Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04851


This item is only available as the following downloads:


Full Text

Anno de 1849.
S.ibbado 94
Tudo agora depende da nos m-smoi ; di nossa prudencia modaraf 3o energa : con-
tinuemos costo principiamos c seremos apuntados com admiradlo aire as Nato* mais
cullas. ( Proclamoslo da Assemba Geral do BiaaiL.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Goianna, Parahiba e Rio grande do Norle legsnda sextas feirai.
Bonito e Garanhun a 10 e 24.
Cabo Sefinhem, RioFormoso Porto Cairo MaoeiA e Alagoas no i. 11 JJ
Boa-Tstae flores a 2.S. Santo Antas quintas feiraa. Olimla todos os diaa.
DAS DA SEMANA.
49 SegW. Fausta. Aud do J. de D. da 1. r.
20 Tere jejum s. Dominios de Silos Ab. Bel. Aud. de J. da D. da J. T.
l Quart. Tome' A.
22 Qoint.* Honorato M. Aud. doJ.de da2.r.
23 Sext. Semiln airogado. Re. And. do J. de D. da!, t.
2 Sab jej r.re;ori 9 Dom. Nascimento de N, S, Jezus Clitiato,
da Pezembro* Anno XVli?. tf> WL
O Diario publir-a-a todos os diasqnanao foreff Sanlificadot: a preoo da asaign atoraiba
de Uta mil res por quartel pagos adiaatadoe. Oa aaaoncios dos aaaignanles aao inaendoa
gratis e os.d.,sqaeo nao forera raao de 80 re por liaba. Aa reclamacoea derem er
dirigidas a esta 'Lypografia, rr? aa CruieaN. 34, oa a praca da Indej
Numero 6 e 8.
i Independencia loja de linos
CAMBIOS no da 23 de dkzembro. compra venda.
Cambio sobre I.oadree 27 \ Nominal.
Paria .150 reia por franco,
a Lisboa 100 por 100 de premio.
Moeda de robre 3 por 100 de descont,
dem de letras de boas firmas 1 f.
Preamar do din 24 de Dezembro.
1. a 10 horas e 54 m. da manhSa.
2." a II horas e tSm. da tarde.
PHASES DA. LA. NO
Loa Nora 24 i hora e 56 m. da aianh.
Quart. cresc. i 9 4a 8 horas e 7 aa. da tard.
La cheia 17ka 4 horas e 26 aa. da tard.
Quart. ming. 24na 2 horas a 26 m. da tard.
Ooao-Moeda de 6,400 V. 15,(i00 15.200
a N. 14.80J 15 000
de 4,000 8,300 8,500
PllTA-PataeSea 1,750 1,77o
a Petos Coloaan ares 1,750 1,77o
ditos Mexicaatoa 1,750 x.770-
a miada. 1,640 ,8
MEZ DE DEZEMBRO
DIARIO DE PERNAMBUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPED EME DO DA 19 DO COMIENTE.
Officio Ao commandante superior di
guarda nacional de Goianna cjmmunicando
terconcedido reforma a > alferes da tercera
companhia do terceiro batalho da referida
guarda nacional, Vicente Ferreira de M;t
tos era attengao as molestias, que padece ,
e que o privo de continuar a servir como
provou com documentos ; e ordenando qw
faca organisar, e remetter a'proposta de quem
osubstitua no mencionado posto.
Dito Ao agente da companliia dos pa-
quetes de vapor nesta cidade, dizendo em
resposta ao sen ollioio desta data (19), que
pode fazer seguir para os portos do Sul a bar-
ca de vapor s= S. S;htstiao = chegaJa
hontem (18) dos do norte, logo que se tenho
findado as 48 horas que pelo regulamento
respectivo deve permanecer nesle porto.
Portara Ao director do arsenal de guer-
ra ordenando que remeta com urgencia i
secretaria da Presidencia o mappa separado
do armamento e carluxama, Corneados ao*
dilTerentes corposda guarda nacional ca-
da urna das prefeituras das c -marcas e a.i
delegaturas e sundelegaturas da provincia ,
que lhe foi exigido em 2 de novjmbro ul
timo.
Oificio Ao mesmo exigindo os mappas
que na forma das ordena anteriores lhe
cumpre enviar nao s da recata e despesa
d'aquelle arsenal como das obras fetas ,
dos artjgos blicos do numero de odiciaes ,
e artistas e finalmente dos seus emprega-
dos e vencimentos respectivos.
Dito Ao mesmo =lllm. Snr.as Cumpre
declarar V. S para seu conhecimento e
direcgo que, sempre que esse arsenal, ne-
cessitar de comprar gneros para fornecimen-
to qner das respectiva olicitias quer dos
corpos e das fortalezas dever V. S." con-
vidar como tem pr.iticado por meio de
annuncios os vendedores de taes gneros
que concorro com as amostras e declara-
do do ultimo prego dos ditos gneros lim
de que dpois de examinados estes e reco-
nheeidasas maiores vantagens, que na ven-
da offerecem os concurrentes so efectuem
as compras, mediante a approvagao desta
Presidencia a quem previamente dar V
S." conta, tanto da bondade do genero co-
mo daquelles dos vendedores, que em prego,
xnais utilidades offarecem fazenda publica.
Dito Ao comman Unte superior da guar-
da nacional de Goianna communicadd ter
approvado as propostas (fue 'remetteo com
officio de 8 de novembro ultimo, para os pos-
tos vagos do estado maior da segunda legio
ede olficiaes para o terceiro e quinto bata-
Do :s da dita gu-uda nacional : e ordenando ,
que fag publicar as mencionadas propostas ,
e determine aos promovidos que sollicitem
suas patentes
COMMANDO DAS ARMAS. .
EXPEDIENTE DO DIA 9 DO COMIENTE-
OlTicio Ao Exm. Presidente, ponderan-
do-llie que os concertos do callabouco e
casa do deposito d'agoa do forte do Buraco ,
empr.-gando-se os materiae ali ja existentes,
poderioser f.-itos t-om pouco mais de 15U
rea e que sendo od9p<-nsaves convinha
nao fossem pfliada por se ter Hnal.sado a
quota marcada no i g ment oedater-
itiinara em seu cilicio de 7 do correte.
Dito Ao mes.no Exm. Sor., pira man-
dar abonar ao cadete Estevio Pes BarreUi .
dobatalbo provisorio, a importancia do far-
damento constante da conta que em dupli-
cata lhe transmettia.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., para man-
dar satisfazer a importancia do frete da dona
cavallos em qua foro montados, da villa
de Santo Antao para a de Paja de Flores ,
dousordenanzas que foro a servico.
Dito -^- Ao commandante geral do corpo de
polica afim de entregar ao commandante
lo bUalhao provisorio 227 moxilas, certo que
igual numero teria de receber do arsenal de
guerra conforma.as ordens que a tal respei-
to se achavo dadas.
Dito Ao inspecto'" la thesouraria para
man lar entregar ao oidldSo Pedro Francisco
de Millo a importancia dos paneis de con-
tabilidade do destacamento do Brejo relati-
vos ao mes de novembro ultimo.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha para que houvesse de mandar na ma-
nila" do dia 10 em horas do mar dous la-n-
clxV'sao quartil do Hjspicio ,'afim de con-
duzirem para bordo do patacho = Pirapama
== os caixo3S de farda ment e outros ob
jectos pertencentes a bagagem do batalho
provisorio.
Dito- Ao commandante do bstalho pro-
visorio para mandar receber do comman-
dante geral do corpo de polica, 227 moxi-
las qne lhe filtavo para o completo da re-
quisito que fizera ao arsenal d-1 guerra.
Dito Ao mesmo mandando por em 1-
micSo dada de ordem imperial aocabo Ma-
no-I Ignacio dos Santos Miranda.
Djto Ao mesmo mandando-lhe apre-
senar urna escolta e trez desertores das
companhias do oitavo batalho decaQ.idores ,
e ordenando lhe que conservasse presos os
desertores para serem julgados em conselho
Je guerra e considerasse addida ao batalho
a escolta.
Dito Ao mesmo previnindo-o de que
na manh do dia 10 se apresentario con-
fronte ao quartel do seu batalho doas lan-
ches destinados a conduzirem os caixfies
de fardamento e outros objectos pertencen-
tes a bagagem para bordo do patacho =Pi-
rapama.
Dito Ao mesmo, para hir a thesouraria,
ajustar as confas dos dinheiros que .recebera
para os concertos do quartel do seu com-
mando.
Dito Ao commandante do terceiro bata-
lho de artilharia para mandar organisar os
conselhos dediciplina dos desertores da com-
panhia de artfices Felippe Jos do Santa
Anna Joaquim Manoel de Figueredo Gui-
mares e Caetano Gomes da Silva visto
que nesta companhia nao havio os preci-
sos olficiaes para a formago de taes conse-
lhos.
Dito Ao commandante da companhia de
artfices mandando em resultado do conse-
lho de investigado a que se procedeo con
tra o sgundo sargento J. P. de Albuquer-
que conserval-o preso por tempo de 8 das ,
lindos os quaes o deviria por em liberda Je.
Portara Ao tenente-coronel comman-
dante do batalho provisorio, mandando ex-
cluir com guia de passagem para o deposito
os soldados muzicos Manoel Alexandrino
Gonc,alves Torquato Henrique Lobo da Sil-
va Jos da Silva Duarte e Paulo Jos dos
Santos, que nao devio acompanhar o bata-
lho a corte.
Dita Ao commandante do deposito pa-
ra receber os muzicos constantes da preceden-
te portara.
Dita Do commandante do terceiro bata-
io de artilharia a p mandando excluir
com guia de passagem para o hatalhio provi-
i, o primeiro cadete Antonio Luciano de
Mora; s da Mesquita Pimentel que se offe-
i para servir no excrcito do Su!.
Dita Ao commandante do batalho pro-
visorio para receber o cadete mencionado
na portara cima.
THESOURARIA DAFAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 3 D) COMIENTE.
Oificio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando sobr a r -quisigo que fez o
delegado do t"rmo de Flores de 400 res di-
arios de-forragem para cada um dos cavallos
das 20pragas que estivero em servigo na-
(jiidla com marca nos meses deJullu e A-
gosto do corrente anno.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. idem sobre a
necessidado ou conveniencia do torno e pe-
gas de ferramenta de que tracla o director do
arsenal de guerra no officio que acoropa-
nhou.
dem no da. 'i
OfficioAo mesmo Exm. Sr. sobre a ur-
gente necessidade de concertar a casa do de-
posito d'agua o o calabougo do forte do bu-
raco que se acho aarruinados, e que por
officio do l.do correnf" marriou proceder.
Dito Ao misino Exm. Sr com arepre-
sentago do administrador do correio desta
cidade na qual mos'.rou a necessidade de
sor augmentado com aquanta de l:()3l>800
res, ecom o mais sDjue S. Ex. arbtrasse
para pagamento dos estafetas extraordinarios
o ere lito de 7:30j000 reis ah-rto pela or-
dem do tribuna! do tlv-souro publico nacional
berdade e fazer ellectiva a portara de d- fde.9 de sntiMnbro ultimo p*raM d>*spesa8 d
dita reparlico no corrente armo financeiro.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., cora, a in-
formago do commissario fiscal do ministerio
da guerra na qual *eu todos os esclareci-
mentos para se poder decidir o que no offieio
que acompanhou requisitou o commandan-
te das armas, aim de ser indemnisada a cai-
xa do batalho provisorio do que ella se
acho devendo diversos officiaes que se re-
tiraro para a corte.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. com a cer-
dao ou copia da guia que em 29 de Ju-
Iho do corrente anno se passou ao primeiro
tenente do terceiro batalho de artilharia a
p Jos de Almeida Pinto de Proenga.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., sobre o a-
bono da quantia de 800* reis de ajuda de
custo ao bacharel Anselmo Francisco Pirette,
presidente nomeado para a provincia de Ser-
gipe.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. informan-
do os requer montos de Nicolau Rodrigues da
Cunta Manoel Pereira Lemos Joo Zur-
lrch e Jernimo Jos Ferrera em que pe-
d rao por aforamenlo os terrenos de marinha
constantes dos termos de medigo e avaliago
junios aos mesmos requerimentos.
DitoAo inspector do arsenal de marinha
remetiendo por copia o officio do engenhei-
ro L. L. Vauthier, com a conta de 285*600
reis da despesa que at ao presente se tem
feito com o concert do arrecife artificial do
Porto, para mandar entregar ao dito enge-
nheiro a quantia de 85*600, visto j ter
recebidoa de 200* reis ficar.do na intelli-
gentia de que esta Ara se acha suspensa por
ordem do Exm. Baro Presidente da pro-
vincia.
DitoAoengenhejro L. L. Vauthier, par-
ticipando o contedo no precedente officio.
Dito Ao inspector da alfandega par-
ticipando para sua intelligencia queS. M.
o Imperador por carta patente de 17 deoutu-
bro prximo passado confirmou a Mr. II.
D. Kalkman no emprogo de cnsul do Grao
Ducado de Oldemburgo para servir neste
porto e cidade.
Igual participaco se fcz ao administrador
da mesa do consulado.
Portara Ao contador da thesouraria pa-
ra mandaijomar nota da quantia de 230
r,-is qu a Felippe Neri de Oliveir.*
Cruz fiel que foi dos armasen! nacionaes do
pao brazil importancia dos novos direitos ,
que pagou nos annos de 1827 a 1834 e que
por accordo do tribunal da relago desta pro-
vincia se mandou restituir para ser pago
quando se derem os competentes fundos.
dem do da 6.
Officio Ao Exm. Visconde de Abrantes ,
Presidente do Tribunal do Thesouro Publico
Nacional participando que pela Thesouraria
seabonou por ordem do Exm. Prezidente da
Provincia ao Bacharel Anselma Francisco Pe-
retti Presidente nomeado para a Provincia
de Sergipe a quantia de 800*000 reis de a-
juda de custo.
Dito Ao Exm. Presidente da Provincia
informando o requerimento do amanuense da
secretaria Manoel Joaqim Perera Lobo era
que pedio licenga para tractar de sua molestia.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. pedindo se
dignasse communicar o que se devia por em
execugo a vista da duvida o Merecida pelo
commissario Fiscal do Ministerio da Guerra ,
nos prets do destacamento da Freguezia da
Escada.
Portara Ao Thesoureiro da fazenda para
entregar ao deputado Joaquim Manoel Car-
neiro da Cunha na conformidade do despa-
cho do Exm. Presidente da Provincia a qnan-
tia de 900* reis por conta do supprimento
de 4:000* reis que esta Thesouraria deve
fazer Provincia da Parahiba em cumpri-
ment# da ordem do Tribunal do Thesouro
Publico Nacional de.5 ttc Outobro do corren-
te anno.
dem do da 7.
Oificio Ao Exm. Presidente da Provin-
cia informando o requerimento do continuo ,
o do correio da Alfandega no qual pedirn a
S. M. o Imperador augmento de ordenado.
Dito Ao commandante das Armas da
Provincia aecusando a recepgo do seu ollicio,
no qual authorisou ao capito Affongo Hono-
rato Bastos commandante interino do forte
do Buraco, para receber a quantia de 316*480
reis orgada para os concertos do calabougo,
e caza do deposito do referido forte e signi-
ficando que nao he possivel fazer-se esta des-
pesa por j estar consumido o crdito mar-
cado para as obras militares da Provincia no
corrente anno financeiro e que isto mesmo
j tinha levado ao conhecimento do Exm. Pre-
sidente da Provincia em officio de 5 do cor-
rente.
Dito Ao administrador da recebedoria de
rendas geraes internas para dar todos os es-
clarecimentos sobre a penhora executiva da
fazenda promovida pelo procurador Fiscal
da Thesouraria contra Manoel Alves Guerra ,
em consequencia da conta. que lhe foi remet-
tida por aquella administrado.
Dito Ao mesmo idem contra Antonio
Fernandos d'Azevedo idem.
Portara Ao collector de diversas ren-
das do Municipio de S. Anto para remet-
ter sem demora Thesouraria as priraei-
ras vas das trez letras de 100* reis cada urna,
que existem em seu poder, aceitas por Luis
Joze de Araujo fallecido na commarca do
Rio Formoso.
IBEM do du 9.
Officio Ao Exm Presidente da Provin-
cia informando o requerimento do tenente co-
ronel graduado Antonio Gomes Leal, em que
pedio o abono das vantagens pela commisso
de que foi encarregado no termo de Pajah da
Flores.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. com a folha
do biennio do fardarnento adiaatado, que
mandou abonar ao cadete Joze Francisco Soa-
res eque o commissario Fiscal do Ministe-
rio da Guerra duvidou por agora ,o seu =s
corrente = sem nova ordem de S. Exc.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. informando o
requerimento do capito Francisco Victorino
Xavier de Brito em que pedio o abono da


.-
58
forragem e augmente de etape pela comrais- fsequer por um momento do tadio que a poli-
C^. .1. AMA r. ........______. I 4 .
sao de que foi encarregado.
Dito Ao sargento mor engenheiro encar-
regado da demarcago dos terrenos de mari-
nha para mandar proceder a demarcado e
avalia$Io do terreno de marinha de que se
acha de posse JoSo Pinto de Lentos pula
compra que fez a Antonio Joze Mendes na
ra do Alecrim, do bairro de S. Antonio des-
ta cidade.
COMMUNICADOS.
EPSTOLA EM VERSO A l.M AMIGO, POR T. B.
'Quetn h ahi j hoje que se d ao trabalho
de entoar urna s nota classica por mais so-
nora por mais picante que seja, no meio da
jnvasuquasi exclusiva do romntico e d'u-
nta philosopbia severa que pertenue apagar
para sentare no espirito os t',o suaves tnlvos
da mythologi* grega r* Poucos mui pou-
cos individuos. Entro nos principalmente e
para n8o falarmos seno de nos apenas al-
guem por desenfado ainda abre depois de jan-
tar um dos episodios do Hyssopa, alim de pro-
mover a digesto ; anda alguem se diverte
talvez ao meter-se na cama com urna sa-
tyra de Nicolao Tolentino, ou com algum dos
variados motejos de Francisco Manoel. A per-
feigo da.antigaf-scola passou de todo. Para O
espirito basta hoje a philosophia para o cora-
Sao basta o romancepara os gozos da vida he
mais que sulliciente a acuatulago d'alguns
capitana.
Nao he assim todava d'uma maneira abso-
luta : o espirito gosta d'entranhar-se pela ar-
cheologia dos sculos passados e arrebatar-
se por algumas horas com o perfume d'uma
flor graciosa que a mo de poeta desconhe-
cido desprendera do regago das Musas. Houve
um genero de composiges familiares na esco-
la horacana que deraandava nao pouca ha-
bilidade n'aqueile que o cultivava. O poeta po-
da dar s suas notas o tom que lhe parecesso,
pico ou descriptivo, moral ou satyrico ; mas
o estilo dcvia correr fcil e claro 5 as figuras
sem vehemencia 5 as (ransiccas naturaes ,
como expressoes qua eram d'um amigo a ou-
tro ; devia ahi haver muita jovialidade, mui-
ta burla, muito chiste; e o carcter/domi-
nante d'uma tal composigo era a gr%i e a
lhan**d. Este genero de poesa era a Epstola
Epstola to amada e lo seguida pelo
nosso S de Miranda que he elle sem duvida
reputado como o Gressat portuguez. Entre-
tanto pelo meio dos cachopos d'uma boa
execugo, na actuil poca de decadencia para
similhantes assumptos urna Epstola acaba
de sor publicada pela imprensa de Pcrnambu-
co escrita por um homem septuagenario ,
que occupa um lugar mnente as lettrase na
lgreja ; e esta pega rene em si as principaes
condigas que urna carta em verso exige. He
ella dividida em duas partos distinctas : a pri-
meira parece ter sido escrita trinta annos an-
tes da segunda, pois que o poeta pedindo por
ultimo desculpa ao seu amigo confessa-lhe
que a lyra
H trinta annos pendente e destemprada,
Ao s jiiurozo canto nao se ajusta.
Oobjecto da primeira parte he zurzir os
mns poetas ; o da segunda corrigir os poe-
tas immundos ; e aos primeiros chama elle
com muita graga
( vaidosos petulantes genios ,
Que as agoas nSo beberam d'Aganippe,
Que d'Athenas os prticos nao viram
Anda em caixas pticas pintados :
Gregos em prosa, em verso Turcumanos.
O auctor indigna-se contra as
(i Insulsas odes barbaros sonetos
Em que de poesa apenas sa
O estridente zo zo dos consoantes ,
e depois de nos descrever os desatinos as
ideas fofas e o que elle chama, va quinqui-
Iharia com que o mau poeta sobe as eslre-
]as e desee aos abismos mostra-nos como el-
le alga a voz e
((Murmura em roucosom mortal quebranto:
verso fdlicissimona verdade e que por si s
conslitu urna das bellezas da Epstola que to-
mos presente.
Ella he curta, e ntidamente mpressa. Nos
estamos n'uma poca em que h tanto que fa-
zer que he misterqueos escritos sejam mu
i-nn? n'* FiZtZVTi amante aaaiui u he
este : .nao enfastiar por certo a quem o 1er
a quem o estudar. Ser antes urna diver-
so agradavcl o monte santo, para nos livmr
tica nos causa. E depois ser talvez o ulti-
mo esforgo do veneravel Cysne que so envol-
veu na obscuridade mas cujo suspiro nos
devenios recolher, como sent i ment damr
e de respeito que as suas virtudes reclamam.
S. d'A.
Em
nosso 1." communicade promettemos
contestar o urbano rancho e (iel a nossa
promessa eis-nos em camp combatendo as
ideas do sr. communcante W. do echo da
joven praieira n. 113 do 19 do crrante 0 re-
sultado de tudo quanto all expende o con-
temporneo despresadas orno o devem
ser as chocarrices de que recheo o seo
artigo, por serem s proprias de quem d'el-
las se servio o indignas da menor conside-
rago he : um touvor nossa assemblea
legislativa provincial por haver regeitado a
indicago de um dos seus memhros, na qual
pretenda que se autorsassa o presidente
da provincia reformar as repartigjs provin-
ciaes que julgasse conveniente : aconcl-
so de que com esta rejeigo declarou a mes-
maassembla que a actual administrado
feita ao Exm, Sr. Baro da 8ja-vista por
ter, nao obstante a referida rejeigo re-
firmado a repartigo das obras pblicas \ e
urna censura S. Ex. por causa das demis-
des dadas por occasio d'essa reforma >
dous empregados da dita repartigo e pela
do sr. coronel d'engenheiros Firmino Hercu-
lano de Moraes Ancora. Analisemos asas-
sarsas do contemporneo e assim lhe tare-
mos respondido : em 1. lugar bastante ad-
m i raga o nos causa que no jornal, onde ,
nao ha muito um dos correligionarios do
contemporneo irrogou a maior das injurias
nossa assemblea provincial, quando que-
rendo provar que tudo na provincia se fa-
zifl por inuencia do x^t. Sr. Baro da Boa-
vista asseverou que a mor parte de seos
membrosera composta de pessoas que em
tudo lhe obedecio tega-se-Iho agora elo-
gios ; o que nao importa menos do que urna
opposico de principios entre quera incul-
ca e deve professal-os tguaes e parece in-
dicar que, pretndendo css jornal a pu-
blicago dos trabalhos da mesma assemblea ,
e estando prxima a Sua abertura arrepen-
de-se de ter Hendido- aquelles de quem
quer receber o beneficio e tracta desda j
de reparar a alronta que Ihes fez lim
de ver si ser attendido em sua pretango:
he este o papel, quesempre represento os
miseraveis cuja poltica consiste toda no in-
teresse: em 2. reconhecemos que a rejei-
go em questflo nao torna dignos J'encomios
os que a produzirSo sendo por conseguin-
te filhos da lisonja os que lhe dirige o illui-
tre communicante ; por isso que o lint da
mencionada indicago era habilitar o governo
roduziro numero dos empregados em al-
gumas das repartiges provinciaes cujo ex-
pediente nada soffresse com urna tal reduc-
go poupando-se assim urna boa porgando
dispendio das rendas da provincia e dar
a outras melhororganisago do que a presente;
passos estes de que com detrimento nosso
o inhibi aquella regeigo : em3. nao pode-
mos poupar-nosde taxar de falsa a concluso
do collega porquinto vemos que a cita-
da rejeigo bem longe de indicar falta de con-
flangada assemblea para com a presidencia ,
moatra o receio nosso ver reprehensivel ,
dos que a engendrarlo de serem desem-
pregados o amigo o prente, e o protegi-
do : e em 4.* achamos nao menos falsa a ac-
cusago que faz o contemporneo ao gover-
no por ter reformado a repartigo das obras
publicas; porque se bem que reconhegamos ,
que para elle emprehender reformas preciso
he (jue esteja competentemente autorisado ,
com tudo negamos que necessitasse de au-
torisago para cfeitual-as naquella reparti-
go ; pois comquanto ella^estivesse approva-
'Ja por le nao o estiva ainda o regularnen-
to presidencial, que a regia ; e ninguem ha ,
que, despido fi prevengo e parcialidade ,
e dotado de bom senso ; conteste ao autor
d'um regalaniento o direito de fazer-lhe as
mudangas que lhe parecer antes de ser
elle definitivamente approvado. Fica nesta
parte refutado o sr. communicante W. ; res-
ta oceuparmo-nos das demssOes que ell
cita e em consequencia das quaes muito in-
crepa quem as deo : principiemos pela do
sr. teen te coronel Woura : todos sabem ,
que cstecidado vive em um estado quasi pa-
ralitico, que antes de proceder-se reforma
e muito
tnrario da dita repartigo, o sr. Antonio Fran-
cisco de Moura : e oque cumpria ao governo
obrar vista do explto quando cuidou da
mencionada reforma? conservar empregado
um homem, que j nao po lia servir, porque
d'isto o impossibilitavo suas molestias ? e
qqe sendo ofllcial reformado tinha e tem
recursos iodependentes do Ordenado que
all percebia donde tirasse a sua subsisten-
cia ? nao por certo : ainda mesmo quantjo
nao sedesse/circumstmeia qua notam >s :
pois o bem publico he preferivel ao particu-
lar e o recto fiscalsador da fazenda nacio-
nal nao deve sacrifica!-a consideragO^s pri-
vadas: passemos do referido I. escriptura-
rio respeito do qual ofiervarenlds, q'ue
nao ser-nos-ia muito penoso proVar a sua jus
tiga, se nao fossemo* caridosos equ.io
facto de ter elle sido nomeado pelo Exm. Sr.
Baro da Boa-vista para fazer as vezes de
seo pai, e depois por elle mesmo despedido ,
nenhuma Contradicgo aprsenla pois he
bem presumvel que esta nomeago propor-
cionasse ao mesmo Exm. sr. occasio oppor-
tuna para conhecer de mais porto da sua ca-
pacidade e que a consequencia d'este exa-
me lhe nao fos*e favoravel tratemos final
da do sr. coronel Ancora e como as pagi-
nas d'este Diario j sa disse tal respeito o
que se poda e devia. limitar-nos-emos
acrescentar somente que si S. Ex. nao fos-
se dotado de tanta prudencia e midureza ,
j muito, teria dixado d'exercer o im-
portante cargo de inspector geral das obras
publicas o homem qu9 s per accidens
guardou O decoro devido em a corresponden -
cia que lhe dirigi. Com o qus levamos
dito temos provado ser infundada como a-
cima asseveramos a censura qua por cau-
sa de similhantes demissfies fez o nobro col-
lega actual administrago : e satisfaz-se a-
cerca d'este objcto
Oinimigo doi intrigantes.
MISCELLANEA
FIEM-SE NELLES.'
A condessa Maioli viuvinha de vinte e dous
annos era depois que perdeu seu marido ,
p ponto de mira de todos os mogos das melho-
res familias de aples tanto por causa da
sua admiravel belleza como pela sua immen-
sa fortuna. D'entre tantos namorados s um
que conseguio fazer alguma impresso* no
corago da bella viuva foi o joven duque de
Permello.
Nao tardou muito que nao pedisse a mo da
condessa : foi-lhe concedida ea linda viuva
esperava desde ento com vita impaciencia
que expirasse o tempo do luto. Estavo as
cousas neste ponto quando um dia, em urna
funego a que assistio os dous noivos apre-
sentou-se um mgico que se offtreceu sse-
nhoras para ler-lhes a buena-dicha
A condessa foi a primeira que apresentou
a mo a este h imem o qual apenas a exa-
miuou pareceu perturbado: Senhora, dis-
se ella com voz alterada estis s portas
ft da felic'dade mas nao entrareis por ellas ,
e marrereis desesperada. A conr'ess'a pa-
receu assustada o mgico desappareceu e
o joven duque deu-se pressa em prodigalisar
sua linda noiva os mais temos cuidados.
Eslava tudo isto quasi esquecido quando,
dous mezes depois foi o duque de Permello
a Roma. A condessa eneorrou-se em um con-
vento para esperar a sua volta ; mas pass-
ro-se das semanas e mezes sem que o du-
que apparecesse.
Finalmente a condessa recebeu urna carta
de seu noivo : Senhora escrevia elle, nos
nos esginavamos julgando-nos destinados
um para o outro ; eu caso amanh com a
princeza M^ria Doria : esquegam->s, eu vos
rogo nossas criancisses e fiquemos ami-
gos. 0 Depois de ter lido estas pala vas ,
a condessa cahio desmaiada; quando a leva'n-
tro estava morta. O pai da condessa parti
nessa mesma noite para Roma, e cinco
dias depois tres punhaladas puzero fin
vida do duque queexpirou sem poder pro-
nunciar urna palavra isto no momento em
que ia subir carruagem. A justiga dos dous
governos occupa se agora deste acontecimen-
to que tem produzi lo a maior sensaco.
( Jornal do Commercio.)
redactor da Revista da Armovica para cu-
j collaboraco o convidara. Foi um grande
astro que cessou de brilhar na repblica das
letras Faga Deus que os dias da sua cangada
vida lhe corrm suaves e ainda por muitos
annos.
A Mr. A. deCourson. Pars 1 dejulhode
1842.Nada me causa to sensivel satisfa-
go como receber testemunhos do affecto
de meus compatriotas muito litis quando
um hornera tal como V. se digna manifes-
tarmos.
Os meus annos adiantam-se to rpidamen-
te que nopodem j oppor-se entre mim e
a minha patria assim como tambem a dis-
tancia me nao pode separar dt'JIa.
Condemnado talvez a nao lomar a ver as
ondas que me viram nascer lhe encommen-
darei ao ramos as minhascinz-as.
Com mui fraternal alegra me assocra
eu s tarefas da Revista di Armo rica cujo
prospecto me parece excellente se o papel
que tinha a representar neste mundo nao s-
tivesse j concluido. Sa a autoridade do meu
nome tem augmentado como V. leve a cor-
tesa de acreditar porque acabsi de escre-
ver : convm saber callar a tempo.
Permanecendo firm-? nos meus propsitos,
e nao querendo quebrantar os antigos jura-
mentos com um juramento novo, retirei-
me. Bem sei que ninguem se deter por
aguardar-me : as novas geragOes prosegui-
rlo o seu caminho e atrav issaro pelo meu se-
pulcro. Di rige ni-se ao seu destino cousa
natural.
Nao Ihes pego mais que um pouco de esti-
maco pare o qua nao quiz romper nunca a
igualdade da sua vida e que tem sido fiel
religio, liberdade, e ao infortunio. Dig-
ne-se V., &c. Chateaubriand.
(Do Naoional.)
da repartigo das obras publicas j. de
a nao fre"quentava tanto que erlfoubstitui-
do pelo sr. coronel Ancora e depois da de-
misao d'este o foi por seo filho o 1. escrip-
Abnegaco liUtiraria.Temos a desconso-
laran -Je .-.p.ntciar que o Sr. visconde de
Chateaubriand parece que fizera juramen-
to inquehranlavel de nao tornar mais a es-
crever, segundo deprehendemos de urna car-
ta que abaixo trasladamos enderegada ao
Phenomenos notaveis=S. grande scea que
essencialmeote enracterisou a primavera e ve-
ro de 1842 n'este reino parece ter sido
geral na maior parte do continente enropeu e
africano. Nolou-se que o rio Nilo; no Exyp-
lo, minease mostrou to escago de aguas,
pelo que se receta va perdida acolheitadomilho,
a mui diminuta a dos outros cereaes. Na
Blgica e Flandres se experimentava a mesma
falta de agua a ponto que os habitantes da
nidada de Ardemhurgn >> viram obrigadus a
ir procural-a a duas leguas de distancia ; e
em Bruxellas apenas havia no canal a ne-
cessaria para trabalhar a machina hydraulica,
achando-se empachada a navegago. Os ca-
lores intensos e repetidos que se manifesta-
ran! desde os prinsipios de Jttnho estenderara
a sua influencia al s geladas regioes. pola-
res pois quo nos dias.2i e ib de Julho fo-
.am encontradas entre 41 e 45 de latitude ,
a 43 e 53 de longitude occidental do meridia-
no de Londres (o que corresponde s extre-
midades meriodionaes do banco da Terra-nu-
va ) oito montanhas de glo do grande baze ,
e de 100 a 180 ps de altura qua sem duvi-
da se tinhain despegado dos glos eternos do
polo. Estas terriveis raassas tluctuantes eon-
tinuavam a ser mu porigosas para os navios ,
que negavam enlre a Europa e America.
Convem observar que nos ti mezes de
Abril a S.;tembfo que sao a primavera e ve-
ro do nosso clima apparecem em um anno
regular 33 dias chuvosos, que do 152 milli-
metrosde agua.ou 45 almudes por braga qua-
drada : ora n'aquelles seis mezes do crrente
anno s houve 22 dias chuvosos que apenas
produziram 96 millimetros de agua ou
pouco mais de metade de um auno regular ,,
acrescendo aos inconvenientes desta escacez ,
o demasiado numero de dias calmosos acom-
panhadosde grande seceura no ar ; pois que
apparecendo regularmente n'aquellas duas es-
tagee 49 dias de calor uotavel este anno
se contaram 67. Sogue se pois que a prima-
vera e vero do crrante anno fo rain muito
sceos e calmosos porm apezar J'esta con-
trariedade nao foram to escagas como_ se re-
coava as principaes produeges agriculas do
slo portuguez ainda que sao inferiores em
qualidade s de anno regular.
, (DoNacional.)
0 MODERNO l'ORT LGAL.
Portugal Portugal 1 eu te lastimo
Porque tudo verdade quanto exprimo !
Eu vejo homens casados namorando ,
(E que bellissimo exemplo qu'esto dando!..)
A's mulhercs dos mois arrasto aza ,
E ardem se o mesmo mal lhe vai por casa ;
Sem se lembrarem que estas influencias
Trazem comsigo tristes conseqencias ;
E qua fazer eos mais nunca devenios
O que para nos outros nao queremos.
Eu vejo urna menina das d'agora


5
Que por casar nao qu?r estar um'hora
E que ainda que naufrague e va ao fundo
parece-llie fugir-Ihe ja o mundo ,
Oue at j do doze antios vejo mullas
Kazendo aos chischisbeos certas.perguntas
Dirigidas somante a casamento ,
Quo s vezes se convert) n'um tormento.
Quando algm dia poucas se casavio
Em quanto os vint'e e qtntro nocontavao.
Mis que ha de sor, so a mai de pi'qu-ninas
(Juer que pisquem os olhos as m>niuas !
E fica.por gracinha da cranla
Osabar mmorar muito em lembranca.
Com esta educacjio se dssenvolvem ,
Te que de gracaao serio se resolvam.
E sem que esperem ser tructa do tarde
Vo sujeitar-se ao jugo Dios as guarde !
Eu vejo certos genios de Senhoras ,
Que* variando esto todas as horas ,
Muitas doudas no modo de pensar
Por isso bem nao po lem acertar.
Se adormeoem mui lixas n'um intento
Acordo ja com oulro pensamento.
Fazem d'esta inonstancia mesmo alarde ,
O que sao de miqh nao sao de tarde.
Em muitas so d^scobre este defeito
O qual tomo os homens muito a p3to ;
Porque nao sibsm vendo esta incerteza
QoanJoa mulher falsa ou tem firmeza.;
Quando zomba entretem ou falla serio ;
Ou se anJa lou^a de juizo aerio.
Vejo algumas de genio impertinente
Que postas a fallar mataro gente
Com gritos que se mettem nos ouvidos
Que muitas ensurdecem os maridos.
Surdos deviso clles todos ser
Para o luxo das lillias e mullier !
Prendas e dotes n'uma Dama boa
No luxo nao esto sim na pissoa ,
Nossas avs que em mogas se casro
De luxo com excesso nao usro ;
E se alguma comsigo mais gastava ,
Lindas sedas do R?ino que comprava ,
Das quaes ainda depois de ser usadas ,
Se fizero cohertas assnadas ,
E nao pudre fil com bordadura
Que tres quatro lav^gens so atura ,
Cmpralo por um mimo rico e guapo
Que'no fim de seis mezes um trapo ,
E o din he jr o a cahir pela invenco
Apezar da birriga nao ter pao.
Luxo no frontispicio que apparece ,
Em tudo o mais, pobreza se conhece !
Tambm de compromisso a partida ;
E porque a gente s<\ja bem servida ,
Vem o opio d cha tambem por luxo,
Ou agua qu mte do enxugar o buxo ;
Que nao passando d'agua e de fatia
Leva um par de tostos ; quem tal diria !
E para que se bote a conta a tudo ,
Vamos ver oque leva por miudo.
Apparelho aceado igual bandeja ,
Porque o.brio da cisa all se veja :
Prola Aljofre ou Hisson e Uxim ,
Carvo manteiga assuear noruim;
Criadas de trazer e de levar
Agua a fervor : at isto acabar
Anda a dona da casa sem descango
Dando por toda a copa o seu balanco ;
Se de urnas cousas em ha de outras falta ;
Noapparelho ogatinho s vezes salta ;
O estrondo que elle faz ouve-se fra ,
Parte cosinlia em sustos a Senhora
V seis ou sete chavenas quebradas
E pordesgraca sao das emprestadas !
D c'um pau na criada e mais no gato ,
l'oe-se a moga a chorar juntando o fato.
Este o risco este o trem esta a lida .
Para pao com mantejga agua frvida !!!
Ali! tempos lempos! Como estis mudados!
Onde esto as merendas dos estrados ?
Onde a crespa salada ea ella juncto
O sahoroso pio o bom presunto ?
Perdeste Portugal coslum"s tses ,
F com.tiles perdeste os cabedaes !
Querendo s com cha em abundancia
Crear todo o vigor de que careces
N'estas enfermidades que padeces.
Vejo tambem senhoras mui teimosas
E as teimas que tem to caprichosas
Que por levarem sa sua avahte
Levantar testemunhos n'um instante
Accelerao-se grito e esbravejo.
So porque acreditadas melhorsejao!
Se alguem as desmentio temos historia ;
E' off nca que fica de memoria ;
Porque quem commetter tal attentado ,
Cont icar por ellas mal olhado ;
Que urna mulher tem tanto de extremosa
Compassiva amavel carinhosn ;
Como tem de raivosa e vingativa ,
Delirante, indomavel cega e altiva.
Sa offendida se v ou tem rime ,
Parece que dos olhos Ihe se lume ,
L n'um tal fnne/i a pobre cai,
Que d'alli a morrer mui pon o V
Tambmn as modas lhe vo dando a morte
Pois vejo-as em Janeiro aspiro e forte ,
Da paninho e de chitas armadinhas ,
Dj cagas de filos ou d* sadinhas :
Dj dia em dia passo constipadas ,
Por isso vemos tantas desceradas :
Com drde p3to com tossinlia secca ,
C >m pertinazes dores de enxaqu ica.
O homem no anno tem quatro estacA.'s ;
Vs senhoras nao tem seno veres
Ellas abafo-sa ellas povse fresca
Qu'3 quanJo o reumatismo mais se pesca.
Algum da o baeto panno ou veludo
.Da senhora era o traje mais sisudo
Com que de invern andava reparad \
Dos grandes frios e spera geada ,
E ainda alen de ser isto uso decente
Raras vezes se va urna doente ;
Hoje aguas frreas ares de Bemfica .
ftauhos do mar remedios da botica
Vo as Senhoras pondo em tal frescura
Que vo fartas de fresco sepultura.
Ora pois Portugal eu te lastimo !
E so para leu bem que te intimo
Visto haver ja mui pouco quera te emenda
Que tenbas nos abusos mais emenda :
Quera a qualquer faisca acode logo
Nao ve arder em casa um grande fogo.
Talvez por eu dizer isto que sinto ,
Apesarde saber-so que nao minto ,
Milita gente dir que cuide em mim ,
Que deivp Portugal e o Mundo assim ;
Que por mais que me empenhe na reforma
O inundo nao se afasia d'esta non na.
Eu isso lhe concedo nao lh'o neg ,
Porm se em verso e prosa assim lhe prego
E' para no Sertuo fazer-lhe certo
Que o sei conhecer bem e bem de perto ,
R tu Portugal se ainda te Iludes ,
Os vicios confundindo com as virtudes ;
Enjevado na moda e nos abusos
Esquecido dos teus anligos usos
Filosofas novas nao abraces
Com estes mordenismos nao te enlaces
lodifica os costumes que te arrasto
Que ainda o pouco que tens isso te gasto
l'aze que ressuscite de urna vez ,
O honrado carcter Portugus.
Fazeqnc a> bellas Letras posso ainda
Mostrar aos Nacionaes a face linda
Que rajando de novo como a Aurora
Dm aos genios enlrmos a melhora.
(Peridico dos Pobres)
CMMERClO.
ALFANDEGA.
Rendirpento do dia 23.;...... 3:513*258
DESCARREGA5 HOJE 24 DE DEZEMBRo.
Barca americana = Rothchild = farinha de
trigo.
Brfgue = A ugia = carvo.
MOV1MENTO DO PORTO.
NAVIOS SAHIDOS NO DIA 22.
Cutinguiba '; escuna de guerra nacional Le-
bre commandante o'Ctenente Marcos
Jos Evangelista ; conduz de passagem o
Ex.""* Prezidente da provincia de Sergipe
com dous criados e o Dr. Jos Bento Pe-
reira da Mota.
Ass ; sumaca brazileira Bom Sucsso, mes-
tre Joo Antonio da Silva cargo lastro.
dito no da 23.
Rio de Janeiro ; patacho americano Jones ,
cap. Charles Nickson ; carga diversos g-
neros.
NAVIOS ENTRABOS NO DIA 23.
Rio Grande do Sul ; 30 dias ; brigue ameri-
cano Argo, de 197 ton. cap. John W.
Reod eqtip. 10 carga couros : ao ca-
pilo. Vem refazer-se de mantimentos, de-
pois do que, seguir para Baltimore.
Richmond ; 45 dias, brigue Hamburguez E-
mina e Louisa de 190 ton. cap. Henry
Horsloop, equip. U, carga farinha de
trigo : a N. O. Bieber & C* '
DECLARA^OES.
rias que hao de ser premiadas em abril de
1843 e 18.
PARA 0 ANN ) DE 1814.
Delerrnin ir cauzas d' g*an / fre/fuencia dos caniroi e
ulcerbaos canon 0$a* do tero ; os meto*
hyeienicos (/ /? dnvetn st pos tos en exac.t-
coffara o'ntir a propagae&o, ou pan
fu \eK de todo de.uiparecer esse mal ; o tra-
tamenlo especial contra es.sa enfermidade.
O 3Ut>r d memoria prefrida pela socie-
ilado ser premiado com urna m;dalha de
uuro na forma dos estatutos e do valor de
cen mil reis e recebar duzentos mil reis om
dinheiro.
O autor da memoria que for julgad se
gunda em mrito ser premiado com urna
medalha de prata do valor, de vinte e cinco
mil reis, e recebar oitenta mil reis em di-
nheiro.
As memorias serfio entregues ao secreta-
rio da socie lade antes do fim de Janeiro de
1844 vindo annexo s mesmas o nomo do
autor em carta laorada.
PARA O ANNO DE 18-15.
Fazer analyse chimica do suco da gante-
lera e mostrar quaes os principios activos.
e os therapeuticos coudos nessa substancia.
Determinar por urna serie de observncoes
exactas a acciio e modo de operar d'essn
medicamento sob'oos hjdronemicos as di-
versas prepara/oes que d elle se pode fa-
zer eomelhor meto de o administrar.
Os premios para a primeira e segunda me-
moria sao como os das memorias para 844,
e a data da entrega ser antes do fim de Ja-
neiro 1845. Pernambuco 5 de dozembro de
1842.
Est conforme.
O secretario p3rpetuo.
Dr. Sarment.
CONSULADO BRITANMCO.
Faz-se saber aos subditos Britannicos resi-
dentes em Pernambuco que no dia quinta
feira 29 do correnta, pelo meo dia ter lu-
gar no consulado Britannico, ra do Trapiche
novo o ajuntamento geral dos subscripto-
res para todos os fins designados no acto Geo:
IV: cap. 87. Consulado Britannico de Pernam-
buco om 17 de dezebro de 1842.
4. Augustas Cowper
Cnsul.
AVISOS MARTIMOS.
Para o Rio de Janoirosieno dia 2i do-
corren lo o brigue escuna S. Jos recebe
escravos a frete : trata-se com Del fin o Gon-
salves Pereira Lima, na na Nova numero 44.
t- Para Lisboa seguir com brevidade o
brigue escuna portuguez Novo Congres-
so muito velleiro forrado e pregado de
cobre do qual he capitoManoel Jss Ratto,
e tem darte de sua carga prompta ; quem
no mesmo quizer carregar ou hir de passa-
gpm para o que tem muito bons eommo-
dos: dirijao-se ao dilo capito ou a Mon-
des* Oliveira ; ra do Vigario n. 19.
as O contracto para o fomecimento de di-
versos objectos para o arsenal, e navios da
armada cuja transferencia para hoje se ha-
via annunciado.ese effectuar hoje 24 do cor-
rente ao meio dia 5 as pessoas que apresen-
taro propostas e as que ainda quizerem of-
ferecc-las, sao pelo Sr. Inspector convidadas
comparecerem. Secretaria da Tnspecsao do
arsenal de marinha de Pernambuco em 23 de
Dezembro dd 1842.
Alexandre Rodrigues dos Anjos ,
Secretario.
SOCIEDADE DE MF.nir.IW DE PER-
NAMBl'CO.
Prairamma dos premios para os annos de
1844, e 1845.
A sociedade em sessao de 5 do corrente -
doptou os seguintes assumptos para asme mo
AVISOS DIVERSOS.
tsr Sahio o Carapuceiro n. 77 tractan-
do do vasto assumptodos Passa-tempos do Na-
tal. A variedade compe-so d'umas quadri-
lhas mui guapas de corto amante emperrado ;
vende-se na praga da Independencia loja de
livros n. 6 e 8.
w O Arilieiro quiz
antes de ir passar a festa
dizer adeos aos seas leito-
res, e por isso sahio hoje a
despedida eom o seu N. 6;
offerecendo como festas
diversos bicos d'ohra, e a
oraco da ^pciedade dos
Patriarcas invisiveis no
botafora do seu respeita-
vel chefe.
Quem annunciou no Diario do 20 do
corrente ter urna escrava para lugar, para
o sitvco ordinario de urna caza que sabe
cozinhar que seja fiel, esem vicios ; an-
nuncie para se tratar do ajuste.
rmJXtonio Joze Fernan-
des, Subdito Portuguez
retira-si para o Ro de Ja
neiro.
isr Preciza-sede um fot neiro e quo en-
tenda bem de massas e um amassador na
ra do nzeite de Peixe n. 11.
iss^ O Sr. Raimundo Carlos Leite, pode
procurar na ra do Crespo loja de Joaquim.
Maia da Silva urna carta viada do Porto.
= NodiaQuinta-f.'ira 13 do corrente mez,
isaindoda ra de S. Joze desta Cidade para o
lugar do assude do eligen lio S. Francisco ,
Cusma Uaria da Conceicjio logo depois de
Av>) Marta, em com'panhia de um seu cunha-
do de Dome Faustino Rodrigues, quando cho-
garao em ca/.i acharan faito urna troxa com
varios objectos, duas varas de cordo de ou-
ro com una cruz um anel, um par de brin-
cos sele varas de cambraia, dous vestidos,
urna carniza de homem, um chales, um len-
co de seda um troxinba comillas, linhas ,
tizoura ediial em dinheiro 840 e tam-
bem um pouco do madapolo. Rogase a
quem achou ach indo quo do seu dever res-
tituir ova fazer no dito assude do engenho
S. Francisco em c*sa do referido Faustino ,
ou na referida ra de S. Joze em caza de
Francisco Jorge da Cunha Mascirenhas que
ser generozamente recompengado.
= Roga-se a todas aquellas pessoas que
tem pinhores na ra Nova loja do relojoeiro
Carnier D. 22 de os vir rescatar at o liiu
do corrente me/., do contrario serao vendi-
dos para pagamento ; faz-se o prezente an-
nuncio para o futuro nao se chamarem a ig-
norancia. ,
tsr 0 proprietario do assougue francez do
beco da lingoeta previne os seus freguezes
que domingo e os dias santos tem boa carne
de vaca carne de carneiro dita de porco e
linguissa feitaa moda franceza e que con-
tinua a ter todos* os domingos e quintas feiras
de cala semana.
= Aluga-se urna ptima casa terrea cita
na ra Nova que vai para a Trempe ; com
muiloscommodos para urna numerosa fami-
lia ; quem a quizer alugar dirija-se ao pateo
da Santa Cruz a fallar com Joo Sebastio
Peretti.
tsr D. Venancia Mara da Eucarnago ,
viuva'do Joaquim Antonio do Almeida e
moradora em Olinda faz sciente ao pulico ,
que seu lho menor do noma Jorge Antonio
de Almeida sedusido por Manoel Pereira
Gomes o sua mulbcr. e filha desapariceo-
lhe de casa desde o dia 14 de dezembro de
1S-2 doque a dita tem serteza fizica,
levando com sigo alem de toda a sua ropa ,
tambem a patente de seupai e a certidao
de idade dille Jorge o juntamente um.
passr.porte um cavallorussosujo pequeo ;
a annunciante roga a quem tiver noticia do
dito seu filho dirija-se a casa da annunciante,
que lhe ficar eternamente grata ; assim co-
mo protesta contra quem o sedusio, e o tem
acoitado com todo o rigor da lei.
tsr A crila que no dia 29 de Agosto do
corrente anno furlou da casa a donde eslava
varias pecas de ouro que estav<9 empenhados
por divida que se devia a casa e como as ditas
pessoas ten bao querido tirar-Ios por isso ro-
ga-se a dita crila que os mande entregar na
dita casa afim de se nao pagara seus donoso
trez dobro do que valem pois assim o exigem
e do contrario se pora seu nome por extenco
por serbeui i'onhecida nesta praca e de quem
foi cativa.
tsr Joze Soares de Azevedo lente da
cadeira da lingoa franceza do Lyceo tem
abertoemsua casa ra do Collegio n. 14 ,
primeiro andar um curso da lingoa franc-
zo e outro de philosophia. As pessoas que
quiserem estudar qualquer d< stas disciplinas,
podem dirigir-se so annunciante at as 9 ho-
ras da manh ou das 3 da tarde em diante.
tsr Na ra da praia por detraz da ribei-
ra n. loe 17 precisa-se fallar ao snr. JoSo
Baptista Navarro morador nos Apipucos e
aos snrs. Joze Antones Correia, Manoel An-
tones Correia de Queiroz moradores no en-
genho Colegio e Joze Marques da Cruz no
engenho Canoeira.
i/- Aluga-se um sobrado de 2 andares
muito frescos na ra doCaldereiro no bair-
ro de s. Antonio com quintal e boa cacim-
ba tendo no quintal um parreiral de uvas
muscatel e ja podadas ,*queno dito parrei-
ral pode fazer IOOji rs. por auno ; assim co-
mo vende-se um sitio no lugar da campia da
Igreja da casa forte trras proprias todo
de arvoredos de fructo com casa de viven-
da muito fresca por ser da parte da sombra
de tudo trata-se no sobrado a cima.
mr OTercce-so um rapaz brasileiro de
r.uito buns coslnmes ca-ado com pouca fa-
nilia ecom muit aeilda.tf nar dminis
trar qualquer fazenda ou sitio em qualquer
'ugar que se olferecer o nao sendo para o
iim indicado ser para outro qualquer ,
que convenha ao annunciante ; os preten-
dientes dirjiaO-se a ra da Ordem Terceira de
s. Francisco n. 20, ou aonuucie.


Constantia Wine.
A small quantity bosh red and white of
this delicious Liqueur, shipped by M.r Hoets
the proprietpr ofconstantia fanno, on sale al
the warehouse of Dowsley Raymond & Bryts.
tsr Quem precisar de urna crioula com
muito bom leite, derija-se ra Velha .n.
SH que se dir aonde existe na mesma se
aluga um preto para servido de campo.
tsr Joo Jacinto de Souza faz sciente
aos seus amigos e em particular aossens seus
freguezes que a sua luja da ra do Collegin
com frente para o caes, mudou-se para a ra
do Cabug n. 8.
tsr Na freguezia de s. Lourenco da Malta
distinte da praga 6 legoas, ha o engenho no-
vo Caluanda o qual levanlou-se pelo uso e
fructo de 14 annos de muito boa produgo,
f bom de assucar segundo o que tem apre-
sentado nesta primeira safra muito boa:-
mattas e perto ptima produco de milho ,
feijo e roca boa machina e assentamen
to; o qual traspassa-se a posse e dominio qu*
se tem ainda )2 annos com urna safra prin-
cipiada de 1800 a 2000 pes ; a pessoa que
quiser este negocio dirija-se a casado Capi
ta JoaSdo Reg Barros na ra dos Quarteis,
ou no mesmo engenho para com a vista me
lhor se expor.
or BazilioCardozo, retira-se para Tor-
tuga! a tratar de sua saude.
tsr Aluga-se urna preta que cozinhe or-
dinario e casa sofrivel : na ra da ordem
terceiradeS. Francisco n. 20 ou annuncie.
tsr Precisa-se de um pharmaceutico para
administrar urna botica ; quem estiver as
circunstancias segundo a lei annuncie.
tsr A senhora Izabel Mara da Conceico
tenha^a bondade de annunmar a sua morada,
ou dirigir-sea ra de Agoas verdes n. 42,
para finalisar o negocio que icou de o findar
at o ultimo de Novembro.
tsr Pela segunda vez avisa-se ao Snr. A.
F. L., que queira mandar pagar na ra das
Larangeirasa quantia de 36, rs, deque nao
ignora.
W Desapareceo nodia 19 do corrente um
papagaio pequeo levando no p um gan-
chinho de corrente e tem urna unha corta-
da ; neste mesmo dia sumio-se
nho do reino pequeo e
N tsr O Compend'o de geometra por Eucli-
des : na ra de Agoas verdes n. 42.
VENDAS.
um caxorri-
o ja velho com
falta de alguns dentes ; quem tiver achado
ambas as cousas querendo restitu-las. dirja-
se ao segundo andar do sobrado da ruaestre-
ta do Rozara por cima da botica do snr. Pa-
ranhos que se lhe dar o achado.
tsr O primeiro secretario da sociedade Na-
talrn e scientilica aos snrs. socios que liverem
deseder as suas cadeiras para a recitado dia
25 quedevem apresentar-he hoje (24) at
o meio dia as suas propostas para serem
"presentes a commisso administrativa man-
dar extrair o competente carto ; na ra do
Oueimado loja n. 5.
lar Aluga-se urna casa terria com muitos
bons cmodos quintal e boa cassimba por
detraz da da lgreja de Santa Rita Nova 11.
48 quem quizer dirija-se a mesma a toda
ora que achara com quem tratar.
tsr Urna mulher de bous costumes se
propoem a lomar mangas com ama para se
criarem com leite impedidas e desempe-
didas e tambem se recebem as que tiverm
ja desmamadas para se acabaren) de criar
com todo mimo e amor ; na ra Direita n.
50 no segundo andar.
tsr Aluga-se urna casa terrea no bairro de
s. Antonio e que o seu aluguel nao exceda
de 10,> rs. mensaes ou metade de urna casa
de urna s pessoa visto a preciso ; quem lhe
convier annuncie.
Mr Achou-se um collete pequeo de ca-
semira; quem o perdeo dirija-se a ra do En-
cantamento armazem de nuil liados n. 11 ,
que dando as signaes da cor lhe ser entregue*
tsr Alnga-se urna padaria no aterro do af-
fogado com 2 furnos e os mais pertences
para um grande es(belecimento ; na ra Di-
reita padaria de Viuva Machado.
tsr Precisa-se de urna ama que tenha bom
leite, forra ou captiva: no atierro da Boa
vista n. 62.
COMPRAS
tsr Um mulato de 12 a 18 annos, para
pagem, e sesouber montar bem a cavallo se-
r preferido: na ra da Cadeia do Recife n.
52 ou no Mondego na casa de Luiz Gomes
Ferreira.
car Urna corrente de ouro d 30 a40oita-
vas sendo de ouro bum a 3200 a oitava: na
ra de Hortas n. 31.
*sr D'j.'?.'! vc!t2f nr,p'!il- greceo de cure
bom ; quem livor annuocie.
tsr Escravos de ambos os sexos, de 12 a
3o annos : na ra Direita n. 43.
tsr Na ra da Cruz n. 36 : vend-se fari
nha de mago por prego cmodo.
tsr No armazem do Snr. Vasselar, de-
fronte das escadinhas da alfandega vende-se ,
farinha e milho do Rio, de superior qualida-
de por prego commo io.
Em caza da Viuva Annes & Filhos ,
na ra da cadeia do recie n. 60 existem
duas cartas para os Snrs. Jos Garlos do Mel-
lo Oarreto e Manoel da Silva Ribeiro.
tsr Continua se a vender a agua de tin-
gir cabellos e suissas ; na ra doqueimado
loja de ohapeos D. 37 e da-se o methodo
de applicar a agua ao comprador.
tsr Queijos da suissa de groyere e neuf-
chatc mames biscoito francez conservas
de ervillias sardnhas lingogs endauba-
ges pe endoillettes cerveillats azeite doce
lino em gigos a 8i400 mustrda fr. rap
de Hamburgo a \t e 2f rs. a garrafa cha-
rutos da 11 ivana superiores vellas de esper-
macete em caixas de 24 libras de 6, 7, e 8
em libras sal refinado em embrulhos v-
nho tinto e branco de Bordeaux de differen-
tes qualidades em caixas de urna duzia a 6 ,
7, 12 at 22, dito engarrafado de 240 ;
320, e 400 rs. vinhode madeira seca su-
perior muscatel frontignau e champnhe
das marcas conhecidas de 24, 28, e 30, dito
mauss ( immitaco de champanhe ) licores
le muito linas qualidades ; agoa rrdente de
franca, absinthe, serveja agoa mineral de
seltg e batatas todos estes generost 3 ou-
tros vendem-se a preco commodo : na casa
de Fernando Lucca na ra da Cadeia velha
numero 13.
tsr Vende-se ou aluga-se o sitio do falleci-
do Machado noaffogado; os pretendentes
dirijo-se a ra do Trapixe n. 8.
tsr A loja de fazendas n. 14 no atierro
da Boa vista, com poucos fundos pu s a ar-
mago : a tratar na mesma.
tsr Mames a 2/f rs. o cento : na ra do
Encantamento armazem n. 14.
tsr Gigos com batatas : no caes da Alfan-
dega no armazem de Joaquim Goncalves Vi-
eira Guimares a 640 cada gigo e sendo
em porco de 5 gigos para cima a 560 a d-
nheiro a vista cada gigo tem 40 libras da
hi para cima.
tsr Caibros de 30 a 3o palmos : na ra da
Aurora armazem n. 4.
tsr Urna casa de taipa em muito bom es-
tado no lugar da Casa Forte defronte do
assouguedo snr. Pessoa : a tratar no aterro
da Boa vista casa de sobrado de um andar
numero 80.
tsr Urna escrava crela de 16 annos, de
bonita figura sem vioios nem achaques, pro-
pria para mumbanda : no atierro da Boa
vista sobrado de um andar n. 80.
tsr 36 travs de 35 a 40 palmos de com-
primento e de 7 a 8 polegadas de grossura:
na ruado Vigario n. 3.
tsr Tres bois mangos; quem pretender
annuncie.
tsr Urna grande pedra para soleira, e urna
pelledeonca: na ra do Livramento venda
numero 5.
tsr Barris de azeite de carrapato a 1440 a
caada : na ra do Vigario n. 21.
tsr Taxas de ferro batido e coado por
preco barato : na ra do Vigario n. 3.
tsr Urna escrava do 18 annos de boa fi-
gura recolhida sem defieito algum boa
engommadeira ; cos ureira de corlar e fazer
veslido de senhora e camisa de homem; 4 di-
tas com boas habilidades, nao sao vendidas
estas escravas por terem defieito algum, e sim
por ter fallecido sua senhora; 2 escravos mo-
cos para todo o servico um delles he bom
canoeiro : na ra de Agoas verdes n. 44.
ter Superior vinho engarrafado da Madei-
ra secca Malvasia e dg Bucellas de 1832:
na ra do Vigario n. 21.
tsr Sal de Setubal : a bordo do Brigue
Sardo Elbe ou em casa de Thomaz de Aqui-
no Fonceca na ra Nova n. 4l.
tsr Cadeiras americanas com assento de
palhinha camas de vento com armrgo e
sem ella, muito bem feitas a 4500 rs.-, ditas
de pinho a 5500 marquezas de condur
mezas de jan'ar commodas de amarelo e
de angico assim -como outros muitos trastes ;
e pinho de suecia com 3 polegadas de grossu-
sura, dito serrado tudo mais em conta dO que
em outra qualquer parte : na ra da Floren-
tina casa de J. Baranger.
ZST L'r.i (jdpagaiu iiniiiu faauur ; iiisiuria
Eccleciastica^ Rhethorica pelo Reverendo Pa
dre Mestre Marinho e um Cornelio : na ra
de Agoas verdes n. 42,
Marques ii Veiga vendem no arma-
zem do snr. GuimarAes no arco da Cwncei-
co barricas com farelos novos a 5200 a
barrica ; e em sua casa na ra do Amorim ,
fumoem folha de primeira e segunda quali-
dade copos de medida alho em maunga ,
e fumo mapendim superior.
tsr Um cavallo com todos os andares, por
preco commodo : na ra da Praia n. 32
tsr Um bom cavallo mellado de 6 annos:
na ruada Cruz n. 7.
\tsr Um carrinho de duas rodas muito
bem construido pintado forrado de pan
no fino e coberto, tudo novo com o ca-
vallo ou sem elle o cavallo be um dos me-
II.ores que anda aqu,' rodado, muito mateu-
do sem achaques e muito novo, qualquer
menino mete-o no carro aianca-se nao ter
manhag Venderse pelo doiio ir fazer maior
parte de sua assistencia no matto ; assim co-
mo precisa-se de um criado para tratar de
um cavallo, eacompanha-Io em suas viagens:
na praga da Boa vista n. 24.
tsr Urna escrava com habilidades urna
porgo Je ouro e pr'ata para desmanchar, pi-
pas quartolas e barris um relogio hori-
zontal e outro inglez, ambos sabonetes ,
um realejo que tosa dando-se corda, um apa-
relho dourado para cha : as 5 ponts n. 45
onde tem o lampio ; na mesma preeisa-se
de um caixeiro.
^tsr Chales de seda adamascados muito
ricos, de 14a 25 rs. lengos de seda da
mesma qualidade a 3200 ditos-a 1760, di-
tos prefcos de sarja meias compridas para
senhora a 300, 320, 360, 400, 480 500, 560
e 600 rs. e de superior qualidade a l rs. o
dar lencos de cassa a 160 cortes de ves-
tidos de chita muito ricos de tintas seguras
a 8* 3200 3500, e 5800 o corte de 13 co-
vados, e mais fazendas baratas : na loja da
viuva do Burgos, n. 1.
tsr Umcavalinho de bonita figura pro-
firi para menino montar pela sua mansi-
do : na ra da Cadeia Jo leeife loja de Joo
da Cunha Magalhaes.
tsr Farinha de mandioca em sacras de al-
queire, de muito boa qualidade, e bem. tor-
rada chegada ltimamente do Rio de Janei-
ro por prego commodo : no armazem de
Joaquim Goncalves Yieira Guimares junto
ao arco da Conceigo voitando para alfandega
numero 1.
tsr Milho e arroz de casca a 1920 o al-
queire : no pateo da s. Cruz n. 55.
tsr Sal superior ltimamente chegado de
Cdiz no Brigue Inglez Augia : em casa de
Me. Calmont vi Companhia.
es Um pequeo sortimento de charutos
da Havana e Manilha de ptima qualidade :
na ra da Cruz n. 7.
tsr Um escravo muito proprio para en-
genho por ser bom trabalhador de enchada ,
robusto e de boa figura : na ra Direita lo-
ja de sera n. 135.
cr Duas casacas novas que servem para
um mogo de 16 a 20 annos feitas a moder-
na e 7 cohetes de seda muito bem feitos ,
e dous bahus novos tudo por prego commo-
do : na ra da Cadeia do Recife n. 8.
tsr Vende-se ou arrenda-se urna casa ter-
rea na povoaga do Monteiro : no Pateo de
S. Pedro n. 41.
tsr Farinha de trigo da bem conhecida
marca Galego chegada em direitura de por-
to de Richmond : en casa de Henry Forster
& Companfcia ra do Trapiche n. 8.
tsr Um negra crela de 22 annos coz-
nha o ordinario lava de sabo e varrella e
he perita para tojo o servigo de campo por
ser nelle criada desde pequea : no forte do
Mattos beco do Costa n. 16.
tsr Urna preta de nagSo Quigam moga
e de bonita figura : na ruado Rangel n. 51
a fallar com Victorino Francisco dos Santos.
tsr Urna carabina a baila forgada com
o relie e baionet feita segundo o raodello
das armas de que se servem os atiradores
francezes em AlTrica esta carabina he to
notavel pela beleza do trabalho como pela
excellencia das suas qualidados, e pode igual-
mente servir para um militar oy para um
curioso. He do alcance de 900 metros ou
800 varas ; quem a pretender dirija-se ao
atierro da Boa vista em casa de Emilio La-
rousseric aonde ter a faculdade de a
rimentar e de se assegurar tanto de seu al-
cance como da sua forga e justeza.
tsr No sitio que fica por traz do tanque do
finado Monteiro continua-se a vender agoa
a 10 rs. a caneca ( sendo esta de regular
grandeza ) ou rnaior que era outro qualquer
de novo por prego commodo : na casa do
carroeiro france/. na praga da Boa vista Irja
ds sobrado do snr. Brigadeiro Almeida.
ESCRAVOS FGIDOS. "
tsr No dia 21 do corrente fugio a preta
Joanna de nago Bengjuella,, de 30 annos,
rosto comprido bastante alta, costuma ven-
der agoa pelo destricto do Carmo, levou ves-
tido cor de caf claro panno da costa ca-
misa de algodozinho tem urna cicatriz de
baixo de urna orelha ; quem a pegar leve a
praga da Independencia loja n. 39 ou na
ra dos Quarteis n. 122 que ser gratificado.
tsr Desapareceo da casa n. 40 da ra da
Cadeia do Recife das 9 para as 11 horas da
noute do dia 20 do passado um preto escra-
vo de Joze Gongalves Casco de nome Mi-
guel de 26 annos de nago B.mguella, es-
tatura regular rosto abocetado nariz com-
prido olhos regulares dentes finos e al-
vus cor quasi fula falla serrada sobre o
peito um pequeo signal de pelle repudiada,
sobre ou junto da fonte esquerda urna peque-
a, cicatriz anda com o. rdsto bastante le-
vantado passos miudinhos e os ps um
pouco atravessados vestido de caigas e ca-
misa de algodo ou estopa do Porto presu-
me se que fosse furtado e por isso nao so
se prometle urna boa recompensa a qualquer
capito de campo ou outra pessoa que o pe-
gar, ou denunciar aonde elle exista; tambem
roga-so a todas as authoridades e agentes da
polica e principalmente as do registo do
porto tomar a sua coadjuvago aim de que o
mesmo nao possa sahir de barra fora sem
consentimento de seu legitimo senhor.
tsr Nodia 20do corrente 'ugio o preto
Ignacio de Angola de 50 e tantos annos
baixo echeio do corpo barbado carran-
cudo bastantes cabellos brancos tem as
verilhas crescidas como quem be quebrado,
e costuma andar com a camisa por fora das
caigas levou algutna roupa do seu uso he
muito pregnigoso quem o pegar leve ao pa-
teo do Carmo venda n. 1 que ser recompen-
sado.
tsr No dia 20 do corrente desaparecero 2
escravos um crelo de nome Francisco de
20 annos estatura ordinaria rosto bonito,
ps grossos canellas finas ; o segundo par-
do escuro de 20 annos, alto, de bonita fi-
gura ps grossos ; estes escravos hio para
o matto com seu snr. e desaparecero da
ponte da Boa vista levando um c.vallo rus-
so rabo com cangalha e dous saceos com
commistive. dentro; os mencionados perten-
cem a Antonio de Moura Carvalho morador
na freguesia da Senhora da Gloria termo de
Pod'Alho; quem os pegar leve a ra da
Madre de Dos a Pedro de Oliv.:ira Jnior ,
que recompensar.
tsr No dia 2"2 do corrente fugio o preto
Antonio de nagao Costa de boa estatura ,
grosso do corpo falla pouco inlelligivel o
muitoatravessada tem cftvos nos ps, e
por isso nao assenta os calcanhares no chao ,
levou caigas escuras jaqueta preta ja velha,
chapeo de palha de preto de engenho foi do
serian e por isso desconfia-se que talvaz
algum matuto o induzsse para a fuga ; quem
o pegar leve a ra Direita n. 59 a seu legiti-
mo snr. Antonio Joze Pereira do Lago ou
na ra da Praia n. 70.
tsr No dia 45 do corrente fugio urna ne-
gra de nago, de nome Benedicta, cara com-
prida nariz regular, cbelos pretos boca
regular, com faltas de denles na frente cor
preta secca do corpo, mos e cstalnra regu-
lar tem os ps seceos com os dedos gran-
des abertos mais que os outros, de 35 annos,
levou vestido de chila de assento azul com
palmas amarellas e por detraz roulo de pu-
xavante e ja sujo pergunta-so quem be a
senhora diz que he Maria Simiauna ou snr.
Cazuza falla a trapalhada por sua convani-
lugar do bairro de s. Antonio.
encia foi vista na mesma noute alhe as 10
horas da nouieatfaz lo calebouce e foro a
levar a casa da dita Mara Simianna assim
queira fazer o favor de levar na ra Nova ar-
mazem de trastes n 67 que sera gratifica-
do generosamente.
tsr No dia 22 do corrente fugio o cabra
Lisbom altura regular cheio do corpo ,
expe-jlem 0 Dra^0 esquerdo meio esquecido levou
vestido camisa de madapolo e caigas de
brim entrangado de listras chapeo de pa-
lha tudo velho este escravo foi recebido
em pagamento de um devedor de pedras de
fogo, por isso he provavel ter hido para este
lugar ; quam o pegar leve ao atierro da Boa
visia n o i a seu sr. Manoel de bauza Itapozo,
ou no silio dos Allliclos que ser gratifica-
do generosamente.
tsr Para fora da provincia um escravo
mogo de bonita figura : na ra da Cadeic do
Recife loja de Joo da Cunha Magalhaes. 1
tsr lima carroga de carregar capim, feita I RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. = 484 2


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EOOUGJVG0_X4S3AO INGEST_TIME 2013-04-13T01:04:37Z PACKAGE AA00011611_04851
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES