Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04827


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1812.
Qnarta Feira 25
qjjggBaws.r^ .nssgbnaoaaa
Tudo agora dependa de nos meamos ; da nossa prudencia moderaciio e energa : con-
tinuemos como priucipiainos e seremos pomadas com admirado enlre as Naces maii
aellas. ( Proclamando da Assembla Geral do BhaiIL. )
PARTIDAS DOS C0RRE10S TERRESTRES.
Coianna Paraliiba e Bio grande do Norte segunda e sextas feiraa.
lionito e Garanhuns a 10 e 24
Cabo Serinhiem, Rio Formt Bua-risla e Flores a 28. Santo Anlo quintas feiras. Olinda todos os dias.
2'.' Tere.
34 Quint
5 ext.
Jrl Sab
27 Dom.
I>1 AS nA SEMANA.
Aprasentac'o de N. Sra. Aud do J. de D. da 1. r.
,. Cicilia V M. Kel. Aud doJ-"de D. da 2. t.
s Clemente P. M. Aud. Aaje D da 3. r.
s. .lu" da Cruz C Aud. do J. de D. da 2 t.
. Catharin. V. M. Re. Aud. do J. deD.dal. r.
,. Pedro Alejandrino It. M. Re. Aud. do J.deD. da 3. t.
I. 3 do drenlo, i. Margarida de Saboia Viu.
de Novembro. Auno XVIII. N. 254.
CAMBIOS no da 22 de outubro. compra venda.
Cambio sobre Londres 18 Nominal'
ii Pana 35U r;is por franco
Lisboa 100 por 100 de premio
Moeda de cobre 2 por 100 de descont,
dem de letras de boas firmas 1 i 1 {.
OuBo-Moeda de 6.400 V. 41,600
N. !,'
.. de 4,000 M
PTA-Patacoe '- '
F'eos C'dumnares l,7()J
ditos Mexicanos 1,700
ii miuda. 1.58')
45 80)
14 600
8 2U0
1,72 J
1.72J
1,720
1,620
Preamar do da 2 de Novembro.
4. a 9 horas e 48 m. da manha.
2. a a boras e 42 m da larde.
PHASES DA.I.TJANO ME7, DE NoVEMBRO.
La Nora a 2 4 1 hora e *9 m. da Urd.
Qnarl. cresc. 9 10 horas e 57 m. da lard.
La cheia i 18 1 1 hora e 10 m. damanh.
Quart. miog. 25 s 6 horas e 42 m. da manli.
MARIO tu: PERNA11BUCO.
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 16 DO CORRENTE.
Qflicio Ao director interino do curso ju-
rido de Olinda determinando que ordene aos
professores das aulas preparatorias do colle-
gio das artes do mesmo curso compareci
finalisados os respectivos exames em o se-
minario episcopal daquella cidade lim de
ali examinaren, os collegiaes ; e inlelligen-
ciando-o de que o Exm. prelado diocesano
Ihe far aviso dos dias em que para o indi-
cado im devoro apresentar-se os referidos
professores. ss Participou-se ao Exm. e Rm.
bispo diocesano.
Dito Ao commante das armas devol-
vendo o requerimento e documentos do ex-
primeiro sargento Joo Baptista de Araujo ,
que pede o pagamento dos vencimenlos que
ge Ihe ficaro dever quando foi escuso do
servico ; e dizendo que o mencionado ex-
sargeutodeve dirigir suasupplica S. M o
Imperador visto nao poder ella ser deferida
pela presidencia em consequencia das ra
zOes apresentadas pelo commissario fiscal do
ministerio da guerra em informado de 20 de
abril prximo passado.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda remetiendo copia do aviso da secre-
taria da guerra de 27 de outubro ultimo, que
resolve a duvida suscitada pelo commis-
sario fiscal acerca do ajuste de contas com as
pravas de pret de primeira linha do exor-
dio.
DEM DO DA 17.
OTicio Ao commandante das armas ,
dizendo fara constar ao facultativo Joo
ThemoteO da Rocha Galvo que Sua Ma-
gestadeo Imperador quem foi presente o
seu requerimento, em que pedia ser despa-
chado cirurgio mor o batalho provisorio
desta provincia manda declarar que nao
tem lugar a sua pretenco ; por isso que os
batdhOes provisorios nao podem ter cirur-
gijs se nao de commisso.
Dito Ao director do arsenal commu-
nicandoqoeS. M. o Imperador houve por
ber confirmar Jernimo Joze Bustorf no
lnjar de mestre ds ollicinas de ferreiro ,
serralheiro e.espingardeiro do mesmo ar-
senal com o j >rnal diario de 3*000 res : e

IF L M 1 T 0
BlAyCA CAPELLO.?)
Insensato conlinuou alie batendo so
bre o peitu q le p'iise que a primeira -
meaCa Bianca Capello viria l.ngar-se em
mes bracos guian lo : Leva-me como se
nao lora bastante para Bianca Capello a bel-
la Veneziana ter por um instante deixado ca-
hir sobre mim o seu olhar.
Tudo isto tinha sido dito com um pezar
to proundo e uHnicolico que a rapariga
licou mais com movida do que irritada ; ella
levanlou para Malo osolhos molhados de la-
grimas e apertando-lbe as nios :
Ah nao vos comprehendo diz ella com
urna voz triste, e doce'; por que so envergo-
nzara a nobre Veneziana do aobre de Fer-
rara ?
Diz-se-hia que estas palavras em vez de
calmar Mateo avivavao alguma ferida de seu
corac,o.
t Na verdade respon Jeu elle e o nobre
de Ferrara que se ama em Mateo.__________
""(*) Vid. Diario 259, e 2T
determinando-ihe que fa graciado.
Dito A cmara municipal desta cidade ,
intelligenciando a de que nao pode compa-
recer na prxima sesso da cmara dos se-
nhores diputados como membro della a
lim de que enviem o competente diploma ao
primeiro supplente que o deve substituir.
Dito Ao commandante das armas, de-
terminando om cumprimento de ordem do
Exm. Snr ministro da guerra que mande
dar baixa do servigo ao soldado do deposito
Innocencio Gomes.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha, ordenando que mande fornecer ao
commandante do vapor = Guapiass = ,
que segu para o norte os objectos que
para o referido vapor requisitar.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA 15 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm Presidente remetten-
do-lhe para ser encaminhado ao governo im-
perial o requerimento de Manoel Thomaz
da Silva, corneta do terceiro batalho de arti-
Ihana a pe" que tendo finalisado o seu enga-
jamento supplicava sua demi^o.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. restituin-
do-lhe o officio do inspector do arsenal de ma-
rinha e significando-lhe que as pravas d
cavallaria que estivero reclusas a bordo da
escuna de guerra = primeiro de abril = fo-
ro abonadas da rago de etape pela respectiva
companhia.
Dito Ao major JoSo Paulo Ferreira ,
communicando-Ihe em resposta ao seo offi-
cio de 5 do correte que nesla data anda-
r desligar do batalho destacado os guar-
das Felippe Rodrigues Francisco das Cha-
gas Pacheco e Cosme Vieira pagos de to-
dos os eos vencimen tos do 1. alo,e que
poda mandar receber do tenente-coronel Cal-
das os 16 armamentos pertencentes as pravas
da forca que commandara e fora dissol-
vida.
Dito Ao tenente-coronel commandante
do batalho de infantaria de guardas nacio-
naes destacado pira fazer entregar ao major
J. P. Ferreira os 16 armamentos m -nciotia-
dos no precedente officio.
DitoAo tenente-coronel Luiz Antonio
Favilla nomeando-o presidente do consellio
de guerra que tem de julgar o Soldado Gha-
gas da companhia do artfices em substilui
No primeiro da em que Mateo se apre-
senl-.u mim ignorava seus ttulos e a-
ni'i-o respondeu a rapariga com urna nobre
candura.
Mateo sentiu-se commovido.
Pois bem diz elle pegando outra vez
as mos de Bianca responde-me e com
toda a tua lealdade : Que farias se Mateo nao
fora nobre com tu s ? se nao fora seno um
homem do povo mas com bastante amor pa-
ra revolver o mundo ? ... Que farias se tives-
se vindo aqui como eu pedir-te com as
mns postas que o amasses ...
Em resposta Bianca deixou-se cahir sobre
o peito de Mateo.
__Ah dou-te grabas diz elle debulhado
em lagrimas grabas e perdoa-me ter des-
confiado de ti; sou louco; mas amo-te
tanto !
__Nunca duvides de mim Mateo diz a
rapariga ; mas deixa-me tentar um esforso
com meu pai Sou sua nica filha ; quaado
souber que de sua resolugo depende minha
vida ou minha morte deixar-se-ha mover ,
pelo menos o espero ... Se elle nao pode dis-
por de minha mo bem quem sabe ? tai-
vez consinta que deixe Veneza e que eu ve-
nda ser tua esposa em outra parte !
E se elle repelir a tua supplica ?
Qo ao major Oveira, que parti para a pro-
vincia do Cear.
Dito Ao delegado do termo do Brejo ,
procurando saber se houve algum inconve-
niente para que se deixasse de dissolver o
destacamento, conforme determinara o Exm.
Snr. Presidente em 15 de setembro ultimo;
por isso que fizera remessa dos papis de
contabilidade al o fim de outubro.
Portara Ao tenente-coronel comman-
dante do batalho de infantaria de guardas
nacionaes destacado mandando excluir com
guia para o respectivo corpo os guardan ad-
didos Felippe Rodrigues. Francisco das Cha
gas Pacheco e Cosme Vieira pagos de seos
vencimenlos do primeiro at 15 do corrente
Dita Ao commandante da companhia de
artfices, mandando dar baixa por tec sido
impropriamente recrutado o soldado Fran-
cisco Borges Cavalcante por assim o deter-
minar o governo de S. M. o Imperador em
aviso da repartido da guerra de 10 de outubro
datado.
Dita Ao mesmo mandando dar baixa e
remetter com seguranza ao commandante ge-
ral do corpo Je polica o soldado Caetano
Soares dos Santos dezertor do dito corpo ;
por assim o determinar S. M. 1. em aviso de
2o de outubro expedido pela secretaria de
estado dos negocios da guerra.
DitaAo commandante do deposito man-
dando excluir do mesmo passar guia e re-
metter par a corte o soldado Policarpo Jo-
ze de Albuquerque ; por assim o ordenar S.
M. I. em aviso de 18 de margo desle anno ,
expedido pela secretaria de eslado dos nego-
cios da guerra. p
THESOURARIADA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DA 2 DO CORRENTE.
Officio Ao Exm. Presidente da provin-
cia para dicidir-se se devia continuar a pagar
por a thesouraria o ordenado do Exra. pre-
sidente do Cear visto que a ordem do tri-
bunal do thesouro publico nacional de 15 de
julhodel84l que mandou fazer este paga-
mento devia considerar-se revogada pela
,le 9 de setembro p. n.
Dil0 Ao nvsmo Exm. Snr. igformando
o requerimento de JoA J.irge Paulino, em
que pedio o pagam-nto do ordenado que
vneeu como carcereiro da cada de Sanio
Antfio.
Dito Ao administrador da nv'za do con-
Eutc.... Dos inspirar-me-tu Nada
me pecas ; sei eu mesma o que farei ? S te-
oho urna palavra dizer-vos Mateo que
amo-vos
Mateo apertou-a sobre o corceo.
E quando tornarei ver-te? perguntou
elle.
lAqui, amanh mesma hora.
E se nao poderes vir ?
Julia minhsama mesubmissa ; tu-
do saberes por ella : porem adeos tremo
que so apercebo de minha ausencia. Adeos.
Ambos se esquecero em um longo am-
pielo.
Bianca pode entretanto arrancar-se dos bra-
gos de Mateo, e ia entrar quando um ru-
mor se fez ouvir. Os dous amantes se refu-
giarlo por detraz de um nicho da Virgem ,
colocado em frente do palacio.
D'ahi pouco um cavalleiro appareceu, ca-
minhando com precaugo ; era Martelli que
chegava ao lugar da entrevista. Andn por
algum lempo diante do palacio Capello a-
choua porta que Bianc tinha deix-doentr'a-
berla e persuadido que essa precauco ti-
nha sido tomada em sua alteugo apressou-
se a entrar.
Desde que o rumor dos pastos cessou os
dous amantes sahiro do escondrijo.
sulado participando o indefermento do re-
curso interposto por Josu de Jess Jardim
sobre a appruhenso de trez caixas com as-
sucar.
DitoAo mesmo administrador, mandando
instituir a sua da barcada = Unio= ven-
dida por Francisco Fernn.les de Souza
Joze Luiz Caldas Lins por jase ter 'pago ao
collector do Rio Formoso.
Portara Aodito collector participando a
restituicjioda siza do que trata o precedente
oQicio.
dem no da 5.
Officio Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando em cumprimento do otScio
do primeiro de outubro (indo que na dis-
tribuido do crdito do ministerio da guerra s
se deu para as obras militares desta provin-
cia a somma de 4:043,y res e que desta se
tinha dependido at o fim do dito mez a de
3:5t>9|l80 res como constava da conta ,
que acompanhava.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. sobre a
despeza feila com os recrutas pelo delegado
de Santo Anlo e paga pelo collector de di-
versas rendas daquella villa.
Dito Ao administrador da meza do con-
sulado em resposta ao seu officio de 29 do
passado em que pedio autorisaco para sa-
lisfazer pelo rendimento da provincia do Rio
Grande do norte a dispeza de um sgnete ,
que Ihe recommendou o inspector da alfande-
ga daquella provincia.
Dito Ao mesmo, mandando dispensar
do servico em que se achava o antigo fiel dos
armazens do pao brazil Felippe Nery de Oli-
veira Cruz.
dem do da 4.
Officio Ao Exm. Presidente da provin-
cia rogando se dignasse expedir as suas or-
den s a quem competisse para sem demo-
ra ser enviado thesouraria, o ornamento do
que se poder dispender com a guarda nacio-
nal ( a excepgo dos instructores) ; e bem as-
sim com o expediente da secretara de poli-
ca com declaraco dos vencimenlos que se
poder arbitrar aos amanuenses da mesma,
visto nao se acharem marrados por le afim
d dar cumprimento ao officio de 30 de se-
tembro p. p.
Dit) Ao insp-ctor da altando* para in-
formar sem demora para poder sntisfazer ao
officio do Exm. Presiden!* da provincia a
quanto poder orQar a ohra que falta con-
cluir nos arinizeus e trapiche da alfande-
Ainda ouve um ullimo abrago eBunea
correu para a porta. i
Mas apenas a tinha ella empurrado com a
mp que recuou asustada.
Fexada diz ella.
Pode ser ? exclamou Mateo.
Olha.
Oh diabo verdade ?
Mas en to estamos doscobertos!
Fexada! repelar o rapaz procurando
em vo abr-la.
Bianca poz as mos sobre a cabega em de-
lirio.
- Eston perdida diz ella nao tardo....
Mateo salva-me !...
Nao ha o que escolher diz elle ; mi-
nha gndola esta perto.... fujamos !
Fugir repeliu Bianca fora de si.
Oque faremos agora ? Vo conhecer
nosso amor ... Senos demoramos, estamos
perdidos.... vem...
Oh nao nao diz ella ; aqui os es-
fera re i.
-Ento, espera los-hei cointigo ; elle
me feriro ao teu lado.
Bianca deu um grite.
- Fujamos Mateo ; fujamos diz ella.
- Ella levou-o at a laguna depois pa-
m


2
ga se a mesma obra se faz absolutamente
indispensavel e se a sua susp^nsao provi-
r algum prejuizo a fazenda publica.
Portara ao collector da diversas rendas do
municipio do Cabo para prestar contas Jo au-
no financeiro indo prevenindo-o que nao o
fazenda dentra do prazo que se lhe marcou
ser demiltido e se proceder na forma da
lei.
dem do da 5.
Cilicio Ao Exm. Presidente da provin-
cia com o do inspector do arsenal de mari-
nha em que expoz a urgente necessidade
dedesannexar-se na mesma repartido o em-
prego de almoxarife do de pagador e o de
escrivo do 1lmoxar fado do Je eicnvao da pa-
gadoria ; e bem assiin dedar-se aojsecreta-
rio um ajudante e de crear-se novos em-
pregos de escripturago ; visto que com a
afluencia dos navios que actualmente vem
esta provincia nao he possivel aos actuaes
empregados darem conta do expediente e
e incumbencias a sen cargo
dem do da 7.
Oflicio Ao Exm. Snr. Presidente da
provincia informando o requer ment de
Ignacio Florentino de Figueredo Lima em
que pedio o emprego de almoxarife da ilha de
Fernando de Noronha.
Dito Ao administrador da mesa do con-
sulado mandando pagar a Goncalo Joze da
Costa & S agente da admnistrago das
rendas da provincia da Parahiba a porcenta-
gem quevenceo, desde que tomou posse
at 30 de setembro p. p.
Dito Ao inspector da dita administra-
gao participando o conteudo no precedente of-
licio.
Portara Ao collector de diversas ren-
das do municipio de Iguarag mandando lo-
mar conta da casa que se acha encorporada
aos proprios nacionaes por sentenga do jui-
zo do civel desla cidade.
Dita Ao do municipio de Olinda re-
commendando novamente mande affixar nos
lugares mais pblicos do mesmo munici-
pio os trez editaes de que se lhe remetteo de
cada um seis exemplares dando parte de
assim o haver praticado.
Iguaes portaras foro dirigidas a todos os
mais collectores da provincia.
Calimbas queimado e saqueado sem distin-
ti todas as feitorias estabelecidas naquelle
ponto e que depois para se utilisarem do
preducto da sua rapia tinhao comprado 172
negros. Segundo a assergo do commandan-
te Holm do navio Rotbar que capitaneou esta
invaso, accompanhado pelo commandante do
barco de vapor Pluto aquelles negros ha-
vio de ser levados para Gambia. Soube en
mais que o commandante do Pluto deo um
desembarque n'uma ilha do archipelago de
Bsagos chamada Gallinhas e que sob vaos
pretextos saqueou a habitado d'um antigo
governador Portuguez que se dedicou a em-
prezas agrcolas. Durante o saque que foi ef-
feituado sem resistencia, a filha do ex gover-
nador suecumbio s balas dos inglezes (*) Em
quanto naveguei ao longo da costa at os es-
tabelocimenlos da Cote d'Or fiquei admira-
do de nao ver algum dos barcos da trra que
ordinariamente apparecem em grande nu-
mero chegada de qualquer navio mercante
para trocar productos do paiz por fazendas da
Europa. Tenho sido informado de que ha al-
gum tempo que os cruzeiros inglezes fazio
fogo sobre todos os barcos que avistavo no
mar e que os negros estando aterrados nao
ousavoapparecer. Por tanto est acabado
todo o commercio naquella costa, em quan-
to durar este estado de cousas e os negros
sao obrigados a frequenlar os estabelecimen-
tos inglezes para obterem as fazendas de que
preciso. Cheguei a Whyda a 29 de maio ,
c tendo all trocado os navios com o capito
Proyenoal tornei o commandodo brigue Aiglc.
Sahi de Whyda a 6 de julho com i-lena car-
ga de azete de palmeira (cerca de 300 tone-
ladas), com urna fraca briza S. S. O. e mar
grosso, e mareei para Franca. Logo que me
fiz de vela conheci que o navio cujo com-
mando acahava de tomar estava com a qui-
llia muito suja e era mo veleiro. Pelas 5
horas da tarde tnha feto algum caminho para
o sul e procurava dobrar o cabo Formoso ,
quevisitro o meu ntvio estava em estado
de completa embriaguez; que o Aigle ja ti-
nha sido visto pelo mesmo cruzeiro, cha-
mado Cygnet, e que fra registrado por to-
do." os cruzeiros inglezes. Estes ultrajes e
vexagOes sao muito humilhantes para os ma-
rtimos francezes e o seu resultado infalli-
vel ser a destruiefio do commercio Francez
na costa d'Atrica se o governo nao lhes
applicar prompto remedio.
EXTERIOR.
DIREITO DE VISITA.
O Nacional publica um artigo sobre o
ultraje commeltido pelo commandante do
brigue de guerra inglez Cygnet ao na-
vio francez L'Aigle, na costa d'Africa o
qual acompanhado dos seguintes documen-
tos :
Relatorio do capito do Aigle.
Sahi de Marseille a 8 de fevereiro e na-
da Uve digno de nota durante a minha pas-
sagem para o porto deGllinhas, onde che-
guei a 4 de margo. Nao pude effeituar troca
alguma naquella parte da costa, por isso que
estando os negros do paiz aterrados pelas ame-
acas empregadas pelos inglezes, auzentavo-
se : por tanto (ui obrigado a deixar aquello
ponto que estava ameacado d'uma invaso que
logo depois teve lugar. De facto quando
cheguei a Annamaboi soube do capito do na-
vio francez Le Brave, e de militas outras pesr
soas que os inglezes tinho desembarcado em
pai
voltou-se para o
exclamou ella
i
o que ser de ti quando acor-
apressemo-nos ,
Bi-
rando repentinamente
palacio.
-O meu pai meu
solucando
dares !
- Apressemo-nos ,
anca !
Ella estendeu os bragos para o palacio.
Sim diz ella ; adeos meu pai, adeos
minUa Veneza! Agora sou de Ferrara e naotua:
agora sou Bianca Corsini.
A esta palavra Mateu parou bruscamente ,
e deixou cahir a mo da rapariga que elle
tnha aperlada na sua. Ella olhou para elle
com espanto.
O que tens Mateo ? perguntou....Por-
que te perturba este nome ? Nao o que
usarei como la espoza ?
-Vem vem diz elle perturbado.
Mas ella parou immedi&tamenle fcou p-
lida.
- Tu nao respondes !
E como se urna suspeita atravessasse pela
primeira vez sua alma :
quando fui detido por um cruzeiro inglez.
Veris senhor ministro neste protesto la-
vrado e testemunhado por toda a minha tri
pulaco dequemaneiraexercem os inglezes
odireilo de visita na costa d'Africa.
Eu linha icadoa bandeira franceza quan-
do se me disparou um tiro de pega, cuja ba-
la passou a pouca distancia do meu navio.
Eu tnha mandado carregar a vela grande e
manobrava para esperar pelo cruzeiro, quan-
do se disparou segundo tiro de pega com o
proposito de alcancar-me. A bala rocou-me
o navio. Sendo assim obrigado pela forca a
mudar de rumo, resolv virar para hir ao en-
contr do cruzeiro ,em quanto elle, em vez
de navegar para mim poz-se capa. Ten-
do-me chegado para elle tambem pairei, e
puz o meu navio sua disposico. Viero a
bordo dous homens sem uniforme em traje,
de mecnicos, depois de me terem mostrado
urna ordem do governo francez e em vez de
procederem visita do navio mettero-se
no meu camarote, e travro conversarlo com
os passageiros e equipagem. Depois de me
terem assim detido duas horas e meia, xaro o navio permttindo-me proseguisse na
minha derrota. Ento peJi-lhes que exami-
nassem o meu diario em conformidade do tra-
tado o que elles recusro formalmente fa-
zer. Devo observar que um dos dous homens
(*) Vid. Diario n.* 241 pag.2.*col. 4.
- O dia apparece o da apparece Bi-
anca !
-Ah apparegao da venha meu pai!...
antes a vorgonha e a morte !..'. Mateo.... pela
salvago de tua alma jura-me que me con-
duzes tua nobre familia jura-me que tra-
rei como tua legitima espoza o nome de Cor-
sini. .. Nada me respondes ... tu voltas os
olhos !... urna palava urna s. .
- Amaldigoa-me diz Mateo cobrindo o
rosto com asmaos.... eu enganei-te !
- Tu me engaaste !...
- Nao sou dos Corsini!
-Tu! .. exclamou Bianca recuando; mas
quem sois vos ento ?
- Um homem do povo, senhora diz Ma-
teo com urna voz pertubada e sem forcas .
um miseravel que nao linha direito
nem de ver como eris bella nem de
sentir em vossa presenca que tinha um cora-
go, e que ousou entretanto levantaros o-
Ihos at vos. Ah Se soubesseis quantas
noites tenho passado por baixo de vossas ja-
nellas chorando e pronunciando vosso no-
Protesto do Cdpito e eqnipagem do Ai-
gle.
Sahi de Whyda s 6 horas da manhS. Ven-
to fraco de S. S. O. ; mar cavado. A's 5 ho-
ras da tarde tinhamos chegado a altura de
6. 4' de latitude norte e 37. de longilu-
de leste, quando- tendo nos julgado, que urna
vela que tinhamos avistado diante do vento
havia pertod'uma hora, era um cruzeiro Inglez;
inmediatamente gamos bandeira. Masas 5ho-
ras e meia, o brigue Inglez nao se dando por
satsfeito com esta demonstrado disparou-nos
um tiro de pega cuja bala alguns dos nossos
dizem ter visto cahir piuco distante do navio.
Logo depois carregamos a vela grande para
evitar a repetigo ; porem um momento de-
pois atirou-se-nos segunda bala que cahio jun-
to ao costado do navio tendornos passado
por cima. Para evitar avarias fizemo-nos
de vela para o cruzeiro. O commandante In-
glez em vez de vir ter comnosco poz-se
capa Tendo-nos aproximado d'elle atra-
vessamos para prmo-nos sua disposgo.
Veio do cruzeiro um bote com dous homen<
sem unifirme e com um trajo que bem
podamos compirarao de um guarda de ar-
mazem na marinha Franceza os quaes su-
hiro ao nosso bordo. Um d'elles apresen-
tou-mo una autorisago do Ministro Francez
para visitar os navios da nossa nago. Se
bem que esle proced ment fosse i I lega I e a
argoarbitrarh fui abrigado a ceder torga ,
e entreguei-lhes o navio e a carga. Protestei
em nome do meu Governo contra este acto
illegal e arbitrario e no dos donos e segura-
dores contra os sinistros que esta demora pu-
desse occasionar alienta a difllculdadeque
ha de montar o Cabo Formoso que muito
perigoso. O capito do Cruzeiro chamado
Cygnet respondeo ao meu protesto e depois
de nos ter demorado por espago de duas horas
e meia os dous homens um dos quaes es-
tava embriagado deixaro-nos em liberdade
de seguir viagem sem assignar o nosso dia-
rio como de costume. Como Capito do
brigue Francez Aigle, e conhecendo o
quanto semelhantes vexages tendem a desa-
nimar a nossa marinha mercante e a preju-
dcar o nosso commercio lavro o presen-
te protesto ( para que o faga valer quem
por direito lhe competir ) e o que assigno ,
com a minha tripolago e passageiros.
Aos 7 de Julho de 1842 s 8 horas da
noite.
(Seguem-se as assignaturas.)
Resposta do commandante do Cygnet.
O commandante do brigue Cygnet de
S. !\I. Britannica tendo sido informado de
que os navios que trafico em Whyda debaixo
da bandeira franceza, tinho tomado escra
vos naquelle porto julga-se com direito de
visitar todos os navios que sahem do mesmo
porto, no qual caso est o brigue francez Aigle.
Elle deo um tiro de pega para fazer vir falla
teria dado
Sabis o resto a-
- Mateo, exclamou ella, o amor, a fata- me ... Elle nao podia cliegar at vossa pre-
lidade me langarfio em leu poder mas nao
podes abusar de minha confianga ; isso seria
infame Nao tu nao me engaaste i tu nao
me engaas, nao assim ?
sengacom seu vestuario do pescador ; ento
vendeo a heranga de seu pai para comprar
vestidos de cavalleiro : encobriu seu nome
debaixo de um nome Ilustre
Para yer-
vos, para fallar-vos senhora
sua alma ao demonio .
sora sabis tudo. Nao, nao sou um Corsi-
ni ; nao sou mais do que um homem que
vos ama !
- E porque porque nao desenganar-me ?
perguntou a rapariga.
-Ah muitas vezes quiz faze-lo senho-
ra respondeu Maleo tristemente ; ainda ha
pouco .'... Mas nao sabis o que custa pronun-
ciar essas palavras que quebro para sempre
a esperanza! a mo treme para assassinar d'es-
ta sorte sua felicidade. Sabia que desde o dia
em que dicesse : sou Mateo o pescador ve-
ra acabar-se meu snnho ; e rame to doce!
precisava tanto d'elle .. por quanto amo-
vos tanto, senhora, amo-vos tanto, que aqu,
e agora accusado,desprezado por vos, nao posso
ter arrependimento de haver-vos engaado ;
amo-vos tanto, que tenho saudade de
minha mentira que me faz feliz e me arre-
pendo de minha confsso que vae quebrar
minha vida !
Bianca fez um movimento.
-Oh perdo, continuou Mateo: sou
insensato em fallar-vos ainda assim. Meu
amor que Vostornava feliz pouco vos des-
honra agora ; perdoe adeos !
Bianca tinha tudo escutado com umo emo-
ojdito navio julgando que era do seu dever
faze-lo por isso que seaproximava a noite
e porque elle suspeitava ser navio hespanho
ou portuguez. O governo francez tem conven-
cionado com a Gran-Bretanha um direito re-
ciproco de visita e os cruzeiros devem, pa-
ra cumprir o seu dever, deter qualquer navio
o tempo que fr mister para aquelle fim. De-
mais evidente que todos os navios que tra-
fico em Whyda que o deposito de escravos
mais notorio devem de ser necessariamente
suspeitos de se empregar no trafico de es-
cravos.
Edmond Wilson
Tenente commandante a bordo do brigue
Cygnet de S. M. Britannica.
La Presse sustenta que vista dos por-
menores publicados pelo capito do brigue
francez Aigle, do ultraje commeltido por un
cruzeiro inglez exercendo o direito de visita,
torna-se impossivel renovar os tratados de
.1831 e 1833 sem o maior perigo de haver
um conflicto entre os que exercem esse di-
reito e as partes que a elle se submetlem com
repugnancia. Por tanto, urgente diz a
Presse, revogar-se aquellas convences. 0
tratado ltimamente concluid pela Gran-
Bretanha com os Estados-Unidos um argu-
mento mais que a Franca pode invocar com
successo.
(Evening Mail.)
Noticias diverta*.
Os ingle/es na China.
Urna carta esrhpta a bordo do Pelicano ,
um dos navios da esquadra ingleza, nos ma-
res da china contem alguns fados assaz cu-
riozos mas que se devem receber com algu-
ma desconfianga por virem d'um inimigo
dos chinezes:
Urna barca inglza com 17 homens de tri-
pulago pz em fuga 14 juncos que carresa-
vo mais de 700 homens. A cab ga d'um In-
glez sempre avahada em Pekin por 500 pe-
zos; a d'um commandante de navio por 3 000;
a d'um oflicial de artilharia, por I.OOO. To-
das as vezes que as tropas iugi< zas fazem um
desembarque, a populago pe-se em preci-
pitada fuga e v-se a nina grande distancia
milhares de curiosos em todas as eminencias.
Algumas vezes os mais afibutos approximo-
Fedos soldados, e proruro principalmente
examinar e tocar o panno de que elles pare-
cem maravilhados. O sorn do clarim espan-
ta-os em summu grao. Um padre chine/.,
mais Ilustrado do que o resto da populacho
d'uma destas ilhas consentio em servir de
guia a um destacamento que elle conduzio
sua igreja ; all, offereceo ao oflicial cha que
era mu fraco e inspido. Na casa deste ho-
mem havia um grande numero de dolos
monstruosos : entre outros se acha va um re-
presentando, um barbeiro deforme que tinha
urna navalha na mo ; direita do altar nos
templos ha seis dolos cuja atlitude e physio-
nomia sao toscas ; esquerda outros seis,
dos quaes dous teem figura de mulher, ees-
to bem longe de ser modellos de formosura ;
elles trazem prezengados seus idolns pratos
cheios de doces e l'hos offerecem dizendo :
chin, chin chama-se a este culto chin-min-
nng e a nove repetiges differentes elles
batem com o rosto em trra. Os padres vivem
do altar isto das offerendas religiosas
trazidas pelos fiis. O mais horrendo d'esles
gao quecrescia ; pareca que havia um com-
bale em sua alma suas mos dirigo-se ora
sua cabega ora ao seu corago como para
comprimir o softVimentojmas com a palavra de
adeos lanfou se sobre Mateo e limndo-
se cahir em seus bragos :
-Amo-te, diz ella; leva-me.
Mateo deu um grito.
- E' verdade ?
-Odia apparece.... leva-me repeta Bi-
anca.
Anjo exclamou Mateo quasideixan-
do-se cahir de joelhos.
Mas ella ihesegurou na mo e couduzio-o
para a gndola Acabavo d'embarcar-se ,
quando o palacio Capello illuminou-se sbi-
tamente.
- Fujamos ou estamos perdidos .' diz Bi-
anca.
A gndola escorregou rpidamente sobre o
mar. N'esse momento a porta do palacio a-
brio-se com estrondo o Martelli appareceu
com o conde e com creados armados.
-Acola no fim da laguna gritou o es-
po mostrando a barca que fugia.
O velho Capello e seus criados correr
para asgondolas amarrad ik ao caes da Virgem;
mas a barca de Mateo linha desaparecido !
FIM.


dolos era urna mulher que linha nm enorme
lobinho na face esquerda, e Jeste lobinho
sabia urna guedelha de cabellos com duas
pollegarias de comprimento.
L-se no Mercurio d'AItona (Dinamarca)
o seguinte :
A 21 d'agosto fez a sociedade de tempe-
ranga em Christiaia a sua sessoannual. Foi
regeitada urna proposta da maioria que ti
iilia por im permittir a bebida moderada de
ponche e grog mas adoptou-se por 50 vo-
tos contra 38 a proposta da commissu ten-
dente a prohibir o uso d'aguardente quer
simples quer misturada. Tomou-se a re-
solugo de publicar urna gazeta de temporn-
ea. O numero dos membrosda sociedade ti-
nha-se elevado de 200 a 333.
PERNAMBUCO.
GUUNHIjNS.
Illm. Exm. Snr. hecheiode praserque
me apreco a comunicar a V. Ex., que se acha
preso o negro Mathias assacino do finado Joze
Cavalcanle dAlbuquerque tendo sido encon-
trado nasmattas daLontra nodestrito do cor-
rente pt'losob delegado do mesmo, acha-se por
tanto prenxida a ago da poricia presos, e
pronnnciados os assasinos garantidas stias
existencias ^se bem que nao possa assegurar
para o futuro ser tambem sucedido resta ,
que o Dr. juz de direito cumpra por sua par-
te o que llie divido seria para desejr por
quanto convencera ao povo que nao sao
baldados os ui'Mus i'a I -i e dara gi aile cr-
dito a lei d>'5d'-' oulubrn de 1841". que no-
tros procuran sulapar. Incluso achara V. Ex.
o interrogatorio a que proced logo que me
foi aposentado o r" M>thias ed'elle ver V.
Ex. a mais cnmpl ta pniva do que hei comu-
nicado por ofli'ios antiTiores D>'OS Guarde
a V Ex. niuilos anuos. D l'gacia do termo
deG-rarilnm* de 5 de novembro de 1812--
lllm. Exm. Sr. Baio da Boa vista Presidente
da provincia. Antonio Teixeira de Macedo
delegado do tormo Garahuus.
Jnler rogatorio frito ao negro Mathias escra-
vo de Francisco Machado Di as.
Anno do nacimento de nosso Senhor Jezus
christo de 1842 aos cinco dias do tnez de no-
vembro do dito anuo nesta villa e comarca de
Garanhuns na casa da residencia do dellega-
do do termo o sargento mor Antonio Teixeira
de Macedo onde eu escrivo de seu cargo me
achavaa hi presente orco Mathias escravo
do Bacharel Francisco Machado Dias estando
em plena liberdade sem cordas npm algemas
em presenga das testemunhas abaixo assig-
nadas foi interrogado pela forma e maneira
seguinte perguntado pelo seu proprio nome
naturalidade residencia e lempo delle no lu-
gar disignado respondeu chamar-se Mathias
Joze dos Santos escravo do Bacharel Francis-
co Machado Dias que se achava dentro desta
villa no dia sbado 22 de outubro p. p. Fino
da freguesia d'Agoas Bellas residente nesta
villa em a casa de seu snr. que conheria as
pessoas que jura rao contra si e o,ue fora elle o
proprio que no dia sbado 22 do p. p. mez de
outubro dera as pancadas e fizera as contuzes
constantes dcstes autos no finado sem com til-
do ter tencao de matar isso por mandado deseo
senhor Francisco Machado Dias e do alferes
Manoel Antonio Martins Pereira, e que nunca
tivera rixa com o finado c que pelo contra-
rio este Ihe dava alguna vintens quando elle
reo precisava e que se isso fizera fra por ser
captivo e que o fisera a seo pezar s para cum-
prir as ordens de seo senhor que depois de
haver dado ditas pancadas correo para o can-
dieiro e que dejiois veio a casa de seu senhor
buscar sua roupa e que se dirigi para o lugar
do Correte onde se achava escondido e que
era esla a pura verdade do que se havia passa-
do que francamente o declarava com o pre-
cipicio da sua alma e mais nao disse e por
nao saber escrever assignaro as testemnnhas
AIonso Cavbante de Albuquerque e Luiz
Joze Francisco da Silva e eu Quintiliano
FerreiradaCunha e liveira escrivo o es-
crevi.
GORUESPOSDEVCIA.
Snbs. Redactores. Todos os ramos de
prosperidade publica linho sido incetadng al
ao pre/.ente, j; pelo genio creador do nosso ac-
tual Prezidente, j. pelos conhecimentos ad-
queridos da utilidade que outros Povos reli-
ro: a Agricultura linha recebido melhora-
meutos, o Commercio facilidades, tem princi-
piado as Manufacturas ; a lnslrurco publica:
a Polica das Estradas *c. &c. ; mas com ludo
isto liuin melhoramcnlo pedido, exigido pelas
primeiras necessidades da vida dorma tran-
3uilIo sombra das nossas jangadas, sombra
as mesquinbas tarrafas demeia duzia de in-
dolentes e ignorantes pescadores.
O nosso dinheiro, as picosas costas desta
Provincia, nao erao suficientes para abastecer
o mercado do segundo objeeto de subsistencia
de huma capital t"o populosa como esta; e a
razo ninguem sabia encontrar.
Se para a Poesia, para a Pintura, para a
Msica he preciso hum estro, elle to bem he
indispensavcl para as creaces, para as itivcn-
ces, e innovaces ; o estro que fisesse conre-
ber o meio dsobter abundancia de pescado pa-
reen mais raro do que o estro preciso para as
Artes liberaes, mas apesar da sua raridade a-
gora vemos elle appresentar-se e produzir o
fructos ambicionados, c da melhor forma.
Coube essa faculdade ao espirito dos Cida-
dSos Madais, esses membros prestantes da So-
ciedade mandarlo vir trez barcos, guarnecidos
de pescadores mestres da America, muito bem
equipados e construidos para a condcelo do
peixe fresco, fasendo j;i sahir dous del les, que
nestes dias teremos a satisfaco de ver entrar
carregados com as primissas de seus cuidados,
despesas e fadigas.
Bem hajo pois beneficios crescidos os in-
ventores de semelhante meio, em pagamento
de seu arriscado e dispendioso projerto ; rere-
bo elle signaes de gratido bem merecida dos
hab i antes desta Cidade, posso elles augmen-
tar o numero q"e barcos e bracos conforme o
consumo do genero, dando-nos .lem de op'i-
mo peixe freco em abundancia, o prazer de
nos ver-mos libertos da osera vid So a que nos
tiuha submeitido a perguica, indolencia, eo
exclusivo dosnossos inertes jangadeiros, e tar-
rafeiros ; oxal que em outros ramos de utili-
dade publica tehamos a fortuna de deparar
com bastantes Madais, que devero rceber os
sinceros agradecimentos que Ihes dou e comigo
todos os riesejosos deempregar o seu dinheiro
em bom peixe sem o perigo de o perder com-
prando peixe moido.
Louvoresaos bons, he devido tributo, elle
os anima, e promove a emulaco em outros,
todo para beneficio da grande Sociedade.
Pagar dividas he dever sagrado, e por isso es-
pero que Vms. se dignem inserir estas quatro
linha* no seu conceituado peridico de seu
Atiento Venerador
O Amigo dn Industria.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento d da 22 de novb." 4:378i265
DESCARKEGAO IIOJE 23 DE NOVEMBRO.
Barca Franceza = Autoinette = vinho ea-
zeite.
Brigue = Madonna = bacalho.
Barca Ingleza s= Nigthingal =o resto menos
o ferro
Brigue Americano = Padang = farinha de
trigo e taboado.
Patacho Inglez = Penelope = carvo.
Barca Ingleza = Thereza Jane = carvo de
pedra.
Barca Franceza = Camelia = o resto.
importaca.
A barca ingleza Neghtingale -- vinda de
Liverpool entrada no crrante mez con-
ignada a James Crabtree & C, manifestou o
seguinte :
21 caixasoom fasendas 26 fardos om
ditas, 67 barricas vasias, 50 barris com man-
teiga 16 ancoras de ferro-, James Crabtree
&C.
1 barrica com ferragens ; Ordem.
2 fardos com fasendas 4 caixas com ditas,
6 caixas com piannos ; Me. Calmont & C.
3 caixas com chapeos ; Fox Brothers.
53 caixas com fasendas o fardos com di-
las; Russell Mellors & C.
1 caixa com fasendas, ll fardos com ditas;
B. Lasserre & C.
1 caixa com fasendas 19 fardos com ditas;
Deane Youle & C.
4 caixas com fasendas 2 fardos com ditas;
Rosas Braga & C.
1 caixa com roupa 2 ditas com doce ;
G. Jonson z C
28 fardos com fasendas 2 caixas com di-
tas ; Jones Patn &C.
24 fardos com fasendas 26 taxas de ferro,
2 caixas com machinismo, 17 pessas de
dito 1500 caixas com sabo ; Johnston
Patera C.
2 caixas com ferragens 8 pessas com di-
ta ; Joo Pinto de Lemos & F.
970 barras de ferro 72 fexos de dito ;
S. Barroca & Anirade.
1 caixa com um pianno 1 barril com lin-
goas 1 caixa com queijos, 1 embrulho com
livrose papel Soaixascom fasendas, 2 bar-
ricas com ferragens 60 chapas para fogoes ;
Geo Kenworlhy & C.
2 embrulhos com livros ; P. Furby.
15 barricas com serveja 209 gigos com
batatas, 26 queijos 26preuntos 3 bar-
ricas com ervilhas 1 remo de ferro ao ca-
pito.
21 embrulhos e 1 caixa com amostras ;
diversos.
MOVIMENTO DO PORTO.
NAVIO ENTRADO NO DIA 2l.
Rio Grando do Snl ; 16 dias brigue bra-
zileiro Formozo de 206 ton. cap. Ma
noel Jos Cardozo da Silva carga carne
secc : a Leopoldo Jos da Costa e Araujo.
NAVIOS SAHIDOS NO DIA 22.
Suspendeo do lameiro para o Para o brigue
de guerra hrazileiro Capibaribe, com-
mandante o 2." lente Januairo Xavier de
Castro.
Rio de Janeiro ; brigue escuna hrazileiro l-
zabel, cap Joaquim Antonio Gadr carga
diversos gneros.
Rio de Janeiro ; brigue escuna hrazileiro Vo-
ador cap. Manoel Antonio dos Santos,
carga diversos gneros.
"edTtaes.
0 Doutor Joz Nicolau Regueira Costa juis d*
direito interino da primeira vara do crime,
privativo dos africanos illicitamente im-
portados na comarcra do Recife por S.
M. I. e C. que Deus Guarde. &c.
Fago saber por este juiso se ho de arrema-
tar os servidos de duas Africanas urna de no-
me Marcolina, e otitr i de nome Eva aquella
com 14 annosde idade, pouco maisou men'S
e esta com lOannos, pouco maisou menos
que foro reconhecidas livres como imnor-
tadas depois da le de 7 de novembro de 1831,
e por isso as pessoas, que as pretenderen! .
devero apresentar dentro de 8 dias contados
da publicagodo presente seus requerimen-
tos em que declarem seu estado e re-
tidencia 2. o emprego ou oceupaejo de
que subsistem 3. o fim que destino as
Africanas e o lugar em que para isso vo fi-
car A. o prego annual, que oflerecem pelos
servicos afimdequese proceda nos termos
ulteriores da le. E para que chegue a no
tcia de todos, mandei lavraro presente que
sera publicado pela imprensa dado e pasca-
do n'esta cidade do Recife sob o meu signal e
sello d'este juise, ou valha sem sello ex-cau-
za aos 2l de novembro de 1842.
Joze Affongo Guedes Alcanforado escrivo
osubescrevi, Joze Nicolau Regueira Costa.
D E C L A R A g O E S.
0 vapor Paraeose commandante Jo-
fio Melito deve chegar dos portes do
norte no dia 24 ou 25 do correte : as
pessoas que n'elle quizerem hir de passagem
paraosdosul, podem dirigir se a agencia
na ra do Apollo para nscreverem os seus
nomes com antecip^gSo para as passagens.
tsr O administrador da mesa de recebe^
doria das rendas geraes internas fas scien-
te a todas as confrarias e irmandades que o
mezde Dezembro vindouro odesiguado
por lei para a cobranga das decimas das ca-
sas das mesmas denominadas mao-morta ,
do 1. simestre do corrente anno financeiro
de 1842 1843 ; e que Ando o dito mez ,
proceder executivamente contra as que dita
decima nSo pagarem em o referido prelixo
tempo. Recebedoria 22 de novembro de
1842.
Francisco Xavier Cavalcante de Albuquerque.
AVISOS MARTIMOS.
tsr Para o Sear saldr breve por ter
maior parte da carga a bordo o patacho =Ma-
ria Luiza = quem quizer carregar eitten-
da-se com Antonio Joaquim de Sou/a Ribeiio.
tsr Para o Ass segu prefijamente no
dia 26 do corrente o brigue hrazileiro = Sa-
gitario = para carga ou passageiros tracta-se
com A. F. dos Santos Braga, na ra da Moe-
da n.142.
lins, e outros objectos de prompta extragfio
quarta feira 23 do corrente s 10 horas da
manh no seu armazem ra do Vigario.
= Me Calmont & C." continuaro por
intervengao do corrector Oliveira o seu lei
Io d'esplendido sortimento de fazendas in-
glezas; quinta feira 24 do corrente s 10
horas da manhS no seu armazem ra da
Cadeia.
\ ^sr Me. Calmont & C. farSo leilSo por
intervengao do corretor Oliveira sabbado
26 do corrente s 11 horas da manhS, no ar-
mazem das casas novas rio sr. A. da C. S.
Guimarfies, defronte de S Francisco, dos
melhores e mais bem conhecidos carrinhos do
duas rodas cobertos e descobertos com
forro de palhinha no encost e outros sem
ella; cabriols de quatro rodas do maisaper-
feigoado gosto ; todos com as competentes
lanternas e arreios e com molas to els-
ticas e bem temperadas que alem de fortes ,
as torna summamente lvese suaves poden-
do efectivamente asseverar-se vista de
suasqualidades, serem os melhores que
n'esta so tem importado d'Inglaterra ecomo
nao poderio encommendar-se serSo a pre- *
gos muito mais subidos do que sero vendi-
dos.
LEILOES.
AVISOS DIVERSOS.
ss J.O. Elster far leilSo por intervengao
do corretor Oliveira, de grando sortimento de
miudezas e ferragens de varias qutlidaitefi ,
inclusive espingardas, Ia2arinas, pistolas, es
padas para guarda nacional, e cayallaria sel-
lar Precisa-se de urna ama para todo o
servigo e compras de urna casa de muito
pouca familia ; na Solidado casa nova que
fica bem defronte da igreja
*3" Rafael Luce i, part*
cipa aos Srs. assii>nantes
das Funeyoes Lyricas na
Na tlense, que a terceira
e ultima, ter lugar na sex-
ta feira 25 do corrente e
tamben, participa que M.11"
Carmela Adelaide Lucci
desempenhar, pela pr-
uerra vez, a parte de Ca-
dette da Opera II Posto
Abbandonato.
= Notiico os aba ixo assignados aos
Srs. commerciantes* e mais pessoas desta pra-
ga que em virtude de urna procuraco ,
que nos foi apresentada por Johnston Pater
& C, passada em Liverpool no 1* de outubro
prximo passado pelos nossos chefes socios
os Srs. Alexandre Ma-Kay, e Joze Miller G-
co os mesmos srs Johnston Pater & C. en-
carregados da liquidago da nosa caza e s
a estes srs ou a quem por elles for autorisade,
poderSe os nossos devedores pagarem os seus
respectivos dbitos; pena de nullidade.
Os srs. Johnston Pater & C. fico igual-
mente encarregados de liquidar todas nossas
dependencias.
Notificamos mais que pela autorsagao a->
cima dita a nossa firma de hoje em dianle fi-
ca extincla osera somente uzada pelos srs.
Johnston Pater & C. como procuradores pa-
ra sua liquidago. Recife de Pernambuco 21
de novembro de 1842.
si/ex Mackay di C.
Referindo-nus ao avizo cima dos srs. Ale-
xandre Ma-Kay &C., os abaixo assignados
convido aos credores da mesma firma para,
comparecerem com as suas contas no escrpto-
rio dos mesmos abaixo assignados a fim d
serem quanto antes verificadas assim como
rogo aos srs. devedores de virem pagar os
reopectivos dbitos com a mesma promptidfio.
Recife de Pernambuco 21 de novembro da
1842.
Johnston Pater & C.
tsr Em poder do inspector do quarteirlo
do destricto do Manguinho acha-se urna
vacra que foi aprehendida a dous meses ,
quem se julgar com direito a mesma a pode
procurar em o sitio de Joze Baplista Ribeiro
de Faria no mesmo Manguinho.
sr Toma-se roupa para lavar o engomar
por prego razoavel responsahilizando-se pe-
las faltas assim tambem toma-se costuras,
na ra de S. Rita casa n. 86.
= Precisa-se de um mogo que salba 1er,
escrevere contar e que abone sua capacida-
de para caixeiro de padaria para vender ,
e tomar conta do andamento da mesma e diri-
gida debaixo das ordens de seu dono ; quem
quizer procure na ra do 'Azeile de Peixe na
casa n. 11, na padaria de Manoel Ignacio da
Silva Teixeira.
= Aluga-se urna caza terrea que tenha
cemmodospara urna familia : annuncie.



PILULAS VEGETAES, E UNIVEllSAES AMERICANAS.
O nico deposito deilas he em nasa do agen-
te D. Knoth ; na ra de Apollo n. 27.
tsr Quem precizar de doce para embar-
que Je todas as qualidades ; dirija-se aloja
dosenhor Antonio Gomes Pessoa na ra da
Cadc-a que Ihe dirfto quem o faz.
EST Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra da Cruz n. 03 com commodos pa-
ra urna familia regular; quem o pretender ,
dirija-so ho armazem do mesmo.
. sr O enhor Francisco Joze da Costa Gui-
mares morador em um citio perto da pra-
ga queira fazer o obzequio vir ao armazem
de carne da esquina defronte do trem da par-
te do mar para concluir o negocio que bem
sabe. No mesmo armazem compra-se um sel-
lim em meio uso com os seus pertences ou
sem elles
tsr Roga-39 ao snr. J. A. que baja de
ter a bondade antes de retirar-se para o Cea-
r de ir ou mandar pagar no praso de 6 dias
quantia de 26* que o mesmo he devedor
na loja da ra da Cadeia velha importe de
fazendas quoo mesmo comprou para seu uzo,
do contrario se uzar dos meios judiciaes.
tsr Aluga-se o segundo andar da casa da
ra do Encantamento confronte ao beco que
vai para a ra do Vjgario : ni ra da Cadeia
velha loja de fazendas por baixo da casa da
residencia do Corretor Oliveira.
tsr Deseja-se saber da moradia do snr.
Vicente Ferreira Maria para negocio de seu
interesse.
tsr Cedese por aforamento um terreno
na frente do sitio do Exm. Dezembargador
Conselheiro Maciel Monteiro tendo algumas
bemfeirorias feitas pelo foreiro que ceda o
dito aforamento ; o terreno he bastante en-
chuto e propno para logo se edificar, in-
dependente de atierro: trata-se na ra de
Hortasn 140.
tsr Arrenda-seannualmenle ou pelo tem-
po que se contratar, urna casa terrea abar-
rija-se a Joo Dias Barboza Macundum na
repartigo do correio.
at O abaixo assignado pela 3.* e ultima
vez aviza ao Sr. A. J. A. M. morador no R...
F... que no prazo de 30 dias a contar da
dala deste venha ou mande resgataro pinhor
que existe em poder do annunciante, que do
contrario pasear a vendel-o paraembolgo do
principal e juros, Meando o ditoscnbor res-
ponsavel polo resto que faltar para completar
o total da divida : e para que se nao chame
ignorancia, e nao tenha direilo a reclamar faz
o presente annuncio.
Joaquim Jos Correia.
COMPRAS
360 e 400 rs. lencos de seda com franja
parasenhoraa 1760 setins finos de todas
as cores fusles brancos a 600 rs. o cova-
do ditos de cores a 520 e 400 rs. tafet
roxo e de furta cores a 500 rs. cobertores de
algodo para escravos a 500 rs. luvas cur-
tas de algodo a 160 o par, bata encarna
Algumas oitavas de ouro que seja bom
inda mesmo que seja em pedacos e em al-
gumas pegas de diamantes inda sendo cra-
vados em prata : as 5 ponas n. 114.
VENDAS.
racada com grandes commodos sita no
usr do Manguinho e pertencente ao seu
proprietirio o Exm. Dezembargador Conse-
lheiro Maciel Monteiro : trata-se na ra de
Hortas n. 140.
tsr Aluga-se para passar a festa um so-
brado na cidade de Olinda na ra de S. Ben-
to com agradavel vista para o mar e mui-
to fresco por prego commodo; quem o pre-
tender dirija-se ra Velha a fallar com o
tenente-coronel Joze da Cunha Moreira Alves ,
O. 65.
^ Lotera da Matriz da Boa-Fista.
Nao se tendo verificado o andamento das
rodas da loteria do theatro impossivel se
torna correr esta no dia designado afilan-
^ando-se porem ao respeitavel publico que
logo que se extraa aquella esta Ihe succe-
der iramediatamente pois o extraordinario
consumo que ha tido, habilita a fazer tal as-
sergo.
tsr Alugo-se trez moradas de cazas com
grandes commodos no sitio do Cajueiro; quem
as pretender dirija-ss ao mesmo sitio para
tratar por anno ou por festa.
vyr Aluga-se para se passar a festa um
casa em S. Anna perto do banho por prego
commodo : na ra do Queimado loja u. 4.
Precisa-sede um homem que seja bom
tsr Urna preta ladina bonita figura, sem
vicio algum cozioha o ordinario lava, ven-
de na ra e he fiel, tambera serve para o
matto por ja ter trabalhado em engenho : na
ra Direita n 40 terceiro andar.
W Urna canoa de carregar agoa um boi
com carroga e pipa para a mesma conduzir
agoa : na ra de s. Joze n. 27.
tsr Um torno novo fabricado por o snr.
Frappier o melhor fabricante de Pariz esta
grande pega contoionada toda de ferro polido
rene a solidez a elegancia e pode indistin-
tamente servir por tornear todas as qualida-
des de metaes : no pateo da Matriz de S. An-
tonio n. 8 por traz do consistorio.
tsr Ricas msicas para pianno dos mais
modernos gostos, e de mais acreditados com-
positores como Rossini Donizette Billi-
ni e outros]; methodos para pianno escrip-
tos no edioma Hespanhol pelo conservatorio
de msica de Madrid ; tambem ha msica
para diversos outros instrumentos, e para
pianno a 4 mos, e pianno com acompanha-
mento de flauta e rebeca tudo novamente
chegado e por prego commodo : no atterro
da Boa vista loja de chapeos u. 26.
ts Urna canoa grande aberta que carre-
ga 1500 lijlos com pouco uzo e em muito
bom estado ; um brago de balanga de Romo
liCompanhia com todos os seus pertences,
e proprio para qualquer armazem ven de-se
com o temo de pesos ou sem elle; duzia e
meia de cadeiras um canap de madeira
oleo com assento de palhinha 1 jogo de
bancas urna mesa de duas abas, um car-
rinho americano, para andar 2 meninos .
urna maca de couro de lustro, e 1 par de col-
dres ; ludo em bom estado e por prego mui-
to commodo : na ra de Apolo n. 13.
tsr 4 escravas mogas com boas habili-
dades um deilas tom 20 annos de bonita
figura cose r engomma muito bem e at
o presente nao tem vicios pois tem sido re-
col hida j umanegnnha de 14 annos, muito
linda cose ja muito sofrivel sabe tratar de
criangas e ptima para se acabar de edu-
car ; urna parda de 20 annos de boa figu-
ra muito alva e bom cabello cose en
alfaiate e que tenha bastante couhecimento|gmma e faz todo o mais servigo de i
: no atterro da Boa vista loja de al- casa ; 5 prelos mogos ptimos para todo o
faiate n. 40.
or O abaixo assignado avisa aos propie-
tarios do carregamunto do Patacho Edina
Restaurada naufragado no Rio Grande do
Norte que elle se propde a mandar ali um
dos seus barcos ^afim de conduzir a carga
que o mesmo tinha e que querendo os in-
teressados podem dar suas ordens para aquel-
la cidade afim do regrego de suas mercado-
rias e mandarem que s* entendo com o snr.
Francisco Paulino do Castro Barroca sobre o
transporte da mesm. Manoel Joaquim
Pdero da Costa.
tsr Roga-se ao snr. que por engao tirou
urna carta vinda do Rio de Janeiro para An-
tonio Joze Moreira Pon tes haja de ir ou
manda-la na ra da Cadeia do Recife n. 9.
tsr Aluga se urna casa toda envidrassada
com 4 quartos cozinha lora con grande
quintal, a margem do rio, na povoagao do
Monteiro propriedade de Antonio Joze de
Oliveira ; trata-se na botica de Bartholomeo
& Ramos na ra do Rozarlo.
tsr O snr. Joo Moreira da Silva queren-
do receber urna carta e urna encommenda
vinda do Rio Grande do Norte dirija-se a
ra da Cadeia de s. Antonio n. 20.
tsr Aluga-se para se passar a festa a casa
do sr. Manoel Joze de S. Anna, contigua a
do snr. Fr. Joze-deS. Jacinto Mavignier, no
Pogo da Panella desde o mez de Novembro
at Feverciro de-1843 ; quem pretender di-
canoeiro : na ra
Irabalho e um he bom
de Agoas verdes n 44.
tsr Sal do Ass a bordo do Brigu6 Fe-
liz Destino, Aindiado defronle do forte do
Mattos : a tratar a bordo do mesmo.
tsr Duas escravas sendo urna da costa, de
20 annos com duas crias e a outra crela
da mesma idade cose bem lava engom-
ma ; e a armaco de urna venda : na Trom-
pe n. 453.
tsr Um escravo sem vicios de 20 annos,
ao comprador se dir o motivo da venda: na
ra da Cruz n. 34.
* tsr Ricos cortes de chita de assento escu-
ro a 3500 brim pardo trangado de puro li-
nhoa 480 a 600 a vara dito de algoJo a
400 rs. fustOes de cores para cohetes a 640
o covado fazenda moderna para cohetes, de
la es-da a la rs. 1200 e 1600 o cova-
do lengos de seda de cores modernas para
gravlas fazenda a melhor possivel a 1600,
2* e 5c cada urna, ditos de franja para
senhora a 1600 luvas de seda preta sem
dedos a 400 rs. o par, lengos brancos borda-
dos a 480 meias de algodo branco de to-
das as qualidades bicos de linho francezes ,
cambraias adamascadas, los de linho, e alem
destasoutras muitas fazendas por commodo
prego: na ra do Queimado n. 1 vindo da
ra do Crespo primeira loja.
tsr Suspensorios de burracha a 240, meias
paro senhora a 300 rs. o par ditas finas a
da com alguns pequeos furos a 400 o cova-
do, sarja pr^la e de cores para cohetes, brim
trangado branco a 520 a vara dito escuro a
400 rs. dito de linho puro e linissimo a l#
rs, a vara chitas a 160. 180 e 200 rs. o
covado, ditas finas a 2 0 e muito finas do
ultimo gosto a 280 rt 500 rs. o cavado, cor-
t-s de vestidos de chita a 5* 3200 e 3500
e superiores de lindos padr>s a 4 j o corte ,
e outras muitas fazendas baratas : na loja
da esquinado Livramento n. 1 Ja viuva do
Burgo Ponce de Leo.
tsr Por prego commodo obras de ouro r
diamantes e brilhantes sendo brincos ,
braceletes aderegos memorias de melhor
gosto por serem da ultima moda cujas
obras chegaro do Rio de Janeiro: na ra de
Apolo em casa de J. B. Moreira.
tsr 18 cadeiras 4 bancas urna mesa de
meio de sala tudo de Jacaranda e com
bem pouco uso e ISOcaixes com doce de
goiaba : na ra do Crespo loja n. 10 ou na
casa n. 8 terceiro andar.
tsr Urna escrava ptima para o servigo de
campo ou otaria e he boa quitandeira : no
pateo da ribeira n. 15.
tsr Quartos possantes : no pateo da pra-
cinha do Livramento.
tsr 5 vaccas paridas de pouco lempo, com
crias, e do bastante leite ; os pretendentes
compareci hoje as 11 horas do dia na
praga da Independencia.
tsr Um sobrado de um andar com com
modos para grande familia na ra das Trin-
cheras em chos proprios grande quintal
murado e cacimba oom boa agoa : na ra
da Cadeia do Recife n. 25.
UT Urna escrava de 22 annos de boni-
ta figura cozinha engomma e cose com
perfeigo nao tem vicio algum : na ra do
Collegio n. 16.
Mito boa farinha da Ierra a 5840 o
alqueire da medida velha e arroz branco e
vermelho : na ra estreita do Rozario nu-
mero 11.
tsr Luvas de pelica para meninos, meias
compridas pretas para padre : na ra do
Queimado loja n. 16.
tsr Superior vinho engarrafado de madei-
ra secco malvasia, e de Rucellas de 1836 :
na ra do Vigario n. 21.
tsr Urna porgio de garrafas vasias por
preeo commodo: na ra do Collegio nu-
mero 17.
tsr Um violo com muito boas vozes: na
ra estreita do Rozario n. 57.
tsr Antonio Vaz de Oliveira continua
a vender no seu estabelecimente na ra do
Amorim n. 36 bom caf moido sem mistu-
ra em grandes epequeuas porges, por pre-
go commodo, ou pelo mesmo prego que os
maisvendem e tambem cevada moida ; p
mesmo tem para vender um nioinho granJe
paramoercaf, e 5 grandes rodas de ferro
para valanco proprias para engenho, ou bom-
ba de cacimba.
tsr Urna negra de naco Angola de 20
apnos de bonita figura propria para todo
o servigo ou Iroca-se por um negro mogo
que seja gil para comprar e ganliar na ra :
na ra Nova n. 5,
tsr Vende-se ou Iroca-se o sitio denomi-
nado'Remedios com boa casa de vivenda ,
por propiedades ou Ierras em qualquer parte
de Portugal, ou por casas nesta cidade ; o si-
tio tem urna capella urna grande olaria de
pedra e cal bom barro de agoa doce com
um sobradinhojunto mesma senzala pa-
ra escravos um grande viveiro boa baixa
para capim urna porgo de coqueiros di
versos ps de larangeiras e outras arvores
de fructo : a tratar no mesmo sitio com o
seu proprielario.
tsr Urna porgo de barricas vasias que
foro de farinha de trigo pipas vasias para
obras de tanueiros e ancoretas e tinas : no
atterro da Boa vistan. 54 junto do segeiro
Emilio a fallar com Antonio Pereira Velozo.
t^ Urna casa terrea sita no lugar do Mon-
dego bem construida com bastantes com-
modos a saber : duas salas bastante gran-
des 4 quartos corredor lavado cozinha
fera com fogo inglez, murado cacimba
com excedente agoa de beber toda envidra-
cada feita a moderna : na praga da Boa
vista n. 20 ou na ra da Cruz no escripto-
rio de Manoel Joaquim Ramos e Silva.
tsr Superiores pentes de tartaruga para
marrafa a 1*300 o par : na ra do Queima-
do loja n. 3 confronte ao beco do Peixe < frito
Um casal de prctos proprios para 0
servigo de casa ou de campo : na ra N0Va
n. 2 e4.
tsr Urna porgo de batatas inglezas n0
vas a 800 a arrooa e a libra a 40 rs. um
porgo de eijo miilalinho da trra a Oj
alqueire : na ra Nova n. 6o ao p da ponte
ssr 12000 ps de taboado de pinlio ame-
ricano a 50 rs o p p>r se precisar do ar-
m.izem que o mesmu oceupa e peques
porgas a 55 e 30 a 40 duzias da su>ca a
6,) rs. a duzia pelo mesmo motivo um pre-
to padeiro saliendo bem fatrneaf e d-se pr
prego commodo por ser ja de 40 ann.is : pP
traz do tliuatro armazn da prte do mar.
3ST Visgo para apanhar passarinlios: na
ra do Collegio botica n. 10.
ESCRAVOS FGIDOS
tsr Fugionodia20 do correnle ppis 7
horas da noute do Caldereiro do sitio Es-
pinheiro urna escrava cabra escura d no
me Rita, de 18 a 20 annos estatura ordi-
naria bem parecida, cabello corlado de
pouco levou vestido de seda pivta sapa-
tos de marroqu m verdes e outros vestidos
de riscados finos um lengo de seda branoo
com listras encarnadas 5 quem a pegar leve
ao dito sitio a seu snr. Manoel Coelho Cintra
e nesta praga na ra de Agoas verdes a Ma-
noel Joaquim Pascoal Ramos que ser re-
compensado.
tsr No dia 22 de Agosto p. p. desapare-
ceo urna preta de nagao Benguela de nome
Mana de 25 annos, secca do corpo cara
comprida e abocetada tem as costas da
mo direita um carosso pequeo tem am-
bos os ps apalhetados, um delles tem um
dedo mais virado e sem unha ,saho com um
taboleiro novo a vender pao de l e podins
levou vestido camisa de algodozinho ja ve-
lha saia de chita roxa e panno da costa no-
vo edebruado as cabiceiras.com matames
brancos : quem a pegar leve a ra da Cadeia
velha n. 47 que ser recompensado 5 assim
como se protesta contra quem a tiver oculta
ou roubada. Joo Vaz de Oliveira.
tsr Fugio no dia 20 do correte, um par-
do de nome Manoel estatura regular de
17 annos falla muito, he alguma cousa cor-
cunda e tem urna malha branca no peito
levou camisa de algodo e caigas de brim
ordinario de cor chapeo de palha ; quem
o pegar leve a ra de Apolo n. 24 fabrica
deMesquitar Dulra que ser recompen-
sado.
tsr Joaquim Cavalcanti de Albuquerque ,
roga a todas as Authoridades Policiaes, e
pessoas particulares que virem um seu es-
cravo crelo de nome Fideles alto grosso
do corpo bem barbado cor bem retinta ,
o pegem e mandem entregar nesta prnga na
loja de Joaquim Joze de Mello rua da Ca-
deia do Recife ou.no seu engenho Paulis-
ta que alem de satisfazer todas as despezas
que se iuerem com a condugo do dito escra-
vo ficar sumamente agradecido ; este es-
cravo foi comprado a Luiz Amavel Dubourq,
e fugio no dia 13 do coi rente poucos dias
depoii d* dita compra.
tsr Rufina angioa, muito preta, com-du-
as marcas com pequea cicatriz sendo urna
no peito junto ao pescogo ea outra na p
esquerda levou vestido cor de rosa saia e
panno preto a mesma costuinava a vender
fazendas em Olinda ; quem a pegar leve a
Olinda nos 4 cantos loj 1 de fazenda* do D.
Anna X-vier Leal ou no Recife rua da Ca-
deia velha n. 53 casa de Joo Maria Se ve ,
que ser recompensado.
tsr Maria de nago Cagante de 25 an-
nos cor bem preta nariz chalo denles
alvos e largos estatura pouco menos que or-
dinaria e reforgada levou vestido desbo-
lado e panno da costa levou urna trouxa
com um vestiJo branco de cassa de quadros .
e outro de chita de cores e urna camisa de
madaplo fugio no dia 17 do r-orrente as 8
horas da noute ; quem a pegar | .y a rua da
Aurora casa de Joo Francisco Santos de Si-
queira.
tsr Fugio ou furtaro da rua da Cadeia
velha das 9 as 11 horas da noute do dia 20
docorrenteum preto de nome Miguel, de
nago Benguella estatura regular rosto
abocetado nariz comprido anda com o
p esquerdo um pouco do lado levou caigas
e camisa de estopa do Porto ou algodo da
Ierra he bastante serrado no fallar ; quem
o pegar leve a seu sur. Joze Goncalves Cas-
co na rua da Cadeia do Recife que ser
recompensado.
RECIFE NA TVP. DE M. F. DE F. =1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E1KUXAH42_Y4QBXV INGEST_TIME 2013-04-13T02:02:29Z PACKAGE AA00011611_04827
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES