Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04802


This item is only available as the following downloads:


Full Text
"1
-?
Anuo de 1842.
Sabbado 22
V
Tudo gor depende de nos mesmo. ; danos, prudencia moderacilo, energa: on-
muemo cobo princiuiamoe e seremos tponudos com admiracao entre aa N.eSe. aiaia
5u)!as< (Proclamacao dA.ebla Geral do irtiil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
^oiaona, Prib Rio grande doNarte, aegnnda. e aeala feira.
Bonito e G.ranbuus u 40 e 24 .....
Cabo Serinheem Rio Formn Porto C.Wo Maceio e Alagoa. loi. 11,
Uo.-eiata e Flore 43 e 8. Santa Antao quintal feiraa. Olinda todoa o dita.
DAS DA SEMANA.
17 Se, Heduriee Doquea. Aud. dj J. de D. da 2. t.
1S iere. a. Laca* Eangrlista. Re. And. do J. de D d 4 .
ii) Quart. P"" oe Alcntara F. M. Mm. And. do J. de D. da 3. y.
20 Quint. 9. .loanCancio And do jnit de D. da 2. f.
2t Scit. I'rsula e su.tj Comp. Mm. And. do J. da D. da 4.. .
5* Sab. .'Mara Salom. Re. And. do J. dsj D. da 3. r.
33 l)om. a. Jao Capiatruo F.
de Outubro. Atino XYIII. N. 229-
O Diario publica-te todo os da que nSo forem Santificado. : o preeo da ...gnateraha
de tre. mil rei. por qu.rtel p.-o. adiantado O.aannneio, do. ....gn.nte. ,ao .naer.do.
.rali, e o. do.au. o nao (ora- i raiao de 80 re. por l.nh. A. recl.m.ooe. dere aer
dirigida. esta Typ05r.fi. ra. da. Cr..e. D. 3, .n pr.c. d. Independe.., loj. de lifrbe
Numero 37 a 38. _____
CAMBIOS no da 21 deobtubro.
Cambio obre Londre 26 J Nominal.
a Par* 305 rei. p. franco.
, Lisboa 406 por 400 nominal.
Moada de cobre 3 por 400 de de.conto.
dem de letra, de boa firma 4 | ,
compra venda.
Oobo- Moeda d 6,400 V. 45,400
, N. 46,20J
, de 4,000 8,300
PaaT.. Pataeoe. 4,?*t>
Peto. Columnare. 4,720
, dito Meiicano 4,720
miud. >.6S
45.60
45,400
8 500
4,7*0
4.740
4,740
4,620
Preamar do dia 22 de Oulubro.
4. a 7 hora 42 m. da manbi.
2. a S befa e 6 m. da tarde.
PHASES DA LOA INO MEZ UE OUTTJBRO.
Loe Nora a 4 -- 4 bora. e 6 da manh.
On.rt. creae. a 44 -- a 4 bar.. 22 m. da manh.
Lna cbaia a 49-- 4a 8 borae a 53 m. d. m.nh
Qo.rl, mine, a 26 -a 40 bora. a 23 m. da t.rd.
DI A RIO I>E PFRTVAMBUC.O.
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 18 DO CRREME.
Portiria -- Ao comman.Iante do lrigue es-
cuna ss Caliope = ordenando que largue
para as Alagoas logo que receber da thesou-
raria da fazenda o dinhairo que tem de
condtizir para aquella provincia.
OlTicio Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes determinando em conse-
quencia de requisito do corpo de polica ,
.que mande adiantar' o sold do mez Je no-
vembro futuro ao destacamento do referido
corpo estacionado no termo de Garanhuns.
Participou-se ao coramandante geral do
corpo de polica.
Dito A cmara municipal d'esta cidade,
inlelligenciando-a d'haver approvado defini-
tivamente a directo do novo caes projectado
do arco da Conceigo at fortaleza do Brum,
como se aclia na planta do bairro do Recife ;
e ordenando, que fornega a mencionada plan-
ta ao major do corpo de engenheiros Gusta-
vo Adolfo Fernandos Pinhero da Cunha
;lim de que vista d'clla possa fazer as medi-
ques e demarcagdes dos terrenos de mari-
nha comprehendidos na extenso do dito
caes. Igual participarlo se fez ao citado
engenheiro determinando-se-lhe que se
dirigisse cmara municipal, para lite ser
fornecida & referida planta para o supra-indi-
cado fim.
Dito A cmara municipal do Bonito ,
remetiendo os exempiares dos ndices das
Jis ; decretos e decises do governo dos
annos de 1810 e l8il que requisitaro em
.seooflicio sem data.
Portara Ao commandante da escuna=
Legaldade = ordenando que largue bo-
je ( 18) para a Bahia na mar da tarde
lim de fazer ali os concertos de que precisa
a escuna de seu commando ; e que entregue
o oilicio que lhe remelle ao Exm. Presi-
dente i'aquella provincia.
OlTicio, Do secretario da provincia aoen-
carregado da vaccina em Sanlo-Anto re-
metiendo seis laminas de puz vaccinieo.
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DIA 17 DO CORRENTE.
OUlcio Ao Exm. Presidente, remetten-
do-lhe urna segunda via da relago de varas
pragas de primeira linha, que se tornaro in-
vali las em conseqoencia de ferimentos rece-
idos na campanha e que foro propostas
IFQL'HIf TD
AS D VAS ORFJS
ou
HUMA DESESPERAgAO INFERNAL. (*)
III.
Salut dit-elle en sonpirant, beau soleil dtt
Brsii! alut pour la deiuiie Ibis !
jaunr.'-ou*Joii.
Dans un billet...........
.le lis son ei tine-et je lis mon mall.eur .. .
Lucoupcie oudre eutl inoins terrible!...
rjLR.it.
Nassau venoedor tomando posse da villa
deS. Francisco o Penedo, permittio que
seus conlrarios se estabe'ecessem na margem
" { ) Vid. Diario N. 227 e 228.
para reforma em 27 de agosto de 18 ti afim
de que houvesse de solicitar do governo de
S. M. I. a conlirmago daquella proposta ,
que tem por fim remunerar servigos presta-
dos ; e arredar dos corpos pracas que nen-
huns servigos podem dar.
Dito Ao mesmo Evm. Snr., remetten-
do-lhe para ser despachada urna requisi-
go dos objectos que se fazo nicessarios pa-
ra se administrar com a dbvida decenoia o
sagrado Viatico aos nfermos do hospital re-
gimental,, e pedin lo-lhe houvesse de solici-
tar do Exm. e R."" Bispo a licenga ji requi-
sitada para a ccllocago do Santissimo Sacra-
mento na igreja da Solidado.
DitoAo mesmo Exm. Snr., remetten-
do-lhe, informado o requerimento de Caeta-
no Jor.e Mendes salgento quartel mestre do
batalho de infantaria de guardas nacional
destacado que supplicava o posto de alferes
do mesmo batalho.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., informan-
do o requerimento do capito Anacleto Lopes
de Santa Auna pedindo urna gratilicago
pelo tempo que commandou as forgas desta-
cadas ein Serinhem e Rio Formoso.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., informan-
do a pretengo do segundo sargento Manoel
Felis Barboza da forga destacada em Olinda ,
conforme exigir em seo despacho de 11 do
correnle.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. pedindo-
Ihe um esclarecimento sobre acommisso do
major M. i. de Oliveiraa provincia do Ce-
ara.
Portara Ao major commandante da
companhia d'artifices mandando desligar
da mesma com guia de passagem para a com-
panhia de cavallaria de linha, ao soldado Ho-
norato Cavalcante de S Campello.
Dita Ao capito commandante da com-
panhia de cavallaria do linha, mandando rece-
ber com guia de passagem ao soldado men-
cionado na antecedente portara.
REPARTigO DA POLICA.
Parte das occorrencias do dia 21 do correte.
Da parte hoje dada pelo commandante ge-
ral do corpo de pelicia consta que fora hon-
tem prezo pelo inspector de quarleirfto do
Manguinho ordem do sub delegado respec-
tivo oG. N. do 3. batalho Francisco Quiri-
nodasChagas, por ser encontrado com urna
pistola d'algibeira ; e pelo sub delegado d'es-
ta freguezia, o preto Luiz, escravo por
ter furtado um vendelho urna sacca com
feijo. Consta igualmente por particpago ,
feita pelo sub delegado da freguezia da S ,
em oTicio do hontem datado que no lugar
septentrional do rio do mesmo nomo. Foi
hi que Mariana encontrou seu velho bem-
teitor que lsabe! despindo-se de seu or-
Kulho vousou de confessar o horrendo projec-
to de assassinato nao mais a tendo por sua
rival nao mais sendo Diniz o dolo de seu
corago o enlevo de seus olhos e o nico pen-
samento que n'slma lhe morava. Porem as
douradas esperangas que a lisongeavo em-
murchecro como as ultimas llores da pri-
mavera ao soprar do invern.... Isabel ena-
morndole de um joven amigo de Diniz, mui-
to mais gentil do que elle mas nao dolado
do suas brilitantes qualidades deslembrou-
sedeseu primeiro amante e embalada no
bergo da esperanga por sonhos encantad o ren-
que menlio felicidades a morte......a raor-
te veio asinha desperta-la ....
Jeronymo odesditoso amador de Isabel,
suecumbiorpida enfermidadeque oaccome
tera e a vida da vaidosa donzella estevo por
mais deum momento a extinguir-se seme-
lhante a moribunda luz de urna candeia ao
soprar rijo dos venios. Os cuidados quo Di-
denominado Sapucaia prximo a Beben be
fora assassinado por Antonio Tavares de
Mello o preto Joze escravo de Jo:lo Lins
Caldas e que elle sub delegado se derigira
immediatamenteqtie sto soubeaodito lugar,
e passando fazer as necesarias pesquizas
a este respeito viera ao conhecimento de
que o dito Tavares havia sido aggredido pelo
referido escravo e que s depois de ter sido
por elle accomettido e ferido e quo em
sua defeza o assasinara no calor da luta ; dei-
xando ento de ser prezo por estar gravemen-
te f'rido com urna facada no peitodireito.
Nao occorreo mais novidade.
Pessoas despachadas do da 12 em dante.
Francisco Ribeiro da Silva Brazileiro ; pa-
ra a villa de Sobral.
Domingos nagao escravo de Francisco Cor-
dero Raposo Rio de laneiro.
Carlota Jozefa Joanna e Izabel, nago ,
escravas de Manoel Joze Vianna para o mes-
Luiz, crioulo escravo de Miguel Francisco de
Oliveira 5 para o Rio grande do sul.
Francisco Soares Barboza Portuguez j para
o Cear.
Joo da Silva Loureiro Brazileiro j para o
Ass. .. ..
Rita crioula escrava de Alvaro Menezes Mo-
reira para Parahiba.
Gustavo Adolfo Blaem Prussiano 5 Sergipe
d Elrey. .
Pedro Henrih Halterman Hamburguez $
dem.
Eduardo Wyme Inglez ; dem.
Rodolfo V. Seyfrud A.emo 5 pa" Mara-
nho. .
Thom da Rocha Bizerra Bracileiro ; para
Ico.
Jacob, nago escravo de Antonio Joze Car-
neiro ; para o Rio de Janeiio.
Miguel Boncfont Francez ; para o Bonito.
Joaquim da Costa Lobo Brazileiro ; para
Aracaty.
Marc Lassierre Francez ; para Rio de Ja-
neiro. n
Joo nago escravo de Kalkman e Koze-
monde Mara escrava de Joaquim da Cos-
ta ; para a provincia do Maranho.
Joaquim da Costa Roma Guedes ; para o Rio
de Janeiro.
Luiza escrava de Joaquim Jeze de Amo-
rim Joo Angola escravo de Antonio
Joze de Albuquerque dem.
Henry Mauley, Inglez 5 para Londres.
Rita escrava de Cipriano Luiz da Paz ; pa-
ra o Rio de Janeiio.
nz lhe prodigalsra a fizero acreditar que
era amada por elle ; brevp consolago a que
deveo a vida ; consolago que o tempo des-
truio como as auras dissipo as nuvens de
aroma de em torno dos mangueiraes.
AlTonso conhecia que a paixo de seu filho
proi?redia e que era necessario evitar algu-
ma desastrosa consequencia e decidi se a
dar-lhe Marianos por esposa certa de que ,
anda mesmo pobres como ero seno feli-
zes amando-se mutuamente. Isabel Mi-
ente das intenges de seu bemfeitor sentio-
se de novo abrasada pelo ciume poressa
chamma aleada pelo, amor e pela inveja : e
para impedir a felicidade de sua rival, lan-
cou mo de prfido enredo. D.tosos seria-
mos em extremo se pajesemos prever os pes-
simos resultados de oossas vingangas! Isabel,
essa menina com quem inule.s foro os cui-
dados de AlTonso a educago que lo sabia
cuidadosamente lhe dera ingindo a letra
de Diniz tragou n'um papel alguroas li.ihas.
como a ella dirigidas em que o amante de
Maiiannaconfessavt amar-lho, adjuntando
Marcianna, e Pedro escravos de Manoel Jo-
ze Vianna Joaquim nago, escravo de
Francisco Yaz Pereira Manoel Creoulo ,
escravo de Jacinto Antonio Franco Bene-
dicta Joze Luiza Francisco e Joo
escravos de Joaquim Pinto de Azevedo ;
dem.
Joo escravo de Francisco Frederico Pam-
plona ; para Cear.
Nicolao escravo de Miguel Archanjo de F-
gueredo ; para o Hio de Janeiro.
Crispim escravo de Fre Thomaz de Santa
Marianna Simio Benguella Joanna es-
cravos de Joaquim Pinto de Azevedo; 1-
dem.
S. R. Makay Inglez 5 para Parahiba.
Victorino Rodrigues Pires Brazileiro levan-
do em sua companhia o seu escravo de no-
me Manoel e o arrieiro Jorge Ferroira ;
para Quexaramobim com escalla para o
Aracati.
Roza Anna Joaquina Joaquim escra-
yos de Manoel Joze Vianna ; para o Rio
de Janeiro.
Maria Jozefina do Amor-Divino Brazileira ;
para a Bahia.
Gongalo escravo de Joaquim Manoel da Cu-
nta Guimares ; para o Rio de Janeiro.
Bento Antonio Torres Hespanhol ; para o
Ass.
Henriqueta, escrava de Maria Antonia da Cruz;
para o Rio Grande do Sul.
Joaquim de Souza Oliveira portuguez pa-
ra o Rio de Janeiro.
Feliciano Perry Velhal, austraco ; para o
Aracaty.
Joaquim Antonio da Silva portuguez para
Goianna.
Anna Hylot ingleza levando em sua com-
panhia Marta Desnimore ingleza ; para
Inglaterra.
Manoel Joaquim Ferreira, brazileiro levan-
do em sua companhia um filho menor; pars
o Ico.
Joaquim Rebollo escravo de Jos Gomes Le-
al ; para o Rio de Janeiro.
Jacinthae Lucinda, escravas de Antonio Fran-
cisco da Costa Braga ; para o Rio de Ja-
neiro.
Antonio Joo Ferreira Damaceno brazilei-
ro ; para o Ico.
VictorinoTinto Noguera. brazileiro adoptivo
levando em sua companhia o seu escravo da
nome Francisco e um fmulo de nomo
Joo ; para o Ico.
Jos Manoel de Almeida brazileiro ; para o
Aracaty.
Jos CerqMeira Manno portuguez ; para o
Aracsty.
outrss expresses bem lacis de despedaga-
rom o mais rijo corago. Nao sabendo como
podesse fazer com que esse bilhete dictado
pela mais vil intriga cahisse as msos da
sua rival das se passro at que opportu-
na occasigo veio coroar o seu intento.
Alta ia a tarde e o sol desapareca entro
os bellos damascos de purpura que desdobra-
vo-se pelo horizonte; seus ra ios se derra-
ma vao sobre sarvores e sumidades dos mon-
tes emprestando-lhes por momentos veos de
ouro ; as soberbas vagas de S. Francisco
desusavo-se magestosamente com arruido ;
os passarinhos descantavo saudosissimsmen-
te como que celebravo as exequias do dia ,
que, pouco e poueo esvaecia-se no Occi-
dente e galerna virago embalsamada do
odor dos floridos bosques percorria as cam-
pias cornadas de coqueros agitando seus
verdes cocares. Marianna passeiava gozando
das piturescas snenas que em qiiadros anima-
dos oflerecem os sitios da patria e ante elia,
nao distante caminhava Isabel que ti-
rando do seio um papeiinho, deixou-o cahir,


EXTERIOR.
PORTUGAL.
Convindo restringir pelo modo possivel o
tranco da escravatura branca, que sob o plau-
sivel nome de emigrados, ou passageiros, vai
despovoando nao smente as libas adjacentes,
mas tambem o Reino de Portugal n nente^-trafico tanto maisdillicil de ser di-
rectamente impedido quanto nenhuma lei
prohibe a mudanga de domicilio ; e nao sen-
do possivel por outro lado comprehender a-
quella especie nos decretos e regul*mentos,
que impoem severas penas contra o trafico da
escravatura negra : manda a Rainba pela
secretaria de estado dos negocios da mari-
nha e do ultramar que em quanto n ha
lei que reniva esta diiliculdade liquem
provisoriamente em inteira observancia os ar-
tigos constantes da nota junta e os quaes
( cum algumas alterages ) faziam parte de
um projecto de lei apresentado s Cortes em
urna das passadas legislaturas. O que a mes-
ma Augusta Sen hora manda participar ao tn-
jor general da armada para que assim o fa-
ca constar aos intendentes de marinha e na
falta delles s authoridades, que os substi-
tuem em lodos os portos de Portugal e seus
dominios. Pago em Cintra, 19 de Agosto de
1842. = Antonio Joze Mara Campello.
Artigos a que se refere a portiria dirigida ho-
je ao major general da armada.
Artigo 1. Todo o capito ou mestre de
navio mercante que sair dos portos destes
Reinos das libas adjacentes, ou das provin-
cias ultramarinas para qualquer dos portos es
trangeiros situados ao sul de 50" de latlu-
de norte e admittir <> bordo do seu navio
mais de 24 passageiros portuguezes tica su-
jeito sdisposigGes dos artigos seguintes
Art. 2.* Nenhum subdito portuguez pode-
r ser admitlido como passageiro a bordo dos
navios mercantes sem que aprsente o respec-
tivo passaporte passado pela authoridade com-
petente.
Art. 3. Todos os subditos portuguezes que
se ausentaren) sem o respectivo passaporte ,
e bem assim todos os capites ou mestres de
navios mercantes que taes passageiros rece-
borcm ficam sujeitos s penas que as leis
impoem contra similhantes inl'racces.
Art. 4. Nenlium navio mercante, que sair
dos portos destes Reinos das llias adjacen
tes, ou das provincias ultramarinas para qual
quer dos portos estrangeiros situados ao sul
da latitude de 30 norte poder fazer via-
gem com mais de dous individuos portuguezes
a bordo por nada cinco tonelladas da sua ar-
queaco registada entrando nesse numero o
capito e a tripulado do navio.
Art. o.* Almdos manlimentos e agoa-
da necessarios para a tripulaco, dever o na-
Vio para poder obter despacho de saiJa para
os sobreditos portos ter a bordo provises
boas, e ses para consumo dos passageiros.
A agoada ser regulada a razio de doze cana-
das por semana para cada passageiro, segun-
do o calculo estimativo da viagem ; e es ra-
e/tes sero calculadas segundo o mesmo cal-
culo como se os passageiros fossem soldados
embarcados excepeo do vinho.
Art. 6 Nao se dar despacho para os re-
feridos portos a navio algum mercante, que
para elles se destine e que conduza mais de
trinta passageiros portuguezes sem que elle
tenha a bordo e leve effect iva ment para o
seu destino um medico ou cirurgio habi-
litado a praticar pela sua competente carta de
exatne, e bem assim urna caixa de botica com
as drogas medicamentos e instrumentos
de cirurgia necessarios para similhantes v-
agens
Art. 7-* O capito do navio fica obrigado ,
antes de o despachar, a entregar ao intenden-
te de marinha capito do porto ou quem
snas vfeea fizer urna lista por elle assigna-
da em que declare os nomes. idade pro-
fisso ou oceupacao, sexo e naturalidade
de lodosos passageiros que leva e o nome
do porto ou logar aonde ajustou desembar-
car cada um delles; e esta authoridade envia-
r pelo mesmo navio ao cnsul ou authori-
dade que o substitua a relago original, a
qual dever ficar aqui registada.
Art. 8." O capito do navio nao poder
sem consentimento dos passagoiros desem-
barca-los em outros portos ou logares, que
nao sejam os que com elles convencionou ,
salvos os casos marcados no cdigo com-
mercial.
Art 0. No caso que o navio nao sia para
a sua viagem no dia aprazado no contracto pe-
lo dono capito fretador do navio ou seu
agente o capito sustentar durante a de-
mora que houver a cada um dos passa-
geiros.
Art. 10. No fim da viagem todos os pas-
sageiros que chegarem ao porto ou logar do
seu destino lero direito durante as primei
ras 48 horas depois da sua chegada a serem
conserva los a bordo, e all mantidos e pr-
vidos como durante a viagem ; salvo se tiver
havido entre elles e o capito do navio esti-
pularlo em contrario *ou s< o navio prose-
soindo a sua ulterior viagem sair do porto
dentro das ditas 48 horas.
Art. 11. O capito de qualquer navio mer-
cante que se empregue principalmente no
transporte de passageiros portuguezes ser
obrigado a prestar urna fianca de quatro con-
tos de reis nerante a authoridade competen-
te. Esta fianca responde por qualquer falta
de execugo das disposices destes artigos e
relaxa-se smente depois de passados dezoito
mezes da chegada do navio ao porto donde
parti com os passageiros.
Secretaria de estado dos negocios da mari-
nho e ultramar em 19 df Agosto de 1842.
= Antonio Joze Maria Campello.
pelas sete horas da tarde a urna legoa daquella
Cidade junto ao rio Ponsul pois que o fa-
moso bandido Vctor Semental, chefe da qua-
drilha ticou morto, o seu consocio Flo-
rencio Mata cau gravemente ferdo al-
guns dos seus cmplices foram capturados ,
e sao vivamente perseguidos dous delles os
nicos que poderam escapar-se ao dostroco.
Tal o resultado das incessantes fadigas e
continuos esforcos empregados pelas autho
ridades portuguezas contra uns scelerados,
que haviam sempre malogrado todas as dili-
gencias dos povos e authoridades de llespa-
nha e procuravam Iludir a nossa vigilan-
cia escondidos as guaridas de urna serra
to spera com extenca. E satisfazeodo as-
sim s repetidas recia mages de despatilla ,
temos dado ao mesmo tempo urna prova
mais da boa f e lealdade com que sao por
nossa parte cumpridos os Tractados e do
muito que nos desvelamos em manter as rea
goes de amisade eallianca entre os dous Pai
zes. Dos Guarde a V. Ex. Secretaria d'Estado
dos Nogocios do Reino em 29 de Julho de
1842. =Illm. eExm. Snr. Ministro e Secre-
tario d'Estado dos Negocios Estrangeiros. =
Antonio Bernardo da Costa Cabral.
Pelo ministerio da marinha e do ultramar
se faz puhlico para conhecimento dos nave-
gantes que por officio recebido do segundo
lente da armada, Domingos Hilario da Fon-
ceca Ferreiri commandante da escuna Boa-
vista surta no porto da villa da Praia da Ilha
de S. Thiago do Cabo-verde consta ter en-
trado naquelle porto no dia 25 de Junho ul-
timo, com agoa aberta. o Vapor Inglnz Phe-
nix capito Hasringthon vindo de Gree-
nock o qual na noite do dia 24 tinha estado,
por espago de quinze minutos em cima de
um haixn situado a leste da lha da Boa-vista
na latitude N. 16" 17\ elongitude a O de
Greenwch 22" 21'; que este Vapor deman-
da va doze ps d'agoa da popa e que tendo
prumado logo que conseguiu sahir daqnelle
baixo estando a mar em meia altura nao
encoptrou fundo seno a muitas bragas ; cal-
culndole, que o baixo nao tem mais de de-
zoito ps de comprimento.
continuou como se o nao tivesse presentido ,
na esperatiya de que Marianna o apanharia.
Infelizmente nao se enganou e o logo do
eiume que devota que consom niflam-
mou pela ve/ primeira esse peito onde at en-
tos virtudes s puro amor se abrigro.
Isabel entranhou-se pelos labyrinthos de
verdina das platiices de S. Francisco e Ma-
rianna dirigio-se para a margem do rio : aln,
sentada sobre um rochedo olhos demissos e
alogados em lagrimas corago opprimidode
dor ella se poz a canlar tristemente ao su-
surro das on las e dos coqueiros que bran-
damente abanava a viraco estes versos ,
que outr'ora do saudoso Rernardim Riheiro ,
do poeta enamorado da bella priiiceza luzita-
na escuta rao as montanhas aprasiveic de
Cintra e que ella muitas vezes repetir ao
seu amador rfesse mesmo lugar reclinado
n'esse mesmo rochedo :
Ao longo de urna ribeira ,
Que vai pelo p da serra ,
Onde me a mi fez a guerra
Muito tempo o grande amor ,
Me levou a uunlia dor.
Illm. e Exm. Snr. = Apresso-me a levar
ao conheciment de V. Ex. fiara os effeitos
convenientes, que o bando de salteadores
hespanhoes homisiados no Districlo de Cas-
tello Branco que nfestava ha longo tempo
as trras da sua naturalidade, fo completa-
tamenteanniquillado no dia 25 do corrente
Para conhecimento dos Navegantes se faz
publico o aviso da administrago da real Ma-
rinha da Suecia relativamente alterago
mandada fazer no systema de torres Jaquellas
costas a saber :
O farol de Falsterb ( Falsterb Fyr) de-
ver ser mudado de farol accdso com carvo ,
como at agora era para farol de lentilha 'da
segunda classe a fogo fixo e a sua torre por
consequencia soffrer urna consideravel alte-
rago a qiul comegar a ser feita logo que
seja possivel, durante o corrente antio ; de-
vendo no entanto e ate que o novo farol pos-
sa ser acceso o que provavel, ter logar
em o 1. de Julho de 1843 continuara luz
por meio da grande lanterna enllocada na tor-
re to alta quanto for possivel ; porm nao
corresponder inteiramente intencidade da
luz do farol acceso com carvo.
O farol de Kullen ( Kullen Fyr ) dever ser
substituido por um farol de fogo fixo, e a
sua torre por consequencia ser demolida e
reconstruida ; devendo durante o tempo do
concert que principiar no anno corrente
e at que o novo farol se accenda no anno
prximo futuro ser a luz transportada da
torre para o monte visinho sendo ella quasi
da mesma altura e continuando a luz por
meio do carvo em farol aberto.
Por ordem de S. M. deve comegar-se no
presente anno a construego de um farol de
altura de setenta psem Morusps Tange u-
ma milita distante da cidade de Falkenberg
na costa de Halland em Cattegal no qual se
collocar um lampio com reverberos que
pelo tempo da sua circulago e intensidade
da luz diferir do farol denominado Blink-
Fyr que conforme a noticia que se deu em
2ide Margo do corrente anno se construiu
no Anhoult, cust da Dinamarca.
Publicar-se-ha na Gazeta d'Estado o tempo
em que devem eomegar as alterages cima
mencionodas quer seja com Sentilhas ou
com reverberos.
( Diario do Governo ).
J era tarde do dia ,
E a agua d'ella corria
Por entre um alto arvoredo
Onde s vezes ia quedo
O rio e outras vezes nao.
Entrada era do vero,
Quando comeco as aves ,
Cotn seus cantares suaves
Fazer tudo gracioso ;
Ao rugido saudoso
Das aguas cantavo ellas.
Todalas minhas querelas
Se me pozero diante ;
Alli morrer quizera atite
Que ver por onde passei ;
Mas eu que digo ? Passei....
Antes ainda hei de passar
Km quanto hi houver pesar ,
Que sempre o bi ha de baver.
DIARIO DE PERMSBUCO.
Em nosso numero antecedente publicamos
Asagujs, que de correr
Nocesso um momento,
Me troxero ao pnsamento
Que assi ero minhas magoas ,
Donde sempre correm aguas
Por estes olhos mesquinhos ,
Que tem abertos caminhos
Pelo meio de meu rosto ;
E j nao tenho outro gosto
Na grande desdita minha ;
O que eu cunlava que tinha
Foi -se-me assim nao sei como ;
Donde eu certa crenga tomo
Que para me leixar veio...
As lagrimas que se Ihe desalro dos olhos,
e os solugos q' se Ihe daseiilgrodocoiago ,
llietolheioa voz;osversosdo romance do sau-
dosissim poeta deCintra parecia tecidospara
ella para ella to smente Crendo ter
perdido para sempre o objecto que ella pensa-
va idoiatrar-ilie, recordava-se saudosamenle
dos da risonhos de eu* pastados anuos ;
um artigo do Nacional de Lisboa sob o titulo
Emigrago no quI os Redactores las-
timando as desgragas de Portugal que excito
essa emigrago desgrjgas que em grande
parto attribuem a inepcia do seu Governo,
censuro acremente o Aviso prohibitivo da e-
migrago, que o Governo Portuguez a pouco
publicara. Entre outras considerages da-
quelles Redactores urna se l no seu artigo,
que merece ser notada pelos Brasileiros. En-
tendem os Redactores do Nacional que os seus
compatriotas Agorianos e do continente es to
Iludidos, que nao achilo no Brasil o que pro-
curoseus bragos laboriosos e que asactu-
aes perttirhages que ameago a propria capi-
tal do Imperio ainda mais Ihes difficulto os
recursos ; e em tudo isto como sabemos lia
engao e erros manifiestos. As ameagas de
perturbago da capital j desapsrecero ; isto
foi um incidente, que to Troquen te he boje
em Portugal que nao ha hi quem duvidede-
cidir-se pelo nosso paiz e quem nao esliver
fascinado conhecer que os Porlugbzes at
neste ponto ganho na emigrago. Nao ha
por certo de presente tanta facitidade e abun-
dancia de recursos para os Portuguezes que
procuro o Brasil como em outro tempo ;
mas ainda assim nao esto elles to exhaus-
tos eomo aos Redactores do Nacional parece.
Os Portuguezes nao atravego o Atlntico na
intengo de procurar a sua subsistencia na
roteago das trras ; outro he o engodo que
os attrahe, apezar do nosso sol e nosso clima,
que o Nacional tal vez quer comparar aos das
suas colonias ultramarinas qu to infensos
sao ainda aos proprios Brasileiros nascidos
debaixo da mesma zona. H: o commercio
quem arrastra os Portuguezes a este clima
hospitaleiro at para os filhos dos paizes que
lico muito mais ao Norte do que Portugal e
os Agores : se este ramo de industria nao he
hojeum monopolio dos Portuguezes he ain-
da quasi um privilegio, e amelade da emi^ra-
jo Portugueza sem exagerago nelle se em-
prega : se nao apparecem essas grandes for-
tunas d'outro tempo com a mesma frequen-
cia he por que o paiz nesta parte est to
explorado que nao pode resistir tanta as-
siduidade da parte dos especuladores : a ar-
vore das patacas morreo ha muito tempo. A
outra ametade dos Portuguezes ainda nao he
toda empregada na agricultura e a que o he
est bem longe de merecer o nome de. escra-
tura como diz o Aviso que o Nacional cen-
sura em um ponto de vista e que nos censu-
raramos em outro. Nao sao os Portuguezes
aqui mal acolhidos bem pelo contrario le-
vjio elle a preferencia entre lodos os estran-
geiros e em verdade a merecem apezar de
nao serem to provetosos ao paiz como po-
da ser ; porque sao os que menos cuido em
voltar trra natal depois de fazerem for-
tuna. Poraqui pode ver- o Governo Portu
guez quo improprios foro os termos de que
sa servio no seu Aviso que os nossos Ieitores
vero no lugar competente. O que asseve-
ramos he dito em presenga de militares de
Portuguezes, que ho deconfessar que esta
he a verdade e semelhante aspecto bem pou-
co tem de repulsivo e nao he paia afugentar
a quem nao goza em sua tena das delicias da
vida. Se um ou outro Portuguez soflre aqui
perseguigo ou miseria, estamoscertos deque
emseu paiz igualmente ou antes em muito mai-
or grao as soffrerio; ou por seu genio turbulen-
to, que alias nao encontrara l o apoio que to-
do o homein presta ao seu compatriota quando
em paiz estraulio ou por sua preguiga de
que os Europeos nao duvido aecusar os Por-
tuguezes.
lembrava-se do sitio onde vira pela vez pri-
meira a luz do astro que agora se esconde no
occidente ; e para elle volvendoos olhos. sus-
pirando o saudou pela derradeira vez. O sol
brilbou ainda por alguns momentos e desappa-
receo.. Ento se ergueo e foi caminho da
choupana do velho Affbnso ; e torcendo o
rosto, langou um olhar de saudade sobre as
rochas que deixava e magoado suspiro es-
capou-lhe dos labios : era o ultimo a Dos
que ella enviava aos lugares testemunhas de
seus amores ....
Cedo deseendeo a noite e o co dos tro-
picos patenteou-se em toda a sua pompa ,
marchetado de laminosas estrellas. Assen-
tados porta da choupana Aflonso Diniz
e Isabel desfructavo a fresca aragem da noi-
te e .Marianna reclinada na janella me-
ditara tristemente ella tinha na mente um
pnsamento terrivel terrivel como urna ins-
pirago do inferno terrivel : o suicidio !
(Coiitnuar-a-ba.)


NOTICIAS DIVERAS.
L-so no Pobre do Porto :
Valor da vida e da morte.O parlamento
itiglez concedeu um premio de 50. pesos ao
Dr. Jenner pelo descobrimento da vaccina
que tom salvado milhes do vidas. O mes-
mo governo assignou ao general Karpuel u-
ma pensaodc ,> pesosannuaes por ter inven
lailo urna especie nova de bombas, que po-
der matar milhes de individuos Fica u-
ma oonsa por outra.
Mania. -Odoutor L.....frentico partidis-
ta de freneiogia,apresento-e aumjuiz de Pa-
riz acensando de ladra sua criada e pt-
dindo quo so fizesse em casa della urna escr-
pulos, busca ; dava como indicio c prova do
crime, oorgo do roubosummamenle de-
senvolvido na cabeca da aecusada. O juiz es-
cusou-se a to impertinente pretenco : po-
rem tres das depois tornou o doutor a apre-
saalar-se cheio de contentamento porque
uasobservagesseachavam confirmadas ain-
ada que aereada tivesse fgido levando as joias
e dmheiros de sua esposa. Que triunfo para
o renelogista Porm nao se linham limita-
.do s aquelle ponto as observacoes do doutor;
porque notara tambem certa protuberancia no
orgo da afectuosidade, ejulgando. que a
fugitiva devia esconder se no seio de sua fa-
milia fc.ram procura-la e encontraran! ali
a ladra com todos o objectos roubados.
Perdas. A nota exacta das mercadorias
consum idas no incendio de H mburgo he a se-
guile : Caf 2,000,000 de libras assucar
bruto -2,000 000 libras algodo 1,200 balas,
algodo liado 350 balas arroz de Carolina
500 saccas arroz de java 500 saccas azeite
de palmeira 100,000 caadas, trigo do levan-
te t.000 alqueires, trigo commum 2,000
alquHires, sement de linhaca 260 barricas,
pannos 30,000 pegas, vinhos de Brdeos e de
Ci!tle8,0'J0quartos agoardente 400 barris,
room 40 o barris tabaco em folha 3,000,000
,,brM- (Nacional)
pela extincta administrado fiscal 5 que to-
das as lindas de 54 palmos de comprimen to ,
o as estivas de 41 palmos tendo as grossuras
pela dita encommenda determinadas que
chegaro at se contar o numero de 12 linhas
e de G6 estivas, sero pagas sem demora pe-
la thezouraria das rendas provinciaes.
Recife aos 19 de Outubro de 1842.
O engenheiro encarregado das
obras da ponte.
F. de Portier.
DECLARACAO.
Na loja de fazendas
N. 5 da rua do Queimado
confronte o beco do peixe
frito, rebate-se bilhetes, que
sahiro premiados na Lote-
ra do Rosario que ultima-
mente porreo.
=0 arsenal de guerra compra; brim bran-
co lizo ppalos e botes lizos de metal a-
marello ; quem taes gneros tiver apprezen-
te-se com a competente amostra na salla da
directora do dito arsenal nodia 22 do corren-
te s 10 para 11 horas da manhS.
AVISO MARTIMO.
= Sai para o Aracaty, o bem conhecido
hiate Flor de Larangeira no da 30 do cor-
rente empreterivel ; n3o sahio no dia 20 por
cauza da demora dos carregadores ainda
recebe alguma carga e passageiros os pre-
tendentas dirijo-se aos lugares ja annuncia-
dos.
LEILES.
COviMEKCIO.
ALFANDEGA.
iRendimento do da 2l d'Outubro 2:990*125
DESCARREC.A" HOJE 22 DK OUTUBRO.
Barca brazileira = Izabel = caixas fardos
e 1 rollo.
Brigue portuguez = Liberal = vinho, azeite,
drogas barricas e diversos volu-
mes e sebollas.
Brigue sueco = Victorino = taboado.
Brigus brazileiro = Tentaco = barricas va-
zqs.
Barca dinamarqueza = Preciosa as botijas va-
zias.
Brigue Escuna Americano = Seaman = Fa-
rinha de trigo.
HOVIMENTO DO PORTO.
NAVIOS SVIUDOS NO DA 2l .
Do lameiro para Liverpool o Brigue Inglez
Thomaz Battcrsby Capito John Leilch ,
carga algodo e assucar.
Liverpool ; Barca Ingleza Thomaz Mellors
Capitao James Palethorpe carga : algo-
do e assucar.
tsr Terca feira 2o do correnre no arma-
zem de Fernando Joze Bragues pflas 10 horas
da manh se far leilo de urna pnrco de fu-
mo no estado em que se achar, por conta de
quem pertencer.
= J. P. Adour & C* farlo leilo por in-
tervenco do corrector Oliveira na terca feira
24, enaquarta 25 docorrenle s9 para as
10 horas da manha no seu armazem rua da
Cruz dos seguintes artigos proprios do mer-
cado e por presos baixos, visto venderem-
se pan saldo de contas a saber : lencos, cha-
les e meias de seda ditas de fio da escocia ,
vellidos sarjas e outras sedas lencos de
fil, bices, miudezas, ferragens, chapeos de
sol papel pintado e dourado para forrar
sallas cpalos de duraque e setim para se-
nhoras, botins para ditas marroquins, be-
zerros e muitos outros objectos.
Joo Keller continuar por nterven-
co do Corrector Oliveira, o seu leilo de
multiplicidad: de fazendas, das quaes apenas
tem podido appresentar aos seus freguezesas
de sedas setins, &c. restando-lhe anda as
de mais subido valor, e melhores, por seiem
de prompta extraecao, como sejo as de la,
e algodo Unto brancas, como tecidas e
estampadas; e vender-se-ha tambem urna por-
co de falto feito vindo d'lnglatrra : segunda
feira 24 do corrente s horas do costume no
seu armazem rua da Cruz.
AVISOS DIVERSOS.
EDITAES.
= O administrador da meza da recebedo-
ria de rendas geraes internas a vi/a .is pessoas
constantes da relaco abaixo declaradas pa-
ra que comparecao tiesta repartico para re-
formarem as suas relaces, por nao estarem
conformes como que determina o regula-
mento. Rcccbedoria 20 de outubro 1842.
Francisco Xavier Cavalcanii d'Albuquerque.
Claudina Mu a do Sacramento Mara Ri-
ta Correia Peres Policiano Lourenco da Sil-
va Joao Paxeco de Queiroga, Pedro Jos Ta-
vares de Faria, Maria Jos das Vrgens, Joa-
quim Alves dos Res, Anna Joaquina de VI0-
raes Amonio Deoutra Evaristo Salgado .
Joaquim Pereira de Vasconcellos Ffaucisco
(.aciano Pereira Guimares, liento Gomes Pe-
reira de Lima, Jos Honorato dos Santos, Ber-
nardo Gtica I ves do Nascimento, Juana Fran-
cisca, Jos Andr de Oliveira, Mariana Fran-
cisca d'Oliveira P.iulino da Silva Mindelo ,
D. Roza Teresa da Cunda tenente .coronel
Antonio Germano Cavalcante de Albuqiierque,
Y.naiicia Francisca de Almeida Jos Litis
Paredes.
Em virlude da autorizado do Exm. Sr.
presidente, e das ordena do engenheiro em
*iefe das obras publicas, facoscient* para
conhecimento das pessoas a quem se encom-
raendaro madeiras para a ponto do Recife ,
Dezappareceu ou furtro da gaveta do
urna commoda urna argola de diamantes que
suppoe-se que quem a furtou venden ; quem
a compro leva-la na loja do Sr. Antonio da Silva Gus-
mo, que se pagar pelo prego que a comprou.
tsr A actual meza regedora da irmandade
de N. S. do Livramento achando-se prxima-
mente empossada e porisso na administra-
rlo da mesma igreja participa ao respeitavel
publico que tendo adiado a favor da obra a
quantia de 8dGji 265 reis, j descontando a des-
peza do sello da leteria que ainda hade correr,
a qual quanta existe em pudor do respectivo
thesoureiro da lotera o nosso juiz o Sr. Jos
dos Santos Neves como consta da sua conta
corrente ; tem a mesma meza deliberado dar
principio continuado da obra da igreja com
a quantia declarada : outro sim toma a res-
ponsabilidade em lodosos principios de me-
ses declarar por esla folha toda a receita e des-
peza que se fizer relativamente dita obra ,
por assim convir ao crdito da actual meza e
mesmo ao decoro da irmandade.
W Arrenda-seum muito hoir. sitio, no
luear do Barhalho que fica bem defronte do
Monteiro he cercado de limo e tem bas-
tantes ps de larangeiras o outras diversas
frueteiras, e trras de plantaco>s com boa
cacimba de agoa de beber, com sua boa caza,
nois tem qustro quartos eduas salas, cozi-
nha fora, e estribara para dois cavados, e um
grande tilheiro de recreio e muito perto do
rio Capibaribe. arrenda-se pelo lempo de fes-
ta ou mais lempo conforme os preteudentes
quizerem pela quantia de OOji reis ; no at-
ierro da Boa-Vista D. 9.
sr* 0 Sr. Silva que deixou um ponteiro
de ouro empenhado por seis mil reis queira
mandar tira-lo pois queja faz bastante tempo;
na rua Nova venda n. 33, aopda ponte.
tsr Offerece-se urna mulher de idade para
ama de caza de homem sol teiro; na rua do Cal-
dereiro D. 6.
tsr Preciza-se de urna escrava para vender
na rua ; a pessoa que a tiver dirija-se rua
do Livramento n. H das 8 slO horas do
dia que achara com quem tratar.
Aviza-se que na rua da Praia n. 45
segundo andar acha-se venda urna porco
de livros de litteratura portuguezes itali-
anos e franceses e livros de medicina ,
vendem-se tanto por junto como arre tal lio.
tsr A rr.ulher viuva que se offereceu no
Diario de honlem para ser ama do caza pelo
sustento dirija-se rua Augusta n. 12, que
se Ihe d alem do sustento, algum vistuario ;
a fallar com Joio Izidro Lopes Lima.
es Zimmer Rumm & Companhia fazem
sciente ao publico, que Domingos Joze Viei-
ra Guimares deixou de ser seu caixeiro des-
de o dia 20 do corrente Outubro.
= Precisa-se alugar um moleque, ou urna
negra para o servico interno e externo de
urna casa de pouca familia, promette-se bom
tratamento ; annuncie ou dirija-se a rua
da Cadeia loja de chapeleiros n. 42.
= A pessoa que tem urna carta para Anto-
nio Rodrigues d'Almeida ; dirija se a praca
da Boa-vista caza do Brigadeiro Almeida.
WT Aluga-se um bom armazem de rua
rua proprio para dous officios cito na rua
da moeda no fundo da venda do sr. Ale-
xandre incumbindo-se o annunciante dos
arranjos necessarios ; as chaves para o ver
acho-se em mo do snr. Joz Fernandes Po-
voas com venda na outra quina 5 a tratar
na rua do Nogeira N. 13.
= Pelo patacho liberal entrado n'este por
to em 18 do corrente veio urna carta para F.
J. de Barros como consta da respeitiva lista
e o. 612 ; e como houvesse curioso que do
correio geral a tirasse, roga-se-Ihe que depois
de tomar nota de seu conteudo a mande por
obzequio entregar na rua do Vigario caza
N. c 8 ao proprio que a deve receber e
I qual ter talvez de responder com urgencia.
- Desaparecen no dia 20 de Outubro as
Por motivos impre-
vistos Rafael Lucci nao
pode dar a sua funecao no
dia marcado (25 do cor-
rente) e logo que seja re-
movido o obstculo o far
saber ao publico.
tsr Sahio aluz o Carapuceiro N. 59 trac-
lando primeiramente d'uma feliz descoberla a
respeito de modas a qual faz ver que agora
as senhoras podem se quizerem andar n'um
sino. Compe-se a Variedade d'uma impor-
tante carta em verso do Doutor Fagundes a
seu compadre malulo sobre os augmentas do
nosso Recife, e conclue com duas Ancdo-
tas; vende-se no pra$a da Independencia
Ns. 6 e 8.
tsr- A actual meza regedora da irmandade
de N. S. do Livramento tendo de dar princi-
pio continuaco da obra da mesma igreja ,
tem preciso de comprar as madeiras seguin-
tes : 100 caibros. 44 enchameis de 40 palmos
e cedro sendo estas madeiras de boa quali-
dade : as pessoas que as tiver e as quizer ven-
der dirijo-se ao thesoureiro da mesma irman-
dade para com elle tratar do ajuste. i
tsr Arrendo-se duas moradas de casas
parasopassarafesta, ou por anno no sitio nnze ,l0ras doda do aU,rro da Boa-visla u
do cajueiro a margem do rio Capibaribe
tratar no mesmo sitio.
tsr Da-se a juros de dous por cento ao mez
a quanlia de 1:000, de reis sobre pinhores
de onro, ou prata, n'aquellas porches que ao
praendenle convier : no pateo da Santa Cruz
D. 3.
ma vacca com cria com os signaes seguintes
lisa Largada o focinho preto as galhas pe-
quenas e as ponas finas a biserra de cor
castanha a pessoa que > pegar ou della so-
ber noticia leve-a no atierro da Boa-vista D.
10 que receber urna gratificado.
Deseja-se fallar a Jofio de Queiros sendo
que acista nesta praca dirija-se na rua di
mtaN. 10 a fallar com Joaquim de Queiros
Monteiro. s
- Desapareceo nodia 20 do corrente tima
cabrinha bixo toda prcta tendo urn ijru
brancoentre as duas ponas da caboga ter
de 5 a 6 meses muito manca quem a' tiver
e queira fazer o favor entregar a seu dono
dirija-se a rua do Mundo novo casa confronte
ao lampio, do centro da rua D. anliga 5,"
que receber de gratificado o emporte da
mesma.
- O Rm. Snr. P. Mestre Fr. Galdinno Arau-
jo pode mandar na loja de Antonio da Cu-
nta Sures Guimares, buscar duas cartas
que Ihe enviaro da Paraiba.
tsr Furtou-se s 9 horas da imite do dia
18 docorrenle mez na caza n. 44 da rua da
Cruz urna caixinha de Jacaranda rom oscu-
nhos amarellos fechando com chave for-
rada por dentro de papel verde, com dois* fun-
dos, espelho na lampa por dentro, contendo
linhas, relroz agulhas, caducos de linda "
um didal e um furador de prata, botoes de
madre-perola e outros varios ebjectos de cos-
tura ; TjOOO reis em cdulas nma pequea
boceta com lampa de vidro com brincos do
filigrano de ouro, anneis e corrente de ca-
bello cartas e papis de importancia : quem
a troucer ao Snr. Francisco Porta morador
na dita caza ou der indicios certos ser re-
munerado.
tsr FindososdiasdaLei, se ha de arre-
malar pelo Juizo do Civel da terceira vara
Escrivo Santos, por execugo de sentensa
queencaminha Joze da Silva Braga contra
Manoel de Albuquerque Barros Jnior e
seu rmo Joze B -zerra de Barros Cavalcanti
urna olaria com todos os seus per lentes a
margem do rio Capibaribe contiguo ao'si-
tio do fallecido Bastos avahada por comino-
do prego de dous eolitos e duzentos mil reis.
cr Offerece-se para ama de casa de poul
ca familia ou de homem solteiro, urna mo-
ca branca sem filhos ; a traclar na rua da
Praia em um sotaozinho defronte da cochia.
tsr Como no Diario de Pernambuco de 8
e 17 do corrente Outubro, diga Antonio
Marques da Costa Soares que as arremata-
QOes dos predios eito pelo abaixo assignado
Torio fradulenlas e que mandara o mesmo
arrematante avahar o predio da rua d'alfan-
pega velha n. 7 como foreira sendo o slo
proprio : o abaixo assignado oflerece ao pu-
blico a quem s d saptisfaco, os docu-
mentos quo evidenceio a pouca exaptido do
dito Antonio Marques, o nao documenta o
mais por nfto cansar ao publico com a leitu-
ra de documentos q' pendendo em juizo nlo
aproveito ao leitor. Becife 2l de Outubro
de 1842.
Fica carregado ao procurador da cmara
desta cidade abaixo assignado a quantia de
trezenlos setenta cinco mil duzentos e cin-
coenta reis, de laudernio que pagou o senhor
Joze Marques da Costa Soares da compra
que fez de urna morada de sbralo de tres
andares na rua do trapiche n. 7 no bairro
de S. Fre Pedro Goncalves ao cazal do co-
ronel Antonio Marques da Costa Soares pe-
la quantia de quinze contos e dez mil reis.
E de como recebeo dilq procurador assignou
comigo secretario. Olinda 30 de Marco de
1841Antonio Nunes de Mello procurador
JoSo Paulo Ferreira secretario.
Francisco Joaquim Pereira de Carvalho,
fidalgo cavalheiro da ca>.a imperial cava-
llieiro da ordem de Christo escrivSo de or-
fos desta camarca de Santo Antonio da cida-
de do Recife e seo termo provincia de Per-
nambuco por S. M. Le C. o Sr. D. Pedro
Segundo que Dos Guarde zc.
Certifico que vendo os autos de inventario
do finado Antonio Marques da Costa Soares ,
nelle se acha os autos de arrematarles dos
predios do cazal e outros objectos em
cujos autos se declara terem-se procedido as
ditas arremataces com todas as cerimonias
do estilo. O referido consta doa autos a que
mo reporto dos quaes fiz passar a prezenta
por mim subscripto e assignado nesta dita co-
marea do Recife de Pernambuco aos 28 das
do mez de Abril de 1842.Francisco Joa-
uim Pereira de Carvalho.
Joze Marques da Costa Soares.
==0 secretario interino da irmpndade de
N. Senhora do Terco pelo presento convida a
todos os irmSos da mesma ; rara a meza ge-
ral amanhft 23 do corrente pelas 8 horada
manh, aflm do se proceder a elcico da
meza regedora do anno futuro.
=Manoel Correa faz sciente a todos os seus
credorespara nodia 24 do corrente se a pre-
zentarem em sua venda afim do tomar conhe-
cimento do estado de seu negocio.
= Francisco Maia Cortes k relira-se para
Babia.
i


Aluga-se urna morada do caza em
Olinda no pateo do Amparo para se pas-
sar a festa ; com grandes commodos para
grande familia e por prego commodo :
tratar na mesma Cidade na ra de Mathias
Ferreira n. 40.
&*y Ainda que ao annuncio do Sur. Gas-
par da Silva Froes no Diario de Pernambuco de
30 de setembro p. p. seria millior seguir o an-
tigo rifao a paUvras loucas orelhas mou-
cas a abaixo assignada olfendida na pes-
soa de seu marido o Snr. Antonio Francisco do
Reg Barros nao pode deixar de dizer a esse
Snr. Froes, que parece cobarda esperar a au-
zeucia de seu marido para fazer um annun-
cio que bem rnostra a impostura e dispeito
do Snr. Froes, eseno quer passar por um
refinadissimo impostor declare quando. e com
quem se tratou da venda doengenho Ginipa-
po. Milhor seria que o Snr. Froes annun-
ciasse que estava agastado com os lierdeiros
de minha finada sogra D. Fabiana de Barros
Negromonte por Ihe fazerem um arresto em
todos os bens por soluco do inventario,
que devendo o Snr. Froes apprezentar ao pe
de trinta con tos de reis pertende evadir-sc
com um testamento feito e assignado por
quem mais nao existia, romo exuberantemen-
te se mostrar 5 mas o Snr. Froes nao devera
ter queixa do marido da abaixo assigna
por quanto este nada promoveo contra o Snr.
Froes, e tendo em si documentos important-
simos a respeito de dinheiros prata 4c. da
finada minha sogra nunca uzou nem u/a-
ria destes a nao serem as loucuras do Snr.
Froes que assim oflende a quem attendendo
pessoa com quem se acha ligado sempre o
respeitou. O Snr. Froes sabe que o marido
da abaixo assignada nao sabio pelo mundo
a procurar fortuna com os chinellos debaixo
do brago, mas sim a tratar de cobrangas de
nfto pequeas quantias, e que breve voltar ao
seio de sua familia : sabe que alem dos bens
existentes em Ginipapo tem outros muitos ,
e entilo para que aquelle annuncio ? Para
dezacreditar ? Nao : o Snr. Froes nao he ca-
paz por que immensas sao as pessoas, que
com Antonio Francisco do Reg Barros tem
tido negocios, e a sua firma sempre valeu como
uioeda ; enlende Snr. Froes ?... Agora sa-
ber mais que a abaixo assignada como
procuradora bastante de seu marido previne
o publico para que ninguem compre ao Snr.
Froes a parte que llie attingir no inventario
a que se vai proceder nos bens do finado Ne-
gramonte e protesta conlra qualquer venda
que possa verdadeira ou simuladamente
apparecer por quanto os bens do Snr. Froes
pin horados e em depozito nao chego pa-
ra solugo nem da metade dos bens da fina-
da sogra da abaixo assignada, que muito sen-
te ver-se as circunstancias de fazer semilhan-
te annuncio em altenco pessoa com quem
se acha ligado o Snr. Froes e protesta nao
dar mais resposta porque como dito he s as
circunstancias expostas a obrigario a dizer o
expendido.
Mara Marroquina de Jezus Nazareno.
BT Aluga-se a caza da ra do Nogueira
N. 15 com commodos sufficientes para urna
familia ; na ra da Cruz N. 62 primeiro
andar.
tsr Domingos Jos de Lima mestre al-
faiate precisa de olfieiaes do mesmo ofiicio.
car Preciza-sede urna ama para caza ; no
forte do Mallo por cima do armazem uoSr.
Yianna na ra da Moeda.
ssrOfferece-se um rapaz portuguez de ida-
de de lia 15 annos para caixeiro de arma-
zem ; quem o pertender annuncie nesta fo-
lha para ser procurado.
tSF" Precisa-se de um menino de idade d
12 a 15 annos, queja tenha alguma urli-
ca de vender ferragens e miudezas : na ra
da Cadeia velha toja n. 30 ao p do arco da
Conceigo.
tsr Quem annunciou precisar de um cai-
xeiru para loja de fazendas, de 18 a 22 an
nos que veio a pouco de portugal e ja tem
alguma pratica dirija-se a ra estreita do
Roza rio n. 37.
tsr Para evitar equivacos a respeito do
annuncio inserido no Diario de 19 e 20 do
corren te cujas letras iniciaos sao J. J. S. .
declara-so que o sobre nome deste snr. he de
Santos.
tsr Precisa-se de 400ji rs. pagos os juros
mensalmente e dando-se ftOj rs. de 5 em
5 meses por pagamento da quantia pedida ,
com seguranca em urna grande morada de
casa ; quem quser dar annuncie.
car Precisa-se de um feitor que traha-
Ihe de enchada entenda de horl* arvore-
dos e vaccas para um sitio ao pe' Ja pra-
ga : na ra de Agoas verdes n. GG.
tsr Quem precisar de 11 ma ama para o
ervico de una casa de pouca familia ou de
' homem solteiro a qual d fiador a odr6isua-
ducta dirija-se a ra dosQuarteis con n. 1
cima da loja do falecido ArouCa.
tsr Roga-se a pessoa que, levou um cha-
peo de sol da repartido do Selo no dia 20
do corren te sendo o queira entregar leve ou
mande na ra da praia n. 52.
JST Aluga-se na ra da praia um casa com
porto de embarque propria para armazem ,
restilago ou serrara : na ra da praia ser-
rara do Cardial ; tatnbem se vende.
tsr Perdeo-se no dia lo d corrente um
embrullio com urna sedula de 2* rs. o um b-
Iheteda primeira parte de 12. Lotera do "lta de lote de 600 a 700 lijlos, na ruada
Theatro n. 121; roga-se a quem achou, quei-
ra ter a bondade de restituir na ra da Guia
n. 16, que se Ihe ficar agradecido ou an-
nuncie.
tsr Precisa-se de um rapaz brasileiro ou
portuguez para praticante de unta botica :
na ra estreita do Rozario botica de JoaG Pe-
reira da Silveira.
car D-se dinheiro a premio sobre pinho-
res deouro e relogios de algibeira : na ra
das Cruzes loja n. 55.
car Quem precisar de urna ama de bons
costumes para o servico de casa de homem
solteiro dirija-se a ra dos bairros baixos
numero 8^
car Precisa-se de um rapaz de 12 a 14
annos : no botequim junto aos Quarteis.
W 0 Dr. Francisco de Paula Baptisla ,
avisa que no dia 16 do corrente apareceu em
sua casa um moleque de nome Florencio, es-
cravo da Sen hora D. Francisca Caetana dos
Santos domiciliaria no Rio Formozo dizen-
do que nao queria mais servir a dita sua se-
nhora e viera para esla Cidade procurar
quem o comprasse e vendo a pertinacia do
escravoem nao querer voltar para a casa de
sua senhora o tem em casa tendo toma-
do a providencia de fazer o presente annun-
cio e escrevera Senhora D Francisca Cae-
tana dos Santos partecipando o aconteci-
mento.
tsr A Senhora que alugou um armazem
na ra estreita do Rozario tenha a bonda-
de de entender-se com quem Ihe deo as cha-
ves ate' amanh istoselhe pede por obse-
quio.
tsr Thomaz Sayle avisa ao respeitavel pu
blico que principiar correr o seu bem conho-
cido mnibus feito de novo com ptimos
cava I los e no dia sabbado 22 do corrente,
partindo da Matriz de S. Antonio as o ho-
ras da tarde ate' o Monteiro, c da hi para o
Becife no dia segunda fe ira as 7 horas da ma-
nila e continuar toda a festa as mesmas
horas o prego ate' o Monteiro 1# rs.
demovimento, pinturas mui finas e vistas
mu claras : na j-ua nova loja franceza n. 2.
tsr Potassa da Bussia nova em barris
pequeos : era casa de Hermano Mehrtens ,
ra da Cruz n. 23.
tsr A loja de fazendas n. 10 na ra do
Livramento com poucosfuios, ousomen-
te a armago a dinheiro ou a praso tam-
bem se permuta por alguma casa terrea : a
tratar na mesma ; assim como compra-se
90 a 100 oitavas de prata.
Urna canoa nova bem construida
de
boas madeiras carrega 2000 lijlos ; urna
, e traba-
por prego
venda nu-
COMPRAS
tsr Um grilhode ourosem feitio e um
ou dous pares de brincos e urnas ataras : na
ra da Senzalla velha armazem de licores.
tsr Dous barris ou quartolas de azeite de
palma ou dend na ra da Cadeia arma-
zem n. 40 defronte da ra da Madre de Dos.
car Urna negra de 20 annos que sai ha
engornmar sem vicios paga se bem ten-
do linda figura : na ra do Livramento nu-
mero 2.
tsr Garrafas vasias : na ra do Cotovello
n. 50 ou annuncie.
tsr Tartaruga em grandes e pequeas por-
gues pentes velhos e mesmo sendo que-
brados ; assim como censerta-se e faz-se to-
da obra de tartaruga de encornenda : na ra
de Hortas na loja de tartarugueiro defronte
da venda do Pogas.
praia serr-ria do Cardial, n. 57.
tsr Um preto de nagao mogo propno
para todo o servigo : na ra larga do Rozario
numero 25.
tsr Urna negra com urna cria a qual
tem bom leite e cjznha o ordinario de urna
casa, lava de sabar e varrell e engomma 1
na ra da PenhaN. 26.
tsr Urna negra debannos sem vicios,
esadia, cozinha, lava, e engomma: na ra
do Vigario n. 16.
w Um bom escravo serrador
Ihadorde enchada ainda mogo e
commodo: na ra do Lirramento
mero 2.
tar Rape' de Lisboa ltimamente chega-
do em libras e as oitavas a 40 rs. : na
ra do Cabug loja do Bandeira.
tsr Na loja do Bom Barateiro de Guer-
ra Silva & Companhia na ra Nova 11.11 ,
acha se a venda purgantes e vomitorios do
verdadeiro Le Roy, chegado ltimamente
de Franga na Barca Cecilia.
Mr Taxas de ferro coado e batido em bom
sortimento, e outras ferragens mais para en-
genho por prego commodo : na ra do Vi-
gario n. 7.
tsr Um mulatinho de 7 para 8 annos, bas-
taute esperto sadio com propengo para o
olficio de alfaiate o qual ja faz alguns ser-
vicos precisos, comosquaesse poupa algu-
ma despesa o seu menos he 300, rs. : na
Soledade defronte do Hospital junto a casa do
Padre Joo.
Um cavalfo mellado apatacado, bas-
VENDAS.
Sacas com farinha da trra a 4# ar-
roz com casca a 5840 o alqueire pela medida
velha: no pateo do Carmo quina da ra de
Hortas 11. 2 ladodireto.
tsr Azeite doce de superior qualidade ,
chegado neste ultimo navio de Lisboa a
4200 a caada e a garrafa a 540 ; um ca-
vIIo castanho muito bom passeiroe galopia-
dor por prego commodo : na ra dos Quar-
teis n. 18.
tsr Excedentes charutos da Baha, em
caxas e meias ditas por pregj commodo :
na ra larga do Bozario n. 48.
= Um pianno forte de muito boas vozes
pelo prego de IOOji reis ; no pateo de S. Pe-
dro D. 16.
*2T Urna preta crela de 20 a 22 anuos :
na ra do Cabug n. 16.
tar Tres escravos sendo um pardo e 2
prelos e destes um tem principios de pa-
deiro : na ra das Cruzes n. 30.
t?9" Urna lanterna mgica phantasma-
oria chegada prximamente de Franga ,
coulendo 25 figuras de machinismo e 51
tante gordo, muito propno para carro e
muito hom andador de passo: na Soledade
junto ao Quartel n. 6.
tsr Urna porgo de prata fina sendo urna
duzia de lacas urna dita de garlos, urna
parelha de trinxar, e outras obras em
Olinda ra do Balde n. 24.
tsr Oleo de linhagaogalo a 2*i00 em
botijes e a libra a 500 rs. tinta verde a
240 a libra, alpista a 400 rs. o quarteirao ,
cafe'a 160 sevadaa 100 rs. espermacete
a 680 passas novas a 240 e mais gneros
tudo por prego commodo : do pateo do Ter-
so n. 7.
car* Superiores charutos da Baha : na ra
do Colegio n. 8.
ver Na loja de Manoel Joze Gonsalves na
ra do Queimado quina do beco de r-'eixe fri-
to D. 1 as seguintes fadendas : brim tronga-
do braneo fino a 1200, dito a 800 reis, dito
trangado escuro de listras escuro todo linho a
800 reis cutim francez misquilado para caiga
e jaqueta a 400, chilas finas de bom gosto a
9* e8 240 e 220 reis oco/ado, ditas
miuda de bom gosto cor fiche propria paraca-
mizas e jaquetas a 200 rs o covado, ditas finas
para coberta a 9. e a 240 o covado chales
decambraia bordada hranco e decores de dif
ferenles tamanho de 1 # a 1600, ditos de se Ja
de bom goslo e muito grandes, ditos peque-
nos de seda a 3200, lengos de seda de cor pa-
ra senhora a 1280, ditos finos a 1600 cam-
braia adamascada branca e de cor a5j o
corte setim iavrado francez muito cncorpa-
do para colete a 2560 fazenda de seda e al-
goo de bom gosto para colete a 1280 pa-
nos para cobrir meza a lj pegada madapo-
lo marca de gallo a i ditas largas com a
mesma marca a 4500 bretanha de linho
muito fina para jaqueta meias de algodo
muito finas tanto para homem como para se*
uhora, fijoutras multas fazendas.
carOs bilhtes da lotetera da Matriz da Boa
vista continua-se a vender nos lugares abai-
xo mencionados ra do Collegio Ji-ze Menezes
Jnior ra da Cadeia Vieira Cambista Jo-
o Cardozo Aires Jnior fora de portas Bo-
urgard ra do Cabug Joao Moreira Mar-
ques ra Nova Domingos An lunes Villassa ,
ra da Praia Joze de Medeiros Aguiar, cinco
pontas Manoel Ferreira Diniz largo da Boa-
vista Joze da Silva Sara i va Victorino Ferrei-
ra de Carvallio.
car Na vunda da quina da ra do Aragao
que volta para Santa Cruz I). 22 continua a
vender prezunlos a 9.00 reis a libra e a retadlo
a 240 reis, sevada a 100 reis a libra, e quei-
jos da melhor qualidade possivcl, chegados
ltimamente a 1200 e manteiga ingleza a
640 a libra dita franceza a 480 dita sofri-
vela 320, dita para tenipeiro menos m a
240 toucinho de Lisboa a 240 a libra )e-
tria superior a 240 a libra macarro dito a
200 reis a libra batatas novas a 60 reis a libra,
uvas a 480 a libra passas novas chgadas tlti-
mamente 280 a libra, e todos os mais gneros
por baratissimo prego.
c* Por precizo e por preco commodo,
urna caza terrea nova na ra dos Prazeres ,
a primeira defronte da coxeira do sobrado do
sr. Gadault onde tem o Collegio de meninas ,
quem a pretender dirija-se a ra do Collegio
sobrado n. 1 primeiro andar.
tsr Collecgo das Leis, Decretos e Al-
vars de 1750 a 1806 em 7 Volumes, Direito
Mercantil 2 Volumes Assento da Suplicagfto
1 Volume, Escolla Mercantil 1 Vulume ,
Commerciodo Brazil 1 Volume : na travessa
da ra estreita do Rozario botica de Joo
Pereira da Silveira.
tsr Urna venda com mui lemitados fun-
dos no lugar da Trerape : a tratar no sobra-
do immedialo n. 433.
tsr Presuntos de superior qualidade a
200 rs. a libra e um brago de balanga com
corren tes epesosathe 10 arrobas: no ar-
mazem de Fernando Joze Braguez ao pe' do
arco da Cunceigo.
car Urna escrava de nago, moga en-
gomma bem cozinha lava de sabio e var-
rella : na ra do Fagundesn. 27.
tsr No Becife na ra da Cruz escripto-
rio de Joze Antonio Gomes Jnior, se vende
por prego commodo superior panno de li-
nho chegado prximamente da Ilha de S.
Miguel.
car A pagamento um sitio perto desla cida-
de com boa caza de vivenda feita de pedra e
cal boa estribara para trez cavallos bas-
tantes arvoredos de fructos terreno sercado
para seis vacas de leite, muito bom lugar par*
otarias por sw abeira do rio e ter barro den-
tro do mesmo sitio e ja tem urna olaria co-
berta de capim ; quem pretender dirija-se a
ra da Cadeia armazem n. 40 defronte da
ra de Madre deDeos.
car O sitio que foi lo falleciJo Paula Pin-
to na povoagodos Affogados, o qual tem pro-
porges para se edificar cazas em numero de
50 a 60 licando um grande terreno urna
grande baixa e um excedente viveiro no
fundo do mesmo sitio, e nao se adiando com-
prador de todo elle tambem se retalha em
pequeos sitios ; os pretendentes drijo-se
ao mencionado sitio a tratar com o seu pro-
pietario Manoel Joaquim do Reg e Albu-
querque.
csr Bules assucareiros mantegueiras 0
tijellas de metal branco torneiras do mesmo
de patente candieiros escrevaninftas de
fumadores e almofarizes de lato serin-
gas de lato e de estanto e outras diversa
obras de metal e latao e estanto por pre-
go commodo : na ra Nova defronte da Igreja
da Conceigo dos Militares n. 58.
tsr Para fora da provincia urna escrava de
nago angola sadia cozinha o ordinario T
ensaboa e engomma liso: no Pateo do Car-
mo n. 22 das 6 as 9 horas da manh e
das 4 da tarde em diante.
ESCBAVOS FGIDOS.
tsr No dia 15 lo corrente fugio um negro
de nome Andr alto cheio docorpo, pa-
rece mogo de idade 40 annos ps grandes ;
quem o pegar leve a caza do sr. Lourengo Jo-
s das Neves na ra da Cruz do Recite que
ser bem bem recompensado.
earFngioou furtaro no dia 16 do corrento
urna negrinha por nome Maria pequea, mu
viva e desembaragada no fallar, he crela, de
i novo vestido de cassa branco com babaJos ;
he refeita do corpo : quem a pegar far o fa-
vor de entregar ao sen sr. Joze Ferreia Do-
mingos Fradeles na ra do Col egio n. 21
quesera gratificado.
car Fugio no dia H de Oulubro do cor-
rente anno una negra chamada Juanua cre-
la com os signaes seguintes : grossa do cor-
po tem pouco cabello na cabrea e tem urna
cicatriz na testa, desembaragada no fallar.
e tem algumas marcas do relh o as costas,
consta ter sido visla de dia como de noite em
varias ras dos trez bairros desta ciJadc, euti-
tula-se por forra costuma andar as vezes de
saia preta e limo para a nao ronliecerem :
roga-se as authoridades policiaese qualquer
outra pessoa que a pegar de a conduzir a Joze
Gonsalves Ferreira Costa na ra da Aurora
em Sauto Amaro, que sera recompensado.
BECIFE NA TYP. DE M. F. DE F. = 1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E2L7JTDAE_OXHTU8 INGEST_TIME 2013-04-13T03:24:05Z PACKAGE AA00011611_04802
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES