Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04775


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Sabbado 20
.
Tndo agora depende de nos mesmns danoss prudencia moileuro e energa : con-
linuemos como principiamos e seremos ponlados rom admiracfio entre as Nacas maia
culias, (Proclamacao da Astcmbla Geral do iratil.)
PARTIDAS DOS C0RRE10S TERRESTRES.
Goianna, Paraiba e io grande do Norte, segundas e sextas fuiraa.
Bonito a Garanliunt a 40 24-
Cabo Serinhaem IU Formoio Torio Cairo Macei e Alagoaa no 1. 11,
1 gje 13. Santa Anlao quintas feiras. Olinda todos os dias.
DAS DA SEMANA.
45 Se. Aasnmpilo de N. Senlura.
I1 i'erf. Roque- P. Re. And. do J. de D. da 1. t.
47 Qjart. s Mamcde M. Aud do J. de I), da 3. T.
JS Qcint, a Clara de Monte Falco V. Aud do juii de D. da 2. v
i'J Sext. a. Luii B. And. do J.deD. da i\ t.
2" Sab. a Bernardo Ab. Re. Aud. do J. de D. da 3. t.
de Asrosto.
Anno XVIII. N. 170-
O Diatio publica-se ludes >is dias que nao for-m Santificado : o preco da assignaiura Ke
ittttt mil reil por quariel pijoa adiantadm. Oaawioneios dos assijoantes sao inserid.
gratis e di los que o n ni toren raa.lo de BSreiipor liana. As reclaaaeSe derem ser
dirigida* asta Tv, ograHa ra das Crs s I). 3, n a prtfa da Independeacia l"ja de linoi
' Numero 37 i 38,
CAMBIOS NO da 19 DBAGOSTO.
comp a venda
Cambio sobre Londres 25 J ".'mal.
,i Taris 360roa p. fraiieo,
ii .i.!'.u 130 per Iii d |,r,
Moeda de eobrc 1 por 100 de descont
dem de letras de boas firmas le 1 r )
Otilo- .Moeda de 6.'.00 V. 16,100
N.
. a .1.4,000
P it t Pataeoel
ji Peto* C.olumiiares
* dito MexiCaVBOi
> Riuda
Ki.O)
l.000
1,870
l.STO
4,870
1,6.80
16 VU0
10,100
0.200
4,800
1,806
1.890
1,720
Preamar do da 20 de A^sto
l."a 3 (.oras e 42 m. da manhi.
2. a 4 luirs e 6 m. da larde.
P11ASF.S DA I.JA I* O MEZ DE AdOS'IO.
loa Nora a 6 -- s 0 horas e 29 m. da tard
Quarl. cresc. a 13 is 3 h,.ra e 4 m da nianli.
.La eheia a 20 s 11 li.i.aa e 56 m da lari.
Ouart, rain, a 29 --s 1 horas e 30 m. da manh.
DIARIO DE
t NA Al BUCO.
GOVERNO DA PROVINCIA.
N. R. O expediente publicado no N. ante-
cedente he de 16 do correnle.
EXPEDIENTE DO DA 17 DO CBRENTE.
OVlcio Ao juiz do civel do Bonito = Es-
clareccndo as duvidas par Ym. propostas
em otficio de 18 de julho, cumpre responder,
quanto ao primeiro quesito que o juiz do
civel competente para arrecadar os beiis do
evento definidos no artigo 44 do regula-
mento que baixou com o decreto numero
ll'tO, visto ser por ora o juiz do civel juiz de
residuos, quem o artigo 4o incumbo taes
diligencias ; quanto ao segundo que ao juiz
de orphaos e nao ao do civel compete a ar-
reeadago das herangas jaecntes como he
expit-sso nos artigos i 1 20 e 33 do dito
regtilamento', enasleis anteriores. Quan-
do o artigo 57 incumbi aosfprovedores e
juizes de orpbos de darem contas ao Ihesou-
ro e as thesourarias de similhanles arreca-
daces nao comprehendeo o Juiz do civel ,
que nao he provedor-, massim o juiz dedireito
da comarca : ao juiz do civel como juiz de
residuos compete nao s a arrecadago dos
bens do evento referidos no artigo 41 mas
tambein a dos bens vagos, definidos no
1. do artigo terceiio como he claro no ar-
tigo 21 do dito regulamento. Quanto ao 5.
nao ha duvida que os juizes municipaes sao
juizes de residuos na falta impedimento ,
ou exlingo do cargo dos juizes do civel. Fi-
nalmente sobre o quarto quesito releva decla-
rar-lbo que llie nao compete avocar pro-
cesso algum no caso de conflicto de jurisdi-
io, mas somente recorrer s autoridades
pelas leis constituidas para conhecerem de
laes conllictos.
Dito Ao juiz municipal e do orphos
do tormo de Garanhuns significando que o
arligo 17 do regulamento numero 120 de 51
di; Janeiro do correnle anno, que cita em
seo officio de 11 de julho lindo he milito
expresso em aulorisar o delegado a chamar
para servir perante elle o escrivo, que pe-
r.inteS. m. serve, e nao aos cscrives dos
Subdelegados como alias S. m. pretende;
cquofoipor tanto legal o procedimento do
delegado supplente d'aquello termo cm cha-
mar o escrivAo do crime e participar esta
diligencia na forma do artigo 17.
Dito Ao juiz do civel de Garanhuns ,
dizendo que foi de conformidade com o ar-
tigo 17 do vgulamento numero 120 de 51 de
Janeiro d'este anno por S. m. citado em
officio de 11 de Julho passado que o dele-
gado supplente d'aquella villa chamou o es-
crivo do civel, por ser igualmente escrivo
do crime e servir perante o juiz municipal
afim do excrcer actos do seu olficio anda
fra da povoaco da villa : que se por este
servico sofl'rer o expediente do civel, cum-
pre S. m. propor a separago dos officios ,
pira ser levada ao conhecimcnl de S. AI. I.;
e que ao dito delegado cumpria participar-lhe
esta diligencia apesar de nao ser expressa
tal condico no dito artigo 17 por se enten-
der d'elle que as autoridades perante as
quaes servein os cscrives devem ser sabedo-
ras da saida dos mesmos para fura da villa.
Dito Ao juiz de dircito interino da co-
marca do Pao do aliio aecusando recebido o
seu ollieio de 22 de Junho ultimo no qual
representa novamente sobre a falta de es-
crivo privativo do jury e participa ter no-
m\i lo interinamente para este lugar ao es-
crivo interino das execucoes Ignacio Go-
mes de Souza em razo de ter designado o
dia l(J do correnle para a reunio da junta
revisora j e significando-lho em resposta ,
que logo que venha a informagao que se
lhe exigi sobre o individuo que requereo o
mencionado lugar ser tomata ora eonsi-
deraco a sua rcprcsentagfio; e que pole
entretanto ir snrvindo a pessoa nterin ci-
mento nomeada.
Dito Ao inspector do arsenal de mari-
nha autorisando-o mandar proceder ao
reparo que em seu officio de 11 do correntc
informa precisar o brigue == Imperial Pedro.
Dito Ao inspector da thesouraria da fu-
zenda determinando que mande entregar
ao capito Joo Pedro de Araujo e Aguiar ,
commandante da companbia de artfices n
quantia de 108^760 reis em que foi oreada
a obra de urna coxia, mandada construir
para se recolherem os cavallos destinados
pucharem o parque d'artilharia da dila coin-
panhia ; e que expessa suas ordens para
que seja paga D. Luiza Thercza de Je/.us
Harboza a somma mensal de l0.> reis, por-
que foi alugado um armazem ella perten-
cente e sito na continuago da na da praia,
afimdenelle se estabelecer a mencionada
coxia.
Dito Ao commandante das armas in-
telligenriando-o da expediento da precedente
ordem em resposta ao seo ollii'io de o do pre-
sente mez em que a requUilava.
Dito A Felippo Canteiro de Olinda Cam-
pello conceilendo-lbe ademisso, que em
seo officio de 8 do corrento pede do lugar
de subdelegado da freguesia de S. Lourenco
da Matta.
Dito -* Ao chefe de polica participan-
do ter concedido a supramencionada demis-
so.
Dito Ao delegado do primeiro dislriclo
do termo do Rccifu declarando em resposta
ao seo officio de 15 d'este mez que nao s
o producto de dous dos beneficios (tbeatraes.
olerecidos por Francisco de Freitas Gamboa
a favor da casa de correcto e que na impor-
tancia Je 518.J reis existe em seo poder co-
mo o que rendereni os demais beneficios
d'csta especie dnve ser recolhido a thesou-
raria das rendas provinciaes.
Dito Ao inspector da supracilada the-
souraria ordenando, que do supramencio-
nado delegado mande receber a referida quan-
lia c as mais que procedentes dos citados
beneficios lhe forem por ellos remctlidas.
Dito Ao commandante das armas re-
metiendo a guia do alferes de primeira linha
Miguel Joaquim do Rugo Moa le ro, o a do
soldado Eusebio Joaquim do Santa Auna e :
prevonindo-o de que o official regressa a
provincia do Rio grande do norte o o solda-
do vem reunir-se ao corpo que nesla pro-
vincia pertence.
Portara Ao commandante da escuna =
Lebre = ordenando que receba a seo bor-
do e transporte ao Rio grande do norte o
alferes de primeira linha mencionado no
precedente ollieio.
Olficio Ao commandante das armas sci-
entificando-odo conteudo na precedente por-
tara ; e devolvendo o requerimenlo do su-
prareferdo official em que pedia S3 lhe
mandasse dar o transporte por ella ordenado.
Dito Ao inspector da llusouraria das
rendas provinciaes communicando ter con-
edido a demisso que requereo o segundo
escriturario da contadoria Joze Cecilio
Carneiro Monteiro ; e que por portara d'csta
dala nonieou para aquelle lugar ao terceiro
escriplurario Joo Valentim Villela.
Dito Aojuiz municipal dos orphosdo
termo do Igu irac significando cm respos-
ta ao seo ollieio de 11 do correnle, que em
quanto nao for prvido o lugar de escrivo
privativo do jury daquella comarca deve
chamar o escrivo do crime d'aquella villa
Adolfo Alanoel Camello de Mdlo e Araujo
para escrever os traballios do mesmo jury.
Dito Ao inspector da thesnuraria das
rendas provinciaes, determinando em at-
lenco ao que ivpresMita em seo ollieio de
28 do junho pretrito que observe, e fa-
ca observar na cobranea da laxa das heran-
cas o legados d'esla provincia o regulamen-
to que baixou com o decreto numero 156
de 28 de Abril d'este anno, salvo somente o
arligo 8. que versa sobre competencia de
jurisdic.o dos juizes, a qual nao pode ser alte-
rada pela presidencia.
Dito Ao inspector fiscal das obras publi-
cas ordenando, que mande aprosenlar ao
commandanlt! do balalliao d'infanlariu de G.
N. destacado dous calclas para fazerem o
limpesa do quartel e das prisoes respecti-
vas
Dito Ao commandante das armas par-
ticipando tei dado a ordem precedente.
Dito A cmara municipal de (ara-
nhuns, disendo que em lempo opportuno
levar a presenea da A. L. Provincial o
augmenlode ordenado que pedem para o
porleiro d'aquella cmara.
C0MMAND0 DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DIA 12 DO CBRENTE.
Olficio AoExm. Presidente, ponderan-
do-lhe a necessidale de se demarcarem os
solos das forlilieacoes da provincia, alim de
vedar-se a edilicaco e plantaos o dentro dos
limites marcados no arligo 22 da loi de 12 de
Fevereiro de 181*2.
Dito Ao inspector da thesouraria di*
sendo-lhe que o major Fernando da Cosa re-
cebera ordem para prestar contas da qlian lia
de 400^ reis, que lhe foi entregue para as
despesas dos concerlos a seo cargo.
Dito Ao major Fernando da Cosa or-
denanilo-Ihe que prestasse na thesouraria
con las da quantia que recebera para as d'S-
pesas dos concerlos a seo cargo.
Dito Ao major commandante da for-ca
destacada em Olinda, mandando arrecadar,
e conservar em boa guarda o armamento
ltimamente recebido do arsenal de guerra,
cerlo que a mesma for^a devia fazer o ser-
vico com as armas que anteriormente linha.
Dilo Ao major commandanto da forta-
leza de tamandar providenciando sobre as
salvas (pie ali se devio dar do conformidade
coma tabella vigente, c dizendo lhe que
ficava inteirado de quanto communieara so-
bre os ulteriores movimentos dos termos do
Rio formoso e Serinhaem.
Dito Ao capito ongenheiro cncarre-
gado da direc<*.lo das obras militares da pro-
vincia, para que fosse ao forte do buraco, exa-
minar e orgar o concert de que precisava
o paiol da plvora dos particulares devendo
enviar o orcamenlo a secretaria militar.
Dilo Ao commandanto da segunda com-
panbia do halalho d'infanlaria de G. N. ,
destacada em Goianna ordenando-lhc que
recebesse na enfermara ali eslabeleciihi os
doenles que por ventura lhe houvessc de
remetter o alferes commandante do destaca-
mento de Pedias de Fogo.
Dito Ao alferes commandante do destaca-
mento de Pedras de Fogo ordenando-lhc ,
que fizesse remetter para Goianna as pra-
gas. cujas molestias se tivcssem lomado gra-
ves e urgissem promplo tractamento.
Dt0 Ao commandante interino do ter-
ceiro batalhod'artilharia mandando sus-
pender do primeiro deste mez em diante,
a consignago de 6 reis mens-es, que o al-
feres Joze Candido de Oliveira deixara a
sua familia nesla capital.
TIIKSOCRARIA DA FAZENDA.
EXPEDIENTE DO DIA 4 Do CORRENTB,
Ollieio Ao E.\m. Presidente da provin-
vincia remetiendo a conta do que se tem
pago pela thesouraria pelos livros ub-nsis ,
e mais objectos que se compraro para a se-
crelaria da polica como exigi cm seu of-
Rcio de 2 do correnle.
Dito Ao mesmo Kxm. Snr. informan-
do o requ rmenlo do alferes commandanle
do destacamento do llio formoso J. F. Oi-
niz.
Dito Ao mesmo Kxm. Snr. idemodo
J. A. de Andrade.
llli'.M do da 5.
Ollieio Ao mesmo Kxm. Snr., dem so-
bre o plano da lotera concedida ao cidado
J. II. F. Cama.
Dito Ao im'smo Kxm. Snr. idem dem
ao Seminario de Olinda. *
DiloAo mesmo Kxm. Snr., idem dem
irmandadedo N. S. do I.ivramenlo desta
'ida le.
Dilo Ao mesmo Kxm. Snr. dem o re-
querimeuto de F. Gui/.anda.
DiloAo Inspector da thesouraria pro-
vincial participando ficarem expedidas as
necessarias ordens para ser entregue ao
thesoureiro respectivo a prestaco do cor-
rente mez.
IE1CM no 1)1.1 0.
Olficio Ao commandante das armas da
provincia com as fes de officios dos cirurgies
mores J. V. de Mello AI. F. de Faria e
F. de P. I). Malvinas e dos Reverendos
capeUSea Fr. J. de S. J. Alavignier e J.
P. la Silva que exigi em ollieio de lude
Junho.
Dilo Ao inspector do arsenal do mari-
nba para informar com o seu parecer, a
prelengo de Moos capito da G. D. Har-
pya.
DEM DO DIA 8.
Olficio Ao Kxm. Presidente da provin-
cia informando o requerimenlo de P. Joze
Congalves.
Dito Ao commandante das armas da pro-
vincia idemodo lente coronelJ. F. de
Mello.
RKPARTICAO DA POLICA.
Parle das occorrcncias do dia 18.
Foro presos pela patrulha do quarteiro
de S. Joze o pardo escravo de nomo
Raimundo por suspeita ; pela do lugar dos
Coelhos Mauoel Joaquim Ferr ira por estar
emdesordem; c pela do atierro da Roa-vis-
ta o escarvo de nomo Joze por estar fgido
segundo consta da parte boje dada pelo com-
mandante geral do corpo policial,
Dos diversos pontos do interior da provin-
cia, cujas parles me lem sid entregues,
consta igualmente nao ter occorrido novidade.
l'A'mUUK.
NOVOS DETALHESSOBRE OTEHREMOTO DO HAIT.
Recebemos novos detalhes sobre este gran-
de desastre. A destruigo de Cabo Haitiense
foi compleh- restavoem p sduascazas. O
numero fas victimas nao to consideravel
como a principio se linha annunciado ; mas
no se avalia em menos do quatro mil pes-
soas. Urna grande qiiaulidade de gados foi
igualmente sepultada debaixc das ruinas. A
putrelago d'aquelle immenso monto deca-
daveres linha obligado os infelizes habitantes
a rctirar-se para o campo, e fazia-se covas
mu lentamente. Annuncia-se que a cidade
de Porto Platt foi completamente destruida ,
mas que puncas pessoas murrero. A mon-
tanha a que est encostada S. Marcos foi se-
parada cm duas, por urna fenda to larga que
pdem passar por ella as carruagens. O -
balo foi sentido em S. Jeremas porm nao
causn estrago algum. As aguas subiro in-
mediatamente) a ma altura de seis pes.
Ao passo que chego navios das Anlilhas ,
sabe-te qu o terremoto foi experimentado em
todas estas llhas a 7 de Maio pouco maisou


---------9
o.

menos smesmashoras quenollail. Na Jamai-
ca leve logars sinco horas menos algnns minu-
tos som funestos resultados. Ocapili) l'um
navio chegado antes do hontem annuncia que
so sentio m violento alalo cm Sainl-
Rarthelemy a 2! II di.is depois. Parece
quo o abalo se fez sentir n'um inmen-
so semidimetro terrestre. I ni navio chegado
antehontem a .Nuw-Vork de Mayaguez (ilha
de Porto- Piico ) declara que hum violento
tremor de trra abalou aquella cidade a 7 de
Malo isto lie no mesmo dia em quo succ-
deo o de S. Domingos. O pavor c a confusilo
foro grandes em .Mayaguez, o slo all es-
tava em oscillaco o pareca ter ma espe-
cie de fluxo e refnxo entretanto 'nao se as-
signala grandes desastres. Por oulro lado
fazia se sentir esto mosmo tremor de trra e
no mesmo dia na Uuziana as Opelnsas,
e as "Attakapss. Un habitante deCafahul
escreveao Jornal o Crioulo > que as aguas
do lago olevarao-se de repente a huma altura
demaisdoseis pos debaixo da influencia da
oscillaco terrestre o o pequeo rio chmalo
liavu- Teche crescco e depois abaixou com a
niesma rapidez. Finalmente senlio-se ainda
no mesmo dia commoc-t's em Van- Ruren em
Arkansas, e al ao pe dos montes de rocha.
Foi m abalo subterrneo o simultaneo de
\300 milhas de extonso !!
Os Jornaes da llavana de 18 de Maio conlo,
segunda ma carta de Sant- lago-de Cuba
que o tremor de trra de 7 foi violentamente
sentido nesta ultima cidade. As oscillages
do slo prolongaro-se durante perto de qua-
tro minutos desabaro muitas cazas, a ea-
thedral licou rachada ; e todava ninguem foi
victima d'este desastre.
Os Joinaes de Matanzas dizcm que m na-
vio que se acbava no mar a 7 sinco lc-
goas de Baracon, sentio s sinco horas e meia
m choque violento, como se livesse batido
sobre m rochedo. Segundo choque foi expe-
rimentado s selle lioras e meia. Ocapito
nao tinha sabido explicar esta dupla com-
mogo porm quando sua chegada sou-
be que tinha havida no mesmo dia m tre-
mor de trra licou convencido de que o s?u
navio tinha sentido duas vezes a repercusso.
Os Jornaes naodizem seo capito notou no
mar algla agitagao extraordinaria.
( Do Jornal do Havre)
INGLATERRA.
0 dia assignado pelos sherifs para a execu-
cao dos dous condemnados Jolin Francis c
Cooper actualmenle cm Newgate era o dia
4 de Julho p. p. Quando o esmolr da pri-
so Ihes deo parle d'esla deciso em prezenca
dos sherifs e das oulras authoridades, Francis
que eslava muilo abatido depois da sua con-
demnacomanifeslou ma grande surpreza.
Elle se tinha lisongeado com a esperanza de
que a codemnago nao fosse execulada. A
sua desesperaco enlo nao conheceo limites.
Quando elle icou mais senlior da sua emoco,
alTirmou que nao tinha querido fazer o menor
mal a S. M. e que s havia na sua pistola pl-
vora e papel." Parece que elle ja eslava bem
penetrado da loiienra do acto que cometteo ,
c reconhecia que mereca castigo mas oulro
qualquer sem ser a morte. Ainda nao se sa-
bia de que maneira fra recebida a peticao do
pai d'aquellc mizeravel. Francis repeta a
diversos presos que o scu fin em fazer o que
elle chamava a sua lieco fra de alcancar
m asilo onde podesse eslar a coberlo dos
padecim^ntos e da pobreza. Dizem que cer-
tas pessoas por humanidade interesso-se por
elle e querio apresenlar peticao em seu fa-
vor. Os adversarios da pena de morte nao
querio interceder por elle com reccio de tor-
narem suspeita a sua fidelidade.
( Uem )
es
INTERIOR.
As relaeoes commcrcaes entre o imperio
do Brazil eos Estados-Unidos da America
sodetal importancia, que julgamos conve-
niente dar ao publico a segiiinte nolicia a-
companhada ce algumas rellexes que ollas
nossuggerem.
COMMERCIO E NAVEGADO
Entre o Imperio do Rrazil e os Eslados-Um-
dos da America durante o anno de
1841.
Foi 3o emnr-gada na navegado dos por-
tos deslcs estados para os do imperio du-
rante o nnno de IX i I 225 embarcac > .
comportando juntas 04,9 49 toneladas e si-n-
do eaquipadas por 2,258 borneas. Seua
car rgimen toa oico-se no valor de Rs.
i.THH Hi, ir." exportados pelos seguQj.es
Estados :
Marylano .
New-York .
Massachusctls
Pennsylvania .
Louisiana .
Virginia .
Maine .
. 1,402:078*80-2
.. 1.197:247*059
. 1,007:868*832
. 1,115:288*977
144:871,256
TOO:410*235
11:187*502
5,788:991*163
E para as seguintes provincias:
Rio de Janeiro..... 3,718:783*120
Pernambuco...... 911:554*051
Para......... 397:003*499
Rio-Grande...... 291:919*333
Maranho ....... 178:475*034
Rahia......... 206:341*403
Santa Calharina .... 72:966*201
Cear......... 11:948*756
5,788:991*405
A importaco do Rrazil para os porlos dos
Estados-Unidos empregou 232 embarcaros ,
comportando juntas 69,157 toneladas, sen-
do esquidadas por 2,381 homens. Seus car-
regamentos sao oreados no valor do Rs.
13,198:880*759 e foro importados nos se-
guintes estados :
Louisiana....... 5,822:798*500
New-York....... 3,827:408*796
Maryland....... 2,989:509*825
Massachusetts..... 1,311:321*93-
Pennsvlvania ..... 1,170:621*916
Carolina do Sul..... 77:316*886
13,198:880*659
E pelas seguintes provincias :
Rio de Janeiro..... 11,079:839*098
Pernambuco..... 959:890*52*1
Para ........ 527:796*459
Rio-Grande...... 435:441*198
Maranho....... 128:880*11 i
Baha........- 36:361*166
Santa Catharina .... 52:668*099
13,198:880*659
Movimento geral da navegaco.
Foi o movimento geral da navegaco entre
os dous paizes de 457 navios com 131,106
toneladas sendo esquipados por 4,639 ho-
mens \ maior de 9 navios no commercio da
exportado e de 74 navios no commercio
da importado relativamente ao anno do 1840.
Movimento geral dos gneros o mercadorias.
O movimento geral dos gneros de impor-
taco e exporlacaosubio a rs. 18,987:872* 122,
tendo augmentado a exportaco no valor de
553:968.>354 e a importaco no valor de
5,888:621 707 relativamente ao anno de
1840.
O seguinte quadro moslra as transaeces
que se lizero e vem a ser:
Import. r.os Hulados-Unidos. Etp. pelos Esl.-lVdos'
Louisiana 3,822:698*300 144:874*256
New-York 3,827:408*790 1,197:247*059
Maryland. 2,989:509*826 l,/,92:078*802
Massachusetts 1,311:324*935 1,067:868*832
Pennsylvania 1,170:621*916 1,115:288*977
Carolina 77:316*886......
Virginia........ 760:446*235
Maine......... 4l:187*30a
que-ser sem duvida favoravel ao imperio ,
cm consequencia de livra-Io da dependencia
em que so acha de urna naco que pouco im-
porta de nossos gneros sendo essa mesma
importarlo sobrecarregada com onerosos d-
reitos ao mesmo lempo que muitosdos nos-
sos gneros sao recebidos livres do din'to pe-
la Unio Americana ; sendo escusado enu-
mera-Ios, quando obsorva-se quo quasi me-
tade da exportadlo do nosso caf<5 dirige-so aos
mercados livres.
Agodo.
O seguinte resumo mostra o augmento no
valor dos algodes manufacturados nos Esta-
dos-Unidos e no da sua exportado para o
Brazil.
Valor dos algodes manufacturados nos
Estados-Unidos.
Valor. Populacho.
1830.....26:000*000 12,000,000
1840.....44:500*000 17,000,000
Exporla- Para o
cao. Rrazil.
1830 ..... 1:318*183 Sl,332
1835 ..... 2:858*681 266.9IG
1840 ..... 3:549*607 509.857
Caf.
A importaco dos gneros brazileiros sm
duvida a mais lisongora tendo sido maior
de 171,991 saccasdecaf, 132caixas, 15,233
barricas e 9,490 saceos deassucar 2,530
saccas do cacao e 64,886 couros, relativa-
mente ao anno de 1840.
Os seguintes quadros estatisticos mostro o
augmento da importaco do nosso caf nos
Estados-Unidos em relaco com a totalidade
da importaco do mesmo genero e de origem
differente e a fundada esperanca que temos
de que v cm progressivo crescimento a ex-
portaco deste artigo dos nossos porlos para
os mesmos estados.
Total do caf impor- NewYork Roslon.
tado cm 1839
Ibs...... .33,649,239 10,633*100
ImporlacAo do Rra-
zil ... libs. 21,877042 1,758,440
Total em 1840. 26,578,280 11,128,349
Importado do Rra-
zil ... libs. 14,232.783 1,288,450
E dividida
saber :
RiodcJaneiro
l'ernambuco
Para .
Ro Grande.
Maranhao .
S. Calharina
Rabia .
Cear .
13,198:880*659 5,788:991*463
pelas provincias do imperio, a
Total em 1841 37,834,977 13,867,870
Importaco do Rra-
zil ... libs. 22.270,427 3,558,700
Philatlel- Ralti-
phia. more.
Total importado em
1839 libs 12,359,315 18,315,900
Importaco do Bra-
zil libs. 5,604,160 14,230 400
Total em 1840 10,094,072 20,247,300
Importaco do Rra-
zil ... libs. 5,601,160 16,510,830
Export. para o
imperio.
3,718,783,126
911,554,051
397,003,499
291,919,333
178,475,034
72,966,a6l
206,341,403
11,948,756
Import. pelo
imperio.
11,079,839,698
959,890,325
527,790,459
433,444,498
128.880,114
32,668,099
56,301,466
Total em 1841 9,701,440 22,910,190
Importaco do Rra-
zil ... libs. 4,072,000 20,261,440
Imporlaco exportaco e consumo do caf
nos E-tados-Uuidos. Anno Americano le
1 de outubro a 30 de setembro.
A importaco de 1821 a 1830 foi
d........libs. 413,996,628
A importaco de 1831 a 1840 foi
de.........libs. 928,551,395
5,788,991,463 13,198,880.0511
Pelo que cnconlra-se a dilferenca de
7,409,889*196 rs. em favor do imperio leu-
do augmentado o valor de 5.353:653*373 rs.
comparativamente com o anno de 1840.
A exportaco durante o periodo de 1841,
foi maior de 10,550 barricas de firinha de tri-
go e 326 barricas de carne salgada compa-
rativamente com aquelle anno, e maior de
mais de 150 mil barricas de farinha compa-
rativamente com o anno do 1830, haven
do mais ou menos augmento nosoutros
gneros. A exportaco das fazendS de algo-
do manufacturado nos Estados-luidos,
va i em progressivo augmento sendo de pre-
ver que continuando a prosperar as manu-
facturas americanas, breve ellas pdenlo
competir com as manufacturas inglezas, o
Augmento 514,554,767
A exportaco de 1821 a 1830 foi
de.........libs. 162,024 007
A exportaco de 1831 a 1840 foi
de.........libs 182,487,972
Augmento 20 463,925
0 consumo de 182ial830foi
de.........libs 251,972,501
0 consumo de 1831 a 1840 fot
de.........libs. 746,063,423
Augmento 494.090,802
Total do caf importado para consumo e ex-
portaco nos Eslados-Unidos.
Em 1830 libs....... 51,488,248
Do Brazil 14,593,232
Em 1833.........103,199,574
Do Rrazil 35,774.876
Em 1840 ,....... 94,996.095
Do Brazil 47,412,756
Assucar.
As seguintes tabellas moslroqual tem si-
do a importadlo do assucar nos Estados-I ni-
dos.
New-York. Roslon.
Total imparlacjlo em
1839 libs. 42.478,246 30,390,342
Importaco do Rra-
zil libs. 1,137,251 2,030 792
Total em 1840 23,365,26" 27,006,400
Importaco do Rra-
zil .... libs. 1,055,088 571 698
Total em 1841 libs. 63,581 013 32,698,436
Importaco do Bra-
zil ... libs. 908,878 1 138,503
Philadelphia. Baltemore.
Total importaco em
1839 libs. 31'7l6,9ll 14 286,735
Importaco do Br.i-
zi I. libs. 5,226,550 871,212
Total em 1840 libs. 26 715,774 10 318,047
Imporlaco do Rra-
zil .....libs. 3,091,439 423,746
Total cm 1341 30,991,160 14 510 859
Imporlaco do Rra-
zil.....liba. 5 362,910 1.054,432
Importaco, exportaco e consumo do assu
car no? Estados Unidos.
Importad'). Exportado. Consumo.
DeISSI a 1836514,580,808 07,710,011 446,853,807
1830 a 1840 797,815,935 118,779,292 C7,036,C4:i
Aupmciito 283,235,127 51,052,351 2S2 182,770
Total do assucar importado para consumo o
exportaco nos Eslados-Unidos.
Em 1830 libs.........86,483.046
Do Rrazil 7 071 809
Em 1833 ....... 126,036,239
Do Rrazil 7,970,501
Em 1810 ....... 120,939,585
Do Brazil 5,413,847
Cacao e couros.
As tabellas que se seguem mostro a quan-
lidade do cacao e couros importados nos Es-
tados- Unidos.
Total do cacao importado para consumo o
exportaco.
Em 1850 lbs........ 2,632,467
Do Rrazil .... 255 688
Em 1835 ....... 5,808,217
Do Rrazil .... l,5*r),876
Em 1810 ....... 2,626,36o
Do Brazil 527,959
lmprtago exportaco e consumo do cacao
De 185 a 1855.
Importago. Exportaco. Consumo.
Lbs. 16,316,571 11,569.667 4,746,704
1856 a 1840.
13,810,299 12,068,059 1,742,260
Augmento de lbs. 108.572
Dim. de lbs. 2,506,072 5,004,444
Total da importaco dos couros nos Estados-
Unidos.
Em 1830 dollars....... 2,632,467
Do Brazil 015,530
Eml835 .. ...... 5,808,217
Do Brazil 1,150,(91
Em 1810 ....... 2,626,569
Do Brazil 560,515
Importaco exporlaco e consumo dos
couros.
De 1831 a 1835.
Importaco. Exporlaco. Consumo.
Dollars 17,995,063 2,735,-141 15,257,625.
De 18"6a 1840.
Dollars l4,7Gc,,010 1,452,180 15,316,836
Dim. 5,224,050 1,285,261 1.940,789
Couros importados no porlo de Boslon.
1810 1841.
Rio Grande..... 7,288 5,000.
Pernambuco..... 12,442 54,901.
Maranhao ...... 1,856 7,970.
....... 4,1 3 2,691.
'ara
Brazil 25,230 50,50,";.
Diversos paizes e porlos dos
Eslados Unidos. 180,659 381,qI6.
Tolal .- 205,009 452,481.
Porlo de New-York.
1841.
Babia.......... 6,112.
Pernambuco........ 10,299.
Para........... l,91(i-
Rio Grande ....... 45,552.
Rio de Janeiro ........ 5,00;),
Brazil ....... /,6,)23.
Diversos paizes dos Estados-Uuidos. 566,341.
Tolal......635;26,.
Emlb-lO .........520,251.
Or.SF.lU ACI'N.
Caf. A exportafo deste produelo da
nossa agricultura abran ge nina gratulo parle
da oxportaco do imperio para os EladoS-
nitios ; i'iia vai scinprc cm augmento, e
0 scu pirco iguala an que lornecido Je me-
Ihor qualidado por onlros paizVfl. Comludo


.nda existe, apezrt 1 sua qualidade ter
..iln melliorailo tima pai liculari lade que ,
Tos removida o levara certwriwrto a
r do caf do Java ou de Laguire o mata
timado naquelles estados e vem a ser ,
n.ra com mais vantagem ser rccebido nes-
L mercado que se oblivesse melhor e ma-
je forte aroma predicado que o Tana im-
niediatamento igualar ao dos dous lugares a-
ci.na mencionados; o que j por algumas ve-
.,. lem acontecido em algumas partidas que
tcm cliegado a NeW-York. Ksto melhoramen-
lo parece ser muilo fcil de conseguir-se ; e
nai-aislo basta nSo ser ello conservado de-
nii de colhido por muito lempo sem ser
escaseado e seccado. Outro motivo ha ;
Di8 sendo seu proco muito alto no nosso
mercado offerece menor vantagem aos es-
peculadores ; mas este desapparecer com a
inaior a bundancia nomcrcado, pois he a qnan-
tidade do genero ou a sua demanda o p rinei-
pal regulador dos pr.-cos. Inlue tambem no
seu preso a exorbitancia do 600 res do cus-
to das saccas cuja qualidade nao poden-
do preservar a bumidade causa o nao pe-
queo prejuizo de quasi 2 porcento, ao mes-
mo lempo que saccas mais fortes poderMo
ser ornecidas pelo mesmo prego e evitan
flo que o genero losse deteriorado,
Assuear. De ve-so ter em imilla conside-
radlo o melhoramento deste artigo, que feria
augmentar muito a sua imporlaco nos por-
tes9 americanos e.sobreludo que nao seja
elle falsificado com a mistura de diferentes
qualidades. Para a sua maior sabida na-
qaelle paiz convm que o assuear seja im-
portado em caixasque nao exceda de 400 a
.4'0 libs. quasi ou o mesmo peso das de
Cuba. E seria isto tanto mais de desojar que
o exorbitante peso das caixas usadas no trans-
porte dosnossos assucares lem dado lugar a
que s. ja esle genero exportado em barris e
sacc >s o que causa nao pequeo prejuizo
aos negociantes assim acondicionado. Convi-
ria lambm que fosse mais secco limpo e
nisau igualas o de Cuba cuja qualidade
assa pela melhor.
Cacao e outros artigos exportados pelas
provincias do No: te. A sua exportaco ,
t.-nJo idoem augmento, seria ainda maior
se aquellos mercados ofierecessem maior con-
sumo dos gneros dos EstaJos-l'nidos, o que
s vira a ler lugar quando crescer sua po-
pulacho. Cumprc porm, que alguna des-
loa artigos nao sojo falsificados como acon-
tece com o oleodecupahyba que mislii-
r. do com outros olios, tornando a sua quali-
dade pessima para os fins da sua importa-
do, co uruc ou annatto de que se faz
glande uso naquelL- paiz. Provrn a falsifi-
cuco deste ultimo genero de se lhe mistura
rein outras substancias o grande quan-
*idada de sal, afim de o tornar mais pesado,
resultando dah um enorme prejuizo aos im-
porl adores, por chegar quasi sem pro corrom-
pido encontrandp-se no fim de algum lem-
po quando se abrem as cai\as, grande
quantidade de insectos. Sendo o uruc pu-
ro poderia obter mui fcilmente o prego de
40 cantos por libra e actualmente pelo
que lica expendido nao alennga mais de 5 a
17 ceios. Fsla differenca nos precos deve-
la servir de incentivo aos productores deste
genero para no se prejudicarcm nos seus
proprios inlercsses ; a boa fe no commercio
vxigo igual mente oulro proceder em suas
transaegoes.
Couros. -- Este artigo que lem grande
consumo no Estados-Unidos da America
.o\co|Kfio dos d > Piio Grande que oblm o
mesmo prego dos de Montevideo o Ducnos-
Avres, nao alcauc igual prego em eonse-
quencia de seren muito silgados o que fa-
. Gilmente se pode remover.
' Para evitarem-se todos estes cstorvos a un
mais rpido augmento do commercio entre
os dous paizes abbn de outras medidas t
muito conviria que l'osscm nomeados agentes
para insp-ccionarem os diversos gneros de
xporl.cfm como mui judiciosamente se
pralica nos Estados-l nidos.
( Jornal do C. )
lURO PnYOTCII.
classe. Agora he que se lhe poem as maos
tima grammalica que conten as declinagoes e
conjugaeoes nao para que a aprenda de me-
moria pois nada se faz de rotina nesle sys-
tema, mas para que possacomprehender mais
fcil ment o preceptor, que le geralmento na
grammatica porem especialmente no? ver-
bos. Desdo essa poca, que he desde o prin
cipio da terceira sccgo o pupilo D-tuda a
Iheoriae a construyo da lingoagem junta-
mente com a pralica. Com esle lim le os aue-
tores antigos comecando por Cesar o qual
com a (Selecta e Profanis onrhe ustialmon-
te a terceira e quarta seccoes. Quando o pu-
pilo chega a conheccr estes livros c os prece-
dentes achaj pouquissima difliculdad' n;i
leiturados auctorosque.se Iflem cominrumen-
le as escolas. A quinta e sexta secgoes com -
prebenden) Virgilio e Horacio, dosquaesse
l oque be necessario para que o pupilo pro-
nuncie a poezia com facilidade o para dr-
Iho ideas correctas da Prosodia e da Ver.-ili-
cacao. Cinco ou seis mezes com urna al-
inelo mutua da parte do pupilo e do precep-
tor", so suficientes, segundo o teni mostra-
do a experiencia para aprender o latim, no
qual se ha etnpregado ale aqui o se ompro-
gain agora* qualro cinco e mais annos.
Por acaso se um rapaz estivesse em Pariz a-
prenderia melhor a lingoagem fochando-se.
n'um quarto para ler livros francezes com
um diccionario ou conversando livremente
com quantas pessoas enconlrasso ? Cada ti-
ma destas pessoas seria scmduvida um dieei-
onario viv e urna grammatica que estara
trocando continuamente as palavras portu-
guesas pelas francesas e instruindo insen-
sivelmenco as terminagoes dos substantivos
francezes e dos verbos. A atiologia be ainda
maior relativamente a aquello que falla com
pessoas a qncm pode fazer perguntas o que
lomam o incommodo de o corrigir.
0 principal ponto que se deve considerar no
mais conhecimento, como a mimca, ^
.nathematicas a navegacao a arclutocl,
&c Em todas estas sciencias a a\ ei sao sena
prenle da memoria ; os impedimeiUos ae-
riL a causa da perfeigao. So ad.meu.d.nb
L o mimo da memoria, o r.p/.qr apremie
com maior dillicul lade roten 'com ni., o te-
nacMade ou em outros termos asadqutoi-
tw dos estpidos serf, maioroa n,ai""'
n -ranles que as de um rapaz desombaraga o.
Todos estes argumentos presumen que as d.t-
QculdadfS que se voncom nielboram a momo
,-,. ms (po so dir se nos observarnos que
a(i^aroemveZdaangnienUr,eioex-
tinguem em vez d'incitar a nppbcacai. io-
do o rapaz adiara prazer nos livros 80 vertiria na escola o se alegrara de contentar
. seus pais o ohlcr louvo.es de seus mesln
se visse. que era fcil fazer progresos 5 porem
os malditos gerundios e supinos .esnperam-
no, e toma.a elle antes v.'r-s- mortO U.,
i.rogrossos c actiw lado causam prowr ene
impossivel que um rapaz nao laea V****
a quftdeisodcser activo pelo melhodo I am 1-
lonianu j o oslo agradavel estado do ente.nl -
,ento contender mais fui-teni-mle ni avoi
da memoria do que o espirito lnguido o des-
cabido, que |rov-m indubilavelmento do
commercio com os diccionarios edo mtlho-
do seguido at boje entre nos.
des linhas .ido Berlim a llambtirgo a de
Frauckforta Sllelin e a de Magdebur:o a
(uloiiii. Eogo que eslejam concluidas, a
Prussia i; a oonfederaeao germnica possui-
rioSiVOO milli.s Jacamlnhos de ferio.
\ Austria est razjndo cammbos que ,
parlindodeVionna. vao fronte.ra de I o-
lonia, a l.intz, a Plungary, a Ineste, Mt-
VrussU conslrue actualmente linhas ales-
tes caminlios desde Sao Pelersburgo a \arso-
via Oles Moscow o de Moscow aos dous
ltimos pontos.
A IHgicatem G caminhos do ferro sen-
do o principal o de Ostendo a Aquisgran.
i) camlnho de jiililo a Mazza foi aberlo em
| 10 e o -le aples a Noura esta comple-
tamente acaba!... ( Dial iodo Coverno)
COMMEHCIO.
Hoje de manlia (ll) sabio desta culade urna
expedigao commandada pelo t apitao Francisco
Victorino Xavier do llrilo o comosla das
companliiasdo lialall.r.o B que para aqm vi-
erto no Vapor Pernambueana. Esla torea di-
zem-nos, vao estacionar em l lores se algu-
ma nova circunstancia nao a fizar lom::r ou-
Ira direegao ou posig;lo.
NOTICIAS KI.F.non.us.
Tendo-nos viudo as mAos algumas listas de
dilVerentes collegios as qaaes nos alhrmao se-
ALFANDEGA.
Rpndmicnto do da l de Agosto 5:90ll#o7
nssc.-.nnKfivo i'-oir. 20 ok agosto.
Brge Porttigiuv. == Importador = o res-
to das mercadotias o pedras.
Parca Ingleza = Elisa Jobnston= o resto ,
e algum s.bao.
rigue Porloguez S. Domingos = >inbo ,
vinagre azeite e carnes.
I Bflgd Francez = Armoriquc = Manleiga
c batatas.
'Patacho Ingle* = Amiens = o resto.
1 Barca Americana == Globe =s Fariitna de In-
e barricas abatidas.
MOVIMKNTO DO PORTO.
O principal ponto que se deve considera! no u,"''K'".iynm'".^.'.oe. nossos leitores
svstema hamiltoniano he o numero prodigi- = ^^otgSsTe qS temos da-
oso de palavras e frases que passam pelo en- ^^^^Sct dessas listas: nao
tendimenlo do rapaz comparado com o da, *^*^J2 nculcar o nosso
que se lhe appresentam pelo plano antigo.
Assim como um rapaz fallador aprende o
francez em Franga primeiro que um rapaz si-
queremos nem devenios inculcar o nosso
trabalho por exacto-, por que seria preciso le-
as autenticas, para poder garantir a apn-
rrancez em 1< ranga pr.me.ro que un ,,.*. '"\"" t'(!nto salsfazer a cur.osi-
lencioso assim tambem o quetradu livros ^^J,J3r|pion da maneira que
aprendo a construi-los na proporgf.o d'aquel- da ..,..,
les quoconlrue. Em hamiltoniano faz em
seis ou sete figoes OO ou 100 vezes tantas
trocas como faz um grammatico das escolas;
e ainda que per< a 10 por cenlo do que otive ,
o seu progresso he ncemparavclmeifto mais
rpido. .
O argumento que alguns oppem a Jsle svs-
tema he que um raraz que nao acha difficul-
dades e a quem se appresentam as cousas
tflo facis o claras lAo graduadas o tao lis..s,
licar muito enervado -, mas este argumento
comprehende a taboada de mulliplicagAo de
Pythagoras, e todas as inveng-s qqe^abbre- ~ i^-o; Weii;lcs (la C I
viam o Irabalho inlcllectual dos liomens. ao (J< fmu. cg ,oSp G ja c
haja porem receio de que ah falteni dilbonl-
dados : al.brevie-se o trabalho intellectual
quanto se quiser m'Jllipliquem-se os pode-
res mechnicos at maior estensao sempre
nos he possivel ; os que querem exacli.bio
rigorosa armem-se de mais alguma paciencia
iif.mmo nos lt cot.i.i<:ios.
O Scnlinrcs.
1'aihc. //arlo da /?ofl-visla
Concelliciro SebasliSo do \\ BfciTOS
Pr. Pedro P de P- C. rAHmquerquc
< -oncclli-iro Antonio P M Monte.ro
Dr. Alvaro l. TJ C'avalcanlc
Dr Lilia de Cnrwlho P de Andracle
Dr. Io7C Thomaz Walmco de Aiaujo
Or J Desemlrg>dor Mooel Ignacio L. Laccrda
i Flix l'eixolo de //rito
Dr Manoel .loapiim C. da Cunlia
Azevedo
,),- Url.atiu Sabino P. le v'el1-
Padre Miguel do S Lopes (lama
|)r Anlonio Aflnso Ferreira
1> F. Antonio Jonquim de Mello
Dr Caetano da Silva S. Tliia^o
Majoi Manoel Ignacio de C. Icndoncn
Joaqnim Joze da Costa
MISCELI-ANEA.
SOBItK 0 NOVO SVSTEMA n'lUMII.TON I'Vlt.v BKSrN.ll
LIN60AS.
Artigo Ul (*).
[ ConcloaSo 1.
O nosso pupilo ficou no artigo antecedente
acallando o seu trabalho Vid. Diario do l'enuinliuco de !> O
de i d:Agesto.
Dr. JoSo Jo/.i; Pinto
Dt Agoslinlio da Silva Nevcs
Dr. JOToim Manoel Vieira de Mello
Padre Venancio 11 de Kesendc
~............-..... Maior Antonio Comes leal
bavera sufliciento e infinitamente mais que 5r. Joaqun. Nunes. Machado
suliciente oceupago laboriosa para o efttep-
dimento e para o corpo do rapaz. Mas se
nao houvessem dilliculdades sesepudesse
adquirir um idioma sem ellas, desojara por
acaso algu -m que so conservassem os que ago-
ra h e cuja nnniquilaco pode conduziras
nossas faculdades a se ocenparem antes das
malhematicas da phiiosophia natural e
d'outros diversos ramos do conbecimentos u-
teis ? Alem disso. pslo mthodo mesmo d'lla-
milton um rapaz podo sobresar aos oulros ,
omprcgaiido duas, tresou mais horas so com
a clave. O Dr. Bell eslabeleccu O apolis-
ma de que nada do que faz u:n rapaz he im-
portante, senao aquillo que elle faz por si mes-
mo : be o n.esmo que se se di&sesse que nfio
h oulros Cage que possam cubrir a nudez
i'um rapaz senao aquellos que elle mesmo
(izer. objeclo he traduzir o latim em por-
tuguez : ora como far o rapaz islo me-
lhor e mais breve \ buscando o significado da
palavra ou achando-o j buscado por outro:'
K por fim a traduccao sempre lie feta pelo
preprio rapaz por que he elle quem le a pa-
lavra que he o que havia a fazer. .Nunca
ialtar diliculdades para o pupilo se os
mcios se fazem mais facis havera mais coli-
sas quo esperar. Inventou Mao-Adam me-
Ihores caminhos. o Dr. Bell liavena predic
to que os cavallos engrossariai mais mas o
resultado actual he que amiam doze millias
por hora em vez de oito.
lia urna regra anliga que diz : Se queros
que os rapazes se ienibrem d'tima lingoagem.
|-;,/(. que a sua adquisigao Ibes seja muito l'as-
UdloSaedesagradayel.B Mas se osla regia hi
boa para as lingoas
550
6?".
tai
M6
I I r.
29J
?:n
277
277
27.',
2.VJ
2t!i
227
222
222
1112
20.
20:
r.in
1S:
179
170
105
117
lirt
1-STATISTIf.V DOS CAMINHOS !>! 1T.UU0.
A Franga conta actualmente l(> caminhos
de ferro, sendo os mais importantes os Je
Strasburgo a Basilea e de Pars a Orleans
e a Huo : a Inglaterra possue 20 caminhos
principaes e 108 ramilicacoes secundarias.
Entre estas ultimas ha 30 que nao lem mais
ileS a.7milbas de longiludc. O de bn
Western 6 de lio milhas do com primen lo ,
e o caminho do Dirmingham de 130. Outros
muilos variam cnlre 70 e 00 milbas. lem-
se calculado que os productos do lod s estas
linhas inglezs destinadas para o transporto
de viajantes lem montado durante o corrcnlc
anuo a urna summa do 1.300.000 libras, ou
13 milboes do cruzados. A sua longitude
total esl calculada em 2,338 milhas que
custam 12.000 libras, ou 120,000 cruzados,
cada urna por termo medio.
Nos F.slados-1'nidos conlam-se .),000 mi-
||,ns de caminhos de ferro j promptos. *.
o oslado da N.va-Vorck possue 00 milhas ,
(.;, linda principal .' a da Nuva-iorfl'. ao la-
do I'., ie.oue U-iii 330 milhas de romprimcnto.
A Vllemanha lem M caminhos o mais
moranle dos quaoa i O de Vicua a P.e-
- ckima, que lem 1O milhas de longit^e.,
tambem o ser para os ostao almdiseo conslruindo-Hc outras graj.-.
NAVIOS ESTRADOS NO UlA 10.
libado S;lo Miguel-, -iO dias Brigno Brasi-
leiro Triumpho Americano de 101 tonel.
('.apilan AlmundroJozo Alvos, equip. 17,
carga lastro : a Joze Antonio Comes Juni-
o: : traz 37 passageiros.
Maceii) j 2 dias Transporte Nacional Pirapa-
ma,Commandante o primeiro lente Feli-
pe Jo/e Pereira Leal : traz madeira do
consti uco. .
Rio Grande do Sul 5 2G dias Brigue Brasilei-
roFiel.dc 200 tonel., Cap. Manoel Marci-
anno Ferreira, equip. II carga carne sec-
ca : a F. J. F. da Hoza.
SAIIIDOS NO MESMO JIA
Porto- Barca Portugueza Tentadora, Capit"a
Fmidio Jozo de Oliveira 5 carga diversos
gneros. .
Aracatv ; Brigue Americano Cangcs Lapi-
lao leory Townc ; com o rcslo da carga ,
que trouxe de Salem. .
T11EATBO.
Domini.o 21- do crrenle grande funcgSo ,
de Rafael, e Madamoizel l.ucci = depois da
1 overtura se representar a muilo aplau-
dida pega em o actos m 0 Convidado do
Podra. = ,
No fim do 2. acto Bafael Lucci, canura
urna nova cavatina da Opera Cazza Ladra ,
= II mi piano o prepralo = msica do
celebre Bossini. No lim do 4. acto Madamoi-
zel l.ucci juntamente com seo pai canta-
ro um novo Duelo da Opera Elisa e Claudio
= Se un instante = msica do bnr. M. 5>a-
verio Mercadante. No Um do o. acto Kaftel
l.ucci, juntamente com sua lilha daro bm
ao expectaculo com um applaudido novo Du-
elo = da Opera Binaldo ed Armida = a-
mor possento Nume. = Msica do celebro
Bossini. ,.. .
Bafael l.ucci pcnborado do acolhimenio
que lera recebido do respeilavcl publico desta
Capital, envidar todas as suas forgas para a-
presentar aos seus benignos protectores dife-
rentes, e novas pegas de muzica dos molhore
aulhores a lim de deixar sempre saptisfei-
tos os amadores desta divina arte.
AVISOS DIVERSOS.

tsr Sabio o Carapuceiro N. M continuan-
do a Iraclar da boa educagflo que he objecto
digno da maior attengao. Na variedade trac-
ta das mulheres que parecem homens : ven-
de-se na praca da Independencia N. 37 e 08.
tsr Ninguem faga transaego alguma com
urna letra da quantia de quatorze conloa do
rcis sacada do Para por Joo Marques da Mol-
la a lavor '.o J0A0 Henriques de Mallos ,
sobre Manoel Joaquim llamos Silva por
esto aceita rm i7 do corrente mez de Agostos
pois que b as mais bem fundadas supposicOe;
de que a dita letra be falga.
tsr- A viuva de Joze Antonio Maia faasci-
ente aos credores deseu cazal que leudoacom-
missao procedido ao lialanciomento da aa.
roga aos mesmos de comparecerem no da 2-
do corrente nclas 10 horas da manha no tt-r-
ceiro andar do sobrado D i na ra do Bozario
larga vindu munidos de suas competentes
con las:
i
___>


>4
PILULAS VEGET1ES E UNIVERS.VES AMERICANAS.
Estas pilulas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem feito no requerem nem
dieta, e nem resguardo algum ; a sua com-
posigo to simples, que n8o fazem mal a
mais tenia crianza : em lugar de debilitar ,
fortifico o systema purilico o sangue ,
augmentao as secretes em geral: tomadas ,
soja para molestia chronica ou somente co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelle estado de constipado, depois de sua
peragao como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a lomar e nao
ausarem incommodo nenhum. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth agen-
te do aullior : na ra da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulhada em
seu receituario com o sello da casa em la-
cre preto.
tsr Perdeo-se na madrugada do dia 14 do
corrente um ponteiro de ouro com urna
borla na aberta lambem de ouro na ra da
Cadeia velha e (\n beco do Viga rio athe a
porta da Igreja da Madre do Dos ; quem o
.tiver adiado ou Iho for offerecido baja de
o restituir na ra na Cadeia n. 35 que ser
recompensado.
BT Alugo-se o primeiro lerceiro andar
e armazem da caza da ra da praia que bota
para a ra do Fagundes com bastantes com-
modos para grande familia : na ra da Cadeia
numero 55.
tsr Aluga-so urna caza terrea com bom
quintal cita na Cidade de Olinda, ra de
Malinas Ferreira n. 23, por 5* mensal : a
tratar na caza mediata n. 21, ou no Recife na
ra larga do (tozario botica D. 10.
que muito mal clieg3o p.tra o principal, e com
este ja tem sido avisados por algumas 4 vozes,
a mais de um anno o declaro mais que este
he o ultimo annuncio e para que se nao
cliamem a ignorancia faz o presente annun-
cio. = Hercolano Joze de Freitas.
W A pessoa que tem um preto do meia
idade que as vezes anda vendendo llores de
papel para por nos c sticaes com vellas e
que se mandou encomendar pelo dito preto
6 duzias de papis recortados para botar por
cima do pratos do doce secco tenha a bon-
dade de mandar entregar os que estiverem
promplos,na ra da Cadeia do Recife n. 1 2, e
no cazo de n3o poder fazer a pc-rgo que se
mandou fazer o obsequio de mandar dizer
pelo dito preto que levou ditaencomenda.
tsrAlugo-se o primeiro e segundo andar
do sobrado amarello da ra Augusta recen-
lemente edificado ; eo armazem do sobrado
de 4 andares da ra do Amorim defronte do
ferreiro Caetano : a tratar na ra do Vigario
D. 12 com seujproprietario N. M. de Seixas.
OT Dase 100* a premi de 2 por cento
com hypolheca em urna escrava (cando el-
la em poder do hypothecante pagando todos
os mezes o importe dos das da escrava : an-
nuncie.
t^ Urna senhora viuva de bons costumes
avisa a quem convier que ella ensina meni-
nas na caza de sua residencia na ra Augusta,
terceira alem da caza do Sr. Barata a 1er,
escrever contar rezar coser marcar ,
bordar, fazer la va cinto pelo prego de i 280
rs. mensaes e somente a rezar, coser bor-
dar e fazer renda e lavarinto pelo prego do
040 tambem mensaes; as pessoasque se qui-
serem utilisar de seu prestimo podem diri-
Aluga-se o primeiro andar do sobrado uir-sc a qualquer hora a mesma caza da an
IA nm Hd I aHnia it\ liirMl'. Ainln film ... ____.4-
n. 42 na ra da Cadeia do Recife onde tem
loja do chapeos : a tratar na mesma loja.
tsr Mara Joaquina de Souza e Catharina
do Sena Souza professoras particulares do
Colegio do Espirito Santo propoe-se a en-
sinar meninas a ler, escrever contar, coser,
e bordar ; tambem recebem em sua caza al-
gumas meninas de pessoas que moro foro da
Cidade, ou que morando na Cidade, as quei-
rao confiar a sua educagao ; quem pretender
utisar-se do seus prestimos dirija-se a ra
Direita terceiro andar da caza em que mora o
procarador fiscal o Snr. Antonio Joaquim de
Mello.
W Roga-se a pessoa que se adiar de pos-
se de urna carta trazendo dentro da mesma
urna encomenda vinda do Maranbo em Mar-
go do corrente para Raimundo Joze Almei-
da Couceiro queira dirigir-se ao Mondego
fabrica de Rape', ou annuncie sua morada ,
que se Ihe ficar obrigado. '
cr Joze Antonio Gomes Guimares re-
tira-se para fora da provincia.
tsr Perdeo-se huma chave de cofre; quem
a tiver adiado c a levar na ra da Cadeia ve-
lha no primeiro andar da casa N. 54, ser
bem recompensado.
sr Aluga-se um sobrado na ra da Flo-
rentina com quintal e cacimba ; quem pre-
tender dirija-se a ra do Crespo D. 7 lado do
sul.
tsr 0 Srs. A. M. de Carvalbo Antonio
Joze Gomes Leal Jo3o Rodrigues de Andra-
dle Manuel Joaquim de Andrade Antonio
Ferreira das Neves Navarro queiro dirigir-
se ao trapiche da Companhia a negocio de
seus nteresses.
tsr Aluga-se urna caza terrea na ra do
Cotovello ; quem a pretender dirija-se a ra
do Cabug loja junto do Sr. Bandeira.
tsr Precisa-se de um feitor que traba-
lhe de enchada entenda de borla arvore-
dos, e vaccas para um sitio na Magdalena
nunciante.
tsr Urna negra crela de 20 annos, com
urna cria de 7 annos, de bonita figura a
negra cozinha o ordinario lava de varrella,
e sabio e he boa quitandeira: na ra do Fa-
gundes D. 18.
tar A loja de fazendas da ra do Livra-
monto D. 7 com os fundos pouco mais ou
menos de 2:000. melada a vista e melado a
praso : a tratar na mesma.
tsr Urna venda com poucos fundos cita
em um dos melhores lugares dosla Cidade :
na ruado Rangel sobrado D. 58, de manh
athe as oito horas e das tres as 4 da larde.
BT llm aparelho de cha de porcelana, um
meioditode meza de Iouga verde, um por-
ta licor, um par d>; mangas de vidro c um
de lanternas ambas lavradas e de bom gus-
to e um palanquim uzado ludo por prego
commodo para liquidaga de coutas : na ra
Direita D. 44.
tsr Um inoleque de nago de 15 annos,
cora bastante praticado officiode marcineiro;
um multinho de 10 annos, proprio para
aprender qualquer ofiieio; e urna negrinha
crela de 10 annos todos de bonitas figuras:
na camboa do Carmo D. \\ segundo andar.
tsr Dous eavallos muito barato|: na qui-
na da pracinha do Livramento loja da viuva
do Burgos.
**tsr Botos de o&so gran les, para reguin-
ges um colar de ouro com seus competen-
tes brincos por prego commodo : na ra do
Cabug loja de miudezas D. -4.
tsr Taboado de pinho americano a 50,
muito em
COMPRAS
Escravo do ambos os sexos e tam
bem com officios carpinas pedreiros e fer-
reiros para fora da provincia : na ra da
Cadeia do S. Antonio sobrado de um andar
de varanda de pao D. 8.
cr Duas arrobas de capim bom prefo-
rindo-se o de roga ao de planta : na ra Di-
reita D. H terceiro andar.
tsr Pennasdcemma; quem tiver anuun-
cie sua morada
cr Um habito de Christo grande: quem
tiver annuncie.
tsr Urna negrinha de G a 8 annos: na
ra da Cadeia deS. Antonio D. 7.
VENDAS.
na ra de Agoas verdes D. 10.
or Precisa-se de um padeirc que tenha
bstanle prati -a : na ra Direita padaria De-
cima 10.
tar Hypolheca-se urna caza lerrea no bair-
ro da Boa vista, livre e desembarassada como
se mostrar pela quantia de 550* : no fun-
do da Igreja do Livramento sobrado D. 1 no
segundo andar.
ty Precisa-se alugar duas pelas : na ra
do Rozario da Boa vista caza de duas portas
junto da de vidragas.
srNa ra da Alegra caza pegada ao lam-
piao dffronlc do toco da Gloria, ha quem
faga bolinhos do amendoas de varias qualida-
dtJ podins, cromes de todas as qualidades,
tortas de docese de eremes pasteles e de.
ST Na ra do trapiche novo, segundo
andar do sobrado D. 18 ha urna mulher
de bons costumes, que"se oferece para ama
de urna caza de portas dentro.
tsr O abaixo assignado avisa as pessoas
que tem pinhores em seu poder haja de os
ir remir da dala dcste a 8 dias, alias passar
a ven de-Ios para seu pagamento por isso | do Rangel D. 39,
w Blhetes da Lotera
do Poco da Panella, cujas
rodas andao im preter y el-
mente no I. do mez de
Setcmbro : na ra da Ca-
deia do Recife loja de
cambio do Vieira, na ra
do Queimado loja de Jo-
o da Silva Santos e na
ra do Cabug botica de
Joo Moreira; na ra do
olegio loja do Sr. llene-
zes.
tsr Na ra das Trincheiras no assougue
francez haver amanliA carne de carneiro
muito gorda a 200 rs. a libra carne de por-
eo a 140 rs. a libra e lingoigas francezas de
todas as qualidades.
tsr Vende-se ou hypolheca-se a retro ,
duas moradas de cazas de um sobrado com
um terreno annexo na ra da Guia lado do
norte no bairro do Recife.
tsr 3 escravos sendo um carpina ou-
tro pescador e outro para oservigo de caw-
po tendo conhecimentos de planlagAo em
silio ; man em caixinhas de 10 libras ; e
excellenles pellcs de onga para tapete ; na
ra da Moeda n. 140.
tsr No fundo da ra da Roda um terre-
no com 120 palmos do frente com alicoree
fundado a 10 annos, ecom lio do fundo:
a tratir no sobrado que tem lampiao junio ao
fetreiro.
sr L'ma loja de fazendas na ra do Quei-
mado D. 31 a prazo suficiente dous estratos
de angola, urna marqueza de condur. seis ca-
deirase um canap ludo de palhinha e urna
carteira de cima de meza : na entrada da ra
55 e 00 rs. e dito da Suecia
cont, por se precisar do armazem : por
traz do thealro armazem da parte da mare'.
tsr Urna linda negrinha crela, de 13
annos, cose alguma couza e cozinha : na
ra do Nogueira sobrado de um andar D. 0.
tsr Urna canoa aberta, de amarello nova
mui bem construida, que carrega oito a no-
ve centos lijlos de alvenaria grossa; urna es-
crava de naco de bonita (gura de 50 an-
nos lava de sabo e varrella e vende na
ra : na ra da praia junto a ribeira eslalci-
ro de Joaquim Joze dos Santos ou na ra
velha da Boa vista venda D. 19.
sr Vende-se e afora-se terrenos na estra-
da do manguinho e Capunga tent estes
de fundo de GOO a 700 palmos boa baixa
para capim, e aquelles 200 e tantos palmos de
fundo, plantados de excellenles larangeirasa
maior parte de embigo e algumas outras
fruclas a dinheiro ou a praso : no segundo
silio do lado usquerdo passando a ponte do
Manguinho ou na ra da Cadeia loja de
chapeos n. 42.
ssr Urna bonita escrava de 20 annos, per-
feila costureira faz camisas vestidos o h-
varinto de todas as larguras ; um pelo de 22
annos muito reforgado e de todo o servi-
go ; nmpardinhode liannos, bonito pagem
ou para officio ; um mobque de 10 annos ;
duas negrinhas du 12 a 15 annos ; urna bo-
nita escrava de todo o servigo, lavadeira de
varrella e be quitandeira : na ra do Fogo
aope' do Rozario D. 25.
tar Urna escrava crela com bonita figura,
engomma liso cose chao cozinha e lava
bem de sabao: na ra do Fagundes D 14 en-
trando da ribeira lado esquerdo.
127* Brim branco Irangado de algodio a
320 reis a vara de puro lindo a 800 e a 880 a
vara dito pardo branco a 800 reis, dito de
cores em quadros de puro linho proprio para
rudaque a 400 reis o covado eazineta de de
listra para caiga a 800 o covado, chita com
assento escuro fixos em cor a 180 e 20Q reis o
covado ditas de cores modernas a 210 e a 280
o covado ; chita'azul a 120 e a 140 o cavado ,
panno da costa muito largo a 440 madapolAo
a 5^200 34*00 SGOO a pega ditos finos a 4j
a 1400, superfinos a 4*800 e 5*000 a pegas
e as varas 100 180 200 220 210 al-
gudo-zinho muito encorpado 2*500 dilo a
mericano a 5*200 dito branco americano em
pegas de 25 varas a 0*400 e as varas 280 ,
cassas finas de listra e de quadros a pecas 4*
as varas 400 reis dita bordada 480 camhrah
liza 2*800 reis a pega e as varas 500 dita su-
perfina a 500 bretanha de linho a 500 reis
a vara veludo prelo 3*000 sarja do seda pre- I
la muito larga a 2*000 o covado meias de I
algodo para monimas a 240 reis ditas para >
Senhoras 520 400 o par lengos orancos horda-
dos proprios para Senhora a 520 ditos de se-
da pretos para pescogo de horneen a 1*700 lu-
vas de seda pelas sem dedos a 480, ditas
bordadas de cores modernas 800 de algodao
a 520 chales de seda de muito bom gusto ,
e alem Jeslas um completo sorlimcnto de fa-
zendas por baralo preco o se do amostras pa-
ra os compradores conhecerem as boas quali-
dades : na ra do Queimado vindo da ra
do Crespo primeira loja >, 1 de Teixeira Bas-
tos d C.
ST Urna maquina para copiar caitas
urna burra ludoem bom estado : no Tranicbn
novo n. 10.
tsr Espadas pratiadas para ofli iaes da G
N. : na ra Nova loja de erragomdo Joze Lui/
Poro ira.
cr Continua-se a vender os verdaderos
pos parisienses pugativos, anti-sypbiicos
anti-dar Irosos anti-biliosos com" o compe-
tente receiluario recentemenle chogados de
Franca as lojas seguinles do chapeos no
atierro da Roa visla D lo de Meroz relojo-
eiro na praga da Independencia e na ra No-
va D. 5 de fronte do oilo da Matriz.
tsr Duas moradas de casas na estrada d o
Remedio urna de pedra ecal, c oulra do
laipa: a tratar com Miguel Correia dj Miran-
da no mesmo lugar.
tar Taboado de pinho da snecia costado
costadinho, assualiiu e forro, proprio Dar
cazas e fundos de barricas de Ij2 polegada
a 3|4 de grossura ; remos de faja vergonlas
de pinho e pregos ripais caixes.., e cabeca
de pipa por prega coio/nraodos : no arma-
zem de Joze Antonio da Silva Vianna no forte
do Mallos.
CT Vende-se ou troca-so por urna ncra
moca que Saiba engommar e coinhar urna
multinho de 10 annos : na pracinha do Li-
vrammt-nto D. 21 loja de Joze Joaquim da
Costa.
S2T Corazes azues e encarnados eneas-
loados e com enfeites de bom ouio, colares ,
cordes anelOes moedas encastoadas, um
par de brincos botOes de punho cortados
um rozario cantas do Rio de Janeiro e ou-
tras muitas obras de prata sem feilio : as 5
ponas venda D. 23 onde tem lampio.
v^- Urna canoa nova com o palmos de
oomprida e 4 menos um quarlo do boca, ja
lirompta sendo de um s pao muito pro-
pna para carregar una familia pois pega
ciii 10 pessoas : em fora de portas no esta-
leironovode Joaquim Antonio Rodrigues,
ao p do Pilar e junto ao tanque de agoa.
ssr Assucar refinado muito alvo a 2400 a
arroba e 80 rs. a libra superior cha isson
a 25G0 queijos uovos a 1120, azeile doce de
Lisboa a 4480 e a garrafa a 600, lelria a
260 manteiga franceza da melhor que ha
480, toucinho a 140 e a 120 a libra, e ou-
tros muilos mais gneros : na refinago dos
4 cantos da Boa vista.
tSF Lagedo de Lisboa calgado de dilo,
mann gomma arabia essencia de roza ;
raz de althea ; mercurio; linha de roriz; ce-
ra em pilo ,
trra ; bale
pregos caixaes ,
colheres de
ditos ripares da
Jalfio ; bonets de
oleado com palla ; grvalas de seda ; cha is-
son feijo branco em sacas ; ludo do boa
qualidade e por prego commodo : na ra
do Vigario D. 15 caza de Mondes & Oliveira.
ESCRAVOS FGIDOS.
Ur Desapareceo o cabra Gregorio vindo do
Rio Formozo para esta cidade em companhia
de Manoel Francisco do Mutilo alto secco
do corpo peinas compridas pona do bar-
ba baixo bom corpo rosto cheio de sar-
das : qumi delle tiver noticias o podero
aprehender e mandar en legar em caza do
abaixo assignado que recompensar o seu
traba Iho.
Francisco Gonsalves da Rocha
O abaixo assignado faz sciente ao res-
peilavel publico que no dia 7 de Novembro do
anno p. p. Ihe fugio um escravo : de nomo Vi-
cente, nac-Ao angola de 25 a 20 annos, com os
signaes seguinles: altura regular, peinas tor-
tas pjcambados para fora, tendo varias
marcas de Paridas as pernas c um dos bra-
cos cuju escavo he bastante regrista : Roba-
se a qualquer Capillo de campo ou oulra
qualquer pessoa que o pegare leva-loa seu
Irgitimo Sr Francisco Ignacio de Mondonga ,
morador em Mara farinha ou nesta praga
na ra estrella do Rozario D. 35 que ser ge-
ncrozamente gratificado.
Mael Dias Fernandos
ssr De caza de Francisco Marques Rodri-
gues cS, Irniao : ra do Trapicho quina dos
Tanoeiros D. 12, fugio um escravo prelo,
de angola de nomo Manoel que reprezen-
j la ler 40 annos do idade estatura baixa de
corpo reforgado barriga grande com a cabe-
ga qtiasi toda pellada, o com a cicatriz de um
| grande laido a cima do calcanhar dop direilo,
estando anda em partes aberta por ser a f-
rula feita a pouco lempo, levou carniza de
brim muito suja e calcas de brim pardo,
sojas o rotas rujo escravo he destilador de
agoardente e pertence a Felippe Rodrigues
dos Santos Moura api to do Patacho S. Jo.lo;
quem o pegar leve-o a caza supracitada quj
si'i recompensado.
RECIFE NA TYP. DEM.F. DE F.= 1842


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID ES7CW4E33_XCUYCA INGEST_TIME 2013-04-13T01:58:08Z PACKAGE AA00011611_04775
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES