Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04926


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Atino de 184*
Sexta Fe ira SI
Tufo goi depende Je n* .tamos ; d noaaa prudencia Bodera^'o, a anergia : con-
inymus como principia/noa e aeremos apontadoa cum admirat ao entre as Piacoe mait
,ullt ( Proclamaco da A.sembla Geral do BaAtlL.)
PARTIDAS DOS CORKEIOS TERRESTRES.
fioiannt, Parahiba e Bi<> grande do Norte tgunda a aenas (airaa.
Booi'fO e Garanhun. a 10 e U
Cano b:rinhaem, Rio iormoao Porto CaWo Macei,
Toa-ai:* Florea a 3 e 28. "Santo Anta, quinta feiraa.
'"' DlAS DA .">E*IANA.
J7 te. *. Robrto B. Aud. do J de D. da 2. .
JH Tero Alejandre M. Aud. do J. de D. da i. r.
jt i.ar. I'ertholdo C Aud. doj. de D. da 3. t.
ii ou8, a. Jofto Cl mao. Aud do J. de D da 2. t.
ti &t V Balbin. V. M. Aud do J. de D. da 1 t.
i Sal..' t, Macrio Re. Aud. do .1 de D. da 3. ,
5 I)om, Eranciaeo de Paula Fundador,
e Alagoaa no i. 11
Olinila todoa o diaa.
de Mar^o
Anno XIX. N*
O Di.no pbi,c..etod0,o.d...qu.nSo (ore Santificado.i; o preeo da ""*"""
de .re. ..I Z ,- qu.ael pago, ad..n..doa. O, annun.no, do. *~~!~!j
,,.,.., o. do. que o nlofre- I raza, de SOrei, por l.nha. A. ''>"^\A"'"",1
gula, a .... T,p ru. da. Cu*" N M.m. a P"- '-W"d,nc. lo,, de iMM N. 6. 5.
Tend.
cuiiui.N da 30 ue Marfil.
Cambio .obre l-ondre. 28. 2S I, id, p. 03. OCRo-Mo.d.d. ,*0
a Paria 35U re. por Ir.a^o.
LiaboadUU uorlUU Je premio.
Mofda da cobre 2 por 10U de deaconto.
dem de letra, da boaa firma. 1 J pr g
n N.
a da 4,000
PaaTa-Patacoee
, Peo. Columnaraa
K dito. Mem-anoa
compra
15.0JU
.SJJ
8,300
4,740
1,740
1,740
15,201
15,000
8,50
1,760
1,700
1,760
PHA&K&UA. LANMEZ DEMARCO.
Lu. Chei. i If, 3 hora, a 31 m.d. I Lu -OT. a l., k. 3 ^'"'^^'f^
Preamar de lio je
i. a 5 hora a 1S m. d man'nla.
I alboras a 42 m. da larda.
aaafau.iaaar.am aam-ssac^aaajaa
KPJfAIIISIJC
*
Thesouria da Fazcnda.
EXPEDKVTB DE 6 DO CORRENTE
Officio Ao Exm. Presidente rogando se
dignasse expedir as suas ordens ai commandan-
tedo vapor Bahiana para rccebor na thesoura-
ria a quantia de 7:0008 reis e entregar na do
Para.
DitoAo rncsmo Exm. Sr., relativo as des-
pesas do ministerio da marinha por esta pro-
vincia no corrcnte anno flnanceiro.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., sobre o forne-
cimento da luz e quartel ao cornmandante do
destacamento do Rio Formoso de que pode o
pagamento o delegado de polica da dita villa.
DEM DO DA 7.
Offlcio Ao Exm. ['residente, a respailo dn
nomeaco de Jos Roberto Padilha para o lugar
de escrivao do almoxoriado da illia de Fernan-
do de Noronha.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. sobre o paga-
mento que pedio o cornmandante do batalhao
de guardas nacionaes destacado da conduccao
de Goianna para esta capital de varios artigos
pertencenles ao mesmo batalhao.
Dito Ao inspector da thesouraria da fasen-
da da provincia do Para com o conhecimcnlo
da quantia de 7:0008 reis que o cornmandan-
te do vapor Bahiana recebeo da thesouraria pa-
ra entregar naquclla, porconta do supprimento
determinado pela ordem do tribunal do thesou-
ro publico nacional de 9 de setembro prximo
passado.
DitoAo contador da thesouraria, em so-
luc5o a duvida olTerecida relativamente aos ven-
eimenlos, que competen) aodesembargador che-
fe de polica durante os tres meses delicenca,
que lhe foro concedidos.
Dito Ao cornmandante da ilha de Fernan-
do de Noronha participando a rcmessa de G00
acras de farinha de mandioca e mais artigos,
pelo patacho Pira-pama, para fornecimento dos
respectivos armasens.
dem do da 8.
Officio AoExm. Piesidento, participan-
do que se achava embarcada a farinha e arti-
gos, de que tracta o precedente officio.
Dito Ao inspector da thesouraria das ren-
das provinciaes para dignar-se de communi-
car se alguns cornetas e trombetas dos diver-
sos batalhoes da guarda nacional desla provin-
cia recebe rao alguma quantia por aquella the-
souraria do priineiro de julho prximo passa-
do em diante.
DitoAo inspector da alfandcga, remetien-
do 18 exemplares dos additamentos e alteraces
feitas na pauta actual das airandegas do imperio,
mandadas observar por portara de 13 de fevt-
rero prximo lindo a flm de quoem cumpn-
mirnto da ordem do tribunal do thesouro publi-
co nacional de 16 do dito mez tivessem desde
j execuco naquella alfandega.
dem do da 9.
OfficioAo cornmandante das armas, re-
metiendo os prets da ortalesa de Itamarac do
mez de fevereiro prximo findo a flm de que
em vista das observables exaradas pelo commis-
sario liscal do ministerio da guerra se dignas-
se dars providencias que julgasse conveni-
entes.
Igual officio se dirigi com os prets da or-
talesa dcGaib._____________
ASSEMBLEA GERAL
cmara dos srs. deptados.
Parecer da Commiss/lo do Orcamrnto sobre o cr-
dito suplemental- e extraordinario.
A commissaode orcamento, a quem fol sub-
mettida a proposta do governo de 13 do mez
passado, que pede um crdito supplementar e
extraordinario aluin do que lhe oi aborto na le
do orcamento em vigor depois de haver con-
siderado a dita proposta com a maduresa ecir-
cumspecco que lhe cumpla vem apresentar
agora o sen parecer que dividir em trez. pai-
tes Na primein. examinar a demonstrado d<
^oii.-it pfevisto na le do orcamentu que o go-
-erno est autorsa.loa preencher na forma do
artigo 10 da mosma le. D'-pois apreciara e pro-
por as reducees convenientes na desposa a-
crescida que a Ici sooredila n&o prerio ou
......IL^Inn nnAtililfi stllli.i-nl,^. Por
ultimo attender aos meios de preencher o dfi-
cit reconhecidoe verificado.
A demonstraco a presentada pelo governo nos
documentos nnnexos sua proposta nao nem
poda ser rigorosamente exacta; porque funda-
se em duas siippo:.icoes ambas sujetas a gran-
des variacoes: primeira que todas ns despesas
votadas na le sero elTecti va mente (citase con-
sumidos os crditos respectivos : segunda, que
a recolta das rendas publicas do estado ser i-
Kual somma que a mesma le previo: hvpo-
llieses que nunca se fealisSo com sufficente a-
proximacno para fazer-se idea ajustada do dfi-
cit real, que cumpre supprir como ser pa-
tente a quem examinar os balancos definitivos
dos anuos transactos. De&tos se COIlbece que
muitas vesos a roceita prevista ou oreada tem si-
do inferior leceta arrocadada ; e alguma ve
tnmbom ocontrario tem succedido : c que as
diversas rubricas de despesas quasl sempre a<
uiaritias oreadas oxcedem as qiianti.is pagas no
anno; havendoponm algumas rubricas, en
rpie as qiianlias oreadas ficao muito inferiores
s sominas despendidas. Esta ineertosa na a-
preciacao real da receita e desposa do estado .
ora ainda se torna maior para a eommissao por
lhe fallarem os ba'ancos definitivos dos annos
de 18301810. e de 18401841 e o proviso-
rio de 18411842, os (pinos niuito po'liao con-
corret para ser com mais exactidlo calculadas
receita do coriente exercicio e as desposas que
team de sor feitas com cada urna das rubricas da
lei respectiva. As tros tabellas que acompanhn-
toos documentos da proposta urna da recei-
ta do exercicio de 1S391840, outra de 1840
1841 contra de 18411842 nao satisfasem
osdesejosda eommissao. A primeira (que ap-
paroce mais correcta no balanco provisorio a-
presentado nesta sesso^ mosp-a um excesso da
receita arrecadada para a oreada na importan-
cia de 629:1G9S(i80 reis : mas do referido balan-
co provisorio se colhe que este excesso 6 maior
de 800 contos. A segunda que ainda parece
ser mais imperfeita porque nao conten) todos
osbalancctesdos siniestros addicionaes nem a
receita de Londres mostra nao obstante isso ,
que a receita nao ser muito inferior oteada ,
que se caleulou em 16.500:0008 reis. A tercei-
ra tao incompleta que dola so uo pode fn-
zerjulzo nlgum approximado oxactidfio ; mas
pelo arrecadado podemos comtudo inferir com
seguranca que o sen producto nao sor inferior
quantia oreada na le. A receita ordinaria do
corrente exercicio que nao so deve suppor in-
ferior do anno de 1840 a 1841 como nol-o in-
ditz a crerocrescente progresso da nossa Indus-
tria] acrescentada com o producto dos 33 1/2 por
cento sobre os vinhns os quaes a lei do orca-
mento em vigor classiflcon na receita ordinaria;
com o rendimento dos cofres dos orlaos, e aug-
mento das rendas arrocadudas pelos rtovos re-
gulaitientos do governo, ecom a receita de Lon-
dres que tal vez se approximc a 200 contos ,
deve provavelmente elevar-se a 17,000,0003 ,
poucomais ou menos. Todava a eommissao
uo contoii com este augmento provavel da re-
ceita bem persuadida que caso elle se reali*
se o governo appliear com preferencia a pre-
encher o dficit antes de hincar mao de qual-
quer operacao de crdito.
\ receita ordinaria fo calculada no artigo 8.
dale! do orcamento em vigor em 16,803,0008 .
reis, e de esperar, avistado que fica dito
que o calculo nao seja inferiora roalidade. O
producto das rendas de applIcacJo especial, de
que o governo so cha autortsado a usar segun-
do o artigo 10 da mesma le, oreado pelo go-
verno em 2,400 coritos, orcamento que a eom-
missao aceita por nao parecer desarrasoado. A-
lem desta receita o governo canta mais com o
omprestmo dos cofres dos orfaos segundo o
disposto no % \. do artigo 6. da resolucno de
13 de noveml.ro do 1841, que a eommissao COIll
assenco do Sr. ministro da fazenda orea em res
)()() OOOS" sem alias ter dados sufiiciontcs em
niic bascar este orcamento. Entretanto releva
observar que tendo o Imperio mais de 880
municipios onde searrecadf.o dinhe.ros de or-
laos ainda que a maior parte do arrecadado
at ste mino baja sido por omprestmo a
oailiciilares, de\e-se suppor que as entradas
......mes siibf.o 5 muito mais da quantia orea-
rla Como porem o thesouro fica sujeito ao pa-
nanento das quantias reclamadas polas partes,
i eommissao n8o se atreveu a fazer um calculo
mais elevado com reccio de enganar-80 no re-
nlt:ido.
Finalmente o governo conta mais com o ug-
mento da receita tanto do municipio la corte ,
nomo tas provincias, proveniente dos novos re-
?nlamentos que foi adtorisado a fazer em vir-
tode los artigos 12 a 17 da lei de 30 lo novem-
!>ro le 18t, e foi oreado em 300 contos com o
iissensodo Sr. ministro da fazenda com quem
i eommissao conferio, calculamto-se esta quan-
tia pelo que j i se tem arrecadado nos seis moz's
no municipio da corte. Assim toda a receita pre-
sumida vem a ser 0 seguinte :
Receita ordinaria litada no
art 8." la lei............ 16,503:0008000
Productos das rendas appli-
,Jas................... MH:8568000
Emprestimos do cofre de
orpliaos................ 200:0008000
Augmento las rendas lo
muncipio c provincias, em
ores ieiOOS............ 17.25800O
2,710:4958000
228,3808000
2,482:1169000
3,120:0008000
637,8858000
virtude los novos regulamen-
los.....................
300:0008000
Soma toda a rec presumida R. 10,W7:8BOgOOO
A dospo/a do estado foi fixada pola lei do or-
.nniento do corrento exercicio na quantia de
Rs. 21,798:8008000. Mas como o art. 10 la
mosma lei tiutorisou o governo a suspender n n-
mortisacSo tanto da divida extorna como da
interna, cumpre annullar as sommas fixadas pa-
ra aquellos destinos A somma correspondente a
amortisaco da divida externa, segundoocal-
culo do governo que a eommissao adopta, o. de
l.s. 99,567 que ao cambio de '3 ''. vem a sor
lis. 553:1308000 a qual, dedusida da quan-
tia fixada no art. 7.u, l.da lei do orcamento.
vem a (car a quantia votada naquejlo artigo rc-
dusida a Rs. 1,579:8278772, e a difleronca en-
tre o cambio de 43 '-, e o de 30 / redusida a
657:8878704.
para advertir.qre a lei mencionada, orean-
do os juros o amortisacSo da divida interna, La
via comprehendido nease orcamento os juros ea-
morlisacfio do emprestimo de 9,S0V:V()7S117 ,
concedido pela resolucno de 18 dosetonil.ro de
1840 na supposicio de pie todo esseempres-
timo seiia realisado com a omisso de apoliees .
supposieo, que 66 nao verilicou, porque parte
doli na importancia ^ 3 644:8048 foi anniil-
lado pela rosolucaode 13.le noMMiibro de 1811,
i outra |)arte, na importancia de 2,942*393$ ,
foi obtida com a emissao *\c notas, como consta
da (abolla n. "2 annxa ao relatorio la fazenda do
corrente nnno, do qual lamben, consta, que a
realisntla por emissao de apoliees foi de. ...
3 217:2708. A mesma tabella nos informa a
pto dos emprestimos concedidos pela resolucno
de 13 do novombro le 1841 e pela de 26 de
setembro le 1840 realisada com a emissao le
apoliees. A commissio, para calcular a total-da-
rdos jures da divMa intenta, lancou mao lo
orcamento do coi rente nnno, onde vem declara-
do 'otlo o capital circulante emittidoom apoliees
al de/ombro de 1842, e os 'iros corresponden-
tes, calculo que a eommissao reputou mais exacto
do que o constante da demonatracSo annexa aos
documentos que instruem a proposta do governo,
fundado em hvpotbosos, que se uo venlicro.
Conforme pois o dito orcamento adespesa a
fazer com a divida interna ser a seguinte sup-
primida a amortiaacSo.
Juros do todo o capital circulante dadivida in-
erna fundada at dezembro
de 1842..............
Juros da divida inscripta
at a mosma pocha.......
Juros de apoliees, que se
Somma
Abatem-se os urosdas apo-
liees aniortisadas..........
Somma a quatitio a despen-
der com a disida interna no
presente exercicio........
Quantia lixada no 2. Jo
art. 7." da lei............
DilToienea entro esta 6 a
quantiaacim, que deve ser
annullnda segundo iropoe a
eommissao...............
Sfio pois todas asannulla-
ees propostas ns seguintes :
Ainortisnio da divida ex-
terna fundada e commisscs
respecfTvns no cambio de 13 '>
dem diflerenea do cambio
dito, 0.0 de 30 '-.e!o qual
foi calculada esta quantia na
lei....................
Dill'erenca entro a (Jiantia
uvada na lei para a divida in-
terna ea quantia cima in-
dicaila, que no coirenle exer-
cicio deve ser despendida com
esta rubrica..............
553,1508000
230,3288000
037,8848000
21,798:8008000
Somma 1,421:3028000
Deduzindo-se agora a im-
portancia das quantias annul-
ladasdo total da desposa lixa-
da para 0 torrente exercicio,
(eremos :
Despesa fixada no art. 1."
da lei................
Abatem-se as
quantias annul-
adas......... 1,421:4628
Abale-semais
a importanciada
receita presumi-
da no corrente
exercicio .... 19,497:856$
__________20,919:3188000
Dficit que o governo est au-
torisadoa preencher, segundo o
art
10 da
le.
SEGUNDAPARTfi.
879:4828000
possaoomittir do Io lo Janei-
ro em liante para reabsar o
resto ilos crditos concedidos
anteriormente, ou resgatar os
bilhetes em circulado......
jurosdeapolicesque so pos-
cmitr em pagamento da
divida interna inscripta leiro 'ni diante, ou pagamen-
to de pequeas addiees de
emprestimos antigos, ou me-
Passonios agora a examinar os novos aug-
mentos de despeza nao provistos na lei, para os
quaes o governo solicita crdito.
Minitltrio do Imperio.
Foresta reparticSo exige-se primeramente
120 contos para compra hilaco de S. A. I. e seu augusto esposo e mais
100contos para enxo\al, quantias que, estan-
do fixadas pela lei le 29 de setembro de 1840 ,
nada tem a commisso que observar cerca del-
las. O mesmo cumpre dizer da verba de
28:800$ pedida para o concelho de estado ,
por ser despe/a ordenada na lei de 23deno-
vembro de 1841.
Uuanto porm as ajudas de custo de volta
para os depuladosda cmara dissolvida e vin-
da para os.ln actual nota a commiss5oque ,
tendo esta quantia sido calculada nos orcamen-
loa de 1837 1838 e no de l841-1842em
70 contos tle ris a qual nem mesmo foi to-
talmente dispenduin no annolinanceiro de 1837
- 18:8 como mostia o respectivo balanco ,
parece seguramente exagerado o orcamento quo
s ora se faz em 115:7008. Por isso entende
i eommissao que s se devein contemplar 100
onlos de ris que julga sufficientes ainda
177 G90S000 mesmo supposto o augmento das quantias fi-
xadas pelos presidentes le provnola, para oju-
da de custo na actual legislatura principal-
mente se considrennos que amitos individuos
resilientes na corte foro eleitos deptados pelas
provincias, os quaes, no entender da com-
misso nao tem direito a ajudas de custo ,
2,450:1128000
50,2028000





-,.
<|ue alis consta terem sido pagas pela admi- a roduzi-las porque entendeu quo as primei-
iiistracao transada a alguns quo se achavao nes-
sas circumstancias.
ras sao exigidas pelo estylo o costumo das casas
soberanas da Europa com as quas nos dove-
Para o corroio geral c paquetes exilie mais o I mos conformar, por dignidade e decoro do
, governo 232:0008 de ris alm de 389 vota- throno imperial ; c quanto s segundas sendo
dos no 1G art. 2o da lei; e funda-se para tal o fundo reservado para necessidades que se nlo
exigencia no contracto feito com a Coinpanhia podem prever masque nduhitavelmente tem
dos Pa pjetes do Norte pelo qual se obriga a deapparecer, nao tinha a commissao dados al-
pagar a esta 20 contos de ris por viagem re- guns para recusar o orcamento apresentado pelo
dunda as quaes montao a .iO contos, calcu- ~
londo-se 18 viagens no anno, e no 2" do art.
16 da lei de 2l de setembro de 1810 que o au-
torisou a elevar a eonsign icao para, os paquetes
da os quaes, a 12 viagens no anno montao
que taesquantias sao tao avulladas que tor-
illo suninamente oneroso ao estado o servico
dos paquetes; mas attendendo-se utilidade
reconhecida decommunicar com ecleridade e
regularidade a capital com as provincias do im-
perio o a ser a despeja exigida ndispensavel
para a Continuado (leste servico nada tem a
observar. Alm disso mais 180 contos de
ris se exigem para o correio terrestre; e cer-
ca destes nota a eominissao que nao se haven-
do gasto com este ramo de despea publica nos
anuos anteriores de que lia batanos mais
dc9S:610S ris, tem por exagerada a somma
de 180 contos que para elle se requer, anda
esmo no caso de efectuar-se a reforma que o
governo fo autorisado a fazer neste importante
ramo da administrarlo. Por isso entendeu a
commissao mais quo bastante conceder-se 150
coiiios vindo a orear toda a despeza com os
paquetes e correios na forma seguinte :
Paquetes do norte......... 330:OOOS090
Paquetes do sul........... 72:0008000
Correio terrestre........... 150:O00S000
882:000^000
Desconta-se a quantia votada
na lei do orcamento......... 38O:O0O,SO00
Resto que a commissao julga
dover scconceder............ 202:000S000
A verba de 31:097,000 rs. relativa a obras
publicas entendeu a commissao .pie devia ser
supprimida porque a lei j tinha votado para
este lim no art. 2o < 17 e 29 113:302,000
rs., alm de quanlas ixadas pelo ministerio da
guerra e da fa/.enda, E de mais, nao parece
arrazoado que no grande apuro cm que se achao
as Ruancas do estad., se opliquem tan avultadas
sommas as obras publicas sem que alias nos
provem a urgencia c a necessidade dellas.
Ministerio da Justina.
Na maior desposa accrescida neste ministe-
rio a commissao nem urna redcelo se atreveu
a fazer, porque a sua totalidade proveniente
de ordenados e gratifieacoes pagos aosempre-
gados da secretaria da justica por occasiao da
nova reforma feita pelo governo ,
. o -, e aos|uizes
ue direito das provincias que nao receben) sup-
lementos e com as mais justicas de primara .
a, creadas pota lei da reforma do codi- todo o imperio e constando pelo relatorio do
WCM I? nA!H.l .... ___ I I t i *
govorno sem duvida mais habilitado para em
taes oceurrencias ajuizar dellas.
Exige-se tambem por esta reparticao crdito
para o pasamento do restante das reclamadles
portuguezas e brazileiras na importancia de
337:781,920 rs pelas (|uaes ficou o Rrazil o-
brigado em virtudo da convenci feita com
Portugal em 4 de dezembro de 1810 e e ra-
tificada a 19 do agosto de 1811. A commis-
sao, supposto reconbeca que estamos induhita-
vclmenle obrigados a este pagamento com
tudo exliauridos como se achilo os recursos
do corrente exercicio, julga que tal despeza po-
de ser adiada para o anno financeiro prximo ,
e por isso eliminou-a do crdito pedido.
Ministro da guerra.
E' por este ministerio que se exige o crdito
mais avultado pois que alm da somma de
3,675:0888972 reis votada na lei pede-se
mais agora 2,120:700,000 rs.
Na primoira verba deste augmento de despe-
za que contm a secretaria de estado contado-
ra geral de guerra pagadoria das tropas e
secretaria do arsenal, a commissao nao pode
por ora propor redcelo alguma nao se a-
chandoandaassaz habilitada para verificarse
as reformas feitas nestas repartidles sao ou nao
convenientes ao servico do estado e se os or-
denados marcados sao razoaveis ou excessivos.
Comtudo presume segundo opiniao com-
mum que, nao so a reforma desta como
as das mais secretarias de estado poderlo ter
sido mais econmicas; porquanto o accroscimo
do despeza dellas proveniente monta a mais do
60 contos, e o melhoramento esperado nessas
repartieses mal poder! corresponder a tao avul-
tada despeza e isto em um lempo do maior
apuro (i.ianceiro para a nacao !
Tao pouco parocom susceptiveis de redcelo
as verbasaugmenlo dos sidos e commando
de armas, por sercm despezas fundadas em
le: e relativas ao pessoal.
Examinemos agora a rubricaGuardas na-
cionaes na provincia de S Pedro e as ou-
tras provincias para as quaes se pedem
929:982,100 rs. : avultada quantia por corto !
E pela tabella quo acoinpanha a proposta do go-
verno nao so podo verificar se ella correspondo
ou nao exactamente ao numero dos soldados e
offieiaos da guarda nacional. empregados as
provincias do imperio ; porque vem tudo orea-
do englobadamento sem distinecaodas paten-
tes ou graduadles de cada um. Mas, achan-
do-se o governo autorisado pela resoluciio n.
221 de 16 do outubro de 1811 a empregar at
o numero de cinco mil guardas nacionaes em
go do processo. E possivel que em qualquer
desses ramos so nao gasto toda a quantia pe-
dida mas a commissao nao leve fundamento
ra/.oavel para fazer reduccao alguma, ignoran-
do se toda ser ou nao despendida.
Ministe'io dos listrange\ros.
Entre as quantias pedidas por este ministe-
rio temos em primeiro lugar a de 3:800,000
rs., emquo se orea o accrescimo de despeza
com a reforma da secretaria de estado. Mas ,
constando do officio do Sr. ministro dos nego-
cios estrangoiros.de 13deoutubro de 1842, jun-
to aos documentos da proposta, que, supposto a
dita secretaria no seu estado completo requeres-
se o augmento sobredite com tudo no estado
Sr. ministro da guerra que efleetivamente es
tavaoempregadas 3,380 pracas da guardara
cional nao era possivel recusar o crdito de-
mandado para esta despeza posto que tao ex-
traordinaria soja. Domis tem ella por fim a
tranquillidade das provincias laceradas pelas
dissencoes civis para cuja pacificaclosc faz
mister o emprepo da forea publica. A commis-
sao er quo no emprego desta forea mui
frequentemente se fazcm despezas escusadas ,
e mesmo occorrem dilapidadles, abusos e dis-
penlicios enormes cujas perniciosas conse-
quencias, entre outras saoonerar o tbosouro
com urna divida immensa e sempre crescen-
te. A um ministerio patritico e zeloso da
actual nao preeisava mais do quo 29:600,000 j prosperidade da patria ciimpre o esmerar-se
rs. a commissao aceita esta reduccao, e por na fiscalisacao do tao consideraveis despezas,
isso smente concede para o accrescimo da des- ; para que o estado nao soja devorado no ubysmo
peza com esta secretaria 400,000 rs., diffe- dassuas financas. Mas infelizmente a commis-
somma referida, e a quantia de sao reconhece que urna boa fiscalisacao im-
29:200,000 rs. votados da lei do orcamento.
Depois segue-se a verba despezas no ex-
possivel om oceurrencias taos, eque, emquan-
loo imperio fr agitado pelas faeces armadas ,
terior com o casamento de S. M. Paraos- outro rocurso nao havor senao resignar-nos a
te objecto se havia concedido no 5o do art.
;i da lei 50:000,000 rs. fortes dos quaes 30
esta deploravel necessidade do nosso estado po-
itico. Releva porm advertir que a lei n. 190
ja se achavao despendidos como declara o ex- do 21 de agosto de 1811 lixou as forcas de li-
ministro da reparticao no seu dito ofilrio ; oxi- nha no estado extraordinario em 16 mil pracas;
gindo de mais 60 contos para os ins nolle de- e as fra da linha om duas mil pracas altnde
gindo ue mais (SU contos pa
clarados, e na tabella quo o acompanha an-
nexos a proposta do governo.
A commissao observar primeramente quo
qtialro companhias de artfices. Pelo mappa
porm annexo ao relatorio da guerra consta
que as forcas de linha existentes montao a !
na referida tabella se calcula o ordenado do em- 17,023 pracas, e as fra da linha a 1,769,!
baixador o secretario que devem ir buscar a S. J alm de 5.380 guardas nacionaes. somniando ,
M. almperalriz, no ospaco de nove mezes tudo 21,172. Deve-ye reconhoccr rlbis que a !
o que entonde ser demasiado porque esta mis- (ixacao das orcas de linha foi excedida se
sao segundo a opiniao conimum devora durar; que o oxcesso nao se compile smente dos officia-
smente do seis a sote mezes e por isso cnton- es. A icsolucfio n. 221 cima citada au-
deu que devia suppiiuiir aparcla de S: 200$ torisou o governo a dest......al cinco mil guar-
rs. correspondentes aquello excesso do lempo, das nacionaes para supprir a falta de forea do
Quanto s mais para que se exige o crdito a linha nos lugares onde fosse precisa ; o parece
saber : importancia dos presentes que se devem que estando preenebida a fixaiao das forcas de
fazer por occasiao do augusto consorcio, e des- linha, nao devora mais Ur I"'" nrli,
duvida approvar esta medida se o governo a
julgou necessaria para a manutencao da tran-
quil I idade do imperio; mas devra o Sr. minis-
tro da guerra dar no seu relatorio asrazoes jus-
tificativas de haver excedido a autorisacaoda
lei e pedir a approvaco do corpo legislativo ,
o que se nao fez.
emais como o mesmo ministro declara no
relatorio que j tinha expedido ordern para ser
despedida urna parte desta forea em algumas
provincias, nao se dever exigir crdito inte-
gral para toda ella no anno financeiro : e por
isso a commissao reduzio a quantia pedida a
800:000,000 rs. que nao reputa inferior s
necessidades deste servico.
Na rubrica de hospitaes regimentaes, re-
para a commisso'que ajei votou a quantia de
36:202.500 rs., a qual se reputou correspon-
dente forea publica de linha ixada na lei res-
pectiva : e pela tabella n. 8appensa aos docu-
mentos da proposta do governo v-se qne da-
quella quantia foi distribuida provincia do
Rio Grande do Sul 12:000,000 rs. quota de
certo nao correspondente a forea existente na-
quella provincia excedente am mais do metade
toda forea de linha do imperio. Por isso en-
tende a commissao que o governo dever distri-
buir quota maiorcquivalcnte metade da quan-
tia volada isto 18:000,000 rs. que de-
duzidos dos 45:536,000rs. pedidos no orcamen-
to daquclla provincia resto 27:536,000 rs.
que a commissao julga deverem ser de
mais concedidos ao governo. O accrescimo
desta despeza parece provir da guarda nacional
empregada naquella provincia para a qual
talvez se faea mister hospitaes o facultativos; mas
suspeita a commissao que por este ramo se cs-
coom dispendios desnecessarios cuja cessacao e
economa s ao governo competo providenciar.
Requer se mais para esta rubrica 11:520,
rs. diflorenca da quantia oreada para a votada
na lei. Julga porm a commissao inadmissivel
semelhante exigencia porque essa diflorenca
vern da correccao de urna duplicata que trazia o
orcamento do governo, a qual foi emendada
pela commissao de marinha e guerra como
consta do seu relatorio onde se mostra que es-
sa quantia proveniente das gratifieacoes de 480,
rs. a 2cirurgies ajudantes em cala hospital
regimental j vinha contemplada as tabellas
da forea de linha e fra de linha nao deven-
do ser novamenle repetida na rubrica dos hos-
pitaes : eis a razao porque a commissao elimi-
nou-a
Na rubricaarmamentonada tem a com-
missao qno observar, por ser artigo de primei-
ra necessidade em tempo de guerra e o gover-
no o mais competente uiz da sua necessidade.
Para barcas de vapor pede o goveruo mais
330:949,746 ; e desta quantia j estavao gjs-
tos no primeiro semestre do anno 217:687,722
( segundo declara a tabella explicativa desta ru-
brica ) com aluguel de sois barcos de vapor o
compra do carvo necessario para o seu costeio.
A commissao foi informada que esses barcos se
empregrao no transporte do tropas para sufo-
car de prompto as rebeles de Minas e S. Pau-
lo ; e nao se pode recusar esta exigencia por
sor despeza j feita e reconhecidamente ne-
cessaria ; bem que a repule excessiva, e a com-
missao se persuada que maior economia podra
guardar-se no emprego desses transportes.
Para o segundo semestre exige a proposta do
governo mais 115:758,681 rs. para aluguel de
tres barcos e compra de carvao necessario ao
seu costeio. A commissao procurando in-
formar-se da necessidade deste servico soubo
que urna das tres barcas fra despedida pelo
Sr. actual ministro da guerra que entendeu
poder dola precindir; por isso deduzio-se a
importancia correspondente aos cinco mezes
restantes do exercicio, que vem a ser 30:488.524
rs. reduzindo por consequencia a tota'idado
da quantia pedida pelo governo para barcos do
vapor de transporte a 300:461,222 rs.
Pretende mais o govorno a quantia de 18:000,
rs. para transporte de 3,000 pracas para o Rio
Grande do Sul em barcos de vela calculando
a passagem de cada praca a 16,000 rs. Note-so
que havondo sido votada na lei a quantia de
41:600,000 rs. paroste ramo de servico; o
tendo demais o goveruo no primeiro semestre
alugado 6 barcos de vapor e no segundo 3 pa-
ra o mesmo mister nao se pode explicar como
a quantia votada na lei nao possa chegar para
os transportes em barcos de vela. Alm disso ,
a tabella explicativa desta verba orea n despeza
para taos transportes no anno do exercicio em
77:303,348 rs. os quaes a 16,000 rs. por pra-
ca do mais de 4,800 pracas para sercm trans-
portadas no anno. Persuade-se a commissao
que tal orcamento nao pode deixar de sor exa-
gerado, porque de fado tamanho movimeiito
ce tropas nao tem de ser effectuado no anno fi-
nanceiro ; e entendeu que mais 48:000,000 rs.
alm de 11:600.000 rs. votados na lei, nao
podilo ser concedidos sem urna demonstracao
ln cun niMiMiJ !,
,._.-------^----------_ ...,3,.. vv.in.iviv! ..w- ..... ...... .ii.ii.i.i nuil-. .- ';:^ s ,.|.,...._ .,:.; vvwiiutiuri
potas imprevistas a commissao nao se animouj da guarda nacional. A commissao comtudo nao Para gratifieacoes de companba se exigem
116:979,275 que a commissao, supdosto
pareca quantia avultada comtudo nao tem
undamento para restringir vendo que nada
se votou na lei para semelhante fim.
Resta agora considerar a ultima verba das
despezas accressidas deste ministerio que a
somma de 320:000,000 rs. para remonta do
exercito. Na lei concedou-se para remonta do
dous regimentos de cavallaria de linha e para
um de artilharia a cavallo que esto no Sul ,
15:300,000 rs. que, addicionados quantia
cima fazem 335:300,000 rs. Do mappa an-
nexo ao relatorio da guerra, consta existirem
empregados na Rio Grande 3,793 guardas na-
cionaes de cavallaria que, juntos s 664 pra-
cas dos corpos de linha sommlo 4,247 pra-
cas de cavallaria. Note-se mais que a somma
pedida para remonta d cinco cavados pouco
mais ou menos por cada praca de cavallaria. A.
commissao foi informada que na campanha do
Rio Grande os soldados desta arma oceuploe
cstragao milito mais cavallos do que na Euro-
pa o que nao demasiado contar quatro ca-
vallos por praca. Mas advirta-se que toda essa
somma pedida para o exercicio corrente, e
que durante a guerra ha sete annos naquella
provincia consideraveis sommas j forao des-
pendidas em compra de cavallos que sobrevi-
vemde uns annosaoutros descansao e se re-
l'a/cni em soltas apropriadas. Por isso ape-
zar desera commissao nimiamente escrupulosa
em coartar ao governo os recursos exigidos para
a prompta conclusao da guerra comtudo jul-
gou ser exorbitante a quantia pedida, e a redu-
zio a 210:000,000 rs.
Ministerio da marinha.
Nenhuma reduccao prope. a commissao nos
accressimos do despeza pedidos por este minis-
terio porque elles todos provm da reforma
feita na secretaria de estado ( sobre a qual a
commissao j emiltio o seu juizo) o augmento
de sold no pessoal da armada e mais classes
dependentes deste ministerio, excessos de des-
peza remullen.los pela lei que os autorisou o
que nao possivel restringir.
Ministerio da fazenda
Por este ministerio requer-se primeiro
16:000,900 rs. para o juizo dos feitos da fa-
zenda que, sendo despeza de pessoal e decre-
tada pela lei nao soffre reduccao alguma. Em
segundo lugar exige-se diflorenca de cambio
n&s quantias votadas para pagamento da divida
externa entre o cambio de 30 V* por que forao
calculados e o de 26 '/' que tem regulado co-
mo o termo medio do anno do exercicio ; e lam
bem nisto nao admissivel redcelo.
Menos se poder recusara verba de63:395,226
rs. requerida pra pagar-se a encommenda do
palpel-mooda em Londres, despeza autorisada
na lei de 3 de outubro de 1835 e demais re-
conhecidamente necessaria, por ser indispensa-
vcl substituir as notas laceradas na circulaclo ,
e as falsificadas pela fraude.
Finalmente a ultima verba deste ministerio ,
que sao premise corretagens para rea lisa r-se
a importancia do dficit por meio de operacoes
Je crdito nao seria possivel eliminar-se, por
que outros recursos se nao podem oflerecer do
prompto s urgencias do governo : mas a com-
missao em vista das redueces operadas as
quantias pedidas pelos diversos ministerios,
tambem calculou os premios e corretagens na
n.esma proporclo ficando esta somma redu-
zida a 331:510,936 rs.
Assim sommlo todas as redueces ou elimi-
nadles propostas 1,011:614,745 rs.; e a com-
missao persuade-se que nenhuma das ditas re-
dueces ou eliminadles embaracar a marcha da
administradlo as suas principaes e mais impora
tantes funeces. Recoiou porm que co-
arctando milito os recursos do governo hou-
vessede prejudicar ou mallograr m u i tas opera-
coes ou emprezas de grande monta principal-
mente no que respeita exigencias do minis-
terio da guerra com quem a commissao nlo
quiz scracanhada afim de ao governo nao
faltar nenhum dos meios de finalisar a guerra
civil que ha sete annos o sorvedouro da maior
parte da renda publica do estado.
( Continuar-se-ha. )
PERAMBUGOr-
ASSEMBLEA PROVINCIAL.
Acta t/a 22.a msoordinaria da Assemblo Le-
gislativa Provincial de I'ernambuco em 29 de
marco de 1843.
Presidencia do Sr. Paulo Lacerda.
Feita a chamada acharao-se presentes 26
Srs. deputados faltando osSrs." Pedro Cavai-
canti, Machado Rios, Lopes Gama, Mello, -
cha Cavalcantl, o llantas. O Sr. vice-presiden-
te declarou aberta a sesslo; foilida e appro-
vada a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Foi lido appoiado, julgado objecto dedeli-
beracao ea impremir oseguinle projecto do
Sr. Jos Pdro:
A assembla legislativa provincial de Pernam-
buco decreta.


s
Art. 1. Os premios do vinte mil reis para ci-1 que elics sao convenientes, e nosso razo nio
fna das loteras que actualmente existem e justa a reduccSo nos seos ordenadas. Quor que
das que se concederem daqui por diante ficao 0 i.ycco se conserve no estado actual. Vota
uieitos ao u 0 /. portanto contra o artigo do projecto.
Tendo chegado o Sr. 2. Secretario lo-sc a
o occasiao ce requerer essa votaCao porque I I de trigo, 201 medita, dita1 mappa grand
sevotou. O Sr. Jos Pedro diz que o seo re- do mundo ao consignatarios._________
ujeitos ao imposto
Art. 2. Esto imposto ser incluido nos rel-
da venda dos bi.hetcs e autos do andamento ft ^ ^ ^^ P^ q ; a fi ^ o ^ author ,\ M
querimento foi feito igualmente com avotacao,
e por isto nao depois della.
O Sr. 1. secretario diz que nao verificou a
Ilovijionto do Porto.
das todas.
Art. 3. Ficao revogadas todas as leis, e dis-
posieoes em contrario.
Paco da assembla legislativa provincial de
fornambuco, 29 de margo de t8i3. Jos Pedro
da Silva.
OH l> KM DO DA.
Foi approvado o parecer da commissao de es-
tatistica addiado na sessao passada acerca
do requerimentode algunos moradores doserra
do Mascarenhas.
Continuando a sogunda discussao do projecto
Reledo orcamento provincial, ao artigo V)
viero mesa as seguintes emendas que forao
apoiadas e entrarao em discussao :do Sr.
OliveiraCom o lyco da cidade do Recifo ti-
rando approvado interinamente o r.gulamento
de 2 de marco do correntc anno18:9003 reis
do Sr. Jos Pedro Com os ordenados que ac-
tualmente percebem os professores do lyco .
supprimindo-se as cadeiras do phisica chimi-
ca a da historia natural e eloquerxia nacio-
nal 15:9003 reis:do Sr. Netoem lugar das
palavras approvado o regulamento de -2 de
marco deste annodiga-scsendo director o
professor que a Presidencia nomear o qual
\en.-era por esse trabalho a gratificaco annual
de 5008 reis: neste sentido diminua-se oquan-
titativo :domesmoSr.em lugar das pala-
braspago sonriente aquelles cujas aulas
diga-sc sendo abolidas as aulas.
Encerrada a discussao loi rejeilada a emen-
da substituitiva do Sr. Oliveira. approvada a
primeira parte da do Sr. Jos Pedro prejudi-
eado o artigo ,, e bem assiin a segunda emenda
do Sr. Noto, e rejeitada a primeira. O Sr. vi-
ce-presidente do para ordem do da a continua-
cao da de hoje e levantou a sessao as duas ho-
ras e trez quartos.
Francisco de Paula Cavalcanti de Albuquerque
Laceriavice-presidente Francisca Joao Car-
neiro da Cunka 1. secretarioAntonio Jos de
Oliveira 2." secretario.
Navios sahidos no dia 29.
aeoi ; barca ingle/a James Stirart, capitao
John laird carga lastro d'ajsucar.
._______-_______...A / ',. I I, 1-j'tJ
i\: i nftti o Sr. nr. jsu nenio, w iuuh-"'' ,....------, ~--n
em discussao Dizque, quando urna Aula ^ fora dc ra/o 0 re(iprim(.l.. diz, que se Bahia ; brigue norueguense Cal/turma, cap.-
nn.ilniio.r nao tem 6 a umnos neo mimos ou _..*____* i.__.iiJnnnn nnr -_ n inuinn <>iror.i a mesma nue trou-
qualqucr nao tem 6 alumnos, p.'lo menos 011
intil, ou o professor incapaz, c neste cazo
nio justo, que est percuta ordenado algiim.
Iiouve vntacaonao baque recelar do novo, por
que todos os Srs. deputados sao mui capa/es e
nao votar de urna maueira dilTorunte, da por
ntende, que a despeza deve de ser redu/.ida i qlle sc condusiro. O Sr. Jos Pedro retirou o
e para isso nada mais proprio acha do que o seu requerimento.
Lyco porque pensa que o Governo nao de- A emenda (oi regeitada. A do Sr. Jos Pedro
via pagar aos professores do Lyco e at aos
do instruccao primaria. O Sr Dr. Neto; mas
a Constituico a garante. O Sr. Dr. Manuel
Cavalcanti a minha opinia podo ser contra a
Constituido, como em muitos cazos he. De-
clara que vota por toda a reduccSo do despezas.
O Sr. Dr. Noto quando rasoavcl. O Sr. Dr.
Manoel Cavalcanti por toda e qualquer reduc-
cSo vota portanto pelo artigo. O Sr. Jos
Pedro mandn urna emenda. O Sr. Laurenti-
no da opiniiio do Sr. Dr. Jos Bento repro
uz os argumentos por este apresentados; e
cuja votaco a requerimento do Sr. Oliveira foi
por partes), foi approvada quanlo a 1.' parte
gmente: urna emenda do Sr. Dr. Neto icou
prejudicada, assiin como o i.rt. do projecto, u a
outra foi regeitada.
Tendo dado a hora, levantou-se a sessao.
CjOrres'ifmdepcia'
Senhores Redactores.
Illa quam tu rivebas vnn eral vita.
EXPEDIENTE DA ASSEMM-EA.
Dia 29 de marco N. 26.
lllm. Sr.A assembla legislativa provincial
aquom foi presente o oITlcio de V. S." de 18 do
corrente, acompanhando de ordem do Exm. Sr.
Presidente da Provincia o requerimento dos
parochianos da Ireguesia do N. S. da Conceicao
de Nazareth ao norte da Serra dos Mascarenhas.
pedindo a creacao de urna nova freguesia a
qual se deviacompor de parte da de Itamb e
da de Nazareth resolveo conformando-se com
a informacao do Exm. Bispo Diocesano se in-
deflrisse a pretencao dos requerentes por ser
de nenhuma utilidade a referida creacao : srva-
se por tanto V. S.a levar ao cohhecimento de
S. Ex. a mencionada resolucao.Ao secretario
da Presidencia.
u* w ,.8tt......... ,...........,-....... Honra soja feita ao *r. Dr Francisco Rodri-
z que anda se matriculando em qualquer gues Selle pela judiciosa sentenca, que pro-
Aula um s moco de talento, c que possa fa- ; ferio contra Lui/. Ignacio Ribciro Boma como
zer progressos, a Naciio ganlia; e por isso nao editor do Diario Novo pelo aboso de llberda-
rasoavel a disposicao do art. do projecto de d'mprensa para com o digno director, e fun-
duc manda pagar ao professor que ti ver em dador do colleg:o Santa Cruz. No da 28 foi
sua Aula mais de 0 discipulos. Combate a re- publicada em audiencia, a sentenca, que o con-
ducao dos ordenados dos adjuntos do I.yco. O demnou a 4 mozos decadeia e mulla corres-
^r. Dr. Neto mandou duas emendas ( vide a pondente, e de presumir, que nao hajao for-
Acta. ) O Sr. Oliveira vota contra o referido fas que a d -strufio por ser bascada em ol
artigo. Declara, que pouco dir porque j cercos de lironze. ora pois; d.venios congra-
0 Sr. Dr. Jos liento liavia apresentailo as rasoes, tular-nos por yermos ja entre nos um exemplo ,
de que elle tinlia de servir-se. Fallando cor- [ ,1Ue se ajusta com o nosso progreasivo augmen-
eades se pagar ao professor, que tiver m to de civilisacao e morolidade. Sr. Roma : a
sua Aula mais de 6 alumnos, elle di/, que o vida, qutVm. pamva nao era vida. Vm.**
provimento de um empregado importa um con- : (em corrido a redeas solas; mas cont, que lia
tracto, que com elle celebra o Governo, se- de sor punido como merece. Assiin o espera ,
tao H. A. Jonasson, carga a mesma quetrou*
ce de Cliristiansand.
Portosdo Norte ; vapor brazileiro S. Salvador,
conimandante John Henriquu Otten.
Navios entrados no dia 29.
Babia ; 6 lias, brigue austraco Auro, de 327
toneladas, capitao G. M. Martinolich, equi-
pagem 13 carga lastro : ordem.
Navios entrados no dia 30.
Rio de Janeiro ; l(i dias, barca americana Glo-
he, de 2(i0 toneladas capitao Nicholas Es-
ling, eqnipagem 13 carga caf; a L. G.
Ferreira Comp.
Babia; 10 dias, gatera sueca Andrea de 69
toneladas capitfto P. Soderbug equipagem
17 carga sal ; a Le Bretn Scbramm &
Companbia.
Rio de Janeiro ; 23 dias, brigue austraco W-
rolu'iio de Vil toneladas, capitao Diodato
Vucovich eqnipagem 13, carga lastro; a N.
O. Bieber dk Comp.
gundo as leis vigentes na occasiao e quepas-
rece obrar-so do m f nao cuuiprir-se esse
contracto o que a respeito dos professores do
Lvco succeder passando o art. dito. ola ,
que com isto naseora um abuso qual matri
e desoja
O jnstieeiro.
Resumo dos debates da esso de 29 de Marco.
Nao estando na caza o Sr. 2 Secretario ,
quando se declarou aberta a Sessao, nao se leo
a Acta da antecedente. Lo-se entretanto o
parecer da commissao que na Acta ( que de-
' pois foi presentada ) se v. O T. Dr. Bel-
tro pede licenca para retirar o requerimento
sobro que a commissao dco o seo parecer, por-
que os peticionarios desistirao de sua pretencao.
OSr. Carneiro da Cunha diz que essa desis-
tencia nao pode fazer que a Assembla deixe
do profeiir urna deciso porquo esta njio in-
teressa aos peticionarios smente mas Acha noregim. da caza um artigo donde se
conclue que essa dezistencia s pode ser com-
municada a Assembla pelos proprios peticiona-
rios ; e assiin que converia com o Sr. Dr. Bel-
tro se este proposesse adiamento por um ou
dous dias para os referidos peticionarios se
digirirem Assembla. O Sr. Ilr. Rcltrao in-
siste sobre o que expoe. O Sr. Presidente da
Assembla declara que o parecer entra em
discussao o qual sem debate foi approvado.
Conlinuou a discussao do projecto de le do or-
c*amen)o adiado na sessao passada.
Ar. 10. O Sr. Dr. Jos BeirtJ diz que esse
Art. conten duas ideias, que nao podo subs-
crever : l' nao pagar aos professores do Lyco ,
cujas aulas nao forem frequentadas por mais
alumnos: 2* reduzir o ordenado dos professores
adjuntos a 5008 reis. Quanto a primeira idea
diz que ser approvada vira o professor a
soirrer urna pena, sem culpa sem um [acto
seo.- Que entende ser do interesse publico,
que a subsistencia do empregado publico soja
garantida e que essa garanta consiste em ser
conservado o ordenado que urna vez se I he
marcou, cm o que o Paiz lera bons servidores.
Densa que a ideia dita tem alguma cousa de.m-
moral. A cerca da 2S idoia di/ que as rasdes
ipresentadas por elle contra a 1
veis esta: que ou os adjuntos conven. OU nao.
S rs. fedartores.
Parabens o mais parabenssejao dados ao re-
verendo Antonio Mara Chvese Mello, bem
cular-se alguns alumnos cusa dos respectivos digno director do colleg'o Santa Cruz. Exul-
professflres a fim de poderem estes percebe- tai meu padre por j toriles merecido osinco-
rem o ordenado. Acerca da reduccSo do or- mros do Diario-novo. Cbegastois em fim a to-
denado dos adjuntos do Lyco diz' que est j car meta do crdito. DescancaJ por tanto, que
disposto votar pelas reduccoes de despezas, mas: estaos unido a mnita gente boa o doixai, que
uuer aue estas se facao onde couberem o os caes ladrem la. Eis pois Srs. Redactores
nao em um artigo pequeo como o de que so
talla: que reduzir-se o ordenado desses ad-
juntos so deveria tamhem reduzir o de cortos
em pregados como o do Secretario do I yco ,
que nio est na mesma oathegoria e nao tem
o mesmo trabalho ; sendo elle orador nao sabe
porque a commissao que oferceeo o projecto
em discussao, smente fez reducao no ordena-
do dos professores do Lyco c nao no doou-
tros emprogados. Conclue mostrando que
se nao deve confundir um adjunto com um
substituto; pois que aquello tem muito maior
trabalho que este : c que nao com a reduc-
cSo de que trata o art. que a Assembla aco-
dirt ao dficit.
O Sr. Jos Pedro vota contra o art. Diz
queU reduccSo de urna despeza smente deve
ser admittida quando esta for necossaria, como
a que se faz com os profesaros do Lyco ,
provou que o ordenado que ellos actualmente
percebem rasoavel pelo que nao deve liavor
reduccSo. Que havendo esta os professores
se retirarn com o que o Paiz soffro porque
esse facto mostrar que as pessoas habilitadas
para esses lugares os nfio querem e vir o el-
los soroecupados poroutras, que nao tive-
rorn a prociza habilitacao : o que se as pessoas
ditas se nao retirarom apezar dossa reduccao,
semprc o Paiz soffrer, porquo essas pessoas
ter necessidado do so applicar outras cousas,
para augmentar os mcios de sua subsistencia e
nosso cazo apparecc a distraccao que preju-
dicial. Fallando cerca do numero de alum-
nos do artigo acrescentou o orador as rasos
produsidas contra essa parte do artigo que o
numero de alumnos nao prova o feo approvci-
lamento, tanto assim que militas ve/os se ma-
triculo em urna aula muitos estudantes, en
Iretanto que ponos sao os que approvoitafl.
V presenta outras razos. O Sr. Laurenlino
sustenta a sua opinia o combate as emendas
ofrecidas pelo Sr. Dr. Noto. O Sr. Lobo
Jnior justifica a commissao do que mom-
bro que oflerecoo o projecto. O Sr. Dr. Nc-
l justifica assuas emendas ; respondo aos ar-
gumentos doSr. Oliveira. O >r. Jos Pedro
sustenta a sua opinia e responde ao Sr. Lo-
bo Jnior. OSr. Dr. Jos Bento insiste no
quedisse, responde aos argumentos contra-
jo, e '"'""Ira contra a reduio dos ordenados.
0" appTV *"*>art-c,n ,lis(;"^', ,,;,"I u a,ljun!ns
lio liceo tem atciiniulacao do trabalho &c.
I-inda a discussao poz-X a votarn una emen-
Jos Pedro
cumprido o gostinho do que nao estrangeiro ,
frade bacharc o padre, e somonte
Secular.
Publica SONETO.
A viagem Franca di Exm. Consslheiro, Tho-
maz Antonio Maeiel Monteiro.
Doixa a patria natal triste, e saudoza
Illustrado varo que a mesma pro/a ,
D'uma longa viagem a dura empreza
Obriga-lhe asando ruinosa.
O quanto sua ausencia be penosa
Aos que s d'alma adorno a nobroza ,
Tolbe a patria a justica e a pobreza
Do lluxo d'uma alma virtuosa.
Antes que ao solar ohegue demandado ,
De Lua a regi&o toca primeira ,
Busca um bem que abi tem depositado.
Soja do Scena a plaga hospitalera ;
O mal. que IhO constrange extirpado ;
Volte patria que o espera lisongeira.
Alfapidegn.
Bendimcnto do dia 30........ 4:6540640
escarrego hoje 31.
Barca ht gigos de louca, fazendas, e man-
teiga.
Brigue Sevcrn fazendas, ferragens, lou-
ca, sabao, e cor veja.
Briguey/mazen farinha unto de por-
ro, e 5 caixas com fazendas.
[ia(C Esperanca fumo, c fazendas.
Brigue-^5. Manoel Augusto fumo bar-
ricas vazias, vinho, Larris com azei-
te caixescom fazendas c rap.
cclaracoos
Companhia de febiribe.
= Os Srs. Accionistas sao pelo presento con-
vidados para realisireni \ p. c. sobre o valor do
suas aeces e assiin completaroni a primeira
prestadlo. A vista dos competentes recibos se-
ro entregues as Apolices no oscriptorio da
Compaobir na ra Nova n. 7 de\ondofica-
rom os mesmos Sis. Accionistas na inteligen-
cia de que nao podem transferir suas aeces an-
tes de seren averbadas nos livros da ('.ompanhia.
Consulado do listados-1 nidos.
O Sr. Antliony Joice, querendoaparecer n'cs-
tc consulado reccher noticias modernas de
Baltimore. G. T. Snow cnsul.
circo'olmpico.
Grande, ('extraordinario espectculo gim-
nstico e equestre, para domingo 2 de abril,
dividido da niancira seguinte :
1.a Parte.
Varias e novas damas sobre a corda forte ,
tanto com maromba, como sem ella, once par-
ticularmente .loo Bernab apresentar novos ,
e deficeis equilibrios sobre urna cadeira.
2.a Parte.
Exercicios equestres volteios aerios pullos
grotescos, e outras habilidades da maior diffi-
culdade apresentados por toda a companhia a
cavallo onde J080 Bernab apresentar a sem-
pre aplaudida scena do recruta como tamhem
a transforniaco de madame Ang sobre dous
caballos.
3.a Parte.
Pela primeira vez a cavana Trtara onde se
mostrara o camelo e da manera, que os Tar-
taros viajSo com lles na Arabia dezerta, a ze-
bra da India conheci .'a por animal indomavel,
correr roda do circo na guia, onde se obser-
\a os seus moviuiontos, o a galantera de sua cor.
i.a Parte.
Terminar o espectculo um gracioso panto-
mimo ," intitulado
O relho inganado ,
apresentado por toda a companhia.
Os bilhetosacho-se venda na praca da In-
dependencia n. 39 e no Ampbi-theatro.
Principiar us horas do costume.
Lclao.
O leilao de fazendas de Russell Mellors
& V,.*, icou transferido para hoje sexta feira
31 do corrente em consequencia do tempo n5o
tor perinittido tirarcm-se d alandega algumas
fazendas, que dovem entrar no dito leilao.
Avisos diversos.
__ Perdoo-se de-de o liceo do Azcite de Pei-
xc at ao Bom Jezus, o dahi at ao beco da Bom-
ba um pardo brincos lavradoscom folhas com
diamantes; quoin os adiar queira entrega-Ios
no beoa da Bomba n. \ que ser recompen-
sado. "
=: Antonio Silvcira retira-se para o Rio
do Janeiro.
Na fabrica de chapeos de sol para ho-
mem e para mulher, ha com todo gosto o per-
! i ao chapeos de todas as cores e varias qua-
idades de seda ; na mesma se concerta e se
cobre de qualquer fazei.da com promptido e
nrponTAcXo.
O brisuo dos Estados Unidos da America do
Norte Amaxon, capitSo William J. Wedge, vin-
do de Baltimore, consignado a L. G. Forreirra
\ C.i, deo entrada por franqua em 30 do cor-
rente e manifestou o segiote :
i:; ard'- e IS caixascom algodUorinho, :> cai- mdico preoc ; c abi se achara um rico sur-
sas com riscados, 75 caixas com wHas d'esper- tim,nt0 c cobertores de cama muito lindos,
,.,.., o caixas com cadeiras, H ditas com beaado proxm,meotc de Franca e um rico
srai^A?nsrsys -W-.....t tim c-mai' rdcrno"
loias iuiiiii ..... ,.,r,ui.is. na frente do "Df.f.C'.O publico "o-
deDalha, ounatn c..n..........->, ^'" "" -,...... r -
Lomditadeporco, 17*S barricas com farinha. xima da ponte doIxucifccasan, b.




= O abaixo assignado provine ao rcspeita-
vel publico que so nao lleve fazer negocio al-
gum oin hcusou cscravos pertenccntesao casal
do finado Antonio Machado Dias por se acha-
re! embargados pelo mesmo abaixo assignado.
Joiia Uaria Sexe.
-^ Precisa-so de uma ama para o servico.in-
terno o externo de duas pessoas : na ra lidia
n. 19.
= Aluga-se o primeiro andar da casa da
ra do Queimado n. 14 : na loja da mos-
ma casa.
= luga-se por anno uma grande casa ter-
rea com sotiio o quartos fora para escravos,
propria para numeroza familia com espaeoso
quintal todo cercado de limao muitas laran-
geiras outras fruteiras e mais plantas; o por-
to da praca por ser na Solidado n. \\ : na
ra do V gario, armazem n. 3.
= Antonio Jos de Mattos Guimaraes, sub-
dito Portuguez, retira-so para Torada proviucia.
= Joao Alves da Silva; retira-so para o Por-
to a tratar de sua saudc.
= Na ra Nova cm Olinda duga-se a lo-
ja do sobrado, em que morou o Dr. Bertrand ,
rauitoarejada com duas salas e 4 quartos :
a tratar no mesmo sobrado.
Lotera d /hcalro.
= As rodas desta lotera. andSo impreteri-
velmcnte no dia 10 de abril prximo futuro ,e
o resto dos hilhotes achao-se venda nos luga-
res do costume.
= Aluga-.se o primeiro andar do sobrado da
ra doCaldereiro n. 12 com quintal e ca-
cimba de boa agoa, parreiral de uvas brancas,
e um grande armazem do com 3 quartos: na
ra da Gloria n. 7, junto a fabrica de Gervazio.
Manocl dos Santos, retira-se para Por-
tugal.
=Os crcdoros de A. Faltn sao convida-
dos para receberem os dividendos na ra da
Cruz, casado consulado francez, sahado 1.de
abril, das 10 horas da manh, s 2 da (arde.
a-se dinheiro sobre penbores de relo-
gios novos, e modernos : na ra das Cruzes
n. 35.
Preciza-se aqui 4 a G contos de res, dan-
do-so uma letra para o Rio de Janeiro com fir-
mas a contento, c o premio de 1 \'i p. c. a qucm
convierannuncie.
Fugio da ra do Costa, no Forte do Ma-
to no dia 28 do correte tarde do primei-
ro andar da casa n. 10 um papagaio bonito e
tallador com um pedaco de corrento n'um pe ;
qucm o tiver, e quizar entregar cm dita casa ,
era recompensado.
Precisa-se de dous officiaes de charutei-
ros: cm Fora de Portas no botequim n.
109, ou na ra da Cruz fabrica-de charutos.
Desoja-se sabor da morada do Snr. Clau-
dio Patricio de Almoida que a lempos mora-
va cm Olinda na ra do Carmo e da do
Sr. Francisco Goncalves da Costa mostr pin-
tor que leve loja de vidros na ra do Poza-
rio, eroga-se a qualquer pessoa que dellcs
souberem hajaodeannunciarem por esta folha ,
que se Ibe licar agradecido.
Antonio Dias de Araujo pela quarta vez
roga a pessoa em cujo poder existe um crdito
passado por seu punho no anno de 182G a
Anna Constancia de Oliveira moradora que
era nesta praca do dirigir-se ou mandar a
A illa de Bananeiras na provincia da Parahi-
ba para tratar do seu cmbolro.
Desconta-se urna letra de 232,191 rs. ,
acceita pelo Sr. Antonio Corroa de Mello mo-
rador na comarca do Bonito: atraz da Matriz
"da Boa-vista, casa do Domingos Pires Forreira.
= Vende-sc uma prcta que sabe cozinhar ,
engommar lavar de varrella o sabio e cose
chao : na ra do Encantamento sobrado n. 10.
^= \ ende-so uma venda na ra de Agoas
verdes, bem alreguezada para a torra : na mes- pagamento de seus credores o sitio do Re-
ma, esquina do bejo de Jos Lourenco, a qual medio n. 2 com casa de vvenda sen-
foi de Francisco Lias Goncalves. zalla para feitor e pretos, estribara para 6 ca-
cos barmetros, termmetros microscopio e
bons oculos do alcance : defronte do 'lrapixe
novo n 6 segundo andar.
= Pita Maria da Conceico vende para
Compras.
"^ Compra-se a obra de Theologa Moral,
pelo Ex.mo Bispo Monte ; na ra Nova n. 07.
Comprao-se 30 travs de coberta de casa,
sondo de boa qualdade c postas na obra ; no
Hospicio n. 21.
^* Compra-sc o tratado de recroacao ilozofia
deTheolorode Almeida; quem tiver annuncie.
Comprarse um Diccionario Magnum Le-
xicun ; e uma Selecta em bom uso : na ra
Nova n. 26 tercoiro andar.
- Compra-se 30 travos de coberta de casa,
postas no porto : na rna do Hospicio n. 21.
Compra-se um bom official de marcinei-
ro ou do carpina anda que seja vicioso ; o
o tratactado de filosofa de Theodoro de Almei-
da : na ra Nova botica do Pinto.
Vendas.
= Na ra da Madre de Dos, n. 5, em casa
de Johnston Palor & Companhia vende-so
um completo sortimenlo de taxas e moendas ,
por mdico proco.
= Vcnde-se uma escrava crioula do 18 an
nos, bonita figura e com principios de en-
gommar coser, e cozinhai : na ra do Ara-
gao, n. 19.
= Vendo-so uma opa de gurgurao roxa :
na ra do Encantamento n. 10.
= A bordo do Patacho Francelna prxi-
mamente chegadodoS. Catharina fundiado,
de fronto da escadinha da Alfandoga vende-se
a melhor farinha de mandioca por preco com-
modo em saccas ou medida.
= Vendem-se galo de ouro fino de dous
canutes, dito ostreito para Alferes e Capitao ,
branco para chapeos de pagem um par de
adragonas ricas para Alferes ouTenente, uma
peca de sarja preta e uma dita do nobreza de
superior qualida le : na praca da Independen-
cia loja de Antonio Felippe da Silva.
= Vende-se um taboleiro degamiiocom as
compelentes taholas de mrfim e sern ser in-
da servido : na ra do Vgario, armazem n. 23.
Vende-se uma casa terrea de pedra o cal,
com sitio e bom quintal com arvoredos de frutas,
com um bom parreral de uvas o tres casinhas
pequeas de taipi sendo uma dolas com oi-
tao efundo de pedra c cal e ornis de taipa,sitas
no lugar da biquinha de S. Pedro em Olinda ;
quem as pretender dirija se ao principio do A-
terro dos Affogados sobrado do Lima.
Vendo-se uma preta de nacao, cozinha o
diario de uma casa, lava do sabao, engoma com
perfeicao toda a qualidade do roupa e he qui-
tandeira se for para fora da trra dar-sc-ha
mais em conta : na ra do Caldeirero n. 8.
> endem-se travos de superior madoira de
8 10 polegdas de grossura c 35 55 pal-
mos de comprimento : na ra do Vigario n, 3.
Taxas de ferro por commodo preco ;
saccas de farinha do Rio de Janeiro : na ra
do Vigarjo n. 3.
' Vende-se uma mulata capaz de tratar do
arranjo de qualquer casa, com 20annos:
atraz do atorro da Boa-vista, casa em que mo-
rouo fallecido Emigdi de Souza.
Na ra do Rozario estreita n. 13 ha
para vender os seguinte gneros do superior
qualidade.
^ ende-se pao de folha nc padaria do Sr.
I enante Joaquim Correia da Costa na ra da
Gloria do muito boas farinhas feito com to-
da a perfeicao e asseio ; quem quizer dirija-se
a mcsnia padaria.
Vende-se uma venda em muito bom lo-
cal com os fundos a vonti de do comprador,
polo dono ter oulra para c nde passe alguns ef-
fcitos que nao agradar e ju llmente a vista
do comprador se dir o m otiv > da venda pois
nao he por que nao se fa a n -gocio mas sim
por circunstancias : trata-se no aterro da Boa-
vista n, 72.
Vcnde-se uma rica commoda de condur,
duas bancas de Jacaranda da ultima moda um
sola, o uma duzia do cadeiras de Jacaranda, uma
cama de angico com os ^eus competentes colxao
e enxergoes. tudo cm muito bom u/o; tambem
uma rica colleccjio de quadros o que se vende,
por seu dono se retitar da provincia; na ra Au-
gusta n. 32.
Vende-se um bom carro de quatro rodas,
com arreiospara quatro cava I los, e algumas pe-
cas de sobre-salonte para o mesmo este carro
he chegado prximamente de Franca e cons-
truido com a maior perfeicao possivcl, poras-
sim ser incommendado; na ra do Hospicio
n. 21.
= ^ ende-se uma barcaca nova, com todos
os porlonces a qual condm 30 caixas ; na ra
da Cadeia do Recife n. 57.
n^, A ende-se uma obra intitulada Luz Mo-
ral mui accomodada nos ordenandos, com ins-
trujcao de confofsores em seu exame e ejerci-
cio exame para pregador dito para todas as
ordens c muitas cousas mais ; c as oracocs do
Cicero para a analyso tudo em muito bom es-
tado ; na ra de Agoas Verdes n. 42.
^endcm-se couros de cabra escolbidos,
sola e hizerros, tudo do superior qualidade ,
c por pceo commodo ; na ra da Cruz n. 51.
Vende-se osparmacele manteiga de va-
ca e de pono ; em casa de L. G. Ferreira & C."
Vende-se um escravo crioulo bom ta-
bador de carne mostr de rede de saunas e
hbil para todo o servico ; na ra de Santa Ri-
ta Nova n. 71.
A ende-se um cavado russo carregador
bao, por preco commodo ; na ra larga do
Rosario n. 50.
^ ende-se um cavado russo, gordo e bom
andador e um molcquc; na ra do Crespo
n. 14.
^ cr.de-se Secretario de Cartas familiares
sobre diversos as&UinptQS, que < omprehenue m-
ximas ecomernos, quedivertemeinstruem, ao
qual se ajuntao as regras do estilo epistol. r : na
praca da Independencia loja de livros n. 6 e 8.
Vendem-e per muito medie nreeo r_
1 ...
- Vendem-se urna crioula de 22,an,nos
engommadeira costureira, cozinheira e Ial
vadeira ; um moleque crtoulo de 13 annos
uma negra de Angola de 25 annos cozinhei-
ra lavadeira, e quitandeira ; e um negro de
naco, de 25 annos, para todo o servico : na
ra estreita do Rozario, n. 22, primeiro andar
vados curral para gados ludo de pedra e cal,! Vende-so uma escrava de nacao cozi-
I o
cacimba com boa agoa otaria com barro ao p,
grande baixa para capim bastante terreno pa-
ra plantaces e arvoredos de diversas qualida-
dcs, por preco commodo : na ra do Trapixe
novo n. 16 no tercoiro andar.
^ Vendem-se chapeos de sol de seda prcta,
lencos grandes e pequeos de seda preta para
gravata panno de linho um par de brincos
de brilhantes rctroz, chales do seda toalhas
de linho chapeos de hata tranca para de-
bruar roupa ancoretas de azeitonas, feijo
branco amarello c fradinho cevada ro-
Ihas para garrafa fio de porrete cuchadas ,
pregos caxaes ripaes, e batel, grandes e pe-
queos, nozes, 12 cadeiras d'oleo, e de pao pre-
to, bancas, uma secretaria tocadores, sofs de
oleo, uma porcaodo louca vi Irada rodas de
arcos para barricas uma banca do pedra de
louca para cozinha pipas mcias ditas quar-
tos e decimos de azeite doce pilulas da fa-
milia, fexaduras grandes para portade armazem,
assafates grandes e pequeos temos de conde-
cas bichas grandes o pequeas barricas com
farinha desss ess, dita americana c mcias
barrica?.
Vende-se um mulato de 15 annos, pro-
prio para pagem e que sabe fazer todo o ser-
vico de uma casa : na ra da Cadeia vclha n.
29 loja de chapeos.
Vondem-se feijao mulatinho e branco
muito rjovo, e por preco commodo e presuntos
seceos decarnciro : no armazem de Fernando
Jos Braguez no Recife junto do arco da Con-
ceiclo.
Vendem-se cortes de la e seda, bonitos
padres a moderna : na ra do Crespo loja
de Santos Neves.
Vendem-se duas pipas com agoardente
branca e um cao bastante bravo ptimo pa-
ra quintal, ou sitio : no Atierro da Boa-vis-
ta casa n. 60.
N Vendcm- se cortes de cassa chita da me-
lhor e mais moderna que tem vindo a este
morcado a 5,000 o corte mantas prelas de fi
lo de linho a 4,000 sarja de seda prcta bes -
panhola muito larga a 1.800 o covado dita
muito encorpada a 2,400, lila preta fina a 360
reis ta/ela de todas as cores largo a 560 re-
is, moias de seda prcta para senhora a 1,760 o
par, ditas curtas a 1,000 o par, madapel-
es finos a 4,000 a peca ditos superfinos a 5 ,
chales de fil de linho brancos a 3,000 ditos
grandes a 6,500 algodaozinho largo e muito
oncorpado a 180 reis a vara e a peca a 3,000,
bicos, o rendas de todas as larguras e outras
muitas fazendas por barato preco : na ra do
Queimado loja n. 1 de Francisco Jos Tei-
xeira Bastos & Companhia.
Vendem-se 12 cadeiras de palhinha em
bom uso, por 30,000, uma meza dejantar
por 8,000, um candieiro de meiode salla por
6,000, uma banca de abrir por 9,000, um
cabido com cortinas por 6,000 e uma redo-
ma com uma irnagem por 5,000: na ra dos
Cjuarteis n. 19 sobrado de dous andares ,
de varanda de forren
= \ ende-se uma carroca para hoi ou ca-
vado e ato mesmo para uma junta de bois ,
por ter a mesma carroca uma lauca : na pra-
ca da Boa-vista loja do carroeiro francez no
sobrado do Sr. Brigadeiro Almoida.
= Salea parrilha cm grandes e pequeas
porcoes por preco muito commodo por ter-
se de ultimar uma conta de venda ; e vinho do
Porto de superior qualidade em barris de
quarto : na ra do Trapiche n. 26 casa de
Manoel Duarte Rodrigues.
Vendem-se uma duzia de cadeiras de
oleo com assenlo de palhinha ; duas bancas e
marqueza de angico urna meza de amarello
i ara jantar ; uma bandpja para cha ; e 108 oi-
tavas de prata : na ra das TriVheiras u. 32.
Vendem-se4"vaccas paridas, e 4 pre-
nhes a troco de cscravos mocos : no atierro dos
Afibgados armazem de sal de Francisco Xa-
vier das Chagas.
Vende-se muito boa sarja espanhola ,
com vara de largura e pelo barato preco de
2,880 ; assim como um selim em bom uso ,
com todos os seus pertences : na ra Nova lo-
ja n. 29.
\ ende-se um moleque de 18 annos bo-
nita figura, cozinha o ordinario de uma de casa:
na ra do Crespo n. 13.
Vende-sc uma negra excedente lavadeira
de varrella e sabao e todo mais arranjo de nina
casa igualmente um negro do meia dado por
240,000: na ruada Conceieio Boa-vista, n. 26.
\ endom-se bogas de carnaubas de 6 em
libra, bem alvas c duraveis: na ra do No-,
ciiti n. io.
nheira engommadeira e lavadeira : na ra
Diroita n. 85.
- Vende-se efectivamente superior sali-
tre refinado o molhor que tem aparecido nes-
te mercado em barricas, e a retalho pelo
mdico preco de 200 reis a libra : na ra das
Laranjeiras, sobrado n. 5 de Claudio Dubcux.
= Vende-sc um cavado castanho andrino
novo, manteudo sem achaques, bom car-
regador baixo por preco commodo : na estra-
da de S. Amaro sitio do fallecido Francisco
Antonio Ferreira.
Vende-se um carneiro capado, muito
manco o grande e ensinado para menino
montar: na ra dos Copires, n. 58.
= Chitas linas escuras de bonitos padroes a
6000 a peca, e o covado a 160 ditas finas
em cortes a 2J.00, ditas para coberta a 200 rs.,
ditas superiores de tintas fixas a 220 e 2io'
pecas de bretanha de 4 palmos de largura a
1600, pannos finos de cores a 2i00 casemi-
ras pretas c lisas a 2000 o covovado ricos cha-
les do lanzinha modernos a 1440 sarjas
pretas largas para vestido los de linho de va-
rios tamanhos por muito barato preco, e alem
destas outras muitos fazendas baratas, dndo-
se de tudo amostras aos compradores: na ra
do Crespo n. 15.
- Vende-s uma prensa de farinha com os
seus pertences e forno de cobre : em S. A-
maro na entrada da estrada do mesmo a
fallar com Joao Baptista ClaudioTresse, Francez
Escravos fgidos.
= A 26 do corrente fugio do Atierro da
Boa-vista n. 20, Antonio dosSantds Ga-
bao levou calca branca camisa de chila en-
carnada e bonet, estatura regular secco ,
nariz afilado jcom cabellos brancos 40 an-
nos cazado c foi arrematado em Praca do
fallecido Lourenco Jos de Carvalho pensa-so
ter h id o para as bandas de S. Antao por ter
residido no engenho Ginipapo ; os apprehen-
dedores levem a dita casa que sers bem gra-
tificados.
= Fugio no dia 22 do corrente um mo-
leque crioulo de nome Ignacio de 12 a 14 an-
nos com os iignaes seguirites : ps e maos.
compridos, cabello rallo rosto descarnado ,.
uma cicatriz no dedo inmediato ao polegar da
mao direita levou calca de ganga azul tranca-
da e camisa de algodaozinho liso nova ;
qualquer capitao de campo ou pessoa que
delle souber o peder prender, e levara ra
Nova n. 2l que ser gratificado.
No dia 15 de Dezembro de 1842 fugio
da Provinica do Ccar um negro c.m os sig-
naos seguintes : Antonio de naco Angola ,
de 28 annos tem um carimbo no poito esquer-
do estatura ordinaria corpo regular, odios'
papudos cabeca um pouco chata beicos gros-
sos sem dentes na parte superior, toma taba-
co he zambo das pernas c quando anda me-
te a direita pela esquerda ; as pesseas que o ap-
n. 7 segun-
que serao generosamente recom-
|iirnei,'uerein icvem u ra i>o\a
do andar
pensados.
Fugio no dia 26 do corrente, uma es-
crava de nome Ignacia nacao Cacange de
14 a 15 annos com os signaes seguintes : ps
grandes, ealguma cousa cambados, tem as ma-
ces do rosto altas os dedos das maos compri-
dos tem sobre as cadeiras uma marca oue diz
ella ser de sua trra falla intiligivel, 'parece
crioula, levou vestido de chila escuro, cami-
sa de algodaozinho e panno da costa j velho ;
quem a pegar leve-a a ra das Trinxciras so-
brado n. 42 que ser recompensado.
Fugio um cabra acabocolado de nome
Stiro de 30 anuos icio do rosto ar melan-
clico baixo e pescador do alto; quem o
apprehender leve-o a ra do Vigario, n. 3 on-
de se pagar 50,000 sendo preso neslaProvincia
se o for cm outra qualquer do Imperio 80,000.
Anda est fgido o escravo Jacinto cu-
los signaes se declararao no numero anteceden-
te que deve ser entregue na ra Velha,
n. 90.
FugiriiodoCollegioS. Cruz, um escravo
de nome Francisco, de 18 annos um mulato
acabocolado de nomo Luiz o qual tendosido
jj-emeltido do Crato, onde loi encontrado tor-
nou a fugir no fim de 3 dias levando urnas al-
gemasde pao com que tinha sido romettido, as
quaesanda nlo tinhao sido tiradas; quenVap-
presentar ao dirotor do sobredilo Collegio qual-
quer do dous cscravos cima mencionados re-
ceber 100,000 do gralificacao.
Recife: a Ttp. de M. F. de Faru.=1843.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOBMFVMN2_VPI3JO INGEST_TIME 2013-04-13T02:18:08Z PACKAGE AA00011611_04926
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES