Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04777


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Ter^a Feira
Tildo ?" depende de n mr-mos ,1, >0, rra,nr, b,?** f ,;,
..e^o. romo pnnc,,.i.moi e -remos aro,,u,lo. rom .,!niric;,o |W ., N,",,-,. .
__________________ (rroclanmrAo da Atacable* Gersl to 'inxil.)
tal'-"-
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
nna. Parail. e io grande do Nnrie. eesnndas e tcitea hit*,
n i Garanhuut .. -0 e 24
. Serinhaem Rio Fnrmnio Porto Calvo, Macei e A!
13, Santo Anto quintas feiras. Olinda todos os'di.is.
DAS da semana.
22 Sf?. t. Tliemoteo M And. d. J. de O .! 2. r#
2< ittn. jrjupi Falipiic Benicio. Re. And do J. de D. di 4. .
24 Qtbtt. + R-irlbolouie.. Ap s. Protolomeo B. M
2i Oltui L" Kei de Franca V. V. Aud do juii de D di 2. v
* Se. I, /i-ferino P. M. And. do J. de D. de 1. .
7 Sb. Joi de Calaians. Re. Aud. do J. de D. da 3. t
2H n->. O S-crado Coraciio de Mia SS
de Agosto. Anno XVIII. N. 181.
t^ O Diario publica-si- ladea o is que l3o forem Santificados : o preco da assifnMora b
y% di-trc" mil res poi qiiarlel pajos allantados. Oaanniuir.ins i'os ii;nnln s.io inserido*
{ l" gralii r o do? q.je o n.io toreas ratio de 80 res por linha. As rrrlamacOra deTcm erf
x%7->i dirigidas a eata'IVpogrrafia ra das Croiee I). 3, u a praca da Independencia luja de litro*
I\ limero 37 c 38.
Cambio sobre Londres 2/i nomin.il.
. Pai 375 reie p. franco,
n ii Lisboa iOQ sor 100 da p'.
Mnods de cobre 4 por lili) de descont.
dem de letras de Iioii firmas le il J.
2 de acost. compra venda.
Odro- Moeda de 6,400 V. 46,200 16.400
. > .. N. 40,00* 46.200
> de 4,000 (1.000 0200
1'lUT Palacoes 1\S70 4.880
Peroa '"niiimnares 4,870 4.880
n dito Mt&iotttM ,!>7 4.880
muida 1.6S0 4,720
Pleamar ro din 2.1 de A\>tsla
I." I 0 horaa e 6 m. da manhj.
.1" a 0 horaa e 30 m. da tarde.
PHAS&S da I.UA l* O MEZ, de AGOSTO.
I na Nora a 6 s 0 horas e 2'.' m. da tan).
Quarl. nreac. a 43 aa 3 horas e 4 m da manh;
I.mi chais a 20 -- 4a 4 I huas e !>6 m. da lard.
Qnarl, sain. a 29 --os 1 linraa e 30 m. de maah.
I>l AlllO IU | e K"rS AIIB ECO.
H
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 19 DO COMIENTE.
Oifivio A Exm. e Reverendissimo Di-
rector to lico duendo que declare o no-
mo do professor adjunto d aquello liceo que
em seo olllcio d '8 do corren le partecipa ha-
ver sabido sem licenga para fra da cidade a-
f>ti de que a presidencia possa resolver a cer-
ca d'esto proeedimenlo.
Dito Ao juiz municipal interino da se-
gunda vara aceusando receido o seo olfi-
cio de 17 do corrente cm que solicita saber,
se como substituto do Juiz da dita vara deve
lambein exerecras altribuiges Je que el-
le se acha enctrreg do respejto dos Africa-
nos ; e significando cm resposta, que ten
do sido taesattiibuiges confiadas privativa-
mente ao dito juiz nao deve S. m. dar ex-
pediente aos autos que versarem sobre a-
quollfl objeeto, em quanto estiver oceupando
a referida vara.
Dito Ao inspector da thosouraria da fa-
zenda remetiendo a conta da desp za feita
com quatro recrutas vindos do termo do Bo-
nito a fin i de que, estando conforme, man-
ilo pagar a sua importancia quo he de reis
7.-.200 ao capito Joze da Silva Guimares.
Dito A o inspector da thosouraria das
rendas provinciaes ordenando que mande
pagar aosuprameneionado capito a quantia
do84,>i80 r is importancia do despendido
com sustento dos presos pobres do ustigado
supran-ferido termo desde o primeiro de A-
bril ad: o ultimo de Junho do presente anno.
Dito Ao D legado do termo do Bonito ,
inlelligeuciandu-odaexpediQo das duas pre-
cedentes ordens em resposta ao seo olllcio de
12 d'este mez em quo as requisitava.
C0.MMAND0 DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DA l7 DO CORRENTE.
Olicio Ao Exm. Presidente devolven-
IF01LMIE TTBSffl.
DOUS ERROS ,
POR A. DROZ. DESVOYES.
I.
Em 1800 o arrabaldo Montmarire eslava
longo de sor o que o lempo depuis o tomn.
O martillo dos emprehendejores ainda se
lirio (inlia atrevido a atacar este bairro que
se olhava como perdido e a especulago ,
nao obstante sua vista to prespicaz, nao pro-
Va quo alauos annos mais tarde rIii as
propreda les IripHcaritu de valor. Nete arra-
hi|le sujo ciiiiil edili -ado.sobreludo medida
q' se ia alisLirido doboulevart iiioseencontra
Va s 'nu casis sem apparancia algiima cu-
ja maiur oaili- riein ao menos ero uanJadas
por un portoiro. As oseadas estrellas o tor-
tas erao anda mais n ojn las do que a ra e
sobre cala degro havia lana lama endure-
cida e am miofida que era preciso ter p le-
ve o ao mesmo lempo firme para arriscar-
so a sii!>i-idssr>ni recoio.
Em urna >Stna casas tal vez a mais mal
conservada morava urna joven de pouro mais
oh menos violo Minos. Nada era mais ele-
fante e racioio loque o sen semillante : ps-
bella e bem feita a cintura caberia em du.s
pequeas mios. Satis cabellos fin >$ como a
seda separados em mad 'isas tinhflo a ftir
do azevicl/e o o mais lindo brilho. Suas fa-
ces nfio orno rosadas e brancas porm toca-'
dm de urna ligcira pallidez que mui beqi so'
d -Ihe para ter outrodestino, o rocrula Fran-
cisco das Chagas recrulado no tormo de
Goianna visto n3o estar no caso de ser rc-
cebido as fileiras do exercito.
Dito Ao inspeetorda thesouraria fa-
zendo-llio ver, quo da uniformidado dos
pros folhas recibos e ferias resulta va
facilidade no expediento eexaclidfio na con-
tabilitlade e quo devendo taes pappis de
conUbilidade serem organisa los em armona
com os modellos que o eommissario fiscal re-
cebera da reparticiioda guerra ; cumpria que
este organisasse os moilellos parciaes para
serem executailos as cstacps militares do
primeiro de Sotombro cm (liante.
Dito Ao major chefe interino do > bata-
Iho di guarda nacional do municipio d'Olin-
da respondendo o seo olficio tle remessa de
quatro guardas dosquaes dous devolvero
por nao oslaron) as circunstancias di ser-
vir umi fra ligado ao baUlhSo destacado,
e outro ja a elle se Chava incorporado na
qualidade de voluntario, desde o primeiro
doste mez.
Dito Ao commandante do destacamen-
to do Podras de fogo providenciando sobre
o curativo das pracas que linhAo ali adoecido,
e recominendando-lhe mantivesse o destaca-
mento no melhor estado dediciplina, o su-
bordinaQo.
Dito Ao desembargador chefe de poli-
ca acensando a recepcao de tres ofi'uio>
seos queacompanharo o desertor Mano-
el vilvestro e os recrutas Manuel Antonio,
e Antonio Joze que tivero conveniente
destino.
Dito Ao mesmo significando-lhe que
os voluntarios Diitiz Ai.tonin e .loaquim
Anlonio da Fonceca assentariSo prac^a.
Dito Ao lente coron d commandante
lo batalho provisorio, mandando passara
effeclivas todas as pragas viudas do norte ,
consideradas como agregadas.
dem do da 18.
(Ifllcio Ao Exm. Presidente remet-
tendo-lhe a conta legalizada dos medicamen-
tos que composero a ambulanga que acom-
panhou a forra do linha qua marebou para
fra da capital aim de ser paga.
Dito Ao Exm. Presdontfl do Rio-gran-
de do norte romettohdo-lhe a guia do alfo-
res Miguel Joaquim do Reg Monteiro que
segua na escuna lebre com destino a servir
naquella provincia.
Dito Ao capito commandinlo da for-
ca expedicionaria ao centro dando-Ihe as
instrnc/jes pelas quaes so devia reger o ou-
tras ordens tendentes ao forticcimcnto o
diciplina da tropa. vio ser entregues as 0 horas da manh;i do
Dilo Ao mesmo ordenando-Ihe qua soldia 10.
posesso em marcha as 6 horaa da manh do I DiloAo commandante interino do ter-
dia 19, ofazendo-lhe ver que a essa hora cero batalhAo de artilharia remettendo-lhe
wceboria do subdelegado supplente do tormo a guia do soldado EuzebioJoiqiiim de Santa
Anna que recolhera da provincia do Mam-
ullan ondeseachava destacado.
Dito Ao capito commandante da com-
panhia do artfices aulorisando-o para pre-
parar a coxia que deve recebar 04 cava I los
ca remellen lo-lhe o processo verbal dos
reos comprohendidos na sediccao o feri-
mentos perpetrados a bordo da charra Cario-
ca, no n. das quaes so acha o reo Malinas das
Chagas, sentenciado em 187>l a pena de de-
gredo com o que (loava satisfeita a exigen-
cia futa em seo olllcio de 16 do corrente.
Dito Ao subdelegado snpplente disen-
ilo-lhc que nove deviao seros cavados re-
quisitados para a conduco da bagagem da
luir expedicionaria ao centro ; c quo de-
desta cidade as cavalgaduras necessarias pa-
THESORARJA DA
EXPEDIENTE DO DA 0
harmonisava com o escuro iao (ixo de seus ca-
bellos. Seusoihos grandese bem rasgados,
estavao sempre impregnados de um yapar
que n se poderla descrevor, e de vez em-
quando illuminavo-se de urna maneira deli-
ciosi. Seu p era tal que a mesma Gata-
borralheira niio poderla Calcar o seu sapalo ,
o quniido atidava pareca pular sobre o chao 5
lauta era a elasticidade que linha as curvas
das pernas e llexibilidade em toda a sua
pessoa. Seus labios erao de urna frescura ao
mesmo tempo casta e a tira non le e suas so-
branceras que mui d' levo se uniiio, reve-
lavo um ardor pr fundo cujoforo exista
110 corago. Era a realidade de um ideal
que todos te rao sonhado.
0 local que ella oceupava era assaz modesto;
compunha-se de urna pequea cozmlia d
urna sala to jantar e de um (liarlo com al-
eova fechada. A ntobilh nao era rica po-
rm ass- iada e conveniente : nhi se via ape-
nas collocado entre duas janellas um pia-
no mui bello, e que mesmo nao seria im-~
proprio om urna camarade luxo.
Mara Depias era (Iba de um militar que
linha obtido um posto elevado no exercito.
Mol to em 1 no campo de bal alba nao linha
deixado a su 1 inullier oulra fortuna mais do
qu-T urna mdica pensao. Ela pensSd has-
tava cnmludo > precisos da vi uva e sua li-
Iha Mas reccando qualquer novo revez ,
esla boa mi linha consagrado a maor parle
delta educado de sua amaila lilha, para que,
qiiando a desgrana chegasse alia po lesse sub-
sistir de per si. Foi Otun lies vistas que el-
la prineipaluienle linha apioiado o gusto de
Maria pela rausjea : sua previdencia deo 1V11-
ra a .011 Iuqo da bagagem dos officiaos am-
hiilanca e muni(,'oes.
Dito Ao mesmo nulorisando-o para pa-
gar o frote das cavalgaduras aos seos respec-
tivos donos ; a razo de 2-i reis por cala
legoa de mareha o previnindo-o que no
seo regresso a esta capital tena de prestar le-
galisadas contasa thesouraria dos dinbei-
ros didla recudidos.
Dito Ao commandante da fortaleza do
hrum communicando Ibo que a fortja do
8. hatalhao de cacadores ali aquartellada
se poria om mareha as 0 horas da manda do|M, e Alduquerque.
di 10, Ot|iieessa dora Ihe sera presen-
tada una guarda do batalho provisorio ,
que como d'antes faria o servjco da guarni-
rn.
Dilo Ao mesmo mandando recolber
ao arsenal de guerra o cartuxam" arruina-
do perlenconte as pracas do 8. b ttalbAo de
cacadores que foi minalo arrecadar.
Dito Ao director do arsenal do guerra ,
para fazer entregar ao commandante da ex-
pedicAo as munigCesque se requisita rao.
I'ito Ao insp-clor da tbesoiiraria re-
mollendo-lhe a gua que Irouxe da corle o
capito do f. C. de engenheiros G. A. F. P.
da Cimba encairegado da direcclo das 0-
bras militares da provincia.
Dito Ao desembargador chefe de poli-
destinados a puchar o parque de artilharia
da mesma companhia.
FAZENDA.
DO CBRENTE.
Offico Ao Exm. Presidente da provin-
cia informando o requerimento de M. do
Dilo Ao inspector da thesouraria do Rio
grande do norte aecusando a recepciio do
seo olicio de 27 do passado em que partici-
pou o falecimento do capito reformado E. do
O. Pinto.
DEM 1)0 DA 1 i.
Olficio Ao administrador da Meza do
o.nsula o remetiendo por copia os rticos
7 0 a 12 o 26 da Le do ore-amento provin-
cial das Aia.joas, de 25 de Abril prximo
passado para o corrente anno financeiro ,
aim de que em cumprimento do olicio do
Exm. Presidente da provincia de 20deJu-
ilin ultimo Ihe desse. execuco conforme a
informadlo da thesouraria de 2 do mesmo
mez, tambem por copia communicando
ludo ao agente da dita provincia para sua in *
tos minias vezes amargos mas que nao di-
xo de ser um recurso. Com cff ilo ella
sobreviven pnucos annos ao Sr. D 'pas e sua
fijba acbou-se s lendoapenas dezoilo anuos
e na > pudendo reunir seno urna pequea
quantia insuliecnte a faze-la sub istir. Pen-
sando bem q', se tardassea tomar um expedi-
enta qualquer. o poaco q' linha em breve es-
tara gasto armou-se de coragem e propoz-
se desde logo a dar lines de msica. Inte-
res gumas discipulas e ella em poiico tempo a-
hou-se em estado de nao precisir recorrer
bolsa de nonhuma las amizudes de seus pais.
Mara era pois mostrado msica, os nes-
se Pars immenso abysmo do seduecoes i
ondo ludo o que vos cerca ludo o que vedes
ludo o que respiris est impregnado de
utn ar mortal vi ludo. Sem familia semj
guia ijiian!:i- ciladas o t-nlre-abrir se son
seus passos E, desgraciadamente, sua ima-
giu a cao activa sua cabeca ardente devifto
expo-la a lulas continuas entre seu corago c
seus devores. Se todas as mogas Sollho um
sor phanlastco de que fazem o liere do
romance da sua vida cortamente Mara pe-
lo oslado da sua alma e pela sua posicao a-
chava-se menos que qualquer oulra ao
abrigo d um Ul perigo E' evidente que
.do 011 (arde devia suc umbir a menos que
nrto atbasse bus'ante f nca nos seus principios
severos devirtude e no sen pudor vieginil*
Entre suas discipul.-s havia una que ape-
nas contara l.ri annos. Bastante forte na exe-
ciic'io faltava-lhe somonte urna qualidade .;
mas esla qualidade nao scadquire umTiom i
da nalureza, e a ajma. a viJ.i, ludo o quo o
---------- ----J-- I !
trabulho n m is assiduo nao saberia dar.
Mara era talvez a nica mulher que poderia
communicar a esta bel.a Calatea urna faisca
do fogo sagrado que animava a sua maneira
de tocar : assim tinho a escolhido para vivi-
ficar este talento sem calor e sem exprsalo.
Filba de pais nobres e ricos Clemencia ,
de um semblante regular mas fri era
menos animada do que urna dessas bellas es-
tatuas que o sinzel de Canova immortalisou ,
assemelhava-se mais a una boneca mechani-
ca do que a um ser dotado da menor intelli-
gencia.
Seu pai o marquez de St.-Yves viva
seis mezes d > anno em urna das suas quintas
porto de Tours. Entristecido pela nullida-
le de sua lilha tinha a peito cultivar nHla
urna arte pela qua mostrava algumas dispo*
sigues pois j a sua execugao era brilhante.
Fez pois lo ios os esforgos p ra determinar
Mara a ir passar um mez ao menos no
sen easteo.
Habituada aos usos do mundo encanta-
dora como era, echeia de espirito, devia
ser una sociedade bem preciosa para sua li-
lha e que nao poda seno tira-la desse ador
mecimenlo cm que eslava como entorpeci-
da Foi a custo que o Sr. de St.-Yves deci-
di Mara porque a carreira que ella tinha
abracado nao daquellas que permiltem au-
senar-se : portanlo forga de instancias,
el! 1 consontio em Ir.
Chegado ao raslollo enchorAo-a de todos
os obsequios e atlenges porque cerlo que
aqucltes que devem a sua fortuna ao puro
acaso de seu nome e de seu nascimento, sao
Oais dtl jcai|ps as sua* relegues hospiUjeins


-mr
t^ligeneia ; e que o trapiche para o desem-
barque privativo dos gneros (le que trata a
mesma informag.Au ficaria coda emqaanto
se julgar conveniente o novamonte edifica-
do denominaJu da Alfaudega velha.
dem uo HA 12.
CilicioAoExm. Presidente da provincia
informando sobre o plano para a loteria con-
cedida a favor das obras da matriz de S. Pe-
dro mrtir de Olinda.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., podindo se
dignasse declarar se a commisso de que se
acha encarrcgado o capito de engenbeiros G
A. F. P- da,,Ciinlia, deve considerar-so activa,
ou do residencia aim de ser cnmprido o
despacho de S. Ex.
DitoAo inspector da alfandega lem-
brando-lhe, queem confu midade da le per-
tcnce no correte auno financeiro recei-
ta geralos 37> 1 2 por cont sobre as iitbi-
das espirituosas e receita appli \ada ao res-
gate do papel os 55 lj2 por cunto sobre os v-
nhos.
dem do ni.v 15.
OfTicioAo Exm. Presidente la provin-
cia informando o requerimento do segundo
lenle A. M. deC. Delgado.
Dt0: Ao co:nni-ndanto das armas da pro-
vincia rogando se dignasse dar as suas or-
dens paraqu* fosse salisfeita a reqmsicfio
do commissario fiscal do ministerio da guer-
ra no officio abaiso transcripto.
Illm. Snr.Para dar a devida execugo da
aviso do lllm. eExm. Snr. ministro e secre-
tario de estado dos negocios da guerra que
ern data do 19 lo mez fin Jo me foi dirigido .
c que por copia inclusa ser do conhecmen-
to de V. S. compre que todos os prets dos
corpos desla guarnigo follias de ferias d"
obras militares e todos os papis ou ttu-
los pelo? quaes ten bao de venficar-se o piga
menlos de vencimentos e desposas militare
por conta do ministerio da Guerra tenho a
precisa o possivel claresa e classificago
das referidas despesas ; nao s por que devem
servir de documentos com a competente nu
merago asdilVerent.es classificagfies, segn
do os respectivos modellos da que trata u
mesmo aviso e que aprezente V. S. co-
mo para facilitar o trabalbo desta fiscalisaco ,
para o qne bem do servieo ncess'to que
comessem a proees ir-se desde j no que o
servieo permittir segundo o que na actuali-
dade me parece indispensavel; os ditos prets,
a todos os mais ttulos mencionados do mo-
do seguinte.
Para os vencimentos mensaes do commando
das armas duas folhas : huma que contenba
somente o sold do Snr. com mandante das
armas, e dos ajudantes d'ordens eoutra
que somente contenba os vencimentos todos ,
que competem ao mesmo Snr. coinmandante
das armas gratificacao doexercicio do se-
cretario a os mais vencimentos dos ajudan-
tes d'ordens e amanuenses, di vendo po-
renj a gratificacao addicional do secretario
2
. camamata-t* --

.atan
doqueesses ricos inprovsados que pare-
Cem nao ter conservado seno urna nica re-
cordaco a das huniilhacGes que experimen-
tarn nasua in fortuna.
Os primeros dias passados na bella propric-
ddedoSr. de St.-Yves foro deliciosos para
Mara.' Oarpuro, a verdura brilhante, os
bosques magestosos cercavso-a de um perfu-
me que penetrava todo o seu ser. Achando-
sesinuitasvezes com Clemencia, admira-
va-se dea ver to tria, to indiferente a tan-
tas bellezas : muitas mais vetes s a SUa ac-
tiva imaginago abandonava- se distraeco ,
e urna doce melancola se apoderava dola
quando, sentada sobre um outerinlio de
musgo pensava que esta vida livre e feliz
lhe era prohibida que a natureza que tan-
to amava nao lhe pertencia mais c quo
esta va volada reclusode Pars ; depos su
melancola tomava um carcter ,le tristeza
contra a qual lutava cm vao e presenta que
nao havia para ella outra existencia seno a
do corago.
Os seroes passavo-se em familia. M"'" de
St.-Yvcs senhora um pnuco .severa mas de
maneiras distinctas e allaveis e o Sr. de Sl.-
YveS fazioa sua partida com alguna vizinhos,
principalmente com o recehedor do lugar ho-
mem de certa idade e de urna grande bonho-
mis. No campo as relaces sao de alguma
sorle forjadas c a nao querer vi ver-se so-
lado no permillida a escolha. Tinha esto
homem um lillio de 22 a 23 anuos de que s i
ufinava repousando nelle toda a sua esperanca;
tinlia-se-lhe medido nos cascos que seria um
dia chama I i a altos deslinos ecom esta idea
fra nao havia sacrificios que por elle nao li-
continuar incluida na folha das gratificages
dos ofliciaes do corpo a quo pertence.
Do mesmo mo lo as folhas dos ofliciaes dos
corpos e das fortalesas do maneira que os
sidos nunca sejo incluidos na folha das gru-
ticacoes addicionaes e de oxorcicio e for-
ragens.
Nos prets nao sedevom incluir gratifieages
algunas promiscuamente com os vencimentos
de sidos elapes e fardamenlas : e cm
urna oasa no mesmo prot distincta e sepa-
rada so mencionaro as gratiicacdes do -- vo-
luntario de ter servido em \. linha d'en-
gajado e da terca parlo de campanha so-
menlo em numero reforindo^so aos nomes
das respectivas pracas as relacdes do Biostri ,
onde ellas ho de constar : a gratifieago do
qualquor praca empregada em servigo pelo
qual a tenha ou ordenado como por ex-
emplo enfermeiro ou amanuense do hos-
pital ; deve ser incluida ne folha privativa dos
veacimentoi desse estabelecimento onde es-
tiver empregada e nunca na folha dos prets
do corpo a que pertencer.
Os vencimentos de exercicos findos, igual-
mente com a possival claresa sero cm huma
tolha separada bem como sero quaesquer
vencimentos que os ofliciaes tiverem poi
commisso>s sendo as folhas segundo as cas-
sificages desses vencimentos.
Do mesmo modo na folha pertencento s
despesas, e vencimentos do hospital se inclui-
rlo os do cirurgio mor os dos enfermeiros.
<* Amanuenses c do capello quando o te-
nha e mais despesas respectivas ao hospital
com a necessaria claresa.
Os vencimentos da companhia de artfices
seguetn o mesmo processo em tudo, como ti-
ca dito e por tanto a folha dos seus ofliciaes;
do mesmo nodo a companhia de cavallar a
le i linha ; tendo na folha das fon-agen*
du-soasas mais para ferragens, o remonta.
A gratificacao da enfermeira dos menores
educandos do arsenal deve ser incluida com a
destes.
O arsenal deve declarar em huma folha a
qualidade dos empregos ordonados e gra-
tificares e em outra as materias primas, e
outros objectos os jornaes e importancia
d-s mosmas materias primas e em observa-
do as rleos e por que as despesas se ise-
ro quando nao ordinarias e tudo com os
respectivos documentos : os jornaes dos ser
v-ntes dos sobredictos educandos devem ser
incluidos na relaco dos jornaes dos outros
serventes do arsenal e ica enlendido que
na i. folha se comprehpndem os ordenados
ou ftratificaces do director e mais ofliciaes.
as folhas dos ofliciaes dos corpos deve f.i-
ser so sempre declaraco daquelles quo rilo
reforma-Jos, no posto em quo o sao, se nos cor-
pos csto em servigo a fin) de se levaren! ao
lugar compet'nte os vencimentos, que d
mais tem por ley. E qualquer official refor-
mado empregado em servieo no excrcilo ,
mas nao encorporado ; dever faser dous ro
cibos ; bu ni do seu solio, oulro dos mais
vencimentos, com o Visto do Sr. Com-
indante das armas ; ou com sua rubrica so-
mente.
Os ofliciaes engenbeiros devem tambem
passardous recibos : hum do sido sonrnte ,
a outro das gratificado -s e mais venc montos
com o -- visto ou rubrica do Snr. Com-
mandanledas anuas como he pi tica.
As folhas do ferias de obras militares devem
ser duas, com a deelaraco das obras : hu-
ma que conlenha as materaes primas o sua
importancia documentada ; outra os jornaes
a ratilicaefto e veneimontos do official del
las encarrcgado so nao for official engenheira.
Todo este processo dos ttulos mencionados
-levoser em duplcala, como at igora em pi--
tica exceptuando os recioos ditos dos olficia-
es engenheiros o dos reformados em servi-
go do exercito ; mas nao incorporados.
Em vista do exposto sirva-sn V. S. tomar
s providencias que o servieo exige e en
reclamo com urgencia. Dos Guar-lo V. S.
Thesouraria de Pernambuco 16 d'Agoslo de
I8t2=lllm. Snr. Inspector desta Thezoura-
ria Joo Gongalves da Silva = Jos de Brilo
Ingles commissario Fiscal do Ministerio da
Guor/a.
Sendo de absoluta necessidade estabelecer-
se huma norma fixa e nvariavel na escri-
turago das contas da despesa do ministerio
la guerra paga pelas thesou'-arias das pro-
vincias em harmona com o sistema de escri-
mraco que tem do ser adoptado ; e segu*
lo na Conladoria geral desta reearticSo a fim
le facilitar nao s o seu exame como a clas-
.ficago da mesma despesa remeti a V. m.
is modelos inclusos pelos quaes se deve re-
rular para n clasi-ilciQo n escrptur-ico d
desposa paga pela thesouraria dessa provincia.
f|ue tPin de sr enviada mensalmente a este
ministerio do J. do coi-rente mez de julho
>m diante. Oeos Guarde V. ni. Palacio
lo Ro de Janeiro em 19 de junho de 1812.=
\nsA Clemente Percira = Snr. Jos de lint
Inglez = Est conforme Jos de Brito In
ilez Commissario Fiscal do Ministerio da
Guerra.
REPARTIQAO DA POLICA.
Parte das occorrencias do dia 20e2l.
No dia 20 nao occorreo novidnd*, e no
dia 21 foi preso pela patrulha da Santa Cruz
\nloio Felis Jozo de Carvalho por se a-
*!iar em desordem.
E o que consta das partes Jadas pelo com-
mandante geral do corpo policial.
vesse feito. Quanto ao mais era um bello
jovn que acabav de ser admittido a dro-
gado e que at cerlo ponto poda justifi ai
as pretenges e ambico que por elle tinha
seu pai : mas nao iba agradava muilo a socie-
i-laile docastello pois que lallava pouco e .
i nao sabendo msica nem mesmo linha o re-
curso de poder voltar as folhas Clemencia ou
Maris quando ellas estavo ac pianno.
Este joven tinha dous nomes, o de baptism<>
eode famalia. Chamava-se Antonio Crespo
Pensando, lalvezcom razo, que os nomes go
zo do alguma influ-ncia tinha poetisado
um o queria que Ihechainassem Anlony.
.Nunca conceb bem o amor seno quando
elle nasce de um ptimeiro olhar, o quo se
melhanto a um logo elctrico apodera-so es-
p-jtilaneamenlo do nosso lodo. Em sentido
inverso de um rio que nada mais do que
um regato na sua origem e que engrossa
medida que so eslendo o verdadeiro amoi
nao tem infancia c j maior ao nasccr.
Desde que Anlony vio Maria sem lliu ter
fallado sem conhecer mesmo o som de sua
voz arriscara a vida quando mais nao foss
seno para oceupar um momeofo o pensa-
nienlo dessa bella joven.
Maria da sua parle nao foi insensivel <
esse amor que ella percebeu to .rom pamen-
te como entrn no Coracao de Anlony. A
babitago em um caslello fatal aquellas al-
mas que a nalureza creou para s vverem d-
vida dos outros, Ah, asconversagoVsIinil idas
a um circuloestao do sntemo proscriptas, <
como nao ha para ellas iienhum dos alimento*
. rovos que as grandes ci-lades apresentlo to
I dos os dias ao espirito curioso do seus habi-
FACTOS DIVERSOS.
LETRAS FALCAS DO PARA'
Reelicagesouln.s pormenores.
As letras de que foi portador Joo Uenri-
quesde Mallos ero duas somente nina de I \
eonlos sobre o Sr. Ramos e Silva outra so-
bre o Thesouro Public i Nacional de C;i?.00j rs;
a primeira sacada por Joo Marques da Molla
do Para, e a segunda pola Thesouroria da mes
ma provincia. Esta ultima endurada pjtli
tantos ellas nao polem rolar seno sobn
il>jectos mesquinbes o os hbitos de toda
horas Entao um coraco ardente privado
lessas dislraccOes que poderio salva lo re-
fogia-se no amor como no nico asylo que k.
,'oderia livrar do enfado. Maria se senlio ,
aois a seu pesar inclinada a Anlony e
unaro-se sem quede parle alguma urna de-
larago viesse dar luz s trevas do seu amor.
Oque havia de mais extraordinario tiesta p-
delo que Maria, viva e impressionavel
uo tinha deixado adivtnbar os s-us senii-
nentos a peaso alguma ao mesmo pass-)
|ue Anlony fri e severo nao poda oc ul-
tar os seus e, poi tanto nao os d.simu-
on bastante para que ella nao os decubrisse ,
sendo quem os deveria ignorar o mais pos-
sivel.
Foi em um s?ro fresco e embalsemado c
'm um desses claros da la que lorno as
nuiles anda mais bellas que os dias. Cle-
iencia e seu pai com Mara e Antony acha-
vosecm um frgil btele docemenle lluc-
iuavo em um dos tanques da quinfa. O Sr.
deSt. Y ves levava os remos e de vez eni-
lando dava um leve impulso a embarcoslo.
\ntony ia sentado com o cotovelo apoiado
m um juelho e a cabega na mao : somente
yfiis dedos flacamente o parlados dexaVo-
he bstanle espaco para nao perder um M-
los movimenlosdo Maria sentada defronle
lelle. Nao se otivia o meor rui-lo nema
n-'sma folhagem era agitada pelo vento, c
cada um go/ava em silencio de seus pensa-
iii-ntos. .Nesle momento, a oven don/el-
la, que nao so julgava observada, entre-
gou-se aos mais doces sonhos c olhando
porlador ao snr. R<>s>i foi por este traspassad*
ao snr. Joaquun lia. lista Moreira que por
conta dola adiant >u ao Mallos I contos de rs.
Ouando este foi fallar no sur. Biebej- na pas-
sagem disse-lhe que ca para outra p ssoa ,
que eslava agenciando o seu passaporto ; mas
como o navio devia sabir com a mar", d. cia-
ron que nao podecia estar essa hora promp-
o passflgeiro: cnlo o snr. Bicber disse-lbe
que o navio o podeiia esporar fra indo elle
em um bote sen : fallou-lhe tmbem cm levar
aleum (nbeiro qui o snr. Bicber lhe ad-
Viirtio precisar >e despacho. 0 snr. Bicber
desconfiando deste passageiro tiir^tu se ao
snr. Roza referio-lbe o laclo e vollou casa
onde j o Mallos havia ido pagar a passajtem ;
recommendou ao capito quinao recebnsse
(|iiem quer que fose sem passaporte e pro-
curou de noru o sr. Roza que participando
das suspetas do sr. Bicber passou a tomaral-
gumas providencias. A polica examinando os
bahus do Mallos ah acbou perlode um cont
.le rs. alguns papis insignificantes, cartas que
(18o lugar a suspeita de que elle usara de dif-
erentes nomes c duas oitavas de arsnico.
0 descont da letra de 14 con tos ron ralada pelo
Mallos em metaes era de l|2 p>r cenlo ; c es-
ta circunstancia de ser 0 liquido em rnoeda foi
causa de que lal descont se no'eflectuasse ,
concorrendo a pressa qne o Mallos moslrava na
conclusio desle negocio para Confirmar as
sos'peilas dosnr. Bicber.
A'PEDIDO.
Illm. c Exm. Senr. Cumpre-me levar
presenga de v. Ex. a razo que orcorreu para
ser rosada a Missa da l; stivi lado de bontem ,
quando devia ter sido cantada como de ros-
lumeena conformidade das histruccoes. S n-
io indisputavel aos Parocios o direilo de a-
presentareni os seus C-uIjuctores ordinarios
para os Exms Rispos, ou os provisores mn-
darcni passar provisfio por lempo d'um anno
somente direito que em dicsoSs de recursos
se tem reconhfcido co mesmo actual Exm.
Hispo nao o havia metido em duvi-la ; suc-
'-> !e que estando concluido o lempo da pro-
viso de padre Joaqun! Joz de Menezcs que
11 lia va apresentado para meu coadjutor or-
linarl cu apresentei o padre Antonio Alva-
res de Souza eo provisor lhe mandn passar
a proviso do estilo e depois d'isto aparece
o dito padre Juaquim Joz de Menezcs com
irorog.ico de proviso conferida exah'ruplo
poro Exm. Rm. Bispo, sbuthando-me as-
si.n d'um direito, que o Consilio os Cano-
nistas e a mesmi. Contiluigo por que se re-
una este Pispado me confereni.
A vista d'estr Cvtraordinario proccdimcnlo,
enteii'ii que do ni' u dever como Parodio Col-
lado era sustentar as mnhas prerogalivas c
nao reconbecer impossado coadjutor aqulla ,
(jue por niim nao fors opesentado declinan*
lo a deciso do hegociu para o Tribunal com -
ptente por a lei Imperial ju i.liccioiado para
inleiferir mas uccori io as eli'eQorns e
en devia concorrer para a mesa Parocbial nu
por mim ou por hum clrigo em quem do-
para Anlony seus olims brilhavo com to-
da a torca ifonmor. A laj ollar exprs-
sao de seu semblante celeste aquello es-
queeim'iito de si mosina quem se podera
engaar ? Anlony leyaplou a cabega mas
j o preslgio se lin- a desvanecido. En to
julgou- se presa de algilmi aUuciiiagao; a rea-
lidade nao era mais du que um cll'fito mgi-
co c elle ssimilhava-so a tim bomem para
juern o co acaba de entro ab: ir-so um uis-
i.inle o quo tornado-a a ver fechado ,
nao acredita no que vio.
Tcndo voltado sol i tarjo para a pequea c-
mara que oceupava em casa de seu pai o a-
mor exercen do novo sobro elle sua tyrannia
luuiiilluosa 5 resolveu acabar Com esta pai-
xo que lhe caus.iva una dor que rompa
mesmo asnuvens culi o as quaes proeurava
perderla c deixou para, o iiia seguinte o
descobrr a sua paixoa Mana.
Dispuuba se pea a esta confisso so-
lemne quando ou viudo de manli urna se-
ge rodal p:-la estrada, a cunosidade, olan-
les um preaenlimenloo !' / c-urcr a j.uiella o
vio o'carrlb do Sr. Si. Y ves cheio de ba-
gagens C que levava r.pidiin, ule Maria.
Tudo eslava perdido ; nao mais f-dici lado ,
nem mesmo um rao daquclla esperanca de
a zas malis.(das, estrellas dos desgranados SO-
bre a Ierra, como a Virgen) Maria he a sua
estrella noefio, Deixou precipitadamente a sua
babitago c I i vagar lodo o dia pelos bosques;
nomeio da soli-Jo edo silencio cm breve
se persuadi qu nao podia viver nina lora
se quer em lugares onde nao ha dtasse Maria ,
evollou para i casa rld seu pai com iiitengo
dellioannunciar que parta no di. seguinte.


-\
**m
i,,MSse f nt'ssa ocoisio, que S. Ex
l'lii. palentino, que quaria viol-ntar-mo u
(1C(,|).|- o coadjutor d sua aprcsentaco e
noiiioacAo lntO assim qu) ofiobu ao Juta
do paz Presidente da 01 >sa que somonte
a.t'mrtSM o referido padre Joaqun, Joz de.
Meneses pariacjroHa.
Convencido por esse pa*o le S Es. Km. ,
queso o recHMU para o Tribunal da rellacao
poda por termo a tanta viuloncia requer ao
mesmo Ex.m Km. Hispo na ronformi lade do
decreto de l&de Fevereiro de 1838 para
miniar lavrar o termo do recurso que ul-r-
puiilia para o proseguir e nao obstante ser da
citada lei a lisposieo que nAo deixa arbitrio
ao Juis reccorrido S. Ex. Rm. negou-me o
despacho o tolln-u-me. d'oeta arte o molo de
apresentar no tnbunal o meu direito deseo-
nheeeu alegitimidade e competencia do mes-
mo Tribunal, e desobili*c.,u a le.
E nao parou ah o em prego da videncia ,
por que manlou-me processar por desobedi-
ente por o seu Vigario.geral, como so ha deso
bedieucia quando se legalmente fas opposicao
a ordens illegaes.
Entre tanto cscusando-se S. Esa. Reve-
rendissima avir canlar a missa da fesU do on-
tem, e sendoeu por V. Exi. avisado para psse
acto, ten lo chimado hu n dos meas adminis-
tradores e oulro Sacerdote para irern comiso
para o altar no acto mesmo de comecar a re
vcslir-me lu sabedor quo S. Fxa. Rma. Iia-
v i mandado intimar por o soi rdito padre
Joaquim Jos de Menez-s, que n mhum oulro
Sacrrdote fosse prra o aliar cantar o evangrihe
com p'iia de suspencAo ipso fado ; por qu
s o cantara o misino padre Joaquina Jos.
do Menees.
Ora ja V. Exa. v quo por maneta al-
fuma eu poilia ceder a semelhante degrada-
cao de meus dircitos ede minha dignidade,
oque a prepotencia das prepotencias cmnre-
ga S Exa. Reverendsima para tornar efec-
tivo o eshulho em que eu nAo posso convir
ue nao depois que por de.'isAo do tribunal
competente se declar.r que devo ceder.
E fu por esta rasflo Exm. Snr. que dei-
chou de ser a missa cantada raso, que me
escusa do qualquer mpulacAo.
Deosguirde a V. Exa. Recife 17 de Agos-
to de 1812.
Illm. e Exm. snr. Baro da Boavisla Pre-
sidente da Provincia
Luis Jos d'AIbuqn rque Lns.
Conego vigario de s. Aulonio do Recife.
HOVIMEN'TO DO PORTO.
;o>!.\ikiu;io.
ALFANDEGA.
endimento do da 22 de Alisto 7:ii2jl 67
DBSCAltnRGAfi HJB 2-* DE AGOSTO.
= S. Domingos = n resto.
Armnrique as o resto.
Brigue Portuguez
Brigue Franeez =
tingue Rrasileiro =s TriumpuQ Americano =
o resto.
A esta hoticia o pobre reeeb'dor li> oti estu-
pefacto. Segundos saus clculos, o l|io nao
d-.'via deixa-lo antes de quinze das ; porque
motivos pois estando anda os tribunae*
em ferias e sendo llieorepouso equitaeo
necessarios para reslabelecer as Porgas gastas
pelo Ira ha I no e pelas vigilias quera elle vol-
tar para esse Parid onde n enhorna oeeupa-
ca o sena o chamava ? Interrogou Antony .
nas mi is resnostas Vagas ern nada o esclarece-
rlo c no pode penetrar o mysterio do seu
p 'n*a ment.
11 renunciar ao seu interrogatorio que j
linlia variado por mil formas quando lo-
cando-lho urna idea o cerebro xclaaiou de
repenle :
Descdbri o ten segr do : tu amas.
A esta palavra o rubor cobrio o semblante
de Antony.
Tu amas replicou o pai e o estado
ern que te vejo nomeou-me o objeclo uo ten
mor.
Antony, cujo carcter sombro pcrpelua-
m un.-.'. s. concoiitrrtva em si mesmo, prefer
''i tulo ao sab'r que houvasse lima nica
pesaos embora foss- seu pa mvsmo ini-
ciada nos p.iisainentos secretos do seu pora
Cao; pirlinlo, tornando a si, responden-
Ten le compaixo de mioi mea pa ,
c s: vi s.ib'is quena a que amo eu VO-ln
I1 co ; nao pronunciis sen nomo porque
"i uioios nao poderao mais litar-se sobre
(>*vo.os*e partirla inunodiatamente paiano
OS tornar a ver larvez para semprc.
Cali !^! replicn o bom pi com nac-
cento o mais aIfactuoso e os oHics hmidos.
Nao s tu o meu fillio nico, minlia esperao-
BAVlOS KNTIUDOS NO DA 20.
Macei 28 horas Escuna de Guerra Bra
sileira L'galida |.< Commandante o primuiro
Tenenle Jozn Maria Gaihardo.
RNTHADO Nn da 21.
Rio de Sao Francisco do Sul -, 22 dias Brigue
BrasiiciroDeosteguarded* 1"7 tonel. -
pito Jote bonsalvas Rei-- eqm*p. If, car-
ga farinha de mandioa a Joze Luiz Pate-
des.
SAHIDO NO HUSMO DA.
Barcelona por Porto Rico \ Polaca HespanUo-
la Gires Capilo Gabriel Pl 5 carga ,1
goda o.
Dita de N. S. do Terco. 8*040
Dita do Sr. Bom Jezusdas Due-i. 25*282
Dita do Sr. Bom Jezus dos Mu tirios. 5.7<0
E DITA L.
Luiz Francisco de Mello Cavalcante EscrivUo
f Administrador da Meza de Rondas Inter-
nas Pmvinciaes d'esta Gidade *tc.
Faz publico para que clieguc ao conheci-
mento de todos os possui lores de predios nr
hanosdos traz Bairros desta Cidadfl c Puvo-
a^fiodos Affogados, que desde do da 8 do
corren te mez se principou a contar o juro
deum por centoao mez sobre a qilantia
que estiverem a dover da respectiva Dcima
urbana, ornis impostos Provincaes 5 ludo
em eonformida fe. do artS8 da Le Provincia!
n.Oide 7 de Malo desle anno. E para que cho-
gu a noticia de. todos mandn afixar o pre-
sente e publicado pela imprensa. ReoifTe 17
de Agosto de 1812.
Luiz Francisco de Mello Cavalcante.
DFCLARACOES.
= A Cmara Municipal desta Ci.la.le faz
Sesso extraordinaria no dia 25 do correte.
= 0 Administrador da mesa das Rendas gi.
raes inlorfias avisa fela ultima vez aos The
zoureiros das Irmandades que estilo a dever a
decima de rno morta 5 das Freguezias do R--
cifrt s. Antonio, Boa vista e Affogados, re-
lativo ao anno (inanceiro de 18II 1812 .
que venhao pagar o quedovm athofim
do crrente mez ; pena de se proceder exe-
culivo contra os o-nissos e para sso avisa
a lodos declarando as quantias. Recebedoria
21 de Agosto 1812.
Francisco Xavier Cavalcante d'Albuquerque.
A Irm-ndadede S. Anna do Recife. 46,>120
Dita do meo da Conceirao. SS#8S6
Di la da ordem 5." de S. Francisco. 7()0,>l6l
Dita de S. Beriedito. )0.000
Dita do Santssmo Sacramento do
bairrodo Recife. l08jl20
Dita do Rozario dos Brancos. 1 l8i 110
Dita da CongregaQAo. If.)2o0
Dita <\o Snr. Bom Jezus dos Passos. 22.>520
Dita da ya. do Amparo. 17,280
Dita de Santiago. i)j72c
Dita do Pilar. o.,o28
Dita da Sra. do lamparlo. 12ji090
Dita de >. Anua do Cabo. 1 ljiOlO
Dita de N. S. do Livram nlo. 9oj5S0
Dita doSr. Bom Jezus dos Allitos, 840
Dita deS. Eliuenia. 8l0
Dita de S. Domingos de ltismo. 1 L>880
Dita deS Rita. ItjUB
Dita do Rozarlo dos Pretos. (5lj"i;>
Dita to Snr Bom Jezus as Portas. 50.)910
Dita do Recollimenli. da gloria. 521*5" 0
lutada SdeOlitda 50600
Dita de N. S. da Paz. 22#t8(l
Dita do S. Sacramento de JaboalXo. IO,>80()
ros na ra da Madre
i c.
de Dcos Jobnslon Pater
DiladoS. Sacramento da Boa-vista. 101 320
27, 000
IG.vUG
12,280
ium
8,)120
4*320
19*080
1a,120
Dita de S. Joze.
Dita do Rozario da Boa-vista.
Dita do S. Sacramento de Bebiribo.
Dita do Sr. Bom Jezus da Va sacra.
Patrimonio da Mitra.
Dita do Poco di Panela.
Dita da Boa-vista.
Dita deS. Anua fia Boa-vista.
Dita do S. Sacramento dos Affogados. 2(5,>1,"0
Dita de f. S. da Freguezia dos Af-
fogados. 2.1 IGo
= Ser Fechada no Conau'ado Britnico a
cinco horas de Terca feira 2 do eorrehla ,
urna mala para Babia [iela Bina .le Vapor de
Guerra de S. M. B. Growler. Consulado
Britnico 22 de Agosto de 18-12.
AVISOS MARITIM OS.
aBHBHasaHHSH
c.a, minha trloria ?
Nao son eu o l'-u mellior
amigo i' Esse amor que nao te ousas confes-
*ar edquo le envergonhas, nao teiioj
pensado ni'llfl para ti ? Aila, tu nao conlie-
ces o coragao sem iluvida a tua delioadezaj boje, que nao
leus nem nomo neni fortuna, as tuas prcl.-n-
cOes parecem-te urna loucura e envorgo-
11 hado as ocrlillas a ti mesmo. Po m, por
qu* nao abracas urna carreira iJe que tem fa-
llido todas as nossas glorias novas ; porque
nao te Ilustrars oino ellas? Julgas que li-
lao \ com a frente fingida da aur ola do ta-
lento se te apresenlasses ao Sr. de St.-Vves.
rico e nubra a pedir Ihe a filha, rii-se hia,
como o poderla fazer boje ?
A lillia do Sr. ile St.-Vves exclamou
Antn} : mas, ahencoando de repente o er-
ro em qui tinha Cabido s *u pd : e tremen o
de oler desengaado pela sua exclamara ,,
lornou asieguaiiiou um pr< tun lo sil iioio.
Com effeito na sua exaltacao paternal .
este nom homem aosolhosdo qualseu lho
apparecia sempre no futuro como um genio ,
luilia imaginado que Antn y nflo se poda ter
i|iai\on.i.|o snif) "de Clemencia oque nao
era desgracilo sendO por causa da distancia
que o separa va duquelta a quem am iva. Nun-
ca Ihe teria vindo idea que se ctuprcgassn
tanta disciicao que se fi"asse lo lora de si
que se envermcllieoesse. e empallidecesse co-
mo um culpado pelos bellos ollios iJe nina
tlieslra de ntUSfCa.
Escuta meu lillio accresccntou elle, ;
nada mpossivcl sobretodo depois da re j
voluco de que salumos. Lnidia vira talv.-z
em que o Sr. do St. Vves se ensoberbcela I
= Paia Maranhao 8'gue riagem impret>
rivclmente no dia 28do presenta mez o bem
conhecido brigue T.-ntaco frralo o enca-
vilhadr. de cobre com muilo boa gnguranca ,
podendo receber alguma carga mimia a fete.
e [lassageiros para o que lem excell ules co-
mo Jos 5 os pretendentes iirajio-se Fer-
mina J. F. da Boza na rua da Momia I). 110.
Roga-se juntamente aos Snrs. carregad<>r,-s
mandem os conhccmenlos das cargas embar-
cadas para seiem isslgnados em tempo.
= Para o Rio Gran ledo Sul sai no ultimo
do corren te o Brigue Nacional Paquete de Per-
namhuco recebe nicamente paSMt>ros ,
para os quaes tem O'lmelhore'CO'i'nwdo-, ees-
cravos a frele es pertendentes a remetr es-
cravos devem entregar es passapoi tes com
antecedencia no forte lo Mallos raza da qui-
na da ra da Lapa secundo andar.
ST Para o Aracaly sigUd vagem o pata-
cho S. Joze Vencedor *o o hiato Onda .
unidos dos node-se aprontar no dia 2 de
setemhrn; os senhores carregadores que quei-
rAo sabir ueste dia venhao traclar com M 1-
noe| Joaquim Pedro da Costa : ra da ca-
dete.
XST Para Liverpool segu viagem a bar-
ca inglcza Eliza Jobnslon capilAo P. Pe-
trer pertende sabir a Ihe o dia 7 d > setem-
hro e tem lugar somente para 400 4o0
saccas il'algodAo, oti para couros igual a
este numero; quem quizer carrejar 011 hir
de passagem para o que tem expelientes
com modos : dirijAo-se aos seus consignata-
de urna .diarica comt m. Nao posso neste
momento wnSo admirar a tua resigitacfl ,
a tua coragein e a tua prudencia. Parte pois,
visto que tu mesmo eonheceste o que a hon-
ra te iiconselhava : parte que aqui velan-i
por ti.
Antony salisfeito de nAo ter sido compre-
hendido senlio seu cororacAo alliviado e
s irrn loa sen pai Ihe aperlou a' nio com
ternura.
Os preparativos da partida lizerAo-se pres-
sa e Anloiiy, na sua impaciencia trans-
lornava lodo e ludo mettia a troxemoxe na
sua mala.
Pobro joven diza seu pai poni ca-
da cousa em seu lugar ; enloquece ; que ima-
ginado que alma nAo imporla estou sa-
lisfeito: a nova aguia conhecu que tinha nas-
cido para encara- o sol : uelle se anproxima
r um dia e este amor aguil oar anda sua
varonil allivez.
Quando assim rcfli-xionava enlrou o Sr.
de St.-Yves.
Que p sso ilisse ella outra partida e
lo precipitada lAo inesperada como a da
mestra de msica de minha filha ; na verda-
de razo houve para flizer-se'que a emigra*
cao era una molestia Contagiosa. Esta f.-hre
a !i]iiire-se como as nutras. Para que partir
li'ivi dCjSabridain1 nte ?
preciso, responden com urna vozmys-
teriosa o pai de Antony. ,
F- preciso replicn o Sr. do St.-Vves ,
o porque motivo preciso ?
Mas. mas... mas que ella ama re-
iFUCOU o recehedor e o seu amor e o SCU de-
ver exigem que parla.
AVISOS DI VERSOS.
VsiT Quem precisar de urna ama Com mili-
to l);.;ii lidie s.-in lho, e parida a um mez ,
procure no becoda Bomba 1). 4.
tsy Precisa-so fallar ao Snr. M.tnoel Joa-
qutm de Oveira, na ru.; do Qucimado arma-
zem fie iouea I). i 011 annunchi a sua mo-
rada para so f.illai a respoito do negocio de
Sen inteivsse.
tar Quem liver um sitio pequeo pertoda
ciilade as estradas seguintcs : Afllictos Jo-
o do Barros, e Soldale, que queira ar-
rendar por um at tres triennios; annuncie
para $r procurado.
C3T O abaixo assignado declara ao publi-
co que ninguem faca tranzagSo alguma com
dois valles passados a Joze Bibeiro Alves do
duzentos e lanos mil res cada um por-
que houve um engao em ajuste de contas,
que s o mesmo Snr. Ribciro Alves pode
desfazer. |
Manonl Fcrreira Ramos.
Cv" Aluga-Sfl urna preta que sabe co/inhar
e coser : na ra do Crespo I). 7 lado do sul.
tsy Aluga-s! una caza terrea na ra da
senzala nova D. 12 : a tratar na mesm 1.
tsy M. Len C. professorde desenlio, ul-
lim menle chegado de Pariz, tem a honra d?
prevenir ao rcspeitavel publ co que tendo
muilo lempo trabalnado para as fabricas de
seda e bordados do LeAo Pariz e Nancy ,
est perfeitamente correnle em as modas 9
npgosto; elle se off rece para fazer lodos es
des.iihos qu tem relami com estes gneros
taes (uies para armacAo de igrejas, casillas,
estolas sohrc-pelises toa I has do altar e
de mAos, e&e, para os mallos chales, char-
pas veos vestido^e Ac. ; para os quartos,
|ecc:.'S de aparato guardanapos e&c.
IST A ahaixoassignada faz srieiitc ao Sr.
Francisco Antonio Ribeiro de Brito que no
dia 18 do coi rente Ihe aparecer urna parda
de nomeClara procuran lo nina aula qua qui-
se ensinar fi negrinbas captivas com a con-
dicflo fie assislirem na niesma aula porque
seus snrs. moravao longe ; perguntou-lhe a
dita sen hora de caza er.i as ditas menciona-
das responde-lhe ella que ero da caza de
Francisco Antonio Ribeiro de Biitj morador
na passagem da Magdalena no sitio do Caju-
eiro ; Iralou com a dita sen hora de levar-lhe
a resposta no mesmo dia n quando se reti-
roii pedio urna tualha que a filha da dita se-
nhora est cosen do que era para levar a sua
sen hora para mellior se enfermar das boaa
costuras que se fazio e talvez que fizesso
negocio .1 comprar-h c athe o prest nte nflo
levuii mais resposta nem toalha e assim
roga-se encaressi lamente ao dito Sr. que por
sua hondade queira mandar entregar a dita
toalha na aula de Mara Joaquina ds Jezus na
na da Larangeira D 12 lado do nascente, a
dita toalha he de esguiao feita |de bordado da
susto. = Mrianna Francisca de Olivvira.
Meu pai exclamou Antony meu pai,
silencio !
Ama disse o Sr. de St.-Yves.
Que queris interrompeu oSr. Cres-
po um lonco mas po ie se responder...
Meu pai, ref dio Antony contendo-g
apenas.
Neste momento, ao menos, seu furor concen-
Irado nAo tinha sua origem na coulisso, qus
acabavo de fazer de um amor que trazia no
cora cao mas o pejo subia-lhe ao semblante
idea de que se podesse acreditar que elle a-
masse urna pessoa tAo nulla como Clemencia.
Parecia-lhe que se fazia um insulto a Mara
pensando que se podesse onde ella estava ,
amar outra que nAo fosse ella.
E quem ama elle ? fallai, disse o Sr.
de St.-Vves com aquella indiscreta cuii- aidada
de um geiililhomem que julga ser-lhe ludo
pcrmillido,
E quem queris vos que seja ? Ha a-
qui multasj>vens replicou orecebedor le-
vado ao ultimo apuro e nao se recordando
liten amento que Clemencia havia quinze dias
nAo estava s no castello.
E'Mara, exclamou o Sr. de St.-Yve,
conheci, o mysterio.
E vossa filha Sr. marquez replicou
oSr. Crespo.
A estas paiavras, Antony, mais rpido que
o :-lampago, dcsappareceu, o Sr de St.-Ivs
(leu una grande gargalhada ponde>-so a an-
ir, o o pobre recebedor ficou com a boca -
erta e os bracos-cabidos a sos, e cara a ca-
ra com o bah de seu lho.
(Conlinuar-se-h. 1


4
NLULAS VEGETAES E UNIVEHSAES AMERICANAS.
Estas pilulas ja bem conhcidas polas gran-
des curas que tem foito nao requeren! nt;m
dieta c nom resguardo algum ; a sua co.n-
posigu to imples. que nao fazem mal a
mais lenra ranla : em lugar de debilitar ,
fbrlifico o systetna put-ilicAo o sangue ,
tugmenlo as secregoes em ge ral: tomadas ,
seja para molestia chronica ou somen-te co-
mo'pjrgante suave-, c o melhor remedio que
tem upparecido, por nao deixar o estomago
naq>ielie estado de conslipacfto depois de sua
eperaco como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar c nao
ausarem incommodo nenhiim. O nico de-
posito dellas -cm casa de D. Knoth agen-
te do author: na ra da Cruz 1S. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
tsr O ahaixo assignado avisa as pessoas
que tem pinhore" em seu poder bajad de os
ir remir da data deste a 8 dias, alias passar
a vende-los para seu pagamento ; por isso
que muito mal chego para o principal, e com
esteja tem sido avisados por algumas 4 vezeg,
a mais de um anno e declaro mais que esto
he o ultimo annuncio e para que se nao
chamem a ignorancia faz o presente annun-
cio. = Heroulano Joze de Freilas.
C7* Os premios sabidos na extracco da 1.
parte da I. Lotera do TheatrosAo pagos bo-
je 25 do corren le das 10 horas da manh a
urna da ta de no esoriptoriodo respectivo the-
soureiro; continuando o mesmo pagamento
nos dias 25 e 20, e deste ultimo dia em dian-
te as quartas e sabbidos.
)s billietes da segunda parto da mesraa
ll. Lotera, cujas rodas ando imprelerivel-
raente no dia 19 de Setembro prximo futu-
ro aeho-se a venda nos lugares ja aun ini-
ciados.
ts* Lmportuguez de idadce sem familia,
que tem pratica de lu lo qu into pertence a
sitio e Umbem trahalha se oflerece para
feitor ; quem precisar annuncie.
tST Joze Gonsclves Ferreira Costa, conti-
nua a mandar fazer atierros na praga ou fora
della tanto em alagados como em alliar
atierros ja feitos bem '-orno baixas de sitios,
o pe de cazas mandando conduzir a trra
em carros onde for preciso atierra dixes
de c ./as bota canoas de areia para obras ,
encarrega-sede todoe qualquer servigo que
deptnda de canoas : os prelendentes dirijao-
seao Recite na ra da Cadeia na loja do rar.
Joaquim Gonsalves Casco ou na piara da
.Independencia loja de chapeleiro do Sr. O.i-
veira e na ra da Aurora em caza do Sur.
Joze Jacinlbo onde ello vai todos os dias.
t^- Quem precisar de dinheiroa juros so-
bre pinhoresdeouro ou prata dirija-se a ra
larga do Rozario I). 20 ; na nv-sma vende-se
urna cama de amarello com colxao nina c-
moda modeina, urna duzia de cadeiras de
oleo tudo quasi novo e por prego commodo
tl"Quem quiser engommado de toda qua-
lidade de homem ou de senhora dirija-se
a ra de Agoas verdes defronle doassougue.
3" Quem annunciou querer vender um
tr&uselim de ouro para homem e mais obras,
e um relogio do ouro bom regulador com
meiofeilio, querendo sem feitio dirija-sc
aso ponas D. 23 venda do lampio.
tar* AluKa-seou arrenda-s.! um sitio na
estrada da Capunga com caza de vivenda ,
para pasar a testa ou animalmente confor-
mo oonvier ao pretendento a caza tem duas
salas 4 quartos soto com duas janellas no
oito cozinha fora mais um quarto tan-
que para banboe lavagem de roupa cacim-
ba coxeira para 5 cavados o sitio t-m ar-
voredose trras para plai. tagnes com porlo
de terro ; quem o pretender dirija se ao be-
coda Liiioeta no sobradinho por cima da
venda do Sr. Aires.
C^" Deseja-se s.b'r se nesta praga existe
um pequeo viudo a pouco lempo da Ci lado
do Porto de nouiH Bernardo Joze da Rocha,
para se he dar noticias de um seu prente :
queira aparecer na rila Dirella a fallar Com
Ben!o Joo Cardozo O. 46.
xs^ Precisarse de urna rapaz que encola
de pharmacia secundo o sen merecimento
dar-se-h.i un ordenado suficiente ; annuncie.
tar (Jueni so julgar credor a Barca Brasi-
leira Temeraria dirija-se a ra da Cruz D-
cima 57.
OT A pessoa que livor em seu poder os
nmeros do priodico dos Pobres do orto .
entregues nai]iie||i Ciuade pelo Sur Antonio
AI ves da Cunda para entregar nosta praga
a Antonio Das da Silva Cardial sendo do
DIRZ de Maio at'ie Junhodo crrente anno,
queira man lar entregar Qa ra da praia ao p
to tanque d'azoa.
recebe-se dous ou 3 cavallos de estribara 'tambera aluga-se odito Bngue para bddoa-
onde sero brm tratados : a fallar corn Fran gao de carga ou servieo de crena dds navios ,
cisco Antonio do Carvalho Siqueira na ra qu- precismi fabricar : na caza de
lo Rozario.
Ci>- Oabaiso assisnado tendo vindo a esla
Cidade a tratar de negocio de sen proprio ra-
il u- preci
ze Alves.
sjy Sement de nabos salsa rbanos ,
rabanales, xicoria alface coentro mos-
teresse,- acontece que no dia 23 do corren- tarda ervilha torta tudo chogado agora do
te relirou-se para a Corte do Rio de Janeiro,
nao feando devendo nada a pessoa alguma
nesla Cidade.= Joze Antonio Gomes Guima-
res.
VS" Roga-se ao Sr. director da sociedado
Amisade nos L'ne, haja de fazer effecliva a
disposigo do art. 12 dos Estatutos que re
gem a mesma sociedade e que ponda de
parle os caprichos da direcgo a fim de que
o direilo dos socios niSo seja usurpado com
suas macdavellcas pertenges.
Um Socio amante da Le.
tsr 0 abaixo assignado avisa ao respeita-
vel publico que ninguem faga transagfto
alguma com urna letrada quantia do 14:000
sacada do Para por Joo Marques da Molla so-
bre o annunciante o a favor de Joo Ibm-
rique de Mattos, pois que dita letra he falga.
Manoel Joaquim Ramos e Silva.
ssy Alugao-se duas canoas abortas: na ra
atraz dos Martirios caza de 3portas.
ts^ Joze Maciel Soares nao be mais cai-
xeiro de E. Schatjffer desde o dia 18 do cor-
rente.
C?" Oferece-se um homem cazado de pou-
ca familia capaz que abona a sua conducta,
que sabe ler, escrever, e contar para admi-
nistrar qualquer estabelecimento nesla pra-
ga ou fora della. preferindo-sc engenho .
por ja ler sido administrador, o do mesmo
ter pralica ; assim como se encarrega de co-
enhrangas para o matto fazendo-sc-lhe bom
internase ; quem precisar annuncie.
tST Precisa-sealugar um cscravo para leve
servigo : na ra de Agoas verdes D. 10.
tsy- Perdeo-se desde N. S. do Terco athe
o b'co do S-'rigado um ponteiro de ouro;
quem o achare quiser restituir pode entre-
gar na la d<> Queimado quina do beco do
peixe frito loja D. 1 que ser recompensado.
C5- Aluga-se por 12j mnnsaes um bom
armazem de ra a ra cito na ra da Monda.
no fundo da venda do Sr. Alexandre e leva-
se em conta os concertos necessarios : na ra
doNogueira D. 2o ou 19.
S23* Desaparecen em Junho p. p. do por
todo Sur. Manoel Luiz Gonsalves urna ca-
noa que pega em 600 lijlos de alvenaria
grossa a qual tinha vindo do Caldereiro,
para se consertar ; e supoe-te com todo o
fundamento que fura d'alf Curiada : quem da
mesma tiver noticias, dirija-se ao sen proprie
tario Nuno Maria de Seixas.
SST Aluga-se urna canoa que carrega fiOO
lijlos fabricada de novo por preo com-
modo : na na do Cabug loja de miudezas
Decima 3.
Porto : no alUCTO da Boa vista venda por
baixo do sobrado do Snr. Francisco Jozj da
Costa D. 5.
tsr 3pretos por OO,? caila um muit"
robustos para toiio o trabalho; duas pretas
com boas habilibades ; i moleques do 12- a
M anuos: urna mulatinha de 10 annos, cose,
faz lavanntoe arranja bem urna caza; urna
caza grande com sitio no pogo da panella por
trazda IgrejadeN. S. da Saude que podem
morar duas familias grandes: na ra de Agoas
verdes D. 57.
^CJ- As fbulas de Phedro em latim c por-
(uguez com as compet ratos estampas : na
ra de Agoas verdes D. 30.
S^* Lmaescrava de nacao benguella de
26 annos c de boniti figura : na ra da Ro-
da sobrado de um andar junio ao que se est
edificando.
BP* Cerveja branca em barricas de i du-
zias de garrafas a 2* a duzia ; genebra de
Holanda de superior qualidade em botjias ,
e rasqueiras charutos de Manilha e Hava-
na superiores e outros da Rabia muito em
conta para algum charuteiro lona da Russia
nbiro um dito, por 5R0j bom comprador o
SOrvent de urna caza; nina mu lena nimbau-
da de 13 anuos nina dita de 8 annos ; urna
escrava lavadeira por 2.'i0.y du.isdilas pti-
mas para todo o servigo : Irez nscravoS por
prego commodo : na ra de Agoas verdes
Dcima o i.
SSP Um escravo credo bo;n carreiro ,
por ter sido sempre o.sed em prego no beco
da Lingoeta venda de Joiquim Joze Rrtftello.
Sy Lina negra de nacao ebund coziuha ,
lava o quilandeira : na ra de S. Hits D. 1 ,
ou na repiitigo do orreia a Joo Dias Bar-
boza. Manir lu ni.
"VCif Varios livros classicos latinos, latinos-
porluguezcs francezes, e francezes-portu-
guezes a prego commodo : na ra do No-
gueirfl D. 2o ou 19.
C5~ Marques t\ Vea vendnm em sua a-
za ra do Amoriin por prego commodo o se-
guinte : prezunto bom a 200 mis a libra rroi
com casca a \s toucindo de Lisboa em bar-
ra de i arrobas e fumo em folda para cha-
rutos e rap.
ssy Polassa da rusta nova em harria pe-
queos : no armazem de Machado & Basto ,
na ra a'Appollo D. l3.
CS Sacas rom familia do mandioca cota
pequeo defnilo por prego muitisatmo com-
modo : no armazem d Machado t\ Basto na
ra d'Adpolo D. lo.
CJ- Selins Inglezes eslasticrs de patente ,
le primeira qualidade : na ra da Cruz D. 4;! ditos franeczes elsticos .Jilos ordinarios
COMPRAS
no atierro da Boa
tomos c co-
quem tiver an-
^S^ A obra de Yoltaire
vista sobrado D. 58.
~r* A Biblia sagrada em 7
mentada pelo Padre Pereira ;
nuncie.
tar Escravos de ambos os sexos e tam
bem com officios carpinas pedreiros e fcr-
reiros para fora da provincia : na ra da
Cadeia de S. Antonio sobrado de um andar
de varanda de pao D. 8.
VENDAS.
ty Lista geral da 1 pa>-te da 11. Lotera
ilo Theatro : na pina da ludepend- ncia lo-
ja de livros n. 57 e 58.
^r Buhlos da Lotera
do Poco da Panolla, cujas
rodas ando morcterivol-
mente no I. do mez de
Setembro : na rua da Ca-
deia do Itccife loja de
cambio do Vieira na rua
do Queimado loja de Jo-
o da Silva Sanios ena
rua do Cabug botica de
Joo llore ira; na rua do
olegio loja do Sr. IIcue-
zos.
ssy 0 Rrigue Brasileiro Victoria com
CT Xosiiio da passagem Jo nrrombado jamarragao do ferro, e bous aparellios, e
na mesmi caza ha um sociavel de 4 rodas pa-
ra vender.
\gr Lm bonita escrava de 20 annos per-
feita costureira fazlavarinlodc todas as lar-
guras ; urna dita cozinheira c engomma-
deira ; urna dita de todo o servigo ; duas
negrinhas de 12 a 15 annos ; um mulati-
nhode 14 annos muito bonito para pagem
ou officio ; e um preto para todo o servigo :
na rua do Fogo ao p do Rozario D. 2"!.
%sr Lua venda com poneos fundos, em
Olinda na rua da Roa hora : a tratar na mes-
ma, ou com Joaquim Francisco de Alem no
forte do Mallos, tambem se lira os gneros
que nao convier ac comprador.
= Continua-sea vender canecos de ama-
rlo com boas terragens os grandes a ji e
os pequeos a l.600 : no alt'rro dos Aflo-
jados defronte do viveirodo Muniz caza De-
cima H.
s= Toucinho de santos a lOOelGO rs. a li-
bra agoaardenlede franga a 100 a gnala,
manteiga ingteza a 720 e franceza a 120,
200 320, 480, paios a 2300 a duzia azei-
te doce de Lisboa a GiO a garrafa cha isson
a 2jo00 a libra e um resto de vinhodo Por-
to engarrafado a 1 i rs. a garrafa e de outra
qualidadea to, e caixa de 100 charutos a
I: no beco da Pol D. ? na quina da rua dos
Quarteis.
== Una escrava de angola perfeita cozi-
nheira e engommadeira na rua do Cole-
gio D. 7 segundo andar por cima da loja de
livros.
= Lma escrava crela de 18 annos
zinha ensaboa faz doces refina ajsuar ,
c engomma liso : na rua de Hurtas D 22.
%9 Km da Cadeia velha D. 17primero ailar nAo s
se vende os objectos ja annunciados com
tambem queijos ( por tu grasse ), vinho de
difieren tes qualid^des viudos prximamen-
te tudo por muito commodo prego.
tsr Fspaiias pralia as paia ofiiciae : na
rua Nova loja de Joze Luiz Pereira.
%W Y'macanoa aberta acabada de ser cons-
truida que conduz 600 lijollos e por prego
commodo ; a traclar com Marcelino Joze Lo-
pes.
3^ Ps de parreiras da Italia do varias
qualidades a 200 rs. cada p : na rua da Cruz
Derima 1.
%^r l'ma porgo de 13 do cana ( propria
para enchur colxao e Iraviss -ro e tambem
sanas com airoz pilado bianno ; tudo por pre-
go commodo : na ruado Aragao venda [). .
cr Duas banquinhas deangico: na
das Triuxeiras D. 23 primeiro andar.
patente e
laliris e cananas decouro brancoe preto de lus-
tro e barretina- de todas as qualidades o
ludo que pertence a loj.. de seleito por prego
commodo : na rua Nova D 3 loja que fui do
Labotier; na mesma compra-se um refe e tra-
gado em bom uzo.
i^~ Lm quarto possanie e carnudo pro-
prio para carga : na rua Nova I). 28 por cima
da loja de louga.
= Lm sbriimedio de r<
honsontal ditos de parede cun despertador,
por prego commodo : na rna das Cruzes caza
de relojoeiro Irancez D. 4.
^CsF- Colegao das leis porluguezas ; Cont ,
Repertorio das iris extravagantes, e oulros
livros de direito ; um pianito th-sencorduado
proprio para se Consertar e aprnnder-se; una
meza grande de advocado ; e um silban com
mana com pouco uzo : quem pretender an-
nuncie.
ssy l'ma negra crela de 20 annos, com
urna cria de 7 anuos de bonita figura a
negra cozinba o ordinario lava de varrella,
e sabo e he boa quitandeia: na rua do Fa-
gundes D. 18.
cr Tabeado de pnho da suecia costado
costa linho, assualho e forro, proprio para
cazas e fuimos de dnicas, de 1|2 polegada
a 5|i degrossuia ; remos de faia vergonUS
de praho e pregos lipais caixaes e cabega
do pipa por pivgs commmodos : no ai ma-
zo m de Joz<) Antonio da Silva Vianna no forte
do Mallos.
Lma canoa nova com 40 palmos de
oo- comprida e 4 menos um quarto de boca, ja
prompta sendo de um s pao, muito pro-
ptia para Car regar nina familia pois pega
em 10 pessoas : em fora de portas no esta-
leiro novo de Joaquim Antonio Rodrigues,
ao podo Pilar e junto ao lamine de agoa.
Caileias de lniiaiuo Com assenli il> ,;<.!
idiM eer.c slo da iucsuih inarqmzai reiutuu-
r meza de jantar camas oo vn.i<> Cuu;aiu>a
i-ii.t r.nli'i.as c >' a-Miitu de pnib.il ni.ie. ica1 as,
nina de v uiu m.ilu-l c.a le ls a jf 00 '" ,e
pinito a bjjioo t | alio da uecia co;ii J \>A gaiial
e jO'.'Suii., il.l serado l du MWU en. c uo 8 di-
que e'" outra paite } na ni da I'I reutma en caa
de J. /Ai"iR-r
K S C 15 A V 0 S F l) G I D 0 S
S^* Fugioo negro Joao, no dia 3 de-Jull'0-
nago cagange, estatura baixa, giossodocur-
po, ps grosns e l.veiros fK'los lados e pe-
los tornozelos um milis do que olido ollios
afuinassados rom falla de um a dous denles
1 I de diarilu da parle e cima desconlia-se es-
tar em algum sitio tiahdhaiido por qe
Duas mallas, e um bahu de 4 palmos S.he plant.r olali.e : quem o pej-.ar leve
de comprido e urna meza de jant.tr ludo
em bom uzo e por prego commodo ; na pra-
cinha do Livramento por cima da h a do Bas-
tos.
C7* Queijos londrinos prozuntos para fi-
ambre conservas nwslarda molhos para
peixe frutas para pastis sapatos inglezns.
carros para conduzir alieno: noaimazenr de
Joao Carroll & Fdho prana doCommnicio.
3" Farinha da trra de boa qualidhde, a
3120 o alqtieire e arroz com casca a 38iO, lu-
do pela medida vi Iba: no Pateo do Carmo qui-
na da rua de Orlas lado dimito D. 1.
SF Lm bonito mulato de 18 annos, de
boa conducta bom pgem c offieja) do Ta- R&CIFE NA TYP !M' V. Y. DE F
a rua das Cruces D 1 que ser genero/u-
niente recompensado
ssr Desaparece o cabra Gregorio vindo do
Rio Forniozo para esta cid.ule em noinpanlna
de Manoel Francisco do Monte alio sneco
do COrpo pe as comprdas pona de barba ,
b..ixo bom corpo rosto clieio > insanias:
quem ie11 livor indicias o pod r aprehen-
der e mandar entregar cm Caza do abaixo as-
signado quesera recompensado dfl son tra-
balbo.
Francisco Gonsalves da Rocha.
1849


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID E7YWHRDLO_NL12QG INGEST_TIME 2013-04-13T00:58:16Z PACKAGE AA00011611_04777
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES