Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04784


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Sabbado 1
Todo aRora depende de nos meemos ; da nona prudencia moderacao e energa : con-
tinuemos como principiamos e seremos apnnladoa con admiraco entre aa Naces maia
cultas, (rroclamaco di Assrmhlra Geral do iratil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
GotmMl'i Paraiba e Rio grande do Norte secundase sextas feiraa.
lioniio Garanl'unt, <0 e 24
Cabo SerinWro Hio Fnrmoio Porto Caire, Macei e Alagoas no 1. Uf e
ilua-vista e Flores 13 e 28. Sanio Anio quintas feiraa. Olinda todos oj din.
DAS DA SEMANA.
W Se, a. Cypriano e Justina Mm. Aud. d > J. de D. da 2. t.
27 icio, ss. Cosme e Dnmiao Its Re. And. do J. de D. da i. T.
2S Qjan s Venceslao Duque M. Aud. do J. de D. da 3. y.
2i> Quii, i s. Miguel Arclianjo.
30 SeSt. s. Jernimo B Dgiit da Tjr. Aud. do J. de D. da A', r.
1 Sab. s. Virissimo, Mnvima, e Julia Irs. Mm. Ral. Aud. do J. da D. da 3. t'.
2 I)om. O SS. Hocino de N Senliora.
de Otitubro. Anuo XVIII. N. 211
O Diario publica-ae todoa os das qoe nao torera Santificado. o preco da assignatura be
de tres mil reis por quartel pa;as aaianlados. Os annunems dos assignantea sao inserido.
Etiln e os dos que o nao forera raijo de 80 res por liaha. As rectamanes de.em aer
dirigidas a esta Tipografa ra daa Cruiee D. 3, au a praca da Independencia lija de livro
Numero 37 e 38.
cambios no da o de setemuro.
Cambio sobra Londres 25 Nominal.
Pars 38ii reiap. franco.
ii Lisboa 106 per 100 nonnnil,
Moeda de cobre i a 5 por 100 de deacoatO.
Idam de letras de boas firmas 1 a {.
Ooito-Moada da 6,400 V. 15.700
N. 45...0)
da 4.000
PriTA Pataces
u P^ios Columnares
a dito Mexicanos
viuda
compra venda.
1S,'.H1>
45 7>.0
8.800 y 00(
I.S.II
1,8 JO
l.S'O
1,040
1,840
1 S'iO
1 H4U
1.6S0
Pleamar do da i de Oulubro.
1. a 2 bnrn (i m. da manbS.
2. 2 horas e 30 m. da tarde.
P1MSF.S DA I.UA MO MEZ DE OLTl 11R.
a 4 -- as 4 horas e 0 m. da manli
La Nora
Ouirt. craac. a II -- la 'i huras a 22 m da ni nli
La chaia s 19 as S turas e i.'! m. da iiianli,
Quart, min. a 26 --as 10 horas e 23 sa. da ta.
DIARIO
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 27 DO l'.VSSADO.
0(Tlco Ao inspector do arsenal de ma-
rinha ordenando que com a maior brevi-
dade mande fazer pelos proprietario da fun-1 ionio Ignacio de Azevedo que exerce o men-
OlTicio Ao commandante do supradito
brigue escuna comtnunicando a expedido
da precedente ordem ; e dizendo, que pi-
de remetter para a corte cm o referido vapor
o cabo supracitado.
Portara Nomeando o desembargaJor
Domingos Nunes Ramos Ferreira para servir
o lugar de chele de polica emquanto durar
a licenga concedida ao desembargado!1 An
digo, estabelecida nesta cidade a caldeira
encommendada pelo Exm. ministro da mari-
nha para o vapor = Fluminense = e que
lora por ellcs orgada em vinte e cinco mil
libras pagando-se-Ihes segundo pedem ,
duzontos e cincuenta res por libra.
Portara Ao commandante da escuna =
Lebro = ordenando que remelta ama-
nh ( 28 ) para bordo do vapor = lpiranga=
os quatro desertores do vapor = S. Salva-
dor =, que trouxe da Paraliiba.
Dita Ao commandante do supramencio-
nado vapor, determinando, que receba e
conduza corte, entregar ordem do Exm.
ministro da marinha os supracilados de
sertores.
Olcio Ao R.n, Prefeito do hospicio da
penha participando que deve seguir para
o Rio de Janeiro amanli ( 28 ) bordo do
supradito vapor o Reverendo Fre Luiz Mara
de aples podendo conduzir o seo criado.
Portara Ao commandante do referido
cionado lugar.
Offico Ao supracitado desembargado!1
Ramos intelligenciando-o do conteudo na
antecedente portara o convidando-o vir
prestar o juramento as mos da presidencia,
lim d'entrar em exercicio.
Ditos Ao chele de polica ao presiden-
te uterino da relago e ao inspector da
thesouraria scientificando-os da anterior
nomeaco.
Dito Ao inspector da alfandega auto-
risando-o consentir no despacho d'enxofre ,
que prelendem fazer alguns negociantes.
vapor ordenando que conduza ao supra-
citado lugar o supramencionado Reverendo ,
e seo criado por nomo Agoslinho de ida-
de de j2 annos.
Dita Fazendo saber que desta cidade
segu para o lugar ja mencionado o suprare-
feriilo Reverencio e seo criado.
Dita Ao inspector do arsenal de. mari-
nha determinando que mande indomni-
sar o commandante da escuna =s Lebre s=
das racea de puro, que forneceo a mulher,
e a dous fillios menores do sargento Joo Luiz
de Lima que transportou para o Rio-gran-
de Ollieio Ao coronel Francisco de Paula
Souza Leo significando em resposta ao seo
olcio de 23 de Setembro que nodevia mo-
ver quarenta pragas do destacamento da guar-
di nacional, e noite para a priso de um
si nples desertor que nao constava preten-
derse fazer resistencia com forca aimada ,
por quanlo este movimento de tropa asssta
o povo pacifico daquelles lugares.
Portara Ao commandante do vapor =
Ipiran^a =, ordenando, que receba e trans-
porte corte o cabo de arlilharia de mari-
nha encarregado dos pelrechos bellicos do
brigue escuna = Nyctheroy.
F@LLHIITII
O CON DE LUZZANI.
A's portas de Marsellia na estrada que va
para Toulon no principio do presente se-
culo notava-se urna casa de campo com te-
Ihado italiana columnas de estuque, es
cadaria de nnrmore que offerecia mui bella
perspectiva por diante do bosque de carva-
llios, pr-':iicente ao mesmo proprietario. Os
muros do parque crao baixos ; e muitas ve-
zan os passageiros admiravo o elegante edi-
ficio precedido por urna ra de loureros ,
sempre verdes semelhantes quelles que os
Francezes do Norte admiro na Provenee Os
minutos despendidos em respirar u perfume
das cassias cujo polen dourado a viragao da
tarde esp.lliava at a estrada nao os da-
vo por perdidos, ncm o lempo que os olhcs,
fatigados pelo aspecto montono dos olivaes
empoeirados se repousavao nos massicos
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA 21 DO PASSADO.
Ofiicio Ao Exm. Presi Jento rogando-
Ihe a expedigo de suas ordens a thesouraria,
para se abonar ao capito Jo/.e Teixeira Cam-
pos e alteros Francisco Fredirico Figueira
de Mello que embarco para a corte tres
mezes de sold adiantados comprehendido
o que corre, eas commedoriasd'cmbarque,
sendo a viagem feita em a barca de vapor.
Dito AomesmoFxm. Snr. para que
o abono dos seis mezes de so'do, que se nian-
dou fazer aocirurgio de partido Jozo Soares
de Souza por ter de destacar para a liba
de Fernando seja feito na raso da gratili-
cag;io ; porque novamente se contractou.
Dito -Ao mesmo Exm. Snr., levando ao seu
conhecimento dous olficios que vinha de re-
ceber do capito commandante da forca ex-
pedicionaria a Pdju de Flores.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., partici-
pando-lhe que no da 21 foro desligadas
11 pragas de pret do batalho provisorio, que
si-guiro para a corte no vapor Paquete do
sul com outros recrutas do Rio-grande do
norte e boje no vapor (luapiass cora o
mi'.smo deslino I caoto 1 alferes e
130 pragas de pret levando todas faldamen-
to p"queno e equipamento.
Dito Ao mesmo Exm. Snr. apresen-
lando Iho para ser julgado definitivamente
pela junta de justiga o processo verbal feilo
ao reo Innocencio Joze de Freitas soldado
do batalho de infantaria de guardas nacio-
naes destacado pelo crimede desergao.
Dito Ao inspector da thesouraria para
que mandasse abonar ao capitfio Teixeira
Campos e alferes Figueira de Mello trez
mezes de sold abantados inclusive o andan-
te c as commedorias d'embirque passan-
do-se-lhes guias para a corte ; certo que pa-
ra tal abono receberia do Exm. Snr. Baro
Presidente a necessara aotorisaco.
Dito Ao major Joo Paulo Ferreira ,
communicando-lhe, que do requisgo do
tenente coronel chefe do primeiro batalho
de guardas nacionaes d'Olnda fora exclui-
do o guarda Joze Francisco Ferreira, de-
vendo olliciar-lhe para o fazer substituir
poroutro, que esteja as circunstancias de
servir no destacamento de Olinda.
Dito Ao delegado do termo de Naza-
reth dizendo lhe que mandara assentar
praga aos recrutas Theodoro Paulo Leito ,
e Pedro Alves de Alcntara e por em cus
toda o de nome Joaquim Joze dos San-
tos por allegar izempgoes em seo favir.
Dito Ao chefe de polica dzendo-lhe
que mandara verificar a praga de Joze Anto-
nio da Costa, como voluntario a nao na
qualidade de recruta visto quo o dito Costa
se lhe viera apresentar com o designio de ser-
vir espontneamente no exercito.
Dito Ao major commandante interino
do tercero batalho de artillara a p man-
dando-lhe apresentar o invalido Antonio da
Cruz que por portara de 22 (cara addido
ao batalho do seo commando e ordenan-
do-I he que izesse apresentar a junta de sau-
de na sesso de 30 deste mez aim de ser
inspecionado e proposto para reforma.
Portara Ao tenente coronel comman-
dante do batalho provisorio mandando ex-
cluir do mesmo por terem de embarrar pa-
ra a corte no vapor = Guapiass =s 130 pra-
gas constantes da relago que se lhe enviou ,
devendo passar-lhes guia e remette-las a
secretaria militar.
DitaAo tenente coronel commandante
do batalho de infantaria de guardas nacio-
naes destacado mandando excluir do mes-
mo a i O pragas, que sendo inspeconadas, fo-
ro julgadas incapaze^ do servigo devendo
oliciar aos respectivos com mandantes de cor-
pos para as fazer substituir.
Dita \o mesmo mandando excluir com
guia o guarda Joze Francisco Ferreira por
ser casado e oneado de familia.
das o segundo volume da Historia Geral do
Sr. Bernardino Freir de Figuiredo com o
titulo que cima Iranscrevemos. P<-;>on d.i
Historia do Autigo Testamento quo o Sr. Frei-
r publicara o anuo pasaado h quo forma o
primeiro volume do seu Curso d'IIistoria se-
guia-se naturalmente a vida de sus christo,
os l'eitose cartas dos Apostlos ea RevelagSo
de S. loo que he o de que se CorapOe u No-
vo Testa ment ; foi isto tambem o que o
Sr. Freir resumi admiravvI.T.enle no livro
que acaba do ofTerccer-nos, illuslramlo-o com
una especie de martyrologio \i discpulos de
jksi s e com o precioso bosquejo da Historia
dos .ldeos desde a sua disperso at os nos-
sos dias o que per si s torna o seu trabadlo
de summo interesse c curosidade.
A ligo rpida que lizomos deste segundo
volume comparado com o primeiro Icvou-ucs
ajulgar que o A. ganhou muito em lingoa-
gem e correcgo depois de publicado o seu pri-
meiro volume do Antigo Testamento; tanto
lio verdade que o habito he um grande mes-
tre. Para prova deste nosso juizo e tam-
bem da altura em que o A. secollocou para
avadar os grandes acconteeimentos da I.ci da
(raga o extrair as profundas refiexes quo
dellesdeduz com a precisfioque convem na-
tureza d'um compendio demos como speci-
men a'guns pedacos do capitulo em que ello
resum s aegoes o moral do Salvador :
Jess Christo (diz o Sr. Freir) nasee po-
bre em silencio e sera auxilio : cresce
im idade ; e a santidado e a sabedoria se
<( lhe descnvolvem a tal ponto quo excedo
todas as intelligencias,
bosqueiinhosdejasmineros entremeiados com
romeiras.
Em certo dia de judio nesta bella quinta,
se achavodifTerenles pessoas sombradas
cheirosas murtas no jardim. Duas muihe-
res com pareceres semelhantes, porem mui
distnctas na idade, estavo sentadas no mes
mo banco de verdura e, em torno dellas ,
varios negociantes de Marselha amigos do
senhor Rerville dono daquella propriedade ,
os quaes viero passar alli o da para cele-
brar os anuos da senhora Berville a niais
dosa das duas mulheres. Todos parecio sa-
lisfeitos e conversavo alegremente como
quem pretenda aproveitar um dia roubado s
occupagOes interesseiras do commercio.
A moga Rerville nao tomava porem a devi-
da parte no contentamento geral ; antes
quem reparasse bem nella havia com razo
pensar que algum motivo de oceulto dissabor
a consuma e alguma cousa tema ou espe-
rava queentrasse pelo porto da quinta pois
que amiudadas vezes lancava para l os olhos.
":o qualquer carruagem susurrara na estrada,
PBLICAg.\0 LITTERARIA.
HISTORIA DA VIDA DE JESS CHRISTO E DOS APOS-
TLOS ATE' A' DISPERSAD DOS JIDEOS E
d'aHI ATE' OS NOSSOS DAS PELO SR. BER-
NARDINO FREIR DE KIGUEIREDO ARREU E CAS-
TRO DIRECTOR DO COLLECIO SAXTO ANTONIO.
A nossa imprensa acaba de publicar ha
0 divino Redemptor nao vem sedusir os
espritus com paradoxos nena propor aos
homens opinies, mas vem annunciar-lhfs
orculos: nao baixa ao muiidoa fazer silo-
gismos mas a operar prodigios. So por
assim dizer se regosja resuscitando os mor-
ios nao he menos admiravel quando co-
me em caza do Phariseu do que quando
resuscita a Lzaro.
a moga estremeca : mas achando-se enga-
ada abaixava oslndos olhos cor doco e
com edes s dizia : Nao he elle !...
Todava, a conversago ia progredndo ,
bem que de entro os amigos de Berville al-
guns ja tivessem notado a triste distraego de
sua filha. Entre difieren tes objectos que a-
limentavo aquella pratca familiar, houve
tambem quem allasse na chegada recente de
urna formosa dama italiana mui rica c fidal-
ga, que vinha das aguas d'Aix ; e pela
primeira vez se havia mostrado no passeio
de Melhan pelo brago de seu irmo, o con-
de Luzzani.
Todos aquello quo tinho visto a billa es-
trangeira louvro com enthusiasmo a sua
graga donaire e gentileza. Tamsmente A-
lcecontinuava a estar em silencio. O nome
do conde nao lhe era desconhecido. O conde
Luzzani morava ha um anno em Marselha :
e como era moto rico divertido e tinha
alguma instruego fallava-se muito delle na
cidade ; mas, que lhe importava o estran-
ci As cousas admiraveis que elle prediz, neni
(( sao em sua alma visos repentinas nem
luzes infundidas que o perturben!; mas ob-
ripios e imagens. Em seu espirito acha to-
te dos os conhecmentos ; e os seculos futuros
<( esto sob a immcnsidade do suas vistas.
To grande no Calvario como no Tabor ,
as humilhugoes por que passa lhe do a
mesma gloria que os seus triumphos; e quer
geiro quando outro por quem esperava ,
nQo vinha ?
A hora de jantar se approximava todos os
amigos tintillo chegado um s naquelle dia
de festa nao linif viudo ollerecer senhora
Berville o seu ramalhole e esse mancebo ,
negociante de'Marselha noivo do Alice, nao
appareca. O senhor Delmas era, por con-
sequencia quem dava com sua ausencia ,
motivo tristeza da joven donzella. Mas ,
que razo linda elle para fallar em dia to
notavel ? donde provinha aquella indifferenga
repentina pela mi da pessoa que amava e do
quem era amado ?
No lempo em que a familia e os convida-
dos io pr-sa mesa um criado entregou
ao senhor Berville urna carta que tinha che-
gado naquelle instante. Depois de a 1er o
dono da casa disse a sua mulher : O senhor
Pelmas declara que se acha impossibililado
para vir hoje porque um acontecimento im-
previsto o detem na cidade ; e lhe pede que
aceite as suas desculpas e mag0a de nao com-
parecer nesto dia.


se occulto quer ue transfiguro he sempre
k um homem tal, como nunca houve he
<( sempre um Dcos.
Que philosopho havia dito antes delle:
a Eu sou a resurreigo e a vida: o que er em
mim eu o resuscitarei no ultimo dia ?Quo
u. homem disse antes delle : Tudo o que
em meu nome se ligar na trra sor tam-
bem ligado no Ceo ; e os peccados ser
perdoados a quem eu os perdoar ?
Mas ainda algunta cousa de maior que os
comparavel dogura : de todos os prodigios
a que opera nao ha um s de castigo mas
todos de clemencia e de misericordia.
'.....T.............
.......a todos falla com summa
hondade : as suas palavras levam a !uz e a
consolagao at ao intimo dos coracO's; c to-
da a malignidade dos pharsos cai desmaia-
da, sem podr-lo surprehender nm suas re-
<( postas.
u Se vela se jejua se supplica he com
a dignidade de um mediador que se collo-
ca entre o Ceo e a Ierra para oS conciliar ,
e que tudo ..leve pacificar custa de seu pro-
u prio sangue.
k Os seus trabalhos como as suas persegui-
coes os seus sofrimentos como os seus
prodigios, trazem comsigo o cunlio da mais
alta santidade. Os que o perseguem e os
que o crucifican! nao podem contr o spu
asspmbro. Jess Christo canga-Ibes o ani-
mo com tanta paciencia dcsconcorta-lhes
a ferocidade com tanta niansidao.
Mas como he sublime e grande o ve-lo
sobre a montanha, ensillando os povos com
urna illimilada bundade Que insti uegao .
e que compendio de excellente moral Os
u genios mais elevados nunca attingiram com
to imminenle lingoagem. S Jess Chris-
lo pode dizer entre os liomens : Quem
d'entre vos me argir de peccado ? Os
u seus dias passam-se a fazer o bem ; as suas
com constancia a senda da juslica e da san-
tidade. Conforma-se simplicidadedos que
instrue fraqueza dos meninos que se
lhe aproximam ; e se em prega algumas ve
zcs as similhangas he por que quer fallar
ao povo a lingoagem do paiz. Tudo quan-
lo obra tem algum fim ; e quando amal-
diga a figueira por no ter figos a pezar
deento nao ser a estago propria, ensina
nos que o christo deve em todos os tempos
produsir ructos de penitencia.
n Quer o calumnien) quer o insultem, res-
ponde sempre com urna blandura admira-
vel. Converter peccadores curar enfer-
mos resuscitar morios, procurar as ci-
dades e as povoagoes ovelhas desgarradas,
eis toda a sua gloria toda a sua oceupa-
gao.
A sua condescendencia nao para com os
peccados mas para com o* peccadores ;
nao para com as heresias mas para com
os que esto no erro he sem limites. Lon-
( ge de fazer baixar sobre ellos o fogo do Ceo,
ci;rao pediam os Apostlos declara que s
veio trra para salvar os peccadores. A
clemencia com que os recebe o cuidado
u com que os procura prvam a sua miseri-
cordia. Fatiga-se para ir instruir a Sama-
rilana ; e quando se lhe appresenta urna
n mulher adultera surprehendida no crime ,
cheio de bondade a absolve dizendo aos
aecusadores : O que est sem culpa atire
k a primeira pedra.
Se se moslra enfadado com os profana-
dores do Templo he por quo elles pertur-
k bam a ordem : se reprehendo os pharsos,
(( he por que elles abusam da Religio : se
oxpi obra os sadducos lio por que negam
a immortalidade da alma e a resurreigo dos
morios : se arge os samaritanos he por
que adulteram a lei ; mas nenhuns delles
sao excluidos da caridade e Jess Ibes fal-
la e os tolera com a maior bondade. Come
com os publcanos e os pharsos : e quan-
do so lhe diz que Zaqueu he um homem
de m vida nao obsta isso para que o v
visitar.
O Homem Dos confunde os juizes pela
sua docilidade : nom se vinga do soldado
que o foro ncm do ladro que o ultraja ,
nem dosjudeos que o amaldigoam posto
que tivesse as suas ordens todos os Anjos.
e todos os elementos. As suas ultimas pa-
lavras sao o remate da caridade para com
osalgozes que ocrucificam. Pede a seu
Pai que Ihes perdoe, porque nao sabem
o que fazem e termina os trabalhos e
a vida como um Dos cheio do bonda-
de.
O que nunca porem deve sair da nossa
memoria he que a sua missSo termina pe-
la paz que da a seus discpulos e havia
comecado pela faz que publicaran! os An-
<; jos.
Assim he que o Sr. Freir sustenta por to-
da a obra o desenlio que adoptara e o estilo
que escolhra, claro e simples quando nar-
ra os passos do Filho do Homem, e os traba-
ballios da Igreja primitiva,concisooin-
il iniciado quando nosassocia sua f e nos
faz comprehender toda a excellencia do mys-
terio da Redempgo, que he um sacrificio
d'amor e de concordia.
O homem porem que na poca actual em-
prehendesse escrever um compendio de His-
toria Santa que fosse urna simples narrago
de factos sem os accompanhar de provas e
dedcenos luminosas, n2o s tirara um fruc-
lo estprl do corago do leitor, e do seio dos
gymnasos onde se essa doctrina ensinasse ,
mas mostrara ignorar a misso de que se
encarregra no sculo XIX ueste sculo da
industria e da ndiflerenga no qual he mais
que nunca necessario abalar o espirito pelo
raciocinio e convenc-lo das verdades da F,
mas nao semear a F despida de testimunhos
nos espiritos prevenidos contra as coisas de
Dos.
Ora he isto o que nos eremos que o Sr.
Bernardino Freir conseguio ptimamente no
seu segundo volume da Historia Sagrada, es-
pecialmente nos lugares em que elle nos mos-
tra a concordancia e complemento de todas
as prophecias e o documento vivo da sua in-
falihilidade no meio de todas as nagoes da
trra.
J quando o Sr. Bernardino Freir publi-
cou o"seu Rezumo Histrico do Antigo Testa-
mento nos sentamos que era do nosso de-
ver rccommetular um compendio de simulan-
te norma a todas as cazas d'Educagao d'am-
bos os sexos para quem elle fra talhado ;
agora porem que acaba de apparecer a Vida
de Jess Christo cdos ipostlos, completan-
do um curso d'Historia Sagrada tal como nos
o carecamos be d'esperar que o zlo c a pie-
dade dos Ordinarios do Brazilo faro adoptar
nos seminarios de suas dioceses, e as familias
e coinmunidades christs em seu gremio.
Quando este livro que tem de andar as
triaos de todos nao tivesse em seu favor o
acert do plano em que fol concebido bas-
lra-Ihe como garante de doutrina o nimio
escrpulo do A. em materias de F e -
seja aqu dito em honra da justiga a sua mu
grande pureza de costumes.__________
INTERIOR.
CE ARA'.
DEPUTADOS GERAES.
Resultado da votagflo para deputados geraes.
Snrs. votes.
Dr. Miguel Fernandes Viera..... 622
Manoel Joze d'Albuquerque..... 564
Dr. Francisco de Souza Martins f>08
Vigario Anlono Pinto de Mendonca 490
Rrigadeiro Joze Joaqum Coelho 487
Vigario Joze da Costa Barros..... 464
Dr. Andr Bastos d'Olivera..... 45-i
Dr. Antonio Joze Machado..... -08
Supplentes.
Dr. Joze Pereira da Craga..... 379
Dr. Anselmo Francisco Peietli ... 304
Vigario Joo Barbosa Cordeiro .. 171
Dr. Jernimo Martiniano Figueira de
Mello............. *46
Enlo nao vem .:) disse Alce Iraba-
lhando em vo porsusteras lagrimas.
Corra na praca o boato disse um ne-
gociante idoso deque um navio mercante
e dous brigues que o escoltavo todos per-
tencenles casa de Delmas haviao sido a-
presados pelos Inglezes.
Differenles convidados repetirao a mesma
noticia a qual nenhum livera pressa at all
de annunciar.
Mas nesse caso .... o crdito de Del-
mas deve estar muito abalado respondeo o
senhor Bervlle.
Nao.... disse o velbo negociante com
certo ar que desmenta a negativa.
O' meu Dos repeli a donzella no
intimo do seu coragao ; eu temia muito peior
desgraga !
O jantar foi triste apesar dos esforgos que
a familia da casa fazia pai a dissimular a sua
perturbago ; por
isso os convidados co-
nhecendo a desagadavel imprcssAo que a no-
ticia produzio retir rfio-se antea da note.
Desde aquello dia, nunca Delmas Yoltou
casa de campo do senhor Bervlle. Este foi
no da seguinte a Marselha; mas nao pode fal-
lar com o q:e eslava para ser seu genro. Es-
creveo-lhe ; mas recebeo urna resposta civil,
cheia de ideas vagas ; e apesar de tudo is-
so Alice n3o desesperava ainda porque ti-
nha f no seu amor.
Trouxero um diapela manila os peridi-
cos, em quanlo o senhor Bervlle alrnogava.
Alice pegou no que tem por titulo Bouches-
du-Bline; mas d'ahi a pouco perdeo a
cor do rosto ; e Janeando se nos bragos de
sua mi exclamou : Acabou-se minha
m; nao ha mais que esperar !
Que he isso minha filha ?
Ccia mami, Uia e deo-lhe o
riodico.
Era urna dcscrpgao mui extensa da festa
que deo no dia antecedente o conde Lazzan
para celebrar o noivado de sua irma com o
senhor Delmas.
Passados quinze dias depois deste aconte-
cimento o commercio de Marselha quz dar
um grande bailo em honra de certa victoria
pe-
DIARIO DE PfiRMMRCO.
SETEMBBO 30.
O vapor S. Sebastiao chegou boje a este
porto vmdo do Norte. Os .Tornaes que nos ra a provincia de Pernambnco
trouco sao do Para al 10, do Maranhio at
17 edoCear at 24. Estas provincias fi-
cavo em tranqullidade : das eleiges do Pa-
ra nao sabemos urna pala va. As primarias
do, Maranho fizero-se no dia designado o
nacido bem-tevi tinhaganho a victoria em
dando os seus maiores encomiastas em quo
ella pouco solfejar sabe nao era Melopea ,
forgoso pois he confessa-lo que a paridade
entre urna eoutra he muito desigual.
A encantadora voz de M. C. A. Lucci por
si se ensinua e arrebata o coragao do sensi-
vel dilettante os que conhecem e sabem a-
valiar os seus raros predicados devem natu-
ralmente concordar que nao muito commum
o dom da voz que ella possue o maneja com
a mesma facilidade nosuprauo como des-
cendo ao contralto abrangendo urna exten-
siva gama toda do peito sem urna s nota
de falceto.
He para lastimar que esta insigne cantora
chegaseeero urna poca em que a amiudada
renda de beneficios a particulares tem can-
gado a attengo do publico, com as frequen-
tes representages theatraes que se tem se-
guido urnas apos outras por isso que as
noites do-seu beneficio pouca tem sido a con-
correncia.
A Babia fez justiga ao merecimento do snr.
Bafael Lucci e sua interessante filha como
bem provo os artigosqueabaixo vo trans-
criptos das folhas Echo da Baha de 29 de
Junho e-Commercio do primeirode Ju-
Iho docorrenteanno.
He de esperar quo no nosso Pernambnco
aonde se tem desenvolvido o gosto para a
muzica e cantoria ambos sejo protegidos
pelas principaes familias agora que a socie-
dade natalense ( mil louvores sejo dados aos
seus dignos socios) acaba de franquear o seu
Iheatro particular ao snr. Rafael Lucci para
este antes do lempo da fesla presentar al-
guns devertimentos de muzica e cantoria.
O Fantico por muzica.
Deixa as praias bahanas retirando-se pa-
M. Carmela
Adelaide Lucci insigne cantora que por
mais de um anno exerceo no iheatradesta ca-
pital sua nobre e elevada prolisso. M. Car-
mela filha do snr. Rafael Lucci um dos
primeiros muzicos que tem aportado nesla
quasi todos ocollegios; em alguns havo
apparecido seus desaguisados n8o t8o gran-
des como seria de esperar vista das ante-
riores disposiges dos partidos. Daremos no
sepuinte numero alguns extractos das folhas
ilessa provincia para que os nossos leitores
possAo fazer urna idea do desentreoho da cam-
panil dos dous partidos cabano e Bem-tevi,
quedisputavoa preponderancia as elleiges.
Dizer qual he desses dous partidos o da op-
posigAo parece-nos dilicil; nossa opinio he
que como em outras provincias, no Mara-
nhAo as cores eleitora.es sao produzidas pelas
affeigdes pelas relacs de familia, em que
bem pouco-ounada infiuea poltica. OCea-
r concluio as suas eleiges em paz e dei-
xamos transcripta a lista dos Deputados Ge-
raes.
C O B B E S P O N 1) E N C I A.
Senhores Bedactores.
A leitura de algumas correspondencias in-
seridas no diario novo bem como na sua con-
ceituada folha acerca do mrito comparati-
vo er.lre as cantoras Mademoiselle Carmela
Adelaide Lucci e Madame Emilia Amanti ,
despertou-me a vontade de escrever alguma
cousa aobre este assumplo
Longe da intengao de deprimir o mereci-
mento de madame E. Amanti, pertendo an-
tes louvar o bom desempenho de algumas pe-
cas de cantoria que ella por veses executou
no Ihcalro desta cidade e torna-se mais ad-
miravel essa execug3o pelo pouco conheci-
mento que ella tem da divina arte concor-
alcangada pelo exercito francez e o senhor
Bervlle entrou na lista dos subscriptores. O
inconstante Delmas tambem escreveo o seu
nomo 5 e provavelmente sua mulher havia de
assislir festa. Alice experimentava aquella
especie de curiosidade penosa que impelle as
mulheres ao desejo de conhocer as suas r-
vacs ; mas ella formeu tengo de ser bella ,
graciosa e agradavel porque nao quena dar
em publico o mais leve signal dos seus des-
gostoy.
Apenas ella entrou na salsa do baile to-
das as pessoas admirrao a sua formosura E-
ra a primeira vez que Alice apparecia em taes
lugares, desde que se tinha desmanchado o
seu casamento. A simplicidade elegante dos
seus atavos condizia perfeitamente com o ge-
nero He belleza que lhe era natural. Em v3o
os curiosos espreitavao as feiges da moga ,
para descobrir algum signal de magoa inte-
rior ; apesar de lo noviga na arte de fingir ,
por tal forma soube dissimular que ninguem
suspeitou os seus tormentos c lodos se a-
pressrao a fazer-lhe corte al o instante em
provincia herdou de seo pai os dons e as
gragas com que a nalureza lhe fui lo prodi-
ga dando-lhc urna escolenle sublime e
entoada voz, que faz arrebatar todos
aquclles que ouvem a meloda de seos can-
tos e duetos recitados em todos os espect-
culos pblicos. Esta cantora tem merecido
sempre applausos, e elogios em qualquer
parte que se aprsenla ; na corte do Rio ,
onde algum tempo residi foi admirada e
elogiada por todos que amo o bello e o
consoanle da muzica que tanto encanta aos
mortaes. Aqu na Baha nao foi M. Carme-
la menos feliz sempre desejada de serouYi-
da e recebendo sempre applausos no thea-
tro publico deixa saudades e inveja aos
Bahianos amigos das bellas artes ; e farmoa
votos para que ella goze em Pernambuco do
mesmoconceito e grangeie a mer.ma esti-
ma que aqu soube angarear em tAo pouco
lempo que possumos em nossa patria urna
das mais insignes cantoras que em moder-
no tempo temos ouvido, e apreciado. A
imparcialidade he o nico motivo que mo-
ve a nossa penca e nao algumas vistas em
dezar ou proveito d'algucm : o nosso thca-
tro muito perde com a auzencia desta canto-
ra eode Pernambuco ganhar nome com
a presenca della em seo seio a qual sempre
ser sentida pelos Bahianos amantes da ace-
a e apreciadores da meloda da voz de
que dotada M. Carmela a quem rendemos
os nossos adeoses de saudades e de gratido
publica. (Echo da Babia.)
Ja nao he um problema a decadencia da
Bahia em todos os sentidos he antes verdade
que a senhora Delmas chegou. Esta veio to
fra de horas que j nao era esperada ; mas ,
a presenga da estrangeira produzio todo o ef-
feito que ella tinha calculado. O desdem par-
ticular da sua physionomia encantadora a
expresso dos olhos e da boca urna especie
de abandono pfeguigoso que transpirava em
lodosos seus movimentos palavras e aegoes,
promoverlo urna attracgao geral o todos os
coragoes voro para ella. Pouco a pouco o
circulo espesso que rodeava as senhoras Ber-
vlle foi-se fazertdo menos denso mais raro ,
at que desappareco e ellas ficro sos. Deo
a orcheslra signal para as contradangas e
ninguem procurou a mo de Alice. De re-
pente o conde Luzzani se aprsenla e lhe
pede respeitoso quena ser seu par. Ella a-
eeitnu e foro pr-se em frente da senhora
Delmas. Ainda que a jovem Alice estivesse
disposta a dissimular todas as impressOes pe-
nosas que havia necessn!ian>ente sentir aquel-
la noile, nao pode encarar de to perto a ven-
turosa rival sem muita perlurbagao que
dillicultosamenle esconda. Valeo-lhe Delmas
^


.
5-
sobr?-modo positiva que nada de bom saani- tos o quarenta e dous nesta Cidade do Recife
nlia nesta nossa provincia, que todos os nos-
sos estabalecimentos e instituic/iis decrescem
em importancia que tudo entre nos dege-
nera se desraoralisa e perdj. EUa reflexo
nos lie suscitada por ucn 'tacto mui simples ,
mas quo alias comprova cm parte a desanima-
dora e terrivel verdade cima proferida. To-
dos tena lido nos nossos peridicos o annuncio
do Snr. Rafael Lucci que so retir com sua
nteressanlc lilha desta para a provincia de
Pernambuco e realmente de tal annun-
eio urna de duas cousas parece que se deve
colligir : 011 os actores a quem nos referimos
nada valum ou entilo superabundara os
nons no nosso theatro o nao precisamos
delles. Mas saba o publico que nem urna
nem outra destas premissas he verdadeira ,
. por co.nseguir.te ser forzoso concluir que a
actual administrado do nosso theatro nao
preenche os fins da sua mislo. E com efiei-
to pasma que o sea administrador o Snr.
.Joaquim Joze de Araujo em urna poca em
ipii- ha tamauha falencia de bons actores ,
deixe partir dentre nos para a provincia de
Pernambuco o Snr. Rufael Lacci e sua iha
a Sra. Carmella Lucci ( de cujos talentos foi
talvez elle o primeiro avaliador entre nos )
som que um passo d para engajal-os para o
nosso theatro Sabem todos o agrado com
que foi sempre recebida do publico essa ex-
cedente e maviosa cantora quando no nosso
tablado se apreseulou em alguns divertimen-
toslyricos anda bem recentes; sabem todos
o enthusiasmo com que foi ouvida essa voz .
sem duvida a primeira que de nossa lembran-
oa tem aqu apparecido todas as vezes que
subi a scena para nos recordar as Malibrans
e Crisis e entretanto he pesar desso prazer
que causa desse enthusiasmo que provoca ,
desses louros que merece que ella se v dei-
xar-nos sem um passo para detel-a sem u-
ma diligencia para conservar-nos to primo-
rosa actriz !Na verdade nos parece, summa-
mente censuravel um la! proceder da parte
da administrado, e a nao sabermos de al
guns desaguisados havidos entre o Snr. Ara-
ujo o o snr. Lucci, o tomaramos por acinte
ao publico. Srfja como for ja nao he duvi-
dosa a partida d'esses dous interessantes e ex-
cellentes artistas; os seos talentos alias
/inui apreciados dos bahianos nlo foram pela
administrago aproveitados ; resta pois que
como em recompensa ao mrito abandonado ,
diga o Commercio um adeos saudoso urna
palavra de agradecmento ao snr. Lucci e
sua lilha em nome da Baha que osapre-
ciou e Ihes faz justiga. Possam elles depa-
rar nos illuslrados flhos de Pernambuco ,
com melhores relribuicoes aos seos nao vul-
gares talentos ; possam l ver o rosto propi-
cio da fortuna, que por c em tudo nos de-
sampara !
( Do Commercio.)
na casa de residencia do Dr. Delegado Juiz
Municipal supplente da segunda vara Fran-
cisco Carlos Rrando, onde eu escrivo de seo
carg me acharo, e sendo ah prezente o par-
do Luiz escravo de Joo Peixe foi por o dito
Juiz perguntado da maneira seguinte. Foi
Ihe pergunt'do qual o seo verdadeiro nome
respondeo chamar-se Luiz escravo de Joo Pei-
xe. Foi-lhe mais perguntado se era veidade
que dito Joao Peixe san Snr. tinha em seo po-
der escravos alheios e alguns africanos res-
pondeo que com effeito em casa do referido seo
Snr. existio alguns pretos escravos e entre
elles a moleca Eva e outra de nome Roza ,
e bem assira outra de nome Marcelina que se
achava em casa de Francisca de tal manceba
do dito seo Snr. os quaes tinho desem-
barcado na praia das cinco ponas ; porem an-
ti>s de ler sido elle respondente comprado se-
gundo Ibes dissero os outros seos pareceiros
eseravos tendo vindo os referidos pretos do
porto de galinbas e alguns delles mettidos
dentro de panacus. Foi-lhe mais pergunla-
de se alem dos pretos cima mencionados
existio outros vindos naquella mesma occa-
siao respondeo que em poder de dito seo
Sr. existi5o os pretos Joze e Thristo que vie-
rfio na mesma occasio e muitos outros que
foro vendidos para os matos. Foi-lhe final-
mente perguntado se os ditos pretos e pretas
fallavio distinctamente a lingoa do Paiz res-
pondeo que muito mal a fallavo e que qua-
ze toda a sua linguageni era africana. E nada
mais tendo o Juiz a perguntar mandou dito
Juiz fazer este termo queassignou e por o
respondente nao saber escrever por elle as-
signaro as testemunhas Antonio Marcelino
Chavier Minoel Joaquim da Silva Ribeiro ,
e Francisco Ignacio d'Athaide. Escrivo o es-
crevi Rrando Antonio Marcelino Cha-
vier Manoel Joaquim da Silva Ribeiro. E
mais seno continha em ditas persuntas o que
traslado dos processos que ae acho nos res-
pectivos auctos a que me reporto e vai sem
couza que duvida faga conferida concertada
na forma do estilo nesta sohredi ta Cidade do
Recifo aos vinte esote de Setembrode mil e
oto ceios e quarenta e dois. Escrevi e as-
signei por bem do despacho retro.
Em f de verdade ,
Joze Affongo Guedes Alcanforado.
COMMERCIT
" 50 p. centoem
assignados.
l:966?78l
-------------- 2:08 U 906
Vinhos e lquidos espirituosos. .
48l|2 p. c adi-
nheiro. 2:021 ji222
48 1(2 p. c.em as-
signados. 17:287*371
----------------- 19:308>593
Diversas outras mercadorias.
15 p. c.adinheiro. 17:247>8G
15 p. c em assfj-
nados. 50:7 Hj 887
I escravo, Joo Manoel d'Almeida, ioh
Joze da ConceQo.
Baha ; patacho Brazileiro Lobo de 105 to-
neladas, Capito Joze Aires; equip. 1 Ir
carga farinha.
DECLARAR OES.
Joias 5 por cento.
Armazenagem addieional do
3 1|2 por cento.
Reexportado 2 por cento.
Expediente de 1 1|2 por cento.
('eneros Nacona' s 1|2 por cento.
Premio dos assignados 1|2 p. c.
Armazenagem de 1|4 por cento.
Mullas.
Emolumentos de cerlidfies.
67:982|773
8*000
17:5.'8*IGI
340*633
8:203*178
10*784
1:574*246
900465*
563*833
5j too
||8:G5;j28j
Renda Ceral.
Dita applicada.
Rs.
O escrivo da Alfandega
Mara Lumacbi de Mello.
88:279*779
30:575*506
118:655*285
Jacome [Gerardo
HOVIMENTO DO PORTO.
Snrs. Redactores rogo-lhe queirao enserir
esla certido no seu Diario; para fazer sciente
ao respeitavel publico qual seja o meu crime,
e as calumnias que me imputo de m f e
pelas quaes tenho de responder ao Jury.
Seu assignanle
Joo Francisco de Souza Peixe.
Certefico que revendo os autos de Summa-
rio contra o supplicante que se acho em meo
Sartorio delles consta o pedido na petico re-
thro cujo theor he o seguinte. Aucto de
perguntas feito ao pardo Luiz escravo do Joo
Peixo.
Aos trinta e um de Agosto de mil e oito cen-
ALFANDEGA.
Rendimunto dodia30de Setembro G:G88*876
DESCARREGaG HOJE 1 DE OUTl BR0.
Escuna Sarda Domingas = Alpista pa-
pel e miudezas.
Rrgue Escuna Americano = Rozario = Ta-
boado.
Escuna Americana = Alicia = Farinha de
trigc. t
Escuna Rremence = Catharina = Fazendas,
ferragens potassa e alcatro.
Rrigue Inglez s Severn = Plvora.
Rendimento total da Alfandega em Setembro
de 182.
Rendimento total. 119:S?*?
Rcstiluces. 607*528
nao estar pcesenlc ; porem elle quando en
liou toi logo sentar-se a urna banca de jogo,
e nunca appareceo na salla do baile.
Brevemente a contradanca em que figura
va a senhora Delmas e Atice ajuntou om tor-
no a multido dos espectadores. Ellas olh-
ro rpidamente urna para a outra; e foi
quaoto bastou para se examinaren! pois
que os seus olhos nao tornro mais a encon-
trar-se. A Italiana era verdaderamente bel-
la ; e, nao obstante, Alice Ihe levou a
palma.
Depois desta contradanza o circulo das se-
nhoras Berville rngrossou extraordinariamen-
te ; e a senhora Delmas que se vio abando-
nada pela maior parte dos embasbacados
adoradores retirou-se inmediatamente. O
conde Luzzani doixou se ficar ; porem nao
quiz danzar mais, e foi sentar-se ao p da
senhora Rerville entietendo a conversarn
com o objeclo sempre agradavel aos ouvidos
de qualquer mi; isto he fallou muito na
formosura e gracia de sua filha queixando-
se da sorle que Ihe nao tinha ainda permittido
a honra de conhecer mais d3 perto urna fa-
milia to amayel; e mostrou to vivo dese-
Rs.
Cha 50 por cento a dinheiro.
Plvora 50 p. cen-
to a dinheiro. 118*125
118:055*285
37*800
iodeoconvidarem que a senhora Herville ,
persuadida naturalmente dos fins honrosos
que levava em vista patnteando to repen-
tino empenho de entrar na sua intimidade ,
concedeo Ihe a permisso que implorava com
tanto ardor.
A familia voltou no dia seguinte para a
quinta s e o conde Luzzani foi Iojo fazer-lhe
os seus cumprimentos pondo em pratica os
meios que para agradar recebeo da natureza
e vendo que a donzella Berville nao era in-
sensivel aos seus obsequios, aproveitou-se
immediatamente dessa vantagem e pedio-a
ao senhor Berville que Iba condedeo com
muita satisfaco. Apenas o conde teve a cer-
teza que tanto desejava apressou os prepa-
rativos do casamento declarando que oito
dias depois de efiectuado pretenda apre-
sen tar sua esposa na corte de aples aonde
era muito bem visto pelo rei.
No dia em que se havio assignar as es-
cripturas do casamento foi a primeira vez
que o conde levou sua irm a casa do senhoi
Berville. Quando ella chegou quinta a
familia toda a veio recebar com demonstra-
res de aflecto ; porem iougo Je raostrar-
NAVIO ENTRADOS NO DIA 29 DO P.
Liverpool ; 5G dias Rrigue Inglez Severn
de 253 tonel. Capito Williams epuip.
12 carga plvora e fazendas: a Johneston
Pater & Companhia.
Dito; 34 dias Rarca Ingleza Tiloma/. Mellors
de 257 tonel., Cap. James Palethorpe ,
equip. 14, carga fazendas : a Russel Mel-
lors & Companhia.
SUllliOS NO MESMO DA.
Rio Grande do Sul ; Patacho Brasileiro Iler-
melinda Cap. Manoel Antonio de Olivei-
ra cargesal e assucar.
ENTRDOS NO DIA 30.
Maranho ; 26 dias, brigue escuna Brazilei-
ro Carolina de 122 tonel., Capito Fran-
cisco Bernardo de Mattos, equip. 13, car-
ga gneros do paiz : passageiros Bicardo
De&sia Salazar, Pedro Joze de Sales 2
escravos a entregar.
Portos do Norte ; 17 dias, vapor Brazileiro
S, Sehastio de 200 tonel. Comrr.andante
Joze Mara Falco, equip. 20: passagei
ros Dr. Anselmo Francisco Peretti com 1
escravo Maria Francisca do Nascimento ,.
Victorino Teixeira Leite, Joo Van-meyl'
com sua mulher e 3 lilhos 1 escravo a
entregar.
SAHIDOS NO MESMO DA.
Aracaly; patacho Brazileiro S. Joze de 90
tonel., Capito Manoel Joze Bibeiro, equi-
pagem 11 carga gneros a Manoel Perei-
ra Castro : passageiros Victoriano Rodri-
gues Peres com 1 escravo e 1 fmulo,
Antonio Rocha Freir com 1 filho menor,
Victorino Pinto Nogueira com 1 escravo
e 1 fmulo Antonio Carlos de Albuquer-
que com 3 escravos, Cosme Antonio de
Albuquerque com 1 dito, Antonio Joo
Ferreira Damaceno com 1 dito Joaquim
Liberato Cardozo, Joze Caetano Fiuza com
O Vapor S. Salvador recebe as malas
para os portos do Norte no dia 2 de Outubru
as 11 horus da manhfi.
Companhia de Bebirihc.
Os senbores accionistas da companhia
do cncanamento d'aguaa potareis para esjtft
cidade sao avisados pelo presento para que
hajo de realisar dentro de 50 das contados;
desta dala dois por o/o sobro o valor das ac-
etos que subscrevero por cont da 1. pres-
taclQ : no esoriptoro du paila da companhia,
o Sr. Manoel Moncalves da Silva na ra da
cadeia do Recite. Escriptorio da companhia
2G de Setembro de 1812.
O Secretario
Joze Rento da Cunta e Figueircdo;
AVISO MARTIMO.
= Para o Rio de Janeiro o lindo, e ve-
leiro Rergantim Relmpago torrado e
encavilhado de cobre Capilo Joze Antonio
deCarvalbo a sahir com muita brevidado
por ter parte do seu carregamento prompto :
para carga escravos a frete passageiros ,
tracta-se com Joaquim Baptista Moreira no
seu escriptorio na ra de Apollo ou com o
Capilo a bordo.
tT Para o Rio de Janeiro sabe no di. 5
do correte o Rrigue Francez Beranger, Ca-
pito Demoly tendo bons commodos para le-
var passageiros : trala-se com o consignata-
rio A. Se 11 ran i m.
L E I L A f>
=0 corrector 01 i veii a continuar, boje pri-
meiro d'outubro as 10 horas da manhfi, no
primeiro an^ar da casa onde existe o tanque
d'agoa prximo ao thealro a venda do-
grande e valiosa porc.no de mobilia de casa -t
um piano, e de muitos outros objectos de boa
gosto e utilidade os quaes icro em sep
do ultimo leilo por falta de tempo, e que por
isso sero vendidos por precos mais diminu-
tos para final Ijquidaco.
AVISOS DI VEBSOS.
se reconhecida quasi que tocou em pontos
de incivilidade : to framente corresponden
aos agrados que Ihe i/ero. Apenas enlrou,
foi sentar-se no vo de urna janella sepa-
rando-so voluntariamente da companhia ; e
litando os olhos em Alice com insaciavel cu-
riosidade pareca espreitar as impressOes
que na physionomia da moga donzella se pin-
tavo e que ella nao pretenda encobrir. O
condechegou-sea sua irm e Ihe disse :
__ Porque te afasias assim de nos ?
__ A sua felicidade me aborrece respon-
deo a Italiana.
Bem que estas patarras fossem ditas em voz
baixa Alice ourio, o ficou maravilhada com
o rancorde urna pessoa a quem nunca hara
offendido. Aquella offensa gratuita a mer-
gulhou em profunda meditaco.
Nao quer assignar ? disse urna voz per-
to della que a fez estremecer.
Alice ierantou os olhos e vio ao p de si o
conde, que a observava com urna certa des-
confianza.
Talvez, continuou elle fizesse mal
em vir interromper a sua meditaco ; porem
lia muito esperara.....
cr Hoje he a Partida da Sociedade EU-
TERPINA.
tar Sabio o Carapucciro numero 55, ten-
do por principal assumpto = Olho vivo com
a poltica Ingleza = Na variedade traz urna
son tenca bem notavel d'uma senhora e con-
clue com duas ancdotas. Vcnde-se na
praga da Independencia loja de livros nume-
ro 37 e 38.
Nesta segunda feira as 10
horas corre infalivelmente a
loleria de N. S. do Roza-
rio da Boa-vista; o resto dos
bilhetes acho-sc a venda
nos lugares j annunciados.
Alice corou; mas ella eslava menos con-
fusa do que irritada. A pesar da especie do
cecandalo que a ruptura Jo casamento, no
acto de assignar a escriptura provavelmente
havia produzir duridou se Valeria mais cor-
rer-lhe o risco do que unir-se a um homem
cuja irm declarava nao poder tolerar a sua
felicidade. O conde leo esto pensarr.ento nos
seus olhos ; e, para Ihe nao dar tempo de
arraigarse, poz um joelho em trra dizen-
do com humildad;- :
Se a oflendi, senhora rogo-lhe que
me perdoe !
Ab exclamou Giula perdoe-Ihe ,
minha irm que elle nao resisto aos seus
rigores .'
Alice que era generosa levantou-se o
foi assignar o contracto. A senhora Delmas
sabio logo depois d'aquelle acto, e disse ao
conde que a foi acompanhar at a carrua-
gem :
Ests satisfeito meu rmo ? adrerte
porem que me ser difficultoso repetir esfor-
,'os taes !
Tres dias depois a bella Alice j era con-
dessa Luzzani, ( Continuar-se'ha. )


4



tsr JoSoJozede Mello, subdito Portu-
guez relira-se para a provincia da Paradi-
na com sua familia.
PILL'LAS VEGETAES E L'MVERSAES AMEHfCANAS.
OS1" O nico deposito dellas lie em caza do
D. Knoth, agente do Autlior, na ra da Cruz
n. 57.= N. B. cada caixinha vai embrulha-
di em sen receituario com o sello da caza
em lacre prelo.
tsr UmaSenhora capaz prope-se a aprom-
ptar almoco jantar e ceia para urna a duas
pessoas capazes encarregando-se de mandar
lavar e cngommar a ronpa das mesmas :
quem quiserannuncie.
tsr Aluga-se um primeiro andar com bas-
tantes commodos e juntamente se aluga um
armazem no fundo do mesmo com a frente
para a ra da senzala velha ; os pretendentes
dirijo-se a mesma caza na ra da Cadeia ve-
lha do Recife n. 57 loja de fazendas a tratar
com Manocl Jozede Magalhes.
tsr Fazsciente ao respeilavel publico Ma-
dcmoiselle Zo Popon, profcssora de pianno,
que nao he verdade o boato arteiramente es-
palhado ( por pessoa interesada a isto ) de
que a annuncianle pretendia relirar-se desta
Cid.vie ella pelo contrario declara positiva
mente, que sobremaneira penhorada do bom
acolhimento pretende aqui morar e conti-
nuar as lie/tos de pianno e cantoria ; ella mo-
ra no atierro da Roa vista no primeiro an-
dar da caza onde foi o Collegio Pernambu-
cano.
Arrenda-se um sitio na passage da Mag-
dalena buscando a estrada do I.ucea com
urna boa baixa paraplantac.aodecapim. ealem
da baixa ha lugar sufficientc para 3 a i vacas;
qura o pertender dirija sa ao mesmo sitio ,
que achara com quem tratar.
tsr Joaquim Gonsalves Ferreira, na in>
possibilidade de solver seus dbitos vencidos
o a vencer, convidou os seus credores por car-
tas particulares para comparecerem na ra
da Cruz n. 51 a tim de Ibes patentiar o ver-
dadeiro estado da sua caza, e como os pon-
eos que so reuniro nada resolverao delfini-
tivamente de novo os convoca para urna
juneco geral na referida caza en o dia 50
docorrente Setembro pelas 11 horas da ma-
nh isto com o intento de tomar urna deli-
beraco final e positiva.
tsr Alugo-se tres moradas de casas ter-
reas na ra da Mangueira no Poco da Pa-
nella ptimas para se passar a fesla por se-
ren perto do banho e com commodos para
qualquer familia ; e um sobrado de um an-
dar com bastantes commodos na ra de S.
Rento em Olinda : quem as pretender dirja-
se a ra da Cruz D. 02.
tsr A barca je vapor S. Sebaslio com-
mandanle Joze Maria Falco, deve chegar dos
portos do norte, at o dia 2 do mez de Outubro.
As pessoas que nVlIa quiserem hir de passa-
gem para os portos do sul pdenlo com an-
ticipado inscrevec os seus nomes na agen-
cia ra de Appolo : tambem recebe escravos
a 22jf reis de frete estanco munidos com
as respectivas guias de polica.
= Antonio Fclis Gerard ; retira-se para
Franca.
ty primeiro Secretario da Sooiedade Na-
talence faz corto aos Srs. Socios, que a
sesso de boje ( Io de Outubro) tem lugar pe-
las seis e meia horas da larde.
t^- Manoel Francisco de Jezus Das faz
sciente ao respeitavel publico que desde o
dia 50 de Setembro p. p. deixou de ser cai-
xeiro do trapiche do Vianna, do qual soren-
deiros Joze Percira Vianna & Souza por os
cima ditos o desped rom sem Ihe declara-
remo motivo e para conhecimerito do pu-
blico faz o presente annuncio.
Na ra das Cruzes loja D. 12 existe
crConstantino Magalhfies da Silva Leit-o
subdito portuguez, retira-se para /ora da pr,o
vincia
tsr O abaixo assignado faz sciente que
ninguem contrate negocio algum com a mili
-lo abaixo assignado a Snr." Francisca Xavier
do Espirito Santo moradora na na do Cano
do bairro de Santo' Antonio sobre nina es-
crava de nomo Mariana do Hade de 18 annos
[mis o abaixo assignado protesta anular qun|
quer venda ou liypolheca que por acazo possa
aparecer.
Franrisco Antonio Bastos.
Aluga se o armazem do sobrado n. 22
da ra da senzalla velha com capacidado pa-
ra qualquer estabelecimento por ser gran-
de e achar-se redificado do novo : trata-se
na ra da cadeia N. 40 com o proprietario.
Arrenda-se pora se passar a festa ou
por anno quatro cazas na margem do riocapi-
baribe com bastantes cmodos ; quem as
pertender entenda-se com Joaquim Carneiro
Machado Hioscm S. Joze do Manguind.
Din homem cazado e de bons costu
mes natural d'osta cidado se oerece para
ensinar meninos as primeiras letras letras ,
e gramtica portuguesa com preferencia
para lugar de certo e tambem enlende de
cirurgia ; quem do seu prestmo se quizer
utilizar annuncie por esta folha para ser
procurado.
tsr Joo Gomes Jasmim segu viage ti
Baha para tratar de seu negocio ateo fim
do do corrente Outubro.
tsr Precisa-se de um tnenino portuguez de
8 a 10 annos de idadu chegado prxima-
mente para caixeiro em Macei, de loja
de fazenda ; a tratar na ra do Cabug De-
cima 7.
i2S^ A pessoa que annunciou no Diario de
28 do p. p. urna bonita escrava afianzan-
do a sua conducta dirija-se a praga da In-
dependencia n. 28e29.
tsr Deseja-se fallar com o Sr. Joze Correia
de Barros a negocio de seu inleresse, annun-
cie a sua morada.
CT Os Sis. Assignantes do Dniverso Pit-
toresco podem vir receber o n. 14 do mes-
mo na ra da Cruz D. 22.
COMPRAS

umbarbeiro, sangrador, e dentista exami-
nado o qual oflerece seu prestimo aos ha-
bitantes desta Cidade.
tsr A pessoa que pertendo falar com An-
tonio da Silva ; dirija-se as ;* Pontas D. 98.
tsr* Preciza-sa do urna criada para todo o
servico de urna caza de pouca familia; na ra
da Camboa do Carmo O. 11, sobrado de 2
andares no 1.
tsr Alufia-se urna caza terrea com gran-
des commwdos tendo2salas, 0 quartos, co-
zinha fora quintal, e um grande sotfio : a
tratar na praca da Independencia n. 20.
*y Quem quizer tomar conta do urna ven-
da dando fiador ; dirija-se a ra do Vigaro a
fallar com Lima Jnior cv C."
tsr Roga-se ao Snr. Gomes Jasmim, que
sae para a Rabia baja antes de sal ir inten-
der-se com Francisco Antonio de Carvalho
Siqeira.
tsr Offerecc-se um bom ofeinl dcOrpina
para ir trabalhar no mallo ; a tractar na ra
tsr Duas rotulas de taboirihas para portas
de ra : na praca da Independencia loja de
livros n. 37 e 58.
tsr Para fora da provincia cscravas do 15
at 55 annos, sendo sadias com habilida-
des ou sem ellas ; na ra Nova loja D. 13, de
manh at as 10 horas e das duas as 4 da
larde.
tsr Frascos vazios de boca larga que fos-
sem de conservas : no armazem do mulha-
.Ics deronle da Igreja do Corpo Santo nu-
mero 1.
V^" Urna burra de ferro batido, e prefere-
se de armario : na ra da Cadeia do Recife
loja n. 53.
tsr Cinco arrobas de pesos de ferro, que
sejao uzados sendo dous pesos de duas ar-
robas e urna arroba de pesos miudos : na
ra da Moeda armazem de Antonio Francisco
dos Santos Braga, n. 142.
c^ Cera de carnahuba em porco : na
ra estroita do BozarioD. 17 padaria de Fran-
j cisco Alves da Cunha.
s^- Barris com mol bem acondicionados ,
e queesrejao capazos de embarcar para fora :
na ma da Cruz venda n. 52 ou annuncie.
*S- A fbula de La Fontaine nova ou
tizada : no primeiro andar do sobrado onde
mora o escrivo dos protestos.
tsr Dma caza torrea no bairro de S. An-
tonio que tenha bom quintal e cacimba ,
preferindo-so as ras das Cruzes Rangel ,
Florentina largo do Hospital, e Larangei-
ras : quem livor annuncie.
o fivellas douradas para padre a i reis : na
ra do Cabug loja do Randeira.
nr Um sof 6 cadeiras tudo de jcaran-
d, em muito bom estado, urna porco peque-
a de linhas pretas e cruas novas, d-se ba-
i ato por S' querer fechar conlas : no pateo do
Carmo quinada ra de Hurtas I). 2 do lado
direilo.
tsr Dous relogios de sala, para cima de
meza um de madeiras com columnas de
marmore, e outro de bronze douaado com
urna figura ambos de repetigoo com mu-
sica : na ra dos Quarteis loja D. 4.
tsr Superior salitre refinado em barricas
e as libras a 200 rs. : na ra das Larangei-
ras sobrado D. 3 de Claudio Dubeux.
ssy Duas negrinhas crelas de 14 a 15 an-
uos recolhidas, com algumas habilidades ;
outraditade25 annos, engomma e cozi-
ii ha : na ra Di re la D. 45.
tsr Um par de buzinas de ouro vindas
de Inglaterra, propras para quem ouve pou-
co : na ra da Cadeia do Recife loja n. 52.
ts- Cal fina e grossa por preco commodo:
na venda da quina do beco das Rarroiras.
tsy Urna banda de relroz em muito bom
uzo : na ra velha D. 9.
Ntsr RetroKde qualquer cor, botins gas-
piades pretos para senhora sapatos de cou-
rode lustro e marroquim calsado para me-
ninos rape' rolo Hamburguez facas de
marfim para fechar cartas meias de seda
prcla de peso para senhora pentes de mar
fim de todos os tamanhos para alisar e bo-
tins de bezerro para meninos Je 8 a 12 an
nos e meios bilhetes da Lotera da Roa vis-
ta : na roa da Cadeia n. 7.
tsr Dm pianno inglez com pouco uzo e
muito em cotila : no pateo de S. Pedio D. lo;
assim como urna banca de condur nova pa-
ra meio desala.
tsr Charutos da Bahia de superior qua-
lidade em caixas e meias ditas e a reta-
lho : na venda da quina da ra do Collegio
defrontc de palacio.
tsr Urna venda em fora de portas junto a
Intendencia com pouros fundos a dinhei-
ro ou a praso em muito bom lugar : a tra-
tar na ra da senzala velha n. 31, ou annun-
cie ; tambem se vende os utencilios de urna
relinaco.
Principipsde^hVsiologia medica, com-
, fsforos
, bicos o
VENDAS.
d'Agoas verdes D, 30.
-VS2T Methodo para violo, com escalas ar-
pejos, preludios, e algumas valsas, marchas,
contradanzas e cavatinas a 2,>400 ; livro de
Instrucco Beligiosa ou resumo de novo e
velho Testamento para uzo das escolas, en-
cadernadoem couro por 1600; Mari lia de
Dirceo com as 5 parles encadernadas por 800
rs. Thesourode Meninas com estampas co-
loridas ; As ultimas despedidas da Marechal
de .... a seus filhos ; Deveres dos homens
discurso dirigido a um mancebo por Silvio
Pillco tradusido pelo Padre Mestro Lopes
Gama Diccionario Portuguez de Fonceca ,
arle de furtar do Padre Antonio Pereirn re-
sumo de arilhnieiica por Cardim dita por
um Pernanioucano : na praca da Indepen-
dencia loja de livros n. 37 e 58.
tsr Rap de Lisboa em libras e oitavas,
pendi de anathomia palhologica elementos
de anathomia tratado das molestias das en-
ancas o medico das mulheres os elemen-
tos da grammaIca franceza manual depar-
tiros nova grammalica da lingoa franceza ,
Diccionario de Constancio, tudo por preco
commodo : no atierro da Boa vista botica de
Joaquim Joze Moreira.
tsr Um ne^rode naco costa, bom car-
rciro e < xcellente tratador de sitio pois
trahalha bem de enchada o sabe tratar de
gado, he de meia dado ao comprador se dir
o motivo porque se vende : na ra de Agoas
verdes n. 70; adverte-se que o preco ht
muito commodo.
tsr Urna porco de cafe' da trra a 4800 a
arroba ea ICO a libra dito do Rio, azeite
doce a 4400 a caada e a garrafa a 560 de
carrapato a 2560 a caada de coco a 5200 ,
presuntos de Lisboa a 320 a libra, passas no-
vas macarro lalharm letria, amendoas
novas espermacete a 080 a libra e todos
os mais gneros de venda : na ra Nova ven-
da D. 33 ao pe' da ponte.
sa Dous eivolinhos de lia 12 annos ,
de muito bonitas figuras vendem-se por
precisao : as o pontas caza de Joao Paulo
Barboza.
tsr Um escravo pega de 20 annos boa
figura bom cozinheiro e servente de urna
caza um dito por 300J rs. bom para to-
do o trabalho ; duas pretas por ofiOj cozi-
nlifio lavao e boas vendedeiras urna dita
por 250 com as mesmas habilidades : na
ra de Agoas verdes n. 4.
ty Superiores charutos da bem conheci-
da fabrica de F. Gros da Bahia fumo em fo-
lha e outros gneros: em caza de E. Schacf-
fer na ruado Vigario n. 18.
or Azeite de carrapato sem mistura a
22i0 a caada, e500rs agarrafa : na ra
Augusta n. 8 defronte dos sobrados de Joze
Maria.
tsr Potassa da Russia em barris peque-
nos : em caza de Hermano Mein leus na ra
da Cruz D. 25.
tsr Taxas de ferro balido e coado em bom
sortimento e mais ferragens do engenho ,
por preco commodo : na ra do Vigario n. 7
tsr Urna porco de travs, sendo de qua-
lidade de sicupira embiriba o massaran-
duba de 85,35 e 30 de comprimenlo e de
7 e meia 8 e 8 meia polegadas de face : na
pracinha do Livramento loja de fazendas De-
cim33.
w Urna caza terrea perto do banho do
Caldereiro com duas salas 4 quartos co-
zinha fora e telheiro para recreio tambem
se aluga por 80tf 364 palmos de t-rreno no
cortumo dosCoelhos defronte do finado An-
tonio Coelha : na ra larga do Rozario caza
de 4 andares que tem botica.
v.ssr Boas abutuaduras de massa a 800 reis
ditas para cazacas de brim a 440 reis a duzia
Irancelim de borraxa a 80 reis de ouro fran-
cez a 400 reis, cartas portuguezas a 1200 o
masso dilas francezas papel de. pezo mui-
to bom a 2800 e 5 a resma pomada france-
za banhas a 120 reis o pote colxetes a 80
reis tezouras finas a 200 e 240 reis
de pentes e de caixinhas a 00 reis
rendas, tinteiros de vidro e de estanho af-
ilias muito finas em caixinhas pentes de tar-
taruga a 1400 luvas de sda para Ser.hora
a 480 reis para homem a 900 reis dilas de
algodoa 320 reis espel'.os linhas de mia-
das eoutras muitas miudezas baratas : na ra
do Livramento D. 5.
tsr Um negro de bonita figura, sem acha-
ques para todo o servico : na ra Nova De-
cima 54.
tsr Um sobrado novo de um andar n&
ra do Padre Floriano D. 77 com soto e
muito asseado eem chSos proprius gran-
de quintal murado e cacimba: na ra dos
Quarteis por cima do botcquim primeiro an-
dar.
tsr Um terreno com 32 palmos de frente
para a ra dos Coelhos 125 para a ra dos
Prazeres um temo de pozos de bronze de 8
libras at meia quarta, 200 at 400 garrafas
vazias: a fallar cm Joze Fcrnandes Lima na
venda da ra de S. Cruz que faz quina para a
ra d'Alegria.
Saccas de farinha de mandioca da
provincia e de fora muito nova e bm tor-
rada a ll 12 e 14 patacas a sacca : de-
fronte da cscadinha da alfandega no armazem
de j. G. Vieira Guimares.
ESCRAVOS FUGID OS.
tsr No dia 28 do corrente fugio o preto
canoeiro por nome Manoel crelo de boa fi-
gura alto e incorpado tem o rosto um pou-
co descarnado e redondo as orelhas peque-
as pouca barba canhoto, e tem um
lobinho no brago esquerdo junto aocotovelo,
bebe bastante, quasisempre traz as ponas m-
poladas de bolhas d'agoa, que abrem em feri-
dascomode prezente tem urna peina, que por
issoja tem mais grossa, que a outra. Este ne-
gro canoeiro que reprezenta 30 a 35 an-
nos levou carniza e calca de algodo de fora,
carniza de bata encarnada e chapeo de pa-
Iha. D-se urna generoza gratificarlo a quem
o pegar e o entregar na pHdaria da ra dos
Quarteis D. 5 de Manoel Antonio de Jezus.
tsr Fugio no da 25 p. p. um preto de na-
Qo angola de nome Francisco canoeiro de
canoas de tijolos foi do Sr. Joze Bitancourt
de Amarante elle he alto barbado por de
baixodo queixo, cara bexigoza, olhos abuga-
Ihados tem um dedo do p direilo cortado ,
levou calca branca e carniza de chiia chapeo
de pallia e no dia 26 e 27 foi visto no bairro
de Santo Antonio ; quem o pegar bve-o no
Mundo Novoem caza do Joze Fernandes Eiras
que ser bem recompensado.
tsr No dia 26 de Setembro fugio, urna ne-
gra por nome Maria naco angola de 24 an-
uos ,cor bem prela bonitota, baixa echeia
do corpo, levou urna gamela de peixe e um
prato com banf.a que audava vendendo e
foi vista nesse mesmo dia de tarde em Beberi-
be levou vestido cor de roza novo pao da
costa j velho tem os ps chatos ,.e os dedos
curtos com urnas marcas na barriga das per-
nas ; quem a aprehender leve-a em caza de
sua Senhora em fora de portas defronte do
Sr. Luii Antonio Vieira que ser generoza-
mente recompensado.
tsr Matheus do gentio de benguela de
estatura um pouco menos de regular cor fu-
la com algumas marcas de bexigas pelo ros-
to bons dentes, reprezenta ter de 22 a 25
annos muito pouca barba pernas um tanto
arquiadas ps e mos pequeas corpo pro-
porcionado de maneira que tiem gordo nem
magro com nina coroinba no alto da caboca
procedida de carregar pezos falla muito atra-
palhada que parece novo ou bucal ; fugio ou
foi furtado no dia 24 docorrente das 9 para
as 10 da noite da ra da Praia aonJe foi levar
a Senhora em palanquim indo vestido com
calca e carniza de algodozinho velhas B sujas
quem o pegar ou doli souber dirija-se a
ra da Aurora sobrado do 5 andares D. 3,
que ser generozamento recompensado.
I RECIFE A TYP. DE M. F. DE F. =1842 .


Consagrado ao Grande Dia 7 de Setembro de 1821 em o qual se Pro-
clumou a independencia do Brazil. Dedicado e offerecido com sin-
cero Jmor e Rcspeito a S. J\J. I. e Comiituaonal o Sr. D.
PEDRO II p a Nacao; na Provincia do Grao-Para
dia 7 de Sctembvo de 1842, pelo Bahiano abai.vo asnigna
(/ no
do
Quem quebrou da Patria o ju^o
D'eterna memoria lio Dio.
(Do .iuthur t Cimas do I. Imperante.)
O'
Quando (e preso, ol virtude!
Cuin;iri sagrado dover.
(Jo Aulior ao 2.3 Imj.erante.)
m SER Omnipotente em mcu soccorro
Mindai, Senhor, o dm que o estro ustia:
Vos (liante de Quetn se elevao tomos,
Vos diante deQuem se umiihnd crpo*,
J)ai virtude, dai eufasi n inhiba liogua;
Nao para decantar de Tito a gloria,
Nem para promulgaros JLeis de Numn;
Sim para sublimar o Nome excelso
Do Numc do Br*zil, PEDRO II.
Foi neste Egregio e Magestozu Di ,
Que o Brazil sacudi da Europa o jugo;
Nao para detestar hnm Povo AMIGO;
Ms por ser como a Europa, Nacfio Lirre*
Que Grata recordaeflo me inlninma agora !.'
Foi PEDRO, l'aide PEDRO, Quem da Patria
As algemas quebrou, Quem nos fez livres;
Foi por Filie que animados nossos labios
Do Brasil a INDEPENDENCIA Proclamis^
Foi por Elle tangida esta Aguia Grande,
Que desde o Prata ao Amazonas va.
Do Heie, que defeitos t.lo sublimes
Foi author, j)ara nossa mor ventura
S nos resta a memoria, pois descanca
No jazigo dos Seus Antepagados.
Ms o DOS Protector do quinto Imperio
Quiz em PEDRO II. Conceder-nos
O Garante do Throno, e de nos n esmos.
Este Herde, que Subi, na infancia, ao Throno
Na idade que Subi Clovis na Franca.
IIum Governo far, que pasme o Mundo,
Prolongada existencia o Co Te aguarde
Augustissimo Imperador nos Irazilkiros 1
Sirva-se Elle, que Dia tafl Faustivo
Nao retroceda sua claridade
Sem que veja primeiro no Brazil
Unia* fraternal, banida a intriga.
S6 t, doce uniao, por_, trra lancjs
Tramas, castellos, canhoSs, que a intrigarorja
S6 t podes salvar a Patria e filhos;
O Co te mande, PEDRO em ti medite.
Momeado Nascimento Rodrigues Barreta.
Para nu Typ. de Justino H.i da 6'., na ilharga de Palacio 1842.


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ET2EIDFZP_GV3QPE INGEST_TIME 2013-04-13T00:27:39Z PACKAGE AA00011611_04784
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES