Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04822


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Quinta Feira 17
Todo S<>r
linutmos como
i-lillas.
depende de no* niesma*; da nosaa prudencia moderacao e energa : con-
> principiamos e serum.i* apontados com admira .iu enlre as Naces m>il
( Proclamac.io da Aaseinblt-a Geral do Bbaiil. )
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Coinnna, Parahiba e Rio grande do Norte segunda e sextas feiraa.
Bonito e Garanhuns a 10 e 24
Cali Serinh.iem, Rio Forinoso Porto Calvo Maceio e Alagoa no i. \i r 21.
Boa-visln e Flores a 28. Santo Antio quintas feiras. Olinda todos os dia.
J9 Novembro. Auno XYIII. N. M.
O Diario pablio* todos o dias que na., forem Santificado,: o preco da, aMignalura hn
de tres mil res por quartel pasos adi.miados. Os annuncios dos asignante, a 10 inserido
rralil e os d,. que o nao forem raio de SO res por linha. As reclamacoes dovero ser
dirigidas a esta Typografia, ra das Cruzes N. 34, ou a praca da Independencia loja de litro.
Numero 6 e 8.
CAMBIOS no da 1G de outubro. compra venda.
Cambio sobre Londres 28 Nominal-
Paris 330 res por franco .
r Lisboa 100 por 100 de premio
Moeda de cobre 2 por 100 de descont.
dem de letras de boas firmas i Ja 1 f.
Ouito-Moeda de 6,100 V.
11 c N.
.. de 4,000
F.m-Patac(ics
(i fetos Columna-r-9
i< ditos Mexicanos
i< miuda.
15,000
14.&0J
8,100
1,740
1,740
1,740
4,<2J
15,200
15 ;to
8>00
1,73
1,760
i.7l>
1,660
1 20 Dom. Flix de Valois Eundador.
P re amar do din 17 de Novembro.
1. a 4 horas e 30 n. da manhiin,
2. a 4 horas e 54 a*, da larde.
La Not
Qnart. cresc.
La che i a
PHASES D\ LA NO ME7- DE NOVEMBRO.
n 2 1 hora e 49 m. da tari.
9__s 10 horas e 57 m. da tard.
4 18__i 1 hora e '10 m. damanh.
Quirt. ming. 25 hs 6 boraa e 42 m. da manh.
IA RIO l P K B K A11B U C O.
PARTE OFFICIAL.
DECRETO N.e
230 DE 22 DE OUTUBRO
DE 1842.
A dallando o regulamento n. 150 de 9 de
abril ukimo sobre a arrecadacao da di-
zima da chancellara.
Ilei por bem ordenar que se observe o se-
gainle :
Arligo nico. Quindo o valor da causa
demandada for maior de um cont de res e
exceder por isso a importancia do imposto a
vinte mil reis nao serio as parles obrigadas
a fazer o prompto pagamento na occasio cm
que se sellaren! os autos na forma do artigo
2." do regulamento de 9 de abril deste anno ;
mas somonte se averbar nos termos do artigo
12 do mesmo regulamento para ser paga
pela parte vencida excepto o caso do 4."
do referido artigo em que licar subsistin-
doa sua disposico.
O visneonde de Abrantes do meu conse-
lho senador do imperio ministro e secre-
tario de estado dos negocios da fazenda e
presidente do tribunal do thesouro publico
nacional o ten ha assim entendido e faca
ejecutar com os tlespachos necessarios.
Palacio do Rio de Janeiro em 22 de ou-
tubro de 1842 vigsimo primeiro da inde-
pendencia e do imperio. Com a rubrica de
Sm MtgestaJe o Imperador. Pisconde de
Abi antes.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 7 DO CORRENTE.
Olicio Ao director do arsenal de guerra,
autorisando-o comprar os quiohontos meios
de sola e as 300 mantas de que segun-
do informa precisa aquella repartidlo.
Dito Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda remettendo copia do aviso da secre-
taria da guerra expedido 8 de outubro ulti-
mo em que se declara que o major gra-
duado de artilharia Pedro Antonio Velloso da
Silveira tem direito a ser pago dos sidos ,
que de menos tiver recebido durante o tempo
em que foi considerado reformado ; lim de
queem cumprimento do mesmo mande a-
justar as cuntas do referido major e fazer-
Ihe os respectivos descontos.
jf Dilo Ao commandante das armas en-
FL KHfTTII
OS Ti-NEBi.SOSMYSTERlS
TORRE DE LONDRES, {*)
XIII.-CESA HOUBIVKL.
Emquanto operava-se o milagre que resti-
tuio Jack a este mundo donde devera elle
sal ir para sempre segundo os desejos de
lorde Willerson seu inimigo igadal din-
gio-seo doutor para o canto da Torre onde
t-sperava adiar Tony para concluir sobre elle
suas experiencias anatmicas. Ignorava o
pobre medico a sorteque o aguardava no seu
caminho. Nao tinha sonhado com serpentea
nem sapos, nao linha visto aranlia cahir de
sua lea nao tinha cruzado facas. toda-
va... urna desgrana Ihe estava inminente.
No momento em que costeava os paredoes da
Torre eujos umbfaes devia pastar em pou-
(*) Vid. Diario N. 235, 236 237 240 ,
241 243, 244 ,245e 246.
viando por copia a proviso do conselho
supremo militar de 26 de setembro ultimo ,
que declara a maneira de contarem suasnn-
tiguidades no servico os individuos da guarda
nacional e dos corpos policiaes ou de per-
manentes quando passarem para a primeira
linha.
dem do da 9.
OiTicio Ao inspector da thesouraria da
fazenda remetiendo copia do aviso da se-
cretaria do imperio de 11 de outubro lindo, -
cerca das ajudas de custo de volta que se
tem abonado alguns deputados da cmara ,
ltimamente dissolvida.
Dito Ao chefe de polica interino di-
zenJo que remeta com urgencia o orcaraento
da despesa que se tem de fazer com o expe-
diente da respectiva secretara em o anno
financeiro de 1843 1844 ; e declare nelle ,
quaesos vencimentos que se pod<*m arbi-
trar aos amanuenses da mesma secretaria ;
visto nao se acharem anda marcados por de-
cretos do governo.
Dito Ao commandante das armas, or
denando que mande entregar o soldado do
hataIhodestacado, Justino Joze do Amparo,
ao commandante do brigue sa Imperial Pe-
dro = que o requisita por ser desertor
do mesmo hrigue onde servia como impe-
rial marinheiro ; lim de se verificar se el-
le o proprio desertor. =Ofliciou-sfl ao com-
mandante do brigue = Imperial Pedro =,
para que fizesse verificar se o mencionado
soldado era o mesrno desertor, de quem trac-
lava e no caso contrario o reenviasse ao
commandante das armas.
Dito Ao juiz municipal supplente do
termo do Po-d'alho significando em res-
posta ao seo olicio de 25 do m*z prximo
passado que nao ha incompatibilidade ab-
soluta em servir o promotor de curador ge-
ral urna vez que os trabadlos da promotoria
nSo sejio tantos que o privem disto co-
mo succede nesta comarca do Recife.
Dito Do oflicial maior da secretaria da
provincia Antonio de Souza Reis remet-
tendo copia do aviso da secretaria da mari-
nha expedido em 13 do mez lindo, sobre
o olterecimento que fizera de seo liiho Can-
dido de Souza Reis para o servido da armada ,
lim de que haja de dar os esclarecmentos,
que pede o referido aviso.
dem do da 10.
Olicio Ao director do collego dos or-
phos significando que dove remetter ao
eos instantes por um eaminho delle confie-
cido, um horneen fedo paiar por estas pala-
vras :
Qua horas sio senhor ?
Odoutor encarou seu interlocutor : era u-
ma destas cabecas de malfeitor que a justica
proscreve e o algoz decepa. A horrivel ca-
tadura, a singularidade da pergunta e a adi-
antada horacm q' era feita, nenhunu duvida
deixavfio-lhe das intences da personagem
que tinha em sua presenca ; e para logo re-
solreu-se a vender caro sua existencia, li-
rou da algibeira o seu punhal e atacou o ho-
rnera que lhe-atravancava o caminho. Este
cahio laucando um grito de agona.... O dou-
tor julgou-se livre e ia corajosamente con-
cluir o resto de seu caminho quando quatro
novos salteadores abalroro-no e o pozerio
em trra. Arrancrao-lhe o punhal que an-
da tinha na mi e com grossas cordas atrio-
Ihepsemaos, e, pondo-lhe na boca um
emplastro de pez para impedi-lo de gritar ,
tirrio-Ihe orelogio de ouro a cada a lu-
neta a caxa de tabaco o estojo e todo os
papis que trazia as algibeiras.
Terminada esta importante operaQio tra-
tro de desfazer-se do homeni a quem acaba-
vio de despojare que ferira a um dos seus.
__No o lirio no corceo disse para os
juiz d'orphos d'esta cidade o educando Luis
Silvestres Cardim que informa achar-se no
caso de sahir do mesmo collego, fim de que
este o mande depois de prehenxdas as for-
malidades legaes para a companhia de a-
prendizes menores do arsenal de guerra.=De-
terminou-se ao juiz d'orphaos que cumpri-
do o disposto no regulamento n. 113 de 3 de
Janeiro do correte anno fizesse apresentar o
mencionado educando ao director do arsenal
de guerra ; e este que o admitisse em a re-
ferida companhia.
Dito Ao administrador docorreio, com-
municando-lhe que a cmara municipal da
Roa-vista nomeou para agente da administra-
do do correio naquelle municipio ao capilio
Francisco Antonio Xavier.
dem do da 11-
Olicio A cmara municipal de Olinda ,
dizendo que nenhuma deciso pode ser da-
da pela presidencia acerca da materia, de que
tracto os seos otcios de 31 de agosto, e 3
do corrente sobre o imposto das bataneas de
pesar assucar nos trapiches d'esta cidade ;
por isso que ella da competencia do poder
judiciario e achar-se sujuita aos Irbunaes
do paiz : e que deve regulr-se pelas senten-
cas do poder competente.
Dito 7 Ao inspector da thesouraria da fa-
zenda ordenando que mande satisfazer ao
ex-capellio da illia de Fernando de Noronha,
Padre Albino de Carvalho Lessa a etape ,
que Ihe era devida segundo a tabella dos
vencimentos estabelecida pela presidencia ,
e ltimamente approvada pelo ministerio da
guerra e que no seo ajuste de eontas se Ihe
deixou de abonar por oppisicio do commissa-
rio fiscal do mesmo ministerio ; visto ser in-
fundada a duvida do ajudante do dito com-
missariado posta sjbie o pagamento que
da mencionada etape requereo o referido ex-
capello ; por dover a dita tabella ser obser-
vada com todos os embregados, que tem ser-
vido e ho de servir naquella ilha, sem dis-
tincio dos individuos.
Dito Ao mesmo significando em respos-
ta ao seo olicio de 29 do mez lindo que n'es-
la cidade e na de Olinda deve reglar-se na
cobranca da taxa dos escravos pelas demar-
caces, feitas para a cobranca da decima oes-
tes dous municipios e constantes das co-
pias que Ihe remette : e nos outros muni-
cipios pelas demarcares feitas pelas respec-
tivas cmaras munioipaes ; visto nao ter an-
da a presidencia designado os lugares d'el-
les quedevem pagar tal imposto ,Tsegundo
a autorisaco que Ihe fui conferida pela
lei provincial numero 63 da dous de maio
de 1838. _____
EXTERIOR.
outros o que pareca chefe da quadrilha ;
preciso que acabe lentamente: servio-seda
faca esto tratante pos bem com ella o fa-
remos soflrer : de justica premiar cada um
legundo seus feitos. E para dar o exemplo ,
O orador cravou o punhal no brac/> do dou-
tor. Este quiz gritar, porem a mordaca
impedio o som.... Segunda punhalada fen-
deo-lhe o !abio superior e Ihe parti a gen-
giva... A mordaca rompeu-se pelo corte da
lamina l
Misericordia misericordia I piedade !
proferio o doutor aproveitando-se da abertu-
ro da mordaza para mpellir gritos do dOr.
Desasado disse o chefe nio ha tan-
to lugar onde se possa feri-lo sem ser a boca?
E levantando a cabega da victima passou-
Ihe a grvala pela boca para substituir a mor-
laca perdida....e cravou urna ultima punha-
lada no peito do desventurado doutor.
Este nao podendo mais gritar revolveu
osolhos de um modo horrivei. ... sua vista
foi-se tornando embacada... eosolhos, por
muito tempo cheos de lagrimas fechro-se
repentinamente... O doutor nao deu mais sv
nal d vida.
Est feta a justica exclaraarao os as
sassinos, lancemos este corpo no Tamisa, o
H E S P A N H A .
Madrid, 14 de setembro.Nio se falla aqu
senio dos ltimos acontecimentos de Cadi.
Houve um duellode morte entre M. Riesch,
antigo chefe poltico de Cdiz e M. Lloren-
li redactor do jornal Globo da mesla
cidade. Urna polmica cheia de acrimonia
tinha produzidoo cartel proposlo por VI. Ri-
esch e aceito por M. Llorenti. O encontr
ocrorreo n'urn pinhal perto de Chiclana. Os
amigos de M Riesch sabendo do resultado
fatal deste encontr foro logo ter offici-
na do jornal Globo onde quebrario ,
saquearo e queimario ludo. A autoridade
foi impotente para reprimir estes excessos
d'uma alia -ravidade. Dizem que a guarda
nacional Drotestou contra o estabelecimento
da lei marcial. Estes acontecimentos drama-
ticos absorvem a altenco geral.
Madrid i7 de setembro Os cegos apre-
goavo hontam com toda a forga nos difie-
ren les bairros da ciilade um pequeo impresso
em que se annunc que Portugal est em ves-
pera do proclamar o absolutismo ; que essa
urna das condiges pelas qua<"S reconhecida
a rainha D. alaria pelas potencias do nor-
te e que Portugal se obrigou a auxiliar por
todos os meios possiveis o projecto de Alian-
c* da Rainha Izabel com um principe da nasa
de Coburgo. Fala-sedifferentemente da po-
ca da abertura das cortes. Segundo uns .
teria lugar no primeiro de novembro e se-
gundo outros a 19 ; porem mais provavel
que fosse no primeiro. A primeira Juta se-
ria entre os dous candidatos da coalisSo edo
anligo ministerio. Os deputados que vota-
rflo com o antigo gabinete esto resolvidos a
votar por M. Gonzalesea chama-lo para a
cadeira da presidencia ; mas M. Cortina ,
candidato dos deputados da coalisio parece
ter mais probabilidades.
O governo fez escolha de M. Dionisir
Valdez para substituir em Cdiz como chefe
poltico M. Riesch que sucumbi bah de
M. Llorenti. O novo chele poltico j oo-
cupou estas lunQOes em Rarcelona em 1841,
e deu all pro vas de firmesa. Nio se sabe po-
iremos depois lavar o sangue das mios com
meia caada de servpja'velha.
Os sceleratos apanhrio o corpo do doutor,
e o metterio n'um sacco dos que por pru-
dencia costumavo munir-se era suas ex-
pedientes e de quo serviio-se para lancar
n'agua-os cadveres dos infelizes assassinados
por suas mios homicidas.
Logo que virio ueste envoltorio de panno
os restos inortaes de sua victima que julg-
rao morto atrio- Ihe a boca com una cor-
da, onde pretendalo prender urna pedra ,
que levasse o corpo ao fundo d'agua. No mo-
mento em que iio confiar ao Tamisa este
sanguinolento segredo ouvir&o rumor ci-
ma de suas caberas. Olhrio... oh sorpre-
sa ao longo da parede da velha Torre a-
tado a urna corda descia um mancebo!
E' algum bravo que escapa disse o che-
fe um ladro como nos que evita o ulti-
mo supplicio ; cumpre protege-lo servir-
liie de irmios. v
Sim sim apoiado apoiado disse-
jo os companheiros.
Rem occorre-me urna idea...para mal-
lograr todas as suspeitas. Se atassemos a es-
sa corda presa n;i Torre este sacco que nos
embaraza ?. Um homem assassinado acha-
ran na ponta da corda que salvou um assassi-


2
sitivamente as instrucges que Ihe foro dadas
pelo governo. Mas ha todo o lugar para a-
creditar que Ihe foi ordenado que obre com
rigor.
Toda-via segundo as ultimas noticia? ,
restabeleceo-se a tranquilidade em Cdiz.
A gazeta de Madrid da mesma data supra
noticia, segundo umi carta do capilo ge-
neral das Philipinas que um incendio devo
rou em Quiapo 117 casasquasi todas edifi-
cadas de cannas. A Fragata Franceza Eri-
gone > contribuio para atalhar-se o fogo.
( Le N alionad. )
PORTUGAL.
O tratado de commercio e Xavegago que o
orgo declarado dos interess/s Inglezes no
gabinete portuguez assKgmJu ha pouco com o
embaixador da Inglaterra ter sem duvida
para o futuro os mais magnficos resultados ,
para a felicidad*), gloria e riquesa de Portu-
gal mas no entretanto a situaco d'aquel-
le paiz cada vez mais dulorosa. Com ef-
feito mais fcil restabelecer all o absolu-
tismo manifest ou disfamado do que as fi-
nanzas exhaustas. Nem a resurreico da
carta de D. Pedro nem a concluso do tra-
tado com a Inglaterra fizero entrar um cru-
zado no thesouro de Lisboa. O dficit resul-
tante do orcamento apresentado s cortes pe-
lo ministerio muito mais consideravel do
que se tinha pensado a principio. Ora es-
ta situaco parece ter indisposto as cmaras.
Os planos Gnanceirosdo ministerio foro mui-
to mal acolhidos e parece imminente urna
crise ministerial. Ter lugar esta crise ?
muito provavel que sim ; porque a Inglater-
ra j boje nao tem mais grande interesseem
manter no poder os homens que Ihe concede-
ro ludo quanto ella quera. Por outro lado
as relaces com a Hespanha torno-se cada
veis mais dificeis. Para remediar todos es-
tes males dizem que os empricos aconse-
llio a D. Mara que estabeletja franca e com-
pletamente o governo absoluto. Maravillo-
so remedio por certo Mas ento para
que expulsariQ C. Miguel ? (dem. )
INGLATERRA.
Proclamado da Rainha publicada por oe-
casio das ultimas desordens.
Victoria Rainha. Visto que em diver-
sas partes da Gran-Bretanha mullidles de
individuos perturbadores e vagabundos for-
ma rao n'estes ltimos das reunies tumul-
tuarias e facciosas introdusiro-se violenta-
mente em minas moinhos fabricas &c.
e impediro por meio de ameagas e intima-
goes aquellesdos nossos leaes subditos que al-
l estao empregados de continuarem as suas
oceupacoes habituaes ede ganharem a sua
subsistencia ; na justa previso dos perigos
que tanto para a paz publica como para as
vidas e propriedades dos nossos subditos de-
ve m de resultar d'estas manobras illegaes e
perversas se ellas ficassem por mais lempo
impunes ; resolvida a provocar contra os cul-
pados a rigorosa applicacao das leis e to-
mando o parecer do nosso conselh privado ,
havemos por bem publicar esta proclamado
pela qual restrictamente ordenamos a todos
os juizes de paz sheriffs sub-sherifTs e a
todos os outros officiaes civis do reino que fa-
jo os maiores esforgos por descubrir pren-
der e trazer a juizo os individuos que ti-
verem tido fiarte nos tumultos cima mencio-
nados ; e para animar aodescobrimsnto dos
sobreditos culpados promettemos e declara-
mos pela presente que toda a pessoa ou to-
das as pessoas que descubrirem e prenderen)
ou ajudarem a descobrir e prender os autores,
instigadores, ou os individuos, que tiverem
commeltido os excessos cima referidos de
maneira que todos ou qualquer d'entre elles
possa ser devidamente aecusado e convencido,
tero direilo somma da 50 libras esterlinas
por cada individuo assim convencido e re-
cebero igualmente o nosso mui gracioso per-
do pelas ditas ofensas no caso em que a
pessoa ou pessoas que concorro para o so-
bredito descobrtmento estojo por isso su-
jetas a um processo criminal. Dada em nos-
sa corte de Windsor aos 13 de agosto do an-
uo de nosso senhor de 1842 sexto do nosso
reinado. Dos salve a rainha !
Em Liverpool esforcarSo-se os incen-
diarios, e a nao serem os soccorros dados pe-
las autoridades locaes terse hia polido te-
mer serios desastres. Acharo-seem alguna
logares onde tinho sido depositados de ca-
so pensado, massos de mechas eduas garra-
fas de terebenthioa. Nao se podero apanhar
anda os delinquentes. Em Birmingham a
polica foi obrigada a fazer varias descargas
para dispersar os ajuntamentos. Toda-via,
acidado estav.a tranquilla. ( Times. )
TURQUA.
Noticias deConstantinopla at a data de 31
de agosto annuncio o seguinte :
O sulto acaba de nomcar Raouf-Pach pa-
ra Grao visir e Halil-Pach seu unhado ,
para presidente do conselh superior de jus-
liga. O hatti sheriffque diz respeito a Ra-
ouf-Pach exprem-se em termos mui hon-
rosos para com este antigo e honrado funcio-
nario e d por motivo da destituico do seu
predecessor Izet-Pach a incapacidade de que
elledeo prova em nao dar boa conta das im-
portantes negociares que Ihe tinho sido
confiadas.
Esta reforma ministerial presagfi outras
mais importantes : ella inteiramente devi-
da 9 vontade do sulto que a operou fra de
toda a influencia estranha. Abdul Medjid
tinha ha muito tempo testemunhado aoGro
Visir o seu descontentamente pelos seus actos
violentos e pela poltica reaccionaria que elle
tinha adoptado a desapprovaco do sobera-
no que acaba de punir Izet Pacha nao tardar
a rocahir tambem sobre o seu cmplice Tahir
Pacha queo llagello da Turqua por suas
vexages e crueldades. Espera-se em Cons-
tantinopla que estejo acabados os tristes das
da reaeco e que o sulto instruido pe-
los erros dos seus ministros voltar ao sys-
tema da reforma para nao o deixar mais.
( dem. )
no... .certo isto dar voltas aos milos do cons-
table.
E com a rapidez do raio ochefe dos sal-
teadores executou seu projecto. Desatou
Tony, que cabio em seus bracos sem voz o
sem sentidos por ter desmaiado na perigosa
viagem e amarrou em seu lugar lanzan-
do uivos de alegra o sacco em que esta va o
corpo do medico.
Cempletaesta obr-prima e vendo os la-
droes prestes a despontar o albor do dia po-
zerao-se a caminho arrastando comsigo o
joven e desgracado Tony e seu camarada
l'erido pelo don lor.
Eis-aqui porque o gigante Lilliput achou
na ponta da corda um sacco ensanguenlado ;
eis-aqui porque quando foi examinar este
sacco, recuou espantado, vendo odontor
asphyxiado, ceberto de feridas e de sangue!...
XIV. ISIALACKIl DO NCOCO COBUBO.
' Ficou dito no capitulo precedente que a-
penas Lilliput desatou o sacco em que estava
encerrado o doutor e que elle tinha depo-
sitado no armario achou-o em to deplora-
vel estado que nenhum soccorro poderia a-
proveitar-lhe.
Eis-aqui est um exemplo de que a jus-
tica divina estende-se aos culpados, disse Lil-
ipuf desejoao menos que este homem te-
nelle descriptas tem tanta paridade com as
nossas no ponto de vista encarado, os remedios
que os nobres Redactores receito para os males
do seu paiz sao to applicaveis aos do uossos
que, nSo he possivel Ifl-lo sm fazer serias re-
flexes. Mediten) os BVazileiros has cdnsequen-
cias da revoluco franceza de 1830 mais
justificavel talvez do que a nossa 13, que de
se nao trouce a mudanca de urna dynastia ,
deu-nos um che fe de 7 annos e que se uo
foi salpicada de sangue no momento foi cau-
sa de que elle corresse a jorros, qu aidda nao
eslo estancados, tornando assim anda mais
funestas as suas resultas anda mais lgubre
a sua recordaco ; e reconhecer que te-
mos de que sejamos mais apprehensivos do
que osFrancezes, e que por conS'-quencia
mais nos cumpre trabalhar por arredar de nos
males terriveis qde talte nos estejo mais
imminentes do que pensamos.
Eis aqui o artigo.
DIARIO DE PERYlMIim
Offerecemos aos nossos leitures a seguinte
tratiucco de um artigo da Phalange de que
ja havemos publicado outros, chamando toda
a sua attenco para o objecto. Este artigo he
to luminoso as circunstancias da Franca
nha forca bastante para responder s minhas
perguntas.
E pondo o moribundo sobre o leito que se
achava neste cubculo disse-lhe :
Senhor tende a bondade de dizer-me
se vistes o mancebo que ha pouco aqui este-
ve e que salvou-se por urna corda.
O moribundo fez um esforco para abrir os
olhos e proferto com summa difficuldade es-
tas palavras :
Esse mancebo.... oh ... sim... estou .
punido.... sou bem peccador.. .foi sobre este
leito que o estendi... para immola-lo... so-
bre este leito que expirarei em vez delle....
Nao distoque se trata disse Lilliput,
se estis arrepentido nao vos faltar a mi-
sericordia divina; trala-se desse menino,
por cuja sorte me interesso.
Este menino ? repeli o doutor.
Sim, disse com anxiedade o gigante.
Pois bem os ladres que me feriro
mortalmente levro-o comsigo.
Oh cos !
- Antes de amarraren) o sacco em que me
pozero na corda de que servio-se o mance-
bo elles o recebero desmaiado em seus bra-
cos segundo ice parceu.... Se o queres a-
char vai taverna do Pesclo cortado. ..
refugio de todos esses miser....
O ANMVEnSARIO E 0 EWTERUO.
Ha doze annos que em igual poca era
Pariz um Yasto campo de batalha. As ras
estavo atravatcadascom entrincheiramentos,
os palacios e edificios pblicos crivados de bal-
las e de metralha, as arvores dos passeios cor-
tadas e atrevessadas no caminho. A pratfa de
Greve estava juncada de cadveres; mas o pa-
lacio municipal havia sido evacuado pelas tro-
pas de Carlos X ; o Louvre e as Tulherias le-
vados de assalto a pezar da enrgica resisten-
cia dos Suissos e da guarda real. 0 povo Pica-
ra vencedor, senhor absoluto do governo e
da sociedade.
Bem! que resultou d'ahi para gloria de nos-
sa patria para a ventura da humanidade ?
Melhorou a sorte da classe laboriosa ? Tem os
cidados menos cuidados e mais seguranza ?
Resultou dessa manifestaco popular algum
grande principio de ordem e de liberdade ?
Recebeo o espirito radical alguma inspirado
improvisa ? Descobrio elle a luz do canhao,
a lei dos destinos sociaes ? Semeou ao menos
a victoria nos coraces os germens de urna f
rasoavel em melhor futuro ?
Ah se no dia seguinte ao dessa violenta
commoco as dores da sociedade se tornro
mais pungentes e mais agudas; se os ope-
rarios cujos irmaos acabavo de sacrifirar as
suas vidas, se achro sem trabalho e sem pao;
se em urna palavra, depois de quinze annos,
a anarqua industrial e social a miseria das
classes laboriosas, e a miseria moral das a-
bastadas se tem cada vez mais aggravado; nao
ser isto urna alta lico que deve ser com-
prehendida, um ensino supremo, de que con-
ven sabermo-nos aproveitar ? Nao ha hi ,
para todos os espiritos sinceros e ntelligentes
urna prova irrecusavel de que os reformadores
polticos vo a mo caminho e de que com
todas essas pretendidas doutrinas liberaes a
humanidade gira somenfe em um circulo vi
cioso ? Nao vemos sempre a mesma indigen-
cia trapaca oppresso, carnagem, e alm
de tudo isto o egosmo geral ? Os combates
podem sim derribar um Jhrono e mudar o
governo politico 5 mas elles nao influem na
ordem ou antes na desordem social que
produz todos esses flagellos.
Nao os combates nao transformo em as-
scciaco urna chusma de industriosos e de fa-
milias elles nao reconduzem os espiritos e
os coraertes unio e harmona necessarias
E o doutor nao pode acabar a palavra, tor-
nou a cahir sobre o leito juntando as mos,
e seus labios se roca rio parecendo tentar
murmurar urna oraco ... ao depois licou im-
movel.... e ludo acabcu-se.
Depois de por um instante contemplar os
ensanguentados restos deste medico homici-
da horrivelmente punido pela natureza, re-
solveu-se Lilliput a ir estalagem do Pescoco
cortado que Ihe fra indicada como o refu-
gio ondeoceultavo-se durante o dia os novos
protectores do joven sir Tony.
Deixou precipitadamente a Torre, e cor-
ren ao sitio onde era edificada esta casa. Sua
bella perspectiva e o gosto de sua construcefto
davo-lhe antes ares de habitago de algum
rico negociante de Highgate do que de urna
confraria de acelralos que devastavo a ci-
dade e atacavo de dia e de noite seus paci-
fios habitantes.
Logo que entrou, introduziro-no em urna
sala onde achavo-se dous ou tres beberrdes
enxugando cangeres de serveja.
L'm homem vesgo e mal encarado sahio-lhe
ao encontr e Ihe disse :
O que queris aqui ?
O que aqui se acha respondeu com
firmeza Lillipul.
0 homem encarou a medonha frente do
reaIsa$ao dos me! hora men tos positivos: div
dem sim mais profundamente os partidos e
at crio outros novos ; peioro immdiata-
mente a sjtuaco dos pobres e dos ricos. O
sentimentode conservaco pormem breve se
manifesta e aocabo le certo lempo quan-
do o abalo tem cesado quando as cousas tem
voltado ao seu curso habitual a sociedad* a-
cha-se as mesm*s condic5*s d inquietado
e desordem que tem producido a crise re-
volucionaria Muitas vezes at sob o ponto
de vista politico ha hi um abitim>jnto, urna
decadencia deploravel Tal he a historia dos
doze annos.
E todava por toda a parte ainda hoje vemos
um grande numero de homens que cegos ,
desvairados fascinados pelos prejuizos e pe-
la rotina se obstino a impellir a sociedade
franceza para a revo!uQo e os combates. Es-
ses homens, cujo espirito e corado nada tem
esquecido", e nada aprendido, podem dividir-
se em dus cathegorias. A primeira dos con-
servadores estacionarios que nao querendo
encarar o mal para nao terem o trabalho de
Ihe procurar o remedio deixo desandar em
revolucionarios os mais generosos fermentos
de progresso. A segunda he a dos opposicio-
nistas negativos que se subdividem em tres
sortes : 1.* oppoentes legitimistas quedese-
jario restabelecer a revoluco para restabe-
lecer o antigo rgimen ; 2." oppoentes radi-
caes que encobren) a sua ignorancia com a
palavra repblica ; 3." oppoentes dynasticos,
que escondem a sua ambigo sob o manto do
bem publico e da honra nacional.
Eis ahi os homens que por differentes
caminhos, procuro arrastrar-nos a urna nova
crise revolucionaria. Apezar da tranquillida-
de apparente da sociedade, existem miserias
e padecimentos profundos. As estatisticas n-
dico esteanno, para Pariz, 70 mil indi-
gentes inscriptos, sem contar 15 mil vergo-
nhosos. Ha ciumes e odios concentrados, que
podem fazer urna exploso lerrivel. Teremos
nos ainda de ouvir a artilharia na capital, de
Ihe ver as mas tintas de sangue os edificios
e monumentos crivados das homicidas bailas ?
Teremos ainda de ver Francezes compatrio-
tas irmos desapiedados se degolarem as
pravas publicas nos palacios da capital do
mundo civilisado ? E ser ainda ento respei-
tda a ordem social ? Ah que, se os homens
que se oceupo dos negocios pblicos persis-
ten) as vias actuaes, assumem sobre suas ca-
beras terrivel responsabilidade Conservado-
res que circulaes Pariz de soldados e prizes,
vossa resistencia nos precipita nos combates!
Opposicionistas que s sabis excitar a des-
confianza e o odio reflecti que quinze annos
de opposigose resumiro em 3dias de guerra
civil !
Se se querem prevenir novas desgranas ,
tempo he de sabir desse circulo vicioso e de
entrar na poltica de organisaco social. A
nao do estado corre sbreos mesmos cachoposT
em que ja bateo ; he preciso aproveitar a bo-
nanza actual para virar de bordo, e navegar
para um novo mundo industrial e social. Ho-
mens sinceros e ntelligentes de todos os par-
tidos nos vos conjuramos em nome do san-
gue derramado lia doze annos; proclamai 'om
nosco a necessidade de organisar a industria
e a propria sociedade Se nao he possivel
transformar de repente o estado soci. I en-
tremos ao menos no caminho ds melhora-
mentos possiveis a fim de dar ao povo urna
gigante e pareceu satisfeito desta inspeego.
E's dosladres de Londres, ou dos do
arrahilde ?
Sou de todo mundo, respondeu Lilliput.
Sabes matar um homem sem arranha-lo?
Que entendis por estas palavras ?
Se feres sem que o punhal trema em
tuas mos.
Lilliput deu urna gargalhada e to cs-
trondosa que fez recuar o homem do Pesco-
co cortado, e, tirando ao me>mo tempo por
urna faca langou-se sobre seu interlocutor.
- De vagar. meu rico com os diabos ,
nao sou um cliente a que,m se tenha de des-
pachar ; tomis o recado ao p da letra pa-
rece que sois impaciente. Vamos vinde
ter com os amigos
Proferindo estas palavras levantou um
alcapo e Lilliput vio urna escada em zi-
guezague, pela qual desceu immediatamente.
Chegando ao ultimo degro vio-se no cen
tro de urna sala espacosa onde se achavo-
reunidas de quarenla a cincoenla pessoas e
n'um abrir e fechar de olhos foi cercado pe-
los malfeitores.
- Meu Dos como feio dissero as ^
mulheres da quadrilha ; ha algum temp
nos noapparece cousa que sirva.
-MassSo sempre assaz brllos para serem


&
.esperanza. O' vos, cujas cntranhas e cerebro
,,i:i la nao eslo osificados pelo egosmo e pre-
iuisos juiai-njs a enxertar no governo re-
presentatifO a poltica da organisagAo social !
0 pjvo o paiz, a represiMibgo nacional es-
pero procuro ainda urna politiza como
no ilia ntnediato aos tre: Je jutho; pois b*m !
uno-sa todas as vosea nossa para guiar a
opinio publica poltica d'organisagAo so-
cial !
Resumamos a situagAo rnn um quadro. Da-
poij de julho o circulo vicioso se compOe de
quatro polticas.
Poltica de retrogradrago.
______de destruigAo.
.---------de amhic.'S pessoaes.
.---------de couservagao estacionaria.
Estas polticas, fructo da falsa elevado das
paixss e dos interesses, nao podem trans-
formar a sociedade que as produz. Ellas s
fazem engolphar-nos cada vez mais no circulo
vicioso e nos arrastao mevitavelmentea um
novo julho de 1830 ou a urna guerra geral.
A poltica d'organisagAo social nascida fura
do contacto das richas de partidos fundada
sobre urna sciencia (isa e positiva altinge
na sociedado at as causas de perturbado e
de guerra ; ella harmonisa os interesses em
m novo meio industrial e social; demons-
tra pela theona e pela pratica que a or-
deni e a liberdade pode,m ser conciliadas em
uina nova forma d'associago; e faz deste mo-
do sahir a humanidadc do circulo fatal da in-
digencia do dolo, da oppresso e da car-
nagem.
A lucia de julho de 18o0 como todos os
dramas sanguinosos que compe a historia
dos povos civilisados, foi ao mesmo lempo urna
calamidade e um logro. O duque d'rleans
prestou Franga um derradeiro servido, le-
vando em seu fretro esse sangrento aniver-
sario. Nofim dedoze anuos a comraemoragAo
dessa triologia do perjurio do homicidio, e
da victoria intil desappareceo. A esta hora
occupa se a Franca do funeral do principe
real, que apagando assim a lembranga do
sangue francez derramado por mAos francezas,
parece que nos est recommendando que
vivamos d'ora em diante como irmos, e pro-
curemos em urna nova poltica a realisagAo
de urna verdadeira frateruidade.
(Phalange de 31 de julho de 1842.)
COMMUNICADO.
Hontem (sabbado) examinamos um meni-
no que nos foi enviado pelo Sr. sub-dele-
gadod'este bairro, e nos horrorisamos vis-
ta de tanta crueldade As mos da pobre
enanca estavo de urna grossura extrema ,
e, alem da grande ir.llamagAo existio di-
versas ecchymoses nao s em cada urna del-
tas como na articulado radio-carpiana e at
no terco inferior perto da extremidade do cu-
bito e radio. Bem no meio de cada mo e
sobre ludo da esquerda, havia um deposito
do sangue negro quo maisparecia um der-
ramamento entre a pelle e o tecido cellular
sub-jacente das palmas das mAos, do que ec-
chymoses taes como se encontro nos luga-
res que foro expostos a golpes. Todos estes
estragos forao feitos por numerosas e vigoro-
tissimas palmatoadas dadas por um professor
de primeiras letras.
t-usta a crer que um homem que tem co-
racao, possa gosmdo de suas faculdades ,
enforcados, returcou-lhes Lilliput com re-
voltante cynismo.
lus-aqui est um menos disforme que
tu disse-llie urna linda ladrinh* apresen -
tando-lhe um mancebo tristemente recostado
parede
Os olhos de Lilliput voltro se para este
lugar e elle estremeceu.... Tnha reconhe-
cido sir Tony.*' Confessamos que neste pas-
so sentimos extrema inquietagAo. Suppomos
que lgum interesse pessoal guia Lilliput em
sua .nclinago para a pessoa do pobre sir
Tony j victima de tantas perseguiges. ..
Assim I he sejao uteis estes designios assim
este ente extraordinario noarraste o desven-
turado orpbo sua perda.
Costureiras aos seus postos, bradou com
voz de eslentor ochefe da quadrilha.
Lilliput tomou um cachimbo accendeu ,
e deitando-se sobre urna esteira pz-se
a examinar com atlengAo o que ia passar-se.
Quatro mulheres sentrAo-se no meio da
sala e dous outros grupos de igual numero
pozero se as extremidades. Cada urna es-
tava munida de urna agulha excessivamente
lina e seus fios assemelhavo-se por sua
P extrema finura a esses tecidos areos cha-
mados fios da virgem.
Apenas estavAo formados estes tres gru
levar a crueldade ao ponto de martyrisar um
menino por algum tempu e por que motivo !
Nao sabemos qual possa ser o sentimento de
um pae que v entrar seu filho em to mi-
sero ectado ; he preciso passar pelo transe pa-
ra poder comprehender as crueis impressOes
de Una barbaridade.
Detemposem lempos apparecem mestres,
que querem levar o Gastigo alem dos limites do
bom senso ; alguns ha. que se vinso sobre
as pobres criangas das zangas domesticas ,
com a palmatoria querendo por em
andamento o uso brbaro dos nossos passa-
dos tem pos em que se suppunha que o rigo-
roso castigo era o verdadeiro excitador do en-
tendimiento !
tem do que comecemos a desterrar de nos
estas ideas; preciso que nos revoltemos con-
tra esses desalmados e faca-ios com que a-
quelles que nAc tem a necessaria pruden-
cia e educago para ensinar meninos, vo ser
feitores de engenho ondo poder larga-
mente satisfacer suas inelinaefies de verdu-
gos. = Recife 13 de novembro de 1812.
F.
COMMERCIO.
ALFANDEGA.
Rendimento do da 16 de novb.ro 2:336*716
DESCARRF.GAO HJE 17 DE NOVEMBRu.
Barca franceza = Hortense = o resto.
Brigue inglez = Ariel = bacalho.
Brigue = Madonna =3 bacalho.
Patacho sueco = Alerta = taboado pixe ,
alcatro, e vergontas.
MOV1MENTO DO PORTO.
____________________ *---------------------------
NAVIO ENTRADO NO DA 15.
Babia ; 10 dias barca Russiana Alexandre,
de 499 tonelladas, cap. F. Fontell, equip.
lo ; carga cobre : ao capitAo. Seguio pa-
ra Swansea.
NAVIOS ENTRADOS NO DA 16.
Falmouth pela Madeira e Canarias ; 40 dias,
Paquete Inglez Peterel commandante
Crok.
Sidney ; 76 dias, galera Americana Grotins,
de 300 ton. cap. C. D. Mugford equip.
15 carga la e azeite : ao cap to.
Londres, lidias, brigue Inghz Richard ,
de 276 ton., cap. John Sarsfield equip.
15} carga lastro a Russell Mellors & Com-
panhia. '
Falmouth ; 42 dias polaca sarda Abdul Me-
gid de 196 ton. cap. Lourenco Caneva-
ro equip. 12 carga lastro : a JoAo Pin-
to de LemosA Filho.
DECLARACES.
= 0 paquete inglez Peterel, reeebe a ma-
la para a Bahia e Rio de Janeiro hoje (17)
pelas 6 horas da tarde.
= O administrador da mesa da recebedo-
ria das rendas geraes internas toma a lem-
brar a todas as pessoas que tem comprado ,
e continuAo a comprar escravns que devem
no prazo de trinta dias contados do da cele-
braceo do contrato fazer averbar em dita re
partico os meamos papis ou escripturas de
semelhantes compras sob pena de pagarem a
pos femininos IevrAo a cada um del-
les cousa horrivel de vr-se .. um ca-
dver de capitado pela nuca .
lima da eostureiras tomou urna esponja e
lavou e sangue que cobria a ferida e as ou-
tras tres pozero se a cozer as carnes com tan-
la delicadeza e habilidade que findo o tra-
balho seria impossivel advinhar que a faca
do assassino tinha ali deixado seu horrivel ves-
tigio.
Mestre disse ura ladrAo a Lilliput, co-
n heces este officio ?
Nao ; ouvi fallar nellc porem nunca
tinha visto a operagAo.
__Ella no muito commoda accrescen-
tou o ladro. Matamos um homem deste mo-
do lanzando o por trra na ra e cortan-
do-lhe o pescoco.. Na maiihA seguinte, gra-
ga" s habis costureiras do Pescogo cortado,
a ferida invisivel ; deixa-se o cadver n'um
canto da ra debrugado e a justiga depois
de haver voltado um corpo um cento de vezes,
como o urso da fbula declara que a victima
morreo pela visita de Dos.
Neste momento ouvio se o som de urna chi-
cotada ; era um signal do chefe. la dar-se a
ordem para a noite seguinte todos levaut-
ro-se e roderAo-no.
Vamos senhor mogo venha ouvir a
multa Je 30 a IOOji rs conforme o regla-
mento b respailo. lecebedoria 16 de novem-
bro de 1842.
Francisco Xavier Cavalcante de Albuquerque
AVISOS MARTIMOS.
Para Maranho partir o mais tar-
dar at odia 24 do corrente obriueTen-
tagSo do superior marcha e seguranca ';
por ter mais de dous tergos de seu carrega-
mento engajado para carga escravos e
passageiros offerece excellen tes com modos ,
os nertendentes trrtem com Fermino J. F.
da Roza : ra da Moeda n. 140.
^ Para o Rio de Janeiro seguir por toda
t*sta semana o brigue Tiel.podendo s receber
alguma carga miuda, escravos a frete, e para
passageiros offerece excellente3commodo ,
os pertendentes tratein com Firmino J. F. da
Roza ou com o capito Mano! Marciano
Ferreira na ra da Mo-da n. 140.
= Para o Rio de Janeiro sae at o Jia 20
o brigue escuna Voador podendo ainda rece-
ber alguma carga miuda e escravos a fretfl :
dirijo-sea ru da Moeda n. 140 afalar
com Firmino J F. da Roza.
LE LOES
- J. O. Elster far leilAo, por intervengSo
do corretorOliveira degrande varidade de
miudezas e ferragens de varias qualidades ;
inclusivo espingardas da mais prompta extra-
go e proprias para este mercado espadas
para guardas nacionaes &c. e ambos
ohjectoj do muita utilidade; quarta feira
23 doxorrente s 10 horas da manh no
seu armazem na ra do Vigario.
xsr Me. Calmont &Companhia farAo le
lo por ntervengo do Corretor Oliveira de
grande sortimento de fazendas inglezas de to-
das as qualidades inclusive alguns pannos ,
quo se venderAo para fechar contas ; quinta
feira 17 do corrente as 10 horas da manh ,
no seu armazem da ruada Cadeia.
or Kalkmann & Rosenmund farAo leilo,
por intervengo do Corretor Oliveira de
muitas miudezas de varias qualidades co-
mo sejAo fitas de seda e de linha botes de
metal e de osso caixas para tabaco e para
barba oculos pentes de marrafa e de alisar,
luvas de algodAo, marroquins e espin-
gardas lazarinas e de coronha inteira&c. :
Sexta feira 18 do corrente as 10 horas da ma-
nhA no seu armazem ra da Cruz.
AVISOS DI VERSOS.
tsr Aluga-se o 1 "andar da casa n. 11
da ra da Cadeia velha com urna salla e
alcova na frente eoutro tanto atraz, e com
seu fogAo para pequea familia, a salla da
frente he propria para escriptorio o qual se
alugar smente a quem precize para esse fim
independente da salla detraz ; a fallar na
luja do mesmo.
&r Perdeu-se 14 padro nossos de ouro em-
brujados em um papel atado com urna tira
de pao encarnado ; perdeu-se desde o por-
ti das canoas ateo beco da Ungirla queren-
do restituir para receber as alvicaras en-
tregue no beco da Lingueta N. 2. primeiro
andar.
r No dia 9 do corrente mez, pelas 8 ho-
ordem disse Lilliput voltando-se para sir
Tonv.
0 mancebo levantou-se e teudo reco-
nhecido o gigante a soltar um grito do ale-
gra quando este por urna vista d'olhos Ihe
intimn que secalsse.
Senhores, disse o chefe nAo longe do
templo Barr existe urna casa isolada, e ha tres
mezes deshabitada. Estcheia dejoias, mo-
vis preciosos e dinheiro. Os propietarios
deste castello estAo viajando preciso apro-
veitar a occasio.
Bravo bravo bem lembrado excla-
mrAo todos.
- Apromptem-se todos para a expedigAo ,
e o pequeo tambem ir para se ir acostu-
mando ao officio.
Tony quiz abrir a boca pira recusar-se de
tomar parte no roubo porm sentio um
forte biliscAo e voltando a cabega vio que era
o gigante Lilliput que o mandava calar por
este signal.
Dada a ordem relirrAo-se aos seus quar-
tos bem asseiados, que ficavAo sob a abo-
bada. Sir Tony atirou-se em seu leito o m
dormir para estar acordado noite ( pois os
ladres dormem urna parte do dia ), quan.lo
abrio-se sua porta, e dirigio-se-U.e liin ho-
mem desconhecido. Era elle de agradavel
ras do dia sabio de casa um menino chama -
do Deonizio de Souza Bandera com os signa-
es seguintes ; moreno da cor cabellos cres-
pos rosto compriclo nariz afilado tsm ti-
ma marca no rosto da parte direita de urna
postema quistara, cheio do corpo ps com-
pridos e secos, com idade de 14 annos le-
vou vestido caiga branca de lislra jaqu ta de
pao fino azul chapeo d-;seda pi-elo <-om fumo
largo quem tiver noticias delle. ; dirija-so
a ra Augusta n.8(>ou annuncie para ser
procurado.
tsr Quem annunciou querer comprar urna
venda dirija-se as 5 Pontas n. 45 onde tem
lampio que se far negocio vanlajoso ao per-
tendente.
isr Quem no Diario n. 217 em 15 do cor-
rente annuuciou querer comprar urna venda
com poneos fundos com commodos para fa-
milia querendo urna na ra velha da Boa-
vista tem bons commodos para familia e
muito em conla no aluguel por ter um sobra-
de por cima, e outra loja que se alugae se ven-
de por seu dono querer retirarse para fora da
provincia por falta de saude : na ra velha
n. 70. *
Snrs. Redactores
= Estou manietado e tenho a lir.gua pri-
vada de poder publicar feitos magnnimos de
alguns meus amigos para com migo por
issoque, por melindre d'elles, sedAopor
agravados com a publicago de seus nomes ,
por cousas que e!lf?s chamAo je nenhuma
monta e somente feitas em signal de puro
afecto e amisade, mas a que eu chamo de to-
da a importancia e como fique em silencio
tal publicagAo pelo resp-ito e obediencia a
meus amigos, nao devem ficar os meussenti-
mentos degratido para com esses mesraos ,
de quem se fica em duvida se em duvida po-
de ficar o conKeoimento de algum homem
generoso, como deum vil, com quanto muitos
generosos hajo que nao sejo dos contempla-
dos na minha gratidAo; desta forma estou per-
suadido que se nAo agravaro, e quem quiser
que os advinhe. Antonio Jos Victoriano
Borgesd'Almeida e Albuquerque
Mr Da-se um cont de reisa juros sobre
hypotheca em alguma caza a quem lhe con-
vier annuncie ou dirija-se a ra do Calde-
reiro sobrado de uro andar n. 2.
= Aluga-se um grande sotAocom muitos
commodos na ra do Livramenlo n* 3.
tsr Jos Francisco dos Reis Norbin em
consequencia do annuncio inserido no diario
novo, n. 82 com as letras iniciaos J. I.
R. J. que querem diier Joaquim Ignacio Ri-
beiro Jnior ; foi ameagado pelo mesmo e
desde j roga a seus amigos logo que seja
executado o dito ameago; hajAo de depositar
o seu corpo em lugar sagrado. N. B. O annun-
cio precedente foi escriptoe remettidoaosSrs.
Redactores do diario-novo; sexta feira 11, dia'
em que teve lugar o ameago a que o mesmo
se refere : espero brevemente dar ao publico
a causa da sua relengfto assim como fazer
algumas ohservages sobre o mo carcter
e nouco sizo do sr. Jnior.
= Rita Lourenga dos Santo faz sciente
ao oficial de pintor que v tirar os penhores
de ouro que esto na mAo da dita por pre-
go de 22 rs. fra os juros de 3 de Fve-
reiro do prezente anuo e nAo hindo buscar
os ditos penhores e levar o juro do trato, den-
tro de 10 dias contados da data deste annun-
cio ficarAo vendidos.
presenga estava no meio dia de sua idade *
e posto que seus vestidos estivessem um tant,
usados, tinha um ar de nobreza e magestadeo
que nAo escapou a sir Tony Este procurou
recordar-se do lugar onde tinha visto estas
feiges que lhe nao pareciAo estranhas po-
rm sua memoria o nAo ajudou.
- Sir Tony Wellerson disse o incgnito
com magestade ;* nAo desanimis.
- Gande Dos como sabis mcu nome?
- Mrtis tarde sabereis o segredo deste mis-
terio meu nobre menino sabei somente
que Dos vela sobre vos, e nao vos abandonar.
E tonanda as mos do mancebo, apertou-aa
entre as suas com ternura extraordinaria.
Senhor disse-lhe Tony j que meco-
nheceis e vos inspiro interesse dizei-me
se devo Gar-me de um gigante que at aqui
me tem ajudado com seus esforgos?
O estrangueiro carregou o sobr'oiho, e disse
com voz ligeira :
Nada posso responder-vos prohibirio-
me de o fazer.
E devo ir a essa expedigAo, e fazer-me cm-
plice do roubo que se fizer esta noite?
O estrangeiro nAo querendo fallar fez o
signal de adeos ao menino fechoua porta
sobra si, e desappareceu.
( Continura-se-ha.":


w&SBtt
tsr*Aluga-se para passar a festa um sobra-
do na Cidade de Olinda, na ra de S. Bmlo ,
com agradavel vista para o mer, e muito fres-
co por prego com modo ; quem o pretender
dirija-se a ra Velha da Boa-vista a fallar
com o Teen te Coronel Joze da Cunlia Morei-
ra Alves n. 63.
PILL'LAS VEGETAES, E LNIVERSAES AMERICANAS.
O nico depcito dellas he em casa do agen-
te D. K "oth ; na ra de Apollo n. 27.
sa^ O baixo assignado avisa .-ios foreiros
do vinculo de N. S. da Conceigo dos coquei-
ros que elle se acha legalmente authorisa-
do para cobrar os foros supra do mencionado
vinculo bem como para passar as licengas ,
e receber os laudemios ; quem o pretender
dirija-se a ra Nova loja n. 24 das 8 as 9
horas da manh e das 2 as 4 da tarde.
Jaaquim Candido Ferreira.
= Precisa-se de 500* a premio de 2 por
cento ao mez dando-sn por seguranza hypo-
thoca em urna casa no bairro de Santo Anto-
nio ; livre e desembarazada e pagando-se
captivo para trabalhar alguus mezes: quem
tiverannuncie.
Lotera do Theatro.
tsr Nos lugares ja annunciados conti-
nua-se a venderos bilhetesdesta Lotera ; e
muito breve se annunciar o andamento das
rodas.
COMPRAS.
Lma rede nova de malha de camaro,
tendo 20 bracas atheSOdecomprido euma
athe duas de altura um panno de tarrafa
novft de malha de satina : a fallar com Joze
Gongalves Ferreira Costa no Recife ou em sua
casa em s. Amaro.
t^ 4 pesos de duas arrobas cada um : na
ra dosQuarteisn. 18, na raesma casa ven-
de-se azeitedoce de Lisboa de superior qua-
luade a 4200 a caada e a garrafa a 540.
t^* Urna vacca com cria e que seja boa de
leite : no principio do atierro dos Aflogados
sobrado do Lima ou annuncie.
annuncie para ser
todos os mezes os juros ;
procurado.
sr* Quem precisar de urna ama para casa
de hornera solteiro ou viuvo com pouca fa-
milia dirija-se atraz da Matriz da Boa vista
numero 13.
Alluga-se um armazem todo ladrilla-
do proprio para armazem de assucar, ou
para outro qualquer estabeleciment por of-
ferecer grande vantage de ter no fundo do
mesmo o embarque a toda a hora ; quem o
pretender dirija-se a ra da Praia sobrado
dedous andares numero 3b*.
tar OfTerece-se um rapaz com alguns es-
tados para ensinar primeiras letras lora da
praga e d fiador a sua conducta : na ra
do Caldereiro n. 0.
MT Quem precisarde urna ama para casa ,
de muito boa conducta dirija-so a ra das
Cruzes loja do sobrado n. 2.
or Precisa-se de um ou dous pretos pa-
deiros que sejo fies ; quem os quiser alu-
gar annuncie.
or* Aluga-se metade de urna casa a qual-
quer senhora capaz : na ra da Conceieo
numero 50.
tar* Roga se ao capitSo de campo que agar-
rou na madrugada do dia 16 um preto an-
gico de nome Thom, ja de idade que le-
va va um sacco pequeo na mo queira le-
va Jo ao p da oadeia n. 19.
tar Precisa-se de um perfeito olicial de
pharmacia para tomar conla de urna das
melhores boticas da Parahiba : na ra das
Trincheiras n. 18 pois em quanto ao ajuste
nio desagradar.
*ar A pessoa que annunciou querer dar
SOO a premio sobre hypotheca em urna casa,
'em resposta ao annuncio feito no Diario n.
237 dirija-se a Olinda ra do Lupe n. 6 ,
ou annuncie.
tar Precisa-se alugar um moleque que
saiba alguma couza cozinhar para casa de
pouca familia: na ra da Cruz do Ptecife
numero 31.
s^ Deseja-se saber se existo nesta praga ,
ou fora della o snr. Joze Francisco Pontes ,
que de 6 para 7 annos era morador no bair-
ro da Boa vista e ondo quer que exista, pe-
de-se-lhe queira annunciar sua morada para
negocio de seu interesse.
tar No armazem de trastes da ra da Cruz
n. 63 precisa-se de dous aprendizes de mar-
cineiroque saibo bem envernisar pagan-
do se-lhe conforme o seu trabalho.
tsr Da-se 500* rs. a premio de dous por
cento a o mez sobre pinhores de prata e ouro
no pateo da s. Cruz n. 3.
tar Antonio Dias da Silva Cardial mudou
sua residencia para a ra Je S. Rita n. 7 e
sua serrana para a ra da praia por traz da
ribeira n. 15 el7.
sr Aluga-se urna casa terrea na ra do
Sebo da Boa vista n. 4 com bons commo-
dos para familia : a tratar na mesma casa ou
na Soledade em urna venda confronte ao be-
co do Pombal.
tar Precisa se de um moleque que saiba
alguma cousa cozinhar para casa de pouca
familia : na ra da Cruz n. 31.
or Offirece-se um rapaz portuguez para
caixeiro de urna venda, pois tem alguma pra-
tica disto, ou mesmo para criado de urna casa
capaz, ou mesmo para caixeiro de paderia ,
quem de seu prestimo precizar ; dirija-se a
ra do Fagundes n. 1. quinado iampiao que
adiar com quem tratar.
nr* Precisa-se de um pequeo de idade de
12 a 14 annos, para caixeiro de venda pois
nao importa que nao tenha pratica a fallar
na Boa-vista ra da Gloria por baixodo so-
brado do sr. Joze Antonio da Silva Santos.
Precisa-se de um oflicial de carpnleiro
VENDAS.
Folhinhas de porta algibeira e Pa-
dre : na praga da Independencia loja de li-
vros n. 37 e 38, ou 6 e 8; na ra do Cabu -
ga loja do snr. Binlaira ; na ra da Cada
do Reoife loja de ferragens n. 4l; na ra da
Madre de Dos venda da esquina defronte
da Igreja ; na Boa-Vista defronte da Matriz ,
botica do snr. Moreira ; e em Olinda boti-
ca da ra do Amparo.
ssr* O Brigue Escuna Americano Jones ,
forrado e encavilhado de cobre e prompto
em tudo a seguir viagem e um terreno em
fora de portas; dirija-se a iogo Crabttee ti C.
na ra da Cruz n. 43 ou A. S. Cortt &
Compnhia ra da Cadeia n. 42.
tar Urna preta crela de 23 annos cose ,
engomma e cozinha o ordinario tudo com
alguma perfeico, e d-se a contento : na
ra DireUa n. 129 segundo andar.
tar Um batelam quecarrega 3 a 4 pessoas
novo : na ra do Vigario armazem n. 5.
tar Barris pequeos com potassa ameri-
cana barricas com superior farelo ; e velas
de espermacete : em casa de Matheus Austin
& Companhia ra do Trapiche novo nu-
mero 18.
or Na fundicao de ferro e fabrica de ma-
chn is da ra da Aurora acha-se para ven-
der machinas de vapor de torgas mais proprias
para engenho e de construego mais apro-
badas e tortas com moendas ou sem ellas.
Moendas de varios tamanhos e qualidades
entre ellas ha urna de nova construyo que
dispensa virola invenco de um senhor de
engenho perto desta praca e que tem sido
muito aprovada laxas de ferro portas de
fornalha, serras sortidas para serrara bom-
bas arados roldanas jarras para apoa
moinhos grandes de caf tudo de ferro' sa-
fras de ferreiro chaves de paraftizo dag cha-
madas inglezas niveis de espirito : e na
mesma fabrica faz-se nao s as obras a cima
mensionadas como tambera machinas de
vapor de todo o tamanho e torca tanto ma-
nnho como das futras e caldeiras para
qualquer das ditas canos de ferro para en-
canamente de banheiros bombas ou qual-
quer outro fim barcas
tsr Os utencilios de urna venda no Man-
guinho em a casa nota tinto ao porto do
sitio de Joze Baptista Ribsiro de Fari...
sar Na praga da Independencia loja n. 58
e 40 ha para vender ricas flores multo finas
e baratas chegadas agora toalhas de li-
nho alcoxuado e com franjas Viudas da Ita-
lia fructas le todas as qualidades da Euro-
pa feitas de marmore cha isson e sequm
superior agoa de colonia superior em gar-
rafas grandes e vidrinhos selins inglezes pa-
ra montara de homem e senhora bicos de
linho muito finos para toalhas e roquetes de
padre, jaquefas de panno para criados, um
florete rico e dourado urna espada toda de
ac o mais rico que se pode fazer castigaos
com lanternas ricas ede bom gosto tapetes
pintados esleirs da India mui argas, cor-
tes de coletes de seda lencos pretos de seda,
meias e luvas de seda de varias cores e de
superior qualidade.
ssv Urna escrava de 20 annos da muito boa
figura, ptima mumbanda boa engomma-
deira costureira sem falta alguma pois
tem sido recolh ida at o presente; 4 ditas
mocas com boas habilidades ; urna parda de
20 annos de boa figura bem alva e bom
cabello cose, engomma, e faz todo o ser-
alvarengas
as de ferro para vapor ou outros motores
carreiras de patente para navios estradas de
ferro e machinas locomotivas ; assim como
emprehende-se qualquer obra de engenharia
civil ou mechanica que se oTerecer. Este es-
ta beleci ment offerece grandes vantagens as
pessoas que necessito obras desta natureza
nos pela facilidade de encomendar em pro-
pria pessoa e sem IraducaO de urna lingoa pa
ra outra de termos technicos nao geral-
mente entendidos como tambem pela ga-
ranta natural que sempre tem todos que
compro directamente do fabricante pela fa-
cilidade do recurso havendo defeito; e aprom-
pti.lao mesmo de algum conserfo que possa
necessitarpor estarem os moldes todos no
paiz.
tar Continua-sea vender agoa de tingir
os cabellos e suissas : na ra do Queimado
loja de chapeos n. 37 cada vidrinho vai
acompanhado do melhodo de se aplicar.
cy Um moleque de JO annos muifo es-
perto, crelo ptimo para qualquer ocupa-
go sem defeilos nern achaques ; e um se-
lim novo para menino montar em carneiro :
na ra de Hortas n. 46.
tar Um moleque crelo de 12 annos : no
pateo da s. Cruz n. 3.
tsr Barris com cal virgem de superior
qualidade para servir m vez de potassa a
li rs. cada barril : na ra de Apolo arma-
zem de Francisco Joze Silveira.
vico de urna casa ; 4 pretos de 20 annos de
boas figuras, umdelleshe bom cozinheiro e
servente de urna casa : na ra de Agoas ver-
des n. 44.
tar Um preto Mozambique de bonita fi-
gura de 26 annos ganhador de praga e
cozinha o ordinario e bom refinador de assu-
car : na ra das Flores n 6.
Urna casa terrea no lugar do Mondego
bem construida com bastantes commodos ,
a saber duas salas bastante grandes, 4 quar-
tos corredor lavado cozinha fora com fu-
go inglez amurado e cacimba com ex-
collente agoa de beber, toda envidragada 4 e
finta a moderna : na praga da Boa vista bo-
tica n. 20 ou na ra da Cruz no escripto-
rio de Manoel Joaquim Ramos e Silva.
t&" Urna lanterha mgica fantasmagrica,
vinda a pouco de Franga com lindas figu-
ras e pinturas mui finas propria para os
passa tempos da festa: na ra Nova loja fran-
ceza n. 2.
tar Superior caf moido dito de cevada
a 180 a libra e suprior assucar refinado :
na reinago da ruaDireila n. 10.
*S" Urna casa bem construida e nova ,
com bons commodos, quintal murado com
portSo cacimba no atierro das 5 ponas
defronte do viveiro do Muniz n. 45 : a fallar
no mesmo lugar n. 7o.
tar Um escravo de nagao angola de 36
annos, boa figura possanteesem vicio al-
gum proprio para o servigo de Campo : na
ra de s. Gonsalo n. 20
tsr Caf moido a 220 a libra, e 140 em
grfio assucar branco em arroba a 1920 ,
cevada a 100 rs. a libra manteiga boa a 720
e mais gneros por prego commodo : na ra
estreita do Rozario n. 38.
W Pequeos barris com batatas : no
atierro da Boa vista junto ao becodo ferreiro
numero 4i.
tar Um escravo de bonita igura que re-
presenta ter 20 annos vindo do Ass sem de-
feito riem vicio : na ra da Cruz n. 64.
^S- Charutos da havana de superior qua-
cano-jhdade rap de Lisboa chegado ltimamente,
Igapatos de couro de lustro ditos de marro-
quim ditos de duraque borzeguins gaspia-
dos para senhora ditos ditos para homem ,
perfumaras de diversas qualidades volantes
de cores largos e estreitos pentes de bfa-
lo para desembaragar ditos da moda pa-
para prender cabello, capachos brancos e de
cores de dTerentes tamanhos, chales grandes
e pequeos de l e seda, Iengos ditos, chapeos
de sol de cores de seda para sra. ditos pretos
para homem, ditos do chile entrefinos chega-
dos ltimamente, ditosde palhafrancezespara
menina eondegas de Lisboa de todos os ta-
manhos tezouras douradas muito finas, cor-
tes de coletes de veludo e de fusto e de l
e seda papel pequeo de todas as coros pro-
prio para namoradas franjas de al de differentes larguras bicos rendas e fitas ,
de todas as larguras e qualidades luvas de
seda curtas, compridascom dedos e sem cl-
les ditas de algodo para snra., ditas de pe-
lica e de algodo para homem meias de se-
da curtas ecompridas inglezas pallifeiros
de casqumha de lindos modelos casticaes
de bronze grandes e pequeos coifas de linho
para senhora mantilhasde seda para meni-
na carros de banca Jivros paulados e re-
graJos de todos os tamanhos con tas doura-
das grossas e finas e suspensorios de borra-
xa dilos de fio fino troquezas de gapatei-
ro ferros de plaina com capa e sem ella re-
troz de prmeira e segunda sorte preto e
sortido moinhos de pao para caf lacre en-
tre fino cartas de Jogar trance zas e portu"ue-
zas cambraiBS do bom tom brancas e de co-
res, bonitos padias, facas de cabo de osso pu-
lidos alfineites grandes de incosto Unta
azul e encarnada pura marcar, selins chegados
ltimamente por pregos muito commodos Inri-
gas de cambraia bordados mui'.o finos e ou-
tras muitas fazendas por prgos commodos
na ra dosQuarteis loja n. 2.
Vty Pentes de tartaruga da moda de botar
de urna banda e de outra moda, tambem se
concerta toda obra de tartaruga ; no pateo do
Carmo na loja do sobrado da esquina que vol-
ta para a ra das Trincheiras n. 2.
tar Um moleque crelo de lt annos a
moeda ou a troco de fazendas : na ra de
Santa Rita n. 91.
or Arroz do Maranho a 1300 a arroba,
e feijo raulatnho em sacca dedous alquejl
res e meio do Rio de Janeiro : no armazem
grande defronte da escadinha da Alfandega
de Dias Ferreira & Companhia.
S3T" Farinha da Ierra em sacca a 4* arroz
com casca a 4480 o alqueire pela medida ve-
lha sera amarela a 320 a libra toucinho
de Santos a 160 e cevada nova a 80 reis a
libra : no pateo do Carmo esquina da ra de
Ortaslado direito n. 2.
W Na ra da Cadeia do Recife casa n.
49 por cima da loja do sr. Francisco da Sil-
va se vende urna escrava de idade de 5j an-
nos por 3800000 boa cosinlioira en;om-
madeira e costureira ; quem a pretender
procure athe as 9 horas e de tarde athe as 4.
or Um mulato de idade 18 annos mui-
to bonita figura proprio para pagem ou
bolieiro ; a fallar no segundo andar do ulti-
mo sobrado da praga da Boa-vista junto a
Conceigo ; no mesmo sobrado dezeft-se tra-
tar com um rapaz portuguez que queira ser
caixeiro em um engenho arredido G legoas da
praga.
ts Urna venda com poucos fundos ou
somente a armago n<> lugar da Trempe ;
tratar no sobrado ao p n. 433.
tar Das moradas de casas de taipa no lu-
gar da Capunga, lodas com oxcellente quintal,
e com alguns arvoredos e ps de coqueiros ,
e he perto do banho saUado e bom f.eixe
efetivo na porta ; os pn*ten-lentes dirij9o-se
a ra do Caldereiro n. 9i a fall .r com o Amo-
rim Jnior que todo o negocio se far.
tar Um cavallo com tolos os andares em
boas carnes e proprio para carro por ser bas-
tante grande : na ra da Praia n. 32.
2ST Um brago de balanga e pesos pre-
zuntos muito em conta : na ruado Azeite de
Peixe n. 5.
ESCRA VOS FGIDOS.
mt Fugio na madrugada do dia 14 do
corrente de casa de B. Lasserre : Compa-
nhia fu daSenzalla velha n. 138 um escravo
pardo de nome Felis estatura alta incor-
pado, sem barba, idade 2 annos pouco
mais ou menos, bonita figura levou vestido
caiga de lustrim preto e jaqueta de lustrim
azul, alem de mais roupa do uso que levou, e
urna espingarda lazarina ; quem do mesma
souber, ou aprehen Je-lo poder leva-lo a
casa a cima que receber urna boa gratilicaco.
tar Fugio no mez do Junho do anno de
1838, o preto de nomo Manoel nago an-
gola com os signaes seguintes : baixo cheio
do corpo um tanto fula semblante triste ,
quando fala he descangado muito cabelu-
do por todo o corpo barba serrada bem la-
dino he cosinheiro ealfaiate oqualsesu-
pOe ter hido para o Certo ou embarcado
para fora da provincia : no dia 8 de Dezembro
de 1840, fugio outro de nomo Francisco,
anda alguma cousa embaragado na falla he
de angola, alto, alguma cousa secco do corpo ,
rosto comprido denles abertos na frente ,
tem urna marca de A no peito direito quan-
do anda abro os ps para os lados e he com a
cabega levantada, he oOicial de serrador de
cujos escravos se pede encarecidamente a
aprehenso as authoridades policiaes e capi-
tes de campo e mais pessoas particulares de
os fazer conduzir para esta praga a entregar
a seu senhor Joaquim Pereira de Mendonga ,
que pagar por cada um 100.
CJ- No dia 11 deste corrente mez de No-
vembrodesapareceo um moleque crelo de
nome Galo com idade do 13 annos com os
signaes seguintes : baixo cheio do corpo ,
bem preto bonitos den tes e bem alvos, olhos
nao pequeos wbrancelbas cmpridas ca-
ra redonda nariz chato ps chatos o dedo
grande do p direito sem unlia tem uns pe-
queos tulhos de na vaina em quadro ; quem
o pegar dirija-se a llha do Nogueira, quese-
ra gratificado do seu trabalho.
RECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. =1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ENS9NO91K_P492B2 INGEST_TIME 2013-04-12T22:27:16Z PACKAGE AA00011611_04822
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES