companhia a vista do ultimo balancete a-
presentado pelo respectivo caixa.
As obras do acude e da caixa d'agoa do Prata ficarao concluidas em dezembro e deo-so logo
principio a preparar o terreno pira a coHoi-acao dos canos do forro trab illiando-se em um at-
ierro sobreo acude grande a fim do os tra'.er nivella lo; e em lin'ia recta at qmsi a povoa-
caod'Apnipucos : este trabalbo achi-so.muitoadiantado estando ja vencido o mais diflicil e
dispendioso. O que estiva delinca lo e oroJspo*lo polo fallecido Kersting vai sendo por esta
lormasatisfatoriamente dosemponhado sob a dirccco do M. Wilmer: e espera-so que um dos
autores do plano venha dar maior incremento aos trabadlos, fa/endo-os exocutar em diversos
pontos ao mesmo lempo.
Mandarao-se virde Inglaterra or conta o risco da companhia 1000 bragas de canos, parte
dnsquaesj se acho desembarcados e so esperao os m lis por duasembarcaedes que se desti-
navao para pste porto ; costando a primeira remossa ao cambio de 28 menos de 30 res por
Ib. inclusive frote. seg'iro comnissdes e mais dospe/as: entretanto que a proposta mais
vantajosa que loi oderecida exi-zia 8 rs por Ib. e oailiantamonto deiOcontos. O caixa
fui autorisado a remeter agora at 2000 por conta desta encommenda e a despender o que
for necessario com a compra de matoriaes para se edificar o reservatorio da Boa-vista cuja obra
vai ser comecada.
A empreza prosegue em ludo o mais com a possivel regularidade e se os trabalhos continua-
ren! sem nterrupoao etiverem miisalgum impulso he muito do presumir que o encana-
mento cliegue a capital por todo o anno vin louro ; assim como a companhia se lornecer
ilos canos que Iho sao precisos pelo mesmo proco da primeira rcmessa poder duplicar o en-
anamento sem alterar as dimonses do plano nom augmentar a dospoza oreada. Escriptorio
da companhia do Bobiribc H do marco do 1843. Bento Jos Fernandes Barros.
nniiin m mwwm.
Recebemos de Lisboa o Diario do Governo de
7 de fevereiro a i de marco e igualmente at
esta data o Nacional, cu jo titulo vem mudado
no 'le Patrilao primeiro numero destesahiu
a 20 de fevereiro : mas quer um quer outrojor-
1 al sao destituidos de interesse ; toda-via apre-
sentarenx.s aos nossos leitores o que nelles hou-
verdemais momento.
As colnmnas daquelles peridicos sao occupa-
rias pela maior parle com actos administrativos
e discusses das cortes as quaes continuavao
nos scus trabalhos legislativos. Na cmara dos
deputados discutiu-sc e approvou-se um pro-
jecto sobre a creacao de urna nova ('ompanhia
dos \ indos do Alto Don ni con ir 1 sobre as a-
({iias-ardentes. Na dos Pares foi votada por con-
sideravel maioria a concessao do bil de indem-
nidade que o governo havia pedido.
COMMERCIQ.
AI Tan doga.
Rendimento dodia 12.......... 6:23488*1
VescarregUo hoje 15.
Barca Tilia fazendas, ou manteiga.
BrigueMargarida vinho farinha, pas-
sas. e manan,
Brigue Conreicao de Maria diferentes
gneros.
Brigue /'rogress carvao.
Patacho ^jierad- Patkel vinbo, alpista,
/.i-i-, e papel.
Brigue Jumes Walle carvo.
Brigue S. Domingos vinbo, vinagre, e a-
zeite.
Brigue /'roma fazendas serveja, cobre,
tintas, e camos de ferro.
Brigue Rival bacalhao.
Brigue Cora barras de ferro.
IMPOKTACO.
OBriguo Inglez EVanore vindo de Cdiz ,
consignado a Deane Voule & C. entrado ero
12 do correte manifestou o seguinte :
95 l.astes de sal ; a Ordem.
12 caixas com conservas 2 ditas com mus-
tarda ; ao capitao.
O brigue Inglez James Gibson vindo de
Cdiz consignado a Me. Calmont & C. en-
trado em 12 do corrente, manifestou o se-
guinte :
120 Lastes de sal; aos consignatarios.
IIovmonto do Porto.
Navio sahidonodia 11.
Bio de Janeiro pela Baha e Mace ; va-
por brazileiro / ahiuna commandante Ma-
noel dos Santos Ornellas.
Nario entrado no dia 11.
Cette ; 36 dias patacho dinamarquez Asseu-
rado Paquete, de 149 toneladas, capitao Pe-
terHemmet, equipagem8, carga vinho ; a
N. O. Bichero C.
Ditos no dia 12.
Terra Nova ; 32 dias brigue inglez Rival, de
149 toneladas rnniSn Rirhsrd M. K?::!
eqm'pagem 9 carga bacalko ; a Me. Cal-
mont &C.4

i.
tfi








liba de Femando ; 3 das patacho transpor-
te bra/ileiro Pirapama, commandanle Ral-
tliazar Jos, dos Res; traz 40 prisoneiros dos
Kio Grandenscs, e 4 oBciaes de primeira
lin ha.
=r Quem precisar de 200,000 rs. a juros,
sobre penhores de ouro ou prata ; ossim como
outras maiorosuuantias, sobre hypotbeca em
predios fiesta praca dirija-so a ra das Cru-
zes loja n. 3V.
Avisos diversos.
= Matheos Gaspar Leonesi retira-so para
fora da provincia.
: Bernardino Mai da Silva rctira-se para
fora da provincia.
Perdeo-se urna letra de setfe contose tan-
too mil rs. saccada em Podras de logo por Joao
da Costa Vilar e aceita por Francisco Rodri-
gues de Moura quem a tiver adiado c queren-
o restituir dirija-se a ra da Cadoanova n. 22,
por que o acccitante ja se aclia prevenido para a
nao pagar se nao ao seu legitimo dono.
A medicina popular americana que ha
tantos annos est em uzo as Indias Oeciden-
taescOrientaes Costa d'frica, *R &c tero
provado como urna medicina inestimavel sendo
preparada de prepsito para clima quente, e
composta de ingridienles que nem requercm
dieta nem resguardo, e pode ser administrado
s enancas asmis ten ras.
As vantngcns deste celebre remedio em curas
de molestias de ligado, gotta, dores de cabeca ,
inflamacoes em geral retencoes d'ourina, pe-
dra na liexiga erysipela ataques nervosos,
lombrigas, <&c. &c., tcm causado grande exlrac-
cao em todas as provincias como nico e ver-
dadeiro purilicador do sangue.
A medicina popular americana composta de
dous principios difieren tes mn purgativo e
desobstruente removendo os humores viciados
das diflerentes partes do corpo e assim publi-
cando o sangue; o outro tnico dando forca
e vigoraos orgos da digestao c por tanto impe-
dindo a cumuladlo dos luunores nos intestinos,
fec. urna comhinacao como esta nao pode ser
senao proveitosa na maior parte das molestias ,
e sendo vegetal esta combinadlo pode ser admi-
nistrada a creatura mais delicada sem receio al-
gum e com certeza de benficos resultados.
Aqui vende-sesomente em casa do nico a-
gente Joao Keller ra da Cruz do Recife n.
18 e para maior commodidade dos compra-
dores, na ra da Cadeia do Recife, em casa de
Joao Cardozo Ayres, na ra Nova na de Guerra
Silva & C.', e atierro da Boa-vista, na de Sal-
es < Chaves.
Nestas mesmas casas tambem vendem-se as
pilulas vegetaes do Dr. Rrandreth.
= Quem precisar de urna preta para o ser
vico de casa e ra co/.inlia lava e he boa
quitandeira e muito fiel dirija-se ao sitio
de Presados, ou Bra lerodes ni estrada de Joo
de Rirros, ao ne ou defronte do Cirurgiao Ma-
noel Bernardino.
= Precisa-se de douscontos dereis a pre-
mio com seguranca em duas casas e 4 cs-
cravos : annuncie.
= Precisa-se alugar urna casa terrea nn
ra do Lobato hoje dos Copiares casa n. 5,
que oseu aluguel niio exceda de 13000 rs. ,
sendo as ras; de llortas Direita e patio
do Carino ou traspassa-se as chaves por urna
na dita ra.
= Juliao Uncir Hespanhol, retira-se
para a provincia das Alagoas.
= Henry J. Craig subdito Britnico, rc-
tira-se para fora do Imperio.
A Administradlo do Patrimonio dos Or-
laos tendode mandar fazer um uniforme para
cada um dos meninos rccolhidos no Collegio ;
convida aos ~nrs. mestres alfaiates, a quecon-
vier incumbir-sede apromplar o dito unifor
me ., a comparecercm em casa do thesoureiro
do esta elecimento o Coronel Joao Francis-
co de Cliaby, no alterro da Boa-vista, para
fazerem os seus ajustes.
Aluga-se um segundo andar um sotao
no atierro da Boa-vista ao p da ponte, so-
brado n. 3 : a traclar no primeiro andar do
mesmo.
Quem precisar de um rapaz Bra/ileiro,
que sabe ler escrever, c contar e livre de
guarda nacional para caixeiro de qualquer
arrumaco nesla praca ou fora della an-
nuncie.
Na ra dos Quarteis antignmente cala-
bouce velho casan. 19, precisa-se de una
= Aluga-se urna casa terrea novamentc dencia n. 35.
falta ; porm sempre ir ao bairro de S. Anto-1 Vendem-se um negro de naci de 2S
nio. = Jao Miguel TeixeiraLima. annos cozinheiro e vendedor de fazenda ; um
OITerece-se um rapaz portuguez de 18 moleque de I i annos e urna mulata ecura ;
.annos para qualquer estabelecitnento, que da couros de cabra sola, be/.erros e cera ama-
j fiador a sua conducta; na praca da Indepen- relia em pequeas e grandes porcoes: na ra
da Cruz n. 51.
od(Guada na ra da Solidado com bastantes
commod)s para urna grande familia por isso
que lem seis grandes quarlos, duas salas, cor-
redor ao lado um grande quintal murado e
outro cercado com urna cacimba de boa agoa
de beber; quem a pretender dirija-se a ra
da Aurora, casa n. 58.
= Alga-se o sobrado de 2 andares n. 1 nos
4 cantos da Boa-vista, e casa terrea n. 3 :
fallar com M C. S. Carneiro Monleiro.
A parte do sobrado pertencento a Antonio
Francisco Roinao, sita na ra larga do Rozario,
est hypothccada por 560,000 rs.
= Perdeo-se no dia 7 do corrente a noite no
convento da Penha urna cartoira com 3 se-
dulasde20,000cada urna, urna dita de cem
mil rs. papel verde duas ditas de 200,000
rs. cada una papel branco urna dita de
50,000 rs. cor de roza um bilhete dos caval-
linhos, una medida de chapeo de menino ,
duas relaces de encomendas urna maior e
outra menor ; quem achou querendo resttuir
leve ao patio doCarmo n. 17 que ter 200
mil rs. de gralificacfio.
Da-se um sitio na t-olidade para plantar-
se de meias, preferindo-se portuguez que
entonela de hortalicc: a tractar na praca da
Boa-vista venda n. 10.
Precisa-se de um rapaz para caixeiro; na
praca da Boa-vista venda n. 10
= Aluga-se urna casa no Mondego com
commodos suficientes para urna grande familia;
quem a pretender dirija-se a praca da Boa-vis-
ta botica n. 20.
O Sr. T. S. que foi caixcirn do Snr.
Mesquita na fundicao da ra de Apollo,
queira dirigir-se a ra da Cadcia velha para
satisfazer a quanlia de 18,800 rs. que S. S. he
devador a mais de dous annos.
Bernardo Fernandes Vianna comprou
por conla do Sr. Jo/e Pinlo Coellio da \ illa
do Ico um bilhete da primeira parte da 13.a
lotera do tlicatro.
Da-se a premio '60,000 rs. sobre pe-
nhores de ouro, ou prata: na ra Direita n. 95.
Roga-sc a pessoa que por engao levou
um chapeo deso novo, ao recolher da pro-
cissao dos Enfermos deixando outro a usa-
do, de drigir-se a ra da Praia serrara de
Constantino Joze Rapozo para se destrocar ,
que se Ihe ficar agradecido.
Aluga se um sobrado de um andar e so-
tao novo, que est se finalisando, na ra
Augusla ; assim como na mesma se vende urna
pon-aodecaibros: na ra do Rangcl venda
n. 11, na esquina que volta para o Trcm.
Um homem portuguez, casado, se ofe-
rece para qualquer oceupacao pois tem bs-
tanle pratica de negocio; quem precisar an-
nuncie.
Qucr-sc fazer certo negocio sobre a casa
n. 9 i sita na ra velha da qual sao propie-
tarios Antonio Machado Pereira Vianna e
Anna Quiteriade Moraes Vianna; quem ti-
ver alguma reclamaco a fazer, declare no pra-
so de 3 das.
O Sr. Antonio Manoel Ramos queira
procurar urna carta na ra da Cadeia do Recife,
loja n. 21.
= A pessoa que Ihe faltar um caixfto com
urna porcio de vidros dirija-se ao escriptorio
de Jo/e Francisco Ribero de Souza na ra
da Sen/ala nova n. 40, a fallar com Henri-
: Antonio Dias de Araujo pela quarta | Vende-s urna caza terrea sita na povo-
vez r>ga a pessoa em cujo poder existe um ere- acao dos Aflogados, de pedra e cal, chaos pro-
dito passado por seu punho no anno de 1826 a
AnnaConstancia de Oliveira moradora que
era nesta praca, de dirigir-se ou mandar a Vil-
la de Bananeiras na Provincia da Parahiba ,
para tractar de seu em boleo.
Precisa-se de um portuguez que saiba
e queira oceupar-se em trabalhar em servico
dependente de carroca ou (eitor ou cousa se-
melhante e tambem de um portuguez peque-
o para caixeiro : na ra Nova loja n. 58.
Offerece-se um rapas Brazilciro de muito
boa conducta para caixeiro de cobrancas ou de
qualquer negocio nesta praca excepto-venda;
quem precisar dirija se a ra do S. Rita Nova
n. 91.
= O Reverendo Bacharel formado Antonio
de Andrade de Luna passou a sua residencia
eescriptoriideailvogacia para o sobrado do 2
andares da ra estreita do Rozario n. 27.
Compras.
- Compra-se 13 de sumahuma: na
do Queimado n. 40.
ra
Vendas
= Vende-se um sobrado de um andar c'so-
tao todo travejado no atierro da Boa-vista n.
17 com 110 palmos de fundos e 23 de largu-
ra quintal murado em partee outra por mu
rar com fundjo al a baixa mar do Capibaribe ,
e porto de embarque em qualquer mar : na
ra do Fogo n. 27.
= ^ ende-se urna escrava de 16 annos, bo-
nita figura cose, engomma c cozinha : na ra
Direitaa n. 50.
Continua-se a vender veludo preto supe-
rior a 3000 rs. o covado : na praca da Inde-
pendencia n. 39.
= endem-se merinos de cores muito fi-
nos a 1800 o covado piincezas pretas e de
cores a 800 rs. duraque preto e azul o mais
superior a 800 rs. chitas de asssento esenro e
cores fixas a 6000 rs. a peca, e o covado a 160.
lila prela superior a 340 corles de cassas pin-
tadas a 2880 ditos de chita de cores fixas a
2240, panno da costa o mais cncorpado a 480,
riscados trancados para calcas a 140, 240, e
300 rs. chila azula 140 e mais ordinaria a
120 pecas de brelanha com 10 varas a 2000 ,
ditas mais largas com 7 varase meia a 1500 ,
algodozinho lizo a '60 e 180 metim branco
lino a 240 rs. o covado lencos de chita a 140
e 160 ustesde cores para colletes a 280 o
i80 o covado algodao dobrado americano pro
prio para roupa de escravos eoutras mais fa-
zendas : na ra do Crespo loja n. 12.
= Vende-se urna escrava de nacaoCacange
de 22 annos com urna cria de um anno a
escrava lava engomma liso e cozinha : na
ra de S. Rila Nova n. 29 primeiro andar.
= Vende-se na ra do Bom Sucesso em
Olinda urna casa lerrea de pedra e cal n. 13 :
na ra das Trincheras n. 48.
Na refinacaoda ra Jas Larangeiras con-
tinua-se a vender algalias de gomma elstica ,
marmelada de I isboa em latas e caixas e
que Mara Pereira de Magalhaes, que dando
os signaes Ihe ser enlregue.
Na mudanca dos movis da casa da ra
das Cruzes em que morou o abaixo assigna-
do para a ra da Cruz perdeo-se um livro
pertencentc a primeira parte da primeira nova
loleria a favor das obras de N. S. do Livramen-
to ; roga-se a quem o tver adiado que o en-
tregue na ra do Crespo, n. 17 que ser
gratificado.
Jof dos Santos lleves.
Da-se dinheiro a juros sobre penhores
de relogos novos, e modernos : na ra das
Cruzes, n. 35.
Oprovedorda Irmandade do Snr. Bom
pessoa, quesaiba com perfeicio e certeza es-j Jess das Don s em S. Goncalo previne aos
crever portuguez e capaz de encarregar-se de
b^m dirigir qualquer papel ; pois se laz al-
guma vanta^em por esse pequeo trabalho.
A pessoa que annuncioii no mez pas-
sado ter urna chapa do 3 buracos para fugo ,
dirija-se a ri;a da Cadeia velha, n. 60, ou an-
nuncie.
O abaixo assignado pede encarecidamen-
nioradores do bairro de S. Antonio que sem-
pre foi de suas inleneoes que viesse a procis-
SfO de Enterro no dito bairro, nao precisava
que li/esse aquelle annundo no iario n. 70 ;
porque com isso nao ganhou alvissaras quem
fui o autor nao forao a esmolas do menciona-
do bairro que nao deixasse devir, porque
deste liairro ppdem no bairro da Boa-visfa c
te ao Sr. Joao Pereira da Silva Guimares de nenhuma anda foi l sempre foi das minhas
apparecer na ra Nova loja france/a n. 9.
Milur Rob rio $ ( ompan/n'a.
Quem precisar de
ii'teiKoes, e assim pretendo que a con teca ,
sal\o se ouver clima que nao de- lempo nem
e una ama de portas lugar a umprir seo dfswo, nem pode-se an-
.lonim jr,, M A* homom ^dro dirija- n:;nd--raG?, jH.mucno -e pede ;=bcr,
^" a ra Diicita n. 34.
que transtorno haver
que depois se caia em
amendoas confeiladas
Vendcm-se resmas de papel almaco a
mmitacao de meia holanda, ditas de peso azul,
travessas de tartaruga para senhora massos de
artasdejogar portuguezas e linas vidros de
agoa decolonia muito fina maenss linhns de
IWis, ditas de brelanha, massinhos de fs-
foros americ nos, tudo por barato preco : na
praca da Independencia n. 4.
Firmino J. F. da Poza e Manoel da
Santos na ra da Moeda n. 7, teem a ven-
da excedente sal os pretendenles poiem ver
amostra no escriptorio, e no arma/em de Fran-
cisco DiasFerreira no caes da Alfandega.
Vendem-se bons remos de pao de oleo ,
para barcacas jangadas do alto, e paquetes .
na ra de S. Rita nova', n. 87.
Vende-seeffeclvamente superior sa'itre
refinado em barr's c a relalho pelo mdico
preco de 200 rs. a libra : na na das Larangei-
ras sohrad.i n. 5 de Claudio Dul>eux.
Vendem-se ladrilhos de marmore bran-
co e azul com os seus Competentes cantos,
ehegados agora de Genova por preco com-
modo : na ru. Direita n. 120 segundo an-
dar onde mora Jos Saporile.
Vende-se urna estola preta por preco
commodo ; quem pretender annuncie.
= Vendem-se 4 vacca,s paridas, o 4 pre-
RiicS: iiuattcrro dos Altogaos, armaznii de
sal de Francisco Xavier das Chagas.
prios quintal murado 3 quarlos a alcova
da frente com vidraeas, e cassimba; a tratar na
ra por detras dos Martirios em caza do Joao
Joaquim de Figueiredo : quem tiver noticia de
urna cabra de nome Donizia idade do 13 pa-
ra 1 i annos a qual sahio no dia 28 de Mirco
p. p., sem haver noticia della, a quJ tem urna
marca na cara de queimadura e na mao es-
querda outra de pouco tempo peitos atacados ,
os ps apalhtados cuja escrava estava hypo-
Ihecada ; quem tiver noticia della ou a tenha
por qualquer negocio dirija-se a caza do mes-
mo Figueiredo que se fara negocio. Tam-
bem se vendo um grande sitio na povnacao da
Vurzea, com muitas plaas; arvoredos, e nina
grande caza de pedra ecal com quatro sallas
na frente outra atrs e salla de juntar, com
mais de dez quarlos; quem a quizer procuro o
mesmo Figueiredo.
Vendem-se um negro de 20 annos co-
zmheiro : e urna negra de 20 annos, co>e,
cozinha e faz doces de tpdas as qualidades : na
ra ra de Agoas verdes, n. 70
Vende-se ou permuta-se por qualquer
propriedade em um dos 2 bairrosde S. Anto-
nio, ou Boa-vista, um sitio na estrada do
Arraial com urna ptima casa de pedra e cal ,
edifleienlesarvores de frulo : os pretendenles
dirijao-se a praia de S. Pita, tanque do \ inna
= Vendem-se farinha de mandioca em bar-
ricas e saccas viuda do Pi de Janeiro ; urna
harcaca com'todos os seus perlences vinda das
Alagoas: na ra da Cadeia, loja n. 57 de Joao
Maria Seve & Filho.
= Vendem-se boles de oco pretos e bran-
cos que servem para sobrecasacas a 7200 a
grosa e em duzias, com pouca diflerenca no.
preco : na praca da Independencia, loja n. 39.
= \ endem-sc taxas de ferro eondo e bati-
do e mocil.las para engenho em bom sorti
ment; e acllins elasli os : na ra da Madre de
Dos n. 5 casa de Johnston Pater & Com-
panbia.
Vendem se urna volta de cordo grosso
eourodelei, uns cora/es a/ues encastoados
em ouro com requiifes para braco de senhora,
pares de brincos de ouro e diamantes modernos,
alfinete de peito de (opazio com diamantes; bo-
tfics com diamantes pura abertura pares de
hotoes cortados para punho argolas cncastua-
dasem ouro para orelhas, e urna pouca de
prata de bom toque : as 5 [tontas n. 45.
Vendem-se 4 escravas com boas habili-
dades una deltas cose e engomma muilo
liem ; urna dita boa quitandeira ; urna moleta
peca de 15 annos ; urna preta de meia idade
por 250.000 rs. ; urna mulatinha de 6 annos ,
iim preto de meia idade, bom carreiro ; um
dito bom para quem lem vaccas de leite pois
sabe mogir e traclar dolas: na ra de Agoa
verdes n. 44.
Sai Vendem-se borzeguins gaspiados para
homem a 7000 ditos de pona de lustro de
duassolas pretos ede cores sapatos de palla
para homem dito decourode lustro e bo-
tins dito sapatos de couro de lustro para se-
nhora e meninas de litase de cohetes ditos de
marrnquim I orzeguins gaspiados para senho-
ra a 2240 ditos de duraque a 1760 sapatos
de duraque preto com fitas a 960 dilos de
cordavao a 640 ditos de meninos de diversas
qualidades a 360 c outras muilas qualidades
decalcados, por preco mais commodo do que
em outra qualquer parto : no atierro da Roa-
vista n. 24 e na praca da Independencia
n. 33.
Vendem-se chapeos prelos francezes,
gaspiatos, da ultima forma e chegados ago-
ra : na ra do Queimado, loja n. 25 de Carioca
& Sette.
= Vendem-se urna cama de angico com
colxescm hom estado 4 pratos travessos, duas
soladeiras de boa louca um porta-azeite e
urna colecao de li- quadros : na ra Augusta
n. 32.
- Vendem-se relogios de patentes de ouro
e praia ,e tambem horisontaes e do paredo
com despertador: ua ra das Cruzes casa de
rolojoeiro francez n. 35.
Escravos ugirios.
= No dia 21 de Marco p. p. fugio a negri-
nha croula Germana de 15 annos, feia do
rosto, levou vestido de chita azul sujo, c ca-
misa de algodo/inho ; quem a pegar leve a
ra da Praia ni mazem de Antonio Prilo ,
quesera recompensado.
Recipe. naTyp. deU. F. deFaria.=1843


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EVILPYRTR_DTMCT6 INGEST_TIME 2013-04-13T03:07:48Z PACKAGE AA00011611_04937
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES