Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04879


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 18*3.
Quarta Feira I.
Tmlo agora depende .le nos ramos ; da niun prndencia oderapo, enerve : con-
jnueuos como principian") e seremos apon Indos eum admira-o entre as Nacoes mais
tullas. _________________( ProcUmc5o d. Assembla Ger.l do BbaiII.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Gounni, Paralaba e Rio grande do Norte segunda t sextas f.iraa.
Bonito e Garanhuns iO e 24.
Ctbo, Serinhaem, RioFormoso Porlo Cairo Maceio, e Alago no 1., 11 .51
Boa-i'e Florea a 28. Sanio Ansie quintas feiras Olinda todo oa diaa.
DAS DA SEMANA.
JO Sg- Murlinb V. M. And. do .1. de D. da 2. t.
31 "Tere. ''edro Nolaseo. Aud. do J. de D. da 1. t.
i Qnairl. jejutn i. Ignacio B Aud. do 1, de da 3. t.
2 fluint. Porificacao de Nbssi Senliora.
3 Set. gRrai f M. Aud do J. de I). da 1 t.
i Sab. i. Andre' Corcino B. Re. Aud. do J. de D da 3. r.
5 llora, a gueda V. L_______
rcar-a



de Ferereiro Anno XX. N. 2ff-
mvu.vwrrrwmmi mmiiiiiaso
fc O Diario publica-eelodoaoa diai que n3o (om Santificados: o preeo da aasignatora \ <
fJ* de tres mil reis por quartrl pnjos adiantadoa. Os annuacios dos asiignante* eao inseridos
Mr gralia, e os dos que ojiftorem raio de 80 reis por linha. As rectaaaaaoe* dorem ser diri-
gidas a esta i'yp., ra das Ornes N. 34.on a nrsca da Imprudencia lojade litros N. 6a 8.
Cambios.No dia 3 de L'esereiro
7 tita j7 i Nc
Paria 350 ri- por franco.
f/' Cambio sobre Londres 27 i(t a -j7 i Nora. Ooao-Moeda de 6,400 V.
Pa'is 350 ri- nor franca. N.
compra senda.
15,809 15.50J
15,0J 15,300
8.500 8,700
1,800 1,820
1,809 1,030
1,SJ 1.820
Lisboa 100 po'rdOO de premio, i de 4,000
' PB*TA-Palaco>s
Moni de cobre 2 o 3 por lt) de Jes cont, a Peros Columnare
dem de letras de he>ai firmas 1 > i ao mei. k dito Mexicanos
P1IASES DA LA NO HEZ DE FBVG1.EIRO.-
La Nora 11, :i horas e 50 m. da tul. I
Quart. creso, 7, i 2 toril i 13 m.da tird.| Qusrt. min. j 21 s S noria 27. da m.
Preamar de fioje
1 5 horas e 1S da mantilla. | 2." a 5 hora e 42 m da tird _____
arariyrw aoaMajsaauh gsggBggg-ggBB*
Tribunal da Uclagao.
Sesso de 31 do prximo passado.
Os embargos da viuva Costa e lilhos contra
Antonio Gomes deMoura na appellai o civel da
comarca do Limoeiro escri.o Penetra ; fo-
rao despresados mandando-se cumprir o accor-
diio embargado.
Na appcllaeao civel desta oidade appcllan-
te Francisco Ferreira de Mello appellado Joo
Bautista Hiboiro escrivSo Bandeira ; sejul-
gou pela cohfirmacSo da sentenca appetlada.
O aggravo de peticao de Nuno Maria de Set-
enas contra Antonio.Fos ta Costa c Araujo ,
do juizo da 1.a vara do civel desla provincia; nao
teve proviment.
Os embargos de Francisco Antonio Pereira
contra Jos Luiz Cavalcanti de Albuquerque
na cania de appcllaeao civel da villa do Pilar ,
escrivao Postliumo; forao recebidos, o refor-
mado o accordo embargado.
DERROTA DO GENERAL RIVERA.
Em um encontr que teve o exercito orien-
tal cominandado pelo general Eructo Rivera
con) o de Oribe que este tamben) eomman-
dava em pessoa perdeu aquelle toda sua in-
i'antaria e artilhcria : a cavallaria oriental re-
puten com Rivera o Uruguay e foi-se para
Corrientes a cavallaria d'esta provincia. O en-
contr teve logar as ponas do Palmar em Eu-
tre-Rjos.
A noticia d'esta derrota foi em Monte-Vi-
deo recebida pelos amigos de Fructo e do
governo Oriental com o matar senliinenlo e
para logo trataro de dar providencias com
o lint de evitar novos desastres e talvez mes-
mo a invasao da capital da repblica que se
aclia ameacada. Ordenou a assembla que se
organisasse um exercito de reserva no departa-
mento da capital ao mando do general Paz ;
decretou a liberdade de todos os escravos e
os ('mancipados forao chamados ao servico mi-
litar ; nomeou-se una especie de coinmissao
de salvacao publica composta do senador Bus-
tamant edos depatados Vidal e Veiga.
O general Paz militar de muilo tino cs-
tabeleceu o seu quatrel general no passo del
Molino e o general Rivera esta va a 12 de de-
zembro em Queguay.
A serte da icpubc uncutai arriscada
senio Oribe tenha aproveitado a derrota de seu. con-
trario. O correspondente do Jornal do Com-
mercio afirma que os ministros de Franca e
Inglaterra intervierao na luta apresentando
um ultimtum a Rosas notificando-lbe
que nao movesse a sua esquadra contra a rep-
blica oriental porque seria hostilisada que
tamben nao invadisse o territorio oriental, por
que as forcas inglezas e francesas o impediriSo,
e propuserao um armisticio s partes belige-
rantes que foi aeccilo pelo governo*oriental ,
tendo Rozas pedido tempo para deliberar.
Nao sabemos at que ponto seja verdadeira
esta intervencao dos ministros i'rancez e in-
glez : si a poltica de intervencao 6 milito
agradavel Inglaterra o governo francez nao
nos parece muito apaixonado d'ella sendo
alias certo que o espirito que.doinina o gabine-
te das Tulherias nao se tein querido envolver
em questes que nao offendao directamente os
interesses dos subditos francezes. AlOm disso
nao vemos rasao para a intervenc&o salvo se o
governo oriental se mostra mais fiel e amigo
dos interesses estrangeiros do que o de Rosas ,
e o temor dest no governo obliga aquellos mi-
niaros a dar todo o apoio a Fructo ou si ha
tratados cuja existencia ignoramos. Todava
nao duvidaremos da intervenefio acreditare-
mos mesmo que a .fragata do vapor .;;;;;;- veio
a este |>orto por ordein d'aquelles ministros ,
para fazer levantar o ferro aos navios de guerra
francezes e inglezescom o destino para Monte-
Video, Entretanto apesar de lodo esse an-
parato o das ameacas do ultimtum parece
que Rozas nao pretende abandonar a luta e
pelo contrario continuar sua marcha. De
nada nos admiraremos.
0 que porin nos suprehende que o mi-
nistro brasileiro na capital da repblica orien-
tal nao fizesse a menor demonstracao diplom-
tica elle que matares interesses tem que de-
fender e que at mesmo talvez tenha direitos
que sustentar Ser possivel que o governo
brasileiro nao prevenase 0 caso de invasao do
exercito argentino no territorio oriental e
conseguintemente nao dsse as instruccOes ne-
cessarias ao nosso ministro ? Nao desejamos
que que se alterem as relacoes de amizade ,
(]ue nos prenden) as nacSes estrahgeiraa; bem
basti os males que nos avexo no interior
queremos paz no paiz e com todos mas ne-
cessario que o imperio sustente seus direitos,
infliia quanto deve influir na poltica da Ame-
rica e nao perca sua posico por deslexo ou
por impreviso. (Diario do Rio. )
-.-:t:iWi'aaBaiimaL'.-s
Si Oribe nao tiver perdido o tempo a esta
hora o governo de Eructo ter deixado de e-
xistir: o trimnpho do Palmar derroten por
tal modo a este general que duvidamos que el-
le possa resistir ao vencedor, si este ao pres-
tigio da ultima victoria reunir a necessaria ce
leridade. E* duro que chegou para Fructo e
para qsrebeldes de Piratinim o casus foederis,
e que aquelle reclamar d'esfes os auxilios pro-
metidos mas como estes nao poderlo agora
abandonar a campanha do Rio Grande pro-
vavelmente convidaro a Fructo que os ve-
nha auxiliar com os restos de sua forra contra
o exercito imperial. Ora muito provavel
que Fructo derrotado queira tentar de no-
vo a fortuna esem duvida nao deixar as pro-
ximidades do estado oriental. Si ello vierao
Rio Grande nao ser quasi certo que Oribe o
perseguir mesmo no territorio brasileiro ? te-
r este satel lite de Rozas a mesma ceremonia e
contempla; o que temos tido quando os rebel-
des se passo para a repblica do Uruguay?
Parece-nos que o governodove meditar pro-'
fundamente nos negocios do Rio da Prata, e
dars convenientes inslruccoes nao s aos mi-
nistros brasileiros em Montc-Vido e Ruenos-
Avres mas tambem ao general em ebefe do
xercito do Rio Grande.
dem.
Le-se na Sentinella :
DERROTA DO EXERCITO ORIENTAL !
Sao de subido interesse as noticias de Mon-
tevideo. E' o proprio Jornal do Commrr-
eio que' nao suspeito, que nol-as d. O
exercito oriental ao mando de Rivera en-
controu-sc as ponas do Arroio Grande ,
com o exercito argentino, commandado por
Oribe: travaram pelo-ja e o resultado foi a
DIPLOMACIA INULEZA EM BfENOS-AVHES.
Rueos Avres, 26 d novembro.
A S. Ex. o Sr. D. FU i pe Arana.
O abaixo assignado ministro plenipoten-
ciario de S. M. B. junto 6 Confederacao Ar-
gentina tem a honra de acensar a recepcao
da nota (pico Sr. I). Filipe Arana ministro
dos negocios ostrangeiros Ihe dirigiu ante-
bontom transmittindo-lhe copias legalisadas
da resoltico o decreto que a honrada junta dos
representantes expodin sobre a correspondencia
que teve logar entre S. Ex. o o abaixo assigna-
do como mediador de S. M. junto a este go-
verno na guerra em que osla enipenhado
contra o general Rivera.
O abaixo assignado leu esta resolucSo com o
mais profundo petar, o agora s Ihe resta,
em cuinprimento das ordons que receben do
seu governo informar ao argentino que a jus-
ta considera! o dos interesses commerriaes dos
subditos de S. M. no Rio da Prata podo impor
ao governo de S. M. odovor de recorrer a ou-
tras medidas com o fin de remover os obstcu-
los que intorrompeni por agora a pacifica nave-
ga! fio d'ostas aguas.O abaixo assignado tem
a honra &c. J. II. Mandcvillr.
O Conde do Lurde ministro da Franca ,
dirigiu urna ola na mesma data em igual sen-
tido.
dem 10 de dezornbro.
A. S. Ex. o Sr. D. Fui pe Arana.
Sendo da intencao dos go\crnos da Gran-
Bretaidia o da Franca adoptar as medidas que
consideraren necessarias para impedir que con-
thTUem as hostilidades entre as repblicas do
Buenos-A vres e de Montevideo, o abaixo as-
signado ministro plenipotenciario de S. M.
B. junto Confederarse Argentina tem a
honra em conformdade das instruccOes re-
ceidas do son governo de fazer presente a S.
Ex. o Sr. Arana ministra das robu os exte-
riores do governo de Bucnos-A\res que a
guerra sanguinolenta que actualmente existo
entre o governo de Buenos-Ayres o Monto ideo,
deve cessar por interesse da buinanidade edos
subditos britannicos, france/.es o outros es-
trangeiros residentes boje no paiz que ora
tbeatro da guerra o para isso reclama do go-
verno de Buenos-Ayres:
1. A cessao immediata das hostilidades, en-
tro ss Jorcas argentinas u as da repblica ruguay.
2." Que as tropas da repblica argentina
( bem entendido que as da repblica do Uruguay
adoplarao a mesma conducta ] tomarao a en-
trar no seu territorio no caso de torom passa-
do a fronteira.
O abaixo assignado pode a S. Ex. una res-
posta a mais prompta possivel, para saber se
da intencao do governo de Buenos-Amos ac-
uito o addiamento notando que a provincia das
AlagoasdA 800eleitores numero (jue Ihe pa-
rece excessivo : o addiamento he impugnado
pelo Sr. Cansansno : o Sr. Ramiro d um ex-
plicaco, declarando que nao votar Daques-
to das oloicoi's das Alagoas: o Sr. Souza Mar-
tins talla contra o adiamento por Ihe parecer
oppbsto ao regiment : tlepois de haver falla-
do o Sr. Nabucopelo addiamento, be esto np-
provado; o levanta-se a sesso.
7." $e$ido preparatoria En trae em discussSo e sSoapprovados os pare-
ceres quejulg&o legaes os diplomas dos Srs. An-
dr Bastos o (iraca polo Cear, Luiz deCar-
valbo o Urbano por Pernambuco Ilebouvas
pela Baha, eFranco por ParaEntra om dls-
cussfio o parecer sobre a eleicSo de Serglpe e
icaaddiado. Sao remet idos commisso do
poderes urna indicarao v diversos addttamentos
para que sejao convidados a lomar assente co-
mo supploniosos Srs. Ernesto Franca pola la
liia Nuiles por Pornambuco o Veiga Pessoa
pelaParahibaUenomeada adeputae&o que
deve ir saber da hora e lugar da abertura da as-
sembla ; o leudo esta saiisteito o seu encargo
communica ter 8. M. declarado que serla a aber-
tura no sonado ao meiOfdiaDepoisde alguma
iiscussao paraaqual he prorogada a sosso,
sao declarados depatados pelo .Mai'anlio os
Srs. Miranda e Janson ; o levanla-so a sesso.
ASSE.Vim.KA (ERAL.
Sesso imperial da abertura, em o i. de
Janeiro de 18't3.
Depois das 11 horas da manhaa afilndo-
se reunidos os Srs. sonadores o deputados, no
paco do sonado soba presidencia doSr.. con-
de de Valonea sao nomeadas as deputacoes
que devem receber a S. M. o Imperador e as
Augustas princozas.
Ao mel dia annunciada a chegada das
uiesmas Angostas Personagns, e poucu de-
pois entra S. M. no sala onde 6 rece-
bido peloSr. presidente e secretarios, os quaes
unindo-so deputaco acornpanhao o mesmo
Augusto Senhor at othrono, onde, depois
do assontar-se manda que loinem assento os
membros da assembla geral legislativa e pro-
nuncia a falla que om oulro n. publicamos.
Tendo concluido, s. M. o Imperador e Suas
Abozas retirSo-se com o mesmo ceremonial
da recepcao, eoSr. presidente levanta imme-
dialamento a sesso.
derrota completa .lo exercito oriental per- cedoi. a ^ reclan,acga= Tem a honra etc.
dendo toda a artilharia o infantaria.
A assembla da repblica mandn que so
organisasse um exercito de reserva no departa-
mento da capital ; e por decreto de 13 de de-
zombro ultimo extinguiu a escravido sondo
chamados os libertos a servico militar o fi-
cando as libertas em poder dos seus propieta-
rios na qualidade de pupillas.
Foi Horneada uma especie de commisso do
salvacao publica composta de 1 senador e 2
deputados.
Anegara um correspondente do Jornal do
Conimercio que os ministros da Inglaterra e
da Franca ntemeram para alguma acommoda-
coontro as partes contendoras aqunl, quan-
to a Rosas, suppde-so ser ineflicaz. Parece
que a esquadra anglo-francoza estacionada
n'este porto destinada a intervir nos nego-
cios de Montevideo devendo suas tripulacdos
desembarcar all para auxiliar a guarnieao,
do caso lie sar aineacaiia..... i- RofttM iifni an-
nua a um ultimtum que por'parte da Fran-
pa c da Inglaterra Ihe foi pfoposto. Y. que
posico tomara o Brasil n'csta quosto ? !
J. II. Mandeville.
( J. do Com. )
INTERIOR.
ASSEMBLA GERAL.
CMARA DOSSEN1IOBES DEl'L'TADOS.
6. sessdo preparatoria em 30 de dezembro.
A ordein do dia he a discusso do parecer da
commisso t!o poderes sobre as elcicScs do Espl
rito Santo, que be combatido polo Sr. (louto
em umlongo discurso.O Sr. Kezende fallan-
do pela ordem pede o adiamonto da discus-
so; he esto impugnado polos Sis. Kamiro,
e Souza Martins < sustentado pelo Sr. Rezcn-
de c outros, u afiualapprovado. Brando a dis-
cusso do parecer para depois da cantara consti-
tuidaEntra em discusso O parecer da commis-
so do poderes sobre a elehjBo das Alagoas : de-
,,.. geaigumas explica^SoS o Sr. Carnciro pro-
Igual intimacSo se fez ao goveino de Mon-
tevideo, que aceitou o armisticio e suas con-
CMARA DOS SKXI10RES SENADORES.
Sesso de > de Janeiro.
Sao (idosc entroom discusso os pareceres
da commisso de constituicao que reoonheflem
legaes os diplomas da nomeacaodos Srs, sena-
dores Aureliano, o Honorio: o Sr. Hollanda
requer o addiamento que nao he appoiado;
sao approvados os pareceres, e convidados a
tomar assento os novos senadoresProcede-so
aeloicoda mesa c. sao oleilosPresidente o
Sr. bario de ftfont'alegre vico-presidente Sr.
Luiz Josdoliveirae secretarios os Srs. Mol-
loe Mallos, Paula Albuquerque, Vallasques,
o Castro e SilvaPara coniinissoes sao eloitos
os Srs. Alvos Branco, visconde de S. Leopoldo
o Honorio para a da rosposta falla do Himno
visconde de Olinda VasconceBos oS. JLoo-
poldoconsl ituico o diplomacia -Castro e Sil-
va Alvos Branco eVasconceBosFazenda
Lopes Gama Almeida e Albuquerque e Pa-
tricio Jos de Almeida e Silva leitislaco
conde do Lages Jos Saturnino o Lima o
Silva marinbae Guerra conde de Valonea ,
Marques deBaependy, e barSo de Pontal
ceuiiuercio, agricultura, industria e artes.__.
Levanlou-se a sesso.
CAMAI1A lOS SKMIORES DEri'TADOS.
Sesso tic -2 de Janeiro.
Procode-se a eleico da mesa ; o sao cleitos
presidente oSr. Carvalcanti Lacerda com 52 vo-
por3votantes-vlce-presidonteoSr. RezendR
(om 43secretarios os Srs. I). Jos J. A. de
randa, Anudo Munz, o visconde de Bae-
lendy.Segue-sn n eleicfio das commisses-
resposta a falla do tbronoSr. Torres, Br-
relo Pedroso Cirneiro de flamnoscnnst;;^
e poderesoncalves Martins, 1). Manoel




ss
5
Quoiroz CoutinhoPrimeiracommissaodo or-
namentoCarneiro de Campos, Viafa, Souza
Martins.-wTomaassonto o Sr. Antonio Josllon-
riquescomodeputado pelaParahiba. Continan
ordemdo dia.-Segunda commissao doorcamcn-
toSrs. Felsardo,Cansansrio,Maciel Monteiro.
Terceira commissao doorcamcnto,Andrea,
Lima e Silva Rodrigues Torres. Primcira
commissao de contas Wanderley A. J.
Henriques Albuqucrquc.Segunda commis-
sao de contas Alves dos Santos Frederico,
Fornandes Vieira.Terceira commissao de con-
tas Machado Jordo Magalhos e Castro.
Commissao de pensOes e ordenados Car-
neiro da Cunha, Nebias, Hesende. Addiada
pela hora levanta-se a sesso.
VOTO DEGRACASD.V CMARA DOS SRS. SE-
NADORES.
Senhor O vivo pra/.er que possuio o mag-
nnimo coraciio de V. M. I. quando abri a
presente sesso da quinta legislatura, mais
urna dasmuitasprovas que V. M. I. se digna
dar nacaodoquantourna e presa suas insti-
tuices liberaes e por isso que o senado nos
envia em deputaco ante o throno de V. M.
1. para nelle depor os protestos de sua grati-
. do e de sua lealdade. Tem cortamente o sena-
do a maior e a mais devida solicitude por tudo
quanto pode contribuir para a felicidade e es-
plendor do throno de V. M. I. e como v no
consorcio de V. M. I. com a serenissima prin-
ceza D. Theresa Christina Maria augusta ir-
madeS. M. o rei das Duas-Sicilias, a feli-
cidade de V. M. I., o esplendor do seu throno,
e a perpetuidade da dynastia do fundador do
imperio respeitosa e cordialmente se congra-
tula com V. M. I., e faz aos eos votos fervo-
rosos para que se realise to esperanzosa unio.
Muito agradavel foi ao senado saber que
inalteradas subsistem as relacdos de amisade
entre o imperio e as potencias estrangeiras de
que resulta a paz externa de que gosamos.
sem duvida Senhor, a paz um bem inapre-
ciavel quando obtida c conservada sem que-
bra da honra e da dignidade da naco ; honra
e dignidade inseparaveis da gloria de V. M. I.
Com rasao se magoou profundamente V.
M. I. comas rebellies de que forotheatro
as provincias de Minas e de S. Paulo. Anda,
infelizmente, ha quem desconheca que fra
das vias legaes nao pode havcr triumpho no
Brazil; mas as provas de affeicao e de amor
que nessas dolorosas circumstancias todos os
Brasileiros ainda das mais remotas provin-
cias dero a V. M. 1. ; sua dedicac&o s ins-
tituicoesdo imperio ; o enthusiasmo e preste-
za com queacudirao defeza da ordem publica
e das prorogativas da cora, devem de os ter
desengaado ; e continuando o governo de V.
M. I. a empregar toda a energa e a mais im-
parcial justica as providencias que tomar para
que se nao reproduzo to damnosos aconteci-
mentos, corto esl o senado de que se consoli-
dar a ordem publica sem a qual impossi-
vel a liberdadc e a prosperidade nacional.
Nao pode o senado deixar de agradecer a
honrosa menco que V. M. I. se dignou fazer
dos servidos prestados pela marinha pelo ex-
ercitoe pela briosa guarda nacional; que me-
diante os auspicios do Todo Poderoso fizero
com que o governo de V. M. I. podesse tran-
quillisar essas duas provincias. Possa a do Ilio
Grande do Sul gozar dentro de curto espado
de tempo da mesma ventura; e de bom pre-
sagio para o senado a esperanca cue V. M. I.
nutre em seu coraco todo brasiloiro.
Empregar o senado a maior attencao nos
importantes objectos que V. M. i. he recom-
menda ; e, as informacoesque deremos mi-
nistros e secretarios de estado, se habilitar pa-
ra melhorar o estado da fazenda publica para
completar a reforma da nossa legislacao; assiin
como para cuidar da lostraccao publica e dos
meios de promover a introducco dos bracos
livrese uteis aopaiz.
Senhor o senado todo votado sagrada
pessoa de V. M. I. o felicidade da patria ,
empenhar todos os seus esforcos em fazer com
que o reinado de V. M. I. forneca as mais bel-
las paginas historia do Brasil;
Paco do senado, 7 de Janeiro de 8i3.
Carneiro Ledo.Visconde de S. Leopoldo. .
pedo e as potencias estrangeiras, cque V. M.
I. confia na Divina Providencia que nao seja
interrompida a paz externa de que gozamos ; e
espera que, pormeiodeuma poltica vigilan-
te e esclarecida se consiga este resultado sem
quebra da dignidade e interesse da nacSo.
A rebellio que appareceom S. Paulo e Mi-
nas um novo crme dos inimigos da ordem
socjal que tanto tem ensanguentado o impe-
rio e retardado a publica prosperidade: a pa-
tritica coadjuvaco porm que o governo
deV. M. I. achou nos bonscidados para sus-
tentar as insttuicoes que nos regem, mostra
quanto a naco repelle essas convulces anar-
chjeas que tantos malos nos tem causado: e
a cmara espera que os perseverantes esforcos
dos poderes polticos do estado secundados
pelo bom senso nacional porao emfim termo
aos loucos projectos das faccoes e faro que
se resignem ellas ao saudavel jugo das leis,
que tao impamente tem ultrajado. O exercito,
a marinha o aguarda nacional que com tan-
to denodo acudiro a voz do governo de V. M.
I. quando, solicito pelo bem publico, pro-
curou de prompto suffocar a rebellio as duas
mencionadas provincias, sao credores do reco-
nhecimento nacional.
altamente lisongeira para a cmara a es-
peranca que nutre V. M. I. de que se estcnde-
ro em breve a toda provincia do Rio Grande
do Sul os beneficios da paz de que j gosa urna
parte della.
A cmara dos deputadosreconhece que o es-
tado da fazenda publica requer sua mais acura-
da attencao. Empregar pois todos os esforcos
para melhoral-o persuadida como est ,
de que conseguiremos talvez em breve res-
tabelecer o equilibrio tao necessario entre a re-
ceita e as despesas do estado se houver nos
differentei ramos doservico publico a mais es-
cropulosa economa ; e so, removidos pelos es-
forcos do governo como a cmara espera os
embaracos que provem de nossas relaces ex-
ternas pudermos abrir novos e mais facis
mercados para os productos do nosso sollo, c
melhorar-mos o systema de impostos. Tomar
tambomclla na mais seria considerafo as pro-
postas que Ihe forem feitas pelos ministros de
V. M. I. acerca de algumas disposifoes impor-
tantes de nossa legislacao bem como sobre a
instrucco publica o os meios de obter bracos
Iivres uteis ao paiz.
Na ardua tarefa que vai encetar a cmara
invidar senhor todos os esforcos porque
corresponda alta confianca de V. M. I. e s
esperancas da naco guardando intacto o de-
posito de que a constituico a cncarregou e
empregando todas as suas luoubraces nos
grandes interesses de que est incumbida. As-
sim trabalhar ella em promover a felicidade
dos Brazileiros sobre a qual V. M. I., com
paternal solicitude e tao profundo sentimento
dos deveres que impo acoroa deseja firmar a
gloria do seu reinado.
Paco da cmara dosdeputados 5 de Janeiro
de 183.J. J. Rodrigues Torres.A. P. Br-
relo PedrosoC. Carneiro de Campos-
VOTO DE GRACAS 1>A CMARA DOS SRS. DE-
PCTADOS.
Senhor. O vivo prazer com que V. M. I.
abri a primeira sesso da quinta legislatura
um sentimento queso cabe aos monarchasque ,
como V. M. I. se devoto ao bem dos seus
subditos. Nos vimos, emnome da cmara dos
deputados agradece-lu e protestar o amor e
respeito que consagra ella a V. M. I. o a sua
augusta familia.
Foicheia de jubilo que a cmara ouvio a
communicaco que V. M. I. se dignou fazer-
llie, de haver ratificado o contrato do seu con-
sorcio com a serenissima princeza a Senhora I).
Thereza Christina Maria augusta irma de S.
M. o Rei das Duas-Sicilias. Este acto, que tan-
to ha de concorrer pura felicidade de V. M. I. ,
e /ivti.istia em que deposita elle tio lisongeiras
esperancas, nao poda deixar de ser mamen-
te applaudido pelos representantes da nacao.
A cmara se compraz de saber que subsistem
inalteradas as relaces de amizade entreoim-j
RIO GRANDE IDO "SUL.
C0MMAJDO EM C.nEFE DO EXERCITO.
Quartel general na leal e valorosa cidade de
Porto Alegre, 13 de dezembro de 1812.
Ordem do dia n. 8.
S. Ex.1 o Sr. general baro do Caxias pre-
sidente e commandante em chefe do exercito,
dois dias depois do tomar posse da presidencia
n'esta capital teve denuncia que o chefe do
extineto movimento subversivo de S. Paulo, Ra-
fael Tobas d'Aguiar, se pretendia evadir vin-
uiuut Uii lu dssociauuose uu> aiiiiiuuisius ucs-
ta malfadada provincia, e queja tinha posto em
pratica o projocto de se unir a ellos por isso
que se achava em viagem com direceo aoPasso
hundo. S. Ex." nao desprosando esse aviso, sob
reserva olliciou em 13 de novembro p. p. ao Sr.
brigadeiro Jos Maria da Silva Bitancourt, que
ainda se achava atesta do oxercitoemoperaces,
para mandar aquello ponto urna partida com o
nico designio de capturar o mesmo Tobas ;
tao proficua o acertadamente o verificou o dito
Sr. brigadeiro que passando suas ordens em
1!) do mesmo mez ao capitao do 1 corpo de
cavallaria de guardas nacionaes em destacamen-
to Benedicto Martins Franca este olicial as
poz em execucSo com tanta energia que con-
seguio prondel-o no dia 28, nao no mencio-
nado Passo Fundo porque tocando al i teve
noticia que j o havia vadeado e seguir a es-
trada daPalmeira com direceo ao povo de San-
to Anjo porm no logar denominado Guan-
tas, sendo-lhe para isso mistor seguir pela re-
taguarda de Torcas rebeldes que existem e per-
correm o municipio da Cruz Alta da Serra o
no seu regrosso forcar suas marchas para que
os inimigos do throno imperial nao tivessem oc-
easio de nullificar a diligencia que tinha cum-
prido com sacrificio e perigo de sua vida, o da
escolta que o acompanhou.
S. Ex." manda louvar ao referido Sr. oapi-
fo B<>noi|irto Martins Franca pela fidelidade ,
honra e distineco comquedesempenhou aquol-
a iniportante commissao.
i emos vista urna carta de rorto-Ale-
jre de 22 de dezembro que diz :
Aposar de termos a cavalhada completa-
mente aniquilada, pretendemos com tudo fazer
diligencia para nosirmos arrastando para a fron-
teira, onde 6 de crer nao seremos tao mal aven-
turados.
Urna partida nossa de 60 homens foi ba-
tida As barbas do exercito e morto o soucom-
mandante, o capitao Guedos o mais outros.
Este facto pequeo e sem importancia, revelou
bem claramente ao baro de Caxias que, apo-
sar das suas ordens cada qual vai fazendo o
que lhe apraz, e por isso correm as cousas mal:
o brigadeiro Felippe Nery tinha de S. Ex.1 or-
dens terminantes para nao aventurar homens ;
fez o contrario e eis-ahi est o resultado.
Silva Tavares acaba de fazer urna correra
a Pelotas, digna d'aquelle grande capitao ; a
qual enchcu de desgosto e desalent a quasi to-
dos os homens do Rio Grande. Advertido o ba-
ro de que taes correras nenhum outro resul-
tado davo que saciar vingancas do Silva Tava-
res escurracar e vexar os moradores que que-
rom paz assegurou a sugeito de considoraco
que Ihe ordenava a cessaco de to escandalosas
excursoes: sendo isto sabido acalmaro-se os
nimos e estavao nessa confianca eoceupados
em seus trabalhos quando o hore investe e
assalta casas respeitaveis. tira alguns cavallinhos,
alvorota e afugenta muita gente que estava so-
cegada E assim desacredita a lealdade do ba-
ro dcixando entrever que elle promette urna
cousa e faz outra o que nao nom pode ser
verdade Infelizmente neste mundo de velha-
cadas, para inspirar confianca se requerem mui-
tos e repetidos actos de lealdade e energia, mas,
para desconceituar-se basta urna so quebra ou
falta. E' impondoravel a vantagom que have-
ria em que essa gente acreditasse de veras na
magnanimidade e benevolencia de S. M. I. ,
porque irio deixando as armas ficando-so em
suas casas como se deseja ; poupar-se-bia por
esse meio muito sangue e muita desgraca. Con-
fia-so geralmente que o baro mande vir o Sil-
va Tavares para o exercito e o tenha sempre
debaixo do suas vistas para que nao tenha no-
vas occasioes de compromettel-o.
'< Sabemos c oficialmente que no dia 6
deste foi o Fructuozo Rivera totalmente batido
o roto pelo Oribe nos campos de Entre Rios ,
perdendo artilharia, infantaria e cavalhada. Es-
te acontecimento summamente importante
para a pacificaco desta provincia porque re-
duzido a apuros nao pode mais esse prfido
visinho auxiliar descaradamente a rebellio, co-
mo at aqui. De que elle estava inteiramente
colligado com os rebeldes acabamos do ver urna
prova manifesta, si ainda dellas carecessemos.
Andava pelos arredores de Serr Largo urna for-
ca levantada em favor de Oribe e commandada
por Dionizio, coronel; para l passro 150
rebeldes commandados por Felicissimo Martins ,
e unidos a urna partida do Fructo batero e des-
persro a forca do tal coronel facto que nao
carece de commentario. Por tanto muito de co-
raco saudoi a derrota desse mo visinho ; e
dado que Oribe nao nos tem sympathia alguma,
sempre nnegavel que outro homem, e que
sua propria violencia de carcter o arrebatar
contra os rebeldes que acabo de matar-lhe os
companheiros. Ao monos to cedo nao se pode-
ro entender convenientemente e nessa inde-
cisao teremos nos tempo olgado para adiantar
esta nossa obra at um ponto em que possa-
mtvt rir livrpmente da m tonriio do todos ellos.
Sem duvida nenhuma Fructo vai agora in-
vidar a ultima mo ; o por tanto ha de atropel-
lar (si Oribe Ihe dor tempo) quanto direito san-
to ha. Principiar por reunir na campanha, a
bala e a lanoa naturaes o estrangoiros, escra-
vos cavallos e todo o animal semovente. Ora,
como os coitados dos Brasileiros sao a povoa-
co da campanha temol-os agora sofrendo
mais do que sofreu Christo. Para se esquivar
morto o pilhagem o maior numero se ha
de lancar para as nossas fronteiras a buscar abri-
go e seguranca. E pois que os rebeldes sao quem
as senhora actualmente oolher a vantagom
de engrossar suas forcas com os recem-vindos
que, j desesperados se uniro com o domo
antes do que com os Castelhanos: o os cavallos,
e peoes que houverem do trazer tudo ser em
prol delles si nao fizermos algum grande es-
forco para aproximarmo-nos tabem s frontei-
ras.
Presumo que o quartel general se abalar
daqui nos primeiros dias do Janeiro.
(Diario do Rio de J;)
NOTICIAS DIVERSAS.
No dia 7 dero a vella para o Rio da
Prata a corveta Carioca e o hriguo de guerra
Imperial Pedro : o Sr. chefe de diviso Ma-
riath foi na corveta.
Diz o Jornal do Commerrin que sahiu o
brigue de guerra inglez Partridge a encontrar-
se rom a corveta ingleza Daphne que crusa ao
sul da barra para a fazer seguir para o Rio da
Prata.
Segundo a proposta aprcsenlada peloExm.
ministro da fasenda a despeza do impe-
rio no anno de 18421843 oreada em
23,120:866S783 repartida pelo modo se-
guinte : ministerio do imperio 3,182:964$ ;
da" justica l,599:348giil; de estrangeiros
535:0648800; da marinha 2,732:5008141;
da guerra 5,891:869S830reis; da fazenda
9,180:1198571. A receita foi calculada em
16,500:0008000; ha portato um dficit de
0,620:8648783.
O brigadeiro BentoManoel foi mnito bem
recebido : diversos chefes do exercito imperial
o mandaras felicitar.
Parece que o rigor de disciplina que vae
desenvolvendo o barao de Caxias tem feito que
ii i u i l os olficiaes adoecad.
Foiabsolvido pelo jury da cidade do Ouro
Preto o Dr. Joaquim Anto Fernandes Leo,
compromettido nos ltimos movimentos da pro-
vincia de Minas Geraes. Nao se conforman-
do porem o presidente do jury com a deci-
so dos jurados appellou para a relaco do
dostricto.
O mesmo tribunal condemnou a 20 annos
dipriso com trabalho o Vigario do Bom Fim ;
e a 10 annos da mesma pena um padre seu
companheiro. _________^^_____
"""diario de permambuco.
Aos olhos da chamada opposigo de Per-
nambuco, que nao quer ser, nem ao menos, des-
poitosa, tudo quando aqui se diz, nao j em lou-
vor do Exm. Baro Presidente mas at em
sua defesa he devido adulaco a mais baixa,
ao mais srdido interesse. Entretanto na
corte onde S. Exa. pelo dito da sucia ate
pordeo o nico padrinho que tinha aparece o
Malhesherbes tecendo-lho encomios ; e como
quer que um furioso que la se acha e que
he o mais despeitoso da despeitosa gente opo-
sicionista ousasse sahir campo contestando
a opinio daquelle peridico com um aranzel ,
ondea insolencia domina apar da calumnia, trez
defensores do Snr. Baro se apresentaro, um
no Jornal do Commercio dous na Sentinella,
desmentindo o despejado calumniador e lou-
vando o homem de todos abandonado. Ser o
Malhesherbes algum empregado de Pernambu-
co ou pretenderte ainda nao desengaado ?
se-lo-ho tambem os trez defensores ? Pois
ilii tem agora mais a sucia a opinio do proprio
redactor da Sentinella desse jornal que nao
perdoa a ninguem : como ser elle classificado
pelos orgos do despeito e da inveja ? Usem da
sua liberdade como costumo; mas lembrem-
se que a Sentinella conhece o Diario-novo &
Comp. e portando nao pode laborar em igno-
rancia : mas he que a Sentinella nao poda
deixar de descubrir a miseria dessas folhas, que
nao he para isso precisa grande perspicacia. A-.
qui tem os nossos leitores o artigo que nos
referimos. d
O Sr. Barao da Boa-Vita. As
Eleicoes etc.
Um dos funecionarios pblicos que mais va-
liosos servicos tem prestado ao Brasil, sem
duvida o Sr. Baro da Boa-vista presiden-
te de Pernambuco. Quem se recordar do es-
tado anarchico em que aquella provincia este-
ve por muitos annos dilacerada pela furia dos
partidos prestes sempre a romper em excessos.
criminosos de certo reconhecer comparan-
do as pocas quao incansavei tem sido o Sr.
Baro no arduo desempenho dos seus deveres,
com effeito pasmoso ver como essa provin-
cia em que os perturbadores do publico so-
reg dopositaram outr'ora todas as suas espe-
ancas e para a qual olhav am como para a no-
va Belem d'onde Ihes viria o Messias con-
serva-se hoje em perfeito socego enviando
por varias vezes fortes contingentes de forca pa-
ra tranquillisar os logares em que a revolta tem
apparecido. Ninguem poder negar que
energia do Sr. Baro, ao acert das suas me-
didas deve o Brasil o nao tr rebentado em
Pernambuco a rebellio que vimos em S. Paulo
e Minas e que seria ah o signal para a con-
flagraco das provincias do Norte ; conflagra-
cao que complicara o nosso estado no Sul, e
faria d corto ensanguentar este bello paiz.
Em que apuros se nao veria o governo impe-
rial se tivesse de soccorrer o Norte no mes-
mo momento em que a rebellio appareceu no
Sul ? que audacia nao desenvolveriam os re-
beldes de S. Paulo e Minas, se do Norte se Ihe
acenasse e desse apoio aos seus planos crimino-
sos ? Quando assiin nos exprimimos acerca do
Sr. Baro da Boa-vista folgamos de tr ouvis
do de Brasileiros sensatos e queassaz se in-
eressam pela prosperidade do imperio a mes-
ma linguagem em defesa e louvor d'aquelle-pre-
sidente. E quanto nao estimaramos nos po-
der d7or outro tanto de muitos outros Srs. a
quem o governo imperial coniou a presidencia
de aigumas provincias? poneremos conter a
nossa indignaco poderemos deixar de censu-
rar ao Sr. Boto quando vemos os seus uCS8
tinos em Sergipe ? Suspenso de um juiz de paz
l


que nao quiz adoptar o cngenhoso expediente
da chicara ; destacamentos de uina para a ou-
tra parte; encorporacao provincia de fogos de
outra provincia ; augmento Ilegal de numero
de eleitores ; illegal votacao no Sr. Boto pelos
seus parentes ; sao tactos que nos convencen!
de que a cmara dos Srs. Deputados deve o-
lhar attentamente para essas mal falladas elei-
(oes de Sergipe fazer executar as leis e evi-
tar que se diga que os presidentes e as autorida-
des do actual ministerio tudo atropelaram na -
poca das eleices e em nada difieren d'esses a
quein se deu o nomo de cacetistas.
COMMERCIO,
ALFANDEGA.
Rendimento do dia 81............. 6:9138381
Descarregao hoje.
Barca W.m Russell, carvo.
Brigue Sterling taimas e paos.
RIO DE JANEIRO.
CAMBIOS NO DIA 10 DE JANEIRO.
Pregos da ultima hora da praca.
Cambios sobre Londres. 26 V*
Pars. 365
Hamburgo (75 a 070
Metaes. Dobroes hesp. 298900 a 308000
da patria. 29$900 a 298930
Pesos hespanhes. 18900 a 18910
da patria 18880 a 18890
Pecas de 6S 400, v. 168 400
Moedas de 48000. 98000
Prata........ 96
plices de 6 por cento. 68 ',* 69
baha.
CAMBIOS EM 24 DE JANEIRO DE 1813.
Londres.......27 d. p. 18000
Franca.......330 rs. o franco
Lisboa.......93 a 100 p. c
Rio de Janeiro. ao par
Provincias do Norte, idem
Dobroes Hespanhes. 288300 em pagamento
Mexicanos. 288000
Pecas de 68400. 158500 o
Moedas de 48000. 88500
Pesos hespanhes. 90 p. c.
Prata cunhada. 90 p. c.
lovimciilo do Porto.
NAVIOS ENTRADOS NO DJA 30.
Babia ; 18 das, brigue nacional Santa Mara
Boa Sortt, de 222 toneladas capitao Jos
Joaquim Dias dos Prazeres cquipagem 14,
carga farinha : a Cascao.
Portos do Suf i 18 dias vapor nacional Para-
hense de 240 toneladas capitao Joao Me-
litao Henriques, equipagem 29. Passagei-
ros major Manoel Machado de S. Tiago ,
Brazileiro ; Mariu de Jezus e 6 lilhos, Por-
tuguezes ; Francisco Cordeiro Rapozo D.
Maria Anglica Ribeiro e um lilho Anto-
nio Caetano de Almcida Bahia e um lilho ,
Brazileiros ; Guilherme Guillett, Wiliam
Castidar, Inglezes; Francisco Ferreira de An-
drade Manoel Francisco dos Santos, Pedro
Antonio da Costa Moreira o 1 escravo ,
Francisco Antonio da Costa Palmeira Jos
Possidonio de Mello Brazileiros.
SMUDOS NO MESMO DIA.
Trieste ; barca sarda Sagrado Carabao de Je-
zus capitao Jos Carapulo carga varios
gneros.
Portos do Sul ; vapor nacional Pernambucana,
commandante Joaquim Peixoto Guimaraes,
Passageiros concelheiro Sebastiao do Reg
Barros Dr. Angelo Custodio Cojreia ,
capitao de fragata Francisco da Silva Lobao .
Dr. Joaquim Franco de S sua senhora 4
lilhos e 5 escravos Arsenio Pedro da Costa
Ferreira Dr. Antonio Manoel Fernandes
Jnior e 1 escravo Brazileiros.
ENTRADO NO DIA 31.
Mar Pacifico tendo sabido de Sag Habor 18
mezes, galera americana Columbia de 264
toneladas, capitao Lourence Edwards, equi-
pagem 24 carga azeite de peixe: ao ca-
pitao.
J>
Edita!.
Vicente Thomaz Pires de Figucredo Camargo ,
commendador da ordem de Christo e ins-
pector da alfandega etc.
Faz saber que no dia 3 do oorrente na por-
ta da alfandega ao meiodia se bao de arrematar
cm hasta publica cem livros em branco no va-
lor de 908 reis impugnados pelo amanuense
Gabriel Alfonso Rigueira cm despacho por fac-
tura de Lcnoir Puget e C. n. 2978 sendo a
irromni.icnn i0tn a dircitos- e expediente.
Alfandega 31 de Janeiro di' 18 43.Assignado
V. T. P. de F. Camargo.
Declaracocs.
O vapor Paraense recebe as mallas pa-
ra o Norte hoje 1. as 3 horas da tarde.
Toda e qualquer pessoa que se quzei
propr a fornecer com hila agoa de beber aos
batalhes de infantera de G. N. destacado e
artilharia a p companhias de cavallaria e
artfices, deposito, hospital regimental, e for-
talezas do brum, e do buraco; compareca ues-
te arsenal de guerra boje das 10 as 11 horas do
dia ; fim de se preferir a quem por menos
fizer o supfadito forneciment. Arsenal de
guerra 30 de Janeiro 1843 Martins coro-
nel director interino.
Avisos martimos
= Para Macei o hiato S. Antonio Flor
do Brazil, com a maior parte da carga protnp-
ta ; quem no mesmo quizar carregar dirja-
se ao beco da Lingueta venda de Joaquim Jo-
ze Rabello ou a bordo, fundiado defronte do
trapiche do algodo.
Leilocs.
Thomaz Dowsley corrector far leiliio de
una quantidade de cavalla seca c urna pon o
de vinho branco muito superior em barris, viu-
do do Cabo de Boa esperance : boje 1. do cor-
rente as 11 horas da manha, no arinazein n. 34,
da na da Alfandega velha.
-= Gaskell Johnson, estando prximo a rc-
tirar-se para Inglaterra far leiliio por inter-
vencSo do corretor Oliveira de toda a mu va-
liosa mobilia e inais adornos da sua caza ,
aquella quazi toda nova e feita na Europa se-
gundo os modellos de primoroso gosto e da
maior durabilidade pela excellencia das madei-
ras e sua perfeita construccfio ; os adornos
como obras de prata, castices, lanternas, man-
gas de vidro galbeteiros, bandejas loucas,
cristes lampies &c. sao das melhores qua-
lidades, e escolhidos padres ; e entre tao a-
p recaveis artigos se venderao leitos de ferro d
varios tamanhos um carro de quatro rodas
com arreios para um ou dous cavallos e um
bonito carrinbo para dois cavallos, exactamen-
teeigual ao do Sr. A. J. de Magalhes Bastos,
feito at pelo mesmo fabricante c 2 burras de
ferro batido: Segunda feira 6 do corrente (con-
tinuando-se na Terca feira immediata se a
multiciplieidade dos objectos nao permittir a
venda de tudo no dia antecedente ) s 10 llo-
ras da manha no lugar do Hospicio sitio de
A. da C. S. Guimaraes.
Os credores de A. Faton, successordorelo-
joeiro Dubois, na ra Nova, farao leilo por in-
tervenco do corretor Oliveira, de todos os relo-
gios de ouro e prata para algibeira ditos do
parede trancelins, caixas para tabaco alfi-
netes de peito anneis brincos pulceiras ,
aderessos para Sras. e infinidade de galanta-
rias de ouro, prata, e de pedras preciosas pro-
prias at para Iojas de ourives ; assim como se
vender a armacao Ac ; nio se destinando j o
dia da venda por motivo de nao estar ainda
prompto o balanco respectivo.
IriAC el ii-/M'CAC
O ART1LHEIRO N. s 17.
Sabio luz e acha-se venda.
Pede-se ao Snr. Vicente Ferreira da Silva
visto ter em seu poder varios escra\os evadidos
de seus Snrs. o obzequio de averiguar se en-
tre esses se acba um com os signaes seguintes :
um molecote fgido a oito annos, por nome
Matheus que teria 16 annos cara redonda,
olhos apitombados nariz chato beicos gros-
sos promete ser baixo e fornido do corpo ,
pes chatos, cor fulla naco cabud ; o qual
tinlia principios de oficio de ourives por isso
roga-se ao Snr. Vicente Ferreira cazo entre
estes tculia algum com os signaes cima
declarados de mandar ao seo Snr. Ale-
xandre Noberto dos Santos, na ra Direita ,
n. 71 loja ourives pois se gratificar com
1008000 rs.
A commissao administrativa da Socieda-
de Apollinea aviza pela segunda vez aos Snrs.
Socios que cstao devendo joias de entrada e
mensalidades que se at o dia 8 do concille
mez nao mandarem satisfazer ao Thezoureiro
respecto o que deven at fin de Dezembro
ultimo doixarao de ser considerados Socios ,
e nao podero ter ingresso no baile da abertura
no dia 4 de Marco seguinte. A commissao faz
este avizo em cumpritiiento do seu dever cem
virtude do artigo 8 dos estatuto*.
Ao publico.
Muito se ten fallado do systema homeo-
patbico de Broussais e de outros mil differen-
tes ; pouco portanto se teni dito do mais
essoncial = os evacuantes = que ningitem po-
de negar ser nos climas calidos absolutamente
necessarios, e sobr tudo quando existe a dif-
ficuldade de fazer os doentcs observar a dieta
rigorosa que ped' a hoinoo-pathia a pralica
regular, &c &c. Somos geialraente acogtuo
tnailos comer muito mais do que necessari-
para o nosso sustento ; o rezultado Hatos, in-
digsteles, inflaniaces do ligado, &C. &C. l,a-
ra remover e impedir estes incommodos nada .
mais prompto que um purgante saudavel qoe
nao constipe os intestinos oque augmente as}
differentes secreces : o publico achara na Me- I
dieina popular estas pro|iriedades que produ-
zem seu effeito sem dores ou incomiiiodo al-
gum; nao se necessila de dieta, e pode-se tra-
tar dos seus negocios no mesmo dia em que ti-
ver tomado.
Lombrigueira ou Vermfugo effieaz.
A medicina popular americana letn a-
lm das virtudes j'i sihulas i de ser um ver-
mfugo activo e innocente applicavel lano
solitaria como para as outrasespeciesde veintes.
Este yerdadeiro tbezouro das familias vnde-
se somonte na na da Cruz n. 18.
= A agencia das pilulas vegetaes, e da me-
dicina popular americana nitidoii-se di caza
do Sr. DomingosKnoth na ra de Apollo ,
para a ra da Cruz n. 18 aonde se eontinuao
vender como dantes.
3= O abaixo assignndo faz publico que ten-
do hontem dezembarcailo de bordo do hiato O-
l'nda um escravo que Ibe foi remetido do Ara-
caty para aqui o vender aconteceo ipnio dei-
xandoem caza dabi a pouco e pela manha do
dia 30 do passado, elle sabimlo na nao
(ornou mais; agora pois foi que um oulro par-
ceiro do dito escravo contou ao abaixo assigna-
do que elle Ibe contara que tinba sido fur-
tado aqui deseo Sr. e vendido em pedias de
l'ogo para o certio ; que seo Sr. aqui era um
senbor de engenbo para as batidas de Iguarac,
que possuia varios engenbos ; e que se elle es-
cravo um dia se tornasse a ver aqui, que se lar-
garia para o dominio de seo legitimo senbor.
Dando portanto o abaixo assignado algum pezo
a historia assima roga quelle senbor de en-
genbo com quem se fosse ter dito escravo
bondade de se denunciar por esta folba., para
que o abaixo assignado cortificando-se da ve-
racidade do facto, o possa legalmenle dpeumen-
ta-lo. para salvo-conducto daquelles que se a-
chiio lezados com tal escravo. O abaixo assig-
nado espera em tal cazo franqueza e sinceri-
dad'de quem quer que seja a pessoa que se
julgar legitimo senbor do escravo, por isso que
nisto s aspira segurar o direito de seo consig-
nante. 'Mamirl Dias.
P. S. Os signaes do escravo sao os seguintes,
negro nao muito escuro idade 17 annos ,
bonito em figura corpo espigado de naco
Mexicongo, tendo os dois (lentes da frente cor-
tados tem prezentemente o nome de Fran-
cisco: fugio com carniza de panno branco, cha-
peo de palha de carnahuba de copa baixa, ca-
bs pequeas e com duas calcas, urna de al-
godo e outra vestida por cima desta de risca-
dinbo branco e azul.
Joao Bernab faz sciente ao respeitavel
publico que em consequencia da festa em S.
Goncalo Domingo 5 do corrente transferio-
se o espectculo para Sexta feira 3 do corrente ,
o detalhe dos trabalbos ser aiinunciado pelos
cartazos e Diario.
P. S. Ai!\erie-se lc para rri!;"r meior or-
dem nos corredores dos camarotes, e evitar al-
gum incommodo aos que os alugarem resol-
veo-se o seguinte Cada pessoa que alugar
um camarote receber sete bilbetes, constan-
do nestes o do competente camarote cujos de-
ver entrgalos na porta da entrada nao ad-
mittindo-se mais numero de pessoas do que os
bilbetes permittem ; venda dos niesmos acha-
se nos lugares ja annunciados;
Segunda feira 6do corrente mez, peran-
ra o Snr. Doutor Juiz dos Orlaos se pora em
praca para serem arrematados escravos de
ambos os sexos os quaes vao a praca a reque-
rimento da viuva inventariante I). Francisca da
Costa Bandeira de Mello para pagamento dos
credores conforme a concordata; os licitantes
de\ ero comparecer no dia marcado, as 3 e
meia horas da tarde defronte da Matriz da
Boa-vista sendo os arrematantes sugeitos as
(lospczas.
Quem precizar de urna caza para algum
negocio ou outra qualquer occiipaoao visto
que o lugar bom para este fin ; dirijase a
na do Hangel D. 60.
-- Preciza-se allugar um moleque ou um
preto de idade para fazer o serviVo de urna
caza de pouca familia quem tiver e quizer
alucar, dirija-se ao pateo da Matriz de S. An-
tonio tenda de alfaiate ; que achara com
quem tratar.
A pessoa que annunciou no diario de 30
do corrente. querer comprar UBI cavallo, gran-
de c gordo, proprio para puchar carrinbo.
( tendo este exercicio;) dirija-se a ra dos co-
Ihos, n. 3, junto ao muro do Francisco da
Silva.
= O abaixo assignado respoitosa-iiente avi-
za ao ivspeitavel publico que no dia Quinta
feira ( dia de grande festejo no Poco ) o seu
lindo mnibus partir da Matriz de S. Antonio
pelas seis horas da manba em ponto para o Po-
co e trazendo passageiros de l partir ou-
tra vez as dual horas da larde e para a ultima
vez naquelle dia as (i toras da noite, e nao obs-
tante a grandeza o estraves que apprezente o
Poro inste dia o abaixo assignado xo far alte-
raco nenhuma no sen mdico |>reco de dez
liisles por cada passageiro. Thomas Sayle.
O abaixo assignado leudo lido noticia que
no termo da Villa de Cascavel Provincia do
Cear, achava-se um sen escravo de nome Joa-
quim que Ibe ha\ia sido furtado 16 mezes:
escreveo para aquella Provincia aliin de ser
prezo o referido escravo e sendo compridas as
suas ordena no dia 27 d mez p. p. ebegou
pelo vapor Pernambucana o dito escravo, mas
nao era o proprio do abaixo assignado e sini
um preto bucal e indo o abaixo assignado re-
colhelo Cadeia para rujo fim se entendeoeom
o Sr. Dr. Delegado ; na ra da Cadeia do Re-
cite, evadio-sc osobredito preto, e para que em
nenluiin lempo pc/.c sobre elle responsabelida-
de alguina faz o prezentc uiiniincio. Por
proeuracSo de Francisco Alves da (Inulta, Do-
mingos Aires da ( unha.
Aluga-se ou vendese urna canoa que
pega em oito centos tijollos dealvenaria: cuja
est quaze no\a; quem a perlender dirija-se
o Tvapixe novo, que achara com quem tratar.
Preciza-se de una ama para servir em
una caza de pouca familia distante desta pra-
ca (i legoas ; a pessoa que quizei dirija-se a tra-
vessa de S. Josi n. 33 primeiro andar.
=^ Joio Keller ; retiia-se ]iara fora da Pro-
vincia.
= Offerece-se um rapaz portuguez de 20
anuos de idade para caixeiro de qualquer
OCUpacSo sendo para lora desta praca o qual
tem bastante pratica de negocio ; quem do seu
prestimo se quizer utilizar dirija-se ao largo de
S. Pedron. 5, que se dir com quem se ha de
tratar e sendo preciso d fiador a sua con-
ducta.
Aluga-se o primeiro andar do sobrado
por sima da venda em fora de portas lado direi-
to a fallar na ra do encantamento almazeni
de molhados, n. 11.
Quem precizar de una ama forra para
caza de boniem solteiro ou de pouca familia ,
procure no beco da bomba n. 23 ; na incsina
caza engoma-se e lava-so de varrella.
Quein annunciou terca feira 31 de Ja-
neiro querer vender um escravo bom mestre
de assucar de 21 anuos de idade, dirija-se i\ ra
de Santa Hita Nova n.ul ; adverte-se que esta
pessoa (pie compra nio pode bir Solidade, e
para um engenbo; de manb at 9 horas do
dia, e das 2 s 4 da (arde.
O bajo assignado previne ao publico ,
que elle passara a Jos Severino de Albuquer-
que Cavalcaui, em marco do anuo passado duas
letras, nina de trezentos mil reis, e outra de
um cont e duzentos mil reis com vencimen-
to de juros, em consequencia de um contracto
particular, que se nao verilicou, e que por isso
ditas ledas se achaosem efleito e o annunci-
ante desonerado de as pagar, sendo que por
tanto ninguem as (le\e negociar porque ter
de encontrar embarazos. Manoel Pereira da
Silva.
= John Mac lver subdito Inglez retira-so
para Inglaterra.
O abaixo assignado partecipa ao publi-
co que niudou sua residencia e aula de pri-
meiras letras do Hecife para o luiirro da Boa
\ista no sobrado n. 8 que lica defronte da i-
greja de N. S. da Conceicao, cuja aula perten-
ile abrir no dia 6 do corrente fevereiro com
toda a decencia, e limpeza como senipre prati
con : convida'por tanto aos Srs. paes de familias
a continuaeo nao s de seus antigos alumnos,
romo oulros que niamente queiro confiar a
educaco de seus lilhos protestando o abaixo
assignado fazer qiianto estiver em seu alcance ,
para o prompto e breve adiantamento de seus
alumnos. l'olyrarpo Nunes Coma.
= O abaixo assignado tendo contrahido una
sociedade com o Sr. Manoel Antonio d'Azevedo
em sua loja de fazendas na ra do atterro da
Boa-vista n.n 10 tem de commum aecordo e
debaixo da mais perfeita armona dissolvido a
mesina sociedade e por isso a firma social de
Joao Leite Pitia Ortigueira 6 C, lica desde
boje extincta. Tem o abaixo assignado por
esta occazio a declarar ao respeitavel corpo do
commercio que em consequencia do honesto
(r.inportaniento, capai idade, probidade.e hon-
r dez que divisou em seu ex socio o supradito
Sr. Manoel Antonio de Azevedo se resolveo a
passar-lbe a niesina loja tcando desde hoje o
mesmo Sr. Azevedo possuidor, e senhor do di-
to esabeiecimenio, Jou Leiie Filia Orti-
gueira.


4
\ __ jy|iie jfillochau, modista franceza com
casa na ra Nova n. 39, primeiro andar tem
a honra de participar ao rcspeitavel publico e
com especial id ado aos seus freguezes que
acaba de receber pela barca Casimir Delavigne,
mu completo sortiinento de fazendas Francezas
de bom gosto e ultima moda a saber : gol-
las de cambraia bordadas ditas de fil, para
senhora, e meninas cassas brancas para ves-
tidos de muito bom gosto um sortimentode
bicosdelinho seda algodao eblonda, pre-
tos e brancos de todas as larguras jaqueti-
nhas, e calcas de diversos tamanhos para me-
ninos fitas de seda ditas de veludo de todas
as larguras alfinetes para punho de senhora ,
butes dourados para colletes vestidos borda-
dos mui ricos para senhora e um dito de mui
boa qualidade, azul, meias camisas com pe-
requitos para homem de muito bom gosto ,
1 uvas de pellica para homem, e senhora, e
muitos outros objectos do ultimo gosto, e pelo
preco o mais commodo. Partecipa tambem ,
que chegou para a sua casa urna ptima costu-
roira franeeza e promette appromptar todas
as encommendas que se Ihe iizer com celeri-
dade gosto, e na ultima moda.
Quem precisar de urna ama com muito
hora leite, dirija-se a ra Direita n. 82 se-
gundo andar.
~ Precisa-se de urna ama de leite que
nao seja captiva e nao tenha filho : na ra
das Cruzesn. 20 primeiro andar.
... Quem tiver para alugar urna preta pa-
gndose 10:000 rs. mensaes dando-se almo-
co jantar e ceia e que a dita preta seja
capaz de dar conta da venda que se Ihe ofiere-
cer ; e mesmo outras que sirvo para vender a
ou
proprio para negocio de assucar por ser mui
espacoso o todo ladrilhado de oedra ; quem os
pertenderdirija-se ao mesmo.
J. B. da F. Jnior, comprou por conta
de Agostingo Baptista da roncera o bilhete n.
861 da 2. parte da 12. lotera do theatro ,
o por ordem doste e conta de Joao Ignacio da
Conceicao Rosa o bilhete n. 1615 da mesma
lotera.
Compras.
res
tarde das duas horas ate as 6 ou 7 horas ,
todera contar certo com des doze vntens pe-
a tarde; quem Ihe conver falle na loja do
Snr. Bandeire na ra do Cabug que dir
quem quer.
Pede-se aos Snrs. Juizes, que presidem
as rodas das loteras que tenho a bondade
de misturar bem os bilhetes antes do os botar
as urnas ; assim como todos os dias antes de
principiar de mandar os meninos que tro
as sortes meter as maos dentro das urnas pa-
ra icarem bem mechidos, afim de convencer
ao povo a boa f com que correm as rodas.
= O Sr. Francisco Caetano Profiro tenha
a bondade de apparecer no escriptorio de An-
tonio Jos de Magalhes Bastos na ra do
Queimado, a negocio de seu interesse ou de-
clare a sua morada para ser procurado.
= Alugao-se escravos que sejao bons e
possantes, para o servico diario, principiando
das 7 horas e meia da manhaa at as trindades,
pagando-se 900 reis diarios; quem convier,
dirija-se ao recanto da Cacimba, np primeiro
andar de manha at as 9 horas, ou de noite.
Quem annunciou querer comprar urna
chapa de fugao querendo urna de 3 boracos ,
dirija-se ra Direita n. 10.
= Alexandrina de Lima e Albuquerque ,
professora da primeira cadeira de meninas do
bairro de S. Antonio faz publico que no
dia 3 do corrente abre sua aula no^segun-
do andar do sobrado n. 20 da ra da Praia
da Cadeia.
= No dia 26 de Dezembro p. p. appareceo
no engenho Caxoeira freguezia de Ipojuca ,
um escravo de idade de40 annos, pouco mais,
ou menos e diz chamar-se Ignacio; quem
se iulffar sen dono .. dando os signaes certns
Jhe ser entregue no mesmo engenho.
Quem for dono do urna porca dirija-se
ao sitio que foi de Joao dos Santos Nunes de
Oliveira, na ra do Sebo.
= Roga-se ao Sr. Vicente Tavares da Silva
Coutinho se entre o numero de escravos, que
tem em seu poder existe um negro de nome
Joaquim bem feito e preto com urna pe-
quena cicatriz em a fonte esquerda junto a raiz
do cabello e os olhos appertados fugio em
22 de Agosto de 1832 entregar Luiz Joze
de Souza na ra do Queimado n. 14.
= Quem precisar de roupa engommada
com perfeico e em conta dirija-se ra
do Caldereiro n. 80, que ser servido prompta-
mente.
Precisa-se de um rapazinho portuguez ,
de idade de 14 a 15 annos, que tenha pratica
de venda : na ra Direita n. 30.
Aluga-se um sobradinho, na ra da Praia
de S. Rita fronteiro ao sobrado do Snr. Joa-
quim Pereira de Mendonca por 10:000 rs. ;
quem pretender dando fiadora contento, au-
nuncie.
=: Deseja-sc saber a moradia do Sr. Anto-
nio Leite de Pinho para se Ihe fallar a nego-
cio de seu interesse.
Aluga-se urna canoa nova de lote de
1400 fijlos de alvenaria, por preco commodo:
na ra do Queimado n. 57.
= HenriqueZimmer, retira-se para fora
da pro'.i.ii:!.
t Aluga-se o armazem e primeiro andar da
ess2 a. 27 Ja ra do Apoe ; tende c ar.dar
bastante commodo'e cosinha e o armazem
Umapretinha de Angola que saiba en-
gommar e coser que nao exceda de 20 an-
nos de idade : na ra do Cabug loja n. 6.
Compra-se ou aluga-se urna negra ,
que seja fiel que nao tenha vicios, nom acha-
ques e que seja deligente para vender azeite:
na ra da Senzalla Velha por detraz da boti-
ca franceza n. 64 ou na ra do Livramen-
to n. 13.
Urna rede de arrasto, pequea, de meio
uso ; e urna tarrafa tambem pequea e em
meio uso ou nova : as 5 Pontas n. 71.
Urna manga de vidro lisa que tenha
dou palmos e meio de altura com pouca dif-
ferencas ; quem tiver annuncie.
Tartaruga pentes velhos e quebrados;
assim como conserta-se todo obra de tartaruga :
na ra de Hortas loja de tartarugueiro de-
fronte da fabrica de charutos n. 82.
Vendas
Vendem-se caixas de soda WatterSedelitz,
ptimas para refresco: na ra do Crespo n. 15 ,
lado do sul.
Duas mulatas de idade de 18 a 20 annos,
com boas habilidades, sem vicios, nem acha-
ques : na ra larga do Bozario n. 38, junto a
>otica do Sr. Bartholomeo & Bamos, no se-
gundo andar.
Agoa de flor de lannja superior, em
caixinhas de 12 frascos : no armazem de Dias
Ferreira ra da Alfandega.
= Urna mulata ptima para o servico de
qualquer casa de familia engomma, cose,
lava de sabao evarrella e cozinha sofrivel-
mente : na ra da Cadeia do Becife n. 30.
Urna venda com 500 e tantos mil ris de
fundo e querendo o comprador tira-se o
que nao agradar pelo o vendedor ter outra
venda aonde bote os effeitos: na ra da Senzal-
la Velha defronte do beco do Campello pa-
rede e meia ao barbeiro.
Mil molhos de palha de carnauba por
preco commodo ; assim como um escravo mo-
co para todo o servico : na ra da* Madre de
Dos, loja de Jos Antonio da Cunha. "
Um escravo pardo de 17 annos sadio ,
sem vicios proprio para qualquer applicacao,
sabe lidr com cavados e ptimo carreiro :
na ra da Cruz do Becife, n. 51 das 9 horas
ao meio dia.
= Um escravo cor fula de 17 annos,
sadio sem vicios hbil carreiro e ptimo
para qualquer applicacao : na ra da Cruz do
Recife n. 51.
Para fora da provincia urna escrava cri-
oula sem vicios nem achaques, faz lavarinto,
cose engomma e outras habilidades : na
travessa de S. Jos, no primeiro andar do so-
brado n. 35.
% Chales de seda pretos com boas fran-
jas ngora muito na moda, mrmente p c-
tarmos prximos da quaresma ; elles sao para
urna senhora o que cazaca preta a um ho-
mem da qual elle se serve do luto o mais ri-
goroso at a galla mais brilhante ; estes cha-
les tem urnas poucas de condicoes que se nao
devem despresar elles assentao com todos os
vestidos durSo muito e finalmente custao
pouco l'argent: na loja franceza da ra do
Cabug n. 6.
Garrafas pequeas e grandes botijas
vasias apparelhos de cha de porcelana e um
palanquim em muito bom uso : no Becife ra
do Amorim, armazem n. 32 ao p do ferreiro
Joaquim Bernardo.
Pannos finos de boa qualidade a 2:400
reis, e azul para fardamento a 1:600 reis ca-
zemiras lisas e de listras a 1:600 rs. e cazi-
netas a 640 reis chales de cazimira com ave-
ria pouco sencivel a 800 reis, e perfeitos re-
centemente chegados a 1:440 reis, chitas finas
de assenlo escuro a 140 e 160 reis cassas pin-
tadas largas a 200 reis cortes de vestidos da
mesma a 2:000 rs. e de excellente chita pa-
tente de 2:400 a 3:000 chitas finas para col-
chas a 200 reis, pecas de fino madapolao com
alguma avaria a 3:520, e mais inferior a 3:000
reis lencos de metim a 100 reis e de casssa
a 160 reis, chales bordados em cambraia a
480 reis, lencos com trez pontas de fil de li-
nho a 800 reis pecas de ganga amarella a
1:440 reis algodao-zinho de boa qualidade ,
com bem pouca avaria a 140 reis e perfeito a
160 reis a vara riscados de linho oncorpado
a IfiO mis fustoCS Je bOmu gCStC p2*S COt'v !
damasco encarnado de Lisboa a 2:560
reis, barragana superior para capotes tape-
tes de diversos tamanhos por baratos precos :
na ra do Crespo, loja n. 10 de Antonioda Cu-
nha Soares Guimares.
Bichas de superior qualidade ptimos
presuntos chegados pelo ultimo navio do Porto,
a legitimo vinbo de citoria : no atterro da Boa-
vista n. 44 junto a travessa do Martins.
Farinha de mandioca de S. Catharina,
em saccas de dous alqueires e meio do Bio de
muito boa qualidade e por preco commodo :
na ra da Cadeia do Becife ns. 13 o 14.
Calcado para homem senhora o me-
ninas prximamente chegado, o por preco
commodo : na ra da Madre de Dos, loja
numero 26.
= Urna canoa de amarello, com 55 palmos
de comprido, muito propria para se fazer bar-
caca ou canoa de carregar agoa ou lijlos:
na ra da Cadeia do Becife n. 30.
Ancoretas com azeitonas canastras com
muito boas castanhas de Portugal, 3:000 rs. ,
e batatas em arrobas, 450 rs. : no arma-
zem grande do caes da Alfandega, defronte da
escadinha.
Um terreno atraz da ra do Caldereiro ,
com 120 palmos de fundo e 60 ditos de fren-
te no qual tem ediflcado 6 meias agoas, que
rendem3, 8:000 rs. mensaes, e3, 6:000 rs. :
ospretendentes dirijao-se casa de Joao Joa-
quim de Figueiredo que dir quem vende.
Vendem-se ou aforo-se terrenos para
se fazer casas, a moeda ou a prazo com boas
firmas, em um sitio na estrada de Joao de Bar-
ros, que faz esquina com o beco do Espinheiro:
tractar em urna venda na Soledade confron-
te a entrada do beco do Pombal.
Medidas de seda de N. S. da Saude do
Poco, com letras douradas preco de 200
rs. cada urna : na esquina do Livramcnto na
loja da viuva do Burgos.
Urna rede nova, de cores muito decen-
te ainda que seja para conduzir senhora : na
travessa do Queimado antes beco do Peixe
Frito venda n. 1.
w Um lindo molecao peca de 20 annos ,
perfeito olficial de pedreiro ; urna escrava roco-
Ihida de 18 annos, perfeita engommadoira e
cozinheira para fora ; urna dita com as mes-
mas habilidades ; um molatnho de 13 a 14
annos proprio para officio ou pagem ; urna
mulatinhadc 12 annos propria para mucam-
ba de alguma menina ; um preto moco de 20
annos, de todo o servico : na ruado Fogo ao
p do Bozario, n. 8.
= Um escravo de 20 annos crioulo ,
bom offlcial de sapateiro com principio de se-
leiro e sem vicios ; tratar no atterro da
Boa-vista loja de seleiro.
Presuntos do Porto a 160 reis a libra, ba-
tatal a 40 reis a libra azeitonas do Porto mui-
to novas a 1:600 reis o barril, e 2i0 reis a gar-
rafa carne de toucinho de San tos a 80 reis a
libra letria a 200 reis macarrao a 160 reis ,
etodososmais gneros por preco barato: na
venda da esquina da ra do Aragilo que volta
para Santa Cruz n. 43.
= Urna parte ou partes da propriedade n.
49 no atterro dos Affogados de dois andares ,
quintal amurado at a mar. com grande com-
primento e foi do finado Jos Francisco Pedro-
so, e hojedeseus herdeiros ; tambem se per-
muta por cazas ou trras em Santo Antio ;
a quem convier este negocio annuncie para
ser procurado.
Um boi novo de carro ,
560 reis o corte e de setim maco a 1:600
creoulo; quem
o pertender procure na ra Augusta n. 60.
Um cravo. bom mestre de fazer assucar ,
de 21 annos de idade sem vicios nem acha-
quen) : na ra da Solidade n. 38.
^ Um dicionario Magnumlexicou em bom
uso por 4000 reis; aobrade Virgilio por
2500 Sallustio por 1000 dicionarios de
Moraespor 168 reis ditos francezes por Cons-
tancio por 3500 e Philosophia de Jeruz ,
com pouco uso, por 3500 reis ; quem os pre-
tender dirija-se ao 1. c andar do sobrado da
ruada Praia n. 33 das 6 horas da manha as
8 edas 3 as 6 da tarde, ou annuncie.
Arroz da fabrica do Maranhao a 2000 a
arroba tapioca dita a 3000 a arroba ; no ar-
mazem de Fernando Jos Braguez junto ao
arco da Conceicao.
Na ra do Bosario estreita n. 36 no
primeiro andar, compra-se botijas de ginebra,
e garra fas proprias para licorer.
= Sacas com arros pilado, por preco com-
modo ; na praca da Boa-vista venda n. 15.
Urna morada de casa de pedra e cal na
povoacao dos Affogados no lugar dos pocos,
com 4 quatros cozinha fora e cacimba, por
proco commodo : tratar no mesmo lugar com
Thom Pereira Lagos.
Escravos fgidos.
l\l UU I.U11LIUI
_ t\.:____j:~
----a u^iuiiu u1u
ra crioula de nomo Mara
baixa
mu! n-
cara re-
donda levou vestido branco com ramagem
quem a aprehender leve-a a casa de Joao Pin-
to de Lemos'Jnior na ponte d'Uchoa,ou ao
Becife na ra do Torres n. 14 que se gratifi-
car.
= Fugio no dia 25 de Fevereiro de 1842 ,
urna preta de nome Mara conhecida por Be-
nedicta de nacao Congo de 18 a 20 annos,
cor preta o rosto redondo beicos de cima
grossos, e um tanto levantado para cima, os
dentcs de cima limados de sua nacao estatura
regular, os ps um tanto chatos e curtos com
os dedos grandes um tanto levantados, foi cap-
tiva de Jorge Victorino de Azevedo morador em
Macei; qualquer pessoa apodera pegar ou
que della tiver noticia ser bem recompen-
sado entregando-a em Pernambuco na
ra das Cruzes n. 30.
= Desappareceo no domingo de tarde 29
de Janeiro p. p. da Cidade de Olinda um
moleque de nome Domingos representa ter 12
annos nacao Bebollo, ladino bonita figura,
muito vivo e regrista com urna cicatriz qu
unitta a um talho abaixo do olho ignorndo-
se em qual delles, levou calca de brim com re-
mend no assento e camisa desconfia-se es-
tar furtado ; roga-se a qualquer pessoa que
del le saiba ou encontr o dito moleque de
entregar no Monteiro no sitio de Catharina
Francisca do Espirito Santo sua senhora ou
na Cidade de Olinda a Joao Paulo Justiniano ,
mestre carpina donde fugio o dito moleque
por estar com elle apprendendo o officio, ou em
Fora de Portas, venda n. 9, que ser generosa-
mente recompensado.
= Fugio um escravo de nacao Mexicongo ,
tem os dous dentes da frente cortados, de 17
annos corpo espigado e muito bem pareci-
do no seu todo levou comsigo camisa de pan-
no branco chapeo de palha de carnauba de co-
pa baixa e abas pequeas e duas calcas urna
por baixo, parece que de algodao grosso
e outra vestida por cima de um riseadinho
azul e branco; quem o apprehender leve
ra da Cruz do Becife n. 51 que ser bem re-
compensado.
Fugio a quatro para cinco mezes um preto
de nome Jacintho de 18 a 20 annos naeo
Quicam com os dentes da frente de ci-
ma limados levou vestido calcas e camisa de
algodao-zinho entroncado ; e roga-se as auto-
ridades a quem der noticia delle e levar em
Fora de Portas em casa de Diogo Rodri-
gues receher 100:000 rs.
No dia 18 de Janeiro de 1840 desap-
pareceo da porta do abaixo assignado um seu
escravo de nome Gregorio, do gento de An-
gola com os signaes seguintes : alguma cou-
sa bucal boca regular representa ter 23 a
25 annos, dentes alvos bonita figura bas-
tante alegre barba serrada por baixo do quei-
xo com o carimbo no braco direito ADS ,
ps c mos pequeas em proporcao do corpo ;
quem o pegar leve-o no Becife ra da Moe-
da n. 15, primeiro andar, que receber 100
mil reis. Antonio da Costa Ferreira.
Fugio no dia 25 de Janeiro o escravo de
nome Manoel nacao Calabar com os signaes
seguintes: urna grande chaga na perna esquer-
da una belida no olho direito represen-
tando mo semblante vestido de urna jaqueta
de duraque verde j velha, e calca preta com
camisa de estopa e chapeo preto ; quem o pe-
Kar leve-o Boa-vista naton 8 em casa de Ignacio Nunes de Oliveira.
Desappareceo no dia 30 de Janeiro de
1843 urna preta velha de nome Marianna ,
de idade pouco mais ou menos 50 annos pa-
rece crioula no fallar venda vellas de carnau-
ia em um pequeo taboleiro a qual levou
saia preta de la por cima do vestido de chita
azul ferrete com flores amarellas panno da
costa e tem os signaes seguintes : oto fu-
la secca de pese maos, cabello pintado de
branco dentes pequeos e nao todo*', cuja
preta tinha sido escrava do Sr. Guilherme Patri-
cio Bezerra Cavalcante ; quem della souber ou
tiver noticia a queira mandar a casa do seu Sr.
na ra larga do Bozario n. 35 loja de miude-
zas que ser bem recompensado ; assim corno
se protesta proceder em juizo competente a
quem a tiver escondida.
= No dia 30 do prroximo passado fugirao
dous negros com os signaes seguintes : um de
nome Felippc de nacao Bebollo alto do cor-
po e bastante reforcado cor muito fula ;
cara redonda cima do.estomago um talho ,
este negro acabou de soffrer urna infermida-
de; c por isso ainda conserva a.cara epernas
um pouco indiadas. Outro de nome Ado ,
de nacao Camundongo alto e secco do cor-
po cor muito preta bastante ladino, can-
da appressado ha inuita probabillidade de an
darem juntos tanto por fugirem no mesmo dia,
como por seren paneiros; os apurehendedores
poderlo pega-lose le\arem noanna/ein de em-
barricar assucar na ra d'ApoIlo n. 15 que
receberSo de gratificacao 60:000 rs.
Recife na Typogra/ia d* Manoel F. de F. 1843.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EW8TJLLSH_A8G1LF INGEST_TIME 2013-04-13T00:33:41Z PACKAGE AA00011611_04879
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES