Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04849


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Armo de 1842.
Qirnta Feira 22
Tao aora ilepende de nos meamos ; di nosa prudencia moderitcao e energa ; con-
tinuemos como principiamos e seremos apontados com admira 10 enire as Nacoes mais
cultas. ( Proclamac&o da Asaembla Geral do BlitlL.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Ooianna Parahiba e Rio grande do Norte segunda e titas feiras.
Bonito e Garanhuna ,' a 10 e 24.
Cabo Serinhaem, Rio Formnso Porto Calvo Maceio e Alafoas no 1. 11 p 2i.
Boa-risia e Flores a 28 Santo Anto quintas feiras. Olinda todos os das.
DI AS DA SEMANA.
19 S*g. -* fausta. And. do J. de I), da 1. t.
JO Tere, jejum s. Dominios de Silos Ab. Re. Aud. do J. de D. di 2. T.
Jl Quart. Tome' Ap.
22 Qaint. Honorato M. Aad. doJ.de D. da2.T.
23 Sext. s. Serrnlo a Ivojado. Re. Aud. do J. de D. dl. ?.
24 Sab jej s. Gregorio M. Re. Aud. do J. de I), da 3, t,
25 Dom. Nascimento de N, S. Jeius Chtisto,
de Dezembro Anno XTIII N. 1W>'
O Diario publicare todos o das que nao
de tres mil res por quartel palos adiantados.
gratii e o dos que*> nao forem raxao ot
dirigidas a esta Trpografia, ra daatruaeaN
Numero 6 e 8.
forem Santificados : o preeo da awignatara nn
Os annuncios dos assisnantea ato inserido!
80 reis por linlia. As reclamaces derem ser
. 34, ou a prara da Independencia loja de lirrot
CAMBIOS no da 20 de dezembro.
Oono-Moeda de 6,400 V
n a N.
de 4,000
PlATi-Patacei
Peros Column ares
ditos Mexicanos
'miada.
compra vend.
Cambio sobre Londres 27 \ Nominal.
Paris 350 reis por franco.
k Lisboa 100 por 100 de premio.
Moeda de cobre 3 por 100 de descont,
dem de letras de boas firmas 1 |.
I
15.(00
14.80J
8,300
1,750
1,750
1,750
1,640
15.200
,000
8.500
1,770
1,77o
.770
Preamar do da 22 de Dezembro.
1. a 9 horas e 18 m. da minhaa,
2. a 9 horas e 42 m da larde.
PHASES DA LA NO MEZ DE DEZEMBRO.
Lna Nora 12 1 hora e 56 m. da manh.
Quart. cresc. i 9 a 8 horaa e 7 m. da tard.
La ebeia 17 ka 4 horas a 26 m. da tard.
Quart. ming. 24 a 2 horas e 26 m. da tard.
DIARIO DE PERNAMBUGO.
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 13 DO CORRENTE.
Officio Ao inspector da thpsouraria da
fazenda recommendando a prompta execu-
go da ord sm da Presidencia pula qual se
determinou que pelo coliflor do Rio For-
moso fossa adiantado um mez de sold ao des-
tacamento de Agoa-Preta; e que segundo re-
presenta o coronel chefe da legio da respecti-
va guarda nacional ainda nao foi cumprida.
.Commuaicou-se ao chefe da legio do Rio
Formoso.
Dito Ao mesmo remetiendo copia da
despesa orgada, e que se deve fazer com os
objectos necessarios repartirlo da polica
no futuro anno financeiro e bsm assim a
demonstrado da despesa que tem de ser
feita com os instructores e cornetas trom-
betas e outros objectos para os corpos da
guarda nacional, aim de que por ellas se re-
gule na organisagao do orcamento de quo
se acha incumbido.
Dito Ao commandante das armas de-
terminando que mande augmentar a guarda
dopa'acioda Presidencia com o numero de
praQ.iS que for preciso para que noite
se ja o edificio do novo theatro rondado por
urna sentiwdla effactiva que obste a entra-
da de qualquer individuo no interior do mes-
rao theatro.
Dito Ao juiz relator da junta de justiga,
enviando para que aprsente em sesso da
mesma junta o processo verbal feito ao reo
Pedro Alves das Chagas soldado da compa-
nliia de artfices.
Dito Ao chefe da legio do Bonito, com
municando ter nomeado Francisco Xavier
de Lima para tenente-coronel commandante
da batalhao da freguesia dos Bizerros ; "a de-
terminando que Ih'o faga constar afiu de
que mande solicitar a respectiva patente.
Ditos Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes ao engenheiro em che-
fe e ao inspector fiscal das obras publicss ,
intellgenciando-os de haver concedido ao ar-
rematante das obras do novo lance da estrada
de Santo Antao a dilaco de quatro "mezes pa-
ra lindar os respectivos trabalhos, com a con-
digo de d^morar-se o pagamento da ultima
prestago da arrematago tanto lempo, quan-
to he o da mencionada dilago.
Dito A cmara municipal de Cimbres ,
significando que lioa sciente de haverem Ho-
rneado aos tenente-coroneis Leonardo Bizerra
de Siqueira Cavalcante e.Manoel Ignacio de
Carvalho Mendonca e ao doutor Luiz de
Carvalho Paes de Andrade para de parle da-
quella cmara felicitaren- a Sua Vlagestade o
Imperador por occasio dos seus Desposo-
rios.
Dito Ao delegado do termo de Goianna,
ordenando que faga conduzir para esta capi-
tal pelo mais commodo modo possivel o
soldado do batalhao provisorio Manoel Joa-
quim Fetosa da Cruz que ali se acha doen-
te.Participou-se ao commandante das ar-
mas.
Ditos Do secretario da provincia as c-
maras de Olinda e Goianna aecusandore-
cepgo das contas do anno lindo e do orca-
mento para o futuro.
I DEM do da lG.
Officio Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes ordenando que mande
pagar mais trez mezes dos ordenados dos em-
pregados provinciaes vencidos de julho a se-
tembro do correte anno se assim o permit-
tir o estado do cofre provincial.
Dito Ao insp ctor do arsenal de marmita
determinando que quando o requisitar o
director do arsenal de guerra, furnega as
lanchas que forem precisas para se effectuar
a conduego para o mesmo arsenal de urna
porgo de armamento e equinamento e
utensis, que em o quartel do Hospicio dei-
xou o batalhao provisorio. Communicou-se
ao director do arsenal de guerra ordenan-
do-se-lhe que avista do mappa que se
lhe remettia mandasse recebar do alferos
quartel-mestre Jos Joaquim do Nascimen-
to e recolher nos armazens daquella repar-
tirlo os objectos cima mencionados : e
parlicipiu-se ao commandante das armas a
expedico destas ordens.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA 7 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm. Presidente para quo
tiVesse a bondade de dar suas ordens a the-
souraria, afim dse abonar as pravas de pret
do batalhao provisorio vencimentos at o
ultimo do mez e aos ofiiciaos trez mezes de
sollo adiantados.
Dito Ao mesmo Exm. Sr., requisitan-
do suas ordens ao eommandante geral do cor-
po de polica para fornecer ao latalho pro-
visorio 227 moxilas recebendo em substi-
tuido igual numero do arsenal de guerra.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. commu-
nicando lhe, em resposta ao seu officio de 18
do correnle que mandara assentar nova-
mente praga no batalhao provisorio aos trez
desertores vindos da Parah ba na escuna =
Lebit= por isso que partencendo el les a
corpos que j nao existio e nem havendo
conselhos de diciplna nao podio ser julga-
dos acrescentando que um delle9 tinha-se
ausentado.
Dito Ao mesmo Exm. Sr. devolven-
do-lhe informado o requerimento de Maria
Joaquina da ConceigSo que pedia a exclu-
sao de seu marido do batalhao de infantaia
de guardas nacionaes destacado.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., remetten-
do-lhe para qui houvesse de defirir como
fosse de justiga os requerimentos de Manoel
dos Santos Souza e de Maria Antonia do
Espirito Santo esta pedindo que fosse ex-
cluido do batalhao de infantaria de guardas
nacionaes destacado seu filho Francisco An
tonio Vieira, e aquelle a mesma excluso
para si.
Dito Ao tenente-coronel Antonio Go-
mes Leal, participando-lhe, que estava no-
meado presidente do conseho de guerra do
soldado Chagas da compauhia de artfices, em
substituido ao tenente-coronel Favilla que
seguia para a corte com o batalhSo proviso
rio e queem lugar dos vogaes Cosseiro e
Meirelle, estavo nomeados o primeiro tenen-
te Maciel o segundo tenente Barbosa ,
cumprindo que convocasse o conselho para
continuar seus trabalhos para as nove horas
da manda do da 9.
Dito Ao major Jo5o Pedro de Araujo e
Aguiar remettendo-lhe a nomeac^o e pa-
pis relativos ao conselho de guerra dos sol-
dados do batalhao deartilharia Jos Louren-
qo Silva Monteiro e Amorim para que
na qualidade de presidente o fizesse con-
vocar.
Dito Ao inspector da thesouraria, a res-
peitodo ajuste de contas do capito F. V. X.
de Brito regressado de Paje de Flores.
Dito Ao coronel T. C. Burlamarque ,
a cerca da paralisaQo temporaria do conselho
de guerra do capitao Mendos Guimaries em
consequencia do impedimento de alguns dos
vogaes olfici^do batalhao provisorio.
Dito Ao commandante do brigue = Im-
perial Pedro = sobre 17 recrutas da Para-
hiba, que devio assentar praca no batalhao
provisorio depois de escolhidos.
Dito Ao major Joo Paulo Ferreira, ou-
vindo-o acerca das provas que apresentou o
recruta Jos Ferreira.
Dito Ao tenente-coronel commandante
do batalhao de artilharia communicando-
Ihe que estavo nomeados vogaes do conse-
lho de guerra do toldado Chagas o primeiro
tenente M L. Maciel, e segundo tenente J.
A. Barbosa.
Dito Ao tenente-coronel Luiz Antonio
Favilla exonerando-o da presidencia do con-
selho de guerra do soldado Chagas por ter
dse apromptar e embarcar para a corte
com o batalhao do seu commando ; assim co-
mo o capito Cosseiro, e alferes Meirelle,
vogaes do mesmo conselho.
DitoAo mesmo, para consultar ao ci-
rurgio Galvo sequeria acompanhar o ba-
talhao a corte, e mandando promptilicar urna
pequea ambulanca.
Dito Ao mesmo, para que mandasse um
official a bordo do brigue =lmperial Pedro=
escolher d'enlre os recrutas que ali se achavo
os capazes que deverio ficar pertencendo
ao batalhao do seu commando.
Dito Ao delegado do termo de Santo
Antao dizendo-lhe que o sargento Rozario
conduzia a importancia dos vencimentos do
destacamento pertencentes ao mez de no-
vembro e que os do official commandante ,
devio ser cobrados em dous recibos um
contendo o sollo e outro a addicional.
Portara Nomeando o conselho de guer-
ra dos soldados de artilharia J. Lourenco ,
Silva Monteiro e Amorim.
Dita Ao tenente-coronel commandante
lo batalhao provisorio, mandando excluir
jom guia de passagem para o terceiro bata-
lhao de artilharia a p a 9 pragas cujos no-
mes constavo da relacao que se lhe enviava.
Dita Ao tenente-coronel commandante
do batalhao de artilharia autorisando-o a
receber as 9 pragas de que cima se fez
menco.
Dita Ao mesmo para receber com guia
de passagem ao primeiro cadete do batalhao
provisorio Thom Fernandos Madetra.
Dita Ao commandante do batalhao pro-
visorio para excluir com passagem para o
batalhao de artilharia o primeiro cadete T.
F. Madeira.
Dita Ao capitao commandante da com
panhia de cavallaria para excluir com guia
le passagem para o batalhj provisorio os
soldados Flix Rodrigues de Oliveira e Ma-
noel Lourengo Gomes, que se offerecero pa-
ra servir no Sul.
Dita Ao commandante do batalhao pro-
visorio para receber os dous soldados men-
cionados na precedente portara.
THESOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DA 20 DO PASSADO.
OfficioAo Exm. Presidente da provin-
cia dizendo que achando-se archivado na
secretaria do terceiro batalhao de artilheria
a p o primeiro mestre do quarto corpo de
artilharia montada de primeira linha nao po-
da remetter a certido dos assentamenlos do
segundo tenente Francisco Elias Pereira, que
S. Ex. exigi em otficio de 15 do passado.
dem do da 28.
Officio Aocommandante das armas da
provincia tornando a enviar os papis de
contabilidade dos destacamentos de Pajaii de
Flores afim de mandal-os reformar como
requisitava o commissario fiscal do ministe-
rio da guerra em sua informago que junto
acompanhava.
Dito Ao inspector da thesourarja da fa-
zenda da provincia da Parahiba communi-
canJo em reeposta ao seu officio de 25 do
passado que at ao presente todas as le-
tras sacadas por aquella thesouraria sobre es-
ta tem sido aceitas e que nenhuma existe
por pagar.
Dito Ao director do arsenal de guerra ,
pedindo mandasse apromptar por aqu.lle ar-
senal os artigos constantes da relago que
acompanhava alim de se poder administrar
com a devida decencia o sagrado Viatico aos
enfermos do hospital regimental do batalhao
provisorio.
Dito Ao procurador fiscal da fazenda sa-
tisfazendo coma informago que acompa-
nhou do administrador da recebedoria de ren-
das geraes internas, a exigencia feita em seu
officio de IG do passado sobre a cisa (da ola-
Ha do Barbalho, que arrematou Joaquim de
Afhuquerque Fernandes Gama.
Dito A' administrador da recebedoria
de rendas geraes internas dizendo que podia
seguir o melUodo que propoz em seu offi-
cio de 26 do passado para evitar a confu-
so com o grande numero de livros que ex-
istem naquella recebedoria de fazer escrip-
turar a receita da divida activa ora existen-
te a cargo da mesma s em tantos livros quan-
tos forem os impostos; e dando esclarec mon-
tos a respeito da escripturago.
Dito Ao mesmo = Partecipo a Vmc.
para sua intellgencia e cumprimento na par-
te que lhe toca, que o Exm. Snr. Presi-
dente do tribunal do thesouro publico nacio-
nal em virtudo da imperial resolugao de 10
de setembro prximo passado sobre a se-
gunda parte do parecer da sesso dos nego-
cios da tazenda do conselho de estado, rela-
lativo a duvida occorrida no foro a cerca do
pagamento do sello dos papis que servem
ao expediente dosprocessos actos, deligen-
cias criminaes e policiaes que d'antes ero
da privativa competencia dos juizesde paz na
forma do artigo 5 da lei de 15 de outubro
de 1827 e do artigo 12 do cdigo do pro-
cesso criminal, com a isengo estabelecida
pelo decreto de 20 de setembro de 182 ar-
tigo 6 e que ora ou sao incumbidos os che-
fes da polica delegados e subdelegados e
juizesmunicipaes ou sao da competencia
cumulativa destas mesmas autoridades e
daquellesjuizes segundo a'lei de 3 de de-
zembro de 1841 que por disposigo geral
determina, no artigo lOO.tenho lugar os jul-
gamentosnosprocessoscriminaes independen-
teniente do sello que poder ser pago de-
pois ; manda pela ordem de 20 de setembro
prximo passado que nada se altere do que
est em pratica segundo o artigo 6. do cita-
do decreto de 20 de setembro de 1829 at
que haja declarago da assemblea geral legis-
lativa.
DEM DO DA 29 DO PASSADO.
OfficioAo Exm. Visconde de Abrantes ,
presidente do tribunal do thesouro publico
nacional, sobre a continuago das obras dos
armazens do trapiche de alfandegv desta ci-
dade.
DitoAo Exm. Baro presidente da pro-
vincia informando o requerimento de Bernar-
da Theresa de Jezus em que pedio os ven-
cimentos militares de 1818 a 1841 a quejul-
ga ter direito como viuva do soldado do ex-
tincto regiment de infantaria de linha Joo
Pedro de Mello.
DitoAo inspector da thpsouraria de fa-
zenda da provincia da Parahiba participando,
que em conformidade do seu officio de 25 do
passado havia mandado fazer os competen-
tes assentos da quantia de 32j>60 reis que
importou o rendimento de um por cento de
ai mazenagem addicional arrecadado pela al-
fandega daquella provincia levando dita im-
portancia conta do suppriment applicado
ao pagamento da coinpanhia provisoria de
primeira linha ali estacionada.
DitoAo inspector da alfandega commu-
n md.Io, que mandando, o Exm. Bario
presidente da provincia em conformidade das
is em vigor por nao aclur conveniente
:nese suspendao as obras dos armazens e
irapiche daquella alfandega quo se conti-
nu a supprir as quantias necessarias para a
sua conclusao at a somma de 18:514^860
/

*


2
res em que so achilo oreadas : prevenia-o
de que em dita somma se comprehendia ja as
quantias despendidas no maz de novembro.
DitoAo administrador da recebeJoria de
rendas goraes internas remetiendo por co-
pia o decreto n. 229 de 22 de outubro do cor-
rente anno era adJitameiiteao regulamento
fi. loO de 9 de abril antecedente sobre a
arrecadagio da dizim de chancellara aim
de lhe dar execugio pela parte que lhe
teca.
PortaraAo collector de diversas rendas
geraesdo municipio de Olinda dem.
DitaAo do municipio de Iguarass auto-
risando-o para proceder ao rendimento tri-
ennal em hasta publica da casa n. G da
roa de S.^Sebastio da dita villa, pertencen-
te aos proprios nacionaes e recoramendan-
do que sem demora enviasse um ornamen-
to da despesa que se poder fazer com o seu
concert, alim de conhecer-se oque a este
respeito convem por em exeeugo.
DitaAo do municipio do Rio Formoso ,
rocommendando que pelo que tiver arreca-
dado e for arrecadando dos rendimento a
seu carpo entregasse por um simples reci-
bo ao commandante do destacamento de guar-
das nacionaes de Agua-Preta as quantias ,
que este pedisse para as despesas dos solda-
dos e mais vencimentos, de um mez do mes-
mo destacamento ; nao continuando no se-
guinte este supprimento sera que se lhe
mostrasse por documento que as coritas
d'aquelle foro recolhidasa thesouraria e se
achavo justas e liquidadas.
TRIBUNAL DOS JURADOS DO RECIFE.
TRABALHOS DA ULTIMA SESSA.
Novembro 24.
Foi absolvido Joo Baptista d'Oliveira, ac-
osado pela Justiga por furto de um cavallo
- Advogado Joze Francisco de Paiva.
dem H.
Foi absolv lo F. Buessard, subdito fran-
cs accusada pela Justiga na queixa de Er-
nesto Jernimo Gongalves dos Santos por of-
fensas phisicas com intengo de injuriar Ad-
vogado Filippe Lopes Netto.
Foi condemnado a 14 annos de priso com
trabalho Manoel Ferreira de Amorim que
protestara por novo juramento em Pao do A-
lho onde fora condemnado a 24 annos de
priso simples, por haver espancado a sua
mulher, que disso viera a morrer. O con-
demnado appcllou da sentenga.
dem 26.
Foi absolvido Manoel de Miranda Souza ,
accusado pela Just:ga por ameagas estando ar-
mado com espingarda carregada. O Juiz a-
pellou Advogado Joze Francisco de Paiva.
dem 28.
Foi condemnado a 8 annos de gales e mul-
ta da 20 por cento Manoel Ferreira sub-
dito portuguez accusado com outros pela
Justiga pelo crirae de roubo feito a Frederico
Chaves.
dem 29.
Foi absolvido Jernimo Dantas Timb, ac-
cusado por complicidade em furto d'escravos
Advogado L, P. C. Vellez de Guivara.
dem 50.
Foi condemnado a 5 annos e -4 mezes de
gales e multa de 15 1jw2 por cento ou 100 a-
coutes o preto Mano I escravo da D. Joa-
quina Mara da Conceigo, accusado pela Jus-
tiga por furto de escravo Advogado A. V.
do N. FeitDZa Asenhora do reo appellou.
Dezeinbro 1.
Foi absolvido Antonio Bibeiro accusado
com outros pela Justiga por furto de escravos
- Advogado J. B. G. Alcanforado O Pro-
motor appellou.
dem 3.
Foi condemnado a 6 L2 mezes de priso e
raulta correspondente melada do tempo
Claudino Joze de Mello accusado pela Jus
tiga por ferimentos em seu superior Ad-
vogado F. L. Netto.
dem 6.
Foi absolvido Valerio de Souza Lima ac-
cusado pela Justiga por furto feito a Joaquim
Joze Ferreira Gama Advogado L. P. C. Vel-
lez de Guivara.
dem 7.
Foi absolvido pelo Jury Pedro Alexandre ,
accusado pela Justiga por uso de armas pro-
hibidas. -- Advogado Antonio Manoel de A-
rago O Juiz de Direito appellou para a Be-
lagoporse nao conformar com a deciso.
Foi absolvido Joaquim Barboza de Sou-
za 'accusado pela Justiga por banca-rota -
Advogado J. F. de Paiva.
dem 9.
Foi condemnado a 9 anuos e i mezes de
priso Manoel Lopes Ferreira accusado pela
Justiga por banca-rota Advogado L. P.
C. Vellez de Guivara O reo appellou para
a Relago.
RESUMO
Processos Sentencas
Accusadores
Furto. Absolvido
Injuria dem
Homicidio.. Condemnado
Ameaga. Absolvido
Roubo Condemnado
Furto. Absolvido
Furto: .Condemnado ) A Justiga.
Furto. Absolvido
Ferimento. Condemnado
Furto. Absolvido
Uso de armas. dem
Baca-rota dem
Baca-rnta Condemnado /
N. B. Ha dous processos cima indicados ,
que na nota a nos communicada nao trazem
a declarago de ter sido a aecusago feita pela
Justiga; mas temos razes para sppor que
outro aecusador nao hove. Tambem ere-
mos que nao estilo aqu contemplados todos
os processos julgados na presente sesso.
COMMUNICADO.
Grandes na realidade tem sido as diligen-
cias do echo da ra da praia do seo primo-
gnito o guarda nacional e de todos os
mais adeptos da urbana sucia para desacredi-
taran a actual administrago fazeudo crer
a necessidade da sua mu langa e livrarem-se
do homem que tem anniquilado todas as
maquinales malogrado todos os seus pla-
nos e frustrado todos os projectos que so
formro as tenebrosas espeluncas das in-
visibilidades : porem. coitados! as suas vozes
sao to fracas, to vis, e impotentes os mei-
os, que emprego para conseguir o seo ne-
fando fim, que, apezar das urbanas circula-
res cm que se convidavo pessoes concor-
rerem para a opposigao que cumpria fazor
a tortuosa marcha do governo apesarde
s'haver reciutado para escrevinhadores tantos,
(plantos sao os descontentes que somente
por falta de mrito deixro de ser chamados
para os cargos pblicos apesar das insinua-
ges que se fazem ao povo querendo-se-o
persuadir, que a administrago eniretem
sentimentos oppostos aos seos interesses ;
nada lhes ha sido proveitoso, e a bem adqui-
rida reputagio do Exm. Sr. Baro da Boa-
vista a estima e sympathias, que lhe con-
segro os seos bom comprovincianos, esto
bascadas em to firmes alicerses que bem
longe de soflfrerem a menor mingoa obtem
novas e maiores forgas.
Convengo-se os urbanos parladores cu-
jos escriptos sao ditados pela inveja este ve-
neno terrivelda sociedfde que priva aquel-
las quem affecta, de reconhecerem o m-
rito das aegoes de outro so porque nao sao
suas e lhes nao podem por conseguinte
grangear a aurola de gloria de que com
magoa o vecn cercado de que o povo Per-
nambucano sempre sensato e que ensi-
nado pela experiencia j conhece perfeita-
menteos cnticos das sereias polticas an-
da nao riscou de sua lembranga nem jamis
esquecer os mutos e grandes beneficios ,
que lhe tem prodigalisado este seo digno pa-
tricio as vezes que ha tido seo cargo ,
direcgo dos seos destinos ; que anda olha
com satisago ecom vistas de reconheei-
mento para o Lyco por elle reformado a
prvido de habis professores e onde a nos-
sa mocidade vai colher sino urna comple-
ta instrucgiio e conforme os desejos de S
Ex. por assim o nao permittir o nosso esta-
do de .finangas ao menos a melhor que
nos he possivel possuir : para as estradas ,
pelas quaes os viandantes podem transitar
da capital ao centro e do eentro a capital ,
adiando em grande parte removidos os gra-
ves incommodos que d'antes encontravo :
para urna alfandega que alem de facilitar
a arrecadago muito concorre pora o afor-
moseamentoda provincia, e para outros e-
dificios, finalisados e em construego, que
por si mesmos do mais honra quem os
promoveo de que a melhor descripeo que
d'elles possamos fazer ; e que em consequen-
cia nao pode deixar dedesejar a continuago
de urna to hbil e benfica administrago :
convengo-se de que a melhor parte dos
Pernambucanos os que somente desejflo o
bem de sua patria, e nao tem a mira em seos
interesses particulares considero a nomea-
go e conservago do Exm. Sr. Baro da
Boa-vista no importantissimo lugar de presi
dente do sua provincia como urna das mais
convincentes provas, que lhes pode dar o go-
verno de sua Magestade o Imperador do cui-
dado e attengio que presta esta parte
do solo Brasileiro : e convengo-se finalmen-
te de que o echo da praia nao he o da pro-
vincia ; e que sempre acharo prompto
contestal-os
O inimigo dos intrigautes.
A' JOVEN OPPOSICAO PRAIElRA.
Soneto.
sos deSorocaba e Birbacana,
He justa a vossa furia delirante
Contra o nobre Biro da Patria amante,
Que vos poupa mais urna infama scena.
As garras assestai sobre a meleua ;
Vibre sarcasmos vossa lingoa ovante :
A' Cinthia nada impor um cao ladranta ,
Ella rege o seo carro em paz serena.
Torpe ambigo embora vos estrague:
Quem nao pela s no minio o seo estado,
Nao teme que a mentira vil propague.
Do Imperio ser Reg sempre escudo ,
Das Farrapos impvido azorrague ,
De Pernambuco a Honra, a Gloria, e tudo
VAR1EDADE.
AS MULHERES TERA TANTA INTELLHiENC
COMO OS HOMENS?
Eis aqu, Tia Michaela o enjerto do nos-
so debate de hoje segundo foi dado na or-
dem da noite : eu caja se sabe, como trago
calgoes tomarei a negativa e sustentare!'
que o homem mais intelligente que a mu-
lher ; Vrac. Tia Michaela tomar a de-
fesa do seu sexo. E*t por este ajuste ou
pOa-lhe duvida ? Acceit nlestre aceito
com muita vontaJe ; e se Daos me ajudar fi-
que na certesa de que o hei de esfrangalhar!
hei de metter-lhe urna rol ha nessa boca, que
nunca mais Vmc. hade abrir bico diante de
gente pode principiar edeitar a livraria a-
baixo.
Principiarei por lhe dizer ; Tia Michaela,
que a antiguidade a favor da minha opinio.
Aristteles sustenta que a mulher urna
obra em esbogo urna produego incompleta;
e chega mesmo a affirmar que se o mundo
fosso mais perfeito nao haveria no mundo
seno homens. Que diz Vmc. a isto Tia
Michaela ? Que. digo? mestre, digo que esse
tal sr. Aristteles era um grande pedago d'as-
no desdo os bicos dos ps at cabega A-
ristoteles ora quem Vmc. foi buscar esse
pobre maniaco da Stagira filho d'um me-
dico e aprendiz de boticaryo um dissipador!
um debochado que depois de soldado se
metteu a philosopho olhem que pega!
Ta Michaela tenha paciencia ; isso nao
diz nada para o caso. Se foi dissipador e ex-
travagante, foi em rapaz : depois teve tanto
juizo que at foi mestre de Alexandre Magno,
conquistador das Indias. Os seus compatrio-
tas lhe levanlro altares. Mestre nao se
canee ; eu conhego muito bem esse meliante
de Aristteles ; elle escreveu isso contra as
mulheres e era to baboso pela sua cha-
mada Pythais que lhe levantou altares e a
adorava como urna divindade Ora eis aqui
o tal sugeitinho Se eu fosse mulher dHle
eu lhe ensinana a regra do bem viver. Ve-
nha outro.
Aqui temos nos Tia Michaela Euripe-
des que faia tragedias e nelhs sampre di-
zia muito mal das mulheres. Outro que tal,
mestre.' outro que tal Em quem Vmc. me
falla no Poeta de Salamina que se metteu
n'uma cova para fazer tragedias ? olhem que
juizo Elle dizia muito mal das mulheres e
casou-se duas vezes mas pagou-o bem el-
las o cagoro e elle se divorciou! Olhe, mes-
tre, em quantoa mim tanto o tal snr.
Aristteles como o tal sr. Euripedes foro dous
parvos de mo cheia. Se Vmc. nao recorre
a outras autoridades essas nao valem dous
reis de cominhos.
Ahi vai outra Tia Michaela que nao
suspeita. S. Agostinho na Mystica Ci dade
de Dos diz que cortos Theologos pensavo da
mesma maneira que os philosophos gregos:
e ero de opinio que no dia de juizo Dos re-
formara a sua obra e que o genero huma-
no resuscitaria todo em forma de homem !
Mestre, esse seu Santo Agostinho tambem
nao o Agostinho que me mette a falla ao hu-
ello ? verdade que Santo g..mas nos seus
principios foi um estragado* at chegou a
ter um filho sem ser como manda a Igreja !
Veja que tal era a crianga Venha mais.
Olhe, Tia Michaela, houve um Concilio
no VI seculo em Macn, em que se poz em
questo se Nosso Senhor Jess Christo mor-
reu pelas mulheres como morreu pelos ho-
mens. A discusso foi calorosa mas de-
pois de rauitas intorpallags se decidi
verdade a favor do bello sexo asientan! .-
saqueas mulheres tamb;m pirticipavo da
Redempgo. Isso estava visto m 'itre !
parece impossivel como houvessem Theolo-
gos que quizessem excluir as mulheres do
beneficio dessa le, quandj a le igual pira
todos.
Alm destes autores vou citar-lhe, Tia
Michaela urna autoridada do barbas. !'/
Maforaa o autor da Religio Musulmana:
elle negoil s mulheres a entrada no Paraizo,
e s lhes permittio que espreitassem pelo bu-
raco da fechadura o que se la passava por
dentro Ora viva sr. m&tra com que
nao tem Vmc. vergonha de me c.tar a auto-
ridade de um Almocreve qua fez la .'ira pa-
raizo como elle quiz e como se poda espe-
rar de um animalejo que s tratava de bes-
tas Com effaito, os seus autores sao to-
los muito frescos por isso ja se v que o
tal borracho do Mafoma nao permittiu aos
Turcos quantas mulheres elles quizessem !
Temos mais Tia Michoela ; certo Ra-
bino imprimiu um livro em que dizia que,
tendo Dws arrancado a Ado um? eostella
para della fazer urna mulher, e havendo en-
costado por um instante a costella ao p delle,
viera um macaco desinquieto e Ih'a levara ,
dando s gambias que ento um anjo corre-
r atrs do macaco e o agarrara pelo rabo ;
mas que tendo-lhe o rabo ficado na mo ,
o fra por no lugar da costella, e que em con-
sequencia desteengeno fra a mulher formi-
da do rabo do macaco eque por isso que
as mulheres tem certas macaquices muito
esquizitas.
Tambem Vmc, mestre, como o tal bre-
geiro do Rabino que escreveu este desaforo!
Mas para lhe tirar as cataratas dos olhos va
ouvindo. As historias sagradas e prophanas,
a Biblia, a Mithologia os Poetas e os Orado-
res, os Historiadores eos Novelistas, todos, to-
dos lhes fazera gran les elogios; ecom muita
razo Se Vmc, mastre, quar mulheres pro-
phethizas, mulheres qui adivinhem o futuro,
ihi tem asSybillas a Pythoniza d'En Jor e
Velleda e a madre cel ;stina encantadora que
inventou a arto de berliques e berloques.
Quer snelas Est o Flos Sinctorum cheio
dellas nao fallando as onze mil virgens ,
que s isso faz ficac os homens da queixo ca-
hio'o !
Quer Vmc. mulheres fortes heronas ,
sabias, egrandes Princezas ? abra esses li-
vros antigos e modernos. Veja aquella bra-
va Judith, que cortou a cabega de Holofarnes,
como quem corta o pescogo a um capo ou a
urna galinha Veja aquella Rainha Semira-
msque edificou a Cipital da Bbylonu eos
seus grandes muros Veja aquellas Amazo-
nas to guerreiras, que se batio como faras!
Olhe aquella danzada deOrlees. que espa-
tifava inglezes como mosquitos! Olhe a nossa
padeira de Aljobarrota que s com a p do
fornoderrubava Crstelhanos com mais sem
ceremonia do que hoja se faz Quar que lhe
metta mais exemplos por ess^s olhos dentro:'
Que me dit Vmc daqu^lla apha que fazia
versos to lindos ? de Catharina 2." que com-
poz um cdigo ? de Smcta Catharina que s
em urna manh encobou quarenta philoso-
phos ? E sem sahir c da nossa casa que
me diz Vmc d'aquella Smhora que fazia a-
quelles sonetos para u Nacional? Erafim r
mestre se eu fosse a nomaar todas as mu-
lheres que tem mostrado tanta intelligen-
cia como os homens seria um nunca acabar!
Olhe mestre diz Madame de Genfis que
as fontes imuiadiatasdo Engenho sai 3 ima-
ginago a sensibilidado e a elevago d'al-
ma. E ser Vmc. Sanhor mostr capaz
de negar na minha cara que as mulheres
possuem em grao emminente estas qualida-
des como diz certo autor Brazileiro ? On-
de se acha urna cabega mais exaltada que a
cabega de urna mulher ? Ha homem algum
por ahi que tenha urna alma mais elevada que
a alma da mulher ? Em quanto a sensihili-
dade nisso nao fallemos. A mulher, romo
diz o autor citado, em quanto moga ama
os homens ; e depois de velha d em beata,
e todos os seus amores passo para o Menino
Jess e para o Padre Sancto Antonio. Por-
ta nto mestre bem v que o problema est
resolvido ; e a favor do sexo feminino, a que
tenho a honra de pertencer ; apesar do que
dissero os snus amigos Aristteles Eurpi-
des Mafoma e o tal casmurro do Babino ,
que, sem mentir era o Rabino mais inso-
lente que tenho visto. Nao estou para atu-
rado mais. (P. dos P. no Porto.)
CoMMERClO.
ALFANDUGA.
Rendimento do da 20........ 3:l5l*5J9


3
DESCARREGA" HOE 22 DE DEZEMBRO.
Barca americana = Rothechild = farinha.
Brigue inglez = Soience = bacailio.
Brizne sanio = Helos = sebollas.
Brigud= Bom Jezus = fazendas, e barricas
abatidas.
Patacho portuguez = Novo Congressu = po-
dras.
Exporlacae da provincia de o a 17
de dezembro.
Barcelona por Porto Rico pata&ho hespa-
nliol Cansador 550 saccas de algodao ,
gneros miudos e ga^to 497l0 valor
do carregamento I.W. 15:2)2*822.
Liverpool por Parahiba brigue inglez Nigh-
tingale 15b* saccas d'algodo 98 cai-
xas, 150 barricas e 150 saccas de assu-
cargeneros 87,,200 valor rs. I4:437j340.
Lisboa, brigue portuguez Jozeina 882 bar-
ricas o 1122 saceos de assucar 7 al-
queiresd'arroz 5 g) e 22 libras de ca-
f 6 j> o 4 libras de farinha de tapioca,
10 barris com mel, 24 taboas de ama-
re! o 185 meios de sola gneros &e.
2'j.nOO valor 25:958*742.
Liver pool barca ingleza Emily 834 saccas
de algodao, 53caixas, 1 fexo, 181 bar-
ricas de assucar 200 couros salgados ,
2000pellesmiudas,mof>da rs. 3:723*600
gneros miudos&c. 212*274 valor rs.
55:888*529.
Barcelona por Porto Rico polaca hespanhola
Celestina 301 saccas de algodao g-
neros &c. 6*180, valor Bs. 10:112*578.
Barcelona barca franceza Antoinete, 80 f<-
xos, 4,118 saccas com assur-ar gene-
ros &c. 74*485 valor Bs. 55:370*103.
Monte-video barca brazileira Firmeza 1451
barricas, 607 saccas de assucar valoi
rs. 25:3 40*820.
Canal patacho sueco Alert 270 caixas .
50 barricas com assucar gneros &.c.
56*590 valor rs. 20:512*215.
MOVIMEN'TO DO POBTO.
NAVIOS SAHIDOS NO DA 19.
Havre de Grare ; barca franceza Camelia .
cap. Joo Baptista Guibert carga algo-
dao &c.
Boston ; patacho americano Lucy capit.
Towle carga couros.
Parahiba ; barca portugueza Bella Pornam
bucana cap. Manoel Francisco Bamalho,
carga lastro.
Rio de Janeiro brigue brazileiro Flor da F.
cap. Jos de Siqueira Porto; carga di-
versos gneros.
EDITA ES.
O III."' Sr. inspector da thosouraria da
fazenda desta provincia manda fazer publi-
co a ordem do tribunal do Ihesouro publi-
co nacional adianto transcripta. Secretaria
da thesouraria de fazenda de Pernambuco 17
de dezembro de 1842. -Jua/uim francisco
Bauos oficial enaior.
Ordem n. 103.
O visconde d'Abrantes, presidenta do tribu-
nal do thesouro publico nacional em addi-
tamento ao artigo 3/ das instrueces de 12
de maio deste anno declara que os empres-
timos feitos a particulares pelos cofres dos
orfos sem designagao de tempo devem-se
entender annuaes ; e que por conscguinL; de-
vem-se dar todos por acabadas para serem
recolhidas as quantias emprestadas, logo que
acabar o anno actualmente pendente ; fazen-
do-se publica esta determinago para conhe-
cimento dos que tiverem taes emprestimos ,
e entendendo se por anno pennente nao
oque for primeiro contado da data do em-
l>restimo ; mas o que for segundo, terceiro,
iic. que ora esteja corrido por ter finalisado
o primeiro segundo, &c. antes do recebi-
mento e em cumprimento desta ordem. O.
que o Sr. inspector da thesouria da provin-
cia de Pernambuco tyjgjprir. Thesonro pu-
blico nacional em 21 de outubro de 1842. -
Visconde d'Abrantes.
= O Dr. Jos Nicolao Rigueira Costa, juiz
do dircito interino da 1. vara do crime da
commarca do Becife por S. M. 1. e C. a quem
Dos guardo &c
Fago saber que tenho marcado o dia 22
do correte pelas 4 horas da tarde para a re-
uniau Oeste termo da junta revisora da lista
dos jurados, a qual lera ligar na casa das
MM0B8 do jury na lorma da le. E para que
chegue noticia de todos mandei lavnir o pre-
sente que ser publicado pela imprensa. Da-
do e passado nesta cidade do Recife sob o meu
signal e sello deste juizo ou valha sem sello
ex causa, aos dezenove de dezembro de 1842.
E eu Jos Aflbnco Guedes Alcanforado escri-
vo da junta revisora o suhscrevi.
Jos Nicolao Regueira Costa.
Ao sello 40 reis
V. s. s. ex causa
Regueira Costa.
O Doutor Joze Nicolao Ri^ueira Costa, Juiz
de Direito interino da primeira vara do
crirtie da comarca do Recife por S. M. 1.
e C. que Dos guarde, etc.
Fago saber que terceira sesso do Jury
deste anno que sob a minha presidencia te-
ve lugar neste termo do Recife. assistirocom
assiduidade os Srs. Juizes de Facto. Bartho-
lomeo Francisco de Souza Joze Ignacio Soa-
res de Macdo Francisco Manoel d'Almeida
Catanho Joze Feliciano Portella Dr, Joze
Estaquio Gomes Antonio Luiz de Souza ,
Francisco Rodrigues da Cruz Manoel Joa-
quim Ramos e Silva Joze Jernimo Montei-
ro Luiz Cezario do Reg Joze Henriques
Machado Joze da Silva Mondonga Vianna .
Manoel de Souza Rapozo, Amar Benedicto
le Souza Joze Francisco Pinto Guimares ,
Anetelo Lopes de Santa Anna Joze Ramos
I'Oliveira Manoel Joaquim Gomes Costo-
lio Manoel Gongalves, Victorino Joze de Sou-
a Travasso, Domingos Alfonso Ferreira, An-
tonio Vieira Coelho Francisco Xavier e Sil-
va Joo Pinto de Lemos Jnior Joo Pa-
checo de Queiroga Joze Thomaz de Campos
(Juaresma Ignacio Antonio Borgcs Manoel
silvestre Ferreira Vicente Antonio do Es-
pirito Santo Joze Gongalves Casco Fran-
cisco de Sales Albuquerque Francisco Sa-
alico de Assiz Carvalho Joo Leite Pitia
Migueira Joaquim Joze de Amorim Joo
Uibeiro Pessa de Vasconcellos Joze Cune-
gundes da Silva Joo Erraenelgido Borges
Uiniz Joze Bernardo Salgueiro Manoel Jo-
e Teixeira Bastos Francisco Simes la Sil-
va Joo Rodri.'U'iS de Miranda, Gongalo
loze da Costa S Jnior tendo sido dispen-
sados do comparecimento por toda a sesso os
Srs.. Juizes de Facto Antonio Avelino Ferrei-
a Lopes Manoel Pires Ferreira Francis-
o Buerra de Vasconcellos Joo Mara Sive,
foo Pedro de Araujo e Aguiar, Minoel Tho-
maz de Bairos Campello Joaquim Alves da
iilva Dr. Joze Bento da Cunha Figueiredo,
Claudino Henicio Machado. Antonio Egidio
la Silva Joz'iGabriel de Moraes Mayer, Dr.
\gostinhoda Silva Neves Antonio Botelho
Pinto de Mesquita e multado na quantia de
l/. mil reis por dia o Sr. Juiz de Facto An-
tonio Gomes Pessa por nao ter sido julga
la legitima a escuza por elle apprezentada.
E para constar mandei layrar o prezente que
ser alfixado nos lugares mais pblicos do
termo e publicado pela imprensa. Dado ft
e passado nesta Cidade do Recife sob o meu
signal e sello deste Juizo ou valha sem sello
?x causa aos i0 de Dezembro de 1842. E eu
loze Alfonso Guedes Alcanforado escrivo Pri-
vativo do Jury o subscrevi.
Joze Nicolao Regueira Costa.
Ao sello 40 reis
V. s. s. ex causa
Regueira Costa.
DECLARARES.
O thesoureiro das rendas provinciaes paga
nos das 22 e 23 do corrente aos empre-
gados da vaccina profrssor de obslreticia ,
e os da repartigo das obras publicas e a lo-
dos os que ,ainda estiverem por pagar do
quartel vencido de abril a junho do correnle
anno. Thezouraria 20 de dezembro de 1842.
Joo Manoel Mendas da Cunha Azevedo
thesoureiro.
CONSULADO BRITANNICO.
Faz-se saber aos subditos Britannicos resi-
dentes em Pernambuco que no dia quinta
feira 29 do crrante, pelo raeio dia ter lu-
gar no consulado Britannico, rua do Trapiche
novo o ajuntamento geral dos subscripto-
res para todos os fins designados no acto Geo:
IV: cap. 87. Consulado Britannico de Pernam-
buco em 17 de dezembro de 1842.
Jt. Augustus Cowper
Cnsul.
PUBLICADO LITERARIA.
^galera
das
Ordens Religiosas e Militares, desde a mais
remola antignidade al nosos das.
A razo e o lempo vo fazendo seu dever.
Insonsivelmente vo cicatrizando as feri-
nas que muitos livros eslampados no passa-
do secuto abriro na moral e oa Religio.
Um desejo de cnlebrida le em muitos, o pre-
texto em outros de censurar e corrigir abusos,
pela ignorancia od pala depravadla introiusi-
dos cavro um ibyipa Jo tl prof'inliza ,
minro com tal ardor o edificio da moral
publica e da R*?ligi:>, qtii da todo o terio
j desmorona Jo se. elle nao fosse divino se
contra elle podessem prevalecer as paixas dos
homens.
Mas as paixOes acalm3o-se;e a verdade cedo
ou tarde, assobrba os erros. Aos ards falla-
ees etraigaeiros de pretendidos philosophos vo
succedendo as inspiragrhs de Chateaubriand .
de Lamartine e do autor da Hirpa do Cre-
te ( que nao devemos esquacor os nossos ) em
qne suspiro os hymno* dos anjos em que
ressoo os graves accentos da Religio. Que
elles nao desanimem !
Desabo por toda a parte os conventos e
mosteiros. O decreto d 28d1? Maio de 183 4 os
extingui entre nos. S^ria necessidadn po-
ltica.... seria. Mas nao sabemos se mui de-
pressa esquecoro servigos, quedelles obteve
a rehgiSoe a moral. Quem foi que Ibes Jen
guarida durante os seculos de ignorancia e
barbaridade ? Onde que as letras e a civi-
lisago estivero em bom recado em quan
lo a nuven da ignorancia cobria a trra de
urna extremidade a outra ? Volvo alguns an-
nos mais, e a sua historia parecer um sonbo
s futuras geragoes e nem ao menos se far
ide'a de seu modo de viver de seus exerci-
cios e de seus trajos to variados.
Tomos em vista publicar resumidamente o
que Ibro as ordens religiosas de um e outro
sexocomo se fundrocomo se dividiro
e ramilicroquaes os fundadoresque Vi-
da tivcro sobre a trrade que virtudes se
adornrocom que boas obras iliustrro
a religio e a humanidade. Besumidamen-
le dizemos nos porque mais nao cabe em
nossas poucas torgas e por que a vaslido da
materia nos levaria mui longe poisque va-
mos comerar nos primeiros solitarios que
habitro nos desertos e assim chronologi-
camente desceremos at nossos dias.
Nem havemos de preterir as ordens milita-
res que to importantes servigos prestro
religio e civilisacoque tantas batalhas
pelejro contra inlieisque tantas palmas
colhero de triumphos assignaladose que
lo elegantemente se trajavo ; acrescendo
anda que muitas destas ordens seguiro
a regra das corporagoes religiosas de que or-
dinariamente derivavao.
Mas o mais difficil de nnssa empreza e o
que mais pode intsressar grande parte de nos-
sos compatriotas a galera de estampas il-
luminadas com que amenisamos nosso traba-
Iho. I'odemosasseverar, que para ella con-
sultamos os melhores originaes que nos foi
possivel obter -, assim como compulsamos ,
para os Epitomes as historias mais classi-
cas donde colhemos o que nos pareceo mais
essencial, e digno de estremar-se.
Possa este trabalho ser bam agradavel a
nossos compatriotas Nao escandalisaremos
pessa alguma por mais grave que srja seu
carcter ; e desculpadas nossas faltas con-
tamos ser auxiliados e por ventura applau-
didos.
Cada numero ter 16 paginas do formato
do Panoramos e duas estampas coloridas.
Vinte e quatro numeres formo um volume,
e com o ultimo numero de cada volume se
distribuir gratis o frontespicio e indez.
Subscreve-se na Praga da Independencia
leja de livros N. 57 e 38 on 6 e 8 pelo me-
dio prego de 320 reis cada numero e nao se
recebe subsengo para manes de 24 nme-
ros.
AVISOS DIVERSOS.
Sahio o Carapuceiro n.' 77, tractan-
do dos lobishomens e dos ncubos e su-
cubos ou diabos machos e femeas A va-
riedade traz o interessante caso do innocente
amor d'uma donzella e tudo conclue com
urna ancdota de certa mi no casamento de
sua filha. Vende-se na praga da Independen-
cia n. 6 e 8.
tsr Quem precisar de urna crioula com
muito bom loite derija-se rua Velha n.#
55 que se dir aonde existe na mesma se
aluga um preto para servigo de campo.
.TmlVtoiHo Joze Fernan-
dos, Subdito Portuguez
retra-se para o Rio de Ja-
neiro.
tsr Bernardo F^rnandes Vianna comprou
por ordem do Sr. .los l'into Coelho (da villa
do leu) mcio bilhete da primeira parte da no-
na loteria a favor das obras da matriz da Boa-
vista.
vw Aluga-se o primeiro andar do sobra-
do n. 1 na rua do Arago eom commodos
sullicientes para qualquer familia, e cozinha
lora a tratar na travessa da Trempe para o
Mondego, na casa com a frente cor de chumbo.
= l'recisa-se no sitio do Leo na rua do
Hospicio de urna criada ingleza solteira r
I ou casada e s se exige que tenha boa pro-
jnuncia, e bous costumes quem estiver nes-
te caso dirija-se ao dito sitio.
= Preciza-se alugar tres, ou quatro es-
cravos para armazem d'assucar ; quem o
tiver pode dirigir-se rua de Apollo n. 20 ,
ou annuncie.
= O thesoureiro da sociedade NATALENCE
aviza aos Srs. socios que os bilhetes para a
primeira recita se destribuem na loja de louga
de Antonio Jos de Souza defronte do beco
da Congregago no dia 2 4 do corrente.
= Aluga-se urna cauda de quinhentos ti-
jollos por prego commodo ; quem a preten-
der dirija-se rua do Cabug loja de miude-
zas n. 5 : assim como tambem se vende 2
cabras (bixo), que do 5 contrametades de
leite cada urna, e se pode tirar o leite avis-
ta do comprador: e tambem servem para criar
meninos por serem muito mangas.
= Na rua nova loja n. 58 existe urna
crioula moga que prelende ou ir para ama
de homem solteiro para ensaboar engomar,
cozinhar cozer, e fazer todo o servigo do
portas a dentro ou para engomar roupa e
mesmo ensaboar 5 quem pretender alguma
das cousas annunciadas pode entender-se com
o dono da loja que se responsabelisar pela
roupa que receber.
Theodoro Mathieus, cirur-
gio dentista partecipa ao res-
peitavel publico que acaba de
i dniHisf^ii ci]piTiT ,ia si"1 vaoem d R
Grande do INorte e nao ha-
vendo pudido seguir sua via-
geT como Imha annunciado faz saber que
se retira em fins de Janeiro, e durante este
tempo continua a fazer todas as operagoes de
cirurgia bocal e vende excellentes pos de
enlerifes balgamo oudoutalgico, escovinhas
para dentes e fundas para todas as idades
e ambos os sexos ; na rua Nova o. 14, 1.
andar.
^r Previne-se ao respei-
tavel publico que o came-
lo da Asia,e a zebra da In-
dia ehegados recenteinen-
te a esta cidade niostro-se
das 9horas da manila at s
6 da tarde naeoxeira do at-
ierro da Roa-vista n. 65;
pre^o de entrada 500 reis.
ssr Perdeo-se Sexta-feira de manh indo
para o Jang de Olinda ate as Sallinas um
embrulho de sedulas contendo cento e vinte
mil reis ; roga-se a pessa que o acbou
sendo de conscienci ecompadecendo-se do
dono que he pobrissimo o leve na loja da rua
Nova n. 67 que ser bem recompensado.
tsr Na nova pastelaria, confeitaria e fa-
brica d'agoa imperial na rua das TrincheiraS
n. 14 acha-se venda pastis rios tartale-
tes creme de leite pastelinhos ditos de
lorma de chouricos biscoito de Saboia po-
dins de todas as qualidades croques me-
ring biscoito em caixas; emfim tudo o que
contem urna pastelaria ; assim como encoin-
mendas para casas particulares ; como tam-
bem se encarrega de assar toda a qualidade
de carne como aves pernas de carneiros, ou
outra qualquer cousa tudo com promptido
aceio e por prego commodo ; e tambem se
encarrega de dar jantares na dita casa onde
haver todos os dias e a todas as horas que
comer seja fri ou quente todas as qualida-
des de lquidos como seja agoa imperial, v-
nhodo Porto, Bordeaux moscatel, cham-
pagne cerveja e toda a qualidade de licores
linos, orchata limunadas, laranjadas li-
munadas do caj e toda a especie de re-
frescos.
tsr O tenente-coronel Joze Mara Idelfoo-
go Jacome da Veiga Pessa nao tendo podi-
do dispidir-se dos seus amigos e pessas a
que obrigado pela rapidez da sua viagem
pa.-a o Bio de Janeiro : roga-lhes de descul-
par esta falta e oflerece-se na Corte para o
,uefor df seus servigo.
tsr Preciza-se de um caixeiro para tomar
urna venda por bala^go, que entenda e d
lianga as 5 Ponas n.45, onde tem lam-
pio na mesma vende-se urna negra com
habelidades.



Aviso Importante.
tsr Em um clima to quente como o
Brasil aonde as molestias termino fatal-
mente as vezes no espago de poucas horas ,
lie mistar h&ver um remedio que possa ser-
vir ao mesmo lempo como preventivo c
curador A Medecina Popular Americana ,
lem essa propri.dade : tomada as vezes ,
em quanto ella impede a accumulago dos
humores conserva o sangue puro e conse-
guintemante lar as pessoas menos sugeilas
a apanharem qualquer molestia seja ella
contagiosa ou nao Recomrneiiria-se portan-
te aos snrs. fazendeiros e ao publico cm ge-
ral deensaiar este excellente remedio que
peJo lado econmico he preferivel a qual-
quer outra medicina de semelhante nature-
za tendo as caixinhas maior numero de
purgantes e por menos prego. Vende-se so-
mente em casa de D. Knoth na ra de Apo-
lo n. 27.
Constantia TFine.
A small quantity bosh red and 'vhite ef
this delicious Liqueur, shipped by M.r Hoets
the proprietor of constantia fanno, on sale al
the yvarehouse of Dowsley Ravmond & Bryts.
S0C1EDA0E DE MEDICINA.
tsr Tendo esta sociedade concordado dar
audiencias gratuitas aos doentes pobres e co-
nhecendo que r aceitas e conselhos nao sao
bastantes a remediar seus sofrimentos deci-
di em sesso do dia 5 do correte que se
desse tambern medicamentos, para issoella
nomeou urna commissao e a authorisou para
contratar com qualquer snr. pharmaceutico
que queira preparar e vender ditos remedios.
Para cujo lim a commissao convida aos snrs.
pharmaoeuticosque estejo as circunstan-
cias e queiro acceitar esta empreza a com-
parecerem na sala de suas sessOes gratuitas ,
n. ra do Cabug pmmeiro andar por cima
da Ioja de sera n. 2 no dia 22 do corrente,
ao meio dia. Joo Francisco de Oliveira ,
Membro da Commissao.
tsr Precisa-se para caixeiro um peque-
no rapaz que escreva sofrivel e que tenha
cbegado a pouco : na ra Nova n. 20.
tsr Bazilio Cardozo ,.retira-se para Por-
tugal a tratar de sua saude.
Aluga-se u;na preta que cozinhe or-
e Cosa sofrivel : na ra da ordem
4
se acha conserta Jo de novo ; a fallar na mes-
ma botica n. 15.
tsr Precisa-se alugar um moleqne que
saiba aervir urna mesa e os mais necessa-
rios de urna cisa de homem solteiro : na ra
da senzala nova n. 42.
Hypolheca-se um moleque crelo, offi-
cial de sapateiro por 3 mezes 'por 100 ,
licando os servicos do mesmo pelos juros ;
quem quiser fizar este negocio annuncie.
COMPRAS
Um mulato de 12 a 18 annos para
pagem, e se souber montar bem a cavallo se-
r preferido: na ra da Cadeia do Reciten.
52 ou no Mondego na casa de Luiz Gomes
Ferreira.
tsrUma carteira que nao seja muito gran-
de e que esteja em meio uso : na ra Nova
n. 5 junto da venda do Lima.
tsr Um carro de duas rodas: quem liver
annuncie.
W Papel sujo para embrulho a 100 rs. a
libra : na tnvessa do Rosario n. 1.
VENDAS
dinario,
terceira tsr Aluga-so urna casa no Pogo da Panela
junto a margem do rio com dous qua^tos
e copiar fora por 20 rs. pelo lempo que
convier ; os pretendentes dirijo-se a ra
Nova Ioja n. 21; assim como compra-s'e urna
vitella que esteja gorda.
tjsr Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra estreita do Rozario que faz esquina
para a ra das Larangeiras : a tratar no pri-
meiro andar do mesmo.
tsr Quem annunciou ter para alugar urna
preta diriji-se a ra estreita do Rozario so-
brado n. 29.
tir Aluga-se um primeim andar na ra
de fora de tortas passando a intendencia da
parte da mar grande n. 135.
ssr Aluga-so para se passar a festa duas
casas terreas no Pogo na ra da Pueira ;
quem quizer allugar dirij.i-se ao atterro da
Boa-vista Ioja n. 48.
ssr Quem annunciou querer 500 rs. a
juros a dous por cento ao mcz sobre hypo-
Iheca em urna casa dirija se a ra da Praia
numero 6.
ssr Precisa-sede um pharmaceutico para
administrar urna botica 5 quem estiver as
circunstancias segundo a lei annuncie.
ssr Arrendo se duas casas no sitio ca-
jueiro ou por armo ou para se passar a
festa com muito bonscommodos e banbeiro
para banho por prego comraodo : a tratar
no mesmo sitio.
CT Precisa-se de um cont de reis a pre-
mio a um e meio por cento por lempo de
(i mezes com hypotheca em uma proprie-
dade de pedra e cal nesta praga e com o va-
lor de mais do dobro ; quem quiser dar di-
rija-se aos Coelhos a fallar com Antonio Car-
neiro da Cunha.
tsr Aluga se uma casa terrea novamente
acabada na ra da Soledade com duas salas
grandes 6 quartos cozinha fora com um
grande quintal murado e outro sercado um
pouco com muito boa agoa de beber : na
a premio com hy
, Picando este na
; quem quiser dar
ruada Aurora n. ;>K.
tsr Precisa- se de 200*
potheca em um escravo
companhia de seu snr.
annuncif.
tsr Quem annunciou querer comprar um
cao atravessado dirija sa a ra do Arago
venda n. 8
tsr Alusa-se o tercereo andar do sobrado
de ra do Qucimado por cima da botica o
tsr Uma duzia decadeiras de palhinhas ,
um canap, duas bancas de sala tudo de
oleo e uma mesa redonda de angico por pre-
go commodo ; na ra da senzala velha n. 38
segundo andar.
tsr Retalhos de chitas muito finas a 120
l60ocovado: na Ioja de Carioca & Selle
na ra do Qudmido n. 13.
tsr Saccas com feijo preto do Rio de Ja-
neiro por prego commodo e farinha su-
perior pmpria para casas particulares : no
armazem do fallecido moleta defronte da es-
cadinha da alfandega.
tsr Vinlio de champanhe da celebre mar-
ca de Cometa e vinho de constancia em me'as
garrafas: na ra Ja Alfandega velha arma-
zem n. 44.
Mr* Farinha de trigo da bem conhecida
marca Galego chegada em direitura de por-
to de Richmond : em cas de Henry Forster
& Companhia ra do Trapiche n. 8.
tsr Um negra crela de 22 annos cozi-
nha o ordinario lava de sabo e varrella e
he perita para todo o servigo de campo por
ser nelle criada desde pequea : no forte do
Mattos beco do Costa ri. 16.
tsr Potassa russiana em barris pequeos:
em casa de Hermano Mehrtens: ra da Cruz
n.47.
tsr Um famoso moleque de nago ptimo
para todo o servigo, nao tem vicios nem acha-
ques : na ra Nova n. 59.
ssr Um cavallo gordo, novo, mango, car-
regador esquipador e bem ensinado para
carrinho ; serve muito bem-neste tempo de
festa para uma senhora : na ruado Trapiche
novo n. 15.
OT Umaescrava de nago, moga, cozi-
nha o ordinario : na ra do Rozario da Boa
vistan. 53 segundo andar.
^ tsr Borzeguins gaspiados todos em roda
para hornera ditos de cores gaspiados e de
ponta de uma e duas solas ditos para se-
nhora gaspiados e de ponta pretos e de co-
res, sapatos de pala, botins e sapatos de cou-
ro de lustro para homem ditos para senho-
ra meninos e meninas de litas e com colxe-
tcs ditos de setim preto e de cores ditos
de duraque francez e de Lisboa ditos de
marroquim da trra de Lisboa e francezes ,
tamancos pretos e de cores tudo para se-
nhora e meninas, borzeguins de duraque
preto para senhora a 2 rs. botins da couro
de lustro e marroquim para meninos sapa-
tos de marroquim para senhora a 480, ptdles
da couro de lustro e bezerro francez novos e
por prego muito em conta : no atterro da
Boa vista n. 24 e na praga da Independencia
n.33.
ssr Vinho de Bordeaux a \$ rs. a duzia ,
azeite doce a 4, rs. a caada e a garra'* a
560 letria a 200 rs. queijos muito bons ,
nunteiga ingleza a 500 rs caixas com 100
charutos a 1 rs. bulaxinha a 320 touci-
nho de santos a 200 rs. dito de Lisboa a
280 vinho da Figueira e .le Lisboa ludo
superior e todos os mais gneros de venda:
no beco da Pol n. 7.
linha em boiOes latas de aranques lico-
res sal refinado lijlos de limpar facas .
linguas em meios barris, salmfio e ervi-
Ihas em latas e barricas, sedlitz em caixinhas
te palha e frascos genebra da Holanda em
fpasqueiras de duia cidra em caixas de du-
/.ia, barris de carne de vacca e de porco ,
uir.a porgaode barris vasios e bonets esco-
rezes : na ra da Alfandega velha armazem
numero 44.
tsr Duas escravas uma crela moga ,
de bonita figura engomma bem liso cose,
faz rendas e bicos e cozinha e a outra de
nago engemma e cozinha : na ra Direita
numero 43.
tsr 1800 couros miudos : na Ioja de fa-
andas de Joze Estoves Vianna na esquina do
beco da Congregago.
tsr Um violo de muito boas vozes uma
flauta, uns goldes de couro de lustro proprios
para viagem uma lazarina de caga e um
corrame de couro de lustro tudo cm bom
uso : na ra de S. Rita nova n. 91.
*ar Mangas de vidro a 69 rs. o par bo-
tins de ponta de lustro a 3ji20 o par ditos
de marroquim a 2ji rs., chapeos de palha
para senhora a 5c ditos de seda vindos de
Pariz a i 5jt chales de seda e l luvas e
meias de seda e algodo ditas de seda com
dedos bonets para meninos lengos de se-
da garga e de linho, veos pequeos e gran-
des mantas de seda, garga e de linho, pes-
cocinhos de lindos modelos e muito moder-
nos, copos para agoa, e outras muitas cousas
por prego mais commodo do que om outra
qualquer paite na ra Nova n. 12 e 18.
tsr Queijos londrinos muito frescaes, pre-
suntos para fiambre linguas salgadas, sal-
mo e sardinhas, ervilhas, conservas de
varias qualidades vinho de champanhe ,
cheres Porto madeira genebra da Ho-
landa charutos da Havana Cuba Baha : j
na praga do Commercio armazem de Davisc
Companhia.
tsr Uma preta da nago Quigam moga
ede bonita figura : na ruado Rangel n. 54
a fallar om Victorino Francisco dos Santos.
tsr Uma duzia de cadeiras de Jacaranda
com assento de palhinha duas banquinhas
peqnenas tambern de jaearand: na ra da
Gloria n. 37 das 6 horas da manhS at as 8
e de uma as 3 da tarde.
Uma carabina a baila forgada com
o relia e baionet feita segundo o niodello
das armas de que se vervem os atiradores
francezes em AtTrica esta carabina he to
notavel pela beleza do trabalho como pela
excellencia das suas qualidades, e pode igual-
mente servir para um militar ou para um
curioso. He do alcance de 900 metros ou
800 vares ; quem a pretender dirija-se ao
atterro da Boa vista em casa de Emilio La-
rousseric aonde lera a faculdade de a expe-
rimentar e de se assegurar tanto de seu al-
cance romo da sua forga e justeza.
tsr Dous conhecimentos da divida publi-
ca que ja a muito vnceme se tom cobra-
do juros: na ra Direita n. 88
tsr No sitio que tica por traz do tanque do
finado Monteiro continua-sa a vendar agoa
a 10 rs. a caneca ( sendo esta de regular
grandeza ) ou maior que em outro qualquer
lugar do bairro de s. Antonio.
tsr Uma alva do. bretanha com lavarinto ,
e uma toalha de altar : na ra Direita n. 82,
primeiro andar.
tsr Relogios patente deouro.e prata e
tambern horisontal, ditos de parede com des-
pertador : na ra das Cruzes casa de relojo-
eiro francez n. 35.
tsr Bichas muito boas e por prego com-
modo : na ra da Guia venda n, 7.
tsr Vende-se ou troca-se por fazendas .
um cavallo russo bem gordo e de bonita
figura e novo nao s proprio para sela ,
como para carrinho por ser muito forte : na
ra da Cadeia do Recife n. 56.
ssr Umacommenda da ordem de Cruzei
ro e feita para dignitario da mesma : na
ra da Cadeia do Recifo Ioja do Joo da Cu-
nha Magalhes.
tsr Para fora da provincia um escravo
mogo de bonita figura : na ra da Cadeia do
Recife Ioja de Joo da Cunha Magalhes.
tsr Hoje ua praga da Independencia, ven-
dem-ae novilhos e garrotes acostumadus ao
ptima qualida
rs.,
gene-
na
delhvana e de Manilha de
de : na ra da Cruz n. 7.
tsr Na venda da esquina da ra do Ara-
go n. 43 continua-se a vender presuntos
americanos proprios para fiambre a 240
libra queijos novos a 1280, paios a 240
letria a 240 macarro a 200 rs.. batatas a
40 rs. caf a 160 tapioca a 100 rs. azei-
te doce a 500 rs. a garrafa, cevada a 10o
maces de porlugal e todos os mais
ros por prego commodo.
tsr Potassa da Russia a 2"0 a libra
ra da Cadeia do Recife n. 10.
tsr Umengenhocom tres quartos de le-
goa de comprido e meia de largo moente
e corrente de agoa distante desta praga 3
legoas ; quem pretender annuncie.
tsr Lengos de cambraia e de fil para mo,
suspensorios de burracha pegas com 10 va-
ras de bico estreito a 800 rs. a pega : no at-
terro da Boa vista Ioja n. 48.
tsr Dous escravos proprios para todo o ser-
vigo: na pracinha do Livmmento por cima da
Ioja do Sr. Bastos.
tsr Bichas ligeiras no seu pegara 320 e
480 -, na ra das Cruzes Ioja de barbeiro.
tsr Um moleque com idade de 10 annos
e um molatinho com a mesma idade; na pra-
cinha do Livramento D. 42.
tsr Uma cadeirinlia em segunda mo, em
bom uzo, e de bom gosto ; por prego com-
modo em caza do pintor Pedro Muller, na
ra da Senzala velha n. 82.
tsr A armago e pertences do botequim
cova da onga ; na praca da Independencia
n. 13, el5.
ESCRAVOS FGIDOS.
.!(
Queijos e presuntos inglezes carne pasto,
de vacca inglezaem meios barris e em peda- tsr 34 oitavas de prata de galo a 240 a
gossoltos muito gorda vinho de champa-loitava : na ra do Jardim U. 55
nho chereis constancia do Porto Bor-
deaux e outias qualidades serveja branca
e preta da superior qualidade conservas
tinta de todas as qualidades vassouras
cbelo, escovas para lavar casas, passas miu-
das para podins crvilhas, agoa ardente de
franga quenlinlias iugh'zat
?<*- Um habito da ordenTde Christo mui-
to bem feito : no aiterro da Boa vista m Ioja
de ourivesdo snr. Joze Ignacio.
Uma carroga de carregar capim, feita
de novo por prego commodo : na casa do
carroeiro fiMi^e'na praga da Boa vista leja
saceos de ta- ds sobrado do snr. Brigadeiro Almeida.
qual tem tommodos para grande familia ; e pUe para viagem agulhasde mariar sevaj tsr Um pequeo sortimento de charutos
No dia 15 do corrente fugio uma negra
do sitio da Capnnga de 14 annos, altura de
7a 8 palmos, oor preta cara chata ves-
tido de riscado sujo, de nago angola de
ujme Maria ainda bugal tem no peito es-
querdo a ,7>arca P e as espaduas R ; quem
a pegar leve a ioja de cabos dafronte do Cor-
po Santo n. 17 que recebar 50* de grati-
ficagao.
tsr No dia 16 do corrente fugio uma pre-
ta de norne Domingas, de nago baixa ,
grossa quando anda bota a barriga para fo-
ra cara um pouco inchada cor preta, p.
pequeos, com uma cicatriz na frente do
pescogo proveniente de uma pustema ,panno
preto ja velho e cosido em algumas partes
com linha branca, levou um trouxinha com
varios vestidos foi esrava de Romo Fran-
cisco de Souza ; quem a pegar leve a ra Di-
reita n 43 que ser recompensado.
tsr No dia 15 do corrente fugio uma ne-
gra de nago, de noma Banadiota cara com-
prida nariz regular, cabdos pretos, boca
regular, com faltas de denlas na frente cor
preta secca do corpo, mos o estalnra regu-
lar tem os pes seceos com os dedos gran-
des abertos mais que oi outros, de 35 annos,
levou vestido de cha de assento azul com
palmas amarellas, e por datraz routo de pu-
xavante e ja sujo nrgunta-se quem be a
senhora diz qua he Maria Simianna ou snr.
Cazuza falla a trapalhada por sua convani-
encia foi vista na mesma noute athe as 10
horas da noute atraz do calabouee e foro
a levar a casa da dita Maria Simiana assim
hueira fazer o favor de a levara ra Nova ar-
mazem de trastes n. G7 que ser gratificado
generosamente.
tsr No dia 18 do corrente fugio um preto
de nome Joaquim de nago Mogambique ,
de 58 annos alto cheio do corpo mal
encarado, tem uma belideem um olho, ps
grossos e apapagueados com bastantes ta-
inos pelo rosto e corpo levou vestido cami-
sa de chila e caigas de estopa ; quem o pegar
leve a praga da Independencia d. 39 que se-
r gratificado.
tsr Fugio ao Coronel Francisco Joze Mar-
tins na manh do dia 12 do corrente o seu
escravo de nome Joze pardo escuro do 20
annos nascido na Baha de mediana esta-
tura reforgado do corpo bem parecido ,
levou vestido camisa e calcas de algodozi-
nho e um bonet pequeo na cabega sem
mais vistuario algum he muito mintiroso,
o inculca-se por forro para conseguir eva-
dir-se ; quem o p?garleve ao atterro da Boa
vista.
tsr No dia 18 do corrente fugio um es-
cravo de nome Luiz por alcuno bechiga ,
crelo, de 30 annos, estatura regular, cheio
do corpo. muito picado das bechigas pelo
rosto os dedos polegares dos pe bastantes
abertos ; quem o pegar leve a Joze Francis-
co Ribeiroda Silva na ra da senzala nova
n. 40 ou trapiche do Angelo que ser gra-
tificado.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. = ~1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EZELSEXBJ_6F1SP8 INGEST_TIME 2013-04-12T21:39:05Z PACKAGE AA00011611_04849
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES