Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04918


This item is only available as the following downloads:


Full Text
* t
'*
Armo de 1813.
Ter$a Fefra 91
Tudo i' depende Je nos ssesaos d. nosss prudencia a,oderac5o, MCI: Coa
l cusmas como principiamos serenos apuntados con. aaiiraco enlre a. Neces mai
eQ"" __________________( Proelaaacao dt Assembla Garal do Baa.nL.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goiennt, Parabite Riogrinde do Norte segundas aellas {m.
Boti'O C Garanhuns i il) e 24.
Cabo Srrinhaem, Rio Formse Porlo Cairo Miceio Alagla ao 1. f 1 J<
flu*tilowa 13 e 2. Sanio Anta, quintas feiras. Olinda todoa os dua
DlASDAhEUANA.
50 Jeg. i. Martiuho Rumense Are. Aud. do J. de ti. da 2. T,
2\ 'lite, i- f'ento Ab. ud. do J. de D. da .
IL Qu'rt. i. Eoii?deo B And. do i. de D. da 3. t.
23 ttibjU, Flix M. Aud. do J. de 1) da 2. t.
24 Seit. AgapUo M Aod. do J. de D. da 1 y.
25 Sab. t. & Annunciagao de Nosse Senhora.
20 lio, 4 da qnaresma i. Lodgero t.
de UFarco
Anno XIX* N* fi&
O Diario publica se todoi oa diss que n.in forera Santificados : o preoo da asaigaatara be
ia Irea skil res por quarlel pagos adieetadne. Os anaancios doa assignantes aio inserido
gratis, e oa dos que o n.iu (oiesa reino de 80 rea por liaba. Aa reelamaedee de-rea aei diri-
gida! a esta l)p., ra das Croles N. 34.ou praca da Independencia luja de lirroa N. 6e 8
caMllol-No dia 20 de Mano. compra reda;
Cambio obre Londres 28 a 28 1|M. p. IV. Ooao-Moeda de ,400 V.
Paria 350 reis por Iraacu.
Lisboa 100 por .OOdepreseio.
N.
de 4,000
PaaTi-FalaeSea
a Petos Columnarea
ditus Mexicanos
15.0J0
1,80J
8,300
4,740
4,740
4,740
45.201
45,000
8.5U0
4,70o
4,760
4,76l
Moeda de cobre 2 por 100 .le descont.
Idea de lelrss de boaa firmas i por J
PHASESUA LANOMEZ DEMARQO.
Loa Clicii II", ia 3 horas e 39 m. da m. I Lija ora 1., as 3 loras e 43 m. da man
(uirt.nin^. i 22, s S boraselioa. da tard. | l^uan. creso, V, s 7 horas a V)_m. da m.
Preamar de hoje
1. a ') horas a 1S sa. da manira. | i. a > horas e 42 m. da tarde.
HPS-
C 1

ERRATAS.
Na pagina 2, columnas 3.* do Diario n. f,4,
o artigo que principiaHontem (18) etc.do ve
jer-sorlpntcm (18)chogou dos portos donorte
o vapor.?. Sebastio, que os doixou em paz no
Maranhta a eloico da mesa da santa casa da
Misericordia renovou as dosavencas dos dous
partidos que se disputarfio etc.
.i. i i i -........-
L
Governo da Provincia.
EXPEDIENTE DE 7 DO CORRERTE.
Ofllcio Ao juiz municipal supplenteda se-
cunda vara do termo desta cidade acensando
recepeodo seu ofllcio em que pede resoluco
daduvida em que se acha de Ihe competir,
ou nao cincoder Auriga ao roo Jos Andr O-
limpio Baptista, que sendo processado pelo sub-
delegado dos A .Togados e por elle o por S.
me. absolvido fOra pronunciado pelo juiz de
direitoda comarca em recurso interposto pelo
promotor publico ; e declarando ern resposta ,
que vista da decis9o dada por S. M. o Im-
perador em aviso de ti de junho de 1842 de
conformidade com o 3.* do artigo 211 do re-
gulamento n. 120 no compete S. me. conce-
der flanea um reo que nao processou nem
prendeo ecujo despacho de despronuncia a-
penas sustentou ; e nem licito demorar com
o pretexto de conceder flanea os autos em seu
poder, quando pelo ortigo 419 devenidles ser
inmediatamente remettidos ao sub-delegado ,
que formou o processo, quem someute com-
peto neste caso conceder a flanea.
Dito Ao engenheirn em chele das obras pu-
blicas significando que approva o orcamon-
to para o alcatroamento geral das madeiras da
ponte da Boa-vista, que acompanhou o seu ofll-
cio de 4 do corrente; e ordenando, que organise
as condicoes para a respectiva arremattacao a
flm de se a mandar efTectuar.
Dito-Ao director interino do arsenal do guer-
ra, communicando, que S. M. o Imperador
em solucao A duvida porS. S.* apresentada,
liouve por bem determinar que os jomaos dos
mestres das oflcinas de serralheiros e carpi-
nas daquellu arsenal Jernimo Jos BustorC,
e Antonio Ignacio da Purifcaco sejao pagos
380DO reisem todos os dias doanno, com a
clausula de Ihes nao serem rtlali elevados, e
no receberem gratiflcacOes pos sestas ou se-
r5es como se praticano arsenal de guerra da
corte.
Dito Do secretario da provincia ao primei-
ro da assembla legislativa provincial, signifi-
cando que o Exm. Sr. Presidente da provin-
cia manda participar-lho em resposta ao seu of-
licio de 6 do corrento e para cliegar ao conhe-
ciinento da mesma assembla quo por terem
marchado destacamentos do corpo policial para
i\ maior parto das comarcas u flm de faserem
o servico da polica, por nao ser sufllciente pa-
ra isto a guarda nacional dos municipios res-
pectivos pela falta da disciplina que senta
segundo as informacoes de dilTerontes autorida-
des locaes, deo-se o caso urgente. que se
refere o artigo 2. dloin.96de7de maode 1842:
que o estado eflectivo dodito corpo he de 565
pracas, conforme o mappa, que so remello, de
posta de Sabino Jos Vianna para mostr da of-
icina de ferrefros daquclle arsenal.
DitoDo mesmoao juiz municipal da pri-
meira vara acensando a remessa de una ben-
gala pertcncMite ao espolio do cirurgiao Joa-
quim Jos da Fonceca e que veio enviada pe-
lo cnsul geral do Brasil em Lisboa.
Dito Do mesmo ao Reverondissimo Pro-
vincial do convento do Carino desta cidade par-
ticipando quo o Exccllentissimo Sonhor Pre-
sidente da provincia a quem foi presente
a sua representacao em que redamava a parle
do dito convento, em que est colocado o lyreo
desta mesma cidade manda signiflcar-llie, que
tem feito econtinua a empregar todas as di-
gnnnias a flm de adquirir nina casa, para on-
de possa remover aquello estabelecimento; c
certifieal-o de que toma na dovida considera-
ciioos rases porS. S.* R.1"* presentadas na
referida representacao o providenciar res-
peito logo quo Ihe soja possivd.
28 do Tevereiro Ando : que a urgencia destas
circunstancias vai pouco pouco minorando
com a remessa de contingentes do corpo desta-
cado da gnarda nacional paraalguns termos o
a proporcao ddla reduzindo-se o numero das
pracus do corpo de polica : que s o governo
imperial pode pedir conta e marcar o tempo ,
do emprego das pracas do corpo destacado da
guarda nacional e mais corpos de primeira
lidia : eque a Presidencia, no relatorio do es-
tado e necessidades da provincia j deo as
informaees que devia dar assembla pro-
vincial legislativa esto rospelto.
Dito Do mesmo ao dito communicando
ter ddo supprimida em virtude do artigo 12 da
lein. 9iacadeira de latim de Santo Antao ,
que estava vaga ; e dizendo que o faga const.ii
referida assembla, a fim de que tenha vis-
ta esta diminuicao de despesa no projecto da
lei do orcamento.
Dito Do mesmo ao inspector do arsenal de
marinha participando para que faca constar
liarte a flm de solicitar seu titulo pela secreta-
ria de estado dos negocios da marinha, que S.
M. o Imperador dignou-se de approvar a pro-
Commando das Armas.
EXPEDIENTE DE 3 DO COMIENTE.
Ofllcio Ao Exm. Presidente, para que desse
suas ordens a thesouraria para remetter por
coplas as guias do sargento quartd-mestre Jos
Alves Moreira e soldado Mnnoel Gomes pa-
ra serem enviadas ao commandante das armas
de S. Paulo que as requisitou com o flm do
abrir a taes pracas os nocessarios assentamen-
tos, devendo as copias declarar-se, que a di-
vida notada as guias foi paga.
Dito Ao commandante do deposito para
que informasse ouvindo ao alteres Bernardino
do Res, comqueordem ea quem entregou a
quantia de 9$200 pertencento aos veneimen-
tos do soldado Feitosa, que eslava doento na
cidade dcGoianna.
DitoAo desembargador chefe de polica, di-
sondo-lhe.que mandara assentar praca ao norata
Antonio Jos do Santa Anna e Ihe devolva o
denome Joao Pedro por quo visivelmente se
conhecia sua incapacidade para o servico das
armas.
Portara Ao tenente-coronel commandan-
te do hatalhao do intantaria de guardas nacio-
naes destacado mandando excluir do mesmo
com guia para o respectivo corpo, o guarda
Innocencio da Cruz Cordeiro, por quo sendo ca-
sado pobre e sobre-carregado de familia nao
podia continuar no activo servico.
Dita Ao mesmo mandando suspender a
nota de desercao do guardo Jos da Costa Nico-
lao em vista do attestado que Ihe remettia.
Dita Ao major commandante interino do
segundo batalhio de artilheria a p mandando
reconhecer primdros cadetes, aos soldados An-
dr Avelino de Meneses Amorim, Francisco Jo-
s de Menescs Amorim Jnior, Joo Jos de
Meneses Amorim e Jos Francisco do Me-
neses Amorim assim julgados em conselho de
drecco, na forma do al vara do 16 de marco
de 1757.
- DEM DO DA 4.
Ofllcio Ao inspector da thesouraria re-
Carmo Jos Leandro de Medeiros Sara flm
Pereira Joo Bandoira Pint,
Dito Ao commandante deFbrtedefaib ,
rospondondoaoseu oflVdode3 do corrente, so-
brea desintellisencia suscitada entre elle, o o
inspector do !>." quartaDrSn daquella freuuesia.
Portara Ao commandante do 2. batalho
de artillara mandando d'ordem doS. M. o.,
dar demic3o aos cabos d"esquadra Jacob. Pe-
reira do Medeiros Antonio.looquimde Freilas,
e Jos Antonio Corroa por torom finalisado os
engajamentos.
Thesouria da Fazcnda.
EXPEDIENTE DE 11 DO PASSAD0.
OfllcioAoExm. Presidente da provincia ,
sobro a mesa eeadeira que mandn repor na
salla das audiencias para odeslribuidor do .fal-
so do civel como requisitou o juiz municipal
da tereeira vara.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. a respeito da
gratifleacao do brigadeiro Antonio Bonzes Leal ,
pela commissao, de que se acha encarregado.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento de Jos de Barros Pimentel, em
que pedi ser embolcado do sold, que doixou
de receber desde a data do decreto que o elevou
a seyundo-tenente por ter nido estudar na es-
cola militar da corte at odia em que princi-
piou a ser pago por esta thesouraria.
DEM DO DA 7.
OfllcioAo Exm. Presidente, remettendo-
Ihe a relaco dos individuos, que voluntarios,
e recrutados assentarao praca no mez do feve-
reiro ultimo.
dem do da 12.
Ofllcio Ao Exm. Presidente idem o do
Antonio Francisco dos Santos Barroca cm que
pedio o lugar de escrivo do almoxarfado da
Ilha do Fernando de Noronha.
dem no da 13.
Olflcio AoExm. Presidente, idem o de
almoxarif, idem.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. idem o doca-
pitao reformado Joao Pereira de Andrade.
Dito Ao inspector da alandega participan-
do ter sido approvada por S. M. o Imperador a
nomcacao do guarda da mesma alfandega Jos
Tavares de Sonso.
, Igual participarlo so fez ao contador da the-
souraria.
IDEM DO DA 11.
Ofllcio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando o requerimento de Joo Mari-
nho FalcSo, em que como administrador da ca-
pella N. Sr.' daConcejcodosCoqueiros da Boa
Vista reclamou contra os aforamcutos pedi-
dos por diversos posseiros dos alagados e terre-
nos do atierro da ra da Aurora do mesmo ba-
irro com o fundamento de nSo serem de mari-
nha como de expresamente pertcncerem
mesma capella.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. a cerca dos no-
vos objectos pedidos pelo Exm. Presidente do
Cear para a respectiva salla do docel.
DitoAo inspector da alfandeaa partici-
pando o de ferimento da recia maceo quo fez
aviso de 18 de Janeiro ultimo expedido pela se-
cretaria d'esladodos negocios do imperio, para
queem sua observancia informasse com urgencia
sobre o estado das adininistraces dos corroios
da provincia satislasendo na mesma informa-
co a todas as exigencias indicadas em dito
aviso.
Dito Ao juiz do direito, presidente do ju-
ry desto municipio, expondo que achando-se a
thesouraria sem empreg.nlos para concluir di-
versos trabadlos, que rom urgencia devio ser
remettidos para o tribunal do thesouro rogava
que em attencao a estas circunstancias, o ao bem
do servico publico se dignasse dispensar de con-
tinuaren! a servir de juizes de facto, tres escri-
turarios e um amanuense da mesma tliesou-
rariiu________________________
PERNAMBUCO.
mettendo-lhe a conta o recibos dos cavallos com-
prados para a companhia de cavallaria pelo! 'q rppitto, niester da barca Sarda Constatino-
caplto Sebastio Lopes Guimaraes com a sobre a instituico de varios objectos que Ihe
quantia de SOOgoOO res, que recebera em agos-
to do annopassado com o que fica preenchida
a exigencia que Ihe (sera em ofllcio de 25 de
tevereiro ultimo.
Dito A mesa regedora da irmandade do se-
nhor Bom Jezus dos Pacos da Cidade de Olinda,
disendo-Hieque nao Ihe era possivd compare-
cer e acompanhar a procsso do mesmo Se-
nhor no dia 12, lcando-lho por isto bastante
pesar.
Dito Ao commandante do batalho desta-
cado, acerca do pagamento da quantia de res
68$400, que o tenenle Cesar de Mello pedir
por emprestimo ao tenente-coronel Mariano. Ra-
mos de Mendonea, para fomecer tropa races
de ota pe.
Portara Ao commandante do batalho de
artilharia mandando receber com passagem ,
quatro pracas, e abrir assento de praca a li
reralas vindos da corte cujos nomos cons-
tuVuO das guias que 'he enviava.
IDEM DO DIA 7.
Dito Ao desembargador chefe de polica,
disendo-lhi! que se recebera e tivera conve-
niente destino, o deserctor Joaquim Jos Alves.
Dito Ao mesmo cominunicando-lhe que
assentarao prava, os recrutas Carlos Jos do
foro apprehendidos bordo da mesma barca ,
pelos ofliciacs encarregados da visita.
IDEM DO DIA 15.
Dito Ao Exm. Baro Presidente da provin-
cia informando o requerimento de Jnaquim
Jos de l'igueiredo em que pedio por aforamento
l o terreno de marinha o alagado de que se acha
de posse, no lugar de Forade Portas.
Dito Ao mesino Exm. Sr. informando o of-
ficio da camaia municipal de Cimbres sobre os
livros que pretende sellar.
Dito Ao niosmo Exm. Sr. informando os re-
querimentos de Antonio Jos de Olivcra Ma-
noel Joaqnim Pedro da Costa Leandro Jos
Bibeiro e Joaquim Jos dos Res, nos quaes
pediopor aforamento o terreno de marinha e
a|gdn do M palmos de frente, 259 de fundo,
nos fundos do arsenal de marinha.
Pito Ao mesmo Evm. Si. idem o de D. Ma-
ra Jos Lins Sorianno, vitivAde Jos Martin
Sorianno emqoa pedio por aforaineuto o ter
reno de marinha do fundo da ra da I'raia do
bairro de S., Antonio ijjesta cidade, queem 18'_;
aforara acamara municipal de Olinda.
Dito Ao admiufftradAr do cor?,' n*tn ci-
lade remetiendo por copias, o offlcio do Exm.
Bario Presidente da provincia e- do ^imperial
ASSEMBLA PROVINCIAL.
Acia da il.*tc$S&oordinaria da Assembla Le-
gislativa Provincial de Pernambuco em 18 do
marco de 1813.
Presidencia do Sr. Pedro Cavalcanil.
Feita a chamada acharo-se presontes 22
Srs. deputados fallando com partcipac3o o
Sr. Lopes Gama e sem ella o Sr. Beltro. O
Sr. presidente declarou aborta a sesso ; f0 ||
da e approvada a acta da antecedente.
EXPEDIENTE.
Um requerimento do Joo Anastacio de Mello,
arromattantedos disimos de mmicas do muni-
cipio de Santo Antao pedindo urna medida le-
gislativa, pela qual os arremattautos de disi-
mos e de qualquer imposto provincial, ou
municipal flquom gosandodas prerogativas, que
us leis e regulamentos concedem aos collectores
das rendas publicas, e do procodimento execu-
tivo contra os seus conectados : commissao
de orcamento das cmaras. Foro lulos e ap-
provados os seguintes pareceres da commissao
de rendas municipaes, orcamentos, e xame
de contas : 1. a commissao do rendas muni-
cipaes orcamentos, e examos de contas a
quem foi presente sob-ofllcio do secretario do
governo de ordem do Exm. Presidente da pro-
vincia a inclusa representacao da cmara mu-
nicipal da villa do Cabo pedindo absolvicao da
multa do 100$ reis que pelo mesmo Exm.
Presidente Ihe foi imposta o anuo prximo pas-
sudo por nao ter apresentado as contas do anno
Ando (do 180 1841 ) allegando em seu favor
nao ter cumprido este dovor que I lie impoe a
le por ser ella to pobre que rendimentog
alguns tem por isso que nem ao monos a afl-
rico querem pagar ao aflridor e o disimo da
mitineas nao haver quem quefra arrema-
tar por diserem quo se nao deve pagar se-
mclhanlc onus : entrando no exame das ra-
sos, que a referida cmara produzio, pelas quaes .
se denomina pobre, e quo rendimento algum
tem achou nellas a confsso da propria cul-
pa por quanto tendo ellas as mesmas rendas
das domis cmaros nenhuma diligencia ju-
dicial ou extra-judicial a seu alcance ompregou,
para eflectual-a sofrendo por isso o cofre mu-
nicipal grande prejuiso : causa admiracio a
commissao, que a referida cmara tivesse a (ra-
quesa de se denominar pobre quandooseu mu-
nicipio ha pouco foi elevado cmara por ter
os quisilos nocessarios ser abundante e rico,
quando a mesma cmara que tem por dever
propor novas rendas dentro do seu municipio o
nao tem feito e so referir ter as duas predi-
las rendas que segundo disem, nada produ-
sem esquecendo-sedas liecncas e cordeocoes
do refuso dos assougnes, das multas, e subre-
tudo da laxa das passagem dos Rios e da da
2$ reis sobre os mscales e boceteias quo
venderem no seu municipio renda esta quo
deve avultar moimente por occasio das festivi-
dades, que ali ha como a de Santo Christo ,
etc. Parece por tanto commissao que a re-
ferida representacao deve de ser (deferida ,
^ndo mitra vez multada pela reincidencia a
ior ter commettido igual omisso quanto as
ontas do anno Ando de 1841 1842 e alem
disto ser responsabilisada compon tomen te ,
para que indomnise ao cofre a quantia, quo se
arbitrar e que tem deixado de arrecadar por
sua propria culpa e abandono, que tem leito
das rendas municipaes sendo paga pro rata
[\elus ipfpnrlnfoc CaI^ "" ..... ~*.. UHV ^.....ujw,^ a, UO
marco le 1843. Cavalcanti Lobo Jnior
Domingues,



2
Segundo, a commissao de rendas municipaes,
ornamentos e examade contas inteirada pa-
lo odlcio da Presidencia do t. do corrente maz,
da omissao das cmaras municipaes do Rio
Formo9o, e Sarinhaem oro remetieren! em tem-
poas suascontas esparou at hoje o cumpri-
ma,nto dcsse dever som r.;clamal-o ; e como pa-
ra apresentaro resultado dos seus trabalhos el-
las se facao domittir: lis de parecer, que se exi-
lio com urgencia das magmas cmaras por in-
terinadlo do Exm. Presdante da provincia, qttJ
as dever multar ( se j o nao Tez ) como julgir
conveniente, a fim de evitar a continuaco de
iguaesomisses.
Foi lido e flepu addiado, por ter plido a pa-
lavraoSr. Neto, o seguinte parecer da coinmis-
sode fasenda eorcame.-itj.A comrnissao de
fasenda e orcamonto vio com a devida attencao
o requerimento incluso de Antonio Jos Pires,
ex-thesourciro da administraco dos estabaleci-
mentes de caridade em que pade seja consig-
nado na lei do orcamento o pagamento de res
-.300S983 reis em que flcou co n elle alcanza-
do o cofre dos masmos cslabele-ameiitos se-
cundo a conta que ja oi examinada ; c he de
parecer queosupplicante seja pago pola refe-
rida administraco, nao so por que esta assem-
bla se nao compromette-o a pagar o excesso das
despesas, que os mesmos estabelecimenios flses-
sem, se nao ajudal-os marcando-lhes ordinari-
as.quo outr'ora nao tinho.como seja 6:000$ rs.
ao hospital regimental de caridade, etc. como
por qua a respectiva administraco se nao op-
p5e ao mesmo pagamento como se evidencia do
supplicante, que dco ao supplicante quando
Ihe requereo ; e he certo que se fosse o sup-
plicante deferido, como agora requer
a mes-
ma administraco eos demais thesoureiros se
prevaleceriodo procedente, gravoso a renda
provincial, para praticarem excessos de despe-
sas contando Igual indulgencia. Sala dascom-
misses 17 de marco de 183.Lobo Junior
CavalcantiManoel Cavalcanti.
Ficou tao bem addiado por ter pedido a pa-
lavra o sr. Jos Pedo o.seguinte parecer da mes-
ma (lom. : a Com. de fazenda e orcamento a
oiiem Ib i presente o requorimento de Joaquim
Manoel Carneiro da Cunlia actual arrema-
tante do disimo do gado V'accum e Cavallar dos
Municipios de Garanhuns, Flores, Tacarat,
o Boa-vista, em que pede se fai-a elToctiva a re-
solucao tomada por esta Assembla em 30 de
Abril do anno p. passado, pela que se Ihe con-
cedeo a prorogaco de mais 2 annos para veri-
car o pagamento de suas lettras devolve o mes-
mo requerimento a fim de ter o destino conve-
niente pois que elle est deferido com o pro-
jecto do orcamento, que a Com. oferece para
o anno financeiro de 18W 184i.
OKDEM 00 DA.
Entrando em discussao o parecer da com es-
pecialmente nomeada para a indicacao sobre a
amnvstia para os compromettidos as ultimas
desordena de S. Paulo e Minas, o Sr. Neto
mandou a meza o seguinte requerimento =
requeiro a urgencia para se continuar a dis-
cussao do projecto que fixa a forca policial,
de preferencia a outra qualquer materia. =
Depois de apoiado enlrou cm discussao e
foi rejaitado. Em consequencia passou-se
discutir o referido parecer, o qual ficou adia-
do por ter dado a hora. O Sr. Presidento deo
para ordem do dia a mesma de hoje, e levantou
a Sessao.
Redro Francisco de Paula Cavalcanti de Al-
buquerque presidente Francisco Jodo Carnei-
ro da Cunha 1. secretarioAntonio JosdeOii-
veira2." secretario.
oflferecco o projecto diz que nunca vio oppo-
sicao tao lorte na caza ainda sobre projectos
da miior transcendencia do que a que se tem
feito no projecto cm discussao, ponto de se
tachar a Comm. do susp'ita sem conKangt,i(c.,
ao que elle nao responde, porquo entende que
nao deve entrar em polmicas com pessoa al-
guma. Sustentando o parecer da respectiva
C )m:n. argumenta com o descontentamento
dos povos, com a divisao actual, que deo mo-
tivo a faserem a reclamacao que na caza est.
M astra a vantagem do projecto fallando da
distancia de um lugar outro de que se trata
no masmo projecto : que o roquerimento dos
que desejo a divisao que di o projecto ; nao
assignado como so disso por pessoas que
nao mereci considerac3o. Conclue, quede
muita vantagem o projecto em liscusso, pelo
qual vota. O Sr. Dr. Jos Rento explica a
proposico que foi julgada como offensiva
Gomm. Disse que o silencio desta, quando se
combate o seo projecto quando se pedia ex-
plicacoes deo motivo para que elle suspeitasso
da justica e rasao da mesma Comm. at que
olla se ustificasse. Que nao quiz lancar um la-
beo sobre a mesma Comm. ; e assim que o seo
collega o Dr. Padilha n5o tem raso para
se estomagar tanto contra elle. OSr. Lauren-
tinovota pelo projecto portrazer vantagens.
Falla sobre a distancia dos lugares de que elle
tracta don'le tira rasao para mostrar, que el-
le traz beneficios aos povos. Responde aos ar-
gumentos contrarios: mostra que n se esperar
pela carta topogrfica com faculdade a Assem-
Resumo dos debates da sessao do dia 17.
Approvada a Acta e mencionado o expedi-
ente o Sr. 1. Secretario informou que ha-
via na casa um projecto approvado o anno pas-
cado acerca do subsidio dos Deputados Provin-
siaes que ainda nao tinha sido submetido ,
sem duvida por esqueciroento, Comm. de re-
daccao: entenda entretanto que 5 essa Comm.,
segundo o Rcgim., devia hir o mencionado pro-
jecto. O Sr. Dr. Brito pensa de outra sorte ;
n3o quer que o mesmo projecto v a Comm. de
redaceo : entende que elle est sem forca ,
ou vigor, e como que nao existisse : que sobre
a materia delle se devia em seo lugar, discu-
tir outro. 0 Sr. Dr. Jos Bento diz que con-
tra a opiniao do Sr. Dr. Brito est o regiment
da caza o qual nao marca tempo para ser sub-
metido Comm. referida algum projecto.
Entende pois que o de que se falla deve hir
a Comm. de redaccao. O Sr. presidente diz
que o projecto vai essa Comm. nao haver
algum requerimento cm contrario ( o qual nao
appareceo) que seja approvado Leo-se um
parecer da Comm. de negocios ecclesiasticos ,
concedendo a Ordem de S. Francisco aadmis-
sao de 30 novieos : foi julgado materia de de-
liberadlo e imprimir. Continuou a dis-
cuss5o do projecto n. 3 deste anno adiada na
Sessao passada. O Sr. Lourenro Bizerra falla
de novo sobre a materia argumentando com
adiliculdade de se procurar certos recursos de
um lugar a ouiro c. O Sr. ur. Larneiro da
Cunha faz o requerimento, que da Acta se v.
OSr. Dr. Padilha, meinbro da Comm. que
policial Art. 1. O Sr. Lial mandou urna e-
m-nda aditiva, (videaActa.) O Sr. Dr. Ma-
noel Cavalcanti diz quo a emenda so refero a or-
ganisac3o da qual se trata no Art. 2. do pro-
jecto, e n5o no Art. i. que o que est em dis-
cuss3o. O Sr. Lobo Junior pede explicado ao
Sr. Lial acerca da emenda : tem duvidas. O
Sr. Lial: deixe chogar ao Art. 2. que eu en-
tao direi alguma cousa : O Sr. Lobo insiste as
explicacoes na occasiao o declara que a nao as
ter vota contra. OSr. Lial d as explicacoes
pedidas. O Sr. Lobo Junior entende que a
organisaco do corpo deve de ser a quedero
Presidente, a vista do quantitativo marcado pe-
la Assembla. O Sr. Lial diz que ainda se nao
trata do quantitativo sim da organisaco: fal-
la sobre a materia. O Sr Dr. Manoel Caval-
canti falla favor do projecto.
O Sr. Dr. Neto falla no mesmo sentido : d
a raso do seo voto. O Sr. Lial falla de novo.
O Sr. Laurentino falla contra o projecto ; e do
mesmo voto o Sr. Jos Pedro : justific3o o
seo voto.
A discussao ficou adiada levantou-se a Ses-
sao depois das 2 horas, tendo a palavra o Sr.
Barros Cavalcanti.
dem da sea sito do dia 18.
A Assembla oceupou-se neste dia do pare-
cer da Comm. especial acerca da amnista para
os comprometidos as revoltas de S. Paulo e
Minas Geraes. Fallarao os Srs. Deputados ,
Laurentino impugnando o mesmo parecer; Neto
no mesmo sentido e Jos Rento sustentando o
parecer. A Sess3o levantou-se depois das 2
18S-3. Francisco Camello Pessoa de Lacerda,
secretario militar.
bla nao discutir o projecto.
tro da raso do seo silencio
sonvolvimento dado materia pelo parecer da
Comm., e a justica, que esta assiste odis-
oensavo de tomar parte na discussao; mas que
tanta seleuma se levantou tantas viravoltas so
der3o que v-seobrigado entrar na discus-
sao. Diz que o projecto n3o vai fasor altera-
gao na divisiio ccclesinstica, como se disse. A-
nalisa o parecer da Comm.; mostra a necessi-
dade do projecto. Responde ao motivo do sus-
peita contra a mesma Comm. ; e ent3o per-
gunta se desse silencio se podo deduzir argu-
mento contra o quo indicar a opposiefio for-
te que se tem feito ao projecto ; se nao indi-
car um interesse particular? Diz que o silen-
cio em que estove a Comm., n3o raso para
so Ihe irrogar o labeo de suspoita. Falla sobre
as assgnatura* da representaco quo pede a
divisao que d o projecto de um s punho.
Pensa, que dito projecto do grande vantagem:
vota portanto favor. O Sr. Dr. Mendos, res-
ponde aos argumentos produsidos favor do
nrojecto em discussao : mostra que o Sr. Pr.
Bi.'ltro s o quiz justificar na parte que altera a
divisao ecclesiastica ; mas nao em quanto a di-
visao civil c fudiciaria para o que convida ao
mesmo Sr. Dr.; entro tanto que o mencionado
projecto ofTende a divisao ecclesiastica, civil e
judiciaria o que nao reclamado pelo inte-
resse publico. Demonstra a necessidade de ou-
vir o Exm. Diocesano respeito do projecto (na
parte ecclesiastica ) o Sr. Laurentino falla de
novo sobre a materia no sentido cm que ha-
via orado. O Sr. Dr. Mendos insiste em sua
opiniao, e respondo ao Sr. Laurentino. O Sr.
Dr. Rcltrao sustenta o projecto c responde
aos argumentos do Sr. Dr. Mondes com as ra
sdes do parecer da Comm. O Sr. Dr. Carneiro
da Cunha, declara que naquolle dia estnva mais
contente do que no dia anterior (o Sr. Dr. Rri-
to apoiado ) porque nesse dia se provocnva a
discussao, pedia-se csclarpcimcntos, e nao ap-
pareciao : havia urna maiiria silenciosa ( do
que "elle muito se teme ) que s queria votar:
entretanto como j se ha metido na d:scnss3o os
membros da Comm est mais satisfeito, mas
nao de todo porque ainda Ihe falto esclareri-
mentos para poder votar com seguranca. Em
consequencia disso espera que o requerimento
que fez cuja utilidade reconheeida scia a-
colhido pela caza. Mostra que ha verdadera
duvida acerca da distancia dos lugares mencio-
nados no projecto de quo a Comm. tirou ra-
sao para o ofTcrecer porque um senhor depu-
tado afirma o que consta do mesmo projecto; e
outro diz o contrario : conta portanto com o a-
colhimento do requerimento, que tende a tirar
as duvidas suscitadas.
Tendo-se julgado a materia discutida se
hindo votar-se pela ordem o Sr. Dr. Neto
diz, que entende que o Sr. presidente da As-
sembla nao devesujeitar votac3o o requeri-
mento do Sr. Dr. Carneiro da Cunha visto
que elle contem um adiamento indifinito, que
prohibido pelo regiment. O Sr. Presidente
declara quo o que diz o Sr. Dr. Neto seria ra-
sao para mpagar o requerimeno de adiamen-
to mas que j nao tem lugar depois de incer-
rada a discussao: entende alm disto que o mes-
mo requerimento nao contem adiamento indi-
finito. O requerimento do Sr. Cnrneiro da Cu-
nha foi regeitado. O projecto foi approvado
ero primeira discussao.
Entrou em discussao o projecto sobre a forca
O Sr. Dr. Rol- I horas tendo a palavra o Sr. Dr. Mendos. Nao
diz que o de- damos aqui as rases produsidas pro o contra ,
porque pretendernos apresenta-las no resumo
do dia em que se; concluir a mesma discussao.
Assim.no resumo desse dia quejulgamos ser
o de 20 comprehonderemos o que se houver
passado na Sessao do dia 18.
IIURIO E l'EHYUll CO.
ASSEMBLA PROVINCIAL.
As breves reflexes que fizemos em o n.
60 deste Diario carta ahi publicada do Sr.
Jos Pedro da Silva d.'ro lugar seguinte
correspondencia que nos enviou. Duas sao
as inexactides, queaponta o nosso correspon-
dente no resumo dos debates da assembla
no dia 8 : primeira n3o se poder colligir delle
a ameaca que Ihe fez o Sr Barros Cavalcan-
ti 2' dizermos nesse resumo que o corres-
pondente pedio explicacoes quando foi elle
quem as deo. Muito estimamos que o mes-
mo correspondente ferisse a confrontacao do
resumo dito com a sua acusada carta e que
nos oflerecesse o resultado : assim mais confir-
mou a injustica de sua arguicao. Nao procede
a l4 inexactidao apontada por que do resumo
referido se v pelo modo por que nos expri-
mimos quando fallamos do correspondente ,
que houve urna ameaca : ahi nos demos como
certo a sua existencia. Se nos publicassemos;
as palavras de que se servem os Srs. deputa-
dos taes e quaes teria lugar a consequencia,.
que, em seu desfavor julga o nosso corres-
pondente se pode tirar : como porem s de-
claramos as opinies emitidas na assembla e
as razes quo podem ser apanhadas nenhum
juizo disfavoravel ftseu respeito, ha paro te-
mer. A' respeito da segunda inexactidao, lem-
bramos ao A. da correspondencia, queoSr.
Dr. Carneiro da Cunha que no dia 8 presidio
os trabalhos da assembla entendeo que etfe
queria explicacoes do Sr. Barros Cavalcanti,
as quaes nao admiti por ser contra o regimen-
t. O silencio do nosso correspondente a cer-
ca desta circunstancia ltimamente apezar de
nao ser a 1.a vez que nelle tocamos faz-nos
crer que elle se nao lembra bem do que na
sessao desse dia so passou. Eis onde est a di-
fe renca que narramos no dito Diario n. 60
entre o nosso resumo e a corr. do Sr. Jos Pe
Para tornarmos o Sr. Nunes Machado mais
lembrado do que com elle se passa c na pro-
vincia a fim de rectificar a sua asscrco de
que apezar de nao teroconselho de investiga-
cao achado criminalidade no commandante da
escuna Primeiro d'Abril, era dever rigoroso do
Ex.mo Presidente mandar proceder a conselho
de guerra, porque elle como auditor nesta pro-
vincia, procedeu sempre a esses conselho* sem
embargo da despronuncia do conselho de inves-
tigacao transcrevemos as decises, que hou-
ver3o no processo do sargento Lima no qual o
Sr. Nunes Machado opinou, o decidi que nao
tinha lugar o conselho por falta de pronuncia.
Note-se que este processo era excepcional, por
ter o sargento confessado que ouvira fallar ^a
rusga e doixara de dar parte a seus superiores,
e fundado nesta confisso foi que o Sr. comman-
dante das armas nomcou contra a pratica o con-
selho de guerra apezar de nao ter o de inves-
tigac3o achado criminalidade. Isto nao foi bas-
tante para que o conselho de quo era auditor o
Sr. Nunes Machado, se apartasse da pratica mui
jurdica de considerar-se lindo o processo,
quando o conselho de investigaco declara nao
haver criminalidade.
Certifico que as decises do conselho Ao inves-
tigaco, e do de guerra mencionados no presen-
to requerimento, s3o do theor seguinte. De-
csao do conselho do investigaco. O conse-
lho de investigaco em vista das testimunhas ,
querepozero contra o segundo sargento Jos
de Almeida Lima o tendo ouvido tainbem ao
mesmo Lima he de parecer que o facto relata-
do na portara doEx.mo Sr. commandante das
armas datada de vinte e quatro do corrente
nao est provado ; por isso que as testimunhas,
nodepe contra o mencionado sargento Lima.
Salla das sesses no quartel das Cinco Pontas 27
de maiode 18i2. Miguel Jos Teixeira, ca-
pitao presidente. Francisco de Paula Goncal-
ves da Silva, tenente interrogante. Jos Car-
los de Souza Lobo, alferes vogal. = Decisao do
conselho de guerra. Primeira sessao. Aos 20
das do mez de junho de 1842, na salla das reu-
nios dos conselhos de guerra reunidos o pre-
sidente e mais vogaes nomeados, em acto de pri-
meira sessao, para se dar principio ao processo
verbal mandado instaurar contra o reo segundo
sargento Jos de Almeida Lima, resolveu o con-
selho.. que se nao podia tomar d'elle conheci-
mento por falta de pronuncia; c para constar fiz
este termo, em que assignrao o presidente e
mais vogaes. Eu Joaquim Nunes Machado, au-
ditor escrevi. Joaquim Nunes Machado.
Antonio Gomes Leal, major e presidente.An-
tonio P.odrigues de Almeida tenente interro-
gante. Antonio Jos de Mello, primeiro te-
nente vogal. Joaquim Jos da Silva Lisboa ,
tenente vogal. Pedro Aflbnso Ferreira, pri-
meiro tpnonf yogs!.Manoel Cavalcanti da
Silveira Rizerra tenente vogal. E quanto
pede o supplicante em seu requerimento. Secre-
taria militar de Pernambuco 17 de marco de
dro. Com
remos.
isto eremos que nos justifica
Correspondencias.
Seuhores Redactores. = Como W. MM. nao*
acharo queeu dissesse na minha correspon-
dencia mais do que em substancia tinha dito o-
resumo publicado no Diario de 10 a res-
peito do facto que se passou commigo e o
r. Pedro Alexandrno e assim naoconcedem
as inexactides e alteraces de que fallo to-
mo o trabalho de fazer a confrontaeflo do dito
resumo com a minha correspondencia e verao
W. MM. se nao est da minha parte o rozao.
Confronlando-se o resumo publicado no Dia-
rio de 10 do corrente, coma minha corres-
pondencia inserta no de 15 severa, que no
primeiro se cscreveo O Sr. Barros Cavalcan-
ti diz que principia por censurar a maneira
pouco urbana,porque o tractou um dos seos col-
legas, que o precederaoNa minha corres-
pondencia digo O Sr. Rarros principiou por
lizer-ine que houvesse eu de tracta-lo con
maisurbanidode e maneras mais civis por
que podia mili bem succeder que em outra
occasiao nao estivesse elle para condescender.
Do que diz o resumo n3o se collige a ameaca ,
mas do que est na correspondencia que foi
o que se passou ninguem dir que nofui a-
meacado. Mas diz tambem o resumo que ma
dei por ameacado e como do que publicou
nao se infere nenhuma ameaca pde-
se mui bem concluir que lui irreflectido ,
precipitado, ou que ignoro o que exprimen*
essas palavras, em que se deve conter a ameaca.
Est portanto o resumo em meodeslavor. A-
cha-se mais no dito resumo Dizque o Sr.
Barros Cavrlcanti Ihe fez una in|uria e o dig-
nidade da casa c a sua cxigi3o explicacoes. Na
correspondencia se l que por dignidade da
casa e a minha e por attencao a boa intelli-
gencia em que nos achavamos e maneras at-
tenciosas com que elle me tinha sempre feito o
favor de tractar-mc Ihe afirmava, que nenhu-
ma intencao tinha da ofTende-lo Y-se por
tanto que nao exegi explicacoes mas sim que
as dei e era isto o que me compria fazer, visto
que da m intelligencia das minhas palavras se
tinha originado a ofiensa. Houve por tanto
alteracao e inexactidao no que cscreveo o
Diario e n?.o s no que fica dito, como em
mais alguma cousa que por insignificante nao
noto.
Nao dei a entender que o facto da nossa con-
ciliacao devia sahir no referido resumo, e ncm
era possivel por que teve ella lugar no dia se-
guinte como disse na minha correspondencia,
o agora declaro em particular.
Tambem nao se pode inferir da correspon-
dencia que atrihuo as inexactides, e altera-
ces a m f antes pelo contrario estou con-
vencido que isto resulta de nao se poder colher
urna discussao sem o auxilio da tbchigraphia ,
e u Diario ja se recente disto pois n3o apro-
I


rita as ratita ero quo o fundo as opim'oos
que publica e no resumo do que fallo agora.
oncluio a meo respeito disendo Parece-nos
qge foi sto o que disse o Sr. Jos Pedro.
Creio que tenho justificado a razao que tivo
para explicarme por muio da referida corres-
pondencia ; resta-me pedir a VV. MM. a in-
scrciio dosta que mais ainda obrigarao aoseo
venerador e criado Jos Pedro da Siloa.
Senhores Redactores. A magistral resposta
de um porfeito amigo da verdade inserida om
seu hem conceitnado jornal de 16 do corrente,
contra as insinuaccs calumniosas docommuni-
cado do Matuto ineressado apparocida no
Diario novo n. 59 relativamente ao mui acre-
ditado collcgio Santa-Cruz estabellccido nes-
la praca talvcz fosse bastante para convencer
o judicioso e respeitavel publico da falsidade do
author das diatribes contidas em semelhante
communicado ( tanto mais porque foi refuta -
do com as armas da razao e da justica mane-
jadas por urna pessoa do mrito dos melho-
escostumes, e chefe de urna bem distincta
familia d'esta provincia, incapaz do faltar a ver-
dado e mui difireme dalgum desses invojo-
sos que cobrindo-sc com o manto ominoso do
anonymo, pretenden) descarregar mortferos
golpes contra a innocencia, que todo o bomem
de bem deve defender ) ; mas como infeliz-
mente existem falsarios para denegrir a reputa-
cao e mrito alheio lambem louvavel he ,
que homens bem intencionados e de hora
senso tonho apparecido c apparecao para re-
futaren) calumnias nao provocadas ; por que a
voz do muitos fundada em razao he verdade que
faz maior echo: cis o motivo que me obriga a di-
zer alguma cousa aprol da innocencia to vil e
atrozmente ultrajada. Persuado-me estar no
caso de ter cabal conhecimento do collegio San-
ta-Cruz desde a sua fundacao assim como das
excedentes qualidades, quetaoaltamente ador-
nao a pessoa do seu director o Reverendo An-
tonio Mara Chaves e Mello com quem tenho
contrahido desinteressada amisade desde o mo-
mento em que aportou n'esta cidade com o
honroso intento que poz em pratica de de-
dicar-se ao ensino e educacao da mocidade. Os
esorcos d'este Sr. tem sido coroados dos mais
decedidos resultados, seno lucrativos ao
menos para elle da maior gloria por se ter
visto testa de um estabelecimento particular
d'educaoao que mais alumnos tem constante-
mente apresentado nesta praca ou talvez de
qualquer outro em todo o Brazil : prova di-
que nao s he hbil professor como que dece-
didamente he dotado de maneiras insinuantes,
e agradavois de genio brando, e de saos prin-
cipios por mira conhecidos e que somente
io dados quelles que beborao o leite da boa
educacao; contrario inteiramente ao que o
malfasejo Matulo ineressado quer inculcar ,
embora continuamente convencido estoja de
que nao pode ser acreditado ; porque ninguem
nielhor do que tao nobres pays de alumnos do
collegio Santa-Cruz podem ser juizesdo que
convem a educacao c bom trato de seus ten-
ros lilhos. Se nao lora completa a irona do
Matulo ineressado, visivelmentc conhecida
em seu aviltante communicado com intuito de
por este meio fazer opposicao desapiadada o
immerecida a quem nada s'imporla com os ne-
gocios aibeio e em tudo he generoso por
conhecer perfeitamente quanto a todos he dado
promoverem licitamente seu bem estar ; suas
admoestaces mereccriao inteiro acolhimento ;
mas no caso om questao creia o Matulo n-
teress ido que sua malvadesa a ninguem Ilude,
que em recompensa somonte ter o total dcs-
prezo que sobre si tem acarretado das pes-
soas cordatas. A compaixao do Matulo ine-
ressado acerca de qualquer promover o seu pro-
prio descrdito n'aquellc meio de industria ,
que tenha adoptado para semprc d'elle tirar sua
subsistencia he intempestiva ; porque ainda
se Ihe nao bateo a porta a pedir csmolla : c lo
pouco hecerto o descrdito do collegio Santa-
Croi quealemde nao ter diminuido o nume-
ro de seus alumnos, vai progressivamente aug-
mentando de dia em dia I Aqui bate o pon-
to : morda-sc Matuto ineressado enrai-
va-se por que suas patranhas sao condecidas,
e o resultado prova o contrario de quanto ale-
vosamente quer inculcar! Mas que digo ? o
para quecancar-mc conhecendo-se visivelmen-
*e que a sua nao gneommendada compaixo
traz agoa no bico c quic seja para que sobre
elle reverta pelos receios que talvez o ac-
companhem de elle proprio se haver de-
sacreditado e, incorrido no perigo de perder
sua industria c consequentemente os meios
de que viver Saiba mais o Matulo ineressado
que se compassivo assevera ter ocoiiegio Santa-
t-ruz adquerido crdito pelo accio da casa por
ter bons lentes e tratar bem dos meninos ,
boje nao se acha em peor estado antes pelo
5
..IM-J... -
>*ms
W
unhasdefome, que. porisso, deixe do pro-1 tendentes queirao dirigir-se ma da Cruz n.! urna casa estrangeira ; no collcgio de meninas
i todo ocusto o osolemlor dn eah j t em casa do Joaquim Jos d'Amorim. \ aira/ da matriz da Moa-vista.
Para o Rio de Janeiro sai com brevidade Joo Vasques subdito hespanhol, re-
brigue nacional Indiano, capitao Antonio tira-se para fora da provincia.
a todo ocusto o esplendor do" seu
collegio com a abundancia em superior qua-
lidade.de alimentos para os meninos depositados
sob sua boa guarda a quem estima e trata co-
mo filhos; nem se tem poupado a gasto algum
em engajar ( at por mea intermedio ) os me
Ihores lentes, com tanto que conserve a boa
reputacao que justamente tem ganho < que
nenhum como o Matuto ineressado pode j
roubar-lhe embora recorra aos meios mais
ignobeis. Eu Irequentei alguns annos tres
collegios mui acreditados na Inglaterra : meus
irmos frequentaro os melhores de Lisboa ,
alguns d'estes por mim visitados ; e affirm
com a veracidad? mais incontostavel ( nao a do
Matuto interesado ) que em nenhum encon-
trei tantas proporces para o bom agasalho e
Alves Martha s pode receber escravos a frete,
ou passageiros, para o que tem muito bons com-
inodos ; tracta-se com o seu consignatario Ma-
noel Ignacio d'Oliveira na praca do Commercio,
ou com o dito capitao.
A ha reara Santa Luzia, de 28 caixas re-
cebe carga para Macei at o dia quarta feira 22
do corrente os pretendentes dirijo-se a bor-
do da mesma na escadinha da alfandega ou
na ra do Crespo n. 11.
Para Cork salie impreterivelmnnte, o mui
novo e veleiro brigue ingle/ Cynthia no qual
tom excelienles commodos para passageiros;
quem pretender dirija-so ao capitao, na ra do
completa educacao primaria como boje se a- Trapiche novo n. 18.
chao no collegio Santa-Cruz, onde tenho sem- j = Para o Porto segu viagam com a maior
pre tido sobrinhos desde a sua fundacao : tanlo I brevidade possivel, por ter parte de seu carre-
assim que estou com intentos de brevemente 18
por outro ora estudando em collegio de Lis-
boa d'onde vou mando lo regressar para e-
vitar maiores despezas que em paizes cstran-
geirosse fazem nao tanto no que diz respeito
ao que alli se paga como pelo grave prejuizo ,
quosesolre na difieronca do cambio para re-
duzir-se a nossa moeda Iraca forte em que
sao leitas taes despezas. Finalmente estando
eu ao facto de quando diz respeito ao collegio
Santa-Cruz, e do seu digno director ; podia
por exemplos mostrar, quanto aquelle he re-
commendavcl e em abono d'este Sr. quanto
he elle bem creado e prudente se nao re-
ceasseser enfadonho ; e por tanto limito-me
somente a fazer estas reflexes em refutacao das
conhecidns calumnias do Malulo ineressado o
qual pode ficar certo, de que em quanto eoher-
to com o sombro manto do incgnito ( recur-
so de quem cobardemente quer ferir o golpe ,
e esconder o braco I ) ninguem o acreditar ;
nom resposta mais ter de quem nao heoscriptor,
uem tempo tem seno para casualmente deene-
der a honra de um amigo aquem se pertende ,
supposto que de balde ultrajar. Com a pu-
blcaco d'estas mal tracadas linhas muito
ohrar Srs. Redactores a quem grato se
confessar seo muito venerador e criado
Francisco Gomes de Oliveira.
COMMERCIO.
Alfandega.
Rendimento do dia 20........ 2:9008880
DescarregSo hoje 22.
Rrigue Leopoldo carvao.
Barca James Slwart bacalho.
Barca Manchester bacalho.
llovimcnto do Porto.
Navios entrados no dia 20.
Rio de Janeiro; 23 dias, brigue escuna de
guerra brazileiro Nilheroy commandantc o
capitao de Iragata Diogo Ignacio Tavares.
JVarios sahidos no dia 20.
Parahiba ; barca austraca Perastina capitao
Marco Sirowich carga lastro d'?sucar.
Angola ; brigue brazileiro Jeito, capitao An-
gelo Montano, carga diversos gneros.
Trieste ; brigue dinamarquez Wilhermina, ca-
pitao John Toosby carga assucar.
amento prompto a lgeira barca Portugueza
Fspirito Santo capitao Antonio Guimares
da Silva; quem na mesma quizer carregar,
ou ir de passagem para o que tem exeellentes
commodos diri^a-se a ra estreita do Ro-
za rio, n. 13
Para o Havre, o brigue rancez Armori-
que pretend sahir deste porto no dia 12 de
abril; quem nellequi/cr carregar, ou hir de
passagem dirija-so aos consignatarios Bolli &.
Chavannes, ra da Cruz n. 40.
Lcilao.
= L. A. Dubourcq far leilo por inter-
vencSo do corrector Oliveira da restante nio-
bilia da sua casa carteiras e outros perten-
ces de escriptorio inclusive urna machina nova
de copiar cartas, eum soberbo relogio de parede,
dos seus vinhos primorosos, engarrafados, 4c.
4c. ; o que tudo se vender sem reserva, quar-
ta feira 22 do corrente s 10 horas da manh ,
em sua casa na ra do Vigario.
Alisos diversos!
Declaracoes
D*ordem do Sr. inspector do arsenal de
marinha se faz publico, que no dia 22 do cor-
rente pelas 11 horas da manha, se vender em
hasta publica na porta do armazem do almo-
xarifado urna porco de cobre velho, tirado
do forro de diversas embarcaedes da armada: as
pessoas a quem possa convir a compra do referi-
do cobre, sao convidadas, pelo mesmo Sr. ins-
pector a comparecer no mencionado dia e hora.
Secretaria da inspeccao do arsenal de marinha
de Pernambuco 14 de marco de 1843.
Alexandre Rodrigues dos Anjos
Secretario.
CIRCO OLMPICO.
Grande e extraordinario expectaculo gimns-
tico e equestre para domingo 26 do corrente.
Como muitas familias nao podriio assistir
ao divertimento de domingo pssado por falta
de camarotes repetir-se-bo os mesmos traba-
Ibos com algumas outras passagens novas, que
scrao annunciadas pelos cartazes e Diario.
Avisos mar i timos
= Na ra do Cahug n. 16, existem duas
cartas para o Sr. Joaquim Jos Baptista e ou-
tra para o Sr. Joaquim Rafael de Mello Jnior.
No segundo andar do sobrado da ra de
S. Francisco n. 1"J, precisa-sc de um creado
portuguez mosso e com fiador a seu proce-
dimiento.
Precisa-sc de urna ama para o servico ,
de ra ; quem estiver nessas circunstancias di-
rija-se ra do Livramento n. 20, segun-
do andar.
Aluga-se um armazem prximo d'alfan-
dega ; na ra da Cadeia velha n. SO.
Ha para alugar um bom preto para o
servico de urna casa ; na ra de Santa Rita no-
va n. 71.
Precisa-se de urna creada parda, ou bran-
ca de idade que saiba cozer o ensahoar e
faca alguns recados, pa|a-so bem ; na ra No-
va n. 43.
= Manoel Ferreira Lima vai a Portugal
tratar de seus interesses, deixando encarregado
de seus negocios a seu mano e socio Antonio
Ferreira Lima.
Precisa-se de urna ama de leite, qual se
dar bom ordenado, tendo os requisitos de urna
boa ama: annuncie por esta folha.
Precisa-se de urna ama com bastante
leite e sem filho forra ou captiva ; no at-
ierro dos A ITogados n. 31.
Aluga-se urna casa terrea, na travi'ssa da
ra Bella lias Florentina nova coni muitos
commodos ; no sobrado novo prximo maro.
A pessoa, que no Diario n. 64 annun-
ciou querer saber a morada nesta praca de Ma-
noel Ruarque de Macedo dirija-sc Ra do
Queimado, n. 21.
D-se dinheiro a premio, em grandes, e
pequeas porcoes sobre pinhoresde ouro, ou
prata ; passando o muro da Pcnba, no segundo
sobrado segundo andar.
D-se 200S000 reis a premio com fir-
mas a contento ; na ra do Nogucira n. 27.
-- Precisa-se urna negra para fazer todo o
servico do interior de urna casa pagando-se
mensalmcnte; annuncie.
Emygdio JosPercira Guerra necessita
fallar com o Sr. Custodio Goncalves e como
ignora a sua residencia, roga-lheo obzequio de
dirigir-sc ra da Cadeia doRccife n. 38.
= Ha para alugar urna preta, para o servico
interno de casa a qual sabe engomar, lavar, e
cozinhar; no pateo da Santa Cruz vend;
n. 70.
Ouem quizer dar 9OOS00O reis a premie,
sobre hvpotlicca em una casa annuncie.
uem tiver para arrendar um sitio, perto
doatn ''"!ad ,
n-~ |.v
ter va',i>B do lpte : an
At ao fin deste corrente niez sahir para
5 T*~-r a hrrriin IWwH"yjJ2 YcTtlilTZ F*?!Z
tancias divido isto aos disvelos c incancaveis capitao Antonio Francisco dos Santos, o qua! I nuncie.
aforeos do seu director; o qual nao he nenhum [ ainda recebe alguma carga o passageiros; os pre-1 Precisa-se de um moleque, para sen ir em
Aluga-se urna casa terrea nova muito
larga com seis quartos, corredor ao lado, ce
zinha fora, grande quinta! murado e outro cer-
cado cacimba com muito boa agua de beber ,
sita na ra da Solidade ; na ra da Aurora casa
n. 58.
Aluga-se urna casa, na ra nova de San-
to Amaro com 6 quartos 2 sallas, e grande
soto, co/.inha fora, cacimba, quintal com 600
palmos do fundo, e 120 de frente, varias fruc-
teiras; na ra Nova venda de Manoel Ferrei-
ra Lima.
Precisa-se de alguns milheiros de tijolo ,
de alvenaria giossa de bom barro, e boa gros
sura, postos na obra ; tracta-se na ra do Hos-
picio, com o morador da casa n. 1 ou na ven-
da da mesma.
= Antonio Mara Bessono, natural desta
provincia retira-se para o Aracaty.
Silvestre de Freitas Fernandos, portu-
guez retira-se para o Aracaty.
Precisa-se de urna ama, para fazer o ser-
vico interno e externo de urna casa ; na ra
dos Assougninlios n. 19.
A medicina popular americana que ba
tantos annos estemuzo as Indias Occiden-
taesc Orientan Costa d'frica, &c. &c. tem
provado como una medicina inestimavel sendo
preparada de prepsito para clima quente, e
composta de ingridientes que nem requerem
dicta nem resguardo, e pode ser administrado
s enancas as mais te liras.
As vantagens deste celebre remedio em curas
de molestias de ligado, gotta, dores de cabera ,
inflamacoes em geral retunccsd'ourina, po-
dra na bexiga erysipela ataques nervosos ,
lombrigas, 4c. &c., tem causado grande exlrac-
(3o em todas as provincias como nico e ver-
dadeiro purilicador do sangue.
A medicina popular americana composta de
dous principios difierentes, um purgativo e
desobstruente remo\cndo os humores viciados
das difierentes partes do corpo e assim purifi-
cando o sangue; o outro tnico dando forca
e vigor aos orgos da digestao c por tanto impe
dindo a cumulaco dos humores nos intestinos,
&c. urna combinacao como esta nao pode ser
senao proveitosa na maior parte das molestias ,
e sendo vegetal esta combinacao pode ser admi-
nistrada a ere-atura mais delicada sem receio al-
gum e com certeza de benficos resultados.
Aqui vende-se somente em casa do nico a-
gente Joo Kellcr, ra da Cruz do Recife n.
18 e para maior commodidade dos compra-
dores, na ra da Cadeia do Recife, em casa de
Joao Carduzo Ayres, na ra Nova na de Guerra
Silva & C.*, e atierro da Boa-vista, na de Sal-
les & Chaves.
Nestas mesmas casas tambem vendem-se a
pilulas vegetaes do Dr. Brandreth.
Precisase alugar urna casa terrea que
seu aluguel nao exceda a lo1 reis quem ti-
ver annuncie.
desapariccrao da ra da Praia por detraz da
Ribeira a semana possada com marca M D -
C reunidas facao o favor de os entregar na
ra da Praia serrara do abaixo assignado que
pagar o trabalho.
y/ntonio Dias da Silva Cordial.
Lava-so engoma-se e fazem-se algumas
costuras e conserta-se : na ra da cenzalla Ve-
lha n. 76.
Srs. Redactores.Sendo encarregado de
um alumno, quescachava no collegio Santa
Cruz e que para esse fim seu pai me confiou ;
nao posso deixar de dizer ao Sr. Malulo ine-
ressado que fez urna correspondencia no D-
novo n. 59 de 14 do corrente : que o engaa-
ran as inonnarfies que Ihe dero ; por quanto
este de que trato, sei mui positivamente, que
nada Ihe tem faltado de sustento e nem tao
pouco tem sido maltratado ; mas so por eu pes-
soalmente ali hir como mesmo passando el-
le dias em minha casa nunca queixa rae fez ,
c antes pelojcontrario se mostra muito satisfeito
pelas boas maneiras com que ali he tratado.
Queiro Srs. RR. fazer-me o favor inserir estas
linhasdo seucriado e assignante
Francisco da Silva Lisboa.
Deseja-se fallar com o Sr. Joao Jos de
Farias a negocio de seu interesse : na ra do
(Jueimado loja de Jos Antonio dos Santo
( oclho.
= Aluga-se urna casa no Mondego, com
commodos para urna grande familia ; os pre-
tendentes dirijo-se a praca da Boa-vista ,
n. 20.
No largo da Ribeira u. 19 vende-se por
ter de retirur-se o dono pare fora, urna, ta-
ma grande ainda nova com seus cclxes de
Angico e a moderna.
Onem nrpeisar de um menino de J3 2_
nos para caixeiro de urna loja de fazendas, ou
miudezas, annuncie por esta flha.


T^
i
= Dofronte do Trapiche novo, n. 6, se- te infundado semelhante annuncio e manifes-
gundo andar conserta-se oculos agulhas to o engao da mesma Senhor que muito se
para navios e tudo quanto pertence a ptica, devo envergonharde o ter feito. O dito moleque

Acham-se a venda ricos barmetros, oculos os
melhores deste mercado e um microscopio ,
um oitantc e um orgo, que loca 50 marchas.
= Em Olinda ra de Mathias Ferreira ,
casada esquina precisa-se de um bom c hbil
ollicial desapateiro.cujolrabalhose pagar bem.
m Urna pessoa, que abona sua conducta, se
oflerece para rcceber dividas, fazer concilia-
cdes do que tem pratica; quem se quzer uti-
lisar, annuncie.
= Precisa-se alugar urna casa terrea em boa
ra no bairro de S. Antonio, cujo aluguel nao
exceda de IOS re|S ; quem livcr annuncie.
a= O Sr. Domingos Alves Barboza queira
declarar por esta folha sua morada para ser pro-
curado a negocio de seu interesse.
= E. Schaeffer retira-se desta Provincia.
= E. Schaeffer auscntando-se por algum
lempo desta provincia deixa como seu bastan-
te procurador, c encarregado da direcoo dos
seus negocios o Snr. Manuel do Nascimento
Pereira.
= Joze Agostinho Pereira de Menezes ,
retira-se por algumas semanas para fora da
provincia.
Sotiedade Eu ter pina.
= O Director convida aos Srs. Membros da
comrnissao administradora a reunirem-se bo-
je pelas 5 horas da tarde para scssao.
= Jos Joo de Amorim c sua mulher
tendo eito pelo cartorio de Orlaos desta cicla-
da abstenco absoluta de qualquer beranca ,
que Ihe possa provir de seu fallecido sogro
pai o coronel Antonio Marques da Costa Soa-
ros desde ja previnem aos credores da heran-
cado dito coronel que os annunciantes nada
mais tem com a dita beranca e que os mesmos
credores se devem dirigir para cobrar suas divi-
das, contra aquelles hcrdciros que acceitarao
a dita hcranca e para evitar qualquer pleito ,
ou citacao contra os supplicantes 'a/ern o pre-
sente annuncio.
Precisa-se de 600,000 rs. a um o meio
por cento com hypotheca em urna casa livre
nesta praca em chaos proprios : falle-se com
A ictoriuo Francisco dos Santos ra doRan-
gal, n. 54.
= Pode-se a quem por engao levou da re-
partico das rendas internas geraes no dia 15 do
corrente um chapeo deso, (quando foi sel-
lar varios papis, ) deixando outro em seu lugar,
haja de restituir na mesma reparticao aquel le,
recebendo o que doixou.
O soldado do corpo de polica, que an-
nunciou ter prendido um escravo de nome
Francisco se for crioulo alto, cor natural ,
zarolho boca grande beieos grossos e verme-
Ihos tem de costume estar sempre com a ca-
bera de banda pode dirigir-se a ra da Praia
na serrara de Joao Antonio Baptista Muniz,
quesera generosamente gratificado.
Troca-se um bahu novo, de sette pal-
mos por um par de mallas de sola anda que
seja bastante usadas; quem tiver annuncie.
Precisa-se arrendar um sitio que seja
perto da praca nao muito grande e que te-
nha fructeras pasto para 4 vaccas ao me-
nos baixa para capim e proporces para
plantar se rossa : as 5 pontas casa que tem
jampiao n. 45 ou annuncie.
Fica sem cffeite o annuncio publicado a
respeitodo sitio do Remedio por se haver con-
cluido amigavelmente a contestaco acerca dos
seus limites.
Da-se bom ordenado, ou o terco dos
lucros de urna venda a um caixeiro que se-
ja capaz de tomar conta della por balanco ;
quem estiver nestas circunstancias dirija-se a
ra do Amparo venda n. 7.
Quem deseja fallara Clara Maria da Con-
ceicao, dirija-se a ruado Amorim n. 33, pri
meiro andar.
Precisa-se de 600,000 rs. a premio, so-
bre urna grande morada de casa livre, e desem-
barassada nacidade de Olinda ; a quem con-
vier annuncie.
Precisa-se fallar ao Snr. Francisco Joa-
quim da Costa que morou na ra do Col-
legio.
annuncio, em resposta ao do Diario n. 4i.
A abaixo assignada moradora na Villa
do Rio Formoso como zelosa do seu crdito ,
e roputacao para com o respeitavel publico .
vendo o annuncio da Senhora D. Maria Joa-
quina inserto no Diario n. 44 de 23 de Fe-
vereiro prximo passado nao pode deixar de
rosponder a mesma Senhora que o moleque
de nome Florencio de que trata seu annuncio,
jamis pode ser de seu dominio e posse; sim
escravo da abaixoassignada filho de urna sua
escrava de nome Joaquina nascido, c criado
em sua casa sob cujo poder existem trez ir-
mos do mesmo moleque de nome Amaro ,
Manoel e Maria ; pelo que, nao tendo a
cbafevtefgnfi** ;?**?? renda de nsesrro5*-
Jeque com pessoa alguma se torna inteiramen-
tendo fgido do poder da abaixo assignada, foi
com cffeito ter a casa do Sr. Dr. Francisco de
Paula Baptista, procurando-o para compra-lo;
donde vollou para seu poder por intermedio,
e requisicao de seu filho o Capito Joao Lopes
dos Santos, proprietario do engenho BastiSo ;
todava se nao obstante aquella Senhora
Annuncianle anda se considerar prejndcada ,
ou se pela dad' pelo nome e pelo seu pa-
pel de compra pretende provar que he seu
o moleque de que se trata elle existe em se-
guranca e nenhumaduvda tem a abaixo as-
signada de deflender o seu direito no foro con-
tencioso toda vez que a Senhora annunci-
ante ou seu marido quizer usar d'accao com-
petente : desta maneira pois fica respondido
aquclle annuncio salvada mnima increpaca
a conducta e probidade do Sr. Dr. Baptisla ,
e dispensados os Srs. emprgados da polica,
as pessoas particulares e capites de campo do
mnimo cuidado a tal respeito. = Francisca
Caetana dos Santos.
= Na ra do Lobato hoje ra dos Copia-
res casa n. 5 precisa se alugar um casa ter-
rea cujo aluguel nao exceda de 12 a 13,000
rs. o as ras segu ntes: pato do Carmo Hor-
tas o Direita.
Da-se 100,000 rs. a juros sobre pinhores
de ouro, ou prata : na ra de S. Rita n. 60.
- A 22 do corrente se hao de arrematar ,
na porta da casa do Sr. Dr. Juiz do Civcl da
segunda vara 350 barricas vasias da viuva do
fallecido Joaquim Leocadio de Oliveira Guima-
res para pagamento do aluguel do armazcm,
porque se achad penhoradas.
Precisa-sede um rapaz portuguezde 12a
16 annos, para caixoiro de urna loja de fazen-
das distante desta praca quinze legoas : na ra
do Crespo loja de Joaquim da Silva Castro.
Compras.
- Comprao-se para fora da provincia, mu-
latinhas, crioulas c mais escravos de 13 a 20
annos, pago-se bem sondo bonitos : na ra
do Livramento n. 3.
Compro-se para fora da provincia mu-
latas negras e mulequcs de 10 a 20 annos ; na
ra Nova loja de ferragens n. 16.
Compro-se os blhetcs ou meios ditos
da lotera de S. Pedro Mrtir de Olinda, n-
meros 1968 o 1958 : annuncie.
Compro-se urna pharmacopa de Pinto,
e outra da Geral ; um buhar, que esteja em
mo estado, com todos os seus pertencos, ou
sem ellos; annuncie.
Vendas.
Sr- Vendem-seasseguintes obras em Fran-
cez : Halmitn ; os hofncns e os costumos ,
2 v. ; Dutens Philosophia de economa polti-
ca 2 v. ; Bicardo economa poltica 2 v. ;
Smth economa poltica 4 v. ; Malthus eco-
noma poltica 2 v. ; Pardcsus direito commer-
cial 5 v. ; Locr espr do cdigo do commer-
cio 4 v. : Rogron cdigo do commercio 1 v. ;
Jouffroy direito natural ; Portis direito na-
tural: poltica natural porum antigo magistrado;
Scbamall diretodasgentes; Vateldireitodasgen-
tcs.Klubcr direito das gentes ; Fritot espirito de
direito; Fritot sciencia do publicista; Beija-
mim Constant, curco de poltica; obra de
Domat; obra de Filnngiere : na praca da Inde-
pendencia loja de livros n. 6e 8.
- Continua-se a vender no armazem de Di-
as Ferreira junto a Alfandega cevada por
1:400 res a arroba em barris de 5 arrobas.
= Vende-se farinha de me mi oca vnda
do Rio de Janeiro em saccas e cm barricas :
no Rccif6 ra da Cadeia loja n. 57 de Joo
Maria Seve & Filho.
Vendem-se por preco commodo 12 ca-
deras de palhinha, um cabde de cortinas ,uma
banca de abrir urna meza de jantar urna re-
doma com urna magem um candieiro de meio
desala um relogio horisontal com caixa de
prata : na ra dos Quarteis n. 19 sobrado de
dous andares.
= Vende-se urna porcSo de palha de car-
nauba por pre?o commodo : na loja de fazen-
das na ra do Passeio publico n. 2.
- A endem-se urna bonita escrava de 20 an-
nos perfeita engommadera e costureira ,
com urna cria muito bonita, de 6 mezes, e bom
eitc ; duas ditas cozinheiras engommadei-
ras; duas ditas lavadeiras ; dous moleques de
13 a 14 annos proprios para oficio ou para
pagens ; um bonito escravo de 20 annos lin-
da figura ; um dito bom trabalhador deencha-
da ; urna negrinlia mullo houla de 13 a 14
annos ; urna mulatinha de 1'2 annos : na ra do
Fogo ao p do Rozario n. 8.
= ^ endem-se duas barcacas de poucos an-
nos muitc bcs r.cdoirc 2!*i* '!" 13
a vontade
CS*23 iciii
o de arrumacao 12, com todos os preparos, e em
bomestado,"alguns bois mancos e vaccas com
crias : na ra da Conceicao da Boa-vista n.
16 das 6 as 8 horas da manh e das 2 da
tarde em diante.
Veitch Bravo & Companhia teem a hon-
rade participar ao respeitavel publico que na sua
botica e armazem de Drogas, ra da Madre de
Dos n. 32 se vende o seguinte : Extracto
fluido concentrado do Salea parrilha da Jamai-
ca H. C. Butlen & C.\ a mais enrgica e
eflicaz preparaco desta raiz que at hoje se tem
descoberto o que prova o grande apreco e re-
pittidas indicacesque della fazcm asPharma-
copeias de Londres Dublim Edinburgh &c.
drc. O Celebre Colirio anti-ophthalmico cu-
jo mdicamente he bem reconhecido por seus
bons e salutares efleitos para destruir nevoas ,
helides inllamaces e outras doencas d'olhos
om que nao preciso para seu curativo radica
recorrer aos meios opperatorios; na mesma casa
vende-se agoa de Seidlitz e Seltz Soda-Wa-
ter Limonada gazosa verdadeiro e finissimo
Arrow-Root de Bermuda Magnesia Calcina-
da ptima sag escovas para denles, poz mui
finos para os mesmos Mostarda ptima para
meza poz de Seidlitz e de Soda e um gran-
de numero de preparares 'diferentes objectos
que se encontro a venda nasprincipacs boticas
da Europa.
-7- Vendem-se um caixao um foles duas
taboletase varias erramentas de ourives, e urna
corrente de ferro : na ra do Arago n. 35.
Na ruaestreta do Rozario n. 13 ain-
da ha para vender azete doce cnchadas pre-
gos chapeos de bata archotes feijo pa-
inco cevada vinagre retroz chapeos de
sol, podras de afiar e outros objectos annun-
cados no numero precedente.
No pateo do Terco venda n. 7 conti-
nua-se a vender oleo de linhaca milho alpis-
ta, farinha do Maranho e painco.
Ainda se acho por vender o sitio dos Af
fogados e o da Piranga annunciados no Di-
ario de hontem.
Vendem-se urna ptima espingarda de
caca, osseguintes livros em Francez: mostr
de tomoiro de forja de fundidor de latiio ,
de relojoeiro enrequecidos de eslampas e
modellos de ferros Oregino de Tous Les Cui-
tes ou Religin Universelle em 12 voluntes,
e por deminuto preco : na ra de Agoas ver-
des n. 92.
= Cadeiras americanas com assento de pa-
lhinha camas de vento com armaco com-
modas de angico ditas de amarello marque-
zas de condur camas de vento do amarello
muito bem fcitas a 4500, ditas de pinito a 3500
assm como outros muitos trastes ; pinho da
Succia com 3 polegadas de grossura dito
serrado dito americano com diferentes largu-
ras ecomprimentos travs de pinho e bar-
rotes com di fferentes grossuras e comprimen-
tos tudo se vende mais em conta que outra
qualquer parte: na ra da .Florentina em
casa de J Beranger n. 14.
Vendem-se 11 caxilhos de diversos tama-
itos e todos envidracados por preco com-
modo : no Atterro da Boa-vista n. 24.
-\ Vendem-se panno preto a 38 rs. e das me-
lhores qualidades a precos muito commodos ,
casemira preta fina a 2$ res, sarja preta larga
de muito boa qualidade a 2:500 res e estrei-
ia mais ordinaria a 1:280 reis o covado excel-
lentes meias curtas de soda prctas a 1:280 reis ,
loncos de boa sarja a 2:400 reis e gravatas de
sarja esetim a 640 reis, e superior princeza
preta a 800 reis macednia a 560 reis los e
bicos pretos e brancos a differentes precos pe-
cat de bom riscado americano com 8 covados a
1:280 reis e de bretanha com 10 varas a 2:000
reis, cortes de vestido de chita patente com as-
sentos escuros a 2:400 reis superiores a I godo-
es ameriranose muito encorpados preferiveis
ao da torra pela sua duraco e cobertores de
15 e de algodo por baratos precos : na ra
do Crespo, loja'n.. 10, de Antonio da Cunha
Soaros Guimaraes.
=Vendern-se farinha de mandioca, de Santa
Catharina cm saccas de dous alqueires e meio
do Bio de muito boa qualidade e por preco
commodo ; pillas de familia chegadas do
Porto, pelo ultimo navio : na ra da Cadeia do
Recife, ns. 12el4.
- Vendem-se travs e linhas super'orcs de
35 a 50 palmos e grossuras de 8 a 12 polega-
das : na ra do Vigario n. 3.
Vendem-se taxas de ferro batido e coado,
do todo o sortimento e por preco commodo :
na ra do Vigario n. 3.
Vende-se urna venda das melhores do pa-
tio do Carmo, bom alreguczada tanto para a
trra como para o mato, e com poucos fundos:
a tratar no patio do Carmo esquina da ra de
Orlas lado direito n. 2.
Vende-se tima preta com habilidades ,
mora c do boa (iguta : na ra da Cruz do Re-
al de qualquer batalhao muito bem douradas,
e por preco moJico : na ra de Agoas verdes
n. 42.
Vende-se por falta de pasto urna vacca
muito nova, com cria eleite : no Mangui-
nho casa n. 55.
Vende-se para fora da Provincia ou pa-
ra engenho um moleque de 17 annos : na
ra Nova loja n. 58.
= Vende-se um cavallo em boas carnes ,
carregador baixo por preco commodo : no At-
terro da Boa-vista sobrado de um andar, con-
fronte a casa do Sr. Luiz Goncalves Ferreira.
Vendem-se meios bilhetes da loleria de S.
Pedro Mrtir que corre infalivelmenteno dia 22
do corrente: na ra do Collegio, loja n. 1, pin-
tada de novo junto ao Passo.
= Vendem-se duas escravas, urna de na-
cao de 22 annos com bonita figura e en-
gommadera ; outra de 20 annos cozinheira ,
costureira, e rendera ; dous mulatinhos pti-
mos para ollicio ou pagens ; um 'escravo de
nacao de 30 annos, por preco commodo : na
ra de Santa Rita n. 27.
s= Vende-se assucar refinado em carosso,
e caf tanto moido como cm grao : na refinaco
da ra das Cruzes n. 37.
= Vende-se um crioulo de 20 annos bo-
nita figura sem vicios e 20 arrobas de cera
amarella : na ra das Cruzes n. 40.
= Vende-se urna preta cozinheira en-
gommadera costureira e lavadeira : defron-
te do Palacio novo primeiro sitio ao norte do
collegio de S. Antonio.
Vendem-se azete doce superior em gi-
gos de 12 garrafas esponjas, lencos de seda
da cores e pretos para pescoco objectos do
ouro e brilhantes : em casa de E. Schaeffer ,
na ra da Cadeia do Recie n. 21 primeiro
andar.
= Vende-se um pequeo sitio na estrada
da Piranga com duas casas estribara vi-
vero e outras muitas bemfeitorias por pre-
co commodo: na ra da Cadeia do Recife n. 59.
=Vendem-se urna casa terrea por detraz da
5 Pontas, 125 palmos de terreno na mesma
ra, outra casa terrea, o.'5alicorees na ra do Pa-
lacete : na ra da Cadeia no segundo andar
do sobrado n. 14, defronte dotheatro.
= Vendem-se sementesde nabos rbanos,
rabanetes couve tronxuda dita lombarda ,
repolho espinafre seltolinho salea, alface,
senoiras mostarda e coentro todas muito
novas : no atterro da Boa-vista venda por
baixo do sobrado n. 78.
= Vende-se um escravo Congo serrador:
no Atterro dos Affogados, sobrado n. 7 ou
no quartcl da Polica a fallar com o ollicial do
estado.
e= Vende-se urna preta de nacao de 16 an-
nos bonita figura sem vicio algum sabe-
fazo r todo sorvico interno de urna casa com-
prar ensaboar cozinhar e engommar : na
ra do AragSo n. 5 ou na ra do Cabug ,
loja de mudezas junto do Sr. Bandcira.
= Vende-se um escaler novo com 29 pal-
mos de comprdo e 6 e meio de boca por
preco commodo : na ra de S. Jos n. 82.
= Vende-se urna opa dos Passos de gor-
guro, nova : na ra do encantamento ar-
mazem por baixo do Reverendo Vigario do
Recife.
s= Vende-se muito bom rap de Lisboa : na
ra da Cadeia do Recife loja de Jofio da Cu-
nha Magalhes.
Escravos fgidos.
I. >< M-jillllllll illlllill.
outra do 11 de qualquer tamanho | Vende-se um par de escamas para oflici-
Ainda esta fgida, ou furlada, a escrava Jo-
anna, de naci Angola edr fula, que foi es-
crava do Major Manoel Rodrigues de Paiva e
depois do Nicolao Tolcntino de Vasconcellos ,
ambos da Parahiba do Norte onde era conhe-
cida por Joanna Maribondo e tem um dedo
aleijado ; qnem a pegar leve-a a ra Direita ,
n. 141 segundo andar que ser generosa-
mente gratificado.
= A 15 do corrente fugio Caetana Congo,
vclha com camisa de algodo saia de (lula
azul nariz chato boca grande ps chatos ,
estatura regular c levou taboleiro em que ven-
da fato ; quem a apprehender leve-a no Atter-
ro dos Affogados, sobrado n. 7, que se recom-
pensar.
Stiro cabra acabocolado de 30 annos,
feio tristonho baixo pescador do alio ; os
apprehendedores love-o a ra do ^ gario n.
3 se Ihcs pagara 50:000 reis, viudo desta Pro-
vincia e de qualquer outra do Imperio 808 ts.
== De bordo do Vapor Parahonse fugio
um escravo de Antonio Muniz Alves Branco ,
do Rio de Janeiro de nome Tristo de na-
cao baixo rcforcalo e barbado ; qualquer
pessoa que o apprehender pode dirigir-se a ra
de Apollo na Agenciada Companhia dos va-
pores que ser recompensada.
Recito: naTyp. de M. F. de Fama. =1843,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E8M5ZDLMT_5W8NZ7 INGEST_TIME 2013-04-12T22:10:30Z PACKAGE AA00011611_04918
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES