Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04825


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Annode 1842. Segunda Feira 21
Tudo aora depende de nos mosmos ; da nossa prudencia moderaeilo e ener?ia : con-
tinuemos como principiamos e seremos apontados com admira-o entre as Nacoes mais
aullas, C Proclamado da AssemMa Geral do Brazil. )
PARTIDAS DOS C0RRE10S TERRESTRES.
Goianna, Parahiba e Rio jrandi- do Norte segunda e sextas feiras.
Bonito e Garanbuns a 40 e 24
Cabo Serinhaem, Rio Formoso Porto Calvo Mnceio e Alados no 4. 11 e 21
Boa-rista e llores a 28. Santo Anlo quintas feiras. Olinda todos os das.
DAS DA SEMANA.
51 - 2> Tere, s c>cili V M- ReL Aai do J ,le D. di 2. v.
23 Quari. Clemente P M. Aud. do J de D da 3. v.
?A Ouint Jo.'io da Crut C. Aud. do J. de D. da 2. t.
25 Se. CatharinsV. M. Re. Aud. do J. de D. da 4. t.
>fi Sab s. Pedro Alexandrino B. M. Re. Aud. do J. de D. da 3. T.
27 Dom. i- do advento, s. Margarida de Saboia Vio.
de Novembro; Anno XVIII. N. S5&
ni TT WU*.W^i-------------------
O Diario publica-se todos os di-.s que nOo tomn Salificados: o preco da, pillarano
detresmilrcisporquartel|)a,-o! adianlados. Os nuncios dos assignantes sao inseridos
gratis e os dos que o nao forem rarao de SO reis por linl... As reclama?oes deyem ser
dirigid!! a esta Typo?rafia, ra das Cruiei N 34, ou a praca da Independencia luja de hvros
?) Numero fl e 8. ________^^_____________
CAMBIOS no da 10 de outubro. compra venda.
OiRo-Moeda de 6,400 V. 14,600 15,SO
Cambio sobre Londres 2S Nomina'.'
(( Pa'is 330 res por franco
Lisboa 100 por 100 de premio
Moeda de cobre 2 por 100 de descont,
dem de letras de boas firmas I a 1 f.
N. 14.40J
de 4,000 &,' 00
P.TA-Patacoes 1 ,'0
Fezos Cnlumnares 4,700
ditos Mexicanos 1,700
miiida. 1.880
4 4,(00
8.200
1.720
4,72o
1,720
1,620
Preamar do din 21 re Nwmbro.
1. a 7 horas e 42 m. da manliaa.
2. a 8 horas e lini.il> larde.
PHASK.S DA LA NO MEZ DE NOVEMBRO.
I.u. Nova 2 1 hort e 4'J m. da lard.
Oiiarl. BtMC. 9 10 lioras e 57 m. -a lirf.
La cheia lS- 4 fcm e 40 m. dam.n..
Qu.rt. min. 25-a '"'ras e 42 m. da inanli.
lARlO DE
\AMBL
ERRATA.
Na correspon lencia 'Jo Snr. O C. S. a pri-
meira liaba da 3. columna da 2.a pagina he
a ultima da parte da nota, que est na 2.a
columna.
=PRTE OFFCIAL.
MINISTERIO DA JUSTIQA.
Illm.' e Exm. Sn.r Levei presenoa de
S. 1YI. o Imperador o olTicio que V. Ex me
dirigid *m data de 2j de agosto ultimo ; e
o mesmo augusto senhor ficou inleirado do
que V Ex. nelh refere sobre achar se dis-
solvidoo btndo sedicioso d> Ex que amea-
g*va a comarca do Grato ; r.?stituindo a per-
feta tranquilid^deo termo do Jardim ; e so-
bre a demissao da la ao tenente-coronel chefe
de legilQ de Flores o ao major da mesma le-
gio por conniventes corn os sediciosos.
D*os guarde a V.. Ex. palacio do Rio de Ja-
n !ro ero 20 de selembro de 1842. Paulino
Joze Soares de Souza.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 14 DO CRREME.
OTicio Ao commandante das armas, de-
terminando em cumprimento do aviso da se-
cretaria da guerra de 2o de outubro ultimo ,
e que por copia lhe envia que remeta ao
commandante geral do corpo de polica,
funde seralli julgado o desertor Caetano
Soares dos Santos que se acha com praga na
eompaiihia de artillces. Gommumcou-se ao
commandante geral do corpo de polica.
Dito A cmara municipal de Olinda ,
significando que devem por em administra-
ran na forma da le os contractos d'aferi-
(ao e do imposto sobro os mascasles ; visto
segundo participio em officio de 3 do corren -
te, nao haverem apparecido licitantes elles.
Dito ^o commandante das armas di-
zendo que nenhuma providencia pode dar
acerca da falta do auditor de guerra quando
sae para fra da cidade 5 por isso que elle na
qualidade de jui2 de direito do crime o-
brigado a percorrer a comarca; e por isso nao
pode estar eefectivamente na capital.
Dito Ao mesmo participando para
que expeca as precisas ordens que no dia
27 de outubro lindo o soldado da forga de li-
nha estacionada no termo de Flores, Mar-
colino Manoel do Carmo assassinou com
BIANCACAPELLO.
O claro das vellas comegava amortecer ;
a msica so tornava mais f.oxa a dansa
mais lnguida causada das luzes da bu-
lla, e das quadrilbas a multido se havia dis-
persa lo docemente e os pares mscarados pro-
curavo a sombra dos jardins para as mais
intimas conversas
Era a hora em que os ollios do pae e do
esposo amortecidos pela longa vigilia tor-
nao-se menos alientos ; o iristanle da sepa-
raco em que o amor falla mais alto as al-
mas perturbadas ; em que a mo aperla-
da por outra ah deixa um ramalhete faado
sobre o coragao ; em que os labios trmulos
deixo escoar urna onsso em um beijo lur
tiva.... hora encantadora em que Romeo se
esqueco junto Julieta sem ouvir o cochi-
chov, e sem ver chegarodi*.
O Sflnhor Juliani, em casa de quem so dava
urna fungao que bavia chegado a esto ponto
trez facadas seu camarada Manoel Moreira ;
e evadio-se apenas perpetrou o crime.
Dito Ao juiz de paz de Papacag de-
clarando em resposta ao seu officio de 23 do
mez prximo passado que ao juiz dos feitos
da fa/.enda compete conceder mandados eje-
cutivos contra os devedores do subsidio das
carnes verdes, por ser provincial este im-
posto.
Dito Ao commandante das armas de-
terminando que faga embarcar para a corte
bordo do vapor = S. Salvador = o solda-
do do deposito Policarpo Joze de Albuquer-
que ; e communicando-Ilie que ao Exm
Snr. ministro da guerra remelle o seu olli-
cio acompanhado da inspeegode san je do
dito soldado.Ao agente da companhia das
barcas de vapor determinou-se que man-
dasse dar passagem ecnnduzir ao lugar do
seu destino ao mencionado Policarpo.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nlia ordenando que mande entregar ao
engenheiro em chefe das obras publieas a pe-
dradecalgar, viada de Fernando borlo
do patacho = Pirapama =. Participou-se ao
engenheiro em chefe das obras publicas.
Dito Ao agente da companhia das bar-
cas de vapor aulorisando o a ordenar a sa -
hidada barca de vapor =S. Sebastio = ;
logo que na forma do costume tiver com-
pletado as 48 horas de sua estada neste
porto.
Dito Ao mesmo dizendo que em o
mencionado vapor = S. Sebastio = mande
dar passagem para o Cear ao major de pri-
meira linha Manoel Joaquim de Oliveira a
um criado e um soldado camarada do mes-
mo : e para a corte em o vapor = S. Salva-
dor = no caso de ainda all haverem luga-
res para passageiros do governo ao segn -
do lente da armada Gerardo Jnao Dama-
io de Souza Freir.Gommunicou-se ao
commandante das armas o conteudo na pri-
meira parte d'este officio.
Dito Ao mesmo dizendo que pode
deixar sabir o vapor =S. Salvador =, de-
pois de na forma do regulamento ter comple-
tado as 48 horas.
Dito Acamara municipal do Rio-formo-
so significando que em attengao ao que
lhe representou Pedro de Mello e Silva re-
tira a approvago que em 25 de agosto ha-
via dado ao contracto celebrado por aquel-
la municipalidade com Joze Gongalvos de Pa-
rte, para fazer de empreitada duas carreiras
de cazinhas de lijlo, e reedificar o caes con-
tiguo aos Irapiches da villa pelo uso-fructo,
por seis annos do terreno que esta entre
os ditos trapiches : e ordenan lo, que ponha
en. hasta publica a referida empreitada na
forma do artigo M do seu regiment para
que acceitem o lance mais vantajoso tanto
no prego, como em garantas e mais con-
dieges do mesmo contracto.
Dito Ao commandante geral do corpo de
polica, determinando que mande dar baixa
ao furriel do mesmo corpo Andr Avelino
de MenezesAmorim que partecipa haver-
seolTerecido para servir no exercito 5 e o re-
meta ao commandante das armas, im de
fdzer-se elT-ctivo o seu offerecunento.
Dito Ao ommandante das armas, orde-
nando em cumprimento do aviso da secreta-
ria da guerra de 10 de outubro ultimo que
mande dar baixa ao soldado dacompanUia de
artfices Francisco Borges Gavalcante.
Portara Ao director do arsenal de guer-
ra determinando que bordo do vapor=
S. Salvador =:mande entregar ao alferes Joa-
quim Ferreira de Souza Jacaranda lo bonets,
e outros tantos jaqus do fardamento requi
sitado pelo Exm. Presidente do Gear par o
batall.o provisorio d'aquella provincia ahm
de serem destribuidos pelas pragas que ora
remelle para a corte no mesmo vapor.
EXTERIOR.
tinha tamhem fgido da salla do baile e vie-
ra sentar-se no fundo de urna galera fraca
mente alumiada. Mas elle nao ero amo-
rosas distraeges que o fazio procurar o si-
lencio ea escurido; Juliani nunc tinha ama-
do-, ambicioso e duro sua vida se consu-
ma em intrigas. Nao conhecendo os homens
sen.lo por seus vicios odiava-os ; nunca a
compaixo havia tocado esse corago de bron-
ze ; sua mo, como a da estatua do commen-
Jador nao apertava senSo para matar ; sua
rnesma cquidade era a do machado : quando
se exprima feria ao mesmo tempo.
Membro do conselho dos Dez era a elle
que estava confiada a execugao dos medidas
implacaves e as misses sem perdo. O
sangue jorrava sobre esla mo de vidro sem
nodoa-la e os remorsos paravo ante esta
consciencia sem portas.
Acabava de sentar-se, quando um homem
mascarado entrou com precaugo. Juliani- re-
conheceu-lhe o passo.
Estamos sos, diz elle; podes aproximar-
te Martelli.
Este chegou-se mais e lirou a mascara.
- Osenbor Juliani me mandou chamar, diz
elle com profunda reverencia.
Temos prezente o Evening-Mail ( jor-
nal de Londres ) de 30 de setembro a 10 de
outubro, oqualadianta quinze das aos jor-
naes francezes de que publicamos a semana
passada alguns extractos. O que por agora
temosa acrescenlar as noticias ja publicadas,
o seguinte :
No dia 6 de outubro teve lugar na casa dos
lords urna sesso parlamentar, por ser aquel
le o dia em que lindava o prazo da prorofja-
gao do parlam'-nlo inglez o qual se reuni
proformd para ser de novo prorogado por
urna commisso composta do lord Chanciller,
dos condes de) Shaflesbury e de Aberdeen ,
que S. M. se dignou nomear e enviar sob o
rande sello para a ulterior prorogago do par-
amento que com effeito ficou adiado at 10
de novembro.
As folhas de Pariz alcangavo a 8 do pre-
dito mez e o nico tpico de que ellas se
oceupavo eraum conflicto sanguinario que
occorrera em Argel entre as tropas francezas
e as rabes a 25 de setembro. Ellas con-
tinho despachos dos generaes Bugeaud e
Ghangarnier a respeilo d'aquelle fado men-
Tu nao Jeixaste a fungo 5 o que ouvis-
te ? que viste ? .
Nada de importante.... algumas intrigas
femininas.
Levars amanh seus nomes ao conselho
dos Dez.
__Como perguntou o esbirro admirado ,
o nome das mulheres que. ..
Sim.... tendo-as sujeitas por seus segre-
dos poderemos tudo exigir d'ellas ; saber
o que penso seus maridos irmos aman-
tes ... A primeira trahigo !. o conselho
quer conhecer d'ora em diante seus negocios.
Ser urna contahilidade gigantesca ob-
servou seriamente Martelli todava obede-
Ctf'i
' E a filha do velho Capello ? lhe pergun-
tou Juliani ; ella estava aqu : nada notaste ?
O mesmo homem seguiosempre a senho
ra Blanca sob diversos disfarses.
O membro do conselho dos Dez levantou a
cabega.
E o que por toda parte segu assoas
pisadas depoisque voltou a Veneza ? diz elle.
__Elle mesmo Senhor
Nao algum dos nossos patricios ests
certo ?
Clonando terem tido 22 mortos entre os
quaes se conta o tenente Sebasliani sobri-
nho do marechal e conde Sebasliani e cerca
de lOOferidos.
O re dos B-lgas estava a chegar a Pariz
para o im de promover a concluso do trata-
do commercial entre a Franga e a Blgica ;
negocaco esta pouco agradavel para os in-
glezes
A misso de Mr. Henry Ellis ao Brazil Isa-
va excitado alguma attengao em Pariz. Os
jornaes da opposigo sustento que a prxima
expirago do tratado existente entre a Ingla-
terra e este imperio offerece ao governo fran-
cez opportun'tdade para effectuar urna allian-
ga com elle a qual necessariamenle produ-
ziria importantes vantagens para a Fra ga ,
e causara grave prejuizo Inglaterra. Se La
Presse, diz o jornal inglez est bem infor-
mada( como deve estar ) M. de Langsdorf ,
ministro francez na corte do Brazil foi es-
pecialmente mandado para all a im de im-
pedir a renovago do tratado commercial con-
cluido entre a Gran-Bretanha e aquello paiz
em 1827 e que deve de expirar a S do pr-
ximo novembro.
La Presse chama a attengao dos seus
leittires para os esforgos que ora faz o governo
ingle/, para concluir tratadoscommerciansc>m
a Austria e outros estado.. All-mes O Cour-
rier Frangais observa que o preparati-
vos q' se fazem actualmente para augmentar
a marinha Britannica, demando seria atten-
gao da p.irte do governo francez.
0 re dos francezes entrou em 70 annos de
idade a 6 de outubro. S M comegou a sua
carreira publica aos 17 e por conseguinte
tem empregado o3 annos em negocios poli-
ticos.
O tempo tinha-se posto bom mas ainda
razie fri em Franga. A vindima prosegua
favoravelmente. O Echo Tournaisien diz
que o fri havia sido to intenso no norte da
Franga nos ltimos dias que as andorinha
que nao tinho feito arribago cahio'mor-
tas em trra e ero apanliadas pelos campo-
nezes aos bandos de seis e sete.
As ultimas noticias recebidas de Madrid
chegavo ao t. de outubro inclusive. A Ga-
zeta publica o decreto do regente-, convocan-
do as cortes para o dia 1-4 de novembro. Sup-
punha-se que se abrira a sesso sem a falla
do regente a fim de evitar um debate sobre
ella. O ministerio chamara no principio
da sesso a attengao das cortes para o or-
gamento que estava quasi nrompto e po-
ria perante ellas urna porgo de projectos
Gertissimo.
Nenhum dos senhores estrangeiros quo
se acho em nossa cidade ?
Nenhum.
Juliani cabio em profunda meditagao.
Havia urna semana na verdade que to-
dos os espiOes de conselho dos Dez tinho s.-
do Iludidos por esse incgnito ; tudo quanto
d'elle sabio era que tinha chegado Ve-
neza no dia em que a joven Capello havia
voltado casa de seu pae depois de urna lon-
ga viagem na trra firme.
A especie de mysterio com que a. Repblica
cobria sempre sua vigilancia vedava todas as
pesquisas directas e abertas. Mateo ( era as-
sim que se disia chamar o estrangeiro ) nio
tinha pois sido submettido nenhum inter-
rogatorio ; o concelho dos Dex que quera
conhecer o projecto de todos aquelles que vi-
nho a Veneza nao se informava jamis os-
tensivamente ; o primeiro principio d'essa
auloridade era de tudo saber por artificio ,
ou sorpreza e sem nada perguntar.
As secretas relages estabelecidas entre Bl-
anca e Mateo havio sido logo descobertas ,
mas nada tinha poJido ainda fazer advinhar
quem era esse homem que se eucobria de-


2
preparados durante o ntervallo das sesses.
Cortina seria com toda a probibidade cleito
presidente da camaia dos representantes.
O projocto d'amnistia formado porZumala-
carregui ministro da Justina foi julgado
muito liberal pelos seus collegas ; conseguin-
temente ficou adiada a puhlir-agao d'aquelle
acto. Zumalacarregui propz a excluso de
2o pessoas smenle do beneficio d'aquelia me-
dida. As medidas financeiras occupavo a
attengSo do governo mais do que todos os 011-
tros objectos. O governo tencionava redUzir
a milicia povinciai a 25,000 homens.
As noticias de Lisboa recehidas cm Lon-
dres por expresso de Falmouth ; alcangavo
data de 3 d'olubro. Tinbo sido suspensas
as garantas no districto de Marvo em con-
sequencia d'ma sedigo militar, mas a tran-
quilliiUde publica eslava restabelecida e as
armas e petrechos dos 30 soldados revoltosos
tinbo sido entregues na fronleira pelas auto-
ridades Hespanholas.
Havia de proceder-se a varias eleices para
as corles no meiado de novembro e restava
pouca duvida de que fo*sem eleitos os trez
ministros novamente nomeados sendo todos
por urna notavel coincidencia rto parlamen-
tares. A lei que tinba passadoem ambas as
cmaras para a eflectiva imposiQo da dci-
ma eslava para ser posta em immediata exe-
cucSo.
Dominava em Portugal o assassinato, e di-
zia-se que a vida de Costa Cabral eslava amea-
gada. A administrago di Justina fazia-se to -
talmonte digna de despreso.
A crise financeira eslava quasi passada ;
no primeiro de oulubro tinr.a o bario de Fay-
al completado o pagamento de 102,500 li-
bras ao governo Inglez sendo 40,000 libras
pelas reclamagO.'s devidas at o primeiro de
setombro 50,000 libras vencidas no primei-
ro deoutubro e 12,500 libras por prestaco
das reclamacoes decididas pela commisso
mixta de Londres. Elle tinba igualmente
completado o pagamento do mez a todas as
classes activas. Alem do avanco do 300 con-
tos feila ao governo do Porto o banco de
Lisboa tinba adiantado mais 200 coritos ;
porcm o arranjo para o empresliiuo de 1,000
contos sobre a decima ainda nao estava con-
cluido.
O Evening Mail d a entender que bou-
ve mudanga d'alguns ministros no gabine-
te Portugus ; mas nao indica va precisa-
mente quaes os novos nomeados nem para
que pastas fallando apenas em Gomes de
Castro para os negocios estrangeiros : aguar-
damos por tanto folhas Portuguezas para dar-
mos aos riossos lei lores mais exacta informa-
go a tal respeito.
A gazeta de Berln publica os seguintes por-
menores do incendio que a pouco devaslou a-
quella cidade, datados de Cassan a 9 de
setembro.
Dous pequeos incendios que occor-
rero em fins de agosto foro apenas pre-
ludios da terrivel catastropho que sobre-veio
aquella cidaie a 5 de setembro.
As 10 horas da manha d'aquelle dia vio-
se primeiro o fugo sahir da casa da cmara
( Town-house ). Estando o vento rijo, as
charnmas espalbaro-se rpidamente pela ci-
dade. No decurso de 12 horas tinho sido
preza do fogo 1,309 casas 9 i^rejs e um
convento. Sendo de madeira as mesmas cal-
gadas das ras e incendiando-se tambero es-
tas tornou-se impraticavel todo o accesso.
sal varo quatro. Os esta beleci raen tos scien-
tificos soTrero consideravelmente. 0 ob-
servatorio nao mais do que um montao de
cinzas e foi com difficuldade que bs Instru-
mentos astronmicos for5o preservados. Na
mahh&a de 6 foi consumrnfda metade d'esta
lorecente cidade nem foi esta a conclusSo ,
porque na mesma tarde rompero as charn-
mas de novo. A 7 e 8 appareceo odtra ver
o fogoem certos bairros. Carece nao haver
duvida de que esta calamidade foi obra de
um incendiario. O prejuizo avaliaflo em
15,000,000 de rublos do banco, dos quaes
860,000 rublos de prata estavo seguros.
COMMUNiCADO.
dos vastos armazens de fazenda apenas se
baixo de vestuarios e nome to vulgares.
epois de longo silencio, Juliaani levan-
tou a cabega :
Viste suas fei$es ? perguntou elle ao
espido.
Isto me tem sido impossivdl ; s sae a
noite e as mais das vezes mascarado. Porem
esta noite espero ter melhores informales.
Como?... *
A ama da signora Bianca tem toda a con-
lianea de sua senhora : nao padece duvida
que deve conhecer esse Mateo.
E que mais ? .
Pensei que velba visto sua dade e fei-
aldade deveria acbar-se balda de xexisbeo ;
em consequencia, tornei-me perdidamente
amoroso della lia tres das
Depois? ..
lla-me de receber esta noite!
E tu esperas qu-* a fars dizer o que sabe!
Tenho loda raso de suppo-lo respon-
deo Martelli com certa fatuidad).
Ters duzenlos sequins se obtiveres
bom resultado
A ( de Christio nao muito por ex-
por-me ai* resmungou Martelli.
Principi? c jfctos.
Se he dado a um cidado nicamente ani-
mado pelo respeito da verdade rastejar a bri-
Ihanlo discussode principios politico-tdmi
nistrativos que toanciosamenle tem invo-
cado o contemporneo do Diario Novo se de-
pois de vinte annos d'um tirocinio sempre
desastroso e^ degradante ; se depois de vinte
annos densfrega por amor dos principios he
roister evocar os principios, despresando o com-
plexo dos factos que faz o verdadeiro cdigo
la seiencia poltica ; soja em tudo feita a ven
tade do contemporneo e nao se diga que
elle morreo sem este sacramento : nao se ihe
negu este material para elle elevar o seu edi-
ficio Esqueceremos todos os baldees que vo-
mita sobre o incgnito communicante do Di-
ario de Pemmbuco soffreremos resignado
sua m f quando presumindo que nos co-
nhece que nao teme nossas observages aos
seusescriptos confndenos na redaego d
Diario de Pernambuco ; e sem poder desen-
redarse da confrontago que izomos do ba-
rulho de seus mesmos artigos, vai pinoleando
com ar de escarneo sobre tudo desafiando o
mundo intero para a discusso de principios,
ligurando-se-Ihe que o prospecto dos factos
resultantes dos taes principios ser por forga
desairosa aos amigos do governo. Quem Ihe
pode infundir este prejuizo ? Sabe o Ilustre
escriptor, que o ser adherente do governo nao
significa mais que o respeito pelas institui-
gfies ; o respeito, por quanto ha convicgSu
aqu principiemos com os principios Sabe-
r dizer-nos o contemporneo, que ainda nada
nos disse a respeito de lega.'idade e constitui-
go que em si fosse um principio aceitavel e
luminoso de sua poltica propria saber di-
zer-nos at que ponto poderemos descansar
na efficiencia de nossas instituirles ? ? He es-
la seguramente urna questfio immensa e de
difficil resolugo ; porque nao consiste em
ideas nem combinages theoricas; he toda de
applieago pratica. Ha mu i tas verdades his- ,
toncas filhas da experiencia que podem I
conciderar-se como theoremas e que devem
guiar-nos no desenvolvimiento desta materia.
As cousas do Brazil vo mal, concisamente
fallan lo : a immoralidade cresce. o credilo
nacional definha a seguranga individual fa-
Ihamuitas vezes. O motivo deste transtorno
social attribue o contemporneo aos homens
e nao s cousas : nao ser um dolo se estiver
possuido de boa fe;... tambem nao deve
condemnar aquem como nos estiver persua-
dido que o mal procede do vicio arregado
as cousas : e quer seja urna quer seja otra
causa, no ponto em que nos achamos ser
mister aceitar um grande sacrificio mesmo
um passo perigoso para chegar ao estado de
reorganisago e de seguranga. 0 con tempo-
rneo e oulros de quom elle mesmo descon-
fia !! posta-Se de permeio armado da clava
de Hercules para defender a lgalidade a
constituigo ou antes, loda essa traquinada
da revolugo : s-m d lo por suspeito per-
mita que Ihe lembre que todos quantos tem
espesinhado o legalismo a constituigo se
tem servido dos mesmos argumentos, tem re-
corrido aos principios, negando aogOverno,
poique he governo lealdade e patriotismo ,
dando-o como elle o deo transformado em
communicado, como orgo da desmoralisago
publica Ser isto permitido dizer-s sem
profanar os principios ? Ser isto auxiliar a
ordem publica? Pode esta existir quando be.
permittido conciderar 6 governo prevarica-
dor nato ? ? Milito he preciso ainda debellar
de garantas subversivas pare conseguir a de-
cencia e a estabelidade !
Sabo bem o escriptor do D.-n. que nosSo
as formulas constilucionaes o primeiro ele-
mento social, mas si ni a felicidade que pa-
ra os individuos e pata a sociedade inteira
consta de tres principioij subsistencia, iris
iruccfto e segur anca. E como nao podem
existir sem ordem publica e sem liberdade,
he por isso que a verdadeira liberdade consis-
te na ordem : sem ordem publica jamis se
concebeo o exemplo de urna sociedade feliz ;
innmeras vezes porem se tem feito o sacrifi-
cio das formulas para conservar a ordem o
que prova, que em. certas e determinadas cir-
cunstancias se tem proposto a liberdade a ou-
tras fruigdes ; ordem publica jamis. 0
estado actual de nossos costumes de nossas
ideas, e de nossas dissenges intestinas, re-
clama que na composigo de um e outro ele-
mento deva prevalecer necessariamente a cau-
sa da ordem ; por quanto esta em nenhum
caso pode sacrificar-se sob pena de perecer
a sociedade.
Sendo isto assim he obvio, que nao po-
de resolver-se impvidamente a questo da
efllciencia de nossas instituiges em relagSo
aos nossos precedentes e actual civilisagao ,
pois nao podendo marcar-ie os contrapezos ,
que se Ihe ho de por dependem estes da
bem estupendo .' declara urna guerra abso-
luta aos homens da administragfto actual. Co_
lado Faz o que pode ; nao poda viver d'ou-
tra cousa : se flflo fizer de escada para oulros
subirem sempre ter fama de valenle !
Com quanto nos assevre qu* nao pt-rlt-nce
a antiga* opposigo se os seus meius nao va-
lem mais se feu lim nao he mais leal, se
lendem a sedica manobra de substituirles
podo crer que tudo quanto ha de dizer es-
t sabido e rubricado. Nao ser com isso que
a causa publica adiantar. Pensamos agora
e pensaremos qbando por aeraso se realisem
os desejos e predilegOes do D n. que os ho-
mens sobindo aos primeiros cargos do es la do
nlo mudo de essencia por esse frito nem
adquirem por tanto a perfectibilid-de que nao
tinbo e que impossivel he a homens ter; por
forga erros e defeitos apparecero a par de boas
medidas e profundas concepges : variem-se
ao infinito as pessoas o resultado ser sem-
pre o mesmo em maior ou menor proporgdo.
A salvago do Brazil nao depende disso ; seu
estado ser sempre precario, instavel e as-
sustador, em quanto seus legisladores nao as-
sentirem at que ponto poderemos con-
fiar na efficiencia de nossas instituicoes__
e abragarem as realidades que a experien-
cia ea historia tem apuntado.
Eis-aqui corno somos imparciaes, toleran-
tes e moderados. 0 que nao podemos crer
em nosSa intima conscrencia he na firmesa de
principies do D. n. O que elle attingia na
empresa ja o fizemos palenliar ; o que elle
quer em poltica breve ser sabido.
* *
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendmonto do da 19 de novb." 1:100*278
Julian levantou-se e Ihe acenou que se re-
tirasse.
No momento em que o espio sahia ; o con-
de Capello entrou na galera.
Era um velho corcovado pelas enfermida-
des mas cuja cabega havia conservado urna
especie de grandeza veneravel: nodemais era
de urna inlelligencia mediocre e de coragem
vulgar ; um d'esses homens que acceito a
tyrania estabelecida e as iniquidades communs
todos.
Tinha apercebido Julian e vinha despe-
dir-so : dirigio-lhe primeiro os seus compri-
mentos sobre o luso e bom goslo da fungfio.
Pensaes conde que a senhora Bian-
ca tenha n'ella tomado algurn prazer ? per-
guntou Julian.
Qual seria 'a rapariga que resistira ao
transporte d'esta msica e d'estas dansas ?
responden Capello.
Sei que a senhora est triste depois que
voltou dizomembro do conselho dos Dez.
Quem vo-lo-dice ? .. perguntou o velho
inquieto.
Julian surriu-se.
-A Republici vo tudo senhor conde ,
diz elle ; seus olhos como os de urna ,*nu-
situago social das concepges luzes, e
preconceitosdapocha; na vigilancia, patrio-
tismo e lealdade do governo. Estes princi-
pios nos parecem saos e eminentemente soci-
aes : sero embora vituperados pelo D. n. ,
porque segundo elles a dedugSo dos factos
melanclicos que assusto o Brazil nao podem
ser attribuidosa prnvocages immoraes do go-
verno : os assassinios os roubos a depre-
dago a intriga as faeges, a prostituigao,
a irreligiosidade a venalidade tudo ae ex-
plica com esta observago que ninguem dir
que nos nao cabe. O ciume da liberdade he
um prejuizo popular ? o amor da independen-
cia lorna-se um furor entre homens podero-
sos com especialidade n'um paiz assaz pouco
povoado : tudo sao paixes e paixes peri-
gosissimas: guardemo-nos de augmentar seus
meios de conlicto e reacgSo pela adopgo de
leia cuja complicago enorvern a acgo pre-
ventiva da aulhoridade. OpponhSo a isto as
Iheorias as ieclamaces os publicistas que
quizerem : depois de muilos sustos, de min-
ios crimes demuita degradago acharo a-
qui a solugo do problema da tranquilidade
publica. Dir-se- que isto ja est em parte
feito; mas ainda nao de boa mente aceito.
O contemporneo pela dedugo dos fados
criminosos s quer provar a imbecilidade ,
seno a connivencia do governo o que he
DESCARRF.GAf) HOJE 21 DE NOVEMBRO.
Barca Ingleza sa= Nigthingal = fazendas sa-
bio, ferragens queijos prezuu-
tos e batatas.
Brigue = Madonna = bacolho.
Barca Franceza = Anloinette =s vinho fa-
rinlia e miudezas.
Barca = Thetes = carvo.
Patacho Inglez = Penelope = carvSo.
Patacho sueco = Alert= taboado.
Exportocao para fori do imperio de 14 a
19 de novembro d? 1842.
Monte-vido = Brigue oriental Feliz Petrom
818 barricas com assucar 8 pipas
deagoa-ardente 1,427 1|2 atqueires
de farinha gneros miudos e gasto
247*682, valor Rs. 14:026*363.
Liverpool por Paraiba = Brigue Inglez Mi-
nerva 48 caixas e 224 barricas as-
sucar, gasto 7*500, valor 5:389*6i9
res.
Dito dito = Brigue Margarith Elizabeth 39
caixas e 58 barricas assucar 200
couros salgados gasto 9*600 va-
lonis 3:953*992.
Iher aporcebem o qu* poderia escapar ao
olhar menos escrutador de um pac...vos ten-
des apezar d'isto notado essa tristeza.
E' verdade diz Capello ; mas n'ella s vi
a languidez sem motivo que muitas vezes se
ampara das raparigas d'essa idade; bella, ri-
ca livre na expressSo de todos os seus de-
sajos que causa d'afllicgao poderia ter Bi-
anca?
- A maior de todas talvez.
- Vos a ronheceis ?
Juliani fez um signa! afllrmativo. O velho
pareceu atiento eadmirado.
- Tende a bondade de ouvir-me conde ;
dis o magistrado mostrando urna cadeira de
bracos Capello ; devo fallar- vos em nome
do conselho dos Dez.
O conde tornou-se plido ; mas inclinou-
se cem respeito e sentou-se ; Juliani ficou
em p.
- Vos o sabis conde Capello continuou
elle com tranquilidade Veneza nao defen-
de somente suas fronteiras contra o nimigo .
e suas leis contra a sedigo; os noraes Ilus-
tres tflo bem sao para ella urna propriedaJe
sagrada. Em nossa Repblica a honra da
nobreza suas aliangas sao negocios poli-
IMPORTAQA.
O patacho Sueco = Alert '= vindo de Go-
themburgo entrado no eorrenle mez con-
signado a Me. Calmont & C*
Manifestou oseguinte :
238 e meia duzias de tahuas depinho, 7
e meia ditas de dito 36 vergontas, 50 bar-
ticos o o conselho a him de ser o guar-
dio do poder nosso tutor. A' elle per-
tence decidir das unios que as grandes fami-
lias devem contractar entre-si no inleresse de
Veneza... E oque um rei em outra qtial-
quer parte, um patricio aqui o ; por quan-
to suas acgOes nao sao escollias mas nece-
sidades de Estado.
- Nao ignoro nenhuma d'essas les, res-
pondeu Capello e dei provas de que pstava
prompto a submetter-me ellas. O conse-
lho tem destinado a mo de Bianca Lorenzo
B rbarini e, postoque Lorenzo nao seja
conhecido nem de mim nem de minha li-
Iha consent sem hesitar.
- O conselho faz ju?tiga vossa submissSo,
conde ; mas sabis que importancia nos do-
vemos ligar esse casamento? A bravura.
de Barbarini tm feito d'elle um dos nossos
mais uteis defensores ; s elle promelte um
digno successor a nossos generaos j infeliz-
mente nao de Veneza Genova Ferrara ,
Mllfto tem j querido no-lo roubar e pode-
rio consegui-lo ae o nAo ligassemos
Bepnhlica por lagos ndisspluveis. E' preci-
so que urna unio gloriosa fuga d'elle em c-


'*"*""
s
ricas com alcatrao, 20 ditas com pixe 2o
prumosde chumbo 5 barricas com garrafas,
226 barriquinhas ccm batatas 3 pesss de
ferro para lastro : a Me. Calmonl & C.1
O brigue Inglez = Ariel =vindo de Terra-
Nova putraJo no crrente inez consigna-
do a Latham & Hibbert
Manifestou o seguinte :
176o barricas eom bacalho : a Latham
& Hibbert.
O brigue Inglez Richard = vindo de Li-
verpool entrado no correnle mez, consigna-
do a Russell M-llors & C.
Maniiestou o seguate :
280 tonelladas de carvo de pedra 104
barricas com serveja : a Russel Mellors & C.'
PBAfA DO RECIFE 19 DE NOVEMBR0 DE 1842.
Revista Mercantil.
Cambio Ha sachadores a 27 314 d. p. 1 ,
Sbo haver tomadores lendo-se
effectuado urna transaego com
letras do Rio de Janeiro a 28 d.
Assucar He procurado a 700 reis sobre o
ferro.
Algodo As entradas tem sido pequeas ,
e tem-se vendido de 5#200 a
5*300 p. @.
Couros VenderSo-se a 135 reis a libra.
Bacalhu Est-se retalhando a OjOO reis
a barrica, e um carregamento de
2500 barricas seguio para o Rio
de Janeiro ; o deposito de 3800
barricas e ha ruis extraego
Caff Tem-se vendido de 3<>000 a 3*200
reis a ().
Carne secca Nao houvero entradas o con-
sumo da prezenle semana foi pou-
co o drpsito a bordo das em-
barcages de 18000 < a maior
parte inferior, a regular tem-
se vendido a 2*720 a ( e nao
ha superior.
Garvo de pedra Chegro varias porgoes, e
tem-se vendido por 10*000 a to-
nellada.
Farinha de trigo-Entrarlo 300 barricas da
velha vinda de Liverpool por Ni-
ghlingale e vendro-se por
16*800 ; 200 barricas dos Esta-
dos-Unidos e 400 de VJarselha
inda nao forSo vendidas.
Dita de mandioca Vendeo se de2,000 a 2,560
a sacca.
Feijo-ldem de 3*000 a 5*000 a dita.
Tabaco maeppndi dem de 2*2t0 a 6*000
@-
\inho-Chegou um carregamento com 260
pipas e consta estar vendido igno-
rando'-se o prego.
Dr. Joze Archangelo Figueira de Mello e
Castro e um escravo, Brazileiros.
Parahiba ; lancha idem Pureza de Mara, cap
Joo Francisco de Lima, carga diversos
gneros : passageiros Joo de Souza Mal-
los Bernardo Antonio Ferreira Bra;.i-
leiros.
Goiana ; lancha nacional Conceigo do Pilar,
cap. Joo da Costa Falco.
NAVIOS ENTRADOS NO DA 19.
Marseille ; 47 das, barca Francesa An-
toinete de 233 ton cap. Le Crox ,
equip. 12, carga varios gneros : ordem:
passageiro Thumn Francez.
Baha ; 9 das, brigue de guerra brazleiro
Capibaribe commandante o 2. lente
Januario Chavier de Castro.
Aracaty ; 15 das sumaca brazileira Delmi-
ra de 74 ton., cap. Jos Joaquim Alves ,
equip. 13, carga sai e couros: aTozeChri-
sostomo Olveira ; passageiro Joo Thibur-
cio Pamplona esua familia Brazleiro.
Ass ; 13 das brigue brazleiro Feliz Des-
tino de 207 ton. cap. Manoel Pereira
dos Santos equip. 76 carga sal : a Pe-
dro Diasdos Santos; passageiro, Vicente
Ferreira de Brito, Francisco Jos Pereira
Brazileiros.
dito no da 20.
Aracaty; 14 das patacho brazileiro S. Jo-
ze Vencedor, de 90 ton. cap. Manoel Jo-
ze Ribeiro, equip. i I carga sal, couros,
e sola : a Manoel de Souza Couto ; passa-
geiros, Manoel Lucio da Silva Brazileiro,
Manoel Joze de S Araujo Francisco Ro-
drigues da Silva Portuguezes.
DECLARAQO.
O lllm. Snr. commandante das ar-
mas manda fazer constar que a ar'rema-
lago dos medicamentos precisos ao hospital
rgimen tal marcada para o dia 22 do cor-
rente ica transferida para o dia 28 deste
mez. Recife 19 de noyembro de 1842.
Francisco Camello Pessoa de Lacerda se-
cretario militar.
AVISOS MARTIMOS
MOVIMENTO DO PORTO.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 18.
Philadelpha ; 55 dias brigue Americano
Pandong de 175 ton cap. E. S. Pnck-
ncy equip. 8, carga farinha de trigo e
labiado : a Joze Ray. O deslino desta em-
barragoera para'Monte-vido arribou a
este porto em consecuencia de ter adoecido
O capitn.
SAHIDOS NO MESMO DIA.
-Maranho ; patacho nacional S. Joo, cap.
Fellrppe Rodrigues dos Santos carga va-
tos gneros : passageiros, clrigo Manoel
Mara Ferreira da Cunha Dr. Francisco
Alves Pon tes sua senhora e 5 escravos ,
dado de Veneza ; e vos s conde podis
'a-lo nos par vossa allianga.
-Todas estas razes j me foro dadBS e
ellas ced, "respondeu Capello ; o casamento
de Rarbarini e de minha filha deve ter lugar
d'aqui um auno ...
- D'aqui um auno ser mui tarde.
0 velho fez um movimenlo.
- Como asim ?
- Essa tristeza da senhora Bianca .... gno-
raes a causa ? .. Ella ama.
-Que dizeis ? exclamou Capello.
Nao vos apercebestes senhor conde que
depnis de sua volta ella foge tas funges? nao
tendesouvido durante anoitesob as varan-
das de vosso palacio o rumorla urna goudo-
la e de urna voz que canta ? Esta noite o a-
inante da senhora estava aqui. .. mostraro-
m'o....
- E' impossivel gritou o cont levantan-
do se.
-Olhae diz Juliani.
E, (orgando docemente Capello voltar-se-
llie moslrou na galena visinha dous mas-
caras que inclinados um para o outro con
versavao do vagar.
z= Para Genova segu vagem em poucos
dias por ter o seu carregamento completo o
patacho sardo Benedicta Maria ; quem n
mesmo quizer ir de pasSagem para o que
tem excellentes com modos; dirija-se aos
seus consignatarios Manoel Joaquim Ramo
k Silva ra da Cruz n. 33.
ssr Para Lisboa o brigue portuguez Joze-
-fina cpito Paulo Antonio da Rocha; preten
de sabir com milita brevfdade por ter a
maior parte de sua carga prt&fda: quem nel-
le quiser carregar bu Hir de pa'ssagem dir-
janse aos seus consignatarios Mendes & OHve-
ra oh ao referido capito.
er Para Liverpool o brigue inglez Ariel,
capitSd Fulten precita rnente de duzentas
saccas d'algodio, e deve sahir at sbado,
26 do crrente quem quizer carregar diri-
ja-se aos consignatario Lalham Hibert roa
doTrapixen. 32.
tsr Para o Cear sahe impretenvelmente no
dia 2 d". dezembro a sumaca Estrella do cabo,
anda recebe carga miuda e os pretndanles
dirijo-se a Manoel Joaquim Pedro da Costa.
tsr Para o Acaracu o Hiate Olinda tem o
cargamento prompto e recebe alguma carga
miuda, etrata-secom Manoel Joaquim Pedro
da Costa na ra da Cadeia n. 46.
L E I L 0 E S .
tsr Kalkmann & Rosenmund conlinuaro,
por intervengo do corrector Olveira o seu
leilo de mui rie.is fazcudas Francezas ,
da Sussa e Alemanha hoja 21 do cor-
rente s 10 horas da manh no sou arma-
zenj ra da Cruz.
car O corrector Olivara far leilo hoje
21 do corente as 4 horas da tarde de
urna serrara porttil de patente com todo
i) machinismo completo a qual he movida
por impulso do cavallos ora erecta e traba-
Ihando no lugar de tora de Portas passando o
arsenal de marinha eso vende por motivo de
desolver-se a sociedade enlre seus actuaes
proprielarios ; da casa, de madeira onde a
mesma existo com estribara adjunta adver-
te-se que dito mechanismo he mui propro
para movimemto Je qualqucr engenho por
va de vapor agoa ou de bestas o que
podeconseguir-se com diminua despeza.
Vv J. O. Elster far leilo por interven-
go do corredor Olveira dos mais lindos
chales de seda, queja mais foro importados
u'este mercado, e muita procurados por se-
ren da ultima moda assim como de finissi-
mos merinos, lengos de cassa ditos de seda
para homem chales de cambraa sedas de
varas qualidades, pannos leves do gosto mais
mederno para caigas e de muitas outras fa-
zendas muito procuradas chegadas recente-
mente do Havre pelo navio Hortense e s
agora despachadas,- terga feira 22 do corrente
s 10 horas da manila no seu armazem ra
do Vigario.
AVISOS DIVERSOS.
Bianca exclamou o velho reconhecen Jo o
vestuario de sua filha.
E este o que a segu por toda a parte.
O conde fez um movimento para se langar
elles mas Juliani reteve-o.
Nao fagaes escndalo, diz elle com tran-
quilidade; isto deshonrara vossa ilha sem...
naiia reparar.
E" ella mesma repitu Capello filando a
senhora mascarada que se encaminhava para
o seu Udo.
Podis vos certificar dice Julia ni.
E pegando na mo do conde forcou o
recuar para baixo da sombra das columnas.
Entretanto os dous amantes nicamente,
cecupados na conversago nada tinho vis-
to. Chegando ao mio da galera o caval-
leiro olhou em torno de si a parou.
Aqui estamos sos diz elle ; em nome
Aluga-seo sobrado de dous andares e
loja na ra da Praia e loja do sobrado
dos quatro cantos da Roa-vista e o segundo
andar do sobrado da ra do Amorim ; a
'fallar com Manoel CaetanoS. C. Monteiro.
tsr Aluga-se o segundo andar do sobrado
da ra' da Cruz n. 63 com commodos pa-
ra urna familia regular ; quem o pretender ,
dirija-so ao armazem do mesmo.
tsr Osenhor arrematante do disimo do
capim dO planta queira fazer o obzequio de
mandar o seu procurador a Olinda ra do Am-
paro segunda venda passando a botica afim
de con tractar.
ssr Alflga-se urna boa casa muderna si-
ta na trempe muito fresca do lado da som-
bra para grande familia e tambem urna boa
escrava sem vicio muito deligeute para qual-
que'r servigo com algumas habilidades na
ru'K6vA loja n. 67.
W Fur'laro de um sitio no Remedio um
ttao grande de derreter sera boca larga ,
fundo estrello com peso de duas arrobas
poucb mais ou menos roga-se a quem delle
souber o a quem for offerecido haja de o
aprehendan^ e annunciar. por esta folha ou
partecipar tabaixo assignalo que ser re-
compensado/ e se guardar segredo.
Jjfio Anastacio Camello Pessoa.
'te d 17 do corrente perdeo-se de
rio do eng#n.l;o=dous rmos.=
= Na
Api pucos
um alinete de peito de brilhantes leudo u-
ma pedra maior no meio e otras pequeas
em circulo com esmalte azul entre estas e
aquella quem o achar dirja-se ao lente
coronel Antonio Lins Caldas que gratificar
com generosidade. privine-sea qualquer pes-
soa a quem for ofierecido o dito alfiuete que
o nao comprem.
tsr Roga-se ao snr que mandou por um
do ceo escutae-me
Bianca !
respondeu a rapariga
Pode vir genle ,
amedrontada.
__E nunra vos podere fallar sem cons-
Irangmento dizer-vos quanto vos amo ? O
que sao estas confissoes furtivas pronuncia-
das em yoz baixa e sob es ollios de todos ?...
Bianca! nao sabis quanta desesperago ralla
a minha alma quando vos nao vejo !
Cada vez que vos deixo parece me que
para sem pro ; nao posso mais viver por mui-
to tempo assim despido de toda a esperanga.
Mas o que queris meu Dos ?
Ter somentd a esperanga de ver-vos al-
gumas vezes ; designae-me um lugar e hora
de intrevista em que vos filie sem testemu-
nhas.
-Posso eu ?...
Bem! permelti-me procuraros meios ..
promeltei-me que me reeebereis se poder che-
gar al vos .
-E' impossivel Mateo exclamou a ra-
pariga ; nao quero. .. Em homo do ceo, nao
me fagaes scmelhantes pedidos ; a mais leve
imprudencia poderia perder-nos.... Quem
sbese j nao estamos trahidos.... se nao nos
tem observado aqui ? ..Deixae-me no baile...
tenho medo !...
E fallando assim Bianca tmha se appro-
ximado da segunda galera. Maleo seguio-a,
ambos desapparecero.
F.m quanto se havio conservado ah Ju-
liani nao linia deixado a mo de Capello e
moleque na ra Nova n. 21 buscar um par d
borzeguins gaspiados de n. 42 com pinhor
de um anel de ouro com diamante haja de
mandar tirar no praso da 8 dias da data deste
com pena de ser vendido para pagamento
dos mesmos berzeguins e para evitar fucturoa
jSe faz o presente aununcio.
= Tendo oabaixo assignado concluido a-
migavelmente o pleito judiciario que traza
com o Sr. Joo d'Alemo Sesueiro sobre o si-
tio do Mondego beranga de sua mulher filha
e herJeira do finado padre Manoel Alves da
Aguiar e desejando pagar aos credores do
mesmo finado pai de sua mulher anauncia a
venda do mesmo sitio o qual tem exellen-
tes arvores de fruto ; duas propriedades u-
ma de sobrado no tundo e outra terrea na
frente casas para escravos estribara para
cavallos e porto de embarque : os snrs. pre-
lendentes podem dirigir-se a casa do annun-
cante as 5 Pontas na do Pexoto n. 120.
/ fo-;o!do Cato de Mello o Guararemn-
tsr Vai praga do juizo dos nrphos no lu-
gar e horas do costume no dia 21 do corrento
um moleque de nom Agostiuho pertencfen-
te aos bens inventariados do fallecido vigario
Sebastio Joze Peixoto dos Guimaraes para
pagamento dos credores.
tsr Quem tiver para alugar duas canOas
d> conduzir agua dirija-se s o pontas n.
26 que se paga bem pago e se prometi
bom tralamento ou annunce. para ser pro-
curado.
*sr Offerece-se um hbil official de phar-
maca para esta cidade quem o pretender,
dirja-sedentro do Recife sobrado do sr. Jos
Antonio Falco.
Rio Grande do Norte 10 de novembro
de 1842.
Tendo-se perdido no dia 8 do corrente na
sabida da barra deste porto o patacho brasi-
lero Edinna Restaurada que aqui tinha en-
trado arribado vindo da Baha com destino pa-
ra Pernambuco : o abaixo assignado estabel-
lecido com casa de negocio na ra da Alfan-
dega desta cidade offerecc seu prestimo aos
srs. carregadores e consignatarios das merca-
dorias que conduzia aquello patacho para cum-
prir suas ordens nesta provincia e declara,
que j fico descarregadas algumas fazendas e
gneros tendo aquellas urna porgo integra-
mente molhadas : para dar informago do
abaixo assignado podem fallar com Antonio
Rodrigues da Cruz com loje na ra do Ca-
bug.
Domingos Henrique de Olveira.
tar Manoel Justino de Araujo de hoje
em dianle assigna-se por Manoel Justino Flo-
riano Mendes de Araujo; por haver outra pes-
soa de nome igual e lhe ter tirado cartas
do correio e juntamente roga ao mesmo se-
nhor a bondade de Ihas mandar na roa Di-
reta numero 69.
tsr Offerece-se para administrarqualquer
fazenda um homem que tem bastante prati-
ca,, e dar fiador a sua conducta na ra da
ordam o.' de S. Francisco n. 20.
tsr Francisco Joaquim Maraes, retira-se
para fora do imperio.
tsr Tendo-se annunciado em um dos Dia-
rios da semana prxima passada a venda de
urna esnrava parda por preciso e nao se
tendo etteituado dita venda por o dono se nao
achar proslito ; de novo se aniiuncia a quem
pretender dirija-se a ra Direita casa n. 86,
pois se acha presente o dono.
tsr Da-se dinheiro a premeio sobre pinho-
res de ouro, mesmo em pequeas porgoes na
ra Nova n. 55.
relinha-o com o gesto e olhar : logo que
partira ountentou-se de dizer framente ao
velho :
- Agora conde nao duvidaes mais.
Capello nao respondeu consa alguma, e co-
cobrio os olhos.
- E quem esse Mateo ? pergunlou elle
depois de um silencio bastante longo.
- Ainda o ignoramos respondeu Jn'liani ;
mas quem quer.que seja preciso que d'el-
le salvis vossa filha.
O conselho tudo tem previsto. D'aqui
tredias Loreu/.o Barberini chegar a Vene-
za para esposara ignora Bianca; tornar
partir logo com ella, e ento conde, sua honra
estar sob a salva-guarda de un esposo co-
ja vista mais robuaia ser mais vigilante. At
entao nem urna palavra nein um gesto que
po-sa fazer-lhe advinhar que conlieceis seu ae-
;, do. fieprenhencoes serio perigosas e
oderio impelli-la qualquer resol uco ex-
lema: tal alem d'istoo desejo do conselho....
- Obedecerci respoudeu Capello anniqui*
Udo.
( Conlinuar-e-ha.)


A

Theodore Mathieu crurg5o'(lualidades maSae? /eccas, mostarda fran-
Identistada real cmara de S.
[.M. D. Mara Segundo Raiqha
de Portugal; parlecipa ao res-
'pcitavel publico que nao se
jretirou como ti riba promelti-
do em iins de selembro mas sira verificar
de 15 de dezembroem diante, eleva em sua
companhia sua esposa, e 15 escravos; as pes-
soasque se quiserem utilisar de seu presu-
mo podem dirigir-se a ra Nova n. 14 pri-
ineiro andar.
9-ItAFAEL Luec par-
ticipa aos Srs. assignantes
das Func^oes Lyricas na
JNatalcnse que a segunda
ter lugar hoje 21 do
corrate, e para agradar
mais aos Srs. assgaantes,
pea primeira vez M."c Ma-
nuela Cactaoa Lucci can-
tar huma cavatina.
Eslabececeu-se na ra do Cotovello n.
35 urna frabrica de estatuas de gesso de
todo os tamaitos proprias tanto para aulas
de desenho como para jardins ou outro qual-
quer lugar esposto ao tempo, por serem pre-
paradas com urna composigo de nova inven-
ido; e vende-se gesso em p e em pedra.
PILULAS VEGETAES, E UNIVERSAES AMERICANAS.
O nico deposito dellas he em casa do agen-
te D. Knoth ; na ra de Apollo n. 27.
tsr Qjem achou urn botode ouro lavra-
do, e urna bengala querendo restituir se
dar la rs. de gratificado na ra de S.
Rita Nova n. 54.
tsr Um rapaz portuguez de 1-4 a 16 an-
nos, para caixeiro de loja de fazenda ou
outra qualquer arrumago, exceptuando ven-
da sabe 1er e escrever ; quem precisar an-
nuncie.
tsr Quem annunciou no Diario n. 249
querer comprar urna venda com poucos fun-
dos e que lenha commodos para familia,
dirija-se ao atterro dos aflogados defronte do
vivetro do Muniz n. 8o.
Ksr Existem anda para alugar duas mo-
radas de casas na Capunga amargem do rio
Capibaribe os pretendentes dinjo-se a
pracinba doLivramenton. ol-
or" A pessoa a quera for offerecido uns
oculos de armago branca com caixa encar-
nada que foro furtados por urn preto ga-
nJiador queira fazer o favor de os lomar e
levar a raa de s. Rita Nova n. 54.
vr A pessoa que quiser fornecer a agoa
para o forte do Ruraco compareca no mes-
mo para tratar do ajuste.
OT* Fugio no dia 15 do corrente urna sabia
di motta muito manca por estar hamaisdei2
annos em gaiola : e muito boa cantadeira se
alguem a tiver apanbado e quiser restituir
na ra das Cruzes n 20 ser gratificado com
generosidad virificando-se ser a mesma o
que i fcil pelo cante que comparado e como
soando notas de msica.
Precisa-se de pretos para serventes de
pedreiro quem os tiver dirija-se ra da
Senzala velha numero 88 ou na Senzala
nova na obra que se est fazendo que l
acharo com quem tratar.
- Deseja-se permutar um bom sobrado
novo de dous andares com excellente vista
para o mar na ra da l'raia por outro, tam-
bem de dous andares porem que seja era al-
guma das principaes ras dos trez bairros ,
voltando-se aquillo que for de razo ; quem
este negocio quizer entenda-se com Manoel
Caetano Soares C. Monteiro.
sr* Odono do botequim unio junto aos
quarteis declara que o annuncio enserido no
Diario n. 247 de lo do corrente em que falla
de um cozinheiro por alcunho Joo dos bons
petiscos nao se entende com o snr. Joo
ElizarJo Cordeiro Lisboa que em outro
tempo leve casa de oasto na ra da Floren-
tina.
tsr Fernando f,uca inudou a sua morada
para a ra da Cadeia velha n. 16 e continua
a vender o sjguintt?: vinhos chateau la fitte
a Hh a duzia margeaux moliscot e chateau
lasse a 13* a duzia st julien a 12j( e8 ,
a d*zia slest;phea 124 a duzia, langlade
a jMa'dtnia, muscatel 7j sauterne bran
co pW'fiinho de bordeaux engarrafado de
24ftui 4QiO^|fo: serveja branca em barricas
de- 4 -*rtl9* 4!400 rueyo de groyere e de
nefqJirt*,ip,Si>tfe cervelat conservados em
manteiga de porco conservas do differentes
{ ti ti if"""^*1 )
ceza agoa mineral de seltz e azeite doce
fino.
No dia 17 do corrente apareceo urna
negrinha que diz ser forra', de nome Maria ,
na ra por traz do Rozario da Roa vista casa
junto ao nicho ; quem for seu dono ou pessoa
que lhe pertencer dirija-se a mesma casa ,
que dando os signaes lhe ser entregue.
o Na ra larga do Rozario botequim
n. 27 precisa-se de nm caixeiro portuguez
de 12 a 14 annos : a tratar no mesmo.
OT" Quem precizar de doce para embar-
que de todas as qualidades ; dirija-se aloja
dosenhor Antonio Gomes Pessoa na ra da
Cada que lhe diro quem o faz.
tsr Joze Gongalves Ferreira Costa conti-
tinna a mandar fazer atierros tanto grandes
como pequeos por commodo prego com
mais ou menos demora conforme os donos
quizerem ; ajusta por mpreitada um tanto
por braga conforme o fundo ou ajusta tam-
bem por canoas, bota canoas deareia em obras
de casa e euclie caixcs de casas por canoas
ou impreitada e s recebe o dinheiro no
lim de qualquer atterro quando der por
prompto para ser medido: elle foi quem man-
dou fazer no Hospicio aquella grande atierro
do Exm. Sr. Joze Carlos Marinck da Silva
Ferro eoutros muitos em a ra d'Aurora
e s deixa de tomar qualquer atterro ou im-
preitada quando de todo em todo lhe pode
dar prejuizo ou nao tire resultado por pe-
queo que seja : os pretendentes dirijo-se
a ra d'Aurora em casa do snr. Joze Jacinto
Silveira D 9, na praga da Independencia
loja do Sr. Oliveira n. 28 na ra da Cadeia
luja do snr. Joaquim Gongalves Cascfio n. 45,
on je elle vai todos os das em ditas casas.
tsr Thom Francisco Costa alfa i a te na
ra do Queimado n. 2 precisa de ofliciaes
do mesmo officio que sejo bons que se
pagar mais do que n'outra parte.
tsr Precisa-se de um moleque ou preto
para andar com um liandres de fazenda i-
candoem casa dia e noute sustentando-se ,
e mensalmente pagando-se o que se ajustar :
na ra de Agoas verdes sobrado n. 66.
tsr Na ra do Vigario casa n. 5, em mo
de Francisco Joo de Rarros existo urna
carta para o snr. Joze Joo de Rarros que
se servir mandar recebe-la ou tambera a
pessoa que lha dirige visto que por engao
amandou entregar na referida casa.
tsr G. W T. Kohlraeyer retim-se para
fora do Imperio.
COMPRAS.
sy Um Diccionario portuguez por Cons-
tancio as Fbulas de La Fontaine em fran-
cez tudo em bom uzo e por prego mdico;
quem tiver annuncie.
tsr Urna corrente ou transelim de bom
ouro sem feitio : na ra das Trincheiras so-
brado n. 42.
tsr Um preto ou moleque sem vicio: na
ra do Caldereiro sobrado de um andar nu-
mero 2.
tsr Qualquer porco de ananaz s at trez
mil verdes sendo proprios para doce, igual-
mente caj e outras fructas para o mesmo
effeito em grandes ou pequeas porches ;
na ra da Madre de Dos loja de fazendas
n 21.
** asir. Urna obra de theologia moral es-
cripta pelo bispo Monte na ra Nova nu-
mero 67.
VENDAS.
na ra do Rozario
Folhinhas de porta algibeira e Pa-
dre : na praca da Independencia loja de li-
vros n. 37 e 38, ou 6 e 8; na ra do Cabu-
g loja do snr. Randeira ; na ra da Cada
do Recife loja de ferragens n. 4l; na ra da
Madre de Dos vendada esquina defronte
da Igreja ; na Roa-Vista defronte da Matriz ,
botica do snr. Moreira ; e em Olinda boti-
ca da ra do Amparo.
. tsr Um sortimento de relogios patente ho
risontal, ditos de parede com despertador .
por prego commodo ; na ra das Cruzes casa
de relojoeiro francez.
vor A obra intitulada a metafizica da con-
tabilidade commercial e um terno de medi-
das de llandres que serve para vender azei-
te por preco commodo; na ra Direita nume-
ro 84.
tar Vende-se ou troca-se por canoas de
agoa um preto da Costa bom canoeiro tra-
balha bera de enchada e fouce enlende de
orlas e plantago de capim e he ganhador
de ra ; a tratar com Manoel Antonio da Sil-
va Motta na ra da Cadeia do Recife nu-
mero 13.
Um carrinho de mo em meio uso ,
e por prego commodo
n. 25.
tsr Urna porcau de resinado angico mui-
to nova, e limpa a qual pelo bom arranjo
em que se acha em dous saceos de couros ,
pesando cada um duas arrobase 271b. livres
da tara, esto com suficiencia para serem ex-
portados : no porto das canoas no segundo
andar do sobrado da esquina de Manoel An-
tonio de Souza Reis, das 6 as 8 horas da ma-
nila e das o es 6 da tarde.
tsr Urna cscrava crela moga de bonita
figura engomraa cozinha e cose : na ra
de llortas n. 70.
tsr Duas escravas urna de 16 annos opti
ma para mumbanda cose bera e cozinha ,
e a outra quitandeira lava bem de varrella
esabo ; um moleque crelo de 12 annos ,
ptimo para qualquer officio ,'da-se a conten-
to para se ver as habilidades : na ra Direi-
ta n. 43.
Vy Um relogio sabonete pequeo hori-
sonial caixa de ouro lavrada um dito sa-
bonete inglez caixa de prata uns corazes
azus encasloados psra brago de senhora ,
urna cruz e urna redoma para arrelique pa-
res de botes de punho de diversos tamaitos
e modelos 3 voltas de corda e colar urna
bride 6 colheres, urna salva e resplandores
para rmagens do sr. crucificado de boa pra
ta ; urna escrava que cozinha o ordinario e
engomma com asseio : as 5 ponas n. 45
onde tem lampio.
v tsr Lengos a chineza ditos de Dalia ,
cortes de cambraia de muilo bom gosto, de
cores e brancas chales e lengos de seda pa-
ra senhora sarjas bordadas para cohetes
veludos de bons padres para cohetes cha-
peos castores pretos e brancos e mais fa-
zendas de gosto moderno na ra do Quei
mado loja de Joo Rolelho Nelto n. 16.
tsr Meia duzia de cadeiras de condur
novas : na ra do Rangel loja de sera nu-
mero 3.
ssy Urna canoa de amarelo bem construi-
da, feila agora e sera uso algum que pe-
ga mil tijolos de alvenaria : no sitio que fica
por traz do sobrado do finado Monteiro; no
mesmo se aluga urna canoa decarregar agoa ,
que nao seja muito pequea.
tsr A bordo do Rergantim Jpiter fun-
diado junto as eseadinhas da Alfandega, cou-
ros seceos, ch i frese muito boa carne.
tsr Dichas muito boas, a 240 : na ra
da Guia venda n. 7.
tsr Saccas com farinha da trra a 3#200 :
no pateo do Carino esquina da ra de Hortas
lado direilo n. 2.
>er* Obras completas de M. T. Cicero em
50 volums em oilavo, traduces dos melho-
res clascicos francezes com o texto era fren-
te e o retrato de Cicero no primeiro volume.
Esta ptima edic,o foi publicada por Mr. Jos
Vict. Le Cler aatigo professor de Rheto-
rica no Collegio real de Charlemague pro-
fessor d'Eloquencia latina na faculdade de le-
tras. Esle eximio professor, traductor elle
mesmo de alguns dos escritos do insigne ora-
dor Romano fez discreta escolha entre os
de mais acreditados tradulores de Cicero para
inriquicer esta soberba edigo no numero
dos quaes aparecem os Ilustres Auger Ru-
nouf.fiinet, Prevost. d'Olivet Villema-
in, e outros cujas versoes foro revistas, e
aperfeigoadas pelo infatigavel editor philologo:
em Olinda ra da Misericordia n. 7.
^tar* Suspensorios pequeos para n'.eninos ,
peines de tartaruga para desembaragar cabel-
lo e para marrafa, bico's finos e fitas de
setim linhas finas de marcar, agoa de colo-
nia essencia de roza peonas de asso mui-
to finas tezouras para costura linissimag, ca-
ivetes para pennas carteiras proprias para
viagem castigaes de casquinha fina caixas
de balea de massa e de tartaruga cartas
francezas fsforos infaliveis e outras mui-
tas iniudezas por pregos muito baratos : na
ra dos Quaiteisloja defronte do beco da Po-
le n. 20.
W Acha-se em Porto de Galinhas
um sitio com 132 ps de coqueiros com
4 a 5 annos de plantados urna casa de taipa
cubera de le has com bom commodo e boa
reparligo tem urna armagode venda de
molhados e fazendas e outra casa pegada
boa para padaria ou distilago boa cacim-
ba de pedra e cal coberta de telha ; a qupm
cbnvier comprar dirija-se a ra de Santa Rita
nova casa n. 84.
"*-*" Na pracinha do Livramenlo loja n. 51,
tem para vender alem de um complet srt-
mento de fazendas inglezas as seguinles
francezas que se vendem por haixu pngo a
vista de suas qualidades e gostos : cassas
chita, luvasdeseda bordadas para senhora,
filas largas de seda chamalote, e assitinadas
com quatro dedos de largura a 160 a vara ,
caixos de flores do ultimo gosto para guarn-
gao de cabello para senhora lengos de mos
muito ricos chales de cambraia bordados
cora franja de linha setins lavrad'os de bo-
nitos gostos sarjas pretas e brancas e do
cores, lizas ede cordo cambraias ada-
mascadas, brancas e de cores ditas pinta-
das de lindos padres bicos largos e eslrei-
tos rendas de linho finas gros de naples
de bonitos padres e cores toalhas de \[l
ntio pardo adamascadas para meza atoalha-
do adamascado de muito bom gosto para se
venders varas tanto pira toalhas como pa-
ra guardanapos cortes de cohetes de sarja
veludos e sedas de seda e l e de seda
e algodo tudo da ultim-i moda chales e
lengos de seda com franjas e sem ellas, len-
gos de lanzinha com bonitas barras franjas
6e. e outros muitos objectos que sero apo-
sentados as pessoas de reconhecido bom gosto.
tsr Acha-se a yenda na loja do bom bara-
teiro de Guerra e Silva & Companhia na
ra Nova n. 11 : ricos cortes de cassas pinta-
das finas cores fixas do ultimo gosto lin-
dos chales de seda ricas sedas para vesti-
dos espingardas finas pira caga com todos
os seus aparelhos ; saceos de rede polvari-
nhos e chumbeiras chapeos de lustro para
pagem e os verdadeiros purgantes e vomi-
torios de Le Roy; eoutros muitos objectos
de gosto enejados ltimamente de Franca na
H i rea Hortensd.
>, tsr Setins decores para colletes que sem
exagerago sao os do melhor gosto que ha
presen temen le lengos de setim decores pa-
ra grvalas luvas pretas e de oores sirn
1 'dos para senhora e menina a 320 rs. cor-
tas de l para vestidos de senhora, brim trn-
Qado de linho de listras brancas e de cores,
lindos padres dito escuro de lisrras lodo
linho a 720 reis a vara, dito trangado branco
lino a 1120 ea 800 rs. dito alizo escuro
muito fino a 480 merino prelo azul e verde
al,), lengos de selira pa^a snra. a 2,)i200 e
3 ditos de seda a 1440 e a 1200 tafet
roxo e de furta cor a 560 o covado meias. fi-
nas para senhora e para homem chitas fi-
nas, e de bom gosto decores escuras, tudo
por prego muito commodo : na loja da ra
do Queimado esquinado beco do peixe frito
numero 1.
t3rUma negra de bonita figura, sem acha-
ques e com algumas habilidades, a vista do
comprador se dir o motivo: na ra Nova nu-
mero 67.
tsr Na ra Nova loja do seleiro de Joze
Ramos da Cruz & Companhia que foi do
Labulier, vendem-se bandas ricas com baca-
Ihos de ouro a 30/ rs, e do novo padro
a 56* vindas agorado Rio de Janeiro.
tsr Um bom sobrado de 2 andares e so-
to, com armazem cito na ra Nova n. 37
o qual se vende por preciso afim de se pa-
gar um debito que a mesma casa est obri-
gada: na ra do Livramento armazem n. 20.
tsr Urna flaula de bano muito rica e boa
com 8 chaves de prata ; e um carneiro em
grao muito mango proprio para menino
montar ou mesmo para carroga : na ra da
Roda n. 27.
UT" Um preto mogambique de bonita fi-
gura, ganhador de ra e cozinha o ordina-
rio, e he bom refinador de assucar : na ra
das Flores n. 6.
ss^ O Rrigue Escuna Americano Jones ,
f.rrado e encavilhado de cobre e prompto
em tudo a seguir viagem e um terreno em
fora de portas; dirija-se a Diogo Crabtree & C.
na ra da Cruz n. 43 ou A. S. Corbett &
Compnhia ra da Cadeia n. 42.
tsr Una casa em Olinda com commo-
dos suficientes para pouca familia por pre-
go com modo: ne ra Augusta venda n. 58.
ssy Urna venda na ra de Fora de Portas
o p do beco Largo n. 90, bem afreguezada ,
e em bom lugar com bom sortimento pro-
prio para o lugar, e vende-se a praso por o
abaixo assignado estar a sabir para fora da
provincia: Ira lar na mesma.
Jos de L. Soares.
ESCRAVOS FGIDOS.
tar Indo no dia 15 do corrente as maltas
de Reberibe ou Monteiro um escravo pardo
corlar algumas varas de cerca atlie o presen-
te nao voltou ; e supon Jo-st ter fgido reco-
menda-se a sua captura qualquer authori-
daJe policial ou capies e malto ueven-
do ser entregue no sitio da Capunga do Rr-
Pereira que p rom elle gratificar. O escravo
foi montado em um cavallo russo pedrez elle
tem em cada urna das pernas una ferida anti-
ga tem o cabello corrido e levou camisa #
dealgodozinho e caiga de brim branco
RECIFE NATYi'. DEM. F. DE F. =1842.
i,


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EWK2FKLQL_RFTWF4 INGEST_TIME 2013-04-13T02:48:48Z PACKAGE AA00011611_04825
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES