Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04859


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"S
Anno de 1843. Segonda Feir* 9
Todo agora depende de ais me,mo*; di aoui prudencit modera; So anergia : eon-
?ianemos como principiamos a Mremoi apealados cum admiracio esre as NacSea maii
"'. ( Proclamado da Aasembla Garal do BtlL.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Coianaa, Parafca a Rio grande do Noria eegaada a sextas Caira.
Bonito Garaahous a 40 a 24.
Cabo SriaUam, Rio Formoao Porto CaWo Maeeio, a Alaeoaa no 4
Boa-Tifia a t lores a Z. aanto Antas quinta* fairai. Olinda todoa oa dial.
DAS DA SEMANA.
9 Seg. Jo'iio M And. do J. de D. da 2. .
i Tere. Pul tramita Aud. do J. da D. da 4. .
1 Quart. Hfffino P. M. Aud do J de D. da 3. .
42 Qoiat. Se*rro M. Aud do J. de D. da 2. t.
13 Saxt. Hilario B. Aud d J. de D. da 1 t.
41 Sab. i. Felii M. Re. And. do J de D da 3 t.
44 Dos. OSS Nome de Jetos i. Amaro Ab.
de Janeiro;
Anno XIX. N. G.
O Diario poblica-se todoa oa diaa qna nao (orem Santi6cadoa : o preco da asaignatnra re
de tres mil reis por qusrtel pagos adiantedos. O nuncios dos ssaignantee aio inseridos
gratis, e os dos que o no forem a raiSo de SO reis por linha. As reclamaces derera sei diri-
gidas a esta Trp., roa das CrntesN. S4.no praOi ds Independencia loja de lirros N. 6e 8.
cambios.No da 7 de Janeiro.
Cambio sobre Londres 27 J Nominal,
a Paris 350 reis por franco.
a Lisboa 400 por 400 da premio.
Ooao-Moada de 0,400 V.
n N.
de 4,000
PsATi-Patacee
k Petos Columnires
ditos Mexicanos
compra
45,100
44.SOJ
8,300
4,750
4,750
4,750
Motda de cobre 3 por 400 de descont.
dem de letras da boaa firmas 4 f.
PHASES DA LA NO HEZ DE JANEIRO
Lna Nora i 30, i 0 hore e 42 m. da manh. I Loa cheia 16, aa 5 horas e 36 m. i
Quart. cresc. 4 8, s5 horas a 52 m. da lard.| Unan, m n 2!, s lll horas e 42
Preamar de hoje
4. a 44 horas a i2 m. da manhaa. | 2. a I horas e 6 m da tsrde.
45.200
iSUOO
8.500
4,770
4,770
4,770
s manh
m. da t
DIARIO DE PEENAMBCO.
PARTE OFFICIAL
COMMANDO DAS ARMAS.
CONTINUACA DO BXPEDIENTK DO DA 22 DO
PASSADO.
Ofllcio Ao juiz raunicipal da primeira
vara desta cidade Francisco Rodrigue Stte ,
remettendo-lhe por copia a sen tenga que ti-
vera em ultima instancia na junta de justica ,
o soldado da comparhia de artfices Pedro Al -
ves das Chagas e passando sua disposi-
ijao o mesmo soldado que acaba de ser ex-
cluido da dita cornpanhia alim de tornar
effectiva a serjten^a como por le Ihe eslava
incumbido..
Dito Ao tenente-coronel commandante
do bata'.'no de infantera de guardas nacio-
naes iestacado autorisando-o para excluir
do mesmo batalhao cora guia para os respec-
tivos corros exigindo substituido o cabo
de esqua.dra Joto Correia e os guardas Ma-
noei Vicente do Nasciment, Joo Evangelis-
ta Soa res e Feliciano Gomes este por es-
tar p aralitico e aquellos por terem finalisa
do o, tempo porque foro chamados a servir no
Da'icrlhlo.
Dito Ao commandante da cornpanhia de
artfices, mandando excluir da mesma e
remetter com guia ao juiz municipal Fran-
cisco Rodrigues Sette o soldado Pedio Alves
das Chagas afim de fazer efiectiva a senten-
ca que ao mesmo soldado fra dada pela jun-
ta de justiga,
dem do da 23.
Ofllcio s Ao Exm. Presidente rogando-
lhe a expedico de suasordens ao director do
arsenal de guerra afim de receber do com-
mandante da cornpanhia de artfices, o arma-
mento e corrame constantes da relacJLo que
env'iava por serem taes objectos desnecessa-
rios actualmente.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. devolven-
do-lhe informado o requerimento da viuva
Mara Francisca de Jezus, que poda a exelu-
sodoseu filho soldado do batalhao desta-
cado Manoel Jos Ribeiro.
Dito Ao coronel Francisco Jos Martins,
dizendo-lhe em resposta ao seu ofllcio desta
data que ficara iuteirado de achar-se impos-
sado na directora intirina lo arsenal de guer-
ra em virtude da nomeaco que para sso
Uvera do Exm. Sr. Presidente.
Dito Ao dezembargador chefede polica,
dizendo-lhe que mandara assentar praca ao
recruta Marceliino Jos de Santa Anna que
acompanahra o seu ofllcio desta data.
Dito Ao commandante da cornpanhia de
cavallaria mandando descontar dos venci-
men tos dos soldados Souza Nnnes, e Couto,
a quantia de 35*030 reis, importancia dos
gneros que por bordo da escuna = Prmeiro
de Abril = Ihe foro abonados para alimento,
visto que recebero a importancia da etape
pela cornpanhia durante o tempo que por
bardo foro fornocidos com races.
dem do da 24
Ofllcio Ao Em. Presidente, envian-
do-lh informado o requerimento do :abo de
e*quadraJu; Antonio Correia do terceiro
batalhao de artilharia a p que ao soberano
supplicava a sua demisso; por ter sem nota
concluido o seu engajament.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. para que
houvesse de mandar pagar pela thesouraria a
quantia de 8640 importancia do frete de
dous cavados que conduziroa bagagem do
destacamento de linha que eslava em Rio
Formoso ao mando do tenente Antonio Jos
de Mello. dem do dia|30.
Ofllcio Ao Exm. Presidente, enviando-
Ihe a f d'ofllcio do soldado do terceiro bata-
ih|n sj artilh'ari pA-, Ij;n',in Antonio Ro-
drigues destacado as Alagoas conforme
fora pedido em ofllcio de 3 do torrente.
TR1RUNAL DA RELAQO.
Ia, aetso do anno de 1843 em 7 de
Janeiro.
Na appellacfio crime do extincto juizo da
ouvidoria e correefio desta comarca appel-
lante Manoel Fernandes app-llado Bernar-
dino Jos Coelho, escrivo Posthumo ; se
julgou pelaconirmacodasenlAnsa recorrida.
Os embargos do padre Josa Gomes Flores,
e Francisco Gomes Flores, contra Antonio
Jos de Oliveira Costa na cauza de appel-
laco civel desta cidade escrivo Ferreira;
foro desprezados.
Na appellaco crime do juizo dos jurados
desta cidade appellante Miguel Arcanjo ,
appelladoojuizo escrivo Posthumo; se jul-
gou improcedente o recurso.
Na appellaco crime do juizo dos jurados
desta cidade appellante o doutor promotor
publico appellado Jacques Lamban! escri-
vo Jacomo ; foi julgado improcedente o re-
curso.
Na appellacfio crime da villa da Princeza ,
appellante o juizo appellada Mara Sabina ,
escrivo Bandeira ; f >i julgado nullo o proecs-
so desde a deciso do jury de aecusaefio.
Na appellagocivel desta cidade, appellan-
te Joaquim Galdino da Paz, appellado I).
Mara da Conceico do Coracfio de Jezus, es-
crivo Ferreira ; se mandou vista ao doutor
curador geral.
Na appellaco civel dos jurados de Olinda ,
appellante a justiga appellado Manoel Igna-
cio Bizerra de Mello, escrivo Bandeira; foi
julgado o perdo por conforme a culpa, e
m-ndado que o processo fique em perpetuo
seilencio.
No aggravo de instrumento do juizo de di-
/eito da villa de Santo Antfio appellante
Joo Anastacio de Mello aggravado o juizo,
escrivo Jacomo ; Ihe foi negado provimento.
Na appellaco crimo do juizo de Paz de ()-
linda oppellante a justica appellado o ha-
chare! Francisco Antonio de Oliveira Rozel-
les escrivfio Bandeira ; se mandou remeter
ao juizo de direito respoctivo.
Os embargos de Jos Mara de A morm ,
contra Rodolfo Joo Barata de Almeida na
causa de appellaco civel desta cidade es-
crivo Ferreira ; foro despresados mandan-
se cumprir o accordo embargado.
i.a i tniun.
tfiovergonhoso Portuguezes ? Que feito na do seu paiz Mas coniai em todo caso
da vossa independencia dessa indepen
dencia que custa de tantos sacrificios res-
taurasteis em 1640 e recuperasteis em 1820?
Despedazando em 1610 os grilhes que vos
lancro um re estrangeiro e que um vali-
do estrangeiro tornava mais pesados vos
vos mostrasteis igualmente portuguezes .
igualmente dignos de nossos avs em 1820 ,
expellindo os estrangeiros que oceupavam
empregos que smente a vos pertenciam e
anniquilandoo poder incontestavel de outro
valido estrangeiro. E hoje ? Hoje oh !
vergonha e infamia! um valido eatrangeiio
vos faz escravo Blasonaos de livres e obe-
decis de rojo ao aceno de um estupido e gros-
seiro allemao que domina a nossa rainha ,
e impera no seu inexperiente esposo e
' zomba dos portuguezes os quaes despresa
como gente to louca que tolera pacifica o
seu jugo.
I Sim portuguezes somos escravos e
a nossa escravido cometa no throno A nos-
sa adorada rainha a primeira victima da
ousadia do malvado Detz .. A'lerta por-
tuguezes velai pela liberdade, velai pela
rainha velai por vos mesmos Embora
portuguezes embora desprezeis o ouro que
por conselho desse infamo Dietz vai diaria-
mente para Londres :embora nao tenhaes
em considerado o abominoso projecto sug-
gerido pelo infame Dietz de expoliar a co-
ra portugueza reduzindo a moeda todos os
diamntese joiasque enriquecem o thesouro
dos nossos reis : embora consintae*. pa
ra saciar a criminosa e insaciavel cnica do
infame Dietz que elle faca transportar para
fra de Portugal esse patrimonio que o insen-1 sao mais baratos e a sua importiQo man-
sato diz aflbutamente ser indispensavel ar-1 tero entre os dois paizes urna actividade de
transaeces quelhes convem conser/ar.
A escolha que o governo inglez fez de
que a vossa rainha vos otivir su alevantar-
des a voz to alto como deve faze-lo em taes
circumstancias um povo livre.
Sobre tudo portuguezes confiai em
vos que sois anda o que sempre tostis : o
mal est por extremsexarcebado ; o remedio
s em vos mesmos pndeis encontra-lo. Eia
portuguezes alerta Se o ^averno se
descuida, nao vos desnudis vos. As Cou-
sas vos sao condecidas, e nao ignoraes o que
deveis fazer ; fdzei o que deveis seno. .
tudo ser perdido. E que horrivel futu-
ro !. ..
( Proclamaco espalliada no theatro de
S. Carlos na noute de D>mingo ).
Extracto de um jornal Francez
A imprensa occupa-sn muito neste mo-
mento com a partida de Sir Filis para o Bra-
sil como enviado extraordinario do gaver-
no inglez afim de renovar o tratado de
commercio cuncluido a 17 de agosto de 1827,
e ratificado a 10 de novembro seguinte en-
tre as duas nacoVs. A IngUlerra d a maior
apreso renovado deste tratado o Brasil
para ella o melhor mercadu d<* toda a Ame-
rica do Sul e o tratado de 1827 rncerra as
melhores condices que o commercio inglez
pode desejar. A industria ingleza nao tem
ali a temer concorrencia alguma estrangeira ,
nem a lutar contra urna imiuslra nacional.
As riquezas do paiz sao todas produego do
solo e so bem que os algodVs brasileiros
s'-j-i de qualidado inferior aos dos Estados
Unidos do Sul a Inglaterra os prepara mui-
to bem as sua fabricas ealm disso files
ranjar no estrangeiro para assegurar meios
de subsistencia familia real em caso de al-
gum revez que possa sobrevir-lhe neste paiz,
que esse allfmo malvado chama o paiz da
immoralidade e da revoluco ... embora fi-
nalmente nao contratis que se leve a effei-
to o pensamento que se pretendeu j por em
Sir Lilis geralmente approvada pela im-
prensa ingleza. Dizem que <- hbil diplma-
la insinuante activo o sobretudo Jotado
de urna tenacidade de carcter que o tor-
na proprio para a missao que Ihe foi confiada.
practica por conselho desse mesmo Dietz : IO joven imperador do Brasil salie da sua me-
logodepois dos experapcosos e malogrados a-1 noridade a 2 de dezembro prximo; e por
contecimentos de setembro de 1836, no vos essa occasiao haver provavelmente mudanzas
oppondo aquese^mbarquem, e sejam trans-! na administraco superior. Ser por occa-
portados para Inglaterra todas as pratas, joi- isiodesse movimentoque a Inglaterra espera
as o preciosidades da cora Consent obter condic/.es anda mais lavoraveis para o
emtudoisto. portuguezes, embora! con-
PORTUGAL.
Tiremos o Diario do Governo e O Nacio-
nal de Lisboa que alcanco a 8 de novembro
do anno p. p.
Tinha-se espalhado em Lisboa urna pro-
clamaco cuja intrega abaixo transcreve-
mos do Nacional, o qual attribue ao Sr Jos
Bernardo da Silva Cabral irmo do minis-
tro do reino: mas aquello sr. desmentio for-
malmente tal imputaco.
Aquelle jornal opposicionista falla igual-
mente d'uma regencia tramada pela gente
do governo para tirar a cora Sra. D Ma-
ra 2." ; assim como da noticia de ter havido
urna revoluco em Cabo Verde e de ter sido
morto o governador : prm estes boatos sao
desmentidos pelo Diario do Governo.
Eis o que colhemos de mais notavel das
sobreditas folhas de Portugal. As noticias
de Hespanha ero destituidas de inleresse.
Alguns jornaes fallavo em prximas mudan-
cas no ministerio : mas esta noticia era ar-
gida de falta de fundamento por outrosque
passavo por mais bem informados.
As folhas recebidas de Londres chegatio a
29 e as de Paris a 27 de Outubro.
Esta a proclamaco.
a'lekta portuguezes.
h Portuguezes Que son esse em que
jazeis adormecidos ? acordai de le thargo
senti em quanto para affmnt e eterna ver-
gonha vossa quizer o infame Dietz : mas -
lerta portuguezes nao por nenhum caso
consinlaes e antes pelo contrario opponde-
vos por todos os modos a que o infame Dietz
ultime o seu infernal intento ; roubando vos
a vossa rainha Que malvado .' que infame ?
Dietz quer persuadir rainha que desam-
pare seus filhos e o throno de seus maiores!
Para esse fim o insensato e scelerado Dietz a
todo o momento aprsenla vossa rainha
quadros da felicidade que pode gozar urna
rainha opulenta obdicando o seplro e liber-
tndole dos incommodos da realeza A todo
o momento esse infame procura atemorisar a
nossa adorada rainha e forceja por fazer-lhe
crer preferivul a qualidade de simples parti
cular i de rainha constitucional! E para
que tudo isto ? para realisar os vis des-
presiveis e infames pnjectos de seu pesso!
engrandec ment e abominavel avareza! Ei-
a pois portuguezes alerta obralcomo vos
cumpre usai do direito que vos assiste ; fa-
zei conhecer vossa rainha o lago que se Ihe
arma para sua e nossa perdigo Bradai pe-
dindo providencias em voz que se ouca ,
, ao governo a esse governo que nao pode
passar j por innocente pois que nao tem
fallado soberana como era seu rigoroso dc-
ver. Portuguezes Se o governo nSo escu- 1832. Nessa poca o Brasil eslava em es-
tar o vosso brado porque traidor e lado de revoluco a mesma Franca nogo--
,.. A iuiotmism tina frmos Hp Iipt7 f i 7.a de lima peifeita tranmiilli-la.le nn spij m.
ento portuguezes ? usai do vosso direito
__guerra de morte aos homens do governo
seu commercio do que as que existiam no
tratado de 1827 ?
a Este tratado de 1827 entre a Inglater-
ra e o Brasil foi calculado sobre o tjatado de
commercio concluido entre o Brasil ea Fran-
ca a 8 de Janeiro de 1826 e ratificado a 19
de Margo seguinte. Sao as mesmas expres-
ses as mesmas estipulado-s as mesmas
vantagens concedidas pelo Brasil ao commer-
cio francez qufl se ach.<0 consignadas no
tratado de 1827 com a nago mais favoreci-
da como o foi a Inglaterra um anno depois.
nicamente ha una cousa a notar no tratado
com a Franca : no artigo 25 e ultimo se
diz que as estipulaees do tratado serflo per-
petuas exceptuando as dos artigos i2, 14,
lo 17 e 20 que sduraro . a contar da data das ratificac.es. Ora es-
tes artigos 12 14, 15,'17 e 20 regulo os
direitos de tonelagem de fares de anco-
radouro e as importacVs de mercaduras
dos portos de Franja nos portos do Brasil e
vice versa. No tratado com a Inglaterra ,
estas mesmas eslipulages deverio vigorar
15 anuos desde a data da troca das ratifi-
ca (oes.
O tratado com a Franija pelo menos
em quanto aos artigos cima citados e que
sao as mais importantes para o commercio
francez ja nao existe desde o principio de
como traidores que pretendem a total rui-
lerior ; esses ti alado com a Franca tem sido
provavelmente esquecido abandonado e
no momento era qu a Inglaterra pensa em


m
*.
renovar o seu que o noss governo conhe-
ceo em Jim a necessidade de enviar um mi-
nistro ao Rio de Janeiro que o bario de
LingodorlT. E' muito impoitant* pira o nos-
so commercio que o tratado de 1826 MJi re-
novado que a Inglaterra qu* al boje
nfio tem sido melhor tratada que nos i.fto
8eja para o futuro e que o Brasil sja ,
para a Franga o que para a Inglaterra um
vasto mercado onde os nossos vinhos e os
productos la nossa industria ach-m um ron-
sumo certo. Os vinhos de Franga princi-
palmente os de Brdeos, sao muito estima-
dos no Brasil ha alguns annos : elles tem
substituido os vinhos de Hespanha e de Por-
tugal ; ede notar que as remesas de vi-
mos de Franca para o Brasil nestes ltimos
tres annos tem sido o triplo das enviadas pa-
ra os Estados-Unidos.
Desgrajadamente o nosso commercio
com o Brasil sobretudo embragado por
causa das mercadonas, que se polem tomar
em troca das que nos ali importamos. Odi-
reito differencial que existe entre o assuca r
colonial, eo assucar estrangeiro nao par-
mitte aos assueare, do Brasil entraren! no
nosso consumo. Nos damos mais proteegfio
cals de H.yti que aos do Brasil. Final-
mente obramos mal em sobrecarregar o al-
godfioem rama de um direito de entrada E'
nutil env.ar M. d i Langs lorff ao Brasil so o
governo francez nao est .Momias lo a faier
concesso>s rasoaveis a. m p,v, com o qual
n pojemos fcilmente est*nder as nossas re-
JacCs commeri,aes.
INGLATEBRA.
Londres 17 do outubro.
A rainha recebeu em Windsor lord Ash-
burton.
O incendio de Liverpool est j apagado
porem dos montn de ruinas que enchem as
ras se v anda sabir fumo. Cavando n-s-
tas se encontrou o cadver de um agente de
polica. Eslava de joelhos e com os bracos
estendiJos.
O governo inglez acaba de transportar gran-
de numero de prelos da costa d'Africa para
s suas possessGs das Indias Occidentaes .
dando-lhes o nome de emigrados africanos
livres.
Muitos jornaes inglezes, e especialmente
O AnU-Slavery Haporler critico este trafi-
co de escravos desforrado sob um novo no-
me edizem que o governo inglrz esl fa-
zendo o que lancou em rosto a Franca que
recrutava no Senegal pretos para a Guvana
Francez*
29 de outubro.
Continua o processo dos operarios e dos
artista e j tem sido condemnados uus
300 alguns delles a 25 annos de degredo ,
ontros a menos.
Falla-se de uma conversfio dos fundos de 3
por cento.
A renovagfio do tratado com o Brazil oc-
upa muito os nimos. Parece que o Brazil
nfloseacha muito disposto a renpvar o tra-
tado em consequencia da excluso que a
Inglaterra tem feitodos s*us assucares.
Trata-se de uma reforma das casas peni-
tenciarias em consequencis de alguns casos
fuQ' stos que tem bavido, principalmente nos
presos con lemnados solidfio.
Dizemquese decidi abrir c parlamento
em Janeiro ou talvez antes, por Causa de al-
guns negocios urgentes.
as costas Ramsgate sofTreu-se uma terri-
vel tempestade causando perdas que se a-
valiam em 6,000 libras eslrilinas.
Continuo as reuniOea contra a lei dos ce?
reaes.
Por noticias de Franca consta que circu-
lava em Paris o rumor muito acreditado de
que Luiz Felippe quer ablicar o governo
no Duque de Nemours e que uma proposta
neste sentido ser apresentada as cmaras.
Parece que a misso do Sr. Olozaga ver-
daderamente commercial. Segundo noticias
de Bruxellas o diplomata hespanhol tinha
continuas conferencias, com o ministro dos
negocios estrangeiros.
Continuo os nimos oceupados em Fran-
ca com o tratado de commercio com a Blgica,
o qual soflre grande opposigo. Muitos de-
putades iuduslriaea tinho reuniOes para
manifestareui a sua opposico ao tratado.
A assembl a dos estados geraes da Prussia
foi aberta a 19 de outubro pelo ministro do
reino com um discurso em nome do rei.
Segundo noticias da America em Buenos-
Ayres o general Lamadrid o outros descon-
tentes trato de fazer uma insurreico contra
Rosas.
O marechal duque de R"ggio foi nomeado
Jacquemenot. comraandante general da guar-
da nacional do Sena.
Diz-se que logo que o duque de Aumale
volt.3 de Argel, tomar o commando da guar-
da nacional
Os estojantes de Usal na Suecia tiverfio
um renhido combue com os operarios. De
urna e outra parta houvi ferimoutos degravi-
dades.
Os fundos porluzu-z^s e hespanhoes baix-
rao todis um ijua-to dos pregos que lti-
mamente llie mandei dizer.
( Di Nacional. )
COLONIAS FBANCEZAS.
O ministerio da marinha fez apparecer este
anuo (uadr.^s de populacho de cultura, de
commercio e de navegicao, que formfio o se-
guimento dos extractos inseridos em suas noti-
cias estatificas sob^e ai colonias francezas.
Para dar a seus extractos una significagfio
mais extensa e mais til este trabalho re-
produz os aljarismos de varios quadros do
pno lo quinquennal anterior aos novos ex-
tractos.
A populacho total de nossas colonias da A-
m^nca do Santal de Bourbon e da In
da. seHevav., em 31 de dezembro de 1830,
277.791 individuos do sexo m sculinoe
277,731 individuos do sexo feminini de to-
da idade de tola cor e de toda condigfio.
Se porem tomada em mass* esta popu-
lagfio de 555.525 habitantes se divida quanto
aos sexos, em duas partes quasi iguaes, cada
colonia tomada separadamente apresenta
diff-rengas notaveis. Na Martinica achfio-
se 22,489 mulhere para 18 214 homens na
pipuhgo livre e 39,106 mulheres para
35,227 homens na popul. gfio es rara. Gu?-
lelupe o suas dependencias contfio as pes-
soas livres 19,323 mulheres e 17 037 ho-
mens e nosescravos 48 812 mulheres e se-
ment 44 834 homens o contrario em
B >urbon : as pessoas livres ha pouoo mais
homens (19,058) do que mulheres (18.667).
A desproporgfio muito mais consideravel en-
tre os escravos : dos 66.013 individuos de
queso compe esta populaco ha smente
24 439 dos xo feminino emquanto que o
numero dos individuo* do sexo masculino se
eleva a 41.574 Na Guyana franceza ha
mais mulheres (3,123) do que homens (2,531)
na populagfio livre; mas na populagfio escra va,
dos 15,516 individuos de que se ella compe
aeho-se 8,151 homens e smente 7,365 mu-
lheres.
0 numero dos nascimentos sobrepuja o dos
bitos em Guadelupee em Bourbon entre
a populagfio livre, e tambem entre a popu-
l*gfio escrava na Martinica e em Guadelupe ;
o contrario tem lugar as colonias de Bour-
bon e da Guyana.
Poucos casamentos se fazm entre os es-
cravos. N'um periodo de seis annos (de 1834
a 1839) o meio termo foi de 17 em Mar-
tinica, 12 em Guadelupe, e em Bourbon nSo
houve nenhum.
Nao se considera como colonias de escra-
vos .eno a Martinica Guadelupe e suas de
pendencias a Guyana franceza ; Bourbon e
suas dependencias. Entretanto, no Senegal e
as dependencias d'esta colonia exislem 963
chri-itos e 9,2)6 mahom 'taos que o ex-
ilado circunstanciado da populagao para 1838
designa pelo nome de captivos.
Os nossos cinco estabelecimentos da India,
isto Pondi :hery, Chandernagor, Kankal ,
Yanaor e Malte encerro uma populagfio de
167,790 indiviluos comprehendido o pes-
soal civil e militar assalariado e bem assim
as fnnilias dos funecionarios e empregados
europeus. As pessoas de ambos os sexos se
aehfto ah em numero quasi igual. Esta po-
pulagfio se compe de um pequeo numero
de brancos de mesticos designados pelo
nome de topa ou gente de chapnos pro-
venientes de uma mistura dos Europeus ,
e particularmente dos portuguezes com as
mulheres indias e de negros indios, cujo
numero de 90.000 pouco mais ou menos.
Em lins de 1833 a populagao escrava de
B)urb( n da Martinica da Guadelupe e da
Guyana franceza se elevava a 261.oOO indi-
viduos, e eslava reduzida a 249,500 no come-
go de 1840.
A quanlidade de trras plantadas de cannas,
as mesmas colonias, erfto smente, em 1834
de 41.567 hectares e em 1839 empregnvSo
se 64 308 hectares. Entreunto os produc-
tos ero diminuidos e davo lo smente
90 814,661 kil. deassucar e 16.246,387 Ii
tros d calda e melago em quanto que
em 1834 os productos se tinhfio elevado a
em anno ; em 1839 elevou-se 5,628,000
litros no emtanto que em 1834 tinha sido
s nente de 3.892,680.
A cultura do caf do algodfio, do uruc,
do tabaco dos vveres se fez n'uma exten-
sfio de terreno maior em 1839 do que em
1834. Entretanto como a da c*nna deu me-
nos productos. Varias culturas foro reduzi
das ; a do cravo de 330 a 1l4 hectares; as
da rannella da noz moscada e outras especi-
aras de 25 hecta es a 10.
O commercio martimo das colonias e pes-
caras fraucezas denlo lugar em 1839 aos
movimentos segu.intes da nossa navegagfio :
1 321 navios de 180,930 toneladas e tripula-
dos por 12 618 homens entrarlo n'estas co-
lonias e d'ellas sahiro 1,349 navios de
H90.600 toneladas e tripulados por 15,582
homens.
O valor total das mercadorias e gneros re-
cebidos por nossas colonias em 1839 foi
de 51.959,815 fr. pelos vindos de Franga ,
de 4,932,117 fr. pelos provenientes das ou-
tras colonias e pescaras francezas e de
15,427,686 fr. pelas mercadorias vindas do
estrangeiro. Total 72,549,618 fr.
A ornma das exportg>y>s d'estas colonias
foi, no mesmo anno, de 74 810,319 fr para
a Franga de 4,805,205 fr. para as pesca-
ras e colonias francez e de 8,800,3*3 fr.
para o estrangeiro. Total : 88 115,837 fr.
A somma das importagis e das exoorta-
goes reunidas se elevou portanto em 1859 ,
a 100,715.74o fr. assm repartida : Marti-
nica 43,402,099 fr.; Guadelupe. 48.490 572
fr. ; Bmrbon, 40 285.252 fr.; Senegal e de-
pendencias 15,556,578 fr. ; Guyana fran-
ceza 6,962,333 fr. ; S. Pedro e Miguelon ,
6,108,618 fr. No comnuto total d'este com-
mercio, o das colonias entre si se eleva s-
mente a 9.767.522 fr.; o compulo estrangeiro
sobe a 2 4 228 019 fr todo o resto isto ,
126,770,134 fr., se faz directamente da Fran-
ga com suas col ibs e das ditas colonias com
a Franga.
( Diario. )
INTERIOR.
, 97.52:;9/i k.i de ^-sucur c 7,323.629
governador dos invlidos; o marechal Gerard, litros de melago e calda. A fabricago da a-
thancelJer da Jegiao de honra ; e o general gurdente de caima foi augmentando de anno
RIO DE JANEIRO.
Lfi-se no Jornal do Commereiot
OSr. conde de S. Martino teve a honra de
apresentar hontem a S. M. I. a sua creden-
cial de ministro residente Je S. M. o rei de
Sardenha junto a corte imperial
O Sr. commendador VIerolla encarrega-
do dos negocios de S. M. elrei das duai Si-
cilia* teve a honra de ser appresentado S.
M. o Imperador pelo Exm. ministro dos
negocios estrangeiros, por motivo do seu re-
gresso a esta norte e do novo carcter com
que vem residir.
Chegou hontem (14 de dezembro) a esta
corte o Sr. Diogo Antonio Feij.
L-se na Senlinella :
Por decreto de 2 le dezembro fot promovi-
do ao posto de chefe de esquadra graduado o
chefe de divisfio Theodoro Beaurepaire.
Falleceu e foi hontem (K) sepultado na
Igreja de S. Francisco de Paula o Exm. Sr.
Francisco Carneiro de Campos senador Jo
imperio, pela provincia da Baha e membro
do Tribunal Supremo deJustiga.
MINAS GEBAES.
feiumo^dos cntlririos conhecidos intluindo
o de Bambuhy com 12 eleitores.
( ao todo 1,282 eleitores. )
Os Srs. Votosr
1 Presidente Bernardo Jacintho da Vei-
ga ..........1259
2 Dr Francisco Diogo Pereira de Vas-
concellos ..........1243
3 Conselheiro Jos Cesario de Miranda
Ribeiro...........1233
4 Vice-presidenteH. F. Penna 1213
5 Desembargidor Gabriel Mendes dos
Santos......... 1115
6 Desembargador B. Belisario Soares
de Souza......... 1097
7 Dr. Luiz Antonio Barbosa .... 1096
?8 Vigario Ji'fio Antunes Correa .1043
9 Dr Joi Lopes da Silva Vianna 1037
10 Dr. Ju-tinianno Jos da Rocha 982
11 Conego Manoe| Julio de.Miranda 953
12 Dr. Francisco de p.ula Candido S8S
13 Dr. Anl .nio Jos Monteiio e Barros 828
14 Desembargador Manoel Machado Nu-
nes.............814
15 Dr. Luiz Carlos da Fonseca 755
16 Dr. Jernimo Mximo Nigueira Pi-
nido...... 7*9
17 Commendador Jos Ferreira Carnei-
ro .............725
18 Commendador V. Henriques de Re-
zende............702
19 Dr- Cyrino Antonio de L-mos 659
20 Goneg'o Joaquim Gomes deCarvalho 6i3
Desembargador Euerto Ferreira
Franga...........596
Dr. Lourengo Jos Ribeiro. ... 568
Vigario Ant.tnio Jos da Silva. 540
Conselheiro Jos Antonio da Silva
Maia............ 532
Dr. Eslevo Ribei ode R'zende 508
ConsMheiro J. Jos Ljpes Mendes
Ribeiro..........506
Commandanta superior J. J de Li-
ma e Silva..........459
Coronel Jofio da Motta Teixeira 426
(7. doC.)
IIIRIO DE PERWMBCO.
O vapor S. Salvador trouce-nos jornaes do
Rio at 21 dopassado, e da Babia at 24 so-
mente D^ixanossobr9 a rubrica competente
as noticias mais interessantes que acharaos
nos ditosjornaes.
Por carta particular consta-nos achar se
nomeado para o Supremo Tribunal deJusti-
ga o Sr. dezembartfidor Miciel Monteiro ;
o Sr. tenente-coronel iMinoel lanicio de Car-
valho passou para o esado maior e o Sr.
Jofio Pedro de Araujo e Af,'uiar teve ehVti-
dade no posto de major do corpode arttlha-
ria a p.
ALFANDEGA.
endimento do dia 7......... 4:268*318
DESCARREGA HOJB 9 DE JABEI.HO.
Barca ingleza = Priscilla =a o resto, o man-
leiga.
Brigue inglez ss Fanny = bacaIho.
FRAgA DO RECIFE 7 DE JANEIRO DB 1843,
Revista Mercantil.
Cambio Houverfio tranzarges regulares *
27 lj2d. p. mil reis ao qual existem
sacaJores
Algodfio As entradas forfio mui deminu-
tas e houverfio vendas a 5#400 p. Assucar Teve compradores a 900 reis por
g). sobre o ferro.
Agoardente Vendeo se a 45*000 reis a
4 pipa.
Cotiros salgadosContinuo procurados a
140 reis a libra.
Bacalho Nao houverfio novas entradas e o
deposito et reduzidoa 3000 barricas,
ese tem vendido a retalho de 10*300 %
10*400.
Caf V arroba.
Carne secca Entrrfio dous carregamentos
com os quaes nao excede o deposito a
33000 4 e o prego de 1*400 a 2*600.
Dita de vaca salgada Vendeo-se de 18*000
a 20*000 reis o barril.
Cerveja Hi l,-li.a e as ultimas vendas fo-
ro de 4*500 -- 4Ti") a duzia.
Fardlo Vendeo-se a 4*000 rs. a barrica.
Folha de Fiandres dem a 28*000 reis a
caita.
Massas sortidas dem a 5* reis a @.
Millio dem a 6* reis a sacca, de alqueire
vclho.
Potassa americana dem a 260 reis a libra.
Salsa parrilha dem a 25* res a (5.
Tabaco maependim dem de 2*200 a 4*500
reis a w .
Toucinho dem a 2*560 a (>. o de San-
tos.
Entrrfio varios navios em lastro, e um car-
regamento de Sette com vmho azeite e pa-
pel que nfio foi vendido.
RIO DE JANEIRO.
CAMBIOS NO DIA 20 DE DEZEMBRO.
Pregos da ultima hora da praga.
Cambios sobre Londres. 26
( Puris. .365 a 368
Ilaii'burgo 675 a 680
Metaes. Dobroes hespannes.29*900
<( da patria. 29j800
Pesos hespanhes .
m da patrio. .
Pegas de 6i 400 v. 16*400
de n .
Mo^u'as de 4*000 .
Prata......90 a 98
Apolicca de 6 por cento. 70 1|2 a3|8
S.



CAMBIOS EM LISBOA
Em 4 de novembro.
Dinh.' Letras.
Amsterdam ."........ 41 43 3i
tlimburg. 8 7J3.....49 4S3,4
, (51.....d.v. 51311 _
LonIrea..( 33 34 34 93 d.v. 51 53
Gmova........... 522 5 24
l'arii........... 525 526
V'olor dos metaes epapds de crdito.
Objectos. Compra Venda.
Pegas de 7*500 ... 7*780 a 7*820
Ongashespanholas.. 14*350 15*450
Soberanos..... 4*420 i* 150
Ouro cerceado .. ,i 1 *930 < 1 950
- em barra .... 25 26
Patacas hespanholas. *920 *930
Brazileirns.. 903 ,,915
Mexicanas *900 *9l0
Prataem barra .. 28a28l|l------
MOV'i MENT DO PORTO.

\i
qnatrocentas canadts de azeite da carrapato-
ce ai ditas de dito de coco pela medida nova
seis caixas de velas de esperncete, e quatro,
eentas vassouras : qmlquer pessoa que tal
gneros tiver compirega na repartigo do
mesmo Arsenal hoj-5 9 do corrente s dez ho-
ras para tratar di seu a|uste. Arsenal de
Guerra 7 de Janeiro de 1843. Martins, co-
ronel director interino.
= Pela Sub-delegatura da Freguezia da
Boa-vista foi nreso no dia 19 deDizembro
p p. o pr^to Antonio o qu il d>z ser escra-
vo Je Francisco Manoel da Paixo, morador
em Bizarros.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 6.
Cette 42 dias polaca sarda Silencia de
22"/ toneladas ; cap. Jo5o Baptista Gaaggio,
equip. 13 carga vinho, azeite doce, e pa
p I: a Luiz Beugueire.
S. fhom ; 46 dias hiate portuguez Con-
ceigo de 2l toneladas rap. Jorge Joo
de Souia equip. 9 carga lastro : a Jos
Francisco de Azevedo Lisboa.
Cutinguiba ; 10 dias escuna de guerra bra-
zileira Lebre commandante o cap, tenen-
te Marcos Jos Evangelista.
New Cae.tle 60 dias galera ingleza Iris .
cap. R. Bertram equip. 14 carga carvo
de pedra : a Me. Calmont & C*
Valr.araiso ; 76 lias brigue inglez Cham-
piom de '225 toneladas cap. Roberto
Holt, equip. 13, carga cobre e farinha di
trigo : ordem.
SAHID0 NO MESMO DIA.
Falmonth ; barca ingleza Cigar, cap. Hawy,
com a mesma carga que trouxe de Monte
video.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 7.
-Babia ; 13 dias brigue prussisno, Munphio,
de 260 ton. cap. II. Krant, equip 13 ,
carga lastro : a Le Bretn Schramm & C'
Rio de Janeiro ; 30 dias brigue austraco
Cupido de 3i'.0 ton. cap. Elns Lepovez.
equip. ll carga lastro : ordem.
Dito ; 35 dias brigue inglez Barnet d-
21.1 ton. cap. W.m Wilie equip. 11 ,
carga caf : ao capito.
.lis'ooa ; 49 dias brigue sueco Helena d<
210 ton. cap. J. 11 Knot, equip 13 .
carga sal, azeite doce, e pedra : a Le.Bre-
tn Schramm & C.*
" EDITA L.
Vicente Thomaz Pires de FigueredoCamargo-
commendador da ordem de Christo ins-
pector d'alfandega &.C.
Faz saber que nos armazens d'alfandega se
achSo alm do lempo permittido pelo regula-
mento as mercad orias abaixo discriptas as
quaes se nao forem despachadas dentro do
prazo Jo Irinla dias coudos U esta data se-
rio arrematadas em hasta publica em oonfor-
midade do disposto no cap. 16 do mesmo re
gulamento sem que Hq le competindo aos
seus Joos poder allegar causa alguma con-
tra o f licito desta venda.
A&lf 2- Caixas ns. 1, o 2 ; vindas em
31 de agosto ne 1841 pelo brigue portuguez
- Africano Ordem.
FB 5 Barricas ns. 6 a 10 vindas em
oOtle seteinbro de 1841 pela barca portugue-
za-Tentadora Miguel Antonio da Cos-
ta e Silva.
BIC 2 Barricas SN entradas em
8 deoutubro de 1841 vinda ne brigue por-
tuguez Tarujo Jos R idrigues Tarujo.
SM 1 Gaixa-SN- entrada em 18 de
Janeiro de 1812 vinda no brigue escuna
portuguez Amelia F. B. de JVIedeiros.
Assignado V T. P. de F Caicargo.
= P< la administrado da mesa do Consu-
lado se faz sab r que no dia 12 do corrente se
ha de arrematar a porta da mesma adnunistra-
go tez caixas d'assucar branco aprehen
didas p-los respectivos empegados du Trapi-
che do pelourinho por inexactido das taras;
sendo a arrematago livre de despezas ao ar-
remante. M sa do Consulado de Pernambu-
co 7 de Janeiro de 1845
Miguel Atcanju Monteiro de Andraae.
DECLARA v.
= 0 Arsenal de Guarra precisa comprar
LEILOES.
= OleiUo annunciado pelo Corretor Oli-
veira do casco do Brigue Inglez Newburn ,
naufragado na costa do Rio Grande do Norte ,
ondo existe, o os mais salvados do mesmo
Brigue fca transferido por causa da chuva,
para tanja feira 10 do corrente s 10 horas da
manh e ser effectuado no forte do Matto ,
prenga do sr. Mendonga.
AVISOS DIVERSOS.
= A padaria que o abaixo assignado ti-
nha na ra Direita n. 40 vendeo-a ao
ir. Jos Luiz de S'ousa no dia 30 dedezem-
bro p. p. por o mesmo Sr. se portar com o
annunciante muito bem, pelo espago de dous
annose meio que esteve 'administrador da
referida padaria. Manoel Joaquim Lamas.
=r Tendo-se reconhecido fallida a casa com-
mercial nesta cidade, sob a firma dos abai-
xo assignados por este declarSo os mesmos
abaixo assignados, que a dita casa se acha sob
i administrarlo dosSrs. Geo K-'mworthy &
C*, o que pelo presente annnncio declro
r.ara conhecimento de todo? a quem este mes-
mo possa interessar. ~ Gaskell Johnson A
Compnnhia.
= Aluga-seo 1/andar da casa n. 8 na
ra do Fogo : a tratar na casa n. 44, na
iraeinha do Livramento.
= Alusjo-se as casas n. 4 e 6 do a-
terro da Boa-vista urna das novas da ra
l'Aurora ra da Solidado, e no sitio de
Santo Amaro a tratar com Francisco Anto-
nio de Oliveira ou com oseu caixeiro Ma-
noel Joaquim da Silva. Qi mesmos vendem
mdras de Lisboa para varandas, um bom ca-
vallo mestre para carrinho e um dito mui-
to bonito prasela.
= Os abaixo assignados fazem certo ao pu-
hlico que achando-se fallida a casa commer-
ial nesta cidade, sob a firma de Gaskell John-
son & C.', sao os abaixo assignados os enear-
regados da sua liquidago; pelo que avisSo
pelo presente aos credores da mesma casa pa-
ra apresentarem as suas contas afim de se-
ren legalisadas e aosdevedores para virem
Dagar os dbitos que se acharem vencidos, na
rua da Cruz n. 13.-- Georse Henwortliy
& C
= Antonio Manoel da Costa e Silva reti-
ra-se para Portugal.
= Pelo presente annuncio se faz publico
que Jos Antonio dos Santos Leal, quer ven-
i*t metad? de urna ca.^a cita no !g sa Forte, a qual houve por fallecimento de sua
mai Joaquina Maria do Sacramento; quem se
iiL'ar com direito dita casa faga patente
por meio d'outro annuncio no prazo de oito
dias contados da data deste para intelligencia
do comprador findos os quaes se realisar
dita compra e o comprador repelle de si to-
da e qualquer responsabelidade por alguma
duvida que possa apparecer.
= Qu'-m quizer alugar urna negra moca
crinula para todo o servico de urna casa ,
excepto engommar : a fallar no pateo da Santa
Cruz casa n. 66 quasi ao p da do Snr.
Pirette.
= Na pastelaria, e confeitoria, fabrica de
agoa imperial na rua das Trincheiras n. 14 ,
onde se o incontrar todas as qualidades de
pastis frios torta de leite creme de dito,
pastelinhos forma de chourico, biscoito ue
saboia pudins de todas as qualidades cro-
quets meringd biscoito em caixas amen-
do.ida macarrom amanteigado rosca ba-
ndada biscoito para cha biscoito banhado;
i m Ijm tildo quanto contm urna pastelaria ,
assim como tambem faz e incommendas para
casas particulares, e encarrega-se de assar to-
da a qualidade de carne como ave, pernas
decaimiro, ou outra qualquer cousa,comoj
lHlo, presunto de fiambre, pes, e gali-
nlias cheias e tambero encarrega-se de dar
i!;;; vG i j""'"" c seii r, *'''" ,asa e iguai-
mento para casas particulares aonde acharan
tuiio a gasto, dando petiscos a todas as horas
ludo com asseio e promptido e tambem a-
charo lquidos de todas as qualidades como
vinho bordeaux chaupanhe frontignan ,
vinhodo porto tudo de superior quali Jada ,
como tambem licor francoz e refrescos de
todas as qualidades.
Lotera a favor di impretsao das Memoria
histricas di Pernambuc.o.
As rodas desta Lotiria tom o seu andamen-
to no dia 28 Fevereiro prximo futuro e
talvez antes seaextracQio dos bilhetes se
tornar rpida como he de esperar, atientas
as vordadeiras vantagens qne aos comprado-
res proporcima o respectivo plano o melhor
e mais bem organisado ; poiscontem 203 pre-
mios grandes, sendo ol.d de 12:000* rs ,
0 2 de 6:000* o 3 de 3:000* o 4.
de 2:000* alem de dous de 1:000* cinco
de 400* dez de 200* vinte de lOO* ,
quarenta do 50* cento e vinte de 20* e o
1 e ultimo brancos de 423* rtis cada um.
Tem de mais a bjndade de regular o primei-
ro premio quasi um cont por mil res visto
custar cada um bilhete i3* reis e sendo a
lotera de cinco mil bilhetes a presenta quasi
premiada a terga parte cabndo ao menor
dos premiosa quantia de 11* rs. Os bilhe-
tes achio-se a venda nos lugares j annunci-
ados e compra delles devem concorrer
aquellas pessoas amantes deste jogo e que
desejo fazT fortuna.
tar* O Btcharel Vicente Pereira do Rogo
tem estab decido o seu escriptorio de advoca-
cia na rua Nova n. 5 primero andar ; on-
de tamh'rn admitte discpulos particulares
para o estudo das lingoas franceza e ingleza.
e da Geomtrica desde as 3 horas as 6 da
tarde.
J. B. Navarre & C. tem
para vender no deposito ao p do
irco de S. Antonio frente a pon-
te e caes do passeio do Collegio ,
assucar refinado erii paos inteiros ,
pedacos e em p por atacado e a
retaiho de tima libr-i : 3 qualida-
des 160 140, e 80 reis por li-
bra, mcl de bom gosto superior ao
de engenho, por ser do assucar re-
finado tendo-se as operacoes da
abricaco do assucar extrahidoa
potassa e cal, que contemos assuca-
resde engenho, 80 reis a garrafa,
botijas de genebra da qualidade de
llauburgo a 240 reis a botija e
pipas de agoaardente superior de
ii graos.
\sr 0 abaixo assignado faz publico a lo-
dosos Srs. negociantes tanto nacionaes como
estrangeiros, que se julgarem credores da firma
de Jos Joaquim AI ves Texeira & C* ou por le
tras ou contasas queira apresentar no praso
de 8 dias para serem immediatamente pa-
gas pois julga nada deverem e por nada
fioarei rsponsavel desta data em diante por
estar extinta asociedade da dita firma.
Jone Goncalves Torres.
tsr Pede-seaoSr. Jos Claudino Leite o
favor de ver se o escravo de que trata, tem
os signaes seguintes: chama-se Benedicto
( pode mudar o nome ) de idade 40 e tantos
annos cabeca pontuda olhos pequ-nos
e cor de fogo barbado bastante e de suissas,
estatura regular cheio docorpo he muito
ladino sendo de Angola encruza os bragos
quando se briga com elle ; no caso de ter
estes signaes far o favor de remette-lo ao
major Mayer que responsabilisa-se por toda
a despeza.
isr A sociedade das artes mecnicas desta
cidade tem a honra de participar ao respei-
tavel publico queiem de breve abrir o cur
so de geometra e mecnica apdca-a as artes,
no consistorio de S. Jos ; aquelle que pre-
tender seguir ao dltourso haja quanto an-
tes de comparecer mesma sociedade para
ser contemplado.
= Jos Francisco da Silva residente no
botequim da rua das Cruzes retira-se para
Montevideo at o fim deste mez.
= Joan Frederco Abren Reg com caza
de commissao para compra e venda de escra-
vos na rua de Agoas-verdes n.# 46 ; aviza
ao pnblico que elle continua a comprar ea
vender escravos de toda a qualidade, afianc.ati-
do se a sua legitima psse j assim como a re-
ceber em sua casa para vender por conta de
s. us proprios donos quaesquer escravos que
llie s jo confiados ou a prego fixo ou pe
lo mais que poder obter conforme as orden
de seuss3n ores levando somante de com-
missao de vn la 5 por ceuto, alem das corne-
dorias, qu- sao 100 reis diarios se vvnla
se nao poder elT-ctuar dentro em urna sema-
na em aqud nada recebj de ditas comodo-
nas recebendo-as porinteiro quando algum
los escravos que tiver receb do para vender
s^ja retira do do su po 1er antes da venda ve-
r.ficada. Tambem receba escravos do mato
para o mesmo fim e a estes manda curar ,
quando por acaso adoegao em sua casa, sen-
do o traUmenlo por conta de seus senhores :
encarrega-se igualmente de procurar escra-
vos com qualquer ofcio que lhe sejo en-
commendados : para inteira segnranga dos
tratosofferece toda a garanta como at aqu
o tem feito e s exige 'los senhores a dacla-
rego verdadeira dus vicios ou achaque de
seus respectivos escravo< para evitar o enga-
ar alguem : pode ser procurado em sua oa-
za a qualquer hora do dia aonde tem a venda
varios escravos com habilidades e sem ellas,
n n8o menciona aqui as vantagens e commo-
di lades que resultao ao publico deste seu es-
tabelecimento porque ellas j sfto bem co-
nhecidas.
ss Precsa-se alugar dous moloques sen-
do o aluguel pago semanalmente ; na rua dos
Quarteis loja n. 14.
= Precisa-se (aliar ao Sr. Francisco An-
tonio da Smta Cruz a negocio de seu inte-
resse ; as cinco Puntas n. 30 e 32.
sw O abaixo assignado pelo presente faz
publico que desde a publicago deste fica
dissolvida a sociedade que com elle tinha Joo
i'into R-gis de Souza em duas vendas de-
ba ixo da firma de Figueiredo & Souza de-
clarando que esta sociedade foi dissolvida por
convengao e pelo presente faz o abaixo as-
signado certo aos oredores da mesma extinc-
ta firma que somente ao abaixo assignado
compete pagar o qu-i se arliava a dever a so-
ciedade at o dia 7 de Janeiro do corrente au-
no Manoel /entonto Je Figueiredo.
tsr Troca-se ou vende-se uina escrava do
nago por qualquer outro objecto : a tra-
tar na rua do Apollo n. 24, fabrica de Mes-
quita >\ Dutra.
ar Aluga-se um escravo mogo e robusto
para qualquer servigo o qual bom serven-
te de pedreiro; quem o quizer dirija-seao Re-
cife casa de Gongalo Jos da Costa e S na rua
da Madre de Dos.
ar Offerece-se para criado um pardo do
mato ainda rapaz o qual fiel e diligente ;
quem o quizer dirija-se ao Recife casa de
Gongalo Jos da Costa e S na rua da Ma-
dre de Dos
tsr Se o relogio que se annunciou no
Diario de 5 do corrente ter-se apprehendi-
do um preto no primeirodc Janeiro fr de
prata grande eanligo com caita supposta,
e duas chaves sendo urna de Carolina e ou-
tra de metal que a que d corda estan-
do ambas quando o relogio foi furlido. amar-
radas em fio de algodo bastante sujo per-
tencente a loja de stVa da rua do Bangel,
casa n. 1.
Collegio da Boa-Pista, sito atraz da
Matriz.
tsr A Directora faz sciente aos paes de suas
ainmnas nn no rti 9 de corrcG abrir do
novo as aulas do mesmo collegio.
ta^ Joo Jacinlho Areia subdito portn-
guez retira-se para a corle do Rio de Ja-
neiro.
LOTERA DA MATRIZ DA BOA-VISTA.
wa- JVo dia 12 do corren-
te eorrem iinpreterivel-
irientc as rodas desta lote-
ra, no consistorio da mes-
ma Matriz as 10 horas
da manha venda-se ou
uao o restante dos bilhe-
tes.
ar 0 abaixo assignado declara ao publi-
co, a quem lhe faltar um moleque (diz
elle moleque ) que ha annos anda fgido ou
untado dando os signaes certos se lhe dir
quem o tem nao se responsabilisando pela
fuga ou morte do mesmo. Antonio da Los-
\taSoarea Guima/es.
tsr No da *2i do passado mez de dezem-
bro appareceu no sitio do abaixo assignado,
um cavallo que parece ser muito novo; quem
for seu dono e der os signaes certos e pa-
l' ,ndo a despeza que tiver fnito se lhe entre-
nar. Anttmn fnitiintn tV.h'TO de Finia.
ar Da-se dinlinro a premio com pinho-
res de ouro ou prata; assim como compra-se:
no porto das canoas do Recife onde tern ca-
noas do aeoa ec&rrncAR
I


A
Dezeja-se fallar preta velha Mariado
O' que tem um filho de nome Manoel, aj
qual mora no forte do Matto no bairro do
Recife para negocio de seo nteresse ella
pois, ou alguem por si, dirija se ra daCa-
dea velha loja n. 53.
tar Precisa-se de urna ama de forra ou
captiva : na ra estreita do Rozario n. 23 se-
gundo andar.
tar Quittino Augusto Paaplona retira-
se para a Cidade do Ce*r.
tar Precisa-se de 300# rs. a premio de 2
por cento ao mez com hypotheca em um s'i
to, e pagndose o premio mensalmente ;
quem quizer dar annuncie
tar A direcco da sociedade theatral Philo-
Thalia convida aos snrs. socios a reunirem-
so para a sesso extraordinaria afm de tra-
tarse de objectos de urgencia segunda fe-
ra 9 do corrente as 6 horas da tarde na casa
da mesma sociedade.
tar Quem precisar de urna mulher para
ama de casa de pouca familia a qual sabe
cozinhar o ordinario e engommar dirja-
se ra do Livramento loja de couros n. 1 1.
tar Alberto Lavenre tem a honra de pre-
venir ao respeitavel publico que elle se pro-
pe a continuar nao s as suas licOes de lin-
goa franc?za como tambem ligoes de lingoa
portugueza para os estrangeiros. As pessoas
que desejarem aprender ditas lingoas pode-
r apparecer na botica da ra Njva junto da
do snr. Pinto ou na ra da Alegra defronte
do beco que vai para a Gloria onde se acha
assistindo ; podem os snrs. que quizerem
aprender ditas linguas estarem certos que
elle em pregar todos os meios para o adian-
tamento dos discpulos.
tar Desapareceo no dia quarta feira 4 do
corrente da porta de Joze de Oliveira, to-
mando a direcgo das 5 pontas una cavalio
russo pombo grande de boas carnes, anca
milito larga focinho comprido e pescogo
ronconho, capado de pouco t-mpo, sup6-se
ser pegado ou se dirigi no meio de algum
comboio porque eslava de caugalha forrada
de couro e t^m um signal particular que s
omesmodonohe que sabe ; quem o tiver
achado e queira restituir dirij-i-se casa do
mesmo Joze de Oliveira, que ser recompen-
sado.
Joze Maria Vieira subdito portuguez,
retira-se para Portugal.
tar Precisa-se alugar alguns prelos que
estejo acostumados ao servido de erigenho ,
dando-se-lhes de comer : na ra de Senzala
nove n. 42.
tar Avisa-se as pessoas que crio cabras
no lugar da Sulidade, como quem as cria no
serto, que hajode as ter recolhidas ou
traze-las com canga pan nao andarem de
quintalero quintal sustentando-se a custa
dos donos dos mesmos quintaes do contra-
rio se far dellas o que melhur parecer, visto
queja se tem mandadoalgumas em casa do
sur. fiscal e a isso nao deu providencias.*
Um que tem Picado sem o que lbe cus lo u a
plantar.
tar Precisa-se de um menino de 10 para
11 annos e que tenha ja algum conhee-
mento de fazendas e miudezas : na ra da Ca-
deia velha na primeira loja de fazendas ao p
do arco da Conceico.
Precisa-se de um caixeiro e um mar
uo buiequim junto ao theatro.
'Qualqutr senhora capaz que precisar de
melad* de urna casa em boa ra dirija-se
pregada Boa vistan. 14.
ar Quem precisar de urna mulher capaz
para o servigo de urna casa de portas dentro,
annuncie.
or Precisa-se de um caixeiro que entenda
de venda e d fiador a sua conducta para
tomar conta de urna venda as 5 pontas n.
35 onde tem lampio.
tsr Precisa-sede urna ama para casa de
pequea familia : na ra Augusta n. 12.
ar Roga-se a snr. Bernardo Joze Pere-
ra de annunciar por esta 'olha a sua murada ,
para um negocio de seu interesse.
cr No dia 21 dd dez^mbro fugio do sitio
da estrada que vai para Bellem um cavalio
castanho p* e mos calcadas, tem nos res
marcas de esfoladura de peas que Ihe corta-
rao he novo da primeira muda tem no
quarto direito a marca =M= fugio sem
cabestro; quem o tiver achado e quizer res-
tituir leve ao atierro dos Alio Jos no sobrado
do Lima, defronle do viveiro, ou annuncie.
tsr Joze Soares d'Azevedo lente da lin-
goa franceza do Lyceo tem aberto em sua
casa, ra do Collegio n 14, primeiro andar ,
um cursj de lingoa franceza e outro de Phi-
losoohia. As pessoas que desejarem estudar
uros 38 cutrs dcstss (atieipai puem di-
rigir-se casado annunciante de manh
at s 9 horas e Je tarde daa 3 em diante.
COMPRAS
tar Sera de earnahuba em grande porgio;
quem tiver annuncie.
ar Urna bomba de metal ou de madeira,
de 12 palmos de comprimento estando em
bom estado e sendo por prego com modo :
no sitio do retiro na passagem da Magdalena,
ou no Kecife casa de Conga lo Joze da Costa
e S as segundas e sabbados ou annun-
cie.
A commisso encarregada da adminis
trago das obras pertencentes ao patrimonio
do hospital da ordem terceira de N. S. do
Monte do Carmo compra as madeiras e ma-
teriaes seguintes : 100 travs ou aquellas
que forero precisas de 33 palmos e palmo
e coito de grossura ; mais 20 a 30 ditas do
mesmo comprimento e palmo quaJrado ; 4
ditas de 45 a 50 com palmo e torno de gros-
sura ; 200 caibros de 30 palmos, duas du-
zias de taboas de louro de refugo e 20 du
ziasdedito limpo ; l5 a 20 milheiros de ti-
jolos de alvenaria grossa ; 1000 a 1200 al-
queires de cal preta ; as pessoas que estes
gentros tiverem e os queira fornecer da me-
Ihor qualidade, sendo preferidos aquelles ,
que por menos fizerem ; os pretendentes po-
dem apresentar as suas propostas em carta
fechada a qualquer um dos da commiao. Ma-
noel Pacheco de Mello Antonio Vicente Gu-
mares Domingos Joze Rodrigues de Azeve-
do e por impedimento de Gabriel Antonio ,
Manoel Antonio de Jess.
ar No atierro dos Affogados urna ven-
da com fundos ou sem elles; quem tiver an-
nuncie.
tar Efectivamente para fora da provincia,
mulatinhas crioulas, e mais escravos de 13
a 20 annos paga-se bem sendo bonitos: na
ra do Livramento n. 3, das 9 horas as 4 da
tarde.
VENDAS.
tarUma armago de venda por prego com-
modo tambem se cede a chave da casa on-
de ella se acha col locada : na ra das Cruzes
n. 29 se dir com quem sedeva tratar.
tar Alguns herdeiros do sitio denomina-
do Mangueira vendem a parte que Ihes per-
tencem do mesmo sitio : na praca da Boa
vista n. 10.
N,-v cano Chipia, de superior marcha, forrado
ecavilhado de cobre os pretendentes diri-
jan se a Malheus Austin & Companhia, na ra
do Trapiche novo n 18.
tar Os utencilios da padaria estabelecida
na povoago dos Affogados n. 9 no segundo
sobrado do lado esquerdopassando a ponte :
a tratar na mesma.
tar lima boa porgo de bcos e rendas ,
proprias para toalhas e outras couzas tu Jo
ieilo na trra e muito em conta : na ra
da Conceigo da Boa-vista n. 10.
ar Barricas com farinha sssf e americana
de diversas qualidades caixti-'s com chapeos
de bata catxinhas com muito bons charu-
tos fio de gapateiro barris com tinta em
massa de varias cores latas com as verdadei-
ras pilulas de familia e outros mais gene-
ros por prego commodo : na ra estreita do
Rozario n. 13 na nadara de Francisco Al-
ves da Cunha.
tar Urna negrinha crioula, de 15annos,
recolhida bonita figura, sem defeitos, e
nem achaques cose chao e 'az lavarinto ,
cozinha o ordinario de urna casa, elaa de
sabo faz renda e ao comprador se dir o
motivo porque se vende : na ra estreita do
Rozario n. 38.
> tar Luvas para senhora a 640 ditas de
algodo para hornero a 320, tezouras finas a
200 rs. caivetes de aparar pennas a 360 e
320 bons sabonetes para barba a 120, sus-
pensorios de borracha a 520 o par. linhas de
marcar ditas de novellos e de meiadas, pa-
pel de peso muito bom a 3 e 2800 boas es-
oovas com espelho para cabello, e tambem
para dar lustro encalgado pentesde tartaru-
ga para marrafas a 1140 caixinhas de agu-
Ihasfrancezasa 400 rs. bom ma^ass pero-
la eem oleo bandas francezas a i20 o hoio,
e tambem se vende espermacete de 6 ero libra
a 700 res : na ra do Livramento casa n. 10.
tar Urna porgo de barricas vazas que
foro Je farinha de trigo duas canoas frena-
das com mais de 60 palmos de comprido, 30
e tantas caixas vazas do porto um caval-
io castanho muito carregador tudo por pre-
go commodo: na padaria de Joo Lopes de
Lima ; na mesma compra-se um oratorio
pequeo sendo moderno e com pouco uso .
e precisa -se de um forneiro sendo perito nao
se repara ao prego.
tar Saccas com milho por 4# : no caes da
Alfandega armazem de Antonio Annes Jaco-
me Pire.
tarFarinha de mandioca por 3200 a sacca;
e man em caizas de 16 libras : na ra da
Moeda n. 8.
aar Farinha de mandioca de Santa Catha-
rina em saccas de dous alquerea e meio do
Rio, de muito boa qualidade e por prego com-
modo : na ra da Cadeia dentro do Kecife ca-
zas nmeros 12 e 14.
tar Um jogo de gamSo com seus perten-
ces de marfim urna carteira propria para lo-
ja ou venda ; urna ptima espingarda de
caga varios lvros em francez sendo mestre
de torneiro de forja de fundidor de latao,
de relojoeiro, e outras muitas obras ptimas
para qualquer pessoa se applicar sem maior
trabalho ; tudo por prego commoJo : na ra
do Lobato n. 5.
Lan ternas de casqun ha inglezas finas,
ditas com pe* de vidro lapidadas e lisas. e
mangas de vidro lapidadas ditas lisas ingle-
zas de muito bom gosto garrafas lapidadas
de cristal, componteiraa para doce copos
para agoa, calis para vinho, porta licores
finos com caixa, bandeja finas de muito bom
gosto, apparelhos para cha de porcelana dou-
rada, e chicaras de porcelana frascos de bo-
ca larga com rolha, apparelhos para meza de
difierentes gostos, ditos para cha azues e mais
cores e outras muitas fazendas por prego
commodo : na ra do Livramento n. 6.
tar Urna venda com muito poucos fundos
sita na passagem da Magdanela alem da pon-
te pequea adinheiro ou a prazo ; tractar
na ra do Rozario da Boa-vista n. 17.
tar Excellente azeite doce de Lisboa por
caadas 4200 e a garrafa 54o: na ra dos
Quarteis n. 18.
tar Bogias de carnauba de 6 e 9 em li-
bra a 320 a libra boas cariase taboadas pa-
ra meninos a 80 e 40 rs. pautas grandes e
pequeas a 60 e 30 res: na ra do Nogueira
n. 13.
xsr Ummoleque, de idadede l8annos ,
sabe cozinhar engommar e coser, e bom
para o servigo de urna casa : na ra de S.
Francisco, na primeira casa passando o thea-
tro
tar Urna negra do nagfio de 30 annos, bo-
nita figura engoniroa liso cozinba o ordi-
nario de urna casa e lava de sabio e vende
na ra, e urna negrinha de 7 annos : na cam-
boa do Carmo n. 19 segundo andar.
tar Louga vidrada da Babia: na ra da
Cruz n. 64.
tar Urna boa canoa de carroira bem
construida e anda nova : na ra das Fio-
res no primeiro andar i fallar com Luiz Cae-
tao Borges.
= Urna mulata anda moga propria para
o arranjo de qualquer casa cozinha bem o
ordinario cose lava engomma sofrivel-
mente : na ra da Cadeia n. 30.
tar Urna casa terrea na Solidado n. 50 ,
no principio da ra de Joo Fernandos Vieira,
em chios proprios com um terreno conti-
guo hzendo ao todo 60 palmos de (rente ,
com 400 de fundo; plantado de diversos ar-
voredos e cacimba e outra dita na ra Ve-
lha n. 50com quintal murado e cacimba no
meio; um mulato bastante claro e robusto,
de idade de 18 annos proprio para ragem :
na ra da Guia sobrado de um andar n. 46.
Urna padaria com todos os seus perten-
ces em muito bom local quasi dentro da Ci-
dade a qual vende diariamente porta du-
as arrobas de pao fora bolaxa, bolaxinha etc.
cujo aluguel das cazas (por ser duas) he mili-
to em conta avista dos commodos que se offe-
recem para moradia de urna familia com
banho e porto de embarque junto do caza ;
quem pretender procure na ra do Rozario
da Boa-vista no sobrado de um andar por ci-
ma da loja de tanoeiro.
Um preto que tem 25 athe 30 annos
de idade, e bonita figura e bom pagem co-
monta muito bem a cavalio e
do do Rio de Janeiro : na ra do Collegio nu-
mero 21.
tar Urna escrava mulata de 21 annos de
idade, bastante vistoza recolhida cos.
nha o regular de urna casa engomma, uv,
de varrella, e ensaboa e faz renda he bas-
tante sadia e izenta de vicios : na ra da Pe-
nha n. 7.
tar Urna casa terrea boa e grande sita,
da ero Tigipi, junto da estrada e feita a
moderna com duas salas, dous quartos,
cozkiha e quarto para pretos; junto a cas
tem um pequeo sitio com baixa de capira,
varias plantacdes de hortalices muitos ps
de bananeras de prata annanzes ; exis-
tindo mais em dito sitio urna estribara prin-
cipiada mas nao acababa a qual se vende
junto com a mesma casa ; na ra da Cruz do
Recife n. 48.
tar Um lindo moleque de i 4 a 16 annos
bom servente de urna casa, sabe tairjbem tra-
tar de cavalio* e muito bom pagem; uma pre-
ta de bonita figura de 20 a 22 annos n.'ui-
to boa lavadeiraequitandeira e de todo o
mais servigo ; urna dita de 20 annos perfeita
engomadeira eozinheira, e cose, para fora
da provincia urna molatinha de 12 annos
propria para mucamba de alguma menina ; 2
pretos muito mogos e reforcados proprios pa-
ra todo o servico ; na ra do Fogo ao p do
Rozario n. 8.
tar Cinco escravas urna crela de idade
25 annos engomma bem qualquer vestido
de senhora cose chaO e cosinha o ordina-
rio de urna rasa, duas de nago com bonitas
figuras engommo lizo cozinho e lavSo
Je sabo e varrella duas ditas de nago qui-
tandeiras cosinho o ordinario, tudas se do
a contento ao comprador: na ra Direita nu-
mero 43.
ESCRAVOS FGIDOS.
cheiro, ,
mestre de todo servigo de urna casa como
servir bem a maza, limpar pratos &c. e
emfim talvez nao baja outro meihor nesta Ci-
dade e vende-se por seo sr. estar prximo a
fazer viagem para Europa ; o prego 700*
quem quiser annuncie.
tar Compendios de Geometra de um bom
melhodo : na loja do snr. Pinto no pateo
do Collegio ; prego 640 rs.
tar ptimas toalhas de linho cru pro-
prias para mesa de jantar e bancas polo
barato prego de 3, 4, o o rs. : na ra do
Crespo loja n. 11, lado do sul.
tar Potassa da Pussia a 270 rs. : na ra
da Cadeia do Recife n. 10.
UV Onalrn C2MQ3
15 segundo andar.
tsr Excellente farinha de mandioca fina ,
chegada prximamente no ultimo uavio-ww-
na .... J"
apvuu
11.
tar No dia 5 do corrente mez fugio um
preto de nome Joaqun ( por alcunha celei-
ro ), nagfio Camundongo representa ter 25
at 30 annos de idade com os signaes se-
guintes : cor fulla, denles da frente lima-
dos ps largos, olhos amortecidos, e quan-
do anda estala muitc as juntas dos pos; levou
vestido camisa de xila azul, ceroula de es-
toupa e chapeo de palna novo com urna fita
preta amarrada ; quem o apprehender leve-o
ao pateo de S. Pedro n. 16 que ser gene-
rosamente recompensado.
tar Fugio no dia 23 de Outubro de 1842
um preto de nome Jacintho, nago Quicam
idade pouco mais ou menos de 18 a 20 annos,
sem barba, alto, com os dous denles da
frente de cima limados levou vestido calcas
e camisa de algodo entrangado ; quem o pe-
gar pode leva-lo a venda de Diogo Rodrigues
em Fora de Portas que se Ihe dar l00# de
gratn* cago.
tar No dia 26 de Oezembro do anno p.
p. do engenho Limoeiro freguezia da Esca-
da fugiro seis escravos pertencentes ao pro-
pietario do mesmo engenho a saber: Jofio
Cagange idade 35 annos pouco mais ou me-
nos bem preto e barbado estatura me-
diana um pouco secco do corpo canella
finas e cabiludas ps poqueuos olhos al-
guma cousa grandes, tem um caroco as
uslas de urna polegada de comprido e ha
muito ladino.
Joo angico idade 30 annos pouco mais
ou menos, de boa altura e grossura mediana,
um pouco fula, gago tem falla de denles
na frente ehe ladino.
Jos Benguela, idade 20 annos pouco mais
ou menos de boa altura e ser.co do corpo,
candas compridas e finas tem urna cica-
triz junto ao nariz de um a outro lado pos
compridos e alguma cousa cambados tem
poucos den tes, e he bem ladino.
Antio cabra idade de 35 annos pouco
mais ou menos tem um olbo vazado es-
tatura mediana e nao muito secco porm es-
padaudo dedos grandes dos ps alguma cou-
sa torios e levou urna corrente ao pescogo.
Mara crela idade 25 annos pouco mais
ou menos de boa estatura cheia do corpo ,
e espadauda os dedos grandes dos ps torios,
tem urna quebradura na barriga motivada
dos partos que tem tido e falla de dentes
na frente.
Euzebio crelo, idade 40 annos pouco
mais ou menos alto e secco do corpo tem
na frente do queixo de baixo ou de cima fal-
ta de um ou dous dentes : qualquer pessoa
que os aprehender leve-osaoseu senhor no
dito engenho. ou no Recife ao Sr. Gaudino
Agoslinho de Barros na pracinha do Corpo
Santo n. fifi -
glo cada um.
ron .I.A-A
mv (lam'.
RECIFE NA TYP. DE M. F. nF. F. i.41


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EFC1R2IRI_GVWZRV INGEST_TIME 2013-04-13T00:47:20Z PACKAGE AA00011611_04859
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES