Diario de Pernambuco

MISSING IMAGE

Material Information

Title:
Diario de Pernambuco
Physical Description:
Newspaper
Language:
Portuguese
Publication Date:

Subjects

Genre:
newspaper   ( marcgt )
newspaper   ( sobekcm )
Spatial Coverage:
Brazil -- Pernambuco -- Recife

Notes

Abstract:
The Diario de Pernambuco is acknowledged as the oldest newspaper in circulation in Latin America (see : Larousse cultural ; p. 263). The issues from 1825-1923 offer insights into early Brazilian commerce, social affairs, politics, family life, slavery, and such. Published in the port of Recife, the Diario contains numerous announcements of maritime movements, crop production, legal affairs, and cultural matters. The 19th century includes reporting on the rise of Brazilian nationalism as the Empire gave way to the earliest expressions of the Brazilian republic. The 1910s and 1920s are years of economic and artistic change, with surging exports of sugar and coffee pushing revenues and allowing for rapid expansions of infrastructure, popular expression, and national politics.
Funding:
Funding for the digitization of Diario de Pernambuco provided by LAMP (formerly known as the Latin American Microform Project), which is coordinated by the Center for Research Libraries (CRL), Global Resources Network.
Dates or Sequential Designation:
Began with Number 1, November 7, 1825.
Numbering Peculiarities:
Numbering irregularities exist and early issues are continuously paginated.

Record Information

Source Institution:
University of Florida
Holding Location:
UF Latin American Collections
Rights Management:
Applicable rights reserved.
Resource Identifier:
aleph - 002044160
notis - AKN2060
oclc - 45907853
System ID:
AA00011611:04773


This item is only available as the following downloads:


Full Text
Anno de 1842.
Quinta Feira 18

I
Todo agora depende de nos meamos ; da nossa prudencia motleuouo e energin : con.
bullemos coeao principiamos e seremoi aromados cumr admirac.io entre as Naces mais
eullas. (Proclamacao daAssembla Geral do iraxil.)
PARTIDAS DOS CORREIOS TERRESTRES.
Cianna, Paraibe e Rio grande do Norte segundas e sextas feiras.
Bonito e Garanhuns u :U e24-
Csbo Serintaaem Rio Formoio Porto Calve, Macei e Alagoas nol. H,
l'ajc 13. Santo Anto quintas feiras. Olindi todos os dias.
DAS DA SEMANA.
4;> Seg. < Aisumpco de N. Srnharl.
m l'erf. Roque F. Rcl. And. do J. de D. da 4. t.
a! Qjarl. S Mamulle M. Aud. do J. de '. da 3. T.
aS Quint. Clara de Monte Falco V. Aud do juii de D. da 2. V
,.! Se*, i. Luii II. Aud. do J.deD. da i'. .
.0 Sab. s Bernardo Ab. Re. Aud. do J. de D. da 3. r'.
\'l Dna. e. Joaqun) Parti 2\ Sra.
do Agosta Anno XVIII. N. \Vl.
CAMBIOS NO DU ll DS AGOSTO.
coinp'a venda.
obre Londres 25 nomi
ii a Tr.ris 300reisp. franco,
Lisboa 41)0 pr ill!) de pr.
Mneda de cobre 4 | or O de descont
dem dclttrudebua-. firmas i e a 1 I
Orno- Moed.dc ,400 V. 1(5.100
N. 6,)J
. de 4,000
1'r.iii Faaeei
. fetos ('uliimnares
nfezicuaa

stiud
J>70
1,870
1,6-MJ
d.?C0
i6,i(iO
9, JO
1.8!(l
1,890
i .fi'JO
i '. 8
Premiar do din IS 4. "a 2 horas r fl m. da anh.i.
J. a 2 horas < 30 ai. da tarde.
PllASES DA LOA KO MEZ DE AGOSTCk
I-ua NoTa a 6 i 0 horas r 59 m, da tnrd
Quarl. cresc. a !3 -- o luirs e 4 ra. da manlii
I.ua clieia a *' -- AsJllioa e ri> ra. da lard.
Quarl, ming. a i'.i s I horas r 30 m. da rcanb,
IHARIO
PARTE OFFICIAL.
GOVERNO DA PROVINCIA.
EXPEDIENTE DO DA 12 DO CRREME.
ODcio Ao commandanle das armas ,
significando quanto a primeira parle do seo
officio de 8 -lo corren te que os concertos da
fortaleza de Itamarac e forte de Gaib de-
vem continuar ser administrados pelo nia-
jor d'artilharia Fernando da Costa, sob dir-
gao porm do capitAo do corpo de Engenhei-
ros Gustavo Adolfo Fernandos Pinhero da
Cunlia ; quanto a segunda, que subsiste o
systema at aqu adoptado para as obras mi-
litares curaprindo em consequencia, que
sejao dirigidas pelos commandantes das forta-
lezas ou corpos onde ellas se eflectuarem
debaixo de inmediata inspeceo do engenhei-
ro ; equanto a tere-ira que convem que
o reparo mandado proceder no paiol do
forte do buraco onde se deposita a plvora
dos particulares seja administrado pelo res-
pectivo cornmandante depois de feitos pelo
referido engenheiro os respectivos exame e
ornamento.
Dito Acamara municipal d'esta cidade
ordenando, quedisponhaoque for necessa-
rio para a celebragao da missa do Espirito
Santo que deve assistir o Collegio eleito-
ral respectivo na igreja matriz de Santo An-
tonio e pefo sacerdote que for disignado
porS. Ex. Reverendissima no dia 18 do
corrente pelas 11 lloras da manha.
Dito Ao Exm. e Reverendissimo Rispo
Diocesano rogando-lhe em consequencia do
que commnica em seo ofilcio d'lioje quei-
ra dar suas ordens para que a supracitada
missa seja celebrada em o supramencionado
(lia na igreja matris cima referida ; visto o
impedimento em que se acha de saltsfaznr
pessoal mente esta disposico da lei; e parti-
cipando a expedieco da precedente ordem.
Dito Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes determinando em atlen-
oaoaoque informou o engenheiro em ohefe
em ofilcio d'houtem datado sobre o requeri-
mcnio deManoel Joaquim do Reg e Albu-
querquo, arrematante das obras de Parna-
meirim e noqual pedia absolvico da mul-
ta que Ihe fui imposta por nao liaver a-
presentado promptas as referidas' obras den-
tro do praso determinado no respectivo con-
tra Ho que a vista do titulo de pagamento ,
que Ihe for remedido pelo dito engenheiro ,
mande pagar-lhe melade da ultima prestacSo,
que se Ihe Jevia fazer; e prevnndo-o de que
aoutra metade Ihe ser entregue, quando
tiver finalisado diversos trabadlos que fal-
to para comprimen (o das referidas obras.
Dito Ao engenheiro em chefe com-
niunieando ter expedido a antecedente or-
dem ; dizendo-lheem conformidade do que
informa a cerca do supracilado requerimento, i
que mande lavrar o competente termo do re-
cebimento das citadas obras e expessa o ti-
tulo du pagamento de inetlade da ultima pres-
Ugo queao suprareferido arrematte de-
via fazer a thosouraria provincial ; e intelli-
geuciando-o de gue a outra metade Ihe ser
entregue quando tiver completado os traba-
Ihos que no dito officio declara S. m. nao
estarem concluidos ; e de que por viles ores-
pons.ibilisar.
DitoAo inspector fiscal das obras pu-
blicas scientilioando-o do conleudo nos 2
officios precedentes.
Dito Ao engenheiro em chefo appro-
vando oorgiwnentoda despesa, que so deve
fazer com as obras necessa.rias no segundo an-
dar dos armazens dolado sudoeste da alfan-
dega para melhor aoommodaco da reparli-
Qfio das abras publicas ; dovolvendo-lho o
jnesmo orea ment
fazer as referidas obras, na f.wjna do rogu- i 111311 lo do seos sidos, a contar de W d'jl-I poclivas despsate a ultimo d
lamento provincial de 2i> de Maio d'esle an- bril am, que forAo mandados para o termo jximo (indo logo que para este
no, intelligenciando-o dG que os fundos a dol.imoeiro o nao del J de Maio, dia em
ellas applicados sero deduzidos da quol ton- que forSo publicadas as suas nomeaeoes para
signada para as despesas evenluaes. os referidos Poslos.
Dilos Ao inspector da lliesouraria das
rendas provinciaes nao Inspector fiscal das
obras publicas communicariuo-lhes o con-
leudo no preceden le oflicio.
Portara Encarregando o capilo do cor-
po d'engenheiros Gustavo Adolfo Fernandes
Pinheiro da Cunha de exerc >r nesta provin-
cia as fu negos que exerce o inspector das
obras publicas na corte relativamente no
Dito Ao mesmo Ex. Snr. prestando
lito a informaeSo que exiga acerca do par
gamentoda quanla de 7'm reis, que reqnv
na o teen le coronel Jilo Francisca de
Mello.
DitoAo mesmo Exm. Sur., para que
se provideneiasse acerca da pagamento de va-
as quanlias que ficaro devendo ao bala-
Iho provisorio, os ofilciacs, que forao
conhecimenlo mciiigao e demarcac/10 dos mandados para a corteemjulho destJ auno,
terrenos de marinha ; devendo regula r-se Dito Ao mesmo Exm. Snr., commu-
nesteservico pulas inslrucces de I de No- nicando-Ihe em addilamenlo ao oflicio precc-
vembrode 1832 do modo que for applca-
vel, e pelas dillerentes ordens c lcis Je
que se Ihe alivia um exemplar.
Olficio Ao capito Anacleto Lopes de
Santa Anna scionlifieando-o de o haver dis-
pensado da supracitada comissilo e de ter
d'ella encarregado o supradito engenheiro ; e
ordenando que a este entregue lodosos pa-
pis relativos similhantc objocto, que
existirem em seo poder.
Ditos Ao cornmandante das armas ao
inspector da thesouraria da fazenda e ao
engenheiro ,em chefe participando-llies a
resolugo, constante do oflicio e portara
antecedentes.
Dito Ao Engenheiro em chefe, ordenan-
do que faga por em execuc-ao o projeclo ,
que aprovado Ihe devolve da ponte suspen-
sa sobre o rio Capbaribe entre a pnvoagao
do Cachang e a estrada do Pao do albo ; e
recommendando-lhe que empregue todas as
diligencias para que se no exceda a quan-
la om que lla foi oreada.
Ditos Ao inspector da thesouraria das
rendas provinciaes e ao inspector fiscal das
obras publicas intelligenciando-os de haver
aulorisado a construco da supramencionada
ponle.
Dito Aojuiz de direito docrime da co-
marca de Nazarelli aecusando recebido n
seu oflicio de 28 do mez prximo passado e
dizendo-lhe que do seo conleudo fira intii-
rado.
Portara Ao director interino do arse-
nal de guerra ordenando que mande a-
promptar com urgencia quatro cornetas de
chave, fim de seren remettidas ao Exm.
Presidente do Rio Grande do norte que as
requisita para a companhia provisoria de ca-
radores de primeira linha all organisada.
Dito Ao vigario da freguesia de N. S.
do Rozario de Goianna approvando as no-
meagao que fez de Guadino Agoslin'10 de
Rarros para thesourero e de Joze Policar
po de Freitas para oscrivo da lotera con-
cedida a favor da igreja matriz daqnella fre-
guesia.
Dito Ao Parochoda freguesia de S. Pe-
dro Mrtir de Olinda participando ter ap-
provado o plano que apresentou para as
loteras concedidas a favor da igreja matriz da
denle, que o aliares Barros, encarregado
do rancho do batallio provisorio, na qtta-
iidade d'agenle quando embarcou para a
corte, ficara a dever ao balalhao das quan-
tiasque receben), a de 282591 reis, e alera
dislo a 011 tros particulares do diversos geno-
ros que comprara para o rancho tu I vez por
nao ter podido saldarsins conlas pelaec-
leridade do seo embarque.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., remellen-
ilo-lhe para ser satisfela a requisigAo dos ob-
jeclos necessarios as tres compauhias do 8.
balalhao de caradores aquaiteladas na for-
taleza do brum.
Dito Ao mesmo Exm. Snr., rogando-
Ihe luuvess de mandar dar passagem no va-
por ao sargento Jo3o Luis da Serra que
hia servir na provincia do Rio grande do
norte.
Dito Ao Exm. BrigaJeiro Antonio Bor-
ges Leal mandando-llie presentar o segun-
do cadete Francisco de Lomos Darle que
se destinara para seo amanuense durante a
commisso de que se achava incumbido.
Dito Ao inspector da thesouraria alim
lo mandar pagar aosofliciaes e mais pragas
de Judio pro
fim apresen,
tar os documentos legaes.
mi u do DU 3.
OflicioAoExm. Presidente da provin-
cia, informando o rcjuerimenlo de Joanna
F. da Trindade.
l:to Ao Procurador fiscal da lliesoura-
rla sobre a Irarfsige da divida da cmara nui-
i| de Olinda con a lliesouraria.
Dito \<> ju/z dos feitos da fazenda sobre
o mesmo objaclo.
dito Aoex-prefeitoda Comarcado Ro
forrooso a respeito do tinas addiees quo
o rospeclivo colleetor de rendas nacionacs pa-
gou de f.ntl.imentes > pragas que Condu-
zirtm recrutas para esta cidade.
REPARTICIO DA POLICA.
Parle das occorrcncias do dia 16.
O Commandanle geral do corpo polical par-
teeipa (neo commandanle da guarda da R-
b-ira da freguesia da !{oa-visla f-rendeo um
Inglez por brigar com sua mullier.
lx;kiui..
do oitavo batallio de cagadores aqui desta-
cadas.
Dito Ao commandanle interino da for-
taleza do Itamarac coiicedendo-llie a per-
misisio de hir a villa de Iguarag onde li-
nha de votar no collegio eleitoral.
Dito Ao subdelegado do termo de S.
Lourengo aecusando o recebimento do de-
zerlor Clemente Joze da Costa.
THESOURARIA DA FAZENDA.
EXPEDIEHTE DO DIA 1. DO CORREKTE.
mesma freguesia ; o remettendo-llic copia
authentica do mesmo,
regule.
para que por ello se
COMMANDO DAS ARMAS.
EXPEDIENTE DO DIA i 1 DO CORRENTE.
Oflicio Ao Exm. Presidente remet-
lendo-lhe para seremencaminhadas a repaiti-
go de guerra ,. as fe"s de officio dos Capel-
les e cirurgies do exercito que compa-
recern peranto acomssao qualificadora do
suas capacidades e idoneidade.
Dilo Ao mesmo Exm Snr. transmit-
tindo-lhe informado o requerimento do capi-
to Aratijo Galvo e alferes Guedes Alcan-
forado do balalhao de infanlaria de guar-
oidenaqdo, quo mande da nacional destacado que pedio o paga-
OiTieioAoExm. Presidente da provin-
cia informando o requerimento de F. X. Ma-
lillas. ,
f)|i0Ao commssaro fiscal do ministe-
rio da guerra para tomar conla por um in-
ventario de todos os documentos papis o
Ivros do archivo milliar que se achava a
cargo dos ofliciaes da contadura encarrila-
dos da contabilidad); militar.
Portara Ao segundo escripturirio da
Contadtria encarregado da dila contabilida-
de para salisfazer oque o oflicio preceden-
te determina.
IEBM DO NA 2.
OflicioAoExm. Presidente da provin-
cia informando o requerimento do segundo
lente da armada E. da R. Mandes.
Dilo Ao inpeclor da alfandega man-
dando em cumprimento do officio do Exm.
Presidente da provincia, por a disposigao do
engenheiro L. L. Vauther, o armazem
desocupado do ultimo andar da alfandega,
que lica entre os dous torrces da parte do
mar.
j)t0 Ao contador da thesouraria sci-
entiicando de que tendo o negociante .1. R.
deOiiveira testamenleiro do faleCdo E. de
S. L. Brandfto continuado a fazer a Ilumina-
cao .ios corredores do palacio do governo ,
deve ao mesmo negociante pagar-se as res-
111A M. A.
Paris Mdc Junho.
O re. recebeu a resposla do reida Succia .
e Noruega do rei de Hollanda e do princi-
pe hereditario co-regenle do elelorado de
Ilesse, a notificarlo do nasdmento do condo
de Eu.
O ministro do grao-duque do Badn entre-
gon no rei una cala do seu soberano parli-
cipando-lho o casamento de sua filha como
[irincipe hereditario de Saxe Coburgo Gotha.
O visconde da Carreira entregou igualmen-
te aS. M. tima carta da Sua Soberana, par-
ticipando liie o nascimento do seu lillio o prin-
cipe !) Jofio.
Decrelo da dissolucao da cmara dos de-
pittadot.
Lui/. Filippe rei dos francezes, a todos os
presentes e vindouros saude.
Visto o artigo 42 da caria consttuicional ;
vista a lei de JO de Abril de 1851 temos
mandado e mandamos oseguinte.
Art. I. Acamara dos Reputados fica dis-
solvida.
Art. 2." Sao convocados os collegios elei-
toraes para de Jullio prximo a fim de ele-
per cada um delles um dcpulado.^
Os dous collegios eleitoraes de Corsega s8o
convocados para 12 de Jullio com O mesmo
fim.
Art. ">. A cmara dos pares eadosdepu-
tados ficam convocadas para odia 3 de Agosto
prximo.
Art.. 4." O nosso ministro secretario d'es-
tado do interior se encarregar da execugo do
prest nte decreto.
Palacio de Nevilly 12 de Junho de 18*2.
rr: Luiz Filippe. = Pelo rei o ministro do in-
terior T. dudiatcl. i Messager.)
IESPANHA.
Madrid 20 a 21 do Junho.
Tinhatn-se aborto as cmaras no dia 20 ,
depois do lerem suspendido as suas sesses
durante a crise ministerial. Nao se tractou
em nenhuma ('ellas de assumplo de maior
importancia. O programnia do ministerio ,
apresenlado no congresso pelo marquez de Ro-
dil em poucas expresaoes e algum tanto vagas,
era o thenia da mprensa peridica dos difle-
rentes partidos. O discurso do maiquez de
Rodil reduziu-se ao segunlo:
Srs. Os novos menistros bem identi-
ficados com a constiluico de 187 e com os
grandes aconlectraentos de Setembro profes_
sam do coragao como sempre professaram


'L
,..,,, i' ._ SSg
2

e se propoem a seguir os mesmos prinripios
que sustentaran) ascrfes actuaes. Inde-
pendencia nacional, libordado c ordem publi-
ca, legalidade e juslice, economa, mcthodo
o noralidado na administrago : avanzar
quando seja possivel na carreira dos melhora-
mentos scro constantemente os principaes
objechs do novo ministerio o qual para
os conseguir conta e confia com o apoio dos
representan l-s da naco, c com o patriotismo
de todos os bons espanhoes. Tenho dito. ,,
As noticias das provincias nao eram satisfa-
torias. Alm dos repetidos ataques contra a
seguranza por parte dos bandos de salteado-
res em difieren tes pontos notavam-se symp-
tomas do turbulencia. Em Figueras tinha ha-
vido tumulto, no meio do qual su deram vivas
sediciosos no sentido das opinies mais exag-
geraJas. Tinham-se tomado as medidas pa-
ra evitar as consequencias de lo grande ex-
cesso c o governo mandava proceder rigoro-
samente contra os perturbadores da ordem
oatabeiecida,
( Diario do Governo. )
A RUMIA CUltlSTINA V D. CARLOS.
O nao apparecimento de observago algu
as folhas Francezas sobre a carta escripia
pela ex-Rainha de llespanha a D. Carlos .
publicada no Evening-Miil de 10 de
Junho p. p. bom se pode dzer que estabelece
a sua aulhenlicidade. Airida nao se obteve
copia da resposta daquella carta da parte de
D. Carlos mas o llieor geral d'ella pode ser
deduzidoda seguinte por ser a segunda carta
da Rainha Christina a seo cunhado :
A. S.A. I. D. C. Inf. de Hrsp. &c.
S?bero que ainda incoimnodada d'uma
leve indisposico respondo por meu punlio ao
officioquo D. A. T. me. entregou n'uma audi-
encia q' me aprouve conceder-llie para esse fim.
Passo em silencio os pontos da proposta que
me siibmedesteis no vojso officio a cima men-
cionado aos quacs n5o tenho objeges a fa-
zer eso enumero os que me parecem sus-
cepliveis ou dd consideraYcl modificago ou
de total rgetelo.
Annuirei ao casamento que mepropondes,
entre minlia Augusta Filha a mui legitima
Rainha de llespanha e S. A. o Principe das
Asturias. Com quanto este assentimento da
mirilia parle va de encontr aos designios
d'um throno poderoso concebidos lia muito
tempo todava devo adherir aos vossos dse-
jos pela prosperidado dos meus muito amados
subditos e pela forgs das circunstancias A-
praz-me dar-vos esta prv nao equivoca da
minha nfleigo : e pon.leraida vossa parle
n'esla concesso eminente que me cabe
quer romo Rainha quer como Mi dando-
lhe o justo apreco que ella merece.
Com tu lo quero que esta allianca nao se
conclua seno m anno depois da derrota d'a-
qnelle que usurpou lodos os meus poderes-
poderes que me dvem de ser restituidos ape-
nas se roslabclega a paz.
Poslo que como srva do Senhor eu res-
peite os infortunios al d*aquelles que pade-
cerlo por vos todava nao posso acceitar por
condigao que sejSo reintegrados nos eminentes
cargos pblicos ; e islo tanto menos quanto
as Corles da llespanha Constitucional nao p-
lcm ter con llanca ein Ministros que a alguns
respetos nao poderio dcixar de ser-Ihes sus-
peitos.
tara se houvesse mister de provar a V. A. -
15. que nao he das pionas inlences privar, a
llespanha d*uma constituir o, ao mesmo passo
que devo confessar que aquella que est actu-
almente em vigor na llespanha carece d'al-
guas modific ico.s ou mesmo de reformas.
i Apraz-mc acreditar que depois d'uma
reflexo mais madura adoptareis meios mais
brandos : o tempo adianla-sc e va c no
seu progresso arrastra-nos e manda imperio-
samente ; forra pois que Ihe prestemos lima
certa obediencia.
Tambem desejo que todas as ohecces
que vos hei feilo sement depois d'um mui
maduro exame de todas as particularidades
da vossa proposta posso ser apreciadas no
seu justo valor c que sem mais hesitar co-
Tncceis pela empreza entre nos ajustada a re-
generarn d'um paiz que nos igualmente
caro.
VoSSS Affeicoada.
M C. >.
H d'Abril.
( F.vcning Mail. )
Periodo Fatal Dentro do periodo de 100
lloras observa o Mensageiro deGalignani
oCcorrerao trez das maiores calami ades d'esle
ou d'outro qtrtfquer seclo f a saber, o in-
cendio de Hamburgo a ;> de Maio ; o terre-
moto de S. Domingos a 7. e o falal accidente
do caminho de Versalhes a 8 do m%mo moz.
( Evening Mail)
NOTICIAS Ei.EJTORAES.
A apiirncSo nos Collcoso do Recife Olinda, Igua-
rassi'i (roinnna Nazareth Pao do Alho l.-
mociro S AntSo, Cabo, c Rio Formoso
d seguidle resultados; a saber: os Srs.
flarSo da Toa-vista
Dr. Sehastiodo Reg Barros
Dr. Pedro I'" de P. C. d'Albuqiierque
Dr. Amonio P Maciel Monteiro
Hr. Alvaro B. D Cavalrante
Dr. Luiz de Carvalbo P de Andrade
Dr. Joze Thomaz Nabuco de Aran jo
Dr Manoel Joaquina C. drdinha
'r Flix l'eisoto de Zrito
nr Joo Joze Ferreira de Aguinr
Drzembrgador Manoel Ignacio C. Lacerda
IV Manoel Mendes da C Aznvcdo
"r. Francisco loo C daC.
Dr. Joo Joze Pinto
Dr. Jo;iqiim Manoel Vinira de Mello
Dr Agostinho da Silva Noves
Padre Venancio H. de Rcsende
A ntodio Gomes Leal
Dr. Jonquim Nunes Nacbado
Dr Urbano Sabino P. de Mello-
P F. Antonio Joaquim de Mello
Dr. Antonio Aflnso Ferreira
Dr. Caelano da Silva S. Thiago
Padre Miguel deS Lopes (iana
Manoel Ignacio de Carvalbo Mcndonca
Joaquim Joze da Costa
AflSCELLANEA.
621
6H
50ti
327
814
285
274
267
256
346
240
230
22ft
22?
22>
210
204
203.
198
IG8
15
I (50
153
145
139
Lista de 4 collegios recebidos
boje f 17).
o
a
<
o
-c
Z 6.
1
o
u
a
<
c
08.
I
s
Bario da Boa-visla 47. 48. 08. 82
Dr. PcdroF de Paula Cavalcantc 43. 35. 45. W
Dr. Seliaslio do Reg Marros 41. 22. 59. 80
Dr. Joaquim Manoel Vieira de Mello 89. II. 2. 29
Dr. Manoel Mcndes da C Azcvcdo 35 9. 3 18
Dr. Francisco Joo Carneiro da C. 35 17. II.
Dr. Joo M. da R. W.
Dr. Alvaro B Uzoh C
Dr. Joo Joze Pinto
Antonio Gomes Leal
Dr Urbano Sabino P. de Mello
Dr. Joaquim Nunes Mazado
Dr Joo Antonio de Souza Bel'.rSo
Dr. Agostiobo da >ilvaNeves
Dr. Feliz Peivoto de B. M.
Dr. Antonio P Maciel Monteiro
Dr. Antonio //apiisla Gtirana
Dr. Manoel Teizcira Coimbra
Padre Mi.uel do S. Lopes Gama
Dr. Filippe C. d-s Olinda
Dr Remado R. da S. Pereira
Dr. Joze Thomaz N. de Araujo
Antonio da Costa R Monteiro
Dr. Jernimo M Ficueira de Mello
8.
ez Manoel I Cavacante de Lacerda 7.
7.
It.
5.
6.
32. 26. 0.
31. 4. 26.
29. 28 13
21 21. 18.
21. 7. 21
18 10 19-
17. 4. 3
17. II. 46
17 35. 31
16 30. 55.
14. 23. 9.
12. -
11. -
II 12.
10. 17.
9. 41.
8. 3
1.
3
12.
7.
2. 40.
4. 8
29. 5
22 20
21 -
18. 12.
14.
32.
7.
35.
10
1.
Joaquim Joze da Costa
Apolinario Florentino de A M.
Dr Luiz de C Paes de Andrade
Dezembargador Joze Lilunio de S-
Dr. Zacaras de Goes V.
Dr Joo Joze Ferreira de A guiar
Dr. Aleandre B dos R. e Silva
Dr Manoel J C da Cunha
Dr. Antonio Aflonco Ferreira 18 17. 20
Dr, Francisco de P R. de Almeida 15
Manoel Ignacio C Mcndonca II. 10. 7
Padre Venancio H de Rezeude 10. 43. 4
Dr. Joze B de Figneredo -10 -
Leonardo ^ezerra 9. -
Procurador Fisoal A. J de Mello 9
Dcz. Joaquim T Peizoto C
Antonio Joze de liveira 6.
Vgario t-rancisco Ferreira /Jarreto 6.
loze Pedro da Silva 5.
Manoel de S. Teizcira 5
Or Cneiano da Silv* S Thiago 6
Padre Luiz (J C da Silva 3.
Dr- Padre Francisco M. Tnvares 3.
Dr. Frnciseo D da Silva 3
Dr Joze Filippe de Souza Leo 5
Dr Manoel de Hollanda 2. -
Antonio Joo de Mello I -
Dr. Jo/.c//enloda C. Fignereido I. -
Dr. Joaquim C de^raujo 1. -
"r Jernimo Villa de C. T. 1. -
Vigan'o Francisco M. Barros 1. -
Francisco de B. Cavalcantc I. -
l.aurenlino A. P. de i.arvaltm 47.
Dr. Hcrcnlana G. da Rocba 10.
Dr Filippe i.oiics Nctto 6.
Dr. Joaquim E do R. Dantas 3.
Dr. I omingosde Souza Leo 2.
Dr. Padre oaquim F. de Faria 2,
Dr. Custodio M da S. Guimarcs 2.
Dr. Joo Ouerino -
Padre Luiz I de A. Lima -
rj-, rrancisco X. P; de Hrito -
0ze Joaquim Coelho -
15.
9
4
5.
3
35.
2
7.
7
30
36
I
II
1
8
70
3
2
33
Va lista de Colana publicada onlem fallou a seguirte
votaco.
Dr. Jos Renlo da Cunhha Fi^uciredo 1
Dr. Filippe Carneiro de Olinda
Dr. Jo. lilipnc de Souza L-o
Dr. Zacaras de Goes e Vasconcelos
Apolinaiio Florentino de A M.
Dr. Domingos de Souza Leo
l ir. Joo Paulo dr. Carvalbo
Dr. Manoel Mendos da Cunda A/cvrdo
Dr. Joo Mauricio da R, \\ .
Dr. Francisco Carlos Z/rando
Dr Jos Micolau Rigucira Costa
Dr Joaquim Manoel V de Mello
Dczeinclaigadoi Joaquim Texeira Peizolo
Dr Francisco Domingues da Silva
Dr Francisco Xavier Pereira derrito
Francisco fie Paula Cavalcanti de Lacerda
Visconde ile (loiana
Antonio Carneiro Mazado Rios
Dezembargador Jo L. de Souza
DA EDUCACAO PHYSICA E MOR Al- DA
INFANCIA,
r
Os Legisladores da anliguidade eram mais
sollicitos, mais pbilosophos que os moder-
nos quasi que tomavam o homcm no b'rgii
nara desde ah o irem amparando dirigindo.
cultivando c indireitando para a virtude ,
Dar bem servir a patria ; similhantemente
ao cultivador zeloso c discreto, que nao
oerde de vista a planta apenas sabida da ter-
"a conduzindo-a recta o bem disposla pa-
ra dar sasonados fructos e enlevar os olhos
pela belleza de sua folhagem de sua brlhan-
ie copa e de suas flores. Assim procedram
Cycurgo Platao Soln e outros na Creca
Numa m Roma. Nos os presumidos do pro-
zresso abandonamos aodesleiso ao capri-
cho e peior que tudo aos mus exemplos es-
ies amavois pequeninos entos, em cujos co-
'aeoes como em cGra branda se imprimen)
indfstinctamonte o bem e o mal, antes de te-
rem a conscioncia de un e outro ; que bar-
bardad eque responsabilidade !
O Panorama tem j por vezes apresentado
documentos e preceilos d'educacAo em ge-
ral e nSo desistir do proposito em que est
le clamar sobre esta primeira e mais im-
oorlante das obrigaces naturaes c sociaes :
< tendo recolhido urna collec^o de mximas
de auclores conspicuos que tem escripto sobn-
a materia asir publicando de lempos om
lempos como se fossem despertadores so-
ando peridicamente aos ouvidos dos pas e
mies de familia. Primeiramsnte
Sobre a educado physica.
o N;io tinha raso disse Plutarco esse
bio da anliguidade o Thebano Crates .
quando dizia que se fosse posaivel subira ao
logar mais elevado da cid^de para grilar: que
fazeis vos nfelizes ? Vs que empregais to-
los vossos cuidados em amontoar riquezas ;
de vossos lilhos, aquelles a quem as deveis
de i xa r apenas vos oceupais !
Plato. Quanto mais urna planta boa
na sua especie e um animal de boa raga ,
tanto menos aproveitar menor prco vale-
i' ; se a trra a cultura a estarlo favora-
vel, ou a nutrico eos cuidados Ihes falta
rem. O homem nao deve sar exceptuado des-
a regra.
Fenelon. 0 que mais que tudo conveni
nos primeiros annos da infancia ccotiomisar
i saude dos meninos tratar de fazer Ihes ad-
quirir um sangue puro e bran lo pela esrolha
los alimentos, e por um rgimen de vida
simples ; regular suas refeices de surte que
comam quasi sempre s mesmas horas e as
vezes necessai ias ; que nao se Ihes d comei
fura deslas occasiGes porque isso Ihes sobre-
earregaria o estomago e perturbara a di-
gesto ; que se Ibes vedem manjares exquisi-
tos ou de gosto excitante porque isso os
(aria comer de mais e os desgostaria dos a-
limentos simples.
Racen. iJma arle existe destinada a for-
mar o espirito tanto como a afei$oar o cor-
po ; proporcionar o exercicio s forcas o
dar tregua aos esfor^os.
Goguet. Conforme as leis de Minos, a
vida dos meninos dovia ser dura e sobria.
ostumavam-osa se contentarem com pnuco
a soffrer o frioe o calor a caminhar sobre
chao spero e pedregoso e a vestir sempre do
mesmo modo e com vestidura simples e li-
jeira d'invernq e de vero.
Locke. E preciso que o alimento das
eriangas seja commum e o mais simples: o
mHhor seria nao se Ihe dar a comer carnes
seno depois de passarem os doisou tres annos
de idade ; sua saude passaria a ser mclhor ,
seu temperamento mais vigoroso enlo c em
todo o decurso de sua vida. So um menino
vos pede de comer entre as horas para isso
destinadas, nao Ihe deis mais do que pao so-
co. Se isto por ter fome, elli o comer
muito bem ; s<* por vicio ou golodice pouco
importa que o nilo coma. Bom acostumar
os meninos a se levantarem cedo ; e para isso
6 preciso que se deitem logo noite. Nao es-
traguis a constituigaode vossos fllhos por de-
masiada ternura, ou indulgencia. Estecon-
selho respeita principalmente, s mSer.
I Coldsmilh.Exercicio e temperanca so
} Jos ilois polos sobre que repousa a educaco
corporal da infancia.
Svlgn. Se vosso filho forte c bem
constituido a educacAo prosseira boa: mas
se delirado vede o nao fagis morto que-
rendo-o fazer robusto.
Fleury. Para conservar a saude < hom
anda sempre limpo, respirar ar puro, beber
boa agua nutrir-S de manjares simples:
nao deve cessar-se de repetir isto aos meninos
at que o aprendam de cor. Ensinai-us a fa-
zer tudo o que for preciso e rasiavcl fazer:
eslar de p interromper a comida traba-
Ihar a qualquer hora cortar o somno o
saltar fura do leito.
(OPanoranu.)
A' PEDIDOS
Os ahaxo assignados pastageiros do por-
to de Pernambuco para esta corte de Lis-
boa em o frique Conceicao de Maria al-
tamente penhorados do melindro e excediente
trato que receberam em toda a viagem do seu
digno commandanle e piloto Ihe agrade-
ce m cordialmente es obsequios que em geral
o em particular por elles Ihes foram presta-
dos desde a sahida daquclle Porto at fu tild-
ar ueste, e deaejam por lodos os modos,
em toda a parte dar urna demonstrado pu-
blica da sua gratido, e reconhecimelo, birn
como nao podessem dcixar de fazer patente
as boas qualidades da embarcaco tanto pe-
los sens commodos como pela sua boa car-
reira : e se a viagem foi mais larga nao se
deve altribuir seno s grandes calmas o
ventos contrarios que para isso concorreram.
Lisboa 2o de Junho de 1842. D Barbara
Francisca Xavier de Alados Moura D. Ne-j
pomucena lldefonca de Moraes Sarment
J. J. L. letrhil Jos Maria Pereira da
Silva c Souza Jos Joaquim da Silva
Maia Manoel Andr Gomes Lima An-
dr AI ves Ros Francisco de Miranda Le-
al Seve Luiz Antonio da Cunha Ma-
noel dos Santos Jos Eugenio da Silva
Ramos Manoel Pereira de Carvalbo Joa-
quim Jos da Fonceca = Joo da Silva Ra-
mos.
( Nacional )
VAR1EDADE.
No meio de tanta poesa fantstica tanto
cont fantstico e tantos fantasmas impres-
sos com que todos os das nos querem espan-
tar tantos novelleros e noveladores que
ho invadido as typographias do mundo; lem-
brou-nos tambem ir buscar Allemanha, que
no maravilhoso a nica litio-atora que o a-
resenla original sensato ( so o pode ha-
ver) e moral urna (anlasii do arelii-laiiL.--
magorico lloffman o primeiro dos sonhado-
res com a penna na mao cuja originalidad
ainda nao poderam imitar os imitadores;
por quanto a originalidade exactamente a-
quilloque os imitadores nao podem imitar
por mais que queiram. E' o seguinte :
O rellexo perdido.
Confesso Fre erioo redarguiu Erasmo,
que nao me dado divertir-me no mesmo tom
que vos o fazeis todos, mancebos joviaes e
folgazOes. Bem sabis que di'ixei na Alle-
manha nossa patria urna esposa amavel
que amo com todas as veras do meu corugao,
e nao quero offend-la na mnima cousa.
Vos sois solleiros podis divortir-vos von-
tade ; mas um pai de familia... Urna e;-
trondosa risada soltaram todos os mancebos
ao ouvirem estas palavraspaide familia, que
Erasmo acompanhou de certa gravidade no
seu ar e rosto pmzentciro do- mancebo alegre.
Acompanheira de Frederico a quem este
Iradu/.iu em italiano o que Erasmo acabara
de dizer em allemo Ihe disse desdenhosa :
Anda frgido e misntropo allemao que
ainda nao viste Julietta.
Neste momento ouviu-se algum rumor e
viu-se apparecer urna elegante rapariga em
extremo linda.... Julietta Exclamaram
as outras com alegra. Ella, cuja formosu-
ra sobre humana.eclipsava a das outras dis-
se com voz dulci.ssima : Permitt-me ga-
lantes mancebos J Allemanha que tome
parte no vosso divertimento. Irei senlar-me
aop daquelle que o nico que de todos
vos" anda nao tem Companlicira.o E chegan-
do-se para Erasmo com a maior graca to-
mou asscnlo na cadera que este tinha a seu
lado a nica que na sala eslava desoecupada.
A este tempo j Erasmo eslava atnito com o
que va ; e quando Julietta st chegou para
elle a respiraco Iho ioou embargida por
um poder incomprehensivel-, fit u os olhos
nella ; os labios descorados e semiabertos ,
immove! nSo ntinava coma menor i lea.
Ent3o Julietta tomn um copo cheio de ge-
i!
nerosovnho e a presen Ion o a Erasmo com
Quintiano. Se nao podis alimentar um meigo sorriso-: c elle acceladO-o sen-
vossofllho, escolhei amas sas e virtuosas : | tiu oconhclodelieiosodosseos dedosde n-
no consintis que estas contra faram a voz va. Beben, o em quanto luida era fogo
e estropiem a linguagem com pretexto de se que lho coava as veas Queris Ihe pea
amoldarem comprehenso dos meninos. jguntouclla que cu seja a vossa dama ?


IS
\
S!
O louco enamorado deixou-se cahir delirante
aospes da encantadora fada e pegando-lhe
nasduas mos litas aperlou do encontr ao
seu peito exclamando : Tu es a que eu
sempre hei amado Tu anjo dos cos eras a
quo em meus sonhos via ; tu minlia vida ;
minlia ventura meu pensamento.....
l;m da Frederico a quom Erasmo li-
nha deixado de procurar, encontrou-o na
ra. Querido Erasmo disse-lhe elle nao
possodeixar dnaproveitar estaoccasio pa-
ra lo dar um aviso que a nossa amisade exi-
ge. Dizem-se cousas singulares da t ta for-
mosa Jutietta : falla-se de um Dappertutte .
homem terrivel, quo vende essencias diab-
licas por vii tude Jas quaes essa irrcsistivel
corteza exerce um poder sobrenatural : p qui'
em tisecomprova. Quanto ests mudado!...
J nao te lembras da tu* linda o virtuosa es-
posa ? Erasmo tapn a cara com as mios
de envergonhado pronunciando entre solu-
tos o nome de sua mullier.
Vamo-nos desta cidade Erasmo.
Sim Frederico dizes bem ; partirei
hoje mesmo.
Mas Erasmo voltou para o p de Julietla :
e n'um passeio que ambos deram t lie ma-
tou raivoso um mal que o tinha provocado...
Dispertando como de um letbargo profun-
do achbu se Erasmo nfto no centro de um
carcere mas n'uma cmara elegante reca-
mada de aderemos recostado no regado da
sua linda Julietla. Esta amavel seductora
vendo-o tornado a seus sentidos pronunciou
em tom de senlidissimo qu ixunie ; Ingra-
to '. ingrato allemo Quanto me cusas ?
Nao estas seguro em Floivnca ? no te agra-
da a Italia ? Queres partir, e ifio sem amor
me deixas ? E' Ama que me fujas a mim que
te amo tanto ?...
Nao nfto prorompeu o enfeiticado
amante. Quero licar. Nao vale mais o mor-
rer quo deixar-te!
Pareceu-lhe en lio ouvir o magoado som de
urna voz dbil e chorosa que pronunciara 0
seu nome. Era a voz da sua saudosa esposa.
Erasmo emmudeceu.
Julietla disse-lhe em tom lgubre e estra-
nho : <( Pensas em tua mullier Erasmo ?
Nao lardars a esquecer-m...
Jamis jamis! gr.tou Erasmo. 0-
xal qu* eu todo fosse teu: alma e vida para
sempre todera.
Por acaso so passiva esta scena diante d'am
rico espelho, alumiaio com profusio de u-
zes por todos os lados. Julietla lancou os
bracos ao pescjgu de Erasmo e disse-lhe
com ternissima voz :
Ao menos ,' meu querido deixa-me a
tua imagem que se reflecte naquelle espe-
lho ella nunca se apaitar de mim.
Que dizes Julietla replicou o ad-
mirado mancebo o meu reflexo desse espe-
Ibo. E no (nlanto olhava como a luz re-
produzia no vidro a sua imagem e a de Ju-
lietla estreitamente abracados.Gomo pre-
sumes tu guardar o meu reflexo que me a-
companha sempre, que me retracta em cada
superficie lisa em cada lmpida fonte ?
J me nio amas Erasmo. J nem so
quer me coacedes essa sombn tua que se v
nesse vidro Tu que dizias, me queras dar
a alma e o corpo! Nem ao menos queres que
a la imagem fique comigo para acompanhar-
me as angustias de urna vida que ser pa-
ra sempre infeliz pois me deixas ?
Edosolhos prelos da bonita Julietta bor-
bulhavam ardentes lagrimas que lho real-
cavam a beileza. Erasmo arrebatado de pe-
na e de amor exclamou :
Pois forcoso deixar-te Julietta? Ah !
lica lica com o meu reflexo c para sem-
pre.
Isto apenas dito Julietla larga sbitamen-
te o pescooo de Erasmo eslende os bracos
para oesptlho e o pasmado mancebo viu a
sua imagem reproduzir-se independento de
seus movirnentos parecer tomar corpo pas-
sar do vidro para os bracos da infernal belle-
za e desapparecerom lia no meio de um
fumo espesso entre mil voes agudas e ui-
vos feroz.es, que sobresaiam por meiode hor-
riveis a pupos e risadas de urna legifto de con-
dem nados.
De volla para a sua patria Erasmo dete-
ve-se para comer n'uma povoaQao de transi-
to. Sbntou-sa mesa dos viajantes asss nu-
merosos nesse da sem reparar que bam
defronte da sua cadeira eslava um grande es-
pelho que a lornava a parede. Um maldito
criado observou que o reflexo da cadeira em
que Erasmo eslava sentado apparecia vasio
no espelho e communicou este descohrimt.'n-
to ao visinho de Erasmo ; este a outro o
correndo de boca em lioea chegou aos ouvidos
do allemfto o surdo murmurar de todos os n-
gulos da mesa. Olhavam para o espelho, de-
pois para olio outra voz para o espelho de
novo para elle ; o (piando o pobre Erasmo
caiu em si achou-se agarrado pela mo de
um homem grave que. o levou para junto
do espelho fatal c certificado por seus pro-
prios olhos disse para oscircumsUntes, quo
era certissimo quo aquello homem nao tinha
reflexo.
Gritaram todos despropositadamente :
Est lomado do diabo Fura com o pos-
sesse.
Repetia-se do todas as partes.
Erasmo cheio de colera retirou-so para seu
quarto ; mas anda bem nao tinha entrado,
quando o vier&o notificar da parte do respec-
tivo magistrado, que dentro de urna hora se
apresentasso com o seu reflexo proprio e in-
tacto alias saisse inmediatamente da ci-
dade.
Nosso homem leve pois que por-se logo a
caminho corrido pelos apupos da popula-
ba que vocifera va atiaz del le : Ah va i o
feiliceiro que venden o sen reflexo ao dia-
bo
Restituido sua patria e familia que fes-
tejou osen regressocom o maior alvorogo ,
pensou Erasmo que bem podoria encontrar
entre os prazeres domsticos de sua amavel
esposa e lilhinho, a consolac^o de que care-
ca pela perdado MNl reflixo.
J se havia esquecido da bonita Julietta .
quando um dia sua mulher que lbe viu a
cara cheia delataos pelas raftosinhas sujas do
pequeo Erasmito correu a buscar um es-
pelho para que o pai visse o estado cm que o
tinha poato a galantera do pequenino tara-
Ihiio. Erasmo todo entregue aos aflectos pa-
ternaes, niodeu por sua mulher que lbe a
proximava o vidro fatal. De repente um gri-
to espantoso de sua esposa o despertou. Ella
havia cado no chao sem sentidos.
Acudiu elle a soccorre-la ; porem tendo
tornado a si sua mulher exclamou : Dei-
xa-me deixa-me, homem horrivel. Tu
nio oras tu : nao oras elle nao : nao eras
meu marido era* um espirito infernal que
intentavas perder-me. Deixa-me, que nfto te
concedo imperio sobre mim maldito! Suas
vozM eram taos que todos seus visinhos a
ouviram e Erasmo saiu de casa sem acc r-
do e furibundo.
epois leve que lutar com terriveis lenta-
ges de Julietta e Dappertute de quo o sal-
vou a apparico aerea de sua mulher.
Ento elle ouviu em torno de si os altitos
las corujas ullularem as almas dos condem-
nados e outras dissonancias horriveis. E
Julielta o Dappertute desapareceram no meio
de um vapor ftido que saiu da trra ,
e escureceu o ar.
Erasmo porigrinou muito tempo e nao
0 Pipas com vinho 85 barris rom vinho ,
1 caixa com doce 50 barris com manleiga ,
2 caixas com chapos, 79 pedias 8 meias
pipas com vinasro, 50 canastros com batatas,
Manoel Goncalves Vianna. <
09 Moios de Sal, 132 saccas com feijo,
Mendos & Oliveira.
12 Caixas com toucinho, Francisco Joze
Rarbosa.
10 Pipas com vinho A. Schramm.
1 Barril com carnes, Manoel Ferreira, A
Lima
10 Pedras de cantaria, 2 caixas com vidros,
30 barris com azailo Francisco Sevcrian-
no Rabello.
Fora do manifest.
2Rarris, 2 fardos, 2caixotes, 5 volumes,
1 barrica ignora-so Thomaz d'Aquino
Fonceca.
26 Volumes ignora-se, Antonio Mara
Marques Ferreira.
4 Caixote ignora-se, Albino Joze Ferrei-
ra da Cimba.
2 Barricas ignora-se, Joze Antonio Falcio.
10 Caliles ignora-sc Manoel Joaquim
Rernardes.
1 Fardo ignora-se-, Francisco Scvcrianno
Rabello.
l Caixa ignora-se Joaquim da Silva
Castro.
1 Caixa ignora-ie, Elias Baptista da Silva.
1 Barril com carnes, J Francisco Belem.
1 PorcAo de cebollas 2 barris com vinho,
I sacca com grfto dobico, ordem.
A Barca Inglesa -- Elisa Johnslon -- vinda
de Liverpool entrada uo crrante mez con
signada a Johnslon Paler & Cnmpanhia
Manifestou o segiiinte.
91 Tonel. decarvSo da podra Joaquim
Baptista Moreira.
87 Gigos rom louga lo barricas com lou-
ca Fox & Irmos.
2 Caixas com livros, P. Furby.
10 Volumes com drogas, 2 barricas com
drogas i caixa rom papel & drogas, 6 gigos
com garrafas a W." May.
27 Barricas com ferrapeus 2 barricas com
vidros 50 embrulhos com pas de ferro 4
fardos com fasondas de laa 14 fardos com fa-
sendas dalgodfto 600 caixas com sabao a
Johnston Pater & Companhia.
14 Caixas com fazendas d'algodSo a R.
Royb & C.
barrica com ferragens, 4 cax&es chapeos,
00 pezos de ferro 9 caixas fazendas d algo-
dio 1 caixa com urna cadeira 4 fardos fa-
zendas de laa a Kenworlhy & C.
19 fardos com fazendas de algodio, 66
caixas com dita de linho 100 barris com
manleiga a James Crabtree & C.
7 caixas com fazendas d'alffodio 3 ditH
a
i.i .miiu i"-, i^i mim hww ""'r ~ ... caixas com lazenuas U ainuuao u u
-liz a historia qu? chegasse a recuperar o seu I com ,jta (le |jnn0 2ditas com pappl e livros.
-.11.. _.___c______ U r.lmAn r.
rell'xo.
Eis-aqui pois urna fantasa que se pode a-
jnntar com as de Joo Tenorio Joio de Es-
pera em Dos, Joio Maraa, e Pedro Schle-
mislhl que perdeu a sua sombra.
Bem digna de estudar-so e a litteralura
allemft, donde nunca saiu a nacionalidade
das antigs crengas o o peculiar romancis-
mo do seu pai/.. ( A Restauraco.)
CO VIM ERGIO.
ALFANDEGA.
Rendmento do dia 17 de Agosto 8:09Ly852
DESCABUEGA HOJE 18 DE AGOSTO.
Patacho Inglez =s Amicus = Fazendas gra-
xa cerveja chumbo tinta e cobre,
Brigue Bremense = Lowise = o resto da
carga.
Brigue Porlgue7.= Importador as o res-
da carga.
Patacho Americano == Ariel =a bolaxinha ,
baricas abatidas e com lampos.
Barca Ingleza ss Elisa Johnston= Fazendas,
ferragens cobre, chumbo e louca.
IMPORTA?A(5.
Patacho Americant = Ariel = vindo de
Phladelphia, entrado no cor rento mez con-
signado a Matheus Austin & Companhia
Manifestou o soguinte.
890 Barricas com farinha 63 meias dUas
com farinha 100 barricas com breu 500
harriquinhas com bolaxinha 6 fardos com
fasendas 478 barricas abatidas & perlences.
22 barricas com lampos 50 caixas com ca-
deiras, Matheus Austin & Companhia.
O Brigue Porluguez S. Domingos vlndo
signado a Thomaz de Aquino Funceca
Manifestou o seguinte.
20 Barris com azeile doce 6 caixas com
chapeos, 48 pipas com vinho, HO barris com
vinho 20 pipas com vinagre Thomaz d-
Aquino Fonceca.
com plvora 60 barricas com serveja,
W. E. Smith.
40 barris com ferragens O caixas com
cobro 1 barril com juegos de cobre a L.
G. Ferreira & C.
200 jitos com plvora, a James Cockshott.
v\ C.
200 ditos com dita, a Corbctt.
1 caixa com roupa e r trato, a Cooper.
100 barricas com graxa, a James Crablree
i caixas eom fazendas, a A. M. Hay & C.
1 dita com papel o livros A. Scbamm.
Fora do maniato.
1 embrtilho L. G Forreira&C.
l dito a A. II. Kay& C.
1 dito a Firmino Jos Flix da Rosa.
Oduziasde conservas, H garrafas coro
mustarda, ao Capitao.
O Brigue Franccz Berangcr viodo d
Buenos-Aires, entrado no crranle mez,
consignado a A. Schramm.
Mamfestou o seguinte.
2609 1[2 quiutaes de carne secca, ordem
Fura do manifest.
48 caixas com vcllas do .^bo 20 duxia*
de carneiras ao Capilo.
MOVIMEiNTO DO PORTO.
NAVIOS ENTRADOS NO DIA 17.
Aracaty ; 23 dias, Hiate Br-sileiro Olinda de
49 tonel. Cap i lo Joze Connives Simas ,
equip. 7 carga ; couros e Sola ; a Ma-
noel Joaquim Pedro da Costa.
Liverpool; 6t dias, Brigue Inglez Tilomas
Battersby de 325 tonel. Cap. John Loitcb ,
equip. lo : carga lastro: a James Crabtree
&C.
Ass ; 57 dias Patacho Brasileiro Cuatro da
Mato de 155 tonel. Cap. Joio Antonio da
Silva equip ll carga sal, couros e pa-
lha ; a Joaquim Gonsalves Ferreira.
SAHIDOS NO MESMO DA.
Aracaty ; Hiate Brasileiro Flor das Larangei-
ras ," Cap. Francisco dos Res Augusto ,
carga diversos gneros.
Rio de Janeiro por Macelo e Baha ; Vapor
Brasileiro S. Salvador, Com mandante Jotro
H.Otten.
Aracaty ; Sumaca Brasilera Estrala do Cabo,
Cap." Joaquim Joze Anlono carga diver-
sos gneros.
EDITA!,.
I barrica com ferragens, a M. Calmont & C
79 caixas com fazendas d'algodio a Rus
sell Mellors di C.
5 ditas com dita a Lathamiv. Ilibbert.
8 fardos com dita do linho a Jones Pa-
tn & C.
18 caixas com dito de linho ao dito.
3 caixas com queijos, 2 ditas com conser-
vas, 10 presuntos, 35 caixas com fazendas
d'algodio. 20 fardos com ditas de dito, a
VV. E. Smith.
75 barris com manteiga, a James Cockshott
&C.
12 caixas rom fazendas d'algodio, Deane-
Yol & C.
50 barris cora manleiga a Jos Pereira
da Cunta.
4 rolos de chumbo 2 barris com dito .
4 barricas cm arvo, 3 ditas com forra
gns, 1 fardo com couros 10 barras de fer
ro 1000 caixas com sabio, 12 caixas de fo-
lhas do cobra a ordem.
Fora do manifest.
1 caixa a Rnsscll Mcllores A C. 1 dita a
Litham & Hibbort, 10 embrulhos com amos-
tras adivercos 30 presuntos, 40 queijos .
3 barris com conservas 1 caixa com mus-
tarda 4 espingardas, 1 barrica com bata-
tas a ordem.
0 Patacho Inglez -- Amicus vindo d
Londres entrado no corrente mez consi-
gnado a M. Calmont. & C., manifestou u
eguinto :
6 earris com drogas W. May.
200 ditos com plvora, a Jones Patn & C.
20 ditos com alvaiade 400 ditos com tin-
tas 400 ditos com plvora 5 caixas com
fazendas a Fox & Irmios.
30 barris com o leo de Imhaca J. J. d
Cruz. :
56 toneladas de carvio de podra 4 caixas
-..ni fazendas, 240 barris com plvora a
M. Calmont. & C
1 caixa com papel e livros, 200 barra
Luiz Francisco de Mello Cavalcante Escrivi
de Administrador da Meza de Rendas Inter-
nas Provinciaes d'esta CidadeAc.
Faz publico para quo chegue ao oouheci-
mi-nlo de todos os possuidores de predios or-
anos dos trez 1 Ja ir ros desta Cidade e Povo-
hqo dos Ahogados que desde do dia 8 do
corrente mez se principiou a contar o juro
de um por cento ao mez sobre a quantia
que estiverem a dever da respectiva Decima
urbana, e mais impostos Provinciaes; tudo
em conformidade do art 38 da Le Prefincial
n.94de 7 de Maio desle anno. E apra que che-
que a noticia de todos mandn axar o pre~
zente e publicado pela imprensa. Recie 17
de Agosto de 1842.
Luiz Francisco de Mello Cavalcante.
THEATRO.
Domingo 21 do corrente grande funotfo,
le Rafael, e Madamoizel Lucci as depoi da
l. overtura se representar a muito aplau-
da peca em 5 autos O Convidado de
Pedra.=
No fim do 2. acto, Rafael Lucci, cantar
urna nova cavatina da Opera Gazza Ladra ,
= II mi piano e preparato, as msica do
celebre Rossini. No Gm do 4. acto Madamoi-
/.el Lucci, juntamente com seo pai, caot'
rao um novo Duelo da Opera Elisa a Claudio
So un instante = msica do Snr. M.* Sa-
verio Mercadante. No fim do 5. acto RaflMl
Lucci, juntamente com sua ilha dario fim
.o expectaoulo com um applaudido novo Du-
to = da Opera Rinaldo ed Armi'la M a-
mor possente Sume. = Msica do celebre
Rossini.
Rafael Lucci penhorado do acolhimento
(|uo lera recebido do respeilavel publico deala
Capital, envidar todas as suas forcas para a*
presentar aos seus benignos protectores dife-
rentes, e novas pegas de muzica dos meioraa
lulhores, a fim de deixar sempre saptiafei-
toa os amadoras desta divina arte.
N. B. O Expeclaculo lera lugar ao dia mar-
cado nio chovendo das 6 horas da tarda
m vante e no caso de chover se transfirira.
marca ndo-seo dia polas folhas publicas.
Pruicipiar as 8 horas e meiaem ponVo.^


4
Avisos martimos.
= Frea se para qualquer porto da Euro
pa o briguo Brmense Louise de superior
ma rolia forrad), e incavilhado de cobre,
na ra da Cruz D. 60.
AVISOS DIVERSOS.
^- as lejas ern que se vendem
bilhetes das Loteras Ho Theatro ,
por conta do hiesmo Theatro an-
da existe nm pequeo resto de bilhe-
tes c meios bilhetes da Lotera ,
que hoje corre pelo seo justo pre-
cio de 4 e 8'ooo reis.
' =Aluga-se hum terceiro andar no be^o do
peixe frito D. 3 com cmodos para pouca
familia, quem o pertender derija-se a ra do
padre Floriano venda qne fica junto ao beco
tapado N. 35.
=UmaSnra. de bons costumesse prope a
tomar criancas com ama para se criarem com
lele empedidas e desun pedidas, e iambem
se recobem as que estiverem j desmamadas
para se acabarem de criar com todo o mimo e
amor : mora na ra do Livramento sobrado
D. 2. junt> a loja da viuva de Joo Carlos
Fereira de Burgos.
tsr Ossrs. que assgnario e apartaro
h lurtes da 1. parte da undcima lotera do
theatro ( a qual corre no dia 18 do correte )
na loja do Guerra Silva & C. na ra nova D.
0, queiio (az-r o favor de hir buscar em
lempo competente alias serio vendidos, ou
entregues ao thesoureiro.
tST Aluga-se um terceiro andar e solo ,
na ra da cadeia do Recife X. 6 : trata-se
com Manoel Antonio da Silva Motta.
tsT" As pessoas que quizerem mandar en-
gomar e lavar tudo feito com per
feigao podem dirigir-se a ra da Gloria caza
segunda depois do quintal do recolhimento ,
onde ochai" com quem tratar.
t^" Maria Joaquina de Sena e Calhari-
na de Sena c Souza, professoras particulares,
que foro do collegio do Espirito Santo-, pro-
poem-se a ensinar mininas a 1er escrever.
contar arithmetica cozer bordar; to
bem recebem em sua caza algumas meninas
depessoasque morao fora da cidade ou que
morando na cidade asquiro confiar da sua
eduei(;o ; quem pretender uliliz u'-se do seu
presumo dirija-se a ra dtreila 3. andar do
sobrado em que mora o sr. procurad)r fiscal
A. J. de M.-llo.
jar No dia 18 do correnteao depois da au-
diencia do Doutor juiz dos orfos e auzentes,
Francisco joao Carn*iro da Cunha se bao
de arrematar em leilo urna porcao de pedras,
e 2 botes com seos utencis cujas arremata-
rles se faz no recife, e lugar dos objectos sen-
do a dinheiro a visla assim como pelas A
horas da tarde 2 escravas na porta do mes-
mo juz ; todos e9tes bens perlentes ao lina-
do liahinlestado Antoniojoiquim Pareira.
= Hypoteca seou v^nde-se urna casa nova
que anda nSotem repartmenlo sendo hy-
potecada por pequea quantia; quem lliecon-
vi<>r annuncie ou dirija-so ao atierro dos
Affugados defronte do viveiro D. 32 ou fal-
le com Francisco de Barros Rfgo.
CJ*
PILULAS VEGETAES E UNIYERSAES AMERICANAS.
Estas pilulas j bem conhecidas pelas gran-
des curas que tem feito, nao requerem nem
dieta, e nem resguardo algum ; a sua cona-
posicSo to simples,' que nao fazem mal a
mais tenra enanca : em lugar de debilitar ,
fortifieo o systema puritico o sangue ,
augmento as secregfles em geral: tomadas,
seja para molestia ehronica ou somente co-
mo purgante suave; o melhor remedio que
tem apparecido, por nao deixar o estomago
naquelle estado, de constiparlo, depois de sua
operago como quase todos os purgantes fa-
zem e por seren mui facis a tomar e nao
causarem incommodo nenhum. O nico de-
posito dellas em casa de D. Knoth, agen-
te do author: na ra da Cruz N. 57.
N. B. Cada caixinha vai embrulliada em
seu receiluario como sello da casa em la-
cre*preto.
tsr Perdeo-se na madrugada do dia 14 do
corrente um ponteiro de ouro cora urna
borla na aberta tambem de ouro na ra da
Cadeia velha e do. beco do Vigario atlie a
porta da Igreja da Madre do Deo9 ; quem o
tiverachado ou Ihe for oflerecido haja de
o restituir na ra na Cadeia n. 55 que ser
recompensado.
c^- Alugao-se o primeiro terceiro andar
e armazn da caza da ra da praia que bota
para a ruado Fagundes com bastantes com-
modos para grande familia : na ra da Cadeia
numero 55.
tsy Na noutede 13 do corrente para aina-
nheC'T no dia 14, desapareceo do sitio da
estrada de Beleo que faz quina com o beco
do ospinlHiiro um quarto russo capado ,
descarnado, frente abert-, cabega grande,
com urna chaga pequea no espinhaco na
frente do peito urna esfola lura os quartos
ambos feridos cauda curta ; julja-se ter si-
do Curiado ; quem delle tiver noticia ou for
off-recido haja de o tomar ou annunciar
por este Diario a sua morada que ser gra-
tificado.
t&r Restando por pagar pequeo numero
de bilhetes premiados da
quinta lotera do Livramen
da mesma, faz scienle que pagar todos os
das das 7 as 9 horas da manh aquellos
que Ihe forem apresentados na caza de sua
residencia na ra das Cruzes.
Quem precisar de urna ama parda pa-
ra todo o servido de urna caza dirija-se a
ra io Arago D. 37.
es* Quem precisar de roupa lavada e en
gommada por prego commodo, dirija-se a
ra da Roda n. 20.
t&~ Precisa-se de 500, a premio sobre hy-
potheca : na praga da Independencia loja
n. 14.
tsar OsSrs. Kalkmam gados a pouco do Maranho, queiro annun-
ciar suas moradas, que se Ibes desoja fallar.
trs*- OSr. J. F. M. queira vir pagar a
quem nao ignora a quantia de UOji que a
10annos deve ao fallecido Vigario Antonio de
Mello e Albuquerque do contrario se aza-
ra dos meios que a lei faculta.
ssr* Precisa-se de um caixeiro que lenha
boa letra para ser empregado em um estabe-
lecimento ; ua ra da senzala velha caza jun-
to a reslilaco.
Precisa-se de um rapaz portuguez pa-
Precisa-se de urna caza de um s an-
dar que tenha quintal e cacimba e que
nao seja em ra exquisita ; quem tiver para
lugar annuncie.
tsr O abaixo assignado faz sciente aos
credores de Moura & Silva que hajo de llio
apreseiilar as contas do que os mesmos Ihe
ficaro devendo pertencenle a venda que
livor8o na praca da Boa vista pira serem
pagas. = Manoel Ferreira Lima.
tS3^ Jo8o Felipe de Souza Lefio torna a de-
clara a quem convier que elle como herdei-
ro e inventariante do vinculo de N. S. da
Conceieao dos coqueiros da Boa vista he a
nica pessoa aulhorisada para receber os fo-
ros e laudem ios periencen tes ao mesmo vin-
culo como ja se acha declarado por despa-
cho do Sr. Dr. Juiz de Orfos, de 16 de Agos-
to do corrente.
tss* Preoisa-se alugar um moleque do 12
a 18 onnos que seja fiel e intelligente e
saiba fazer todo o servir de urna caza : na
ra dos Quartcs primeira caza de sobrado
junio a polica.
tST luga-se o primeiro andar do sobrado
n. 42 na ra da Cadeia do Recife onde tem
loja de chapeos : a tratar na mesma loja.
t3* 0(lerece-8e um rapaz portuguez, che-
gado ltimamente do Porto, para qualquer
anumacao : na ra Direita venda D. 20.
tav*Quem quiser enearregar-s^ da cobran
ca de urna divida de oo nesla praca, dndo-
se urna gralificaco su frivl, dirija-se a praca
da Boa vista sobrado D. 11.
ts?* Aluga-se urna caza terrea com bom
quintal cita na Cidade de Olinda, ra de
Malinas Ferreira n.23, por 5# mensal : a
tratar na caza mediata n. 24, ou no Recife na
ra larga do Hozario botica D. 10.
t* OSr. Domingos Joze Marques, dirija-
se a ra do Crespo D. 6 lado do norte pa-
ra receber urna carta vinda do Cear.
COMPRAS.
tSf" Na praga da Boa vista n. 3 sobrado
'Sor^tTdi PrCma dabotCa d S'.Coto, continua-se
,1 n h! 1!! a comprar escravos para fora da provincia,
^?.b0.:0,Tei:. exigindo-se s serem mogos sadios e de bol
nitas figuras, pagar-se-ho bem ( como he d<
coslume) e melhor se pagaro sendo bons pe-
dreiros car pinas; e ferreiros ; e negras ou
pardas prendadas.
." Urna prensa para copiar cartas, an-
da mesmo uzada : quem tiver annuncie.
tsr Porgo de frascos grand< s garrafas ,
e sacos vasios: na ra da senzala velha caza
junto a restlagao.
>*t3* 0 Peregrino da America : quem tiver
annuncie.
VENDAS.
Para o Rio de Janeiro o Patacho Ame-; ra caixeiro de urna venda : as 5 ponas De-
rcano Ariel, pertende sabir no dia 20 do
corrente tefido bons com modos para passa-
geiros ; os pertendeiites dinjao-se aos con-
signatarios na ra o Trapixe n. 12.
x^- O Brigue Bom Jezus sae para o Rio
de Janeiro no dia 20 do corrente recebe an-
da escravos a frer; trata-se em caza de GtU-
dinoAoslinbo de Barros ou com o Cap to
Joo Rodrigues Amaro
ts^ Quem for dono de urna negrinha de
15annos, de nagao benguella anda meia
bruta que nao sabe dizer quem he seu sr. ,
dirija-se a Olinda sitio defronte da igreja do
??.'?.'Junto a .'"br!ca d0 BnJ"10 Gervasio, ten- Lupe que justificando com lestemunhas Ihe
^ isy Aluga-se um grande sobrado allos e
ttaixos denominado fnndo, na ra da Glo-
< o iiuilii I lu .iii .I .. Si _> .. i I .. i
rima 46.
tsf* Offerece-se urna ama para caza de um
bomem sol lei ro ou viuvo cose mui bem ,
engomma de toda qualidade borda e cose ,
s nao se sugeila a cozmliar : na ra di Hor-
las sobrado junto a Igreja dos Marlios ro se-
gundo andar.
dtim grande solAo com 3 quartos, cozinha,
jhellas : o sobrado tem 6 quartos, duas
'ttoas decentes salas muito frescas, todo cor-
rido de jmilas pelos oites com excellenie
"Vista prn. o mar tendo um pequeo sitio
murado com mu i las arvores de fructo, c par-
itfraes liom porto de embarque estribara
para \ cavallos 4 pogosdeboa agoa ten-
do'um'delles urna ora rom telheiro c tan
r#f'nn para banbo e lavagem de roupa ; quem
y pretender Uirija-se a ra velha da Boa vi.Ua
4M89.
t!T Boga-so ao Sr. que deo urna peca de
(BBfftiio'na ruados Martirios D. 14, para se
ftzer camisas e urna camisa de madapolao
para amo-Ira queira ir busca-las por estes 8
iffs;'pois ja eslo a bastante lempo prom-
ptas e como iab tenha aparecido o dito do-
no eas cosireiras se querem rerirar para
fora | por isso se faz o presente annuncio.
ser entregue
V3- Precisa-se de um feibr que trabalhe
do enchada queentenda de arvoredos, orla,
e vaccas para um sitio na Magdalena: na
ruado Agoas verdes sobrado D. 10.
tsr Deseja-se alugar por anno um sitio
abeira do rio perto da praga, que tenha caza
capaz para pequea familia que tenha co-
X' ira estiibaria. e capim para dous cavallos;
quem o tiver dirija-se ao consulado dos Pai-
zes Baixos na ra da Cruz D. 4 ; na mesma
caz8 compra-se urna prela de 10 a 20 annos ,
recolhida e que seja perfeita mumbanda e
roslureira.
ts^ I)-sel00.ya premio de 2 por cento
ao mez sobre pinhores de ouro: atraz do Cor-
po Sanio n. 06.
Quem precisar de um caixeiro para
loja de fazenda
da Cruz D, 24.
ou venda dirija-se a ra
y Bilhetes da Lotersa
do Poco da Pauella, cujas
rodas ando impretervel-
mente no 1. do mez de
Setembro : na ra da Ca-
deia do Recife loja de
cambio do Vieira na ra
do Queimado loja de Jo-
o da Silva Santos e na
ra do Gabug botica de
Joo AI ore i ra.
x^" Agoa de tingir os cabellos e singas :
ua ra do Livramento loja de chapeos D. 19,
dar-se- o metbodode aplicar.
tsr Urna canoa muito boa de vella co-
nliecida por Leoa com lodos os sus perten-
ces em bom estado : no principio do atterro
dos AIogados padaria Docima 17 confronte
o viveiro do Muniz.
ey Una escrava de meia idado de nacAo
angola sadia e sem vicios para o servico
de urna caza : na ra velha D. 22.
S23T Dous pares de adragonas de ouro pi-
ra lente galao de prata fina dito do ou-
ro aparelhos modernos piira guarda nacio-
nal; e osgenuinos pos anti-biliosos e purgan-
tivos ; ludo por prego commodo na praca
da Independencia D. l loja de Antonio Fe-
lipe da Silva.
tsy as bem feitorias com urna bonita
caza de taipa cita em um terreno foreiro ,
entre as 2 pontes da passagem da Magdale-
na com 64 palmos de frente a 500 de fundo ,
por prego commodo ; urna bonita toalha de
bom Invarinto e mui forte : na ra Nova la-
do do norte penltima loja.
tsr Vendc-se e abra-se terrenos na estra-
da do manguinhoecapunga tendo estes de
fundo 600 a 700 e tantos palmos, boa baixa
para capim ; o aquello com 200 e tantos pal-
mos de lundo plantado do "xcellenles laran-
geiras a maior parte de embigo "e algumas
outras frutas a dinheiro ou a praso: no se-
gundo sitio do ladoesquerdo passando a pon-
te do manguind.
ts&" Na povoaco dos Affogados ra de
S. Miguel vende-se urna morada de caza
terrea : a tratar na ra Direita D. 4o.
CT Superior tinta de escrever a 380 rs.
a garrafa e sem a garrafa a 320 : na ra de
S. Rita Nova, lado oposto a igreja D. 17.
tsy )m cavallo alazo, manteudo : a
estrada dos Aflictos no sitio da matarineira
antes de virar para a estrada do Rozarinho
do lado direito.
tsy Sapatos inglezes para homem che-
gados ltimamente por prego commodo-, na
praga da Independencia n. 17.
tsr- Serveja branca de superior qualidade,
por preco commodo : na ra da Cruz D. 00.
tsr Potassa da Rnssia em barris grandes e
pequeos por prego commodo : na ra da
Cruz D. 60.
W l!ma escrava moga do gento de ango-
la de22 annos, lava engomma liso, cose
alguma couza e he boa quilandeira : na en-
trada .la ra do Rangel loja de cera D. 37.
tsr Urna barcassa que pega em 8 caixasde
assucar : por cima do armazem de Joze Anto-
nio da Silva Vianna na ra da Moeda no forte
do Mattos.
13- Urna escrava de meia idade vende-
deir de fazenda tanto na praca como no
mallo por prego commodo : na ra do Pa-
ire Floriano ; D 8. ao p do lampiao.
%sr TJm negro de n ago angico, com vinte
e cinco annos de todo o servigo : na ruado
Nogueira D. 6; na mesma aluga-se um ne-
^-ro sabe, cozinhar comprar e fazer todo
a.-ranjode urna caza de familia.
OP" luna canoa de carreira com pouco uzo-
e em bom estado : na ra da Cadeia N. 35.
W L'ma prenga de espremer caj: na ra
Direita venda D. 29
orMarques & Veiga, em sua caza na ra
do Amorim prezunlo bom a 200 reis a libra,
sacas com arroz de casca a 4ji chocolate ,
agoardenlc do reino de 29 graos garras
brancas e loucinho de Lisboa em barris de '4
arrobas.
tar* Urna escrava muito linda recolhida ,
de 10 annos cozo chao emgoma lizo e
com principio'de fa/.er renda ; e he muito ca-
rnhoza puracrianga ; na ra do Livramento
segundo andar do sobrado D. i.
250 varas de pao de algodo da trra ,
150 varas a prego de 220 reis cada va-
sendo
ra e 100 ditos a 240 muito bja fazenda. ca-
rnizas de clu'la a 500 reis cada nma 50 ba-
hus enrourados de 3 palmos de comprimento
a 3,> cada um : na pracinha do Livramento
Numero 29.
SST i canoa aborta de amarello muito bem
construida, que carrega oito ceios a novo
ceios lijlos de alvenaria groca por pre-
go commodo: no cstaleirode Joaquim Jozo
dos Santos ou na ra Velha da Boa-vista ven-
da D. 19 ; na mesma se vende urna escrava
de nacao bonita figura.
= Bilhetes e meios ditos da Lotera do
thealro : na praca da Independencia loja do
miudezas n. 2l o 22. -
S2^- A recriagao ilozofica ltimamente che-
gada de Lisboa, por prego commodo : na ra
da Cadeia armazem n. 40 de fronte da ra da
Madre de Dos.
OJ Lagedo de Lisboa, calgado de dito,
marina gouima arabia essencia de roza ;
raizde altbea ; mercurio; linba de roriz; ce-
ra em pao ; pregoscaixaes ; dilos ripares da
Ierra ; bat.| ; colheres do lalo ; bonets de
oleado com palla ; grvalas de seda ; cha is-
son feijo brauco em sacas ; tudo de boa
qualidade, e por preco commodo : na ra
do Vigario D. 15 caza de alendes & Oiiveira.
tsy Bilhetes e meios dilos da lotera do
thealro : na ra do Cabug loja de miudezas
junio do Sr. Bandeira.
tsw Bilhetes inteiros da lotera do thealro
a 8,>400 e meios dilos 8 4, 100 : na praga da
Independencia loja n. 20.
er Bilhetes da lotera do Thealro : na lo-
ja de Carioca & Selle, ra do Queimado D. 13.
LSCRAYOS FUCIDOS.
C5" No dia 15 do corrcnlc fugio o prelo
Francisco do nagao mogambique baixo ,
gn.sso do corpo pouca barba seg de um
oilio vestido de calga de algodaf) da trra ,
o camisa do mesmo de mangas curtas :
quem o pegar leve a ra da Cruz no Recite n.
90 que ser gratificado,
RECiFE NA TYP. DE M. P. DE F. 1848


Full Text
xml version 1.0 encoding UTF-8
REPORT xmlns http:www.fcla.edudlsmddaitss xmlns:xsi http:www.w3.org2001XMLSchema-instance xsi:schemaLocation http:www.fcla.edudlsmddaitssdaitssReport.xsd
INGEST IEID EG9OUECGX_V9HSDP INGEST_TIME 2013-04-13T00:23:10Z PACKAGE AA00011611_04773
AGREEMENT_INFO ACCOUNT UF PROJECT UFDC
FILES