Diario de Pernambuco

Chagas da companhia d'artitices para ser j aquello acto violento e ollensivo da dignidade
presento a junta dojustiga, e dt-lla obtur fi- ,to governo imperial, e exilio a devida re-
nal sentenga.
(Continuar-se-ha.)
INTERIOR.
RELACESDO BRASIL COM A INGLA-
TERRA.
Grande servico prestrou de cerlo o Diario
no paiz publicando as correspondencias do Sr.
Monlezuma. incitado por ellas um defen-
sor do nobre ministro de estrangeiros tem pu-
hlicado no Jornal Jo Connnrido um sem n.
de notas que levelam ao paiz o estado de nos-
sas rfla(oes com a Inglaterra e o modo por
que bao sido /.ciados a dignidade e os mleres-
ses nacionaes
AcolhemQS em nossas" columnas o seguinte
II LXjI *- Jt3 tt%\J vwilllll UIIIVUVMfi
0 SK.MIOll AL'RF.LIANO.
Nos communicados que o Sr. redactor do
Jornal Jo Commercio nos tem feto o obse-
quio de inserir na sua folha em defeza do
Exm. Sr. ministro dos negocios estrangei-
ros ; que tem sido nao s acremente censa-
radp porem at insultado pelo correspon-
dente do Diario, que se intitula a f'erJaJe,
com o falso pretexto de que tem sacrificado
ao eslrangeiio a dignidade e o.t interesses Jo
paiz promettemos em appoio do nosso
pnmeiro desmentido a essa e a outras asser-
(;oes fzer publicas pela imprensa desta ca-
pital algumas olas daqu dl ministro que
lindo sido traduzidas em inglez foio pu-
blicadas nesta lingo 1 em Londres eotrb a
Con esponJanee wiih Foreign Pwverx on
Si ave na Je --Correspondencia com as poten-
cias estrangeiras sobre o trafico d 1 escravos,
a qual tendo chegdo ao nosso conhfCimento
justamente quando aquelle correspondente
riis pioeurava deprimir e enegiecer o digno
ministro excitou em nos o detlja de tomar
sua defeza. (I) Sao traduzidas do inglez as
paraeo tem agora nicamente a accrescen-
tar que a faita le pagamento da multa aggra-
vou muito mais a dita nllensa ; e por conse-
quencia espera dos .lustrados sentmentos do
Sr. Oiweley bajado intervircompetentemen-
te, para que o governo de S. M. o Impera-
dor se.ia dada aqu da salisf.ig.lo a (jue tem in-
dispulave! direito ,* e que alemdisio neces-
saria para a manutengo da barmonia e ami-
sade que lelizmenfte existe .Mitre os dous go-
vertios.O abaixo asiignadn aproveita esta
opportunidade &C. Astlgnado.Aurelia-
no J' Son a e Ouliveira Coutinho.Sr. W.
G. Ouseley &c, dtc.
N. 2. liio -21 desetembro de 1840.
O abaixo assignado &c. tem a honra de
transmillir ao Sr. Ouselcy &c urna co-
piada seiilrnca que a commisso mixta bra-
(I) Tinbamos ja concluido este artigo quan-
do vimos na Jornal Jo Commercio n. 07 a
Correspondencia do Sr. M >!t> /urna na qua
das arfuigdes que lhe forao feitas quer pe-
lo gvnhor Montezuma quer pelo senhor
VeidaJe Jo Diario} na certeza de que
nao aellas a quem respondemos, porem
sim ao publico a quem respeitamos. Di-
remos todava ao Sr Montezuma que se
nao obstante haver notificado a lord Palmers-
ton a sua demissao a 2<>de agosto e haver-
Ihe este res,pon.lido a 1\, que a rainha lhe
d'iria audiencia qunnJo viesse a Londrh ,
lhe dirigi o mesmo lord una importante no-
ta a 27 porque o governo inglez o consi-
derava anda ministre do Brazil{e nao poda
ileixar de o fazer ) emquanto seu successor
nao apiescntasse as suas credenciaes ; e se o
Si. Montezuma se julgou anda depois de
27 de agosto ministro do Brasil, para re-
mttler a dita nota ao seu governo porque
nao se havia jul.;ar tal para responder logo a
lord Pal merston sobre ludo em objectoem
que o seu silencio podia importar acquies-
ceocia.
A respeito da demora do seu successor em
dar a resposta que devera ter sido dada pelo
Sr. Montezuma s diremos que nos cons-
ta que. 1 Sr. Marques Lisboa achou a parte
lioanmia da leg,>(\"io em estado tal quetal-
./. precisass acudir a ella [rimeiro do que
,t parte polUca.....Admiramos que
diz : k Contina o Sr. Aun-liano nn provo-
rar-me &c. \oque dos, autor dos com- Ante essa demora quem busca razoes to fra
municados que iem appareridu no > .i>> c \ntm deac-uipai w i u censuravei ne-
Jo-nal respondemos que cantinuaremo* na gligencia em dar no ministro britanic
nobre tarefa de defender o Exm* ministro [prompta resposta due convinba '
i

MPLAR ENCONTRADOJ MUTILADO


p

ssxss
ac
si|eira e ingiera residente tiesta capital | o seu governo formalmente aceitava urna pro-
pronunciou nodia 10 do corrente ordenan-
do que a gejiota brasilera alejandre apri-
sionada ao saiiir deste porto pelo brigue de
guerra ingles Grcan, commandante VV.
Smilh fosso re axada c Pimediatamente en-
tresijo a seus dorios.
^ Oprocedimentj deste commandante,nSos
i contrario ao artigo?.. conal de 28 de jul0 do jg!7 ,'qu faz par-
te da de 23 de novembro de 1826 mas
bem revoltaifte em consequencia .las cir-
cumstancias que acompalh iram a captura de
urna embarcarlo que de lia muito prosegua
sua linda de.cwmmercio.licito entre este por-
to e o de Campos. Alm disso a visita de
navios mercantes de urna nagfio amiga em
tempo.de paz um insulto bandeira deesa
mqao ; onsr Ouseley nao ignora que o sen
illustralo governo recnhece este prinoipio
do direito das gentes-; pois* qu9 tem instado
( como atilda agora o f.z ) pela ratificado dos
krtigos addicionaes assigna los oesta cortea
S7dejulbode 18,15 peos p| ni potenciaros
o conselbeiro Manoe Alvet Bramo M .
ffanriqte ^or artigas quo autorisam a
visita dos navife pertencent has as na-
Ces sobasen c/vs ii >lb>s declara [as,
abaixo assignado pois receben ordem I > S. VI.
o Imperador para exigir a satisf cao que de-
vida pela violencia que o dito ollicial pral
pela falta de respeito com quo se conduziu
paracom osdireitos e digni h 591
do gov.-rno brasil riro ; deven lo os denos da
dita ga|.*)i 1 si.r indemnisados pelas pardas e
da m nos que soffreram por urna tfio injusta
i detenca), como de esperar o el les req.ua-
' reram.
Oabaifq assignado uJ i mis d ver decla-
rar nesl pccgsio ao r. O isel y que o go-
verno iiriperial v com p zar a n currencia te
fados to irregulares e rq re : 'v> s de puni-
.>. como os praticados p lo cammasdante
do Grec an ; pois qu 1 1 llej na" 1 s I n dem .
indispore a exacerbar os limos dos subdi-
tos brasileiros, .que 9offrem assim graves
prejuizos no -v eommerci 1 e industria
mis at pro lu n os 1 mba .
geverno de S. !. olmpeAdor, mino -u-
toem qu com > nol ia ao sr. ') is di y ,
o Snesm 1/ iv 'rn 1 se icb.i animaij d siiiue-
10' que t iidatn
a torn fleaz a abolco de um com Hercio
MhMR^juo 'J'si iv>.no. U abaixo sSgna-
t!o, o:;. A n.*-Aurelianno de Soa-
sa a O.'iuoira C Sr. W. '
ley &c. ,
\\ ;-,. io 22 da Janeiro de 1841.
O abuix i*S! lo 1 isa a recep-
ta n.U; nta O sr.
leley &!. jiu na quai re'fe-
em qu > rn 1 .
I
1 1
a : ". .-. sVs.
Alve.' Fox,
das insiste novam ni I >n-
elus 10 desl )i o,
O.. !>mbro
I
ao got
1 ratificar nenie :
.
1 a mais
.'. i is q 11
() g '
posta que fora offerecida em 1831) por par-

te do governo imperial sobre a extinego da
C0D1 miss'io mixta brasilea e ingleza e re-
tnettia 111 luso um projecto do convenci a
cerca desse objecto ; o sr. Ouseley insiste a-
gora e novament requer a conclusiio deste
negocio, que diz j obtivera a prompta acqui-
es*encia 'lo governo britanni^o.
Devendo porm o referido proje.cto apre-
sen|a(Io pelo sr. Ouseley ser examinado com
madura reflexfio pelo ministros de S- II.!.,
alimde tomarrsa depois sobre elle urna de-
finitiva resol uq o lenio-o j o abaixo as-
iignado submettido aos seus nobres collegas
para o dito lim como verbalmente commu-
nicou ao sr. Oaseley, nao tem anda sido
vel tal resoluc/10 em consequencia da
multiplicidade de negocios qua tem ultima-
mente oeeopado a altencao do governo impe-
rial o qual todava nutre a melbor vonta-
  • a :corJo digno dos dons .'oy.!rnos ; <> porque
    1 abaixo assignado estar sempre prompto a
    ouvir ludo qu.rito o sr. Ouaaley llie leseja
    dizer sobre tal assraoto. apressa so asi^ni-
    ,'i-ar Ule qua na quinta feira da semana pr-
    xima futura ao m do dia o receben nes-
    i. s cn taria de estado afim do I he conco-
    lega conferencia que o sr. Ouseley pedo na
    nota a que ora t -m a honra d res o >nder.
    Ortbaixo assigna !o cVc de S usae 0!ieira Coulinho Sr. VV. (1.
    Ouseley.
    Y r). Rio s de fevereiro de 1841.
    O abaixo asssiguado tem a honra d diri-
    gir-se ao sr. Ouseley. em resposta s suai
    ultimas notas em que insiste nio s para
    que o no imperial adopta o mais breve-
    mente possivel l(s artigos addicinna -i con-
    Sode23 le novembro de 1X26 sobre o
    ' le escr v Lura os* qu s artigos ante
    ateniente tinhan? sido submettidos op-
    nrov. '1 1 da cunara dos deputados, mas
    laubem para que approve a proposicfo 011
    projecto d' uma nova eonv^ngo ofibrecida
    sr. Mi;..! y em consecuencia de haver
    0 governo de S. VI. Britanntca annoidoa nina
    1 ipofta ou memorandun, aprespntado a.i
    Sr. Ouseley como inluttodse procurar um
    ;'' extinguir a commissSo mixta bras;-
    leira e ingleza nesta cortat, e de chegar a um
    nju#l 1.1.1 tornar cu" tiva a aboligo do il-
    legitimo eommeroio do Africanos.
    0 abaixo assignado por as de urna vez
    lemd lo ao sr. Ou y que conside-
    ran ;" 1 de n ixima importancia ,
    tido ao conhecimento e exa-
    r de oh 1 um le seus di ?n >s c il-
    ) -is entrar nmdiscussSoe adop-
    1 urna r s Iuqo definitiva que o abaixo
    lalo ter :ri Ja ^var ao conbeci-
    il y.
    Esta 1 nda nSo pia ter lugar ,
    1 |unciados muM >s obj filos de odmi-
    (' > ::! i na qu t 'in oceupa lo os "iiida-
    i'.vicAo do actud gabinete d>; S. M.
    omp*rador, qu bpenas conti alguna me-
    l **xistenrj O abaixo assignado porem
    i j, da informar ao sr.
    I y qu 'o irojecto de c irivencao que a-
    11 <' qu dizl r ha.' ado no memo-
    ' il : 1 e Ov i 1 .
    nao Je m recer o assanso do governo le
    I lor tal qual so n 'lia 1.,
    uj iuri. c, Brasiieir >s a u n tribun il
    ii.t ran ite.'eslr ngeiro : 2.", porque le-
    livi '>' is it 1) s brasileiros e
    mittir ao sau governo pelo prximo paquete,
    nao impede que continuem entro o.abaixo as-
    signado e o sr. Ouseley, quiosquer confe-
    rencias, em que se tonn em considerarlo
    este objecto aoquil o governo imperial as-
    sim como o faz o de S M. Britannica conti-
    nuar a prestar a devida aenciio para se pe-
    der "negar a um accordo convoniente.
    O abaixo assignado aproveita esta occa-
    sio para renovar ao sr. Ouseley &c.
    Aurelinno de Sonta e Ohvra Coutinh.
    Sr. VV. G. Ouseley ,.&c.
    N. 6Palacio do Rio de Janeiro, 15 de
    marco de 18JI.
    i\o tendo ainda sido respondidas as notas
    que o abaixo assignado &c. dirigi, em
    28 de abril e 17 de agosto do anno passado ,
    ao Sr. Ouseley, versando ambas sobre objec-
    to grave, por isso que se referio satisfjQo
    devida, nos ao ioverno iniporUl, pelo ins-
    lito e ofensivo procelimento cloc mmandante
    da corveta ingleza faccliorso para com o
    brigue escuna Amtia no porto do Mira-
    nliao ; como tambem a Antonio Pinto Fer-
    eira Vianna eC* proprietarios da men-
    cionada embarcagaq Amalla p-ila quantia
    que por conti dos mesmos ali vinlia em
    mo ? as de ouro de 6ji400 rs. e quo Pora to-
    mada pela escuna de guerra ingleza Tras-
    wat moon julga o abaixo assignado do seu
    dever chamar novamente a attenQo do Sr.
    puseley sobre estes objectos exigindo a in-
    dispensavel rep.raco dasoffensis que forao
    commetli las.
    O 1 >aixo assignado renova &c. Aurelin-
    no de Souza e. liveir.i Coutinho.Sr. VV
    G. Ouseley &C.
    N. 7.Rio de Janeiro, 1J de maio de
    1841.
    O abaixo assignado ha vendo aecusado em
    eutra occasifio o recebimentoda nota-que em
    data de 24 do mez pretrito lhe dirigir o
    Sr. Ouseley, passa gora a contestal-a. ten-
    do ouvid 1 sobre o objecto della os commiss -
    ros brasil iros da ComnSS5o mixta Rrasiloi
    ra e ingles 1.
    Queixa-ga nella o Sr. Ouseley da longa de-
    m ira !i ivi la 110 julgamen,t6 das presas pela
    commissao causida pdos dias santos, em
    cuidado de pjrem 11b '1 I }fl s .
    negocio, :' o tem que vai'de en ontro com toloj os princi-
    la 1.1 : o univ rsal. Su >s dis-
    ernsiderag 1, e j .,i; t n
    . ia que o mi .. ; "I. 1. ochando-
    se ^i de innu-
    merivci: 1 '
    ;iosqii.< an-
    dam'iit,
    {ja dfciso de fin
    el mii.
    O tftnh ';-.-- ''
    I pr fin >v' )'>'
    podei '
    sr. Ous : y >' s >ver-
    . alem I isso sao rela-
    .* aQoea a resp dio das q
    u paila ... irem no trafico;
    Ou ,;ue .
    ' nbele aclop-
    |u t n '. va a abo-
    1 Sbo i, ter I via que o faga
    11 a ,
    r 1 qfd 111 a
    . e nao
    o im ier o a i
    Tolr-s esta.' razJ s faz m
    S. M. o Imperador
    no imp
    rus de consider 58 i, c
    faz 1 .'da v ,. mais as que o habilite n a
    amiz '] ::''": o- I |ue se tcv> em
    tre as '!iMs : '' 1 'stignado n sr. C Bap-
    in'va ':.--./ 1 -.")'..- : 1 deOJiveira r os men-
    ' ': 1: .1 expor os sub Utos
    -.; 1 o que a-
    -N
    sae OH r;r.i C "<. VV
    '. &c
    '().:,.;. 1 lu
    . -y ii 1 i.' Jo
    U SU anterior Je
    I com ton I-
    censiin .
    n
    id 1 ie u .11
    ''
    por sn qu
    declarou qu-! |
    os quiei os eommissarios brasileiros, se-
    guiqdo 1 pratioa dos tribunaes do paiz tem
    deixado de trabalhar 5 e, para citar ex-
    emph traz o fado anterior do julgamento
    di brigue O. Joo de Castro em que de-
    correram militas semanas entre a aprehenso
    do navio o a senteng fin il.
    Jem 1838 foi urna queixa semplhante le-
    va la peranlo acommisso pelo commissaro
    juiz britnico ; o sendo communicada ao
    ..'oveuio imperial pelo cOmftiissario juiz hr-
    sileiro fui ( e nem poda daixar de ser as-
    sim ) respondido da maneira segunte : uOji
    sendo contrario regia geral do direito bras-
    1 uro que annulla todos os actos e jalga-
    mentos efectuados em taes dias < irlo con-
    ti udo a convenco determina^aj) alguma exi-
    iressa estabelecendo excepQfto como bou ve
    no cdigo criminal relativamn|n as ses*0's
    los jurados, nao pode traba IjiaY-se nos das
    santos sob o tnico arbitrio dos eommissarios,
    os quas nio lerio p ider le validar o qu
    ! i annulla. Quantoao faoto do brigue J)
    I ';> ile Castro o oiz cooiinissari > brasi-
    leiro informa que, tendo comeijado o pro-
    sa i deste navio em 24 de dez<*mbro de J839
    depois de determinadas as diligenc'as do cos-
    e as perguntas tripulado Jet se*
    .111 se rrqui.-ices era do cnsul ingle/.
    na qualiJH,;,! <.:e procurador do captor, ora
    do comayssariojuiz britnico, e uliimarnen-
    1 meslre do brigue requerendo em con-
    de #0 artigo primeiro do reiulamento
    das rmmissues mixtas annexo a convn-
    v-;, de 28 de juilio de 1817 o praso de qjia-
    Iro mezes para poder mandar vir de JVIocam-
    bique documentos que provarim ser o dito
    brigu ppopriedade de pi ssoa ;i!i residente ;
    depois seguiram-se tambem duvidas relati-
    vamente a ianca exigida pela commissao pe-
    ra canees >, n 1 forma do meti-
    lo irtigo : de man dra qu- chegando os
    lias santos do natal f t somonte depois les, passarem edo rel-iftdo mestre desistir
    recurso em 25 de Janeiro, qie se pro-
    leriu immcliat:im nt. a g (,:, r.oade con ,
    nago a 28 d 1 dito mes,
    Si a estas circunstancias que tofasjustifi-
    cam .1 demora a si nlen^a dq brigu 1, forem
    accrescenladas as justas cotia! ler (fies que a-
    inta o commisario juiz brasileiro sobre
    a difHculdade de" ib observa rem as regras de
    (lireii.i jusli Miinalov restri tamen-
    ib< lecida elo artigo ten
    1, qu .11 10
    ; ir o.< que h ilim m.) inl -reas
    em esp icula ;o frau-
    de consideracoos que o abaixo assignado se
    julga dispensado do levar ao conhecimento do
    Sr. Ouseley., por isso que dellas est sena
    duvida informado petos comnlissiirios br.
    nicos espera o mesmo abaixo assignado que
    o Sr. Ouseley se convencerido Seto e regula-
    rid-idecom que tem procedido 03 eommissa-
    rios brasileiros dignos ant-'sde louvor do
    que da censura que se Ibes faz. O abaixo
    assignado, IC. Au-fliano dajSousa e (J-
    liveira Couti'iho. Sr. VV. G. Ouseley, dtc.
    N. 8.- Palacio do Rio de Janeiro 24 do
    maio de 1841.
    O abaixo assignado, Ac. acusa a recepgo
    da nota queoSr. VV. G. Ouselei &o. lhe
    dirigi em dita de liontem referindo-se ao
    faoto que diz ter acontecido junto Illa da
    Penna de haver sjdoaUcarlo m bote per-
    tencenteao brigue ingl-'Z dio JUB a'r'''(,-
    nra urna embarcacao com .500 Africanos a
    birdo, que fora rotomada pela partida atacan-
    te composta pouco mais ou mwnos de 70 a
    80 homens viudos de trra depois de luye-
    re m silof-ridos i Imjl-7.es dohot'. (2)
    Relata maisoSr. Ouseley que o menciona-
    do bote aportara em Campos asno- cosequeneia
    do necessitar agua e mantimeakos eque a
    autoridades locaes retm em priso os In livi
    dos quecompunham a tripulagav, ateus
    do-os de pirataria e recusan lo soltal-oS por b
    verem levado este negocio ao eonlKcim -ti
    do presidente di provincia lo Ri 1 de Janeirt
    O abaixo assignado tem disignifiO'ir em
    resposta ao Sr. Ousel y, qu'a pnmejra no-
    ticia que tave dsjisa desagrad'ayel ocorfencia
    foi esta manila quan lo recebeu a noh a quo
    agora responde, e que boje mesmo l! 'imi 10
    referido presidente afim de ubter as necas-
    sarias infjriiiagos sqbrt tal successo d.nio
    immi-diaiamente as convenientes prove ic/.is
    para que os subditos brilannicos qu-' se diz
    estarm.presos em Campos s-jam entragoes
    ao pqmmandante do Clio ou a outro'hai-
    quer olli :ia Hglez vidam-nte auto/isado
    pelo commandante das Pircas navaea inflezas,
    para os conduzir a esta c te onde o .negocio
    ser julgado conformo fo''de usx'iga
    O abaixo assignado, tpndoasim ferfo no
    momento quanto est so seu alcance "para e-
    vitar ascoosequ neies ini to que,
    a ter existido sinceramente lamepta guar-
    da-se para, guando esli ver devidameOte i n-
    formado subre este obj cto responder mais
    extensamente dita nda^ S. Ouseley.
    E' todava do dever do arriso a- s*,y,v pellir desde j as serias ecusaces que o Sr.
    Ouseley faz contra o qverno imperial, prin-
    cipal iienie em "in caso em que osjno deixa
    entrever, nao est ain!i bem informado
    O abaixo assigna o podefia lasa he m aqui
    bpontar abusos que estu prattoando os cruza-
    lores dglezes det^niio navios cmo suspeitqs
    leseempregar tn no po mercip dayescravos,
    os quaes t'i) evidentemente mo*se dingem
    1 esse irafi.'o, .\ < 1 mixta
    brasHeira e ingli za os I m por sentencia m.11 -
    |..,!o iv|,.\ar b n 1. mo oul'os, q'iieoafiai-
    xo assignado 1 serva pai mem foiir/em
    occasio mais oppmtpna ;i que nao d seja
    reclamar contra tas"a1busps,sem estar h seadjft
    em (H-iiiin ni uCfl i >s e inaontesta 'is.
    Por iniiias v z'-s tem o ibaiXo assignado
    signil r. O 1 i y que, u gov rn 1 im-
    ieri i tfto interessaJo na suppressolo tra-
    !i 'o da 'sci avatim como o pxipi \o governo de
    S. VI. Britannica; mas cami-
    nlia'- com a maior prud 1 cao ,
    'in : p-culiares do fjra-
    sil, e as pri v. m. cuo de seus/liahitan-
    tes ; e qu o irteio m *) 'dejju I para o con-
    .-ir nao o-rt; i:e: a o (i < ; : > tor-
    1; 1 11: s sim o de ; nrl os 1 1 1 ade
    e justoa dessa medid diuca e piii.li ntro*
    pica. t
    O abaixo assigna RmLi -se
    muis riesta commutiicaca(j <' di ve i r im-
    mediatapiente expedida .\|fi 1 Ufluii-
    -, p o i.cci :S(!o snr Ou el \. | jjra-
    IdVrl oceurrencia qu' iba \ iiiiikMr,
    e julga ter dado nas'provi \\ lidas,
    urna pro* convine,!.!- ;s des j s qiie-nTifc^
    1 onflietos manter impe tur*
    b.avela boa inl llign mbsistnto eplrras
    d'.ias n-iri'i s; pociUtS'n il uslrado s ,into do
    snr, Ouseley n> i de reconbecer
    que ape.^ai .le ti e Os [o e( to
    di ver ii abaixo > imi i-
    ro que : lo a Jign i verno im| 1
    ate de
    qde tem a lio
    Daba que > snr. ()u-
    seley vi [|1 pre! ,1 r u a m-
    baicsgo aCa npos ie||a envi Dfti nffcjal
    fft mari' a ailtoi ll
    () C X 9
    par^idf
    atacante e fn ,.



    I "
    : '
    3

    para conduzir a esta oidadfe os individuos em
    qiiesto afim d Ttar-se claramente o
    )i. e )Co, o se o dentar, poderelh mesmo
    sor o portsdor da ordem do presidente da pro-
    vincia ao qual erflo ( v ir. o abiixo as-
    sign^do para qu? Ui'a enltagu.
    dever sor tanto; enem-um tem sido mais fran-
    co e sincero as qu 'toes que tem sido agita-
    das sobre esta materia. Para o comprovar .
    > abaixi assi<;nido nao frtz mais do que cha-
    mar a atteneo do Sr. "Oiseley pira as notas
    je s>us antecessores e snas em resposta s
    O abaix > a islgn ido *&*., '=s AurvHano de j di Sr. Ouseley, e muito especialmente para
    S -

    I
    I
    n
    Ouscl -y iSc.
    N. 9. = Rio de Janeiro, 31 de Slaio de* 1841.
    O abaixo asigna io &., a-usa a recepeSo
    (I. nota q.ue em dirigiu o
    sur. W. O. Ousal y tb. m qual exnraasa,
    por parlado seo gwrno, a favora'vel im-
    SsSoque.Hia haviam causado as medidas
    adoptadas pela piteada administraco do im-
    perio cooperando effieaz n -nta para a u;>-
    presso do trafico da escravatu'r : e :,
    o il a ; i ; inftjpojar le S.
    M. Britnica que a idmimsli actual si
    guir os inesins pa'ssos da l osacta con-
    curren lo francamente para a extir.cao d > \m
    trafico que tnjas as ni.c -s civilisadas tem de-
    tdrmioedo. abolir.
    liso assi nado agr le i ao sur. O i w -
    as contenencias verbaes que tem tido n hon-
    . de ter com o Sr. Ouseley. 'Ecomo tai-
    vez por no terem si lo consignadas nm notas,
    o Sr. Ooseley parece esqueOido deHas do
    : do abaixo assignado referir aqui o qu
    se tem passfado entre ella e Sr. Oufeeley,
    rea da ntilpaco dasss artigos addicionaes.
    Logdepoia da declaracaVda maioridade de
    S. M o Impprador1, dirigi se ao abaixo as-
    s tna do o ';ncirregad de negocios de S. M.
    ' tannica-pedindo a satisfacSO dos ditos ar-
    ia que entilse aehavam na cmara dos
    loptitado", para onde haviam sido reretti-
    dos p ir um dos antecessores do abaixo assi -
    nado visto que n> poca em qu os r.leni-
    ootencarlos os assfgnaram, nao poli i a m ti-
    ia la rt;!i"ico ter lujar sem a approva
    ley esta communi-aco que |he he tanto lo noiter legislativo;
    ivel qnsnto O abaixo assi mmadiatament>os re-
    tumado a ver reo nhecida pelo snr. Os lamnu daqu--ll* cmara e, pelos naoitos e
    ideli verno nperi l rum- 'n^ tes objpctos que enISo absorviam a
    pre-asestipul "spwltratados da maei- .....iddos'de una administradono-
    nfi mais i"sii''-t.i gossive $* q n3o pud^ram elles ser logo examinados,
    v >
    abaixo assigha lo que rp
    ntes sentitnentoslhe s m .'
    il j istica re liv im :''' > i tn| u
    nisterio do imperador qua certan n g
    he menos exacto qua o anl i' r i
    lente os : :
    com as tac/Ms amigasV allid V) ,,.. bjectos desegnranca interna e de
    xar de maule^devidamentea d .> vnperio que havi m
    i runjpria que o fossem por to'os os
    n ; i) abaixo Bssifjnado pwi suas confrencia
    iomoSr. Ouseley leve a honn
    .lasini Ib'n communicar or mais de urna v >z:
    1 harneada a administra -
    i i'ia eda na brasileira,
    Oabaixo.ajp i ima pois neste jen'i-
    do que li" s!# iuv i o v | rfi*.
    linegrt qu *lu'ra
    na nota d snr v i
    siiinado serla o >
    ri sa a qualger a niinis r 5 qu o
    sua pro i i i j 11 -
    inten i ^ o seu
    i-
    O abaixo i rn
    >-
    &C. Ju
    /.
    to a sua atl "c"o se rjispunha a examinar
    , foi enHo que o 8r. Otsejeya-
    t, ;- n dio a a '" "i' do nrojecto dt"
    n\ "Tira!) S'dire o trafico, quedis-
    >bre noi m m n,id'.i-)i ou-
    I 'ora..nfT-vr eido p lo Sr. Candido Baptiata la
    01 i v
    Ouvidos os membros docabinete e recebi-
    . de S. M. [., o abaixo as ijgna
    i honra de resnonicr ao Sr. Ou
    no lia admiltir a
    "
    : i |i | i >ri
    no de S\ o Uivtia i/ =Sr. it nova '* p^las razd's qu ex-
    W. G. Ous. I. y eltc etc. nd< a na sua nofa de8da fevereir d sta an
    , jo. QSnnAureliano'aoSr. uie- no. Ivedk> ntio o Sr. Ouseley nm contr-
    leY. i,i niin i lis tvi?s:' qup. o abdxo as-
    ''Palacio do Rlc de Janeiro 8 de .Timbo de
    18*1.
    O aban lo do c in S. M.
    o I. minisi 'tario id* do n
    ,s i, tn a no usar
    ii.) da nota d '3 lo rr n(
    n'i i c ba i" din ir-l ie o Sr. \\ .aOn I '
    ido, por muito pensionado, nao t<>ra
    1 m a promptido quo S .
    ; iva, e nem poderia cot a m $-
    le i ptrtr em urna conf reneia e
    obra seus artigos, lembr u
    n ia de se nnmear por parte do
    , r i ; um pl Tiipolencia io que
    enea >' sdo u '!. BrUan'i- "ntrasserfiomo Sr Ouseley em negocisqi ad
    ' ca, .'.'''
    NTrlat]
    Jo reUti i
    ros er<
    r s-
    ; i ata q ia naq
    i de exprimir i : or
    io de S. '. :.-- o ': i:
    < -zar c sorpreza por :p qu as
    rc is a. r "'d o\ ru di-
    dil ''' ]
    ' i gove no Jo Brasil. nta mais o
    . Ousaley qu tendo esperado do |
    y. ':.' d '' '
    m
    'di ,
    i 3 "w \c\ q
    .. Sr Gama | : gocia-
    , lii gros ;
    r ven
    nde s- r i) > s i
    te do si u jdferno qu nti n^O
    ,. M. ) |f |
    Utdl s artipo^: s 'rno im
    i f-atjfli>ar p a to i
    a ratifi fSu
    no ou se est isp >
    . p
    U :
    m iram nte > obais i -a
    S .
    ! v (io i 11 !. .
    ia a
    i de
    i |
    ;5 ..

    rend'um. V-. cebi las as ord os d i S. V.
    I peto, annuio o abaixo iai rnadd
    , do Sr. Ous v tratan-
    qnal *o cilla lo Brasil iro h
    ser incumbida essa c
    io .i contenta d ts dous sjovemo I
    t e hxitannko, communicou pouco lep ia
    io Sr. Ouseley que ia ser nomeado oSr. se
    tor (". f ano Mana Lepes Gama como de
    ; o I )i e so communic lOeflVctivamer.te
    i ,..,;! i ao Sr. Oselef. O ttlJarxO assig
    o acredita que o Sr Ouseley nao desco-
    nhecer qu nao tendo o governo imperial
    smente detrataroom Sr. Ouseley, po
    rm, t.ii'io a seu c-r^n muitos outros n 'go-
    ! i poslivel que neste marcbi Be
    .,,,,, r b que o Sr. Ouseley'naaece de
    Ora, havendo sido Dcialmente com-
    ado ao Sr Ouseley essa no Lo do
    bj da CrS >-Bretanba, deseja shtaratenta a
    ipl >ta a bol i? i s; mis
    .;,.; mi fo s ; do
    isil, as preoccupaeaJis m ito dos seus ha-
    lantes a os bus s e v^xames qn p 11
    sofiVer e j tcm i cmm^rcio licito
    lo Imperio, nsqneftca la medidas
    putipitadase vio! rntas qu^r marchar n
    negoci >, certam inte muito importante
    iquella oru-iencia ecircunsperg&o com queo
    d >vo fzer: ist certo d i |u o illustra lo go-
    verno da S. M. Britannica, i nflo ser
    informado ver em urna tal marcha o c -
    nho da sahedria o reconhecer foa ella ,
    longe de damnificar as vistas ohilantropie^s
    do* dotW ^ovemos, e os verdadiros intre-
    sesdasduas coids, tende p"lo contrario a
    favoreoel-os.
    () abaixo aasignado faz um all i conceilo i
    llO&tracSoecrllPrio doSr. Ouseley para pre
    nisar desenvolver ejta ass^rclo : assini <~
    ulga nao d iver tantas o itras
    onsideracOesque verbalm nte Ihe tem feito,
    sendo urna dellas iu a Inglaterra mesmo
    orecisou n sta neeocio l -i" com "
    lentido e prudencia ; e sna G -Brel
    m prega va ess pru i
    olonis, oom tanta mais razio iB isil pn
    isa empregal-a porque -
    mesmo.
    f) i ludo qmnto o abaixo assignado va ex
    oosto e que serve Umbem sta ou -
    'ia nota '.'< Sr Ouseley <' itei
    reconhee i ia o Sr. Ouseley a injustica com quf
    i"m f ito taes reciminico -s ao g I i im-
    i ial iju alias e" to livro
    dente como o de S. y\. !' itannica e p
    v>r menos poderoso, nSotera por isso m n i
    lireito l s T r ')'!"'()'t;i snas it'iavVs p
    los governos que se pn / :-i c m i de S
    \\. Britannica de amar ajustica e le re -
    peitara independ nda das p eflea.
    O abaixo aaaignado est muito ceito de qu<
    o ov 'i-no da rainh i <>' nd i i qu K
    sejam apres 'nta s debat s 'o \
    mto i vi-fi f'.-,-i o i qi s '
    tarcha prudente do rov rno I i impera |or :
    [liando, porm, assim nao ac rtela, o -
    ii assitrna lo ao wr na dolor iece
    lado de publicar toda a corres ,,:i ncia ha-
    i a este resp rito enti e oabaix i lo i
    o Sr. Ouseley > ara ju i 'i arogoverno im
    perial ao; olbos de seua prop ins sub lilos
    i mundo se por ventura acl is de violencia
    e dedesprezo dos tractados existen! a !"
    ,, tcados debaixo de futeis pretextos que o
    abaixo leva ;!> i crer que s pr co-
    ra p raos"cohonesl r;actoa com* que oS-. Ou
    rtamenl t\ 'rno de S, V.
    I. n ii i nota dd I o c rr rite m /. ;i qu
    0 a'- si [na < t ip m opp rtuna-
    menl .
    ,\ i se psI n n lo mais sobre este obj
    . vMa lo \ ndido 'sp 'ra qu i
    -w- (i i '|ey i nh c 'r que f m si 'o d ma-
    inju i v :,-i o abano
    .,_,,, .. .,.. ...
    .. h ao Sr. '' 'i! '.v ou a < ": nip f-
    iario br.'s! ir i as convenientes inslrne-
    '. ibilitar a pnl i< ias
    oin o plenipo! mciario iv itann n n
    i- autorii a o para psse Sm, na fr n r 'qu '-
    i'la t^do Sr. Ouseley .!'!:"t, p*rm,
    ver o abaixo assignado tocar aqui em outr i
    objecto, Ojue pode env^lv-r ofT nsa da dig<
    nidade nacional se o Sr. OuspI y nao der as
    1 vi las etolicafffiea que prom 'tt*U na ullim .
    onferencia liaviila rom o abaixo assignado.
    Vp^zai*. dft ignorar fu i ias da ocear-
    reneia mencionada pelo Sr. Ouseley na ana
    pouca monta reelama o abaixo assignado d o
    Sr. Ouseb'y as explicagOas necessarias sobre
    as ca:: :! ::ipes-
    tivo rqu le u es-
    trangeira na l i imp irtp afim de
    poder diri i mienlemente
    ioSr Ous y, como cu n re. abaisoas -
    nado, &c. -- Aureliano ./ S ta e Qltvtiira
    ri'.o. 'Sr. Vy. G. i S;c.
    (l'razil.)
    i \; ,i i
    ado aii uitiv gwrnofN.M.trai.
    'um com oS:. j ,,\
    notas tem pedido successiva e aUer-
    ora a ratificaQSo d ar-
    . e ora lo do seu prfr
    .Tirio que inujilisa'e torna dea
    s, par<-ce ocioso
    rija witila ao abaixo
    xiflr -i : que ora pe-
    i .. f o : d h no de S
    fa pj -nip it nciar o .
    i ; pila quer diz
    : nip tenciario e em
    m*i uell i vos.;:: ;i qu juizo fr
    i tanto a resi
    mo da nova convenca qn
    si ; H" procurar e', gai a um
    da d mi d e
    las cok'is amigas o al-
    ( rindo tem por mis 'coma
    .. ej v rblmen"te, as-
    . Ous 1 o i>-
    ..- i O Til -
    da civilisBC*e r da hu
    3J .__
    Rendiinento total Alfa dega em
    Dezcinbro l 1 > ,1.
    ti miento total.......... 91:6l7|0l3
    Hestitu cu ............ Bc5tt#i67
    i;.- 91:050*746
    Cha 50 o. c. ;>. di- --------------'-
    nheiro....... 3:092OW
    * r>o p. c. em
    assignados.... 1:640*520 t:73lS60
    Plvora 50 p. c.
    a dinheiro..... I40i3
    50 p. e. em
    assignados. .. 8:384#7i8
    Vinhos, e liqui-
    spiritu
    i
    '>{
    48 l|2 p. c em
    nulos.... 11:422*527 13:271#96
    Diversas oulras
    me cadorias a sa-
    ber I j p. c. a di-
    iilwiio........21:30|Blfl
    I o. c. em a
    os.......'. 27:407*750 48:300,Q96
    s5 p. c................. 60#360
    \rin iz magem I i'1 .">
    i|a p. '................. ir>:;vr7.>i!)s
    leexp i 2 o. c........ -II -^'J 14
    Expedientado i i |2 p. -..... 7:l0tj615
    eneros naciona 'S l i c'.. S?j 17^
    ':'tih idos 112 p. c. 961*050
    Vrmazenagem de i|i p.c. 45*637
    emolumentos decertidoes. 1*020
    las........... 150*000
    B.' 9i:0.';0*746
    lendagernl...
    Dita Bpplicada
    68:776*885
    275*861
    R.'91:0^*746
    0 escriv: i da II ndega
    Jacom" ( -rar lu Nfaria Luiuacti de Mello.
    lili iNlft "
    O AXA'O DE l8i E 0 DIARIO DE
    .0.
    Encelamos lioj o nodo 1843 com
    . espe anca iji i o bomam,
    ni...' iiia m.i. !i IHM ; r.spe-
    i! ;' ata m s t mo to is as
    usas d"sto.ui P io vi mos so-
    b i no sas i b q ir s es-
    i ri i no a mi s vvzes
    so l'Tii fru lado i um
    fnUj o i-' fcil repellir
    o'li i lo de I idos
    planos r> provin nao he
    las s u ero., o durante
    0 a'nn'j lindo i 5 o que levara
    nos anl i u le lodo, ape-
    E ir pa se nos
    " mn ial ; e n.oobs-
    1 nte as das jnsi-
    ntrigas das elei-
    1 'a hiri,
    9 descontentes
    irnos 10 *sta
    s 1 ircunstanaias
    s red is do go-
    n ''ni mos menos
    / : m avris bditosi im h s preatigiosaa.
    ,. ou ae-serim piral poia aind e ponhamos Doaaaa es-
    viam corrido boatos : os destinos Jas
    1 ou mal a infinita sem atlenolo
    - is communs 1 fa-
    1 ,"1 -. : '!'"-
    lo O n 1 toda contal ; 1 < pa
    ,, -. Ouseley en 1 exten
    1
    u lies
    1 considerar Jicim > nono ai 1 "' bracos cem
    iota de 2'? m io com cores certmente
    muito car regadas a ee o* abaixo es-
    signado a expedir asorden.' nece ras 1
    que os in lividuos da marinea hrifannica" qui
    se dizia terem sido delidfl." Pm Campos fus-
    m entregues a um ollici da dita m irinl
    vi lamente auf >tisado p ra gerem coi
    1 esta c te 01 linarja o ne-
    O abaixo ssi nado asra j informado nfil-
    it deqi lividuos form a-
    tidos 1 lo '8FS pof 11 v -
    desemb nidos arparecehdo ali
    impreviatamenta ignorandoejlaa a quena-
    teneiam : as ditas" autoridades.,
    alias os ir taraoi rom to la a del 'rencia qui-
    ca leu los a humanidade, eanima-
    (a ofl que em
    1 em n. trra
    ni sua mar-
    \ r mi r;ia
    O 1 1 ida im seu de-
    MUTILADO
    1
    7
    , i


    rggAft^g^g^y^'^y'^^^J'^^"Wiq|g5i55>
    ummaeam "i \n
    MrAlVMB
    4
    NAVIOS SAHIDOS NO DA 29.
    Canal ; brigue inglez Madonna cap. James
    Caldwsell carga assucar.
    Philadelphia ; barca americana Navarro, cap.
    Henry Colly carga assucar.
    DITOS ENTRADOS NO MESMO DA.
    Rio de Janeiro : 17 das
    de 280 toneladas
    tnais um inimigo desses, que a inveja lhe tera [ MOV1MENTO DO PORTO
    procurado de todas as cores de todos os par-J--------------------------------------------------
    tidos, inimigos que elle tem visto todos desa-l
    parecerem deixando um nome ou odioso ou!
    obscuro. O Diario da Pernambuco atravez
    de todos os estorvos que a m f lhe opponha,
    do* combates que a desregrada cubica lhe of
    feruga ha de conservar-se em seu posto, ha
    de ter sempre em mira a estabilidade do thro-
    no a manutenco da ordem eo desenvol-
    vimento material do paiz ; quer os seus anta-
    gonistas su vistao da libr do absolutismo ,
    quer se cubro dos andrajos da anarchia. Gra-
    bas a seus benvolos subscriptores a quem
    desejamos em retribuios todas as felicidades,
    a existencia de um competidor descortez e
    desleal, n3o trouce ao Diario de Pernambuto
    a menor falla em seus moderados interesses,
    sem lhe ser necessario empregar as mesmas
    armas com que tem sido guerreado armas
    que por vis desprezamos, deixando-as a nos-
    sos contendores : muito miseravel he o ente ,
    que para viver precisa que os outros lhecedo
    a vida entes cuja mesquinha e nociva exis-
    tencia depende da morte dos que lhe precede-
    rlo em nascimento. sao creaturas damninhas,
    sSo feras que devem ser mais perseguidas do
    que a serpente.
    , brigue sueco Julia,
    cap. Geo Bagge equi-
    pagem 15 carga lastro : a Le Bretn
    Schramm &C*
    Baha ; 7 dias barca ingleza Resolution ,
    de 500 toneladas cap. Thomas Eskdale ,
    equip. 11 carga lastro : a Me. Calraont
    &C.
    Rio de Janeiro ; 27 dias brigue brazileiro
    Triumpho-Americano de 195 toneladas,
    cap. Alexandre Jos Alves, equip. 19,
    carga carne : a Jos Antonio Gomes J-
    nior.
    DECLARARES.
    COMMUNICADO.
    Exulta, Pernambuco E recebe os meos
    parabens por teres a nao pequea dita de
    sobre ti sentires reflectir os vivificadores raios
    do soberano dos planetas em o dia primeiro
    do anuo de 1843, sendo ainda director dos
    teos destinos o admirado das nagoes mais cul-
    tas da Europa 5 o protector das artes, e sci-
    encias o que te livrou das penurias e mi-
    serias que tequizero redusir filhos de-
    generados fascinados por desordenadas pai-
    xOes e indignas de terem visto a luz ero- tu-
    as amenas plagas; o que por mais d'uma vez
    ha em grande parte concorrido para ser de-
    capitado o monstro da discordia que em al-
    gumas de tuas irmas tem ousado elevar o
    eolio ; o Exm. Snr. Baro da Boa-Vista em
    fim. Queira o supremo creador e conser-
    vador de ludo consolidar as boas intengfies ,
    que tem aqui inspirado este teo distincto fi-
    ho e fuzer com que nao seja interrompida a
    sua carreira presidencia!, para que continue-
    mos saborear os sazonados fructos da sua
    .sabia prudente e patritica adminis-
    trado: queira elle proporcionar-lhe meios, e
    raeios to efiieazes, como os que lhe ha nwnis-
    do para que persista ern nao mo de terreno ao menos negr;. niivem
    trados vis especuladores, que, depoisM*adeja-
    rem aqui e all, sem j-mais theontrarem
    alguem que fosse asss despido de nobres
    senlimenlos para lhts dar guarida aninha
    ro-se em a ra da praia e de la qual ban
    do de carnvoros animaes que, destros em
    a carnificina recorrem um bem tragado
    embuste para com facilidadeassenliorearem-se
    de sua presa apresenla se em campo, uso
    de urna lingoagt m iiiteiramente diversa da ,
    que em temaos mais rulos denunciava os
    sentimentos de que eio animados invo-
    co sacriligmente os sagrados nomes de
    Constituicao, Imperador, e patria, fingem-
    se promotores e defensores dos in'eresses
    do povo inculcAo que se pretende invadil o
    em seusdireitos,e busco d"esta arle illudil-o,
    para sem o menor bice sem a mais leve re-
    sistencia poderem realisar os planos de suas
    esquentaas imaginages e saciarem a ar-
    dente sede de dominio q .e os devora: quei-
    ra elle elucidar cada vez mais aos que te ha-
    bito, para que de todocerrem os ouvidos as
    licantinas dos turbulentos espiritos cuja
    principal e maisaprasivel tarefa he trans-
    tornar a ordem e desconcertar a marcha re-
    gular dos negocios pblicos fim de que
    neste eslado excepcional em que de ordi-
    nario costumo terem incremento as nullida-
    des toque-lhes tambem algum papel em a
    scena poltica ainda que convencidos este-
    jo de que o ho de des-^mpenhar mal, por
    outra cousa nfio terem esperar da sua nen-
    humacapacidade e para que perseverem na
    obediencia s leis e s aulhoridades cons-
    tituidas: queira alfim dar-nos neste anno um
    anno de paz e prosperidades condescen-
    dendo assim com os mais fervorosos desejos
    do= Inimigo dos inV gantes.
    De Ordem do Exm. Bispo Director
    dos Estudos recebida do Exm. Sr. Presi-
    dente da Provincia se faz saber, que as
    matriculas do Lyeeu exceptuadas as da lingua
    latina sero d'aqui em diante fechadas no
    dia da abertura das Aulas do mesrao Lyceu ;
    e que por isso desde esse dia nao podera mais
    alguem ser martriculado para nutro estudo,
    que nao seja o de latim. O Secretario Joo
    Facundo da Silva Guimares.
    AVISOS MARTIMOS
    Para o Maranho a sahir com brevi-
    dade por ter prompto a maior parte do seu
    carregamento o brigue escuna- Laura --
    quem nelle quizer carregar, ou hir de passa-
    gem dirija-se ao capito.
    tsf Para o Kio de Janei o Briguo Nacio-
    nal Americano Feliz sai h. perterivelmente
    ath 15 de Janeiro recebe ainda alguma car-
    ga e escravns : osjpertendentes dirijao-se a
    Manoel Joqura Pedro da Costa : ra da Ca-
    dea o. 46.
    tsr Para a Baha segu viage o Hiato Flor
    de Larangeiras forrado de cobre e de primeira
    marcha ; deixou de s<.hir no dia 20 por nao
    ter tempo de carregar e proximar-se os dias-
    santos de festa (cando transferida a sua via-
    gem para o dia 6 de Janeiro quem no mes-
    mo quizer carregar ou hir de passagem diri
    jao-se a Bordo do mesmo defronte do trapixe
    novo.
    AVISOS DIVERSOS.
    CoMMERCIO.
    ALFANDEGA.

    Reni.iranio do dia 30........
    DESCARREGA HOJE 2 DE JAMEIRU.
    Rrigue brazileiro = Tiiunpho Americmo =
    miudezas farellos, fumo, e peixe
    Brigue inglez = Fanny = bacalhd
    Lotera da Matriz da Boa-Finta.
    tsr Esta loteria pela primeira vez defTerio
    o seu andamento allem do dia aprasado ; as
    causas foro fortes e imperiosas e o publi-
    co se deixar convencer da forca desta verda-
    de se sobre ellas meditar attentamente, tor-
    nando-se assim indulgente.
    Hije porem se annuncia ao mesmo respei-
    tavel publico que as rodas corrom morete
    rivelmente no dia 12 do futuro mez de Janei-
    ro por isso que urna sociedade composla
    dos pessoas abaixo assignadas se compro-
    metlero por titulo exprego a ficar com
    urna quantidade de bilhetes at ao valor de
    quinze contos de rois se isto se izer mister,
    portanto ainda se convida aos amantes des-
    te jogo a entrarem nelle com fervor ja
    pela pia aolicago a que se dedica o beneficio,
    ja pela fisioa certeza de um andamento irre-
    vogavel. D. Joo Bispo de Pernambuco ,
    Bento Joze da Silva Magalhes Joze Pereira
    da Cunha Luiz Gomes Ferreira Joze Joa-
    quim de Oliveira Gabriel Antonio Joze
    Franciseo de Azevedo Lisboa B. Lasserre ,
    Joo Pinto de Lenjos, Angelo Francisco Car-
    neiro Joze Antonio Gomes Jnior Joze Ga-
    briel de Moraes Mayer, Pedro Ignacio Baptis-
    ta Francisco Antonio de Oliveira Francis-
    eo Joze Barbo/.a, Diniz Antonio de Moraes
    Silva Joo Moreira Marques, Francisco Joa-
    quim Cardozo, Joa Joze de- Carvalho Mo-
    raes Thomaz Antonio Msciel Monteiro, Jo-
    ze dos Santos Neves Caelano Pereira Gon-
    galves da Cunha Manoel Joze de Souza Car-
    neiro Joze Antonio Alves da Silva Joze
    Eustaquio Gomes Antonio Luiz Gongalves
    Ferreira Antonio Joze Pires Joa Pinto
    de Lemos Jnior Antonio Joaquim de Sou-
    za R beiro & Angelo Francisco C?rneiro ,
    Tintina/, ue Aquino Foneeca.
    t&" Francisco Rodrigues da Silva Tataun-
    cos retira-se para Portugal a tratar de seus
    negocios.
    tsr A fbrica de estatuas de gesso mu-
    do u se da ra do Cotovelo para i ra da S.
    Cruz n. 14 aoude acho-se a venda estatu-
    as com com posigfio para resistir ao tempo,
    tambem sao muito proprias para aulas de de-
    senlio e para ornamentos de casas, tudo do
    melhor gosto possivel ; o mesmo fabricante
    tambem ensina a qualquer pessoa esta arte
    por ter de retirar-se para a Europa, e se
    obriga a seder-lhe a fabrica por um prego re-
    gular na occasio' da sua retirada; o fabrican-
    te disp-se a fazer isto para deixar a sua arte
    nesta provincia, por ser muito necessaria
    para qualquer progresso de todo a sorte e por
    isso chama-se a mai das bellas artes.
    tsr A quem tiver sido offerecido 11 pal-
    mos de collar fino de ouro bom e urna me-
    dalha mais ordinaria e esteja possuindo .em
    boa ou m f e quiser restituir a seu ver-
    dadeiro dono, pode levar na ra do Coelho
    casa de Anacleto Joze de MenJonca que ser
    gratificado e se lhe promette guardar se-
    gredo visto ter sido furtado.
    tsr Agostinho da Silva Neves pa>-tecipa
    aos seus amigos que tem de fazer urna via-
    gem ao Rio de Janeiro, e como nao pode pes-
    soalmente despedir-se Ibes pede desculpa de
    urna falta toda involuntaria e Ibes oflerece
    ali seus servigos.
    asr J. O. Elster avisa a seus freguezes ,
    que de boje em diante tem admittido a seu
    mano F C. Elster como socio no seu estabe-
    cimento de chapeos e que continuar de
    baixo da firma de Elster Irmos ; elle espera
    quecontinuemda mesma maneira afrequen-
    tar o mesmo estabelecimento onde se>o
    sempre servidos com promptido e por pregos
    mui commodos.
    w Arrenda-se um pequeo sitio perto da
    praga com boa casa estribara e bastan-
    tes arvoredos que do fructo que paga a ren-
    da e nao excede a IOO9 rs. ; quem preten-
    der annuncie.
    tsr No Recife ra da senzala nova n. 7 ,
    existe urna carta vinda do Cear para Joa-
    quim de Barros ; na mesma compra-se saceos
    vasios usados
    BT Precise se de urna preta para vender
    azeite de carrapato pagando se 360 por ca-
    ada de vendagem : na ra de s. Rita nume-
    ro 54.
    ts^ Aluga-se um sobrado de um andar e
    soto na ra da Concordia por detraz do
    Carmo o qual tem muito commodos e he
    de um prego commodo ; quem pretender di-
    rija-se ao sitio do retiro de Francisco da Cu-
    nha Machado ou ao Recife casa de Gongalo
    Joze da Costa e S na ra da Madre de Dos.
    tsr Aluga-se o armazem que fica por traz
    do sobrado da ra de S. Francisco em que
    mora o sr. advogado Joze Narciso, o qual
    armazem he perto do embarque, e tem mui-
    tos cemmodos; quem o pretender dirija-se
    ao Recife casa de Gongalo Joze da Costa e S,
    ou ao sitio do retiro na passagem pertencente
    a Francisco da Cunha Machado.
    Va Aluga se urna casa de 5 andares e mi
    rante, na ra do Amorim, e outra casa meia
    agoa : no beco das barreiras : os pretenden-
    te? dirijo-se ao atierro da Boa vista nme-
    ros 16 e 37.
    tsr O abaixo assignado faz publico ,
    hnA fie eTlinetA n ociedadeccmrcrci
    com elle tinha o sr. Manoel Joze Machado Ma-
    Iheiros e que girava debaixo da firma de
    Machado & Santos; em virlude do que ao
    convidados todos aquelles que se julgarem
    credores daquella firma para apresentarem
    suas contas no prazo de oito dias, afim de se-
    ren legaJisadas e satisfeitas em tempo. -
    Manoel da Silva Santos.
    tsr O Doutor Candido Jos Casado Lima ,
    medico, mudou a sua residencia para a ci-
    dade de Olinda na ra do Coxo.
    ssjr A pessoa que tirou urna carta do Cor-
    reio vinda do Rio de Janeiro para Manoel
    Gomes Ferreira Castro com urna letra de
    lOOj tenhaa bondade de mandar entregar
    na ra Nova venda n. 65 que se lhe Pirar
    que
    muito obrigado.
    COMPRAS
    Para fora da provincia mulatas creo-
    las e mais escravos de 10 a 24 annos : na
    ra Nava loja de ferragens n. 16.
    t^ Urna morada de casa terrea em boa
    ra : na ra de s. Rita n. 54.
    VENDAS. :
    tar Urna escrava qu9 cozinha o ordinario,
    e he boa quitandeira preferindo-se ser ven-
    dida para o matto: no pateo de S. Joze n. 47.
    tsr Cm sobrado de dous andares com so-
    tad corrido formando 3 andares, com 32 pal-
    mos de frente e lOOe tantos de fundo muito
    bem acabado e de muito boas madeiras pro-
    pno parasenhor de engerido ou qualquer
    estabelecimento por ter embarque a toda ho-
    ra na porta; assim como tem no fundo um
    grande torreno acabado a pouco por isso
    mais vantajoso : a tratar no Arco de s. An-
    tonio com Joa Hcnrique da Silva ou na
    ra da Praia n. 37.
    ssr- Urna mulata moga de bonita figura ,
    boa cozinheira, e engomma com perfei-
    go r na ra da Cadeia do Recife loja de Joo
    da Cunha Magalhes. ,
    tsr- Barricas com farelos muito novos a
    5s rs. a barrica : no armazem defronte da
    escadinha da alfandega.
    tsr* lima marqueza larga de casal, urna
    mesa pequea de gaveta nova um selim.
    em bom uso e um bahu usado ; quem pre-
    tender annuncie.
    tsr Barris de carne de vacca salgada di-
    tos pequeos de dita superior para familias ,
    ditos de (lingoigas barricas de farinha de
    milho caixascom vellas de espermacete ,
    dit'S de fsforos, gangas amarellas da India
    lengosde seda de cor, barris pequeos de
    potassa branca caixasde fumo americano :
    em casa de Matheus Austin z Companhia
    ra do Trapiche novo n. 18.
    tar Vende-se ou Freta-se o Brigue Ameri-
    cano Chipla, de superior marcha forrado e
    cavilhado de cobre ; os pretendentes dirijo-
    sn a Matheus Austin & Companhia na ra do
    Trapiche novo n. 18. |
    er Caixas com cidre bancas com car-
    ne de vacca salgada, tinta ing La em botijas
    papel de peso de Londres virio de Cham-
    panhe em cestos, cade'ras dvpalhinha em
    caixas de urna duzia e garraAs pretas : na
    ra do Trapiche n. 8.
    tsr Meias barricas de farinha da bem co-
    nhecida marca Gallego : em ca*a de Henry
    Forster z Companhia ra do trapiche no-
    vo n. 8. f
    Farinha de mandioca e-. sacas de al~
    queire, de muito boa qualidtde e bem'
    torrada chefeda ltimamente do Rio de Ja-
    neiro por prego commodo : no armazem de
    Joaquim Gonsalves Vieira Guimares junto
    ao arco da Conceigo voltando para alfando-
    ga n. 1.
    bt* Arrs do Maranhlo muito superior em
    sacas e em pequeas porgoens. quejo do rei-
    no manteiga Ingleza cha da india., cho-
    colate de lisboa tapioca do Maranhao caf
    de Santos toucinho de Lisboa, caixoens de
    vellas de sebo do Porto azeite doce e de
    carrapato vellas de esparmacete, milho Al-
    pista passas, e roassas licores de todas as
    qualidades vnho do Porto o ligueira e
    de Lisboa garrafas brancas e copos lizos ,
    tudo muito borne mais barrato do que em
    outra qualquer parte : no Recife ra do Vi-
    gario n. 22.
    tsr Cadeiras americanas com assento d,
    nalhinhn ramae Ao nn(n n~.>, l.m.*'flrt m
    1 j --. i*w > .u viran miuiYUv #
    sem ella, muito bem feitas a 4500 rs. dita
    de pinbo a 3500 marquezas de condur ;
    mezas de jan'ar commodas de amarelo e
    de angico assim como outros muitos trastes 9
    e pinho de suecia com 3 polrgadas de grossu-
    sura, dito serrado tudo mais em conta dO que
    em outra qualquer parte : na ra da Floren-
    tina casa de J. Beranger.
    ESCRAVOS FGIDOS.
    Bezerros de lustro a 2500 a pelle e
    a retalho : na ra No/a lojas de Ferreira &
    Braga n. 24 e 43.
    tsr ola escolhida de superior qualidade ,
    couros de cabra muito bons bezerros gran-
    des e alvos sra amarella tudo em gran-
    des e pequeas porgues: na ra da Cruz nu-
    mero 51.
    tsr Fugio de Bordo do Brigue Nacional
    Bom Jess no da segunda feira para a ter-
    ga 27 do presente mez de -Dezembro um es-
    cravo preto de nome Joao nago congo,
    baxo grogo do corpo, um pouco fula com
    oflicio de cozinheiro e marinheiro quem
    o apreender diriga-se a bordo do dito Brigue
    fundiado na volta do forte do mato ou atraz
    do Corpo Santo caza 66 que ser generosa-
    mente remunerado. *
    aw No dia 21 docorrente fugio a preta
    Joanna de nago Benguella de 30 annos,
    rosto comprido bastante alta, costuma ven-
    der agoa pelo destricto do Carmo, levou ves-
    tido cor de caf claro panno da costa ca-
    misa de algodozinho tem urna cicatriz de
    bsixo de urna orelha ; quem a pegar leve a
    nro/t* A* I ...1........ .!,..,; .> I,,.. Ti ^Q OU na
    f-y* *.> i/- mi. .... .v*j. ... .
    ra dos Quarteis n. 122 que ser gratificado.
    RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F.= 184 3


  • MISSING IMAGE

    Material Information

    Title:
    Diario de Pernambuco
    Physical Description:
    Newspaper
    Language:
    Portuguese
    Publication Date:

    Subjects

    Genre:
    newspaper   ( marcgt )
    newspaper   ( sobekcm )
    Spatial Coverage:
    Brazil -- Pernambuco -- Recife

    Notes

    Abstract:
    The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
    Funding:
    Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
    Dates or Sequential Designation:
    Began with Number 1, November 7, 1825.
    Numbering Peculiarities:
    Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

    Record Information

    Source Institution:
    University of Florida
    Holding Location:
    UF Latin American Collections
    Rights Management:
    Applicable rights reserved.
    Resource Identifier:
    aleph - 002044160
    notis - AKN2060
    oclc - 45907853
    System ID:
    AA00011611:04854


    This item is only available as the following downloads:


    Full Text
    I?
    Anno del84ffi
    Sesriinda Fera 2
    *.
    Todo agora dependa de nA "imo< ; da nona prudencia modentf 5o e
    liaaemoa como principiamos e airemos apontados com admirac-io entre as
    olla, ( Proclamafo da Aseerabla Geral do
    PAUTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
    Goianna Parahib a Rio grande dd Norte ganda e le tas ftiras.
    Bonito e Garantan* 10 e 24
    Cabo Serinhaem, Rio Formoao Porto Cairo Miceio Alagoaa no i.
    Boi-Tit e Florea i 28. Santo Anta quintas reir. Olinda lado o dia.
    .------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
    DAS da semana.
    2 Seg. i. Itidoro B M.
    3 Tere. a. Aprigo B.
    * Quart. f. Tito ntscipolo de raolo.
    i Qaint. *. Simia F.stellita.
    8 Sext. Dia do Reis Mago.
    7 Sab. i. Tbeodoro Monge.
    8 Doat. a Lourenfco Justiniano PMriaroa.'
    eaergia :
    Naces
    BlUIIL.
    I

    de Janeiro A mi o
    XIX. N. I
    Q Diario publica-se todoa oa diaa qT* nao forrm Santificado: o preco da assinalnra ha
    de tres mil reis por ijuartel p^gos adiantatlni. O annuncio do asignantes a.io inseridos
    grati, e o doaque o n.'iO forem .i raijo de 80 reis por lian. A reclamacdea devera sei diri-
    gidas a esta Tjrp., ra daa (.raiea N. 34. oa i>ri- d Independencia loj de litro; N. 6e O.
    cambios No da 30 de letemhro.
    Cambio sobre Londres 27 \ Nominal.
    (i Parii^50 reis por franco.
    Lisboa 10 por 1011'i!e premio.
    Orjso-Moeda de 6,400 V.
    k N.
    de 4,000
    PmTA-Pataeors
    a Peto Colnmnarea 4,750
    k ditos Mexicanos 1,750
    i:ompra
    45,100
    14.80J
    8,3J0
    1,750
    renda
    15,200
    18 tiOO
    8...UU
    1,770
    1,77o
    1/770
    Moeda de cobre 3 por 100 da descont,
    dem de letrai de boa firma 1 j.
    PHASER DA LA NO MEZ DE JANEIRO.
    I.na Nora a 30, i 9 boras e 42 m. da aanh. I la cheia & 16 ka 5 horas e 36 m. da nianli.
    Quart. ereie. 8, s 5 hora e 52 m. da tard, | Qutrt. ming. 22 i 10 horas e 42 m. da t,
    Preamar do dia 2 de Janeiro.
    1. a 6 hora* e a. 6 da manhia. | 2." a Chorase 30 m. da tarde.
    DIARIO DE
    MBO
    t*
    PARTE OFFICIAL
    COMMANDO DAS ARMAS.
    EXPEDIENTE DO DIA 13 DOPA8SADO.
    11co AdEm. Presidente, partici-
    o-lhe o embarque do batalho proviso-
    , e remeltendo-lhe o mappa daforca do
    no batalho".
    ito Ao mesmo Exm. Snr rogando-
    aexpedico de suas ordens ao delegado
    a cidade de Goianna afitn de fazer trans-
    portar a esta capital o soldado de linha Ma-
    nuel Joaquira'Fetosa da Cruz que al i se
    coniervava doente
    Dito Ao mesmo Exm. Sr. communi-
    Cando-Ihe que 119 relagfto dos recrutas vin-
    dosda Parahiba do iorte estavo compre-
    hendfdos os trez desertores cujos destinos
    j havia participado em ollicio de 7 e as 4
    pngas constantes das guias reinettidas com
    cilicio de 6 e que alem dos recrutas inclui-
    dos na*elaco, forlo encontrados a bordo
    mrs 5. qu9>.asseutarlc praca no batalho
    provisorio.
    Dito Ao mesmo Exm. Sr transmet-
    tindo Ihu informado o requerment da> cabo
    de esquadra Francisco Pinheiro dtr trceiro
    batalho de artilharia a p no qual suppl-
    cava aS. SI', o Imperador demico 3o servi-
    co por ter finalizado o lempo porque erao-
    brigado a servir. ^
    utro ptqmtdT ntido, remetiendo o re-
    quer mente do cabo ii esquadra Jacob Fran
    cisco de Medetros.
    Outro no mesmo sen tifo remettpndo o
    requerimehtodo cabo de esquadra Antonio
    Joaquim de Freitas.
    Outro no mesmo sentido remetiendo o
    requerimento do soldado Joaquim Jos Bar-
    reto.
    Outro noTmesmo sentido remettendo o
    requerimento do soldado Flix da Silva.
    Dito Ao inspector da thesouraria remet
    tendo-he a relajo dos ollioiaes do batalho
    provisorio que deixavo prestaces as suas
    familias a contar do primeiro* de fevereiro
    .i") anno vindouroem diante
    Dito Ao mesmo remettendo-lhe os pa-
    pis de contabilidade do destacamento do ter-
    mo de guarass relativos ao mez de no-
    vembro aim de serem pagos no caso de
    estarem conformes.
    Dito Ao mesmo remettendo lhe os
    Sapeisde contabilidade do d. stacamento de
    luribeca de 8 de julho a 2o de outubro
    para serem pagos deduzindo se a impar-
    tancia que por conU fui abonada.
    Dito Ao mesmo remettendo-lhe os
    papis de contabilidade, do destacamento do
    Pao do alho relativo! ao maz de novembro
    ultimo. 1
    Dito \o commanttant geral do corpo
    de polica remellenA-llie a quantia de rs.
    1|500 que o furjflel branles Picara a de-
    ver caixa do dito corpo.
    D,to Ao cpmandanje do destacamento
    do termo daf. Anto nespondendo ao seu
    offi-^d^t que tratava dos seus venci-men-
    1o*s e do destacamento.
    DitoAo teen te-coronel commandante
    do batalho provisorio significando-lhe ,
    que o Exm Sr. Presidente por seu officio
    datado'Vle hontem? o mandfava ellogiar pelo
    zelo e ntelligericia que nodesempenho dos
    seus dveres desenvolver durante a sua re-
    sidencia nesta provincia ; assegurando-Ihe
    que Smpre lhe merecer mteira confianza.
    Dita__Ao tenent*-corouf!l commanuantf
    do terceiro batalho de arltlharia a p man-
    dando excluir do mesmo so {ornla Anto-
    nio Ferreira da TrinJade qu^> obvera na
    COft dmiaa lO de noven\bn> Ultimo,
    em virtude .lo inspecQoque ali*sofrera.
    Dito Ao tenente'-coronel Conunandanl-
    do batalho de infantariti de guardas nacionae
    destacado mandando excluir do mesmo o
    guarda Jernimo Gomes por ser desertor
    do corpo de'polica a cujo commandante
    devia remetlel-o com seguranca.
    Dito Ao tenente-coronel commandante
    do batalho de artilharia, pedindo-lhe in-
    formaQes acerca do documento de divida,
    que na caixa do hospital deixara o teneute
    reformado Antonio Rodrigues' Je Almeida
    DitoAo dezembargador chefe de polica ,
    obre os msicos de contracto do batalho
    provisorio que faltarn ao embarque au-
    sentando-se com o fardamento armamen-
    to e instrumentos.
    DitoAo mesmo communcando-lhe que
    assentaro praca os recrutas J0S0 Francisco ,
    e Luiz Flix da Costa icando em custodia
    para provarem izemp?0es que allegaro Fran
    cisco Antonio Basilio e Jos Antonio cons-
    iiiies do seo officio desta data.
    DitoAo mesmo, pedindo.asua opinio,
    ouvindo o recrutador aeerca das provas a-
    presentadas pelo recruta Francisco Antonio.
    DitoAo tenente coronel commandante do
    batalho de Muribeca respondendo ao seo
    officio, que acompanhou os papis de contahi
    lidade do destacamento .de 8 de julho a 25-
    de outubro deste anno.
    IDI'.M DO DIA 14.
    Officio Ao Exm. Presidente commu-
    nicando-lhe que o rerruta Joaquim Joze de
    S. Anna fora posto em custodia por allegar
    ser Bino nico de viuva e ter a seu cargo a
    sustentacad de sua mi rogarido-lhe hou-
    vesse de mandar ou vi rao Sub-Delegado que
    o recrulou a respeito das pfovas que apre
    sentou para poder com conhecimento de-
    ferir o seu requerimento.
    DitoAo inspector do arsenal de marinha,
    ifim de mandar recoljier em lugar seguro os
    voluntes pertencentes a parte da bagagem do
    batalho provisorio que deixou de embar-
    car, afim de sorem opportunamente envia-
    dos para a corte.
    DitoAo inspector da thesouraria dan-
    do-lhe os esclarecimentos que pedir o oom-
    missario fiscal do ministerio da guerra a
    cerca do major Queiroz Coutinho.
    , DitoAo mesmo remettendo-lhe compe-
    tentemente reformados os papis de conta-
    bilidade do destacamento de Paje de Flo-
    res ficando assim satisfeita a exigencia
    do commissario fiscal.
    DitoAo lente coronel do batalho de
    r n
    un \J.
    urnlrti.ni>> ,

    9U1II o a lllfllirnrt lir
    tornar eflectivas as licemjas que conceder
    por despacho a dilferentes pracas do mesmo
    batalho.
    DitoAo deznmbargador chefe de polica ,
    communicando-lhe que mandara gfAentar
    praja ao recruta Anacleto Gomes da Costa ,
    que remetiera com o seo officio de hon-
    tem.
    DitoAo mesmo disendo-lhe que man-
    dara assentar praca ao recruta Francisco Ger-
    mano por em custodia a outro de nome
    Manoel da Cruz que allegou izempefies e
    devolvendo o preto Luiz dos Santos que
    diz ser captivo e por nao ter a precisa capa-
    cidale para o servico militar.
    DitoAo delegado da freguezia de Agoa-
    Preta devolvendo lhe os papis de conta-
    bilidade do destacamento, relativos aos
    mezes de novembro e dezembro para se-
    rem em forma organisados e estabelecendo
    a maneira porque devia ser o destacamento
    pago de seos vencimentos.
    Portara Ao commandante do batalho de.
    infantaria de guardas nacionaes destacado,
    mandando d'ordem da presidencia e\cluir
    o cuarda Jernimo da Costa Lima, requesi-
    (ando ao commandante a competente resti-
    tuido.
    Dita ~ Ao commandante do deposito, man-
    dando reftinhecf-r soado particular, ao 1.
    sargento Martiniano de Horros branco.
    DEM DO DIA 15.'
    Oicio Ao Lxuj. Presidente remetten-
    Jo-lhe em duppcata o mappa da forca de li- | notas que publicamos na tradujo talvez
    nha existente na provincia pertencente ao mal fifita ,'s procuramos ser fiis e exactos,
    mez de novembro desto anno. i Depois da leilura dessss pegas, naluralmen-
    Dito-Ao mesmo Exm. Sr. transmiltindo-j te se levado a fazer as segnintM rellexoes :
    Ihearelago nomigal dos individuos volun-jO Exm. Sr. ministro dos negocios estran-
    tarios e recrutados, que assentaro praca no geirosdeve man ter correspondencia nao so
    mez prximo lindo
    Dito Ao mesmo Exm. Sr., rogan-io-lhe a
    expediQo de suas ordens ao Director do arse-
    nal de guerra para mandar urna lancha, e
    pes-ioa receber no quart do Hospicio os oh-
    cora os agentes diplomticos de diferentes
    nacps aereditadas parante o governo brasi-
    leiro porem la libero com os do imperio em
    paizes estrangeiros sobre vana.os assump-
    tos e qu"s!i")>s da ulereases recprocos.A a-
    jectos d'armamntu equipamento euten- juizarmos pela que vimos publicada manti-
    sis, pertmeentes ao batalho provisorio os ; Ja com a legacao Britnica, de suppor
    quaes por desnecessarios deixro de embar-j que com as ou tras nao tr-nha o ministro
    car. 1 sustentado rn< nos dignidades os interesses
    Dito Ao mesmo Exm. Sr. communi- da coroa brasileira edo paiz.
    cando-lho que havio deixado de embarcar | Traduc?o 11. I.O 6'r. Aurclia.no'ao
    alpuns volumes pertencentes a bagagem do Sr. Ouie-y. Palacio do Rio do Janeiro ,
    batalho provisorio, e que podando parte des- 17 de agosto de 18 i.
    tes volumes seguirem em urna c;barcar;o Constandoofficialmenta ao governo impe-
    que eslava hoje a se fazer de vela conforme rial que a corveta inglesa iacchorse partir
    participava o inspeccor do arsenal de'mar, da Babia sempagar a mulla do l:0O0,>000
    nha. bom seria azer a remessa faaendo'que, em couforiiurtade de rtigq 1.1o do re-
    a necessaria commuacago Igulamenlo dfS2 de junho de 1838 lhe ha-
    Dito Ao mesmo Exm Sr., communi va sido imposta pelo inspector"da respectiva
    cando lhe que o sargento quartel mestro do alfindega por cansa do seu irregular e mui
    o batalho de caca lores Urbano Ft mandes reprehensivel cornportamento para com a es-
    Barros, e soldado Manoel Rodrigues da Sil- cuna brasileira Amalia tambem ancorada
    veira estanto ligados ao batalho proviso ntjuelle porto o abaiso assignado do con-
    rio como addiJos seyuiro par i a ctSrte fl- seibo de S M. o Iinperadoi mini-slro ese-
    cando assim cumprida a sua ordem do 1. do icretariode estado dos negocios estrangeiroa ,
    p. passado. referindo-se a nota de S de abnl p. p em
    Dito-Ao mesmo Exm. Sr remetiendo-! que o seu antecessor cominunicou ao Sr. Ou-
    Ihe o process'i verbal do R. Pedro A lves daslseley en
    Full Text
    xml version 1.0 encoding UTF-8
    REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
    INGEST IEID EL5JMUNE4_WEOSDX INGEST_TIME 2013-04-13T03:11:58Z PACKAGE AA00011611_04854
    AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
    FILES